Você está na página 1de 2

Pré Exaustão

A pré-exaustão é um dos métodos mais antigos do treinamento de força. Sua execução


consiste em realizar dois exercícios consecutivos, sendo o primeiro de isolamento
(uniarticular) e o outro composto (multi-articular), ambos envolvendo um grupamento
muscular em comum, como, por exemplo, realizar uma série de crucifico e logo depois
uma de supino. Acredita-se que o exercício de isolamento executado antes enfatizaria o
motor primário durante o exercício composto, pois a musculatura já se contraria pré-
fadigada. No caso do exemplo acima o peitoral.

Bacurau et al (2001) explicam que o trabalho isolado no primeiro exercício diminui a


interferência dos demais músculos atuantes no movimento seguinte (multi-articular).
Entretanto, há autores que defendem uma explicação oposta. Para Fleck & Kraemer
(2004) e Gentil (2005) a execução de exercícios que envolvem pequenos grupamentos
musculares antes dos grandes grupamentos, reduziria a ativação dos músculos
exercitados no primeiro exercício devido à fadiga, conseqüentemente, favorecendo o
trabalho dos demais.

Em estudo publicado por Augustsson et al (2003), foram analisados os efeitos da pré-


exaustão nos músculos da coxa, induzida através da realização do exercício de extensão
de pernas antes do pressão de pernas. De acordo com os resultados, a execução da mesa
extensora promoveu queda na ativação dos músculos do quadríceps femoral durante o
pressão de pernas, sugerindo que as alterações podem ter sido direcionadas para outros
músculos que não foram avaliados, como isquiotibiais, adutores e flexores plantares.

Um outro estudo publicado nos anais do XI Congresso Brasileiro de Biomecânica,


Paulo Gentil, Elke Oliveira, Valdinar Júnior e Jake do Carmo (2005) avaliaram, através
de eletromiografia, o uso da pré-exaustão para trabalhar a musculatura do tronco e dos
membros superiores, procurando verificar a influência da realização do crucifixo antes
da execução do supino reto. O experimento analisou a ativação do peitoral maior,
deltóide anterior e do tríceps braquial, e as comparou com as ativações obtidas no
sistema prioritário, que utiliza a ordem inversa de execução, primeiro o supino reto
seguido do crucifixo.Os resultados demonstraram um aumento significativo na
atividade eletromiográfica do tríceps braquial durante o supino reto na pré-exaustão,
quando comparado ao sistema prioritário. Nenhuma diferença significativa foi
encontrada na atividade eletromiográfica do deltóide anterior e peitoral maior durante o
supino reto na pré-exaustão e no sistema prioritário, apesar de uma ligeira queda na
atividade do peitoral maior. Assim, os autores concluíram que o uso de um exercício
uniarticular imediatamente antes de um exercício multi-articular não leva a um aumento
da atividade da musculatura trabalhada no primeiro exercício, mas sim a uma alteração
do padrão motor, direcionando o trabalho para os músculos menos fadigados.

É importante ressaltar que o estudo citado acima não coloca em pauta a eficiência do
método pré-exaustão com relação aos ganhos de força e/ou hipertrofia muscular e sim
demonstra que em exercícios multi-articulares, quando a musculatura primária começa a
fadigar o trabalho muscular é redirecionado para os músculos acessórios.

O método pré-exaustão pode servir como uma forma de favorecer um estímulo


diferenciado, promovendo um estresse superior ao fornecido com a utilização de apenas
um exercício. Outro ponto, é que apesar do recrutamento de unidades motoras ficar
reduzido em termos absolutos, esse número pode permanecer elevado em termos
relativos, em relação à capacidade do músculo em seu estado momentâneo de fadiga
(Gentil et al, 2005).

Referências bibliográficas

1. Augustsson J, Thomee R, Hornstedt P, Lindblom J, Karlsson J, Grimby G. Effect of


pre-exhaustion exercise on lower-extremity muscle activation during a leg press
exercise. J. Strength and Cond. Res. 17(2):411-6, 2003
2. Bacurau FR, Navarro F, Uchida MC, Rosa LFBPC. Hipertrofia: Hiperplasia:
Fisiologia, Nutrição e Treinamento do Crescimento Muscular. São Paulo: Phorte
Editora, 2001.
3. Fleck SJ, Kraemer WJ. Designing Resistance Trainig Programs. 3rd ed. Champaing,
IL: Human Kinetics, 2004.
4. Gentil, P. Bases Científicas do Treinamento de Hipertrofia. Rio de Janeiro: Sprint,
2005.
5. Gentil P, Oliveira E, Rocha Jr. VA, Carmo J. Atividade EMG durante o método de
Pré-Exaustão e Sistema Prioritário. In: Anais do X Congresso Brasileiro de
Biomecânica, 2005, João Pessoa.