Você está na página 1de 312

CLIPPING

30 de Setembro de 2021
Quinta-feira
Informações geradas em: 30/09/2021, às 18:21

BR - BBC BRASIL
CE - DIÁRIO DO NORDESTE
CORREIO BRAZILIENSE
PE - JORNAL DO COMMERCIO
MG - ESTADO DE MINAS
O ESTADO DE S. PAULO
O ESTADO DE S. PAULO ONLINE
O GLOBO
O GLOBO ONLINE
RS - ZERO HORA
VALOR ECONÔMICO
VALOR ECONÔMICO ONLINE
MG - HOJE EM DIA ONLINE
CNN BRASIL

SENADO NA MÍDIA
https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia
EXPEDIENTE

Diretoria-geral
Ilana Trombka
 
Secretaria de Gestão de Informação e Documentação - SGIDOC
Daliane Aparecida Silverio de Sousa
 
Coordenação de Biblioteca - COBIB
Cintia Mara M. F. da Costa
 
Chefe do Serviço de Processamento de Jornais - SEJOR
Maria de Fátima da Silva Costa - Bibliotecária
 
Sugestões, críticas e solicitações senadonamidia@senado.leg.br
 
Contatos
Maria de Fátima da Silva Costa – 3303-3913
Circe Cunha de Andrade – 3303-1252
EM HOME OFFICE - 61992224723
 
Pesquise no HISTÓRICO DE NOTÍCIAS matérias cadastradas desde dezembro de 1999:
https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia/

**INICIO**
SUMÁRIO **SUMARIO**

BR - BBC BRASIL
ECONOMIA
Gasolina mais cara: 4 motivos para disparada de preço dos combustíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1
SAÚDE
Luciano Hang na CPI: dono da Havan defende Prevent Senior e diz que não pediu para omitir 4
Os perigosos 'produtos químicos eternos' que você tem em casa e não sabe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
CIÊNCIA
As perguntas sobre vulcões que a ciência ainda não sabe responder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
Por que somos 'programados' a cooperar - mas isso nem sempre funciona . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
Vulcão em erupção nas ilhas Canárias: lava chega ao mar e gases tóxicos preocupam . . . . . . . . . . . . 15
CE - DIÁRIO DO NORDESTE
MANCHETES
ENEYLÂNDIA RABELO: ATENÇÃO ÀS DÍVIDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
DJ FAZ SURDOS VIVENCIAREM A EXPERIÊNCIA DOS SONS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
ARTIGOS
MAURO BENEVIDES - Chefe da saúde com Covid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
FERNANDA GOMES LOPES - Cuidados paliativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
COLUNAS
INÁCIO AGUIAR - Poder . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
DESTAQUES
PROTEÇÃO AMPLIADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Aluguel deve ficar 25% mais caro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
‘Mande seu marido se vacinar’ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
NEGÓCIOS
CHANCE PARA QUITAR DÍVIDAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
PAÍS
Hang nega fraude . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
METRO
Cinco indiciados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
SEGURANÇA
ESQUEMA NA MIRA DA JUSTIÇA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
REGIÃO
Mais vigilância . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
Vacinas perdidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
VERSO DIÁRIO
REINVENÇÃO DO SOM . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
PONTO PODER
Como conciliar opostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
CORREIO BRAZILIENSE
MANCHETES
PETROBRAS DARÁ AUXÍLIO PARA GÁS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
CPI TEM SESSÃO TENSA E CONFUSA COM HANG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
ELES SOCAM, ELA PASSA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


PRIMEIRA PÁGINA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
ARTIGOS
BARTOLOMEU RODRIGUES - Brasília à frente na Cultura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
FERNANDO BRITO - Cuidem das crianças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
LUIS CARLOS ALCOFORADO - Prevaricação e improbidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
BRASIL
Atraso na 2ª dose . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
EM DEFESA DO DIREITO DOS ANIMAIS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Saúde pulmonar em discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
ONU: ações integradas para o Brasil pós-covid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
COLUNAS
DENISE ROTHENBURG - Brasília DF . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
VISTO, LIDO E OUVIDO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
LUIZ CARLOS AZEDO - Nas entrelinhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
SAMANTA SALLUM - Capital S/A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
CARLOS ALEXANDRE DE SOUZA - Eixo capital . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
ECONOMIA
Lira quer acordo para unificar ICMS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Famílias pobres terão ajuda na compra de gás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
EDITORIAL
Os preços dos combustíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
NEGÓCIOS
Emprego formal cresce em agosto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
POLÍTICA
Empresário é ciceroneado por "tropa de choque" . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
CPI VIRA PALCO PARA A AUTOPROMOÇÃO DE HANG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Senado enfraquece Lei de Improbidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
ENTREVISTA - TABATA AMARAL . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Tumulto e tensão estavam no radar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67
PGR apura ameaça de general a pleito de 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68
PE - JORNAL DO COMMERCIO
ARTIGOS
RAUL JUNGMANN - Segurança: uma política vazia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70
ADEILDO NUNES - A restrição de direitos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
ROBERTO GUSMÃO - Suape continua nos trilhos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71
BRASIL
Veleiro apreendido com haxixe . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
Governo planeja vacinação em 22 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
CIDADES
AUMENTO DAS FORMAS GRAVES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74
REFORÇO CONTRA OS ASSALTOS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76
COLUNAS
MIRELLA MARTINS - Social1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77
FERNANDO CASTILHO - JC Negócios . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79
CLÁUDIO HUMBERTO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81
JAMILDO MELO - Blog de Jamildo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 82

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ALBERTO BOMBIG - Coluna do Estadão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 84
ECONOMIA
GERAÇÃO DE VAGAS FORMAIS COM MAIS VIGOR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
LEITE EM PE BATE RECORDE, MAS VIVE CRISE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
EDITORIAL
Vacina é saúde coletiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 88
POLÍTICA
CPI tenta usar Hang para provar “pacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89
ACS contra; Sintepe e Sinpol favoráveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
MPF pede arquivamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
SENADORES APROVAM MUDAR A IMPROBIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
PGR investiga Braga Netto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
‘Quero ver valente criticar o TJ’ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
MG - ESTADO DE MINAS
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
COLUNAS
BAPTISTA CHAGAS DE ALMEIDA - Em dia com a política . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
CULTURA
Heloísa Starling fala sobre 'a internet da época da Independência'. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101
POLÍTICA
Petrobras anuncia programa social de R$ 300 milhões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 102
Bolsonaro visita BH hoje . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
“Se deus quiser, preço do gás vai cair pela metade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104
Improbidade só com intenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 105
Pesquisa: Lula se consolida na liderança em todos os cenários em 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
Luciano Hang nega ter divulgado fake news . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
Irritação e confusão na oitiva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 110
Lira fala em “fundo” para valor de combustíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
O ESTADO DE S. PAULO
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
ARTIGOS
ROBERTO ABDENUR - Meio ambiente, eixo da relação Alemanha-Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113
PAULO ROBERTO DA SILVA GOMES FILHO - A nova aliança militar entre EUA, Reino Unido e 115
JOSÉ PASTORE - O Brasil é vítima do seu Congresso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
MARIA ALICE SETUBAL, DAVID SAAD, PAULO EMÍLIO ANDRADE, RICARDO HENRIQUES E 117
COLUNAS
FERNANDA GUIMARÃES, CYNTHIA DECLOEDT E MARCELO MOTA - Coluna do Broadcast . . . . . . . . 119
CELSO MING . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 121
SONIA RACY – Direto da Fonte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 122
WILLIAM WAACK . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123
ALBERTO BOMBIG - Coluna do Estadão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124
ADRIANA FERNANDES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
DANIEL MARTINS DE BARROS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127
ECONOMIA

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Projeção é de 400 mil famílias beneficiadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 128
Congresso deve manter desoneração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Câmara resiste a fixar alíquota de ICMS para combustíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Governo prepara pacote para crédito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 131
Linhão sai sem acordo para perdas de indígenas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Megaprograma tem dívidas ocultas e projetos com falhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
PETROBRAS LIBERA R$ 300 MI PARA ‘VALE-GÁS’ . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 135
EDITORIAIS
COMBUSTÍVEL PARA A DEMAGOGIA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 136
A reforma previdenciária em SP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 137
PROPAGANDA DESCARADA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
POLÍTICA
Leite diz que tem 'respaldo' de FHC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
‘NUNCA SE VIU ESSA DEMORA NO SENADO’. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Hang cita 'erro' em atestado de óbito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
ENTREVISTA - João Amoêdo, empresário e ex-candidato à Presidência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142
Centrão faz pressão por banco estatal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Mudanças aumentam dificuldade de condenação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
SENADO APROVA PROJETO QUE AFROUXA LEI DE IMPROBIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
Câmara aprova projeto que regulamenta 'IA' . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147
Fusão entre DEM e PSL resultará na sigla 'União Brasil'. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 148
Procuradoria abre apuração contra Braga Netto por ameaça à eleição . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
O ESTADO DE S. PAULO ONLINE
ARTIGOS
SÍLVIO RIBAS - O candidato que não veio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151
NELSON WILIANS - A reforma política é fundamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152
ESPORTES
Derrubada de vetos na lei do clube-empresa abre caminho para investidores, mas sem 153
POLÍTICA
Alexandre manda agência contratada pelo PTB detalhar gerenciamento de redes sociais do 154
Fusão DEM-PSL deverá se chamar União Brasil e usar o número 44. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
A previsão de Fux se confirmou. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 156
Por que os evangélicos querem um ministro no Supremo? Entenda. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
O GLOBO
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 161
ARTIGOS
JOAQUIM LEITE - Bom para o planeta e para cada país . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163
MERVAL PEREIRA - O 'PATO MANCO' . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
FERNANDO VERNALHA - Irreverência institucional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165
BRASIL
LEI PEGOU, PRENDEU E PROCESSOU . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166
COLUNAS
MALU GASPAR . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 168
PRIS­CILLA PRIMI - Bem Estar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
MÍRIAM LEITÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 171

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORA RÓNAI . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
GUGA CHACRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
DOS LEITORES
Mensagens cartas@oglobo.com.br . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
ECONOMIA
Lira quer unificar ICMS sobre combustíveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
Câmara aprova vale-gás para ban­car 50% do pro­duto aos mais pobres . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Pacheco diz que busca alternativa de mudança no RI para bancar auxílio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179
SUBSÍDIO AO BOTIJÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
Líderes do governo admitem que reforma administrativa não sai . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
EDITORIAIS
ALTA DA GASOLINA NÃO É CULPA DOS GOVERNADORES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
Volta do público aos estádios exige responsabilidade e fiscalização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
ESPORTES
Assem­bleia con­firma afas­ta­mento de Cabo­clo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
MUNDO
No Reino Unido, sol­da­dos farão trans­porte de com­bus­tí­vel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185
POLÍTICA
VERSÕES EM CONFLITANTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187
OS RECUOS DE ARAS NAS INVESTIGAÇÕES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
O juiz ordena que a Prevent pague RR 1,9 milhões ao paciente pelo 'kit Covid' . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189
SENADO APROVA PROJETO DE LEI QUE ATENUA LEI DE IMPROBABILIDADE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
Carlos mantém assessores investigados por 'rachadinha' . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
PINO­CHET, FAKE NEWS E PIA­DAS HOMO­FÓ­BI­CAS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192
Provocação e bate-bocas marcam a sessão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
Apoiador de Doria nas prévias, FH se reúne com Eduardo Leite . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
PGR diverge de PF e pede para abrir inquérito contra líder governamental . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
Relator recua para aprovação do texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
O NOME ESCOLHIDO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197
TCU: motociatas do presidente custam mais de R$ 1 milhão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 198
União Brasil será o nome de DEM e PSL após a fusão. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
RIO
PERIGO NA PISTA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
SEGUNDO CADERNO
OS BASTIDORES DA AQUISIÇÃO DE IMUNIZANTES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
PORTARIA QUER RESTRINGIR 'PASSAPORTE DA VACINA' . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
SAÚDE
Astra­Ze­neca tem efi­cá­cia de 74%, mos­tra estudo dos EUA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
Governo lança vacinação simultânea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
Fiocruz: 11% das pessoas estão na 2ª dose atrasada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
PÍLULA CON­TRA COVID-19 É TES­TADA COM SUCESSO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
Casais com HIV vivem revo­lu­ção afe­tiva com tra­ta­men­tos con­tí­nuos . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Pro­fis­si­o­nais de saúde rece­be­rão ter­ceira dose em SP . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
O GLOBO ONLINE
ECONOMIA
Pacheco busca alternativa à reforma do Imposto de Renda para viabilizar novo Bolsa Família. . . . . 210

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


POLÍTICA
MORAES DETERMINA QUE EMPRESA FORNEÇA NOTAS FISCAIS SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS 211
RS - ZERO HORA
ARTIGOS
EURICO DE ANDRADE NEVES BORBA - O longo subdesenvolvimento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 213
MONTSERRAT MARTINS - Encantado e desencantado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
ANA PAULA BECK DA SILVA ETGES - Saúde: remuneração baseada na ciência . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 214
COLUNAS
DAVID COIMBRA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
GISELE LOEBLEIN - Campo e Lavoura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 216
GIANE GUERRA – Acerto de Contas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
L.F. VERISSIMO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
RODRIGO LOPES - Diários do mundo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 220
NÍLSON SOUZA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 221
ROSANE DE OLIVEIRA - Política + . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
RICARDO CHAVES - Almanaque Gaúcho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
MARTA SFREDO - + Economia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
TULIO MILMAN - Informe Especial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
EDITORIAL
O PARADOXO DO EMPREGO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
OPINIÃO
Opinião do leitor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 230
GILMAR FRAGA – Charge . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
ZERO HORA
CHAMOU ATENÇÃO - Um lugar ao sol em Camboriú . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 231
PGR abre apuração contra Braga Netto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 232
Senado abranda a Lei de Improbidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 233
Emprego com carteira no RS sobe pelo oitavo mês seguido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 234
VALOR ECONÔMICO
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 236
LIRA E PACHECO QUEREM REFORMA TRIBUTÁRIA RESOLVIDA NESTE ANO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
AGRONEGÓCIOS
Pecuária brasileira avança em todas as frentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
Geração própria de energia avança no campo brasileiro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 240
ARTIGOS
JOAQUIM LEVY - Soluções baseadas na natureza em Glasgow . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
MOHAMED EL-ERIAN - Queda dos bônus é alerta para o Fed . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
BRASIL
Funchal defende teto apesar da pressão de precatórios. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 245
Governo Bolsonaro dribla LRF para pagar Auxílio Brasil, dizem especialistas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
COLUNAS
CRISTIANO ROMERO. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
MARIA CRISTINA FERNANDES . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 249
EDITORIAL
Congresso admite programa social com verbas inexistentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 251

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


EMPRESAS
Petrobras viola acordo com Cade por abertura do gás, diz indústria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 253
ESPECIAL
Nordeste aposta no turismo em 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
Congresso decide reforma tributária este ano. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 255
Apesar da retomada, inflação deve minar PIB dos Estados em 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 258
FINANÇAS
Política monetária é pouco eficaz contra choque de oferta, dizem BCs . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
Ação nova de tecnologia sofre na bolsa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 261
Caixa pretende vender 15% de gestora em IPO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 264
Mercado prevê ociosidade menor até 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
LEGISLAÇÃO & TRIBUTOS
Decisão do Carf amplia base de cálculo de PIS/Cofins dos bancos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 266
Receita exige Imposto de Renda sobre valor pago a herdeiro no exterior . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 268
Destaques . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
LEGISLAÇÃO & TRIBUTOS - ARTIGO
MAX MUSTRANGI - Cinco condições para um turnaround de sucesso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 270
POLÍTICA
ICMS fixo tem impasse e Câmara analisa fundo para combustíveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
Nunes planeja aumento de salário para servidores da cidade de São Paulo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 273
Petrobras deve reduzir lucro, diz Meirelles . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 274
TSE abre prazo para que defesa de Bolsonaro acesse autos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276
Luciano Hang diz ter incentivado doações do kit covid . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
Cota para mulher no Legislativo trava e não valerá para 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 278
Prévias do PSDB: Leite descarta vice e disputa apoio de FHC . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 279
Câmara ignora governo e recria o Vale Gás . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 280
PGR pede arquivamento de caso contra Bezerra Coelho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 281
Senado aprova nova lei da improbidade. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 282
VALOR ECONÔMICO ONLINE
BRASIL
Congresso decide reforma tributária neste ano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285
POLÍTICA
Presidente do Senado adia votação do marco legal das ferrovias. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 285
Valor 1000: Lira reforça defesa do teto; para Pacheco, isso não impedirá programa social. . . . . . . . . . 287
MG - HOJE EM DIA ONLINE
BRASIL
Prazo para Microempreendedores individuais regularizar dívidas termina nesta quinta; veja 288
Taxa de desemprego no país cai a 13,7% entre maio e julho, aponta IBGE . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 289
Câmara federal aprova auxílio Gás Social para famílias de baixa renda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 290
Receita paga nesta quinta restituições do último lote do IR 2021 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 291
Termina nesta quinta prazo para declarar imposto sobre propriedade rural . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292
Caixa paga auxílio emergencial a nascidos em setembro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 292
POLÍTICA
Políticos mineiros adotam cautela ao avaliar pesquisa eleitoral para 2022 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 293
TURISMO
Recuperação econômica do turismo em Minas só deve acontecer em 2022, diz especialista . . . . . . . 295

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CNN BRASIL
POLÍTICA
Aliados de Alcolumbre citam caso dos EUA para justificar trava a Mendonça. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 296
Encontro entre Pacheco e Leite é visto como chance para tratar sobre eleições. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 297
BUSINESS
Mercados monitoram crise de combustíveis e dados de emprego no Brasil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 298
Guedes teme usar crédito extraordinário para bancar auxílio emergencial, dizem interlocutores. . 299
Lira diz que busca saídas para a alta dos combustíveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 300
Senado avalia soluções além de reforma do IR para financiar programa social. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 301

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


BR - BBC BRASIL BR -
30/09/2021
Internet voltar ao topo
ECONOMIA
Gasolina mais cara: 4 motivos para disparada de preço
dos combustíveis
Camilla Veras Mota - @cavmota
Da BBC Brasil em São Paulo
Há 7 horas
 
O preço médio da gasolina no país segue firme acima de R$ 6 — e passa de R$ 7 em
algumas localidades.
Os dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) apontam a oitava alta consecutiva na
semana até 25 de setembro, em meio a novos recordes na cotação do barril de petróleo e de
temores de uma crise energética na Europa.
Entenda, a seguir, quatro fatores que ajudam a explicar por que os preços subiram tanto
nos últimos meses — e por que a tendência, pelo menos no curto prazo, não é de alívio.
1. Aumento da demanda
A cotação do petróleo vem em uma sequência de alta forte desde o início do ano. O preço do
barril do tipo Brent, referência internacional, passou de US$ 80 na terça-feira (28/9) pela
primeira vez desde outubro de 2018.
Uma parte do aumento se deve à maior demanda. Os programas de vacinação contra a
covid-19 têm permitido que diversos países reabram suas economias — e o impacto da
retomada tem sido em algumas regiões mais forte do que o esperado.
 
Mas essa não é a única razão.

Como explica a professora da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense


(UFF) Julia Braga, a China vem usando mais gás natural como substituto do carvão em suas
termelétricas. A medida é parte do esforço do país para cumprir as metas para redução da
emissão de poluentes e entra na política de médio e longo prazo de transição energética da
China.
"Isso também pressiona o preço do barril", ressalta.
O preço do gás natural disparou nas últimas semanas com o maior consumo também na
Europa, surpreendida pela redução da geração de energia renovável, que vinha tendo papel
cada vez mais importante na matriz da região.
Muitos dos parques eólicos do continente estão produzindo menos do que a capacidade
porque tem ventado menos. Nesta quarta (29/9), a SSE Renewables, empresa britânica do
setor, afirmou em comunicado que sua produção entre abril e setembro ficou 32% abaixo
do previsto e apontou como uma das razões o fato de o último verão ter sido um dos que
menos ventou na Irlanda e Reino Unido.
O cenário acendeu um alerta entre as autoridades, ante a iminência da chegada do inverno
no continente, quando o consumo de energia sazonalmente cresce.

2. Restrição de oferta

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Se a demanda por petróleo e derivados cresceu de um lado, a oferta não acompanhou.
Uma das razões vem da própria dinâmica da Organização dos Países Produtores de Petróleo
(Opep), um cartel que reúne 13 países e concentra cerca de 33% da produção global da
commodity (por volta de 30 milhões de barris por dia).
O grupo muitas vezes limita a produção para evitar quedas substanciais nos preços ou
mesmo valorizar a cotação do barril.
Isso aconteceu no ano passado, quando a Opep decidiu cortar a produção por conta da
pandemia. As atividades estão sendo normalizadas gradativamente, com a expectativa de
que a oferta seja completamente retomada até dezembro de 2022.
A demanda, contudo, vem crescendo em ritmo mais rápido.
O salto no preço do barril nos últimos meses tem levado países como os Estados Unidos a
pressionar a Opep e seus aliados (que formam, com a organização, a Opep+) a acelerar a
retomada. Assim como no Brasil, o preço da gasolina nos EUA deu um salto em 2021.

3. Dólar alto

A valorização do barril de petróleo tem um duplo efeito para países como o Brasil, que
passam por uma profunda desvalorização cambial.
O preço sobe não apenas porque a commodity em si custa mais, mas porque o dólar
também está mais caro.
Uma série de fatores explica porque a moeda americana tem se mantido em patamar
elevado, acima de R$ 5 por dólar. Alguns são externos, como a expectativa de aumento de
juros nos Estados Unidos e de retirada do programa de estímulos monetários, outros,
internos.
"Aí entra muito da crise institucional, a briga entre os poderes", explica Braga.
"E essa imagem muito ruim que o Brasil passa para o mundo inteiro, não apenas na parte
política, mas também a visão anti-Ciência [do governo], a política ambiental, com aumento
das queimadas, em um momento em que o mundo está cada vez mais sensível a essas
questões. Tudo isso acaba afetando a decisão dos investidores internacionais de apostar no
Brasil", avalia.

4. Elevação dos preços de biocombustíveis

Os biocombustíveis que entram na composição da gasolina e do diesel também


experimentam forte alta, contribuindo para pressionar o preço final dos combustíveis.
O álcool anidro responde por 27% do litro da gasolina vendida dos postos; já o biodiesel hoje
equivale a 10% do diesel que sai das bombas.
O primeiro acumula alta de quase 60% desde o início do ano, conforme os dados do
Cepea/Esalq. O salto é consequência direta dos efeitos climáticos adversos que têm se
abatido sobre o país: a falta de chuvas e as geadas de junho e julho reduziram a produção
das lavouras de cana-de-açúcar, sua matéria-prima.
A soja usada no biodiesel, por sua vez, também está mais cara. Com maior demanda e a
oferta também prejudicada pelas estiagens, a cotação da commodity acumula alta de mais
de 70%.

E a Petrobras?

O dólar e a cotação do petróleo vêm tendo mais influência sobre os preços de combustíveis
no Brasil desde 2016, quando a Petrobras passou a praticar o Preço de Paridade

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Internacional (PPI), que se orienta pelas flutuações do mercado internacional.
A mudança de política foi uma resposta ao controle de preços que vigorou na estatal entre
2011 e 2014 como parte de uma estratégia do governo da então presidente Dilma Rousseff
(PT) para segurar a inflação.
O caixa da companhia foi duramente afetado. De um lado, arrecadava menos que o
potencial; de outro, chegava a subsidiar o preço, importando muitas vezes combustível
mais caro e vendendo-o mais barato no mercado interno para fazer frente à demanda.
Os desequilíbrios levaram a empresa a elevar seu nível de endividamento, comprometendo
a capacidade de investimento. Esse também foi um período em que bilhões em recursos
foram desviados em grandes esquemas de corrupção.
Apesar de a estatal não ter monopólio sobre o refino no Brasil, a Petrobras ainda é a
principal fornecedora de combustíveis no país. É dona de 13 das 18 refinarias em território
nacional e concentra 98,6% da capacidade total de produção, conforme os dados da ANP
relativos a 2020. Assim, os preços praticados pela empresa acabam tendo reflexo sobre toda
a cadeia.
É uma companhia de economia mista e com capital aberto, com investidores privados. A
União, contudo, é acionista majoritária.
Nos últimos anos, a companhia não apenas mudou sua política de preços. Ela também
mudou seu foco, hoje mais concentrado na extração de petróleo do que no refino, pontua a
professora da UFF Julia Braga. O chamado "plano de desinvestimento" da estatal prevê a
venda de 8 de suas 13 refinarias.
"O pré-sal é um sucesso retumbante, tem um custo baixíssimo, enquanto a parte do refino
não tem tanta competitividade. Então prevaleceu essa ideia de 'desverticalizar' para
preservar sua geração de lucro", afirma a economista.
Uma capacidade menor de refino, diz a economista, significa maior dependência das
importações, o que deixa a empresa com menor margem de manobra para amortecer as
flutuações do mercado internacional sobre os preços.
"Agora a gente está vendo que esse outro extremo [em termos de visão para a empresa]
'cobra seu preço'. Você perde esse instrumento que poderia ser usado para tentar não
repassar de imediato toda a volatilidade que se vê nos preços do petróleo", completa.
E o ICMS?
No caso da gasolina, a Petrobras responde por cerca de 34% do preço pago pelos
consumidores. A estrutura de precificação foi utilizada nesta semana pelo presidente da
estatal, Joaquim Silva e Luna, como argumento para defender a atual política de preços. Na
ocasião, ele afirmou que "tudo o que excede R$ 2" não é responsabilidade da companhia.
Além dos 34% da Petrobras, cerca de 16,5% representam o custo do etanol anidro, 10,7% vão
para distribuição e revenda, 11,3% correspondem aos tributos federais PIS/Pasep e Cofins e
27,7% ao ICMS, tributo estadual.
Há meses o ICMS tem sido objeto de atritos entre o governo federal e os Estados. No fim de
agosto, Bolsonaro chegou a afirmar em entrevista que a alta dos combustíveis se devia à
"ganância dos governadores".
Nesse sentido, Braga pondera que as alíquotas de ICMS praticadas pelos Estados não foram
alteradas e, assim, não se pode atribuir o aumento nos preços ao tributo.
O valor nominal de ICMS pago por litro de combustível cresceu porque seu custo, usado
como base para o cálculo, está maior.
As alíquotas, contudo, são as mesmas praticadas antes da atual crise: tanto em maio do ano
passado, quando a gasolina custava em média R$ 4,00, quanto neste mês de setembro, com
o preço a R$ 6, o percentual cobrado em São Paulo, por exemplo, é o mesmo, 25%.

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-58743202

BR - BBC BRASIL
30/09/2021
Internet voltar ao topo
SAÚDE
Luciano Hang na CPI: dono da Havan defende Prevent
Senior e diz que não pediu para omitir covid em
atestado da mãe
Leandro Prazeres
Da BBC News Brasil em Brasília
29 setembro 2021
 
Em seu depoimento à CPI da Covid na quarta-feira (29/9), o empresário bolsonarista
Luciano Hang defendeu a operadora Prevent Senior e disse que não pediu aos
médicos da empresa que omitissem do atestado de óbito de sua mãe o fato de que ela
morreu por covid-19.
Hang disse ainda que autorizou os médicos da operadora a realizarem o tratamento
conhecido como ozonioterapia, que consiste na aplicação de doses de ozônio em pacientes
com a doença. Não há comprovação científica sobre a eficácia do tratamento.
O empresário foi convocado à CPI na condição de investigado. Ele é suspeito de ter
financiado a disseminação de notícias falsas sobre a covid-19 e de ter incentivado o uso de
medicamentos sem comprovação contra a doença como a cloroquina e hidroxicloroquina.
Hang também viu seu nome relacionado ao escândalo ligado à operadora de saúde Prevent
Senior. Documentos encaminhados à CPI mostram que sua mãe, Regina Hang, que foi
internada em um hospital da rede, teve covid-19, mas a informação foi omitida do seu
atestado de óbito.
Ao ser perguntado sobre a morte de sua mãe pelo relator da comissão,
Renan Calheiros (MDB-AL), Hang disse que decidiu levá-la a um hospital da Prevent Senior
após indicações de amigos médicos.
"Levei para o melhor hospital que as pessoas me deram", afirmou. Na sequência, Hang saiu
em defesa da empresa.
"Por incrível que pareça, nesse mesmo hospital, eu peguei covid. Minha esposa pegou covid
e nós dois fomos tratados. Tem um advogado amigo nosso que foi pra lá entubado e foi
salvo. Tragam essas pessoas pra cá. Traz o meu advogado pra cá. Tenho a foto dele andando
entubado indo pra Prevent Senior e saiu curado como outras milhares e milhares de
pessoas", afirmou.
Em outro momento do depoimento, Renan Calheiros perguntou se Hang tinha
conhecimento de que médicos da Prevent Senior que se posicionavam contra o uso do
chamado "kit covid" eram punidos pela operadora. Ao responder, Hang saiu, mais uma vez,
em defesa da companhia.
"Não posso responder pela Prevent Senior, mas tenho toda confiança neles", disse.
Em outro momento do depoimento, o empresário negou ter pedido aos médicos da Prevent
4

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Senior que tirassem do atestado de óbito de sua mãe a informação de que ela morreu
vítima da covid-19. A suspeita surgiu depois que um dossiê formulado por ex-médicos da
empresa foi entregue à CPI.
Entre os documentos estavam prontuários de Regina indicando que ela morreu por conta
da doença, mas o atestado de óbito dela não trazia essa informação. Hang é um dos
principais apoiadores do presidente Jair Bolsonaro e, em várias ocasiões, se posicionou
contra medidas de isolamento social adotadas por municípios e estados para conter ao
avanço da epidemia. O empresário classificou a suspeita de que ele teria intercedido para
alterar o documento como "fantasiosa".
"Olha só que loucura. Imagina eu chamar o médico e dizer: 'Olha, não coloquem covid,
porque eu tinha falado que ela estava o tempo todo no hospital com covid', para diminuir o
número de notificação de covid. Uma coisa de louco, uma coisa fantasiosa", afirmou.
Luciano Hang disse acreditar que a ausência da covid-19 como causa da morte de sua mãe
no atestado se deu por um "erro" da operadora.
"Pode ter acontecido um erro do plantonista que colocou aquelas doenças, mas, quando foi
fazer o documento que vai pra Secretaria do Estado foi colocado 'covid'. Então, não vejo o
interesse do hospital de mentir sobre a morte da minha mãe, não vejo", disse o empresário.
Nas últimas semanas, a Prevent Senior entrou no alvo da CPI da Covid após um dossiê
revelado pelo canal Globo News indicar suspeitas de que a empresa teria pressionado
médicos a utilizarem medicamentos sem eficácia comprovada contra a covid-19 e terem
omitido mortes causadas pela doença.
Indagado sobre o assunto, o diretor-executivo da operadora, Pedro Benedito Batista Júnior,
admitiu que a empresa mudava ficha de pacientes para tirar registro de covid-19. Ele disse,
no entanto, que essa mudança ocorria apenas para os pacientes internados por períodos
entre 14 e 21 dias para indicar que eles não ofereciam mais risco à saúde do restante dos
pacientes do hospital.
Após as revelações, uma força-tarefa liderada pelo Ministério Público do Estado de São
Paulo (MP-SP) foi criada para investigar as alegações contidas no dossiê. Na terça-feira, a
Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que regula operadoras de planos de saúde,
autuou a Prevent Senior após constatar indícios de infrações ligadas à falta de informação
sobre pacientes.
Autorização para ozonioterapia
Hang disse ainda que foi ele quem autorizou os médicos da Prevent Senior submeterem sua
mãe à ozonioterapia. O tratamento é permitido em caráter experimental, mas não há
estudos científicos que comprovem sua eficácia contra a doença.
"A ozonioterapia, foi autorizada por mim […] Me ofereceram tratamento de ozonioterapia e
eu aceitei e tenho todo direito pra isso. Eu coloquei na mão dos médicos a autorização para
fazer. Autorizei a Prevent Senior a fazer tudo o que estivesse disponível para salvar a minha
mãe", disse.
Desde o ano passado, alguns médicos passaram a recomendar aplicações de ozônio pela via
retal como tratamento para a doença. Em agosto de 2020, o Conselho Federal de Medicina
(CFM) emitiu uma nota informando que a ozonioterapia não tinha reconhecimento
científico para o tratamento da covid-19. Uma resolução de 2018 previa que o tratamento é
uma prática experimental e que sua aplicação clínica não estava liberada.
Confusão e bate-boca
O início do depoimento do empresário foi marcado por provocações entre parlamentares de
oposição e governistas e uma confusão que fez com o presidente da comissão, Omar Aziz
(PSD-AM), interrompesse a sessão.
As trocas de provocações durante o depoimento de Hang começaram desde o início da

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


s e ss ã o . A o in iciar s u a f ala e se dirigir a Ha ng, o re la tor da c omissã o,
Renan Calheiros (MDB-AL), usou o termo "bobo da corte".
"Em todas eras do nosso país houve a figura do bobo da corte, independentemente de trajes
usados ao longo dos tempos. São úteis para bajular o rei, os poderosos do camarim e criar
cortinas de fumaça para desviar a atenção dos dramáticos e reais problemas da nação",
disse Renan.
A declaração irritou o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), que acompanhou Hang
na chegada ao Senado e que saiu em sua defesa.
"Que cinismo, relator", rebateu Flávio Bolsonaro.
Quando passou a ser questionado, Hang aparentou calma. Disse que estava disposto a
responder tudo o que lhe fosse perguntado, mas sua defesa afirmou que ele poderia se
comprometer a dizer apenas a verdade por estar na condição de investigado e não na de
testemunha. Dessa forma, ele não poderia se comprometer a produzir provas contra si
mesmo.
Aos senadores, Hang disse não ser parte do chamado "gabinete paralelo" que assessoraria o
governo federal na definição das políticas sobre o combate à covid-19. Ele afirmou também
que não é "negacionista".
"Quero afirmar aqui nessa casa do povo, com a consciência tranquila e serenidade de quem
tem a verdade ao seu lado que não conheço, não faço e nunca fiz parte de nenhum gabinete
paralelo. Nunca financiei nenhum esquema de fake news e não sou negacionista", afirmou.
Hang disse ainda se sentir perseguido por expressar suas opiniões.
"Sou acusado sem provas e perseguido apenas por dar a minha opinião. Aliás, no Brasil, este
crime de opinião não existe", afirmou.
Em alguns momentos, o empresário chegou a criticar senadores de oposição que o
acusavam de espalhar notícias falsas. Após o senador Humberto Costa (PT-PE) afirmar que
Hang seria "sócio" de 595 mil mortes causadas pela covid-19 no Brasil, o empresário rebateu
afirmando que o parlamentar estaria mentindo.
"Senador, fico muito triste de o senhor não fazer pergunta pra mim e ficar dez minutos de
narrativas", disse o empresário.
Ao longo do depoimento, Hang foi defendido por senadores da bancada governista como
Marcos Rogério (DEM-RO). Segundo ele, o empresário é vítima de perseguição por apoiar
Bolsonaro.
"Trata-se de uma clara perseguição política, uma espécie sabe de quê? Tem nome: revanche.
(Estão)tentando criminalizar a ação empresarial por causa das manifestações públicas do
empresário", disse o parlamentar.

Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/brasil-58740947

BR - BBC BRASIL
30/09/2021
Internet voltar ao topo
SAÚDE
Os perigosos 'produtos químicos eternos' que você tem
em casa e não sabe
Christine Ro
Repórter de Tecnologia e Negócios
Há 4 horas
 
6

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Dê uma olhada em muitos produtos domésticos que tornam seu cotidiano mais fácil.
Você já se perguntou por que a comida não gruda em sua frigideira, por que a
gordura não passa pelo saco de pipoca de micro-ondas ou por que a água não penetra
em sua jaqueta?
A mesma classe de produtos químicos sintéticos é provavelmente responsável por todas
essas funções. Mas esses produtos químicos estão agora sob os holofotes e, em algumas
partes do mundo, estão sendo eliminados.
O grupo de substâncias químicas conhecidas como "PFAS" (compostos perfluoroalquil e
polifluoroalquil) é enorme. Existem mais de 4.700 desses compostos.
Frequentemente chamados de "produtos químicos permanentes" por causa de sua
extraordinária persistência, eles foram detectados na água potável, poeira e até mesmo na
corrente sanguínea humana.
Na verdade, é quase certo que você tenha PFAS tanto em sua casa como em seu corpo.
Problemas de saúde
Esses compostos químicos, encontrados em uma grande variedade de produtos - de
embalagens de alimentos a cosméticos e móveis - têm sido associados a problemas de
saúde, incluindo danos ao fígado, câncer renal e defeitos congênitos.
No entanto, a pressão do consumidor por si só não foi suficiente para eliminar
significativamente os níveis de PFAS.
Decifrar os nomes dos compostos químicos é quase impossível para o cidadão comum não
especializado, diz Jonatan Kleimark, consultor sênior da ChemSec, uma organização sueca
sem fins lucrativos que defende o uso mais seguro de produtos químicos.
"Se você é um consumidor regular, essa é uma questão muito complexa e é algo que
geralmente não é comunicado", diz Kleimark.
Além disso, nem todo mundo tem tempo e motivação para escrever para as empresas e
perguntar se seus produtos contêm PFAS, que é o que algumas agências governamentais
recomendam.

Alguns fabricantes podem nem perceber que estão usando PFAS em seus produtos.

"Se realmente queremos mudanças, precisamos de regulamentação, porque é assim que as


empresas vão realmente agir", diz Kleimark.
"A ideia de ter uma restrição de PFAS faz com que as empresas entendam que isso é algo
com que realmente precisam trabalhar para encontrar alternativas", acrescenta.
Que restrições existem hoje?
Até agora, essas restrições são limitadas.
Em julho, o estado americano de Maine se tornou a primeira jurisdição do mundo a proibir
a venda de produtos contendo PFAS a partir de 2030, exceto quando seu uso for
considerado inevitável (o que pode se aplicar a certos produtos médicos).

Os países da União Europeia (UE) restringiram certos tipos e usos de PFAS. Mas ativistas
ambientais e alguns governos europeus estão pedindo que o PFAS seja regulamentado em
conjunto.

Os fabricantes também foram solicitados a fornecer mais informações sobre os produtos


alternativos que estão usando.
"Eu definitivamente acho que haverá algum tipo de restrição nos próximos cinco ou seis
anos", prevê Kleimark.

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Membros da indústria química estão buscando mais informações e orientações para fazer
essa transição com sucesso.
O Conselho Europeu da Indústria Química (CEFIC) também solicitou mais clareza sobre o
que seria incluído como um uso essencial do PFAS.
Alternativas
Encontrar alternativas pode ser mais fácil em alguns setores do que em outros.
"A indústria têxtil tem estado na vanguarda na busca por alternativas", afirma Kleimark.
No entanto, algumas empresas vêm substituindo materiais que contêm PFAS por outros
que são melhores para a saúde humana, mas ainda muito prejudiciais ao planeta, como
roupas de plástico.
Uma empresa considerada inovadora é a OrganoClick. De origem sueca, a companhia busca
um uso mais sustentável de substâncias químicas. Seu produto OrganoTex é uma
alternativa ao PTFE (politetrafluoroetileno), um tipo de PFAS comumente usado em roupas
impermeáveis, mais conhecido como teflon.
O teflon tem sido um produto químico muito útil desde que foi patenteado pela empresa
americana DuPont em 1941.
Ele é hidrofóbico, por isso repele a água de seu tecido. Também é usado em revestimentos
antiaderentes porque pode suportar temperaturas relativamente altas e tem baixo atrito.
O teflon é tão útil que a NASA começou a aplicá-lo em trajes de astronautas e escudos
térmicos na década de 1960.
No entanto, Mårten Helberg, presidente e CEO da OrganoClick, argumenta que não
precisamos realmente desse produto químico para usos específicos, como roupas
resistentes à chuva.
Ao contrário dos astronautas, que podem precisar desses materiais para resistir à água,
óleo e outras substâncias, a maioria dos consumidores geralmente "ficará ao ar livre e não
haverá chuva de óleo", diz Helberg.
A empresa diz que imita as propriedades das folhas de lótus, que repelem a água
naturalmente. Se você já viu gotículas deslizarem da superfície de um lírio d'água ou da asa
de uma cigarra, compreenderá essa propriedade em ação.
"Usamos moléculas repelentes de água de ocorrência natural e que se biodegradam
facilmente em vez de produtos químicos sintéticos que duram para sempre", diz Helberg.
A linha OrganoTex inclui sprays, ceras e detergentes que mantêm os tecidos repelentes à
água por 5 a 10 lavagens (se o próprio consumidor fizer o tratamento), ou 20 lavagens (em
produtos industriais), segundo Helberg.
Longo caminho pela frente
O teflon também é encontrado em panelas antiaderentes.
De acordo com o Center for Ecology, uma organização ambiental sem fins lucrativos nos
Estados Unidos, um recipiente rotulado sem teflon (ou PTFE) provavelmente não contém
PFAS.
Panelas antiaderentes de ferro fundido, aço inoxidável e cerâmica podem ser mais caras do
que algumas panelas forradas, mas provavelmente duram mais e são mais seguras.
"Parte do problema é que o consumidor tem que entender que não está recebendo
exatamente o mesmo produto… É uma tecnologia diferente, e alguém pode ter que tratar
esta panela de uma forma ligeiramente diferente da panela de teflon normal", diz Kleimark.
Isso pode envolver aprender um método diferente de limpar ou cozinhar em uma frigideira.
"Mas fazer com que os consumidores comprem o produto ainda é um desafio", acrescenta.
Também teremos que aprender a como lidar com alternativas a muitos outros itens que
contêm PFAS, como espumas de combate a incêndio.
Shari Franjevic é a diretora do programa GreenScreen, que certifica produtos que não

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


contêm PFAS e outros produtos químicos. Ela diz que "embora os produtos sem PFAS
tenham um desempenho diferente dos produtos contendo PFAS, eles são capazes de
atender às necessidades de desempenho na maioria, senão em todas as situações". .
Mas ainda há um longo caminho a percorrer para encontrar a miríade de alternativas que
poderiam servir para substituir os produtos químicos PFAS.
"Precisamos de muita pesquisa para todos os diferentes usos", diz Kleimark.

Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58741781

BR - BBC BRASIL
30/09/2021
Internet voltar ao topo
CIÊNCIA
As perguntas sobre vulcões que a ciência ainda não
sabe responder
Antonio M. Álvarez Valero
The Conversation*
29 setembro 2021
 
Viver nas encostas de um vulcão carrega obviamente um risco muito elevado. Os
habitantes das áreas afetadas pelos fluxos de lava e piroclastos (fragmentos de rocha
expelidos na erupção) da espetacular erupção na bela ilha de La Palma, nas Canárias,
estão sofrendo com a perda de suas casas.
Diante disso, é a ciência que deve dar uma mão. Uma mão informativa. Porque a ciência só
pode tentar compreender para explicar os processos da natureza, mas não pode pará-la;
nem um sistema vulcânico como este, nem a dinâmica atmosférica que um tufão gera, nem
a dinâmica litosférica que move algumas placas tectônicas para mais perto e para longe
umas das outras.
Sempre podemos estudar e compreender para reagir melhor, mas nunca deter a natureza.
Explicar a erupção
Pouco se pode acrescentar a tudo o que foi mencionado e descrito até o momento deste
episódio de erupção.
Muito foi explicado nas primeiras entrevistas em improviso (algumas até mesmo no solo)
por técnicos e cientistas. Eles têm se esforçado para atender também a esta frente de
informação, em qualquer nível de conhecimento, desde a disseminação para crianças em
idade escolar (o que é um vulcão, qual a diferença entre magma e lava, etc.), até o mais
avançado detalhe científico (química composição, mecanismos de desgaseificação, imagens
de satélite, atividades de monitoramento, etc.).
Mas tudo isso não parece ajudar no que é necessário.
A erupção por definição na Geologia vai de efusiva a levemente explosiva, porque o magma
que a nutre é de composição básica, ou seja, pobre em sílica e pouco viscoso e, portanto, de
emanações fluidas de lava. Essa composição química do magma pode alimentar erupções
do tipo estromboliano (erupções medianamente explosivas), como no caso de La Palma, ou
do tipo havaiano (erupção efusiva) — que todos reconhecemos como "torneiras abertas" de
9

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


lava que flui rapidamente nas ilhas havaianas.
As estrombólicas em comparação com as havaianas são apenas ligeiramente mais
explosivas, e com uma capacidade de fragmentação e dispersão ligeiramente maior do
material ejetado e a altura da coluna eruptiva.
Estão longe da capacidade explosiva das erupções do tipo vulcaniana, pliniana ou peleana,
por exemplo, com lavas viscosas e erupções muito violentas (como as do Vesúvio, Santa
Helena, Pinatubo, etc.). Ou mesmo aquelas erupções hidromagmáticas, em que a interação
água-magma pode gerar erupções muito explosivas.
Na verdade, se La Palma fosse uma ilha desabitada, estaríamos simplesmente desfrutando
(ciência e turismo) das maravilhas que a natureza nos dá de vez em quando: uma erupção
vulcânica "tranquila" ao alcance da nossa mão (ou do selfie). Porém, com vidas humanas em
perigo, essas informações e detalhes oferecem pouco conforto e não satisfazem a
curiosidade (necessidade?) da sociedade sobre quando, em que dia, o vulcão finalmente
deixará de rugir.
A explicação científica do especialista visa fornecer ferramentas de conhecimento
suficientes para que a sociedade encontre o equilíbrio entre estar alerta e manter a
serenidade suficiente para reagir com eficiência, estando conscientes de um cenário tão
particular (estamos falando de um vulcão que atinge municípios habitados).
Perguntas sem resposta
Infelizmente, a ciência ainda não tem resposta para as duas questões-chave da
vulcanologia:
quando e como ocorre a preparação da câmara magmática em profundidade, que gera e
alimenta a erupção na superfície,
e em que momento cessa a atividade eruptiva, principalmente de material sólido.
Para a primeira questão, a ciência tem os detalhes estudados em erupções anteriores junto
com ferramentas de monitoramento que, no caso de La Palma, funcionaram perfeitamente
para alertar a população de que o vulcão estava ficando nervoso.

Até 15 cm de deformação (protuberância) do solo e oito dias de terremotos acabaram


desembocando na erupção.

Honesta e humildemente, devemos admitir que não sabíamos se 4, 15 ou 40 cm, assim


como 5, 8 ou 100 dias de terremotos seriam os números precisos antes da erupção. É aqui
que todos os grupos de pesquisa em todo o mundo devemos continuar nossos esforços
científicos.
Como um exemplo próximo, a contribuição do nosso grupo do Departamento de Geologia
da Universidade de Salamanca para esta previsão desejada concentra-se na comparação da
chegada do sinal geofísico (terremotos e deformação) com o sinal geoquímico (liberação de
gás do manto quando o magma câmara antes que a erupção já esteja em andamento).
No caso de Tagoro (ilha de El Hierro) em 2011, verificamos como o sinal geoquímico avisou a
geofísica com antecedência da chegada daquela que foi a última erupção (subaquática) no
arquipélago.
Para a segunda preocupação, não é necessário ser um cientista para assumir que a
atividade vulcânica termina quando o reservatório magmático se esvazia o suficiente para
relaxar a pressão interna que o desestabiliza. E a ciência ainda não consegue prever esse
ponto de verificação.
Uma parada específica na emissão de lava como a que aconteceu no domingo (26/09) em La
Palma pode indicar o início do fim da erupção, ou o início do fim de um pulso eruptivo

10

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


aguardando a chegada de um novo.
A partir de agora, a primeira emergência será atender e indenizar as famílias afetadas.
Depois, quando o material esfriar um pouco, será preciso ler atentamente as informações
que o interior do planeta nos escreveu no material expelido por esta erupção.
As rochas (piroclastos e lavas solidificadas) e seus componentes (inclusive minerais e
voláteis) são testemunhas do que aconteceu em profundidade, antes e durante a erupção.
Estudando-as, poderemos entender melhor o processo eruptivo sob La Palma, para que a
ciência continue avançando e se aproximando de melhor restringir as condições em que
ocorrerá a próxima erupção, ciente de que ela chegará sem que o homem ou a ciência
possam impedi-la. A natureza é invencível.
Quando tudo isso acabar, teremos mais ferramentas de conhecimento para enfrentar a
próxima erupção, em geral, e em La Palma, em particular: uma paisagem, assim como um
mapa topográfico-geológico, novo ou modificado, mas extremamente belo.
* Antonio M. Álvarez Valero é professor titular do Departamento de Geologia da Universidad
de Salamanca.
Este artigo foi publicado originalmente no site de notícias acadêmicas The Conversation e
republicado aqui sob uma licença Creative Commons. Leia aqui a versão
original (em espanhol).

Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-58718689

BR - BBC BRASIL
30/09/2021
Internet voltar ao topo
CIÊNCIA
Por que somos 'programados' a cooperar - mas isso
nem sempre funciona
Paula Adamo Idoeta
Da BBC News Brasil em São Paulo
Há 6 horas
A cooperação é tanto o "superpoder" da raça humana e o motivo pelo qual evoluímos
como espécie, quanto nossa fragilidade - seja quando cooperamos de um jeito ruim,
por exemplo por meios corruptos, seja pela nossa dificuldade em coordenar a
resposta a problemas globais, como a pandemia ou as mudanças climáticas.
Como, então, podemos estimular a "boa" cooperação entre as pessoas e as sociedades, de
forma a superar desafios que temos em comum?
Essa pergunta é uma das que permeiam o trabalho da psicóloga britânica Nichola Raihani,
professora de evolução e comportamento na prestigiosa Universidade College London, no
Reino Unido, e autora do livro recém-lançado The Social Instinct - How Cooperation
Shaped the World (O instinto social - como a cooperação moldou o mundo, ainda sem
tradução em português).
Ela pesquisa a cooperação desde 2004.
"(Essa) palavra virou sinônimo de metáforas corporativas insossas, evocando imagens de
apertos de mão e trabalho em equipe animado. Mas a cooperação é muito mais do que isso:
está costurada no tecido das nossas vidas, das atividades mais mundanas, como o
transporte público para o trabalho, às nossas conquistas mais extraordinárias, como os
11

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


foguetes lançados no espaço", escreve Raihani no livro.
A autora conversou com a BBC News Brasil sobre o poder de cooperação entre humanos e
também entre outras espécies, explicou por que a orientação ideológica muda nossa
percepção sobre o que é cooperar e por que até mesmo a corrupção é uma forma de
cooperação - uma que precisamos inibir constantemente.
Veja a seguir os principais trechos da entrevista, divididos em tópicos:
O 'superpoder' da cooperação humana...
O coronavírus tirou proveito justamente da nossa sociabilidade, comenta Raihani no livro.
"Nossa natureza social nos colocou nesta pandemia, mas também é nossa única forma de
sair dela. Para enfrentar o vírus, precisamos cooperar. Felizmente, isso é algo que fazemos
extremamente bem. (...) Cooperação é o superpoder da nossa espécie, o motivo pelo qual não
apenas sobrevivemos, mas prosperamos em quase todos os habitats da Terra", ela escreve.
"E o que é menos óbvio, a cooperação é o motivo pelo qual existimos, para começo de
conversa. No nível molecular, a cooperação é onipresente: toda entidade viva é composta de
genes cooperando com genomas. Subindo para a evolução dos organismos, múltiplas
células trabalham juntas para produzir indivíduos."
...E seus elos frágeis
No entanto, agrega a pesquisadora à reportagem, outras manifestações da cooperação
humana são verdadeiros obstáculos à superação de problemas sociais.
"Não costumamos associar palavras como corrupção, pagamento de propina e nepotismo à
cooperação, mas são formas de cooperação - que envolvem ajudar sua família, seus amigos
(em detrimento da sociedade como um todo). E vimos em vários governos, inclusive aqui no
Reino Unido, muitos casos desse tipo de cooperação hiperlocal - ou corrupção - que
prejudicaram muito a busca por soluções na pandemia", explica Raihani. "Então temos que
cooperar na forma correta e na escala correta."

No início da pandemia em particular, duas forças nos puxaram em direções contrárias: de


um lado, nossa vontade (ou mesmo necessidade, em alguns casos) em estar perto de
familiares ou amigos e, de outro, a importância de nos isolarmos para conter o avanço do
vírus.

"É muito difícil conciliar essas forças; é algo que nos causa muita ansiedade e confusão. Por
isso, de certo modo é perigoso depender de apelos à natureza do indivíduo, pedir que 'façam
a coisa certa' - que foi a abordagem usada no início da pandemia", aponta.
Como, então, estimular o tipo de cooperação necessária para superar desafios como o
vírus? Para Raihani, a saída é estabelecer normas claras, além de benefícios pelo "bom"
comportamento (e, em certos casos, punições para o "mau").
"No campo em que eu trabalho, o da Teoria dos Jogos, estudamos esses dilemas sociais em
laboratório o tempo todo, usando jogos em que as pessoas interagem, cooperam ou não. E
uma coisa que vimos estudando o comportamento humano nesses ambientes
supercontrolados é que se você não tem instituições ou incentivos que tornem a
cooperação atrativa - por exemplo, se você não tem mecanismos de punição ou incentivos
para as pessoas ou para suas reputações - em geral a cooperação é muito baixa entre as
pessoas."
Mudanças climáticas, o maior desafio da cooperação
Que lições podemos tirar disso para as mudanças climáticas, cuja reversão exige
cooperação em escala gigantesca?
Para Raihani, nossa resposta coletiva à pandemia não trouxe muito alento, infelizmente.

12

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


"De muitas formas, a pandemia é mais fácil de se enfrentar. (...) A maioria de nós está
motivada a evitar a contaminação, há um incentivo econômico real de enfrentar a doença,
agora temos uma vacina e sabemos o que temos de fazer para mitigar o avanço da doença.
Não é um problema de gerações futuras", pontua.

"No entanto, o que vimos - e que deve nos servir de alerta, no que diz respeito a como
enfrentar as mudanças climáticas - é que a resposta à pandemia foi caracterizada por uma
reação muitas vezes paroquial e fragmentada em diferentes governos ao redor do mundo, e
pelo fracasso em percebermos que estamos todos no mesmo barco, para usar uma frase
bastante desgastada, e que somos muito interdependentes - nenhum país sairá (da
pandemia) até que todos saiam."

Sendo assim, ela avalia, "a pandemia nos faz sentir um pouco pessimistas em lidar com um
dilema social ainda mais difícil, mas pessoalmente acho que somos capazes. Só não estou
convencida de que o faremos. Mas temos que nos manter esperançosos, ou então o que
fazer?"
O valor da cooperação em pequena escala
Nesse contexto, diz Raihani, ganha relevância a ideia de "pensar globalmente e agir
localmente".
"Um modo efetivo de enfrentar problemas de grande escala é quando grupos de agentes
locais trabalham de modo autônomo para prover benefícios globais", ela diz.
Ela cita como exemplo o movimento criado dentro dos EUA após o ex-presidente Donald
Trump decidir tirar o país do Acordo Climático de Paris (decisão revertida pelo sucessor Joe
Biden).
Esse movimento, chamado "we are still in" (ainda estamos dentro, em tradução livre),
acabou agregando cerca de 4 mil líderes, políticos, acadêmicos, empresários e investidores
se comprometendo a continuar a apoiar medidas de mitigação do aquecimento global e de
cumprimento das metas estabelecidas em Paris, a despeito da posição do governo federal
da época.
"Essa ideia de que não necessariamente precisamos trabalhar em escala global para obter
benefícios globais é importante: há muito o que indivíduos podem fazer em grupos locais,
iniciativas comunitárias, em pequena escala, que podem gerar benefícios globais", explica
Raihani.
"É uma mensagem importante, porque se insistirmos que as soluções virão apenas se
agirmos todos juntos, a solução vai parecer inatingível, assustadora."
Como a orientação política afeta a cooperação
Para entendermos a cooperação, também precisamos entender que diferentes grupos vão
enxergar suas obrigações morais de modo distinto entre si.

No livro, Raihani fala do conceito de "círculo de apreço moral" (no original em inglês, "circle
of moral regard").

Pense em si mesmo no centro e nas pessoas próximas a você (amigos e familiares) no


primeiro círculo, mais próximo desse centro. O segundo círculo, um pouco mais distante,
talvez seja o de seus colegas de trabalho. O círculo seguinte pode ser o das pessoas do seu
bairro, do seu país, e assim por diante.
"O diâmetro desses círculos e quem está incluído neles, além do seu escopo de obrigação
moral perante essas pessoas - em ajudá-las a avançar na vida, por exemplo - varia tanto
dentro de um país quanto entre países", explica Raihani.

13

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


"Dentro de países, isso varia dependendo do espectro político: conservadores tendem a ter
um círculo menor do que os liberais, o que significa que tendem a colocar mais ênfase na
família, nos amigos e no dever primordial de ajudar essas pessoas, com (uma sensação
menor de) dever em ajudar estranhos."
"Também varia entre países: certos países são mais individualistas ou coletivistas. Algumas
pessoas questionam se essas denominações são úteis, mas elas nos ajudam a entender a
escala em que sentimos obrigação moral de cooperar."
Por isso, diz ela, é possível traçar elos entre o conservadorismo e o nacionalismo, forças em
alta no mundo atualmente, a "um círculo de apreço moral mais encolhido, com mais ênfase
nas pessoas próximas e menor preocupação com quem está distante desse círculo".
Nossa semelhança com as formigas brasileiras
Embora o foco principal da pesquisa de Raihani seja a cooperação entre humanos, ela diz
que se surpreendeu com algumas semelhanças que temos com outros animais (e não
apenas chimpanzés e demais primatas) no que diz respeito a habilidades cooperativas.
Um exemplo citado no livro é o das formigas brasileiras forelius pusillus: enquanto a
maioria delas entra no formigueiro para se abrigar, algumas poucas se sacrificam pelo
grupo, ficando para fora da colônia para colocar os grãos finais de terra que vão cobrir o
abrigo e proteger o formigueiro de invasores.
E, num sacrifício final em prol da colônia, essas formigas restantes morrem distantes do
formigueiro, para evitar atrair a atenção de predadores ao local.

É um exemplo marcante do instinto social, diz Raihani.

"O interessante para mim é o quanto podemos aprender sobre nós mesmos como espécie
profundamente social e cooperativa ao olhar não apenas aos primatas, mas a toda a árvore
da vida e ver o que temos em comum com outras espécies que têm vida social."
A cooperação entre estranhos
Dito isso, a cooperação humana tem diferenciais marcantes, é claro.
"Somos a única espécie com uma Capela Sistina, que construiu cidades para milhões de
pessoas que não são relacionadas entre si e sequer se conhecem, então somos claramente
diferentes na escala e na extensão em que cooperamos", explica a autora.
Primeiro, ela diz, nós humanos cooperamos dentro de instituições, com incentivos e
punições para quem se enquadra ou não nas regras sociais.
Em segundo lugar, uma grande diferença reside na psicologia humana.
"A formiga que heroicamente se sacrifica pela colônia, sob a nossa perspectiva, (praticou)
um ato de bravura. Mas da perspectiva da formiga, a cognição que embasa esse
comportamento dificilmente será sequer remotamente parecida a isso. Então embora
possamos ter comportamentos (cooperativos) parecidos, usamos uma cognição
completamente diferente para atingi-los, o que em parte nos permitiu escalonar nossa
cooperação em diferentes contextos e diferentes frequências."
'O Aprendiz' na evolução humana

A raiz disso está, também, na cooperação e na competição entre nossos genes, ela
argumenta.

Raihani defende ideias similares às de Richard Dawkins, autor de O Gene Egoísta (1976),
que teoriza como as espécies surgem e se diversificam. O título do livro, diz Raihani, fez
muita gente relacionar essa teoria a "algo nefasto, ruim, malévolo - atributos de pessoas
egoístas. Há um erro (de compreensão) quanto ao livro, de que apenas genes egoístas

14

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


prosperariam e que esses genes são encontrados dentro de pessoas egoístas - e nenhuma
dessas coisas é verdadeira".
Ela explica que, na verdade, trata-se do esforço de cada gene em ser passado adiante às
gerações futuras.
"A cooperação (com outros genes) é a forma de o gene garantir seu interesse próprio.
Muitas vezes, a cooperação e o interesse próprio são a mesma coisa. (...) E sabemos que
genes egoístas estão em todas as pessoas, desde nas pessoas mais gentis, as Madres
Teresas do mundo, até nos piores exemplares da humanidade. São genes egoístas no
sentido de que buscam o interesse próprio, porque genes que não o buscam simplesmente
deixam de estar na nossa composição genética."
Quando a cooperação deixa de fazer sentido para o interesse próprio de um determinado
gene, ele deixa de cooperar - assim como fazem os indivíduos dentro de uma sociedade.
Raihani compara essa dinâmica ao reality show O Aprendiz - aquele que alçou Donald
Trump à fama mundial nos anos 2000.
No programa, os competidores são divididos em duas equipes, as quais competem entre si -
e, portanto, os indivíduos cooperam intra-grupo para vencer os adversários. Na equipe
perdedora, porém, um indivíduo será eliminado. Nessa etapa, os membros do grupo deixam
de ter interesse em colaborar, e passam a disputar entre si a permanência no programa.
"Uso esse exemplo para ilustrar que certas características podem às vezes tornar benéfico
que genes, células ou indivíduos trabalhem juntos. Mas quando esse contexto benefício se
acaba, você vê a competição emergir entre aquele grupo de indivíduos", analisa Raihani.
"A analogia mostra que a cooperação é muito sensível ao contexto. Se o contexto mudar, a
cooperação pode completamente evaporar. Vemos exemplos disso o tempo todo. Em um
jogo de futebol, por exemplo, existe a tensão real entre colaborar para o grupo vencer e
tentar ser a estrela do jogo. E num jogo de crianças, que não entendem esse conceito de
passar a bola entre si, elas sempre querem estar com a bola e ser quem vai marcar o gol. (...)
Vemos essa tensão entre cooperação e interesse próprio se desenrolar em muitos cenários
diferentes, com muitos desdobramentos diferentes."

Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58659937

BR - BBC BRASIL
30/09/2021
Internet voltar ao topo
CIÊNCIA
Vulcão em erupção nas ilhas Canárias: lava chega ao
mar e gases tóxicos preocupam
Redação
BBC News Mundo e BBC News Brasil
29 setembro 2021
 
A lava do vulcão da ilha de La Palma, nas Ilhas Canárias (Espanha), chegou ao oceano
Atlântico na noite de terça-feira (28/09), cerca de nove dias depois de ter entrado em
erupção.
Imagens exibidas em emissoras de televisão e redes sociais mostram um rio de lava caindo
de um penhasco na água do mar e produzindo uma grande nuvem de fumaça.
15

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Especialistas do Instituto Espanhol de Oceanografia que acompanham o avanço da lava ao
vivo afirmam que "está sendo gerado um sedimento impressionante de mais de 50 metros
de altura" e que continua a crescer.
Este acontecimento, que já preocupava as autoridades, obrigou o Plano de Emergência
Vulcânica das Ilhas Canárias (Pevolca) a pedir aos residentes dos bairros vizinhos que não
saiam de suas casas.
"Quando a lava chega ao mar, o fechamento deve ser rigorosamente seguido", disse Miguel
Angel Morcuende, diretor do Comitê de Resposta do Pevolca. Além disso, o perímetro de
exclusão na costa também foi ampliado para evitar que pessoas se aproximassem da área.
A partir de 27/09, antes da chegada iminente da lava ao oceano, as autoridades
determinaram o confinamento de três cidades costeiras. Em várias áreas da cidade costeira
de Tazacorte, os residentes também foram orientados a não deixarem suas casas.
Riscos à saúde
Todas essas medidas preventivas foram adotadas porque, ao entrar em contato com a água
salgada, a lava de um vulcão como o La Palma pode gerar "explosões e emissão de gases
nocivos", segundo especialistas e autoridades.
"Quando o magma toca o mar, grandes colunas de vapor d'água se formam porque grande
parte da água do mar vira vapor. Isso se deve ao grande contraste térmico entre os dois: a
lava tem uma temperatura de mais de 900°C, enquanto a água tem cerca de 23°C ", explicou
José Mangas, professor de geologia da Universidade de Las Palmas de Gran Canaria, à BBC
News Mundo (serviço da BBC em espanhol). "Mas como a água contém cloretos, sulfatos,
carbonatos, flúor e iodo (entre outras coisas), os gases tóxicos também se volatilizam."
Esses gases podem causar irritação na pele, nos olhos e no trato respiratório.
Também teme-se que partes da costa possam entrar em colapso com a passagem da lava
vulcânica e causar explosões.
Desde a erupção do vulcão Cumbre Vieja em 19/09, a lava destruiu centenas de casas e
plantações de banana. Mais de 6.000 pessoas precisaram ser evacuadas.
Diante da devastação, o governo da Espanha declarou La Palma como uma "zona de
desastre", o que permitirá a transferência do equivalente a R$ 67 milhões para a ilha a fim
de fornecer moradia para as pessoas que dela precisam.
Mas a demanda por recursos deve aumentar bastante, já que especialistas estimam que a
erupção possa durar semanas ou meses, mas não anos.
"A maioria das erupções na superfície do planeta dura entre um e seis meses. No caso de La
Palma, as últimas erupções tiveram durações entre três semanas e três meses. Nesta, é de
se esperar comportamento semelhante", disse o pesquisador José Manuel Pacheco, diretor
do Instituto de Investigação em Vulcanologia e Avaliação de Riscos da Universidade dos
Açores, em Portugal, à BBC News Brasil.
O que acontece após uma erupção?
Até agora, a lava do vulcão de La Palma invadiu casas, queimou a vegetação e destruiu tudo
o que havia pela frente. Parte acabou de chegar ao oceano Atlântico. Mas o que acontece
em seguida?
"Após a erupção, a região afetada pela lava fica como rocha, como o ambiente 'lunar'. Toda a
vegetação é queimada, as estruturas, destruídas", diz o geólogo Hugo Cássio Rocha,
professor na Universidade Presbiteriana Mackenzie, no Brasil. "A curto prazo, o local fica,
sim, inutilizado. Com o passar do tempo, a rocha [de formação vulcânica], que é muito
porosa, sofre intemperismo, 'apodrece' e vira solo. O tempo que isso ocorre depende da
temperatura ambiente e da pluviosidade local."
Segundo o pesquisador José Manuel Pacheco, da Universidade dos Açores (Portugal), "no
caso de lavas espessas como as da erupção do vulcão em La Palma, que têm de 10 a 12

16

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


metros, será muito difícil voltar a reconstruir sobre elas", já que haveria problemas de
estabilidade nas construções, de funções do solo e até mesmo para a ligação a
infraestruturas como água, luz e esgoto.

Se os fluxos de magma forem intensos, o resfriamento pode levar meses. E há também a


presença de gases tóxicos.

"São toneladas de gases expelidos pelo vulcão, dentre eles dióxido de carbono e dióxido de
enxofre", explica a geóloga e vulcanóloga Carla Barreto, professora da Universidade Federal
de Pernambuco (UFPE). "Em quantidade acima do limite aceitável na atmosfera, eles se
tornam nocivos às pessoas dessas regiões, causando efeitos físicos e mentais."
Há também risco de novas erupções, tremores de terra e problemas causados pelas cinzas
expelidas pelo vulcão.
Por outro lado, um solo de origem vulcânica costuma ser muito fértil, já que o material
expelido acaba trazendo uma farta riqueza de sais minerais, em um processo de
"reabastecimento natural de nutrientes do solo", segundo explica Barreto.
Esse processo pode levar alguns anos, se o solo foi atingido "apenas" pelas cinzas, ou
milhares de anos, se foi coberto pela lava ressecada e transformada em rochas.
Essa fertilidade é o principal motivo que faz com que muitas populações humanas estejam
vivendo em regiões onde no passado houve atividade vulcânica. Mas, como se vê, os efeitos
colaterais positivos da erupção podem levar muitos e muitos anos até serem sentidos.

Leia em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-58732054

17

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CE - DIÁRIO DO NORDESTE CE -
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
ENEYLÂNDIA RABELO: ATENÇÃO ÀS DÍVIDAS
Chance para quitar dívidas
P.14 e 1 5

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
DJ FAZ SURDOS VIVENCIAREM A EXPERIÊNCIA DOS SONS
Reinvenção do som
P.13

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
10 voltar ao topo
ARTIGOS
MAURO BENEVIDES - Chefe da saúde com Covid
Mauro Benevides
Jornalista e senador constituinte
 
Surpreendentemente,  a  comitiva presidencial que se descolocou a Nova York para a
abertura, pelo presidente Jair Bolsonaro, da 76ª Assembleia Geral da ONU, despontou em
evidente complicação diante da Covid-19, ensejando a que membros da delegação
retornassem ao Brasil, enquanto o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ali permanecesse, a
fim de se recuperar de inesperada ocorrência viral, com assistência de profissionais da área,
dentro de adequada metodologia de imunização a ele recomendada.
Há quem vaticine para Queiroga iminente cura, já que o ilustre paciente possui formação
cientifica compatível para debelar tal vírus.
Já o nosso Primeiro Mandatário, ao regressar ao País, deliberou isolar-se no Palácio da
Alvorada, acompanhado por especialistas competentes, convictos de que o titular do
Planalto se mantém ileso, já tendo retomado os pesados encargos do Poder Executivo.
No discurso proferido por Bolsonaro, no evento anual da Organização das Nações Unidas,
sua diligente equipe projetou imagem de proficiência no panorama do nosso território, a
principiar pela Região Amazônica, alvo de atenções do universo inteiro, em virtude da
alegada devastação da floresta, inserida no bioma internacional, em desgaste sempre
contestado pelo dirigente máximo e seus auxiliares, especialmente, o vice-presidente da
República, responsável por direcionar, corretamente, os programas que norteiam
providências capazes de suplantar quaisquer meios de explorações do nosso importante
espaço ambiental.
Mencione-se, por oportuno, que a Conferência sempre reservou ao Brasil prioridade, na fala
18

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


inaugural, o que há sido sequenciado, desde o saudoso Osvaldo Aranha, permitindo a este
escriba presença naquela grandiosa cerimônia, quando ocupante de Cadeira senatorial.
Que retorne o ministro, sem retardamento, estimulado a combater, com maior celeridade e
exatidão a pandemia que assola os brasileiros, com rigor na aquisição de vacinas, numa
linha justa, sem distorções que já geraram Comissão Parlamentar de Inquérito no Senado. E
que o mundo, em breve, se livre desse mal que nos atormenta (...)
 
Leia mais: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
10 voltar ao topo
ARTIGOS
FERNANDA GOMES LOPES - Cuidados paliativos
Fernanda Gomes Lopes
Psicóloga, paliativista e diretora do Instituto Escutha
 
Os cuidados paliativos se referem a uma abordagem multiprofissional voltada para
pacientes – de todas as idades – com doenças que ameacem a vida e seus familiares.
Doenças estas que requerem uma assistência complexa e contextualizada, pautada no
cuidado integral. O foco, portanto, não é apenas na cura, como previsto pelo modelo
biomédico, mas no sofrimento psicológico, dores sociais, angústias espirituais e sintomas
físicos envolvidos em todo o processo de adoecimento. Torna-se essencial destacar que essa
prática não desiste do paciente, acelera o processo de morrer ou exclui os tratamentos
curativos quando necessários, como muitos pensam. Mas trata-se de uma assistência
complementar, que amplia o olhar para esse sujeito adoecido e todo seu entorno.
A busca então é pela qualidade de vida, em toda a sua essência, contextualizada a biografia
daquele sujeito. E, caso a morte se apresente como possibilidade, almeja-se a dignidade do
processo, para que seja vivido de maneira individualizada e com minimização dos
sofrimentos que podem estar associados. Sabemos que a palavra “paliativo” em nossa
sociedade é permeada de estigmas, como se viesse associada a reparos momentâneos para
algo que não tem conserto, o que faz as pessoas entenderem que “não há mais nada pra
fazer” e de que “a morte está próxima”.
Mas temos muito a fazer, e cada detalhe desse cuidado importa muito para os pacientes e
seus familiares. O acompanhamento pode durar dias, meses ou anos, desde o diagnóstico
até os momentos finais de vida, viabilizando um tempo de qualidade. De maneira ativa e
holística, sem acelerar nem adiar a finitude, as condutas afirmam a vida e a morte como
processos naturais que precisam ser acolhidos e mediados entre equipe, familiares, e
principalmente, pelo paciente, como protagonista de sua história. À vista disso, a principal
função dos cuidados paliativos é proteger os pacientes, através de uma prática íntegra,
responsável e ética em prol da vida com qualidade. E qualquer desinformação acerca desse
fazer pode comprometer seu compromisso com o cuidado (...)
 
Leia mais: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/

19

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
9 voltar ao topo
COLUNAS
INÁCIO AGUIAR - Poder
CPI COMETE MAIS UM ERRO, O DE DAR PALCO A HANG
O empresário Luciano Hang, representante exponencial do bolsonarismo raiz, fez o que já
era esperado na CPI: transformou-a em circo, falou para o seu público, surfou na onda das
redes sociais, fugiu das (poucas) perguntas contundentes e não acrescentou absolutamente
nada aos trabalhos que a sociedade quer e cobra das autoridades: a responsabilização dos
agentes que contribuíram ao morticínio nacional. Ao contrário, Hang usou e abusou do
generoso espaço midiático dado a ele. Pior do que a performance do depoente foi a postura
dos senadores da CPI – pouco qualificada tecnicamente. Aliás, foram estes mesmos
senadores que montaram o circo e bateram palmas para o “véio da Havan” dançar. Um
completo absurdo.
 
QUAL O OBJETIVO?
O papel da CPI é investigar as possíveis omissões e crimes cometidos na Pandemia,
especialmente, por agentes públicos. O que Hang estava fazendo lá? O próprio depoente
questionou isso, com toda razão. Em determinado momento, o relator, Renan Calheiros, o
chamou de “bobo da corte”. A ideia era desmoralizar o depoente? Se foi, o tiro saiu bem
longe do alvo. Apenas mais uma demonstração de como o mundo da política tradicional
ainda não aprendeu a lidar com o bolsonarismo.
 
TOM DE DEBOCHE
Hang é um negacionista de carteirinha. E estava vibrando com o espaço dado para as
declarações estúpidas. Elas agitam a legião de ‘hangs’ das redes sociais. Teve de tudo: até
mesmo que por ter uma “imunidade alta” foi aconselhado pelos médicos a não tomar a
vacina contra a Covid-19. Um ser supremo, imune ao vírus. Piada.
 
UM CASO SUSPEITO
O episódio da morte da mãe não passou batido. O empresário acusou os senadores de terem
politizado o caso, quando ele mesmo trouxe o tratamento da genitora ao debate público.
Um caso, aliás, que soa estarrecedor, com aplicação de medicamentos ineficazes e até
ocultação da causa covid no atestado de óbito. Um emblema do que se suspeita, no caso da
Prevent Senior.
 
PICADEIRO
O picadeiro, montado na CPI, depõe contra o parlamento brasileiro. E o pior: quem financiou
tudo aquilo foi o meu e o seu dinheiro, caro leitor. Lamentavelmente. Aquilo tudo não
passou de uma palhaçada. Talvez o picadeiro ficou pequeno, pois havia diversos outros,
além daquele que vestia um terno verde-amarelo, estilo Zé Carioca. Uma caricatura.
 
FIM DE PAPO
Ao longo dos meses, a CPI desnudou uma realidade que aponta para muitos crimes
cometidos pelos envolvidos, mas deslizou feio em algumas oportunidades, como a de (...)
 
Leia mais: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/
20

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
2e3 voltar ao topo
DESTAQUES
PROTEÇÃO AMPLIADA
Ao menos 137 mil trabalhadores da saúde no Ceará podem tomar reforço da vacina em
outubro
#Covid-19 metro@svm.com.br
Ministério da Saúde sugeriu aplicação da dose extra, mas não divulgou quando deve
ocorrer. Cerca de 32 mil pessoas neste grupo foram contaminadas
 
O reforço na proteção contra a Covid-19 daqueles que atuam na área da saúde foi
oficialmente orientado, na sexta-feira (24), pelo Ministério da Saúde com a recomendação da
aplicação da dose extra neste grupo. No Ceará, ao menos, 137.697 trabalhadores da saúde,
que tomaram a segunda dose até o dia 30 de março, estão aptos a receberem a nova dose
em outubro. A estimativa foi feita pelo Diário do Nordeste, baseada em dados do
Vacinômetro Covid e números do Sistema de Informações do Programa Nacional de
Imunizações (SIPNI).
Contudo, a Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) informa que ainda aguarda uma nota técnica
do Ministério da Saúde para definir quando e como a nova etapa realmente terá início. O
número projetado pode variar, já que o SIPNI é alimentado constantemente pelos
municípios.
No Brasil, em cidades dos es tados do Mato Grosso do Sul, do Maranhão, do Rio de Janeiro e
de São Paulo, as gestões já decidiram começar a vacinar os trabalhadores da saúde. Em
alguns municípios desses estados, a dose de reforço tem sido aplicada de forma decrescente
por idade nesse grupo. Em outros, a prioridade de aplicação é quem está no exercício
efetivo das funções nas unidades de saúde.
A nova aplicação, conforme determina o Ministério da Saúde, deve ser realizada
preferencialmente com a vacina da Pfizer e o grupo deverá receber a nova dose seis meses
após o profissional ter completado o ciclo vacinal (com as duas doses ou a dose única)
independentemente de qual imunizante tomou.
No Ceará, os profissionais aptos a já receberem o reforço em outubro, de acordo com o
SIPNI, tomaram a 1ª e a 2ª dose da Coronavac. Dentre os 137 mil estão: agentes comunitários
de saúde, médicos, auxiliares de enfermagem, enfermeiros, médicos, odontólogos, além d e
fisioterapeutas.
No Estado, 32 mil pessoas, enquadradas neste grupo, foram contaminadas. Dentre aqueles
que perderam a vida, estavam médicos, técnicos e auxiliares de enfermagem, enfermeiros,
agentes de combate a endemias, condutores de ambulância, cirurgião dentista,
farmacêuticos e nutricionista, entre outros.
O Sindicato dos Médicos do Ceará, há alguns meses, solicita a aplicação da dose de reforço
da vacina, tendo em vista a permanente exposição dos profissionais ao vírus e o avanço das
variantes. Em pesquisa realizada entre os médicos, na qual 824 profissionais responderam,
segundo a entidade, 87,3% afirmaram ter interesse que o Sindicato atue para garantir uma
terceira dose do imunizante.
 
Prioridade
Para a vice-presidente do Sindicato de Enfermeiros do Estado do Ceará (Senece), Telma
21

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Cordeiro, após a vacinação dos idosos, a dos trabalhadores da saúde “deve ser uma
prioridade. Porque somos nós que ainda estamos na linha de frente. Resta saber como vai
funcionar”, acrescenta.
De acordo com Telma, que atua no Hospital São José, o Sindicato avalia ser de extrema
necessidade que os trabalhadores da saúde recebam a terceira dose da vacina.
“É uma decisão super correta. É um aumento da nossa imunidade. Estamos em um cenário
muito incerto, embora tenha melhorado os índices. É um reforço. Ainda estamos na linha
de frente da coisa, por isso é super válido”.
No Estado, segundo dados do Integrasus, a dinâmica dos casos de Covid entre trabalhadores
da saúde seguiu o movimento das duas ondas de contaminação da população em geral.
Houve pico em maio de 2020, com 6,4 mil casos, e na segunda onda; o maior número de
confirmações ocorreu em março, com 1,8 mil contaminações.
 
Recuo
De março de 2021 em diante, há um recuo expressivo e consecutivo nos registros entre
trabalhadores da saúde. Em setembro, até o dia 27, foram 43 confirmações no mês.
“Avalio que a vacinação influenciou muito. Mesmo com toda a problemática da (variante)
delta, nós não tivemos os casos esperados. No Brasil, praticamente paramos na segunda
onda e estamos segurando para que não venha ocorrer. A vacinação contribui muito.Tem
tido uma diminuição bem drástica dos casos”, completa Telma.
 
Segunda dose
Todos os dias, além da aplicação da primeira dose contra a Covid-19, também são aplicadas
as doses de complemento da imunização em Fortaleza, seja da Astrazeneca, da Coronavac
ou da Pfizer. Porém, o que fazer se já passou o prazo para receber a segunda dose? Pessoas
que perderam o agendamento da segunda dose ou chegaram à data-limite, conforme
descrito no cartão de vacinação, podem buscar atendimento   normalmente nos centros
de vacinação da Capital, segundo a Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Porém, os cidadãos
precisam ficar atentos a quais locais procurar, já que alguns imunizantes só são ofertados
em determinados pontos de imunização.
 
Cartão
Ao comparecer ao centro de vacinação, no caso de segunda dose, é necessário apresentar o
cartão de vacinação, documento de identidade com foto, CPF, Cartão Nacional de Saúde
(CNS) e comprovante de residência. A Prefeitura também tem divulgado o agendamento
individual da repescagem de pessoas com menos de 30 anos para a primeira dose. Pessoas
deste grupo podem procurar os pontos sem agendamento, desde que estejam cadastrados
na plataforma Saúde Digital.
O agendamento também é dispensado para pessoas que faltaram à data da vacina porque
estavam com diagnóstico de Covid-19, em viagem a trabalho ou que haviam tomado a
vacina contra a gripe. Porém, o cadastro é necessário.
 
É uma decisão super correta. É um aumento da nossa imunidade. Estamos em um cenário
muito incerto, embora tenha melhorado os índices. É um reforço. Ainda estamos na linha
de frente da coisa, por isso é super válido”.
Telma Cordeiro Vice-presidente do Sindicato de Enfermeiros do Estado do Ceará

22

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
11 voltar ao topo
DESTAQUES
Aluguel deve ficar 25% mais caro
O índice responsável pelo reajuste do aluguel no Brasil caiu 0,64% em setembro, segundo a
Fundação Getúlio Vargas (FGV)
O IGP-M, responsável pelo reajuste da maioria dos contratos de aluguel no Brasil, caiu
0,64% no mês de setembro. Mesmo com a desaceleração do índice, a "inflação do aluguel"
acumula alta de 24,86% no acumulado dos últimos 12 meses, de acordo com a Fundação
Getulio Vargas (FGV).
Isso quer dizer que os inquilinos que pagaram um aluguel de R$ 1.250 em agosto, terão o
valor reajustado para R$ 1.560,75 em outubro, totalizando R$ 310,75 a mais nas contas.
A variação negativa representa uma desaceleração em relação ao avanço de 0,66% do índice
em agosto. Nos nove primeiros meses do ano, o IGP-M acumula alta de 16%. Os especialistas
recomendam a renegociação do valor do reajuste junto ao proprietário da residência para
evitar o endividamento. O resultado final do indicador ocorreu com as altas do Índice de
Preços ao Consumidor (1,19%) e do Índice Nacional de Custo da Construção (0,56%). Já o
Índice de Preços ao  Produtor  Amplo  recuou 1,21% no período.
 

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
11 voltar ao topo
DESTAQUES
‘Mande seu marido se vacinar’
Prefeito de Nova York manda recado para Michelle Bolsonaro
Bill de Blasio fez pedido direcionado à primeira-dama do Brasil para que ela mande o
presidente Jair Bolsonaro se vacinar contra a Covid. O recado foi dado após de Blasio
compartilhar a notícia de que Michelle se imunizou contra a doença nos EUA

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
14 e 15 voltar ao topo
NEGÓCIOS
CHANCE PARA QUITAR DÍVIDAS
Entrevista com a diretora do Procon Eneylândia Rabelo
Mutirão de negociação de dívidas do Procon terá 100% de desconto
#DefesaDoConsumidor Ingrid Coelho ingrid.coelho@svm.com.br
Pela primeira vez, órgão de defesa prepara um site próprio para o evento virtual, que já tem
35 empresas confirmadas e deve ser realizado entre novembro e dezembro
 
Com a economia ainda cambaleante após os impactos da pandemia e a elevação do
endividamento e inadimplência, uma boa oportunidade para renegociar as dívidas é
interesse de muitos  consumidores no vermelho. Aos olhos dos credores, a iniciativa
23

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


parece atraente ao representar uma oportunidade de oxigenar o caixa.
O Procon Fortaleza já começou a se programar para a sua grande renegociação anual de
dívidas, mas desta vez com algumas novidades. Pela primeira vez, o mutirão do órgão de
defesa do consumidor terá um site próprio que permitirá a realização do evento e das
renegociações por meio da plataforma,   além   das renegociações por WhatsApp, este
último modelo utilizado no ano passado.
Além disso, os consumidores poderão contar com até 100% de abatimento nas multas e
juros da dívida. De acordo com a diretora da entidade, Eneylândia Rabelo, o mutirão do
Procon deve ser realizado entre novembro e dezembro deste ano e já conta com 35
empresas confirmadas. É algo bom para a empresa e para o consumidor, que tem a
intenção de limpar o seu nome. As duas partes saem ganhando”, pontua Eneylândia,
entrevistada desta semana no Diálogo Econômico.
Ao Diário do Nordeste, a diretora do Procon Fortaleza fala sobre os impactos da pandemia
na atuação do órgão de defesa, metas e as pretensões a curto e longo prazo para melhorar
as relações de consumo e contribuir para um desenvolvimento econômico sustentável.
 
Quais foram os principais efeitos da pandemia, na sua avaliação, sobre a relação de
consumo no Brasil e no mundo? Fortaleza se diferencia de alguma forma do restante
do país quando falamos desses impactos?
Houve mudança de hábito do consumidor no que diz respeito à forma de aquisição. As
compras virtuais foram intensificadas e o consumidor passou a explorar mais os recursos
disponíveis na internet para essas aquisições.
Cresceu de forma significativa o exercício da cidadania nas relações de consumo. Pudemos
observar s denúncias nos órgãos de defesa do consumidor sobre a elevação de preços de
produtos relacionados à prevenção e combate à pandemia. O consumidor denunciou
porque sabia do seu direito de comprar esse produto sem preços abusivos.
 
Como a pandemia catalisou e afetou a atuação do Procon no meio virtual? Nesse
sentido, quais foram as principais mudanças feitas pelo Procon?
Ainda devem ocorrer outras? Com o incremento das demandas nas relações de consumo de
forma virtual, o Procon Fortaleza buscou disponibilizar canais acessíveis aos consumidores
para reclamações e denúncias, possibilitando cooperação com os demais integrantes do
sistema de defesa do consumidor.
Ainda no cenário virtual, o Procon diversificou e reforçou canais de atendimento à
população de forma remota, desde o agendamento do consumidor para atendimento nas
unidades físicas até a realização de audiências de conciliação pela internet.
 
À frente do Procon Fortaleza, diante dos efeitos do coronavírus nas relações de
consumo, quais são hoje as principais metas da entidade para curto e longo prazo?
Entendemos que o desemprego e a alta da inflação comprometem o poder de compra das
famílias, afetando as relações de consumo de itens básicos, principalmente nos
supermercados.
As nossas principais metas estão associadas ao fortalecimento da economia por meio de
medidas de recuperação de crédito (mutirões de renegociação de dívidas) e com a aprovação
da Lei 14.081/2021, que é a Lei do Superendividamento, talvez seja possível amenizar a
situação financeira de tantas famílias, devolvendo o poder de compra aos consumidores.
Veja: um consumidor superendividado está à margem da sociedade. Precisamos ter um
olhar sensível para esta causa. Acrescentem-se ainda as ações voltadas à educação para o
consumo sustentável e devidamente equilibrado, na perspectiva do equilíbrio financeiro

24

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


familiar. Com a crise na economia agravada pelo coronavírus, o superendividamento se
tornou um grande problema. Antes da pandemia, nós trabalhávamos com os nossos
mutirões presenciais no Ginásio Paulo Sarasate, mas por causa da necessidade de
distanciamento social não será possível fazer naquele formato.
Para este ano, diante da situação persistente da pandemia, nós vamos fazer mais uma vez
de forma virtual, mas teremos um site para a realização do mutirão e as negociações com
as empresas. É a primeira vez que o mutirão do Procon terá uma plataforma virtual
própria. A ideia é que o evento aconteça entre o fim de novembro e o início de dezembro.
Imagino que a adesão será ainda maior do que no ano passado. Estamos em negociação
para ter 50 empresas participando do mutirão, entre negócios da área de telefonia, bancos e
outros. Até agora, temos 35 confirmadas. O mutirão deste ano terá descontos de até 100%
em multas e juros. É algo bom para a empresa e para o consumidor, que tem a intenção de
limpar o seu nome. As duas partes saem ganhando.
 
Na sua avaliação, quais são os principais entraves que impedem uma relação mais
saudável e clara entre consumidor e empresa?
Considerando as demandas dos consumidores no Procon Fortaleza, um dos maiores
entraves estaria relacionado à ausência de informações corretas, claras, precisas e
ostensivas prestadas aos consumidores por parte das empresas.
Por exemplo: pode parecer simples, mas é obrigação do fornecedor de produtos ou serviços
informar de maneira clara e ostensiva os componentes da venda, como preços, peso,
informações relacionadas à saúde no consumo de determinados alimentos, bem como
outras questões.
Observamos ainda que há uma linha crescente nas reclamações contra prestadoras de
serviços essenciais de energia e de água e esgoto. Isto requer avaliação e percepção desses
prestadores sobre o que está ocasionando essa crescente demanda junto aos órgãos de
defesa do consumidor para solucionar esses problemas. Resumindo, é preciso que as
empresas entreguem o que prometem ao consumidor. Do contrário, teremos relações de
consumo maculadas pela falsa publicidade ou fantasiosa promessa.
 
Em setembro, o CDC completou 31 anos. Quais foram as principais vitórias na defesa
do consumidor ao longo desse período?
Tivemos grandes conquistas: maior atuação dos órgãos de proteção e defesa do
consumidor, bem como dos integrantes do Sistema Nacional de Defesa do Consumidor;
marco legal nas compras pela internet e ainda a Lei do Superendividamento.
Eu diria que há ainda várias vitórias. O perfil do consumidor mudou e muito se deve à sua
criticidade no exercício da cidadania.
Mas ao mesmo tempo em que temos um CDC moderno e modelo para o mundo temos a
necessidade de continuar sensibilizando fornecedores para o cumprimento dessas normas.
Quando uma empresa respeita as leis que protegem as relações de consumo, todos saem
ganhando, inclusive, as empresas. Consumidor satisfeito é a certeza de novas compras e
mais lucros para qualquer segmento de mercado.
 
Como uma relação clara entre consumidores e empresas  se  relaciona  com uma
economia pujante? é fundamental para o desenvolvimento sustentável de uma
economia que haja essa educação das duas partes (consumidor e empresa)?
É indubitável a necessidade de que as partes se encontrem devidamente abastecidas de
seus direitos e obrigações nos termos da legislação, proporcionando como reflexo o
desenvolvimento sustentável da economia.

25

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Aqui mesmo, no Procon Fortaleza, temos uma parceria com a Câmara de Dirigentes Lojistas
(CDL Fortaleza), em que realizamos encontros para esclarecer ao segmento empresarial as
principais dúvidas e direitos dos consumidores. Uma empresa que respeita o direito do
consumidor evita problemas e consolida-se num mercado onde o que importa cada vez
mais é a relação do consumidor com aquela marca, com aquele serviço.
 
Sabemos que a defesa do consumidor e a educação financeira andam lado a lado.
Inclusive, a educação financeira é um tema que passou a ganhar mais espaço na
última década. Como essa difusão da educação financeira contribuiu para a defesa do
consumidor nos últimos anos?
Uma economia equilibrada está intimamente associada com o planejamento eficaz
concernente em aquisições e contratações, pautadas na capacidade financeira de honrar
compromissos assumidos. Os órgãos de defesa do consumidor têm propagado ações e
difundido informações de maneira a proporcionar uma consciência financeira pautada no
equilíbrio.
Em breve, após o período rígido de isolamento social, pretendemos retomar o projeto
“Procon Fortaleza nas Escolas”. A ideia é orientar crianças e jovens sobre as relações de
consumo, construindo um cidadão crítico e participativo quanto aos direitos e deveres.
Uma sociedade que conhece seus direitos certamente terá mais equilíbrio nas relações de
consumo.
  
Alguns produtos relacionados à prevenção da pandemia, como máscaras, álcool em gel,
luvas e outros itens tiveram acentuada procura com consequente disparada de preços”
Eneylândia Rabelo Diretora do Procon Fortaleza

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
12 voltar ao topo
PAÍS
Hang nega fraude
Luciano Hang nega participação em fraude de atestado de óbito da mãe, na CPI da Covid
#CPIdaCovid pais@svm.com.br
Empresário sugeriu que tudo pode ter sido resultado de um erro de anotação. No
depoimento, ele ainda manteve a postura negacionista, em relação à vacina
 
O empresário Luciano Hang negou participação na fraude do atestado de óbito da mãe,
Regina Hang.  Durante  depoimento na CPI da Covid, na quarta-feira, 29, Hang disse ter
achado “estranho” não haver menção à covid no atestado. O empresário declarou que, como
leigo, não sabe as informações que deveriam constar do documento.
Regina Hang foi internada em um hospital da Prevent Senior, em São Paulo, e morreu em 3
de fevereiro. O empresário disse que procurou a rede e afirmou acreditar que os senadores
foram levados a erro. “Achei estranho de não estar no óbito. Mas, sinceramente, sou leigo.
Cheio de doenças, são 5 doenças lá colocadas e não estava o pós-covid.
Mas aqui, eles me provaram que foi colocad”, afirmou.
O empresário apresentou um documento à CPI que, segundo ele, é da Comissão de Controle
e Infecção Hospitalar, da rede. Hang afirmou que no documento, que teria sido feito no dia
seguinte à morte de sua mãe e enviado a uma secretaria “federal”, há menção à covid. Por
isso, disse, não teria havido subnotificação da morte de Regina Hang por covid.
26

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


“Pode ter acontecido um erro do plantonista (que) colocou aquelas doenças”, disse. “Não vejo
o interesse do hospital de mentir sobre a morte da minha mãe”.
Médicos que denunciam irregularidades na operadora de saúde Prevent Senior afirmam que
a declaração de óbito de Regina Hang “foi fraudada”. Segundo os ex-funcionários da rede, o
documento que atesta a morte “omitiu o real motivo do falecimento”, que seria por covid-19.
A empresa nega irregularidades.
Na certidão de óbito, a causa morte é descrita como “disfunção de múltiplos órgãos, choque
distributivo refratário, insuficiência renal crônica agudizada, pneumonia bacteriana,
síndrome metabólica, acidente vascular isquêmico prévio”. Não há menção à covid.
 
Negacionismo
O empresário Luciano Hang reforçou uma postura negacionista ao depor na Comissão
Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, defendendo teses combatidas por especialistas e
autoridades sanitárias. Hang afirmou que não se vacinou contra a covid-19 porque
supostamente teria imunidade natural.
“Eu não tomei vacina porque eu tenho índice de anticorpos altíssimo”, disse o empresário
ao ser questionado pela senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA).
Médicos que denunciam irregularidades na Prevent Senior afirmam que a declaração de
óbito de Regina Hang “foi fraudada”
 

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
4 voltar ao topo
METRO
Cinco indiciados
Safadão, Thyane e mais 5 pessoas são indiciadas por peculato no caso da vacinação
irregular
#VacinaçãoIrrregular Matheus Facundo e Jéssica Costa
O inquérito terminou com oito pessoas indiciadas. Sabrina Tavares Brandão, foi indiciada
por infração sanitária
 
O cantor Wesley Safadão, a esposa dele, Thyane Dantas, e mais cinco pessoas foram
indiciadas pelo crime de peculato devido à vacinação irregular contra a Covid-19 do casal e
da assessora do artista. A imunização fora de local e data, em Fortaleza, foi alvo inquérito
policial pela Delegacia de Combate a Corrupção (Decor).
Grupo ainda foi indiciado "por infração a determinação do poder público, destinada a
impedir introdução ou propagação de doença contagiosa, cujas penas somadas podem
chegar a treze anos de prisão", de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa
Social (SSPDS).
Já a assessora de Safadão, Sabrina Tavares Brandão foi indiciada por infração de medida
sanitária. No total, o inquérito terminou com oito pessoas indiciadas. A investigação, que
durou dois meses e ouviu um total de 19 de pessoas, foi finalizada pela Polícia Civil do Ceará
(PC-CE) nesta quarta-feira (29). Inquérito já foi enviado ao Poder Judiciário para apreciação.
Procurada pelo Diário do Nordeste para comentar o caso na noite desta quarta, a assessoria
de Safadão informou que não irá se pronunciar. Segundo os delegados que conduziram as
apurações do caso, Safadão, Thyane e Sabrina combinaram previamente os trâmites para
serem vacinados. Conforme a SSPDS, articularam o momento uma pessoa próxima ao
27

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


cantor e um segundo envolvido, que, por sua vez, possuía contato com os três servidores
públicos envolvidos no caso.
Não houve envolvimento da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) , de acordo com o
inquérito. "Os três servidores agiram, de acordo com o apurado, de maneira voluntária e
deliberada, sem qualquer tipo de ciência, autorização ou conivência por parte da SMS de
Fortaleza, a qual, inclusive, prestou todo apoio à investigação", pontua nota da SSPDS.
A Polícia elucidou ainda que não há provas de pagamentos entre as partes envolvidas, mas
sim "satisfação de interesses pessoais". O crime de peculato se caracteriza, de acordo com o
Código Penal, quando um funcionário público desvia bens ou dinheiro (público ou privado)
em benefício próprio ou de terceiros.
A pena pode ser de reclusão de dois a 12 anos, além de multa. "Cabe esclarecer que se a
pessoa que não é servidor público ajuda este a cometer o crime, sabendo de sua condição
de servidor, responde pela mesma tipificação legal", explica a SSPDS.
 
Entenda o caso
No último dia 15 de setembro, Safadão foi à sede da Decor para depor sobre o caso. Ele e
Sabrina, que também é investigada e já foi ouvida, se imunizaram com a dose única da
vacina Janssen em local diferente do agendado.
Já Thyane, que tem 30 anos, também se vacinou com o imunobiológico no mesmo dia (8 de
julho) e local, mas de forma antecipada e irregular, pois a campanha de imunização ainda
não havia chegado na idade dela. Thyane prestou depoimento no dia 21 de setembro,
também na Decor, unidade da PC-CE. Ela deixou a delegacia sem falar com a imprensa. A
SMS divulgou a informação no Diário Oficial do Município nº 17.137.
"Foi constatada a ocorrência de irregularidade funcional por parte de três colaboradores,
sendo uma servidora pública, que terá um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD)
instaurado, e dois terceirizados devolvidos para a empresa contratante", confirmou a SMS
em nota ao Diário do Nordeste. Segundo a Pasta, as duas funcionárias terceirizadas foram
devolvidas para a empresa de origem e não prestam mais serviços para a Prefeitura.
 
Já a assessora do cantor Wesley Safadão, Sabrina Tavares Brandão, foi indiciada por
infração de medida sanitária

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
7 voltar ao topo
SEGURANÇA
ESQUEMA NA MIRA DA JUSTIÇA
Esquema de corrupção na Pefoce envolvendo servidores e funerárias é alvo de operação da
CGD
#Crime Emanoela Campelo de Melo emanoela.campelo@svm.com.br
Mandados de busca e apreensão foram expedidos pela 10ª Vara Criminal de Fortaleza. Um
dos fatos investigados é a comercialização ilegal de formol
 
A Controladoria  Geral  de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema
Penitenciário (CGD) deflagrou operação para apurar um esquema de corrupção envolvendo
funerárias e servidores públicos da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce). Mandados
de busca e apreensão foram expedidos pela 10ª Vara Criminal da Comarca de Fortaleza e
cumpridos na última sexta-feira (24).
28

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A reportagem apurou que servidores internos da Pefoce estariam usando da influência no
equipamento para liberar corpos a determinadas funerárias com quem mantinham
negociatas. O esquema vinha funcionando da seguinte forma: a família de uma pessoa
morta, ao chegar na sede da Perícia Forense, era direcionada por funcionários específicos a
adquirirem serviços de determinadas empresas funerárias.
Para convencer os parentes do cadáver a fechar negócio com a empresa, os servidores
chegavam a dizer que o corpo precisava ser preparado de forma específica e só aqueles
profissionais indicados saberiam como manejar o cadáver. Em troca, uma parte do valor
pago pela família do morto era repassada posteriormente a quem da Pefoce tinha indicado
a empresa.
Outro fato investigado, de acordo com apuração da reportagem, é a comercialização ilegal
de formol Há ainda informações na investigação de que um auxiliar de perícia da Pefoce,
lotado no Interior do Estado, se deslocava até a Fortaleza esporadicamente para
intermediar na liberação do formol junto às funerárias parceiras. Até o momento não se
sabe quantas empresas eram cúmplices no esquema.
Um inquérito foi instaurado pela Delegacia de Assuntos Internos (DAI) para apuração do
esquema. Por nota, a CGD confirmou ter adotado providências na seara administrativa, com
o objetivo de apurar os fatos quanto à transgressão disciplinar. A operação aconteceu com
apoio da Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS).
A reportagem entrou em contato com a SSPDS e com a Pefoce a fim de saber quantos
servidores são investigados e se algum deles foi afastado. No entanto, os órgãos se negaram
quanto a emitir pronunciamento afirmando que, a operação era da CGD e ficava a cargo da
Controladoria de Disciplina se pronunciar.
Problemas como este se repetem no Ceará ao longo dos anos. Em 1999, uma Comissão
Parlamentar  de  Inquérito (CPI) foi aberta para apurar situação similar. Funcionários do
então Instituto de Medicina Legal (IML) estariam realizando ilegalmente o embalsamento de
cadáveres e cobrando de R$ 300 a R$ 400.
 
Denúncia
Já em 2009, um deputado estadual denunciou no Plenário da Assembleia Legislativa a
atuação de quadrilhas, envolvendo até mesmo advogados, funerárias e funcionários do IML.
Segundo o parlamentar, o grupo que fazia parte do esquema se aproveitava da angústia das
famílias das vítimas para vender caixões, sepultamentos e até mesmo embalsamamentos.
Um auxiliar de perícia da Pefoce, lotado no interior do Estado, se deslocava até a Fortaleza
para intermediar a liberação do formol
 

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
6 voltar ao topo
REGIÃO
Mais vigilância
Moradores de um bairro no interior do Ceará instalam câmeras de segurança para inibir
crimes
#Monitoramento Antonio Rodrigues antonio.rodrigues@svm.com
As imagens do sistema de monitoramento estarão integradas ao Centro Integrado de
Operações e Emergências Municipais (CIOEM) do Crato
 
29

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Temendo assaltos e furtos, moradores do bairro Mirandão, em Crato, estão instalando um
sistema de videomonitoramento particular, que será integrado às forças de segurança do
Município. Inicialmente, dez câmeras com produção de imagens em alta definição, 360º e
funcionamento 24h por dia serão instaladas até o próximo dia 10 de outubro em pontos
estratégicos daquela localidade.
O projeto teve adesão de 146 moradores e foi batizado de “Mirandão Monitorado”, a
iniciativa partiu da Associação dos Moradores do Mirandão e Conjunto Conviver (Ammicc),
com intuito de diminuir a sensação de insegurança e coibir os casos de assaltos e furtos no
bairro. Segundo o presidente da Ammicc, o advogado Rhuan Maia, o sistema vem, a
princípio, como forma de prevenção, apesar de reconhecer que o bairro já foi alvo de furtos
e roubos.
“O bairro é relativamente calmo, mas tem crescido nos últimos anos”, justifica.
A partir de uma reunião virtual no último mês de abril, a associação assumiu a
responsabilidade de instalar as câmeras, indo de porta em porta, buscando os moradores
interessados. A meta é conseguir 200 famílias interessadas, o que ampliaria a iniciativa
para 15 câmeras espalhadas.
Na sua avaliação, este sistema vai auxiliar na prevenção de crimes e auxiliar em
investigações. “Basta ir na empresa ou na guarda municipal, que terão acesso às imagens”,
reforça. As imagens das câmeras também poderão ser acessadas, por meio de aplicativo,
pelos  próprios  moradores que aderiram ao projeto.
Moradora do bairro Mirandão há 32 anos, a professora Márcia Machado aderiu e
comemorou a chegada dos equipamentos. “Minha casa já foi alvo de furto, mas não
aconteceu nada conosco. Como o bairro tem crescido bastante, vem também a violência.
Por isso, estou muito satisfeita. É uma segurança a mais, já que aqui tem um grande fluxo
de carros que aumentou com a nova estrada que dá acesso à estátua [Mirante de Nossa
Senhora da Fátima]”.
Outros casos de violência também já foram registrados no bairro. Em 2017, um tiroteio no
cruzamento das avenidas Perimetral Dom Francisco e Chagas Bezerra deixou duas pessoas
mortas e outras duas feridas. As vítimas eram suspeitas de envolvimento em assaltos a
bancos.
O bairro também já foi alvo de roubos. Ano passado, dois adolescentes tentaram render um
comerciante de verduras e frutas e, através das imagens de câmeras no local, os policiais
conseguiram identificálos. Ainda em 2020, uma família foi feita de refém no bairro Barro
Branco, localidade vizinha ao Mirandão.
 
Meta é conseguir 200 famílias interessadas, o que ampliaria a iniciativa para 15 câmeras
espalhadas

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
5 voltar ao topo
REGIÃO
Vacinas perdidas
Jaguaruana pode ter perdido quase 3,4 mil vacinas contra Covid-19 por problema técnico
em freezer
#Prejuízo regiao@svm.com.br
Secretaria Estadual da Saúde aguarda parecer técnico do Ministério da Saúde sobre
30

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


utilização ou não das vacinas
 
Quase 3.400 vacinas contra a Covid-19 podem ter sido perdidas no município de
Jaguaruana, no Baixo Vale do Jaguaribe, após um problema técnico no freezer alterar a
temperatura de armazenamento dos imunizantes.
A informação consta em Boletim de Ocorrência feito pela coordenadora de imunização do
município no último 13 de setembro, mesmo dia em que a Central de Armazenamento e
Distribuição de Imunobiológicos (Ceadim) da Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) foi
comunicada do problema com as 3.391 doses.
Em nota, a Secretaria confirmou ter recebido um formulário enviado pelo município sobre
a ocorrência, também já repassada ao Ministério da Saúde (MS) no último dia 16.
Neste momento, a Ceadim da Sesa "aguarda parecer técnico quanto à utilização ou não das
doses, que estão armazenadas em temperatura adequada".
Caso os imunizantes não estejam mais em condição de serem utilizados, a Sesa se
compromete a realizar "a reposição das doses da vacina, mediante disponibilidade de saldo
no estoque Estadual".
De acordo com a Polícia Civil, o caso está sendo investigado e "mais informações só poderão
ser repassadas posteriormente", pois o processo corre em segredo de Justiça.
A Sesa afirma que, embora "as Redes de Frio estadual e municipais" sejam "tecnicamente
preparadas para a conservação              dos imunobiológicos, assegurando suas
características originais", qualquer vacina "fora da temperatura ideal" pode ser   
considerada    um “Imunobiológico Sob Suspeita”. "Vacinas são produtos sensíveis ao
calor, ao frio e à luz", frisa a Pasta.
"As alterações na temperatura podem estar relacionadas à falta de energia elétrica,
problemas relacionados ao equipamento de refrigeração e outros". Por isso, a Secretaria
Estadual da Saúde recomenda aos municípios "o preenchimento do 'Formulário de Registro
de Desvio de Qualidade', em que se faz necessário informar o nome do imunobiológico; lote
e validade; laboratório produtor; temperatura antes e após a ocorrência; tempo pelo qual os
imunobiológicos ficaram expostos a alterações de temperatura e a descrição da ocorrência".
No Boletim de Ocorrência ao qual o Diário do Nordeste teve acesso, a coordenadora de
imunização de Jaguaruana detalha que o super aquecimento do freezer teria prejudicado o
acondicionamento das 3.391 doses de imunizantes contra a Covid-19 e ainda de outras 182
doses de vacinas do HPV, contra o papiloma vírus humano.
Os imunizantes foram guardados no freezer para serem aplicados na tarde do dia 11, sábado,
durante uma ação comunitária no Sítio Volta, na zona rural de Jaguaruana.
Porém, a profissional responsável por organizar o transporte das vacinas, insumos e todo o
material a ser levado ao evento percebeu algo de errado no freezer e e comunicou à
coordenadora de imunização.
O secretário da Saúde de Jaguaruana, Reginaldo Araújo da Silva, também teria sido
informado "de imediato" sobre o problema técnico no freezer. A reportagem entrou em
contato com a Secretaria da Saúde de Jaguaruana, mas não obteve resposta até o
fechamento desta edição.
 
De acordo com a Polícia Civil, o caso está sendo investigado e "mais informações só poderão
ser repassadas posteriormente"

31

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
13 voltar ao topo
VERSO DIÁRIO
REINVENÇÃO DO SOM
DJ cearense usa luzes, ritmo, Libras e danças em performances inclusivas, com foco na
comunidade surda. Trabalho recorre a diversas referências e explora a percepção do som
por meio de todo o corpo – e não somente pelos ouvidos
DiegoBarbosa
diego.barbosa@svm.com.br
 
André Garan faz os surdos ouvir. Não, não se trata de milagre. É tudo consequência de um
processo cuidadoso e imersivo, ultrapassando o entendimento básico do que seja escutar.
Acontece assim: em uma sala totalmente escura, com iluminação especial – alimentada por
projeções e sons específicos, como numa boate – o DJ cearense faz uma performance na
qual ativa instrumentos eletrônicos de forma a mostrar, gradativamente, a música para a
comunidade surda. “Alguns, com mais de 40 anos de idade, tiveram a primeira experiência
sonora comigo”, dimensiona o também filósofo e pesquisador.
Nesse movimento, entram em cena algumas danças – advindas, por exemplo, de rituais
indígenas de celebração do divino. As coreografias ensinam os surdos a fazer a marcação do
tempo das canções. Quando batem o pé no chão, provocam uma vibração capaz de produzir
som. “Assim, mostro para eles que, mesmo sem escutar, conseguem fazer isso, criar essa
vivência”, situa Garan.
Ele criou um equipamento no qual a luminosidade do aparelho depende da batida sonora –
otimizando com que os surdos possam “ver” o som. E também utiliza luvas brancas durante
as sessões musicais, capazes de projetar uma luz negra.
Logo, no ambiente inteiramente escuro, só é possível visualizar as duas mãos do DJ. Isso
simboliza a incorporação da Língua Brasileira de Sinais (Libras) ao trabalho. Um panorama,
portanto, completo, simbólico e revolucionário.
Cada um desses procedimentos integra a dinâmica da Oficina Pulso, a primeira de caráter
sonoro para surdos no Brasil idealizada por um DJ. O projeto parte do conceito de que o ser
humano escuta por meio de todo o corpo, e não somente pelos ouvidos.
A constatação foi resultado de 10 anos de estudos e experimentações, tempo no qual André
Garan se dedicou a compreender os mecanismos que favorecem o contato mais estreito da
comunidade surda com o som. Para isso, o DJ se valeu de saberes em vários segmentos:
Música, Física, Matemática, Acústica, Biologia e, claro, Libras.
O evento-teste para demonstração da ampla pesquisa aconteceu em agosto de 2019,
durante o primeiro encontro da Pulso. Os sentimentos daquele dia perseguem Garan até
hoje. Ele se emociona ao recordar a percepção de que os surdos trocavam olhares
admirados durante a sessão.
“No momento em que soltei a primeira frequência sub-grave – uma que causa vibração no
ambiente, a depender do som – e vi os participantes se entreolharem como se dissessem,
‘tu percebeu isso?’, eu comemorei demais, fiquei todo arrepiado. Foi naquele instante em
que percebi: a pesquisa tinha dado certo”, lembra.
 
Nascer acessível
Diferentemente de outras empreitadas no ramo, a Oficina Pulso não foi adaptada para ser
acessível, mas efetivamente já nasceu assim. Com André, compõem a ação os tradutores e
32

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


intérpretes de Libras Jorge Viana e Aljanielle Amorim.
Antes da pandemia de Covid-19, o projeto realizou dois encontros: um sediado na Escola
Porto Iracema das Artes, com pessoas provenientes do Instituto Cearense de Educação dos
Surdos; e outro no Porto Dragão, compondo a programação oficial do II Seminário Cultura
do Acesso, promovido pela Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (SecultCE).
Devido à pausa compulsória, as ações precisaram ser reinventadas. Logo, passaram a
compor o roteiro de atividades lives e debates, tanto a respeito da iniciativa quanto sobre a
realidade da comunidade surda no Brasil hoje.
O profissional sublinha, inclusive, que os estudos no segmento acontecem até hoje. Garan
produz as próprias músicas, e são elas as utilizadas na Oficina Pulso.
A experiência é exclusiva para os surdos? Garan faz questão de destacar que não. Caso
participem de um dos encontros da Oficina Pulso, os ouvintes vão escutar música
eletrônica e funk, dois dos gêneros mais explorados nas reuniões. Leia na íntegra em
www. diariodnordeste.com.br

CE - DIÁRIO DO NORDESTE
30/09/2021
8e9 voltar ao topo
PONTO PODER
Como conciliar opostos
Movimentação nacional de fusão do PSL e do DEM pode ter impactos sobre a eleição de
2022 no Ceará
#Partidos Luana Barros e Letícia Lima politica@svm.com.br
Com o DEM na base governista de Camilo Santana e o PSL na oposição, possível união, caso
seja efetivada, deve gerar disputa interna no Estado
 
A fusão entre o DEM e o PSL vem sendo discutida, há algumas semanas, pelos dirigentes
nacionais dos dois partidos. Com as articulações avançadas e uma previsão de oficializar a
união ainda em outubro -, a junção das duas legendas pode gerar um impasse no Ceará.
De um lado, o DEM, presidido no Estado pelo ex-deputado Chiquinho Feitosa, faz parte do
arco de alianças do governador Camilo Santana (PT). Do outro lado, o PSL integra a oposição
ao petista e ao grupo político comandado pelo ex-ministro Ciro Gomes e pelo senador Cid
Gomes, ambos do PDT posição reforçada após aliado do deputado federal Capitão Wagner
(Pros) assumir a presidência estadual do partido.
Parlamentares estaduais e municipais das duas siglas apontam que acordo sobre se o novo
partido irá para a base governista ou para a oposição deve ser determinante inclusive, para
definir quem fica e quem sai da nova legenda a ser criada.
Por enquanto, contudo, as discussões em âmbito estadual estão em compasso de espera:
qualquer definição só irá começar a ser debatida pelas lideranças no Ceará quando o
martelo for batido nacionalmente.
A Executiva nacional do DEM aprovou, no último dia 21 de setembro, dar o pontapé inicial à
união entre as legendas. Na terça-feira (28), a deliberação sobre o assunto também chegou
ao PSL. A executiva nacional do partido aprovou, por unanimidade, a fusão. Agora, a decisão
precisa ser aprovada por convenção conjunta, prevista para o dia 6 de outubro.
 
Disputa pelo comando
Membro da executiva nacional do PSL e presidente do diretório municipal do partido em
Fortaleza, o deputado federal Heitor Freire afirma que o diálogo no Ceará deve ser iniciado
33

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


após o "sinal verde" dos dirigentes nacionais.
“O Chiquinho Feitosa é uma pessoa experiente, com quem tenho bom relacionamento. Não
podemos desconsiderar. Esse diálogo vai quer que acontecer”, avalia Freire.
Além de Feitosa e Freire, a conversa sobre o novo partido também deve envolver Capitão
Wagner. Ainda no Pros, ele assumiu extra-oficialmente o comando do PSL no Ceará. Em
agosto, Rafael Rocha, aliado de Wagner, passou a ocupar a presidência estadual da legenda.
A intenção é de que Wagner e todo o grupo político comandado por ele migrem para o PSL
em 2022 de olho na disputa eleitoral. Com a fusão, no entanto, a discussão sobre o comando
da legenda precisará ser feita.
"O PSL estabeleceu junto com DEM critérios para definir quem vai ficar com o partido em
cada estado e um deles é a força política", explica Capitão Wagner.
Na semana passada, Feitosa esteve em Brasília, onde se reuniu com o presidente nacional
do DEM e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto. A organização do partido para as eleições
esteve na pauta.
 
Ampliação da bancada
Parlamentares das duas legendas apontam a ampliação das bancadas na Câmara Municipal
de Fortaleza e na Assembleia Legislativa como um aspecto positivo de uma possível fusão
entre DEM e PSL.
No Congresso Nacional, por exemplo, se o novo partido for concretizado, ele terá a maior
bancada da Câmara, com 81 deputados, além de sete senadores e três governadores.
"A bancada vai ficar maior e, sendo uma fusão, outros parlamentares também podem
ingressar", afirma a vereadora de Fortaleza, Cláudia Gomes (DEM). Ela é a única vereadora
do DEM na Capital, enquanto o PSL também possui um representante no legislativo
municipal.
Além de dobrar a bancada, uma nova legenda também poderia atrair novos parlamentares,
já que, pelas regras eleitorais, deputados e vereadores podem trocar de partido sem perder
o mandato se a nova legenda escolhida for resultado de uma fusão.
Outro efeito da fusão destacado é o fortalecimento das legendas para as eleições do
próximo ano.
“Hoje, temos uma fragilidade muito grande com a proibição das coligações, para cumprir o
coeficiente. Com a fusão, terá o interesse de candidatos a deputados estaduais e federais. A
tendência é que haja uma migração dessas candidaturas de outros partidos”, explica João
Jaime.
Se a união das legendas for concretizada, o novo partido terá o maior tempo de rádio e
televisão na campanha de 2022 e os maiores fundos eleitoral e partidário.
 
Divergência
Vereador de Fortaleza, Marcelo Lemos (PSL) concorda com o fortalecimento da bancada
como ponto positivo, mas se preocupa com qual posicionamento o novo partido pode
assumir quanto à Prefeitura de Fortaleza sob o comando de José Sarto (PDT).
"Eu sou da base do governo e quero permanecer. Não sei como vai ficar, mas não vou deixar
a base. Se for (para a oposição), vou ser obrigado a deixar o partido", afirma.
Cláudia Gomes também levanta a possibilidade de "atrito" por conta do assunto, mas
considera que é necessário esperar a decisão nacional. "Primeiro tem que ser decidido a
questão nacional, depois é que serão decididos os problemas regionais. Não adianta discutir
antes da fusão", concorda João Jaime.
 Parlamentares dos dois partido apontam a ampliação das bancadas na Assembleia e na
Câmara de Fortaleza como um aspecto positivo

34

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


 

35

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE COR
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PETROBRAS DARÁ AUXÍLIO PARA GÁS
Sob pressão devido aos constantes aumentos no preço dos combustíveis, a estatal anunciou
que, em razão da pandemia, destinará R$ 300 milhões à criação de programa para ajudar
famílias carentes a comprar o gás de cozinha. Com a mesma finalidade, o Governo do
Distrito Federal começou, ontem, a distribuir o Cartão Gás, no valor de R$ 100.

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
CPI TEM SESSÃO TENSA E CONFUSA COM HANG
Bate-boca, ironias e disputas entre oposição e governistas no Senado marcaram o
depoimento do dono das lojas Havan. O empresário aproveitou os holofotes da comissão da
covid-19 para defender o tratamento precoce.

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
ELES SOCAM, ELA PASSA
Em entrevista no CB.Poder, a deputada Tabata Amaral (PSB-SP) fala dos ataques que sofre
por rejeitar tanto Bolsonaro quanto Lula. "Se eu a encontro na rua, soco até ser preso", dizia
texto retuitado por José de Abreu. "O machismo é estrutural e suprapartidário", lamenta
Tabata.

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA
MANCHETES

36

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


37

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
12 voltar ao topo
ARTIGOS
BARTOLOMEU RODRIGUES - Brasília à frente na Cultura
Teste rápido: qual o Estado que mais investiu em cultura neste 2021 de tantas cicatrizes e
marcas deixadas por uma pandemia? Quem responder São Paulo, errou; Rio, também não é.
Modéstia à parte, essa distinção cabe ao Distrito Federal, quem diria, menor unidade
territorial, mas com população nada desprezível de quase quatro milhões de habitantes.
Os paulistas questionaram, objetaram, protestaram, mas é isso mesmo. Esta semana, ao
sancionar lei de complementação orçamentária, o governador Ibaneis Rocha destinou ao
Fundo de Apoio à Cultura (FAC), administrado pela Secretaria de Cultura e Economia
Criativa, um aporte de R$ 91,6 milhões que, somados aos R$ 53 milhões disponibilizados no
primeiro semestre, totalizam R$ 144 milhões e uns quebrados.
Está aí uma boa disputa. Em tempos de vacas magérrimas, quando se olha o deserto em
que se transformou o cenário federal, chega a ser um estímulo ao nosso espírito bairrista.
Aqui vai outra provocação: o Rio, meca do cinema nacional, fez barulho para anunciar uma
linha de financiamento de projetos audiovisuais que, cá entre nós, está longe de alcançar o
que destinamos à realização de 16 longas-metragens, curtas e séries.
E não é que resolvemos recuperar o Polo de Cinema, que andava esquecido? Sem falar que o
Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, garantido para dezembro, no momento que
escrevo este texto, recebeu mais de 400 inscrições!
Mais de mil projetos, pequenos, médios e grandes serão contemplados no momento em que
finalmente o mundo adoentado se dobra e reconhece o valor da cultura para o
desenvolvimento humano. Desta vez, ao descentralizar a aplicação dos recursos, os agentes
culturais da periferia tiveram a oportunidade de submeter seus projetos e mostrar a força
das múltiplas linguagens que fazem do Distrito Federal um caso único no Brasil.
Do circo ao teatro, da literatura à gastronomia, da dança aos batuques, dos festivais aos
grandes eventos, nada ficou para depois. E se a inclusão é hoje requisito legal para a
realização de políticas públicas, para nós, trata-se de respeitar e valorizar a arte que se
manifesta nos segmentos de gênero, cor e mesmo das pessoas com deficiência. Em recente
evento público ao qual compareci, fui abordado por um autista que, vencendo a timidez,
com muito esforço me dirigiu as seguintes palavras: "Oi, tudo bem? Eu estou participando
do FAC. Eu faço fotografia."
Como não se emocionar com isso? Em julho, ministros da Cultura do chamado G20,
formado por países das maiores economias do mundo, proclamaram, em reunião realizada
na Itália, que a cultura possui um papel central na "resiliência e recuperação das nossas
economias e sociedades". Mas o que me chamou a atenção na Carta de Roma foi a conclusão
de que a cultura é essencial para a saúde mental da humanidade.
Não sei o que diriam os ministros se vissem o que fizemos nestes mil dias de GDF para
manter a cultura viva. Tivemos, é verdade, uma ajuda do Congresso Nacional no ano
passado com a Lei Aldir Blanc, algo em torno de R$ 36,9 milhões. A execução desses
recursos se deu de forma exemplar, deve-se destacar. O que sobrou e nos foi
disponibilizado, na ordem de R$ 3,5 milhões, disponível à comunidade cultural por
intermédio de um edital de premiação, cuja inscrição começou.
Não ficamos um só mês parados, desde que a tragédia pandêmica se abateu sobre nós.
Entregamos o Museu de Arte de Brasília, o MAB, recuperamos a administração do
38

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


complexo cultural Funarte, que no momento oportuno será rebatizado, bem como
abarcamos o antigo Cine Itapuã, no Gama; revitalizamos e reequipamos os museus de
madeira, como Catetinho e o Memória Viva; dinamizamos o Memorial dos Povos Indígenas,
ampliando o seu acervo; a Concha Acústica, que voltou a ser palco de apresentações
memoráveis; o Espaço Oscar Niemeyer, a Rádio Cultura etc. E está com tudo pronto para o
retorno às atividades o Espaço Cultural Renato Russo, sem deixar de mencionar os centros
culturais de Planaltina e Samambaia... A lista é imensa. Nela está, claro, o Teatro Nacional,
mas esta é outra história, não custa esperar um pouquinho.
Senhoras e senhores, em 2022 Brasília será Capital Ibero-Americana da Cultura, título
concedido pela União das Cidades Capitais Ibero-Americanas (UCCI), porém, a partir da
publicação do edital FAC Multicultural 2, na quarta (29/9), passou a ser também, de fato e de
direito, Capital Nacional da Cultura. (...)
 
BARTOLOMEU RODRIGUES
Secretário de Cultura e Economia Criativa
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p12

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
11 voltar ao topo
ARTIGOS
FERNANDO BRITO - Cuidem das crianças
fernandobrito.df@dabr.com.br

Teach your children, a singela segunda faixa do clássico álbum Déjà vu, do fantástico
quarteto Crosby, Stills, Nash & Young, sempre me comoveu de forma especial. Ainda jovem,
embalado por sonhos hippies atemporais, escutei aquela canção que me pareceu um
definitivo tratado sobre a educação das crianças — mesmo que ainda não compreendesse
ao certo o sentido total dos versos, mas profundamente tocado pela beleza da melodia e
harmonia das vozes e cordas. Pensava: "Se algum dia tiver filhos, espero que possa ser
assim".
O tempo transcorre, sonhos amadurecem, passamos lentamente pelo inferno e nos
despedimos do passado. A tarefa de zelar pelas crianças, no entanto, impõe-se com
urgência. É estranho viver em um mundo à beira do abismo, mas perceber que sucessivas
gerações repetem os equívocos dos pais — apenas para lembrar o que também cantou
Belchior. O que fazer, então, para semear um futuro de mais paz e prosperidade?
Além de apresentar aos filhos os melhores discos de rock (e também outros gêneros, claro),
talvez possamos deixar de tantas "promessas vazias e blablabla", como duramente criticou
a jovem ativista Greta Thunberg, nesta semana, em discurso na ONU, e partir para ações
práticas que evitem o colapso climático e ambiental — há tanto tempo alertado pela
ciência. É aquela velha história, mas vale a pena repetir: "Pensar global e agir localmente".
Em um espectro mais abrangente, devemos sempre cobrar das autoridades políticas
investimentos em iniciativas de proteção e restauração ambiental, além da sempre
prioritária educação das crianças. Afinal, espera-se que pessoas bem instruídas não repitam
os erros daqueles que degradam a vida no planeta. Em âmbito doméstico, sempre educar
pelo exemplo e nos aliarmos a ações voluntárias que se dediquem às questões ecológicas.
39

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Quantas árvores você já plantou em companhia dos seus filhos?
Peço desculpas e licença para uma aparente promoção pessoal, mas sinto grande orgulho e
alegria de há mais de 20 anos, em parceria com algumas pessoas amigas, de oferecer uma
modesta contribuição à preservação do Cerrado. Em uma pequena propriedade rural no
Entorno do DF, plantamos cerca de mil árvores e há espaço para dobrar a meta nos
próximos anos. Trabalhadores humildes, com diversas contas para pagar e ainda presos à
urbanidade, avançamos como podemos rumo à transição sustentável. (...)

Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p11

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
12 voltar ao topo
ARTIGOS
LUIS CARLOS ALCOFORADO - Prevaricação e
improbidade
Os ministros do Supremo Tribunal Federal são nomeados pelo presidente da República,
depois de aprovada a escolha pela maioria absoluta do Senado Federal. Cabe à Comissão de
Constituição e Justiça do Senado Federal — composta por 27 senadores — o tradicional
processo de sabatina do indicado ao posto, bem como análise dos seus predicativos técnicos
e morais: notável saber jurídico e reputação ilibada.
Aprovada no âmbito da Comissão de Constituição de Justiça, a escolha é, finalmente,
submetida ao plenário do Senado Federal, ao qual compete a aprovação do nome proposto
pelo chefe do Poder Executivo, em regime de votação que exige a maioria absoluta dos
senadores.
Verifica-se que a escolha de ministro do Supremo Tribunal Federal constitui ato complexo,
por depender do concurso da vontade de mais de um órgão do Estado. Assinale-se que ato
complexo não se confunde com morosidade e infidelidade aos princípios constitucionais a
que se sujeitam os agentes públicos envolvidos na escolha do novo ministro do Supremo
Tribunal Federal.
No caso concreto, registra-se comportamento inusitado do presidente da Comissão de
Constituição e Justiça, ao retardar e procrastinar a instauração do procedimento de
sabatina de André Mendonça, homem reconhecido pela comunidade jurídica pelos
predicativos morais e profissionais, em relação ao qual se impõe tratamento deselegante e
desrespeitoso.
A rigor, a conduta do senador Davi Alcolumbre, típica de vontades ocultas e oclusas, sem
transparência e lealdade aos princípios constitucionais, tem todos os elementos que
tipificam a prevaricação, como ilícito penal e administrativo. Certamente, o represamento
injustificado do processo apequena, mais ainda, os critérios republicanos, tão escassos na
vida político-administrativa nacional, sem olvidar o prejuízo ao interesse público da
jurisdição do Supremo Tribunal Federal, carente na sua composição plena.
Malgrado o cochilo legislativo, à falta de fixação do tempo em que o ato deva ser produzido,
carece de legitimidade o arrastamento da solução, ao alvitre de quem se sente
desconfortável em cumprir uma obrigação legal, que não pode sofrer tratamento arbitrário,
em claro desvio de finalidade e abuso de poder.
No jogo de cena político, há, também, limites para a atuação dentro da competência
conferida pela lei, a qual escancara a compreensão segundo a qual o agente público,
excessiva e injustificadamente moroso, busca amealhar vantagens ou benefícios
40

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


impróprios, principalmente porque contrários ao interesse público, prejudicado pela mora,
criada por artificialismo tático.
Há flagrante tirania na omissão do Senado da República, notadamente da Comissão de
Constituição e Justiça, que distorce as prerrogativas para transformar o uso desvirtuado do
poder político em poder absoluto, que se confunde com arbitrário, flagrantemente
adversário do interesse público e contrário à lei, bem como aos princípios cardeais da
Constituição da República.
A ninguém é facultado, mesmo sob o poder vinculado ou discricionário, deixar de praticar
ato de ofício, inclusive de natureza de expediente, sem qualquer conteúdo de mérito, haja
vista que apenas se destina a preparar a deliberação pela Comissão de Constituição e
Justiça e, em seguida, pelo plenário do Senado da República.
À falta de motivo juridicamente relevante, a omissão deliberada em retardar a sabatina
denota censurável conduta ético-moral, bem como, por força do descumprimento do dever
de ofício, o injusto penal de prevaricação, com repercussão, ainda, na esfera da improbidade
administrativa. Por último, cabe dizer que a ruptura com o princípio da impessoalidade
reforça a tese de que sobeja tolerância com aqueles que fazem do exercício do mandato a
fonte para amealhar vantagens ou benefícios pessoais inconfessos.
No Brasil, os fracos se transformam em fortes intolerantes com o regime democrático-
constitucional, quando, por influência do destino, ocupam cargos, sem compromisso com os
princípios e preceitos legais. Para evitar que situações vexatórias se repitam, valeria o
esforço do Legislativo para estabelecer prazos que obrigassem o agente público a praticar
os atos de ofício. (...)
 
LUIS CARLOS ALCOFORADO
Advogado
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p12

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
8 voltar ao topo
BRASIL
Atraso na 2ª dose
Mais de um em cada 10 brasileiros está com a segunda dose da vacina contra a covid-19 em
atraso. Os dados foram apresentados pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) que acompanha
a efetividade das vacinas utilizadas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI). Segundo a
fundação, a taxa de atraso da segunda dose para quem se imunizou com a vacina da
AstraZeneca é de 15%, da Coronavac é de 32%, e da Pfizer, 1%. A Fiocruz ressalta que a
vacinação com Pfizer é mais recente e, por isso, existem ainda poucos casos possíveis de
atraso de segunda dose.
 

41

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
8 voltar ao topo
BRASIL
EM DEFESA DO DIREITO DOS ANIMAIS
GABRIELA CHABALGOITY*

O Brasil precisa evoluir na legislação de proteção aos animais e, para isso, pode se espelhar
no exemplo de países que já se dedicam há mais tempo a esse assunto. O ponto de partida é
entender que o animal não é uma coisa, mas que tem direitos que precisam ser respeitados.
O tema foi tratado ontem pelo deputado Célio Studart (PV-CE), em entrevista ao CB. Poder,
uma parceria entre o Correio Braziliense e a TV Brasília.
"É necessário observar os países com direitos mais antigos que os nossos. Há mais de 10
códigos civis de nações da Europa em que o animal não é uma coisa. Eles não querem legar
aos animais todos os direitos dos humanos, porque se pode questionar em situações como
a de herança, por exemplo, como um cachorro lidaria com dinheiro. Mas, a partir da
compreensão de que não se pode tratar o animal como coisa, a sociedade evolui e é possível
minimizar a comercialização, o lucro ostensivo em cima de vidas animais", disse o deputado.
O direito dos animais é recente, e vem se separando do direito ambiental amplo, porque os
animais são seres sencientes, explicou o parlamentar. "Eles devem ter direitos especiais.
Isso envolve a lei, as instituições, a polícia, o Ministério Público, o Poder Judiciário e a
percepção de que a sociedade tem acerca desse direito. É uma evolução de como a
sociedade como um todo interpreta isso", observou.
Para o deputado, as questões ambientais e de direito afetam não apenas os animais
domésticos, os pets. "Quando nós tivemos alto índice de queimadas na Amazônia, por
exemplo, houve um grande problema com o remanejamento dos animais que estavam
naquele habitat", disse. E acrescentou: "Todos os animais comercializados, por mais que
estejam cumprindo "obrigações comerciais", devem ter direitos também. A forma como essa
comercialização é feita pelo homem não pode ser indiscriminada", afirmou.
Na opinião de César, a pandemia trouxe uma realidade difícil para muitas pessoas, que
passaram a viver em situações de solidão, tendo, às vezes, apenas o animal de estimação
como companhia. "O animal acaba preenchendo um papel fraterno, ou criando uma relação
semelhante à de pai e filho. A pandemia mostrou de forma mais intensa que o animal está
sempre presente, é leal, é fiel, e transmite, comprovadamente, amor, pelo que as pessoas
relatam."

Videochamadas
O deputado é autor do projeto de Lei nº 2.136/2020, sancionado em 2021, que regulamenta as
visitas virtuais (feitas por videochamada) de familiares a pacientes internados em unidades
de terapia intensiva (UTIs) , enfermarias e apartamentos hospitalares. O parlamentar
explicou que o projeto se baseou na história de uma jornalista que perdeu a mãe para a
covid-19 e só pôde dar adeus a ela pelo telefone.
"O projeto refletiu o que muitas famílias estavam passando. Foi utilizada a tecnologia na
saúde. Muitas pessoas da área da enfermagem vieram nos colocar essa necessidade
também. Como não era lei, não era obrigatório. Isso é bom para a recuperação e para os
casos que não têm recuperação. É uma forma de dizer adeus. É lei para casos de covid ou
não", disse.
COP-26
42

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Célio Studart comentou, ainda, a participação do Brasil na COP 26, conferência da
Organização das Nações Unidas (ONU) sobre o clima que vai acontecer em novembro, em
Glasgow, na Escócia. O deputado afirmou que é importante torcer para que "a gente não
passe vergonha". "Não se pode esperar do atual governo e dos atuais representantes do
governo palavras e frases de preocupação real com o meio ambiente", disse.
"Mesmo tendo a maior floresta do mundo, mesmo tendo rios, um ecossistema enorme
dentro das cidades, o Brasil é um país que não ia ter ministro do meio ambiente. O Brasil
perdeu o Fundo Amazônia, o presidente disse que não precisava desse fundo. O ministro do
Meio Ambiente, Ricardo Salles, saiu porque foi investigado por ajudar na venda de madeira
ilegal", declarou.
Sobre a legislação ambiental atual, o deputado afirma que não é satisfatória. "Os pontos de
desmobilização de entidades como o Ibama e ICMBio são questões que temos que corrigir,
não afrouxar", concluiu.

*Estagiários sob a supervisão de Odail Figueiredo

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
8 voltar ao topo
BRASIL
Saúde pulmonar em discussão
CORREIO TALKS » Impacto social e tratamento de doenças que afetam o sistema
respiratório serão debatidos hoje por especialistas em evento virtual promovido pelo
Correio. Enfermidades desse tipo estão entre as principais causas de mortes em nível global
João Vitor Tavarez *

Doenças respiratórias estão entre as principais causas de morte em todo o mundo. A


Organização Mundial da Saúde (OMS) define como doenças respiratórias aquelas que
atingem de maneira crônica as vias aéreas superiores e inferiores. Tais distúrbios estão
relacionados a fatores genéticos e hereditários, como a fibrose cística e a hipertensão
arterial pulmonar, por exemplo, ao passo que outras são preveníveis.
Para promover amplo debate sobre o tema, o Correio Braziliense realiza hoje, das 11h30 às
13h, o seminário virtual Correio Talks — Impacto Social das Doenças Pulmonares Graves. O
evento será transmitido pelas redes sociais do jornal (site, Facebook, Instagram e You Tube)
e vai reunir especialistas e autoridades para analisar as tendências, cenários, políticas
públicas de saúde, além de debater a criação da Frente Parlamentar de Doenças Pulmonares
Graves.
Nos últimos anos, a incidência de doenças como fibrose cística, asma grave e hipertensão
pulmonar tem aumentado, sendo os principais afetados crianças e idosos. A European Lung
Foundation (ELF) aponta que as doenças pulmonares são uma das maiores preocupações de
saúde a nível mundial, causando cerca de um sexto do total de mortes no mundo.
Segundo a Associação Brasileira de Apoio à Família com Hipertensão Pulmonar e Doenças
Correlatas (Abraf) estima-se que há, no Brasil, 30 mil pacientes com fibrose pulmonar
idiopática, 40 mil com hipertensão pulmonar, 4 milhões com asma grave e 8 milhões com
doença pulmonar obstrutiva crônica. A associação aponta que as internações por doenças
cardiorrespiratórias custam mais de R$ 500 milhões por ano ao Sistema Único de Saúde
(SUS), conforme dados obtidos pelo Datasus.
"São doenças que já têm um impacto social grande. Queremos chamar atenção para
43

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


enfermidades menos conhecidas, para colocar tudo no mesmo pacote das doenças
pulmonares graves, de modo que se garanta atenção adequada aos pacientes. Sobretudo
agora, onde os serviços de pneumologia e de reabilitação respiratória devem estar bastante
impactados em função da pandemia", disse ao Correio Cristiano Silveira, Diretor de Políticas
Públicas e Advocacy do Instituto Unidos pela Vida, um dos participantes do evento.

Fibrose cística
Segundo a Associação Brasileira de Assistência a Mucoviscidose (Abram), cerca de 70 mil
pessoas no mundo possuem fibrose cística, uma doença crônica, de origem genética, que
afeta em especial os pulmões, e, nos casos mais graves, também o pâncreas e o sistema
digestivo.
"A fibrose cística é uma doença rara e não tem cura. Assim, buscamos utilizar tratamentos
contínuos e acompanhamento médico. Os diagnósticos geralmente são feitos na infância, e
permanecem com o indivíduo pelo resto da vida. Contudo, temos pacientes que
descobriram com mais de 50 anos. O mais comum é fazer o rastreio ainda na juventude, até
por volta dos 14 anos", disse o pneumologista e presidente da fundação ProAr, Rafael
Stelmach.
A enfermidade é caracterizada pelo aumento da viscosidade do muco, que pode gerar
bactérias e o desenvolvimento da infecção crônica. Segundo a Fundação ProAr, quando o
pulmão está comprometido, ocorre lesão pulmonar e, dependendo do grau, pode levar à
morte por disfunção respiratória. "No pâncreas, quando os ductos estão obstruídos pela
secreção espessa, há uma perda de enzimas digestivas, levando à má nutrição. No passado
chamada de mucoviscidose, a doença acomete 3 a 4 mil pessoas no país, aproximadamente",
diz texto elaborado pela fundação.

Frente Parlamentar
Com o objetivo de ampliar a articulação e o debate em prol da elaboração de políticas
públicas para tratamento dos distúrbios no SUS, estão sendo coletadas assinaturas, na
Câmara dos Deputados, para a criação da Frente Parlamentar de Prevenção às Doenças
Pulmonares Graves. De acordo com Abraf, a iniciativa precisa da assinatura de 198
deputados para ser criada na casa legislativa.
"Com a frente de Doenças Pulmonares Graves, casos como a falta de medicamentos para
pacientes de hipertensão pulmonar terão mais visibilidade e, possivelmente, uma resposta
mais imediata das autoridades", diz a Abraf.

Programação
  MEDIAÇÃO
 Vicente Nunes – Editor Executivo do Correio Braziliense
 
11h30
Abertura e apresentação dos painelistas
 
11h35
Pedro Westphalen – Deputado Federal (PP-RS)
 
11h45
Cristiano Silveira, Diretor de Políticas Públicas e Advocacy do Instituto Unidos pela Vida
 
11h55

44

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Dr. Rafael Stelmach – Professor na Faculdade de Medicina da USP e Presidente da Fundação
ProAR
 
12h05
Luiz Antônio Teixeira Jr. – Deputado Federal (PP-RJ)
 
12h15
Momento de debate e perguntas
 
13h
Encerramento
 
  DATA
30/09/2021
 
Local: No site e redes sociais do Correio: Youtube, Twitter e Facebook
 
Formato: Painéis de debate com especialistas convidados
 
Frase
“São doenças que têm um impacto social grande. Queremos chamar atenção para
enfermidades menos conhecidas, de modo que se garanta atenção adequada aos
pacientes” 
Cristiano Silveira, diretor de Políticas Públicas do Instituto Unidos pela Vida 

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
7 voltar ao topo
BRASIL
ONU: ações integradas para o Brasil pós-covid
Em relatório, Organização das Nações Unidas recomenda 55 medidas para o país se
recuperar da pandemia. É preciso fortalecer o sistema de saúde, criar oportunidades
econômicas e combater a desigualdade social, que se aprofundou
GABRIELA BERNARDES*

Se o Brasil já enfrentava enormes desafios sociais antes da chegada da pandemia, os


impactos causados pela covid-19 tornaram a tarefa ainda mais complexa. Um relatório
divulgado ontem pela Organização das Nações Unidas conclui que somente uma ação
múltipla, com atenção especial voltada para o sistema público de saúde, para o crescimento
econômico e para a redução de desigualdades, será capaz de retirar o país do momento
difícil em que se encontra.
Com análises sobre distribuição de renda, combate à fome, sustentabilidade e preservação
do meio ambiente, igualdade de gênero e saúde, a ONU sugere 55 ações para recuperação do
Brasil diante dos prejuízos gerados pela pandemia. O estudo faz parte do relatório Covid-19
e Desenvolvimento Sustentável: avaliando a crise de olho na recuperação.
O relatório propõe medidas como priorizar a reabertura de escolas com segurança, garantir
renda básica universal, conectar todas as crianças e adolescentes à internet até 2030,
45

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


oferecer linhas de crédito verde atrativas e investir em cidades inteligentes. Algumas
dessas metas já fazem parte dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, instituídos pela
ONU e dos quais o Brasil é signatário.
O levantamento da ONU analisa 94 indicadores de vulnerabilidade e de capacidade de
resposta à pandemia, a partir dos quais estabelece as diretrizes da retomada. O documento
estabelece as condições para o Brasil superar os impactos da pandemia de maneira
consistente e homogênea. "Uma recuperação eficaz dependerá de esforços conjuntos para
fortalecer os sistemas de saúde, reforçar a proteção social, criar oportunidades econômicas,
ampliar a colaboração multilateral e promover a coesão social", afirma o texto.
O estudo é resultado do trabalho de especialistas do Programa das Nações Unidas para o
Desenvolvimento (Pnud); da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a
Cultura (Unesco); do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef); e da Organização
Pan-americana da Saúde (Opas). Os analistas discutem parâmetros de implementação e
acompanhamento de políticas de melhorias para o Brasil. De acordo com os pesquisadores,
o processo de recuperação representaria uma "oportunidade histórica para se reimaginar
as sociedades" e "alcançar um futuro melhor para todas e todos".
Os especialistas consideram a pandemia "a pior crise sistêmica já vivida no planeta" desde a
criação da ONU. Na avaliação deles, os impactos foram "desproporcionais", "aprofundaram
desigualdades" e dificultaram o "alcance do desenvolvimento humano e sustentável
estabelecido pela Agenda 2030 das Nações Unidas" no Brasil e no mundo. "Embora todos os
países sejam afetados, sociedades mais desiguais são as que mais sofrem com as
consequências", observa o relatório preparado em conjunto pelas agências da ONU.
Participaram da cerimônia de divulgação do relatório representantes da Fiocruz (Fundação
Oswaldo Cruz); do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE); da PUC-Rio; do
Instituto Unibanco; e do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação
Comunitária (Cenpec). Houve ainda a presença de agentes da ONU envolvidos na produção
do relatório: Katyna Argueta, representante residente do Pnud no Brasil; Marlova Noleto,
diretora e representante da Unesco no Brasil; Florence Bauer, representante da Unicef no
Brasil; e Socorro Gross, representante da Opas/OMS no Brasil.
"Embora o Brasil tenha registrado importantes progressos no desenvolvimento humano
nas últimas décadas, a pandemia se sobrepôs às tensões não resolvidas entre os que têm
acesso à oportunidade e aos que não têm. Tornando mais evidente as diferentes formas de
acesso dos brasileiros a importantes recursos como serviços de saúde, educação, proteção
social, emprego digno e renda, assim como redes de tecnologia", disse Argueta.

Educação
O levantamento reserva uma parte específica à educação. Segundo o estudo, ao menos 147
países fecharam escolas por causa da pandemia, o que representaria mais de 1,4 bilhão de
alunos afetados, ou cerca de 86% da população estudantil mundial — 5,5 milhões de
crianças e adolescentes só no Brasil. "Se no início da pandemia não foram considerados
como grupos de risco direto, são elas, de fato, as vítimas ocultas da covid-19", comenta o
relatório.
A suspensão das atividades escolares não representa apenas impasses no aprendizado. Em
muitos casos, ficar afastado das instituições de ensino também prejudica a segurança
alimentar e o acesso à infraestrutura de saúde, água, saneamento e higiene. "Os impactos
para crianças e adolescentes podem perdurar por toda a vida", ressalta o estudo. "Sem
deixar de lado as medidas essenciais para conter a propagação do novo coronavírus, é
preciso ter clareza sobre os impactos do fechamento de escolas por um longo período na
aprendizagem, na nutrição — uma vez que muitos deles dependem da merenda escolar — e

46

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


na segurança de crianças e adolescentes, em especial os mais vulneráveis", prossegue o
documento.
O uso da tecnologia como alternativa para compensar a ausência do ensino presencial
também tem problemas e desafios. O acesso desigual à internet pode provocar aumento de
taxas de abandono escolar, trabalho infantil e gravidez na adolescência, de acordo com o
relatório. "No Brasil, 28% das famílias não têm acesso à internet, percentual que aumenta
conforme a renda diminui e chega a 48% em áreas rurais", registra o relatório.

*Estagiária sob a supervisão de Carlos Alexandre de Souza

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
5 voltar ao topo
COLUNAS
DENISE ROTHENBURG - Brasília DF
Curto-circuito no PL e um “não” a Valdemar
O partido de Valdemar da Costa Neto está em pé de guerra. O líder da bancada, Wellington
Roberto (PB), não gostou de ser surpreendido com o vídeo em que Valdemar defendeu a
demissão de Romildo Rolim da diretoria do Banco do Nordeste — chegou, inclusive, a
colocar o cargo à disposição da bancada. Para completar, o indicado de Valdemar para o
cargo, o engenheiro Ricardo Pinheiro, não vai emplacar porque lhe falta experiência no
setor financeiro.
O entrevero é suficiente para dar aos partidos que buscam uma via alternativa à
polarização PT versus Bolsonaro rumo ao 2002 — e até ao próprio Lula — um terreno fértil
para buscar aliados para as eleições do próximo ano. Aliás, embora seja muito cedo para
fazer qualquer aposta em relação a 2022, tem muito deputado apostando hoje, a um ano da
eleição, que Bolsonaro não chegará ao segundo turno.
 
Se não votar, arque com o ônus
Caso o Senado não aprove a mudança no Imposto de Renda, o governo colocará os
senadores como os culpados pela falta de recursos para incrementar os programas sociais.
A estratégia foi usada por vários governos no passado. E deu certo.
 
No Congresso, funcionou
No início da semana, os congressistas ameaçaram nem colocar para votar o projeto que
vinculava os recursos do IR ao novo Bolsa Família. Porém, ao perceberem que poderiam ser
acusados nas redes sociais de “atrapalhar o Brasil”, aprovaram a proposta. Agora, não vai
ser diferente.
 
Ainda tem bambu e flecha
A avaliação de muitos parlamentares é a de que o presidente Jair Bolsonaro ainda é quem
melhor navega no mundo das redes sociais. E por mais que os adversários tenham
ingressado nesse terreno, ainda não conseguiram superar Bolsonaro e seus apoiadores
nesse campo.
 
Por falar em flechas...
Presidente do PTB paulista, o empresário Otávio Fakhoury soube apenas na terça-feira que
iria depor hoje na CPI da Covid. A amigos, ele atribuiu a convocação ao fato de ter se
47

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


tornado o interlocutor de Bolsonaro para uma possível filiação ao PTB. Tal como o
empresário Luciano Hang, a expectativa é a de que terá pouco a acrescentar nessa reta
final dos trabalhos.
 
Curtidas
Lula na área/ O ex-presidente Lula ampliou as conversas com o Centrão. A ordem agora é
tirar boa parte desses partidos de uma posição mais alinhada com a do governo do
presidente Jair Bolsonaro.
Sob encomenda/ O nome União Brasil, da nova sigla que surgirá da fusão entre DEM e PSL,
vem sob encomenda para tirar votos de Bolsonaro. É que o DEM, em 2019, considerava que
para chegar ao segundo turno, era preciso tirar votos de Lula. (...)
E a cervejinha, hein?/ A decisão da Ambev de aumentar o preço da cerveja e justamente
às vésperas do verão pegou a área política do governo de surpresa. Assim como no caso da
gasolina, há o receio de que o mau humor do brasileiro no último trimestre afete ainda
mais a combalida popularidade presidencial.
Nem tanto/ A esperança do governo, entretanto, é de que como ainda falta um ano para a
eleição, até lá a situação dê uma melhorada.
Por falar em um ano para a eleição.../ A manifestação deste sábado fechou a pauta “Fora
Bolsonaro, impeachment já”. O PT quer tirar dos seus ombros a imagem de que aposta na
polarização. Em relação ao impeachment, porém, a chance de o processo andar hoje é zero.
Aliás, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), tem dito a amigos que fará “cara de
paisagem” para a manifestação.
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p5

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
12 voltar ao topo
COLUNAS
VISTO, LIDO E OUVIDO
Criada por Ari Cunha desde 1960
jornalistacircecunha@gmail.com
com Circe Cunha  e Mamf

Tempos luleiros   
Enquanto a população brasileira permanece distraída com as revelações que vão sendo
levantadas pela CPI da Covid e que indicam, até aqui, o cometimento, de uma série dos mais
variados e graves crimes, tanto por empresários quanto por políticos e pelo governo
durante a pandemia, o país vai sendo virado ao avesso pelo Legislativo, na sua tentativa de
desfigurar a lei de improbidade administrativa, um dos maiores avanços já conquistados
pelos cidadãos no controle dos gastos públicos.
Caso vingue a proposta defendida pela maioria da classe política das duas Casas do
Congresso e que conta com o apoio também da maioria dos prefeitos e governadores, a Lei
da Improbidade Administrativa (LIA) sofrerá um processo de abrandamento chamado
ardilosamente de “flexibilização”.
Com isso, um dos mais modernos mecanismos para coibir que maus gestores permaneçam
cometendo barbaridades e crimes com o orçamento público — um dos marcos da cidadania
contidos na Constituição — perderá sua eficácia, em nome de uma vaga segurança jurídica
48

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


reclamada pelos políticos. Sem as penalidades e sem os limites impostos pela Lei de
Improbidade, voltamos ao tempo dos gastos públicos sem controle e, portanto, um dos
facilitadores da corrupção.
A supressão da modalidade culposa de improbidade administrativa, permitirá o retorno e a
atuação desastrosa dos maus gestores ao período pré-constitucional, quando a farra com o
dinheiro público era a regra e a punição aos corruptos pelos desvios e o mau emprego
desses recursos, era uma raríssima exceção. A cada cochilo da população ou sua alienação,
devido a assuntos paralelos, corresponde uma armação dos políticos para aliviar
responsabilidades e arrefecer quaisquer possibilidades de futuras penalidades.
O Ministério Público, que também anda cochilando nos momentos em que a população
mais precisa, acordou com essa manobra e já mandou avisar que acompanhará de perto a
desfiguração dessa importante Lei. Políticos com cargos de prefeito e governadores,
vinham, há tempo, insistindo na modificação da lei, de forma a torná-la inócua ou ao menos
inofensiva para os maus gestores. Pelo texto modificado agora, as ações negligentes,
imperitas ou imprudentes, mesmo que causem danos ao erário do Estado, não poderão
mais ser enquadradas como improbidade e crime, devendo no futuro serem classificadas
como modalidade culposa ou sem intenção de cometimento de crime.
É o caso aqui daquele político peralta arguir que cometeu o desvio ou a má aplicação dos
recursos dos contribuintes por mero descuido ou desatenção, sendo perdoado por esse ato
de mal pensado. Até mesmo o prazo estabelecido pela Lei, foi modificado, dando menos
tempo ao Ministério Público para instaurar, apurar e concluir as investigações dos
possíveis delitos, caso contrário, o crime estará prescrito.
Como se não bastassem tantos benefícios àqueles que, por antecipação, já preveem uma
grande quantidade de gestões ruinosas em estados e municípios, existem aqueles políticos
que advogam até que a lei possa conter dispositivos que garantam, sua imediata aplicação
em favor dos réus do presente e do futuro, num movimento de retroação marota e que é a
cara e o caráter dos nossos representantes, feitos à nossa imagem, segundo nosso desejo
diante das urnas.   
 
A frase que foi pronunciada
“Nenhuma administração pública será aceitável, a menos que os funcionários públicos
sejam educados e agradáveis com o povo.”
Amit Kalantri, Riqueza das Palavras
 
Vivo
Estranho que em um calor desses os ovos vendidos em mercados não estejam recebendo
refrigeração.
 
Lei humanizada
É preciso urgente que algum parlamentar se sensibilize com a situação de estudantes
gestantes e puérperas. A lei garante a prova domiciliar. Mas, agora, com a pandemia, nota-
se que a vantagem não é tão grande assim. Uma aluna de medicina nos escreveu contando
que teve um bebê e não consegue fazer uma prova on-line no mesmo tempo em que os
outros alunos. Precisa parar para dar atenção à criança, trocá-lo, amamentá-lo. Precisa de
mais tempo, sem prejuízo. Há professores que não são flexíveis e apontam o “sistema de
provas” como vilão.
 
História de Brasília
A Agência Nacional é uma repartição deficiente desde a sua fundação, ao tempo da

49

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ditadura. Em vez de informar os atos do governo, fica, em geral, endeusando as pessoas, e é,
por isso, que cada governo muda logo de diretor. Vem daí a política, o amigo, o compadre, o
conterrâneo, e tudo mais que possa prejudicar. — AC. (Publicada em 7/2/1962)

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
4 voltar ao topo
COLUNAS
LUIZ CARLOS AZEDO - Nas entrelinhas
(...)
O espetáculo da pandemia
Ninguém tem dúvida de que a CPI da Covid no Senado tornou-se o epicentro da disputa
política entre governo e oposição na conjuntura marcada pelo novo coronavírus.
Entretanto, a pandemia está sendo domada, na medida em que a vacinação avança,
enquanto o desemprego e a alta da inflação, dos juros e da cotação do dólar começam a ser
os fatores de maior repercussão na vida da população. Ou seja, a urgência política está
mudando e a comissão começa a perder o protagonismo que tinha, apesar de o elevado
número de óbitos por covid-19 ter se tornado um trauma que enluta mais de 600 mil
famílias. É muita gente.
O depoimento do empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, ontem, na CPI,
ilustra a nova situação, na sequência das espantosas revelações da advogada Bruna Morato,
na terça-feira, cujo relato da rotina de ameaças a médicos da operadora de saúde Prevent
Senior durante a pandemia foi estarrecedor. Enquanto Morato denunciou a falta de
autonomia dos profissionais, a exigência da prescrição de remédios ineficazes e o
envolvimento da empresa em um "pacto" com o chamado "gabinete paralelo" do Palácio do
Planalto, Hang fez de seu depoimento um case de marketing político e comercial ao
confrontar a CPI, porque sustentou as posições negacionistas de Jair Bolsonaro e seus
apoiadores, e ainda aproveitou para fazer propaganda de sua cadeia de lojas de
departamentos.
Segundo o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL), Hang orientava o presidente
sobre condutas para o enfrentamento da pandemia e fazia parte do chamado "gabinete
paralelo", supostamente o estado-maior da política de enfrentamento da pandemia
executada pelo Ministério da Saúde na gestão do general Eduardo Pazuello. A grande
contradição de seu depoimento foi o fato de não ter questionado o atestado de óbito de sua
mãe, que morreu de covid-19, quando estava sob os cuidados da Prevent Sênior — a
informação não consta como causa mortis no documento. O empresário admitiu que
autorizou a utilização do chamado kit covid durante o tratamento, porém atribuiu a
subnotificação a um erro do plantonista e não à intenção de omitir o fato da opinião
pública.

Outras prioridades
Mais importante do que o conteúdo do depoimento, porém, foi o circo armado pelo "velho
da Havan" e o senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) na própria CPI, cuja sessão foi das mais
tumultuadas. Hang foi evasivo e driblou perguntas feitas pelos senadores sobre a operadora
de saúde Prevent Senior, o que irritou o presidente da comissão, senador Omar Azis (PSD-
AM), e o chamado grupo dos sete, formado por senadores de oposição e independentes. A
maior utilidade do depoimento foi revelar que a atuação de empresários bolsonaristas na
pandemia, a estratégia adotada pela Prevent Sênior e a política de Eduardo Pazuello no
50

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Ministério da Saúde estavam em linha com o propósito de Bolsonaro de manter a economia
funcionando a qualquer custo, mesmo que o preço a pagar fosse o alto número de óbitos,
como acabou acontecendo.
A chamada "sociedade do espetáculo" é considerada uma forma perversa de ser da
sociedade de consumo. Trata-se da multiplicação de ícones e imagens, principalmente
através dos meios de comunicação de massa, mas também dos rituais políticos, religiosos e
hábitos de consumo, de tudo aquilo que falta à vida real do homem comum. É um
fenômeno contemporâneo, que vem sendo estudado há mais de 50 anos, cuja característica
principal é a transformação das relações entre as pessoas em imagens e espetáculo, como
acontece nas redes sociais. Não existe mais um limite entre a realidade e o espetáculo.
É aí que os líderes da CPI precisam levar em conta as mudanças de cenário e tomar cuidado
para não perderem o foco. O objetivo da comissão não é promover um carnaval midiático,
no qual os critérios de verdade e validade acabam diluídos pela retórica do conflito político,
como aconteceu na sessão de ontem. Talvez seja a hora de os integrantes da CPI
priorizarem a elaboração de um relatório robusto, no qual os responsáveis pela tragédia
humanitária em que se converteu a pandemia sejam apontados com rigor, bem como os
crimes cometidos, devidamente tipificados e comprovados. Ou seja, é preciso partir para os
"finalmentes".

Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/4

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
18 voltar ao topo
COLUNAS
SAMANTA SALLUM - Capital S/A
samantasallum.df@cbnet.com.br
 
DF sobe no indicador Empreendedorismo em pesquisa nacional da indústria
A terceira edição do Índice de Inovação dos Estados, realizado pelo Observatório da
Indústria, da Federação do Estado do Ceará (Fiec) com apoio da ABDI, revela como está o
nível do setor em cinco regiões brasileiras. O Distrito Federal ficou na 7ª posição no ranking
nacional, situando-se em 1º lugar na região Centro-Oeste. Em relação à edição anterior,
manteve-se na mesma posição tanto no ranking nacional quanto no regional. No indicador
Empreendedorismo, subiu de 11º para 7º; e de Investimento Público em C&T, de 9º para 7º.
 
Bússola para o desenvolvimento
O índice funciona como uma bússola e tem potencial para nortear os estados a traçar ações
ainda mais estratégicas para fomentar o desenvolvimento. São Paulo foi, mais uma vez, o
estado mais inovador do Brasil. Santa Catarina e Rio Grande do Sul aparecem na segunda e
terceira colocações, respectivamente. Espírito Santo e Maranhão foram os estados que mais
cresceram no ranking.
 
Destaque em capital humano
Na dimensão Capacidades, o levantamento aponta que o Distrito Federal tem um grande
potencial para ser revertido em resultados mais promissores. Os melhores foram
conquistados nos indicadores de Infraestrutura, de Inserção de Mestres e Doutores e de
Capital Humano — Pós-Graduação, ficando nesse quesito no top 5 nacional e na 1ª colocação
51

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


do Centro-Oeste.
 
Aprovada prorrogação de incentivos fiscais ao comércio
Aprovado na Câmara dos Deputados, o PLP 05/2021, que é crucial para o setor atacadista,
será apreciado pelo Senado. Na prática, o projeto permite a prorrogação, por até 15 anos, das
isenções, dos incentivos e dos benefícios fiscais ou financeiro-fiscais vinculados ao ICMS. A
notícia foi recebida com entusiasmo pelo setor atacadista, que será impactado diretamente
com a medida.
 
Apoio da bancada
Segundo o Sindiatacadista, só foi possível a aprovação com o apoio dos parlamentares, em
especial os da bancada do DF. A deputada Paula Belmonte (Cidadania-DF) foi a relatora do
projeto na CCJ.
 
Lei do Salão Parceiro
O STF vai julgar, em 21 de outubro, a validade da Lei 13.352/2016, a Lei do Salão Parceiro, que
permite parcerias entre o salão e os profissionais que desempenham atividades de
cabeleireiro, barbeiro, esteticista, manicure, pedicure, depilador e maquiador. Se ela for
julgada inconstitucional, mais de 500 mil postos de trabalho estão em risco no país.
 
Fechamento na pandemia
No Distrito Federal, um em cada quatro salões de beleza e barbearias fechou as portas
durante a pandemia. Sem a Lei do Salão Parceiro, mais desses estabelecimentos serão
prejudicados.
 
Menos informalidade
A atual legislação tem promovido a diminuição da informalidade dos profissionais dos
salões, pois permite que agora eles prestem serviços por meio de Microempreendedor
Individual (MEI), acarretando maior liberdade e independência.
 
Audiência pública
Em 6 de outubro, às 10h, a deputada distrital Júlia Lucy (Novo) vai realizar uma audiência
pública com o setor para discutir os impactos da ADI sobre os empresários e trabalhadores,
e as medidas possíveis para garantir a preservação de emprego e renda, além de novas
oportunidades para o setor.
 
Tradicional feijoada do Senac de volta a partir de amanhã
Hoje é dia de dica de gastronomia. Para quem estava com saudade de saborear a feijoada do
restaurante escola Senac, o DownTown, a boa notícia é que voltará a ser servida a partir de
amanhã. Estava suspensa por causa da pandemia. Agora, em vez de bufê, será oferecida no
prato com tudo que tem direito. (...)
 
Com sobremesa
De segunda a quinta, custará R$ 55,90. E nas sextas, pela grande demanda, R$ 59,40,
incluindo sobremesa — pudim ou salada de fruta. Tudo preparado pelo chef Diego Jacob e
equipe, que conta com o maitre Carlos Antônio Barbosa, das 12h às 15h. O DownTown fica
no térreo do prédio da CNC, no Setor Bancário Norte.
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p18

52

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
16 voltar ao topo
COLUNAS
CARLOS ALEXANDRE DE SOUZA - Eixo capital
carlosalexandre.df@dabr.com.br
 
Na mira da CPI, Prevent Senior vê o cerco se fechar
O relato da advogada Bruna Morato à CPI da Covid, com acusações sobre os procedimentos
adotados pela Prevent Senior com pacientes acometidos pela pandemia, aumentou a
pressão de órgãos de fiscalização sobre a operadora de saúde. Ainda na terça-feira, horas
depois do depoimento de Morato, a Agência Nacional de Saúde (ANS) autuou a Prevent
Senior ao constatar “indícios” de que a Prevent Senior não avisou os pacientes que utilizava
medicamentos sem eficácia no tratamento de covid. Ontem, o Instituto Brasileiro de Defesa
do Consumidor (Idec), autor de três ações extrajudiciais contra a Prevent Senior, lançou
uma campanha para que a ANS tome medidas mais duras contra a operadora. Em junho, o
Idec enviou um dossiê aos senadores da CPI.
 
Limites da bioética
Em vídeo no site Migalhas, a advogada Luciana Munhoz, especialista em bioética e
biodireito, destaca três pontos importantes sobre o caso. Primeiro ponto: experimentos
com seres humanos, sem autorização dos órgãos competentes, são ilegais no Brasil. Duas
resoluções do Conselho Nacional de Saúde estabelecem limites para pesquisa científica.
Estudos com seres humanos precisam de autorização expressa de Comitês de Ética. O
segundo ponto: o consentimento dos pacientes é obrigatório, seja para pesquisa, seja para
assistência médica. E, por último: a responsabilização. Tanto a Prevent Senior quanto os
médicos poderão sofrer sanções, mas são processos distintos. No caso dos profissionais de
saúde, a culpa é individualizada: eles podem ser punidos pelos crimes de negligência,
imperícia ou imprudência. Em relação à Prevent Senior, cabe à Agência Nacional de Saúde
verificar a conduta do seguro de saúde.
 
Razão e castigo
A Prevent Senior nega as denúncias de manipulação de dados, falta de transparência em
relação aos pacientes e ocultação de mortes de pacientes. Na terça-feira, após o depoimento
de Bruna Morato, afirmou que “sempre atuou dentro dos parâmetros éticos e legais”. Ontem
à noite, uma decisão liminar da Justiça de São Paulo determinou pagamento de R$ 2
milhões a família que transferiu paciente para o hospital Albert Einstein após o tratamento
com o kit-covid.
 
Prova de fogo
No primeiro dia como presidente interina da OAB-DF, Cristiane Damasceno passou por uma
prova de fogo. Ela foi à CPI da Covid no Senado para evitar a expulsão de um advogado
durante o depoimento do empresário Luciano Hang. O episódio envolveu o senador Rogério
Carvalho (PT-SE) e o defensor de Hang. “Conversamos com o presidente da CPI, Omar Aziz, e
alguns dos senadores. Assim, foi garantida a permanência dos advogados em plenário”,
contou.
 
Data Venia
53

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A OAB-DF já ingressou com quatro mandados de segurança no STF para garantir que
advogados tenham o trabalho respeitado na CPI.
 
Visão dupla
O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) procurou contribuir com a CPI ao informar que a
Pfizer, fabricante de vacina, também testa medicamentos para combater a covid-19. Mas o
que chamou a atenção, mesmo, foi o aparato visual usado pelo parlamentar para externar
seu ponto de vista.
 
Saber jurídico
O jurista e ex-ministro da Justiça Bernardo Cabral, de 89 anos, falará sobre os 25 anos da
Lei de Arbitragem em 4 de outubro, no Rio de Janeiro. Também participam do encontro os
ministros do Superior Tribunal de Justiça Luís Felipe Salomão, Gurgel de Farias, Marco
Belize, Moura Ribeiro e Ricardo Cueva, além do advogado Marcus Vinicius Coêlho, ex-
presidente da OAB.
 
Com fé
Ilka Teodoro está empenhada no esforço de revitalizar a Praça dos Orixás, à beira do Lago
Paranoá. Em encontro com Rafael Moura, presidente da Confederação de Umbanda e
Candomblé, a administradora de Brasília busca parcerias duradouras para prestigiar o
espaço, considerado patrimônio imaterial do DF em 2018. Uma das ações precisará lidar com
um problema recorrente: o vandalismo. No final de agosto, a estátua de Ogum caiu ao chão
após ser incendiada.
 
Recado
Do ex-deputado federal Alberto Fraga: “Gostaria de avisar aos que estão plantando notas,
dizendo que eu e @eduardowpedrosa vamos sair do DEM por causa da fusão com o PSL,
tirem o cavalinho da chuva. Vamos ficar e lutar pelas nossas bandeiras! Faz quase 20 anos
que estou no DEM, isso não acaba do dia para noite, não”.
 
Centro-Oeste unido
A ministra da Secretaria de Governo da Presidência da República, Flávia Arruda, recebeu
ontem prefeitos filiados à Associação dos Municípios Adjacentes de Brasília (Amab). O grupo
pediu uma ajuda em favor da votação, no plenário da Câmara dos Deputados, do PLP nº
287/2013, que possibilita aos municípios da Ride o recebimento de recursos do Fundo
Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO). A ministra entrou em contato com
o deputado federal Paulo Abi-Ackel (PSDB/MG), autor do projeto, e disse estar à disposição
para que a proposta avance. “Todos somos cidades-irmãs e unir forças vai fortalecer a todos
nós”, lembrou.
 
Revolta
O senador Reguffe (Podemos-DF) ficou revoltado com a aprovação, no Senado, do projeto de
lei que afrouxa as punições para quem cometer improbidade administrativa. “O Senado
aprovou a alteração na Lei da Improbidade por 47 a 24. Com a alteração do prazo de
prescrição, simplesmente 40% das ações de improbidade serão automaticamente extintas.
(...)
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p16

54

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
9 voltar ao topo
ECONOMIA
Lira quer acordo para unificar ICMS
ISRAEL MEDEIROS

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), busca chegar a um acordo para
aprovar o projeto de lei que altera a cobrança de ICMS em combustíveis. O PLP 11/2020
prevê a uniformização das alíquotas do imposto em todas as unidades da Federação, que
seria definido pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz). Com isso, o imposto,
que hoje varia de estado para estado, seria único e atrelado à quantidade do combustível.
O texto chegou a entrar na pauta de ontem, mas a discussão dessa e de outras iniciativas
semelhantes será feita nos próximos dias para levar os projetos o mais rápido possível ao
Plenário, algo que pode ocorrer na próxima semana. Lira, que na terça-feira havia feito
duras críticas à Petrobras e exigido "sacrifício" dos governadores, adotou ontem um tom
mais ameno. Ele disse entender que a uniformização do ICMS é importante, mas admitiu
que esse não é o principal problema na alta dos combustíveis — que é influenciado
principalmente pelo preço do petróleo no mercado internacional e pelo dólar.
"Nós não podemos dizer que o ICMS é quem puxa o aumento, mas ele contribui
sobremaneira para que, com alguns excessos, o combustível fique muito mais caro. E não é
justo que nessas composições a gente não possa estratificar e discutir mais amiúde qual a
composição e o que está impactando tanto na vida do brasileiro: o gás de cozinha, a
gasolina e, na vida do caminhoneiro e dos transportes, o que impacta direto na inflação: o
preço do óleo diesel", pontuou.
A ideia do presidente da Câmara é consultar governadores, a Receita Federal, o Ministério
da Economia e até a própria Petrobras para discutir soluções com relação ao ICMS e aos
reajustes — que devem continuar severos, uma vez que o preço do barril de petróleo
continua em alta, acima dos US$ 77, e chegou a passar dos US$ 80 na última terça-feira (28),
um recorde histórico.
Como a Petrobras adota a política de paridade de preços com o mercado internacional, a
alta lá fora se traduz em alta aqui dentro. Questionado sobre eventuais perdas de
arrecadação dos estados caso haja mudança no ICMS dos combustíveis, Lira disse que esse
não é o caso e que as unidades da Federação têm arrecadado mais com a alta.

Colchão
Lira também manifestou vontade de criar uma espécie de "colchão" para os reajustes da
Petrobras, através de um fundo de estabilização que, segundo ele, aliviaria a alta para os
consumidores. Na prática, isso poderia significar tanto um maior intervalo entre os
reajustes quanto um reajuste gradual.
Paulo Tavares, presidente do Sindicombustíveis-DF, disse que a unificação das alíquotas do
ICMS seria positiva, mas ressaltou que o problema da alta de preços só será resolvida com
uma mudança na política da Petrobras. "A Petrobras está praticando aumentos acima da
inflação, isso não é bom e não é saudável para a economia." (Colaborou Fernanda
Fernandes)

55

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
9 voltar ao topo
ECONOMIA
Famílias pobres terão ajuda na compra de gás
COMBUSTÍVEIS » Projeto aprovado pela Câmara, que será avaliado pelo Senado, cria
subsídio de 50% na aquisição do produto pela população de baixa renda. E Petrobras
anuncia programa de R$ 300 milhões para apoiar pessoas em situação de vulnerabilidade
social

As queixas da população contra a disparada dos preços do gás de cozinha resultaram em


duas iniciativas para garantir que os brasileiros mais pobres tenham acesso ao produto. A
Petrobras, que vem sendo duramente criticada pela alta dos combustíveis, anunciou que
pretende destinar R$ 300 milhões pelos próximos 15 meses a um programa de apoio a
famílias em situação de vulnerabilidade social para contribuir com a compra de insumos
essenciais, como o GLP. Em paralelo, a Câmara dos Deputados aprovou ontem à noite um
projeto que reduz em 50% no preço do gás por famílias de baixa renda. O texto ainda deve
passar pelo Senado.
O projeto do "Desconto Gás" foi aprovado com apoio de diversos partidos da Casa, com
exceção do Novo e da base do governo. O texto cria um subsídio mensal pago pelo governo
e destinado às famílias inscritas no Cadastro Único, com renda familiar mensal per capita
menor ou igual a meio salário mínimo, ou que tenham entre seus integrantes pessoa que
receba o Benefício de Prestação Continuada (BPC) . A aprovação foi simbólica, sem a
contagem de votos.
De acordo com o projeto, de autoria do deputado Carlos Zarattini (PT-SP), o Poder Executivo
deve regulamentar, em até 60 dias após a publicação da lei, os critérios sobre quais famílias
terão acesso ao benefício, bem como sua periodicidade. As parcelas, porém, não podem ser
pagas com intervalo maior do que 60 dias.
O relator, deputado Christino Aureo (PP-RJ), acatou uma emenda para priorizar mulheres
vítimas de violência doméstica, que estejam sob monitoramento de medidas protetivas de
urgência, inscritas no Cadastro Único. "É praticamente impossível às famílias em situação
de extrema pobreza ter acesso ao gás de cozinha no valor atualmente comercializado",
disse. Segundo a Agência Nacional de Petróleo (ANP), o preço médio do botijão de 13 kg no
país, na terceira semana de setembro, era de R$ 98,70.
O subsídio será concedido por meio de cartão eletrônico, ou equivalente, destinado
exclusivamente à aquisição de gás de cozinha de revendedores autorizados. O valor do
crédito será atualizado anualmente pela inflação (IGP-M). O valor do benefício será fixado
semestralmente, sendo de, no mínimo, 50% da média do preço nacional de referência
estabelecido pela ANP nos últimos seis meses.
Pelo projeto, as fontes de recursos para custear o auxílio serão da arrecadação da
Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a
comercialização de petróleo e derivados (Cide-combustíveis) . Também será fonte de
recursos parcela dos royalties e de participação especial decorrentes da exploração de
petróleo e gás natural que cabe à União.

Ação social
Já o programa da Petrobras, segundo a empresa, visa alinhar a atuação social da companhia
ao praticado por outros pares de mercado, e se justifica pelos efeitos da situação
56

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


excepcional e de emergência decorrentes da pandemia da covid-19. "Somos uma empresa
socialmente responsável e comprometida com a melhoria das condições de vida das
famílias", afirmou o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, em comunicado ao
mercado.
O modelo do programa está em fase final de estudos, incluindo a definição do critério de
escolha das famílias e da busca de parceiros para ampliar o valor a ser investido, com a
possibilidade da criação de um fundo para que empresas se juntem ao projeto.

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
11 voltar ao topo
EDITORIAL
Os preços dos combustíveis
VISÃO DO CORREIO

É compreensível que todos estejam apavorados com os preços dos combustíveis, que,
segundo a Petrobras, ainda vão subir mais. Nos valores atuais, gasolina, gás e diesel
contaminam toda a economia e empurram a inflação para níveis não vistos desde o início
do Plano Real, em 1994. Mas não se resolverá esse problema por meio de decretos ou de
arroubos políticos. O tema merece um amplo e transparente debate.
A estrutura de preços dos combustíveis é hoje muito confusa, o que permite que prevaleça
um jogo de empurra entre os entes federados e a Petrobras. Cada um apresenta a sua
versão como se fosse verdade absoluta, confundindo a população, que, desprotegida, é
obrigada a pagar quase R$ 7 pelo litro da gasolina e mais de R$ 100 pelo gás de cozinha,
além de arcar com o forte aumento dos fretes que encarecem de alimentos a
eletrodomésticos e medicamentos.
Dois dos principais componentes dos preços dos combustíveis são o dólar e o petróleo
negociado no mercado internacional. A moeda norte-americana, ressalte-se, está em
disparada porque há um enorme clima de desconfiança no país. Os investidores temem o
descontrole das contas públicas e os resultados das próximas eleições. Como proteção,
correm para comprar dólares. Se o Brasil estivesse vivendo tempos menos incertos, a divisa
dos Estados Unidos estaria sendo negociada entre R$ 3,90 e R$ 4,50, admite o ministro da
Economia, Paulo Guedes. Seria um problema a menos.
A cotação do petróleo, por sua vez, responde à demanda internacional. Como as principais
economias do mundo estão se recuperando, depois do tombo provocado pela pandemia do
novo coronavírus, o barril do óleo atingiu quase US$ 80, o nível mais alto em três anos.
Sobre esse valor, nenhum país tem controle. Portanto, é preciso que o governo contribua
por meio de outros amortecedores, como o dólar. Basta não criar tumultos na economia.
Há, ainda, a questão dos impostos. Tanto a União quanto os estados têm nos combustíveis
uma importante fonte de arrecadação. Com tantas despesas para bancar, rejeitam abrir mão
de receitas. Não há dúvida de que uma ampla reforma tributária, com simplificação de
impostos, ajudaria muito a reduzir os encargos sobre os derivados do petróleo. O problema
é que não há disposição efetiva por parte dos governos federal, estaduais e municipais de
levar essa discussão adiante. Todos reconhecem os problemas, mas preferem continuar
usufruindo de um sistema que pune empresas e consumidores.
Já que o presidente da Câmara, Arthur Lira, decidiu tomar a frente no debate sobre os
preços da gasolina e do diesel, que aproveite o momento para também discutir a
dependência do país por combustíveis fósseis e altamente poluentes. O Brasil tem a
57

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


tecnologia do produto mais limpo para abastecer as frotas, o etanol da cana-de-açúcar.
Contudo, não há políticas de incentivos para o plantio e a produção desse combustível
verde. Tanto que o país está importando etanol de milho dos Estados Unidos.
Com a população e o setor produtivo tão prejudicados, passou da hora de todos os que têm
poder de decisão de buscar soluções que não só resultem em preços mais acessíveis para os
combustíveis, mas que também coloquem o país com os dois pés no futuro, protegendo o
meio ambiente e contribuindo para a redução do aquecimento do planeta. (...)

Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p11

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
10 voltar ao topo
NEGÓCIOS
Emprego formal cresce em agosto
TRABALHO » Foram criadas 372.265 vagas com carteira assinada no mês. Dados são do
Caged, e não podem ser comparados aos do IBGE
Fernanda Strickland
Gabriela Chabalgoity*

Em agosto, a economia brasileira gerou 372.265 empregos novos com carteira assinada. As
informações são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados
pelo Ministério do Trabalho e Previdência. É o 8º mês seguido com alta nos números.
Para o ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni, os dados mostram a
recuperação da economia. Ele destacou o avanço da vacinação contra a covid-19 no país e
disse que houve impacto positivo do Benefício Emergencial de Manutenção do Emprego e
da Renda (BEm) — que permitiu a redução dos salários da jornada de trabalho — sobre
todos os números da economia formal. "Para este ano, o governo espera atingir a meta de
criação de 2,5 milhões de postos formais de trabalho com carteira assinada", afirmou Onyx.
A advogada Juliana Guimarães, especialista em empreendedorismo, acredita que, mesmo
com esse bom resultado, deve-se levar em consideração que a metodologia de coleta de
dados do Caged foi alterada em dezembro de 2019.
"Até aquela data, eram monitorados dados da CLT. A partir de janeiro de 2020, passaram a
ser considerados também os do eSocial e Empregador Web. Os dados do eSocial são mais
amplos porque consideram trabalhadores formais em categorias não consideradas pelo
CLT, como: estagiários, cooperados, trabalhadores eventuais, autônomos, entre outros.
Como o novo sistema considera uma base muito maior, a comparação com anos anteriores
é prejudicada pela alteração metodológica de coleta de dados", afirmou.
Para a advogada, sob esse prisma, deve-se ter cautela ao avaliar a performance desses
dados e, principalmente, de conectá-los a um crescimento ou retomada econômica
considerável. "Sugiro também analisar os dados levantados pelo IBGE — metodologia que
registra recorde de desemprego e leva em consideração também o trabalho informal, sem
carteira assinada. Também deve-se considerar o aumento notável do número de empresas
abertas no último ano, muito impactada por aberturas de MEIs (empresas de
microempreendedores individuais)", observa.
Segundo Juliana, a dinâmica do mercado mudou. Com tantas bases e metodologias
diferentes, é difícil responder com certezas. "O fato é que podemos falar que a diferença
entre emprego e trabalho está sendo percebida pela população brasileira. Percebemos o
58

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


aumento de oportunidades de trabalho no setor de serviços e também a migração para o
empreendedorismo pautado pela necessidade. Essa dinâmica de redução de oferta de
empregos foi acelerada pela queda de quase 20% no número de empresas que conseguem
manter suas operações depois de três anos em funcionamento, pela reestruturação de
cargos e salários nas empresas que ainda sobrevivem, e também pela mudança no
comportamento de relacionamento e consumo", declarou.

* Estagiária sob a supervisão de Odail Figueiredo

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
3 voltar ao topo
POLÍTICA
Empresário é ciceroneado por "tropa de choque"
O empresário Luciano Hang chegou para depôr na CPI da Covid, ontem, escoltado pela tropa
de choque governista. Os senadores Marcos Rogério (DEM-RO), Luís Carlos Heinze (PP-RS) e
Jorginho Melo (PL-SC) foram reforçados pela presença de Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) e
Marcos do Val (Podemos-ES) , além da deputada Caroline de Toni (PSL-SC) e de outros
deputados bolsonaristas que foram se revezando ao longo da sessão.
Mas, antes de se dirigir à comissão, Hang tomou café da manhã com o líder do governo na
CPI, Ricardo Barros (PP-PR). E durante a sessão no Senado, o que se viu foi um bem ensaiado
esquema de tentativa de irritar e provocar.
Além de Marcos Rogério, senador que reage prontamente quando as críticas a Jair
Bolsonaro e ao governo se avolumam, o filho do presidente participou da sessão com o
intuito apenas de desequilibrar o depoimento por meio de provocações. Seus comentários
eram dirigidos principalmente ao relator Renan Calheiros (MDB-AL), com quem quase
trocou tapas em um dos primeiros depoimentos da comissão, o do ex-secretário de
Comunicação da Presidência, Fabio Wejngarten. Flavio reapareceu na CPI depois de 17
sessões ausente.

Fake News
No depoimento, Hang negou que tivesse conexões com o chamado "gabinete paralelo" da
saúde — que teria aconselhado o presidente Jair Bolsonaro a adotar a tese da "imunidade de
rebanho" e também de que os medicamentos do kit covid —; que tenha financiado sites
disseminadores de desinformação; e que tenha financiado "impulsionamentos" de notícias
falsas em redes sociais. A suspeita de que o empresário bancaria a disseminação de
mentiras surgiu depois que veio à tona um diálogo entre o deputado Eduardo Bolsonaro
(PSL-SP) e o blogueiro Allan dos Santos, que pretendia contatar Hang para pedir-lhe que
ajudasse financeiramente.
O empresário confirmou que foi procurado pelo blogueiro bolsonarista, mas que muitos o
procuram pedindo alguma espécie de ajuda. Conforme disse, submete a demanda ao
departamento que cuida do assunto na sua empresa para, só então, decidir se auxilia.
Um vídeo que chamou a atenção e que reforçaria a ligação com o "gabinete paralelo" traz
Hang ao lado do deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), que ficou conhecido por errar
todas as previsões que fez sobre a pandemia. Nele, ambos duvidavam da quantidade de
mortos pelo novo coronavírus. Ao vê-lo, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM),
reagiu irritado. "Isso é monstruoso! Você age monstruosamente, rapaz", disse.
59

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Indagado se em algum momento suas empresas receberam financiamento do Banco
Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Hang tentou se esquivar. Mas,
segundo o presidente da CPI, entre 1993 e 2014, o empresário fez 57 empréstimos junto à
instituição.
"A Dona Maria, lá do São José, bairro de Manaus, não consegue R$ 1 mil de crédito para
comprar uma máquina de costura. Uma pessoa no Brasil que fatura R$ 30 milhões por dia
consegue. Não vai passar por bonzinho aqui, não! Sabe o que ele faz? Ele tem condições de
comprar diretamente a máquina da empresa, certo?, mas ele pega o financiamento", irritou-
se Aziz. (TA e RF)

Leia em: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p3

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
2 voltar ao topo
POLÍTICA
CPI VIRA PALCO PARA A AUTOPROMOÇÃO DE HANG
Empresário tenta passar a ideia de que o "tratamento preventivo" que queria para a mãe
não era o ineficaz "tratamento precoce", que defende, estimula e financiou a distribuição.
Admite que não se imunizou e garante que não bancou campanha antivacina
Tainá Andrade
Raphael Felice

A CPI da Covid tornou-se, ontem, palco para o negacionismo do empresário Luciano Hang,
que, entre outras coisas, admitiu não ter se vacinado contra o novo coronavírus porque tem
um "índice de anticorpos altíssimo", que faz uso e recomenda o "tratamento precoce" —
composto de medicamentos sem qualquer eficácia contra a covid-19 — e também ter
financiado a compra desses remédios por hospitais. Também tentou desqualificar as
perguntas do relator Renan Calheiros (MDB-AL) dizendo que eram "narrativas" e desde o
início mostrou disposição para o confronto. Montou, com a ajuda da tropa de choque do
Palácio do Planalto na comissão, uma estratégia de tentar passar a ideia de que o colegiado
promove uma perseguição ao governo, que incluía até mesmo exibir cartazes nos quais
diria estar sendo censurado caso não pudesse dar sua versão.
Os senadores já trabalhavam com a expectativa de que a sessão fosse tensa, pouco
produtiva e de resultados pífios para a composição do relatório final da comissão. Hang
chegou escoltado por parlamentares governistas dizendo que tinha todo tempo do mundo,
que devolveria com respeito o tratamento respeitoso, mas que exigia dar respostas a todas
as perguntas. Antes mesmo de os trabalhos começarem, circulava entre os integrantes do
colegiado a dúvida sobre se fora uma boa iniciativa a convocação do empresário — muitos
teriam sido contra exatamente por terem a certeza de que ele tentaria fazer da participação
um cenário de defesa do governo e de projeção de si mesmo. Mas não viam outra
alternativa a não ser inquiri-lo, sobretudo depois do vídeo publicado, na segunda-feira,
ironizando a CPI com uma algema — Hang disse que estava preparado caso tivesse de sair
preso do depoimento.
Às longas perguntas de Renan, o empresário se recusou a respondê-las de modo sucinto.
Ao contrário, tentou, em todas, passar suas versões e dar explicações amplas, o que foi
irritando não apenas o relator, mas o presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM) . Como
provocação, também reclamou daquilo que lhe era indagado, considerando os temas
60

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


genéricos demais.

Sem habeas corpus


Para tentar passar a ideia de que a comissão não o assustava, Hang abriu mão de um
habeas corpus junto ao Supremo Tribunal Federal. Os senadores procuraram emparedá-lo
com vídeos, fotos e relatos, e por meio do episódio da morte da mãe do empresário
buscaram traçar uma linha que ligasse ele, o escândalo da Prevent Senior e o "gabinete
paralelo" da saúde por meio do episódio. Nesse momento, tentou passar a ideia de que
"tratamento preventivo" — que numa das publicações em rede social poderia ter "salvado"
Regina Hang — não era o mesmo que "tratamento precoce" — com cloroquina, ivermectina
e azitromicina.
A CPI também confrontou o empresário sobre o motivo da morte da mãe. Hang admitiu que
ela fora tratada com os remédios sem eficácia contra o novo coronavírus, mas atribuiu a
ausência da menção à covid-19 no atestado de óbito de Regina Hang não a uma manobra da
Prevent, mas a um equívoco do médico plantonista que fez o registro. Como disse não
entender "absolutamente nada" sobre o preenchimento de documentos que relatem mortes
de pacientes, disse que não percebeu, mas que o erro foi corrigido depois. Para provar o que
dizia, quis entregar à comissão um documento emitido pela comissão de controle de
infecção hospitalar, para provar a informação que constava no prontuário. Mas foi
advertido que o colegiado já possuía o prontuário em que não havia indicação da covid.

Não vacinado
Hang também procurou passar a imagem de que é um defensor e acredita na vacina. Para
isso, lembrou que liderou um grupo de empresários, ao lado de Carlos Wizard — outro
bolsonarista crítico das medidas de afastamento social —, de compra de imunizantes a fim
de que pudesse administrar 50% das doses nos funcionários das próprias empresas — os
outros 50% seriam repassados ao Sistema Único de Saúde (SUS). Mas admitiu que não se
vacinou e explicou por quê.
"Não tomei vacina porque eu tenho índice de anticorpos altíssimo. Tenho neutralizante
natural", respondeu à senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), reproduzindo o mesmo
argumento utilizado pelo presidente Jair Bolsonaro.
Ele, porém, comparou a ação de remédios sem eficácia contra a covid com a vacina, ao
afirmar que pessoas vacinadas também podem contrair a doença e que os medicamentos,
por sua vez, "fortalecem a célula". Hang admitiu que incentivou o tratamento precoce e
financiou a compra de medicamentos para hospitais.

Leia em: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p2

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
4 voltar ao topo
POLÍTICA
Senado enfraquece Lei de Improbidade
CONGRESSO » Projeto prevê que acusado de lesar cofres públicos só será punido se
constatada intenção do crime. Para relator, é preciso separar quem erra sem querer de
quem age dolosamente
Jorge Vasconcellos
61

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Por 47 votos a 24, o Senado aprovou, ontem, o projeto que enfraquece a Lei de Improbidade
Administrativa. A proposta prevê que o agente acusado de lesar o patrimônio público só
será punido quando comprovada a intenção de cometer o crime. Atualmente, é considerada
improbidade administrativa qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que cause lesão
ao erário. Outra mudança prevista para os casos dessa natureza é a redução, de oito para
quatro anos, do prazo de prescrição — tempo que o Estado tem para aplicar sanções contra
os responsáveis pelas irregularidades.
O Projeto de Lei (PL) 2505 /2021, de autoria do deputado Roberto de Lucena (Podemos-SP), já
havia sido aprovado na Câmara. No Senado, o plenário aprovou o parecer do relator,
senador Weverton Rocha (PDT-MA), favorável ao projeto. De todos os partidos, apenas
Podemos, PSDB, Cidadania, Rede e PSL votaram contra o texto.
O resultado da votação foi possível depois que Weverton apresentou modificações no
parecer, acordadas na terça-feira durante audiência pública na Comissão de Constituição e
Justiça (CCJ) e em reuniões com senadores, lideranças da Câmara, prefeitos, representantes
do Ministério Público e da sociedade civil. Antes de ir ao plenário, o texto foi aprovado
ontem na comissão, em votação simbólica.
Em uma das mudanças, o relator definiu que a condenação em honorários de sucumbência
ocorrerá apenas para os casos de comprovada má-fé. Ele também dilatou o prazo de
transição para a manifestação do interesse do Ministério Público, de 120 dias para um ano.
Em razão das alterações aprovadas pelos senadores, o projeto retorna para nova análise dos
deputados.
O rol de crimes de improbidade administrativa inclui o enriquecimento ilícito, nepotismo e
fraude em licitação. Os responsáveis podem ser punidos com a suspensão de direitos
políticos, perda de função pública, indisponibilidade de bens e o ressarcimento do dano ao
patrimônio público, além de sanções penais.
Weverton disse que a ideia do projeto é dar um tratamento diferenciado aos corruptos e
aos que cometem irregularidades sem intenção. "A gente vai separar os maus gestores que
erram tecnicamente, mas sem vontade ou sem intenção de lesar o patrimônio público, dos
que cometem o ato de improbidade que é o ato de corrupção", disse o relator.

"Vergonha"
Já Alessandro Vieira (Cidadania-SE) considerou o projeto um "retrocesso" e uma "pedrada"
no combate à corrupção. "Esse projeto não é favorável à transparência, não é favorável à
administração pública, não protege o bom gestor", disse o parlamentar.
Vieira também criticou o dispositivo que diminui o prazo de prescrição dos crimes de
improbidade administrativa. Segundo ele, essa redução poderá levar ao arquivamento cerca
de 40% das ações relacionadas a delitos dessa natureza e que estão em andamento. O
senador afirmou que, por trás da proposta, está o interesse de proteger políticos
investigados por suspeitas de irregularidades. Ele citou como exemplo o presidente da
Câmara, Arthur Lira (PP-AL).
"Esse projeto, aprovado nos termos do relatório, vai arquivar, instantaneamente, processos
que correm contra Arthur Lira, deputado e presidente da Câmara. Instantaneamente vamos
mandar para o arquivo 40% das ações de improbidade que tramitam, inclusive de membros
desta Casa. Tenho dificuldade em encontrar outra expressão que não seja vergonha. Dá
vergonha ver que está sendo um projeto em flagrante benefício daqueles que cometem
erros", afirmou.
O projeto aprovado pelo Senado também retira da Lei de Improbidade Administrativa o
ponto que classifica como ilícito a ação negligente na arrecadação de tributo ou renda e na

62

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


conservação do patrimônio público. A proposta estabelece que só estará sujeito à lei quem
agir ilicitamente e não negligentemente. Do mesmo modo, será preciso configuração de
ilícito, e não apenas negligência, na celebração, fiscalização e análise das prestações de
contas de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas.
Além disso, o projeto retira da Lei de Improbidade o trecho que classifica como ilícito
liberar recursos de parcerias firmadas pela administração pública com entidades privadas
sem a observância das normas, ou mesmo influir para a sua aplicação irregular. Também
foram revogados os incisos que classificam como improbidade administrativa praticar ato
visando a fim proibido em lei ou regulamento e retardar ou deixar de praticar,
indevidamente, ato de ofício.

Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/4

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
ENTREVISTA - TABATA AMARAL
O machismo é suprapartidário

Ao CB.Poder, parlamentar afirma que a sociedade precisa dar um basta à intolerância de


gênero para fortalecer a democracia
Carlos Alexandre de Souza
Bernardo Lima*
 
Recém filiada ao Partido Socialista Brasileiro, a deputada federal Tabata Amaral acredita
que a democracia brasileira só alcançará um grau de maturidade quando divergências
políticas não se traduzirem em manifestações de ódio e violência, e no momento que
mulheres se sentirem seguras para expressar suas ideias. Desde que chegou ao Congresso
Nacional, Tabata Amaral é alvo de ofensas, provocações e ameaças não somente em razão
das convicções políticas. “Incomodo muito por ser uma mulher jovem”, afirma a
parlamentar. Recentemente, Tabata foi alvo da violência do ator José de Abreu, que
endossou nas redes sociais um post de um internauta que gostaria de socar a deputada “até
ser preso”.
Mais do que reparar esse crime na Justiça, Tabata Amaral propõe uma reflexão: “Estamos
prontos para colocar um basta em toda essa violência? Para repudiar toda forma de
violência e ódio sem olhar quem é o alvo e o agressor? Porque eu vi muitas pessoas que
dizem defender a luta contra o machismo, trabalhar para uma sociedade menos desigual,
que se calaram”. E vai além, nesta entrevista ao CB.Poder, uma parceria do Correio
Braziliense e da TV Brasília. “O machismo é estrutural e suprapartidário, ele se manifesta ao
longo de todo espectro ideológico. Pra mim, a luta para que possamos atuar de forma
segura na política não se restringe às mulheres com quem eu concordo; abarca para todas
as mulheres”, defende. Leia, a seguir, os principais trechos da entrevista.
 
Que lição podemos tirar da agressão que a senhora sofreu de José de Abreu?
Uma reflexão que sempre trago é que eu incomodo quando aponto a corrupção, as práticas
equivocadas que existem na política, quando trago uma visão de mundo diferente. Mas
63

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


infelizmente, também incomodo muito por ser uma mulher jovem. Na cabeça de algumas
pessoas que estão acostumadas a mandar, é um desacato quando eu discordo delas e
defendo minhas posições com coragem e firmeza. Talvez se surpreendam ao ver uma jovem
mulher que vem da periferia, como venho, defender suas ideias com tanta convicção. É
importante ressaltar que foi completamente absurdo que o ator José de Abreu tenha
compartilhado uma ameaça de agressão física a mim, apenas por discordar dos meus
pensamentos. Mas essa não é uma ação isolada; há dois anos venho recebendo todo tipo de
ameaça e ataque. Nada disso vai fazer com que eu pare, vou seguir lutando de cabeça
erguida.
 
Não se trata, portanto, de um fato isolado.
Precisamos fazer uma reflexão como sociedade: se um ator se sente confortável em
compartilhar uma ameaça de agressão física, é porque nós, como sociedade, estamos
tolerando a intolerância. Então a lição que fica pra mim é que temos um longo caminho
pela frente para que a política seja um lugar seguro física e psicologicamente para as
mulheres. Também precisamos dar um basta nessa espiral de ódio e violência que estamos
vivendo. Não existe democracia saudável onde a discordância seja respondida com ódio. Não
existe democracia possível quando adversários políticos são tratados dessa forma por
disputarem espaço de poder ou terem uma visão diferente.
 
Concorda com a ideia de que existe um machismo estrutural na sociedade brasileira?
Como combater isso?
Concordo 100% com essa afirmação. Infelizmente o machismo é estrutural. Isso quer dizer
que ele se manifesta nas menores e maiores coisas ao mesmo tempo, e que mulheres
inclusive, muitas vezes, reproduzem o machismo sem se dar conta. Então obviamente é
importante a gente denunciar que incitação à violência é crime. Sempre que recebo um
ataque desse nível, tomo as medidas necessárias, porque estamos falando da integridade
física e segurança das pessoas. É importante entender também que só transformamos isso
com uma mudança cultural. Tem muita coisa errada que leva uma pessoa a achar que pode
compartilhar uma ameaça de agressão física em um perfil com sua foto e nome verdadeiro.
Na hora que essa pessoa não sofre nenhum tipo de sanção, seja no meio de comunicação
onde trabalha, seja nas lideranças políticas às quais essa pessoa é ligada, como sociedade
estamos dizendo que está tudo bem. Você pode cometer esse crime, ameaçar uma mulher
de agressão física que você não vai perder apoio nem espaço.
 
É possível mudar essa realidade?
A provocação que trago é: estamos prontos para colocar um basta em toda essa violência?
Para repudiar toda forma de violência e ódio sem olhar quem é o alvo e o agressor? Porque
eu vi muitas pessoas que dizem defender a luta contra machismo, trabalhar para uma
sociedade menos desigual, que se calaram. Temos que nos posicionar toda vez que isso
acontece. Claro que vamos encaminhar à Justiça, porque se trata de um crime. Mas não dá
pra achar que a gente vai fazer com que a política brasileira seja um lugar seguro para as
mulheres atuarem se a gente não começar a cobrar, tanto as pessoas que se portam assim,
mas também aquelas que se silenciam por conveniência. O machismo é estrutural e
suprapartidário, ele se manifesta ao longo de todo espectro ideológico. Pra mim, a luta para
que possamos atuar de forma segura na política não se restringe às mulheres com quem eu
concordo; abarca todas as mulheres, porque nós somos diversas também em nossos
posicionamentos e visões de mundo. Uma democracia forte é sobre isso, sobre pessoas que
pensam diferente poderem se posicionar sem serem atacadas por isso.

64

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


 
O problema não acontece apenas com a senhora, nem só nas redes sociais. O
desrespeito e a intolerância ocorrem ao vivo e em cores. A senadora Simone Tebet foi
desrespeitada em plena CPI. A violência de gênero está disseminada na política?
Com certeza. Marina Silva, Dilma Rousseff, Simone Tebet, Marília Petrone e Joice
Hasselmann são mulheres que vêm sendo punidas pura e simplesmente por se
posicionarem. Quero deixar algo bem claro. No momento que me posiciono politicamente,
tenho de estar aberta a receber críticas, a enfrentar discordância com diálogos, debates e
argumentos. O meu ponto aqui não é quem discorda das minhas ideias e critica minha
atuação; é a pessoa que ameaça minha integridade física quando discorda de mim. A
discordância é boa e saudável para a democracia; o que não cabe é, cada vez que alguém
discorde de mim, eu seja chamada de burra.
 
Discordar, talvez. Ofender, jamais.
Tive oportunidade de escrever um artigo em que listei algumas das ofensas que recebo
diariamente. Me chamam de burra; dizem que tem algum homem comandando meus
pensamentos, como se eu não fosse inteligente o bastante para tomar minhas próprias
decisões. Falam da minha vida pessoal, da minha aparência, me enviam ameaças fortes de
agressão física e pessoal. Então eu separo as duas coisas. Aqui eu estou apontando que,
quando alguém discorda de uma mulher que teve coragem de se posicionar, vem muita
violência e ódio junto, e é isso que a gente tem que combater. Porque sabe qual o resultado
disso? Muitas mulheres deixam de disputar a eleição, por não quererem passar por essas
situações, e é o Brasil que perde com isso. A gente perde como país quando temos as
mulheres como mais da metade dos filiados políticos e apenas 15% do Congresso sendo
representado por deputadas e senadoras.
 
O problema também existe na estrutura partidária. A senhora passou por isso
quando mudou de legenda. A intolerância também contamina os partidos?
Sua pergunta é fundamental. Aqui eu falo um pouco como deputada e cidadã, mas
principalmente como cientista política, que é a minha formação. Os partidos são
fundamentais para nossa democracia, são eles que determinam quais candidatos estarão à
disposição para que a população possa ouvir suas ideias. Dito isso, a leitura que faço é de
que, em 2013, as pessoas foram às ruas, em um primeiro momento, de forma muito
suprapartidária, para dizer basta. Mas eu acho que os partidos, salvo exceções, não
entenderam o recado das ruas, de que a sociedade só vai acreditar na democracia, quando
os partidos se renovarem. Minha decisão de me filiar ao Partido Socialista Brasileiro (PSB)
veio junto com essa reflexão. O PSB passa agora por uma autorreforma que está discutindo
não só a cartilha ideológica e pilares do partido, mas também o seu funcionamento interno.
Não dá para acreditar que o mundo está passando por uma revolução tecnológica, mas que
os partidos não vão mudar. Os partidos são essenciais, eu acredito neles. Mas, de novo, a
população quer participar, as coisas mudaram.
 
Por que a senhora acredita que as coisas mudaram?
Alguns anos atrás, uma mulher jovem vinda da periferia, como eu, jamais teria vez e voz na
política. Isso está mudando. Falta os partidos se adaptarem, e acho que o caminho passa por
isso. Precisamos de partidos mais democráticos, que ouvem seus filiados, sem donos, com
número máximo de mandatos para que os dirigentes possam assumir. Precisamos de
partidos mais inclusivos, com mais mulheres e negros em posições de dirigentes estaduais,
nacionais e municipais. E por fim, de partidos que estejam comprometidos com a ética.

65

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Esses são três pilares fundamentais para que as legendas partidárias possam se reconectar
com a população e eu espero poder contribuir com essa construção dentro do PSB.
 
Existem instrumentos legais para combater a violência política de gênero?
Conseguimos aprovar na Câmara e Senado uma lei que tipifica a violência política de
gênero, quando a violência é utilizada para coagir uma mulher no contexto político.
Infelizmente o nosso problema, assim como com a Lei Maria da Penha, é a sua
implementação. E aí a leitura que eu faço, até com um ponto de vista até mais pessoal, é de
que a Justiça ainda tem muita dificuldade de lidar com esse tipo de crime e situação. Volto
novamente à mudança cultural. Já existe uma lei que tipifica violência política de gênero. É
importante, agora, que os tribunais estejam aptos e preparados para lidarem com essa
questão. E aí trago uma provocação. Enquanto não tivermos mais mulheres na política e no
Judiciário, ainda vamos patinar muito com essa questão.
 
Por que diz isso?
Sei que existem homens incríveis, que são aliados e também precisam estar nessa luta
contra o machismo. Mas eu sinto uma enorme diferença de como uma mulher e um
homem lidam com essa temática. Tenho a honra de ir ao Congresso com o senador
Alessandro Vieira (Cidadania-SE), o deputado Professor Israel (PV-DF), com o deputado
Felipe Rigoni (PSB-ES), que são parceiros de luta e se posicionam de forma firme contra o
machismo. Mas é importante entendermos que ter mais mulheres nesse espaço de poder é
fundamental para que possamos botar um fim em tanta violência.
 
A senhora é autora do projeto de lei, aprovado na Câmara e no Senado, que trata da
saúde menstrual. Por que esse assunto é tão importante?
Na verdade foi um conjunto de projetos de combate à pobreza menstrual, dois deles de
minha autoria. Se esse conjunto de mulheres virar lei, vai impactar 6 milhões de mulheres.
Por que temos de falar sobre a pobreza menstrual? Hoje temos dados extremamente
assustadores: a cada quatro estudantes, uma já faltou às aulas durante a menstruação.
Nossas meninas perdem até um mês e meio de aula por ano por não ter recursos para
comprar absorvente. Quando apresentei esse projeto, ele foi recebido com muito ódio,
parecido ao que a gente está conversando aqui. Mas a verdade é que essa discussão
avançou muito no último ano e meio.
 
A sociedade acordou para o problema?
Junto com todo apoio que recebi de alunas, pais e educadores, consegui unir esforços com
vários governadores, prefeitos e secretários. Hoje temos, não só esse projeto prestes a virar
lei federal, mas também vários municípios e estados com programas robustos de
distribuição de absorventes em escolas públicas e formação sobre o tema da menstruação,
que infelizmente ainda é um tabu. São Paulo (capital e estado), Recife, Maranhão e Rio de
Janeiro são alguns exemplos de municípios e estados que estão abraçando essa causa.
Como sociedade, conseguimos enfrentar um tabu como esse, avançar, fazer um debate
honesto. E acho que isso também mostra a importância de termos mais mulheres fazendo
políticas públicas. A única razão pela qual isso não havia sido tema de um projeto de lei até
2021 é porque, infelizmente, as mulheres que mais são afetadas por isso normalmente estão
bem distantes da política.
 
É um exemplo de política inclusiva, então.
Sim. É preciso dizer, nesse sentido, que a luta contra o machismo não pode ser apenas das

66

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


mulheres; também é dos homens. Quando tivermos uma sociedade mais inclusiva e justa,
teremos um lugar melhor para homens e mulheres, meninos e meninas. Tem uma coisa à
qual eu me refiro muito é o tal do “diploma de realidade”, uma das razões pelo qual lutamos
para que a política seja mais inclusiva. Éé porque faz diferença ter o diploma de realidade de
quem já pegou ônibus lotado, dependeu do SUS a vida inteira, de quem foi aluno de escola
pública. É claro que temos que olhar para estudos, ouvir especialistas, olhar para os
números. Mas também temos que colocar as pessoas no centro para tomarem as decisões
sobre as coisas que vão impactá-las no dia a dia.
 
A participação política é uma consequência direta do acesso à educação. Como avalia
o atual momento?
Aqui eu trago meu depoimento pessoal. Nasci e cresci em uma ocupação na periferia de São
Paulo. Sou filha de nordestinos que vieram para São Paulo em busca de oportunidades, mas
infelizmente só conseguiram lutar por essas oportunidades para seus filhos. Enquanto
aluna de escola pública que fui, raramente me deparava com discussões sobre faculdade,
profissão. Como meu pai era dependente químico, me lembro de ouvir diversas vezes “Você
e seu irmão vão ser drogados igual seu pai”. Não me lembro das pessoas me dizerem que eu
podia fazer o que eu quisesse, que poderia fazer faculdade e ter uma profissão. Foi por
causa da educação, da Olimpíada Brasileira de Matemática de Escolas Públicas —uma
política pública maravilhosa, que impacta milhões de brasileiros todos os anos — que eu
pude ganhar uma bolsa de estudos em uma escola particular, aprender inglês e fazer
faculdade. Se não fossem essas oportunidades e meus professores, com certeza não estaria
falando com vocês. Mas infelizmente a minha história é aquela exceção que fala da regra.
Tive muita sorte, vindo de onde eu vim, de conseguir estudar.
 
*Estagiário sob supervisão de Carlos Alexandre de Souza
 
Leia mais: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p6

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
2 voltar ao topo
POLÍTICA
Tumulto e tensão estavam no radar
Antes mesmo de começar, o depoimento de Luciano Hang era visto com reservas por
integrantes da CPI da Covid. Nos bastidores da comissão, a decisão de chamá-lo partiu do
relator Renan Calheiros (MDB-AL) e foi tomada sobretudo depois do comparecimento de
Pedro Benedito Batista Júnior, diretor-executivo da Prevent Senior, na semana passada. Foi
ele que admitiu que a citação à covid-19 era retirada dos prontuários de pacientes que
morriam devido à doença e que uma dessas vítimas seria Regina Hang, mãe do empresário.
A preocupação era dar ribalta para o dono de uma rede de loja de departamentos passar
ideias que se conflitam com aquilo que a ciência já confirmou.
Antes de começar a CPI, Renan deu a entender de que a sessão seria tensa e repleta de
provocações — embora tenha, na introdução que fez antes das perguntas, classificado Hang
como "bobo da corte". "É um depoimento normal, como qualquer outro ele vai ter que se
adequar às regras da CPI. Esse tipo de personagem sempre existiu na história do Brasil. Não
é incomum que exista hoje. É uma espécie de bobo da corte, que vive da sabujice eterna
para prestar serviços ao poder e ganhar dinheiro. Ele tem envolvimento óbvio nas fake
67

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


news, nos impulsionamentos, no patrocínio e no incentivo à mentira. Ele tem envolvimento
óbvio no gabinete paralelo, como negacionista que é", explicou o relator.
O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) afirmou que o espetáculo de ontem poderia acontecer. "CPI
não tem que defender o governo e nem ninguém, deve apurar os fatos. Já era esperado isso
aí. Quem chamou sabia que ia acontecer isso", salientou.
Já o senador Humberto Costa (PT-PE) admitiu que o depoimento de Hang acrescentaria
pouco e frisou que todos os fatos relacionados ao empresário estão documentados. "Nós
tivemos, ontem (terça-feira), um depoimento bombástico (o da advogada Bruna Morato, que
defende um grupo de médicos que faz várias acusações à Prevent Senior), importante para
o esclarecimento do que aconteceu durante a pandemia. Esse de hoje (ontem) iria
acrescentaria pouca coisa. O que poderia vir a mais?", indagou.
Para o senador Rogério Carvalho (PT-SE) — que acusou um dos advogados de Hang de tê-lo
desacatado, tumulto que suspendeu os trabalhos da CPI por aproximadamente 40 minutos
—, "o que importa são dados e o cinismo do Hang depõe contra ele. Muito cínico, muito
sarcástico. Só vai reforçar a presença dele como investigado".
Sobre o entrevero entre ele e um dos defensores de Hang, o petista explicou. "Estava
pedindo questão de ordem e o advogado interrompeu, levantou, botou o dedo em riste. O
advogado não tem que se manifestar em uma CPI. Ele tem que dar conta do paciente dele.
Uma falta de respeito total e absoluto pelo vigor do rito processual. Eles estavam faltando
com decoro ali. O advogado era quem falava no lugar do depoente, puxando o microfone",
explicou. (TA e RF)

Leia em: https://www.cbdigital.com.br/correiobraziliense/30/09/2021/p2

CORREIO BRAZILIENSE
30/09/2021
4 voltar ao topo
POLÍTICA
PGR apura ameaça de general a pleito de 2022
O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu uma apuração preliminar contra o
ministro da Defesa, Walter Braga Netto, por ameaça à realização das eleições em 2022. O
presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), recebeu, em 8 de julho, um recado de Braga
Netto. Por meio de um importante interlocutor político, o general pediu para comunicar, a
quem interessasse, que não haveria eleições no ano que vem sem voto impresso.
Na notificação, Aras afirma que vai apurar "possível infração político-administrativa"
cometida pelo ministro da Defesa. A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que
propunha o voto impresso em eleições foi rejeitada pelo Congresso no mês passado
A decisão de Aras foi comunicada na segunda-feira ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo
Tribunal Federal (STF) , que é relator de quatro ações contra Braga Netto. O chefe do
Ministério Público Federal pede que esses outros pedidos de investigação sejam arquivados,
uma vez que já há procedimento aberto na Procuradoria-Geral sobre o caso. Integrantes do
Supremo leram a iniciativa de Aras como uma manobra para tirar o caso das mãos da
Corte. Aliado do presidente Jair Bolsonaro, o PGR tem usado desse expediente em episódios
que envolvem aliados do governo.
A apuração foi instaurada no dia 26 de agosto a partir de uma notícia de fato que tramita
em caráter sigiloso na PGR. O vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, e a
subprocuradora Lindôra Araujo são os responsáveis pelo caso.
68

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Desinformação
Braga Netto não comentou a investigação. Na ocasião da divulgação da ameaça, divulgou
nota na qual afirmou que "não se comunica com presidentes de Poderes por meio de
interlocutores" e classificou-a como "desinformação". O general, no entanto, defendeu a
discussão do voto impresso como "legítima".
O ministro da Defesa repetiu a mesma posição em 17 de agosto, quando foi chamado a ir à
Câmara para prestar esclarecimentos na Comissão do Trabalho, das Relações Exteriores e
de Fiscalização Financeira e Controle. Parlamentares reagiram à intromissão do general nas
questões da política. "Eu quero dizer que quem decide sobre o voto impresso não é vossa
excelência. É o Congresso Nacional. E vossa excelência caberá obedecer. E caso não
obedeça, será preso", afirmou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) , que participou da
audiência.
Apesar da defesa de Bolsonaro e seus aliados ao voto impresso, a Câmara rejeitou a PEC em
10 de agosto. A pauta, no entanto, não saiu do radar do governo e permaneceu forte entre
os bolsonaristas, que defenderam o projeto durante as manifestações de 7 de Setembro.
Após reações do Supremo e do Congresso às ameaças de Bolsonaro durante os atos, o
presidente ensaiou um recuo e, em entrevistas, tem dito que a participação das Forças
Armadas na preparação das urnas eletrônicas, segundo ele, dá garantias de que não haverá
fraude nas eleições. O convite partiu do presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.

69

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


PE - JORNAL DO COMMERCIO PE -
30/09/2021
21 voltar ao topo
ARTIGOS
RAUL JUNGMANN - Segurança: uma política vazia
O caríssimo leitor dos meus sueltos deve se lembrar de algumas afirmações nossas sobre a
segurança pública, a exemplo das que se seguem: (i) tivemos sete constituições, em
nenhuma delas o governo central, no Império ou na República teve atribuições e
competências constitucionais na área da segurança pública.
Em decorrência disso, (ii) jamais tivemos um sistema nacional ou uma política nacional de
segurança. Tivemos sim, planos, vários, de lavra de ministros que duravam o tempo da sua
permanência no cargo - três meses ou três anos, a depender do caso. Em 2018, governo do
Presidente Temer, foi enfim aprovado o Sistema Único de Segurança Pública/SUSP, lei e logo
em seguida a Política Nacional de Segurança Pública.
De lá prá cá, 2021, nem o SUSP, nem a Política Nacional foram implementadas e dormem no
fundo das gavetas do atual governo. Este mesmo que agora, quase três anos após seu início,
trazer à luz decreto que institui uma política setorial para a segurança, a de âmbito
nacional.
Antes tarde, muito tarde, no caso, do que nunca. Porém, o cotejo das decisões, objetivos e
rumo da "nova política" decepciona, vis a vis a política anterior. Vejamos porque.
Incialmente, o novo plano não foi concebido com a participação ampla da sociedade, nem
dos demais poderes e órgãos afins do executivo - ele é fruto exclusivo dos gestores do
Ministério da Justiça. Secundariamente, o Conselho Nacional de Segurança Pública, que
deveria aprova-lo, e sequencialmente monitora-lo e atualiza-lo, desaparece completamente.
Já o SINAPED, órgão central do SUSP para a passagem de uma política de baixa
transparência para outra com base em evidências, igualmente some, deixando um vazio na
lei o no sistema.
Por fim, em momento algum a "nova política" estabelece metas claras e tangíveis que
permitam o acompanhamento dos resultados por parte do Congresso Nacional, da opinião
pública e dos órgãos de controle.
Isso sem falar que os indicadores de letalidade policial igualmente evaporam e que órgãos
fundamentais como a Ouvidoria Nacional e a Corregedoria Nacional de polícia são
subtraídas, embora, e mais uma vez, constem da lei de criação do SUSP.
Em resumo, ao vazio de políticas na área da segurança pública o governo inova com uma
política de segurança vazia de conteúdo, e precária de propósitos.
(...)

Raul Jungmann, Ex-Ministro da Reforma Agrária, Defesa e Segurança Pública

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

70

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
21 voltar ao topo
ARTIGOS
ADEILDO NUNES - A restrição de direitos
Com o fim de Segunda Guerra Mundial (1945), os grandes penalistas do mundo passaram a
pregar, cientificamente, o fim na pena de prisão, para tanto, substituindo-a, aos poucos,
pela restrição de direitos, claro, relativamente àqueles crimes de média e de pequena
potencialidade. Vários foram os motivos para esta pregação: a construção, reforma e a sua
manutenção são caras, do ponto de vista financeiro, as pessoas que nela ingressam saem
em condições sociais piores que aquelas registradas quando adentraram, enfim, constatou-
se que o ambiente prisional é propício para acelerar os gastos públicos, sem nenhum
retorno para a sociedade.
Os penalistas da época - principalmente os alemães - observaram que os índices de
reincidência por parte daqueles que saiam da prisão eram alarmantes, comprovando, por
isso, que a prisão, ao contrário do que é esperado pela lei, causa um mal social terrível à
própria sociedade, que imagina ver um cárcere que puna e previna o cometimento de novos
crimes, o que de fato nunca aconteceu, pois, contrariamente, a prisão sempre deu causa ao
aumento da criminalidade, porque o ambiente prisional contribui para que o condenado de
lá saía mais degenerado e coberto de revolta, tal é a forma como são tratados os reclusos,
pelo Estado e pela própria sociedade.
Foi assim, pois, que as penas restritivas de direito foram sendo introduzidas no mundo,
sendo certo que a França, em 1970, foi o primeiro país a adotá-las nos crimes de menor
potencial ofensivo. Logo em seguida Estados Unidos da América, Japão e quase todos os
países democráticos passaram a aplicar as penas restritivas de direito em substituição à
prisão. No Japão, hoje, 75% dos delitos praticados, a restrição de direitos tem sido utilizada,
reduzindo eficazmente os seus índices de criminalidade, enquanto a sua população
carcerária caiu dos 250 mil detentos existentes em 1990., para os atuais 165 mil.
Essas penas restritivas de direito, contudo, só chegaram ao Brasil em 1995, com a Lei nº
9.099, quando foram criados os Juizados Especiais Criminais, oportunizando a celebração
das transações penais entre o Ministério Público e o infrator, restando proibida a fixação da
pena privativa de liberdade. Porém, no Brasil, ainda falta muita vontade política para atingir
o objetivo maior dessa nova política criminal: o uso da prisão como última hipótese, porque
ela é desumana e viola a dignidade das pessoas.
(...)

Adeildo Nunes, doutor e mestre em Direito

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
17 voltar ao topo
ARTIGOS
ROBERTO GUSMÃO - Suape continua nos trilhos
Ao decidir se reunir com as lideranças empresariais e com a bancada federal do Estado na
busca de um entendimento para viabilizar a Ferrovia Transnordestina, Pernambuco mostra
71

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


que está no caminho certo.
O ramal será a ferramenta de integração regional com várias cadeias logísticas do Nordeste,
ampliando os investimentos no futuro. Fruto inconteste disso é o recente anúncio de um
grupo empresarial com forte presença na área de mineração solicitar autorização de
outorga de empreendimento ferroviário de sua mina no Piauí, ligando a carga ao Porto de
Suape, numa extensão de 717 km.
A Transnordestina é uma concessão realizada de forma equivocada e as obras se arrastam
há anos. Elas deveriam ter começado pelos portos, destinos logísticos de escoamento para
comercialização, e não pelo interior. Essa opção já consumiu R$ 5,5 bilhões de recursos
públicos. Fosse a decisão outra, a ferrovia já estaria operando, gerando caixa financeiro
para o empreendimento e novas oportunidades.
Embora os entendimentos com o grupo já estivessem em curso, Pernambuco acertou na
estratégia de não entrar em competição acirrada com qualquer Estado envolvido,
priorizando dados técnicos e econômicos. Com o apoio local e do Ministério da
Infraestrutura, Suape se consolida como um porto de Estado.
Este ano tem sido de solidificação de muitos caminhos definidos pelos diversos governos
nesses 42 anos de Suape. O porto será o principal ponto de distribuição logística do
Nordeste, com mais indústrias instaladas. Hoje elas já somam 150 no complexo, que conta,
ainda, com polo farmacêutico, refinaria de petróleo, além da futura produção de
combustível limpo (hidrogênio verde) e de um terminal de regaseificação, que trará gás
natural mais barato.
Líder na importação e exportação de carga por contêineres da região, Suape está em vias de
se transformar no centro de distribuição de gás de cozinha do Nordeste e num hub de
distribuição de veículos importados.
Ressalte-se que essa pujança preserva 8 mil hectares de Mata Atlântica, assegurando
sustentabilidade ambiental e social, além de ter a melhor governança corporativa entre as
empresas públicas do Estado.
Por tudo isso, Suape continua nos trilhos, caminhando rumo ao futuro com mais igualdade
e oportunidade para o Estado e a região.
(...)

Roberto Gusmão, diretor-presidente do Porto de Suape

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
12 voltar ao topo
BRASIL
Veleiro apreendido com haxixe
TRÁFICO

Da Redação, com Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) e a Marinha do Brasil apreenderam, na madrugada do último


domingo, dia 26, mais de 600 quilos de haxixe, em um veleiro a cerca de 180 quilômetros do
arquipélago de Fernando de Noronha (PE).

72

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O veleiro Lamia tinha bandeira panamenha e estava carregado com 632,65 quilos de haxixe,
substância extraída das folhas da cannabis sativa, planta usada para produzir maconha.
Dois tripulantes, ambos de nacionalidade italiana, foram presos em flagrante e
encaminhados para autuação na Polícia Federal.

A Polícia Federal e a Marinha identificaram o transporte de haxixe na embarcação que teria


partido da Europa e, após obter autorização das autoridades panamenhas, fizeram a
interceptação da embarcação. A ação contou com policiais federais do Rio Grande do Norte
e do Núcleo de Polícia Marítima na Paraíba.

Essa atuação integrada tem sido intensificada no intuito de assegurar a proteção ao meio
ambiente e a segurança nas fronteiras marítimas, em especial na repressão a crimes
transnacionais, como o tráfico internacional de drogas.

Somente este ano, a Polícia Federal no Rio Grande do Norte e a Marinha do Brasil,
participaram de outras duas grandes apreensões de drogas em alto-mar: a primeira, em 14
de fevereiro, quando foram apreendidas 2,2 toneladas de cocaína na costa pernambucana e,
a segunda, em 16 de junho, oportunidade em que 4,3 toneladas de haxixe foram
encontradas, a bordo de um veleiro, a 426 km de Recife/PE.

Tais eventos realçam a importância de implementar e fiscalizar o cumprimento de leis e


regulamentos, em águas jurisdicionais brasileiras, na nossa Plataforma Continental e no
alto-mar, respeitados os tratados, convenções e atos internacionais ratificados pelo Brasil.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
10 voltar ao topo
BRASIL
Governo planeja vacinação em 22
Agência O Globo

O Ministério da Saúde admitiu, ontem, que planeja um novo ciclo de imunização contra a
covid-19 em 2022. Segundo a pasta, o Brasil dispõe de doses suficientes para aplicar reforço
em idosos a partir de 60 anos e pessoas imunodeprimidas (com baixa imunidade) em 2021,
além das duas doses em toda a população adulta. O órgão, contudo, não menciona a
vacinação de adolescentes ou a terceira dose para profissionais de saúde, já anunciadas.
A pasta planeja a compra de novos lotes de vacina para 2022, mas ainda não divulgou as
quantidades e quais seriam os laboratórios. De acordo com o ministério, a cobertura neste
ano se dará por meio de 600 milhões de doses. Desse total, faltam receber 100 milhões da
Pfizer, 36,1 milhões da Janssen e 50 milhões de AstraZeneca.
"O Ministério da Saúde informa que já foram contratadas mais de 600 milhões de doses de
vacinas covid-19 apenas neste ano. O quantitativo é suficiente para concluir a vacinação de
toda a população brasileira com duas doses e a dose de reforço em idosos acima de 60 anos
e imunossuprimidos. (...) A pasta mantém diálogo com laboratórios para analisar a aquisição
de doses adicionais para um possível novo ciclo de imunização no ano de 2022", diz a nota.
O país está atrasado nas negociações e não há acordos fechados para o próximo ano. A
pasta não prevê firmar um novo contrato com o Insituto Butantan para a compra de
73

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CoronaVac. O centro de pesquisa já anunciou acordo para venda de 2,5 milhões de doses a
cinco estados: Ceará, Espírito Santo, Mato Grosso, Pará e Piauí. Prefeituras e outros países
também já sinalizaram interesse.
O presidente do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) ,
Willames Freire, defendeu a compra de novas remessas de CoronaVac por parte do governo
federal, assim como das demais aprovadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária
(Anvisa). Segundo o gestor, a expectativa é de que o imunizante também possa ser aplicado
como dose de reforço.
Especialistas consultados pela reportagem, no entanto, defendem que uma vacina diferente
seja administrada como terceira dose. A preferência é pelas que usam a tecnologia do RNA
mensageiro, caso da Pfizer.
Em maio, o secretário-executivo da pasta, Rodrigo Cruz, atual ministro da Saúde substituto,
falou das tratativas com a Moderna, que ainda não chegou ao Brasil, para 2022. Não há
contrato fechado com o laboratório norte-americano.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
15 voltar ao topo
CIDADES
AUMENTO DAS FORMAS GRAVES
DENGUE Em Pernambuco, além do crescimento dos casos de infecção, 36 municípios
estão em situação considerada de alta incidência

CINTHYA LEITE
cleite@jc.com.br

Boletim da Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES) mostra que o coeficiente de incidência


de casos prováveis de dengue, em Pernambuco, encontra-se acima do limite de casos
esperados para o período. Neste ano, até 20 de setembro, já são 44.022 registros de pessoas
que adoeceram com sintomas de dengue, em 183 municípios pernambucanos, o que
representa um aumento de 42%, em comparação com o mesmo período de 2020.

Em relação a incidência dos casos prováveis de dengue, 105 municípios estão em situação
de baixa incidência e 33 de média incidência. Além deles, 36 estão em situação de alta
incidência, ou seja, 300 casos a cada 100 mil habitantes (Veja arte ao lado).

Ainda de acordo com o balanço da SES, até 20 de setembro, foram notificados 79 casos de
dengue com sinais de alarme e 14 de dengue grave, o que corresponde a um aumento de
63,2%, em relação ao mesmo período de 2020, quando foram registrados 43 casos de
dengue com sinais de alarme e 14 da grave. 

Em agosto deste ano, a Secretaria de Saúde do Recife confirmou um óbito por dengue, de
um homem de 76 anos, que morava no bairro de San Martin, Zona Oeste da cidade. Já na
última semana, a cidade confirmou um óbito por chicungunha: de uma mulher de 90 anos,
que morava no bairro de Jardim São Paulo, na Zona Oeste da capital pernambucana. 

Além dessas mortes confirmadas, a capital pernambucana ainda investiga outros quatro
74

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


óbitos de pessoas que morreram com quadro sugestivo de infecção causada por vírus
transmitido pelo Aedes aegypti.

Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início


abrupto, que geralmente dura de dois a sete dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no
corpo e articulações, além de prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na
pele. Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Em alguns casos, também apresenta
manchas vermelhas na pele. Na fase febril inicial da dengue, pode ser difícil diferenciá-la.

A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes e
sangramento de mucosas. Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de
saúde para diagnóstico e tratamento adequados. 

TRATAMENTO

Não existe tratamento específico para a dengue. Em caso de suspeita, é fundamental


procurar um profissional de saúde. A assistência em saúde é feita para aliviar os sintomas.
Estão entre as formas de tratamento: fazer repouso; ingerir bastante líquido (água); não
tomar medicamentos por conta própria; a hidratação pode ser por via oral (ingestão de
líquidos pela boca) ou por via intravenosa (com uso de soro, por exemplo); o tratamento é
feito de forma sintomática, sempre de acordo com avaliação do profissional de saúde,
conforme cada caso.

A melhor forma de prevenção é evitar a proliferação do mosquito, eliminando água


armazenada que podem se tornar possíveis criadouros, como em vasos de plantas, lagões
de água, pneus, garrafas plásticas, piscinas sem uso e sem manutenção, até mesmo em
recipientes pequenos, como tampas de garrafas.

75

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
14 voltar ao topo
CIDADES
REFORÇO CONTRA OS ASSALTOS
INSEGURANÇA Após aumento da violência em Boa Viagem, Zona Sul do Recife, orla
terá incremento de policiamento a partir de amanhã

RAPHAEL GUERRA
rguerra@tvjornal.com.br

Após o aumento dos assaltos denunciado nos últimos meses por moradores do bairro de
Boa Viagem, na Zona Sul do Recife, novas medidas de segurança começarão a ser adotadas
pela Polícia Militar e também pela prefeitura. A partir de amanhã, haverá um reforço de
policiamento na orla. Essa foi uma das promessas feitas, ontem, durante audiência pública
proposta pelo vereador Paulo Muniz (SD) para discutir a violência no bairro.

"Nos meses de julho e agosto houve crescimento dos crimes contra o patrimônio (roubos e
furtos). Mas em setembro estamos com decréscimo de 17%. Houve um estudo e estamos
fazendo algumas mudanças e haverá reforço de policiamento na orla de Boa Viagem e ruas
adjacentes", afirmou o major Joseval Sandoval da Silva, subcomandante do 19º Batalhão da
PM, que, além de Boa Viagem, é responsável pela segurança de mais sete bairros.

Ele reconheceu que o número de policiais militares nas ruas não é o ideal. Segundo o
subcomandante, há cerca de 400 PMs fazendo a segurança dos oito bairros. No entanto,
deveriam ser pelo menos 700.

O major pontuou ainda a necessidade da parceria entre a polícia e os moradores do bairro


para combater a violência de forma mais efetiva. "Junto com os condomínios do Segundo e
Terceiro Jardim fizemos um projeto que se chama Condomínio 19, que já funciona em
Setúbal e estamos querendo expandir essa ideia." Segundo ele, imagens de câmeras
mostrando assaltos chegam de forma mais rápida aos policiais, garantindo a agilidade para
identificação e prisão dos infratores.

Em 23 de agosto, um turista carioca foi atingido por facadas durante abordagem bem perto
do hotel onde estava hospedado, em Boa Viagem. Ele teve o celular levado. O turista
precisou de atendimento no Hospital da Restauração. Imagens ajudaram na identificação do
suspeito do assalto, que foi detido no dia seguinte.

O subcomandante também foi questionado sobre a desativação de postos fixos da PM. Ele
explicou que esses equipamentos "têm utilidade, mas o mais efetivo é o lançamento de
viaturas a duas ou quatro rodas" nas ruas.

CÂMERAS

Na audiência, o secretário-executivo de Gestão e Segurança Urbana do Recife, coronel


Adalberto Freitas, anunciou que está trabalhando em um projeto com a Secretaria de
76

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Planejamento para montar um hub de imagens que possa agregar câmeras do poder
privado às do poder municipal. "A ideia é que, após visualizar o assalto, a imagem seja
compartilhada e agregada ao sistema para que se identifique a pessoa e, quando ela passar
em outra câmera, a gente acompanhe seu caminho", apontou. Também está em estudo a
colocação de câmeras ao longo da orla de Boa Viagem até Brasília Teimosa.

O coronel disse que a prefeitura analisa implementar uma central de monitoramento


permanente no Segundo Jardim, onde já funciona o Centro de Atendimento ao Turista.
Questionado sobre o déficit no efetivo da Guarda Municipal, o coronel admitiu que há
necessidade de incremento de profissionais, mas que não há previsão para concurso
público.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
32 voltar ao topo
COLUNAS
MIRELLA MARTINS - Social1
A briga pelo posto do mais rico do mundo
Elon Musk e Jeff Bezos brigam em duas frentes. Primeiro, para saber quem é o homem mais
rico do mundo. Segundo, na corrida espacial. Sobre o topo da pirâmide, o fundador da Tesla
e da SpaceX voltou a ser o mais rico do mundo, superando novamente o CEO da Amazon e
da companhia aeroespacial Blue Origin. De acordo com a Forbes, Musk tem fortuna avaliada
em 200,3 bilhões de dólares, enquanto a de Bezos marca 193,1 bilhões de dólares.

Negócios
André Farias vai entrar para a história da retomada ao fazer o primeiro evento presencial,
77

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


aqui em Pernambuco, reunindo 200 executivos, no almoço promovido pelo Experience Club
Nordeste, hoje, a partir do meio-dia, na Usina Dois Irmãos.

Bancada de PE
Gustavo Freire participou, terça-feira, da plenária do Conselho Federal da OAB em Brasília,
também prestigiada pelo presidente da OAB-PE, Bruno Baptista

Arte no Agreste
Após hiato de dois anos, volta a Residência Belojardim, projeto do Instituto Conceição
Moura realizado na cidade do Agreste. Por causa da pandemia, será digital. A artista Camila
Sposati (SP) desenvolverá o projeto Corpos de Phonosophia. Ela apresenta hoje, às 17h, numa
live pelo IG @residenciabelojardim.

Na Bienal
A Fundaj vai homenagear Edson Nery da Fonseca — bibliotecário, escritor e prof. falecido
em 2014 — na 13ª Bienal Internacional do Livro de PE, que começa amanhã, no Centro de
Convenções. A fundação estará presente num estande de 200 metros quadrados com várias
ações e uma instalação artística.

Bromélias
No Jardim Botânico do Recife desde 2011, raridades como coleção de herbáceas da família
Bromeliaceae. São mais de 500 amostras em 60 espécies. O acervo possibilita ao espaço ser
classificado como nível A, principalmente, para fins de proteção de espécies ameaçadas.

Identidade
O Sertão e seus encantos é o tema do projeto Vitrine Expo Casapronta. Assinada pela
arquiteta Cecilia Lemos, traz elementos da arte de J. Borges e aspectos culturais locais, para
valorizar a arte regional. Os tapetes e tons utilizados revelam através das cores e texturas a
identidade sertaneja.

Montessori
A empresária Carol Pugliesi, do Espaço Criançar, em Setúbal, inicia mestrado em pedagogia
montessoriana pela Univ. de Barcelona. O espaço, que completa um ano em novembro, já
aplica essa abordagem e pretende aprofundar.

Meditação
Segundo pesquisa do V.Trends, a pandemia aumentou em 45% o número de pessoas
adeptas da meditação. O estudo mostra que uma em cada três que meditam atualmente
começou durante este período. As mulheres compõem a maioria dos praticantes, com 58%.
No app Vivo Meditação tem, inclusive, versão gratuita para quem não é cliente da
operadora.

De verdade
A foodtech Liv Up vai compensar embalagens utilizadas, devido ao aumento da
preocupação ambiental alarmada pelo alerta vermelho da ONU. Até hoje, foram 127
toneladas de materiais reciclados.

TikTok
Recentemente, o principal órgão regulador de dados do TikTok na União Europeia abriu

78

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


duas investigações relacionadas à segurança de dados pessoais no aplicativo de
propriedade chinesa. O app tem acesso à localização, lista de contatos e também às
preferências do usuário. "Precisamos sempre ler bem a política de privacidade do que
baixamos em nossos aparelhos", alerta a advogada Daniela Vasconcelos, especialista em
segurança digital.

Política
O estrategista político Paulo Moura entregou a Heitor Pontes a capa e a direção de arte do
seu livro Inteligência Política e Campanhas Eleitorais, que será lançado ainda este ano. A
foto de capa será de Carlos Cajueiro e a revisão já está com a cientista política Priscila Lapa.

Lesão
O ortopedista Fernandes Arteiro alerta para o risco de lesões na chegada do verão. "Muitas
pessoas iniciam repentinamente atividades ao ar livre, aproveitando o sol. No entanto, é
necessária uma preparação."

Rápidas
A ativista da causa animal Goretti Queiroz está em São Paulo acompanhando a chegada da
ursa Úrsula, que deixou o Parque Dois Irmãos, no Recife, onde vivia desde 2003, para o
Rancho dos Gnomos, em Cotia, interior de SP.
Para comemorar o Dia das Crianças, o Shopping Tacaruna monta o Circuito de Brincadeiras
Mundo Bita, de sábado até o 12 de outubro.
O ETC vai realizar programação especial nos três primeiros finais de semana de outubro.
Terá contação de histórias, mágicas e encontrinho com as personagens Elza, Anna e Moana.
Karol Arruda e Amanda Lourenço confirmaram a Out Fashion Recife, feira de moda e
negócios. Será no RioMar, de 29 a 31.
A Arezzo Outlet Boa Viagem abraçou o Bazar Solidário da Apaf, associação que acolhe
doentes de fígado, doando vários produtos. O bazar vai de segunda a sexta, em frente ao
Hospital Oswaldo Cruz. Toda a renda vai para a instituição, que funciona há 18 anos.

Eleições
O presidente do TRE-PE, Carlos Moraes, e o chefe do cartório eleitoral de Palmeirina, Ítalo
Rocha, realizam teste, auditoria e preparação das urnas
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
17 voltar ao topo
COLUNAS
FERNANDO CASTILHO - JC Negócios
Festa para dar escritura
Sem perspectiva de voltar a fazer novos conjuntos habitacionais, além dos que está
finalizando (um deles anunciado na gestão de João Paulo), a Prefeitura do Recife fez a
primeira entrega de documentos do programa de regularização fundiária A Casa é Sua. O
objetivo do programa é regularizar unidades habitacionais e moradias em território
79

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


recifense consolidadas. Até o final de 2024, a PCR estima conceder 50 mil títulos.

O programa oferece isenção de IPTU, da Taxa de Lixo e ITBI por, no mínimo, cinco anos -
desde que a família se mantenha inscrita no CadÚnico. O projeto de lei para isso ainda será
encaminhado à Câmara Municipal, o que só revela a pressa do prefeito João Campos em
entregar os documentos de 308 casas na ZEIS da João de Barros. Pelas contas dele, 17 mil
imóveis estão sendo regularizados.

O A Casa é Sua é a versão local do que Bolsonaro fez com o MCMV para ter uma mínima
atuação na área. Sem orçamento para fazer casa nova para eliminar favela e palafita, a
proposta é dar a escritura com o discurso de que, com ela, o imóvel vira propriedade
negociável. Como se isso já não acontecesse.

Vai ficar nisso. Até o primeiro semestre de 2022, todos os cinco habitacionais ainda em fase
de conclusão estarão entregues. A partir daí, não existe perspectiva habitacional. O que
significa dizer que nenhuma comunidade será realocado para uma habitação mais digna. O
cenário habitacional do Recife vai ficar nessa mediocridade de entregar a escritura de
quem, por iniciativa própria, já resolveu sua questão habitacional. Sem ajuda do governo ou
da prefeitura.

FGTS para bancar a entrada


Há duas semanas, o governo Bolsonaro lançou o Casa Verde e Amarela Parcerias, onde
estados e municípios pagam 20% do valor das moradias. Pernambuco com mais nove
estados entrou no projeto. O dinheiro vem do FGTS (R$ 56 milhões, em 2022, e R$ 61 milhões,
em 2023). Os 20% dos estados seriam para o terreno, infraestrutura e parte da prestação.
Não se sabe quanto Pernambuco vai bancar. Hoje, apenas São Paulo e Paraná reservam
recursos para esse tipo de programas habitacionais.

Dallas vai...
A construtora Dallas entregará mais um home-service, o Golden Home Boa Viagem, em
outubro. Em Recuperação Judicial, a empresa descentralizou a gestão de custos das obras
para 12 empreendimentos em construção no Recife.

...entregar home
Dessa maneira, em vez do regime de incorporação, comum no mercado imobiliário, a
empresa passa a adotar o regime de condomínio para cada um dos projetos em andamento,
conferindo autonomia aos proprietários sobre os investimentos futuros.

Asfalto caro...
Nem só de gasolina e diesel vive a inflação do petróleo. O setor de asfalto explodiu os custos
em mais de 30% em 2021, inviabilizando a entrega de parte dos serviços de asfaltamento nas
cidades e forçando reajuste de milhares de contratos.

...piso concreto
Diante do cenário, entidades como a Associação Brasileira de Cimento Portland, de Serviços
de Concretagem e o Instituto Brasileiro de Telas Soldadas começaram uma campanha para
a ampliação do do uso do pavimento urbano de concreto, que agora sai mais barato.

Fonset com PE

80

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O secretário do Trabalho, Alberes Lopes, foi eleito presidente do Fórum Nacional de
Secretarias Estaduais do Trabalho (Fonset), que reúne os titulares das secretarias estaduais
de trabalho e DF. O mandato é de um ano e pode ser prorrogado por mais um.

CD da Império
Liderada por Cristiano Vilar, a empresa pernambucana Império Móveis e Eletro anunciou,
ontem, a construção de Centro de Distribuição que atenderá 90 lojas no Estado, Paraíba,
Alagoas e Ceará, além do e-commerce, investindo R$ 70 milhões.

Cenário ruim
Os microempreendedores individuais (MEIs) têm até esta quinta-feira (30) para regularizar
os débitos com o Fisco. De acordo com a Receita Federal, cerca de 1,8 milhão de
microempreendedores individuais podem ser inscritos na Dívida Ativa da União.

Consignado
Resultado da pressão dos consumidores, a Autorregulação do Consignado - que começou
em janeiro de 2020 - puniu até julho 605 correspondentes bancários com advertências,
suspensão de atividades e perda do direito de atuar em definitivo.
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
6 voltar ao topo
COLUNAS
CLÁUDIO HUMBERTO
CPI não humilhou Hang
Chamado de "bobo da corte", Luciano Hang acabou demonstrando, em 5 horas de
interrogatório, que nada tem de bobo. Ao contrário. Aproveitou para fazer propaganda
gratuita de suas lojas Havan, nas emissoras que transmitiam ao vivo a sessão da CPI, e
ainda contou sua história de filho de operários que prosperou até comprar a fábrica onde
os pais trabalharam por 40 anos e ele próprio, em seu primeiro emprego. A ideia de
humilhar e até prender o comerciante bolsonarista resultou frustrada. Durante seu
depoimento, Hang mandou mal ao não se penitenciar do fato de não haver se vacinado,
como é dever de todo cidadão. Ao final, presidindo a sessão já sem o titular e o relator,
Randolfe Rodrigues agradeceu a presença de Hang e desejou-lhe boa sorte. Após a sessão,
Luciano Hang ainda fez uma declaração dura, comparando a CPI da Covid a tribunal da
Santa Inquisição. Luciano Hang explicou que sofre com fake news desde o governo do PT e
disse estar feliz em explicar que não é sócio de Dilma ou Lula.

Brasil já tem 90 mi de vacinados


O Brasil vai superar nesta quinta (30) a expressiva marca de 90 milhões de pessoas
totalmente imunizadas contra covid, por terem recebido a segunda dose ou dose única.
Equivale a 57% do público-alvo do Plano Nacional de Imunização (PNI) e 42% da população
total. O sucesso da campanha ficou evidente na redução do número de casos e mortes, mas
tem sido visto, na prática, ao redor do país com vida voltando ao normal. Este último dia de
81

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


setembro marca os 257 dias de campanha, com uma média de 919 mil doses aplicadas por
dia desde 17 de janeiro. Outra marca importante alcançada pelo PNI este mês foi superar as
150 milhões de pessoas com primeira dose, é quase 71% da população.

Não houve
Acusado de "financiar fake news" por ter recebido pedido de patrocínio de um blogueiro
bolsonarista, Hang disse isso foi negado tanto quanto uma solicitação idêntica do senador
Jorge Kajuru. Ao defender o colega, o relator desfez a própria pergunta: "Não é crime pedir
patrocínio."

Faltou agradecer
Na CPI, Omar Aziz, disse que o "voluntarismo" de Luciano Hang "matou pessoas". Teve que
engolir seco quando o dono da Havan revelou, sob aplausos, haver doado a Manaus, sua
cidade, 200 cilindros de oxigênio.

Empregos
Como previsto, com presença de Onyx Lorenzoni (Trabalho), os dados do Caged mostraram
que foram criados 372.265 novos empregos com carteira assinada em agosto e o acumulado
do ano supera 2,2 milhões.

Duas medidas
Marcos Rogério (DEM-RO) afirmou que "regra de um dia não vale para o outro", após a CPI
exigir que Hang expusesse os nomes de médicos que atenderam sua mãe. Não fizeram o
mesmo com a depoente da véspera.

Cavalo de Troia
Tem ministro com gabinete no Planalto acreditando que o aparelhamento petista
transformou a Petrobras em uma espécie de "cavalo de Troia". É como chamam a estatal
esquizofrênica que age como empresa privada.

Vítimas
A escalada de preços do diesel, com alta acumulada de 51%, agrava a crise no setor de
transportes urbanos, que já soma prejuízos de R$ 16,7 bilhões desde 2020. A advertência é
da NTU, entidade nacional do setor.

Frase
Nunca imaginei na minha vida passar por este tribunal de inquisição"
Luciano Hang, empresário, logo após o final de seu depoimento na CPI da Covid
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
2 voltar ao topo
COLUNAS
JAMILDO MELO - Blog de Jamildo

82

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Gás para obras no Recife
Não é só o governo Paulo Câmara que iniciou temporada de busca de empréstimos com
bancos federais. O prefeito do Recife, João Campos (PSB), também quer tomar crédito com
bancos oficiais para obras em sua gestão.

Para tanto, a Prefeitura do Recife usou uma edição extra do Diário Oficial, nesta quarta-feira
(29) , para publicar uma série de documentos necessários para a captação de novas
operações. Um dos objetivos da documentação é facilitar a liberação de novos empréstimos
para a gestão municipal, segundo fonte na Prefeitura.

Segundo os documentos, atualmente Recife tem R$ 134 milhões em "Operações de Crédito


Internas e Externas". Contudo, segundo o "Limite Definido pelo Senado Federal para
Operações de Crédito Externas e Internas", a Prefeitura poderia tomar até R$ 830 milhões
em empréstimos.

Ou seja, uma margem liberada para João Campos de R$ 700 milhões para novos
financiamentos. A "Dívida Consolidada Líquida" do Município do Recife atualmente está em
R$ 869 milhões, mas o "Limite Definido por Resolução do Senado Federal" para aumento da
dívida chega a R$ 6,2 bilhões.

As finanças da Prefeitura, a exemplo do Estado, estão boas. A "Despesa Total com Pessoal"
ficou em 45,18% da receita. Dessa forma, cumpriu os três limites definidos pela Lei de
Responsabilidade Fiscal: 54% (máximo), 51,3% (prudencial) e 48,6% (alerta). 

Respiradores nas mãos do TJPE


Já estava decidido que o caso desceria para a Justiça estadual, mas os envolvidos na
Operação Apneia queriam a anulação de toda a operação, alegando que fora realizada por
âmbito judicial incompetente. O relator do processo já negara a anulação e agora a turma
do TRF-5 ratificou a denegação. Os autores do agravo foram os acusados Jailson Correia,
Felipe Soares Bittencourt e Mariah Simões da Mota Bravo. O desembargador relator foi
Paulo Machado Cordeiro. Seguiram o relator os desembargadores Paulo Roberto de Oliveira
Lima e Leonardo Henrique de Cavalcante Carvalho.

Nem aí
O empresário Otávio Fakhoury diz que recebeu com naturalidade e tranquilidade a
convocação para depor na CPI da Covid nesta quinta. "Afirmo aos senadores o que amigos e
ex-colegas de mercado financeiro já sabem: minha conduta sempre foi e continuará sendo
pautada pela transparência, legalidade e moralidade"

Menos um
A Procuradoria-Geral da República pediu o arquivamento de inquérito contra o líder do
governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra Coelho, apontando não existirem provas
contra o senador. "Não existem elementos para oferecimento de denúncia, com a
instauração de ação penal", escreveu a subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo.

Câmara vigia ponte do Monteiro


A Câmara Municipal do Recife realiza, nesta quinta, audiência pública remota sobre a Ponte
Monteiro-Iputinga. Proposta e presidida pelo vereador Alcides Cardoso (DEM), a audiência
pretende esclarecer dúvidas e obter garantias para que as famílias que vivem nas duas

83

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


comunidades há anos não sejam prejudicadas. Relançada recentemente pela prefeitura
como Ponte Engenheiro Jaime Gusmão, o projeto, cuja obra foi retomada no início deste
mês e já consumiu mais de R$ 22 milhões dos cofres municipais, permanece alvo da
oposição. "O TCE-PE já cobrou a solução do caso e não podemos aceitar mais prejuízos aos
moradores e à mobilidade urbana", disse Cardoso.

Aeroclube
A Prefeitura do Recife apresenta hoje, pela primeira vez em detalhes, o Complexo do
Aeroclube, às margens da Via Mangue, e que será o maior parque urbano da cidade. O
projeto é tema da primeira audiência pública da Comissão de Acompanhamento das Obras
do Parque do Aeroclube, da Câmara do Recife, presidida pelo vereador Paulo Muniz.

Preço médio
Alegando que busca ajudar o Governo de Pernambuco a implementar medidas que evitem
que o aumento do preço dos combustíveis chegue ao consumidor final, o deputado Romero
Albuquerque (PP) informou ao Blog que encaminhará a Paulo Câmara um apelo pelo
congelamento da atualização da pauta fiscal pelos próximos meses.
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/ 

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
4 voltar ao topo
COLUNAS
ALBERTO BOMBIG - Coluna do Estadão
Com Hang, governistas prevalecem no Twitter
O depoimento de Luciano Hang fez o jogo virar a favor dos bolsonaristas e contra a CPI da
Covid no Twitter, de acordo com dados da consultoria Bites levantados a pedido da Coluna.
Até as 17h da quarta-feira (29), cerca de 465 mil tuítes foram publicados com protagonismo
do engajamento à direita. O nome do depoente e a hashtag #CPIdoCirco dominaram os
trending topics. Em picos de interação anteriores desde o início da comissão, a responsável
por aumentar a temperatura online tinha sido a esquerda, ofuscada nessa quarta pelos
bolsonaristas. 

Cansou?
O volume de citações à CPI durante o depoimento foi maior que a média de 219 mil diárias
desde a instalação da comissão, mas não supera os seis maiores picos, quando figuras como
Eduardo Pazuello (foto), Fábio Wajngarten e Mayra Pinheiro depuseram. Para a Bites, além
de demonstrar dificuldade da esquerda em se manter pautando o debate, o clima nas redes
é resultado da estratégia do próprio Hang, que inflamou seguidores contra a CPI desde o dia
de sua convocação.

Fogo
Começou quando Hang divulgou vídeo em tom de deboche segurando uma algema, dizendo
que os senadores não precisariam gastar dinheiro comprando uma para ele. À comissão ele
disse que tinha sido uma brincadeira.
84

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Ondas
Bolsonaristas aproveitavam momentos bizarros do depoimento de Luciano Hang, como a
exibição de vídeo institucional de sua rede de lojas.

Ondas 2
Enquanto opositores do governo viam absurdo por parte da comissão em permitir a
exibição do vídeo, aliados celebravam, mantendo ataques também à comissão.

Vamos...
Neste início de segundo mandato, Augusto Aras levantará como bandeira de sua gestão, no
aspecto interno, a busca por maior diálogo e unidade do Ministério Público.

...juntos
Em evento de entidades do setor hoje (30), em Gramado (RS), o PGR pretende tocar em
pontos como pluralidade e respeito na instituição. O tema do encontro é "O Ministério
Público de uma Nova Era: Reflexões e Projeções".

Paper
Em meio à disputa do Centrão pelo controle do Banco do Nordeste (BNB), um documento
sigiloso da própria instituição está incendiando os grupos de WhatsApp do bloco.

Paper 2
O documento cita investigações contra assessores do presidente Romildo Rolim: Bruno
Roberto e Gustavo Brasil Passos. Ambos aparecem com salário de R$ 50 mil/mês nos cargos
de assessores especiais da presidência.

Laços
Bruno Roberto é filho do deputado Wellington Roberto (PL-PB), que também teria indicado
Passos. Segundo o documento, ambos nunca são vistos no gabinete da presidência do BNB,
em Fortaleza.

Laços 2
"Os dois têm muitas atividades fora do escritório ou em Brasília", diz Evangelina Aragão,
superintendente do banco.

Ditar-te-ei
Autor de cartas que fizeram história na política e poeta diletante, Michel Temer não
manuscreve nem digita as produções de sua lavra. O ex-presidente vai ditando e um
programa de computador transforma tudo em texto. Até as famosas mesóclises a máquina
entende e registra.
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

85

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
19 voltar ao topo
ECONOMIA
GERAÇÃO DE VAGAS FORMAIS COM MAIS VIGOR
CAGED Pernambuco e o Recife atingiram saldos positivos em agosto

Pernambuco criou 17.215 novos postos de trabalho com carteira assinada em agosto e 2021.
O resultado vem dentro das expectativa de recuperação após o pior período da pandemia.
Com isso, o Estado registrou o maior saldo de novas vagas formais do ano, superando julho
último, que detinha o recorde até agora e o melhor desempenho para o mês em 10 anos. Os
dados fazem parte do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado
ontem (29) pelo Ministério da Economia.
Os números colocam Pernambuco como o segundo estado do Nordeste que mais abriu
postos no mês passado, atrás apenas da Bahia, que abriu 17.882 novas vagas formais. Em
terceiro lugar ficou o Ceará, respondendo por 16.507 dos 82.878 novos postos abertos na
região.
No acumulado no ano, o saldo passou a somar 45.069 postos ocupados, decorrente de
304.702 de admissões e de 259.633 demissões. Na comparação com agosto de 2020, quando
12.420 vagas foram geradas, o crescimento foi de 38,6%.
O governo do Estado comemorou o resultado, já que o desempenho em agosto passou a
representar o melhor para o mês nos últimos dez anos. "Em 2011, a situação do Brasil era
diferente, vivíamos pleno emprego, não enfrentávamos esta crise. Então, os números deste
mês são positivos para Pernambuco", diz o secretário do Trabalho, Emprego e Qualificação,
Alberes Lopes.
O resultado do Estado também já registra um efeito sazonal das contratações. Dos 45.069
novos postos gerados em 2021, 25.751 foram abertos a partir de julho, início do segundo
semestre do ano, quando normalmente há um número maior de contratações.
O setor de maior crescimento no mês foi o da indústria, com 6.348 contratações. Os
números positivos seguem no setor de serviços (5.155), no comércio (2.763), na agropecuária
(2.638), na construção civil (311). As cidades que mais geraram empregos, por sua vez, foram
Recife (3.891), Igarassu (2.385), Petrolina (1.845), Lagoa de Itaenga (1.642) e Caruaru (698).
Na capital, agosto foi o sexto mês consecutivo de alta no indicador e o sétimo no ano. Os
setores que mais impactaram positivamente na cidade no mês foram Serviços (2.852); (668) e
Indústria (354.
"Já são sete meses de alta no emprego no ano e projetamos que o indicador avance ainda
mais", previu o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação
do Recife, Rafael Dubeux.
O Caged é reflexo do envio de informações repassadas pelas empresas ao governo federal,
indicando as admissões e demissões dentro do mercado formal. Embora haja uma
recuperação dos postos com carteira no Estado e também no Recife, o maior desafio para o
mercado de trabalho local ainda é a informalidade.
Pela última pesquisa Pnad Contínua do IBGE, que leva em consideração essa parcela da
população e também aqueles que buscam algum emprego, o Estado ainda seguia na
contramão do Brasil, com a taxa de desemprego oscilando 0,3 ponto percentual para cima e
atingindo 21,6% ao fim do segundo trimestre de 2021, o pior resultado desde 2012, e a maior
taxa entre os estados brasileiros.
Na comparação com o mesmo trimestre de 2020, o indicador havia crescido 6,5 pontos
86

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


percentuais. Com isso, em meio aos desafios impostos pela pandemia de covid-19, 885 mil
pernambucanos procuravam emprego e não encontravam ao fim do período citado.
A taxa de informalidade no segundo semestre já era de 51,4%, enquanto 3,2 milhões de
pessoas ocupadas em Pernambuco (33,9%) trabalhavam por conta própria.

BRASIL
No País registrado um saldo de 372.265 novos trabalhadores contratados com carteira
assinada em agosto de 2021. O saldo é o resultado de um total de 1.810.434 admissões e
1.438.169 desligamentos.
De acordo com o Caged, o salário médio de admissão caiu 1,42% na comparação com o mês
anterior, ficando em R$ 1.792,07.
No acumulado no ano, o saldo passou a somar 2.203.987 postos ocupados, decorrente de
13.082.860 de admissões e de 10.878.873 demissões. O estoque nacional, que é a quantidade
total de vínculos celetistas ativos, em agosto de 2021, contabilizou 41.566.955, o que
representa uma variação de 0,9% em relação ao estoque do mês anterior.
De acordo com o Novo Caged, em agosto, os dados registraram saldo positivo no nível de
emprego nos cinco grandes grupamentos de atividades econômicas: Serviços (180.660
postos), distribuído principalmente nas atividades de informação, comunicação e atividades
financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas (79.832 postos); Comércio (77.769
postos); Indústria geral (72.694 postos), concentrado na indústria de transformação (69.266
postos); Construção (32.005 postos); e Agricultura, Pecuária, Produção florestal, Pesca e
Aquicultura (9.232 postos).

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
18 voltar ao topo
ECONOMIA
LEITE EM PE BATE RECORDE, MAS VIVE CRISE
IMPACTO Em 2020 produção cresceu; mas custo já reduz a perspectiva

LUCAS MORAES
lmoraes@jc.com.br

Com recorde na produção em 2020, produtores da bacia leiteira de Pernambuco já preveem


um resultado de retração em 2021. No ano passado, A produção leiteira se manteve em alta
e chegou a 1 bilhão e 62 mil litros, o maior volume já registrado, embora tenha apresentado
uma diferença pequena, de 6,5 mil litros, sobre o resultado de 2020, segundo os dados da
Pesquisa da Pecuária Municipal do IBGE, divulgada ontem (29).

Com o resultado, Pernambuco subiu um posto no volume da produção leiteira em 2020


frente ao ano anterior, ocupando o oitavo lugar nacional e a segunda posição no Nordeste,
atrás apenas da Bahia.

Já o valor de produção teve um salto de 31% no período, chegando a R$ 1,67 bilhão no ano
passado, deixando Pernambuco em sétimo lugar no Brasil.

Mesmo com a melhora na média da produção leiteira, a falta de concorrência entre as


indústrias compradoras e o custo para a produção estão inviabilizando o crescimento da
87

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


cultura no Estado.

"A gente não parou, as indústrias continuaram comprando em 2020, o pessoal das
queijarias puderam circular também normalmente e o maior entrave, que foi crescendo foi
o custo da produção. Isso já em 2020, porque agora está pior", diz o presidente do sindicato
dos produtores (Sinproleite-PE) Saulo Malta.

De acordo com ele, a perspectiva é de que este ano o recorde não seja alcançado. "Em outros
estados o leite é vendido entre R$ 2,40 e R$ 2,60. Aqui estamos na casa dos R$ 1,90 aos R$
2,27. Enquanto o custo da produção praticamente dobrou", reclama.

Com o entrave, parte dos 70 mil produtores já estão migrando para outros segmentos,
como o gado de corte, com melhor perspectiva de lucro. "A tendência é de queda na
produção pelo custo e preço pago pelas indústrias. O Estado não tem concorrência e
ficamos encurralados", ressalta Malta.

Segundo ele, uma das saídas agora buscadas para reverter o cenário é uma articulação
junto ao governo do Estado, já aprovada na Câmara Setorial da AdDiper, para isentar a
cobrança de ICMS das indústrias de fora que compram o leite produzido no Estado, que hoje
arcam com uma alíquota de cerca de 12%, segundo o Sinproleite, para saída do produto.

IBGE
No Estado, em 2020, o valor de produção em produtos de origem animal aumentou 16,5%,
chegando a R$ 2,8 bilhões. O estado também se destacou na caprinocultura e bateu
recordes na ovinocultura. Por outro lado, os ovos de galinha tiveram redução de -2,1%.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
21 voltar ao topo
EDITORIAL
Vacina é saúde coletiva
Embora se ressalte a importância individual contra o contágio e a internação por caso
grave, a vacinação contra a Covid-19 representa uma solução coletiva para conter a
pandemia - a infestação do planeta por uma doença que pode matar, e vem mudando o
cotidiano de bilhões de pessoas há quase dois anos. O coronavírus e suas variantes se
mostraram suscetíveis à barreira das substâncias imunizantes produzidas na maior corrida
farmacêutica da história da humanidade - mas essa barreira somente será efetiva quando a
aplicação de doses chegar a todos, na medida certa. Enquanto tanta gente continuar se
negando a tomar a vacina, seja por qual alegação for, os riscos individuais de parcelas
reativas ou negacionistas das populações são mantidos e a saúde coletiva não pode ser
alcançada.

Em Pernambuco, o governo estadual pretende tornar obrigatória a vacinação para o


funcionalismo público, com o argumento de que 10% dos servidores ativos não foi tomar
sequer uma dose contra a Covid. A determinação, como em outros lugares, gera polêmica.
Mas o teor polemista não é o cerne da questão. A polêmica da obrigatoriedade da vacinação
vem da constatação científica da necessidade do alcance amplo para a imunização.
Governantes no mundo inteiro se deparam com essa questão, e muitos adotam medidas
88

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


restritivas e até punitivas para quem não se dispor a receber suas doses no braço.

Sob o trauma de ter sido a nação recordista de casos e mortes, os Estados Unidos buscam
impedir a circulação de não vacinados, como meio de conter o avanço da variante Delta. Em
agosto, por exemplo, a cidade de Nova York anunciou a obrigatoriedade de teste negativo
para a Covid ou comprovante de vacinação para qualquer um que desejar entrar em
restaurantes, academias de ginástica, cinemas e teatros. Para o prefeito Bill de Blasio, a
vacina deve ser vista como necessidade para uma vida boa, plena e saudável. O mesmo tipo
de medida já vem sendo adotada em alguns países da Europa, como a Itália e a França.

O otimismo com os efeitos das substâncias imunizantes encontra o desafio realista de


conscientizar, distribuir as vacinas e aplicar as doses nas populações, sobretudo naqueles
cidadãos refratários a começar ou completar o esquema vacinal. A vida humana na Terra
pode voltar ao normal daqui a um ano, segundo o CEO da Pfizer. Mas para o médico
sanitarista brasileiro Gonzalo Vecina, nada poderá ser considerado normal até 2024.
Cuidados preventivos como o uso de máscaras e a higienização constante das mãos não
devem sair da rotina antes disso, na previsão dos cientistas. E o prazo pode ser ainda maior,
se as curvas de contaminações, internações e óbitos não cederem, e até subirem, devido à
permanência de contingentes de não vacinados sendo infectados, dando oportunidade ao
surgimento de novas cepas do coronavírus.

Sem a compreensão e o bom senso de cada um a respeito da importância da vacina para a


saúde coletiva, a pandemia não será superada tão cedo.
(...)

Leia mais: https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
2 voltar ao topo
POLÍTICA
CPI tenta usar Hang para provar “pacto
DENÚNCIA Senadores tentam provar que bolsonaristas tinham aliança com a Prevent
Senior

Agência O Globo

O depoimento do empresário Luciano Hang à CPI da Covid reforça as suspeitas de que


personagens ligados ao presidente Jair Bolsonaro participaram de um pacto supostamente
firmado entre o governo e a operadora Prevent Senior para validar medicamentos
ineficazes e, com isso, desestimular o lockdown. Num audiência marcada por bate-bocas, o
depoente foi pego numa contradição a respeito da omissão do diagnóstico de covid-19 no
atestado de óbito de sua mãe.

Hang confirmou que ela morreu - num hospital administrado pela Prevent Senior - por
complicações provocadas por coronavírus, informação que não constava no atestado. Aos
senadores, ele afirmou que soube de tal omissão pela própria CPI.
89

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


"Achei estranho não estar no (atestado de) óbito, mas eu sou leigo. Segundo eles, quem
preencheu o atestado de óbito foi o plantonista. No dia seguinte, existe uma Comissão de
Controle de Infecção Hospitalar, essa comissão viu o erro do plantonista", justificou o
empresário.

Uma reportagem publicada pelo G1 revela, entretanto, que ele já havia recebido essa
informação em abril. Naquele mês, um repórter do portal lhe questionou sobre o fato de a
verdadeira causa da morte ter sido ignorada no documento. O presidente da comissão,
Omar Aziz (PSD-AM), leu trechos da reportagem na frente de Hang. Ele, então, deu outra
versão, sem explicar por que disse que tomou conhecimento da ausência do diagnóstico
por meio do colegiado.

"Não... Sabia. Quando eu perguntei ao Pedro (Benedito Batista Júnior, diretor da Prevent
Senior): 'No atestado não está marcado...' Ele disse: 'É normal'", afirmou.

A advogada Bruna Morato, representante de um grupo de médicos que elaborou um dossiê


com denúncias contra a Prevent Senior, afirmou à comissão que o governo Bolsonaro tinha
uma espécie de acordo com a operadora de saúde. Ouvida pelo colegiado, ela sustentou que
seus clientes relatavam que o "alinhamento ideológico" da empresa com o Palácio do
Planalto buscava esvaziar as medidas restritivas de circulação, em consonância com o que
preconizava boa parte do Ministério da Economia.

Logo no início da sessão, o advogado do empresário lembrou que, apesar de ter sido
convocado como testemunha, Hang foi incluído na lista de investigados na comissão e, por
isso, se recusaria a assinar o termo em que se comprometeria a só dizer a verdade.

O relator Renan Calheiros (MDB-AL) confrontou o depoente sobre um vídeo em que ele
lamenta o fato de sua mãe, supostamente, não ter recebido tratamento precoce, termo
usado para especificar remédios comprovadamente ineficazes no combate ao coronavírus,
como a hidroxicloroquina. Para o senador, Hang construiu a narrativa de que ela não
recebeu o chamado "kit covid" com o objetivo de afastar as desconfianças em torno da
eficiência desses remédios. O empresário reafirmou a defesa dessas drogas, mas disse que,
na gravação citada por Renan, ele lamentara a falta do que classificou como tratamento
preventivo e não precoce.

CONTAS
Noutro momento, embora tenha resistido inicialmente, Hang admitiu manter três contas
no exterior, mas afirmou que todas foram declaradas à Receita Federal. Omar Aziz
justificou o questionamento: a CPI tem indícios de que ele tem recursos mantidos em
outros países para financiar a disseminação de notícias falsas. Renan questionou se as
empresas do depoente, dono das lojas Havan, já receberam benefícios fiscais de governos
federal, estaduais e municipais. Hang disse que sim.

O depoimento de Hang e do também empresário Otávio Fakoury, marcado para esta


quinta-feira (30), já têm lugar definido no relatório final que a CPI está elaborando. Eles
serão usados para fazer uma conexão direta entre os dois bolsonaristas e a disseminação
de fake news, especialmente ligadas à pandemia.

90

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Na avaliação de Renan e de Omar Aziz, embora o depoimento de Hang tenha sido marcado
por confusão, ele confessou que propagava o uso de medicamentos ineficazes para
combater a covid. O objetivo dos parlamentares, conta Bela, é que, com a citação direta a
Hang e Fakhoury no relatório, o Ministério Público seja pressionado a investigar e pedir
medidas contra a dupla.

Leia : https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
4 voltar ao topo
POLÍTICA
ACS contra; Sintepe e Sinpol favoráveis
IMUNIZAÇÃO Alepe vota hoje projeto que obriga servidores estaduais a se vacinarem

MIRELLA ARAÚJO
msaraujo@jc.com.br

Em meio a polêmica sobre o Projeto de Lei Complementar que trata da obrigatoriedade para
os servidores, empregados públicos e militares de estado a imunização completa contra a
covid-19, as entidades de classe não têm posicionamento unânime com relação a proposta
de autoria do governador Paulo Câmara (PSB).

Presidente da Associação dos Cabos e Soldados e Bombeiros Militares, Albérisson Carlos


defende a importância da vacinação, entretanto, ele é contrário ao projeto que trata da sua
obrigatoriedade no âmbito público. A principal crítica feita pelo dirigente diz respeito à
punição para os servidores e militares que não comprovem a realização completa contra a
covid-19, ou não apresentem justa causa para ainda não terem se imunizado.

De acordo com o PLC, não será permitido o exercício regular de suas funções públicas para
estes servidores. Acontece que a ausência ao serviço, sem justa causa, por mais de 30 dias
consecutivos ensejará a instauração de processo administrativo para apurar o abandono de
serviço.

"Não podemos negar que o mundo está na pandemia e a vacina, a partir do momento que
começou a ser expandida, conseguimos ver que tem diminuído o número de casos, de
internações na UTI. Então ela está mostrando efetividade no combate à doença e isso é uma
realidade. Entretanto, a obrigatoriedade a ponto do servidor ou militar, correrem o risco de
perderem seus empregos, é que sou contra. É importante estar imunizado, mas as pessoas
têm o direito de escolher se querem ou não serem vacinadas", declarou Albérisson.

Ele também defende que o projeto seja melhor discutido, já que de uma maneira geral, na
sua opinião, há pessoas que também são resistentes à vacinação, mas só o servidor público
seria penalizado, caso o texto seja aprovado na Assembleia Legislativa de Pernambuco
(Alepe). "Não sou negacionista, tomei a vacina, e sei que muitas pessoas perderam suas
vidas, muitas coisas demoraram a serem feitas", afirmou.

Por outro lado, outros dois sindicatos ouvidos pelo JC, defendem a obrigatoriedade da
91

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


vacinação e consideram que essa medida deveria ter sido tomada há muito tempo pelo
governo estadual. O presidente do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco (Sinpol),
Rafael Cavalcanti, afirmou que a categoria luta pela prioridade na vacinação desde janeiro
de 2021.

"Nosso posicionamento é o mesmo desde janeiro de 2021 quando pedimos que a nossa
categoria também tivesse prioridade para a vacinação. Os policiais junto com os
profissionais de saúde, foram os únicos servidores que não puderam parar na pandemia.
Não tivemos adaptação das nossas unidades, para ter fornecimento de álcool em gel e
máscara, nós tivemos que ir para a Justiça para conseguir.", declarou Cavalcanti.

Na mesma linha de luta pela prioridade na vacinação do setor, a presidente do Sindicato dos
Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe), Ivete Caetano, afirma que o
sindicato é favorável a aprovação do PLC nº 2661/2021. "Nós fizemos greve para que
pudéssemos antecipar a vacinação da nossa categoria, pois sabemos a importância dela
para a preservação da vida. Nós defendemos a saúde, a ciência e o SUS. Acreditamos que o
argumento utilizado para este projeto, que fala que os direitos coletivos se sobrepõem aos
direitos individuais, é fundamental e necessário", declarou a dirigente.

O Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe) também foi procurado pela reportagem e
disse que ainda está debatendo internamente um posicionamento oficial.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
MPF pede arquivamento
INQUÉRITO

Agência O Globo

A Procuradoria-Geral da República (PGR) contrariou relatório da Polícia Federal e pediu o


arquivamento de um inquérito contra o líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando
Bezerra Coelho (MDB-PE). Em junho, a PF havia indiciado Bezerra por crimes de corrupção
passiva e lavagem de dinheiro. Ontem, a PGR enviou manifestação ao Supremo Tribunal
Federal (STF) pedindo o arquivamento do caso, apontando não existirem provas contra o
senador.
"Não existem elementos para oferecimento de denúncia, com a instauração de ação penal,
em desfavor de Fernando Bezerra Coelho", escreveu a subprocuradora-geral da República
Lindôra Araújo, responsável pelos casos da Operação Lava-Jato.
Em seu relatório, a Polícia Federal havia apontado pagamentos feitos por operadores
financeiros para empresas ligadas ao senador. Delatores afirmaram em depoimento que os
repasses eram propina destinada a Fernando Bezerra.
"Restou demonstrado que Fernando Bezerra de Souza Coelho e Fernando Bezerra de Souza
Coelho Filho receberam direta e indiretamente R$ 10.443.900,00 pagos pelas empreiteiras
OAS, Barbosa Mello e Constremac/Mendes Junior entre os anos de 2012 a 2014. Ocorre que
tais vantagens são indevidas eis que realizadas em contrapartida à execução de obras
atreladas ao Ministério da Integração Nacional, à época em que o primeiro estava à frente
92

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


do órgão", escreveu a delegada Andréa Pinho Albuquerque da Cunha, no relatório de junho.
A opinião da PGR, entretanto, foi completamente contrária ao relatório da delegada. Na
manifestação, a PGR afirma que foram "colhidas provas e realizadas oitivas de quase uma
centena de pessoas" para confirmar o relato do delator João Carlos Lyra, operador
financeiro que diz ter feito repasses de empreiteiras destinados a Fernando Bezerra.
"Os episódios aconteceram há quase uma década e o amplo relatório da autoridade policial
mostra que não foram envidados esforços para a produção de provas, chegando este
Ministério Público Federal, associado aos trechos relatados pelo órgão policial, a uma
conclusão: em relação ao agora senador Fernando Bezerra Coelho, embora citado diversas
vezes, nada de concreto se apurou", escreveu Lindôra.
Embora tenha pedido o arquivamento com relação ao senador, a PGR pediu para que a
parte que diz respeito ao filho dele, Fernando Bezerra Coelho Filho, seja encaminhada à
Justiça Eleitoral.
O senador Fernando Bezerra chegou a participar da sabatina na Comissão de Constituição e
Justiça do Senado, no último dia 24 de agosto, que aprovou a recondução de Aras para um
novo período de dois anos. Na sessão, Bezerra fez elogios ao procurador-geral. "Tenho a
convicção de que Vossa Excelência, com a renovação com apoio desta Casa, continuará
atuando com independência e autonomia, promovendo justiça com independência e
impessoalidade, atacando o excesso de ativismo e evitando injustiças irreversíveis",
afirmou.

Leia : https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
SENADORES APROVAM MUDAR A IMPROBIDADE
TRAMITAÇÃO Texto com as alterações segue agora para a Câmara dos Deputados

Agência O Globo

Por 47 votos a 24, o Senado aprovou nessa quarta-feira (29) o projeto que altera a Lei da
Improbidade Administrativa para que a responsabilização só ocorra se houver
comprovação de dolo, ou seja, intenção do agente de lesar a administração pública. A
legislação atual também prevê punição ampla por ato culposo, o que seria completamente
modificado com as novas regras. O texto terá que voltar à Câmara dos Deputados.

Se aprovada, a matéria, entre outras mudanças, impede a punição do gestor que deixar de
cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade previstos na legislação e daquele que
transferir recurso a entidade privada, em razão da prestação de serviços na área de saúde,
sem a prévia celebração de contrato.

Outro ponto controverso diz que a sanção de perda de cargo passa a valer apenas para
cargos de mesma natureza da época da infração cometida. Ou seja, no caso de um prefeito
condenado por improbidade com pena de multa que atualmente é governador, por
exemplo, não haverá perda de cargo. O mesmo vale para senador que foi alvo de ação
durante mandato de deputado.
93

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Fica estabelecido, ainda, que o prazo para prescrição de crimes de improbidade será
antecipado e começará a contar a partir do ato e não do fim do mandato, como é
atualmente. O texto prevê a prescrição em oito anos "a partir da ocorrência do fato ou, no
caso de infrações permanentes, do dia em que cessou a permanência".

A lei atual estabelece que as ações poderão ser propostas até cinco anos após o término do
exercício de mandato; dentro do prazo prescricional previsto em lei específica; ou até cinco
anos após a apresentação à administração pública da prestação de contas final.

No caso dos partidos e suas fundações, as penalidades passarão a ser definidas apenas pela
Lei dos Partidos Políticos, e não mais pela Lei de Improbidade.

Senadores mantiveram trecho que exige a necessidade de dolo específico dos atos de
improbidade decorrentes do descumprimento da legislação de acesso à informação. Nestes
casos, será preciso comprovar a intenção do agente com a atitude de obter proveito ou
benefício indevido para si ou para outra pessoa ou entidade.

Durante as discussões na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), pela manhã, o relator da


matéria, Weverton Rocha (PDT-MA) , incluiu a ressalva de que o trecho que prevê
pagamento de honorários sucumbenciais em caso de improcedência da ação de
improbidade só ocorrerá se houver comprovada má-fé por parte dos investigadores.

Além disso, ele aumentou o limite do inquérito de 180 dias para um ano, prorrogável por
mais um. Hoje, não há prazo para os processos terminarem. Weverton também ampliou o
período para que o Ministério Público se manifeste sobre a intenção de continuidade dos
processos após a sanção da lei. Inicialmente, o MP teria até 120 dias para agir, do contrário a
ação seria extinta.

O senador incluiu a possibilidade de nepotismo na hipótese de indicação política como ato


de improbidade. Ele retirou a emenda que permitia a aplicabilidade da lei de forma
retroativa e destacou a garantia da imprescritibilidade do ressarcimento ao Erário em caso
de condenação.

Leia : https://impresso.jc.ne10.uol.com.br/

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
2 voltar ao topo
POLÍTICA
PGR investiga Braga Netto
VOTO IMPRESSO

Agência Estado

O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu uma apuração preliminar contra o


ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, por ameaça à realização das eleições em
2022. Como revelou o Estadão, o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), recebeu, no dia
94

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


8 de julho, um recado de Braga Netto. Por meio de um importante interlocutor político, o
general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições no ano que
vem sem voto impresso.

Na notificação, Aras afirma que vai apurar "possível infração político-administrativa"


cometida pelo ministro da Defesa. A proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha
o voto impresso em eleições foi rejeitada pelo Congresso no mês passado.

A decisão de Aras foi comunicada anteontem ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo


Tribunal Federal (STF) , que é relator de quatro ações contra Braga Netto. O chefe do
Ministério Público Federal pede que esses outros pedidos de investigação sejam arquivados,
uma vez que já há procedimento aberto Procuradoria-Geral sobre o caso.

Integrantes do Supremo leram a iniciativa de Aras como uma manobra para tirar o caso das
mãos da Corte. Aliado do presidente Jair Bolsonaro, o PGR tem usado desse expediente em
episódios que envolvem aliados do governo.

A apuração foi instaurada no dia 26 de agosto a partir de uma notícia de fato que tramita
em caráter sigiloso na PGR. O vice-procurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, e a
subprocuradora Lindôra Araujo são os responsáveis pelo caso.

Braga Netto não comentou ontem a investigação. Na ocasião da divulgação dos fatos,
divulgou nota na qual afirmou que "não se comunica com presidentes de Poderes por meio
de interlocutores" e classificou a reportagem como "desinformação". O general, no entanto,
defendeu a discussão do voto impresso como "legítima".

O ministro da Defesa repetiu a mesma posição no dia 17 de agosto, quando foi chamado a ir
à Câmara para prestar esclarecimentos. Parlamentares reagiram à intromissão do general
nas questões da política. "Eu quero dizer que quem decide sobre o voto impresso não é
vossa excelência. É o Congresso Nacional. E vossa excelência caberá obedecer. E caso não
obedeça, será preso", afirmou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) , que participou da
audiência.

Apesar da defesa de Bolsonaro e seus aliados ao voto impresso, a Câmara rejeitou a PEC no
dia 10 de agosto. A pauta, no entanto, não saiu do radar do governo e permaneceu forte
entre os bolsonaristas, que defenderam o projeto durante as manifestações
antidemocráticas de 7 de Setembro.

Após reações do Supremo e do Congresso às ameaças, o presidente ensaiou um recuo e tem


dito que a participação das Forças Armadas na preparação das urnas eletrônicas dá
garantias de que não haverá fraude.

PE - JORNAL DO COMMERCIO
30/09/2021
4 voltar ao topo
POLÍTICA
‘Quero ver valente criticar o TJ’

95

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


RENATA MONTEIRO
rmonteiro@jc.com.br

Dois dias após o deputado estadual Alberto Feitosa (PSC) classificar como "nazifascista" o
projeto que obriga a vacinação dos servidores, o deputado João Paulo (PCdoB) questionou
quem seria "valente" o suficiente para criticar e chamar de nazifascista o presidente do
Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), desembargador Fernando Cerqueira. Na terça-
feira (28) , a Corte aprovou resolução que determina a imunização compulsória para
magistrados, servidores e prestadores de serviço contratados pela instituição.
"Eu quero ver os questionamentos e ataques que serão feitos para o Tribunal de Justiça de
Pernambuco. Eu quero ver os valentes se posicionando agora. Atacar o presidente do
Tribunal de Justiça como atacam o governador. Chamar o presidente do Tribunal de Justiça
de nazifascista", disparou João Paulo, durante sessão da Comissão de Saúde da Assembleia
Legislativa de Pernambuco (Alepe) ontem.
A crítica de Feitosa à proposição de Paulo Câmara foi feita durante análise do PLC pela
Comissão de Constituição, Legislação e Justiça (CCLJ) da Casa, quando ele afirmou que o
governador estaria tentando obrigar servidores públicos a participarem de "experimentos
vacinais". Feitosa foi o único a votar contra.
Nenhuma das vacinas aplicadas hoje no Brasil, porém, está em fase experimental. Todas
elas foram testadas e a eficácia e segurança dos imunizantes foram analisados pela Agência
Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).
Ontem, na comissão de Administração Pública da Alepe, Feitosa mais uma vez votou contra
a aprovação do projeto e voltou a criticá-lo. "O texto contraria o direito fundamental ao
trabalho, previsto na Constituição Federal. Ele tem imposições draconianas e
antidemocráticas", observou. Na sessão de hoje da Comissão de Saúde, a deputada estadual
Clarissa Tércio (PSC) também teceu várias críticas à proposta. Ela argumentou, inclusive,
que caso o texto seja aprovado, ele retirará das pessoas o direito de decidir sobre os seus
corpos.
"A gente tem ouvido tanto absurdo de uma deputada aparentemente tão inteligente. É
inadmissível em pleno século 21", reagiu João Paulo.
Apesar das críticas dos deputados bolsonaristas, o PLC, de autoria do Executivo estadual, foi
aprovado nas duas comissões e ficou pronto para ser apreciado em plenário nesta quinta-
feira (30) pela manhã.
A relatora da proposta na comissão, deputada Teresa Leitão (PT), declarou que impor a
imunização é "necessário, por responsabilidade com a vida dos servidores e dos usuários de
serviços públicos". "Nós fizemos, inclusive, diversas solicitações para que categorias
profissionais do Estado fossem vacinadas. E precisamos tomar cuidado, pois estamos num
momento em que o vírus ainda não foi vencido", afirmou a petista.
Sobre a resolução do TJPE, o projeto foi publicado na Edição 169/2021 do Diário da Justiça
Eletrônico em 14 de setembro, e o substitutivo aprovado é da Comissão de Organização
Judiciária e Regimento Interno da corte. Segundo a norma, magistrados e servidores vão ter
que comprovar que estão imunizados contra a covid-19 ou apresentar justificativa para não
se vacinar. Aqueles que não se vacinarem e não apresentarem nenhuma justificativa serão
impedidos de acessar seus locais de trabalho.

96

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


MG - ESTADO DE MINAS MG -
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA
MANCHETES

97

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


98

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
2 voltar ao topo
COLUNAS
BAPTISTA CHAGAS DE ALMEIDA - Em dia com a política
CPI de muita grana e governistas no ataque
Pelo jeito, o Palácio do Planalto, ficou preocupado com os últimos passos da Comissão
Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID-19. Lá ele não tinha o hábito de aparecer, mas
ontem fez questão de estar presente. A razão é fácil de entender o motivo
do senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ).
Ele foi escalado para tumultuar o máximo possível. E recebeu um pito muito afiado: ''Não
pense que vai me interromper porque é filho do presidente. Silêncio!''. Quem deixou claro
foi o também senador Humberto Costa (PT-PE). Melhor deixar pra lá e partir ao que
interessa. Afinal, a CPI da pandemia esteve em ação.
E nela, tudo começou falando de grana, muita grana. Fala quem pode: ''Bancos estatais
chegaram a oferecer dinheiro para mim. Peguei do Bradesco, do Itaú, do Santander. Me
ofereceram de outros bancos. Eu disse: na-na-ni-na-não. Eu não vou pegar dinheiro de
nenhum banco estatal, sob pena de lá na frente dizerem: ‘Olha só. Está sendo financiado
com dinheiro público’. Foi para isso que ele apoiou o presidente. Não peguei um único
centavo”.
Quem diz é o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan e apoiador do governo
Bolsonaro. Ele é acusado pela CPI de pertencer ao chamado “gabinete paralelo”, aquele
grupo já conhecido. Só que ele ressalta que atuou, de forma informal, junto ao Ministério da
Saúde nas decisões relacionadas ao combate à pandemia da COVID-19.
Como não poderia deixar de ser, teve ataque de todos os lados, tanto que vários senadores
se queixaram do andamento dos trabalhos. Os opositores ao governo acusaram Hang de
fazer propaganda de suas empresas e dar respostas sem relação com o objeto da CPI.
Já os governistas, como os senadores Marcos Rogério (DEM-RO), Jorginho Mello (PL-SC) e
Flávio Bolsonaro, optaram para partir ao ataque. Eles acusaram o relator, senador Renan
Calheiros (MDB-AL), de ofender o depoente ao fazer referência aos bobos da corte, aqueles
que cortejam os poderosos, ao cercear o direito de Hang para responder como entendesse.
Luciano Hang negou à CPI que tenha concedido patrocínio a Allan dos Santos por
intermédio de contato do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Hang afirmou que não fez
publicidade de fake news e nem financiou divulgação nesse sentido.
E, por fim, Hang negou na CPI que tenha agido para que na certidão de óbito de sua mãe
não constasse a pandemia da COVID-19 como a causa da morte.
 
Metrô de BH
O deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) destacou nas redes sociais a importância da
ampliação do metrô de Belo Horizonte, que teve projeto aprovado no Congresso Nacional.
“Todos que trabalhamos há muitos anos pela ampliação do metrô de BH temos grande
expectativa de ver a nova linha Calafate/Barreiro sair do papel. A liberação de R$ 2,8 bilhões
pelo BNDES para a CBTU, definida em votação da Câmara e do Senado, nesta semana, é um
passo para que essa importante demanda da população de BH seja enfim atendida. Assim
como a conclusão da linha Eldorado/Venda Nova. Vamos, mais uma vez, reunir esforços
para concretizá-la”, escreveu o parlamentar mineiro.
 
99

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


No ataque
''O Mato Grosso, que é símbolo de desenvolvimento do Brasil, tem 30 milhões de cabeças de
gado. E esses dias mostraram uma mulher na beira de um açougue procurando um osso
para comer. Como é que se pode explicar isso?'' Política e futebol no cenário atual no país
se misturam de fato. Quem disse foi o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que fez
questão de ressaltar: ''Bolsonaro não governa absolutamente nada. Passa o dia falando
bobagem com seus fanáticos, que são como um grupo de torcedores que, mesmo quando o
time perde, pensa que ganha''.
 
Na defesa
Mas com ironia: o presidente da República Federativa do Brasil, Jair Messias Bolsonaro, em
sua própria defesa, optou por ironizar o ex-presidente Luíz Inácio Lula da Silva (PT), ontem,
em Boa Vista, capital de Roraima. Foi no evento em que entregou obras. Um grupo de
apoiadores gritou “Lula ladrão”. Bolsonaro não deixou a oportunidade e ressaltou: ''Já
imaginou se ele tivesse 10 dedos?''. Para que fique claro, Lula perdeu um dedo em acidente
quando ainda era operário metalúrgico em São Bernardo do Campo.
 
É uma ordem
We are making two major public health announcements today. Join us now at City Hall.
Send your husband to get vaccinated too so he can stop being a danger to others. “Mande
seu marido se vacinar também para que ele deixe de ser um perigo para outras pessoas”,
disse o prefeito democrata de Nova York (NYCmayor), Bill de Blasio, se referindo ao fato de a
primeira-dama do Brasil, Michelle Bolsonaro, ter tomado a vacina lá nos Estados Unidos da
América (EUA). Se até o ex-presidente Donald Trump se vacinou e ainda foi atacado por
seus apoiadores, melhor esquecer.
 
Ambiente digital
Promover diálogos com pessoas de segmentos diferentes é uma forma de contribuir para
que o país alcance o desenvolvimento em meio à profunda crise que atravessamos. O
desafio é construir um projeto integrado para alcançar ganhos de produtividade gerados
pela articulação da área ambiental com a economia digital e a inclusão econômica e social.
E tudo isso tendo como ponto de partida para este debate. Serão construídas propostas que
impulsionem a performance do Brasil em diversas áreas. Tudo isso vem da Fundação Dom
Cabral (FDC), que iniciou o movimento Imagine Brasil.
 
Pinga Fogo
O governo federal transferiu parte de dez glebas da União para o estado de Roraima. No
total, as terras transferidas somam uma área de 1,9 milhão de hectares e abrangem os
municípios de São João da Baliza, Carobebe, Caracaraí, Rorainópolis e São Luiz.
É curto-circuito? Antes de suspender o fornecimento de energia, a distribuidora deve
mandar notificação ao consumidor. A resolução da Aneel diz que deve ser “escrita,
específica e com entrega comprovada ou, alternativamente, impressa em destaque na
fatura”. Entendeu? Nem eu.
Em tempo sobre a nota Ambiente digital: A partir desta premissa e com base em quatro
pilares como o Crescimento econômico e produtividade; Inclusão social e econômica; Meio
ambiente e prosperidade, e Políticas públicas e governança colaborativa, a Fundação Dom
Cabral (FDC) iniciou o movimento Imagine Brasil.
(...)
 

100

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: https://digital.em.com.br/estadodeminas/30/09/2021/p2

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
voltar ao topo
CULTURA
Heloísa Starling fala sobre 'a internet da época da
Independência'.
Historiadora analisa panfletos apócrifos que traduziam as ideias políticas do período em
palestra exibida no canal da Academia Mineira de Letras
Daniel Barbosa
30/09/2021 04:00
 
A Academia Mineira de Letras (AML) transmite nesta quinta-feira, às 19h30, pelo YouTube, a
entrevista que seu presidente, Rogério Faria Tavares, fez com a historiadora Heloísa
Starling sobre o tema “As ideias políticas no tempo da Independência”. O conteúdo da
conversa, que foi gravada e integra o projeto “22 entrevistas no bicentenário da
Independência”, se relaciona com o livro “As vozes da Independência”, organizado por
Heloísa juntamente com Marcela Telles Elian de Lima.
O volume acaba de ser lançado e trata do retorno ao Brasil de uma rica documentação que
estava há 100 anos nos Estados Unidos. Conforme explica a historiadora, é um conjunto de
panfletos, a maioria apócrifa, chamados “Panfletos da Independência”, que circularam por
diversas partes do Brasil entre 1817 e 1825. Eles foram reunidos pelo diplomata Oliveira Lima
(1867-1928), que os doou para a Universidade de Washington nas primeiras décadas do
século 20.
“O livro traz de volta a história dos panfletos e de vozes que há 100 anos não eram ouvidas
no Brasil. Isso foi uma proeza dos senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que é presidente
da comissão criada para cuidar do bicentenário da Independência no Senado, e Rodrigo
Pacheco (DEM-RO), membro dessa comissão. Quando souberam dessa história, eles ficaram
muito empolgados com a ideia de trazer de volta esses panfletos. Eu os atazanei muito
nesse sentido”, conta a historiadora.

CERTIDÃO
Classificados por Rodrigues como a “certidão de nascimento” do Brasil, os panfletos,
segundo Heloísa Starling, revelam novas perspectivas sobre o período em que foram
produzidos. “Estamos acostumados a pensar a Independência só do ponto de vista da
monarquia no Rio de Janeiro, mas os projetos de Independência entre 1817 até o
reconhecimento, em 1825, são muitos. Essa questão de olhar só para o Rio é um equívoco”,
diz.
Ela destaca que os “Panfletos da Independência” foram produzidos nas províncias, então
narram episódios e acontecimentos relativos ao período do ponto de vista de um Brasil
profundo, distante da corte. “Eu não sabia, por exemplo, dos levantes que ocorreram em
Recife no momento da Independência, levantes dos ‘pardos e pretos’, como diziam os
panfletos, marchando em nome da República”, aponta.
Segundo a professora, esses panfletos podem ser entendidos como a “internet daquela
época”. Ela destaca que era por meio deles que qualquer pessoa podia participar dos
debates em pauta. Bastava a disposição para escrevê-los e divulgá-los. 
101

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


“Esses panfletos podiam ser escritos em prosa ou em verso, e a estratégia era a seguinte:
como era uma sociedade oral, com muitos iletrados, eles eram lidos na saída da igreja ou
eram pregados, na surdina, porque era um material subversivo, nas tabernas, nas casas de
prostituição. O sujeito escreve o panfleto, prega num lugar de muita circulação, ninguém
sabe quem fez aquilo, mas vai juntando gente para ler”, explica.
Ela diz que a existência desse acervo na Universidade de Washington era sabida, mas ainda
não havia uma movimentação no sentido de trazê-los de volta ao Brasil. “E eles não
estavam digitalizados, se você quisesse consultar, tinha que ir lá”, diz, acrescentando que a
comissão do Senado em torno do bicentenário da Independência está empenhada em tornar
o acesso a essa documentação o mais amplo possível.
 
“AS IDEIAS POLÍTICAS NO TEMPO DA INDEPENDÊNCIA”
Com a historiadora Heloísa Starling. Disponível a partir desta quinta-feira (30/09), às 19h30,
na página da Academia Mineira de Letras no YouTube
(youtube.com/c/academiamineiradeletras)
 
L e i a e m :
https://www.em.com.br/app/noticia/cultura/2021/09/30/interna_cultura,1310102/heloisa-

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
3 voltar ao topo
POLÍTICA
Petrobras anuncia programa social de R$ 300 milhões
 Brasília – A alta frequente do preço do gás, tema, inclusive, do discurso do presidente Jair
Bolsonaro no Norte do país ontem,  levou a Petrobras a anunciar que pretende destinar R$
300 milhões para a criação de um programa  social de apoio a famílias de baixa renda para
compra de insumos essenciais, durante 15 meses, com  foco no produto usado para
cozinhar. Os recursos já foram aprovados pelo Conselho de Administração da empresa. O
anúncio é feito no momento em que a estatal é criticada por lideranças políticas e
 empresariais por causa de sua política de preços que segue o mercado internacional.
A estatal informou que o formato do novo programa ainda está em fase final de estudos,
como  também a definição dos critérios de escolha das famílias que estão em situação de
vulnerabilidade e a busca de parceiros para captação dos investimentos necessários. Há
possibilidade de criação de um fundo para que outras  empresas participem do programa,
segundo a Petrobras.
''O programa visa alinhar a atuação social da empresa ao praticado por outros players de
mercado e  se justifica pelos efeitos da situação excepcional e de emergência decorrentes
da pandemia da  COVID-19. Somos uma empresa socialmente responsável e comprometida
com a melhoria das condições de vida das famílias, particularmente das mais  vulneráveis'',
informou o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, em nota distribuída à
 imprensa.
''A pandemia e todas as suas consequências trouxeram mais dificuldades para as pessoas
em situação  de pobreza. Tal fato alerta a Petrobras para que reforce seu papel social,
contribuindo ainda mais com a sociedade”, disse o dirigente também.
 
REAJUSTE
Coma alta seguida da inflação, o preço médio do botijão de gás já chegou a R$ 100 em
102

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


16  estados brasileiros nesta semana, cerca de 10% do salário mínimo, que hoje é de R$ 1,1
mil. No  Mato Grosso, por exemplo, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) apontou o maior
preço cobrado por botijão, R$ 135. Apenas no estado de Sergipe o preço máximo está abaixo
de R$ 100. Desde o início deste ano, o preço médio do botijão ao consumidor aumentou
quase 30%, segundo levantamento da ANP, passando de R$  75,29 no fim do ano passado
para R$ 96,89 na primeira quinzena deste mês. A alta é mais de cinco  vezes superior à
inflação acumulada no período, que ficou em 5,67%.  

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
4 voltar ao topo
POLÍTICA
Bolsonaro visita BH hoje
Dentro das comemorações dos mil dias do seu governo, presidente participa de atos para
sanção de projeto sobre expansão do metrô e para criação de centro de vacina
MATHEUS MURATORI E ÉMILE PATRÍCIO

O presidente Jair Bolsonaro faz visita hoje a Belo Horizonte para participar de dois atos
simbólicos, um relativo ao metrô da  capital mineira e outro sobre o Centro Nacional de
Vacinas. Os dois eventos integram as comemorações dos mil dias do seu governo,
alcançados na última segunda-feira. A chegada dele à cidade está prevista para antes das
9h. Autoridades, como os ministros Tarcísio Gomes (Infraestrutura) e Marcos Pontes
(Ciência, Tecnologia e Inovações), além de senadores e deputados, vão  acompanhar o
presidente. O governador Romeu Zema (Novo) estará com o chefe do governo federal,
 enquanto o prefeito belohorizontino, Alexandre Kalil (PSD) , não confirmou se
acompanhará o  presidente.
O primeiro evento, sanção do projeto de lei do Congresso Nacional (PLN) do metrô de BH,
está  marcado para as 10h30. O texto foi aprovado pelo Congresso na segunda-feira, ao
passar por Câmara  dos Deputados e Senado Federal no mesmo dia, e dá esperanças a
respeito da modernização e ampliação do transporte sobre trilhos na região metropolitana.
O projeto, anunciado em agosto deste ano como solução para ampliação do metrô, demanda
antiga  de BH e de municípios próximos, prevê a privatização da Companhia Brasileira de
Trens Urbanos  (CBTU), empresa que administra o metrô da cidade. A nova concessionária
terá um aporte de R$  2,8 bilhões mais R$ 400 milhões do governo estadual para
pagamento de dívidas, término da linha1 (Eldorado/Venda Nova) e construção da linha2
(Calafate/Barreiro).
Depois, Bolsonaro participa, ainda na sede do governo de Minas, de lançamento oficial do
primeiro Centro Nacional de Vacinas, sediado na capital mineira. A iniciativa, anunciada em
2 de  setembro, é uma parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações e da
Universidade  Federal de Minas Gerais (UFMG).
O presidente oficializa a criação do centro de vacinas uma semana depois de se envolver em
polêmica em Nova York, nos Estados Unidos, durante a 76ª  Assembleia-Geral da
Organização das Nações Unidas (ONU), quando admitiu que não foi imunizado  contra a
COVID-19 e ser cobrado por isso pelo primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e pelo
 prefeito da cidade americana, Bill de Blasio.
Ainda não há informações sobre a sequência da agenda de Bolsonaro na capital mineira,
mas apoiadores se organizaram em grupos de WhatsApp para fazer ações para recepcionar
o chefe do Executivo. A tendência é que  o presidente retorne a Brasília à tarde.
103

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


 
DAMARES DÁ PALESTRA EM BETIM
A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, estará em Betim,
na  Grande BH, hoje, como palestrante do 1º Seminário Mineiro de Valorização da Vida. O
evento faz parte das discussões do Setembro Amarelo, campanha nacional que tem como
objetivo a prevenção ao suicídio e à automutilação. Ela fará a palestra "Ações  do Poder
Executivo", que ocorre das 16h às 18h, no Auditório Ady Rosa de Freitas, no Centro
 Administrativo da prefeitura. O evento é aberto ao público, mas teve número limitado de
 participantes a 100 pessoas. As inscrições, que ocorreram de forma on-line pelo Sympla,
já estão esgotadas.
O objetivo principal do seminário é capacitar pessoas a auxiliarem quem passa por estágio
de  sofrimento profundo e, assim, contribuir para a redução do suicídio e da automutilação
no Brasil. Representantes do poder público e especialistas também farão parte da discussão.
Além da  ministra, o deputado federal Lucas Gonzales e o secretário de Desenvolvimento
Social de Ibirité,  pastor Elias Silva, estarão presentes como palestrantes.
A segunda fala do dia será do deputado federal Lucas Gonzalez, presidente da Frente
Parlamentar de  Prevenção ao Suicídio e Automutilação, com o tema “Pequenas ações
podem salvar vidas – A importância do trabalho conjunto do poder público e sociedade
civil”. Para encerrar o evento, o secretário de Desenvolvimento Social de Ibirité, pastor Elias
Silva, falará sobre “Rede de  Proteção às crianças e adolescentes”.
"Estamos muito felizes de contar com a participação da ministra Damares em Betim.
Estamos em um  mês muito significativo por conta da campanha Setembro Amarelo",
iniciou a secretária municipal  de Assistência Social e vice-prefeita de Betim, Cleusa Lara.
''Nossa expectativa é que essa  visita estreite ainda mais a relação da prefeitura com o
governo federal no que tange à promoção  de políticas públicas para quem mais precisa.
Esperamos que este evento possa contribuir com a  prevenção ao autoextermínio",
complementou Cleusa Lara.   

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
3 voltar ao topo
POLÍTICA
“Se deus quiser, preço do gás vai cair pela metade
Em viagens pelo país para comemorar mil dias de governo, Bolsonaro fala da alta
de produtos e da necessidade de governadores atuarem também para conter aumentos
INGRID SOARES

Brasília – No segundo dia de viagens pelo país para participar de eventos das
comemorações de mil dias do seu governo, o presidente Jair Bolsonaro afirmou ontem que,
"se Deus quiser", o valor do gás de cozinha vai cair pela  metade. No entanto, a medida
dependeria da venda direta, sem passar pelas distribuidoras. A  declaração ocorreu durante
evento em Boa Vista, em Roraima, onde o chefe do Executivo anunciou a  entrega das
obras do Linhão do Tucuruí. Bolsonaro e disse que o valor cobrado pelos revendedores  é
injustificado. "O [governador de Roraima, Antonio Denarium falou do gás de cozinha,
 diminuindo imposto de gás de cozinha, de 17% para 12%. E disse ainda que no corrente ano
irá  zerar o imposto do gás de cozinha. Dizer a vocês que, no início deste ano, eu zerei os
impostos  federais no gás de cozinha". ''A mesma coisa vem fazendo o nosso governador
Wilson [Lima], aqui  presente, do estado do Amazonas. O preço do gás, lá onde
104

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ele é engarrafado no botijão de 13 quilos, está na casa dos R$ 50, não justifica, na ponta da
linha, estar custando em média R$ 130",  afirmou também Bolsonaro. O chefe do Executivo
federal apontou ainda que Roraima e Amazonas, com a  ajuda do Parlamento, poderão
buscar a compra direta do gás de cozinha e citou a MP. "Zerando o  imposto federal, que já
zerei, zerando o estadual, esses dois estados, Roraima e Amazonas, poderão com o trabalho
nosso, com ajuda do Parlamento, buscar a compra direta do gás de cozinha, a  exemplo de
uma MP nossa que está para ser votada na Câmara sobre a venda direta do etanol, o
 álcool, que vai baratear o preço do combustível lá na bomba", declarou. Ele afirmou ainda
que,  com a possível venda direta do gás de cozinha, o preço "vai cair à metade". "Com essa
possível venda direta do gás de cozinha, ele vai cair  pela metade do preço. Não justifica, na
origem, custar R$ 50 o botijão de gás e, na ponta da linha,  R$ 130. Esse preço vai cair, se
Deus quiser. Podem ter certeza", concluiu.
Na terça-feira, no primeiro dia de viagens pelas regiões do país em comemoração aos mil
dias do seu governo, Bolsonaro visitou Teixeira de Freitas, na Bahia, e Teotônio Vilela, em
Alagoas. Ontem, ele  desembarcou em Boa Vista, Roraima. No local, ele participou da
cerimônia de inauguração da Usina Termelétrica Jaguatirica II, do evento de concessão dos
aeroportos do Bloco Norte e do lançamento da linha de transmissão – Linhão Tucuruí – que
vai  ligar Roraima ao Amazonas.
"Nós tínhamos pressa em resolvera questão do linhão Manaus Boa Vista. Reunimos o
Conselho de  Defesa, foi debatido o assunto e vimos até onde poderíamos ir e o que
deveríamos fazer a mais para  atingir esse objetivo. Há mais de 10 anos, Roraima não
estava integrada com o resto do Brasil na  questão energética. O trabalho da nossa parte
foi intenso a partir daquele momento (2019) e, muitas vezes, ajudado pela bancada de
Roraima.  Até que, ontem à noite, a cegonha apareceu. Ontem à noite, o último obstáculo
para o início das  obras foi vencido, e nós temos uma pedra aqui do lado, a pedra
fundamental, para o início da  construção do linhão", apontou.
O presidente agradeceu à ministra Damares Alves, a qual chamou de "pessoa-chave" para
destravamento da obra. “Os seus contatos, as suas idas e vindas para busca, junto às
comunidades indígenas, da autorização para fazer esse linhão, porque essa linha passa por
reservas indígenas”,  acrescentou. Bolsonaro completou que a obra deverá durar anos. “Não
será muito rápida essa  obra, mas aproximadamente três anos talvez, menos de três anos
ela será concluída. É uma coisa  fantástica que só se consegue quando se faz a união do
Poder Executivo e do Poder Legislativo  federal. Esse pesadelo, em menos de três anos,
deixará de existir nesse estado maravilhoso  chamado Roraima”.
Bolsonaro ainda citou a sua participação na Assembleia-Geral da ONU e destacou que a
Amazônia é dos brasileiros. “Dizer a  vocês que em todas as vezes que estive na ONU eu
falei que a Amazônia é nossa, é de nós brasileiros. Essa região é a mais rica do mundo em
biodiversidades, água potável, riquezas minerais, e  estamos cada vez mais descobrindo
petróleo e gás na região, sem contar com as belezas naturais.  Brevemente, o turismo se
fará mais presente nessa região”, concluiu.

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
2 voltar ao topo
POLÍTICA
Improbidade só com intenção
Senado altera proposta já aprovada na Câmara e passa a considerar crime apenas se
105

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


houver ação deliberada do agente público. Mudança terá de ser apreciada por deputados
outra vez

Brasília – O plenário do Senado aprovou ontem, por 47 a 24 votos, projeto de lei que
enfraquece a Lei de Improbidade  Administrativa no país. A proposta determina que o
agente acusado de lesar o patrimônio público  só será punido quando comprovada a
intenção de cometer o crime. Atualmente, é considerada  improbidade administrativa
qualquer ação ou omissão, dolosa ou culposa, que cause lesão ao  erário. Outra mudança é
o impedimento de punição do gestor que deixar de cumprir a exigência de  requisitos de
acessibilidade previstos na legislação e daquele que transferir recurso a entidade  privada,
em razão da prestação de serviços na área de saúde, sem a prévia celebração de contrato.
 Como a proposta foi alterada, terá de voltar para nova análise na Câmara dos Deputados.
O projeto também retira da lei o ponto que classifica como ilícito a ação negligente na
arrecadação  de tributo ou renda e na conservação do patrimônio público. A proposta
estabelece que só estará  sujeito à lei quem agir ilicitamente, e não negligentemente. Do
mesmo modo, será preciso  configuração de ilícito, e não apenas negligência, na celebração,
fiscalização e análise das  prestações de contas de parcerias firmadas pela administração
pública com entidades privadas.
Além disso, o projeto retira da Lei de Improbidade Administrativa o trecho que classifica
como  ilícito liberar recursos de parcerias firmadas pela administração pública com
entidades  privadas sem a observância das normas, ou mesmo influir para a sua aplicação
irregular. Também  foram revogados os incisos que classificam como improbidade
administrativa praticar ato visando  ao fim proibido em lei ou regulamento e retardar ou
deixar de praticar, indevidamente, ato de  ofício.
"Esse projeto, aprovado nos termos do relatório, vai arquivar, instantaneamente, processos
que correm contra o senhor Arthur Lira, deputado presidente da Câmara.
Instantaneamente, vamos mandar para o  arquivo 40% das ações de improbidade que
tramitam, inclusive de membros desta Casa. Tenho  dificuldade em encontrar outra
expressão que não seja vergonha. Dá vergonha ver que está sendo um  projeto em
flagrante benefício daqueles que cometem erros", afirmou o senador Alessandro Vieira
 (Cidadania-SE).
Outra questão controversa aponta que a sanção de perda de cargo passa a valer apenas
para cargos de  mesma natureza da época da infração cometida.
Isso que dizer que no caso de um prefeito condenado por improbidade com pena de multa
que hoje é  governador, por exemplo, não haverá perda de cargo. O mesmo vale para o
senador que foi alvo de  ação quando exercia mandato de deputado. Com a mudança no
Senado, ficou estabelecido ainda que o  prazo para prescrição de crimes de improbidade
será antecipado e começa a contar a partir do atoe  não do fim do mandato, como é hoje.
A proposta aprovada ontem prevê a prescrição em oito anos ''a partir da ocorrência do fato
ou, no caso de infrações permanentes, do dia em que cessou a permanência''. A lei vigente
determina que as ações  poderão ser propostas até cinco anos depois do término do
exercício de mandato, dentro do prazo  prescricional previsto em lei específica, ou até
cinco anos depois da apresentação à  administração pública da prestação de contas final.
No caso dos partidos, as penalidades passam a  ser definidas apenas pela Lei dos Partidos
Políticos, e não mais pela Lei de Improbidade.
Os senadores mantiveram trecho que exige a necessidade de dolo específico dos atos de
improbidade oriundos do descumprimento da legislação de acesso à informação.  Nesses
casos, será necessário comprovar a intenção do agente com a atitude de obter proveito

106

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ou  benefício indevido para si ou para outra pessoa ou entidade.
Durante as discussões na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), na manhã de ontem, o
relator  da proposta, Weverton (PDT-MA), aceitou alterações sugeridas por senadores e
representantes da  sociedade civil para garantir a aprovação da matéria. Mas admitiu que a
solução não é a "ideal",  porque os principais pontos foram mantidos, como a configuração
do ato apenas com dolo  específico, a prescrição intercorrente e a exclusão da hipótese de
culpa grave.
“Não estamos chegando na solução ideal, mas na real. Não é 100%, mas é o que deu para
evoluir, e  acredito que conseguimos avançar bastante. Temos que entender que a Casa
tem limitações, estamos  no papel de revisor. Não dá para fazer de qualquer jeito, voltar
para a Câmara e perder todo o  trabalho feito aqui. É preciso ajustar para fazer a maior
contenção de danos possível'', afirmou o  senador. Ele Weverton inseriu a ressalva de que o
trecho que prevê pagamento de honorários sucumbenciais em  caso de improcedência da
ação de improbidade só ocorrerá se houver comprovada má fé por parte  dos
investigadores.
Além disso, ele aumentou o limite do inquérito de 180 dias para um ano, prorrogável por
mais um.  Hoje, não há prazo para os processos terminarem. Weverton também ampliou o
período para que o  Ministério Público se manifeste sobre a intenção de continuidade dos
processos após a sanção da  lei. Inicialmente, pelo relatório original, o MP teria até 120 dias
para agir, do contrário a  ação seria extinta. Agora, a instituição terá um ano para fazer
isso.

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
Internet voltar ao topo
POLÍTICA
Pesquisa: Lula se consolida na liderança em todos os
cenários em 2022
Números mostram a polarização entre o ex-presidente e o atual, e que se criou uma
barreira quase intransponível para uma eventual terceira via

Vicente Nunes - Correio Braziliense 


30/09/2021 09:09
 
O jornalista Vicente Nunes, publicou um texto no  Blog do Vicente , do  Correio
Braziliense , mostrando os números da mais recente pesquisa eleitoral para a corrida
presidencial de 2022, feita pela Modalmais e a Futura Inteligência. Os dados mostram a
consolidação do ex-presidente Lula (PT) na liderança, seguido pelo presidente Jair Bolsonaro
(sem partido) . O petista vence em todos os sete cenários estimulados previstos no
levantamento.
No primeiro deles, Lula aparece com 36,9% da preferência dos entrevistados. Bolsonaro tem
28,4%, seguido por Ciro Gomes (6,7%), Sérgio Moro (6,0%), Datena (3,3%), João Dória (2,6%),
Luiz Henrique Mandetta (1,8%), Romeu Zema (1,6%), Rodrigo Pacheco (0,9%), Alexandre
Kalil (0,9%), Alessandro Vieira (0,5%). Brancos e nulos somam 6,7% e os indecisos e não
sabem, 3,6%.
Também na pesquisa espontânea, Lula lidera, com 31,9% da preferência dos consultados,
seguido por Bolsonaro, com 28,6% e Ciro Gomes, com 3,5%.
107

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Para ler o texto completo,  clique no link .

L e i a e m :
https://www.em.com.br/app/noticia/politica/2021/09/30/interna_politica,1310224/pesquisa-
lula-se-consolida-na-lideranca-em-todos-os-cenarios-em-2022.shtml

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
5 voltar ao topo
POLÍTICA
Luciano Hang nega ter divulgado fake news
Em depoimento tumultuado e contraditório à CPI da COVID, empresário admite ter contas
no exterior, mas afirma que não financia ou dissemina conteúdo falso
TAINÁ ANDRADE E RAPHAEL FELICE

Brasília – O empresário bolsonarista Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, prestou
depoimento ontem na Comissão Parlamentar de  Inquérito (CPI) da COVID marcado por
bate-bocas e contradições. Ele chegou à sessão acompanhado  por senadores governistas,
inclusive Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). Suspeito de financiar  disseminação de fake news e
estimular tratamento contra o coronavírus com medicamentos sem  eficácia científica
comprovada, ele admitiu que tem contas no exterior, mas negou que divulgue ou  banque
fake news. Hang confirmou que a certidão de óbito da sua mãe foi emitida com a causa
mortis  para coronavírus e entregou aos senadores um documento do controle de infecção
hospitalar para  comprovar a informação. Afirmou também que nunca houve erro da
operadora de plano de saúde  Prevent Senior e que “os senadores foram levados ao erro”. O
relator da CPI, Renan Calheiros  (MDB-AL), perguntou a Hang se ele tem contas no exterior.
O empresário perguntou se deveria  responder "sim" ou "não". O presidente da comissão,
Omar Aziz (PSD-AM), então, disse: ''Não  interessa. Tem ou não tem? Sabe por que ele está
perguntando? Porque a gente tem indícios de que  Vossa Excelência usa suas contas no
exterior para financiar fake news".
Hang, em seguida, se dirigiu a Omar Aziz e declarou: "Não, não. Omar, eu tenho  tudo, eu
estou tranquilo. Senador, eu tenho todo tempo do mundo para responder a todas as
perguntas de  maneira lógica para quem está nos vendo atrás das câmeras. Tenham a
tranquilidade de receber a informação correta. Faz a pergunta e eu respondo". "O senhor
tem conta no exterior?", perguntou novamente  Renan Calheiros. "Temos", respondeu o
empresário.  
 Hang negou que divulgue fake news. ''Quero afirmar aqui nesta Casa, com a consciência
tranquila e  com a serenidade de quem tem a verdade ao seu lado, que não conheço, não
faço e nunca fiz parte de  nenhum gabinete paralelo. Nunca financiei nenhum esquema de
fake news e não sou negacionista",  declarou Luciano Hang. Em maio, a Polícia Federal
cumpriu mandados de busca e apreensão em  endereços ligados a Hang, a fim de apurar
suposto envolvimento de políticos, empresários e  blogueiros na disseminação de
informações falsas na internet.
Mesmo admitindo que não tomou vacina contra a COVID-19, o empresário alegou que nunca
foi  contrário à imunização. ''Tanto que disponibilizei todos os nossos estacionamentos
como pontos de  vacinação. Além disso, juntamente com outros empresários, fizemos
campanha para que a iniciativa  privada pudesse comprar e doar para acelerar o processo
108

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


de imunização", afirmou.
 
 MÃE
 Durante o depoimento, Luciano Hang confirmou que a certidão de óbito da mãe foi
emitida com a  causa mortis para coronavírus. Ele entregou aos senadores documento do
controle de infecção  hospitalar para comprovar a informação e afirmou que a Prevent
Senior não errou. ''Trouxeram partes  do que foi dado de medicamento e trouxeram o
atestado de óbito. Disseram: "Mas então, não foi  notificado". Aqui está [e mostrou o
documento], na comissão de controle de infecção hospitalar.  Vou deixar na mão de vocês,
encaminhado, em que ela adentrou no hospital, no dia 1º de  janeiro, e saiu no dia 3 de
fevereiro. A entrada mostra COVID, e a saída, COVID, ou seja, foi, sim,  notificada a morte da
minha mãe como COVID”, disse o dono Havan, balançando o documento na frente  de
todos.  
 Renan Calheiros informou a ele que durante depoimento do diretor-executivo da Prevent,
Pedro Batista Júnior, foram confirmadas  duas certidões de óbito em nome de Regina Hang
e que a comissão tem cópia das duas e que elas não  batiam com o documento levado por
Hang à comissão. Mesmo assim, o empresário insistiu que as  informações obtidas pela CPI
foram distorcidas por uma fonte errada, mas admitiu ser “leigo” e que não sabe quais
informações um atestado de óbito deve  ter. “Fiquei sabendo através da CPI que tanto o
atestado de óbito quanto o prontuário da minha mãe  foram pegos e, lá, no atestado de
óbito, não constava COVID. Eu sou leigo. Eu não sei se as pessoas... o que tem que botar no
atestado de óbito”, afirmou. ''É como se eu tivesse falado para não colocar a causa da morte
como COVID. Olha que loucura, imagina eu chamar o médico e  dizer ‘olha, não coloquem
COVID, porque eu tinha falado que ela estava o tempo todo no hospital  com COVID’ para
diminuir o número de notificações de COVID. Uma coisa de louco, uma coisa  fantasiosa,
mas ontem nós tivemos acesso, na comissão de controle de infecção hospitalar. Acho até,
 senador Renan Calheiros, que vocês foram levados ao erro”, defendeu-se Hang. Depois, ele
recuou e  confirmou que no atestado de Regina Hang não consta a doença como causa
mortis. Segundo ele, a  ausência da notificação foi “um erro” do plantonista da Prevent
Senior.
Luciano Hang disse ainda que sua mãe fez uso de tratamento precoce e que autorizou
todos os  procedimentos prescritos pela Prevent Senior, entre eles o de ozonioterapia. No
entanto, ele fez  diferenciação entre tratamento “precoce” e “preventivo”, após a CPI
reproduzir um vídeo em que  ele afirmava que a morte da mãe poderia ter sido evitada
caso ela fizesse tratamento preventivo.
“O que eu falei nesse vídeo, eu disse que lamentava que não tinha feito tratamento
preventivo com  a minha mãe, que é antes da pessoa adquirir o vírus. Eu faço o tratamento
do vírus para blindar a  célula, com vitaminas, etc. Cita comorbidades da mãe e não faziam
tratamento preventivo porque  ela estava intubada antes da COVID. Ela tinha problemas,
comorbidade e, por isso, ela não usava  preventivo.” Os senadores da comissão
questionaram as razões pelas quais a mãe de Hang fez o uso dos  medicamentos do kit
COVID, uma vez que ela tinha comorbidade. O dono da Havan sustentou ser uma  questão
de autonomia médica. (Com agências)  

Leia em: https://digital.em.com.br/estadodeminas/30/09/2021/p5

109

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
5 voltar ao topo
POLÍTICA
Irritação e confusão na oitiva
Brasília –O depoimento do empresário Luciano Hang à Comissão Parlamentar de Inquérito
(CPI) da COVID-19 gerou tumulto na sessão,  que chegou a ser interrompida. Os senadores
Rogério Carvalho (PT-SE) e Flávio Bolsonaro  (Patriota-RJ) trocaram acusações. O petista
reclamou que um dos advogados de Hang o estava desrespeitando, e pediu ao presidente do
colegiado, Omar Aziz (PSD-AM), que retirasse o  profissional da sala. Os comentários que
causaram irritação no parlamentar não foram, contudo,  audíveis na transmissão do
Senado.
"O senhor não me desrespeite. Está me desrespeitando. Eu não aceito. Presidente, se ele não
me  respeitar, peço que seja retirado do Plenário. Peço que retire esse advogado do
Plenário. (...)  Eu sou senador da República e não aceito esse tipo de desacato aqui dentro da
comissão parlamentar", gritou Rogério. Quem entrou em defesa do advogado do dono da
rede de lojas Havan foi o  filho‘01’do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) , Flávio
Bolsonaro. Ele acompanhou Luciano na  chegada ao Plenário para depoimento.
“Advogado não é poste. Eu peço que não seja retirado, senhor presidente. Ele está
defendendo o cliente dele das suas ofensas", rebateu Flávio a Rogério Carvalho.
Posteriormente, Omar atendeu ao pedido do petista  e pediu que o representante de Hang
se retirasse do Plenário. Além disso, ele também ordenou o  recolhimento de cartazes que
estavam com o empresário e logo depois suspendeu a reunião.  Senadores governistas
protestaram, dizendo que o defensor do empresário também foi ofendido.
O senador Humberto Costa (PT-SP) disse que o advogado não poderia tomar a palavra à
frente de  Luciano Hang. O senador Izalci Lucas (PSDB-DF) afirmou que quem chamou
Hang a depor sabia que a  confusão poderia acontecer. “CPI é para você aperfeiçoar, ouvir,
apurar. Mas fica essa discussão  defendendo negócio que não tem nada a ver. Não tem que
defender governo e nem ninguém. Já era  esperada essa situação. Quem chamou sabia que
isso ia acontecer”, disse o senador, que compôs a  CPI temporariamente em julho,
substituindo Tasso Jereissati (PSDB-CE). As dificuldades para uma  condução serena da
comissão ficaram evidentes logo no início da sessão de ontem. Senadores da  oposição e do
governo já trocavam farpas e faziam menções a circo, bobo da corte, palhaços,
negacionismo e morticínio.
A partir do momento em que senadores contrários ao governo, como Rogério Carvalho (PT-
SE),  Fabiano Contarato (Rede-ES) e Eliziane Gama (Cidadania-MA), cobraram objetividade
nas respostas  do empresário bolsonarista, os governistas cobraram liberdade para o
depoente responder, o que  gerou mais bate-boca.
O senador Randolfe Rodrigues tentou acalmar os ânimos ao trazer questão de ordem. Ele
fez leituras  do regimento interno do Senado e do Código Penal. “O juiz não permitirá que a
testemunha  manifeste suas apreciações pessoais. Salvo quando inseparáveis da narrativa
do fato”, leu. “Para  a boa condução deste depoimento, para o melhor que todos estão nessa
CPI, inclusive ao  depoente, o primeiro encaminhamento que peço à defesa fazer ao
depoente é aconselhá-lo. As  respostas devem ser feitas com relação aos fatos aqui
apresentados”, completou o  vice-presidente da CPI.
O clima do depoimento ficou tenso até mesmo entre os próprios senadores contrários ao
governo. Otto  Alencar (PSD-BA) cobrou do presidente da Comissão, Omar Aziz, autoridade.
A cobrança foi feita por outros parlamentares do colegiado. Aziz rebateu Otto e mandou
110

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


recado para Luciano  Hang.
“É muito fácil cobrar, é uma beleza cobrar todo mundo. Passo a palavra ao senador Renan,
começa  a confusão. O cidadão que está aqui do meu lado direito (Hang) começa a contar
historinha. Todo  mundo aqui tem uma história para contar. Infelizmente, muitos pais que
morreram não tinham condição financeira para dar tratamento digno. Não tem que ficar
propagando remédio que matava. Eu em sua condição, que fica  cantando de bom galo, fica
nesse 'palcozinho' e que alguns aqui ficam dando corda, eu, se tivesse  sua condição, levava.
Não vem aqui dar uma de mais honesto, que o senhor não é mais honesto que  ninguém,
não. O senhor gera emprego, mas o senhor ganha dinheiro”, afirmou Aziz.  

Leia em: https://digital.em.com.br/estadodeminas/30/09/2021/p5

MG - ESTADO DE MINAS
30/09/2021
3 voltar ao topo
POLÍTICA
Lira fala em “fundo” para valor de combustíveis
 Brasília – O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), afirmou ontem que
tem discutido com líderes da base do  governo propostas que busquem melhorar a
composição de preços dos combustíveis de forma a mantê-los mais estáveis diante das
variações do dólar e do barril do petróleo. Uma das propostas,  segundo Lira, seria a criação
de um fundo “para dar conforto às oscilações”. Ele também  voltou a abordar a proposta
que altera a cobrança do ICMS, unificando a tarifa e mantendo um  valor fixo para o
imposto estadual. “Não podemos dizer que é o ICMS que puxa o aumento, mas  contribui
com alguns excessos para que fique mais caro. Queremos discutir um fundo de
 estabilização, sem mexer no preço da Petrobras, para não agredir com taxação ou
definição de  valores, mas para dar conforto para essas oscilações. Vamos passar a semana
discutindo rapidamente,  porque esse assunto não pode ser protelado”, afirmou o
presidente em entrevista, ao chegar à Câmara.  
 Lira disse que pretende se reunir com os governadores assim que um texto for
apresentado. Ele ressaltou que a proposta não é contra nenhum estado especificamente,
mas disse que, com as mudanças da cobrança do ICMS, não  haveria compensação, já que a
arrecadação dos entes federados tem aumentado muito nos últimos  meses. “Não fazemos
política populista na Câmara”, ressaltou Lira.
“A partir do momento em que chegarmos a um texto, lógico que vamos ouvir os
governadores, os secretários de Fazenda. Não há nenhum movimento contra os
governadores ou a favor da Petrobras. É um movimento para resolver um  problema sério
no Brasil, para encontrarmos a melhor alternativa que atenda a todos”, defendeu. 

111

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO O
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA
MANCHETES

112

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A12 voltar ao topo
ARTIGOS
ROBERTO ABDENUR - Meio ambiente, eixo da relação
Alemanha-Brasil
Brasil se defrontará com um renovado desafio ambiental, apresentado pela Alemanha, pela
Europa e pelos EUA comandados por Joe Biden
ROBERTO ABDENUR 
ESPECIAL PARA O ESTADÃO
A Alemanha é, de longe, o país que, desde há muito tempo, mais intensa e frequentemente
atenta para os problemas ambientais no Brasil. O evento que marca o início desse interesse
e engajamento ativo nas questões ambientais brasileiras ocorreu pouco depois da
realização da Rio 92 – segunda grande conferência sobre meio ambiente, em que o Brasil se
colocou como player central nas questões ambientais.
O então chanceler da Alemanha, Helmut Kohl, em uma reunião do G7, sugeriu o
lançamento de um programa para a proteção das florestas do Brasil. A ideia foi endossada
pelos demais países, e foi sugerido ao Brasil o chamado PPG-7, Programa Piloto para a
Proteção das Florestas Tropicais brasileiras. Isso foi feito sem consulta ao Brasil. Kohl
propôs a ideia ao G-7 e, após a aprovação, confrontou o Brasil com essa iniciativa, durante o
governo Collor. E o Brasil teve a sabedoria de não ter uma atitude negativa, de aceitar o
desafio e se engajar no processo.
O PPG-7 se desdobrou ao longo de 17 anos, entre 1993 e 2008, e envolveu 26 projetos em
valores de cerca de US$ 463 milhões, e deu muito certo, na base de um diálogo fluido entre
quatro atores: os governos doadores – sobretudo o alemão –, o governo brasileiro,
entidades científicas e entidades da sociedade civil, com o apoio do Banco Mundial.
Eu assumi a Embaixada do Brasil na Alemanha – ainda sediada em Bonn – anos depois, em
outubro de 1995. Na época, minha apresentação de credenciais foi acelerada para que eu
pudesse acompanhar o então presidente alemão, Roman Herzog, em uma viagem de 10 dias
ao Brasil. Um dos destinos foi Manaus, onde a comitiva alemã manteve um diálogo com
lideranças indígenas, que se queixavam das dificuldades, das pressões que sofriam, das
agressões de garimpeiros. Foi, para mim, um pouco constrangedor, porque havia uma
atitude um tanto paternalista dos alemães em relação às questões ambientais brasileiras,
especificamente à Amazônia.
Algum tempo depois dessa viagem, os Verdes – que, à época, não tinham o peso eleitoral
que têm hoje, mas já eram uma voz poderosa e eloquente – deram curso a uma campanha
de críticas ao Brasil, porque interpretavam uma mudança da legislação de demarcação de
terras indígenas da época como algo prejudicial. Foi uma campanha muito forte e muito
negativa.
Eu, então, liguei para o ministro da Justiça, responsável por aquele assunto, Nelson Jobim, e
ele foi à Alemanha participar de uma programação intensa em Bonn e em Berlim,
dialogando com autoridades do governo e lideranças políticas, imprensa, ONGS e mostrou,
de maneira muito articulada e convincente, que a visão negativa não procedia, que o intuito
do governo Fernando Henrique era dar solidez jurídica e evitar questionamentos indevidos
à demarcação de terras.
Se considerarmos o lançamento do PPG-7 como marco inicial, completamse agora quase 30
anos de grande engajamento da Alemanha nos problemas ambientais brasileiros. Uma
113

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


preocupação salutar, por um lado, mas também uma pressão e uma cobrança muito
grande. Atualmente, a posição do Brasil nesta relação não é boa. O governo de Jair
Bolsonaro sistematicamente mantém um posicionamento hostil à sociedade civil, como
ONGS e organizações de caráter científico, o que levou o ministro Ricardo Salles a
inviabilizar a continuidade do Fundo Amazônia, pelo qual a Noruega e, em menor escala, a
Alemanha, estavam contribuindo com centenas de milhões de reais para esforços de
prevenção e contenção do desmatamento na Amazônia brasileira.
Bolsonaro disse literalmente: “As ONGS são um câncer que eu não consigo extirpar”. E isso
se deu não apenas nas questões ambientais. Dezenas e dezenas de conselhos, grupos de
trabalho e outras entidades em que corriam diálogos fluidos entre governo e expressões
variadas da sociedade civil brasileira e internacional foram paralisadas ou extintas. A certa
altura, Angela Merkel fez alguma observação crítica, de preocupação com o desmatamento
da Amazônia, e reiterou a disposição da Alemanha de oferecer ajuda financeira ao Brasil.
A resposta de Bolsonaro foi na linha de que ela pegasse o dinheiro e investisse no
reflorestamento da Alemanha. A atitude é totalmente divergente daquela sábia, política e
diplomaticamente hábil decisão que o Brasil tomou ao aceitar a oferta no caso do desafio do
PPG-7, nos anos 90. Ele reagiu negativamente dentro da sua visão de que os outros países,
os europeus sobretudo, têm interesses escusos, políticos e econômicos sobre a Amazônia
brasileira. E ele reiterou isso em seu patético discurso na Assembleia-geral da ONU, dias
atrás – e já havia mencionado isso em discursos anteriores.
Acontece que quem quer explorar as riquezas da Amazônia, mesmo que em detrimento do
meio ambiente ou das populações indígenas, é o próprio Bolsonaro, que patrocina projetos
e leis nocivos à preservação ambiental. O que a Alemanha e a comunidade internacional,
em geral, desejam é justamente a preservação da floresta e o respeito aos povos indígenas.
Essa questão se torna ainda mais relevante após as eleições em que os verdes obtiveram
cerca de 15% dos votos, quase dobrando o número de eleitores em relação à eleição anterior.
Está claro que, em qualquer coalizão para formar o primeiro governo pós-angela Merkel,
eles serão parceiros preferenciais, a depender das negociações. Nesta posição de força e
influência, em que possivelmente controlarão os ministérios do Meio Ambiente e das
Relações Exteriores, os verdes certamente voltarão os olhos para o Brasil, com uma atitude
fortemente crítica em relação ao governo, que continua a ter atitudes negacionistas sobre a
questão climática, e tomarão medidas concretas e efetivas para combater o desmatamento
da Amazônia, com a definição de metas específicas e prazos razoáveis, a alocação de
recursos financeiros e o fortalecimento das principais entidades de preservação do bioma,
como o Ibama, o ICMBIO e a Funai.
O Brasil se defrontará proximamente com um renovado e redobrado desafio – apresentado
pela Alemanha e outros países europeus, e também pelos Estados Unidos de Biden, para
quem as questões climáticas passaram a ser tratadas como ameaça à própria segurança
nacional. O Brasil tem uma boa oportunidade pela frente, que é a COP-26. Resta ver se nosso
atual governo saberá responder de maneira lúcida e construtiva às cobranças a ele
dirigidas.
(...)

EMBAIXADOR DO BRASIL NA ALEMANHA E EX-SECRETÁRIO-GERAL DO ITAMARATY

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

114

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A2 voltar ao topo
ARTIGOS
PAULO ROBERTO DA SILVA GOMES FILHO - A nova
aliança militar entre EUA, Reino Unido e Austrália
No dia 15 de setembro, um pronunciamento feito pelo presidente Joe Biden, com a
participação virtual dos primeiros-ministros britânico, Boris Johnson, e australiano, Scott
Morrison, causou protestos da China e indignação na França: EUA e Reino Unido acordavam
em repassar para Austrália a tecnologia necessária para a produção local de submarinos de
propulsão nuclear.
Os protestos chineses são compreensíveis. Afinal, embora o nome da China não tenha sido
citado em nenhum momento, é óbvio que a posse de submarinos nucleares pela Austrália
tem a finalidade de conter a emergente potência asiática, detentora da maior Marinha do
mundo em quantidade de meios navais e cada vez mais assertiva em suas ações no Mar do
Sul da China. Aquela porção do Oceano Pacífico, que vai de Cingapura a Taiwan, é o palco da
disputa entre a China e os países da região, envolvendo a exploração econômica dos
recursos marinhos, a posse de centenas de pequenas ilhas e o acesso ao Oceano Índico via
Estreito de Málaca.
Submarinos de propulsão nuclear são armas poderosíssimas. Enquanto um submarino
convencional tem sua permanência submersa limitada, necessitando subir à superfície para
recarregar suas baterias, um submarino nuclear pode ficar muito mais tempo submerso. Na
prática, este tempo é limitado pela capacidade física e psicológica das tripulações e pelo
estoque de víveres disponível. É muito mais rápido que o convencional e
incomparavelmente mais furtivo, ou seja, de detecção muito mais difícil pelo inimigo. Uma
flotilha de submarinos nucleares australianos navegando sob as águas do Mar do Sul da
China seria um pesadelo para os militares chineses.
Mas, se a reação chinesa podia ser esperada, a reação da França talvez tenha surpreendido
norte-americanos, australianos e britânicos. O ministro das Relações Exteriores francês,
Jean-yves Le Drian, qualificou o acordo como “brutal” e uma “facada nas costas”. O
presidente francês, Emmanuel Macron, determinou que os embaixadores franceses nos
EUA e na Austrália fossem à França, “para consultas”. Como se sabe, essa é uma forma de
expressar um profundo descontentamento. As razões francesas são predominantemente
comerciais. O país havia firmado um acordo com os australianos para a venda de
submarinos convencionais, no valor de US$ 66 bilhões. Agora, o acordo foi desfeito. Um
enorme prejuízo. Mas esta não é a única causa de descontentamento. A França é uma aliada
histórica dos EUA. Aliás, foi o primeiro país com quem os norte-americanos firmaram uma
aliança militar, em 1778, quando os franceses com eles ombrearam contra os ingleses na
guerra pela independência. Hoje, é um importante membro da Otan. Ao serem
surpreendidos pelo acordo, os franceses se sentiram traídos.
O movimento de norteamericanos e britânicos, ocorrido imediatamente depois da completa
e traumática retirada dos EUA e aliados do Afeganistão, emite sinais claros para toda a
comunidade internacional. Os EUA mostram que o seu foco prioritário passa a ser a China e
que o país não medirá esforços para conter aquele que considera ser o seu maior
adversário geopolítico neste século 21. O Reino Unido, por sua vez, depois do Brexit,
demonstra seu alinhamento prioritário com os EUA e reforça sua intenção de se manter
relevante do ponto de vista geopolítico.
115

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Trata-se de uma ação dentro da Estratégia Global Britain, lançada por Boris Johnson, que vê
o Reino Unido desvencilhado da Europa, como uma das mais influentes nações do planeta.
É interessante notar que a aliança entre EUA, Reino Unido e Austrália foi anunciada ao
mesmo tempo que o Japão faz seu maior exercício militar em 30 anos, empregando cerca
de 100 mil militares, em meio a um aumento das tensões com a China em torno da posse
das ilhas Senkaku, que os chineses consideram suas e chamam de Diaoyu Dao. Note-se,
também, que o Japão acaba de anunciar um acordo militar com o Vietnã, que envolve a
realização de exercícios militares conjuntos entre os dois países e exportações de materiais
de emprego militar dos japoneses para os vietnamitas.
Ao mesmo tempo que os EUA e seus maiores aliados no Indo-pacífico adotam atitudes cada
vez mais assertivas no sentido de conter a China, esta se movimenta na direção contrária,
projetando seu poder em direção ao Ocidente. Isso fica claro, por exemplo, quando China e
Rússia aceitam o Irã como membro pleno da Organização para Cooperação de Xangai ou na
assertividade com que o país se comporta em relação ao Afeganistão, ocupando o vácuo
deixado por EUA e seus aliados.
“Na briga entre o mar e o rochedo, é o marisco que apanha”, diz o dito popular. O sistema
internacional passa por um momento de reacomodação, no qual os movimentos de
chineses e norte-americanos exigirão muita atenção dos demais países, que devem estar
atentos para não verem comprometidos seus próprios interesses estratégicos. Ninguém
está a salvo deste embate, nem mesmo o Brasil, na (distante) América do Sul.
(...)

CORONEL DE CAVALARIA DA RESERVA

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B6 voltar ao topo
ARTIGOS
JOSÉ PASTORE - O Brasil é vítima do seu Congresso
A frase não é minha. É do professor Frédéric Louault, da Universidade de Bruxelas, que
escreveu um capítulo sobre o Brasil no Relatório do Observatório Político da América
Latina em 2018. Ele argumentou que o Congresso Nacional tem força para manter ou
afastar o presidente do Brasil, assim como para acelerar ou retardar mudanças em função
das vantagens políticas e dos privilégios que os parlamentares podem obter.
A frase me veio à mente quando vi o Senado Federal acabar com as medidas referentes à
redução de jornada e à suspensão do contrato de trabalho que, comprovadamente,
preservaram milhares de empresas e milhões de empregos a um custo moderado.
Afinal, a pandemia não acabou. Seiscentas mil empresas fecharam. Dentre as sobreviventes,
muitas continuam com problemas gravíssimos. Uma legião de trabalhadores está
desempregada. A metade dos brasileiros vive em domicílios sem nenhuma renda do
trabalho. A fome se espalha. O pleno crescimento da economia está longe. As estimativas
para 2021-2022 se reduzem a cada dia.
No meio desse quadro dramático, desumano e doloroso, os senadores decidiram arquivar a
MP 1.045 que dava uma sobrevida às referidas medidas: jogaram fora a água do banho junto
com a criança. As empresas em dificuldades despedirão empregados.
Realmente, fomos vítimas do Congresso Nacional. E não é a primeira vez. Dezenas de leis
116

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


extrativistas têm sido aprovadas para atender a privilégios de parlamentares e de
corporações à custa de extrair recursos do povo.
Está fresca na memória a aprovação de R$ 5,7 bilhões para o Fundo Eleitoral.
Recentemente, os deputados aprovaram um novo Código Eleitoral que amplia ainda mais a
liberdade para os partidos usarem os recursos dos Fundos Partidário e Eleitoral; afrouxa as
responsabilidades dos eleitos; torna letra morta a obrigatoriedade de prestação de contas;
esteriliza a Lei da Ficha Limpa etc. Em 2020, no meio da pandemia, ajustaram em 170%, para
si mesmos, as despesas com saúde pagas pelo erário. Na análise da PEC 32/2020, a Comissão
Especial excluiu da reforma administrativa vários grupos de servidores que insistem em
manter penduricalhos por eles definidos como “direitos” ou privilégios adquiridos.
Voltando ao ato impensado dos senadores, cabe a eles encontrar uma solução expedita para
conter as dispensas que vêm pela frente. Medidas desse tipo são usadas no mundo inteiro
com pleno êxito. A Alemanha criou o kurzarbeit em 1910, depois adotado por vários países e
em uso até os dias atuais. A perda do emprego é devastadora para os trabalhadores, que
ficam sem renda; para as empresas, que ficam sem empregados treinados; e para o governo,
que gasta muito com o seguro-desemprego.
O que terá ocorrido aos senadores que decidiram punir os brasileiros de maneira tão
maldosa? A vacinação em massa, é verdade, trouxe ânimo às pessoas. Mas a pandemia
segue ceifando vidas e deixando cicatrizes. A pobreza e a desigualdade aumentaram. As
pequenas e médias empresas continuam sufocadas por dívidas e juros altos. A inflação
corrói a renda de quem ganha alguma coisa. Não me conformo. Com essa decisão, os
senadores deram razão ao professor Louault.
Mas que fique claro: os demais Poderes da República não estão livres de decisões em causa
própria e à custa do sofrimento dos mais pobres. Não é à toa que os brasileiros que
“confiam muito” no Poder Executivo são apenas 16%; no Judiciário, são 15%; no Legislativo,
4%; nos partidos políticos, 3% (Datafolha 26/9/2021).
(...)

PROFESSOR DA FEA-USP E MEMBRO DA ACADEMIA PAULISTA DE LETRAS. É


PRESIDENTE DO CONSELHO DE EMPREGO E RELAÇÕES DO TRABALHO DA
FECOMERCIO-SP

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A2 voltar ao topo
ARTIGOS
MARIA ALICE SETUBAL, DAVID SAAD, PAULO EMÍLIO
ANDRADE, RICARDO HENRIQUES E FERNANDA RENNÓ -
Uma ponte entre a escola e as Amazônias
“Entre ideia/lugar existem muitas Amazônias porque são muitas! tantas, que para quem
vive do lado de dentro, diversidade não é só possível; é real; (...)
” (Marcela Bonfim, 2021)
A Amazônia deve fazer parte de cada um dos brasileiros, como algo vivo, que cabe a todos
cuidar e conservar. É preciso conhecer essa diversidade, essas tantas regiões e tempos
amazônicos exaltados no texto de Marcela Bonfim, ativista cultural que vive em Porto
117

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Velho, Rondônia.
Mas o que realmente sabemos sobre a Amazônia? Quando muito, sobre alguns aspectos
naturais de uma longínqua selva úmida, homogênea e difusa, escassamente povoada por
indígenas esperando para ser explorada. Como podemos nos (re) conhecer na(s)
Amazônia(s)? Não existe uma resposta única, mas uma delas passa sem dúvida por um
mergulho nesta diversidade para diminuir as desigualdades.
A educação tem papel fundamental neste processo. Na escola, aprendemos sobre o que nos
constitui como povo. Nossos valores, características, línguas e formas de nos comunicar. É
onde se forma o nosso jeito de ser, nossos modos de interagir e os sonhos para o presente e
o futuro, como brasileiros.
Diante disso, cabem algumas perguntas: o que vem sendo ensinado sobre a Amazônia?
Como os jovens aprendem sobre ela? Os estudantes têm sido desafiados a incorporá-la
como parte de sua identidade?
Aqui, há uma grande oportunidade: a partir de 2022 as redes de ensino e escolas de todo o
País vão passar a implementar os novos currículos de ensino médio – última etapa da
educação básica e espaço essencial de formação para a maioria dos brasileiros. Propõe-se
uma escola que convoca os jovens a construir seus projetos de vida, por meio de uma
participação efetiva em seus processos de formação. Além das aulas relacionadas às áreas
de conhecimento (Ciências Humanas, Ciências da Natureza, Linguagens e Matemática), para
as quais estão previstas 1.800 horas em três anos, os jovens vivenciarão itinerários
formativos, com mínimo de 1.200 horas nas três séries, voltadas ao aprofundamento dos
conhecimentos de tais áreas e da educação profissional e técnica e à construção de seus
projetos de vida.
Na prática, os estudantes serão convidados a escolher itinerários que se conectam com
seus interesses, contextos de vida e necessidades formativas. Para que isso se concretize,
além das condições estruturais que as redes de ensino precisarão garantir, os professores
serão desafiados a construir suas práticas com foco no desenvolvimento integral dos
estudantes, partindo dos parâmetros da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), dos novos
currículos estaduais de ensino médio e, claro, de seus conhecimentos e experiências
prévios.
As secretarias de educação, as escolas e os docentes estão se apropriando dessa inovação
no ensino médio, finalizando a construção dos currículos (ou homologando-os), elaborando
os itinerários formativos que serão ofertados aos jovens e iniciando programas de formação
continuada.
A iniciativa Uma Concertação pela Amazônia, rede formada por pessoas, instituições e
empresas, tem como propósito buscar soluções para a conservação e o desenvolvimento
sustentável da região. Ela entende que sustentabilidade vai muito além de proteger a
floresta, consiste em unir a iniciativa privada e o poder público para promover melhorias
sistêmicas na educação e na qualidade de vida no País. Neste contexto de possibilidades e
desafios, está sendo desenhado um programa que pretende reunir técnicos das redes de
ensino dos nove Estados que formam a Amazônia Legal, professores de ensino médio da
região e especialistas para construir um conjunto de ações com o propósito de inserir a
Amazônia, a partir de um olhar sistêmico, na discussão da educação brasileira. Para apoiar
a implementação dos novos currículos, haverá uma contribuição no processo de concepção,
pelos profissionais vinculados às redes de ensino, de itinerários formativos de
aprofundamento, de eletivas e de projetos de vida que coloquem a Amazônia na pauta da
vivência juvenil. Junto disso, uma colaboração no campo das políticas de formação de
professores e gestores das escolas, por meio da realização de um programa de formação
continuada de educadores.

118

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A intenção é de que todo o conhecimento construído coletivamente concilie racionalidade e
sensibilidade, trazendo à tona a diversidade de questões, interesses e demandas dessa
região e de seus jovens. Vale ressaltar, o design da proposta inclui atenção muito grande a
implementação, instrumentos, modelos e governança, para que todo este esforço se
concretize da melhor e mais eficiente forma possível. Toda essa produção inspirará a
vivência escolar dos jovens da Amazônia Legal, mas também estará disponível para as
demais redes de ensino do País, contribuindo para que as juventudes brasileiras
compreendam que a Amazônia é parte de si. Não só os que estão do lado de dentro, como
diz Marcela, mas também os que estão do lado de fora. A escola é capaz de alimentar
reflexões e promover experiências potentes sobre a Amazônia.
(...)

INTEGRANTES DA INICIATIVA ‘UMA CONCERTAÇÃO PELA AMAZÔNIA’, SÃO,


RESPECTIVAMENTE, PRESIDENTE DO CONSELHO CURADOR DA FUNDAÇÃO TIDE
SETUBAL; DIRETORPRESIDENTE DO INSTITUTO NATURA; DIRETOR DO INSTITUTO
IUNGO; SUPERINTENDENTE EXECUTIVO DO INSTITUTO UNIBANCO; E PHD CONSULTORA
DO INSTITUTO ARAPYAÚ

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B2 voltar ao topo
COLUNAS
FERNANDA GUIMARÃES, CYNTHIA DECLOEDT E MARCELO
MOTA - Coluna do Broadcast
XP oferece Alliar a fundos, além de Rede D'OR e Fleury
Com o mandato para a venda da participação dos médicos na empresa de diagnósticos
clínicos Alliar nas mãos, a XP está conversando com potenciais interessados no negócio.
Estão no grupo a gigante Rede D'OR, dona dos Hospitais São Luís, e o Grupo Fleury. Ambos
já demonstraram publicamente interesse no ativo, mas a competição não vai ficar apenas
entre eles: fundos de private equity (que compram participação em empresas) também
estão sendo sondados pela XP. Na manga, a Alliar, que é dona de 15 marcas, entre elas o
laboratório CDB, tem um parque instalado de máquinas, no qual a XP prioriza sua
estratégia para atrair interessados. No total, são 17 aparelhos de ressonância e mais de 50
para a realização de tomografias.

Casa em ordem. A contratação da XP é resultado da acirrada disputa pelo ativo, que


começou com o interesse da Rede D’OR, teve a entrada do Fleury e terminou com o
empresário Nelson Tanure no ringue. Por meio de seu fundo MAM Asset Management,
Tanure adquiriu uma fatia de 21% da Alliar. Pagou um valor alto, uma vez que as ações da
empresa dispararam quando o interesse da Rede D’OR ficou conhecido.

Vai e vem. As ações da Alliar chegaram a subir 60% em agosto, em meio às manifestações
de interesse pelo ativo. Caíram 9% em setembro, quando a Rede D'OR recolheu sua oferta de
compra via Bolsa.
119

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Pedra no sapato?. De posse de uma fatia representativa na empresa, Tanure agora está
questionando o acordo de acionistas firmado pelos médicos fundadores da Alliar e outros,
que têm mais de 50% de participação. O compromisso foi assinado após a entrada de
Tanure, e definiu uma estratégia de venda de ações e um plano estratégico.

Contestação. O MAM pediu uma assembleia geral extraordinária para deliberar sobre a
destituição do atual conselho de administração e a eleição de nova chapa, bem como um
aumento de capital. Tanure ainda deseja a aprovação de novo plano estratégico, a
constituição de novo conselho médico e a destituição do conselho fiscal. O prazo para a
convocação da AGE solicitada pelo MAM termina em 4 de outubro. Procurada, a Alliar não
comentou.

Caminhada. Cumpridas as formalidades e criada a Caixa DTVM, a administração do banco


público corre para migrar, em até 10 dias, os fundos que têm liquidez para a nova
subsidiária e prepará-la para ser levada à Bolsa no início de 2022. A proposta a ser
submetida ao conselho de administração buscará os moldes da oferta de ações da Caixa
Seguridade, que se beneficiou da forte participação dos investidores de varejo, incluindo
funcionários.

Fatia. A parcela a ser levada ao mercado deve ficar entre 15% e 18% do capital. A tática é
deixar o mercado com gosto de ‘quero mais’ e, ao mesmo tempo, pôr na Bolsa capital
bastante para dar liquidez ao papel.

Governança. Com os minoritários em seu encalço, a Caixa espera desenvolver mais


rapidamente sua “asset”, que dará a largada só com produtos básicos. Também conta com o
patrulhamento para assegurar a governança no futuro e, com uma operação equilibrada,
imagina ser possível entregar mais resultado para a União, que será dona de 85% do capital,
do que o negócio de gestão gerava quando era totalmente estatal.

Fermento. Para fazer sua gestão de recursos de terceiros crescer mais rápido, a Caixa tem
jogado com seu peso. Condiciona a abertura de uma agência em um município desassistido
à cessão da exclusividade do fluxo de pagamentos do funcionalismo e também da gestão do
caixa dessas prefeituras. Procurada, a Caixa não se pronunciou.

Cheque em branco. O Mercado Livre e o fundo Kaszek levantaram US$ 250 milhões, na
terça-feira, na Nasdaq, na oferta de sua Companhia com Propósito Específico de Aquisição
(SPAC, na sigla em inglês). Os recursos serão usados para comprar empresas de tecnologia
na América Latina. O Kaszek já é investidor do Nubank e Quintoandar.

Internacional. A SPAC foi batizada de Meli Kaszek Pioneer. A maior parte dos investidores
foi de estrangeiros. O Mercado Livre e a Kaszek haviam se comprometido a colocar US$ 50
milhões cada na SPAC, segundo o prospecto.

Encaixe. Para as aquisições, a prioridade são empresas com negócios que tenham sinergia
e sejam complementares à atuação do Mercado Livre. São avaliadas as que sejam integradas
à cadeia de fornecedores e que se beneficiem da rede de distribuição. Bank of America,
Goldman Sachs, Allen & Company e Jpmorgan são os coordenadores da oferta.
(...)

120

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B2 voltar ao topo
COLUNAS
CELSO MING
Escassez de energia e a pressão sobre a Petrobras
As projeções mais ousadas sobre o avanço dos preços internacionais do petróleo estão
sendo confirmadas. Na última terça-feira, a cotação do barril (196 litros) de óleo tipo Brent
(referência do Mar do Norte) ultrapassou os US$ 80 pela primeira vez em três anos. E a
tendência é de alta.
De repente, ficou evidenciada uma forte escassez de combustíveis, principalmente de gás
natural – com que a maioria dos analistas não contava.
Por toda a parte, sobreveio uma crise de energia. Não foi apenas o aumento do calor no
Hemisfério Norte no último verão que exigiu mais dos aparelhos de arcondicionado e do
consumo de energia elétrica. A recuperação da pandemia, especialmente na China e nos
Estados Unidos, passou a exigir mais energia. Muitas unidades de produção foram
paralisadas na Europa para atender às novas exigências ambientais. Nos Estados Unidos, a
produção de óleo e gás de xisto vem sendo desestimulada pela nova política empreendida
pelo presidente Biden. Aqui no Brasil, as autoridades se viram na contingência de canalizar
mais gás natural para a operação das termoelétricas, para compensar, nesta crise hídrica, a
redução da geração de energia pelas hidrelétricas. Enfim, por motivos vários, estamos
diante de uma escassez global de energia, que pode ser temporária, mas que não tem data
para acabar.
O governo Bolsonaro parece não ter desistido de adotar soluções populistas para estancar a
alta dos combustíveis. Desta vez, não é apenas o presidente Jair Bolsonaro que pretende
segurar ou reverter artificialmente os preços. O presidente da Câmara dos Deputados,
Arthur Lira, advertiu que: “O Brasil não pode tolerar gasolina a quase R$ 7 por litro e gás de
cozinha a R$ 120”. Mas ainda não explicou como pretende impedir o intolerável.
O impacto da alta dos combustíveis sobre o custo de vida é muito forte. Apenas neste ano,
os preços da gasolina subiram 31,0%; os do óleo diesel, 28,0%; e os do gás de cozinha, 23,7%.
As pressões para conter os preços não vêm sendo feitas apenas sobre a Petrobras. O
governo quer que os Estados abandonem a sistemática atual que prevê determinada
porcentagem sobre os preços dos combustíveis e que passem a adotar um valor fixo,
independentemente das variações de preços, que hoje são determinadas pelas cotações
internacionais e pela variação do câmbio.
No gráfico, você tem a alíquota de ICMS cobrada em cada Estado sobre os preços da
gasolina comum ou aditivada. Atualmente, cada Estado tem competência para definir a
alíquota, que hoje varia entre 25% e 34%.
A ideia de definir um imposto fixo por litro parece aproveitável. O problema aí é convencer
os Estados (e sete municípios que têm participação nessa receita) a abrir mão de
arrecadação, que é relevante. Em 2020, do total arrecadado com o ICMS no Estado do
Tocantins, 31,7% foram com a tributação de combustíveis. O Piauí obteve 29,7%; e o Pará,
26,7%, segundo dados do Confaz.
121

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Mas a motivação do presidente da Câmara parece tão populista quanto a do presidente
Bolsonaro. Ambos querem ganhar as eleições com uma tampa nos preços dos combustíveis.
E Arthur Lira quer colocar uma pedra no sapato do seu adversário político em Alagoas, o
filho do senador Calheiros, Renan Filho.
A alta interna dos combustíveis não se deve apenas à escalada dos preços do petróleo.
Deve-se, também, como já observado, ao avanço das cotações do dólar, que, por sua vez, tem
a ver com o aumento das incertezas que provêm dos erros e omissões da política
econômica. Não basta cobrar da Petrobras e dos governadores. É preciso colocar o governo
na linha para que as cotações do dólar possam cair. E isso parece complicado.
(...)

COMENTARISTA DE ECONOMIA

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
Especial / H2 voltar ao topo
COLUNAS
SONIA RACY – Direto da Fonte
Bola dividida
Antes de marcar encontro com João Doria, previsto para este fim de semana, Romeu Zema,
do Novo, consultou o PSDB mineiro e ouviu um sim. O diretório regional apoia oficialmente
Eduardo Leite. E realizará dois atos em torno do governador gaúcho dia 15, em Governador
Valadares, e no dia seguinte, em Poços de Caldas.
Minas é o segundo maior colégio eleitoral do País.

Porque...
Além de lideranças de diferentes colorações, a manifestação contra Bolsonaro, programada
para sábado, na Av. Paulista, deve atrair grupo de famosos. A atriz Dira Paes, por exemplo,
confirmou, segundo apurou a coluna.

...hoje é
Sabe-se também que integrantes da organização do protesto tentam resgatar as cores
verde amarelo, usadas como bandeira por seguidores de Bolsonaro em manifestações a
favor do presidente. Junto com o hino nacional que será ouvido na avenida. A cor
majoritária nos últimos eventos da campanha Fora Bolsonaro foi a vermelha.

...sábado
Os organizadores tentam também aplacar ao ânimos de filiados ao PCO. O partido da causa
operário é contra a união da esquerda e da direita nas ruas. E hostilizou tucanos em ato em
julho na Paulista.

No papel
Os registros de união estável cresceram 14% nos oito primeiros meses de 2021 em relação
ao mesmo período de 2020. Segundo o Colégio Notarial do Brasil, que fez o levantamento,
entre os motivos está a necessidade de comprovação da relação de convivência para ser
122

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


incluído como dependente do segurado no INSS.

No papel 2
A fila de espera no INSS, que pode durar 40 dias para concessão de benefícios, passou de 1,8
milhão de pedidos. E 25% dos casos estão travados por falta de documentação completa.

Impulso
A Play9, estúdio de conteúdo de João Pedro Paes Leme e Felipe Neto, dá o start na parceria
com a Mônada Analytics. A empresa brasileira gerencia métricas de diversidade e inclusão.

NA FRENTE
•vahan Agopyan, reitor da USP, convida para a cerimônia de outorga da medalha Armando
de Salles Oliveira ao ministro José Antonio Dias Toffoli. Amanhã, na Cidade Universitária.
• Gloria Coelho lança bolsa psicodélica feita em parceria com Raquel Kogan e Doris Bicudo,
hoje, em sua loja dos Jardins. Na segunda-feira, a estilista lança linha de móveis feitos com
couro certificado da Leather Labs para a Breton – que acaba de ganhar o selo carbono zero.
• Charlô Whately assina menu que conta a história da região dos Jardins. Hoje, no jantar de
lançamento do Haus Mitre Jardins, na rua Itapeva.
(...)

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A8 voltar ao topo
COLUNAS
WILLIAM WAACK
Nunca foi tão bom
Em 2005 o então presidente da Câmara dos Deputados, Severino Cavalcanti (1930-2020),
insistia com a ministra de Minas e Energia, Dilma Rousseff, para que ela realizasse uma
promessa feita pelo presidente Lula. "O que o presidente me ofereceu foi aquela diretoria
que fura poço e acha petróleo. É essa que eu quero", foi a célebre frase de Severino,
empenhado em colocar um afilhado na Petrobras.
Para os herdeiros políticos de Severino Cavalcanti o mundo melhorou muito nesses últimos
16 anos. Depois de um mensalão, uma Lava Jato, um impeachment e uma onda disruptiva
(com a promessa de que tudo ia mudar), o cargo de presidente da Câmara que ele ocupou
equivale hoje ao de um primeiro-ministro. Com poderes para vociferar, ao mesmo tempo,
contra a Petrobras, os governadores e mantendo a faca no pescoço do presidente da
República.
Foi o caso no "show" armado pelo atual presidente da Câmara, Arthur Lira, em torno da
política de preços da Petrobras. Não se tratou apenas do costumeiro espetáculo eleitoreiro
de políticos preocupados com o efeito corrosivo do formidável aumento dos preços de
combustíveis sobre a popularidade de quem disputa votos. Foi uma manifestação eloquente
de como as forças unidas do Centrão ditam hoje a agenda política, além de mandar no
Orçamento.
No caso da estatal do petróleo, Lira fala por uma espécie de "consenso" de amplo espectro,
nacional-desenvolvimentista/varguista/petista ou o que seja, segundo o qual empresas
123

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


públicas devem refrescar a vida de consumidores, servir de "ferramentas de
desenvolvimento" (não importa a definição), "garantir a soberania" nacional (outro conceito
elástico) e proporcionar empregos diretos e indiretos. Só pode ser piada a promessa de
Paulo Guedes de privatizar a Petrobras nos próximos dez anos.
Lira, como herdeiro de Severino, fala também por um consenso político amplo quando
comemora a aprovação da reforma administrativa e da mexida no IR. Afinal, privilégios de
corporações existem para serem mantidos – objetivo atingido na reforma administrativa. E
renúncias fiscais para serem preservadas, missão cumprida em relação ao cipoal tributário,
que ficou ainda mais intrincado, mas garantiu muitos interesses setoriais.
Seria uma injustiça, porém, designar Lira e o Centrão como "forças do atraso". Recente
levantamento das elites parlamentares feito pela consultoria Arko Advice menciona um
total de 124 deputados e senadores. A maioria dessas lideranças vem do Sul e Sudeste
(juntos, superam o Nordeste) e mais da sua metade está dividida entre partidos "grandes":
PT, PSD, MDB e DEM – embora seja relevante notar que outros 20 partidos ostentam
integrantes nessa "elite parlamentar".
São personalidades políticas em parte muito diversas, comandando blocos fracionados de
votos em função de serem articuladores, ou detentores de cargos formais, ou
representando setores, ou grupos religiosos, ou de pressão, ou tudo junto. Note-se que
nessa "tipologia de liderança" não surgem categorias políticas "clássicas", como a afiliação
ideológica ou programática do integrante da elite do Congresso.
Governar com o Centrão foi imperativo para todos os presidentes até aqui, dadas as
perversas características do sistema de governo brasileiro, mas é com Bolsonaro que o
Brasil passou a ter um governo do e para o Centrão. Tem suas inegáveis vantagens
imediatas, considerando os acontecimentos em torno do último 7 de setembro: o Centrão,
ao qual bagunça é o que pouco interessa, foi uma das forças eficazes em frear a maluquice
presidencial.
Visto de forma mais abrangente, porém, o governo do Centrão da era Bolsonaro é a
expressão da paralisia política, da falta de projeto de país, da estagnação da produtividade,
da incapacidade de se combater desigualdade e injustiça sociais. Essas forças diversas
ocuparam o natural espaço deixado pela falta de lideranças políticas abrangentes e com
visão. Não estão interessadas em grandes alterações, apenas em equilibrar seus interesses.
Para quem está preocupado em conseguir diretorias que furam poço, nunca foi tão bom.
(...)

JORNALISTA E APRESENTADOR DO JORNAL DA CNN

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A4 voltar ao topo
COLUNAS
ALBERTO BOMBIG - Coluna do Estadão
Com Hang, governistas prevalecem no Twitter
O depoimento de Luciano Hang fez o jogo virar a favor dos bolsonaristas e contra a CPI da
Covid no Twitter, de acordo com dados da consultoria Bites levantados a pedido da Coluna.
124

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Até as 17h da quarta-feira, 29, cerca de 465 mil tuítes foram publicados com protagonismo
do engajamento à direita. O nome do depoente e a hashtag #Cpidocirco dominaram os
trending topics. Em picos de interação anteriores desde o início da comissão, a responsável
por aumentar a temperatura online tinha sido a esquerda, ofuscada nesta quarta pelos
bolsonaristas.

Topo. O volume de citações à CPI durante o depoimento foi maior que a média de 219 mil
diárias desde a instalação da comissão, mas não supera os seis maiores picos, quando
figuras como Eduardo Pazuello, Fábio Wajngarten e Mayra Pinheiro depuseram.

Cansou? Para a Bites, além de demonstrar dificuldade da esquerda em se manter pautando


o debate, o clima nas redes é resultado da estratégia do próprio Hang, que inflamou
seguidores contra a CPI desde o dia de sua convocação.

Fogo. Começou quando Hang divulgou vídeo em tom de deboche segurando uma algema,
dizendo que os senadores não precisariam gastar dinheiro comprando uma para ele. À
comissão ele disse que tinha sido uma brincadeira.

Ondas. Bolsonaristas aproveitavam momentos bizarros do depoimento de Luciano Hang,


como a exibição de vídeo institucional de sua rede de lojas.

Ondas 2. Enquanto opositores do governo viam absurdo por parte da comissão em permitir
a exibição do vídeo, aliados celebravam, mantendo ataques também à comissão.

Vamos... Neste início de segundo mandato, Augusto Aras levantará como bandeira de sua
gestão, no aspecto interno, a busca por maior diálogo e unidade do Ministério Público.

...juntos. Em evento de entidades do setor hoje, 30, em Gramado (RS), o PGR pretende tocar
em pontos como pluralidade e respeito na instituição. O tema do encontro é “O Ministério
Público de uma Nova Era: Reflexões e Projeções”.

Paper. Em meio à disputa do Centrão pelo controle do Banco do Nordeste (BNB) , um


documento sigiloso da própria instituição está incendiando os grupos de Whatsapp do
bloco.

Paper 2. O documento cita investigações contra assessores do presidente Romildo Rolim:


Bruno Roberto e Gustavo Brasil Passos. Ambos aparecem com salário de R$ 50 mil/mês nos
cargos de assessores especiais da presidência.

Laços. Bruno Roberto é filho do deputado Wellington Roberto (PL-PB), que também teria
indicado Passos. Segundo o documento, ambos nunca são vistos no gabinete da presidência
do BNB, em Fortaleza.

Laços 2. “Os dois têm muitas atividades fora do escritório ou em Brasília”, diz Evangelina
Aragão, superintendente do banco.

CLICK. Opositores do governo ironizaram vídeo de Fernando Collor (dir.) com Bolsonaro.


Daniel Coelho (Cidadania) evocou Cazuza: “Eu vejo o futuro repetir o passado”.

125

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Ditar-te-ei. Autor de cartas que fizeram história na política e poeta diletante, Michel Temer
não manuscreve nem digita as produções de sua lavra. O ex-presidente vai ditando e um
programa de computador transforma tudo em texto. Até as famosas mesóclises a máquina
entende e registra.
(...)

PRONTO, FALEI!
RODRIGO MAIA (SEM PARTIDO)
SECRETÁRIO DE PROJETOS E AÇÕES DO GOVERNO DE SP
“Lira pode contribuir (para evitar o aumento dos combustíveis) se aprovar o Orçamento
incluindo o novo Bolsa Família e precatórios dentro do teto.”

COM MATHEUS LARA

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B3 voltar ao topo
COLUNAS
ADRIANA FERNANDES
A gravidade da crise de energia
Todos os sinais são de formação de uma crise global no mercado de energia, mas no Brasil
as autoridades insistem no jogo diário de empurrar a culpa uns para os outros.
O problema é grave e exige, mais do que nunca, uma resposta organizada porque o
horizonte atual é de continuidade dos preços altos de combustíveis e gás depois da
pandemia da covid-19, com repercussões macroeconômicas gigantescas.
Um gabinete de crise com governo federal, Estados e – por que não? – caminhoneiros.
O que é mais recomendável é uma abordagem ampla, com a visão de que se trata de uma
crise que não é só brasileira, mas global.
O que chama atenção no debate político de Brasília é que as pessoas não estão se dando
conta do ambiente hostil no mundo. O tema não foi trazido com a relevância e a seriedade
necessárias. O foco na disputa com governadores em cima das alíquotas elevadas do ICMS
não reflete a gravidade do problema, que elevou as preocupações do mercado com os
gargalos de oferta que comprometem a recuperação econômica global.
No mundo, os preços dos combustíveis e do gás natural estão em forte alta no rastro do
processo de normalização da pandemia da covid-19. Na fase pré-pandêmica, havia
abundância de combustíveis, e muitos falavam que se estava se chegando ao pico de
consumo de petróleo.
A pandemia deu uma chacoalhada no mercado de energia com uma redução abrupta da
oferta, que se seguiu a uma volta rápida da demanda.
Na Inglaterra, falta combustível nas bombas. O primeiro-ministro Boris Johnson chegou a
colocar centenas de soldados do Exército de sobreaviso para agir, caso a escassez de
gasolina nos postos do país causada pelas chamadas “compras nervosas” de combustível
agravem a crise de abastecimento que atinge o Reino Unido.
126

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


No Brasil, os caminhoneiros ameaçam com greve depois da alta do diesel de quase 9%
anunciada pela Petrobras esta semana. Na bolha brasiliense, a solução do problema se
resume a pressionar os governadores e a Petrobras, num simplismo primário que não
resolverá o problema.
Não há solução mágica com canetada quando se fala em mudar o complexo ICMS, tributo
cobrado pelos Estados.
E mesmo essa mudança não será suficiente. A própria Câmara se absteve de levar adiante
uma reforma tributária para mudar o caos do sistema de cobrança do ICMS. Um erro
político que agora cobra o seu preço.
O presidente da Câmara, Arthur Lira, reclamou da Petrobras e dos governadores e promete
partir para o confronto. Seguindo o mesmo caminho de Bolsonaro, disse que ninguém
aguenta mais alta do combustível: “Sabe o que é que faz o combustível ficar caro? São os
impostos estaduais”.
Mas, no dia seguinte ao confronto, o tom foi outro: de conciliação. Em reunião com líderes
partidários, viu que não será fácil impor mudanças ao ICMS na véspera de eleição.
Lira promete que a Câmara vai dar a solução, mas as alternativas são as mesmas que se
ouviam há anos, na greve dos caminhoneiros do governo Temer, quando o governo criou
um subsídio orçamentário para segurar a alta dos preços. Agora, quer aprovar um projeto
para definir que o ICMS do óleo diesel, do etanol e da gasolina seja apurado a partir de
valores fixos. Voltou-se também à proposta de criação de um fundo de estabilização de
preços que nunca saiu do papel.
Pressionados pelo presidente Bolsonaro, governadores também erram ao não querer
discutir o problema a fundo. O caixa dos Estados está cheio, e ninguém quer abrir mão de
receita. A maioria deles defende mesmo é mudança na política de preços da Petrobras.
Jogam pressão na estatal cobrando redução na margem de lucro da empresa.
Os dois lados do jogo promovem falácias. Se Bolsonaro aponta os Estados como vilões da
alta dos combustíveis, os governadores que vão para as redes sociais dizer que não
aumentaram a alíquota do ICMS também não mostram toda a verdade do problema. A
alíquota não aumenta, mas o ICMS cobrado sobe porque a fórmula de cálculo do imposto
tem como base o preço médio cobrado na bomba. Um bate-boca que só piora a situação
porque está todo mundo no mesmo barco.
(...)

É REPÓRTER ESPECIAL DE ECONOMIA EM BRASÍLIA

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
Especial / H6 voltar ao topo
COLUNAS
DANIEL MARTINS DE BARROS
Caçador de falácias
Eis que, quase 20 meses depois, pude voltar finalmente a assistir a uma apresentação ao
vivo. Quanta diferença em relação às melancólicas lives do início da pandemia. Show é
show, como dizia Tim Maia. Claro que ajudou – muito – o fato de ser a Orquestra Jazz
Sinfônica se apresentando com o Edu Lobo e a Mônica Salmaso. Memorável.
127

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Na entrada da Sala São Paulo, pediram para apresentar o comprovante de vacinação.
Confesso que me surpreendi, não estava atento a essa necessidade. Mas foi só abrir o
aplicativo, apresentar e entrar. No fundo, achei bom saber que, além do uso de máscaras,
era obrigatório ter se vacinado para entrar num lugar fechado e cheio de gente.
Há quem critique a medida. Tudo bem, opiniões são livres. Mas uma das críticas que vêm
pulando de celular em celular nos grupos de família, na verdade, é um argumento falacioso.
Falácias são aqueles argumentos que, sob aparência de um raciocínio bem construído,
escondem defeitos que minam sua capacidade de avançar o debate. Em vez de criticar ou
defender o ponto central, mostrando por que está certo ou errado, as falácias desviam o
assunto, apelam para emoções, distraem o interlocutor tentando levá-lo a conclusões por
caminhos tortuosos.
Comparar o passaporte da vacina com a discriminação imposta pelos alemães aos judeus na
Alemanha hitlerista, por exemplo, é uma falácia, conhecida com falsa analogia. A estratégia
é estabelecer um ponto em comum entre duas coisas e a partir dele extrapolar para
comparações injustificáveis. De fato, estamos falando de situações em que autoridades
obrigam pessoas a se identificar de alguma maneira (judeu ou não, vacinado ou não), e
restringem direitos em função dessas diferenças. É um ponto em comum, sem dúvida. Mas
basta pensar um segundo adiante para ver que as situações não são equiparáveis: os judeus
tinham seus direitos restritos de forma arbitrária, sem justificativa racional e por
simplesmente serem quem eram, características obviamente imutáveis. Os não vacinados
têm direitos restritos por conta da não adesão a medidas de proteção coletiva, o que é
racionalmente justificável (ainda que se discorde da justificativa, por definição não se trata
de medida arbitrária), além de ser uma atitude que eles podem mudar. Pode estar certo,
pode estar errado. Mas comparar a situação à discriminação a judeus é falacioso.
O próprio uso da palavra discriminação pode ser classificado também como outra falácia,
chamada de equívoco. Nela se usa a mesma palavra para descrever situações diferentes,
escamoteando o fato de que essa palavra tem significados distintos. Os não vacinados são
discriminados, os judeus também o eram. O que não se diz é que discriminar significa tratar
mal pessoas por conta de sua religião ou etnia, mas significa, antes, classificar, distinguir.
Pugilistas são discriminados por peso nas categorias do boxe – e todos sabemos como isso
é bom.
Podemos debater se é certo ou errado obrigar qualquer coisa: tomar vacina, usar máscara,
parar no sinal vermelho, respeitar propriedade privada. Tudo pode ser debatido. Mas ao
fazê-lo preste atenção nos seus argumentos. Porque eu estou prestando.
(...)

É PSIQUIATRA DO INSTITUTO DE PSIQUIATRIA DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS, AUTOR DE


'O LADO BOM DO LADO RUIM'

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B3 voltar ao topo
ECONOMIA
Projeção é de 400 mil famílias beneficiadas
Fernanda Nunes/ RIO
128

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A liberação de R$ 300 milhões pela Petrobras para ajudar famílias mais pobres a consumir
gás de cozinha deve beneficiar um pequeno grupo rente ao universo de consumidores de
gás no País, sobretudo os de baixa renda. A projeção é que 400 mil famílias sejam
beneficiadas, num universo de 66 milhões de consumidores do botijão de 13 kg do gás de
cozinha. O número é pequeno se comparado aos quase 15 milhões famílias atendidas pelo
programa Bolsa Família, um foco potencial do programa de assistência ao consumo de gás
da Petrobras.
Para chegar ao cálculo, foi considerado o valor de R$ 20 milhões mensais que a Petrobras
deve gastar em 15 meses até chegar ao valor total. Com R$ 20 milhões, é possível comprar
202 mil botijões num mês ao preço de R$ 98. Esse é o valor de venda na média do País,
segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Como um
botijão dura cerca de dois meses, o número total de famílias beneficiadas seria de 400 mil.
"Esse é um movimento de ESG (de meio ambiente, social e governança, na sigla em inglês)
positivo. É uma boa iniciativa da empresa", avaliou o presidente do Sindicato das Empresas
Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), Sérgio Bandeira de Mello.

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B4 voltar ao topo
ECONOMIA
Congresso deve manter desoneração
Lauriberto Pompeu/ BRASÍLIA

O deputado Jerônimo Goergen (Progressistas-RS) afirmou ontem que não há acordo com o
governo sobre o projeto que prorroga a desoneração da folha de pagamento para os 17
setores que mais empregam no País. Segundo o deputado, que participou de reunião no
Ministério da Economia, o Palácio do Planalto planeja vetar o texto caso ele seja aprovado,
mas há apoio no Congresso para que o veto seja derrubado e a prorrogação seja posta em
prática.
"O governo vai vetar, mas o importante é que dê tempo para a derrubada do veto. Pedi ao
governo para que não atrapalhe a tramitação do projeto", disse Jerônimo ao Estadão. A
expectativa do deputado é de que o texto seja encaminhado ao Senado até o fim da próxima
semana.
Autor do projeto, o deputado Efraim Filho (DEM-PB) também disse ter ciência de que o
governo vai vetar o texto. "No ano passado, o governo chegou a vetar, e o Congresso
derrubou o veto. O projeto é muito forte, e isso pode voltar a se repetir."
A desoneração está em vigor desde 2011. Pelas regras atuais, a validade da desoneração
acaba no fim de 2021.

129

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B3 voltar ao topo
ECONOMIA
Câmara resiste a fixar alíquota de ICMS para
combustíveis
Ideia do presidente do Câmara não tem respaldo de líderes, e ele agora promete
chamar Estados para negociar

Camila Turtelli
Adriana Fernandes/ BRASÍLIA

MICHEL JESUS-AGÊNCIA CÂMARA


Articulação. Arthur Lira recua em críticas a governadores

A intenção do presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-AL), de estabelecer um


valor fixo por litro para o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos
combustíveis, que seria feito por meio de um projeto de lei complementar, enfrenta
resistências na Câmara. Após reuniões ontem com líderes dos partidos, Lira passou a dizer
que vai convidar os Estados e a Petrobras para buscar um acordo para conter a disparada
dos preços nas bombas.
"Precisamos discutir isso sem nenhum tipo de prejuízo dos Estados", afirmou o presidente
da Câmara. Um dia antes, em evento ao lado do presidente Jair Bolsonaro, Lira culpou os
impostos estaduais pela alta dos combustíveis e cobrou uma cota de sacrifício dos
governadores para resolver o problema.
Após o reajuste de 8,9% do preço do diesel pela Petrobras, na terça-feira, Lira convocou
uma reunião de emergência com líderes da base da Câmara e esperava apresentar ontem
mesmo uma proposta para a votação de um projeto de lei complementar que definisse um
valor fixo sobre o litro consumido para a cobrança do ICMS.
A base da proposta seria um projeto do deputado Emanuel Pinheiro Neto (PTB-MT), que já
está na pauta de votação da Câmara, somado a outro, do líder do MDB, Isnaldo Bulhões (AL).
Não houve acordo, mas na saída do encontro o tom belicoso foi deixado de lado. Uma das
dificuldades é a resistência dos Estados, que não querem perder arrecadação na véspera de
ano eleitoral. Lira reconheceu que ainda não há uma definição de mérito sobre o que
poderá ser feito, mas avisou que tem pressa para encontrar um caminho para ser votado
pela Casa.
Bulhões considera inconstitucional tratar da mudança no ICMS em projeto de lei
complementar. Ele disse acreditar que a questão acabaria na Justiça. "Não é só de
posicionamento político, é técnico, isso só poderia ser feito por PEC (Proposta de Emenda
Constitucional)."
Sem atacar os governadores, Lira fez questão de ressaltar que alguns Estados podem seguir
o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB) , que reduziu o ICMS dos
combustíveis.
"Estamos dispostos a dialogar com o Congresso para construir alternativas", disse Leite ao
Estadão. Ele foi criticado por colegas por ter reduzido a alíquota.
130

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B4 voltar ao topo
ECONOMIA
Governo prepara pacote para crédito
Impacto de medidas em estudo, entre elas a criação de gestoras de garantias, pode
alcançar R$ 10 tri, estima o Ministério da Economia

Adriana Fernandes/ BRASÍLIA

MARCELLO CASAL JR / AGÊNCIA BRASIL


Iniciativas. Ministério da Economia tenta emplacar medidas para baratear crédito e
também ajudar pequenos investidores

A equipe econômica vai lançar três medidas para estimular o crédito no País. A proposta é
dar um "choque" no mercado de garantias para aumentar as operações de crédito com
taxas mais baixas. O governo estima que as medidas têm potencial para impulsionar mais
de R$ 10 trilhões em crédito.
O pacote já vinha sendo estudado havia mais de um ano pela equipe do ministro da
Economia, Paulo Guedes, mas agora técnicos da área econômica afirmam que as medidas
vão finalmente sair do papel nos próximos dias, segundo apurou o Estadão. Uma medida
provisória (MP) será enviada ao Congresso, entre os dias 6 e 13 de outubro, e um decreto
deverá ser editado amanhã.
Em meio às críticas na semana dos mil dias de mandato do presidente Jair Bolsonaro, o
governo está buscando reverter o ambiente de pessimismo com o crescimento da economia
em 2022 com a divulgação de uma agenda positiva de medidas.
Em outra frente, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) prepara anúncio de mudanças
para estimular os pequenos investidores, com redução de taxas para os Agentes
Autônomos de Investimento (AIS).
A MP vai permitir a criação da chamada Instituição Gestora de Garantias. As garantias
dadas poderão ser fracionadas, permitindo um uso maior delas nas operações de crédito.
O melhor uso das garantias no cenário de retomada econômica pós-pandemia é
considerado um catalisador das operações de crédito para quem tem patrimônio (lastro) na
busca de financiamentos mais baratos. A proposta é aumentar a eficiência do uso dessas
garantias, trazendo maior competitividade ao segmento, como ocorre em outros países.
Uma segunda medida acoplada à primeira vai facilitar o uso de garantias com lastro em
bens móveis, como carros, máquinas e, até mesmo, estoques de produtos acabados e
matérias-primas.
Hoje, as empresas têm dificuldade para utilizar bens móveis como garantias. Embora as
empresas tenham a maior parte dos ativos em bens móveis, mais de 70% das garantias são
dadas com imóveis.
A gestora vai avaliar o bem (móvel ou imóvel) e dizer quanto a pessoa física ou a empresa
pode pegar de financiamento.
O tomador do crédito poderá escolher qualquer instituição financeira e buscar o
empréstimo. Uma vez que pague o valor do empréstimo, libera espaço para pegar mais
crédito com outro banco, se quiser. Poderá escolher o banco que oferece a melhor condição.
131

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Uma fintech, por exemplo, poderá ser uma instituição gestora de crédito.
A terceira medida é o lançamento da Cédula de Produto Rural (CPR) verde para crédito
voltado à preservação ambiental. A CPR existe desde 1994 e é um título, emitido pelo
produtor rural ou suas associações, de promessa de entrega futura de produto
agropecuário.
Em vez de se financiar uma produção de soja, a CPR poderá ser emitida para preservar uma
área ambiental. Os técnicos da área agrícola do Ministério da Economia calculam um
potencial de emissão de R$ 30 bilhões de CPR verdes em quatro anos.
Giovanni Beviláqua, analista de Capitalização e Serviços Financeiros do Sebrae, observa que
o acesso ao crédito pelos pequenos negócios sempre foi muito restrito, porque é
considerado mais arriscado pelo sistema financeiro. Um dos mitigadores desse risco são
justamente as garantias exigidas pelas instituições financeiras. "Os pequenos negócios têm
muita dificuldade de emprestar essas garantias reais", diz. Para ele, a proposta de facilitação
de outras garantias e a criação de um sistema nacional de garantias, em discussão pelo
governo, tendem a melhorar o acesso ao crédito pelas empresas.

Bancos. Nos bastidores, os bancos apontam restrições à criação de uma central de crédito
para administrar as garantias, já que avaliam que seria de difícil implementação e controle.
Procurada, a Federação Brasileira de Bancos (Febraban) diz que apoia todas as iniciativas de
melhoria do ambiente de crédito e tem participado das discussões da Iniciativa de Mercado
de Capitais, que é uma ação estratégica do governo voltada para o desenvolvimento do
mercado de capitais, coordenada pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da
Economia.
Segundo a Febraban, o Brasil tem uma das menores taxas de recuperação de garantia, 15%,
segundo análise da Acceture. Esse porcentual é muito inferior aos 81% verificado nos
Estados Unidos, aos 41% do Chile ou à mediana global, de 69%.
O tempo para recuperação do crédito também é extremamente elevado: quatro anos.
Superior ao dos Estados Unidos, de um ano, e do Chile, de dois anos. Todos esses fatores
influenciam diretamente no custo do crédito e no desenvolvimento econômico do País, diz
a Febraban.

Obstáculos
"Os pequenos negócios têm muita dificuldade de emprestar essas garantias reais (exigidas
pelas instituições financeiras de quem busca crédito)."
Giovanni Beviláqua
ANALISTA DE CAPITALIZAÇÃO E SERVIÇOS FINANCEIROS DO SEBRAE

MAIS LIQUIDEZ
Medida provisória
• Criação da Instituição Gestora de Garantias, que administrará as garantias. As garantias
dadas poderão ser fracionadas, permitindo um uso maior delas nas operações de crédito
• Facilitar o uso de garantias com lastro em bens móveis, como carros, máquinas e, até
mesmo, estoques de produtos acabados e matérias-primas

Decreto
• Cria a Cédula de Produto Rural (CPR) verde para obtenção de crédito voltado à preservação
ambiental
• Taxa de recuperação de garantias
Brasil: 15%

132

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Estados Unidos: 81%
Chile: 41%
Mediana global: 69%
Fonte: Febraban

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B6 voltar ao topo
ECONOMIA
Linhão sai sem acordo para perdas de indígenas
Bolsonaro anuncia início de construção de linha de energia que corta a Amazônia

André Borges / BRASÍLIA

EVELSON DE FREITAS/ESTADÃO -7/2/2013


Risco. Linha de transmissão corta rio, no Norte do País: torres entre Manaus e Boa
Vista vão causar impacto em aldeias

A Fundação Nacional do Índio (Funai) deu aval para o início das obras do linhão Manaus
(AM) - Boa Vista (RR) sem definir um acordo básico e obrigatório do processo de
licenciamento do projeto: quais serão as compensações socioambientais que os indígenas
da região devem receber devido aos impactos que serão causados pelo empreendimento.
O Estadão teve acesso ao ofício que o presidente da Funai, Marcelo Xavier, encaminhou ao
Ibama na tarde de segundafeira. No documento, ele dá autorização para que o projeto seja
realizado e, em uma breve lista de condicionantes ambientais do projeto, afirma que uma
das exigências será "implementar grupo de trabalho para monitoramento dos impactos
potenciais e discussão da valoração da compensação acerca dos impactos irreversíveis". Não
há nenhuma informação sobre como funcionará esse grupo, como será composto e qual
será sua agenda de trabalho.
A linha de transmissão de energia, também conhecida como "linhão de Tucuruí", ficou na
gaveta do Ministério de Minas e Energia por uma década, depois de ser leiloado, em
setembro de 2011. O motivo da paralisação foi o impacto que a linha impõe à terra indígena
Waimiri Atroari, onde hoje vivem mais de 2.300 indígenas. Dos 720 km da linha de
transmissão, 122 quilômetros passam no meio de suas terras. Os indígenas não se
posicionavam contra a obra de energia, mas exigiam ser consultados.
Ontem, junto com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, o presidente Jair
Bolsonaro esteve em Boa Vista, onde anunciou o início das obras. "Ontem (terça-feira )à
noite, o último obstáculo para o início das obras foi vencido. E nós temos uma pedra aqui
do lado, a pedra fundamental para o início da construção do linhão", afirmou Bolsonaro. As
obras estão previstas para durar 36 meses.
Em resposta à decisão de liberar o projeto, a associação que representa os indígenas já
acionou o Ministério Público Federal para que peça a nulidade da licença de instalação da
obra.
"Soubemos da informação pela imprensa. Fomos pegos de surpresa. O povo Kinja não
concorda com o que o governo decidiu. Por isso, fizemos o protocolo junto ao Ministério
Público Federal do Amazonas, na pessoa do procurador da República, Fernando Soares, com
133

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


uma solicitação formal feita pela Associação Comunidade Waimiri Atroari, no sentido de
que o Ministério Público se manifeste sobre a expedição indevida, ilegal, inconstitucional
dessa licença de instalação", afirmou ao Estadão o advogado da associação, Harilson Araújo.
Ele não descarta a opção de ir à Justiça para tentar anular a decisão. "Se caso o governo não
voltar atrás e não suspender essa licença de instalação até que o acordo seja firmado,
vamos tomar todas as medidas judiciais cabíveis para pedir a sua nulidade."

Impactos. Por lei, o Ibama é o órgão responsável por liberar a licença ambiental que
autoriza a obra. A Funai, porém, responde pela temática indígena e deve ser consultada por
anuência ou não de um projeto, quando este envolve impacto a terras e vidas dos povos
originários.
O plano básico ambiental cita 37 impactos à terra indígena, dos quais 27 são irreversíveis e
terão de ser devidamente indenizados e mitigados. Alguns se esgotam com a construção da
obra, mas outros serão permanentes. É sobre esses impactos que não se sabe como será a
compensação.
Por meio de nota, a Funai declarou que "o processo de licenciamento atendeu às
regulamentações nacionais e internacionais, o que incluiu a consulta livre, prévia e
informada às comunidades indígenas afetadas, bem como o cumprimento do Protocolo de
Consulta Waimiri Atroari, estabelecido pelos indígenas".
Segundo o órgão federal, "os programas ambientais que visam mitigar ou compensar os
impactos da passagem da linha de transmissão na terra indígena foram definidos entre
técnicos da empresa responsável pelo empreendimento e lideranças indígenas, conciliando
o processo de consulta com o procedimento administrativo de licenciamento ambiental".
A fundação afirmou ainda que "a aprovação se deu em reunião convocada pela comunidade
indígena em agosto deste ano".
Os 2,3 mil indígenas da terra Waimiri Atroari vivem em 82 aldeias distribuídas na região.
Por vários anos, a Funai esteve ao lado do povo indígena na avaliação do projeto, em busca
de respostas e estudos técnicos sobre a viabilidade da obra. Na gestão atual do órgão,
porém, seu posicionamento se inverteu e a fundação passou a apoiar o início das
obras./ COLABORARAM EDUARDO GAYER e MARLLA SABINO

Exemplo
"O processo de licenciamento ambiental, incluindo o processo de consulta, foi devidamente
realizado, sendo um exemplo de superação."
Marcelo Xavier
PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO (FUNAI), EM OFÍCIO ENCAMINHADO AO
IBAMA

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B6 voltar ao topo
ECONOMIA
Megaprograma tem dívidas ocultas e projetos com
falhas
Dívidas ocultas e projetos problemáticos surgem como parte de grandes iniciativas de
investimentos da China, especialmente no âmbito do Belt and Road, programa internacional
de infraestrutura criado pelo presidente do país asiático, Xi Jinping.
134

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Relatório produzido pelo Airdata, um centro de pesquisas americano, revelou detalhes de
US$ 843 bilhões em empréstimos chineses para 13.427 projetos, financiados em sua maioria
entre 2000 e 2017.
O Airdata estima que 35% dos projetos de infraestrutura no exterior enfrentam problemas
de corrupção, violações trabalhistas, perigos ambientais e resistência pública. Além disso,
os pesquisadores relacionaram quase 400 projetos, avaliados em US$ 8,3 bilhões, aos
militares chineses. O relatório também indica que 42 países de renda baixa ou média estão
com dívidas com a China superando 10% de seus respectivos Produtos Internos Brutos (PIB).
Além disso, o Airdata identificou US$ 385 bilhões em empréstimos chineses não incluídos
nos dados oficiais de empréstimo do país asiático. / DOW JONES NEWSWIRES

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
B3 voltar ao topo
ECONOMIA
PETROBRAS LIBERA R$ 300 MI PARA ‘VALE-GÁS’
Anunciados após críticas de Bolsonaro aos preços dos combustíveis, recursos serão
destinados a famílias de baixa renda durante 15 meses

Luísa Laval

Na mesma semana em que foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro e do presidente
da Câmara, deputado Arthur Lira (PP-AL), por causa do preço dos combustíveis, a Petrobras
aprovou ontem a criação de um programa social no valor de R$ 300 milhões para subsidiar
a compra de gás de cozinha por famílias de baixa renda.
A empresa informou que o programa foi aprovado por seu conselho de administração e
terá uma duração de 15 meses – o prazo coincide com o período eleitoral, quando Bolsonaro
tentará a reeleição. Segundo a Petrobras, o projeto apoiará famílias em situação de
vulnerabilidade social “para contribuir com o acesso a insumos essenciais, com foco no gás
liquefeito de petróleo (GLP), conhecido popularmente como gás de cozinha”.
Em 12 meses até agosto, o preço do botijão de gás subiu 31,7%, o triplo da inflação
acumulada no período (9,7%), segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – que
é o indicador oficial de inflação do País. Em alguns Estados, o preço já passa de R$ 100.
O valor do gás de cozinha segue a variação dos preços internacionais e, por isso, também
sofre a influência do câmbio, assim como ocorre com os combustíveis. A desvalorização do
real frente ao dólar contribui para elevar os preços, que já estão em um nível alto por causa
da alta demanda internacional e de problemas logísticos que encareceram o custo do
transporte no mundo. Ontem, o dólar encerrou o dia valendo R$ 5,43.
Bolsonaro tem feito ataques à política de preços da Petrobras. Na segunda-feira, ele disse
ter conversado com o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, sobre como
“melhorar ou diminuir” o preço aos consumidores.
Segundo a Petrobras, o programa social se justifica por causa dos efeitos da situação
excepcional e de emergência decorrentes da pandemia da covid-19 e busca alinhar a
atuação social da empresa às práticas no mercado. “Somos uma empresa socialmente
responsável e comprometida com a melhoria das condições de vida das famílias,
particularmente das mais vulneráveis”, afirmou o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e
Luna, em comunicado ao mercado.
135

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


No comunicado, Petrobras não detalhou como será feita a distribuição dos recursos do
programa, nem como as famílias serão escolhidas. Segundo a empresa, o modelo está em
fase final de estudos, incluindo a busca por parceiros. A empresa diz ainda que há a
possibilidade de criação de um fundo que permita que outras empresas venham a aderir ao
projeto.

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A3 voltar ao topo
EDITORIAIS
COMBUSTÍVEL PARA A DEMAGOGIA
O presidente Jair Bolsonaro ganhou um reforço de peso em sua campanha para confundir a
opinião pública a respeito dos preços dos combustíveis e atribuir a terceiros uma
responsabilidade que é parcialmente sua e de seu governo. Trata-se do presidente da
Câmara, Arthur Lira, que, na terça-feira passada, sem nenhum pudor, disse que “ninguém
aguenta mais” a alta da gasolina e anunciou que vai colocar em debate um projeto para
fixar o valor do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) incidente sobre
os combustíveis.
“Sabe o que faz o combustível ficar caro? São os impostos estaduais”, declarou o deputado,
acrescentando que os governadores têm arrecadado muito na pandemia – sugerindo haver
interesse dos Estados na carestia.
Trata-se de uma farsa em múltiplas dimensões, a começar por uma inexistente relação de
causalidade. De fato, os Estados estão aumentando expressivamente sua arrecadação,
graças em parte ao aumento dos preços dos combustíveis e da tarifa da energia elétrica,
principais fontes de cobrança de ICMS. Mas, no caso dos combustíveis, o ICMS é cobrado
sobre o preço médio ponderado ao consumidor final – ou seja, mesmo na hipótese maluca
de que o ICMS fosse zero (o que, diga-se, o presidente Bolsonaro já teve a audácia de propor,
ignorando a enorme importância desse imposto para os Estados), o preço provavelmente
seria pouco afetado.
Por isso, não é o aumento da arrecadação do ICMS que faz subir o preço do combustível,
como dizem os bolsonaristas; é, ao contrário, o aumento do preço dos derivados de petróleo
que faz crescer a arrecadação, porque a base de cálculo sobre a qual incide o tributo é o
preço final do combustível; se essa base aumenta, necessariamente aumentará a
arrecadação sobre esse produto, sem que tenha havido mudança nas regras de cálculo ou
aumento da alíquota.
Na segunda-feira passada, o presidente da República queixou-se de novo do alto preço dos
combustíveis. De maneira elegante, o presidente da Petrobras, general da reserva Joaquim
Silva e Luna – escolhido por Bolsonaro com a intenção óbvia de interferir na estatal para
frear os preços dos combustíveis –, disse que a empresa não alteraria sua política de
preços, que procura acompanhar as alterações do mercado internacional. Ato contínuo, a
Petrobras aumentou o preço do diesel, o que afetará os fretes rodoviários, num país cuja
matriz de transporte é predominantemente rodoviária.
Em favor de Bolsonaro e Arthur Lira, é preciso reconhecer que os dois não são os únicos
demagogos a oferecer aos incautos a ilusão de que o preço dos combustíveis sobe ou desce
por ato de vontade, e não por força das circunstâncias de mercado. A política da Petrobras
foi criticada também pelo antípoda de Bolsonaro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
Para o chefão petista, “o que está acontecendo é que a Petrobras está acumulando verba
para pagar acionista americano”. É o estado da arte da vigarice lulopetista – a mesma que,
136

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


sob o infausto governo de Dilma Rousseff, obrigou a Petrobras a subsidiar gasolina barata
para segurar a inflação, o que quase quebrou a estatal.
A explicação para a alta dos preços dos combustíveis é bem mais complexa do que
pretendem fazer crer os populistas irresponsáveis. O cenário econômico difícil e uma
conjuntura política tensa, graças à incompetência e à truculência de Bolsonaro, tiveram
como uma de suas consequências a disparada do dólar – e, por tabela, dos derivados de
petróleo.
Ademais, a desvalorização do real potencializa, no caso dos combustíveis, um problema
mundial, que é o crescimento muito rápido da demanda. O alívio proporcionado pelo avanço
da vacinação estimula a procura por muitos bens, inclusive os da área energética. O
resultado é o aumento dos preços – o petróleo alcançou, nesta semana, sua cotação mais
alta em três anos – e, agora, o temor de sua escassez.
Pretender que problemas dessa extensão sejam resolvidos com passes de mágica fajuta é
típico de quem, como Bolsonaro, Lula, Arthur Lira e companhia bela, vive de vender
terrenos na Lua.
(...)

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A3 voltar ao topo
EDITORIAIS
A reforma previdenciária em SP
Com um déficit de R$ 171 bilhões, as contas do Instituto de Previdência Municipal de São
Paulo (Iprem) não fecham. É louvável, portanto, a iniciativa do prefeito de São Paulo, Ricardo
Nunes (MDB), de encaminhar à Câmara Municipal um projeto de reforma previdenciária que
avança sobre pontos importantes que não foram cobertos pelo projeto aprovado no
governo de seu antecessor, Bruno Covas (PSDB), em dezembro de 2018. Caso seja aprovada, a
nova reforma proposta por Nunes reduzirá o déficit projetado para R$ 60 bilhões em 75
anos.
A perseverança de Covas para aprovar seu projeto de reforma da Previdência municipal, no
fim vitorioso, por si só já havia representado um considerável avanço na direção do
saneamento das finanças públicas da capital paulista. Mas é preciso ir além. Questões como
idade mínima para aposentadoria e contribuição de inativos, não tratadas na reforma de
2018, deverão ser enfrentadas agora. Não será fácil. O tema é tão espinhoso, mexe com
tantos interesses localizados, que, na última década, a despeito da premência de uma
revisão dos meios de financiamento do Iprem, os ex-prefeitos Fernando Haddad (PT) e João
Doria (PSDB) simplesmente desistiram de seus projetos para reduzir o déficit do sistema
previdenciário e o volume de aportes anuais do Tesouro para subsidiá-lo, tão fortes foram
as resistências.
A reforma de 2018 elevou de 11% para 14% a alíquota de contribuição dos servidores.
Naquela ocasião, também foi criada a Sampaprev, entidade de previdência complementar à
qual podem aderir os servidores que desejam receber benefícios acima do teto do Instituto
Nacional do Seguro Social (INSS), de R$ 6,4 mil, contribuindo a mais para isso. O projeto
apresentado pela atual gestão mantém a alíquota de contribuição em 14% – embora a
Constituição autorize um aumento de até 19% –, mas propõe o fim da isenção de
137

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


contribuição para inativos que recebem benefícios entre um salário mínimo (R$ 1,1 mil) e o
teto do INSS (R$ 6,4 mil). É o ponto que deverá enfrentar maior resistência na Câmara. A
vereadora Luana Alves (PSOL) afirmou ser "impensável" tributar aposentados que recebem
pouco mais de um salário mínimo, sobretudo neste momento difícil do País, que combina a
emergência sanitária com uma profunda crise econômica.
O projeto de reforma apresentado pela Prefeitura também prevê a adoção das idades
mínimas para aposentadoria de 65 anos para homens e 62 anos para mulheres, com
exceção dos professores da rede municipal. Nesse ponto, o projeto municipal acompanha os
limites determinados pela reforma previdenciária federal.
A discussão sobre novos modelos de financiamento do Iprem é inarredável. Ano após ano, é
cada vez menor a diferença entre o número de beneficiários e o de servidores ativos, que
contribuem para o sistema. Em 2010, havia 137 mil servidores ativos para 78 mil inativos.
Dez anos depois, o número de ativos caiu para 121 mil e o de inativos subiu para 113 mil. Se
nada for feito, o colapso do sistema previdenciário da capital paulista é certo, um
imperativo matemático.
A fim de garantir o pagamento dos benefícios de inativos e pensionistas neste ano, é
previsto um aporte de R$ 6 bilhões do Tesouro. O valor é quase o dobro do que a Prefeitura
investe em projetos de melhorias para a cidade. Se a reforma não for aprovada nos moldes
em que foi proposta pelo Executivo, estima-se que em 2030 o subsídio do Tesouro poderá
chegar a R$ 8,43 bilhões, o que representará significativas reduções de investimentos e
risco para o custeio da chamada máquina pública.
"(A proposta de reforma previdenciária) é uma declaração de guerra aos servidores", disse a
vereadora psolista, dando o tom da oposição que o governo deverá enfrentar no Palácio
Anchieta. Mexer com interesses de servidores públicos não é algo trivial em nenhum lugar
do mundo. Menos ainda no Brasil, um país capturado por corporações muito bem
articuladas. Contudo, os anos de debate sobre a reforma previdenciária no âmbito federal
amadureceram a sociedade para tratar do tema com a responsabilidade que ele exige.
(...)

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A3 voltar ao topo
EDITORIAIS
PROPAGANDA DESCARADA
O presidente Jair Bolsonaro é conhecido por não separar assuntos de Estado, de governo e
os relativos a seus interesses particulares. Na visão deturpada do mandatário sobre os
limites do cargo e a relativa autonomia de ação que a legitimidade das urnas lhe confere,
toda política pública implementada por seu governo tem de vir em benefício do próprio
presidente ou de seus apaniguados antes de qualquer outra coisa. Essa má concepção do
que seja exercer a Presidência da República está na origem de uma série de atitudes de
Bolsonaro que têm levado o País à ruína moral, política, econômica e social.
O exemplo mais recente dessa perniciosa confusão se deu na zona rural do Piauí, no
município de Santa Filomena, escolhido para a instalação de um novo hub de internet sem
fio do projeto Conecta Brasil, do Ministério das Comunicações. Estudantes, professores e
moradores da cidade têm de assistir, obrigatoriamente, a 30 segundos de propaganda sobre
138

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


programas sociais do governo federal a cada vez que acessam a rede. Não há como “pular” o
vídeo institucional, pois a peça publicitária é uma imposição aos beneficiários do chamado
Wi-fi Brasil. O descalabro foi revelado pelo Estado.
“Para usar o Google e o Caixa Tem, a gente tem de assistir ao vídeo”, disse à reportagem a
estudante Gabriela Silva, de 14 anos, aluna do 9.º ano da Escola Municipal Anita Studer,
localizada no povoado de Sete Lagoas. “Se o usuário precisar entrar na internet cinco vezes
no dia, ele vai ter de assistir à propaganda cinco vezes. Se demorar para usar, a rede
desconecta e tem de assistir tudo de novo.” O único aplicativo que pode ser usado sem
propaganda oficial é o Whatsapp.
Sabe-se que o governo Bolsonaro, entusiasta do tal “Escola sem Partido”, é obcecado por
fantasmas que habitariam livros didáticos e pela suposta ação insidiosa de professores
“comunistas” e “libertinos” na formação dos alunos. Pois é esse mesmo governo que força as
crianças e adolescentes do interior do Piauí e de outras localidades onde está presente o
Wi-fi Brasil, seus professores e moradores da cidade a se tornarem público cativo da
propaganda governista. De acordo com o Ministério das Comunicações, são 26 milhões de
cidadãos atendidos pelo programa Conecta Brasil. Um ativo eleitoral que um presidente
nada afeito à ética republicana dificilmente deixaria incólume.
A ação já seria condenável do ponto de vista moral, mas ainda se trata de uma clara
violação do princípio da impessoalidade, um dos pilares da administração pública
consagrados pela Constituição. O que o governo Bolsonaro faz, de forma descarada, é usar
uma política pública como plataforma de veiculação de propaganda eleitoral – uma
propaganda obviamente ilegal.
Tão desvirtuado foi o Conecta Brasil que o ministro das Comunicações, Fábio Faria (PSD),
disse no discurso de lançamento do programa em Santa Filomena que “a internet é a fonte
alternativa de informações” ao que chamou de “notícias contra o presidente”. Sabe-se muito
bem o que o governo quer dizer com “alternativa”: propagação de mentiras e distorções da
realidade. Que membros do governo e blogueiros bolsonaristas lancem mão do artifício nas
redes sociais já é problemático por si só, como mostram as ações que correm no Supremo
Tribunal Federal e no Tribunal Superior Eleitoral. A conversão de políticas públicas em
instrumento de agitação e propaganda a serviço do governo é típica de regimes
autoritários, o que requer a pronta ação dos órgãos de controle do Poder Executivo.
Levar a internet gratuita aos municípios não atendidos nos rincões do País, uma espécie de
zona de exclusão digital no território nacional, é mandatório para que o Brasil possa
avançar na melhoria da qualidade da educação pública, garantindo a alunos e professores
condições pedagógicas minimamente satisfatórias. Mas o objetivo de Bolsonaro é bem
menos republicano. O que o presidente pretende, basicamente, é usar recursos e
equipamentos públicos para ampliar o alcance de sua propaganda eleitoral, sem qualquer
consideração ética ou legal.
(...)

Leia mais: http://digital.estadao.com.br

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A10 voltar ao topo
POLÍTICA
Leite diz que tem 'respaldo' de FHC
139

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), disse se sentir "respaldado" pelo
ex-presidente Fernando Henrique Cardoso nas prévias tucanas à Presidência. Leite e o
senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) , que desistiu da disputa para apoiá-lo, estiveram
reunidos ontem na residência de FHC, em São Paulo, mas não revelaram se conseguiram o
apoio dele nas prévias do partido, em novembro.
O ex-presidente já declarou apoio ao governador paulista, João Doria (PSDB), adversário de
Leite nas prévias. "FHC sempre me incentivou e me estimulou em diversas ocasiões. Me
sinto respaldado por ele", afirmou Leite, que descartou ser vice em eventual chapa pura
tucana. / P.V.

Leia :http://digital.estadao.com.br 

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A8 voltar ao topo
POLÍTICA
‘NUNCA SE VIU ESSA DEMORA NO SENADO’.
Presidente do Supremo, ministro Luiz Fux questiona atraso na sabatina de André
Mendonça, indicado por Bolsonaro para vaga na Corte

Eliane Cantanhêde/ BRASÍLIA

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, manifestou ontem preocupação com a
demora inexplicável do Senado em sabatinar o exministro da Justiça André Mendonça para
a 11.ª vaga do tribunal. Isso cria constrangimentos e um problema institucional, porque o
plenário e a Segunda Turma da Corte passam a julgar e decidir com risco de empate no
resultado.
Segundo Fux, o longo atraso em aprovar o substituto do ministro Marco Aurélio Mello
causa prejuízos à pauta e ao trabalho do Supremo. “Por que essa demora? Outros que foram
indicados depois do ex-ministro da Justiça já foram sabatinados e confirmados”, disse Fux
ao Estadão, citando o procurador-geral da República, Augusto Aras, que já foi até
empossado para um segundo mandato.
“A indicação de um nome para o Supremo (pelo presidente da República) pode até demorar,
porque é preciso analisar nomes e escolher o melhor, mas nunca se viu essa demora no
Senado para sabatinar o escolhido”, lembrou Fux, negando, porém, que tenha dado um
único telefonema que fosse para o senador Davi Alcolumbre (DEMAP), principal responsável
pelo adiamento sem prazo da sabatina de Mendonça.
Fux disse que já conversou institucionalmente, sim, com o presidente do Senado, Rodrigo
Pacheco (DEM-MG), para defender a agilização de sabatinas, não só de Mendonça, mas do
indicado pelo Supremo para o Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).
Ele, porém, afirmou que não tentou e nunca tentaria pressionar Alcolumbre para marcar
logo a sabatina e desmentiu que tenha falado com o senador sobre as posições de
Mendonça quanto à Lava Jato e quanto à prisão após condenação em segunda instância.
“Desafio qualquer um a identificar um telefonema meu para o senador Alcolumbre”, disse.
“E eu nunca falei com o ex-ministro André Mendonça sobre Lava Jato e segunda instância,
nem sei o que ele pensa sobre essas questões. Minha posição é institucional”, acrescentou,
140

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


relatando que o “incômodo” não é apenas dele, mas dos demais ministros do Supremo.
Fux disse que não sabe os motivos de Alcolumbre para adiar a sabatina de Mendonça, mas,
no Supremo e no Senado, os motivos são bastante conhecidos – e comezinhos: uma
retaliação ao governo federal, porque interesses pessoais e políticos de Alcolumbre no
Amapá não estariam sendo atendidos. Ele tem o poder de marcar a sabatina por ser
presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Julgamento. Na noite de ontem aconteceu o que Fux previra horas antes em entrevista ao
Estadão: deu empate de cinco a cinco no plenário. Só com a posse do 11.º ministro o
julgamento poderá ser concluído, para um lado ou para outro.
No caso, foram três ações contra o ex-prefeito de Pirambu (SE) e ex-deputado André Moura.
Ele foi condenado nas duas primeiras, por 6 a 4, mas houve empate de 5 a 5 na terceira.
Como o regimento do Supremo diz que nesses casos não vale a regra de “na dúvida, pró-
réu”, o julgamento ficará inconcluso até ser preenchida a vaga do ministro Marco Aurélio
Mello, que se aposentou em julho.
A expectativa de senadores ouvidos pelo Estadão é de que a sabatina de Mendonça seja
marcada para a semana de 16 de outubro, mas Alcolumbre continua fazendo mistério e
guerra de nervos. Isso não apenas desgasta Mendonça como incomoda o presidente e os
ministros do Supremo e cria o risco de empate nas votações da Suprema Corte. Tudo por
birra de um único senador.

Leia em : http://digital.estadao.com.br 

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A8 voltar ao topo
POLÍTICA
Hang cita 'erro' em atestado de óbito
GABRIELA BILO / ESTADÃO
Senado. Luciano Hang (à dir.) e o senador Flávio Bolsonaro; empresário foi ouvido em
sessão da CPI que durou 6 horas

Em sessão conturbada na CPI da Covid, o empresário Luciano Hang negou ontem ter
participado de fraude no atestado de óbito de sua mãe, Regina Hang. A irregularidade foi
revelada pelo Estadão. Ele disse ter achado "estranho" a ausência de menção à covid no
documento, mas apontou um "erro" do plantonista de um hospital da rede Prevent Senior,
em São Paulo, onde ela ficou internada para tratar a doença.
À CPI, Hang confirmou que sua mãe fez o chamado "tratamento precoce", com
medicamentos sem eficácia comprovada contra covid, como hidroxicloroquina e
azitromicina, antes de ser internada. No depoimento, que durou mais de seis horas, ele
ainda declarou ter contas no exterior e offshores em paraíso fiscal e negou ter financiado a
disseminação de fake news. / JULIA AFFONSO e DANIEL WETERMAN

Leia :http://digital.estadao.com.br 

141

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A10 voltar ao topo
POLÍTICA
ENTREVISTA - João Amoêdo, empresário e ex-
candidato à Presidência
Empresário e fundador do partido, Amoêdo diz que sigla tem de decidir se é 'oposição
ou linha auxiliar' do governo

Pedro Venceslau

WILTON JUNIOR / ESTADÃO


Ex-presidente. Amoêdo tentou voltar ao comando da sigla, mas o diretório nacional
vetou

'O Partido Novo tem um problema de identidade'

Após o Diretório Nacional do Novo vetar seu retorno à direção da legenda, o empresário
João Amoêdo afirmou ao Estadão que não planeja, "por enquanto", deixar a agremiação que
fundou há 10 anos e pela qual disputou o Palácio do Planalto em 2018. Nesta entrevista,
porém, ele faz críticas ao partido, que, segundo ele, tem "um problema de identidade". "O
Novo é oposição ou linha auxiliar ao governo Bolsonaro?", questionou.

Como o sr. avalia o veto a seu retorno à Executiva do partido?


O Diretório Nacional é composto por seis pessoas. Eu precisaria de 2/3, ou seja, quatro
votos, e tive apenas três. Ficou claro que a narrativa de que eu mando no partido não é
verdadeira. Isso tem sido usado para atacar a mim e ao Novo. Tenho visões políticas
diferentes de alguns membros do diretório.

O Novo perdeu a identidade?


Quando a gente montou o Novo, a concepção era ser uma esperança para as pessoas por
estar inovando na política. Era ser um partido sem agendas pessoais, políticos profissionais
e com uma unidade de atuação. O fato é que o Novo tem um problema de identidade, e isso
ficou claro nos últimos tempos. O partido precisa reencontrar o seu caminho original.

Qual seria esse caminho?


Em primeiro lugar, é preciso ter unidade em temas relevantes. Não dá para ter posições
diferentes sobre o apoio ou não ao governo Bolsonaro. Depois de mil dias de governo e de
tudo que ele fez, não dá para se colocar em uma posição de independência em relação ao
governo Bolsonaro. Isso traz uma confusão para o partido entre filiados, apoiadores e,
certamente, para os eleitores. Afinal de contas, o Novo é um partido de oposição ao governo
Bolsonaro ou é linha auxiliar? Isso não está claro para mim como filiado. A maioria da
população não quer esse governo. O Bolsonaro vai contra todos os valores e princípios e
valores do Novo.

142

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Os deputados do Novo que apoiam posições semelhantes às de Bolsonaro entraram na
"rodaviva" da política?
Não sei dos detalhes da vida parlamentar deles, mas nossa visão é de longo prazo. Não
podemos cair na mesma sistemática da velha política que a gente nasceu para combater.
Caso contrário, o Novo vai ser mais um partido pequeno, que as pessoas usam para suas
agendas pessoais. O fato de o Novo não usar dinheiro público é o início do processo, mas
não é o suficiente. Precisamos nos afastar de governos ruins, ainda que populares. Há uma
armadilha eleitoral nesse processo. Tenho dificuldade em entender os mandatários do Novo
que não veem razão ou crimes para pedir impeachment. Há um cálculo eleitoral.

A maioria da bancada do Novo votou favoravelmente ao voto impresso, uma bandeira


de Bolsonaro. Esse é um retrato do que o partido virou?
O partido, como instituição, se colocou contra (o voto impresso), mas não adianta abraçar
uma tese se ela não é referendada pelos mandatários, especialmente da bancada federal.
Isso cria na cabeça de todos os formadores de opinião, filiados e apoiadores uma dúvida:
mas, afinal, qual é o partido? É esse da instituição ou aquele que na prática vota de outra
forma? O Novo se colocou, como eu defendo, em oposição frontal em relação ao governo.

Como avalia a relação do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, com Bolsonaro?
Ele fez um vídeo (na segundafeira) no qual faz agressões fortes a mim, mas sem citar meu
nome. O governador teve uma atitude muito machista. Disse que eu pareço aquela mulher
que o marido se divorciou, mas não consegue deixá-lo em paz. Ele está muito incomodado
porque faço críticas ao governo Bolsonaro e adotou uma narrativa fora da realidade: de que
eu não teria me conformado por ter perdido a eleição em 2018. Isso passa longe da verdade.
Fica claro, infelizmente, que Zema tem um viés de apoio ao Bolsonaro. Isso torna ainda mais
complexo o quadro do Novo. Deveríamos deixar de lado os cálculos eleitorais e fazer o que é
o certo.

Pretende mudar de partido?


Eu me coloquei à disposição para ajudar no Novo, a partir do diagnóstico de que o partido
não está bem. Essa via não funcionou. Não fui aceito. Por enquanto vou continuar filiado.
Deu muito trabalho fazer um partido diferente. Foram dez anos de dedicação. Mas, como
filiado, fico restrito em como ajudar. Pretendo trabalhar com pessoas como (Luiz Henrique)
Mandetta, (Sérgio) Moro e (Carlos Alberto dos) Santos Cruz para encontrar a terceira via. Já
passou da hora.

Foi uma decisão sua deixar a presidência do Novo, já que seu mandato não tinha
acabado. Por que mudou de ideia?
Fui eleito por unanimidade por todos os diretórios. Meu mandato iria até 2023. Saí porque
queria um pouco mais de tempo depois de dez anos dedicados ao partido. Em segundo
lugar, porque eu queria mostrar que construímos uma cultura dentro da organização na
qual ela podia andar dentro dos princípios nos quais o partido foi concebido e que eu não
era a pessoa que mandava no Novo. Mas, vendo hoje, essa cultura ainda está em construção.

Posição
"Depois de mil dias de governo e de tudo que ele fez, não dá para se colocar em uma posição
de independência em relação ao governo Bolsonaro. Isso traz uma confusão para o partido
entre filiados, apoiadores e, certamente, para os eleitores."

143

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A8 voltar ao topo
POLÍTICA
Centrão faz pressão por banco estatal
Felipe Frazão
Adriana Fernandes/ BRASÍLIA

A disputa política pelo controle do Banco do Nordeste (BNB), a um ano das eleições de 2022,
oculta um interesse do mercado financeiro pelo principal ativo da instituição, a carteira de
microcrédito avaliada internamente em cerca de R$ 30 bilhões. O banco está no centro de
uma crise desde que o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, aliado do governo Jair
Bolsonaro, pediu a demissão de toda a diretoria. Costa Neto fez chegar ao Palácio do
Planalto que seu novo indicado para presidir o banco é Ricardo Pinto Pinheiro, consultor do
setor regulatório de energia e saneamento.
O objetivo da cúpula do PL é destituir Romildo Carneiro Rolim, servidor de carreira que
ascendeu à presidência da instituição no governo Michel Temer. Ele já se amparou em
diferentes apoios políticos para permanecer na cúpula do banco. Rolim se opõe à ideia que
lobistas do mercado financeiro tentam emplacar há anos: vender ao mercado privado a
carteira de microcrédito no Nordeste, a mais bem sucedida do País com escala e referência
nessa modalidade de crédito que não recebe atenção dos grandes bancos de varejo.
Rolim não era a primeira opção de Costa Neto. Em 2020, quando Bolsonaro cedeu o banco
ao Centrão, quebrando promessa de campanha, o PL chegou a emplacar na presidência do
BNB o nome de Alexandre Borges Cabral. Porém, Cabral foi demitido após o Estadão revelar
que era suspeito de "gestão temerária" na Casa da Moeda, segundo o Tribunal de Contas da
União. Ele teria deixado um prejuízo de R$ 2,2 bilhões. Rolim teve apoio de integrantes da
equipe econômica para retornar, entre eles o do ministro, Paulo Guedes.

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A4 voltar ao topo
POLÍTICA
Mudanças aumentam dificuldade de condenação
ANÁLISE:  Vera Chemim 

A aprovação das mudanças da Lei de Improbidade Administrativa leva a crer que o objetivo
é introduzir mecanismos determinantes para a restauração do velho status quo peculiar à
história e cultura brasileira. Uma das principais modificações remete à necessidade de
comprovação de dolo (intenção) do agente público em lesar a administração pública para
que ele possa ser enquadrado em um ato ímprobo e sofrer as sanções de natureza político-
administrativa, tais como a perda de função pública, suspensão dos direitos políticos,
ressarcimento de danos, além de outras previstas no diploma legal.
O tratamento jurídico para os casos de dolo ou culpa minimiza a gravidade do ato praticado,
uma vez que amplia a dificuldade de condenação por improbidade ao impor o ônus da
prova ao Estado para o seu enquadramento.
144

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Quanto à aplicação de sanções, como a perda de função pública em casos de
enriquecimento ilícito e prejuízo ao erário, a nova regra prevê que aquela perda se limita ao
vínculo da mesma natureza do cargo que o agente público exercia à época do cometimento
do ato. Assim, o agente público ímprobo poderá exercer outra função pública, evidenciando
total descaso quanto à necessidade de eliminar agentes desonestos da administração
pública, sem olvidar da afronta ao caput do artigo 37 da Constituição, que prevê
atendimento aos princípios que regem a administração pública.
ADVOGADA CONSTITUCIONALISTA, MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PELA FGV-
SP

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A4 voltar ao topo
POLÍTICA
SENADO APROVA PROJETO QUE AFROUXA LEI DE
IMPROBIDADE
Legislativo. Proposta restringe punição a políticos ao exigir comprovação de que
houve intenção de lesar a administração pública; texto deve passar por nova votação
na Câmara

Breno Pires
Amanda Pupo/ BRASÍLIA

Com aval de aliados do governo Jair Bolsonaro e da oposição, o Senado aprovou ontem, por
47 votos a 24, projeto que afrouxa a Lei de Improbidade Administrativa e dificulta a
punição de políticos. Agora, um prefeito, por exemplo, só será punido pela lei se ficar
comprovado que ele teve a intenção de lesar a administração pública. Não basta apenas ele
ter lesado.
O ministro do Superior Tribunal de Justiça, Herman Benjamin, disse que a medida “é um
enfraquecimento sem precedente da legislação de combate a administradores e empresas
corruptos”. “Seremos cobrados, inclusive internacionalmente”, disse ele ao Estadão. A
posição é corroborada por integrantes do Ministério Público e especialistas, que veem
brechas para a impunidade.
Parlamentares, por outro lado, argumentam que era preciso atualizar a legislação que
permite punir, por exemplo, atraso na apresentação de uma prestação de contas.
Atualmente a pena vai de aplicação de multa até a cassação de mandato.
Para que a medida pudesse avançar no Senado, o relator, senador Weverton Rocha (PDTMA),
fez alguns ajustes no texto aprovado na Câmara, em junho, mas manteve a essência do
projeto. O principal ponto é o que prevê punição por improbidade apenas nos casos em que
seja comprovado o “dolo específico”, ou seja, a intenção de cometer irregularidade. Assim,
mesmo que a conduta de um prefeito ou de qualquer agente público resulte em prejuízo à
administração pública, ele só será condenado se for provada a sua intenção. Como o texto
foi alterado, será necessária uma nova votação pelos deputados antes de ir à sanção
presidencial.
Com as mudanças aprovadas ontem, o Senado restringiu também os casos que podem gerar
punição por violação aos princípios da administração pública. A chamada “carteirada” de
agentes públicos e até mesmo “furar a fila” da vacina não poderão mais ser enquadrados na
145

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Lei de Improbidade.
Além disso, pelo texto aprovado, apenas o Ministério Público poderá apresentar ações de
improbidade. Hoje, a Advocaciageral da União (AGU) e procuradorias estaduais e municipais
também podem. Com a mudança, porém, a AGU não poderia mais ajuizar ações em nome da
Petrobras contra as empreiteiras investigadas na Lava Jato.
Outra possibilidade de benefício a parlamentares é o fim da perda da função pública de
quem tenha mudado de cargo ao longo do processo. Atualmente, se um senador é
condenado à perda do cargo por atos que praticou no passado, quando era prefeito, por
exemplo, ele perde a atual função. Com o novo projeto, essa punição não ocorre.
A legislação atual foi criada em 1992 para combater a sensação de impunidade, em meio ao
impeachment do ex-presidente Fernando Collor de Mello. O afrouxamento das regras foi
defendido por Bolsonaro no início do ano. “Tem muita lei do passado que realmente é para
combater a corrupção e etc, mas engessa o prefeito”, disse o presidente, na ocasião.
O projeto que dificulta punir políticos teve uma tramitação “relâmpago” no Senado. Foi
aprovado pela manhã na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e no plenário à noite.
Para isso, Weverton – que é réu em ação de improbidade – costurou um acordo que
amenizou alguns pontos do texto que saiu da Câmara. Ele voltou atrás no artigo que previa
apenas seis meses de duração para os inquéritos civis com base na lei.
Agora, será um ano, que pode ser prorrogado pelo mesmo período. O relator também
desistiu de impedir a punição em casos de nepotismo – a contratação de parentes em
cargos públicos por políticos. A medida chegou a ser incluída na primeira versão do projeto.

Prazos. Uma mudança, em especial, causou discussão entre os parlamentares: a redução


para quatro anos do prazo que o poder público tem para concluir uma ação de improbidade.
A maioria dos casos, de acordo com o Conselho Nacional de Justiça, leva mais tempo do que
isso para julgado, o que poderia levar ao fim de 40% das ações.
Os senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) afirmaram
que a regra foi feita para livrar autoridades como o presidente da Câmara, Arthur Lira
(Progressistas-al), réu em ação de improbidade. “Não há razoabilidade na redução do prazo
prescricional para a Lei de Improbidade como colocado. Não há urgência que não seja
favorecer quem cometeu o ilícito. Esse artigo 23 cria o ‘in dubio’ pró-lira”, disse Randolfe.
“Não podemos concordar com um projeto de lei destinado a arquivar um processo contra o
presidente da Câmara”, afirmou Vieira.
O relator, que antes de apresentar o relatório final consultou o presidente da Câmara,
justificou as mudanças e defendeu Lira. O senador lembrou que o ex-presidente da Câmara
Rodrigo Maia (DEM-RJ) foi quem deu início à tramitação do projeto. “Não dá para nos
acovardarmos e aceitarmos aqui as afirmações de que estaremos premiando a improbidade.
Ao contrário, aqui vamos premiar o probo, a pessoa de bem que quer entrar no serviço
público”, disse.

PONTOS
Intenção
Como é 
Lei prevê punição a ato de improbidade culposo – quando não há intenção de cometer a
irregularidade
Como fica
Só podem ser punidos casos em que ficar provado que o gestor teve a intenção de infringir
a lei

146

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Prescrição
Como é
À exceção de um prazo para apresentar uma ação de improbidade, não há prazo para o
Estado punir um agente público
Como ficaria
Após a apresentação da ação, haverá prazo de quatro anos para punir o agente público na
primeira instância

Condenação à perda do cargo


Como é
Perda da função pública vale para qualquer cargo que o agente esteja ocupando
Como ficaria
Demissão ocorre se o agente ocupar o mesmo cargo de quando praticou ato 

Leia :http://digital.estadao.com.br 

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A10 voltar ao topo
POLÍTICA
Câmara aprova projeto que regulamenta 'IA'
Proposta aprovada cria princípios e normas gerais para o uso da inteligência artificial
no País; texto vai ao Senado

André Shalders/ BRASÍLIA

A Câmara dos Deputados aprovou ontem um projeto de lei para regulamentar o uso e o
desenvolvimento da inteligência artificial no Brasil. Com apenas nove artigos, o projeto não
traz detalhes sobre o uso da tecnologia no Brasil, criando apenas princípios gerais para o
desenvolvimento e a aplicação da tecnologia. O texto teve o apoio de todos os partidos, com
exceção do PSOL, e foi aprovado por 413 votos a 15. Agora, o projeto segue para o Senado
Federal.
O projeto aprovado é de autoria do deputado Eduardo Bismarck (PDT-CE), e foi relatado pela
deputada Luísa Canziani (PTB-PR). De acordo com o texto, os softwares de inteligência
artificial devem ser construídos respeitando princípios como a dignidade humana, a
proteção de dados pessoais, a não discriminação, a transparência e a segurança dos
usuários – embora não haja detalhes sobre como estes princípios serão garantidos.
Na ficção, a inteligência artificial geralmente é retratada em histórias ameaçadoras, às
vezes envolvendo máquinas que se rebelam contra os seres humanos. Ela está, por
exemplo, em filmes como 2001: Uma Odisseia no Espaço (1968), ou Matrix (1999). Na vida real,
a inteligência artificial é um tipo de programa de computador capaz de interpretar dados,
aprender a partir deles e tomar decisões de forma autônoma para cumprir uma
determinada tarefa definida pelo seu criador. É usada em lojas online, no controle de
estoques de empresas, em ferramentas de reconhecimento facial, em sistemas de
prevenção de fraudes e na análise de padrões de comportamento de consumidores, entre
outras aplicações.
"O projeto de Bismarck também cria a figura do 'agente de IA', que pode ser tanto o
147

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


desenvolvedor quanto o operador do algoritmo, e que passa a ser o responsável legal pelas
decisões tomadas pelo software. Este "agente de IA" também é o responsável por garantir
que o software respeite as normas da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Mudanças. Inicialmente contrário ao projeto, o PT chegou a obstruir a votação, mas depois


de um acordo com o autor e a relatora, votou a favor. O partido mudou de posição depois de
duas modificações no texto: uma que incluía a transparência entre os princípios para a
nova tecnologia; e o outro que determina a responsabilidade objetiva do Estado em projetos
públicos que utilizem a IA. Ou seja: se o uso da nova tecnologia por parte do governo
resultar em dano a alguém, o Estado será responsabilizado, mesmo que não tenha tido a
intenção de fazer mal. Outros dois destaques apresentados pelo PT foram derrotados no
plenário.
Professor da Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP) e diretor do
Lawgorithm, uma associação de pesquisa em Inteligência artificial e direito, Juliano
Maranhão, afirmou que o projeto aprovado na Câmara tem o defeito de não estabelecer
regras vinculantes para o desenvolvimento da IA, mas apenas princípios éticos baseados na
regulamentação existente na União Europeia.
Segundo Maranhão, isto pode resultar numa situação em que os detalhes da
regulamentação serão definidos por diferentes juízes em todo o país – e nem sempre de
modo uniforme, criando insegurança jurídica.

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A10 voltar ao topo
POLÍTICA
Fusão entre DEM e PSL resultará na sigla 'União Brasil'.
Nome é definido após reunião com dirigentes das duas legendas; nova sigla criará
maior bancada da Câmara

Lauriberto Pompeu/ BRASÍLIA

DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
Deputado. Bivar será o presidente nacional da União Brasil

O novo partido que resultará da fusão do DEM com o PSL deve se chamar União Brasil e
aparecer nas urnas com o número 44. As marcas foram definidas ontem, em reunião com
dirigentes das duas legendas. O encontro teve a participação dos presidentes do DEM, ACM
Neto, do PSL, Luciano Bivar, do vice-presidente do PSL, Antonio Rueda, e do governador de
Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).
O líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), disse que a escolha atende à ideia de não
aproveitar o 17 do PSL, que foi usado na última campanha presidencial por Jair Bolsonaro, e
nem o 25 do DEM. Para ajudar na decisão desses detalhes, os articuladores da fusão
contrataram, na semana passada, uma pesquisa. "A premissa era de nome novo e número
novo. Foram os melhores avaliados na pesquisa qualitativa", disse.
A nova legenda será presidida por Bivar e terá ACM Neto na secretaria-geral. As executivas
nacionais dos dois partidos já aprovaram a fusão e convocaram para o dia 6 de outubro
148

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


uma reunião conjunta dos diretórios nacionais das duas legendas, quando serão decididos o
estatuto e o programa do novo partido. De acordo com nota do PSL, na ocasião "também
será eleita a Comissão Executiva Nacional Instituidora, órgão nacional que promoverá o
registro do novo partido".
A União Brasil, se concretizada a fusão, terá as maiores fatias dos fundos eleitoral e
partidário e o maior tempo de rádio e televisão para a eleição de 2022. Reunirá também a
maior bancada da Câmara, com 81 deputados, com força para definir os rumos dos projetos
da Casa, além de quatro governadores e sete senadores.

Pré-candidatos. O plano é ter candidatura própria a presidente da República. Atualmente


são três pré-candidatos: o exministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) , o
presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o apresentador José Luiz Datena
(PSL) . Pacheco também mantém negociações para se filiar ao PSD. No entanto, os
articuladores da fusão pretendem liberar seus filiados para apoiarem outros candidatos,
como a reeleição do presidente Jair Bolsonaro.
Apesar de não estar na base do governo, hoje o DEM tem entre seus quadros os ministros
de Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência) e Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e
Abastecimento). Ambos votaram pela fusão na reunião da executiva.

Leia em : http://digital.estadao.com.br 

O ESTADO DE S. PAULO
30/09/2021
A8 voltar ao topo
POLÍTICA
Procuradoria abre apuração contra Braga Netto por
ameaça à eleição
Como revelou o 'Estadão', o ministro da Defesa condicionou realização da disputa de
2022 à adoção do voto impresso no País

Weslley Galzo/ BRASÍLIA

O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu uma apuração preliminar contra o


ministro da Defesa, general Walter Braga Netto, por ameaça à realização das eleições em
2022. Como revelou o Estadão, o presidente da Câmara, Arthur Lira (Progressistas-al),
recebeu, no dia 8 de julho, um recado de Braga Netto. Por meio de um importante
interlocutor político, o general pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria
eleições no ano que vem sem voto impresso.
Na notificação, Aras afirma que vai apurar “possível infração político-administrativa”
cometida pelo ministro da Defesa. A proposta de emenda à Constituição (PEC) que propunha
o voto impresso em eleições foi rejeitada pelo Congresso no mês passado.
A decisão de Aras foi comunicada anteontem ao ministro Gilmar Mendes, do Supremo
Tribunal Federal (STF) , que é relator de quatro ações contra Braga Netto. O chefe do
Ministério Público Federal pede que esses outros pedidos de investigação sejam arquivados,
uma vez que já há procedimento aberto Procuradoria-geral sobre o caso. Integrantes do
Supremo leram a iniciativa de Aras como uma manobra para tirar o caso das mãos da
Corte. Aliado do presidente Jair Bolsonaro, o PGR tem usado desse expediente em episódios
149

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


que envolvem aliados do governo.
A apuração foi instaurada no dia 26 de agosto a partir de uma notícia de fato que tramita
em caráter sigiloso na PGR. O viceprocurador-geral, Humberto Jacques de Medeiros, e a
subprocuradora Lindôra Araujo são os responsáveis pelo caso.
Braga Netto não comentou ontem a investigação. Na ocasião da divulgação dos fatos,
divulgou nota na qual afirmou que “não se comunica com presidentes de Poderes por meio
de interlocutores” e classificou a reportagem como “desinformação”. O general, no entanto,
defendeu a discussão do voto impresso como “legítima”.
O ministro da Defesa repetiu a mesma posição no dia 17 de agosto, quando foi chamado a ir
à Câmara para prestar esclarecimentos na Comissão do Trabalho, das Relações Exteriores e
de Fiscalização Financeira e Controle. Parlamentares reagiram à intromissão do general nas
questões da política. “Eu quero dizer que quem decide sobre o voto impresso não é vossa
excelência. É o Congresso Nacional. E vossa excelência caberá obedecer. E caso não
obedeça, será preso”, afirmou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) , que participou da
audiência.
Apesar da defesa de Bolsonaro e seus aliados ao voto impresso, a Câmara rejeitou a
Proposta de Emenda à Constituição (PEC) no dia 10 de agosto. A pauta, no entanto, não saiu
do radar do governo e permaneceu forte entre os bolsonaristas, que defenderam o projeto
durante as manifestações antidemocráticas de 7 de Setembro.
Após reações do Supremo e do Congresso às ameaças de Bolsonaro durante os atos, o
presidente ensaiou um recuo e, em entrevistas, tem dito que a participação das Forças
Armadas na preparação das urnas eletrônicas, segundo ele, dá garantias de que não haverá
fraude nas eleições. O convite partiu do presidente do TSE, ministro Luís Roberto Barroso.

150

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO ONLINE O
30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
ARTIGOS
SÍLVIO RIBAS - O candidato que não veio.
Sílvio Ribas*
30 de setembro de 2021 | 06h00
Com grande antecedência, a corrida presidencial de 2022 vem descrevendo fenômeno
político atípico até mesmo para tempos de crises combinadas. Bem diferente de 1989,
quando 22 disputaram o Planalto, a perspectiva atual é de acentuado afunilamento. Pré-
candidatos “naturais” e balões de ensaio vêm sendo excluídos, um após outro, graças ao
jeito Bolsonaro de ser e de governar, ao barulho das redes sociais e às mudanças eleitorais.
Nomes conhecidos já jogaram a toalha precocemente e grandes apostas de cúpulas
partidárias foram chutadas para escanteio por correligionários. Exemplos? A sempre
candidata Marina Silva (Rede) sequer sondou outra chance e João Amoêdo (Novo) nem mais
poderá sonhar em relançar-se, pois foi vetado anteontem (28) pelo Diretório Nacional da
sigla que fundou e liderou. Esse processo de consolidação tende a se acelerar até novembro.
Outros candidatos que não cristalizaram foi um outsider Luciano Huck, um Luiz Henrique
Mandetta (DEM) fortalecido pelos maus números das gestões contra a pandemia da Covid-19
dos seus sucessores no Ministério da Saúde, um João Dória (PSDB) impulsionado pela
presteza na oferta de vacinas, um Sérgio Moro (Podemos) investido da vingança contra Lula
Livre e desmonte da Lava-Jato, um Biden brasileiro Tasso Jereissati (PSDB)…
A principal razão de um quadro enxuto de opções nas urnas presidenciais se deve agora às
regras do jogo, sobretudo após a derrubada do veto de Bolsonaro ao surgimento das
federações partidárias, compensando o fim de coligações proporcionais. Assim, duas ou
mais legendas ideologicamente próximas poderão se unir para atuar de maneira uniforme
em todo o país, sem que seja necessário se fundir. A primeira aliança deverá ser PSB-PCdoB.
Além de dar sobrevida a pequenos partidos, esse arranjo favorece grandes como PT, PSD e
PSL, dedicados a compor amplas alianças no próximo pleito. A minirreforma promulgada
anteontem pelo presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco ( DEM-MG),
consolida em 2022 o modelo criado em 2017, com voto proporcional, com cláusula de
desempenho para acessar o fundo partidário e o tempo de rádio e tevê e nenhuma
coligação pluripartidária.
Por meio de federação, Pacheco poderia até ser o candidato pretendido pelo PSD sem
precisa deixar a futura legenda resultante da fusão de DEM e PSL, cujos nomes em teste são
BEM, Mude e DS. Esse instrumento também é bom para Lula, que desde o início de sua
elegibilidade restaurada trabalha por uma Frente Brasil Popular ampliada, que inclui o PSol
sem candidato. A sorte está lançada. Para poucos.
(...)
*Sílvio Ribas, jornalista, escritor, consultor em relações institucionais e assessor
parlamentar no Senado Federal

Leia mais: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/o-candidato-que-nao-veio/

151

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O ESTADO DE S. PAULO ONLINE
30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
ARTIGOS
NELSON WILIANS - A reforma política é fundamental
Nelson Wilians*
30 de setembro de 2021 | 06h15
A frase “nunca desperdice uma boa crise”, do ex-primeiro-ministro britânico Winston
Churchill, praticamente virou um preceito nesse “novo normal” que vivemos atualmente.
O momento é mesmo propício para transformações à medida que o coronavírus perde
força. Mas, mais do que apenas estimular o crescimento econômico, devemos nos guiar
para construir uma nova realidade, que passa, necessariamente, por uma reforma política.
Há anos na pauta parlamentar (desde a promulgação da Constituição, em 1988), a reforma
política resume-se quase sempre a interesses eleitorais casuísticos, de curto prazo, como a
PEC que está agora na CCJ do Senado.
Melhorar e fortalecer o sistema eleitoral e os partidos políticos com o objetivo de torná-los
legitimamente democráticos e facilitar os processos eleitorais, sem dúvida, é muito
importante. No entanto, essa é apenas uma das faces de uma mudança maior, que passa
ainda por apurar a governança do Estado e tornar a administração mais eficiente.
Num contexto mais amplo, a reforma política deve reparar o próprio processo de tomada de
decisão, alicerçado nos princípios democráticos, e, obviamente, ser a base para novos
sistemas institucionais.
Em suma, a reforma política deve encontrar meios para que os brasileiros exerçam o poder
constitucional diretamente; e o aperfeiçoamento e a elaboração de novas estruturas
institucionais são questões-chave até para a sobrevivência da democracia.
Nesse sentido, a reforma política deve ser vista como fundamental na crítica às relações
estruturais que compõem o sistema, com a possibilidade, inclusive, dos cidadãos revogarem
mandatos governamentais. A democracia representativa precisa ser aprimorada para
tornar os partidos políticos verdadeiramente democráticos e facilitar os processos
eleitorais.
As atuais instituições não conseguem cumprir totalmente os objetivos da Constituição,
evidenciando um abismo entre o eleitorado e seus representantes, e, portanto, abrindo
espaço para inconsequências oportunistas que desafiam os processos democráticos, e, para
as quais, não temos uma apólice de seguro. Vide a proposta aprovada pela Câmara no mês
passado com a volta das coligações em eleições proporcionais, que haviam sido derrubadas
pelo Congresso em 2017. Por sorte, o tema foi barrado no Senado (vale ressaltar que o Brasil
mexe no seu sistema eleitoral e político praticamente a cada biênio).
Uma descentralização do sistema judiciário, com mecanismos que tornem esse órgão
responsável perante a população, também é necessário para uma revisão na forma, por
exemplo, de como os juízes são nomeados e os cargos nos tribunais, incluindo o Supremo
Tribunal Federal, são preenchidos.
A reforma política não possui uma única frente, mas deve ser sim a primeira de todas as
reformas, para garantir a democracia, fomentar a participação e incluir projetos verdadeiros
de mudança social. Porém, que seja uma discussão feita por toda a sociedade brasileira. Só é
impossível se não tentarmos.
(...)
*Nelson Wilians é empreendedor e advogado

152

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/a-reforma-politica-e-
fundamental/

O ESTADO DE S. PAULO ONLINE


30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
ESPORTES
Derrubada de vetos na lei do clube-empresa abre
caminho para investidores, mas sem transparência.
Originalmente, o projeto obrigava as SAFs (Sociedade Anônima do Futebol) a informar
o nome dos donos de cotas com 10% ou mais; isso não será mais necessário, por
exemplo

Rodrigo Sampaio, O Estado de S.Paulo


30 de setembro de 2021 | 10h00

Tida como uma das principais soluções para a grave crise financeira pela qual as equipes de
futebol do Brasil sofrem há anos, a lei do clube-empresa (nº 14.193) teve uma mudança
importante na última segunda-feira, dia 27. O Congresso derrubou parte dos vetos do
presidente Jair Bolsonaro ao projeto no que diz respeito à tributação e incentivo fiscal, mas
manteve o trecho que aborda a transparência. O restabelecimento da ideia original foi
recebida com entusiasmo pelas agremiações, abrindo caminho para uma negociação mais
atrativa para investidores. Por outro lado, a falta de clareza quanto a origem do dinheiro
investido pode levantar dúvidas sobre a lisura de projetos.
Sancionado no dia 9 de agosto, o texto, que tem como autor o senador Rodrigo Pacheco
(DEM), prevê a criação da Sociedade Anônima do Futebol (SAF), permitindo aos clubes, que
em sua ampla maioria são Sociedades Anônimas, se tornarem empresas. Originalmente, o
projeto obrigava as SAFs a informar o nome dos donos de cotas com 10% ou mais do clube-
empresa. Essa parte foi retirada da legislação antes de sua aprovação, com o veto sendo
mantido pelo Congresso posteriormente. Sob o argumento de atrair investidores para
aquecer a prática, o trecho resguardava conflito de interesses ou, até mesmo, a lavagem de
dinheiro.
No entanto, a manutenção do veto fere o princípio da integridade desportiva, no qual
nenhum fator externo pode influenciar no resultado das partidas. Para André Sica,
advogado de direito desportivo e sócio CSMV Advogados, apesar de a lei do clube-empresa
deixar claro que o acionista de uma SAF não pode ser o mesmo de outras entidades
esportivas, a falta de exigência dessa divulgação coloca em risco a integridade do projeto,
com investidores escondidos em sofisticadas estruturas societárias para deter mais de dois
clubes.
"Esse para mim não foi um veto inteligente. Esse era um artigo interessante que, apesar de
afastar alguns investidores, ele também afastava maus investidores", diz Sica. "Em nome da
integridade no esporte, esse veto também tinha de ser derrubado".
Ponto mais sensível aos clubes - e investidores - que desejam ingressar no modelo de
clube-empresa, o trecho sobre o Regime de Tributação Específica (TEF) foi mantido pelos
congressistas após ser vetado por Bolsonaro. Assim, a lei volta a instituir que as SAFs
paguem 5% de imposto de suas receitas mensais nos cinco primeiros anos de operação,
153

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


com exceção do dinheiro da venda de atletas. A partir do ano seguinte, o montante
arrecadado com as transações de jogadores seria tributado, com a taxa caindo para 4%. Sem
o mecanismo, a SAF cumpriria suas obrigações financeiras como uma empresa comum.
Anteriormente, o trecho foi vetado pelo presidente após conselho do Ministério da
Economia, visando uma conduta de austeridade fiscal. Por outro lado, a retirada da parte
mexia diretamente com o cerne do projeto, que era a questão tributária. Tendo em vista
que clubes com menor poder financeiro são os principais interessados na instituição de
uma SAF, não fazia sentido migrar para um modelo diferente pagando uma diferença
considerável de impostos em relação a adversários mais endinheirados.
"Com esse veto a lei não valia absolutamente nada, e com a derrubada a lei vale ouro para o
investidor. Essa era a única desculpa efetiva que os clubes tinham para não virar empresa,
quanto a dos próprios investidores para entrar no mercado", diz Sica. "Acredito que vamos
ter um estímulo para os clubes adotarem um modelo societário."
Outro tema a ser comemorado pelos clubes é a derrubada do veto à captação de recursos
via Lei de Incentivo ao Esporte (LIE). De acordo com o Ministério da Cidadania, a norma tem
o objetivo de ampliar o acesso da população ao esporte. Com isso, patrocinadores que
investem em projetos esportivos podem ter uma redução no imposto de renda, sendo
deduzido 6% para pessoa física e 1% para jurídica. Estava previsto no texto original da lei do
clube-empresa o uso desse tipo de verba para o pagamento de dívidas, o que acabou sendo
vetado por Bolsonaro e mantido no Congresso.
"A Sociedade Anônima do Futebol é também uma entidade de prática desportiva, como é
uma associação e um clube, e, por isso, toda entidade de prática desportiva já faz jus a
projetos incentivados para o esporte. Eu estou falando da formação de atletas, da formação
dos atletas, da formação das atletas mulheres. Há de se lembrar também que a
contrapartida social é obrigatória para a sociedade anônima do futebol, assim como é para
uma associação civil", disse Carlos Portinho, relator do projeto, à Agência Senado após a
sessão do dia 27.

Leia em: https://esportes.estadao.com.br/noticias/futebol,derrubada-de-vetos-na-lei-do-


clube-empresa-abre-caminho-para-investidores-mas-sem-transparencia,70003855039

O ESTADO DE S. PAULO ONLINE


30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
POLÍTICA
Alexandre manda agência contratada pelo PTB
detalhar gerenciamento de redes sociais do partido de
Roberto Jefferson.
Ordem foi dada a pedido da Corregedoria do TSE, que investiga se o ex-deputado usou
a estrutura da legenda e recursos do fundo partidário para disseminar fake news

Rayssa Motta
29 de setembro de 2021 | 17h48

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), deu cinco dias para a
154

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


agência de comunicação responsável pela assessoria do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB)
apresentar notas fiscais dos serviços de gerenciamento e monitoramento de redes sociais
prestados à sigla.
De acordo com o despacho, a empresa deve enviar também uma 'descrição minuciosa' dos
trabalhos acompanhada de cópias do material produzido.
A ordem foi dada a partir de um pedido da Corregedoria do Tribunal Superior Eleitoral, que
apura se o ex-deputado federal Roberto Jefferson, presidente da legenda, usou a estrutura
do PTB e recursos do fundo partidário para disparar notícias falsas e atacar instituições
democráticas nas redes sociais.
Moraes também pediu à Secretaria de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro que
apresente um relatório completo do monitoramento eletrônico do ex-deputado, que está
internado em um hospital particular na zona oeste da capital fluminense.
Investigado nos inquéritos das fake news e das milícias digitais, Roberto Jefferson foi preso
preventivamente em agosto e denunciado em seguida pela Procuradoria-Geral da República
por incitação ao crime, homofobia e calúnia contra o presidente do Senado Rodrigo
Pacheco (DEM-MG).

Leia em: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/alexandre-agencia-ptb-


gerenciamento-redes-sociais-roberto-jefferson/

O ESTADO DE S. PAULO ONLINE


30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
POLÍTICA
Fusão DEM-PSL deverá se chamar União Brasil e usar o
número 44.
As duas legendas têm encontro na próxima semana para bater o martelo sobre a
união

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo


29 de setembro de 2021 | 17h36

BRASÍLIA – O novo partido que resultará da fusão do DEM com o PSL deve se chamar União
Brasil e aparecer nas urnas com o número 44. As marcas foram escolhidas nesta quarta-
feira, 29, em reunião com dirigentes das duas legendas. O encontro teve a participação dos
presidentes do DEM, ACM Neto, do PSL, Luciano Bivar, do vice-presidente do PSL, Antonio
Rueda, e do governador de Goiás, Ronaldo Caiado (DEM).
O líder do DEM na Câmara, Efraim Filho (PB), disse que a escolha atende a ideia de não
aproveitar o 17 do PSL, que foi usado na última campanha presidencial de Jair Bolsonaro, e
nem o 25 do DEM. Para ajudar na decisão desses detalhes, os articuladores da fusão
contrataram, na semana passada, uma pesquisa. "A premissa era de nome novo e número
novo. Foram os melhores avaliados na pesquisa qualitativa", disse Efraim ao Estadão.
O novo partido será presidido pelo atual presidente do PSL, Luciano Bivar, e terá o
presidente do DEM, ACM Neto, na secretaria-geral. As executivas nacionais dos dois
partidos aprovaram a fusão e convocaram para o dia 6 de outubro, quinta-feira da próxima
semana, uma reunião conjunta dos diretórios nacionais das duas legendas, quando serão
decididos o estatuto e o programa do novo partido. De acordo com nota do PSL, "também
155

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


será eleita a Comissão Executiva Nacional Instituidora, órgão nacional que promoverá o
registro do novo partido".
A fusão das duas siglas, caso concretizada, terá as maiores quantias dos fundos eleitoral e
partidário e o maior tempo de rádio e televisão para a eleição de 2022. O dinheiro será
consequência de a nova sigla ter a maior bancada da Câmara, com 81 deputados, que
também terá força para definir os rumos dos projetos da Casa. Além disso, a legenda terá
quatro governadores e sete senadores.
O novo partido pretende ter candidatura própria a presidente da República. Atualmente são
três pré-candidatos: o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), o presidente
do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e o apresentador José Luiz Datena (PSL). Pacheco
também mantém negociações para se filiar ao PSD. No entanto, o comando da fusão DEM-
PSL pretende liberar seus filiados para apoiarem outros candidatos, como o presidente Jair
Bolsonaro.
Apesar de não estar na base do governo, hoje o DEM tem entre seus quadros os ministros
de Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência) e Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e
Abastecimento), ambos votaram pela fusão na reunião da Executiva do DEM.

Leia em: https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,fusao-dem-psl-devera-se-chamar-


uniao-brasil-e-usar-o-numero-44,70003854744

O ESTADO DE S. PAULO ONLINE


30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
POLÍTICA
A previsão de Fux se confirmou.
Para presidente do Supremo, atraso provoca prejuízos ao trabalho da Corte e cria
risco de empate em processos

Eliane Cantanhêde, O Estado de S.Paulo


29 de setembro de 2021 | 22h55

Aconteceu no início da noite desta quarta-feira, 29, o que o presidente do Supremo Tribunal
Federal, Luiz Fux, previra horas antes em entrevista ao Estadão: deu empate de cinco a
cinco no plenário. Só com a posse do 11º ministro o julgamento poderá ser concluído, para
um lado ou para outro.
Por decisão de Fux, as ações penais não podem mais ser decididas numa das duas turmas,
têm de ser julgadas pelo plenário. No caso, foram três ações contra o ex-deputado André
Moura.
Ele foi condenado nas duas primeiras, por 6 a 4, mas houve empate de 5 a 5 na terceira.
Como o regimento do Supremo diz que nesses casos não vale a regra de "na dúvida, pro
réu", o julgamento ficará inconcluso até ser preenchida a vaga do ministro Marco Aurélio
Mello, que se aposentou do Supremo em 12 de julho deste ano.
A vaga está em aberto porque o presidente Jair Bolsonaro indicou o ex-ministro da Justiça
e ex-advogado geral da União André Mendonça, mas o Senado está há mais de dois meses
fazendo corpo mole, sem marcar a sabatina para aprovar, ou não, o nome de Mendonça.
Segundo Fux, para o Estadão, isso cria dificuldades e "incômodo" para os ministros do
Supremo. E ele citou justamente o risco de empate. Foi o que aconteceu e pode voltar a se
156

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


repetir não apenas no plenário como também na segunda turma, desfalcada de um voto e
atuando com quatro integrantes.
O responsável pela inexplicável demora em marcar a sabatina de André Mendonça é o
senador Davi Alcolumbre (DEM-AP) , ex-presidente do Senado e atual presidente da
Comissão de Constituição e Justica (CCJ). Ele não admite, mas no mundo político e jurídico
há uma certeza: a "birra" de Alcolumbre com Mendonça é por questões paroquiais, ou seja,
por interesses do senador no seu Estado, o Amapá, que foram contrariados pelo governo
federal e o próprio Mendonça.
Para Alcolumbre, que já falou do assunto com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco,
do mesmo partido de Alcolumbre, o DEM, isso causa "constrangimento institucional" e
deveria ser resolvido o quanto antes. A expectativa é de que a sabatina seja marcada para a
semana de 16 de outubro, sem confirmação.

Leia em: https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,a-previsao-de-fux-se-


confirmou,70003855120

O ESTADO DE S. PAULO ONLINE


30/09/2021
ONLINE voltar ao topo
POLÍTICA
Por que os evangélicos querem um ministro no
Supremo? Entenda.
Religiosos são os principais articuladores da indicação de André Mendonça ao STF e
têm se empenhado mais que o governo para emplacá-lo na Corte

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo


30 de setembro de 2021 | 10h35

BRASÍLIA — A indicação de André Mendonça para a vaga aberta no Supremo Tribunal


Federal (STF) tem nos líderes evangélicos os principais fiadores. Representantes do
segmento religioso são ardorosos defensores da escolha para a Suprema Corte e têm feito
mais esforços para isso do que o próprio governo que o indicou.
Ex-ministro da Advocacia-Geral da União (AGU) e da Justiça e Segurança Pública, Mendonça
foi indicado em julho pelo presidente Jair Bolsonaro para cumprir uma promessa feita a
evangélicos em 2019. O grupo é uma importante base de apoio do presidente na sociedade
civil organizada e tem mobilizado os eventos bolsonaristas, como os que aconteceram no
último feriado de 7 de setembro.
Isolado no meio político, o escolhido para ao STF tem procurado reforçar nas últimas
semanas a aliança com os evangélicos e divulgado nas redes sociais fotos onde aparece
pregando. No último dia 12 de setembro, Mendonça, que é pastor, compartilhou uma foto
em um templo da Assembleia de Deus - Ministério de Madureira. Na mensagem, ele
classificou o momento como "dia histórico" e agradeceu ao bispo Samuel Ferreira e ao
deputado Cezinha Madureira (PSD-SP), líderes da igreja.
Cezinha de Madureira também é o coordenador da bancada evangélica do Congresso e um
dos que mais têm se empenhado em tentar viabilizar Mendonça no Supremo. Sobre a
importância de ter um colega de religião na Corte, o deputado diz: "A população é composta
de 30% da Nação. Por que não um evangélico?"
157

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O político do PSD tem articulado reuniões para tentar viabilizar a indicação de Mendonça.
Com a ajuda dos senadores Vanderlan Cardoso (PSD-GO) e Carlos Viana (PSD-MG), que
também são da bancada evangélica, Cezinha participou de um encontro com o presidente
do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), para pedir ajuda na votação do ex-ministro da
AGU. Com o intermédio de Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ), filho mais velho do presidente, o
coordenador da bancada evangélica e líderes religiosos foram até o Palácio do Planalto
cobrar de Jair Bolsonaro mais empenho para aprovar o seu indicado.
O pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, também tem liderado os
esforços para a aprovação de Mendonça e participado de encontros no Planalto para ajudá-
lo antes mesmo de a escolha ter sido feita oficialmente por Bolsonaro. Para ele, a indicação
de Mendonça dá continuidade ao que sempre tem sido feito em governos passados.
Malafaia declarou que a nomeação dele é importante para os evangélicos "da mesma
maneira que foi importante para o PSDB e para o PT indicar gente para o STF com afinidade
ideológica deles".
E completou: "O presidente está colocando alguém com a afinidade ideológica dele. Nós
evangélicos temos essa afinidade. Se lá tem ateu, católico e judeu de notório saber, por que
não pode ter um evangélico de notório saber já que somos 30% da população?"
Nenhum dos atuais dez ministros da Suprema Corte é evangélico. A ausência de
representantes da religião pode ser percebida nas sucessivas derrotas que são impostas à
agenda conservadora do grupo.
Contrariando as opiniões da classe, o STF já deu aval para prefeitos e governadores
fecharem templos como medida de isolamento social contra o coronavírus, permitiu o
aborto em caso de anencéfalos, o casamento gay, criminalizou a homofobia, abriu a
possibilidade de transgêneros mudarem o nome sem cirurgia e proibiu o "escola sem
partido".
Em um aceno aos religiosos, o presidente Jair Bolsonaro disse no dia 18 de agosto que o
indicado para o STF começaria toda semana na Corte puxando uma oração.
"Fiz um pedido para ele, ou melhor, uma missão eu dei para ele. E ele se comprometeu que
irá cumpri-la. Toda primeira sessão da semana, no Supremo Tribunal Federal, ele pedirá a
palavra e iniciará os trabalhos após uma oração", declarou o presidente durante um culto
da Assembleia de Deus em Ananindeua (PA).
"Podem ter certeza: Deus se fará mais presente naquela instituição. Onde entra a palavra de
Deus, entra a harmonia, entra a paz, entra a prosperidade", completou o presidente, que tem
protagonizado conflitos com o Supremo e que já fez uma série de ataques aos ministros
Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso.
Com receio de que Mendonça aja em defesa de pautas conservadoras no STF, um grupo de
entidades que reúnem juízes, promotores, defensores e policiais entregou no dia 19 de julho
uma carta ao Senado contra a indicação do ex-ministro da AGU para o STF.
No documento, as entidades criticam a postura de Mendonça durante o governo Bolsonaro,
que classificam como " perfil teocrático, incompatível com o cargo que almeja''. Além disso,
também questiona opiniões públicas de Mendonça sobre temas que devem ser julgados no
Supremo, como o uso medicinal da cannabis, aborto e direitos da população LGBTQI+.
O coordenador da bancada evangélica no Congresso afirmou que os religiosos são maioria
no País e no Congresso e que por isso precisam estar melhor representados no Poder
Judiciário. "Desde que eu nasci eu entendo que a maioria sempre lidera sobre a minoria. A
minoria tem que ser respeitada nos seus limites, mas vivemos em um Brasil democrático,
que é conhecido no Parlamento pela sua pluralidade de ideias", afirmou.
O deputado também classificou como "triste" as críticas à Mendonça. "Somos a maioria
esmagadora no Congresso Nacional. Qualquer fala contra um ministro porque ele é

158

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


evangélico, ou de qualquer outra religião, é muito triste", declarou.
Também em resposta ao documento das entidades contra o indicado ao Supremo, a
Associação Nacional dos Juristas Evangélicos (Anajure) declarou que a carta pratica "uma
postura discriminatória contra os evangélicos, e parte de uma premissa perniciosa à
democracia e ao pluralismo de ideias, ao tentar excluir de certos setores da sociedade,
nesse caso do Poder Judiciário, indivíduos que professam uma determinada crença,
independente da qualificação técnica que possuem".
Em outro episódio de desgaste, Mendonça chegou perto de ser alvo do próprio Supremo
quando era ministro da Justiça. Em agosto do ano passado vieram à tona dossiês montados
pela pasta contra servidores públicos considerados antifascistas. Durante o julgamento na
Corte, porém, o ministro foi poupado das críticas, que se concentraram em Bolsonaro.
Mais tarde, quando era titular da AGU sofreu novo desgaste por causa da estratégia do
Palácio do Planalto de recorrer à Lei de Segurança Nacional (LSN) para reprimir opiniões
negativas contra Bolsonaro. O uso da LSN pelo governo é alvo de quatro ações no tribunal.
Demora na sabatina
Bolsonaro fez a indicação para o STF há mais de dois meses, no dia 13 de julho. Mesmo se
forem desconsiderados os 15 dias de recesso parlamentar, a demora para acontecer a
sabatina é maior que o tempo que os dez ministros atuais do Supremo tiveram que esperar.
Num movimento incomum e que expõe a crise na articulação política do governo, o
presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), senador Davi Alcolumbre (DEM-AP),
se recusa a colocar na pauta a indicação de Mendonça. Sem a sabatina e a votação na CCJ, o
processo não anda.
Alcolumbre, que está insatisfeito com o governo por ter perdido o controle da liberação de
emendas e ter sido preterido para escolha de um ministério, tem dito a interlocutores que
não há votos para aprovar o nome do ex-ministro e sugere ao Palácio do Planalto que
troque a indicação pelo procurador-geral da República, Augusto Aras.
Diante da resistência, os líderes evangélicos organizaram na semana passada reuniões com
o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco ( DEM-MG), e com Bolsonaro para tentar
destravar a sabatina. Apesar disso, Alcolumbre ainda não deu sinais de quando vai marcar a
votação da indicação de Mendonça.
Com o objetivo de obrigar o presidente da CCJ a marcar a data, os senadores Alessandro
Vieira (Cidadania-SE) e Jorge Kajuru (Cidadania-GO) entraram no STF com um mandado de
segurança. O ministro Ricardo Lewandowski foi escolhido o relator do caso na Corte e
decidiu na terça-feira, 21, dar um prazo de cinco dias para Alcolumbre se manifestar e dar a
justificativa por ainda não ter marcado a sabatina.
Na quarta-feira, 22, Davi Alcolumbre foi cobrado pelo líder do governo no Senado, Fernando
Bezerra Coelho (MDB-PE) , para que a data da sabatina seja decidida. O emedebista
aproveitou que o senador do DEM havia constituído um acordo para votar um projeto de lei
que regulamenta a improbidade administrativa e trouxe o assunto à tona.
"Queria apelar para este espírito que Vossa Excelência hoje está possuído de poder fazer
uma indagação sobre a sabatina do nosso ministro André Mendonça. Vossa Excelência
poderia definir a data para apreciação da indicação do ministro André Mendonça? Esse é o
apelo que lhe faço", perguntou o líder do governo.
Alcolumbre manteve a indefinição e evitou anunciar uma data: "Vamos deixar o meu
espírito para este entendimento (sobre o projeto que regulamenta improbidade
administrativa). De outros entendimentos vai ser no outro dia", declarou.
Apesar da resistência do presidente da CCJ, de acordo com o deputado Cezinha Madureira, a
sabatina de Mendonça deve acontecer nas próximas semanas. "Deve ser na primeira ou
segunda semana do mês que vem, de outubro".

159

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A promessa de Bolsonaro de nomear um ministro "terrivelmente evangélico" para o
Supremo foi feita pela primeira vez em julho de 2019, durante evento com a bancada
temática no Congresso. "O Estado é laico, mas nós somos cristãos. Ou, para plagiar minha
querida Damares (Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos): nós somos
terrivelmente cristãos. E esse espírito deve estar presente em todos os Poderes. Por isso,
meu compromisso: poderei indicar dois ministros para o Supremo Tribunal Federal; um
deles será terrivelmente evangélico", disse o presidente há dois anos.
Um ano depois, no entanto, Bolsonaro escolheu Kassio Nunes Marques para a primeira vaga
aberta na Corte em seu mandato, com a aposentadoria do então decano Celso de Mello.
Nunes Marques não é evangélico e foi indicado por ser aliado do Centrão, sobretudo do
ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira. A indicação provocou contrariedade e muitos aliados
do presidente usaram as redes sociais para protestar. O descontentamento só foi amainado
com a nova promessa, feita por Bolsonaro, de entregar a segunda cadeira a um evangélico.
De acordo com a Anajure, a indicação de Mendonça já tinha consenso entre os líderes da
religião desde setembro de 2020, quando foi aberta a vaga que era de Celso de Mello. No
entanto, Bolsonaro decidiu indicar Nunes Marques.
Sobre Mendonça, a Anajure escreveu em setembro do ano passado que ele "tem recebido o
apoio das organizações religiosas, agências missionárias e instituições confessionais de
ensino com as quais temos nos relacionados, sendo, portanto, um nome de consenso dentro
do segmento evangélico, com uma trajetória marcada pelo respeito aos direitos
fundamentais e ao Estado de Direito e elevada capacidade de diálogo."
Quando foi aberta a vaga deixada por Marco Aurélio Mello, a Anajure reforçou o apoio ao
ex-ministro de Bolsonaro e o parabenizou quando sua indicação foi oficializada pelo
governo em julho.

Leia em: https://politica.estadao.com.br/noticias/geral,por-que-os-evangelicos-querem-um-


ministro-no-supremo-entenda,70003855537

160

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO O
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA
MANCHETES

161

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


162

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
3 voltar ao topo
ARTIGOS
JOAQUIM LEITE - Bom para o planeta e para cada país
O Brasil é um dos 194 países signatários do Acordo do Clima — um tratado do âmbito da
Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) que rege medidas
de transição para uma economia neutra em emissões de gases de efeito estufa num
contexto de desenvolvimento sustentável, mas que, ao mesmo tempo, não ameacem a
produção de alimentos no mundo e contribuam para erradicar a pobreza.
Nesse contexto, o Brasil tem três enormes desafios: (I) reduzir suas emissões totais de gases
de efeito estufa em 37% até 2025, 47% até 2030 e atingir a neutralidade de carbono até 2050;
(II) gerar emprego e renda nessa nova economia verde; e (III), ao mesmo tempo, fornecer
alimentos ao mundo em grande quantidade, de forma segura, acessível e sustentável.
Reconhecemos a necessidade de que a meta global de neutralidade de emissões seja
atingida quanto antes. No entanto algumas atividades não têm meios de reduzir suas
emissões na velocidade desejada, seja por inviabilidade econômica ou por impossibilidade
física. Portanto, a redução imediata poderia tornar mais cara a energia e gerar escassez,
encarecendo consequentemente alguns serviços, produtos e, principalmente, os alimentos
ao redor do mundo.
Reconhecemos também que os países emergentes têm desafios maiores para atingir suas
metas. E que os países desenvolvidos devem auxiliar os emergentes em suas estratégias,
planos e ações de mitigação e adaptação, assumindo de forma efetiva a liderança na
transferência de tecnologias de baixa emissão e propiciando financiamento climático
urgente e consistente.
Um importante consenso entre os países participantes do Acordo do Clima é a
"responsabilidade comum, porém diferenciada". Isso significa que cada nação tem suas
particularidades em relação às emissões históricas e ao desenvolvimento econômico. A
imposição de um controle igualitário das metas e prazos de redução de emissão entre todas
as partes seria injusta.
Responsabilidade comum: todos os países devem reduzir as emissões com o objetivo de
chegar à neutralidade.
Responsabilidade diferenciada: os países que se industrializaram com base em
combustíveis fósseis têm uma responsabilidade diferenciada em relação aos países que não
o fizeram — ou por serem pouco industrializados ou por nunca terem emitido grande
quantidade de gases de efeito estufa e ainda carecerem de desenvolvimento econômico
para garantir qualidade de vida a sua população.
Na Conferência das Partes, as partes são os países; no Brasil, as partes são as regiões: as que
emitem poucos gases são menos desenvolvidas e mais carentes de acesso ao básico, versus
as regiões ricas, industrializadas e, histórica e atualmente, grandes emissoras. Cabe aos
territórios mais desenvolvidos incentivar positivamente essa política com tecnologias
inovadoras, investimentos de baixa emissão e recursos financeiros destinados a diminuir o
impacto ambiental nos territórios menos desenvolvidos.
O governo federal atuará durante as negociações do Clima na COP26, em Glasgow, no
sentido de criar incentivos positivos para uma transição para uma economia neutra em
emissões até 2050, considerando as necessidades de cada região brasileira e garantindo
163

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


oportunidade de desenvolvimento econômico e melhor qualidade de vida a suas
populações, especialmente as mais carentes, que muitas vezes têm maior área de vegetação
nativa preservada. Queremos chegar a um consenso sobre políticas de clima que seja bom
para o Brasil, para os brasileiros e, consequentemente, para o planeta.

*Ministro do Meio Ambiente

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
2 voltar ao topo
ARTIGOS
MERVAL PEREIRA - O 'PATO MANCO'
O presidente Bolsonaro já não governa mais. Os vetos derrubados nos últimos dias o
consolidam na posição de presidente mais derrotado pelo Congresso nos últimos 20 anos.
Na questão dos preços da Petrobras para gasolina, óleo diesel e gás, Bolsonaro tenta há
meses encontrar uma maneira de reduzir os aumentos constantes. E agora tem de
enfrentar o general Silva e Luna, colocado por ele na presidência da estatal no lugar de
Roberto Castello Branco justamente para estancar a alta dos preços.
O general interventor assumiu completamente a tese técnica da Petrobras e, apesar das
reclamações de Bolsonaro, anunciou nos últimos dias mais aumentos, na mesma direção da
diretoria anterior. A autonomia do Banco Central foi outra "derrota" do governo, embora
tenha sido dele a proposta. O presidente Roberto Campos Neto, usando a liberdade que lhe
deu a legislação, ficou mais à vontade para criticar a política econômica do governo. Como
quando, recentemente, disse que se percebe "o aumento da incerteza do momento
presente", referindo-se à crise deflagrada pelo presidente nos atos de 7 de setembro.
O acordo feito pelo presidente Bolsonaro com o Centrão, se lhe trouxe a segurança de que
os pedidos de impeachment continuarão na gaveta do presidente da Câmara, Arthur Lira,
também tirou-lhe o controle do Congresso, que passou integralmente para os partidos que
formam a maioria. A base governista está disposta a superar a impopularidade crescente de
Bolsonaro em ano eleitoral aprovando medidas que desarranjam o equilíbrio fiscal ou o jogo
eleitoral. O valor e a abrangência do novo Bolsa Família deverão ser bem maiores do que o
equilíbrio fiscal recomenda, mas os efeitos eleitorais serão grandes.
Não há ideologia predominante na derrubada de vetos, tanto quando os congressistas
votam a seu favor, como no caso das federações partidárias que preservarão pequenos
partidos diante da cláusula de barreiras, quanto no caso da Lei de Abuso de Autoridade, em
que o Congresso recuperou medidas importantes que haviam sido cortadas pelo presidente,
como "constranger presos a produzir provas contrárias a si mesmo" ou "negar acesso aos
autos da investigação ou ao inquérito".
Nos dois casos, houve ideologia por parte do presidente Bolsonaro, que vetou as federações
"para derrotar os comunistas", como explicou o deputado Eduardo Bolsonaro, e trechos da
Lei de Abuso de Autoridade a pedido de policiais.
A indicação do "terrivelmente evangélico" André Mendonça para a vaga de Marco Aurélio
Mello no Supremo Tribunal Federal (STF) é outro exemplo de como Bolsonaro está
164

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


enfraquecido no Congresso. Apenas um senador, Davi Alcolumbre, presidente da Comissão
de Constituição e Justiça, trava a sabatina há meses, fazendo campanha aberta contra o
nomeado.
A tentativa é fazer com que Bolsonaro retire a indicação de Mendonça para escolher outro
nome, do agrado de seu grupo político, como o procurador-geral da República, Augusto
Aras — cuja sabatina Alcolumbre foi rápido em marcar —, ou o presidente do Superior
Tribunal de Justiça, Humberto Martins, que, aliás, é evangélico. Ao afirmar, dias atrás, que
nomearia outro evangélico se Mendonça fosse recusado, o presidente fortaleceu a
esperança de que possa nomear Martins para a vaga, o que só reforçou a manobra de
Alcolumbre.
Além das dificuldades normais da indicação, Martins tem uma que pode ser definitiva: teria
de ser indicado e sabatinado até 7 de outubro, quando faz 65 anos, idade-limite para
assumir o cargo. Alcolumbre, aliás, está sofrendo um desgaste pessoal grande por não ter
nenhum motivo relevante para adiar a sabatina, apenas seu desejo pessoal.
A situação está tão confusa que um dos argumentos mais usados contra André Mendonça é
que ele levará de volta ao plenário do Supremo a maioria de apoiadores da Operação Lava-
Jato, pois teria boa relação com os procuradores de Curitiba. Bolsonaro, que é mais de falar
que de trabalhar, tornou-se um "pato manco" em exercício, como se chama, em linguagem
política, quem tem a expectativa cada vez menor de poder futuro.

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
3 voltar ao topo
ARTIGOS
FERNANDO VERNALHA - Irreverência institucional
A presente crise institucional não passará despercebida pelo setor de infraestrutura. É
bastante conhecida a relação entre a estabilidade institucional do país e sua capacidade de
atrair investimentos de longo prazo. As últimas semanas foram de muita tensão
institucional, originada principalmente dos ataques do presidente da República ao STF. Sua
repercussão política e econômica levou o presidente a divulgar uma nota de
reconhecimento dos excessos retóricos, num gesto de distensão. Mas a crise instalada
ainda mostra potencial de produzir estragos relevantes na construção de um ambiente
institucional maduro e estável para conquistar a confiança do investidor.
O Brasil vem, ao longo dos últimos anos, esforçando-se para construir um ambiente jurídico
e regulatório mais propício a engajar o capital privado em investir em projetos de
infraestrutura. Afinal, precisamos urgentemente ampliar o volume de investimentos em
infraestrutura para viabilizar o crescimento do país. Os diversos levantamentos já feitos
indicam que seria necessário, no mínimo, dobrar nossa média histórica de investimentos
pelos próximos 20 anos para que possamos nos aproximar dos níveis desejáveis. Sem poder
contar com orçamento estatal, em virtude das conhecidas restrições fiscais e orçamentárias
das administrações públicas, restam as desestatizações, particularmente os negócios de
concessão e parceria público-privada, para viabilizar uma agenda de investimentos
privados em infraestrutura pública. Esse investimento é ainda mais relevante no contexto
de superação das sequelas da pandemia da Covid-19, com o potencial de estimular a
165

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


economia, gerar emprego e renda à população. Mas, para isso, é necessário oferecer aos
investidores um ambiente de previsibilidade e segurança jurídica, políticas regulatórias de
longo prazo e, principalmente, estabilidade institucional.
Temos assistido nos últimos meses a um processo de corrosão desses alicerces. O "ativismo
político" do presidente da República, disseminando uma narrativa de confronto com outras
instituições, como o próprio STF, vem produzindo efeitos negativos no comportamento de
diversos indicadores econômicos. O programa de desestatizações tenderá também a ser
inevitavelmente impactado. Crises institucionais afugentam investidores e elevam riscos e
custos dos negócios. É verdade que o programa de desestatização do governo federal tem
sobrevivido às crises políticas que a todo tempo eclodem no seio do atual governo. Quadros
técnicos qualificados e bons projetos têm contrabalançado os prejuízos que a instabilidade
política tem gerado à agenda de desestatização. A presente crise, contudo, é de outra
dimensão e precisa ser contida, sob pena de comprometermos todo o esforço já feito na
construção de um ambiente estável e confiável para o desenvolvimento de negócios e
empreendimentos públicos. Afinal, essa é uma construção que leva tempo e tem exigido a
atenção de governos e instituições ao longo dos anos. Será lamentável que a irreverência
institucional ponha tudo isso a perder.

*Professor de Direito Administrativo e advogado do Vernalha Pereira Advogados

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
14 voltar ao topo
BRASIL
LEI PEGOU, PRENDEU E PROCESSOU
Prejuízo. Vítima de ataque na cidade de Palmas mostra dor nas costas por queda
causada por passageiro que a incomodava enquanto andava de bicicleta

De 2018 a 2020, explodem ações por importunação sexual

PAULA FERREIRA E RAPHAELA RAMOS


brasil@oglobo.com.br
BRASÍLIA E RIO

O pôr do sol de um ciclista assediado por passageiro de um carro e atropelado em Palmeiras


(PR) gerou repercussão nesta semana após ser divulgado por um vídeo nas redes. O
suspeito foi preso no ato na terça-feira e, segundo a Polícia Civil, vai responder por lesões
corporais e assédio sexual. O episódio reacendeu o debate sobre a lei que tipifica o assédio
sexual e que completa três anos neste mês. De 2018, quando foi criada a lei que pune o
crime, até o ano passado, a Justiça brasileira registrou um aumento exponencial de 8.513%
no número de novos processos abertos sobre o assunto.
CAPILARIDADE
Enquanto no ano de implementação da lei chegaram ao Judiciário 75 novos processos, no
166

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ano passado foram abertos 6.460 ações. As informações sobre os casos de 2021 serão
encaminhadas ao Conselho Nacional de Justiça, que compila esses dados, apenas no final do
ano.
- A lei vem ganhando popularidade, embora não seja possível descartar situações em que
haja desconhecimento - analisa Tânia Reckziegel, presidente da Comissão Permanente de
Políticas de Prevenção a Vítimas de Violência, Testemunhas e Vulneráveis do CNJ.
O assédio sexual é a prática de ato libidinoso contra alguém, sem consentimento, "com o
objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiros". A pena pelo crime varia de um a
cinco anos de prisão. Práticas como apalpar a vítima sem seu consentimento ou esfregar-se
propositalmente em uma mulher no transporte público são enquadradas pela lei, que
surgiu após a repercussão de um caso de 2017: um homem ejaculou em uma mulher em um
transporte público, após se masturbar. A Lei de Assédio Sexual também tornou crime
divulgar cenas de sexo e pornografia sem consentimento e cenas de estupro.
A legislação recente já rendeu condenações. Em agosto, o Tribunal de Justiça do Amapá
manteve a condenação de Francisco do Carmo Oliveira, ex-secretário de saúde de Santana,
a 14 quilômetros de Macapá, por assédio moral a uma enfermeira. Em seu consultório, ao
ser procurado pela vítima para solucionar uma questão trabalhista, Oliveira abraçou a
subordinada e apalpou seus seios. Como réu principal, a ex-secretária terá que prestar
serviços à comunidade.
No ano passado, as delegacias de polícia registraram 15.245 incidentes de assédio moral no
Brasil, segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Os casos cresceram cerca de 12%
em relação a 2019, quando 13.576 registros foram contabilizados no país. Em 2018, nos
primeiros meses de vigência da lei, eram 1.341. A taxa nacional, em 2020, era de 7,2 registros
de assédio sexual por 100 mil habitantes.
O Distrito Federal apresentou o maior índice (13,7), seguido por Mato Grosso do Sul (13,6),
Santa Catarina (13,4) e Paraná (11,2). Minas Gerais e Rio Grande do Norte foram os que
apresentaram o maior aumento nas taxas de cadastramento por 100 mil habitantes entre
2020 e 2019. Acre e Maranhão não forneceram informações.
Silvia Chakian, procuradora de Enfrentamento à Violência Doméstica do Ministério Público
de São Paulo, atribui a maior notificação ao aumento da conscientização sobre o fato de que
esse comportamento é crime:
- Os casos finalmente estão se tornando públicos. Esse tipo de comportamento sempre
existiu, mas com a resposta sabidamente ineficaz por parte da Justiça até 2018. Havia
impunidade e consequentemente desânimo para denúncias. Como todas as mudanças
legislativas, espera-se um tempo de divulgação do conteúdo da lei e correta aplicação - diz
Chakian.
EM ESPAÇOS PÚBLICOS
Um site lançado em 2019 pela Think Olga em parceria com o Tribunal Regional Federal da 3ª
Região mostra que é comum essa infração ser praticada em espaços públicos, sem
hierarquia entre vítima e agressor e sem uso de força ou coerção.
A diretora do think Olga, Maíra Liguori destaca que os registros de assédio sexual
aumentaram em 2020 mesmo com restrições de movimento devido à pandemia.
- Este caso recente ilustra de forma bastante emblemática como o corpo feminino é
entendido como algo público. São sintomas de uma crença muito difundida da mulher não
como sujeito, mas como objeto, que está à disposição do corpo masculino - diz Maíra, sobre
o episódio na cidade do Paraná.
No ano passado, a deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP) foi assediada no plenário da
Assembleia Legislativa de São Paulo pelo deputado Fernando Cury (cidadania). As imagens
internas da Alesp mostram o momento em que o deputado apalpa os seios de Isa. Diante do

167

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


fato, o Comitê de Ética da Alesp aprovou sentença branda para o deputado, com
afastamento por 119 dias, prazo inferior ao recomendado pelo relator.
Posteriormente, o prazo foi revertido e Cury foi afastado do cargo por 180 dias, prazo ainda
em vigor. O caso também foi levado à justiça como assédio sexual, mas até agora os oficiais
de justiça não puderam notificar os acusados.
- No caso do ciclista e no meu havia imagens do que aconteceu. Mas na maioria dos casos
não há imagens e o ónus da recolha de provas recai sobre as vítimas, que muitas vezes têm
medo de enfrentar patrões e colegas de trabalho, por exemplo, ou de denunciar a
ocorrência de outras violências domésticas e públicas - afirma o deputado. .
A procuradora Gabriela Mansur, responsável pela Ouvidoria da Mulher no Conselho
Nacional do Ministério Público, afirma que as instituições adotaram protocolos para
atender aos casos de violência contra a mulher. Mas destaca a importância de uma
mudança cultural e maior segurança em locais públicos:
- A iluminação pública é muito importante. Também precisamos de mais câmeras nas ruas
para que todos os lugares sejam vigiados. Um terceiro aspecto: é interessante que os ônibus
e metrôs tenham algum tipo de código QR ou aplicativo para que a pessoa que se depara
com situações de assédio possa acionar automaticamente um canal de denúncia. De ordem
subjetiva, temos a necessidade de mostrar o castigo desses casos, de revelar a rigidez das
leis.

O GLOBO
30/09/2021
3 voltar ao topo
COLUNAS
MALU GASPAR
Candidatos repetem propostas inócuas de gasolina

Enquanto parte do país oscilava entre o choque com as revelações do caso Prevenir Idosos
e a irritação com as cenas patéticas do depoimento de Luciano Hang, os dois principais
candidatos à presidência da República em 2022 se afastaram da CPI da COVID e mudaram de
posição. baterias para o alto de combustíveis.
Jair Bolsonaro culpa o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e quer
que o Congresso aprove uma lei que estabeleça uma alíquota fixa e uniforme em todo o
país para o imposto, que hoje varia de estado para estado.
- Peço a Deus que ilumine os parlamentares durante a semana para aprovar esse projeto na
Câmara e depois no Senado. Esse é o problema do dia-disse o presidente em comício no
Nordeste.
Eu estava com o prefeito, Arthur Lira, que fez o refrão:
- O Brasil não tolera gasolina em quase R 7 7 e gás em RR 120.
Lula recorreu à parábola do gringo que leva nossas riquezas.
- O que está acontecendo é que a Petrobras está acumulando dinheiro para pagar ao
acionista americano - disse ele a uma rádio de Cuiabá.
Para o petista "" só seria possível subordinar o preço nacional ao internacional se o Brasil
fosse importador de petróleo, mas o Brasil é autossuficiente ".
Tanto Lula quanto Bolsonaro sabem que estão oferecendo soluções simplistas para um
problema complexo. O presidente da República tenta há meses colocar a narrativa de que,
168

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


por se tratar de um imposto estadual, o aumento dos combustíveis é culpa dos
governadores. Não teve sucesso. Primeiro porque, embora o ICMS seja muito pesado (varia
em torno de 30%), ele não aumenta há anos. Além disso, o imposto faz parte do valor do
produto e varia conforme ele. Portanto, mesmo que fosse reduzido a zero, o que é
praticamente impossível, os preços continuariam subindo de acordo com o preço do barril
de petróleo e a taxa de câmbio.
Lula, como ex-presidente, está cansado de saber que 57,8% dos dividendos da Petrobras vão
para os brasileiros, inclusive pequenos poupadores que usaram seu Fundo de Garantia para
investir na empresa. E que, do total, 36,7% vão para os cofres da própria União. Lula
também sabe que são vários os motivos para que a fórmula de preços da Petrobras esteja
ancorada no dólar. Uma delas é que a moeda americana é a referência para todas as
transações do mercado de petróleo no mundo. Outro: embora seja autossuficiente em
volumes, a empresa ainda importa grandes quantidades de óleo leve e outros derivados de
petróleo para produzir os combustíveis entregues ao consumidor final, pagando o preço
internacional, em dólares. Sempre que você vende abaixo do valor de mercado, você perde.
A última vez que ignorou essa equação, no governo Dilma Rousseff, a Petrobras acumulou
gritantes R 40 bilhões - um dos motivos que teve que tomar empréstimos até atingir a
maior dívida corporativa do planeta e o status de empresa à beira de falência. Quem pagou
a conta, obviamente, foram os EUA, contribuintes e maiores acionistas da empresa.
Lula e Bolsonaro decidiram falar sobre o assunto porque suas pesquisas indicaram que este
é o tema que mais afeta o debate eleitoral no momento. Pesquisas internas de consultorias
privadas mostram que a aprovação de Bolsonaro vem caindo significativamente em regiões
onde ele tinha bases firmes, como Sul e Centro-Oeste, justamente por conta da inflação de
combustíveis e energia.
As soluções de Palanque e as fórmulas gastas não resolverão o problema. Lembre-se que o
próprio Bolsonaro trocou de presidente da Petrobras no início do ano, zerou os impostos
federais sobre óleo diesel e gás e prometeu tantas outras disposições - como o
caminhoneiro - que nunca foram adotadas.
Se voltarmos ao mesmo ponto agora, é porque esse nó, como tantos outros que precisamos
desatar, exige políticas públicas consequentes e de longo prazo, que certamente trarão
algum sacrifício e que, portanto, deve ser o resultado. de um debate amplo e responsável.
Mudanças profundas nos meios de transporte e na configuração das grandes cidades,
investimentos em transporte de massa e tecnologia são planos possíveis.
Mas nada disso fez parte do debate público. Estamos presos em um longo Dia da Marmota,
com políticos repetindo as mesmas propostas inócuas o tempo todo, enquanto problemas
cruciais se arrastam indefinidamente. Nada é tão ruim que não possa piorar, disse o
presidente Bolsonaro outro dia. Vendo como os dois principais candidatos à presidência da
República lidam com questões vitais para o país, só é possível concordar.

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
31 voltar ao topo
COLUNAS
PRIS­CILLA PRIMI - Bem Estar
169

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Os sabotadores do emagrecimento

Que ele atire a primeira Pedra que nunca fez dieta para emagrecer na segunda-feira e
"enfiou o pé na jaca" na sexta! Vários motivos nos fazem desistir de adotar uma dieta
regulada, temos a sensação de que o mundo conspira contra a alimentação saudável e nos
empurra uma série de tentações tornando-se difíceis de resistir, e acabamos voltando à
velha rotina.
O principal sabotador é o ambiente familiar. É comum quando estamos à mesa e alguém
pergunta: você vai comer só isso? Você está em um regime? Vai virar lagarta com tanta
salada que você fizer! Coma mais um pedaço de bolo, que fiz só para você! Se você não
comer tudo, terei que jogar fora! As refeições são momentos em que compartilhamos não
só a comida, mas também conversas, sentimentos, estreitamos relacionamentos e, quando
decidimos mudar o hábito alimentar, é necessário que a família participe, apoie e acolha
essa decisão, contribuindo para a adesão. a dieta.
Festas de aniversário, casamentos, happy hour, almoços de negócios, viagens, jantares de
noivado, enfim, os eventos sociais que aos poucos vão sendo retomados são outra causa
comum para extrapolar calorias, álcool, gordura e açúcar e dizer adeus a qualquer tentativa
de mudança. Após essas orgias alimentares, somos tomados por um sentimento de culpa e
frustração por não termos resistido ao pecado da gula e acabamos abandonando o projeto
de uma vida saudável. É importante dizer que não é preciso se isolar ou deixar de ter
convivência social, o principal é prestar atenção no que se come, degustar cada prato,
escolher o que comer e prestar atenção nas quantidades servidas. E se abusado, coma um
pouco menos na refeição posterior, compensando o deslize.
Aplicativos de entrega de comida, que se tornaram parte da rotina de muitas famílias, é um
forte boicote à perda de peso. Com três toques na tela e menos de 30 minutos, é possível ter
qualquer prato na nossa frente, os mesmos que aparecem nas fotos dos restaurantes, e
quase sempre escolhemos algo fora do padrão "dieta para emagrecer ". Há 10 anos, o
processo de preparação de uma refeição demorava pelo menos duas horas. Envolvendo
escolher, comprar e cozinhar os ingredientes, esse planejamento contribui para a seleção de
opções mais saudáveis. O parto é apenas um facilitador no parto, por isso é possível optar
por refeições mais próximas da dieta domiciliar sem comprometer a meta de
emagrecimento.
O escritório em casa, as acusações, o medo e o estresse que vivemos neste período
pandêmico também se mostram prejudiciais na perda de peso. A possibilidade de beliscar
ou fazer as refeições durante o trabalho, o que não era possível quando estávamos no
escritório, nos faz comer sem perceber e em quantidades maiores, dificultando a tentativa
de comer de forma consciente. A comida também serve como anestesia, o único prazer que
se consegue em um cenário de inquietação. É preciso resgatar a rotina de horários e locais
das refeições e buscar alternativas para o gerenciamento das emoções, como a prática de
exercícios físicos, ioga ou meditação.
Estamos cada vez mais imediatos, o mundo tecnológico tem despertado uma impaciência
que se reflete em decepção e desistência quando os efeitos não aparecem. Com as dietas
não é diferente. Ao contrário da internet, onde os resultados vêm em poucos minutos, a
perda de peso saudável ocorre de forma lenta e gradual. Nosso corpo não é um "aplicativo"
que responde tão rapidamente às mudanças, somos dotados de mecanismos fisiológicos de
preservação da vida e é preciso persistir para que o corpo "entenda" e aproveite o que está
armazenado: as gorduras indesejáveis. Demora pelo menos 15 dias de restrição calórica para
realizar a redução de peso e medidas. Portanto, a estratégia alimentar para emagrecer deve

170

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ser personalizada, estruturada e seguida em longo prazo.
O principal é o ambiente familiar.
É comum quando estamos à mesa e alguém pergunta: você vai comer só isso? Você está em
um regime?

Priscilla Primi Nutricionista, mestre pela Universidade de São Paulo


@nutricaocomgosto

(...)
 
Leia mais: https://infoglobo.pressreader.com/o-globo

O GLOBO
30/09/2021
20 voltar ao topo
COLUNAS
MÍRIAM LEITÃO
O mundo fica pior, o Brasil derrapa

Tudo começou a acontecer ao mesmo tempo na economia internacional. A China está


desacelerando - desta vez é sério - por causa do gargalo de energia e do colapso de uma
grande imobiliária. O governo dos Estados Unidos, novamente, atingiu o teto da dívida.
Haverá muita turbulência política até que um novo teto seja aprovado e ainda haja uma
instabilidade institucional sem precedentes no Fed. Há crise de abastecimento dentro da
indústria, setor que puxa a recuperação. Essa é a explicação do economista-chefe do Itaú
Unibanco, Mário Mesquita, para as turbulências desta semana. No Brasil ele diz que há
muitas dúvidas entre os economistas sobre a condução da política fiscal do governo
Bolsonaro e isso se reflete no dólar, na bolsa de valores e no mercado de juros.
Mário Mesquita foi diretor de política econômica do Banco Central e trabalhou no FMI.
Recentemente, ele fez uma forte jogada de revisão do cenário para o próximo ano, baixando
a projeção para o PIB de 1,4% para 0,5%. E ele acha que se houver racionamento de energia,
pode chegar a zero. Esse cenário é um ano difícil, com aumento do desemprego. A alta da
Selic neste ano terá impacto na economia do ano que vem. Ele acredita que em relação a
2020 e 2021 o governo gastará menos, mesmo sendo período eleitoral. Ou seja, haverá
aperto fiscal e monetário.
- Se você somar o aumento do Bolsa Família com uma modesta extensão da ajuda de
emergência, vai dar menos do que gastou este ano. O efeito da política monetária (altas
taxas de juros) também será forte, e o mundo crescerá menos. Outro fator é que o setor de
serviços já terá se normalizado, e não acredito em demanda reprimida. Quem deixou de sair
para jantar na pandemia não vai começar a comer fora várias vezes por semana - disse ele,
explicando seu cenário, um dos mais pessimistas do mercado.
O Brasil caminha para um ano de estagnação diante da mudança para pior da conjuntura
internacional. O aumento da inflação no mundo é mais duradouro do que se imaginava e há
pressões sobre os preços da energia. O petróleo rompeu AB 80 e atingiu o preço mais alto
dos últimos três anos. O preço do gás natural está subindo. Por que tudo de uma vez?
- Existe o custo da transição energética. Na China, o governo quer reduzir a geração de
energia a partir do carvão, para combater a poluição por causa das Olimpíadas de Inverno.
171

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Portanto, há uma restrição de oferta na China e as indústrias estão tendo que se adequar às
metas. Evergrande será reestruturada, mas não se sabe se será organizada. O país vai
crescer entre 7% e 8%, e a carga estatística é de 6,5%. Isso nos causa um problema adicional.
O menor crescimento da China já provocou forte queda nos preços do minério de ferro, o
que afeta diretamente o Brasil.
Esses são os problemas da segunda maior economia do mundo, e na primeira, os EUA,
também existem riscos.
- Os EUA têm uma situação política muito polarizada e disfuncional. Novamente, há um
impasse envolvendo o teto de gastos que pode levar à paralisia orçamentária. E também há
incertezas em torno dos membros do Fed, com possíveis mudanças que podem chegar até a
presidência do banco. Jerome Powell e outros membros do comitê de política monetária
fizeram investimentos em títulos durante a pandemia e estão sendo duramente criticados -
disse ele.
Mesquita diz que a recuperação global foi impulsionada pela indústria. O consumo mudou
de serviços para bens industriais com uso intensivo de energia. Isso em um momento em
que o mundo está reduzindo as fontes fósseis.
Na Europa, há pressão dos preços da energia, escassez no Reino Unido e inflação, que está
aumentando. Mas em um nível muito diferente do que estamos enfrentando no Brasil:
—Eles têm trabalhado em geral abaixo de 2%, então uma inflação de 3% a 4% já seria algo
incômodo para os alemães, por exemplo. Portanto, você tem preocupação com a inflação e
retirada de estímulos monetários ao mesmo tempo.
Essa combinação de incertezas em várias partes do mundo surge em um momento em que
o Brasil enfrenta suas próprias crises. Para Mesquita, o grande problema brasileiro é que o
país cresce pouco há 40 anos, a menos que haja consenso sobre as políticas necessárias
para voltar a um ciclo de declínio.

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
SEGUNDO CADERNO 6 voltar ao topo
COLUNAS
CORA RÓNAI
NINGUÉM SONHA COM O EXÍLIO

Não gosto do termo história em quadrinhos. Ele define, em tese, quadrinhos com
pretensões literárias, mas essa definição não funciona, a partir da expressão "pretensões
literárias". As histórias em quadrinhos não têm "pretensões literárias", são outra forma de
arte, em que o desenho tem tanto ou mais peso que as palavras, não têm que ser o que não
são para brilhar no mundo.
Infelizmente, não posso descartar o termo porque ainda não há outro para definir as
histórias em quadrinhos, que são histórias em quadrinhos que vão além dos HQs clássicos
como os conhecemos nas bancas de jornal e nos jornais - seja em tamanho, seja em
profundidade filosófica; quadrinhos com um ou dois pés no romance, história, ficção
científica ou autobiografia; quadrinhos, então, com ... pretensões literárias?
172

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


(Digite aqui aquele emoji de olhinhos voltados para cima, que desistiu de buscar a lógica do
mundo. Você está vendo a importância das artes visuais para a comunicação?)
As histórias em quadrinhos vivem em seu canto privado no fundo das livrarias, onde
convergem crianças e aficionados. O resto dos leitores dizem: "Oh, são apenas quadrinhos".
Eles ainda não foram fisgados.
É compreensível. Enquanto outras formas de contar histórias existem há séculos, as
histórias em quadrinhos são relativamente recentes e ainda precisam de apresentação. Eles
não parecem uma coisa adulta.
(Cada vez que indico um, aliás, acabo escrevendo um texto assim, para desarmar o espírito
dos leitores que se decepcionam com a recomendação. Não fique: dê uma chance ao gênero.)
O Oriente Médio e seus personagens são quase um subgênero no mundo das histórias em
quadrinhos: "Persépolis" de Marjane Satrapi, "o árabe do futuro" de Riad Sattouf, "Crônicas de
Jerusalém" de Guy Delisle, "Habibi" de Craig Thompson ... A lista é enorme.
Recentemente descobri "a odisséia de Hakim", de Fabien Toulmé, cujo terceiro (e último)
volume chegou às livrarias brasileiras em março deste ano, com tradução de Fernando
Scheibe para a editora Nemo. Fiquei feliz por ter feito essa descoberta quando os três
volumes já foram publicados; teria sido muito doloroso esperar que a história se
desenrolasse.
No início do primeiro volume, Hakim trabalha com o pai na empresa da família, um viveiro
de plantas em Damasco. Aos 25 anos, ele já conseguiu comprar um carro e entrar em um
lindo apartamento. Apesar dos inúmeros problemas que enfrenta no cotidiano de um
regime repressivo e corrupto, ele ama sua terra e não imagina outra vida - até ser
engolfado pela violência e pela guerra.
Da noite para o dia, tudo desmorona ao seu redor e ele se vê forçado a fugir. Ele pula de
cidade em cidade e de país em país, mas ninguém se preocupa com os imigrantes sírios.
Não há trabalho em lugar nenhum.
Anos se passam até que ele consegue chegar à França, onde Fabien Toulmé o encontra. Os
três livros da Odisséia são o resultado de um conjunto de longas entrevistas.
Hakim não é apenas Hakim; Hakim é o homem comum vítima do caos, o jardineiro que
perde as raízes. Hakim é sírio, mas pode ser haitiano, rohingya, líbio, etíope, afegão,
venezuelano.
Hakim é qualquer um de nós.
EU DESCOBREI HAKIM RECENTEMENTE. E EU FICOU FELIZ QUE OS TRÊS VOLUMES JÁ
FORAM PUBLICADOS; Seria angustiante esperar que a história se desenrolasse

(...)
 
Leia mais: https://infoglobo.pressreader.com/o-globo

O GLOBO
30/09/2021
26 voltar ao topo
COLUNAS
GUGA CHACRA
O RISCO DO DECLÍNIO AMERICANO COM A VOLTA DE TRUMP
Se você me perguntar hoje o que pode acontecer nos próximos três anos, eu diria que
existe uma grande possibilidade de Donald Trump ser presidente dos Estados Unidos
novamente e de os republicanos dominarem a Câmara e o Senado. Também acho que a
173

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


democracia americana não só estará em declínio, mas na prática pode deixar de existir. O
país não se tornará uma ditadura, mas corre o sério risco de se tornar algo próximo a uma
autocracia como a Hungria de Orbán e a Turquia de Erdogan. Algumas instituições, como a
imprensa e a Justiça, ainda funcionarão, mas não conseguirão conter o regime trumpista.
Esse cenário pode parecer absurdo em um momento em que Trump desapareceu das redes
sociais e só ficamos sabendo de sua existência por meio de comentários em lutas de boxe e
livros sobre seu governo. Mas essa sensação de que ele vai voltar cresceu entre os
analistas. Em artigo na prestigiosa revista The Atlantic, David Frum, que trabalhou na
administração de George W. Bush, afirma que talvez Trump precise até roubar em 2024
para vencer, como tentou e falhou no ano passado. No Financial Times, o colunista-chefe
do jornal, Martin Wolf, fala sobre a estranha morte da democracia americana, também
vendo os riscos de um retorno ainda mais forte do ex-presidente.
Robert Kagan no Washington Post é ainda mais enfático ao afirmar que "os EUA estão
caminhando para sua crise constitucional mais séria desde a Guerra Civil, com uma chance
razoável de incidentes de violência em massa, quebra da autoridade federal e divisão do
país entre enclaves vermelho (republicano) e azul (democrata). ” É certo, em sua opinião,
que Trump será o candidato republicano em 2024. Além disso, o ex-presidente, juntamente
com o partido, usará todos os “meios necessários” para garantir a vitória. Isso inclui, é claro,
tentativas de golpe Sabemos, portanto, que será quase inevitável que Trump tente retornar
à Casa Branca. Como Wolf escreveu: Hoje o Partido Republicano não é mais definido pela
ideologia, mas pela lealdade a Trump. Seus principais políticos são covardes, como os
senadores Marco Rubio e Ted Cruz. Eles não enfrentarão o ex-presidente nas primárias. O
único nome mais conhecido com valores democráticos é Mitt Romney. Sua chance de
derrotar o Trumpismo nas prévias deve ser próxima de zero - e ele até contempla essa
possibilidade.
Também sabemos que o partido Repubblica Noja começou a se organizar para reverter o
resultado das pesquisas se Trump for derrotado novamente. Desta vez, como os autores
escreveram acima, não será de forma amadora. Eles estarão preparados, mesmo que não
seja respeitando a democracia. Não devemos esquecer que o ex-presidente fez o que pôde
para impedir a apóstolo deJoeBiden.F ai de uma figura antidemocrática, que sonha em ser
autocrata, além de ser tratada como uma espécie de “Messias” por seus seguidores.
Se não bastasse que o Partido Republicano se transformasse em um movimento extremista
messiânico, os democratas estão enfraquecidos. Biden vê sua popularidade despencar. Ele
pode se tornar um candidato inapto em 2024, aos 82 anos. E a deputada Kamala
Harris? Desaparecer. Ela ainda não se tornou a líder que muitos esperavam. Talvez cresça
em três anos e seja a salvação dos democratas. Mas seria bom ter uma
alternativa. Prefeito Pete? Você pode er. Mas minha aposta hoje é que Biden corre sério
risco de ser apenas um hiato entre dois governos Trump. Isso apenas interrompeu o
declínio inevitável da democracia americana.
Biden corre o sério risco de ter sido apenas um hiato entre dois governos republicanos, um
freio ao declínio inevitável dos EUA

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

174

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
34 voltar ao topo
DOS LEITORES
Mensagens cartas@oglobo.com.br
 
Autonomia médica
O médico que preza, respeita a profissão e se dá respeito, aquele que não se esqueceu do
seu juramento hipocrático e da regra básica do desempenho profissional - primun non
nocere (antes de tudo, não causar dano) - sabe que nunca houve ou será essa “autonomia
médica”! A princípio, o médico só pode ser autuado judicialmente por improbidade,
imprudência ou negligência. Portanto, qualquer pessoa observa que não há como ser
autônomo dentro dessas regras fundamentais. Como somos os únicos responsáveis por
suas próprias ações, os médicos não têm o direito de usar ou praticar medicamentos que
não dominem ou procedimentos para os quais não tenham sido treinados. Acima de tudo,
eles não têm e nunca terão autonomia para utilizar terapias não comprovadas em estudos
clínicos e reproduzidas em pesquisas secundárias. O médico que se respeita nunca
permitirá que um empregador, qualquer empregador, privado ou estatal, interfira com a
sua indicação clínica e prescrição. Seja de medicamentos ou procedimentos. Ele nunca
prescreverá remédios baseados em fatos políticos, de qualquer cor. Nunca! Infelizmente,
hoje no Brasil, temos grupos médicos financiados por laboratórios e empresários
inescrupulosos, à vista - talvez com o apoio - complacentes, para dizer o mínimo, do
Conselho Federal de Medicina, que defendem o uso de medicamentos absolutamente
nocivos aos pacientes com Covid -19.
MARIO VICTOR DE FARIA NOGUEIRA
 
Rio
Muito bom o depoimento de Bruna Morato no ICC de Covid. A advogada fez um excelente
trabalho ao esclarecer com precisão como os médicos eram encaminhados para prescrever
medicamentos sem quem as comprovasse aos pacientes internados no hospital da
operadora de saúde Prevent Senior. Agora vamos esperar para que ela não repita o erro de
outros que aproveitaram a ata de exposição na mídia para se candidatar a cargos políticos.
MARCOS COUTINHO.
RIO
Absurdo, antiético e desumano o procedimento dos médicos da Preventiva que, por medo
de demissão, se dispuseram a cometer práticas criminosas no atendimento de pacientes
com Covid-19. Só agora, tendo contribuído para a morte de pessoas, parecem denunciar o
passado. Se eles tivessem a honra de se posicionar antes de tomar essas atitudes, várias
vidas poderiam ter sido salvas. Eles merecem a mesma condenação que seus chefes. Tudo
na mesma bagunça de assassinato.
JOTA TREFF
TERESÓPOLIS, RJ
 
A mídia detectou no governo Bolsonaro um gabinete de ódio, mas não é exatamente o que
ocorre e ocorre. Houve e há um governo de morte. O depoimento no ICC, da advogada dos
médicos do Plano Preventivo de Saúde do Idoso, da iniciativa privada, Bruna Morato,
desnudou a trama. O comportamento, a estratégia do Bolsonaro e de um grupo de
empresários e corporações da área da saúde e de outras áreas eram claros: ganância pelo
175

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


lucro, ganhos fáceis, regados de corrupção, atrapalhando a vida humana. Eles sabiam que
2% seriam afetados pela pandemia e 98% protegidos. Por oportunismo, investiram
nele. Vem de "fora" (Trump). Essa pandemia ainda trará muitas revelações e desculpas, do
Brasil e do exterior.
ANTONIO NEGRÃO DE SÁ
RIO
 
Roupa gaiola
Uma velha canção do cantor Miltinho com o título de “clowning” mostra muito bem o clima
em que se transformou esta convocação do empresário Luciano Hang, ao fornecer
esclarecimentos à CPI da COVID. O empresário, apelidado de "bobo da corte" do governo
Bolsonaro, compareceu a este TPI com roupas verdes e amarelas. A tática adotada por Hang
e toda sua trupe de senadores pró-governo foi revoltar a sessão do TPI, escapando assim às
perguntas diretas dirigidas a ele sobre seu envolvimento com toda essa mentira (discurso
de ódio, desinformação, etc.).) que transformou o governo Bolsonaro nesta pandemia. Com o
tempo, um pequeno trecho dessa bela canção: "cara de palhaço / pintura de palhaço / roupa
de palhaço / que foi meu amargo fim // Cage face / gaiola pintura / gaiola outfit / isso é o
que eu tenho para mim ”.
ARISTON CARVALHO OLIVEIRA
RIO
 
Assistindo ao depoimento do empresário Luciano Pendurado na CPI de notícias falsas do
canal GloboNews, pensei: você compraria um carro usado dele?
JORGE FRANCE
RIO
 
Vulgaridade incrível
É um prazer passar um dia inteiro se divertindo com esse verdadeiro espetáculo cênico e
histriônico que acontece sistematicamente com a participação dos senadores em papéis ora
de inquisidores, ora de respondentes. Com o tema escolhido, no qual apesar do verdadeiro
sentido político que se tem dado, vale destacar a incrível vulgaridade, a falta de preparo
intelectual e educacional dos ilustres senadores. É notável a baixíssima falta de educação,
o desrespeito, a alta frequência de palavrões e ofensas até mesmo às famílias dos senadores
envolvidos.
LICIA KAWASE
RIO
 
Edu 3ª via Leite
Desde que assisti às entrevistas do governador Eduardo Leite, há alguns meses, venho
acompanhando-o, e cada vez fica mais forte a certeza de que ele é o candidato mais
preparado e competente, qualidades já comprovadas, para disputar os anteriores nas
próximas eleições. Com o apoio do senador Tasso Jereissati, ele vai se aproximar do reduto
nordestino, também com o empresário Edu Lira na periferia, alguns jornalistas de peso e
toda a sociedade que anseia por um governo sério e capaz. Espero que, como candidato do
PSDB, ele concorra à presidência da República e, tendo sucesso, tenhamos um presidente
sério e capaz. O Brasil merece.
IZABEL DOIS REIS PELUDOS
RIO
 

176

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Maioria 'comunista'
Nos regimes democráticos, esquerda e direita coexistem em harmonia, ameaçadas quando
entram em cena extremistas de esquerda (comunistas) ou de direita (fascistas e nazistas),
partidários de um pensamento único. No Brasil, a extrema direita bolsonarista rotula de
esquerda, como se Sin fosse, intelectuais, cientistas e artistas - que, de fato e felizmente, em
sua quase unanimidade são críticos do presidente - e, desconsiderando a irrelevância
política e militar da extrema brasileira esquerda, sinaliza aos seguidores incautos e
fanáticos uma falsa ameaça ao Estado de direito por comunistas e esquerdistas (?) quando
se sabe que aqueles que diariamente intimidam nossa democracia são os nacional fascistas
liderados pelo presidente Jair Maduro Bolsonaro e generais subservientes que anseiam pelo
ditadura militar.
VLADIMIR MOREYRA DUARTE. MIGUEL PEREIRA,
RJ

O GLOBO
30/09/2021
20 voltar ao topo
ECONOMIA
Lira quer unificar ICMS sobre combustíveis
Os impostos, porém, são de responsabilidade dos estados. Em outra frente para
tentar segurar preços altos, prefeito pretende criar um fundo que serviria de
'colchão' para oscilações de valores

GERALDA DOCA, BRUNO GÓES, MANOEL VENTURA E GLAUCE CAVALCANTI


economia@oglobo.com.br BRASÍLIA E RIO
(Colaboraram Fernanda Trisotto e Dimitrius Dantas)

Plenário da Câmara. Arthur Lira quer discutir na Câmara a questão dos preços dos
combustíveis, cuja alta do Bolsonaro atribuiu aos impostos estaduais
Em meio à pressão  cada aumentando governo por conta dos preços dos combustíveis, o
presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), abriu duas frentes para tentar
evitar novas altas: unificar o ICMS e criar um fundo "para dar conforto aos as oscilações "das
citações. Essas soluções, no entanto, não são fáceis de implementar e envolvem as finanças
dos estados. A primeira reunião entre líderes da Câmara para tratar do assunto terminou
sem acordo.
- Claro que vamos ouvir os governadores, os secretários da Fazenda. Não há movimento
contra os governadores ou a favor da Petrobras. É um movimento para resolver um grave
problema do Brasil, para encontrar a melhor alternativa que atenda a todos - disse Lira ao
final do encontro.
AÇÃO DOS ESTADOS
Depois de endossar, nesta terça-feira, o argumento do presidente Jair Bolsonaro de que os
impostos estaduais são os culpados pela alta dos combustíveis, Lira tentou ontem adotar
um tom mais brando:
- Não podemos dizer que é o ICMS que puxa o aumento, mas contribui para alguns
excessos. Queremos discutir um fundo de estabilização, sem tocar no preço da Petrobras,
não para atacar com tributação ou definição de valores, mas para dar conforto a essas
oscilações.
A legislação do ICMS é de competência estadual, e qualquer mudança deve enfrentar
177

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


resistências dos governadores, que afirmam não ter mudado recentemente as regras do
imposto, e alguns até reduziram as alíquotas.
Segundo Paulo Miranda, à frente da Fecombustibles, o Rio Grande do Sul e o Distrito
Federal já reduziram a alíquota do ICMS que incide sobre os combustíveis. O Espírito Santo,
por sua vez, optou por congelar o chamado preço médio ponderado ao consumidor final
(PMPF), utilizado como base de cálculo.
- O ICMS é uma alíquota, e o que se tem visto ao longo do tempo é que essa alíquota é
permanente e não muda. O que aconteceu é que o preço do combustível vem subindo
devido à política de preços adotada pela Petrobras - afirmou o secretário da Fazenda do
estado do Rio, Nelson Rocha.
Para ele, a solução está sendo buscada no lugar errado:
- Há intenção de baixar o preço relativo do ICMS em relação ao preço total do combustível,
ao invés de olhar onde começa a causa, que é a política de preços da Petrobras, que leva em
conta o mercado externo e o preço do barril lá fora .
No Rio, a arrecadação total de ICMS cresceu 26% no acumulado do ano, até ontem sobre o
mesmo período de 2020, com aumento real (acima da inflação) de 17%. No semestre, 3,86%
do total arrecadado do ICMS foi proveniente de combustíveis.
Se for em frente, a alternativa terá impacto na arrecadação.
Uma solução seria criar uma fonte de compensação para os estados, afirmou uma fonte
envolvida nas discussões.
USO DE DIREITOS
A avaliação do Comsefaz - comissão que reúne secretários estaduais da Fazenda - é que o
ICMS deve ser discutido no marco de uma ampla reforma tributária dos tributos sobre
mercadorias e consumo, que tramita no Congresso.
- A eventual fixação de uma alíquota única para o ICMS não resolve de forma alguma o
problema dos aumentos freqüentes dos combustíveis, que se devem exclusivamente à
política de preços da Petrobras, que está alinhada ao mercado internacional de petróleo, e
do dólar, que é valorizado com a instabilidade do país - afirmou o presidente da Comsefaz,
Rafael Fonteles, que é secretário da Fazenda do Piauí.
A outra iniciativa do Lira prevê a criação de um colchão que permitiria à Petrobras
reajustar os preços em prazos mais longos, a cada três ou quatro meses, ao invés da
variação de curto prazo adotada hoje. A ideia já era defendida desde o início do ano passado
pelo Ministério de Minas e Energia (MME).
O fundo em discussão seria estocado com recursos captados pelo governo federal com a
exploração de petróleo, como royalties e participações especiais. A ideia é criar um "preço
limite", a partir do qual o fundo serviria para segurar o preço, criando uma espécie de
colchão para os valores Recursos da contribuição de intervenção no domínio económico
(Cide), destinados à infra-estrutura , também poderia entrar.

O GLOBO
30/09/2021
19 voltar ao topo
ECONOMIA
Câmara aprova vale-gás para ban­car 50% do pro­duto
aos mais pobres
BRUNO GÓES E MANOEL VENTURA
economia@oglobo.com.br
BRASÍLIA
178

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A Câmara dos Deputados aprovou ontem à noite um novo auxílio, denominado Gás Social,
voltado para famílias de baixa renda. Se o projeto também for aprovado pelo Senado, o
programa vai bancar pelo menos 50% do valor da caixinha de 13kg. O texto ainda teria que
ser sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro.
O texto afirma que o pagamento será feito no mínimo a cada dois meses para os mais
vulneráveis. Segundo fontes da equipe econômica ouvidas pelo globo, o impacto da
proposta será de R $ 6,6 bilhões por ano.
REGISTRO ÚNICO
O gás social será concedido às famílias de baixa renda cadastradas no cadastro único. Hoje,
famílias em situação de pobreza e extrema pobreza fazem parte do cadastro. Ou seja,
pessoas com renda mensal de até meio salário mínimo ou famílias com renda total mensal
de até três salários mínimos.
O projeto, de autoria de Carlos Zarattini (PT-SP), foi relatado por Christino Aureo (PP-RJ). Em
plenário, o parlamentar falou sobre as dificuldades dos mais pobres diante da crise.
- Como já se sabe por esta casa, em algumas praças o valor (do botijão) é de R $ 120, que é
um valor insuportável para as famílias em geral, mais especificamente para as famílias de
cadastro único e ainda mais para um corte de famílias em extrema pobreza. A notícia tem
trazido todas as semanas desastres que acontecem dentro das residências devido ao uso de
meios para cozinhar que não são adequados ou seguros, como álcool, carvão e lenha, na
maioria das comunidades rurais e nazona - falou o relator.
Já em plenário, o relator previu em seu texto a inclusão de famílias de baixa renda que
dependem do pagamento do benefício continuado (CPB), auxílio concedido a idosos pobres
ou deficientes.
Aureo também incluiu um trecho que prioriza o pagamento do benefício a mulheres de
baixa renda vítimas de violência doméstica.
O texto também determina que o Ministério da Cidadania regule, 60 dias após a sanção do
texto, os critérios para o atendimento às famílias, além da periodicidade dos pagamentos.
As regras não devem, no entanto, desconsiderar os limites delineados na proposta.
Os recursos poderiam vir da participação da União nos royalties, da receita da venda de
petróleo para a União e da arrecadação da Cide sobre o GLP (gás de cozinha).

O GLOBO
30/09/2021
21 voltar ao topo
ECONOMIA
Pacheco diz que busca alternativa de mudança no RI
para bancar auxílio.
Depois de ser acusado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, de orientar a reforma do
Imposto de Renda, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (Dem-MG), disse que a
Câmara busca outra alternativa para bancar o programa de ajuda ao Brasil, propôs pelo
governo para substituir o Bolsa Família:
- O espaço fiscal está na solução do problema da precariedade. E, como o Ministério da
Economia apontou que a origem dos recursos seria o projeto de RI, vamos identificar se
existe alternativa ou se é uma realidade que não podemos retirar. Teremos toda a
responsabilidade de definir essa equação.
Na terça-feira, ele havia afirmado que as propostas de natureza tributária deveriam ser
avaliadas "o quanto antes" na Câmara, mas ponderou que é preciso respeitar a realização de
179

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


audiências públicas.
Questionado se sente pressão do Ministério da Economia para mexer na agenda mais
rapidamente, Pacheco disse que a Câmara está "madura" para não se render a ela:
- Não considero que haja pressão, e se existisse também o Senado seria uma casa madura o
suficiente para não se render a qualquer pressão. Na verdade, temos senso de
responsabilidade com a reforma tributária, com esse projeto que saiu da Câmara.
Há dois dias, Guedes disse que o Senado vai demonstrar não se preocupar com o Bolsa
Família se deixar de orientar em plenário o projeto que muda as regras do Imposto de
Renda.
Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
19 voltar ao topo
ECONOMIA
SUBSÍDIO AO BOTIJÃO
Sob pressão de Bolsonaro e Lira, Petrobras vai destinar R $ 300 milhões à baixa renda

STEPHANIE TONDO, RENNAN SETTI E MANOEL VENTURA


economia@oglobo.com.br
RIO E BRASÍLIA

Após críticas ao governo por manter preços apolíticos que já levaram ao reajuste
acumulado de 51% no ano Oriente, a Petrobras vai destinar R $ 300 milhões para famílias de
baixa renda, até o final do ano eleitoral de 2022, para garantir o acesso à gás antes, o
presidente Bolsonaro havia afirmado que o preço do tanque cairia à meia. O prefeito, Arthur
Lira (P P-AL), propôs unificar a alíquota de ICMS entre os estados e criar um fundo contra
oscilações nos preços dos combustíveis. Bolsonaro culpou novamente os governadores pela
alta, que pressiona a inflação.
Após afirmar no início da semana que sua política de preços de combustíveis seria mantida
e que não participaria de iniciativas para baratear o preço do gás, a Petrobras anunciou na
noite passada a criação de um programa social de apoio a famílias de baixa renda, no valor
de R .300 milhões. O objetivo do programa, com duração de 15 meses, seria garantir que eles
tenham acesso a insumos essenciais, com foco no botijão de gás. O programa estará em
vigor durante toda a campanha eleitoral de 2022.
O anúncio foi feito no mesmo dia em que o presidente Jair Bolsonaro disse que o preço da
lata poderia cair pela metade:
- O preço do gás onde é envasado gira em torno de R 5 50. Não justifica no final da linha
estar custando R 1 130. Esse preço vai cair pela metade, se Deus quiser, pode ter certeza.
Ao longo da semana, a Petrobras esteve sob pressão. Comentando o aumento da inflação,
que já ultrapassou 10% na taxa acumulada em 12 meses do IPCA-15 de setembro, Bolsonaro
citou a política de preços da empresa como um entrave à redução do valor dos
combustíveis. No mesmo dia, o estado foi a público anunciar que os produtos sofrem o
impacto da variação do dólar e do petróleo e que é responsável por apenas uma fração do
preço cobrado nas bombas. Na terça-feira, ela reajustou novamente o diesel, que já acumula
alta de 51%.
Na mesma entrevista, o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna, que assumiu a
presidência por indicação de Bolsonaro, descartou a possibilidade de colaborar com alguma
180

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


redução no preço do gás. Segundo ele, a empresa já faz a sua parte arrecadando impostos e
dividendos de R $ 1 15 bilhões. Ele acrescentou que a aplicação dos recursos cabe ao
governo.
O prefeito Arthur Lira (PP-AL) fez críticas dizendo que o país não pode ter gasolina na R 7 7
e botijão na RR 120 e passou a articular no Congresso uma alternativa que possibilite a
redução do preço final do combustível por meio impostos.
Antes, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, já havia afirmado que o estado
reajusta seus preços mais periodicamente do que em outros países, afirmando que não
corrigiria seu plano de vôo para o controle da inflação por fatores pontuais.
Segundo a Petrobras, o programa aprovado pelo Conselho de Administração se assemelha a
ações sociais praticadas por outros atores do mercado e se justifica pelos efeitos da
pandemia. O modelo adotado será o vale-gás, para facilitar a aquisição do produto.
"Somos uma empresa socialmente responsável e comprometida com a melhoria das
condições de vida das famílias, principalmente das mais vulneráveis. A pandemia e todas as
suas consequências trouxeram mais dificuldades para as pessoas que vivem na pobreza.
Este fato alerta a Petrobras para fortalecer seu papel social, contribuindo ainda mais com a
sociedade ", afirmaram Silva e Luna, em nota.
Apesar do anúncio, o modelo do programa não está definido, quanto ao critério de escolha
das famílias e da procura de sócios, com possibilidade de criação de um fundo que permita
a adesão de outras empresas.
Para o economista Mauro Rochlin, da FGV, o subsídio ao gás de cozinha "não é tarefa de
uma estatal", mas do governo, que como principal acionista da empresa poderia usar o
valor que recebe com dividendos para repassar aos consumidores .
- É política de estado. Deve ser realizado de forma transparente pelo governo. A
interferência no preço dos combustíveis foi feita no passado e não deu certo. Qualquer
política que atenda de imediato às pessoas de menor renda acaba gerando opiniões
simpáticas ao governo - afirmou, sobre a proximidade das eleições.
Fábio Alperowitch, cofundador e atual diretor da Fama Investimentos, especializada em
fundos ESG, não vê a iniciativa como positiva. Para ele, o papel social das empresas deve ser
trabalhado por meio de políticas permanentes:
- O governo, como controlador da empresa, volta a rever os bons princípios da governança
corporativa para atingir seus próprios objetivos.
POUCO IMPACTO NO PREÇO
Para Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE), é preciso aguardar
detalhes:
- É compreensível que a Petrobras queira ajudar, mas R $ 300 milhões em 15 meses teriam
um efeito muito pequeno de redução de preço.
Considerando o preço médio de varejo apurado pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) em
agosto, de R 9 93,48, o programa compraria o equivalente a 3,2 milhões de garrafas. Mesmo
utilizando o preço de distribuição do produto, de R 7 71,05, o total de botijões seria de 4,2
milhões.
Como o programa terá duração de 15 meses, o volume deve ser dividido por cinco, levando
em consideração que cada garrafa dura três meses. Nesse cenário, o programa seria
suficiente para atender 845 mil famílias. Em 2018, em dados já desatualizados diante do
caos social da pandemia, 14 milhões de famílias utilizavam lenha ou carvão para cozinhar.

181

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
21 voltar ao topo
ECONOMIA
Líderes do governo admitem que reforma
administrativa não sai
Não há votos, dizem eles, para aprovar uma proposta impopular tão perto da eleição

Líderes de partidos do governo com base no Congresso já descartam a aprovação de


reforma administrativa pela Câmara dos Deputados. A expectativa era que o texto, já
votado na comissão especial da Câmara, fosse discutido nas bancadas nesta semana, mas os
planos foram adiados porque não há previsão de quando o assunto será encaminhado.
O consenso é que não há 308 votos necessários para aprovar a reforma no plenário, apesar
do empenho do prefeito Arthur Lira (PP-AL).
- A reforma administrativa não será votada neste ano e não no próximo - afirmou o líder
do MDB, deputado Isnaldo Bulhões Jr. (LA).
Segundo ele, o sentimento da bancada é que o governo, que elogia o texto apesar da
desidratação da proposta, perdeu a oportunidade de reformular o serviço público.
Dada a proximidade do calendário eleitoral, os parlamentares temem aprovar as mudanças
e perder a eleição em 2022, principalmente nos estados onde há um número representativo
de servidores.
- O assunto não está maduro para ir a votação e, quanto mais próximo o final do ano, mais
o calendário eleitoral atrapalha sua aprovação - afirmou o líder do DEM, Efraim Filho (PB).
'QUEM VOTO NÃO VOLTA'
Apesar das concessões feitas pelo relator, deputado Arthur Maia (Dem-BA) , como a
manutenção da estabilidade para todos os servidores, o líder da cidadania, Alex Manente
(SP), disse que o texto está longe de obter maioria qualifica danos ao plenário .
—Não vejo formação dessa maioria no curto prazo. Não será fácil aprovar este ano. O debate
está maculado pelas eleições - afirmou Manente, acrescentando que é partidário da
reforma.
A rejeição do texto é grande. Segundo um parlamentar que não quis se identificar, a
reforma não tem votos suficientes. Inclusão anã do judiciário e do Ministério Público e o
aprimoramento das regras da pensão por morte para policiais incomodaram os
parlamentares.
Com o slogan "Quem vota não volta", indicando que o primeiro é impopular e se tentar
aprová-lo pode ter dificuldade desde a reeleição, os partidos de oposição fecharam posição
contra a reforma.
Ao contrário do projeto de lei do Imposto de Renda, aprovado pela Câmara com apoio dos
partidos de esquerda, a reforma administrativa não contará com a década de 130 votos da
oposição. Na proposta do IR, foi a tributação de dividendos que atraiu o apoio da legenda.
- Somos a favor de uma reforma que melhore a eficiência do serviço público. Essa proposta
representa o desmantelamento do serviço público - afirmou o oposicionista Alessandro
Molon (PSB-RJ).

182

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
2 voltar ao topo
EDITORIAIS
ALTA DA GASOLINA NÃO É CULPA DOS GOVERNADORES
Há exatamente um ano, para encher o tanque de um carro popular, como o Onix, com
gasolina comum no Rio, o dono do veículo gastava R$ 211, de acordo com pesquisa da
Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis em postos da cidade. Hoje o
mesmo motorista precisa desembolsar R$ 288. Há um ano, o valor gasto atualmente para
encher três tanques era suficiente para pagar por quatro e ainda sobravam uns trocados. A
alta de 36% em tão curto espaço de tempo assusta os proprietários de automóveis, alimenta
a inflação e tira o sono do presidente Jair Bolsonaro, ciente de que essa é uma das
principais causas da queda em sua popularidade a cerca de um ano das eleições de 2022.
O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP), num discurso em Alagoas na
terça-feira, mostrou estar acompanhando o tema ao dizer que "ninguém aguenta mais o
combustível alto". Quando uma autoridade da República dá sinais de que também se
interessa pelo que acontece aos cidadãos nas ruas, merece aplausos. Lira parece, contudo,
mais preocupado com o custo político para o governo que com o bolso dos motoristas.
Em seu discurso, ele deu provas de que não sabe — ou não quer — mirar no alvo. De forma
retórica, perguntou: "Sabe o que faz o combustível ficar caro?". Em seguida, deu a resposta:
"São os impostos estaduais. Os governadores têm de se sensibilizar". Lira prometeu debater
um projeto sobre a incidência do ICMS, um tributo estadual. É o mesmo argumento
falacioso usado pelo governo Bolsonaro para transferir a responsabilidade para seus
adversários políticos.
Um ano atrás, quando a gasolina estava mais barata, as alíquotas de ICMS eram as mesmas
de hoje. Não foi o imposto que fez os preços subirem. A principal causa é a alta na cotação
do petróleo. O dólar subindo também dá sua contribuição. E o maior motivo para o real
continuar a desvalorizar, não é novidade, é o risco decorrente da política econômica
errática do governo e das sucessivas crises políticas protagonizadas por Bolsonaro.
Ao falar no assunto, Lira nem cogitou mudanças nos vários impostos federais que incidem
sobre a gasolina: a Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) , as
contribuições ao Programa de Integração Social (PIS) e ao Programa de Formação do
Patrimônio do Servidor Público (Pasep), além da Contribuição para o Financiamento da
Seguridade Social (Cofins), que juntas somam 11% do preço final. Em março, o governo
alterou PIS e Cofins para o diesel e o gás, mas não para a gasolina.
Num sinal de que não aprendeu nada com os desmandos na Petrobras e as tentativas de
manipulação dos preços nos tempos de Dilma Rousseff, o presidente da Câmara também
defendeu numa rede social que a petrolífera mudasse a política de repasses de aumentos.
Se Lira estivesse seriamente preocupado com a surreal estrutura de impostos do Brasil,
teria apoiado a proposta de reforma tributária que colocava fim à guerra fiscal. Não o fez e
agora ecoa o discurso bolsonarista que tem apenas duas finalidades: eximir o presidente de
qualquer responsabilidade pelo aumento dos combustíveis e jogar a culpa nos
governadores.

(...)
 
Leia mais: https://oglobo.globo.com

183

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
2 voltar ao topo
EDITORIAIS
Volta do público aos estádios exige responsabilidade e
fiscalização
Depois de um ano e meio de estádios fechados na pandemia, os times brasileiros poderão se
reconciliar com suas torcidas. Na terça-feira, o Conselho Técnico de Clubes da Série A
liberou a volta do público a partir da 23ª rodada do Brasileirão, no próximo fim de semana.
Dos 20 participantes, apenas Athletico Paranaense foi contra. Defendia que as regras atuais
se estendessem até o fim do torneio. O Flamengo, que chegou a recorrer ao Superior
Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para garantir a presença de torcida em seus jogos, não
foi à reunião.
Embora a aprovação se aplique a todos os clubes da elite do futebol brasileiro, as normas
não serão iguais, já que dependerão dos protocolos de estados e municípios. Melhor assim,
pois a epidemia tem características diferentes nos diversos locais. Em São Paulo, as regras
de flexibilização só permitirão a presença de torcedores a partir de 4 de outubro. Na Bahia,
onde os casos de Covid-19 voltaram a subir, o governo ainda não liberou a volta do público.
O percentual de ocupação das arenas ficará a critério das autoridades locais.
Com o avanço da vacinação — quase 70% dos brasileiros já receberam ao menos a primeira
dose, e cerca de 40% estão completamente imunizados — e a redução no número de
infectados e mortos por Covid-19, é razoável que as atividades sejam gradualmente
retomadas. No dia 10, a Prefeitura do Rio já flexibilizara normas para frequentadores de
academias, centros de treinamento e piscinas, além de permitir aumento de capacidade
para teatros, cinemas, museus e pontos turísticos.
Mas não se deve pensar num "liberou geral". Estádios de futebol são ambientes propícios à
superdifusão (situação em que um único infectado transmite a doença a dezenas de
pessoas) . A vacina, eficaz para reduzir hospitalizações e mortes, não impede toda
transmissão do vírus. Daí a necessidade de manter protocolos, como exigência de
certificado de vacinação, uso obrigatório de máscaras, distanciamento e redução da
capacidade dos estádios.
Antes mesmo de os clubes da Série A aprovarem a volta do público às arenas, algumas
experiências pontuais já estavam em andamento, especialmente nas partidas da Copa
Libertadores. Nem sempre com resultados satisfatórios. Na noite de terça-feira, em Belo
Horizonte, a disputa entre Atlético Mineiro e Palmeiras serviu de alerta às autoridades.
Houve aglomeração na entrada do Mineirão, os portões foram fechados além do horário
previsto, torcedores tiravam a máscara tão logo passavam pelas barreiras de fiscalização.
É desejável que os clubes possam retomar sua rotina. Está claro que teremos de conviver
com o vírus por um bom tempo, e o jeito é se adaptar. A volta do público exigirá
responsabilidade e fiscalização. Embora a Justiça tenha suspendido em caráter liminar a
exigência da carteira de vacinação no Rio, o passaporte sanitário deveria ser obrigatório
para entrar nos estádios. Espera-se que instâncias superiores derrubem a decisão. E é
importante que as autoridades monitorem os efeitos da liberação, para que ela não se
transforme numa derrota para todos.

(...)
 
184

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
37 voltar ao topo
ESPORTES
Assem­bleia con­firma afas­ta­mento de Cabo­clo
Decisão foi tomada pelos presidentes das 27 federações estaduais de forma unânime

ATHOS MOURA
athos.moura@oglobo.com.br

 Assembleia Geral da CBF, formada pelos 27 presidentes das federações estaduais, aprovou
ontem, por unanimidade, a destituição de Rogério Caboclo da presidência da entidade por 21
meses. Ele responde a uma acusação de assédio sexual contra um funcionário do Conselho
de Ética. Para que a sanção fosse confirmada, era necessária a anuência da
assembléia. Caboclo ainda pode recorrer ao Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem
(CBMA).
Após a Assembleia, o presidente em exercício da CBF, Ednaldo Rodrigues, disse que os
presidentes das 27 federações tiveram acesso ao processo e tiveram a convicção de que
caboclo cometeu crime:
- Aqueles que ainda tinham dúvidas se votariam a favor do arguido tinham plena convicção
de que existia o crime de assédio. Foi uma decisão sensata, por tudo o que aconteceu no
processo. E ele recebeu todo o direito de defesa.
A CBF permanece sob o comando provisório de Ednaldo. Como a destituição de Caboclo
não contempla todo o mandato - volta um mês antes do término -, não há necessidade de
provisório para convocar novas eleições, conforme determina o estatuto da CBF.
No entanto, dentro da CBF, a expectativa é que o Caboclo seja retirado definitivamente em
breve. Ele também responde a outras duas denúncias ao Comitê de Ética da CBF, também
por assédio sexual e moral às funcionárias. Ele nega as acusações.
Rogério Caboclo foi afastado da presidência da CBF em 6 de junho, após ser acusado de ter
praticado assédio moral e sexual contra funcionário.
Em julho, uma segunda mulher, ex-funcionária da CBF, disse em depoimento ao Ministério
Público do Rio que também foi vítima de assédio moral e sexual praticado por Caboclo,
enquanto ele era presidente da entidade. Uma terceira denúncia, feita em agosto, também
por um ex-funcionário, relata casos, além de assédio, agressão.

O GLOBO
30/09/2021
28 voltar ao topo
MUNDO
No Reino Unido, sol­da­dos farão trans­porte de com­
bus­tí­ve
lApós dias de crise por falta de produtos, governo mobiliza 150 motoristas do Exército
para compensar a falta de caminhoneiros
185

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O governo britânico aprovou formalmente a alocação de 150 motoristas do Exército, que já
estão em treinamento, para ajudar a conter a escassez de caminhoneiros no Reino Unido,
depois que atrasos na distribuição de combustível e uma maratona de compras secaram as
bombas em postos nas grandes cidades. Outros 150 soldados estão esperando caso precisem
ser mobilizados, algo que o ministro de negócios e Energia, Kwasi Kwarteng, indicou que
poderia acontecer esta semana.
- Decidimos fazer isso e acredito que nos próximos dias as pessoas verão os soldados
dirigindo a frota de caminhões-tanque - confirmou o ministro ontem.
A decisão lança dúvidas sobre a afirmação do governo de que a situação está melhorando,
como o primeiro-ministro Boris Johnson e seus ministros têm repetido nas últimas 24
horas. Ontem, os motoristas ainda estavam lutando para encontrar combustível e havia
longas filas. Os taxistas de Londres disseram que há poucos sinais de melhora.
—A situação não é diferente hoje do que era no início da semana — disse Steve McNamara,
secretário geral da Associação de Motoristas de Táxis Licenciados, que representa metade
dos 22 mil motoristas dos icônicos táxis negros de Londres. - A maioria dos postos de
gasolina está fechada. Os abertos são poucos e distantes, com filas enormes.
ESCASSEZ DE PRODUTOS
Embora as medidas anunciadas porkwart eng possam aliviar a escassez, o anúncio de ações
de emergência traz o risco de desencadear uma nova corrida às compras. Desde o final de
semana, a abusca de gasolina vem causando enormes congestionamentos nos postos,
depois que as Distribuidoras anunciaram o fechamento das bombas por falta de
caminhoneiros para transportar o combustível dos terminais de armazenamento.
Diante das imagens chocantes de postos de gasolina lotados, o governo continua repetindo
que o país não está ficando sem combustível, mas que a escassez se deve a uma demanda
excepcional causada pelo pânico. Mas a falta de combustível é apenas o exemplo mais
recente. Recentemente, as gôndolas dos supermercados ficaram vazias por conta do déficit
de 100 mil caminhoneiros, em parte causado pela saída do país de trabalhadores de outros
países europeus após o Brexit.
O efeito da retirada britânica do mercado comum da União Européia em janeiro tornou-se
mais sentido com a normalização das atividades comerciais e industriais após as últimas
restrições de movimento relacionadas à pandemia de Covid-19 terem sido suspensas em
julho. Além da falta de trabalhadores europeus que retornaram aos seus países, uma nova
burocracia foi criada para a importação de produtos dos países da UE, que são os principais
fornecedores de alimentos para o Reino Unido.
O problema fez com que Boris aprovasse a concessão temporária de 5 mil vistos de
caminhoneiros da UE para trabalhar no Reino Unido, além de outros 5 mil para que a
indústria britânica de carnes recontratasse trabalhadores do bloco - principalmente do
Leste Europeu - para que seu processamento as plantas podem voltar a funcionar em plena
capacidade.
RECURSO DO GOVERNO
O governo espera que a escassez diminua assim que o pânico passar e ontem novamente
pediu aos britânicos que voltem aos hábitos normais.
—Estamos trabalhando em estreita colaboração com a indústria e há sinais de estabilização
no armazenamento— disse um porta-voz.
Na terça-feira, a Associação de postos de gasolina do Reino Unido, que responde por cerca
de dois terços de todos os 8.380 postos de gasolina do país, disse que 37% dos locais
estavam sem combustível. O impasse gerou apelos para que médicos, enfermeiras e outros
trabalhadores essenciais recebessem prioridade no fornecimento de seus carros para

186

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


manter os hospitais e serviços de assistência social funcionando, uma medida que Boris
tem resistido a implementar por enquanto. Se o problema persistir, algumas escolas
consideram a retomada do ensino a distância, abandonado desde o fim das restrições
contra a Covid-19.
A situação lembra os anos 70, quando a crise energética provocou racionamento de
combustível e ar e redução da jornada de trabalho para três dias. Há quase 10 anos,
manifestações contra o preço da gasolina também causaram bloqueio de refinarias e
paralisaram atividades no país.
Mike Grannat, ex-secretário de Contingências Civis, lembrou ao CBBC para responder ao
então governo trabalhista de Tony Blair e criticou como Boris administrou acrise:
- [Blair] v ei oàpúbl explic explicou aos cidadãos que eles deveriam se conter ou o sistema
não se reequilibraria. Isso é chamado de liderança, afirmou ele.

O GLOBO
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
VERSÕES EM CONFLITANTES
Sessão tumultuada. Luciano Hang na chegada a seu depoimento à CPI da Covid,
marcado por contradições, ironias e bate-bocas

A contradição de Hang no atestado de óbito da mãe reforça o suposto pacto entre o


governo e a Prevenção

ANDRÉ DE SOUZA
politica@oglobo.com.br
BRASÍLIA

O depoimento do empresário Luciano Hang ao TPI de Covid reforça as suspeitas de que


personagens ligados ao presidente Jair Bolsonaro participaram de um pacto supostamente
assinado entre o governo e a operadora Prevent Senior para validar drogas ineficazes e,
com isso, desestimular o bloqueio. Em audiência marcada por bate-bocas, a testemunha foi
surpreendida em contradição quanto à omissão do diagnóstico de Covid-19 na certidão de
óbito de sua mãe.
Hang confirmou que ela morreu - em um hospital administrado pela Prevent Senior - de
complicações causadas pelo coronavírus, informação que não constava no atestado. Aos
senadores, afirmou ter sabido da omissão da própria CPI.
- Achei estranho não constar no atestado de óbito, mas sou leigo. Segundo eles, quem
preencheu a certidão de óbito foi o oficial de plantão. No dia seguinte, há uma Comissão de
Controle de Infecção Hospitalar, essa comissão viu erro do oficial de plantão - justificou o
empresário.
"Achei estranho não estar no (atestado de óbito) , mas sou leigo. Segundo eles, quem
preenchia o atestado era o oficial de plantão. No dia seguinte, a Comissão de Controle de
Infecção Hospitalar viu o erro de o fabricante de planetas "
"Não ... Eu sabia (que a informação não estava no atestado) quando perguntei ao Pedro
(Benedito Batista Júnior, diretor da Prevenção Sênior):" o atestado não está marcado (a causa
da morte) ... "Ele disse ," é normal"
187

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


CONTRA A PAREDE
Relatório publicado pelo G 1 revela, porém, que ele já havia recebido essa informação em
abril. Naquele mês, um repórter do portal perguntou a ele sobre o fato de que a verdadeira
causa da morte foi ignorada no documento. O advogado de Hang responde ao relatório
afirmando que sua mãe teria morrido das doenças decorrentes do coronavírus, sem citar
Covid. O presidente da Comissão, OmarAziz (PSD-AM), leutrechos da reportagem na frente
de Hang. Em seguida, deu outra versão, sem explicar porque disse ter tomado
conhecimento da ausência do diagnóstico por meio do colegiado:
- Não ... Saiba. Quando perguntei ao Pedro (Benedito Batista Júnior, diretor da Prevent
Senior): "o certificado não está marcado ..." Ele disse, "é normal".
A advogada Bruna Morato, representante de um grupo de médicos que preparou um dossiê
com denúncias contra a Prevenção Sênior, disse à comissão que o governo Bolsonaro tinha
um acordo com uma operadora de saúde. Ouvida pelo colegiado nesta terça-feira, ela
sustentou que seus clientes relataram que o "alinhamento ideológico" da empresa com o
Palácio do Planalto buscou esvaziar medidas restritivas à circulação.
No início da sessão, o advogado do empresário lembrou que, apesar de ter sido citado como
testemunha, Hang foi incluído na lista de investigados e, portanto, se recusaria a assinar o
termo em que se comprometeria a apenas dizer a verdade.
O relator Renan Calheiros (MDB-AL) confrontou o depositante com um vídeo em que
lamenta o fato de sua mãe, supostamente, não ter recebido tratamento precoce, termo
utilizado para especificar remédios comprovadamente ineficazes no combate ao
coronavírus, como a hidroxicloroquina. . Para a senadora, Hang construiu a narrativa de
que não recebeu o chamado "kit Covid" para afastar a desconfiança em torno da eficácia
desses remédios. O empresário disse que na ficha lamenta a falta do que classificou como
tratamento preventivo (antes de contrair a doença), e não precoce (nos primeiros dias após
o diagnóstico).
- Minha mãe não fazia tratamento preventivo. Fez tratamento inicial (precoce). São coisas
diferentes - disse o empresário, que também frisou ter contraído a doença e sido atendido
no mesmo hospital e estar curado.
Em outro momento, embora inicialmente tenha resistido, Hang admitiu manter três contas
no exterior, mas afirmou que todas foram declaradas à Receita Federal. Omar Aziz
justificou o questionamento: o TPI tem indícios de que possui recursos mantidos em outros
países para financiar a divulgação de notícias falsas. Renan questionou se as empresas da
Depositante, dona das lojas Havan, já receberam benefícios fiscais dos governos federal,
estadual e municipal. Hang disse que sim.
CAPÍTULO NO RELATÓRIO
Os depoimentos de Hang e também do empresário Otávio Fakoury, previstos para hoje, já
têm lugar definido no relatório final que o TPI está preparando. Segundo a relatada
colunista Bela Megale, eles servirão para fazer uma conexão direta entre os dois
bolsonaristas e a divulgação de notícias falsas, especialmente ligadas à pandemia.
Na avaliação de Renan e Omar Aziz, embora o depoimento de Hang tenha sido marcado pela
confusão, ele confessou que propagou o uso de drogas ineficazes no combate à Covid.
Conforme publicado pelo colunista, o objetivo do parlamentar e ver que, a partir da citação
direta a Hang e Fakhoury no relatório, o Ministério Público é pressionado a investigar e
pedir medidas contra a dupla.
Quando iniciou seus trabalhos, no final de abril, a CPI pretendia avançar no núcleo que
divulga notícias falsas vinculadas ao presidente pocket naro, m como a iniciativa não
prosperou. Para não deixar essa frente descoberta, Renan passou a agir para que
empresários acusados de divulgar notícias falsas sentassem na bancada da comissão.

188

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
8 voltar ao topo
POLÍTICA
OS RECUOS DE ARAS NAS INVESTIGAÇÕES
Arthur Lira (PP-AL)
A PGR apresentou, em junho do ano passado, denúncia contra o deputado Arthur Lira,
aliado do Planalto, pela acusação de recebimento de propina da Petrobras. Três meses
depois, a equipe de Augusto Aras mudou de ideia e pediu ao STF que desconsiderasse a
reclamação apresentada. O ministro Edson Fachin, por sua vez, decidiu que não é possível
voltar e vai levar o caso a julgamento.
Atos não democráticos
Depois que a PF apresentou um relatório pedindo uma investigação mais aprofundada
contra os bolsonaristas sobre Organização de atos contra as instituições democráticas, a
PGR decidiu pedir, em junho deste ano, o ajuizamento do inquérito.
Renan Calheiros (MDB-AL)
A PF indiciou o senador por corrupção e lavagem, mas a PGR pediu ao Supremo Tribunal
que anulasse a acusação.

O GLOBO
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
O juiz ordena que a Prevent pague RR 1,9 milhões ao
paciente pelo 'kit Covid'
A  Justiça de São Paulo determinou nesta segunda-feira que a Prevent Senior pagasse R.1,9
milhões pelo tratamento de um paciente que mudou de hospital em março após ser tratado
com medicamentos do "Covid Kit".
O plano de saúde é alvo da CPI da COVID no Senado para, entre outras denúncias, ocultar
mortes de pacientes que participaram de um estudo realizado para testar a eficácia da
hidroxicloroquina, um remédio ineficaz contra a infecção pelo coronavírus.
O paciente, aposentado de 61 anos, segundo o portal G1, apresentou ao tribunal prova de
que tomava "medicamentos comprovadamente ineficazes, como ivermectina e
hidroxicloroquina", para o tratamento do coronavírus, conforme liminar do juiz Guilherme
Santini Teodoro, da 30ª Vara Cível de São Paulo.
Depois de perceber piora do quadro clínico e orientada por médico particular, a família
decidiu transferir o aposentado para o hospital israelense Albert Einstein, o único que
estava com leitos desocupados naquele mês, que registrou alta dos casos. Com insuficiência
respiratória, o idoso ainda passou 60 dias internado antes da alta. A família afirma que
recorreu a empréstimos para pagar a conta. O relatório dos médicos do Einstein aponta que
a alta foi atrasada "devido a complicações e atrasos não homologação adequada" na
Prevenir.
O magistrado determinou então que o plano de saúde depositasse um valor que cubra as
despesas de internação no Einstein até meados da próxima semana.
"Foi aplicado 'Kit Covid' e não houve internação na UTI, indicada pela gravidade do paciente,
atendido inicialmente na enfermaria", relatou a juíza.
189

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Procurado, Prevent Senior não se manifestou.

O GLOBO
30/09/2021
10 voltar ao topo
POLÍTICA
SENADO APROVA PROJETO DE LEI QUE ATENUA LEI DE
IMPROBABILIDADE
O texto retorna à câmara; matéria estabelece punição apenas para atos maliciosos, ou
seja, com intenção

JULIA LINDNER
julia.lindner@bsb.oglobo.com.br
BRASÍLIA

Por 47vo tosa 24, o Senado aprovou ontem o projeto de lei que altera a lei de
improbabilidade administrativa para que a responsabilização só ocorra e haja prova da
intenção, ou seja, intenção do agente de prejuízo à administração pública. A legislação atual
também prevê punições amplas para ato culposo, que seriam totalmente modificadas com
as novas regras. O texto terá que voltar para a Câmara dos Deputados.
Se aprovada, a matéria, entre outras alterações, evita que as punições doges torque deixem
de cumprir a exigência de requisitos de acessibilidade previstos na legislação e de quem
transfere recurso a entidade privada, em razão da prestação de serviços na área da saúde ,
sem prévia celebração de contrato.
Outro ponto polêmico diz que a pena de perda do mandato passa a valer apenas para cargos
da mesma natureza à época da infração cometida. Ou seja, no caso de prefeito condenado
por improbabilidade com pena de Multa que atualmente for governador, por exemplo, não
haverá perda do mandato. O mesmo vale para o senador que foi alvo de ação durante a
gestão do deputado.
Também fica estabelecido que o prazo de prescrição para os crimes de improbidade
começará a contar a partir do ato e não do final do mandato, como ocorre atualmente. O
texto prevê o prazo de prescrição em oito anos "a partir da ocorrência do fato ou, no caso
de infrações permanentes, a partir do dia em que cessou a suspensão". A lei atual
estabelece que as ações podem ser propostas até cinco anos após o término do mandato;
dentro do prazo previsto em lei específica; ou até cinco anos após a apresentação à
administração pública da prestação de contas final.
No caso de partidos e suas fundações, as penas serão definidas apenas pela lei dos partidos
políticos, e não mais pela lei da improbabilidade.
Os senadores mantiveram um trecho que exige a necessidade de dolo específico de atos de
improbabilidade decorrentes do descumprimento da legislação de acesso à Informação.
Nesses casos, será necessário comprovar a intenção do agente com a atitude de obter lucro
ou benefício indevido para si ou para outra pessoa ou entidade.
Durante as discussões na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), pela manhã, o relator da
matéria, Weverton Rocha (PDT-MA) , acatou emendas sugeridas por senadores e
representantes da sociedade civil para garantir a aprovação do texto. Mas admitiu que a
solução ainda não é o "ideal", pois permanecem os pontos principais, como a configuração
do ato apenas com intuito específico, a prescrição intercorrente e a exclusão da hipótese de
190

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


culpa grosseira.
- Não estamos pensando na solução ideal, mas na real. Não é 100%, mas é o que deu origem
à evolução, e creio que temos conseguido avançar bastante ", disse o senador pela manhã
na CCJ. - Temos que entender que a Câmara tem limitações, estamos no papel de revisores.
Você não pode fazer isso de qualquer maneira, volte para a câmara e perca todo o trabalho
feito aqui. Você precisa se ajustar para fazer a maior contenção de danos possível.
COMPROVADA FÉ RUIM
Weverton incluiu a ressalva de que o trecho que prevê o pagamento de honorários
sucumbentes no caso de improbidade da ação de improbabilidade só ocorrerá se for
comprovada a má-fé dos investigadores.
Além disso, aumentou o limite da pesquisa de 180 dias para um ano, prorrogável por mais
um. Hoje, não há prazo para o encerramento dos processos. Weverton também estendeu o
prazo para que o promotor público se manifestasse sobre a intenção de continuar o
processo após a sanção da lei. Inicialmente, pelo relatório original, o MP teria até 120 dias
para agir, caso contrário a ação seria extinta. Agora a instituição terá um ano para fazer
isso.
O senador incluiu a possibilidade de nepotismo na hipótese de indicação política como ato
de improbabilidade. Retirou a emenda que permitia a aplicabilidade retroativa da lei e
destacou a garantia da inviabilidade de indenização ao Tesouro em caso de condenação.
- Tenho dificuldade em encontrar outra expressão que não seja vergonha. É vergonhoso ver
que um projeto de lei está sendo votado em flagrante benefício de quem cometeu erros -
afirmou, em plenário, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) , ao ressaltar que
eventuais excessos por parte do Ministério Público têm adequação o tratamento e os
abusos devem ser coibidos pela legislação competente.

O GLOBO
30/09/2021
10 voltar ao topo
POLÍTICA
Carlos mantém assessores investigados por
'rachadinha'
Apontados como 'fantasmas' pelo Ministério Público têm salários acima de R mil 10
mil e tiveram segredos bancários e fiscais quebrados

O vereador carioca e filho do presidente Jair Bolsonaro, Carlos Bolsonaro (republicanos),


mantém em seu gabinete três assessores investigados pelo Ministério Público (MP-RJ) sob
suspeita de atuarem como empregados fantasmas e devolver parte de seus salários, prática
conhecida como "crack". Segundo informações do "O Estado de S. Paulo", todos os
funcionários suspeitos recebem salários acima de R mil 10 mil e tiveram segredos bancários
e fiscais quebrados pela Justiça em maio deste ano.
O MP-RJ verifica se houve uma rotina de transferências ou retiradas da renda dos
envolvidos para devolução ao vereador. Entre os funcionários investigados estão o casal
Jorge Luiz Fernandes, chefe do gabinete do parlamentar, e Regina Célia Sobral. Segundo o
Estadão, a suspeita é que Regina nunca trabalhou para Carlos e foi nomeada apenas para
integrar o esquema.
Outro investigador que ainda é nomeado para o Gabinete é Edir Barbosa Góes, assessor
desde 2008. Na investigação do MP são citados relatórios que mostram como é difícil
encontrar o funcionário no desempenho de alguma função do Gabinete.
191

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Segundo o "Estadão", o investigado alegou ao Ministério Público que ele coordenava um
núcleo composto por sua própria família responsável desde 2001 pelas demandas dos
moradores de Santa Cruz, na Zona Oeste. Apesar de ter sido nomeado apenas em 2008, Goés
disse ao MP que teria administrado informalmente esta política.
O governante nomeou a esposa, Neula Barbosa Góes, e os filhos Rodrigo De Carvalho Góes e
Rafael De Carvalho Góes para cargos no cargo de mandato antes mesmo de entrarem no
gabiente. As duas famílias fazem parte da suposta estrutura que o Ministério Público
acredita ter identificado no gabinete do vereador.
Carlos Bolsonaro e os demais citados na reportagem não falaram sobre as denúncias do
MP-RJ.

O GLOBO
30/09/2021
12 voltar ao topo
POLÍTICA
PINO­CHET, FAKE NEWS E PIA­DAS HOMO­FÓ­BI­CAS
O globo teve acesso às mensagens enviadas nos últimos dias por Jair Bolsonaro aos
seus contatos do WhatsApp, que incluem notícias falsas sobre vacinação de jovens,
vídeo elogiando o ditador chileno, piadas preconceituosas e ataques a oponentes

PAULO CAPPELLI
cappelli@oglobo.com.br
BRASÍLIA

Vídeos com elogios ao ditador chileno Augusto Pinochet, divulgação de notícias falsas sobre
a vacinação de jovens, além de piadas homofóbicas e um infindável arsenal de seu já
conhecido sanha anticomunista. O globo teve acesso às mensagens do WhatsApp enviadas
pelo número pessoal de Jair Bolsonaro para fechar pessoas que expõem como o presidente
da República tem utilizado o aplicativo de mensagens nos últimos dias.
O material foi enviado pelo Bolsonaro entre quinta-feira da semana passada e ontem por
meio de um número adquirido recentemente. Receberam o mesmo conteúdo diferentes
pessoas do Círculo da presidência, inclusive outras importantes autoridades da República, o
que indica o uso de lista de transmissão.
Em mensagem anteontem, às 20h50, o Bolsonaro utilizou o app para divulgar notícias
falsas e desestimular a vacinação, escrevendo: "jovens morrendo com Pfizer". No mesmo
momento, ele compartilhou um vídeo com as palavras: "riscos - precisa investigar! Jovem
morr3ndo de parada card1aca (sic) ". No vídeo também consta a inscrição "Bolsonaro tem
razão" ". O material reproduz uma fala da comentarista Cristina Graeml, do programa" OS
Pingos nos Is ", da rádio" Jovem Pan ", no qual ela cita cinco casos de adolescentes que
faleceram recentemente, lançando dúvidas sobre a aplicação das doses da Pfizer. Duas das
mortes citadas, no entanto, foram de adolescentes que nem mesmo haviam sido vacinados.
O texto foi disparado por Bolsonaro justamente no dia em que o governo voltou atrás e
decidiu liberar a imunização dos adolescentes,
Uma das principais linhas de investigação da CPI da COVID é o atraso na compra do governo
federal da vacina da Pfizer. No total, 86 e-mails enviados pela farmacêutica ficaram sem
resposta do Ministério da Saúde.
Em outra mensagem, disparada na última quinta-feira, Bolsonaro postou vídeo elogiando o
ditador chileno Augusto Pinochet e deu a entender que, se a esquerda voltar ao poder, o
192

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Brasil terá um destino preocupante.
"Quando os chilenos virem o que é o comunismo, quando entenderem as trapaças, as
falácias, como estão enganando, vão perceber que este governo está certo", diz Pinochet no
vídeo compartilhado por Bolsonaro. Depois, há imagens de protestos recentes no Chile ,
antes de retornar a Pinochet, que conclui: "isso nunca foi uma ditadura, senhores. Esta é
uma dictabranda (ditadura branda). Mas se necessário, teremos que apertar as mãos, porque
primeiro temos que salvar o país, e depois olharemos para trás. "
O vídeo de Pinochet compartilhado por Bolsonaro vem acompanhado da seguinte
mensagem, que leva o selo de "encaminhado": "Pinochet / Chile / 1982. Cuba, Venezuela,
Argenina, B ... (?)".
O presidente da República também espalhou a homofobia. Na segunda-feira, ele
compartilhou um conteúdo que mostra pessoas aparentemente em um protesto pelos
direitos da comunidade LGBT queimando uma bandeira do Brasil, acompanhado da legenda:
"Essa classe toda quer 'o cara' de volta ao poder."
Não foi a única mensagem preconceituosa. Na madrugada do último domingo, Bolsonaro
enviou um vídeo em que o músico Rogério Skylab afirma ter tido relações homossexuais
sem, no entanto, se considerar gay: "Já dei três vezes, mas sou hetero". Em seguida,
Bolsonaro completa: "até três vezes pode. "
Bolsonaro também fez, na mesma postagem, críticas a Lula e à China. O presidente mandou
ontem para seus contatos um vídeo com a inscrição: "Lula, (sic) se corrompeu para mentir
ao mundo que a China é um 'exemplo'". Neste vídeo, ao mesmo tempo que Lula diz no topo
do na tela que a China é "um exemplo de desenvolvimento para o mundo", a metade inferior
mostra cachorros mortos sendo comercializados como comida, assim como uma criança
levando surra de um suposto professor dentro da sala de aula.

O GLOBO
30/09/2021
6 voltar ao topo
POLÍTICA
Provocação e bate-bocas marcam a sessão
> O antes, durante e depois de Luciano Hang na CPI da COVID deixaram claro que este é um
personagem caro ao Palácio do Planalto. Chegou ao Congresso rodeado de senadores do
governo, como Marcos Rogério (DEMRO) e Jorginho Mello (PL-SC), recepção raramente dada
aos convocados para a comissão.
> O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) participou da sessão, em uma demonstração da
importância dada ao depoimento. Normalmente, ele só participa de sessões consideradas
estratégicas pelo governo.
> Ao pedir a palavra, o relator Renan Calheiros (MDB-AL) criticou a figura do "bobo da corte",
que foi interpretada como uma ofensa a Hang, embora não tenha sido citado.
> - Em todas as épocas do nosso país existiu a figura do bobo da corte, independente dos
trajes usados ao longo do tempo, servem para bajular o rei e criar cortinas de fumaça para
desviar a atenção dos problemas dramáticos e reais - disse Renan, gerando um conversar
com o Flavio.
> - Que cinismo. Respeitaram o filho do presidente.
Mais tarde, foi a vez de Hang provocar o senador Humberto Costa (PT-PE), que não lhe fez
perguntas.
> - Estou muito triste por não me fazer perguntas e ficar com dez minutos de narrativas, de
mentiras - disse o empresário, que, após ser repreendido pelo vice-presidente da CPI,
193

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Randolfe Rodrigues (Rede-AP), retirou a palavra "mentiras".
> No final das contas, a estratégia de Luciano Hang foi usar os holofotes do TPI para
contrariar Renan Calheiros, um dos principais inimigos de Jair Bolsonaro, e isso era tudo
que o presidente queria.

O GLOBO
30/09/2021
12 voltar ao topo
POLÍTICA
Apoiador de Doria nas prévias, FH se reúne com
Eduardo Leite
Ex-presidente recomenda ao tucano gaúcho adicionar 'partidos e gente'

GUSTAVO SCHMITT
gustavos@sp.oglobo.com.br
SÃO PAULO

Um dia depois de obter o apoio do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), o governador do Rio
Grande do Sul, Eduardo Leite, se reuniu com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso
em São Paulo. FH, que já havia declarado apoio ao governador de São Paulo João Doria nas
prévias do PSDB, recomendou que Leite trabalhasse para agregar "partidos e povo" na
tentativa de unir a terceira via.
- O importante nessa eleição é a capacidade de agregar partidos e pessoas e dar um
direcionamento ao Brasil. Se você fizer isso, você ganha a eleição - disse Fernando
Henrique, em vídeo ao lado de Tasso e Leite.
Nos bastidores, o depoimento do ex-presidente foi lido como um recado para Doria, que é
vista no partido como alguém com mais dificuldade em compor com outras legendas e
acaba desistindo da cabeça de prato, se for decisão do partido. O governador de São Paulo
buscou minimizar a aproximação do leite, Tasso e do ex-presidente.
- É normal. O presidente Fernando Henrique não só falou, mas disse duas vezes, gravou
dois vídeos, nos quais mencionou apoio ao nosso nome (...) E vale a palavra de um
presidente da República - disse Doria, em entrevista coletiva antes do encontro .
MUDANDO OS LADOS
Alguns tucanos acreditam que o FH ainda pode mudar de posição caso a aplicação do leite
ganhe massa muscular nos próximos meses.
- Não existe "ele declarou apoio para mim". Se houver alguma liderança capaz de acabar
com esse extremismo, com essas alternativas pobres que existem e fazer essa união com as
forças do centro, as coisas mudam - disse Tasso, após se reunir com Leite e o ex-presidente.
- Estou com Fernando Henrique há 40 anos. Tenho certeza de que não votaremos de
maneira diferente um do outro.
Em entrevista ao jornal "Folha de S. Paulo" ontem, Tasso disse que vê Leite mais disposto a
negociar para abrir mão da cabeça se for preciso, e que avalia o estilo de Doria de
confrontação mais do que de diálogo.
O discurso ecoou na sigla, uma vez que algumas alas ligadas ao deputado mineiro Aécio
Neves já defenderam que o partido desista de uma candidatura em uma composição que
permite focar na ampliação da bancada no Congresso.
Questionado sobre o assunto, Leite descartou a possibilidade de ser vice.
—Não faz sentido deixar meu governo no Rio Grande do Sul em abril do ano que vem
194

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


(quando teria que renunciar para ser candidato) para ser vice - disse Leite, em São Paulo.
Leite também respondeu à especulação de que a abordagem de Tasso poderia facilitar uma
composição com Ciro Gomes (PDT), que também é cearense:
- Parece que (as especulações) são (feitas por) aqueles que procuram travar o crescimento
da nossa candidatura, que mostra uma capacidade agregadora e que não é um projecto
pessoal, mas sim uma proposta de equilíbrio e bom senso.

O GLOBO
30/09/2021
8 voltar ao topo
POLÍTICA
PGR diverge de PF e pede para abrir inquérito contra
líder governamental
Cobrar. Senador Fernando Bezerra Coelho ( MDB-PE): PF apontou pagamento de
propina feita ao parlamentar

O senador Fernando Bezerra foi indiciado por corrupção e lavagem de dinheiro, mas
equipe de Aras não viu provas contra parlamentar

AGUIRRE TALENTO E MARIANA MUNIZ


politica@oglobo.com.br
BRASÍLIA

A Procuradoria-Geral da República (PGR) contradisse relatório da Polícia Federal e pediu o


ajuizamento de inquérito contra o líder do governo Bolsonaro no Senado, Fernando Bezerra
Coelho (MDB-PE).
Em junho, a PF indiciou Bezerra sob a acusação de corrupção passiva e lavagem de
dinheiro. Ontem, a PGR encaminhou manifestação ao Supremo Tribunal Federal (STF)
pedindo o ajuizamento da ação, apontando que não há provas contra o parlamentar.
"Não há elementos para apresentar queixa, com instauração de ação penal, em prejuízo de
Fernando Bezerra Coelho", escreveu a Procuradora-Geral Adjunta da República Lindôra
Araújo, responsável na equipe do Procurador-Geral Augusto Aras pelos processos de
Operação Lava-jet.
Em seu relatório, a Polícia Federal havia apontado pagamentos feitos por operadores
financeiros a empresas ligadas ao senador. Informantes afirmaram em depoimento que as
transferências eram subornos destinados a Fernando Bezerra.
"Ficou demonstrado que Fernando Bezerra de Souza Coelho e Fernando Bezerra de Souza
Coelho Filho receberam direta e indiretamente R.10.443.900,00 pagos pelas empreiteiras
OAS, Barbosa Mello e Constremac / Mendes Junior entre os anos de 2012 a 2014. Isso
acontece que tais vantagens são indevidas e realizadas em contravenção à execução de
obras vinculadas ao Ministério da Integração Nacional, na época em que este estava à
frente do órgão ", escreveu a delegada Andréa Pinho Albuquerque da Cunha no relatório de
junho.
A opinião da PGR, porém, foi totalmente contrária ao relatório do delegado da PF. Na
manifestação, a PGR diz que foram "recolhidas provas e realizadas audiências de quase uma
centena de pessoas" para confirmar o relato do denunciante João Carlos Lyra, operador
financeiro que diz ter feito transferências de empreiteiras destinadas a Fernando Bezerra.
195

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


"Os episódios aconteceram há quase uma década e o amplo relatório da Delegacia de Polícia
mostra que nenhum esforço foi feito para a produção de provas, chegando a este Ministério
Público Federal, associado aos trechos denunciados pelo órgão policial, a uma conclusão:
em relação ao já o senador Fernando Bezerra Coelho, embora citado várias vezes, nada de
concreto foi encontrado ", escreveu Lindôra.
Embora tenha solicitado o ajuizamento em relação ao senador, a PGR pediu que a parte que
diz respeito a seu filho, Fernando Bezerra Coelho Filho, seja encaminhada à Justiça
Eleitoral.
A descrição já feita mostrou que de fato houve doação de grandes valores ao partido
político em benefício da campanha eleitoral de Fernando Bezerra Coelho Filho à prefeitura
do município de Petrolina / PE em 2012, o que evidencia a possível prática de crime, desde
que para no crime previsto no art.350 Código Eleitoral ", disse Lindôra.
BRAGA NETTO
Noutra medida, a PGR determinou a abertura de uma avaliação preliminar para avaliar a
alegada ameaça do Ministro da Defesa, Braga Netto, às eleições de 2022. A informação
consta de ação apresentada ao STF por parlamentares para o caso a ser apurado. Em
manifestação ao Supremo, Aras informou que já existe uma investigação preliminar aberta
para apurar os fatos envolvendo o Ministro da Defesa e assuntos relacionados:
"O surgimento de indícios razoáveis de eventual infração político-administrativa cometida
pelo noticiário levará, portanto, à adoção das medidas necessárias à sua determinação".
As supostas ameaças feitas por Braga Netto foram reveladas em julho pelo jornal "O Estado
de S. Paulo" ". Segundo a publicação, o ministro enviou a mensagem ao prefeito, Arthur Lira
(PP-AL), por meio de um interlocutor que o fez não tendo o nome revelado, que se a câmara
não aprovasse o voto impresso, as eleições não poderiam ocorrer. O projeto foi barrado no
plenário da Câmara.

196

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
10 voltar ao topo
POLÍTICA
Relator recua para aprovação do texto
> Limite. O período de investigação foi estendido de 180 dias para um ano, podendo ser
estendido por mais um ano.
> Prazo. Aumentou o prazo para o MP se manifestar sobre a intenção de continuidade do
processo após a sanção da lei. Pelo relatório original, seriam 120 dias. Agora, um ano.
> Nepotismo. A possibilidade de nepotismo foi incluída na hipótese de indicação política
como ato de improbabilidade.
> Prescrição. A emenda que permitia a aplicabilidade retroativa da lei foi retirada, mas foi
garantida a impossibilidade de ressarcimento ao Tesouro em caso de condenação.

O GLOBO
30/09/2021
12 voltar ao topo
POLÍTICA
O NOME ESCOLHIDO
Os possíveis logotipos e o nome da futura partido.

197

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
10 voltar ao topo
POLÍTICA
TCU: motociatas do presidente custam mais de R$ 1
milhão
As despesas tornaram-se alvo de investigação judicial; relator opta por arquivamento

MALU GASPAR E MARIANA CARNEIRO


política@oglobo.com.br
BRASÍLIA

O estado brasileiro gastou R $ 1,062 milhão com apenas três motociatas feitas pelo
presidente Jair Bolsonaro: Ado Rio, em maio, e as de São Paulo e Chapecó (Sc), em junho. O
valor, informado pela Presidência da República e pela Secretaria de Segurança Institucional
ao Tribunal de Contas da União (TCU), é um processo sigiloso em julgamento pelo tribunal.
Ministros do TCU avaliam se o presidente cometeu irregularidade ao promover esses três
eventos com dinheiro público para segurança bancária e transporte para ele e seus
convidados.
Também foi avaliado um quarta motociata, ade Brasília, no dia 9 de maio, o ma Sessa custou
apenas R $ 249,64, segundo informou o TCU.
O processo é tratado como sigiloso na Justiça por envolver despesas como segurança do
presidente, mas também por tratar de assunto politicamente delicado para o Bolsonaro. A
libertinagem foi requisitada por membros da CPI da COVID, incomodados pelo fato de o
Bolsonaro reunir multidões sem máscara durante a pandemia e para fins de autopromoção.
Ao avaliar os gastos com as motociatas, a equipe técnica do TCU considerou apenas os
gastos com a segurança do presidente e a estrutura utilizada nos deslocamentos, como
veículos, combustíveis.
As moticiatas de Bolsonaro em Brasília, Uberlândia (MG), Santa Cruz do Sul (RS) e Santa Cruz
do Capibaribe (PE) não foram incluídas no relatório, pois ocorreram após a pesquisa.
A análise inclui apenas despesas do governo federal. Não leva em consideração gastos de
estados e municípios com a organização da estrutura local. No relatório enviado aos
ministros, a área técnica do tribunal disse não ter sido possível apontar irregularidades nas
despesas do presidente. Segundo os auditores, não existe nenhum alei que diga o que é e o
que não é uma viagem de interesse público.
Nesse caso, os técnicos do TCU recomendam o ajuizamento da investigação e o envio dos
documentos não só à CPI da COVID, mas também às Comissões de Fiscalização e Controle
da Câmara e do Senado. A investigação, porém, pode ser utilizada em outro órgão: o TSE,
que analisa se as motociatas foram atos de antecipação de campanha política. O próprio
procurador do tribunal, Paulo go net, já pediu o compartilhamento de informações.
O relator do caso, Raimundo Carreiro, que já está com a mudança para Lisboa acertou com
Bolsonaro como embaixador do Brasil em Portugal, optou por abrir a investigação. Na
votação já distribuída seguiu-se a recomendação da área técnica. Mas o ministro descartou
a indicação de que o material seja encaminhado à CPI da COVID e às Comissões de
Fiscalização e Controle da Câmara e do Senado.

198

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
12 voltar ao topo
POLÍTICA
União Brasil será o nome de DEM e PSL após a fusão.
Os líderes das duas siglas também decidiram qual novo partido vai às urnas com o
número 44. A convenção conjunta será no dia 6

As cúpulas DEM e PSL decidiram ontem em reunião em Brasília que o nome da parte que
surgirá da fusão das duas legendas será União Brasil e terá o número 44, informou o
colunista Lauro Jardim. Os marqueteiros ligados às duas siglas passaram os últimos dias
pesquisando para chegar à nova identidade. A convenção conjunta para sacramentar a
fusão está programada para ocorrer em 6 de outubro, quando o estatuto e o programa do
novo partido deverão ser definidos.
Como o globo mostrou na edição de ontem, os dirigentes queriam que a marca
representasse o que consideram a "essência" dos dois partidos, que hoje se chamam Partido
Democrata e Social Liberal. Seus respectivos números, 17 e 25, serão deixados para trás. A
lenda em formação será presidida pelo atual presidente do PSL, Luciano Bivar, e terá ACM
Neto, presidente do DEM, na função de Secretário-Geral e a fusão dará origem ao maior
partido do país - 81 deputados na bancada da Câmara, sete senadores e cinco governadores.
Terá também a maior parcela dos recursos eleitorais, somando cerca de R.330 milhões em
2022, valor que pode ser ainda maior caso o Congresso opte por aumentar os percentuais
destinados a todas as legendas.
A ideia do novo partido é lançar uma candidatura própria à presidência da República. Hoje,
estão na partida os pré-candidatos Luiz Henrique Mandetta (DEMMS), ex-ministro da Saúde;
Rodrigo Pacheco (Dem-MG), presidente do Senado, e o apresentador José Luiz Datena (PSL).

Leia mais: https://oglobo.globo.com

O GLOBO
30/09/2021
31 voltar ao topo
RIO
PERIGO NA PISTA
Linha Vermelha e Avenida Brasil têm iluminação e conservação precárias

FELIPE GRINBERG E DIEGO AMORIM


granderio@oglobo.com.br

A Linha Vermelha e a Avenida Brasil têm muito em comum, além de funcionarem como os
dois principais acessos terrestres ao rio: ambas enfrentam problemas de manutenção e
ordem urbana que vão desde a má conservação da via e paradas de ônibus degradadas até a
iluminação precária, um perigo para tráfego e segurança pública. Desde a semana passada,
equipes do mundo todo percorreram toda a extensão das duas pistas, em momentos
diferentes, e detectaram problemas diversos que colocam em risco motoristas e pedestres.
Só na Avenida Brasil, que tem 58 quilômetros de extensão, quase 300 postes estão
199

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


totalmente apagados. Na Linha Vermelha, com 20 quilômetros de extensão, foram
encontrados pelo menos 150 postes de luz não funcionando. Nas duas vias expressas
umfato serepete: quanto mais longe do Centro, mais o motorista precisa se dar bem com a
penumbra à noite.
A situação é particularmente grave na Avenida Brasil, entre Santa Cruz e Bangu, onde na
noite da última quinta-feira havia 158 postes sem funcionamento. Em dois trechos, de 1,5
km cada, o percurso é feito totalmente no escuro. Muitos dos spots com luzes apagadas
são instalações novas, equipadas com luzes LED. Nesses locais, as lojas da orla da avenida
garantem alguma iluminação.
Já na rota do Brasil entre Bangu e Irajá, de cerca de 15 quilômetros, mais de cem postes
foram manchados e apagados, embora em trechos contínuos menores. A escuridão
aumenta o risco de acidentes, já que os motoristas contam apenas com o auxílio dos faróis
para ver buracos e até mesmo a passagem de pedestres em locais não permitidos.
Na Linha Vermelha, nas proximidades do Galeão, durante as rodadas de repórteres desta
semana, a má iluminação da pista destacou as luzes dos aviões. Na direção do centro,
próximo ao hospital do Fundão, foram 25 estacas apagadas em sequência.
BETÃO E CHUMBO
O presidente da Rioluz, Ricardo Mendanha Piquet, culpa a ação dos vândalos, que roubam a
fiação, pela escuridão nas duas pistas. Segundo ele, o custo para substituir cabos roubados
em toda a cidade gira em torno de R $ 100 mil mensais. Para tentar desestimular a ação dos
bandidos, até o final de novembro a prefeitura promete implantar em toda a Avenida Brasil
e na Linha Vermelha o programa Luz Maravilha, parceria público-privada que visa
substituir, até o final do ano que vem, todos 450 mil pontos de luz no Rio por LED. O
programa, uma doação de 20 anos com investimento previsto de R $ 1,4 bilhão, já
movimentou mais de 130 mil pontos em toda a cidade.
- Na Linha Vermelha, trocamos 40% dos pontos. Na Avenida Brasil, iniciamos a
operação. Mesmo nas novas luminárias, o problema dos apagões é o roubo. Por causa da
ação dos bandidos estamos concretando e fracassando as caixas de passagem, bem como
trocando os cabos de cobre por alumínio, menos direcionado - diz Piquet.
Pela Avenida Brasil, dependendo do trecho, podem passar até 140 mil veículos por dia. Na
Linha Vermelha, o fluxo do The Daily varia de 104 milhas a 113 mil carros.
Além da falta de iluminação, essa grande frota enfrenta diversos problemas de
conservação. A Avenida Brasil não tem grandes crateras, mas é visível a deterioração do
asfalto. São desde manchas grosseiras na pista até ondulações causadas por percursos sem
veículos entre o Padre Miguel e Vila-Kennedy, por exemplo, onde a velocidade máxima é de
80 quilômetros por hora, a sensação é de que trafega sobre paralelepípedo. Na Linha
Vermelha, entre os quilômetros 8 e 11, nas duas direções, o asfalto apresenta muitas
ondulações.
Taxista há 35 anos, Vagner Duarte reclama principalmente das condições da Avenida Brasil,
que aumentaram seus gastos com manutenção:
- O carro pula no freio e estoura. No ano passado, gastei RR 200 depois de estourar o pneu
perto da parada de Lucas.
O mecânico Felipe de Assis, que trabalhava em uma oficina na época da Vila Kennedy, tem
muito serviço prestado, apesar da concorrência de outras três seringueiras próximas:
- Às vezes você nem precisa ter um buraco muito grande para dar problema. Falta
conservação, mas ainda há trabalho para nós.
Além de redobrar a atenção para falhas no asfalto, os motoristas em muitos trechos
precisam dividir os trechos de forma intuitiva, pois os trilhos foram apagando com o
tempo. Na Linha Vermelha, entre Caxias e São João de Meriti, as defensas metálicas estão

200

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


enferrujadas e sem conservação.
PONTOS SEM COBERTURA
Quem espera o ônibus no Brasil, entre Irajá e Campo Grande, enfrenta pontos sem
cobertura. No auge do Guadalupe Mall, um comerciante colocou uma lona no lugar do
telhado inexistente.
- Todos os dias você tem alguém me agradecendo. Como se a demora não bastasse para o
ônibus passar, a espera é sob o sol forte - afirma o ambulante José Luiz da Silva.
Também é comum que os vendedores corram riscos entre os carros. Alguns até usam
estações de BRT inacabadas como depósito. A prefeitura diz que fará uma fiscalização nas
Estações da Transbrasil para verificar o uso por ambulâncias. Afirma também que este ano
aplicou 416 multas de trânsito em ambas as vias expressas.
No asfalto, o Departamento de Conservação garante que realiza os serviços de manutenção,
mas fará vistorias e incluirá no cronograma os reparos necessários. No que diz respeito às
defesas metálicas da Linha Vermelha, será licitada a sua recuperação. No trecho entre
Deodoro e Santa Cruz da Avenida Brasil, a Secretaria de Infraestrutura informa que lançará
licitação para as obras até o final do ano.

O GLOBO
30/09/2021
3 voltar ao topo
SEGUNDO CADERNO
OS BASTIDORES DA AQUISIÇÃO DE IMUNIZANTES
'AO MENOS 95 MIL VIDAS TERIAM SIDO POUPADAS SE NÃO HOUVESSE TANTO
ATRASO NA COMPRA DE VACINAS', DIZ ÁLVARO PEREIRA JR., QUE DIRIGE SÉRIE
SOBRE O TEMA

MARIANA TEIXEIRA
mariana.neves@infoglobo.com.br

Após as denúncias de omissões e atrasos do governo federal no combate à pandemia que


subiu ao palco na Comissão Parlamentar de Inquérito, o jornalismo Globo produziu uma
série documental dividida em dois episódios que investiga os bastidores das negociações de
vacinas. Dirigido pelo jornalista Álvaro Pereira Jr., “A corrida das vacinas - mercado
paralelo” está disponível a partir de hoje na Globoplay.
- Em entrevista, o epidemiologista Pedro Hallal relata que fez uma conta: pelo menos 95 mil
vidas teriam sido salvas se não houvesse tanto atraso na compra das vacinas. Como
mostrou a própria CPI da COVID, comprar vacina era a última das prioridades do governo,
que se interessava por uma suposta imunidade coletiva para acabar com a pandemia -
afirma o jornalista.
As gravações aconteceram nos Estados Unidos e no Brasil. Lá, a equipe entrevistou
personagens da negociação de 400 milhões de doses da vacina AstraZeneca que nunca se
concretizaram. Aqui, ele mergulha nos bastidores do ICC. Álvaro Pereira Júnior conversou
com o deputado federal Luís Miranda e seu irmão, Luís Ricardo, funcionário do Ministério
da Saúde, responsáveis por denúncias sobre pressões para a liberação de um contrato de
compra da vacina indiana Covaxin, que previa o pagamento de adiantamento de us.45
milhões.
- Não há prêmio maior para um jornalista do que estar no centro dos acontecimentos
históricos, relatando o que acontece da maneira mais precisa e objetiva possível. Não vejo o
201

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


jornalismo como um instrumento romantizado de justiça social. Eu vejo isso como uma
atividade técnica que, se bem realizada, pode ter consequências sociais positivas - opina
Álvaro.
Em abril, a Globoplay lançou uma série de documentários sobre a produção do imunizante
contra a Covid-19, “a corrida das vacinas”, também assinada por Álvaro Pereira Jr. Para ele,
as duas séries são faces da mesma moeda que, de certa forma , se completam.
- Uma face está "para cima", da luta científica, da corrida para desenvolver o mais rápido
possível uma vacina eficaz. E também dos meandros políticos, dos segredos e segredos
envolvidos nesta corrida da ciência. O rosto “para baixo” é o da nova série: as negociações,
a escuridão dos bastidores, os critérios do governo. Personagens exóticos, espertinhos,
oportunistas comerciantes de vacinas, empresas com histórias problemáticas foram
recebidos com honra e pompa no Ministério da Saúde. Fabricantes já consolidados e que
ofereciam preços mais baixos foram praticamente ignorados.

O GLOBO
30/09/2021
6 voltar ao topo
SEGUNDO CADERNO
PORTARIA QUER RESTRINGIR 'PASSAPORTE DA VACINA'
JUSSARA SOARES
jussara.soares@bsb.oglobo.com.br
BRASÍLIA

Veto. Secretário de incentivo e promoção da Cultura anunciou ação nas redes

A Secretaria Especial de Cultura, liderada pelo ator Mário Frias, elabora portaria para evitar
que atrações financiadas com recursos da Lei Rouanet exijam a apresentação do
comprovante de vacina contra Covid-19. A medida vai ao encontro de um desejo do
presidente Jair Bolsonaro, que não se vacinou e é contra o chamado “passaporte da
imunidade”.
A informação de que o texto está a ser elaborado foi divulgada ontem à tarde pelo
secretário Nacional de Incentivo e Promoção da Cultura, André Porciuncula, numa rede
social. O braço direito de Frias e ex-policial militar Porciúncula, que defende
veementemente as políticas do presidente, classificou a exigência da prova de imunização
como “abominável”.
“Já estou finalizando uma portaria para proibir o uso do passaporte de vacinação em
projetos financiados pela Lei Rouanet. Não aceitaremos, na Century, essa medida ilegal e
abominável ”, escreveu Porciúncula.
A publicação foi compartilhada pelo secretário Mario Frias em suas redes, confirmando a
portaria: “o acesso à cultura deve ser amplo e irrestrito. Não aceitaremos medidas
discriminatórias”.
PORCIUNCULA DIZ MEDIDA PARA EVITAR A EXIGÊNCIA DE ATRAÇÕES FINANCIADAS POR
ROUANET ESTÁ SENDO FINALIZADA

202

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
30 voltar ao topo
SAÚDE
Astra­Ze­neca tem efi­cá­cia de 74%, mos­tra estudo dos
EUA
Quando incluídos casos assintomáticos, índice vai a 64,3%. Trabalho analisa dados de
voluntários americanos, peruanos e chilenos

RAFAEL GARCIA
rafael.garcia@sp.oglobo.com.br
SÃO PAULO

Um grupo de cientistas publicou ontem novos resultados do teste clínico da vacina Covid-19
da AstraZeneca / Oxford e, em um recorte diferente dos resultados divulgados no ano
passado, a eficácia geral da vacina contra infecções foi de 74%, quando considerada
condições de severidade média e alta.
O novo trabalho, redesenhado por cientistas da própria farmacêutica e do NIH (Instituto
Nacional de Saúde dos Estados Unidos), incluiu apenas dados de voluntários dos Estados
Unidos, Peru e Chile.
No mesmo estudo, os cientistas afirmam que a eficácia da vacina foi menor, em 70%,
quando também incluídos os casos com sintomas leves. Se forem incluídos casos
assintomáticos, a eficácia da vacina cai para 64,3%.
Publicado na revista acadêmica New England Journal of Medicine, o estudo não inclui dados
do Reino Unido, África do Sul e Brasil, países que participaram dos primeiros braços do
ensaio clínico. A vacina AZD1222 da AstraZeneca, desenvolvida em parceria com a
Universidade de Oxford, é a que vem sendo produzida pela Fiocruz no Brasil.
O estudo atual se refere a um ramo separado do ensaio clínico da vacina que foi agrupado
após o final do ano passado, após erros ocorridos na aplicação do imunizador em alguns dos
voluntários britânicos do estudo. Alguns dos primeiros recipientes de vacina no Reino
Unido receberam injeções com apenas metade da dosagem planejada, o que comprometeu a
análise de parte dos dados, principalmente do recorte de eficácia por faixa etária.
MAIS SUCESSO EM IDOSOS
No atual estudo, foram incluídos mais de 32 mil pacientes, entre recipientes de vacina e
placebo, e os cientistas buscaram fazer um recorte dos resultados para voluntários com
mais de 65 anos.
"Este estudo do AZD1222 foi projetado para incluir vários grupos com alto risco de
exposição ao vírus SarsCoV-2 e populações com risco aumentado de complicações da
Covid-19", afirmam os autores, liderados pelas cientistas Ann Falsey e Magdalena
Sobieszczyk, da Universidade de Rochester nos EUA.
Curiosamente, a vacina pareceu ter mais sucesso em idosos do que em adultos jovens,
tendo apresentado no estudo uma marca de 83,5% de eficácia. O estudo não detalha as
razões pelas quais isso pode ter ocorrido, embora os idosos em geral tenham uma resposta
imunológica mais fraca.
Todos os valores do estudo são inferiores aos 90% de eficácia relatados pela AstraZeneca,
em novembro de 2020, quando o resultado preliminar do ensaio clínico abriu os dados para
análise pela primeira vez. Esse percentual se referia apenas a um subgrupo excluindo
203

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


idosos no Reino Unido.
SEGURO E EFICAZ
Os resultados divulgados no estudo de ontem, que teve principalmente cientistas de
universidades americanas entre os autores, mostram em qualquer caso uma vacina segura
e eficaz. Os valores entre 64,3% e 74% estão bem acima da linha de corte de 50%
recomendada pela Organização Mundial da Saúde como eficácia mínima para o uso de
vacinas.
“O AZD1222 foi seguro e eficaz na prevenção de Covid-19 sintomático e grave entre diversas
populações que incluem adultos mais velhos”, escreveram os pesquisadores no estudo. “A
análise da eficácia desta vacina está em andamento”.
O estudo no New England Journal também incluiu uma análise detalhada sobre o perfil de
segurança da vacina. Dos mais de 32 mil voluntários no ensaio clínico, apenas 14 morreram
durante o estudo, metade no grupo placebo e metade no grupo imunizado.
“Nenhuma das mortes foi considerada pelos pesquisadores como relacionada à vacina ou ao
placebo. Nenhuma morte de covid-19 ocorreu no grupo daqueles vacinados com AZD1222, e
duas mortes de Covid-19 ocorreram entre aqueles no grupo de placebo”.
FOCO EM VARIANTES
O estudo atual ajuda a resolver alguns dos problemas enfrentados pela AstraZeneca no ano
passado. O FDA (US Drug Regulatory Agency) solicitou à empresa mais informações sobre
o desempenho da vacina após a divulgação dos primeiros dados. Os dados coletados no
"mundo real", fora dos ensaios clínicos, ajudaram a consolidar o bom desempenho da vacina,
afirmam os autores.
“O AZD1222 está sendo distribuído para vacinação em mais de 100 países em seis
continentes, administrado a centenas de milhões de pessoas”, escrevem eles.
Os cientistas ainda estão realizando outros testes com o mesmo imunizante, mas agora o
foco é avaliar a eficácia do produto contra novas variantes do Covid-19 ou medir o
desempenho da vacina administrada com uma dose de reforço extra.
A GLOBO entrou em contato com a divisão brasileira da AstraZeneca para comentar o
estudo, mas não recebeu posicionamento da empresa até a conclusão desta edição do
jornal.
Os números estão bem acima da linha de corte de 50% exigida pela OMS para vacinas

O GLOBO
30/09/2021
29 voltar ao topo
SAÚDE
Governo lança vacinação simultânea
Decisão de imunizar contra diferentes doenças visa aumentar a adesão ao PNI.

O GLOBO
30/09/2021
31 voltar ao topo
SAÚDE
Fiocruz: 11% das pessoas estão na 2ª dose atrasada
São mais de sete milhões de brasileiros com o esquema vacinal incompleto e,
portanto, sem a devida proteção garantida

204

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Onze por cento dos brasileiros que já deveriam ter recebido a segunda dose da vacina
contra a Covid-19 ainda não concluíram o esquema vacinal, mostra o primeiro Boletim
VigiVac da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), divulgado na última terça-feira.
A análise considera que todos aqueles que, mesmo após 14 dias da data prevista para a
segunda aplicação, ainda não receberam o imunizante estão atrasados.
O levantamento, baseado em dados divulgados até 15 de setembro, sugere que mais de 7
milhões de pessoas já deveriam ter tomado a segunda dose no Brasil. Segundo a Fiocruz,
esse atraso é de 15% para quem recebeu a primeira dose do imunizante Oxford /
AstraZeneca, 32% para quem recebeu CoronaVac e apenas 1% para quem foi vacinado com o
da Pfizer / BioNTech.
O boletim aponta, no entanto, que são poucos os casos de atraso com a vacina Pfizer /
BioNTech, já que sua incorporação ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) é mais
recente, além de ter maior intervalo entre as doses.
Em números gerais, o estado com maior número de pessoas atrasadas é São Paulo, com
1.254.229 pessoas nessa situação. Porém, proporcionalmente, o estado apresenta índice
abaixo da média nacional, com apenas 9% das pessoas com a segunda dose pendente. O
Ceará lidera proporcionalmente o número de atrasos no país, com taxa de 33%. Em seguida,
vêm: Bahia, com 18,8% sem a segunda aplicação, Rio de Janeiro, com 16,5%, Sergipe, com
15,7%, e Mato Grosso do Sul, com 14%.
No total, existem 7.362.765 pessoas no país que não completaram o esquema de vacinação
e, portanto, não estão devidamente protegidas.
Os estados com as menores taxas de atraso são Rio Grande do Norte, com apenas 5,4%,
Mato Grosso, com 5,7%, Paraná, com 6,1%, Tocantins, com 6,4%, e Santa Catarina, com 6,5%.
As informações estão disponíveis no segundo painel de atraso da vacina Dose, desenvolvido
pela Fiocruz para acompanhar o ritmo de vacinação no país e ajudar os gestores públicos a
buscar a imunização completa do maior número de pessoas. Segundo a instituição, os
dados serão atualizados semanalmente.
Para os pesquisadores responsáveis pelo projeto, o atraso da segunda dose pode
comprometer a eficácia dos imunizantes usados no país, que só alcançam proteção máxima
após as duas doses. A única exceção é a vacina da Janssen, que é aplicada em dose única.
ESTABILIDADE
Ontem, 26 unidades da federação do Brasil atualizaram seus dados de vacinação contra a
Covid-19, informou o Boletim do consórcio de imprensa do qual O GLOBO faz parte. Em todo
o país, 145.988.837 pessoas já foram parcialmente imunizadas com a primeira dose de uma
das vacinas, o que equivale a 68,44% da população brasileira. Já 89.991.860 pessoas estão
totalmente imunizadas (com ambas as doses ou com a vacina de dose única), ou seja, 42,79%
da população nacional. Nas últimas 24 horas, foi registrada a aplicação de 1.546.166 vacinas
no Brasil, sendo 461.447 primeira dose, 1.031.245 segunda dose, 437 dose única e 71.037 doses
de reforço.
O país Brasil registrou ontem 643 mortes por Covid, elevando para 596,163 o total de vidas
perdidas com o novo coronavírus desde o início da pandemia. A Média Móvel foi de 544
óbitos, queda de 7% em relação ao cálculo de duas semanas atrás, o que indica tendência de
estabilidade.
Também foram registrados 16.405 novos casos no país, totalizando 21.397.798 pessoas já
infectadas com o vírus. A Média Móvel foi de 16.455 diagnósticos, um aumento de 6% em
relação a duas semanas atrás, o que também mostra uma tendência de estabilidade.

205

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO
30/09/2021
29 voltar ao topo
SAÚDE
PÍLULA CON­TRA COVID-19 É TES­TADA COM SUCESSO
Remédio que inibe replicação do vírus tem sucesso em teste

MARIANA ROSÁRIO
mariana.rosario@sp.oglobo.com.br
SÃO PAULO

Testes de laboratório mostraram que o antiviral de uso oral molnupiravir é eficaz contra as
variantes do covid-19, anunciou a empresa farmacêutica Merck. A pesquisa abrange duas
vertentes: profilaxia e tratamento de pacientes infectados que não precisam de
internação. Outras empresas trabalham no desenvolvimento de pílulas contra a doença. A
Pfizer anunciou esta semana um novo passo deteste para as drogas.
A Afarmaceutics Merck Sharp & Dohme (MSD) anunciou ontem, em uma conferência
médica, que seu antiviral oral molnupiravir provou ser eficaz contra variantes do Covid-19,
em testes de laboratório.
O medicamento, apresentado na forma de comprimidos, está na Fase 3 de estudos em duas
frentes: profilaxia - que é a proteção preventiva após exposição a um agente infeccioso - e
tratamento para infectados que ainda não precisam de internação.
O trunfo contra as variantes, noticiou a agência Reuters, seria por causa do foco de ação da
droga. Em vez de atingir a proteína s, parte do vírus que sofre algumas alterações graças
às mutações, a droga atua sobre uma enzima responsável pela replicação do
coronavírus. O objetivo da administração do remédio é introduzir “erros” no código
genético do agente infeccioso, inibindo sua replicação.
Segundo a empresa, o novo antiviral seria potente, inclusive contra a variante Delta, a cepa
mais transmissiva e responsável pela maioria dos casos sequenciados do Covid-19 em
países como Brasil, Reino Unido e Estados Unidos.
OUTROS ESFORÇOS
A Merck não é a única. A Pfizer anunciou esta semana o início dos testes intermediários
para seu candidato a medicamento profilático covid-19. Os estudos incluem pessoas com
mais de 18 anos que moram em casas com alguém cujo teste é positivo para Covid-
19. Participam da pesquisa cerca de 2,6 mil pessoas que tomarão o medicamento duas vezes
ao dia, durante cinco ou dez dias. Prevê-se também o uso de placebo para ratificar o bom
desempenho do medicamento.
Outras empresas farmacêuticas também estão trabalhando no desenvolvimento de
medicamentos antivirais contra a Covid-19. Isso inclui a norte-americana Enanta
Pharmaceuticals e Pardes Biosciences, a japonesa Shionogi e a suíça Novartis AG.
Um medicamento com potencial para prevenção e tratamento para Covid-19 funcionaria
nos moldes do Oseltamivir, comercializado como Tamiflu, desenvolvido para combater o
vírus da influenza (influenza) . Com um medicamento desse tipo em mãos, é possível
inaugurar uma nova etapa no combate ao coronavírus, dentro de um esquema que é
chamado entre os médicos de “mandala da prevenção”.
Nesse esquema, a primeira etapa são os cuidados não farmacológicos, como máscaras,
distanciamento social e higienização das mãos. Depois, vêm as medidas farmacológicas de
proteção, como vacinas e medicamentos profiláticos, e também aqueles utilizados como
206

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


tratamento.
- Para nenhuma doença é usada uma única estratégia de combate. Um pacote (de ações
combinadas) é necessário. Assim, é possível salvar muitas vidas - afirma Alexandre Naime
Barbosa, membro da extraordinária Comissão de Acompanhamento da Covid-19 da
Associação Médica Brasileira (AMB) e chefe do departamento de infectologia da
Universidade Estadual Paulista (UNESP).
Naime explica que os maiores beneficiários de um medicamento comprovadamente eficaz
contra a Covid-19 seriam os idosos e os imunossuprimidos. Precisamente aqueles grupos
que apresentam deficiências no sistema imunológico e que, por esse motivo, podem
necessitar de tratamento complementar, mesmo após a vacinação.
MISSÃO DESAFIANTE
Os medicamentos antivirais contra a Covid-19 representam um desafio maior do que o
necessário para criar as vacinas em uso hoje, explicam os especialistas. Isso se deve à
rapidez com que os vírus respiratórios agem. Os únicos medicamentos de sucesso neste
campo são precisamente aqueles dedicados ao tratamento e prevenção do vírus da gripe.
- Um antiviral para doenças respiratórias é sempre muito desafiador. As doenças
respiratórias têm um mecanismo de patogênese, que é a agressão muito rápida. Assim que
o vírus entra em seu corpo, ele se espalha rapidamente, se replica muito rapidamente e
causa os sintomas. Você tem uma janela de oportunidade muito pequena para intervenção
- explica o professor da Santa Casa de São Paulo Marco Aurélio Sáfadi, também presidente
do Departamento de Infectologia da Sociedade Brasileira de Pediatria.
Safadi faz uma analogia para entender a dificuldade da tarefa de desenvolver um
medicamento antiviral para doenças respiratórias e usá-lo em tempo hábil:
- É como um incêndio na floresta. Se você chegar com um extintor no início do incêndio,
você protege a floresta. Mas se você vier em um momento em que o fogo já ganhou mais
força, seu extintor trará poucos benefícios - explica ele.
Alguns medicamentos usados contra o Covid-19, porém, receberam registro de uso pela
Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) . São pelo menos quatro com uso
emergencial (controlado e temporário) aprovados, além do remdesivir, que está registrado,
ou seja, com aprovação plena, desde março.
Especialistas médicos apontam, porém, que o uso dessas drogas ainda está aquém do
esperado para fazer a diferença no controle da pandemia. Daí a necessidade de continuar
pesquisando até que surja uma droga indiscutivelmente eficaz contra o vírus.

O GLOBO
30/09/2021
32 voltar ao topo
SAÚDE
Casais com HIV vivem revo­lu­ção afe­tiva com tra­ta­
men­tos con­tí­nuos
Ciência consagra eficácia dos antirretrovirais em tornar vírus indetectável, afastando
temor de contaminação dos parceiros

MARIA CORISCO

Indetectável = não transmissível. Esta associação provocou uma verdadeira revolução no


campo do HIV. E não só do ponto de vista clínico, mas sobretudo humano: devido ao
estigma da rejeição do outro, as pessoas soropositivas sempre tiveram que lidar com a
207

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


angústia e a ansiedade de saber que suas relações sexuais e afetivas seriam marcadas pelo
medo. de infectar o parceiro.
E estamos falando de uma revolução baseada tanto em análises clínicas quanto em
evidências científicas, que demonstram que uma pessoa soropositiva com carga viral
indetectável - ou seja, mais de 95% dos que seguem corretamente o tratamento
antirretroviral - não pode transmitir o vírus. Esta ideia não é realmente nova, explica o
médico associado do Serviço de Medicina Infecciosa interna do hospital De La Princesa de
Madrid, Espanha, e coordenador médico da organização Apoyo Positivo, Lucio J. García
Fraile:
- Muitos estudos sugeriram isso, mas, por precaução, não foi falado de forma
explícita. Sempre havia alguma objeção, sempre parecia haver algum preconceito. Até que
as evidências científicas foram esmagadoras.
García Fraile refere-se a estudos internacionais que mostram que em casais
sorodiscordantes - nos quais apenas um dos indivíduos é soropositivo - não havia
transmissão do HIV quando a carga viral do portador do vírus era indetectável por seis
meses ou mais. A carga viral é considerada indetectável quando o número de partículas de
HIV em um mililitro de sangue é inferior a 50.
- No início os estudos eram pequenos, mas agora as evidências são muito sólidas, com
milhares de pessoas sendo acompanhadas há anos - explica a chefe de seção da unidade de
HIV do Hospital Ramón y Cajal de Madrid, María Jesús Pérez Elías.
No entanto, essas informações ainda não foram ecoadas ou divulgadas socialmente,
lamenta a mediadora de Saúde Sexual do Apoyo Positivo, Marina Hispán Alonso. E é nesse
ponto que entra em cena a campanha i = i, que começou nos Estados Unidos há cinco anos
e se tornou uma comunidade global crescente, reunindo ativistas e pesquisadores e se
estendendo por mais de uma centena de países. Seu objetivo é, com base em evidências
científicas, orientar e tranquilizar as pessoas com HIV (e, por extensão, seus amigos,
companheiros e familiares) sobre como viver sem se preocupar em transmitir a
infecção. Desde que, é claro, estejam em tratamento e tenham carga viral indetectável.
- Saber que graças aos medicamentos é possível ter relações sexuais sem medo de
transmitir. É importante para a visão dos outros, mas também para o olhar interior - diz
Marina.
O movimento i = i insiste que é uma oportunidade para transformar a vida das pessoas com
HIV: ele transforma sua vida social, sexual e reprodutiva; ataca o estigma e fortalece o
empoderamento, além de reduzir a ansiedade e estimular a continuidade do tratamento.
Este último ponto é crucial. Porque se não for devidamente seguido, a carga viral vai subir
novamente e, com isso, retomar sua capacidade de transmissão. Outro aspecto importante
é a mensagem de que ser indetectável diz respeito apenas ao HIV, mas não garante
segurança para outras infecções e doenças sexualmente transmissíveis.

O GLOBO
30/09/2021
29 voltar ao topo
SAÚDE
Pro­fis­si­o­nais de saúde rece­be­rão ter­ceira dose em
SP
Previsão é de que um milhão de pessoas sejam vacinadas no novo grupo; reforço
começa a ser aplicado na próxima segunda

208

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


ELISA MARTINS
elisa.martins@oglobo.com.br
SÃO PAULO

Os profissionais de saúde poderão receber uma terceira dose da vacina contra a Covid-19
em São Paulo a partir da próxima segunda-feira, anunciou ontem o governo do estado. A
aplicação de dose de reforço foi uma reivindicação do grupo que foi um dos primeiros a se
imunizar na campanha e que está na linha de frente no combate à pandemia, em alta
exposição. Só na capital paulista, a prefeitura já havia registrado um aumento de 46,7% nos
casos de Covid entre os profissionais de saúde recentemente.
- Vamos começar a vacinar os profissionais de saúde. Começa nesta segunda-feira, 4 de
outubro, para fortalecer ainda mais a imunidade de quem está na linha de frente no
combate à pandemia - afirmou o governador de São Paulo, João Doria, em entrevista
coletiva no Palácio dos Bandeirantes.
Os especialistas já haviam alertado, também, sobre o maior grau de exposição desse grupo
às variantes mais agressivas do coronavírus e o tempo decorrido desde a última
imunização. A maioria recebeu a vacina há oito meses, período em que os Centros de
Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos avaliaram a eficácia dos
imunizadores contra a Covid.
A previsão é que um milhão de profissionais de saúde sejam vacinados no estado. Para
receber a nova dose, eles devem ter completado o ciclo de vacinação, com as duas doses do
imunizante, sendo que a última deve ter sido aplicada há pelo menos seis meses. Até
então, apenas pessoas com mais de 60 anos e imunossuprimidas recebiam a dose de
reforço de Covid no estado.
- Para os profissionais de saúde que já tomaram as vacinas entre fevereiro e março,
estamos disponibilizando um milhão de doses para que comece a campanha da terceira
dose para esses profissionais - afirmou a coordenadora-geral do Programa Estadual de
Imunizações (Pei), Regiane De Paula .

209

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO ONLINE O
30/09/2021
voltar ao topo
ECONOMIA
Pacheco busca alternativa à reforma do Imposto de
Renda para viabilizar novo Bolsa Família.
Presidente do Senado disse que a Casa é 'madura o suficiente' para não se render a
pressões

Julia Lindner
29/09/2021 - 18:14 / Atualizado em 29/09/2021 - 19:07

BRASÍLIA — Após ser cobrado pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, a pautar a reforma
do Imposto de Renda, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), afirmou que a
Casa busca outra alternativa para bancar o programa Auxílio Brasil, proposto pelo governo
para substituir o Bolsa Família.
A análise, segundo ele, será feita através de audiências públicas.
— O espaço fiscal se encontra na solução do problema dos precatórios. E, como há por parte
do Ministério da Economia o apontamento de que a fonte dos recursos seria o projeto do IR,
nós vamos identificar se há uma alternativa ou se é uma realidade que não temos como
afastar. Vamos ter toda a responsabilidade para definir essa equação — disse Pacheco a
jornalistas, nesta quarta-feira.
Na semana passada, Pacheco indicou que não vai abrir mão de pautar a reforma tributária
que já tramita na Casa em detrimento da prioridade que o governo quer para a mudança
nas regras do Imposto de Renda. 
Na terça-feira, ele afirmou que as propostas de natureza tributária devem ser apreciadas "o
mais rapidamente possível" na Casa, mas ponderou que é preciso respeitar a realização de
audiências públicas.
Questionado se sente pressão do Ministério da Economia para tocar a pauta com mais
agilidade, Pacheco afirmou que a Casa é "madura o suficiente" para não se render a isso:
— Não considero que há pressão, e se houvesse também o Senado é uma Casa madura o
suficiente para não se render a pressão alguma. Na verdade, nós temos um senso de
responsabilidade com a reforma tributária, com este projeto que veio da Câmara e até em
respeito à Câmara precisa ser apreciado no Senado, que é referente à reforma do Imposto
de Renda. Sabemos da nossa responsabilidade com aquilo que nos une que é o
estabelecimento de um programa social do Bolsa Família para poder atingir o maior
número de pessoas.
Há dois dias, o ministro Paulo Guedes afirmou que o Senado vai demonstrar não estar
preocupado com o Bolsa Família caso deixe de pautar em plenário o projeto que muda as
regras do Imposto de Renda.
— [Se] botar na gaveta, na verdade ele está dizendo ao povo brasileiro que não está
preocupado com o Bolsa Família — declarou Guedes.

Leia mais: https://oglobo.globo.com/economia/pacheco-busca-alternativa-reforma-do-


imposto-de-renda-para-viabilizar-novo-bolsa-familia-1-25217957
210

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


O GLOBO ONLINE
30/09/2021
voltar ao topo
POLÍTICA
MORAES DETERMINA QUE EMPRESA FORNEÇA NOTAS
FISCAIS SOBRE SERVIÇOS PRESTADOS PARA PARTIDO DE
JEFFERSON.
Ministro do STF quer "descrição minuciosa" dos trabalhos de "gerenciamento e
monitoramento das redes sociais" do PTB

Mariana Muniz e Aguirre Talento


29/09/2021 - 17:14 / Atualizado em 29/09/2021 - 17:24

BRASÍLIA — O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) ,


determinou que uma agência de publicidade forneça as notas fiscais de quaisquer serviços
prestados ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), legenda comandada pelo ex-deputado
federal Roberto Jefferson.
A medida foi adotada no âmbito da apuração instaurada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
sobre possível uso de recursos do fundo partidário petebista para a campanha de ataques e
fake news de Jefferson.
Pela decisão de Moraes, a empresa de marketing tem até cinco dias para apresentar o
material solicitado pelo corregedor-geral da Justiça Eleitoral, ministro Luís Felipe Salomão.
"Oficie-se à diretora da empresa RAFAELA ARMANI DUARTE – ME para que forneça as
notas fiscais de quaisquer serviços prestados ao PTB, com descrição minuciosa dos
trabalhos de "gerenciamento e monitoramento das redes sociais do partido político
contratante" efetivamente realizados, e remessa, inclusive, de cópia do material produzido a
esta CORTE, no prazo de 5 (cinco) dias, sob pena de incorrer nas penas adequadas", diz o
despacho.
A apuração no TSE foi determinada em 13 de agosto, quando o ex-deputado foi preso pela
Polícia Federal pela realização de ataques aos ministros do Supremo e ofensas às
instituições democráticas. A ordem de prisão foi sido determinada por Moraes, após um
pedido feito pela própria Polícia Federal.
CPI da Covid: Em bate-bocaI, Renan ataca: 'Em todas as eras do nosso país, houve bobos da
corte'
Em sua decisão, Moraes escreveu que o petebista "faz parte do núcleo político" de uma
organização criminosa, "que tem por um de seus fins desestabilizar as instituições
republicanas, principalmente aquelas que possam contrapor-se de forma
constitucionalmente prevista a atos ilegais ou inconstitucionais".
No final de agosto, a PGR apresentou denúncia contra Jefferson sob acusação de incitação a
crimes contra a segurança nacional, homofobia e calúnia contra o presidente do Senado
Rodrigo Pacheco (DEM-MG).
Na denúncia, a PGR relata sete manifestações públicas de Roberto Jefferson que
caracterizariam esses crimes. A PGR aponta, por exemplo, que Jefferson reiteradas vezes fez
manifestações públicas incentivando agressões aos senadores que integram a CPI da Covid.

211

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: https://oglobo.globo.com/politica/moraes-determina-que-empresa-forneca-
notas-fiscais-sobre-servicos-prestados-para-partido-de-jefferson-1-25217901

212

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


RS - ZERO HORA RS -
30/09/2021
19 voltar ao topo
ARTIGOS
EURICO DE ANDRADE NEVES BORBA - O longo
subdesenvolvimento
Nossas elites são pobres de conhecimentos e individualistas. São hábeis condutoras da
manutenção do status quo, o ambiente social de privilégios que não querem ver
compartilhado às custas de perdas de poder político, de renda e de poder econômico. O ideal
da solidariedade é praticamente desconhecido nesse ambiente social excludente.
Sempre fomos um país subdesenvolvido, somos agora e continuaremos a ser no futuro.
Muito pouco valerá a utilização correta de técnicas econômicas, sem, primeiramente, se ter
a adesão consciente da maioria do povo à proposta política de construção de uma nova
sociedade justa. O nosso subdesenvolvimento, e de muitos outros países, é o resultado do
modo de ser do capitalismo mundial: um "centro desenvolvido" e uma "periferia"
subdesenvolvida. Esta informação é negada à maioria da população. Mentem na tentativa
de manter vivo o sonho de que, um dia, todos serão bem atendidos pela riqueza gerada
coletivamente.
A sociedade brasileira deve se sensibilizar e agir em favor dos cerca de 45 milhões de
desempregados, subempregados, pobres e miseráveis com fome. Eles não vão aceitar, por
muito mais tempo, esta exclusão.
A classe dominante trata de manter a degradante situação com o auxílio de modernas
técnicas de contenção social, utilizando o marketing com seus recursos de psicologia social,
da inteligência artificial com seus algoritmos, do "big data" com seus enormes bancos de
dados interligados, acabando, pouco a pouco, com a privacidade dos cidadãos e induzindo o
povo a assumir comportamentos submissos e consumistas.
A "modernização" atual significa drástica redução dos postos de trabalho, progressivamente
substituídos pela tecnologia informatizada que desemprega e marginaliza as pessoas que
não têm escolarização de qualidade. No caso brasileiro e latino- americano a classe
dominante reproduz, em restritos nichos territoriais, os estilos de vida e padrões de
consumo dos países mais ricos, da Europa e América do Norte, sem que perceba que tal
opção conduz à concentração de renda nas mãos de alguns poucos, determinando exclusão
social e a perpetuação da tragédia humana do desemprego e da miséria.
 
Ex-professor da PUC RIO, ex-presidente do IBGE eanbrs@uol.com.br
EURICO DE ANDRADE NEVES BORBA
 
(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

213

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


RS - ZERO HORA
30/09/2021
19 voltar ao topo
ARTIGOS
MONTSERRAT MARTINS - Encantado e desencantado
Encantado virou notícia com o Cristo Protetor, em fase final de construção. A primeira
necessidade humana é sobreviver, a segunda é ser feliz - e essa iniciativa atende a ambas.
Nessa crise de saúde e empregos, muitas pessoas se apegam à fé, enquanto as pessoas em
condições melhores têm outras necessidades, como lazer e turismo, que essa bela
construção também proporciona.
As terras foram doadas por três famílias para a prefeitura de Encantado, destinadas para a
estátua do Cristo, mas o poder público não gastou nada na construção, custeada pela
própria sociedade da cidade, organizada na Associação Amigos do Cristo (AAC) . Com
doações de pessoas, empresas e entidades, para um orçamento de mais de R$ 2 milhões,
será viabilizada a maior estátua de Cristo no Brasil, quase cinco metros mais alta do que o
Cristo Redentor. A obra atrai turistas para o Vale do Taquari, com um elevador que
proporciona uma linda vista panorâmica da região, e já é um sucesso midiático, com
brincadeiras do prefeito do Rio de Janeiro no Twitter e até do jornal inglês The Sun, de que
a iniciativa vai "ofuscar" o Cristo Redentor.
Para a inauguração, prevista para o final de 2021, será convidado também o papa Francisco.
Estamos encantados com Encantado, justificando seu nome. Mas desencantados com Porto
Alegre, onde o potencial turístico do Guaíba tem a "nova Orla", mas nenhum projeto que
atraia turistas, tal como a linha turística que o Aeromóvel propôs do Gasômetro até o
Pontal, não liberada ainda, que nem sequer geraria gastos públicos, seria custeada por
investidores.
Porto Alegre tem morro à beira do Guaíba mas não tem teleférico como Camboriú, outro
exemplo de turismo. Resulta que os milhões de turistas que vão a Gramado (que já
chegaram a ser 8 milhões de pessoas por ano) nem sequer param em Porto Alegre, apenas
desembarcam do avião na Capital. Agora nem mais isso, pois a TAM anuncia um voo direto
entre São Paulo e Caxias do Sul, tirando Porto Alegre definitivamente do mapa turístico.
 
Psiquiatra
MONTSERRAT MARTINS
 
(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
19 voltar ao topo
ARTIGOS
ANA PAULA BECK DA SILVA ETGES - Saúde: remuneração
baseada na ciência
O investimento em saúde representa uma parcela expressiva do PIB em todos os países e
uma pauta constante de agências e escolas de economia da saúde. Enquanto as tecnologias
214

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


avançam e proporcionam longevidade para a população, maior se torna o orçamento
necessário para entregar serviços que resultem em uma população mais saudável. Entre as
perguntas frequentes para as quais se buscam respostas está a melhor forma de distribuir
e gerir os recursos de saúde.
O sistema de saúde brasileiro majoritariamente remunera por volume (modelo fee for
service). Nessa estratégia, o pagamento é feito apenas pela confirmação de que o paciente
foi submetido a procedimento diagnóstico ou terapêutico e não exige controle sobre custos
e resultados que estão sendo gerados no estado de saúde do paciente. A evidência científica
de gestão em saúde já demonstrou que definir as medidas que são relevantes para cada
condição clínica e compreender os reais custos para prover um serviço de qualidade são
etapas essenciais para se redesenhar uma estratégia de remuneração que impulsione
melhores resultados de saúde na população e o uso eficiente de recursos.
A proposição do programa Assistir (N 537/2021) é admirável por entender que o modelo
atual de orçamentação é insustentável e requer mudança, mas segue parametrizando uma
fórmula de distribuição em critérios que se preocupam com o tipo do serviço, capacidade da
unidade hospitalar e o volume de serviços entregues. Nos três critérios adotados pelo
programa e na fórmula proposta para estimar o valor final de pagamento, não há inclusão
de medidas que avaliam o estado de saúde do paciente e a melhor compreensão do custo
para oferecer os serviços.
A redefinição de estratégias de remuneração no sistema de saúde é necessária para que os
recursos disponíveis contribuam eficientemente com a saúde populacional, mas é essencial
considerar nesse processo o que a ciência tem demonstrado ser a melhor solução.
 
Professora da PUCRS e pesquisadora do Instituto de Avaliação de Tecnologias em Saúde
anabsetges@gmail.com
ANA PAULA BECK DA SILVA ETGES
 
(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
35 voltar ao topo
COLUNAS
DAVID COIMBRA
Acordei rico

Ontem acordei me sentindo rico. Foi uma sensação agradável. Em primeiro lugar, porque
ricos dormem bem. O sono deles é restaurador e macio, eles ronronam feito gatinhos
debaixo de edredons brancos e acordam quando tênues raios de sol se esgueiram pela
janela. Ricos, já percebi, não gostam de dormir com o quarto totalmente escuro, como gosto.
Eles querem sentir a manhã despertar, querem ouvir o canto dos pássaros e tudo mais.
Talvez seja por isso, por desfrutarem de noites de sono perfeitas, que a pele dos ricos é tão
boa. Ontem, minha pele estava impecável, graças a minha súbita riqueza.
Tenho a impressão de que sei qual é a origem dessa minha afortunada sensação. Foi um
vídeo da Camila Coelho que vi no Instagram. A Camila Coelho morava em Boston na época
em que morei lá. Ela é modelo internacional. É morena, pequena e magrinha. Tem uns
215

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


lábios carnudos e uns grandes olhos negros muito expressivos. E é rica. Sabe como ela
enricou? Tornando-se uma das primeiras youtubers de moda do Brasil. A partir daí, o
mundo fashion se abriu para ela e os dólares jorraram para dentro de suas bolsas Louis
Vuitton.
Neste vídeo que assisti, Camila fala do final de semana que passou em Como, no norte da
Itália. Ela começou mostrando a mesa do seu desjejum. Omeletes. Frutas da estação. Aquela
coisa. Depois, cenas de um passeio de lancha pelo lago. Na ponta do lago, há uma doce
cascata que se derrama entre morros e mansões. Por fim, lá está ela de roupão branco,
contando como passou dias trabalhosos em Nova York e Milão e, por isso, decidiu relaxar
em Como. Porque é preciso descansar, ensinou. Senão a gente se estressa e não faz as
coisas direito. Camila se preparava para uma semana de desfiles em Paris, cidade que a-do-
ra, e por isso tinha de estar bem recomposta.
Concordei com Camila e, como estava me sentindo tão rico quanto ela, estendi-me numa
espreguiçadeira a fim de tomar um pouco de sol depois do café da manhã. Aprendi que o
dia do rico tem de ser assim, ponteado de pausas para relaxamento. Gostei disso. É uma
ótima ideia.
Mas tinha de trabalhar, paciência, fui para meu "home office" suspirando e pensando que há
ricos que trabalham. Então, aconteceu: vi uma mosca. Ela estava parada no vidro da janela,
tentando inutilmente passar para o outro lado. Aquela cena me fez mal. Não há moscas na
vida dos ricos. Tudo é limpo, tudo é imaculado, insetos não são bem-vindos em lugares
habitados por ricos.
Aquela mosca me fez desabar no solo duro da realidade. Foi como se alguém me sacudisse e
gritasse:
- Você não é rico! Você gosta de massa com sardinha!
Voltei, assim, a ser quem sou: um homem sem dólares, sem roupão branco, sem finais de
semana à beira do Lago Como.
Aquilo me chateou e até senti minha pele piorar. Mas daí a Marcinha veio da cozinha, e
trazia nas mãos uma xícara de café e uma fatia de bolo de canela. Sorri. Provei o café e o
bolo. Estavam ótimos. Virei-me para ela, agradeci e murmurei:
- Sou mesmo um homem rico.

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
11 voltar ao topo
COLUNAS
GISELE LOEBLEIN - Campo e Lavoura
Apetite maior apesar de custos e preços em alta
A escalada dos custos foi e continuará sendo o principal entrave para a indústria de aves,
suínos e ovos. Ainda assim e, apesar da redução do poder de compra do consumidor, deve
navegar por águas de crescimento neste e no próximo ano, aponta a Associação Brasileira
de Proteína Animal (ABPA). Projeção da entidade mostra que a carne suína tende a fechar
2021 com a maior expansão percentual em produção: até 6% (veja gráfico). Cenário
216

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


alimentado por uma exportação que segue avançando, com alta na casa de dois dígitos. E se
é verdade que o ritmo desse aumento diminuiu em relação a 2020, também é que a China
mantém o apetite pelo produto brasileiro - foi destino de 52% dos embarques da carne
entre janeiro e agosto deste ano.
Além disso, a perspectiva de abertura de novos mercados, como o do Canadá, é outro fator
que embasa o otimismo.
Dentro de casa, os indicadores também são positivos, com oferta e consumo per capita
maiores.
No frango, há igual projeção de "consistência" de crescimento para 2022. E se no Rio Grande
do Sul o primeiro semestre foi de ajustes no volume processado - estratégia de algumas
empresas para driblar o aumento dos gastos -, no país os abates aumentaram, com o
impacto dos custos aparecendo mais no segundo semestre. Por ora, sem comprometer a
estimativa do ano, ainda que tenha havido um leve reajuste para baixo no aumento da
produção.
Medidas como a isenção da tarifa externa comum (para aquisição de milho de fora do
Mercosul) e isenção de PIS/Cofins nas importações são encaradas como uma espécie de
trava na valorização do grão. O componente da ração animal subiu 154% entre janeiro de
2019 e agosto deste ano. E a soja, 133%. Os dois respondem por 70% da composição dos
custos.
- Fez com que o setor tivesse alguma estabilidade e com que parasse o processo
especulativo - avalia Santin, acrescentando que muitos negócios de exportação do milho
foram desfeitos, o que deve "colocar uma nova safra de milho no nosso mercado".
De toda forma, os custos, que também começam a afetar concorrentes do Brasil, devem se
manter elevados até a safra de 2022. Mas a reacomodação de preços quando da maior oferta
do grão será em novo patamar, pondera o dirigente. Nessa perspectiva, a necessidade de
novos reajustes no produto final não é descartada.
- Não é uma reação imediata (medidas para conter custos), depende da capacidade de cada
empresa - diz Santin.

Alternativas do inverno e da várzea


Na equação que tenta diluir os custos, impactados pelo preço do milho, projeto de indústria,
produtores e Embrapa aposta nos cereais de inverno como alternativa para ampliar a oferta
de ingredientes da ração animal. Outra frente é a expansão do milho nas áreas de várzea,
em rotação com o arroz, a exemplo do que já é feito com a soja.
- Já começamos campanha para incrementar a produção de milho na rotação com a soja -
afirmou o ex-ministro da Agricultura Francisco Turra, presidente do conselho de
administração da Associação Brasileira de Proteína Animal e um dos entusiastas da
proposta.
No caminho da produção de carnes e ovos, outros entraves, além das despesas com o grão,
precisarão ser endereçados. Entre eles, estão os entraves logísticos, como o que contabiliza
40% da carga de proteína animal paralisada pela oferta escassa de contêineres para realizar
os embarques.

Novos relatos de mortes de abelhas


Mais registros de mortes de abelhas no Estado têm sido relatados ao coordenador da
Câmara Setorial de Apicultura e presidente da Cooapampa, Aldo Machado dos Santos. Até
agora, ele contabiliza perdas em mais de 780 caixas de apiários em 10 municípios. Só no
caso dele, foram 112 caixas.
Os registros até agora são em Canguçu, Caxias do Sul, Dom Pedrito, Encruzilhada do Sul,

217

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Erval Seco, Novo Hamburgo, Rosário do Sul, São Gabriel, São Leopoldo e Sobradinho.
A suspeita é de que as mortes tenham sido causadas pelo inseticida fipronil, usado em
lavouras de soja. Só neste ano, 11 de 19 amostras coletadas pela Secretaria da Agricultura e
analisadas apontaram a presença do agrotóxico. O Ministério Público Estadual tem, desde
2019, inquérito civil aberto para apurar o problema.
4,8 milhões
de toneladas é a produção da safra de inverno de 2021 (trigo, canola, cevada e aveia branca)
estimada pela Emater/RS-Ascar. O número é uma atualização do primeiro levantamento,
apresentado em junho deste ano. O volume, puxado pela colheita de trigo, representa um
aumento de 61,3% na comparação com a safra anterior. Em área, o Estado também deve
alcançar recorde, de 1,59 milhão de hectares, que representa aumento de 18,5% sobre o ciclo
anterior.
gisele.loeblein@zerohora.com.br

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
12 voltar ao topo
COLUNAS
GIANE GUERRA – Acerto de Contas
Cerveja ficará mais cara
Vem chegando o calor e, de lambuja, um aumento no preço da cerveja. Dona de marcas
como Skol, Brahma, Antarctica, Bohemia e Stella Artois, a gigante Ambev comunicou
reajustes aos clientes. À coluna, a empresa disse que muda, periodicamente, os preços de
seus produtos tendo como base a região, o canal de venda e a embalagem. No setor da
alimentação, a informação é de que o reajuste fica em cerca de 10%, o que é inflação
acumulada ao consumidor no último ano. Pela pesquisa do IBGE, a cerveja subiu 9,32% na
região metropolitana de Porto Alegre em 12 meses. O vinho aumentou um pouco mais,
9,57%. Empresário gaúcho da RH Bebidas, Ricardo Holz foi informado na semana passada
por um vendedor de que ocorreria o aumento das bebidas alcoólicas da empresa. As demais
já foram reajustadas na metade de setembro.
- Todos os anos tem (aumento dos preços). Faz parte do jogo. Vai subir em torno de R$ 6 a
caixa - diz ele.
Segundo Holz, as bebidas que usam embalagens descartáveis já haviam aumentado em
2021. Faltou alumínio para latinhas e vidro para garrafas, o que elevou o preço e afetou
entregas, até fixando limites por estabelecimento. Não foi uma peculiaridade da Ambev, que
concentra 60% do mercado de cerveja. Outras marcas, como Heineken, apresentaram o
problema ainda na metade do ano passado. Além disso, o custo da energia e do transporte
pesa no caixa das empresas.

Energia a partir da sobra do calçado


Com 11 fábricas, a Calçados Beira Rio construirá uma usina-piloto para destinar suas 500
toneladas de resíduos mensais. Hoje, parte vai para fabricação de novos produtos, mas a
ideia é gerar energia com o restante por meio da tecnologia pirólise. Após três anos de
218

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


estudos, foi liberada pela Fepam a licença para a unidade, que ficará em Taquara, junto da
fornecedora Ambiente Verde. Quem acompanhou a tramitação foi o deputado estadual
Dalciso Oliveira (PSB), também calçadista e entusiasta da tecnologia. Segundo o diretor
industrial da Beira Rio, João Henrich, o projeto tem potencial de gerar 200 empregos e
demandará até R$ 15 milhões, com retorno previsto em até cinco anos.
Para análise de impacto, a usina consumirá, inicialmente, três toneladas de sobras de
calçados por dia. Elas serão aquecidas em fornos, gerando gás de síntese e carvão rico em
hidrogênio, usado em geradores elétricos para fornecer energia. Já o carvão residual será
reaproveitado para componentes de calçados.
- Após os testes, está prevista a construção de uma usina que consumirá 400 toneladas
mensais de resíduos, gerando 1,4 MW (megawatts) de energia - conta Henrich.
A pirólise ainda é pouco usada no país. No início do ano, um empresário de SC chamou a
atenção do presidente Jair Bolsonaro no Palácio do Planalto ao prometer investir em 200
usinas caso o setor tivesse regulamentação. Depois, a tecnologia entrou no Programa
Combustível do Futuro, proposto pelo Ministério de Minas e Energia.

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
5 voltar ao topo
COLUNAS
L.F. VERISSIMO
Inimaginável
Como já contei mais de uma vez, eu estava em Nova York quando mataram o John Lennon,
em 1980. Anos depois, estava em Nova York quando a cidade fechou para enfrentar a fúria
de um furacão que, mesmo chamado "Hugo", prometia ser o mais destrutivo de todos os
tempos. Nos recolhemos ao nosso quarto de hotel com um bom sortimento de água
mineral, preparados para o pior.
"Hugo" chegou com vento e chuva fortes e, que se saiba, não derrubou uma árvore ou
carregou uma velhinha, mas durante um dia inteiro manteve a cidade acuada. E estávamos
no mesmo hotel quando destruíram as torres do World Trade Center.
***
Não, não estou recontando isto para recomendar que, por precaução, nunca vá a Nova York
quando eu estiver lá. É que, no recente aniversário do 11 de Setembro, me lembrei de que
uma das músicas cantadas num concerto em benefício das famílias das vítimas logo depois
dos atentados foi Imagine, do John Lennon. Justamente a música em que ele pede à sua
geração que imagine um mundo sem países e sem religião, ou sem nada pelo qual lutar e
morrer. Cantar Imagine foi uma maneira de evocar outra tragédia da cidade, o assassinato
de Lennon, um nova-iorquino por adoção, anos antes.
Mas não foi exatamente uma escolha adequada. O fanatismo religioso era responsável pela
loucura suicida dos que atacaram o World Trade Center, e o patriotismo ultrajado moveu a
reação americana que culminou com o ataque igualmente irracional ao Iraque.
***
Não lembro como o público reagiu à música. O tamanho do ultraje não deixava muito lugar
219

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


para o racionalismo idealizado por Lennon. A maioria dos jovens presentes na cerimônia
estava disposta a lutar, matar e morrer imediatamente para vingar o ataque às torres. E os
anos que se seguiram viram uma escalada da violência no Oriente Médio e em outras
partes do mundo, quase sempre provocada pela religião e por questões étnicas. O
islamismo radical ostentando suas atrocidades, a reação não menos insensata do Ocidente,
o drama reincidente de refugiados tentando romper fronteiras impiedosas para sobreviver,
tudo tornou a exortação de Lennon a sua geração uma amarga ironia. O mundo
destribalizado ou transformado numa única tribo solidária e sensata sonhado por ele ficou
inimaginável. E Imagine transformou-se, com o tempo, de um hino a uma utopia possível
em um réquiem para a ingenuidade.
Luis Fernando Verissimo está em licença médica.
Esta coluna foi publicada originalmente em 20 de setembro de 2015.

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
13 voltar ao topo
COLUNAS
RODRIGO LOPES - Diários do mundo
A social-democracia ressurge
O serviço de imprensa do governo da Alemanha informou ontem que a chanceler Angela
Merkel parabenizou Olaf Scholz pela vitória nas eleições de domingo. Isso significa três
coisas. A primeira - e mais óbvia: Scholz será o futuro chanceler. Os sociais-democratas
voltarão ao poder da maior economia europeia pela primeira vez desde 2005, quando
Gerhard Schröder ocupou o posto.
A segunda - também óbvia e dependente da primeira -, Armin Laschet, o candidato de
Merkel, fica desautorizado pela chefe, mesmo que a União Democrata Cristã (CDU)
represente a segunda força política da Alemanha, a tentar disputar, na mesa de
negociações, o governo em uma eventual coalizão como a que está no poder. Na prática, os
conservadores, que hoje lideram a aliança de governo com Merkel, jogaram a toalha. E, mais
do que isso, provavelmente passarão para a oposição.
A terceira leitura exige retirar a lente de Berlim e ampliá-la sobre a União Europeia (UE). A
vitória do Partido Social-Democrata (SPD) na Alemanha representa o retorno do
protagonismo dessa força política ao cenário europeu, depois de anos em que muitos
analistas consideraram a social-democracia na lona - ou, na melhor das hipóteses, sob
hibernação.
A se confirmar a previsão de que Scholz será o futuro chanceler, os sociais-democratas
somarão a liderança de sete nações do bloco econômico - além de Alemanha, governam
Espanha, Suécia, Portugal, Malta, Dinamarca e Finlândia. Em outros (além da própria
Alemanha) , eles compõem alianças hoje no poder - na Bélgica, em Luxemburgo e na
República Tcheca.
A UE é filha dileta da social-democracia europeia pós-Guerra Fria. Logo, não é difícil
concluir que o bloco tem tudo para ser fortalecido com Scholz no poder. Essa sensação de
retorno aos anos de glória dos europeístas é reforçada no momento em que o Reino Unido
exibe ao mundo a primeira fotografia - que não é boa - da era pós-Brexit: a falta de
220

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


produtos nas prateleiras de supermercados e de combustíveis nos postos pelo déficit de
mão de obra de caminhoneiros britânicos. Sim, o Reino Unido dependia - e depende - de
trabalhadores oriundos do outro lado do Canal da Mancha para manter rodando sua
economia. E, sim, o Brexit rompeu com esse equilíbrio.
Com Scholz na chancelaria alemã, pode-se esperar o endurecimento de posições com o
Reino Unido, moderação com a China e uma agenda em que as dimensões sociais e
ecológicas terão prioridade - ainda maior, em uma provável coalizão com os Verdes.
Isso nos remete a outra reflexão: a vitória da "política normal" na Alemanha, que escanteou
a extrema-direita representada pela xenófoba Alternativa para a Alemanha (AfD), significa
relações tensas com Hungria, de Viktor Orbán, Polônia, do Partido Lei e Justiça (PiS), e
Brasil, de Jair Bolsonaro.
À CDU, de Merkel, que perdeu, apesar da altíssima popularidade da chanceler, resta o divã.
Nesse período de reflexão sobre o futuro, o primeiro desafio da direita tradicional (e Merkel
aposentada terá lições importantes a dar) será não se tornar refém do populismo, como
ocorreu com o Partido Republicano nos Estados Unidos ou, ali do lado, com os vizinhos da
Ilha de Sua Majestade.
Talibãs brincam em parquinho em Cabul
Com quatro dias de diferença o mundo viu duas faces do Talibã, que reassumiu o poder em
15 de agosto no Afeganistão. No dia 26, domingo, os corpos de quatro sequestradores foram
pendurados em praça pública na província de Herat. Ontem, aparentemente inocentes
combatentes da milícia se divertiam em navio pirata e em pedalinhos em um lago nos
arredores de Cabul.
As cenas contraditórias ilustram a complexidade do cenário afegão e do próprio Talibã, que
não pode ser entendido como um grupo monolítico. O pessoal de Herat tentou, ao exibir os
cadáveres, dissuadir a criminalidade, algo que os talibãs faziam com frequência entre 1996 e
2001. Os homens haviam sequestrado um empresário e seu filho, quando foram vistos por
patrulhas. Após troca de tiros, todos os quatro foram mortos. As cenas remontam ao
regime de terror daqueles cinco anos antes do 11 de setembro de 2001.
As imagens do parquinho (uma delas na contracapa de ZH), exibem um "novo mundo",
redescoberto após a queda do regime, e que os próprios combatentes começam a conhecer.
São sinais da complexidade desse século 21.

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
39 voltar ao topo
COLUNAS
NÍLSON SOUZA
O calendário da desigualdade

Eu, você e todos os sapiens que andam por aí ou já passaram pelo planeta temos 300 mil
anos de existência. Parece muito, mas é um nada se compararmos com as demais formas de
vida desde aquela célebre ameba da sopa primordial - que, segundo os cientistas, surgiu há
400 bilhões de anos. Esses números assombrosos ficam mais compreensíveis no calendário
221

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


comparativo publicado pelo holandês Rutger Bregman, em seu livro Humanidade - Uma
História Otimista do Homem.
Se toda a história da vida na Terra tivesse se passado em um ano - sugere ele -, os humanos
teriam nascido no dia 31 de dezembro, mais ou menos às 23 horas. Depois de quase uma
hora como caçadores-coletores, mais ou menos às 23h58min os homens modernos
descobriram a agricultura e passaram a construir a civilização como atualmente a
conhecemos - com eletricidade, bombas atômicas, viagens espaciais e redes sociais.
No contexto dos séculos, portanto, somos apenas bebês. Temos muito que aprender.
Inclusive, na visão desse inquieto holandês que não para de fazer sucesso com seus livros
inovadores, a superar o abismo das desigualdades sociais. Ele sugere um Bolsa Família
global. Isso mesmo, o historiador europeu assegura que um programa de renda básica
universal poderia erradicar a pobreza no mundo - e garante que isso não tem nada a ver
com comunismo, socialismo e outros ismos já experimentados sem sucesso. Na contramão
de cientistas, economistas, sociólogos e antropólogos mais pessimistas, ele acha que o ser
humano é confiável.
- A pobreza não é falta de caráter, é falta de dinheiro. É muito comum os ricos
desconfiarem dos pobres, os acharem preguiçosos, que só querem dinheiro para ter mais
filhos e tal, mas isso não passa de preconceito.
As ideias de Bregman não chegam a ser originais, pois até capitalistas mais intransigentes
concordam que os recursos investidos em armamentos, por exemplo, seriam suficientes
para eliminar a pobreza e a fome no mundo. Difícil é prever quando atingiremos esse
estágio de compreensão e amadurecimento. Afinal, estamos apenas na primeira infância da
história da vida.
Mas não custa ser otimista como o jovem escritor: quem sabe no ano que vem?

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
6 voltar ao topo
COLUNAS
ROSANE DE OLIVEIRA - Política +
Embaixadores da solidariedade
No secretariado adulto do prefeito Sebastião Melo, as mulheres são minoria, mas na equipe
mirim montada para promover a Campanha do Brinquedo 2021, as meninas dão as cartas:
seis contra três.
As gurias mandam na Comunicação, na Educação, na Cultura, na Governança, na Educação,
nas Parcerias Estratégicas e na Procuradoria-Geral do Município. Aos guris couberam a
Administração e Patrimônio, a Saúde e a Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc).
As crianças são filhas e filhos de secretários municipais, que farão o papel de embaixadores
da campanha promovida pelo gabinete da primeira-dama Valéria Leopoldino.
Na medida do possível, os organizadores tentaram fazer com que cada criança ocupasse o
cargo do pai ou da mãe. Bruno Barbosa, de 11 anos, virou secretário de Administração, como
o pai, André Barbosa, mas não gostou. Como quer ser jornalista, preferia a Comunicação,
222

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


mas a escolhida foi Maria Luiza Prates, filha do secretário Luiz Otávio Prates.
As doações poderão ser feitas até o dia 12 de outubro e serão destinadas a crianças de
abrigos conveniados com a prefeitura por meio do programa "Poa que Doa". Os pontos de
coleta serão somente nas unidades da prefeitura, já que, devido à pandemia o foco está
voltado à arrecadação de alimentos.

Na sala com FHC


A visita ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ontem, em companhia do senador
Tasso Jereissati, foi definida pelo governador Eduardo Leite com a expressão "agradável
como sempre".
Os três tiveram uma longa conversa sobre o futuro Brasil e, em nenhum momento, FHC
mencionou o vídeo que gravou ao lado do governador de São Paulo, João Doria, dizendo que
ele é seu candidato na prévia do PSDB, marcada para novembro.
Na despedida, Fernando Henrique gravou um vídeo curto em que diz:
- Eu acho que o importante nesta eleição, em toda eleição, é ter capacidade de agregar,
partidos e pessoas. E dar um rumo ao Brasil. Quem fizer isso, ganha a eleição.
De São Paulo, Leite voou para Santa Catarina, em companhia de Tasso, para participar de
encontro com líderes tucanos.

Piratini vai aportar R$ 1 bilhão em investimentos na educação


Assim que retornar da viagem à Espanha e à França, o governador Eduardo Leite
anunciará, finalmente, o programa Avançar na Educação, com previsão de investimentos de
R$ 1 bilhão em 2022. A ideia é aproveitar a semana do Dia do Professor para lançar um
pacote que terminou de ser detalhado na segunda-feira, depois de meses de diagnósticos e
definição de prioridades. Como em todas as outras áreas que o governo vem lançando
programas da série "Avançar", os recursos virão do orçamento, turbinados pelas
privatizações.
Embora Leite e a secretária Raquel Teixeira evitem dar detalhes, para não tirar o impacto
do anúncio, a coluna confirmou que o dinheiro será usado basicamente na reforma e
recuperação de escolas, formação e treinamento de professores, compra de equipamentos e,
cereja do bolo, no que o governo chama de "escola padrão". Serão escolhidas algumas
escolas para implantação de um projeto piloto que servirá de modelo para a escola do
futuro, com um padrão que vai do mobiliário das salas ao refeitório, passando por
banheiros, biblioteca, ginásio de esportes e sala de informática. As primeiras contempladas
devem ser anunciadas no dia do lançamento do programa.
O pulo do gato para que os investimentos na reforma de escolas não fiquem no papel é a
descentralização.
O governo planeja ampliar a autonomia das escolas para realizar consertos que hoje
dependem da secretaria de Obras e acabam emperrados pela burocracia ou por falta de
profissionais. A ideia é fazer um aporte extraordinário de recursos para escolas que
tenham, por exemplo, necessidade de reforma de banheiros, de rede elétrica ou de telhado.
Ao Estado caberá supervisionar a obra, que será contratada pelas próprias direções, dentro
de parâmetros que não extrapolem os valores de mercado.
Embora o professor seja um dos focos do Avançar, por meio de programas de qualificação, o
tema dos salários só será tratado a partir da definição do novo piso salarial. Pelas regras
atuais, a correção do piso seria de 31,3% a partir de janeiro de 2022, o que elevará o salário
inicial do magistério para R$ 3,7 mil, no caso dos contratos de 40 horas.

Fábia no PSD

223

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Prefeita de Cristal por dois mandatos, entre 2013 e 2020, a enfermeira Fábia Richter assinou
ficha no PSD para concorrer a deputada federal em 2022. A filiação é o resultado de uma
construção política do ex-prefeito de Passo Fundo, Luciano Azevedo. Ambos são egressos
do PSB.
A ficha foi abonada pelo prefeito de Canoas, Jairo Jorge, e pelo secretário de Esporte e Lazer
Danrlei de Deus.
De acordo com a presidente estadual do PSD, Leticia Boll Vargas, o partido quer ampliar a
participação de mulheres na nominata para além da cota de 30%, exigida por lei.

Nome genérico
Nem Liberal Democrata, nem Democrata Liberal. O novo partido que nascerá da fusão
Democratas-PSL deverá ter o nome genérico de União Brasil, que nada diz sobre a sua
orientação político-ideológica.
O nome foi lançado ontem como uma espécie de balão de ensaio, para testar a repercussão.
Se for boa, será referendado no congresso conjunto do DEM e do PSL, na próxima semana.
Se for ruim ou se surgirem brincadeiras com a sigla UB, ainda poderá ser modificado.
O número utilizado não será nem 25 do DEM, nem o 17 do PSL, mas o 44, que está vago
desde que o extinto PRP foi incorporado ao Patriota. No jogo do bicho, 44 é cavalo.
rosane.oliveira@zerohora.com.br @rosaneoliveira

 (...)
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
32 voltar ao topo
COLUNAS
RICARDO CHAVES - Almanaque Gaúcho
A força da eletricidade
Em editorial do dia 7 de abril de 1891, sob o título "Uma Nova Empresa", o Jornal do
Comércio comentava:
"Ultimamente foi aqui introduzida a luz elétrica para a iluminação de casas de comércio e,
desde logo, ficou firmada sua incontestável superioridade. [...] Aproveitando a preferência
que vai sendo dada à luz elétrica em estabelecimentos importantes da Capital, pensam
diversos respeitáveis cavalheiros na organização de uma empresa em condições de
fornecer luz aos edifícios tanto públicos como particulares".
Conforme o historiador Sérgio da Costa Franco, as experiências com a iluminação elétrica
haviam sido limitadas, como vimos acima, a algumas casas de comércio. Mas foram
suficientes para interessar acionistas, que constituíram, no dia 11 de maio daquele ano, a
Cia. Fiat Lux. Em 1893, essa empresa já faria a instalação de luz elétrica no Palácio do
Governo (antiga sede).
Em crônica assinada por Eça d?Oliveira (pseudônimo de Zeferino Brasil), lê-se, em 1º de
maio de 1895, uma interessante descrição da Rua dos Andradas - já sob a influência da luz
elétrica: "Acendem-se os primeiros lampiões, e o foco elétrico do Pátria, como um grande
luar, ilumina a fachada das casas fronteiras. As lâmpadas elétricas das lojas dão-lhe o ar
majestoso dessas noites brancas de lua cheia".
No final da década de 1890, os serviços da Fiat Lux já não agradavam muito a população,
que reclamava. Preocupações com a iluminação pública dos bairros (uma vez que as ruas do
224

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Centro eram iluminadas a gás, por meio do contrato, que vigorava até 1906, com a Cia. Rio-
Grandense de Iluminação a Gás) levaram o município a construir e organizar uma nova
usina elétrica, de pequena capacidade, inaugurada em 1908, na Rua Voluntários da Pátria,
esquina com a Rua Coronel Vicente.
No mesmo ano, uma terceira usina elétrica se instalaria, com o objetivo principal de
assegurar o fornecimento de força aos bondes elétricos - então uma novidade. Foi a usina
da Companhia Força e Luz, também na Rua Voluntários da Pátria, próximo da Rua da
Conceição.
A princípio, apenas preocupada com seus bondes, a partir de 1911, a Cia Força e Luz Porto-
Alegrense começou, também, a cuidar do fornecimento de energia às industrias.
No relatório da aludida Companhia, de 20 de janeiro de 1912, pode-se ler: "Conquanto já
estivéssemos fornecendo energia elétrica para o funcionamento de muitas fábricas pelos
nossos cabos aéreos, achamos conveniente explorar este ramo de negócio de modo
definitivo, instalando cabos especiais nas ruas centrais da cidade. [...] Inaugurado o serviço
de fornecimento em meados de setembro de 1911, contamos atualmente com 392
assinantes".
Nos meados da década de 1920, a situação energética de Porto Alegre era crítica, sendo
péssima a iluminação pública. Por essa época, a antiga Cia. Fiat Lux foi incorporada por
uma nova empresa, a Companhia Energia Elétrica Rio-Grandense. Em 14 de agosto de 1925,
a Companhia Força e Luz Porto-Alegrense mudou sua denominação social para Companhia
Carris Porto-Alegrense.
Foi dentro dessa conjuntura que, em 1928, o município celebrou o contrato com o grupo
norte-americano da Bond and Share, para a concessão dos serviços de eletricidade em Porto
Alegre. A Cia. Brasileira de Força Elétrica, daquele grupo, adquiriu o controle acionário das
companhias locais (Energia Elétrica Rio-Grandense e Carris Porto-Alegrense) e comprou as
instalações da pequena usina municipal. Empreendendo a construção da usina térmica,
localizada no princípio, na Rua dos Andradas (Usina do Gasômetro), com boa capacidade de
geração, dobrou em pouco tempo a capacidade instalada. Isso permitiu, durante alguns
anos, o desenvolvimento do sistema de iluminação e da rede de bondes, além do desafogo
das industrias.
O crescimento da cidade e de sua indústria clamava sempre por mais energia. Em 1943, o
Estado, que fundara a Comissão Estadual de Energia Elétrica (transformada em Companhia
Estadual de Energia Elétrica, em 1963), mostrou-se decidido a assumir o controle da geração
de eletricidade em todo o território gaúcho.
Fonte: livro "Porto Alegre, Guia Histórico", de Sérgio da Costa Franco.
Colaborou Antônio Carlos Contursi

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
10 voltar ao topo
COLUNAS
MARTA SFREDO - + Economia
O lado gaúcho do crescimento verde
225

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Tem foco no Programa de Crescimento Verde a visita que o ministro do Meio Ambiente,
Joaquim Leite, faz hoje à unidade de produção de biodiesel da BSBios, em Passo Fundo (foto).
É a principal peça que o governo Bolsonaro quer levar à COP26, em Glasgow, para tentar
colocar em prática o compromisso de neutralizar as emissões de gases de efeito estufa até
2050. A visita e seus objetivos foram confirmados à coluna pelo diretor-presidente da
BSBios, Erasmo Battistella:
- É a primeira visita de um ministro do Meio Ambiente a uma empresa produtora de
biodiesel. Os biocombustíveis estão cada vez mais ligados à área ambiental e menos à
energética. Com as mudanças climáticas, esse tema assumiu protagonismo, não só no
Brasil, mas em todo o mundo.
Além de duas unidades de produção no Brasil, Battistella tem um ousado projeto de
produção de biocombustíveis avançados no Paraguai, com contratos bilionários fechados
com gigantes globais.
- Nosso compromisso de tornar a BSBios neutra em carbono até 2030 chamou a atenção do
ministro, porque é a primeira empresa de biodiesel que fixa prazo tão curto. Vamos discutir
como pode virar prática para muitas outras empresas.
Com essa chancela, Battistella avalia:
- O Brasil precisa fazer mais, entrar no mercado de biocombustíveis avançados, com diesel
verde, bioquerosene para avião. O Brasil não tem só queimada, tem muita coisa boa que não
consegue mostrar lá fora.
Há outro tema em pauta: a redução de 13% para 10% do percentual de biodiesel na mistura
do diesel, decidida sob alegação de redução de custo.
- O Ministério do Meio Ambiente já se colocou contrário à redução, e certamente vamos
conversar sobre isso, mostrar a importância do programa - pondera.

Opus pelo Brasil


A gaúcha Opus Entretenimento dá mais um passo em direção à retomada do setor de
eventos. Fechou parceria com a casa de espetáculos Live Curitiba, do Paraná. A Opus já
administra os teatros Bradesco e Opus, em São Paulo, o do Bourbon Country, em Porto
Alegre, o Riachuelo, em Natal, o RioMar Recife (PE) e o RioMar Fortaleza (CE).
A Live Curitiba foi criada há cinco anos, embora o espaço já existisse desde 1994, com outro
nome e diferentes proprietários. Nos últimos anos, recebeu cerca 1 milhão de pessoas em
300 eventos. Segundo a Opus, a casa tem capacidade para até 5 mil pessoas e estrutura
adaptável a "qualquer tipo de evento".

Nem Flybondi prevê voos a Argentina


Leitores pediram para checar com a ultralow cost Flybondi se a companhia não tem opção
de voo entre Porto Alegre e Buenos Aires. A companhia informou que "não tem data
confirmada". Vai retomar partidas do Rio e de São Paulo em janeiro. Então, só mesmo a Gol
estuda retomar a conexão direta, a partir de dezembro.
é o valor de ativos administrado por um grupo de fundos de investimento que pediram
ontem a 1,6 mil empresas mais poluentes do mundo que fixem com urgência metas de
redução de emissões de carbono. Entre os alvos, estão pesos-pesados como Hyundai, Basf e
Lufthansa.

ICMS sobre gasolina já divide Estados


A pressão do Palácio do Planalto, agora aliado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL),
começa a provocar divisões entre os Estados sobre a cobrança de ICMS dos combustíveis.
Nos últimos dias, o Espírito Santo decidiu congelar o preço de pauta e o Mato Grosso

226

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


anunciou drástica redução de alíquotas.
Na segunda-feira, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB), determinou o
congelamento do preço de pauta, pelos "próximos meses". Desde julho, o mesmo vinha
ocorrendo com o GLP. O congelamento não tem data para acabar. Na terça-feira, o
governador do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), anunciou a redução de alíquotas sobre
gasolina - de 25% para 23% - e diesel - de 17% para 16% - além de energia elétrica, gás
industrial, internet e telefone.
A coluna, claro, perguntou ao secretário da Fazenda, Marco Aurelio Cardoso, qual é a
posição do RS sobre as propostas de mudança na legislação do ICMS sobre combustíveis
que Lira tenta emplacar. A resposta foi:
- A proposta segue a linha equivocada de responsabilização do ICMS como causador da
flutuação de preços. Se isso fosse verdade, o diesel não teria inflação equivalente à gasolina,
pois ambos têm alíquotas totalmente diferentes.
A coluna então perguntou se existe possibilidade de congelar o preço de pauta, a exemplo
do Espírito Santo:
- Não está no radar e creio que deve ser uma política coordenada via Confaz. Há regras
regulando isso.
Cardoso citou estudo recente da Secretaria da Fazenda do Ceará, que cobra alíquota de 29%
sobre a gasolina. Lá, de janeiro a agosto de 2021, o preço de pauta ao consumidor desse
combustível subiu 25,27%, enquanto o preço de saída na refinaria avançou 53,35%.

(...)
 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
4 voltar ao topo
COLUNAS
TULIO MILMAN - Informe Especial
DO BEM
Em campanha pelo Outubro Rosa, a rede de franquias Bella Gula transformou a tradicional
torta red velvet em pink velvet, em alusão à cor que representa a luta contra o câncer de
mama. Parte das vendas do produto realizadas até o fim do mês será doada ao Instituto de
Mama do RS. Um material informativo também será distribuído, ensinando a fazer o
autorreconhecimento das mamas.
Empatia
Para quem gosta de andar com as magrelas pela cidade, passar ao lado de um ônibus pode
ser um verdadeiro pesadelo. Pensando em proporcionar uma experiência real, a Coleurb,
empresa de transporte coletivo urbano que atende Passo Fundo, instalou bicicletas fixas no
pátio para que motoristas e cobradores tenham uma vivência diferente da qual estão
acostumados no cotidiano. A iniciativa faz parte das ações da Semana Nacional do Trânsito.
Nota 10
O papai pop Marcos Piangers é a atração principal de um evento online e gratuito
promovido pelo Sebrae para os professores gaúchos.
O objetivo é compartilhar reflexões e informações sobre saúde emocional e autocuidado
com os mestres, que enfrentam os desafios da adaptação às novas plataformas de ensino e
às tendências educacionais em transformação.
227

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Inscrições: https://gzh.rs/3A3nxFv
Prestação de serviço
A Justiça do Trabalho gaúcha inaugura, até 15 de outubro, as novas instalações dos foros de
Estrela e Novo Hamburgo e das varas de São Borja, Alegrete e Arroio Grande.
Os prédios atendem aos parâmetros de sustentabilidade, acessibilidade, funcionalidade,
economia e adequação ao interesse público definidos pelo Conselho Superior da Justiça do
Trabalho.
Medicina de ponta
O gaúcho Rafael Roesler foi eleito membro do Subcomitê de Educação da British Neuro-
Oncology Society. Vai participar da elaboração de programas e atividades de educação e
treinamento dos neuro-oncologistas e neurocirurgiões residentes e estudantes do Reino
Unido. "Nesse caminho, trabalharei para identificar avanços que possamos usar no Brasil e
estimular o intercâmbio com o Reino Unido", projeta. Roesler é professor titular do
Departamento de Farmacologia da UFRGS, atualmente atuando como diretor técnico-
científico da FAPERGS.
O médico Marcelo de Abreu é um dos convidados a palestrar em Davos, na Suíça, em um
encontro sobre radiologia diagnóstica, área em que atua no Hospital Mãe de Deus. O debate
abordará o livro Musculoskeletal Diseases 2021-2024: Diagnostic Imaging, da editora
Springer, que conta com a participação de Abreu em um capítulo sobre ressonância da
coluna vertebral em conjunto com o médico inglês David Wilson, da Universidade de
Oxford.
Ecossistemas
O governador Eduardo Leite anuncia hoje, a partir das 14h, o maior investimento público
estadual em inovação dos últimos 20 anos. O programa Avançar na Inovação conta com R$
112,3 milhões, contemplando a Secretaria de Inovação, Ciência e Tecnologia, a Universidade
Estadual do Rio Grande do Sul e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande
do Sul.
O evento, em formato híbrido, será transmitido ao vivo, do Instituto Caldeira, nas redes do
governo e da secretaria.
Fica ou não fica?
Os leitores continuam se posicionando sobre a ideia de mudar o Laçador de lugar depois da
restauração (https://gzh.rs/3ieRc8k). Abaixo, mais opiniões:
Tempos atrás estive em Posadas, na Argentina, e me chamou atenção uma grande estátua
em um ponto avançado sobre o rio Paraná, junto a uma avenida beira-rio. Trata-se de uma
homenagem a um líder guarani de nome Andrés Guacurari. Acho que podemos seguir essa
ideia, colocando o nosso Laçador em um ponto avançado sobre o Guaíba, junto à orla
revitalizada.
Jaime Ramos
Volta o Laçador para onde é o lugar dele, na porta da Farrapos, lugar onde, tu te lembras
disso, esteve desde que tu te conheces por porto-alegrense. Que tirar selfie o que... O
Laçador é na porta da Farrapos, sempre foi. Chê, tem coisas que não se pode mudar. Viu?
Mudaram e não deu certo.
Rodrigo Arus
Nosso Laçador deve ficar onde as pessoas vão. Ali no Gasômetro, onde esteve o monumento
ao Descobrimento, seria um belo local. E Paixão Cortes ficaria eternamente grato de assistir
o pôr do sol do Guaíba e ser visto diariamente por milhares de pessoas.
Rolnei Corrêa Pinto

(...)

228

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


 
Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
18 voltar ao topo
EDITORIAL
O PARADOXO DO EMPREGO
OPINIÃO DA RBS

Uma das iniciativas aprovadas no âmbito do Pacto Alegre, o projeto Cidade Educadora, que
teve a largada na terça-feira, tem relação direta com a solução de um dos grandes
problemas que afetam o país. O objetivo é preparar a Capital para os desafios do futuro,
tendo o ensino como base, preparando jovens e a população em geral para uma nova
realidade, em que o conhecimento digital, por exemplo, será um dos diferenciais para o
desenvolvimento. Graças a esse movimento, Porto Alegre voltou a integrar a Rede
Internacional das Cidades Educadoras.
A formação adequada, incluindo a necessidade de preparar crianças e adolescentes para a
vida profissional, é hoje um dos principais gargalos da economia, notadamente de alguns
setores promissores, não apenas em Porto Alegre, mas no Estado. Parece paradoxal, mas
enquanto o país vive um período de desemprego elevadíssimo, existem milhares de vagas
que não são preenchidas porque as empresas não encontram mão de obra com a
qualificação exigida. Isso ocorre na área de TI e outras correlatas ligadas a inovação, por
exemplo. Reportagem publicada no início do mês por Zero Hora mostrou que a Associação
das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação no Estado (Assespro-RS) calculava
que, apenas no Rio Grande do Sul, existiam cerca de 6 mil postos de trabalho abertos. Em
alguns empregos, há salários oferecidos de até R$ 15 mil.
As empresas gaúchas ligadas à TI cresceram 10% no ano passado, em meio à crise da
pandemia, e projetam manter o ritmo de evolução na casa de dois dígitos em 2021 e 2022. A
falta de capital humano na quantidade adequada, no entanto, se torna um empecilho para
um avanço potencialmente ainda maior. A alta procura por mão de obra capacitada não é
uma exclusividade do Rio Grande do Sul. Em todo o país, serão necessários cerca de 400 mil
profissionais até 2024, estima a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da
Informação e Comunicação (Brasscom), dando uma dimensão da carência.
Diante da escassez de pessoal, há iniciativas das próprias empresas e do Instituto Caldeira
que buscam captar jovens interessados, capacitá-los e, com isso, criar um banco de talentos
capaz de ofertar o capital humano demandado. O esforço para evitar esse verdadeiro
apagão, no entanto, tem de ser conjunto, unindo capital privado, poder público, academia e
sociedade civil. Enquanto o país padece com mais de 14 milhões de desempregados,
constata-se que existe procura firme por mão de obra qualificada. Mas ainda se peca na
formação. Toda a base, no entanto, tem de estar na escola, garantindo a crianças e
adolescentes as capacidades mínimas para explorarem as oportunidades existentes e se
desenvolverem profissionalmente. Aptas, ajudarão no crescimento de setores portadores de
futuro e contribuirão para o fortalecimento da economia gaúcha.

(...)
 
229

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Leia mais: https://flipzh.clicrbs.com.br/jornal-digital/pub/gruporbs/acessivel/

RS - ZERO HORA
30/09/2021
18 voltar ao topo
OPINIÃO
Opinião do leitor
CPI DA COVID
Deprimente. É a palavra que me ocorre ao assistir ao comportamento de todos os
participantes da sessão de ontem da comissão. Desde o depoente até os senadores e
penetras. O nível não poderia ser mais baixo. Infelizmente estamos pessimamente
representados.
SALUS FINKELSTEIN
Arquiteto - Porto Alegre

VIADUTO DOS AÇORIANOS


Um ano e quatro meses para recuperação do Viaduto dos Açorianos. Poderia comemorar-se.
Mas não. Foi muito tempo prejudicando motoristas e a população em geral. No Brasil,
conta-se a execução de obras públicas em anos, mesmo as de pequeno e médio portes.
Sempre com atraso, elevação de custos e desculpas inúteis. Fosse no Japão, na China ou em
outro país de Primeiro Mundo, esse prazo seria de meses. Sabem por quê? Porque lá o foco
é o bem-estar do cidadão. Um dia, alcançaremos esse status.
PAULO CAETANO NEGRINI
Engenheiro - Porto Alegre

VIOLÊNCIA URBANA
Registro minha indignação e perplexidade pela menina assassinada em assalto ocorrido em
Porto Alegre. Não bastasse tomar os celulares das pessoas que estavam na parada de
ônibus retornando para casa após o trabalho, conforme relato de ZH (28/9), o assaltante
ainda executa a menina a sangue frio por ter se atrapalhado na hora de entregar seu
telefone. É preciso que nossa sociedade reaja. Os roubos a pedestres estão ocorrendo dia e
noite. Caminhar nesta cidade virou uma atividade de risco. Necessitamos de mais
policiamento, mais vigilância, leis mais severas para combater e punir a criminalidade.
ROGÉRIO FERRAZ
Advogado - Porto Alegre

MINA GUAÍBA
Finalmente podemos elogiar o governo do Rio Grande do Sul, que arquivou o projeto da
Mina Guaíba. Parabéns ao jornalista Flávio Tavares e ao geólogo Dr. Rualdo Menegat, da
UFRGS, que há anos denunciam os perigos ambientais dessa iniciativa.
FLÁVIO FEIJÓ
Geólogo - Porto Alegre

230

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


RS - ZERO HORA
30/09/2021
6 voltar ao topo
OPINIÃO
GILMAR FRAGA – Charge
Charge

RS - ZERO HORA
30/09/2021
5 voltar ao topo
ZERO HORA
CHAMOU ATENÇÃO - Um lugar ao sol em Camboriú
A prefeitura de Balneário Camboriú, em Santa Catarina, liberou na terça-feira o acesso do
público ao trecho de dois quilômetros de alargamento da faixa de areia da praia na região
central da cidade. O espaço vai da altura da Rua 4.000 até o molhe da Barra Sul. No total, a
obra deve ampliar a faixa de areia de 25 metros para 75 metros, e tem previsão de
conclusão para novembro. O custo do alargamento é orçado em R$ 66,8 milhões.
O trecho ainda estava interditado para que a prefeitura finalizasse a obra e para que
houvesse acomodação do aterro, especialmente dentro da água.
Segurança
Segundo a prefeitura de Balneário Camboriú, as características do declive no mar são
bastante parecidas com a da praia original. Ou seja, a cada 40 metros avançados para
dentro do mar, a profundidade ganha um metro.
231

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A abertura da nova faixa de área foi monitorada por uma equipe do 13° Batalhão de
Bombeiros Militar (13º BBM) para garantir a segurança dos banhistas e o cumprimento das
regras de prevenção ao coronavírus.
- Estamos fazendo rondas com quadriciclos no local liberado, verificando correntes de
retorno, profundidades e possibilidades de buracos. Mas a condição do mar na Barra Sul é
geralmente bem tranquila - afirmou o subcomandante do 13° BBM, capitão Marcus Vinícius
Abre.
Como a distância dos postos fixos aumentou, o monitoramento foi reforçado. A partir do
verão, a corporação pretende fazer uso dos cadeirões, estruturas móveis para ficar mais
perto da água.
A obra é a primeira etapa de um dos maiores "engordamentos de praia" da América Latina.
O aterro fará com que a sombra dos arranha-céus não atrapalhe mais o banho de mar no
local.

RS - ZERO HORA
30/09/2021
7 voltar ao topo
ZERO HORA
PGR abre apuração contra Braga Netto
ELEIÇÕES 2022

O procurador-geral da República, Augusto Aras, abriu apuração preliminar contra o


ministro da Defesa, Walter Braga Netto, que teria ameaçado a realização das eleições em
2022. Conforme revelou o jornal Estadão, no dia 8 de julho, o ministro teria enviado um
recado ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), com a mensagem de que não haveria
eleições no ano que vem, se não houvesse impressão dos votos e contagem pública dos
resultados.
Em manifestação enviada ao gabinete do ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal
Federal (STF) , ontem, a Procuradoria-Geral da República (PGR) informou que abriu o
procedimento para apurar a ameaça e pede que a Corte arquive pedido de mesmo teor
movida pelo advogado Ronan Wielewski Botelho contra Braga Netto. Para requerer o fim do
processo, Aras informou ao STF que já havia investigações em curso no Ministério Público
Federal (MPF).
"Nesta Procuradoria-Geral da República, já tramita notícia de fato destinada à averiguação
preliminar dos fatos relatados pelo noticiante, bem assim de outros que possam com eles
guardar relação de pertinência", escreveu Aras. "Eventual surgimento de indícios razoáveis
de possível infração político- administrativa cometida pelo noticiado (Braga Netto) ensejará,
pois, a adoção das providências necessárias à sua apuração", afirmou Aras.
"Invenção"
Conforme o Estadão, após o recado de Braga Netto contendo ameaças, Lira disse a um
grupo de confiança ter muita preocupação com as declarações do ministro da Defesa
porque a situação era "gravíssima". Relatos obtidos pela reportagem revelam que Lira
afirmou a Bolsonaro que não contasse com ele para qualquer ato de ruptura institucional.
Em comunicado, Braga Netto negou as ameaças às eleições. No dia seguinte à revelação,
limitou-se a dizer que se tratava de "invenção". O chefe das Forças Armadas não deu
nenhuma informação complementar. O Estadão mantém todas as informações publicadas.

232

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


RS - ZERO HORA
30/09/2021
9 voltar ao topo
ZERO HORA
Senado abranda a Lei de Improbidade
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Por 47 votos a favor e 24 contrários, os senadores aprovaram ontem projeto que enfraquece
a Lei de Improbidade Administrativa. A proposta passou por ajustes com o relatório do
senador Weverton Rocha (PDT-MA) para poder avançar, mas, ainda assim, gerou polêmica
no plenário. Agora, volta para a Câmara dos Deputados.
Um dos itens do projeto estabelece que será exigida a comprovação de dolo (intenção de
cometer irregularidade) para a condenação de agentes públicos. Atualmente, a Lei de
Improbidade permite a condenação por omissões ou atos dolosos e culposos (sem intenção
de cometer crime). Casos em que se constatou culpa grave e negligência, por exemplo, não
poderão mais ser sancionados.
Outra modificação, em especial, causou resistência entre alguns parlamentares: a redução
do prazo que o poder público tem para concluir os processos. Os senadores Alessandro
Vieira (Cidadania-SE) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disseram que a regra foi feita para
livrar de processos autoridades como o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), réu em
ação de improbidade.
- Não há razoabilidade na redução do prazo prescricional para a Lei de Improbidade como
colocado. Não há urgência que não seja favorecer quem cometeu o ilícito. Esse artigo 23 cria
o ?in dubio? pró-Lira - afirmou Randolfe.
Assim como entre os deputados, o projeto no Senado teve o apoio do centrão, do governo
federal e do PT. Em busca de acordo na Comissão de Constituição e Justiça, o relator
ampliou o tempo de duração do inquérito civil de seis meses para um ano, renovável por
uma única vez. E Weverton voltou atrás em mudanças que permitiriam a aplicação
retroativa das disposições da lei e que levariam à impossibilidade de punir casos de
nepotismo.
Empresas
Mesmo assim, uma ala minoritária no Senado protestou contra a criação de nova regra que
pode levar ao encerramento de até 40% dos casos. Essa é a alteração que encurta para
quatro anos para um ato de improbidade ser punido na primeira instância. A maioria dos
casos, de acordo com relatório do Conselho Nacional de Justiça, leva mais tempo para ser
concluído.
E mesmo que ao fim do processo seja determinada a perda do cargo, essa punição não vai
valer mais para um agente público que trocou de função. Para dar exemplo concreto, Lira,
condenado por improbidade administrativa em um caso de desvio de dinheiro público na
Assembleia Legislativa de Alagoas, na época em que era deputado estadual, não estará mais
sujeito à perda do cargo porque já não é mais deputado estadual.
Além disso, o texto limita as possibilidades de punir empresas e empresários por meio de
ações de improbidade. Com a fusão e incorporação de companhias, ficariam livres de
punições que, antes disso, poderiam receber. E o projeto prevê que empresas punidas com
base na Lei Anticorrupção não possam ser punidas pelos mesmos fatos na Lei de
Improbidade.
Há também um artigo que diz que sócios, cotistas, diretores e colaboradores de pessoas
jurídicas e de direito privado não respondem por ato de improbidade que venha a ser
233

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


imputado à pessoa jurídica, salvo se comprovadamente houver participação e benefícios
diretos.
Outro ponto criticado no projeto, mas mantido, é o fim da possibilidade de um órgão
público lesado entrar com ações de improbidade, por exemplo, por meio da Advocacia-Geral
da União. Apenas o Ministério Público fica com legitimidade para propor ações.

RS - ZERO HORA
30/09/2021
8 voltar ao topo
ZERO HORA
Emprego com carteira no RS sobe pelo oitavo mês
seguido
MERCADO DE TRABALHO

O Rio Grande do Sul engatou o oitavo mês consecutivo com saldo positivo na geração de
emprego com carteira assinada. Ou seja, mais contratou do que demitiu. Foram abertas
11.801 vagas em agosto, segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados
(Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho e Previdência.
No ano, são 118.816 postos abertos no Estado. Mesmo no azul, esse montante ainda é menor
do que o total de vagas fechadas no período de março a junho no ano passado, de 138.322
vagas, no auge dos estragos causados pela pandemia no mercado de trabalho. No
acumulado de 12 meses, a quantidade de empregos soma 188.098.
O saldo de agosto no Estado ocorre diante de 109.402 admissões e 97.601 demissões.
Serviços e comércio lideram entre os setores, somando 10.197 vagas. Indústria é o único com
resultado negativo no mês (veja gráfico ao lado).
Economista da Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado (Fecomércio-RS),
Giovana Menegotto diz que o bom desempenho de serviços e comércio ainda ocorre na
esteira do avanço do combate à pandemia.
- Tem o aspecto de maior controle da pandemia, que dá uma perspectiva de maior
segurança para as pessoas poderem ir retomando a demanda de serviços que dependem de
atendimento presencial - observa a economista.
Recuperação
Dentro do setor de serviços, Giovana salienta o avanço nas contratações no ramo de
alojamento e alimentação, um dos mais afetados pelas restrições. Após meses com números
mais tímidos, o segmento registrou abertura de 1.852 postos em agosto.
- Eles são os mais afetados e tendem a continuar se recuperando à medida que a gente
continue avançando e possa continuar nesse cenário de controle maior da pandemia -
pontua.
Datas como o Dia das Crianças, a Black Friday e as festas de final de ano somadas ao espaço
para avanço das contratações devem manter a geração de emprego aquecida até o fim do
ano no Estado, segundo a economista. Giovana afirma que a inflação alta no país gera
preocupação, mas não deve interromper o movimento. No entanto, ela avalia que o
crescimento poderia ser ainda maior sem esse problema.
Analisando o desempenho da indústria em agosto, a economista Maria Carolina Gullo,
professora da Universidade de Caxias do Sul (UCS), afirma que o resultado negativo não
preocupa. Conforme Maria Carolina, o setor segue aquecido e o saldo de agosto deve ter
ocorrido em razão de algum movimento pontual. A economista afirma que o desajuste na
entrega de insumos ainda freia avanço maior no setor.
234

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


- O crescimento da indústria poderia ser maior hoje se a cadeia de fornecedores de insumos
estivesse com condições de entregar o produto. A gente sabe que não é porque ela não
quer. É porque realmente existe a falta de alguns produtos - diz Maria Carolina.
Brasil
O desempenho do mercado formal no Estado também é observado nacionalmente. E, no
país, além de registrar saldo positivo, houve avanço em relação ao mês anterior. Em agosto,
o Brasil criou 372.265 novas vagas com carteira. No acumulado no ano, o saldo subiu para
2,204 milhões e, nos últimos 12 meses, 3,202 milhões. Serviços, comércio e indústria lideram
no recorte entre setores no país. O ministro do Trabalho e Previdência, Onyx Lorenzoni,
disse que o resultado do acumulado do ano no país entusiasma:
- O Brasil atinge uma marca extremamente importante de geração de emprego formal em
menos de um ano. Isso demonstra que essa recuperação econômica é extremamente
sustentável.
O discurso de Onyx ocorre na mesma linha de fala do ministro da Economia, Paulo Guedes,
no dia anterior. Em evento com presença de empresários, Guedes afirmou que a economia
brasileira está "bombando" e "voando".
anderson.aires@zerohora.com.br
ANDERSON AIRES

235

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


VALOR ECONÔMICO VAL
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
PRIMEIRA PÁGINA
MANCHETES

236

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


237

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
PRIMEIRA PÁGINA voltar ao topo
MANCHETES
LIRA E PACHECO QUEREM REFORMA TRIBUTÁRIA
RESOLVIDA NESTE ANO.
Os dois presidentes, que comandarão o Poder Legislativo até o fim de 2022, afirmam
que não permitirão o rompimento do teto de gastos, um compromisso assumido
desde fevereiro, quando foram eleitos
 
Por Vandson Lima — De Brasília
 
O Congresso pretende concluir ainda neste ano a tramitação da reforma tributária, seja
para aprovar ou descartar as propostas em discussão. É o que asseguraram os presidentes
da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG).
Eles se comprometeram com o não rompimento do teto de gastos, um desafio para os
próximos meses - por exemplo, passou no Congresso projeto que autoriza o uso de
reformas ainda não aprovadas para custear programas sociais. A conversa dos
parlamentares com o Valor foi transmitida na cerimônia do “Valor 1000”.
SAIBA MAIS:
CONGRESSO DECIDE REFORMA TRIBUTÁRIA ESTE ANO

Leia mais: https://valor.globo.com/impresso/noticia/2021/09/30/lira-e-pacheco-querem-
reforma-tributaria-resolvida-neste-ano.ghtml 

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
B12 voltar ao topo
AGRONEGÓCIOS
Pecuária brasileira avança em todas as frentes
Pesquisa do IBGE confirma crescimentos do rebanho bovino e dos efetivos de aves e
suínos em 2020

Por Lucianne Carneiro — Do Rio

O rebanho bovino brasileiro somou 218,15 milhões de cabeças em 2020, 1,5% mais que em
2019 e maior patamar desde 2016 (218,19 milhões), segundo a nova Pesquisa da Pecuária
Municipal (PPM) divulgada ontem pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
O Estado de Mato Grosso manteve a liderança no segmento, com 32,7 milhões de cabeças
(aumento de 2,3% em relação a 2019), seguido por Goiás (23,6 milhões de cabeças). O Pará
ultrapassou Minas Gerais e ficou com a terceira posição no ranking estadual, com 22,27
milhões.
Para a pecuária bovina brasileira, foi mais um ano marcado pelo crescimento da demanda
da China. Por causa da peste suína africana, houve redução do plantel de porcos no país

238

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


asiático e suas importações de proteínas em geral cresceram para suprir sua demanda
interna.
Mais de um terço do rebanho bovino brasileiro estava no Centro-Oeste no ano passado
(34,6% do total, ou 75,4 milhões de cabeças). Mas o maior incremento foi na região Norte -
5,5% (2,7 milhões de cabeças), para 52,4 milhões de cabeças.
Segundo dados do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA), o Brasil tem o segundo
maior efetivo de bovinos do mundo e é também o segundo maior produtor de carne bovina.
Em exportações, é líder.
Conforme os dados da PPM, São Félix do Xingu, no Pará manteve a ponta entre as cidades
do país com maior rebanho bovino em 2020. Sexta maior cidade brasileira em extensão
territorial, com o dobro do tamanho da Holanda, São Félix do Xingu tinha, no fim de 2020,
2,36 milhões de cabeças de gado, um aumento de 5,4% ante o ano anterior.
O município do sudeste paraense também se destacou negativamente nos últimos anos por
causa do elevado desmatamento. Em agosto de 2021, foi a terceira cidade com mais focos de
calor na Amazônia Legal, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Especiais (Inpe).
Produçaõ de leite
Ainda conforme a pesquisa do IBGE, a produção brasileira de leite cresceu 1,5% em 2020 em
relação a 2019 e atingiu o recorde de 35,4 bilhões de litros. Também houve aumento de
30,8% no valor da produção, para R$ 56,5 bilhões.
A PPM apontou que o preço médio nacional do litro do leite ficou em R$ 1,59 em 2020, uma
alta de 28,9% ante o ano anterior. Já a produtividade média avançou 2,4%, para 2.192 litros
por vaca/ano. O Brasil é o sexto maior produtor mundial de leite e tem o terceiro maior
efetivo de vacas ordenhadas no mundo, segundo as estatísticas do USDA.
Quase um terço (27,3%) de todo o leite produzido no país veio de Minas Gerais, que produziu
9,7 bilhões de litros, 2,6% mais que em 2019. O Paraná ocupa o segundo lugar no ranking
dos maiores Estados produtores, com 4,64 bilhões de litros e 13,1% do total nacional. O Rio
Grande do Sul ocupa a terceira posição, com 4,29 bilhões de litros em 2020.
Juntos, os três Estados concentram, portanto, mais da metade do leite produzido no país
(52,4%). Minas Gerais é o principal produtor, mas o município líder está no Paraná. Castro
produziu, em 2020, 363,9 milhões de litros, com valor de produção de R$ 651,4 milhões.
Em outra frente, o efetivo de galináceos (galos, galinhas, frangos, frangas, pintos e
pintainhas) chegou ao recorde de 1,479 bilhão de cabeças em 2020. O número representou
uma alta de 1,5% ante 2019, ou 21,7 milhões de animais a mais.
Na liderança do ranking dos Estados com maior efetivo desde 2005, o Paraná tinha, em
2020, 395,2 milhões de cabeças, um aumento de 2,9% em relação ao ano anterior. O Estado
respondeu, sozinho, por pouco mais de um quarto do total nacional (26,7%). Na segunda
posição veio São Paulo, com 200,6 milhões de cabeças e 13,6% do total nacional no ano
passado - mas redução de 2,1% em relação a 2019.
Entre os municípios, Santa Maria de Jetibá, no Espírito Santo, permaneceu com o maior
efetivo de galináceos, o que acontece desde 2016. No ranking das cidades destacam-se
também Cascavel (PR) e Bastos (SP).
Já o efetivo de galinhas para a produção de ovos somou 252,6 milhões em 2020, segundo o
IBGE, com alta de 2% no ano. São Paulo ficou com o maior efetivo, com 21,4% do total
nacional. Nos três municípios líderes, aparecem novamente Santa Maria de Jetibá (ES) e
Bastos (SP), seguidos por São Bento do Una (PE).
Assim, a produção brasileira de ovos de galinha cresceu 3,5% em 2020 no país em relação a
2019 e atingiu o recorde de 4,77 bilhões de dúzias, sempre de acordo com a PPM. O valor de
produção subiu 17,4% e chegou a R$ 17,81 bilhões.
Com a pandemia, apontou o IBGE, o ovo foi a proteína animal mais acessível. O Sudeste foi a

239

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


região com maior participação na produção nacional, com 2,05 bilhões de dúzias, ou 43% do
total nacional. Em segundo lugar veio o Sul, com 1,08 bilhão de dúzias e quase um quarto da
produção brasileira (22,7%), seguido pelo Nordeste, com 841 milhões de dúzias e fatia de
17,6% do bolo.
Sozinho, o Estado de São Paulo respondeu por um quarto (25,6%) da produção nacional de
ovos, com 1,22 bilhão de dúzias. O volume foi duas vezes superior ao do Paraná, que ficou
em segundo lugar com 450 milhões de dúzias, ou 9,4% do total do país.
A PPM também mostrou que o efetivo de suínos alcançou 41,1 milhões de cabeças em 2020,
1,4% a mais que em 2019. O Brasil tem o quarto maior plantel de suínos do mundo, e é o
quarto maior produtor e exportador de carne suína.
No caso dos suínos, Santa Catarina manteve a liderança entre os Estados, com 7,8 milhões
de cabeças em 2020 e alta de 2,8% na comparação com 2019. Já o município de Toledo, no
Paraná, foi o maior produtor, com 1,2 milhão de cabeças, ou 2,9% do total nacional.
O aumento do custo de produção, com a alta dos grãos e a valorização do dólar - que torna
as exportações mais atrativas para os produtores -, pressionaram os preços de carnes de
frango e suína e dos ovos em 2020, o que também favoreceu o avanço dos efetivos de aves e
suínos, segundo Mariana Oliveira, supervisora da PPM 2020.
"Houve a situação das commodities agrícolas [alta de preços] e isso também afeta os
produtores de animais, porque precisam alimentar os animais com milho, por exemplo.
Para a produção continuar viável, tem um repasse dos custos. E também tem a
desvalorização do real frente ao dólar, que torna a exportação mais atrativa, isso afeta
também a pecuária porque há o incentivo para a exportação de carnes", afirmou.
Nesse contexto, há também o aumento de demanda para as proteínas animais de custo
mais acessível, explicou ela - como as carnes de frango, suína e os ovos. "No ano atípico que
foi 2020, acabou ficando mais importante ainda encontrar uma proteína acessível. Além de
os preços serem diferentes entre as proteínas, aumentaram ainda mais".
A piscicultura, finalmente, cresceu 4,3% no país e chegou a 551,9 mil toneladas em 2020,
segundo a PPM. O principal Estado produtor é o Paraná, com 25,4% do total nacional, com
destaque para Nova Aurora (PR), que concentrou 3,6% do total.
A produção de camarão em cativeiro, por sua vez, teve alta de 14,1%, totalizando 63,2 mil
toneladas. Juntos, Rio Grande do Norte e Ceará responderam por quase 70% (68%) da
produção no ano passado. O município de Aracati (CE) foi o maior produtor, com 3,9 mil
toneladas.

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
B12 voltar ao topo
AGRONEGÓCIOS
Geração própria de energia avança no campo brasileiro
Meio rural atingiu a marca de 1 gigawatt de potência instalada em geração
distribuída, segundo a ABGD

Por Rikardy Tooge — De São Paulo

Em tempos de crise energética no Brasil, o meio rural atingiu a marca de 1 gigawatt de


potência instalada em geração distribuída, aquela em que se produz a própria energia - e
que pode ser "vendida", por meio de créditos na conta de luz, ao sistema nacional, caso
240

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


exista excedente.
Além de diminuir em cerca de 95% os custos com eletricidade na atividade rural, essa
potência instalada seria suficiente para abastecer cerca de 1,5 milhão de habitantes, de
acordo com a Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD).
"Estamos em um momento de alto custo da energia, e quanto mais sobe fica mais atrativo
para investir. A própria falta de chuva também afetou a produção, então é necessário
buscar novas maneiras para baixar os custos", afirma Carlos Evangelista, presidente da
ABGD.
A associação aponta que a adoção de geração distribuída está em ritmo acelerado no país e
que o agronegócio tem aumentado sua participação nesse mercado, que está em 14% do
total de 7,15 gigawatts.
Estímulos como financiamentos com baixa taxa de juros e uma área ampla para a
instalação de painéis ou outras usinas, como de biogás e biomassa, fazem a ABGD estimar
que a capacidade instalada do setor alcance 2,5 gigawatts em 2022, o suficiente para atender
3,75 milhões de habitantes. Isso significa que o setor poderá ofertar ou evitar o uso de algo
próximo a 50 megawatts por mês - ou uma nova cidade de 75 mil habitantes a cada 30 dias.
Marco legal
Afora o alto custo, outro fator que contribui pela alta procura por geração própria é que
está em discussão no Senado um marco legal para o setor (PL 5.829/2019) que propõe, entre
outras questões, que novas conexões ao sistema elétrico passem a pagar uma taxa pelo uso
da infraestrutura, algo que não é cobrado hoje. Quem optar pela geração própria, manterá a
gratuidade por mais de 20 anos, segundo o texto em debate.
Apesar de não necessariamente enviar toda essa produção energética à rede, o setor indica
que pelo menos isso deixa de ser gasto no já sobrecarregado sistema elétrico. "O meio rural
está engajado na adoção, especialmente para mitigar a alta causada pela crise hídrica. Além
da economia, há sim uma injeção de energia na rede", diz Evangelista.
Entre as mais de 64,5 mil micro e mini usinas instaladas no campo para produção própria
de energia, mais de 95% são de painéis fotovoltaicos. As outras fontes são hídrica (com
quedas d'água na área das propriedades), biomassa e eólica.
Em todo o Brasil, são mais de 780 mil unidades de geração distribuída, espalhadas em 5.368
municípios. Minas Gerais lidera.

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
A22 voltar ao topo
ARTIGOS
JOAQUIM LEVY - Soluções baseadas na natureza em
Glasgow
Investidores começam a criar demanda por padronização, atividades que merecem
contar com o apoio do governo
Os riscos climáticos podem ser classificados entre físicos e de transição. Os primeiros
derivam do impacto das mudanças de temperatura, regime de chuvas, altura do mar, etc. Os
outros têm a ver com mudanças tecnológicas ou regulatórias.
A agricultura brasileira está sujeita aos dois tipos de risco. Alterações na floresta
amazônica em decorrência do aquecimento global, aceleradas ou não pelo desmatamento,
são riscos físicos que afetarão os regimes de chuva do Centro-Oeste e demais regiões
241

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


produtoras do país.
(...)
Alterações na floresta, inclusive a possível incapacidade dela se recompor, podem já estar
acontecendo. Estudos recentes1 sugerem que a deterioração dos remanescentes da floresta
e o aquecimento atmosférico têm levado à morte prematura das árvores no sudeste da
Amazônia, quebrando o equilíbrio entre absorção e emissão de carbono pela floresta para
além do efeito do desmatamento e incêndios criminosos.
Mas os riscos de transição são provavelmente mais imediatos. É o caso dos incentivos à
produção de proteínas em laboratórios e outras pressões motivadas pela associação da
pecuária e mesmo da lavoura a riscos climáticos.
As proteínas de laboratório ainda não resultam em comidas apetitosas, apesar da
celebração de hamburgers artificiais. A carne moída não tem o apelo da carne inteira, para
quem pode pagar por um bife. Mas preço e acessibilidade costumam ter impacto na dieta
das populações. Já é popular a noção de que a transição da caça para os grãos não se deu
sem fricções ou prejuízo à saúde, como até as múmias testemunham2. Mas a maior
produtividade da agricultura transformou a humanidade, deslocando as economias que
viviam da caça e renderam-se, contava-se, por um prato de lentilhas. Essa concorrência não
deve, portanto, ser desprezada, até pelo capital investido nela e no seu marketing.
O segundo risco de transição é de natureza regulatória. A dificuldade de os frigoríficos
demonstrarem que a carne que vendem não se origina em áreas desmatadas depois de
2008 cria embaraços cada vez maiores para a exportação e o relacionamento com
investidores. Para enfrentá-los, a cooperação de alguns governos estaduais, que começam a
dar acesso às guias de transporte de animais (GTAs) para facilitar o rastreamento das crias,
registros em blockchain e uso da AI têm dado mais credibilidade ao compromisso dos
grandes frigoríficos de resolverem esse problema. Sucesso nessa empreitada é
indispensável para preservar os mercados lá fora, porque até a China começa a prestar
atenção à sustentabilidade do que consome. O que deveria estar acontecendo aqui também.
Em paralelo, teremos que lidar com as emissões entéricas dos ruminantes, que são maiores
do que a soma das emissões brasileiras da indústria, transporte e resíduos sólidos juntas. Aí
também tem havido progresso para se compensar emissões bovinas com o sequestro de
carbono no solo e em árvores plantadas nos pastos. Essas árvores dão conforto aos animais
e podem ser fonte de renda para o agricultor, se houver um aumento da demanda por
madeira plantada, por exemplo, na construção civil.
Para aumentar o valor monetário dessas ações e evitarem-se sanções comerciais ao país, a
redução de emissões delas decorrentes precisa ser medida de forma acurada, robusta e
transparente, como já notou o ex-ministro Roberto Rodrigues. Padrões bem estabelecidos
serão necessários para demonstrar a captura de carbono no solo. Ou aquela obtida pela
regeneração natural das áreas liberadas com a intensificação da pecuária e sua integração à
atividade agrícola ou ao plantio de espécies permanentes, inclusive frutíferas, na Amazônia
e em outros biomas.
Investidores já começam a criar uma demanda por medições e padronização, atividades que
merecem também contar com o apoio do governo (e.g., Embrapa) . Elas são parte da
infraestrutura indispensável para rentabilizar o investimento na maior sustentabilidade da
nossa economia. Algo no que um mercado de carbono também teria papel relevante.
Os contornos de um mercado de carbono brasileiro já estão definidos no Substitutivo do
Projeto de Lei 528/2021, que propõe a criação do Sistema Nacional de Registro de
Compensações de Gases de Efeito Estufa (SNRC) e do Sistema Brasileiro de Comércio de
Emissões (SBCE) . Enquanto o primeiro sistema visa dar transparência e integridade
ambiental e social à oferta de créditos de carbono, o segundo cria incentivos para o

242

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


atingimento de metas de redução de emissões em vários setores da economia,
especialmente na indústria.
Juntos, os dois sistemas estabelecem uma governança climática flexível para abrigar as
rápidas alterações regulatórias dos mercados de carbono, e tornam subsídios menos
necessários para estimular nossa capacidade e vantagens em reduzir a emissão de gases de
efeito de estufa. Facilitam assim, transformá-las em fatores de desenvolvimento inclusivo.
Seu desenho contou com a contribuição de várias entidades empresariais e especialistas
como Ronaldo Seroa da UERJ, a partir da iniciativa do Deputado Marcelo Ramos, atual vice-
presidente da Câmara de Deputados. A aprovação do projeto antes da CoP-26 sinalizaria o
compromisso do País com as metas de emissões líquidas de carbono zero, ajudando na
discussão internacional da nossa pauta de interesses.
Ainda que não ocorram grandes decisões em Glasgow, temos interesse em que nossas
soluções baseadas na natureza - inclusive os biocombustíveis para aviação, siderurgia e
transportes eletrificados - sejam acolhidos nos sistemas globais de comércio de carbono.
Também será importante integrar nesses sistemas o sequestro de carbono em florestas e
no solo, reduzindo a dependência da proteção da floresta a esquemas voluntários como
REDD+. Todas essas iniciativas são caminhos para criar emprego no Brasil.
1.Gatti (2021) no volume 595 da revista Nature, e Brien (2015) no volume 519
2. www.proteinpower.com/nutrition-and-health-in-agriculturalists-and-hunter-
gatherers/
Joaquim Levy foi ministro da Fazenda e diretor gerente do Banco Mundial e é diretor
de Estratégia Econômica e Relações com Mercado do Banco Safra
 
Leia mais: https://valor.globo.com/impresso/20210930/

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
22 voltar ao topo
ARTIGOS
MOHAMED EL-ERIAN - Queda dos bônus é alerta para o
Fed
Quanto mais o ‘tapering’ demorar, maior o risco de turbulências
A combinação de rendimentos extremamente baixos e relativamente estáveis dos bônus do
governo dos Estados Unidos há um bom tempo confunde muitos observadores do mercado,
desafiando também as análises econômicas tradicionais.
Isso tornou o aumento dos rendimentos nas últimas duas semanas particularmente
notável, levantando questões interessantes para os mercados, políticas e desse modo para a
economia mundial.
(...)
É comum caracterizar os rendimentos dos bônus soberanos americanos como o mais
importante indicador de mercado. Tradicionalmente, eles sinalizam as expectativas sobre o
crescimento e a inflação na economia mais poderosa do planeta. São a base para a definição
dos preços em muitos outros mercados mundiais. Contrariando um longo histórico, essas
medidas referenciais se desvincularam nos últimos anos da evolução e das perspectivas
econômicas. Suas correlações com outros ativos financeiros, incluindo as ações, foram
rompidas.
E seu conteúdo de informação ficou distorcido e menos valioso. Saindo da crise financeira
mundial de 2008, isso foi atribuído ao excesso de poupança global que exerceu pressões de
243

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


baixa consistentes sobre os rendimentos.
Mas com o tempo ficou claro que o principal motivador foi a compra ampla e previsível de
bônus soberanos pelos bancos centrais mais poderosos do mundo, sob programas de
afrouxamento quantitativo, especialmente o Federal Reserve dos EUA (Fed) e o Banco
Central Europeu (BCE).
Nunca se deve subestimar o poder dos bancos centrais de intervir nos preços do mercado.
Os trilhões de dólares em bônus comprados pelo Fed e BCE distorceram os mercados
bilaterais usuais e encorajaram a comprar uma série de ativos, muito além do que eles
fariam normalmente com base nos fundamentos.
Afinal, o que é mais tranquilizador do que um banco central com impressoras em pleno
funcionamento e disposto a comprar ativos em níveis não comerciais. Essas compras
legitimam investimentos anteriores do setor privado e fornecem a garantia de que haverá
compradores de ativos de prontidão para aqueles que precisam vender para reposicionar
carteiras.
Esse é um arranjo que encoraja o setor privado a “antecipar” as compras dos bancos
centrais a preços que normalmente seriam considerados pouco atraentes. Não admira que
mesmo aqueles convencidos de um erro fundamental na precificação estejam hesitando em
estar do outro lado de um mercado de bônus dominado pelos bancos centrais.
Embora esses fatores permaneçam em ação, nas últimas semanas os rendimentos
migraram lenta e consistentemente de 1,30% para 1,50% no caso dos Treasuries de 10 anos.
Com as perspectivas de crescimento global diminuindo, os impulsionadores têm sido uma
mistura de pressões inflacionárias crescentes com a multiplicação dos sinais de que os
bancos centrais terão que se empenhar para manter a era do “afrouxamento quantitativo
infinito” - isto é, condições financeiras eterna e extremamente frouxas. Os sinais emitidos
nos últimos dias incluíram declarações do Banco da Inglaterra e taxas de juros mais altas
na Noruega, contribuindo para as movimentações em alguns países em desenvolvimento.
Quanto maior a volatilidade da taxa, maior o risco de os rendimentos subitamente
“dispararem” para cima, uma vez que estamos começando com uma combinação de
rendimentos muito baixos e um posicionamento de mercado extremamente unilateral.
Quanto maior a diferença, maior a ameaça ao funcionamento do mercado e à estabilidade
financeira, e maior o risco de estagflação - a combinação de inflação alta e crescimento
econômico baixo.
Como uma bola submersa na água, uma combinação de acidente de mercado com erro de
política poderá resultar em um aumento dos rendimentos que muitos teriam dificuldade
em lidar.
É importante ressaltar que isso não significa que os bancos centrais, e o Fed em particular,
deverão adiar o que já deveriam ter começado - ou seja, embarcar no afunilamento do que
curiosamente é o mesmo nível de compras mensais de ativos (US$ 120 bilhões) do auge da
emergência imposta pela covid-19 há 18 meses.
Pelo contrário. Quanto mais o Fed esperar, mais os mercados questionarão seu
entendimento das pressões inflacionárias em curso, e maior o risco de ajustes
desordenados no mercado que minariam uma recuperação que precisa ser forte, inclusiva e
sustentável.
De sua parte, os investidores deveriam reconhecer que o enorme impacto benéfico sobre os
preços da prolongada repressão aos rendimentos pelo banco central, vem com a
possibilidade de danos colaterais e consequências não intencionais. Na verdade, eles
precisam apenas observar o quão difícil se tornou encontrar o tipo de diversificação
confiável que ajude a sustentar a velha combinação de portfólio formada pelo potencial de
retorno e amenização dos riscos.

244

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Mohamed El-Erian é presidente do Queen’s College, da Universidade de Cambridge, e
consultor da Allianz e da Gramercy.
 
Leia mais: https://valor.globo.com/impresso/20210930/

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
A6 voltar ao topo
BRASIL
Funchal defende teto apesar da pressão de
precatórios.
No ano que vem, o governo precisará pagar R$ 89 bilhões em precatórios

Por Lu Aiko Otta e Mariana Ribeiro — De Brasília

Colocar o teto de gasto em xeque não é o caminho para resolver o problema de falta de
espaço fiscal para o grande volume de precatórios a pagar em 2022, disse ontem o
secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, Bruno Funchal, na
primeira audiência pública da comissão especial da Câmara que analisa a Proposta de
Emenda à Constituição (PEC) 23/21.
Ele concordou que algumas ações do governo não são executadas por falta de espaço sob o
teto, mas disse que é preciso "avançar em um segundo ponto, que é discutir qualidade do
gasto público".
O teto, atacado na reunião principalmente por deputados de oposição, não pode ser
abandonado, defendeu o secretário. Ele frisou que a regra fiscal cria um ambiente de
previsibilidade que permite a redução dos juros no país.
E para cada ponto percentual de queda nas taxas, a União economiza R$ 35 bilhões. Como a
queda na taxa de risco foi de 2,7 pontos, a economia estaria em R$ 100 bilhões. "É o que todo
mundo quer, economizar com juros para poder gastar com políticas públicas", comentou.
No ano que vem, o governo precisará pagar R$ 89 bilhões em precatórios. Com isso, todo o
espaço que havia sob o teto de gastos para acomodar novas despesas, como a criação do
Auxílio Brasil, ficou tomado. Para reabrir espaço, o governo propôs, por meio da PEC,
parcelar em dez vezes o pagamento dos grandes precatórios e limitar o pagamento dos
demais a 2,6% de sua receita corrente líquida.
Essa foi a proposta debatida ontem na comissão, embora a discussão já tenha evoluído para
um desenho totalmente diferente. Entendimentos do ministro da Economia, Paulo Guedes,
com os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-
MG), vão na direção de deixar R$ 40 bilhões em precatórios sob o teto no próximo ano e o
restante entrar em uma fila de pagamento.
Essa nova arquitetura deverá tomar a forma de um novo texto da PEC 23/21, a ser elaborado
por seu relator, deputado Hugo Motta (Republicanos-PB) . Como ainda não existe
formalmente, a comissão discutiu ontem a proposta original do governo.
Motta disse que o atual problema dos precatórios ocorreria mais cedo ou mais tarde, por
causa do teto de gastos, que limitou o espaço fiscal para os pagamentos de despesas. Ele
considera não ser razoável sair de pagamentos de R$ 30 bilhões para cerca de R$ 90 bilhões
em curto espaço de tempo.
A proposta do governo para os precatórios é um calote, afirmou o deputado Danilo Cabral
245

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


(PSB-PE). Seu Estado, Pernambuco, é um dos que têm a receber recursos no ano que vem,
referente ao Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de
Valorização do Magistério (Fundef).
Ele apontou que há uma contradição no fato de o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento
da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) estar fora do
teto de gastos e o pagamento de precatórios referentes ao Fundef, seu antecessor, ter de
estar sob o teto. Funchal disse que essa é uma discussão "meritória", mas preferiu não se
aprofundar.
Questionado se a possibilidade de pagamentos à vista com desconto de até 40% não seria
uma forma de pressionar o precatorista, o procurador-geral adjunto da Fazenda Nacional,
João Grognet, afirmou que os acordos de redução já estão previstos na Constituição Federal.
No entanto, há um pressuposto básico: o credor querer.

Leia mais: https://valor.globo.com/brasil/noticia/2021/09/30/funchal-defende-teto-


apesar-da-pressao-de-precatorios.ghtml

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
A6 voltar ao topo
BRASIL
Governo Bolsonaro dribla LRF para pagar Auxílio Brasil,
dizem especialistas
Críticas têm como alvo projeto que compensa gastos do novo Bolsa Família com
reforma do IR

Por Fabio Graner — De Brasília

Aprovado no Congresso Nacional na noite de segunda-feira, o projeto de lei que autoriza


que se considere como fonte de compensação para o Auxílio Brasil a proposta ainda em
tramitação de reforma do Imposto de Renda tem sido alvo de questionamentos entre
especialistas em contas públicas. Uma das preocupações é com a possibilidade de
enfraquecimento das regras fiscais, já que a mudança feita em um artigo da Lei de
Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022 de certa forma tentaria flexibilizar a Lei de
Responsabilidade Fiscal (LRF). Hierarquicamente, a LRF é superior à LDO.
O especialista em contas públicas e economista da Tendências Consultoria, Fábio Klein,
lembra que a LRF obriga que uma despesa obrigatória de caráter continuado (com prazo
acima de dois anos) precisa ter uma fonte de financiamento permanente pelo lado da
receita ou corte de despesas também definitivo. "O governo está optando pela receita, não
está querendo reduzir gastos para ampliar o programa", comentou.
Segundo ele, a saída encontrada de se flexibilizar a interpretação da LRF com base em uma
"expectativa de receita" é "espantosa". "Não há garantia nem de que terá reforma nem qual é
o valor dessa reforma. É uma interpretação elástica demais da LRF", comentou, destacando
que, apesar disso, a LRF continua valendo e não pode simplesmente ser ignorada pelo
governo. "Acho que vai completamente contra a LRF", disse criticando também o fato de
que, no conjunto, a expectativa de reforma aponta para perda de receita, e não ganho em
seu conjunto. "Essa equação está muito ruim."
246

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Outro especialista no assunto, o analista do Senado Leonardo Ribeiro vai na mesma direção.
"O pacote do governo está todo errado. A reforma do IR tem impacto líquido negativo nas
contas públicas e não está acoplado no instrumento que cria o novo programa social. Aí o
Congresso aprova uma mudança na LDO para permitir o financiamento do novo gasto com
medida que ainda nem foi aprovada pelo Legislativo. O que estava errado se torna pior",
destacou.
Ele afirma que o que foi aprovado na LDO é uma ideia "criativa, mas não é efetiva diante de
uma lei complementar com amparo constitucional - no caso a LRF". Segundo ele, não cabe à
LDO mudar o que diz uma lei maior. "Toda despesa obrigatória de caráter continuado deve
ter seus efeitos financeiros compensados, de forma permanente, por aumento de receita ou
redução de despesa. E ainda vai mais longe: a nova despesa só pode ser executada depois de
implementada as medidas de compensação, as quais devem integrar o instrumento que a
criar ou aumentar", disse Ribeiro.
Para o diretor-executivo da Instituição Fiscal Independente (IFI), Felipe Salto, a LDO não é o
local para mudar interpretação de uma regra fiscal da LRF. "O que me preocupa é que está
se criando uma confusão na LRF. Não se pode mudar as coisas no tapetão. A grande
questão é que o governo não consegue dar uma resposta clara sobre como financiar o
programa social", disse Salto, também criticando o uso de um projeto de lei que em seu
conjunto desonera para bancar um aumento de gasto.
Nas contas da IFI, inclusive, o impacto fiscal da reforma é negativo em R$ 34,1 bilhões, e o
ganho da taxação de dividendos é de apenas R$ 8,9 bilhões no ano que vem, bem menor do
que os R$ 27 bilhões a mais do Auxílio Brasil.
O coordenador do Observatório Fiscal do FGV Ibre e ex-secretário de Política Econômica,
Manoel Pires, demonstra menor preocupação com a questão. Ele enxerga o movimento
como uma retificação da própria LDO, de forma a acelerar a tramitação do Orçamento e do
Auxílio Brasil. "Mas a discussão envolve um risco fiscal, porque o governo havia colocado
esse dispositivo para evitar que o Congresso crie gasto sem fonte adequada de
financiamento. Mas, com o teto de gastos, esse dispositivo perde importância. Se você tem
um teto, você não pode ficar colocando despesa no Orçamento", afirmou.
Arnaldo Lima, diretor de estratégias públicas da MAG Investimentos, diz que é um avanço o
consenso que está sendo criado em torno do fortalecimento do Bolsa Família para
combater a pobreza e a desigualdade. "Porém, o debate sobre a eficiência das políticas
públicas e sustentabilidade fiscal está ficando em segundo plano nessa discussão", disse.
"Para compensar o aumento do valor do Bolsa Família, é indispensável reduzir o montante
de recursos destinados às emendas parlamentares, avançar com a integração de programas
sociais, aumentar o tempo de permanência no mercado de trabalho para recebimento do
abono salarial e regulamentar a cobertura de benefícios não programados [morte e
invalidez], inclusive os decorrentes de acidente do trabalho", defendeu. "O fato é que a
aprovação do PLN para compensar, ainda que parcialmente, o Auxílio Brasil, joga pressão
sobre o Senado para aprovação do Imposto de Renda."

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
A2 voltar ao topo
COLUNAS
CRISTIANO ROMERO.
A mais difícil e a mais urgente das reformas
Todos querem mudança tributária há trinta anos
247

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


Os presidentes da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL) , e do Senado, Rodrigo
Pacheco (DEM-MG), não sepultaram a possibilidade de aprovação da reforma tributária
nesta legislatura, mas inovaram ao indicar que o tema, por bem ou por mal, será apreciado
até dezembro. Como ocorreu nos últimos 30 anos, a reforma institucional mais demandada
pelos agentes econômicos _ inclusive, os contribuintes pessoas físicas _ pode não sair do
papel. E a razão é uma só: é impossível conciliar todos os interesses envolvidos nesse tema.
Razões para justificar mudanças no regime tributário brasileiro não faltam. O sistema taxa
mais o consumo do que a renda, na contramão das economias avançadas. No 8º país que
mais concentra renda no planeta, onde existem mais de 50 milhões de pessoas miseráveis
(dependentes de programas de transferência de renda para sobreviver) e a maioria da
população é pobre, essa regra ajuda a perpetuar uma de nossas maiores chagas.
(...)
Trata-se de uma "brasileirice" sem tamanho, típica de uma sociedade dilacerada pela cultura
escravagista por mais de 500 anos: neste imenso pedaço de terra abençoado, mas esquecido
por Deus, os pobres pagam mais imposto que os ricos. E isso ocorre porque, por razões
óbvias, essa parcela da população consome mais, isto é, despende fatia maior de sua renda
com bens de consumo e, quando a maré permite, serviços.
Incidem sobre o consumo três tributos _ o ICMS (estadual) e dois federais (PIS e Cofins) _,
todos sobre a mesma base de cálculo, o faturamento das empresas que vendem os
produtos. As alíquotas do ICMS são as mais elevadas. No caso de serviços como telefonia e
energia, superam o patamar de 40%! Não nos esqueçamos do IPI, imposto que incide sobre a
produção de bens industriais.
As "brasileirices" (sinônimo de jabuticaba) que condenam este país a não ser nação não
param por aí. Neste território riquíssimo em recursos naturais onde vive um dos maiores
contingentes de cidadãos pobres do mundo, indivíduos de classe média e os ricos podem
deduzir, da base de cálculo do Imposto de Renda, tudo _ isso mesmo, tudo _ o que gastam
em hospitais particulares e planos de saúde, inclusive, no exterior.
O raciocínio por trás dessa maldade é o seguinte: como a Constituição de 1988 assegura, a
todos os viventes nesta extensão de terra no hemisfério sul da Terra, acesso universal a
serviços públicos de saúde, é razoável que os transeuntes tenham o direito de requerer
dedução das despesas que tiverem com serviços particulares de saúde. O cinismo _ uma
"brasileirice" da qual ninguém fala, do mesmo quilate das férias de dois meses de juízes e
procuradores _ chega ao paroxismo quando os defensores da vilania alegam que "a dedução
é um direito, uma vez que o sistema de saúde estatal ainda não consegue atender a toda a
demanda.
Se alguém tem alguma dúvida de por que o país a que chamamos de Brasil não dá certo,
não precisa ir muito longe. Como os pobres não têm dinheiro para serem atendidos em
hospitais particulares, eles não têm direito a deduzir nada da base de cálculo do Imposto de
Renda. Os cínicos, neste momento da tertúlia, rompem qualquer fronteira do bom senso
civilizacional: "Ora, pobres não pagam Imposto de Renda, logo, eles não precisam deduzir os
gastos com saúde".
Era só o que faltava: o sonho dos pobres no Brasil, agora, é pagar Imposto de Renda! Na
verdade, eles já pagam, pois, já é obrigado a isso quem percebe pouco mais de R$ 2 mil por
mês. Em termos menos edulcorados, o que esse sistema injusto e concentrador de renda faz
é tirar bilhões de reais que deveriam financiar a saúde pública, que segundo a Carta Magna
é para todos, inclusive, estrangeiros que estejam de passagem pelo país, e transferi-los para
hospitais particulares e grandes empresas de planos de saúde.
Mesmo tendo consciência de que o Sistema Único de Saúde (SUS) pode ter uma gestão

248

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


melhor, deveríamos considerar nas duras críticas que fazemos ao serviço público o fato de
que o próprio Estado abre mão de bilhões de reais para beneficiar meia dúzia de grupos de
interesse específico.
Depois da Segunda Guerra Mundial, os americanos perceberam-se mais importantes do que
achavam antes do conflito. Essa constatação mudou tudo. Logo, viram que, para sua
economia crescer na velocidade desejada, eles precisavam de uma matéria-prima _ petróleo
(energia) _ que eles possuíam, mas não na quantidade necessária.
Ora, o jeito foi sair pelo mundo em busca de fornecedores "confiáveis"_ um dos principais, a
Venezuela, que, até o início deste século, fornecia 20% do petróleo consumido pelos Estados
Unidos. A fome americana por óleo era tanta que moldou a geopolítica mundial a partir dali.
Internamente, a decisão foi desonerar o preço do combustível consumido por empresas e
famílias americanas, afinal, o país precisava crescer. Taxar excessivamente a gasolina para
financiar o Estado, como fizeram outros grandes produtores de petróleo (México,
Venezuela, Nigéria, Arábia Saudita), seria contraproducente: aumentaria a presença do
governo na atividade econômica, tornando-o ineficiente por definição; estimularia a
corrupção; desestimularia o desenvolvimento de outros setores; por fim, diminuiria a
produtividade, uma vez que não haveria, de forma geral, incentivos para o desenvolvimento
de uma economia dinâmica.
Quando achou que tinha chegado a sua hora de reluzir na economia mundial, depois de se
deitar em berço esplêndido por quatro séculos e meio, a Ilha de Vera Cruz também não
tinha petróleo suficiente. Mas, o que se viu desde então foi a taxação sempre elevada dos
combustíveis. Como facilitar o crescimento da atividade?
Em entrevista à Maria Fernanda Delmas, diretora de redação do Valor, Lira e Pacheco
expuseram o drama infindável da reforma que não se realiza. "É óbvio que a reforma
tributária guarda uma série de divergências. É sem dúvida a proposta com maior
dificuldade de conciliação, de entendimento do que é bom para o país", disse Pacheco.
Cristiano Romero é diretor-adjunto de redação e escreve às quintas-feiras
E-mail: cristiano.romero@valor.com.br

Leia mais: https://valor.globo.com/brasil/coluna/a-mais-dificil-e-a-mais-urgente-das-


reformas.ghtml

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
A14 voltar ao topo
COLUNAS
MARIA CRISTINA FERNANDES
Luciano Hang lidera bolsonarismo contra o Leviatã
Enquanto dono da Havan explora revolta contra poder do Estado na pandemia,
Bolsonaro cuida de manter o espetáculo na outra ponta com carimbo sobre wi-fi e
microcrédito

O depoimento do dono das lojas Havan à CPI da Covid no Senado mostrou que a oposição
ainda está despreparada para enfrentar o bolsonarismo na sucessão presidencial de 2022.
Levou quatro horas para Luciano Hang começar a falar o que, de fato, importava para sua
vinculação com o gabinete paralelo da pandemia e o financiamento das "fake news".
Até lá, Hang teve palco para se apresentar como representante daquela fatia do eleitorado
que está mais fechada com o presidente Jair Bolsonaro. Até vídeo-propaganda de sua
249

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


empresa teve oportunidade de exibir. O Datafolha chama de empresários e o Atlas de
empreendedores, mas os dois institutos convergem na constatação de que este é o
segmento em que o presidente colhe seu melhor desempenho, com 48% de aprovação.
(...)
Entre eles não se incluem grandes empresários e banqueiros que se mobilizam por uma
terceira via, mas donos de restaurantes e botecos, feirantes, cabeleireiras e
empreendedores de toda ordem que se multiplicaram com a epidemia do desemprego. Eles
se identificam com Bolsonaro porque seu negócio faliu ou foi severamente afetado pelas
medidas de restrição adotadas por governadores e prefeitos.
Não são adoradores do presidente, mas é ele quem encarna hoje a rejeição ao Estado
interventor, esse Leviatã que trancou as pessoas em casa, obrigou o uso de máscaras e
multou estabelecimentos que desafiassem horários restritos de funcionamento. Esta
mentalidade que remete ao monstro bíblico ao qual foi equiparado o Estado absolutista, foi
vitaminada pela pandemia. Não se trata de um fenômeno tupiniquim. Acomete
negacionistas no mundo inteiro e tem, no Brasil, um lídimo representante em Luciano
Hang.
Até a CPI entrar no que realmente importa para vinculá-lo aos crimes da pandemia, o dono
da Havan teve a oportunidade de buscar empatia com a plateia ao longo da sessão da CPI.
Filho de operários, teve dislexia na infância e vendia biscoitos na escola. Foi operário até se
arriscar como comerciante com uma pequena loja de tecidos.
Nega ser empresário, como o faria qualquer dono de bodega. Fala de si como comerciante,
apesar de ter um conglomerado de 164 lojas em 20 Estados. Para todo pecado levantado pela
CPI, apresentava uma história capaz de comover seus pares. Contas bancárias e offshores
no exterior? Claro, como poderia importar sem uma empresa lá fora para amortizar a
flutuação do câmbio? Empréstimos de R$ 27 milhões no BNDES? Sim, mas não porque
precisasse. Fatura mais do que isso por dia. Passou a vender cestas básicas para se
enquadrar no critério de atividade essencial? Sim, mas se pode vender chocolate por que
não feijão e arroz?
É claro que foi contraditado pelos senadores. O presidente da CPI, Omar Aziz (PSD-AM),
lembrou que enquanto dona Maria não consegue R$ 1 mil de crédito para comprar uma
máquina de costura, o empresário que se veste de verde-amarelo para se fingir de patriota
pegou dinheiro que não precisa. O relator, Renan Calheiros (MDB-AL) tirou dele que os sites
para onde destina R$ 150 milhões por ano em publicidade são escolhidos a dedo e mostrou
vídeo em que Hang, ao contrário do que dissera, coagiu funcionários a votar em Bolsonaro
em 2018.
Hang quis desenhar para os senadores a diferença entre tratamento preventivo e inicial
com o kit covid quando, na verdade, nenhum dos dois funciona. Preparou, como clímax do
depoimento, a imagem de filho zeloso que ganhara dinheiro para que os pais tivessem a
vida digna que foi negada aos avós. Por isso, autorizou até kit-covid para salvar a mãe, mas
foi obrigado a reconhecer a omissão da causa de sua morte no atestado de óbito.
Os senadores da oposição concluíram sua intervenção constatando a utilidade do
depoimento. Será? O que o empresário disse naquela comissão que já não fosse do
conhecimento do inquérito das "fake news" no Supremo Tribunal Federal ou da própria CPI?
Há informações que ajudarão a compor o relatório, como o do encontro entre Hang e o líder
do governo, Ricardo Barros (PP-PR), horas antes da sessão. A dúvida que se coloca é a do
custo-benefício do depoimento.
Os próprios senadores alertaram que uma rede de robôs havia entrado em ação para atacar
seus perfis sociais durante a sessão. O filho do presidente, senador Flávio Bolsonaro
(Patriota-RJ), que estava sumido da CPI, reapareceu com o claro intuito de provocar os

250

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


colegas. Foi, em parte, bem sucedido, como mostraram as mãos trêmulas do senador
Rogério Carvalho (PT-SE) quando exigiu que o advogado do depoente deixasse a sala por
desacato.
As imagens do depoimento já foram devidamente editadas e caíram na rede para mostrar
uma goleada de Hang, a começar pela transmissão ao vivo em rede social dos próprios
deputados da tropa de choque bolsonarista, como Daniel Freitas (PSL-SC) e Bia Kicis (PSL-
DF), lá presentes.
Não importa que esta goleada-fake se destine a convertidos como aqueles que lotaram a
avenida Paulista no 7 de setembro. O presidente está dedicado à outra ponta do eleitorado.
Não apenas com um auxílio emergencial vitaminado mas também com o carimbo que
busca imprimir ao programa "Wi-fi para todos", versão bolsonarista do petista "Luz para
todos", e, mais recentemente, com a investida para tomar o controle do Centrão sobre o
microcrédito do Banco do Nordeste do Brasil.
Enquanto Hang mantém o picadeiro do circo armado, Bolsonaro cuida de garantir o sucesso
de atrações como a da oposição ao seu próprio governo. Deixou isso claro no dueto com o
presidente da Petrobras, Joaquim Luna e Silva, em torno do preço dos combustíveis. Um
finge que bate enquanto o outro se mantém irredutível contra o intrépido presidente em
sua luta contra a carestia.
Os espetáculos se sucedem enquanto Bolsonaro cuida, na coxia, de esticar a corda com o
Centrão, como no BNB, certo de que três datas ainda terão que ser vencidas para que algum
desembarque se concretize: a votação do Orçamento de 2022 até 31 de dezembro, o
empenho das emendas parlamentares, em 2 de abril, e o encerramento de sua execução
financeira, em 2 de julho. É este o prazo que a oposição tem para aprender a enfrentar o
bolsonarismo sem dar palco para maluco.

Maria Cristina Fernandes é jornalista do Valor. Escreve às quintas-feiras


E-mail: mcristina.fernandes@valor.com.br

Leia mais: https://valor.globo.com/impresso/20210930/

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
21 voltar ao topo
EDITORIAL
Congresso admite programa social com verbas
inexistentes
É preciso acabar com a mamata anti-republicana das emendas do relator

A ação legislativa está se deteriorando a olhos vistos com a adesão lucrativa dos partidos
fisiológicos à sustentação do governo de Jair Bolsonaro. Muitas das propostas que estão
sendo aprovadas, ou encaminhadas, sobre temas essenciais são uma amostra real do
quanto é ruim deixar o Centrão solto, a realizar seus desejos, boa parte deles contrários às
necessidades do país. O exemplo mais recente, que não será o último, foi a aprovação de
projeto que destina recursos para o Auxílio Brasil, novo nome do Bolsa Família, que
Bolsonaro quer propagandear durante as eleições.
251

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


A toque de caixa, Senado e Câmara deram aval a uma peça que permite estabelecer como
fonte de receita para bancar o programa social de Bolsonaro projetos com essa finalidade
que ainda estejam em tramitação no Legislativo, ou seja, que ainda não foram aprovados - e,
o que é surreal, que podem não ser, ou sofrerem modificações substanciais. A lógica é
simples, irresponsável e o princípio, destrutivo: pode-se inventar receitas para custear os
planos do Executivo no orçamento - e depois dá-se um jeito.
A Lei de Responsabilidade Fiscal obriga a compensação de novos gastos continuados por
meio de corte de despesas ou indicação de fonte de receitas correspondentes. Como a
primeira opção sequer passa pela cabeça do Centrão, a forma escolhida foi pedalar a receita.
É em nome do interesse da reeleição de Bolsonaro e, mais ainda, em seu próprio, que
manejam-se deslocamentos bilionários no Congresso. No caso do Auxílio Brasil, esses
bilhões sequer existem.
Pelo programa social remodelado o governo, com o ministro Paulo Guedes à frente, faz
pressão contra o teto de gastos. Em primeiro lugar, seus recursos viriam de uma reforma
do Imposto de Renda, que atropelou uma reforma tributária ampla, contemplada por dois
projetos muito debatidos, um na Câmara e outro no Senado, e passou à frente da proposta
oficial de fusão de PIS-Cofins, no IVA Dual. A taxação da distribuição dos dividendos serviria
para bancar o substituto do Bolsa Família.
O governo resolveu pagar com atraso sua promessa eleitoral, de reajustar a tabela do IR,
isentando novas faixas de renda, usando-a como fachada para algum aumento de
tributação sobre as empresas. A Câmara mudou tudo, ampliando a isenção também para as
empresas e o resultado foi que, da forma como saiu das mãos dos deputados, haverá perda,
e não ganho, de arrecadação (algo como R$ 30 bilhões, ou 0,4% do PIB).
Depois a criatividade do governo se dirigiu a um calote nos precatórios, fingindo uma
surpresa já inscrita nos números, isto é, a de que o pagamento destas sentenças
irrecorríveis na Justiça traria despesas de R$ 89 bilhões. O governo propôs parcelar os
débitos para obter R$ 39 bilhões para o Auxílio Brasil. Sob risco de derrota no STF, tenta-se
agora pagar uma parte dentro do teto e outra fora, que seria ressarcida com várias
alternativas à pura discrição do devedor, o que é inacreditável. A fórmula joga dívidas para
a frente para financiar mais gastos, que não poderiam ser feitos pela regra do teto - outra
pedalada.
Toda essa ginástica fantasiosa, que burla as regras fiscais, foi feita para preservar de toda a
forma um acordo com o Centrão que destinará R$ 18 bilhões às emendas do relator - de um
total de R$ 34 bilhões de emendas parlamentares -, uma excrecência cujo principal atributo
é a falta total de transparência. Um grupo seleto de parlamentares se apropria da
distribuição dessas verbas para seus redutos eleitorais. No ano passado, foram R$ 3 bilhões
que selaram o embarque do Centrão no governo. O destino desse dinheiro, rastreado pela
imprensa, abasteceu a prefeitura dirigida pela mãe do relator, e até mesmo um
empreendimento turístico ao lado de um negócio imobiliário do ministro Rogério Marinho,
revelado por "O Estado de S. Paulo". Como o governo Bolsonaro é regressivo, a Câmara volta
à época dos escandalosos anões do Orçamento.
Nada disso, porém, era necessário. Como bem aponta a Instituição Fiscal Independente, do
Senado, é possível pagar os precatórios e ainda reservar recursos suficientes para
ampliação do Bolsa Família sem atropelar o teto e a austeridade fiscal. Mas para isso, uma
das principais condições seria acabar com a mamata obscura e anti-republicana das
emendas do relator. Como estão no cerne da aliança do Planalto com a banda retrógrada da
política nacional, elas seguirão de pé.

(...)

252

Serviço Senado na Mídia | Ramal 1252 | https://www12.senado.leg.br/senado-na-midia


 
Leia mais: https://valor.globo.com/impresso/20210930/

VALOR ECONÔMICO
30/09/2021
B1 voltar ao topo
EMPRESAS
Petrobras viola acordo com Cade por abertura do gás,
diz indústria
Associações do setor se queixam ao órgão antitruste de que estatal fecha mercado

Por Daniel Rittner — De Brasília

Dois anos após a assinatura de um acordo entre o Conselho Administrativo de Defesa


Econômica (Cade) e a Petrobras, que buscava eliminar práticas anticompetitivas no mercado
de gás natural, seis associações da indústria apontaram formalmente vários problemas no
cumprimento dos compromissos assumidos pela estatal e pediram novas medidas do órgão
antitruste para garantir a concorrência no setor.
A celebração de um Termo de Compromisso de Cessação de Condutas (TCC), em julho de
2019, foi um dos pilares do Novo Mercado de Gás anunciado pelo governo. O ministro da
Economia, Paulo Guedes, prometeu na ocasião um "choque de energia barata" e falou em
redução de até 40% nos preços do insumo à indústria.
Estatal afirmou que está cumprindo "todos os compromissos" estabelecidos no acordo
firmado em 2019
Para além de medidas mais emblemáticas, como a venda de participação acionária da
Petrobras nos gasodutos de transporte e nas distribuidoras estaduais de gás, o acordo
estabelecia uma série de ações menos chamativas.
O que esse grupo de associações argumenta é que a Petrobras mantém uma postura cuja
consequênci