FACULDADE DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ARAÇATUBA – FAC/FEA CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA GERAL E EXPERIMENTAL

RELATÓRIO SOBRE AS TÉCNICAS DE OBSERVAÇÃO DE COMPORTAMENTOS

FLÁVIA CAMILA BERNARDES 3402 PAULA ROSANE BARBOSA 3348

Araçatuba Junho de 2011
1

seja verificando na pratica.RESUMO A Análise Experimental do Comportamento coloca a Psicologia em contato com a possibilidade de observar. Sempre que estudamos um determinado assunto. Pode-se chagar a afirmação de que o objetivo do trabalho foi alcançado com a associação do conteúdo teórico visto em aula com a prática realizada através das observações do rato. Baseando-se no experimento de um programa de computador o Sniffy Pro 2. analisar e controlar o comportamento. Submetendo ao teste da experiência. Análise Experimental. mostra-se os processos de modelagem. Skinner desenvolveu uma técnica de laboratório que se denominou a “Caixa de Skinner” um método empírico para compreender o comportamento de aprendizagem. Sniffy Pro. 2 . de reforço contínuo. Palavras-chave: Relatório. Para isso é necessário a pratica em laboratório. na qual este fazia experiências com ratos brancos. Observa-se e registra-se os resultados de cada experimento para a comparação dos dados obtidos. devemos partir do mais simples para o mais complexo. estímulos discriminativos e reforçamento intermitente de razão fixa. ou. extinção. podemos controlar melhor as situações que criamos para avaliar os comportamentos.0 que utiliza um rato virtual.

................................................................... controlado pela professora da disciplina......................................................................................................... 1 SUMÁRIO..... 5 DISCUSÃO........................... 2 INTRODUÇÃO............................................. 3 MÉTODO........................... 9 INTRODUÇÃO Elabora-se o presente relatório a partir de práticas laboratoriais realizadas em quatro momentos distintos dentro da disciplina de Psicologia Geral e Experimental do curso de Psicologia da Faculdade da Fundação Educacional de Araçatuba como um dos requisitos para obtenção de nota na disciplina. Os experimentos realizam-se com um rato virtual projetado na parede da sala de aula............................................................................................. 3 ................................................................... 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.... 8 ANEXOS.............................................................................................................................................................................................................................. 4 RESULTADOS.......................SUMÁRIO RESUMO.......

modelagem. verificando na prática e. Muitas alterações ambientais podem alterar um mesmo comportamento. Para uma melhor compreensão faz-se necessário a citação do conhecimento teórico que embasou os experimentos.167. logo em seguida faz-se o Reforçamento Contínuo (CRF). Segundo Moreira e Medeiros (2007. de preferência no laboratório.” B.” E ainda afirmam que em um experimento de Psicologia. procura-se saber que tipos de eventos alteram o comportamento dos organismos e. nível em que o sujeito opera sobre o ambiente antes de qualquer intervenção experimental. ou seja. p. principalmente. é possível encontrar dezenas de teorias sobre a aprendizagem. Segundo Moreira e Medeiros (2007. elas também mantêm ou reduzem a frequência de comportamentos inadequados ou indesejados. Para uma melhor compreensão faz-se necessário a citação do conhecimento teórico que embasou os experimentos. O comportamento dos organismos é muito sensível a mudanças em seu ambiente.. As consequências de comportamentos influenciam suas ocorrências futuras. o sucesso desses experimentos levou Skinner a acreditar que as leis de aprendizagem valem para os demais organismos também.F.. muitas delas fornecendo explicações diferentes para um mesmo fenômeno. liberando reforço todas as vezes que o rato pressiona a barra. O reforço é um tipo de conseqüência do comportamento que aumenta a probabilidade de um determinado comportamento voltar a ocorrer.165): “Nos livros e manuais de psicologia. Por exemplo no quando um rato aperta a alavanca sob condições estabelecidas pelo experimentador uma bolinha de alimento lhe é fornecido. Também faz-se um experimento com esquema de reforçamento como Razão Fixa (FR) onde o comportamento de pressionar a barra só é reforçado somente após ser emitido cinco vezes. As consequências não têm somente influência sobre comportamentos adequados. Extinção Operante é a suspensão do reforço e retorno da freqüência comportamento ao nível operante.] Só há uma maneira de comprovar a “veracidade” de uma teoria: submetendo-a ao teste empírico. Para obtenção de um amplo entendimento deste relatório faz-se necessário a compreensão de conceitos como: comportamento em nível operante. Em outro momento realiza-se a modelagem. reforçando aproximações sucessivas para que o rato condicionasse o comportamento de pressionar a barra. Ao buscar conhecer como cada evento ambiental afeta isoladamente o comportamento. como os afetam. observam-se os comportamentos do rato quando este se encontra sem reforços para pressionar a barra. esquemas de reforçamento – reforçamento intermitente de razão fixa e reforço contínuo. No experimento de extinção. Comportamento operante é aquele comportamento que produz conseqüências (modificações no ambiente) e é afetado por elas. [. 4 .Skinner (1904-1990) apud Zicardi e Clementino diz que o rato ou outro animal pode ser condicionado ou a emitir inúmeros quando realiza-se experimentos laboratoriais. a partir disso o experimentador pode colocar o comportamento do rato sob controle de uma variedade de condições de estímulos. extinção. deve-se sempre controlar todos os eventos que não estão sendo estudados no momento. treino de discriminação.168) ”O laboratório de condicionamento operante é um local onde podemos testar empiricamente (na prática) algumas teorias ou hipóteses sobre a aprendizagem dos indivíduos. onde podemos controlar melhor as situações que criamos para avaliar as teorias. Realiza-se um experimento com estímulos que sinalizam a emissão do comportamento que será reforçado. no laboratório isso é possível. pag. onde o sujeito fica isolado dentro um local onde todas possíveis variáveis podem ser controladas pelo experimentador. O comportamento pode ser gradualmente modificado ou modelado até aparecerem novas respostas. Modelagem é um procedimento de reforçamento diferencial de aproximações sucessivas de um comportamento.Num primeiro momento observa-se seu comportamento Nível Operante (NO).

Quando isso ocorre temos o que chamamos de esquema de reforçamento intermitente. custo. A imagem do rato dentro da caixa de Skinner foi projetada na parede da sala de aula para que todos pudessem observar os comportamentos do rato. Sniffy Pro 2. O programa de computador o Sniffy Pro 2. substituindo o sujeito experimental vivo e a caixa de Skinner. levantar e limpar-se durante 15 minutos. O reforçamento contínuo geralmente é utilizado para que um novo comportamento aprendido seja fortalecido. Materiais e instrumentos: Para a realização dos experimentos utiliza-se um programa de computador. Existem quatro tipos de reforçamento intermitente. às vezes não. o sujeito recebe reforço todas as vezes que emite o novo comportamento. A observação faz-se por alunos do 3º semestre do curso de Psicologia que corresponde a respectivamente 34 alunos. eles podem receber reforço às vezes sim. pois para que possa determinar o efeito de uma variável sobre o comportamento de um organismo. no caso como o rato se comporta antes de qualquer intervenção. farejar. 2002 apud Zicardi e Clementino). são eles: intervalo fixo e intervalo variável. 181). o comportamento será reforçado” (2007. folhas de registro e lápis.Esse procedimento tem como resultado a gradual diminuição da frequência de ocorrência do comportamento. Formam-se duplas. sendo 28 mulheres e 6 homens. o programa Sniffy Pro 2. As idades dos alunos variavam entre 18 e 46 anos. onde um dos componentes desta observa os comportamentos emitidos pelo rato enquanto o outro controla o cronômetro e faz os registros. Iniciou-se com o registro de nível operante. Jeff Graham e Lester Kramer). se determinado comportamento for emitido no momento em que ele (SD) está presente.0. Na razão fixa é necessário que o sujeito apresente sempre o mesmo número de respostas para ser reforçado. durante e após a realização dos experimentos para que seja feita uma comparação entre os dados obtidos. para realizar o registro de forma adequada faz-se necessária a utilização de cronômetro. em 2000 este programa tem como proposta ser utilizado como um recurso didático. 5 . sob a orientação de três psicólogos (Tom Alloway. com a orientação da professora da disciplina de Psicologia Geral e Experimental da Faculdade da Fundação Educacional de Araçatuba (FAC/FEA). MÉTODO Sujeitos e Participantes: Os experimentos realizaram-se com um rato de laboratório virtual. pág. observa-se os comportamentos de tocar a barra. na Universidade de Toronto-EUA. os comportamentos não precisam necessariamente ser reforçados todas as vezes que forem emitidos para continuar ocorrendo. apresentando uma economia de tempo. além de facilidade de manuseio da nova tecnologia (Tomanari e Eckerman. é necessário saber como ele se comporta antes da introdução de uma nova variável. Mas. Este trabalho visa a obtenção de dados sobre os comportamentos do sujeito observado.0 o rato virtual. Moreira e Medeiros afirmam que “o estímulo discriminativo sinaliza para o organismo que. Com a intenção de visualizar na prática os conceitos considerados importantes na observação de comportamentos. Procedimentos: Realiza-se registros de comportamentos emitidos pelo rato. Ambiente.0 foi desenvolvido por Greg Wilson. razão fixa e razão variável.

este experimento foi observado durante 30 minutos. pode-se observar que o processo de modelagem foi eficaz. representados na forma de gráficos ilustrando o que foi observado nos experimentos. Por fim realiza-se o esquema de reforçamento como razão fixa 5 (FR:5). Logo sem seguida.O comportamento de pressionar a barra foi fortalecido com o CRF. A apresentação do reforço foi a variável pelo aumento da freqüência da resposta de pressionar à barra.NO e CRF 250 200 150 100 50 0 No CRF a i c n ê u q e r F Comportamentos 6 . ao mesmo tempo em que outros comportamentos que eram emitidos antes diminuem a frequência ou deixam de ser apresentados. uma diminuição na freqüência de resposta. reforçamento contínuo onde todos os comportamentos de pressionar à barra teve uma apresentação de reforço com a liberação de água. RESULTADOS Apresentam-se aqui os resultados dos experimentos. ou seja. esse processo foi a extinção. logo após esse processo de modelagem retira-se o reforço para produzir um efeito contrario. A partir do reforço contínuo do comportamento de pressionar a barra a frequência dos outros comportamentos diminuiu. durante 30 minutos condiciona-se o rato a pressionar a barra na presença do estímulo discriminativo de som. processo observado durante 20 minutos. Nos gráficos apresentados abaixo. no qual o rato deve emitir cinco vezes o comportamento de pressionar a barra para que a liberação do reforço aconteça. Gráfico Comparativo . Com isto pode-se verificar que ao reforçar um determinado comportamento ele é emitido numa freqüência maior. Reforça-se este comportamento apresentandolhe o reforço todas as vezes que ele pressiona a barra na presença do som.

representado no gráfico abaixo observa-se que o objetivo foi alcançado. Discriminação SD (S+) e Sdelta (S-) 600 500 400 300 200 100 0 S+ (C/Som) S(S/Som) Pode-se afirmar que no esquema de reforçamento intermitente o reforço do comportamento é apresentado apenas em algumas respostas. pois na sua ausência o comportamento aprendido vai sendo esquecido até ser extinto. o rato retorna ao seu nível operante.Frequência Acumulada de Pressão à Barra CRF 250 200 150 100 50 0 Tempo em minutos PB . Concluí-se que os efeitos do reforçamento contínuo é temporário. no casa o som. pois o rato emite maior taxa de comportamento de pressão à barra na presença do estímulo discriminativo. 7 . do que na ausência dele.CRF Observa-se no gráfico abaixo que após a retirada do reforço do comportamento de pressionar a barra este comportamento ocorre com uma menor frequência. Extinção 120 100 80 60 40 20 0 a t p s d o r e m ú N Pressão à Barra a t p s d o r e m ú N Tempo em minutos No processo de discriminação.

até entrar em extinção. é possível de ser visualizado na prática. A partir das experiências realizadas e da análise dos resultados obtidos após a observação dos gráficos. que foi estudada em sala de aula com os procedimentos das aulas práticas realizadas através destes experimentos. Através da discriminação de estímulos o rato pôde apresentar maior frequência na emissão do comportamento na presença do estimulo discriminativo. Quando o reforço deste comportamento aprendido foi retirado.Neste experimento representado pelo gráfico abaixo observa-se que o esquema de reforçamento utilizado foi o de razão fixa ou seja. que é um comportamento complexo para o rato. precisando pressionar a barra cinco vezes pra obter seu reforço. O comportamento aprendido não precisa ser reforçado todas as vezes que é emitido para continuar sendo reforçado. para que o rato obtenha o reforço de pressionar a barra é necessário que ele emita um número fixo de respostas. Reforçamento Intermitente. pode-se relacionar a teoria. 8 . aprendidos em aula foi atingido. este precisou ter seu comportamento modelado por meio do método de aproximações sucessivas e do reforçamento contínuo. diminuiu sua frequência. Comprova-se que para efetuar o comportamento de pressionar a barra.Razão Fixa (FR:5) 1400 1200 1000 800 600 400 200 0 Tempo Decorrido Acumulado a t p s d o r e m ú N DISCUSÃO O objetivo de visualizar na prática os conceitos sobre a observação do comportamento. Concluí-se que o conteúdo aprendido na disciplina de Psicologia Geral e Experimental. o rato foi reforçado pelo esquema de reforçamento intermitente de razão fixa. ele precisa pressionar a barra cinco vezes para que este comportamento seja reforçado. o som.

Acessado em: 05 de junho de 2011. PUC Minas. 2007. Relatório de Psicologia Experimental Análise em Laboratório. OUTRAS FONTES: http://analgesi. 09 de agosto de 2010. Porto Alegre: Artmed.cc/html/t47163.univap.br/cd/INIC_2009/anais/arquivos/0257_0038_01.REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVEZ. visitado em 06 de junho de 2011. Márcio Borges.blogspot. Anna Clara. CLEMENTINO. Disponível em: http://www. MEDEIROS.html. Princípios básicos de análise do comportamento. 9 . Ians. MOREIRA.pdf. Carlos Augusto de. ZICARDI.com/2008/10/relatrio-modelagem-de-rpb. http://olharbeheca.Utilização Do Programa Sniffy Pro X Laboratório Didático Com Animais Vivos:Comparação Dos Relatos De Estudantes. Érika.co.inicepg. visitado em 04 de junho de 2011.html.

6 8 4 4 1 2 6 5 2 3 2 3 4 6 1 3 54 3.FACULDADE DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ARAÇATUBA – FAC/FEA CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA GERAL EXPERIMENTAL Nível Operante (NO) e Reforçamento Contínuo (CRF) Folha de registro Nome: Flávia Camila Bernardes RA 3402 Nome: Paula Rosane Barbosa RA 3348 Campus Faculdade Educacional de Araçatuba FAC/FEA Prof.33 farejar NO CRF 6 2 8 5 14 6 7 7 5 9 9 12 12 14 6 122 8.33 10 .53 limpar-se NO CRF 8 12 10 8 9 3 10 9 14 8 8 15 12 11 7 144 9.26 15 16 24 15 10 12 10 17 9 15 11 16 13 15 17 215 14.26 15 16 24 15 10 12 10 17 9 15 11 16 13 15 17 215 14.6 beber água NO CRF 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 3 4 0.13 2 2 3 4 8 4 8 5 9 5 8 6 5 4 2 75 5 Início 19h 30 min Término 19h 45 min levantar NO CRF 7 13 11 14 6 11 9 8 10 11 12 12 10 6 10 150 10 3 5 0 2 5 6 5 2 5 2 4 3 2 5 4 53 3. VANESSA MARQUES GIBRAN FACO Período Noturno Data 30/ Março / 2011 min 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Total Taxa pressionar NO CRF 0 0 0 0 0 0 0 1 0 0 0 0 0 0 3 4 0.

Gráfico Comparativo .CRF a t p s d o r e m ú N 0 Tempo em minutos 11 .NO e CRF 250 200 150 100 50 0 No CRF a i c n ê u q e r F Comportamentos Frequência Acumulada de Pressão à Barra em CRF 1 1 5 1 5 2 1 6 3 1 3 2 4 5 5 4 1 5 7 0 5 1 0 8 0 6 1 2 9 2 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Minuto Pressão à Barra CRF Frequência Acumulada 10 17 9 15 11 16 13 15 17 10 11 12 14 15 17 18 19 21 2 9 8 3 4 0 3 8 5 Frequência Acumulada de Pressão à Barra CRF 250 200 150 100 50 PB .

VANESSA MARQUES GIBRAN FACO Período Noturno Data 30 / Março / 2011 min Início 20h 30min Término 20h 50 min Total Acumulado Respostas de pressão à barra 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 lllllllllllllllllllllllllllllllllllll lllllllllllll llllll lllllll ll llll lllll lllllll llllll lll llll lll 37 13 6 7 2 4 5 0 7 0 0 0 0 6 3 0 4 3 0 0 37 50 56 63 65 69 74 74 81 81 81 81 81 87 90 90 94 97 97 97 Extinção 120 100 80 60 40 20 0 Pressão à Barra a t p s d o r e m ú N Tempo em minutos 12 .FACULDADE DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ARAÇATUBA – FAC/FEA CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA GERAL EXPERIMENTAL Registro de Extinção de Reforçamento Contínuo (CRF) Folha de registro Nome: Flávia Camila Bernardes RA 3402 Nome: Paula Rosane Barbosa RA 3348 Campus Faculdade Educacional de Araçatuba FAC/FEA Prof.

FACULDADE DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ARAÇATUBA – FAC/FEA CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA GERAL EXPERIMENTAL Registro de Extinção de Reforçamento Contínuo (CRF) Folha de registro Nome: Flávia Camila Bernardes RA 3402 Nome: Paula Rosane Barbosa RA 3348 Campus Faculdade Educacional de Araçatuba FAC/FEA Prof. VANESSA MARQUES GIBRAN FACO Período Noturno Data: 19/ Abril /2011 Min Respostas em SD / S+ 1 2 3 4 5 6 7 8 9 Total 17 20 17 18 24 19 19 9 13 21 20 19 17 10 19 16 16 22 21 26 20 22 20 17 21 21 16 24 22 20 Ac 17 37 54 72 96 115 134 143 156 177 197 216 233 243 262 278 294 316 337 363 383 405 425 442 463 484 500 524 546 566 Início:19h30 Total 17 22 0 7 4 6 13 5 7 6 2 11 2 13 12 1 8 0 16 0 3 4 12 4 4 15 8 5 8 3 Ac 17 39 39 46 50 56 69 74 81 87 89 100 102 115 127 128 136 136 152 152 155 159 171 175 179 194 202 207 215 218 Término: 20h00 Min Respostas em Sdelta / S1 2 3 4 5 6 7 8 9 lllllllllllllllll llllllllllllllllllll lllllllllllllllll llllllllllllllllll llllllllllllllllllllllll lllllllllllllllllll lllllllllllllllllll lllllllll lllllllllllll lllllllllllllllll llllllllllllllllllllll llllllll llll llllll lllllllllllll lllll lllllll 10 llllllllllllllllllllllll 11 llllllllllllllllllll 12 lllllllllllllllllll 13 lllllllllllllllll 14 llllllllll 15 lllllllllllllllllll 16 llllllllllllllll 17 llllllllllllllll 18 llllllllllllllllllllll 19 lllllllllllllllllllll 20 llllllllllllllllllllllllll 21 llllllllllllllllllll 22 llllllllllllllllllllll 23 llllllllllllllllllll 24 lllllllllllllllll 25 lllllllllllllllllllll 26 lllllllllllllllllllll 27 llllllllllllllll 28 llllllllllllllllllllllll 29 llllllllllllllllllllll 30 llllllllllllllllllll 10 llllll 11 ll 12 lllllllllll 13 ll 14 lllllllllllll 15 llllllllllll 16 l 17 llllllll 18 19 llllllllllllllll 20 21 lll 22 llll 23 llllllllllll 24 llll 25 llll 26 lllllllllllllll 27 llllllll 28 lllll 29 llllllll 30 lll 13 .

Discriminação SD (S+) e Sdelta (S-) 600 500 400 300 200 100 0 S+ (C/Som) S(S/Som) 14 .

min Respostas de pressão à barra llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxl lllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxlll lxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxl lllxllllxllllxllllxllllxllllxlll lxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllll xllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxll llxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxl lllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllll xllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxllllxl lllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx llllxllllxllllxllllxllllxl lllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllxllllx Total Acumulado 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 35 40 30 50 21 34 53 37 25 56 32 42 50 14 31 50 65 50 57 44 44 49 21 30 55 40 31 44 26 44 35 75 105 155 176 210 263 300 325 381 413 455 505 519 550 600 665 715 772 816 860 909 930 960 1015 1055 1086 1130 1156 1200 15 . VANESSA MARQUES GIBRAN FACO Período Noturno Data 26 / Abril / 2011 Início 19h e 30 min. Término 20h.FACULDADE DA FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ARAÇATUBA – FAC/FEA CURSO DE PSICOLOGIA DISCIPLINA: PSICOLOGIA GERAL EXPERIMENTAL Registro de Reforçamento Intermitente – Razão Fixa (FR) ou Razão Variável (VR) Folha de registro Nome: Flávia Camila Bernardes RA 3402 Nome: Paula Rosane Barbosa RA 3348 Campus Faculdade Educacional de Araçatuba FAC/FEA Prof.

Reforçamento Intermitente.Razão Fixa 1400 1200 1000 800 600 400 200 0 Acumulado a t p s d o r e m ú N Tempo Decorrido 16 .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful