Você está na página 1de 3

REALIZAÇÃO DE PROJECTO

EM SEMIÓTICA

A definição de signo por Santo Agostinho, a primeira da civilização ocidental,
fazia alusão ao carácter triádico dos estóicos, uma vez que faz referência à mente do
intérprete como um terceiro componente da semiose: algo que está por algo (“aliquid
stat pro aliquo”) a algum respeito ou qualidade.
Este campo é vasto e muitos foram aqueles que tentaram efectuar uma
classificação sígnica abrangente, no entanto não é um assunto fácil de resolver dada a
polissemia do termo e a sua multiplicidade. Uma das mais conhecidas e completas
classificações foi criada por Charles Sanders Peirce que seguiu dez princípios básicos
de taxinomia para dividir exaustivamente os signos. Sendo a sua classificação
demasiada exaustiva, devem ser apontados os mais importantes, aqueles com que
mais frequentemente nos deparamos quotidianamente: sinais, sintomas, ícones,
índices, símbolos e nomes.
Neste trabalho irei dar exemplos com o recurso a imagens e a devida
explicação de um de cada um destes tipos de signos e uma imagem que contenha
simultaneamente índice, ícone e símbolo.

Grupo I

1. Sinais

Neste caso concreto o sinal significa que tem ordem
para descolar o avião a partir desse momento. É um
significado convencional.
2. Sintomas

Tsunami: quando o mar recua da costa, expondo parte
do leito marinho, formando uma inclinação rasa recuada
de até 800 m (ou mais) é um sintoma de que vai
acontecer um tsunami. A associação ao significado é
feita por um laço natural (movimento da água em
direcção ao mar - contrário à acção normal).

3. Ícones

A foto assemelha-se a algo, neste caso, àquilo que
representa, os três homens a fazer a pirâmide humana.
Qualquer outra foto podia ser ícone, na medida em que é
topologicamente semelhante ao fotografado.

4. Índices

Quando dizemos “este aqui” isso é um deíctico e a
palavra tem um significante contíguo ao significado.
São também (deícticos) um importante tipo de
índices.

5. Símbolos

O anel de noivado é um símbolo, na medida em que
significa o amor de um casal, uma palavra/ sentimento
que se relacional convencionalmente com a coisa
representada.
Grupo II

Este é um caso em que o mesmo signo
pode ser simultaneamente um índice, um
ícone ou um símbolo. Assim, é:
Índice → na medida em é um índice de
chuva próxima, está “ligado factualmente”
(Pierce).
Ícone → a própria foto, assemelha-se
topologicamente ao que representa, é um
elemento icónico do céu enublado.
Símbolo → porque a nível popular diz-se
que Deus está insatisfeito com as acções
humanas, uma punição que se abate
sobre os culpados.

Trabalho realizado por Mário Matos para a cadeira de semiótica do primeiro ano do Curso de
Ciências de Comunicação da U.B.I. (2006)