Você está na página 1de 7

See discussions, stats, and author profiles for this publication at: https://www.researchgate.

net/publication/306255472

Doenças do Sistema Digestório das Aves (Revisão Bibliográfica)

Article · January 2006

CITATIONS READS

0 11,931

2 authors:

Guilherme Augusto Marietto Gonçalves Raphael Lucio Andreatti Filho


Doc.Bird - Consultoria em Medicina Veterinária São Paulo State University
64 PUBLICATIONS   159 CITATIONS    105 PUBLICATIONS   671 CITATIONS   

SEE PROFILE SEE PROFILE

Some of the authors of this publication are also working on these related projects:

Alternatives to Antibiotics View project

Salmonellosis in poultry View project

All content following this page was uploaded by Guilherme Augusto Marietto Gonçalves on 17 August 2016.

The user has requested enhancement of the downloaded file.


DOENÇAS DO SISTEMA DIGESTÓRIO DAS AVES
(REVISÃO BIBLIOGRÁFICA).
Diseases of digestive
system of the birds.

O presente trabalho
apresenta as principais
doenças que acometem o

FOTO: RÔMULO FRANCIS ESTANGARI LOT


sistema digestório das
aves encontradas na
literatura, abordando
sintomatologia, métodos
de diagnóstico e seu Figura 1: Formação de placas esbranquiçadas em palato causada por Candida albi-
respectivo tratamento. cans; Pombo de coleira (Streptopelia risoria).
......................................................................................................................

RESUMO system, icluding sintomatology, diagnosis Os intestinos ocupam a parte caudal da


As aves apresentam um sistema diges- and his respective treatment, when possi- cavidade do corpo, estando em extenso con-
tório diferenciado, com diversas particula- ble. The diseases were grouped and dis- tato com o inglúvio e os órgãos reproduto-
riedades que variam conforme os hábitos cussed according to anatomical region af- res. É constituído pelo duodeno, jejuno, íleo,
alimentares das espécies. Inúmeros agen- fect including of the oral cavity, esophagus ceco (que surge da junção ileocólica) e um
tes infecciosos e não infecciosos podem and crop, proventriculus and ventriculus, cólon curto que se abre na cloaca18. O duo-
lesar o tubo digestivo e órgãos anexos, intestines, cloaca and finally pancreas and
deno sempre forma uma longa e estreita alça
além de comprometer, em maior ou menor liver.
ventral na cavidade do corpo e que está for-
grau, o processo digestório. Os principais Keywords: Birds, digestive sistem, diseas- temente unida ao pâncreas. O restante do
agentes envolvidos são bactérias, fungos, es.
vírus, parasitas, intoxicações, corpos es- intestino delgado é relativamente longo e
tranhos e neoplasias. forma vários padrões complexos de pregas
O presente trabalho apresenta as prin- e voltas que são constantes dentro das fa-
cipais doenças que acometem o sistema
1. INTRODUÇÃO mílias. A maioria das aves possui dois ce-
digestório das aves encontradas na literatu- As aves apresentam um sistema diges- cos, raramente um ou mais que dois estão
ra, abordando sintomatologia, métodos de tório com várias modificações, sendo algu- presentes e em animais carnívoros os
diagnóstico e (quando possível) seu respec- mas das quais associadas à ausência de den- cecos são pequenos ou ausentes34,57.
tivo tratamento. As doenças foram agrupa- tes. Devido à ausência de lábios, não há A cloaca, comum aos sistemas digesti-
das e discutidas conforme a região anatô- glândulas salivares labiais na boca, nem vo e urogenital, abre-se para o exterior atra-
mica afetada, sendo divididas em doenças glândulas intermaxilares, somente as glân- vés da abertura da cloaca. O cólon, os ure-
que acometem a cavidade oral, esôfago e
dulas sublinguais estão presentes57. O esô- teres e os ductos deferentes (ou oviduto
inglúvio, proventrículo e ventrículo, intesti-
nos, cloaca e por fim pâncreas e fígado.
fago das aves é longo e sua mucosa geral- esquerdo) entram na cloaca em diversos ní-
mente é corneificada34, situa-se medialmen- veis. É seqüencialmente dividida em copro-
Palavras chave: Aves, sistema digestivo,
te entre a traquéia e os músculos cervicais, deu, urodeu e proctodeu, por duas pregas
doenças.
mas logo se afasta para a direita18. Nas aves anulares mais ou menos completas18.
granívoras e carnívoras existe uma porção O fígado das aves consiste em lobo di-
ABSTRACT
em forma de saco, denominada inglúvio, que reito (que é mais largo e apresenta a vesícu-
The birds have a differentiated diges-
se destina ao armazenamento temporário de la biliar) e esquerdo, ligados cranialmente
tive system, with diverse peculiarity that
alimentos57. por um canal dorsal ao coração. Os dois
varies with nourishment of the species.
O estômago das aves é formado por uma ductos biliares, partindo um de cada lobo,
Several non-infectious and infectious
agents can damage the digestive tube, porção glandular, chamado proventrículo, penetram na porção final do duodeno junto
pancreas and liver, breaking the digestive que secreta suco gástrico, e uma câmara com os ductos pancreáticos. O pâncreas é
function in bigger or smaller rank. posterior, muscular e com paredes espes- alongado e se encontra entre as partes da
Bacteria, fungi, virus, parasites, toxic sas, chamada ventrículo57. O proventrículo curva duodenal, é algumas vezes trilobado
agents, foreign bodies and neoplasia are e o ventrículo são pouco distintos nas aves e geralmente têm três ductos18,34.
involved. The aim of this article is to review carnívoras, mas nas granívoras são bem de- Inúmeros agentes infecciosos e não in-
the main diseases of the birds digestive limitadas34. fecciosos podem lesar o tubo digestivo e
órgãos anexos, além de comprometer, em observam-se células leveduriformes e bro- la escamosa é a segunda neoplasia oral mais
maior ou menor grau, o processo digestó- tamentos que se coram mais escuros. O tra- comum e pode envolver a cavidade oral e
rio. Bactérias, intoxicações e vírus são os tamento pode ser efetuado com a adminis- língua. Estes tumores produzem lesões ul-
principais agentes etiológicos a causar pro- tração de clorexidine e nistatina para infec- cerativas, dolorosas e freqüentemente es-
blemas no trato gastroentérico, já fungos, ções suaves. Infecções mais severas podem tão associados com inapetência. Outras
vermes e protozoários são condições qua- exigir uma droga antifúngica mais efetiva neoplasias orais incluem fibrohistiossarco-
se tão freqüentes quanto a erros nutricio- como o cetoconazol, anfoteracina B ou flu- ma e fibrossarcomas11,60.
nais e de manejo a comprometerem o siste- conazol10,14,29,42,56.
ma digestório36. 2.2. Doenças do inglúvio (papo)
A deficiência de vitamina A pode resul-
e esôfago
tar em metaplasia escamosa da mucosa oral
2. DOENÇAS DO SISTEMA resultando na formação de placas ou gra- Muitas das doenças que afetam a cavi-
DIGESTÓRIO DAS AVES nulomas, podendo ocorrer infecção secun- dade oral também afetam o inglúvio e esôfa-
dária. O histórico nutricional pode ajudar go, como a candidíase, infecções bacteria-
2.1. Doenças da cavidade oral
no diagnóstico, sendo a modificação dieté- nas, tricomoníase e capilariose. Os sinais
A orofaringe é um local que comumente tica e a suplementação vitamínica o proce- clínicos das desordens do papo incluem re-
ocorre uma variedade de lesões em aves. A dimento de eleição32,54,67. gurgitação, inapetência, anorexia, e esvazi-
sintomatologia de doenças orofaringeanas Várias doenças parasitárias podem cau- ando lento. A estase de papo pode ocorrer
varia muito e pode incluir halitose, anorexia, sar lesões orais nas aves. A Capillaria con- em conseqüência de doença metabólica ou
inapetência, disfagia, esfregamento do bico torta pode causar lesões na cavidade oral, sistêmica, fatores ambientais ou dietéticos,
ou uma postura boquiaberta52,70. esôfago e inglúvio. As lesões incluem mas- impactação, assim como corpos estranhos
Placas ou granulomas são sinais clíni- sas inflamatórias na cavidade oral, inflama- esofágicos ou gástricos, sendo muito co-
cos comuns de várias doenças, podendo ção hemorrágica da comissura do bico e mum em aves recém-nascidas23,54. O cresci-
ser por infecções bacterianas ou fúngicas, membranas diftéricas na cavidade oral. Os mento excessivo bacteriano GRAM positi-
hipovitaminose A, doenças parasitárias ou nematóides, de aparência filiforme, podem vo ou negativo pode ocorrer como um pro-
virais52. O exame citológico e cultura de le- ser achados no exsudato inflamatório. O tra- blema primário ou secundário na estase. O
sões podem ajudar a determinar a causa das tamento é baseado na administração de iver- diagnóstico é baseado na citologia por swab
lesões. Amostras citológicas podem ser mectina74,75. Outro nematóide que também ou por cultura. A presença de qualquer ou-
obtidas por esfregaço estéril (swab) ao lon- parasita a cavidade oral é o Avioserpens tra doença subjacente deve ser determina-
go da lesão e observado em lâminas por sp.75. A tricomoníase é comum em gaviões e da e tratada23,29,54,71.
microscopia, onde várias lâminas devem ser pombas, mas também é relatada em psitací- A candidíase é uma infecção comum no
feitas, pois colorações específicas (GRAM, deos29,52,64. As lesões consistem em placas inglúvio, especialmente em aves jovens. O
PAS, GIEMSA) podem ser necessárias9,17. brancas ou amarelas, ou nódulos na orofa- diagnóstico é baseado na presença de blas-
Infecções bacterianas orofaringeanas ringe. O organismo pode ser observado atra- tósporos e pseudohifas em amostras de
podem ser causadas por uma grande varie- vés de exame microscópico obtido por swabs. Em casos crônicos ou avançados
dade de bactérias, incluindo os gêneros Sta- swab. O tratamento é realizado com a admi- um espessamento da parede pode ser per-
phylococcus, Streptococcus, Pseudomo- nistração de metronidazol ou dimetrida- cebido mediante palpação durante exame
nas, Aeromonas, Klebsiella, a Escherichia zol39,50,68,70. físico. O tratamento é base de nistatina oral
coli e outras bactérias GRAM negativas. A forma diftérica da bouba aviária tam- ou outros antifúngicos.
Estas bactérias podem causar granulomas bém pode causar lesões orais que variam de Antifúngicos sistêmicos devem ser usa-
ou estomatites generalizadas27. O cresci- lesões exsudativas a placas caseosas (quan- dos em casos de disseminação sistêmi-
mento bacteriano excessivo pode ser esti- do ha infecções secundárias). As aves afe- ca10,14,29,42,56.
mulado por doenças imunossupressivas ou tadas podem apresentar alopecia na região Os nematóides do gênero Spiroptera,
secundárias a lesões na mucosa oral por ao redor dos olhos e bico. A forma cutânea Capillaria, Synhimantus e Gongylonema
fatores irritantes, alimentos ásperos ou pelo da bouba é mais comum em gaviões e estes podem ser encontrados parasitando o ing-
acúmulo de alimento devido a deformida- podem mostrar as lesões somente na jun- lúvio de várias espécies aviárias41,63,74,75.
des do bico. O tratamento com antibióticos ção mucocutânea. O diagnóstico é obtido O esvaziamento lento do inglúvio é associ-
deve ser baseado em cultura e auxiliada com pelo exame histológico das lesões, onde ado a desordens tiroidianas, como o bócio
antibiograma. O tratamento pode ser auxili- corpos de inclusão intracitoplasmatico (cor- e adenocarcinomas. Infecções bacterianas
ado com a administração de solução anti- púsculos de Bollinger) são característicos e fúngicas secundárias podem ocorrer nes-
séptica, ou por lavagem da cavidade da infecção por bouba. O tratamento é ba- tas situações. O diagnóstico definitivo de
oral27,52,54. seado em uma terapia de suporte, como an- doenças tiroidianas pode ser obtido atra-
Candidíase pode provocar o aparecimen- tibióticos ou antifúngicos para se evitar in- vés de radiografias, exame cirúrgico ou por
to de placas esbranquiçadas dentro da ca- fecções secundárias e o prognóstico é re- necropsia7,54,71.
vidade oral (Figura 1), sendo causada pela servado em aves severamente afetadas. O Doenças não-infecciosas do inglúvio e
Candida albicans, um organismo normal- isolamento da ave afetada é importante para esôfago incluem fístulas, feridas traumáti-
mente encontrado na cavidade oral. A in- se prevenir sua disseminação26,37,70. cas por corpos estranhos e doenças neo-
fecção pode ser primária ou secundária a Doenças neoplásicas da cavidade oral plásicas. Fístulas de inglúvio ocorrem devi-
outra doença da região orofaríngea ou por são menos comuns, mas podem ocorrer em do à natureza fina da parede. Este quadro é
antibioticoterapia prolongada (principal- psitacídeos. Papilomas são as neoplasias mais comum em aves recém-nascidas alimen-
mente em aves jovens). No raspado citoló- orais mais comuns e podem ocorrer na oro- tados manualmente, mas pode ocorrer em
gico da lesão, corados com Cotton Blue, faringe, coana e laringe. Carcinoma de célu- qualquer idade. Quando a parede do papo é
lesada, esta necrosa facilmente. A pele que vés de raspados de parede, como também
sobrepõem o inglúvio é muito aderida e por cultivo24,66. O tratamento consiste na ad-
pode ser afetada também após a evolução ministração de suplementação com probió-

FOTO: GUILHERME AUGUSTO MARIETTO-GONÇALVES


do tecido necrosado. Observa-se nos ca- tico e antifúngicos orais tal como a nistati-
sos de fístula o vazamento de conteúdo ali- na ou anfoteracina B24,29. Relataram-se per-
mentar sobre as penas da ave. O tratamento das econômicas significativas em aviários
de eleição é o cirúrgico (ingluviotomia), po- devido à associação da megabacteriose com
rém só deve ser efetuado após todo tecido o microsporídio Encephalitozoon hellem
lesado ter formado a fístula23,29,31,40,52,54. em periquito australiano6.
Feridas traumáticas podem ocorrer se- Parasitando o proventrículo e o ventrí-
cundariamente à alimentação por sonda, fe- culo, pode-se encontrar em várias espécies
ridas por mordida ou corpos estranhos e Figura 2: Macroscopicamente na síndro- aviárias os nematóides Amidostomum, Por-
são tratadas semelhantemente as fístulas. me da dilatação proventricular observa- rocaecum, Contracaecum, Cheilospirura,
Se há deposição subcutânea de alimento e se um aumento de tamanho do proven- Synhimantus, Cyrnea, Streptocara, Histi-
trículo; Papagaio verdadeiro (Amazona
formação de abscessos o prognóstico é re- ocephalus, Dispharynx, Echinuria, Tetra-
aestiva).
servado e pode-se exigir uma sutura na le- meres e Eustrongylides 60,63,74,75.
...........................................................................
são primária do papo enquanto permiti-se Corpos estranhos proventriculares e
uma cicatrização por segunda intenção da mento não digerido nas fezes13.28,29,48. ventriculares como madeira, metais, plásti-
pele. Corpos estranhos (sementes, nozes, Radiograficamente observa-se o proven- co e outros materiais ocorrem com freqüên-
madeira, metal, cálculos e outros) são facil- trículo e o ventrículo dilatado como se esti- cia em psitacídeos e outra espécies, princi-
mente localizados utilizando-se exame radi- vessem cheios. A radiografia contrastada palmente em ratitas e aves aquáticas. Papa-
ográfico. O diagnóstico é baseado na pal- pode ser útil no diagnóstico por demons- gaios recém-nascidos podem engolir mate-
pação, história clínica e exame radiográfico. trar uma contratilidade fraca do proventrí- riais da cama e brinquedos, casca de amen-
Os objetos podem ser retirados manualmente culo, istmo e ventrículo. Os intestinos apre- doim e outras sementes. Estes materiais
ou através de ingluviotomia5,31,52,76. sentam hipomotilidade, mas pode haver hi- podem causar impactação proventricular e
Lesões neoplásicas do inglúvio e esô- permotilidade em alguns casos. O diagnós- estase, resultando em regurgitação e anore-
fago torácico incluem carcinoma de célula tico definitivo é baseado na ganglioneurite xia. O diagnóstico é baseado na história clí-
escamosa, adenocarcinomas, leiomiossar- linfoplasmocítica e pela leiomiosite linfocí- nica, radiografia, endoscopia ou exploração
coma e fibrossarcoma. Os sinais clínicos tica encontrada através da biópsia do pro- cirúrgica. O tratamento médico pode ser ins-
incluem disfagia, regurgitação, seleção de ventrículo ou ventrículo46,48. O tratamento é tituído, e inclui lavagem do proventrículo e
alimentos macios, anorexia e inapetência. O paliativo e a administração de alimentos ma- ventrículo, laxantes e endoscopia. Lesões
diagnóstico em caso de suspeita pode ser cios de fácil digestão pode estender a vida ulcerativas podem ocorrer devido aos cor-
obtido através de exames radiográficos nor- da ave afetada por mais de um ano55. pos estranhos23,31,52.
mal ou contrastado ou fluoroscopia da área. Megabacteriose é uma doença que aco- Neoplasias em proventrículo e ventrículo
Um diagnóstico definitivo que pode ser mete proventrículo e ventrículo. É causada são relatados em várias espécies. Estestu-
obtido através de biópsia pela boca ou por por um fungo ascomiceto anamórfico deno- mores podem ocorrer em qualquer estrutura
ingluviotomia usando-se um endoscópio minado Macrorhabdus ornithogaster, um ou no istmo. Os tipos de tumores que mais
flexível ou rígido. O tratamento de massas organismo longo bacilar com 45¼m de com- são observados são adenocarcinomas, car-
esofágicas clinicamente severas muitas ve- primento e 3-4¼m de diâmetro3,35. Apresen- cinomas e leiomiossarcoma. Os sinais clíni-
zes não apresenta um bom resultado 11,60. ta um núcleo eucariótico (característica de cos incluem perda de peso, anorexia, mele-
fungo), não possuindo organelas organiza- na e má digestão11,60.
2.3. Doenças do proventrículo e
das dentro do citoplasma (como uma bacté-
ventrículo 2.4. Doenças intestinais
ria). É GRAM e PAS positivo, que não res-
Há uma variedade de doenças que po- ponde a terapia antibiótica, porém apresen- A diarréia é o achado mais freqüente em
dem afetar os estômagos aviários e a dife- ta sensibilidade à antifúngicos22. Acomete aves como resposta a desordens intestinais,
renciação destas pode ser difícil. Os sinais principalmente psitacídeos, mas também frin- embora outros sinais como perda de peso,
clínicos dependem da etiologia e podem in- gilídeos, ratitas e há relatos em aves indus- má-digestão, anorexia, melena e fezes volu-
cluir regurgitação, perda de peso, inapetên- triais22,24,29,35. A doença é caracterizada por mosas possam ocorrer. As enterites bacteri-
cia e anorexia. um emagrecimento progressivo seguido de anas são as causas mais comuns de diarréi-
A síndrome da dilatação proventricular morte. Pode se observar apatia, dificuldade as em aves de companhia. Bactérias GRAM
(Figura 2) é uma doença na qual suspeita- respiratória, regurgitação, incoordenação negativas como Escherichia coli, Klebsie-
se ser de origem viral. Esta doença acomete motora e diarréia e dilatação proventricular lla, Citrobacter, Yersinia, Salmonella e En-
as estruturas miontéricas e do sistema ner- também pode ser vista radiograficamente3,29. terobacter são as mais freqüentemente as-
voso central causando uma neurite linfo- No exame necroscópico observase, além do sociadas a distúrbios entéricos. Outras bac-
plasmocítica resultando em uma disfunção aumento de tamanho do proventrículo, um térias importantes incluem o Clostridium,
dos nervos28,29. Acomete psitacídeos (vári- aumento de secreção na mucosa, um espes- Chlamydophila, Pseudomonas, Pasteure-
as espécies), onde os sinais clínicos inclu- samento de parede e lesões ulcerativas na lla, Staphylococcus, Chromobacterium,
em perda de peso (apesar do animal apre- mucosa do proventrículo e junção proven- Campylobacter e Mycobacterium. A má hi-
sentar um apetite voraz), depressão, emaci- trículo e ventrículo4. O diagnóstico é obtido gienização de recintos, dietas de baixa qua-
ação, regurgitação esvaziamento ingluvia- na observação do organismo em amostras lidade nutricional, stress, idade e doenças
no e proventricular lento e presença de ali- fecais ou na parede do proventrículo atra- simultâneas predispõem a fatores que con-
tribuem para uma proliferação bacteriana tina, Dreponidotaenia, Imparmargo, Me-
indesejável27,29,52,73. O diagnóstico é obtido troliasthes, Fimbriaria, Diochis, Echinos-
na cultura fecal e o tratamento deve ser ba- toma, Echinoparyphium, Maritreminoides,
seado em resultados de antibiograma17. O Hypoderaeum, Sphaeridiotrema, Crypto-
Clostridium tertium causa megacólon com cotyle, Plagiorchis, Ribeiroia e Catylurus.
diarréia crônica fétida em psitacídeos27, já o Parasitando os cecos pode ser encontrados

FOTO: FLÁVIO MEDEIROS PAZ E SILVA


Clostridium perfringes pode causar enteri- Trichostrongylus, Heterakis, Subulura,
te necrótica caracterizada por um cheiro fé- Capillaria, Strongyloides, Aulonocepha-
tido das fezes. Os esporos de Clostridium lus, Echinostoma, Pastharmostomum, No-
podem ser visto em amostras fecais cora- tocotylus e Zygocotyle40,61,63,74,75.
das com GRAM e se assemelham a peque- A intoxicação por chumbo, embora cau-
nos alfinetes e o diagnóstico definitivo é se principalmente sintomas neurológicos,
obtido por cultura anaeróbica. O Campylo- Figura 3: Cistos de Giardia sp. observa- pode apresentar sinais como estase, vômi-
bacter jejuni pode causar distúrbios em do após da aplicação da Técnica de Faust tos e diarréia. O diagnóstico é baseado na
várias espécies aviárias e podem causar le- história clínica, presença de outros sinais
targia, anorexia, diarréia e emaciação27. típicos e de chumbo no sangue. O tratamen-
A micobacteriose aviária é tipicamente to inclui o uso de agentes quelantes, laxan-

FOTO: GUILHERME AUGUSTO MARIETTO GONÇALVES


uma doença do trato gastrointestinal, po- tes e terapia de suporte33,62.
dendo ser causada pelo Mycobacterium
2.5. Doenças da cloaca
avium, M. tuberculosis, M. bovis e M.
avium-intracellulare. As principais doenças que acometem a
A transmissão se dá pela rota ora-fecal e cloaca são o prolapso cloacal e papilomato-
há formação de nódulos tuberculosos por se. O prolapso do tecido cloacal (Figura 4)
todo o trato gastrointestinal20,27,29, sendo pode ocorrer por um período de postura pro-
muito descritos em aves industriais, ratitas longado, ovos grandes, diarréia, constipa-
e psitacídeos20,59,65. Os sinais clínicos inclu- ção, toxemia, desordens nutricionais, papi-
Figura 4: Observa-se a exteriorização do lomas e esforços idiopáticos. O tecido pode
em perda de peso (apesar de um apetite bom), coprodeu, à esquerda, e do urodeu com
anemia, poliúria e diarréia. estar edemaciado ou hemorrágico por cau-
a fenda vaginal, à direita; Galinha domés- sa de trauma e exposição.
Necroscopicamente observa-se um es- tica (Gallus gallus domesticus).
Pode causar obstrução uretral e intesti-
pessamento das alças intestinais, hepato- ..............................................................................
megalia, esplenomegalia e presença de gra- nal, ruptura do oviduto e necrose da muco-
nulomas em intestinos, baço e medula ós- sa cloacal. O tecido prolapsado pode ser de
cebidos, mas normalmente as aves apresen- porção final de intestino, ovário ou cloaca.
sea. Para um diagnóstico confiável é neces- tam apatia e diarréia8,19,29,41,51. O auto-arran-
sário um swab intestinal para cultura. O cul- O tratamento pode ser difícil e consiste na
camento de penas é observado em calopsi- identificação do tecido exposto e reposicio-
tivo do Mycobacterium é importante devi- tas (Nimphycus hollandicus)54. O tratamen-
do ao seu potencial zoonótico e o tratamen- namento manual. Uma sutura em “bolsa de
to é realizado com drogas antiprotozoários tabaco” pode ser realizada. Prolapsos recor-
to não é recomendado por causa do poten- como o metronidazol. A criptosporidiose é
cial de resistência a antibióticos, o que pode rentes requerem intervenção cirúrgica e nu-
descrita em cerca de 30 espécies de aves, tricional. Opções cirúrgicas de tratamento
ser perigoso para o ser humano27. sendo comum em galinhas, perus e psitací-
Algumas viroses acometem os intesti- incluem cloacopexia e cloacoplastia25,31.
deos, podendo causar sintomas clínicos de Os papilomas cloacais são irregulares,
nos das aves causando enterite caracteriza- suaves a severos44,45,69. A coccidiose intes-
da por diarréia e em aves de criação indus- arredondados e apresentam lesões na mu-
tinal é comum em várias ordens aviárias, cosa. Os papilomas são os tumores mais co-
trial pelo baixo desempenho de produção. sendo comumente encontrada em pássaros,
Destacam-se principalmente as infecções muns relatados em cloaca de aves de com-
rapinantes, pombos e aves de produção. As panhia e ocorre principalmente em espécies
por Adenovirus, Reovirus e Rotavirus. A espécies mais envolvidas no quadro de coc-
doença de Newcastle, causada pelo Rubu- sul-americanas, como araras e papagaios.
cidiose são a Eimeria e o Isospora, onde Uma variedade de causas são levantadas,
lavirus, pode apresentar infecção entérica estes podem ou não causar lesões nas aves
dependendo do patotipo envolvido. O di- incluindo herpesviroses e papilomavírus.
parasitadas, sendo os sintomas caracteriza- Podem ser observados hematoquesia, te-
agnóstico para infecções virais podem ser dos por diarréia, inapetência, perda de peso
obtidos através de ELISA (Enzyme-Linked nesmo, fezes fétidas e flatulência. A biópsia
e óbito38,41,72. O diagnóstico destas parasi- é exigida para um diagnóstico definitivo. As
Immunosorbent Assay), HI (inibição da he- toses é baseado em exame coproparasitoló-
maglutinação), histopatológico e isolamen- opções de tratamento incluem remoção ci-
gico, PCR (Polymerase Chain Reaction) ou rúrgica, cauterização química, criocirurgia,
to viral12,26,49,53,58. histopatológico. cirurgia de laser ou vacinas autógenas. As
Infecções parasitárias por protozoários, As helmintíases são comuns em aves lesões podem regredir espontaneamente e
como a giardíase, criptosporidiose e cocci- domésticas e selvagens, sendo encontra- retornar31,54.
diose são comuns em várias espécies, prin- dos nematóides, cestóides e trematóides pa-
cipalmente em aves aquáticas e pássaros rasitando os intestinos destas. Parasitando 2.6. Doenças dos órgãos anexos
selvagens. Destas, a giardíase (Figura 3) é o intestino delgado podem ser encontrado (pâncreas e fígado)
mais comum em psitacídeos e pernaltas, ten- os seguintes gêneros: Capillaria, Ornithos- Das principais doenças que ocorrem no
do maior ocorrência nas espécies de menor trongylus, Ascaridia, Porrocaecum, Sica- pâncreas, destacam-se a pancreatite aguda
porte. Os sinais clínicos podem ser desper- rius, Amoebotaenia, Hymenolepis, Raillie- e a diabetes mellitus. Os sintomas das pa-
tologias pancreáticas e hepáticas são mani- Guilherme Augusto Marietto-Gonçalves
festados principalmente por disfunções M.V. Residente, Laboratório de
gastrointestinais, devida a função destes Ornitopatologia da FMVZ-UNESP/
nos processos digestivos. Botucatu, SP
A pancreatite aguda pode ser desenvol- gmarietto_ornito@fmvz.unesp.br

FOTO: RÔMULO FRANCIS ESTANGARI LOT


vida quando há ativação das enzimas di- Raphael Lucio Andreatti Filho
gestivas (tripsina, protease e fosfolipase) MV, Prof. Ass. Dr., Departamento de
dentro do órgão, resultando numa autodi- Clínica Veterinária da FMVZ-UNESP/
gestão pancreática. Botucatu, SP
Lesões causadas na parede celular per- Laboratório de Ornitopatologia
mitem a liberação destas enzimas no espaço andreatti@fmvz.unesp.br
intramedular e ductos promovendo a pro- Figura 5: Microscopicamente a hemocro-
dução de radicais livres, agravando assim matose é caracterizada por acúmulo de
as lesões celulares. Os sintomas de pancre- ferro no citoplasma dos hepatócitos (pig- REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

atite são vômitos, diarréia, anorexia, letar- mentos castanhos); Papagaio verdadei-
1. ANDREATTI FILHO, R.L. Enfermidades micóticas.
gia, cólica, polidipsia e poliúria. Os fatores ro (Amazona aestiva); HE 400x. in. BERCHIERI JR, A.; MACARI, M. Doenças das
que predispõem a ocorrência de pancreati- ......................................................... Aves. Campinas: FACTA, 2000. p.369-378.
tes incluem obesidade, intoxicação (princi- 2. APPLEBY, R.C. Diabetes mellitus in a budgerigar
(Melopsittacus undulatus). Veterinary Record, vol. 115,
palmente por zinco), deficiência de vitamina bacteriano do agente responsável e por exa- n. 25-26, p.652-653, 1984.
E-Selênio, traumas, infecções virais (doen- me histopatológico das lesões. 3. BAKER, J.R. Megabacteriosis in exhibition budgeri-
ça de Newcastle, adenovirose, influenza A doença de Pacheco (hepatoesplenite gar. Veterinary Records, n.131, p.12-14, 1992.
aviária A, bronquite infecciosa e herpesvi- herpética) é causada por Herpesvirus e aco- 4. BAKER, J.R. Megabacteria in diseased and healthy
rose), clamidiose, infecções bacterianas, pe- mete várias espécies de psitacídeos sul-ame- budgerigars. Veterinary Record, vol.140, n.24, p.627,
ritonites e neoplasias. O diagnóstico é reali- 1997.
ricanos. A sintomatologia clínica é muito
zado através de biópsia obtido por laparo- 5. BATWELL, R. Crop lithiasis in a budgerigar. Austra-
inespecífica, mas normalmente observa-se lian Veterinary Journal, vol.54, n.9, p.452-453, 1978.
tomia. O tratamento é sintomático e também arrepiamento de penas, sonolência, letargia, 6. BLACK, S.S.; STEINHORT, L.A.; BERTUCCI, D.C;
é relativo à causa primária15,33,67. anorexia, biliverdinúria, diarréia (que pode ROGERS, L.B.; DIDIER, E.S. Encephalitozoon hellem
A diabetes mellitus pode ser causada ser amarelada ou hemorrágica) e morte sú- in budgerigars. Veterinary Pathology, n.34, p.189-198,
pela deficiência na produção de insulina, bita. Outros sintomas menos freqüentes in- 1997.
ineficiência funcional desta ou pelo exces- cluem dispnéia, poliúria, conjuntivite, sinu- 7. BLACKMORE, D.K.; COOPER, J.E. Diseases of the
so da produção do glucagon, sendo mais endocrine system. in. PETRAK, M.L. Diseases of Cage
site e secreção nasal. and Aviary Birds. 2.ed. Philadelphia: Lea & Fabiger,
relatada em aves de pequeno porte (princi- À necropsia observa-se focos necróti- 1982, p.478-490.
palmente Psittaciformes, Passeriformes e Pi- cos no fígado e rins, podendo ocorrer ente- 8. BOX, E.D. Observations of Giardia on budgerigars.
ciformes). Os sintomas incluem apatia, poli- rite hemorrágica. Microscopicamente obser- Journal of. Protozoology, n.28, p.491-494, 1981.
fagia, polidipsia, poliúria e emagrecimento va-se corpúsculos de inclusão (corpúscu- 9. CAMPBELL, T.W. Cytology. in. HARRISON, G.J.;
progressivo, sendo que uma hiperglicemia HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and Sur-
los de Cowdry) em fígado, baço, rins e pân- gery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986, p.250-
pode ser observada através de exames la- creas. O diagnóstico é baseado nos acha- 273.
boratoriais. O diagnóstico é obtido com o dos necroscópicos e histopatológico das 10. CAMPBELL, T.W. Mycotic diseases. in. HARRI-
histórico clínico associado a insulinotera- lesões, como também no isolamento vi- SON, G.J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine
pia2,16,47. ral12,26,55. and Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Company,
O fígado, devido as suas funções, está 1986, p.464-470.
A hemocromatose (Figura 5) é um pro-
sujeito há várias patologias. A sintomatolo- 11. CAMPBELL, T.W. Neoplasia. in. HARRISON, G.J.;
cesso caracterizado pelo acúmulo de ferro HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and Sur-
gia em casos de problemas hepáticos não é nos hepatócitos e ocorre em aves alimenta- gery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986, p.
muito específica e varia muito, inclui-se ic- das com ração contendo altos níveis de fer- 500-508.
terícia, anorexia, vômito e diarréia. As prin- ro. 12. CAVILL, J.P. Viral Diseases. in. PETRAK, M.L.
cipais infecções bacterianas hepáticas são Clinicamente observa-se dispnéia, letar- Diseases of Cage and Aviary Birds. 2.ed. Philadelphia:
causadas pela Escherichia coli, Salmone- Lea & Fabiger, 1982, p.515-527.
gia, caquexia, distensão abdominal e ascite.
lla, Campylobacter, Erysipelothrix, Sta- 13. CLARK, F.D. Proventricular dilatation syndrome in
Em alguns casos pode haver regurgitação e large psittacine birds. Avian diseases, vol.8, n.3, p.813-
phylococcus, Streptococcus, Mycobacte- convulsão. Radiograficamente observa-se 5, 1984.
rium, Borrelia, Listeria, Pseudomonas e uma hepatomegalia. Á necropsia, o fígado 14. CHUTE, H.L. Fungal infections. in. HOFSTAD,
Chlamydophila. As infecções são caracte- pode se encontrar aumento ou diminuição M.S.; CALNEK, B.W.; HELMBOLD, C.F.; REID,
rizadas por um quadro de hepatite, hemor- do tamanho, com coloração normal, bronze- W.M.; YODER JR, H.W. Diseases of Poultry. 7.ed.
ragias, congestão, necrose hepática, cirro- Iowa: The Iowa State University Press Ames, 1979, p.367-
ada ou marrom escuro e espessamento e 382.
se, alterações de coloração e tamanho do opacidade de cápsula, podendo estar pre- 15. DONOLEY, R.J.T. Acute pancreatites in parrots. Aus-
fígado27,52,73. Infecções fúngicas podem ser sente depósitos de fibrina. Microscopica- tralian Veterinary Journal, vol.79, n.6, p.409-411, 2001.
causadas por Histoplasma capsulatum e mente é possível observar cirrose, prolife- 16. DOUGLASS, E.M. Diabetes mellitus in a Toco tou-
Cryptococcus neoformans1,14. Quanto a in- ração de ductos biliar, inflamação heterofíli- can. Modern Veterinary Practice, vol.62, n.4, p.293-
fecções parasitárias destaca-se a causada ca e mononuclear, fibrose capsular e serosi- 295, 1981.
por Histomonas meleagridis em Gallifor- te. Os depósitos pigmentares de ferro, além 17. DREWES, L.A.; FLAMER, K. Clinical microbiolo-
mes41. O diagnóstico e tratamento podem gical. in. HARRISON, G.J.; HARRISON, L.R. Clinical
do fígado, pode ser visto também no cora- Avian Medicine and Surgery. Philadelphia: W.B. Saun-
ser obtidos mediante cultura e isolamento ção, rins e pâncreas47,52.  ders Company, 1986. p.157-171.
18. DYCE, K.M.; SACK, W.O.; WENSING, C.J.G. 37. KARSTAD, L. Pox. in. DAVIS, J.W.; ANDERSON, Manual Saunders: Clínica de Pequenos Animais. São
Tratado de Anatomia Veterinária. Guanabara Koogan: R.C; KARSTAD, L.; TRAINER, D.O. Infections and Paulo: Roca, 1998. p.1404-1419.
Rio de Janeiro, 1990. Parasitic Diseases of Wild Birds. Iowa: The Iowa State 56. O’MEARA, D.C.; WETTER, J.F. Candidiasis. in.
19. ERLANDSEN, S.L.; BEMRICK, W.J.; WELLS, University Press, 1971. p.35-41. DAVIS, J.W.; ANDERSON, R.C; KARSTAD, L.; TRAI-
C.L.; FEELY, L.K.; CAMPBELL, S.R.; VAN KEU- 38. KAWAZOE, U. Coccidiose. in. BERCHIERI JR, A.; NER, D.O. Infections and parasitic diseases of wild
LEN, H.; JARROLL, E.L. Axenic culture and characteri- MACARI, M. Doenças das Aves. Campinas: FACTA, birds. Iowa: The Iowa State University Press, 1971.
zation of Giardia ardeae from the great blue heron (Ardea 2000. p.391-401. p.163-169.
herodias). Journal of Parasitology, n.76, p.717-724, 39. KEMP, R.L. Trichomonads, other flagellates, and 57. ORR, R.T. Biologia dos Vertebrados. 5.ed. Roca:
1990. protozoa. in. HOFSTAD, M.S.; CALNEK, B.W.; HELM- São Paulo, 1986. p.509.
20. EVANS, R.H.; CAREY, D.P. Zoonotic diseases. in. BOLD, C.F.; REID, W.M.; YODER JR, H.W. Diseases 58. PAULILLO, A.C.; DORETTO JR, L. Doença de
HARRISON, G.J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian of Poultry. 7.ed. Iowa: The Iowa State University Press Newcastle. in. BERCHIERI JR, A.; MACARI, M. Do-
Medicine and Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Ames, 1979. p.841-846. enças das Aves. Campinas: FACTA, 2000. p.267-281.
Company, 1986. p.537-540. 40. KEYMER, I.F. The diagnosis and treatment of some 59. PANIGRAHY, B.; CLARK, F.D.; HALL, C.F. Myco-
diseases of seed-eating passerine birds. Modern Veterina- bacteriosis in psittacine birds. Avian Diseases, n.27,
21. FERRELL, S.T.; TELL, L.A. Clostridium tertium
ry Practice, vol.40, n.7, p.30-34, 1959. p.1166-1168, 1983.
infection in a Rainbow lorikeet (Trichoglossus haemato-
dus haematodus) with enteritis. Journal of Avian Medi- 41. KEYMER, I.F. Parasitic diseases. in. PETRAK, M.L. 60. PETRAK, M.L.; GILMORE, C.E. Neoplasms. in.
cine and Surgery, vol.15, n.3, p.204-208, 2001. Diseases of Cage and Aviary Birds. 2.ed. Philadelphia: PETRAK, M.L. Diseases of Cage and Aviary Birds.
Lea & Fabiger, 1982. p.535-598. 2.ed. Philadelphia: Lea & Fabiger, 1982. p.606-637.
22. FILIPPICH, L.J.; HENDRIKZ, J.K. Prevalence of
42. KEYMER, I.F. Mycoses. in. PETRAK, M.L. Dise- 61. REID, W.M. Cestodes. in. HOFSTAD, M.S.; CAL-
megabacteria in budgerigar colonies. Australian Veteri-
ases of Cage and Aviary Birds. 2.ed. Philadelphia: Lea NEK, B.W.; HELMBOLD, C.F.; REID, W.M.; YODER
nary Journal, vol.76, n.2, p.92-95, 1998.
& Fabiger, 1982. p.599-605. JR, H.W. Diseases of Poultry. 7.ed. Iowa: The Iowa
23. FLAMMER, K. Pediatric medicine. in. HARRISON, 43. KINGSTON, N. Trematodes. in. HOFSTAD, M.S.; State University Press Ames, 1979. p.737-758.
G.J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and CALNEK, B.W.; HELMBOLD, C.F.; REID, W.M.; YO- 62. ROUTH, A.; PAINTER, K.S. Lead poisoning in
Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986. DER JR, H.W. Diseases of Poultry. 7.ed. Iowa: The swans. Veterinary Record, vol. 140, n.23, p.612, 1997.
p.634-650. Iowa State University Press Ames, 1979. p.759-782. 63. RUFF, M.D. Nematodes and Acantochephalas. in.
24. FLÔRES, M.L.; SEGABINAZI, S.D.; KOMMERS, 44. KWON, Y.K.; WEE, S.H.; KOOK, J.H.; LEE, C.G. HOFSTAD, M.S.; CALNEK, B.W.; HELMBOLD, C.F.;
G.D.; OLIVEIRA, F.N.; BARCELOS, A.S.; FIGHERA, Outbreak of enteric cryptosporidiosis in cockatiels (Nym- REID, W.M.; YODER JR, H.W. Diseases of Poultry.
R.A. Surto de megabacteriose em canários-belgas (Seri- phicus hollandicus). Veterinary Record, n. 156, p.210- 7.ed. Iowa: The Iowa State University Press Ames, 1979.
nus canaria) em um criatório no estado do Rio Grande do 211, 2005. p.705-736.
Sul: relato de caso. Clínica Veterinária, n.54, p.24-26, 45. LINDSAY, D.S.; BLAGBURN. B.L.; HOERR, F.J. 64. SAMOUR, J.H.; BAILEY, J.E.; COOPER, J.E. Tri-
2005. Small intestinal cryptosporidiosis in cockatiels associa- chomoniasis in birds of prey (order Falconiformes) in
25. FUDGE, A.M. Cloacal prolapse in an Amazon parrot. ted with Cryptosporidium baileyi-like oocysts. Avian di- Bahrain. Veterinary Record, vol.136, n.14, p.358-62,
Modern Veterinary Practice, vol.62, n.1, p.34, 1981. seases, vol.34, n.3, p.791-793, 1990. 1995.
26. GERLACH, H. Viral diseases. in HARRISON, G.J.; 46. LYMAN, R. Neurologic disorders. in. HARRISON, 65. SANFORD, S.E.; REHMTULLA, A.J.; JOSEPH-
HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and Sur- G.J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and SON, G.K.A. Tuberculosis in farmed rheas (Rhea ameri-
gery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986. p. Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986. cana). Avian Diseases, vol.38, n.1, p.193-196, 1994.
408-433. p.486-490. 66. SCANLAN, C.M.; GRAHAN, D.L. Characterization
27. GERLACH, H. Bacterial diseases. in. HARRISON, 47. LOTHROP, C.; HARRISON, G.J.; SCHULTZ, D.; of a gram-positive bacterium from proventriculus of bud-
G.J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and UTTERIDGE, T. Miscellaneous diseases. in. HARRI- gerigars (Melopsittacus undulatus). Avian diseases, n.34,
Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986. SON, G. J.; HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine p.779-786, 1990.
p.434-453. and Surgery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 67. SCOTT, M.L.; AUSTIC, R.E.; GRIES, C.L. Nutri-
1986. p.525-536. cional deficiency diseases. in. HOFSTAD, M.S.; CAL-
28. GOUGH, R.E.; DRURY, S.E.; HARCOURT-BRO-
WN, N.H.; HIGGINS, R.J. Virus-like particles associa- 48. MANNL, A.; GERLACH, H.; LEIPOLD, R. Neuro- NEK, B.W.; HELMBOLD, C.F.; REID, W.M.; YODER
ted with macaw wasting disease. Veterinary Records, pathic gastric dilatation in psittaciformes. Avian disea- JR, H.W. Diseases of Poultry. 7.ed. Iowa: The Iowa
n.139, p.24, 1996. ses, vol. 31, n.1, p.214-21, 1987. State University Press Ames, 1979. p.49-78.
49. MARTINS, N.R.S.; RESENDE, J.S.; JORGE, M.A. 68. SHOCK, R.C.; COOPER, R. Internal parasitisms in
29. GOULD, W.J. Common digestive tract disorders in
Adenoviroses, Reoviroses e Rotaviroses. in. BERCHIE- captive birds. Modern Veterinary Practice, n.59, p.439-
pet birds. Veterinary Medicine, vol.90, n.1, p.40-52,
RI JR, A.; MACARI, M. Doenças das Aves. Campinas: 443, 1978.
1995.
FACTA, 2000. p.315-325. 69. SRÉTER, T; VARGA, I. Cryptosporidiosis in birds
30. GRAHAN, J.E.; TELL, L.A.; LAMM, M.G.; LO- 50. MCKEON, T.; DUNSMORE, J.; RAIDAL, S.R. - A review. Veterinary Parasitology, vol.87, n.4, p.261-
WENSTINE, L.J. Megacloaca in a Moluccan Cockatoo Trichomonas gallinae in budgerigars and columbid birds 279, 2000.
(Cacatua moluccensis). Journal of Avian Medicine and in Perth, Western Australia. Australian Veterinary Jour-
Surgery, vol.18, n.1, p.41-49, 2004. 70. STEINER, C.V.; DAVIS, R.B. Patologia de las
nal, vol.75, n.9, p.652-655, 1997. Aves Enjauladas. Zaragoza: Editorial Acribia, 1985.
31. HARRISON, G.J.; WOERPEL, R.W.; ROSSKOFF 51. MCROBERTS, K.M.; MELONI, B.P.; MORGAN, p.165.
JR, W.J.; KARPINSKI, L.G. Symptomatic therapy and U.M.; MARANO, R.; BINZ, N.; ERLANDSEN, S.L.; 71. STONE, R.M. Prevalent problems and treatment of
emergency medicine. in. HARRISON, G.J.; HARRISON, HALSE, S.A.; THOMPSON, R.C.A. Morphological and pet birds. Veterinary Medicine Small Animal Clinici-
L.R. Clinical Avian Medicine and Surgery. Philadel- molecular characterization of Giardia isolated from the an, n.62, p.142-151, 1967.
phia: W.B. Saunders Company, 1986. p.362-375. straw-necked ibis (Threskiornis spinicollis) in western
72. TODD, K.S.T.; HAMMOND, D.M. Coccidia of An-
32. HARRISON, G.J.; HARRISON, L.R. Nutricional Australia. Journal of Parasitology, n.82, p.711-718,
seriformes, Galliformes and Passeriformes. in. DAVIS,
diseases. in. HARRISON, G.J.; HARRISON, L.R. Cli- 1996.
J.W.; ANDERSON, R.C; KARSTAD, L.; TRAINER,
nical Avian Medicine and Surgery. Philadelphia: W.B. 52. MINSKY, L.; PETRAK, M.L. Diseases of the Diges- D.O. Infections and Parasitic Diseases of Wild Birds.
Saunders Company, 1986. p.397-407. tive System. in. PETRAK, M.L. Diseases of Cage and Iowa: The Iowa State University Press, 1971. p. 234-281.
Aviary Birds. 2.ed. Philadelia: Lea & Fabiger, 1982.
33. HARRISON, G.J. Toxicology. HARRISON, G.J.; 73. T-W-FIENNES, R.N. Diseases of bacterial origin. in.
p.432-448.
HARRISON, L.R. Clinical Avian Medicine and Sur- PETRAK, M.L. Diseases of Cage and Aviary Birds.
gery. Philadelphia: W.B. Saunders Company, 1986. p.491- 53. MUSTAFFA-BABJEE, A.; SPRADBROW, P.B.; 2.ed. Philadelphia: Lea & Fabiger, 1982. p.497-515.
499. SAMUEL, J.L. A pathogenic paramyxovirus from a bud- 74. URQUHART, G.M.; ARMOUR, J.; DUNCAN, J.L.;
gerigar (Melopsittacus undulatus). Avian Diseases, vol.18, DUNN, A.M.; JENNINGS, F.W. Parasitologia Veteri-
34. HILDEBRAND, M. Análise da Estrutura dos Ver- n.2, p.226-230, 1974.
tebrados. Atheneu: São Paulo, 1995. p.700. nária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1990. p.306.
54. OGLESBEE, B.L.; MACDONALD, S.; WARTHEN, 75. WEHR, E.E. Endoparasites. in. DAVIS, J.W.; AN-
35. HUCHZERMEYER, F.W. Doenças de Avestruzes e K. Distúrbios do Sistema Digestivo Aviário. In. BIR- DERSON, R.C; KARSTAD, L.; TRAINER, D.O. In-
outras Ratitas. 2.ed. Funep: Jaboticabal, 2005. p.392. CHARD, S.J.; SHERDING, R.G. Manual Saunders: fections and Parasitic Diseases of Wild Birds. Iowa:
36. ITO, M.K.N.; MIYAJI, C.I.; LIMA, E.A.; OKA- Clínica de Pequenos Animais. São Paulo: Roca, 1998. The Iowa State University Press, 1971, p.185-233.
BAYASHI. Enfermidades do sistema digestório e anexos. p.1442-1455. 76. WELLS, S. Alimentary foreign body in an Amazon
in. BERCHIERI JR, A.; MACARI, M. Doenças das 55. OGLESBEE, B.L.; BISHOP, C.L. Doenças Infeccio- parrot. Modern Veterinary Practice, vol.65, n.5, p.385-
Aves. Campinas: FACTA, 2000. p.47-60. sas Aviárias. In. BIRCHARD, S.J.; SHERDING, R.G. 386, 1984.

View publication stats