Inserir o nome do Laboratório

Procedimento Operacional Padrão

Página 1 de 4 POPBIO xxx/xx

HEMOGLOBINA GLICADA

HEMOGLOBINA GLICADA
INDICAÇÃO MÉDICA DO EXAME A determinação da hemoglobina glicada em amostras de sangue é útil no controle do diabetes. PRINCÍPIO A resina de troca iônica, carregada negativamente, exibe uma afinidade para molécula com carga positiva. Em força iônica e pH selecionados, a hemoglobina glicada (Hb-G) tem carga positiva menor que a hemoglobina A e se liga mais fracamente à resina. A aplicação do tampão Hb-Rápida (nº 1) promove a eluição da hemoglobina glicada, ficando as outras hemoglobinas retidas na resina. A medida espectrofotométrica do eluato (Hb-G) e da hemoglobina total (Hg-total) permite o cálculo da percentagem de Hb-G na amostra. AMOSTRA Preparo do paciente Recomenda-se jejum mínimo de 8 horas. Tipos de amostra Usar sangue total colhido com EDTA. Pode-se obter resultado falsamente elevado quando a amostra é colhida em heparina. Armazenamento e estabilidade da amostra O analito é estável no sangue total por 5 dias entre 2 – 8 ºC. Volume mínimo (Definir o volume mínimo a ser encaminhado para análise) Volume ideal (Definir o volume ideal a ser encaminhado para análise) Fazer referência ao manual ou POP de colheita, separação e distribuição de material. PRODUTO UTILIZADO Hemoglobina Glicada, Catálogo 17 Labtest Diagnóstica Av. Paulo Ferreira da Costa, 600 Lagoa Santa, MG, 33400-000 ANVISA - 10009010016

Tampão Hb-Rápida: Armazenar entre 15 – 25 ºC. Contém tampão fosfato 36 mmol/L pH 6,7 e biocida não tóxico. Hemolisante: Armazenar entre 15 – 25 ºC. Contém íons borato e azida sódica 14,6 mmol/L. Colunas para cromatografia: Armazenar entre 15 – 25 ºC. Contém resina de troca iônica equilibrada com tampão fosfato pH 6,7. Precauções e cuidados especiais 1. Os cuidados habituais de segurança devem ser aplicados na manipulação do reagente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança. 2. Os reagentes não abertos, quando armazenados nas condições indicadas são estáveis até a data de expiração impressa no rótulo. Durante o manuseio, os reagentes estão sujeitos à contaminação de natureza química e microbiana que podem provocar redução da estabilidade. O laboratório deve estabelecer a estabilidade em suas condições operacionais. 3. O hemolisante contêm azida sódica, que é tóxica. Deve-se tomar cuidado para evitar a ingestão e, no caso de contato com os olhos, lavá-los imediatamente com grande quantidade de água e procurar auxílio médico. A azida pode formar compostos altamente explosivos com tubulações de chumbo e cobre. Utilizar grandes volumes de água para descartar o reagente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança. 4. Não misturar reagentes de lotes diferentes. EQUIPAMENTOS 1. Fotômetro capaz de medir com exatidão a absorbância em 415 nm ou filtro azul (405 a 430). 2. Pipetas para medir amostras e reagentes. 3. Termômetro.

tampão e coluna tiverem temperaturas diferentes do ambiente no qual se realizará a cromatografia. Para um tubo limpo e seco. com a ponta da pipeta tocando a parede da coluna.5 mL de Tampão Hb-Rápida (nº 1). Determinar as absorbâncias dos tubos número 1 (Hb-G) e número 2 (Hb. Nunca realizar a cromatografia se o hemolisado.0 mL no tubo. 4. 1. Fazer referência ao manual ou POP de garantia da qualidade. Medir a temperatura do líquido que drenou da coluna para correção do resultado.0 mL.0 mL da amostra bem homogeneizada. marcado com o número 1 e adicionar lentamente. PROCEDIMENTO Minimização da ação de interferentes Este procedimento deve ser aplicado somente quando a amostra estiver turva.0 mL de água destilada. Transferir a coluna para um tubo de ensaio limpo e seco. 3. Desprezar a coluna. Agitar fortemente por 20 segundos e esperar 5 minutos. introduzir o bastão fazendo movimentos giratórios descendentes a ascendentes para ressuspender a resina. . Esperar que o hemolisado penetre na resina. Remover imediatamente a tampa inferior. Gerenciamento dos dados Definir como os dados relativos ao controle da qualidade são arquivados e gerenciados.05 mL do hemolisado sobre a resina. instruções de preparo e frequência da utilização dos mesmos. lipêmica ou ictérica. Acertar o volume para a marca de 1.0 mL de NaCl 150 mmol/L (0. assegurar-se de que o hemolisado. Fazer referência ao manual ou POP para utilização dos materiais de controle. marcado com o número 2 (Hb-total) pipetar 7. Marcar o nível de 1. Para manusear e descartar reagentes e material biológico. Preparo da coluna A presença de bolhas de ar no filtro ou na resina interfere na drenagem do tampão. Cromatografia Adicionar 0. Preparo do hemolisado Em um tubo 12 x 75 adicionar 0. aplicar as normas estabelecidas de segurança. Precauções e cuidados especiais 1. Colorimetria Homogeneizar o conteúdo do tubo número 1 (Hb-G) e usá-lo para a colorimetria sem qualquer tratamento adicional. 3. adicionar 0. Centrifugar a 2000 rpm por 5 minutos. Retirar o plasma sem ressuspender as hemácias.total) em 415 nm ou filtro azul (405 a 430 nm) acertando o zero com água destilada. Limites de tolerância Descrever o procedimento para definição dos limites de tolerância. centrifugar e usar o sobrenadante. evitando a formação de bolhas de ar. Jamais iniciar a cromatografia em temperatura inferior a 16 ºC ou superior a 30 ºC. aumentando o tempo de eluição da hemoglobina glicada.85%). colocar a coluna em um tubo de ensaio e esperar que todo o líquido penetre na resina. A cor é estável por 4 horas. 2.1 mL da amostra. Adicionar 3. Pipetar em um tubo 1. A eluição da Hb-G se completa quando todo o tampão penetra na resina. o sistema adotado para utilização do mapa de Levey-Jennings e das regras de controle e as providências a serem tomadas diante de valores que ultrapassem tais limites. retirando o excesso do sobrenadante. Se a hemólise for incompleta (o líquido no tubo se mostra turvo). número de catálogo). de modo que não haja ressuspensão da mesma. a coluna estará pronta para uso e a cromatografia deverá ser iniciada imediatamente. Fazer referência ao manual ou POP de segurança.4 mL de hemolisante (nº 2) e 0. Retirar a tampa superior da coluna. Centrifugar. o tampão e as colunas tenham a mesma temperatura ambiente.02 mL do hemolisado e misturar. Homogeneizar bem e utilizar para preparar o hemolisado. Antes de iniciar a cromatografia. Verificação de novo lote de controles e/ou reagentes Descrever o procedimento de verificação de novos lotes de controles e de reagentes.Inserir o nome do Laboratório Procedimento Operacional Padrão Página 2 de 4 POPBIO xxx/xx HEMOGLOBINA GLICADA CONTROLE DA QUALIDADE Materiais Identificar os materiais para controle interno e externo da qualidade (fabricante. A partir daí.

Valor superior a 30% não foi relatado na literatura. No enxágüe final utilizar água tipo II. com resistividade ≥ 0. para preparar reagentes e usar nas medições. 2.1 mg/L (água tipo II). deve ter resistividade ≥ 1 megaohm ou condutividade ≤ 1 microsiemens e concentração de silicatos < 0. Quando a coluna deionizadora está com sua capacidade saturada ocorre a produção de água alcalina com liberação de vários íons. Interferências 1. Fazer referência ao manual ou POP de limpeza e verificação da qualidade da limpeza dos materiais.0% LIMITAÇÕES DO PROCEDIMENTO Linearidade O sistema é linear até 30%.1 megaohms ou condutividade ≤ 10 microsiemens.93 0. multiplicando-se o resultado encontrado pelo fator de correção correspondente à temperatura de trabalho. CÁLCULOS Ver linearidade.86 0. Para o enxágüe da vidraria a água pode ser do tipo III.00 0. A anemia Fator de correção 1.84 0. Fazer referência ao manual ou POP de água reagente.98 0.08 1.16 1.05 1.Inserir o nome do Laboratório Procedimento Operacional Padrão Página 3 de 4 POPBIO xxx/xx HEMOGLOBINA GLICADA A limpeza e secagem adequadas do material são fatores fundamentais para a estabilidade dos reagentes e obtenção de resultados corretos.82 x 100 ou A2 A1 x 20 .95 0.3 a 8. silicatos e substâncias com grande poder de oxidação ou redução que deterioram os reagentes em poucos dias ou mesmo horas. 2.13 1.03 1. Assim.A presença de hemoglobina F na amostra leva à obtenção de resultados falsamente elevados. alterando os resultados de modo imprevisível.10 1. enquanto a presença das hemoglobinas S e C produzem resultados falsamente diminuídos. Se for realizada em temperatura diferente.88 0. é fundamental estabelecer um programa de controle da qualidade da água.Em amostras lipêmicas ou ictéricas obtêm-se resultados falsamente elevados. corrigir o resultado para a temperatura de 22 °C. Temperatura de trabalho (ºC) 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 RESULTADOS Unidade de medida % Valores de referência Hemoglobina Glicada: 5. A água utilizada no laboratório deve ter a qualidade adequada a cada aplicação. A1 Hemoglobina Glicada (%) = 5 x A2 A1 = Absorbância do tubo número 1 (Hb-G) A2 = Absorbância do tubo número 2 (Hb-Total) Efeito da temperatura A cromatografia deve ser realizada a 22 °C. Assim.90 0.

. 83: 1472-1478. em um método com LSR igual a 8. Em todas as condições onde a meia-vida das hemácias está modificada. 5. Quando pacientes diabéticos em estado de descontrole são submetidos ao tratamento e passam a apresentar valores da glicemia em níveis ótimos. Os estudos da cinética da glicosilação da hemoglobina têm demonstrado que quando há perda do controle glicêmico os valores da Hb-G começam a se elevar logo na primeira semana de descontrole e a velocidade do aumento é muito maior que a velocidade de queda quando um paciente diabético é colocado em níveis desejáveis de glicemia. Metabolism 1973. 4. New Engl J Med 1971. J Cli Endocrinol Metab 1977. Clin Chem Acta 1968. Pequenas elevações dos valores da glicose em reduzidos intervalos de tempo não são capazes de produzir modificações significativas na Hb-G. 67: 103-109. Hunt MR. Portanto. Entretanto. 295: 417-419. 2. Biochem Biophys Res Commum 1975. podem ocorrer alterações nos valores da hemoglobina glicada. Portanto. Instruções de Uso. e os valores da Hb-G são expressos em termos percentuais do limite superior de referência do método (LSR). história familiar e história de recém nascido de grande peso.Inserir o nome do Laboratório Procedimento Operacional Padrão Página 4 de 4 POPBIO xxx/xx HEMOGLOBINA GLICADA ferropriva produz resultados falsamente elevados. 11. Trivelli LA. Daneman D. Clin Chem 1981. 27: 94-99. 7. Koenig RJ et al. observa-se redução progressiva da Hb-G que atinge o ponto de equilíbrio depois de 6 – 8 semanas. Labtest Diagnóstica. REFERÊNCIAS 1. a Hb-G se eleva com a deterioração da tolerância à glicose e com todos os fatores de risco como idade. New Engl J Med 1976. Assim. 22: 269-271. Westgard JO. obesidade. SIGNIFICADO CLÍNICO Um número importante de trabalhos confirma a utilidade da determinação da Hb-G na avaliação do estado de controle da glicemia em pacientes diabéticos e está definitivamente provado que a elevação da Hb-G é influenciado somente por fatores ligados ao diabetes. as tentativas de se obter estes valores esbarram em uma complicação bastante grave: a hipoglicemia. um diabético com níveis ótimos de controle metabólico terá resultados de Hb-G menores que 8. 27: 493-501. Assim. 12. Um resultado de Hb-G próximo ao valor superior referente indica que o paciente diabético tem estado sob controle metabólico adequado por várias semanas e exclui uma perda temporária do controle durante o período avaliado. 6. Barry PL. Gabbay KH et al. Diabetes 1976.0%. A tabela abaixo mostra um sumário de alguns dos valores alvo recomendados. aceitáveis e comprometidos. Estudos recentes do DCCT (Diabetes Control and Clinical Trial) demonstram que a morbidade ou mortalidade do diabetes estão diminuídos quando ocorre um controle adequado da glicemia e que a dosagem de Hb-G é muito importante para informar o estado de controle da glicemia. 25: 230-232. Os níveis metabólicos alvo foram definidos como ótimos.8%. Rahbar S. Lai HT. um resultado elevado de Hb-G pode ocorrer na presença de um controle metabólico adequado quando a Hb-G ainda não atingiu o novo ponto de equilíbrio. É bastante razoável admitir que os valores da Hb-G em diabéticos bem controlados devem estar o mais próximo possível dos valores de referência. 22: 296-298. O grau de glicosilação é diretamente proporcional ao valor da glicemia e sua duração varia também de paciente a paciente. Clin Chem 1981. o conceito de que uma determinação de Hb-G reflete os níveis glicêmicos da sexta ou oitava semana precedente ao teste está definitivamente comprovado. J Am Chem Soc 1961. Paulsen EP. Ranney HÁ. 44: 859-864. 8.2% significa estado metabólico comprometido. Koenig RJ et al. The Endocrinologist 1994. enquanto um valor maior que 11. 3. Existem muitas dúvidas sobre os níveis de controle metabólico adequado relacionados aos valores de HbG. Bunn HF et al. Schellekens APM et al. 10. 4: 33-43. 9. Schnek AG and Schroeder WA. Hemoglobina Glicada. 284: 353-357.

Inserir o nome do Laboratório Procedimento Operacional Padrão Página 5 de 4 POPBIO xxx/xx HEMOGLOBINA GLICADA Nome Assinatura Elaborado por: Aprovado por: Implantado por: Substitui POP: Revisado por: Revisado por: Revisado por: Desativado por: Razão: Número Cópias Destino Data ___/___/___ ___/___/___ ___/___/___ ___/___/___ ___/___/___ ___/___/___ ___/___/___ .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful