P. 1
Avaliação Fisioterapêutica Respiratória

Avaliação Fisioterapêutica Respiratória

|Views: 14.362|Likes:
Publicado porLeoassis

More info:

Published by: Leoassis on Oct 27, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/23/2014

pdf

text

original

Avaliação Fisioterapêutica Respiratória

Avaliação Respiratória
‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Nome Idade Sexo Cor Profissão Tabagismo QP HMA HMP

. Tiragem Amplitude Resp. Frequência Resp.Inspeção Estática ‡ Forma ‡ Abaulamentos / Depressões ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Dinâmica Tipo Respiratório Ritmo Respiratório Padrão Respiratório Amplitude Resp.

Forma do Tórax Inspeção Estática ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ Chato Tonel Infundibiliforme Cariniforme Sino Cifótico Escoliótico Cifoescoliótico .

mais comum em mulheres. . ± Toracoabdominal : mais comum em homens e crianças. eleva-se o abdomen superior e as costelas inferiores. ocorre o movimento em ³Braço de Bomba´. o movimento das costelas inferiores é conhecido como ³Alça de Balde´ .Inspeção Dinâmica ‡ Tipo Respiratório ± Costal Superior : durante a inspiração ocorre elevação das costelas superiores.

Ciclo Respiratório = Insp + Exp Idade RN Lactentes Pré-Escolares Escolares Adultos Frequência Resp.quantidade de respirações por minuto. 40 a 45 rpm 25 a 35 rpm 20 a 35 rpm 18 a 35 rpm 16 a 20 rpm .Inspeção Dinâmica ‡ Frequência Respiratória .

Normal 1:2. 1:3. 2:4 Nas arritmias respiratória vemos irregularidade do padrão resp.Inspeção Dinâmica ‡ Padrão Respiratório: é a relação do tempo insp. . Tinsp<Texp. e tempo exp.

.Inspeção Dinâmica ‡ Amplitude : pode ocorrer aumento ou diminuição da amplitude ou seja amplitude superficial ou profunda.

.. depois de alguns segundos inicia-se novamente outro ciclo respiratório.numa determinada amplitude que vai aumentando até um máximo depois diminui até parar a respiração (apnéia).Inspeção Dinâmica ‡ Ritmo Respiratório: Observar a respiração por 2 min. geralmente é regular a insp/exp. ± Dispneico ± movimentos amplos regulares e desconfortáveis ± Cheyne-Stokes ± inicia a resp.

exp.insp..apnéia.apnéia.. e exp. ‡ Suspirosa ± Ritmo normal intercalados por suspiros . ‡ Kussmaul ± Ocorre apnéia insp. insp..Inspeção Dinâmica ‡ Biot ± Semelhante ao ritmo anterior só que neste não há regularidade entre as apnéias e nem na amplitude verdadeira arritmia respiratória.

força. e eficácia. . ‡ Tosse. pode ser normal principalmente nos magros ou patológica neste caso quer dizer que está ocorrendo grande esforço inspiratório.Inspeção Dinâmica ‡ Tiragem .Depressão do espaço intercostal durante a inspiração.

Tipo de Tórax Expansibilidade Elasticidade Vibrações Percussão Ausculta .Palpação ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ ‡ É o ato de examinar com as mãos o paciente.

Coloca-se os dois polegares sobre as últimas costelas formando um ângulo. dependendo deste será classificado o tipo do Tórax.Tipo de Tórax Ângulo de Charpy . < 90o ± Tipo LONGILÍNEO ‡ Âng. ‡ Âng. > 90o ± Tipo BREVILÍNEO .= 90o ± Tipo NORMOLÍNEO ‡ Âng.

Expansibilidade Coloca-se as duas mãos do observador sobre o tórax do paciente com os polegares se tocando . posterior e parte média e base do tórax( dedos nas costelas inferiores e polegares sobre a coluna). Pesquisa-se na região anterior (dedos na fossa supra clavicular e polegares unidos sobre o esterno) . e observa-se no movimento da respiração se há simetria ou não. entre a elevação das mãos. .

e classifica-se em preservada. . diminuída ou aumentada. Testa-se os ápices e depois o campo médio e base pulmonar junto.Elasticidade Testa-se a maleabilidade do tórax.

deve colocar uma mão sobre a parte anterior e apical do tórax e a outra sobre a posterior e na expiração comprimir o tórax (BRAÇO DE BOMBA) e mensurar o resposta elástica deste. Para o campo médio e a base deve-se colocar uma mão em cada lateral do tórax e fazer o mesmo procedimento (ALÇA DE BALDE).Elasticidade Avaliador ao lado do paciente sentado. .

obesidade.Vibrações Frêmito toraco vocal ± colocar as palmas das mãos e dedos sobre o tórax enquanto o paciente repete o 33`a cada mudança de posição da mão. ‡ Diminuição generalizada = enfisema. edema da parede .

Vibrações ‡ Diminuição generalizada = enfisema. atelectasia. obesidade. ‡ Aumento Localizado = condensação ‡ Frêmito Brônquico = secreção: percebe vibrar sem o paciente falar só com a inspiração. edema da parede ‡ Diminuição Localizada = pneumotórax. derrame pleural. .

Percussão Percussão dígito-digital : Apoiar com leve pressão o EIC com as duas últimas falanges do dedo médio ou indicador e percutir com o mesmo dedo da outra mão sobre a segunda falange do dedo apoiado. .

Percussão ‡ Percussão dígito-digital : Apoiar com leve pressão o EIC com as duas últimas falanges do dedo médio ou indicador e percutir com o mesmo dedo da outra mão sobre a segunda falange do dedo apoiado. .

macicez = derrame pleural. . Atímpânico Som timpânico ± é mais alto. pneumotórax.Percussão ‡ ‡ ‡ ‡ Som normal ± É claro . atelectasia. Hipersonoridade = Enfisema Submacicez. pneumonia.

Ausculta Pulmonar ‡ Pode ser feita com o ouvido diretamente em contato com otórax ou com auxílio de um estetoscópio. lentos e com a boca entre aberta. ‡ Ambiente silencioso e o examinador deve estar concentrado. realizando movimentos respiratórios de média amplitude. . ‡ Paciente sentado. tórax desnudo.

posterior. lateral do tórax. sempre bilateral.Ausculta Pulmonar ‡ A câmpanula do esteto deve estar bem apoiada sobre o tórax a fim de não produzir ruídos fictícios ‡ Auscultar a inspiração e a expiração por inteiro. ‡ Auscultar as faces anterior. .

.Ausculta Pulmonar Normal ‡ Murmúrio Vesicular (MV) ± ouvido durante a isnp. É o som da entrada do ar na árvore brônquica. é um som de alta frequência. ‡ Respiração Brônquica ± Escutada na laringe ou traquéia.

nas síndromes de obstrução brônquica. obesidade.. ‡ Diminuição Localizada ± atelectasia. ‡ MV Rude ± Presença de irritação brônquica ou grande dispnéia.Alterações do MV ‡ Diminuição difusa ± enfisema. ‡ MV prolongado na exp. pneumotórax . . derrame pleural.

.Secreção/ Exp.Broncoespamo. ‡ Estertores Bolhosos ou Subcrepitantes ± são sons explosivos insp/exp. modificam-se pela tosse. . ‡ Sibilo ± é o espasmo da musculatura brônquica ou secreção que gera diminuição da luz brônquica.Ruídos Adventícios ‡ Roncos ± acúmulo de secreção na via aérea. Insp..

ou sinal de pneumonia. compara-se com o ranger de dois couros. não muda com a tosse. edema agudo de pulmão.Sons explosivos ao final da insp.. podem ser fisiológicos.Ruídos Adventícios ‡ Estertores Crepitantes .. . ou fibrose pulmonar. devido ao atrito de duas folhas pleurais. Parece roçar de fios de cabelo. ‡ Atrito Pleural ± Ruído grosseiro e irregular.

Ruídos Adventícios ‡ Sopro Glótico ± Auscultado em áreas onde se expressam o MV.Enquanto o paciente sussurra o ³33´ escuta-se o tórax. ‡ Ausculta da voz sussurada . normalmente não se indentifica os sons. . quando há condensação identificam-se as sílabas (pectorilóquia afônica). qdo intenso : Sopro Tubário.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->