Você está na página 1de 628

Ficha

Técnica

Título: História da Filosofia


Título original: Histoire de la Philosophie
Autor: Jean-François Pradeau
Tradução de Jorge Pereirinha Pires
Revisão: Rita Almeida Simões
ISBN: 9789722049320
Publicações Dom Quixote
uma editora do grupo Leya
Rua Cidade de Córdova, n.º 2
2610-038 Alfragide – Portugal
Tel. (+351) 21 427 22 00
Fax. (+351) 21 427 22 01
© 2009, Éditions du Seuil
© 2010, Publicações Dom Quixote
Todos os direitos reservados de acordo com a legislação em vigor
www.dquixote.leya.com
www.leya.pt

Nota sobre o tradutor:


Jorge Pereirinha Pires é licenciado em Filosofia pela FCSH/UNL, onde posteriormente
desenvolveu estudos de Filosofia Contemporânea e de Estética. Desde meados da década de 1980
traduziu algumas dezenas de obras, a partir de diversas línguas, maioritariamente relacionadas
com a filosofia, a literatura e a estética.
Prefácio

Embora exista efectivamente uma história da filosofia, no singular, a sua


unidade não assenta na identidade e na permanência das teses ou dos
argumentos, nem tão-pouco na perpetuação de um único género literário ao
longo dos séculos. Os filósofos, desde o século VI a.C. até hoje, nem sempre
disseram a mesma coisa. O poema de Lucrécio, os aforismos de Nietzsche, os
diálogos de Platão ou as meditações de Wittgenstein não foram redigidos na
mesma língua, porque não eram destinados a um mesmo leitorado ou porque
não tinham os mesmos objectos.
Em compensação, todos os objectos da tradição filosófica encontram, ao seu
modo, na sua língua e com os utensílios do seu tempo, as mesmas questões.
Questões pelas quais Michel Foucault pôde dizer que a filosofia
«problematizava», retornando incessantemente a elas no decurso da sua
história, e retomando-as em novos moldes para as tomar como problemas a
resolver de uma outra maneira, segundo as urgências, as exigências e os meios
de cada época.
Os cinquenta e quatro capítulos que aqui estão compilados cronologicamente
são de dois tipos, segundo apresentem um filósofo e a sua obra, ou antes
examinem de maneira sintética o desenvolvimento de uma questão ou de um
saber, apresentando então, num dado contexto histórico, as obras de diferentes
autores. Estas sínteses relevam da história das ideias, e mais exactamente de
uma história contextual das ideias. Elas observam a maneira como a filosofia
pôde responder às questões do seu tempo, confrontada como estava com a
emergência de novos saberes, ou até com alterações políticas ou religiosas que
lhe cabia avaliar, tal como cabia aos filósofos tomarem parte em debates e em
reflexões que eram alheias à filosofia. O conhecimento desse contexto e a
restituição desses debates são hoje em dia indispensáveis à compreensão do
que foi a história da filosofia e a maneira muito particular como esta foi
prosseguida no contacto com os saberes e as ciências, através deles, neles se
imiscuindo enquanto os procurava definir e pensar.
A filosofia nem sempre disse a mesma coisa, é certo, mas fala sempre da
mesma coisa: da realidade e do conhecimento que dela podemos ter; do sentido
da nossa existência e da maneira como a podemos conduzir.
Esta História colectiva reúne colaboradores de dez nacionalidades, entre os
melhores especialistas de uma tradição filosófica que se prolonga e que amanhã
terá o futuro de que a sua história é condição.
JEAN-FRANÇOIS PRADEAU
O nascimento da filosofia

Quando?
A tradição pretende que a filosofia ocidental haja tido início nos anos 580
a.C., com um homem chamado Tales. É sem dúvida Aristóteles (384-322) que
está na origem dessa tradição1, e no entanto o próprio Aristóteles não teria
reconhecido a ausência de «busca da sageza» antes de Tales. Existem
diferentes formas de sageza, e nem todas são filosóficas. O próprio Tales, como
veremos, tinha bastos outros objectos de interesse.
As histórias da filosofia seguem com frequência Aristóteles ao começarem
por Tales, e nós faremos o mesmo. Essas histórias buscam igualmente
elementos precursores da filosofia na poesia arcaica ou nas culturas vizinhas
mas estranhas à cultura grega. A tal assunto dedicaremos algumas observações.

Onde?
Tales viveu em Mileto, uma cidade costeira da Ásia Menor onde se cruzavam
rotas comerciais provenientes das ilhas do mar Egeu, da Grécia continental, do
Egipto e do Médio Oriente. Anaximandro e Anaxímenes viveram igualmente
em Mileto, pelo que, se estes filósofos «milésios» foram os verdadeiros
pioneiros da filosofia, esta começou então em Mileto.
No seu início, a filosofia exibe uma espantosa geografia. Surgem grupos de
pensadores na Jónia – em Mileto, Éfeso, Samos ou Colófon –, depois outros a
oeste, nas cidades costeiras do Sul da Itália e da Sicília. Certos pensadores,
como Pitágoras, emigraram com toda a evidência de este para oeste, pelo que
os grupos não estão inteiramente isolados, mas nem por isso os seus estilos de
pensamento deixam de testemunhar importantes diferenças. Estas últimas
permitem distinguir aquilo a que as histórias da filosofia de inspiração
hegeliana dos séculos XIX e XX chamam os momentos «dórico» e «jónico» da
filosofia.
Nessa época, a Grécia interior parece haver permanecido inculta, até à
chegada a Atenas de Anaxágoras, em meados do século V. Atenas era então o
retiro dos sofistas, ainda que estes ministrassem o seu ensino noutras cidades,
satisfazendo assim as necessidades de uma rede cada vez mais complexa de
comunidades políticas.

De onde?
Terá a filosofia caído do céu? Ou ter-lhe-á uma actividade mais antiga aberto
o caminho? Tratar-se-á de um fenómeno exclusivamente grego, ou apropriou-
se das descobertas que terá furtado a culturas que lhe eram alheias? Eis
perguntas que poderão dar lugar a diversas controvérsias relativas a eventuais
desvios culturais. Supondo-se que os gregos conseguiram efectivamente algo
de extraordinário, do que se trata ao certo? Em que é que a filosofia contribuiu
para a cultura ocidental?
Para detectar eventuais influências não gregas, convirá que nos voltemos
para as culturas com as quais as cidades jónicas tinham o costume de
comerciar, como o Egipto, a Babilónia (no actual Iraque) ou a Fenícia (a leste
do Mediterrâneo). Terão essas prestigiosas culturas antigas produzido a
centelha de onde nasceu o fogo da filosofia ocidental?
Poderá um dos factores determinantes nesta matéria ser a invenção da escrita
alfabética, em lugar dos hieróglifos e da escrita silábica? Esta última conquista
a Grécia no século VII a.C. A escrita poderia ter induzido o desenvolvimento da
filosofia, visto permitir que os leitores se confrontem de maneira crítica com os
pensamentos expostos por outros, mas também por as leis escritas
possibilitarem a existência de instituições legais, no seio das quais os debates
dos tribunais se substituem ao juízo de um soberano autocrata. E contudo, antes
da escrita, já existiam leis e regras orais, muitas vezes versificadas, que se
recitavam de memória. Da mesma maneira, os antigos filósofos ensinavam
oralmente, e pouco ou nada escreviam. A filosofia, no seu início, releva
essencialmente de um género poético que se poderia dizer didáctico, e que saiu
de sociedades orais. Eis o que tornaria a filosofia herdeira da transmissão oral
das narrativas, desenvolvida numa sociedade anterior à escrita.
Sem dúvida que a diversidade cultural e religiosa é, por seu turno, factor de
mudança. É lícito pensar-se que, navegando os gregos ao encontro de outras
línguas, de deuses estrangeiros, de normas morais diferentes, de vestes ou de
usos espantosos, tenham achado nisso ocasião para se interrogarem sobre os
seus próprios costumes. Xenófanes (século VI a.C.) já havia encontrado na
variedade das representações dos deuses argumentos para desacreditar o
antropomorfismo religioso2. Encontramos em historiadores como Hecateu e
Heródoto um fascínio semelhante pela diversidade cultural.
Certas civilizações do Próximo Oriente tinham registado por escrito dados
astronómicos e desenvolvido investigações matemáticas. Ter-se-á Tales servido
dos dados astronómicos babilónicos para prever um eclipse solar? Terá
Anaximandro recorrido a cálculos egípcios ou babilónicos quando formou
hipóteses sobre o tamanho do universo?
Podemos supor que assim foi. Mas ainda que tal hipótese se revelasse exacta,
os dados então obtidos não passariam do material de partida do filósofo. Ela
continua a não estabelecer que outras culturas antigas se teriam podido
consagrar à filosofia antes de a transmitirem aos gregos. Mas se tais culturas
dispunham da matemática, dos arquivos astronómicos, da escrita e da
experiência de um certo relativismo cultural, porque não colocaram elas as
questões que caracterizam o início da filosofia? Porque não procuraram elas o
porquê? O nascimento da filosofia parece exigir outras explicações.
Para além da influência das outras culturas, é preciso levar em conta a
herança da cultura grega, essencialmente oral e difícil de reconstituir. Tem de
mencionar-se por um lado a tradição épica, Homero, Hesíodo e os mitos
tradicionais dos deuses olímpicos; e por outro lado o conjunto assaz
desconhecido de tudo o que tem a ver com as religiões dos mistérios, a poesia
órfica e o culto ctoniano.
Por exemplo, podemos comparar a representação pré-socrática do mundo à
da epopeia homérica. Em Homero, a terra é um disco plano dominado por uma
abóbada celeste; as terras habitadas estão rodeadas pelo rio Oceano3. O Sol
ergue-se a partir do Oceano e atravessa o céu durante o dia, antes de mergulhar
à noite no mar do Oeste4. Os tremores de terra e os arco-íris são o reflexo das
emoções divinas. Sob a terra encontra-se o reino das sombras que é a morada
do Hades, onde vivem os mortos. Hesíodo (século VII) precisa algumas das
dimensões deste, quando explica que são precisos nove dias para que uma
bigorna de bronze caia do céu até à terra, e outros nove dias para atingir o
Tártaro a partir da Terra5.
A Teogonia de Hesíodo descreve a origem dos deuses e do cosmos,
imputando-a no essencial a um duplo processo: 1) a relação sexual de duas
divindades engendra uma nova entidade, e depois 2) a progenitura apodera-se
violentamente do poder paternal. É tentador pensar-se que tais mitos serviram
ao mesmo tempo de inspiração e de alvo aos primeiros filósofos, os quais
teriam substituído os caprichos divinos pelas explicações naturais do processo
cósmico. Ainda que tal hipótese comporte a sua dose de verdade, nem por isso
os filósofos descrevem menos frequentemente como «divinas» as causas
naturais. Não se contentam eles apenas em substituir a «separação» ou a
«emergência» a partir de elementos primevos ao «nascimento», tal como este é
descrito nos mitos antigos?
Os mitos órficos interessavam-se pelo destino da alma humana. Conhecemo-
los mal, já que os dados textuais são frequentemente escassos e aqueles de que
dispomos são difíceis de datar. Todavia, eles lançam alguma luz sobre a
concepção pitagórica da reincarnação e sobre as imagens que Parménides
empregou. Como sempre, os filósofos herdam temas próprios da mitologia
local, antes de fazerem uso destes e de explorarem a metafísica neles implícita.

Quem?
São uma vintena, os pensadores de primeira linha anteriores a Platão que
mencionaremos. No século VI, Tales, Anaximandro e Anaxímenes, Pitágoras,
Xenófanes; cerca do ano 500 a.C., Parménides e Heraclito; no século V, os
antigos pitagóricos, entre os quais Filolau, Zenão de Eleia e Melissos (os
discípulos de Parménides), Empédocles, Anaxágoras, os dois atomistas
Leucipo e Demócrito, bem como Diógenes de Apolónia, e depois os principais
sofistas, como Protágoras, Górgias, Pródico, Hípias e Antifonte. Esta lista
segue em geral a cronologia, mas tais pensadores podem ser reagrupados de
diversas maneiras. Passaremos a propor um esboço do seu pensamento,
apresentando-os segundo diferentes temas.

Como conhecemos?
Reconstituir a obra dos filósofos pré-socráticos não é uma tarefa fácil. Não
existe deles quase nenhum texto completo. Em lugar disso, temos de nos
remeter às apresentações (aos «testemunhos») que encontramos nos autores
posteriores, muitas vezes em vários séculos, bem como às citações que figuram
nesses textos. Essas citações, a que se chama «fragmentos», estão muitas vezes
compiladas por editores modernos, que tentam reconstituir o aspecto das obras
originais dispondo os fragmentos numa certa ordem. Nesta matéria, a edição
mais autorizada é a de Diels-Kranz (doravante DK) que contém
simultaneamente os testemunhos e os fragmentos de todos os pensadores pré-
socráticos. As edições mais recentes seguem em geral a mesma via. Elas
deveriam inspirar bastas dúvidas quanto à pertinência e à exactidão da
reconstrução que propõem das teses dos autores antigos.
Uma terceira fonte é-nos oferecida pela descoberta fortuita de papiros, como
os de Afrodísia e de Herculanum. Tais textos são em geral cópias romanas,
frequentemente em muito mau estado, que contêm os erros de seis séculos ou
mais de transmissões; no entanto, por vezes ensinam-nos algo de novo.

Cosmologia
Admitimos comummente que a filosofia começa com questões cosmológicas
relativas à origem e à composição material do mundo, bem como ao
funcionamento deste. É a Tales que se deve a famosa iniciativa de haver
começado, quando afirmou que era a água o princípio elementar de todas as
coisas, e que a terra flutuava sobre a água6. Todavia, já na época de Aristóteles,
ninguém compreendia nem o que Tales quisera dizer ao certo, nem o que
dissera ele ao certo, tal como não se sabia quais as palavras que empregara.
Mas Tales interessava-se igualmente por outras questões. Exprimiu-se acerca
da natureza da vida ou da alma7, e os geómetras posteriores atribuíram-lhe a
paternidade de cinco teoremas, dos quais ele talvez haja feito uso para fins
práticos, por exemplo para calcular a distância dos navios no mar8. Encontram-
se em Heródoto algumas narrativas acerca de Tales – como ele possibilitou que
o exército atravessasse o rio Thalys sem qualquer ponte, ou como preveniu os
jónicos do risco de um eclipse solar antes de uma batalha9. Era reputado pela
sua sabedoria política10 e por hábeis investimentos baseados na previsão de um
excelente ano para a colheita de azeitona11. Semelhante variedade de interesses
vai muito para além daquilo a que hoje em dia chamamos «filosofia»; mas é
certo que a definição do que cabe à filosofia se restringiu desde a Antiguidade.
O contributo de Anaximandro para a cosmologia inclui a tese segundo a qual
a matéria do mundo se desenvolve a partir de um material indeterminado, ao
qual ele acabará por retornar. Esse material primordial é o «ilimitado» (o
apeiron, aquilo que é sem limite ou indefinido), o que aparentemente significa
não se tratar nem de água (como pensava Tales), nem de qualquer outra matéria
conhecida, mas de algo que é absolutamente desprovido de qualidades12. Outro
ponto importante: Anaximandro sustentava que as coisas advêm e desaparecem
de modo sucessivo. Uma frase que descreve esse equilíbrio parece ter
sobrevivido nos próprios termos que haviam sido empregues por
Anaximandro:

As coisas que dão o seu nascimento às realidades são também aquelas para onde elas tendem na
sua destruição, segundo o que deve ser; pois elas se tornam justiça e castigo, umas às outras, da sua
injustiça, segundo a ordem do tempo13.

Anaximandro usa aqui imagens algo desusadas e arcaicas para sugerir que,
onde um elemento ganha terreno durante um certo tempo e um outro se retira,
terá lugar um «castigo» no momento oportuno, quando o segundo retornar e o
primeiro for destruído, por uma duração de tempo igual.
O que Anaximandro diz da forma do cosmos é notável para a sua época. A
Terra continua a ser plana, no centro do universo, mas é agora um pequeno
cilindro espesso, dotado de duas superfícies planas: o nosso lado já não é o
único «cimo14». Com uma abóbada de céu em cada extremidade, ela forma
uma esfera no centro de rodas que transportam o Sol, a Lua e as estrelas. Em
lugar de se perguntar o que sustenta a Terra, Anaximandro faz notar que aquilo
que se mantém a igual distância do que o rodeia não tem motivo algum para se
deslocar para um ou outro lado, pelo que a pergunta «Porque é que ela não
cai?» está mal colocada. O equilíbrio é a chave da física, tal como da química.
Ao redor da Terra, os círculos concêntricos são como os contornos de umas
rodas de carroça. Jactos de fogo que brotam de orifícios nos cilindros sombrios
fazem aparecer o Sol, a Lua e as estrelas. Atribuindo aos diâmetros medidas
que são múltiplos exactos de uma mesma medida (na ocorrência, a espessura
da Terra15), Anaximandro adopta o princípio científico de que a natureza tem
um significado matemático, ao ponto de as teorias cosmológicas serem
demonstradas pela matemática, e não pela observação.
Após Anaximandro, Anaxímenes parece bem menos sofisticado; a sua Terra
é um disco. Mas dotado de um único «cimo», o nosso, orlado por uma abóbada
de céu. O Sol e as estrelas percorrem a abóbada do céu e giram ao redor dela,
mas não passam abaixo do solo16. Ele recusa a tese de Anaximandro segundo a
qual a Terra se manteria sem suporte algum, para afirmar que ela «flutua nos
ares», por ser plana. Será isso ingenuidade? Talvez não, se compreendermos
que «flutuar nos ares» (epocheisthai) significa que, se uma corrente de ar vier
de baixo, o disco plano que é a Terra não poderá descer contra o vento17. Além
disso, a corrente de ar que rodeia as extremidades da Terra desvia os outros
discos, os do Sol, da Lua e dos astros, e projecta-os através da abóbada celeste
tal como as folhas vogam ao vento.
Para Anaxímenes, é o ar o elemento primordial. Para ele os outros materiais
não são mais do que formas de ar de diferentes densidades. Quando o ar se
condensa, produz primeiramente o nevoeiro, depois a água, a terra e as pedras
sólidas. O ar rarefeito dá o fogo18. Do ponto de vista metafísico, trata-se de
uma doutrina parcimoniosa. Os sólidos, os líquidos e os gases não se
distinguem senão pela sua densidade – ou seja, do ponto de vista físico, e não
do da composição química. As mudanças de densidade resultam do
aquecimento ou do arrefecimento físicos, sem que para tal seja exigido
qualquer outro elemento além do ar19. Em apoio da sua teoria, ele parece haver
sustentado que se pode expirar um sopro frio através de lábios fechados, e um
sopro quente através de uma boca mais aberta20. Encontram-se aqui elementos
de observação científica em apoio da hipótese, bem como um recurso a efeitos
susceptíveis de serem observados.
As teses cosmológicas de Xenófanes, Parménides, Heraclito e Empédocles
serão mencionadas mais adiante, quando apresentarmos as suas teses
metafísicas e psicológicas. A cosmologia torna-se um objecto em si mesma no
século V, com Anaxágoras, os atomistas e Diógenes de Apolónia.
Anaxágoras partilha com os mais célebres atomistas, Leucipo e Demócrito, a
ideia de que existe uma pluralidade de elementos primordiais permanentes.
Todos os três reduzem além disso todas as mudanças observáveis ao
movimento desses elementos constitutivos microscópicos, demasiado pequenos
para poderem ser percebidos. Mas enquanto Anaxágoras defendia que os
elementos primordiais eram infinitamente divisíveis, de modo a não existir
limite para a pequenez de uma gota de água, os atomistas, pelo seu lado,
concebiam-nos como elementos corpóreos indivisíveis. As variadas
combinações desses átomos (que são de diferentes tipos) explicam a variedade
dos compostos de que nos apercebemos. Este resumo, no entanto, não retém
mais do que o parentesco entre Anaxágoras e os atomistas. Devemos
considerar com maior atenção o que Anaxágoras se propunha realizar. Um dos
seus objectivos, ao que tudo indica, era oferecer uma explicação para a
alteração química que respeita o velho adágio segundo o qual «nada vem de
nada21». Anaxágoras explica que, em toda a mudança aparente, o material de
origem, que parece puro, é na realidade uma mistura, de modo que o material
ao qual a mudança dá lugar estava na realidade já presente nessa mistura: ele
não faz mais do que aparecer, como quando a água se evapora de um copo e
deixa um resíduo calcário. Uma explicação semelhante pode ser dada para todo
o tipo de mudanças: Anaxágoras sustenta que tudo, mesmo o depósito calcário
assim deixado no fundo do copo, contém minúsculas combinações de todas as
espécies de materiais22.
Para explicar como o mundo nasceu de uma primeira mistura, Anaxágoras
apela ao «Intelecto», uma forma de inteligência ordenadora que é a única
realidade não composta23. O «Intelecto» parece designar igualmente a
inteligência inerente a cada coisa viva24.
Tais teses podem ser distinguidas das de Leucipo e Demócrito. A cosmologia
destes dispensa qualquer recurso a um intelecto divino; em vez disso, os
átomos deslocam-se ao acaso no vazio. Os átomos não têm, ao que parece,
nenhum movimento natural, mas ricocheteiam de algum modo uns nos outros,
suscitando assim novos movimentos25. Além disso, um efeito de turbilhão faz
com que se formem estruturas cósmicas em certos pontos do espaço: para
formar não só este mundo, mas uma multidão de mundos possíveis26. Algumas
destas proposições foram retomadas pelos epicuristas na época helenística e
serviram de inspiração tanto a cientistas como a filósofos no início da
modernidade.
Diógenes de Apolónia rejeita este mecanismo causal e a separação da
matéria e do intelecto. Concebe um princípio que é ao mesmo tempo ar e
inteligência, um princípio material inteligente que justifica o universo material,
a origem da vida ou ainda a razão por que os seres dotados de inteligência
respiram. As mudanças que afectam a inteligência devem-se às variações da
temperatura. Eis uma teoria cosmológica que se apoia numa filosofia do
intelecto27.

Metafísica, epistemologia e teologia


Dois indícios assinalam o aparecimento da metafísica: 1) a distinção entre a
«realidade» e a aparência, e 2) a concepção de um ser incorpóreo. A concepção
aferente de um deus todo-poderoso surge igualmente no período pré-socrático.
Devemos começar por Xenófanes, cuja longa existência abrange quase todo
o século VI. A maior parte do seu contributo concerne a teologia e a
epistemologia. Em teologia, ele fez a crítica das representações
antropomórficas dos deuses, e sustentou a existência de uma divindade única
que não necessita de olhos para ver nem de corpo para realizar os seus
projectos. Pelo contrário, como diz Xenófanes:

Ele permanece sempre no mesmo local, inteiramente imóvel.


Não lhe convém aliás mover-se de um local para outro.
Mas, sem esforço, ele mexe todas as coisas, somente pelo pensamento do seu intelecto28.

No fragmento 34, Xenófanes interessa-se pelo que nós, humanos, podemos


conhecer. Distingue aquilo a que chama dokos, ou «conjectura», do que ele
estima ser o «conhecimento» (oide, eidôs, iden): de certos temas, nenhum ser
humano pode ter conhecimento. Em si mesmo, o fragmento 34 não diz
exactamente o que não podemos conhecer. Trata-se de tudo, ou simplesmente
dos objectos a que se referia a obra de Xenófanes (tratar-se-ia porventura da
natureza dos deuses e da origem do mundo)?
Em todo o caso, Xenófanes introduz uma camada de cepticismo, e mesmo
uma certa forma de humildade intelectual, no discurso filosófico. Ele inaugura
uma tradição de questionamento do como da ciência, e da maneira pela qual
podemos provar o que pensamos conhecer. A distinção que introduz entre a
conjectura e a recta opinião29 prefigura uma distinção que dentro em pouco
iremos encontrar em Parménides.
O nosso próximo metafísico é Pitágoras, cujo nome é célebre mas a respeito
do qual não sabemos afinal quase nada. Era contemporâneo de Anaxímenes e
de Xenófanes, nasceu em Samos cerca de 570 a.C, mas foi em Crotona, no Sul
da Itália, que passou a maior parte da sua vida30.
São diversas as tradições relativas tanto à sua pessoa como ao seu ensino.
Elas referem antes de mais um ensino místico e práticas cultuais, às quais
regressaremos; depois, um empenhamento e actividades políticas em Crotona,
que serão recordadas no parágrafo 9; finalmente, a prática das ciências exactas,
nomeadamente da matemática, da astronomia e da harmonia, de que falaremos
aqui. A maioria das fontes antigas são relativas ao ensino místico, e o ponto de
vista mais comummente partilhado sustenta ser essa a única coisa que se pode
atribuir com certeza a Pitágoras31. Contudo, Pitágoras ter-se-á aparentemente
interessado pela matemática da harmonia musical, e dedicava um culto
particular ao número 10 e ao triângulo dos números 1, 2, 3 e 4 (cuja soma é
10). Eis algo que tinha um nome técnico (a Tetraktys); os seus discípulos
tinham de prestar juramento sobre esse número (ou então perante Pitágoras,
que lho transmitia)32.
Atribui-se aos pitagóricos das gerações seguintes o desenvolvimento de uma
investigação matemática e científica. O principal entre eles é Filolau, um
pitagórico do século V a.C., a respeito do qual dispomos de informações um
pouco mais numerosas. Um dos temas que ele abordou foi o do ilimitado.
Segundo Filolau, o mundo é estruturado pelo agenciamento de «limitantes»,
que impõem um limite ao «ilimitado». Segundo alguns intérpretes, esta teoria
prefigura uma parte das teses que serão defendidas por Platão acerca da forma
e da matéria33. Os trabalhos de Filolau acerca do número, da geometria, da
harmonia e da astronomia mostram as premissas de uma viragem metafísica
que irá ter uma influência determinante nas gerações seguintes.
Parménides e Heraclito estiveram ambos activos cerca do ano 500 a.C.;
Heraclito em Éfeso, na costa da Ásia Menor, e Parménides em Eleia, no Sul da
Itália. Parménides é associado à tese de que existe apenas uma única realidade
(monismo), que nunca se altera. Pelo seu lado, Heraclito é associado à que
estabelece a existência de uma mudança permanente, pois «tudo se esvai»,
sendo a «unidade dos contrários» o que sustenta o mundo. Estas asserções
filosóficas parecem tão distantes quanto os locais em que foram pronunciadas,
mas ambas são teses metafísicas relativas à natureza fundamental da realidade
e à possibilidade da mudança. Não se sabe ao certo se Parménides e Heraclito
conheciam as obras mútuas, ou se polemizavam um contra o outro34.
Estes dois autores distinguem-se pelo seu estilo. Parménides escreve em
hexâmetros (o que, na época, é norma nos escritos épicos e didácticos), mas
inventa um vocabulário novo para exprimir a necessidade lógica e dar força aos
argumentos. O estilo de Heraclito é muito diferente. É feito de frases
misteriosas, boa parte das quais são sem dúvida voluntariamente ambíguas.
Conservam-se alguns fragmentos do poema de Parménides, cerca de trinta
versos que pertencem com toda a evidência a um mesmo argumento. Do livro
de Heraclito, conservou-se uma multidão de extractos truncados, na maior
parte dos casos sob a forma de uma única frase, por vezes desprovida de
qualquer verbo. Nada se assemelha aqui a um argumento construído.
É tentador pensar-se que, uma vez introduzido por Parménides, o hábito de
fornecer argumentos se impôs seguidamente a todos os pensadores; é de resto
por esse motivo que os filósofos da tradição analítica frequentemente estimam
que Heraclito, ao parecer ignorar a necessidade de qualquer argumentação,
teria vivido antes de Parménides. Ao invés, os filósofos da Europa continental
não consideram que a reflexão filosófica deva revestir-se de uma única forma.
Pelo que lhes parece plausível que Heraclito tenha conhecido a obra de
Parménides sem no entanto conceder que as verdadeiras provas sejam o critério
de uma boa teoria. Pois a filosofia poderia muito bem mostrar-nos dessa
maneira coisas que de outro modo permaneceriam desconhecidas, ou, para usar
os termos de Heraclito, ela poderia revelar-nos o logos, ou seja a estrutura
racional do mundo, por meio de frases bem talhadas.
A obra de Parménides constava de três partes, das quais as duas primeiras são
as mais bem conservadas. A introdução35 descreve um jovem que partiu ao
encontro de uma deusa, para além das portas da noite e do dia. No resto do
poema, o jovem relata as palavras da deusa. O significado dos elementos
mitológicos, entre os quais a revelação divina, é objecto de interpretações.
A segunda secção («Rumo à verdade») é a mais célebre. A deusa afirma que
uma certa «via de pesquisa» é a única que conduz à verdade. Essa via faz da
afirmação «é» a única premissa apropriada do inquérito que conduz à verdade,
já que qualquer outra premissa formulada negativamente («não é») conduz a
um impasse. Os enunciados do tipo «é e não é» parecem conduzir-nos «às
arrecuas»,36 talvez porque cada progresso em direcção à verdade que seja
autorizado pela forma positiva se acha anulado pela forma negativa. Esta tese
assenta sem dúvida na ideia de que a verdade é o que é assim, quando a
falsidade é o que não é assim. Para dizer a verdade, devemos então dizer o que
é, não o que não é.
Ao afirmar que não podemos pensar o que não é nem falar dele, e que
«nada» jamais pode existir, a deusa de Parménides sugere que a realidade é
uma coisa imutável, sem princípio nem fim, sem passado nem futuro. Podemos
ser levados a duvidar das suas conclusões, mas a deusa exige que ajuizemos os
seus argumentos por meio da razão; é pelo menos essa a leitura óbvia do
convite que ela faz ao jovem para «ajuizar pela razão um argumento aguerrido
por múltiplas controvérsias37».
No seguimento deste inapelável monismo, a terceira parte do poema («Rumo
à opinião») tem algo de espantoso. A deusa «terminou», diz ela, «a sua
explicação digna da confiança da verdade», e doravante o jovem deve
descobrir as opiniões dos mortais. Mas porquê? A deusa prossegue, em
benefício de uma narrativa complexa, cujo estilo é o das cosmologias antigas,
invocando então um par de princípios chamados o «fogo» e a «noite». Essa
narrativa baseia-se em alguns avanços científicos, como a descoberta de que a
Lua reflecte a luz solar38.
Porque expõe Parménides tal cosmologia se ela não é conforme à verdade?
Tratar-se-á da melhor explicação possível do mundo da sensação? Mas então,
como se refere ela à «verdade» da realidade imutável? Parménides só muito
raramente faz precisões acerca da sua cosmologia, e a maioria dos intérpretes
sustenta que o discurso «Rumo à verdade» continua a ser o seu maior
contributo para a filosofia. Os argumentos contra a mudança e a multiplicidade,
que se encontram em «Rumo à verdade», tiveram com efeito uma influência
considerável em Platão, e para além dele, ao encorajarem a distinção entre a
«realidade» metafísica e o mundo físico das «aparências».
Voltando a Heraclito, mencionaremos brevemente as teses já evocadas (o
fluxo universal, a unidade dos contrários, a ordem subjacente à mudança). O
tema do fluxo aparece nas célebres fórmulas sobre o rio. Estas estão
conservadas por diferentes autores:

a) Não podemos entrar duas vezes no mesmo rio, segundo Heraclito, e não podemos também
apreender duas vezes no mesmo estado uma realidade mortal. As mudanças vivas e rápidas
dispersam-lhes os elementos, e depois reúnem-nos de novo; ou antes, não é de novo, nem mais
tarde, é simultaneamente que ela se constitui e se desfaz, aparece e desaparece39.
b) Sobre aqueles que entram nos mesmos rios, escorrem outras e outras águas40.
c) Entramos e não entramos nos mesmos rios. Somos e não somos41.

Podemos ler estas frases como observações sobre os rios e o fluxo


permanente das suas novas águas, mas também como proposições sobre o
fluxo permanente que, na natureza, faz com que as coisas e as pessoas nunca
estejam no mesmo estado, ainda que as vejamos como sendo as «mesmas».
Devemos por isso não apenas pensar ser falso dizer-se que elas são as
«mesmas», como admitir que «o mesmo» não implica a mesma constituição
física.
Se aceitarmos a segunda interpretação, podemos dizer que um rio exige um
fluxo constante de água nova. É isso que significa ser um rio. E se a coisa for
igualmente verdadeira na natureza, o «mundo» será então um ambiente
dinâmico, no seio do qual as coisas têm lugar. Todavia, esses eventos não terão
lugar ao acaso nem de maneira caótica: tal como a água do rio obedece a
regras, ao escorrer num só sentido e ao mudar de curso segundo uma certa
medida, também os processos da natureza e da linguagem obedecem a regras.
Existem meios pelos quais reconhecemos os «mesmos» objectos: essas leis são
determinantes para compreender o mundo. Tal é o sistema (ou logos) que,
segundo Heraclito, aparece claramente aos que o procuram, mas que
permanece ignorado por aqueles que estão demasiado adormecidos para o
perceberem42.
Esse logos pode ser igualmente a ligação entre os contrários. Os contrários
são mencionados em diversas frases heraclitianas:

A estrada que sobe e a estrada que desce são uma e a mesma43.


O mar é a água mais pura e a mais conspurcada: para os peixes, ela é potável e salutar, mas não é
potável e é mortal para os homens44.
Hesíodo é o mestre dos mais numerosos, dele se deve crer que sabe a maioria das coisas, embora
nem sequer conheça o dia e a noite; pois eles são um45.
A doença torna a saúde agradável e boa, a fome a saciedade, a fadiga o repouso46.
Cada uma destas frases indica como os contrários estão ligados, sem que
todavia se distinga claramente o que determina ou estrutura o conjunto desses
contrários. Conservámos assim mais de uma centena de frases obscuras, que
não acompanham análise ou explicação elaboradas, a tal ponto é difícil
reconstituir com certeza a doutrina de Heraclito.
Nas duas gerações seguintes, a investigação metafísica enriquece-se com a
contribuição de dois discípulos de Parménides, Zenão de Eleia e Melisso de
Samos. Ambos adoptam a opção de Parménides em favor da razão, mas Zenão
distingue-se pela maneira como demonstra uma hipótese provando a
impossibilidade do seu contrário. Assim, para provar que o espaço e o tempo
não podem ser cindidos, ele procura dividi-los e mostrar a absurdez dos
resultados então alcançados.
Eis o aspecto que toma o seu primeiro paradoxo sobre o movimento.
Imagine-se um corredor na linha de partida do estádio. Poderá ele atingir a
linha de chegada? Não, jamais, afirma Zenão. E eis porquê: antes de a atingir,
ele tem de percorrer metade do caminho; depois, após ter percorrido metade da
distância restante (ou seja, três quartos da distância total), tem ainda de cobrir
metade da distância residual, e assim sucessivamente até ao infinito. Ele nunca
cessa portanto de ultrapassar a metade da distância restante, mas terá sempre a
outra metade por percorrer.
Este paradoxo pressupõe que a pista de corrida pode ser infinitamente
dividida em porções cada vez mais pequenas. O conjunto do percurso é então
concebido como uma série infinita de distâncias cada vez mais curtas, e, uma
vez que não existe nenhuma distância última, a tarefa parece não ter fim. Se
admitirmos que o espaço é infinitamente divisível (em teoria, pelo menos),
como resolver o enigma de Zenão?
Existe um meio de resolver parcialmente a dificuldade se notarmos que o
tempo é, também ele, infinitamente divisível. Se o corredor correr sempre à
mesma velocidade, ele percorrerá distâncias cada vez mais curtas em períodos
de tempo cada vez mais breves; quanto mais pequenas forem as distâncias
restantes, mais rapidamente elas serão transpostas. Pois o tempo necessário ao
percurso total da corrida não se torna mais longo somente por o havermos
dividido em pequenas partes.
Zenão apresenta diversos argumentos do mesmo tipo. São concebidos com o
fito de arruinar a nossa crença no facto de o espaço e o tempo poderem ser
facilmente divididos em segmentos, quer estes sejam em número finito ou
infinito, e forçar-nos a admitir, de acordo com Parménides, que a
multiplicidade é impossível. Poderá pensar-se que a matemática moderna
resolveu estes paradoxos, mas nem por isso a possibilidade de concluir uma
série infinita de tarefas é menos irracional e difícil de conceber.
Melisso propunha-se, também ele, demonstrar que a realidade é permanente,
imutável e indivisível. Diferentemente de Parménides, para o qual a realidade
era eterna e finita, Melisso afirma que ela dura no tempo e é ilimitada em
grandeza47. É inovador e sofisticado o argumento por ele desenvolvido contra a
confiança que temos nos sentidos, embora a razão mostre que eles são
erróneos48.
Devemos concluir esta secção notando que o atomista Demócrito, cuja
cosmologia já evocámos, dedica ao conhecimento algumas observações
importantes. Ele estima que o conhecimento pela razão leva a melhor sobre a
percepção sensorial, explicando que a experiência dos sentidos permanece
subjectiva e é tributária do estado do corpo e do que o rodeia. Reconhece
porém que esta crítica dos sentidos se condena a si mesma, visto a razão
necessitar do apoio dos sentidos para afirmar que estes últimos não são
fiáveis49.

A alma e o intelecto
O inquérito sobre a natureza da alma e do intelecto começa com Tales. Ele
pensava (segundo Aristóteles) que «tudo está cheio de deuses» e que o amante
tem uma alma50. A segunda afirmação sugere que a alma é uma aptidão para
mover as coisas que mais convêm, mas que ela nada nos ensina sobre a
psicologia da alma humana.
Com o pitagorismo, a alma torna-se o lugar do «si». Encontram-se menções à
reincarnação como doutrina pitagórica em Xenófanes, Empédocles e Íon de
Quios51, bem como em duas passagens de Heródoto52. Para além de duas
menções obscuras em Heraclito, é esse o essencial das fontes antigas sobre
Pitágoras53. Em Empédocles, no século V, a reincarnação figura igualmente em
primeiro lugar. Este último instituiu os quatro elementos54, movidos pelo amor
e o ódio55, bem como a ideia de selecção natural56. Com efeito, ele é autor de
uma narrativa cosmológica, mas essa narrativa está ligada a uma outra que trata
da causa intencional e das escolhas que fazem os seres inteligentes. A
alternância do «amor» e do «ódio» não é somente uma metáfora. Em
Empédocles, os «elementos» são também deuses ou espíritos (daimones), que
experimentam atracção ou repulsão uns pelos outros, ou seja que amam ou
odeiam. Uma célebre passagem descreve os espíritos exilados longe do deus e
condenados a vaguearem pelo mundo, incarnados em diferentes meios
elementares, durante trinta mil estações. Esse exílio é a punição de um crime,
porventura o assassinato57. Isso concorda com a maneira como Empédocles
condena o sacrifício e o consumo da carne, considerados pecados por os
animais serem a reincarnação dos seres queridos58.
As obras de Empédocles reúnem análises científicas (sobre a sensação e a
respiração, por exemplo59) e explicações profundamente religiosas (sobre o
nosso lugar no mundo e os meios de obtermos a nossa salvação). A questão de
saber se o conjunto desses ensinamentos pertence a um único poema ou antes a
dois (sendo um deles científico, e o outro moral e religioso) continua em
disputa. Esta controvérsia foi reavivada, nos anos 1990, pela descoberta de um
papiro fragmentário, que junta novos elementos aos que até aí nos ofereciam
duas tradições distintas de testemunhos antigos60.
Concluiremos esta secção recordando a existência das teses de Anaxágoras e
de Diógenes de Apolónia sobre o papel cósmico da alma, bem como o
contributo de Demócrito em prol de uma explicação materialista da percepção
e do conhecimento.

O pensamento político e ético


Diz-se muitas vezes que a ética foi inventada por Sócrates, mas semelhante
afirmação não faz justiça aos pré-socráticos. A maneira como se deve viver já
era objecto de estudo para Pitágoras, cuja hetaireia foi, durante pelo menos
vinte anos, o primeiro partido político em Crotona. Segundo a tradição, os
pitagóricos renunciaram à vida política após o incêndio do seu quartel-general
cerca do ano 500 a.C.61; mas, ao longo de todo o século VI, os governantes de
Crotona parecem efectivamente ter sido aqueles que haviam adoptado o «modo
de vida pitagórico».
Sem dúvida, era possível abraçar tal «modo de vida» em diferentes graus.
Mais tarde, distinguiram-se duas maneiras de se ser pitagórico: segundo
Jâmblico, podia-se pertencer aos acousmatici ou aos mathematici62. O critério
de distinção era o estudo da matemática e das ciências exactas, que estava
reservado aos mathematici. Os acousmatici adoptavam uma atitude devota em
relação à palavra de Pitágoras, e recitavam uma lista de fórmulas obscuras,
bem como instruções, entre as quais: «não remexas o fogo com uma faca»,
«apaga a marca da marmita nas cinzas»; «não uses anel», «cospe sobre os teus
despojos de cabelos ou de unhas»63; ou ainda enigmas deste tipo: «Pergunta:
que são as Ilhas dos Bem-Aventurados? Resposta: o Sol e a Lua»; «P.: o que é
o mais justo? R.: oferecer um sacrifício»; «P.: Qual é a coisa mais sábia? R.: o
número»64. O papel destas fórmulas não era muito claro na época a que as
nossas fontes as atribuem. Certos autores falam, a propósito delas, de
«sumbola» ou de penhor; talvez servissem como palavras de passe que
permitissem aos membros da mesma sociedade secreta reconhecerem-se. Uma
dessas fórmulas é a que pronuncia a célebre interdição de consumir favas. Já
desde a Antiguidade, inquiria-se se ela deveria ser entendida literalmente, se se
trataria de uma forma de proibição sexual, ou ainda de uma prevenção contra a
actividade política65.
Como vimos, os argumentos de Empédocles acerca da reincarnação, contra o
consumo da carne ou das favas, são da mesma laia66. É toda uma outra tradição
a que surge nos fragmentos éticos que circulam sob o nome de Demócrito.
Estes textos definem a vida boa como um estado de quietude da alma, sendo
esta última uma realidade material, afectada pelos átomos que a rodeiam67.
Demócrito antecipa assim a procura da «tranquilidade», por meio de prazeres
moderados, que iremos encontrar nos atomistas posteriores da escola
epicurista. Certos intérpretes detectam aqui uma semelhança entre Demócrito e
Sócrates, nomeadamente por ambos sustentarem que é vantajoso ser-se bom,
mas trata-se de argumentos que em Demócrito permanecem alusivos, talvez
por as nossas fontes continuarem a ser fragmentárias.
A época dos principais sofistas, que abrange igualmente o período durante o
qual viveu o verdadeiro Sócrates, é sobretudo a do debate ético. Os sofistas
eram professores itinerantes, que ofereciam as suas lições privadas a jovens
empenhados em desenvolverem uma carreira política ou profissional. Uma das
missões deles era a de ensinar ao aluno como levar a melhor nos debates, pelo
que mestres como Górgias e Pródico inscreviam no seu programa o domínio da
linguagem. O debate sobre o costume e a natureza (o nomos contra a phusis),
que se desenvolve na obra de Protágoras, de Antifonte, o Sofista e de algumas
das personagens descritas por Platão (Cálicles e Trasímaco), era de ordem
meta-ética: será a moral mais do que uma convenção humana? Deveremos
viver em conformidade com ela? Deveremos pelo contrário seguir as leis da
natureza?
Os sofistas pertencem a uma época de intensa actividade intelectual e
cultural. Temas semelhantes surgem na tragédia (nomeadamente em Sófocles),
na comédia e na História da Guerra do Peloponeso de Tucídides. Ao que
parece, na segunda metade do século V, a filosofia estava bem nascida e exercia
já uma influência considerável na vida intelectual, cultural e política das
cidades gregas, particularmente de Atenas. Facilmente se compreende como,
num tal contexto, os sofistas podiam ganhar a vida ensinando a filosofia a
jovens ávidos de ideias inovadoras, mas também como o povo ateniense se
inquietaria com a possibilidade de esse livre-pensamento vir a corromper os
modos e os comportamentos dos jovens. Tal inquietação constitui o nexo das
Nuvens, a comédia de Aristófanes; está na origem da condenação de
Anaxágoras por impiedade, cerca de 450, e, sem dúvida, do processo que levou
à execução de Sócrates, em 399.
Eis, não sem ironia, o reverso da medalha que celebra o modo como a
filosofia atingiu a sua maturidade, e como ela desde então exerce uma
influência real sobre as pessoas vulgares.
CATHERINE OSBORNE

1 Por exemplo no seu tratado Do Céu, 294a 28-31.

2 Xenófanes, fragmento 16.

3 Homero, Ilíada, XXI, 194-197.

4 Ibid., VII, 422.

5 Hesíodo, Teogonia, 720-725.

6 Aristóteles, Metafísica, A, 3, 983b 18-27.

7 Id., Da Alma, 405a 19-21.

8 Proclus, Comentário aos Elementos de Euclides, 352. 14-18 (DK 11A20); ver 157.10; 250.20; 299.1.

9 Heródoto, I 75 (DK 11A16), I 74 (DK 11A5).

10 Id., I 170; Diógenes Laércio, I 24.

11 Diógenes Laércio, I 24.

12 Simplício, Comentário à Física de Aristóteles, 24.13 (DK 12A9).

13 DK 12B1.

14 Hipólito, Refutação de Todas as Heresias, I.6.3 (DK 12A11).

15 Ibid. I.6.5 (DK 12A11).


16 Ibid., I.7.6 (DK 13A7).

17 DK 13A20.

18 Simplício, Comentário à Física de Aristóteles, 24.26 (DK 13A5).

19 Hipólito, Refutação de Todas as Heresias, I.7 (DK 13A7).

20 Plutarco, O Princípio do Frio, 7, 947F (DK 13B1).

21 DK 59B17.

22 DK 59B6.

23 DK 59B1, B12.

24 DK 59B11, B12.

25 Simplício, Comentário à Física de Aristóteles, 42.10-11 (DK 68A47).

26 Diógenes Laércio, Vidas, 9, 31 (DK 67A1).

27 Ver DK 64B5.

28 DK 21B26 e 25.

29 Ver DK 21B35 e B18.

30 Jâmblico, Vida de Pitágoras, 248-249 (DK 14.16).

31 W. Burkert, Weisheit und Wissenschaft. Studien zu Pythagoras, Philolaos und Platon, Nuremberga, H.
Carl, 1962. Cf. a tradução inglesa por E. L. Minar, Love and Science in Ancient Pythagoreanism,
Cambridge, Harvard University Press, 1972.

32 Sexto Empírico, Contra os Sábios, 7. 94-96. Hipólito, Refutação de Todas as Heresias, VI, 23.

33 C. Huffman, Philolaus of Croton (Cambridge, Cambridge University Press, 1993).

34 Cf. D. W. Graham, «Heraclitus and Parménides», in V. Caston e D. W. Graham (eds.), Presocratic


Philosophy: Essays in Honour of Alexander Mourelatos, Aldershot, Ashgate, 2002; A. Nehamas,
«Parmenidean Being/Heraclitian Fire», in Presocratic Philosophy: Essays in Honour of Alexander
Mourelatos, op.cit.; C. Osborne, «Was there an Eleatic Revolution?», in R. Osborne e S. Goldhill,
Rethinking Revolutions, Cambridge, Cambridge University Press, 2006.

35 Em B1.

36 B6.9.

37 B7.5.

38 B14.
39 DK 22B91.

40 DK 22B12.

41 DK 22B49a.

42 DK 22B1.

43 DK 22B60.

44 DK 22B61.

45 DK 22B57.

46 DK 22B110.

47 En B2.

48 B8.

49 Os textos principais são DK 68B8, B9, B11 e B125.

50 Aristóteles, Da Alma, 405a19; Diógenes Laércio, I 27.

51 DK 21B7, 31B129, 36B4.

52 Heródoto, II, 123 e IV, 95 (DK 14.1 e 14.2).

53 DK 22B40, 22B129.

54 DK 31B6, 31B21.

55 DK 31B17.

56 DK 31B57-61; Aristóteles, Física, 198B29; Simplício, Comentário à Física de Aristóteles, 371.33.

57 DK 31B115.

58 DK 31B136 e B137.

59 DK 31B84, B88, B89 e B100.

60 A. Martin e O. Primavesi, L’Empédocle de Strasbourg. Introduction, édition et commentaire, Berlim, de


Gruyter, 1999.

61 Jâmblico, Vida de Pitágoras, 248.8-251.3 (DK 14A6).

62 Idem, 81-6 (DK 18.2; 58C4).

63 Extractos de Jâmblico, Protréptico, 21 (DK58C6).


64 Extractos de Jâmblico, Vida de Pitágoras, 82 (DK 58C4).

65 Diógenes Laércio, Vidas, VIII 4-5 (DK 14.8).

66 DK 31B141.

67 DK 68B189, B191 e B235.


Platão

Platão (428-348), que pertencia a uma família ateniense de alta linhagem, é


antes de mais um escritor que ainda hoje se lê com prazer. As suas primeiras
obras foram constituídas pela narrativa – sob a forma de diálogo, e para que se
conservasse a sua memória – dos episódios da vida e da morte do seu mestre
Sócrates, essa personagem inclassificável que, além de Platão, atraía para junto
de si personagens tão diferentes quanto Alcibíades, Xenofonte e Antístenes.
Para compreender o Oráculo de Delfos que respondera negativamente à
pergunta «Há alguém mais sábio que Sócrates?», Sócrates percorre as ruas de
Atenas e refuta todos aqueles que pretendem possuir um saber: homens
políticos, poetas ou artesãos. Tal prática apresenta um desenvolvimento lógico
determinado: o respondente defende uma tese, e depois Sócrates consegue que
esse respondente lhe conceda uma certa quantidade de proposições que
contradizem a tese de partida. E como o verdadeiro saber exige que se diga
sempre a mesma coisa sobre os mesmos assuntos, aquele que sobre um dado
assunto mantém declarações contraditórias revela a sua ignorância. É muito
provavelmente o descontentamento dos notáveis de Atenas que explica o
processo e a condenação à morte, em 399, de um Sócrates que, pelo seu lado,
considerava tal envergonhamento salutar, na medida em que permitia denunciar
os falsos saberes que haviam sido admitidos pela alma de um ou de outro. Mas,
diálogo após diálogo, o pensamento de Platão aprofunda-se, e deixa aflorar um
novo modo de pensamento, que ele é o primeiro a chamar «filosofia».
Platão defende uma doutrina filosófica que se caracteriza por uma dupla
inversão. Primeira inversão: as coisas percebidas pelos sentidos, entre as quais
vivemos, não passam de imagens das realidades inteligíveis separadas, ou
Formas, que são os modelos das coisas sensíveis e constituem a verdadeira
realidade; diferentemente das coisas sensíveis, as Formas possuem em si o seu
princípio de existência. Segunda inversão: o homem não se reduz ao seu corpo,
e a sua verdadeira identidade coincide com aquilo que designamos pelo termo
«alma». Este último justifica, não somente no homem, mas também no
universo, todo o movimento material (crescimento, locomoção, etc.) ou
imaterial (sentimentos, percepção sensível, conhecimento intelectual, etc.). É
esta dupla inversão que, ao longo de toda a história da filosofia, permite definir
a especificidade do platonismo, e justifica as posições de Platão nos domínios
da epistemologia, da ética e da política.

O inteligível
Platão propôs a hipótese da existência de realidades inteligíveis,
simultaneamente distintas das coisas sensíveis e em relação com estas. Não se
trata, no caso, de um gesto paradoxal destinado a fazer crer que seria possível a
um pequeno número de privilegiados refugiarem-se num alhures ideal; ela
explica em que é que este mundo, onde tudo está em constante mudança,
oferece não obstante suficiente permanência e estabilidade para que o homem o
possa conhecer, falar dele e agir nele. Convencido de que essa estabilidade e
essa permanência não se poderiam encontrar no sensível, Platão declarou que
deveria existir uma realidade de outro tipo que respondesse a tais exigências, e
que explicasse porque, em toda essa mudança, há algo que não muda.
A hipótese da existência de Formas separadas das coisas sensíveis é
efectivamente admitida nos diálogos, nomeadamente a partir do Fédon68. Ela
constitui até o objecto de uma obra que se baseia na distinção entre intelecto e
opinião69. Se distinguirmos no ser humano duas faculdades cognitivas
distintas, teremos de admitir a existência dos seus respectivos objectos, que
deverão pertencer a níveis de realidade diferentes: o sensível e o inteligível. As
coisas sensíveis devem no entanto manter alguma relação com as formas
inteligíveis que orientam a acção do homem, asseguram a organização da
cidade e se situam até, segundo o Timeu, no princípio do universo. Essa relação
é assemelhada a uma imitação, pois o sensível mantém com o inteligível a
relação que a cópia tem para com o modelo. No quadro dessa relação, o
inteligível tem o papel de causa e o sensível o de efeito. Por conseguinte, a
relação entre sensível e inteligível não é simétrica, pois para a sua existência e
para a sua constituição o sensível depende do inteligível, o qual, por seu turno,
existe em si. Somente o reconhecimento desta assimetria, indissociável de uma
separação radical entre o sensível e o inteligível, permite escapar às
consequências do argumento do «terceiro homem», o qual implica a existência
de um termo que englobe o sensível e o inteligível, e assim sucessivamente até
ao infinito.
Sendo imagens delas, as coisas sensíveis devem assemelhar-se às formas
inteligíveis. Mas a noção de semelhança tem um duplo aspecto: ela implica ao
mesmo tempo conformidade e disparidade. No Timeu, é a intervenção do
demiurgo que assegura a conformidade das coisas sensíveis às Formas de que
elas participam; e é a khôra, ou «meio espacial», que dá conta da disparidade
delas em relação às Formas. Todas as coisas sensíveis, que delas são feitas, ali
aparecem múltiplas e distintas e ali se transformam70. Se Timeu pode dizer da
khôra que «ela participa do inteligível de uma forma particularmente
desconcertante», isso não significa que haja uma forma inteligível da khôra,
mas que esta apresenta diversos aspectos que a aparentam ao inteligível; é um
princípio, é imutável, não é perceptível pelos sentidos, etc. No Timeu, Platão
distingue portanto não dois, mas três géneros: para além das formas inteligíveis
e das coisas sensíveis, ele evoca a existência da khôra, na qual se acham as
coisas sensíveis e a partir da qual elas são constituídas71.

A alma
Na tradição que Platão conhece e que remonta pelo menos à Ilíada e à
Odisseia, a questão da «interioridade» humana transforma-se, mas não de
maneira radical. Ela passa do corpo para uma entidade quase corpórea, sempre
ligada a um elemento corpóreo. Essa entidade quase corpórea é a alma, que se
encontra no interior do corpo segundo duas modalidades: como seu motor e
como seu hóspede provisório. O interesse da posição de Platão prende-se com
o facto de, na sua representação da alma, esses dois modelos se acharem
associados. O modelo da alma ligada ao corpo que ela anima a partir do interior
impõe-se sempre que se fala de seres vivos, ao passo que o modelo de alma
como hóspede temporária de um corpo aparece sempre que se evoca a
reincarnação. Convém ainda situar esta posição num determinado contexto
filosófico.
A alma, definida como «origem e princípio de movimento para tudo o que é
movido72», pode ser associada a um corpo que ela anima e para o qual ela
procura um movimento espontâneo, estabelecendo assim uma oposição entre
vivo e não vivo. Além disso, ela é invisível porque se situa num nível
intermédio entre o sensível e o inteligível, como dá a entender Platão em duas
passagens do Timeu em que se encontra descrita a mistura de onde todas as
almas brotaram: a alma do mundo, as dos deuses, dos demónios, dos homens
ou dos animais73. E como o invisível e o imaterial andam a par, compreende-se
que a alma possa exercer essa actividade imaterial que é o conhecimento, quer
se trate de perceber as coisas sensíveis ou de captar as realidades inteligíveis.
Por outro lado, a alma não se reduz a um processo ou a uma actividade; é
uma entidade autónoma que, enquanto hóspede provisória de um corpo, tem
uma personalidade e uma história. Deve portanto levar-se a sério a «descrição»
da mistura obrada pelo demiurgo no Timeu74 e da qual provêm a alma do
mundo e a alma dos outros seres vivos, pois, para que seja possível um sistema
retributivo como o que é proposto por Platão, é preciso que uma entidade
autónoma subsista após a morte, quando a alma se separa do corpo, e que essa
entidade passe de um corpo a um outro, em função da qualidade da sua
existência anterior num corpo.
Para Platão, é portanto a alma o que de mais precioso há no homem –
nomeadamente quando ela exerce a sua função mais elevada –, que permite
definir o que determinado homem é verdadeiramente. Contudo, o corpo
mantém relações muito fortes com a alma cuja qualidade ilustra.

Os corpos
Como foi fabricado o corpo em que vive a alma? Se estimarmos que uma
cosmologia deve propor uma representação simples mas coerente e rigorosa do
universo, cujas propriedades surjam como as consequências logicamente
deduzidas de um conjunto limitado de pressupostos, então o Timeu de Platão
representa uma verdadeira cosmologia, a primeira efectuada com o auxílio da
linguagem matemática, e não somente da linguagem vulgar, como é o caso em
Aristóteles, por exemplo.
Conformando-se a uma opinião tradicional, que remonta provavelmente a
Empédocles e se iria perpetuar até ao século XVIII, Platão toma por adquirido
que o corpo do universo foi fabricado exclusivamente a partir de quatro
elementos: o fogo, o ar, a água e a terra75. Mas vai muito mais longe. Por um
lado, avança um argumento matemático para justificar o número desses
elementos. Por outro lado, está consciente de dar provas de uma grande
originalidade76 ao estabelecer uma correspondência entre esses elementos e os
quatro poliedros regulares, ou seja ao transpor em termos matemáticos o
conjunto da realidade física e as mudanças que o afectam.
Com efeito ele associa o fogo ao tetraedro, o ar ao octaedro, a água ao
icosaedro e a terra ao cubo. Estes quatro poliedros são por seu turno
construídos a partir de dois tipos de superfícies, elas próprias resultantes de
dois tipos de triângulos rectos: o triângulo isósceles, que é a metade de um
quadrado, e o triângulo escaleno, que é a metade de um triângulo equilátero de
lado x. Estes dois triângulos rectos elementares entram na construção de dois
tipos de superfície, o quadrado e o triângulo equilátero: um quadrado resulta da
reunião de quatro triângulos isósceles77; e um triângulo equilátero da reunião
de seis triângulos escalenos78. Os triângulos equiláteros servem para construir
esses três poliedros regulares que são o tetraedro79, o octaedro80 e o
icosaedro81, associados respectivamente ao fogo, ao ar e à água. Por outro lado,
seis quadrados servem para constituir o cubo82 associado à terra. Todas as
propriedades dos poliedros a que estão associados os quatro elementos
permitem explicar matematicamente a transformação dos três primeiros
elementos entre si.
No corpo do mundo, que apresenta o aspecto de uma gigantesca esfera – uma
vez que, enquanto cópia de um original perfeito, também esse corpo deve ter a
forma mais perfeita, e portanto a mais simétrica –, os elementos repartem-se
em quatro camadas concêntricas, entre as quais há intercâmbio: o fogo
encontra-se na periferia, depois vêm o ar, a água e a terra, no centro. Entre os
corpos, alguns podem mover-se por si mesmos – são os vivos – e outros não.
Entre os vivos, devem contar-se os deuses, além do mundo, dos demónios, dos
homens, dos animais e das plantas. É no anel ocupado pelo fogo que se
encontram os corpos celestes regidos por um sistema astronómico83 que
apresenta uma espantosa simplicidade, pois baseia-se exclusivamente em
movimentos circulares cuja regularidade é determinada por três tipos de
relações matemáticas: geométrica, aritmética e harmónica. A extraordinária
complexidade dos movimentos que afectam todos os corpos celestes acha-se
reduzida a dois elementos de ordem matemática: círculo e relação matemática.
E, muito naturalmente, é o movimento da esfera do mundo sobre si mesma que
explica todos os movimentos relativos às trocas entre os elementos, que passam
de uma camada concêntrica para uma outra e por vezes se transformam até uns
nos outros: a água no ar, o ar em fogo, e vice-versa.

A epistemologia
A divisão de ordem ontológica entre modelos que constituem a realidade
verdadeira e cópias que só comportam uma realidade derivada implica uma
distinção estritamente paralela ao nível do conhecimento e do discurso, como
se constata ao ler Timeu, onde o intelecto, que tem por objecto as formas
inteligíveis, se opõe à opinião verdadeira, a qual tem por objecto as coisas
sensíveis percebidas pelo corpo84. E esta oposição de ordem epistemológica e
argumentativa vê-se ainda apoiada por esta outra, de ordem sociológica: «[na
opinião verdadeira] todo o homem toma parte, há que dizê-lo, enquanto na
intelecção são os deuses [que tomam parte] e, entre os homens, uma pequena
classe apenas85». Essa muito pequena classe de homens é evidentemente a dos
filósofos.

Este paralelo entre realidade, conhecimento e discurso é ilustrado n’A


República por meio de uma linha:

A linha comporta duas secções principais: uma representando o que releva


dos sentidos, a outra o que releva do intelecto.
A descrição da secção inferior da linha86, aquela que corresponde ao sensível
e portanto à sensação, compreende por seu turno duas partes; uma representa as
coisas sensíveis e a outra as imagens dessas coisas. Essas duas realidades, que
fazem intervir a noção de claridade visual, não se distinguem portanto senão
pelo seu estatuto ontológico: de um lado as coisas sensíveis e do outro as suas
imagens. Mas enquanto a parte mais baixa da secção inferior (imagens,
reflexos, etc.) é descrita de forma assaz exaustiva, a outra parte não é objecto
de um inventário completo; só são levados em consideração os viventes e os
produtos artesanais fabricados pelo homem.
A secção superior da linha comporta, também ela, duas partes, uma
correspondendo ao domínio da matemática, a que se liga o pensamento
discursivo (dianoia), e a outra ao das Formas, que são objectos do intelecto
(nous). O domínio do pensamento discursivo (dianoia) equivale ao da dedução
considerada como um sistema formal axiomatizado. A partir de proposições
tidas como válidas a priori, procura-se deduzir, aplicando as regras da
inferência, pouco numerosas e admitidas por todos, proposições verdadeiras
chamadas «teoremas». Ainda que se não possa atribuir um estatuto particular
às realidades matemáticas ou geométricas enquanto tais, é forçoso admitir que
o estudo destas permite à alma ascender do sensível ao inteligível, pois a
estrutura geométrica dos elementos e as relações matemáticas que eles mantêm
entre si permitem asseverar a presença do inteligível no sensível. Pelo seu lado,
as Formas são objectos da dialéctica que, por meio do processo de reunião,
ascende primeiramente de Forma em Forma, em direcção ao Bem, e depois,
por meio do processo de divisão, torna a descer de Forma em Forma para
atingir uma definição embora se mantenha no domínio do inteligível87. A
dialéctica, assim compreendida, descreve portanto as relações que as Formas
mantêm entre si; ela permite de certo modo traçar o mapa do domínio do
inteligível. E suscita a evidência que, quando a actividade intuitiva do intelecto
(nous) se liga às Formas e finalmente ao Bem, serve de fundamento ao
processo dedutivo. Embora continue a ser impossível definir o que é uma
Forma para Platão, por este meio consegue-se discernir qual o papel que lhe é
atribuído.

A ética
Nesta perspectiva, é a sua alma e não o seu corpo que constitui o que de mais
importante há para o homem; a alma é o que um homem tem de próprio. É pela
sua alma, que lhe concede uma certa imortalidade, que o homem se pode
assemelhar a deus, característica totalmente estranha à anterior tradição grega
baseada na oposição entre mortais (homens) e imortais (deuses). É este
princípio que vai governar a ética e a política em Platão.
Se considerarmos a moral como um sistema de comportamentos admitidos e
encorajados numa sociedade, podemos definir a ética como a avaliação
racional da moral. Uma tal definição supõe portanto que, nessa sociedade,
certos comportamentos são admitidos e favorecidos, e outros interditos e
condenados; este sistema implica a ideia de sanção. Porquê adoptar tal
comportamento admitido, ou pelo contrário privar-se de um outro que é
condenado? Porque daí resultará para o agente, cujo fito é atingir a excelência
(aretê), uma vantagem ou inconveniente num dado plano. A avaliação e a
sanção não dependem porém de si mesmas, pois implicam uma representação
prévia do que é um ser humano.
É para dar conta da relação dessa alma imortal com um corpo perecível que
Platão, a partir d’A República, distingue na alma três espécies, cuja primeira é
imortal em si, ao passo que as duas restantes só fruem da imortalidade na
condição de o corpo que elas regem ser indestrutível. A espécie imortal da
alma, o intelecto (nous), contempla as realidades inteligíveis de que as coisas
sensíveis são meras imagens. Por intermédio dela, o homem aparenta-se a um
deus, ou antes a um daimôn. As duas outras espécies só são imortais em certas
condições. Trata-se por um lado do ardor (thumos) que permite ao vivente
mortal defender-se, e por outro do apetite (epithumia) que lhe permite
assegurar a sua subsistência e a sua reprodução. Enquanto, no caso dos deuses
– com corpo indestrutível –, elas podem ser ditas imortais, essas duas espécies
são declaradas mortais quando se acham associadas a funções que permitam
assegurar a sobrevivência do corpo sensível ao qual a alma está
provisoriamente ligada.
Mas, tal como o corpo que ela move, a alma do ser humano pode ser objecto
de desregulamentos que não se devem a ela: embora ela conheça o bem, não
consegue conformar-se a este. Tais desregulamentos devem portanto ter causas
exteriores. Essas causas são em número de duas: o mau funcionamento do
corpo88 e as más instituições que originam uma educação má89.
Não se podem evitar as doenças da alma ou sará-las a menos que se aplique o
duplo princípio seguinte. Instaurar uma justa proporção entre um corpo e uma
alma aos quais se atribuirá exercício, tomando como modelo não só os
movimentos da alma do mundo, mas também os do seu corpo. E velar no
interior da alma por uma justa proporção entre as partes desta, atribuindo
sistematicamente a preeminência ao intelecto90. O problema da
responsabilidade da alma não pode ser adequadamente resolvido, na medida
em que não se encontra em Platão uma vontade que, face à razão, frua de uma
verdadeira autonomia. Esse problema não deixa de ser colocado, pois o Timeu
conclui-se com a descrição de um sistema retributivo que supõe uma falta real
e por conseguinte a consideração de uma certa responsabilidade91.
Diferentemente das dos deuses e dos demónios, toda a alma humana é
susceptível de passar pelos corpos de seres vivos diferentes, homem, mulher ou
animal, em função da qualidade das suas vidas anteriores. Para evitar decair, ou
para ascender na escala dos seres vivos, o ser humano deve guardar uma justa
proporção entre o seu corpo e a sua alma: é esse o fito da educação. O intelecto
deve igualmente permanecer dominante na alma. Ora, como esse intelecto não
é mais do que um resíduo da alma do mundo, a contemplação das revoluções
dos corpos celestes propiciar-lhe-á não só a ciência, mas um modelo de bom
funcionamento92.
Assim sendo, a contemplação do universo sensível constitui um preâmbulo
indispensável à contemplação das formas inteligíveis, a única que permite
determinar o valor moral de uma existência humana. Platão retoma aí uma
convicção de Sócrates que se baseia em dois postulados93: 1) O mal e o erro
são indissociáveis; o reino do bem coincide com o da verdade, o qual se instala
quando, no homem, domina o movimento do círculo do mesmo que é o lugar
do conhecimento racional. 2) O desejo segue necessariamente o pensamento;
eis porque é impossível desejar outra coisa senão o bem que se impõe à razão.
Esta posição, igualmente posta na boca de Sócrates por Xenofonte94, encontra-
se em muitas passagens dos diálogos. Para lutar contra o mal que o homem não
pode cometer cientemente e que em última análise resulta da ignorância, a
melhor arma é a educação dispensada pela cidade boa.

A política
Para os contemporâneos, a política consiste em gerir os conflitos que nascem
forçosamente numa comunidade onde os grupos tomam por bons diferentes
objectivos. Platão, pelo seu lado, quer simplesmente eliminar o conflito (stasis)
na cidade.
A causa do mal na cidade, ou seja a causa de todo o conflito, externo ou
interno, é a competição (agôn) que move a inveja ou o ciúme (phthonos) e que
conduz à avidez (pleonexia), ou seja à ambição de ter sempre mais. No
exterior, isso leva a cidade a querer incessantemente aumentar o seu território
fazendo guerras sem cessar. E, no interior, leva cada cidadão a querer aumentar
o seu domínio (oikos) invadindo o dos outros ou muito simplesmente
apoderando-se destes pela astúcia ou pela violência: daí a guerra civil.
Para fazer desaparecer todo o conflito, Platão ataca a causa última deste, a
saber a família em sentido lato, o oikos, que abrange ao mesmo tempo uma
população e o território em que vive essa família com os seus bens. N’A
República, Platão proíbe aos guardiões – ou seja àqueles que devem manter a
lei e a ordem e fornecer os dirigentes que são igualmente filósofos – a posse de
qualquer bem que seja. E, mais fundamentalmente, recomenda que se atribua a
esse grupo funcional a comunidade das mulheres e das crianças. Deste modo,
uma família não poderá acumular as riquezas transmitindo-as de geração em
geração. Enfim, os dirigentes saídos desse grupo serão escolhidos não em
função da sua riqueza ou do seu poder, mas em função do seu saber.
Uma vez que a ética e a política se fundam em última instância na ciência,
entendida como conhecimento da realidade inteligível, as constituições
propostas n’A República e n’As Leis insistem na necessidade de uma educação
que toque não só os dirigentes mas também os cidadãos. Não se trata de
subordinar os esforços de uma cidade à criação de uma casta de intelectuais
que se contentem em prosseguir os seus estudos, mas de utilizar a ciência
possuída pelos melhores para modelar o corpo e a alma dos outros cidadãos; é
por isso que, n’A República, aqueles que saíram da caverna (segundo a célebre
comparação que descreve o homem ainda não educado como um prisioneiro
acorrentado no fundo de uma caverna) são forçados a regressar a ela. Nesta
perspectiva, pode dizer-se que a política é a prática de cuja ciência se faz a
teoria. O que Platão repete n’A República, n’O Político e n’As Leis não é mais
do que essa dupla necessidade: colocar à frente da cidade governantes sábios,
que além do mais tenham por fito modelar o corpo e a alma dos outros
cidadãos. E isto, em função da ciência que é a deles e que deve dirigir todas as
outras, impondo regras estritas aos dois fundamentos da educação: o exercício
físico (gumnastikê) e a cultura (mousikê), que asseguram o desenvolvimento
harmonioso das duas partes de todo o ser.
É para atingir esse fim que, no final do Livro III d’A República, Platão
propõe uma organização na qual os indivíduos se repartem entre grupos
funcionais hierarquizados, segundo a predominância neles de uma ou outra
espécie de alma: intelecto, ardor ou apetite. O grupo mais numeroso,
encarregado de assegurar a produção de alimentos e de riquezas, é composto
por agricultores e artesãos. Este grupo é protegido por guardiões, os guerreiros
encarregados de velarem pela manutenção da ordem no interior e no exterior da
cidade. Na medida em que não podem possuir nem bens nem dinheiro, os
guardiões estão completamente separados dos produtores, que, em troca da
protecção recebida, devem alimentá-los e garantir a sua manutenção. É neste
grupo funcional que é escolhida uma muito pequena quantidade de indivíduos
destinados a uma educação superior e ao governo da cidade.
N’As Leis, reencontra-se o mesmo projecto, mas num quadro ainda mais
constrangedor, uma vez que as parcelas de terreno (klêroi) não são possuídas,
mas administradas pelos cidadãos. A maneira como todos os cidadãos,
libertados do trabalho e do negócio, participam na vida cívica, distingue As
Leis d’A República. Aqui, Platão não separa os cidadãos em grupos funcionais:
opta pela distinção de quatro classes censitárias, que agrupam os cidadãos
segundo o seu património. Com a precisão notável de que a riqueza e a pobreza
não podem exceder certos limites: o cidadão mais pobre nunca desfrutará de
menos do que uma das 5040 parcelas do terreno cívico, e o mais rico nunca de
mais de quatro vezes o valor de uma parcela95.
No primeiro livro d’As Leis encontra-se uma definição da lei como decreto
comum da cidade (dogma poleôs), decisão tomada pela cidade após um cálculo
racional e considerador dos sentimentos que são a confiança ou o temor,
explicando-se respectivamente pela expectativa de dores ou de penas96. Esta
definição, que subordina a moderação e até a coragem à razão, acha o seu
fundamento numa outra definição da lei como «distribuição do intelecto» (tên
tou nou dianomên), que atribui ao legislador uma dupla tarefa. Estabelecer uma
ordem proporcional entre as faculdades da alma do indivíduo, o que significa
fazer reinar o intelecto e fazer do cidadão um ser razoável que sabe dominar-se
perante o prazer e a dor, perante a confiança ou o temor, e isso designadamente
por meio da educação. Estabelecer uma ordem proporcional entre os cidadãos,
assegurando o reino dos mais meritórios e dos mais virtuosos, ou seja daqueles
que fazem melhor uso da faculdade mais elevada da sua alma, o intelecto
(nous), sobre aqueles que o são menos, reservando-lhes as honrarias e as
magistraturas. Ora, a legislação d’As Leis distingue-se de todos os outros
códigos de leis gregas que chegaram até nós por um aspecto essencial, descrito
no Livro IV: cada texto de lei que compreende a formulação da lei
propriamente dita e um inventário das penas em que incorre aquele que não se
submeter a elas é precedido por um preâmbulo destinado a persuadir cada
cidadão, cujo comportamento teria sido previamente modelado nesse sentido, a
obedecer à lei sem sequer pensar nela. Ora esses preâmbulos são por um lado
mitos e por outro exortações retóricas que fazem intervir o elogio e a censura,
com uma excepção porém: o Livro X, no qual se desenvolve uma
demonstração destinada a convencer os jovens ateus, que não foram
persuadidos nem pelos mitos nem pelas exortações retóricas.
Mesmo se ela tem por auxiliar o mito, que desempenha um papel essencial
no domínio da ética e no da política, é em definitivo à lei escrita que na cidade
cabe o papel principal. Mas a própria lei escrita depende de um princípio
superior, o intelecto (nous), representado na cidade pelo Colégio de vigília e
agindo no universo como a alma do mundo, que dá regularidade e permanência
à marcha dos corpos celestes. É aliás por esse fundamento na cosmologia que a
ética e a política se unem. O homem, a cidade e o mundo constituem um
conjunto comum onde intervém uma alma cuja actividade superior é guiada
pela contemplação da realidade verdadeira.
Em 387 a.C., no regresso da sua primeira viagem à Grande Grécia (sul de
Itália) e à Sicília – onde se apresentou na corte de Dionísio, O Antigo, tirano de
Siracusa, e travou conhecimento com Dion –, Platão estabeleceu a expensas
próprias a sua escola, a Academia, no parque do herói Academos. A Academia,
que após a morte de Platão teve como primeiros chefes Speusipo e Xenócrates,
conheceu rapidamente um grande sucesso, e depressa entrou em conflito com a
escola de Isócrates, onde se ensinava sobretudo a retórica. Com Arcésilas de
Pitano, que sucedeu a Crates em 268-264, a Academia tornou-se uma «Nova
Academia». O epíteto «nova» justifica-se a vários títulos. Aí se recomenda a
suspensão universal do juízo por oposição ao dogmatismo estóico, e o ensino
permanece essencialmente oral, tomando assim o exemplo de Sócrates. No
início do Império, fez-se sentir entre os platónicos a necessidade de um
pensamento livre da interpretação estóica e aristotélica que havia conhecido
Cícero, e mais religioso, centrado nos meios dados à alma humana para aceder
a uma outra ordem, a do Deus cujas Formas são os pensamentos que organizam
a matéria. E com Plotino, que instaura o Uno para além do ser, ou seja para
além do Intelecto e do Inteligível, é inaugurada a última corrente de
interpretação da doutrina platónica, o neoplatonismo, que durará até 529.
Durante cerca de um milénio, os textos de Platão foram lidos, recopiados,
meditados e cuidadosamente transmitidos por pessoas de alta cultura; eis o que
explica a excepcional qualidade dos nossos manuscritos dos diálogos e a
imensa difusão do pensamento platónico.
LUC BRISSON

68 100c-d.

69 Timeu, 51d3-e6

70 Ibid., 52c2-d1.

71 Ibid., 51e6-52c1.

72 Fedro, 245c-d.

73 Timeu, 35a-b e 41d.

74 Ibid., 35a-b.

75 Ibid., 56b-c.

76 Ibid., 53e.

77 Ibid., 55b.

78 Ibid., 54d-e.
79 Ibid., 54e-55a, quatro triângulos equiláteros.

80 Ibid., 55a, oito triângulos equiláteros.

81 Ibid., 55a-b, vinte triângulos equiláteros.

82 Ibid., 55b-c, seis quadrados.

83 Ibid., 38c-39e.

84 Ibid., 51d-e.

85 Ibid., 51e.

86 A República, VI, 509e-510a.

87 Ibid., VI, 511b-c.

88 Timeu, 86b-87a.

89 Ibid., 87a-b

90 Ibid., 87c-89d.

91 Ibid., 90e-92c.

92 Ibid., 89d-90d.

93 Ibid., 86d-e.

94 Memoráveis, III, 94 e Iv, 6, 6.

95 As Leis, V, 744a-d.

96 Ibid., I, 644c-d.
Aristóteles

Aristóteles nasceu em Estagira, no Norte da Grécia, em 384 a.C. O seu pai,


Nicómaco, era médico de Amintas III, rei da Macedónia. Em 367, aos
dezassete anos de idade, Aristóteles entrou para a Academia de Platão, em
Atenas, e aí ficou durante vinte anos. Foram os anos durante os quais escreveu
diálogos (hoje em dia perdidos), segundo o modelo dos diálogos platónicos; os
mais célebres são o Eudemo, sobre a imortalidade da alma, o Protréptico,
pleito em favor da filosofia, e o diálogo Sobre a Filosofia, estudo dos primeiros
princípios de todas as coisas. Escreveu igualmente um tratado Sobre o Bem, no
qual expunha a doutrina dos princípios que Platão havia apresentado oralmente
à Academia, bem como um tratado Sobre as Ideias, que retomava a doutrina
platónica das Ideias e procedia à sua crítica. Destas obras restam somente
fragmentos, constituídos por citações ou excertos retomados por autores mais
tardios. É provável que Aristóteles tenha dado, na Academia, cursos de retórica
e de dialéctica, dos quais se encontram vestígios nas partes mais antigas das
obras conservadas.
Aquando da morte de Platão (348), Aristóteles deixou a Academia e partiu
para Assos, cidade grega da Ásia Menor, onde foi hóspede de Hermias, senhor
de Atarneia, com cuja sobrinha Pítias se casou, e em honra do qual redigiu o
Hino à Virtude. Dois anos depois, partiu para Mitilene, na ilha de Lesbos, onde,
com o seu discípulo Teofrasto, se dedicou a investigações sobre os animais. Em
343 foi chamado pelo rei Filipe II da Macedónia para ser preceptor do seu filho
Alexandre, para o qual escreveu os diálogos Sobre o Reino, bem como
Alexandre ou a Propósito das Colónias, duas obras perdidas. É provável que
tenha obtido, dos reis da Macedónia, privilégios a favor da cidade de Atenas;
razão pela qual os atenienses erigiram mais tarde uma estela em seu nome.
Na morte de Filipe, quando Alexandre decidiu a expedição contra a Pérsia
que lhe valeu o título de Alexandre, o Grande, Aristóteles retornou a Atenas
(334), onde fundou uma escola no jardim dedicado a Apolo Lício, e que por
isso se chamou Liceu; nesse local existia também um espaço para deambular
chamado peripatos, o que mais tarde permitiu usar a designação de escola
«peripatética». Na sua escola, Aristóteles deu cursos de dialéctica, de física, de
filosofia primeira, de ciência política, de retórica e de poética: deve
acrescentar-se ainda que esteve na origem de uma recolha de 158 constituições
e de obras que reuniam outros materiais. Em 323, aquando da notícia da morte
de Alexandre na Pérsia, Aristóteles foi acusado de insultar as crenças religiosas
e, para escapar ao processo, deixou Atenas e partiu para Cálcis, na ilha de
Eubeia, onde morreu em 322.

Aristóteles nunca publicou por si mesmo os textos dos seus cursos; estes só
foram editados mais tarde, na segunda metade do século I a.C., por Andrónico
de Rodes, provavelmente em Roma. Esses textos constituem o corpus
aristotelicum, e chegaram até nós através da tradição manuscrita.
Esse corpus compreende obras:
– de lógica (Categorias, Da Interpretação, Primeiros Analíticos, Segundos
Analíticos, Tópicos, Refutações Sofísticas);
– de física (Física, Do Céu, Da Geração e da Corrupção, Meteorológicos);
– de psicologia (Da Alma, Pequenos Tratados de História Natural);
– de biologia (História dos Animais, Do Movimento dos Animais, Da Marcha
dos Animais, Das Partes dos Animais, Da Geração dos Animais);
– de filosofia primeira (Metafísica);
– de ética (Ética a Nicómaco, Ética a Eudemo, Grande Moral);
Devem acrescentar-se ainda as obras seguintes: Política, Retórica, Poética.
Por fim, convém mencionar a Constituição dos Atenienses, que chegou até
nós num papiro e cujo autor foi Aristóteles.

Lógica e dialéctica
Aristóteles é considerado o inventor da lógica, compreendida como a ciência
que estuda as leis do pensamento (logos). Foi com efeito este o nome que foi
dado à doutrina por ele exposta nas obras que a tradição reúne na compilação
intitulada Organon, ou seja «instrumento», considerando que a lógica é um
instrumento utilizado pelas diferentes ciências. Primeira obra, o tratado das
Categorias distingue as realidades que existem em si mesmas, por exemplo o
homem, daquelas que existem noutras realidades, como o branco; Aristóteles
chama às primeiras «substâncias» e às segundas «acidentes». Entre as
substâncias, Aristóteles distingue seguidamente as «substâncias primeiras», que
são os sujeitos individuais, por exemplo um dado homem, e as «substâncias
segundas», que são as espécies universais de que fazem parte os sujeitos, tais
como o homem em geral, ou os géneros de que fazem parte tais espécies, como
por exemplo o animal. As espécies e os géneros são os «predicados» dos
indivíduos, no sentido em que indicam as características gerais destes. As
substâncias primeiras são a condição de existência de todas as coisas, quer se
trate das substâncias segundas ou dos acidentes. Elas não têm nem contrário,
nem graus, mas, em momentos diferentes, podem acolher acidentes contrários.
Na categoria dos acidentes, há igualmente indivíduos (por exemplo um certo
branco) e universais (por exemplo o branco em geral, ou a cor). Enquanto as
substâncias pertencem ao género supremo chamado justamente «substância»
(ousia), os acidentes comportam nove outros géneros, que são: a quantidade, a
qualidade, a relação, o lugar, o momento, a posição, a possessão, a acção e a
paixão. Estes dez géneros supremos são chamados «categorias», ou seja tipos
de predicados.
No tratado Da Enunciação (De interpretatione), Aristóteles afirma que as
palavras, que formam a linguagem, são os signos convencionais dos conceitos
ou, mais geralmente, que eles são conteúdos do espírito, sendo estes por seu
turno imagens das coisas: entre a linguagem, o pensamento e a realidade existe
portanto uma relação de significação. As palavras principais são os nomes e os
verbos; a reunião delas constitui a proposição ou logos (tendo o nome a função
de sujeito e o verbo a de predicado). A proposição pode enunciar um estado de
coisas ou não passar de expressão, como é o caso da oração. A proposição
enunciativa pode ser uma afirmação, quando liga dois nomes, ou uma negação,
quando os separa. Além disso, pode ser verdadeira ou falsa: é verdadeira
quando liga palavras que indicam coisas realmente ligadas ou quando separa
palavras que indicam coisas realmente separadas; a proposição é falsa quando
estabelece o contrário. A afirmação e a negação do mesmo predicado a
propósito do mesmo tema constituem a contradição: elas não podem ser ambas
verdadeiras ao mesmo tempo (princípio da não-contradição), mas é necessário
que uma das duas seja verdadeira e a outra falsa (princípio do terceiro
excluído). As proposições podem também ser universais, quando têm um tema
universal (por exemplo, todos os homens), ou particulares quando têm um tema
particular (por exemplo, um dado homem).
Nos Primeiros Analíticos, Aristóteles expõe a sua famosa descoberta do
«silogismo» (dedução): trata-se de um raciocínio segundo o qual duas
proposições universais, chamadas «premissas», conduzem necessariamente a
uma terceira proposição chamada «conclusão». Por exemplo: se todos os
homens são mortais (premissa maior, ou seja a mais universal) e se todos os
atenienses são homens (premissa menor), então todos os atenienses são mortais
(conclusão). Vemos que as duas premissas têm um termo em comum,
qualificado de «médio», que ocupa – no esquema mais simples – a função de
predicado na premissa maior e de sujeito na premissa menor. Os dois outros
termos, qualificados de «extremos», constituem a conclusão. Se as premissas
são particulares e a conclusão geral, já não se trata de uma dedução, mas de
uma indução (epagogê); porém, em tal caso, a conclusão não decorre
necessariamente das premissas.
Nos Segundos Analíticos, Aristóteles examina um tipo particular de
silogismo, chamado silogismo científico ou demonstração. É o caso quando as
premissas são verdadeiras e delas deriva necessariamente uma conclusão: essa
conclusão é necessariamente verdadeira. Quando as premissas da demonstração
são primeiras (não sendo a conclusão de outras demonstrações), chama-se-lhes
então «princípios». Os princípios são de dois tipos: particulares, quando
concernem realidades de natureza particular, formando o objecto de uma
ciência particular (por exemplo os números, no caso da aritmética, e as
grandezas, no caso da geometria). Os princípios podem igualmente ser gerais,
quando concernem diversos tipos de objectos (por exemplo o princípio
segundo o qual «ao subtrair partes iguais de objectos iguais se obtêm objectos
iguais»). Tais princípios são também chamados «axiomas». Os princípios
comuns a todas as ciências são o princípio da não-contradição e o do terceiro
excluído. Pode demonstrar-se igualmente uma tese ao deduzir de premissas
verdadeiras uma conclusão que contradiga a proposição inversa àquela que
pretendemos demonstrar. Nesse caso, trata-se de uma demonstração por
absurdo.
Nos Tópicos, Aristóteles ilustra um outro tipo de silogismo a que chama
silogismo dialéctico; as suas premissas são «endoxais» (endoxa), ou seja
admitidas por todos, ou pela maioria, ou pelos peritos, ou pela maioria destes.
Tais premissas não são verdadeiras em todos os casos, mas na maior parte
deles. O silogismo dialéctico é assim chamado por ser o tipo de argumentação
que se emprega nas discussões dialécticas, quando dois interlocutores debatem
uma questão e um dos dois se esforça por refutar a tese defendida pelo outro. A
refutação é um silogismo dialéctico cuja conclusão contradiz uma dada tese.
Em geral, quem se opõe a uma tese visa, por perguntas apropriadas, conseguir
que o seu interlocutor admita premissas endoxais, a partir das quais possa
deduzir a conclusão que pretende. Os meios de obter tais premissas são os
«locais» (topoi, daí o título do tratado), ou seja os tipos de argumentação que
cada um admite. Por fim, nas Refutações Sofísticas, Aristóteles ensina a
desmascarar as refutações justas na aparência (visando em particular as que se
baseiam, não em silogismos dialécticos, mas em silogismos erísticos ou
sofísticos, ou seja que parecem decorrer de premissas endoxais ou têm a
aparência de silogismos), mas que na realidade comportam um artifício (por
exemplo uma homonimia).

Física e cosmologia
Segundo Aristóteles, a primeira forma de conhecimento do homem é a
percepção dos objectos sensíveis, de onde proveio a recordação, e é graças a
um conjunto de recordações do mesmo objecto que se constitui a experiência.
Trata-se do conhecimento do «quê», ou seja do próprio estado das coisas.
Quanto à ciência, ou filosofia, ela é o conhecimento do «porquê», ou seja das
razões pelas quais as coisas se acham, necessariamente ou na maior parte dos
casos, num dado estado.
O primeiro objecto ou conjunto de objectos que Aristóteles procurou
conhecer foi a natureza (phusis), ou seja o conjunto dos corpos em devir que
possuem uma evolução totalmente autónoma; é aliás o que os distingue das
produções da actividade humana, ou seja dos objectos artificiais. Aristóteles
defende que os objectos podem relevar de quatro categorias de causas: as
causas motrizes (o que produz a transformação de um objecto), as causas
materiais (a matéria – hulê – de que um objecto é constituído), as causas
formais (a forma – eidos ou morphê – que estrutura um objecto), e as causas
finais (a finalidade – telos – em vista da qual um objecto existe ou se
transforma).
Na Física, Aristóteles mostra que é possível determinar as causas da
natureza, e, por conseguinte, aceder a uma ciência da natureza, que é
justamente a física. As causas materiais dos objectos naturais são, em última
análise, os quatro elementos dos corpos terrestres: a água, o ar, a terra e o fogo,
associados de diferentes modos segundo as formas dos objectos de que eles
constituem a matéria. As causas formais são precisamente essas formas, ou
ainda o modo segundo o qual os elementos nelas estão misturados; no caso dos
corpos vivos (plantas e animais), a forma é a sua alma, ou seja a sua capacidade
para viver. As causas finais são, para os seres inanimados, o seu «lugar natural»
(a terra para os corpos pesados, o céu para os corpos leves); para os seres
animados, as causas finais são a sua realização perfeita e a sua reprodução. As
causas motrizes imediatas dos corpos naturais são diferentes segundo o tipo de
transformação que eles conheçam e Aristóteles distingue quatro: o movimento
local ou translação, a alteração, o aumento e a diminuição, a geração e a
corrupção. Em geral, a causa destas transformações é a própria natureza,
enquanto princípio interno de movimento e de repouso; mas, por seu turno, a
natureza está submetida à acção motriz suscitada pelo movimento dos céus
(principalmente do sol, que determina a sucessão das estações e, por
conseguinte, a alternância do calor e do frio).
No tratado Do Céu (De caelo), Aristóteles explica que os céus são esferas
concêntricas, no centro das quais se acha a esfera terrestre; a matéria delas é
um elemento diferente dos elementos terrestres, graças ao qual elas não
conhecem nem geração nem corrupção e permanecem eternas: o éter, ele
próprio, não conhecendo geração nem corrupção e sendo eterno.
Cada céu se desloca segundo um movimento circular, girando sobre si
mesmo e deslocando na sua rotação os diversos planetas que a ele estão
ligados. O movimento aparentemente irregular dos planetas explica-se
(segundo a hipótese do astrónomo Eudoxo de Cnido, adoptada e parcialmente
corrigida por Aristóteles) como resultado dos movimentos dos grupos de
esferas, unidas pelos seus pólos mas girando sobre eixos diferentes. Deve ainda
acrescentar-se que todos os céus estão englobados numa esfera extrema, que
contém o universo inteiro; ela arrasta na sua rotação todos os outros céus e
receberá mais tarde o nome de esfera das estrelas fixas. Cada movimento de
rotação, definido como eterno, requer necessariamente uma causa motriz
possuindo em si mesma uma potência infinita, não beneficiando de qualquer
intervenção exterior, e sendo portanto ela própria imóvel: é a razão pela qual
existem tantos motores imóveis (ou seja, substâncias imateriais exteriores aos
próprios céus) quanto céus. O motor imóvel da esfera extrema é o primeiro
motor imóvel; é ele que põe em movimento o universo inteiro, graças à esfera
das estrelas fixas.
Toda a transformação supõe um substrato, ou seja uma matéria subjacente,
que passa de um estado sem forma (estado de «privação») a um estado em que
possui uma forma, quer se trate de um lugar (movimento local ou translação),
ou de uma qualidade (alteração), de uma dimensão (aumento e diminuição), ou
ainda da forma de uma nova substância (geração e corrupção). Aristóteles
chama «potência» (dunamis) – por outras palavras, capacidade para tomar uma
dada forma – à condição em que se encontra o substrato sem forma; chama
«acto» (energeia ou entelekheia) à condição do substrato quando tomou uma
forma; é por isso que a mudança se define igualmente como a actualização
(passagem ao acto) de uma potência.
A matéria é constituída, em última análise, pelos quatro elementos terrestres;
estes, por seu turno, transformam-se e passam de um estado a outro: a água
transforma-se em ar sob o efeito do calor (evaporação) ou em gelo, que é sólido
como a terra, sob o efeito do frio (congelação), e a terra transforma-se em fogo
sob a acção do calor (combustão). Estas transformações significam que existe
uma matéria comum aos quatro elementos terrestres, a que se pode chamar
«matéria primeira», a qual não pode porém existir fora desses elementos. Em
compensação, não existe uma forma única à qual se liguem todas as outras,
nem finalidade única para a qual tendam todos os seres.
Todos os seres tendem a realizar perfeitamente a sua própria forma.
Aristóteles tem portanto uma concepção global da natureza que se pode
qualificar como finalista, ou teleológica; mas essa concepção corresponde a um
finalismo particular, não resultando da acção de uma inteligência externa e não
implicando uma finalidade única e exterior. Pelo contrário, tal finalismo é
devido à acção de um princípio inconsciente e interno, como a natureza
justamente: é esse finalismo que se manifesta na tendência dos indivíduos
vivos para se alimentarem e se reproduzirem, assegurando assim a perpetuação
infinita da sua espécie.

Psicologia e zoologia
A parte da natureza mais estudada por Aristóteles é a que é formada pelos
seres vivos, plantas, animais e homens. Estes seres têm em comum uma alma
(psukhê), o que explica que esta ciência da alma (a que hoje em dia chamamos
psicologia) faça parte da física; Aristóteles estuda-a no tratado Da Alma (De
anima). Para ele, a alma não é uma entidade separada do corpo vivo; ela é na
verdade a capacidade de viver própria de um corpo, ou seja a sua forma de
estar vivo; ela é o «acto primeiro» da sua potencialidade de ser vivo, no sentido
em que a possui efectivamente. A vida realiza-se segundo diferentes níveis de
actividade (chamada mais tarde «acto segundo»). Estes níveis são, para as
plantas, a nutrição e a reprodução, às quais se deve acrescentar para os animais
o movimento e a percepção. Por fim, para os homens, os níveis compreendem
igualmente o pensamento e as actividades conexas. Encontram-se portanto três
categorias de alma: vegetativa, sensitiva, intelectiva. Porém, a categoria
superior contém sempre, potencialmente, a categoria inferior; é por isso que há
uma única alma em cada ser vivo, vegetativa nas plantas, nutritiva nos animais
(mas incluindo as funções da alma vegetativa), intelectiva nos homens (mas
incluindo as funções da alma vegetativa e as da alma sensitiva).
Os seres vivos têm em comum a reprodução, que exprime a tendência de
cada um para deixar atrás de si um outro ser semelhante a si, assegurando
assim a perpetuação da espécie. Nos seres animados em geral, sub-humanos e
humanos, a percepção (aisthêsis), ou conhecimento sensível, é a primeira
forma de conhecimento possível; ela consiste na actualização da capacidade de
perceber (própria de todo o órgão dos sentidos) e, simultaneamente, da
possibilidade de ser percebido (própria de todo o objecto sensível). Esta
actualização resulta da acção de uma causa já actuante, como por exemplo a
luz para a visão ou a vibração do ar para a audição. Graças a ela, o órgão do
sentido respectivo toma a forma do objecto mas não a sua matéria. É pela
percepção e graças à imaginação (phantasia) que se forma a imagem
(phantasma), conservada na memória enquanto recordação. Nos seres
humanos, é pela imagem, ou pela recordação, que o intelecto (nous) assume a
forma inteligível do objecto que nela está contido e da qual ele se apropria, no
sentido em que a integra como forma própria, evidentemente sem matéria. É
desta maneira que a alma intelectiva é o lugar de todas as formas inteligíveis.
Também neste caso, a capacidade para se apropriar de uma forma, ou seja a
intelecção, é simultaneamente a actualização da faculdade que permite
compreender – própria do intelecto (por este motivo qualificado como
potencial ou passivo) – e a da faculdade de ser compreendido – própria da
forma. Ainda aí, a actualização deve resultar de uma causa já actuante, a que
Aristóteles chama intelecto activo, ou produtivo; e por esse intelecto estar
sempre actuante, ele parece separado da alma intelectiva, e eterna. Todavia,
Aristóteles muito pouco diz a esse respeito para que se possa compreender se
ele é individual e se, como tal, implica a imortalidade da alma intelectiva de
cada homem.
À capacidade de conhecer da alma, acrescenta-se a sua capacidade para
desejar, ou desejo (orexis), tendo por objecto um bem que pode ser sensível,
isto é particular, ou inteligível, isto é universal. Quando um bem inteligível é
reconhecido como tal pelo intelecto, o desejo desse bem toma o nome de
«vontade»; esse desejo leva o homem a apropriar-se desse bem, pela acção
(praxis), e daí o qualificativo de «prático» que nesse caso se dá ao intelecto.

Aristóteles dedicou uma atenção particular aos animais; descreveu a


anatomia e a psicologia de cerca de cinco centenas deles, na História dos
Animais, estudando as partes dos seus corpos na obra Das Partes dos Animais e
a sua reprodução em Da Geração dos Animais. Tais investigações fizeram com
que fosse considerado o pai da zoologia (embora ele pense que esta faz parte da
física). Segundo as suas particularidades anatómicas e fisiológicas, Aristóteles
classificou os animais em duas categorias, os que têm sangue e os que o não
têm, e entre os «sanguíneos» distingue os vivíparos dos ovíparos. No seu
estudo das partes dos corpos, distingue as partes homogéneas (como os tecidos)
e as partes heterogéneas (como os órgãos) e analisa a função de cada órgão. O
tipo de explicação que ele adopta com maior frequência é de tipo finalista: um
tecido é feito para um órgão, um órgão para uma função e uma função para a
vida do organismo, globalmente compreendida. Para compreender a anatomia e
a fisiologia dos animais, Aristóteles utiliza muitas vezes a analogia, observando
que órgãos diferentes têm a mesma função em animais diferentes (por exemplo
os pulmões nos mamíferos e as guelras nos peixes).
Quanto à reprodução animal, Aristóteles considera que ela resulta da
transmissão da alma (ou seja, da forma) pelo progenitor masculino e da matéria
(ou seja, do sangue menstrual) pelo progenitor feminino. O vector da forma é
aquilo a que o filósofo chama o pneuma (sopro), contido no sémen, que
transmite ao ser engendrado o calor vital e que, por uma sucessão de impulsos
mecânicos, leva a matéria do embrião a organizar-se de maneira a dispor os
órgãos nos seus lugares. Estes formam-se um após o outro, começando pelo
coração, segundo um processo a que se chamará mais tarde «epigénese»,
seguindo um plano pré-estabelecido e organizado pela forma. O termo e o fito
de todo o processo é o indivíduo integralmente formado.

«Filosofia primeira» ou metafísica


Na Metafísica – título dado à obra pelos editores para significar que ela se
coloca após as obras de física – Aristóteles apresenta a sua «filosofia primeira»,
assim chamada porque investiga as causas primeiras de toda a realidade
(Metafísica, A). O método próprio desta ciência é o método aporético; este
consiste em formular «aporias» (problemas), em considerar para cada uma
delas hipóteses de soluções contraditórias, em estudar as consequências dessas
hipóteses e em reter as que melhor resistirem às objecções (Metafísica, B). Para
que a filosofia primeira conserve a sua unidade e se distinga das outras
ciências, Aristóteles faz observar que todas as causas aqui examinadas são as
do ser considerado enquanto tal, ou seja de maneira universal, ao passo que as
outras ciências examinam as causas ou os princípios de uma variante particular
do ser. O ser enquanto tal (ou seja, todos os seres) está submetido aos
princípios de todas as demonstrações, tanto o da não-contradição como o do
terceiro excluído, e por conseguinte cabe à filosofia primeira submetê-los a
exame. Esses dois princípios não podem ser demonstrados, mas podem ser
defendidos pelo expediente da refutação das suas negações (Metafísica, ).
O termo «ser» é empregue segundo múltiplas acepções, sendo a primeira a
de substância (ousia), e estabelecendo-se todas as outras por relação com ela.
Isso significa que todo o objecto é qualificado como ser, ou porque é
substância, ou então porque tem uma relação com a substância. Por isso, a
filosofia primeira terá por tarefa investigar as causas primeiras das substâncias,
e como algumas delas (os corpos celestes) são consideradas divinas, as suas
causas serão divinas com mais razão ainda; daí o nome de ciência «teológica»
(Metafísica, E) atribuído à filosofia primeira.
Do ponto de vista da causa material, a causa das substâncias é a matéria
sensível, a saber os quatro elementos para os corpos terrestres, e o éter para os
corpos celestes. Aristóteles fala igualmente de uma matéria inteligível que
poderia ser o espaço como matéria dos objecto da matemática, que no entanto
não são substâncias (embora o fossem para Platão). Do ponto de vista da causa
formal, a causa das substâncias é a forma de cada uma delas, ou seja a sua
essência, expressa enquanto tal pela sua definição. Razão pela qual Aristóteles
chama à forma «substância primeira», segundo uma acepção diferente da das
Categorias, ou seja enquanto causa da substância. No caso das substâncias
vivas, essa substância primeira é a alma, que também é a causa final das
substâncias, uma vez que cada uma delas tende a cumprir plenamente a sua
forma e a exercer as funções das quais é princípio (Metafísica, Z). Aristóteles
considera que a matéria e a forma fazem um só com a potência e o acto, pois a
transformação não é mais do que a passagem da matéria, que possui a forma
em potência, à posse da forma em acto (Metafísica, H). Por conseguinte, para o
indivíduo, a potência precede o acto (por exemplo, o sémen precede o
indivíduo adulto); pelo contrário, dado que a transformação requer uma causa
motriz já actuante, para a espécie, o acto precede a potência (por exemplo, o
genitor precede o gerado) (Metafísica, Θ). O Uno e o múltiplo, ou o Uno e a
Díade indefinida, não são portanto os princípios de todas as coisas, como
sustentavam os platónicos. Com efeito, para Aristóteles, o Uno não é mais do
que uma unidade de medida ou um predicado tão universal quanto o ser
(Metafísica, I).
Enfim, do ponto de vista da causa motriz, as causas das substâncias são os
diversos motores terrestres, ou os genitores («Peleu é o princípio de Aquiles; o
teu pai é o teu princípio»), mas também os corpos celestes, em particular o Sol,
cujo calor torna possível a vida sobre a Terra. Deve acrescentar-se ainda que os
motores das esferas que deslocam os corpos celestes são as suas causas
motrizes e que, para produzirem um movimento eterno, esses motores têm de
agir em permanência (não serem mais do que acto), ou seja permanecerem
imóveis. O modo como esses motores imóveis põem em movimento cada
esfera não é claro: a interpretação tradicional, segundo a qual eles causam
movimento porque são objectos de amor e portanto de imitação, é de origem
platónica. Sendo o pensamento a única actividade que não implica movimento,
os motores imóveis são substâncias que pensam e estão portanto vivas, eternas
e perfeitamente felizes, ou seja são deuses. O primeiro deles, a saber o motor
das estrelas fixas, não tendo acima de si nada em que pensar, só pensa em si
mesmo, ou seja ele é «pensamento de pensamento». Ele é também o bem
supremo, que põe em movimento o universo inteiro, tal como um general
comanda um exército, como um amo organiza o seu lar e como um rei governa
o seu reino (Metafísica, Λ). Para Aristóteles, só existem estas substâncias
imóveis, ao passo que as Ideias reconhecidas por Platão não existem enquanto
substâncias, não sendo os universais mais do que predicados; as entidades
matemáticas, que os platónicos estimam serem substâncias, só existem nos
corpos, dos quais constituem os aspectos quantitativos, como os limites
(Metafísica, M). Os princípios de todas as coisas não são portanto o Uno e a
Díade infinita, mas a matéria e a forma (ou seja, a potência e o acto), bem
como os motores imóveis, ou seja o acto puro (Metafísica, N).

Ética e política
A física e a filosofia primeira são ciências «teoréticas», pois têm por fito o
conhecimento puro (theôria), tal como a matemática, mas Aristóteles considera
que existem também ciências práticas, as quais têm por fito a acção (praxis), a
acção justa, o bem. Como o bem de um indivíduo é uma parte do bem da
cidade (polis), a ciência – ou filosofia – prática que as engloba a todas é a
«ciência política», apresentada por um lado nas Éticas (a Nicómaco e a
Eudemo), que têm por objecto o bem do indivíduo, e por outro lado na Política,
que tem por objecto o bem da família e da cidade. À ciência do que é o bem
para a família chama-se também ciência económica (de oikia, «casa» ou
«família»), mas a obra dedicada a esse tema no corpus aristotelicum, a saber a
Económica, é provavelmente apócrifa. Para Aristóteles, o bem supremo, tanto
para o indivíduo como para a cidade, é a felicidade (eudaimonia); ela define-se
pela efectivação, da melhor maneira possível, das capacidades próprias ao
homem, que as exerce com virtude (aretê), isto é ao seu mais alto nível. Essas
virtudes serão dianoéticas e éticas, já que com efeito o homem não só é feito de
razão (dianoia), mas também possui outras capacidades que formam o seu
carácter (êthos), quando são efectivadas ao seu melhor nível.
As virtudes éticas acham-se no justo meio entre dois defeitos opostos, o qual
é determinado pela razão: por exemplo, a coragem é o justo meio entre a
cobardia e a temeridade, a moderação é o justo meio entre o excesso e a
insensibilidade, a generosidade situa-se entre a avareza e a prodigalidade, e
assim sucessivamente. Entre as virtudes éticas, a justiça tem uma importância
particular pois concerne as relações entre as pessoas. Quando para ela se trata
de distribuir honrarias ou poderes, a justiça (o justo meio) deve saber
proporcionar as honrarias e os méritos (justiça distributiva); mas quando se
trata de trocar vantagens ou penalizações, ela deve repartir a sua atribuição
respeitando a igualdade (justiça comutativa).
As virtudes dianoéticas são a perfeição da razão «científica» (ou teorética),
isto é a sabedoria (sophia), que se assemelha ao intelecto (nous), como
conhecimento dos princípios, e a ciência (epistêmê), como capacidade para
demonstrar a partir dos princípios; elas compreendem igualmente a perfeição
da razão prática e «calculadora», ou prudência (phronêsis), capacidade para
decidir com justeza, para escolher a boa maneira de agir, para si mesmo, para a
sua família e para a sua cidade. A prudência é superior à arte (tekhnê),
considerada como capacidade para produzir bens, porque a acção é superior à
produção (poiêsis), não se achando a finalidade da produção nela mesma, mas
no objecto produzido. Porém, a prudência é inferior à sabedoria, que é a virtude
da melhor parte do homem; para alcançar a sabedoria, é portanto a prudência
que indica quais as acções a cumprir e quais a excluir.
Segundo Aristóteles, a felicidade compreende igualmente o prazer; este não é
o bem supremo, mas sendo a felicidade definida como exercício da actividade
perfeita, o prazer decorre da sua realização. A felicidade compreende também a
amizade, que é em si mesma uma virtude quando esse sentimento aproxima
pessoas de qualidade. Contudo, mesmo na hipótese de serem reunidas todas as
qualidades, às quais se acrescentariam algumas vantagens como a saúde, um
certo bem-estar, um físico agradável, uma boa família e bons amigos,
Aristóteles considera que a felicidade reside essencialmente na vida teorética,
ou seja numa vida inteiramente consagrada à investigação, ao estudo, às
actividades que têm por fito o conhecimento. Esse tipo de vida, com efeito, é
finalidade em si. É uma vida auto-suficiente e semelhante à que é conduzida
pelos deuses. Alguns especialistas consideram que Aristóteles limita a
felicidade à vida teorética; outros sustentam que ele inclui nela a prática de
todas as virtudes. Na realidade, a vida teorética não seria possível sem as outras
virtudes. Além disso, Aristóteles estima que a pessoa que conduza uma tal
vida, a saber o filósofo, deve igualmente mostrar aos homens políticos a
maneira de realizar o bem para a cidade e definir para ela a melhor
constituição; e isso confirma que só esse tipo de vida engloba o conjunto das
virtudes.
A cidade é a sociedade perfeita, ou seja auto-suficiente e não tendo por fim a
vida material dos cidadãos (que é o fito da família), mas o de lhes dar a
possibilidade de viverem bem, em suma a felicidade. Ela engloba a família,
sociedade natural que compreende marido e esposa, pais e filhos, senhor e
escravos. A cidade é também uma sociedade natural porque o homem é por
natureza um «animal político», no sentido em que é feito para viver na pólis. O
signo dessa natureza política do homem é que ele possui a palavra (logos),
graças à qual pode discutir com os outros acerca do que é útil e do que é justo.
No entanto, a «natureza» do homem não é definida pelo seu nascimento mas
pelo seu fim, pelo seu cumprimento, ou seja pela sua felicidade. E o homem
não pode alcançar essa felicidade senão na cidade.
Na família estão reunidas as condições necessárias à vida material, incluindo
a presença de escravos, inevitável, uma vez que «os teares não tecem
sozinhos», e a aquisição de riquezas, chamada «crematística». Todos os que
são escravos não o são por natureza; em compensação, são escravos aqueles
que não conseguem prover às suas necessidades por si mesmos; é por isso que
precisam de um amo. Nem todas as riquezas são naturais, mas são naturais
todas as que são necessárias para a satisfação das necessidades. É na cidade,
sociedade de homens livres e iguais, que se pode viver plenamente e bem. Para
aí chegar, há que se dotar de uma boa constituição, ou seja de uma boa
organização dos ofícios públicos, ou ainda de um governo instituído como deve
ser. Quando examina as seis constituições tradicionais, as três que são boas
(monarquia, aristocracia e politeia) e as três que são pervertidas (a tirania, a
oligarquia e a democracia), Aristóteles exprime a sua preferência pela politeia,
para a qual não dispõe de nome particular, o que lhe vale ser mencionada sob o
vocábulo geral de «constituição» (politeia); ela parece-lhe ser a que melhor se
adequa a uma sociedade de homens livres e iguais. De facto, a politeia é
definida como sendo o justo meio entre duas perversões opostas, a oligarquia e
a democracia; é por isso que ela ganha o nome de constituição «intermediária»,
onde é a classe média que exerce o poder. Mas, dado que não podem todos
simultaneamente governar e ser governados, é justo que todos governem e
sejam governados por sua vez, pondo-se ao serviço dos outros quando
governam e beneficiando dos serviços de outrem quando são governados. A
cidade pode assim garantir a cada um a possibilidade de consagrar um período
da sua vida a actividades que são um fim em si, como a música, a poesia e a
filosofia.

Retórica e política
As duas primeiras obras do corpus aristotelicum, a Retórica e a Poética, são
dedicadas à apresentação de duas «artes» (ou técnicas), respectivamente a arte
de construir discursos persuasivos e a arte de escrever poesia.
A retórica ensina a encontrar instrumentos de persuasão (pisteis) de tipo
técnico, ou seja argumentações. É por isso que ela acompanha, de modo
«especular» (antistrophos), a dialéctica, técnica da argumentação geral, com a
qual tem em comum o facto de argumentar sobre tudo, partindo de pontos de
vista opostos; diferencia-se dela por se dirigir a um auditório que permanece
mudo mas nem por isso deixa de ajuizar. Aristóteles distingue três tipos de
argumentações retóricas: as que são deliberativas (visando persuadir uma
assembleia política e debater uma dada decisão), as que são judiciárias
(visando defender ou acusar uma pessoa inculpada), e as que ele qualifica
como epidíticas (visando celebrar ou recriminar uma personagem pública).
Aristóteles chama «entimema» (enthumêma) à argumentação retórica, talvez
porque ela age igualmente sobre o coração (thumos); define-a como um
silogismo, uma dedução que decorre de premissas verosímeis (eikota), ou seja
partilhadas pela audiência, como os endoxa, que não são válidos em todos os
casos mas somente na maior parte deles. Este tipo de argumentação pode
também partir de «signos»; se esses «signos» forem necessários e certos, são
então «provas»; senão, só estabelecem a verosimilhança. O entimema deve
igualmente ser mais sucinto que o silogismo didáctico, devendo passar em
silêncio as premissas mais evidentes, para não enfadar a audiência. Além disso,
a arte retórica ensina a tomar em consideração outros factores de persuasão,
como o carácter (êthos) do orador, que deve ser uma pessoa credível, ou ainda
as paixões (pathê) da audiência, que a fazem pender em favor de um ou outro
argumento. É por isso que Aristóteles considera a arte retórica como um
«ramo» da ciência política, relativo justamente aos caracteres e às paixões. Por
fim, o filósofo assinala a importância da elocução (lexis), da maneira de falar e
do estilo do orador.
Para Aristóteles, a poesia é mimêsis, o que não significa imitação passiva,
mas representação, capacidade para fazer viver uma ficção como se ela fosse
real. Ela pode tomar por objecto personagens nobres, e nesse caso trata-se de
poesia épica ou trágica; no caso das personagens não nobres, trata-se de poesia
cómica. A poesia épica e a tragédia diferenciam-se assim: a primeira só
transmite a narrativa dos factos ao passo que a segunda os representa de
maneira dramática. Esta última característica remete também para a comédia.
A Poética dá uma célebre definição da tragédia dizendo que ela consiste na
«imitação de uma acção que forma um todo, é grave e apresenta uma certa
nobreza, segundo uma forma não narrativa mas dramática e que, por meio da
compaixão e do terror, permite a purificação das paixões semelhantes». O
elemento mais importante aqui é a ideia de «purificação» (katharsis), que
parece livrar paixões como a compaixão e o terror dos elementos dolorosos que
tais sentimentos apresentam na vida real, procedendo de modo a que eles se
tornem agradáveis. O prazer associado a uma tal imitação é, como sempre para
Aristóteles, o de conhecer, ou seja de aprender. Enquanto a catarse produzida
pelo canto educa os jovens nas virtudes éticas (tal como é dito na Política), a
catarse produzida pela tragédia educa os adultos nas virtudes dianoéticas, ou
seja na prudência.
Se a catarse é a finalidade própria da tragédia, o elemento mais importante
desta é o «mito» (a história representada); ele deve propor factos que possam
produzir-se, seja verosimilmente, seja necessariamente, isto é o mais das vezes
ou sempre. É por isso que Aristóteles diz que a poesia é «mais filosófica» que a
história, por ser mais apta a conduzir em direcção ao conhecimento. Com
efeito, a história faz a narrativa de casos particulares, ao passo que a poesia, ao
representar o verosímil, dá a conhecer o universal. Na Poética, Aristóteles
ilustra igualmente os outros elementos da tragédia e da poesia épica
(catástrofes, peripécias, revelações, intrigas e resoluções, caracteres, etc.),
embora não estude tão profundamente a comédia, talvez porque o segundo
livro da obra – hoje em dia perdido – lhe era dedicado.
ENRICO BERTI
Os saberes e as ciências na cidade grega

Arqueologia do saber científico


Como e quando nasceu o pensamento científico na Grécia? Uma tendência
historiográfica muito difundida descobre-lhe as origens no novo olhar votado à
natureza pelos pensadores (Aristóteles chamar-lhes-á justamente physiologoi)
dos séculos VI e V a.C., entre os quais os milésios (Tales e sobretudo
Anaximandro e Anaxímenes), Heraclito e, mais tarde, Anaxágoras e
Demócrito. Apesar do seu profundo enraizamento na tradição mitológica e da
sua opção por uma linguagem poética, ou mesmo oracular, as suas ambiciosas
hipóteses cosmogónicas e cosmológicas abriram certamente caminho a uma
compreensão da natureza de tipo racional; todavia, tais hipóteses permanecem
muito afastadas daquilo a que hoje em dia chamamos «ciência», mesmo no
sentido lato do termo.
De maneira paradoxal, o pensamento de um filósofo como Empédocles,
fortemente caracterizado por traços místicos e mágicos, marca uma orientação
bem mais significativa nesta direcção: a sua concepção de uma natureza
material composta por quatro elementos (ou «raízes»: terra, água, fogo, ar) terá
uma influência decisiva na física de Aristóteles, e através dela numa grande
parte da física antiga. Mas é evidente que também Empédocles se mantém
muito distante de uma forma de pensamento científico quanto ao fundo e ao
método.
Na origem dos saberes de tipo matemático, encontram-se em primeiro lugar
as especulações numerológicas atribuídas a Pitágoras, que atingem o seu auge
entre os séculos V e IV, na obra de Filolau de Crotona. A origem desse interesse
pitagórico é mais de ordem místico-religiosa do que matemática. A descoberta
dos números irracionais, considerada um escândalo inadmissível, e o axioma
da indivisibilidade do um (princípio intangível da realidade) constituem um
verdadeiro obstáculo epistemológico para toda a aritmética antiga.
Por outro lado, a lógica da escola de Eleia contribui para a construção da
racionalidade matemática, principalmente com a demonstração pelo absurdo,
utilizada por Zenão, que consistia em provar a verdade de uma proposição
demonstrando a falsidade do seu contrário. É neste tipo de prova que se funda
um dos métodos mais elaborados da geometria grega, a «exaustão», usada por
Eudoxo e mais tarde por Arquimedes. Mas os instrumentos lógicos dos eleatas
tendem mais a estabelecer a impossibilidade do saber científico
(nomeadamente ao defenderem a nossa incapacidade para pensar o múltiplo e o
movimento) do que a fundá-lo.

As referências epistemológicas do século IV a.C.:


Platão e Aristóteles
As grandes filosofias do século IV – as de Platão e de Aristóteles –
forneceram os elementos epistemológicos de base que orientariam modo
duradouro o processo de formação dos saberes científicos; com efeito, elas
suscitam uma reflexão aprofundada sobre as origens recentes de tais saberes.
Platão atribui uma posição privilegiada aos saberes matemáticos e em
primeiro lugar à geometria; coloca-os logo a seguir à dialéctica filosófica, que
continua a ser «o cume das ciências»97. Tal privilégio explica-se pelas
propriedades de abstracção e de conceptualização que Platão atribui aos
processos matemáticos, os quais parecem portanto capazes de levar o espírito a
afastar-se progressivamente dos conhecimentos empíricos (forçosamente
instáveis e subjectivos) para se aproximar do conhecimento dos objectos
noéticos, invariantes e susceptíveis de um saber verdadeiro e perdurável (ideias
ou Formas). Platão formula um princípio que acompanhou as ciências
matemáticas quase até aos nossos dias: a função delas é a «descoberta» das
propriedades dos objectos ideais dotados de uma existência autónoma e não a
«construção» de tais objectos. Platão desempenhou portanto um papel de
«arquitecto» em relação ao conjunto dos saberes matemáticos.
Com efeito, por um lado a epistemologia platónica age poderosamente em
reforço do rigor conceptual, anti-empírico, dos procedimentos de demonstração
matemáticos, e da extensão destes à astronomia. Por outro lado, ela age como
uma espécie de obstáculo epistemológico ao desenvolvimento da matemática
grega, ao interditar o recurso aos procedimentos instrumentais de construção
geométrica, à observação empírica em astronomia e, em geral, mostrando-se
hostil a toda a aplicação prática da matemática.
Convém igualmente notar a ambiguidade da posição de Platão quanto a um
saber nascente que havia desempenhado um importante papel cultural no
século V: a medicina. Se a medicina ocupa, segundo Platão, a posição mais
baixa na hierarquia dos saberes, por ser pouco susceptível de ser matematizada,
contrariamente à arquitectura, não obstante ele vê nela um modelo ético-
político de grande valor, que oferece o exemplo de uma técnica racional eficaz,
de um saber-poder bom e que actua mais no interesse dos seus sujeitos (os
doentes) do que no seu próprio interesse: sob este ponto de vista, a medicina
prefigura o modelo de um poder filosófico fundado no saber e capaz de agir
para o bem da cidade, em lugar de a oprimir ao jeito dos tiranos.
O trabalho epistemológico de Aristóteles apresenta-se de maneira mais
homogénea e o seu poder de orientação sai com isso reforçado. Nos Analíticos,
o filósofo oferece uma formalização definitiva para as normas de construção do
saber teórico ao defini-lo como um sistema de axiomas e de deduções; esta
nova orientação normativa contribui para transformar de maneira definitiva a
ciência geométrica nascente num conjunto teoremático compacto; a
transformação é completada e concluída perto do final do século IV, graças à
obra maior de Euclides, os Elementos.
Por outro lado, Aristóteles recusa o primado exclusivo que Platão atribui aos
saberes matemáticos. As ciências da natureza beneficiam, segundo ele, de um
duplo privilégio: os seus objectos possuem o carácter ontológico das
«substâncias» (ousiai), ou seja são dotados de uma existência autónoma, plena
e inteira, e os processos do mundo vivo são organizados de forma finalista, ou
seja visam realizar um telos imanente. Os saberes correspondentes estabelecem
o primado da explicação teleológica, a mais satisfatória segundo Aristóteles, e
a mais apta a revelar a ordem «divina» que opera na physis98. Mas Aristóteles
visa também criar uma nova ciência do vivente, como é testemunhado pela
quantidade de tratados que dedicou a tal assunto.

O nascimento dos saberes científicos


Apesar da importância das ideias dos antigos pensadores da natureza (os
physiologoi) na fase de gestação dos saberes, e a influência determinante das
grandes epistemologias nos seus processos de formação, deve considerar-se
que não se pode verdadeiramente falar de ciências a menos que esteja
historicamente verificada uma série de condições. Elas podem resumir-se
assim:
1. Quando domínios de conhecimentos e de competências técnicas
ultrapassam o limiar da escrita e dão lugar ao estabelecimento de textos que são
propostos à discussão pública e constituem uma base para um crescimento
cumulativo dos conhecimentos, criando o embrião de uma «bibliografia»
especializada. Foi o que se produziu na segunda metade do século V para a
medicina, a arquitectura, a geometria, a astronomia calendar (a zoologia e a
botânica teriam de esperar até ao século IV e a mecânica até ao século III).
2. Quando, em função das técnicas (technai) e dos saberes presentes numa
comunidade de cidadãos (polis) se constituem grupos profissionais
publicamente identificáveis (como o de Asclépio para a medicina),
comunidades científicas embrionárias, espontâneas e auto-reguladas (como a
dos matemáticos), ou grupos que conduzam actividades de investigação
especializadas no seio de escolas filosóficas (como para a geometria e a
astronomia na Academia de Platão ou para a zoologia e a botânica no Liceu de
Aristóteles) e que se dotem da sua literatura própria, sistemática e mesmo
historiográfica.
3. Finalmente, quando os conhecimentos elaborados e tornados públicos são
defendidos segundo um argumentário racional, publicamente controlável e
transmissível no ensino, baseado em observações, experiências e confrontações
com as teses opostas.
De um ponto de vista cronológico, o primeiro saber que terá respondido pelo
menos em parte a estas condições foi a medicina (que seguidamente seria
integrada nas ciências da vida), e é por isso que ela ocupa aqui o primeiro
lugar.

A medicina e as ciências do vivente


As origens e o Corpus Hipocrático
Desde sempre a sociedade grega conheceu práticas destinadas a tratar e a
sarar. Disso encontramos diversos testemunhos nos poemas homéricos: na
Ilíada são evocados dois guerreiros cirurgiões, Podalírio e Machaon. Na
Odisseia, o médico tem um estatuto mais modesto: trata-se de um artesão
itinerante, como o adivinho ou o carpinteiro, que anda de aldeia em aldeia para
oferecer os seus serviços aos doentes99. A formação destes primeiros médicos
era totalmente da iniciativa deles: a arte transmitia-se oralmente de pai para
filho, de mestre para discípulo. Tal situação perduraria sem grandes alterações
durante toda a Antiguidade. Com efeito, não se deverá esquecer que nem a
sociedade grega nem a sociedade romana conheciam faculdades de medicina,
hospitais ou instituições públicas susceptíveis de garantirem a formação dos
médicos, ou legislação que lhes pudesse regular as actividades. Quem o
desejasse poderia pois dizer-se médico. Essa situação, por mais surpreendente
que possa parecer, tinha consequências negativas mas igualmente positivas.
As primeiras são evidentes: o exercício da medicina estava acessível a todos,
incluindo a pessoas sem competência alguma, a charlatães e a impostores, com
os riscos que isso comportava para quem se confiasse às mãos deles. Mas os
aspectos positivos compensavam os aspectos negativos. Para serem
distinguidos dos seus concorrentes, os médicos profissionais tinham de mostrar
que possuíam uma rigorosa preparação científica, estudando a medicina ao
longo de toda a sua vida; tinham além disso de se dotar de um código moral
preciso, ou seja de uma «deontologia» médica. Um outro efeito positivo da
ausência de regulamentação oficial era a total liberdade de investigação de que
beneficiava a medicina antiga. Na cultura egípcia, esta profissão era
minuciosamente enquadrada como um sacerdócio particular e uma transgressão
das normas estabelecidas poderia, de uma vez por todas, ser punida com a
morte. Os médicos gregos e romanos não conheceram nada disso e
permaneceram livres de tratar doentes explorando novas vias, de elaborar
teorias debatendo-as entre si e de não ajuizar a validade destas senão pela força
da argumentação e pela eficácia terapêutica.
Em meados do século V, assistiu-se porém a uma mudança radical no
domínio da elaboração e da transmissão do saber médico. Grupos de médicos,
que oficiavam em Cnide e sobretudo em Cós (onde dominava a autoridade do
fundador, o grande Hipócrates), começaram a assentar por escrito os
conhecimentos acumulados até então. Assim se constituiu uma compilação de
escritos médicos que mais tarde foram atribuídos ao próprio Hipócrates, daí o
seu nome de Corpus Hipocrático, embora não se saiba quais as partes que terão
sido redigidas por ele próprio. Para o exercício e o ensino da medicina, estes
escritos constituíam uma referência mais segura e mais homogénea do que as
noções anteriormente transmitidas oralmente e de mestre a discípulo. Na
mesma época formou-se uma associação profissional (ou «corporação») de
médicos que tomou o nome de Asclepíades, segundo Asclépio, a divindade
mais apta a propiciar a cura.

Os escritos médicos podem ser divididos em dois grupos principais. O


primeiro grupo de textos releva da função dos manuais, auxiliares da memória
para uso dos médicos em viagem longe do seu mestre: trata-se portanto de
recolhas de casos clínicos exemplares, de súmulas relativas aos sintomas e aos
diagnósticos aferentes, de indicações terapêuticas. Pelo contrário, o segundo
grupo compreende textos que relevam daquilo a que se poderia chamar
propaganda e destinados a defenderem o prestígio e a eficácia da arte médica
nascente junto de um público culto ou junto de potenciais pacientes, embora
contestando as capacidades das práticas rivais, tanto para fornecer a cura como
para conhecer a natureza humana.

O saber médico como modelo cultural


A medicina «hipocrática» teve rapidamente um imenso impacto cultural, que
lhe conferiu um notável prestígio durante a segunda metade do século V. Ela
apresentava-se como um saber competente e eficaz no domínio mais
importante da vida dos homens, o da saúde e da doença. Tratava-se de um
conhecimento inteiramente baseado em procedimentos e em métodos racionais,
publicamente controláveis (contrariamente à magia) e transmissíveis através do
ensino; tratava-se igualmente de uma profissão que atribuía a si mesma um
código moral.
Num primeiro tempo, a autopropaganda da medicina revestiu-se de um estilo
enfático, proclamando uma infalibilidade terapêutica sem nenhuma relação
com a possibilidade de eliminar as doenças100. No entanto, perante a evidência
de repetidos fracassos terapêuticos – cujo mais notório se manifestou aquando
da peste que atingiu Atenas em 430-429, anos durante os quais a medicina
permaneceu totalmente impotente diante dos efeitos catastróficos da epidemia
–, os médicos tiveram de adoptar uma atitude mais prudente.
Por um lado, renunciaram à tese segundo a qual a medicina já havia
descoberto tudo e insistiram antes no próprio método; seria esse método novo
que iria permitir, «durante um longo período», aperfeiçoar a realização dessa
ciência (é a tese do importante texto metodológico intitulado A Antiga
Medicina). Por outro lado, os médicos deram prioridade ao seu empenhamento
profissional e moral, bem como ao esforço para tomarem a seu cargo toda a
vida do paciente, antes e durante a doença. Deve destacar-se esta passagem
fundamental do texto hipocrático das Epidemias: «descrever o passado,
compreender o presente, prever o futuro: eis a tarefa. Tratar as doenças com
dois objectivos: ser eficaz ou não ser nocivo. Os três elementos fundamentais
da arte são a doença, o doente e o médico. O médico é o ministro da arte: o
doente deve lutar contra o mal com o médico».

O saber dos médicos «hipocráticos»


Se é certo que no seu início a medicina constituiu um modelo muito sedutor
para a cultura do seu tempo, tanto pelo rigor dos seus métodos como pela sua
postura moral, como avaliar os seus verdadeiros conteúdos científicos e os seus
procedimentos terapêuticos?
Para responder a esta pergunta, deve antes de mais notar-se que o saber
médico da época hipocrática (séculos V e IV) permanecia submetido a uma
dupla carência. Em primeiro lugar, os médicos não dispunham de nenhum
conhecimento anatómico e fisiológico; em suma, eles não sabiam nem como
eram feitos nem como funcionavam os órgãos internos do corpo, e tais lacunas
não seriam colmatadas antes do século III a.C. Em segundo lugar, eles não
dispunham de nenhum remédio farmacológico de tipo «químico», semelhante
aos que hoje em dia conhecemos, e não podiam fazer mais do que recorrer a
extractos ou a infusões de origem vegetal (plantas curativas) ou, mais
raramente, animal – às quais convirá acrescentar as intervenções cirúrgicas,
como a amputação das partes infectadas ou a cauterização das feridas.
Esta dupla carência ajuda a compreender a estruturação particular da
medicina hipocrática. Os médicos conheciam os elementos que entram no
organismo (alimentos, bebidas, ar inspirado). Supunham que no interior do
corpo – uma espécie de «caixa negra» para a fisiologia hipocrática – se
produzia um fenómeno de «cozedura» desses elementos, transformando-os em
fluidos orgânicos essenciais, os «humores». Esses humores podiam ser
observados quando saíam do corpo: tratava-se sobretudo do sangue (visível
aquando de hemorragias ou feridas), do fleuma (muco ou catarro), e da bílis
amarela ou negra (detectável na urina ou nos excrementos). Numa pessoa de
boa saúde, tais humores eram em quantidade equilibrada, misturavam-se bem e
não eram tóxicos. Pelo contrário, em caso de doença, o organismo não
conseguia transformar («cozer») de modo apropriado os elementos nele
entrados; por isso, à saída do corpo, eles apresentavam quantidades excessivas
e desequilibradas (sendo pois as doenças dos aparelhos respiratório e digestivo
as principais patologias da medicina hipocrática).
A doença era provocada por numerosos factores: a estação, o clima, a idade,
o tipo de alimentação e o modo de vida do paciente. O meio (para o ar
respirado e a água bebida) tinha uma importância particular no
desenvolvimento das patologias individuais ou colectivas, como disso presta
testemunho o importante texto sobre Ares, águas, locais, destinado ao médico
itinerante, e que constitui o mais antigo texto de medicina ambiental e
etnográfica.
Para prevenir a doença ou para tratá-la uma vez declarada, o médico
hipocrático deveria portanto agir sobre os elementos que entravam no
organismo, estabelecendo em primeiro lugar um regime alimentar muito
preciso. Seguidamente, podia melhorar as capacidades de funcionamento do
corpo recorrendo a uma combinação de exercícios físicos, de banhos e,
globalmente, de hábitos de vida. Era assim que a medicina se constituía como
um conjunto que visava tratar com atenção o próprio modo de vida do paciente,
antes, durante, após a doença, e tomando a seu cargo toda a existência deste. A
orientação higiénica, profiláctica e dietética predominou na medicina antiga
durante séculos e constituiu a parte mais eficaz dela (a isso se somavam ainda
as preparações vegetais purgativas, depurativas ou adstringentes). Para além
dessa atenção particular aos regimes dos seus pacientes, os médicos
hipocráticos desenvolveram uma outra competência excepcional, a do
prognóstico. Graças à observação dos «sinais» ou sintomas (a aparência do
paciente, os seus suores ou os seus excrementos, o seu comportamento), eles
eram capazes de prever com incrível precisão a evolução da doença (não
devemos esquecer que se tratava muitas vezes de acessos de febre aparentados
à malária).
Estabelecer um prognóstico exacto era importante pois isso não iria servir
apenas para fornecer as bases nas quais apoiar a intervenção terapêutica; a
previsão da evolução da doença, caso ela se verificasse, servia também para
ganhar a confiança do doente e de quem o rodeava, atestando que o médico era
verdadeiramente um homem da arte e não um charlatão. Sete séculos mais
tarde, Galeno, cujas capacidades de previsão lhe valeram uma acusação de
feitiçaria por rivais ciumentos, respondia simplesmente: «Não há nisso
feitiçaria alguma; mas estudei o Prognóstico de Hipócrates.»

A revolução anatómica e a medicina helenística


No início do século III a.C., produziu-se uma mudança radical na história da
medicina antiga: a descoberta da anatomia interna do corpo e dos grandes
processos fisiológicos que dela derivam. Esta mudança, que fez progredir de
forma decisiva os conhecimentos do tempo de Hipócrates, foi tornada possível
por dois factores convergentes, ainda que muito diferentes.
O primeiro refere-se à zoologia aristotélica, exposta nos grandes tratados
História dos Animais, Partes dos Animais, Geração dos Animais, e em outros
textos menores. Fundador desta nova ciência, Aristóteles havia recorrido,
sistematicamente e pela primeira vez, à dissecção dos corpos dos animais;
descobrira assim a forma e a função dos órgãos internos. Cérebro, pulmões,
coração, fígado, veias, músculos e ossos achavam-se agora colocados no centro
da investigação biológica, em lugar dos «humores» que dominavam na
fisiologia hipocrática. Ainda que tivesse limitado as suas observações aos
animais, Aristóteles demonstrava assim que a anatomia era a principal via de
acesso à compreensão da estrutura e das funções dos órgãos, e que a medicina
não poderia mais escapar ao estudo de um tal campo de pesquisa. Além disso,
o seu axioma teleológico, segundo o qual todos os processos e toda a estrutura
do mundo vivo podem e devem ser explicados por referência à sua função
própria, constituiu o fundamento de uma fisiologia nova.
O segundo factor de mudança foi de natureza institucional. No início do
século III, Ptolomeu, rei do Egipto, fundou na sua capital, Alexandria, duas
grandes instituições culturais: a Biblioteca, onde se reuniram progressivamente
todos os livros antigos (incluindo os textos médicos atribuídos a Hipócrates) e
o Museu, onde os maiores sábios do mundo grego foram convidados a residir a
fim de concluírem livremente as suas investigações a expensas do rei.
Foi justamente no Museu que os grandes médicos do século III Herófilo e
Erasístrato puderam conduzir as suas revolucionárias pesquisas anatómicas.
Nesse local, dispunham do tempo e dos meios necessários para se dedicarem
aos estudos; além disso, o rei autorizara-lhes a dissecção de cadáveres humanos
(o que era interdito até então) bem como a vivissecção dos corpos dos
criminosos condenados à morte.
Tudo isso permitiu responder ao desafio lançado à medicina por Aristóteles e
fazer descobertas que em numerosos aspectos ultrapassaram as do próprio
mestre. Pode estabelecer-se do seguinte modo a lista das mais importantes
dessas descobertas:

1. Descobriu-se o sistema nervoso, com os seus dois subsistemas, sensorial


e motor, que ligam ao cérebro os órgãos dos sentidos e o sistema dos tendões
e dos músculos. Por isso o cérebro foi reconhecido como órgão central da
sensação e do movimento, e seguidamente de todos os processos psico-
fisiológicos, incluindo o pensamento (ao passo que Aristóteles atribuía tais
funções ao coração);
2. Reconheceu-se a diferença entre as artérias e as veias, bem como as
relações entre cada sistema e os diferentes ventrículos do coração, ao qual
foi atribuída a função de «bomba» para a circulação do sangue no
organismo;
3. Descobriu-se que a pulsação (o pulso) era importante para operar um
diagnóstico; fabricaram-se instrumentos para medir a temperatura do corpo
(termómetros).

Deve porém dizer-se que, para tratar as doenças tradicionais, a medicina da


época helenística não introduziu inovações substanciais em relação às velhas
terapias hipocráticas. A profilaxia, a higiene, a dieta, o regime, a observação
dos sintomas para estabelecer um prognóstico, permaneceram no centro das
práticas terapêuticas e em nada foram influenciadas pelas novas descobertas
anatómicas e fisiológicas. Foi assim que se estabeleceu uma ruptura entre o
nível teórico do saber médico, revolucionado pelas novidades vindas de
Alexandria, e o seu nível prático, que se manteve na tradição hipocrática, mais
ou menos inalterado.

As escolas de medicina
A partir do século III, esta fractura suscitou o nascimento de diferentes
escolas ou correntes («seitas»). Para seguir a orientação dada pelas descobertas
de Herófilo e Erasístrato, assistiu-se à formação da corrente dos «dogmáticos»
(ou racionalistas). Estes sustentavam que os sintomas visíveis (externos) se
explicavam por causas invisíveis (internas), reveladas pela anatomia; os
cuidados de saúde deveriam então referir-se às causas e já não aos sintomas. A
anatomia e a fisiologia integraram portanto a formação do médico, tornando-a
muito mais longa, mais difícil e certamente mais onerosa.
Aos dogmáticos racionalistas opunha-se a corrente da medicina «empírica»,
fundada por Filinos de Cós no século III. Segundo esta corrente, a prática
médica não se deveria apoiar senão na experiência, sem jamais recorrer nem à
explicação pelas causas nem ao estudo anatómico. A experiência – a do médico
e sobretudo a que estava contida nos textos da tradição hipocrática – bastava
para saber que remédios convinham como resposta a um ou outro conjunto de
sintomas.
Finalmente, entre os romanos, no século I a.C., formou-se uma terceira
tendência, a dos médicos «metódicos», fundada por Temiso e dirigida no
século seguinte por Tessálio. Estes médicos eram radicalmente hostis a toda a
tradição médica que, segundo eles, havia complicado inutilmente os
conhecimentos necessários à sua formação. Era possível preparar-se um bom
médico em seis meses, o que deveria permitir responder à crescente procura
nas grandes metrópoles do Império. Com efeito, segundo eles, todas as doenças
se podiam referir a dois estados do organismo: o estado de «prisão de ventre»
(donde, por exemplo, as tosses secas, as anemias, o próprio tolhimento dos
intestinos) ou o estado de «soltura» ou de «fluidez» (responsável pelas
constipações, as diarreias, as hemorragias).

Galeno ou a refundação da medicina


A existência de «seitas» rivais constituía um escândalo para Galeno, o maior
médico e um dos sábios mais importantes do século II d.C.
O projecto ao qual Galeno consagrou a sua imensa produção científica foi o
de transformar os saberes da medicina num sistema único, homogéneo,
coerente e unificado, tomando por modelo a geometria euclidiana. Dever-se-ia
poder ascender sempre dos sintomas visíveis às causas destes, que se achavam
nas estruturas anatómicas e na composição material dos corpos; seguidamente,
poder-se-ia deduzir do conhecimento das causas as indicações apropriadas para
o diagnóstico, o prognóstico e o tratamento das doenças. Os dois pilares em
que se deveria apoiar a estruturação do novo saber eram a razão (ou seja, o
conhecimento teórico dos corpos e das causas e a capacidade para dele deduzir
uma demonstração certa) e a experiência (o conhecimento efectivo dos
sintomas, da evolução das doenças, da eficácia dos remédios). Sem a
experiência, a mera razão permanecia abstracta e vazia, incapaz de saber «o
que fazer»; sem a razão, a experiência resultava numa prática incapaz de
compreender o «porquê» das suas próprias operações. Galeno considerava que
uma medicina unificada constituiria, ao mesmo tempo, uma poderosa ciência
da natureza, capaz de ultrapassar as discussões estéreis entre as escolas
filosóficas, e um saber terapêutico capaz de indicar de maneira indiscutível os
meios de tratar e de sarar as doenças. Graças a tal diligência, a medicina
retomaria finalmente o seu prestígio social e cultural e o seu nível de saber
exemplar, posição perdida após a época gloriosa de Hipócrates.
O saber médico elaborado por Galeno estava organizado segundo um sistema
de vários níveis. Para ele, os tecidos dos corpos eram constituídos pelos quatro
elementos da física aristotélica, afectados por «qualidades» correspondentes:
água/líquido, terra/seco, fogo/quente, ar/frio. Estes elementos-qualidades, e os
«humores» que deles derivam (fleuma, bílis amarela e negra, sangue) dão lugar
a misturas («temperamentos») segundo proporções variáveis. Existe um único
temperamento óptimo, perfeitamente equilibrado, e oito tipos derivados,
segundo a predominância de um elemento ou de um par de elementos, por
exemplo a bílis negra no caso do melancólico. Esta teoria obteve um imenso
sucesso, estendendo-se ao domínio psicológico. Para Galeno, o conhecimento
dela é indispensável para adoptar medidas profilácticas (cada temperamento
requer um regime dietético diferente segundo as estações), bem como para o
diagnóstico e a terapia das doenças que procedem de cada um deles. Com
efeito, as doenças relevam habitualmente de causas externas (o clima, a
alimentação, etc.), mas as consequências delas variam segundo o
temperamento próprio de cada doente.
Após o nível de composição dos corpos e dos tecidos segundo os elementos e
os humores, encontramos o nível dos órgãos, que releva do saber anatómico e
fisiológico, ao qual Galeno dedicou várias obras maiores (Procedimentos
Anatómicos, Do Uso das Partes do Corpo Humano, Dos Dogmas de
Hipócrates e de Platão). Neste domínio, a finalidade natural aparece muito
claramente (de acordo com os princípios do finalismo aristotélico e estóico),
com a ordem providencial que rege a natureza ao adaptar perfeitamente os
órgãos às funções.
A psicofisiologia de Galeno apresenta igualmente um interesse filosófico. No
seguimento do Timeu, Galeno situa a sede da alma racional no cérebro, a da
alma irascível no coração, a da alma desejante no fígado. A relação entre o
corpo e a alma corresponde àquela que existe entre o órgão e a função: tal
como a visão é a função do olho, a inteligência e a moral são a do cérebro, a
emoção a do coração, e o desejo a do fígado.
Mas ao prosseguir o raciocínio, poderá dizer-se por exemplo que a idiotia e a
loucura são as consequências de lesões ou de malformações do cérebro,
exactamente como a cegueira é uma consequência das doenças do olho.
Portanto, se os desvios intelectuais e morais dependem de doenças orgânicas, o
tratamento deles dependerá não do educador, do filósofo e do moralista, mas
exclusivamente do médico. Em As Faculdades da Alma Seguem os
Temperamentos do Corpo, Galeno defende que o médico poderá intervir
tratando os órgãos e, com eles, as suas funções; por esse meio, ele melhorará a
inteligência e o sentido moral do paciente.
No entanto, outras doenças, resultantes do desenvolvimento do embrião, são
congénitas e por conseguinte não podem ser saradas. Nesses casos de
diagnóstico funesto, o médico não pode fazer mais do que pedir a morte do
indivíduo anormal, não porque este seja responsável por qualquer má acção,
mas porque é perigoso para a sociedade (As Faculdades da Alma, cap. 11).
Estes textos de Galeno desenvolvem uma argumentação rigorosa mas que
conduz a consequências inquietantes e dificilmente aceitáveis; aqui, a medicina
antiga chega a reivindicar o direito de pronunciar diagnósticos que se
transformam em sentenças inapeláveis. Aliás, essa é uma consequência última
do controlo exercido sobre o modo de vida anteriormente reivindicado pela
medicina hipocrática. O projecto de Galeno de refundação da medicina chega a
um extremo: atribuir à medicina a função de controlar a saúde moral e
intelectual da sociedade; assim estabelecida em bases científicas, essa função
deveria tomar o lugar que a filosofia tradicionalmente reivindicava.
Galeno tinha efectivamente consciência, no final do século II d.C., de haver
atingido uma posição terminal. Percebia os sinais de uma iminente crise da
sociedade e da cultura que o seu pensamento reflectia. Nisso foi bom profeta: o
declínio da sociedade imperial andou a par do das ciências e em particular da
medicina, que não conheceu outros desenvolvimentos significativos a partir do
século III d.C.

A matemática e a astronomia
Galeno contava que o filósofo Aristipo, havendo naufragado ao largo de
Siracusa, se tranquilizara ao ver na areia o desenho de uma figura geométrica,
sinal de que chegara junto de gente que conhecia tal ciência, portanto gregos, e
não bárbaros. Quando pensamos naquilo que os gregos nos transmitiram como
herança, vemos imediatamente na matemática (e em particular na
extraordinária construção de geometria contida nos Elementos de Euclides,
elaborados entre o final do século IV e o início do século III a.C.) uma espécie
de modelo da racionalidade produzida por esta cultura, bem como a
codificação duradoura da concepção ocidental do espaço. Mas a matemática
grega nem sempre relevou de um «sistema» euclidiano, a saber de um conjunto
organizado de axiomas e de deduções perfeitamente homogéneo e coerente.
Nos séculos anteriores à grande sistematização operada por Euclides, havia-se
desenvolvido um saber assaz diferente, mais baseado nos problemas do que nos
teoremas. Ele era sobretudo muito menos sistemático, no sentido em que os
princípios utilizados tinham uma função limitada, «local», e não universal
como os de Euclides. Os raros testemunhos relativos à geometria pré-
euclidiana parecem remeter para procedimentos nos quais as proposições que
faziam função de princípios para a solução de um dado problema podiam
perder essa capacidade para resolver um outro problema. Parece que esse modo
de proceder «por problemas» constitui a característica dos Elementos de
Hipócrates de Quios (século V a.C.).
As premissas decisivas para a elaboração dos axiomas da geometria por
Euclides só foram avançadas no decurso do século IV a.C.; decorriam da
reflexão conduzida na Academia de Platão, e mais tarde da epistemologia de
Aristóteles, quer fossem estritamente matemáticas ou de ordem metodológica.
Do ponto de vista epistemológico, o elemento mais importante da reflexão
aristotélica consistia na interrogação sobre o afastamento entre a forma
dedutiva necessária à actividade matemática e o carácter sobretudo intuitivo
das premissas, que são os princípios que fornecem as bases das deduções. Este
sistema axiomático-dedutivo está fundado na identificação de alguns axiomas
fundamentais, a partir dos quais se é levado a deduzir necessariamente uma
série de consequências, complexas e ligadas umas às outras. O esquema dos
Elementos de Euclides reproduz a estrutura teorizada por Aristóteles,
nomeadamente nos Segundos Analíticos.
A Academia de Platão, pelo seu lado, forneceu à axiomatização matemática
um conteúdo, mas também um contributo formal – a metodologia. Deve-se a
Eudóxio de Cnide a formulação do primeiro modelo de astronomia matemática
e diversas contribuições fundamentais para a geometria. A sua teoria das
proporções demonstrava que o domínio das relações entre as grandezas é mais
vasto que o dos números; ela oferecia, entre outras, uma solução satisfatória
para a questão da relação entre o lado e a diagonal de um quadrado, que parecia
porém irracional em termos numéricos (uma vez que não se pode exprimir essa
relação com o auxílio dos números inteiros). Foi assim que Eudóxio
subordinou a aritmética à geometria e construiu para esta última uma forte
estrutura axiomática.
Foi todavia Euclides que, pelos seus Elementos, transformou definitivamente
o saber geométrico numa cadeia de deduções rigorosas, onde uma sequência
homogénea de teoremas podia desenvolver-se a partir de um dado conjunto de
definições e de axiomas, considerados a priori como indemonstráveis. A partir
de Euclides, a geometria apresenta-se como um saber cumulativo, capaz de
integrar acrescentos sem que sejam postas em causa a coerência e a
estruturação globais da disciplina; no século III a.C., por exemplo, a teoria das
curvas cónicas de Apolónio de Perga e as descobertas de Arquimedes em
geometria, em estática e em mecânica engrandeceram o edifício construído por
Euclides sem causar dano aos seus fundamentos.

A astronomia matemática
A astronomia merece um lugar à parte numa exposição sobre a história da
matemática grega, nomeadamente porque as reflexões empreendidas na
Academia desempenharam um papel decisivo na sistematização da disciplina.
Platão havia estabelecido o quadro das normas gerais no interior do qual uma
astronomia de vocação científica se deveria desenvolver. Tratava-se de
princípios ligados à visão de conjunto que o filósofo elaborara, apoiando-se em
particular nas reflexões conduzidas pelos meios pitagóricos. Mas o ponto mais
importante é que Platão parece haver estabelecido as bases daquilo a que se
chama «o universo de duas esferas», a saber a imagem do cosmos que
dominará sem rival durante quase dois milénios (até à publicação em 1543 do
As Revoluções das Orbes Celestes de Copérnico).
O modelo cosmológico antigo propunha duas esferas fundamentais: uma, no
centro do universo, era constituída pela Terra imóvel (na época antiga, somente
Aristarco de Samos, no século III a.C., propôs um modelo que colocava o Sol
na posição central); a outra, situada nos confins do cosmos, era constituída pela
esfera das estrelas fixas. A estrutura e o movimento – quer ele seja global ou
limitado a cada um dos astros – do universo não poderiam ser pensados senão
segundo este esquema de conjunto, que permaneceu como quadro cosmológico
de referência de todo o pensamento antigo (embora tenha conhecido diversos
modelos cinemáticos).
Dado que os astros são substâncias eternas e imutáveis, os seus movimentos
não podem ser senão circulares (sendo o círculo a figura perfeita), regulares e
uniformes, ou seja racionais. Contudo, a observação revela uma série de
comportamentos desviantes dos astros e dos planetas que não respeitam tais
princípios filosóficos. Poderá dizer-se que toda a astronomia antiga,
atravessada por diferentes modelos de explicação, está marcada por esforços
que visam referir a aparente irregularidade dos movimentos planetários à
combinação de uma série de movimentos, cada um dos quais apresenta as
características de circularidade, regularidade e uniformidade estabelecidas por
Platão. A orientação geral da astronomia matemática antiga é dada por um
testemunho do neoplatónico Simplício (século VI d.C.), que avançava que a
intenção de Platão era a de «salvar os fenómenos», na ocorrência descobrindo
quais os movimentos uniformes e ordenados capazes de explicar as aparentes
anomalias dos movimentos dos astros.
Mas que anomalias eram essas? Tratava-se por exemplo do movimento anual
do Sol no círculo da eclíptica (o círculo maior que o Sol percorre num ano); ora
esse movimento não é uniforme mas mais rápido ou mais lento segundo o local
percorrido. Tratava-se também das retrogradações que afectavam a revolução
de todos os planetas ao redor da Terra (eles interrompiam o seu movimento em
direcção a leste para retrocederem em direcção a oeste, e depois dirigiam-se de
novo para leste).
Eudoxo propôs um modelo matemático complexo, visando integrar cada um
desses movimentos irregulares na estrutura de diversos movimentos que eram
eles próprios circulares, regulares e ordenados. Formulou a hipótese de que
cada planeta fosse movido por uma série de esferas (mais ou menos numerosas
segundo a complexidade do movimento aparente), providas do mesmo centro
que a Terra (daí o seu nome de «sistema das esferas homocêntricas»). Endoxo
imaginava que o planeta se encontrava na esfera mais interna de um certo
sistema, e que o seu movimento fosse determinado pelo agenciamento dos
movimentos do conjunto dessas esferas concêntricas; além disso, cada planeta
apresentava uma inclinação diferente, o que permitia explicar que o movimento
do planeta também tomasse diferentes inclinações; em consequência, o seu
movimento aparente era dado pela resultante dos movimentos (circulares e
regulares) das esferas ligadas à esfera a que esse planeta pertencia. O modelo
de Eudoxo definia-se somente como hipótese matemática. Aristóteles retomou
o modelo, dando porém uma consistência física às esferas, afirmando que elas
eram constituídas por éter (a «quinta essência», uma matéria invisível e
incorruptível).
O sistema eudoxiano das esferas homocêntricas foi substituído (ou mesmo
acompanhado) por outros modelos que conseguiram explicar melhor certas
anomalias dos movimentos planetários. Foi provavelmente através de Apolónio
de Perga e de Hiparco de Niceia que se impôs um outro modelo astronómico,
baseado nas excentricidades e nos epiciclos. O modelo excêntrico imaginava
que um planeta (por exemplo o Sol, considerado como um planeta pela
astronomia antiga) se deslocava segundo um círculo e de maneira uniforme em
torno de um centro que não era a Terra mas um ponto excêntrico, situado nas
proximidades desta; assim se tornava possível explicar como esse planeta se
podia achar mais próximo ou mais distante da Terra, embora girasse numa
órbita perfeitamente circular.
O modelo dos epiciclos formulava a hipótese de que um planeta se deslocava
(segundo um movimento circular e uniforme) num círculo de pequenas
dimensões, chamado epiciclo, cujo centro se deslocava por seu turno (sempre
segundo um movimento circular e uniforme) num círculo mais vasto (o círculo
deferente), tendo por centro a Terra ou um ponto excêntrico em relação a esta.
Esse sistema permitia não só explicar o movimento retrógrado dos planetas,
tornando-o facilmente compreensível, como também representar de modo
visível a maior ou menor distância que separava um planeta de um observador
terrestre.
Todas essas explicações foram compiladas e tornaram-se objecto de uma
sistematização definitiva no século II d.C., com a grandiosa obra de Ptolomeu,
a Composição Matemática (Syntaxis mathematikê), escrito conhecido sob o
título arabizante de Almageste. A par dos Elementos de Euclides, o Almageste
constituiria durante muito tempo a herança mais importante do pensamento
matemático grego, extraordinário pela amplitude das suas observações e das
suas medidas e pela sua capacidade para as estabelecer de acordo com modelos
geométricos rigorosos. Mas poderia dizer-se também que o próprio sucesso da
obra de Ptolomeu constituiria uma espécie de obstáculo epistemológico, pois,
pelo menos até Copérnico, ele levou ao esquecimento e ao abandono da
hipótese heliocêntrica formulada por Aristarco.
MARIO VEGETTI

97 A República, VII, 534e.

98 Partes dos Animais, I, 5.

99 Odisseia, XVII, v. 381 e segs.

100 Pode ler-se esta proclamação num dos textos mais antigos do Corpus Hipocrático, «Dos locais no
homem», cap. 46.
O atomismo antigo

O atomismo antigo desenvolve-se na Grécia do século V antes da nossa era.


Os seus principais representantes são, sucessivamente, Demócrito (cerca de
460-cerca de 360 a.C.) e Epicuro (341-270 a.C.). Um e outro sustentam que os
componentes últimos da matéria são corpúsculos indivisíveis, em movimento
num vazio infinito. Todos os corpos compostos são constituídos por essas
entidades «atómicas», ou seja «indivisíveis», de acordo com o significado do
adjectivo grego átomos. Tomado literalmente, o atomismo é pois antes de mais
uma doutrina física. Todavia, os seus apoiantes desenvolvem igualmente teses
relativas à teoria do conhecimento e à ética. A teoria dos átomos e do vazio é
por conseguinte o núcleo de um pensamento vocacionado para dar conta de
todos os aspectos do real e da existência humana.
Demócrito de Abdera incarna o primeiro atomista, ao qual se deverá associar
igualmente Leucipo, que foi provavelmente seu mestre, mas cujo contributo
doutrinário é difícil de definir. Conhecemos a filosofia dos primeiros atomistas
por intermédio dos testemunhos antigos, alguns dos quais restituem certos
fragmentos que, na sua maioria, concernem a moral. Os princípios da filosofia
natural epicurista decorrem directamente do atomismo abderitano. Sob a
inspiração de Epicuro, fundador de uma das mais importantes escolas do
período helenístico – o Jardim –, o atomismo tal como o havia definido
Demócrito goza de uma fortuna tanto mais inesperada quanto Platão não cita
Demócrito em parte nenhuma e Aristóteles formula contra ele críticas radicais.
Epicuro, por seu turno, dirige fortes objecções ao abderitano, mas no essencial
conserva a sua teoria dos átomos. Autor de um vasto tratado intitulado Da
Natureza (Peri phuseôs), do qual só nos restam alguns fragmentos, Epicuro
resumiu o essencial da sua filosofia nas cartas e nas sentenças101 que chegaram
até nós. Depois dele, a doutrina não sofrerá grandes evoluções. Será todavia
enriquecida, nomeadamente pelo epicurismo romano, do qual Lucrécio (século
I a.C.), autor do longo poema Da Natureza das Coisas (De rerum natura), é a
principal figura. Diógenes de Enoanda (século II d.C.), autor de uma imponente
inscrição mural situada no Sul da actual Turquia, é o último representante
conhecido do atomismo antigo.

Para Demócrito e Leucipo, o átomo não é um ponto matemático, mas um


poliedro. Em princípio, sendo fisicamente indivisível, ele não dispõe de partes
separáveis. Os epicuristas, pelo seu lado, afirmam a existência de partes
últimas do átomo – as minimae partes lucrecianas –, que equivalem às
unidades de medida deste. Elas são no entanto inseparáveis do átomo e, por
esse motivo, incapazes de produzirem por si mesmas os movimentos e as
agregações102.
Contra o monismo de Parménides e dos eleatas em geral, Demócrito pretende
dar conta do movimento, o que o leva a estabelecer a existência do vazio
(kenon), intervalo ilimitado necessário ao movimento dos átomos. Assim, o ser
dos átomos ou o «algo» (den) opõe-se ao vazio entendido como não-ser ou
«não-algo» (mêden). A partir daí, ainda contra Parménides, deve admitir-se que
o não-ser não é absolutamente nada, pois ele não é menos que o ser103. Os
epicuristas mantêm a dualidade átomos/vazio, ainda que concebam o vazio
mais como um meio espacial do que como um simples intervalo vago entre os
corpos.
A partir deste par de princípios, os átomos e o vazio, os atomistas concebem
uma combinatória ilimitada, capaz de dar conta de todas as modificações dos
corpos compostos. Os princípios dela são muito simples: os átomos são
ilimitados em número e movem-se incessantemente e em todos os sentidos no
vazio; possuem um número ilimitado de formas; constituem os corpos
compostos por simples agregação e as diferenças das formas atómicas
determinam as propriedades dos compostos; os mundos são em número
ilimitado e nascem ou perecem sob o mero efeito dos movimentos atómicos.
No plano cosmogónico e cosmológico, os atomistas defendem pois uma
imanência radical: nenhuma inteligência organizadora, nenhuma providência é
convocada para justificar a existência dos mundos. Demócrito estima que um
só princípio está na origem de todas as coisas: a Necessidade (anankê)104. A
fecundidade explicativa desta teoria traduz-se por uma multidão de inquéritos
especializados nos diferentes domínios da filosofia natural. Epicuro, embora
afirmando a necessidade de conhecer os princípios da física, torna a pôr em
causa a utilidade das ciências positivas particulares, considerando que elas não
são necessárias à ausência de perturbação (ataraxia), único estado da alma que
conduz à felicidade105.
Epicuro e Lucrécio, ainda que retomem o essencial da teoria abderitana dos
átomos e do vazio, emendam-na em dois pontos importantes. Por um lado, as
formas e as grandezas dos átomos não são em número absolutamente
ilimitado106; por outro lado, o movimento atómico deve ser explicado com
maior precisão. Para Epicuro, o próprio peso do átomo é a causa do seu
movimento para baixo, não fazendo os choques mais do que modificar-lhe a
trajectória107. Além disso, os epicuristas procuram justificar ao mesmo tempo a
potência organizadora da natureza e a liberdade de agir. Para isso, introduziram
um princípio de variação e indeterminação no movimento atómico, princípio
que tem por efeito suscitar encontros de átomos e, por esse meio, agregações,
mas também subtrair os movimentos deliberados à hegemonia da Necessidade,
ou seja ao determinismo. Assim, Lucrécio – tal como porventura Epicuro antes
dele – supõe que a queda dos átomos é acompanhada por um desvio (clinamen)
ínfimo. Isso explica, por um lado, a génese espontânea das combinações
corpóreas – e desse modo a formação dos mundos – e, por outro lado, a
possibilidade do acto livre108.
Além disso, os epicuristas modificam substancialmente a maneira de
conceber a relação entre os átomos e os compostos. Estes últimos já não são,
como para Demócrito, substratos precários de ilusórias qualidades sensíveis,
mas existentes de pleno direito. Com efeito, Demócrito afirma que só existem
realmente, ou na verdade, os átomos e o vazio, não sendo tudo o resto – e
nomeadamente as propriedades perceptíveis dos compostos – mais que o
resultado das nossas crenças ou das nossas convenções109. Assim, os
epicuristas classificam os átomos e os compostos na categoria única de
«corpos»: «Entre os corpos, uns são compostos e os outros aqueles de que os
compostos são feitos110.» A diferença entre átomos e compostos não é já uma
distinção ontológica, mas uma diferença funcional no interior de uma mesma
categoria física. Lucrécio insiste aliás na função imediatamente produtora do
átomo: os átomos são não só a «matéria» (materies; materia) de que as coisas
são feitas, mas também os «princípios primeiros das coisas» (primordia
rerum), os «corpos primeiros» (corpora prima), as «sementes das coisas»
(semina rerum) ou os seus «princípios genitores» (genitalia rerum). Neste
sentido, para o atomismo epicurista, a categoria fundamental da filosofia
natural já não é o átomo, mas o corpo.

As divergências entre o atomismo abderitano e o atomismo epicurista são


mais fortes ainda no plano da teoria do conhecimento. Demócrito, sustentando
que as qualidades sensíveis não possuem outra existência além da
convencional, e que só os átomos e o vazio existem realmente, é levado a
adoptar uma atitude paradoxal em relação ao testemunho dos sentidos. Embora
este último seja necessário às actividades humanas em geral, e também, no
domínio filosófico e científico, ao conhecimento dos fenómenos naturais, só a
razão tem acesso aos princípios – os átomos e o vazio – que, na verdade, são
imperceptíveis. Ao juízo racional e «legítimo» que os capta opõe-se o juízo
«bastardo» do pseudoconhecimento sensível111. Certos fragmentos do
Abderitano extraem desse paradoxo uma consequência extrema, uma forma de
pré-cepticismo que não poupa nem os sentidos nem a razão, razão pela qual se
tornaram famosas estas palavras: «Nada sabemos realmente, pois a verdade
está no fundo do poço112.»
A teoria epicurista do conhecimento baseia-se num «cânone», conjunto de
regras ou doutrina dos critérios de verdade113, que rompe nitidamente com o
racionalismo crítico de Demócrito. Para Epicuro, a sensação, longe de ser fonte
de erro ou de ilusão, é o nosso primeiro critério de conhecimento e o primeiro
critério da verdade, pois os outros conhecimentos derivam dela. Toda a
sensação é por si mesma portadora de uma verdade irredutível que ela é a única
a poder exprimir. Assim, Lucrécio defende a infalibilidade dos sentidos ao
mostrar que nenhuma sensação particular, como a visão ou o odor, pode ser
refutada por outra sensação particular: a visão não pode ser corrigida pela
audição, a audição pelo tacto, o tacto pelo gosto, pois cada sentido tem um
poder particular e separado114. Quanto à razão, ela brota da sensação e não
pode portanto refutá-la, pois destruir-se-ia a si mesma ao pretender refutar a
sua própria origem115. Deve portanto admitir-se que o erro provém de outro
movimento psíquico, distinto da sensação. Se, ao longe, vejo redonda uma torre
quadrada, não é a sensação em si que abusa de mim, mas a opinião que eu
formo por ocasião da sensação116. Para o compreender, precisamos de voltar à
física. Cada corpo composto emite finas películas, simulacros, que lhe
reproduzem a forma e lha tornam perceptível. Ora, pode suceder que os
simulacros da torre quadrada que vejo ao longe me tragam a imagem de uma
torre redonda por causa da erosão que o fluxo deles sofre ao atravessar o ar
numa longa distância. Não obstante, a imagem finalmente recebida é uma
imagem real: ela é a presença efectiva daquilo que emana do objecto visado. A
sensação em si mesma não é portanto falsa, pois é verdade, quando apercebo a
torre redonda, que a percebo redonda, embora ela própria seja de forma cúbica.
O erro provém portanto daquilo que é «acrescentado pela opinião»
(prosdoxazomenon) e que, subsequentemente, não é objecto de uma
verificação117.
Os outros critérios estão directamente ligados à sensação. Diógenes Laércio
(X, 31) conta que, segundo o Cânone de Epicuro, os critérios da verdade são as
sensações, as pré-concepções (prolêpsis), noções gerais derivadas das
sensações, e as afecções (pathos). Estas últimas revelam o prazer e a dor (X,
34), como uma espécie de sentido interno.

As afecções são não só os indicadores das nossas disposições internas –


indicadores pelos quais sentimos que sofremos ou experimentamos prazer –,
mas também critérios de acção, ou seja sinais evidentes daquilo que se deve
evitar ou perseguir. Elas gozam portanto de um papel central na ética
epicurista. Com efeito, a frase-chave de Epicuro é que «o prazer é o princípio e
o fim da vida bem-aventurada». Os homens procuram naturalmente a vida
feliz, que tem por fito «a saúde do corpo e a ausência de perturbação (ataraxia)
na alma»118.
A ausência de perturbação não é mais do que o reverso do próprio prazer.
Este é portanto o fito da vida feliz, o nosso bem primeiro e «conatural119»
(sungenikon ou sumphuton). Não se desfruta todavia dos verdadeiros prazeres a
menos que se saiba estimar com prudência (phronêsis) os prazeres ou
desprazeres que possam resultar de uma ou outra acção120. A felicidade
epicurista é portanto assunto de disciplina, de cálculo e de razão. Ela não se
encontra no puro laço afectivo ou na satisfação imediata de qualquer desejo. Só
participam directamente na felicidade os desejos naturais e necessários, como a
filosofia e a amizade, por oposição aos desejos vãos, como o desejo de
aumentar a riqueza pessoal. Não é pois de espantar que a ética epicurista seja
uma ética sábia, instruída em particular pelas lições da filosofia natural. Esse é
um ponto que os fragmentos éticos de Demócrito, onde a tónica é posta na
alegria trazida pela tranquilidade ou equilíbrio da alma (euthumiê), apenas
sugerem. Para Epicuro, a filosofia natural marca os limites do que nos pertence,
ensinando que o que está para além não se deve temer. O caso da morte mostra-
o bem: a alma é corpórea, composta de átomos, pelo que as suas funções
dependem da proporção desses átomos no agregado que ela forma com o
corpo. Ela não sobrevive pois à morte do corpo e nós não experimentamos
mais nenhuma sensação uma vez transposto esse limite. Sabendo que a morte é
uma cessação da sensação, e que nenhum «eu» subsiste se já não pode sentir,
sabemos por antecipação que não seremos contemporâneos da nossa própria
morte. Esta não é portanto «nada para nós», não experimentamos por ela
qualquer dor, ainda que ela já não seja de temer121. Assim, conhecendo a
natureza – mortal – da alma, e sabendo por outro lado que os deuses em nada
se preocupam com os assuntos do mundo, libertamo-nos da perturbação
engendrada pelo medo da morte e dos castigos infernais.
PIERRE-MARIE MOREL

101 O livro X das Vidas e Doutrinas dos Filósofos, de Diógenes Laércio, reproduz a Carta a Heródoto,
sobre a física, a Carta a Fitócles, sobre os meteoros, a Carta a Meneceias, sobre a ética, e quarenta
máximas morais, as Máximas Capitais, às quais se devem acrescentar as Sentenças Vaticanas.

102 Epicuro, Carta a Heródoto, 59; Lucrécio, Da Natureza das Coisas, I, 599-634.

103 Ver por exemplo: Aristóteles, Metafísica, A, 4, 985b5-9 (DK 67A6); Plutarco, Contra Colotes, 1108F
(DK 68B156).

104 Ver Diógenes Laércio, IX, 45 (DK 68A1); Leucipo, DK 67B2.

105 Carta a Heródoto, 78-81.

106 Ibid., 42-43 e 55-56; Da Natureza das Coisas, II, 496-499.

107 Carta a Heródoto, 61; Da Natureza das Coisas, II, 84-85.

108 Da Natureza das Coisas, II, 184-293.

109 Ver por exemplo Sexto Empírico, Contra os Sábios, VII, 135 (DK 68B9).

110 Carta a Heródoto, 40-41; comparar com Da Natureza das Coisas, I, 483-484.

111 Ver por exemplo Sexto Empírico, Contra os Sábios, VII, 138-139 (DK 68B11).

112 Citado por Diógenes Laércio, IX, 72 (DK 68B117).

113 Ver Diógenes Láercio, X, 31-34; Sexto Empírico, Contra os Sábios, VII, 203-216.

114 Da Natureza das Coisas, IV, 486-490.

115 Ibid., IV, 483-485. Ver também Diógenes Laércio, X, 32.

116 Da Natureza das Coisas, IV, 353-363. Ver Sexto Empírico, Contra os Sábios, VII, 208-209.

117 Carta a Heródoto, 50.

118 Carta a Meneceias, 128.

119 Ibid., 129.

120 Ibid., 129-130.


121 Ibid., 124-127.
O estoicismo

O movimento intelectual que é conhecido pelo nome de estoicismo nasceu


no final do século IV a.C. em Atenas122. No seu início, ele reduz-se à actividade
filosófica do fundador da escola, a saber Zenão, originário de Citium, na ilha
de Chipre. Seduzido pela leitura das «obras socráticas», Zenão foi para Atenas
a fim de aprofundar o seu conhecimento delas. Sentiu um verdadeiro choque
numa leitura pública de certas partes do livro ii das Memoráveis de Xenofonte
e perguntou onde poderia encontrar homens como o Sócrates que acabavam de
lhe descrever. Indicaram-lhe Crates de Tebas, filósofo cínico de nomeada.
Levado pelo seu entusiasmo socrático, Zenão devotou-se aos ideais da filosofia
cínica: tomou a decisão de viver «conformemente à natureza» e de repensar as
convenções da sociedade civil a partir dos seus fundamentos123. Foi somente
mais tarde, após investigações aprofundadas em diversos domínios da filosofia,
que Zenão fundou uma escola empenhada na via de uma ciência universal.
Essa ciência compreendia a física, incluindo nesta a cosmologia e a teologia, a
análise dos modos formais de raciocínio e a epistemologia, bem como uma
certa aproximação à ética e à política onde se sustentavam os valores civis ao
mesmo tempo que se repensavam radicalmente os fundamentos destes. Essa
escola exerceu a sua influência durante pelo menos meio milénio, e conseguiu
a transição do ambiente cultural grego para o dos romanos, atraindo a si as
simpatias de pensadores oriundos de meios sociais extremamente variados, do
intelectual de carreira ao amador cultivado, do antigo trabalhador e do escravo
aos membros da elite romana do mais elevado nível hierárquico.
Porém, no seu início a escola era pequena. Na realidade, os primeiros
discípulos de Zenão foram mais conhecidos por «zenonianos» do que por
«estóicos»124, ao passo que os discípulos de Epicuro foram desde o início
conhecidos por «epicuristas». Contudo, o movimento fundado por Zenão
sobreviveu ao seu fundador e adquiriu uma identidade independente. Os
filósofos que optaram por seguir Zenão durante a vida deste formavam um
conjunto heteróclito. Alguns estavam por exemplo predispostos à tarefa muitas
vezes ingrata de conselheiros políticos (Perseu de Citium, por exemplo,
mantinha laços estreitos com a corte de Antígona da Macedónia e Esfero de
Boristena frequentava a corte de Ptolomeu em Alexandria, sendo ao mesmo
tempo conselheiro de Cleomeno de Esparta; estes dois filósofos tinham em
conjunto uma concepção pró-espartana da organização política). Outros
discípulos de Zenão foram menos fiéis aos princípios filosóficos do seu mestre,
como Dionísio de Heracleia, que, após haver estudado com numerosos mestres
antes de Zenão, acabou por abandonar as doutrinas deste em proveito do
hedonismo, recusando em particular a ideia segundo a qual a dor é
indiferente125.

Os mais célebres discípulos de Zenão foram incontestavelmente Cleanto de


Assos e Ariston de Quios, dois rivais cujas interpretações da herança zenoniana
divergiam sensivelmente. Tal como Hérilo de Cartago, Ariston pensava que o
cerne das doutrinas da escola era a ética num sentido preciso, ou seja uma ética
socrática de inspiração cínica. Cleanto, pelo contrário, afirmava que a escola
devia considerar a física, a teologia, mas também a epistemologia e a lógica
como objectos de estudo ao mesmo nível da ética. Esforçou-se por encontrar
uma combinação satisfatória entre esses domínios de estudos, que acabaria por
caracterizar a escola. Não é pois de espantar que Ariston se tenha afastado da
escola estóica para ministrar o seu próprio ensino. Os seus discípulos foram
chamados de «aristonianos», mas não foram muitos, e a influência da escola de
Ariston não perdurou126.
Cleanto permaneceu à frente da escola durante trinta anos, desde a morte de
Zenão em 262-261 até à sua própria morte em 230-229127. O seu discípulo
Crisipo de Soles abraçou as teses de Cleanto a respeito da tradição estóica e
desenvolveu-as. Após um período em que ministrou o seu ensino de maneira
autónoma128, Crisipo retomou a bandeira da escola. Teve o cuidado de se
manter afastado da política, ao contrário dos primeiros estóicos; além disso,
opunha-se com vigor à interpretação aristoniana do estoicismo. A sua
actividade filosófica consistiu em enriquecer e em consolidar a ideia que
Cleanto fizera da doutrina da escola, para a defender contra os seus
adversários, tanto no interior como no exterior da escola. Crisipo é conhecido
por haver defendido encarniçadamente a concepção zenoniana da
epistemologia estóica (que mistura uma crença na possibilidade de um saber
inabalável com posições materialistas e empiristas) contra a Academia céptica
(cf. infra). A sua importância na história da escola resume-se muito bem ao que
acerca dela diz um anónimo: «Se Crisipo não existisse, não existiria o
Pórtico129.» Os seus discípulos Zenão de Tarso e Diógenes de Babilónia
também ficam à frente da escola, e depois o discípulo de Diógenes, Antipater
de Tarso130. A versão do estoicismo de Crisipo, ela própria descendendo em
linha recta da de Cleanto, estava destinada a tornar-se canónica e foram as suas
teses que dominaram a escola durante gerações.

Mas esse ascendente da «ortodoxia» (conceito sempre delicado quando se


aplica a um movimento filosófico em pleno desenvolvimento) não durou para
sempre. Com Panécio no século II a.C. e Posidónio no século I, o espírito da
doutrina da escola alarga-se. Estes dois escolarcas estavam prestes a pôr de
novo em causa certos aspectos da ortodoxia nos domínios da ética e da física, e
a abrir a escola não só aos argumentos e às teorias dos seus rivais
contemporâneos, mas também à influência dos gigantes da filosofia do século
IV, Platão e Aristóteles. Muito diferente era sem dúvida a abordagem de
Antipater de Tarso, que afirmava que Platão subscrevia uma posição estóica
ainda que esta não fosse interpretada «correctamente131». A doutrina estóica
ganhou maior amplitude aquando do desaparecimento das grandes escolas em
Atenas, no seguimento das convulsões políticas e militares da guerra de
Mitrídates, que terminou com o saque da cidade pelo general romano Silas no
ano 86 – acontecimento da maior importância na história da escola, mesmo se a
partir de meados do século II a.C. a escola já começara a estender-se
geograficamente, em particular para Rodes.
Essa emancipação em relação à tradição levou os estóicos a debruçarem-se
mais sobre os aspectos cínicos da doutrina do primeiro período. Nos séculos I e
II d.C., Musonius Rufus, Séneca, Epicteto e Dion Crisóstomo seguiram, pelo
menos durante um certo tempo, um curso mais restrito, no qual a ética ocupava
o primeiro lugar. Puseram em causa a ideia-guia de Crisipo segundo a qual as
três partes da filosofia são essenciais à vida filosófica e estão intimamente
ligadas umas às outras. É muito natural que o imperador romano Marco
Aurélio, cujo diário intelectual não é obra de um filósofo profissional, se tenha
preocupado ainda mais com a ética e haja dado provas de uma grande abertura
de espírito quanto ao modo como ela se enraizava na física. A influência do
estoicismo na cultura – entendida em sentido lato – dos séculos I e II foi
profunda e extensa, embora pareça haver declinado sensivelmente depois, a
não ser nos círculos filosóficos, particularmente entre os platónicos. O médico-
filósofo Galeno opunha-se à escola estóica por defender o platonismo.
Durante o primeiro período do Império, certos mestres estóicos prosseguiram
a sua actividade apesar do desaparecimento institucional da escola ateniense;
escreveram-se vários tratados estóicos bastante escolares durante esse período.
Cornutus, no século I d.C., escreveu um tratado de teologia, Hiérocles deixou
um longo tratado, Elementos de Ética, e Cleómedes abordou a astronomia
numa perspectiva estóica. A obra do peripatético Alexandre de Afrodísia
ensina-nos que o estóico Filopator prosseguiu as suas investigações sobre a
causalidade física e sobre o determinismo, questões que estavam no cerne dos
trabalhos de Crisipo. A criação de uma cátedra de Filosofia Estóica em Roma
pelo imperador Adriano (a par das cátedras de Platonismo, de Aristotelismo e
de Epicurismo) marcou certamente o reconhecimento da importância de uma
filosofia institucionalizada para a educação e a vida social da elite romana, mas
não permitiu obstar ao lento e longo declínio da escola.

Filosofia
Ainda que as doutrinas da escola tenham evoluído consideravelmente
durante o meio milénio da sua existência, a versão mais acabada e mais
influente do estoicismo continua a ser seguramente a de Crisipo e dos seus
discípulos. É cómodo, tanto para nós como para os próprios estóicos,
apresentar a filosofia do Pórtico distinguindo nela três «partes»: a lógica, a
física e a ética. Esta divisão, que remonta ao platónico Xenócrates, está longe
de ser rígida. Para Zenão, na realidade trata-se mais de uma divisão do discurso
sobre a filosofia do que de uma divisão da própria filosofia132; outros filósofos
(como Séneca na Carta 39) afirmam com insistência que a filosofia no seu
conjunto é uma, e que a divisão em partes é certamente útil mas totalmente
artificial. Podem existir divergências entre os estóicos quanto à ordem de
aprendizagem destas partes. Segundo eles, esta ordem é em certa medida efeito
de uma convenção; disso é testemunha a necessidade de entrecruzar os temas
próprios a cada uma dessas partes no ensino133. Sabe-se que os estóicos
empregavam diversas analogias para descreverem a relação das partes da
filosofia entre si e relativamente ao todo, e a maior parte delas implica uma
concepção holista e orgânica da filosofia. A única imagem que tende a fazer de
uma parte da filosofia um elemento autónomo é a que compara a lógica a um
cercado que rodeie um campo cultivado, onde a ética designa os frutos que
crescem, a física as árvores que os sustentam ou a terra que produz a colheita.
Através desta imagem, a física surge numa relação íntima e directa com a ética
da qual se recolhem as benfeitorias (a física é então a árvore de onde brotam as
azeitonas ou a terra onde cresce o trigo), ao passo que a lógica é um
instrumento de protecção que parece arredado dessas benfeitorias. Não se pode
certamente conceber que existam azeitonas sem oliveiras, nem trigo sem terra
apropriada e trabalhada para o efeito. Mas a colheita pode ser protegida de
muitas maneiras (muros de pedra, ameias, cães de guarda ou jardineiros,
entrincheiramento numa ilhota), o que implica uma certa contingência quanto
ao papel da lógica no seio da filosofia. Porém, noutras analogias, a lógica, no
seu papel de protecção, é muito mais solidária com aquilo que defende: ela é a
casca do ovo, ou então os ossos e os tendões do corpo animal134.

Física
A física estóica é profundamente influenciada pelo Timeu de Platão e pela
cosmologia de Aristóteles. O cosmos é uno, é um todo finito, composto pelos
quatro elementos fundamentais da matéria (a terra, o ar, o fogo e a água) e seus
compostos. (Os estóicos consideravam que existem dois princípios nos
elementos: um princípio activo divino, e um princípio inerte, sem qualidade, e
passivo; mas estes dois factores ou princípios nunca estão separados um do
outro nos corpos.) Tal como Platão, os estóicos pensam que o cosmos é um ser
vivo. No entanto, a alma deste não é incorpórea: ela é feita de pneuma, uma
espécie de sopro composto de ar e de fogo (ainda que a sua natureza seja
controversa no seio da escola). O cosmos é com efeito um pleno físico, onde
não existe nem vazio no interior (embora o cosmos esteja rodeado por um
espaço vazio infinito), nem entidades causais eficientes incorpóreas. A causa da
unidade do cosmos segundo os estóicos é uma solução alternativa à teoria
aristotélica do lugar natural. Eles afastam-se de Platão e de Aristóteles ao
considerarem que os corpos celestes fazem parte de um mesmo sistema
corpóreo (não há separação entre os mundos sublunar e supralunar, tal como
não existem almas divinas incorpóreas operando no universo). Enquanto Platão
pensa, ao que parece, que foi um deus-artesão que criou o cosmos, e Aristóteles
recusa a teoria da fabricação do mundo para preferir a da existência eterna do
universo, os estóicos defendem a ideia de que há ciclos de criação e de
destruição do universo, sob a influência de uma entidade activa divina, Zeus,
responsável tanto pelo eventual fim do cosmos numa conflagração ígnea como
pela sua regeneração a partir do fogo passando por uma zona húmida, até à
reaparição dos quatro elementos conhecidos do cosmos.
No sistema estóico, todo o acontecimento é causado e determinado por uma
cadeia racional e providencial de causas e de efeitos, que se reproduz
naturalmente em cada ciclo de criação e de destruição do cosmos. Só os corpos
podem ter causas ou efeitos. Também existem incorpóreos no sistema estóico:
o vazio, o espaço, o tempo, os «exprimíveis» (lekta), o conteúdo intelectual do
discurso e do pensamento. Mas a alma, o espírito e deus são entidades causais
que interagem com outros corpos; por conseguinte, eles são de cariz material,
ou seja feitos do pneuma anteriormente mencionado. A alma humana é da
mesma espécie que a dos deuses. Por isso o ser humano perfeito é
indiscernível, tanto fisicamente como moralmente, do ser divino. O
determinismo causal que caracteriza este sistema físico suscita críticas dos seus
adversários, mas Crisipo e outros estóicos conseguem demonstrar que a forma
de determinismo por eles defendida não exclui a responsabilidade moral e a
possibilidade de cada um se tornar melhor, como pressupõe a sua teoria ética.

Ética
No domínio ético, os estóicos sustentam uma forma de eudemonismo: o fito
da vida humana é o cumprimento do fim (telos) que lhe é próprio. Este fim
consiste em viver conformemente à natureza (à nossa natureza e à do cosmos;
compreende-se assim a importância da ideia segundo a qual a nossa natureza é
idêntica à potência divina que estrutura o mundo natural). A vida perfeitamente
conforme à razão é a única vida virtuosa e feliz, e o melhor guia para conduzir
essa vida perfeita e divina, segundo Crisipo, é a compreensão dos eventos que
sucedem por natureza. A vontade cínica de seguir mais a natureza do que as
convenções torna-se, nos estóicos eminentes, o esforço de viver em
conformidade com essa ordem própria do cosmos regido pela providência. O
ideal da vida humana racional que se encontra no Timeu implica igualmente
que a vida humana e as suas actividades se inspirem nos modelos do cosmos (o
homem imita o modelo circular perfeito dos corpos divinos), mas é aqui que as
semelhanças acabam. Na corrente dominante do estoicismo, o ideal de vida é
muito mais naturalista, e é orientado tanto para a acção como para a
contemplação. Os estóicos da corrente aristoniana parecem mais socráticos do
que platónicos nesse ponto: para exercer a virtude, afirmam eles, o homem não
precisa de estabelecer uma teoria física elaborada. Todos os estóicos estão no
entanto de acordo em afirmar que a virtude humana designa o estado ideal da
alma racional unificada; nesse sentido eles subscrevem o ideal socrático do
Protágoras ou do Fédon, mais do que o modelo platónico ou aristotélico da
harmonização das «partes» da alma entre elas, tendo cada uma uma função
própria e comportando-se de maneira quase autónoma.

Viver em acordo com a natureza significa desde então ter uma vida activa, ter
um ideal moral de governo de si, e esforçar-se por atingi-lo. Os meios da
educação moral que os estóicos retêm parecem inspirados por Aristóteles:
tornamo-nos corajosos ao cumprir acções corajosas, ainda que à primeira vista
a maior parte das acções corajosas não atinja o ideal almejado. O facto de os
estóicos terem a virtude por ideal coloca-os perante uma série de paradoxos
acerca do progresso moral (prokopê): o facto, por exemplo, de os erros morais
serem «equivalentes» e de ninguém ser verdadeiramente feliz antes de atingir a
«perfeição» no domínio moral. Encontra-se o mesmo absolutismo paradoxal na
psicologia moral dos estóicos: dado que a alma humana é una (não existem
partes irracionais a controlar, trata-se somente de aperfeiçoar o exercício da sua
razão), a única maneira de preservar a liberdade dela contra as perturbações
devastadoras e dolorosas a que chamamos paixões (pathê) consiste em
erradicar pura e simplesmente todo o erro e toda a forma de fraqueza moral. Só
o «sábio» pode atingir esse estado; infelizmente, os modelos a imitar são em
todo o caso muito pouco numerosos, sendo Sócrates a única figura de sábio que
não se presta a controvérsia. Estas consequências paradoxais da teoria moral
expuseram os estóicos a numerosas críticas que se reclamavam do «senso
comum» na Antiguidade, mas muitos pensavam que as aspirações descritas na
teoria moral estóica constituíam um poderoso incentivo para melhorar o
carácter, o pensamento e a acção; pelo menos isso empenhava os indivíduos na
via, que eles jamais haveriam empreendido por si mesmos, dessa vida estável e
racional, que os estóicos pensavam ser o horizonte natural da vida de cada um.

Lógica e teoria do conhecimento


A lógica ocupa um lugar considerável no estoicismo: ela inclui tanto a
retórica como a dialéctica (que abrange o problema do conhecimento adquirido
por meio de conversas sob a forma de perguntas e respostas breves). A retórica
estóica é célebre pela sua austeridade e pela sua maneira de persuadir sem
apelar às emoções. A dialéctica concerne por seu turno o conhecimento do que
é verdadeiro, falso e nem verdadeiro nem falso. Acerca deste ponto, deve
reconhecer-se a força extraordinária e a novidade das propostas estóicas. Elas
consistem numa análise aprofundada das inferências, dos paradoxos e das
ambiguidades que ocupavam a frente do palco no século IV entre os megáricos,
em Aristóteles e nalguns outros. Os estóicos desenvolvem uma teoria
semântica complexa, baseada no conceito de exprimível (lekton), e são os
primeiros a interessarem-se pelo conteúdo dos enunciados e dos pensamentos
enquanto tais (contrariamente a Aristóteles e a Platão, para os quais o sentido
da proposição reside na predicação de uma propriedade). Assim, para conduzir
a análise formal das inferências válidas (a lógica no sentido restrito do termo),
os estóicos, e mais particularmente Crisipo, desenvolvem uma lógica
proporcional fundada no reconhecimento de cinco formas elementares de
inferência válida, às quais chamam «indemonstráveis».

I.
Se o primeiro, então o segundo.
O primeiro
logo o segundo.

II.
Se o primeiro, então o segundo.
Não o segundo
logo não o primeiro.

III.
Não o primeiro e o segundo.
Ora, o primeiro
logo não o segundo.

IV.
Ou o primeiro, ou o segundo.
Ora, o primeiro
logo não o segundo.

V.
Ou o primeiro, ou o segundo.
Ora não o segundo
logo o primeiro.

Com o auxílio destes indemonstráveis e de alguns outros princípios lógicos e


metalógicos, os estóicos consideram poder analisar todas as outras formas de
inferências válidas e provar a validade destas. A análise que fazem dos
enunciados não assertivos, tanto dos sofismas como da sua solução, bem como
de certos paradoxos como o do mentiroso, constitui um contributo maior para a
história da lógica, capaz de rivalizar com os trabalhos pioneiros de Aristóteles
nos Analíticos, nos Tópicos e nas Refutações Sofísticas.
Os estóicos servem-se além disso da lógica como de um instrumento de
defesa nas discussões. Na medida em que os estóicos crêem na fiabilidade das
percepções sensíveis, e que o conteúdo da percepção pode constituir um
fundamento sólido para a formação de conceitos e de inferências, é crucial
mostrarem aos seus adversários (em geral os académicos durante o período
céptico da escola) que existe pelo menos um tipo de percepção sensível fiável.
Instaurou-se um debate acerca daquilo a que se chama a representação
compreensiva (phantasia katalêptikê) no início do século III a.C., debate que se
prolongou até Cícero, sem que se possa reconhecer um claro vencedor. Os
estóicos permaneceram convictos de que existem percepções sensíveis fiáveis,
que contêm o seu próprio critério de verdade, e que representam as coisas tal
como elas são na realidade. Quando os sentidos fornecem uma representação,
podemos, bem entendido, examiná-la minuciosamente antes de a declararmos
verdadeira e de lhe darmos o nosso assentimento. A objecção céptica consiste
sumariamente em afirmar que se pode sempre encontrar ou imaginar uma
representação errónea, indiscernível de uma representação fiável, de modo que
a sua verdade jamais possa ser aferida com certeza. Os detalhes desta polémica
relevam mais da história do cepticismo, mas as objecções cépticas designam os
pontos fracos que caracterizam as teorias representacionalistas da percepção
sensível.

O estoicismo teve uma influência considerável, desde a sua fundação até ao


fim da Antiguidade, de maneira directa (sobretudo no período helenístico e no
início do Império romano) ou ao produzir imitadores ou adversários. Só se
começa a avaliar a influência exercida pelo estoicismo aquando da renovação
do platonismo, do século I d.C. a Simplício, no século VI. O estoicismo suscitou
algumas retomas de interesse nos séculos seguintes, e a sua influência é ainda
tangível nos filósofos modernos.
BRAD INWOOD

122 Ver os capítulos 1 (D. Sedley) e 2 (C. Gill) da obra The Cambridge Companion to the Stoics
(Cambridge, Cambridge University Press, 2003) para outras precisões relativas à história da escola.
123 Diógenes Laércio, VII, 2-3.

124 Ibid., VII, 5.

125 Ibid., VII, 37.

126 Ibid., VII, 61.

127 Ibid., VII, 176.

128 Ibid., VII, 179.

129 Ibid., VII, 183.

130 Ver Der Neue Pauly, s.v. «Chrysippus» para mais pormenores.

131 Stoicorum veterum fragmenta (doravante SVF), textos recolhidos e editados por J. von Arnim,
Estugarda, Teubner, 1978 (1.a ed. 1905), Antipater, 56.

132 Diógenes Laércio, VII, 39.

133 Ibid., VII, 40.

134 Ibid., VII, 39-40.


O cepticismo antigo

Sexto Empírico, o único céptico antigo do qual conservámos os livros, inicia


os seus Esboços Pirrónicos com uma distinção entre três tipos de filósofos: os
dogmáticos, que pretendem haver descoberto o verdadeiro, os académicos, que
afirmam ser impossível descobri-lo, e os «cépticos», que o procuram ainda.
Este último qualificativo provém de skepsis, que significa «observação»,
«exame», «pesquisa». É aqui definido por oposição ao conhecimento da
verdade e à negação de toda a verdade. Esta segunda oposição, surpreendente
do ponto de vista da ideia moderna e contemporânea do cepticismo,
testemunha uma rivalidade entre os filósofos pirrónicos, dos quais Sexto
Empírico é o último representante conhecido, e a Nova Academia. Se os
primeiros são os únicos a dizerem-se «cépticos», ambas as escolas pretendem
pôr em causa de maneira radical a crença na verdade das opiniões mantidas
pela grande maioria dos filósofos e dos homens, ainda que ambas possam ser
tidas por cépticas no sentido lato do termo que ainda hoje prevalece. A esta
primeira disparidade problemática do cepticismo antigo juntam-se as
diversidades e as evoluções internas de cada uma destas duas correntes.

Pirro e Timão
Pirro de Élis (cerca de 365-275 a.C.) é tradicionalmente considerado o
primeiro verdadeiro céptico da história da filosofia. Esta tese histórica coloca
porém dois problemas. Podemos antes de mais encontrar numerosos
argumentos cépticos em autores anteriores, como Heraclito, Xenófanes,
Parménides e Zenão de Eleia, Protágoras e Górgias, Sócrates, Demócrito, ou
mesmo Platão. A maior parte deles foram aliás invocados pelos pirrónicos ou
pelos académicos como precursores da sua própria filosofia. Mas os primeiros
estimavam Pirro como mais radical do que todos os seus predecessores. Se nos
debruçarmos sobre o único testemunho fiável e preciso de que dispomos acerca
da filosofia de Pirro, descobrimos porém um pensamento bem diferente do
cepticismo tal como ele é considerado desde Descartes.
Segundo o seu primeiro discípulo, Timão de Flionte (cerca de 325-235),
Pirro teria declarado que «as coisas são igualmente indiferentes, instáveis e
indecidíveis, ainda que nem as nossas sensações nem as nossas opiniões as
digam verdadeiras ou falsas, ainda que não nos devamos fiar nelas mas ser sem
opinião, sem inclinação e inabalável, ao dizer, a propósito de cada uma, que ela
é ou que ela não é, ou ao mesmo tempo que ela é e não é, ou que nem ela é nem
não é135». Por um lado, o questionamento dos nossos conhecimentos é aqui
deduzido da indeterminação das coisas, ao passo que o cepticismo começa
geralmente pela crítica das nossas percepções e crenças. Por outro lado, Pirro
não se contenta em duvidar da objectividade delas, mas pretende dispensá-la
inteiramente em proveito de uma dissolução de toda a indeterminação. A
propósito do ser, do conhecimento deste e do discurso, Pirro parece assim
assumir posições próximas das que Aristóteles atribui aos que negam o
princípio da contradição e que ele julga absurdas136.
Segundo Timão, estas posições conduziam primeiramente à aphasia, ou seja
ao silêncio ou a um uso novo da linguagem que não implica qualquer
determinação, e depois à ausência de perturbação (ataraxia). Como todos os
filósofos antigos, Pirro pretendia com efeito conduzir uma vida em acordo com
as suas posições e encontrar nela a felicidade. A sua filosofia da indistinção
aplicava-se não só às propriedades mas também (e talvez sobretudo) aos
valores – positivos ou negativos, utilitários, estéticos ou morais – que as coisas
e as acções possuíam para o conjunto dos homens. Desde então, Pirro não tinha
repugnância em cumprir tarefas reputadas vis, e esforçava-se por se manter
indiferente aos eventos ou às pessoas que o rodeavam, e mesmo insensível à
dor, inspirando-se porventura nos sábios indianos que havia conhecido ao
acompanhar Alexandre, o Grande nas suas campanhas137.
Não tendo Pirro escrito nada, foi o seu discípulo Timão quem se encarregou
de dar a conhecer ou defender o seu pensamento e sobretudo a sua vida,
louvadas por Timão como superiores às de todos os outros homens pela sua
lucidez e a sua tranquilidade perfeitas. Timão parece além disso haver-se
empenhado em criticar e zombar de todos os filósofos do passado e do seu
tempo, conferindo assim ao pirronismo a sua dimensão fortemente polémica e
a sua ambição de ultrapassar todas as filosofias existentes, reduzidas a produtos
ilusórios da vaidade humana138.

A Nova Academia
Apesar dos talentos satíricos de Timão, o pirronismo não parece ter tido
muita influência durante dois séculos. Porém, pouco depois da morte de Pirro,
Arcésilas (316-241) fica à frente da Academia, a escola fundada por Platão, e aí
elabora uma outra forma de cepticismo, que será desenvolvida por Carnéades
(214-130). Tal como Pirro, Arcésilas e Carnéades nada escreveram, e alguns
dos adversários de Arcésilas censuraram-no por se haver inspirado em Pirro.
Isso não está excluído, mas o cepticismo académico é não obstante original.
Ele elaborou-se no quadro de um debate com as filosofias sistemáticas e
dogmáticas da sua época, em particular o estoicismo. Este último julgava o
espírito humano capaz de formar representações «compreensivas» (kataleptikê)
dos objectos, simultaneamente verdadeiras e ostentando a marca da sua
verdade, a tal ponto que podiam servir de critério para o conhecimento e a
acção. Utilizando numerosos argumentos que se tornariam clássicos, como o
dos objectos distintos mas indiscerníveis, das ilusões sensoriais ou do sonho,
Arcésilas e depois Carnéades mostram que nenhuma representação pode atestar
de maneira certa a sua conformidade ao seu objecto, e que não existe portanto
nenhuma representação compreensiva, ao ponto de o sábio ser obrigado a
suspender o seu assentimento em relação a todas as suas representações, sob
pena de cair nas incertezas da opinião139. Esta «suspensão [epoché] universal»
não paralisa toda a acção, contrariamente ao que objectam os estóicos, porque
o homem não precisa de um conhecimento certo e verdadeiro, mas pode fiar-se
no que é «razoável» (eulogon) ou «verosímil» (pithanon) para agir140.
Quer isto dizer que Arcésilas e Carnéades se contradisseram ao sustentarem
teses filosóficas negativas («nada pode ser compreendido») ou positivas, a
propósito da acção, como lhes censuraram os estóicos e, mais tarde, os
neopirrónicos? O problema pôs-se logo aos seus sucessores e ainda hoje divide
os intérpretes actuais. Para fazerem escapar Arcésilas e Carnéades à auto-
refutação, alguns defenderam que todos os seus argumentos eram dialécticos:
ter-se-iam contentado em tomar os conceitos e as premissas dos estóicos e
tirarem daí consequências válidas mas opostas às teses estóicas, refutando
assim o sistema dos seus adversários a partir do interior, sem sustentarem eles
próprios qualquer tese, à maneira de Sócrates revelando aos interlocutores dele
a incoerência das suas crenças, e portanto a sua ignorância, nos primeiros
diálogos de Platão. Ora, se Arcésilas utilizou efectivamente o método de
Sócrates, do qual se reclamava, para confundir a arrogância dogmática dos
estóicos, o cepticismo da Nova Academia parece haver tido também uma
inspiração e objectivos propriamente platónicos. Com efeito ele demonstra que
a experiência sensível e a razão humana não podem conduzir-nos à verdade,
mas que o filósofo é aquele que a procura incansavelmente, ciente da fraqueza
das nossas faculdades e da relatividade das nossas certezas. Em ética e em
física, Carnéades insistia com o mesmo espírito nas incoerências do
naturalismo estóico, tirando em particular consequências epicuristas dos
princípios deste: as nossas tendências naturais não podem conduzir-nos por si
mesmas às virtudes, a sabedoria que procura o nosso bem e a justiça que exige
sacrificá-lo são incompatíveis141, os deuses não têm mais nenhuma realidade se
se confundem com a natureza, a providência divina não é benfeitora se está na
origem do conjunto da natureza e da natureza humana142.
A Nova Academia encontra portanto o seu ponto de partida numa refutação
das pretensões filosóficas e vulgares ao conhecimento do real, e chama-nos
mais a uma lucidez inquieta sobre a incerteza das nossas verdades e dos nossos
valores, do que à tranquilidade da indiferença. Ela constitui assim o verdadeiro
antepassado do cepticismo moderno, que raramente a invoca mas que
incorporou muitas das suas ideias ou argumentos por intermédio de Cícero e do
neopirronismo.

O neopirronismo: Enesidemo e Sexto Empírico


No século I a.C., Enesidemo rompe com a Nova Academia e reclama-se de
Pirro e talvez de Heraclito para elaborar um cepticismo que ele pretende
radical. Na mesma época, o académico Fílon de Larissa havia com efeito
admitido que o real era por natureza cognoscível e que só o critério estóico da
verdade era posto em causa pelos argumentos académicos. Contra este
cepticismo moderado, Enesidemo reactiva a fórmula pirrónica por excelência,
«nem mais»: as coisas não são «nem mais» existentes do que não existentes,
verdadeiras do que falsas, compreensíveis do que incompreensíveis, verosímeis
do que inverosímeis, de tal forma elas parecem diferentes segundo as
circunstâncias ou as pessoas. O pirrónico renuncia pois a estatuir acerca da
natureza das coisas, «não determina nada» e submete o seu próprio discurso a
essa dissolução143.
Enesidemo distingue-se porém de Pirro e recorda a Nova Academia quando
concentra a sua análise crítica nas nossas representações e nos conceitos dos
filósofos, examinando cada um deles para mostrar que não existe sentido
algum e construindo um arsenal argumentativo capaz de levar o céptico à
suspensão sistemática do seu assentimento. O melhor exemplo disso são os dez
tropos ou modos atribuídos a Enesidemo144, onde se enumeram todos os pontos
de vista que permitem contrabalançar uma representação ou uma opinião por
uma outra percepção diferente, que pode vir de um animal, de outro homem, de
outro órgão sensorial, de outras circunstâncias, de outra cultura, etc. Encontra-
se essa recolha sistemática de argumentos úteis aos cépticos nos oito modos de
Enesidemo contra as explicações causais e os «cinco modos» do pirrónico
Agripa (o desacordo, a regressão ao infinito, a relatividade, a petição de
princípio e o círculo vicioso), cuja combinação lhe permitia minar os
fundamentos lógicos de qualquer tese145.
Todos estes argumentos são largamente utilizados por Sexto Empírico
(séculos II-III d.C.). Nos Esboços Pirrónicos, Sexto apresenta e defende o seu
cepticismo, no seu longo tratado Contra os Dogmáticos refuta sucessivamente
as filosofias dogmáticas do conhecimento, da natureza e da moral, e no seu
tratado Contra os Sábios ataca as ciências, ou antes os fundamentos e os usos
filosóficos de certas disciplinas (a gramática, a retórica, a geometria, a
aritmética, a astrologia e a música).
Para Sexto, o «cepticismo» é «uma capacidade [dunamis] para pôr frente a
frente o que aparece e o que é pensado», que nos leva à suspensão do
assentimento, devido ao «peso igual» (isostheneia) dos argumentos opostos, e
depois à ausência de perturbação. O céptico não desenvolve nem critica, não
sustenta nem nega qualquer doutrina, positiva ou negativa: ele reduz-se a uma
faculdade, a uma estratégia de disposição oponencial das nossas percepções
sensoriais ou intelectuais146. Essa capacidade, o céptico descobriu-a por acaso
ao procurar a verdade e ao dar-se conta de que ela suprimia as suas
inquietações mais eficazmente do que qualquer outra doutrina, a tal ponto que
acabou por exercê-la e aplicá-la em todos os domínios, graças aos «modos»
cépticos147. Contrariamente a muitos cépticos, o pirrónico não se apoia
portanto em exemplos e argumentos gerais, destinados a fazer-nos duvidar de
imediato de todas as nossas opiniões, mas num exame laborioso de cada
argumento e conceito dogmático, ao qual procura «opor um argumento igual»
para se manter na suspensão.
O céptico põe portanto em causa todos os discursos que pretendem
interpretar as «aparências» e enunciar a realidade que nelas se revelaria (ou
não), uma vez que nada pode indicar se o que quer que fosse apareceria ou não
apareceria numa ou noutra aparência148. Sexto radicaliza assim o cepticismo de
Enesidemo, o qual já generalizava sem dúvida uma célebre observação de
Timão: «Que o mel seja doce, não o defendo; mas que ele pareça doce,
concordo149.» Nessa medida, tal como Enesidemo, Sexto concorda que o
céptico utilize as aparências como critério de acção, em particular as nossas
afecções, os costumes, e mesmo as técnicas150.
Longe de ser um mero compilador do neopirronismo, Sexto procura pois
definir com rigor o cepticismo autêntico, especificando o sentido dos seus
argumentos e das suas fórmulas para as purgar de toda a suspeita de
dogmatismo positivo ou negativo, e distinguindo o pirronismo de todas as
outras filosofias que lhe parecem próximas151. O seu fenomenismo está porém
muito distante da filosofia da indiferença própria de Pirro, ainda que partilhe
com esta a intuição de que o único meio de atingir a serenidade é renunciar ao
desejo de discriminar e de determinar.
THOMAS BÉNATOUÏL

135 Eusébio, Preparação Evangélica, XIV, 18, 1-5 (texto 1 F in A. Long e D. Sedley, The Hellenistic
Philosophers, Cambridge, Cambridge University Press, 1987, vol. 1).

136 Metafísica, Γ, 4, 1008a30-34.

137 Diógenes Laércio, Vidas e Doutrinas dos Filósofos Ilustres, IX, 66-67 e 61-62.

138 Ver os textos reunidos por A. Long e D. Sedley, op. cit., cap. 2.

139 Cícero, Académicos, II, 40-42 e 76-90.

140 Ibid., II, 98-104.

141 Cícero, Dos Fins dos Bens e dos Males, V, 16-23 e A República, III, 12-29.

142 Id., Da Natureza dos Deuses, III 43-52 e 65-95.

143 Fócio, Biblioteca, 212, 169b 18-171a 5 e Diógenes Laércio, VII, 106.

144 Sexto Empírico, Esboços Pirrónicos, I, 40-163.

145 Ibid., I, 180-186 e 164-177.

146 Ibid., I, 8-10.

147 Ibid., I, 25-29.

148 Ibid., I, 19-20.

149 Diógenes Laércio, Vidas e Doutrinas dos Filósofos Ilustres, IX, 105-106.

150 Sexto Empírico, Esboços Pirrónicos, I, 21-24.

151 Sexto reage em particular contra aqueles que, adversários dogmáticos ou filósofos cépticos como
Favorino de Arles (nascido cerca do ano 80, falecido em meados do século II), pretendiam aproximar o
pirronismo e o cepticismo da Nova Academia.
A filosofia imperial
(século I a.C. – século II d.C.)

O retorno das principais teorias filosóficas do século IV a.C. é o que


caracteriza melhor este período; com efeito, elas voltam a ganhar vantagem
sobre as filosofias helenísticas, o cepticismo académico, o epicurismo e
sobretudo o estoicismo, tendo este último sido o principal alvo dos discípulos
de Platão e de Aristóteles. O renascimento das duas filosofias da época clássica
inscreve-se aliás numa tendência mais vasta de regresso aos antigos, aos
fundadores de escolas ou de correntes, que as filosofias helenísticas haviam
afastado: assim, ao lado dos discípulos de Platão e de Aristóteles do século I
a.C., vêem-se regressar filósofos que se referem a Pitágoras, outros que querem
tornar a honrar a herança de Pirro (como Enesidemo, também ele no século I
a.C., e Sexto Empírico, entre os séculos II e III). Mas o facto mais interessante
continua a ser a longa batalha dos herdeiros de Platão e de Aristóteles contra as
filosofias helenísticas e mais especialmente contra o estoicismo (desaparecendo
discretamente o epicurismo durante a época imperial sem haver produzido obra
notável posterior ao grande poema de Lucrécio Da Natureza das Coisas).
Ainda hoje, não é fácil dizer como, onde e porque nasceu esse movimento de
retorno aos deuses mestres do século IV, mas um interesse pelas teorias destes é
já atestado em Panécio, um dos estóicos do final do século II a.C. É certo que
os escritos de ensinamento de Aristóteles recomeçaram a circular a partir das
primeiras décadas do século I a.C. e que a difusão deles foi facilitada pela
publicação de uma edição que os reunia por completo, promovida por
Andrónico de Rodes em meados desse século152. Deve sublinhar-se que é mais
ou menos essa a época em que se produziram importantes acontecimentos na
escola herdeira de Platão: um vivo debate que opôs, nos anos 90-80, o último
filósofo a dirigir a Academia, Fílon de Larisso (para o qual a filosofia céptica
da escola deveria ser menos afirmada) e o seu discípulo mais notável,
Antióquio de Ascalon (para o qual se deveria atribuir a Platão a paternidade de
uma doutrina positiva, propondo explicitamente um certo número de
convicções dogmáticas que Aristóteles e mesmo os estóicos teriam largamente
retomado)153.

A forma sistemática, as escolas e o comentário


Antióquio e todos os seus sucessores platónicos e aristotélicos sofreram a
influência do estoicismo num domínio em particular: todos eles apresentam as
suas doutrinas segundo a forma sistemática típica do estoicismo. Com efeito,
partilham a ideia de que todas as proposições de uma doutrina se devem
articular segundo a lógica, de maneira a constituírem um discurso finito e
global, que possa estar apto a responder de maneira coerente a todos os
problemas possíveis154. No fundo, a oposição ao estoicismo levou ou
constrangeu os platónicos e os aristotélicos a irem até ao terreno do adversário,
procurando opor-lhe sistemas tão resistentes quanto aqueles que pretendiam
demolir: transformaram as filosofias dos grandes mestres em sistemas de
doutrinas, também eles fechados e dogmáticos. Perante as obras de Platão e de
Aristóteles, sempre muito abertas ao questionamento, e que por vezes
apresentam até, pelo menos aparentemente, numerosas incoerências, a primeira
tarefa dos seus discípulos foi pois a de encontrarem um ponto de acordo
apropriado, e seguidamente a de extrair dessas obras um discurso doutrinal
coerente e acabado. É isso que explica que a sua produção literária se apresente
preferencialmente sob a forma de exegese: todos, ou quase, foram professores,
comentadores e autores de obras cujo objecto era a interpretação dos textos; de
uma maneira ou de outra, estiveram relacionados com o ensinamento
escolástico. Não nos resta grande coisa desses trabalhos consideráveis que
continuaram a ilustrar as duas grandes doutrinas dos pais fundadores: na escola
de Aristóteles, certos comentários ou partes de comentários de Alexandre de
Afrodísia (segunda metade do século II) constituem os testemunhos mais
marcantes; quanto à outra escola, ela deverá ter prosseguido em paralelo as
suas actividades, como testemunham certos escritos exegéticos e, de uma
maneira geral, os trabalhos de Plutarco de Queroneia (cerca de 50-125). Devem
acrescentar-se alguns fragmentos de papiro, suportes de comentários anónimos,
bem como diversos manuais de introdução à filosofia platónica. No entanto, as
informações contidas por esses raros vestígios reforçam a ideia de que a
actividade exegética foi seguramente o fundamento da difusão das duas
filosofias.
Parece que o carácter escolástico deste renascimento encontra em primeiro
lugar as suas razões internas na actividade desses filósofos e nos seus
objectivos; mas sobretudo deveria corresponder perfeitamente às necessidades
e às modalidades de difusão do saber, próprias da sociedade romana dos
séculos I e II: uma época em que floresceram múltiplas instituições escolares,
quer dependessem das administrações das cidades ou fossem encorajadas pela
autoridade imperial155. Nos meios garbosos e educados, propagava-se a
convicção de que uma preparação filosófica de base deveria fazer parte da
bagagem cultural de quem visasse uma posição social importante.
A formação de um representante típico desses meios, como a do médico
Galeno, que deles fazia parte, é por nós conhecida; a sua formação oferece
deles um bom exemplo, confirmado aliás por informações relativas a outras
personagens. Com efeito, Galeno, na sua juventude, frequentou os
ensinamentos de quatro mestres de filosofia, um por cada escola reconhecida
como havendo conservado o essencial da herança do pensamento grego, a
saber as escolas platónica, aristotélica, estóica e epicurista. Quando Marco
Aurélio criou em Atenas cátedras de ensino destinadas a essas escolas, não fez
mais do que oficializar uma prática já corrente entre as pessoas instruídas.

O papel do estoicismo
Platónicos e aristotélicos tinham em comum estarem profundamente
implicados na vida académica propriamente dita e na prática do comentário; é
isso que diferencia nitidamente as duas grandes tendências rivais. Os estóicos –
tal como os epicuristas, aliás – dispunham em princípio dos mesmos
instrumentos que os seus adversários, as escolas e a interpretação dos escritos
dos mestres. De facto, essa actividade de comentário era desde há muito
praticada de forma parcial pelos epicuristas e a leitura de Epicteto permite
constatar que as escolas estóicas estudavam e interpretavam as obras de Crisipo
e as dos pensadores mais importantes da antiga Stoa. Mas existem muito
poucas informações sobre uma literatura de natureza exegética produzida pelos
estóicos; além disso, os seus adversários platónicos e aristotélicos jamais a
consideraram digna de interesse.
Apesar disso, os estóicos mantiveram-se presentes, pelo menos até ao final
do século II, mas ocupavam outras funções e os seus centros de interesse eram
diferentes. Desde a época dos Cipiões, na sociedade romana, assistiu-se ao
fenómeno da vinda de intelectuais gregos, filósofos incluídos, como hóspedes
das maiores mansões aristocráticas, onde serviam como professores: Cícero,
por exemplo, beneficiou da presença do estóico Diódoto. Mas com o tempo, a
função desses mestres de filosofia parece ter vindo a transformar-se numa
função de conselheiros espirituais e de guias morais capazes de assistirem aos
seus protectores e aos seus discípulos nos momentos difíceis da existência. Foi
precisamente nesse papel que os estóicos se especializaram e quase se poderia
apostar ter sido um deles que acompanhou e apoiou até ao cadafalso uma das
vítimas das perseguições imperiais contra a aristocracia senatorial, uma vez que
foi apresentado como «seu filósofo156». O objectivo não é dizer-se que esse
papel dos estóicos fosse desprovido de importância: conseguir reconfortar os
homens nos momentos difíceis da vida pode ser considerado um dos resultados
mais nobres que a filosofia pode obter. As obras de Epicteto (cerca de 50-125)
e de Marco Aurélio, que afortunadamente ainda podemos ler e que remetem
para uma concepção da filosofia como disciplina interior que visa encorajar os
esforços de autocontrolo e de aperfeiçoamento moral, mostram como uma tal
orientação pode inspirar páginas muito fortes e proveitosas ainda hoje157. Mas
o que falta a este projecto é o esforço teórico de elaboração de conceitos: as
obras do estoicismo romano chegadas até nós (Musónio, Epicteto, Marco
Aurélio) manifestam uma grande capacidade para conceber e fazer a apologia
de um modelo de vida em que o empenhamento moral jamais enfraquece, onde
permanecemos senhores de nós mesmos, onde nos esforçarmos por guardar
uma liberdade interior que garanta total autonomia face às vicissitudes do
destino. Todavia, estas páginas não desenvolvem de modo algum os
fundamentos lógicos, os laços teóricos e a coerência do sistema estóico, e não
poderiam compensar o desaparecimento das obras de Zenão e de Crisipo. Por
vezes, apercebemo-nos de que os estóicos da época imperial não estavam em
condições de compreender certos aprofundamentos teóricos refinados dos
mestres fundadores (em todo o caso, julgavam-nos desprovidos de
importância). As novidades mais significativas que marcam a produção deles
parecem resultar da fortíssima exigência moral que os caracteriza: assim, na
proairesis (escolha moral) de Epicteto e na voluntas (vontade) de Séneca,
podem ver-se duas etapas importantes do desenvolvimento da noção de
vontade que atingirá o seu apogeu em Agostinho. Mas nem Séneca nem
Epicteto dispõem de teoria a respeito dessas noções que continuamente
empregam.

Métodos e problemas da exegese


Em relação aos aristotélicos, os platónicos experimentavam algumas
dificuldades que os penalizavam, mas podiam no entanto apoiar-se em algumas
vantagens. Em princípio, as duas escolas haviam baseado os seus trabalhos
num mesmo método interpretativo: explicar os trabalhos dos dois mestres a
partir dos seus próprios textos, procedendo a comparações entre as passagens
que colocavam problemas e outras passagens dos Diálogos ou dos escritos
acroamáticos que pareciam próximas do ponto de vista da forma ou do ponto
de vista do conteúdo, ou ambas as coisas em simultâneo. O fito de tais
abordagens era o de deduzir de todos os textos tomados como referência uma
interpretação unificada e apta a demonstrar a coerência do pensamento do
mestre. O pressuposto sistemático constituía o fundamento do método
exegético, e este último, por seu turno, deveria confirmar a validade daquele.
Contudo, desde os primeiros séculos da época imperial, os platónicos usaram
também um outro método: estimaram que o texto dos Diálogos os autorizava a
deduzir o que não era explicitamente afirmado mas lhes parecia ser uma
consequência lógica do que Platão havia escrito158. É evidente que uma tal
leitura podia abrir vias muito amplas a interpretações particulares, e sobretudo
arbitrárias.
Mas, por outro lado, a liberdade que os platónicos se atribuíam para tal
leitura constituía uma resposta a uma dificuldade que se revelava menor para
os aristotélicos. Deve recordar-se que, pelo menos desde meados do século I
a.C., circulavam várias versões contraditórias da filosofia de Platão; a de
Antióquio, a de origem neo-académica, e uma outra, cuja origem permanece
pouco clara, que via em Platão o herdeiro de Pitágoras. O leitor de Platão não
podia pois deixar de colocar desde logo a questão de saber com que filósofo se
confrontaria ao ler os Diálogos. Essa dificuldade preliminar deveria
provavelmente causar inevitáveis alterações dos textos. Encontram-se traços
significativos do exame de uma tal questão pelos platónicos e pode igualmente
adivinhar-se a importância dela entre as linhas das páginas escritas por Plutarco
de Queroneia, um dos raros platónicos que se esforçara por enumerar e
relacionar os dados essenciais das diferentes tradições exegéticas159. Este
escritor fecundo, autor de polémicas violentas contra os estóicos160 e os
epicuristas, defendeu convicções arreigadas quanto à existência de uma
tradição de pensamento herdada de Pitágoras, que somente Platão havia
retomado perfeitamente (e à qual o próprio Aristóteles não seria totalmente
estranho). Mas não renunciou a sustentar que a tradição do cepticismo
académico era também ela descendente legítima do platonismo, temperando
esse cepticismo, segundo ele, a pretensão dos homens a alcançarem um saber
total e definitivo graças à crítica da evidência sensível e, mais geralmente,
graças à atitude de prudência reforçada que ele implica.

A tradição dominante do médio-platonismo


Porém, o ponto de vista de Plutarco não se impôs: parece claro que a
orientação dominante dos platónicos dos dois primeiros séculos (que a
historiografia moderna designa correntemente pelo nome de «médio-
platónicos161») foi muito diferente e que ela releva das análises avançadas
pelos manuais de introdução à filosofia de Platão, chegados até nós como tendo
por autores Apuleio e um certo Alcino, perfeitamente desconhecido. Nesses
escritos, o cepticismo académico parece não relevar em nada da tradição
platónica. Segundo eles, a filosofia, ao seu mais alto nível, une-se a uma
teologia racional, hierarquicamente estruturada, onde um deus primeiro,
absolutamente transcendente e quase inefável, que se pensa a si mesmo ao
modo do intelecto motor de Aristóteles, produz o paradigma ideal que um deus
segundo – que é o verdadeiro demiurgo do Timeu – toma como modelo para
gerar o cosmos. Se a isto acrescentarmos que esse deus segundo, também ele de
natureza intelectual, é por vezes apresentado como uma função distinta e
superior da alma do mundo, cremos ver aqui o ponto de partida de um esboço
da tríade das hipóstases de Plotino. As ideias propostas pelos fragmentos das
obras de Numénio de Apaméia, platónico e pitagórico do século II, estão
estruturalmente próximas desta concepção filosófica e metafísica; elas
apresentam um tom polémico muito marcado contra a Academia nova e
consideram Platão como o herdeiro perfeito da filosofia de Pitágoras. É certo
que são os textos de Numénio que melhor permitem compreender como a
teologia hierarquizada dos «médio-platónicos» e a sua distinção das figuras
divinas podiam decorrer de uma interpretação forçada de diferentes textos
platónicos e do Timeu em particular, se o lermos à luz de certas ideias
avançadas n’A República e nas Cartas.
Além disso, a influência da Metafísica de Aristóteles, interpretada como uma
obra de carácter teológico, é visível na orientação comum de Alcino, de
Apuleio e de Numénio. A influência de Aristóteles é de resto manifesta em
diversos outros domínios, da doutrina da virtude moral (comum a Plutarco e a
mais de um escrito pseudopitagórico) à lógica, passando pelo debate sobre a
eternidade do mundo. Mas nem todos os «médio-platónicos» tinham uma
disposição tão favorável a respeito de Aristóteles: encontram-se mesmo
vestígios de uma viva polémica contra a doutrina das categorias, bem como
fragmentos assaz importantes de uma obra que constitui uma crítica virulenta
de Aristóteles, escrita por Ático no século II.

O comentário de Aristóteles por Alexandre


O mais conhecido e mais importante dos comentadores de Aristóteles foi
Alexandre de Afrodísia, cuja produção se situa entre o fim do século II e os
primeiros anos do século seguinte. Chamavam-lhe o Exegeta por excelência, e
foi sem dúvida o espírito filosófico mais sólido dos dois primeiros séculos, ao
ponto de o seu trabalho de aprofundado comentário dos escritos do mestre ter
permanecido como referência obrigatória de todo o comentário ulterior, até ao
neoplatonismo. Entre os comentários que puderam ser parcialmente
conservados, aquele que diz respeito aos cinco primeiros livros da Metafísica é
particularmente notável. Alexandre chega aí a formular uma leitura unitária do
tratado, na qual o primado da ciência teológica concorda com a ciência geral do
ser e da substância162, de uma maneira que ainda hoje se pode tomar em
consideração. Consegue-o ao tratar o aristotelismo como uma filosofia que,
embora desembocando na metafísica e na teologia, permanece não obstante
votada a uma concepção coerente da substancialidade, incluindo para o mundo
sensível. As linhas directrizes e os pontos conclusivos do comentário ao tratado
Da Alma não chegaram até nós mas deveriam ser análogos; é-nos oferecida
uma síntese deles pelo tratado de Alexandre que ostenta o mesmo título que o
de Aristóteles. Alexandre de Afrodísia interpreta nele a teoria aristotélica do
intelecto, sustentando que o intelecto humano, inteiramente mortal, pode ainda
assim identificar-se temporariamente, no acto de pensar, com o intelecto
«produtivo» (ou «agente»: o misterioso nous que «produz ou “faz” todas as
coisas» em Aristóteles163). Alexandre assimila esse intelecto produtivo ao
motor imóvel que se pensa a si mesmo no livro xii da Metafísica.
Em todas as suas obras, quer sejam os comentários ou os tratados pessoais,
Alexandre ataca o estoicismo; o seu tratado Do destino164 mostra porém que tal
não se trata nele de uma mera e pequena querela de escola, mas antes de uma
exigência de aprofundamento crítico. A crítica do determinismo estóico alarga-
se aí ao ponto de se tornar uma reflexão geral sobre toda a questão do
determinismo e da possibilidade de autonomia para o homem: uma questão que
é muito difícil resolver no sentido da liberdade total, mesmo para alguém que
conhecia bem Aristóteles, como era o caso de Alexandre.

Séneca
Antes de concluir esta apresentação sintética, não se pode ignorar o caso,
interessante e específico, de Séneca (cerca de 4-65 d.C.), mestre, conselheiro e,
finalmente, vítima do imperador Nero. Séneca é considerado – e sempre se
considerou a si mesmo – como estóico, para além da distância que sempre
manteve em relação a certos elementos da doutrina da escola em física e em
lógica, para além da sua reivindicação de liberdade quanto ao seu juízo pessoal.
Uma grande parte dos seus trabalhos poderia muito bem entrar no quadro de
pensamento dos grandes moralistas como Epicteto e Marco Aurélio: isto é
verdade quanto aos seus Diálogos em geral, mas também quanto à sua obra-
prima, as Cartas a Lucílio.
Convém sublinhar que é precisamente nesta compilação de cartas que se
manifesta uma grande curiosidade intelectual, que leva Séneca a revisitar de
forma crítica numerosas questões da doutrina da escola e a debater (cartas 58 e
65) as teorias dos «médio-platónicos» que começavam a propagar-se. Mas,
simultaneamente, Séneca sofreu fortemente a influência da hipótese de
orientação platónico-aristotélica sobre a possibilidade de o homem se consagrar
a uma actividade teórica puramente distinta da actividade prática e largamente
superior a esta. Tal perspectiva reaparece no próprio fundamento de uma outra
obra tardia de Séneca, as Questões Naturais165. De certo modo, pode já
pressentir-se nas obras de Séneca o fim da fortuna do estoicismo e o triunfo
próximo de uma filosofia da transcendência, de origem platónica e aristotélica.
PIERLUIGI DONINI

152 P. Moraux, Der Aristotelismus bei den Griechen von Andronicos bis Alexander von Aphrodisias,
Berlim-Nova Iorque, De Gruyter, 1973, p. 45-48.

153 H. Tarrant, Scepticism or Platonism? The Philosophy of the Fourth Academy, Cambridge, Cambridge
University Press, 1985.

154 Ver a este respeito: P. Donini, «Testi e commenti, manuali e insegnamento: la forma sistemática e i
metodi della filosofia in età postellenica», in W. Haase e H. Temporini (eds.), Aufstieg und Niedergang der
römischen Welt, Berlim-Nova Iorque, De Gruyter, 1994, p. 5027-5034.

155 Ver a este respeito: P. Domini, Le scuole, l’anima, l’impero, La filosofia antica da Antioco a Plotino,
Turim, Rosenberg & Sellier, 1982, p. 31-39.

156 O episódio é relatado por Séneca em A Tranquilidade da Alma, 14, 9.

157 A tese do célebre livro de P. Hadot, Exercices spirituels et philosophie antique, Paris, Études
augustiniennes, 1987, vale principalmente pelos estóicos. Do mesmo autor, deve igualmente referir-se La
Citadelle intérieure. Introduction aux pensées de Marc Aurèle, Paris, Fayard, 1992.
158 Sobre os métodos da exegese, o leitor deverá referir-se ao ensaio de P. Domini anteriormente citado, em
particular p. 5075-5082; deve acrescentar-se, sobre o platonismo, F. Ferrari, «Struttura e funzione
dell’esegesi testuale nel medioplatonisme: il caso del Timeo», Athenaeum, LXXXIX, 2001, p. 525-574.

159 Ver o livro de M. Bonazzi, Accademici e platonici. Il dibattito antico sullo scetticismo di Platone,
Milão, LED, 2003.

160 A obra de D. Babut, Plutarque et le stoïcisme, Paris, PUF, 1969, é fundamental.

161 Para uma apresentação completa, ver o livro maior de J. Dillon, The Middle Platonists. A Study of
Platonism 80 B.C. to A.D. 220, Londres, Duckworth, 1977. Ver igualmente: M. Zambon, Porphyre et le
moyen-platonisme, Paris, Vrin, 2002.

162 P. Donini, «L’objet de la métaphysique selon Alexandre d’Aphrodise», in M. Narcy e A. Tordesillas


(dir.), La «Métaphysique» d’Aristote. Perspectives contemporaines, Paris, Vrin- Ousia, 2006, p. 83-98.

163 Aristóteles, Da Alma, III, 5.

164 É porventura a obra de Alexandre mais célebre na época moderna, rica de numerosas edições e
traduções, algumas das quais recentes. Ver a notável edição de R. W. Sharples, Alexander of Aphrodisias on
Fate, Londres, Duckworth, 1983. Deve acrescentar-se: Alexandre d’Aphrodise, Traité du destin, texto
estabelecido e traduzido por P. Thillet, Paris, Les Belles Lettres, 1984.

165 B. M. Gauly, Senecas Naturales Quaestiones. Naturphilosophie für die römische Kaiserzeit, Munique,
Beck, 2004.
Plotino

Plotino foi o fundador e o maior representante do movimento a que se deu o


nome de «neoplatonismo» na época moderna; ele pôs fim a um longo período
de pluralismo durante o qual as diferentes escolas haviam produzido
representações concorrentes de Platão, quer fossem pró ou anti-aristotélicas,
pitagóricas, estóicas ou cépticas. O objectivo fundamental de Plotino foi o de
defender e desenvolver os princípios fundamentais dos dogmas do platonismo,
por meio de uma «competição» com o aristotelismo e o estoicismo, debate que
comportava igualmente aberturas e concessões (pelo contrário, as suas relações
com as tradições atomistas, hedonistas ou cépticas foram menos importantes e
quase sempre polémicas); os neoplatónicos seguintes mantiveram-se dentro dos
limites da sua síntese filosófica, propondo, em suma, uma imagem homogénea
do platonismo da Antiguidade tardia. Embora sendo sensível à questão
religiosa da salvação, típica do seu tempo, Plotino mantém-se fiel aos
fundamentos do racionalismo grego e à autoridade de Platão, cujos
ensinamentos considerava como o depósito da totalidade da verdade filosófica:
por mais diferentes que hoje em dia possam parecer as imagens que se façam
dos dois filósofos, Plotino, com efeito, via-se como um mero discípulo de
Platão, não reivindicando ser mais que um intérprete singular, convencido de
haver atingido melhor que os restantes o sentido das afirmações do mestre166.
Para ilustrarem o pensamento de Plotino, os intérpretes privilegiam
geralmente a apresentação hierárquica, fazendo seguir-se os níveis de realidade
que descendem do Uno até à matéria, indo do Ser-Intelecto e da Alma (aquilo a
que ele chama «hipóstases» incorpóreas, que se sucedem ao Uno) aos corpos
animados, depois às qualidades sensíveis e aos corpos inanimados. Proceder
assim não resulta de uma escolha errónea mas, pelo contrário, faz compreender
bem que o cosmos plotiniano, divino e harmonioso na sua totalidade, se
caracteriza no entanto por articulações e distinções internas; ele não é a
expressão de um panteísmo integral e indiferenciado. Deve porém recordar-se
que Plotino, nos seus raciocínios, quase nunca parte do Uno; por outras
palavras, não estabelece o princípio supremo sem explicar as razões que
levaram a postular a existência deste; ao invés, chega a ele através da discussão
de questões que concernem a estrutura do mundo inteligível ou a dimensão
humana concreta, ou seja a de uma alma incarnada, imersa na diversidade e na
relativa imperfeição do mundo sensível.

A sua vida, os seus escritos


Plotino nasceu em 205 d.C., segundo toda a probabilidade no Egipto.
Porfírio, seu biógrafo e seu editor, ensina-nos que aos vinte e oito anos de
idade, em Alexandria, Plotino se tornou discípulo de Amónio Sacas, junto do
qual permaneceu durante onze anos. Em 243, levado pela curiosidade de
conhecer as filosofias persas e indianas, tomou parte na expedição ao Oriente
de Gordiano III; no ano seguinte, após a morte do imperador, regressou a
Antioquia e depois a Roma, onde estabeleceu a sua escola e se manteve durante
quase toda a vida167.
Morreu em 270, na Campânia, para onde se havia retirado durante a última
fase da sua doença e onde, alguns anos antes, concebera o projecto de fundar
uma cidade de filósofos, Platonopolis168, contando com o apoio do imperador
Galiano e da sua esposa Salonina.
Plotino começou a escrever tarde, quase aos cinquenta anos de idade, a fim
de não quebrar o primeiro juramento, feito com os seus condiscípulos Erénio e
Orígenes, de não revelar as doutrinas de seu mestre Amónio169. Tendo origem
nos seminários e nas discussões que tinham lugar na escola, e destinados a
circularem entre os seus alunos, os escritos de Plotino foram publicados no
início do século IV por Porfírio, que os ordenou em seis livros, cada um
contendo nove tratados, não sem proceder a cortes e forçar ajustamentos. O
título Eneadas significa justamente: «grupos de nove170».

O Uno e a génese do intelecto


O Uno, muitas vezes também chamado «Bem», «Deus» ou «Primeiro», é o
fundamento de todas as coisas, absolutamente simples e único: causa universal
de todas as coisas, infinitamente potente, ele é o princípio de onde tudo emana
e para onde tudo aspira a regressar. Tomando como ponto de partida a
descrição platónica do Bem «acima do Ser em dignidade e em potência171»,
Plotino coloca o seu princípio supremo acima dos paradigmas ideais (o Ser,
justamente), acima até do espírito divino (Intelecto) que os pensa; pode assim
fazer avançar um primeiro princípio superior ao deus aristotélico, descrito no
livro Λ da Metafísica como sendo primeiro entre as coisas e Intelecto pensante,
dando assim um passo que os platónicos anteriores não haviam ousado dar por
completo. Dadas as qualidades próprias à sua natureza, o Uno não admite ser
descrito senão por definições negativas: com efeito, toda a qualificação ou
definição positiva, incluindo as de «causa», de «princípio, de «bem», ou
mesmo de «uno», não poderiam descrever convenientemente a sua absoluta
necessidade e a sua incomensurável superioridade. Diversas passagens,
principalmente da V e da VI Eneadas, descrevem portanto o Uno como não
tendo nem limites, nem figura, nem partes, não relevando nem de um lugar
específico nem de lugar algum, não estando nem em movimento nem em
repouso, estando fora do tempo, sem qualidade, sem nenhuma forma de ser,
não sendo nem «alguma coisa» nem «uno», inefável, incognoscível, etc.;
através desta «teologia negativa» sistemática, Plotino recusa em suma todos os
atributos que são negados ao Uno pela primeira hipótese do Parménides, o
diálogo platónico que, no platonismo tardio, desapossa o Timeu172 da sua
preeminência.
A maneira como, a partir do Uno, é engendrada a hipóstase que dele decorre
é muito particular. O Ser-Intelecto emana com efeito do Uno, pois é a partir
deste último que se difunde primeiramente uma potência (dunamis) ainda
indistinta que, chegada a um certo ponto, se detém, se volta para a sua origem –
que é o próprio Uno – para a contemplar: é somente nesse momento que o Ser-
Intelecto se determina, tomando forma nas suas estruturas típicas, ou seja nas
ideias173. Há portanto uma energia que surge, por sobreabundância, do
princípio superior, se vira para a sua origem no desejo de a contemplar, e,
quando uma tal visão-pensamento se realiza, constitui-se então um novo estado
da realidade, estável e autónomo. Um processo análogo caracteriza a génese
dos outros estados da realidade e, como prova o vocabulário usado por Plotino,
a energia que, a cada nível, se solta do superior para produzir o inferior é uma
espécie de pensamento, de contemplação intelectual (theoria); daí resulta que o
conjunto da realidade, considerada deste ponto de vista, não é mais do que
pensamento ou resultado da actividade do pensamento.

As ideias-espíritos
A par de teses tradicionais, encontram-se proposições fortemente inovadoras
na versão plotiniana da doutrina das ideias platónicas. Fundamentalmente de
acordo com as exegeses anteriores, Plotino nega a existência de modelos ideais
de realidades contra-natura ou do que seja mau e suscite repugnância; pelo
contrário, no que concerne os artefactos e os indivíduos, a sua posição é
aparentemente mais elaborada que a de outros platónicos, ainda que ela,
porventura, conheça algumas hesitações174. Sobre o número das ideias, Plotino
permanece convicto, concordando ainda com a quase totalidade dos intérpretes,
de que esse número é finito, em conformidade com a sua concepção do mundo
inteligível enquanto cosmos, verdadeiro e perfeito, totalidade harmoniosa e
completa175.
No debate sobre o lugar e a natureza das ideias, ou seja sobre a relação que
existe entre estas e a inteligência do Deus-demiurgo do Timeu, debate muito
vivo na escola, Plotino intervém de uma maneira efectivamente original. A
maior parte dos platónicos contemporâneos acreditava que as ideias tinham
uma existência autónoma, portanto exterior ao intelecto divino; Plotino, pelo
contrário, alinha por aqueles que (como Fílon de Alexandria ou Albino, autor
do Didaskalikos) haviam situado os arquétipos ideais directamente no interior
do espírito divino, estimando que eles eram, a bem dizer, «pensamentos de
Deus». No entanto, a grande novidade foi a de conceber as ideias já não
somente como conteúdos ou instrumentos da inteligência divina, mas
verdadeiramente como espíritos pensantes. Uma vez abolida a figura mítica do
Demiurgo, Plotino concebeu então a segunda hipóstase como o conjunto de
uma pluralidade de entidades que são ao mesmo tempo ideias e faculdades de
compreensão; em suma, para ele, ser e pensamento já não são distintos ou,
quando muito, unidos no mesmo local – o espírito divino – mas absolutamente
idênticos176. A identidade entre o pensamento e o que é pensado não é
imaginada por Plotino de modo estático mas no quadro de um movimento
espiritual, de uma «vida», onde as ideias não cessam de se pensar a si mesmas
com a totalidade orgânica que elas constituem177. Devido à interpenetração
total e recíproca que caracteriza o mundo ideal, cada ideia é ao mesmo tempo
ela mesma e todas as outras; ela tem um conhecimento intuitivo de si mesma e
de todas as outras sem com isso perder a sua autonomia e a sua
individualidade178.
Por isso, o dinamismo individual constitui a essência das ideias e, por
conseguinte, de toda a realidade, que é uma cópia das ideias. Porém, o mundo
sensível não é a primeira cópia do mundo inteligível, uma vez que Plotino, pela
utilização repetida da relação platónica modelo/imagem e pela exploração
exagerada de certas indicações contidas no Timeu, multiplica os níveis de
entidades ideais: as ideias que se encontram na Alma, igualmente chamadas
logoi (princípios racionais) primários, são segundo ele imagens debilitadas das
ideias que se encontram no Ser-Intelecto, ao passo que os «vestígios» das
ideias que se encontram na natureza, ou logoi secundários, são imagens
debilitadas das ideias que residem na alma. Daí resulta que os logoi, que
finalmente dão forma aos compostos sensíveis, não passem de cópias de cópias
de ideias179.

Alma e almas
A Alma deriva do Ser-Intelecto em virtude de um processo análogo àquele
pelo qual a segunda hipóstase deriva do Uno; em relação ao Ser-Intelecto do
qual ela deriva, ela é degradada, uma vez que dá forma e vida ao corpóreo.
Plotino não cuida nada de ser preciso quanto às diversas articulações do nível
psíquico; em geral, pode dizer-se que após a Alma hipostática se encontra a
Alma do mundo e com esta as almas individuais, que são de uma natureza
próxima da sua (a influência do Timeu é evidente), e que todas essas almas,
tanto a alma colectiva como as almas individuais, têm uma dimensão superior,
voltada para o inteligível, e uma dimensão inferior (Natureza), voltada para a
produção do sensível. O ser humano, enquanto corpo governado por uma alma,
e por uma alma provida de funções tanto superiores (racionais e intelectuais),
como inferiores (sensitivas e vegetativas), é verdadeiramente o ponto de
encontro dos dois «mundos» tradicionais de Platão: o inteligível e o sensível.
É precisamente essa estreita relação com o sensível que suscita aporias
complexas quanto à natureza da alma. Com efeito, como pode – interroga-se
Platão – um princípio que governa e anima a totalidade do mundo sensível
deixar de implicar extensão? Como pode o princípio psíquico residir em várias
partes de corpos complexos sem estar por seu turno dividido em partes? Uma
resposta possível é que a alma esteja totalmente presente em cada parte do
corpo animado; uma outra é que não é a alma que está no corpo mas o corpo
que está nela, da mesma maneira que um corpo iluminado ou aquecido está na
luz ou no calor. O exame de todas estas questões releva mais frequentemente
dos livros vi, 4 e vi, 5 das Eneadas (originalmente um tratado único, dividido
em dois por Porfírio), onde Plotino elabora a sua resposta às questões relativas
às relações entre inteligível e sensível, levantadas principalmente na primeira
parte do Parménides de Platão.

A matéria e o mal
O tema da matéria apresenta numerosos aspectos que suscitam debate.
Parece no entanto que, para Plotino, a matéria não é engendrada senão uma
única vez e para toda a eternidade (no sentido em que ela está fora do tempo)
pela Natureza, ou ainda pela parte inferior da Alma180. Plotino descreve
frequentemente a matéria como um puro não-ser caracterizado pela privação, a
esterilidade e a ausência total de vida. Resulta de tais premissas que dizer-se
que as formas ideais ou logoi se encontram na matéria é inapropriado, uma vez
que esta última também não é um substrato apto a acolhê-las: os logoi não
fazem parte da matéria senão na aparência, visto unirem-se a esta sem a
modificarem nem a determinarem de maneira alguma: a matéria, quando
muito, não é mais do que uma espécie de espelho inerte181, sobre o qual as
formas produzem um reflexo aparente (a saber, porque ele não reproduz
fielmente as feições do princípio formal), inconsistente e fugaz.
Tratando-se do mundo sensível, resultado da interacção entre a matéria e os
princípios ideais, o pensamento de Plotino varia com frequência. Opondo-se às
doutrinas de tipo gnóstico que condenam absolutamente a corporeidade e
imputam a um Demiurgo mau a criação do mundo sensível, Plotino reafirma
com vigor a bondade do mundo sensível e a sua origem divina e perfeita.
Segundo esta concepção, a beleza e a harmonia do cosmos visível reflectem
justamente a beleza e a harmonia do mundo inteligível182. Quando, pelo
contrário, aborda as concepções aristotélicas ou materialistas, que negam a
existência de uma esfera inteligível à parte e valorizam a experiência do prazer
no sentido comum do termo, Plotino sublinha que o mundo dos corpos naturais
não é mais do que um pálido reflexo deformado das causas incorpóreas
verdadeiras, apto a lograr o conhecimento e a perverter a moral. O papel da
matéria e da corporeidade do ponto de vista ético é examinado principalmente
no tratado i, 8, onde Plotino estima ser na matéria que o mal primário, origem
de todo o mal para a alma, encontra lugar, ao mesmo tempo que confirma a
tese de que a matéria deriva de princípios superiores. Assim, por um lado
Plotino permanece fiel à tese monista que exclui a existência de um princípio
negativo oposto desde a origem aos princípios supremos, e por outro lado não
hesita em sustentar a existência de um dualismo dos valores, segundo o qual a
matéria é o princípio do mal moral, capaz de impelir a alma humana para o que
é inferior e negativo, ou seja para o corpo e a atenção que é prestada a este183.

O conhecimento e o regresso ao Uno


Plotino experimentava desconfiança em relação às práticas magico-rituais e
às formas de religiosidade supersticiosa; para ele, é essencialmente a vida
filosófica que nos permite emanciparmo-nos do corpóreo, pois nela convergem
disciplina moral e disciplina intelectual. Devem ultrapassar-se as formas
primeiras do conhecimento ligadas à percepção sensível para atingir as que são
mais racionais, susceptíveis de nos conduzirem à visão das ideias. Para Plotino,
se é possível conhecer-se bem as realidades inteligíveis, é porque não é a
totalidade da alma humana que desce para se incarnar efectivamente no
sensível, uma parte dela permanece sempre no mundo das ideias184, ao
contrário do que pensam todos os outros intérpretes de Platão. Espécie de ideia
entre as ideias, essa parte da alma frui sempre da forma de pensamento própria
da segunda hipóstase, a saber da compreensão total e imediata das partes e do
todo. Trata-se pois de uma intuição intelectual (noêsis) que capta
intemporalmente todos os inteligíveis nas suas relações recíprocas, colocando-
se assim acima do pensamento racional (dianoia) no sentido habitual dos
termos, onde o raciocínio se desenvolve no tempo e onde os conteúdos
conceptuais só estabelecem entre si relações parciais.
Mas a intuição perfeita do mundo inteligível não constitui o cume da ascese
espiritual, que se não cumpre plenamente senão quando a alma se une ao Uno,
numa experiência mística em que os limites do indivíduo tendem a anular-se e
onde o objecto e o sujeito tendem a coincidir. Para «ver» ou «tocar»
verdadeiramente o Uno, a alma deve despojar-se de tudo e abandonar o que
caracteriza a inteligência para perder toda a forma, como o objecto para o qual
ela tende; depois disso, ela deve aguardar pacientemente que o Uno se
manifeste e que, numa visão súbita, seja finalmente realizada a sua união com o
princípio185. Plotino, embora continue consciente da incomunicabilidade
fundamental da experiência mística, fala dela com frequência, usando
expressões e palavras altamente sugestivas, como se a alma se revelasse a si
mesma, se identificasse com o divino, com uma pura visão da luz – que é Deus
– num sujeito humano tornado ele próprio luz186.
A posteridade de Plotino no seio do platonismo antigo e medieval é, sob
alguns aspectos, menor do que aquela de que ele beneficiou na época moderna
(durante a qual se transpôs uma etapa fundamental da difusão da sua obra
aquando da publicação, em 1492, da tradução das Eneadas por Marsílio
Ficino), e, sobretudo, na época contemporânea, quando o movimento
romântico europeu revalorizou os seus escritos. Parece ter havido duas razões
principais para o relativo enfraquecimento da fama de Plotino no termo da
Antiguidade tardia: em primeiro lugar, a sua atitude resolutamente crítica a
respeito de Aristóteles, que se confrontou com a tendência «concordista»
(aquela que procurava sempre o acordo entre as posições de Platão e as de
Aristóteles), já presente no movimento platónico que o precedera e que se
tornaria dominante depois dele, promovida em particular por Porfírio;
seguidamente, a viragem mágico-teúrgica que Jâmblico impôs à escola,
largamente adoptada pelos platónicos seguintes (pensemos sobretudo em
Proclo), que os afastava da atitude sobriamente racionalista de Plotino, que
olhava com suspeita as formas de purificação espiritual diferentes da vida
filosófica de ascese e de estudo.
ALESSANDRO LINGUITI

166 Cf. Eneadas, IV, 8, 8.1-3; V, 1, 8.1-14; VI, 2, 1.3-5; VI, 3, 1.1-2.

167 Cf. Porfírio, Vida de Plotino, 3.

168 Cf. ibid., 2 e 12.

169 Cf. ibid., 3.

170 Cf. ibid., 24.

171 Cf. A República, VI, 509b.

172 No platonismo dogmático (ao contrário do platonismo céptico-académico) anterior a Plotino, era do
Timeu que provinha a doutrina fundamental dos três princípios: Deus-demiurgo, ideias e matéria. O primado
do Timeu tornou a ser posto em causa quando Plotino, e, mais sistematicamente, os neoplatónicos que se lhe
seguiram, creram reconhecer na segunda parte do diálogo, aquela que é dedicada à discussão das oito (ou
nove) hipóteses acerca do Uno, as características do Uno transcendente ao Ser e aos níveis de realidade que
ele engendra. Antes de Plotino, em Eudoro e em Moderatus, podemos aperceber-nos dos vestígios de uma
interpretação semelhante, e não pode portanto excluir-se que personagens como Numénio ou Amónio
Sacas, que influenciaram a formação de Plotino, hajam sofrido os efeitos dela. Os estudos sobre este tema
foram inaugurados pelo célebre ensaio de E. Dodds, «The Parmenides of Plato and the Origin of the
Neoplatonic “One”», Classical Quarterly, 22, 1928, p. 129-142.

173 Cf. por exemplo Eneadas, V, 1, 7.5-6; V, 2, 1.7-11.

174 Ibid., V, 9, 9-13; V, 7; VI, 7, 1-11.

175 Ibid., III, 2, 1.26-45; III, 7, 4.12-15; VI, 7, 14. Ver, para uma apresentação de conjunto, M. Baltes e M.-
L. Lakman, «Idea (dottrina delle idee)» in F. Fronterotta e W. Leszl (dir.), Eidos-Idea. Platone, Aristotele e
la tradizione platónica, Sankt Augustin, Academia Verlag, 2005.

176 Cf. por exemplo Eneadas, V, 9, 8. Pode facilmente reconhecer-se aqui o contributo dos intérpretes de
Aristóteles, em particular de Alexandre de Afrodísia, que, algumas dezenas de anos antes de Plotino, havia
identificado o deus do livro Λ da Metafísica pensando-se sempre a si mesmo por meio do intelecto em acto
do livro III do Da Alma, que pensa constantemente o conjunto dos inteligíveis.

177 Cf. por exemplo Eneadas, VI, 7, 13. A razão principal para isso prende-se com a exigência de Platão,
atestada por uma célebre passagem do Sofista (248e e seguintes), de atribuir ao Ser movimento, vida, alma
e pensamento, bem como com a descrição do deus de Aristóteles enquanto pensamento de si sempre em
acto.

178 Cf. por exemplo Eneadas, V, 8, 4. A fim de ilustrar esta característica particular – e sob muitos aspectos
paradoxal – da natureza das ideias, Plotino compara-as aos teoremas de uma ciência única onde cada
teorema não é na aparência mais do que ele próprio, mas implica na realidade todos os outros, quer eles
sejam antecedentes ou consecutivos, e portanto a totalidade da ciência em questão (cf. Eneadas, IV, 9, 5;
VI, 2, 20).

179 Cf. principalmente Eneadas, II, 3, 17-18; V, 9, 6; VI, 7, 5.

180 Ibid., III, 4, 1.

181 Ibid., III, 6, 9.

182 Ibid., II, 9.

183 Essa é uma contradição aparente, como não deixará de sublinhar Proclo no De malorum subsistentia.

184 Cf. Eneadas, IV, 8, 8-1-6.

185 Ibid., V, 7.31-35; VI, 7, 34.12-14; VI, 9, 7.5-16.

186 Ibid., IV, 8, 1.1-11; VI, 9, 9.38-60.


O neoplatonismo de Proclo

Proclo nasceu em Constantinopla no ano 412, numa família originária da


Lícia que havia permanecido fiel à religião helénica tradicional numa
sociedade já dominada pelo cristianismo. O brilhante jovem decidiu dedicar-se
inteiramente à filosofia. Após estudos em Alexandria, chegou a Atenas em 430
para frequentar a Academia, que era então dirigida pelo velho Plutarco. Com a
nomeação deste, também a venerável instituição se convertera ao movimento
neoplatónico, que inicialmente se desenvolvera à margem das escolas
tradicionais. Essa nova filosofia, inaugurada por Plotino, foi continuada em
Roma pelo ensino de Porfírio, enquanto o seu discípulo Jâmblico estabelecia a
sua própria escola na Síria. Sob a influência de Jâmblico, a metafísica do
neoplatonismo aliou-se cada vez mais aos ritos e às crenças do paganismo, que
ela supostamente justificaria. Esta corrente do neoplatonismo invadiu
finalmente a Academia de Atenas com a chegada de Plutarco à chefia da
escola. Com Siriano, que lhe sucedeu em 432, essa nova orientação seria ainda
reforçada. Até ao seu encerramento por Justiniano em 529, a Academia seria o
bastião intelectual do paganismo.
Durante mais de quinze anos, Proclo seguiu todos os cursos de Siriano e foi
profundamente influenciado pelo ensino deste. Após a morte do seu venerado
mestre (em 437?), tornou-se ele próprio chefe da Academia, e com isso
«sucessor de Platão»; assim se manteve até à sua morte, em 485. Apesar do
clima ideológico hostil, a Academia continuava a gozar de um grande prestígio
em Atenas. Proclo não abandonou a cidade, a não ser durante um período de
perturbações políticas, que passou na Lídia. Atraiu para junto de si uma grande
quantidade de discípulos vindos de diversos países. Podemos reconstruir a vida
da escola graças à biografia (hagiográfica) que o seu aluno Marino187 lhe
dedicou. Nessa obra, Marino pretendia mostrar como Proclo havia atingido o
cume da felicidade pela prática de todos os graus de virtude. A Academia não
era apenas uma escola filosófica, mas também uma comunidade religiosa, na
qual Proclo e os seus alunos continuavam a praticar os cultos da antiga religião
helénica e os ritos teúrgicos dos caldeus. Não era concebível aos seus olhos que
se pudesse dissociar a filosofia, concebida como uma argumentação racional,
das crenças religiosas ditas pagãs, como defendiam na época os intelectuais
cristãos. Pelo contrário, a ambição de Proclo, que era já a do seu mestre
Siriano, era a de demonstrar o acordo fundamental entre a filosofia de Platão e
as outras fontes de sabedoria divinamente inspirada, a tradição matemática
vinda de Pitágoras, os Oráculos Caldaicos, as teogonias órficas, os mitos de
Homero e de Hesíodo. «Ele não teve dificuldade alguma em penetrar toda a
teologia tanto grega como bárbara e aquela que se oculta sob as ficções dos
mitos, mas, para os que querem e podem compreendê-la, produziu-a perante a
luz, explicando todas as coisas de uma maneira profundamente inspirada pelos
deuses e pondo todas essas teologias de acordo188.» Proclo estava convencido
de que só a filosofia podia produzir a síntese dessa tradição multiforme. «Em
todos os casos, eu preferiria o evidente, o distinto e o simples aos seus
contrários; e do que é transmitido por símbolos tirarei a claro o ensinamento; o
que é transmitido por imagens, fá-lo-ei remontar ao seu original, ao que está
escrito de uma maneira demasiado categórica, dar-lhe-ei confirmação por
raciocínios189.» Nesse esforço de compreensão, ele pretendia seguir o
ensinamento do divino Platão, o único que havia desenvolvido uma doutrina
compreensiva dos primeiros princípios dos seres. Proclo adoptava também tudo
«o que fosse fecundo e útil» entre os pensadores antigos posteriores a Platão,
Aristóteles e os estóicos, embora muitas vezes se mostrasse crítico a respeito de
Aristóteles, que acusava de haver interpretado mal o seu mestre.
Proclo compôs comentários de todos os diálogos de Platão que faziam parte
do currículo da escola neoplatónica desde Jâmblico. O curso começava com a
explicação do Alcibíades sobre o conhecimento de si, diálogo que era
considerado como uma introdução à filosofia, e culminava na explicação das
duas obras maiores de Platão, o Timeu, sobre a génese do mundo sensível, e o
Parménides, que oferecia os princípios da teologia. De todos esses
comentários, os relativos ao Alcibíades, ao Crátilo, ao Timeu e ao Parménides
estão em parte conservados. Além disso, dispomos de uma série de ensaios
sobre a interpretação d’A República. Os comentários de Proclo são obras-
primas no seu género. Apresentam uma interpretação coerente de um diálogo a
partir da determinação do seu objecto (skopos), com um interesse particular
pelo mais ínfimo pormenor do texto, sem jamais perder de vista a realidade das
coisas que esses textos do divino Platão supostamente explicam. Fornecem
igualmente uma documentação extremamente rica sobre a interpretação do
diálogo na tradição platónica (deste ponto de vista, o comentário do Timeu é
uma mina de informações). A par desses comentários sobre Platão, Proclo
compôs um outro sobre os Elementos de Euclides. Os dois prólogos deste
comentário oferecem a melhor introdução ao estudo filosófico da matemática
na Antiguidade. A composição da «Hipotipose das posições astronómicas» é
uma outra indicação do grande interesse de Proclo pelas ciências e pela
cosmologia, como mostram igualmente as numerosas digressões matemáticas
no seu comentário sobre o Timeu. Proclo comentou ainda as Eneadas de
Plotino, das quais era leitor assíduo, mas crítico. E não devemos esquecer-nos
de mencionar o seu grande comentário dos Oráculos Caldaicos, de que foram
conservados alguns vestígios por Pselo. Além disso, Proclo redigiu tratados
sobre diversos temas, como a providência e a fatalidade, a liberdade de escolha
da alma, a existência do mal. Para além dos seus comentários, a reputação de
Proclo deve-se antes de mais aos dois grandes tratados sistemáticos que
passaremos a apresentar: os Elementos de Teologia e a Teologia Platónica.

Elementos de Teologia
Os Elementos de Teologia são sem dúvida alguma a obra mais original de
Proclo, não tanto pelo seu conteúdo – pois a maior parte dos princípios nela
desenvolvidos vem dos seus predecessores –, quanto pelo esforço notável que
ela prossegue a fim de desenvolver toda a metafísica platónica a partir de um
conjunto de axiomas. Nos Elementos, Proclo demonstra de uma maneira quase
geométrica os teoremas fundamentais da teologia ou ciência metafísica tal
como ele a concebe. A obra contém 211 proposições, cada uma delas seguida
de uma demonstração. A primeira parte (1-112) examina os princípios
fundamentais que estão na base de tudo o que existe, como a relação entre o
uno e o múltiplo, entre a causa e o efeito, o todo e as partes, a participação, a
processão e a conversão dos seres, o limite e o ilimitado, o automovimento e a
autoconstituição, o acto e a potência, a eternidade e o tempo. Na segunda parte
(113-211), Proclo passa em revista todos os graus da realidade, aplicando-lhes
os princípios metafísicos gerais da primeira parte. Examina sucessivamente as
hénades divinas, os intelectos e as almas. O mundo físico, que não constitui
uma verdadeira hipóstase, não tem lugar nesta metafísica teológica.

O Uno e o múltiplo
Os Elementos começam pelo princípio fundamental de todo o neoplatonismo
posterior a Plotino: «Toda a pluralidade participa de algum modo no Uno.»
Com efeito, sem a unidade que o mantém no seu ser, o múltiplo tornar-se-ia
uma pluralidade infinita de partes e deixaria de existir. Mas uma pluralidade
não pode por si mesma ser a unidade em que participa e que a faz subsistir. O
ser unificado não é o Uno enquanto tal, o Uno absoluto. Ele recebeu a unidade
como uma determinação distinta do que ele é por si mesmo. O que é pois esse
Uno do qual a pluralidade como ser unificado participa e ao qual ele está
subordinado? O que explica, por exemplo, a unidade de um organismo vivo é a
sua alma. Mas a alma não poderia ser a explicação última da unidade: ela
própria é uma multiplicidade de potências e de actividades. É preciso pois
remontar a uma outra forma de unidade que a explique, e assim
sucessivamente, até que se chegue ao princípio de todos os seres, que é
verdadeiramente o Uno absoluto. Este Uno é igualmente o Bem absoluto. Com
efeito, se a função própria do Uno é a de manter os seres múltiplos no seu ser, é
também essa a função do Bem. A perfeição e o bem-estar das coisas vêm-lhes
da sua unificação, ao passo que a sua dispersão e a sua fragmentação são a
causa da destruição e do mal. O Uno e o Bem são nomes que designam uma
mesma realidade, ou antes as relações dos seres em referência a essa realidade.
Nós chamamos-lhe o Bem quando a encaramos como finalidade suprema de
todos os seres, e chamamos-lhe Uno quando a consideramos como a origem
transcendente de todos os seres.

Processão
«Cada ser produz seres semelhantes a si mesmo antes de fazer existir os seus
dissemelhantes190.» O que é absolutamente diferente não pode proceder
imediatamente da sua causa. Daí a necessidade de seres intermédios para
religar os termos extremos. Está assim excluído que o Intelecto, que contém a
multiplicidade das ideias, proceda directamente do Uno, como pensava Plotino.
O que procede primeiramente do Uno é o ser absoluto, que é também o
primeiro objecto inteligível (noêton). Para aproximar o inteligível e o intelecto
é preciso postular a ordem inteligível e intelectiva, que corresponde à Vida
absoluta. Do Uno vem portanto o Ser, do Ser a Vida, da Vida o Intelecto. Nesta
processão, o nível superior exerce uma causalidade mais compreensiva, que se
estende mais longe do que o nível que lhe está subordinado. Deste modo todos
os seres participam no Ser, mas nem todos na Vida, e ainda menos no Intelecto.
A causalidade do Uno estende-se ainda mais longe do que a do Ser, pois a
própria matéria, o substrato indeterminado de todo o mundo físico, depende do
Uno, ainda que ela não exista verdadeiramente.
A estrutura triádica da realidade
Se a processão se faz segundo a semelhança, tudo o que é produzido pré-
existe de uma certa maneira na potência fecunda da sua causa. Pode dizer-se
que «reside» na sua causa (kat’aitian) sem nela ter uma existência formalmente
distinta (kath’huparxin). No entanto, se o efeito aí permanecesse imutável, ele
em nada se distinguiria da sua causa e nada se produziria dela. É somente pela
«processão» que o efeito começa a existir à parte, como um ser formalmente
distinto, fora da sua causa. Se é verdade que um ser não pode ficar
integralmente na sua causa, está igualmente excluído que ele proceda até ao
infinito. É preciso pois que o efeito se refira continuamente à sua origem para
continuar a existir. «Todo o ser que procede de um princípio se converte
segundo o seu ser naquilo de que procede191.» Pois que outro princípio lhe
poderia procurar o bem que lhe é próprio, senão a causa da qual ele recebe o
seu ser? A conversão ou o retorno é essa aspiração do efeito para a sua causa
porquanto esta constitui o seu bem. O termo da conversão coincidirá portanto
sempre com o princípio da processão. Como todos os seres se convertem na
causa de que procedem, eles realizam uma actividade cíclica. «Estes ciclos
fazem-se amplos ou mais curtos segundo as conversões se dirijam às causas
imediatamente superiores ou a outras mais elevadas192.»

Participação
A metáfora da participação introduzida por Platão para explicar a relação
entre a forma e as coisas múltiplas suscita tantas dificuldades quanto as que
resolve. Se a forma permanece una e «separada» das coisas múltiplas, parece
que estas últimas não poderiam ter nela uma «parte». Se ao invés ela está
presente nos seres que dela tomam parte, torna-se particularizada e perde a sua
universalidade. A solução de Proclo consiste em distinguir o modo participado
e o modo não participado ou imparticipável da forma. O que é participado
pelos seres particulares não pode ser a forma ideal em si mesma. Essa forma
permanece imparticipável, mas a partir dela provêm formas participadas que
são imanentes aos seres que dela participam: essas formas correspondem às
formas na matéria (enuloi) de que trata Aristóteles. Mas enquanto Aristóteles
rejeita as formas separadas como uma duplicação supérflua da realidade,
Proclo mostra que a existência da forma não participada é necessária para
garantir o carácter universal das formas participadas. Com efeito, uma forma
participada pertence inteiramente à coisa que participa e não pode estar ao
mesmo tempo numa outra. Se não houvesse mais do que a forma participada,
não se poderia explicar como todas as coisas que participam de uma forma têm
essa forma em comum com as outras coisas da mesma espécie. Existe portanto,
anteriormente às formas participadas, uma mónada não participada que garante
a unidade e a universalidade da forma nos seres múltiplos. «Todo o
imparticipável produz a partir de si mesmo formas participadas e todos os seres
(hypostaseis) participados se referem aos seres imparticipáveis193.»
A distinção entre os modos participado e imparticipável não se aplica
somente às Formas ideais, mas a todas as hipóstases: a Alma, o Intelecto e
mesmo o Uno. Em cada nível, deve fazer-se uma distinção entre a mónada
imparticipável e a série das formas participadas que lhe estão subordinadas.
Assim, anteriormente à série das almas das quais os corpos participam em
níveis diferentes – há com efeito almas divinas dos astros, almas de demónios,
almas particulares de humanos –, existe uma alma imparticipável da qual
procede a série das almas participadas segundo os diferentes graus de
participação. E antes dos intelectos nos quais participam as almas divinas,
demoníacas ou humanas, existe um intelecto imparticipável absoluto, que
compreende em si a totalidade de todas as formas ideais. Os múltiplos
intelectos procedem deste intelecto absoluto e constituem assim uma série
coordenada de intelectos, cada um tendo o mesmo conteúdo intelectual. O
intelecto é portanto simultaneamente uno e múltiplo. Segundo o mesmo
argumento, devemos estabelecer junto do Uno – que é absolutamente
transcendente e no qual não pode participar nenhum dos seres – uma série de
«unos» ou «hénades», na qual participam as diferentes classes de seres que dela
provêm. Essas hénades não são as modalidades da unidade adquiridas pelos
seres, mas unidades que subsistem por si mesmas embora permanecendo
transcendentes em relação aos seres que delas dependem. Embora permaneçam
unidas ao Uno primordial e estejam, tal como ele, para além do ser e para além
de todo o conhecimento, podemos conhecer indirectamente as suas
características distintivas a partir das diferentes classes de seres que estão
suspensas delas. As primeiras entre as hénades, e as mais próximas do Uno
absoluto são o limite e o ilimitado.
A doutrina das hénades desempenha um papel absolutamente determinante
na elaboração do sistema teológico de Proclo. Se o Uno é o Bem, ele é
igualmente o deus. Com efeito, como não há nada de superior (de «melhor») ao
Uno-Bem, ele é o primeiro princípio dos seres, e portanto deus. Falar do Uno e
da série das hénades que estão unidas a ele equivale por conseguinte a falar do
deus e dos deuses. Enquanto unidades para além do ser, as hénades divinas são
inefáveis e incognoscíveis, mas elas deixam-se definir indirectamente pelas
diferentes classes de seres que nelas participam. «Só o primeiro deus é
totalmente incognoscível como ente imparticipável194.» A controvérsia «um só
deus ou deuses múltiplos» – tema central na oposição do monoteísmo cristão e
do paganismo politeísta – baseia-se pois numa questão mal colocada. Deus é
uno e o Uno é deus, eis o que é manifesto. Mas o Uno absoluto faz subsistir ao
seu redor e unifica em si múltiplas hénades, que constituem tantas formas de
unidade quantos os seres que delas participam. Assim, é possível explicar num
sistema racional a processão e as propriedades distintivas de todas as classes de
deuses.

Teologia platónica
Se todos os homens concordam em utilizar o nome «deuses» para designar os
primeiros princípios, eles fazem-no segundo modalidades de discurso
extremamente diferentes. Proclo distingue quatro tipos de discurso teológico:
1) O discurso mítico com uma encenação trágica e símbolos (como na tradição
órfica ou em Homero e Hesíodo); 2) a revelação divinamente inspirada dos
profetas, como nos Oráculos Caldaicos; 3) o discurso matemático dos
pitagóricos, que evocam ordens divinas com o auxílio de imagens de números e
de figuras; 4) a teologia científica que trata os deuses utilizando termos
tomados à dialéctica, como «uno» e «ser», «todo» ou «parte», «idêntico» e
«diferente», e oferece demonstrações das suas propriedades. Foi Platão quem
levou essa ciência teológica à sua perfeição no Parménides, em particular no
exame dialéctico da hipótese do Uno, por pouco que este seja
convenientemente interpretado. Uma vez admitida a equivalência entre o Uno e
deus, pode ler-se a série de argumentos sobre o Uno como uma exposição
científica consagrada a deus e aos deuses. No Parménides, Platão demonstra
pois de uma maneira científica «a processão ordenada de todas as classes
divinas a partir do primeiro princípio, as suas diferenças e as suas propriedades
comuns e específicas195». É segundo este modelo que Proclo quer ele próprio
construir a sua Teologia Platónica: «Neste tratado», escreve ele, «enumerarei
todos os graus da hierarquia divina, definirei, segundo a maneira de Platão, as
suas propriedades e as suas processões196.» É a partir dos princípios científicos
do Parménides e de todos os argumentos sobre os deuses nos outros diálogos
de Platão que é possível interpretar e integrar num sistema coerente todas as
informações sobre os deuses que se encontram nas narrativas míticas, nas
rapsódias órficas e nos Oráculos Caldaicos.

A intenção teológica da filosofia de Proclo torna a sua obra fastidiosa para o


leitor contemporâneo, que a ele preferiria sem dúvida Plotino, como mais
autenticamente filósofo. Podemos certamente ter admiração pelo grandioso,
senão heróico, projecto de, a partir das premissas saídas da filosofia de Platão,
fundar o conjunto da religião pagã, que estava prestes a desaparecer no seio de
uma cultura já dominada pelo cristianismo. Todavia o pensamento de Proclo é
muito mais do que uma ideologia pagã. Prosseguindo a inspiração de Plotino,
criticando-a e desenvolvendo-a, ela é uma filosofia de uma extraordinária
potência especulativa, que vai muito para além dos seus desenvolvimentos
acerca das divindades pagãs. A prova disso é que autores que não aderiram de
modo algum às convicções religiosas de Proclo se deixaram fascinar pelo
pensamento dele e o desenvolveram de uma maneira original, como o cristão
que se oculta sob o nome de Dionísio, o Areopagita e o muçulmano árabe que
compôs o Liber de causis. Através desses dois autores anónimos, Proclo
contribuiu mais do que Plotino para a formação da tradição platónica na Idade
Média, tanto grega como latina e árabe. Enfim, foi no Renascimento que se
redescobriram os seus grandes comentários sobre Platão, os quais por
intermédio de Ficino determinaram a interpretação de Platão até ao século XIX.
CARLOS STEEL

187 Trata-se de Marino – ou Marinus – da Samaria. (N. do T.)

188 Vida, § 22.

189 Teologia Platónica, I, 2, p. 9, 20-27.

190 Elementos de Teologia, § 28.

191 Ibid., § 31.

192 Ibid., § 33.

193 Ibid., § 23.

194 Ibid., § 123.

195 Teologia Platónica, I, 4, p.20.20-25.


196 Ibid., I, 2, p. 9-13.
A herança da filosofia grega no cristianismo
antigo grego e latino
A importância da tradição platónica

Helenismo e cristianismo no pensamento


dos Pais da Igreja
A questão da relação entre o pensamento grego e a fé cristã ocupa um lugar
considerável nos escritos patrísticos dos primeiros séculos; mas, sobre esse
assunto, os Pais oscilavam entre uma recusa absoluta, uma abertura limitada e
uma defesa apaixonada. Não renunciam porém à tese da influência
fundamental dos livros hebraicos, que decorre do judeo-helenismo. São Paulo
já havia apresentado a filosofia como fonte de ilusão e fermento de orgulho;
considerava-a como muito largamente inferior ao conhecimento de Deus.
Taciano, autor do Discurso aos Gregos, despreza-a abertamente, estimando que
ela releva de saberes bárbaros e transborda de absurdezas e de contradições. De
maneira análoga, o autor da Exortação aos Gregos rejeita as doutrinas
filosóficas e sublinha as contradições destas, e defende que elas estão sujeitas a
Moisés. Mas é sobretudo em Tertuliano que a recusa da filosofia grega é
particularmente virulenta: ela estaria na origem de todas as heresias, mesmo se,
em alguns casos, não se pudesse negar a existência de um acordo entre os
filósofos e as doutrinas cristãs. Seja como for, nenhuma relação verdadeira
pode existir entre Atenas e Jerusalém, nem entre a Academia e a Igreja. A ideia
de Tertuliano, que vê na filosofia a própria origem das heresias, regressa em
Hipólito e em Epifânio, que não hesita em classificar Orígenes entre os
heréticos devido a uma «educação grega» demasiado dominante.
Pelo contrário, Atenágoras ostenta a sua estima pelo ensinamento das
grandes escolas filosóficas que afirmaram a existência de um Deus único, tal
como o fazem os cristãos. Justino, o Mártir reconhece a presença de «germes
de verdade» entre os filósofos gregos, que não teriam chegado senão a um
conhecimento muito reduzido da verdade e deviam esse conhecimento seja à
sua razão, parte humana do logos universal, seja à intervenção directa do logos
que neles teria «semeado» certas ideias. Este ponto de vista é adoptado e
desenvolvido por Clemente de Alexandria, que interpreta nesse sentido a
parábola evangélica do semeador; com efeito, não é absurdo crer que uma
«chuva divina tenha impregnado» os filósofos gregos que procuravam a
verdade. Clemente não hesita portanto em tomar resolutamente a defesa da
filosofia grega face aos membros menos cultivados da comunidade cristã de
Alexandria, que só experimentavam desconfiança e temor a respeito da
filosofia, emanação do demónio e origem da heresia. A teoria judeo-helenística
segundo a qual os gregos se haviam apropriado do Antigo Testamento,
retomada por Clemente com grande reforço de erudição197, não está segundo
ele em contradição nem com a imagem do semeador – o logos universal que
faz chover os bons germes de verdade sobre os filósofos –, nem com a imagem
da «chuva divina» já presente em A Sabedoria de Salomão, no livro do
Sirácida e em Fílon. Pelo contrário, ela fornece uma prova suplementar da
presença de elementos de verdade nas doutrinas dos filósofos e um argumento
mais para que nos aliemos a ela. À excepção da doutrina epicurista, as
diferentes doutrinas filosóficas gregas constituem fragmentos de verdade que,
idêntica ao logos universal na sua origem, veio seguidamente a deslocar-se dele
em filosofias distintas, à semelhança dos membros do corpo de Penteu.
Reunindo os fragmentos de verdade dispersos em cada uma das doutrinas
filosóficas, é possível chegar-se à contemplação da verdade absoluta. Assim
compreendida e considerada no seu conjunto, a filosofia grega oferece «uma
imagem clara da verdade»; ela é um dom que Deus oferece aos gregos. Na
história, a sua função foi a de os preparar para o cristianismo. O Antigo
Testamento teve o papel, análogo e paralelo, de preparar para isso os hebreus.
Se a considerarmos do ponto de vista histórico, a filosofia está orientada para a
busca da verdade, da qual o cristianismo representa a expressão mais completa
e mais elevada, ao passo que, na actividade quotidiana, o estudo da filosofia se
torna o instrumento que o cristão deve empregar caso queira que a sua «simples
fé» se expanda para uma verdadeira gnosis; e isso não seria possível sem uma
interpretação alegórica ou «filosófica» do significado literal do texto das
Escrituras. Partindo da letra, símbolo em si, tal interpretação pode trazer à luz o
significado mais elevado da Escritura, oculto pelo símbolo. Clemente é o
primeiro grande teólogo cristão a insistir nessa ideia que Fílon, representante
maior do judeo-helenismo de Alexandria, já havia sustentado e posto em
prática ao interpretar «filosoficamente» os livros do Antigo Testamento. Numa
época anterior, os estóicos haviam tratado a mitologia grega de maneira
análoga. É justamente graças a esse duplo papel desempenhado pela filosofia
na história e na actividade quotidiana que Clemente pode ver na filosofia uma
«serva da teologia», ideia que partilha com Fílon.
Num testemunho relatado por Eusébio da Cesareia198, Porfírio informa-nos
da imensa erudição de Orígenes. Noutro local, Gregório, o Taumaturgo relata
que a escola de Orígenes tinha o maior interesse para o estudo dos filósofos.
Orígenes tem muito mais consciência do que Clemente da necessidade de
possuir um conhecimento aprofundado das doutrinas filosóficas gregas
clássicas e dos principais escritos desse domínio, produzidos durante os três
primeiros séculos; tal conhecimento condiciona a elaboração de uma «teologia
cristã», bem como a defesa do próprio cristianismo. Apesar disso, em relação à
filosofia propriamente dita, Orígenes manifesta maior circunspecção do que
Clemente.
Tal como Atenágoras, Justino e Clemente, Eusébio da Cesareia considera que
a sabedoria hebraica e a filosofia grega se encontram no essencial199,
dependendo a segunda da primeira devido à anterioridade do povo hebreu.
Eusébio pode assim adoptar facilmente a visão de Clemente quanto ao papel
histórico desempenhado pela filosofia grega para preparar a verdade cristã; as
muito numerosas citações filosóficas que pontuam os seus trabalhos visam
precisamente estabelecer a prova disso. Tal como Clemente, Eusébio considera
admissível a ideia de Numénio segundo a qual «Platão é antes de tudo um
Moisés que fala grego».
No seu Discurso aos Jovens, Basílio, o Grande assinala o seu interesse pelas
obras literárias gregas onde as declarações de diversos autores pagãos se
podem revelar úteis para a moral, na medida em que concordem com os
preceitos evangélicos.
Na sua obra Contra Juliano, em resposta ao texto do imperador Juliano
intitulado Contra os Galileus, Cirilo de Alexandria propõe-se demonstrar que
numerosos pontos da doutrina cristã estão já presentes no pensamento grego e
que a hostilidade de Juliano em relação ao cristianismo não tem por
conseguinte fundamento lógico ou histórico.
O entusiasmo de Agostinho por Platão e por aqueles que constituem a
tradição platónica é análogo ao de Justino, o Mártir pelo médio-platonismo que
lhe era contemporâneo. O seu juízo acerca dos neoplatónicos não é
fundamentalmente diferente do que exprimem Atenágoras, Justino, Clemente e
Eusébio a propósito dos filósofos gregos no seu conjunto: «Poucas mudanças
bastariam para os transformar em cristãos200.» Agostinho reconhece muito
claramente e sem reservas o papel que a filosofia desempenhou na sua
formação intelectual.
A época moderna retoma a necessidade de precisar que relações mantinham a
filosofia grega e a religião cristã; fá-lo com tons muitas vezes apaixonados e
segundo uma multidão de iniciativas e de orientações que ecoam, nem que
fosse parcialmente, as dos Pais dos primeiros séculos. Nesta matéria, os
trabalhos de H. Dörrie e de C. de Vogel têm uma importância considerável.

A herança filosófica nos autores cristãos


Convém tomar em consideração diversos pontos fundamentais da tradição
platónica, em numerosos autores patrísticos gregos e latinos:
– a teologia negativa, da qual a concepção de um Deus imutável é somente
um aspecto;
– a doutrina da inteligência divina como lugar das ideias, que não se
distinguem dos pensamentos de Deus e dos seus poderes criadores e são
modelos dos objectos sensíveis;
– a interpretação simultaneamente teológica e metafísica das duas
primeiras hipóteses do Parménides;
– o problema da relação existente entre o primeiro princípio, a inteligência
e o ser;
– o problema da relação entre as supremas realidades inteligíveis;
– a cosmologia;
– o controlo exercido pela parte racional do espírito sobre a parte
irracional;
– o despojamento em relação ao corpo e ao mundo sensível, assimilável a
uma «purificação» e indispensável à contemplação do mundo inteligível;
– a contemplação de Deus compreendida como autocontemplação, ou seja
como contemplação da imagem divina que cada homem carrega em si
mesmo;
– a flexão da alma sobre si mesma;
– a graduação das virtudes;
– o ideal de «semelhança a Deus» e de redução à unidade;
– a doutrina do mal;
– o carácter esotérico do conhecimento superior;
– a imagem da alma alada;
– os três grandes momentos da metafísica neoplatónica, monê, proodos e
epistrophê;
– a doutrina das hénades;
– a união mística superior à inteligência;
– as leis que regem a hierarquia dos seres divinos.
Os quatro primeiros pontos desempenham um papel essencial no pensamento
do pseudo-Dionísio, o Areopagita.

Podem igualmente encontrar-se pressupostos porfíricos na doutrina do Deus


uno e triplo, própria simultaneamente aos Pais capadócios e a Dionísio, o
Areopagita, tal como na relação entre a natureza divina e a natureza humana na
pessoa de Jesus. O estudo do «platonismo dos Pais da Igreja» deve, por um
lado, levar em conta a posição destes em relação ao fundador da Academia, em
grande parte análoga à do platonismo contemporâneo, mas também marcada
por certas ideias próprias da apologética judaico-helenística; e, por outro lado,
tal estudo deve preocupar-se com as reminiscências evidentes e as citações
platónicas presentes nos seus trabalhos. Numerosas pesquisas demonstraram
claramente que a especulação dos três Pais capadócios não pode ser separada
do neoplatonismo. No caso do pseudo-Dionísio, o Areopagita, foi sobretudo o
neoplatonismo mais tardio que deixou um cunho particularmente marcado no
seu pensamento.
A presença do aristotelismo e do estoicismo no pensamento dos Pais da
Igreja, sem dúvida menos difusa que a do platonismo, não é porém tão
«marginal» quanto se poderia pensar. As teorias do logos como princípio
fundador e como lei do cosmos, da virtude regida por esse mesmo logos, da
origem e da natureza das paixões, da moderação destas pelo logos agindo como
médico da alma e da sua completa eliminação, do homem concebido como um
«microcosmo» sujeito às leis do logos tal como o universo sensível ou
macrocosmo, da inanidade dos bens exteriores comparados ao bem que se
possui em si e que deve ser identificado com a virtude, são outras tantas teses
que constituem as linhas mestras da escola estóica e que se congregam na
filosofia judaico-helenística e na tradição platónica da Antiguidade tardia. Do
mesmo modo se encontram importantes teorias cosmológicas e antropológicas,
próprias do estoicismo, em Gregório de Nissa. Enfim, acrescentemos que a
Stoa desempenha um papel eminente na antropologia de Nemésio de Emeso.
As ideias expressas por Aristóteles nas suas obras de juventude transparecem
em certos apologistas, e principalmente em Clemente. Na sua concepção da
pistis, Clemente recorreu à lógica aristotélica, com a qual mistura as ideias
platónicas e estóicas. A distinção aristotélica entre prote e deutera ousia
desempenha um papel fundamental na elaboração da doutrina trinitária dos
Pais capadócios e no monofisismo e no triteísmo de João Filopono. Numerosos
temas do Estagirita estão disseminados nos escritos de Gregório de Nissa.
Outros temas aristotélicos importantes foram retomados pela tradição
platónica, ela própria retomada pelos Pais: o tema do princípio primeiro que
limite algum pode conter, a impossibilidade de conhecer o infinito, a
inteligência metafísica pura que se pensa a si mesma, o desejo de Deus que é
experimentado por todos os seres, a virtude concebida como justo meio e
resultado da conjugação das tendências naturais, da aprendizagem e do
exercício, e, enfim, a natureza da matéria fundamental. Diversas concepções
aristotélicas relativas à física são retomadas por Basílio, o Grande,
principalmente nas suas homilias sobre o Hexaéméron; João Filopono comenta
Aristóteles e, ao mesmo tempo, critica muitas das suas teorias físicas; certas
obras de Boécio atribuem um lugar de primeiro plano à lógica aristotélica. Não
obstante, convém reconhecer que os Pais da Igreja dirigem um juízo mais
severo sobre os estóicos e sobre Aristóteles do que sobre Platão; ainda aí, a
influência do médio-platonismo do século II desempenhou um papel
determinante. Tal como os representantes da tradição platónica, os Pais
recusam de maneira cortante o panteísmo e o determinismo dos estóicos, bem
como a negação aristotélica da providência divina.
Por fim, não se deve negligenciar o neopitagorismo, do qual se encontram
vestígios na iniciativa de Clemente em matéria de teologia negativa, na
subordinação da mónada ao princípio primeiro, na concepção do homem
«monádico», em certas especulações aritmológicas, na questão, debatida por
Orígenes, da relação que existe entre Deus, a ousia e a inteligência, no tema,
retomado por diversos Pais, da «redução à unidade» – assimilável à concepção
do homem «monádico» de Clemente –, na teoria da subordinação do limite e
do infinito ao princípio primeiro, essencial para Dionísio, o Areopagita. O
neopitagorismo é também o húmus cultural de dois tratados de Boécio
(Instituição Aritmética e Instituição Musical). Pitágoras é frequentemente
associado a Platão quando os Pais da Igreja exprimem a sua preferência e esse
é um reflexo do clima cultural reinante durante os primeiros séculos da nossa
era.
Na história da cultura da Antiguidade tardia, o estoicismo, o aristotelismo e o
neopitagorismo não podem ser separados do neoplatonismo; eles convergem
neste e conferem-lhe um aspecto sincrético característico; este fenómeno
reflecte-se igualmente nos Pais da Igreja.

O platonismo segundo os Pais da Igreja


Apesar das reservas e das críticas que exprimem diversos autores, como
Taciano, Teófilo de Antioquia, Hérmias, Epifânio e Tertuliano, Platão continua
a ser o filósofo que os Pais da Igreja mais apreciam. Em geral, vêem nele o
maior dos filósofos e dos teólogos, o autor de um pensamento profundo e
visionário e de uma teologia susceptível de dar ao cristão que deseje elevar-se
os meios apropriados para o conduzir a uma mais nobre e mais verdadeira
concepção de Deus.
Clemente apresenta Platão como o amigo da verdade, conduzido por Deus;
faz dele seu companheiro na busca de Deus e louva o seu ideal de semelhança a
Deus.
Eusébio da Cesareia consagra a Platão a integralidade dos livros XI-XIII e uma
parte do livro XIV da Preparação Evangélica. Tal como Atenágoras, Justino e
Clemente, Eusébio testemunha um profundo respeito por Platão, embora
sustentando que a filosofia platónica depende do saber mosaísta. Segundo ele,
Platão é o «filósofo grego supremo», o «corifeu dos filósofos» que disse
«coisas conformes à verdade com grande frequência, ainda que a expressão
nem sempre tenha sido feliz». Na realidade, o importante para Eusébio era
sobretudo encontrar no Antigo Testamento a filosofia platónica que ele
interpreta à luz do médio-platonismo e do neoplatonismo; é com esse intuito
que cita extractos de diálogos de Platão, mas também obras de filósofos
posteriores. A ele se deve igualmente a conservação de fragmentos das obras de
Numénio e de Ático. A célebre frase de Numénio – para quem Platão é «um
Moisés que fala grego» –, à qual Clemente se havia referido, é um elemento
importante da sua concepção da história da filosofia.
Teodoreto, na sua Terapêutica das Doenças Helénicas, evoca várias vezes
Platão e diversos representantes da tradição platónica e neopitagórica, e cita de
bom grado passagens das suas obras. As homenagens que presta ao
pensamento platónico são em numerosos pontos calorosas, pois estima que o
nível de Platão é bem mais elevado que o de Aristóteles. A recepção dos
ensinamentos de Moisés e dos profetas por Platão prova a substancial
identidade da filosofia deste com a filosofia mosaísta. Tais elogios não apagam
porém a recusa de certas doutrinas da escola platónica, como a da matéria
coeterna a Deus, a do corpo como origem dos males, ou a da metempsicose.
Agostinho transborda de elogios a respeito de Platão, embora só tenha lido a
parte do Timeu traduzida por Cícero e não conheça o seu pensamento senão
através das indicações fornecidas por autores latinos como Cícero, Varrão,
Cipriano e Ambrósio. No capítulo iv do livro viii de A Cidade de Deus,
Agostinho explica que a glória soberana de Platão eclipsou todas as outras
filosofias; no livro xxii, 12, refere-se, para felicitá-la, à passagem do Timeu
(47b) relativa à origem da filosofia; visando sublinhar a identidade da filosofia
platónica e da sabedoria mosaísta, Agostinho estabelece uma ligação entre
Platão e Moisés, tal como o haviam feito anteriormente Numénio e certos Pais
gregos. Largamente de acordo com Clemente, Agostinho estima que a
correlação entre Platão e o Antigo Testamento não exclui que ele tenha sido
directamente inspirado por Deus, solução que parece aliás obter o seu favor.
Também para Boécio, Platão é o filósofo por excelência, aquele em cujos
diálogos o amor da sabedoria encontra a sua mais alta expressão.

No que concerne os Pais latinos em que a presença de Platão é mais tangível,


mencionaremos apenas Hilário de Poitiers, Mário Victorino, Ambrósio, e
depois sobretudo Agostinho e Boécio.
Hilário de Poitiers retoma temas e expressões próprios da teologia negativa,
característicos da tradição platónica tardia, embora mostrando-se polémico em
relação à filosofia, à qual reprova haver confundido Deus com os astros, com
os elementos sensíveis e com o mundo inteiro, haver formulado opiniões
extravagantes a respeito deste, e, enfim, haver negado a providência. No
entanto, não parece que o platonismo grego, em particular o da Ásia Menor,
faça directamente parte da formação cultural de Hilário, que provavelmente a
adquiriu em Bordéus, centro universitário da Gália romana muito activo no
século IV. É esse contexto que lhe terá transmitido conhecimentos em filosofia,
a partir de textos latinos, como por exemplo os escritos de Cícero; as ideias
filosóficas veiculadas pelas obras de Tertuliano teriam igualmente
desempenhado um papel não negligenciável nos seus trabalhos.
O reitor africano Mário Victorino é autor de uma tradução latina de obras da
corrente platónica; o conteúdo destas foi identificado com certos tratados de
Plotino e de Porfírio201.
Santo Ambrósio fazia parte do cenáculo de intelectuais latinos adeptos do
neoplatonismo que floresceu em Milão cerca do ano 386.
A formação filosófica de Santo Agostinho foi largamente influenciada pela
leitura do Hortênsio de Cícero, que suscitou nele o desejo ardente de se afastar
do mundo para se aproximar de Deus e da sabedoria. Mais tarde, as relações
que Agostinho estabelece cerca de 384 em Milão com o meio neoplatónico –
do qual Simpliciano e Santo Ambrósio faziam parte –, bem como a leitura de
diversos libri platonicorum – tratava-se de tratados neoplatónicos traduzidos
para latim por Mário Victorino – desempenharam um papel determinante na
orientação do seu pensamento.
Como P. Hadot bem mostrou, Agostinho aborda a filosofia de Platão em
quatro enunciados, repletos de temas platónicos, neoplatónicos, estóicos e
cristãos202. O esquema ternário que os caracteriza, baseado na tripartição
escolástica da filosofia (física, lógica e ética), e a referência a vários modelos
possíveis (como por exemplo Cícero, Apuleio e Calcídio) nada retiram ao laço
sincero da inspiração agostiniana que tem sem dúvida raízes neoplatónicas e
cristãs, mas está igualmente marcada por uma personalidade levada a
sistematizar a sua exposição. As componentes platónicas e neoplatónicas dos
quatro enunciados são as seguintes:
– no domínio da física, a oposição entre o mundo sensível (instável e
submetido ao nascimento e à morte) e o mundo inteligível (imutável na sua
forma), ligada ao platonismo e ao neoplatonismo;
– no domínio da lógica, a oposição entre a verosimilhança ou a opinião e a
verdade, entre o raciocínio erróneo ou falacioso e o raciocínio justo, entre o
sensualismo estóico e epicurista e o conhecimento verdadeiro, puramente
intelectual;
– finalmente, no domínio da ética, a distinção nítida entre a virtude
política, inferior, e a virtude superior, entre a atracção dos bens materiais,
caducos, e a contemplação da beleza, eterna e situada para além do sensível,
entre o prazer do corpo e a fruição de Deus, o bem supremo.
A posição intermediária da alma humana, a meio caminho entre o sensível e
o inteligível na estrutura vertical ternária própria de cada um dos domínios da
filosofia, é também de origem platónica e neoplatónica. No que concerne a
referência ao Deus único da física, da lógica e da ética, do qual prestam
testemunho A Cidade de Deus (VIII, 6-8) e a Carta 118, ela está já presente na
doutrina estóica e no neoplatonismo; com efeito, para a Stoa, o logos divino é
não só o princípio criador do universo, mas também, devido à sua presença no
homem, o princípio do justo raciocínio e da norma ética que se exprime no
nomos, valendo tanto para o universo como para a humanidade. Em A Cidade
de Deus (VIII, 10), o próprio Agostinho faz remontar aos neoplatónicos a ideia
segundo a qual Deus seria a fonte original da física, da lógica e da ética. Na
realidade, para Plotino, a inteligência metafísica, segunda hipóstase, é seja o
demiurgo do mundo, seja o órgão do conhecimento superior, diferente do
conhecimento discursivo próprio da alma, seja ainda o lugar dos modelos das
virtudes.
Pelo contrário, referir o domínio físico ao Pai, o domínio lógico ao Filho e o
domínio ético ao Espírito Santo remete para o próprio cristianismo.
Severino Boécio é o último teólogo e filósofo do Ocidente latino, no
momento em que finda a Antiguidade tardia e se inicia penosamente a Idade
Média. É autor de uma produção abundante na qual se reúnem os melhores
elementos da cultura literária e filosófica latina e grega, quer ela remonte à
época clássica ou à Antiguidade tardia.
Com efeito, Boécio reúne a melhor parte das tradições das filosofias de
Platão, do estoicismo, de Aristóteles e dos peripatéticos, bem como do
neopitagorismo. Convém repetir aqui uma observação já formulada: quer se
trate do caso particular da formação cultural de Boécio ou do caso geral da
história da cultura filosófica da Antiguidade tardia, o estoicismo, o
aristotelismo e o neopitagorismo estão indissoluvelmente ligados ao
neoplatonismo. No que concerne o neoplatonismo, foi antes de tudo o
neoplatonismo da escola de Amónio que marcou profundamente o pensamento
e a obra boecianas. Em Boécio, também se não deve subestimar o papel que
desempenha a tradição filosófica de língua latina representada por Cícero,
Séneca, Apuleio, Marciano Capela, Calcídio, Macróbio, Mário Victorino e
sobretudo Agostinho.
SALVATORE LILLA

197 Estrómatas, livros I e V.

198 História Eclesiástica, livro VI.

199 Preparação Evangélica, livros X e XI.

200 Da Verdadeira Religião, XII.

201 Os trabalhos de P. Henry e sobretudo de P. Hadot mostraram a que ponto as ideias teológicas de
Victorino dependiam do neoplatonismo.

202 Contra os Académicos, III, 17, 37; Da Verdadeira Religião, III, 3; A Cidade de Deus, VIII, 6-8; uma
parte da Carta 118. Cf. P. Hadot, La Présentation du platonisme par Augustin, in A. M. Ritter (ed.),
Kerygma und Logos, Festschrift für C. Andresen zum 70. Geburtstag, Göttingen, Vandenhoeck und
Ruprecht, 1979, p. 272-279.
Damasco e Bagdade

Em 661 d.C., no reinado de Mu’âwiyah, os Omêiades escolheram por capital


Damasco, um dos centros urbanos mais antigos do Médio Oriente e hoje em
dia capital da Síria. Esta dinastia (661-750) estendeu o seu império para oeste
ao ganhar controlo de uma grande parte da Espanha, para leste em direcção à
Índia, e para norte em direcção à Ásia Central. Durante o seu reinado, o
controlo e a administração dos países conquistados, assegurados até então pelos
bizantinos e pelos persas, passaram para as mãos de árabes privilegiados e com
poderes acrescidos. Porém, em 750, os Omêiades foram vencidos a leste, à
excepção da Espanha, onde Abd al-Rahman (cerca de 750-788) pôde perpetuar
a dinastia em Córdova. Os Abássidas, linhagem que continha sangue persa e
que provavelmente havia sofrido a influência do zoroastrismo, tomaram o
controlo do Império. A fim de desalojar a burocracia árabe instalada pelos
Omêiades, de firmarem o seu poder e de garantirem a expansão do islão sobre
povos não árabes, os Abássidas deram ao Império uma dimensão internacional,
e nomearam entre outros os persas para administrarem o território dessa nova
dinastia. Para assinalarem essa internacionalização, em 762 estabeleceram a
nova capital do califado no local de uma pequena aldeia persa: Bagdade.
Desenhada por arquitectos sob as ordens do segundo califa abássida, al-
Mansur203 (cerca de 754-775), que estava muito implicado no funcionamento
da administração do Império, a nova cidade fora concebida para responder aos
imperativos ideológicos de controlo das diversas instituições; estas estavam
dispostas em torno do palácio do califa, lugar do poder central, no próprio
centro da cidade e do Império.
Com sublinhou Gutas, deve-se a al-Mansur ter inaugurado esse gigantesco
movimento de tradução em Bagdade e arredores durante mais de dois séculos,
introduzindo os tesouros da ciência e da filosofia gregas no Dar al-Islam, onde
se praticava o islão e onde o seu poderio político dominava204.

O movimento de tradução
O interesse pelas questões de saúde e de bem-estar favoreceu inicialmente a
tradução de obras de medicina e de astronomia. Mas depressa os textos gregos
sobre a ciência, quer ela fosse poiética, prática ou teorética, e sobre a filosofia
do período helenístico antigo e tardio abundaram nos meios islâmicos graças às
traduções árabes do grego e do siríaco. As longas listas encontradas no
catálogo (fihrist) de Ibn al-Nadim, um livreiro de Bagdade do século X,
permitem-nos saber mais acerca desses textos. Entre os primeiros tratados
filosóficos a serem traduzidos, encontram-se as Categorias, Da Interpretação,
e os Segundos Analíticos de Aristóteles, bem como o Isagoge ou a Introdução
às Categorias de Porfírio, cuja versão árabe se deve a Abdullah ibn al-
Muqaffaʿ ou ao seu filho Mohammed, no reinado de al-Mansur. O movimento
de tradução perpetuou-se sob o reinado dos seus sucessores, entre os quais o
lendário Harun al-Rashid (que reinou entre 786-809) das Mil e Uma Noites e
al-Ma’mun (que reinou entre 813-833), tristemente célebre por haver iniciado a
Mihna ou inquisição religiosa em Bagdade. Os tradutores mais conhecidos são
os do século IX, que assiste à emergência de dois grupos cujos estilo, interesses
e ensinamentos filosóficos eram distintos.

A maior parte das traduções do grupo associado ao nome de al-Kindî (810-


866), chamado «o filósofo dos árabes» devido à sua origem étnica205, tem por
principal objecto a metafísica neoplatónica. Entre as mais influentes, contam-se
as páginas escolhidas das Eneadas IV-VI de Plotino, que tanto tomam a forma
de versões literais, como de paráfrases e adaptações, às quais eram
acrescentados numerosos comentários206. É a partir deste conjunto de textos
que a teoria neoplatónica de Deus enquanto Uno que está para além do ser e da
forma se transforma progressivamente, para se tornar uma teoria do Deus
criador, cuja natureza é puro ser (annîyah faqat) e acto (ficlun mahdun), sem
forma nem limite. Encontra-se a mesma ideia no Kalâm fî mahd al-khair (Livro
do Bem Puro) ou Livro das Causas (Liber de causis), que terá uma influência
determinante no Ocidente cristão aquando da sua tradução latina no século
XII207. Nestas duas obras, as criaturas são compostos de ser e de forma, ao
passo que o Uno verdadeiro, o Bem puro, ou seja Deus, é a única coisa da qual
se pode dizer que é um ser infinito transcendendo os limites da forma que
caracterizam o conjunto da realidade. A maior parte dos Plotiniana Arabica
encontra-se numa obra intitulada A Teologia de Aristóteles, composta e editada
por al-Kindî, que utilizou a tradução do cristão Abdul-masîh b. Abdullah b.
Nâ’ima al-Himsî, ao qual se deveria a versão árabe do conjunto dos Plotiniana
Arabica e que não deixou de lhe adaptar a filosofia. A sua adaptação é
nitidamente aristotélica, embora manifestando uma forte influência platónica
relativamente à natureza imaterial e transcendente da alma, tese que teria uma
incidência considerável na tradição filosófica árabe/islâmica. Entre as outras
obras atribuídas ao círculo de al-Kindî, que se caracterizam pela versão literal,
o uso de transliterações e de um vocabulário específico, bem como por uma
certa tendência para a simplificação, conta-se a tradução do Timeu de Platão,
bem como a das Meteorológicas, do Tratado do Céu, da Geração dos Animais,
d’As Partes dos Animais, Da Alma, e porventura uma versão modificada dos
Parva Naturalia de Aristóteles. Devem-se provavelmente tais adaptações a Ibn
al-Bitriq. Há que mencionar igualmente a tradução da Metafísica de Aristóteles
por Eustácio e uma paráfrase anónima do tratado Da Alma.
Destes dois movimentos de traduções, o mais conhecido está associado ao
nome do cristão nestoriano Hunayn b. Ishâq al-Ibâdi (808/9-873). Após haver
sido afastado dos seus estudos de medicina pelo seu mestre, Hunayn partiu para
ir aprender grego e regressou dois anos mais tarde, conhecendo o suficiente da
língua para traduzir os tratados de Galeno e dos filósofos gregos. Organizou
então um grupo de tradutores muçulmanos e cristãos que conheciam o grego, o
siríaco e o árabe. Ao adoptar um método mais rigoroso que o do círculo de al-
Kindî, este grupo de tradutores esforçou-se por coligir manuscritos, estabelecer
um vocabulário filosófico mais coerente – aquele que a tradição reteria – e
oferecer versões certamente menos literais, mas mais fluidas e mais fiéis. Os
cristãos desempenharam um papel determinante nesse empreendimento, ao
utilizarem com grande frequência o siríaco como língua intermédia nas
traduções do grego para o árabe. É importante sublinhá-lo, tanto mais que
certas obras filosóficas só estavam disponíveis em siríaco e não em árabe,
mesmo na época de al-Fârâbî, no século X, que trabalhava em Bagdade com
numerosos mestres e estudantes cristãos. Entre as obras traduzidas em árabe ou
em siríaco, encontram-se o Timeu, o Sofista, As Leis e outros diálogos de
Platão, por vezes sob forma abreviada. Para Aristóteles, a lista é mais longa e
inclui tanto os tratados lógicos como a sua filosofia prática e teorética:
Categorias, Da Interpretação, Primeiros e Segundos Analíticos, Refutações
Sofísticas, Retórica, Física, Da Geração e da Corrupção, Da Alma, Metafísica,
Ética a Nicómaco e A Grande Moral. Um outro eminente tradutor da época é o
sabeu Thabit b. Qurrah de Harrân, sobre cujas obras, escritas em colaboração
com matemáticos e astrónomos, se pode dizer que são de inspiração
neopitagórica. Traduziu a Introdução à Aritmética de Nicómaco de Gerasa, fez
um comentário da Física de Aristóteles, e reviu as adaptações do Almageste de
Ptolomeu e dos Elementos de Euclides, realizadas por Ishaq b. Hunayn. A
Introdução às Categorias de Porfírio foi traduzida por Abu Uthmân al-
Dimashqî, tal como os Tópicos de Aristóteles. Qustâ b. Lûqâ dedicou-se à
versão da Metafísica de Teofrasto, da compilação doxográfica Placita
philosophorum e dos tratados de medicina e de matemática. As obras de
Alexandre de Afrodísia e os comentários de certos neoplatónicos foram
igualmente traduzidos208.
Este movimento de transmissão da herança grega continuou com a mesma
intensidade no século X, durante o qual os tradutores, os sábios e os professores
das três grandes religiões de Abraão trabalhavam juntos em Bagdade para
realizarem novas traduções ou para reverem as antigas e estudarem-nas. A
Poética, Da Sensação, as Meteorológicas e o Tratado do Céu de Aristóteles,
bem como as obras de Alexandre de Afrodísia foram adaptadas por Abu Bishr
Mattâ b. Yûnus (f. 940), mestre de al-Fârâbî. O teólogo e filósofo cristão Yahyâ
b. Âdî (f. 974), aluno de al-Fârâbî, traduziu os comentários de Alexandre, de
Temístio e de Olimpiodoro sobre Aristóteles, mas também as Categorias, os
Tópicos, as Refutações Sofísticas, a Poética, a Física, o Da Alma, e a
Metafísica. Publicou igualmente os seus próprios comentários. Entre os últimos
tradutores deste grande movimento que durou cerca de duzentos anos, citemos
os contemporâneos: Ibn al-Khammâr (f. 1017) e Ibn Zur’ah (f. 1008), aos quais
se deve a versão árabe da História dos Animais, da Geração dos Animais, das
Meteorológicas, e de outros textos de Aristóteles.

O Kalâm ou a teologia filosófica


É na época de al-Kindî que a teologia racional do mu’tazilismo ganha
importância em Bagdade, sustentada pelas medidas autoritárias da Mihna, a
inquisição conduzida por al-Ma’mûn. Demarcando-se do puritanismo e do
rigorismo dos kharijitas, bem como do aparente laxismo dos murji’itas, os
mu’tazilitas (ou «separatistas», em referência aos extremistas) consideravam
que os homens haviam criado o Qur’ân, que eram capazes de discernir o bem e
o mal graças à razão e que possuíam um livre arbítrio. A interpretação racional
da justiça divina e a doutrina da retribuição e do castigo eram centrais para
compreender a revelação do poder divino. Tal abordagem necessitava de uma
hermenêutica aprofundada de um grande número de passagens do Qur’ân que
a tradição havia compreendido de maneira literal. No entanto, esta abordagem
corria o risco de ser percebida como um novo questionamento ou uma
limitação da autoridade e do poder de Deus, ao adoptar um ponto de vista
humano sobre o real significado dessas passagens. Entre os opositores a esse
racionalismo, o mais conhecido é Abû al-Hasan al-Ashcarî (f. 935), que trocou
o mu’tazilismo por uma leitura mais fiel da revelação divina, rejeitando o ponto
de vista do racionalismo humano que limitava o poder de Deus. Mais do que
uma simples defesa da revelação, o ash’arismo era, de um ponto de vista
filosófico, uma teologia atomista e ocasionalista complexa, e uma teoria do
poder divino onde a potência, a acção e a justiça de Deus dependiam
inteiramente da sua vontade. Este movimento elaborou a doutrina do kasb,
segundo a qual o homem cumpre os seus actos por meio da criação divina. Tal
doutrina visava responder à tese da liberdade humana dos mu’tazilitas,
evitando ao mesmo tempo adoptar um determinismo demasiado estrito. Apesar
disso, ela parecia minar a liberdade e a responsabilidade humanas. Esta
teologia filosófica ocasionalista, que mais tarde foi retomada por al-Ghazâlî (f.
1111) e muitos outros, tornou-se a corrente dominante e eclipsou rapidamente o
mu’tazilismo, que desapareceu da tradição209.

Al-Kindî (801-866)
Ainda que somente uma pequena parte das cerca de duzentas e cinquenta
obras de al-Kindî tenha chegado até nós, podemos avaliar nos seus escritos a
amplitude do encontro entre as ideias filosóficas dos gregos e a teologia
islâmica, bem como a importância do papel desempenhado pela tradição
neoplatónica no desenvolvimento da filosofia islâmica. Al-Kindî escreveu em
Bagdade no século IX, no momento em que a teologia racionalista mu’tazilita
leva a melhor em influência, e no período imediatamente posterior. No prefácio
à sua Epístola sobre a Filosofia Primeira, al-Kindî explica que a filosofia
secular herdada dos gregos deve ser compreendida como uma tentativa de
descrição da unidade divina e do respeito que o homem lhe deve, tais como se
encontram na revelação e na teologia islâmicas sob o nome de Tawhîd. Após
haver agradecido ao seu mecenas, al-Kindî explica porque a filosofia primeira
deve ser definida como conhecimento da causa da verdade no seu conjunto, o
Uno verdadeiro. Al-Kindî serve-se da lógica aristotélica e da teoria das quatro
causas para alcançar verdadeiras definições. Deve reconhecer-se aos antigos o
mérito de haverem produzido este método capaz de atingir a verdade. Al-Kindî
passa porém, auxiliado por um argumento retórico de uma espantosa insolência
e efectivamente falacioso, a atacar certos teólogos contemporâneos, que não
nomeia, dizendo: «Eles consideram como inimigos audaciosos e perigosos
aqueles que detêm as virtudes humanas que eles não puderam atingir, e das
quais estão bem distantes, para defenderem as suas cátedras usurpadas que
erigiram sem terem tal direito mas antes para dominarem e para traficarem
religião embora não tenham religião alguma; com efeito, aquele que trafica
uma coisa vende-a, e quem vende uma coisa deixa de a ter: portanto aquele que
trafica religião já não tem religião; merece ser despojado da religião aquele que
se opõe com furor a que adquiramos a ciência das coisas nas suas verdades e
lhe chama descrença210.» A verdade à qual se acede pela filosofia, uma vez que
inclui o conhecimento de Deus, é portanto necessária, digam o que disserem os
teólogos. O prefácio conclui-se com agradecimentos dirigidos ao seu benfeitor,
após uma oração solicitando a assistência divina para estabelecer contra os
inimigos da filosofia argumentos racionais capazes de provarem a existência de
Deus e de explicarem o que é Uno para atingir a verdade. Este prefácio é
importante na história da filosofia islâmica, pois al-Kindî afirma que a filosofia
permite apreender a unidade divina (Tawhîd) tanto como a revelação e a
doutrina religiosas, e que essa apreensão é fundamental para o conjunto da vida
humana. O raciocínio filosófico e as suas demonstrações apodícticas, por um
lado, e o islão e a revelação divina, por outro, são portanto duas vias iguais
para conduzir a Deus, ao Uno verdadeiro e à causa de toda a verdade. No
entanto, em caso de conflito de interpretação, deve dar-se preferência à
explicação filosófica, devendo a revelação ser entendida alegoricamente, tal
como Ibn Rushd/Averróis afirmará mais tarde.
O seguimento da Epístola sobre a Filosofia Primeira assemelha-se a um
tratado filosófico acerca do que é o Tawhîd, apoiando-se no exame aristotélico
e, mais ainda, no do neoplatonismo de Plotino e de Proclo. O género, a espécie,
o acidente, o movimento, a matéria, a alma, o intelecto, as partes (etc.) não
podem ser atribuídos ao Uno verdadeiro, ao Primeiro, ao Criador, que excede o
poder que o homem tem de o compreender e de o descrever. Deus é o Uno puro
e causa de todo o ser e de toda a verdade que decorre dessa unidade. Al-Kindî
aprofunda este tema num pequeno tratado intitulado «Sobre o agente
verdadeiro, primeiro e perfeito e sobre o agente deficiente que é agente por
extensão». A propósito da diferença entre causalidade primeira e causalidade
segunda, como aquela que se encontra no primeiro capítulo do Kalâm fî mahd
al-khair/Liber de causis que lhe é atribuído, e em todo o caso associado ao
círculo de al-Kindî211, ele mostra que o termo «agente» não pode
verdadeiramente aplicar-se senão àquilo que não pressupõe nenhum outro
agente, nem nenhum outro substrato ou matéria que pré-existisse ou coexistisse
com a sua actividade criadora. Assim, à excepção desse único Agente
verdadeiro, todos os outros se dizem ser causas num sentido metafórico ou
derivado212. O criacionismo de al-Kindî acompanha a sua bem conhecida
recusa da doutrina aristotélica da eternidade do mundo, fazendo uso de
argumentos tirados do cristão de Alexandria João Filopono.
O aristotelismo desempenhou portanto um papel maior, tanto nos Plotiniana
Arabica e na Teologia de Aristóteles, editados por al-Kindî, como no
pensamento do próprio al-Kindî, ainda que este tenha sido sobretudo
influenciado pelo neoplatonismo, do qual se encontram vestígios na sua teoria
da alma como intelecto imaterial simples.
O seu tratado Do Intelecto assemelha-se, à primeira vista, aos trabalhos
peripatéticos tardios sobre o intelecto agente, o intelecto em potência, o
intelecto em acto, etc. No entanto, a concepção que al-Kindî faz da alma e do
intelecto está mais de acordo com a teoria platónica segundo a qual o
conhecimento intelectual humano se realiza através dos objectos inteligíveis,
que existem independentemente da alma que os apreende por memória ou
reminiscência, e não por extracção ou abstracção, como em al-Fârâbî.

Al-Fârâbî (870-950/951)
Conhecemos mal a identidade e a vida de al-Fârâbî. Supomos que ele venha
da Turquia ou da Pérsia, ou pelo menos da parte oriental do Império. Sabe-se
que começou por estudar em Bagdade, com o cristão Yuhannâ b. Haylân, lendo
a Introdução às Categorias de Porfírio, as Categorias, o Da Interpretação, os
Primeiros e Segundos Analíticos de Aristóteles. Foi também junto de al-Fârâbî
que estudou o grande teólogo e filósofo cristão Yahyâ b. Âdî (f. 974). Passou
verosimilmente uma grande parte da sua vida em Bagdade, mas em 942 trocou
essa cidade por Damasco, onde terminou o seu Tratado das Opiniões dos
Habitantes da Cidade Ideal. Demorou-se igualmente em Alepo e viajou ao
Egipto, antes de regressar a Bagdade, onde morreu em 950-951213.
Com os seus contemporâneos, Abû Bishr Mattâ b. Yûnus (f. 940), al-Fârâbî,
é hoje em dia tido por um dos promotores da tradição filosófica da escola de
Alexandria em Bagdade, que era uma mistura de aristotelismo e de
neoplatonismo, e da qual Amónio foi arauto no século V. É o que mostram os
métodos de ensino praticados em Bagdade, e em certa medida pelo próprio al-
Fârâbî, que traça no Da Aparição da Filosofia as linhas desse novo
aristotelismo de Bagdade, perpetuando a tradição grega de uma maneira
inteiramente diversa da de al-Kîndî no século anterior. Das raras obras de al-
Fârâbî que chegaram até nós, solta-se uma nova cosmologia de inspiração
aristotélica, onde o mundo nasce por emanação da Causa primeira, a partir da
qual é criada toda uma hierarquia de intelectos, de almas e de corpos celestes
superiores, onde cada intelecto, por intelecção de si mesmo, dá origem a outros
intelectos, almas e corpos inferiores. Única causa da existência (wujûd) das
outras coisas e isento de qualquer defeito, o Primeiro é uno e imaterial,
conformemente ao neoplatonismo, e a sua substância não é comparável a
nenhuma outra. Não se lhe pode descrever a essência na medida em que «ele é
o Ser cuja existência não pode ter nem causa formal, nem causa eficiente, nem
causa final214». O Primeiro não pode ser caracterizado senão negativamente:
ele é indivisível, incorpóreo, imaterial, não tem substrato e é sem começo. No
entanto, a sua substância é a de um intelecto e de um inteligível, pois,
conformemente ao aristotelismo, ele é uma essência que se pensa a si mesma e
que é objecto do seu pensamento. É por isso que a razão nos ordena que
evoquemos o Primeiro por toda uma série de nomes: ele é sabedor, sábio, real,
verdadeiro, vivo, ele é a vida, ele é belo, brilhante, maravilhoso, ele
experimenta os maiores prazeres, ele é o primeiro objecto de amor. «Os nomes
pelos quais convém tratar o Primeiro são aqueles que para nós designam os
seres mais eminentes em perfeição e em existência. Mas esses nomes não
evocam senão o que aí há de perfeição e de eminência segundo o hábito
corrente pelo qual designamos os seres que estão entre nós, e aqueles que são
os melhores. Para o Primeiro, esses nomes caracterizam a perfeição que é a Sua
Substância215.» Contrariamente a al-Kindî, que considera que Deus na teologia
islâmica e na metafísica é a mesma coisa que o Uno verdadeiro, al-Fârâbî
pensa que o objecto da ciência teorética (a metafísica) é o que é comum a todos
os seres (na sua existência), o que inclui o princípio absoluto de todas as coisas
existentes, a saber Deus. Uma vez que não existe senão uma única ciência
universal para todos os seres, a metafísica compreende a teologia como uma
das suas partes que tratam de Deus, causa criadora por emanação de todas as
coisas, por intermédio da escala dos intelectos materiais.
O último intelecto criado por emanação é o intelecto agente ou intelecto
activo (al-caql al-faccâl), que é associado à esfera da Lua, e do qual emanam
formas no mundo e em outros seres do mundo sublunar, segundo certos
tratados de al-Fârâbî. Este intelecto intervém junto dos animais racionais, ou
seja dos homens, na compreensão intelectual, conformemente ao que diz
Aristóteles no De anima (III, 5), seguindo al-Fârâbî sem dúvida neste ponto os
ensinamentos de Alexandre de Afrodísia216.
Segundo ele, os seres humanos distinguem-se dos outros animais pelas suas
faculdades de escolha e de compreensão intelectual, graças às quais conseguem
superar as determinações do mundo físico e atingem mesmo um nível próximo
do do intelecto agente. Os comentadores gregos de Platão e de Aristóteles
discutem entre si a diferença entre as formas transcendentes do primeiro, que
são universais atingíveis pela alma, e os conceitos aristotélicos que derivam do
mundo e cuja intelecção se deve a um conjunto complexo de faculdades
psíquicas. Em certos casos, como em Porfírio, ambas as explicações são
retidas: os universais aristotélicos são fundados na experiência e abstraídos
dela; a experiência é considerada essencial para apreender as Formas por meio
dessa actividade inteiramente diversa que é a reminiscência217. Na sua Epístola
sobre o Intelecto e em outras obras, al-Fârâbî considera no entanto que os
inteligíveis existem naturalmente em acto na alma humana somente por um
processo que faz intervir a sensação, a imaginação e quatro intelectos, dos
quais três estão na alma, sendo o quarto o intelecto agente, que lhe é
transcendente. O processo começa pela apreensão dos sensíveis pelos cinco
sentidos e a sua unificação pelo sentido comum dominante, que produz
impressões na faculdade mimética de representação ou de imaginação. Esta
última exerce uma actividade pré-noética que «combina as sensações umas
com as outras, ou então as separa umas das outras por combinações ou
separações diversas218».
A intelecção produz-se graças à intervenção de quatro intelectos. O intelecto
em potência, ou intelecto material, é «uma certa coisa cuja essência foi
preparada ou aprestada a separar as quididades de todos os entes, bem como as
suas formas das suas matérias, fazendo delas todas uma forma, ou formas, para
ela mesma219». Ao receber estas formas abstractas, a alma humana possui e
identifica essas formas presentes enquanto inteligíveis em acto no que é
presentemente o intelecto em acto. Antes de serem abstraídas pelo intelecto
material, elas tinham um estatuto ontológico diferente, o de inteligíveis em
potência. Tal nome não lhes convém senão na medida em que elas se referem a
um intelecto, pois, em si mesmas, as formas das coisas do mundo material não
são inteligíveis. Al-Fârâbî escreve: «Mas quando [elas] se tornam inteligíveis
em acto, então a sua existência enquanto são inteligíveis em acto não é a sua
existência enquanto formas nas matérias. E a sua existência em si mesma não é
a sua existência enquanto são inteligíveis em acto220.» O papel do intelecto
agente, tal como é descrito pela Epístola sobre o Intelecto, consiste em dar ao
intelecto material aquilo que lhe permite receber os inteligíveis e tornar-se
inteligível, tal como o sol dá à visão a luz que lhe permite ver em acto e às
coisas visíveis serem visíveis em acto. Encontra-se a mesma ideia no Tratado
das Opiniões dos Habitantes da Cidade Ideal, onde o intelecto agente faz
passar (yanqulu) os inteligíveis da potência que é a sua, quando eles existem
nas coisas particulares e nas faculdades pré-noéticas da alma, ao acto no
intelecto em acto, na medida em que ele «dá ao intelecto material uma espécie
de luz». Escreve ele: «Quando na potência razoável se produz a partir do
intelecto agente essa coisa que está na mesma situação que a luz em relação à
vista, os sensíveis realizam-se a partir do que está conservado na potência
imaginativa e tornam-se inteligíveis na potência razoável221.» Enquanto os
inteligíveis imateriais em acto estão presentes no intelecto da alma, as Formas
podem ser pensadas de outro modo, como separadas e inteligíveis em acto. A
actividade imaterial do pensamento sobre estas formas abstractas,
completamente separadas da matéria, dá então lugar a uma nova actualidade do
intelecto, chamada «intelecto adquirido». O intelecto adquirido já não precisa
de nenhuma faculdade da alma que exista no corpo. É nesse sentido que se
pode falar de realização ou de transformação da alma incarnada em intelecto. A
alma já não precisa do corpo para a intelecção uma vez que doravante ela é
uma entidade imaterial em acto, eterna por natureza, alçando-se ao nível do
intelecto agente ao qual se assemelha. Não se trata de um evento místico em
que o intelecto se unisse com o intelecto agente, como mais tarde em Ibn
Bâjjah, mas antes de um indivíduo humano que se realiza completamente ao
tornar-se um intelecto separado, graças à abstracção intelectual que o homem é
capaz de escolher e de prosseguir durante a sua vida, segundo al-Fârâbî. A
doutrina por ele elaborada da abstracção dos inteligíveis a partir da experiência
ocupa um lugar considerável no ensinamento de Ibn Rushd/Averróis, mas
também em Tomás de Aquino, que a descobre na tradução latina do Grande
Comentário sobre o De Anima de Averróis.
Verdadeiro guia para o homem, o intelecto agente desempenha igualmente
um importante papel nas ciências poiética, prática e teorética ao dar à acção
humana voluntária que visa a felicidade os primeiros fundamentos inteligíveis
da realidade. A partir de uma interpretação d’A República de Platão
influenciada pela leitura de Aristóteles, al-Fârâbî mostra como o imã (o guia
religioso), o filósofo e o legislador se tornam um na cidade ideal. O método
mais seguro para atingir uma verdade apodíctica é o da demonstração
filosófica, que utiliza silogismos válidos a partir de premissas verdadeiras. No
entanto, a maior parte das pessoas dá o seu assentimento às acções ou às
doutrinas não em razão de provas filosóficas complexas, mas graças à
persuasão que utiliza os recursos da imaginação para revelar a vontade divina.
Estas imitações transmitem as prescrições divinas por símbolos, que o imã-
filósofo-legislador emprega quando governa a cidade e os cidadãos de modo a
conduzi-los à felicidade. Não obstante, «a religião é uma matéria de opinião»,
como recorda al-Fârâbî nas primeiras páginas do seu Livro da Religião, e a
felicidade para o homem, a sua verdadeira felicidade, não se obtém senão
quando atinge a verdade graças aos filósofos que usam da demonstração e das
ciências, e não quando aquiesce ingenuamente às imagens e aos símbolos, nem
quando dá o seu consentimento dialéctico ao religioso. O conhecimento
absoluto e transcendente do filósofo não é fácil de atingir e nem todos os
homens são igualmente capazes dele, devido à diferença das disposições
naturais e à dificuldade em atingir um tal grau de intelecção. Certos intérpretes
contemporâneos tentaram mostrar que as declarações de al-Fârâbî constituem
uma rejeição céptica do pensamento grego e marcam a criação de uma nova
ciência política que não estaria fundada nas teorias tradicionais da natureza
humana222. No entanto, é sem dúvida menos anacrónico procurar no
pensamento de al-Fârâbî sobre a política, a psicologia, a epistemologia e a
metafísica, pontos de acordo com uma mistura de neoplatonismo e de
aristotelismo saída da tradição grega tardia223.
Entre os filósofos de Bagdade, al-Fârâbî é hoje o mais conhecido, mas
sabemos que o movimento aristotélico foi inaugurado pelo cristão Abû Bishr
Mattâ (f. 940), ao qual se deve a tradução do siríaco para o árabe dos Segundos
Analíticos de Aristóteles e que se opôs ao gramático Abû Sacîd al-Sîrâfî (f.
979). Este último negava a universalidade da lógica grega ao pretender que se
tratava apenas de gramática grega sob uma veste filosófica. O aluno de al-
Fârâbî, o cristão Yahyâ b. Âdî (f. 974), traduziu as Refutações Sofísticas e
compôs numerosos tratados de lógica e de teologia. A presença do
neoplatonismo era igualmente muito forte nessa época. O vocabulário e as
teses neoplatónicas dos Plotiniana Arabica encontram-se na obra de
Miskawayh (f. 1030) e de al-Sijistani (f. 985). Al-Âmirî (f. 991) seguiu a via de
al-Kindî em filosofia e utilizou a tradição neoplatónica nas suas interpretações
do Alcorão, embora recorrendo ao auxílio de citações e de paráfrases do Kalâm
fi mahd al-khair/Liber de causis no seu tratado Sobre a Vida após a Morte. Na
mesma época, as Epístolas dos Irmãos da Pureza, obra que mistura a filosofia
e a revelação islâmica, apresentam-se como um guia religioso para que a alma
atinja a felicidade aquando da sua vida futura e testemunham a influência do
pitagorismo e do neoplatonismo.
Damasco e Bagdade são os dois maiores centros de tradução e de actividade
intelectual entre os séculos VII e X em terras do islão. A cidade nova de
Bagdade eclipsou rapidamente a antiga cidade de Damasco, a partir do século
VIII.
Paralelamente ao movimento de tradução, al-Kindî e al-Fârâbî
desenvolveram uma filosofia própria, ainda que os seus trabalhos e os seus
ensinamentos tenham sido rapidamente eclipsados pela importância das obras
de Ibn Sînâ/Avicena (f. 1037), a partir do século XI. No entanto, as teorias
metafísicas sobre Deus e sobre a alma humana saídas do círculo de al-Kindî
encontram-se em pensadores muçulmanos posteriores que regressavam
sistematicamente aos Plotiniana Arabica, e no Ocidente latino onde a tradução
do seu primo Kalâm fi mahd al-khair/Liber de causis era abundantemente
estudada e comentada na Universidade de Paris. A influência de al-Fârâbî em
metafísica, em psicologia filosófica e no pensamento político é atestada em Ibn
Sînâ, bem como em filósofos do al-Andaluz, entre os quais Ibn Bâjjah e Ibn
Rushd/Averróis. No Ocidente latino, as traduções de al-Fârâbî influenciaram
profundamente a teoria das ciências, e o desenvolvimento que Averróis fez do
seu pensamento teve um impacto decisivo nas concepções da natureza humana
e da alma nos debates cristãos.
RICHARD C. TAYLOR

203 Na literatura portuguesa também correntemente designado como Almançor. (N. do T.)

204 D. Gutas, Greek Thought, Arabic Culture, Nova Iorque, Londres, Routledge, 1998.

205 P. Adamson, Al-Kindi, Oxford, Oxford University Press, 2007.

206 Id., The Arabic Plotinus, Londres, Duckworth, 2002.

207 R. C. Taylor, «Aquinas, the Plotiniana Arabica, and the Metaphysics of Being and Actuality», Journal
of the History of Ideas, n.o 59, 1998, p. 217-239.

208 C. D’Ancona, «Greek into Arabic: Neoplatonism in Translation», in P. Adamson e R. C. Taylor (dir.),
The Cambridge Companion to Arabic Philosophy, Cambridge, Cambridge University Press, 2005, p. 10-31.

209 D. Gimaret, La Doctrine d’al-Asharî, Paris, Cerf, 1990; id., «Mu’tazila» in P. J. Bearman, C. E.
Bosworth, E. van Donzel, W. P. Heinriches et al. (dir.), Encyclopedia of Islam, 2.a ed., Leyde, Brill, 1960-
2005, t. 9, p. 783-793.

210 Al-Kindî, Œuvres philosophiques et scientifiques d’al-Kindî, R. Rashed e J. Jolivet (ed.), Leyde, Brill,
1997-1998, 2 vols., vol. 2, p. 14-15.

211 G. Endress, «The Circle of al-Kindî. Early Arabic Translations from the Greek and the Rise of Islamic
Philosophy», in G. Endress e R. Kruk (dir.), The Ancient Tradition in Christian and Islamic Hellenism.
Studies on the Transmission of Greek Philosophy and Sciences dedi cated to H. J. Drossaart Lulofs on his
ninetieth birthday, Leyde, Research School CNWS, School of Asian, African, and Amerindian Studies,
1997, p. 43-76.

212 Al-Kindî, op. cit., t. 2, p. 168-171.

213 D. Gutas, «Fârâbî», in Ehsan Yarshater (dir.), Encyclopaedia iranica, Londres, Routledge & Kegan
Paul, t. 9, 1985.

214 Al-Fârâbî, Traité des opinions des habitants de la cite idéale, trad. do árabe [para francês] por T. Sabri
(Études musulmanes, n.o 31), Paris, Vrin, 1990, p. 43.

215 Ibid., p. 60.

216 Ver M. Geoffroy, «La tradition arabe du d’Alexandre d’Aphrodise et les origines de la
théorie farabienne des quatre degrés de l’intellect», in C. d’Ancona et G. Serra (dir.), Aristotele e
Alessandro di Afrodisia nella Tradizione Araba, Pádua, Il Polígrafo, 2002.

217 H. Tarrant, Thrasyllan Platonism, Ithaca, Londres, Cornell University Press, 1993, p. 108-147.

218 Al-Farâbî, Tratado das Opiniões dos Habitantes da Cidade Ideal, op. cit., p. 81.

219 Id., Alfarabi. Risalah fî al-caql, M. Bouyges (ed.), Beirute, Dar el-Machreq, 1983, 2.a ed.; trad. do
árabe [para francês] por D. Hamza. L’Épître sur l’intellect. Al-Risâla fî al-caql. Abû Nasr Al-Fârâbî, Paris,
L’Harmattan, 2001, § 12, p. 70.

220 Ibid., § 16, p. 72-73 (traduções ligeiramente modificadas).

221 Id., Tratado das Opiniões dos Habitantes da Cidade Ideal, op. cit., p. 92 (trad. ligeiramente
modificada).

222 Ver C. A. Colmo, Breaking with Athens: Alfarabi as Founder, Lanham, Maryland, Lexington, 2005, e
M. Mahdi, «Fârâbî», in Encyclopaedia Iranica, op. cit.

223 Ver D. O’Meara, Platonopolis: Platonic Political Philosophy in Late Antiquity, Oxford, Oxford
University Press, 2005, e P. Vallat, Farabi et l’école d’Alexandrie, Paris, Vrin, 2004.
Averróis/Ibn Rushd

Cadi224 e jurista oriundo de uma longa linhagem de teóricos da lei religiosa,


Ibn Rushd ou Averróis (cerca de 1126-1198) marca na filosofia o sucesso da
tradição racionalista clássica em terras do islão. Essa tradição enraíza-se no
pensamento de al-Kindî, firma-se na filosofia de al-Fârâbî, desenvolve-se ainda
nas obras de Avicena/Ibn Sînâ, até que Averróis a conduz ao seu ponto de
acabamento ao operar um retorno ao racionalismo aristotélico, que o fará
passar a ser chamado «o Comentador» no Ocidente latino.
Pode dividir-se a obra filosófica de Averróis em dois grandes conjuntos. O
primeiro reúne as obras dialécticas relativas a questões de ordem religiosa ou
filosófica225; o segundo as obras que ele qualificava como «filosóficas» e
«demonstrativas»226. Trata-se de tratados independentes sobre diversos
assuntos e de comentários filosóficos sobre a obra de Aristóteles, que são de
três tipos: as Súmulas (ou Epítomes), os Comentários Médios e os Grandes
Comentários. As Súmulas tratam das questões e dos problemas levantados pela
leitura das obras de Aristóteles e dos comentadores gregos e árabes. Os
Comentários Médios consistem em larga medida numa paráfrase das principais
teses aristotélicas, e foram provavelmente escritos a pedido do califa Abû
Yaqûb Yûsuf. Aí se encontram por exemplo uma paráfrase d’A República de
Platão com matizes claramente aristotélicos. Mas foram os Grandes
Comentários que se tornaram mais conhecidos e também mais influentes.
Averróis reproduz neles o texto aristotélico, acompanhado por um comentário
linear detalhado e crítico sobre os termos empregues, os argumentos, o sentido
do texto e a sua intenção, ao mesmo tempo que toma posição em relação às
opiniões dos filósofos e dos comentadores das tradições gregas e árabes,
designadamente às de Alexandre de Afrodísia, de Temístio, de al-Fârâbî, ou
ainda de Avicena.

O racionalismo filosófico na dialéctica em matéria


de religião: método e objecto da religião e da filosofia
Não seria errado considerar que o Discurso Decisivo de Averróis se refere à
harmonia entre a filosofia e a religião, ainda que se pudesse igualmente traduzir
o título por: «Livro sobre a separação do discurso religioso e do discurso
filosófico e estabelecimento da relação entre os dois227.» Sob a forma de um
decreto religioso, ou talvez mesmo de uma fatwa, Averróis escreve: «O fito
deste discurso é o de averiguar, na perspectiva da reflexão jurídica, se o estudo
da filosofia e das ciências da lógica é permitido pela Lei revelada, ou
condenado por ela, ou ainda prescrito, seja enquanto recomendação, seja
enquanto obrigação228.» Mas tal exame revela-se resolutamente dialéctico na
medida em que Averróis confronta entre si os significados dos termos
empregues pela religião, e resolutamente filosófico através desta afirmação
fundadora: a verdade é uma por natureza, quer ela seja estabelecida pela
filosofia ou pela Escritura e pelas crenças religiosas.
Ao identificar a reflexão (al-nazar) que a religião exorta a empreender sobre
a Escritura e o mundo que Deus criou com a que caracteriza a ciência teorética
em Aristóteles (cilm nazarî), Averróis afirma que a reflexão religiosa atinge a
sua perfeição quando toma a forma de um exame sobre os seres, na medida em
que eles revelam o seu Criador divino. Do mesmo modo, ele associa o qiyâs (o
raciocínio por analogia), do qual a lei religiosa faz uso quando recorre aos
modelos do Qurcân e das Hadiths («tradições») para estabelecer as regras da
vida quotidiana, ao qiyâs aristotélico (o raciocínio por silogismo) que os
filósofos empregam nas suas demonstrações. Ao citar o mandamento do
Qurcân «Prestai pois atenção, ó vós que sois dotados de clarividência229»,
Averróis procura aproximar a «atenção» (al-ictibâr) da indução científica
aristotélica, pela qual se tira um conhecimento novo daquilo que já é
conhecido230. E conclui: «É evidente, além disso, que este procedimento de
reflexão (al-nazar) a que a Revelação chama, e que ela encoraja, é
necessariamente o mais perfeito e aquele que recorre à espécie mais perfeita de
qiyâs, à qual chamamos “demonstração” (burhân)231.» Graças a este
argumento dialéctico, Averróis sustenta não só que o estudo da filosofia é
permitido, mas também que todos os que são capazes dele estão obrigados a
isso por um mandamento da lei religiosa, uma vez que ela é uma reflexão (al-
nazar) sobre as criaturas, e por conseguinte sobre o Criador delas. Neste
tratado religioso dialéctico, Averróis toma por adquirido o princípio seguinte:
«A verdade não pode ser contrária à verdade, mas concorda com ela e
testemunha em seu favor232.» Trata-se por um lado de se precaver contra a
possibilidade de uma teoria da «dupla verdade», uma religiosa e a outra
filosófica, e de insistir na primazia da demonstração que constitui
imediatamente e por si mesma um conhecimento, pois ela conduz ao
verdadeiro e ao certo (al-yaqîn)233. Este demarca-se assim de todos aqueles que
dão o seu assentimento (al-tasdîq) sob o efeito ou de uma persuasão retórica
que se dirige à imaginação, ou então de uma persuasão dialéctica que utilize a
argumentação mas apoiando-se em crenças comuns. Nestes dois casos, não é a
necessidade da demonstração em si mesma, onde uma forma válida de
silogismo se apoia em premissas verdadeiras, que suscita o assentimento (al-
tasdîqc), mas antes o efeito persuasivo da crença religiosa, do consenso (al-
ijmâʿ), ou ainda da emoção. Por isso, quando sucede que as conclusões de um
raciocínio contradizem certas interpretações dos textos religiosos sobre o
mundo e o seu Criador, deve retomar-se a interpretação dos textos deixando-se
guiar por aquele que pratica a demonstração, pois só as explicações que daí
saírem são incontestavelmente verdadeiras.

Este método permite a Averróis, no Discurso Decisivo, na Incoerência da


Incoerência e no Tratado sobre o Conhecimento Divino, responder a três
acusações de infidelidade (kufr) que al-Ghazâli lhe dirige no seu Incoerência
dos Filósofos, relativamente às suas posições sobre 1) a eternidade do mundo,
2) a natureza do conhecimento divino e 3) a ressurreição do corpo e a vida
depois da morte.
1) Tal como al-Fârâbî e Avicena, que sustentam ser o mundo eterno, tese
expressa nomeadamente através da ideia de uma hierarquia dos seres emanada
da Causa primeira ou Deus e da qual eles são ontologicamente dependentes,
Averróis permanece inabalável quanto à questão da eternidade do mundo.
Mantém a tese de Aristóteles, segundo a qual o universo é eterno, pois a
matéria deve necessariamente existir para que haja mudança; sublinha, além
disso, que seria a essa mesma tese que um leitor atento da Escritura chegaria,
pois, no Qurcân, Deus menciona um «trono» e a «água» que precedem a
criação do mundo. Assim, Averróis não sustenta a ideia de uma creatio ex
nihilo, mas considera que a criação consiste na mera dependência do mundo
em relação à divindade (posição que exprime claramente no seu Grande
Comentário sobre a Metafísica). Na obra dialéctica Desvelamento dos Métodos
de Demonstração dos Dogmas Religiosos, Averróis estabelece dois tipos de
prova da existência de Deus, ambos concordantes com a teologia de
Aristóteles: a prova a partir da providência (cinâyah) e a prova a partir da
criação da vida por um decreto divino (qatân).
2) Contra al-Ghazâli, que acusa os filófos de denegrirem a potência de Deus
ao Lhe recusarem o conhecimento dos particulares, Averróis defende de novo
implicitamente uma tese aristotélica: o conhecimento divino não é nem
particular nem universal, ele constitui antes um terceiro género de
conhecimento voltado para si mesmo. O conhecimento dos particulares e o dos
universais não existem senão em virtude de objectos exteriores, ao passo que
no caso do conhecimento divino transcendente, que não se refere nem aos
particulares nem aos universais, Deus conhece todas as coisas pelo facto de que
se conhece a si mesmo em acto. E esse acto de conhecimento de si é idêntico
ao ser e ao acto divino, causa final de todas as coisas, ou seja, uma espécie de
causa cuja potência faz existir todas as realidades e lhes confere a sua essência,
em conformidade com a tese aristotélica.
3) Finalmente, no Discurso Decisivo, Averróis defende uma concepção
comum a favor da ressurreição e da vida depois da morte. De um ponto de vista
religioso, a sociedade deve crer na ressurreição e na vida depois da morte, mas
Averróis acrescenta que essa atitude convém mais aos crentes do que àqueles
que preferem ser guiados pelo conhecimento. No entanto, para esses espíritos
mais científicos, há que amparar todas as interpretações escritas acerca desse
assunto com um raciocínio demonstrativo: é essa a tarefa da filosofia. Para os
espíritos cultivados, tais explicações visam esclarecer a comunidade dos não
filósofos, fazendo-os conceber uma forma de existência no além, distinta da do
mundo físico dos corpos, e apreender a verdadeira natureza da divindade, ainda
que imperfeitamente, como pura actividade do intelecto, para além dos limites
do corpo, da matéria e da sua potência.
Averróis aniquila assim toda a força dessas três acusações, ao responder a
elas por meio de um raciocínio filosófico que concorda com os ensinamentos
de Aristóteles sobre a eternidade do mundo, sobre a natureza do conhecimento
divino e sobre a persistência da alma humana depois da morte. Ele remete-se
metódica e sistematicamente aos princípios fundadores aristotélicos, e
desenvolve a sua filosofia a partir deles, como demonstram ainda melhor as
suas obras estritamente filosóficas.

Um retorno aos textos de Aristóteles


Na sua obra filosófica, Averróis reexamina os textos aristotélicos e a tradição
exegética grega e árabe, despojados das noções e das teses saídas da teologia
islâmica ou de outras fontes estrangeiras. Se pusermos de parte a tendência
emanatista da Epítome da Metafísica de Aristóteles, as suas obras de
maturidade apoiam-se nos princípios aristotélicos para elaborarem uma
explicação sistemática da natureza, das faculdades psicológicas e intelectuais
humanas, do movimento celeste e da natureza da metafísica como ciência cujo
principal objecto é a Causa primeira.
A natureza do intelecto constitui um problema difícil para Averróis, ao qual
ele regressa incessantemente para precisar o seu pensamento. Na Epítome do
Tratado da Alma, um dos seus primeiros ensaios sobre o exame do intelecto
humano, Averróis sustenta que a capacidade humana para captar as realidades
inteligíveis, às quais se chama, no seguimento de Alexandre de Afrodísia, o
«intelecto material», é uma disposição da faculdade da imaginação, que
depende principalmente do corpo. Cada faculdade receptiva do homem é
actualizada graças ao intelecto agente transcendente cuja luz e cujo poder de
abstracção se aplicam às imagens recolhidas pelos sentidos e a experiência.
Mas no seu Comentário Médio sobre o Tratado da Alma, Averróis afirma que
as realidades inteligíveis em acto, abstraídas pelo intelecto agente, não podem
ser apreendidas senão por um sujeito inteiramente imaterial, libertado do seu
corpo e das suas afecções. Considera então o intelecto material como uma
substância imaterial e separada do corpo, mas própria do homem cujos sentidos
e experiência produzem imagens que serão seguidamente abstraídas. Porém,
Averróis recusa esta concepção no seu Grande Comentário sobre o Tratado da
Alma, obra de maturidade que teve uma grande influência e suscitou numerosas
controvérsias no Ocidente medieval quando foi traduzida do árabe para o latim.
Partindo da interpretação de Temístio na sua Paráfrase do Tratado da Alma,
Averróis remete-se à ideia de que, para que a ciência seja una, é preciso que
haja um conjunto único de realidades inteligíveis em acto, objectos de
conhecimento, e que tais realidades existam no intelecto material transcendente
e eterno que as recebe; a alma do sujeito cognoscente partilha desse intelecto
material. Segundo esta última explicação, o sujeito cognoscente produz
imagens que o intelecto agente abstrai da sua alma, fazendo-as passar do modo
de ser inteligível particular em potência ao modo de ser inteligível em acto. A
compreensão intelectual humana exige a conjunção das duas dimensões da
racionalidade, o intelecto agente e o intelecto material, ainda que eles sejam
transcendentes e independentes; estes dois intelectos devem achar-se «na alma»
e estar à disposição da vontade do sujeito cognoscente.
Segundo Averróis, a filosofia natural é capaz de provar a existência do motor
imaterial situado na extremidade da esfera celeste; a psicologia pode pelo seu
lado provar que esse motor é por natureza o intelecto; a metafísica, enfim, pode
elucidar a sua natureza e o seu papel causal na constituição ou na «criação» de
todas as outras realidades. Não se pode explicar o movimento eterno dos
corpos celestes senão por meio de uma alma finita, unida de maneira
ambivalente a esse corpo celeste «no» qual ela se acha, e por meio do intelecto
imaterial que age como uma causa final para a alma e é responsável pelo
movimento. É somente dessa maneira que se compreende como o movimento
finito dos corpos celestes é também ele eterno. O intelecto imaterial detém uma
certa potência, o que justifica a hierarquia ontológica dos intelectos, causas do
movimento dos corpos celestes. A psicologia filosófica de Averróis mostra com
efeito como o intelecto material é ao mesmo tempo intelecto e potência de
recepção das realidades inteligíveis. Assim, esses intelectos ou inteligências
situam-se numa escala cuja unidade não cessa de crescer e cuja potência
decresce à medida que eles se aproximam da Causa primeira. Todas essas
inteligências, e também todas as realidades «criadas», detêm alguma potência,
pois todas remetem necessariamente para um ser superior, que é a Causa
primeira. Esta contém em si mesma toda a perfeição do ser enquanto ser,
perpetuamente empenhado numa actividade perfeita de conhecimento de si, em
conformidade com a definição que Aristóteles oferece do Deus no livro Λ da
Metafísica.

O regresso a Aristóteles efectuado por Averróis não será seguido pelas


escolas da tradição árabe, mas tornar-se-á central na filosofia do Ocidente
latino. Os comentários de Averróis constituíram para os latinos um modelo de
leitura de Aristóteles, embora suscitassem numerosas controvérsias, que dariam
lugar a diversas condenações, até à de 1277, a qual tornaria difícil a difusão das
suas teses filosóficas.
RICHARD C. TAYLOR

224 Magistrado. (N. do T.)

225 O Fasl al-Maqâl ou Discurso Decisivo, o curto Tratado do Conhecimento Divino, o al-Kashf an al-
manâhij ou Desvelamento dos Métodos de Demonstração dos Dogmas Religiosos, e o Tahâfut at-Tahâfut ou
Incoerência da Incoerência.

226 Averróis, Tahafot at-Tahafot, M. Bouyges (ed.), Beirute, Imprimerie Catholique, 1930, p. 427-428.

227 A. El Ghannouchi, «Distinction et relation des discours philosophique et religieux chez Ibn Rushd: Fasl
al maqal ou la double verité», in R. G. Khoury, Averroes (1126-1198) oder der Triumph des Rationalismus,
Internationales Symposium anlässlich des 800. Todestages des islamischen Philosophen, Heidelberga,
Universitätsverlag C. Winter, 2002, p. 145.
228 Averróis, Discours décisif, trad. M. Geoffroy modificada.

229 Ibid., 59.2.

230 Aristóteles, Segundos Analíticos, 1.1., 71a 1.

231 Averróis, Discours décisif, trad. M. Geoffroy modificada.

232 Averróis não cita a origem aristotélica deste princípio: Aristóteles, Primeiros Analíticos, 1.32, 47a 8-9.

233 Aristóteles, Segundos Analíticos, 1.2, 71b 18-24.


Filosofia política e teologia na Idade Média

Após um longo período dominado pelo esquema historiográfico de um


nascimento do espírito laico situado no «declínio da Idade Média234», a história
do pensamento político medieval abriu-se a outros modelos de inquérito e de
descrição. A reavaliação do pensamento escolástico impõe novos paradigmas,
onde não será de espantar o estudo da hipótese de que os teólogos tenham
inventado o Estado ou de que a ciência do homem se haja constituído no seio
da ciência divina, a teologia. Se, como escreve Paul Veyne, «um evento não é
um ser, mas um cruzamento de itinerários possíveis», o evento-advento do
político na Idade Média pode ser objecto de diversos traçados. Um primeiro
seria a passagem do modelo do Estado-república ao do Estado-soberano,
articulado em torno da emergência, no século XIV, de uma questão teológica – a
Imaculada Concepção – em que se elabora uma teoria da soberania absoluta,
fundada na lei teológica singular que permite justificar o facto de, por uma
espécie de «direito privado» ou de «privilégio de excepção» que a subtraiu ao
«direito comum», «a mãe de Deus não haver contraído o pecado original»235.
Um segundo: a reformulação da teoria do «homem animal político civil» do
ponto de vista da teoria averroísta do intelecto, onde se instala, com Dante, a
ideia de uma monarquia universal em que «a humanidade assume as feições de
uma comunidade política global236». Um terceiro: o conflito do papado e do
Império, onde, nesse mesmo século XIV, se coloca de forma decisiva a
problemática indissoluvelmente filosófica, teológica e jurídica da separação
dos poderes espirituais e temporais. Esforçar-nos-emos por oferecer aqui uma
ideia destes três aspectos.

Onde termina a Idade Média política?


Há diversas idades medievais, segundo se tome por referencial a romanitas
ou a christianitas, ou se adopte uma periodização interna ao objecto. O
esquema historiográfico que faz do Príncipe a figura literária e conceptual em
que se inventa uma modernidade assente na recusa, até então desconhecida, de
pensar o político a partir da moral e da «virtude» revela-se esclarecedor, se
apenas lhe pedirmos que configure o conjunto com o qual Maquiavel entende
romper. Com efeito, o Príncipe demite-se da questão teológico-política da
relação entre poder espiritual e poder temporal e dos modelos que a articulam.
A esfera do político já não é aquela, medieval, do Uno, quer se trate do Império
ou da Igreja, mas a das multiplicidades: as cidades em luta. O Príncipe deixa
igualmente de lado os modelos elaborados pelos escolásticos para pensarem a
potência, todos eles ligados, quanto ao fundo, ao modelo unitário monárquico
do imperium que lhes define o quadro de exercício, e, quanto à forma, à
referência teológica que torna possível o seu uso como argumentos: a potência
divina, absoluta ou ordenada. O Príncipe abandona a maneira medieval de
entender a relação entre moral e político: a questão do soberano perfeito.
Finalmente, abandona o ponto de vista escolástico sobre a questão do Estado e
da Lei, ao eliminar a polaridade que, na Idade Média, tornava possível a sua
formulação: a distinção das duas Cidades, terrestre e celeste, elaborada por
Agostinho. Essa eliminação não consiste apenas em opor uma anatomia
política aristotélica, com a tipologia das cidades reais e dos modos de boa
governação que ela induz, e um «agostinianismo político» fundado no jogo
complexo, ou mesmo contraditório, de duas abstracções: a Cidade dos homens
e a Cidade de Deus. Operar um retorno de Agostinho a Aristóteles –
desencantar a esfera do político –, regressar das duas Cidades à pluralidade
factual, polémica, irredutível, das cidades humanas, não é mais do que uma
parte da tarefa – e poderia mostrar-se que a Idade Média a havia entrevisto, em
certo sentido. O que enuncia Maquiavel é a não-pertinência política da rede
conjuntural que antes dele comandava a distinção das duas Cidades, e
constituía o horizonte insuperável da reflexão dos seus predecessores. Quererá
isto dizer que a Idade Média do político só se deixa definir negativamente? Um
facto nada é sem a sua intriga. Um historiador de Maquiavel verá no
agostinianismo político o aspecto constitutivo da teoria política medieval, pois,
privilegiando o gesto maquiavélico de inversão dos valores do agostinianismo,
ele favorecerá no pensamento político medieval uma tendência para fazer da
esperança da Cidade por vir, prefigurada na comunidade eclesiástica, a única
verdadeira realidade. Alain Boreau, pelo contrário, vê na própria
«incomensurabilidade» da vida presente à vida futura um incitamento recebido
pelo pensamento escolástico para «separar os domínios religioso e terrestre»,
autorizando uma «autonomização do campo do político deixado à governação
dos homens»237. Nesta perspectiva, impõe-se uma outra leitura do
agostinianismo, que vê os escolásticos separarem o singular do colectivo ao
distinguirem a salvação da felicidade. Se «a salvação eterna incumbe ao
homem enquanto indivíduo», a «felicidade humana» incumbe ao homem
enquanto género, «colectivamente». A partir daí, a teoria agostiniana das duas
Cidades apela, numa sociedade religiosa, a «uma saída da religião para fora do
campo público», por onde se enceta a separação da Igreja e do Estado.

O corpus político
A Política de Aristóteles teve duas traduções escolásticas devidas a
Guilherme de Moerbecke238, e uma terceira, redigida por Leonardo Bruni no
século XV, que releva da era «humanista»239. Para os mestres em artes da
primeira metade do século XIII, a «política» é, com a «monóstica» e a
«económica», uma das três componentes da «filosofia moral». Trabalhada num
contexto em que não se dispõe nem de uma Ética completa, nem das
Económicas atribuídas a Aristóteles, nem da Política, esta tríade informa-nos
acerca do que constituía a base textual da visão universitária das três
disciplinas: para a monóstica, as «Éticas», ou seja, na época, a Ethica vetus (a
saber os livros II e III, até 1119a34) e a Ethica nova (o livro I), reunidas num
Liber Ethicorum em três ou quatro livros (com os capítulos 1-8 do livro iii a
constituírem o terceiro livro, e os capítulos 9-15 a formarem o quarto); para a
económica, o De officiis de Cícero; para a política, as leges et decreta, por
outras palavras: as leis civis e as leis eclesiásticas. É somente na década de
1270 que os escolásticos dispõem dos textos de Aristóteles que fundam a
divisão-padrão entre ética (ciência do indivíduo), económica (administração
doméstica) e política ou «civil» (administração da cidade). A dimensão que
unifica as três disciplinas é a do «regime» (regimen): a política é a ciência do
«regime de um povo, de um país ou de uma cidade», a económica a do regime
da família, a monóstica a do regime «de um só, a saber de si mesmo». Se
regime e governação são aqui sinónimos, o cruzamento das três redes
conceptuais distingue o regimen da noção moderna de governação. A
«conduta» de si está presente no próprio princípio da «administração
doméstica» e da «direcção da Cidade». A passagem do regime de si estendido à
arte de governar é um dos horizontes que permitem avaliar a novidade do
Príncipe de Maquiavel. Não é o único.

Línguas da política. Políticas da língua


A tríade das ciências morais encontra-se na política de traduções
empreendida pelos soberanos de França, convictos da importância de concluir
pela língua nacional o movimento de translatio studiorum que havia achado na
Universidade de Paris o seu alegado ponto culminante. Com a tradução
francesa do De regimine principum de Gil de Roma240, redigido cerca de 1279
para a educação de Filipe, o Belo, da Quaestio in utramque partem, do tratado
Rex pacificus, e depois das Políticas de Aristóteles, o Estado e o facto político
adquiram um estatuto de objecto autónomo liberto de toda a perspectiva
escatológica: uma outra maneira de se afastar do agostinianismo político. Se as
três partes (ética, económica, política) do De regimine, adaptado em 1282 por
Henrique de Gauchy sob o título Li Livres du gouvernement des rois, falam
antes de tudo da «maneira como se devem conduzir os príncipes», a tradução
comentada das Políticas, redigida entre 1370 e 1374 por Nicolau de Oresmo a
pedido de Carlos V, forneceu as bases conceptuais necessárias para pensar
simultaneamente a autonomia do Estado real face ao poder da Igreja e a
independência da França face ao Império. Os dois problemas haviam sido
habilmente ligados por Bonifácio VIII, quando, procurando englobar os
gauleses na «Doação de Constantino» para reconduzir a autoridade do rei à do
papa através da do imperador, ele havia acometido contra a superbia Gallica.
Devido à Guerra dos Cem Anos, Oresmo combate outro adversário: o
pretendente inglês ao trono de França. Retoma portanto a ideia de uma «dupla
finalidade» da cidade: procurar as «coisas necessárias a viver» e o que é
preciso para viver bem «segundo as leis e segundo a virtude», mas sublinha
que o fim natural da cidade não é tanto a cidade em si mesma quanto o facto de
«comunicar em cidade», pois o homem é «naturalmente coisa civil» e
«ordenado por natureza a viver em comunidade civil»241. Esta comunicação
tem um sentido eminentemente político. Ela implica o elogio do francês, língua
nacional, contra a língua do estrangeiro. Já no Prólogo («Escusação») da sua
tradução do Livro de Éticas, Oresmo havia sublinhado que «bailiar em francês
as artes e as ciências» era «um labor mui proveitoso, pois é língua nobre e
comum a gentes de grande engenho e de boa prudência». Aqui, ele insiste no
facto de ser «uma coisa assim como que fora da natureza que um homem reine
sobre gente que não entenda a sua materna linguagem». Invocando Jeremias,
5,15, onde se vê que a mais grave ameaça dirigida aos hebreus era a de os pôr
«nas mãos de gentes estranhas e de outra língua»242, o elogio da comunidade
linguística viva tem por intuito, para retomar uma fórmula de Noel de Fribois
na Súmula das Crónicas de França, argumentar «o direito do rei contra os
ingleses», ou por outras palavras recusar as pretensões dos reis ingleses à coroa
de França. No que respeita ao Império, Oresmo lembra que não poderia haver
neste um único governo nem um mesmo direito para todos os homens, «pois
segundo a diversidade das regiões, das compleições, das inclinações e dos
costumes das gentes, convém que os seus direitos positivos e os seus governos
sejam diferentes243». Directamente dirigido contra o Império governado por
um direito único – o direito romano –, a declaração oresmiana arbitra ao
mesmo tempo a favor dos teólogos o conflito dos clérigos que rivalizam em
influência junto do rei. O reino de Carlos V distingue pela língua a existência
de uma filosofia política francesa: o monarca suscita o Sonho do Horto (1378),
súmula de filosofia política de Everardo de Trémaugnon, que, segundo o termo
de Lagarde, «reúne», seguindo as pisadas de Guilherme de Ockham e de
Marsílio de Pádua, «tudo o que pôde ser dito desde o início do século sobre a
autonomia do poder civil e a sua independência quanto à potência espiritual».
Os conflitos de soberania são o alimento principal do pensamento político da
Idade Média tardia: a legitimação do poder real ou imperial face ao poder
pontifício ou o questionamento da sua legitimidade toca todos os domínios –
povo, língua, sociedade, território. Dois modelos de soberania dominam a
reflexão no século XIV: o modelo hierárquico e o modelo orgânico.

O modelo hierárquico
O corpus dos escritos atribuídos a Dionísio, o Areopagita é a fonte de um
pensamento hierárquico que impregnou fortemente a teoria política medieval e
depois moderna. «Dionísio», o monge sírio do século VI sob cujo nome os
carolíngios confundiram três personagens distintas: o primeiro convertido
ateniense de Paulo, o primeiro bispo de Atenas e o primeiro bispo de Paris,
supliciado no alto do «monte dos Mártires» (Montmartre), havia distinguido
duas hierarquias: a hierarquia celeste para o mundo angélico, a hierarquia
eclesiástica para o dos homens. Ainda que ela não tenha originariamente
dimensão política, a noção dionisiana de hierarquia recebeu muito rapidamente
uma interpretação política. O modelo «hierárquico» da soberania é regido por
três princípios. O princípio da «redução ao um» (reductio ad unum), tirado ao
mesmo tempo da Metafísica de Aristóteles244, de Dionísio e de Proclo, permite
«reduzir» o conjunto da sociedade humana, e portanto da ordem política, à
soberania do papa. A formulação propriamente dionisiana do modelo
hierárquico é dada no De ecclesiastica potestate, de Gil de Roma (1301-1302),
manifesto da teologia política pontifícia do século XIV. Ela baseia-se numa
regra, a lex divinitas («lei da ordem divina»), cujo enunciado tradicional é: «a
lei da ordem divina é a de referir os inferiores aos superiores através de
intermediários» (lex divinitas est ultima per media reducere). Transposta em
instituição de governo de um inferior por um intermediário em virtude de um
superior, a «hierarquia» definiu a política como um caso particular da ordem
universal, ordem essencialmente desigual, onde cada coisa tem o seu lugar,
determinado pela sua capacidade, e está subordinada a uma série de
mediadores que lhe asseguram a recepção do que lhe cabe: não há relação
directa do inferior ao superior, do mais baixo ao mais alto. Em cada caso é
preciso uma mediação, um intermediário.

Tal como os corpos deste baixo mundo são regidos pelos corpos do alto, e como a substância
inteira do corporal é regida pelo espiritual, também na Igreja de Nosso Senhor as realidades
temporais e inferiores são regidas por realidades superiores, e o universo temporal e a potência
terrestre são inteiramente regidos pelo espiritual e supremamente regidos pelo soberano pontífice.
Quanto ao pontífice em si mesmo, só Deus o pode julgar245.

Para o anónimo Glossa ad Extravagantes, o papa, que é «supremo entre os


homens», é a «medida» e a «regra que dirige todos os outros homens». O
princípio de um Primeiro que realiza nele toda a perfeição de que é capaz o
género de seres que lhe está subordinado é o arquétipo do totalitarismo. O
segundo princípio geral da hierarquia é o da omnipotência, que aplica à esfera
política a oposição entre curso legal da natureza (secundo communes leges
naturae) e milagre, paralela à distinção teológica da «potência ordenada» e da
«potência absoluta» de Deus desenvolvida pelos teólogos desde o século XII.
Tal como Deus pode derrogar o governo natural do mundo pelas leis naturais
por ele estabelecidas em virtude da sua potência ordenada – e, assim, suspender
ou modificar milagrosamente, em virtude da sua potência absoluta, o curso
natural das coisas –, também o papa pode, por meio da «plenitude da sua
potência» (plenitudo potestatis), intervir no político para nela cumprir o que, na
natureza, seria da ordem do milagre. Esta prerrogativa que corresponde ao
nosso «estado de excepção» vale, por exemplo, para a vacatura de um trono ou
para a deposição de um imperador herético.
No século XIV, a noção de potência absoluta é formulada numa linguagem
jurídica que permite estabelecer num quadro legal uma forma de acção divina
extraordinária, acima das leis (supra legem). Sob a pena de Duns Escoto, este
tipo de acção é pensada como legalidade de facto, em oposição à legalidade de
iure da potência ordenada que se exprime no curso ordinário das coisas. Tudo o
que Deus faz é justo de facto, ainda que isso se oponha à lei que ele estabeleceu
anteriormente: a substância da lei é a livre vontade do soberano que não é
constrangida por nada além dela mesma. No debate sobre a Imaculada
Concepção, Duns Escoto, mas também Guilherme de Ware e Pedro de Auriole
sustentam que Maria foi submetida ao pecado original de direito (de iure), isto
é em virtude da lei comum, que põe todos os seres humanos em igualdade, mas
não de facto (de facto), em virtude da potência absoluta de Deus. Rogério
Baconthorpe contesta este ponto: «É temerário e contrário à natureza da lei
alegar um privilégio de facto.» Isso equivale a «privar a lei» da sua legalidade.
Para além das duas concepções possíveis do privilégio, a do Decreto de
Graciano, que faz dele um «dispositivo de destruição da lei, um abuso
tirânico246», e a do direito romano imperial, que faz dele «uma graça
legislativa, com a qual o imperador, estatuindo por rescrito, favorece os
súbditos», os debates atingem a eclesiologia; alguns, sustentando que «o
privilégio dá qualquer coisa a mais, sem ofender a lei», invocam por exemplo o
Cristo, autor do privilégio fundamental de que goza a Igreja romana. A
potência absoluta concerne só a Deus, mas também ao homem e, por
excelência, ao soberano.
A aplicação do modelo jurídico à esfera da natureza e depois à do direito é
amparada metafisicamente por um último princípio: o princípio de imediatez
causal do Primeiro, tirado do Liber de causis, abundantemente alegado desde o
século XIII nas controvérsias eucarísticas. Mesmo num mundo hierarquizado
que tem no seu cume uma Causa primeira dominando toda uma série de causas
segundas que transmitem a sua causalidade, a Causa primeira pode agir
directamente, sem intermediário, sobre os efeitos mais inferiores. Transposto
pelos teólogos pontifícios – nomeadamente Gil de Roma – para a esfera
política, o princípio afirma que, à imagem de Deus que ele representa sobre a
terra, o papa pode, embora permanecendo sujeito à suprema jurisdição divina
(iurisdictio primaria), «fazer ele mesmo, passando-se por causa segunda, tudo
o que faz (habitualmente) por intermédio de uma causa segunda247». O papa
tem uma «jurisdição imediata e executória» que lhe permite fazer-se passar por
qualquer outro intermediário ou executante. Transferido para o papel de causa
segunda, o rei ou o imperador não é mais do que um instrumento do poder
religioso. A noção moderna de poder absoluto tem uma fonte teológica: a
articulação da concepção dionisiana da hierarquia e do princípio de causalidade
imediata. Longe de se contradizerem, estas duas teses formam um sistema
fundado na assimetria das relações do superior com o inferior e do inferior com
o superior: o inferior não pode atingir directamente o seu princípio; ao invés, o
poder do princípio supremo exerce-se directamente e de pleno direito sobre o
inferior, onde quer que ele esteja. O inferior é mantido à distância do soberano
por uma hierarquia que não é mais do que a legalidade de iure, a potência
vulgar do soberano; mas neste mesmo quadro o soberano está de facto na
proximidade igual e legal de todos aqueles que lhe estão sujeitos.

O «corpo político»
Desde Agostinho que os teólogos medievais tinham o hábito de apresentar a
Igreja, incluindo a Igreja dita «invisível», a comunidade cristã passada,
presente e por vir, segundo o modelo de um corpo – o corpo «místico» do
Cristo –, que se reconstituiria por inteiro no fim dos tempos, após o Juízo Final.
Nesse corpo, o Cristo, Verbo incarnado, aparecia como a cabeça, o «chefe» –
Roberto de Lincoln chegou mesmo a chamar «Cristo total» ou «integral»
(Christus integer) ao conjunto formado pelo Cristo e a sua Igreja: Verbum
incarnatum cum corpore suo quod est Ecclesia. Não é pois de espantar que a
ideia de apresentar a sociedade política como um corpo, e depois, apoiando-se
em Aristóteles, como um organismo vivo, se tenha imposto na Idade Média, e
se tenha durante muito tempo combinado com o modelo hierárquico. No
entanto, no século XIV, comparando o Estado a um corpo, os teólogos de Filipe,
o Belo demonstram que se, como representante do Cristo, o papa é a cabeça – o
«chefe» – do reino, o rei é o seu coração. Ambos são igualmente
indispensáveis, tal como o cérebro e o coração o são para o organismo humano.
Assim reformulado, o modelo orgânico já não está hierarquizado: ele
argumenta um equilíbrio funcional, e entra em contradição aberta com o
modelo dionisiano da hierarquia utilizado pelos teólogos pontifícios. À
reductio ad unum da hierarquia dionisiana, os autores de Rex pacificus opõem a
ideia peripatética de harmonia dos órgãos reitores da vida, que, fundando na
natureza a independência dos poderes civil e religioso, permite reservar a
plenitude do poder temporal para aquele que reina exclusivamente no mundo
terrestre: o rei. O modelo do «corpo» apresenta além disso um carácter médico.
No século XV, Cristina de Pisa utiliza-o no Livro do Corpo de Polícia para
denunciar a inutilidade dos membros que deixassem de ser solidários com o
conjunto:
A parte que não se ajuste ao todo é vergonhosa e o membro que recuse sustentar o corpo é inútil
e como que paralisado. Laicos ou clérigos, nobres ou de baixa extracção, quem recusar prestar o seu
apoio à sua cabeça e ao seu corpo, a saber ao senhor rei e ao reino, e, em definitivo, a si mesmo,
revela ser uma parte mal ajustada e um membro inútil e como que paralisado.

A leitura médica do modelo orgânico permite retirar toda a legitimidade à


ideia de rebelião, de resistência ou de dissidência e justificar assim, por isso
mesmo, a de repressão. A interdependência das partes do corpo e a sua
subordinação ao todo legitimam que se corte o que é inútil ou contrário ao
funcionamento harmonioso, orgânico, do todo. A mereologia investe o discurso
político: não há direito da parte face ao todo. No Contra rebelles suorum
regnum, João da Terra Vermelha (de Terra Rubea) sustenta que os partidários
do duque da Borgonha que se opõem ao rei de França são membros em
decomposição do corpo político francês que devem ser amputados no interesse
do conjunto. A interdependência das partes do corpo e a subordinação das
partes ao todo não significam no entanto obrigatoriamente a subordinação de
todas as partes à cabeça nem a identificação do bem do conjunto com o bem da
sua parte suprema. Por vezes, o modelo medicalizado é pelo contrário utilizado
para justificar a deposição do rei em benefício do conjunto do corpo. É o caso
no sermão do bispo John Stratford, perante a assembleia convocada em 1327
para ratificar a deposição do rei Eduardo II. O tema do sermão, caput meum
doleo («a minha cabeça faz-me sofrer»), funda um desenvolvimento
«revolucionário»: fazendo as falhas de Eduardo II – «a cabeça» – sofrer o
corpo inteiro, este pode e deve oferecer-se uma nova cabeça! Esta oscilação da
leitura médica do modelo orgânico abre portanto para uma legitimação da
resistência e da revolta, contrariamente à que defende a dominação e a
repressão. A justificação do assassinato político também joga evidentemente
noutros harmónicos, com a do tiranicídio, ou suposto como tal, fazendo de bom
grado apelo às noções de «traição» e de «deslealdade». É o caso no discurso
francês pronunciado a 8 de Março de 1408 por João Pequeno (Joannes Parvus)
que, perante uma audiência de grandes senhores, de universitários e de
burgueses reunidos no Hôtel de Saint-Pol, legitima o assassinato de Luís de
Orleães pelo duque da Borgonha, João Sem Medo, a 23 de Novembro de 1407,
«feito que foi perpetrado para mui grande bem da pessoa do rei, de seus filhos
e de todo o reino», pretendendo demonstrar «que é lícito a cada súbdito, sem
nenhum mandamento, segundo as leis morais, naturais e divinas, matar ou
fazer matar traidor desleal e tirano». A Universidade de Paris condenaria em
Fevereiro de 1414 as alegações de João Pequeno, após diversas intervenções
teóricas de João Gerson, contra errores Joannes Parvi, duas das quais no
Concílio da Fé em Novembro de 1413.
Monarquia universal e dualismo
A Monarquia de Dante é o mais rigoroso enunciado de filosofia política
antipontifícia do século XIV. Pode-se resumir o seu essencial em três teses, cada
uma das quais é objecto de um livro. A primeira é a de que a única garantia de
paz e de justiça para a cristandade reside no estabelecimento da unidade
política sob um único dirigente. A segunda é a de que a Providência divina
confiou tal papel ao imperador romano, desde a época pré-cristã, e que ele
confirmou esse papel no início da era cristã, quando o próprio Cristo,
reconhecendo o direito do Império, do imperium, em governar o mundo, optou
por viver e morrer na submissão à sua soberania. A terceira é a de que o
governo universal único foi dado directamente por Deus a cada imperador, sem
intermediação do papado, e que ele foi exercido pela cabeça da Igreja sem
controlo jurisdicional. A grande novidade de Dante é a de considerar a
sociedade humana como uma unidade, sem que por isso ela seja redutível à
Ecclesia. Ele pode portanto aceitar o princípio da reductio ad unum,
fundamento de todo o discurso monárquico, sem dele tirar as mesmas
consequências que os partidários do papa. Segundo os pontifícios, o princípio
da redução ao um implica a subordinação do imperador ao papa. Dante
contesta as condições nas quais eles a aplicam. É verdade que «em todo o
género há qualquer coisa de primeiro à qual se devem reduzir (reduci) todas as
coisas que estão nesse género, e que é a medida de todas essas coisas»; mas
também que todos os homens pertencem a um mesmo género: o género
humano. É portanto igualmente verdade que todos os homens devem ser
reduzidos a um primeiro que é a medida única do género humano. É pelo
contrário falso que o papa, ou por outro lado o imperador, possa ser
concretamente tal «modelo». A razão de tal é que ser papa ou imperador é uma
relação, tal como ser pai, ao passo que ser homem é uma essência. O homem é
homem em função da sua natureza ou essência de homem. O papa é papa por
relação com uma função ou propriedade extrínseca: o papado. Os homens
enquanto homens não têm pois de ser reduzidos ao papa ou ao imperador,
porque o facto de ser papa não é mais do que um acidente e não concerne o
homem enquanto homem. O que funda a unidade do género humano, o que é
efectivamente primeiro neste género, o que é medida de todos os outros
homens, é o homem de que fala a Ética a Nicómaco, não um papa ou um
imperador, mas o homem perfeito, que realiza a perfeição da humanidade ou da
natureza humana, o homem «ideal». Esse homem ideal, Dante não o designa no
concreto, mas é óbvio que a referência à Ética a Nicómaco permite caracterizá-
lo: é aquele em quem se realiza ou se actualiza a vida filosófica, ou seja o
conhecimento intelectual. Se a natureza do homem é o pensamento, a ciência, o
conhecimento, nem o papa nem o imperador a realizam enquanto tais. Cabe à
monarquia imperial, ou seja ao poder temporal, tornar possível a vida
filosófica, e ao papado, ou seja ao poder espiritual, não a tornar impossível. A
originalidade da posição de Dante está em afirmar ao mesmo tempo a
autonomia na sua ordem própria dos dois poderes, o espiritual e o temporal, e a
autonomia da ordem filosófica, que concerne todo o género humano e
permanece irredutível tanto ao espiritual como ao temporal. A monarquia
fornece um quadro institucional, uma estrutura jurídica à actividade filosófica:
ela não a absorve. Embora afirmando a dimensão colectiva da ciência onde o
homem realiza progressivamente a humanidade, Dante insiste no dualismo
absoluto dos poderes. O cristianismo impõe ao homem viver em função de dois
fins bem distintos, duo ultima: a felicidade civil para o mundo cá de baixo, a
beatitude eterna para o outro mundo.

Duas críticas da teocracia


Na sua decretal de 16 de Novembro de 1329, Quia vir reprobus, o papa de
Avinhão, João XXII, respondendo às críticas formuladas por Miguel de Cesena
e pelos franciscanos espirituais, sustenta a tese da «realeza temporal do Cristo».
Um novo problema «político» se apodera da cristandade: a pobreza. Para
provar que Cristo e os apóstolos não haviam vivido em pobreza absoluta, ao
não possuírem nada nem de próprio nem de comum, o papa afirma que o Cristo
«enquanto homem havia sido rei e detentor de uma possessão ou poder
(dominium) temporal universal». A pobreza à qual fazia alusão o Evangelho
significa não que o Cristo tenha renunciado a esse dominium universal, mas
que ele se absteve de lhe colher os frutos. O tema da realeza temporal do Cristo
não era novo. Já no início do século XIV, João Quidort248 havia criticado o
ponto de vista teocrático por estar baseado na tese errónea de que o Cristo
haveria tido um dominium temporal. A conjunção dos franciscanos e dos
imperiais refugiados na corte do imperador Luís da Baviera era a ocasião de
ligar a problemática da pobreza do Cristo à da autonomia do imperium. É o que
faz Guilherme de Ockham, que até à sua morte polemizará contra o papado.
Uma passagem do Evangelho de João249 desempenha um papel central nesta
nova episteme: «Regnum meum non est de hoc mundo» e «Regnum meum non
est hinc.» Tendo João XXII insistido na importância da frase «Regnum meum
non est hinc», ou seja «O meu reino não vem deste mundo» – e não «Regnum
meum non est hic», «O meu reino não é daqui», «não é este mundo» – para
provar que a realeza temporal do Cristo era de origem divina, não humana, ao
passo que a compreensão corrente da passagem dizia simplesmente que o reino
do Cristo era de natureza espiritual, todos os franciscanos espirituais e
imperiais, a começar por Ockham, dedicaram imensas páginas a essa subtileza
gramatical. O elemento decisivo da discussão reside todavia mais numa
estratégia iniciada em Dante: o recurso à história.
Nas Oito Questões sobre o Poder do Papa, Ockham concentra a sua análise
na tese que, segundo ele, funda todas as pretensões da teologia pontifícia.
Remonta pois a Nicolau I, dito «o Grande», papa de 858 a 867, partidário e
teórico da «supremacia romana», especialmente face à Igreja grega. Segundo
Nicolau I, «o Cristo deu ou conferiu a São Pedro todos os direitos
correspondentes ao poder temporal e espiritual». Para Ockham, estas palavras
devem ser explicadas num sentido directamente oposto ao que elas apresentam
tal e qual, sem que tombem sob o golpe da heresia. Porquê? Porque
historicamente são desprovidas de fundamento. O mesmo sucede com uma
outra afirmação de Nicolau I: a «Igreja romana instituiu todas as primazias,
sedes metropolitanas nas cátedras episcopais […] e estabeleceu a dignidade de
todas as igrejas, qualquer que seja o nível delas». Ockham não ignora que sob o
pontificado de Adriano II (867-872), o quarto concílio de Constantinopla (869-
870) hierarquizou os patriarcados, sendo o patriarca de Roma, nomeadamente,
colocado acima dos de Constantinopla e de Jerusalém. Mas sustenta, por esse
mesmo motivo, que a menos que sejam reinterpretadas, «as palavras de
Nicolau I vão contra as Sagradas Escrituras e os escritos dos Santos Padres»,
pois historicamente

a Igreja romana não foi fundada no começo do cristianismo e não instituiu


ela própria as outras igrejas […]. Muitas igrejas foram fundadas antes da
Igreja de Roma, e muitas delas foram elevadas à dignidade eclesiástica
antes mesmo da sua fundação […]. Na realidade, antes que a Igreja de
Roma detivesse a primazia, as igrejas de Antioquia haviam-se
multiplicado a tal ponto que foi lá que os discípulos do Cristo foram pela
primeira vez chamados de «cristãos» […]. Foi pelo mesmo motivo que
São Pedro ali instalou a sua sede antes de a estabelecer em Roma. De onde
deriva que ele instituiu igrejas e dignidades eclesiásticas no patriarcado de
Antioquia antes de o fazer no de Roma. [Nesta matéria] é pois necessário
explicar correctamente as palavras do papa Nicolau e deve fazer-se o
mesmo para tudo o que ele disse sobre a concessão dos direitos
correspondentes aos poderes temporal e espiritual a São Pedro, pois senão
isso cheirará a heresia250.

Em que é que a tese de Nicolau sobre a concessão a Pedro dos poderes


espirituais e temporais «cheira» a heresia? É que, «se a interpretarmos no
sentido literal, dela decorrem inevitavelmente dois erros». O primeiro consiste
em dizer que o imperium espiritual, por exemplo o dos bispos, provém do papa
«como um feudo outorgado». É uma tese herética, pois o papa não é mais do
que o guardião das chaves do reino dos céus e somente em certo sentido, mas
não é, em sentido nenhum do termo, o senhor delas. Ora, só o senhor pode
outorgar um feudo. O segundo erro é o de estabelecer que todos os reinos reais
são recebidos do papa. Esse princípio não passa de uma invenção ideológica:

É um princípio que tem por única função causar dano aos interesses dos reis que não prestam
homenagem ao papa no que respeita ao seu próprio reino: graças a esse princípio, o rei de França
pode parecer errar perigosamente em matéria de fé, quando não reconhece nenhum superior a si nos
assuntos temporais251.

Vê-se qual é o método de Ockham: recordar os factos históricos, na medida


em que eles sejam acessíveis, e depois criticar as teses inventadas em função de
uma necessidade ideológica.
A mesma ideia aparece sob uma outra forma em Marsílio de Pádua. No seu
Defensor da Paz, ele ataca o próprio cerne da lógica teocrática ao rejeitar a
origem divina da função pontifícia. O Cristo não escolheu Pedro, e ainda
menos os seus sucessores, para serem a cabeça da Igreja. Esse papel exercido
pelos bispos de Roma é de origem humana, apareceu na história. Nasceu da
piedade da lembrança, continuou por comodidade administrativa e fixou-se
numa prática costumeira. Além disso, onde Dante distinguia a função papal,
que é o vicariato do Cristo, e a pessoa que a exercia – ou mesmo que
eventualmente abusava dela, como João XXII, por meio de um comportamento
corrompido –, Marsílio ataca a própria função que, diz ele, «não é dada por
Deus, mas antes pela decisão e a vontade dos homens, exactamente como em
todas as outras funções na sociedade». Se sucedeu que o corpo da Igreja tenha
em dado momento como chefe o bispo de Roma, esta instituição humana nada
tem a ver com um decreto directamente emanado do Cristo. Após dois séculos
de discussão entre os partidários do imperador e os do papa, Marsílio atinge
uma ideia radicalmente nova: o soberano legítimo não é a cabeça, mas o
próprio corpo. O dirigente tem uma jurisdição que lhe vem da autoridade do
legislador, que é o conjunto do corpo social. O primeiro governo da Igreja era
comunitário, os apóstolos que eram todos iguais resolviam os seus problemas
pelo «método de comum deliberação». Marsílio reclama pois uma
reorganização do funcionamento da Igreja, fundada na redefinição do soberano
legítimo na ordem religiosa, a saber: a «universidade dos fiéis» (universitas
fidelium). O termo «universidade» significa aqui o «corpo inteiro», a
«totalidade dos membros». Ao designar o corpo inteiro dos fiéis pela expressão
«concílio geral dos crentes» (generale concilium credentium), Marsílio
acentuava ainda a sua crítica da teocracia e fundava a doutrina que iria dominar
as discussões do século seguinte: o conciliarismo. Dito isso, esta redefinição
não atingia um dualismo no plano político geral, mas uma espécie de
cesaropapismo. Mais do que Luís da Baviera, a verdadeira referência de
Marsílio continuava a ser Filipe, o Belo, esse rei que, para bem da cristandade,
havia convocado um concílio geral para pôr o papa sob acusação e insistira em
que tal acusação prosseguisse mesmo após a sua morte.
O equilíbrio dos poderes político e religioso não foi portanto a versão
dominante do pensamento político medieval, que oscilou constantemente entre
teocracia e cesaropapismo. O dualismo perfeito de Dante nasceu como um
discurso minoritário, que permaneceu minoritário. Os pensadores medievais
não sustentaram a coordenação de duas autoridades autónomas no interior da
sociedade humana. Se pensaram a unidade da sociedade cristã, foi graças à
supremacia de facto conquistada por um poder sobre o outro. Não coube à
Idade Média sair dessa alternativa.
ALAIN DE LIBERA

234 G. de Lagarde, La Naissance de l’esprit laïque au déclin du Moyen Age, Lovaina, Nauwelaerts, Paris,
Béatrice-Nauwelaerts, 1956-1970.

235 Cf. A. Boureau, La Religion de l’État. La construction de la République étatique dans le discourse
théologique de l’Occident medieval, Paris, Les Belles Lettres, 2006.

236 Cf. R. Imbach, Dante, la philosophie et les laics, Paris, Cerf, 1996.

237 A. Boureau, La Réligion de l’État. La construction de la Republique étatique dans le discours


théologique de l’Occident medieval, op. cit.

238 A Translatio prior ou imperfecta que compreendia somente os livros I-II.11, e uma tradução completa,
redigida cerca de 1267.
239 Contenta Politicorum Aristotelis libri octo. Economicorum ejusdem duo.

240 Também conhecido na tradição como Egídio Romano. (N. do T.)

241 Le Livre de Politiques, 48a-b.

242 N. de Oresmo, prólogo à tradução do Livro de Éticas, 292a.

243 Ibid., 29 1b.

244 Metafísica, I, 1, 1052b18-20.

245 Gil de Roma, De ecclesiastica potestate, I, 5.

246 A. Boureau, La Réligion de l’État. La construction de la Republique étatique dans le discours


théologique de l’Occident medieval, op. cit.

247 Gil de Roma, De ecclesiastica potestate, III, 9.

248 Ou João de Paris, o Surdo (1255-1306). (N. do T.)

249 João 18, 36-38.

250 Guilherme de Ockham, Oito Questões sobre o Poder do Papa.

251 Ibid.
Tomás de Aquino

Tomás de Aquino (1225-1274) é conhecido como o teólogo oficial da Igreja


católica pelo menos desde o Concílio de Trento, que no século XVI o tornou
doutor universal, mas a sua canonização, sobrevinda cinquenta anos após a sua
morte, já testemunhava uma influência considerável. Em vida, após haver sido,
ainda jovem dominicano, discípulo de Alberto, o Grande, foi um dos mais
importantes mestres de teologia da Universidade de Paris, e um dos
conselheiros do papa durante os seus anos italianos. Com Alberto e alguns
outros, mas sem dúvida mais ainda que a todos eles, é-lhe atribuída a adaptação
da obra de Aristóteles à teologia cristã e a síntese do peripatetismo greco-árabe
(Aristóteles e o neoplatonismo veiculado em particular pelos seus
comentadores em língua árabe) e da doutrina católica. Devido, nomeadamente,
à sua promoção em finais do século XIX pelo papa Leão XIII e ao
desenvolvimento de uma filosofia «tomista» em diversos filósofos cristãos,
Tomás de Aquino chegou a representar por si só o pensamento medieval e a
teologia católica tradicional. Essa impressão foi corrigida na segunda metade
do século XX, a partir do interior da Igreja, pela difusão de teologias
alternativas, e no mundo universitário pelo desenvolvimento dos estudos
históricos. Estes últimos valorizaram outros grandes pensadores escolásticos e
situaram Tomás numa história em que ele surge simultaneamente como
oferecendo uma síntese do saber do seu tempo e como um pensador original,
cujo racionalismo e aristotelismo estavam a tal ponto sujeitos à caução do
século XIII que as célebres condenações doutrinais pronunciadas em Paris em
1277 incriminaram algumas das suas teses.
A obra imensa de Tomás de Aquino (mais de oito milhões de palavras nos
textos conservados) é composta por comentários filosóficos (essencialmente de
todo o corpus aristotélico, à excepção dos tratados biológicos) e teológicos (a
diversos livros do Antigo Testamento, e a uma boa parte do Novo), por
questões disputadas sobre praticamente todos os temas debatidos em teologia e
em filosofia (os títulos Da Verdade, Da Potência, Do Mal, etc., em geral não
revelam mais do que a primeira questão de uma longa série), por opúsculos e
tratados diversos (incluindo os sermões), e por grandes sínteses sobre o
conjunto da teologia cristã. Tomás inaugurou a sua carreira no início da década
de 1250, com o seu comentário das Sentenças de Pedro Lombardo. Este
teólogo do século XII havia compilado as opiniões ou sentenças dos Pais acerca
dos grandes temas da doutrina cristã, acerca da distinção res et signum (a coisa
e o signo). Os estatutos da Faculdade de Teologia, no século seguinte, fizeram
do comentário das Sentenças uma passagem obrigatória para que alguém se
tornasse «mestre em Teologia». O comentário do texto (que desapareceu assaz
rapidamente) rendia-se às questões colocadas acerca do tema abordado na
divisão do texto (a «distinção») comentado: sobre Deus, a sua existência e a
sua natureza, a Trindade e cada Pessoa, sobre a criação, a natureza humana, a
moral, os sacramentos. Ainda que a finalidade do livro e do comentário, bem
como grande número das questões colocadas, sejam de natureza teológica,
estes comentários sobre o Lombardo encerram uma boa parte da filosofia dos
doutores escolásticos. Tomás não se limitou a esse comentário monumental;
propôs uma primeira Suma, que se intitulou Contra os Gentios (1259-1265), de
natureza apologética, organizada em torno da distinção entre as verdades
cognoscíveis pela mera razão (três livros, sobre Deus, a criação, a providência)
e as verdades acessíveis somente pela fé (quarto livro). Mas foi a sua Suma
Teológica (1265-1274, inacabada), concebida como um substituto para as
Sentenças, que lhe valeu uma reputação e uma influência consideráveis e que
frequentemente ainda serve de referência para uma definição ou um argumento
clássico em favor de um ou outro ponto da doutrina católica. Ela segue
parcialmente o modelo do esquema neoplatónico da emanação a partir do
princípio e do retorno ao princípio (primeira parte sobre Deus conhecido pela
razão e pela Revelação, e sobre a criação; segunda parte, a mais importante,
sobre a vida humana: a sua finalidade, os actos, as paixões, os hábitos, as leis),
embora consagre uma terceira parte ao estudo dos meios cristãos para tal
retorno (o Cristo e a sua acção prolongada nos sacramentos). Estas sumas
contêm as maiores teses filosóficas de Tomás de Aquino.
Com efeito, se Tomás de Aquino tem o seu lugar numa história da filosofia,
não o deve somente à sua influência sobre o curso dessa história,
nomeadamente na época moderna (lembremos que, até Kant, inclusive, o
vocabulário e a agenda – o sumário das questões abordadas – dos filósofos são
determinados pela herança do pensamento escolástico, e portanto muito
frequentemente pelas Sumas de Tomás, quer seja directa ou indirectamente, por
intermédio de Suarez por exemplo). Não o deve também ao seu título de
comentador literal, abundante, original e frequentemente luminoso, de
Aristóteles. É a natureza argumentativa da sua obra que lhe explica o estatuto
de filósofo incontornável. Decerto que Tomás concebeu a sua obra como
fundamentalmente teológica devido à sua orientação: trata-se sempre de
estudar Deus ou as criaturas em referência a Deus. Mas na sua actividade a
teologia assume os argumentos filosóficos. E se Tomás distingue com nitidez
argumento filosófico e argumento intrinsecamente teológico, distingue-o
somente devido à natureza das premissas destes: naturalmente cognoscíveis ou
defendidas pela simples Revelação. Porque, em seguida, a mera força das
razões avançadas pelo doutor permite passar das premissas à conclusão. A
demonstração racional, quer ela seja teológica ou puramente filosófica,
distingue-se assim rigorosamente do argumento de autoridade, simples tese que
tira a sua força da mera notoriedade do seu defensor.
No essencial, a filosofia de Tomás inspira-se nas teses aristotélicas, tornando-
as compatíveis com a revelação cristã. Assim, a existência de Deus é nela
demonstrada a partir dos fenómenos naturais, mas Deus é igualmente atingido
como Criador, fonte e princípio de existência de todas as coisas, e o estudo dos
seus atributos leva a que se Lhe conceda o conhecimento detalhado e o cuidado
da sua criação. A alma humana é essencialmente intelecto, forma do corpo que
pode subsistir separada, e Tomás argumenta a favor da individualidade
continuada dessa existência separada. O fim da vida humana é a felicidade,
caracterizada formalmente nos termos de Aristóteles, mas pode provar-se que
tal felicidade não pode ser realizada senão pela visão de Deus, a qual requer
uma elevação da natureza à ordem da glória. Do mesmo modo, as virtudes
necessárias à vida boa devem ser completadas pelas virtudes teologais (fé,
esperança e caridade) que, nesta vida, reclamam uma outra elevação da criatura
à ordem da graça. Enfim, a filosofia aristotélica de Tomás de Aquino supera o
quadro das questões abordadas pelo próprio Aristóteles. Ela acha-se igualmente
convocada, e por vezes de maneira surpreendente e técnica, nas questões cuja
matéria é essencialmente teológica (Trindade, cristologia, graça e
sacramentos), sendo então conceitos e análises aristotélicos os instrumentos de
argumentação utilizados.
Este último ponto não é uma particularidade de Tomás de Aquino. A teologia
medieval já tentava, pelo menos desde há dois séculos, tirar partido dos
recursos fornecidos pelas artes liberais, nomeadamente a dialéctica. A primeira
metade do século XIII assistiu à irrupção da quase totalidade do corpus
aristotélico no mundo latino. Tomás de Aquino distingue-se no entanto pela
mestria que adquiriu sobre este e pelo uso intensivo que dele fez. Sublinhemos
aqui a definição da ciência que conseguiu extrair dos Analíticos de Aristóteles
e que dominou a sua concepção da pesquisa intelectual. Vimos que instituía
uma distinção estrita entre a filosofia e a teologia (diferença de intenção do
autor, estatuto das premissas), embora mantendo uma comunidade de regime
argumentativo. As mesmas razões que haviam levado Aristóteles a fazer da
metafísica, ciência dos primeiros princípios e das primeiras causas, a ciência
primeira e mestra levam Tomás a fazer da teologia a ciência mais elevada, à
qual estão subordinados os outros saberes. E se a definição aristotélica da
ciência exige que as premissas dos silogismos sejam evidentes, o que não é o
caso dos artigos de fé, Tomás explica que a nossa teologia pode não obstante
estar subordinada à de Deus e dos bem-aventurados, para os quais tais artigos
são evidentes; da mesma maneira, o músico aceita como premissas as
proposições demonstradas pelo matemático. Uma tal compreensão do que deve
ser o raciocínio científico (de natureza dedutiva, a partir de premissas
evidentes) é sem dúvida demasiado exigente para a nossa concepção, tanto da
ciência como da argumentação. Mas ela ilustra bem o teor filosófico da obra de
Tomás de Aquino.
No fundo, ele aborda o tema da criação de uma maneira particularmente
original. Ao concebê-la menos como uma origem temporal – que Tomás pensa
não poder ser estabelecida, nem negada, pela argumentação racional – do que
como uma relação de dependência na existência, que é demonstrável, Tomás
defende uma dupla tese sobre Deus e sobre as criaturas: a simplicidade
absoluta é o que é próprio da divindade, e todas as criaturas estão marcadas
pela composição, nem que fosse somente a composição do que a coisa é (a sua
essência) e do que faz com que ela o seja (o seu ser). Ele sustenta assim, contra
numerosos contemporâneos, partidários de um hilemorfismo universal (toda a
substância seria um composto de matéria e forma), a existência de espíritos
puros que apesar disso não fruem da simplicidade divina (o estudo dos anjos, a
angelologia, constitui uma parte importante das reflexões daquele a quem
apelidaram de «doutor angélico»). A relação de criação dá igualmente sentido à
presença do criador em todas as coisas, a qual não se resume à mera
causalidade. Tomás põe em evidência por um lado a distinção da causa
primeira e das causas segundas e, por outro, uma relação de subordinação que
assegure a autonomia da ordem criada – autonomia reflectida na dos diferentes
saberes, cada um deles fundado em princípios próprios. Enfim, sendo obra de
um Deus inteligente que a governa para seu maior bem, a criação manifesta em
todos os seus planos uma finalidade e uma ordem que a inteligência humana, e
nomeadamente a do filósofo, Aristóteles, contribuíram em larga medida para
descobrir.
A ordem do real é assim o princípio da sua inteligibilidade, e o homem, que é
o cume da criação visível pelo seu intelecto, pode recapitulá-la pelo
pensamento. «O que é próprio do sábio é meter ordem»: Tomás de Aquino
retomou incessantemente e ilustrou largamente a observação de Aristóteles
acerca da capacidade arquitectónica da ciência primeira. Mas esse adágio
também tem um sentido prático, uma vez que o homem é igualmente aquele
que, pelas suas acções livres, é susceptível de organizar o mundo,
particularmente no que toca aos assuntos humanos, onde pode exercer a sua
parte de providência, à imagem e à semelhança de Deus. Essa convicção de que
o real é racional, ou de que o pode tornar-se graças à acção humana, funda um
certo optimismo filosófico onde a Razão, que está no princípio de todas as
coisas, pode vir esclarecer a razão humana, finita e limitada pelas
consequências históricas do pecado. O mal não é, aliás, mais do que um limite
transitório, uma vez que, relevando do nada, ele está destinado a desaparecer
definitivamente, quando toda a criação tiver por seu turno sido recapitulada
pelo seu criador, que é o próprio ser subsistente (ipsum esse subsistens), a
razão, a bondade e o amor.
CYRILLE MICHON
João Duns Escoto

Nascido em Duns, pequena aldeia do Sul da Escócia, cerca de 1265-1266,


João Duns Escoto – o «doutor subtil» – foi ordenado padre na Ordem dos
Franciscanos a 17 de Março de 1291. Entre 1288 e 1301, estudou Teologia em
Oxford e aí comentou as Sentenças de Pedro Lombardo em 1298-1299. A partir
de Outubro de 1302 ensina na Universidade de Paris. Torna-se doutor em
Teologia em 1305, e é mestre regente dos estudos no convento franciscano em
1306-1307. Num documento datado de 20 de Fevereiro de 1308, Duns Escoto é
assinalado como leitor no Studium franciscano de Colónia. Parece ter aí
ministrado cursos a partir de Outubro de 1307, mas o seu ensino na Alemanha
será de curta duração, visto a data habitualmente atribuída à sua morte ser a de
8 de Novembro de 1308.
Dessa breve carreira, Duns Escoto deixou uma obra considerável, produzida
em cerca de uma dezena de anos, a qual conhecerá um significativo destino
histórico. A partir do início do século XIV forma-se uma escola escotista, que
gozará de uma longa prosperidade – diz-se que no século XVII ela teria contado
com mais membros que todas as outras escolas reunidas. No entanto, é
porventura fora do círculo da sua própria escola que Duns Escoto produzirá
uma influência mais determinante. A sua obra será lida e comentada por
autores tão diversos quanto Guilherme de Ockham, Francisco Suárez ou
Gregório de Rimini. Sem exagero algum, poderá dizer-se que o pensamento de
Duns Escoto assinala uma verdadeira viragem no pensamento medieval, e,
mais amplamente, na filosofia ocidental.

A univocidade do ente
O século XIII havia adoptado maciçamente a tese, fruto de uma longa tradição
de interpretação de Aristóteles, segundo a qual «ser» não se dizia num único
sentido, mas em vários, porém não por pura equivocidade mas por analogia. A
analogia é intermediária entre a univocidade e a equivocidade. Ela permite
preservar a transcendência absoluta de Deus em relação à criatura, que a
univocidade teria suprimido, embora evitando condenar o conhecimento
natural de Deus a uma simples teologia negativa, consequência da pura
equivocidade.
Duns Escoto é o primeiro a romper com esta tradição. Ele sustenta que o
mesmo conceito de ente (ens) se diz univocamente de Deus e da criatura: é
com o mesmo significado que eu digo que «esta pedra é um ente», que «o
homem é um ente» ou que «Deus é um ente». Esta univocidade estende-se a
todas as propriedades imediatas do conceito de ente, a que os medievais
chamavam os transcendentais (verdadeiro, bem, etc.), bem como às categorias
(substância, acidente, etc.). Trata-se portanto de uma verdadeira revolução
metafísica.
A posição de Duns Escoto deve ser compreendida a partir da concepção da
analogia que ele achara desenvolvida em Henrique de Gand (cerca de 1220-
1293). Henrique compreende a analogia como uma combinação de
equivocidade e de univocidade. O conceito de ente predicável a Deus é distinto
do conceito de ente aplicável à criatura, ainda que não seja possível ao nosso
espírito distingui-los absolutamente como dois conceitos diferentes, mas
somente como duas propriedades opostas de um mesmo conceito: o ser
compreende-se «em parte como equívoco e em parte como unívoco». Não é
pois de espantar que toda a discussão de Duns Escoto acerca da univocidade do
ser ande em torno desta questão da distinção ou confusão dos conceitos. O
doutor subtil não vê como se poderá saber que dois conceitos diferem um do
outro sendo-se incapaz de os distinguir como tais. Ou conhecemos dois
conceitos, caso em que sabemos estabelecer a distinção, ou então não
conhecemos mais do que um só. Ora a certeza na unidade dos conceitos é a
condição de possibilidade de todo o conhecimento verdadeiro. A univocidade
do ente é apresentada por Duns Escoto como uma exigência epistemológica: se
o conceito de ente não fosse unívoco, toda a demonstração metafísica ou
teológica que entendesse fazer uso desse conceito num silogismo (a começar
pela demonstração da existência de Deus) estaria tingida de engano e de
equivocidade. Consciente da grande novidade da sua tese, Duns Escoto
sublinha que não faz mais do que tornar evidente o que toda a gente já sabia.
Desde os pré-socráticos, os filósofos procuraram incessantemente conhecer a
natureza de Deus; procuraram saber se ele possuía ou não um corpo, se era um
ser finito ou infinito, etc. Ora, ao colocarem tais questões, todos concordavam
pelo menos num ponto, que era a própria condição de possibilidade da sua
dúvida, a saber que, qualquer que seja a sua natureza, o Deus que procuravam
deveria ser um «ente».
A ontologia
A partir de meados do século XIII, os esforços de um realismo consequente
fizeram rebentar a estrutura binária entre o ser exterior ao espírito e a pura
representação mental. Entre o ser de razão, que é uma pura operação lógica do
intelecto, e o ser exterior, que nem sempre é inteligível a não ser em certas
formas, modos ou graus, é necessário um espaço intermédio, que justifica a
eficácia de um pensamento voltado para o real, porquanto ele se rege pelos
diferentes aspectos possíveis deste. A teoria escotista da distinção formal com
fundamento real (distinctio formalis ex parte rei) é seguramente a mais célebre,
mas ela constitui já uma crítica da distinção intencional de Henrique de Gand,
segundo a qual os conceitos realmente distintos do espírito correspondem a
aspectos potencialmente distintos na coisa. Duns Escoto considera pelo
contrário que a distinção, numa mesma coisa, entre diversas realidades formais
não é simplesmente em potência, mas muito actual, sem que com isso se
quebre a unidade da coisa. Na coisa, é-me dado a conhecer um certo aspecto,
aspecto que, na medida em que não resulta da operação do meu intelecto, é
uma propriedade real, e não de mera razão. Todavia, essa propriedade, se se
deixa pensar (e portanto definir) independentemente do seu tema, não se deixa
dissociar concretamente deste como uma outra coisa que pudesse ter uma
existência independente. O sucesso da distinção formal escotista é devido em
particular ao seu potencial para resolver o problema da unidade divina: os
atributos divinos ou as pessoas divinas são realmente distintos, sem que a
unidade e a simplicidade divinas sejam afectadas por isso.
O realismo de Duns Escoto é moderado e revela-se assaz diferente daquele
que se desenvolverá entre os reales a partir do século XIV. O doutor subtil
esforça-se por mostrar que a simples oposição entre a pura existência mental e
a realidade exterior ao espírito é insuficiente: é necessário um domínio
intermédio. Os graus de semelhança ou de contrariedade que se observam na
natureza, e nos quais se funda a nossa faculdade de abstracção, não se explicam
pela mera existência de seres singulares, numericamente distintos uns dos
outros, uma vez que a unidade numérica não engendra nenhuma hierarquia.
Deve portanto supor-se uma unidade intermédia entre a existência individuada
e o conceito universal: a unidade de uma «natureza» (natura). Uma natureza
não é em si nem individual nem universal, ela é indiferente a um ou outro
desses modos de existência.
Se a transposição de uma natureza comum num conceito universal se deixa
compreender como uma operação do intelecto, resultado da sua faculdade de
abstracção ou de universalização, a singularização dessa natureza numa
realidade exterior requer quanto a ela um princípio ontológico próprio. Duns
Escoto examina longamente esta questão, afastando um após outro os
candidatos clássicos ao papel de princípio de individuação: a negação, a
existência, a quantidade, a matéria. Evitar-se-á, em particular, confundir
individuação e indivisibilidade. A individuação não poderia ser uma
propriedade lógica, acidental ou extrínseca de uma substância (seria a sua
existência); um ser é individuado em virtude do facto de se apropriar
totalmente das propriedades comuns de que é portador. Em Sócrates, a
humanidade torna-se o próprio Sócrates: ela torna-se «socrateidade», ou seja,
ao mesmo tempo a realização e a apropriação da humanidade por um
indivíduo. O princípio de individuação é a perfeição ou forma última que um
ser realiza, a sua haecceitas252 (de haec, «isto»). O singular realiza a
inteligibilidade de que é portador pela sua individuação. A individualidade não
é um princípio extrínseco à inteligibilidade de uma coisa.

A vontade e a lei moral


Classicamente, associa-se à filosofia escotista a expressão «voluntarismo».
Porém, sobre a questão da vontade e da liberdade, no essencial Duns Escoto
não fez mais do que retomar e desenvolver a posição franciscana, dando-lhe
mesmo uma formulação mais moderada do que aquela que era sustentada em
particular por Pedro João Oliva (cerca de 1248-1298).
Para Aristóteles, o intelecto, como faculdade de discernimento, acha-se na
origem da nossa capacidade de deliberação e de escolha, ou seja da liberdade
humana. No século XIII, a escola franciscana opor-se-á à definição aristotélica
do homem como animal racional, pois uma tal metafísica reduzir-nos-ia,
segundo a surpreendente expressão de Oliva, a não sermos mais do que «bestas
intelectuais». O que faz a nobreza do homem, o que o eleva acima do animal,
não é o seu intelecto, mas a sua vontade. Essa vontade não é uma potência de
discernimento ou de deliberação, é uma faculdade independente do intelecto na
sua essência e no seu princípio. Só a vontade possui, perante um objecto, a
«liberdade de indiferença», isto é a liberdade absoluta, de consentir (velle) ou
de rejeitar (nolle), ou ainda de se abster de querer (non-velle). Tal liberdade é
absoluta porque ela não é limitada nem determinada por nada. A natureza do
objecto ou o grau de discernimento não diminuem nem afectam em nada essa
potência que faz a essência do homem, e sem a qual seria impossível imputar-
lhe os seus actos: o poder, contra toda a lógica, de desejar um mal evidente, ou
de rejeitar um bem evidente. A origem do bem e do mal não se encontra na
perfeição ou na fraqueza da razão; encontra-se na liberdade como potência de
autodeterminação. Mas se a vontade não pode ser constrangida por nada, onde
encontrar doravante a regra das nossas acções? O primado da vontade impõe
uma nova definição da justiça: um acto é em si bom ou mau, enquanto acto
puramente desinteressado, conforme se achar ou não conforme à lei. A lei é a
única medida do bem e do mal. Esta nova concepção da ética, formulada por
Duns Escoto, encontrar-se-á em Guilherme de Ockham e em Emanuel Kant.
Não existe portanto nenhuma lei moral intrinsecamente necessária, à
excepção da primeiríssima lei do Decálogo: aquela que dita o amor de Deus.
Todas as outras leis podem ser revogadas por Deus a qualquer momento, se
Lhe aprouver. Ele criou o nosso mundo a partir das combinações lógicas dos
mundos possíveis. Ele escolheu livremente um caso particular entre todos os
conjuntos de compossíveis (mas não necessariamente o melhor!). Ele pode agir
no interior da ordem instituída por tal escolha (pela sua potência ordenada),
mas pode também decidir mudar as regras do jogo (pela sua potência
absoluta). No entanto, sendo boa a vontade divina, Deus ditou as Tábuas da
Lei não em virtude de uma necessidade mas a fim de que elas estejam em
harmonia com o seu projecto. A teologia escotista marca assim a emergência de
um motivo maior, que a partir de então irá obcecar o final da Idade Média, até
ao século XVII: a omnipotência divina.
DOMINIQUE DEMANGE

252 Em português, hecceidade. (N. do T.)


Guilherme de Ockham

Guilherme de Ockham (cerca de 1285-1347) ficou na história da filosofia


como o pai do nominalismo medieval. Propôs pontos de vista fortes e originais
em quase todos os domínios da filosofia. Membro da Ordem dos Franciscanos,
estudou em Londres e em Oxford, mas sem nunca se tornar mestre em
Teologia. Em 1323 foram denunciadas diversas teses do seu comentário, e em
1324 foi convocado a Avinhão. Fugiu em 1328 e refugiou-se junto do
imperador Luís da Baviera. Excomungado, passou o resto da sua vida a
escrever tratados políticos e eclesiológicos contra o papado.

Lógica, teoria da linguagem e do conhecimento


A Suma de Lógica, redigida em 1323, marca todo o pensamento do século
XIV. A lógica funda-se numa teoria do signo. Guilherme de Ockham considera
três espécies de signos, todas elas remetendo directamente para coisas
individuais: signos escritos, falados e mentais253. O domínio mental pode assim
ser considerado como uma verdadeira linguagem, combinação de elementos
significantes estruturada segundo uma certa sintaxe. Essa linguagem mental é o
objecto primordial da lógica. Aí se analisam os diferentes tipos de termos:
abstracto ou concreto, absoluto ou conotativo, singular ou universal. O
universal é ele próprio um signo, falado ou mental. Nada é mais estranho a
Guilherme de Ockham do que um «nominalismo» que fosse concebido como
uma redução da linguagem a palavras vazias: trata-se, pelo contrário, de
explicar o significado e a referência dos termos. As categorias são tipos de
termos portadores de sentido que estão classificados segundo a sua maneira de
significar as coisas. As propriedades semânticas estão organizadas em torno da
teoria da «suposição», propriedade que um termo tem de se referir a uma ou
outra coisa de acordo com o seu uso efectivo em proposições. A suposição
divide-se ela própria em diferentes modos e serve para restituir os diversos
usos (significativo ou metalinguístico, determinado ou distribuído, etc.) desses
termos. Ela permite, enfim, definir as condições de verdade das proposições. A
Suma de Lógica percorre seguidamente todos os domínios da lógica, da teoria
dos silogismos à teoria dos paralogismos, passando pela teoria das inferências,
dos lugares, das obrigações.
A teoria do signo é completada por um estudo da génese psicológica do
conceito254. Este não é abstraído a partir da sensação. Conhecimento sensível e
conhecimento intelectivo são para a alma duas maneiras de apreender a coisa,
e, por direito, a intelecção é independente da sensação. O conceito surgiu com
o contacto primordial de uma coisa. Esse contacto intelectivo primordial dirige-
se pois a uma coisa singular, mas é redobrado por disposições do espírito para
captar de novo essa coisa ou coisas semelhantes – daí um conceito comum, que
permite conceber num só acto e segundo uma referência múltipla coisas
semelhantes do ponto de vista da espécie («homem»), ou de uma dada
qualidade («branco»).
O conhecimento é intuitivo quando, por ele, podemos saber se uma coisa
existe ou não existe; é abstractivo quando, por ele, não podemos saber com
evidência se a coisa existe ou não. Todo esse edifício assenta num contacto
primordial, sensitivo e intelectivo, com a coisa, e numa relação causal entre a
coisa e o conceito.

As substâncias naturais: física e metafísica


A análise lógica acha-se investida nas outras ciências, nomeadamente a física
e a teologia. Ockham dedica vários comentários à Física de Aristóteles, nos
quais se entrega a um estudo dos conceitos da filosofia natural255. Assim,
«movimento» é um termo abreviado que significa que um corpo está num local
num momento e depois num outro local um pouco mais tarde. A mudança
qualitativa não é também ela senão o acrescento ou a supressão de uma ou
outra qualidade. A condensação e a rarefacção são interpretadas a partir do
movimento das partes do corpo. Todo o seu esforço visa a elucidação lógica
das proposições da física, cruzada com uma visão parcimoniosa das realidades
físicas, ou seja recusando toda a concretização das abstracções e reduzindo os
termos complexos a abreviações de enunciados que remetem para as meras
substâncias e qualidades. Os outros conceitos da física, como o local, o tempo,
o infinito, o vazio, são tratados de maneira semelhante. Mas se a ontologia
ockhamista não admite a realidade das relações, ela nem por isso implica
qualquer cepticismo em relação à causalidade: uma causa é uma coisa tal que,
se ela é dada, uma outra dela decorre necessariamente.
A metafísica ockhamista assenta na tese da singularidade do ente: tudo o que
é é, em si, singular. Assim se acha recusada toda a problemática da
individuação. Desta posição nominalista faz eco um princípio metodológico
segundo o qual o que é realmente diferente é por direito separável pela potência
divina absoluta. As substâncias são constituídas por matéria e forma; ambas
são reais ainda que não sejam fisicamente separáveis. Ockham adopta, a este
respeito, a doutrina da pluralidade das formas: as coisas são compostas, além
da matéria, por uma hierarquia de formas substanciais e acidentais.

Teologia
Guilherme de Ockham tanto é teólogo como lógico. Ele interroga-se sobre o
estatuto das verdades teológicas256. Em primeiro lugar coloca-se a questão dos
conceitos pelos quais significamos Deus. Não podemos ter dele qualquer
conceito intuitivo, pelo menos nesta vida; mas também não temos dele
qualquer conceito abstractivo simples, supondo este um conceito intuitivo
prévio. Em compensação, podemos ter acerca de Deus um conceito composto
que lhe seja próprio, uma espécie de descrição definida que só a Ele convenha.
Este conceito, composto de partes abstractas dos outros entes, pode servir de
sujeito nas proposições em que se refere a Deus. Quanto às «perfeições», não
se trata de qualidades que fossem nele distintas da sua essência, uma vez que
Deus é radicalmente simples. Elas não são coisas mas signos, atributos
predicáveis desse conceito. Tais propriedades convêm a Deus, mas são, ou
comuns a outros entes, ou termos conotativos, como «criador», que significa de
maneira segunda o mundo criado.
A partir daí, Ockham analisa as proposições utilizadas em teologia segundo
os cânones da lógica (salvo no caso da relação trinitária). Isso tem por
consequência reduzir consideravelmente o âmbito demonstrativo das
proposições teológicas, uma vez que a exigência de referência directa do termo
sujeito raramente é satisfeita. Designadamente, nenhuma demonstração de
existência pode ser considerada. Muitos dos raciocínios que os seus
predecessores julgavam demonstrativos são rejeitados como inconcludentes.
Algumas dessas proposições são porém acessíveis à razão por meio de uma
argumentação persuasiva.

A filosofia prática
Encontram-se elementos de ética dispersos nas diferentes obras teológicas. A
ciência moral comporta uma parte «positiva», contendo leis divinas e humanas
que obrigam a procurar certas coisas e a fugir de outras, e uma parte «não
positiva», que não assenta em nenhum preceito superior mas depende de
princípios conhecidos por si ou pela experiência257. Tais princípios são já
tratados na lógica aristotélica. A ética ockhamista considera além disso que
nenhum acto é por si mesmo bom ou mau, a não ser amar Deus por si mesmo e
acima de tudo. A intenção é colocada em primeiro plano. Daí resulta que o
cumprimento ou incumprimento de uma ou outra acção não deve condicionar o
juízo moral efectuado sobre alguém. Estes dois princípios implicam que não se
pode identificar com certeza o que no domínio prático corresponde a uma boa
ou má intenção. Ockham admite contudo que há acções que são prescritas
como boas e outras interditas como más. Tais prescrições, positivas ou
racionais, devem ser seguidas. Mas uma acção não tem valor moral senão por
derivar da vontade boa. O único acto intrinsecamente virtuoso é um acto da
vontade: é o facto de se amar Deus por si mesmo e acima de tudo258.
A salvação, porém, não só supõe a virtude, mas também requer o mérito.
Guilherme de Ockham aborda as questões da predestinação de um ponto de
vista semântico259. Opõe a verdade segundo Aristóteles à verdade em teologia:
Deus conhece os futuros contingentes e sabe, de duas proposições
contraditórias, qual é verdadeira; mas a questão de saber como isso é possível
permanece misteriosa. Todavia, Deus sabe o futuro como contingente e não
como necessário.
No que concerne a questão de saber se a caridade criada (distinta do Espírito
Santo) é requerida para que um homem seja salvo, Guilherme de Ockham
recusa colocar uma forma criada na alma, que seja distinta da própria alma.
Nenhuma forma, nem natural nem sobrenatural, é necessária para isso.
Nenhum acto é meritório em si mas em razão de um mandamento divino; só é
meritório um acto aceite por Deus de maneira contingente. Nem por isso deixa
de suceder que, segundo as leis instituídas, o mérito preceda normalmente a
graça e a graça a salvação. Mas uma tal ordem nada tem de necessário. Deus
teria podido estabelecer uma diferente. Se Deus houvesse criado um mundo no
qual fosse bom odiá-lo, esse teria sido um acto meritório!
A filosofia política de Ockham é exposta por ocasião de polémicas sobre os
poderes respectivos do papa e do imperador. O «direito natural» designa na
origem a Lei divina, mas também o que dela deriva no estado instituído; ele
serve de fundamento e de norma crítica à lei positiva. O mesmo sucede para a
propriedade, que não existe no estado original, e depois se torna um direito de
apropriação de todas as coisas, e por fim um direito de propriedade
propriamente dito. A ordem política releva para ele da mera instituição. Na
Igreja, Ockham respeita em princípio a primazia do papa, mas este não está
isento de erro e pode mesmo ser herético. Em compensação, recusa-se a
transferir a infalibilidade para o Concílio geral. Cada um se mantém juiz na sua
alma e consciência.
JOËL BIARD

253 Suma de Lógica, I, cap. 1 e cap. 12.

254 Por exemplo Questões sobre a Física, qu. 7, Opera philosophica, VI, p. 410.

255 Expositio in libros Physicorum Aristotelis, Brevis summa libri physicorum, Summula philosophiae
naturalis, Opera philosophica, IV, V, e VI.

256 Escrito sobre as Sentenças, «Prólogo», Opera theologica, I, p. 1-370.

257 Quodlibeta, II, 14, Opera theologica, IX, p. 176-178.

258 Ibid., p. 253-257.

259 Tractatus de praedestinatione et de scientia divina, Opera philosophica, II, p. 506-539.


O mundo e o poema
Continuidade e transformação da filosofia no Renascimento

Se tivéssemos de contribuir para uma história da cultura no seu conjunto, é


evidente que o Renascimento ocuparia nesta um capítulo maior. Não há dúvida
alguma, quer se trate da literatura ou da arte, ou ainda da vida e dos
sentimentos religiosos, de que o Renascimento incarna uma nova era e uma
transformação profunda relativamente à época que o precedeu. O próprio termo
«Renascimento», que designa essa época nova cujas fronteiras cronológicas
são fluidas mas acerca da qual se pode estimar que abranja o período que vai
do início do século XV a 1600, traduz a consciência que os seus protagonistas
tinham da obra que estavam a realizar e à qual a posteridade cantaria louvores
nos séculos seguintes: com a retoma da Antiguidade clássica (considerada
como um modelo e como um paradigma cultural), saída das «trevas» da «Idade
Média» em que fora amortalhada, a cultura europeia tomava o caminho que a
iria conduzir à modernidade. O conceito de Renascimento é também
indissociável do de Idade Média, tal como o são as duas faces de uma moeda, a
boa e a má, e os movimentos inovadores da cultura europeia quererão encontrar
aí as premissas dos seus próprios empreendimentos pelo menos até ao século
XIX.
O domínio da filosofia e da ciência – que na época quase se não podem
distinguir – pertence igualmente ao Renascimento, ou antes faz também ele a
experiência do seu renascimento após as trevas medievais. Era pelo menos
assim que o representavam os seus próprios actores e os sucessores destes a
partir do século XVII, quando até o racionalismo das Luzes teria a convicção de
incarnar uma emancipação da cultura europeia muito mais bem conseguida que
a dos Antigos. Uma superioridade que se manifesta claramente com a nova
filosofia e a nova ciência elaboradas a partir do início do século XVII. Daí que a
ruptura com a Antiguidade e os seus restauradores, imputada antes de tudo às
obras de Bacon e de Descartes, associada a uma reavaliação da filosofia e da
ciência medievais tidas como a expressão de um período de progresso e de
riqueza indubitáveis (bem distante da sua caricatura como idade das «trevas» a
que o havia reduzido o Renascimento), tenha frequentemente levado a
considerar o início da filosofia moderna como um fenómeno do século XVII que
rompeu com a filosofia «escolástica» medieval então ainda em vigor nas
universidades, desdenhando o parêntesis que a filosofia havia constituído numa
cultura renascente predominantemente retórica e literária.
Neste breve capítulo que introduz o discurso filosófico da modernidade,
procuraremos todavia mostrar como o Renascimento, embora prosseguindo a
tradição filosófica (universitária) herdada da Idade Média, a torna a pôr em
causa para, em benefício de um apelo à restauração da Antiguidade, dar lugar a
um novo clima cultural e a uma orientação inédita que iriam afectar a filosofia
de maneira decisiva.

Petrarca e o humanismo
Contrariamente à imagem que dela forjou o humanismo de inspiração
petrarquiana, a Idade Média filosófica e científica elaborou-se a partir da
Antiguidade. Falou-se de um «Renascimento carolíngio» a propósito do século
IX, ou ainda de um «Renascimento do século XII». Essa época é o ponto de
partida do notável desenvolvimento da filosofia e da ciência medievais, quando
inúmeras peças da filosofia e da ciência antigas – nomeadamente o corpus
aristotélico – foram restituídas, graças à mediação islâmica, e depois teve lugar,
a partir do século XIII, a instauração das universidades.
Na mesma época, o estudo dos clássicos (latinos) conheceu um
desenvolvimento decisivo. Associado ao aristotelismo universitário, ele passou
para Itália, onde se fundiu com as tradições locais de uma retórica aplicada ao
campo do direito e da política. Esse ímpeto classicista, unido à cultura das artes
do discurso (a gramática, a retórica, a poesia), atingiu um auge com a obra de
Francesco Petrarca (1304-1374). Petrarca conseguiu formular com toda a
clareza o programa de uma restauração cultural dirigida contra a decadência e
as errâncias de um saber contaminado pela barbárie islâmica, e fundado na
redescoberta das línguas e da literatura clássicas, bem como no retorno aos
temas autênticos da filosofia: a reflexão moral e espiritual do sujeito humano,
por oposição ao cientismo naturalista e ao logicismo vazio das escolas
universitárias. Se é verdade que Petrarca apresentava o seu projecto como uma
batalha a favor da restauração da Antiguidade – identificada com a cultura
pagã, que Petrarca todavia estimava ser compatível com o cristianismo e
susceptível de ser harmonizada com este – e contra a barbárie dos «séculos
privados de Roma», nem por isso deixa de se tratar da tentativa de ressuscitar o
ideal medieval da sapientia ou do saber cristão unificado, face à fragmentação
e à profissionalização do saber que eram promovidas pelo aristotelismo
averroísta das universidades e pela sua doutrina da «dupla verdade», e portanto
face à autonomia da investigação filosófica em relação à religião.
A rebelião cultural de Petrarca teve uma audiência considerável em Itália,
nomeadamente em Florença. Foi assim que nasceu o movimento ao qual o
século XIX iria dar o nome de humanismo. Os seus promotores, que no jargão
estudantil da época eram conhecidos como os «humanistas», seguiam o curso a
que Cícero havia chamado os Studia humanitatis, os estudos que convêm
propriamente tanto ao interesse como à cultura do homem livre: as disciplinas
relativas à linguagem (gramática, retórica, poesia) bem como à reflexão prática
(história e ética). O campo assim ocupado pelo humanismo é em boa parte
estranho àquele que a tradição medieval reservava para a filosofia, à excepção
da ética. A cultura do renascimento era com efeito estranha à lógica e ao curso
de estudos que a tradição peripatética e nominalista havia colocado no
princípio do pensamento científico. O humanismo também não mostrava
interesse pelo domínio da ciência natural nem pelo da metafísica. Interessava-
se antes de mais pela linguagem como aquela qualidade essencial do sujeito
humano que exprime a sua dinâmica espiritual e por meio da qual ele entra em
relação com os seus semelhantes no campo da prática. A consciência aguda da
dependência do pensamento relativamente à linguagem era então acompanhada
por um interesse pela rectidão da expressão linguageira do pensamento (o que
equivaleu a favorecer a reabilitação do latim clássico, contra o jargão bárbaro
da escolástica), e por uma atenção persistente à retórica concebida como arte
do «bem falar» destinada à eficácia persuasiva no quadro das relações
humanas.
Se no seu início o humanismo era estranho à filosofia ensinada nas
universidades sob a autoridade da tradição peripatética, o desenvolvimento da
sua reflexão própria levou-o a transformar consideravelmente a filosofia.
Confrontado com a lógica medieval tardia, que estava ligada às exigências do
discurso científico, o humanismo com efeito veio a promover uma lógica nova,
estreitamente ligada à retórica, bem como às exigências da boa «invenção» e
«disposição» dos argumentos chamados a serem proferidos perante um público
que convenha formar ou convencer. Com os trabalhos percursores de Lourenço
Valla (1407-1457) e por intermédio de Rudolfo Agricola (1433/4-1485), a
«lógica humanista» atingiu a sua maturidade nas obras de Melâncton (1497-
1560) e de Pedro de la Ramée260 (1515-1572). Da mesma maneira, a
orientação predominantemente prática do humanismo fez-se acompanhar por
um deslocamento da atenção votada aos autores. Assim, no tocante a
Aristóteles, foram a Ética a Nicómaco, a Política, a Económica e a Retórica
que estiveram no centro das preocupações humanistas no início do século XV.
Ao mesmo tempo, nomeadamente em Florença, formava-se aquilo a que se
chamou o «humanismo civil», cujos principais representantes foram Colucio
Salutati (1331-1406) e Leonardo Bruni (1370-1444), particularmente
empenhados em escorar as opções políticas republicanas da oligarquia
florentina.
Foi não obstante por se reapropriarem dos textos antigos e por se dotarem de
uma nova biblioteca filosófica que os humanistas obtiveram os seus resultados
mais notáveis. Contra o reino indiscutido do Aristóteles latinus com título de
paradigma da filosofia, o humanismo proclamou a diversidade filosófica.
Convicto de que uma parte importante do legado filosófico grego havia sido
perdido e convicto sobretudo de que era necessário aceder ao estudo dos textos
na sua língua original, o humanismo restabeleceu a língua grega no Ocidente.
A busca de tradições perdidas encorajou uma caça sistemática aos manuscritos,
que permitiu reencontrar textos extremamente importantes, os quais depressa
inspiraram uma reflexão filosófica renovada: em primeiro lugar, os de Platão e
da tradição platónica, depois dos autores e das obras que tornaram possível um
conhecimento muito melhor dos pensamentos pré-socrático e helenístico.
Lucrécio e Diógenes Laércio deram assim acesso ao empirismo autêntico,
enquanto pelo seu lado Sexto Empírico fazia descobrir as correntes filosóficas
que ele julgara dogmáticas, entre as quais figurava o estoicismo. O
aristotelismo beneficiaria também ele da redescoberta das obras de
comentadores tão importantes quanto Alexandre de Afrodísia, Temístio ou
João Filopono, sem falar da abundante circulação das obras marginais do
corpus aristotélico, como a Poética e a Mecânica. Um vasto ímpeto de
tradução destes textos em latim – pois o conhecimento do grego continuava a
ser limitado, incluindo entre o público letrado – conclui esse empreendimento,
com o auxílio, a partir da segunda metade do século XV, da difusão acrescida
que a imprensa tornara possível.

O platonismo
O platonismo renascente é obra do humanismo, e não teria sido possível caso
este último não houvesse empreendido a sua obra de restauração da língua
grega e das filosofias concorrentes do aristotelismo. Mas ao contrário do
interesse que o primeiro humanismo votara a Platão, essencialmente
preocupado com a ética e a política mas indiferente à reflexão física e
metafísica, o platonismo desenvolvido por Marsílio Ficino (1433-1499), e que
João Pico de Mirândola (1463-1494) prosseguiu modificando-o, constituiu
incontestavelmente uma verdadeira filosofia.
Ficino empreendeu uma obra sistemática de tradução e de comentário: a sua
tradução da obra de Platão, concluída desde 1469, foi impressa em 1484 e
complementada por comentários cuja influência foi considerável, em particular
aqueles que se referem a O Banquete e ao Fedro, que estiveram na origem da
doutrina do «amor platónico», extremamente influente em todos os domínios
da cultura europeia até ao final do século XVI. Tal empreendimento foi
completado pela tradução do Corpus Hermeticum e pela tradução e comentário
das Eneadas de Plotino (surgidas respectivamente em 1471 e 1492), e pela
redacção de uma obra pessoal no seio da qual se destacam a Teologia Platónica
da Imortalidade das Almas, impressa em 1482, o Da Religião Cristã (1474) e
os Livros da Vida (1489), que expõem a sua teoria da melancolia, cujo impacto
no pensamento ocidental foi imenso, desde a literatura e as artes até à
medicina.
Ficino lia e interpretava a filosofia de Platão à luz do neoplatonismo mas
também do hermetismo, que ele via como um corpus doutrinal redigido por
Hermes Trismegisto pouco depois da época de Moisés, e no qual fora
consignada a antiga sabedoria egípcia. Aos olhos de Ficino – que conseguiu
fazer partilhar tal crença na Europa do século XVI –, isso significava que Platão
era o ponto culminante de uma tradição erudita única, que remontava às
origens da humanidade, pois era posterior à revelação divina feita na Escritura
ao povo de Israel, e dependente desta. Ficino atribuiu o nome de prisca
theologia («teologia antiga») a essa herança pagã, e considerava que ela era ao
mesmo tempo coerente e compatível com o cristianismo, adoptando quanto a
esse tema a opinião favorável que sobre ele tinham os primeiros autores
cristãos e os Pais da Igreja, que viam em tal tradição o testemunho da revelação
divina feita à humanidade pagã por meio do logos, como uma espécie de
preparação para o Evangelho.
Desse modo, Ficino pôde apresentar a sua restauração do platonismo e da
prisca theologia como uma forma de apologética da religião em geral e do
cristianismo em particular, oposta à impiedade aristotélica. Com efeito o
aristotelismo distinguia-se, nas suas correntes maioritárias (tanto o averroísmo
como a nova corrente «alexandrina», que se alimentava do comentário de
Alexandre de Afrodísia), pela afirmação do carácter moral da alma humana (o
que demitia a providência divina sobre a humanidade e, por esse motivo, a
religião) e pela separação do discurso filosófico (que é o exercício racional
superior) e da religião, destinada a comandar politicamente o povo graças a um
discurso mítico e imaginário. Pelo contrário, a prisca theologia estabelecia a
unidade da filosofia e da religião, cujo divórcio, durante o período dominado
pelo aristotelismo, produzira simultaneamente a impiedade filosófica e a
degenerescência da religião numa superstição ou numa religião indocta. Tanto
a obra de Platão como o conjunto que constituía a prisca theologia revelam um
pensamento que não se limita ao conhecimento da natureza, mas que se eleva a
partir dele até ao conhecimento e ao culto da divindade. O resultado disso é
uma filosofia piedosa (pia philosophia) e uma religião douta (docta religio).
Assim se restaurava a unidades delas, permitindo não somente reencontrar a
filosofia verdadeira, mas estabelecer ao mesmo tempo as bases da necessária
reforma da religião cristã. Era assim que Ficino – o qual além disso estava
convencido de que a sua obra e o seu projecto obedeciam a um desígnio da
providência divina – compreendia o platonismo (concebido como o elo
fundamental da cadeia formada pela prisca theologia) como o remédio
necessário para o aristotelismo. A crise espiritual contemporânea deveria
encontrar a sua superação graças à instauração de todas as potencialidades
inerentes ao platonismo.
A questão que ocupa o cerne da reflexão de Ficino é a do lugar que cabe ao
homem na escala dos seres, da relação que ele mantém tanto com o mundo
como com Deus – princípio e fim dessa escala – e da imortalidade da alma
racional humana como realização necessária do fim natural que incumbe ao
homem: a união permanente com Deus. A Theologia platonica de
immortalitate animorum (Teologia Platónica da Imortalidade da Alma) indica
de que maneira cada um desses temas está presente na obra de Platão, e em
geral nas principais peças da prisca theologia, para demonstrar que, longe de
ser uma fonte de impiedade, a filosofia é o solo firme sobre o qual se podem
edificar a crença e a esperança religiosas.
Ficino reformula o tema platónico (e aristotélico) tradicional da hierarquia
dos seres atribuindo-lhe a forma de uma escada com cinco degraus: Deus, o
espírito angélico, a alma racional, a qualidade e o corpo. Nessa escada, a alma
racional, presente tanto no mundo como no homem (o que explica que o
macrocosmo corresponda ao microcosmo), é a cúpula, ou o lugar que dá à
realidade a sua coerência. Em virtude da sua dupla tendência para a ascensão e
a descida, a alma dá a sua unidade a uma escala que é como uma realidade
dinâmica no seio da qual o superior desce para o inferior e o inferior se eleva
para o superior. Desse modo, a descida da alma em direcção à matéria (que é
uma queda para o inferior) dá a vida, informa e aproxima a divindade da
matéria inerte, conformando o mundo como uma realidade bela e boa (um
cosmos). Ao mesmo tempo, graças ao retorno da alma a si mesma e, por
conseguinte, graças à sua elevação contemplativa rumo à inteligência e à
divindade, o composto da criação é reconduzido à origem divina da qual
procede e com a qual se reúne.
Ficino considera essa tendência ou esse desejo de Deus presente na alma
racional (e por esse motivo no homem) como natural e como universalmente
presente entre os homens (ubique et semper: em toda a parte e sempre). Para
além dos objectos finitos e pontuais do seu desejo, o amor da alma – o desejo
dela de conhecer, de se unir ao e de fruir do seu objecto – dirige-se para Deus
como seu termo último. Em suma: o desejo de Deus da alma racional (humana
e individual) é simultaneamente infinito e impossível de satisfazer nos termos
sempre finitos da existência mundana. Por conseguinte, tanto para o
cumprimento de todas as tendências naturais como para fazer face à
irracionalidade que torna o homem incapaz de satisfazer o desejo e o fim mais
íntimo da sua natureza, fazendo assim dele «o mais infeliz de todos os
animais261», há que afirmar a necessidade da imortalidade da alma individual:

Além disso, uma vez que um desejo natural não é vão, daí resulta que a alma humana obtém a
existência perpétua que necessariamente almeja, existência perpétua, digo eu, não somente na
espécie, mas na substância própria [ao contrário do que se encontra em Averróis, não há
imortalidade do intelecto universal, mas da alma individual]. Pelo contrário, todos nós desejamos
uma existência eterna e isso sempre, mesmo quando estamos inconscientes desse desejo. É pois por
não ser impossível atingi-lo262.

A cosmologia platónica de Ficino possui algumas particularidades em


relação à de Aristóteles, da qual conserva no entanto os traços principais: um
mundo único, finito, hierarquizado em duas regiões, sublunar e supralunar. O
cosmos de Ficino também se caracteriza em parte pela influência das fontes
herméticas e neoplatónicas, e pelos centros de interesse de Ficino,
nomeadamente aqueles que explicam a presença de numerosos elementos de
astrologia e de magia. Eis o que ressalta dos Libri de Vita (Livros da Vida)
consagrados à teoria e à terapia da melancolia, e mais ainda no terceiro livro [o
muito influente De vita coelitus comparanda (Para Adquirir a Vida do Céu)],
onde ele se propõe combater os aspectos negativos da melancolia (o humor que
se associa a Saturno) por meio de diferentes formas de magia astral baseadas
nas afinidades celestes dos minerais e das plantas. A voga e o prestígio
consideráveis da astrologia e da magia natural no Renascimento europeu até ao
início do século XVII devem-se enormemente ao platonismo tal como Ficino o
havia reposto em vigor.
Com João Pico de Mirândola, o platonismo conhece uma modificação
portentosa. Em primeiro lugar, relativamente à orientação anti-aristotélica que
lhe havia dado Ficino, Pico afirma a compatibilidade de Platão e de Aristóteles,
bem como das tradições saídas das obras destes, e faz igualmente prova de um
grande interesse pelo desenvolvimento medieval das filosofias islâmica,
judaica e escolástica. Deste modo, a dimensão universalista do platonismo
ficiniano e a busca de uma harmonia entre este último e o cristianismo
adquirirão em Pico um carácter verdadeiramente universal. Esse ideal de
«concórdia» será ainda enriquecido pela junção da Cabala, a tradição esotérica
judaica que pretendia remontar a Moisés e conter a interpretação do sentido
oculto da Bíblia hebraica. Tal como em Ficino, este universalismo
acompanhava um projecto apologético, que em Pico deveria demonstrar a
coincidência da tradição esotérica judaica com o cristianismo e portanto a
verdade deste último. Assim, pela incorporação da Cabala na cultura cristã, que
esteve na origem de uma tradição que se iria prolongar pelo menos até ao
século XVII na Europa, procurava-se demonstrar a divindade de Jesus aos
próprios judeus, a partir dos segredos e das verdades da sua tradição mística, de
modo a preparar a conversão geral dos hebreus, que deveria ter lugar no fim
dos tempos.
Pico propôs-se proclamar a realização da concórdia universal através da
convocação de um congresso geral dos sábios em Roma, no início de 1487.
Para tal efeito redigiu, em jeito de documento preparatório, as suas 900
Conclusões que, publicadas em Roma no final de 1486, recolhiam proposições
colhidas nas tradições filosóficas e teológicas das quais ele entendia defender a
harmonia. No mesmo momento, aquele a que mais tarde se chamou a Oratio de
dignitate hominis (O Discurso da Dignidade do Homem), e que não foi
publicado antes de 1496, deveria ter lugar como discurso inaugural desse
grande conclave. A primeira parte da Oratio apresentava o homem como uma
essência não definida e sempre susceptível de ser determinada segundo a
escolha que ele faz de si mesmo, e a segunda defendia as diferentes secções das
Conclusões, e nomeadamente o alcance da Cabala, da magia, e em geral da
prisca theologia.
O congresso romano acabou por ser proibido, as Conclusões foram
censuradas e o confronto de Pico com a Igreja concluiu-se com a retirada
forçada dele para Florença. Nos anos que se seguiram, Pico inflectiu a sua
reflexão: no seu Heptalus de 1489, aplicou a hermenêutica da Cabala à
interpretação do sentido oculto do primeiro capítulo do Génesis, mostrando que
se pode descobrir nele a presença do próprio Cristo, e ver neste um mediador
que torna possíveis a redenção da falta original da humanidade e o restauro no
homem da união entre Deus e o conjunto da criação.
Assim, nos seus últimos anos, Pico parece haver renunciado a seguir a
concepção ficiniana da prisca theologia, e mais particularmente os seus
elementos mágicos. Pico concebeu um ambicioso programa de refutação da
superstição, do qual somente a crítica da astrologia veio à luz do dia263. Na
mesma época, o projecto que consistia em demonstrar definitivamente a
concórdia entre Platão e Aristóteles só deu lugar à publicação do De ente et
uno (1491), em que Pico contestou a interpretação neoplatónica que Ficino
oferecera da filosofia de Platão – estabelecendo o Uno para além do ser, a
partir de uma leitura plotiniana do Parménides – para defender a equivalência
do Uno e do ser, e propor uma leitura do Parménides como exercício dialéctico
e disputatório.
Não se pode evocar o platonismo do Renascimento sem mencionar a obra de
Nicolau de Cusa (1401-1464). Pertencente à geração que precedeu Ficino e
Pico, o cusano fazia parte do meio cultural alemão (ou mais exactamente
renano). Estava aberto ao ideal humanista de uma reapropriação das novas
fontes, mas carecia da formação. Herdeiro da tradição medieval e das suas
correntes platónicas, muito particularmente do platonismo da mística alemã, o
cusano elaborou uma filosofia platonizante perfeitamente original.
O seu pensamento é dominado pela consciência da incapacidade do sujeito
humano finito para aceder à compreensão do infinito divino e pela
consideração do carácter conjuntural e aproximativo do conhecimento humano.
Além disso, diferentemente da ontologia escalonada de Ficino e de Pico, com a
sua progressiva procissão descendente desde o Uno e a sua emanação que vem
encontrar o seu remate na matéria, o cusano defendia uma derivação imediata e
simultânea de toda a criação, associada a uma cosmologia desprovida de
hierarquia, na qual o universo não é finito e onde a Terra, dotada de um certo
movimento, é igual em dignidade e em composição aos outros astros do
universo. Ao mesmo tempo, ele propõe uma concepção do infinito divino como
coincidência dos opostos: matéria e forma, potência e acto são igualmente
constitutivos de Deus, trata-se de princípios que se confundem na unidade
divina que «complica» aquilo que no universo se «explica». A audaciosa
especulação cosmológica e metafísica de Nicolau de Cusa teria repercussões
consideráveis na filosofia do século XVI e seria adoptada por Giordano Bruno,
que a associaria a uma cosmologia coperniciana.

O aristotelismo. Pedro Pomponazzi


A filosofia dominante no Renascimento foi indiscutivelmente o aristotelismo.
Até ao início do século XVII, essa continuaria a ser a filosofia magistral das
universidades europeias, e isso para além até das divisões engendradas pela
Reforma protestante. Durante os séculos XV e XVI, mantiveram-se as diferentes
correntes do aristotelismo medieval: a via antiqua do averroísmo, de Alberto, o
Grande, do tomismo; a via moderna de Escoto e do nominalismo. Em certos
casos, essas correntes integraram contributos oriundos do humanismo: a leitura
de Aristóteles em língua original, a sensibilidade filológica, a atenção votada às
novas traduções da ética e da política aristotélicas, o estudo dos antigos
comentadores gregos reencontrados (Alexandre de Afrodísia, Temístio, João
Filopono). Esta nova sensibilidade, que testemunha um desejo de abertura no
interior da manutenção do aristotelismo concebido como filosofia universal que
oferece respostas a todas as questões possíveis, atinge o seu ponto culminante
com a série dos comentários Conimbricenses (oriundos da Universidade de
Coimbra) às principais obras do corpus aristotélico, que foram publicados na
passagem do século XVI para o XVII. Noutros casos, porém, a tendência que se
impôs foi a do prosseguimento da tradição herdada da Idade Média.
No seio desta grande variedade de figuras destaca-se a de Pedro Pomponazzi
(1462-1525), que representa ao mesmo tempo a tradição e é original pelos
problemas que aborda, pela resposta que lhes oferece e pelo vigor do seu
pensamento. Produto típico do aristotelismo das universidades italianas da
segunda metade do século XV, Pomponazzi ensinou sucessivamente nas
Universidades de Pádua, Ferrara e Bolonha até à sua morte. Em conformidade
com o programa dos estudos, Pomponazzi expôs e comentou diversas obras de
Aristóteles nos seus cursos, que permaneceram inéditas até uma época recente.
A influência de Pomponazzi sobre a filosofia do seu tempo e sobre a filosofia
posterior é antes de mais imputável ao seu Tractatus de immortalitate animae
(Tratado sobre a Imortalidade da Alma), que publicou em 1516 e suscitou uma
grande controvérsia, e depois a outros tratados [o De incantationibus (Sobre os
Encantamentos) e o De fato (Sobre o Destino)], que foram redigidos cerca de
1520 e destinados a uma circulação restrita sob a forma de manuscrito.
A reflexão de Pomponazzi, em particular o seu tratamento da questão da
imortalidade da alma e da religião, testemunha a solidez e o enraizamento das
teses a que se chama do aristotelismo «radical» e contra as quais Ficino havia
lançado o seu programa de restauração do platonismo. Tratava-se de um
aristotelismo que se concebia como uma exegese do pensamento de Aristóteles
em termos exclusivamente racionais, numa perfeita independência em relação à
religião e ao magistério eclesiástico. Pomponazzi não havia aprendido grego, e
o seu latim era aquele jargão universitário que o humanismo tinha por bárbaro;
contudo, abriu-se aos novos elementos que este último havia posto à disposição
dos leitores latinos e estava realmente familiarizado com o platonismo, quer
fosse pela leitura dos diálogos de Platão ou pela leitura das obras de Ficino e de
Pico.
No Tratado sobre a Imortalidade da Alma, Pomponazzi procura definir a
doutrina autêntica de Aristóteles, e ao mesmo tempo responder de um modo
puramente racional à questão. As teses de Averróis (mortalidade da alma
individual; imortalidade do intelecto universal) e de Tomás de Aquino (a alma,
princípio único tanto da vida como da intelecção e forma substancial do
homem, é imortal) são refutadas. Pomponazzi segue a interpretação de
Alexandre de Afrodísia e afirma que a alma humana não pode inteligir sem o
auxílio de imagens e que, por esse motivo, a actividade dela requer o corpo.
Uma existência separada do corpo seria absolutamente ociosa e inactiva.
Situado na fronteira do material e do imaterial, o homem pode «farejar» a
imortalidade, mas não possuí-la.
Contra o platonismo e implicitamente contra Ficino, Pomponazzi afirmava
não ser preciso atribuir ao homem um fim natural inacessível, mas um fim
natural finito e atingível por todos. Um tal fim não poderia ser outra coisa
senão a perfeição do intelecto prático, a virtude moral, acessível a todos
durante esta vida e necessária para a comum vida humana.
À objecção segundo a qual sem imortalidade pessoal a virtude e o vício não
teriam retribuição, Pomponazzi responde adoptando a teoria estóica que
apresenta a virtude e o vício como possuindo em si mesmos a sua retribuição
essencial, que desse modo nunca falta. Todavia, dado uma tal concepção não
ser acessível senão à minoria capaz de se elevar à razão e à filosofia, a
necessidade de tornar virtuosos todos os outros homens a fim de se tornarem
possíveis uma vida comum e uma comunidade política levou o legislador a
introduzir a «nobre mentira» da imortalidade da alma, bem como as
recompensas e os castigos post mortem.
A despeito das suas declarações sobre o facto de o problema filosófico da
imortalidade da alma ser um problema «neutro», face ao qual a razão não podia
estabelecer demonstrativamente nem a mortalidade nem a imortalidade, e da
sua tese de que a certeza da imortalidade provinha unicamente da instância
superior da revelação divina e da autoridade eclesiástica, às quais nos
submetemos sem duvidar, Pomponazzi sofreu numerosos ataques e só evitou
um processo inquisitorial devido ao poder dos seus apoiantes.
A concepção política da religião – instrumento de que se serve o legislador
para educar moralmente o povo submetido às paixões e construir a comunidade
política – que estabelece a inferioridade da religião em relação à filosofia, está
de acordo com a definição da religião que é dada no seu tratado posterior e
inédito, Sobre os Encantamentos. Nesse inquérito aos pretensos fenómenos
sobrenaturais imputados aos anjos ou aos demónios, Pomponazzi propõe uma
explicação natural sustentando que eles são produzidos pelo curso ordenado da
natureza, seguindo o princípio de que, no mundo sublunar, as inteligências –
cujo número, segundo Aristóteles, se limita ao das inteligências separadas que
movem as esferas celestes – e em última instância Deus, que se encontra para
além delas, agem unicamente pela mediação das esferas celestes. Se a
totalidade da natureza sublunar está submetida ao governo dessas esferas, e se
as religiões (cristianismo incluído) são organismos sublunares submetidos ao
processo de geração e de corrupção a partir da causalidade celeste, então a sua
sucessão histórica, bem como a sucessão dos profetas são um efeito da
providência cósmica através da qual o mundo proporciona à humanidade o que
é necessário à existência e à perfeição desta. Desse modo, não há lugar para
pensar, filosoficamente, que o cristianismo seja a religião verdadeira que
estabelece uma ligação sobrenatural com Deus à margem da natureza, uma
ligação cujo fito seria a vida eterna.
Esta obra, tal como o tratado Sobre o Destino, no qual Pomponazzi defendia
a maior coerência filosófica do fatalismo estóico, só foi publicada a título
póstumo264. Não é difícil compreender que, com os seus três tratados,
Pomponazzi se haja tornado, ao mesmo título que Maquiavel, do qual era
intelectualmente complementar, uma das principais autoridades do movimento
libertino do século XVII e, em geral, das correntes do livre-pensamento.
O começo da revolução cosmológica: de Copérnico a Bruno
As premissas da revolução científica que se iria cumprir plenamente no
século XVII, ao produzir a imagem do mundo da modernidade, apareceram
durante o Renascimento. Em 1543 foram publicadas duas obras emblemáticas
deste movimento: o De revolutionibus orbium coelestium (As Revoluções dos
Orbes Celestes) de Nicolau Copérnico (1473-1543) e o De humani corporis
fabrica (Da Fábrica do Corpo Humano) de André Vesálio (1514-1564). A
primeira obra foi o ponto de partida da revolução astronómica e física, que
culminou no final do século XVII com a obra de Newton. A segunda assinalou a
renovação do estudo da anatomia e, de uma maneira geral, a transformação da
medicina. Neste domínio, a obra de Paracelso (1493-1541) deu lugar a uma
nova teoria e a uma nova prática, com uma perspectiva diferente do galenismo
e do aristotelismo no que respeita à filosofia do homem e da natureza, mas que
no entanto se apresentava como uma refundação da medicina hipocrática
original e, de uma maneira geral, da filosofia hermética e «mosaísta».
Se nos ativermos às relações que a «revolução coperniciana» mantém com a
filosofia, poderemos dizer sobre a obra de Copérnico que ela propunha uma
reforma da astronomia por meio da modificação dos princípios cosmológicos
em que assentava: ao geocentrismo e à imobilidade da Terra, baseados na física
e na metafísica aristotélicas, substituíram-se o heliocentrismo e o movimento
da Terra. A incompatibilidade destes novos princípios com a teoria do
movimento de Aristóteles, e de um modo geral com o conjunto da sua filosofia,
funda o carácter revolucionário da nova astronomia, que os seus detractores e
alguns dos seus partidários tomavam por uma renovação do antigo pitagorismo,
ou seja por um renascimento da Antiguidade. A astronomia coperniciana não
poderia ser verdadeira a menos que a física e a filosofia do estagirita fossem
falsas. Foi por isso que o seu desenvolvimento se fez inevitavelmente à custa
da destruição da física aristotélica e da elaboração de uma nova teoria do
movimento, associadas a uma nova ontologia ou metafísica. Ao mesmo tempo,
o copernicianismo confrontava-se com a dificuldade relativa à sua aparente
contradição com o texto literal da Escritura.
Numa tal perspectiva, nada há de espantoso em que o movimento da Terra
tenha sido maioritariamente recebido, na segunda metade do século XVI, como
uma «hipótese» que permitia um cálculo geométrico meramente destinado a
«salvar os fenómenos» do movimento planetário. O heliocentrismo e o
movimento da Terra não eram teses físicas que descrevessem a realidade, mas
hipóteses que – independentemente da sua falsidade – tornavam possível o
cálculo da posição dos planetas no céu, desde que a lógica admitisse que a
verdade pudesse ser concluída de premissas diferentes, ou mesmo falsas. É
exactamente esse o partido que acaba por adoptar a Igreja católica em 1616:
tese filosoficamente absurda e contrária à Escritura, o movimento da Terra não
poderia ser admitido senão a título de hipótese de cálculo, sem que implicasse a
menor verdade cosmológica.
Os copernicianos «realistas», que pelo seu lado admitiam a realidade do
movimento terrestre, foram raros na segunda metade do século XVI. À excepção
de alguns astrónomos (o inglês Tomás Digges e o alemão Michael Maestlin nos
anos 1570, e depois Kepler e Galileu a partir dos anos 1590), em filosofia não
se lhes pode juntar mais ninguém senão Giordano Bruno (1548-1600).
Nas obras cosmológicas que publicou em Londres em 1584 [La cena de le
Ceneri (A Ceia das Cinzas), De la causa, principio e uno, De l’infinito
universo e mondi265], Bruno considera a cosmologia coperniciana como a
verdadeira estrutura do universo, e inflecte na direcção de um universo
necessário e necessariamente infinito, enquanto efeito necessário do poder
infinito de Deus que nele se exprime e através dele se dá a conhecer ao homem.
Além disso, esse universo infinito é homogéneo: contra o universo
hierarquizado da tradição platónica e aristotélica, ainda presente num
coperniciano como Tomás Digges, o universo infinito de Bruno está repleto em
toda a sua extensão de uma matéria única submetida às mesmas leis do
movimento. Desse modo, a Terra deixa de ser o meio da maior imperfeição
ontológica (os «dejectos» do universo), para se tornar um astro como qualquer
outro, um planeta que também ele gira em torno do Sol. Este universo infinito e
homogéneo é uma repetição infinita de «mundos» ou sistemas planetários
(synodi ex mundis ou «assembleias de astros», na terminologia de Bruno), cada
um dos quais possuindo uma estrela ou um sol central rodeado por um
conjunto de planetas e de cometas (sendo estes últimos descritos como uma
espécie de «planetas raramente visíveis») que se movem em torno do seu
centro, graças a esse princípio interior de movimento que é a sua alma
inteligente.
Bruno confrontar-se-á igualmente com o problema teológico do
copernicianismo, ou seja a dificuldade relativa ao facto de a letra da Escritura
parecer promover uma cosmologia geocêntrica, à custa da aceitação da teoria
da acomodação divina à inteligência vulgar. Era pelo menos dessa maneira que
os copernicianos se furtavam a tal dificuldade. Em Bruno, essa noção de
acomodação é revista tendo por referência a adopção explícita da concepção
averroísta e maquiavélica da religião como instrumento de educação e de
governo político do povo. A intenção do legislador divino que dá aos homens a
revelação não é outra senão a de transmitir a «Lei» ao povo; em todo o rigor,
ela não se aplica aos sábios, que acedem à Lei e à virtude pelo seu próprio
entendimento.
Uma tal concepção da religião pressupõe que a filosofia – a ciência – é o
nível superior do conhecimento da natureza, pelo qual o homem se une à
divindade da única maneira possível: inacessível enquanto tal, Deus dá-se a
conhecer através da natureza infinita que explica o que n’Ele é complicado.
Bruno adopta assim a metafísica do cusano e desenvolve-a na direcção de um
monismo ontológico rigoroso: o universo ou a substância é uno e infinito, os
indivíduos particulares nada mais são do que acidentes ou modos da substância
única, cujos dois princípios (matéria e forma, ou alma) coincidem numa
unidade infinita que é Deus explicado. Através do conhecimento da realidade
física e metafísica da natureza infinita e do lugar que ele ocupa nesta, o homem
superior acede à união com Deus e em última instância à beatitude e ao
«Paraíso».
Com Giordano Bruno, a filosofia do Renascimento atinge sem dúvida a sua
expressão mais acabada, o momento em que, para o sábio, ela aparece como
uma alternativa completa à religião e ao cristianismo. Antecipando sob muitos
aspectos o pensamento de Espinosa, o de Bruno oferece à filosofia – para além
de uma física ou de uma teoria da natureza que a ciência nova viria a corrigir
consideravelmente – uma autonomia e um sentimento de perfeição que iriam
ser julgados excessivos. Essa ciência e a sua filosofia nova, no século XVII – se
exceptuarmos Espinosa –, procurariam encontrar um outro acordo com a
religião e as instituições eclesiásticas.
MIGUEL ANGEL GRANADA

260 Na tradição portuguesa também ocasionalmente referido sob a designação latina de Petrus Ramus. (N.
do T.)

261 Marsílio Ficino, Theologie platonicienne de l’imortalité des âmes, texto crítico estabelecido e traduzido
do latim para francês por R. Marcel, Paris, Les Belles Lettres, «Les Classiques de l’humanisme», 1965 e
1970 (reimp. 2007), 3 vols, vol. 1, p. 38.

262 Ibid., vol. 2, p. 265.

263 Ela está exposta nas Disputationes adversus astrologiam divinatricem, publicadas a título póstumo em
1496.
264 Estes dois textos foram publicados em Basileia, respectivamente em 1556 e 1567.

265 Cf. Giordano Bruno, Acerca do Infinito, do Universo e dos Mundos, trad. portuguesa, notas e
bibliografia de Aura Montenegro, Lisboa, Fundação Calouste Gulbenkian, 1978, 2.a ed. (N. do T.)
Thomas Hobbes

Thomas Hobbes viveu no decurso de um dos séculos mais atormentados da


história de Inglaterra. Após estudos em Oxford, as suas relações com a família
Cavendish tornaram a sua longa vida indissociável da história da dinastia dos
Stuart. É assim que, diferindo a composição do sistema de filosofia em três
secções (Corpo, Homem, Cidadão) que ele projecta realizar a partir de 1637, é
levado a escrever o seu primeiro tratado de filosofia política, os Elementos da
Lei Natural e Política (Elements of Law) em 1640, enquanto o rei Carlos I,
contra o qual a Escócia presbiteriana está em revolta, sofre os ataques do
Parlamento. Hobbes decide partir para o continente, e é em Paris que se
imprime em 1642 o seu segundo tratado político, Do Cidadão (De cive),
poucos meses antes de a guerra civil rebentar em Inglaterra. Os tratados Do
Corpo (De corpore) e Do Homem (De homine) são adiados para mais tarde
(serão editados respectivamente em 1655 e 1658). Hobbes publica antes – dois
anos após a decapitação de Carlos I – o seu terceiro tratado político, o Leviatã
(1651)266, redigido durante as perturbações da Fronda. Regressado a Inglaterra,
é objecto, mesmo após a restauração da monarquia em 1660, de numerosas
acusações de ateísmo e de traição.
É que a filosofia de Hobbes causa escândalo. A fórmula é conhecida:
materialismo portanto ateísmo portanto imoralismo. Se acrescentarmos a isso
uma filosofia política que não pode de modo algum satisfazer os diferentes
campos ideológicos que se digladiam em torno da questão do poder político, o
quadro parece completo. Hobbes, adversário da religião, teórico do
despotismo: já para muitos dos seus primeiros leitores a obra do filósofo foi
percebida como uma provocação insuportável. Nem os partidários de uma
monarquia de direito divino, nem os juristas defensores do costume imemorial
(common law), nem os autores de inspiração aristotélica que defendiam um
fundamento natural da organização política, nem os contratualistas partidários
de um pacto que ligasse o povo e o detentor da autoridade política se podiam
reconhecer na figura do soberano absoluto hobbesiano. Mas as vivas reacções
suscitadas pela filosofia de Hobbes entre os seus contemporâneos testemunham
na realidade talvez sobretudo, e antes de tudo, a radicalidade própria do sistema
do pensador inglês.

O corpo
«Ele afirma, efectivamente, que Deus é um corpo», faz Hobbes dizer ao
personagem que o representa no Apêndice III do Leviatã latino de 1668. Se
uma tal afirmação tem antecedentes no pensamento estóico e até no estoicismo
cristão, ela não é porém conforme, ou disso se duvida, aos princípios
usualmente recebidos da fé cristã. Tratar-se-á então de uma daquelas
provocações que se explicam pelas circunstâncias históricas, nomeadamente os
conflitos de Hobbes com os teólogos e os sábios da década de 1660? Na
realidade, para Hobbes, dizer que Deus é um corpo (body, corpus) é dizer que
ele é um ente (being, ens); dizer que ele é um ente é dizer que ele existe. Ou
ainda, por outras palavras, não é possível que Deus possa ser concebido – se o
é, e para Hobbes é-o – de outro modo que não seja como corpo.
É que a filosofia de Hobbes repete incansavelmente uma tese: tudo é corpo e
não é pensável senão como corpo, e todos os fenómenos se explicam pelo
movimento dos corpos. O tratado Do Corpo considera assim o corpo e o
movimento como os verdadeiros princípios de elucidação da natureza inteira.
Decerto que eles não surgem senão em segunda posição na dedução que abre o
livro (cap. VIII), após o espaço e o tempo (cap. VII), mas isso é porque estes são
caracterizados pela sua simplicidade de puras imagens. A noção de «corpo»
ganha forma no espírito desde que se pense em qualquer coisa que se coloca no
espaço anteriormente imaginado; o que o distingue verdadeiramente desse
espaço é que ele resiste ao poder da imaginação, pelo que não depende dela.
Quanto ao «movimento» (local), ele está na base de todas as mudanças do
corpo e, portanto, de todos os aspectos da realidade natural.
Compreende-se então a condição enunciada por Hobbes logo no limiar do
tratado Do Corpo (cap. I) para delimitar o domínio do conhecimento racional:
os corpos não podem ser conhecidos a menos que sejam afectados por
movimentos que provoquem em nós fantasmas, eles próprios explicáveis em
termos mecânicos. Isso exclui a teologia do campo da filosofia. Para Hobbes, a
palavra «Deus» não pode então designar senão um corpo muito subtil e muito
ténue, ao ponto de este já não poder afectar os nossos sentidos. Ele não designa
porém uma realidade incorpórea. Mais do que isso, Deus não deve ser apenas
dito extenso, mas propriamente corpóreo. Face ao dilema: ou a espiritualidade
infinita, ou a corporeidade finita, Hobbes responde por algo que ele não
concebe de modo algum como um paradoxo. Deus é corpóreo e infinito: tem
uma grandeza indeterminada, o que significa que nós não podemos imaginar-
lhe o termo (não há em Hobbes ideia positiva de infinito). Deus é além disso
um espírito, mas corpóreo: ele é um corpo fino ao ponto de ser invisível; ele
não pode pois, por via natural, provocar em nós fantasmas; ora, uma vez que o
conhecimento parte dos fantasmas, ele mantém-se inconcebível.
O objectivo visado por Hobbes ao defender a tese da corporeidade de Deus é
assim muito preciso: não se trata de especificar Deus e a natureza da sua
presença e da sua acção no mundo, trata-se de assegurar a integralidade da
univocidade do ente a partir do conceito de corpo. Hobbes afirma certamente a
relação de equivocidade, ou de homonímia, entre Deus e os entes finitos; mas é
necessário, apesar dessa equivocidade proclamada e aquém dela, qualificar
como ente, e portanto como corpo, toda a instância – Deus incluído – devido à
decisão a favor da univocidade do ente. A equivocidade só surge depois, para
assinalar o carácter incompreensível do corpo divino. Hobbes ratifica assim a
morte da analogia como princípio de acesso a Deus pela linguagem, e substitui-
a por uma lógica do conceito representativo, a qual impõe que, antes de mais e
de pleno direito, se pense univocamente tudo o que é como corpo.

O homem
No prolongamento desta orientação teórica, trata-se então para Hobbes, na
sua investigação referente ao homem, de substituir uma explicação corpórea à
explicação por uma alma imaterial reputada inexistente. Pois não só a
diversidade dos fantasmas é produzida pela diversidade das operações dos
corpos sobre os nossos órgãos dos sentidos, como o sujeito onde são
despertadas as representações e os afectos é ele próprio um corpo. Doravante
trata-se pois de elaborar modelos para explicar as funções sensitivas,
perceptivas, afectivas, motrizes, tal como o conjunto dos processos mentais da
imaginação, do encadeamento das imaginações, do sonho, do delírio, etc., que
fazem por inteiro a economia da imaterialidade da alma. Neste sentido, a
hipótese da materialidade da alma opera efectivamente um «desencantamento»
do homem, se por isso entendermos que o projecto de Hobbes consistiria em
perseguir o sobrenatural até ao interior do homem. Mas a fórmula é enganosa
caso permita pensar que Hobbes não teria em vista uma investigação que se
inquietasse com o carácter específico do homem. Pois o paradoxo que Hobbes
entende elaborar é com efeito este: reduzida à natureza, em virtude das
exigências da ciência, a natureza humana não se confunde no entanto com a
natureza pura; somente a radicalidade de Hobbes pretende que não se dê de
antemão uma distinção já feita entre natureza e natureza humana.
A noção de «marca» é decisiva para compreender o que constitui aquilo que
é próprio do homem, ou seja o seu poder para produzir o artifício e constituir
uma esfera de realidade antinatural. Os animais, diz Hobbes, não se recordam
do local onde esconderam o seu alimento quando a fome reaparece. Em
compensação, o homem sabe que pode esquecer-se e, por via de consequência,
é capaz de se prover dos meios de estender a sua memória e de se elevar à
consciência de uma temporalidade mais ampla que a do animal, instituindo
arbitrariamente «marcas» memoriais. É pois efectivamente a partir do estado de
natureza, ou seja na condição dos homens fora de um poder público investido
de direito, que o homem produz efeitos que vão contra a natureza. Deve
todavia acrescentar-se que se o homem não se ativesse senão às «marcas», a
vida dele em pouco se diferenciaria da do animal. Com efeito o homem não se
torna verdadeiramente humano senão no momento da formação da palavra e,
sobretudo, do impacto que esta tem sobre a natureza do seu desejo. A
linguagem não introduz a distinção entre o homem e o animal, mas
desmultiplica a maneira como o homem, no próprio seio da natureza, rompe
toda a comunidade com os animais.
De um modo geral, é a capacidade de se determinar, não só pelos bens
presentes e aparentes, mas também em função do futuro, que distingue as
paixões dos homens das dos animais. A este título, a curiosidade é mesmo a
única paixão que Hobbes afirma ser especificamente humana. Por definição, se
a reprodução do movimento vital é sempre desejada para o futuro, ela não está
porém jamais garantida. O movimento vital é dado, ao passo que a reprodução
dele tem de ser obtida. E a representação da incerteza quanto a tal reprodução
produz uma dor que, segundo Hobbes, não engendra no homem uma simples
aversão, que vale para o objecto presente, mas antes uma «ansiedade do
porvir», que o dispõe a interrogar-se sobre as causas das coisas, tornando-o tal
conhecimento mais apto a ordenar o presente tendo em vista a sua maior
vantagem. Viver não é somente querer sobreviver; é desejar e querer continuar
a desejar. Mas, para o homem, desejar é incontornavelmente viver numa
perpétua preocupação com o futuro. Todo o animal encadeia ideias em
«discursos mentais» e desejos em «deliberações». O «discurso mental» da
besta é uma batalha onde uma imagem imediatamente produzida é sentida
quando leva a melhor sobre todas as que foram conservadas na memória. Mas,
no homem, um tal poder está hipertrofiado: ele é aquele animal que pode
enlouquecer por ser incessantemente arrancado ao presente e projectado num
futuro que jamais pode ser dominado por inteiro.

O cidadão
Para apaziguar a ansiedade do homem e contrariar os possíveis delírios dos
seus desejos quando estes se tornam patologicamente obnubilados pela
preocupação com o futuro, Hobbes inventa uma solução política, de
considerável importância na constituição da modernidade: segundo ele próprio,
Hobbes foi para a ciência política o que Galileu foi para a ciência do
movimento e William Harvey para a ciência dos corpos vivos.
O temor de outrem transforma o desejo das coisas em desejo insaciável do
poder; não que para Hobbes todo o homem seja, como demasiadas vezes se
disse, um ambicioso insatisfeito e agressivo, mas porque os homens hostis são
sempre suficientemente numerosos para que os melhores e os moderados
tenham interminavelmente de se precaver contra a morte que cada um tem a
força de dar a todos. É essa situação que descreve a hipótese teórica do estado
de pura natureza. Se se puder dizer em termos narrativos que esse estado é o
estado anterior a toda a instituição, em termos de estrutura ele é o estado de
desinstituição. O estado de natureza é, com efeito, sem que seja necessário
formar a hipótese de uma malvadez natural do homem, um estado de guerra de
todos contra todos. Porquê? Porque a natureza, responde Hobbes, fez os
homens iguais, de modo que eles podem sempre infligir-se uma morte violenta.
Foi erroneamente, acrescenta ele, que Aristóteles acreditou na desigualdade
natural entre aqueles que estão destinados a comandar e aqueles que estão
destinados a servir. E é precisamente por a natureza ser incapaz de
normatividade que o artifício do Estado deve suplementar as insuficiências
dela. Se a igualdade natural não suscita mais do que uma desordem de perpétua
insegurança, só a instituição de uma desigualdade deverá permitir instaurar
uma ordem estável e segura.
Para compreender esta invenção, devemos debruçar-nos sobre a definição do
direito natural. No estado de natureza, certos obstáculos podem sempre privar-
me de uma parte do meu poder de fazer o que quero, mas nenhum obstáculo
me pode impedir de usar, como eu quiser, um ou outro poder. Se nos
ativéssemos a esta primeira caracterização, seria preciso concluir dela que tudo
o que é de facto é igualmente de direito. Daí a importância da segunda
caracterização: cada um tem efectivamente a liberdade de usar o seu poder
como quiser, mas unicamente para a preservação da sua natureza. Dessa
exigência de conservação de si, que limita o nosso poder e funda o nosso
direito natural, cada um deve calcular as consequências. A razão dita-nos leis
naturais. Estas são regras gerais, descobertas pela razão, que interditam os
homens de omitir tudo aquilo por que eles pensam poder ser mais bem
preservados. Mas estas leis estão votadas a prescrever no vazio enquanto for
permitido a cada um julgar, por um exame pessoal, o que permite atingir a paz.
É preciso obter a garantia de uma reciprocidade, que é a condição da aplicação
das leis naturais. Só um poder comum que mantenha todos os homens em
respeito pode articular eficazmente o direito natural e a lei natural.
Para Hobbes, a instituição do Estado equivale então a isto: é preciso
transformar um «consenso», que mantém sempre a pluralidade das vontades e
portanto do estado de multiplicidade conflitual dos homens, numa «união» que
exige a existência de uma só vontade de todos. Por outras palavras, é preciso
que a convenção entre os particulares, simultaneamente, num só e mesmo acto,
una os particulares (antes da união fundadora, nenhuma unidade, ao nível dos
conflitos do estado de natureza, pode ser pressuposta) e engendre o poder
soberano. O que é possível, se cada um convier com cada um submeter a sua
vontade e renunciar a fazer um uso irrestrito do seu poder, em proveito não do
outro (que a contrai igualmente), mas de um terceiro que é por isso mesmo
engendrado a título de vontade soberana. O princípio do dispositivo
hobbesiano compreende-se bem, mas não é fácil de apreender no seu detalhe. A
dificuldade é a seguinte: como pode uma convenção entre particulares
engendrar a relação de soberania que encerra a um tempo a obrigação civil e a
realidade de um poder necessitante? É neste ponto que os progressos
conceptuais de Hobbes, dos Elementos da Lei ao Cidadão, e do Cidadão ao
Leviatã, são mais importantes. A principal invenção reside na solução trazida
pelo Leviatã com o conceito de autorização (cap. XVI). A instituição de uma
pessoa civil supõe que os indivíduos se façam representar pela autorização de
um domínio de actos a um único representante-actor (homem ou assembleia),
comum a todos. A atribuição é dupla. Em virtude de uma personificação
artificial por atribuição fictícia, a multidão torna-se uma pessoa à qual são
atribuídas as palavras e as acções do representante-actor. Nenhum dos autores
atribui as palavras e as acções do representante-actor à comunidade. Em
compensação, cada um atribui-as a si mesmo, e é a convergência dessas
atribuições que transforma a multidão em pessoa única. Quanto ao
representante-actor, ele assegura uma dupla representação: a de cada indivíduo
pertencente à multidão; a da multidão tornada pessoa representada. A
autorização nunca emana portanto da própria multidão. A partir de um esquema
que parece referir-se à outorga de um mandato (da multidão a um ou a vários
dos seus), o processo de personificação artificial atinge uma inversão: é o
mandatário (o soberano) que faz o mandante (o povo, ou o corpo político no
qual se subsume a multidão, tornada uma só pessoa representada pelo acto de
autorização). Não é pois o povo que faz Leviatã, mas é Leviatã que institui o
povo.
Hobbes, enfim, sela a indivisão da autoridade política para preservar o corpo
social da dissolução ao remeter para as mãos do soberano o poder religioso.
Sendo a fé no Cristo e a obediência às leis civis os únicos artigos necessários à
salvação prometida pelo cristianismo, em parte alguma se funda, em contexto
cristão, que se não obedeça às leis do soberano no que concerne os actos
exteriores da religião. Mas o Estado de Hobbes não é um «corpo místico», do
qual só Deus conheça os corações. A religião, não sendo mais do que uma
competência pertencente ao soberano, deve sincronizar, no domínio público, o
que releva do religioso e o que releva da ordem civil para que reine a paz. Não
é portanto a tolerância propiciadora de discussões político-religiosas que
Hobbes professa, mas uma forma de conformismo: o de indivíduos
aglomerados que formam a matéria do corpo de Leviatã, esse «deus mortal»
engendrado pelos homens a fim de assegurarem para si não uma salvação
absoluta, a qual só pertence à arte política divina, mas uma salvação relativa.

A grande revolução teórica hobbesiana foi portanto a de haver articulado o


que o não existia anteriormente, a saber uma teoria do direito natural, uma
teoria da soberania e uma teoria do contrato político. Mas tomar a medida da
radicalidade de Hobbes não é coisa fácil. Tanto mais que a teoria política da
modernidade – dizem alguns – sofre hoje em dia uma temível crise. Crise do
Estado, crise da soberania, crise também (antes de mais?) da noção de povo (na
ausência de Estado, não há povo, dizia Hobbes): em suma, crise de toda a
gramática política que Hobbes inventou. Para afrontarmos o que alguns não
hesitam em chamar a «desforra» da «multidão» (espinosista) sobre o «povo»
(hobbesiano), para captarmos igualmente a nossa actualidade (pós-
modernidade, ultramodernidade, hipermodernidade, etc.), devemos,
imperativamente, ler e reler sem cessar a obra do «Monstro de Malmesbury».
DOMINIQUE WEBER

266 Cf. Thomas Hobbes, Leviatã ou Matéria, forma e poder de um estado eclesiástico e civil, trad.
portuguesa de João Paulo Monteiro e Maria Beatriz Nizza da Silva, Lisboa, INCM, 1995. (N. do T.)
René Descartes

René Descartes267 nasceu a 31 de Dezembro de 1596 em La Haye (hoje em


dia chamada «Descartes»), na Touraine. Estuda no colégio dos jesuítas em La
Flèche entre 1606 e, ao que parece, 1614. Após haver obtido uma licença em
direito canónico e civil na Universidade de Poitiers, alista-se no exército
protestante de Maurício de Nassau, e depois no exército católico do duque
Maximiliano da Baviera. Instala-se na Holanda a partir de 1628 e começa a
trabalhar num tratado de metafísica que não chegou até nós. Entre 1630 e 1633,
redige O Mundo, que decidirá não tornar público, aterrado pela condenação de
Galileu. Em 1637 publica o Discurso do Método e, em 1641, as Meditações
Metafísicas (Meditationes de philosophia prima). Em 1664 vêem o dia os
Princípios de Filosofia (Principia philosophiae), onde reordena de maneira
sistemática o conjunto das suas ideias. Chega à Suécia e à corte da rainha
Cristina em 1649, e publica As Paixões da Alma. Morre em Estocolmo a 11 de
Fevereiro de 1650, de uma pneumonia, segundo as fontes oficiais.
A filosofia de René Descartes é dominada pelo projecto de ancorar
firmemente a ciência num fundamento que pudesse legitimar a pretensão a
conhecer o mundo exterior em toda a verdade. Descartes é partidário da ciência
nova, que privilegia a matemática como instrumento de conhecimento dos
fenómenos naturais. Diferentemente de outros sábios e filósofos do seu tempo,
mas em concordância com Galileu, Descartes defende que a matemática
descreve o mundo como ele é na realidade e não apenas como ele surge ao
espírito humano ou como a ciência consegue interpretá-lo. Por isso, Descartes
não se limita a construir uma metodologia complexa destinada às ciências;
desde muito cedo que ele se aplica a dar-lhes um fundamento metafísico muito
elaborado: Deus, a alma e a relação da alma e do corpo são objecto de uma
vasta reflexão que marcará os futuros desenvolvimentos da filosofia moderna,
pelo menos tão profundamente quanto o seu contributo científico.

O método
Descartes publica aos quarenta anos a sua primeira obra, a mais célebre de
todas: o Discurso do Método. Mas não era através deste que Descartes esperava
apresentar-se ao mundo dos sábios. Estamos em 1637, num momento em que o
filósofo renunciou a publicar o seu tratado de física, O Mundo ou tratado da
luz. A condenação de Galileu leva-o a temer sorte análoga na medida em que,
nessa obra, ele confere um lugar central à teoria heliocêntrica que valeu ao
sábio italiano a ira da Igreja. Foi por isso que Descartes se decidiu a não fazer
editar senão uma parte da sua produção científica, sob a forma de três ensaios:
A Dióptrica, Os Meteoros e A Geometria. Como preâmbulo a estes, colocou
deliberadamente o Discurso, um ensaio autobiográfico que lhe permite ilustrar
o método por ele próprio seguido para «buscar a verdade nas ciências». Falar
mais da iniciativa que o levou à ciência do que dos resultados dela não é o
projecto inicial de Descartes, mas é o expediente que lhe é imposto pela época
e pela azáfama da censura.
Descartes considera que as regras do método descrevem o processo natural
do espírito exercendo a sua faculdade cognitiva, tal como o testemunham
nomeadamente a matemática: e, como esta beneficia do estatuto de ciência
exacta, está em posição de aclarar os procedimentos de investigação que
permitem atingir a verdade. O conhecimento verdadeiro, tal como o atesta a
matemática, deve partir de premissas evidentes por si mesmas, e destas deduzir
consequências certas por meio de procedimentos que se possam controlar em
permanência. A esses dois momentos de certeza próprios das demonstrações
matemáticas correspondem duas funções do intelecto: a intuição, graças à qual
se captam as verdades evidentes por si mesmas, e a dedução, que permite
avançar das premissas às consequências, progressivamente, segundo uma
sucessão de passagens em que cada qual é evidente por si mesma. Na medida
em que a dedução se refere a uma sequência de passagens intuitivas, é afinal na
intuição que assenta a justeza do raciocínio.
No Discurso, Descartes resume as regras metodológicas – já enumeradas no
seu tratado inacabado das Regras para a Direcção do Espírito (Regulae ad
directionem ingenii) – em quatro preceitos. O primeiro princípio ordena que
nos guardemos de toda a precipitação e de toda a prevenção e que não
tenhamos por verdadeiro senão aquilo de que se não possa duvidar. A exclusão
de tudo o que não é mais do que provável manifesta-se claramente: ou o
conhecimento é verdadeiro, ou ele é falso. A segunda regra recomenda que se
refiram os problemas complicados aos seus elementos simples e consiste em
resolver um problema tratando-o degrau a degrau e segundo um movimento
que vai para montante e remontando até atingir um termo impossível de reduzir
ulteriormente. É na análise que Descartes baseia a sua convicção de que é
possível elaborar uma mathesis universalis, ou seja uma ciência das relações
que tratam de toda a quantidade possível. O terceiro preceito preconiza que se
construam séries dedutivas onde toda a proposição é precedida pela proposição
que é necessária e suficiente para permitir deduzir a partir dela. A quarta regra
exige verificar que a divisão em elementos simples e a sequência de
demonstrações estão completas, ou seja que nenhum elo da demonstração foi
esquecido. Ela visa anular os erros da memória e dominar todo o encadeamento
do raciocínio. Trata-se de dar a um conjunto de conhecimentos complexos
aquela evidência imediata que não pertence senão à intuição e que, do ponto de
vista do método, é a única garantia de verdade. Veremos que esta garantia
metodológica revelará as suas insuficiências do ponto de vista da metafísica.

A nova ciência. Do mundo ao homem


Descartes expõe a sua concepção da física, radicalmente oposta à de
Aristóteles, em três ocasiões: uma primeira vez em O Mundo, depois na quinta
parte do Discurso do Método, finalmente nos Princípios de Filosofia,
publicados em 1644. Descartes pensa que a física aristotélica descreve o
mundo tal como o faria uma criança, convicta de que os seus sentidos
exprimem a realidade exacta das coisas. Para distanciar do mundo esta visão
ingénua e antropomorfa, é necessário interrogar a teoria do conhecimento na
qual ela se apoia, caracterizada pela confiança no conhecimento sensível e pela
convicção de que os objectos exteriores são semelhantes à percepção que os
nossos sentidos nos dão deles. É por isso que O Mundo começa por refutar a
tese segundo a qual as percepções não podem representar o mundo exterior
senão por serem semelhantes às características reais dos corpos. Tal como os
sons da linguagem nada têm de comum com os conceitos que exprimem e não
lhes estão ligados senão pela escolha arbitrária dos homens, também a natureza
estabeleceu uma relação entre os movimentos que afectam o corpo quando este
é modificado por corpos exteriores e ideias que não têm qualquer semelhança
nem com tais modificações nem com os corpos exteriores que as suscitaram. O
calor, o frio, as cores, os sons, os sabores não estão senão no espírito do sujeito
que os percebe. Para acedermos à essência dos corpos, devemos abandonar os
dados transmitidos pela sensibilidade e remeter-nos às ideias inatas da
matemática. Elas revelam-nos que nada pertence ao mundo exterior, excepto a
extensão tridimensional, ilimitada, divisível ao infinito e desprovida de
movimento. Tal como a matéria não é definida senão pela extensão
tridimensional, a ideia de vazio é uma contradição e não pode conceber-se:
seria uma extensão privada de extensão.
Em O Mundo, Descartes convida a seguir a génese de um mundo imaginário
criado a partir de uma matéria infinitamente extensa. No primeiro instante da
criação, Deus divide a matéria em várias partes e impulsiona nela diversos
movimentos, os quais obedecem a leis. Segundo a primeira delas, um corpo
permanece fixo ou conserva o movimento enquanto o choque de um outro
objecto não vier modificar-lhe o estado; de acordo com a segunda lei, o
movimento total dos dois corpos é conservado nessa colisão, ainda que seja
repartido diferentemente; por fim, a terceira lei estabelece que o movimento de
um corpo tende a ser rectilíneo. O universo, tal como o vemos hoje, só pôde
formar-se graças aos choques entre os corpos que obedecem às leis do
movimento.
Descartes explica as três leis da física pela imobilidade e a simplicidade de
Deus: este não seria imóvel nem simples se modificasse a quantidade de
movimento ou se lhe desse uma direcção diferente da linha recta. Como vemos,
a explicação das leis da natureza é inteiramente a priori. A experimentação e,
de uma maneira geral, a experiência, têm por função permitir escolher entre
hipóteses igualmente compatíveis com os princípios primeiros da ciência da
natureza. Em oposição ao modelo aristotélico, a física funda-se em bases
contrárias ao empirismo: a epistemologia cartesiana está fundada na recusa do
valor cognitivo da percepção sensível. Descartes opõe-se igualmente a
Aristóteles pela sua rejeição das formas substanciais e, em última instância,
pela explicação do movimento graças à lei da inércia, que contradiz o princípio
aristotélico segundo o qual os corpos tendem para o repouso.
Na quinta parte do Discurso, Descartes expõe a sua concepção da fisiologia.
Para explicar a vida e a multiplicação dos organismos, não é necessário apelar,
como fazem os aristotélicos, a uma alma vegetativa que governe o crescimento,
a nutrição e a reprodução, e a uma alma sensível que controle a percepção, os
apetites sensuais e o movimento animal. Todos os fenómenos vitais podem ser
explicados por mecanismos corporais; a alma não é portanto necessária à vida.
O que a alma traz, quando está presente, é a consciência que acompanha certos
fenómenos físicos. Tal como o instrumento de música não se conhece e não
ouve os sons por si produzidos, o corpo não se conhece e não percebe os seus
próprios movimentos. Esta análise complexa da fisiologia dos organismos
vivos dá igualmente fundamentos à teoria segundo a qual os animais poderiam
não ter alma e fazer tudo o que fazem sem jamais terem disso consciência. Em
suma, eles poderiam não passar de máquinas.

A metafísica
O método cartesiano mostra a via que conduz às ideias «claras e distintas»;
«claras», porque estão presentes num espírito que reflecte com atenção, e
«distintas» porque não atribuem ao objecto conhecido senão aquilo que é
próprio dele. O espírito humano considera tais ideias como absolutamente
certas. No entanto, referir-se a ideias deste tipo não basta para legitimar a
pretensão da ciência física a descrever o real. Essa legitimidade não pode achar
fundamento seguro senão numa outra ciência, a metafísica. A tradução francesa
dos Princípios de Filosofia, de 1647, é acompanhada por uma longa carta ao
autor da tradução, o abade Claude Picot, na qual Descartes retoma a velha
metáfora da árvore das ciências; na árvore imaginada por Descartes, as raízes
são a metafísica, o tronco a física e os ramos a medicina, a mecânica e a moral.
A metafísica desempenha pois um papel fundador para a física, que pode ser
referido a duas doutrinas essenciais: por um lado a existência e a veracidade de
Deus, por outro lado a distinção do corpo e do espírito. A primeira doutrina é
necessária para garantir a verdade das ideias claras e distintas e, por
conseguinte, para assegurar que a ciência matemática e a física descrevem
verdadeiramente a realidade do mundo; a segunda doutrina permite justificar a
teoria do conhecimento, graças à qual a essência das coisas é conhecida
independentemente da experiência, através das ideias inatas do espírito.
Descartes apresenta a sua metafísica em quatro obras distintas e ao longo de
um período de quase quinze anos: uma primeira vez num tratado, redigido em
latim em 1629, que não chegou até nós; seguidamente na quarta parte do
Discurso do Método, e depois nas Meditações Metafísicas surgidas em 1641;
finalmente, na primeira parte dos Princípios de Filosofia. Mas é à sua
correspondência que confia uma das suas concepções metafísicas mais
originais: aquela a que se chama a teoria da livre criação das verdades eternas,
segundo a qual as verdades necessárias que concernem a matemática e a
essência das coisas dependem da livre decisão divina, e onde se afirma que
Deus, se o houvesse querido, teria podido instaurar uma lógica na qual tais
verdades o não fossem. A tese é formulada pela primeira vez na carta de 15 de
Abril de 1630 dirigida a Marino Mersenne, um frade da Ordem dos Mínimos,
que mantinha relações com quase todos os sábios do seu tempo, e com o qual
Descartes se correspondeu com regularidade após se instalar na Holanda.
Descartes continuaria a desenvolver essa tese em missivas posteriormente
dirigidas a Mersenne e a outros interlocutores. Todavia, nas obras publicadas,
tal doutrina só aparece ocasionalmente, em resposta às objecções dirigidas às
Meditações, e Descartes não a utilizará explicitamente na exposição das
doutrinas que ocupam os seus tratados de metafísica.

Da dúvida ao eu
A investigação metafísica cartesiana começa pela vontade de duvidar
sistematicamente de todas as certezas aceites até então; por outro lado, essa
investigação convida a não considerar como verdadeiro senão aquilo que
resistir ao exercício exaustivo da dúvida. A dúvida cartesiana, ao invés da
dúvida céptica, tem por finalidade a conquista da verdade ou da certeza. O que
Descartes torna a pôr em causa é toda a bagagem teórica do homem de cultura
média, impregnado das noções clássicas e da filosofia aristotélica. Tal como ele
declara no resumo que antecede as Meditações, a dúvida visa principalmente as
coisas materiais. São estas que devem ser objecto de um saber perfeito. Os
conhecimentos vulgares que as concernem relevam todos eles de um princípio
empirista, segundo o qual todos os nossos conhecimentos provêm dos sentidos.
A validade desta opinião torna a ser posta em causa por dois tipos de
argumentos: a infidelidade dos sentidos, que leva a duvidar da correspondência
entre imagens mentais e mundo exterior, e a impossibilidade de distinguir com
certeza a vigília do sono, que torna até incerta a existência do mundo exterior e
do seu próprio corpo. Contudo, as operações matemáticas resistem à dúvida,
dado que a verdade matemática não depende dessa existência. Coloca-se então
a questão de saber se tal privilégio não permite nenhuma dúvida razoável da
matemática, tal como as Regras pareciam mostrar, e justifica que se lhe atribua
um papel fundador para a ciência, sem qualquer inquérito ulterior. A esse
respeito, é certo que a matemática apresenta uma característica promissora: é
impossível pensar o contrário do resultado de uma operação matemática
simples. É no entanto possível encontrar um argumento susceptível de ameaçar
a própria matemática: com efeito, se Deus é todo-poderoso, tal como estima a
tradição cristã, ele pode ter dotado o homem de uma natureza tal que esta se
engane mesmo nas verdades mais simples e mais evidentes. Assim, as
operações matemáticas pareceriam necessariamente verdadeiras para um
espírito humano, ao passo que seriam falsas para Deus. E se a hipótese de que
Deus dotou as suas criaturas de uma natureza incapaz de atingir a verdade pode
parecer indigna da bondade de Deus, poderemos substituí-la pela figura de um
génio maligno muito poderoso que, armando-lhe ardis, conduza o homem para
o erro.
A filosofia escolástica, quando se tratava de analisar o poder divino, colocara
frequentemente a questão de saber se Deus poderia fazer com que o espírito
humano aceitasse como verdadeira uma proposição falsa. É aliás nesse
contexto que se deve ler a dúvida cartesiana: o fito que Descartes visa atingir é
o de garantir que o conhecimento humano pode aspirar à verdade, apesar da
omnipotência divina. Neste sentido ele opõe-se a todos os teólogos que
julgavam a ciência humana provisória ou hipotética, arguindo com a distância
entre a infinidade de Deus e o carácter finito e portanto imperfeito dos homens;
apenas Deus conhece a realidade das coisas e o homem só lhes pode captar a
aparência. Pelo contrário, Descartes – tal como Galileu – conta com a ciência
para descrever a verdadeira natureza do mundo. É por isso que é necessário
empenharmo-nos no estudo das questões metafísicas e examinarmos se a
omnipotência divina e a verdade da ciência podem coexistir.

O cogito e a natureza do eu
Neste vazio de certezas que a dúvida cria, Descartes assenta a primeira pedra
da reconstrução da ciência: a dúvida não pode referir-se à condição que permite
duvidar, a saber a existência do eu que duvida. Ego cogito, ergo sum («Penso,
logo existo») é a primeira certeza que Descartes adquire; ela servirá de
fundamento à construção teórica que virá. O carácter de princípio primeiro que
Descartes entende reservar ao cogito é igualmente estabelecido pela técnica
argumentativa que permite estabelecê-lo como certo: tal como no caso dos
primeiros princípios aristotélicos, é impossível que ele seja demonstrado, mas a
sua verdade é estabelecida pelo facto de toda a tentativa de o refutar levar de
facto a reafirmá-lo: se eu penso que não existo, existo; se sou enganado por um
ser muito poderoso e ardiloso, existo.
Apoiando-se na certeza adquirida da existência do eu, Descartes empenha-se
seguidamente na investigação da sua natureza. A certeza de existir não depende
senão do pensamento. Se eu parasse de pensar, não poderia mais estar certo de
existir; pelo contrário, posso negar ter um corpo e continuar certo de que
existo. Só o pensamento (com as suas diferentes modalidades: duvidar,
conceber, afirmar, querer, imaginar, sentir) é inseparável do eu. A garantia de
que o pensamento pertence à minha natureza é tão indubitável quanto a
existência do eu: a própria hipótese de que o meu criador empregue todo o seu
poder para abusar de mim confirma-a em lugar de a destruir. Por conseguinte, o
pensamento constitui o atributo essencial do eu, o único que permite conhecê-
lo como uma coisa existente. O eu, conclui Descartes, é pois uma substância
cuja natureza é constituída pelo pensamento.
Uma vez mais, encontramo-nos perante uma tomada de posição oposta à
doutrina de Aristóteles. Segundo este filósofo, tudo o que sabemos do espírito
resulta da reflexão sobre os actos pelos quais o espírito conhece os corpos.
Descartes sustenta, pelo contrário, que o conhecimento que o espírito tem de si
mesmo é independente do do mundo exterior. Sustenta até que os corpos não
são conhecidos senão por ideias que não provêm dos corpos. Descartes
demonstra-o por meio de uma experiência teórica que tem por objecto o
conhecimento de um pedaço de cera: as características percebidas pelos
sentidos não permitem conhecer a natureza verdadeira desse corpo, dado que
elas podem mudar, tal como sucede quando a cera se derrete sob o efeito do
calor e nós não obstante julgamos achar-nos na presença do mesmo pedaço de
cera, anteriormente apreendida como fria e dura. Como tal juízo não é
legitimado pela experiência dos nossos sentidos, ele não pode resultar senão da
intervenção do espírito que conhece o corpo através de uma ideia de origem
não empírica e o descreve pelas suas propriedades geométricas e cinéticas, que
se conservam apesar da mudança. Deste modo as ideias intelectuais tornam até
possíveis os juízos fundados na experiência. Trata-se de uma verdadeira
inversão do empirismo: até os juízos fundados na experiência seriam
impossíveis se não se referissem a ideias de origem não empírica.

A existência de Deus
A afirmação indiscutível do cogito não basta para estabelecer os fundamentos
da ciência: todas as outras ideias claras e distintas, e em primeiro lugar as da
matemática, permanecem sob a ameaça de um Deus enganador. Porém, dado
que a existência do sujeito que pensa é a única verdade que escapa à hipótese
do Deus enganador, é no próprio interior do pensamento e a partir dele que se
deverá procurar a verdade e tentar retomar a posse do mundo. Deste modo a
demonstração da existência de Deus e do facto de que ele não poderia ser
enganador, premissas indispensáveis à fiabilidade do saber humano, deverá
partir da existência do eu pensante e dos conteúdos do pensamento, ou seja das
ideias. As três provas da existência de Deus estabelecidas por Descartes
supõem efectivamente como premissa a ideia de Deus.
Na primeira prova, Descartes distingue, na ideia, o acto do pensamento de
que o espírito está consciente e aquilo que a ideia representa, a que ele chama a
«realidade objectiva» da ideia. Emprega aqui uma expressão escolástica, por
oposição à realidade que as coisas possuem em si mesmas, independentemente
do facto de serem objecto do pensamento, realidade que ele qualifica de
«formal». Seguidamente, Descartes supõe que a realidade objectiva deve ter
uma causa que possua uma realidade formal. Com efeito, a ideia, definida
como simples modificação do pensamento, jamais poderá justificar a
diversidade dos conteúdos das suas representações e, portanto, é preciso
procurar a causa da realidade objectiva da própria ideia na realidade formal dos
objectos representados. Até aqui, só estamos certos da realidade formal de uma
única coisa, a saber o eu, ou seja a substância pensante. Enquanto substância
finita, o eu poderia ser a causa da realidade objectiva de todas as ideias, à
excepção da ideia de Deus, ideia de uma substância infinita e infinitamente
perfeita. Com efeito, a realidade objectiva da ideia de Deus excede a realidade
formal do eu; daí resulta que o princípio de causalidade, segundo o qual o
efeito não pode ter mais realidade do que a causa, seria transgredido se o eu
fosse a causa da ideia de Deus. Portanto, só Deus pode ter causado a ideia de
Deus e, a partir do instante em que o espírito possui verdadeiramente a ideia de
Deus, Deus existe.
Esta prova não é válida a menos que suponhamos que há uma ideia de Deus
positiva e não decorrente de nada. Se o pensamento de Tomás de Aquino é
justo – não pode haver do infinito senão uma ideia negativa que decorre da
negação do finito –, então a ideia de Deus pode decorrer da ideia de um
qualquer ser finito e ser produzida pelo eu. Descartes não hesita em inverter os
pressupostos da teoria tomista: não é a ideia do infinito que deriva da do finito,
mas, pelo contrário, é a ideia do finito que deriva da do infinito. Deve-se pois
considerar a ideia do infinito como uma ideia original e positiva, mais clara e
mais distinta até do que as outras ideias, embora o infinito não possa ser
compreendido (ou seja, conhecido em todas as suas implicações) mas apenas
concebido (ou seja, definido, a justo título, como sendo o que não tem limite).
Podemos aliás dizer o mesmo acerca de tudo o que é infinito, e a matemática
ensina que o facto de o infinito permanecer incompreensível não impede o
conhecimento dele. Descartes havia percebido bem que, na sua filosofia, a
metafísica precede a física; sabemos agora porquê: porque os seus princípios
fundadores, e em primeiro lugar a ideia de Deus, não provêm de outra coisa.
Consciente do carácter inédito da primeira prova, Descartes elabora logo de
seguida uma segunda, onde procura a causa do único efeito finito cuja
existência conhecemos: o eu dotado da ideia de Deus. Essa causa não pode ser
outra senão um ser que traz em si mesmo o princípio da sua existência e que,
por esse motivo, pode atribuir-se todas as qualidades que a ideia de Deus
contém. Descartes sublinha que também esta prova tem por centro a ideia de
Deus de que o espírito finito está dotado.
A terceira prova decorre da definição de Deus como ser infinitamente
perfeito; ela supõe como premissa menor que a existência é uma perfeição e
desta deduz necessariamente que Deus existe. Se alguém negasse a existência
de Deus, seria levado a contradizer-se pois negaria a própria definição de Deus.
Trata-se de uma prova a priori, ao invés das duas provas precedentes, que
partiam ambas dos efeitos. Kant qualificará este argumento como
«ontológico», uma vez que Descartes supõe como premissa maior a definição
da essência de Deus.
As provas da existência de Deus têm como resultado tornar impossível a
hipótese de um Deus que me tivesse atribuído uma natureza irresistivelmente
disposta ao erro. Deus existe e é veraz. A ciência humana já não está ameaçada
de falsidade.
Descartes foi acusado de haver caído num círculo vicioso ao demonstrar a
existência de Deus e ao assegurar graças a essa existência a verdade das ideias
claras e distintas. A acusação pode ser formulada assim: ele recorreu a Deus
para garantir as ideias claras e distintas, mas a demonstração da existência de
Deus é efectuada por meio de ideias claras e distintas, e portanto toda a
demonstração é circular pois o que funda deveria por seu turno ver-se fundado.
Descartes respondeu a esta crítica fazendo uma distinção entre os axiomas, dos
quais é impossível duvidar-se, e as demonstrações que deles decorrem; tais
demonstrações não podem ser postas em causa senão quando as suas etapas
deixam de estar presentes ao espírito. No entanto, os resultados das
demonstrações podem ser contestados se houver razões válidas para duvidar
deles. Supondo-se que todas essas razões tenham sido eliminadas graças a
métodos apropriados e conduzidos com ideias claras e distintas, como quando
se demonstrou que Deus existe e que ele não é enganador, então já não é
possível justificar razoavelmente a dúvida sobre o que nos parece evidente, e
ainda menos sobre a própria prova da existência de Deus. Toda a tentativa de
fornecer uma razão válida para duvidar se confrontará com a certeza doravante
adquirida de que Deus existe e não é enganador. A hipótese de que a ciência
seja uma impostura absoluta não é inquietante senão na medida em que a
pudermos sustentar com argumentos e suposições realmente concebíveis, como
era o caso quando não se chegara ainda a uma ideia clara e distinta de Deus e
este podia ser pensado como um Deus enganador. Uma dúvida sem motivo e
contrária a todas as convicções adquiridas por meio de procedimentos
racionalmente controláveis seria simplesmente insensata.

As ideias e o mundo
A matemática é o exemplo por excelência de conhecimentos claros e
distintos e é exclusivamente constituída por ideias inatas. Descartes funda a sua
oposição ao empirismo aristotélico num nítido retorno ao platonismo e numa
retoma da sua teoria das ideias. Para distinguir as ideias inatas, ele sublinha que
tais ideias, ao contrário das que provêm dos sentidos (ideias adventícias), se
apresentam ao espírito de forma voluntária e precisa que o conteúdo delas, ao
invés das ideias que resultam da imaginação entregue ao seu livre curso (ideias
factícias), se impõe ao espírito de uma maneira tal que ele não pode ser
modificado e é necessário. Descartes insiste em particular na resistência do
conteúdo das ideias inatas a toda a tentativa de manipulação que o espírito
humano quisesse operar. As verdades da matemática não são invenções, mas
descobertas do homem; aliás, o facto de neste domínio os progressos se
fazerem passo a passo atesta-o igualmente. A própria passividade do espírito
em relação ao conteúdo das ideias inatas indica claramente que o que lhes
corresponde se encontra fora do espírito e que se trata da essência das coisas,
imutável e eterna. Eis porque Descartes retoma a definição clássica da verdade
compreendida como adequação do pensamento e da coisa. Com efeito, os
raciocínios matemáticos são verdadeiros porque descrevem de maneira
adequada as realidades a que se referem, a saber os elementos constitutivos
essenciais, imutáveis e eternos da matemática e da geometria. É assim claro
que a veracidade divina, associada à teoria das ideias inatas, garante que a
ciência descreve bem a estrutura real do mundo.
Embora as ideias adventícias não tenham nenhuma legitimidade para nos
informarem sobre a própria natureza do mundo exterior, é a elas que Descartes
atribui a importante função de demonstrar a existência deste. Com efeito, elas
incitam irresistivelmente a pensar que esse mundo exterior as suscitou. Ora, se
os corpos não existissem, Deus seria enganador, dado que não dotou o homem
de nenhum instrumento para corrigir essa forte propensão. Deve no entanto
observar-se que Descartes não tentará demonstrar a existência do mundo senão
uma vez conhecida a natureza deste graças às ideias inatas. Pode dizer-se que o
projecto de se opor ao empirismo fica assim concluído: é possível conhecer a
estrutura do mundo mesmo sem saber se esse mundo existe verdadeiramente.
A alma e o corpo
O conhecimento da natureza da alma, adquirido independentemente do
conhecimento dos corpos (e mesmo do corpo de cada um), é a premissa do
dualismo cartesiano. Uma vez que são concebidos independentemente um do
outro, a alma e o corpo constituem duas substâncias distintas. Isso não exclui
que Deus tenha decidido uni-las de uma maneira tal que jamais estejam
separadas uma da outra; mas como Deus pode sempre cumprir o que se
concebe clara e distintamente, a alma e o corpo podem sempre ser dissociados
pela omnipotência divina. O facto de a alma e o corpo serem duas substâncias
diferentes dá à doutrina das ideias inatas o seu fundamento antropológico: uma
vez que a alma é uma substância independente do corpo, ela pode estar dotada
de ideias que não passam pelo corpo.
Ainda que as duas entidades estejam separadas, une-as uma ligação estreita,
e na verdade uma combinação única. Ao sentir o prazer e a dor, a alma percebe
o corpo ao qual está ligada como um corpo diferente de todos os outros, como
o seu corpo. Descartes inaugura assim uma via nova, entre o modelo
aristotélico e o modelo platónico. Para Aristóteles, a alma e o corpo formam
uma só substância, ao passo que, para Platão, são duas substâncias distintas,
com o corpo a abrigar a alma e a mantê-la prisioneira. Descartes procura
elaborar uma teoria que concilia os dois modelos. Platão tem razão quando
estima que a alma e o corpo são duas substâncias distintas; porém só uma união
como a que Aristóteles imagina, onde a alma e o corpo formam um todo, é
susceptível de justificar o facto de a alma ser o lugar das ideias claras e
distintas mas também o das ideias confusas e obscuras, no caso de a mensagem
mecânica transmitida pelo corpo exterior ser deformada pela alma e achar a sua
tradução em características que não tenham relação alguma com a realidade
exterior. Com efeito, se a ligação não fosse dessa natureza, não teríamos mais
do que ideias claras e distintas e não cometeríamos erro algum. A união da
alma e do corpo, qualificada por Descartes como substancial, parece constituir
um grave inconveniente para o homem. Isso parece evidente de um ponto de
vista cognitivo, mas é o contrário que sucede de um ponto de vista prático. As
sensações dão informações deformadas acerca do mundo exterior, mas
susceptíveis de serem corrigidas, ao passo que, normalmente, elas dão
informações justas acerca do que é útil ou nocivo para o conjunto alma-corpo.
A finalidade da estreita união entre o corpo e a alma não serve senão para o
domínio prático e o homem engana-se quando utiliza para os fins do
conhecimento informações que lhe foram dadas para melhor guiar a sua vida (e
que não têm em si mesmas nenhuma finalidade especulativa). A distinção real e
a união substancial do corpo e da alma são efectivamente duas teses opostas, e
não obstante não se pode afastar nem uma nem a outra, pois a primeira é
garantida pela razão e a segunda é um dado indubitável da experiência interior,
e como tal garantida por Deus.

A moral e as paixões
A intenção cartesiana de elaborar uma moral científica havia sido anunciada
desde o Discurso. Porém, nesse momento, a tarefa parecera difícil e Descartes
havia-se limitado a indicar uma moral «por provisão» que pudesse servir de
guia na vida enquanto se aguardava a elaboração da moral definitiva. A moral
provisória comporta três máximas e uma regra de vida: a primeira máxima
prescreve a obediência às leis e aos costumes do seu país, a observação da
religião e quanto ao resto o acatamento das opiniões comuns mais moderadas;
a segunda prescreve que se tenham opiniões pessoais enérgicas e firmes, desde
que se decida assumi-las; a terceira propõe que adaptemos os nossos desejos ao
que está realmente no nosso poder, o que somente é o caso para os nossos
pensamentos, tudo o resto escapando largamente ao nosso controlo. Esta última
máxima mostra claramente a influência do estoicismo em Descartes. A estas
três máximas, Descartes acrescentava a decisão de confirmar a sua opção de
vida, ou seja de cultivar a sua razão seguindo as regras do seu método.
Descartes escreveu as suas cartas sobre a moral entre 1643 e 1649; os
principais destinatários delas foram a princesa Palatina Elisabete, Pedro
Chanut, embaixador junto da casa real da Suécia, e Cristina da Suécia. O fito
do homem é a beatitude, que consiste numa satisfação interior que deve ser
distinguida da felicidade, pois pessoas bem servidas pelo acaso ou pela fortuna
também aí podem encontrar a felicidade. Pelo contrário, alcança-se a beatitude
quando se limita o desejo às coisas que dependem de nós, como a virtude ou a
sabedoria. Na carta a Elisabete de 21 de Julho de 1645, Descartes explica que
será possível atingir essa satisfação interior observando os três preceitos já
indicados no Discurso, aos quais ele acrescenta algumas modificações
importantes. Contrariamente ao que fora enunciado no Discurso, o
conhecimento do bem conduzido pela razão é doravante evocado. Com efeito,
o exercício da virtude é tornado possível pelo conhecimento de certas ideias: na
ocorrência, a da existência de um Deus de quem tudo depende, transformação
cristã do destino estóico, a da distinção do corpo e da alma que impede o temor
da morte, a da imensidão do universo que relativiza a importância do homem
no seio deste e, por fim, o sentimento de fazer parte da comunidade em que se
vive, bem como do mundo inteiro.
Os últimos trabalhos de Descartes são consagrados ao estudo das paixões. A
obra As Paixões da Alma foi publicada em 1649; Descartes quer estudar
cientificamente as paixões, sem objectivos retóricos nem moralistas, projecto
que seguidamente será retomado por Espinosa. As paixões são emoções que o
movimento dos espíritos animais suscita na alma; todas as paixões
consideradas em si mesmas são boas e úteis; pode mesmo dizer-se que uma
vida sem paixões seria uma vida miserável e desprovida de prazeres. De facto,
nada está mais distante da atitude de Descartes do que o projecto estóico de
eliminar as paixões. No entanto, elas devem ser dominadas e os seus excessos
controlados. Mas, opondo-se uma vez mais à doutrina estóica, Descartes
sustenta que o controlo dos excessos de emoção não pode resultar de um
afrontamento directo entre a razão e as paixões, pois o movimento fisiológico
do qual elas decorrem não pode ser combatido senão por um movimento
idêntico e contrário. E portanto, se a razão quer dominar as paixões por meio
de argumentos sólidos e certos, ela deverá suscitar paixões contrárias àquelas
que não queremos sofrer, por uma reflexão sobre os pensamentos que estão
habitualmente ligados à paixão que se deseja sentir. A razão pode além disso
explorar o carácter arbitrário da relação entre a alma e o corpo. Em geral, os
pensamentos do espírito estão ligados aos movimentos corporais devido a uma
escolha livremente operada por Deus, da mesma maneira que as palavras estão
ligadas arbitrariamente aos seus significados. É ao explorar o carácter arbitrário
desta relação que o espírito, guiado pelo hábito e a experiência, poderá
procurar religar os movimentos corporais a pensamentos diferentes daqueles
aos quais a natureza os havia originalmente ligado e conseguir, por exemplo,
que reajamos com dureza perante um inimigo em lugar de termos medo. Este
investimento das paixões, semelhante àquele que permite criar uma segunda
natureza num cão de caça, faz do homem o artesão da sua própria natureza.
Descartes deixa surgir aqui o profundo laço que o liga à cultura do
Renascimento e o seu apego à ideia de que o melhor do homem está ligado ao
exercício da sua liberdade, que faz dele um ser repleto de qualidades e capaz de
assumir a natureza com que decida dotar-se a si mesmo. De resto, para
Descartes, o homem virtuoso é guiado por uma paixão que é igualmente uma
virtude, a generosidade: ela consiste em julgar por si mesmo o que tem
verdadeiro valor, o que, para ele, é o único uso correcto do livre-arbítrio, sendo
o resto obra do destino.
EMANUELA SCRIBANO

267 Na tradição literária portuguesa também muitas vezes referido como Renato Cartésio. (N. do T.)
As Reformas

Os reformados e o pensamento histórico e filosófico


Permitirá o estudo da história das ideias da época moderna afirmar que o
espírito da Reforma trouxe um contributo maior à evolução das teorias
filosóficas e à reflexão histórica?
Não é possível imaginar que se possa dar uma resposta exaustiva a esta
pergunta porque, quando se trata de definir e de analisar o contributo da
Reforma tanto para a história das ideias como para a da filosofia, parece
evidente que os aspectos culturais e sociais implicados nessas mudanças são
inumeráveis, tal como são inumeráveis os seus actores. Por isso, para formar
um quadro exacto da complexidade do contributo dos reformados para a
história das ideias, há que distinguir as características e os principais períodos
dessa evolução: a época dos reformadores, a época moderna (os séculos XVII e
XVIII), e a historiografia dos séculos XIX e XX. Tais períodos não são definidos
somente pela cronologia mas antes pela sua concepção e pela sua percepção da
Reforma e pelo papel filosófico, e mais geralmente, pelo papel cultural e
político que neles desempenharam os reformados.

A época dos reformadores. Os pais da Reforma estão distantes das questões


filosóficas; o seu propósito não é o de levar a um livre juízo crítico, quer seja a
respeito da exegese bíblica, da política ou até da concepção do homem. A seu
ver, a razão e a vontade dos homens não podem deixar de estar corrompidas.
Lutero e Calvino, por exemplo, criticam, ou negam mesmo, o livre-arbítrio do
homem e rejeitam a ideia segundo a qual todo o homem seria dotado de
liberdades políticas.
Embora as orientações filosóficas dos primeiros reformadores se coloquem
sob o signo de uma retoma dos ideais e dos métodos próprios do aristotelismo,
não se poderia negar que, nesta Europa do século XVI, a chegada da Reforma
inaugura um verdadeiro laboratório de troca de ideias e de considerações
teológicas. O advento da Reforma trespassa e abala não somente a teologia, a
dogmática e a hermenêutica bíblicas mas também, involuntariamente, o
pensamento filosófico e a concepção de uma história da humanidade e das suas
ideias, das suas escolhas, das suas acções políticas e dos seus projectos sociais;
e era tudo isso que devia ser reconsiderado ao longo de todo o século XVI e da
época moderna.

A época moderna. O papel dos pensadores e dos clérigos protestantes dos


séculos XVII e XVIII consiste em completar incessantemente o vigoroso
requisitório pronunciado contra os princípios de autoridade, contra a
hermenêutica dogmática e contra a ligação que une a Igreja católica e o Estado,
embora ao tempo esta parecesse indissolúvel. Porém, os protestantes não são os
únicos a considerar que a primazia de que beneficia a tradição, tanto na religião
como na sociedade, pode ser criticada e abolida: autores e filósofos católicos,
como Richard Simon e os jansenistas, filósofos como Espinosa, os
materialistas e os ateus do século XVIII, como Diderot e d’Holbach, participam
nesse combate, ainda que os seus campos de acção sejam diferentes, ou mesmo
bastante distantes uns dos outros.

A historiografia dos séculos XIX e XX. O esquema da cronologia e da


problemática relativa ao papel dos reformados em matéria de cultura filosófica
e histórica não poderia ser traçado sem evocar, embora sucintamente, o modo
pelo qual os historiadores protestantes de orientação liberal dos séculos XIX e
XX empreenderam revisitar o que caracteriza a Reforma e sobretudo os próprios
reformados na época do Antigo Regime, quer fosse na cultura francófona ou
nas culturas italiana e anglo-saxónica. Essas novas leituras da ideologia e da
identidade da Reforma no seu início têm por objectivo discernir e sublinhar os
aspectos característicos próprios desse liberalismo. Tais aspectos sempre foram
avançados pelos historiógrafos reformadores para indicar o que define de
maneira específica e inovadora o protestantismo moderno.

Enfim, cometer-se-ia um erro fatal ao pretender tentar uma análise que se


ativesse à dimensão de uma interpretação unitária e monolítica de um mundo
que nada tinha de homogéneo mas pelo contrário formigava de homens e de
iniciativas culturais tão diversas quanto possível.
Ao retomar aqui a imagem do laboratório, é possível isolar certos elementos
fundamentais da contribuição da Reforma para o desenvolvimento do
pensamento filosófico, da época que se segue ao Renascimento até à das Luzes,
sem esquecer que se impõem certas escolhas (escolha dos temas, dos autores e
dos pontos de vista). Que implicação teve a Reforma na história da filosofia?
Três pontos essenciais estão na origem de uma verdadeira mudança de
perspectiva:
1) a irrupção da pluralidade face ao estatuto unitário e absoluto do
conceito de verdade religiosa e, consecutivamente, a confirmação da crise do
estatuto único da verdade;
2) a manifestação de uma hermenêutica bíblica baseada na história e na
crítica;
3) o esboço de uma antropologia nova e de uma sociedade civil fundada
nos conceitos de tolerância e de direito.
Uma vasta bibliografia propõe a análise da relação entre o Renascimento e a
Reforma e do sentido semântico veiculado por esses dois termos
(Renascimento, renascer, renovar, regenerar; Reforma, reformar, inovar). Ainda
que se haja sublinhado utilmente que um ideal de restituição, de emenda e de
refundação seja parte integrante do conceito de Reforma, e ainda que Calvino
tenha plenamente consciência de que reformar o credo religioso significa antes
de tudo «restituir» à religião cristã as suas características originais dos
primeiros anos da Igreja, os pensadores do século XVI e dos séculos seguintes
estão cientes de se encontrarem num novo terreno. Com efeito, os problemas
teológicos e históricos sobrevindos com a ruptura da unidade da cristandade
são problemas inéditos.
Nos seus esforços para atingir uma síntese nova, o homem do primeiro
período da época moderna acha-se levado a contemplar uma forma de utopia
original: a de um mundo plural. Além disso, os novos instrumentos de que o
filósofo se pode munir para o seu trabalho de laboratório multiplicam-se graças
à Reforma.
– A filologia transforma o Livro sagrado em livro histórico.
– A história e a nova ciência transformam a verdade em verdade histórica
e plural.
– A relativização da verdade segue a par da afirmação do novo papel da
reflexão e da ética próprias de cada indivíduo.
São os pensadores pertencentes aos meios mais liberais, e que são portadores
de concepções quase heréticas (quer elas sejam de origem reformada, católica
ou hebraica), que vão levar as divisões sobrevindas na unidade católica saída
da Idade Média até às suas consequências extremas. É a esses pensadores que
cabe o mérito da afirmação inequívoca da libertas philosophandi.
A filologia. Os humanistas e os filólogos são os primeiros actores deste novo
palco. A dissolução do ideal universalista da Igreja da Idade Média provocada
pela Reforma abre um espaço onde a elaboração de novos conceitos em
matéria de história da filosofia, de política e naturalmente de teologia, antecede
a sua confrontação. Os filólogos, os heréticos dos heréticos268 (como escreveu
sagazmente L. Canfora), estabelecem o princípio da liberdade de análise, sem
qualquer limite ou constrangimento além dos das regras da ars critica,
princípio primeiro da interpretação do Livro sagrado. Neste sentido, é
efectivamente significativo que a «História eclesiástica das Igrejas reformadas
no Reino de França, redigida no círculo de Bèze em finais do século XVI, faça
começar a reforma da cristandade pelo retorno à fonte hebraica, com os
trabalhos de Reuchlin, e à fonte grega, com os de Erasmo: e não pela
predicação de Lutero contra as Indulgências269».
Segundo Erasmo, precisa ainda François Laplanche, cada um dos textos
sagrados deve ser interpretado com o auxílio dos mesmos meios e métodos que
se utilizam para qualquer outro texto, ou seja, em primeiro lugar, com o auxílio
dos instrumentos propostos pela gramática e a retórica.
Porém, no decurso do século XVII, um tal uso da filologia não se limita a
elaborar uma hermenêutica bíblica, sofisticada do ponto de vista da gramática e
da paráfrase do texto, mas visa também recolocar os factos históricos no seu
contexto e analisá-los, ou seja empreender um exame crítico. A Bíblia não é
mais o livro que encerra a chave de todos os conhecimentos, antropológicos,
linguísticos, físicos, científicos e políticos; as ciências devem confirmar esses
conhecimentos ou concordar com eles.
Quando afirma que os enunciados bíblicos devem ser distinguidos dos
enunciados científicos, a nova hermenêutica coloca em primeiro plano a
questão da diferenciação a estabelecer entre verdade do significado do texto
sagrado e verdades reais. A única verdade que Deus ensina no texto sagrado
exprime-se segundo as palavras dos homens e concerne a pessoa e a salvação
da sua alma.

Da verdade única à verdade plural. Deve recordar-se aqui a importância que


assume, a partir do final do século XVI, a obra eminente de Filipe Duplessis-
Mornay intitulada Tratado da verdade da religião cristã contra os ateus
epicuristas, pagãos, judeus, maometanos e outros infiéis (Anvers, 1581); do
mesmo modo, no decurso dos séculos XVII e XVIII, a apologética religiosa, tanto
católica como protestante, instaura uma vasta produção de escritos, de obras e
de panfletos para defender os seus argumentos a favor da religião cristã, face
aos indiferentes, aos heréticos e aos ateus. Uma verdade revelada por Deus é
objectiva, inteligível, exclusiva, universal e absoluta pela sua própria natureza.
Os textos cujo título se propõe defender a verdade da religião cristã, e cujo
conteúdo é inteiramente dedicado à confirmação dessas verdades de maneira
apologética, são muito numerosos. Eles testemunham inegavelmente o facto de
que o conceito de verdade objectiva e exclusiva torna a ser posto em causa e a
sua universalidade debatida. Os partidários de Descartes, que se esforçam por
dissociar a filosofia da teologia, são reformados notáveis, e, entre estes, os
teólogos e os filósofos holandeses desempenham um papel de primeiro plano.
Interrogam-se sobre a verdade e a realidade das coisas e o método cartesiano
torna-se o modelo ao qual a sua reflexão se conforma. «A razão», escreve
Lodewijk Meyer, «não pode errar no que percebe claramente e distintamente,
mas deve seguir a verdade270.» No decurso do século XVIII, a reflexão
apologética de João Afonso Turrettini, tal como ele a expõe no seu Tratado da
Verdade da Religião Cristã (Genebra, 1745), é particularmente representativa
deste movimento e testemunha a abertura do protestantismo à filologia e a uma
leitura racional da doutrina religiosa271.

Um novo lugar atribuído à reflexão individual. Os pensadores huguenotes


trazem um contributo particularmente notável ao domínio político-religioso. É
este que traça as grandes linhas dos conceitos chamados a ocupar uma posição
central na cultura das Luzes e no mundo contemporâneo. Daí decorre uma
antropologia nova; ela substitui progressivamente a visão negativa do homem
que caracteriza o pensamento dos pais da Reforma. Doravante, já não se pensa
que a razão do homem esteja irremediavelmente corrompida e seja incapaz de
atingir a salvação, o bem e a verdade.
Com efeito, nos séculos XVI e XVII, um importante número de filósofos, de
pensadores de ciências políticas, de teólogos e de letrados estabelece
comparações culturais que levam a afirmar que a natureza do homem em
sociedade apresenta valores positivos. As suas análises referem-se à tolerância
e à coabitação política, no plano nacional e internacional. Procuram estudar e
comparar as experiências e as aquisições de outras nações, a fim de
descobrirem qual a via que conduz à tolerância, teórica e prática, supranacional
e europeia.
O debate sobre a religião e sobre a possibilidade de concórdia e de tolerância
face à pluralidade das crenças religiosas, num mesmo território ou no seio de
uma nação, a questão do papel da coroa e do despotismo em matéria político-
religiosa, a passagem de uma concepção da soberania política definida como
concessão de privilégios a um outro que a define como aquisição de direitos,
constituem outros tantos temas sobre os quais os autores protestantes da Europa
e, em particular, os pensadores huguenotes franceses exercem a sua reflexão,
ao longo de todo o primeiro período da época moderna.
Neste contexto, a execução de Servet representa uma «viragem da história
europeia272», não só porque ela suscita um grande debate (que começa
precisamente nesse momento) sobre o banimento da perseguição, sobre a
defesa da liberdade religiosa e sobre a afirmação da tolerância, mas também
porque ela marca uma etapa na história das diferentes correntes heréticas.

Estes temas complexos não só se difundem na sociedade francesa dos


séculos XVI e XVII, como atingem igualmente a Inglaterra e sobretudo a Europa
continental. Deve sublinhar-se aqui o papel da Holanda na avançada tornada
possível pelo Refúgio273 e pela influência dos huguenotes; estes últimos
conseguem tornar-se actores importantes da circulação das ideias, graças às
suas obras, panfletos, correspondências pessoais e, sobretudo, graças a diversas
revistas eruditas que florescem durante a segunda metade do século XVII e no
início do século XVIII.
Um tal processo faz parte integrante da ideia moderna de Estado e ultrapassa
as fronteiras nacionais da reflexão política e religiosa. Os intelectuais que
haviam criado a República das Letras, no decurso do século XVII e no século
seguinte, participam directamente na elaboração dos conceitos de liberdade e
de tolerância. Estes são elementos essenciais para a constituição e a
consolidação da identidade intelectual europeia da época moderna. Cada país
traz a esta contributos específicos, culturais, políticos e religiosos, num espírito
de boa inteligência, onde a racionalidade é privilegiada e onde as ideias se
reforçam mutuamente.

Os reformados e a reflexão política moderna


No século XVI, cerca de 1530, no momento em que a Reforma calvinista
começa a afirmar a sua presença no território francês, este movimento precisa
de se enraizar num reino cujos habitantes estão persuadidos de serem um povo
cristão que frui de uma protecção divina particular e cujo soberano é
qualificado como rei «Mui Cristão». Com efeito o rei de França tem o direito
de se munir desse título após o juramento que presta perante a Igreja, a unção e
a coroação, rituais de sacralização que lhe garantem não só uma devoção
absoluta mas também poderes taumatúrgicos.
Após os éditos de pacificação, e no seguimento da política de reconciliação
promovida por Catarina de Médicis que culminou no momento do édito de
Nantes, várias décadas de coexistência permitem que as duas confissões
partilhem não só o terreno propriamente teológico mas também as instituições
políticas e a organização do Estado. Porém, no início do século seguinte
começa um período de progressivo endurecimento, motivado tanto por uma
parte do clero galicano como pelos representantes da coroa. Ele sucede pois a
um regime caracterizado pela tolerância e a concórdia civil, obtidas após
quarenta anos de lutas políticas e religiosas, acompanhadas por uma abundante
literatura panfletária. Estas novas condições contribuem para fazer ressurgir as
questões de legislação e de redacção inerentes ao édito de Nantes, reputado
porém como édito de tolerância, e para fazer sobressair as ambiguidades e os
limites, tanto políticos como sociais274.
Embora tal édito constitua um momento determinante da formulação da
política de tolerância que data do início da época moderna, nem por isso deixa
de ser verdade que, principalmente devido aos católicos, a tónica é doravante
posta nas grandes orientações políticas, determinadas por opções históricas ou
pessoais, e na ideia de privilégio, ainda que concedido de forma inalienável. Ao
mesmo tempo, as disposições inspiradas por um direito natural e social,
efectivamente adquirido por todos os sujeitos, perdem terreno. A subida de
Luís XIV ao trono assinala uma nova evolução da condição dos protestantes
franceses, uma limitação da sua representação política e das suas liberdades
religiosas.
Na época de Henrique IV e no decurso do século XVII, a busca de legitimação
da religião protestante em solo francês explica-se principalmente pelo apoio
político e militar que os huguenotes forneceram ao rei, pelo seu
reconhecimento da soberania absoluta deste e pela sua fidelidade à coroa. O
seu apoio militar, a sua aprovação do regime jurídico e a sua fidelidade à
monarquia são de novo confirmados na época da Fronda e durante os anos de
perseguições perpetradas pelo Rei-Sol. Esse apoio perdura até que a
Revogação, a coerção religiosa, a repressão social e os conflitos políticos
europeus, nomeadamente aqueles que implicam os ingleses e os holandeses,
impõem um reexame crítico do assentimento dado à coroa.
As ideias políticas dos huguenotes não se resumem à aprovação completa e
passiva do absolutismo. Pelo contrário, a partir de 1670-1680, e mais ainda na
época da revogação do édito de Nantes, florescem os escritos e os panfletos
que se interrogam sobre a origem do poder do rei e sobre a legitimidade de uma
limitação da sua omnipotência nos domínios religiosos e políticos.
Durante as guerras de Religião, o debate interno sobre o tema da superação
da clivagem confessional permitiu contemplar-se uma resposta que passava não
só pela conversão mas também pela coexistência das «duas religiões». Essa
problemática é retomada nos escritos e na acção do chanceler Miguel do
Hospital. As obras e o empenhamento político de Filipe Duplessis-Mornay
testemunham-no igualmente. Noutros países, como no reino da Polónia, fora
promovida uma solução concordatária desse tipo para resolver os antagonismos
que abalaram o regime em momentos críticos; ela havia dado origem a um
regime de tolerância e apaziguado os conflitos políticos.
Apesar do seu empenhamento a favor da coexistência das confissões, os
ideais de liberdade religiosa professados por F. Duplessis-Mornay atingem o
seu limite logo que se revela necessária a defesa da legitimidade do credo
reformado face às polémicas católicas e protestantes, embora prosseguindo o
esforço de reunião.
Na mesma época, Miguel do Hospital, personalidade maior da família
católica, mostra-se um ardente defensor de uma solução pacífica que permita a
coexistência das duas religiões. Ele sustenta que todo o sujeito tem direito à
liberdade de consciência e considera que, após todos aqueles anos de fraqueza
política e de conflitos de corte, somente a liberdade e a concórdia permitem
salvaguardar e mesmo reforçar a autoridade do soberano.
No entanto, as duas soluções encaradas (conversão e coexistência) baseiam-
se, tanto uma como a outra, na certeza de que a doutrina de cada confissão se
impõe de um modo imperativo e absoluto. Este postulado mina nos seus
fundamentos toda a proposta de solução do conflito e toda a possibilidade de o
superar recorrendo a uma concepção irénica e pacífica, quer ela seja política ou
religiosa. A presença das «duas religiões» em solo francês é sentida pelos
protagonistas católicos como contrária à ideia de unidade nacional, ao passo
que, entre os huguenotes, ter uma religião diferente os impede de se
reconhecerem no governo central, ao nível político e cultural. Esta questão vai
muito além dos limites do domínio religioso para investir directamente o da
política.
Embora estejam em campos opostos, mas inspirados pelo mesmo zelo
religioso e igualmente aplicados em fazer adeptos, os ideais políticos e
religiosos de que dão provas Filipe Duplessis-Mornay e Miguel do Hospital
deixam em segundo plano a ideia de uma tolerância fundada no
reconhecimento da dignidade religiosa e política do adversário. Privilegiam
uma política de coexistência confessional fundada na partilha da vida civil e
impregnada pelos valores de livre escolha das consciências. Na sociedade
francesa, tais ideais irão durante muito tempo manter-se vivos e fecundos.
Apesar da forte instabilidade política que se segue ao massacre de São
Bartolomeu, a ideia de que «a legalidade é a primeira parte da equidade275» é
amplamente partilhada. Presume-se que as garantias de justiça oferecidas pelos
magistrados e pelo rei conduzam o navio do Estado até um porto seguro, tão
distante dos furacões da guerra civil como das sedições internas, e recoloquem
o conjunto dos cidadãos «sob o jugo da concórdia» fazendo-o «conspirar para o
bem público, sob um mesmo desejo e vontade276».
Assim se vê esboçar toda uma gama de análises e de proposições políticas e
religiosas, avançadas pela literatura menor publicada por cada um dos partidos
confessionais. O seu fito é o de promover uma pluralidade de soluções que
permitam superar o estado de guerra civil e alcançar a paz, sob o governo
estável da monarquia francesa, estando cada um verdadeiramente convencido
de que as inquisições, os massacres, os cercos, os assassinatos e tudo o que foi
praticado em França durante mais de trinta anos em nada favoreceram a causa
religiosa e mais não fizeram do que suscitar a existência de novos ateus, de
novos libertinos e de novos epicuristas.
Tais escritos permanecem centrados no debate teológico e dogmático que
permite preservar a integridade da doutrina, reformada ou católica, face ao
adversário, mas também em relação àqueles que se fazem defensores de uma
atitude de questionamento, à maneira de Nicodemo. Contra esta invoca-se,
tanto de um lado como de outro, a necessidade de prestar abertamente um
testemunho de fé e de fazer um activo proselitismo. Do mesmo modo se opõem
a uma estratégia irénica susceptível de reunir todos os cristãos em torno de
dogmas fundamentais comuns; esta solução é particularmente mal vista pelos
católicos e pelos reformados que permanecem acampados nas suas certezas
doutrinais e dogmáticas, e que consideram que ela abre uma brecha que leva à
indiferença religiosa e ao ateísmo.
As dificuldades doutrinais que bloqueiam o debate sobre os direitos das
consciências, bem como a pressão dos eventos históricos contribuem para
reforçar as ideias que remetem para a tolerância, e nomeadamente as que têm
implicações políticas.
Reconhecer que o príncipe católico tem um papel de garante e de
intermediário entre Deus e o povo, e que em França lhe cabe defender e
consolidar as «duas religiões», sublinha o tema do fundamento e dos limites do
poder do soberano, nomeadamente no que concerne a fé, sem prejuízo do
debate teológico e dogmático. Ainda que os escritos estudados até esta data
indiquem o carácter fundamental da autoridade real e a ausência de contestação
do poder e da sua origem divina – poder ao qual cada um se submete
independentemente do credo pessoal do soberano, como foi o caso após a
conversão de Henrique IV. Não obstante, pode dizer-se que esses anos assistem
igualmente a uma reflexão crítica substancial sobre os limites e as perversões
tirânicas do poder real. Ela desenvolveu-se principalmente entre os homens
políticos e os teólogos huguenotes. A sua formulação mais conhecida e mais
conseguida encontra-se nos trabalhos de Étienne de La Boétie277, nos escritos
de Inocêncio Gentillet278, e nos Vindicae contra tyrannos279.
Os temas principais da obra de Étienne de La Boétie traduzem a sua
exortação a satisfazer o desejo natural de liberdade inerente ao homem e
encorajam a desobedecer e a resistir, incluindo pelas armas, a um soberano que
exerça um poder tirânico, empobreça o seu povo e escravize as consciências.
Apesar do seu difícil percurso editorial, esta obra constitui uma referência
importante para a literatura panfletária huguenote cerca de 1570. Embora a
política de conciliação conduzida pelo chanceler Miguel do Hospital inspire os
empenhamentos parlamentares de Étienne de La Boétie, ao longo da sua breve
existência, o Discurso da Servidão Voluntária exprime, de modo muito radical,
a obrigação moral de cada cidadão em reconquistar e defender as liberdades
esquecidas, e nomeadamente a liberdade religiosa.

Do privilégio ao direito. O apelo à tolerância


Deve antes de mais sublinhar-se que a produção dos libelos huguenotes da
segunda metade do século XVII tira a sua inspiração das peripécias históricas e
dos numerosos escritos que circulam em França na época das guerras de
Religião.
A célebre polémica que opôs P. Bayle e P. Jurieu, as publicações de J. Claude
e de numerosos autores empenhados nos debates políticos e religiosos que
acompanham nas suas últimas décadas as guerras de Religião, não constituem
portanto episódios isolados; o mesmo sucede com o ulterior endurecimento da
política de intolerância do Rei-Sol. Como se fossem um epílogo a esta, os
trabalhos destes autores propõem a expressão mais completa e mais estruturada
de uma reflexão que trespassa em profundidade certas camadas da sociedade e
da cultura francesas, entre o final do século XVI e as primeiras décadas do
século XVII. Essa reflexão apresenta antes de mais características específicas
ligadas às vicissitudes políticas da França do início da época moderna;
doravante, sob o reinado do Rei-Sol, e devido à pressão coerciva decidida pela
coroa quanto a um domínio ainda mais extenso e que abrange a política, a
religião e a filosofia, os debates sobre a liberdade de consciência e de
tolerância ganham novo ímpeto.
Na base das formulações da época, já não se encontra somente a profissão de
fé para com o rei, a sua política interna, a sua política externa e os seus éditos.
A relação privilegiada entre os súbditos e o seu rei não é já o único fundamento
que assegura a origem e estabelece a legitimidade do apelo à tolerância face à
religião reformada. A reflexão política contida nos escritos que tratam desta
questão ultrapassa os limites de uma tolerância compreendida como
consentimento, como privilégio concedido, ainda que de forma irrevogável, a
um povo, ou a uma parte desse povo, em razão dos méritos adquiridos ou
porque a autoridade real se mostrou magnânima. Essa reflexão sobre a
tolerância, acompanhada pelo debate intenso que ela suscita ao longo dos
séculos XVII e XVIII, evolui e alcança o terreno da análise e da definição de uma
legitimidade cujos fundamentos se inscrevem agora na teoria do direito natural
e do direito das gentes (jus gentium). Pierre Bayle considera fundamental uma
tal concepção da liberdade civil, quer seja nos seus Pensamentos Diversos
(1682), onde considera legítima uma sociedade de ateus, ou no seu Comentário
Filosófico (1686), onde defende a liberdade e o respeito devidos a qualquer
consciência, incluindo aquelas que «erram» na heresia. Para este filósofo, se a
dissensão é uma questão central em matéria de doutrina religiosa, ela não passa
de um ponto secundário quando se trata do sistema e do funcionamento da
sociedade civil. Tais ideias são aliás retomadas na Resposta de Um Novo
Convertido à Carta de Um Refugiado (1689), onde o autor confirma de novo
um dos pressupostos da sua teoria da tolerância, a saber a fidelidade dos
súbditos para com o príncipe. Bayle retoma essas concepções no seu
Dicionário Histórico e Crítico (1697), onde exprime as suas próprias ideias
políticas, fragmentadas e dispersas ao longo dos seus artigos e das suas
notas280.

O documento intitulado Aviso Importante aos Refugiados (1690), em


particular na sua parte consagrada à crítica das obras sediciosas, oferece uma
apresentação eficaz da complexa relação estabelecida entre o absolutismo e a
tolerância. Pierre Bayle estima perigoso o apoio que tais escritos presta às
ideias anti-absolutistas, opostas à monarquia e favoráveis ao regime
republicano, que então circulam em França e se baseiam nos exemplos
históricos da Gloriosa Revolução inglesa e do sistema político e cultural
holandês.
Segundo Bayle, as teorias e as formas de governo fundadas numa concepção
de tipo contratual e republicano, defendendo «a superioridade dos povos sobre
os Reis, e a justiciabilidade dos Reis perante o Tribunal do povo», conduzem
inevitavelmente à anarquia e à decomposição da sociedade civil. As «heresias
políticas» contidas nas Vindicia e nas obras inspiradas nestas, as de Buchanan e
de Pareus, ou de Claude e de Jurieu, minam qualquer sistema de governo. Elas
têm em comum com os intolerantes do período moderno, ou seja com os
religiosos devotos, o princípio segundo o qual se deve submeter o poder do rei
a uma autoridade, quer ela seja de tipo religioso, no caso dos fanáticos, ou de
tipo oligarco-democrático, no caso dos monarcómacos281. Isso equivale a
introduzir no corpo político o conceito da divisibilidade do todo e pode ser
assimilado às teorias do atomismo natural de Epicuro. Ao tornarem múltipla a
soberania, essas teorias destroem a existência desta, ao passo que uma
soberania «pura e plena», ou seja obtida pelo povo na sua inteireza, é a única a
poder protegê-lo, não só das sedições e dos crimes, mas também da
arbitrariedade de uma oligarquia e de uma democracia que não conseguiriam
ocultar as suas origens feudais282.
Para Bayle, a monarquia absoluta é, entre as formas de governo que ele
estuda (como a monarquia mista de tipo inglês), aquela que melhor garante a
paz do Estado; é também a única que está em condição de proteger contra as
revoltas, os conflitos religiosos e os ardis do proselitismo. No entanto, a
soberania monárquica não pode e não deve intervir nas escolhas próprias a
cada consciência. Bayle precisa: «Não se pretendia de todo com isto furtar aos
príncipes o direito do gládio que eles tomam de Deus; só se pretendia dizer que
tal direito não se estende aos erros da consciência, e que os soberanos não
receberam de Deus o poder de perseguir as religiões283.»
Ao contrário de Bayle, o campeão dos polemistas huguenotes, Jurieu, que
não se reconhece de todo no modelo monarcómaco do século XVI, apresenta-se
como um convicto defensor das ideias de Erasmo e do anti-absolutismo.
Segundo ele, essas ideias são instrumentos privilegiados para a manutenção da
ordem política e para a garantia dos direitos do povo, incluindo a liberdade de
consciência. Pierre Jurieu defende os direitos da consciência mas avança ao
mesmo tempo uma concepção da tolerância que comporta uma propensão para
a intransigência e hesitações quanto às escolhas políticas; a sua concepção
permanece no entanto subordinada ao zelo doutrinário, onde ela encontra
também os seus limites284.

Na época do Antigo Regime, num contexto de lutas ferozes, militares e


políticas, causadas pelas guerras civis, primeiro a Fronda e depois a Revogação
e o Refúgio, a concepção da tolerância é elaborada em função do movimento
de ideias suscitado pela história recente da França. Ela alimenta-se igualmente
do confronto com as experiências políticas de outros países, do pensamento dos
republicanos holandeses, do exemplo da sociedade inglesa e, finalmente, das
teorias de Locke. Quando se examinam alguns dos escritos mais
representativos da produção panfletária, política e religiosa, publicada entre os
séculos XVI e XVII, vê-se nascer uma exigência de liberdade de consciência para
todos os homens, bem como uma concepção da tolerância que prefigura por
vezes a superação das fronteiras das crenças cristãs. Essa análise contribui para
nos fazer conhecer melhor um momento importante do debate de ideias
europeu, cujo trabalho permitiu transformar certos aspectos episódicos de
prática política e certas formulações puramente utópicas em elementos
constitutivos de uma ética social. As ideias trocadas codificam-se em direito à
liberdade de consciência e à tolerância que encontrará plena expressão na
filosofia das Luzes e na época moderna.
Não se trata já de concessões temporárias e arbitrárias, mas de direitos
reconhecidos – «os homens nascem e mantêm-se livres e iguais em direitos» –
oriundos da natureza e consagrados pela lex, tal como é formulado pela
Declaração de 1789. E essa é uma ética que se refere a um Deus fora da
história, uma ética natural, sem Deus e com a tolerância universal definida
como fraternidade: doravante a tolerância é uma virtude. No último capítulo do
seu Tratado sobre a Tolerância (1763), caberá a Voltaire reabilitar esse termo,
outrora degradado por uma semântica negativa. A época das Luzes exprime
certamente a vitória da razão sobre a perseguição de indivíduos e de minorias;
ela confirma a condenação sem apelo das práticas inquisitoriais e tirânicas, mas
precisamente no momento em que se afirma a tolerância (e talvez devido a
isso), a sua história parece impor-se como modelo a quem lhe queira
compreender o sentido.
A consciência da falibilidade do saber e a incerteza da verdade, a
impossibilidade de crer que ela faz autoridade e transcende tudo, substituíram a
certeza de uma verdade única e superior. Essa ética da dúvida possui um
correctivo teórico e prático: obrigar a reflexão sobre a tolerância a interrogar-se
sem fim sobre o que ela abrange, mas também sobre as alterações de
linguagem e de método que a afectam; só esse questionamento permite que ela
não se feche sobre uma verdade, religiosa ou política, declarada única mas que,
pelo contrário, proponha modelos de enriquecimento cultural e social, de
emancipação e cosmopolitismo.
LUISA SIMONUTTI

268 L. Canfora, Filologia e liberta, Milão, Mondadori, 2008, p. 13.

269 F. Laplanche, Bible, sciences et pouvoirs au XVIIe siècle, Nápoles, Bibliopolis, 1997, p. 11-12. Cf.
igualmente id., L’Écriture, le Sacré et l’Histoire. Érudits et politiques protestants devant la Bible en France
au XVIIe siècle, Amesterdão, Maarsen, APA-Holland University Press, 1986; M. Grandjean e B. Roussel
(dir.), Coexister dans l’intolérance, Genebra, Labor et Fides, 1998.

270 Lodewijk Meyer, Philosophia S. Scripturae interpres. La philosophie interprète de l’Écriture Sainte,
ed. francesa por J. Lagrée e P.-F. Moreau, Paris, Intertextes, 1988, cap. 3, p. 48.

271 Cf. «L’apologétique raisonnable de Jean-Alphonse Turrettini», in M. C. Pitassi (dir.), Apologétique


1680-1740: sauvetage ou naufrage de la théologie?, Genebra, Labor et Fides, 1991, p. 99-118. Devemos
referir-nos agora a M. C. Pitassi et al., Inventaire critique de la correspondance de Jean-Alphonse
Turrettini, Paris, Champion, 2009, 6 vols.

272 H. Méchoulan et al. (dir.), La formazione storica dell’alterità. Studi di storia della tolleranza nell’etá
moderna offerti a A. Rotondó, Florença, Olschki, 2001, 3 vols.

273 Este termo designa as terras de exílio dos protestantes após a revogação do édito de Nantes. (N. do E.)

274 Cf. J. Garrison, L’Édit de Nantes et sa révocation. Histoire d’une intolerance, Paris, Seuil, 1985, em
particular o cap. 1; id., L’Édit de Nantes, Biarritz, Atlantica, 1997.

275 Déclaration des causes qui ont meu ceux de la Religion à reprendre les armes pour leur conservation.
L’an 1574. Montauban, 1574.

276 De la concorde de l’Estat. Pour l’observation des Edicts de Pacification, Paris, 1599, p. 40.

277 É. de La Boétie. De la servitude volontaire, in S. Goulard (ed.), Mésmoires de l’Estat de France sous
Charles neufiesme, Genebra, 1577.

278 Innocent Gentillet, Remonstrance au Roy Tres Chrestien Henry III de ce nom, Roy de France et de
Pologne, sur le faict des deus Edicts de sa Maiesté donnés à Lyon, l’un du X. de Septembre, et l’autre du
XIII. d’Octobre dernier passe, presente année 1574. Touchant la nécessité de la paix, et moyens de la faire,
Frankfurt, 1574. Id., Discours sur les moyens de bien gouverner et de maintenir en bonne paix un Royaume
ou autre Principauté, divisez en trois partes à savoir du Conseil, de la Religion et Police, qui doit tenir um
Prince. Contre Nicolas Machiavel Florentin, Genebra, 1976.

279 S. J. Brutus, Vindicae contra tyrannos. Sive, de Principis in Populum, populique in Principem, legitima
potestate, Edimburgo, 1579; De la puissance legitime du Prince dur le peuple, et du peuple sur le Prince.
Traité tres-utile et digne de lecture en ce temps, Genebra, 1581.

280 Para uma análise aprofundada das implicações filosóficas cépticas da questão da tolerância em Bayle,
convém referirmo-nos não só às obras monográficas e às numerosas publicações de É. Labrousse, mas
também a G. Paganini, Analisi delle fede e critica della ragione nella filosofia de Pierre Bayle, Florença, La
Nuova Italia, 1980, em particular nos caps. 4 e 6; H. Bost, Pierre Bayle, Paris, Fayard, 2006. Cf. igualmente
W. J. Stankiewicz, Politics and Religion in Seventeenth Century France. A study of political ideas from the
Monarchomachs to Bayle, as reflected in the Toleration Controversy, Berkeley, Los Angeles, 1960; E. I.
Perry, From Theology to History. French Religious Controversy and the Revocation of the Edict of Nantes,
Haia, Nijhoff, 1973.

281 P. Bayle, Réponse aux questions d’un provincial, terceira parte, Œuvres diverses, vol. III, caps. 17 e 18.

282 Cf. por exemplo os artigos: «Bodin», «Hobbes», in P. Bayle, Dictionnaire historique et critique, 5.a ed.,
Amesterdão, P. Brussel, 1740. Sobre a crítica do direito de resistência, cf. «Buchanan» e a «Dissertation
concernant le livre d’Étienne Junius Brutus» (ibid., vol. IV, p. 569-577) e «Loyola», «Mariana».

283 P. Bayle, «Geldenhaur», Dictionnaire historique et critique, op. cit., nota: F. Cf. G. Paganini, Analisi
della fede e critica della ragione nella filosofia di Pierre Bayle, op. cit., cap. 4; D. Taranto, Pirronismo e
assolutismo nella Francia del’ 600, Milão, Franco Angeli, 1994, cap. 7.

284 Ver o opúsculo: «L’Affaire Bayle». La bataille entre Pierre Bayle et Pierre Jurieu devant le consistoire
de l’Église wallone de Rotterdam, A. McKenna e H. Bost (dir.), Saint-Étienne, Institut Claude Longeon,
2006.
Blaise Pascal

Duas correntes se cruzam na obra de Pascal. A primeira é a da ciência; dessa


ciência que aplica a matemática à compreensão da natureza e que Galileu,
Torricelli e o próprio Pascal contribuem para tornar experimental. Matemática
e experimental, ela fornece aos homens o modelo de uma concepção racional
da natureza, e abre assim indefinidamente à curiosidade humana o continente
do mundo físico. A segunda corrente é a da fé cristã. O objecto desta é
sobrenatural e os seus princípios ultrapassam a razão. A fé possui as suas
próprias verdades: ela revela aos homens a sua falibilidade e a sua corrupção,
que decorrem da falta original. Ela ensina a Incarnação do Filho de Deus, a sua
morte e a sua redenção na Cruz para resgatar o pecado dos homens, E ensina-os
portanto a comportarem-se segundo a vontade de Deus, definindo assim uma
moral.

Conhecimento e moral
Pascal é sábio e cristão. Cristão e sábio. Essas duas lógicas coexistem nele
sem se misturarem. Sem mistura, mas também sem combate. A actividade
científica não se refere às matérias de fé que não possa regular. A razão deve
cessar a sua actividade onde começa o domínio das verdades reveladas:

A derradeira iniciativa da razão é a de reconhecer que há uma infinidade de coisas que a


ultrapassam285.
Submissão e uso da razão: nisso consiste o verdadeiro cristianismo286.

Pelo seu lado, a teologia não pode ditar à ciência o que esta deve considerar
como verdadeiro ou falso. É impossível, diz Pascal na décima quarta
Provincial, obter «contra Galileu aquele decreto de Roma que condenava a sua
opinião acerca do movimento da Terra. Não será isso a provar que ela
permanece em repouso». Pode-se portanto ser sábio e cristão, ainda que esse
cristianismo não seja efectivamente conforme às posições defendidas pela
Igreja. Mas poderá ser-se filósofo e cristão? Uma tal pergunta define para
Pascal uma relação diferenciada com a razão segundo consideremos esta na sua
função teórica ou prática, e poderá admitir-se que esta última releva para ele,
como para a maioria dos seus contemporâneos, de uma parada de grande
importância. Compreendê-la-emos facilmente se examinarmos a maneira como
a filosofia moral e política moderna que se constrói sob os olhos de Pascal
coloca o problema das relações da razão e da religião. Tanto Hobbes como
Grócio haviam procurado mostrar que existe na realidade uma convergência
entre as prescrições racionais em matéria de lei natural, de direito natural e de
contrato social e as Leis divinas reveladas. Essa convergência é
minuciosamente exposta no capítulo iv do Cidadão, intitulado «Que a lei de
natureza é uma lei divina», onde se comparam as vinte leis naturais construídas
pela razão com os correspondentes preceitos da lei divina. Ora, tal
convergência apresenta a particularidade de poder ser interpretada num duplo
sentido. Pode ver-se nela a ideia segundo a qual a razão se pode achar posta ao
serviço da verdade e da justeza dos Mandamentos da religião ou, ao invés, a
ideia segundo a qual a Escritura é chamada a confirmar a iniciativa da razão.
Uma tal correlação revela-se particularmente ambígua: poderíamos ser tentados
a interpretar este reforço respectivamente da razão e da Escritura como um
possível enfraquecimento da religião. Com efeito, se cabe à razão justificar os
Mandamentos da religião, isso poderá significar, por um lado, que a religião
arrisca vir a achar-se submetida à justificação racional, e, por outro, que as
prescrições racionais poderiam acabar por valer por si mesmas, sem que se
tenha já de recorrer aos preceitos da religião. Por outro lado, se a Escritura
oferece confirmação às construções normativas da razão, isso pode querer dizer
que, para o filósofo, o essencial do recurso ao texto sagrado visa validar as
prescrições desta e que, por esse motivo, a religião se acha posta ao seu
serviço. Essa convergência das prescrições racionais e religiosas revela-se pois
uma faca de dois gumes e é preciso saber perceber o perigo real de tal apoio
nas aparentes vantagens de que a religião parece beneficiar. É essa situação que
parece perigosa a Pascal e que explica não só a sua hostilidade relativamente ao
apoio que a razão possa trazer à religião, ainda que de modo indirecto quando
as provas da religião se alimentem dos limites da razão, mas também a sua
crítica aberta à própria possibilidade de uma autonomia da razão na esfera
prática. Ele tem portanto de recusar a ideia de uma moral e de uma política
racionalmente estabelecidas, e atacar todos os elementos que formam a
ossatura destas: a capacidade da razão para estabelecer ou conhecer normas
morais, as leis naturais e o direito natural de onde decorre uma concepção da
justiça, a sua faculdade de justificar a existência de um pacto social constitutivo
da ordem política e de exercer uma crítica do direito positivo caso este
contradiga as leis naturais. É nesse ponto que Pascal vai ao encontro do
cepticismo de Montaigne na crítica radical que este último dirige
simultaneamente às vertentes teórica e prática da razão e que Pascal retoma por
sua conta. Porém, o confronto de ambos permite estabelecer que o cepticismo
de Pascal difere do do autor dos Ensaios. De facto, a crítica pascaliana da razão
exprime-se a partir de uma posição que integra o trabalho da ciência moderna
em via de ser construída e o da filosofia que a acompanha, e formula-se através
de um «ponto de vista» que se inspira simultaneamente nas posições de Hobbes
e de Descartes sem se reduzir a nenhuma delas: Pascal situa-se do lado de
Hobbes quando se trata de compreender o estatuto da verdade na ciência, e
situa-se do lado de Descartes (mas de um Descartes profundamente
remodelado) quando se trata de compreender o estatuto do erro em matéria de
moral e de política. Hobbes havia explicado, nas suas objecções às Meditações
e contra a teoria cartesiana do papel da vontade na formação do juízo, que o
assentimento da vontade nada tem a ver com o processo de formação do
verdadeiro. Quando a razão estabelece com clareza a necessidade e o estatuto
de uma ideia verdadeira, como no caso de uma demonstração por exemplo,
embora o possamos querer de outra forma, só somos levados a crer nela por
sermos forçados a isso por argumentos. Desta objecção decorre a negação da
tese cartesiana da liberdade da vontade: a ideia verdadeira, em razão da
necessidade interna dos encadeamentos demonstrativos, obriga a vontade a
aquiescer. Assim, a produção da verdade não é sinónimo de liberdade, mas de
constrangimento. Pascal parece aliar-se a esta posição quando explica que, nas
ciências (geometria, física) e para certas proposições de tipo filosófico (o
cogito por exemplo, no fr. 131), os princípios podem ser estabelecidos pelo
«coração» apoiando-se no recurso a provas indirectas (a falsidade da tese da
não-divisibilidade infinita do espaço valida a tese contraditória), e que as
consequências são a seguir demonstrativamente deduzidas desses princípios
que assim se impõem à vontade, seja o que for que ela possa desejar de diverso.
Não se poderá no entanto concluir daí que a razão científica atinge uma certeza
inabalável uma vez que, segundo Pascal, existe uma tal dissociação entre a
ordem do conhecimento e a ordem do ser que esta transborda infinitamente
daquela287, e cabe precisamente à razão perceber ela mesma os seus próprios
limites288. Deve portanto admitir-se que o que é certo para nós não remete por
natureza a uma realidade que ela conhecesse integralmente, posição que, ao
invés da de Montaigne, pode ser qualificada como de cepticismo moderado.
Não é isso que sucede quando não dispomos de provas semelhantes, como
mostra Pascal em A Arte de Persuadir. Neste caso, quando o prazer da vontade
não pode renunciar ao seu objecto sob o efeito do juízo do entendimento,
obtém-se uma interferência da vontade na formação do juízo, não sob a forma
de uma liberdade de indiferença como em Descartes, mas sob a forma de uma
estratégia de dissimulação dos desejos dela. Esta mascara as suas opções
embora as mantenha, e é assim que pode «orientar» a relação do entendimento
para com os seus objectos. A vontade, sem marcar abertamente a sua
preferência, leva o espírito que caminha «unido com a vontade […] a
contemplar o rosto que ela ama e é assim que ele o julga por aquilo que nele
vê289». A multiplicidade de pontos de vista parciais – cada um dos quais se
considera como um absoluto – e a oposição destes conduzem à única atitude
racional nessa circunstância, o cepticismo. É assim que se pode compreender
porque se opõem as escolas filosóficas ou as diferentes confissões: cépticos
contra dogmáticos, cépticos contra estóicos, estóicos contra epicuristas,
molinistas contra calvinistas, etc. Cada uma possui um ponto de vista
fragmentário porque só vê um único aspecto das coisas, não podendo nenhuma
delas defender um ponto de vista tal que, sendo o seu contrário
necessariamente falso, este se revelasse verdadeiro. Por outras palavras, é por
não existir prova demonstrativa convincente das suas teses que a vontade pode
operar sobre o entendimento e levá-lo a não perceber mais do que um aspecto
da verdade das coisas. De cada vez que nos encontramos perante uma
contradição entre doutrinas, das quais nenhuma consegue impor-se, podemos
considerar que estamos a lidar com um esquema semelhante de interferência da
vontade no entendimento. Isso é verdade não só para a definição do homem
acerca da qual disputam os estóicos e os cépticos, mas também para a da graça,
a respeito da qual se opõem molinistas e calvinistas, bem como para a do
conhecimento, que opõe dogmáticos e cépticos. Em todos esses casos de
monta, a ordem de subordinação da vontade ao entendimento acha-se
formalmente respeitada, mas realmente invertida. Ao não surgir abertamente
como princípio de escolha, a vontade permite ao indivíduo ser estimado por
outrem, coisa que ele procura antes de tudo, uma vez que não age abertamente
senão segundo a razão, regulando a sua conduta pelas ideias do
entendimento290. Mas ao constituir realmente e de forma disfarçada o princípio
da escolha a partir do que pretende, a vontade obtém uma dupla satisfação: a do
prazer que lhe traz a sua escolha contra o primeiro juízo do entendimento e a
do prazer de parecer conformar-se abertamente a esta para afirmar a potência
do indivíduo (poder gabar-se abertamente de escolher por razão), enquanto o
juízo do entendimento foi modificado para a satisfazer. É na base de uma tal
contradição e do relativismo moral que dela decorre que Pascal pode apresentar
simultaneamente uma crítica radical das virtudes morais naturais, tão
impossíveis de estabelecer quanto de concretizar291, e o ensino das Escrituras
como o único ponto de vista possível susceptível de fazer concordar essas
verdades parciais, tal como mostra A Conversa com o Senhor de Saci. Uma tal
crítica da moral acha-se no terreno da política.

Uma política sem direito natural


A crítica pascaliana da política dos filósofos (em todo o caso no momento em
que Pascal redige os textos que formarão os Pensamentos) tem por objecto a
possibilidade de conhecer pela razão ou pelo sentimento natural a lei natural de
que eles formam o fundamento da justiça. O cerne da sua crítica consiste em
mostrar, como no caso da moral, que a razão não pode encontrar um ponto fixo
susceptível de lhe fornecer uma definição da justiça. É por isso que existem
tantos princípios morais e jurídicos como pontos de vista relativos
determinados pela vontade. É isso que explica, segundo o célebre fragmento 60
dos Pensamentos, que «a essência da justiça» tanto seja concebida como «a
autoridade do legislador», «a comodidade do soberano» ou simplesmente «o
costume». A justiça, por estar sujeita à disputa, revela-se então uma «qualidade
espiritual da qual se dispõe como se quer292». Esta crítica céptica, segundo
Pascal, elimina toda a possibilidade de apoio em normas susceptíveis de
fundarem e de justificarem o contrato social, como defendem os filósofos
clássicos. Por isso nenhum pacto social é concebível e, de facto, ele não tem
lugar. O Estado começa a partir do momento em que os homens, achando-se
em conflito numa espécie de estado pré-político, formam associações, e em que
uma delas (o «partido mais forte») consegue uma vitória militar sobre as
outras. Simplesmente, não é possível que o poder dos governantes se apoie na
força pois isso não faria mais do que favorecer a continuação do conflito. Estes
devem definir as leis fundamentais (um embrião de constituição, se quisermos)
que deveriam ser consideradas como justas, o que permitiria ao poder exibir
uma legitimidade293. É então que intervém um mecanismo complexo, formado
por uma mistura de imaginação e de opinião, que leva a que os governantes
acabem por crer que tais leis são justas e obedeçam então a esse poder294.
Porém, esta organização política também se reveste para Pascal de um
sentido teológico. Trata-se de uma ordem paradoxal, que pune os homens pela
sua falta (o pecado) submetendo-os ao reino da força e a uma falsa justiça. Mas
essa ordem ao menos assegura a paz, e esta deve ser considerada pelos cristãos
como o bem soberano da cidade terrestre. As leis do Estado dispõem assim de
uma dupla justiça extrínseca: a que lhes é conferida pela imaginação dos
governados e aquela que provém da vontade divina, devendo tais leis ser
respeitadas para conservar a sociedade humana. Nestas condições, ter-se-ia
desde logo a tendência de escolher a interpretação conservadora-autoritária da
política pascaliana, mas isso seria sem dúvida parar demasiado rapidamente a
meio do caminho.
O problema, com efeito, é que, se uma tal construção consegue no limite
obter para o poder um consentimento dos governados, ela de modo nenhum
garante a estes que a autoridade não se venha a comportar de forma opressiva.
Daí a necessidade – exigida pela perseguição político-religiosa do grupo
jansenista – de nos precavermos contra ela. Mas onde encontrar uma tal
garantia, na medida em que a lei divina se contente em pregar a obediência
para manter a paz e onde já não exista princípio de justiça natural mobilizável
que possa servir de recurso crítico em relação ao poder?
De facto, Pascal dispõe de uma outra possibilidade teórica para construir um
conceito de justiça, mas que desta vez já nada tem a ver com uma construção
normativa. É no cruzamento das suas pesquisas matemáticas e de certas
passagens das Escrituras que ele estabelece um novo conceito de justiça: a
«justiça das ordens». Esta assenta na ideia segundo a qual existem tipos de
operações e de acções específicas que se efectuam segundo regras singulares
sobre objectos particulares e que não podem ser intervertidas umas com as
outras. Por exemplo, a força que engendra o temor e age mecanicamente sobre
os corpos não pode produzir um único conhecimento295. Pelo seu lado, a força
e o conhecimento juntos não suscitam nenhum ímpeto de caridade296. Mas em
troca, a autoridade da Igreja que só é válida nas «matérias mais
incompreensíveis à razão» não pode prevalecer no que concerne «os temas que
caiam sob os sentidos ou sob o raciocínio: a sua autoridade é aí inútil, apenas a
razão tem ocasião de conhecê-los». Nenhuma demonstração pode conduzir ao
amor porque este não responde senão à beleza ou à «concórdia», tal como o
amor não pode interferir na ordem do conhecimento para estabelecer qualquer
verdade que seja. Enfim, na esfera do próprio conhecimento, o coração que
sente os princípios e a razão que demonstra as proposições não podem ser
intervertidos297.
As ordens de justiça comportam, como vemos, duas propriedades
fundamentais: a primeira é a ausência de interferência entre si e a
impossibilidade de obter numa ordem resultados com as regras de uma outra; a
segunda é a relação de conveniência própria de cada ordem entre as regras de
operações e os seus objectos, e é essa relação interna que Pascal exprime por
meio do conceito de justiça: «dever de amor à concórdia, dever de temor à
força, dever de crença à ciência298». Daí resulta que é injusto e tirânico querer
«dominar fora da sua ordem» e que isso se revela aliás impossível. Essa justiça,
Pascal irá utilizá-la tanto a respeito do poder político como do poder religioso.
Com efeito ele mostra que é impossível governar unicamente pela força ou
converter crentes (os protestantes, por exemplo) pelo constrangimento, mas
também constranger os sábios por meio de dogmas religiosos (Galileu) ou
chamar a Igreja a pronunciar-se sobre questões científicas. Os governantes tão-
pouco podem exigir um culto da personalidade sem relação com as suas
qualidades, tal como não é possível ao poder promulgar uma estética oficial.
Em suma, a teoria das ordens de justiça tem por efeito a definição e a
delimitação de esferas de liberdades incomprimíveis para os governados. Uma
tal posição é de natureza a temperar fortemente a submissão à ordem política
do cristão perfeito, tal como Pascal a podia justificar a partir da sua crítica do
direito natural. Daí resulta uma denúncia do absolutismo e de todo o regime
autoritário, mais favorável à segunda leitura da política de Pascal, embora se
pudesse justificar tal crítica com argumentos porventura mais convincentes,
mas não obstante complementares.
CHRISTIAN LAZZERI

285 Pensamentos, fr. 188 (classificação de L. Lafuma).

286 Ibid., fr. 167.

287 Ibid., fr. 199.

288 Ibid., fr. 170, 174.

289 Ibid., fr. 539.

290 Ibid., fr. 470, 149, 372, 421, 423, 617, 668, 749, 796, 978.

291 Ibid., fr. 140, 208, 357.


292 Ibid., fr. 85.

293 Ibid., fr. 828.

294 Ibid., fr. 88, 828, 554, 665.

295 Ibid., fr. 58.

296 Ibid., fr. 308.

297 Ibid., fr. 110.

298 Ibid., fr. 58.


Bento Espinosa

Bento de Espinosa (Baruch em hebraico, Benedictus nas suas obras latinas)


nasceu em Amesterdão em 1632, numa família de judeus de origem
portuguesa. Banido da comunidade judaica em 1656 por um herem (decreto de
exclusão) que o condenava pela impiedade das suas ideias e da sua conduta,
viveu a partir de então de maneira modesta, combinando a feitura de
instrumentos de óptica e a actividade especulativa de pesquisa da verdade.
Participou igualmente na vida política das Províncias Unidas, independentes da
Espanha a partir de 1648, em particular na experiência republicana levada a
cabo por Jan de Witt, o homem que simbolizou a busca da independência
absoluta até 1672, data do seu assassinato por uma multidão galvanizada pelos
discursos de calvinistas fanáticos que Espinosa taxará então de ultimi
barbarorum.
Espinosa levou pois uma existência discreta, sem por isso se isolar do
mundo: com efeito teve por correspondentes filósofos como Tschirnhaus e
Leibniz, bem como célebres sábios, nomeadamente Robert Boyle e o secretário
da Royal Society de Londres, Henry Oldenburg.
Dedicou os últimos anos da sua vida à redacção e acabamento da sua obra-
prima filosófica, a Ética, bem como do Tratado Político, cuja escrita foi
interrompida pela sua morte, em 1677.

A formação cartesiana e os primeiros escritos


A única obra que Espinosa publicou em vida e sob o seu nome são os
Princípios da Filosofia de Descartes (Principia philosophiae cartesianae),
texto que, embora se apresente como uma exposição didáctica da doutrina
cartesiana inicialmente destinada a instruir o seu discípulo Casearius, nem por
isso acolhe o conjunto das teses do filósofo francês. É aliás o que sublinha,
com o assentimento do próprio Espinosa, o prefácio da obra, assinado pelo seu
amigo Luís Meyer, filósofo e exegeta da Bíblia. Um dos principais pontos de
divergência entre os dois pensadores concerne a questão da vontade: com
efeito, Espinosa rejeita a distinção cartesiana da vontade e do entendimento e
recusa ainda mais a ideia de que esta possa ser livre. A sua concepção da
liberdade faz abstracção tanto do pressuposto (católico e erasmiano) do livre-
arbítrio como da ideia (luterana) do servo arbítrio: a liberdade, como ilustrará a
Ética, não pode ser concebida independentemente da ideia de necessidade
natural.
Outros pressupostos importantes da Ética devem ser procurados naquela que
foi provavelmente uma obra de juventude, o Curto Tratado (Korte
Verhandeling), texto redigido em neerlandês que teve de esperar até ao século
XIX para ser conhecido, e no qual o autor nos expõe a sua teoria do
conhecimento: ao distinguir três géneros de conhecimento (a imaginação, a
razão e o entendimento), Espinosa afasta-se de novo da pura concepção
cartesiana que opõe o conhecimento sensível-imaginativo à razão. Nesta obra,
que legitimamente se pode aproximar do cristianismo não dogmático e extra-
eclesiástico, Espinosa apresenta igualmente uma teoria singular do amor, que
possui dois rostos: o amor como fruição – e não como desejo da coisa amada –,
e portanto como potência capaz de prevalecer sobre o ódio; o amor de Deus, do
qual depende a nossa perfeição (teoria longamente exposta na Ética). Assim, a
concepção espinosista do amor, que desemboca no amor Dei intellectualis e do
qual os Diálogos de Amor de Leão Hebreu são uma das principais fontes, está
já presente nas suas grandes linhas no Curto Tratado.
Encontramos igualmente neste último texto aquilo que constituirá um dos
principais temas da filosofia espinosista, a saber a tese, que se deve ao Manual
de Epicteto, segundo a qual devemos distinguir nitidamente as coisas que
dependem de nós daquelas que não dependem: a sabedoria consiste em não nos
ocuparmos senão das primeiras, reconhecendo, no que toca às segundas, as
inelutáveis e arrasadoras potências da natureza. É justamente esse o
pressuposto no qual se fundará o Tratado da Reforma do Entendimento
(Tractatus de intellectus emendatione), pequeno ensaio que se apresenta como
uma narrativa que descreve a vida do autor e a sua busca da verdade, e
menciona quase literalmente as Regras para a Direcção do Espírito (Regulae
ad directionem ingenii), embora recorde à primeira vista o método cartesiano.
Mas se é verdade que as dívidas em relação ao filósofo francês são aí
numerosas, procuraremos aqui pôr em evidência os aspectos especificamente
espinosistas, que consistem em primeiro lugar na ideia de que existe uma
natureza humana superior à nossa e de que é possível atingi-la graças a um
método de auto-educação cujo percurso nos é delineado; e em segundo (mas
não último) lugar, na tentativa de que numerosos homens cheguem connosco a
tal resultado com o auxílio de um programa de organização pública dos saberes
a adquirir, evocado por Francis Bacon na sua obra Do Progresso e da
Promoção dos Saberes (De dignitate et augmentis scientiarum). Tal projecto
esboça já aquilo que constituirá o principal cerne de toda a filosofia espinosista,
a saber a ideia de uma ligação indissociável entre a busca pessoal da sabedoria
e o desígnio de concorrer para a formação de uma sociedade melhor.

Liberdade de pensamento e livre República


A tese principal do Tratado Teológico-Político, exposta no prefácio da obra,
concerne a liberdade de pensar, e por essa via de interpretar os textos que nos
foram transmitidos como sagrados. Todo o obstáculo a essa liberdade não pode
vir senão de autoridades despóticas ou de um poder eclesiástico organicamente
ligado aos poderes monárquicos, cioso de manter as massas sujeitas e
subjugadas pelas crenças e pelos preconceitos. Inscrevendo-se na esteira da
revolução científica da sua época, Espinosa considera pelo contrário que as
Escrituras devem ser conhecidas e estudadas segundo os seus próprios
princípios, como o grande livro da natureza299.
Os primeiros capítulos abordam de forma crítica os sacrossantos princípios
da fé religiosa tirados das Escrituras; Espinosa examina aí sucessivamente as
questões teológicas aferentes à profecia e aos profetas, à noção de lei divina e
aos milagres.
No tocante à profecia, o problema é colocado em termos que se referem em
parte ao racionalismo de Maimónides300: o profeta, que não é nem um filósofo
nem um sábio, mas um homem dotado de uma imaginação particularmente
viva, é divinamente inspirado: a sua imaginação, associada a um coração que
só tem inclinação para o que é justo e bom, permite-lhe captar e transmitir
numa linguagem acessível à compreensão e à compleição do vulgo as
mensagens que ele recebeu da natureza divina; natureza divina que na realidade
não é mais do que a natureza das coisas, uma vez que Deus é a natureza. A
mensagem imaginativa, não racional e não científica que o profeta daí tira tem
um grande valor moral na medida em que incita os homens à caridade e à
obediência, e portanto à concórdia que é necessária à vida comum. Espinosa
não hesita pois em afirmar que, embora muitas das expressões dos profetas –
em particular de Moisés – sejam impróprias e obscuras do ponto de vista da sã
razão que não pode sustentar a ideia de que Deus possa ter emoções, tais
expressões nem por isso são menos justificadas na medida em que possam ser
compreendidas pela multidão. Deverá observar-se que Espinosa inclui nesta os
hebreus, os quais recusa classificar como povo eleito, nomeadamente durante o
período imediatamente seguinte ao cativeiro deles no Egipto. Mostra-se com
efeito que as possibilidades do entendimento humano estão ligadas às
condições de vida oferecidas aos homens numa dada sociedade: a sujeição
poderá nesse sentido ser concebida como uma causa directa da ignorância
colectiva, já que a liberdade do comércio e das pessoas que reinam por
exemplo em Amesterdão e são exaltadas no final do Tratado estará pelo
contrário ligada à livre circulação das ideias, e desse modo à difusão de
comportamentos racionais e livres dos cidadãos entre si, bem como nas
relações deles com os estrangeiros.
No tocante à lei divina, o capítulo que a aborda (o quarto do Tratado) resume
de certa maneira o conjunto da filosofia espinosista que a Ética acabará por
expor: Espinosa entende aqui por lei divina uma regra que tenha por objecto o
soberano bem, ou seja o amor de Deus, do qual depende a nossa beatitude.
Quanto à lei de Moisés, que é essencialmente adaptada à compleição própria e
à conservação de um certo povo, a divindade dela não se funda senão numa
crença de que ela haja sido estabelecida pela luz profética. O conceito central é
aqui o da identificação de Deus com a natureza. O termo «lei», que na
linguagem da moral e do direito designa a prescrição da conduta a seguir, tem
desde logo aqui o sentido que se lhe atribui no domínio das coisas naturais.
Conhecer a lei significa conhecer Deus. É da nossa capacidade para conhecer e
para convir com a necessidade das coisas que depende a nossa beatitude.
A crítica espinosista da crença nos milagres ganha então todo o seu sentido.
A própria ideia de milagre constitui para Espinosa uma contradição nos termos,
já que ela equivale a atribuir a Deus, ou seja à necessidade da natureza, a
vontade de agir contrariamente à sua natureza, de infringir a sua própria lei,
que não é outra senão o soberano bem: por outras palavras, se tudo o que
procede de causas naturais participa unicamente da potência e da vontade de
Deus, não se pode imaginar crença mais absurda e supersticiosa do que aquela
que considera Deus como autor de milagres contrários à sua própria lei.
Como nos ensina um grande historiador francês do século XX301, o Tratado
Teológico-Político é uma das obras que marcaram a grande viragem moderna
da crítica. Desse ponto de vista, após haver longamente demonstrado que os
textos transmitidos pela Bíblia estão truncados, falsificados, alterados e são
incoerentes, Espinosa nem por isso deixa de concluir que a lei divina universal
ensinada pela Escritura chegou até nós incorrupta. Com efeito só importam os
ensinamentos elementares que ela possa conter: Deus existe, a sua providência
é universal, e devemos prestar-lhe um culto consistente na justiça e na
caridade; os homens que lhe obedecem serão salvos, e onde os homens vivam
sob o domínio das paixões estarão perdidos, a menos que se arrependam. É
esse o credo elementar, acessível a todos, que já professam na Europa os
antitrinitários e um certo número de espíritos livres, aos quais Espinosa se
associa, guiados pela busca de uma religião pacífica liberta das barreiras
enclausurantes e conflituais dos dogmas.
Encontramos no Tratado Teológico-Político o famoso conceito espinosista de
beatitude. Esta última, que Espinosa apresentará na Ética como o fim supremo
do sábio, pode igualmente ser atingida por uma alma vulgar: todo o espírito
poderá, mesmo sem erudição, ser absolute beatus caso tenha opiniões salutares
e observe a verdadeira regra de vida302. Em suma, é sempre através de um
duplo prisma que Espinosa concebe a sociedade humana e o seu
aperfeiçoamento potencial: ela compõe-se sempre de um grupo de homens que
atingiu um nível de consciência de grau superior e de uma multidão ignorante e
cada vez mais sujeita às paixões mas que, resignando-se à obediência, pode
tomar parte nos benefícios da concórdia.
Na última parte do Tratado Teológico-Político, inteiramente consagrada à
política, Espinosa aborda no final a questão do direito natural, que identifica
com a potência. Se o filósofo holandês jamais se aproximou tanto da filosofia
política hobbesiana quanto nessa passagem – o que lhe valeu numerosas
críticas –, nem por isso uma diferença fundamental deixa de opor ambos os
autores: enquanto a identificação do direito com a potência em Hobbes leva
necessariamente os homens a aceitarem submeter-se colectivamente, por um
pacto social, ao direito do mais forte e portanto a uma forma de despotismo,
Espinosa estima que a potência de um indivíduo é tanto maior quanto ele
realiza a sua natureza. Ora, a realização do homem cresce na proporção da sua
racionalidade, e por conseguinte da sua capacidade para regular as suas
relações com outrem. Os homens são portanto tanto mais capazes de concórdia
quanto eles exprimam a sua potência. A forma de organização civil mais
adequada é desde logo a livre República, a qual exclui toda a forma de
constrangimento, à excepção dos comportamentos criminosos e violentos que
representem um perigo para a República e para a concórdia. Nenhum
constrangimento pode vir limitar o pensamento e a expressão das opiniões: a
liberdade de juízo é uma virtude que não pode ser reprimida. Também em
matéria de religião, os cismas e os conflitos não são imputáveis aos homens
que buscam livremente a verdade, mas àqueles que usem de uma autoridade
malévola e da força do despotismo para imporem os seus dogmas. As últimas
páginas do tratado merecem a esse respeito toda a nossa atenção: Espinosa
honra aí esses espíritos livres (entre os quais muito certamente o seu amigo
Koerbagh, e vários outros homens que ele não nomeia) que sacrificaram a sua
vida pela justiça e pela liberdade.

A sabedoria
A Ética Demonstrada segundo a Ordem Geométrica compõe-se de cinco
partes, respectivamente intituladas: «De Deus», «Da natureza e origem da
alma», «Da origem e da natureza das afeições», «Da servidão do homem ou da
força das afeições», «Do poder do entendimento ou da liberdade do homem».
É fútil inquirir se essa «ordem geométrica» adoptada por Espinosa na Ética
corresponde efectivamente à ordem codificada nos tratados de geometria a
partir do modelo dado na Antiguidade por Euclides. O modo de exposição
espinosista aqui retido corresponde de facto a um tipo de racionalismo que,
embora inspirando-se, como já o havia feito Descartes, no modelo de rigor e de
certeza incarnado pela matemática, elabora sob uma nova forma a sua própria
doutrina da ciência.
As noções fundamentais em que assenta a ontologia espinosista são as de
substância, de atributo e de modo. A substância, o que é em si e é concebido
por si, é uma e uma só: Espinosa liberta-se aqui da concepção cartesiana da
dualidade das substâncias. Esta substância é constituída por uma infinidade de
atributos, entre os quais o pensamento e a extensão: a coisa pensante e a coisa
extensa, que Descartes concebia como duas substâncias, não passam de dois
atributos, na ocorrência os únicos atributos entre os atributos infinitos que a
alma humana é capaz de conhecer. Os modos, por fim, são as afeições de uma
substância, as formas nas quais ela se exprime e pelas quais ela se torna
concretamente cognoscível. O mundo inteiro das coisas finitas não é mais do
que uma série infinita de expressões modais da substância.
Quanto à identidade entre Deus e a natureza, que já havíamos encontrado no
Tratado Teológico-Político, ela surge na Ética sob a forma de uma definição, a
de um Deus pensado como substância única que existe necessariamente, que é
e age pela mera necessidade da sua natureza: Deus é causa livre de todas as
coisas uma vez que todas as coisas procedem necessariamente da sua natureza,
que é idêntica à das coisas. A necessidade não se opõe portanto à liberdade,
mas à contingência: opor a liberdade à necessidade, como fazem aqueles
homens para os quais a liberdade rima com a possibilidade de perturbar a
ordem da natureza eterna e infinita, equivale a confundir a liberdade com a
contingência. Na filosofia espinosista, nada nem ninguém pode subtrair-se à
necessidade natural: quem crê agir livremente contra a lei divina ou contra si
mesmo (os exemplos escolhidos por Espinosa vão da embriaguez ao suicídio) é
na realidade movido por causas exteriores cujo poder ultrapassa a sua. A crítica
dos milagres, já presente no Tratado Teológico-Político, fundava-se no facto de
ser impossível a Deus, ou à natureza, agir contrariamente à sua própria
natureza; aqui é a impossibilidade de que um ser finito como o homem possa
agir livremente contra a necessidade da sua própria natureza que nos é
demonstrada. Agir significa exprimir a necessidade da sua natureza; o contrário
da acção não é outro senão a paixão, que consiste em sofrer a acção de causas
exteriores: o que é precisamente o oposto da liberdade.
A liberdade é portanto necessidade. Necessidade da natureza divina, da qual
devem decorrer uma infinidade de coisas e uma infinidade de modos na medida
em que a infinidade da natureza de Deus não é estática mas dinâmica: ela
estende-se incessantemente até ao infinito. Estando estabelecido esse
fundamento ontológico, a demonstração prossegue com a explicação das coisas
que devem decorrer necessariamente da essência de Deus, ou do Ser eterno e
infinito; não de todas porém, na medida em que elas são infinitas, mas daquelas
que nos podem conduzir ao conhecimento da alma humana e à sua perfeição.
Passamos assim da dinâmica do infinito em expansão à dinâmica do finito em
tensão, que dá todo o seu sentido ao título da obra: o finito em que Espinosa se
concentrará a partir daí será com efeito o «nós» humano, que a Ética
considerará sob o duplo ponto de vista do que ele é e daquilo em que se pode
tornar ao realizar-se.
Como indica Espinosa no seio da Ética, a perfeição e a realidade são uma
única e mesma coisa: considerar-se-á como perfeito o que é realizado segundo
o projecto que é imanente a toda a coisa finita, onde, pelo contrário, a perfeição
de Deus é em si e não deriva de projecto algum. Se seria erróneo conceber a
natureza infinita de Deus de maneira antropomórfica, ao imaginá-la tendendo
para qualquer fim, em compensação é essencial para a natureza humana finita
tender para fins. Dizendo a ética precisamente respeito ao homem, ela deverá
interessar-se pelo objectivo de perfeição que este último persegue
naturalmente.
O que é aperfeiçoar e realizar? O homem é corpo e espírito, os quais não são
realidades separadas mas modos da substância divina. Para Espinosa, a alma é
a ideia do corpo, e a ordem das ideias é idêntica à das coisas, no sentido em que
nós forjamos uma ideia de cada coisa e em que cada ideia é por seu turno ideia
de qualquer coisa. A minha alma é portanto ideia do meu corpo, sendo este um
certo modo da substância divina considerada sob o atributo da extensão; tal
como a ideia é um modo dessa mesma substância considerada sob o atributo do
pensamento, a alma humana é assim uma parte do entendimento infinito de
Deus.
É na pesquisa de conhecimentos universais que consistirá principalmente a
busca de perfeição que a alma humana persegue. A via seguida para aí chegar
não é porém única. Começamos com efeito por forjar ideias gerais a partir de
experiências vagas, confusas e fragmentárias: por outras palavras, estamos
naturalmente inclinados a generalizar as relações entre as coisas e os factos
singulares que conhecemos e a extrair delas leis ou propriedades universais. É
o que constitui o conhecimento do primeiro género, mundo da imaginação ou
da opinião não científica de onde vêm todos os nossos preconceitos e todas as
nossas superstições. O segundo género de conhecimento, o da razão, consiste
em formar noções universais a partir de noções comuns e de ideias adequadas
das propriedades das coisas: estamos aqui ao nível da ciência, definida como
formulação de leis gerais às quais chegamos após haver adoptado, graças à
experiência e ao procedimento demonstrativo, princípios evidentes e
universalmente válidos. Existe por fim um terceiro tipo de conhecimento, a
ciência intuitiva, que procede do conhecimento adequado dos atributos da
substância para o conhecimento adequado da essência das coisas. Sabendo que
não podemos perceber a substância divina senão através dos seus atributos ou
propriedades, e não directamente, nenhum conhecimento é mais universal que
o dos atributos; e esse conhecimento universal não é, para a alma, um meio de
proceder para outros universais, mas para o conhecimento das coisas
singulares. Notemos que este conhecimento das coisas é estranho à
imaginação, a qual não percebe a essência mas as modificações das coisas; ela
já não é o objecto da razão científica do segundo género que se interessa pelas
leis gerais e não pela singularidade das essências. A essência das coisas é o
objecto da ciência intuitiva.
Espinosa dá disso uma aplicação concreta ao demonstrar como chegamos ao
conhecimento adequado da essência humana – essência de uma coisa singular –
a partir do corpo e do espírito: estes dois modos infinitos permitem estabelecer
a relação entre os atributos (a extensão e o pensamento) e as coisas finitas.
Cada coisa, escreve Espinosa, tende a perseverar no seu ser; essa tendência ou
esforço (connatus) que tende para a autoconservação apresenta-se como o dado
mais profundo e mais essencial da natureza das coisas: «Cada coisa, enquanto
está em si, esforça-se por perseverar no seu ser303.» O connatus que distingue o
homem exprime-se sob a forma do desejo (cupiditas). A essência humana
caracteriza-se pois por esse impulso consciente para a conservação e o
desenvolvimento de si. Conhecer adequadamente essa essência implicará
examinar as formas de expressão desse impulso, e analisar a partir daí a vida
afectiva.
As afecções podem ser activas ou passivas, segundo tendam a aumentar ou a
reduzir, devido à influência de causas exteriores, o nosso poder de agir:
falaremos neste segundo caso de paixões. A principal afecção activa, para além
do desejo, é a alegria, pela qual a alma passa de uma perfeição menor a uma
perfeição maior. Ao invés, a paixão de que dependem todas as afecções
passivas é a tristeza, que faz passar a alma a uma perfeição menor. Todas as
outras afecções se reduzem a essas três afecções primitivas: o amor e o ódio, a
título de exemplo, não são mais do que uma alegria ou uma tristeza que
acompanham a ideia de uma causa exterior.
Como chegamos a partir de então à sabedoria, ou seja à perfeição humana?
Como já pudemos indicar em diversas instâncias, Deus não é mais do que a
natureza, ou seja o conjunto infinito das causas. É precisamente ao chegar a
conhecer essas causas que passamos de uma perfeição menor a uma perfeição
maior. Estas, para além de serem causas das coisas, são portanto igualmente as
causas exteriores do aumento da nossa perfeição: é por termos chegado a
conhecê-las que somos mais perfeitos, e isso de um ponto de vista intelectual,
na medida em que essa perfeição releva do domínio do conhecimento. O
conhecimento das causas é aquilo a que Espinosa chama amor intelectual de
Deus, e não consiste, como entre os místicos medievais, no isolamento ascético
do corpo e das coisas do mundo para aceder a uma visão extática do absoluto,
mas no conhecimento mais rico e mais extenso das essências: quanto mais
coisas conhecermos na natureza, maior e mais perfeito será o nosso
conhecimento de Deus.
A perfeição do homem, a sua maior alegria, consiste pois no
desenvolvimento da sua potência natural, ou seja no uso do seu intelecto em
benefício da sua própria utilidade, e no estabelecimento de relações com os
homens, pois nada é mais útil ao homem do que o homem.
É o tema ao qual Espinosa se consagra no seu último escrito que ficou
inacabado, o Tratado Político: partindo da constatação de que os homens são
mais guiados pelas suas paixões do que pela razão, é necessário imaginar
artifícios institucionais pelos quais os governantes, quer o queiram quer não,
sejam espontaneamente levados a obrar pela segurança dos cidadãos ao
prosseguirem o seu próprio interesse. Aqui, é ao realismo do acutissimus
Machiavellus que se refere muito evidentemente Espinosa: não é ao elaborar
modelos racionais a priori mas ao partir do conhecimento da natureza humana
tal como no-la descreve a ciência intuitiva do terceiro género – bem como ao
agir, quanto ao resto, na base da experiência – que será possível identificar os
fundamentos do melhor Estado. Toda a forma de governo (monarquia,
aristocracia ou democracia), desde que seja habilmente organizada, é
susceptível de reduzir a esfera da potência privada e de aumentar a da liberdade
comum. Compreender-se-á desde então que não é desejável determinar um
modelo universal que fosse válido para todas as nações e em todas as situações.
É assim à elaboração, para a Holanda, de uma constituição aristocrática rica de
potencialidades liberatórias, numa época em que a realização da democracia
parece comprometida, que se dedicará Espinosa neste último escrito, o qual no
entanto não renuncia à possibilidade de um modelo democrático. Mas qualquer
que seja o regime de um país, incluindo o regime monárquico, que porém
apresenta para Espinosa os maiores perigos e os maiores limites, o objectivo da
ciência política não é o de subverter as instituições, o que arriscaria a
provocação de um desencadeamento irracional das paixões colectivas. O papel
da ciência política consiste em elaborar instrumentos de controlo que
permitam, por um lado, dissipar as esferas de despotismo e, por outro, criar um
terreno propício ao desenvolvimento da liberdade pública graças à qual cada
vez mais homens conseguirão conhecer e realizar a sua natureza, atingir, por
outras palavras, a perfeição.
PAOLO CRISTOFOLINI

299 L. Strauss, «Comment lire le Traité théologico-politique de Spinoza», in id., Le testament de Spinoza.
Écrits de Leo Strauss sur Spinoza et le judaïsme, trad. francesa (do original alemão) de G. Almaleh et al.,
Paris, Cerf, 1991, p. 191-257.

300 Maimónides, Le Guide des égarés, trad. do árabe (para francês) por J. Wolf, Lagrasse, Verdier, 1979.

301 M. Bloch, Apologie pour l’histoire ou Métier d’historien, Paris, Armand Colin, 1997, p. 87-94.

302 B. Espinosa, Tractatus theologico-politicus, cap. V.

303 B. Espinosa, Ética, parte III, prop. 6.


John Locke

Locke (1632-1704) foi um membro da Universidade de Oxford, onde se


formou em Medicina, ligou a sua carreira ao primeiro conde de Shaftesbury,
lorde-chanceler de Inglaterra em 1672, seguiu-o na sua desgraça, viveu algum
tempo em Montpellier, frequentou o meio intelectual holandês e regressou a
Inglaterra no seguimento da Gloriosa Revolução de 1688, cujo espírito
defendeu através das suas obras surgidas logo a seguir. Não deu ao seu
pensamento a forma de um sistema. Ele consiste numa série de investigações
cuja maturação, jamais concluída, produz estratos sucessivos e que concernem
diversos objectos: o espírito, o conhecimento, a crença; a moral e a política; as
Escrituras e a religião. A filosofia de Locke nem por isso deixa de apresentar
uma unidade sistemática: a de um projecto que entende pôr um método
determinado ao serviço de uma única ambição. O método adoptado pelo
Ensaio sobre o Entendimento Humano304 é a história do espírito, no sentido
não de uma narrativa da formação deste, mas de um inquérito que descreva o
que nele se passa sem pretender penetrar-lhe a essência ou a natureza305. O seu
correlato é necessariamente uma certa reserva sobre as questões que tal método
não permita averiguar. É no «método histórico», e não numa convicção
fundadora como a de um céptico, que se encontra a razão do agnosticismo de
Locke a respeito do que são no fundo os espíritos, ou ainda a respeito do
detalhe da interacção entre o corpo e o espírito. Quanto à ambição, ela é
simultaneamente teórica e prática: se se identificar para cada sector do saber a
forma e o grau de racionalidade de que ele é capaz, saber-se-á o que é preciso
fazer para o levar ao máximo de racionalidade que lhe convenha. Tal ambição
supõe que o saber seja diferenciado e comporte zonas que sejam susceptíveis
de variadas formas e graus de racionalidade. Locke não entende apenas
delimitar o alcance do conhecimento em sentido estrito, mas enriquecer outro
tanto a nossa concepção do que é a racionalidade. A delimitação do
conhecimento que, na medida em que é «certeza», constitui certamente um
ideal, não é porém redução da racionalidade a esse conhecimento.
A racionalidade no plural: graus de conhecimento,
razões da crença
O conhecimento em sentido estrito é a ciência pela qual um objecto é
conhecido inteiramente. É o que Locke chama o «conhecimento científico306»,
que é realizado na matemática. Ao longo de todo o Ensaio, a aposta de Locke é
a de que a teoria moral é capaz de realizar tal exigência. Para além do
conhecimento, a crença, à qual se não poderia reprovar a não-realização do
ideal de uma ciência perfeita, tem a sua própria racionalidade. Trata-se daquele
aspecto do saber a que Locke chama «juízo» ou «opinião» e que se exerce
principalmente na aproximação físico-química dos corpos e das suas operações
e a propósito das coisas da religião. Na filosofia natural, Locke considera o
atomismo como a hipótese mais provável e mais fecunda para justificar a
constituição dos corpos. No entanto, o estatuto epistemológico que Locke
atribui a essa hipótese corpuscular é o mesmo que ele reconhece à fé religiosa
razoável. Nesse ponto, Locke rompe com o postulado cartesiano de uma
afinidade profunda entre o físico e o matemático. É verdade que o paradigma
da filosofia natural, a seu ver, se acha mais na química do que na mecânica.
As crenças religiosas, por seu turno, não são convicções irracionalmente
ancoradas em nós; são mais ou menos prováveis e nós somos responsáveis por
elas. Com efeito há razões verosímeis para crer e é um dever moral, aos olhos
do Criador que nos dotou de tal capacidade, «bem governar o nosso
assentimento307» e, mais geralmente, empregar cientemente as nossas
faculdades. Os principais problemas práticos que motivaram o trabalho de
Locke prendem-se precisamente com a dificuldade dessa regulação da crença.
O fanatismo e a intolerância ilustram as consequências de uma carência nesse
domínio. O intolerante substitui à discussão legítima sobre as razões de crer,
que constituem aquilo em que uma crença normalmente se baseia, uma
inaceitável pretensão para reger arbitrariamente a crença de outrem, como se
esta pudesse basear-se noutra coisa308. O fanático pretende dispensar-se a si
mesmo de todo o exame das razões para crer. Ele ignora que a fé precisa de
probabilidades, tal como o conhecimento, no seu domínio, precisa de provas
demonstrativas.
O conhecimento consiste com efeito na percepção do acordo (ou do
desacordo) entre ideias309, o que constitui a proposição310. Quanto à crença, ela
é uma presunção do acordo ou do desacordo. Conhecimento e crença são assim
as duas maneiras pelas quais nós temos por verdadeira ou falsa uma
proposição311. Esse «ter por verdadeiro» não é arbitrário, mas baseia-se seja na
evidência interna da proposição – estamos então perante uma certeza intuitiva
–, seja noutras considerações que situam a proposição num contexto de
raciocínio ou de experiência. No caso da crença, deve notar-se que ela nunca se
baseia numa evidência interna da proposição, mas sempre num contexto. Deste
ponto de vista, o fanatismo aspira a uma espécie de intuição num sector que a
não suporta.

As ideias, as proposições e as coisas


Uma proposição é constituída por ideias que estão colocadas numa relação
de acordo ou de desacordo. Locke chama «ideia» a «tudo o que é objecto do
entendimento quando o homem pensa»312. Para que x seja uma ideia, não é
necessário que x seja de uma natureza particular, basta que o espírito se ocupe
a seu respeito. Sendo um objecto que está imediatamente sob os olhos do
espírito e sobre o qual este pode operar, a ideia não pode ser concebida como
um acto mental313. Para além das ideias, em certos casos, existem coisas às
quais não temos acesso directo, mas em direcção às quais certas ideias
apontam. Sabemos que tais coisas existem nomeadamente através dos efeitos
que elas têm sobre nós e especialmente na medida em que elas causam as
nossas ideias. O agnosticismo faz-se acompanhar de um realismo causal
indirecto.
As ideias distinguem-se em ideias simples, em ideias complexas de modo ou
de substância, em ideias de relação e em ideias gerais. Cada um destes tipos de
ideias corresponde a uma operação particular do espírito. O tipo de operação
que dá origem à ideia simples é a afecção passiva; para a ideia complexa, é a
combinação; para a de relação, a comparação; e para a ideia geral, a abstracção.
A percepção do acordo ou do desacordo entre ideias, na qual consiste o
conhecimento, pode ser intuitiva, demonstrativa ou sensitiva. Esta análise
supõe que o espírito tem a capacidade de voltar a sua atenção para as suas
próprias operações e de ter a partir delas ideias de reflexão. É por isso que o
«método das ideias» não poderia apoiar-se nas meras sensações.
Locke foi acusado por Stillingfleet, bispo de Worcester, de ser céptico nos
planos epistemológico e teológico. Se toda a certeza se baseasse em ideias,
estaríamos frequentemente em incerteza. De acordo com a Segunda Resposta
ao Bispo de Worcester (1699), esta objecção confunde a questão da certeza
com a da extensão do conhecimento. Locke precisa que um «pequeno
conhecimento é ainda um conhecimento, e não cepticismo». Se a razão puder
ser assemelhada a uma candeia, esta poderá iluminar uma escassa zona, mas o
suficiente para que nesta se veja com clareza.
A definição do conhecimento como percepção (ou da crença como
presunção) de um acordo ou de um desacordo entre ideias não limita o seu
alcance aos seres dos quais temos ideias. Sabemos que certas coisas são, sem
sabermos o que elas são. Por exemplo, a crença na existência dos anjos é
altamente provável, na medida em que é garantida pela Revelação e também
porque a admissão de uma imensa variedade de espíritos seria coerente com
aquilo que a experiência nos ensina acerca da imensa variedade dos corpos314.
Além disso, «tudo o que nós conhecemos ou cremos é uma proposição315». Ora
nenhuma proposição pode ser formada sem que pelo menos duas ideias nela
estejam juntas ou separadas. Isso responde à objecção de Stillingfleet, visto que
se somos capazes de ter por verdadeiras proposições a respeito de coisas que
não conhecemos, teremos de ter devido a isso as ideias que formam tais
proposições. Locke tende assim a fazer das ideias ingredientes da proposição e
a transformar a proposição em verdadeiro objecto da crença ou do
conhecimento. Neste ponto, ele não é tanto o filósofo das ideias como o da
proposição.

Verdade e realidade
Como concebe Locke a verdade de uma proposição e mais geralmente o
acordo das ideias e das coisas? Sob a sua pena, em certos casos, como no das
proposições que enunciam as propriedades das noções matemáticas, é o acordo
entre as próprias ideias que assegura a verdade. Noutros casos, como quando as
proposições mobilizam as nossas ideias das substâncias, a verdade consiste na
conformidade do acordo enunciado pela proposição com o acordo entre as
coisas para as quais as ideias apontam. A questão da adequação das ideias, ou
seja das relações delas com as coisas, muda por inteiro consoante tenhamos de
lidar com um ou outro tipo de ideias. Ela é complicada em superior grau
quando juntamos à consideração das ideias a das palavras – objecto do livro III
do Ensaio: com a distinção entre proposição verbal e proposição mental, o erro
pode situar-se também ao nível da articulação destas.
Em regra geral, as ideias são adequadas quando representam perfeitamente
os seus modelos316. Mas, como sempre em Locke, há que desconfiar das
generalidades e considerar a questão caso a caso. As ideias simples não são
adequadas senão no sentido em que, pela sua ocorrência, indicam a existência
de qualquer coisa que as causou sem nos informar acerca da sua natureza. As
sensações são adequadas à existência – e não à essência – de poderes que as
coisas têm de as causar e que Locke, no seguimento do químico Robert Boyle,
denominou «qualidades segundas317». Quanto às ideias complexas de modo e
às ideias de relação, cujos exemplos mais imediatos são as noções matemáticas,
elas são plenamente adequadas, mas num sentido bem diferente. Como são
construídas pelo espírito, essas ideias são para si mesmas os seus próprios
modelos. Finalmente, no caso das ideias de substância, há um afastamento
muito grande entre a ideia e a coisa, embora essas mesmas ideias comportem
como que a pretensão de descrever as coisas.
Podemos justificar de duas maneiras muito diferentes as ideias de substância,
segundo as acompanhemos pela pressuposição de uma essência real, ou as
analisemos como uma colecção de ideias simples. A essência real é a
constituição interna da coisa318, mas devemos constatar com Locke que ela não
é objecto de conhecimento. Na segunda concepção, as ideias dos corpos são
compreendidas como colecções de propriedades, cuja coexistência num mesmo
sujeito constatamos. Esta concepção baseia-se na essência nominal, ou seja na
significação do termo expresso na sua definição – mas a consideração dela não
nos dá acesso à realidade da coisa e não nos permite compreender como
surgem as propriedades desta, embora elas devam ter um fundamento real.
Deve pois existir uma relação entre a essência real de uma coisa e as
propriedades que detectamos nela e que nos servem para a definir
nominalmente, mas ignoramo-la no seu detalhe. É por isso que «todas as
nossas ideias complexas das substâncias são imperfeitas e inadequadas319».
Quando tratamos dos objectos matemáticos, a essência real é por nós
conhecida imediatamente e ela é a razão da conexão natural entre as ideias. A
matemática incarna o ideal de um conhecimento adequado, mas não é o
conhecimento de outra coisa senão as construções do espírito. Quando nos
voltamos para as ideias das substâncias, não conhecemos a essência real da
coisa, da qual decorrem as propriedades e que determina as relações e os
efeitos delas320. À falta de uma «ciência perfeita», podemos no entanto ter uma
opinião provável do quadro geral da explicação. Para isso, recorremos ao
modelo corpuscular. Resta uma hipótese, mas que temos bons motivos para
adoptar, em particular porque ela se apoia comodamente numa analogia entre
as propriedades microfísicas que nos escapam e as propriedades macrofísicas
que podemos observar.
Empirismo ou racionalismo?
Devemos situar a filosofia de Locke em relação ao empirismo, sem minorar
os seus aspectos racionalistas. Isso equivale a precisar o alcance da célebre
crítica do inatismo, que é objecto do primeiro livro do Ensaio relativamente ao
projecto geral de Locke. Os platónicos de Cambridge afirmavam que todo o
conhecimento é reminiscência: o espírito, quando conhece, alimenta-se do seu
próprio fundo. Uma primeira maneira de compreender a rejeição do inatismo
consistiria em dizer que, se o conhecimento deriva da experiência sensorial, é
preciso então rejeitar o princípio das ideias inatas. Não haveria ideias inatas
pois todas as ideias seriam factícias e adventícias. Se essa hipótese,
frequentemente atribuída a Locke, fosse a boa, o Ensaio deveria então ter
começado pelo livro ii, que expõe a origem das ideias. O argumento
efectivamente adoptado por Locke consiste em dizer que não há ideias inatas
porque a teoria inatista é incoerente e inútil. A sua rejeição não assenta de
forma determinante na tese de uma origem empírica do nosso conhecimento,
que não passa de um argumento entre outros321. Consideremos a proposição «o
branco não é o negro» ou «um quadrado não é um círculo»322. A interpretação
empirista consistiria em dizer que os termos da proposição são tirados da
experiência sensorial e que a própria proposição é uma cópia de uma
experiência anterior. Para Locke, uma proposição desse tipo não é inata, não
pelas razões invocadas pelo empirismo, mas porque o nosso conhecimento
dessa proposição não assenta em conhecimentos inatos, mas simplesmente na
nossa faculdade de intuição. Da mesma maneira, a proposição «Deus existe»
não é inata, não porque a ideia de Deus derive de dados sensoriais, mas porque
essa proposição é objecto de um conhecimento demonstrativo. Sem subscrever
uma tese empirista que reduzisse o conhecimento à experiência sensível ou ao
hábito, Locke subscreve inegavelmente uma tese empirista sobre a origem das
ideias. Mas não é esta tese que motiva a sua rejeição do inatismo, antes uma
outra, racionalista, que se prende com a natureza do conhecimento: ele é
percepção (intuição, demonstração, ou conhecimento sensitivo) de uma
proposição que consiste num acordo ou desacordo entre ideias. A quantidade
de ideias simples directamente oriundas da experiência não basta, aliás, para
constituir o conhecimento; deve acrescentar-se-lhe o «exercício da faculdade
discursiva», o «uso da razão»323.

O conhecimento das normas


A questão do inatismo em moral não se coloca nos mesmos termos que em
matéria teórica. Ainda que a existência de um consentimento universal jamais
seja a prova do inatismo de uma proposição, é notável que um tal
consentimento, que podemos encontrar no caso de certas proposições teóricas,
não tenha equivalente nas proposições normativas. Basta observar a
diversidade dos costumes e das sociedades. Esta observação não conduz ao
cepticismo, mas à conclusão de que as verdades morais não são evidentes. Com
efeito, Locke não duvida da existência de regras morais verdadeiras. Pelo
contrário, algumas dessas regras são para ele tão verdadeiras quanto os
teoremas, ou seja as verdades demonstradas. Ainda aqui, o que permite refutar
o inatismo é a tese segundo a qual um conhecimento intuitivo ou demonstrativo
não se baseia numa quantidade de noções depositadas num mundo inteligível
para o qual o espírito se devesse voltar. É por as regras morais serem
demonstráveis que elas não podem ser inatas. Além disso, «não existe uma
única regra moral para a qual não estejamos justificados em exigir uma
razão324». O inatismo em moral é ainda mais perigoso que o inatismo na teoria,
pois ele dispensa a justificação das condutas. Pelo contrário, se uma verdade
moral é demonstrável, devemos fazer o esforço de descobri-la por meio de um
«exercício do espírito325». Não esqueçamos que a nossa primeira
responsabilidade moral se situa no uso que fazemos das nossas faculdades.
Na psicologia moral de Locke, é preciso distinguir o nível das regras do dos
motivos. O que motiva a acção não é a própria regra, mas o desejo da
felicidade e a aversão à infelicidade326, que podem ser reduzidas ao desejo do
prazer e à aversão à dor327. As regras indicam como se deve agir, mas não nos
levam a agir. O respeito prático por elas não é a mesma coisa que a
compreensão delas. Ele assenta nos aguilhões do prazer e da dor, na medida em
que a motivação se prenda com a perspectiva de sanções positivas ou negativas
– assinalemos, de passagem, que reside aqui a razão do interesse de Locke pela
questão da identidade pessoal328, uma vez que as sanções, para serem justas,
supõem a identidade da pessoa em causa através do tempo. Há uma parte de
hedonismo na concepção da motivação da acção prática, embora Locke não
faça do prazer o critério do bem moral. O valor depende de uma regra.
As noções morais são com efeito relativas, uma vez que só podemos avaliá-
las relativamente a uma regra329. As regras são de três tipos: reveladas por
Deus ou descobertas pela razão («lei de natureza», dita ainda «lei divina»);
impostas pelo magistrado (lei civil); ou ainda operando de maneira implícita
através dos códigos de conduta dominantes (lei de opinião). A distinção entre
os três tipos de regras permite conciliar o universalismo da lei divina, no
sentido em que esta se dirige a todos, com o relativismo da lei de opinião ou da
lei civil. Os nossos juízos morais em situação tanto estão relacionados com os
nossos preconceitos como com um ingrediente universal. Os ensinamentos dos
três tipos de leis não coincidem necessariamente. Uma das vantagens desta
tripartição é que tanto se evita a teocracia como o moralismo e se reforça o
pluralismo que torna a tolerância indispensável.
Além disso, segundo a concepção voluntarista subscrita por Locke, a lei
supõe um legislador que a quis330. No caso da lei divina, que me recomenda
que conserve tanto os outros homens como a mim mesmo331, a existência do
legislador é demonstrável, mas a dedução da lei divina é problemática. O
Ensaio sobre o Entendimento Humano só muito parcialmente realiza a sua
ambição de atingir o conhecimento científico no campo da moral. O capítulo
10 do livro IV procede efectivamente à demonstração da existência do
legislador recorrendo a uma variante da prova cosmológica. Mas será uma
demonstração da lei divina no seu conteúdo? Esta norma é a mais elevada no
sentido em que ela pode virtualmente ser descoberta pela razão porquanto é
actualmente objecto de uma revelação pela Escritura. Mas Locke acaba por
afirmar que a instrução do Evangelho, sendo a mais clara, é, para a maioria dos
homens, mais segura do que aquela que pudesse ser trazida por uma
demonstração. Como que numa espécie de retractação, que é também uma
denúncia de toda a interpretação hiper-racionalista do seu pensamento, Locke
escreve o seguinte no seu Cristianismo Razoável (1695):

A filosofia parece haver esgotado as suas forças e haver feito tudo o que lhe era possível. Se ela
tivesse ido mais longe do que aquilo que constatamos, e se a partir de princípios incontestáveis ela
nos houvesse dado uma ética na forma de uma ciência semelhante à matemática, demonstrável em
todos os pontos, mesmo isso não teria sido eficaz para o homem na sua condição imperfeita, nem
teria constituído um remédio apropriado332.

LAURENT JAFFRO

304 O projecto de redacção começa em 1671. A primeira edição surge em 1689. Terá quatro edições
durante a vida de Locke.

305 Ensaio sobre o Entendimento Humano, I, 1, 2.

306 Ibid., IV, 3, 26.

307 Ibid., IV, 17, 24.


308 Ver Lettre sur la tolérance et autres textes, ed. J.-F. Spitz, Paris, Flammarion, «GF», 1992.

309 Ensaio, op. cit., IV, 1, 2.

310 Ibid., IV, 5, 2.

311 Ibid., IV, 14, 4.

312 Ibid., I, 1, 8.

313 Locke não segue Descartes e Arnauld neste ponto. Sobre a querela das ideias, ver N. Jolley, The Light
of the Soul. Theories of Ideas in Leibniz, Malebranche, and Descartes, Oxford, Clarendon Press, 1990.

314 Ensaio, op. cit., IV, 3, 27.

315 Segunda Resposta a Stillingfleet.

316 Ensaio, op. cit., II, 31, 1.

317 Ibid., II, 8.

318 Ibid., III, 6, 6.

319 Ibid., II, 31, 11.

320 Ibid., IV, 3, 29.

321 Ibid., I, 2, 23.

322 Ibid., I, 2, 18.

323 Ibid., I, 2, 15.

324 Ibid., I, 3, 4.

325 Ibid., I, 3, 1.

326 Ibid., I, 3, 3.

327 Ibid., II, 21, 42.

328 Ibid., I, 27.

329 Ibid., II, 28.

330 Ibid., II, 28, 5.

331 Segundo Tratado da Governação, II, 2, 6.

332 J. Locke, The Reasonableness of Christianity, cap. XIV, ed. J. C. Higgins-Biddle, Oxford, Clarendon
Press, 1999, p. 157.
Nicolau Malebranche

Exacto contemporâneo de Luís XIV, o oratoriano francês Nicolau


Malebranche (1638-1715) desenvolve uma filosofia que o situa na charneira da
idade clássica e do século XVIII. Bebendo das duas fontes maiores que foram
Santo Agostinho e Descartes, este filósofo exerceu contudo sobre as Luzes
europeias uma influência tanto mais profunda quanto multiforme e difusa. Se
teve poucos discípulos, Malebranche teve em compensação numerosos leitores,
que viram nele um dos grandes escritores de uma época em que estes não
faltavam. Embora o seu pensamento pertença àquela que já foi chamada a «era
dos sistemas», os seus diversos elementos serão rapidamente desmembrados,
ao ponto de fornecerem material tanto aos defensores do cristianismo como aos
da religião natural, ou mesmo a pensadores mais ou menos explicitamente
ateus.
Oriundo de uma família da burguesia parlamentar, o jovem Malebranche,
cuja saúde sempre permanecerá frágil, faz quase todos os seus estudos na casa
paterna, e só aos dezasseis anos é admitido no Colégio de La Marche. Após
haver estudado teologia na Sorbonne de 1656 a 1659, o jovem entra no
Oratório a 18 de Janeiro de 1660; a partir de então passará a maior parte do seu
tempo em Paris, à excepção de algumas viagens às residências provinciais da
congregação.
É durante 1664 que Malebranche é ordenado padre e se converte à filosofia,
e muito especialmente ao cartesianismo, ao descobrir por acaso, durante um
passeio no Quartier Latin, o Tratado do Homem de Descartes que acabara de
surgir. Postulando o mecanismo e a estrita distinção entre a alma e o corpo,
esse tratado de fisiologia é acompanhado por diversos textos e comentários dos
seus editores (Claude Clerselier e o médico Louis de La Forge) que, com
intenção apologética, insistem no valor religioso e na fecundidade científica da
filosofia nova.
Após dez anos de leitura e de trabalho, Malebranche publica em 1674 e 1675
Da busca da verdade onde se trata da natureza do espírito do homem e do uso
que este deve fazer dele para evitar o erro nas ciências. Pela espantosa
profusão dos temas abordados, a Busca inclui numerosos desenvolvimentos
que não voltaram a ter equivalente nas obras posteriores de Malebranche. A fim
de dar ao seu pensamento uma forma mais acessível e condensada, o oratoriano
inaugura em 1677 com as Conversações Cristãs o género do diálogo filosófico,
que lhe continuará a ser caro. A Busca é enriquecida em 1678 com um terceiro
volume de Esclarecimentos que retornam às questões principais, não sem
inflectir já as perspectivas. Ao precisar, no décimo Esclarecimento, os
contornos do seu racionalismo, Malebranche ultrapassa uma etapa decisiva no
processo de reforma do cartesianismo, e prepara a anexação de novos
territórios à filosofia. Contra Descartes, que declara Deus incompreensível por
Ele criar livremente as verdades eternas (lógicas, matemáticas e éticas),
Malebranche assegura que o homem participa imediatamente na razão incriada,
divina e universal, razão à qual o próprio Deus se conforma no acto criador e
na governação do mundo ao agir «pelas vias mais simples».
Com a publicação em 1680 do Tratado da Natureza e da Graça, a filosofia
malebranchista apropria-se das questões que, em parte, continuavam a ser até
então apanágio da teologia. Embora sobrenatural, o dom da graça nem por isso
deixa de obedecer a leis análogas às que regem a natureza material e os
espíritos nas suas operações naturais. A década que se inaugura verá surgir as
outras obras principais de Malebranche, das Meditações Cristãs (1683) ao
Tratado de Moral (1684) e à imponente síntese que constituem as Conversas
sobre a Metafísica e sobre a Religião (1688). É também nessa época que
começa a longa e intensa polémica entre Malebranche e António Arnauld,
inquieto com as consequências teológicas do Tratado de 1680 e descontente
com o que julga ser uma traição do cartesianismo. Pelo seu âmbito
propriamente filosófico (a questão da origem e da natureza das nossas ideias),
esta polémica lança uma nova luz sobre a questão da representação e da
intencionalidade dos actos cognitivos. O debate refere-se essencialmente à
questão de saber se a concepção cartesiana da ideia como modo do espírito
pode justificar o conhecimento de objectos eternos e infinitos.
Como testemunham as suas obras matemáticas, os seus trabalhos sobre o
movimento e a sua polémica com Leibniz a esse respeito, a sua nova teoria das
cores exposta no último Esclarecimento ou as suas pesquisas relativas à
impossibilidade da geração espontânea, Malebranche foi um actor importante
da vida científica do seu tempo, o que lhe valeu ser eleito para a Academia das
Ciências em 1699. Os últimos anos da sua vida testemunham uma actividade
sempre mantida, marcada nomeadamente pelas reedições das suas principais
obras, que Malebranche retoca à medida das evoluções do seu pensamento.

Há provavelmente várias maneiras de se ser cartesiano. Para os


contemporâneos de Malebranche, o autor do Discurso do Método permanece
mais actual que o das Meditações Metafísicas. Descartes mantém-se
excepcional entre todos os filósofos, pelo seu esforço para romper com o
método, e portanto com a visão do mundo dos seus antecessores escolásticos.
No momento de concluir a sua primeira obra, Malebranche, que acaba de
dirigir firmes críticas à física de Descartes, resume assim os princípios da sua
atitude: «Confesso porém que devo ao senhor Descartes ou à sua maneira de
filosofar os sentimentos que oponho aos dele, e a audácia de os retomar333.»
Jogando com o duplo sentido do termo, Malebranche vai retomar (no sentido
de uma adesão ou de uma repetição) o método para melhor retomar (no sentido
de uma emenda) certas teses metafísicas e físicas. É portanto graças ao método
cartesiano que é retomada em novos moldes a questão do fundamento dos
conhecimentos humanos. De Descartes, Malebranche herda a eliminação do
provável, a confiança na evidência das ideias claras e distintas334 e a afirmação
da autonomia da razão; como ele, recusa a precipitação e desconfia dos
preconceitos. O campo próprio de competência do filósofo e o do teólogo
acham-se assim bem definidos e nitidamente delimitados. Enquanto o teólogo
adere pela fé a mistérios que não seria capaz de sondar e se baseia na
Revelação, na autoridade dos Pais da Igreja e no consenso da tradição, o
filósofo reivindica tratar, somente pelas forças do seu espírito e sem se
submeter em nada a uma qualquer tradição intelectual, todas as questões para
as quais se pode obter evidência335. Mas, como o filósofo é esclarecido pela
razão, que é igualmente a de Deus, ele não tardará a empreender sondar os
caminhos dela. Em última análise, filosofia e Revelação constituem os dois
modos distintos, mas afinal convergentes, pelos quais Deus se revela ao
homem.
A interrogação sobre o fundamento da verdade e a origem dos nossos
conhecimentos não poderia porém ser dissociada de uma análise concreta das
condições em que funciona o entendimento humano. Convém, para
Malebranche, não subestimar o facto de o homem ser composto de um espírito
unido a um corpo que pode perturbar – ou igualmente favorecer – o trabalho do
espírito. Antes de propor um método no seu último livro, a Busca empreende
assim a análise das múltiplas causas dos nossos erros, repartindo-os segundo as
diferentes faculdades do espírito (sentido, imaginação, entendimento). A
própria vontade, bem como os múltiplos motivos que podem incliná-la para o
erro, são objecto de um estudo minucioso, a tal ponto é preponderante o seu
papel no juízo verdadeiro.
Contrariamente às de Descartes ou de Espinosa, e nisso se aproximando mais
do pluralismo leibniziano, as diferentes obras do oratoriano nem sempre
apresentam o mesmo ponto de partida. Enquanto a Busca privilegia o estudo
das faculdades do espírito e do seu funcionamento, as Conversas partem da
distinção entre a alma e o corpo para seguidamente afirmarem a tese dita da
«visão em Deus» das ideias. Pode-se porém entrar no «sistema» a partir
daquela que foi uma das suas intuições fundamentais: os seres criados, tanto os
corpos como os espíritos, estão, por natureza, desprovidos de todo o poder
causal. Por si próprio, o homem nada pode. Tal intuição, a um tempo metafísica
e religiosa, na medida em que desembaraça definitivamente a filosofia do
paganismo latente que comprometia o seu valor desde a Antiguidade, justifica
a concepção malebranchista da natureza, da antropologia, da teoria do
conhecimento, ou ainda dos principais aspectos da ética.
A concepção da causalidade desenvolvida por Malebranche releva
simultaneamente do desejo de glorificar Deus na natureza e de acatar sem
falhas o princípio das ideias claras e distintas. Se temos uma ideia clara e
distinta da matéria extensa e das suas propriedades (figuras e movimentos), não
poderíamos em compensação representar a causalidade que, por exemplo,
produz o movimento de um corpo quando um outro o toca. Daí se segue que a
causalidade não pertence aos corpos, cujos choques não passam de «causas
ocasionais» segundo as quais Deus, única verdadeira causa eficiente, produz os
movimentos na natureza. A ligação causal reduz-se à conexão constante e
invariável da ocasião (aqui, o choque dos corpos) e da potência causal, que age
observando constantemente as leis do movimento. A glória de Deus nunca se
manifesta melhor do que no curso regular e uniforme da natureza – algo de que
se recordarão os pensadores das Luzes.
O mesmo princípio explicativo permite superar a contradição com que se
confronta a antropologia cartesiana. Embora esforçando-se por estabelecer a
distinção real da alma e do corpo, Descartes nem por isso deixa de afirmar que
as duas substâncias estão realmente unidas na medida em que agem
reciprocamente uma sobre a outra. À maneira de Espinosa e de Leibniz, que
recorrerá à noção de harmonia, Malebranche vê nesta tese uma dificuldade cujo
ocasionalismo oferece a solução. Sendo a interacção real de duas substâncias
ontologicamente heterogéneas pelo menos tão ininteligível quanto a produção
de um movimento por um corpo, ele estende o princípio das causas ocasionais
ao domínio da união da alma e do corpo. Nesta perspectiva, o que tem lugar na
alma é a causa ocasional da produção por Deus das afecções corporais
correspondentes: assim, é Deus quem efectivamente ergue o nosso braço
quando nós o queremos. Reciprocamente, as afecções do nosso corpo são
causas ocasionais das modificações da nossa alma, tais como as sensações: não
é o espinho que efectivamente nos pica, mas Deus que nos afecta com uma dor
correspondente à lesão que o espinho produz na nossa carne. A união
psicofísica define-se portanto como um conjunto de conexões entre eventos
sem relação intrínseca, cuja correlação constante é assegurada pela vontade
divina.
Desprovidos de toda a potência causal, os corpos não poderiam afectar o
espírito, tal como o espírito não poderia produzir por si mesmo as suas ideias
quando está em presença dos corpos. A teoria do conhecimento obedece
portanto à preocupação de reservar a Deus o exclusivo da causalidade. Uma
vez que as ideias não residem no nosso espírito e que não provêm dos corpos,
resta que elas são vistas em Deus336. Segundo Malebranche, os caracteres de
necessidade, de infinidade e de imutabilidade que se ligam às ideias confirmam
a sua tese. Ao fazer isso, o filósofo entende oferecer uma solução para o
problema do conhecimento tal como Descartes o havia formulado: como
explicar que ideias nascidas connosco ou inatas, e definidas como os modos de
um espírito finito, possam representar objectos situados fora deste, ou fazer-nos
conhecer o infinito? Malebranche entende além disso procurar um fundamento
inabalável para o saber, ao colocar o nosso entendimento em contacto imediato
com as ideias, e portanto com a razão divina.
É assim preciso distinguir mais claramente do que Descartes as ideias, claras,
distintas e universais, e as sensações, sempre particulares e confusas, uma vez
que elas não nos informam da natureza dos corpos, mas antes da utilidade que
têm para nós.
A «visão em Deus» permite pois atingir ideias universais, arquétipos ou
essências das criaturas, tais como a ideia de matéria extensa, extensão que é
dita «inteligível» por oposição à extensão criada que, em si mesma, permanece
para nós perfeitamente invisível. O mesmo é dizer que não conhecemos tanto
as coisas como as ideias delas. Acedemos com efeito às ideias contidas no
Verbo divino, mas não às coisas existentes, que Deus produz e conhece na sua
mera vontade. A existência dos corpos não pode pois, em rigor, nem deduzir-se
das ideias, nem ser demonstrada racionalmente; ela será confirmada pela
Revelação, que ensina que Deus criou o mundo. O problema do conhecimento
do individual permanece colocado com acuidade, como testemunha, por
exemplo, a tese segundo a qual não temos nenhuma ideia clara da nossa
alma337.
A dependência cognitiva do homem em relação a Deus é redobrada por uma
semelhante heteronímia na ordem ética. Se o homem não é para si mesmo a sua
luz, como repete frequentemente Malebranche citando Santo Agostinho, ele
não é também a origem dos valores que devem orientar as suas acções. É em
Deus que vemos aquilo a que Malebranche chama ordem, ou seja a hierarquia
das perfeições divinas, a partir das quais as criaturas foram produzidas e são
mais ou menos dignas de amor. A moral dota-se assim de um fundamento
comparável ao das ciências teóricas. Mas os textos relativos à ordem revelam
uma dificuldade análoga àquela que assinalámos a propósito do conhecimento
dos seres singulares: com efeito continua a ser perigoso fundar uma ética
concreta a partir de uma ordem que hierarquiza perfeições necessariamente
universais. Consciente da dificuldade, Malebranche fará inflectir a sua moral
privilegiando, nos seus últimos textos, o sentimento de prazer, que se presume
mover mais eficazmente a vontade. Por meio de uma daquelas inversões que se
lhe tornaram habituais, o pensamento do piedoso oratoriano abrirá portanto
perspectivas aos teóricos de um hedonismo que nem sempre será cristão.
JEAN-CHRISTOPHE BARDOUT

333 De la recherche de la vérité, VI, segunda parte, cap. 9, OEuvres complètes, Paris, Vrin, «Bibliothéque
des textes philosophiques», 22 vols. surgidos desde 1958, vol. 2, p. 449; ed. J.-C. Bardour et al., Paris, Vrin,
2006, vol. 2, p. 402.

334 Ibid., I, cap. 2, § 4.

335 Ibid., I, cap. 3, § 2.

336 Ibid., III, II, cap. 6.

337 Ibid., III, II, cap. 7.


A ciência da natureza humana
Consciência, razão, afecto na idade clássica

Na alvorada da idade clássica, já não é tanto a razão mas a consciência aquilo


que define o homem: «Sei melhor o que é homem do que sei o que é animal,
mortal, ou racional. Para satisfazer uma dúvida, deram-me três338.» Tal como
Montaigne, o homem apreende-se a si mesmo como consciência. Descartes
retomará o argumento:

O que é um homem? Direi eu que é um animal racional? Decerto que não, pois seguidamente
seria preciso procurar o que é um animal, e o que é ser racional, e assim a partir de uma única
pergunta cairíamos insensivelmente numa infinidade de outras mais difíceis e embaraçosas339.

As razões de uma tal mutação340 são numerosas, mas todas se exprimem na


desqualificação da lógica aristotélica, que compreendia o real sob os géneros e
as suas diferenças específicas. Um tal distanciamento procede, em Montaigne,
de um cepticismo que, prendendo-se com a língua, atinge a razão na sua
pretensão de dizer o ser: «Não temos nenhuma comunicação com o ser341.» A
partir daí, a pertença do homem ao mundo, e por conseguinte a relação feliz do
homem e do ser, tal como ela é mediatizada pela razão, perde a sua evidência.
Melhor, é a própria razão que se acha inquietada, pois na passagem do século
XVI para o XVII as obras contemporâneas de Montaigne, de Shakespeare e de
Cervantes transformam-na em possível loucura. Essa inquietação teórica é
partilhada por Descartes, que dela se alimenta. Já não se trata apenas de pôr em
causa a capacidade da razão para atingir a verdade, mas antes de afrontar a
possibilidade de a razão ser louca, ou seja de ela produzir um sistema de
ficções tão bem agenciado que não dispomos de qualquer meio de nos
emanciparmos dele. É por isso que cabe ao sujeito estatuir sobre a razão, e não
à razão determinar o estatuto do indivíduo. Antes de ser concedida à coisa, a
razão é o pensamento de um sujeito; juízo antes de ser conhecimento. Por isso
o pensamento, do qual a coisa agora carece, volta-se para si mesmo de maneira
a perceber que é ele que determina o valor da razão, que é por ele e para ele
que há objectos a pensar: será preciso portanto que a própria razão seja
fundada, garantida, assegurada; será preciso que, por seu turno, tal como os
sentidos, ela exiba os títulos que lhe atribuem o direito de estatuir sobre os seus
objectos.
Este primado da consciência implica que a articulação dos elementos
constitutivos do homem seja reconfigurada. Com efeito, quando a razão define
o homem, as paixões já não podem ser compreendidas senão como aquilo que
no homem participa ainda da animalidade, de uma maneira ou de outra. Mas
quando a razão não é mais do que uma faculdade entre outras – ainda que fosse
reconduzida como a mais digna e reconhecida como a única capaz de
transportar o edifício da ciência –, a paixão não pode ser simplesmente
determinada relativamente a ela, e de maneira negativa. A afectividade assume
então uma nova significação. Sozinha, ela permite à filosofia da consciência
escapar-se ao seu horizonte solipsista. Por estarem suspensas da reflexão, a
razão e os dados da sensibilidade surgem como aptos a jogarem plenamente o
seu jogo mesmo que o mundo não existisse. Em compensação, a afectividade
instala-nos imediatamente na relação com uma realidade exterior inegável. É
sempre possível dizer que não sabemos o que nos faz mal, nem como podemos
sentir o mal; é ocioso para o filósofo afirmar que a queimadura não está na
chama, nem mesmo, se quisermos, no seu corpo próprio, uma vez que, a bem
dizer, é a alma que sente. Para o dizer na linguagem do século XVII, cor e dor
estão, enquanto representações, situadas no mesmo plano. Mas, enquanto
sentimentos, as coisas são diferentes, pois o prazer e a dor significam
imediatamente para nós, por si mesmos, a nossa passividade, e por conseguinte
dão-nos a experimentar a presença irredutível de uma realidade exterior que
age sobre nós, qualquer que seja a sua natureza. Por isso, embora o ego se
tenha tornado o princípio do conhecimento (ou do desconhecimento), ele nem
por isso é a instância que define propriamente o ser humano: também Deus, ou
os anjos, dizem ego. Não é portanto o ego que faz o homem, uma vez que eu
não perderia nada desse ego, mas tudo da minha humanidade, se perdesse o
meu corpo. O homem não é a sua alma mas um composto de alma e de corpo,
pelo que não é tanto na pureza do sujeito pensante que o encontramos quanto
na interpenetração, impura e opaca à razão, da consciência e do afecto.

Da consciência ao desejo
O dualismo cartesiano da alma e do corpo faz da paixão (que se deve
entender no sentido lato de afecto, polarizado em prazer e dor) um objecto
teórico eminentemente original. Signos da minha corporeidade, as paixões nem
por isso deixam de ser sentidas na e pela minha alma apenas, pelo que são
espirituais nesse sentido. Não se deduzirá pois a paixão nem das leis da
mecânica, que regem integralmente o corpo, nem das propriedades de uma
alma que vivesse, sem a menor paixão, uma vida plena e inteira. Deste modo,
por mais paradoxal que isso possa parecer, o dualismo cartesiano, logo que sai
das suas paragens metafísicas e físicas para finalmente explorar o campo da
antropologia, faz da paixão o centro da sua definição de homem342. A união da
alma e do corpo, que se efectua na paixão, resiste à captação abstracta pelo
entendimento, e mesmo à apreensão imaginativa. Ela é mais sentida do que
pensada:

As coisas que pertencem à união da alma e do corpo não se conhecem senão obscuramente pelo
entendimento apenas, ou mesmo pelo entendimento auxiliado pela imaginação; mas conhecem-se
muito claramente pelos sentidos343.

Descartes opera assim uma revolução filosófica que faz do homem um ser de
paixão, definido pela sua passividade, pela sua relação com uma exterioridade
que se oferece mais na confusão do vivido do que na distinção do concebido. A
promoção da consciência faz do homem enquanto homem um ser de
sentimento.
Privado de toda a validade no que concerne o conhecimento metafísico e
físico, o sentimento rege integralmente o domínio da vida. A percepção
sensível não nos dá acesso ao real, sendo as representações que temos das
coisas determinadas não pelo que elas são mas pelo uso que delas temos. É o
útil e o nocivo, não o verdadeiro e o falso, que desenham e coloram as coisas,
tornadas objectos. A percepção sensível está submetida à lei do prazer e da dor,
e de todas as paixões que dela decorrem. A vida mantém-se, prossegue e
reforça-se sem que para isso seja necessário um saber racional, com a natureza
regulando o composto de alma e de corpo que nós somos. É por isso que as
paixões «são todas boas pela sua natureza344». A percepção sensível enquanto é
sentida, o prazer, a dor, as paixões preenchem uma função vital; são elementos
do vivente humano, que cabem à organização material do corpo na medida em
que esta deve absolutamente dispor um espírito que lhe é ontologicamente
heterogéneo a reagir em vista da preocupação que ele reclama: «A utilidade de
todas as paixões não consiste senão em que elas fortificam e fazem durar na
alma pensamentos, os quais é bom que ela conserve, e que, sem isso, poderiam
facilmente ser apagados345.» Pelas paixões, e a ordem inteira da sensibilidade,
o corpo e a alma pertencem-se mutuamente. Ora essa dupla pertença da
afectividade ao corpo e à alma não oferece solução antropológica ao problema
do dualismo metafísico senão reconduzindo o dualismo ao próprio interior do
cogito. É que na realidade o dualismo metafísico da alma e do corpo envolve a
desvalorização do corpo. Não foi somente em Berkeley que o corpo, no sentido
de uma realidade material qualquer (esta mesa diante de mim, mas também a
minha mão), desapareceu, foi em toda a filosofia clássica, incluindo a
materialista. Se com efeito entendermos pelo termo pensamento «tudo o que
está de tal modo em nós que dele somos imediatamente conscientes346», então
a existência dos corpos escapa inevitavelmente a toda a apreensão intelectual.
Segundo Descartes, não temos mais do que uma «grande inclinação para
crer347» que as nossas ideias de corpo venham de corpos que existam realmente
fora do espírito, e não é preciso menos do que a veracidade divina para fundar
a nossa confiança em tal pretensão. Malebranche radicaliza essa tese: o que a
sensibilidade me dá não é o corpo, mas uma simples modificação da minha
alma. Sentimos decerto o corpo, mas, justamente, o corpo sentido não é o corpo
real: «Nem o nosso corpo nem os das cercanias podem ser objecto imediato do
nosso espírito; não podemos aprender pelo nosso cérebro que ele exista
actualmente, e muito menos que haja corpos que nos cerquem348.» A existência
não é de todo vista, ela é apenas experienciada. Há portanto uma cisão radical
entre a ordem das ideias e a do sentimento. Essa pregnância da representação
opera igualmente entre os empiristas, e Locke terá o cuidado de fazer do nosso
conhecimento da existência das coisas materiais uma espécie à parte de
conhecimento, diferente daquela pela qual tanto temos a intuição da nossa
existência como da inferência que nos permite descobrir a de Deus349. Pode
portanto dizer-se que há um horizonte berkeleyano em todo o pensamento
moderno, até Hume e Kant. Certamente que, à parte Berkeley, para o qual
«esse est percipi350», todos afirmam que o corpo, na sua materialidade, existe.
Mas na realidade ele desapareceu efectivamente no plano teórico, uma vez que
não é captado na sua essência senão por representação, e que, quanto à
existência, esta é estabelecida pelo sentimento cego constitutivo do vivido. O
corpo não é portanto objecto de ciência senão na medida em que é
matematizado, ou seja determinado pela ideia da grandeza e das suas relações.
Quanto à alma, ela ordena o seu pensamento para a racionalidade nos domínios
físico e metafísico, e para o sentimento na esfera da vida. É de facto no interior
do ego que se joga a tensão entre evidência racional e evidência sentida. Ora,
se a alma pode sentir-se dona de si mesma no exercício da razão, não é esse o
caso na vivência do sentimento. Apesar da infinita diversidade dos seus
objectos, a razão procede por ideias claras e distintas, ao passo que o
sentimento releva do instinto, que o torna por natureza refractário à apreensão
intelectual, pelo que a consciência, como abrange toda a realidade, toma a seu
cargo a parte de opacidade que, outrora, relevava fosse da corporeidade animal,
fosse da parte inferior da alma.
Doravante, a consciência, por ser una, indivisível, integralmente espiritual,
recolhe em si todo o peso do ser, ainda que, princípio fundador, ela se torne
contudo sofrivelmente obscura, visto não poder justificar os seus conteúdos,
sobre os quais constata que lhe chegam de alhures ao mesmo tempo que ignora
o que eles poderiam ser fora dela mesma. Há aí um nó que seria preciso desatar
– ou cortar. O preço a pagar para fundar toda a ontologia na consciência está à
medida do paradoxo, uma vez que se trata de fundar a nossa relação com o ser
numa instância que escapa, ela própria, à lógica do ser. Com efeito, toda a
filosofia que faz da consciência a instância pela qual existe o ser se vê obrigada
a cindir o conhecimento em dois pólos: o pólo objecto (isto é uma mesa) e o
pólo sujeito (eu percebo a mesa, que não é mais do que a minha representação).
Ora o pólo sujeito é por natureza inobjectivável. Pois se eu abandono o objecto
para fazer da minha consciência que o vê o novo objecto do meu olhar, a cisão
reproduz-se: há a instância que observa e a instância observada. A consciência
jamais pode portanto captar-se a si mesma directamente; pior, nessa duplicação
reflexiva, ela perde de vista o objecto – doravante longe do olhar, focalizado no
trabalho da consciência –, sem com isso ganhar o novo objecto que deveria ser
para si mesma. A estrutura sujeito/objecto torna opaco o sujeito ao tirar
realidade ao objecto. O conhecimento acha-se assim inteiramente suspenso de
uma instância que só pode dar luz permanecendo ela própria na obscuridade.
O gesto pelo qual a consciência se torna princípio fá-la sair da ordem do
conhecimento. Por isso Descartes legara como tarefa aos seus sucessores
produzirem uma teoria da consciência que tivesse um conteúdo doutrinal, ou
pelo menos gnoseológico. Mas isso implicava que a consciência fosse
reintroduzida na natureza. A idade clássica não sairá dessa tensão, que a
dinamiza em profundidade. Ou então basear toda a nossa relação com o ser e a
razão – ou seja, também com Deus – na consciência, deixando-a pelo seu lado
fora do campo do conhecimento, ou então investir a consciência com o
conhecimento e, partindo do princípio de que o estava, constituí-la como
objecto. De facto, independentemente das intenções de uns e de outros, é esta
segunda alternativa que será escolhida pela maioria dos grandes filósofos. O
cogito havia dado a Descartes aquela evidência superior a partir da qual ele
formara a «regra geral351» para julgar tudo, uma vez que, ao reflectir sobre essa
evidência, ele não achara nada nela além da clareza e da distinção que o
haviam constrangido a dar-lhe o seu assentimento. Ora esses mesmos critérios
viram-se agora contra o cogito para mostrar que ele não é claro. Tal ataque,
dirigido de resto não tanto à consciência como à absolutização desta, assume
diversas formas no mundo filosófico após Descartes. É assim que Espinosa
naturaliza integralmente o homem ao fazer dele um ser cuja essência, tal como
a de todo o ser, é o esforço para perseverar no seu ser352. Quanto à consciência,
pelo simples facto da reinscrição do homem no campo da natureza, ela torna-se
mais um princípio de erro do que de saber. É com efeito por os homens terem
consciência do seu desejo embora ignorem as causas reais que os levam a
desejar que se crêem livres:

Os seres humanos têm a opinião de que são livres por estarem cônscios das suas volições e das
suas apetências, e nem por sonhos lhes passa pela cabeça a ideia das causas que os dispõem a
apetecer e a querer, visto que as ignoram353.

A importância acordada à consciência mede-se pelo grau de efectiva


ignorância que se tem de si. Leibniz, pelo seu lado, inscreverá o inconsciente
no próprio cerne da consciência, com a sua teoria das pequenas percepções354.
Mesmo num «cartesiano» como Malebranche, há uma destituição do cogito,
pois não temos nenhuma ideia de nós mesmos, mas somente um sentimento355.
Mas é sobretudo com a tradição empirista que a teoria da consciência irá
oferecer resultados espectaculares, pois ela destrói a própria pertinência da
noção de substância. Já com Locke, a substância é denunciada como um termo
vazio356, um termo quimérico que obsta à constituição da ciência, e
nomeadamente à compreensão do entendimento humano. Convém substituir
esse vocabulário oco pela determinação da essência nominal357 de uma coisa,
ou seja a colecção das suas qualidades sensíveis. Não mais do que o corpo, o
espírito não permite apreender a substância. Quando ele reflecte, descobre as
suas operações, não a natureza intrínseca do seu ser. O olhar filosófico,
orientado para a descrição, assume como tarefa escrever a história natural do
espírito, tratando-o no mero plano dos fenómenos358.
Apesar de tudo o que separa as suas filosofias, Malebranche e Locke
participam igualmente nesse grande movimento de naturalização do espírito.
Não se captando a alma mais a si mesma como um ser através da consciência,
são apenas as modificações dela que se tornam susceptíveis de serem
conhecidas. Ora a focalização do olhar sobre as maneiras de ser do espírito
realça aquilo que até então não fora teorizado, a saber o facto de que, no fundo,
o espírito é movido pelo desejo. Hobbes e Espinosa, pois também para eles o
espírito não era uma substância, tinham podido ver que ele é essencialmente
movimento, e que o desejo é a chave da sua compreensão. O que caracteriza o
espírito humano em Hobbes é, com efeito, que as suas representações são
encadeadas por associação, mas de tal maneira que, sem um desejo que lhe
oriente sub-repticiamente a concatenação, a rede de ideias permanece vaga,
errática, literalmente fantástica. É somente quando ela está orientada para um
fim, e além disso um fim prático, que a cadeia das representações é susceptível
de se racionalizar. A razão, como puro cálculo, não nasce senão pelo trabalho
do desejo359. Para ser diferente, a teorização espinosista nem por isso deixa de
propor a este respeito uma psicologia semelhante. As representações associam-
se em função do útil, e o sábio não difere do insensato senão por saber qual o
útil que lhe é próprio, e não porque escape à lógica pragmatista. Segundo
modalidades profundamente diversas, parece pois que à medida que o século
avança, e por uma influência de Hobbes ter vindo desfazer tardiamente o
triunfo cartesiano, a consciência, também ela já não captada em si mesma mas
nas suas operações, aparece como que dinamizada, do interior e sem o saber,
pelo desejo. Esse desejo chama-se «esforço» em Hobbes e Espinosa e, em
Malebranche e em Locke, «inquietação»360. Considerar a vontade ou o desejo
pelo ângulo da inquietação, é afirmar que só aspiramos ao bem na medida em
que temos consciência de sofrer de uma carência; é inscrever o valor na
consciência que temos de estarmos separados dele, e, por conseguinte, a
consciência no movimento pelo qual buscamos o objecto valorizado pela
carência. É pois a carência que anima o espírito, o facto de ele não ter o seu ser
em si mesmo, o que significa que na prática ele é ordenado e radicalmente
compreendido como estando inscrito na finitude361.

Nascimento da ciência do homem


Na passagem do século XVII para o século XVIII, as condições de emergência
de uma ciência do homem estão pois estabelecidas, uma vez que para conhecer
o espírito basta determinar as leis que regem a afectividade. É em meados do
século XVIII que o homem se torna explicitamente objecto de ciência. A tensão
entre consciência e saber, ou por outras palavras entre o homem como sujeito e
o homem como objecto da ciência, exprime-se então de maneira perfeitamente
visível. A antropologia de Buffon é reveladora a esse respeito. O mero facto de
estudar o homem no quadro de uma História natural testemunha o estado
avançado da objectivação do fenómeno humano. Resta que a análise por
Buffon da natureza do homem se inscreve no espaço dualista de um
cartesianismo vulgarizado: «Há uma distância infinita entre as faculdades do
homem e as do mais perfeito animal, prova evidente de que o homem é de uma
natureza diferente362.» Estando estabelecida a espiritualidade da alma, a
consideração do «homem interior» deve ser abandonada, e para o naturalista as
coisas só começam verdadeiramente com a «história do seu corpo363». Uma
ciência do homem de inspiração cartesiana, quaisquer que sejam a sua
preocupação com os factos e a sua emancipação da doutrina dita do animal-
máquina, não pode constituir-se como ciência total da natureza humana, porque
o espírito, remetido para a sua espiritualidade, escapa ao conhecimento. É
somente com Hume que a ciência do homem se liberta do duplo escolho do
«espiritualismo» (não se pode conhecer nada do princípio espiritual pelo qual
tudo é conhecido) e do «materialismo» (não se pode conhecer a natureza
humana senão inscrevendo-a na natureza). Com efeito o homem é para Hume o
ser pelo qual a natureza advém: não há natureza alguma fora da maneira pela
qual o homem se torna para si mesmo natureza humana. Destacados uns dos
outros, os materiais do espírito (as suas percepções – impressões e ideias) não
se ordenam num modo mental senão pelos laços que entre si tecem os três
princípios de associação que são a contiguidade, a semelhança e sobretudo a
causalidade (a mais rigorosa das relações). A associação das ideias fabrica
portanto antes de mais um sujeito364, e a realidade torna-se natureza porque o
espírito projecta a sua própria elaboração física para o exterior de si mesmo. A
natureza exterior, como totalidade regulada das coexistências e das sucessões
fenomenais, é pois efectivamente uma manifestação das leis psicológicas que
regem o espírito humano.
Mas se é de facto essa a condição do aparecimento de uma ciência total do
homem, ainda é preciso que esse objecto novo – o homem – seja susceptível de
ser apreendido. Ora o espírito não pode servir de objecto a nenhuma
experiência directa, nem mesmo a uma simples observação. Que ele se tenha
tornado um objecto a conhecer, deixa incólume a questão das modalidades da
sua apreensão efectiva. Locke já havia designado o problema: «O entendimento
semelhante ao olho faz-nos ver e compreender todas as outras coisas, mas não
se apercebe de si mesmo. É por isso que são precisos arte e cuidados para o
colocar a uma certa distância, e proceder de modo a que ele se torne objecto
das suas próprias contemplações365.» Nem por isso ele deixara de basear as
suas análises na instrospecção.
É Hume quem, em primeiro lugar, elabora o problema em termos que o
conduzem à solução. Antes da crítica comtiana da introspecção, Hume
compreende que esta é não só um instrumento pobre e susceptível de nos
enganar, mas também que ela é radicalmente nula no seu princípio. Pois o
próprio gesto pelo qual nos observamos a nós mesmos modifica aquilo que é
observado. É preciso pois sair de si para contemplar as obras do espírito, as
suas manifestações diversas na vida vulgar. Com efeito a reflexão perturba «a
tal ponto a operação dos meus princípios naturais que seria impossível tirar dos
fenómenos uma conclusão justa. Nesta ciência [do homem], temos de colher as
nossas experiências por uma observação prudente da vida humana, e tomá-las
tal como a conduta dos homens em sociedade, nos seus misteres e nos seus
prazeres, as fazem surgir no curso ordinário do mundo366». O espírito pode
agora tornar-se objecto de um conhecimento, mas o conteúdo desse
conhecimento será determinado pelo método, que comanda sempre a
constituição do objecto que atribui a si mesmo: apreendido nas suas obras, o
espírito não pode de todo surgir senão como um órgão integralmente prático.
De facto, com Hume, a razão é integrada como um momento da paixão. O
mesmo sucede com a própria inferência causal, a mais importante das relações.
Sem ela, o real reduzir-se-ia ao conjunto lábil das nossas percepções:
impressões actuais dos sentidos, recordações, ideias – nada que faça um
mundo. Portanto só a causalidade organiza os dados da experiência num
conjunto coerente que nos aparece como um mundo. Ora a inferência causal, e
com ela o raciocínio experimental que é a sua forma rigorosa e cientificamente
aceitável, está completamente interessada:

A questão de saber, entre os objectos, quais deles são causas e quais são efeitos, não poderia
apresentar o menor interesse se o conjunto das causas e dos efeitos nos fosse indiferente. Quando os
próprios objectos não nos afectam, eles jamais podem ganhar influência pela sua conexão; e é
evidente que, como a razão não é mais do que a descoberta dessa conexão, não pode ser por meio
dela que os objectos são susceptíveis de nos afectar367.

É toda a razão, tanto a científica como a comum, que se organiza em torno da


prática. A razão é então reabsorvida no instinto: «O próprio raciocínio
experimental, que partilhamos com as bestas e do qual depende toda a conduta
da vida, não é mais que uma espécie de instinto ou de força mecânica que age
em nós sem que o saibamos368.» Compreende-se a partir daí que a razão seja e
não deva ser mais do que a «escrava das paixões369»: ela pode muito bem
ensinar-me o que devo fazer para satisfazer a paixão, mas não poderia avaliar a
paixão em si mesma. Com efeito é sempre a paixão mais forte que determina a
minha vontade. Sucede simplesmente que, ao contrário do que crêem os
padres, os moralistas e os filósofos, as paixões mais fortes não são as paixões
violentas mas as paixões mais calmas, as que estão tão profundamente
enraizadas em nós que constituem o fundo da nossa natureza:

É evidente que as paixões não influenciam a vontade proporcionalmente à sua violência ou à


desordem que ocasionam no humor; mas, pelo contrário, que, quando uma paixão se torna um
princípio confirmado de acção e de inclinação predominante da alma, ela deixa de produzir nela,
vulgarmente, agitação sensível. Como tudo acaba por ceder à sua repetição insistente e à sua força
própria, a paixão dirige as acções e a conduta, sem encontrar oposição e sem a emoção que
acompanha naturalmente todas as suas irrupções. Devemos por conseguinte distinguir entre uma
paixão calma e uma paixão fraca; entre uma paixão violenta e uma paixão forte370.

Aquilo a que chamamos razão prática não é na realidade mais do que paixão
calma.
O mundo que a filosofia encontra em meados do século XVIII é um mundo
invertido: motivando a imaginação e a razão, o afecto determina a figura que o
mundo assume: o real fez-se meio. Vemo-lo muito claramente pela maneira
como o laço social é teorizado. A partir de Descartes, a paixão está na ordem
do dia: ela exprime mais do que perturba a natureza. As paixões já não são
apenas o lugar do afrontamento dos homens, mas também o da sua
socialização. Depois de Descartes, toda a ordem da sociedade se vê
progressivamente pensada segundo o modelo da instituição de natureza:
primeiramente com Malebranche, as relações afectivas familiares prolongam as
relações naturais que Descartes estabelecera entre o corpo e a alma371. Bayle
opera seguidamente uma verdadeira revolução teórica ao integrar no jogo da
natureza os preconceitos e as crenças mais irracionais372; é o conjunto do
mundo dos erros e das paixões que se acha explicado pela sua função de
conservação da sociedade. O ciúme, a vaidade, a necedade são necessários à
manutenção das sociedades humanas. Entre os jansenistas, o amor-próprio
fabrica uma sociedade comparável nos seus efeitos àquela que poderia fazer a
caridade se esta não desfalecesse373. O automatismo passional justifica a
permanência social. Ora, enquanto a naturalização do espírito conquista o
campo das relações sociais, a vontade emancipa-se de todo o fundamento na
natureza. A tensão, interna à consciência, entre actividade e passividade,
focaliza-se numa tensão entre a actividade passionalmente motivada e o acto do
querer.
Ao mesmo tempo que vê nascer o projecto de uma ciência da natureza
humana, ciência que se quer a si mesma naturalista nas condições
anteriormente vistas, a época clássica faz triunfar a vontade no campo moral e
político. Duas tradições se confrontam aqui, em função do papel que atribuem
ao querer. Em Hobbes, Espinosa, Locke e Hume, a vontade não é mais do que
o outro nome do desejo. Em Descartes, Malebranche, Rousseau e Kant, mesmo
quando que integraram uma naturalização dos afectos, tudo é deixado à
vontade livre. De resto, independentemente do estatuto metafísico atribuído à
vontade, o pensamento político constrói-se em torno do conceito de vontade, e
por conseguinte de obrigação374.
No mundo antigo, a filosofia política organizava-se em torno do problema do
saber específico requerido pela administração do bem público; no mundo
moderno, a filosofia política subordina o estatuto do saber político ao da
vontade. Esta mudança radical procede no essencial da herança cristã, que
havia constituído os indivíduos em pessoas, iguais em valor, e definidos como
livres pela sua vontade. Por outro lado, a viragem nominalista do direito375
fizera da vontade a instância suprema do espírito. Enfim, era inevitável que a
subordinação da razão à consciência se fizesse acompanhar por uma vitória da
vontade, que iremos encontrar em Rousseau e em Kant. Enquanto a razão se
mostrasse sob as feições tradicionais da própria sabedoria do mundo, a vontade
não podia de modo algum deixar de lhe estar subordinada. Mas logo que a
razão se torna uma maneira de pensar, ela própria compreendida no interior de
um quadro teórico geral da representação, a vontade emancipa-se e torna-se a
instância da autonomia, pois ela é sentida como o único lugar da actividade
pura. É pela vontade, não pelo entendimento, que nós somos deuses. A posição
de Rousseau é a esse respeito reveladora, pois se, quanto ao entendimento, os
homens não diferem dos animais senão em grau, já a vontade é própria deles:

Não é […] tanto o entendimento que faz entre os animais a distinção específica do homem
quanto à sua qualidade de agente livre. A natureza comanda todo o animal e a besta obedece. O
homem experimenta a mesma impressão, mas reconhece-se livre de aquiescer ou de resistir; e é
sobretudo na consciência dessa liberdade que se mostra a espiritualidade da sua alma: pois a física
explica de alguma maneira o mecanismo dos sentidos e a formulação das ideias; mas na potência de
querer ou antes de escolher, e no sentimento dessa potência, não se encontram senão actos
puramente espirituais, nenhum dos quais se explica pelas leis da mecânica376.

O homem é portanto antes de mais um ser de vontade, pelo que a síntese


antropológica fundadora não é mais a do saber e do querer, mas a da
consciência e da vontade. Uma autonomia real supõe que a vontade esteja
liberta da sua submissão à razão. O próprio Kant se permitirá integrar na sua
filosofia prática uma antropologia naturalista, uma vez que, enquanto
fenómenos, somos integralmente determinados pelas leis afectivas, que são leis
naturais, pelo que as nossas decisões são sempre determinadas pelo amor «de
si»377, enquanto considerados como númenos, permanecemos absolutamente
livres, ou seja capazes de agir no mundo por causalidade livre. E em Kant (mas
já em Rousseau, de maneira diferente), é a consciência que nos ensina
imediatamente a liberdade, pois só a consciência que temos do carácter
incondicional da lei moral nos dá um «facto de razão» a partir do qual devemos
postular a liberdade do querer.
Assim portanto, a época clássica é dinamizada por uma tensão teórica que
articula com dificuldade o ponto de vista da consciência e o do mundo. Essa
tensão cristaliza-se no papel predominante conferido à afectividade, como
espaço onde o espírito e o corpo se sintetizam, o que torna possível a
constituição do homem como objecto de saber. Mas a vontade pensada como
acto puro resiste à naturalização, e reivindica a iniciativa de uma actividade
livre. O século XVIII fecha-se sobre essa dupla exigência contraditória de
cientificidade e de liberdade.
Dois traumas encerram a época clássica: a Reforma378 e a Revolução
Francesa, entre as quais se disputa de maneira cada vez mais dramática a difícil
articulação do saber e da vontade. A modernidade, quando consente em não se
interrogar sobre o que é ser moderno, reconhece-se de bom grado a si mesma
como a conquista da autonomia científica, moral e política, ou seja como o
triunfo da consciência que coloca o mundo diante dela e no exterior dela, bem
como o projecto de um total domínio técnico e científico do mundo. O domínio
do mundo, que passa pela consagração de uma ciência tão racional como
experimental, não é de resto mais do que a figura da autonomia do sujeito
quando ele se debruça sobre a natureza, tornada seu objecto – ao mesmo tempo
sua propriedade e aquilo diante do qual ela se posta. Que se trate aí de uma
narrativa, já não é preciso demonstrar379, e não tem a menor importância, uma
vez que também as narrativas são forças históricas.
Era preciso que a autonomia se cristalizasse na instância da vontade e, na
medida em que a vontade excede absolutamente toda a natureza, que ela se
tornasse ao mesmo tempo um absoluto e um imperativo. Quando segue esse
caminho da vontade, a modernidade deseja inexoravelmente tornar o próprio
homem portador do seu querer. Tal como Deus criou o mundo em função da
sua vontade, também o homem deve criar-se em função da sua vontade. Se ele
é antes de mais e sobretudo vontade, deve instituir-se a si mesmo. Quando, no
século XVIII, a interdição de querer que havia sido imposta pelo pecado original
se achou completamente e definitivamente levantada, nada mais pôde impedir a
vontade de se tornar voluntarismo, e de fazer advir enfim a «natureza humana»,
quebrando a amálgama arbitrariamente construída pela multidão dos séculos. É
a linha voluntarista da antropologia incarnada por Descartes, Rousseau e Kant
que triunfa na Revolução Francesa. A outra linha, que fora traçada por
Espinosa, Montesquieu e Hume, subordina a vontade ao saber e procura
determinar precisamente o conteúdo dessa «natureza humana». Esta tradição
será por seu turno dominante nas recaídas do sismo revolucionário, pois o nexo
dos saberes que se constrói ao longo do século XIX antes da especialização
destes está centrado na questão das condições em que uma ciência natural do
homem pode firmar as decisões amadurecidas da vontade.
FRÉDÉRIC BRAHAMI

338 M. de Montaigne, Essais, ed. A. Tournon, Paris, Imprimerie nationale, 1998 e 1999, 3 vols., III, 13-
432.

339 R. Descartes, Méditations métaphysiques, II, Œuvres complètes, ed. de Ch. Adam e P. Tannery, Paris,
CNRS/Vrin, 1996 (doravante assinalado como AT, seguido do volume e da página), AT-IX-20.

340 Sobre a articulação do antigo e do moderno, veja-se a exaltante obra de R. Brague, La Sagesse du
monde. Histoire de l’expérience humaine de l’univers, Paris, Fayard, 1999.

341 Ensaios, op. cit., II, 12-434.

342 Veja-se D. Kambouchner, L’Homme des passions, Paris, Albin Michel, 1995.

343 À Élisabeth, 28 de Junho de 1643.

344 R. Descartes, As Paixões da Alma, art. 211.

345 Ibid., art. 74.

346 Texto modificado: a versão francesa propõe «cognoscentes» no lugar de conscii (Meditações, op. cit.,
AT-IX-124). Já para Montaigne, «mesmo as coisas presentes, só as temos por fantasia [representação]»
(Ensaios, op. cit., III, 9-326).
347 Meditações, op. cit., AT-IX-63.

348 N. Malebranche, VIe Éclaircissement, Éclaircissements sur la Recherche de la vérité, ed. J.-C. Bardout,
Paris, Vrin, 2006, p. 53.

349 J. Locke, Ensaio, 4, 11. Se não há nenhuma ligação necessária entre uma existência real e a ideia que
dela temos (§1), resta que não podemos impedir-nos de ser afectados pela visão do sol, ao passo que
podemos expulsar do espírito a ideia que dela temos (§5). Além disso, a sensação efectiva é acompanhada
de prazer ou de dor, o que já não é o caso da sua ideia (§6). Temos de facto fundamento para confiar no
nosso sentimento de que os corpos existem realmente fora da representação.

350 G. Berkeley, Notas Filosóficas, n.º 429.

351 Meditações, III, op. cit., AT-IX-27.

352 B. Espinosa, Ética, III, 7: «O esforço pelo qual cada coisa se esforça por perseverar no seu ser não é
mais do que a essência actual da coisa».

353 Ética, I, Apêndice.

354 Veja-se o seu prefácio aos Novos Ensaios: «Essas percepções insensíveis […] constituem o mesmo
indivíduo que é caracterizado pelos traços que elas conservam dos estados precedentes desse indivíduo,
fazendo a conexão com o presente estado dele.»

355 N. Malebranche, Da Busca da Verdade, III, II, 7, 4.

356 J. Locke, Ensaio sobre o Entendimento Humano, 2, 23, 2.

357 Ibid., 3, 3, 15.

358 Locke pretende examinar as faculdades do espírito «de uma maneira clara e histórica» (Ensaio, 1,
Antelóquio, § 2), ou seja fazer uma história natural do espírito.

359 T. Hobbes, Elementos da Lei Natural e Política, I, IV, 2.

360 N. Malebranche, Da Busca da Verdade, IV, 2, 1; Locke, Ensaio, 2, 21.

361 Isto não é válido para Malebranche, que só reabilita o movimento indefinido do desejo para ver nele o
signo de que o espírito, sempre insatisfeito, busca o bem em geral, ou seja Deus. Mas ele é o último grande
pensador da aspiração ao Bem e da graça.

362 G. L. Buffon, De l’homme, Paris, Maspero, 1971, p. 47.

363 Ibid.

364 Veja-se G. Deleuze, Empirisme et subjectivité, Paris, PUF, 1953

365 Ensaio, 1, Antelóquio, § 1.

366 D. Hume, Tratado da Natureza Humana, I.


367 Ibid., II.

368 D. Hume, Investigação sobre o Entendimento Humano, IX, 6.

369 Ibid.

370 Ibid.

371 Da Busca da Verdade, II, I, 7.

372 Nouvelles lettres critiques, Œuvres Diverses, II, 1727, nomeadamente Cartas 15 a 17.

373 P. Nicole, «De la charité et de l’amour-propre», Essais de morale. Choix d’essais, ed. L. Thirouin,
Paris, PUF, 1999.

374 Sobre este ponto veja-se o estudo decisivo de B. Bernardi, Le Principe d’obligation, Paris,
Vrin/EHESS, 2007.

375 Sobre este ponto veja-se a obra clássica de M. Villey, La Formation de la pensée juridique moderne,
Paris, PUF, 2003.

376 J.-J. Rousseau, Discurso sobre a Origem e os Fundamentos da Desigualdade entre os Homens.

377 E. Kant, Crítica da Razão Prática, exame crítico da analítica da razão pura prática (nomeadamente AK
V-94 e segs.)

378 R. Popkin faz da rejeição por Lutero da autoridade papal em matéria de fé o momento inaugural da
modernidade filosófica. Decerto que a consciência luterana não é a consciência de Rousseau nem de Kant,
pois ela não é critério senão quando é iluminada por Deus. Resta que, ao negar a autoridade do papa, Lutero
colocou a questão, que se haveria de estender a todos os domínios, do critério de verdade, forçando os
partidários da tradição a argumentarem a favor da tradição, ou seja a justificarem na razão a preeminência
da tradição, e portanto a saírem da esfera da tradição. Veja-se The History of Scepticism from Savonarola to
Bayle, Oxford, Oxford University Press, 2003.

379 Veja-se B. Latour, Nous n’avons jamais été modernes. Essai d’anthropologie symétrique, Paris, La
Découverte, 1991.
Gottfried Wilhelm Leibniz

Dois lugares comuns caracterizam frequentemente o pensamento de Leibniz.


Há o de um pensamento sistemático transportado por um sugestivo vocabulário
leibniziano (mónada, entre-expressão, harmonia pré-estabelecida) onde tudo
remete para tudo, e isso até ao infinito. Não o diz ele, de resto? «Cada porção
da matéria pode ser concebida como um jardim cheio de plantas, e como um
lago cheio de peixes. Mas cada ramo da planta, cada membro do animal, cada
gota dos seus humores, é ainda um tal jardim ou um tal lago.» (Monadologia, §
67) Um outro remete para a ironia mordaz de Voltaire contra o optimismo do
«cândido» defensor de uma harmonia pré-estabelecida, capaz de se acomodar
ao mal para defender a ordem do mundo, grande fazedor de hipóteses que
justifica até ao absurdo o «melhor dos mundos possíveis», insensível ao
sofrimento real, de que o terrível tremor de terra de Lisboa em 1755 é uma
ilustração póstuma380.
Afirmar que Leibniz foi uma figura excepcional da história do pensamento
não é correr grande risco. Dotado de uma erudição imensa, de uma inteligência
muito acerada e de múltiplos talentos, ele foi sucessivamente, e entre outras
coisas, historiador, diplomata, filósofo, jurista, matemático e lógico de génio,
conselheiro político, engenheiro e inventor de uma máquina de calcular.
Nascido a 1 de Julho de 1646 em Leipzig, é oriundo de uma família protestante
universitária onde recebeu uma educação precoce, fornecendo-lhe a biblioteca
paterna a matéria das suas abundantes leituras, e alimentando o seu eclectismo
e a sua erudição futura. O autor do artigo «leibnizianismo» na Enciclopédia,
em 1756, exclama o seguinte: «Perdeu o seu pai com a idade de seis anos, e a
sorte da sua educação recaiu sobre a mãe, mulher de mérito. Mostrou-se
igualmente habilitado a todos os géneros de estudos, e neles se empenhou com
o mesmo ardor e o mesmo sucesso. Quando caímos em nós e comparamos os
pequenos talentos que recebemos com os de um Leibniz, somos tentados a
deitar para longe os livros, e ir morrer tranquilamente no fundo de um qualquer
recanto ignorado.» Nasceu no final da Guerra dos Trinta Anos, naquela
Alemanha de meados do século XVII (Tratado da Vestefália em 1648) arruinada,
empobrecida, sangrada demograficamente, dividida tanto politicamente como
religiosamente: isso explica todos os ulteriores esforços de reconciliação de
Leibniz entre católicos e protestantes e a sua obsessão com a «concórdia».
Apesar de um doutoramento em Direito, não escolheu a carreira universitária e
pôs-se ao serviço do arcebispo de Mogúncia de 1667 a 1671. Fez uma estadia
em Paris de 1672 a 1676, o que lhe permitiu conhecer Malebranche, Arnauld e
Huygens. Estudou muito precisamente a obra de Pascal, o que alimentou a sua
invenção do cálculo infinitesimal em 1675. No caminho de regresso para a
Alemanha, detém-se em Amesterdão para conhecer Espinosa. Em 1676 aceita
o cargo de bibliotecário da família do duque de Brunswick, em Hanôver, que
conservará até à sua morte em 1716. Em nome das suas funções de
historiógrafo, fará uma importante viagem a Itália (1687-1690), que uma vez
mais alimentará as suas múltiplas pesquisas. No final da vida, participa na
fundação da Academia de Berlim (1700), mas apesar da sua audiência europeia
morre em Hanôver a 14 de Novembro de 1716, doente, desabusado e solitário.
Um ano depois ser-lhe-á prestada uma bela homenagem em Paris, por
Fontenelle, em nome da Academia de Ciências parisiense, da qual era membro
a título estrangeiro.
A filosofia leibniziana não se deu a conhecer de maneira imediata e igual por
todas as obras, nem por todas as épocas. Devem levar-se em conta essas
descontinuidades para se analisar a posteridade do pensamento de Leibniz. O
que se pode ler de Leibniz no século XVIII? Em França, o conjunto das suas
obras só está parcialmente difundido: podia ler-se a Teodiceia que ele publicara
ainda em vida, em 1714, e a Correspondência com Clarke (1717). Os Novos
Ensaios sobre o Entendimento Humano só estarão acessíveis em meados do
século XVIII nas duas edições de textos escolhidos, incompletas, as de Raspe
(1765) e de Dutens (1768). A Monadologia, embora escrita em francês, só será
editada em 1840, embora surja uma tradução latina em 1721. Os
enciclopedistas dedicam vários artigos à sua filosofia («leibnizianismo»,
«optimismo», «harmonia pré-estabelecida», «força viva»). Na Alemanha, a
difusão do seu pensamento é a um tempo evidente mas reinterpretada à luz de
Wolff, que lhe transforma diversos pontos da doutrina. À recepção lacunar das
obras somam-se polémicas ferozes acerca da invenção do cálculo infinitesimal
em 1675 e aquela a que também se chama a «querela das forças vivas», cujos
protagonistas são Leibniz e Newton obrando contra a física cartesiana. É
somente no final do século XIX e no início do século XX que as edições
completas de Gerhardt e a da Academia das Ciências de Berlim são
estabelecidas, oferecendo um panorama completo dos seus textos.

Metafísica e substância
A articulação entre metafísica, lógica, física, teologia e moral está presente
em toda a parte na sua obra, segundo modalidades em ruptura com a
epistemologia contemporânea. Leibniz não separa a metafísica dos restantes
domínios do saber e, mais do que isso, sendo Deus o princípio das coisas e dos
conhecimentos, metafísica e lógica não só se confundem entre si, mas também
se confundem com a teologia. Neste sentido, há nele uma jamais desmentida
conformidade da fé e da razão, ao encontro de alguns dos seus próprios
contemporâneos, como Descartes. As ciências particulares não são autónomas
em relação à teoria do ser e, de um modo mais profundo, o próprio método do
saber visa pensar essa interdependência: o mundo, objecto das ciências, deve
exprimir a realidade metafísica e teológica. Há uma constante preocupação de
unificação daquilo que parece díspar, e não há tema do conhecimento que se
ache desligado do conjunto do que é e do que ele deve conhecer. A
consequência de tudo isto é que existe efectivamente em Leibniz um
«sistema», a um tempo enciclopédia de todos os saberes possíveis e totalidade
fechada por um mesmo método, que é também um mesmo projecto, o da glória
de Deus manifestada em todas as coisas. Num sistema deste tipo, foi
frequentemente deduzido que o seu primado era na verdade a arquitectura,
decerto brilhante, em detrimento da sua evolução interna.
A imagem do sistema monadológico, onde cada parte remete para o todo e
vice-versa, é porém um ecrã para a captação do próprio sistema. Uma vez
constatado que Leibniz se repete frequentemente, o que é certo, deduz-se com
demasiada rapidez que ele diz sempre a mesma coisa, ao correr do tempo, ao
ponto de a sua própria escrita ser monadológica, tal como o seu sistema. A
Monadologia seria assim a forma e o conteúdo desse sistema de pensamento.
Ora, importa corrigir esta visão sistemática e arquitectónica percebendo a
evolução histórica interna do corpus, única maneira de respeitar o teor
conceptual deste. O primeiro paradoxo, e não dos menores, é que o termo
«monadologia» é muito pouco utilizado pelo próprio Leibniz, e não teve para
ele a função de resumir ou de sistematizar a sua metafísica: foi inventado pelo
editor Heinrich Köller em 1720, ao publicar a tradução alemã do opúsculo
muito classicamente intitulado Esclarecimento sobre as Mónadas. Neste
sentido, a monadologia não é um conjunto real, constituído por mónadas
numerosas e exteriores umas às outras; o termo só designa um discurso sobre
as mónadas381. Além disso, esse termo só interveio tardiamente na obra do
filósofo, a partir de 1696.
A cronologia dos textos acha-se pois recomposta, ou antes aprofundada. Um
primeiro conjunto, constituído nomeadamente pelo Discurso de Metafísica de
1686 e pela correspondência com Arnauld que a ele se segue, permite
estabelecer a «noção completa», primeira formulação conseguida da entidade
ontológica fundamental. Um segundo conjunto, que vê surgir o termo
«mónada», elabora-se graças às renovadas reflexões de Leibniz sobre a noção
de força física, ou seja é exactamente contemporâneo da constituição da sua
«dinâmica». Este segundo momento compreende o Sistema Novo da Natureza
e da Comunicação das Substâncias (1695), onde a citação do termo «mónada»
continua a ser alusiva, o Da Produção Original das Coisas Tomada na Sua
Raiz, o Ensaio de Dinâmica e o Da Natureza em si Mesma (1698). Enfim,
torna-se possível falar de monadologia na Monadologia de 1714, nos
Princípios da Natureza e da Graça de 1715-1716, na Correspondência com
Clarke, mas também na Teodiceia, surgida em 1710 e único livro de filosofia
que Leibniz publicou durante a sua vida.
Qual é o sentido desta evolução? Uma mesma ambição habita estes textos:
explicar o sistema do universo propondo uma definição da substância, evitando
sempre os ardis do atomismo e do mecanismo. Trata-se efectivamente de uma
ambição metafísica, no sentido que Leibniz atribui a esse termo: discurso sobre
o que é, a metafísica é também lógica, lugar da invenção regulada das nossas
representações e das suas regras de demonstração, e não se compreende sem a
referência a Deus, ser que permite todos os outros seres. O princípio de ordem
que rege o universo é assim válido em todos os seus aspectos: «Deus não faz
nada fora de ordem» (Discurso de Metafísica, § 13); e segundo a bela imagem
desse mesmo parágrafo «não há por exemplo rosto algum cujo contorno não
faça parte de uma linha geométrica e não possa ser desenhado num traço só por
um certo movimento regulado». No entanto, a ordem do mundo não se satisfaz
com a mera explicação mecanista saída de Descartes (Discurso de Metafísica,
§ 17). Leibniz reintroduz portanto o que foi banido: «a forma substancial»,
saída da escolástica, mas sobretudo de uma necessidade oriunda das suas
investigações em mecânica. A forma substancial quer pensar a unidade do que
é. Ora a mera matéria não pode oferecer a resposta, sendo uma colecção de
partes, uma soma de átomos que não chega a dar a ideia de um todo. É
necessário fazer intervir uma forma que reúna o múltiplo numa unidade que o
ultrapasse. Ele explicá-lo-á ao retomar a sua própria iniciativa: «Apercebi-me
de que a mera consideração de uma massa extensa não bastaria, e de que seria
preciso empregar ainda a noção de força, que é muito inteligível, ainda que
provenha do domínio da Metafísica382.»
Ao reintroduzir a forma substancial, Leibniz não se contenta em reactivar um
conceito desvalorizado. Ele autoriza-se a reconsiderar o conjunto da física
cartesiana e nomeadamente as leis do movimento desta, mas também as da
causalidade. A partir dos seus primeiros trabalhos de filosofia, ele interessa-se
de muito perto pela física. Em 1678, tirando as consequências da sua estadia
em Paris, onde pôde tomar conhecimento das teses mais contemporâneas,
chega a corrigir Descartes ao mostrar que a lei da conservação da força é o
produto da massa do corpo pelo quadrado da velocidade (mv2). Não sendo a
força uma mera questão de deslocamento, portanto de substância extensa
geométrica, como afirmava Descartes, Leibniz confessa retomar uma dimensão
metafísica sem que isso signifique no entanto reintroduzir o incompreensível.
Pelo contrário, ele estima tornar acessíveis as relações entre o corpo e a alma,
onde Descartes criara entre ambos uma ruptura impossível de superar. O
conceito que então permite religar o que parece não poder ser religado é o de
«expressão». Contrariamente ao que pensava Descartes, a causalidade é
metafísica, ideal e não material. A unidade do díspar resolve-se numa relação
fundada por todos os elementos das coisas; Leibniz manterá durante toda a vida
a seguinte definição: «uma coisa exprime uma outra quando há relação
constante e regulada entre o que pode dizer-se de uma e de outra. É assim que
uma projecção de perspectiva exprime o seu geometral» (XXI carta a Arnauld
de 9 de Outubro de 1687). O conceito de expressão define pois a relação da
ideia e da palavra, tal como a da alma e do corpo. Trata-se de uma analogia
estrutural cujo fundamento está em Deus, de modo algum no espírito humano,
sendo ele próprio uma expressão do universo ordenado. A física deve ter a
consciência de que não descreve senão o mundo dos fenómenos, o mundo
aparente, e não a causalidade ideal das substâncias, o que Descartes não teria
compreendido. E se Leibniz está convencido de haver conseguido oferecer leis
justas em física, o que é certo para a conservação da força, é porque sabe que
seria preciso admitir essa dimensão metafísica.
Todavia, o Discurso de Metafísica usa reformas não só físicas mas também
lógicas para pensar a teoria da substância. Não basta dispor da forma
substancial e da expressão, é preciso ainda inquirir em que é que uma
substância se reconhece, enquanto tal, e semelhante a nenhuma outra.
Retomando a ideia antiga de que uma substância inclui os seus predicados,
Leibniz concebe a derradeira entidade metafísica como uma «noção completa».
O § 8 oferece dela uma imagem de grande impacto:

Assim a qualidade de rei que pertence a Alexandre, o Grande, fazendo abstracção do sujeito, não
está suficientemente determinada a um indivíduo e não encerra de todo as outras qualidades do
mesmo sujeito nem tudo o que a noção de príncipe compreende, ao passo que vendo Deus a noção
individual ou hecceidade de Alexandre, vê nela ao mesmo tempo o fundamento e a razão de todos
os predicados que verdadeiramente se podem dizer dele, como por exemplo que ele venceria Dário
e Poro, até conhecer nela a priori (e não por experiência) se ele morreu de morte natural ou por
veneno, o que nós só podemos saber pela história. Por isso, quando consideramos efectivamente a
conexão das coisas, podemos dizer que há em todo o tempo na alma de Alexandre restos de tudo o
que lhe sucedeu e as marcas de tudo o que lhe sucederá, e mesmo vestígios de tudo o que se passa
no universo, ainda que só a Deus caiba conhecê-las todas.

Pela leitura deste extracto, compreende-se bem que a noção completa é mais
do que uma simples soma de predicados: ela responde a uma ordem, a uma
razão, que ultrapassa o que dela possamos conceber, e não está completa senão
aos olhos de Deus, que lhe funda a coerência. A história integra a classe de
coisas que apreendemos, a partir da nossa finitude, ao passo que Deus pode
apreender num só acto tudo o que é em Alexandre.
Se a definição da expressão perdura ao longo de todo o corpus leibniziano, a
da substância, essa, modifica-se. A passagem da noção completa à da mónada
efectua-se graças a novas transformações no seio da teoria física, que permitem
conceber um dinamismo interno do elemento metafísico, uma clara tendência
para a expressão que o corpus leibniziano não entrega de imediato. É assim
que, dez anos após o Discurso, em 1696, aparece o termo «mónada», veiculado
por um neologismo importante: o de «dinâmica». A consequência muito visível
dessa evolução manifesta-se na impossibilidade de ligar um nome próprio a
uma mónada: não há mónada de Alexandre sob a pena de Leibniz. Como
explicá-lo? Ganhando em maturidade, o sistema leibniziano depura-se de uma
certa maneira, encaminha-se para uma cada vez maior simplicidade e unidade,
ou para uma cada vez maior ordem, libertando-se da consideração do
individual.
A dinâmica resulta, entre outros, do importante trabalho de reflexão
efectuado aquando da sua viagem a Itália nos anos 1689-1690, de que um
primeiro manifesto será o texto de 1694: Sobre a Reforma da Filosofia
Primeira e sobre a Noção de Substância. Mas é no Sistema Novo da Natureza e
da Comunicação das Substâncias, de 1695, que se apaga toda a noção em
proveito de um «ponto metafísico». Este último é doravante dotado de uma
força primitiva, de uma enteléquia, vocabulário antigo ainda aí reapropriado
por Leibniz, significando aqui uma forma substancial activa. Este ponto
metafísico novamente definido exprime-se num ponto matemático,
correspondendo portanto a uma posição definida na ordem do mundo. Tudo
está no devido lugar para dar sentido ao termo de mónada. Os «mecanistas»,
como diz Leibniz, não têm uma ideia suficientemente vasta da «majestade da
natureza», e ignoram assim que ela releva de uma espécie de atemporalidade da
qual não captamos senão as formas empíricas da morte e do nascimento. As
leis físicas de conservação do movimento e do choque mostram finalmente que
cada corpo reage a um outro pela presença nele de um dinamismo, de uma
«elasticidade» que o faz ressaltar segundo uma direcção que lhe é própria.
Nada se perde nem nada se cria, se pudermos parafrasear essa célebre fórmula,
tudo se transforma; o universo é constituído por uma energia vital, orgânica,
que tem o seu fundamento em Deus. A «máquina natural» permanece aquilo
que é, mas dobra-se e desdobra-se, instaurando a imensa variedade dos seus
possíveis. O sentido metafísico das leis físicas é então consideravelmente
alargado, vertendo-se numa redefinição do orgânico e na recusa dos «animais
máquinas».
O universo caracteriza-se por uma ordem fabulosamente enriquecida em
relação aos textos anteriores. A monadologia desmultiplica-o, articulando os
seus diferentes níveis como melhor lhes convier, organizando ao mais alto grau
cada elemento: «assim nada há de inculto, de estéril, de morte no universo,
nenhum caos, nenhuma confusão senão na aparência; mais ou menos como
pareceria um lago em que à distância se visse um movimento confuso e um
formigar, por assim dizer, dos peixes do lago, sem discernir os próprios peixes»
(§ 69). Essa ordem magnífica releva do que Leibniz chama a «harmonia pré-
estabelecida» (§ 78), noção característica do seu sistema e que vem de algum
modo aprofundar a de «harmonia universal», presente muito anteriormente. A
mónada unifica em definitivo aquilo que dividia o campo da metafísica: as
relações da alma e do corpo, de cada parte com o todo e reciprocamente. Deve
no entanto notar-se que essa harmonia mantém uma hierarquia estrita, onde
Deus domina, e acerca da qual testemunham as referências finais do texto a
Deus como Arquitecto e como Monarca.
Finalmente, como sublinham com radicalismo os Princípios da Natureza e
da Graça, e como a Monadologia vem ilustrar, Leibniz sente-se apto a
responder à derradeira pergunta: «Porque há qualquer coisa em vez de nada?»
Torna-se possível conceber uma ordem geral, onde ordem e hierarquia
pertencem à constituição interna de cada mónada, estabelecida em Deus. O
individual supõe uma resolução até ao infinito, um «detalhe sem termos». A
razão de tudo isso deverá estar fora da série do detalhe (Monadologia, § 37): a
sua necessidade está em Deus. O § 403 da Teodiceia poderá assim dizer que
não sabemos mais nada acerca dessa razão suprema a não ser que ela está em
Deus; nem sempre sabemos e não precisamos de saber como tudo se faz.

Liberdade e determinismo
Convém não esquecer que se toda a natureza é um sistema, uma harmonia
pré-estabelecida, isso também é válido do ponto de vista moral. Um universo
bem «ligado» deve ser moral. A Monadologia também visa pois provar que o
nosso mundo é o melhor dos mundos possíveis graças a Deus e convidar o
homem a realizar-se plenamente nele. Ora a hipótese da harmonia pré-
estabelecida provoca o espanto, ou mesmo a incredulidade: como pode o mal
ser possível se Deus faz sempre pelo melhor? Como conciliar a imperfeição
que o mal representa com a perfeição de Deus? Este problema é um
labirinto383, no sentido em que não parece permitir senão duas soluções
igualmente insatisfatórias: ou que o homem está condenado a fazer o mal, caso
em que ele não é livre, ou que Deus não é Deus, pois não é omnipotente. Se
relermos a passagem acima indicada relativa a Alexandre, também duvidamos
de que o objectivo resida na necessidade de saber se ele é ou não livre de
vencer Dário e Poro, embora Deus o possa saber em toda a eternidade. Mas
isso não é tudo: um homem livre é um homem responsável, sendo preciso pois
poder imputar-lhe os seus actos a fim de que responda por eles. Leibniz tenta
resolver o problema distinguindo três níveis diferentes de análise que se
resumem numa fórmula a ser esclarecida: Deus inclina sem necessitar.
Deus quer o melhor e não quer nada arbitrariamente, só o quer
racionalmente. A sua perfeição é infinita, o que garante que a sua vontade se
dirige para o bem, sendo o mal uma imperfeição. A Monadologia conclui-se no
§ 87 com a imagem de um Deus arquitecto e monarca. O fim do texto concerne
a finalidade moral do mundo, reinando o monarca sobre uma cidade dos
espíritos que o arquitecto construiu segundo uma física óptima, assegurando a
harmonia entre o reino da natureza e o da graça: «se pudéssemos entender
suficientemente a ordem do universo, acharíamos que ele ultrapassa todas as
aspirações mais sábias, e que é impossível torná-lo melhor do que é»
(Monadologia, § 90).
Se a ordem do mundo é perfeita a esse ponto, como se explica que o mal
sobrevenha? É preciso distinguir entre o que releva da vontade dita
«antecedente» e o que releva da vontade dita «consequente». Se Deus quer a
priori o melhor, resta que a criação do mundo induz uma escolha entre
compossíveis. Esse limite nas combinações, mesmo levado ao seu máximo de
riqueza, implica assim uma forma de privação, de imperfeição. Há portanto
uma causa ideal do mal (Teodiceia, § 20), inseparável do próprio acto de
criação. Leibniz ousa aliás uma interessante comparação entre a inércia física
da matéria e a imperfeição humana no § 30: em ambos os casos, há um defeito
de perfeição, não querido por Deus mas inerente ao que ele criou. Em suma,
como diz Leibniz no § 230, o mal é uma condição sine qua non da existência
do mundo, sem ele o nosso mundo não seria o nosso mundo, mas ele não é um
decreto de Deus, não foi querido mas permitido. Isso implica que tudo esteja já
escrito, como se tivéssemos de seguir a ordem das coisas, sem nada tentarmos?
Ainda aí, o texto de Leibniz é delicado: há que distinguir entre a «necessidade
absoluta» ou metafísica e a «necessidade moral» ou ainda a contingência. Se a
contingência é sempre um defeito na captação da determinação de Deus, ela é
também o que oferece um espaço à actividade humana. Os «futuros
contingentes», ou seja a questão de saber se os eventos futuros se produzirão
ou não, recebe aqui uma resposta subtil: é certo que o futuro será, mas tal
determinação não implica a fatalidade. O contingente não é sem razão, «uma
vez que nada sucede sem que para ele haja uma causa ou uma razão
determinante, isto é qualquer coisa que possa servir para lhe dar razão a priori,
porque é isso mais existente do que não existente, e porque é isso mais assim
do que de maneira diversa» (Teodiceia, § 44). Mas se há uma razão, o
contingente não se explica para nós senão em retrospectiva, uma vez que se
tornou efectivo.
Se a necessidade não reina na ordem das acções humanas, em que sentido é o
homem livre e como opera ele uma escolha da qual é responsável? A raiz da
liberdade está na infinitude da criação, ou ainda na continuidade, que não
cessamos de reencontrar, entre a ordem do mundo e a transcendência. Temos
em nós uma marca daquele que nos criou à sua imagem, embora não possamos
evidentemente igualá-lo. Essa marca é simultaneamente um incitamento ao
bem e um dever de o fazer, é nisso que reside a nossa salvação. É importante
perceber que jamais a liberdade estará no excesso, na ruptura com a ordem do
mundo, pois isso é válido apenas para os milagres, que só Deus pode permitir-
se. Ela reside na apreensão das leis metafísicas e físicas, à medida da nossa
imperfeição; ela não está portanto em mais lado algum a não ser nesse universo
bem «ligado» que é gabado por Leibniz. Se Deus sabe tudo e vê tudo, nós
estamos reduzidos a não apreender as coisas senão a partir dos efeitos e não das
causas. Leibniz deduz daí que temos duas vias para nos determinarmos: a
experiência e a razão, sendo esta última evidentemente a que mais importa. O
conhecimento de si, o do princípio de razão ou do mundo como ordem,
cristalizam uma única e mesma iniciativa e não têm mais do que um único e
mesmo objecto. Mas só Deus é capaz de seguir sem falha o seu entendimento,
o homem, pelo contrário, está sujeito a ideias inadequadas que provêm de uma
infinidade de percepções confusamente sentidas. O juízo prático é portanto
atravessado de um lado a outro por inclinações insensíveis (Teodiceia, § 310), o
que explica as suas errâncias. A racionalidade da escolha não é garantida senão
na conformidade à ordem geral e portanto às aspirações de Deus. É preciso
reencontrar em si essa inclinação que Deus impulsiona, mas que não pode ser
uma necessidade «fatal». A liberdade caracteriza-se assim pela inteligência
daquele que age, capaz de conhecer distintamente, pela espontaneidade, que
releva dessa força interna que Deus põe em cada mónada, e pela contingência,
a saber um motivo que incline sem necessidade (Teodiceia, § 288).
Leibniz propõe assim uma pragmática da escolha, a par de uma
racionalização da escolha melhor. Na articulação entre escolha, saber e acção,
sugere uma arte da «conjectura» que releva de uma teoria da prudência – tal
arte já se encontrava nos seus primeiros projectos, em que Leibniz buscava
uma arte da invenção regulada nos nossos conhecimentos. A Teodiceia (§ 326)
relembra que o homem é dono de si desde que saiba fazer uso da sua razão,
devendo pois preparar-se para bem querer por meio de uma reflexão oportuna e
da habilidade adquirida. Quando há vários partidos a tomar, a alma é bem mais
do que uma balança, ela é como uma força que faz um esforço para vários
lados e que tenderá a agir onde encontrar menor resistência, indo a sua
espontaneidade na direcção do bem (Teodiceia, § 325). O que importa pois, é a
«prevalência» (Novos Ensaios, II, 21, § 8 e § 47-48), essa inclinação que se
sente por aquilo que sentimos mais, e que não se separa de uma certa confiança
em si e nas coisas. Longe de se contentar com uma liberdade de indiferença,
onde tudo se equivale ao ponto de já não se escolher, longe também de
promover uma vontade que se contente em querer, há para Leibniz uma
vontade que se conjuga com a razão conduzindo ao bem. A «razão
prevalecente» adere à escolha do melhor, que Deus não pôde deixar de fazer, e
tira a sua legitimidade da bondade do próprio Deus.
É preciso pois tomar gosto pela virtude, e de uma certa maneira aprender a
querer. Trata-se aí de uma educação que conjuga sensibilidade e entendimento,
mas também, por mais paradoxal que isso possa parecer, uma certa forma de
cegueira (Teodiceia, § 403): porquê querer sempre saber como se fazem as
coisas? Há uma qualidade própria ao «autómato espiritual», a de aproveitar da
ordem das coisas que o ultrapassa. Existe, com efeito, uma forma de
automatismo do pensamento que releva por exemplo dos procedimentos de
cálculo que se fazem sem reflectir, mas também das acções que se fazem sem
as decompor em cada uma das suas etapas. Também neste sentido, Leibniz vê
no amor de Deus a resposta a tais dilemas morais (o que não significa que ele
os resolva assim): «Tudo deve culminar no bem dos bons, ou seja daqueles que
não estão de todo descontentes neste grande Estado, que se fiam na
Providência, após haverem cumprido o seu dever, e que amam e que imitam,
como deve ser, o Autor de todo o bem, regozijando-se na consideração das suas
perfeições segundo a natureza do puro amor verdadeiro, que faz tomar prazer
na felicidade daquilo que se ama.» (Monadologia, § 90)
CAROLE MAIGNÉ

380 Voltaire, Romans et contes, Paris, Flammarion, «GF», 1966. Para além do célebre Cândido ou o
optimismo (1759), Leibniz é largamente ridicularizado em Zadig ou o destino (1747) e Memnon ou a
sabedoria humana (1750). [Cf. Voltaire, O Desastre de Lisboa, trad. Jorge Pereirinha Pires, Lisboa, Frenesi,
2005 (N. do T.)]

381 Estas análises e tudo o que concerne seguidamente a evolução interna do sistema leibniziano são as de
M. Fichant, na sua edição do Discurso de Metafísica e da Monadologia, Paris, Gallimard, «Folio Essais»,
2004.

382 Sistema Novo da Natureza e da Comunicação das Substâncias.

383 Ensaios de Teodiceia.


George Berkeley

Nascido na Irlanda, perto de Kilkenny, em 1685, o jovem Berkeley


empreende estudos universitários no Trinity College de Dublin a partir de
1700. Aí ensina como fellow a partir de 1707, antes de receber a sua ordenação
na Igreja anglicana em 1709. Após uma estadia em Londres em 1713, efectua
viagens a Itália e a França entre 1714 e 1720. De regresso à Grã-Bretanha,
concebe o projecto de fundar um colégio nas Bermudas, longe do declínio
espiritual que vê na Europa. Após haver obtido fundos privados graças a uma
subscrição, e enquanto aguarda uma subvenção prometida pelo Parlamento
inglês, atravessa o Atlântico em 1728 e instala-se com a sua esposa em
Newport, Rhode Island. Tendo-lhe sido recusado o financiamento prometido
pelo Parlamento, regressa à Irlanda, onde se ocupa ciosamente dos assuntos do
seu bispado. Morre em Oxford em 1753, pouco depois de aí se ter instalado
para zelar pela educação de um dos seus filhos.

A obra
Um dos fitos principais da filosofia de Berkeley é manifestar a presença
íntima de Deus nos nossos espíritos. Esse fito requer a elaboração de um
sistema que comporte dois aspectos estreitamente solidários, um negativo, o
outro positivo. A vertente negativa é o imaterialismo, o qual afirma que a
matéria não existe. A vertente positiva é o fenomenalismo, segundo o qual os
corpos não são substâncias, mas colecções de fenómenos imateriais bem
regulados, chamados qualidades ou ideias sensíveis. Estas, bem como os
corpos que elas constituem, são os objectos da percepção e do conhecimento
sensível. O universo empírico, objecto da ciência física, tira em larga medida a
sua realidade e a sua objectividade da sua coerência interna, conforme às leis
naturais.
Imaterialismo e fenomenalismo são elaborados principalmente no Tratado
dos Princípios do Conhecimento Humano (1710) e nos Três Diálogos entre
Hylas e Filonos (1713). Mas o fenomenalismo expresso nas suas obras apela a
importantes complementos teóricos. Ele exige uma concepção original da
percepção e em particular uma teoria da visão, quanto mais não fosse a fim de
explicar, por exemplo, como podemos nós realmente ver corpos à distância se
eles são colecções de ideias sensíveis. Tal teoria é formulada segundo a via
analítica em Um Ensaio para Uma Nova Teoria da Visão (1709), e depois
sinteticamente em A Teoria da Visão Defendida e Explicada (1733). O
fenomenalismo apela também a uma filosofia das ciências naturais e a uma
filosofia da matemática. Berkeley dedica o De motu (1721) à primeira, e à
segunda O Analista (1734) e a Defesa do Livre-Pensamento em Matemática
(1735), onde critica os fundamentos do cálculo infinitesimal. Enfim, uma vez
que se trata de manifestar a presença íntima de Deus aos nossos espíritos, o
sistema requer uma teologia filosófica, uma apologética e as grandes linhas de
uma filosofia moral. Estas são apresentadas em Alcífron ou o filósofo
minucioso (1732).
Assinalemos o interesse particular que apresentam as Notas Filosóficas,
habitualmente datadas entre 1707 e 1708. Trata-se de cadernos nos quais o
jovem Berkeley assenta as suas notas de leitura, nomeadamente sobre
Descartes, Hobbes, Espinosa, Malebranche, Locke e Bayle, bem como
reflexões filosóficas em constante evolução. É um laboratório onde se colocam
progressivamente no devido lugar os contornos do sistema, ainda como
tacteamentos, tentativas frustradas, faíscas de génio e de paciente construção.
Aí se assiste à génese paralela da Nova Teoria da Visão e dos Princípios.
O estranho Siris (1744) – última grande obra do autor – é um pleito em favor
das pretensas virtudes terapêuticas da água de alcatrão. A partir de uma
reflexão sobre a química, Berkeley desvenda a cosmologia grandiosa, inspirada
pelo platonismo, de uma cadeia de seres que culmina em Deus, manifestando a
actividade omnipresente do espírito no mundo. Embora Siris prolongue e
desenvolva diversos temas metafísicos anteriormente elaborados, a sua
coerência com o resto da obra filosófica de Berkeley pôde ser posta em causa.

O imaterialismo
A Introdução dos Princípios contém as grandes linhas da filosofia da
linguagem de Berkeley, à qual o Alcífron trará mais tarde preciosos
complementos. Berkeley procura mostrar que uma falsa teoria da linguagem
conduz a uma crença errónea na possibilidade de formar ideias abstractas
gerais, apesar de estas serem psicologicamente e logicamente impossíveis.
Berkeley não rejeita porém toda a forma de abstracção. Podemos generalizar a
função representativa das ideias particulares, sem por isso formarmos ideias
intrinsecamente gerais. Se acrescentarmos a isso um uso bem compreendido
dos signos linguísticos e dos símbolos matemáticos, podem explicar-se os
nossos conhecimentos gerais, sem postular mais do que ideias particulares e as
relações destas. As ideias abstractas gerais não são portanto nem necessárias,
nem possíveis.
Berkeley emprega o termo «materialismo» para falar da tese que afirma a
existência da matéria, contrariamente ao actual uso corrente, em que a
expressão designa a doutrina segundo a qual tudo o que existe é material.
Assim, do seu ponto de vista, não só Hobbes que deve ser contado entre os
materialistas, mas também Descartes, Malebranche e Locke, uma vez que estes
crêem na existência da matéria. Aos olhos de Berkeley, essa crença sempre foi,
desde a Antiguidade até aos tempos modernos, a principal fonte do cepticismo
e do ateísmo que ele pensa ver florescer na sua época. Ao demonstrar a
inexistência da matéria, Berkeley procura cortar pela raiz a fonte de tais males.
A noção de matéria, segundo Berkeley, é a de uma substância não pensante
cuja existência é ontologicamente independente da dos espíritos; uma tal
substância seria provida de qualidades ditas primeiras (propriedades espaciais e
mecânicas) e de poderes causais. Através dos seus argumentos centrais a favor
do imaterialismo, Berkeley visa dois objectivos estreitamente solidários. Por
um lado, Berkeley quer negar toda a distinção entre ideias sensíveis e
qualidades sensíveis, bem como entre os compostos dessas ideias e os corpos.
Por outro lado, quer demonstrar que a hipótese da existência de uma substância
material encerra uma contradição.
Um primeiro argumento central é o argumento dito semântico, que se refere
ao significado do termo «existir» aplicado às qualidades sensíveis e aos corpos.
Dizer que tais entidades existem significa ou que elas são percebidas por mim,
ou que eu poderia percebê-las em certas condições, ou ainda que elas são
percebidas por um outro espírito, finito ou infinito. Em segundo lugar, o
argumento da abstracção estabelece a impossibilidade de abstrair da percepção
das coisas sensíveis a existência delas. A conclusão dos dois argumentos é a
mesma: o esse das qualidades e dos corpos sensíveis é inseparável do seu
percipi. Um terceiro argumento central chega à mesma conclusão após haver
estabelecido a tese da identidade das qualidades sensíveis e das ideias
sensíveis. Assim: não percebemos mais do que ideias; ora, nós percebemos
qualidades sensíveis e corpos; portanto essas entidades são, respectivamente,
ideias e colecções de ideias. Como uma ideia não existe a menos que seja
percebida, daí se segue que as qualidades sensíveis e os corpos não existem a
menos que sejam percebidos.
Uma vez instaurada esta conclusão, Berkeley pode demonstrar o carácter
contraditório da noção de substância material. Com efeito, uma substância
material seria por definição um substrato não percebente dotado de qualidades
sensíveis. Ora, é verdade que estas existem necessariamente em qualquer
substância. Mas, como as qualidades sensíveis são ideias, é preciso que as
substâncias de que elas dependem ontologicamente as percebam. Por
conseguinte, a própria definição de uma substância material encerra uma
contradição: ela supõe que as qualidades sensíveis, cujo ser é ser percebido,
existam numa substância não percebente.
Estes argumentos centrais deverão supostamente alcançar uma conclusão
metafísica, a da inexistência da matéria. Mas Berkeley instaura também
argumentos secundários, cuja conclusão é epistémica: ainda que, por hipótese,
a matéria existisse, ela seria incognoscível. Embora tal conclusão seja mais
fraca do que a conclusão metafísica, os argumentos secundários, não obstante,
são muito importantes. Eles explicam com efeito porque está Berkeley
firmemente convencido de que todos os sistemas filosóficos que afirmam a
existência da matéria implicam o cepticismo – e isso apesar das intenções dos
seus autores, que não pareceram aperceber-se de tal consequência.
Antes de mais, se as qualidades sensíveis são idênticas a ideias, ao percebê-
las nós não apreendemos nenhuma qualidade que pertença a uma substância
material, já que uma ideia, cujo ser é ser percebido, não pode pertencer a uma
substância não percebente. Ora, se nenhuma das qualidades percebidas é um
modo de uma substância material, daí se segue que a matéria, a existir, será
imperceptível.
O amigo da matéria retorquirá aqui que as ideias nos nossos espíritos são,
decerto, percebidas imediatamente, mas que os objectos materiais possuem
qualidades que podem ser conhecidas mediatamente, ou seja por meio das
nossas ideias sensíveis. Não se poderiam então conhecer objectos materiais
dessa maneira, pela percepção? De todo que não. Se a matéria existisse e se ela
possuísse qualidades distintas das nossas ideias sensíveis, o conhecimento das
primeiras dependeria necessariamente, segundo Berkeley, do conhecimento de
uma conformidade entre elas e pelo menos algumas das nossas ideias sensíveis.
Ora, para saber se uma coisa é ou não conforme a uma outra, é preciso poder
compará-las. E seria impossível comparar as nossas ideias sensíveis com as
hipotéticas qualidades da matéria. Pois estas não nos seriam dadas senão sob as
feições do conteúdo das ideias percebidas imediatamente, que supostamente as
representam. A matéria, se existisse, seria portanto empiricamente
incognoscível.
Além disso, nem mesmo a hipotética matéria seria concebível, estima
Berkeley, pois não poderíamos imaginar-lhe as qualidades. Todas as qualidades
sensíveis de que temos a experiência são com efeito ideias sensíveis, e
nenhuma delas pode pertencer a uma substância não percebente. Caso se
objecte que as nossas ideias sensíveis poderiam ainda assim assemelhar-se a
certas qualidades da matéria, Berkeley responde que isso seria tão inconcebível
como imaginar-se uma semelhança entre as cores e qualquer coisa invisível.
Não será preciso apesar de tudo postular a existência da matéria, quanto mais
não fosse para atribuir uma causa às nossas ideias sensíveis? Estas são
produzidas independentemente da nossa vontade; têm portanto uma causa
exterior a nós. Certamente. Mas coloca-se a questão de saber de que causa
exterior se trata. Ora os próprios «materialistas» declaram incompreensível a
causalidade da matéria sobre o espírito. Aliás, Malebranche e os ocasionalistas
dizem-na impossível. Berkeley alinha com Malebranche e Locke ao afirmar
que a única causalidade de que temos uma ideia clara é a da vontade. Segundo
ele, a causa exterior das nossas ideias sensíveis não pode ser senão a vontade
de um outro espírito. Ora este deve ser infinitamente potente e sábio, pois as
nossas ideias sensíveis, em número infinitamente grande, apresentam uma
ordem e uma coerência conformes às leis naturais. Por conseguinte, a causa
delas não pode ser outra senão Deus e é dessa maneira que Berkeley entende
provar-lhe a existência.

O fenomenalismo
Na base do fenomenalismo de Berkeley encontra-se uma invenção metafísica
fundamental: a de uma categoria de entidades que possuem certas propriedades
das ideias sensíveis lockeanas e outras propriedades das qualidades sensíveis
lockeanas. É por isso que, não sem o risco de alguma confusão entre os seus
leitores, Berkeley tanto nomeia tais entidades como ideias sensíveis, como lhes
chama qualidades sensíveis. Por exemplo, tal como as ideias em Locke, as
ideias sensíveis de Berkeley são imateriais. Elas têm uma causa exterior à
substância finita que as percebe e não existem a menos que sejam percebidas.
Quando são percebidas imediatamente, são-no exactamente tal como são. Por
outro lado, sendo verdadeiras qualidades sensíveis, elas não são nem entidades
intencionais, nem modos das substâncias percebentes; o seu ser é heterogéneo
ao dos espíritos; e elas – tal como os objectos físicos que compõem – são os
objectos da percepção e do conhecimento perceptual.
A realidade das ideias ou qualidades sensíveis deve ser tomada em sentido
forte. Mesmo que seja estranho falar assim, segundo Berkeley nós comemos e
bebemos ideias sensíveis, e vestimo-nos com elas. Mas o que é que constitui a
realidade dessas ideias por oposição às ficções da imaginação? Três factores
são constitutivos da sua realidade: a sua força e a sua vivacidade; a sua
independência causal em relação às substâncias finitas; e sobretudo a sua
ordem e a sua coerência, conformes às leis naturais instituídas por Deus. Por
este último factor, Berkeley junta-se ao seu antecessor, Leibniz, e ao seu
sucessor, Kant, ao fazer a realidade e a objectividade do universo fenomenal
dependerem largamente da sua coerência interna, regida pelas leis naturais.
Deus produz as ideias sensíveis segundo uma ordem regular que manifesta a
sua sabedoria e a sua benevolência. Ele institui entre as ideias relações de signo
com a coisa significada, que fundam a previsibilidade de fenómenos futuros.
Essas relações são exemplificadas em dois domínios efectivamente distintos: a
percepção mediata e a causalidade empírica. Consideremo-las por essa ordem.
Em Um Ensaio para Uma Nova Teoria da Visão, Berkeley oferece uma
teoria filosófica da visão que se distingue tanto da óptica geométrica como da
fisiologia do olhar. Certas combinações de ideias visíveis, acompanhadas por
certas sensações cinestésicas, constituem signos visuais complexos. Estes são
instituídos por Deus para significar as ideias da figura, da distância, da
grandeza e da situação de sólidos que percebemos – ou poderíamos perceber –
imediatamente pelo tacto, mediante certas condições empíricas. Como não há
nenhuma conexão necessária entre signo e significado, é somente por
observação, experiência e hábito que aprendemos progressivamente que uma
ou outra combinação de ideias visíveis e de sensações cinestésicas significa
uma ou outra ideia tangível. Uma vez correctamente adquirida a aprendizagem
empírica, ao percebermos tal signo visual imaginamos desde logo – ou seja,
percebemos mediatamente – as ideias tangíveis significadas, de maneira
análoga à que se produz quando lemos um livro: a nossa percepção visual das
frases cede o lugar, na nossa consciência, à compreensão do seu significado. É
possível uma percepção mediata não verídica da figura, da distância, da
grandeza e da situação de objectos tangíveis; ela é causada pela má
interpretação de certos signos visuais devido a uma má aprendizagem do seu
significado. Assim sendo, os signos visuais formam conjuntamente um sistema
instituído por Deus: a linguagem do Autor da natureza.
A teoria da visão tem diversos corolários. Todas as qualidades sensíveis são
próprias a um sentido; é portanto impossível perceber imediatamente uma
qualidade sensível por dois ou mais sentidos. Por outro lado, as ideias próprias
a cada sentido são inteiramente heterogéneas; não só elas não estão ligadas por
nenhuma conexão necessária, como também não há semelhança entre elas.
Nenhuma semelhança, portanto, entre a extensão visível e a extensão tangível,
nem mesmo entre um quadrado visível e um quadrado tangível. Não se poderia
pois formar por abstracção uma ideia da extensão, ou de uma figura, que fosse
comum à visão e ao tacto. Enfim, os objectos da geometria são exclusivamente
a extensão e as figuras tangíveis; essa ciência não se refere aos seus
homónimos visíveis.
Uma das consequências do princípio esse est percipi é a de que todas as
características sensíveis das ideias aparecem necessariamente na percepção
imediata. Como nós não percebemos nelas nenhuma força ou eficácia causal,
daí se segue que as ideias são causalmente inertes. Por conseguinte, como em
Malebranche, nem há causalidade física real entre corpos, nem causalidade do
corpo sobre o espírito. Na realidade, segundo Berkeley, as relações entre aquilo
a que erradamente chamamos causas e os efeitos físicos são relações de
significação, instituídas por Deus. Elas devem ser apreendidas pela observação
e pela experiência. A sua finalidade é permitir aos espíritos finitos fazer
previsões sobre o curso dos eventos futuros e assegurar por esse meio a
sobrevivência e o bem-estar deles.
Nem por isso Berkeley entende rejeitar a física contemporânea,
nomeadamente as leis do movimento. Ele procura integrar a física no
imaterialismo mediante uma reinterpretação dos pressupostos metafísicos com
que os «materialistas» a sobrecarregaram. É por isso que rejeita a distinção
newtoniana entre espaço, tempo e movimento absolutos e relativos, bem como
a divisibilidade da extensão até ao infinito. Espaço, tempo e movimento são
somente relativos. As leis estabelecidas pela ciência não passam de
formulações teóricas das regularidades observáveis entre os fenómenos
produzidos por Deus. O enunciado das leis naturais tira a sua legitimidade da
sua utilidade. Ele não consiste de modo algum em nos oferecer uma
compreensão das causas reais dos fenómenos naturais, e ainda menos em nos
aproximar de um conhecimento daquilo a que certos «materialistas» chamam a
constituição interna submicroscópica dos corpos. As leis científicas só são úteis
na medida em que permitam uma previsão mais exacta dos fenómenos. No De
motu, Berkeley explica que a noção de força, ainda que desprovida de objecto,
desempenha um papel legítimo, embora puramente teórico, justificado do
ponto de vista instrumental pelas previsões empíricas tornadas possíveis pela
teoria de que tal noção faz parte.

Os espíritos finitos
Berkeley estabelece um dualismo radical entre os espíritos e as ideias; são
dois géneros de entidades inteiramente heterogéneos, que só têm em comum os
nomes «ser» e «coisa». Porque, enquanto o ser das ideias é serem percebidas, o
das substâncias é perceberem. Os espíritos finitos são substâncias activas e
indivisíveis, que pensam constantemente. As ideias são causalmente inertes,
fugazes e ontologicamente dependentes das substâncias que as percebem, ainda
que não sejam modos destas. A dependência ontológica das ideias em relação
aos espíritos é precisamente um dos motivos que fundam a heterogeneidade e a
distinção delas, uma vez que a dependência não é recíproca. Esse dualismo
situa-se entre por um lado os espíritos, e por outro lado a totalidade das ideias,
tanto as da sensibilidade quanto as da imaginação e da memória. Esta maneira
de estabelecer o dualismo acarreta duas consequências importantes.
Em primeiro lugar, não pode existir nenhuma ideia do espírito, nem mesmo
uma ideia da imaginação. Pois uma tal ideia deveria representar um espírito, e
para isso ela deveria assemelhar-se a ele, o que é impossível do ponto de vista
da heterogeneidade de ambos. É por isso que, segundo Berkeley, o
conhecimento de si de um espírito se realiza por uma consciência reflexiva
imediata, sem a intermediação de uma ideia.
Em segundo lugar, como as ideias da imaginação e da memória são tão
distintas das substâncias quanto o são as ideias sensíveis, e como também não
são modos delas, é somente no interior do domínio geral das ideias que se
efectua a distinção entre as ficções da imaginação e a realidade sensível,
conformemente aos três critérios anteriormente mencionados. Daí a
necessidade de estabelecer uma diferença, em Berkeley, entre a simples
existência de uma ideia e a sua realidade, a saber a sua pertença ao mundo
empírico. Se todas as ideias imediatamente percebidas existem, só as ideias
sensíveis são constitutivas da realidade empírica. Isso significa que o dualismo
radical de Berkeley não é precisamente o do espírito e do corpo. Decerto que a
distinção espírito-corpo é com efeito um dualismo, mas ela está subordinada,
porque se situa entre as substâncias percebentes e somente uma parte das
ideias, a saber as ideias sensíveis, constitutivas dos corpos.
A teoria berkeleyana dos espíritos finitos dá lugar a uma tensão: se o ser do
espírito é perceber, e se a percepção é passiva, como diz Berkeley, como
afirmar que o espírito é uma substância activa? Antes de mais, o espírito está
também dotado de vontade, poder essencialmente activo. Seguidamente, é
apenas a percepção imediata que é passiva. A percepção mediata, por seu turno,
supõe ao invés uma actividade importante por parte do espírito. Ora, ao dizer
que o ser do espírito é perceber, Berkeley tanto compreende a percepção
mediata, activa, como a percepção imediata. Nenhuma contradição ao
sustentar, nestas condições, que o espírito é uma substância activa e que o seu
ser consiste em perceber.
A teoria berkeleyana do espírito finito ficou infelizmente inacabada, pois não
se saberia que estatuto ontológico atribuir a numerosos géneros de eventos
mentais. Que fazer, por exemplo, com as emoções, as volições e as operações
cognitivas como o juízo, o raciocínio e a deliberação? Na condição de evitar
conceber as substâncias finitas como substratos, nada impediria Berkeley de
dizer que esses eventos mentais, contrariamente às ideias, são modos das
substâncias percebentes. Todavia, ele nada diz quanto a isso, deixando
indeterminado o seu estatuto ontológico.

Deus e a apologética
As ideias sensíveis percebidas imediatamente pelos espíritos finitos são
éctipos, são produzidos por Deus a partir do modelo das ideias arquetípicas
eternas que existem no seu espírito. Contrariamente ao que por vezes se
pretendeu, esta concepção do conhecimento divino não está portanto ameaçada
pelas implicações cépticas de uma teoria representativa. Pois as ideias pelas
quais Deus conhece os éctipos são as ideias arquetípicas segundo o modelo das
quais Ele as pensa e as produz. Uma outra pergunta que muitas vezes se faz é a
de saber se Deus, que não tem sensibilidade, pode não só conhecer mas
também perceber os éctipos, porquanto estes sejam sensíveis. Mas a
pertinência da pergunta é duvidosa, pois ela supõe em Deus uma distinção
entre conhecimento e percepção, que Berkeley, tal como outros filósofos, não
está disposto a aceitar. Aliás ele tem toda a latitude para determinar, por
analogia, uma noção eminente da percepção que conviesse propriamente a
Deus, em conformidade com a doutrina da analogia exposta no Alcífron.
No Alcífron, Berkeley ataca os livres-pensadores em matéria de moral e de
religião, nomeadamente Shaftesbury, Mandeville e Collins. Sabendo que o seu
imaterialismo é mal recebido pelo público, defende a sua apologética sem a
fazer depender estreitamente do imaterialismo. É nesse espírito que defende a
verdade da teologia natural, depois a utilidade e a verdade da religião e da
moral cristãs. Devido às suas posições acima de tudo muito conservadoras
sobre tais questões, não é fácil classificar Berkeley entre os pensadores das
Luzes.
O campo de convergência do pensamento de Berkeley, comum ao Alcífron e
a toda a sua obra, é a presença íntima de Deus nos nossos espíritos. Se a
presença de Deus está tão próxima, é porque Ele produz as ideias sensíveis
directamente, sem intermédio de nenhuma causa segunda material, e porque
essas ideias, constitutivas da realidade física, são perceptíveis imediatamente.
No Alcífron, tal como anteriormente, Berkeley põe em primeiro plano a
organização do universo fenomenal em diversos sistemas de signos que nos
permitem prever os seus significados empíricos. Os signos sensíveis, pela sua
origem causal, testemunham a omnipotência de Deus, a sua complexidade
manifesta a inteligência e a sageza d’Ele, e a sua coerência regular, conforme
às leis naturais, exprime a bondade e a providência d’Ele. Do ponto de vista
metafísico, o universo físico é um local de encontro, nesta vida, dos espíritos
finitos interpretantes e do seu autor transcendente.
RICHARD GLAUSER
A filosofia natural no século XVII:
Galileu, Huygens, Newton

«Homens de Galileu, porque olhais vós para o céu com


tamanho espanto?384»

Reconhece-se vulgarmente à ciência que nasce entre a publicação do livro de


Copérnico e a síntese newtoniana das leis da dinâmica tanto celeste como
terrestre, o estatuto de um fundamento dado à ciência moderna. Limitar-nos-
emos aqui a evocar as modificações que se seguiram imediatamente a esse
novo dado no seio do que se convencionou chamar a física, e a que ainda se
chama de filosofia natural no momento em que Newton lhe conclui a primeira
transformação. Excluir-se-á portanto desta apresentação o rico e rápido
desenvolvimento das ciências médicas, que, na mesma época, sofreram
também elas profundas mutações, associando a norma da observação na
natureza ao rigor das deduções possíveis no regime mecanista. Tais
desenvolvimentos poderiam, de facto, pôr em evidência uma idêntica
promoção da fenomenalidade enquanto tal, as transformações que afectam a
mecânica terrestre e a ciência do movimento em geral não são separáveis de
uma modificação do olhar médico. Mas um tal estudo afastar-nos-ia em
demasia do tema principal deste capítulo385.
É significativo que, no desenvolvimento de uma física votada a buscar na
geometria as regras das operações fenomenais, os Princípios Matemáticos da
Filosofia Natural (Philosophiae naturalis principia mathematica) de Newton,
em 1687, sucedam aos Princípios de Filosofia de Descartes, e lhes instruam o
processo. Foi com efeito a matemática que se substituiu ao regulamento lógico
da relação das causas com os seus efeitos. Descartes, nas Regras para a
Direcção do Espírito, havia-lhes estabelecido o programa, sensivelmente
modificado no momento de abordar o problema da fenomenalidade, ao longo
das partes II, III e IV dos Princípios de Filosofia. Ora o que havia sido esboçado
por Galileu e teorizado por Descartes na mesma época, antes de 1630, acha-se
acabado nos seus principais contornos seis décadas mais tarde. A cinemática
galilaica, pela qual se deve começar, não está certamente isenta de censuras. A
historiografia do início do nosso século não deixou de mostrar a que ponto as
ideias de Galileu estavam em continuidade com as da tradição medieval dos
comentários à Física de Aristóteles. A leitura dos físicos de Oxford e da
Sorbonne, nos séculos XII e XIII, oferece um certo número de pontos de vista
sobre os principais elementos que a ciência galilaica poderá desenvolver.
Duhem dá dessa sequência uma interpretação continuista386 desfavorável à
construção de um mito fundador galilaico e, conjuntamente, uma defesa e
ilustração da posição instrumentalista em astronomia: a interdição ditada em
1616 a Galileu procede segundo Duhem da própria sabedoria, na medida em
que seria Galileu que teria ultrapassado os limites atribuídos ao conhecimento.
Desde então seria preciso dizer que a interpretação da natureza puramente
instrumental de uma hipótese é mais conforme ao ideal científico do que o é a
doutrina grosseiramente realista dos copernicianos.
Pierre Duhem387 revela um aspecto essencial do pensamento de Galileu: é a
partir das noções elaboradas em cinemática que se deve abordar a astronomia.
Esta última é um vasto campo de observação, de experimentação e de
especulação que se oferece à mecânica racional.
Mas é precisamente a unidade de um projecto inteiramente dedicado ao
conhecimento do movimento que, embora impondo limites à contribuição
astronómica galilaica, lhe explica as intenções e o sucesso. Por não ser, no
fundo, astrónomo, Galileu consegue estabelecer em termos nítidos o
movimento dos planetas no interior de uma cinemática onde ele acabará por se
resolver, e indica assim o caminho que Newton seguirá na sua obra de 1687.
Em Galileu as duas análises do movimento não pertencem a uma mesma
ordem conceptual uma vez que uma, relativa aos corpos celestes, se apodera
das condições que são prestadas, cá em baixo, aos corpos pensados pela outra
ciência do movimento. O facto da gravidade estrutura comportamentos
específicos nos corpos graves e é efectivamente preciso aguardar a extensão da
lei da queda aos próprios corpos celestes, sendo a elipse de Kepler a trajectória
dinamicamente formada por essa tendência para a queda combinada com uma
tendência radial do corpo em revolução, para compreender que uma única e
mesma ciência deve pensar o conjunto dos efeitos do movimento. Ao optar por
não considerar a astronomia mais do que um meio de obter confirmações
físicas do movimento da Terra, Galileu tornava credível a ideia segundo a qual
a física nova tinha doravante necessidade de um sistema do mundo que,
embora fosse novo, se substituía a vários séculos de distinção radical entre o
céu e a terra.

A escola galilaica e a mecânica nova


Ao atribuir à filosofia natural uma forma e um estilo dos quais ele próprio
problematizou o estatuto de pensamento em ruptura com as antigas formas da
filosofia natural, Galileu abria a porta a uma autêntica escola galilaica.
É com Benedetto Castelli, o seu primeiro verdadeiro «discípulo», que se
inaugura uma tradição que não é já a de uma mera exegese dos textos do
mestre, mas a de um aprofundamento das noções e das máximas obtidas por
meio desse utensílio comum que é a física geometrizada. Castelli, nomeado
matemático-chefe directamente adstrito a Urbano VIII em 1623, fora até essa
data um aluno dotado e leal em Pádua e em Pisa, onde se tornara lettore de
matemática pouco tempo após a chegada de Galileu.
É a este que é dirigida a primeira das Cartas Copernicianas na medida em
que ele próprio fora alvo de um insistente interrogatório por parte de uma
Cristina de Lorena preocupada em saber até que ponto de refutação das
Escrituras tencionava Galileu levar os resultados das suas observações. É ainda
Castelli que em 1615 escreve uma obra388 dedicada à refutação dos pontos de
vista aristotélicos de Ludovico delle Colombe, colocando-se assim
resolutamente contra o partido dos beneditinos empenhados na luta palaciana
que acelerou o desenvolvimento do processo de 1633. À data do processo,
Castelli escrevera já uma obra de hidrodinâmica, Della mistura delle acque
correnti389. Nesse tratado que mostra um grande domínio das propriedades
físicas do escorrimento, Castelli mostra-se galilaico no cuidado escrupuloso
que atribui à operatividade das condições pertinentes de idealização. Nascidas
das suas reflexões sobre os estragos causados pelas cheias da Romanha390, as
leis do escorrimento que ele propõe afirmam em particular uma relação
inversamente proporcional entre a velocidade de escorrimento e o tamanho da
secção de tubo em que a água é idealmente contida. Galileu apresenta Castelli
como «um dos [seus] alunos, um homem inteligente, livre de preconceitos391»,
ou seja um homem que coloca a sua condição de intérprete científico da
natureza acima do respeito que também deve às Escrituras. Continuador da
obra cinemática de Galileu, ele foi também um dos seus primeiros
conhecedores eruditos, uma vez que as suas Annotazioni alla Bilancetta di
Galileo representam a primeira tentativa de publicação de manuscritos
galilaicos inéditos. No movimento dos Lincei, a obra e a acção de Castelli
contribuíram, de maneira discreta ainda que real, para o estabelecimento de
autênticos cânones da ciência galilaica do movimento: uma ciência operatória,
tão empenhada na determinação teórica de condições de matematização quanto
na busca de efeitos úteis à engenharia moder