Você está na página 1de 18

Orientação de Estágio Supervisionado AULA 2

Josali Amaral
Kelly Sheila Inocêncio Costa Aires
Maria Betânia da Silva Dantas

INSTITUTO FEDERAL DE
EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA
PARAÍBA

A constituição da postura
ética e responsável
do estagiário

1 OBJETIVOS DA APRENDIZAGEM

„„ Conhecer os princípios da ética profissional;


„„ Compreender a necessidade de construir uma postura
ética e responsável no contexto de sala de aula;
„„ Refletir sobre a conduta durante a realização do estágio.
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

2 COMEÇANDO A HISTÓRIA

Figura 1

Caro aluno,

No mundo de hoje ouvimos muito falar de ética, principalmente no nosso país,


onde as coisas não vão muito bem nesse assunto. Mas o que seria ética? Por
que no mundo de hoje se fala tanto em ética? Na última aula de Filosofia da
Educação nós tratamos desse tema e vimos como a ética se desenvolveu em
Platão e como que as organizações internacionais lutam incessantemente para
conscientizar a respeito da importância dos princípios universais, como o direito
à vida e à liberdade.

Mas nessa aula vamos falar de ética no sentido normativo, ou seja, como um
conjunto de normas de conduta que devem ser adotadas como parâmetro de
ação. Essas normas têm por finalidade garantir que o profissional assuma um
compromisso com a comunidade com a qual convive. Além disso, numa disciplina
que prepara para o exercício profissional, discutir as normas de conduta que
devem orientar a nossa prática implica em refletir sobre o nosso papel social
e sobre a responsabilidade que temos para com a sociedade. Especialmente
na nossa área de atuação, que prepara os indivíduos para viver em sociedade.

Nessa aula vamos introduzir alguns princípios éticos que regem o âmbito
profissional e suas implicações para o exercício do magistério, bem como refletir
sobre a conduta do estagiário durante sua experiência formativa.

3 TECENDO CONHECIMENTO

Como vimos em Filosofia da Educação, a ética tem como referência os textos


escritos por Platão, cuja maior preocupação era combater o relativismo do
discurso sofista. Nesse contexto, Platão propunha reflexões sobre a ideia de “Bem”,
26
AULA 2

“justiça” e “virtude”, indicando que a busca desses ideais deve regular a conduta
humana. Defendia que a sociedade perfeita deve ser regida por leis racionais,
as quais devem se pautar em princípios verdadeiros, cuja fundamentação está
na harmonia social e não em um fim externo, como beneficiar a alguém ou a
si mesmo. Tradicionalmente, ética é um conhecimento intimamente ligado à
política e ao direito, cuja função é organizar a sociedade por meio de preceitos
e princípios que propiciem o bem estar coletivo.

As leis e as regras têm função ordenadora das ações humanas e, por isso, estão
associadas a punições para aqueles que não as cumprem. Elas se referem a fatos
concretos, cuja experiência acumulada demonstrou a necessidade de interditar
a possibilidade de que eles ocorram ou propiciem condições para a ação do
Estado. Por exemplo, o assassinato, o roubo, a cobrança de impostos, o respeito
às autoridades. Mas quando nos referimos à conduta humana, estamos tratando
da perspectiva da ação futura, ou seja, de ideias ou princípios que são tomados
como parâmetro para as nossas decisões.

Nesse âmbito, o conceito que se deve discutir é o da norma, cuja finalidade


é a de estabelecer critérios racionais com os quais possamos tomar decisões
justificáveis. A norma difere da lei ou da regra por não estar associada à punição
(ABBAGNANO, 1997) e o indivíduo deve aderir a ela voluntariamente. Nesse
sentido, a obediência a uma norma depende da disposição que o indivíduo
tem para acatar um raciocínio como sendo um bem, assumindo-o como um
dever. Por exemplo, quando dizemos que o professor tem que ter uma atitude
compreensiva diante do aluno, essa orientação não é uma lei ou uma regra,
pois se o professor não quiser segui-la, não há nenhuma punição que o obrigue,
salvo ele fira algum dispositivo legal sobre a dignidade da pessoa humana. Mas,
o uso do bom senso leva o indivíduo a concordar que a compreensão facilita a
relação ensino-aprendizagem e na expectativa de criar um ambiente saudável, o
professor em questão aceita essa proposição como um dever ou um compromisso.

Em geral, ao falarmos de ética no campo do magistério, além dos preceitos


tradicionais ou virtudes, como ser honesto, atento, competente, amar o próximo
etc., devemos relacionar principalmente um conjunto de atitudes que demarque
a relação professor-aluno. Você deve lembrar que apresentamos um estudo
sobre essas atitudes nas aulas de didática. Visite a aula 7 daquela disciplina!

A Ética, no entanto, vai além de uma recomendação de uma lista de valores e


virtudes. Ela é uma reflexão sobre a conduta humana (ABBAGNANO, 1998) que
envolve a descoberta e a crítica dos princípios e crenças que regem a ação. Para
Herrero (1998), a possibilidade de fundamentação da ética está na estrutura do
discurso argumentativo. Isso porque é por meio dos atos de fala que expressamos
27
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

o significado de nossas ações. No discurso argumentativo há uma exigência


interna de reflexão e auto-reflexão para a elaboração das sentenças e organização
do texto (seja falado ou escrito).

Para construir um discurso minimamente coerente, o indivíduo precisa dominar


as instâncias sintáticas e semânticas da língua e pretender obedecer a critérios
de verdade, estar aberto a possibilidade de correção de suas ideias por meio
do diálogo e ser sincero. O autor citado supõe que quando nos propomos a
defender uma ideia, estamos a priori predispostos a expô-la a um interlocutor
e, ao menos essa intenção é sincera, o que leva o indivíduo a submeter seus
pensamentos ao julgamento do outro e a empregar proposições com pretensão
de verdade para demonstrar a validade de seus princípios.

Muitas vezes, os princípios e crenças que adotamos provêm de nossa cultura, e


são muito mais um costume herdado que uma ideia conscientemente adotada.
Isso faz com que a cultura de um povo se perpetue no tempo, mas também
que muitos dos aspectos negativos sejam conservados. Um exemplo disso
é o preconceito, cujos fundamentos estão assentados em opiniões que as
pessoas têm sobre cor, raça, gênero, religião, etnia e condição social, sem que
haja qualquer argumento plausível que sustente a existência real de diferenças
entre as pessoas quando as consideramos apenas como seres humanos. Esses
princípios que fundamentam várias formas de discriminação, quando analisados
criticamente, não passam de crenças adquiridas no universo da cultura, herdadas
de condições históricas específicas como a guerra, a colonização, a disputa
econômica, que deixam marcas ao longo do tempo. Por isso há a necessidade
constante do diálogo acerca de preceitos herdados pela cultura.

No âmbito da ética, os princípios não podem ser confundidos com crenças, pois
eles devem ser racionais e fundamentados, de modo que possam gerar a ação
justa e justificável.

Mas você deve estar se perguntando: “porque essa conversa toda”? Porque no
exercício do magistério estamos em contato direto com seres humanos em
formação e precisamos refletir sobre o que direciona a nossa conduta, se nossos
princípios são racionais e justificáveis ou se derivam de crenças infundadas. Isso
porque a função do professor se confunde com a capacidade humana de julgar,
de decidir entre o que é correto ou não.

No dia a dia da sala de aula, deparamo-nos com a necessidade de apontar o


certo e o errado, não somente ao que diz respeito aos atributos intelectuais de
nossos alunos, mas quanto ao seu comportamento e relacionamento com os
outros. Julgar implica em avaliar, seja o conhecimento ou o comportamento das
28
AULA 2

pessoas. Nós professores devemos fazer isso criteriosamente, caso contrário,


estaremos submetendo a vida dos nossos alunos às nossas opiniões particulares.
Não obstante, julgamos também a conduta de nossos pares, ou seja, de colegas
de trabalho, avaliamos a conduta dos pais e somos incitados a avaliar a sociedade
como um todo para incentivar nossos alunos a elaborar a proposições discursivas
sobre temas sociais.

No âmbito de todas as profissões, existem códigos de ética que procuram balizar


a conduta profissional em critérios minimamente racionais, com a finalidade de
garantir o bom relacionamento entre as partes envolvidas num serviço (MOTTA,
1984). Infelizmente, a situação profissional do professor no nosso país ainda é
tão pouco pensada que não foi criado ainda um documento com esse teor.
Entretanto, isso não significa que não haja uma preocupação com a conduta do
professor, pois as leis também refletem os princípios que orientam a conduta e
a legislação que rege a educação brasileira se apóia nos princípios humanísticos
defendidos pelos organismos internacionais, os quais procuram orientar para
garantir a igualdade de direitos, a dignidade humana e a liberdade de todos.

No estágio supervisionado, ocupamos uma condição intermediária, entre o aluno


e o professor regente da turma e tendemos a avaliar ambas as condutas, formar
opiniões diversas sobre as práticas de ambos. Portanto, é o momento ideal para
refletirmos sobre os aspectos éticos do exercício do magistério e começarmos
a fazer uma autoavaliação de nossos valores.

3.1 Pressupostos da ética profissional

É importante compreender que no mundo moderno as profissões foram concebidas


do ponto de vista liberal e isso significa que a autonomia do indivíduo no exercício
de um saber é o centro do reconhecimento profissional.

A profissão é um fenômeno moderno, marcado pelo advento da Revolução


Francesa e Industrial. Antes do século XVIII, a sociedade reconhecia os homens
de ofício, ou seja, aqueles que detinham certos conhecimentos teóricos e
práticos, que acumularam experiência em saber fazer alguma coisa. Em geral,
um homem de ofício era um prático, como um sapateiro, ferreiro, moleiro ou
mesmo um médico. Com a organização dos Estados nacionais nos séculos XV e
XVI, ofício também passou a designar o conjunto de atribuições de um homem
do Estado, um cargo “público”, para o qual eram reconhecidos certos direitos
ao indivíduo que o exercesse.

29
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

O início da era contemporânea foi marcado pela reestruturação da sociedade e o


mundo do trabalho foi impulsionado pelo advento científico, sendo totalmente
modificado. As antigas corporações de ofício deram lugar às fábricas e foi acentuada
a divisão entre trabalho manual e intelectual. Um dos fatores determinantes dessa
modificação foi o desenvolvimento de lugares específicos para o trabalho (antes
era uma extensão do lugar de moradia) e a organização do tempo artificial – o
relógio (antes o tempo era marcado pelo nascer e se por do sol e pelas estações
do ano), além de programas de treinamento para preparar as pessoas para aderir
a rotinas e aprender a manusear instrumentos técnicos/tecnológicos.

O século XIX foi, por excelência, o palco do surgimento das profissões liberais,
as quais se distinguem dos antigos ofícios pelo fato de que os sujeitos, além
de dominarem saberes específicos (teóricos e práticos), devem ser capazes
de tomar decisões e assumir responsabilidades. Em resumo, uma profissão é
definida pelo grau de autonomia que o indivíduo que a exerce detém. Nesse
sentido, distingue-se de formas de trabalho que submetem o indivíduo a práticas
repetitivas e mecanizadas, para as quais basta um simples treinamento.

Essa distinção, no entanto, é meramente formal, pois todo profissional exerce,


na prática, um ofício, com maior ou menor poder de decisão. Para Tomasi e
Silva (2007, p. 7), “essa distinção se dá devido ao fato de atributos da profissão
conferirem à atividade autonomia, um poder de autocontrole explicitamente
reconhecido pela sociedade”.

Podemos dizer então que a profissão se define pelo exercício da autonomia.


Vejamos o exemplo do ofício do médico e de um agente de saúde pública. O
médico detém conhecimentos teóricos e práticos que constituem o núcleo
de seu ofício, porém, quando atende um paciente, além de empregar esses
conhecimentos, ele deve decidir qual procedimento seria mais adequado,
considerando que embora os tratamentos sejam padronizados, os indivíduos
são diferentes e reagem de modo diverso. Dessa decisão depende o bem estar
do seu paciente e sobre o profissional recai a responsabilidade pela escolha dos
remédios e procedimentos.

Já um agente de saúde encarregado de trabalhar na campanha de contenção


da dengue, para exercer o seu ofício, deve ser treinado a verificar ambientes
propícios ao desenvolvimento dos agentes transmissores, depositar as substâncias
neutralizadoras nesses locais e orientar as pessoas sobre os procedimentos
necessários para evitar a proliferação do vetor e da doença. Seu poder de decisão
está restrito à disposição de realizar seu trabalho adequadamente. Enquanto que
o médico deve passar por um longo processo formativo que torna sua esfera
de decisões muito específica, cabendo a ele decisões que somente aqueles que
30
AULA 2

têm a mesma formação podem tomar; o agente de saúde exerce um ofício que
requer um menor período de formação e treinamento.

Portanto, a ideia que temos do que é uma profissão envolve o grau e a capacidade
de tomar decisões de um indivíduo, com base na sua formação e treinamento, o
que implica ainda na extensão de responsabilidade que devém de suas decisões.
Além dessa concepção ser deveras complicada, gera ainda preconceitos e
discussões acerca do papel e importância de cada profissional na sociedade.
Mas aqui não é o lugar de tratar dessa temática e se você tem interesse sobre
o assunto, consulte a aula 7 de Filosofia da Educação e os textos da bibliografia
dessa aula.

O exercício do magistério exige uma dupla preocupação profissional. Por um


lado é preciso que o indivíduo esteja familiarizado com as práticas e rotinas da
sala de aula e do sistema escolar; por outro, é necessário que, especialmente a
partir do ensino fundamental II, ele seja formado na área da disciplina em que
irá lecionar. Portanto, sua esfera de decisões é ampla, já que deve orientar as
práticas escolares dos alunos e a aquisição dos conhecimentos específicos da
disciplina que leciona. Em ambos os casos, recairá sobre esse profissional a
responsabilidade pela formação disciplinar e intelectual do aluno.

A dificuldade de estabelecer um código de ética para a profissão de professor


reside exatamente na amplitude de esfera de decisões a que a profissão está
submetida, mesmo porque, as situações vivenciadas na sala de aula são únicas
e raramente se repetem, exigindo do professor uma constante reflexão sobre
sua conduta.

Segundo Perrenoud (2001), o centro da ação do professor está na sua capacidade


de decisão diante da imprevisibilidade e urgência das situações vivenciadas em
sala de aula. O cultivo do bom senso e a constante autocrítica são elementos
fundamentais para o desenvolvimento de princípios éticos que orientem as ações
cotidianas. Mas lembre-se que, o principal exercício é aquele que nos referimos
lá no início da aula: procurar princípios racionais e avaliar se os critérios que
você utiliza para guiar suas ações são justificáveis ou derivam de suas crenças
pessoais. Mas como fazer isso?

3.2 O desenvolvimento da autonomia no mundo moderno

Vamos rememorar a aula 05 de Filosofia da Educação e retomar algumas ideias de

Immanuel Kant (2005). O filósofo, ao discutir o problema da liberdade proposto


pelos iluministas, supôs que a ação livre só pode se realizar quando o indivíduo
31
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

é capaz de tomar decisões conscientemente. No texto chamado “O que é


esclarecimento?” ele deixa claro que a liberdade individual depende de uma série
de condições de possibilidade para ser exercida plenamente. Pois a liberdade não
pode ser confundida com a vontade de cada um, mas envolve a responsabilidade
em relação às consequências de nossas ações. Quando o indivíduo não pode
ou se nega a responder pelos seus atos, ele abre mão de sua liberdade para que
outro tome decisões por ele. O exercício da liberdade depende necessariamente
do nível de esclarecimento que o indivíduo desenvolve.

Na sequência desse raciocínio, o filósofo pretende responder sobre a possibilidade


do exercício da liberdade em casos de autoritarismo político, quando a lei ou o
governo impede o indivíduo de fazer uso de sua razão para realizar escolhas.
Ao elaborar exemplos de situações que comprovassem que é possível ser livre
mesmo num Estado autoritário, Kant acabou por desenvolver dois princípios
éticos que podem funcionar como normas de conduta das profissões.

Nossas decisões derivam dos julgamentos e avaliações que fazermos do mundo


e das relações que experimentamos, mas esses juízos dependem também do
conhecimento que adquirimos e da troca de ideias entre os indivíduos do círculo
social. Tudo isso é expresso na forma de um discurso, que tem o mesmo valor
de uma sentença, pela qual aprovamos ou reprovamos uma ideia, conduta,
comportamento ou informação.

Quando exercemos uma profissão, expressamos nosso conhecimento específico


com a finalidade de atingir certos objetivos. Mas nem tudo se resume a decisões
objetivas e criamos opiniões sobre os fatos e as pessoas, bem como sobre os
objetos de nossos estudos. Seria correto, durante um procedimento profissional,
um indivíduo se utilizar da sua posição de especialista do assunto, para convencer
alguém de suas opiniões pessoais, de sua crítica ou, mais grave ainda, decidir a
respeito do outro com base em suas convicções pessoais?

Imagine um médico que tenha críticas aos efeitos colaterais de um medicamento


qualquer e resolva não prescrevê-lo a seus pacientes. Pense que esse medicamento
é o único existente no mercado e, depois de muitas discussões acadêmicas e
científicas, uma comissão de um organismo científico de saúde recomendou
o mesmo medicamento depois de decidir que os benefícios de sua aplicação
justificam a admissão dos efeitos colaterais, os quais podem ser tratados com
outros procedimentos.

Vamos complicar um pouquinho e pensar que o não uso do medicamento pode


implicar em morte e esse medicamento pode prolongar a vida do paciente ou
mesmo curá-lo. Como justificar racionalmente que aquele médico que citamos
32
AULA 2

no início do parágrafo simplesmente resolva que não vai prescrevê-lo, mesmo


que o paciente queira o tratamento? E se esse profissional, para justificar sua
decisão, resolvesse falar mal dos integrantes da comissão que aprovou a fabricação
do medicamento? Essas atitudes são aceitáveis? Um indivíduo tem o direito
de discordar dos órgãos oficiais e científicos ou deve se submeter a todas as
determinações que recebe?

Você professor, pode suprimir um determinado conteúdo previsto no currículo


obrigatório simplesmente porque você considera que ele é inútil? Você pode
discordar da orientação didática da escola em que trabalha? E o que você diria se
fosse questionado acerca de suas decisões pelos seus alunos? Sobre o conteúdo
que foi exigido do seu aluno num concurso público e que você não ministrou
por convicções particulares? E se seu aluno indagar porque o seu sistema de
avaliação não segue as normas da escola?

Com a finalidade de fundamentar o exercício da liberdade mesmo em situações


limítrofes, Kant considerou que nossa capacidade de julgar nos leva a questionar
e a rever constantemente nossos princípios e opiniões, fato que pode gerar
a discordância de pressupostos, crenças e mesmo leis. Em certos casos,
nossa capacidade de decisão pode ficar em suspenso simplesmente por nos
encontrarmos em profundo estado de questionamento, no qual a dúvida
sobre o que é o certo ou o errado nos impede de discernir. Mas não podemos
simplesmente nos eximir de nossas atividades ou se isolar por um tempo para
reestruturar nossas convicções.

Kant sugere então que devemos fazer um uso diferenciado da razão. Isso significa
que temos que desenvolver a capacidade de ponderar consigo mesmo e, antes
de proferir opiniões ou críticas que impliquem em certas responsabilidades,
devemos estar atentos sobre com quem, onde e quando vamos expressar nossas
inquietações. Ele chama essa distinção de “uso público da razão” e “uso privado da
razão”. O primeiro diz respeito ao direito que cada um tem de pensar livremente
e expressar suas opiniões. O segundo refere-se ao universo das profissões, dos
ofícios, quando nossas decisões devem ser pautadas pelas orientações coletivas,
quais sejam, os conhecimentos comprovados, as regras, normas e leis que regem
a comunidade em que convivo. Na prática isso significa que enquanto indivíduo
eu posso duvidar e crer livremente, mas quando exerço o meu ofício, eu devo
observar os limites impostos pelo reconhecimento social da minha profissão.

Especialmente nas profissões que envolvem longa formação intelectual, a


sociedade tende a respeitar as opiniões dos indivíduos que as exercem e até
mesmo a orientarem suas decisões pessoais a partir do que ouvem desses
profissionais. Portanto, quando um médico, um professor, um engenheiro emite
33
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

uma opinião, ele carrega consigo uma carga enorme de responsabilidade, mesmo
que não tenha consciência exata desse fato.

Para Kant, o uso público da razão, quando exerço meu direito inalienável de pensar
e criticar, deve ser feito entre os pares, entre aqueles que têm a mesma formação
e nível intelectual, para que possa haver divergência legítima e para que as críticas
sejam refutadas e apreciadas por pessoas que tem conhecimentos suficientes
para julgar se as ideias que estão sendo apresentadas têm fundamentos. Já o
uso privado da razão é aquele que deve ser empregado quando, no exercício de
minhas atribuições profissionais, devo tomar decisões ou declarar esclarecimentos
condicionados pelos conhecimentos, regras, leis, normas pertinentes ao meu
ofício e em obediência ao Estado.

Vejamos, quando um médico contraria uma comissão oficial de aprovação de


medicamentos ou um professor se nega a ofertar certo conteúdo a seus alunos,
com base em convicções pessoais, ele está se negando a prestar um serviço que
faz parte do seu exercício profissional. Mas você pode objetar que o médico ou
o professor pode explicar ao seu paciente ou aluno o porquê dessa decisão e se
aqueles aceitarem, os profissionais foram honestos. Mas pelo raciocínio de Kant,
quando esse ato de honestidade é praticado, ainda assim é uma ação injusta,
pois os pacientes ou alunos não estão munidos do conhecimento adequado
para avaliar sua decisão.

Seja o médico, seja o professor, o profissional deve levar seu questionamento a


outros médicos e a outros professores da mesma área e pautar uma discussão
sobre o tema a ser proposto. É no círculo profissional, no qual as pessoas
estão preparadas sob o aspecto teórico e experimental, que as opiniões acerca
dos procedimentos serão avaliadas de modo apropriado. Caso contrário, um
especialista pode convencer facilmente um leigo de uma opinião sem fundamento.
O mesmo decorre acerca de opiniões políticas, pois alguém letrado, ao expressar
suas opiniões a alguém não letrado, terá maior poder de convencimento.

Do ponto de vista da lógica e da tradição, essa prática consiste no uso do


argumento de autoridade, quando algum tipo de prestígio é conferido às teses,
de modo disfarçado, “impedindo e limitando a indagação e prescrevendo a
ignorância e tabus” (ABBAGNANO, 1998, p. 100). Ou seja, é quando um discurso
se vale da posição social daquele que o profere ou de saberes institucionalizados
(como a religião) para convencer outra a concordar com suas convicções, sem
que apresente razões suficientes. Outro artifício lógico de convencimento é o
argumento contra o homem, quando o profissional, com a finalidade de invalidar
uma ideia ou procedimento, ataca moralmente os indivíduos que o praticam.
Nesse caso, é muito comum encontrarmos profissionais que passam boa parte
34
AULA 2

do seu tempo falando mal de colegas de trabalho, de autores consagrados ou


de políticas governamentais para justificar suas opiniões, sem apresentar um
argumento sequer que comprove a validade de suas opiniões.

Figura 2

Para nós, professores, a atenção a esses procedimentos é fundamental, pois


estamos lidando com o relacionamento pessoal e público o tempo todo. Nossas
opiniões pessoais acerca de procedimentos didáticos, conteúdos, sistema de
avaliações, projetos educacionais devem ser discutidos nos espaços destinados
a isso, como Conselhos de Classe, reuniões de mestres, Conselhos Municipais/
Estaduais de Educação, instituições de classe, conferências, congressos etc., e
não com alunos e pais. Por outro lado, a conduta profissional também exige
manter as relações interpessoais em níveis agradáveis, portanto, não é coerente
com essa postura falar contra a pessoa que diverge de sua opinião com outrem,
principalmente expor essa divergência aos membros da comunidade escolar
que não pertencem ao círculo profissional do professor.

É certo ainda afirmar que pelo conceito de gestão democrática da escola todos
os membros da comunidade podem e devem participar das discussões sobre
educação, porém esse conceito não pode ser resumido a um simples “falar
mal”, apontar defeitos no trabalho do outro, recusa de adotar procedimentos
metodológicos ou ministrar conteúdos programáticos etc. O exercício da livre
opinião na escola deve ser realizado mediante reuniões, oficinas de trabalho,
estudos dirigidos, em lugares e momentos propícios à discussão racional.

Resumindo, os princípios gerais da ética profissional permitem orientar a conduta


para que o profissional oferte os serviços pertinentes ao ofício de modo condizente
com as características da profissão e saiba se posicionar adequadamente em
relação aos seus saberes específicos sem prejudicar o usuário do serviço e de
modo a propiciar um bom convívio com os companheiros de trabalho.

35
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

3.3 Sobre a conduta do estagiário

Na primeira aula dessa disciplina dissemos que o estágio se inicia pela observação,
bem como enunciamos acima que no que tange à capacidade de avaliação da
razão humana e as suas responsabilidades éticas, o estagiário ocupa uma posição
intermediária, ou seja, ele não é nem o profissional que está ofertando o serviço
do ensino e nem o aluno que o recebe. Então, qual a conduta ideal do estagiário?

Embora o estagiário não seja aluno do professor regente da sala de aula em


que realiza o estágio, ele ainda ocupa a posição de aluno de uma instituição,
portanto, ele está no local de estágio para aprender, por meio da observação,
os procedimentos rotineiros do ofício do magistério. No entanto, sua posição
na sala de aula não é equivalente a do discente que está sob a orientação do
regente de classe. O estagiário já é detentor de conhecimentos didáticos, teóricos
e práticos, que o permitem avaliar e formar opinião sobre os procedimentos
que está observando.

Essa descrição tem por objetivo expor a você aluno, a situação delicada em
relação à ética que o estagiário ocupa. Considerando a posição que expusemos
de Immanuel Kant, qual lugar apropriado para que o estagiário possa expor suas
opiniões e críticas acerca do que está experienciando? É o espaço no qual ele
ocupa o lugar de aluno, junto a sua instituição de ensino e com seus professores
e orientadores.

A condição de estagiário é a de aprendiz, portanto ele deve passar por etapas de


treinamento e absorção de conhecimentos que o habilitem a condição de exercer
a sua profissão. A primeira fase é a de observação, quando suas atividades no
local de estágio devem se restringir a recolher dados das rotinas de sala de aula.
Com certeza você observará fatos que contrariam ensinamentos teóricos que você
recebeu no seu curso, assistirá a procedimentos de ensino que não se adequam
as suas escolhas metodológicas pessoais e tenderá a avaliar os procedimentos
tanto dos alunos quanto dos professores e funcionários da escola. Mas deve
ter clareza que não é esse o seu papel como estagiário. Você não está ali para
medir a capacidade profissional dos educadores e nem o comportamento ou
desenvolvimento dos discentes.

A observação inicial que o estagiário deve cumprir tem que ser orientada pela
ideia de não interferência nas rotinas da sala de aula ou da escola. Sabemos que
isso é impossível, pois a simples presença de uma pessoa estranha à comunidade
escolar provoca alteração no comportamento rotineiro, seja manifesta pela
curiosidade dos alunos ou pela preocupação que desperta no professor regente
36
AULA 2

de classe. Mas o ideal é que o estagiário se mantenha neutro nas relações que
estão estabelecidas na sala de aula, e, mesmo, evite estreitar afinidades ou
divergências com alunos e funcionários da escola.

Algumas vezes, a própria escola ou o professor regente de classe abre espaço para
uma maior participação do estagiário nas atividades rotineiras, mas o estagiário
nunca deve perder de vista que esse procedimento é apenas uma concessão e
sua autoridade está limitada a esse condicionante.

Nos próximos períodos, você será orientado a realizar participações esporádicas


nas dinâmicas de sala de aula, como ministrar um conteúdo, organizar uma
atividade, planejar e aplicar uma avaliação, mas tudo terá o teor experimental
e provisório.

Vamos frisar novamente que o lugar em que o estágio está sendo realizado
não é ideal para expor suas dúvidas, críticas e opiniões e que elas devem ser
conduzidas ao seu ambiente de aprendizagem e aos professores do seu curso.

Exercitando

1) Considere a seguinte situação problema:

Um estagiário é recebido por uma professora regente de classe e lhe é concedido


o direito de participar ativamente da dinâmica de sala de aula. Por diversas vezes
ao longo do período, a regente solicita ao estagiário que assuma a classe para
que ela cumpra atividades burocráticas na escola. Supondo que a professora
regente adota uma postura didática que tende ao tradicionalismo, do tipo
bancário, e que o estagiário tende a ser adepto de uma postura dialógica, os
alunos começam a perceber a diferença de procedimentos e a turma passa a
questionar a validade dos procedimentos adotados pelos agentes educacionais.
Em determinado momento, os alunos questionam diretamente o estagiário sobre
a conduta da professora regente, apresentando uma divergência de opiniões:
alguns alunos se sentem mais à vontade com as dinâmicas dialógicas, outros
consideram que aprendem mais do modo tradicional, e um terceiro grupo tece
argumentos afetivos sobre a professora e o estagiário.

Considerando a discussão sobre ética que fizemos nessa aula, elabore um


pequeno texto que indique como deve proceder o estagiário numa situação
como essa. Você deve utilizar pelo menos um dos princípios estudados nessa
aula para compor seu argumento.

Envie seu texto para seu tutor.


37
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

4 APROFUNDANDO O CONHECIMENTO

No livro “Ensinar: agir na urgência, decidir


na incerteza”, Philippe Perrenaoud discute os
dilemas vivenciados pelo professor e aponta
como essa temática deve ser abordada nos
cursos de formação de professores. Embora
não seja especificamente um texto de ética,
as atitudes e a capacidade de decisão são
contextualizadas e debatidas sob o ponto de
vista dos rumos que a educação vem tomando
Figura 3
num mundo contemporâneo.

5 TROCANDO EM MIÚDOS

Vimos que a ética é uma reflexão sobre a conduta humana que deve se deter em
princípios racionais para avaliar as ações. É no campo discursivo que a ética se
realiza, quando empregamos argumentos para defender os princípios da ação, de
forma a abrir mão de crenças e valores herdados tradicionalmente que não têm
fundamentação. Discutimos a criação dos códigos de ética profissional e a sua
função de regular a relação entre prestador de serviço e usuário, com a finalidade
de manter o respeito mútuo e a garantia de cumprimento das obrigações de ambas
as partes. Ressaltamos que, embora no magistério não haja um código de ética
específico, as Leis que regem a educação brasileira determinam um conjunto de
atitudes desejáveis para os agentes escolares. Estudamos as formas apropriadas
do uso da razão que prescreve que devemos saber usar o discernimento para
expressar nossas opiniões em lugares e momentos apropriados, de modo a
garantir que nossas ideias sejam avaliadas antes de ser aceitas como verdades.
Finalmente, compreendemos que o estagiário ocupa uma posição delicada no
ambiente de estágio e deve manter uma posição de neutralidade nas dinâmicas
da sala de aula em que estagia e discutir suas opiniões e dúvidas com seus
professores e orientadores do curso que realiza.

38
AULA 2

6 AUTOAVALIANDO

Reflita sobre sua conduta enquanto aluno do curso de letras e avalie se você faz
o uso público e o uso privado da razão de modo adequado, quando expressa
suas opiniões acerca da educação.

39
A constituição da postura ética e responsável do estagiário

REFERÊNCIAS

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

HERRERO, Francisco Javier. O problema da fundamentação da ética, In: Ethica:


cadernos acadêmicos, vol. 5, n. 2, Rio de Janeiro: Editoria Central da Universidade
Gama Filho, 1994.

KANT. Immanuel. Textos Seletos. Petrópolis: Vozes, 2005.

MOTTA, Nair de Souza. Ética e vida profissional. Rio de Janeiro: Âmbito


Cultural, 1984.

PERRENOUD, Philippe. Ensinar: agir na urgência, decidir na incerteza. São Paulo:


Artmed, 2001.

TOMASI, Antonio de Pádua N. & SILVA, Ivone Maria Mendes. Ofícios de ontem
e ofícios de hoje: ruptura ou continuidade? In: Anais do XIII Congresso
Brasileiro de Sociologia, Grupo de Trabalho Ocupações e Profissões, Recife:
PE, 2007, disponível em: http://www.sbsociologia.com.br/portal/index.
php?option=com_docman&task=cat_view&gid=145&Itemid=171

40
AULA 2

41