Você está na página 1de 2

UM POUCO DA HISTÓRIA DO VOLEIBOL

O voleibol é um jogo em que os jogadores tocam a bola, preferencialmente com as mãos, com o
objetivo de fazê-la cair no lado do adversário, atravessando a rede que separa os campos de cada equipe. Não é
permitido carregar ou segurar a bola, que, no entanto, pode ser tocada com qualquer parte do corpo, inclusive
com os pés. A bola deve ser lançada para o lado adversário, e vice-versa, por cima da rede que separa os
campos de cada equipe.
O esporte foi idealizado por William Morgan, na Associação Cristã de Moços de Holyoke,
Massachusetts (Estados Unidos da América), por volta de 1895.
Inspirado no tênis e desenvolvido para ser um jogo recreativo para senhores, o voleibol era lento
e pouco movimentado. Consistia em manter a bola em voleio por cima da rede que dividia a quadra ao meio, a
1,90 m do chão. Daí o nome voleibol.
Introduzido nas escolas, logo alcançou grande popularidade e, com a modificação de algumas
características, tornou-se um jogo rápido e movimentado, que exige bom preparo físico e técnica apurada.
Em 1947 foi fundada a Federação Internacional de Voleibol (FIVB), que regulamenta o esporte em
todo o mundo. Dois anos depois, ocorria em Praga, na então Tchecoslováquia, o primeiro campeonato mundial.
A Liga Mundial, que hoje organiza um dos principais torneios internacionais da modalidade, surgiu em 1990,
atestando a disseminação do voleibol. Em 1996, o vôlei de praia, que já vinha ganhando popularidade, ganhou
status de esporte olímpico.
Hoje o voleibol disputa a preferência internacional como um dos desportos mais praticados da
atualidade.

O VOLEIBOL DO BRASIL
Não se sabe ao certo quando o voleibol chegou ao Brasil. Há quem afirme que o Colégio Marista
de Pernambuco foi quem realizou a primeira partida de voleibol em solo brasileiro. Hoje temos documentos
que indicam que o esporte foi introduzido no Brasil pela Associação Cristã de Moços.
No primeiro Campeonato Sul--Americano de Voleibol, promovido pela Confederação Brasileira de Desportos
(CBD) em 1951, o Brasil ganhou os títulos nas categorias masculina e feminina. Em agosto de 1954, foi criada a
Confederação Brasileira de Voleibol, com a finalidade de regulamentar a prática do esporte no país.
Participando pela primeira vez de uma olimpíada, em 1964, no Japão, a seleção brasileira de voleibol
classificou-se em 7a lugar na categoria masculina.
Partida entre Brasil e Estados Unidos nos Jogos Pan-Americanos de 1963.
Nas últimas décadas, o Brasil tem ocupado lugar de destaque no voleibol internacional. No masculino,
conquistou a medalha de prata nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, em 1984, e de ouro nos Jogos Olímpicos de
Barcelona, em 1992. Em um único ano (2008), o vôlei brasileiro disputou 63 competições e subiu ao pódio 62
vezes, com destaque para as medalhas de ouro para a seleção feminina e prata para a masculina nos Jogos
Olímpicos de Pequim. Nas Olimpíadas de Londres, em 2012, a dobradinha ouro feminino, prata masculina
voltou a se repetir. Até 2012, o grupo masculino havia se consagrado nove vezes campeão da Liga Mundial e
oito vezes campeão do Grand Prix.
Atualmente vigora no país um novo modelo de gestão empresarial do voleibol, graças ao qual foi inaugurado
em 2003 o Centro de Desenvolvimento "Aryzão", em Saquarema (RJ), para treinamento das seleções e
avaliação de novos talentos.
O VÔLEI DE PRPIR
O vôlei de praia, cuja tradição no Brasil remonta aos anos 1930 em torneios amadores nas areias de Ipanema e
Copacabana, no Rio de Janeiro, também ganhou destaque, colecionando medalhas e campeonatos como o
Circuito Mundial. Um grande momento aconteceu nos Jogos de Atlanta, em 1996, quando a dupla feminina
Jacqueline Silva e Sandra Pires ganhou a medalha de ouro, jogando com outra dupla brasileira. Em Londres
2012, a dupla Alison Cerutti e Emanuel Rego conquistou a medalha de prata, enquanto no feminino Juliana Silva
e Larissa França ficaram com o bronze.
COnSIDERfíÇOES SOBRE O VOLEIBOL
O jogo de voleibol inicia com a bola sendo lançada para o campo adversário por um jogador que se coloca atrás
da linha de fundo de seu campo. Esse lançamento é chamado saque. O direito ao primeiro saque ou à posse de
bola é decidido
O objetivo do jogo é fazer com que a bola caia no chão do campo adversário. Quando a equipe adversária não
consegue devolver a bola dentro da área de jogo (bola fora) ou quando, utilizando até 3 toques, não consegue
devolver a bola, a equipe que fez o lançamento marca pontos.
Quando a equipe que saca erra, seu adversário marca ponto e adquire o direito ao saque, realizando antes um
rodízio das posições dos jogadores na quadra. Essa característica torna o voleibol um jogo bastante dinâmico,
em que todos devem saber atuar em todas as posições.
Entre 8 e 10 anos, jogos pré-desportivos de caráter lúdico podem despertar e alimentar o interesse da criança
pelo voleibol, além de desenvolver habilidades físicas e coordenativas. Bons exercícios são os jogos de peteca e
minivoleibol, cujas orientações estão disponíveis nas seções Treino de habilidades desta unidade, e o câmbio e
o voleibol gigante elementar (ver Temporadas). Nessa fase (conhecida como fase I), já é possível iniciar a criança
em fundamentos como o toque e a recepção, além de apresentar as regras básicas de jogo.
A fase seguinte, chamada por alguns especialistas de fase II da iniciação esportiva, estende-se de 11 a 13 anos e
propõe um aperfeiçoamento das técnicas básicas, bem como a introdução das noções de bloqueio e do saque
por cima; a criança já está apta a trabalhar noções como velocidade, tempo de reação e capacidade de
concentração. Na fase III, considerada de especialização, entre 13 e 14 anos, pode-se iniciar o treinamento em
posições específicas e trabalhar combinações táticas.
Para atingir os objetivos do jogo, é necessário que os atletas de uma equipe passem a bola entre si, utilizando
até três toques, de modo que a bola seja lançada para o campo adversário.
Uma partida de voleibol é disputada com 12 jogadores, seis de cada equipe. Cada equipe, por sua vez, deve ser
composta de 12 jogadores: seis jogadores que iniciam o jogo e seis reservas, que, normalmente, no decorrer do
jogo, substituem os titulares.
Ao entrar em campo, três jogadores colocam-se na zona de ataque. Estes são os atacantes. Outros três se
deslocam mais para o fundo da quadra, na zona de defesa. São os defensores. Observe:
O voleibol é jogado em sets. Quando uma das equipes atinge a contagem de 25 pontos, com uma diferença
mínima de dois pontos em relação ao adversário, completa-se um set (palavra da língua inglesa que significa
jogo, coleção, conjunto). Não havendo essa diferença mínima quando uma equipe completa 25 pontos, o jogo
se estende até que haja dois pontos de diferença entre ambas. Nas partidas oficiais disputa-se o melhor de
cinco sets. Portanto, vence o jogo a equipe que ganhar três sets.
Uma partida de voleibol não termina empatada, sendo que o quinto ser, ou r/e breok, terá uma contagem
diferenciada, encerrando-se quando uma das equipes fizer 15 pontos ou estendendo-se até que haja uma
diferença de dois pontos entre elas. Extraoficialmente, em campeonatos de ligas de desportos escolares e
outros, podem ser realizadas partidas disputando-se o melhor de 3 sets.
Os jogos oficiais devem ser conduzidos por dois árbitros, dois fiscais de linha e dois apontadores - são
chamados de oficiais do voleibol. Os árbitros assinalam as violações e determinam as penalidades. Os fiscais de
linha auxiliam os árbitros. Um apontador registra todas as ocorrências da partida e o apontador assistente
registra todas as ações do libero. Em jogos internacionais são exigidos quatro fiscais de linha.