P. 1
Normas e Rotinas Operacionais Do

Normas e Rotinas Operacionais Do

|Views: 92.369|Likes:
Publicado porserip25898

More info:

Published by: serip25898 on Mar 12, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/31/2015

pdf

text

original

A designação mais utilizada tem por base os tipos de hemólise em placas de

ágar sangue:
- Hemólise total - β -hemolítico
- Hemólise parcial – α –hemolítico
- Ausência de hemólise – Y – hemolítico

As colônias podem ser repicadas para caldo HBI por 6 a 8 horas ou retiradas do
crescimento inicial em ágar sangue para realização das provas de identificação.

- TESTE CAMP – Principio dado pela atividade hemolítica do staphylococcus
produtor de beta lisina em eritrócito é fundamentada por um fator extracelular, de
constituição protéica, produzida pelo estrephytococcus de grupo “B”, chamado fator
CAMP. Uma reação beta-hemolítica é acentuada quando estes m.o. reagem
sinergicamente, em placas de ágar sangue.
Execução: Semeia-se uma estria de Staphylococcus aureus produtor de beta
lisina no centro de uma placa de ágar sangue feita com sangue de carneiro. Estria,
perpendicularmente, o strephytococcus a ser identificado, de modo que as estrias não
se toquem. Incubar a placa a 37ºC/ 24hs. Um alargamento da zona do lise no ponto de
interseção entre as duas estrias, que toma a forma de ponta de lança, evidencia-se
prova positiva para S. agalactiae, strephytococcus β – Hemolítico do grupo “B”.

- PROVA DA BILE ESCULINA – Os strephylococcus do grupo “D” em meio com
bile na concentração de 4%, hidrolisam a esculina, originando a esculitina a qual reage
com citrato férrico contido no meio, provocando o escurecimento do meio em torno das
colônias.

Execução: Semeia-se 2 a 3 colônias, da placa de ágar sangue, em tubo com
ágar bile esculina esculinado. Incubar a placa a 37º C/24hs. O escurecimento em torno
do crescimento evidencia-se prova positiva.

- PROVA DE TOLERÂNCIA A 6.5% DE NACL – Os strephytococcus do grupo
“D” em meio contendo 6.5% de NaCl e modificam sua coloração são classificados como
“enterococos” , os negativos são os “não enterococos”.
Execução: Inocula-se 2 a 3 colonias suspeitas em caldo HBI contendo 6.5% de
NaCl, 1% de glicose e um sistema indicador de pH. Incubar a placa a 37ºC/24hs. O
crescimento com conseqüente mudança de coloração do meio indica se tratar de
amostras E. faecalis.

- TETE BA BACITRACINA – Em concentração de 0.04 mg, a bacitracina age
seletivamente sobre os strephytococcus β – hemolítico do grupo “A” de Lacenfield
inibindo a síntese do peptidoglicano e alterando a seletividade da membrana celular.
Com isso, impedindo que as bactérias se desenvolvam na região do meio de cultivo
onde houve a difusão do sal, acarretando a formação de um halo de inibição.
Execução: Inocular na superfície de uma placa de ágar sangue colônias
suspeitas, vindas do caldo HBI ou da placa incial. Após secagem, aplica-se o disco de
bacitracina no centro da área semeada, pressionando levemente para conferiir
aderência. Incubar a placa a 37ºC/24hs. Resultado positivo para S. pyogens do grupo
“A” é conferido com o aparecimento de um halo de inibição.
- TESTE DA OPTOQUINA – A optoquina (cloridrato de estilhidrocupreína) altera
seletivamente a membrana celular do S. pneuminiae, servindo como os
estrephytococcus ao grupo “viridans”.
Execução: Semear de 2 a 3 colonias da bactérias suspeita em plac de ágar
sangue. Após secagem, aplica-se o disco de optoquina, na concentração de mg no
centro da área semeada, pressionando levemente para conferir aderência. Incubar a
placa a 37º C/24Hs, em jarra com vela. Crescimento de halo de inibição de 14 a 18 mm
indica sensibildade caracterisitca de S. pneumoniae. Em caso de resitencia à optoquina
com bile sculina negativa, trata-se de S. viridans.

Enterobacteias (bastonetes Gram negativos)

Os bastonetes Gram negativos encontrados em laboratórios são classificados

em 2 grupos:

- Produção de ácidos a partir da oxidação da glicose.
Principais gêneros: Pseudomonas, Alcaligenes e Acinetobacter.
- Produção de ácidos a partir da fermentação da glicose.
Principais genereos: família enterobacteriaceae (oxidase negativos) e os não
pertencentes a essa família (oxidase positivos).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->