Você está na página 1de 25
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Estudo de Caso: O MELHOR DO GEEKIE LAB
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Estudo de Caso: O MELHOR DO GEEKIE LAB

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Estudo de Caso: O MELHOR DO GEEKIE LAB SEGUNDO
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Estudo de Caso: O MELHOR DO GEEKIE LAB SEGUNDO
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Estudo de Caso: O MELHOR DO GEEKIE LAB SEGUNDO

Estudo de Caso:

O MELHOR DO GEEKIE LAB SEGUNDO ALUNOS E PROFESSORES

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a
ÍNDICE Introdução 3 1. A plataforma no dia a dia de uma escola no Belo
ÍNDICE
Introdução
3
1.
A plataforma no dia a dia de uma escola
no Belo Horizonte
6
“Tecnologias educacionais muito avançadas são
associadas a escolas que têm dinheiro. Somos um
exemplo de que isso não é verdade”.
2.
Engajamento com o Geekie Lab em
Juazeiro do Norte
8
“Posso dizer que 100% dos nossos professores usam a
plataforma”
3.
Inovação radical no Rio de Janeiro
10
“O aluno vibra quando percebe que mudou de nível na
plataforma. É um processo que planta a semente do ‘eu
posso’”.

2

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB 1. INTRODUÇÃO Poucas instituições contemporâneas têm sido tão

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

1. INTRODUÇÃO

Poucas instituições contemporâneas têm sido tão questionadas quanto a escola. O diagnóstico é quase sempre o mesmo, com pequenas variações. Eis alguns pontos de consenso nas críticas ao ensino oferecido pela maioria das escolas do Brasil e do mundo:

• “No século 21 não faz sentido manter o modelo de ensino

massificado herdado dos séculos 18 e 19, quando os alunos precisavam ser preparados para atividades repetitivas nas fábricas surgidas com a Revolução Industrial.”

• “Na sociedade da informação não faz sentido o professor continuar a ser um mero transmissor do conhecimento. Seu papel deveria ser mais o de um curador, um mentor que coloca o aluno como protagonista do seu aprendizado.”

• “A escola é uma das instituições mais fechadas à

revolução tecnológica que transformou a indústria, as finanças e o modo como nos comunicamos. E isso é algo especialmente preocupante quando se pensa que o público dela é formado exatamente pelos filhos da era digital.”

O problema com esses diagnósticos não é mais de mérito. Boa parte dos educadores concorda com eles. A questão é: como mudar?

Nós, da Geekie, sabemos que essa transformação é uma tarefa bastante complexa. Mas acreditamos que a tecnologia é uma aliada importante nesse processo – talvez ela só perca em importância para a mudança de mentalidade dos atores envolvidos.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB O GEEKIE LAB Neste e-book você vai conhecer

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

O GEEKIE LAB

Neste e-book você vai conhecer escolas que transformaram suas rotinas com o uso do Geekie Lab, nossa plataforma de ensino adaptativo. O princípio básico dessa ferramenta é

o da personalização do ensino, o de que duas pessoas não

aprendem da mesma maneira. Com mais de 600 aulas que combinam textos, 1.200 vídeos e milhares de exercícios desenvolvidos por professores experientes, boa parte deles autores de livros didáticos, a plataforma permite a cada estudante aprender no seu próprio ritmo e no formato em que se sente confortável.

A plataforma é adaptativa porque responde às interações

dos alunos, atualizando constantemente seus planos de

estudo. A cada interação com o Geekie Lab, com as respostas aos exercícios propostos para cada conteúdo, por exemplo,

a inteligência artificial da plataforma “entende” melhor o

perfil do estudante, identifica seus pontos fracos e indica conteúdos para saná-los.

Adotado em centenas de escolas públicas e privadas de todo

o país, o Geekie Lab também fornece dados online para

que professores, coordenadores pedagógicos e diretores monitorem o progresso de cada aluno ou turma. Com isso, eles podem identificar padrões de desempenho e fazer intervenções pedagógicas localizadas, sem ter de esperar pelas avaliações convencionais – quando pode ser tarde demais para agir. Os resultados do uso do Geekie Lab têm sido consistentes: apontam para um progresso médio de 30% na performance dos alunos entre as avaliações realizadas no começo e no fim do ano.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB 2. A PLATAFORMA NO DIA A DIA DE

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

2. A PLATAFORMA NO DIA A DIA DE UMA ESCOLA DE BELO HORIZONTE

Vamos agora deixar que os próprios responsáveis pelas escolas falem do Geekie Lab e da sua relação com a tecnologia. Nosso ponto de partida é Belo Horizonte. Maria Carolina Mariano costuma brincar dizendo que o Instituto Gabriela Leopoldina, onde trabalha como coordenadora pedagógica do 3º ano do ensino médio, é o case de sucesso ideal para a Geekie, por ser representativo da maioria das escolas particulares do país. De pequeno-médio porte, o instituto é um empreendimento familiar – foi fundado há 26 anos por Regina Mariano, mãe de Maria Carolina. Tem 400 alunos, do ensino infantil aos anos finais da educação básica, e fica em um bairro periférico, o Glória, na região da Pampulha. Atende às classes C e D.

“Gosto de ressaltar esse aspecto porque

geralmente tecnologias

educacionais muito avançadas, que estão na fronteira da

 

inovação, são associadas a escolas que têm dinheiro. Somos

 

um exemplo de que isso não é verdade e acho que outras

 

escolas podem se identificar com a nossa história

”, diz Maria

Carolina. “Precisamos ter uma gestão enxuta e apostar naquilo que vai dar retorno garantido e que esteja alinhado com nossos valores”.

Quando fala de valores, a coordenadora destaca um em especial: a personalização. O instituto tem apenas uma turma de cada série, por opção estritamente pedagógica. “Para nós, uma educação de excelência passa pelo conhecimento profundo de quais são os talentos e os desafios dos alunos e de como a gente pode fazer para ajudá-los a se desenvolver”, explica a coordenadora.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB PESQUISANDO AS FERRAMENTAS CERTAS Há quatro anos, a

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

PESQUISANDO AS FERRAMENTAS CERTAS

Há quatro anos, a equipe pedagógica do instituto começou a pesquisar métodos e ferramentas para fazer uma transição, incorporando mais tecnologia para oferecer uma educação que fizesse mais sentido para os alunos. Um dos pontos de interesse inicial foi o ensino híbrido, que mescla aulas presenciais com atividades online. Para muitos experts, ele é o primeiro passo na transformação do papel do professor, de responsável pela transmissão do conteúdo para o de curador-mentor.

Algumas experiências no exterior chamaram a atenção dos educadores do instituto. Mas Maria Carolina descobriu que já havia soluções capazes de trabalhar a personalização e o ensino híbrido por aqui mesmo. “Em 2013, fazendo buscas na internet, a gente viu uma palestra do Claudio Sassaki [co- fundador da Geekie]”, conta. “Quase não acreditamos: existia uma plataforma de ensino adaptativo feita por brasileiros.”

A parceria começou pelo Geekie Teste, pacote de avaliações

que segue os moldes da TRI (Teoria de Resposta ao Item), conjunto de modelos matemáticos que orienta a preparação das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). “Mas nosso objetivo sempre foi o de trazer o Geekie Lab”, diz Maria Carolina. “Foi interessante que, quando contamos para os alunos o que era a Geekie, uma startup de jovens, eles se identificaram instantaneamente com a empresa”.

FOCO NO ALUNO

Até por essa receptividade, o trabalho iniciado em 2015 com o Geekie Lab se concentrou nos alunos, em tornar a plataforma

parte do cotidiano deles. No 3º ano, como a jornada de estudos

é integral, o instituto pôde reservar um horário semanal na grade, das 16 às 16h50, para a navegação na plataforma. Responsável pelo trabalho de coaching com os estudantes, Maria Carolina preparou cronogramas individualizados de estudos.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB “ A gente pesquisou e viu que com

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

A gente pesquisou e viu que com uma frequência de

 

acesso de 3h30 por semana os alunos conseguiriam assistir

a todas as aulas da plataforma. Então eles navegavam 50

 

minutos na escola e as outras 2h40 a gente distribuía para

 

que vissem em casa, de acordo com o perfil de cada um: a

maneira como aprendem, as atividades que eles têm fora

 

da escola e até a organização das suas famílias

”, conta.

 
a organização das suas famílias ”, conta.   A coordenadora cita o caso de uma aluna

A coordenadora cita o caso de uma aluna que segue horários

à risca. “Ela encaixou os estudos na sua rotina. Como faz

academia e vai para a igreja aos sábados, ela dividiu a navegação por disciplinas: matemática tantas horas por semana, biologia outras tantas”, diz. “Já um outro aluno me procurou e disse: ‘Eu não consigo seguir horário’. Então, às vezes ele passava quatro horas consecutivas no Geekie Lab aos sábados, por exemplo, e conseguiu cumprir o que a gente tinha combinado.”

O casamento da atenção individualizada com o espírito de

personalização da plataforma deu resultados expressivos em termos de engajamento dos estudantes do 3º ano: o índice alcançou 100% no segundo semestre. “O índice sobe mais perto do Enem, mas não só pela proximidade do exame. É por causa do resultado do estudo pelo Geekie Lab. Adolescente funciona muito assim: ‘eu preciso ver o resultado para continuar fazendo uma determinada coisa’”, explica Maria Carolina.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LABPALAVRA DA ALUNA Nathália Iziz Lima Assis, de 18 anos, aluna do 3º ano do

PALAVRA DA ALUNA Nathália Iziz Lima Assis, de 18 anos, aluna do 3º ano do
PALAVRA DA ALUNA
Nathália Iziz Lima Assis, de 18 anos,
aluna do 3º ano do ensino médio do
Instituto Gabriela Leopoldina
“Estudar pelo Geekie Lab foi como ter um professor à minha
disposição. Eu ficava na escola o dia todo e estudava pela
plataforma durante mais umas três ou quatro horas quando
chegava em casa. Assistia às aulas completas, depois ia para a
apostila só para resolver os exercícios. Isso me ajudou bastante
em conteúdos como história, que são muito extensos. Às vezes eu
ficava um pouco perdida com a apostila, porque ela tem muita
informação. O Geekie Lab tem aquele plano de estudos em que você
faz as questões e ele te mostra onde você tem mais dificuldade. E,
como ele também dá a possibilidade de fazer diretamente as aulas
que você quer, eu não precisava gastar tanto tempo lendo a apostila
toda.
Outra disciplina em que o Geekie Lab me ajudou bastante foi física.
Coisas em que eu tinha muita dificuldade, como eletrodinâmica,
entendi melhor por ali. Porque o professor na sala não pode parar
no ponto em que você tem dificuldade. Ele tem que seguir com a
turma. Então, às vezes, eu me sentia um pouco para trás. Mas daí
eu comecei a ficar mais tranquila, porque sabia que podia chegar
em casa e estudar pela plataforma. Podia voltar as aulas quantas
vezes eu quisesse, ler outra vez, ouvir o professor explicando de
novo.
Em Ciências da Natureza, o Geekie Lab me ajudou a ter uma visão
mais clara sobre quais eram minhas dúvidas. Na escola a gente
maquia um pouco as dúvidas com esse processo de prova, prova,
prova. Você acha que, se tirou nota acima da média, está tudo bem.
E não é bem assim. Com a Geekie eu pude ver os detalhes sobre os
pontos em que eu estava errando. Com isso, acho que fui bem no
Enem.”
8
Com a Geekie eu pude ver os detalhes sobre os pontos em que eu estava errando.
Com a Geekie eu pude ver os detalhes sobre os pontos em que eu estava errando.
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB ROTINA PESADA “Eu e meus amigos compartilhamos muito

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

ROTINA PESADA

“Eu e meus amigos compartilhamos muito os conteúdos do Geekie Lab que achamos mais interessantes, principalmente nos nossos grupos de estudo”, conta Diego Henrique Parreiras, de 16 anos. O adolescente encara uma rotina pesada de estudos no 2º ano do ensino médio no Gabriela Leopoldina. Os alunos têm quatro blocos de provas aplicados oito semanas por trimestre, com exigência de aproveitamento mínimo de 60%. Como as provas são realizadas à tarde, os alunos usam o Geekie Lab em grupos de estudos antes das avaliações, das 13h30 às

15h30.

Mesmo estando no 2º ano, Diego estudou pela plataforma três horas por semana em média. E mostrou entender bem como o Geekie Lab funciona. “Uma coisa muito importante da plataforma é que ela vai ‘descobrindo’ suas dificuldades

e te indica mais aulas e exercícios para trabalhar isso”, diz. “Em matemática, descobri dificuldades básicas em conteúdos como porcentagens e frações. Você percebe lacunas que vêm se acumulando, até do ensino fundamental, e pode ir consertando.”

Apesar de 2015 ter sido um “ano de experiência” com o Geekie Lab, Maria Carolina garante que não houve grande resistência

do corpo docente, até porque a escola já usa outras ferramentas tecnológicas, como lousas interativas. Um caso interessante foi

o de um professor de química. “Ele está fazendo um mestrado

sobre tecnologia aplicada ao ensino e, por causa do retorno

dado pelos estudantes, incluiu o Geekie Lab entre os casos

dado pelos estudantes, incluiu o Geekie Lab entre os casos analisados”, conta Maria Carolina. “E terminou

analisados”, conta Maria Carolina. “E terminou o ano entusiasmado em relação ao trabalho com a ferramenta”.

Outro aprendizado do Gabriela Leopoldina diz respeito ao dispositivo preferido dos estudantes para acessar a plataforma – tendência que levou a Geekie a lançar um aplicativo para celular do Geekie Lab. “Para os meninos, esse é ‘o’ dispositivo. Mesmo o Netflix eles assistem pelo celular”.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB FAÇA NA SUA ESCOLA! Conheça bem o perfil

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

FAÇA NA SUA ESCOLA!

Conheça bem o perfil de seus alunos.

Há uma infinidade de tecnologias disponíveis, entre pagas e gratuitas. Por isso, é preciso atenção, pesquisa e planejamento antes de escolher as que realmente se encaixam com o que sua escola precisa. Caso contrário, gestores e professores podem acabar desperdiçando tempo e energia com ferramentas subaproveitadas.

Insira a tecnologia na rotina da escola.

Ao invés de usá-la como brincadeira ou “quando sobra um tempinho”, procure entender como a tecnologia pode incrementar as aulas - e, com certeza, ela pode incrementar muito! A ferramenta digital deve fazer parte do dia a dia dos alunos e constar no planejamento, assim como atividades offline.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB 3. ENGAJAMENTO COM O GEEKIE LAB EM JUAZEIRO

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

3. ENGAJAMENTO COM O GEEKIE LAB EM JUAZEIRO DO NORTE

Vamos agora percorrer alguns milhares de quilômetros até Juazeiro do Norte, no Ceará, para conhecer a experiência do Colégio Salesiano São João Bosco com o Geekie Lab. O São João Bosco é uma escola tradicional, criada há 75 anos. Com 480 alunos do ensino infantil ao médio, é referência em educação de qualidade na região – o índice de aprovação dos seus alunos em vestibulares de universidades públicas e particulares do Estado chega a 90%.

Se o Gabriela Leopoldina é um case de ensino personalizado e engajamento dos alunos, o colégio cearense pode ser considerado um case de ensino híbrido e de engajamento dos professores com a tecnologia. A começar pela diretora pedagógica, Marinalva Pereira Leite, que tem 32 anos de carreira como professora de

biologia. “

O Geekie Lab veio colaborar no enriquecimento

 

curricular das escolas da rede salesiana”, afirma. “Posso dizer

que 100% dos nossos professores usam a plataforma. É uma

 

inovação de eficiência comprovada.

O maior aliado de Marinalva na introdução do Geekie Lab no

colégio foi o técnico educacional Marcos Ricardo Pereira, que dá assessoria a professores e alunos na utilização da tecnologia. “Eu durmo pensando na Geekie e acordo pensando em Geekie”, brinca Marcos, adepto incondicional do ensino híbrido. “Usar a plataforma em sala de aula ajuda muito. É difícil prender a atenção do aluno hoje em dia.”

Segundo Marcos e Marinalva, o uso da plataforma melhorou

o aprendizado dos alunos e permitiu uma gestão mais precisa

do desempenho das turmas. “Uma coisa que eu acho fantástica na plataforma é saber quantos alunos estão de fato estudando pelo Geekie Lab em cada disciplina”, diz a diretora. “Fazia esse monitoramento semanalmente e comparava meus relatórios com os do Marcos, que acompanha todos os dias o conteúdo trabalhado

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB em classe, aula por aula. Isso nos permitiu

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

em classe, aula por aula. Isso nos permitiu ter um monitoramento pedagógico em tempo real.” Além do monitoramento, Marcos incentivou os professores a usarem todas as funcionalidades da plataforma. “Na questão da utilização em classe, pegamos o calendário de cada professor das disciplinas com carga horária superior a três aulas semanais e combinamos de reservar uma janela para aulas usando o Geekie Lab”, conta Marcos. Além disso, a maioria dos professores recomendou aos estudantes que navegassem na plataforma em casa, para fazer a revisão de conteúdos ou responder a questões de múltipla escolha para ajudar na memorização de conceitos-chave. Outros indicaram aulas específicas.

TAREFA DE CASA

Graças ao empenho de Marcos, o São João Bosco teve agilidade para incorporar ao dia a dia uma funcionalidade do Geekie Lab lançada no segundo semestre de 2015, a Tarefa de Casa. Fruto de um trabalho de quatro meses de desenvolvimento da Geekie, ela surgiu para aliviar os professores da tarefa muitas vezes mecânica de corrigir dezenas de lições de casa todas as semanas, poupando um tempo precioso para a preparação de aulas.

de corrigir dezenas de lições de casa todas as semanas, poupando um tempo precioso para a
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Uma pesquisa feita pela Geekie com gestores escolares

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

Uma pesquisa feita pela Geekie com gestores escolares de todo o País mostrou que havia espaço para essa nova

funcionalidade: metade dos entrevistados disse que suas escolas não tinham softwares de apoio ao trabalho do professor

e ao ensino do aluno; 64% disseram que gostariam de dispor de ferramentas capazes de otimizar o tempo em sala de aula.

Com a nova funcionalidade da plataforma, o professor só precisa selecionar o assunto trabalhado em sala, escolher questões de um banco colocado à sua disposição no Geekie

Lab e agendar a lição para a classe. Com isso, a tarefa ficará disponível para os estudantes na plataforma, pelo prazo que

o professor estipular. O Geekie Lab fornece, então, em tempo

real, dados como quais alunos já fizeram a tarefa, o índice de

acerto por questão, e o porcentual de alunos que selecionaram cada alternativa das questões de múltipla escolha. Assim o professor tem, a qualquer momento, uma radiografia capaz de orientar intervenções pedagógicas.

radiografia capaz de orientar intervenções pedagógicas. PALAVRA DE PROFESSOR Professora de português da 1ª e 2ª

PALAVRA DE PROFESSOR

Professora de português da 1ª e 2ª séries do Colégio Salesiano São João Bosco, Rosângela Bezerra Lima usou o Geekie Lab para trabalhar o ensino híbrido, fazendo um mix de conteúdo online e aulas presenciais. “Gostei muito da plataforma, porque ela é dinâmica e traz o conteúdo de uma forma inovadora, irreverente, conectada ao mundo virtual ao qual os meninos estão acostumados”, diz.

Com uma carga horária de cinco aulas semanais, Rosângela reservou uma delas para trabalhar com o Geekie Lab. “Quando tinha dois horários de aula seguidos, muitas vezes eu usava a plataforma como prévia do conteúdo. Os alunos assistiam às aulas do Geekie Lab, viam os conceitos, desenvolviam as atividades e na aula seguinte eu aprofundava o conteúdo com a turma”, conta. A professora também já fez o roteiro inverso, dando primeiro as aulas presenciais e usando a plataforma como reforço das atividades, para revisão e fixação de conceitos.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Professora de história, Silviana Santos Filgueiras também elogia

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

Professora de história, Silviana Santos Filgueiras também elogia a plataforma. “Dá para ver que facilitou muito a vida do aluno – e a minha também”. Apesar disso, ela conta que precisou apelar para o jogo de cintura para ter melhores resultados com a funcionalidade Tarefa de Casa: “Nas primeiras lições só tinha 6 ou 7 alunos resolvendo os exercícios numa classe de mais de 30. E mesmo assim, descobri que eles estavam clicando nas respostas ao acaso”.

Então ela impôs uma condição: “Eu avisei: ‘Vocês têm tempo de pesquisar na plataforma e na internet. Então não dá para tirar menos do que 5 num exercício desses. Para quem ficar com menos de 50% de acerto, eu não vou considerar a tarefa como realizada’”. Foi o que bastou para as notas subirem, com vários alunos alcançando índices de 70% de acerto. “Na última tarefa, de 32 alunos, 30 fizeram. Os dois que não responderam se queixaram de problemas com a conexão da internet em casa. E, dos 32, só um tirou nota inferior a 5”, diz.

A resposta dos docentes à Tarefa de Casa foi a melhor possível. Em outro levantamento feito pela Geekie, 89% dos entrevistados consideraram a nova funcionalidade útil. Redes como a da Secretaria Estadual da Educação de São Paulo, parceira da Geekie em 2015, ultrapassaram a marca de 1.000 tarefas de casa criadas e agendadas poucas semanas depois do lançamento.

No caso do São João Bosco, Marcos diz que a Tarefa de Casa permitiu identificar rapidamente deficiências dos alunos, tanto de apreensão de conteúdo como de interpretação de enunciados. Aliás, os professores do colégio foram além do uso inicialmente previsto pela Geekie para a funcionalidade. No fim das aulas, muitos deles passavam para os alunos não só as questões que acompanham cada tópico do plano de aula do Geekie Lab como também outras selecionadas do banco do Tarefa de Casa. Dessa forma, usaram questões concebidas para serem respondidas em casa como uma forma de revisão do conteúdo que os alunos tinham acabado de ver em classe.

Professor de matemática, Carlos Alberto de Carvalho Júnior postou a primeira lição do Tarefa de Casa um dia depois de

saber da novidade. “Como a correção é automática, você tem um mapa do aluno e percebe quem não sabe, por exemplo,

logaritmo, lei dos senos, geometria espacial

professor, que fazia relatórios com as questões com menor índice de acertos para trabalhar o conteúdo em sala.

”, enumera o

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Carlos Alberto experimentou diversos usos da plataforma, até

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

Carlos Alberto experimentou diversos usos da plataforma, até mesmo como ferramenta de apoio a modalidades consideradas inovadoras em qualquer escola do mundo, como a sala de aula invertida e uma adaptação de certa forma intuitiva do ensino peer to peer (aprendizagem por pares). No primeiro caso, no qual os alunos têm em casa o primeiro contato com um conteúdo que será depois trabalhado pelo professor, Carlos Alberto pedia à turma que assistisse aos vídeos da plataforma. “Na classe, eu entrava no plano de estudos, pulava a parte dos vídeos e ia direto para as questões. Resolvíamos os problemas juntos, para que eles vissem como eu fazia a resolução”.

MAIS PROTAGONISMO AO ALUNO

Nesse processo de resolução em classe, o professor permitia a estudantes que haviam descoberto outras maneiras de resolver as questões explicarem aos colegas como tinham chegado ao resultado correto. Esse tipo de abertura está na base do conceito do peer to peer, que estimula o processo de aprendizado de aluno para aluno, sem intervenção direta do professor.

do peer to peer, que estimula o processo de aprendizado de aluno para aluno, sem intervenção
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB PALAVRA DA ALUNA Rebeca Menezes, de 15 anos,

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB PALAVRA DA ALUNA Rebeca Menezes, de 15 anos, aluna
PALAVRA DA ALUNA Rebeca Menezes, de 15 anos, aluna do 2º ano do ensino médio
PALAVRA DA ALUNA
Rebeca Menezes, de 15 anos, aluna
do 2º ano do ensino médio do Colégio
Salesiano São João Bosco
“Achei a plataforma muito boa porque ela é fácil de acessar e
não tem complicação quando a gente procura alguma tarefa ou
conteúdo. Gostei bastante das aulas de Exatas. Em geometria
espacial, por exemplo, consegui entender melhor como calcular
as áreas das figuras. Mas achei legais também as videoaulas sobre
Revolução Francesa. A história por trás da revolução é interessante,
apesar de eu não gostar muito dessa disciplina.
A
nova função da Tarefa de Casa foi útil porque ajudou a memorizar
conteúdos e aprender a interpretar melhor o que a questão pedia.
Isso é importante para mim porque tenho dificuldade com questões
que não sejam diretas.
No ano passado estudei pelo menos meia hora por dia pelo Geekie
Lab em casa. Neste ano pretendo navegar entre duas horas e meia
e
três horas por dia. Um dos meus objetivos com a plataforma é
fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito bem, como
história e geografia”.
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
16
16
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
com a plataforma é fazer a revisão de matérias em que eu não me dou muito
MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB A institucionalização da prática é uma inovação, um

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

A institucionalização da prática é uma inovação, um meio

de realçar o protagonismo dos estudantes. Mas mesmo quem concluiu os estudos há mais tempo, seguindo métodos convencionais, lembra-se de colegas que serviam de referência para a classe em determinadas disciplinas, fontes habituais de consultas nos corredores – especialmente na véspera de provas.

“Tem aluno que explica a resposta de uma questão até melhor do que a gente”, garante o professor. “Quando passo atividades em sala deixo os alunos à vontade para trocar figurinhas. Digo:

‘Juntos vocês também aprendem’. É outro estilo de aula. Com o Geekie Lab você ganha um meio de eles interagirem.”

O professor, aliás, acredita que o Geekie Lab pode ser usado

para colocar em prática outra modalidade de inovação, a da rotação por estações. Nela, o professor deixa de lado a aula expositiva e propõe diferentes atividades. Divididos em pequenos grupos, os alunos se revezam para cumprir as tarefas.

E como todo esse apoio da tecnologia, houve melhora do

desempenho? “De um total de 32 alunos, só 8 ficaram de recuperação no 3º ano do ensino médio. No ano passado tinha sido praticamente o dobro”.

Em 2016, o professor de matemática pretende usar o Geekie Lab de uma forma ainda mais sofisticada. “Acho que não podemos tratar o Geekie Lab como um acessório, precisamos embutir a plataforma nos nossos planos de aula”.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB FAÇA NA SUA ESCOLA! Aposte na formação de

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

FAÇA NA SUA ESCOLA!

Aposte na formação de professores.

De nada adianta ter tecnologia de ponta, sem profissionais aptos para usá-la. Nesse colégio, vimos como foi importante o papel do técnico educacional para treinar a equipe, mapear o uso da ferramenta e garantir bons resultados. Ter quem entende de tecnologia por perto também vai reduzir muito o tempo perdido com “probleminhas técnicos”, como o áudio que sumiu ou a tela que não quer ligar.

Experimente diferentes

abordagens. Não existe uma única forma correta de ensinar, com ou sem tecnologia. Seja como o professor de matemática, que colocou em prática diversas metodologias (Ensino Híbrido, Peer to Peer, rotação por estações de aprendizagem) para encontrar a que melhor se ajustava à turma.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB 4. INOVAÇÃO RADICAL NO RIO DE JANEIRO Depois

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

4. INOVAÇÃO RADICAL NO RIO DE JANEIRO

Depois do rasante por Juazeiro, voltamos à Região Sudeste – mais precisamente para o Rio de Janeiro –, para conhecer uma escola pública que empregou o Geekie Lab em um projeto de inovação radical, o Gente (Ginásio Experimental de Novas Tecnologias Educacionais). A escola iniciou as atividades em 2013, com uma proposta baseada em cinco pilares: personalização; ensino por projetos; uso de novas mídias; organização diferenciada de tempos, espaços e formas de aprendizagem; e mentoria.

de tempos, espaços e formas de aprendizagem; e mentoria. Entre as inovações do projeto está o

Entre as inovações do projeto está o fato de o Gente não seguir o sistema tradicional de séries. Os 240 alunos de 7ª, 8ª e 9ª séries, com idades que variam de 12 a 15 anos, são agrupados de acordo com as características do projeto que vão desenvolver, pelo seu

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB estágio de aprendizagem ou por empatias nascidas na

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

estágio de aprendizagem ou por empatias nascidas na dinâmica diária de trabalho. Esses arranjos têm três categorias: famílias, times e grupos. As famílias tipicamente têm de 5 a 6 alunos; 4 famílias formam um time e 5 times, um grupo. O projeto original previa o desenvolvimento de uma plataforma de diagnóstico de alunos e o uso da Educopédia, acervo de aulas desenvolvido por professores da própria rede municipal do Rio. O projeto não mudou conceitualmente, mas sofreu ajustes. Um deles foi a parceria com a Geekie, iniciada em 2014 com as avaliações do Geekie Teste (usadas para determinar o estágio de conhecimento de cada aluno no início do primeiro semestre) e ampliada este ano com o uso do Geekie Lab – o acervo da Educopédia migrou para a plataforma.

“O Geekie Lab se encaixou muito bem na proposta do Gente e facilitou bastante o trabalho. Ajudou a sanar boa parte das dificuldades identificadas em 2013 e 2014”, diz Neide de Barros,

assessora pedagógica da escola.

“O Geekie Lab consegue ser a espinha dorsal da rotina diária, porque trabalha com o pilar da personalização, é um facilitador no acompanhamento de relatórios para a mentoria e está alinhado com o planejamento pedagógico, fornecendo uma sequência didática para o aluno.”

Embora a divisão por séries não seja obedecida, o Gente mantém uma grade diária de atividades. Quando chega à escola – a jornada vai das 7 às 15 horas – o aluno já sabe o que fazer: participar de atividades de mentoria, de aulas eletivas (a grade tem mais de dez opções, como dança, teatro e espanhol) ou laboratórios de aprendizagem, modalidade mais parecida com as aulas tradicionais.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB PROFESSOR POLIVALENTE No salão de mentoria, que não

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

PROFESSOR POLIVALENTE

No salão de mentoria, que não tem portas ou divisórias, cada time trabalha no Geekie Lab com um professor cujo papel é o de facilitador do aprendizado. Assim, um professor de geografia pode acompanhar alunos que estudam ciências, língua portuguesa ou matemática. A figura do docente especialista só aparece nos laboratórios de aprendizagem. Neles o professor decide quais conteúdos trabalhar com os alunos a partir dos relatórios online do Geekie Lab, analisados normalmente duas vezes por semana.

do Geekie Lab, analisados normalmente duas vezes por semana. Para a assessora pedagógica, o grande desafio

Para a assessora pedagógica, o grande desafio do Gente para 2016 é alinhar cada vez mais todos os projetos desenvolvidos na escola ao trabalho desenvolvido na plataforma. “Temos aqui uma ‘oficina de construção de coisas fixas’, que podem ser cadeiras ou mesas. Esse trabalho requer conhecimentos de matemática, física e ciências, como, por exemplo, dominar o conteúdo unidades de medida. Então precisamos relacioná-lo a esses conteúdos dentro da plataforma. É preciso fazer as coisas se comunicarem”, afirma Neide.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Isso requer do professor fazer a gestão desse

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

Isso requer do professor fazer a gestão desse conhecimento, olhar para a tecnologia, para as aulas que já estão prontas no Geekie Lab, sem desvinculá-la da utilização prática. “A formação do professor no Brasil ainda faz com que ele tenda

a seguir uma linha mais acadêmica. Precisamos ter o fazer,

o hands on (mão na massa), andando junto com o conteúdo”, completa.

Num balanço do projeto até agora, Neide considera que o maior erro do Gente foi não ter envolvido mais os professores desde o início na sua proposta inovadora, fortemente baseada na tecnologia. “Eles caíram meio de paraquedas. Não houve discussão sobre adesão porque, como era uma experiência piloto, não havia plano B”, afirma. “Mas acho que, mesmo que houvesse escolha, o índice de adesão seria alto, na casa de

80%.”

Já no caso dos alunos, a adaptação ao Geekie Lab é automática. “Eles entram e navegam com uma facilidade impressionante. Logo percebem a lógica dos planos de estudo, enxergam a plataforma como um todo”, conta Neide. Apesar disso, por causa da faixa de idade com a qual o Gente trabalha, a resposta dos alunos é diferente da do ensino médio. “Um menino de 12 anos ainda é imaturo. Se não tiver um objetivo específico, ele não volta à plataforma para estudar mesmo que o Geekie Lab produza um diagnóstico e o direcione para outros conteúdos.”

Mesmo com essa ressalva, Neide acredita que o Geekie Lab dá toda a condição para o aluno ser protagonista no seu processo de aprendizado. “Acho que vamos caminhar nessa direção

em 2016 e 2017.

O aluno vibra quando percebe que mudou

de nível na plataforma, especialmente quando faz isso de

forma independente. É um processo que planta a semente

do ‘eu posso’, a partir da qual os meninos e meninas

 

deslancham

”.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB FAÇA NA SUA ESCOLA! Acompanhe os resultados de

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

FAÇA NA SUA ESCOLA!

Acompanhe os resultados de perto.

Uma ferramenta digital deve facilitar a avaliação do professor, mostrando o desenvolvimento gradual do aluno, seus principais erros, uma visão geral da turma. Esses dados precisam ser bem aproveitados. Relatórios são úteis, mas apenas quando geram um retorno prático: ou seja, esses números e gráficos precisam ser revertidos em intervenções pedagógicas, com a vantagem de elas serem personalizadas.

Respeite o ritmo do aluno, mas

apresente desafios. Enquanto conteúdos difíceis demais costumam frustrar os estudantes, os muito fáceis com certeza vão deixá-los distraídos. Plataformas de ensino adaptativo fazem esse diagnóstico e oferecem atividades adequadas ao momento em que cada aluno se encontra - e os resultados em tempo real são um estímulo extra para participar.

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB Olá, Que bom que você chegou até aqui!

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB

Olá,

Que bom que você chegou até aqui! Criamos este ebook para que todos pudéssemos conhecer o Geekie Lab pela perspectiva de quem mais importa: alunos e educadores. E mais do que isso, para revelar todos os detalhes das histórias de quem colocou a mão na massa e fez a transformação educacional tão desejada começar a acontecer.

Poder ouvir e narrar todas estas histórias foi inspirador para nos- so trabalho e esperamos que também possa ser para você, que já acredita no poder de transformação das inovações educacionais, mas ainda depara-se com o desafio de como colocar tudo isso em prática.

Já os leitores que ainda não deram o primeiro passo no sentido de abraçar a inovação educacional, torcemos para que o fim desta leitura seja também o início de uma caminhada juntos. Ficaríamos orgulhosos de daqui a alguns meses poder compartil- har as conquistas de sua escola.

Clicando no link abaixo, nossa equipe entrará em contato para poder te apresentar detalhadamente o Geekie Lab.

apresentar detalhadamente o Geekie Lab. Quero experimentar o Geekie Lab Fica nosso convite! Um abraço, Equipe

Fica nosso convite! Um abraço, Equipe Geekie

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB www.geekie.com.br 25

MANUAL DE BOAS PRÁTICAS DO GEEKIE LAB