Você está na página 1de 5

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA...

VARA
CRIMINAL
DO JURI DA COMARCA DE...

Processo Nº:...

JERUSA, já qualificado nos autos do PROCESSO CRIMINAL em


epígrafe que lhe move o Ministério Público , Justiça Pública, por seu
advogado, abaixo subscrito, cujo instrumento de procuração segue em anexo,
inconformado com a respeitável decisão de fls. ...prolatada por Vossa
Excelência ,que incidiu a acusada nos artigos 121 e 18.I final do Código
Penal , tramitando perante Vossa Excelência , vem, perante Vossa
Excelência, interpor

RECURSO EM SENTIDO ESTRITO.

Dentro do prazo legal e com fundamento no artigo 581, IV do Código


de Processo Penal consoante as razões recursais que seguem em anexo .
Assim a recorrente pleiteia o RECEBIMENTO E O
PROCESSAMENTO DO PRESENTE RECURSO e espera que Vossa
Excelência exerça o juízo de retratação , previsto no art. 589 , parágrafo
único do Código de Processo Penal, a fim de que IMPRONUNCIE A RÉ
do crime capitulado no art.121 e 18 ,l do código penal PARA O CRIME
CAPITULADO NO ART. 302 DO CÓDIGO DE TRANSITO BRASILEIRO.

Desse modo , caso Vossa Excelência não exerça o juízo de


retratação, a recorrente requer O ENVIO dos autos ao EGREGIO
TRIBUNAL DE JUSTIÇA esperando o provimento do presente RECURSO EM
SENTIDO ESTRITO.
Nesses termos,
Pede deferimento

Local e 09 de agosto de 2016

Advogado
OAB Nº... UF.........

RAZÕES DE RECURSO EM SENTIDO ESTRITO


PROCESSO CRIME Nº: ...
RECORRENTE: JERUSA
RECORRIDO: MINISTÉRIO PÚBLICO

EGRÉGIO TRIBUNAL DE JUSTICA DO ESTADO DE ...


COLENDA CÂMARA CRIMINAL.
DOUTA PROCURADORIA DE JUSTICA

Colenda Câmara Criminal, a respeitável decisão proferida pelo


Meritíssimo Juiz de Direito da … Vara Criminal da Comarca … está em total
discordância com os ditames legais, sendo imperiosa a sua reforma, conforme
exposição a seguir:
1. DA TEMPESTIVIDADE
O presente recurso em sentido estrito MERECE SER PROVIDO, para
que seja DESCLASSIFICADO o homicídio doloso (artigo 121 c/c artigo 18, I
ambos do Código Penal) para o crime de homicídio culposo na direção de
veículo automotor (artigo 302 do Código de Trânsito Brasileiro).

2. DOS FATOS
Jerusa, atrasada para importante compromisso profissional, dirige
seu carro bastante preocupada, mas respeitando os limites de velocidade. Em
uma via de mão dupla, Jerusa decide ultrapassar o carro à sua frente, o qual
estava abaixo da velocidade permitida. Para realizar a referida manobra,
entretanto, Jerusa não liga a respectiva seta luminosa sinalizadora do veículo
e, no momento da ultrapassagem, vem a atingir , Diego, motociclista que, em
alta velocidade, conduzia sua moto no sentido oposto da via. Não obstante a
presteza no socorro que veio após o chamado da própria Jerusa e das demais
testemunhas, Diogo falece em razão dos ferimentos sofridos pela colisão.

2. DO DIREITO

2.1 . PRELIMINARES:
2.1.2 ) Nulidade por incompetência do juízo, nos termos do art. 564, I do
Código de Processo Penal,
Assim, como a INEXISTENCIA da ocorrência de crime doloso contra a
vida, o tribunal do Júri não é competente para apreciar a questão, razão pela
qual deve ocorrer a desclassificação, nos termo do artigo 419 do Código de
Processo penal.
2 .1.3) Ausência de pressuposto ou condição para o exercício da ação penal, o
que deveria ter motivado, desde o início, a rejeição liminar da peça acusatória,
conforme previsão no art. 395, II do Código de Processo Penal .

Dessa Forma, percebe-se NITIDAMENTE que a conduta que melhor se


adequa ao caso ora discutido é a conduta prevista no artigo 302 do Código de
trânsito Brasileiro, razão pela qual a Recorrente deverá responder somente
pela prática de Homicídio culposo na Direção de Veículo Automotor.

2.2) MÉRITO

A apelante foi, erroneamente, condenada pelo crime de homicídio


simples na modalidade dolosa pelo juízo ad quo. No caso aqui citado, Jerusa,
apesar de preocupada, observava os limites de trânsito impostos pelo CTB e
ao bom senso comum, seguindo seu caminho mantendo a velocidade dentro
da permitida no local em que se encontrava. Porém, por um descuido, não
veio a acionar a Jerusa não liga a respectiva seta luminosa sinalizadora do seu
veículo
Deste modo , não há como afirmar que a Recorrente incorreu em culpa,
isso porque para que se caracterize o dolo eventual se faz necessário, além da
previsão do resultado, que o agente assuma o risco pela ocorrência do mesmo,
nos termos do artigo 18, inciso I (parte final) do Código Penal, o que confirma
que o nobre representante do Ministério Público Estadual não foi feliz ao adotar
a Teoria do Consentimento.
Sendo que, Excelência houve culpa exclusiva da vítima,pois ela vinha
trafegando em sua moto em alta velocidade , que não houve possibilidade dela
freiar o seu veiculo e evitar a colisão com o veiculo da denunciada o que
elimina, na conduta da acusada, o dolo e a culpa. Sem a presença de elemento
subjetivo, não existe a possibilidade de caracterização de tipificação penal.
Consequentemente, deve ser defendida a tese de que a conduta de Jerusa
caracteriza-se como fato atípico, sendo incabível a sua pronúncia.
4.PEDIDO

Diante do exposto, requer seja conhecido e provido o presente recurso


em sentido estrito, com a finalidade de :
a) preliminarmente, que seja reconhecida a nulidade arguida, com
fundamento legal contido no art. ...., anulando-se a decisão de pronuncia.
b) na hipótese de rejeição da preliminar, quanto ao mérito requer-se a
absolvição sumária, com fundamento legal no art. ....
c) se Vossa Excelência entender por bem não acolher o que pedido no
mérito, pleiteia-se subsidiariamente, a despronúncia da Recorrente, com
fundamento legal no art...302 do Código de transito Brasileiro, que seja
reformada a respeitável sentença de pronúncia, DESCLASSIFICANDO o
homicídio doloso (artigo 121 c/c artigo 18, I ambos do Código Penal) PARA O
CRIME DE HOMICÍDIO CULPOSO NA DIREÇÃO DE VEÍCULO AUTOMOTOR
(artigo 302 do Código de Trânsito Brasileiro).

Local e 09 de agosto de 2016.

Advogado
OAB