Você está na página 1de 33

Especialização em Direito Tributário

MÓDULO: INCIDÊNCIA E CRÉDITO


TRIBUTÁRIO

AÇÕES TRIBUTÁRIAS

Presidente Prudente, 1º de setembro de 2018


Rodrigo Dalla Pria
Doutor em Direito Processual Civil – PUC/SP
Mestre em Direito Tributário – PUC/SP
Ex-Juiz do TIT/SP
DIREITO PROCESSUAL TRIBUTÁRIO

Direito Processual e Direito Material: relações

• Direito Processual Tributário: especificidades

• Objeto: a relação jurídico-tributária conflituosa

• O processo de concretização do direito tributário e as


ações tributárias
Processo Tributário. – Critério de eficácia da tutela em
relação ao momento do Processo de Positivação

Eficácia da Ação cabível


Tutela
CF Ausência de Interesse
Processual

RMIT
Ação Declaratória Negativa
Declaratória
MS Preventivo

Lanç.+Notif.
Constitutiva Ação Anulatória
MS Repressivo

Pagamento Condenatória Ação de Repetição


/Declaratória Indébito/Compens
Positiva
ação
Processo Tributário – Critério de eficácia da tutela em relação ao
momento do Processo de Positivação
Eficácia da Ação cabível
Tutela

Não pagamento Ação Anulatória


Constitutiva MS Repressivo
Negativa

Extração de CDA

Exceção de pré-execu
tividade
Constitutiva
Execução Fiscal Negativa
Embargos à
Execução
CLASSIFICAÇÃO DAS AÇÕES TRIBUTÁRIAS

Preveventivas (ameaça de lesão)

Antiexacionais Corretivas (lesão/ilícito)


Repressivas
AÇÕES Reparadoras (lesão/dano)
TRIBUTÁRIAS

Preventivas (?)
Exacionais Corretivas (lesão/ilícito)
Repressivas
Reparadoras (lesão/dano)
AÇÃO DECLARATÓRIA EM MATÉRIA
TRIBUTÁRIA

• Fundamento; art. 19 do CPC/2015 (4º CPC/73)


incerteza (ameaça de lesão)

• Espécies: positiva e negativa

• Declaratória Negativa: “inexistência de relação


Jurídica
AÇÃO DECLARATÓRIA NEGATIVA

• Natureza: ação antiexacional preventiva

• Legitimação: sujeito passivo em potencial – há que ser comprovado.


Responsável “em potencial”?

• Interesse processual: necessidade/utilidade do provimento.


Situação jurídica concreta – possibilidade de cobrança – Ação
Declaratória da Fazenda?

• Causa de Pedir: relação jurídico-tributária “em potencial” (remota) +


patologia normativa (ameaça de lesão)
AÇÃO DECLARATÓRIA NEGATIVA

• Cabimento: antes da constituição do crédito – incerteza fiscal;

• Competência: art. 52 e parágrafo único do CPC/2015 (inovação) –


STJ – Art. 100, IV, “d”, CPC/73 (art. 53, III, “d”, do CPC/2015) –
Resp nº 158.252/RS;

• Procedimento;

• Tutela Provisória: efeitos; fungibilidade e “suspensão da


exigibilidade do crédito”

• Depósito do montante integral do débito: possível?


AÇÃO DECLARATÓRIA NEGATIVA

Objeto: declaração da inexistência de relação jurídica –


impossibilidade de constituicão do crédito;

Eficácia normativa da sentença: procedência e improcedência


Ação Declaratória e débitos constituídos. Art. 63 da Lei 9.430/96; Arts.
19, § único, (4º, par. único, do CPC/73), e 141 e 492 (128 e 460 do
CPC/73), do CPC/2015; Resp. 594.308/PB

Efeitos no tempo do provimento declaratório: o alcance da súmula


239 do STF: “Decisão que declara indevida a cobrança de imposto em
determinado exercício não faz coisa julgada em relação aos
posteriores.” REsps. nº 795.724/SP e nº 1.118.893/MG (repetitivo)
AÇÃO DECLARATÓRIA NEGATIVA

Ação Declaratória X Ação Anulatória: fungibilidade (Resp nº


594.308/PB) e cumulatividade;

Ação Declaratória X Embargos à Execução;

Ação Declaratória, Coisa Julgada e “Querela Nulitatis”


AÇÃO DECLARATÓRIA NEGATIVA

• PROCESSUAL CIVIL. AÇÃO DECLARATÓRIA COM PEDIDO


ANULATÓRIO. IRRELEVÂNCIA DO NOMEN IURIS. RETORNO DOS
AUTOS À ORIGEM PARA APRECIAÇÃO DO MÉRITO.
• 1. Conforme a jurisprudência do STJ, a natureza jurídica da ação é definida
por meio do pedido e da causa de pedir, não tendo relevância o nomen
iuris dado pela parte autora.
• 2. No caso sob exame, apesar de a ação ter sido designada Declaratória
de Inexistência de Débito, o pedido formulado e a causa de pedir exposta
contêm pretensão de reconhecimento da ilegalidade do Auto de Infração e,
conseqüentemente, do débito relativo ao ICMS.
• 3. O acórdão recorrido, que decidiu pela carência de ação – ao
entendimento de inadequação da via eleita –, deve ser reformado, com o
retorno dos autos à origem para fins de apreciação do mérito.
• 4. Agravo Regimental não provido.
AÇÃO ANULATÓRIA EM MATÉRIA
TRIBUTÁRIA

ESPÉCIES

• Ação anulatória do art. 169 do CTN

• Ação anulatória do art. 156, IX, do CTN

• Ação anulatória do art. 38 da Lei 6.830/80


AÇÃO ANULATÓRIA DO DÉBITO FISCAL

• Fundamento jurídico: Lei 6.830/80

• Natureza: ação antiexacional repressiva corretiva

• Pressuposto: preexistência de ato administrativo – autolançamento?

• Depósito integral? Art. 38, parágrafo único da Lei 6.830/80 -Súmula


247 do TFR
AÇÃO ANULATÓRIA DÉBITO FISCAL

Legitimidade: sujeito passivo – responsável?

Interesse processual: a partir da constituição do débito

Prazo : 5 anos (art. 1º, do Decreto 20.910/32)

Causa de Pedir: relação jurídico-tributária in concreto (remota);


qualquer vício formal ou material do ato constitutivo do débito
(próxima) – direito potestativo à anulação do débito.

Objeto: desconstituição de ato constitutivo do débito


AÇÃO ANULATÓRIA DÉBITO FISCAL
Procedimento

Tutela Provisória: art. 151, V, do CTN

Efeitos no tempo da sentença: ex tunc – reporta-se à data da


constituição do crédito – aplicação da súmula 239 do STF: “

Eficácia declaratória da sentença anulatória: cumulação de pedidos

Sentença de improcedência e conversão do depósito: Lei 9.703/98

Ação Anulatória X Execução Fiscal X Embargos à Execução: Relações


Ag Rg no AI nº 1.285.834 - SP
AGRAVO REGIMENTAL. PROCESSO CIVIL AGRAVO DE INSTRUMENTO. ART. 544
DO CPC. EXECUÇÃO FISCAL. AÇÃO ANULATÓRIA. INEXISTÊNCIA DE
INTERESSE DE AGIR. RECURSO ESPECIAL. AUSÊNCIA DE
PREQUESTIONAMENTO. SÚMULA 211/STJ. ADEMAIS, AÇÃO AUTÔNOMA
ANTE A EXECUÇÃO FISCAL. AUSÊNCIA DE INTERESSE DE AGIR.
PRECEDENTE.
1. O recurso especial é inadmissível quando não ventilada na decisão recorrida a
questão federal suscitada, bem como quanto à questão que, a despeito da oposição
de embargos de declaração, não foi apreciada pelo tribunal a quo (cf. Súmulas
282/STF e 211/STJ).
2. Ademais, esta Eg. Corte entende que:“9. A finalidade da regra é não impedir a
execução calcada em título da dívida líquida e certa pelo simples fato da propositura
da ação de cognição, cujo escopo temerário pode ser o de obstar o processo
satisfativo desmoralizando a força executória do título executivo.
10. À luz do preceito e na sua exegese teleológica, colhe-se que a recíproca não é
verdadeira; vale dizer: proposta a execução, torna-se despiscienda e, portanto,
falece interesse de agir a propositura de ação declaratória, porquanto os embargos
cumprem os desígnios de eventual ação autônoma .”
(REsp 758.270/RS, julgado em 08/05/2007, DJ 04/06/2007)
• 3. Agravo regimental desprovido.
COBRANÇA DA DÉBITO TRIBUTÁRIO

• Formas: judicial e extrajudicial;

• Disciplina: Lei 6.830/80 – Diploma híbrido;

• Inscrição do Débito: controle de Legalidade;

• Titulo Extrajudicial : CDA – arts. 786 (580 do CPC/73) e


784, IX, (585, VII, do CPC/73) do CPC/2015;

• Execução Fiscal: conceito.


EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE

Construção Doutrinária e Jurisprudencial: não é! Art.


3º, § único da LEF
Natureza: defesa incidental

Pressupostos; prova pré-constituída

Interesse de agir: desde a propositura da Execução;

Após a interposição dos Embargos; art. 16 §2º da LEF


EXCEÇÃO DE PRÉ-EXECUTIVIDADE
Controvérsia quanto às matérias que podem ser objeto de
exceção: Matérias de Ordem Pública?

• Condições da ação: possibilidade jurídica do pedido, legitimidade das


partes e interesse de agir.

• Pressupostos processuais gerais: petição inicial apta, atividade jurisdicional


competente e citação válida (positivos) e litispendência, perempção e coisa
julgada (negativos).

• Pressupostos Específicos do Processo de Execução: inadimplemento do


devedor e existência de título executivo: crédito certo, líquido e exigível.

• Questões de mérito quaisquer, mediante prova documental cabal


EMBARGOS À EXECUÇÃO

Ação antiexacional ou defesa (contagem do prazo)?: art


16 da LEF X 914 e ss do CPC/2015 (art. 736 do
CPC/73).

Objetivo:
• Declaração da inexibilidade do débito constante da
CDA.
Legitimação (reflexo do art. 4º da LEF):
• sujeitos passivos do executivo Fiscal – devedor, fiador,
espólio, massa, responsável tributário (art. 134 e 135
CTN) e sucessores tributários (art. 129 a 133 CTN)
EMBARGOS À EXECUÇÃO
• Pressuposto: garantia do juízo – art. 16, § 1º, LEF
• 30 dias: I – depósito; II – juntada da prova de fiança;
III – intimação da penhora?
• Efeito suspensivo? Art. 919 do CPC/2015 (739-A do
CPC/73)

Causa de Pedir:
• Vícios da CDA ou do processo executivo;

• Aspectos formais e materiais do crédito tributário.


AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO

• Fundamento: art. 164, do CTN e 539 e seguintes do CPC/2015 (890


do CPC/73)

• Competência: 540 do CPC/2015 (891 do CPC/73) c/c 159 do CTN

• Legitimidade: sujeito passivo ou terceiro interessado

• Causa de Pedir: art. 164, I, II, III, do CTN – recusa ou dúvida


(relativa)
AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO

• Pressuposto procedimental: depósito

• Eficácia do Depósito e depósito bancário

• Depósito a menor

• Depósito e lançamento por homologação


AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO

Procedimento da ação de Consignação fundada em recusa


Art. 542, inciso II, do CPC/2015 (art. 893, inciso II, do CPC/73)

• Petição inicial com: (i) pedido de depósito (a ser realizado em 5 dias


após o deferimento) e (i) citação do(s) réu(s) para levantar o
depósito ou oferecer resposta (recusa);

• Contestação: matérias art. 544 do CPC/2015 (896 do CPC/73) –


não houve recusa; recusa justa; depósito fora do prazo ou em lugar
diverso; ou depósito não integral

• Após a contestação o juiz prolatará sentença


AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO
Procedimento da ação de consignação fundada em dúvida
Arts. 547 e 548 do CPC/2015 (arts. 895 e 898 do CPC/73)

• Petição inicial com (i) pedido de depósito (a ser realizado em 5 dias


após o deferimento) e (ii) citação do(s) réu(s) para os réus provarem
o seu direito;

• Não comparecimento do credor: arrecadação de bens de ausentes

• Comparecimento de 1 credor

• Comparecimento de 2 ou mais
AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM
PAGAMENTO
• Objeto: sentença declaratória da extinção do crédito –
impossibilidade de cumular pedidos – art. 164, §1º do CTN

• Eficácia da sentença: declaratória da extinção – efeitos ex tunc –


pode produzir efeitos ex nunc (declaratório negativo)? Art. 164 - § 1º
do CTN

• Efeito dúplice: art. 545, §2º do CPC/2015 (art. 899, §2º, do CPC/73)
QUESTÕES DE PLENÁRIO
1. Quais os instrumentos processuais (judiciais) adequados à impugnação de crédito tributário, em cada uma das situações a
seguir descritas: (i) Instituição do tributo, (ii) Ocorrência de evento que se enquadra na hipótese de norma jurídica que institui o
tributo, (iii) Notificação do contribuinte de lançamento tributário, (iv) Débito inscrito em dívida ativa, (v) Propositura da ação de
execução fiscal, (vi) Intimação do devedor da penhora, (vii) Fim do prazo para propositura de embargos do devedor, (viii) citação
na execução fiscal e hipótese de nulidade do título executivo, (ix) óbice imposto ao contribuinte de pagar o tributo.

2. Sobre a defesa do contribuinte em sede de execução fiscal, considerando os arts. 914 e 919 do CPC/15, bem como as
disposições do art. 16 da Lei de Execuções Fiscais (Lei n. 6.830/80) pergunta-se:

• Em que consiste a exceção de pré-executividade e qual o seu fundamento legal? Qual o momento adequado para sua
apresentação? E quais matérias são passíveis de arguição? Pode a exceção ser utilizada para se discutir a prescrição do
crédito fiscal? E para discutir a ilegitimidade passiva do sócio?

• A garantia do juízo é requisito indispensável ao recebimento dos embargos à execução fiscal? A oposição de exceção de
pré-executividade e/ou os embargos à execução fiscal têm efeito suspensivo? Caso afirmativo, em que circunstâncias?

3. A respeito a ação de consignação de pagamento, questiona-se:

• a) o que extingue a obrigação tributária: (i) a consignação em pagamento; (ii) a conversão em renda do valor consignado;
(iii) a sentença que julga procedente a ação de consignação em pagamento; (iv) a decisão judicial de procedência da ação
transitada em julgado?

• b) A previsão do art. 545, parágrafo 1º, do CPC/15 de que: alegada a insuficiência do depósito "poderá o réu levantar,
desde logo, a quantia ou a coisa depositada, com a consequente liberação parcial do autor, prosseguindo o processo
quanto à parcela controvertida" se aplica às consignatórias tributárias? E no caso de ação de consignação em pagamento
promovida com fundamento em dúvida quanto ao sujeito ativo, prevista no inciso III, do art. 164 do CTN? No caso de
improcedência da ação podem ser cobrados juros e multa do contribuinte?
REsp nº 1.272.827 - PE
• PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. RECURSO REPRESENTATIVO DA
CONTROVÉRSIA. ART. 543-C, DO CPC. APLICABILIDADE DO ART. 739-A, §1º,
DO CPC ÀS EXECUÇÕES FISCAIS. NECESSIDADE DE GARANTIA DA
EXECUÇÃO E ANÁLISE DO JUIZ A RESPEITO DA RELEVÂNCIA DA
ARGUMENTAÇÃO (FUMUS BONI JURIS) E DA OCORRÊNCIA DE GRAVE DANO
DE DIFÍCIL OU INCERTA REPARAÇÃO (PERICULUM IN MORA) PARA A
CONCESSÃO DE EFEITO SUSPENSIVO AOS EMBARGOS DO DEVEDOR
OPOSTOS EM EXECUÇÃO FISCAL.
• 1. A previsão no ordenamento jurídico pátrio da regra geral de atribuição de
efeito suspensivo aos embargos do devedor somente ocorreu com o advento da Lei
n. 8.953, de 13, de dezembro de 1994, que promoveu a reforma do Processo de
Execução do Código de Processo Civil de 1973 (Lei n. 5.869, de 11 de janeiro de
1973 - CPC/73), nele incluindo o §1º do art. 739, e o inciso I do art. 791.
• 2. Antes dessa reforma, e inclusive na vigência do Decreto-lei n. 960, de 17 de
dezembro de 1938, que disciplinava a cobrança judicial da dívida ativa da Fazenda
Pública em todo o território nacional, e do Código de Processo Civil de 1939
(Decreto-lei n. 1.608/39), nenhuma lei previa expressamente a atribuição, em regra,
de efeitos suspensivos aos embargos do devedor, somente admitindo-os
excepcionalmente. Em razão disso, o efeito suspensivo derivava de construção
doutrinária que, posteriormente, quando suficientemente amadurecida, culminou no
projeto que foi convertido na citada Lei n. 8.953/94, conforme o evidencia sua
Exposição de Motivos - Mensagem n. 237, de 7 de maio de 1993, DOU de
12.04.1994, Seção II, p. 1696.
REsp nº 1.272.827 - PE

• 3. Sendo assim, resta evidente o equívoco da premissa de que a LEF e a Lei n.


8.212/91 adotaram a postura suspensiva dos embargos do devedor antes mesmo de
essa postura ter sido adotada expressamente pelo próprio CPC/73, com o advento
da Lei n. 8.953/94, fazendo tábula rasa da história legislativa.

• 4. Desta feita, à luz de uma interpretação histórica e dos princípios que


nortearam as várias reformas nos feitos executivos da Fazenda Pública e no próprio
Código de Processo Civil de 1973, mormente a eficácia material do feito executivo
a primazia do crédito público sobre o privado e a especialidade das execuções
fiscais, é ilógico concluir que a Lei n. 6.830 de 22 de setembro de 1980 - Lei de
Execuções Fiscais - LEF e o art. 53, §4º da Lei n. 8.212, de 24 de julho de 1991,
foram em algum momento ou são incompatíveis com a ausência de efeito
suspensivo aos embargos do devedor. Isto porque quanto ao regime dos embargos
do devedor invocavam - com derrogações específicas sempre no sentido de dar
maiores garantias ao crédito público - a aplicação subsidiária do disposto no CPC/73
que tinha redação dúbia a respeito, admitindo diversas interpretações doutrinárias.
REsp nº 1.272.827 - PE
• 5. Desse modo, tanto a Lei n. 6.830/80 - LEF quanto o art. 53,
§4º da Lei n. 8.212/91 não fizeram a opção por um ou outro regime,
isto é, são compatíveis com a atribuição de efeito suspensivo ou
não aos embargos do devedor. Por essa razão, não se
incompatibilizam com o art. 739-A do CPC/73 (introduzido pela
Lei11.382/2006) que condiciona a atribuição de efeitos suspensivos
aos embargos do devedor ao cumprimento de três requisitos:
apresentação de garantia; verificação pelo juiz da relevância da
fundamentação (fumus boni juris) e perigo de dano irreparável ou
de difícil reparação (periculum in mora).
• 6. Em atenção ao princípio da especialidade da LEF, mantido
com a reforma do CPC/73, a nova redação do art. 736, do CPC
dada pela Lei n. 11.382/2006 – artigo que dispensa a garantia como
condicionante dos embargos - não se aplica às execuções fiscais
diante da presença de dispositivo específico, qual seja o art. 16, §1º
da Lei n. 6.830/80, que exige expressamente a garantia para a
apresentação dos embargos à execução fiscal.
REsp nº 1.272.827 - PE
• 7. Muito embora por fundamentos variados - ora fazendo uso da
interpretação sistemática da LEF e do CPC/73, ora trilhando o inovador
caminho da teoria do "Diálogo das Fontes", ora utilizando-se de
interpretação histórica dos dispositivos (o que se faz agora) - essa
conclusão tem sido a alcançada pela jurisprudência predominante,
conforme ressoam os seguintes precedentes de ambas as Turmas deste
Superior Tribunal de Justiça. Pela Primeira Turma: AgRg no Ag 1381229/
PR, Primeira Turma, Rel. Min. Arnaldo Esteves Lima, julgado em
15.12.2011; AgRg no REsp 1.225.406 / PR, Primeira Turma, Rel. Min.
Hamilton Carvalhido, julgado em 15.02.2011; AgRg no REsp 1.150.534 /
MG, Primeira Turma, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em
16.11.2010; AgRg no Ag 1.337.891 / SC, Primeira Turma, Rel. Min. Luiz
Fux, julgado em 16.11.2010; AgRg no Resp 1.103.465 / RS, Primeira
Turma, Rel. Min. Francisco Falcão, julgado em 07.05.2009. Pela Segunda
Turma: AgRg nos EDcl no Ag n. 1.389.866/PR, Segunda Turma, Rei.
Min. Humberto Martins,DJe de 21.9.2011; REsp, n. 1.195.977/RS, Segunda
Turma, Rei. Min. Mauro Campbell Marques, julgadoem 17/08/2010; AgRg
no Ag n. 1.180.395/AL, Segunda Turma, Rei. Min. CastroMeira, DJe
26.2.2010; REsp, n, 1.127.353/SC, Segunda Turma, Rei.
Min.ElianaCalmon, DJe 20.11.2009; REsp, 1.024.128/PR, Segunda Turma,
Rei. Min. HermanBenjamin, DJe de 19.12.2008.
REsp nº 1.272.827 - PE

• 8. Superada a linha jurisprudencial em sentido contrário


inaugurada pelo REsp. n. 1.178.883 - MG, Primeira Turma, Rel.
Min. Teori Albino Zavascki, julgado em 20.10.2011 e seguida pelo
AgRg no REsp 1.283.416 / AL, Primeira Turma, Rel. Min. Napoleão
Nunes Maia Filho, julgado em 02.02.2012; e pelo Resp 1.291.923 /
PR, Primeira Turma, Rel. Min. Benedito Gonçalves, julgado em
01.12.2011.

• 9. Recurso especial provido. Acórdão submetido ao regime do


art. 543-C, do CPC, e da Resolução STJ n. 8/2008.
FIM
rodrido@dallapria.adv.br