P. 1
ARTICULADOS SUPERVENIENTES

ARTICULADOS SUPERVENIENTES

|Views: 999|Likes:
Publicado porRui Silva

More info:

Published by: Rui Silva on Jul 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2013

pdf

text

original

ARTICULADOS SUPERVENIENTES

ARTIGOS IMPORTANTES: art. IMPORTANTES: 506º e art. 507º; art. 663º n.º1 conjugado com o art. 273º; art. 504º; art. 505º conjugado com o art. 490º n.º 2; art. 508º n.º 4 conjugado com o art. 489º

´ ± art. até ao encerramento da discussão ± n. não foram invocados nos articulados normalmente admitidos (articulados normais ± petição e contestação) e podem ser deduzidos em articulado posterior ou em novo articulado. modificação ou extinção do direito invocado na acção ± ³Os factos constitutivos. Mas pode acontecer que ocorram factos que apenas chegam ao conhecimento das partes já depois da entrega do último articulado ± factos supervenientes. os factos supervenientes só poderão ser alegados em novo articulado.. 506º n. os factos que não puderam ser alegados no articulado normal poderão sê-lo no sêarticulado posterior.FACTOS SUPERVENIENTES Os factos com interesse para uma boa decisão da causa devem ser apresentados na fase dos articulados (petição inicial e contestação).. 506º. pela parte a quem aproveitem.influenciar a constituição. . justamente por serem supervenientes.º1 do art. A diferença entre articulado posterior e articulado novo reside no seguinte: se além dos articulados normais (petição inicial e contestação) a acção admitir os chamados articulados eventuais (réplica e tréplica). modificativos ou extintivos do direito que forem supervenientes. isto é. Para que os factos supervenientes sejam atendíveis é necessário que eles sejam capazes de: . no articulado a apresentar a seguir.1 A lei permite que qualquer das partes se sirva de articulado superveniente para alegarem factos que. se o processo não admitir os articulados eventuais.

506 n. O art. Por isso a lei impõe que seja produzida prova da Superveniência ± art. tendo em vista definir se o conhecimento tardio dos factos deve ser ou não censurável. 506º n. há que atender às condições concretas do caso.Superveniência dos Factos Para ser deduzido articulado superveniente é necessário que: quando os factos tenham ocorrido dentro do prazo da apresentação do articulado. ou seja depois do prazo (superveniência subjectiva) ± art. 506º n. ou que haja factos que apenas ocorram posteriormente ao termo do prazo da apresentação do articulado da parte (superveniência objectiva) ± art. parte. .º 2 (superveniência ± 1ª parte. mas a parte a quem aproveitem apenas tomou conhecimento dos mesmos no decurso da acção. A aferição da Superveniência Subjectiva é muito mais complexa porque importa verificar em que condições se pode dar relevância ao desconhecimento do facto pela parte.º 4 estabelece que o articulado superveniente deve ser fine. Por outro lado na superveniência subjectiva para efeitos de admissibilidade do articulado superveniente.º 2 in fine. Logo a superveniência subjectiva pressupõe o desconhecimento não culposo do facto. após a fase dos articulados. A Superveniência Objectiva é facilmente determinável pela referencia ao momento em que ocorreu. isto é quando a parte não tenha tido conhecimento atempado do facto por culpa própria. 506º n.º 2 ± 2ª parte. nomeadamente características culturais dos requerentes. Pois se o facto teve lugar posteriormente ao termo do prazo de apresentação do articulado em que devia ser invocado é obvio que terá de ser considerado superveniente. rejeitado quando por culpa da parte ele for apresentado fora de tempo.

Mas não podemos confundir Articulado Superveniente com Ampliação da Causa de Pedir: Articulado Superveniente: Aqui há factos novos. 273º .Existe culpa da parte quando: tendo tido conhecimento do facto. não o alegou no articulado normal que teve de apresentar. e também. Ampliação da Causa de Pedir: Há novos factos que se aditam à causa de pedir (na réplica) ± art. quando não tenha oportunamente tomado conhecimento do facto devido a uma atitude negligente. ou Superveniente: factos de que a parte só teve conhecimento posteriormente à fase da apresentação dos articulados normais. Quanto ao grau de culpa é entendível que só quando existir desconhecimento atempado do facto assente em negligencia grave é que se deve obstar à sua alegação em articulado superveniente.

for apresentado fora do tempo.2º parte do art. 506º.º 4 . O despacho.º 4 . 506º n. são A lei estabelece um prazo causa. curto para a resposta ao Articulado superveniente com o propósito de evitar que a apresentação deste constitua motivo para atrasar muito o processo o articulado poderá ser rejeitado em circunstancias: quando por culpa da parte. pode ter um de dois sentidos: admissão ou rejeição o juiz ordenará no respectivo duas despacho que a parte contraria seja notificada para responder no prazo de 10 dias. só 506º. de acordo com o n. quando for manifesto que os factos irrelevantes para a boa decisão da .1ª parte).Despacho Liminar Apresentado o articulado superveniente o juiz profere despacho liminar sobre a sua admissão (art.

não deveria de dar á parte contraria a possibilidade de exercer ou não o principio do contraditório relativamente à superveniência objectiva e subjectiva assim como da sua relevância para a causa´. mediante despacho liminar. 506º.º 4 in fine do art. prendeprende-se com o facto de saber se ³o juiz antes de proferir a decisão de admissão liminar do articulado superveniente. dispondo de 10 dias para o fazer n. 506º. Neste prazo a parte contraria pronuncia-se não só sobre a pronunciatempestividade do articulado como também sobre a relevância dos factos e da sua veracidade. . O facto é que a parte contraria apenas exerce o seu direito de resposta depois do juiz. proferir a admissibilidade do articulado superveniente.Uma questão que foi suscitada há muito tempo e que mesmo com a última reforma processual não foi resolvida.

O prazo começa-se a contar do 3º dia útil posterior à data da começaexpedição. Os factos supervenientes ocorridos ou conhecidos após a audiência preliminar. nos 10 dias posteriores à marcação da audiência de discussão e julgamento. não só nos casos em que a tramitação do processo não a comporta mas também nos casos em que é dispensada pelo juiz. b) do n.º 3).º 3 o novo articulado em que sejam alegados factos supervenientes pode ser apresentado nos seguintes momentos: Na audiência preliminar.º 1 do art. 506º n. Na audiência de julgamento se os factos forem posteriores ou a parte só teve conhecimento em data posterior às datas anteriormente referidas. se houver lugar a ela. tenham ocorrido até então ou de que a parte tenha tido conhecimento até ao respectivo encerramento ± Ou seja. é na audiência preliminar que são delimitados os termos do litigio e se fixa a matéria de facto relevante para a decisão da causa.º4) só deve ser proferido após ter decorrido os 10 dias de prazo (al. Ou seja. passa para o dia útil seguinte e o dia a seguir será o 1º dia do . A audiência preliminar não terá lugar. quanto aos factos que preliminar. Nos 10 dias posteriores à designação da data para a audiência de discussão e julgamento se os factos forem posteriores à audiência preliminar ou esta não se tenha realizado. o articulado superveniente deve ser oferecido nesta. b) do n. 254º ( sendo que o 3º dia se não for útil. Mas nesse caso o despacho liminar (previsto no n.Momento da apresentação do Articulado Superveniente De acordo com o art. se os factos forem supervenientes objectiva ou subjectivamente. nos termos do n. podem ser trazidos aos autos antes do inicio dos 10 dias de prazo fixado na al. uma vez que nesse entre tempo podem surgir factos novos.º 3 do art.

As testemunhas apresentadas para depor sobre os novos factos terão de ser as partes a apresentáapresentálas. A audiência de discussão e julgamento é a última oportunidade para os apresentar. Aliás o próprio n. A lei 504º. Ou seja. Se a parte contraria não prescindir do prazo de 10 dias para formular a resposta. não fixa um prazo peremptório para a sua apresentação. a resposta da parte contraria e o despacho que recuse ou ordene o adiamento dos factos controvertidos à base instrutória. sendo esta admissível em função de diversas fases processuais. 507º se o articulado superveniente for apresentado na audiência final. 504º.º 2 do art. Assim sendo. oralmente quando tais factos só tiverem sido invocados na audiência de discussão e julgamento. pois estes só podem ser introduzidos na causa mediante alegação em articulado superveniente e este tem como limite temporal o encerramento da discussão em 1ª instancia. a audiência de discussão e julgamento é interrompida. 507º. não é aplicável aos articulados supervenientes a prorrogação do prazo para a sua apresentação estabelecida para os outros articulados no art. a notificação da parte contraria e a resposta por esta formulada. a apresentação dos factos supervenientes é feita 507º. Nos termos do n. mas também o despacho que sobre eles seja proferido.º 1 do art. 506º estabelece como limite para a apresentação o encerramento da discussão. isso não constitui motivo para o seu adiamento ou suspensão. No decurso da audiência terão lugar o despacho de admissão.Os factos novos ou supervenientes só podem ser articulados até ao encerramento da discussão que tem lugar na 1ª instancia.º 1 do art. os factos posteriores ao encerramento da discussão da matéria de facto. não podem ser factos essenciais. . apresentar as provas e houver inconveniente em que se produza imediatamente a prova em relação à restante matéria de facto. Neste caso ficam consignados em acta não só os factos alegados. No entanto. De acordo com o estatuído no n. o articulado superveniente deve ser rejeitado quando não respeite a facto essencial para a decisão do mérito da causa.

Inclusão dos novos factos na base instrutória Se a parte contraria não tomar posição sobre os novos factos alegados.º 4 in fine e art. embora seja realçado o articulado superveniente. Excepção (art. 506º n. serão incluídos na base instrutória. ficarão a constar da matéria assente.º 3) (art. 2.º 6 do art. 506º. os factos contidos na resposta. considerar-se-ão admitidos por acordo. no pressuposto de que os factos terão sido impugnados pela parte contraria. considerar-seacordo. 505º n. .º 6. 3) Só não serão admitidos por acordo os factos alegados que: a) estiverem em oposição com a defesa considerada no seu conjunto. OU seja.505º que nos remete para o art. os factos forem impugnados. Caso contrario assente.506º n. em regra. 511º. pelo contrario. que o articulado supervenientes que lhe deu origem. então ser-lheser-lheão aditados os factos sem que haja possibilidade de reclamação contra o seu aditamento. Assim como. embora a questão não seja resolvida directamente na lei. Se.º 2. c) só possam ser provados por documento escrito. 490º n. 490º n. em obediência ao Principio da Igualdade. nos termos do n. Contudo. caso esta ainda não tenha sido elaborada. nos termos do art. serão incluídos na base instrutória. também devem ser considerados pelo juiz. b) não tenha sido possível admitir confissão sobre eles.º 6 em conjugação com o art. 511º. e não serão incluidos na base instrutória. Caso os factos a que respeita o articulado superveniente tenham sido confessados ou admitidos pela parte contraria. Se já tiver sido elaborada. e só serão tidos em conta os factos que interessam à decisão da causa ± art. aqueles que sejam considerados relevantes para a decisão da causa ± art. que apenas instrutória. nos refere a base instrutória. de entre os factos alegados só integrarão a base instrutória. 506º. a resposta da parte contraria assume a mesma relevância Igualdade.

506º e 507º) quando pretendam ver atendidos quaisquer factos 507º) produzidos após proposta a acção. se não se tratar de nenhum destes casos excepcionais e o juiz acolher na matéria assente. só se pode servir dos factos articulados pelas partes. pois só ela foi coberta pela alegação das partes e legitimada pelo principio do dispositivo (art. 264º). (de acordo com o estatuído no art. 264º). 514º) se ter comprovado o uso anormal do processo (art. uma nova realidade que teve conhecimento no exercício das suas funções. em sede de audiência de julgamento e não tendo essa realidade sido coberta por qualquer alegação das partes. salvo tratando-se de factos tratandonotórios ou de que o tribunal conheça no exercício das suas funções e a provar documentalmente (art.º 3 al. 514º) ou em caso de (art. em regra.Na verdade. (art. 506º n. 661º). nem submetida ao contraditório. 664º 2ª parte. No entanto. . 661º). de acordo com o previsto no art. Se a audiência de discussão e julgamento foi adiada o articulado superveniente pode ser oferecido. tornandoarticulado superveniente. nos termos do art. b) até à data em que a audiência venha a ter lugar. o juiz. Por conseguinte deve ter-se por não escrita a matéria que extravasa a terfactualidade originária. (art. tornando-se assim necessário que estas aleguem em parte. então essa realidade não deve ser atendida.

Através do Articulado Superveniente pode ser invocada uma nova causa de pedir ou uma nova excepção baseada em factos supervenientes. 273º deva estar virtualmente contida no pedido inicial. 506º. . por um lado.º 5 do art. casos em que não haja acordo a causa de pedir é alterada ou ampliada na réplica. Esta alteração à causa de pedir não está sujeita às condições exigidas pelo art.º 2 do art. é necessário que a ampliação do pedido referida no n. se o processo a admitir e desde que essa alteração ou ampliação seja consequência da confissão feita pelo réu e aceite pelo autor. nos 273º. Isto é. 273º. 506º. Por outro lado. atento o disposto no n.As provas têm de ser oferecidas com o articulado superveniente e com a resposta.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->