Você está na página 1de 6

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

Cultivo da Alface

Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br Cultivo da Alface • FAMÍLIA: Asteraceae   • ESPÉCIE:

FAMÍLIA: Asteraceae

 

ESPÉCIE: Lactuca sativa L.

ORIGEM:

Espécies silvestres (Lactuca serriola) Sul da Europa Ásia (Afeganistão, Índia)

 
 

BOTÂNICA

Inflorescência ramificada em capítulos;

 

Flores hermafroditas, planta autógama

(1 % de polinização cruzada);

Ovário unilocular

1 fruto

aquênio = semente;

Semente com coloração variada: preto a cinza clara;

Inserção das folhas em forma de roseta;

 

Caule de tamanho reduzido;

Sistema radicular bastante ramificado.

 

CLIMA

Cultura de out/inv adaptada p/ primav/verão;

 

Planta anual: floresce com dias longos e alta temperatura;

Condições climáticas em que a muda foi produzida afeta o comportamento da planta adulta;

A planta sofre influência:

 

Temperatura;

Fotoperíodo;

Umidade Relativa

TEMPERATURA

Temperatura ideal 15-20 ºC, noturna 15 ºC;

Desenvolve-se em temperatura entre 4 a 27 ºC;

Tolera geadas leves não irrigar na véspera;

Produzir muda com baixa temperatura (10 ºC) e levar a campo sob alta temperatura - resiste mais ao pendoamento;

Temperatura elevada pode levar as sementes a uma dormência secundária;

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

Temperatura elevada no período de crescimento:

Alongamento do caule;

Redução no tamanho da folha;

Aumento do látex sabor amargo;

Pendoamento no caso de fotoperíodo longo;

Decresce a produtividade

FOTOPERÍODO

Não tem influência na germinação das sementes;

Intensidade luminosa influencia na cultivar Grand Rapids (fotoblástica positiva)- necessita luz para germinar;

Durante o período vegetativo, fotoperíodo longo e alta temperatura produz folhas pequenas;

Durante a fase reprodutiva, fotoperíodo longo e alta temperatura induz o florescimento.

UMIDADE RELATIVA

A alface tem elevado teor de água e grande superfície foliar - Leva a uma grande perda de água por evapotranspiração;

A UR% tem efeito direto, reduzindo a perda de água e indireto reduzindo a temperatura ambiente.

Efeito direto:

Experimento a 20 ºC elevando a UR de 50 para 85%

Aumentou em 15% o número de folhas;

Aumentou em 30% o tamanho das folhas;

Aumentou em 62% o peso da planta.

CULTIVARES:

Divididas em 6 grupos conforme o formato cabeça.

da folha e se forma ou não

GRUPO REPOLHUDA LISA (Manteiga):

Desenvolve-se melhor no inverno;

Folhas lisas, delicadas, de coloração verde-amarelada, aspecto amanteigado;

Cabeça relativamente fechada no inverno e no verão mais aberta;

VARIEDADES:

White Boston, Brasil 303, Carolina, Aurélia, Augusta, Áurea, Vivi, Lisa Nacional; Regina; Glória Piracicaba 65; Luciana, Lídia, Stella, Priscila, Elisa, Sheila, Minie (mini-lisa)

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

GRUPO LISA SOLTA:

Folhas macias, lisas e soltas, não havendo formação de cabeça;

Folhas com verde mais escuro.

VARIEDADES:

Babá de Verão, Monalisa, Elisa,Luisa, Vitória de Santo Antão

GRUPO REPOLHUDA CRESPA (AMERICANA):

Folhas crespas, bem consistentes, crocantes, com nervura destacada, coloração verde mais escuro, formando uma cabeça compacta;

Menor perda de água pelas folhas internas;

Mais tolerante ao calor.

VARIEDADES:

Tainá, Madona, Lucy Brown, Lady, Raider Plus, Great Lakes, Grandes Lagos, Mesa 659, Julia, Tânia, Luana (inverno), Mayara (meia estação/verão),Sandy, Yuri Coolgreen (out/inv), Robinson (prim/ver/out), Rafaela

GRUPO CRESPA SOLTA:

Folhas consistentes, crespas e soltas;

Não formam cabeça.

VARIEDADES:

VERDES:

Grand Rapids, Marriane, Verônica, Bruna,Vanessa, Vera, Marisa, Hortência, Cinderela, Veneranda, Mônica, Vanda, Jullie, Brisa, Elba, Sabrina, Gisele, Simpson Black Seed, Camila, Isabela ROXAS:

Red Star, Lolita, Rubra, Surf Red, Vanessa Roxa, Carmela, Loretta, Concorde, Colorado, Veneza Roxa, Roxane, Mimosa Vermelha.

GRUPO ROMANA:

Folhas alongadas e consistentes;

Nervuras bem protuberantes;

Formação de cabeça fofa;

Reduzida importância econômica;

Aceitação restrita pelos consumidores brasileiros.

VARIEDADES:

Branca de Paris, Donna, Balão, Ideal Cos., Mirella.

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

GRUPO MIMOSA:

Folha delicadas e com aspecto “arrepiado”.

Própria para comércio local: feiras

VARIEDADES:

Mimosa, Salad Bowl, Greenbowl, Grega, Green Salad

ÉPOCA DE PLANTIO: Ano todo

FORMA DE PLANTIO:

Direto ou Transplante

ESPAÇAMENTO:

30 cm X 30 cm

 

SOLO E ADUBAÇÃO

SOLO:

Textura média;

Boa capacidade de retenção de água;

pH 6,0 6,8, V% = 70 80%.

ADUBAÇÃO DE BASE: (Média fertilidade)

QUÍMICA:

» 30 kg/ha de N

» 90 - 150 kg/ha de P2O5

» 80 - 90 kg/ha de K2O

ORGÂNICA:

»

30 t/ha de cama de frango de corte (5 Lotes)

ADUBAÇÃO DE BASE: (Média fertilidade)

QUÍMICA:

» 30 kg/ha de N

» 120 kg/ha de P2O5

» 90 kg/ha de K2O

ORGÂNICA:

»

30 t/ha de cama de frango de corte (5 Lotes)

ADUBAÇÃO DE COBERTURA:

60 kg/ha de N, em 2 aplicações » 10 e 20 dias após o transplante

»

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

IRRIGAÇÃO:

Freqüente e durante todo o ciclo.

Por aspersão;

Por gotejamento;

Por micro-aspersão.

CONTROLE DE INVASORAS:

Manual;

Químico

Dessecação;

Folha estreita

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS:

PRAGAS:

Vaquinhas Trips Pulgões Lagarta rosca Lagartas Besouros

TRATAMENTOS FITOSSANITÁRIOS:

DOENÇAS:

Míldio Bremia lactucae

Septoriose Septoria lactacae

Queima da saia Rhizoctonia solani

Podridão de Esclerotína

» Sclerotinia sclerotiorum

» Sclerotinia minor Bacterioses

» Podridão mole Erwinia carotovora subsp carotovora

» Mancha bacteriana Pseudomonas cichorii, Psudomonas marginalis, Xanthomonas vitians

Viroses

» Vírus do Mosaico da alface - Lettuce mosaic virus (LMV)

» Complexo do Vira-cabeça-do-tomateiro Tomato spotted wiht virus (TSWV)

» Vírus do mosqueado da alface- Lettuce mottle virus (LMoV)

» Vírus do mosaico do pepino Cucumber mosaic virus (CMV)

» Vírus do espessamento das nervuras associação dos vírus Lettuce big-vein virus (LBV) e o Mirafiori lettuce virus (MiLV), conhecidos pelo nome de Síndrome da nervura gigante Big-vein

IF Sul De Minas Campus de Muzambinho Material didático complementar às aulas teóricas de sistema Convencional de Produção de Hortaliças Prof. MSc. Claudiomir Silva - Claudiomirsilva@uol.com.br

DISTÚRBIOS FISIOLÓGICOS “ Tip Burn”

ROTAÇÃO DE CULTIVO

Controle de doenças:

Míldio

Esclerotinia

COLHEITA

50 a 60 dias da semeadura - verão

70 a 80 dias da semeadura - inverno

30 a 50 dias do transplante

COMERCIALIZAÇÃO

Engradados (18 ou 24 um.)

Individualmente (embaladas em sacos plásticos)