Você está na página 1de 4

Não devemos dizimar hoje biblicamente falando, pois

o dizimo era obrigatoriedade dos que possuiam uma


aquisição agropecuaria e nunca foi dinheiro. Os
pastores que querem que seja dinheiro. Quem lhes
deu essa autoridade? E onde está escrito? Portanto, o
dizimo hoje é uma “mentira obrigatória”, apesar de
ser bíblico, pois essa obrigatoriedade caducou na
cruz. (o messias aprovou o dizimo da endro e do
cominho [os pastores gostariam que fosse dinheiro,
não é] mas mesmo essa aprovação foi antes da cruz,
quando vigorava a lei levitica)

Pastores cauterizam as pessoas, dizendo-lhes que se


não derem, ou melhor, devolverem o dizimo, estarão
roubando a “Deus”. Embora não as chame de ladrões
explicitamente, implicitamente dizem que vc é um
ladrão, se não devouver o dízimo. Mas onde se
encontra essa obrigatoriedade e onde está escrito
que dizimo é dinheiro?

Embora não roubem (na melhor das ipóteses), os


pastores enganam as pessoas para se beneficiarem
do que não lhes pertence.

Quando o Novo ou Velho Testamento fala sobre


dinheiro, nunca diz ser dízimo, mas sim oferta (na
maioria das vezes, o dinheiro era usado para comprar
animais para o ofertório). Esta sim deveria ser doada
sem se estipular valor algum, mas nem esse direito
cabe aos pastores, que ensinam tais mentiras.

Se o sacerdócio hoje é segundo a ordem de


Melquisedek e não segundo a ordem levítica, o
Mashiash é nosso Sumo Sacerdote (de judá, não
levita) e os discípulos são sacerdócio real, nação
santa, povo eleito... mas nem um e nem outro
recebeu ou deu dízimo (pasme, mas é verdade).
Então que direito tem esses pastores, se nem os
discípulos o tinham?
Portanto, a oferta deve ser destinada aos nececitados
de pão e água, orfãs e viúvas, e não esses falsários!

Não devemos odiar os pastores, pois também eles


são objetos do amor do Altíssimo. Só não devemos
concordar, apoiar ou ratificar o que pregam,
perpetuando a mentira.

Se buscamos a verdade e em favor da verdade, não


poderemos compactuar com a mentira.

Mas até isso é opcional.

Busque a verdade, pois só ela pode nos salvar!

Felicidades!!!

O que é dízimo voluntário de Abraão?

HEBREUS 07:

1 Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Soberano Altíssimo,

e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o

abençoou;

4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os

dízimos dos despojos.

O dízimo voluntário de Abraão do “despojo da guerra” (o lucro da guerra).

Ló, um homem muito rico, morando nas vizinhança de Sodoma, no lugar errado, no

momento errado, cai nas garras do rei Quedorlaomer, que lhe confisca todos os

bens.

Lá nos carvalhais de Manre, Abraão toma conhecimento dos fatos. Confabula então

com seus amigos Manre, Escol e Aner. Criam uma tropa de elite com trezentos e
dezoito bravos guerreiros. Todos criados em sua casa. E saem em perseguição a

Quedorlaomer. A vitória é esmagadora. Todos os cativos, “homens, mulheres e o

povo” (Gen. 14:16) são libertados. Todos os “DESPOJOS” recuperados.

Acontece então uma cena impressionante. Melquisedeque, rei de Salém, a Terra da

Paz, nação dos Jebuseus, aproxima-se de Abraão e o abençoa. Melquisedeque era

Sacerdote do Altíssimo. Talvez um símbolo do Messias. Um Sumo Sacerdote do

Soberano (Deus?) verdadeiro saído dentre os “gentios”! Até aí nenhuma novidade. Mais tarde

outras escolhas deste tipo aconteceriam. (Balaão, por exemplo, era um profeta

com poder para abençoar e amaldiçoar nada menos que o povo escolhido de Yahuh (Deus?),

sendo ele mesmo um amonita).

Abraão então organiza os despojos recuperados. Contabiliza tudo. Parte dos

despojos pertencia aos reis de Sodoma e Gomorra. Uma outra parte a Ló e uma

outra parte se referia ao “custo operacional da guerra”. Devolve tudo aos seus

legítimos donos. Mas, antes de fazê-lo, calcula o dízimo sobre o valor destes

despojos (o lucro da guerra) e paga-o ao Sacerdote Melquisedeque.

Pagar é um termo muito pesado. O texto bíblico diz que Abraão deu o dízimo de

tudo. Não do seu patrimônio, mas dos despojos recuperados na guerra. (Ver

Hebreus 7:4).

Abraão DEU o dízimo. A obrigatoriedade dizimista só começaria a existir na era

levítica. (Veja o contraste das expressões contidas em Levíticos 27:30-33;

Números 18:24; Deuteronômio 14:22-29). Quem usa o exemplo de Abraão como fiel

dizimista, não está atento a vários detalhes:

a) Abraão deu o dízimo do excedente que ele tinha conquistado na guerra.[alheio]

(Hebreus 7:4).

b) Muitas das posses que ele recuperou pertenciam a Ló (Gênesis 14:16).

c) A maior parte dos despojos pertencia aos reis de Sodoma e Gomorra (Gênesis

14:11)

d) Nada pertencia a Abraão, que se recusou a tomar qualquer coisa para si.

(Versos 21-24)

e) A lei dos dízimos (Levíticos 27:30-31) exigia dízimos em forma de coisas

produzidas pela terra: grãos, gado. Em nenhuma parte fala para dizimar despojos

de guerra ou dinheiro.

f) Após a guerra, Abraão ficou com o mesmo “patrimônio” que possuía antes. Não
houve acréscimo de renda. (Gênesis 14:24). Portanto ele deu o dízimo perfazendo

um caminho inverso da orientação teológica apresentada em nossos dias, que

manda dizimar rendas, ganhos e lucros.

g) Os despojos de guerra incluíam seres humanos, escravos capturados do

exército inimigo. Deveriam as nações hoje “dizimar” os prisioneiros de guerra?

h) Para que o dízimo de Abraão tenha o mesmo significado dos dízimos cobrados

hoje pelas igrejas cristãs, ele teria que ter ficado com os outros 90%. Que

dizimista é este que dá 10% para o Sumo Sacerdote e os outros 90% para um rei

pagão, descontando apenas o custo operacional da guerra?

i) O Messias nunca recebeu dízimos. Se Melquisedeque simbolizava o Messias, por que

não encontramos relatos de pessoas dando dízimos ao Mestre durante Seu ministério

aqui na Terra? Não é Ele o Sumo Sacerdote da Ordem de Melquisedeque? Como ousam

os líderes religiosos hoje exigir dízimos aos seus fiéis na qualidade de

sacerdotes sucessores de Melquisedeque, se o nosso Sumo Sacerdote Yahushua(Jesus?) não

fazia assim? E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. (João 8:32)