Você está na página 1de 56

CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 1

FRENTE 1 – HISTÓRIA INTEGRADA


2. (FGV-Adaptado) – Foram características do Período Arcaico (séculos
MÓDULO 1 VIII-VI a.C.), na Grécia Antiga,
a) o desenvolvimento das pólis e a expansão pelo Mediterrâneo.
b) o desenvolvimento dos genos e a expansão creto-micênica.
DAS DIÁSPORAS GREGAS A ESPARTA c) as rivalidades entre Esparta e Atenas e a Guerra do Peloponeso.
d) o enfraquecimento das pólis e a expansão macedônica.
e) as guerras entre gregos e persas e o fim da democracia ateniense.

RESOLUÇÃO:
1. (FUVEST) – “Não é possível pôr em dúvida por mais tempo, ao Na Grécia Antiga, o Período Arcaico iniciou-se com a desintegração
passar em revista o estado atual dos conhecimentos, ter havido uma dos genos, quando a propriedade coletiva da terra foi transformada
Guerra de Troia histórica, em que uma coligação de aqueus ou micênios, pelos eupátridas em propriedade privada. Seguiram-se a formação
sob um rei cuja suserania era reconhecida pelos restantes, combateu o e o desenvolvimento das pólis, concomitantemente com a
Segunda Diáspora Grega, direcionada para oeste (Sicília e o sul da
povo de Troia e seus aliados. A magnitude e a duração da luta podem ter
Itália). Este movimento, somado à Primeira Diáspora Grega,
sido exageradas pela tradição popular em tempos mais recentes, e o orientada para leste (ilhas do Egeu e Ásia Menor), completou as
número de participantes superestimado nos poemas épicos. Muitos bases do Mundo Grego, que abrangeu uma parte significativa do
incidentes, tanto de importância primária como secundária, foram sem Mediterrâneo, alcançando o Mar Negro.
dúvida inventados e introduzidos na narrativa durante sua viagem ao Resposta: A
longo dos séculos. Mas as provas são suficientes para demonstrar não
só que a tradição da expedição contra Troia deve basear-se em fatos
históricos, mas ainda que boa parte dos heróis mencionados nos
poemas foi tirada de personagens reais.”

(Carl W. Blegen. Troia e os troianos. Lisboa: Verbo, 1971. Adaptado.)

A partir do texto, 3. (FATEC) – Ao longo da História, muitas sociedades utilizaram o


a) identifique um poema épico inspirado na Guerra de Troia e explique trabalho de pessoas escravizadas, como por exemplo a Grécia Clássica
seu título; e a América Portuguesa.
b) explique uma diferença e uma semelhança entre poesia épica e Refletindo sobre essa forma de exploração do trabalho, é correto afirmar
História para os gregos da Antiguidade. que
a) as duas sociedades citadas utilizaram predominantemente o trabalho
RESOLUÇÃO: de escravos africanos da região subsaariana e da África Oriental.
a) Ilíada, poema épico atribuído a Homero. Seu título deriva de b) o exercício da cidadania era permitido aos escravos na Grécia
Ílion — designação dada pelos gregos à cidade de Troia.
Clássica, mas era impedido na América Portuguesa.
Obs.: Poder-se-ia igualmente citar a Odisseia, também atribuída
a Homero e cujo título deriva de Odisseu — outro nome do herói c) as duas sociedades citadas utilizaram o trabalho escravo apenas na
grego Ulisses, personagem do poema. Entretanto, a Odisseia produção agrícola de exportação e não nas cidades.
se relaciona apenas indiretamente com a Guerra de Troia, pois d) a utilização do trabalho escravo, nas duas sociedades citadas, pode
descreve episódios subsequentes àquele conflito. ser considerada a base da organização econômica e produtiva.
e) havia na Grécia apenas escravos de origem romana, e na América
b) Semelhança: tanto a poesia épica como a História se baseiam
em fatos reais. Portuguesa apenas escravos de origem africana.
Diferença: enquanto a poesia épica exagera os fatos para exaltar
os heróis e destacar a intervenção dos deuses, a História RESOLUÇÃO:
procura descrever os acontecimentos reais e analisar os A civilização da Grécia Antiga foi a primeira a fazer, do modo de
interesses neles envolvidos. produção escravista, a base de sua atividade produtiva. Na América
Portuguesa, a economia de plantation e a atividade mineradora
também se processaram com base no braço escravo.
Resposta: D

–1
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 2

4. (UNESP) – “Para os gregos antigos, a ideia de confronto entre


oponentes, até que um dos contendores superasse os demais, MÓDULO 2
atingindo um grau de excelência reconhecido e admirado por todos os
circunstantes, era um ritual central em sua cultura. Os gregos faziam
com que ele integrasse várias de suas cerimônias, mesmo as mais ATENAS E PERÍODO CLÁSSICO
importantes e sagradas.”

(Nicolau Sevcenko. A corrida para o século XXI: no loop da


montanha-russa, 2004. Adaptado.)
1. (PUC-SP) – “Por natureza, na maior parte dos casos, há o que
O texto afirma que as Olimpíadas, na Grécia Antiga, comanda e o que é comandado. O homem livre comanda o escravo,
a) tinham a função de adequar o físico dos praticantes às necessidades que é útil para as necessidades da vida.”
do mundo do trabalho, tornando-os capazes de produzir mais.
(Aristóteles. Política (IV a.C.). Apud: Marcelo Rede.
b) permitiam que a população se divertisse, atenuando as tensões e
A Grécia Antiga. São Paulo: Saraiva, 2012, p. 33.)
facilitando a dominação política por parte dos governantes.
c) estavam integradas a outros aspectos da vida social e religiosa,
O texto, escrito no século IV a.C., indica que, no mundo grego antigo,
relacionando-se com momentos de festa e celebração.
a) a democracia envolvia todos os moradores da cidade e do campo,
d) estimulavam a competitividade e o individualismo, preparando os
sem distinções de raça ou condição social.
homens para as disputas profissionais da vida adulta.
b) democracia e escravidão eram incompatíveis, pois apenas com
e) visavam exercitar e fortalecer os soldados, melhorando sua atuação
liberdade seria possível construir a primeira.
política e militar nos períodos de guerra.
c) a escravidão era considerada natural e sua existência permitia a
RESOLUÇÃO: participação dos cidadãos na vida política.
O autor analisa a prática das Olimpíadas pelos antigos gregos d) a escravidão permitia que todos os cidadãos pudessem desfrutar o
dentro de uma perspectiva mais ampla do que meras competições ócio, sem atuar na vida pública da cidade.
esportivas, integrando-as na própria cultura daquele povo, como e) a democracia predominou, uma vez que todos os moradores da pólis
um exemplo de emulação entre concorrentes.
eram considerados iguais e livres por natureza.
Resposta: C

RESOLUÇÃO:
A civilização grega foi a primeira a utilizar o sistema escravista
como base de seu modo de produção. Contudo, a escravidão não
tinha apenas implicações econômicas; em Atenas e outras pólis
que praticavam a democracia, a escravatura tinha também
relevância social e política: com efeito, o fato de um cidadão ter
5. (UNIP-Adaptada) – Como características econômicas e sociais de escravos dava-lhe um status superior e ainda lhe proporcionava o
ócio necessário para que ele pudesse dedicar-se aos assuntos
Esparta, podemos citar
políticos.
a) a economia natural, a propriedade coletiva da terra e a organização Resposta: C
clânica, que determinava a condição social pelo grau de parentesco
com o patriarca.
b) a importância dos segmentos ligados ao comércio, os quais amplia-
ram sua influência na sociedade espartana, vindo a ganhar relevo
político.
c) a supressão da escravidão por dívidas, o que atraiu artesãos de
outras cidades e dinamizou os aspectos comerciais da economia
espartana.
d) o predomínio da classe dos pequenos proprietários, cabendo aos es-
trangeiros não só a prática do comércio, mas também a produção
cultural.
e) a existência de uma aristocracia que monopolizava o poder militar e
político, era pouco desenvolvida intelectualmente e desvinculada das
atividades mercantis.

RESOLUÇÃO:
A sociedade espartana era dominada pela aristocracia espartíata,
totalmente militarizada e que exercia com exclusividade o poder
político, configurando um regime oligárquico; a priorização do
militarismo deixava pouco espaço para as atividades intelectuais.
No plano econômico, os espartíatas dominavam a propriedade da
terra, o que fazia da agricultura uma atividade mais relevante que
o artesanato ou o comércio.
Resposta: E

2–
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 3

2. (UNESP) – “Quando a influência de Péricles estava no auge, ele 4. (PUC-SP) – “Desapareceu para as cidades helênicas qualquer
poderia esperar a constante aprovação de suas políticas pelo voto possibilidade de criar um Estado imperial unificado, a despeito de sua
popular na Assembleia. Suas propostas eram submetidas à Assembleia recuperação econômica relativamente rápida, após os efeitos da longa
semanalmente, concorrendo com outras diferentes delas. A Assembleia Guerra do Peloponeso. A própria paridade e multiplicidade de centros
sempre poderia abandoná-lo, e ocasionalmente assim procedeu, pois a urbanos na Grécia neutralizava-os coletivamente para a expansão
decisão final era da Assembleia, não dele ou de qualquer outro líder. E externa.”
ele sabia disso.”
(Perry Anderson. Passagens da Antiguidade ao feudalismo. Porto:
(Moses I. Finley. Democracia antiga e moderna, 1988. Adaptado.) Afrontamento, 1980. p. 47. Adaptado.)

Ao caracterizar o funcionamento da democracia ateniense O texto refere-se aos resultados da Guerra do Peloponeso, que
no século V a. C., o texto afirma que a) determinou a hegemonia de Esparta sobre as demais cidades-Estado
a) a Assembleia era o espaço das decisões, o que revelava a gregas.
participação direta dos cidadãos na condução política da cidade. b) exauriu as cidades-Estado gregas, dificultando sua defesa perante
b) a eleição de líderes e representantes políticos dos cidadãos na ameaças externas.
Assembleia demonstrava o caráter indireto da democracia. c) pôs fim à militarização de Esparta e expandiu o modelo democrático
c) os líderes políticos detinham o poder decisório na pólis, embora ateniense.
ouvissem às vezes as opiniões da Assembleia. d) rompeu o equilíbrio militar e econômico entre as diversas ci-
d) os membros da Assembleia escolhiam os líderes políticos, dades-Estado.
submetendo-se a partir de então a seu poder e a suas decisões. e) significou a derrocada da monarquia grega, consolidando o regime
e) os cidadãos evitavam apresentar suas discordâncias na Assembleia, republicano.
pois poderiam provocar impasses políticos.
RESOLUÇÃO:
A Guerra do Peloponeso concluiu-se com a vitória de Esparta
RESOLUÇÃO:
contra Atenas e a imposição da hegemonia espartana sobre a
O texto mostra claramente que, apesar de seu prestígio, Péricles
Grécia. Entretanto, como o longo conflito enfraqueceu todas as
dependia da aprovação da Assembleia. A democracia que se
pólis, a supremacia espartana logo veio a ser substituída pela de
desenvolveu em Atenas no século V a. C. era direta, pois todos os
Tebas, que também teve duração efêmera. A debilidade militar dos
cidadãos participavam da Assembleia, votando as propostas que
gregos iria facilitar a conquista macedônica.
lhes eram apresentadas pelos governantes. Portanto, a última
Resposta: B
instância decisória pertencia à Assembleia, e não aos dirigentes.
Resposta: A

3. (FGV) – Assinale a alternativa que expõe uma causa da Guerra do


Peloponeso (431-404 a. C.), cuja importância foi fundamental na história
da Grécia Antiga.
a) Confronto econômico entre as cidades que formavam a Liga de
Delos.
b) Esforço da Pérsia para eliminar a influência grega na Ásia Menor.
c) Tentativa de Atenas para fragmentar a Grécia em diversas
cidades-Estado.
d) Manobra de Esparta para fortalecer sua hegemonia no Mar Egeu.
e) Conflito entre a ideologia oligárquica de Esparta e a democrática de
Atenas.

RESOLUÇÃO:
Alternativa escolhida por eliminação, visto que a oposição entre a
ideologia oligárquica de Esparta e a democrática de Atenas
antecedeu de muito a eclosão da Guerra do Peloponeso, não
contribuindo diretamente para a ocorrência desse conflito. Este foi
na verdade uma luta de hegemonias: a ateniense, embasada na
Confederação de Delos, e a espartana, apoiada na Liga do
Peloponeso.
Resposta: E

–3
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 4

5. O império criado por Alexandre Magno apresenta uma dimensão 2. (UPE) – “A civilização bizantina foi muito mais original e criativa do
histórica desigual, dependendo do ângulo pelo qual seja analisado. que, em geral, lhe creditam. Suas igrejas abobadadas desafiam em
Assim sendo, fica claro que sua importância política foi muito menos ousadia os templos clássicos e as catedrais góticas, enquanto seus
significativa que a cultural. mosaicos competem, como supremas obras de arte, com a escultura
clássica e a pintura renascentista.”
a) Explique por que a importância política do Império Alexandrino foi
relativamente pequena. (Michael Angold. Bizâncio: A ponte da antiguidade para a Idade
b) Explique a razão da importância cultural do Império Alexandrino. Média. Rio de Janeiro: Imago, 2002. p. 9. Adaptado.)

RESOLUÇÃO:
a) Porque o Império não sobreviveu a seu fundador, tendo sido Sobre o legado cultural bizantino, assinale a alternativa correta.
dividido entre os generais de Alexandre.
a) Herdando elementos da cultura grega, os bizantinos desenvolveram
b) O Império de Alexandre deu origem à civilização helenística
(fusão entre a civilização grega e as culturas orientais, com estudos sobre a aritmética e a álgebra.
predominância da primeira), cuja influência se estenderia do b) Negando a tradição jurídica romana, o Império Bizantino pautou sua
Mundo Grego ao Oriente Próximo e Médio, dando certa unidade jurisprudência no direito consuetudinário.
cultural a toda aquela vasta região. c) A filosofia estoica influenciou o movimento iconoclasta, provocando
o Cisma do Oriente no século XI.
d) O catolicismo ortodoxo tornou-se a religião oficial do Império após a
denominada “Querela das Investiduras”.
e) A Basílica de Santa Sofia, com seus ícones e mosaicos, sintetiza a
tradição artística bizantina.

RESOLUÇÃO:
MÓDULO 3 A Basílica de Santa Sofia, construída no século VI pelo imperador
Justiniano, constitui a mais célebre manifestação da arte bizantina.
Resposta: E
IMPÉRIO BIZANTINO E CAROLÍNGIO

1. (UNICAMP) – Na noite de Natal de 800, o papa Leão III coroou


Carlos Magno, até então rei dos Francos, como “imperador dos
Romanos”.
a) Caracterize a autoridade de Carlos Magno como Imperador naquele
momento.
b) Apresente dois aspectos do Renascimento Carolíngio.

RESOLUÇÃO:
a) Ao conceder a Carlos Magno o título de imperador, o papa o
reconheceu como legítimo sucessor dos antigos imperadores
romanos, colocando-o em pé de igualdade com o titular do
Império Romado do Oriente. Também o elevou acima dos
demais soberanos cristãos, fazendo dele a máxima autoridade
temporal da cristandade ocidental; mas, por outro lado,
subordinou-o ao poder espiritual do papa, por ser este o
representante de Deus na Terra.
b) Deu-se o nome de Renascimento Carolíngio ao período de
efêmero brilho cultural registrado no reinado de Carlos Magno.
Seus aspectos mais destacados foram a fundação de escolas
direcionadas para a nobreza e um certo florescimento literário.

4–
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 5

3. (ESPM) – 4. (UTFPR) – Carlos Magno, imperador franco da Dinastia Carolíngia,


governou enormes extensões territoriais na Europa Ocidental, após
várias guerras de conquistas. Na impossibilidade de percorrer todos
esses domínios pessoalmente, o soberano atribuiu a determinados
funcionários a função de fiscalizar o cumprimento de suas
determinações. Tais funcionários eram os
a) condes.
b) marqueses.
c) missi dominici.
d) barões.
e) duques.

RESOLUÇÃO:
A administração do Império Carolíngio foi confiada por Carlos
Magno a duques (comandantes do exército), marqueses
(governantes das áreas fronteiriças) e condes (administradores de
Depois da queda do Império Romano do Ocidente (476), Roma passou territórios situados no interior do império), cabendo a
por um período de obscuridade, enquanto Constantinopla permanecia administração eclesiástica a arcebispos e bispos. Todavia, esses
como o farol da civilização e da cultura, sendo embelezada por altos funcionários eram fiscalizados pelos missi dominici
(“emissários do senhor”) que se reportavam diretamente ao
construções magníficas. Uma delas foi a Basílica de Santa Sofia, erguida
imperador.
no século VI e considerada, por muitos historiadores de arte, a oitava Resposta: C
maravilha do mundo. Em 1453 Constantinopla foi conquistada e Santa
Sofia passou por modificações externas e internas. Assinale a alternativa
que apresenta, respectivamente, os responsáveis pela construção e
pelas posteriores alterações em Santa Sofia.
a) Gregos – persas.
b) Gregos – turcos otomanos.
c) Bizantinos – turcos otomanos.
d) Bizantinos – hindus. 5. (FGV) – O Tratado de Verdun, firmado em 843 entre os netos de
e) Francos – persas. Carlos Magno, pode ser interpretado como
a) a preservação da unidade político-institucional que caracterizaria a
RESOLUÇÃO: estrutura do feudalismo.
A Basílica de Santa Sofia foi um templo cristão construído pelo b) o início do processo de síntese romano-germânica, que resultaria na
imperador bizantino Justiniano (527-565). A tomada de formação de diversos pequenos reinos europeus.
Constantinopla pelos turcos otomanos, de religião islâmica, fez
c) um esboço da futura divisão política da Europa, calcada na impor-
com que o edifício fosse acrescido externamente com quatro
minaretes (torres no alto das quais um sacerdote conclama os fiéis tância que França e Alemanha iriam adquirir.
muçulmanos à oração). Internamente, os mosaicos com d) a ruptura da unidade cristã, uma vez que Lotário e Carlos se manti-
reproduções de figuras humanas foram recobertos com tinta; parte veram católicos romanos, mas Luís aderiu ao cristianismo ortodoxo.
deles foi restaurada depois que Santa Sofia deixou de ser uma e) o término dos conflitos entre o poder eclesiástico e o secular,
mesquita para ser transformada em museu.
iniciados no começo da Alta Idade Média.
Resposta: C

RESOLUÇÃO:
O Tratado de Verdun dividiu o Império Carolíngio entre os netos de
Carlos Magno. A porção central (atribuída a Lotário e por isso
denominada “Lotaríngia”) teve existência efêmera. Mas as outras
partes dariam origem a dois grandes Estados europeus: França e
Alemanha.
Resposta: C

–5
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 6

b) Conquistando povos pagãos e forçando-os a se converterem ao


MÓDULO 4 cristianismo, ou participando do movimento cruzadista contra
os muçulmanos.

O FEUDALISMO E A IGREJA NA IDADE MÉDIA

1. (UFJF) –

2. (UNIFESP) – “Vedes desabar sobre vós a cólera do Senhor. Só há


cidades despovoadas, mosteiros em ruínas ou incendiados, campos
reduzidos ao abandono. Por toda parte o poderoso oprime o fraco e os
homens são semelhantes aos peixes do mar, que indistintamente se
devoram uns aos outros.”

Este documento do século X exprime, em relação à Europa,


a) as concepções de uma sociedade que, apesar de fazer referência a
Deus, era secular por sua preocupação com a economia.
Coroação de Carlos Magno como imperador do Ocidente pelo papa
b) o quadro de devastação existente principalmente na Itália e na
Leão III, em dezembro de 800 d.C.
Alemanha, por causa das guerras entre guelfos e gibelinos.
Disponível em: <http: //www.suapesquisa.com/historia>. Acesso em: c) uma visão de mundo que, embora religiosa, era democrática, pois
8 out. 2011) não estabelecia distinções sociais entre as vítimas.
d) a situação criada tanto pelas invasões de sarracenos, magiares e
“Nascida nos quadros do Império Romano, a Igreja ia aos poucos vikings como pelas frequentes guerras e epidemias.
preenchendo os vazios deixados por ele até, em fins do século IV, e) um contexto de crise existente apenas na Baixa Idade Média, quan-
identificar-se com o Estado, quando o cristianismo foi reconhecido como do todo o continente foi assolado pela Peste Negra.
religião oficial. Estreitavam-se, portanto, as relações Estado-Igreja. No
Império Carolíngio, a aliança entre os soberanos e a Igreja foi RESOLUÇÃO:
fundamental para a consolidação de ambos os poderes; por vezes, a O texto reflete a insegurança reinante na Europa Ocidental nos
Igreja assumia funções que hoje consideramos serem do Estado e este últimos séculos da Alta Idade Média, durante a fase de cristalização
do feudalismo. No entanto, a alternativa D, ao mencionar as
por sua vez interferia nos assuntos religiosos.”
invasões de sarracenos (árabes), magiares (húngaros) e vikings
(normandos), deixou de citar as invasões eslavas, contemporâneas
(Hilário Franco Júnior. A Idade Média. Nascimento do Ocidente. São
das anteriores.
Paulo: Brasiliense, 2001. p.67,71)
Resposta: D

Sobre as relações entre Estado e Igreja na época medieval, responda:


a) Qual a importância da Igreja Católica na administração de reinos e
impérios?
b) De que maneira o poder régio contribuiu para a expansão da fé
cristã?

RESOLUÇÃO:
a) Além de ordenadora religiosa, moral e cultural do período, a
Igreja, por intermédio dos feudos eclesiásticos (administrados
por arcebispos, bispos e abades), participava da estrutura
político-administrativa dos Estados medievais, exercendo
atribuições idênticas às dos senhores leigos. Ademais, a
subordinação do poder temporal ao espiritual fazia com que o
Papado frequentemente interferisse nos assuntos internos das
monarquias europeias.

6–
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 7

3. (PUC-SP) –“A Europa, como ideia e como realidade, é uma criação 4. (ENEM-Adaptado) – “Quando ninguém duvida da existência de um
medieval. Desenhada pela geografia, ela constroi-se na Historia. A Idade outro mundo, a morte é uma passagem que deve ser celebrada entre
Media assinala o momento de sua gestação e de seu desenvolvimento.” parentes e vizinhos. O homem da Idade Média tinha a convicção de não
desaparecer completamente, esperando a ressurreição, pois nada se
(Daniel Valle Ribeiro. “A Alta Idade Média e os prenúncios da ideia de detém e tudo continua na eternidade. A atual perda do sentimento
Europa”, in Néri de Barros Almeida e Marcelo Cândido da Silva (orgs.). religioso fez da morte uma provação aterrorizante, um trampolim para as
Poder e construção social na Idade Média. Goiânia: Editora UFG, trevas e o desconhecido.”
2011, p. 181.)
(G. Duby, Ano 2000 na pista do nossos medos. São Paulo:
Unesp, 1998 (adaptado.)
A ideia principal do texto pode ser justificada pelo fato de que, na Idade
Média, Ao comparar as maneiras com que as sociedades têm lidado com a
a) formou-se uma poderosa aliança política e militar com o conjunto morte, o autor considera que houve um processo de
dos países europeus, objetivando afastar de todo o continente os a) adaptação das crenças religiosas a parâmetros intelectuais.
invasores árabes, por meio das Cruzadas. b) transformação das representações sociais da morte.
b) ocorreu uma profunda rejeição da tradição greco-romana pelos c) disseminação do ateísmo nos países de maioria cristã.
habitantes do continente europeu, que aderiram maciçamente ao d) diminuição da distância entre o saber científico e o eclesiástico.
cristianismo e abandonaram os cultos de origem pagã. e) amadurecimento da consciência ligada à civilização moderna.
c) completou-se a unidade política e administrativa europeia, graças à
expansão dos francos e à expulsão dos grupos de bárbaros RESOLUÇÃO:
procedentes do leste do continente e da Ásia. Na sociedade medieval, profundamente influenciada pelo
d) ocorreu um acelerado processo de urbanização, que permitiu a plena cristianismo (o que incluía a crença na “ressurreição da carne” e
na “vida eterna”), a morte era vista como uma etapa necessária no
integração das economias dos Estados europeus por meio da
caminho da salvação eterna. A diminuição da religiosidade nas
abertura de rotas comerciais terrestres e marítimas. sociedades contemporâneas, porém, transformou a morte em algo
e) constituiu-se gradualmente um espaço político e religioso comum, insondável e, portanto, aterrorizante.
capaz de articular as áreas do Mediterrâneo com os países do centro, Resposta: B
do norte e do leste do continente europeu.

RESOLUÇÃO:
A questão reflete a ideia de que a Europa Medieval apresentou 5. (UNESP) – “O elemento religioso não limitou seus efeitos ao
certa unidade política, econômica, social e cultural, forjada pela fortalecimento, no mundo da cavalaria, do espírito de corpo; exerceu
prevalência do sistema feudal e pela enorme influência da Igreja. também uma ação poderosa sobre a lei moral do grupo. Antes de o
Essa unidade suplantou as disputas entre os Estados insertos no
futuro cavaleiro receber sua espada no altar, era-lhe exigido um
conjunto da Europa, fazendo do continente uma entidade
geopolítica com influência planetária a partir das Grandes juramento que especificava as suas obrigações.”
Navegações (séculos XV-XVI). Atualmente, o ideal de uma União
(Marc Bloch. A sociedade feudal, 1987.)
Europeia pode ser visto como uma retomada, em nível institucional
e politicamente consciente, da unidade existente na Europa
medieval. O texto mostra que os cavaleiros medievais, entre outros aspectos de
Resposta: E sua formação e conduta,
a) colocavam-se a serviço dos comerciantes das cidades, a quem
deviam proteger e defender na vida cotidiana e em caso de guerra.
b) privilegiavam as orações e exercícios espirituais, se necessário em
detrimento das atividades de cunho propriamente militar.
c) definiam-se como uma ordem particular dentro da rígida estrutura
feudal, mas mantinham vínculos profundos com a Igreja.
d) valorizavam os torneios, pois neles mostravam sua habilidade e des-
treza, ganhando prestígio e poder no mundo medieval.
e) agiam de forma individualista, alimentando disputas e frequentemen-
te combatendo uns contra os outros.

RESOLUÇÃO:
A cavalaria (que se autodefinia como uma “ordem”, por analogia
com as ordens religiosas) foi uma importante instituição do mundo
feudal, restrita a membros da nobreza. Seus participantes
comprometiam-se a seguir um rigoroso código de conduta que,
além de realçar os valores medievais da coragem e da honra,
coadunava-se com as determinações morais cristãs e tinha um
claro comprometimento com a defesa da Igreja e da fé.
Resposta: C

–7
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 8

d) Durante o renascimento comercial e urbano, surgiram as ordens


MÓDULO 5 mendicantes – entre elas a dos franciscanos –, que vieram a
constituir uma força de contestação à ordem feudal e ao poder
econômico da Igreja.
AS CRUZADAS E O RENASCIMENTO
e) Com a crescente ruralização e o aumento da pobreza no espaço
COMERCIAL E URBANO europeu, surgiram as ordens mendicantes, como a dos franciscanos,
que se tornaram a principal instância da Igreja Católica, em
detrimento do poder papal e da autoridade dos bispos.
1. (UNESP) – “A partir do século XI, os cristãos organizaram
RESOLUÇÃO:
expedições em comum contra os muçulmanos na Palestina, para
A presente questão interpreta o surgimento das ordens
reconquistar os “lugares santos” onde Cristo tinha morrido e mendicantes por uma óptica peculiar. A avaliação mais frequente
ressuscitado. Os homens e as mulheres da Idade Média tiveram então sobre esse acontecimento é que franciscanos e dominicanos
o sentimento de pertencer a um mesmo grupo de instituições, de pretendiam, com seu exemplo de pobreza e desprendimento dos
crenças e de hábitos: a cristandade.” bens materiais, oferecer um exemplo contrário à tendência
(dominante sobretudo no alto clero) de apego aos valores
mundanos.
(Jacques Le Goff. A Idade Média explicada aos meus filhos, 2007.) Resposta: B

Segundo o texto, as Cruzadas


a) contribuíram para a construção da unidade interna do cristianismo, o
que reforçou o poder da Igreja Católica Romana e do papa.
b) resultaram na conquista definitiva da Palestina pelos cristãos e na
consequente derrota e submissão dos muçulmanos.
c) determinaram o aumento do poder dos reis e imperadores, uma vez
que a derrota dos cristãos debilitou o poder político do papa.
d) consolidaram o caráter monoteísta do cristianismo medieval, o que 3. (FATEC) – “Nos séculos finais da Baixa Idade Média, a economia de
ajudou a reduzir a influência judaica e muçulmana na Palestina. subsistência e de trocas naturais tendia a ser suplantada pela economia
e) definiram a separação oficial entre Igreja e Estado, estipulando monetária. A influência das cidades passou a prevalecer sobre os
funções e papéis diferentes para os líderes políticos e religiosos. campos, e a dinâmica de comércio levou à mudança e ruptura das
corporações de ofício medievais.”
RESOLUÇÃO:
O texto afirma que as Cruzadas contribuíram para reforçar a (Nicolau Sevcenko. O Renascimento. São Paulo: Atual, 1988,
unidade interna da cristandade ocidental e, por conseguinte, a p. 5. Adaptado.)
autoridade do papa à frente da Igreja. Este último aspecto
(fortalecimento da autoridade pontifícia) pode ser confirmado pela
Analisando as transformações citadas, pode-se concluir que elas
vitória do poder espiritual sobre o temporal na Questão das
Investiduras (1076-1122) e sobretudo pelo pontificado de Inocêncio a) evidenciaram o surgimento da nova classe social burguesa e a crise
III (1198-1216), que se impôs a todos os soberanos da época – do sistema feudal.
inclusive ao imperador germânico Frederico II, obrigado pelo papa b) fortaleceram a Igreja Católica, que incentivava a prática do comércio
a empreender a Sexta Cruzada. no período medieval.
Resposta: A
c) prejudicaram a burguesia comercial e favoreceram os proprietários
das terras feudais.
d) demonstraram a força do sistema feudal e dos mecanismos de
subsistência no campo.
2. (UFPR-Adaptado) – O Papa Francisco, eleito em março de 2013, e) enfraqueceram os reis absolutistas que dominaram a Europa durante
chamou atenção novamente para a figura de Francisco de Assis, o período medieval.
fundador da Ordem dos Franciscanos (ou dos Irmãos Menores) na Baixa
Idade Média. Assinale a alternativa que relaciona o contexto de RESOLUÇÃO:
surgimento dos franciscanos e sua motivação de ação. A partir do século XII, o Renascimento Comercial e Urbano pôs em
cheque as estruturas feudais, diminuindo a importância da
a) Com a retração do renascimento comercial e urbano, aumentaram a
economia de base agrária, alterando as relações de produção e
pobreza e o abandono de crianças; estas eram recolhidas pelas enfraquecendo a nobreza senhorial. Todas essas transformações
ordens mendicantes – entre elas a dos franciscanos –, para evitar fazem parte da transição feudocapitalista que caracterizou a Baixa
que fossem recrutadas para as Cruzadas. Idade Média na Europa.
b) Com o renascimento comercial e urbano, aprofundaram-se a pobreza Resposta: A
e as desigualdades sociais, o que suscitou o aparecimento de várias
ordens mendicantes – entre as quais a Ordem dos Franciscanos que
pretendiam atuar junto aos necessitados.
c) O renascimento comercial e urbano provocou o empobrecimento da
Igreja Católica na Baixa Idade Média, suscitando o aparecimento das
ordens mendicantes –, com o objetivo de reduzir os custos de
manutenção do clero.

8–
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 9

4. (PUC-SP) – O crescimento urbano na Europa Ocidental, registrado


a partir do século XI, atraiu novos moradores para as cidades. Estas MÓDULO 6
a) haviam desaparecido nos séculos anteriores, dadas as características
rurais do feudalismo, e agora retomavam sua condição de centros
econômicos.
CONTEXTO E FATORES
b) tornaram-se centros comerciais importantes, em termos locais ou DA EXPANSÃO MARÍTIMA
internacionais, estimulando a criação de feiras e uma maior
circulação monetária.
c) cresceram descontroladamente, devido ao grande afluxo de estran- 1. (UFPR) – Comente a relação entre a Expansão Marítima e a
geiros, e passaram a ser denominadas “metrópoles” ou formação dos Estados nacionais, no início da Época Moderna.
“megalópoles”.
d) transformaram-se em centros de poder da emergente classe bur- RESOLUÇÃO:
guesa, mas em sua maioria permaneceram submissas à autoridade A centralização do poder monárquico, aliada à participação da
burguesia, foi fundamental para o planejamento e a execução das
de senhores.
Grandes Navegações. Estas, por sua vez, contribuíram para
e) alargaram seu perímetro, visando acomodar uma população crescen- consolidar os Estados nacionais absolutistas, graças ao aumento
te, e organizaram as primeiras expedições marítimas para a conquis- da arrecadação tributária proporcionado pela expansão das
ta do Oriente. atividades comerciais.

RESOLUÇÃO:
O texto faz referência ao Renascimento Comercial e Urbano da
Baixa Idade Média, caracterizado pela migração de moradores dos
feudos para as cidades (preexistentes ou recém-formadas), em um
quadro de efervescência econômica e dinamização do comércio
inter-regional e internacional.
Resposta: B

5. (UPE-Adaptado) – Sobre a relação entre cultura e cristianismo na 2. (MACKENZIE) – Assinale a alternativa correta acerca da Expansão
Idade Média, analise as afirmações a seguir: Ultramarina Europeia.
I. A Baixa Idade Média transcorreu alheia a práticas heréticas em solo a) A corrida expansionista de Portugal e Espanha gerou, na segunda
europeu. metade do século XV, um período de grande cooperação entre os
II. Cidades como Roma e Santiago de Compostela eram destinos dois reinos, denominado “União Ibérica”.
recorrentes no itinerário dos peregrinos. b) Posteriormente à descoberta do novo continente, o grande afluxo
III. Os mosteiros e as catedrais podem ser considerados como as do ouro e da prata americanos para a Europa provocou uma
edificações mais significativas da Igreja medieval. significativa baixa nos preços dos alimentos.
IV. Muitos mosteiros medievais procuraram preservar os textos c) O navegador Cristóvão Colombo provou, com sua viagem, a tese do
clássicos, embora seus autores fossem pagãos. El Naciente por El Poniente, isto é, de que seria possível alcançar as
V. A arte dos mosaicos, predominante no interior das igrejas medievais, Índias, no Ocidente, navegando em direção ao Oriente.
deveu-se à influência cultural bizantina. d) As Grandes Navegações inserem-se no processo de fortalecimento
da burguesia e de superação dos entraves medievais ao desenvolvi-
Assinale a alternativa correta: mento da economia mercantil.
a) somente as afirmações I, II e III são verdadeiras. e) Em agosto de 1492, a nau Santa María e as caravelas Niña e Pinta
b) somente as afirmações I, III e V são verdadeiras. partiram de Palos (Espanha) no rumo leste e alcançaram, em outubro
c) somente as afirmações II, III e IV são verdadeiras. do mesmo ano, a costa da América do Norte.
d) somente as afirmações II, II e V são verdadeiras.
e) somente as afirmações III, IV e V são verdadeiras. RESOLUÇÃO:
A Expansão Marítimo-Comercial visava superar a crise de desenvol-
RESOLUÇÃO: vimento do século XV, provocada pela necessidade de abrir
A afirmação I é falsa porque na Baixa Idade Média surgiram diversas mercados para os produtos europeus, bem como de obter metais
heresias, das quais as mais importantes foram a dos albigenses e a preciosos no ultramar. A burguesia, interessada em aumentar seus
dos valdenses. A afirmação V é falsa porque os mosaicos só lucros, aliou-se aos reis para organizar essas navegações.
estiveram presentes em igrejas italianas ligadas de alguma forma à Resposta: D
cultura bizantina, como a Catedral de São Marcos, em Veneza, pois
os venezianos mantinham intensos contatos comerciais com
Constantinopla.
Resposta: C

–9
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 10

3. (MACKENZIE) – No século XV, as Coroas ibéricas iniciaram o 5. (UNICAMP-Adaptado) – “Alexander von Humboldt (1769-1859) foi
processo de expansão marítima da Europa. Assinale a alternativa que um cientista que analisou o processo dos descobrimentos marítimos do
apresenta um fator impulsionador dessa expansão. século XVI, classificando-o como um avanço científico ímpar. A
a) O interesse em encontrar uma rota marítima para a China, após a descoberta do Novo Mundo foi marcante porque os trabalhos realizados
tomada de Constantinopla pelos mongóis. para conhecer sua geografia tiveram incontestável influência no
b) A rápida e inesperada decadência do ciclo de exploração das riquezas aperfeiçoamento dos mapas e dos métodos astronômicos para
minerais até então obtidas no continente africano. determinar pontos na superfície terrestre. Humboldt constatou a
c) A busca de capitais para financiar as campanhas destinadas a recon- importância das viagens, atribuindo-lhes valor científico e histórico.”
quistar a Península Ibérica, então dominado pelos mouros. (H. B. Domingues. “Viagens científicas: descobrimento e colonização no Brasil
d) A colaboração com as cidades italianas, que permitiu um melhor no século XIX”, em Alda Heizer e Antônio A. Passos Vieira, Ciência, Civilização e
aproveitamento dos recursos financeiros investidos. Império nos trópicos. Rio de Janeiro: Acesso Editora 2001, p. 59. Adaptado)
e) A procura de um caminho marítimo para alcançar o Oriente e, dessa
forma, ter acesso ao lucrativo comércio de especiarias. Assinale a alternativa correta.
a) Os Descobrimentos relacionam-se com a constatação da inferiori-
RESOLUÇÃO: dade da natureza americana, o que justificava a exploração colonial.
O principal objetivo das Grandes Navegações, no início dos Tempos
b) Humboldt retoma o marco histórico dos Descobrimentos e reco-
Modernos, foi a busca de um caminho marítimo para as Índias, a
fim de quebrar o monopólio sobre a venda de produtos do Oriente nhece suas contribuições para a expansão do conhecimento científico.
na Europa, até então exercido pelos italianos. Portugal e Espanha, c) Os conhecimentos anteriores a Galileu foram preservados nos
com as viagens marítimas, expandiram extraordinariamente o mapas e nas noções geográficas resultantes dos Descobrimentos.
conhecimento que se possuía dos limites da Terra. d) Os Descobrimentos alcançaram grande repercussão por terem esta-
Resposta: E
belecido parâmetros que explicam a independência das Américas.
e) O pensamento cientificista de Humboldt impediu-o de avaliar o
potencial dos conhecimentos oferecidos pela natureza das Américas.

RESOLUÇÃO:
Alexander von Humboldt, legítimo representante do cientificismo
4. (FATEC) – “As caravelas representaram um grande avanço que dominou o pensamento ocidental no século XIX, reconhece a
tecnológico no final do século XV. Graças a elas, foi possível realizar importância da contribuição proporcionada pelas Grandes
eficientemente viagens de longa distância. Centenas de homens Navegações para o progresso da Geografia, da Astronomia e da
História Natural, bem como para o avanço de técnicas ligadas à
embarcaram nas caravelas dos Descobrimentos – alguns buscando
navegação. A propósito, deve-se observar que, no século XVIII,
enriquecimento rápido; outros, oportunidade de difundir a fé em Cristo. certos governos e sociedades científicas da Europa organizaram
Esses homens eram atraídos pela aventura, mas as surpresas nem viagens marítimas nas quais a busca do conhecimento geográfico
sempre eram agradáveis. Nas embarcações, proliferavam doenças e a sobrepujava os interesses comerciais (principal representante
alimentação era precária.” desse ciclo: James Cook, 1728-79).
Resposta: B
(Revista de História da Biblioteca Nacional, setembro de 2012,
pp.22-25. Adaptado.)

Sobre a época descrita no texto e considerando as informações


apresentadas, é correto afirmar que as viagens nas caravelas
a) foram realizadas no contexto da expansão do mercantilismo europeu,
visando também à ampliação do catolicismo.
b) não pretendiam descobrir novos territórios, mas apenas estabelecer
rotas para aventureiros e marginalizados da sociedade.
c) tinham como principal objetivo expulsar as populações muçulmanas
da Península Ibérica, após a Guerra de Reconquista.
d) se realizavam em condições precárias porque, tendo caráter
clandestino, não contavam com a autorização da Coroa.
e) não eram feitas em condições apropriadas, embora a maior parte de
seus tripulantes pertencesse à nobreza feudal.

RESOLUÇÃO:
A alternativa menciona os dois fatores que mais contribuíram para
as Grandes Navegações dos séculos XV e XVI: a necessidade de
abrir mercados ao comércio europeu em expansão e o chamado
“espírito cruzadista”, relacionado com o desejo de converter os
pagãos à fé católica. O espírito de aventura também motivava os
navegadores e sua relevância não deve ser menosprezada.
Resposta: A

10 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 11

MÓDULO 7
EXPANSÃO MARÍTIMA: CICLO ORIENTAL

1. (UERJ) –

(Alceu Luiz Pazzinato e Maria Helena Valente Senise. História moderna e contemporânea. São paulo: Ática, 1998 – Adaptado.)

De acordo com as indicações do mapa, a expansão marítima promovida pela Coroa de Portugal, nos séculos XV e XVI, permitiu a incorporação de novas
regiões e sociedades ao comércio europeu.
Acerca desse tema, a) Apresente dois interesses da sociedade portuguesa na exploração da costa ocidental africana. b) Explique a importância da região
para o estabelecimento dos portugueses na Ásia.

RESOLUÇÃO:
a) – Expansão do tráfico de escravos.
– Implantação da agromanufatura açucareira nas ilhas da Madeira, Açores e Cabo Verde.
– Comercialização de produtos africanos, como ouro, marfim e pimenta malagueta.

b) O litoral africano proporcionou aos portugueses, além de lucros comerciais que foram reinvestidos nas viagens de descobrimento,
importantes pontos de apoio na rota que levaria os navegadores lusos a alcançar as Índias.

– 11
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 12

2. (FUVEST) – “Deve-se notar que a ênfase dada à faceta cruzadística 3. (UEPB-Adaptado) – “Hoje, por exemplo, os aviões nos levam de
da expansão portuguesa não implica, de modo algum, que os interesses São Paulo ou Rio de Janeiro a Lisboa, confortavelmente e em apenas
comerciais estivessem dela ausentes. Tão mesclados andavam os 9 horas, de modo que, ao chegarmos ao destino, poucos efeitos
desejos de dilatar o território cristão com as aspirações por lucro sentimos da viagem de tantos milhares de quilômetros. Coisa bem
mercantil que, em sua oração de obediência ao pontífice romano, D. diferente passava a tripulação das caravelas que cruzava o Atlântico,
João II não hesitava em mencionar, entre os serviços prestados por sem ver terra por mais de 45 dias.”
Portugal à cristandade, o trato do ouro da Mina, ‘comércio tão santo,
tão seguro e tão ativo’ que o nome do Salvador, ‘nunca antes nem de (José Alves de Freitas Neto e Célio Ricardo Tasinafo.
ouvir dizer conhecido’, ressoava agora nas plagas africanas.” História Geral e do Brasil. HARBRA. p. 231.)

(Luiz Felipe Thomaz, “D. Manuel, a Índia e o Brasil.” Sobre as Grandes Navegações, é correto afirmar que
Revista de História (USP), 161, 2.° Semestre de 2009, pp. 16-17. a) as viagens eram penosas e cheias de imprevistos, devido aos poucos
Adaptado.) avanços tecnológicos do período.
b) a estratégia portuguesa utilizada para chegar ao Oriente foi a
Com base na afirmação do autor, pode-se dizer que a expansão
circum-navegação da África.
portuguesa dos séculos XV e XVI foi um empreendimento
c) os reis Fernando e Isabel financiaram o projeto de Colombo para che-
a) puramente religioso, bem diferente das Cruzadas dos séculos
gar ao Oriente por meio da circum-navegação da África.
anteriores, já que estas eram, na realidade, grandes empreendimen-
d) os empreendimentos marítimos, desde seu princípio, tinham por
tos comerciais.
meta principal encontrar novas terras.
b) por meio do qual os desejos de expansão territorial, de dilatação
e) a descentralização política e o progresso nas técnicas de navegação
da fé cristã e de conquista de novos mercados mostrar-se-iam
foram determinantes para o sucesso dessas expedições.
incompatíveis.
c) ao mesmo tempo religioso e comercial, já que era comum, à época, RESOLUÇÃO:
a concepção de que a expansão da cristandade servia à expansão Coube a Portugal o pioneirismo no processo da expansão mercantil
econômica e vice-versa. europeia, desenvolvendo o Ciclo Oriental das Navegações, isto é,
d) militar, assim como as Cruzadas dos séculos anteriores, no qual um conjunto de expedições marítimas para alcançar o Oriente
contornando o litoral africano.
objetivos econômicos e religiosos surgiriam como complementos
Resposta: B
apenas ocasionais.
e) que visava exclusivamente lucrar com o comércio intercontinental,
embora as autoridades afirmassem que seu único objetivo era a
expansão da fé cristã.

RESOLUÇÃO:
A alternativa corrobora o texto transcrito, pois ambos demonstram
que a expansão ultramarina de Portugal atendia, declaradamente,
a interesses econômicos e também religiosos – estes últimos
relacionados com a expansão da fé cristã (faceta cruzadística da
expansão portuguesa).
Resposta: C

12 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 13

4. (CESGRANRIO) – O descobrimento do Brasil fazia parte do plano 5. (PUC-SP) – “Mostraram-lhes um carneiro; não fizeram caso dele.
imperial da Coroa Portuguesa no século XV. Embora não houvesse Mostraram-lhes uma galinha; quase tiveram medo dela, e não lhe
interesse específico na expansão para o Ocidente, queriam pôr mão. Depois lhe pegaram, mas como que espantados.
a) a posse de terras no Atlântico Sul-Ocidental consolidaria a hegemo- Deram-lhes ali de comer: pão e peixe cozido, confeitos, bolos, mel, figos-
nia portuguesa nesse oceano. passa. Não quiseram comer daquilo quase nada; e se provavam alguma
b) o Brasil era uma opção mercantil mais próxima do que o comércio coisa, logo a lançavam fora. Trouxeram-lhes vinho em uma taça; mal lhe
português no Oriente. puseram a boca, não gostaram dele nada, nem quiseram mais.”
c) o desvio da esquadra de Cabral seguiu o projeto de Colombo para
(“A carta de Pero Vaz de Caminha”, maio de 1500.
chegar às Índias.
Extraído de Dea Ribeiro Fenelon. 50 textos de história do Brasil.
d) a procura de terras no Ocidente foi um esforço de Portugal para se São Paulo: Hucitec, 1986, p. 23. – Adaptado)
afastar da costa africana.
e) essa descoberta foi mero acaso, provocado pelas intempéries que O documento mostra o primeiro contato entre portugueses e nativos
desviaram a esquadra de sua rota. do atual Brasil. Podemos afirmar que o texto demonstra
a) a superioridade técnica dos europeus em relação aos indígenas, o
RESOLUÇÃO:
O descobrimento de terras no Ocidente, pertencentes a Portugal que explica a pouca resistência à colonização portuguesa.
com base no Tratado de Tordesilhas (1494), permitiu que os lusos b) a necessidade de reeducar os hábitos dos indígenas, cuja alimen-
controlassem o Atlântico Sul, dominando a rota marítima que tação era muito menos diversificada que a dos colonizadores.
levava às Índias. Daí a importância estratégica da viagem de Cabral, c) a importância da chegada dos portugueses ao continente americano,
por meio da qual as referidas terras foram oficialmente
pois eles trouxeram alimentos superiores aos dos indígenas.
incorporadas aos domínios de Portugal.
Resposta: A d) a diversidade cultural existente entre europeus e indígenas, ao expor
diferenças nos costumes, nos utensílios e na alimentação.
e) a plena harmonia no estabelecimento de relações entre conquista-
dores e conquistados, pois todos se identificaram uns com os outros.

RESOLUÇÃO:
Questão elaborada para atender à crescente presença de uma visão
antropológica nos vestibulares. Nesse sentido, enfatiza as diferen-
ças culturais entre nativos da América e europeus, aparentemente
sem estabelecer juízos de valor. Não obstante, é curioso observar
que uma análise mais aprofundada do trecho transcrito revela a
visão etnocêntrica europeia, ao deixar transparecer a estranheza
de Caminha diante da rejeição, pelos indígenas, de alimentos que
os portugueses consideravam refinados.
Resposta: D

– 13
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 14

– expansão do comércio europeu, favorecendo a acumulação


MÓDULO 8 primitiva de capitais.
– grande afluxo de metais preciosos, provocando um
processo inflacionário (Revolução dos Preços).
CICLO OCIDENTAL E CONSEQUÊNCIAS – expansão das práticas econômicas do mercantilismo.
– fortalecimento econômico da burguesia.
DA EXPANSÃO MARÍTIMA – abertura de mercados ultramarinos.

Consequências aplicáves à economia dos outros continentes:


– formação dos primeiros impérios coloniais, com a sujeição
1. (UERJ) total ou parcial das populações nativas ao domínio dos
colonizadores.
– subordinação dos territórios ultramarinos aos interesses
econômicos dos europeus.
– estabelecimento de contatos comerciais regulares com os
países europeus.
– inserção dos territórios ultramarinos, como áreas
periféricas, no comércio mundial, cujo centro se encontrava
na Europa.

2. (UNESP) – “Inserto em um empreendimento mercantil financiado


com objetivos econômicos, Cristóvão Colombo encontrou na América
uma realidade que não permitia identificar as imaginadas riquezas
orientais, o que deu origem a uma dupla narrativa: a do esperado e a do
experimentado, em que o discurso é pressionado pela necessidade de
obter informações para um projeto colonizador.”
(Wilton Carlos Lima da Silva. As terras inventadas, 2003. Adaptado.)

Segundo o texto, o relato de Colombo


a) revela a convicção do navegador de que as novas terras oferecem
riquezas imediatas e poder planetário aos reis da Espanha.
b) expõe o esforço do navegador para conciliar a especificidade ameri-
cana com as expectativas europeias em relação à viagem.
c) confirma o caráter casual da descoberta da América e o desconsolo
do navegador diante das pressões comerciais da metrópole.
d) demonstra a superioridade religiosa e tecnológica dos navegadores
europeus em relação aos nativos americanos.
Os mapas indicam as principais rotas comerciais europeias, e) mostra a decepção do navegador com o que encontrou na América,
respectivamente na Baixa Idade Média e na Idade Moderna. Compa- pois não havia riquezas que justificassem a longa viagem.
rando-os, percebem-se alterações significativas nesses caminhos a
partir do século XVI, provocadas pela Revolução Comercial. RESOLUÇÃO:
a) Aponte a mudança geográfica provocada pela Revolução Comercial. Embora tenha realizado quatro viagens à América – chegando em
uma delas a tocar território continental –, Colombo sempre afirmou
b) Cite duas consequências econômicas da Revolução Comercial, uma
haver chegado às Índias, em um esforço para conciliar a
aplicável à Europa e outra aos demais continentes conhecidos à expectativa castelhana de obter rápido acesso às riquezas do
época. Oriente com a realidade dos descobrimentos por ele efetuados até
então.
RESOLUÇÃO: Resposta: B
a) Deslocamento do eixo comercial europeu do Mar Mediterrâneo
para o Oceano Atlântico.

b) Consequências aplicáveis à Europa:

14 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 15

3. (FUVEST) – “Os cosmógrafos e navegadores de Portugal e Espanha na Expansão Marítima. A afirmação II é falsa porque Inglaterra e
procuraram situar estas costas e ilhas da maneira mais conveniente a França entraram atrasadas na Era dos Descobrimentos, devido à
seus propósitos. Os espanhóis situam-nas mais para oriente, de forma existência de problemas internos e externos nesses países (Guerra
dos Cem Anos, entre ingleses e franceses, e Guerra das Duas
a parecer que pertencem ao Imperador*. Os portugueses por sua vez,
Rosas, no território da Inglaterra). A afirmação IV é falsa porque a
situam-nas mais para ocidente, pois desse modo colocariam-nas em sua conquista da América foi marcada pela violência dos espanhóis
jurisdição.” contra os indígenas, o que provocou grande mortandade nas
*Carlos V, imperador do Sacro Império, que era também rei da Espanha com o populações nativas.
nome de Carlos I. Resposta: C
(Carta de Robert Thorne,
comerciante inglês, ao rei Henrique VIII, 1527)

O texto remete diretamente


a) à competição entre os países europeus retardatários na corrida pelos
descobrimentos.
b) aos esforços dos cartógrafos para mapear com precisão as novas
descobertas.
c) ao duplo papel da Marinha da Inglaterra, ao mesmo tempo mercantil
e corsária.
d) às disputas entre países europeus, decorrentes do Tratado de
Tordesilhas.
e) à aliança das Coroas ibéricas na realização da Expansão Marítimo-
Comercial. 5. (PUC) – A Expansão Marítima dos séculos XV e XVI teve como
desdobramentos a conquista europeia da América e a descoberta de
RESOLUÇÃO: novas rotas de navegação para o Oriente. A Expansão Marítima também
Em 1527, ainda não se havia determinado com exatidão a posição provocou, ao longo do tempo,
geográfica do litoral americano e das ilhas do Atlântico. Isso explica a) o controle europeu sobre os três oceanos, pois as caravelas portu-
por que os cartógrafos portugueses e espanhóis procuravam situá-
guesas e espanholas passaram a dominar o comércio no Atlântico,
los dentro dos domínios de seus soberanos, ou seja,
respectivamente a leste e a oeste do meridiano fixado pelo Tratado Índico e Pacífico.
de Tordesilhas (370 léguas a oeste de Cabo Verde). b) a integração de alimentos americanos à dieta dos europeus, pois o
Resposta: D milho, a batata, o cacau e o tomate passaram a ser consumidos na
Europa.
c) o fim das atividades comerciais no Mar Mediterrâneo, pois as espe-
4. (UFSC-Adaptado) – As Grandes Navegações tiveram importantes ciarias obtidas no Oriente só podiam ser transportadas para a Europa
consequências tanto para a Europa como para a América. A respeito por via oceânica.
delas, avalie as afirmações a seguir. d) a expansão do protestantismo, pois os perseguidos religiosos apro-
I. Portugal possui um grande litoral e, consequentemente, estava veitaram a tolerância imperante nas colônias espanholas para nelas
vocacionado para o comércio marítimo; assim, pode-se afirmar que se fixarem.
o pioneirismo português nas navegações decorreu de uma dádiva e) o início da hegemonia marítima inglesa, pois a frota britânica oferecia
natural. proteção aos navegadores contra a ação de corsários e piratas que
II. Dois importantes concorrentes dos portugueses nas Grandes Nave- atuavam no Caribe.
gações foram França e Inglaterra que, assim como Portugal,
beneficiaram-se com a paz reinante em seus territórios nos séculos RESOLUÇÃO:
XIV e XV. A alternativa contempla um efeito menor — mas nem por isso
III. Foram consequências importantes das Grandes Navegações o menos verdadeiro — das relações entre a Europa e a América
Colonial. A batata, aliás, desempenhou um papel importante na
crescimento das operações comerciais e a entrada, na Europa, de
alimentação do proletariado durante a Revolução Industrial.
produtos originários da América, como o tabaco, o milho, a batata e Obs.: A alternativa A está errada porque os navios espanhóis não
o cacau. participaram do comércio no Oceano Índico.
IV. A conquista espanhola da América ocorreu de forma pacífica, uma Resposta: B
vez que os incas conservaram a liberdade de exercer suas atividades
econômicas e culturais de forma autônoma em relação à Espanha.

Assinale a alternativa correta.


a) Apenas a afirmação I é verdadeira.
b) Apenas a afirmação II é verdadeira.
c) Apenas a afirmação III é verdadeira.
d) Apenas a afirmação IV é verdadeira.
e) Nenhuma afirmação é verdadeira.

RESOLUÇÃO:
A afirmação I é falsa porque a localização geográfica de Portugal foi
apenas um dos fatores que possibilitaram o pioneirismo português

– 15
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 16

3. (UFC) – Em 2001, Alejandro Toledo foi eleito presidente do Peru.


MÓDULO 9 Durante a campanha eleitoral, foi chamado de “Pachacutec”, em alusão
ao monarca inca que consolidou um império nos Andes Centrais. Sobre
a sociedade incaica, é correto afirmar que
CIVILIZAÇÕES PRÉ-COLOMBIANAS a) seu alto grau de desenvolvimento deveu-se em parte à negação da
cultura dos povos dominados.
b) sua economia tinha por base a agricultura, com a prática do regadio
em terras comunitárias ou de propriedade real.
1. (FATEC) – No processo de conquista da América, os espanhóis c) se diferenciava das demais culturas pré-colombianas pela existência
dominaram e exploraram os povos do Império Asteca, cuja civilização de uma sociedade igualitária.
a) desenvolveu engenhosos sistemas de irrigação para a agricultura, o d) o comércio interno era bastante expressivo, tendo no guano um dos
que possibilitou uma grande concentração humana, com forte produtos mais valorizados.
hierarquização social. e) sua cultura desapareceu com a colonização espanhola, apesar das
b) praticava o ritual antropofágico cotidiano, fundamentado na crença de recentes tentativas para revitalizá-la.
que a carne do inimigo despertaria o espírito guerreiro dos artesãos
e dos camponeses. RESOLUÇÃO:
As civilizações pré-colombianas tinham base agrícola, o que as
c) construiu somente pequenas edificações de pedra com formas
aproximava dos antigos impérios de regadio da Antiguidade
irregulares, pois desconhecia técnicas de lapidação e tinha poucas Oriental. Mesmo assim, não se encaixavam no modo de produção
noções de matemática e geometria. asiático, devido às características clânicas de sua organização
d) possuía uma estrutura social igualitária, já que todos tinham um papel social. Os incas praticaram a agricultura de regadio nas regiões
importante na sociedade, não existindo entre eles privilégios de planas de seu império, reservando o cultivo em terraços para as
encostas montanhosas nos contrafortes dos Andes.
qualquer natureza.
Resposta: B
e) adotou uma espécie de república constitucional como forma de
governo, o que assegurava equilíbrio e harmonia entre os órgãos
executivo, legislativo e judiciário.

RESOLUÇÃO:
O Império Asteca, como as demais civilizações agrícolas da
Antiguidade Oriental e da América Pré-Colombiana, desenvolveu
técnicas de cultivo que lhe permitiram sustentar uma população
numerosa, bem como criar uma estrutura social em que a base
camponesa se subordinava a um governo teocrático, apoiado nos
estamentos guerreiro e sacerdotal.
Resposta: A

2. (UNESP-Adaptado) – Entre as civilizações pré-colombianas dos 4. (UFPA) – Ao chegarem ao Novo Mundo e se defrontarem com as
maias e dos astecas, havia semelhanças culturais significativas. No civilizações asteca e inca, os europeus encontraram formas de produzir
momento em que foram conquistadas, e organizar a exploração da terra distintas das praticadas no Velho
a) os maias tiveram seus documentos escritos preservados pelos Mundo. A esse respeito, pode-se afirmar que
espanhóis, enquanto a civilização asteca foi destruída. a) astecas e incas organizaram formas de cultivo adaptadas aos
b) os astecas e os maias mantinham relações pacíficas com os povos ambientes de suas civilizações, como a agricultura dos lagos e a dos
que habitavam as atuais regiões do México e da Guatemala. terraços nas montanhas, respectivamente.
c) tiveram suas populações dizimadas pelos espanhóis, que destruíram b) a exploração agrícola era uma atividade marginal na sociedade e nas
as cidades astecas de Palenque, Uxmal e Chichén Itzá. economias asteca e inca, que se fundamentavam no comércio de
d) o território asteca se estendia do Atlântico ao Pacífico; mas os maias metais preciosos, tão ao agrado aos europeus.
já não habitavam as cidades que haviam construído. c) o clima tropical, no qual se desenvolveram as civilizações asteca e
e) eram constituídas por caçadores nômades, desconheciam a inca, restringiu a agricultura às várzeas dos rios, apresentando portan-
agricultura e utilizavam a roda e os metais para fins militares. to características desconhecidas dos europeus.
d) somente com a chegada dos europeus e de novas técnicas de
RESOLUÇÃO: cultivo, como o uso do arado de tração animal, é que os indígenas da
Quando os espanhóis iniciaram a conquista da América América descobriram a agricultura.
Continental, no princípio do século XVI, o Império Asteca estava e) o incipiente desenvolvimento da agricultura entre os astecas e os
no apogeu. Os maias, porém, por motivos ainda hoje não
incas foi responsável pela vertiginosa queda dessa atividade
perfeitamente esclarecidos, haviam abandonado suas cidades na
Península do Yucatán cerca de cinquenta anos antes. Não confundir econômica diante da invasão europeia.
Palenque, Uxmal e Chichén Itzá, situadas no Yucatán e
pertencentes ao chamado “II Império Maia”, com Tikal e Copán, RESOLUÇÃO:
localizadas na região da Guatemala e relacionadas com o I Império Os astecas praticavam a agricultura nas margens dos lagos
Maia, formado muitos séculos antes. localizados no Vale do México, reforçando-a com as chinampas,
Resposta: D instaladas na superfície dos próprios lagos. Já os incas, para
ampliar as áreas cultiváveis na região dos Andes, faziam terraços
nas encostas, aumentando a produtividade e evitando a erosão.
Resposta: A

16 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 17

5. (FGV) – O ayllu, núcleo fundamental da sociedade incaica, era a 2. (MACKENZIE) – Considere as afirmações a seguir.
denominação dada I. O absolutismo caracterizou-se como um tipo de regime político que,
a) à linhagem hereditária da família reinante. durante a transição do feudalismo para o capitalismo, preocupava-
b) à camada de proprietários das terras cultiváveis. se com o desenvolvimento econômico, principalmente comercial.
c) ao trabalho coletivo utilizado nas obras públicas. II. A nobreza feudal opôs-se ao regime absolutista, por considerá-lo
d) ao estamento guerreiro do qual provinham os curacas. prejudicial aos seus interesses. Ficou, por isso, restrita à posse das
e) aos clãs incumbidos de cultivar as terras produtivas. terras e dos títulos nobiliárquicos.
III. Os monarcas absolutistas apoiavam seu poder supremo em direitos
RESOLUÇÃO: consagrados, por meio de uma Constituição reconhecida pelo papa.
Sendo uma comunidade clânica, o ayllu era formado por indivíduos
aparentados. As terras cultiváveis (excetuadas aquelas que
pertencessem ao Inca/imperador) eram divididas entre os ayllus. Assinale a alternativa correta.
Cada comunidade cultivava sua porção comunitariamente, a) apenas a afirmação I é verdadeira.
remetendo parte da produção ao Inca, para a manutenção do b) apenas a afirmação II é verdadeira.
aparelho do Estado. c) apenas a afirmação III é verdadeira.
Resposta: E
d) apenas as afirmações I e II são verdadeiras.
e) apenas as afirmações II e III são verdadeiras

RESOLUÇÃO:
MÓDULO 10 A afirmação II é falsa porque a nobreza foi, juntamente com o clero,
um sustentáculo do absolutismo, recebendo em troca privilégios
sociais, cargos e pensões (anteriormente, na Baixa Idade Média,
BASES DO COLONIALISMO MERCANTILISTA ela se opusera ao processo de centralização monárquica, mas
acabou por se submeter a ele). A afirmação III é falsa porque o
regime absolutista caracterizava-se pelo poder ilimitado (e,
portanto, sem uma constituição) do rei, embasado na teoria do
direito divino.
1. (UNESP) – “Não há a menor dúvida de que as guerras cada vez mais Resposta: A
dispendiosas contribuíram para o desenvolvimento do mercantilismo.
Com a ampliação da artilharia, dos arsenais, das marinhas de guerra,
dos exércitos permanentes e das fortificações, as despesas dos Estados
modernos dão um salto. Guerras pressupõem dinheiro e mais dinheiro,
e assim a posse de dinheiro, a acumulação de metais nobres torna-se
uma mania e domina, como última conclusão de toda sabedoria, o
pensamento e o juízo.”
3. (FUVEST) – “Da armada dependem as colônias, das colônias
(Fernand Braudel, citado em R. Kurz, O Colapso da Modernização.) depende o comércio, do comércio, a capacidade de um Estado manter
exércitos numerosos, aumentar a sua população e tornar possíveis as
A política econômica predominante na época do absolutismo ficou mais gloriosas e úteis empresas.”
conhecida como “mercantilismo”; seu maior expoente foi Colbert,
ministro de Luís XIV, rei da França. Essa afirmação do duque de Choiseul (1719-1785) expressa bem a
a) Além de sua vinculação com as guerras, como demonstra o texto natureza e o caráter do
de Fernand Braudel, o mercantilismo possuía um objetivo político a) liberalismo. b) feudalismo. c) mercantilismo.
precípuo. Que objetivo era esse? d) escravismo. e) corporativismo.
b) No século XVIII, em oposição ao mercantilismo, surgiram as teorias
dos fisiocratas e dos liberais. Explique os principais aspectos dessas RESOLUÇÃO:
teorias. O texto reúne alguns dos principais elementos constitutivos da
política econômica mercantilista: o poder do Estado (representado
pelo exército e pela marinha de guerra), o comércio como principal
RESOLUÇÃO:
atividade econômica e a exploração das colônias em regime de
a) Fortalecer o poder do Estado (rei), graças ao aumento da
monopólio (implícito na referência à importância da armada para a
arrecadação tributária, alcançado por meio do estímulo às
defesa das possessões coloniais). Adicionalmente, deve-se
atividades mercantis.
considerar o crescimento demográfico metropolitano como fator
b) Tanto os fisiocratas como os liberais (duas escolas econômicas do
de fortalecimento do país, na concepção dos mercantilistas.
Iluminismo) combatiam o intervencionismo e o metalismo
Resposta: C
inerentes à política mercantilista. As duas correntes defendiam a
não intervenção do Estado na economia (laissez-faire), mas
divergiam quanto à base da riqueza nacional. Para os fisiocratas,
os recursos naturais constituíam essa base; para os liberais
(representados por Adam Smith), o trabalho (entendido como
conhecimento técnico) era a fonte de toda riqueza.

– 17
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 18

4. (FATEC) – “Quando a esquadra de Cabral chegou ao território que


hoje chamamos de ‘Brasil’, o escrivão Pero Vaz de Caminha registrou, MÓDULO 11
em uma longa carta ao rei, os principais acontecimentos. Entre eles,
Caminha destacou: ‘Nesta terra, até agora, não pudemos saber que haja
ouro, nem prata, nem coisa alguma de metal ou ferro. Águas são muitas, COLONIZAÇÃO ESPANHOLA NA AMÉRICA
infindas. E a terra em tal maneira é graciosa que, querendo aproveitá-la,
dar-se-á nela tudo, por bem das águas que tem’.”

(pt.scribd.com/doc/7011303/Marilena-Chaui-Brasil-Mito-Fundador-e- 1. (UNICAMP) – “Durante a conquista do México pelos espanhóis,


Sociedade-AutoritAria Acesso em: 08.03.2013. Adaptado) iniciada em 1519 por Cortés, a superioridade tecnológica dos europeus
era contrabalançada pela superioridade numérica dos indígenas, e
Relacionando o trecho da carta de Caminha com os objetivos dos
muitos ardis foram inventados para atrapalhar o deslocamento dos
portugueses na América, é correto afirmar que a colonização foi
cavalos: os indígenas acostumaram-se a cavar fossos profundos, nos
a) de povoamento, pois foram encontrados ouro e prata já na primeira
quais espetavam paus em que as montarias eram empaladas. Mais
viagem às novas terras.
tarde, em 1521, canoas ‘encouraçadas’ resistiriam às armas de fogo. A
b) de povoamento, já que havia pouca possibilidade de as terras serem
tática indígena evoluiu e adaptou-se às práticas do adversário: os
favoráveis à agricultura.
mexicas, contrariamente ao costume, armaram ataques noturnos ou
c) de exploração, pois pretendia utilizar as águas dos rios para a pro-
em terreno coberto pela vegetação. Por outro lado, se as epidemias de
dução de energia elétrica.
varíola já estavam dizimando as tropas de México-Tenochtitlán, também
d) mercantilista, pois demonstrava interesse por metais preciosos e
não poupavam os índios de Tlaxcala ou de Texcoco, que apoiavam os
pela exploração agrícola.
espanhóis.”
e) mercantilista, já que a beleza do local era ideal para a exploração do
mercado turístico. (Adaptado de Carmen Bernand e Serge Gruzinski,
História do Novo Mundo. São Paulo: Edusp, 1997, p. 351.)
RESOLUÇÃO:
A política econômica mercantilista, que regeu a colonização dos a) Identifique uma estratégia utilizada por espanhóis e outra pelos
trópicos americanos, fundamentava-se na acumulação de metais
indígenas durante as disputas pelo domínio do México.
preciosos, fosse por meio da exploração direta de jazidas, fosse
pela acumulação resultante do lucro obtido nas atividades b) Explique por que houve acentuada queda demográfica entre as
comerciais – o que incluía a venda de produtos agrícolas. Ora, a populações indígenas nas primeiras décadas após a conquista
carta de Caminha evidencia esse interesse quando menciona ouro espanhola.
e prata, ou quando fala nas possibilidades de cultivo propiciadas
pela abundância de águas da terra recém-descoberta. RESOLUÇÃO:
Resposta: D a) Estratégias espanholas: alianças com povos inimigos dos
astecas e abandono de roupas pertencentes a europeus mortos
por moléstias infecto-contagiosas, para que fossem utilizadas
pelos indígenas, contaminando-os. Estratégias indígenas: prá-
tica de combates noturnos e escavação de fossos para deter
ataques de cavalaria.
b) Após a chegada dos espanhóis, as populações indígenas
5. (FATEC-Adaptada) – Documentos da época dos Grandes sofreram uma drástica redução demográfica, por força da
Descobrimentos evidenciam o interesse das metrópoles ibéricas em mortandade provocada por diversos fatores: massacre
sistemático pelos espanhóis, doenças trazidas pelos europeus,
colonizar as novas terras de acordo com os preceitos do mercantilismo.
utilização do trabalho indígena até a exaustão absoluta e fome
No início da colonização da América, as duas principais atividades resultante da destruição dos meios de subsistência dos nativos.
econômicas estimuladas por Portugal e Espanha foram, respectivamente,
a) o cultivo da mandioca e a monocultura do algodão.
b) a monocultura de cana-de-açúcar e a mineração de ouro e prata.
c) a mineração de diamantes e a monocultura do tabaco.
d) a produção de charque e a extração de pau brasil.
e) a monocultura do café e a exploração de minerais diversos.

RESOLUÇÃO:
Como Portugal não encontrou em terras brasileiras, nos primeiros
momentos da colonização, indícios de metais preciosos
amoedáveis (objeto principal da política econômica mercantilista),
dedicou-se à produção açucareira, tentando, por meio da
comercialização do açúcar, realizar a acumulação metalista. Já a
Espanha encontrou de imediato, nas áreas que conquistou,
civilizações indígenas conhecedoras do ouro e da prata – razão que
motivou os espanhóis a priorizar a mineração em terras coloniais.
Resposta: B

18 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 19

2. (FUVEST) – “Quando Bernal Díaz avistou pela primeira vez a capital b) com a conquista e a colonização espanholas, as estruturas sociais,
asteca, ficou sem palavras. Anos mais tarde, as palavras viriam. Ele econômicas e culturais das populações ameríndias foram
escreveu um alentado relato de suas experiências como membro da transformadas por meio da aculturação.
expedição espanhola liderada por Hernán Cortés rumo ao Império c) para os astecas, chefiados por Montezuma, a chegada dos espanhóis
Asteca. Naquela tarde de novembro de 1519, porém, quando Díaz e estava relacionada com fatores simbólicos e religiosos, o que os fez
seus companheiros de conquista emergiram do desfiladeiro e acolher amigavelmente os conquistadores.
depararam-se pela primeira vez com o Vale do México lá embaixo, viram d) para os homens que partiam da Espanha para a América entre os
um cenário que, anos depois, ele assim descreveu: ‘vislumbramos séculos XV e XVI, a conquista dos povos americanos significava a
tamanhas maravilhas que não sabíamos o que dizer, nem se o que se oportunidade de obter riquezas e prestígio social.
nos apresentava diante dos olhos era real’.” e) para os espanhóis, a conquista da América não estava relacionada
com a expansão da fé cristã, como se pode depreender de sua
(Matthew Restall. Sete mitos da conquista espanhola. Rio de Janeiro: atuação na ocupação do México e do Peru.
Civilização Brasileira, 2006, pp. 15-16. Adaptado.)
RESOLUÇÃO:
O texto mostra um aspecto importante da conquista da América pelos Alternativa E está incorreta porque a expansão da fé cristã foi
espanhóis, qual seja, alardeada como um dos objetivos da colonização. Aliás, a Igreja,
a) a superioridade cultural dos nativos americanos quando comparada devido a sua atuação catequética, desempenhou um papel
à barbárie dos europeus. importante no processo de aculturação dos indígenas, podendo ser
considerada uma auxiliar do governo espanhol na dominação dos
b) o caráter amistoso do encontro e da posterior convivência entre con-
nativos.
quistadores e conquistados. Resposta: E
c) a surpresa dos conquistadores diante das manifestações culturais
dos nativos americanos.
d) o reconhecimento, pelos nativos, da importância dos contatos
culturais com os europeus.
e) a rápida desaparição das culturas nativas da América, substituídas
pelos padrões impostos pelos espanhóis.

RESOLUÇÃO:
O etnocentrismo dos europeus na época das Grandes Navegações
(e também presente nos séculos seguintes) fazia com que eles se
considerassem superiores às populações pagãs do ultramar. Isso 4. (PUC-SP) – Entre as semelhanças das colonizações portuguesa e
explica seu espanto diante de civilizações como a asteca, capaz de espanhola nas Américas, podemos citar
edificar cidades com dimensões e planejamento urbano superiores a) o caráter exportador da economia e a valorização das práticas liberais
aos das capitais europeias de então.
propostas pelo mercantilismo.
Resposta: C
b) a rápida interiorização da ocupação, com a fundação de vilas e
cidades, e o uso intenso das comunicações por via fluvial.
c) o prevalecimento do extrativismo, a monocultura e o emprego de
regimes de trabalho compulsório.
d) a descentralização administrativa e a ausência de mecanismos de
3. (UNIOESTE) – “A conquista da América não foi um fato isolado do
controle político pela metrópole.
contexto econômico europeu nos séculos XV e XVI. Ao contrário, foi
e) o amplo aparato militar, que protegia as colônias contra invasões
um processo integrante da ampla conjuntura expansionista europeia
estrangeiras, e a manutenção da unidade territorial.
da época. Riquezas materiais, como ouro e prata, eis o que motivou os
europeus a se aventurar por regiões desconhecidas, e também levou
RESOLUÇÃO:
as monarquias a investir grandes recursos financeiros. Contudo,
As colônias estabelecidas na América Ibérica destinavam-se à
apenas a lógica material presente nas relações mantidas entre exploração econômica em benefício de suas respectivas metró-
conquistadores e populações americanas é insuficiente para explicar, poles, produzindo metais preciosos amoedáveis (de importância
por exemplo, as atrocidades ocorridas no cotidiano daqueles homens. prioritária, pela óptica mercantilista) e produtos agrícolas tropicais,
A violência, portanto, foi consequência de uma cultura conquistadora, com base na economia de plantation, caracterizada pela
monocultura, pelo latifúndio e pela exploração de mão de obra
cristã e espanhola, que, mesclada com o ideal religioso de cruzada e
compulsória, escrava ou não. Na América Espanhola, o
com o próprio fato colonial, deu impulso a uma luta pela glória de Deus extrativismo mineral, concentrado em México, Peru e Alto Peru,
e da Coroa.” predominou desde o início da colonização, ficando a agricultura de
exportação praticamente restrita às colônias espanholas
(Jorge Luiz Ferreira. Conquista e Colonização da América Espanhola. antilhanas. Já na colonização portuguesa, predominou a produção
São Paulo: Ática, 1992, pp. 90 e 93.) açucareira derivada da lavoura de cana, com a extração aurífera
limitada ao século XVIII.
Considerando o texto sobre o processo de conquista e colonização da Resposta: C
América Espanhola, é incorreto afirmar que,
a) entre as formas de trabalho utilizadas pelos espanhóis para extrair as
riquezas da América, predominavam os regimes compulsórios: havia
escravidão, encomienda e mita.

– 19
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 20

5. (FUVEST) – Sobre o trabalho compulsório na América Espanhola,


durante o Período Colonial, é possível afirmar que ele MÓDULO 12
a) se apoiou em formas diversas de exploração do trabalho indígena e
na escravidão negra.
COLONIZAÇÕES INGLESA,
b) se caracterizou pela continuidade da escravidão indígena, como já
ocorria na cultura incaica.
FRANCESA E HOLANDESA
c) se baseou no predomínio da escravidão negra, como ocorreu no
Brasil.
d) se restringiu a sistemas particulares de coerção, como no caso da 1. (FUVEST) – O estabelecimento dos franceses na Baía da Guana-
encomienda. bara, em 1555, foi um entre vários episódios que ilustram as relações
e) manteve a estrutura tradicional, organizada e dirigida pelos próprios entre a França e as terras americanas pertencentes à Coroa Portuguesa,
chefes indígenas. durante os três primeiros séculos da colonização.
a) Explique o que levou os franceses a se estabelecer pela primeira vez
RESOLUÇÃO: nessas terras.
Na América Espanhola, a precoce proibição da escravização de b) Cite e caracterize uma outra tentativa francesa de ocupação na
índios (conforme decisão da Coroa tomada já no século XVI) levou
América Portuguesa.
os colonizadores a utilizar a mão de obra indígena por meio de
outras formas de trabalho compulsório. Uma delas, preexistente à
conquista europeia, era a mita, relacionada com a mineração e a RESOLUÇÃO:
construção de obras públicas; a outra era a encomienda, a) A primeira tentativa francesa de se fixar em terras portuguesas
empregada na agricultura. Nas áreas onde a mão de obra indígena foi realizada por meio da fundação da França Antártica (1555-
se extingiu ou escasseou, os colonizadores recorreram à escravidão 67). Seus fatores causais foram: não reconhecimento, pela
negra (sobretudo nas Antilhas). França, do Tratado de Tordesilhas, assinado entre Portugal e
Resposta: A Espanha; desguarnecimento do litoral brasileiro pelos
portugueses; interesse francês em estabelecer na América um
empreendimento colonial mercantilista; e criação de um refúgio
para os huguenotes (calvinistas franceses), perseguidos em seu
país natal.
b) Criação da França Equinocial no Maranhão (1612-15). Essa
tentativa, ocorrida durante a União Ibérica, inseria-se na
rivalidade franco-espanhola e tinha como objetivo estratégico
proteger uma eventual fixação francesa na foz do Amazonas.

20 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 21

2. (UNICID) – As colônias do Norte da América Inglesa, conhecidas d) no direito concedido ao trabalhador imigrante europeu de cultivar
como “Nova Inglaterra”, singularizaram-se gêneros alimentícios nas terras ainda ocupadas pelas tribos
a) pela diversificação econômica e pela relativa autonomia. indígenas norte-americanas.
b) pela submissão ao monopólio e ao Parlamento metropolitano. e) no ensino, pelos grandes proprietários rurais, dos princípios e
c) pelo autogoverno e pelo latifúndio monocultor e escravista. dogmas das correntes religiosas protestantes aos seus
d) pelo comércio triangular e pelo predomínio da escravidão. trabalhadores.
e) pela liberdade religiosa e pela monocultura de exportação.
RESOLUÇÃO:
A servidão por contrato foi uma prática comum nas colônias de
RESOLUÇÃO: povoamento da América Inglesa. Por esse sistema, o cidadão que
As colônias inglesas de povoamento na América do Norte (das pretendesse recomeçar a vida no ultramar, mas não dispunha de
quais as quatro colônias da Nova Inglaterra eram as mais recursos, firmava o contrato pelo qual se submetia a trabalhar por
setentrionais) praticaram uma economia diversificada, em que a um período determinado (entre sete e dez anos) e sem
agricultura de subsistência, o comércio e a exportação de certos remuneração, para um colono que lhe pagasse a passagem, e lhe
produtos – bacalhau e óleo de baleia – tinham papel de destaque. proporcionasse alimentação e moradia.
Além disso, diferentemente das colônias sulinas de exploração, Resposta: B
gozavam de certa autonomia, inclusive no plano tributário.
Resposta: A

5. (FUVEST-Adaptado) – “Quando os holandeses passaram à ofensiva


em sua Guerra dos Oitenta Anos pela independência em relação à
Espanha, no início do século XVII, foi contra as possessões coloniais
portuguesas, mais do que as espanholas, que seus ataques mais fortes
3. (UNIFESP) – Sobre o trabalho compulsório (escravo ou servil) na e mais persistentes se dirigiram. Uma vez que as colônias ibéricas
América Colonial, pode-se afirmar que estavam espalhadas por todo o mundo, a luta subsequente foi travada
a) ficou restrito às regiões agroexportadoras. nos quatro continentes e nos sete mares; e essa luta seiscentista
b) se circunscreveu à mão de obra negra de origem africana. merece muito mais ser chamada de ‘Primeira Guerra Mundial’ do que o
c) não encontrou resistência por parte das populações subjugadas. holocausto de 1914-18.”
d) incluiu trabalhadores de origem europeia.
(Charles Boxer, O Império Marítimo Português, 1415-1825.
e) inexistiu na costa americana do Atlântico. Lisboa: Edições 70, s.d., p.115.)

RESOLUÇÃO:
Podem-se citar, como episódios centrais dessa “luta seiscentista”,
Na América Colonial, o trabalho compulsório (obrigatório, mas não
necessariamente escravo) incluiu trabalhadores brancos obrigados, a) a conquista do México pelos espanhóis, a fundação da cidade de
mediante contrato, a prestar serviços não remunerados por um Salvador pelos portugueses e a colonização do Sudeste Asiático
período determinado. Tratava-se dos indentured servants na pelos holandeses.
América Inglesa (na colônias de povoamento) e dos engagés na b) a invasão holandesa de Pernambuco, a fundação de Nova Amster-
América Francesa.
dam (futura Nova York) pelos holandeses e a perda das Molucas
Resposta: D
pelos portugueses.
c) a presença holandesa no litoral oriental da África, a consolidação da
dominação luso-espanhola sobre o Nordeste e a colonização do
Japão pelos espanhois.
d) a expulsão dos holandeses da Espanha, a fundação da Colônia do
Sacramento pelos portugueses e a perda do Cabo da Boa Esperança
pelos espanhóis.
e) a conquista holandesa de Angola e da Guiné, a fundação de Buenos
4. (UNIVAG) – A colonização inglesa na América do Norte teve início Aires pelos espanhóis e a expansão portuguesa pelas ilhas do
em princípios do século XVII. Devido à falta de mão de obra, a economia Oceâno Pacífico.
das colônias do Norte ficou subordinada, nos primeiros tempos, à
utilização dos indentured servants (“servos por contrato”). O contrato RESOLUÇÃO:
dessa forma de trabalho consistia A alternativa confirma o caráter planetário da guerra travada pelas
a) no direito que o trabalhador tinha de receber salários dos grandes Províncias Unidas dos Países Baixos (Holanda) contra as
proprietários, durante os meses em que as atividades eram possessões luso-espanholas durante a União Ibérica (1580-1640),
deixando de lado apenas o continente africano, onde os flamengos
interrompidas pelos invernos rigorosos.
chegaram a ocupar Angola.
b) na obrigação de alguém trabalhar, durante certo tempo, para um Resposta: B
proprietário que pagou a sua passagem da Inglaterra até as terras
americanas.
c) na obrigação que pesava sobre o recém-chegado da Inglaterra de
exercer as profissões mais desprezadas e menos remuneradas nas
colônias da América do Norte.

– 21
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 22

d) a ausência de grupos sedentários nas Américas e a missão


MÓDULO 13 civilizadora dos portugueses.
e) o interesse e a disposição dos europeus de aceitar as características
culturais dos tupinambás.
PRIMÓRDIOS DA
COLONIZAÇÃO PORTUGUESA RESOLUÇÃO:
Tema recorrente nos vestibulares recentes, reiterando uma
tendência à antropologização da História. Essa visão enfatiza as
diferenças culturais entre populações distintas, mostrando que a
1. (FUVEST) – “Há duas vertentes básicas que estruturam a coloniza- incompreensão recíproca decorre das particularidades inerentes a
ção portuguesa nos trópicos: o impulso salvífico (os móveis religiosos) cada cultura – sem que se deva estabelecer uma relação hierárquica
e os mecanismos de produção mercantil (exploração do Novo Mundo). entre elas.
A primeira dimensão (a catequese do gentio) dominava o universo Resposta: A
ideológico e a segunda (dominação política e exploração econômica) de-
finia as necessidades de riqueza e poder.”

(Fernando Novais, História da Vida Privada no Brasil, I.)

Com base no texto, explique


a) os motivos religiosos da Coroa Portuguesa;
3. (UFPE) – As feitorias portuguesas nas terras ultramarinas foram
b) a exploração econômica da colônia.
formas de assegurar, aos conquistadores, o controle sobre os territórios
descobertos. Sobre essas feitorias, é correto afirmar que
RESOLUÇÃO:
a) Expansão da fé cristã a partir da catequese, que proporcionaria a) foram fundadas pelos portugueses em África, Ásia e Brasil, para fins
a salvação da alma dos gentios (pagãos). de exploração agrícola.
b) A exploração econômica da colônia, subordinada à domi- b) substituíram vantajosamente, no governo de Mem de Sá, o recém-
nação política metropolitana, obedecia aos princípios implantado sistema de capitanias hereditárias.
mercantilistas e visava ao enriquecimento da metrópole, por
c) foram estabelecidas pelos portugueses no litoral das terras conquis-
meio da acumulação primitiva de capitais.
tadas e serviam para armazenamento de produtos locais.
d) no Brasil, bem como na África e nas Índias, caracterizavam-se pela
presença do Estado e ausência de interesses privados.
e) seus bons resultados afastaram do Brasil os contrabandistas fran-
ceses e estimularam a criação das capitanias hereditárias.

RESOLUÇÃO:
Os portugueses implantaram feitorias na costa da África, nas Índias
e no Brasil. As feitorias africanas e orientais funcionavam como
entrepostos comerciais permanentes; já as brasileiras tinham
2. (UNESP-Adaptado) – “Os tupinambás têm muita graça quando duração efêmera, sendo abandonadas tão logo se esgotava a
extração local de pau-brasil.
falam; mas faltam-lhes três letras das do ABC, que são F, L, R grande ou
Resposta: C
dobrado, coisa muito para se notar; porque, se não têm F, é porque não
têm fé em nenhuma outra coisa que adoram; nem os nascidos entre os
cristãos e doutrinados pelos padres da Companhia têm fé em Deus
Nosso Senhor, nem têm verdade, nem lealdade a nenhuma pessoa que
lhes faça bem. E se não têm L na sua pronunciação, é porque não têm
lei alguma que guardar, nem preceitos para se governarem; e cada um
faz lei a seu modo, e ao som da sua vontade, sem haver entre eles leis
com que se governem, nem têm leis uns com os outros. E se não têm 4. (UNESP) – Em 1534, a Coroa Portuguesa estabeleceu o regime de
esta letra R na sua pronunciação, é porque não têm rei que os reja, e a capitanias hereditárias no Brasil Colônia. Entre as atribuições dos
quem obedeçam, nem obedecem a ninguém, nem ao pai o filho, nem donatários, podemos citar
o filho ao pai, e cada um vive ao som da sua vontade.” a) a nomeação de funcionários e a representação diplomática.
b) a erradicação de epidemias e o estímulo ao crescimento demográfico.
(Gabriel Soares de Souza. Tratado descritivo
c) a interação com os povos nativos e a repressão ao trabalho escravo.
do Brasil em 1587, 1987.)
d) a organização de entradas e bandeiras e o extermínio dos indígenas.
Os comentários de Gabriel Soares de Souza expõem e) a fundação de vilas e cidades e a cobrança de impostos.
a) a dificuldade dos colonizadores de reconhecer as peculiaridades das
RESOLUÇÃO:
sociedades nativas.
As atribuições dos donatários mencionadas na alternativa E
b) o desejo que os nativos sentiam de receber orientações política e constavam do foral – documento que, junto com a carta de doação,
religiosa dos colonizadores. definia o regime das capitanias hereditárias. Outros direitos do
c) a inferioridade da cultura e dos valores dos portugueses em relação donatário eram a doação de sesmarias, a busca de metais
aos tupinambás. preciosos, a escravização de índios e a aplicação da justiça.
Resposta: E

22 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 23

5. (MACKENZIE)
MÓDULO 14

ECONOMIA, SOCIEDADE
AÇUCAREIRA E PECUÁRIA

1. (UNESP) – “A cana-de-açúcar começou a ser cultivada igualmente


em São Vicente e em Pernambuco, estendendo-se depois à Bahia e ao
Maranhão. Sua cultura, onde logrou êxito – medíocre, como em São
Vicente, ou máximo, como em Pernambuco e no Recôncavo –, deu
origem a uma sociedade e a um gênero de vida de tendências mais ou
menos aristocráticas e escravistas.”

(Gilberto Freyre, Casa-Grande e Senzala.)

(Carlos Eduardo Novaes e César Lobo.


Tendo por base as afirmações do autor,
História do Brasil para principiantes. São Paulo: Ática, 2003. p. 61.)
a) cite um motivo para o maior sucesso da cana-de-açúcar em
Pernambuco do que em São Vicente.
A charge refere-se
b) explique por que o autor definiu o gênero de vida da sociedade
a) às dificuldades encontradas pela Coroa Portuguesa no início da
constituída pela cultura canavieira como apresentando “tendências
colonização do Brasil, uma vez que, devido ao fracasso das capitanias
mais ou menos aristocráticas”.
hereditárias, a colônia sofria constantes ataques de piratas europeus.
b) à organização do governo-geral, quando o território brasileiro foi RESOLUÇÃO:
dividido em extensos lotes de terra, entregues a nobres portugue- a) Maior produtividade, por causa do solo de massapê, e facilidade
ses que se tornaram responsáveis pelo início efetivo da colonização. de escoamento, devido à menor distância da metrópole.
c) ao fracasso do governo-geral, resultante da corrupção existente na b) Gilberto Freyre refere-se a uma sociedade pautada no
escravismo, na concentração fundiária e na imobilidade social —
Corte Portuguesa, que fora transferida para o Brasil, onde concedera
características que proporcionavam, à camada dominante, ares
privilégios aos franceses que contrabandeavam pau-brasil. de aristocracia.
d) ao governo-geral, responsável pela efetivação da colonização do
Brasil, alcançada por meio de incentivos aos bandeirantes paulistas,
para que ultrapassassem o meridiano fixado no Tratado de Tordesilhas.
e) às dificuldades encontradas pela Coroa Portuguesa na organização da
exploração da colônia, uma vez que a abundância de metais preciosos
despertara, nos europeus, o interesse pelas terras lusas na América.

RESOLUÇÃO:
A questão realça a importância da criação de um governo-geral
para o Brasil, em 1548, com o objetivo de centralizar a
administração do território e acelerar o processo colonizador.
Tendo em vista o fracasso do sistema de capitanias hereditárias
implantado em 1534 (exceções: São Vicente e Pernambuco), urgia
que a Coroa Portuguesa adotasse outras providências, a fim de
preservar o domínio luso sobre a colônia. Todavia, o examinador
errou ao enfatizar a presença de “piratas europeus” no litoral
brasileiro, uma vez que, naquele momento, havia pouquíssimos
núcleos portugueses para saquear (finalidade precípua da pirataria).
Teria sido mais apropriado mencionar “contrabandistas franceses (e
não genericamente ‘europeus’) de pau-brasil”, pois eles
representavam uma possibilidade real de fixação na costa brasileira.
Resposta: A

– 23
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 24

2. (IFPB) – Diversos historiadores buscaram compreender a dinâmica 4. “Os que trazem o gado são brancos, mulatos e pretos, e também
colonial a partir da realidade agroexportadora do Brasil Colônia e suas índios, que com este trabalho procuram ter algum lucro. Guiam-se indo
relações sociais de produção e de consumo. Sobre a economia brasileira uns adiante cantando, para serem seguidos pelo gado, e outros vêm
no Período Colonial, é correto afirmar que atrás das reses, tangendo-as e tendo o cuidado que não saiam do
a) a escravidão indígena foi hegemônica no Brasil Colonial até meados caminho e se amontoem.”
do século XVI, quando foi proibida pelo regimento (regulamento) do
governador-geral Tomé de Sousa. (Antonil, Cultura e Opulência do Brasil, 1711.)
b) a política de concessão de terras nos domínios portugueses na
América criou as bases da estrutura de poder colonial calcada na O texto descreve uma atividade econômica característica
concentração fundiária. a) do Sertão Nordestino, dando origem a trabalhadores diferenciados do
c) a grande exploração monocultora e escravista açucareira impediu o restante da colônia.
desenvolvimento de uma camada de pequenos proprietários e de b) das regiões canavieiras, quando a entressafra disponibilizava mão de
um mercado interno na colônia. obra para outras atividades.
d) a descoberta de minas auríferas no Sudeste liquidou a economia c) de toda a América Portuguesa, dada a facilidade em se obter mão de
açucareira do Nordeste, levando o ouro a se tornar o principal produto obra indígena e negra.
de exportação colonial. d) das regiões produtoras de charque no Nordeste, que empregavam
e) a herança colonial brasileira, fundada na grande propriedade mão de obra assalariada.
monocultora e no trabalho escravo, foi superada a partir do surto de e) do Rio Grande do Sul, que fornecia gado bovino para o Nordeste,
industrialização do século XX. tanto leiteiro como de corte.

RESOLUÇÃO: RESOLUÇÃO:
A exploração econômica do Brasil Colônia foi feita com base na O texto refere-se à pecuária, atividade subsidiária da lavoura
economia de plantation, caracterizada pela presença do latifúndio, canavieira e que, além de se desenvolver nas áreas interioranas
(Sertão Nordestino e Vale do São Francisco), empregava mão de
pela monocultura, pelo trabalho escravo e pela produção
obra livre de origens étnicas diversas — diferentemente do
direcionada para o mercado externo. A fim de concretizar esse
escravismo praticado na maior parte da Colônia. No Nordeste, a
objetivo, os colonos receberam sesmarias – grandes extensões de
pecuária destinava-se primordialmente a fornecer transporte para
terra cuja posse era vinculada à continuidade de sua exploração
a cana cortada e para o açúcar produzido, além de força motriz para
agrícola. Essa foi a raiz da concentração fundiária que fez, dos
os engenhos.
grandes proprietários rurais da colônia, a camada que dominaria a
Resposta: A
vida econômica, social e política do Brasil mesmo depois da
Independência.
Resposta: B

3. (UNICID) – “Mas na ‘preferência’ pelo africano revela-se, mais uma 5. (FUVEST) – A criação, em território brasileiro, de gado bovino e muar
vez, a engrenagem do sistema mercantilista de colonização. É a partir do (mulas e burros), na época da colonização portuguesa, caracterizou-se
tráfico negreiro que se pode entender a escravidão africana colonial, e por
não o contrário.” a) ser independente das atividades econômicas voltadas para a
exportação de produtos tropicais.
(Fernando Novais. Portugal e Brasil na crise do Antigo Sistema b) ser responsável pelo surgimento de uma nova classe de proprietários
Colonial, 1981. Adaptado.)
que se opunham à escravidão.
c) ter estimulado a exportação de carne para a metrópole e a impor-
Para o historiador, a “preferência” pelo escravo africano pode ser
tação de escravos africanos.
explicada
d) ter-se desenvolvido, em função das necessidades internas, em
a) pelas fugas dos índios para o interior, dificultando sua utilização.
diferentes áreas no interior da colônia.
b) pelo interesse mercantil da Coroa em usar o escravo indígena.
e) ter realizado os projetos da Coroa Portuguesa para intensificar o
c) pela ação dos jesuítas, que protegiam os indígenas contra o cativeiro.
povoamento do interior da colônia.
d) pela maior resistência física dos negros em relação aos nativos.
e) pelo lucro que o tráfico negreiro proporcionava à metrópole.
RESOLUÇÃO:
A pecuária foi uma importante atividade subsidiária no Brasil
RESOLUÇÃO: Colônia, tanto em apoio à produção açucareira como à atividade
Questão recorrente em vestibulares, que enfatiza os altos lucros mineradora. No primeiro caso, desenvolveu-se no Sertão Nordes-
auferidos com o tráfico negreiro como sendo o fator determinante tino e no Vale do São Francisco; no segundo, foi praticada princi-
para a adoção da escravidão africana na colonização dos trópicos palmente no Rio Grande do Sul.
americanos. Resposta: D
Resposta: E

24 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 25

2. “Gostaria de ver o testamento de nosso pai Adão, que dividiu o


MÓDULO 15 mundo entre meus primos de Portugal e Espanha.”

Esta frase do rei francês Francisco I, pronunciada no século XVI, indica


INVASÕES NO BRASIL COLONIAL que
a) a França reivindicava a intervenção papal para poder participar da
divisão das novas terras descobertas.
b) a França exigia a prerrogativa de mediar as disputas das potências
1. (UNESP) – O artista holandês Albert Eckhout (c.1610-c.1666) esteve coloniais sobre as novas descobertas.
no Brasil entre 1637 e 1644, na comitiva de Maurício de Nassau. A tela c) a França não reconhecia que a posse das novas terras descobertas
abaixo foi pintada nesse período e pode ser considerada exemplar em fosse atribuída apenas aos reinos ibéricos.
relação à maneira como muitos viajantes europeus representaram os d) o governo francês aceitava como legítimas as reivindicações luso-
índios que aqui viviam. espanholas sobre as terras descobertas.
e) o misticismo do soberano francês induzia-o a acreditar que o Paraíso
Terrestre se localizava na América.

RESOLUÇÃO:
A França, na condição de potência retardatária (juntamente com
Inglaterra e Holanda) na Expansão Marítima Europeia, não
reconheceu os termos do Tratado de Tordesilhas (1494) nem da
Capitulação de Saragoça (1529), que dividiram entre Portugal e
Espanha as terras descobertas e por se descobrirem.
Resposta: C

3. (UEA – Adaptado) – Claude d’Abbeville foi um monge capuchinho


que participou da ocupação francesa no Maranhão, entre 1612 e 1615.
Em uma das cartas que enviou à França, d’Abbeville assim se refere à
região ocupada: “Recebemos, pela primeira vez, algumas boas-novas
desde que estamos aqui. Soubemos que, no Pará, uma região situada
entre este lugar e o Amazonas, há um outro povo estimado em 100 mil
homens, que gostaria muito de ter-nos por perto, para que os
instruíssemos.”
(Albert Eckhout. Índia Tarairiu [tapuia], 1641.)
(Apud Jean Marcel Carvalho França. A construção do Brasil, 2012.)

Identifique e analise dois elementos da imagem que expressem esse A carta do monge francês exprime um projeto de
“olhar europeu” sobre o Brasil. a) exploração da mão de obra indígena amazônica como meio de
impedir a escravização de africanos.
RESOLUÇÃO:
b) cristianização dos indígenas, com o objetivo de facilitar a extração
A abordagem de motivos da fauna e flora locais revela a admiração
que os europeus sempre sentiam diante da exuberante Natureza do látex para o mercado externo.
nos trópicos; os restos humanos transportados pela índia denotam c) desenvolvimento agrícola das terras brasileiras, com a finalidade de
a visão preconceituosa dos “civilizados” diante da “selvageria” dos evitar sua conquista pela Inglaterra.
aborígines, considerados estereotipadamente como antropófagos d) expansão francesa na Amazônia, fato que apressou a colonização da
(motivo de horror para o etnocentrismo europeu). Por outro lado,
região pelos portugueses.
o artificialismo dos recursos utilizados pelo artista para cobrir a
nudez da personagem constitui um indicativo da moral cristã — e) libertação de amplos territórios americanos da exploração e
sobretudo calvinista — em relação a uma exposição do corpo dominação exercidas por povos europeus.
considerada pecaminosa. Este enfoque moralista, aliás, contrariava
a visão edênica dos descobridores da América, os quais associavam RESOLUÇÃO:
a nudez dos nativos à proximidade do paraíso terrestre, que muitos Durante a União Ibérica, com os inimigos da Espanha se tornando
julgavam estar localizado em terras americanas. adversários de Portugal, o Brasil foi alvo de duas invasões
holandesas (Bahia e Pernambuco) e uma francesa (Maranhão),
além de tentativas de fixação dos franceses na foz do Amazonas.
Para impedir a consolidação da França na região, Portugal deu
início à colonização do Maranhão e do Pará.
Resposta: D

– 25
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 26

4. (MACKENZIE) – Com a união das Coroas de Portugal e Espanha,


teve início o período conhecido como “União Ibérica” (1580-1640). A MÓDULO 16
Holanda, que guerreava contra a Espanha, exerceu influência direta na
América Portuguesa, pois
EXPANSÃO TERRITORIAL
a) passou a pilhar as feitorias espanholas na costa africana, visto estar
interessada no comércio de escravos com o Brasil.
E TRATADOS DE LIMITES
b) o embargo espanhol representou prejuízos para os interesses dos
holandeses no Brasil, uma vez que participavam do comércio de
produtos tropicais, principalmente de pau-brasil. 1. (UERJ-Adaptado) – As expedições destinadas ao apresamento de
c) sofria, na época, perseguições religiosas na Europa e retaliações dos indígenas constituíram a principal atividade realizada pelos bandeirantes
católicos residentes na própria Holanda; por isso, os holandeses pre- paulistas no século XVII.
tendiam montar uma colônia protestante no Brasil. a) Estabeleça a relação existente entre as expedições de apresamento
d) ocupou o Nordeste brasileiro para evitar a criação de bases espa- e as atividades econômicas desenvolvidas pelos habitantes da
nholas e, dessa forma, quebrar o monopólio da Espanha sobre a rota capitania de São Vicente.
da prata proveniente das minas americanas. b) Identifique um efeito dessas expedições para a colonização
e) apoderou-se do Nordeste brasileiro e retomou o controle da lucrativa portuguesa na América.
operação de transporte, refino e distribuição comercial do açúcar
brasileiro, perdido a partir da União Ibérica. RESOLUÇÃO:
a) Parte dos indígenas apresados pelos bandeirantes foi
direcionada para trabalhar na lavoura de gêneros alimentícios
RESOLUÇÃO:
da própria vila de São Paulo. Mas o grosso dos silvícolas
O advento da União Ibérica subordinou Portugal aos interesses da
capturados destinava-se a abastecer a agricultura canavieira do
Espanha, envolvida em uma prolongada guerra contra a Holanda.
Nordeste, antes que a escravidão africana passasse a
Por essa razão, os portugueses romperam relações com os
predominar naquela atividade.
holandeses, que tinham uma lucrativa participação no comércio do
açúcar brasileiro. Visando recuperar o controle dessa atividade, os
b) Expansão dos domínios portugueses para além do Meridiano
flamengos criaram, em 1621, a companhia das Índias Ocidentais,
de Tordesilhas em consequência da destruição, pelos
que tentou apoderar-se dos centros produtores de açúcar no Brasil,
bandeirantes, das missões jesuíticas espanholas localizadas em
atacando a Bahia em 1624-25 e Pernambuco (e capitanias vizinhas)
Mato Grosso do Sul (Itatim), no oeste do Paraná (Guairá) e no
em 1630-54.
centro do Rio Grande do Sul (Tape).
Resposta: E

5. (MACKENZIE) –
“E se a lição foi aprendida,
A vitória não terá sido vã.
Nesse Brasil Holandês
tem lugar para português e para o Banco de Amsterdam.”

(Calabar – Chico Buarque e Rui Guerra)

Indique a alternativa que justifica o texto, relativo às invasões holan-


desas no Brasil durante o século XVII.
a) Após a vitória inicial dos holandeses, os senhores de engenho
continuaram a resistência, sem jamais aceitar o novo dominador.
b) A administração de Maurício de Nassau, marcada pela intolerância
religiosa, desencadeou a violenta resistência dos colonos.
c) Negros e índios não participaram das lutas contra os invasores
holandeses porque, para eles, todos os brancos eram iguais.
d) A Companhia das Índias ofereceu créditos, liberdade religiosa e
proteção aos colonos que retornassem à produção de açúcar.
e) Os holandeses não conseguiram dominar Pernambuco nem obter
aliados entre os naturais da terra, sofrendo por isso duros revezes.

RESOLUÇÃO:
A política adotada pela Companhia das Índias Ocidentais em
relação ao Brasil Holandês somente corresponde ao explicitado na
alternativa d se considerarmos o Período Nassoviano (1637-44).
Antes e depois disso, o que houve foi uma postura de exploração
e de arrocho econômico que, obviamente, não atendia aos
interesses dos senhores de engenho.
Resposta: D

26 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 27

2. (UNICAMP-Adaptado) – “Quando os portugueses começaram a e) o apresamento de indígenas para escravização reduziu o uso da mão
povoar a terra, havia muitos destes índios pela costa junto das de obra negra e assinalou o início do caminho para a abolição
capitanias. Porque os índios se levantaram contra os portugueses, os definitiva do tráfico de escravos africanos.
governadores e capitães os destruíram pouco a pouco, e mataram
RESOLUÇÃO:
muitos deles. Outros fugiram para o sertão, e assim ficou a costa
A alternativa contempla os dois principais ciclos bandeirísticos
despovoada de gentio ao longo das capitanias. Junto delas ficaram (preação de índios e busca de minerais preciosos), responsáveis
alguns índios em aldeias que são de paz e amigos dos portugueses.” pela expansão do território brasileiro nas atuais Regiões Sul e
Centro-Oeste, ultrapassando o meridiano estabelecido pelo Tratado
(Pero de Magalhães Gandavo. Tratado da Terra do Brasil, em de Tordesilhas. Deve-se porém notar que as primeiras jazidas
http://www.cce.ufsc.br/~nupill/literatura/ganda1.html. Acessado em auríferas de Minas Gerais somente foram encontradas em 1693, o
20/08/2012.) que faz do primeiro quartel do século XVIII o período efetivo do
bandeirismo de mineração. Ademais, o sertanismo de contrato não
Conforme o relato de Pero Gandavo, escrito por volta de 1570, naquela
foi mencionado.
época Resposta: B
a) as “aldeias de paz” eram aquelas em que os jesuítas permitiam o
sincretismo religioso, como forma de evitar conflitos com os portugueses.
b) a violência contra os indígenas foi exercida com o intuito de desocu-
par o litoral e facilitar a circulação do ouro entre as minas e os portos.
c) a fuga dos indígenas para o interior, como reação às perseguições
feitas pelos portugueses, ocasionou o esvaziamento da costa.
d) houve resistência dos indígenas à presença portuguesa, de forma 4. (UFSC – Adaptado) – “O legítimo sertanejo, explorador dos
semelhante à descrita por Pero Vaz de Caminha em 1500. desertos, não tem em geral família. Enquanto moço, seu fim único é
e) ocorreu o despovoamento das áreas costeiras do Brasil, pois os devassar terras, pisar campos onde ninguém antes pusera o pé, vadear
indígenas que não foram massacrados fugiram para o interior. rios desconhecidos, despontar cabeceiras e furar matas que descobridor
algum até então haja varado.”
RESOLUÇÃO:
Alternativa confirmada pelo texto transcrito. A colonização (Visconde de Taunay. Inocência. São Paulo : FTD, 1992. p.30.)
portuguesa do Brasil, iniciada na década de 1530 com a
implantação da lavoura canavieira, recorreu inicialmente à A figura do homem que adentra o território está presente em vários
escravização dos indígenas – mão de obra que seria depois momentos na História do Brasil. Sobre esse tema, avalie as proposições
substituída pela africana. Os consequentes choques entre europeus a seguir.
e nativos forçaram os últimos a abandonar o litoral, fugindo à
I. Os tropeiros se dedicavam ao comércio de gado, cavalos e burros,
perseguição movida contra eles. No entanto, esse deslocamento
não livraria os ameríndios da destruição, provocada pelo avanço e viajavam principalmente entre o Rio Grande do Sul e São Paulo.
da colonização para o interior e pela atuação dos bandeirantes em II. As expedições dos bandeirantes paulistas em busca de metais
suas expedições. preciosos contribuíram para o desbravamento do interior brasileiro,
Resposta: C mas também provocaram o extermínio de populações nativas.
III. O processo de interiorização da colônia ocorreu de forma
independente da criação de gado.
IV. A ocupação da Região Amazônica, no Período Colonial, está
relacionada com a exploração da borracha.

Assinale a alternativa correta


a) Somente as proposições I e II são verdadeiras.
3. (FATEC) – “A grande marca deixada pelos paulistas na vida colonial b) Somente as proposições I e III são verdadeiras.
do século XVII foram as bandeiras”. c) Somente as proposições I e IV são verdadeiras.
d) Somente as proposições II e III são verdadeiras.
(Boris Fausto. História concisa do Brasil. e) Somente as proposições II e IV são verdadeiras.
São Paulo: Imprensa Oficial e Edusp, 2001. p. 51.)
RESOLUÇÃO:
A afirmação transcrita pode ser considerada correta, pois A proposição III é falsa porque a pecuária foi um dos agentes da
interiorização do povoamento colonial, com os rebanhos ocupando
a) os paulistas, por meio das bandeiras, estenderam seu poder político
as áreas de pastagens nordestinas e do Rio Grande do Sul. A
a Minas Gerais e se fixaram na capitania do Rio de Janeiro, proposição IV é falsa porque a ocupação da Região Amazônica,
transformando-a em sede da colônia. durante o Período Colonial, se deu por meio da extração das
b) foi nesse período que expedições reunindo brancos, índios e “drogas do sertão” (a exploração da borracha teve início no final do
mamelucos, comandadas pelos paulistas, lançaram-se pelo sertão século XIX).
Resposta: A
em busca de indígenas e minerais preciosos.
c) esse século assistiu à presença de paulistas em altos cargos da
administração colonial; essa presença alternava-se às vezes com
mineiros, proprietários de minas de ouro.
d) a descoberta de jazidas de ouro pelos paulistas, na atual região de
Minas Gerais, assegurou-lhes prestígio e criou condições para
investir suas riquezas nas futuras fazendas de café.

– 27
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 28

5. (UNIFESP – Adaptado) – “Não foi o espírito evangélico que armou


de mosquetes 80 ou 100 mil índios e erigiu um poder intermediário do MÓDULO 17
Rio da Prata ao Amazonas, que um dia poderá ser fatal às potências
dominantes na América do Sul.”
RESTAURAÇÃO E
(Duque Silva Tarouca, 1758.) MOVIMENTOS NATIVISTAS
O texto
a) alerta para o perigo representado pela atuação dos jesuítas na
América do Sul. 1. (UNICAMP-Adaptado) – “No quadro das revoltas ocorridas em
b) critica o uso da violência para desarmar os índios rebelados contra a Minas Gerais na primeira metade do século XVIII – entre 1707 e 1736 –,
dominação portuguesa. verificamos, em algumas delas, elementos de marcante originalidade,
c) aponta para a ocupação dos territórios indígenas pelos europeus por contestarem abertamente os direitos do rei e envolverem
como obra civilizadora. participação ativa de segmentos procedentes dos estratos sociais
d) denuncia a ação política das potências protestantes nas terras luso- inferiores.”
espanholas.
e) defende a política evangelizadora dos jesuítas nos territórios ibero- (Luciano Raposo de Almeida Figueiredo. O Império em apuros: notas
americanos. para o estudo das relações ultramarinas no Império Português,
RESOLUÇÃO: séculos XVII e XVIII. In: Júnia Furtado (org.). Diálogos oceânicos:
O texto transcrito, redigido um ano antes da expulsão dos jesuítas Minas Gerais e as novas abordagens para uma história do Império
de Portugal e colônias pelo marquês de Pombal, reflete dois fatores: Ultramarino Português. Belo Horizonte: UFMG, 2001, p. 236.
a repercussão provocada pela Guerra Guaranítica (1754-57), em que Adaptado.)
jesuítas e índios dos Sete Povos das Missões se insurgiram contra
decisão luso-espanhola, estipulada no Tratado de Madri, de
transferir aquele território para o domínio português; e a influência a) Como são conhecidas as revoltas ocorridas na primeira metade do
ideológica do iluminismo (ou Ilustração), cujo anticlericalismo século XVIII e, com base no texto e em outros conhecimentos sobre
apontava os jesuítas como um inimigo a ser combatido. o tema, quais as suas características?
Resposta: A b) A que movimento específico o texto faz referência e quais as suas
causas e características?

RESOLUÇÃO:
a) Movimentos Nativistas. Caracterizavam-se por ter motivação
local e por não aspirar à emancipação política, embora con-
testassem a opressão da metrópole sobre a população colonial.
A “originalidade” referida no texto se devia à participação de
elementos pertencentes a segmentos populares.
b) No caso, trata-se do movimento ocorrido em 1720 em Vila Rica,
sob a liderança de Felipe dos Santos; nesse episódio, minerado-
res pobres (garimpeiros ou faiscadores) insurgiram-se contra a
instalação das casas de fundição – estabelecimentos destinados
à cobrança do quinto real sobre o ouro extraído.

28 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 29

2. (UNESP-Adaptado) – “Na emigração do Reino para o Brasil, há que 3. (UEA-Adaptada) – “Na segunda metade do século XVII, os rigores
distinguir duas fases. A primeira se estendeu até a segunda metade do da política de restrições acentuaram-se de forma sensível. Tudo deveria
séc. XVII, mais precisamente até a Restauração e o fim das guerras fazer-se por intermédio do Reino, que assim canalizava para si toda
contra os holandeses; essa fase foi de imigração escassa, pois a colônia nossa atividade comercial. Portugal se erigia em intermediário
oferecia poucos atrativos e as atenções da metrópole estavam mais imprescindível de nossos negócios. Sua maior fonte de lucro provinha
voltadas para as possessões do Oriente. Contribuíram em boa proporção do sistema de companhias privilegiadas, adotado nessa época. A
para as correntes povoadoras que nesse período preliminar entraram no primeira delas foi criada em 1647. Em 1682, foi criada outra companhia,
Brasil, como é sabido, os degredados. Na segunda fase do povoamento, com maiores privilégios ainda, para o Estado do Maranhão. Apareceram
posterior às Guerras Holandesas, o afluxo imigratório de Portugal depois outras empresas: a Cia. Geral de Comércio do Grão-Pará e a Cia.
aumentou consideravelmente.” Geral de Comércio de Pernambuco e Paraíba.”

(Caio Prado Júnior. Formação do Brasil Contemporâneo, p. 83.) (Caio Prado Júnior. Evolução política do Brasil e
outros estudos, 1961. Adaptado.)
Esse aumento considerável do fluxo emigratório de Portugal para o
Brasil foi uma das decorrências Segundo o argumento e os dados apresentados por Caio Prado Júnior,
a) do extraordinário avanço da produção de pau-brasil, que exigiu a as companhias privilegiadas
presença, na América portuguesa, de investidores, comerciantes e a) projetaram o Brasil como centro político e decisório do Império
transportadores, além de novas autoridades fiscalizadoras. Colonial Português.
b) da legislação portuguesa de meados do século XVII, que proibiu a b) aceleraram o processo de ruptura política e social da colônia com a
permanência de cristãos-novos em Portugal, obrigando-os a emigrar metrópole portuguesa.
para o Brasil ou para as colônias de Portugal na África. c) tiveram como finalidade primeira evitar a ocupação holandesa da
c) dos enormes investimentos portugueses, com o apoio de capitania de Pernambuco.
banqueiros ingleses, direcionados para a instalação de engenhos de d) favoreceram o desenvolvimento comercial, social e cultural da
açúcar, especialmente no litoral de São Paulo. colônia do Brasil.
d) da descoberta de pedras preciosas – notadamente diamantes – nas e) permitiram à metrópole exercer um controle mais estrito sobre a
proximidades do Rio Ribeira de Iguape e da opção do Extremo-Sul economia da colônia.
pela produção de charque para o mercado interno.
RESOLUÇÃO:
e) da grave crise econômico-financeira que marcou o Reino Português
A Restauração Portuguesa, que pôs fim à União Ibérica em 1640, foi
na segunda metade do século XVII, devido à perda das principais marcada por importantes modificações na política colonial,
colônias no Oriente e ao enfraquecimento da sua marinha. especialmente no que se refere ao Brasil, uma das poucas fontes de
riqueza que ainda restavam a Portugal. Em 1643, foi criado o
RESOLUÇÃO: Conselho Ultramarino, sediado em Lisboa e incumbido de gerir a
A União Ibérica (1580-1640) acelerou a decadência do Reino economia das colônias, criando companhias de comércio
Português, o qual foi arrastado para as sucessivas e desastrosas privilegiadas e intensificando o fiscalismo sobre o Brasil (“arrocho
guerras sustentadas pela Espanha contra a Inglaterra (quando colonial”).
ocorreu a derrota da Invencível Armada), a França e a Holanda. Os Resposta: E
inimigos dos reinos unificados, especialmente os holandeses,
apoderaram-se de grandes porções do Império Colonial Português.
Após a Restauração, Portugal assinou tratados desvantajosos com
a Inglaterra e a Holanda, complicando sua condição econômico-fi-
nanceira. Tentando remediar tal situação, a Metrópole impôs ao
Brasil o “arrocho colonial”, de caráter fiscalista e centralizador.
Resposta: E

– 29
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 30

4. Após a Restauração (1640), Portugal passou a depender do capital


inglês. No início do século XVIII, a assinatura do Tratado de Methuen MÓDULO 18
acarretou, em relação ao Brasil,
a) o desenvolvimento da pecuária, visando à exportação de seus
subprodutos para a Inglaterra. ECONOMIA MINERADORA
b) a instalação das casas de fundição, implicando o endurecimento do
fiscalismo nas áreas de mineração.
c) a demarcação do Distrito Diamantino e o estabelecimento da Real
Extração de Diamantes.
1. (UNICAMP) – No Brasil Colonial, além da produção açucareira, o
d) o fim das exportações de açúcar e o abandono da cultura canavieira,
historiador Caio Prado Júnior, em Formação do Brasil Contemporâneo,
em benefício da mineração.
enumera outras atividades econômicas importantes, como a mineração
e) a abertura do comércio brasileiro a todas as nações europeias, gra-
do século XVIII, que também era direcionada para o exterior.
ças à extinção do regime de monopólio.
a) Caracterize a mineração no século XVIII em termos de região
geográfica, organização do trabalho e desenvolvimento urbano.
RESOLUÇÃO:
O Tratado de Methuen (ou “dos Panos e Vinhos”) gerou um forte b) Cite e caracterize duas atividades econômicas do Brasil Colonial que
déficit na balança comercial portuguesa, o que obrigou o governo não eram voltadas para o comércio externo.
de Lisboa a aumentar o controle da tributação aplicada ao Brasil,
sobretudo nas áreas auríferas. Daí a criação das casas de fundição, RESOLUÇÃO:
destinadas a cobrar o quinto do ouro extraído em Minas Gerais, a) Região geográfica: Minas Gerais e, após a Guerra dos Emboabas,
coibindo o contrabando. também Goiás e Mato Grosso.
Resposta: B Organização do trabalho: mão de obra essencialmente escrava,
embora também houvesse o trabalho livre dos garimpeiros ou
faiscadores.
Desenvolvimento urbano: surgimento de numerosas cidades
em Minas Gerais, estimulando a vida urbana e criando uma
sociedade dotada de mobilidade, com um significativo setor
5. (UFPE) – O termo “nativista” é utilizado para designar as primeiras intermediário.
revoltas ou movimentos de resistência contra a dominação portuguesa b) A pecuária, como atividade auxiliar da produção açucareira e da
mineração, e a agricultura de subsistência, voltada para o
no Brasil. Entre eles, podemos citar
abastecimento da população rural e urbana.
a) a Revolta de Beckman, a Guerra dos Emboabas e a Guerra dos
Mascates.
b) a Guerra dos Bárbaros, o Quilombo dos Palmares e a Guerra dos
Mascates.
c) a Revolução Pernambucana de 1817, a Confederação do Equador e
a Revolução Praieira.
d) o Quilombo dos Palmares, a Revolução Praieira e a Guerra dos
Emboabas.
e) a Revolta de Beckman, a Guerra dos Bárbaros e a Revolução
Pernambucana de 1817.

RESOLUÇÃO:
A Revolta de Beckman (Maranhão, 1684), a Guerra dos Emboabas
(Minas Gerais, 1707-09) e a Guerra dos Mascates (Pernambuco,
1710-12) estão entre os movimentos nativistas mais importantes,
faltando apenas acrescentar-lhes a Revolta de Felipe dos Santos,
ocorrida em Vila Rica em 1720.
Obs.: Guerra dos Bárbaros: conjunto de conflitos, travados entre
1688 e 1713, que opuseram colonos luso-brasileiros (apoiados por
bandeirantes paulistas, dentro do sertanismo de contrato), às
diversas tribos tapuias hostis à expansão da pecuária no Sertão
Nordestino. A denominação provém da expressão “Confederação
dos Bárbaros” (ou “Confederação dos Cariris”), atribuída pelos
colonos à aliança entre as tribos tapuias. A luta se encerrou com a
dizimação dos indígenas e o avanço das fazendas de gado pelo
interior do Ceará e do Piauí.
Resposta: A

30 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 31

2. (FATEC) – “Durante o Período Colonial, a exploração de 4. (UFTM) – “A Portugal, a economia aurífera proporcionou apenas
trabalhadores escravos de origem africana foi fundamental para o uma aparência de riqueza. Como agudamente observou o marquês de
desenvolvimento das atividades produtivas em toda a América Pombal, na segunda metade do século XVIII, o ouro era uma riqueza
Portuguesa. No ciclo do ouro, no século XVIII, os escravos não foram puramente fictícia para Portugal.”
responsáveis apenas pela parte braçal, mas também pelo
(Celso Furtado. Formação econômica do Brasil, 1971. Adaptado.)
desenvolvimento de técnicas que nunca tinham sido aplicadas na região
de Minas Gerais, como, por exemplo, a técnica das ‘canoas’ (lavadouros
A afirmação do texto, relativa à economia do ouro no Brasil Colonial,
com aspecto de mesas, sob os quais se depositava o cascalho retirado
pode ser explicada
dos rios) ou de tabuleiros com pequenos montes de cascalho para ser
a) pela incapacidade portuguesa de explorar e transportar o ouro
lavado e apurado.”
brasileiro, o que levava a Coroa de Portugal a conceder a estrangeiros
(Disponível em: <http://www.palmares.gov.br/2008/06/livro-valoriza- os direitos de extração do minério.
historia-afrobrasileira-do-ciclo-de-ouro/>. Acesso em: 8 jan. 2014. b) pelas sucessivas revoltas contra os impostos na região das Minas,
Adaptado.) que paralisavam seguidamente a exploração do minério e desperdi-
çavam a oportunidade de enriquecimento rápido.
Considerando os elementos apresentados, é correto concluir que a c) pelo intenso contrabando existente na região das Minas Gerais, que
mineração, no Período Colonial, não era reprimido pelos portugueses e impedia que o minério
a) reproduzia o modelo de extração trazido pelos colonizadores chegasse à metrópole.
portugueses. d) pela forte dependência comercial de Portugal em relação à Inglaterra,
b) agregava procedimentos técnicos desenvolvidos pelos escravos que fazia com que boa parte do ouro obtido no Brasil fosse
africanos. transferida para os cofres ingleses.
c) dependia de grandes e custosas máquinas extratoras importadas da e) pelos acordos diplomáticos entre Portugal e Espanha, os quais
Europa. estipulavam que as áreas mineradoras em território português
d) visava à exploração do ouro, abundante nas regiões litorâneas da co- fossem exploradas por espanhóis.
lônia brasileira.
e) era prejudicada pela inexperiência dos escravos na exploração do ou- RESOLUÇÃO:
ro de aluvião. O Tratado de Methuen, também chamado de “Tratado dos Panos
e Vinhos”, aumentou a dependência econômica de Portugal em
RESOLUÇÃO: relação à Inglaterra, arruinou as manufaturas têxteis portuguesas
A alternativa apenas corrobora a informação contida no texto e criou um déficit comercial que seria em grande parte coberto pelo
transcrito, dentro do processo, atualmente em curso, de resgatar ouro do Brasil. Isso fez com que “boa parte do ouro obtido no Brasil
e aprofundar conhecimentos – até agora relegados – sobre a fosse transferida para os cofres ingleses”.
contribuição da cultura negra na formação brasileira. Resposta: D
Resposta: B

5. (UNESP) – “A efervescência que conheceram nas Minas [Gerais do


3. (UFRN) – No século XVIII, teve início a atividade mineradora no
século XVIII] as artes e as letras também teve uma feição peculiar. Pela
Brasil. Esse fato provocou transformações importantes na economia
primeira vez na colônia, buscava-se solução própria para a expressão
colonial, tais como
artística.”
a) a retração do mercado interno brasileiro, pois a mineração absorveu
as principais forças produtivas da colônia, prejudicando as demais (Laura Vergueiro. Opulência e miséria das Minas Gerais, 1983.)
atividades econômicas.
b) a criação, nas regiões auríferas, de um grande centro produtor de São exemplos do que o texto afirma
manufaturas, o qual fornecia produtos para consumo das outras a) a pintura e a escultura renascentistas.
capitanias. b) a poesia e a pintura românticas.
c) a valorização da moeda local, possibilitando à Coroa Portuguesa obter c) a arquitetura barroca e a poesia árcade.
um grande aumento da arrecadação tributária que pesava sobre a d) a literatura de viagens e a arquitetura gótica.
colônia. e) a música romântica e o teatro barroco.
d) o investimento de capitais estrangeiros na atividade agroexportadora
açucareira, para fazer frente ao rápido processo de crescimento da RESOLUÇÃO:
mineração. A riqueza acumulada por alguns segmentos sociais em Minas
Gerais favoreceu certo florescimento cultural na região, com
e) o desenvolvimento de um intenso mercado interno na colônia,
destaque para as artes plásticas e a literatura. As primeiras
dinamizado por comerciantes e tropeiros atraídos pela possibilidade sobressaíram na arquitetura sacra, traduzida na peculiaridade de
de enriquecimento. barroco mineiro, em que a simplicidade externa das igrejas
contrastava com a riqueza dos interiores, e nas esculturas de
RESOLUÇÃO: Aleijadinho. Nas letras, distinguiram-se os poetas ligados à
A atividade mineradora, ao interiorizar o povoamento da colônia e Inconfidência Mineira – Tomás Gonzaga, Cláudio Manuel da Costa
dar origem a diversos núcleos urbanos, criou novas oportunidades e Alvarenga Peixoto.
econômicas ligadas a atividades subsidiárias, como o fornecimento Resposta: C
de gado para alimentação e transporte, o comércio e as profissões
ligadas à vida citadina. Essas circunstâncias, aliadas à crise
econômica vivida por Portugal, impulsionaram um importante
fluxo migratório da metrópole para a colônia.
Resposta: E

– 31
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 32

3. (FGV-SP-Adaptado) – A atuação do marquês de Pombal, nomeado


MÓDULO 19 ministro do Reino (primeiro-ministro) em 1755*, foi caracterizada pela
implementação de um amplo conjunto de reformas, em Portugal e no
Brasil. Assinale a alternativa correta sobre a administração pombalina.
ILUSTRAÇÃO E REFORMAS POMBALINAS
*Sebastião José de Carvalho e Melo (futuro marquês de Pombal) fazia
parte do governo desde 1750, quando foi nomeado ministro dos
Negócios Estrangeiros por D. José I.

1. Conceitue o “despotismo esclarecido” – prática de governo


a) Extinção das companhias de comércio que atuavam no Brasil e
recorrente na Europa durante a segunda metade do século XVIII.
restabelecimento de capitanias controladas por particulares.
b) Abertura dos mercados metropolitanos e coloniais à livre-concor-
RESOLUÇÃO:
Adoção, por certos governantes europeus do período, de algumas rência, baseada nos princípios do liberalismo econômico.
medidas propostas pelos filósofos iluministas, sem no entanto c) Medidas que visavam desenvolver manufaturas no Brasil e incre-
abrirem mão do regime absolutista. Com isso, o risco de uma mentar o mercado interno colonial.
revolução foi postergado para o século XIX (exceto na França, onde d) Afirmação da soberania portuguesa em áreas como a fronteira sul
não houve despotismo esclarecido).
do Brasil, que resultou em confronto aberto com os jesuítas.
e) Diminuição da entrada de escravos oriundos do continente africano
e definição de uma política migratória para o Brasil.

RESOLUÇÃO:
O Tratado de Madri, de 1750, foi firmado entre Portugal e Espanha
meses antes de Pombal (ainda sem título nobiliárquico) assumir
funções no governo português. Coube-lhe, no entanto,
implementar a parte do acordo que cedia a Portugal os Sete Povos
das Missões. A eclosão da Guerra Guaranítica (1754-56) serviu de
pretexto para que o ministro acusasse os jesuítas portugueses de
terem prestado apoio a seus confrades espanhóis rebelados.
Acrescentando a essa outras acusações, Pombal determinou que a
Companhia de Jesus fosse expulsa de Portugal e de suas colônias.
2. (FGV) – “Na cerimônia de posse de seu segundo mandato, em
Resposta: D
janeiro de 2013, Barack Obama defendeu os direitos dos homossexuais.
Em seu discurso, afirmou: ‘Nossa jornada não estará completa até que
nossos irmãos e irmãs gays sejam tratados como qualquer outra pessoa
perante a lei porque, se realmente fomos criados como iguais,
certamente o amor que atribuímos uns aos outros deve ser também
igual’. ”

(Disponível em: <http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/01/leia-o-


discurso-deobama-na-integra-em-ingles.html>.)

As discussões acerca dos direitos dos homossexuais nos Estados


Unidos e em diversos países do mundo, inclusive o Brasil,
a) resgatam os princípios dos direitos humanos e dos direitos civis,
desenvolvidos no mundo ocidental desde o final do século XVIII.
b) apoiam-se no fundamentalismo islâmico, o primeiro a defender a
liberdade na orientação sexual de cada um.
c) estão de acordo com as propostas defendidas pela Igreja Católica
desde o Concílio Vaticano Segundo, de 1962-1965.
d) vinculam-se exclusivamente às reivindicações da comunidade gay
de San Francisco, pioneira na luta pelos direitos dos homossexuais.
e) evocam as ideias modernizadoras de grupos republicanos e de
setores ultranacionalistas da sociedade estadunidense.

RESOLUÇÃO:
Embora os princípios relacionados com os direitos humanos e os
direitos civis, no século XVIII, tivessem características próprias e
pertencessem a um universo político, socioeconômico e intelectual
muito diferente daquele que vivenciamos hoje, é possível
identificar uma linha de pensamento e ação que os liga aos atuais
movimentos pelos direitos das minorias.
Resposta: A

32 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 33

4. (UFC-Adaptado) – Em 1750, Sebastião José de Carvalho e Melo,


futuro marquês de Pombal, tornou-se ministro de D. José I de Portugal MÓDULO 20
e procurou dinamizar a administração colonial. Entre as medidas por ele
adotadas, destacam-se
a) a concessão, feita às ordens religiosas, do controle sobre o ensino INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS
e sobre a política de aldeamentos indígenas.
b) a extinção do Estado do Grão-Pará e Maranhão, por ser o centralismo
a tônica de sua administração.
c) a reforma e ampliação da justiça, possibilitando o acesso da elite 1. A independência dos Estados Unidos é considerada a “primeira
colonial aos altos cargos administrativos. revolução das Américas”. Justifique essa afirmação.
d) a expulsão dos jesuítas da colônia, o que favoreceu os povos indíge-
nas, permitindo-lhes ter maior autonomia. RESOLUÇÃO:
e) o controle sobre os mecanismos comerciais coloniais, propiciando A revolta das Treze Colônias Inglesas da América do Norte resultou
autonomia às companhias de comércio. na formação do primeiro Estado soberano do continente ame-
ricano, oficialmente denominado “Estados Unidos da América”.
Esse fato constitui o marco inicial das “Revoluções Atlânticas”,
RESOLUÇÃO:
relacionadas simultaneamente com a crise do Sistema Colonial na
Na qualidade de “déspota esclarecido”, Pombal jamais abriu mão
América e a do Antigo Regime na Europa, estendendo-se até a
do poder absoluto que exercia em nome do rei. Por essa razão, uma
“Primavera dos Povos” de 1848.
das tônicas de sua administração foi o centralismo, que no Brasil se
manifestou na extinção das últimas capitanias hereditárias, na
reunificação do Grão-Pará e Maranhão ao Estado do Brasil, no fim
da contratação de diamantes por particulares (substituída pela Real
Extração) e no controle do Estado sobre os povos indígenas e o
ensino colonial (controle esse exercido, respectivamente, por meio
do Diretório dos Índios e das “aulas régias”).
Resposta: B

5. Acerca do Renascimento Agrícola, assinale a alternativa incorreta.


a) Diferentemente dos demais ciclos econômicos coloniais, este se
caracterizou pela diversificação da produção.
b) O algodão maranhense foi favorecido pela demanda resultante da
Revolução Industrial Inglesa.
c) O açúcar ampliou seu mercado externo, o que incentivou o cultivo da
cana em São Paulo.
d) A pecuária, tradicionalmente destinada ao mercado interno, exportou
couros e charque.
e) O café e o cacau lideraram as exportações brasileiras no final do
século XVIII e início do XIX.

RESOLUÇÃO:
Embora o café e o cacau — e também o arroz — tenham feito parte
do Renascimento Agrícola, os produtos brasileiros que lideraram a
pauta de exportações foram o algodão e o açúcar, beneficiados,
respectivamente, pela Revolução Industrial Inglesa e pela crise do
açúcar antilhano, em razão das rebeliões de escravos locais.
Resposta: E

– 33
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 34

2. (UNIFESP) – “O que queremos dizer com a Revolução? A guerra 3. (FGV-SP) – “Consideramos como verdades incontestáveis que
não foi parte da Revolução; foi apenas um efeito e consequência dela. todos os homens nascem iguais, que são dotados pelo Criador de certos
A Revolução estava nas mentes das pessoas e foi levada a cabo de 1760 direitos inalienáveis, que entre estes estão a vida, a liberdade e a busca
a 1775, no curso de quinze anos, antes que uma gota de sangue fosse da felicidade; que, para assegurar esses direitos, são instituídos entre os
derramada em Lexington.” homens governos que derivam seus justos poderes do consentimento
dos governados; que toda vez que uma forma qualquer de governo
(Carta de John Adams para Thomas Jefferson, 1815.)
ameace destruir esses fins, cabe ao povo o direito de alterá-la ou
aboli-la e instituir um novo governo, assentando sua fundação sobre tais
O texto princípios e organizando-lhe os poderes da forma que pareça mais
a) considera que a independência dos Estados Unidos se fez sem provável de proporcionar segurança e felicidade.”
ideias.
b) confirma que a guerra entre os Estados Unidos e a Inglaterra foi uma (Declaração de Independência dos Estados Unidos, 1776 .)
revolução.
c) sustenta que, na independência dos Estados Unidos, não houve Sobre a Declaração de Independência dos Estados Unidos, é correto
ruptura. afirmar que
d) afirma que a criação dos Estados Unidos foi precedida de uma a) defendia o princípio da igualdade de direitos entre os seres humanos,
revolução. mas condenava a possibilidade de rebelião como uma afronta à
e) demonstra que os norte-americanos não aceitaram as concessões ordem social.
inglesas. b) o radicalismo de sua formulação, defendendo o direito de rebelião
dos escravos, provocou forte reação dos escravocratas em toda a
RESOLUÇÃO: América.
De acordo com a carta de John Adams (segundo presidente dos c) sua formulação foi baseada no ideário liberal da filosofia iluminista
Estados Unidos, 1797-1801) a Thomas Jefferson (terceiro
e veio a influenciar outros movimentos políticos na América e na
presidente dos Estados Unidos, 1801-09), o processo revolucionário
que conduziu à emancipação das Treze Colônias Inglesas teve início Europa.
bem antes da Guerra da Independência, tendo começado quando d) foi influenciada pelos tratadistas da Ilustração, partidários do direito
os colonos passaram a protestar contra a crescente opressão divino dos reis e contrários à desobediência dos súditos para com o
fiscalista da Inglaterra. soberano.
Resposta: D
e) a Declaração sustentava o direito de o governo cercear a liberdade
dos cidadãos, em nome da segurança da sociedade e da felicidade
coletiva.

RESOLUÇÃO:
O texto transcrito, extraído do preâmbulo da Declaração de
Independência das Treze Colônias Inglesas da América, foi redigido
por Thomas Jefferson (mais tarde, terceiro presidente dos Estados
Unidos). A influência do ideário iluminista transparece nas
referências à igualdade perante à lei, à liberdade (política,
econômica e intelectual), à existência de direitos inalienáveis, ao
contratualismo (o governo resulta de um contrato entre os
cidadãos) e ao princípio da representatividade (os governantes são
eleitos pelos cidadãos para representar interesses deles). Deve-se,
porém, observar que a manutenção do escravismo nos Estados
Unidos constituiu uma grave contradição em relação às ideias
expostas na Declaração de Independência.
Resposta: C

34 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 35

4. (MACKENZIE) – “Assim como nos governos absolutos o rei é a lei, 5. (PUC-SP) – As independências políticas na América assumiram
nos países livres a lei deve ser o rei, e não existirá outro.” diversas formas. Sobre elas, é possível afirmar que a independência
(Thomas Paine, um dos líderes da a) do Haiti, em 1804, foi a única que contou com a participação de
independência dos Estados Unidos.) escravos e levou à abolição do sistema servil, além de criar um go-
verno de colaboração entre os negros haitianos e os ex-colonizadores
“Considero o povo que constitui a sociedade ou nação como a fonte de franceses.
toda autoridade, sendo livre para conduzir seus interesses comuns por b) de Cuba, em 1898, foi a última entre as possessões da Espanha na
meio de quaisquer órgãos que julgue adequados.” América e levou à anexação da ilha caribenha ao território dos
(Thomas Jefferson, outro líder Estados Unidos, com quem Cuba já comerciava desde o início de
da independência dos Estados Unidos.) sua colonização.
c) dos Estados Unidos, em 1776, foi a primeira a ocorrer nas Américas
A independência das Treze Colônias Inglesas da América pode ser e levou à adoção de um modelo federalista que reconhecia as
entendida como diferenças políticas e econômicas entre as ex-colônias do Sul e do
a) o primeiro indicador histórico da ruína do Antigo Regime. Norte do litoral atlântico.
b) o fim da Era das Revoluções Burguesas. d) da Argentina, em 1816, foi a responsável pela fragmentação política
c) a superação do capitalismo monopolista. do Vice-Reino do Prata e levou à libertação imediata das colônias
d) a consolidação da política mercantilista. espanholas desde o Chile até o México, expulsando a Espanha do
e) um desdobramento da doutrina do “Destino Manifesto”. continente americano.
e) do Brasil, em 1822, foi a única que contou com o reconhecimento
RESOLUÇÃO: imediato pela metrópole e levou à adoção de uma monarquia que
Alternativa escolhida por eliminação. A independência das Treze unificava os reinos de Portugal e do Brasil sob uma mesma base
Colônias Inglesas (1776) constituiu o marco inicial da crise do
constitucional.
Sistema Colonial, por serem as primeiras colônias a se rebelarem
contra o domínio metropolitano. Contudo, não é, ao contrário do
que afirma o texto, “o primeiro indicador histórico da ruína do RESOLUÇÃO:
Antigo Regime”, visto que já haviam ocorrido anteriormente as Considerando que as Treze Colônias Inglesas da América do Norte
Revoluções Inglesas do Século XVII (Puritana e Gloriosa) e a não tinham unidade administrativa e apresentavam importantes
Revolução Industrial (cerca de 1760), todas contrárias à estrutura diferenças econômicas e sociais, a união entre elas, após a Guerra
política, econômica e social vigente na Idade Moderna. de Independência contra a Inglaterra, somente se concretizaria por
Resposta: A meio de uma federação que preservasse suas peculiaridades.
Resposta: C

– 35
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:46 Página 36

FRENTE 2 – HISTÓRIA GERAL

MÓDULO 1

DA MONARQUIA À REPÚBLICA ROMANA

3. (FATEC)
1. (FGV) – Leia as afirmações a seguir, referentes à República Romana
(509-27 a.C.).
I. Nos primeiros tempos da República, a sociedade era composta por
apenas dois setores: os patrícios e os escravos.
II. Os escravos, pouco numerosos no início da República, multiplicaram-
se devido às guerras de conquista.
III. As funções públicas incluíam os cônsules, os pretores e os tribunos
da plebe.
IV. Em 494 a.C., os plebeus retiraram-se de Roma e ameaçaram fundar
outra cidade, caso não pudessem eleger representantes próprios.
V. A expansão romana e suas conquistas territoriais beneficiaram a
plebe, que passou a vender trigo para os povos dominados.

Assinale a alternativa correta. (Joan Forman. Os romanos. São Paulo: Melhoramentos, 1990, p. 25.)
a) Apenas as afirmações I, II e III são verdadeiras.
b) Apenas as afirmações I, III e IV são verdadeiras. “Para os antigos romanos, o banho era um assunto sério e a higiene da
c) Apenas as afirmações I, III e V são verdadeiras. população, uma questão pública. Onde estiveram, os romanos
d) Apenas as afirmações II, III e IV são verdadeiras. construíram termas e, assim como aprenderam dos gregos, ensinaram
e) Apenas as afirmações II, IV e V são verdadeiras. aos habitantes locais o hábito cotidiano do banho. Para eles, ir às termas
era bem mais do que se banhar ou praticar esportes aquáticos. Para o
RESOLUÇÃO: cidadão comum, as termas eram um ambiente em que se apresentavam
A afirmação I é falsa porque omitiu os plebeus, que constituíam a oradores e poetas, onde se sabiam as últimas notícias; assim, eram tão
maior parcela da sociedade romana. A afirmação V é falsa porque importantes quanto o anfiteatro e o fórum. As termas eram
os plebeus arruinaram-se com as conquistas romanas: os
estabelecimentos públicos, já que a maioria das casas não dispunha de
moradores da cidade, por ficarem desempregados; os lavradores,
porque se viram forçados ao êxodo rural. instalações sanitárias apropriadas.”
Resposta: D
(Disponível em:<arq.ufsc.br/arq5661/trabalhos_2003-
1/piscinas/historico.htm>. Acesso em: 08 mar. 2013. Adaptado.)

Considerando as informações do texto, é correto afirmar que as termas


2. (UNICAMP) – “Os jovens eram educados para serem fortes na
romanas
guerra. No Campo de Marte, perto de Roma, aprendiam a manejar o
a) eram espaços de sociabilidade que reuniam tanto atividades físicas
gládio [espada], a lançar o disco e os dardos, a correr, saltar, nadar e
como culturais.
cavalgar. Aprendiam a obedecer para depois saber comandar.”
b) eram espaços privados, nos quais não havia interferência dos
(Bruna R. Cantele, História Dinâmica, Antiga e Medieval.) poderes públicos.
c) concentravam-se nas casas dos aristocratas, sendo inacessíveis aos
Com base no texto, responda: cidadãos comuns.
a) Qual era a função da educação romana? d) tinham pouca relevância nas cidades, quando comparadas ao fórum
b) Qual foi sua importância para a formação do Império? e ao anfiteatro.
e) foram estabelecidas pelos gregos, quando conquistaram as terras
RESOLUÇÃO:
do Império Romano.
a) De acordo com o texto, formar cidadãos capazes de atuar
eficientemente como soldados.
b) O exército formado de acordo com a educação descrita no texto RESOLUÇÃO:
foi responsável pela maioria das conquistas que viriam a A alternativa parafraseia o texto sobre a importância que os banhos
constituir o Império Romano. Deve-se porém notar que, no final públicos tinham para os cidadãos romanos.
do século II a.C., a reforma determinada pelo cônsul Mário Resposta: A
transformou a organização militar de Roma em uma corporação
profissional, não mais vinculada à educação descrita no texto e
que veio a substituir o tradicional corpo de cidadãos armados.

36 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 37

4. (MACKENZIE-Adaptado) – O Mar Mediterrâneo foi a maior de


todas as vias de circulação romanas e dele resultou a formação do MÓDULO 2
Império Romano (27 a.C. a 476 d.C.). A respeito dessa importante
conquista para a civilização romana, assinale a alternativa correta.
a) A eliminação da hegemonia cartaginesa, além de permitir que Roma IMPÉRIO ROMANO
passasse a dominar o comércio mediterrâneo, possibilitou aumentar
o dinamismo próprio da estrutura escravista, que necessitava de mão
de obra decorrente das conquistas.
b) Após a derrota romana nas Guerras Púnicas, quando fenícios e 1. (MACKENZIE) – “Suas vitórias a tornaram anacrônica. A oligarquia
cartagineses ocuparam o estreito de Gibraltar, a única saída para dar de uma única cidade não podia segurar todo o Mediterrâneo em uma
continuidade ao processo de expansão foi a conquista do Mar organização unitária – tinha sido ultrapassada pela própria escalada de
Mediterrâneo. seus êxitos. O último século da conquista republicana, que levou as
c) A explosão demográfica e os conflitos internos com a plebe urbana legiões ao Eufrates e ao Canal da Mancha, foi marcado por uma
exigiram medidas expansionistas por parte do governo, para que se crescente tensão social, resultado direto dos triunfos regularmente
estabelecessem colônias romanas fora da Península Itálica, a fim de obtidos no exterior. A agitação camponesa pelo direito à terra fora
minimizar as tensões sociais. sufocada com a supressão dos Gracos, mas reapareceria agora sob
d) A necessidade de expansão do cristianismo, que a partir do século novas e ameaçadoras formas, dentro do próprio Exército.”
IV se tornou a religião oficial do Império Romano, implicou a
divulgação dos princípios dessa nova doutrina para os povos (Perry Anderson – Passagens da Antiguidade ao Feudalismo)
bárbaros.
e) A crescente produção de cereais durante o Império Romano, O trecho refere-se a um importante momento da História Antiga,
especialmente de trigo, levou à expansão de suas fronteiras, uma marcado
vez que o produto devia ser escoado e vendido para as demais a) pelo fim da hegemonia de Atenas no Mediterrâneo, em consequên-
províncias romanas. cia de sua derrota na Guerra do Peloponeso, no século V a.C.
b) pela decadência das cidades gregas, invadidas e dominadas pelos
RESOLUÇÃO: exércitos de Felipe da Macedônia a partir do século IV a.C.
Para dominar o Mediterrâneo e transformá-lo no Mare Nostrum, c) pelo estabelecimento, no Lácio, de comunidades que, no século VI
os romanos precisaram vencer e destruir Cartago, o que foi
a.C., se organizaram segundo uma forma republicana de governo.
conseguido por meio das Guerras Púnicas. A expansão que se
seguiu a essa importante vitória militar transformou Roma em uma d) pela crise política e social em Roma, que levaria, no século I a.C., ao
potência escravista, abastecida pelo fluxo de cativos conseguidos fim da República e ao estabelecimento do Império por Otávio.
nas guerras de conquista. e) pelas tensões sociais nos séculos IV e V d.C., geradas em toda a
Resposta: A Península Itálica por ininterruptas invasões de povos bárbaros.

RESOLUÇÃO:
5. (UNIFESP) – “Podemos dizer que antes as coisas do Mediterrâneo O texto faz referência à crise da República Romana – resultante,
eram dispersas. Mas, em consequência das conquistas romanas, é entre outros aspectos, da expansão militar que consolidou o
escravismo, marginalizou a plebe e introduziu o Exército como uma
como se a História passasse a ter uma unidade orgânica, pois as coisas
força nova no jogo político.
da Itália e da África passaram a ser entretecidas com as coisas da Ásia Resposta: D
e da Grécia. E o resultado disso tudo aponta para um único fim.”
(Políbio, História, I.3.)

No texto, a conquista romana do Mediterrâneo é


a) criticada, por impor aos povos uma única história: a ditada pelos
vencedores.
b) desqualificada, por omitir a independência política dos países da
região.
c) defendida, por estabelecer um único culto, dedicado à divindidade
dos imperadores
d) exaltada, por integrar as histórias particulares em uma única história
geral.
e) lamentada, por sufocar a autonomia e a identidade das diversas
culturas locais.
RESOLUÇÃO:
Políbio, historiador romano, considera que as conquistas de Roma
criaram, na Bacia do Mediterrâneo, uma unicidade histórica
formada por civilizações anteriormente distintas. Trata-se, em
última análise, da formação da civilização greco-romana, que os
renascentistas iriam chamar de “clássica”.
Resposta: D

– 37
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 38

2. (UNESP) – “Apesar de não ter sido tão complexo quanto os b) uma colônia inglesa na América que se desenvolveu autonoma-
governos modernos, o Império Romano também precisava pagar custos mente em relação à sua metrópole, praticando comércio com áreas
muito altos. Além de seus funcionários, da conservação das estradas e vizinhas e diversificando suas atividades econômicas.
da realização de obras, precisava manter um grande exército distribuído c) uma cidade romana que viveu o seu apogeu no início do Império,
por toda a sua extensão. A cobrança de impostos é que permitia ao com grande pujança econômica e acentuado desenvolvimento
governo continuar funcionando e pagando seus gastos.” urbano, até sua destruição pela erupção vulcânica do Vesúvio.
d) uma cidade europeia que teve seu desenvolvimento ligado à indus-
(Carlos Augusto Ribeiro Machado. Roma e seu império, 2004.)
trialização de manufaturas têxteis e de confecções, desenvolvidas a
partir da tecnologia propiciada pelo uso do vapor.
Sobre o recolhimento de impostos e os gastos públicos no Império
e) uma vila sul-africana fundada pelos bôeres de ascendência holandesa
Romano, é correto afirmar que
e desenvolvida com a utilização de mão de obra negra, antes da
a) o desenvolvimento da engenharia civil foi essencial para integrar o
conquista do território pelos imperialistas britânicos.
Império e facilitar o deslocamento dos exércitos.
b) patrícios e proprietários de terras não pagavam tributos, pois estes RESOLUÇÃO:
eram cobrados somente de arrendatários e escravos. Pompeia era uma cidade romana que, como o texto deixa claro,
c) as obras financiadas com recursos públicos eram apenas as de alcançou um interessante desenvolvimento econômico e urbano.
cunho religioso, como altares e templos. Em 79 d.C., foi soterrada pela erupção do vulcão Vesúvio, que
também vitimou Estábias e Herculanum, localidades vizinhas de
d) a desvalorização da moeda foi utilizadas pelos governantes para ali-
Pompeia.
viar o peso dos impostos sobre a população despossuída. Resposta: C
e) os tributos eram cobrados por coletores enviados de Roma, não
havendo intermediação ou intervenção de autoridades locais.

RESOLUÇÃO:
A par do controle sob o Mediterrâneo (Mare Nostrum), Roma
desenvolveu um extenso sistema de estradas (em grande parte
pavimentadas) interligando as diversas províncias do Império. Esse
grande complexo viário exigiu o desenvolvimento da engenharia 4. (UNICAMP-Adaptado) – O termo “bárbaro” teve diferentes
civil (construção de pontes, aquedutos e sistemas de escoamento significados ao longo da História. Sobre o uso desse conceito, podemos
das águas pluviais), tornando-se fundamental para facilitar o
afirmar que
trânsito de pessoas, mercadorias, agentes do Estado e também de
tropas, destinadas a impor e manter a Pax Romana. Paralelamente, a) o termo foi utilizado pelos gregos do Período Clássico para qualificar
a evolução da engenharia civil contribuiu para a romanização dos povos que não falavam grego e depois disso deixou de ser empre-
povos conquistados, graças à construção de importantes edifícios gado no mundo mediterrâneo antigo.
públicos, como fóruns, circos, teatros e termas. b) “bárbaro” foi uma denominação comum a muitas civilizações,
Resposta: A
destinada a qualificar os povos que não compartilhavam os valores
dessas mesmas civilizações.
c) “bárbaros” era um termo depreciativo empregado pelos germanos
para designar os povos que eles consideravam inaptos para a con-
quista, como por exemplo os vândalos.
d) gregos e romanos classificavam como “bárbaros” povos que viviam
da caça e da coleta, como os persas, em oposição aos povos urbanos
civilizados, como os fenícios.
3. (UECE-Adaptado) – “Com seus 10 a 15 mil habitantes, a Pompeia
e) coube aos romanos dar um sentido antropológico ao termo
da dácada de 70 d.C. apresentava-se como uma cidadezinha provinciana
“bárbaro”, utilizando-o para designar povos em um estágio interme-
enriquecida. Possuía uma agricultura desenvolvida, que alguns autores
diário entre a selvageria e a civilização.
consideram capitalista devido a seu direcionamento para o mercado. No
campo, predominavam fazendas escravistas voltadas para a produção de RESOLUÇÃO:
trigo, azeite e principalmente vinhos de diversas qualidades: populares, A palavra “bárbaro”, de origem grega, foi usada somente por
gregos e romanos. Entretanto, sob o aspecto semântico, entendida
aromatizados, para aperitivo, medicinais, para citar apenas alguns. A
como designativa de populações diferentes daquelas que assim as
criação de gado e a floricultura também eram praticadas no campo. As denominavam, foi utilizada depreciativamente por um grande
principais manufaturas encontravam-se concentradas no interior do número de povos ditos “civilizados”.
perímetro urbano: oficinas de cerâmica, construção civil, tinturarias, Resposta: B
lavanderias, manufaturas têxteis e de confecções, de conservas de
peixe e panificadoras.”

(Pedro Paulo Funari. A vida quotidiana na Roma antiga.


São Paulo: Annablume, 2003. pp.54-55.)

No texto transcrito, o autor se refere a


a) uma cidade da Europa Ocidental na Alta Idade Média, que vivenciou
o lento processo de transição da economia rural e agrícola do
feudalismo para a economia urbana e mercantil da modernidade.

38 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 39

5. (USTM-Adaptado) – Os hunos em geral – e Átila em particular –


têm uma merecida fama de homens endurecidos pela atividade militar. MÓDULO 3
As fontes históricas revelam a imagem que fazemos do huno: um
soldado montado. Todos os nômades andavam a cavalo, o meio de lo-
comoção habitual na época. Mas a destreza dos cavaleiros hunos ISLAMISMO
impressionou os observadores contemporâneos. Sua arma mais
importante era o arco; mais forte do que um arco simples, ele tinha um
alcance de 150 metros. No galope, o huno controlava seu cavalo com os
joelhos, enquanto disparava a flecha. 1. (FGV) – “E, com efeito, concedemos a Moisés o Livro, e fizemos
seguir depois dele, os Mensageiros. E concedemos a Jesus, Filho de
(Revista História Viva, n.o 116, p. 34, 2013) Maria, as evidências e amparamo-lo com o Espírito Sagrado. E, será que
cada vez que um Mensageiro vos chegava, com aquilo pelo que vossas
A partir do texto e levando em consideração o que se sabe sobre os
almas não se apaixonavam, vós vos ensoberbecíeis?
hunos, é correto afirmar que,
Então, a um grupo desmentíeis, e a um grupo matáveis. E, quando Ihes
a) graças à eficiência de suas unidades de cavalaria, os hunos
chegou um Livro da parte de Allah, confirmando o que estava com eles
conseguiram destruir o Império Bizantino.
– e eles, antes buscavam a vitória sobre os que renegavam a Fé –
b) tendo organizado uma poderosa esquadra, os hunos dominaram o
quando, pois, Ihes chegou o que já conheciam, renegaram-no.
Mediterrâneo, saqueando as cidades portuárias.
Então, que a maldição de Allah seja sobre os renegados da Fé!”
c) hábeis cavaleiros, os hunos foram nômades que assolaram o mundo
grego e devastaram Atenas e Esparta. Alcorão, 2: 87 e 89
d) notáveis pela destreza de seus cavaleiros, os hunos promoveram (Tradução do sentido do Nobre Alcorão para a língua portuguesa. H.
uma ofensiva contra o Império Romano. Nasr (trad.)
e) famosos pela força de sua infantaria, os hunos foram os responsá-
veis pela derrubada do Império Romano do Ocidente. A respeito do islamismo e de suas origens, responda às questões que
se seguem.
RESOLUÇÃO: a) Compare, do ponto de vista doutrinal, a religião muçulmana com as
Originários da Ásia Central, os hunos se fixaram na planície da religiões judaica e cristã.
Hungria, de onde saíram, sob a liderança de Átila, para invadir o b) No século VI, a Península Arábica caracterizava-se pela fragmentação
Império Romano. Derrotado na Gália em 451, Átila foi dissuadido
política e religiosa. De que maneira a religião muçulmana favoreceu
de atacar a Itália pelo papa Leão I. Regressou então à Hungria, onde
morreu. Pouco depois de sua morte, os hunos se dispersaram. a constituição de uma unidade político-religiosa na região?
Resposta: D c) Durante o século VII, além da expansão islâmica, ocorreu a divisão
entre sunitas e xiitas, que se mantém até os dias de hoje. Quais
foram os motivos de tal divisão?

RESOLUÇÃO:
a) As três religiões são monoteístas, embora somente o cristianismo
admita a unicidade de Deus dentro da Santíssima Trindade. O
cristianismo é derivado do judaísmo, do qual conservou o texto
que, na Bíblia Cristã, corresponde ao Velho Testamento.
Já o islamismo incorpora elementos judaicos e cristãos a
outros, ligados a tradições árabes ou propostos por Maomé. O
judaísmo, codificado por Moisés, aguarda um Messias
(“Esperado”) que, para os cristãos, se personificou em Jesus.
Para os islamitas, Moisés e Jesus são grandes profetas, cuja
mensagem foi concluída com a vinda de Maomé, último e maior
de todos os profetas enviados por Deus (em árabe: Alá).
b) Ao unificar os árabes no plano religioso, Maomé assumiu também
o poder político, dando à população árabe uma coesão que ela
jamais tivera. Os califas que sucederam ao Profeta assumiram
também o poder militar, criando uma tríplice autoridade que,
somada a outros fatores, foi responsável pela rapidez das
conquistas empreendidas pelos árabes, criando um império que
se estendeu da Península Ibérica ao atual Afeganistão.
c) Embora a cisão entre sunitas e xiitas tenha atualmente uma
conotação essencialmente religiosa, sua origem é política. Os
sunitas (majoritários) estão ligados àqueles que, após a morte
de Ali (quarto e último califa Haxemita), aceitaram a passagem
do califado para a Dinastia dos Omíadas. Já os xiitas permane-
ceram fiéis à linhagem de Ali.

– 39
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 40

2. (UPE) – “Maomé pertencia a um ramo menor do clã dos Quraysh


(coraixitas), um dos mais poderosos de Meca. Foi criado como mercador
e casou-se aos 25 anos com uma rica viúva, bem mais velha que ele,
chamada Kadidja. Supõe-se que, em suas viagens de negócios, Maomé
teria entrado em contato com judeus e cristãos e sido influenciado por
eles.”

(Peter Demant. O mundo muçulmano. 3.a ed. São Paulo: Contexto,


2011. p. 25. Adaptado.)

Sobre a realidade apresentada no texto, assinale a alternativa correta.


a) A principal influência que Maomé sofreu do judaísmo e do
cristianismo foi a crença no monoteísmo.
4. (MACKENZIE-Adaptada) – “As explosões de bombas nas
b) Maomé não obteve sucesso na tentativa de unificar a Península
Embaixadas dos Estados Unidos em Nairóbi e Dar es-Salaam, em 8 de
Arábica em nome do Islão.
agosto de 1998, e os atentados de 11 de setembro de 2001 ao World
c) Maomé não encontrou resistência para dominar Meca, mas precisou
Trade Center e ao Pentágono aterrorizaram o mundo ocidental, atraindo
recorrer à guerra para conquistar Medina
sua atenção para o Islão, e particularmente para os grupos muçulmanos
d) A prática do comércio, desenvolvida por Maomé, não era comum
radicais.”
entre os povos árabes do século VII.
(Noam Chomsky)
e) No século VII, os árabes tinham contato com mercadores judeus,
mas não com cristãos.
Sobre o Islão e suas relações com grupos terroristas da atualidade, é
RESOLUÇÃO: correto afirmar que
A religião islâmica pode ser considerada um sincretismo judaico- a) os fundamentalistas islâmicos interpretam o termo “Islão” como
cristão, acrescido de elementos árabes e de outros propostos pelo pregação politeísta e adoração anual dos ídolos existentes na Caaba,
próprio Maomé. A crença em um Deus único é a principal influência em Meca.
daquelas religiões sobre o pensamento de Maomé.
b) o código moral e as normas de comportamento do islamismo são
Resposta: A
definidos pelo Corão e a Guerra Santa ainda é pregada por muitos
muçulmanos fundamentalistas.
c) o conflito entre norte-americanos e muçulmanos fundamentalistas
tem sua origem na proposta da ONU para a criação de um Estado
centralizado no mundo islâmico.
3. (MACKENZIE-Adaptado) – “Nessa área de cerca de 3,5 milhões de d) o repúdio dos fundamentalistas aos atentados de 11 de setembro
km2, predominantemente desértica, constituiu-se, na primeira quadra reduziu a crise a um confronto pessoal entre Osama bin Laden e
do século VII, a religião que em pouco tempo a empolgaria por inteiro. George W. Bush.
Foi também a partir dessa área que, na quadra seguinte, os conversos e) os muçulmanos fundamentalistas não aceitam a defesa, por alguns
saíram para fazer sua entrada no palco da História Universal.” líderes do Islão e pelos norte-americanos, do direito de cristãos se
(Mamede M. Jarouche, Revista Entre Livros, n.o 3) converterem ao islamismo.

O texto faz menção a uma religião RESOLUÇÃO:


a) que crê na existência de vários deuses, todos eles personificações Para os islamitas (muçulmanos), o Corão ou Alcorão é o livro
dos astros e de fenômenos da Natureza. sagrado que contém a palavra de Deus, transmitida pelo profeta
Maomé. A Guerra Santa (Jihad) não constitui uma obrigação dos
b) cuja denominação (“Islão”) indica um de seus princípios básicos, qual
fiéis, mas uma prática facultativa – se bem que assegure o Paraíso
seja, a submissão do fiel à vontade de Deus. àqueles que morrerem ao praticá-la. O fundamentalismo de
c) que manifesta intolerância a povos de outras religiões, os quais qualquer religião aferra-se à letra dos textos sagrados, gerando
estariam destinados ao extermínio pela guerra. uma rigidez interpretativa que, no caso do Islão, pode levar à de-
d) cujos fiéis deveriam, em ocasiões especiais, praticar sacrifícios fesa intransigente da Guerra Santa.
Resposta: B
humanos para aplacar a ira divina.
e) que suprimiu a crença nos profetas como “anunciadores da vontade
de Deus”, assim como nos anjos.

RESOLUÇÃO:
O texto faz referência à Península Arábica na época de Maomé,
fundador do islamismo e responsável pela unificação política e
religiosa dos árabes — condição essencial para a ulterior expansão
conquistadora daquele povo. A alternativa b refere-se à submissão à
vontade de Deus, sintetizada na expressão Maktub (“Estava escrito”)
e influenciadora do fatalismo que permeia o comportamento de
muitos muçulmanos.
Resposta: B

40 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 41

5. (UFPR-Adaptado) – A presença islâmica na Península Ibérica


estendeu-se de 711 (Batalha de Guadalete, quando os visigodos foram MÓDULO 4
vencidos pelos invasores árabes) até 1492 (conquista de Granada, último
núcleo muçulmano na península, pelos reis Fernando de Aragão e Isabel
MONARQUIAS NACIONAIS E
de Castela). A convivência entre as culturas ocidental e árabe no mesmo
espaço, durante cerca de sete séculos, teve como consequência CRISES DOS SÉCULOS XIV E XV
principal
a) a reintrodução da cultura clássica na cristandade ocidental, graças
à contribuição dos árabes.
1. (UEL) – O período compreendido entre os séculos XIII e XV está
b) a realização de uma síntese que gerou uma cultura peninsular mais
associado à centralização das monarquias europeias. Assinale a
pobre que a de outras regiões da Europa.
alternativa que contenha elementos relacionados com esse processo.
c) um entendimento permanente entre cristãos e árabes que cerceou
a) A demanda de proteção feita pela burguesia emergente e a difusão
o espírito cruzadista na Península Ibérica.
de um ideário político de monarquia nacional.
d) o atraso da Península Ibérica nas ciências ditas experimentais – me-
b) A afirmação política e econômica da aristocracia feudal e o suporte
dicina, astronomia, matemática e geografia.
dado pela ideologia liberal à centralização do Estado.
e) o desenvolvimento, nas mesquitas, de um estilo artístico que privile-
c) As navegações e conquistas ultramarinas e o desejo de implantação
giava a representação de figura humana.
de uma economia mundial de livre-mercado.
d) O crescimento da mão de obra camponesa e o desenvolvimento da
RESOLUÇÃO:
A expansão dos árabes na Alta Idade Média fez desse povo uma concepção burguesa de ditadura do proletariado.
ponte entre as culturas bizantina (depositária da tradição greco- e) O surgimento de uma vanguarda cultural religiosa e a influência do
romana) e a da Europa Ocidental, via Espanha. Dessa forma, muitos ceticismo francês, defensor do direito divino dos reis.
textos da Antiguidade Clássica, esquecidos pelo Ocidente, foram
reintroduzidos por intermédio dos árabes. RESOLUÇÃO:
Resposta: A A formação das Monarquias Nacionais centralizadas, na Baixa
Idade Média, dependeu em grande parte de dois fatores: de um
lado, a decadência do feudalismo e o consequente enfraquecimen-
to da nobreza senhorial; de outro, o apoio da burguesia ao processo
de centralização. Complementarmente, expandiu-se a noção da
existência de um Estado nacional, superior ao poder local dos
senhores e extensivo a toda a nação — entendida como uma
população ligada por elementos geográficos, históricos e culturais.
Resposta: A

2. (FATEC) – O uso da pólvora teve início na China e chegou à Europa


em torno do século XIII. Sua utilização, na forma de canhões e outras
armas de fogo, contribuiu para a transformação das táticas de guerra e
para a diminuição do poder dos cavaleiros medievais, que dominavam o
mundo da guerra no sistema feudal. Com o emprego dessa importante
tecnologia, as operações militares passaram a ser mais rápidas e
eficientes, e os valores da cavalaria medieval tornaram-se gradativamente
obsoletos.
Considerando as informações apresentadas, podemos afirmar que,
durante a Idade Média,
a) a Santa Inquisição, em nome da Igreja, impedia o uso de novas
tecnologias bélicas na Europa.
b) a introdução da pólvora nas batalhas contribuiu para o declínio da
cavalaria medieval.
c) os europeus dispensavam os conhecimentos de outros povos no
uso de tecnologias.
d) o uso de tecnologias era restrito ao ambiente rural e à produção
agrícola nos feudos.
e) os conflitos eram raros e tornavam desnecessário o uso da pólvora
para fins bélicos.

RESOLUÇÃO:
A alternativa B parafraseia o enunciado, desde que se considere
“cavalaria medieval” em seu sentido estritamente bélico (conjunto
de combatentes a cavalo e revestidos de armadura), e não como
instituição feudal dotada de um código de conduta próprio. Com
efeito, as armas de fogo tornaram a cavalaria menos eficiente,
ainda que tenha continuado a ser utilizada nas batalhas até
princípios do século XX.
Resposta: B

– 41
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 42

3. (MACKENZIE-Adaptado) – “Aquilo que dominava a mentalidade e 4. (UECE-Adaptado) – A peste, a fome e a guerra constituíram os
a sensibilidade dos homens da Idade Média era seu sentimento de elementos mais visíveis daquela que ficou conhecida na Europa como
insegurança, que, no fim das contas, era a insegurança quanto à vida a “Crise do Século XIV”. Como consequência dessa crise, ocorrida na
futura, que a ninguém estava assegurada. Os riscos da danação, com o Baixa Idade Media,
concurso do Diabo, eram tão grandes e as probabilidades de salvação a) o Renascimento Comercial e Urbano, iniciado pouco antes, foi
tão fracas que, forçosamente, o medo vencia a esperança.” interrompido por vários séculos, reaparecendo somente na Revolu-
ção Industrial do século XVIII.
(Jacques Le Goff. A civilização do Ocidente medieval.) b) os camponeses, que estavam em vias de conquistar a liberdade,
voltaram a apoiar o sistema feudal por mais alguns séculos, como
O mundo medieval configurou-se a partir do medo da insegurança, como
forma de superar a crise.
retratado no texto acima. Assinale a alternativa que melhor condiz com
c) a Europa sofreu um novo e prolongado período de estagnação
o assunto.
econômica e obscurantismo, semelhante ao ocorrido na Alta Idade
a) As guerras constantes, as invasões, diminuição da população, as
Média.
pestes, tudo isso aliado a um forte conteúdo religioso de punição
d) entre as camadas sociais do período, a nobreza foi a menos preju-
divina aos pecados contribuiu para o clima de insegurança medieval.
dicada pela crise, ao contrário do que ocorreu com a burguesia, que
b) A peste bubônica reduziu drasticamente a população medieval, levan-
perdeu muitos capitais.
do a crenças milenaristas que foram sufocadas pela ação da Igreja, a
e) intensificou-se o processo de concentração do poder político nas
qual disponibilizou recursos médicos para erradicar as doenças.
mãos dos reis, com o apoio da burguesia, até se transformar no
c) A insegurança que predominou em toda a Idade Média decorreu das
absolutismo.
guerras constantes entre nobres (suseranos) e servos (vassalos), o
que contribuiu para o surgimento de teorias milenaristas. RESOLUÇÃO:
d) As enfermidades que afetavam a população em geral contribuíram A crise do século XIV, se por um lado provocou a retração do
para a demonização de algumas práticas sociais, como o hábito de comércio europeu, por outro acentuou o declínio da nobreza
senhorial, favorecendo o fortalecimento da autoridade real sobre
usar talheres nas refeições, adquirido no contato com os bizantinos.
essa camada social.
e) A certeza da punição divina aos pecados cometidos predominava na Resposta: E
mentalidade medieval; por isso, durante o período, eram constantes
os autos de fé da Inquisição, que incentivavam as confissões.

RESOLUÇÃO:
O sentimento geral de insegurança reinante na Idade Média,
causado por motivos variados, materiais e espirituais, é um
importante fator explicativo das relações de proteção articuladas
dentro do sistema feudal – desde os laços feudo-vassálicos e as
relações servis de produção até o papel da Igreja, como ordenadora
religiosa e moral do período.
Resposta: A

42 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 43

5. (UFSM)
MÓDULO 5

RENASCIMENTO: CONCEITO,
ORIGEM E CARACTERÍSTICAS

1. (UNESP) – “Tudo que os renascentistas pretendiam era assumir a


condição humana até seus limites, até às últimas consequências. Nem
Deus e nem o Demônio; todo o desafio consistia em ser absolutamente,
radicalmente humano, apenas humano.”
(Nicolau Sevcenko. O Renascimento, 1985.)

Explique a caracterização que o texto faz do Renascimento e dê exemplo


de uma obra artística em que tal intenção se manifeste.

RESOLUÇÃO:
O texto alude à principal característica do Renascimento, qual seja
a valorização do ser humano. Essa característica, conhecida como
“antropocentrismo” ou “humanismo”, considerava o homem
“Todos os testemunhos concordam em situar a origem da peste na Ásia como a principal obra de Deus. Exemplo: a Criação do Homem,
Central, onde ela existia em estado endêmico. O grande viajante árabe afresco de Miguel Ângelo na Capela Sistina, no qual o próprio Deus
Ibn Batuta, que visitou a Índia Meridional pouco depois de 1342, aparece revestido de humanidade, tanto na representação formal
quanto na personificação da Divindade.
assinalou-a ali. Em 1347, os mongóis, que sitiavam o estabelecimento
mercantil genovês em Kaffa, no Mar Negro, foram contaminados e,
como tática de guerra, arremessaram vários cadáveres infectados para
dentro da cidade, por meio de suas máquinas de guerra. Um navio que
2. (UFPI) – O período situado entre os séculos XII e XV da Era Cristã,
partiu de Kaffa para a Itália propagou a peste em Constantinopla e depois
didaticamente designado como “Baixa Idade Média”, foi marcado por
chegou à Gênova. A peste atacou a Itália pelos portos e as cidades do
profundas transformações que conduziriam à superação dos
interior não souberam organizar nenhuma defesa.”
mecanismos feudais e à progressiva estruturação da Modernidade. Esta
foi marcada, entre outros aspectos, pela emergência do racionalismo e
(Philippe Wolff. Outono da Idade Média ou Primavera dos Tempos
do método científico.
Modernos? São Paulo: Martins Fontes, 1988. p. 15. Adaptado.)
Assinale a alternativa que não contém alguma das transformações
ocorridas no período citado.
O mapa e o texto permitem associar a rápida propagação da Peste
a) Um intenso processo de secularização, que contribuiria para o
Negra, na Baixa Idade Média europeia, a fatores como
atrelamento da razão à religião e do natural ao sobrenatural.
a) o êxito das navegações ibéricas na abertura de um caminho marítimo
b) Ressurgimento do individualismo associado aos princípios do
para as Índias orientais, de onde viera a Peste Negra.
humanismo, o que repercutiria no iluminismo do século XVIII.
b) a retomada das peregrinações a Jerusalém, no Oriente Próximo,
c) Evolução das práticas econômicas e científicas, que lentamente iriam
após a vitória dos cristãos europeus nas Cruzadas.
se libertar da tutela até então exercida pela teologia e pela metafísica.
c) o aumento do intercâmbio comercial entre a China (então governada
d) Alargamento dos horizontes geográficos, incorporando novos
pelos mongóis) e os países europeus.
mundos e povos ao universo de conhecimentos dos europeus.
d) a intensificação do comércio entre o Ocidente europeu e o Oriente,
e) No mundo do conhecimento científico, substituição da verdade reve-
por intermédio das cidades italianas e de Constantinopla.
lada pela verdade da Natureza, com sua própria linguagem e leis.
e) o dinamismo comercial dos turcos otomanos, ao transformarem a
Constantinopla bizantina na moderna Istambul.
RESOLUÇÃO:
Além da evidente contradição entre “secularização” e “religião/
RESOLUÇÃO: sobrenatural”, o período citado assistiu a uma valorização do
O texto destaca a chegada da Peste Negra às cidades portuárias racionalismo e do naturalismo.
da Itália, de onde se alastrou para o interior e para outras regiões Resposta: A
da Europa. O fator determinante para a disseminação da epidemia
entre os europeus foi o intenso relacionamento comercial da
Europa com o Oriente Próximo, a partir do século XII.
Resposta: D

– 43
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 44

3. (UEL) – Na Baixa Idade Média, a cidade de Veneza foi progressiva- 4. (UPE) – “Que obra de arte é o homem! Que nobre na razão, que
mente fortalecida pelo comércio, criando instituições políticas autô- infinito nas faculdades, na expressão e nos movimentos, que
nomas libertando-se do poder papal. Com base na influência determinado e admirável nas ações! Que parecido a um anjo de
político-econômica das cidades mercantis nesse período, considere as inteligência, que semelhante a um deus!”
afirmações a seguir.
(William Shakespeare. Hamlet.
I. Os senhores feudais, detentores dos domínios aristocráticos,
São Paulo: Abril Cultural, 1976. p. 87.)
atacaram o poder político das cidades nascentes, pois este os
impedia de arrecadar tributos e taxas.
Com base na análise da fala do personagem shakespeariano, assinale a
II. As guildas e as corporações de ofício introduziram nos burgos a
alternativa que a associa às características do Renascimento Cultural.
concorrência econômica, ao libertarem o comércio do regime de
a) A fala de Hamlet ilustra o teor teocêntrico do Renascimento, ao
monopólio e os trabalhadores de padrões de produção
associar o homem a anjos e deuses.
excessivamente rígidos.
b) O texto apresenta Deus como centro do Universo, ao explorar a
III. As rotas comerciais tornaram-se pontos de confluência de diversas
semelhança entre o homem e o divino.
culturas e credos, professados por diversos povos, entre os quais
c) Hamlet tece uma ode ao homem, ilustrando o antropocentrismo
judeus, muçulmanos e chineses.
característico do Renascimento Cultural.
IV. Na Europa, as cidades de Veneza e Gênova eram consideradas
d) Hamlet apresenta o homem como uma obra-prima nata, dialogando
portas de entrada de produtos muito valorizados, como especiarias
com a perspectiva filosófica do empirismo.
e tecidos finos, provenientes do Oriente.
e) O texto explora o hedonismo ao destacar o homem como “infinito
nas faculdades, na expressão e nos movimentos”.
Assinale a alternativa correta.
a) Somente as afirmações I e II são corretas. RESOLUÇÃO:
b) Somente as afirmações I e III são corretas. Entre outras características, a Renascença caracterizou-se pela
c) Somente as afirmações I e IV são corretas. valorização do homem como a mais perfeita criação de Deus
d) Somente as afirmações II e III são corretas. (antropocentrismo ou, menos apropriadamente, “humanismo”*).
* Para os renascentistas, “humanista” era o erudito que conhecia
e) Somente as afirmações III e IV são corretas.
profundamente as “Humanidades”, isto é, a cultura clássica, e os
idiomas grego, latino e, eventualmente, também o hebraico.
RESOLUÇÃO: Exemplos de humanistas: o holandês Erasmo de Rotterdam, o
A afirmação I é falsa porque as cidades mercantis logo deixaram inglês Thomas Morus e o português Damião de Góis.
de se submeter ao poder dos senhores feudais, passando a Resposta: C
depender apenas do rei (ou imperador, no caso da Alemanha),
quando não se constituíram como cidades-Estado, a exemplo das
repúblicas de Gênova e Veneza. A afirmação II é falsa porque as
guildas e as corporações de ofício existiam exatamente para
impedir a concorrência, respectivamente, de mercadores e artífices
que não fizessem parte delas.
Resposta: E
5. (UNIP-SP) – “O Renascimento foi um movimento cultural iniciado na
Itália, de onde se irradiou para outros países, no início dos Tempos
Modernos. A arte renascentista caracterizou-se pela influência clássica,
acrescida de temas cristãos e outros extraídos do cotidiano, além de
retratar personalidades diversas.”
(Dicionário do Renascimento Italiano. Zahar, 1988.)

Sobre o Renascimento, podemos acrescentar, às características já


mencionadas,
a) o individualismo, o ateísmo e o dogmatismo.
b) o antropocentrismo, o heliocentrismo e o hedonismo.
c) o coletivismo, o teocentrismo e o pragmatismo.
d) o populismo, o universalismo e o positivismo.
e) o naturalismo, o cientificismo e o irracionalismo.
RESOLUÇÃO:
Antropocentrismo (ou, menos adequadamente, “humanismo”) é a
valorização do homem, considerado como a mais importante
criação de Deus; heliocentrismo é a noção de que o Sol – e não a
Terra – constitui o centro do sistema solar; e hedonismo é a busca
do prazer sob suas várias formas, podendo-se incluir o prazer
estético e o prazer intelectual.
Resposta: B

44 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 45

3. (UPE) –
MÓDULO 6

DIFUSÃO E CRISE DO RENASCIMENTO

1. Por volta de 1550, o eixo geográfico do Renascimento Cultural co-


meçou a se deslocar devido à decadência econômica das cidades ita-
lianas, que perderam a hegemonia sobre o comércio dos produtos
orientais. Além disso, a ação da Contrarreforma foi particularmente in-
tensa na Itália.
Por que a Reforma e a Contrarreforma prejudicaram o Renascimento?

RESOLUÇÃO:
A Reforma e a Contrarreforma intensificaram o sentimento
religioso, estimulando o dogmatismo e a intolerância. Com isso, (Nascimento de Vênus, tela de Sandro Botticelli, 1483.
inibiram o individualismo e a liberdade de pensamento que carac- Disponível em: <www.infoescola.com/pintura/o-nascimento-de-
terizaram o Renascimento. venus>.)

Assinale a alternativa correta sobre o quadro em questão e seu contexto


histórico.
a) A temática pagã da obra constitui uma ousadia que destoa das
demais produções artísticas do Renascimento.
b) A nudez apresentada no quadro também aparece em obras de outros
artistas da época, como Miguel Ângelo.
c) Botticelli, personagem-símbolo do ideal humanista, também foi
arquiteto, engenheiro, músico e poeta.
d) O Nascimento de Vênus, assim como A Santa Ceia de da Vinci, é
uma pintura de temática bíblica.
e) Botticelli destacou-se por sua produção escultórica, sendo
O Nascimento de Vênus sua única pintura.

RESOLUÇÃO:
Sandro Botticelli (1445-1510) foi um dos principais pintores do
Renascimento Italiano, produzindo retratos e obras com temática
2. (PUC-RS-Adaptada) – A renovação literária que se verificou no
religiosa e também pagã, como O Nascimento de Vênus.
Norte da Itália no século XIV, com as obras de Dante Alighieri (1265- Resposta: B
1321), Francesco Petrarca (1304-74) e Giovani Boccaccio (1313-75),
é considerada um marco antecessor do Renascimento Cultural.
Produzindo obras de transição para a cultura renascentista, esses
autores
a) glorificavam as conquistas humanas.
b) utilizavam uma linguagem popular.
c) submetiam-se à moral corrente.
d) criticavam a mentalidade medieval.
e) ignoravam a temática religiosa.

RESOLUÇÃO:
Na condição de pré-renascentistas, Dante, Petrarca e Bocaccio não
se submeteram aos padrões comportamentais de sua época,
adotando posições que prenunciavam o espírito crítico e o
individualismo dominantes no renascimento. Dante, por exemplo,
colocou dois Papas no Inferno em sua A Divina Comédia; Petrarca
expôs seus sentimentos (uma demonstração de individualismo)
nos Sonetos a Laura; e Bocaccio satirizou a sociedade da época no
Decameron.
Resposta: D

– 45
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 46

4. (UNESP-SP) – 5. (UFSJ) –

(National Gallery, Londres.)

A tela O Casal Arnolfini, de Jan van Eyck (1434), apresenta alguns traços
marcantes da pintura renascentista. Entre eles, podemos identificar (Moisés, 1513-15. Basílica de São Pedro, Roma.
Disponível em: <pt.wikipedia.org/wiki>.)
a) a temática burguesa e o liberalismo.
b) a temática religiosa e os valores clássicos.
c) a temática clássica e a busca do transcendental. O Renascimento foi uma revolução cultural no contexto da transição do
d) a temática pagã e o cientificismo. feudalismo para o capitalismo. Diversos artistas produziram obras
e) a temática profana e a perspectiva. marcadamente humanistas, de acordo com a nova ordem que estava
surgindo. A escultura retrada na imagem é de autoria de
RESOLUÇÃO: a) Rafael Sanzio.
A tela em questão faz parte do “Renas ci mento Civil” , isto é, b) Leonardo da Vinci.
patrocinado por burgueses (em oposição ao “Renascimento Cor-
c) Ticiano Vecellio.
te são” , patrocinado pelos governantes da época). Neste, a
temática profana, ou seja, não vinculada a assuntos religiosos, d) Miguel Ângelo Buonarroti.
direcionava-se para a valo ri za ção da burguesia em ascensão. e) Sandro Botticelli
A noção de perspectiva, por sua vez, foi uma inovação da
pintura renascentista. RESOLUÇÃO:
Resposta: E Miguel Ângelo foi um dos maiores artistas do Renascimento.
Escultor de profissão, pintou os afrescos da Capela Sistina e
projetou a cúpula da Basílica de São Pedro. Suas esculturas mais
célebres são a Pietá, Moisés e Davi.
Resposta: D

46 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 47

2. (ESPCEX-Aman) – A Reforma Protestante foi um movimento


MÓDULO 7 ocorrido no século XVI que causou uma grande ruptura no mundo cristão
e deu origem a novas doutrinas religiosas. Entre os fatores que levaram
a esse movimento, podemos citar
REFORMA LUTERANA a) as críticas a certas práticas promovidas pela Igreja Católica, como a
venda de indulgências.
b) o apoio da Igreja Católica a práticas capitalistas como a acumulação
de lucros e a usura.
1. (UNICAMP) – “No dia 31 de outubro de 1517, o monge Martinho c) a reação contra a decisão da Igreja de restabelecer e reorganizar a
Lutero, professor de Teologia na Universidade de Wittenberg, afixou, na Inquisição.
porta da catedral daquela cidade, um documento em que eram expostas d) a valorização do racionalismo e do cientificismo, associados aos
95 teses.” ideais iluministas.
(GR Elton. La Europa de la Reforma. México: e) o estímulo à leitura e livre interpretação da Bíblia, promovido pelo
Siglo Veintiuno, 1974. p. 2. Adaptado.) Vaticano.

a) Que processo histórico o gesto de Lutero iria desencadear? RESOLUÇÃO:


b) Cite duas práticas da Igreja Católica condenadas por Lutero. Desde a Baixa Idade Média, a Igreja pusera em prática certos
expedientes para aumentar seus rendimentos, de forma a
RESOLUÇÃO: conseguir recursos para a manutenção de sua estrutura. Um desses
a) A Reforma Protestante. meios foi a venda de indulgências, por meio das quais os fiéis,
b) A venda de indulgências (perdão de certos pecados, alcançado mediante um pagamento, eram absolvidos de determinados
por meio de um pagamento ou pela prática de determinados pecados. Foi contra essa prática que o monge alemão Martinho
atos de devoção) e a simonia (comércio de coisas sagradas, Lutero se insurgiu em 1517, desencadeando a Reforma.
como a venda de relíquias e de cargos eclesiásticos). Resposta: A

– 47
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 48

3. (UNIFESP) – Durante o século XVI, nas palavras de um estudioso, 4. (CFT-RJ) – As reformas religiosas do século XVI ocorreram em
“reformar a Igreja significava reformar o mundo, porque a Igreja era o diferentes lugares e com algumas diferenças entre si. Houve tanto um
mundo”. Tendo em vista essa afirmação, é correto afirmar que movimento com várias tendências protestantes como um movimento
a) os principais reformadores não se envolveram nos desdobramentos de reação católica. A esse respeito, estabeleça a relação entre os líderes
políticos e socioeconômicos de suas doutrinas. religiosos enumerados a seguir e seus respectivos papéis nos
b) o Papado, por estar consciente dos desdobramentos da Reforma, movimentos religiosos do período.
recusou-se a iniciá-la, até ser a isso obrigado por Calvino. I. João Calvino.
c) a burguesia, ao contrário da nobreza e dos príncipes, aderiu à Refor- II. Henrique VIII.
ma para se apoderar das riquezas da Igreja. III. Inácio de Loyola.
d) os cristãos que aderiram à Reforma estavam interessados somente IV. Martinho Lutero.
nos benefícios materiais que dela adviriam.
e) o aparecimento dos anabatistas e outros grupos radicais comprova A) Reformador alemão que acreditava na salvação pela fé.
que a Reforma extrapolou o campo da religião. B) Acreditava na salvação pela predestinação.
C) Fundador da Igreja Anglicana.
RESOLUÇÃO: D) Fundador da Companhia de Jesus (jesuítas).
Os anabatistas, cujo líder mais conhecido foi Thomas Münzer,
representavam uma corrente radical dentro do luteranismo, fosse a) I-A, II-B, III-C, IV-D
pela luta para se apossar das terras eclesiásticas, fosse pela rejeição
b) I-D, II-B, III-A, IV-C
às convenções matrimoniais e familiares. Isso mostra que, para
além do questionamento teológico, movimentos como esse c) I-A, II-D, III-B, IV-C
avançaram no campo das reivindicações econômicas e das d) I-B, II-C, III-D, IV-A
transformações sociais. e) I-C, II-A, III-B, IV-D
Resposta: E
RESOLUÇÃO:
Lutero deu início à Reforma Protestante em 1517, quando se
insurgiu contra a venda de indulgências na alemanha. Calvino,
defensor da Salvação pela predestinação, criou a vertente da
Reforma que mais se difundiu, pois adequava a doutrina cristã às
práticas capitalistas da burguesia em ascensão. Henrique VIII criou
na Inglaterra uma Igreja nacional, da qual o rei era a “cabeça
suprema”, unindo o poder espiritual ao temporal. E Santo Inácio de
Loyola foi um dos mais destacados representantes da
Contrarreforma, tendo fundado a Ordem dos Jesuítas, dedicada à
educação da juventude e à catequese dos pagãos.
Resposta: D

48 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 49

5. (UPE) – No início da Idade Moderna, a Europa Ocidental experimentou


uma profunda mudança na vivência religiosa do cristianismo. Sobre a MÓDULO 8
Reforma Religiosa do século XVI, analise as afirmações a seguir.
I. O pensamento de Jan Huss influenciou as ideias de Lutero. EXPANSÃO DA
II. Sobre a questão da salvação dos fiéis, Calvino e Lutero defendiam a
doutrina da predestinação. REFORMA E CONTRARREFORMA
III. Muitos franceses se converteram ao calvinismo, tornando-se
conhecidos como “huguenotes”.
IV. A Reforma Anglicana foi implantada na Inglaterra pelo rei Henrique
1. (UFMG-Adaptado) – A Companhia de Jesus foi um instrumento
VIII.
fundamental para a evangelização das colônias americanas.
V. A Rússia converteu-se ao luteranismo no reinado de Pedro, o
a) Cite duas estratégias usadas pela Companhia de Jesus para a difusão
Grande.
da fé católica.
b) No século XVIII, os jesuítas foram acusados por seus inimigos
Assinale a alternativa correta.
(adeptos das teorias iluministas) de ter, na América do Sul, um
a) Apenas as afirmações I, II e III são verdadeiras
projeto que contrariava os interesses das metrópoles ibéricas. Que
b) Apenas as afirmações I, II e IV são verdadeiras.
projeto era esse?
c) Apenas as afirmações I, III e IV são verdadeiras.
d) Apenas as afirmações II, IV e V são verdadeiras.
RESOLUÇÃO:
e) Apenas as afirmações III, IV e V são verdadeiras.
a) Catequese dos indígenas e controle da atividade educacional
nas colônias.
RESOLUÇÃO:
b) Criar um império teocrático que controlaria as populações
A afirmação II é falsa porque apenas Calvino defendia a doutrina da
indígenas em parte do continente sul-americano, tendo como
predestinação; para Lutero, a salvação se dava pela fé. A afirmação V
centro o Paraguai.
é falsa porque a Rússia foi convertida por missionários bizantinos ao
catolicismo ortodoxo – religião majoritária no país até os dias de hoje.
Resposta: C

– 49
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 50

2. (FGV-RJ-Adaptado) – A Reforma, a despeito de sua hostilidade 3. (PUCCAMP-Adaptado) – O calvinismo foi


contra a magia, estimulara o espírito de profecia. A abolição dos a) uma doutrina que sintetizou as ideias dos reformadores precedentes,
intermediários entre o homem e a Divindade, bem como a ênfase na consolidando as posições definidas por eles em relação ao
consciência individual, deixavam Deus falar diretamente a seus eleitos, cesaropapismo e ao culto dos santos.
os quais deveriam divulgar Sua mensagem. E Deus não escolhia as b) apenas um desdobramento das ideias defendidas por Lutero, o qual
pessoas por sua hierarquia: preferia falar a John Knox do que à sua afirmava que, sendo o príncipe escolhido por Deus para governar,
rainha, Maria Stuart da Escócia. O próprio Knox agradeceu a Deus seu poder deveria se subordinar à autoridade do clero.
ter-lhe dado o dom de profetizar, pois assim estabelecia que ele era um c) a vertente protestante que mais se afastou do catolicismo e demons-
homem de boa-fé. Na Inglaterra, as décadas revolucionárias deram trou maior afinidade, em termos éticos, com o desenvolvimento do
ampla difusão ao que praticamente constituía uma profissão nova – a capital comercial e financeiro.
do profeta, quer na qualidade de intérprete dos astros, ou dos mitos d) o ramo do protestantismo que mais se identificou com o princípio
populares tradicionais, ou, ainda, da Bíblia. do cujus regio, ejus religio, segundo o qual cabe ao príncipe
determinar a religião de seus súditos.
(Christopher Hill. O mundo de ponta-cabeça. Ideias radicais durante a e) um movimento originário da Suíça, causado por convulsões sociais
Revolução Inglesa de 1640. Trad. Renato Janine Ribeiro. São Paulo, locais vinculadas ao descontentamento da população com as taxas
Companhia das Letras, 1987, p. 103.) cobradas pela Igreja Católica.

RESOLUÇÃO:
O texto se refere ao ambiente político e religioso da Inglaterra no século
Os preceitos de Calvino que enfatizavam a importância do trabalho,
XVII. A esse respeito, é CORRETO afirmar que da poupança e do rigor moral criaram uma ética que contribuiu
a) a insatisfação popular na Inglaterra era decorrente da perspectiva para a acumulação primitiva de capitais, adequando o cristianismo
protestante de manter os pastores como intermediários entre Deus à nova conjuntura econômica.
e os homens. Resposta: C
b) a movimentação revolucionária esteve vinculada aos conflitos
religiosos decorrentes da Reforma Protestante, iniciada no século
XVI.
c) os revolucionários basearam-se em princípios estritamente racionais
e científicos, em uma nítida ruptura com as crenças e o profetismo
da época.
d) os monarcas ingleses mantiveram-se neutros em meio a todas as
disputas religiosas dos séculos XVI e XVII, o que permitiu a preser-
vação da Monarquia. 4. (UFLA-MG) – Durante a Idade Moderna, o Tribunal do Santo Ofício
e) os defensores do Parlamento consideravam-se os únicos a) funcionou em diversos Estados católicos, excetuando-se os reinos
incumbidos por Deus de difundir a doutrina e indicar os caminhos da ibéricos.
salvação. b) procurou fortalecer o poder real, incentivando a prática da
democracia.
RESOLUÇÃO: c) ampliou o universo cultural ao aprovar a divulgação de obras
As Revoluções Inglesas do Século XVII ocorreram devido a uma católicas.
mistura de interesses políticos e socioeconômicos, insuflados, em d) combateu os dogmas da Igreja Católica, condenando os acusados
grande medida, pelas questões religiosas que atingiram a de heresia.
Inglaterra a partir de meados do século XVI. Em 1640, os puritanos
e) atuou como um braço paralelo ao poder do Estado na defesa do
(calvinistas ingleses) lideraram a luta que levou à queda de Carlos
I e à instauração da República de Cromwell. Em 1688, a reação status quo.
contra o reinado do católico Jaime II Stuart foi decisiva na RESOLUÇÃO:
formação da coalizão que possibilitou a Revolução Gloriosa, Nos países em que agiu durante a Idade Moderna – Portugal,
responsável pelo fim do absolutismo na Inglaterra. Espanha e Estados italianos –, o Tribunal do Santo Ofício (ou Santa
Resposta: B Inquisição) foi muitas vezes utilizado como um instrumento do
Estado na repressão aos adversários deste, reais ou imaginários,
acusando-os de heresia ou de não cumprimento das práticas
católicas.
Resposta: E

50 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 51

5. (UEPB-Adaptado) – “A arte mineira caracterizou-se pelo estilo


barroco que esteve em voga na Europa até princípios do século XVIII.” MÓDULO 9
(José Alves de Freitas Neto e Célio Ricardo Tasinafo.
História Geral e do Brasil. Harbra. p. 325.) O ABSOLUTISMO FRANCÊS
Sobre o barroco, é correto afirmar que:
a) as produções barrocas, por se apresentarem como forma única de
expressão religiosa, são uniformes e regulares, de acordo com o 1. O reinado pessoal de Luís XIV (1661-1715), iniciado após a morte do
pensamento religioso católico. primeiro-ministro Mazarino, assinalou não só o apogeu da França na
b) o barroco expressava o racionalismo da Época Moderna e, ao conde- Idade Moderna, mas também o começo de sua decadência. Explique
nar as expressões metafísicas e o sentimento religioso, prenunciava essa aparente contradição.
os ideais iluministas do século XVIII.
c) era um estilo intimamente ligado à Contrarreforma, pois expressava RESOLUÇÃO:
Durante a maior parte do reinado pessoal de Luís XIV, a França foi
os fundamentos da devoção religiosa por meio de construções,
a potência hegemônica no continente europeu, ao mesmo tempo
esculturas e pinturas. que o absolutismo real alcançava seu máximo prestígio.
d) o barroco esteve intimamente ligado ao protestantismo, caracteri- Entretanto, quando o “Rei-Sol” faleceu, o Estado Francês sofria
zando-se como um estilo artístico que condenava as imagens e valo- uma grave crise financeira, causada sobretudo pelos grandes
rizava apenas a produção arquitetônica. gastos militares e pela manutenção de uma corte luxuosa. Essa
crise se agravaria ao longo do século XVIII, contribuindo para a
e) o barroco mineiro, apesar da denominação que lhe foi aplicada,
eclosão da Revolução Francesa.
desenvolveu características universais, evitando as especificidades
e o regionalismo.

RESOLUÇÃO:
O barroco foi o estilo dominante na arte praticada nos países
católicos europeus, ao longo do século XVII. Caracterizou-se na
pintura pela predileção em relação aos temas religiosos, tratados
com grande intensidade dramática e utilização da técnica do
claro-escuro. Esse estilo também se manifestou na arquitetura
sacra e na escultura, sendo facilmente distinguível pela profusão de
detalhes e de ornamentos. Nos países protestantes, sua influência
se fez sentir de forma atenuada, embora estivesse presente em
retratos, estátuas e construções palacianas.
Resposta: C

– 51
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 52

2. (ESPM-Adaptada) – A França no século XVI viveu mergulhada em 3. (UNICAMP-Adaptado) – “À medida que as maneiras se refinam,
uma instabilidade que envolvia aspectos políticos e religiosos, como o tornam-se distintivas de uma superioridade: não é por acaso que o
massacre da Noite de São Bartolomeu, em 1572. Com a intenção de exemplo parece vir de cima, sendo logo retomado pelas camadas
pacificar o país, o rei Henrique IV promulgou o Edito de Nantes, pelo médias da sociedade, desejosas de ascender socialmente. É exibindo os
qual gestos prestigiosos que os burgueses adquirem estatuto nobre.
a) foi concedida liberdade de culto aos protestantes, bem como o O ser de um homem se confunde com sua aparência. Quem age como
direito de conservar algumas praças de guerra. nobre é nobre.”
b) o soberado renunciou ao protestantismo e se fez batizar católico,
adotando a religião professada pela maioria. (Renato Janine Ribeiro. A Etiqueta no Antigo Regime. São Paulo:
c) revogou a liberdade de culto permitida até então aos franceses e Editora Moderna, 1998, p. 12. Adaptado.)
impôs o catolicismo como religião oficial.
d) o rei atribuiu-se o direito de nomear bispos, permitindo à Dinastia de O texto faz referência à prática da etiqueta na França do século XVIII.
Bourbon exercer influência sobre a Igreja Católica. Sobre o tema, é correto afirmar que
e) foi criada a Igreja Anglicana, separada da Igreja Católica Romana e a) O jogo das aparências era uma forma de disfarçar os conluios
subordinada à autoridade do monarca. políticos da aristocracia e negar benefícios ao Terceiro Estado.
b) Os sans-culottes imitavam as maneiras do estamento aristocrático,
RESOLUÇÃO: pois isso era uma forma de adquirir ascensão social.
Henrique IV foi o primeiro rei da Dinastia de Bourbon, tendo c) a etiqueta deixou de ser um elemento distintivo de grupos sociais no
ascendido ao trono em meio às disputas religiosas das Guerras de
século XIX, quando foi extinta a sociedade de privilégios.
Religião. De formação protestante e líder dos huguenotes na
condição de rei da Navarra, Henrique aderiu ao catolicismo quando d) A prática da etiqueta era inerente à cultura francesa, sendo vista
assumiu o trono francês. Adotou então uma política de como um exotismo pelas demais sociedades europeias.
reconciliação como forma de fortalecer a autoridade real. O Edito e) A etiqueta era um elemento de distinção na sociedade cortesã e
de Nantes, de 1598, é visto como sua principal obra: se de um lado definia os lugares ocupados pelos grupos próximos ao rei.
fez do catolicismo religião do Estado, de outro concedeu direitos e
liberdades aos huguenotes.
Resposta: A
RESOLUÇÃO:
A etiqueta sempre existiu nas sociedades hierarquizadas,
sobretudo nos círculos do poder, para definir posições sociais e
burocráticas. Luís XIV, cujo reinado pessoal se estendeu de 1661 a
1715, ao domesticar a alta nobreza, inserindo-a na corte organizada
em Versalhes, institucionalizou a etiqueta como um atributo da
aristocracia e da hierarquia do Estado.
Resposta: E

52 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 53

4. (UFRS-Adaptado) – “O rei tomou o lugar do Estado; o rei é tudo,


o Estado não é mais nada. Ele é o ídolo a quem se oferecem as Analise as assertivas abaixo:
províncias, as cidades, as finanças, os grandes e os pequenos; em uma I. O reinado de Luís XIV, fundado no absolutismo, durou mais de
palavra, tudo.” 50 anos. O rei controlava a política do Estado, a economia, a
sociedade e até mesmo o modo de a nobreza se vestir. Ele
(Pierre Jurien. Apud Norbert Elias. A sociedade de corte. Rio de incentivava as artes porque também as considerava assunto de
Janeiro, Zahar, 2001. p. 133.)
Estado.
Essa afirmação, feita por um contemporâneo de Luís XIV, diz respeito a II. O poder absoluto e a centralização administrativa eram objetivos de
uma forma de governo que predominou na Europa Luís XIV. Ele fez o Estado Francês se tomar ateu e laico. A ideia era
a) durante a Baixa Idade Média. acabar com a influência que a Igreja Católica exercia sobre a nobreza,
b) ao longo do século XIX. evitando assim que o rei perdesse fatias de seu próprio poder.
c) depois da Revolução Francesa. III. Luís XIV levou às últimas consequências a tradição da Dinastia
d) durante a Idade Moderna. Capetiana, adepta da ideia do”rei que faz alguma coisa” (para não
e) durante a Alta Idade Média. dizer do rei que faz tudo!). Logo depois de sua coroação, ele
anunciou que dirigiria o Estado por si mesmo, solicitando a opinião
RESOLUÇÃO: de seus ministros apenas quando julgasse necessário.
O governo pessoal de Luís XIV (1661-1715) é considerado o IV. Luís XIV efetuou uma reorganização administrativa, econômica,
exemplo acabado do absolutismo monárquico, que regeu a maioria
política e militar e se dedicou a assuntos como a fortificação das
dos Estados europeus entre os séculos XVI e XVIII, ou seja, durante
a Idade Moderna. Caracterizava-se pela concentração de poderes regiões fronteiriças, o aparelhamento da marinha de guerra, a criação
nas mãos do rei, considerado como designado por Deus para de academias militares e a elaboração do primeiro mapa oficial da
governar e, consequentemente, somente a Ele devendo prestar França, além de acompanhar de perto a construção do Palácio de
contas de seus atos. Versalhes, considerado uma vitrine de seu reinado.
Resposta: D

Assinale a alternativa correta.


a) Apenas a assertiva I é falsa.
b) Apenas a assertiva II é falsa.
5. (UEPB-Adaptada) – A frase relativa ao quadro abaixo teria sido dita c) Apenas a assertiva III é falsa.
por Luís XIV e muito já se discutiu se o “Rei-Sol” a teria realmente d) Apenas a assertiva IV é falsa.
pronunciado, em que pese ela simbolizar o espírito do absolutismo, no e) Todas a assertiva são verdadeiras.
qual a glória do rei e o bem do Estado eram princípios inseparáveis.
RESOLUÇÃO:
A assertiva [II] é falsa porque Luís XIV jamais fez da França um
Estado laico. Inclusive, como os demais reis absolutistas, recorria
frequentemente à religião para afirmar que seu poder provinha
de Deus.
Resposta: C

“L’État c’est moi.” (“O Estado sou eu”)

– 53
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 54

2. Em 1601, por influência de Isabel I (ou Elizabeth I), o Parlamento


MÓDULO 10 aprovou a Poor Law (“Lei dos Pobres”), na tentativa de solucionar o
problema da miséria e da mendicância nas cidades e vilas inglesas. Essa
lei
ABSOLUTISMO E
a) determinava que todos os desempregados deveriam sindicalizar-se
REVOLUÇÕES INGLESAS DO SÉCULO XVII e obter garantias profissionais.
b) concedia um aumento geral dos salários, priorizando os trabalha-
dores de baixa renda.
1. (PUC-RS) – Analise as proposições a seguir, referentes à formação c) criava uma política social que facilitaria a transição do trabalho
do Estado moderno na Inglaterra. artesanal para o manufatureiro.
I. O fracasso da Reforma Protestante no século XVI atrasou o d) implementava uma política assistencialista, com o objetivo de
processo de centralização político-administrativa na Inglaterra, pois promover a inclusão social dos pobres.
a Igreja preservou seu poder econômico ao longo do período, e) estabelecia punições à mendicância e incumbia as paróquias de con-
apoiando a influência política da alta nobreza. seguir trabalho para os desocupados.
II. A burguesia e a pequena nobreza apoiaram a política centralizadora
RESOLUÇÃO:
dos Tudors no século XVI, pois eram grupos sociais particularmente
A Lei dos Pobres não eliminou — e nem mesmo reduziu — a
beneficiados pela estabilidade política da época. pobreza na Inglaterra, mas disponibilizou serviçais baratos para as
III. O Período Elizabetano, iniciado em 1558, corresponde à fase de classes abastadas, e sobretudo mão de obra mal remunerada para
consolidação do absolutismo na Inglaterra, marcada pela supressão as manufaturas.
do Parlamento e pela imposição da teoria sobre a origem divina do Resposta: E
poder real.
Assinale a alternativa correta.
a) Apenas a proposição I é verdadeira.
b) Apenas a proposição II é verdadeira.
c) Apenas as proposições III é verdadeira.
d) Apenas as proposições I e II são verdadeiras.
e) Apenas as proposições II e III são verdadeiras.

RESOLUÇÃO:
A proposição I é falsa porque a Reforma Anglicana obteve sucesso e
inviabilizou a existência da Igreja Católica no país, uma vez que as
propriedades eclesiásticas foram confiscadas. A proposição III é falsa
porque o Parlamento não foi suprimido por Elizabeth I, mas apenas
controlado por ela; e a concepção de direito divino não se aplicou ao
absolutismo inglês, que era apenas de fato, mas não de direito.
Resposta: B

54 –
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 55

3. (UFPR) – Nas ilustrações abaixo, vemos à esquerda a figura de Guy 4. (MACKENZIE-Adaptado) – Na Inglaterra, a Revolução Gloriosa
Fawkes, católico inglês executado em 1605 por haver tentado explodir (1688-89) marcou o início de uma época de grande prosperidade para o
o edifício do Parlamento, na chamada “Conspiração da Pólvora”. país, lançando as bases do desenvolvimento capitalista, e permitiu que
A ilustração da direita mostra um manifestante inglês em 2011, usando o país fosse o pioneiro na Revolução Industrial do século XVIII. Podemos
a máscara de Guy Fawkes (inspirada na graphic novel V de Vingança, estabelecer uma relação entre os dois eventos porque
transformada em filme em 2006) e portando um cartaz no qual se lê: a) o governo impôs a religião anglicana e pôs fim aos massacres entre
“O povo não deve temer seu governo.” católicos e protestantes, o que liberou mão de obra para as novas
técnicas de produção.
b) o poder real, graças à restauração do absolutismo, não encontrou
empecilhos para incentivar as práticas capitalistas, aumentando os
recursos do Tesouro Nacional.
c) o país, com o advento do Parlamentarismo, passou por transforma-
ções significativas, como o acordo político e econômico entre a
burguesia e a nobreza rural.
d) tanto a tolerância religiosa quanto uma maior liberdade de expressão
política, características do despotismo esclarecido, incentivaram o
desenvolvimento econômico.
e) o desenvolvimento de uma monarquia liberal permitiu a união de
todas as classes sociais da Inglaterra, o que modificou as relações
trabalhistas no campo.
(Disponível em:<http://abcnews.go.com/blogs/headlines/2011/11/how-
did-guy-fawkes-become-a-symbol-of-occupy-wall-street/>.
RESOLUÇÃO:
Acesso em: 23 jul. 2013.) A Revolução Gloriosa e a Declaração de Direitos que se lhe seguiu
estabeleceram a supremacia do Parlamento sobre a autoridade
Sobre os contextos do século XVII e do XXI em que a figura de Guy real, lançando as bases do sistema parlamentarista inglês. Neste,
a burguesia, representada pela Câmara dos Comuns, ganhou força
Fawkes aparece, identifique como verdadeiras (V) ou falsas (F) as
política, compondo-se com a aristocracia fundiária tradicional.
afirmações a seguir. Além disso, o advento da Revolução Industrial e a extensão do
capitalismo às áreas rurais (Lei dos Cercamentos, mecanização da
1. Guy Fawkes pertencia a uma facção de opositores católicos à lavoura, aumento da produtividade, melhorias nas vias de
Dinastia Stuart, cujos reis tentaram estabelecer um regime escoamento, aparelhamento dos portos) trouxeram benefícios
econômicos para os dois segmentos dominantes na sociedade
absolutista na Inglaterra ao longo do século XVII.
inglesa de então.
2. Atualmente, o uso da máscara de Guy Fawkes mantém o ativismo Resposta: C
católico do personagem original, ao defender a opção preferencial
pelos pobres e uma teologia de libertação por meio do cyberativismo.
3. Enquanto Guy Fawkes foi demonizado desde o século XVII como
traidor à Coroa Inglesa, as máscaras que o representam atualmente
simbolizam a contestação ao autoritarismo e à injustiça, como no
movimento “Ocupe Wall Street” e em diversos outros protestos
pelo mundo.
4. Após a Conspiração da Pólvora, outras revoltas ocorreram no século
XVII na Inglaterra, culminando na Revolução Puritana (1640) e na
Revolução Gloriosa (1688), motivadas por questões religiosas, por
alterações na população plural ou por disputas de poder entre o rei
e o Parlamento.

RESOLUÇÃO:
VFVV
A afirmação 2 é falsa porque a máscara de Guy Fawkes, devido à
simbologia que lhe foi atribuída por Alan Moore (autor de V de
Vingança), identifica-se com o anarquismo pós-moderno, que se
revolta de forma indiscriminada contra o establishment capitalista
e seus valores – estando portanto muito distante de um
posicionamento católico, mesmo que progressista.

– 55
CONV_C1_3A_HIST_2016_MA 28/09/15 08:47 Página 56

5. (UNESP) – A Revolução Puritana (1640-60) e a Revolução Gloriosa


(1688-89) transformaram a Inglaterra do século XVII. Com relação a
esses movimentos, pode-se dizer que
a) determinaram o declínio da hegemonia inglesa no comércio
marítimo, pois os conflitos internos reduziram drasticamente a pro-
dução e a exportação de manufaturados.
b) se concluíram pela vitória dos projetos populares radicais dos
“cavadores” e dos “niveladores”, que defendiam o fim da
monarquia e dos privilégios dos nobres.
c) envolveram conflitos religiosos que, somados às disputas políticas e
sociais, desembocaram na retomada do poder pelos católicos e em
perseguições contra os protestantes.
d) resultaram na ascensão política do proletariado, precedendo as revo-
luções sociais que, nos dois séculos seguintes, abalaram a França,
Portugal e as colônias de ambos na América.
e) geraram um Estado monárquico em que o poder real devia
submeter-se aos limites estabelecidos pela legislação e respeitar as
decisões tomadas pelo Parlamento.
RESOLUÇÃO:
As Revoluções Inglesas do Século XVII foram as primeiras
revoluções burguesas de caráter antiabsolutista*. A Revolução
Puritana derrubou a dinastia Stuart e implantou uma república
parlamentar, depois ditatorial, sob o comando de Oliver Cromwell.
Este reprimiu os movimentos populares e impulsionou o comércio
inglês a partir do Ato de Navegação (1651). Com a Revolução
Gloriosa, a burguesia inglesa se libertou definitivamente do Estado
absolutista que, com seu permanente intervencionismo, represen-
tava um empecilho para uma acumulação mais ampla de capitais (o
novo rei, Guilherme de Orange, submeteu-se ao Bill of Rights). A
partir de então, os burgueses, aliados à aristocracia rural, passaram
a participar diretamente do poder político, por meio do Parlamento.
* É comum, ao se analisar o desenvolvimento das revoluções
burguesas antiabsolutistas, esquecer o pioneirismo dos holan-
deses, que proclamaram sua independência contra a Espanha
absolutista em 1581 e instauraram uma república burguesa.
Resposta: E

56 –