P. 1
Slide Sobre Terapia Nutricional Enteral

Slide Sobre Terapia Nutricional Enteral

|Views: 2.170|Likes:
Publicado porEtcy Tal
Slide Apresentado Em Sala De Aula Pela Equipe Sobre Terapia Nutricional Enteral
Slide Apresentado Em Sala De Aula Pela Equipe Sobre Terapia Nutricional Enteral

More info:

Categories:Types, Resumes & CVs
Published by: Etcy Tal on Jun 10, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/21/2013

pdf

text

original

União Metropolitana de Educação e Cultura

Faculdade de Ciências Agrárias e da Saúde Curso de Farmácia Disciplina de Farmácia Hospitalar

TERAPIA NUTRICIONAL ENTERAL
Profª: Caroline Tannus
Equipe: Aislan Reis Daniela Santiago Priscila Abreu Priscila Simões Ramon Cardoso Tiago Calhau

Nutrição enteral é o fornecimento de alimentos líquidos, por instilação direta no estômago ou intestino delgado, através de catéteres.  A alimentação artificial é empregada quando o paciente não pode ou não deve ser alimentado por via oral ou o faz em quantidade insuficiente.

 

Tem como sua principal função na adequação de distúrbios ou disfunção do trato gastro intestinal. De acordo com o tipo de agravo apresentado por paciente. Visando a melhor a melhor eficácia. A NE é selecionada de acordo com as particularidades de cada paciente.

    

São classificadas em 4 categorias. Indicação rotineira e eficácia comprovada. Estado nutricional normal Desnutrição moderada com ingestão de sólidos. Desfagias graves

Casos em que a NE é útil mas pode haver a Np.

Radio ou quimioterapia. Insuficiência hepática ou renal. Preparo pré operatório. Pós operatório. Grandes traumatismo.

A NE tem valor limitado ou indeterminado

Intestino curto. Período pós operatório imediato.

Radio ou quimioterapia em pequenas dosagens.

A NE não deve ser usada como medida primaria de reposição nutricional.

Obstrução intestinal mecânica complexa. Quimioterapia pesada. Diarréia severa. Fístulas de alto débito. Hipomotalidade intestinal. Instabilidade hemodinâmica

  


    

Doença do paciente; Idade; Requerimento calórico imposto pela situação metabólica momentânea; Necessidades específicas de nutrientes; Capacidade digestiva e absortiva; Apresentação de nutrientes; Osmolaridade; Consistência; Viscosidade;

   

Diluição relação caloria/g N; Balanceamanento de nutrientes; Necessidade de nutrientes especiais; Disponibilidade financeira (no domicílio e no hospital); Relação custo-benefício.

Cálculo das Necessidades
-

A necessidade diária de vários macro e micronutrientes está estabelecida para a alimentação oral e enteral e permanece desconhecida para a NP.

PROTEÍNAS Para o cálculo das necessidades diárias de proteína, deve-se conhecer que sua assimilação máxima depende do fornecimento calórico adequado. Para tanto, são necessárias calorias não nitrogenadas (carboidratos e lipídios) em proporção de aproximadamente 150 a 250 calorias por grama de nitrogênio administrado, em pacientes não estressados. Para pacientes estressados essa relação cai para 80 a 100 calorias/gN. Sabe-se que 1g de nitrogênio equivale a 6,25g de proteína.

CARBOIDRATOS O uso de polímeros de açúcares simples nas dietas enterais permite um fornecimento adequado de calorias, sem elevar a osmolaridade final das soluções. A utilização de mono e dissacarídeos confere osmolaridade elevada, sendo, às vezes, responsável por cólicas abdominais difusas, desconforto abdominal e diarréia. Em pacientes com catéteres posicionados no intestino delgado a concentração não pode passar de 6%.

LIPÍDIOS O fornecimento de lipídios na dieta enteral é necessário à adequação calórica e na prevenção ou correção de deficiência de ácidos graxos essenciais.

VITAMINAS, MINERAIS E ÁGUA Como ponto de referência para a formulação das soluções, tem-se utilizado as "Necessidades Diárias Recomendadas" (Recommended dietary Allowances - RDA) de nutrientes essenciais. - Dados para pacientes sadios, sem análise das variáveis patológicas. A necessidade de água do paciente pode ser calculada em torno de 30 a 40ml/kg/dia, adequando-se às perdas sensíveis e insensíveis extras ou às necessidades individuais de restrição.

ADEQUAÇÃO A distribuição de nutrimentos em dieta enteral deve assemelhar-se à dieta normal, nas proporções de 50-65% das calorias totais sob a forma de carboidratos, 10- 15 % de proteínas e 25-35 % de lipídios, ajustando-se às leis da alimentação. CONSISTÊNCIA A consistência das preparações deve ser líquida com no mínimo 81% de solvente.

A Agência Nacional de vigilância Sanitária,através da resolução 449,de 09 de setembro de 1999,aprovou o regulamento técnico para alimentos enterais.
Classificação:

  

Alimentos nutricionalmente completos Alimentos para situações metabólicas especiais Módulos de nutrientes

Dietas Completas Suplementos Dietas Lácteas Dietas Isenta De Lactose Dietas com Fibras “ADICIONAIS” Dietas par situações Metabólicas Especias

Participa do Conselho Consultivo de caráter multidisciplinar composto por2 m édicos , 2 enfermeiros e 2 farmacêuticos e 2 nutricionistas. Competências do Conselho Consultivo

  

Coordenar com a equipe a elaboração de normas de procedimentos técnicos relativos ao SN Participar de visita clinica com a equipe para a avaliação do progresso do paciente em SN Realizar farmacovigilância analisando reações adversas e interações droga nutrientes a partir do perfil farmacoterapêutico do paciente Avaliar a formulação da prescrição médica quanto a compatibilidades.

     

SELECIONAR ADQUIRIR ARMAZENAR DISTRIBUIR Certificar qualidade do produto Participar de estudos para o desenvolvimento de novas formulações

Utilizada para administração de nutrição enteral, com controle perfeito do gotejamento. Painel digital em português, alarme sonoros e visuais que aumentam a segurança, confiabilidade e a facilidade de administração.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->