Você está na página 1de 134

2 of 135

Brian Mulligan é um fisioterapeuta que tem sua

prática privada em Wellington, Nova Zelândia, e é um

conferencista internacional no campo da terapia manual.

Seu especial interesse tem sido sempre a terapia

manual desde que foi introduzido neste campo por

Stanley Paris nos anos 60.

Ele reconhece como seu mentor Freddy Kaltenborn, mas também encontrou valiosas

contribuições de James Cyriax, Maitland, McKenzie, Robert Elvey, etc.

Sua frase favorita tem sida a de Louis Pasteur: no campo da descoberta, a chance

somente favorece a mente preparada.

Fisioterapeutas manuais são afortunados pelo fato de que uma chance clínica levou

Brian Mulligan a descobrir a mobilização com movimento.

A obra de Brian Mulligan inclui seu livro-texto, agora na sua quarta edição, um livro de

auto-exercícios, publicado recentemente, vários vídeos didáticos e vários artigos publicados em

vários periódicos.

Pelos seus serviços para a profissão de fisioterapeuta, ele se tornou um membro

honorário da New Zealand Society of Physiotherapists em 1996 e se tornou um membro

vitalício da New Zealand College of Physiotherapy em 1999.

Em 1995, devido à grande demanda por fisioterapeutas do mundo todo desejando

aprender suas técnicas, criou Mulligan Concept Teacher Association (MCTA), que possui hoje

34 professores treinados na técnica e que podem ensina-la com um alto padrão de qualidade.
3 of 135

Mulligan Concept Teacher Association (MCTA)

Informações sobre a MCTA

A associação de professores do Conceito Mulligan é um grupo de fisioterapeutas com


formação em terapia manual e manipulação e são credenciados para ensinar o Conceito
Mulligan. Atualmente são 34 professores credenciados internacionalmente, e que preenchem
os critérios padronizados pela IFOMT. Somente estes professores estão autorizados a ensinar
o Conceito Mulligan.
Objetivos do MCTA:

 Assegurar que os professors e o ensinamento seja de alto nível


 Promover pesquisa nas técnicas do Conceito Mulligan
 Ensinar os conceitos para outros fisioterapeutas do mundo todo
 Credenciar professores internacionais no Conceito Mulligan

THE EXECUTIVE BOARD


Regional Managers:

President: B. Mulligan E-Mail:  North America: Don Reordon E-Mail: donreordan@rptmulligan.com


bmulligan@clear.net.nz
Chairman: Rick Crowell E-Mail:
 South America: Dan Pilderwasser E-Mail: dpilderwasser@aol.com

crowellrick@gmail.com  United Kingdom: Sarah Counsel E-Mail: Scounsell@Compuserve.com


Secretary: Brian Folk E-Mail:  Europe: Carole Stulz E-Mail: c.stolz@mulligan-concept.de
bfolk@roadrunner.com  Australasia: Gaetano Milazzo E-Mail: gaetano@milazzopt.com.au
Treasuer: Frank Gargano E-Mail:
garganof@sbcglobal.net
AUSTRÁLIA
Toby Hall Tim Mann Gaetano Milazzo
Address: 81 Northwood Street Address: Corrimal Physiotherapy, 55 Address: Suite 1, 1st Floor 41-43
Location: West Leederville Railway Street Goulburn Street, Liverpool
State/Province/County: Western Australia Location: Corrimal Location: Sydney
Zip Code: 6007 State/Province/County: New South Wales State/Province/County: New South Wales
Country: Australia Zip Code: 2518 Zip Code: 2170
Business Phone: +61 893176022 Country: Australia Country: Australia
Fax: 08 893176022 Business Phone: +61-2-42 855016 Business Phone: +61-2-9824-0055
E-mail: halltm@netspace.net.au Fax: Fax: +61-2-9824-0499
Web: http://www.manualconcepts.com/ E-mail: balphysio@optusnet.com.au E-mail: gaetano@milazzopt.com.au
Web: Web:
Mark Oliver Kim Robinson
Address: Physiotherapy 186, 4/186 Address: PO Box 1236
Hampden Road, Nedlands Location: Booragoon
Location: Perth State/Province/County: Western Australia
State/Province/County: Western Australia Zip Code: 6954
Zip Code: 6009 Country: Australia
Country: Australia Business Phone: +61 8 93176022
Business Phone: +61-8-9386-9288 Fax: +61 8 93176022
Fax: +61-8-9386-7188 E-mail: kwr211@netspace.net.au
E-mail: maka@swiftdsl.com.au Web: http://www.manualconcepts.com/
Web:
BRASIL
Palmiro Torrieri Junior Edelberto Gimenes Marques Dan Pilderwasser; Latin & South
Address: Rua Marques de Abrantes, Address: Rua das Laranjeiras, 384 American Regional Manager
178/507, Flamengo apt.102 Address: Rua Senador Vergueiro, 69 /
Location: Rio de Janeiro Location: Rio de Janeiro 1001 - Flamengo
State/Province/County: RJ State/Province/County: RJ Location: Rio de Janeiro
Zip Code: 22230-061 Zip Code: 22240-002 State/Province/County: RJ
Country: Brazil Country: Brazil Zip Code: 22230-000
Business Phone: 55-21-2259-6824 Business Phone: Mobile: +55-21-9973- Country: Brazil
4 of 135
Fax: 55-21-2529-2073 4314 Business Phone: 55-21-2259-6824
E-mail: palmiro@uol.com.br Fax: +55-21-557-9555 Fax: 55-21-2529-2073
Web: http://www.institutomulligan.com.br E-mail: edelberto.marques@gmail.com E-mail: dpilderwasser@terra.com.br
Web: http://www.mulliganbr.cjb.net/ Web: http://www.institutomulligan.com.br
CANADÁ
Jack Millar Jim Millard
Address: 140 Elworthy Avenue Address: 58 Grandview Crescent
Location: London Location: London
State/Province/County: Ontario State/Province/County: Ontario
Zip Code: N6C 2M7 Zip Code: N6K-2Y2
Country: Canada Country: Canada
Business Phone: +1-519-438-8966 Business Phone: 519 657-8949
Fax: +1-519-645-7447 Fax:
E-mail: info@canzed.com E-mail: jimandkelly@sympatico.ca
Web: https://www.mulliganconcept.ca/ Web:
FINLÂNDIA
Virve Havulinna
Address: Sorakuja 5
Location: Ojakkala
State/Province/County:
Zip Code: 03250
Country: Finland
Business Phone: +358-9-222-1054
Fax: +358-9-227-1737
E-mail: virve.havulinna@kolumbus.fi
Web:
ALEMANHA
Johannes Bessler Claus Beyerlein Carole Stolz; European Regional
Address: Kastanienweg 4 Address: Michel-Erhart-Weg 10 Manager
Location: Heidelberg/Dossenheim Location: Ulm Address: MTplus gGmbH, Friedenstrasse
State/Province/County: State/Province/County: 60
Zip Code: 69221 Zip Code: 89081 Location: Aschaffenburg
Country: Germany Country: Germany State/Province/County:
Business Phone: +49 6221 400405 Business Phone: +49-7071-368683 Zip Code: 63743
Fax: +49 6221 8727377 Fax: +49-731-3793291 Country: Germany
E-mail: physiobessler@aol.com E-mail: info@physiotherapie-beyerlein.de Business Phone: +60-28-407573
Web: http://www.mulligan-concept.de/ Web: http://www.physiotherapie- Fax: +60-28-407576
beyerlein.de/ E-mail: c.stolz@mulligan-concept.de
Web: http://www.mulligan-concept.de/
GRÉCIA
Adamidis Sakis
Address: Macedonia 6 Thermi
Location: Thessaloniki
State/Province/County:
Zip Code:
Country: Greece
Business Phone: +30-2310466632
Fax:
E-mail: sakis@pnf.gr
Web:
HONG KONG
Gorman Chi Wing Ngai
Address: 4/F 65 Larch Street, Tai Kok
Tsui, Kowloon,
Location: Hong Kong
State/Province/County:
Zip Code:
Country: Hong Kong
Business Phone: Mob: 852-97590823
Fax:
E-mail: gorman_hk@hotmail.com
Web:
INDIA
Deepak Kumar
Address: A- 64, Hans Apartment,
CBD,East Arjun Nagar, Shahdara
Location: New Delhi
State/Province/County: Delhi
Zip Code: 110032
Country: India
Business Phone: +91 (0) 9312215069
Fax: +91 (0) 11 22375141
E-mail: deepakcapri@hotmail.com
Web: http://www.capri4physio.com/
IRLANDA
Jean Madden
Address: Porridgetown, Oughterard
5 of 135
Location:
State/Province/County: Galway
Zip Code:
Country: Ireland
Business Phone: +353-91-553135
Fax:
E-mail: porridgetown@eircom.net
Web:
ITÁLIA
Stefano Serrecchia
Address: Largo Brindisi 2
Location: Roma
State/Province/County:
Zip Code: 00182
Country: Italy
Business Phone: +39-6-700-1423
Fax:
E-mail: sserrecchia@libero.it
Web:
HOLANDA
Rene Claassen Peter van Dalen
Address: Kampdijklaan 39 Address: Grootvenseweg 11
Location: Vught Location: Wijchen
State/Province/County: State/Province/County:
Zip Code: 5263 CG Zip Code: 6603 AP
Country: Netherlands Country: Netherlands
Business Phone: +31-73-620653399 Business Phone: +31-24-3483260
Fax: +31-73-65-70261 Fax:
E-mail: claassen.fysio@wxs.nl E-mail: p.vandalen@hetnet.nl
Web: http://www.mulliganconcept.nl Web: http://www.mulliganconcept.nl/
NOVA ZELÂNDIA
Barbara Hetherington Wayne Hing Mary McCully
Address: 2/79 Moa Road, Point Chevalier Address: School of Physiotherapy, AUT Address: 84 Kitenui Avenue,Mount Albert
Location: Auckland University, Private Bag 92006 Location: Auckland
State/Province/County: Location: Auckland State/Province/County:
Zip Code: 1022 State/Province/County: Zip Code:
Country: New Zealand Zip Code: 1020 Country: New Zealand
Business Phone: +64-9-845-0066 Country: New Zealand Business Phone:
Fax: Business Phone: +64-9-9219999 x7800 Fax:
E-mail: bar.sel@clear.net.nz Fax: +64-9-921-9620 E-mail: neil.mary@orcon.net.nz
Web: E-mail: wayne.hing@aut.ac.nz Web:
Web:
Brian Mulligan
Address: PO Box 14-488
Location: Wellington
State/Province/County:
Zip Code:
Country: New Zealand
Business Phone: 64-4-388-9247
Fax: 64-4-388-9337
E-mail: bmulligan@clear.net.nz
Web: http://www.bmulligan.com/
ÁFRICA DO SUL
Geoffrey Foat
Address: First Principles Medical,
Clarensville, 60B Regent Road,
Location: Sea Point
State/Province/County:
Zip Code: 8005
Country: South Africa
Business Phone: (021) 434-6929
Fax:
E-mail: gdfoat@yahoo.com
Web:
SUÉCIA
Johan Alvemalm Morgan Andersson
Address: 29 Violet Grove,Shenton Park Address: Dalagatan 10
Location: Perth Location: Lulea
State/Province/County: WA (resides in State/Province/County:
Australia) Zip Code: 97242
Zip Code: 6008 Country: Sweden
Country: Sweden Business Phone:
Business Phone: +61-8-9386-9288 Fax:
Fax: +61-8-9386-7188 E-mail: fe.morgan.andersson@telia.com
E-mail: alvemalm@bigpond.net.au Web:
Web:
SUIÇA
6 of 135
Ulla Kellner
Address: Medical Centre
Location: Bad Ragaz
State/Province/County:
Zip Code: 7310
Country: Switzerland
Business Phone: 41 81 303 3838
Fax:
E-mail: ulla.kellner@web.de
Web:
REINO UNIDO
Robin Blake Sarah-Ann Counsell; UK & Ireland Linda Exelby
Address: 8a Front Street Regional Manager Address: Physiotherapy Dept, Pinehill
Location: Acomb Address: Sophia House, 28 Cathedral Hospital,Benslow Lane
State/Province/County: York Road, Location: Hitchen
Zip Code: YO2 3BZ Location: Cardiff State/Province/County: Hert
Country: United Kingdom State/Province/County: South Zip Code: SG4 9QZ
Business Phone: +44-1904-784-055 Glamorgan, Wales Country: United Kingdom
Fax: +44-1904-780-445 Zip Code: CF119LJ Business Phone: +44-1-462-427215
E-mail: robin.blake@tiscali.co.uk Country: United Kingdom Fax: +44-1-462-421968
Web: Business Phone: +44-2-9206-60217 E-mail: lindaexelby@btinternet.com
Fax: Web:
E-mail: sac@macace.net
Web:
Ed Wilson
Address: Highthorn Physiotherapy Clinic,
132,Lawrence St. York.yo103eb
Location: York
State/Province/County:
Zip Code: YO103EB
Country: United Kingdom
Business Phone:
Fax: +44-1904-431-819
E-mail: edwilsofttouch@hotmail.com
Web:
EUA
Amy Bennett Patricia Black Rick Crowell
Address: 1472 Cardington Road Address: 7 Stone Street Address: 3111 Greysolon Rd.
Location: Dayton Location: Branford Location: Duluth
State/Province/County: OH State/Province/County: CT State/Province/County: MN
Zip Code: 45409 Zip Code: 06405 Zip Code: 55812
Country: USA Country: USA Country: USA
Business Phone: 1-937-367-8202 Business Phone: Business Phone: 218 786 5433
Fax: 937 684 4428 Fax: 203 483 0290 Fax: 218 786 5435
E-mail: amybennett@woh.rr.com E-mail: patvblack@sbcglobal.net E-mail: crowellrick@gmail.com
Web: Web: Web:
Brian Folk Frank Gargano David Mikos
Address: 6714 Antilope Street Address: Rehabilitex Inc. Physical Address: Quinnipiac Physical Therapy, 7
Location: Carlsbad Therapy,30455 Solon Rd. Washington Avenue
State/Province/County: CA Location: Solon Location: North Haven
Zip Code: 92009 State/Province/County: OH State/Province/County: CT
Country: USA Zip Code: 44139 Zip Code: 06473
Business Phone: 760-518-0249 Country: USA Country: USA
Fax: 760-438-7987 Business Phone: +1-440-498-9723 Business Phone: +1-203-239-4274
E-mail: bfolk@roadrunner.com Fax: +1-440-498-9725 Fax: +1-203-239-4290
Web: E-mail: garganof@sbcglobal.net E-mail: daveqptsm@hotmail.com
Web: http://www.rehabilitex.com/ Web:
Julie Paolino Shelly Quirk Don Reordan; North American Regional
Address: Integrated Rehabilitation Address: 145 hazard ave Manager
Services, 520 Hartford Turnpike Location: Enfield Address: Jacksonville Physical Therapy,
Location: Vernon State/Province/County: CT 635 N. 5th Street
State/Province/County: CT Zip Code: 06082 Location: Jacksonville
Zip Code: 06066 Country: USA State/Province/County: OR
Country: USA Business Phone: 860-265-2571 Zip Code: 97530
Business Phone: +1-203-860-870-8272 Fax: Country: USA
Fax: E-mail: shellyquirk@sbcglobal.net Business Phone: +1-541-899-8179
E-mail: jpaolino@integrehab.com Web: http://www.functionalgolflinks.com/ Fax: +1-541-899-0244
Web: http://www.integrehab.com/ E-mail: donreordan@rptmulligan.com
Web: http://www.rptmulligan.com/
Russell Woodman
Address: Quinnipiac College, 275 Mt
Carmel Avenue
Location: Hamden
State/Province/County: CT
Zip Code: 06518
Country: USA
Business Phone: +1-582-8684
Fax: 582-8706
E-mail: russell.woodman@quinnipiac.edu
Web:
7 of 135
138

Instituto Mulligan do Brasil

Objetivos do Instituto:

Promover cursos e palestras

Incentivar os profissionais na pesquisa científica das idéias propostas por


Brian Mulligan

Difundir as idéias e conceitos do Dr. Mulligan entre os fisioterapeutas


manuais, osteopatas, médicos, quiropráticos e planos de saúde

Promover cursos interativos de educação continuada usando o mais alto


padrão de educação

Palmiro Torrieri Junior, fisioterapeuta, graduado em 1980 pela SUAM-RJ e pós-


graduado em didática do ensino superior, dedica-se ao ensino universitário desde 1983.
Iniciou seus estudos com Dr. Brian Mulligan em 1997, nos EUA. Em 2000 tornou-se
professor credenciado internacionalemnte pela Mulligan Concept Teachers Association
(MCTA). Desde então já proferiu mais de 50 conferências sobre o conceito e aproximadamente
100 cursos, tendo introduzido mais de 3.000 fisioterapeutas neste magnífico conceito.
Considerado um dos introdutores da terapia manual no Brasil divulga esse trabalho por
clínicas e hospitais. Sua formação hospitalar e anos de prática em fisioterapia clínica, incluindo
terapia intensiva, permitiram-lhe o melhor discernimento das aplicações clínicas da terapia
manual. Atua como professor de graduação e pós-graduação.
Foi o primeiro presidente e fundador da Associação Brasileira de Osteopatia em 1989,
tendo recebido recentemente o título de D.O. Honorário pelo Instituto Brasileiro de Osteopatia
(IBO).
Realizou vários cursos nacional e internacionalmente, incluindo Cyriax, PNF, Osteopatia,
Maitland, McKenzie, Neurodinâmica, Trigger Points, RPG, Rocabado, entre outros.
Participa ativamente de várias sociedades científicas, incluindo a International
Association of Study of Pain (IASP) e a Internacional Myofascial Pain Association (IMPA).
Sua área de atuação inclui a fisioterapia músculo-esquelética com ênfase nas cefaléias,
dores cervicais, síndromes miofasciais e disfunções têmporo-mandibulares.
Atua ainda como gestor em dois grandes hospitais: Hospital Samaritano e Hospital Copa
D’Or.

Edelberto Gimenes Marques, graduou-se em 1994, pelo IBMR-RJ, foi aluno do Dr.
Palmiro Torrieri Junior, seguiu seus passos desde sua formação, trabalhando em sua clínica e
sendo orientado nos estudos da terapia manual. Em 1997, juntamento com Palmiro, iniciou sua
formação com Dr. Brian Mulligan nos EUA. Em 2000, tornou-se professor credenciado
internacionalmente pela MCTA; desde então, proferiu inúmera palestras e ministrou mais de
100 cursos, participando na formação de mais de 3.000 fisioterapeutas.
Pós-graduado em docência superior e em 2008 alcançou seu doutorado em fisioterapia
pela Universidade de Buenos Aires. Ministra cursos de pós-graduação pela Universidade
Castelo Branco, assim como cursos de terapia manual e anatomia palpatória.
8 of 135
Na sua formação incluem-se vários cursos entre eles, Maitland, do qual foi monitor do
Dr. Gordon Cummings, PNF, Osteopatia, acupuntura, Neurodinâmica, auriculoterapia, liberação
miofascial, entre outros.
Sua prática clínica inclui as desordens músculo-esqueléticas, preferencialmente as do
quadrante inferior e lesões do esporte.

Dan Gotlib Pilderwasser, fisioterapeuta, graduado em 1979, pela SUAM-RJ, sua


formação profissional inclui inúmeros cursos, realizados nacional e internacionalmente, tais
como: Maitland, Estabilização Dinâmica, Osteopatia, Rocabado, RPG, liberação miofascial,
PRT e Neurodinâmica, do qual é instrutor internacional pelo Neurodynamic Solutions de
Michael Shacklock. É pós-graduado em neurofisiologia pelo IBMR-RJ.
Recentemente recebeu o título de D.O. Honorário pelo IBO-RJ, por suas contribuições a
osteopatia. Em 2004, tornou-se professor credenciado internacionalmente pela MCTA.
Atualmente exerce suas atividades em clínica privada e coordena o Hospital Samaritano no Rio
de Janeiro.
Sua área de atuação inclui o tratamento das disfunções músculo-esqueléticas, com
ênfase em terapia manual e manipulativa.
9 of 135
PREFÁCIO

A terapia manual vem se desenvolvendo progressivamente nas últimas décadas, o que


pode ser observado através de um número crescente de publicações científicas e de
praticantes.
Muitos terapeutas contribuíram para este crescimento e, dentre eles, podemos destacar
os irmãos Mennel, Cyriax, Maitland, Kaltenborn, Dvorák e Evjenth, Butler, Shacklock e
Mulligan.
Diferentes modelos explicativos são propostos, cada qual com sua fundamentação
teórica e filosófica. Modelos são tentativas de explicar a realidade, não sendo necessáriamente
o real. O modelo da falha posicional proposta por Brian Mulligan vem apresentando um corpo
crescente de evidências clínicas (Vicenzino, entre outros).
Os resultados conseguidos com este modelo de tratamento, quando bem indicados, são
rápidos e duradouros. A utilização de técnicas de reposicionamento articular centradas em não
provocar a dor e restabelecer o movimento permite que mesmo fisioterapeutas ainda
inexperientes na arte da terapia manual possam usar estas técnicas com segurança, desde
que respeitem as contra-indicações da terapia manual.
Outra vantagem do enfoque Mulligan é que podemos combiná-lo com outros modelos de
tratamento, propiciando assim um melhor resultado terapêutico.
O presente curso procura, portanto, trazer uma visão diferenciada e uma nova maneira
de agir e pensar dentro do sistema proposto por Brian Mulligan. Esta nova visão pode ser
considerada revolucionária em alguns aspectos. Como particularidade, as nossas técnicas são
indolores, realizadas em posição de carga (sentado ou em pé) e em situações de atividade
funcional.
Este pequeno manual não exclui a necessidade de aquisição dos livros escritos por
Brian Mulligan, porém serve como um guia de estudo e uma introdução para a execução
correta de suas técnicas.
Agradecemos a todos por adquirirem aqui uma nova filosofia de tratamento que
certamente os tornaráe diferenciados em relação a outros profissionais, e os permitirá produzir
benefícios imediatos em alguns pacientes, melhorando sua qualidade de vida.

Palmiro Torrieri Jr., Edelberto Gimenes Marques e Dan Pilderwasser.


30/06/2010

10 of 135

REGRAS DO JOGO

Conceito Mulligan
• Celulares desligados…POR FAVOR
• Proibido Fumar
NAGS, SNAGS, MWMS, PRP • Intervalos para refrescar a cuca
• Almoço
• Horário Britânico
Apresentado
Palmiro Torrieri Junior, PT, MCTA,DO (HON)
Edelberto Gimenez, PT, MCTA
DAN G. Pilderwasser PT,MCTA,DO(Hon)

Introdução Conceito Mulligan


• O conceito Mulligan é uma técnica de terapia • O Conceito Mulligan utiliza muitas das práticas e
manual (uma de muitas) filosofias já desenvolvidas em terapia manual

• O Conceito Mulligan difere no fato de que ele


• O melhor procedimento é aquele com o combina as técnicas de mobilização passiva e as
melhor resultado (o mais rápido e o mais torna dinâmicas: movimentos fisiológicos ativos são
completo) adicionados às técnicas de mobilização passiva

Qual dos seres As linhas são


é o maior? mesmo curvas?

1
30/06/2010

11 of 135

Ilusões
• Daniel Boorstin once remarked that “The chief
obstacle to discovery is the illusion of knowledge.”
• You have no desire to learn about something if you
think you already know about it CONCEITO
• The desire to learn is directly related to the doubt
that is established with the realization of the reality
of the illusion
MULLIGAN
• Extraído do curso Pelvic Dynamics and SIJ de Richard
L. Dontigny

Sacroiliac Joint
Posterior rotation
with walking

2
30/06/2010

12 of 135

CONCEITO MULLIGAN

Preliminares e metodologia
NAGS, SNAGS, MWM

NAGS
SNAGS
MWMS
PRP
Nível 1: Introdução
Eficiência técnica

3
30/06/2010

13 of 135

Brian Mulligan,
FNZSP (Hon.), Dip MT
NAGS
SNAGS
MWMS
PRP
Nível 2: Avançado
Eficiência técnica e clínica
Manual therapist
Private practice - Wellington, NZ
Teacher/Lecturer
Master Clinician
Author/Published

Mulligan assume que:


• Terapeutas conheçam as contra-indicações
para a terapia manual

• Conheçam anatomia e biomecânica

• Possuam boa comunicação com o paciente

Elimine patologias sérias Elimine patologias sérias


Red Flags Red Flags
• Idade <20 e >55 • Saúde precária / sintomas sistêmicos
• Paciente piora à noite ou em repouso • Dor não aliviada no repouso
• Febre ou perda de peso inexplicados • Falência da melhora com o tratamento
• Dor torácica
• História de trauma
• Déficit neurológico focal (progressivo) e sintomas
neurológicos se ampliando • Uso de esteróides (osteoporose)
• SLR • Dor muito severa / espasmo muscular intenso
• Alteração nos hábitos urinários (retenção urinária)
• História de câncer

4
30/06/2010

14 of 135

Elimine patologias sérias


Yellow Flags
Red Flags
• Aumento na freqüência urinária ou fecal (síndrome • Medo – “avoidance behaviour”
da cauda eqüina) • Condicionamento físico precário
• Comportamento não-mecânico dos sintomas • Problemas pessoais (conjugais, financeiros,
• Dor não-mecânica progressiva depressão, álcool, etc.)
• Procedimentos médico-legais
• Severa restrição da flexão lombar
• Baixo índice de satisfação no trabalho
• Dor que piora em posição supina
• Comportamento inapropriado em situações de dor
• Catastrófico
• Ref.: Aust Fam Phys 1999; 28(1):25-30 • Repouso prolongado
• Excesso de confiança no tratamento passivo

Waddell signs (2)


Yellow flags
• História prévia de dor lombar
• Dor irradiada para a perna, envolvimento da raiz
neural
• Saúde geral precária
• Desordens do humor
• Ausência prolongada no trabalho

• Ref.: Austr Fam Phys 1999; 28(1): 681-2


SAJAA 2000; 6(1):2-4(edit)

Objetivos do curso Objetivos do curso


1. Ter um bom entendimento do exame e do 2. Ser capaz de aplicar atécnicas do conceito
tratamento usando o Conceito Mulligan Mulligan para o quadrante superior:
– o mais aplicável à dor relacionada à disfunção
dos segmentos articulares periféricos e coluna Coluna cervical, torácica e costelas
Ombros,
Cotovelo,
Antebraço
Punho, Mão, Dedos

5
30/06/2010

15 of 135

Objetivos do curso Objetivos do curso


• Para o quadrante inferior: 3. Ser capaz de instruir os pacientes nos auto-
tratamentos
Coluna lombar,
Articulações sacro-ilíacas, 4. Aplicar “taping” para ajudar a manter a
Coxa, correção posicional e auxiliar os pacientes
Joelho, com as auto-mobilizações
Tornozelo, pé, dedos 5. Discutir e demonstrar as aplicações das
técnicas de Mulligan com referência a
• Também para restrições dos tecidos neuro- quadros clínicos específicos
meníngeos

Objetivos do Curso Suposição


• Apresentar e aplicar os princípios do conceito • Participantes são profissionais de saúde registrados
Mulligan de Terapia Manual • Que não existam contra-indicações para aplicação das
técnicas aos participantes e que eles estejam consistam
• Desafiar os modelos conceituais estabelecidos na demonstração e aplicação das técnicas em si próprios
de patologia • Participantes conhecem e obedecem as regras para
aplicação de técnicas de terapia manual
• Apresentar esta informação de uma forma • Respeito mútuo deverá existir entre os participantes e
aberta entre os instrutores e os participantes
• Produzir uma experiência estimulante de
aprendizagem

Aviso Supõe-se que os participantes:


• Os participantes neste curso correm seus próprios riscos
participantes. Embora todo o cuidado seja tomado, os
• Tenham com conhecimento de
instrutores e organizadores não aceitam responsabilidade – Anatomia
por lesão ocorrida ou supostamente ocorrida durante a
participação no curso. A informação adquirida neste curso – Biomecânica
deverá ser aplicada nos pacientes somente quando o – Patologia
terapeuta sentir-se confiante em sua própria habilidade de
faze-lo, dada a devida consideração à sua capacidade e a • Estejam familiarizados com as contra-
condição apresentada pelo paciente, bem como o estágio indicações básicas da terapia manual
da patologia
• Tenham habilidade básica em terapia manual

6
30/06/2010

16 of 135

Algumas habilidades necessárias em


terapia manual
– Boa posição corporal (sua e do paciente)
– Contato manual firme e confortável
Conceito Mulligan de
– Boa estabilidade da área a ser mobilizada
– Posição de ambas as mãos, sempre que possível, Terapia Manual
próxima à interlinha articular
– Aplicação homogênea do tratamento
administrado

Brian Mulligan,
FNZSP (Hon.), Dip MT

CONCEITO
MULLIGAN
Manual therapist
Private practice - Wellington, NZ
Teacher/Lecturer
Master Clinician
Author/Published

Mulligan Introdução
• NAGS • No campo da observação. A chance favorece
somente a mente preparada
• SNAGS “Louis Pasteur”

• Mobilização com movimento • No campo da terapia manual, onde arte e


ciência interagem, nós devemos estar
preparados para o inesperado ! ! !
• Técnicas neuro-meníngeas

7
30/06/2010

17 of 135

Desenvolvimento do Conceito
• Mentores
– Fred Kalternborn, Cyriax, Maitland
• Terapia manual
• Mulligan sabia empiricamente que:
– Técnicas passivas diminuíam a dor
– Pacientes melhoravam com mobilizações passivas na
coluna sem carga, mas frequentemente este ganho não
permanecia em posições de carga ou com movimento

Teorias
Osteokinematics: Arthrokinematics:
movement of movement of
the bone the joint surface

Mobilização com movimento


IP – Falha posicional
Teoria
• Falhas posicionais pequenas ou
Teoria da falha posicional
– Seguido de injúria ou trauma a articulação poderia assumir
uma posição ligeiramente anormal
– Invisível no raio-X ou ressonância magnética
– Restrições de movimento resultam em dor
• Bloqueios mecânicos a partir dos tecidos inertes
• Sinais aferentes dolorosos articulares causam espasmo protetor

8
30/06/2010

18 of 135

Perda da flexão inter-falangeana


proximal por falha posicional mínima Mobilizações com Movimento
• A chance favoreceu o observador
• FIP sem resposta às mobilizações clássicas
• Houve resposta com reposicionamento (glide
medial) + movimento ativo
• Movimento sem dor = MWM ! ! !

Conceito Mulligan
Conceito Mulligan
na Terapia Manual
• Portanto . . . • Dor e/ou perda de função no sistema articular
– Restaurando o alinhamento normal ou o pode estar relacionado a uma alteração da
“tracking” resultará em diminuição da dor e mecânica articular
aumento da flexibilidade / função
– Mau alinhamento estático ou falhas posicionais
– Aplicações repetidas do correto procedimento e/ou
deverão restaurar a memória do movimento e
manter a correção das falhas posicionais
– Alteração dinâmica do “tracking”

Artrocinemática anormal Artrocinemática anormal


• Trauma e/ou alterações degenerativas podem • Falhas posicionais menores
resultar em: Minor positional faults (Mulligan 95)
– Desarranjo interno do complexo articular – Após lesão ou injúria a articulação pode assumir uma
– Padrões de descarga muscular inapropriados posição ligeiramente anormal
– Restrições de movimento e dor aparecem
• Esses fatores causam: • Bloqueios mecânicos a partir de tecidos inertes
– Alteração instantânea do eixo de rotação • Descarga dos aferentes articulares, espasmo reflexo protetor
– “Tracking” alterado ou disfunção
(stuck drawer analogy - Jack Miller)

9
30/06/2010

19 of 135

As mobilizações do Conceito Mulligan


• São ambas:
• Mobilizações oscilatórias passivas
• Mobilizações ativo-assistidas (sustentadas)
– Movimento passivo aplicado para a coluna ou
NAGS
segmentos o periféricos, os quais se movem com
movimentos fisiológicos ativos
• Procedimentos posicionais Mobilizacoes
oscilatórias passivas

MWMs

Headache SNAG SMWAM – Neuromobilization with SNAG

10
30/06/2010

20 of 135

SMWLM
SMWAM - Neuromobilization
De lado – dois terapeutas

Empurrar processo
espinhoso de L5

Manual Therapy
“Art and Science”
• We practice manual therapy because we
• “ As técnicas são empiricamente baseadas e believe in our hands, our patient’s believe in
existe a necessidade de validação científica” us because we’ve made them better!
• Scientific evidence for manual therapy “may
be likened to a blind man in a dark room
looking for a black cat that may not be there”
• Ideas driving data is better than data driving Wilson 95
ideas

Princípios do tratamento Sinais comparáveis


• Avaliar e encontrar um sinal comparável • Maitland (1986)
– Diminuição do movimento
• Perda do movimento articular
– Dor com movimento
– Dor com atividade funcional específica
– Acessório
– fisiológico
• Dor na palpação / provocação
• Dor associada com movimento
• Dor associada com atividade funcional

11
30/06/2010

21 of 135

Princípios do tratamento Princípios do tratamento


• Aplicar o movimento acessório seguindo os • Monitorar continuadamente as reações do
princípios de Kaltenborn paciente e sentir que a dor não reapareceu
– Movimento acessório também deverá ser indolor
– Observar
• Conhecimento de artrologia
• Senso de tensão tecidual
• Raciocínio clínico
• Várias combinações de glides paralelos ou
perpendiculares para encontrar o plano de tratamento
ou grau do movimento acessório

Princípios do tratamento Princípios do tratamento


• Mantendo o glide (acessório) solicita-se ao paciente • O paciente repete a atividade previamente
para realizar o sinal comparável que deve agora ser
significantemente melhorado
restrita ou movimento antes doloroso e o
terapeuta mantém o glide
• Falhas em melhorar o sinal comparável podem • Ganhos futuros são esperados com a
significar repetição
– Plano de tratamento incorreto
– Grau de mobilização inadequada (velocidade / força)
• Aplicar “overpressure” indolor no final do arco
– Nível segmentar errado
– Técnica não indicada

Princípios do tratamento

• Orientar auto-tratamento com manutenção


do glide

• Tapings podem ser usados para manter a


correção

12
30/06/2010

22 of 135

Self SNAG C1 /C2

C1 - T.P.

Princípios do tratamento Princípios do tratamento

• Orientar auto-tratamento com manutenção • Tapings podem ser usados para


do glide
manter a correção
• Tapings proprioceptivos
• Tapings podem ser usados para manter a • Tapings corretivos(glide taping)
correção

Tape entorse de tornozelo 2

• ..\VTS_01_1.VOB

13
30/06/2010

23 of 135

NOVOS ENGRAMAS CEREBRAIS???

Princípios do tratamento THIS IS NOT MULLIGAN!!!


• Tratamento NUNCA deve causar dor
• Se a mobilização for indicada, haverá uma
melhora imediata
– Dor e flexibilidade
• Mobilizações em posições funcionais e
restauração da perda da memória tecidual

14
30/06/2010

24 of 135

Conceito Mulligan Conceito Mulligan


Comentários Comentários
• É baseado na proposta de que se a técnica • É baseado no modelo de solução analítica do
selecionada for efetiva, então o resultado será problema, ao invés de uma receita prescrita para
imediato. Se não funciona imediatamente, tratamento
então não são aplicáveis
• O terapeuta deve utilizar as muitas diferentes
combinações de reposicionamento passivo tantas
• Se após 5 sessões não houver benefícios quanto possível, para que aumente o arco de
prolongados, então as técnicas não são movimento ativo e livre de dor no segmento afetado
aplicáveis

NEVER GIVE UP

Nunca
desista

15
25 of 135
QUADRANTE SUPERIOR

OBJETIVOS  “Soreness” após manipulação


No final desta unidade você deverá ser capaz de:  Usar associados ao SNAGS ou NAGS reverso
 Entender o conceito de NAGS, SNAGS,  Cervicais agudas
REVERSE NAGS e MWMS  Incerteza de irritabilidade
 Diferenciar os planos facetários da região  ATENÇÃO! Cuidado com pacientes que não
cervical alta, torácica e lombar toleram NAGS
 Saber indicar corretamente NAGS e SNAGS
1.4 TÉCNICA
 Mobilizações do meio para o final do arco
COLUNA CERVICAL INFERIOR  Sentido = antero-superior (antero-cranial)
 Osteocinemática  Graduação de acordo com a tolerância
 Flexão  Jamais causam dor, no máximo desconforto
 Extensão  Paciente sentado
 Inclinação lateral  Podem ser combinadas com pequena tração
 Rotação  Indicados de C2 até T3
 Orientação articular  Mobilizações oscilatórias passivas
 Faceta caudal da vértebra superior (caudal,  Meio para o final do arco
ventral e lateral) * Em casos muito agudos ou de muita irritação
 Faceta superior da vértebra inferior (cranial, articular, começamos no início do arco
dorsal e medial)  Variação
 Tipo de articulação  Unilateral
 Faceta sinovial  Com tração
 Disco
 Superfície articular 1.5 REGRAS PARA A TÉCNICA
 Ovóide  Visualizar o plano facetário
 Plana  Plano facetário é diferente
 Faceta superior convexa  Cervical X Lombar
 Faceta inferior côncava  A técnica é aplicada na direção do movimento
 Posição de repouso artrocinemático
 Ligeira inclinação para frente  Paralelo ao plano articular (artrocinemática)
 Posição “closed-packed”  Antes de desistir, tentar um nível acima ou
 Total extensão abaixo
 Padrão capsular  Usar sinais comparáveis para determinar o
nível
 Inclinação lateral = rotação > que extensão

1. NAGS

1.2 DEFINIÇÃO ALINHAMENTO DA COLUNA CERVICAL


 Do acrônimo “ Natural Apophyseal Glides”, ou Z JOINT
seja, Deslizamento Apofisário Natural.
 É uma técnica de mobilização oscilatória
passiva realizada entre dois segmentos
vertebrais, eg; C5/C6, mobiliza-se C5 em
relação a C6.

1.3 INDICAÇÃO
 Aumentar movimento
 Diminuição da dor
 Teste de irritabilidade
 Quando a resistência for o fator dominante
 Quando a resistência for maior que a dor
 Quando a resistência for igual à dor
 Idosos com restrição cervical
 Pacientes com perda global do movimento
cervical, não causados por injúria séria
estrutural ou outra patologia que contra-indique
o movimento

19
26 of 135
1.7 ERROS COMUNS
White and Panjabi 1978

1.6 LEMBRETES ÚTEIS

20
27 of 135
2.4 TÉCNICA
2. NAGS REVERSO

2.1 DEFINIÇÃO
 É a mesma para NAGS, apenas incrementa-se
a palavra reverso porque agora a mobilização é
realizada do segmento subjacente em relação
ao suprajacente, por exemplo; T1/T2, neste
caso mobiliza-se T2 em relação a T1.

2.2 INDICAÇÃO
 Perda de movimento fisiológico da coluna Contato no processo transverso
cervical em seu arco final
 Disfunção postural – postura de projeção
anterior da cabeça com dor no
 trapézio superior 3. ARTICULAÇÕES PERIFÉRICAS -
 Alterações degenerativas da cervical baixa ou INTRODUÇÃO AO MWM
coluna torácica superior
DEFINIÇÃO
2.3 LEMBRETES ÚTEIS  Procedimento de mobilização dinâmica aplicada
às articulçações periféricas para reduzir a dor e
restaurar a artrocinemática normal (alinhamento
e/ou tracking)

INDICAÇÃO
 Em todas as articulações periféricas

TÉCNICA
 O procedimento envolve correção do
alinhamento articular e manutenção desta
correção enquanto o paciente realiza movimento
ativo e/ou arco de movimento funcional resistido
 Overpressure é aplicada no final do arco
possível para assegurar movimento fisiológico
com arco total (ERL= „end range loading‟)
 A correção adicional alternada, se requerida, é
normalmente realizada com rotação
 A correção passiva inicial é tipicamente um glide
translatório
 As forças de mobilização são aplicadas tão
próximo quanto possível das superfícies
articulares. Isso evita a ocorrência possível do
„wedging‟ das superfícies articulares que podem
provocar dor
 O tratamento é realizado sempre que possível
em posições funcionais e de carga (posturas)
 Posturas
 Sem carga
 Com carga
 Funcionais
 Posição provocativa
 Durante a aplicação tenha em mente que existe
uma alteração na orientação do plano de
tratamento uma vez que o segmento tratado
move-se através do arco
 A direção apropriada para a mobilização é
aquela que permite que o paciente realize o
movimento com um significante incremento do
arco de movimento sem dor
 Repetir 6 – 10 vezes, e sustentar por até 10
segundos cada repetição

21
28 of 135
3.1 ARTICULAÇÕES DA MÃO E PUNHO  Rotação medial, rotação lateral
 Rotação + glide lateral
3.1.2 ARTICULAÇÕES INTERFALANGEANAS  Orientar outro MWM
PROXIMAIS E DISTAIS
3.2 PUNHO
3.1.2.1 Características articulares
 Sinovial 3.2.1 RADIO-CARPAL E ULNO-CARPAL
 Selar (funcionalmente ovóide)
 Falange proximal convexa ventral / dorsal 3.2.1.1 Características articulares
(flexão / extensão)  Sinovial
 Falange distal côncava ventral / dorsal  Ovóide
(flexão / extensão)  Rádio e ulna côncavos
 Orientação articular  Carpos convexos
 Falange proximal caudal  Orientação articular
 Falange distal cranial  Rádio e ulna: carpal / ventral / ulnar
 Posição de repouso  Carpo cranial / dorsal / radial
 10º de flexão para I.F.P.  Posição de repouso
 30º de flexão para I.F.D.  Neutra com ligeiro desvio ulnar
 “Closed packed”  “Closed packed”
 Extensão total  Extensão completa
 Padrão capsular  Padrão capsular
 Flexão > extensão  Limitação igual em todas as direções

3.1.2.2 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS 3.2.1.2 Movimentos acessórios radio carpal


 Rotação medial  Postero-anterior
 Rotação lateral  Pressão sobre a superfície posterior do
 Longitudinal caudal carpo
 Longitudinal cefálico  Antero-posterior
 Postero-anterior  Pressão sobre a superfície anterior do
 Antero-posterior carpo
 Deslizamento Lateral  Transversal lateral
 Deslizamento Medial  Movimentação do carpo na direção lateral
 Transversal medial
3.1.2.3 Indicações  Movimentação do carpo medialmente
 Perda da mobilidade por dor e/ou rigidez na F/E  Supinação
 Pressão sobre a superfície anterior
3.1.2.4 Tratamentos utilizados proximal do carpo
 Calor + exercícios ativos  Pronação
 Calor + exercícios ativos + terapia manual  Pressão sobre a superfície posterior
 Terapia manual = tração / glide medial / lateral proximal do carpo
 Mulligan sugere MWM‟s como a melhor e mais  Longitudinal caudal
rápida forma de terapia  Longitudinal cefálico

3.1.2.5 Técnica PUNHO


 Estabilizar a faceta proximal da articulação  Fileira dos ossos do carpo
rígida e normalmente edemaciada com o  Articulações carpais individuais
indicador e polegar colocados medialmente e
lateralmente
 A faceta distal é segura medialmente e
lateralmente com o polegar e indicador da outra
mão
 Deslizar a faceta distal medialmente e depois
lateralmente e observar o lado do glide indolor
 Escolha o lado indolor do glide, mantenha-o e
peça ao paciente para fletir a articulação
 O paciente aplica „overpressure‟ para completar
o movimento
 Repetir várias vezes e reavaliar

3.1.2.6 Observações
 Caso não funcione tentar
 Glide lateral
 Glide medial

22
29 of 135
3.2.1.3 Indicação 3.3.2 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS
 Perda da mobilidade em F/E e Desvio  Postero-anterior
Ulnar/Radial.  Pressão na superfície posterior da ulna
 Restrição da mobilidade articular por dor e/ou  Antero-posterior
rigidez em situações onde ocorreu trauma ou  Pressão sobre a superfície anterior da ulna
em pós-operatório.  Compressão
 Tendinites por esforço repetido ou não.  Aproximação da superfície articular
 Longitudinal cefálico
3.2.1.4 Técnica  Produzido no rádio durante o desvio radial
 Maior sucesso com glide lateral do punho
 Paciente sentado  Longitudinal caudal
 Terapeuta coloca seu „webspace‟ fixando a  Produzido no rádio durante o desvio ulnar
extremidade distal do rádio com o polegar e do punho
indicador
 O „webspace‟ da mão oposta do terapeuta é 3.3.3 INDICAÇÃO
colocada sobre a fileira do carpo medialmente  Perda de mobilidade por Dor e/ou Rigidez nos
 Mantendo „glide‟ não doloroso, o paciente move movimentos de Pronação/Supinação
o punho em flexão e/ou extensão
 O paciente aplica „overpressure‟ 3.3.4 TÉCNICA – Déficit na Supinação : Exemplo –
 Podemos combinar a rotação dos ossos do Esquerda
carpo sobre o rádio ou sobre a ulna  Paciente sentado ou em pé
 Terapeuta ao lado do punho esquerdo
 Os dedos da mão direita do terapeuta são
ESTABILIZAR
colocados anteriormente ao longo da borda
ulnar do rádio visando estabilização
 O polegar esquerdo sobre a extremidade distal
da ulna
 O polegar direito é colocado sobre o esquerdo e
pressiona a ulna (mobilização P/A)
 Testar e sentir o movimento (P/A)
 Manter o deslizamento P/A e o paciente realiza
GLIDE RADIAL a supinação com „overpressure‟ no final do arco
 O terapeuta segue o movimento, mantendo o
glide (P/A)
 Variação = em caso de dor mover o rádio sobre
a ulna (dorsalmente)

3.4 ARTICULAÇÃO RADIO ULNAR DISTAL


PRONAÇÃO / SUPINAÇÃO

3.4.1 DÉFICIT PRONAÇÃO


 Mesmo posicionamento para os dedos
 O terapeuta deve estar na frente do paciente
 O glide é P/A
3.3 ARTICULAÇÃO RADIO ULNAR DISTAL  Posicionamento dos dedos sobre o rádio
Vide foto MWM punho 1 e 2 no disquete não deve cruzar a linha média ! ! !

3.3.1 CARACTERÍSTICAS ARTICULARES 3.5 ARTICULAÇÃO RADIO ULNAR PROXIMAL


 Sinovial
 Ovóide 3.5.1 CARACTERÍSTICA ARTICULAR
 Ulna convexa  Sinovial
 Rádio côncavo  Ovóide
 Orientação articular  Ulna convexa e Rádio côncavo
 Ulna lateral  Orientação articular
 Rádio medial  Posição de repouso
 Posição de repouso  10º de supinação
 10º de supinação  Ou
 “Closed packed”  35º de supinação do ante-braço e flexão de
 5º de supinação 70º do cotovelo
 Máxima pronação ou supinação  “Closed packed”
 Padrão capsular  5º de supinação
 Supinação = pronação  Padrão capsular

23
30 of 135
 Pronação = supinação  Úmero caudal
* só ocorrerm quando flexão e extensão são  Rádio cranial
muito limitados  Posição de repouso
 Extensão total e supinação
3.5.2 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS  “Closed packed”
 Antero-posterior  Cotovelo fletido em 90º
 Pressão na face anterior do rádio em  5º de supinação
supinação, pronação ou equidistante das  Padrão capsular
duas  Flexão > extensão
 Postero-anterior
 Pressão sobre a face posterior da cabeça
do rádio 3.6.4 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS
 Longitudinal inferior  Antero-posterior
 Tração ao longo do rádio  Deslizamento aplicado à cabeça do rádio
 Longitudinal superior  Postero-anterior
 Compressão ao longo da linha do rádio  Idem em direção oposta
 Longitudinal superior
3.5.3 TÉCNICA  Compressão ao longo da diáfise radial
 Mobilização  Longitudinal caudal
 Glide postero-lateral do rádio sobre a ulna  Tração longitudinal ao rádio
 Movimento
 Supinação
 Comentários 3.6.5 INDICAÇÃO
 Certifique-se que o vetor de força é Perda da mobilidade por Dor e/ou Rigidez em F/E do
lateral++++ cotovelo

3.6 ARTICULAÇÃO DO COTOVELO


( ÚMERO-ULNAR E RADIO UMERAL) 3.6.6 TÉCNICA COM CINTO E SEM CINTO
FLEXÃO/EXTENSÃO  Mobilização
Vide foto MWM cotovelo no disquete  Glide lateral ou medial do ante-braço
 Movimento
3.6.1 CARACTERÍSTICA ARTICULAR ÚMERO-  Flexão ou extensão
ULNAR  Comentários
 Sinovial  Deslize o antebraço através do lado da dor
 Anatomia  Agarre com “web space”
 Selar biaxial  Siga alinhamento do plano atticular
 Úmero
 Côncavo medial / lateral (abdução /
adução) 3.7 TENNIS ELBOW
 Convexo ventral / dorsal (flexão / Vide foto MWM Tennis elbow no disquete
extensão)
 Orientação articular
 Úmero caudal / dorsal 3.7.1 INDICAÇÃO
 Ulna cranial / ventral Tendinite do tenista positivo aos movimentos de
 Posição de repouso extensão dos dedos, extensão do punho e movimento
 70º de flexão e 10º de supinação de garra.
 “Closed packed”
 Extensão completa e supinação 3.7.2 TÉCNICA PARA COTOVELO DIREITO
 Padrão capsular  Paciente deitado em decúbito dorsal
 Flexão > extensão  Ombro rodado internamente e cotovelo pronado
para permitir o glide lateral da ulna
3.6.2 MOVIMENTO ACESSÓRIO  Braço D; cinto no ombro E
 Adução e abdução do cotovelo nos últimos 5º  O quadril do terapeuta aponta para os pés do
de extensão paciente
 Longitudinal caudal na linha do úmero  A mão cefálica é colocada na extremidade distal
do úmero e ajuda a manter o ombro em rotação
3.6.3 CARACTERÍSTICA ARTICULAR RADIO- interna
UMERAL  O cinto encontra-se no ombro esquerdo do
 Sinovial terapeuta e na parte proximal
 Ovóide  O cinto reposiciona e solicitamos a contração
 Úmero convexo muscular que pode ser em garra ou extensão
 Rádio côncavo
 Orientação articular

24
31 of 135
3.7.3 LEMBRETES ÚTEIS 3.8 CINTURA ESCAPULAR
Vide fotos MWM ombro1, 2, 3 e 4 e MWM ombro rot
int1, 2, 3 e 4 no disquete

3.9 ARTICULAÇÃO GLENO-UMERAL

3.9.1 CARACTERÍSTICAS DA ARTICULAÇÃO


GLENO UMERAL
 Sinovial
 Superfície articular
 Ovóide
 Glenóide côncava
 Úmero convexo
 Orientação articular
 Glenóide = lateral / ventral / caudal
 Úmero = medial / dorsal / cranial
 Posição de repouso
 Abdução =55 a 70º
 Adução horizontal = 30º
 Rotação = neutra
 “Closed packed”
 Máxima abdução + RE
 Padrão capsular
 RE > abdução > RI

3.9.2 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS


 Movimentos acessórios – G.U.
 Postero-anterior
 Antero-posterior
 Longitudinal caudal
 Longitudinal cefálico
 Lateral

3.9.3 INDICAÇÃO
 Perda da mobilidade por Dor e/ou Rigidez nos
movimentos de elevação anterior, abdução (
plano escapular/90 graus) ou qualquer outro
movimento funcional, exceto rotação interna.

3.9.4 TÉCNICA OMBRO ESQUERDO


 Paciente sentado ou em pé
 Terapeuta do lado oposto
 A mão esquerda do terapeuta estabiliza a
escápula
 A mão direita faz uma pressão postero-lateral
na cabeça do úmero usando a eminência tenar
 A pressão é feita abaixo e medialmente ao
processo coracóide que é muito sensível
 Solicitamos ao paciente movimento de abdução
3.7.4 AUTOTRATAMENTO ou flexão no plano da escápula
 Os pacientes devem ser instruídos a se  Caso seja indolor, repetir com o uso de um peso
exercitarem regularmente em casa ou a mão de outro terapeuta
 Paciente em pé ou sentado perto da porta
3.9.5 TÉCNICA DE ROTAÇÃO INTERNA
 O MS é colocado contra a parede, de modo que
 Mobilização
a articulação do cotovelo esteja no nível da
abertura  Estabilize a escápula
 Com o webspace realizamos o glide lateral da  Glide inferior pelo polegar na fossa ulnar
ulna  Adução por “orthopaedic pouch”
 O paciente faz extensão ou garra (com o  Movimento
manguito) de modo indolor  Mão atrás das costas com toalha

25
32 of 135
3.10 CLAVÍCULA “HOME WORK”
 Descreva passo a passo as seguintes técnicas:
3.10.1 ARTICULAÇÃO ACRÔMIO CLAVICULAR  NAGS, REVERSE NAGS, Prono-
supinação, cotovelo de tenista, MWM para
3.10.1.1 Característica articular punho (flexão e extensão)
 Ovóide  A descrição deve incluir: posicionamento do
 Acrômio côncavo paciente, do terapeuta, contatos manuais,
 Clavícula convexa direção do glide
 Orientação articular
 Acrômio caudal / medial / ventral
 Clavícula caudal / lateral / dorsal
4. SNAGS
 Posição de repouso
 Clavícula horizontal
 Escápula +/- 5 cm lateral – processos 4.1 DEFINIÇÃO
espinhosos  “Sustained Natural Apophyseal Glides”
 Ângulo inferior = 7ª costela (Deslizamento natural apofisário sustentado)
 Ângulo superior = 2ª costela
 “Closed packed” 4.2 CARACTERÍSTICAS
 Braço abduzido a 90º  Realizadas em posição de carga (sentado / em
 Padrão capsular pé)
 Restrição da elevação total  São movimentos ativos seguidos de passivos
(“overpressure”)
3.10.1.2 Movimentos acessórios  Paciente pode fazer “overpressure”
 Antero-posterior  Seguem as regras do plano de tratamento
 Rotação (Kaltenburn)
 Ombro flexionado e membros superiores acima  Podem ser aplicados na maioria das
da cabeça articulações vertebrais (occipital – sacro)
 Lateral transverso  Técnicas indolores
 Medial transverso  Eliminam dores associadas ao movimento
 Longitudinal caudal  O componente de mobilização é sustentado
 São aplicados no final do arco de movimento
3.10.2 ARTICULAÇÃO ESTERNO-CLAVICULAR associadas a “overpressure”
 Dentro de poucos minutos pode-se decidir se a
3.10.2.1 Característica articular técnica é indicada ou não. Evita perda de tempo
 Sinovial / Selar (*menisco)  O esperado é recuperar ou reduzir
 Orientação articular dramaticamente a perda de movimento
 Clavícula (Medial, Superior)  Existe um procedimento direcionado para cada
 Manúbrio (Lateral, Superior) segmento que apresenta perda de movimento
 Anatomia  Geralmente pequenas repetições são
 Clavícula necessárias (Regra dos 3 – 3 X 10)
 Convexa cranial / caudal (elevação
/depressão) 4.3 INDICAÇÃO
 Côncavo ventral / dorsal (protração /  Dor é o fator dominante
retração)  Dor predomina sobre a rigidez
 Manúbrio  Dor igual à rigidez
 Côncavo cranial / caudal (elevação /  Quando a rigidez é o fator dominante iniciar com
depressão) NAGS
 Convexo ventral / dorsal (protração /
retração 4.4 TÉCNICA PARA ROTAÇÃO CERVICAL
 Posição de repouso (idem AC) Vide fotos SNAGS cerv1 e 2 no disquete
 “Closed packed”  Explicar ao paciente o procedimento
 Braço elevado ao máximo  O sucesso depende da colaboração do paciente
 Padrão capsular  Explicar-lhe que a técnica deve ser indolor. Este
 Limitação da elevação total é o principal fator
 Escolher o nível correto e a direção
3.10.2.2 Movimento acessório  Paciente sentado. Terapeuta atrás
 Antero-posterior  Colocar a borda medial da falange distal do
 Postero-anterior polegar na articular
 Longitudinal inferior  Polegar a 45º de inclinação com a unha para
 Longitudinal superior cima na direção do globo ocular
 Medial transverso  O outro polegar serve como reforço
 Lateral transverso

26
33 of 135

4.5 EXEMPLO LESÃO C5/C6 4.7 TÉCNICA PARA EXTENSÃO CERVICAL


 Posicionar os polegares
 Os demais dedos são colocados 4.8 DIFICULDADE
confortavelmente em cada lado do pescoço
 Deslizar o pilar articular para cima e para fora
seguindo o plano articular
 A energia vem dos polegares superpostos
 Manter o “glide” e pedir ao paciente para rodar a
cabeça
 O terapeuta deve seguir com suas mãos o
movimento para garantir que ele aconteça no
plano de tratamento
 Solicitar ao paciente para que aplique a
“overpressure” e mantenha por alguns segundos
 Ao retornar à linha média, mantenha o
deslizamento
 Repetir várias vezes e reavaliar

4.6 LEMBRETES ÚTEIS

27
34 of 135
4.9 TÉCNICA PARA FLEXÃO CERVICAL 4.16 ERROS COMUNS
 Lembre-se de que em flexão total o plano de
tratamento será quase horizontal e isto deve ser
lembrado para a eficácia da técnica.

4.10 SELF SNAGS


Vide fotos SELF cerv ext, SELF cerv rot1 e 2,

4.11 OBJETIVO
 Programa domiciliar
 Manter o ganho de mobilidade
 Explicar no modelo plástico
 Ensinar no dia seguinte às mobilizações

4.12 INDICAÇÃO
 Arco de movimento limitado e dor
 Sucesso com SNAGS
 Ensine SELF-SNAGS antes que acabem os
sintomas usando SNAGS

4.13 APLICAÇÃO
 Toalha pequena de mão
 Paciente deve encontrar o nível correto
 A bainha da toalha produz o glide
 Normalmente pacientes não se lembram da
regra dos planos facetários

4.14 TÉCNICA PARA ROTAÇÃO CERVICAL A


DIREITA
 Pegar o lado esquerdo da toalha com a mão
direita e o lado direito com a mão esquerda
 Fixar o cotovelo esquerdo para estabilizar o
braço e não permitir rotação torácica
 A mão direita puxa a toalha na direção do plano
facetário (nível dos olhos) enquanto o paciente
roda a cabeça para a direita
 Realizar 6 a 10 repetições e reavaliar
 Aplicar “overpressure” no final do arco

4.15 LEMBRETES ÚTEIS

4.17 TÉCNICA PARA EXTENSÃO E FLEXÃO

4.18 TRAÇÃO CERVICAL COM O PUNHO


( FIST TRACTION )

4.18.1 INDICAÇÃO
 Perda de flexão cervical
 Rigidez da cervical baixa ou torácica superior

4.18.2 TÉCNICA
 Paciente sentado
 Colocar o punho fletido sob o mento
 A ponta do queixo repousa sobre o polegar
enrolado, com o punho fechado
 O dedo mínimo fica ao nível da extremidade
superior do esterno
 O paciente coloca uma mão na base do occipital
e empurra sua cabeça para frente e para baixo
 Manter por 10 seg. Não deve haver dor

28
35 of 135
4.18.3 LEMBRETES ÚTEIS “HOME WORK”
 Descreva passo a passo as seguintes técnicas:
 SELF SNAGS C4 e C5 para rotação direita
 SNAGS C3 e C4 para rotação esquerda
 A descrição deve incluir: posicionamento do
paciente, do terapeuta, contatos manuais e
direção do glide

4.19 COLUNA TORÁCICA


 Osteocinemática
 Flexão, extensão, inclinação lateral, rotação
 Orientação articular
 Faceta inferior da vértebra superior (ventral,
caudal e medial)
 Faceta superior da vértebra inferior (dorsal,
cranial e lateral)
 Tipo de articulação
 Facetas sinoviais
 Disco anfiartrose
 Superfície articular
 Ovóide, plana
 Faceta cranial convexa
 Faceta caudal côncava
 Posição de repouso
 Não descrita
 “Closed Packed”
 Extensão total
 Padrão capsular
 Inclinação = rotação > extensão

4.19.1 SNAGS PARA COLUNA TORÁCICA

4.19.2 CARACTERÍSTICA FACETÁRIA


4.18.4 PROBLEMAS

White and Panjabi 1978

 Origem ( localização)
o Vesícula biliar (meio das costas entre
as escapular)
o Colecistite aguda (área sub-escapular
direita)
o Úlcera péptica, estomacal ou duodenal
(vértebras torácicas de 5 a 10)
o Desordens pleuropulmonares
 Pneumonia basilar (região
dorsal superior direita)
 Empiema (escápula)
 Pleuresia (escápula)
 Pneumotórax espontâneo
(escápula ipsilateral)

29
36 of 135
o Carcinoma pancreático (torácica média - Posições específicas para deslizamento e
entre as escápulas) tensão neural. Ex.: mediano, ulnar
o Pielonefrite aguda (ângulo costo- - Técnicas em alguns enfoques são passivas
vertebral posterior) - Permite certo grau de dor (kiss the pain)
o Esofagite (dorsal média entre as - Quando passiva, o terapeuta controla o
escápulas) movimento e observa e sente reações do
o Enfarto do miocárdio (região torácica paciente
média) - A mobilização da coluna é translatória para o
o Cólica biliar (região dorsal superior, lado da dor ou para longe dela
média entre as escápulas e inter-
escapular ou sub-escapular à direita) 5.4 INDICAÇÕES DE SMWAM
- dor irradiada das fibras superiores do trapézio
quando o braço é abduzido na horizontal
4.19.3 INDICAÇÃO - dor nos rombóides sentida quando o braço é
 Em casos de perda da mobilidade com Dor e/ou aduzido na horizontal
Rigidez - dor irradiada para baixo até a mão com
movimentos do braço que envolvem
4.19.4 TÉCNICA PARA ROTAÇÃO movimentos do ombro
 Paciente sentado com as mãos atrás do
pescoço ( visando mover a escápula longe das 5.5 DESCRIÇÃO DA TÉCNICA
vértebras e tornar o contato mais acessível)
 Difícil para pacientes obesos e terapeutas com
braços curtos
 Dor bilateral, contato com pisiforme no processo
espinhoso
 Dor unilateral, contato com face ulnar ( em faca)
no processo transverso
 Terapeuta em pé do lado da rotação do
paciente
 NOTA
 NESTA TÉCNICA OBRIGATORIAMENTE
FAR-SE-Á NAS DUAS DIREÇÕES.
 OS MOVIMENTOS DE
FLEXÃO/EXTENSÃO SÃO REALIZADOS
CONFORME SNAGS LUMBAR.

5. SMWAM
Mobilização sustentada da coluna com
movimentação do membro superior
(Mobilizações Neuro-meníngeas)
5.6 NOTAS IMPORTANTES
5.1 SMWAM é uma técnica que combina
movimentação sustentada da coluna enquanto o
paciente realiza ativamente o movimento do
braço

5.2 Diferenças entre SMWAM e técnicas de


mobilização neural

5.3 SMWAM
- componente vertebral sustentado (passivo)
- membro superior movimentado ativamente 5.7 LEMBRETES ÚTEIS
- padrão de movimento não acompanha
posições de tensão neural (tensioners) ou
deslizamento neural (sliders)
- ausência de dor
- paciente está no controle do movimento
- o processo espinhoso é movido para longe da
dor
--------------------------------------------------------------
- Técnicas de mobilização neural
- Diferentes enfoques (Buttler, Elvey, Shacklock)
- Conceito de sliders e tensioners

30
37 of 135

QUADRANTE INFERIOR  Central e Unilateral

COLUNA LOMBAR
1.4 PRELIMINARES
 Osteocinemática
 Explicar o procedimento ao paciente
 Flexão, extensão, inclinação
lateral, rotação  A falta do entendimento poderá levar
à exacerbação dos sintomas
 Orientação articular
 Explicar que vamos mover a vértebra
 Faceta inferior da vértebra
com nossa mão e a dor deverá
superior – L4 (ventral e lateral)
desaparecer com o movimento
 Faceta superior da vértebra
 Não faça „overtreatment‟
inferior – L4 (dorsal e medial)
 Lembre-se da Regra dos Três
 Faceta inferior de L5 (ventral)
 Nas visitas seguintes:
 Faceta superior de S1 (cranial)
SNAGS = 10 X
 Tipo de articulação
 Se após os testes a dor aparece em
 Faceta: sinovial pé, devemos tratar com SNAGS em
 Disco: anfiartrose posição ortostática
 Superfície articular  Se houver dor sentado, tratar primeiro
 Ovóide plana na posição sentada e progredir para
 Faceta superior côncava de pé
 Faceta inferior convexa  Manter o SNAGS durante todo o
 Posição de repouso percurso (ida e volta)
 Posição intermediária entre flexão
e extensão
 “Closed Packed” 1.5 SNAGS LOMBAR FLEXÃO SENTADO
 Extensão total  Em pé
 Padrão capsular  Sentado
 Inclinação lateral = rotação >  Eminência hipotenar no processo
extensão espinhoso
 Força na linha com plano articular
 Variar o ângulo com o plano na
medida que a articulação se move

1. SNAGS LOMBAR 1.5.1 TÉCNICA


 Sentar-se com os pés para fora
 Terapeuta atrás do paciente
 Cinto abaixo da EIAS do paciente, ao
1.1 CARACTERÍSTICA ARTICULAR nível da região glútea do terapeuta
 As facetas articulares nas lombares (abaixo das coxa-femurais),
estão dispostas em um ângulo de 90 dependendo da altura do terapeuta
graus.  Colocar a borda ulnar da mão direita
sobre o processo espinhoso da
vértebra acima daquela que é
1.2 INDICAÇÃO suspeita de lesão
 Colunas lombares dolorosas  A outra mão é colocada no leito à
 Colunas lombares com restrição de esquerda do paciente
movimento  O paciente flete até a dor aparecer
 Retorna um pouco e então aplicamos
uma força (glide) no sentido do plano
1.3 TÉCNICAS de tratamento
 Flexão  Se você estiver no nível certo, a
 Extensão direção for correta e a técnica
 Inclinação lateral esquerda / direita indicada, ele deverá ser capaz de fletir
 Rotação axial esquerda / direita a coluna sem dor até quase o final da
 Em pé e sentado flexão

31
38 of 135

1.6 SNAGS LOMBAR EXTENSÃO


SENTADO

1.6.1 TÉCNICA
 Terapeuta atrás do paciente com o
cinto ao redor de ambos
 O cinto deve estar na região glútea ou 1.8 SNAGS FLEXÃO EM PÉ
abaixo
 Paciente não deve sentir dor 1.8.1 TÉCNICA
 A mão direita do terapeuta é colocada  Colocar o cinto ao redor do paciente e
acima do processo espinhoso superior do terapeuta
do segmento vertebral envolvido  O paciente flete ligeiramente os
 Paciente extende a lombar enquanto joelhos visando retirar a tensão
o terapeuta empurra para cima ao muscular e neural
redor do plano de tratamento  Pode ser necessário que o SNAGS
 Terapeuta se posiciona um pouco ao seja feito unilateralmente
lado para não bloquear sua extensão  A resposta do paciente é melhorada
 Se continuar dolorido, tentar SNAGS frequentemente se eles estiverem
sobre o processo transverso à direita próximos a uma mesa ou maca, na
ou à esquerda qual podem colocar a mão para
estabilidade

1.9 AUTO-TRATAMENTO COM CINTO


SNAGS LOMBAR
Vide foto SELF SNAGES LOMBAR no
1.7 LEMBRETES ÚTEIS disquete

1.9.1 TÉCNICA
 Mesmo princípio da coluna cervical
 São mais fáceis para flexão e
extensão
 Algumas vezes usado para inclinação
lateral
 McKenzie
 Utilização do cinto
 Não apresentando melhora em
algumas repetições, a técnica pode
ser não apropriada

1.9.2 AUTOTRATAMENTO EM EXTENSÃO

1.9.2.1 Técnica
 Requer um cinto
 O cinto deve ser comprido o bastante
para que passe ao redor do corpo do
paciente e, ao mesmo tempo,
segurado por este com os braços
dobrados
 Se a lesão do segmento é L3 / L4, o
cinto deve ser enganchado no
processo espinhoso de L 3

1.9.3 AUTOTRATAMENTO EM FLEXÃO

32
39 of 135

1.9.3.1 Técnica perda de mobilidade com pouca


 Mesmo princípio usado na extensão deterioração no Raio X
 O paciente deve fletir ligeiramente os  Objetivos
joelhos para diminuir a tensão neural  Restaurar mecânica normal
e muscular  Correção da falha posicional
 Se a flexão é limitada, o paciente tem  Prevenção da progressão da
muita dor, SELF-SNAGS são doença
desaconselháveis até que, com seu  Restaurar mobilidade capsular
manuseio, o paciente se sinta melhor
 Quando SELF-SNAGS em extensão 2.6 FORMAS DE APLICAÇÃO DA
for ineficaz, tente primeiro em flexão e TÉCNICA
depois em extensão  Sem carga
 Com carga
 Posicional
 MWM
2. ARTICULAÇÃO DO QUADRIL  Com distraction
 Flexão
 Extensão
2.1 ARTICULAÇÃO COXO-FEMURAL  Rotação
 Abdução
2.2 CARACTERÍSTICA ARTICULAR
 Tipo: sinovial / ovóide 2.7 LEMBRETES ÚTEIS
 Orientação articular
 Acetábulo => caudal / lateral /
ventral
 Fêmur => cranial / medial /
ventral
 Posição de repouso
 30º F, 30º abd, ligeira RE
 “Closed packed”
 90º F, ligeira abd, ligeira RE
 Padrão capsular
 RI / E / abd / RE (Kaltenborn)
 F / abd / RI > E / Ad / RE

2.3 MOVIMENTOS ACESSÓRIOS


 Lateral
 Longitudinal caudal
 Longitudinal cefálico
 Postero-anterior
 Antero-posterior

2.4 INDICAÇÕES
 Osteoartrose
 Contraturas capsulares
 Bursite trocanteriana
 Bursite ílio-pectina
 Lesões musculares
 Considerar coluna lombar, sacro-
ilíaca e a coxa como unidade
mecânica funcional

2.5 ENFOQUE MULLIGAN


 Técnicas mais indicadas para
estágios precoces nos quais existe

33
40 of 135

2.11.1 TÉCNICA
 Paciente em pé sobre a perna afetada
 Exemplo: à esquerda
 A perna esquerda no chão com apoio
 A direita é colocada sobre uma
cadeira o mais longe possível
 O paciente segura as costas da
cadeira para maior equilíbrio
 O terapeuta fica atrás do paciente
com o cinto, e as mãos livres
estabilizam o ilíaco
2.8 MWM ROTAÇÃO INTERNA DO  O terapeuta mantém o „glide‟ posterior
QUADRIL enquanto o paciente flete o joelho e
Ver foto MWM quadril rot int no disquete desliza a pelve para o lado oposto
 É uma boa técnica para „Strain‟ dos
2.8.1 INDICAÇÃO adutores
 Paciente com dor e pouca alteração
ao raio X 2.12 MWM PARA EXTENSÃO DO
Exemplo: Coxo-femural direita QUADRIL EM PÉ
 Paciente deitado ou em pé
2.12.1 TÉCNICA
2.9 TÉCNICA PARA QUADRIL DIREITO  Paciente em pé com a perna sadia
 Decúbito dorsal sobre a cadeira com o joelho fletido
 Coxo – femural  Paciente segura as costas da cadeira
 Joelho do lado a ser tratado,  Terapeuta ao lado do paciente com o
fletido 90º cinto o mais alto possível ao nível da
 O cinto na parte superior e ao redor coxa do paciente e ao nível da região
da coxa o mais próximo possível da glútea do terapeuta
articulação coxo-femural  Terapeuta mantém o „distraction‟
 Quando em posição, o cinto deve ficar lateral e o paciente avança a outra
na região da prega glútea do perna fletindo o joelho
terapeuta e não deve estar relaxado  As mãos do terapeuta estabilizam o
 A mão esquerda é colocada dentro do ilíaco
cinto e estabiliza o ilíaco lateralmente.  A técnica é como um estiramento do
É a chave do sucesso do tratamento psoas
 A mão direita fixa a coxa e o membro
inferior direito em uma posição que 2.12.2 LEMBRETES ÚTEIS
permita rodar a coxa enquanto se faz
lateralmente o „glide‟ do fêmur. Use
suas coxas ao realizar o movimento
 Realizar 3 séries de 10 movimentos
indolores e orientar o paciente para
programa domiciliar adequado

2.10 MWM PARA FLEXÃO DO QUADRIL

2.10.1 TÉCNICA
 Idêntica à anterior
 Manter „distraction‟
 No lugar de rodar a coxa, fleti-la
passivamente

2.11 MWM PARA ABDUÇÃO DO QUADRIL


EM PÉ

34
41 of 135

2.14 MWM COM CINTO PARA FL/EX COM


DOR SEM CARGA

2.14.1 TÉCNICA
 Glide medial para dor medial
 Terapeuta no lado contra-lateral
 Glide lateral para dor lateral
 Terapeuta do mesmo lado

2.15 MWM PARA FLEXÃO COM TÉCNICA


DE ROTAÇÃO SEM CARGA, E SEMI
CARGA

3. MWM PARA O TORNOZELO

3.1 CARACTERÍSTICA ARTICULAR DA


ART. TALO-CRURAL
 Sinovial
 Anatomia
2.13 MWM PARA O JOELHO  Selar
Ver foto MWM joelho rot no disquete  Tíbia e fíbula
 Côncava ventral / dorsal
2.13.1 CARACTERÍSTICA ARTICULAR DA (dorsiflexão / plantiflexão)
ARTICULAÇÃO TIBIO-FEMURAL  Convexa medial / lateral
 Sinovial (inversão / eversão)
 Ovóide modificada  Talus
 Anatomia  Convexo ventral /dorsal
 Fêmur convexo (dorsiflexão / plantiflexão)
 Tíbia côncava  Côncavo medial / lateral
(inversão / eversão)
 Posição de repouso
 Posição de repouso
 25º a 40º F
 10 º de flexão plantar
 “Closed packed”
 ½ caminho entre inversão e
 Extensão total e rotação externa
eversão
máxima
 Padrão capsular
 Padrão capsular
 Flexão plantar > dorsiflexão
 Flexão > extensão
2.13.2 MOVIMENTO ACESSÓRIO  “Closed packed”
 Antero-posterior  Dorsiflexão completa
 Postero-anterior
3.2 MOVIMENTO ACESSÓRIO
 Lateral da tíbia sobre o fêmur
 Postero-anterior
 Medial da tíbia sobre o fêmur
 Calcâneo para frente
 Longitudinal caudal
 Infero-posterior
 Longitudinal cefálico
 Talus posterior
 Rotação medial da tíbia sobre o fêmur
 Longitudinal cefálico
 Rotação lateral da tíbia sobre o fêmur
 Compressão do calcâneo
2.13.3 INDICAÇÕES GERAIS  Longitudinal caudal
 Diminuição do arco de movimento em  Tração de tornozelo
Flexão / Extensão / Rotação por  Rotação lateral
Dor/Rigidez  Movimento oposto do talus e
calcanhar em sua concavidade

35
42 of 135

3.3 CARACTERÍSTICA ARTICULAR DA  Conforme posicionamento de


TIBIO-FIBULAR INFERIOR mão de acordo com a foto
 Sindesmoses referencia, faz-se glide póstero-
 Anatomia superior da fíbula, dessa forma o
 Ovóide ligamento estará íntegro quando
 Tíbia côncava ocorrer uma eversão pura do
 Fíbula convexa ante-pé. Mantenha a eversão
 Posição de repouso firmemente, enquanto faz-se o
 10º de flexão plantar mecanismo lesional, agora SEM
 5º inversão DOR.
 “Closed packed”: não há  Kavanagh, 1999
 Padrão capsular: não há
3.8 MWM COM LIMITE EM PLANTI-
FLEXÃO
3.4 MOVIMENTO ACESSÓRIO
Vide foto MWM flexão plantar no disquete
 Postero-anterior
 Antero-posterior 3.8.1 TÉCNICA
 Longitudinal caudal  Paciente em DD, com joelho
 Inversão do calcâneo esquerdo e tornozelo fletidos em 90
 Longitudinal cefálico graus
 Eversão do calcâneo  Calcanhar apoiado na mesa
 Separação da fíbula em relação à  Terapeuta à frente do paciente
tíbia  O bordo hipotenar da mão direita,
 Dorsiflexão total do tornozelo bem proximal à interlinha articular. O
 Compressão polegar e dedos envolvem a perna
 O aspecto hipotenar da mão direita
3.5 ENFOQUE MULLIGAN NOS deve manter a pressão na tíbia e
ENTORSES DE TORNOZELO fíbula simultaneamente
Vide foto TAPE entorse tornozelo 1 e 2 no  Colocar o webspace da mão
disquete esquerda ao redor do talus
 O polegar e o indicador estão ao nível
3.6 ENTORSES LATERAIS DO
dos maléolos
TORNOZELO
 Mande seu peso corporal e deslize a
 Complexa: ligamentos tíbia e fíbula posteriormente o mais
 ATF longe possível até bloquear a
 CF articulação
 PTF  Sem liberar o glide, rolar o talus
 Inversão, flexão plantar ou ventralmente com a mão esquerda
mecanismo de rotação interna sem provocar dor
 Pode ocorrer com carga ou sem carga  Um bom terapeuta pode alterar
 Correndo, cortando no tênis, ligeiramente a direção e observar se
aterrissando de um salto isto modifica a dor
 Pouco movimento é esperado devido
ao bloqueio da tíbia e fíbula
3.7 CONCEITO MULLIGAN  Repetir várias vezes para assegurar
 Falhas posicionais (“Minor Positional uma melhora acentuada e duradoura
Faults”) ocorrem após entorses de  Pacientes devem exercitar-se para
tornozelo manter o arco
 Segundo Mulligan não ocorre ruptura
do ligamento talo fibular anterior e sim 3.8.2 LEMBRETES ÚTEIS
a falha posicional da fibula em muitos
casos de entorses quando o
mecanismo lesional é planti-flexão
com inversão.
 Restrição do movimento e/ou dor
 Teste de integridade do LTFA:

36
43 of 135

aumentar a flexão de suas pernas


para manter um bom contato com o
cinto

3.9.2 LEMBRETES ÚTEIS

3.9 MWM COM LIMITE EM DORSO-


FLEXÃO

3.9.1 TÉCNICA
 Paciente em pé. MID sobre uma
cadeira
 Cinto é colocado ao redor das coxas
do terapeuta e =/- 4 cm acima da
inserção do tendão de Aquiles do
paciente
 Colocar toalha entre o cinto e o
tendão de Aquilles
 O polegar e o indicador em forma de
web são colocados sobre o talus, o
mais próximo possível da margem 4. ARTICULAÇÃO SACRO-ILÍACA
articular
 A outra mão serve como reforço
 Tracionar a tíbia e a fíbula para frente
com o cinto  Osteocinemática
 O paciente segura as costas da  Ilíaco
cadeira avança o joelho para frente  Rotação anterior / posterior
sem tirar o calcanhar da maca  Sacro-ilíaco
 Não deve haver dor  Nutação / contra-nutação,
 Pequenas alterações na posição do inclinação lateral e rotação
joelho são cruciais para o excelente  Orientação articular
resultado da técnica  Sacro – dorsal, cranial
 O bom terapeuta manual deve estar  Ílio – ventral, caudal
ciente deste fato  Púbis - medial
 Quando o paciente transfere o peso  Tipo de articulação
sobre os joelhos o terapeuta deve

37
44 of 135

 Sacro-ilíaco – parte sinovial e 4.3.1 TÉCNICA


parte sindesmose  Paciente em prono
 Sínfese púbica - sindesmose  Terapeuta do lado oposto, fixa o sacro
 Superfície articular com a borda de uma das mãos e
 Ovóide coloca os dedos da outra mão sobre a
 Sacro-côncavo espinha ilíaca antero-superior
 Ílio convexo  Puxe o ilíaco sobre o sacro e
 Púbis bicôncava mantenha enquanto o paciente faz 10
 Posição de repouso “half-press up”
 ??????????  Quando indicado, duas séries de 10
 “Closed Packed” podem ser feitas novamente
 ??????????
4.4 SNAGS PARA ILÍACO ANTERIOR COM
 Padrão capsular
CARGA DURANTE A MARCHA
 Dor quando as articulações são
estressadas 4.5 SNAGS PARA ILÍACO POSTERIOR
COM CARGA DURANTE A MARCHA
(SNAGS PARA ARTICULAÇÃO SACRO-
ILÍACA)
Ver foto ASI iliac ant 1 e 2 e post 1 e 2 5. SISTEMA DE TAPING
4.1 TÉCNICAS
SEGUNDO MULLIGAN
 Rotação
5.1 INTRODUÇÃO
 Ilíaco anterior (anterior innominate)
 O objetivo principal da aplicação do
 Ilíaco posterior (posterior innominate)
taping segundo Mulligan é manter a
 Sem carga – prona + REIL reposição da falha posicional,
 De lado + movimento da perna permitindo o tempo normal de cura
 Com carga + caminhada tecidual.
 Em alguns casos, utiliza-se o tape
com o objetivo de propriocepção ao
4.2 SNAGS PARA ILÍACO POSTERIOR segmento tratado
DIREITO
 Nunca se libera o paciente para
executar tarefas em fases iniciais de
4.2.1 TÉCNICA tratamento quando do uso do tape,
 Paciente em prono principalmente se for atleta. Devemos
 Terapeuta do lado esquerdo monitorar toda a sua evolução.
 Colocar a eminência tenar da mão
direita na borda posterior do ilíaco 5.2 PROCEDIMENTOS AO USO DO TAPE
direito e empurrar para longe de você
lateralmente 5.3 TIPO DE TAPE
 Isto não deve produzir dor  Rígido
 Paciente faz extensão passiva do tipo  Prova d‟àgua
McKenzie (half press up), sem dor  Anti-alérgico
 Repetir 10 vezes  2 polegadas e segunda camada de 1
 3 sets de 10 podem ser feitos, tendo polegada
em mente o esforço necessário
 Algumas variações da colocação da 5.4 PREPARO DA PELE
eminência tenar na direção lateral  Shaving
podem ser feitas, até que se ache  Limpar com benzina
uma posição que não provoque  Mylanta Plus
desconforto
5.5 CUIDADOS, PRECAUÇÕES E
CONTRA-INDICAÇÕES
4.3 SNAGS PARA ILÍACO ANTERIOR
DIREITO 5.6 TEMPO

38
45 of 135

 Iniciar com 48 horas  SLR com tração


 Depois permanecer por 5 dias

5.7 TAPE PARA JOELHO


Vide foto tape joelho 1 e 2 no disquete

5.8 TAPE PARA TORNOZELO


Vide foto TAPE entorse tornozelo 1 e 2 no
disquete

5.9 TAPE PARA COLUNA LOMBAR E


DORSAL ALTA
Vide foto TAPE coluna no disquete 6.6 LEMBRETES ÚTEIS

6. TÉCNICAS UTILIZADAS NA
PRESENÇA DE SLR LIMITADO
SEM DOR OU SINAIS ABAIXO DO
JOELHO

6.1 BENT LEG RAISE

6.2 ROTAÇÃO DAS DUAS PERNAS (GATE


TECHNIQUE)

6.3 SLR COM TRAÇÃO 7. MOBILIZAÇÃO SUSTENTADA


DA COLUNA COM
6.4 INDICAÇÕES
 SLR limitado, sem dor abaixo do
MOVIMENTAÇÃO DOS
joelho MEMBROS INFERIORES
 Programa domiciliar – técnicas 1 e 2 (SMWLM)
MOBILIZAÇÕES NEURO-
6.5 DESCRIÇÃO DAS TÉCNICAS MENÍNGEAS
 Gate Technique
7.1 CONCEITO
 Técnica que combina uma
mobilização sustentada da coluna
(passiva) associada a movimento
ativo do membro inferior do paciente

7.2 INDICAÇÕES
 Técnicas utilizadas quando o paciente
tem dor ou sinais irradiados abaixo do
joelho ou um teste do nervo femural
 Bent Leg Raise positivo

7.3 DESCRIÇÃO DA TÉCNICA


 SMWLMS em decúbito lateral com
dois terapeutas

39
46 of 135

 SMWLMS em decúbito lateral com um


terapeuta

 SMWLMS em prono com três


terapeutas

7.4 TÉCNICA PRONE KNEE BENT(PKB)


 Indicação: dor irradiada na região
anterior da coxa
 Teste do nervo femural positivo

40
47 of 135

TÉCNICAS

41
48 of 135

Cervical e Torácica

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
1. Nag Cervical

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
2. Nags cervical

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
3. Cervical Nags

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
4. NAGS Unilateral

42
49 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
5. NAGS Unilateral

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
6. NAGS reverso
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
7. Reverse NAG

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
8. NAGS Torácico

43
50 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

9. NAGS Torácico
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

10. Taping – torácica superior

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
11. Cervical SNAGS guidelines

44
51 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

12. SNAGS cervical na faceta

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

13. SNAGS cervical unilateral (esquerda)

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

14. SNAGS cervical com tração


_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
______________________________________________
15. SNAGS cervical com “overpressure”

45
52 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
16. SNAGS central + extensão

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

17. SNAGS cervical Inclinação lateral

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

18. SNAGS cervical Inclinação lateral

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

19. SELF SNAGS – extensão cervical

46
53 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
20. Cervical: Self SNAG + right twist
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
21. Self SNAG – cervical média

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

22. SELF SNAGS + extensão

47
54 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

23. SELF SNAGS + extensão


_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

24. Fist traction – perda de flexão

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

25. Tração cervical com cinto


___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
26. Tração cervical com cinto

48
55 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

27. Tração cervical com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

28. Tração cervical com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

29. Tração cervical com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
30. Tração cervical com cinto

49
56 of 135

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
31. SNAG unilateral para extensão

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
32. SNAG unilateral para flexão

50
57 of 135

Extremidade superior

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
1. Perda da flexão IP pela falha posicional menor

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

2. MWM glide com overpressure

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
3. MWM dedos – flexão e extensão

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
4. MWM “Fisting”

51
58 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

5. MWM Extensão / Flexão

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

6. MWM Carpo

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

7. Extensão – “overpressure”

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
8. MWM + Flexão palmar

52
59 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

9. MWM + Flexão palmar

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
10. MWM Extensão (Escafóide)

_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
11. Radial wrist glide taping

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________

12. Supinação articulação rádio-ulnar distal

53
60 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

13. Supinação articulação rádio-ulnar distal

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
14. MWM pronação / supinação (articulação rádio-ulnar distal)

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

15. MWM pronação / supinação (articulação rádio-ulnar distal)

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________

16. MWM Articulação rádio-ulnar proximal

54
61 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
17. MWM flexão / extensão (manual)
_________________________________________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________

18. cotovelo GLIDE lateral para extensão


______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________
______________________________________________

19. cotovelo GLIDE lateral flexão

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
20. MWM extensão / flexão com cinto

55
62 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
21. MWM “tennis elbow”

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
22. MWM radial head ext. in WB

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
______________________________________________
23. MWM radial head ext. in WB

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
24. Gleno-umeral – AP

56
63 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
25. MWM do ombro elevação
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
26. Técnica gleno-umeral com cinto

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
27. Técnica gleno-umeral com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
28. MWM para abdução com cinto

57
64 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
29. MWM para abdução com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
30. MWM com cinto

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

31. MWM com cinto

58
65 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

32. MWM elevação do ombro (ERL)

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
33. Rotação interna

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
34. MWM articulação acrômio-clavicular

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
35. MWM elevação auto-tratamento

59
66 of 135

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________

36. Self MWM com “strap”

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

37. Self MWM com “strap”

60
67 of 135

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
38. Self MWM com “strap”

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
39. GLIDE posterior

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________

40. GLIDE posterior

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
41. Elevação em pé PFE

61
68 of 135

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
42. cotovelo GLIDE lateral para extensão

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
43. cotovelo GLIDE lateral flexão

62
69 of 135

Extremidade inferior

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
1. Quadril – rotação interna

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________
2. MWM rotação interna sem carga

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________

3. MWM extensão sem carga

_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
_________________________________________________
4. MWM extensão com carga

63
70 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
______________________________________
5. Hip - internal rotation

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
______________________________________
6. Hip - internal rotation

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
7. MWM Glide lateral + flexão

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
8. MWM rotação interna + flexão

64
71 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
9. MWM glide posterior + flexão

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
10. Auto MWM flexão de joelho

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
11. Taping do joelho em rotação interna

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
12. Rotação da tíbia com flexão do joelho

65
72 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
13. Tíbio-fibular-proximal

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________________
14. MWM – Flexão + rotação

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
15. MWM – Flexão + rotação

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
16. Rotação interna e flexão do joelho e adução da coxa

66
73 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
17. Internal tibial rotation – tape

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
18. Internal tibial rotation – tape

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

19. Flexão plantar articulação talocrural

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________
20. MWM com plantiflexão ativa e overpressure

67
74 of 135

_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
21. Dorsiflexão

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
22. Dorsiflexão

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________

23. MWM entorse do tornozelo (“set up cue”)

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________

24. MWM entorse do tornozelo

68
75 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
25. Articulação Tibio-Fibular Distal entorses em inversão

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
26. Entorses em Inversão – Tape

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
27. Entorses em Inversão – Tape

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
28. Entorses em Inversão – Tape

69
76 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
29. Entorse do tornozelo taping

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________

30. MWM extensão do hálux sem carga

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
31. MWM - 1st MTP

_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
______________________________________
32. MWM extensão do hálux com carga

70
77 of 135

Torácica e Lombar
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
1. SNAG Lombar

_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
_______________________________
2. SNAGS para flexão lombar
Plano de tratamento dinâmico

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
3. SNAG Lombar - sentado

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
4. SNAG Lombar – extensão

71
78 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
5. SNAG unilateral – L5

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
6. SNAG Lombar – ortostática

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
7. SNAG lombar
Flexão em pé

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
8. SNAG Lombar (Lion)

72
79 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
9. SNAG Lombar
(Lion)

_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
_________________________
10. REIL SNAG’s

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
11. Coluna lombar
SNAGS + rotação à direita

_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
_____________________________________________________
12. SNAGS para Rotação

73
80 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
13. Self SNAG Lombar

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
____________________________________
14. Self SNAG Lombar

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
____________________________________
15. Self SNAG Lombar – Extensão

74
81 of 135

______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
______________________________
16. SELF SNAGS extensão

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
17. SELF-SNAGS para extensão
Técnica

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
18. Self SNAG Lombar –flexão

75
82 of 135

________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
________________________________
19. SELF SNAGS para flexão

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
20. SNAGS + Rotação à direita “Twist”

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
21. SNAG Torácico

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
22. SNAG Torácico – rotação

76
83 of 135

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
23. SNAG Torácico – rotação

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
24. SNAG Torácico –flexão

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
25. Tração torácica com o cinto

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
26. Coluna torácica SNAG + extensão

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
27. Caixa torácica SNAG + inclinação lateral esquerda

77
84 of 135

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
28. Costela SNAG + inclinação

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
29. Tração torácica com o cinto

78
85 of 135

Articulações
Sacro - Ilíacas

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
1. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Anterior & Extensão

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
2. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Anterior & Extensão

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
3. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Anterior & Extensão

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
4. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Posterior

79
86 of 135

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
5. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Posterior & Extensão

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
6. Articulação Sacro-Ilíaca / Glide Posterior + marcha

80
87 of 135

Mobilização da Coluna com Movimentação do Braço

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
1. SNAG + Movimento do braço

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
2. SMWAM – para abdução do braço direito

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
3. SMWAM – abdução

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
4. SMWAM

81
88 of 135

Técnicas para dor lombar até o joelho

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
1. Rotação com as duas pernas técnica do portão (Gate Technique)

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________

2. Técnica

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
3. Bent leg raise

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________

4. Elevação da perna estendida + tração (Straight leg traction)

82
89 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
______________________________________
5. Elevação da perna estendida + tração (Straight leg traction)

Técnicas para dor lombar abaixo do joelho

_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
_______________________________________________
6. SNAG + SLR

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________

7. SMWLM de lado – dois terapeutas

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_______________________________________
8. SMWLM – Prono

83
90 of 135

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________

9. SMWLM – Mobilização da coluna com movimento da perna (SLR à direita)

_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________
10. SNAG + PKB

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________
11. Extensão em prono

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________
12. Exercício do leão

84
91 of 135

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________

13. Postura sentada

__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
__________________________________________________
14. Aumento da lordose

85
92 of 135

Introdução às Cefaléias
____________________________________________
____________________________________________
____________________________________________
____________________________________________
____________________________________________
____________________________________________
_____________________________________
1. Atlanto-axial rotation mobility test

___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
___________________________________________
________________________________________________
__________________________________________________
2. Headache SNAG

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
3. Self headache SNAG

___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
___________________________________________________
4. Upper Cervical: Traction

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
5. Tração com cabresto

86
93 of 135

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
6. Upper Cervical Spine SNAGS
Dorsal glide of Occiput

____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
____________________________________________________
7. Self SNAG reverso com cinto

87
94 of 135

Sistemas de Taping

________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
_________________________________________
1. Tape entorse de tornozelo 1
_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________
2. Tape entorse de tornozelo 2
_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________
3. Tape joelho 1
_______________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
__________________________________________
4. Tape joelho 2
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
________________________________________________
5. Tape lombar e dorsal

88
95 of 135

GLOSSÁRIO

 NAGS: ( Natural Apophyseal Glides ) Deslizamento Natural Apofisário

 SNAGS: ( Sustained Natural Apophyseal Glides ) Deslizamento Natural


Apofisário Sustentado

 MWM: ( Mobilization with Movement ) Mobilização com Movimento

 PRP: ( Pain Release Phenomenon ) Fenômeno de Liberação da Dor

 GLIDE: Deslizamento

 OVERPRESSURE: Pressão mantida em final de arco de movimento


fisiológico

 ENDFEEL: Conceito descrito pelo Dr.Cyriax em que são testadas


estruturas passivas ou inertes em final de arco de movimento através de
sensações dos tecidos, tais
como: dura, osso-osso, vazia, esponjoso, tecido mole.

89
96 of 135

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. Bisset L., Beller E., Jull G., Brooks P., Darnell R., and Vicenzino B. (2006) Mobilisation with
movement and exercise, corticosteroid injection, or wait and see for tennis elbow: randomised trial.
British Medical Journal 333(4) 939-945.
2. Collins, NB., Teys P., and Vicenzino B. (2004). The initial effects of a Mulligan's mobilisation with
movement technique on dorsiflexion and pain in subacute ankle sprains. Manual Therapy, 9(2), 77-
82.
3. Kochar, M. (2002). Effectiveness of a specific physiotherapy regimen on patients with tennis
elbow. Physiotherapy, 88(6), 333-341.
4. Vicenzino, B. (2001). Specific manipulative therapy treatment for chronic lateral epicondylalgia
produces uniquely characteristic hypoalgesia. Manual Therapy, 6(4), 205-212.
5. Hall, TM., Hardt, S., Schafer, A., Wallin, L. (2005). Mulligan Bent Leg Raise Technique – A
preliminary randomised trial of immediate effects after a single intervention. Manual Therapy 11(2)
130-135.
6. Hall, TM. (2007). Efficacy of a C1-C2 self sustained natural apophyseal glide (SNAG) in the
management of cervicogenic headache. The Journal of Orthopaedic and Sports Phsyical Therapy.
37(3), 100-107.
7. Paungmali, A. (2003). Hypoalgesic and Sympathoexcitatory effects of Mobilization with
Movement for lateral epicondylalgia. Physical Therapy, 83(4), 374-383.
8. Paungmali, A. (2004). Naloxone fails to antagonize initial hypoalgesic effect of a manual therapy
treatment for lateral epicondylalgia. Journal of Manipulative and Physiological therapeutics, 27, 180-
185.
9. Teys P., Bisset L., and Vicenzino B. (2006). The initial effects of a Mulligan's mobilization with
movement technique on range of movement and pressure pain threshold in pain-limited shoulders.
Manual Therapy, In Press, Corrected Proof, Available online 27 October 2006.
10. Vicenzino B., Branjerdporn M., Teys P., Jordan K. (2006). Initial changes in posterior talar glide
and dorsiflexion of the ankle after mobilization with movement in individuals with recurrent ankle
sprain. Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy 36(7), 464-471.

Quasi-experimental trials:
11. Abbott, JH. (2001). Mobilization with movement applied to the elbow affects shoulder range of
movement in subjects with lateral epicondylalgia. Manual Therapy, 6(3), 170-177.
12. Abbott, JH. (2001). The initial effects of an elbow mobilization with movement technique on grip
strength in subjects with lateral epicondylalgia. Manual Therapy, 6(3), 163-169.
13. Moiler, K., Hall, TM., and Robinson, K. (2006). The role of fibular tape in the prevention of ankle
injury in basketball: A pilot study. Journal of Orthopaedic & Sports Physical Therapy 36(9), 661-668.
14. Paungmali, A. (2003). Hypoalgesia induced by elbow manipulation in lateral epicondylalgia does
not exhibit tolerance. The Journal of Pain, 4(8), 448-454.
15. Slater, H. (2006) Effects of a Manual Therapy technique in experimental lateral epiconylalgia.
Manual Therapy 11 (2) 107-117.
16. Vicenzino B., Collins D., Benson H., Wright A. (1998). An investigation of the interrelationship
between manipulative therapy-induced hypoalgesia and sympathoexcitation. Journal of
Manipulative and Physiological Therapeutics 21(7), 448-453.

Single-case report:
17. Abbott, JH. (1998). The effect of elbow mobilisation with movement on shoulder impairment and
functional limitation: A case report. Journal of Manual and Manipulative Therapy, 6(4), 208.
18. Backstrom, KM. (2002). Mobilization With Movement as an Adjunct Intervention in a Patient
With Complicated De Quervain's Tenosynovitis: A Case Report. Journal of Orthopaedic and Sports
Physical Therapy, 32(3), 86-94.
19. Carson, PA. (1999). The rehabilitation of a competitive swimmer with an asymmetrical
breastsroke. Manual Therapy, 4(2), 100-106.
20. Folk, B. (2001). Traumatic thumb injury management using mobilization with movement. Manual
Therapy, 6(3), 178-182.

90
97 of 135

21. Horton, SJ. (2002). Acute locked thoracic spine: treatment with a modified SNAG. Manual
Therapy, 7(2), 103-107.
22. Hsieh, CY. (2002). Mulligan's mobilization with movement for the thumb: a single case report
using magnetic resonance imaging to evaluate the positional fault hypothesis. Manual Therapy,
7(1), 44-49.
23. Lincoln, J. (2000). Clinical instability of the upper cervical spine. Manual Therapy, 5(1), 41-46.

Single-case study:
24. O'Brien, T. (1998). A study of the effects of Mulligan's mobilization with movement treatment of
lateral ankle pain using a case study design. Manual Therapy, 3(2), 78-84.
25. Vicenzino, B. (1995). Effects of a novel manipulative physiotherapy technique on tennis elbow:
a single case study. Manual Therapy, 1, 30-35.

Case series:
26. Exelby, L. (2001). The locked lumbar facet joint: intervention using mobilizations with
movement. Manual Therapy, 6(2), 116-121.
27. Hall, TM. (2005). Mulligan‟s traction straight leg raise for low back pain: A preliminary study
investigating range of motion. Journal of Manual & Manipulative Therapy (submitted for publication)
28. Hetherington, B. (1996). Lateral ligament strains of the ankle, do they exist? Manual Therapy,
1(5), 274-275.
29. Hubbard T., Hertel J., Sherbondy P. (2006). Fibular position in individuals with self-reported
chronic ankle instability. Journal of Orthopaedic and Sports Physical Therapy, 36(1): 3-9.
30. Kavanagh, J. (1999). Is there a positional fault at the inferior tibiofibular joint in patients with
acute or chronic ankle sprains compared to normals? Manual Therapy, 4(1), 19-24.
31. Wilson, E. (1997). Central facilitation and remote effects: treating both ends of the system.
Manual Therapy, 2(2), 165-168.

Non-experimental study:
32. Konstantinou, K. (2002). The use and reported effects of mobilization with movement
techniques in low back pain management; a cross-sectional descriptive survey of physiotherapists.
Manual Therapy, 7(4), 206-214.
33. Moulson A, Watson T. (2006). A preliminary investigation into the relationship between cervical
snags and sympathetic nervous system activity in the upper limbs of an asymptomatic population.
Manual Therapy 11(3), 214-224.

International conference papers:


34. Alexander, J (2008) The Effectiveness of Achilles Tendinopathy Taping on Rearfoot Posture
During Static Weight Bearing and Gait. In proceeding of the American Physical Therapy Association
Annual Conference 2008, San Antonio
35. Dimitrova, EB. (2000). Effects of Mulligan‟s Pain Release Phenomenon techniques in cases of
achilles peritendonitis. In Singer KP, Proceedings of the 7th Scientific Conference of IFOMT, The
University of Western Australia, Perth
36. Hall, TM. (2003). Cervicogenic headache Which motion segments are involved? Paper
presented at the In Proceedings of the 13th Biennial Conference of the Musculoskeletal
Physiotherapy Association of Australia.
37. Hall, TM. (2005). A placebo controlled trial investigating the effectiveness of Mulligan C1/C2
rotation SNAG in cervicogenic headache In Proceedings of the 14th Biennial Conference of the
Musculoskeletal Physiotherapy Association of Australia
38. Hall, TM (2008) Inter-tester reliability and diagnostic validity of the cervical flexion-rotation test
(Journal of Manipulative and Physiological Therapeutics (accepted for publication)
39. Hall TM, (2008). Clinical evaluation of cervicogenic headache. Journal of Manual & Manipulative
Therapy, 16(2), 73-80
40. Konstantinou, K., Foster, N., Rushton, A., Baxter, D., Wright, C., Breen. A. (2003). The
immediate effects of flexion mobilisations with movement manual techniques (MWMs) on range of
movement and pain in low back pain patients. Physiotherapy Congress, Birmingham, 17-19th
October. Oral presentation.

91
98 of 135

41. Mann, TW. (2002). Efficacy of the Mulligan Concept: A review of the evidence base. Paper
presented at the IN Proceedings of the 39th Annual Conference of the Malaysian Physiotherapy
Association.
42. Mercer, S. (2001). Meniscoids and manual therapy of the ankle. Paper presented at the
Proceedings of the 12th Biennial conference of the Musculo-skeletal Physiotherapy Association of
Australia.
43. Moulson, A., Watson, T. (2005). A preliminary investigation into the relationship between
cervical SNAGs and sympathetic nervous system activity in the upper limbs of an asymptomatic
population. Paper presented at the Proceedings of the Second International Conference on
Movement Dysfunction, Edinburgh, United Kingdom.
44. Mulligan, BR. (1988). SNAGS. Paper presented at the Proceedings of IFOMT.
45. Neto, F., Caladine, L. (2005). Immediate effects of hold-relax and Mulligan's traction straight leg
raise techniques on hamstring flexibility. Paper presented at the Proceedings of The Spine - World
Congress on Manual Therapy, Rome, Italy.
46. Paungmali, A., O'Leary, S., Souvlis, T., Vicenzino, B. (2001) Initial hypoalgesic and
sympatoexcitatory effects following mobilisation with movement. Paper presented at the
Proceedings of the 12th Biennial conference of the Musculo-skeletal Physiotherapy Association of
Australia.
47. Takasaki, H (2008) Cervical Segmental Motion Induced by Shoulder Abduction Assessed by
Magnetic Resonance Imaging. In Proceedings of the 9th Scientific Conference of IFOMT,
Rotterdam, Holland
48. Vicenzino, B. (2001). Preliminary evidence of a force threshold required to produce
manipulation-induced analgesia. Paper presented at the Proceedings of the 12th Biennial
Conference of the Musculo-skeletal Physiotherapy Association of Australia.
49. Vicenzino, B., Prangley, I., Martin, D. (2001) The initial effect of two Mulligan mobilisation with
movement treatment techniques on ankle dorsiflexion. Paper presented at the Australian
Conference of Science and Medicine in Sport. A Sports Medicine Odyssey. Challenges,
Controversies and Change [CD ROM]. Sports Medicine Australia.

National conference paper:


50. Mack, J. (1997). A new approach in the treatment of tennis elbow. Paper presented at the In
Proceedings of NZSM, Christchruch "partners in Action".

Other peer reviewed articles:


51. Edmonston, SJ. (1997). Thoracic spine, anatomical and biomechanical considerations for
manual therapy. Manual Therapy, 2(3), 132-143.
52. Exelby, L. (1995). Mobilisation with movement: a personal view. Physiotherapy, 81(12), 724-
729.
53. Exelby, L. (1996). Peripheral mobilisation with movement. Manual Therapy, 1(13), 118-126.
54. Exelby, L. (2002). The Mulligan Concept: Its application in the management of spinal conditions.
Manual Therapy, 7(2), 64-70.
55. Hall, TM. (2001). Effects of the Mulligan traction straight leg raise technique on range of
movement. Journal of Manual & Manipulative Therapy, 9(3), 128-133.
56. Hall, TM. (2004). The flexion-rotation test and active cervical mobility – A comparative
measurement study in cervicogenic headache. Manual Therapy 9(4): 197-204
57. Hearn, A., Rivett, DA. (2002). Cervical Snags: a biomechanical analysis. Manual Therapy, 7(2),
71-79.
58. Johnson, J. (1997). Mobilisation with movement: an adjunct to traditional treatment of lateral
epicondylitis. Journal of Sports Physiotherapy 1 (25) 76
59. Lee M, Steven GP, Crosbie J, Higgs RJ. (1996) Towards a theory of lumbar mobilisation - the
relationship between applied manual force and movements of the spine. Manual Therapy, 1(2), 67-
75.
60. Mann, TW. (2001). Causes of complications from cervical spine manipulation. Physiotherapy,
47, 255-266.
61. McLean, S. (2002). A pilot study of the manual force levels required to produce manipulation
induced hypoalgesia. Clinical Biomechanics, 17, 304-308.

92
99 of 135

62. Michel, P. (2000). Total glenohumeral joint replacement: totally different situation. Manual
Therapy, 5(2), 108-112.
63. Miller, J. (1999). The Mulligan Concept – the next step in the evolution of manual therapy.
Canadian Physiotherapy Association Orthopaedic Division Review, March/April 9-13.
64. Miller, J. (2000). Mulligan concept – management of tennis elbow. Canadian Physiotherapy
Association Orthopaedic Division Review, May/June 45-46.
65. Mulligan, BR. (1957). The acute wryneck. New Zealand Journal of Physiotherapy, May 1957,
May, 1957.
66. Mulligan, BR. (1974). The painful stiff shoulder. New Zealand Journal of Physiotherapy, 4(7).
67. Mulligan, BR. (1982). NAGS – Modified mobilisation techniques for the cervical and upper
thoracic spines. New Zealand Journal of Physiotherapy, August 1982.
68. Mulligan, BR. (1989). Pain release phenomenon techniques – PRPS. New Zealand Journal of
Physiotherapy, April 1989.
69. Mulligan, BR. (1992). Extremity joint mobilisations combined with movement. New Zealand
Journal of Physiotherapy, April 1992.
70. Mulligan, BR. (1993). Mobilisation with Movement. Journal of Manual & Manipulative Therapy,
1(4), 154-156.
71. Mulligan, BR. (1994). Spinal mobilisation with arm movement (further mobilisation with
movement). Journal of Manual & Manipulative Therapy, 2(2), 75-77.
72. Mulligan, BR. (1995). Spinal mobilisation with leg movement (further mobilisation with
movement). Journal of Manual & Manipulative Therapy, 3(1), 25-27.
73. Mulligan, BR. (1996). Mobilisation with movement for the hip joint to restore internal rotation and
flexion. Journal of Manual & Manipulative Therapy, 4(1), 35-37.
74. Mulligan, BR. (1997). Update on spinal mobilisations with leg movement. Journal of Manual &
Manipulative Therapy, 5(4), 184-187.
75. Mulligan, BR. (2003). The painful dysfunctional shoulder. A new treatment approach using
„Mobilisation with Movement‟ The New Zealand Journal of Physiotherapy 31 (3) 140-142
76. Ogince, M. (2003). Sensitivity and specificity of the flexion rotation test. (Abstract). Cephalalgia,
23(7), 678, September.
77. Rivett, DA. (1997). Preventing neurovascular complications of cervical spine manipulation.
Physical Therapy Review, 2, 29-37.
78. Rivett, DA. (1998). Negative pre-manipulative vertebral artery testing despite complete
occlusion: a case of false negativity? Manual Therapy, 3(2), 102-107.
79. Stevens, G. (1995). Lateral epicondylitis. Journal of Manual & Manipulative Therapy, 3(2), 50-
58.
80. Vicenzino, B. (2003). Lateral epicondylalgia: a musculoskeletal physiotherapy perspective.
Manual Therapy 8(2) 66-79
81. Vicenzino B., Paungmali A.,and Teys P. (2007). Mulligan's mobilization-with-movement,
positional faults and pain relief: Current concepts from a critical review of literature Manual Therapy.
12(2), 98-108.

Non-peer reviewed articles:


82. Wilson, E. (1994a). Mobilisation with movement: an update. In Touch, 73, 10-11.
83. Wilson, E. (1994b). Peripheral joint mobilisation with movement and its effects on adverse
neural tension. Journal of the Manipulative Association of Chartered Physiotherapists (UK), 2, 35-
39.
84. Wilson, E. (1995). Mobilisations with movement and adverse neural tension: an exploration of
possible links. Manipulative Physiotherapist 27:1, 27(1).
85. Wilson, E. (1996). Headaches and vertigo: a simple complex. In Touch, 6(Winter), 5-9.
86. Wilson, E. (1997). SLR: what are we testing? In Touch (Summer 1997).
87. Wilson, E. (1998). The 1998 Olive Sands memorial lecture: Tenacious elbow, Lateral
epicondylalgia. In Touch(Autumn 1998)
88. Wilson, E. (1998). Case studies in functional anatomy and physiology. In Touch, 88, 4-8.
89. Wilson, E. (2001). The Mulligan concept: NAGS, SNAGS and mobilizations with movement.
Journal of Bodywork and Movement Therapies 5(2), 81-89.

Related books:

93
100 of 135

90. Hall, TM. (2003). A chronic case of mechanics elbow. In M. Jones & D. Rivett (Eds.), In Clinical
reasoning for physical therapists: Churchill Livingstone.
91. Mulligan, BR. (1994). SNAGS: Mobilisations of the spine with active movement. In G. Grieve
(Ed.), In Modern Manual Therapy (2nd ed., pp. 733-743). Edinburgh: Churchill Livingston.
92. Mulligan, BR. (2003). Manual Therapy NAGS SNAGS MWMS etc. 5th Edition. Plane View
services Ltd. New Zealand.
93. Mulligan, BR. (2003). Self Treatments for Back, Neck and Limbs. Plane View Services Ltd. New
Zealand
94. Wilson, E. (2002). The Mulligan Concept: NAGs, SNAGs, MWMs, etc. In L. Chaitow (Ed.), In
Positional Release Techniques (2nd ed.). London: Churchill Livingstone.

Other language papers:


95. Bessler, J. , Beyerlein, C. (2006). Der sichere Weg zur Diagnose - Untersuchung und Therapie
des Iliosakralgelenks. Physiopraxis, 6 , 20-24.
96. Beyerlein, C. (2002). Geschichte der spinalen Manipulation von Hippokrates bis heute.
Krankengymnastik – Zeitschrift für Physiotherapeuten, 54(11), 1780-1784.
97. Beyerlein, CH. (2002). Effektivität der Mulligan-Straight-Leg-Raise-Traktionstechnik auf die
Beweglichkeit bei Patienten mit Rückenschmerzen. Manuelle Therapie, 6, 61-68.
98. Claassen, R., van Dalen, P. (2001). Het Mulligan Concept: een veilige en effectieve manier van
mobiliseren. Wetenschappelijk tijdschrift voor Fysische Therapie, 2(2):7-17

94
101 of 135

ANEXO I

JOINT CAPSULAR PATTERN


Temporomandibular Opening
Occipitoatlanto Extension & side flexion equally limited
Cervical Spine Side flexion & rotations equally limited, extension
Glenohumeral Lateral rotation, abduction, medial rotation
Sternoclavicular Pain at extreme range of movement
Acromioclavicular Pain at extreme range of movement
Humeroulnar Flexion, extension
Radiohumeral Flexion, extension, supination, pronation
Proximal Radioulnar Supination, pronation
Distal Radioulnar Pain at extremes of rotation
Wrist Flexion & extension equally limited
Trapeziometacarpal Abduction, extension
MCP and IP Flexion, extension
Thoracic Spine Side flexion & rotation equally limited, extension
Lumbar Spine Side flexion & rotation equally limited, extension
SI, Symphysis Pubis, & Sacrococcygeal Pain when joints stressed
Hip Flexion, Abduction, medial rotation (order varies)
Knee Flexion, extension
Tibiofibular Pain when joint stressed
Talocrural Plantar flexion, dorsiflexion
Subtalar (Talocalcaneal) Limitation of varus range of movement
Midtarsal Dorsiflexion, plantar flexion, adduction, medial rotation
First MTP Extension, flexion
Second to Fifth MTP Variable
IP Flexion, extension

95
102 of 135
ANEXO II

END-FEEL (SENSAÇÃO FINAL)

Osso com osso


Uma parada abrupta do movimento implicando um contato entre dois ossos, por exemplo,
extensão do cotovelo

Espasmo
Movimento é interrompido por um espasmo muscular reativo.

Capsular
Uma forte sensação de estiramento o qual interrompe um movimento que iria além.
Exemplo: rotação lateral do úmero ao nível da gleno-umeral.

Spring block
Uma sensação de rebote do movimento no limite do arco semelhante a uma mola. Exemplo:
desarranjo interno do joelho ( lesão meniscal)

Aproximação dos tecidos moles


Aproximação de dois músculos que limita o arco total de movimento possível na articulação.
Exemplo: flexão do joelho ou cotovelo.

Vazio
O movimento é limitado pela dor antes de haver qualquer sensação de resistência mecânica
articular.

96
103 of 135
ANEXO III

Paciente 1 Paciente 2 Paciente 3 Paciente 4 Paciente 5

Estabilização do tronco

Estabilização da cabeça

Posição da cabeça

Posição da mão cefálica

Posição da mão caudal

Plano de deslizamento

Amplitude

Ritmo

Descreva a técnica passo a passo de forma correta:

97
104 of 135
ANEXO IV

AVALIAÇÃO RÁPIDA DA COLUNA CERVICAL

 História clínica
o Tipo do problema
o Área dos sintomas
o Comportamento dos sintomas

 Exame objetivo
o Observação
 Postura
 Qualidade do movimento
 Edema
 Cicatrizes, etc.

o Movimentos ativos
 F / E / ILD / ILE / RD / RE
 Combinados

o Compressão
 ILD / ILE / F

o Movimentos passivos
 Fisiológicos
 Artrocinemáticos (acessórios)

o Testes neurodinâmicos

o Testes da artéria vertebral

o Outros testes

o Outras articulações (ombro, AC, EC, torácica, cotovelo)

98
105 of 135
ANEXO V

AVALIAÇÃO RÁPIDA DA COLUNA CERVICAL


ENFOQUE CYRIAX MODIFICADO

 História  Exame funcional


o Idade o Movimentos cervicais
 Ativos
o Sintomas  F / E / ILD / ILE /
 Dor / limitação funcional RD / RE
 Como, quando e  Combinados
onde começou  Passivos
 Como está  F / E / ILD / ILE /
progredindo RD / RE
 Recorrência  Combinados
 Influência da tosse  Overpressure
 Localização (área  Resistidos
dos sintomas)  F / E / ILD / ILE /
 Parestesia RD / RE
 Segmental / extra-  Combinados
segmental  Testes de tensão neural
 Com ou sem dor ? (radial, mediano, ulnar)
 Vertigens
 Espontânea /
postural  Exame neurológico
o Ombro (abdução C5 / RE C5)
o Drogas o Cotovelo (flexão C5 e C6 / E
C7)
o Punho (F C7 / E C6)
o Polegar (E C8)
 Inspeção o Dedo mínimo (abdução T1)
o Desvios (F / IL / Com ou sem o Reflexos
rotação)  Bíceps
o Posição da escápula  Braquioradial
o Atrofias, cicatrizes, edemas  Tríceps
 Reflexo plantar

 Outras articulações
o Ombro (elevação bilateral ativa,
abdução ativa)
o Torácica / primeira costela

 Testes especiais
o Isquemia basilar
o Testes otoneurológicos
o Testes de provocação cervical

99
106 of 135
ANEXO VI

AVALIAÇÃO FUNCIONAL BÁSICA DA COLUNA CERVICAL

ARCO DE END-
DOR VERTIGEM FRAQUEZA
MOVIMENTO FEEL
Pré-teste dor em repouso
Flexão (A)
Extensão (A)
D
Inclinação lateral (A)
E
D
Rotação (A)
E
Flexão (P)
Extensão (P)
D
Inclinação lateral (P)
E
D
Rotação (P)
E
Escápula elevação bilateral (A)
Escápula elevação bilateral (R)
Elevação dos braços bilateral (A)
D
Abdução (R)
E
D
Cotovelo flexão (R)
E
D
Cotovelo extensão (R)
E
D
Punho flexão (R)
E
D
Punho extensão (R)
E
D
Polegar extensão (R)
E
D
Dedo mínimo abdução (R)
E
Testes neurodinâmicos
o Radial D/E
o Ulnar D/E
o Mediano D/E
(A) – Ativo (P) – Passivo
(R) – Resistido D – Direita E - Esquerda
Variáveis:
DOR – onde e quando
ARCO DE MOVIMENTO – Limitado? Em que grau ?
END-FEEL – normal, espasmo muscular, duro, macio
Sem dor / limitado - Doloroso / limitado +
Ligeiramento doloroso / limitado + / - Muito doloroso / limitado +/+

100
107 of 135
ANEXO VII

AVALIAÇÃO RÁPIDA DA COLUNA TORÁCICA

 História clínica
o Atual e pregressa
o Tipo da desordem
o Área dos sintomas
 Área e profundidade dos sintomas
 Parestesia e anestesia
 Áreas relacionadas com sintomas
 Outras áreas
 Articulações acima e abaixo da desordem
 Outras articulações relevantes
o Comportamento dos sintomas

 Exame físico
o Postura
o Qualidade de movimento
o Movimentos ativos
 F / E / ILD / ILE / RD / RE
 Overpressure em final de arco para extensão e flexão
 Combinados
o Testar mobilidade cervical
o Compressão / Distraction
o Movimentos passivos
 MIAP de T4, T12
 F / E / ILD / ILE / RD / RE
 Slump test
o Testes para articulações costovertebrais

101
108 of 135
ANEXO VIII

AVALIAÇÃO RÁPIDA DO OMBRO

 História clínica  Exame acessório


o História específica o ADD horizontal passiva
 Limitação do movimento, o RE passiva em 90º
hipermobilidade o Teste de apreensão para instabilidade
 Dor anterior
 Quando começou ? o Teste de apreensão para instabilidade
 Como começou ? posterior
 Área da dor. Dor irradiada ? o Teste do Serrátil em cadeia cinética
 Qualidade da dor fechada
 Pode deitar sobre a área o ADD da escápula resistida
dolorida ? o Movimento resistido para frente e para
 Parestesia trás em 90º
 Constante ou intermitente ? o ADD horizontal resistida
 Fraqueza o Antepulsão resistida
 Subjetiva ? o ADD resistida com F do cotovelo em
o História geral 90º
 Profissão e hobbies. Trabalhando
ou não?
 Outras articulações afetadas ?  Palpação
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Inspeção
 Posição paralela dos ombros
 Alterações de cor
 Edema, deformidades, posição
escapular

 Exame funcional
o Cervical (F / E / ILD / ILE / RD / RE)
 Testes resistidos (RD / RE)
o Escápula (elevação ativa e resistida)
o Membros superiores (elevação ativa, F
/ E passiva do cotovelo)
 Testes resistidos (ABD / F e E do
cotovelo / F e E do punho / E do
polegar / AD do mínimo)
o Elevação ativa e passiva dos membros
superiores
o Passivos (ABD / RE / RI)
o Testes resistidos (ADD / ABD / RE / RI
/ F e E do cotovelo)

102
109 of 135
ANEXO IX

AVALIAÇÃO RÁPIDA DO COTOVELO

 História clínica  Testes artrocinemáticos


o História específica o Articulação umero-ulnar
 Limitação do movimento,  Movimento transverso (olecrânio /
hipermobilidade coronóide)
 Dor  Movimento transverso (caudal em
 Quando começou ? 90º de flexão / olecrânio, coronóide
 Como começou ? e linha geral do úmero
 Área da dor. Dor irradiada ?  Fover wrist no cotovelo anterior
 Qualidade da dor  Movimento longitudinal (cefálico e
 Pode deitar sobre a área caudal na linha ulnar com desvio
dolorida ? do punho em diferentes ângulos de
 Parestesia flexão e extensão do cotovelo)
 Constante ou intermitente ? o Articulação rádio-ulnar superior
 Fraqueza  Movimentos acessórios (ABD /
 Subjetiva ? ADD do cotovelo em 5º de F
o História geral  Movimento longitudinal (cefálico e
 Profissão e hobbies, trabalhando caudal em diferentes ângulos de F
ou não e E do cotovelo e diferentes
 Outras articulações afetadas ? ângulos de supinação e pronação
 Primeira vez com problemas ? com desvio do punho sem e com
 Tratamentos prévios ? compressão)
 Exames complementares  Movimento postero-anterior e
 Medicações, cirurgias anteriores ? antero-posterior em pronação total
e supinação total
 Supinação / pronação com
compressão
 Exame clínico
o Articulação rádio-umeral
o Inspeção
 Movimento longitudinal (cefálico e
 Posição paralela dos ombros
caudal com desvio do punho em
 Alterações de cor
diferentes ângulos do cotovelo a
partir de uma F total para E total e
supinação total para pronação
 Edema, deformidades (cúbitus varos /
total)
valgos)
 Movimento postero-anterior e
antero-posterior em diferentes
posições de F / E / Supinação /
 Exame funcional Pronação com e sem compressão
o Passivas (F / E / Pronação / o Outros testes
Supinação)  Desfiladeiro torácico
o Resistidos (F / E / Pronação /  Slump tests
Supinação)  Testes neurais do membro
superior
 Exame acessório
o Resistidos (desvio radial / ulnar / E do  Palpação
punho com F dos dedos / F e E dos
dedos)

103
110 of 135
ANEXO X

AVALIAÇÃO RÁPIDA DO PUNHO E MÃO

 História clínica oDedos


o História específica  ABD e ADD resistida
 Limitação do movimento,  Testes artrocinemáticos
hipermobilidade o Postero-anterior / antero-posterior /
 Dor longitudinal cefálico e caudal e
 Quando começou ? transversal
 Como começou ?
 Área da dor. Dor irradiada ?
 Qualidade da dor  Outros testes
 Pode deitar sobre a área o Testes de tensão neural do membro
dolorida ? superior
 Parestesia o Slump tests
 Constante ou intermitente ?
 Fraqueza
 Subjetiva ?
o História geral
 Profissão e hobbies. Trabalhando
ou não
 Outras articulações afetadas ?
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Inspeção
 Alterações de cor / edema
 Deformidades
 Dedo em gatilho
 Mallet finger
 Dupuytren
 Boutonniere

 Exame clínico
o Passivos (pronação / supinação / F / E
/ Desvio ulnar sem o polegar / Desvio
radial)
o Resistidos (F / E / Desvio radial /
Desvio ulnar /
o Articulação trapézio 1ª metacarpiano
 Passivo
 Flexão resistida do polegar
 Extensão resistida do polegar
 ABD resistida do polegar
 ADD resistida do polegar

104
111 of 135
ANEXO XI

ARTICULAÇÃO COXO-FEMURAL

 História clínica  Antero-posterior


o História específica  Transverso
 Limitação do movimento,  Rotação interna
hipermobilidade  Rotação externa
 Dor o Slump test
 Quando começou ? o Testes da coluna lombar
 Como começou ?
 Área da dor. Dor irradiada ?
 Qualidade da dor
 Pode deitar sobre a área
dolorida ?
 Parestesia
 Constante ou intermitente ?
 Fraqueza
 Subjetiva ?
o História geral
 Profissão e hobbies. Trabalhando
ou não?
 Outras articulações afetadas ?
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Testes globais
 Rotação total em posição em apoio
unipodal
 Agachamento
 Flexão – joelho no peito
 Subir e descer escadas
 Marcha
o Supina
 Testes passivos fisiológicos (F / RI
/ ADU / ABD / RE)
 Testes resistidos (F / E / ADU /
ABD)
o Prona
 Teste fisiológico passivo
 Rotação interna bilateral passiva
 Rotação interna resistida
 Flexão de joelho resistida
 Rotação externa resistida
o Movimentos acessórios
 Cefálico
 Caudal
 Postero-anterior

105
112 of 135
ANEXO XII

ARTICULAÇÃO TÍBIO- FEMURAL – JOELHO

 História clínica o Movimentos acessórios com


o História específica compressão
 Limitação do movimento,  ABD / ADU em várias posições de
hipermobilidade flexão e extensão
 Dor  Antero-posterior
 Quando começou ?  Postero-anterior
 Como começou ?  Rotação interna
 Área da dor. Dor irradiada ?  Rotação externa
 Qualidade da dor  Transverso em várias posições de
 Pode deitar sobre a área flexão e extensão
dolorida ?
 Parestesia
 Constante ou intermitente ?
 Fraqueza
 Subjetiva ?
o História geral
 Profissão e hobbies. Trabalhando
ou não?
 Outras articulações afetadas ?
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Testes funcionais
 Marcha
 Agachamento até o início da dor
 Flexão e extensão em pé
 Movimentos específicos que
agravam
 Movimento lesional
 Movimentos com sobrecarga
o Testes fisiológicos passivos
 F / E / RE / Strain em valgos e
varos
 Gaveta anterior e posterior
 Shear tests medial e lateral
o Movimentos acessórios
 ABD / ADU em várias posições de
flexão e extensão
 Antero-posterior
 Postero-anterior
 Rotação interna
 Rotação externa
 Transverso em várias posições de
flexão e extensão

106
113 of 135
ANEXO XIII

JOELHO

ARTICULAÇÃO FEMURO-PATELAR ARTICULAÇÃO TIBIOFIBULAR SUPERIOR


 Checar joelho e tornozelo

 Exame clínico  Exame clínico


o Testes funcionais o Testes funcionais
 Marcha  Marcha
 Sentando da extensão para flexão  Sentando da extensão para flexão
 Marcha em agachamento para  Marcha em agachamento para
frente e para trás frente e para trás
 Subir e descer escadas  Subir e descer escadas
 Testes isométricos do quadríceps o Movimentos acessórios
mantendo rótula caudal  Postero-anterior
o Testes fisiológicos passivos  Antero-posterior
 Flexão e extensão  Longitudinal cefálico e caudal (por
o Movimentos acessórios meio de inversão e eversão do
 Elevação e compressão tornozelo)
 Transverso medial e lateral
variando ângulos de flexão e  Pode-se adicionar compressão
extensão  Pode-se realizar os testes em
 Cefálico e caudal decúbito lateral para grau IV+ com
 Rotação interna e externa com ou compressão
sem compressão em neutra o Testes de tensão neural do membro
 Rotação interna e externa no eixo inferior
femural

107
114 of 135
ANEXO XIV

TORNOZELO

 História clínica o Movimentos acessórios


o História específica  Rotação medial e lateral
 Limitação do movimento,  Postero-anterior
hipermobilidade  Antero-posterior
 Dor  Longitudinal cefálico e caudal na
 Quando começou ? linha tibial
 Como começou ?  Transverso medial e lateral
 Área da dor. Dor irradiada ? variando inclinações antero-
 Qualidade da dor posteriores e postero-anteriores da
 Pode deitar sobre a área sub-talar
dolorida ?
 Parestesia  Repetir movimentos com
 Constante ou intermitente ? compressão
 Fraqueza
 Subjetiva ?
o História geral
 Profissão e hobbies, trabalhando
ou não
 Outras articulações afetadas ?
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Testes funcionais
 Marcha
 Caminhar nas pontas dos pés e
calcanhares para frente, para trás
e para o lado, e com inversão e
eversão
 Pular
 Agachar espontaneamente e a
seguir com o calcanhar no chão
 Elevar-se na ponta de um só pé
o Testes fisiológicos passivos
 Flexão plantar
 Dorsiflexão
 Plantiflexão
 Varos
 Plantiflexão, ABD e pronação
 Plantiflexão, AADU e supinação
 Gaveta anterior
o Testes resistidos
 Dorsiflexão
 Plantiflexão
 Inversão
 Eversão

108
115 of 135
ANEXO XV

ARTICULAÇÃO INTER-TARSAIS - PÉ
 História clínica ARTICULAÇÃO TARSO-METATARSIANA
o História específica
 Limitação do movimento,  História clínica
hipermobilidade o História específica
 Dor  Idem ao anterior
 Quando e como começou ?  Parestesia
 Área da dor. Dor irradiada ?  Constante ou intermitente ?
 Qualidade da dor  Fraqueza
 Pode deitar sobre a área  Subjetiva ?
dolorida ? o História geral
 Parestesia  Idem ao anterior
 Constante ou intermitente ?
 Fraqueza  Exame clínico
 Subjetiva ? o Testes funcionais
o História geral  Paciente demonstra movimentos
 Profissão, hobbies, trabalhando ou funcionais afetados pelo seu
não problema
 Outras articulações afetadas ?  Marcha
 Primeira vez com problemas ?  Caminhar para frente e para trás
 Tratamentos prévios ?  Caminhar na sua direção e ao
 Exames complementares contrário
 Medicações, cirurgias anteriores ?  Mesmo procedimento na ponta dos
pés ou calcanhares e com os pés
 Exame clínico em inversão e eversão, para frente,
o Testes funcionais trás e lado, saltando
 Paciente demonstra movimentos  Agachamento no calcanhar ou na
funcionais afetados pelo problema posta dos pés
o Testes fisiológicos passivos  Dorsiflexão, plantiflexão, inversão e
 Dorsiflexão, Plantiflexão, Inversão, eversão
Eversão o Testes fisiológicos passivos
o Movimentos acessórios  Inversão e eversão do pé
 ABD, ADU do ante-pé ou retro-pé o Movimentos acessórios
 Rotação no eixo de 90º da tíbia  Movimento postero-anterior e
 Flexão e extensão horizontal antero-posterior
 Movimento postero-anterior e  Deslizamento entre superfícies
antero-posterior adjacentes
 Movimento transverso  Movimento transverso com ABD e
 Deslizamento entre superfícies ADU
articulares  Rotação medial, lateral com e sem
 Variar posições e ângulos compressão
 Flexão horizontal e extensão
horizontal

109
116 of 135
ANEXO XVI

ARTICULAÇÃO
METATARSO-FALANGEANAS E
INTERFALANGEANAS

 História clínica
o História específica
 Limitação do movimento,
hipermobilidade
 Dor
 Quando e como começou ?
 Área da dor. Dor irradiada ?
 Qualidade da dor
 Pode deitar sobre a área
dolorida ?
 Parestesia
 Constante ou intermitente ?
 Fraqueza
 Subjetiva ?
o História geral
 Profissão, hobbies, trabalhando ou
não
 Outras articulações afetadas ?
 Primeira vez com problemas ?
 Tratamentos prévios ?
 Exames complementares
 Medicações, cirurgias anteriores ?

 Exame clínico
o Testes funcionais
 Marcha
 Caminhar na ponta dos pés para
frente e para trás, saltitando
 Agachamento nos calcanhares e
tornozelo

o Testes fisiológicos passivos


 Flexão, extensão do hálux

o Movimentos acessórios
 Movimento Antero-posterior
 Movimento postero-anterior
 Movimento longitudinal
 ABD, ADU
 Rotação medial e lateral com e
sem compressão
 Cefálico
 Caudal

110
117 of 135

ANEXO XVII

COLUNA LOMBAR

 História clínica o No movimento de


o História específica se curvar
 Limitação do movimento, o De manhã,
hipermobilidade durante o dia ou à
 Dor noite
 Quando começou ?  Parestesia
 Como começou ?  Com ou sem dor ?
o Espontaneament  Constante ou
e? intermitente ?
o Over use ?  Onde ?
o Trauma ?  Em repouso, durante o
o Bruscamente ou dia ou à noite ?
início lento  Em atividade ?
o Piora abrupta ou  Fraqueza
lenta ?  Subjetiva / objetiva ?
 Área da dor. Dor  Evolução
irradiada ?  Piorando, melhorando,
o Lombar estável?
 Alta, baixa ou  Dor ao tossir ou espirrar
central ? o História geral
 Esquerda,  Profissão, hobbies,
direita ou trabalhando ou não
bilateral ?  Outras articulações
o Região glútea afetadas ?
 Bilateral ou  Primeira vez com
alternada problemas ?
 Esquerda,  Tratamentos prévios ?
direita,  Exames complementares
cranial,  Medicações, cirurgias
caudal anteriores ?
o Membro inferior  Tipo de colchão (mole,
 Esquerdo, duro, firme)
direito, onde  Recorrência
exatamente ?  Quando, quanto
 Até aonde tempo, freqüência,
chegam os causa?
sintomas ?  Como você se sente
 Qualidade da dor entre as crises?
o Leve, moderada,  Saúde geral: boa,
severa moderada, ruim
o Constante ou  Perda de peso sem
intermitente explicação ?
o Durante o  Problemas de incontinência
movimento ou em desde o início dos
repouso sintomas?
 O que faz a dor piorar
ou melhorar?
o Deitado, sentado  Exame clínico
ou em pé o Inspeção
 Como caminha, senta

111
118 of 135

 Qual a sua expressão em flexão e extensão, IL,


 Sinais ósseos compressão e distraction
 Tilt da pélvis  Slump test
 Postura o Movimentos acessórios
 Desvio lateral em  PVC postero-anterior
flexão?  PVU postero-anterior
 Particularidades durante o  Pressão transversa
despir o Outros testes
o Testes funcionais  Testes neurológicos
 Marcha  Testes do canal medular
 Caminhar na ponta dos pés  Testes articulares
para frente e para trás periféricos
 Mover-se até a dor ou seu  Testes de MIVPA
limite (F / E / IL / R /  Testes de instabilidade
Deslocamento lateral)  Testes das sacro-ilíacas
o Testes fisiológicos ativos
 F / E / ILD / ILE / RD / RE
 Quando necessário,
movimentos combinados

112
119 of 135

ANEXO XVIII

REVISÃO

113
120 of 135

114
121 of 135

115
122 of 135

116
123 of 135

117
124 of 135

118
125 of 135

RED

FLAGS

119
126 of 135

REGIÃO LOMBAR
Idade maior que 50 anos
História de câncer
Tumores
Perda de peso sem causa aparente
Falência de terapia conservadora
Infecção recente (ex: infecção do trato urinário ou de pele)
Infecção (osteomielite) Usuário de drogas intravenosas
Doença imunossupressora associada
Retenção urinária ou incontinência
Incontinência fecal
Anestesia em sela
Síndrome da cauda equina
Fraqueza global ou progressiva dos membros inferiores
Déficits sensoriais nos pés (ex: áreas de L4, L5 e S1)
Fraqueza para dorsiflexão, ou plantiflexão do pé, ou extensão do hálux
História de trauma (incluindo pequenas quedas, ou levantamento de peso
para idosos com osteoporose)
Fratura
Uso prolongado de esteróides
Idade maior que 70 anos

120
127 of 135

REGIÃO PÉLVICA, QUADRIL E COXA


Idade maior que 50 anos
Distúrbios intestinais (ex: sangramento retal, fezes escuras)
Câncer de cólon Perda de peso sem causa aparente
História de câncer de cólon em parente de 1º grau
Dor não se altera com as posições ou movimentos
Mulheres idosas (> 70 anos) com dor no quadril, virilha ou coxa
Fraturas patológicas do colo História de queda da própria altura
femoral Dor severa e constante que piora com o movimento
Membro inferior encurtado e rodado externamente
História de uso prolongado de corticoesteróide (ex: pacientes com
artrite reumatóide, lupus eritematoso sistêmico, asma)
Osteonecrose da cabeça femoral
Histórico de necrose avascular do quadril contralateral
Trauma
Meninos de 5 a 8 anos com dor na coxa/virilha
Marcha antálgica
Doença de Legg-Calvé-Perthes
Sintomas dolorosos agravados com o movimento do quadril,
principalmente abdução e rotação interna
Adolescente acima do peso
História recente de aceleração do crescimento ou trauma
Deslizamento da epífise da cabeça
Dolorimento na virilha agravado pelo suporte de peso
femoral
Membro inferior envolvido repousa em rotação externa
Amplitude de movimento limitada para abdução e rotação interna

121
128 of 135

REGIÃO DO JOELHO, PERNA, TORNOZELO E PÉ


Idade maior que 60 anos
História de diabetes do tipo II
História de cardiopatia isquêmica
Fumante
Doença arterial periférica Estilo de vida sedentário
oclusiva Claudicação intermitente
Extremidade fria unilateralmente
Diminuição dos pulsos pediosos: artéria tibial posterior e artéria pediosa
dorsal
Pressão sistólica anormal da perna para o braço
Dor na panturrilha, edema , empastamento e aumento da temperatura
Dor na panturrilha intensificada com o ostostatismo ou marcha e
Trombose venosa profunda aliviada por repouso e elevação do membro inferior
História de cirurgia recente, gravidez, trauma, ou imobilização do
membro inferior
História de trauma direto, lesão por compressão, ou exercício fora do
habitual
Dor severa e persistente que aumenta com o estiramento aplicado aos
Síndrome compartimental
músculos envolvidos
Edema, rigidez e tensão palpável do compartimento envolvido
Parestesia, paresia e ausência de pulso
Dolorimento constante ou dor pulsátil, edema articular, rigidez e
aumento da tempertatura
Artrite séptica
História de infecção recente, cirurgia ou injeção
Coexistência de doença imunossuperessiva
Dor, edema cutâneo, aumento de temperatura e margem irregular na
área eritematosa
Celulite Febre, calafrios, mal-estar e fraqueza
História recente de ulceração cutânea ou abrasão, insuficiência venosa,
doença cardíaca congestiva, ou cirrose

122
129 of 135

REGIÃO DA CAIXA TORÁCICA (COLUNA E COSTELAS)


Dor no peito
Palidez, sudorese, dispnéia, náusea e palpitações
Presença de fatores de risco, como: histórico de doença coronariana,
Infarto do miocárdio hipertensão, tabagismo, diabetes, colesterol total elevado (> 240 mg/dL)
Homem acima de 40 anos, mulheres acima de 50 anos
Sintomas que se prolongam por mais de 30 minutos e que não aliviam com
nitroglicerina sublingual
Dor torácica que ocorre fora de um padrão esperado
Angina instável
Não responsivo a nitroglicerina
Dor ou pressão torácica que ocorre em níveis esperados de esforço
Angina estável
Os sintomas aliviam com repouso ou com nitroglicerina sublingual
Dor em pontada/facada que pode ser referida para região lateral do pescoço ou
ombro do mesmo lado
Pericardite
Dor aumenta quando deita sobre o lado esquerdo
Alivia quando sentado e mantém o braço apoiado a frente
Dor no peito, ombro ou abdomen superior
Embolia pulmonar Dispnéia
História ou fatores de risco para desenvolver trombose venosa profunda
Dor severa, perfurante, tipo facada durante a inspiração profunda
Dispnéia, com redução da expansibilidade torácica
Pleurisia
História patologia pulmonar recente ou crônica (ex: infecção, tumor,
tuberculose)
Dor no peito que aumenta a inspiração
Dificuldade ventilatória ou para expandir o tórax
Pneumotórax Ataque de tosse, exercício extenuante ou trauma recente
Hipertimpanismo a percussão
Redução dos murmúrios vesiculares
Dor pleurítica, podendo ser referida no ombro
Pneumonia Febre, calafrios, cefaléia, mal-estar, náusea
Tosse produtiva
Dor em cólica em quadrante abdominal superior acompanhado de dor
escapular à direita
Colicistite
Os sintomas pioram com a ingestão de alimentos ricos em gordura
Os sintomas não aumentam com a atividade e não melhoram com o repouso
Dor difusa ou sensação de queimação no epigástrio, lombar média ou região
supraclavicular
Úlcera péptica Os sintomas aliviam com a ingestão de comida
Resistência aumentada à palpação do epigástrio direito
Constipação, sangramento, vômitos, evacuação escura
Histeria recente ou coexistência de infecções do trato urinário
Pielonefrite Próstata aumentada
Cálculos renais ou episódio recente de cálculos
Dor súbita e severa na região lombar e/ou dos flancos
Calafrios, febre, náusea, vômitos
Cólica renal
Nefrolitíase
Sintomas de infecção do trato urinário
Residência em ambiente quente e úmido
Episódios passados de cálculo renal; 50% dos pacientes têm novo episódio

123
130 of 135

REGIÃO DA COLUNA CERVICAL E OMBRO


Dor no peito
Palidez, sudorese, dispnéia, náusea e palpitações
Presença de fatores de risco, como: histórico de doença coronariana,
Infarto do miocárdio hipertensão, tabagismo, diabetes, colesterol total elevado (> 240 mg/dL)
Homem acima de 40 anos, mulheres acima de 50 anos
Sintomas que se prolongam por mais de 30 minutos e que não aliviam com
nitroglicerina sublingual
Trauma maior tal como acidente de veículo automotor ou queda de grande
altura
Instabilidades ligamentares Artrite reumatóide ou espondilite anquilosante
da cervical com possível Uso de contraceptivo oral
comprometimento medular Sinais neurológicos presentes, principalmente em mais de uma
extremidade, tonteiras, nistagmo, vertigem provocada pelos
movimentos/posições da cabeça/pescoço, clônus, sinal de Babinski
Parestesias
Neuropatias periféricas Dor presente em repouso e possivelmente com uma distribuição retrógrada
compressivas da coluna Músculos inervados tensos a palpação
cervical e cintura escapular Os músculos envolvidos e a distribuição sensorial seguem um padrão
específico do nervo acometido
Fraqueza para abdução do ombro
Incapacidade de “encolher” os ombros
Nervo espinhal acessório
Dor difusa, fraqueza e queda do ombro
Perda da estabilização escapular
Fraqueza para abdução e flexão do ombro
Nervo axilar
Perda da sensibilidade do aspecto lateral do braço
Fraqueza do serrátil anterior com “alamento” da escápula
Nervo torácico longo
Perda do ritmo escápulo-umeral
Apresentação similar a ruptura do manguito rotador devido ao
envolvimento dos músculos supra e infraespinhoso
Nervo supraescapular
Perda de força na abdução e rotação externa do ombro
A dor é profunda e mal localizada
Homem acima de 50 anos de idade com história de tabagismo
Dor tipo “incômodo” no ombro e através da borda vertebral da escápula
Tumor de Pancost
Dor que progride de “incômodo” para queimação, podendo se estender
para baixo pelo braço e dentro da distribuição do nervo ulnar

124
131 of 135

REGIÃO DA CABEÇA, FACE E ARTICULAÇÃO TEMPOROMANDIBULAR


Sinal de SLUMP positivo
Cefaléia
Febre
Sinais gastrointestinais, como vômito e náusea
Meningite
Fotofobia
Confusão
Convulsão
Sonolência
Ataxia
Déficits da fala
Anormalidades sensoriais
Cefaléia
Tumor cerebral primário
Sinais gastrointestinais, como vômito e náusea
Distúrbios visuais
Alteração do status mental
Convulsão
Cefaléia de início súbito (a pior cefaléia de toda sua vida)
Perda breve da consciência
Hemorragia subaracnóidea Sinais de tumores cerebrais (disfunção neurológica, náusea e vômito)
Sinais de irritação meníngea (rigidez nucal, febre, fotofobia, náusea e
vômito)

125
132 of 135

REGIÃO DO COTOVELO, PUNHO E MÃO


Queda recente ou trauma
Dor, rigidez, edema e equimose
Fraturas História de osteoporose
Uso prolongado de esteróides (ex: problemas respiratórios)
Patologias com remodelação óssea imprópria
Queda sobre o braço hiperextendido e que gira pra supinação
Fratura da cabeça do rádio Dor anterolateral e rigidez no cotovelo
Incapacidade para supinar e pronar o antebraço
Queda com o braço hiperextendido e com o punho em extensão
Fratura do rádio distal Punho mantido em posição de repouso neutra
(Fratura de Colles) Punho edemaciado
Movimentos de extensão do punho provocam dor
Queda sobre o braço hiperextendido
Punho edemaciado
Fratura do escafóide
Punho mantido em posição neutra
Dor na região da tabaqueira anatômica
Sinovite difusa
Fratura ou deslocamento do Dor e edema generalizados no punho
lunato Diminuição da mobilidade
Diminuição da força de “pegada”
Ruturas grau I ou II: rigidez local, edema, espasmos musculares,
Rutura do tendão do flexor hematoma, dor a movimentação ativa e ao alongamento passivo
longo Ruturas grau III: perda total do movimento e alteração palpável no
músculo, edema, rigidez, equimose
Punção recente na pele
Presença de abscesso
Tenosinovite purulenta dos tendões que passam pelo espaço
acometido
Infecção da mão Sinais típicos de inflamação: edema da palma ou dorso da mão e
dedos
Dor, rigidez, aumento da temperatura e eritema
Sinais de infecção prolongada: febre alta, calafrios, fraqueza e mal-
estar
Mãos ou pés que ficam pálidos, tornam-se cianóticos e então
vermelhos quando expostos ao frio ou a stress emocional
Dor e formigamento em mãos e pés quando eles voltam a ficar
Doença de Raynaud
avermelhados
Histórico pregresso significativo para artrite reumatóide, doença
vascular oclusiva, tabagismo ou uso de beta-bloqueadores
Trauma incluindo deslocamento, fratura ou cirurgia
Síndrome de Dor Complexa Dor severa contínua, em picada, cortante ou penetrante, não sendo
Regional (Distrofia Simpático típica da lesão; hiperestesia
Reflexa) Área de edema (edema bolhoso), aumento de temperatura e eritema
Dor que não responde aos analgésicos típicos

126
133
136 of 135
138

SINAIS DE
SINAIS DE ALARME RED FLAGS)
ALARME ((RED FLAGS)
PARA CEFALÉIAS
PARA CEFALÉIAS
1. Cefaléia com início após 50 anos
2. Cefaléia com início súbito
3. Alteração do padrão da cefaléia
4. Cefaléia nova em paciente com cancer ou HIV

5. Cefaléia acompanhada de doenças sistêmcas


(febre, rigidez do pescoço, erupções)
6. Sinais ou sintomas neurológicos (exceto aura típica)

Silberstein SD, Lipton RB, Dalesio DJ. Wolff’s Headache and Other Head Pain.
7th Ed. 2001 Oxford University Press. p. 20.

127
134 of 135

LISTA DE TÉCNICAS
E SUGESTÕES DE TRATAMENTO

1. 41.
2. 42.
3. 43.
4. 44.
5. 45.
6. 46.
7. 47.
8. 48.
9. 49.
10. 50.
11. 51.
12. 52.
13. 53.
14. 54.
15. 55.
16. 56.
17. 57.
18. 58.
19. 59.
20. 60.
21. 61.
22. 62.
23. 63.
24. 64.
25. 65.
26. 66.
27. 67.
28. 68.
29. 69.
30. 70.
31. 71.
32. 72.
33. 73.
34. 74.
35. 75.
36. 76.
37. 77.
38. 78.
39. 79.
40. 80.

128
135 of 135

81. 116.
82. 117.
83. 118.
84. 119.
85. 120.
86. 121.
87. 122.
88. 123.
89. 124.
90. 125.
91. 126.
92. 127.
93. 128.
94. 129.
95. 130.
96. 131.
97. 132.
98. 133.
99. 134.
100. 135.
101. 136.
102. 137.
103. 138.
104. 139.
105. 140.
106. 141.
107. 142.
108. 143.
109. 144.
110. 145.
111. 146.
112. 147.
113. 148.
114. 149.
115. 150.

129