Você está na página 1de 2

Critérios de correção do exame de Direito das Obrigações I – recurso 2014/2015

I
1. Reconhecimento da questão da eventual eficácia externa das obrigações.
2. Enquadramento da questão: distinção entre direitos reais e direitos de crédito.
Diferenças, em especial, a relatividade.
3. Teoria da eficácia externa das obrigações. Sentido e argumentos favoráveis.
4. Críticas à teoria da eficácia externa.
5. Possibilidade de invocar abuso de direito. Necessidade de provar intenção de
prejudicar a empresa “concorrente” e/ou utilização de meios censuráveis. Componentes
do exercício abusivo. Indução à quebra de contrato- descrição e consequências.
6. Distinção funcional e dogmática entre indemnização por força da eficácia absoluta do
direito de crédito e indemnização devida a exercício abusivo do direito.

II

1-Identificação do contrato como promessa bilateral.

2-Problema da validade formal:

a) Referência ao Princípio da equiparação e suas exceções.


b) Referência ao carácter formal do contrato prometido.
c) Verificação da regularidade formal do contrato em análise, quanto ao disposto
no art. 410º, n.º2.
d) Aplicabilidade do regime do art. 410.º n.º3. Impossibilidade de invocação da
invalidade por terceiro. Qualificação da invalidade como nulidade atípica.
e) Afastamento da possibilidade de as partes terem atribuído eficácia real ao
contrato, por força da forma seguida e que não satisfaz os requisitos do
art.413º do CC.

3- Problema da falta de consentimento do cônjuge do promitente vendedor.


a) A identificação do art. 1682.º-A como uma das normas do contrato prometido
que pela sua razão de ser não deve ser extensiva ao contrato promessa;
b) Enquadramento e resolução do problema no âmbito das exceções ao princípio
da equiparação;
c) Identificação da razão sede ser do art. 1682.º-A e justificação da não extensão
do seu regime ao contrato promessa. A questão dos efeitos do contrato
promessa em contraposição aos efeitos do contrato prometido.

4- Violação do contrato-promessa.
a) Recurso à execução específica: Análise do art. 830.º do CC
-Qualificação prévia da quantia entregue pelo promitente comprador como
sinal, por força da presunção do art. 441.º.
-Análise das consequências decorrentes da existência de sinal, sobretudo no
que tange à execução específica. O art.830.º, n.º 3.
-Nulidade da cláusula de renúncia à possibilidade de execução específica, por
força do art.830.º, n.º3.
-Análise da possibilidade ou impossibilidade de execução específica,
atendendo ao contrato de compra e venda posteriormente celebrado com
terceiro. Aplicação das regras do registo.
-Afastamento da execução específica por força da falta de consentimento do
cônjuge do promitente faltoso.
- Referência a um eventual direito legal de preferência do arrendatário. Recurso
à ação de preferência.

b) Garantias indemnizatórias:
-Indemnização pelo dobro do sinal.
- Tradição da coisa e possibilidade de indemnização pelo aumento do seu
valor.
-Direito de retenção. Natureza legal, requisitos e efeitos.

III

Valoriza-se o efetivo confronto entre os conceitos, não bastando debitar as


noções de forma isolada. Além da definição dos institutos, é necessário indicar a
fundamentação legal, o critério distintivo e a relevância prática e/ou teórica da distinção.