A importância das fibras na nossa alimentação A fibra, um dos componentes dos alimentos vegetais que nos seres humanos

não pode ser digerida pelas secreções gastrointestinais, até pouco tempo era praticamente ignorada pelos pesquisadores da área de nutrição e alimentos. Por ser indigerível e de valor nutricional negligenciável, ela ficava de lado até mesmo na formulação de dietas saudáveis. Contudo, nos últimos anos este nutriente ganhou importância especial através de observações epidemiológicas e clínicas que relacionaram a ocorrência de certas enfermidades (doença cardiovascular, câncer de cólon, diabetes....) à dietas pobres em fibras. Além disso, os mecanismos de ação pelos quais as fibras normalizam a função gastrointestinal, prevenindo a constipação (intestino preso), já foram definidos pelos pesquisadores. O objetivo deste artigo, portanto, é difundir a importância deste nutriente para nossa saúde, discutir os recentes avanços no campo das fibras alimentares e conscientizar as pessoas da importância de se aumentar a ingestão de forma a usufruir de todos os benefícios proporcionados por ela. Década de 70 - Início das Pesquisas O interesse que existe atualmente acerca da relação entre a ingestão da fibra alimentar e o risco de contrair enfermidades originou-se nas observações de dois médicos ingleses, Dr. Dennis Burkitt e Dr. Hugh Trowell que trabalharam na década de 70 em estudos na África. Eles observaram que a dieta dos africanos era baseada em alimentos ricos em fibras (cereais integrais, verduras, frutas e legumes) e que as doenças gastrointestinais, tais como prisão de ventre, diverticulite, diverticulose, hemorróidas e câncer de cólon eram praticamente inexistentes. Essas investigações ganharam reforço também de estudos que demonstraram o aumento dessas moléstias em países com intenso avanço tecnológico, onde o consumo de alimentos de origem animal e alimentos refinados superou o consumo daqueles ricos em fibras. Nesses países, que inclui o Brasil, o avanço das doenças crônico degenerativas é assustador. Por todos esses motivos, fica cada vez mais claro que o retorno à dieta a qual estamos geneticamente adaptados, que consiste em cerca de 85% de alimentos vegetais e apenas 15% de alimentos de origem animal, reduziria a incidência de muitas enfermidades comuns em países desenvolvidos. Tal dieta seria inevitavelmente rica em fibra proveniente de grãos integrais e de produtos à base de farelo, frutas, verduras e leguminosas e, obviamente, seria muito mais pobre em gorduras. Este tipo de dieta provocaria uma redução significativa na incidência do câncer e das doenças cardiovasculares que, em conjunto, respondem por cerca de 70 a 80% das mortes prematuras em sociedades desenvolvidas. Fibra e a Prevenção de Doenças As fibras presentes nos alimentos vegetais podem existir de duas formas: insolúvel ou solúvel. Embora essas duas frações atuem no nosso organismo de maneira diferente, ambas trazem benefícios à nossa saúde.

goma acácia.A fração insolúvel é encontrada nos cereais (farelos de um modo geral). câncer de cólon e síndrome do intestino irritado Recomendações para prevenir doenças Embora não haja recomendações específicas em relação à quantidade de fibras dietéticas. Por isso. Redução dos triglicerídios Glicose : Redução da hiperglicemia (controle do diabetes) . frutas cítricas (bagaço). Prevenção de doenças como diverticulite. as fezes ficam mais macias e a movimentação intestinal fica facilitada. Este tipo de fibra atua principalmente na parte inferior do nosso intestino (intestino grosso). hortaliças. Os mecanismos pelos quais as fibras insolúveis exercem seus efeitos são simples. Como elas não são digeridas e nem absorvidas pelo organismo. e como essas fibras têm a capacidade de absorver água. Este tipo de fibra atua principalmente na parte superior do trato gastro-intestinal. Aumento da sensibilidade do músculo à insulina Pressão sangüínea : Redução da pressão sistólica e diastólica Controle de peso : Redução da ingestão de energia e gorduras . elas aumentam a quantidade de resíduos no intestino. muito utilizadas na indústria de alimentos como espessantes e fontes de fibras. Aumento da sensação de saciedade . vários estudos recomendam um aumento da sua ingestão. entre outras). Alguma perda da energia consumida Problemas intestinais : Alívio da prisão de ventre . goiaba e em certas gomas e mucilagens (goma guar. elas estão relacionadas à prevenção de prisão de ventre e de doenças como diverticulite e câncer de cólon. o que aumenta o bolo fecal. frutas (especialmente nas cascas) e leguminosas. Lipídios : Redução do colesterol total . onde ocorre a digestão e absorção dos nutrientes. mais especificamente no estômago e no intestino delgado. Aumento do HDL colesterol (bom colesterol) . O "National Cancer Institute" (Instituto Nacional do Câncer) recomenda uma ingestão diária de 20 a 30g. A ação dessas fibras nesses dois órgãos promove vários efeitos: · atraso do esvaziamento do estômago (promove saciedade = importante no tratamento da obesidade) · atraso da absorção de nutrientes como a glicose ( promove menor elevação da taxa de glicose no sangue = importante no tratamento do diabetes) · aumento da excreção de ácidos biliares (promove menor absorção do colesterol = importante no tratamento de doenças cardiovasculares) Abaixo apresento resumidamente os benefícios do consumo de fibras para o nosso organismo. aumentando o volume fecal e fazendo com que haja a produção de fezes mais macias. A fração solúvel é encontrada principalmente em alimentos como a aveia. maçã (casca). Redução do LDL colesterol (mau colesterol) . . cevada.

Alimentos ricos em fibras (em ordem decrescente) são: · Cereais processados à base de farelo (farelo de trigo. inclua verduras e saladas e peça frutas como sobremesa. O excesso de fibras pode interferir com a absorção de zinco e cálcio. Selecione cereais integrais ou produtos à base dos mesmos. frutas cítricas como laranja e mexerica incluindo o bagaço. se for possível. brócolis. refogados. lentilha. pêra. devido ao seu alto teor de água. bolinhos. aveia. etc) · Frutas (maçã. grão de bico. procure adicionar farelos de trigo. arroz. toda informação existente indica a importância das fibras na alimentação e na manutenção da saúde. · Nas refeições em restaurantes. sopas e vitaminas. repolho. tendo-se verificado que as dietas ricas em fibra estão associadas a um decréscimo aproximado de 40 a 50% no risco de se adquirir este tipo de câncer. ervilha. veja algumas: · Consuma várias porções de frutas ao dia. Dê preferência à fruta inteira em vez do suco. em lugar de cereais refinados. · No lanche das crianças. Para obter uma maior quantidade de fibras. substitua doces e frituras por frutas frescas. Últimas considerações Embora alguns aspectos ainda necessitem de pesquisas e avaliações mais profundas. etc) Dicas para enriquecer sua alimentação com fibras Existem várias formas de você obter uma quantidade maior de fibra na sua alimentação do dia a dia. já que esses possuem menor quantidade de fibras quando comparados aos grãos integrais. Deve ficar claro que não é possível obter quantidades adequadas e variadas de fibras apenas pela ingestão de grandes quantidades de frutas e vegetais. cenoura. goiaba e pêssego com casca. couve. cevada. aveia.com um máximo de 35g. . E para obter uma maior quantidade de fibras procure comê-las com casca e bagaço. Uma dica é adicionar farelo de talos e folhas no preparo de sopas. A ingestão deve consistir de quantidades iguais de fibras solúvel e insolúvel e pode ser obtida com 5 ou mais tipos de frutas e vegetais e 6 tipos de grãos totais (cereais e leguminosas). · Aumente o consumo de hortaliças. · Aumente o seu consumo de cereais e leguminosas. arroz. etc. A prova mais consistente do efeito protetor deste nutriente está relacionada à prevenção do câncer colorretal. especialmente em crianças e idosos. uva-passa) · Hortaliças (batata com casca. etc no preparo de bolos. principalmente no que tange à interação da fibra com os nutrientes da dieta. etc) · Leguminosas (feijão.

uma perfeita higiene mental.5 kg por refeição. são tão importantes para a integridade do cavalo. principalmente de fibras mais curtas. Fibras longas são aquelas provenientes de volumosos não triturados em pequenas porções.5 a 2. devemos fracionar mais ainda ou procurar rações de melhor qualidade). o que o obriga a se alimentar por longos períodos (cerca de 18-19 h por dia) em regime de pastagem. O aparelho digestivo do cavalo possui particularidades onde são exigidos altos teores de fibras na dieta para que ele possua uma ótima digestão. devemos administrar o alimento na forma mais natural possível. normalmente chamados de volumosos. essenciais ao bom funcionamento do aparelho digestivo do cavalo. havendo necessidade de um maior volume de ração. tão traumáticos para o animal. tendo um baixo aproveitamento nas porções finais do aparelho digestivo (ceco e cólon).Sendo assim. é importante a manutenção de uma quantidade mínima de 05 kg de Matéria Seca (alimento sem água) por dia por animal (de 500 kg). que se alimenta especialmente de vegetais. são necessárias 03 a 04 refeições. mas não se esqueça que esse aumento deve ser gradual e acompanhado de um aumento no consumo de água. ou simplesmente “verde”. gases e o próprio alimento. para evitar quadros de cólicas. A ocupação alimentar é para o cavalo um fator de tranqüilização. o estômago terá capacidade para apenas 12 litros de alimento. a minha sugestão é: aumente o seu consumo diário de fibras. A capacidade estomacal é de apenas 9% do volume total. isto é. isto é. A importância das fibras na dieta dos eqüinos por André Galvão Cintra Um mínimo de aporte alimentar de fibras é indispensável ao cavalo a fim de assegurar. As necessidades de fibras longas na alimentação do cavalo são especialmente para o bom trânsito do alimento através do aparelho digestivo. sendo o ideal ao redor de 1. em manutenção. ao mesmo tempo. O limite de ração na dieta é de 2. uma fonte de lastro (ligada à porção indigestível que garante a limpeza digestiva) e um aporte energético. incluindo sucos gástricos.0 kg diários. são digeridas principalmente no estômago e porções iniciais do Intestino Delgado.0 kg. para uma boa digestão do cavalo. devido às suas características. que aumentam a duração da ingestão e da digestão dos alimentos. As rações concentradas. o estômago do cavalo é relativamente pequeno em relação ao restante do aparelho digestivo. Havendo necessidade de complementar a dieta com volume superior. .: para 6. devemos administrar em várias refeições ao dia (ex. Por isso as fibras. se o volume total do aparelho digestivo tiver capacidade para 130 litros (média para um cavalo de 500 kg). É fundamental ter em mente que o cavalo é um animal herbívoro. Em primeiro lugar. Esta “pequena” capacidade do estômago limita consideravelmente a ingestão de concentrados (rações) que não possuem as denominadas fibras longas. Para preservar o equilíbrio psicológico e neurovegetativo do cavalo.

Por outro lado. trabalho ou manutenção. digerindo o volumoso. Os alimentos volumosos têm sua digestão essencialmente na porção final do aparelho digestivo (ceco e cólon). crescimento. volumosos muitos secos também podem causar quadros de desconforto digestivo devido a uma aceleração exagerada do peristaltismo. Para se suprir estas necessidades. nem pastosas nem ressecadas. pois é onde ocorre uma ação mais intensa da flora intestinal. É sempre conveniente ajustar os aportes alimentares em fibras quanto à sua taxa e natureza. A consistência das fezes do cavalo. Capins muito novos. As necessidades mínimas de fibra bruta são estimadas em 15 a 18% da dieta total. indica que o alimento ficou tempo suficiente no aparelho digestivo para ter seus nutrientes aproveitados ao máximo pelo animal. sendo algumas mais exigentes que outras. sem consistência firme. superior a 50 % da dieta total). e deve ser adequada às suas reais necessidades. não é possível a utilização exclusivamente de volumosos. devido ao elevadíssimo teor de fibras indigestíveis na dieta. A quantidade e a qualidade das fibras na alimentação do cavalo é determinante para o bom funcionamento deste órgão digestivo. milho. As fibras indigestíveis estimulam o peristaltismo (movimento de alças intestinais).O efeito de lastro das fibras possui uma relação inversa à sua digestibilidade. principal indicador da saúde digestível do animal.. indicando um baixo aproveitamento dos alimentos.fonte energética -. contribuindo fortemente para evitar indigestões e auto-intoxicações. Por isso é que devemos utilizar as rações concentradas para complementar as necessidades do cavalo. onde as fezes ficam semelhantes às de vaca. Uma boa consistência de fezes. para assegurar conjuntamente uma boa digestibilidade e uma excelente higiene digestiva. devido ao alto grau de especialização e seleção que o homem impôs ao cavalo. Os alimentos industriais (rações concentradas) são relativamente pobres em celulose (fibras) e devem ser considerados como um complemento das forragens volumosas. O mesmo ocorre com uma alimentação muito rica em concentrado (rações. pastosas. trigo. aproveitando mais intensamente seus nutrientes (Ácidos Graxos Essenciais . recém-rebrotados ou plantados. pois a capacidade de ingestão do cavalo é inferior às suas necessidades. Esta complementação não deve ultrapassar 65% do volume total de alimento ingerido por dia por animal. etc. cuja capacidade é de 70% do volume total (90 litros para um cavalo de 500 kg). Cada categoria possui necessidades diferentes. . local denominado de câmara de fermentação. normalmente provocam quadros de diarreias leves devido aos baixos teores de fibra em sua composição. As taxas são variáveis em função da categoria em que se encontra o animal: reprodução. está diretamente ligada ao teor de fibra na alimentação. proteínas e minerais).

Quando a taxa de fermentação dos carboidratos excede a de proteína. Com isso. A utilização de técnicas que auxiliam na obtenção das digestibilidades ruminal e intestinal dos ingredientes possibilita a interpretação das interações existentes entre composição bromatológica e digestão dos nutrientes. um compartimento de ambiente complexo e dependente da interação existente entre hospedeiro e microrganismos que vivem em perfeita simbiose. Embora os sistemas de formulação . pois as exigências nutricionais protéica e energética serão supridas pelas digestões intestinais desses nutrientes e conseqüentes absorções de aminoácidos e glicose. principalmente relacionadas ao rúmen. alimentos com proteína de baixa degradabilidade ruminal podem levar ao aumento da quantidade. Nesta busca pela máxima eficiência da utilização das dietas. se a taxa de degradação da proteína exceder a taxa de fermentação de carboidratos. menor será a quantidade de outro. Somente a composição bromatológica não permite que dietas eficientes sejam fornecidas aos ruminantes. da proteína disponível no intestino delgado. a avaliação nutricional dos alimentos reflete significativamente sobre o desempenho dos animais. O estudo da digestão que ocorre no rúmen e nos intestinos. mantendo a qualidade. Assim. a avaliação nutricional contribui para que os ingredientes sejam associados e utilizados em quantidades adequadas nas dietas de forma a permitir o sincronismo entre proteína e energia.Lembramos que a relação volumoso/concentrado deve variar conforme a qualidade do volumoso e também do concentrado: quanto melhor a qualidade de um. esta baixa degradabilidade protéica pode acarretar em decréscimo na síntese microbiana refletindo em menor desempenho animal. constitui importante campo da nutrição animal por apresentarem processos digestivos distintos em cada compartimento ao longo do trato gastrintestinal. Devemos sempre priorizar um concentrado de melhor qualidade para que possamos reduzir consideravelmente sua quantidade. o simples conhecimento da quantidade de proteína e amido que chegará ao intestino não constitui uma informação completa. Ainda. Carboidratos e Proteína O amido é um carboidrato importante para os microrganismos ruminais. mas. Entretanto. Avaliação Nutricional dos Alimentos Sobre a Produção Animal Animais ruminantes possuem muitas particularidades com relação à digestão dos alimentos que ingerem devido a suas características anatômicas e digestivas. pode haver baixa produção de proteína microbiana. grande quantidade de nitrogênio poderá ser perdida como amônia. Dessa forma. o estudo da digestão parcial ou total tanto de proteínas quanto de carboidratos tem sido um dos principais focos de pesquisa. pois sua disponibilidade energética é superior à dos carboidratos estruturais.

o que normalmente são encontrados em ingredientes concentrados. inevitavelmente tem estreita relação com o custo de produção. como também da taxa de crescimento. principalmente de proteína e energia. que é uma ferramenta nutricional importante. O ph do rúmen e sua relação com os teores de fibra da dieta Além da importância dos nutrientes. Todos estes eventos digestivos que ocorrem com os alimentos refletem diretamente sobre a produção animal. Assim. Porém. leite e lã são grandes e significativos reflexos da importância da avaliação nutricional dos alimentos. ocorrendo redução do número desses microrganismos. Assim. Sendo a alimentação o fator mais relevante do sistema produtivo.de dietas para ruminantes considerem constante a digestibilidade intestinal protéica. a inclusão de fontes concentradas que contenham fibra. também tem grande importância com relação à qualidade do produto final. contribuem com a redução nos valores de pH ruminal para valores ao redor de 5. o ambiente ruminal proporcionado pela dieta pode afetar diretamente a digestão. Dietas ricas em amido contendo níveis abaixo de 20% de FDA ou 30% de FDN tendem a influenciar negativamente o pH ruminal e a digestão da fibra das forragens. tem sido constatado que esta varia consideravelmente entre os ingredientes. O pH é um fator importante que atua tanto na degradação protéica quanto dos carboidratos. Garantir a reprodução e a produção quantitativa e qualitativa de carne. Dessa forma. a digestão da fibra decresce sem influenciar o número de microrganismos fibrolíticos.5. Dietas contendo elevadas quantidades de concentrado. O valor ótimo varia entre 6 e 7 sendo que. contribui para o aumento da fibra efetiva da dieta podendo evitar o decréscimo no pH ruminal não afetando diretamente o tempo de colonização. pois seu impacto sobre o custo final do produto é alto. as dietas devem conter alimentos de elevada concentração de nutrientes. a combinação entre os nutrientes. O desempenho animal é um dos principais índices considerados dentro de um sistema produtivo. . sendo. podendo causar inibição na digestão da fibra. mas. para um grande número de microrganismos. Com a redução moderada de pH ruminal até aproximadamente 6. a busca por alternativas alimentares que atendam aos preceitos nutricionais e econômicos torna-se de extrema importância. bons resultados obtidos a partir do atendimento das exigências nutricionais de mantença e produção. a atividade máxima se situa próximo a 6. o estabelecimento da melhor relação volumoso: concentrado para as dietas deve levar em consideração o nível de produção desejado e a eficiência econômica do sistema. A nutrição moderna não está restrita apenas à investigação dos processos digestivos.5. contribuindo para a diminuição do consumo de matéria seca.

Unesp/Jaboticabal. .Autores: Rosemary Laís Galati Zootecnista. Docente do Departamento de Zootecnia da Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias. Drª Jane Bertocco Ezequiel. Zootecnista. Unesp/Jaboticabal. Doutoranda em Zootecnia pela Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful