Você está na página 1de 19

4/25/2018 Como (não) medições

Página 1

Jornal de Economia Institucional (2013), 9: 1, 1–26


oCMillennium Economics Ltd 2012 doi: 10.1017 / S1744137412000148
Publicado pela primeira vez on-line 13 julho 2012

Como (não) medir instituições

STEFAN VOIGT *

Diretor, Instituto de Direito e Economia, Universidade de Hamburgo, Rothenbaumchaussee 36, 20148 Hamburgo, Alemanha

Resumo: A afirmação "instituições importam" tornou-se comum. UMA


condição prévia para que seja apoiada por evidências empíricas é, no entanto, que
instituições são mensuráveis. Algumas das dificuldades em medir instituições são
descritas e algumas formas de medi-las são propostas.

1. Introdução
Que 'instituições importam' é uma verdade auto-evidente para alguns, um mantra para novos
economistas institucionais, e uma visão empírica robusta para os outros. 1 Nos últimos
década, dezenas de documentos empíricos que pretendem apresentar evidências em apoio à
a reivindicação foi publicada (Aron, 2000 é uma visão geral sobre a conexão
entre instituições e crescimento). Uma versão mais precisa da frase pode
seja que "as instituições importam crucialmente para o desenvolvimento econômico". Esta alegação
sempre foi atacado por pesquisadores que enfatizam o domínio da geografia (por exemplo,
Jeffrey Sachs; veja McArthur e Sachs, 2001). Mais recentemente, a alegação foi
atacados de outro ângulo, argumentando que muitos - se não a maioria - estudos empíricos
pretendendo mostrar a relevância crucial das instituições são baseadas em falhas, se
não totalmente falso, indicadores para instituições (eg Glaeser et al. , 2004).
Dizer que 'instituições importam' implica que, devido à existência de
instituições, atores se comportam diferentemente do que na ausência de
instituições ou na presença de diferentes instituições. Para a declaração
ser significativo, duas pré-condições devem ser satisfeitas. Primeiro, deve ser realizado
que o universo é composto de mais do que apenas "instituições"; caso contrário, o
declaração é trivial. Às vezes, parece que o termo "instituição" é todo
abrangendo. Na literatura, jornais, supermercados e até telefone
cabines foram descritas como instituições. Muitas vezes, nenhuma distinção explícita é feita
entre instituições e organizações (como firmas, igrejas, governos, etc.).
A segunda pré-condição surge quando uma distinção conceitual é feita entre
instituições e não instituições: deve ser possível verificar empiricamente

* E-mail: stefan.voigt@uni-hamburg.de
1 O grau em que a alegação de que "instituições importam" tornou-se comum é notável.
Há apenas duas décadas, alguns livros didáticos alegavam orgulhosamente que os efeitos econômicos eram verdadeiramente independentes
de qualquer formação institucional e por um longo tempo, a teoria do crescimento ignorou a possibilidade de que
instituições podem ter um efeito sobre o crescimento.
1

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 2

2 STEFAN VOIGT

instituições; caso contrário, é impossível mostrar sua relevância empiricamente e


dizer que "as instituições importam" não pode ser falsificado de maneira fundamentada.
Este artigo apresenta uma série de propostas sobre como medir instituições
empiricamente. Assim, não é outro documento que tenta "provar" que as instituições fazem ou
não importa; em vez disso, é uma discussão sobre como medir as instituições no primeiro
Lugar, colocar. Somente se as instituições puderem ser medidas com um grau mínimo de confiança

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/19
4/25/2018 Como (não) medições
são afirmações empíricas como "instituições importantes para você".
Os principais pontos desta contribuição são: (1) as medidas das instituições devem
referem-se a instituições específicas porque medidas agregadas como “o
lei 'são muito amplas e imprecisas para conter informações significativas, (2)
medidas são geralmente preferíveis do que medidas subjetivas, (3) deve-se sempre
objectivo de medir a instituição como formalmente especificado na legislação ( de jure ) e
implementada de fato ( de fato ) e, finalmente, (4) a capacidade de medir instituições
não implica a capacidade de criar e modificar instituições à vontade. Institucional
otimismo - ou até mesmo ingenuidade institucional - levará ao desapontamento e poderá
até mesmo resultar em jogar fora o bebê (a Nova Economia Institucional) com o
água do banho.
Este artigo trata de uma questão simples, porém muito básica,
como medir instituições. Uma resposta convincente é necessária antes de empírica
insights podem reivindicar qualquer credibilidade. Mas o artigo também está confinado a essa questão.
Não é uma tentativa de esboçar o possível futuro da Nova Instituição
Economia. Tampouco é uma tentativa de discutir técnicas econométricas adequadas
ou até abordagens empíricas mais geralmente. Mas a questão tratada
aqui precisa ser respondida antes de discussões sobre adequada empírica
as técnicas até fazem sentido.
Acadêmicos procuraram demonstrar a relevância de instituições que confiam
uma série de abordagens: a partir de estudos de caso através de experimentos naturais e comparativo
análise institucional para regressões entre países. Não importa qual seja a abordagem
depende, se alguém quiser mostrar que as instituições importam - ou que elas não
é preciso uma maneira confiável de identificá-los e medi-los. É essa questão que eu sou
preocupado com aqui.
A próxima seção resume um ataque proeminente que foi lançado
contra estudos empíricos que incluam medidas institucionais como
variáveis. A seção 3 propõe uma definição para o termo 'instituição'. Seção 4
fornece alguns fragmentos da teoria institucional. A Seção 5 apresenta vários
propostas pragmáticas para a medição de instituições. Seção 6 conclui.

2. Temos medido as políticas todos esses anos?


Glaeser et al. (2004) é um ataque à Nova Economia Institucional (NIE)
contendo a censura que muito do trabalho empírico pretendendo medir
os efeitos econômicos das instituições não têm medido as instituições,
mas sim políticas. Este artigo tem sido muito influente, pelo menos se

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 3

Como (não) medir as instituições 3

o número de citações como um indicador. Em vez de oferecer uma breve visão geral
da crítica sobre o empirismo do NIE, discutimos este artigo em um
pouco mais detalhes. 2 Os autores apresentam e avaliam duas visões concorrentes sobre
crescimento econômico. No primeiro, 'democracia e outros controles do governo' servem
como mecanismos para garantir os direitos de propriedade, o que estimula o investimento e,
renda e crescimento - a visão institucional. 3 De acordo com a visão concorrente,
níveis elevados de capital humano levam a políticas mais benignas, menos violência,
e mais estabilidade política, que por sua vez leva a direitos de propriedade mais seguros.
Nessa perspectiva, melhores instituições não são um pré-requisito para o crescimento econômico, mas
sua conseqüência. Os autores acabam endossando a segunda visão, mas são cuidadosos
o suficiente para não quebrar inteiramente com o primeiro, escrevendo 'Os resultados deste
papel não mostram que “as instituições não importam”. Essa proposição é categoricamente
contradito por uma grande quantidade de evidências empíricas disponíveis ... Pelo contrário, nossos resultados
sugerem que as estratégias de medição atuais têm falhas conceituais, e que
os pesquisadores fariam melhor com foco nas leis, regras e conformidade reais
procedimentos que poderiam ser manipulados por um formulador de políticas para avaliar o que funciona ”.
Quais são precisamente as falhas conceituais na medição das instituições?
que Glaeser et al. identificar? Baseando-se numa definição padrão de instituições, elas
enfatizar duas características principais das instituições: (1) restringir o comportamento
e (2) que eles são permanentes ou estáveis. Algumas das medidas freqüentemente usadas
[citam o International Country Risk Guide, os Indicadores de Governança de

2 Há centenas de artigos criticando pelo menos alguns aspectos do NIE. Bardhan (2005), por
exemplo, não duvida que as instituições importem, mas suspeitam que muita ênfase tenha sido colocada
direitos de propriedade individual e - inversamente - foco insuficiente nos direitos democráticos de
de um lado, e instituições que lidam com falhas de coordenação do outro. Woodruff (2006) também é

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/19
4/25/2018 Como (não) medições
é que muitas em
interessados dasidentificar
medidas atualmente
as instituições
disponíveis
fundamentais
são altamente
para o crescimento.
correlacionadas
Ele observa
e avaliam
que
criticamente
um problema
indicadores frequentemente utilizados, como os oferecidos pelos Serviços de Risco Político, Polity IV e
Projeto Doing Business do Banco. Acemoglu e Johnson (2005) é uma tentativa de 'desmembrar' instituições
e distinguir entre direitos de propriedade, por um lado, e instituições contratantes, por outro.
Woodruff (2006) interpreta seu resultado como indicando que a aplicação (ele a chama de instituições informais) é
mais importante do que o conteúdo substancial da regra (que ele chama de instituição formal).
Keefer (2004) criticamente discute 'instituições políticas' como codificadas por Persson e Tabellini (2003) que se referem
para eles como forma de governo, ou seja, a distinção entre os sistemas presidencial e parlamentar. Keefer
(2004) critica que Persson e Tabellini fazem suposições e enfatizam características institucionais
que não refletem a teoria desenvolvida por outros. Eles, por exemplo, não tomariam suficientemente
em conta a variação considerável do voto de confiança nos sistemas parlamentares. Para o
(parlamentar) a sobrevivência dos governos, estes podem, no entanto, ser cruciais. Dixit (2007) está interessado
nas implicações políticas do NIE e resume a sua decepção em quatro pontos, a saber:
que (1) o desenvolvimento pode depender de condições históricas / geográficas, (2) receitas para desenvolvimento
seria contraditório, (3) recomendações seriam freqüentemente motivadas ideologicamente, e (4)
recomendações seriam muitas vezes abstratas demais.
3 Muitos estudiosos, no entanto, enfatizariam a importância de vários aspectos do estado de direito
do que a relevância da democracia (por exemplo, Barro 2000). O debate sobre se a democracia leva ao crescimento ou
vice-versa tem ocorrido desde o Lipset (1959), mas permaneceu largamente inconclusivo (Sunde 2006
é uma pesquisa recente).

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 4

4 STEFAN VOIGT

o Banco Mundial (Kaufmann et al. , 2003) e as medidas do Polity IV]


nem medem as restrições políticas nem seriam estáveis; eles prefeririam
medir os resultados, isto é, as escolhas políticas. 4 Para piorar, a subjetividade
destas medidas torna muito provável que as pontuações melhoradas não se devam à
instituição sendo melhorada, mas baseada simplesmente em um aumento na renda. Mas se
sua averiguação é influenciada pelos níveis de renda, eles não são adequados
medida para explicar as mudanças nos níveis de renda.
A crítica de medir instituições é bem aceita. 5 No entanto, alguns dos
raciocínio parece não menos falha do que as medidas que estão sendo criticadas. Se o
indicadores usados para representar instituições são inadequados, então esses proxies são,
como Glaeser et al. argumentar, inadequado para sustentar a hipótese de que
são um pré-requisito para o crescimento econômico. Mas se os indicadores não são bons
proxies para as instituições, eles são igualmente pobres em apoiar a hipótese de que
boas instituições são a consequência, e não o pré-requisito, da
desenvolvimento.
Como Glaeser et al. propor para medir as instituições corretamente?
Infelizmente, o trabalho deles contém algumas observações gerais, mas nenhum
propostas. Esta seção resumiu Glaeser et al. (2004). Dois pontos são
vale a pena enfatizar: as medidas institucionais devem explicitamente
aplicação da respectiva instituição e as medidas devem ser
ser o mais objetivo possível. A medição das instituições é fundamental para um empirismo
teste de "instituições importam". Mas, para medir instituições, primeiro
precisa de uma definição do que eles são. A próxima seção propõe tal definição
e discute várias implicações possíveis.

3. Definindo instituições: uma proposta


O NIE é um campo jovem e ainda carece de uma definição comum de
'instituições'. A maioria dos estudiosos define instituições como 'as regras do
jogos'. 6 North (1990, 3) os define como "as restrições humanamente concebidas

4 É útil ter em mente que a maioria das instituições faz um número de possíveis comportamentos
opções mais caras. No entanto, isso não implica que a maioria das instituições reduziria o espaço de ação
para apenas uma opção possível. Em outras palavras, existem escolhas dentro de restrições. Glaeser et al. (2004)
parecem assumir o contrário: 'Estas medidas não codificam ditadores que escolhem respeitar os direitos de propriedade
qualquer que seja diferente dos líderes democraticamente eleitos que não têm escolha a não ser respeitá-los ”. Parece,
no entanto, é razoável supor que mesmo os governos democráticos têm alguma discrição no grau de
que eles honram os direitos de propriedade privada.
5 Glaeser et al. (2004) não são os únicos que enfatizam dificuldades na mensuração das instituições. Dentro
sua contribuição para o Manual de Economia Institucional, Shirley (2005) identifica algumas das questões
envolvidos na medição de instituições, por exemplo, que a variável institucional é tipicamente um agregado
essa medida é complicada quando as leis não refletem a prática.
6 Tem havido muitas propostas diferentes sobre como definir instituições. Outros (por exemplo, Schotter 1981)
propuseram pensar neles como os resultados de um jogo ou como os atores envolvidos em um jogo
Aoki 1998). Mais recentemente, Greif (2006) propôs uma definição muito ampla, deliberadamente tentando

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 3/19
4/25/2018 Como (não) medições
aTransferido
https://www.cambridge.org/core/terms
de https://www.cambridge.org/core
. https://doi.org/10.1017/S1744137412000148
. Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
Cambridge Core, disponíveis

Página 5

Como (não) medir as instituições 5

interação de forma. Em conseqüência, eles estruturam incentivos nas trocas humanas,


seja político, social ou econômico ”. Sua definição de instituições compreende
restrições implícitas, regras formais e mecanismos de aplicação. De acordo com
Norte, qualquer regra formal é pelo menos parcialmente apoiada, suplementada ou contradita
por um número de regras implícitas que podem tomar a forma de tabus, costumes,
tradições, códigos de conduta, rotinas, convenções e assim por diante (1990; 6, 43,
83).
Proponho uma definição que explicitamente leve em conta a diferença entre
regras formais e informais, por um lado, e entre regras e execução,
no outro. É inspirado por Ostrom (1986, 5), segundo quem, regras
referem-se a prescrições comumente conhecidas e usadas por um conjunto de participantes
ordenar relacionamentos repetitivos e interdependentes. Prescrições referem-se a
ações (ou estados do mundo) são necessárias, proibidas ou permitidas. Regras
são o resultado de esforços implícitos ou explícitos de um conjunto de indivíduos para alcançar
ordem e previsibilidade em situações definidas ...
Duas coisas são de particular importância e merecem ênfase nesta definição:
(1) "comumente conhecido" implica que regras puramente privadas não se qualificam como regras
e (2) as regras são o resultado da ação humana, mas não necessariamente o resultado de
design humano deliberado. 7
As instituições podem então ser definidas como regras comumente conhecidas usadas para estruturar
situações de interação recorrente dotadas de mecanismo sancionatório.

para abranger muitas definições anteriores, muitas das quais são mencionadas e brevemente avaliadas por ele
(ibid., 39). Ele propõe definir instituições como ' um sistema de regras, crenças, normas e organizações que
juntos geram uma regularidade de comportamento (social) ' (itálico no original) e apontam para algumas vantagens
sua proposta. Seria, por exemplo, contornar a linha de falha entre uma perspectiva de agência, por um lado e
uma perspectiva estrutural, por outro. Esta é uma vantagem, mas acho que também vale para a definição que eu sou
prestes a propor. Para a medição das instituições, a questão de saber se a agência ou a estrutura
abordagem merece mais mérito é apenas marginalmente relevante.
Greif alega outra vantagem de sua definição de que não precisa tomar partido sobre a questão da
intencionalidade versus emergência evolutiva (ibid., 40ff.). Estas são, de fato, vantagens importantes. Mas
Eu prefiro não usar a definição de Greif porque também tem algumas desvantagens.
Sua definição inclui, de fato, tanto a regra do jogo quanto o resultado do jogo.
abordagem. Se não houver regularidade no comportamento, nenhuma instituição existe. Economistas estão interessados em estimar
a importância das instituições para resultados econômicos, como crescimento e renda. Se a definição de um
instituição já está baseada no resultado, então uma relação de causa e efeito é difícil de estabelecer. o
conflação de pelo menos quatro elementos - ou seja, (1) regras, (2) crenças, (3) normas e (4) organizações - em
um "sistema" parece tornar a medição exata quase impossível. Como economista, eu também
gostaria de conhecer a 'função de produção' que transfere esses ingredientes para regularidades comportamentais. Greif é
conscientes da impossibilidade de observar diretamente as crenças e propõe "dedutivamente restringi-las" (ibid.,
124) recorrendo à teoria dos jogos.
As instituições de medição não são a arte para a arte . É a pré-condição para avaliar empiricamente sua
relevância. Uma abordagem que os interpreta como sistemas inteiros que levam a regularidades no comportamento é,
portanto, de pouca ajuda, porque isso não nos ajuda a torná-los mensuráveis.
7 Hayek atribui essa afirmação ao filósofo moral escocês Adam Ferguson (1767), que,
no entanto, atribui isso ao cardeal francês de Retz.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
a https://www.cambridge.org/core/terms
Cambridge Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 6

6 STEFAN VOIGT

Tabela 1. Tipos de instituições internas e externas

Regra Tipo de enforcment Tipo de Instituição


Exemplo
1. Convenção Auto-execução Tipo-1 interno Regras gramaticais de
língua
2. Regra ética Auto-compromisso Tipo 2 interno Dez Mandamentos,
imperativo categórico
3. PersonalizadoControle social informal Tipo-3 interno Normas de etiqueta
4. Privado formalPrivado organizado Tipo-4 interno Regras criadas por comerciantes
Regra execução (tribunais de arbitragem, por exemplo)
5. Lei do EstadoExecução do Estado Organizado Externo Direito privado e criminal

North (1990) distingue entre instituições formais e informais, usando o


regra componente como o critério. Desde que North baseia sua distinção na regra

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 4/19
4/25/2018 Como (não) medições
componente,
Além vamosonos
de distinguir tiporeferir à distinção
de regra comoderegras
que faz parte uma formais versus
instituição, umainformais. Dentro
também pode distinguir quem deve fazer a sanção no caso de uma regra ser quebrada. 8 Se for
é o estado que sanciona a quebra de regras, a aplicação é externa à sociedade
e proponho chamar a instituição de "externa"; se quebra de regras é sancionada por
membros da sociedade, proponho chamar a instituição de "interna". Pode-se também pensar
isto como sancionamento 'público' versus 'privado' 9 . A Tabela 1 contém uma proposta para
uma taxonomia mais refinada de instituições internas que se concentra em quem faz
a sanção. 10
Em puros jogos de coordenação, todos os participantes são melhores se coordenarem
Seu comportamento. Não há elemento conflituoso, então nenhum participante tem uma preferência
para qualquer equilíbrio Nash específico, caso haja mais de um. Uma vez
Em particular, um equilíbrio, uma convenção, surgiu ninguém é capaz de tornar-se
melhor se desviar unilateralmente dele. É assim auto-impingido. Alguns autores
(por exemplo, Sugden, 1986) estenderam o conceito de convenção para jogos que fazem
envolvem uma certa quantidade de conflito e são, portanto, jogos de motivos mistos. Desde a
A deserção unilateral ainda não melhora o desempenho de qualquer jogador;
impondo. Convenções são chamadas de tipo-1-instituições aqui.
As regras éticas são um segundo tipo de instituição. Indivíduos podem ter
internalizou a estratégia de cooperar como "a coisa certa a fazer". Devido ao

8 Vale a pena notar que a distinção nem sempre é válida: muitas vezes, as regras emergem espontaneamente.
e tornar-se cada vez mais formalizado ao longo do tempo. Não está claro como uma regra formalizada precisa ser qualificada como
uma regra formal. Precisa ser escrito em algum lugar? Precisa passar por algum formal legislativo
procedimento? E assim por diante.
9 Essa taxonomia baseia-se na antiga distinção entre "estado" e "sociedade", que pode ser extinta
agora. Mas o estado ainda reivindica o monopólio do uso da força (Weber). Agradeço a um revisor por sugerir a
distinção entre sancionamento 'público' e 'privado'.
10 Observe que a maioria das situações de interação provavelmente envolve mais do que uma única instituição:
seguir uma lei estadual não só porque tenho medo da sanção, mas também porque acredito que a lei estadual
deveria ser como é e internalizei uma norma correspondente. Possíveis conseqüências disso são tomadas
a seguir.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 7

Como (não) medir as instituições 7

internalização, os participantes desejam cumprir as regras éticas, mesmo se


conflito com interesse próprio estreitamente definido. Instituições internamente aplicadas são
chamado de tipo-2-instituições aqui.
Considerando que as duas primeiras formas de execução estão enraizadas na estrutura
o jogo ou o próprio ator, existem outras formas de aplicação que dependem
em outros atores. A aplicação através do controle social é uma delas. Um não especificado
Uma variedade de pessoas estuda o cumprimento por meio de controle espontâneo. este
é o terceiro tipo de aplicação, sendo possível um exemplo para sancionar
conformidade, informando os outros sobre este comportamento, a fim de diminuir a
reputação da pessoa que não cumpriu. Alfândegas que são aplicadas via
controle social não organizado são chamados de tipo-3-instituições aqui.
Nós chamamos o quarto tipo de instituições internas a serem discutidas agora privadas
regras. Aplicação que faz uso de outros atores, ou seja, aplicação de terceiros,
também pode ser baseado em algum tipo de organização. Execução privada organizada
podem, por exemplo, confiar em tribunais privados de arbitragem que monitoram a
cumprimento das regras privadas. A imposição de regras por organizações privadas
é chamado de tipo 4-instituição aqui.
Em sua crítica às medidas de instituições frequentemente utilizadas, Glaeser et al. foco
sobre o subconjunto particular de "instituições políticas" sem nunca definir explicitamente
o que são Eles, no entanto, explicitamente se referem a 'democracia e outros
verificações do governo '. Outros estudiosos também fazem uma distinção entre
e instituições econômicas. Em Acemoglu et al. (2005) instituições econômicas
'determinar os incentivos e as restrições aos atores econômicos ... ' Similarmente,
instituições políticas 'determinam as restrições e os incentivos do
atores-chave, mas desta vez na esfera política '. De acordo com o Acemoglu
et al. , as instituições políticas alocam o poder político de jure . Instituições políticas
determinar instituições econômicas e os autores pensam assim dessas instituições
como hierarquicamente estruturado.
Às vezes, não é fácil diferenciar com precisão entre o político
e a esfera econômica; por exemplo, como classificar instituições que limitam
empresas próprias? No entanto, uma série de diferenças entre políticas e
instituições econômicas parecem dignas de nota. Instituições econômicas são geralmente
muito flexível em relação à estrutura de uma interação. Por exemplo, o civil
código da maioria dos países permite uma grande variedade de maneiras em que a propriedade pode
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 5/19
4/25/2018 Como (não) medições
ser transferido de um dono para outro: um carro pode ser comprado em dinheiro ou
uma conta bancaria; a transação pode ser conectada a um contrato de crédito e assim
adiante. É mais provável que as instituições políticas digam aos destinatários o que fazer: por
exemplo, realizar eleições a cada tantos anos, como transformar votos em
assentos parlamentares, e assim por diante. Em certo sentido, as instituições econômicas estão permitindo
(eles permitem que atores privados atinjam seus objetivos usando instituições como ferramentas)
Considerando que as instituições políticas são constrangedoras (dizem aos políticos o que fazer,
reduzindo assim sua margem individual). Outra diferença entre os dois
tipos de instituições é que, no caso das instituições econômicas, as sanções para

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 8

8 STEFAN VOIGT

Tabela 2. Delimitando instituições de acordo com 3 critérios diferentes

Regras: Informal Formal


Sanções: interno Externo interno Externo
Instituições políticas
Instituições Econômicas

falha em cumprir com o comportamento esperado (por exemplo, um contrato) são mais precisamente
especificado do que as sanções por renegar as instituições políticas. Um ladrão que
roubou um carro e é pego pode ter uma expectativa bastante precisa do
sanção ele vai enfrentar enquanto o governo de sanção vai enfrentar por não segurar
uma eleição constitucionalmente garantida é altamente incerta.
Considerando que North enfatiza a diferença entre regras formais e informais,
a distinção entre instituições econômicas e políticas usa o tipo de
interação como um critério de classificação, e eu enfatizo a diferença entre
sancionamento interno e externo dos infratores de regras. Parece até possível
combinar esses três critérios. A Tabela 2 é uma tentativa de descrever isso graficamente.
Como último passo, proponho distinguir explicitamente entre de jure e de facto
instituições: estudar instituições formais muitas vezes não nos ensinam muito sobre
mundo real. Muitas regras formalmente aprovadas pelos parlamentos nunca são aplicadas. E se
estamos interessados em verificar como as instituições realmente importam, não devemos
contentar-se com a mensuração de regras formais, mas também com sua aplicação efetiva. este
promete ser confuso: para aprender alguma coisa sobre a aplicação efetiva, precisamos
estudar o comportamento da polícia, dos juízes e assim por diante.

4. A medição segue a teoria: suposições e implicações


A seção anterior esclareceu nossa noção de instituições. Agora, nós pegamos o
próximo passo e discuta como medi-los. A medição é sempre baseada
numa série de pressupostos relativos aos efeitos potenciais do conceito a ser
medido (aqui, instituições). Nossas propostas sobre como medir instituições
ser mais convincente se os pressupostos subjacentes forem estabelecidos explicitamente,
nós agora procedemos.
As instituições devem restringir os atores. Uma restrição implica que há
são situações em que um ator que está sujeito a uma instituição prefere não
respeitar a regra. 11 Se a regra reduz o número de ações permitidas por um ator,
então ele ou ela pode preferir não ser limitado pela regra porque um dos
ações não permitidas prometem maior utilidade esperada do que as mais atraentes
ação permitida. Na ausência de qualquer sanção, então, o agente não é esperado

11 Para completar, acrescentamos que instituições cujo propósito é resolver a coordenação (pura)
jogos não precisam de sanções porque a falta de coordenação e a consequente redução do pagamento é uma sanção
suficiente.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 9

Como (não) medir instituições 9

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 6/19
4/25/2018 Como (não) medições
para se conformar
sancionada comas
se cumprir a regra.
regrasInsira sanções
(excluímos e assuma
judicial que um ator nunca será
e outras
erros no momento). A utilidade esperada de quebrar a regra precisa ser
maior do que o produto da probabilidade de ser sancionado vezes a utilidade
perda da sanção (a multa, o prazo da prisão, etc.). Assumindo que o esperado
a utilidade do comportamento conforme a regra é maior do que o comportamento de quebra de regras,
esperamos que o agente esteja em conformidade com a regra.
Saber em que medida as instituições restringem o comportamento, é insuficiente
para simplesmente atribuir utilidades esperadas para as situações "cumprir regra / não ser
sancionado 'e' não cumprir a regra / ser sancionado '. Nós também queremos saber
a utilidade esperada de qualquer combinação regra / sanção. Idealmente, isso permitiria
identificação da 'elasticidade de conformidade', definida como o aumento percentual
cumprimento após um aumento de 1% nas sanções.
Infelizmente, essas utilidades esperadas não podem ser apuradas diretamente porque
as utilidades de cumprir com a regra ou quebrar a regra não são
observável. Outro problema é que a maioria dos atores do mundo real não será capaz
para calcular as utilidades esperadas relevantes com qualquer grau de certeza. Supor
um presidente poderoso e eleito diretamente considera cancelar a próxima eleição.
A margem de erro na previsão de como vários grupos reagirão - em outras
palavras, tanto a probabilidade de que eles vão agir como o dano que isto causará
ele - é extremamente alto. Um alto grau de incerteza implica que os atores
tomar decisões "erradas" de vez em quando. Um equilíbrio (Nash) é definido
pela ausência de incentivos para que qualquer ator envolvido mude unilateralmente
seu comportamento. A incerteza pode induzir os atores a desviar unilateralmente uma vez, mas se
suas expectativas de fazê-lo não são atendidas, eles provavelmente vão reverter para o
equilíbrio. Portanto, medir com precisão as instituições de fato pareceria
exigir comportamento de observação durante um certo número de períodos, de modo a não ser induzido em erro
por desvios de um tempo do comportamento de equilíbrio.
Até este ponto, assumimos que as restrições são dadas exogenamente.
No entanto, isso obviamente não é verdade se as instituições econômicas forem determinadas
por instituições políticas. As instituições políticas também não são exógenas. Dentro
Em muitos países, a mudança constitucional formal exige supermaiorias, mas mesmo
restrições constitucionais podem ser alteradas. Se regras diferentes prometem maior
benefícios, as pessoas vão pressionar pela mudança. Em suma, o conteúdo de uma instituição
não é permanente, pelo menos não a longo prazo.
Agora que definimos nossas definições e fornecemos uma apresentação simples
do cálculo de utilidade esperado relevante, apresentamos uma série de suposições
e implicações. A tentativa de medir instituições precisa ser conduzida por um
teoria subjacente. Estas considerações teóricas terão, portanto, uma influência
sobre como nos propomos a tornar as instituições mensuráveis.
Suposição 1: Os efeitos das instituições são devidos tanto ao substancial
conteúdo de seu componente de regras e sua implementação factual. Instituições
trazer ordem a um mundo de outro modo caótico. Eles permitem que os atores formem

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 10

10 STEFAN VOIGT

expectations about the future, which, in turn, enables actors to develop a longer
time horizon, make long-term investments, engage in the division of labor,
e assim por diante. This increased level of predictability is the consequence of two
interdependent components: (1) the substantial content of a rule (eg, degree
of protection of intellectual property) and/or (2) the degree of the rule's factual
implementation or enforcement (terms which are used interchangeably here).
For example, suppose the substantial content provides only slight protection of
intellectual property, but the rule is meticulously enforced. Such an environment
leads to predictability although the substantial content provides for little
protection only. One can think of the two dimensions (the strength of the rule
and the degree of its enforcement) as being in a substitutive relationship and
some 'iso predictability curve' as the result of their interaction. 12
Implication 1: Both de jure and de facto institutions need to be measured;
otherwise, it is impossible to separate the effect of the substantive content of a
rule from the effect of enforcing a rule. Neglecting to measure de jure institutions
implies that all of them are completely identical to each other everywhere, which
is obviously not the case.
Corollary1: Many creators of indicators seem to assume simple linear
relationships between an institution and some outcome. If such were indeed
the case, then setting policy would be simple: just maximize or minimize (but
never optimize) the institution's content. Sadly, the real world is not that simple.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 7/19
4/25/2018 Como (não) medições
Completely in line with standard economics, it would seem to make sense to
assume decreasing marginal returns. Beyond that, it cannot even be excluded
that some institutions will only have positive effects up to a certain level, but
once past that level, the returns may be even negative.
Assumption 2: The constraining effect of institutions largely depends on their
factual implementation. To ascertain whether institutions have a significant
influence on any outcome variables, it is thus necessary to take their factual
implementation explicitly into account.
Institutions that are intended to formally constrain behavior substantively but
whose rules are only weakly or erratically enforced are expected to constrain
behavior to only a limited degree. Factual enforcement depends on the behavior
of the enforcers.
Implication2: Measures aimed at including the factual enforcement of
institutions need to reflect the behavior of the enforcers. These include, most
obviously, the police, prosecutors, judges, and prison staff, but the press, lobby
groups, and even the public at large often also act as enforcers. Glaeser et al.
(2004) might say that this would imply a mix between institutional constraints
on the one hand, and factual behavior on the other. And we would reply that

12 The notion of 'iso predictability' might have policy implications: given that an identical level
of predictability can be attained by different combinations between substantial content and factual
enforcement, it would be rational to choose that combination that causes the lowest costs.

Downloaded from https://www.cambridge.org/core . IP address: 191.207.64.33, on 26 Apr 2018 at 00:09:08, subject to the Cambridge Core terms of
ause,
https://www.cambridge.org/core/terms
available . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 11

How (Not) to measure institutions 11

behavior is indeed key to effective enforcement. Thus, if one is interested in


factually enforced institutions, one must take behavior explicitly into account.
Assumption3: Factual behavior is likely determined by more than a
single institution. Internal institutions can reinforce, but also weaken, the
constraining effect of external institutions. Four relationships between internal
and external institutions can be conceived of: (1) It can be neutral , ie,
the institutions regulate different areas of human interaction. (2) It can be
complementary , ie, the institutions constrain human behavior in an identical or
similar fashion and rule-breaking behavior is sanctioned by private individuals
as well as representatives of the state. (3) It can be substitutive , ie, the
institutions constrain human behavior in a similar fashion but rule-breaking
behavior is sanctioned either by private individuals or by representatives of the
Estado. (4) It can be conflicting , ie, the institutions constrain human behavior in
jeitos diferentes. Abiding by an internal institution would then be equivalent to
breaking an external one and vice versa .
Implication 3: Institutions serve to structure specific recurring interaction
situações. To understand the behavior of actors involved in a specific interaction
situation, one should attempt to identify all potentially relevant institutions, ie,
both formal and informal rules as well as both internal and external sanctions.
To predict likely effects of institutions, it is insufficient to focus on the analysis
of single institutions. In many situations, more than one institution is likely to
affect the observed behavior. In such a case, it would be premature to attribute the
effect (the observed behavior) exclusively to an external institution. Not taking
internal institutions explicitly into account would lead to omitted variable bias.
Examples where external institutions and internal ones are in conflict abound:
Think of de Soto's (1990) case study of three informal sectors within the Peruvian
economy: informal housing, informal trade, and informal transportation.
De Soto's central conjecture is that the size of the informal sector is a function
of the compatibility of external and internal institutions, or, in his own words
(1990, 12): 'We can say that informal activities burgeon when the legal system
imposes rules which exceed the socially accepted legal framework – does not
honor the expectation, choices, and preferences of those whom it does not admit
within its framework – and when the state does not have sufficient coercive
authority'.
Ellickson (1986, 1991, 1994) studies how disputes between ranchers and
farmers are settled in Shasta County, California. This county was chosen because
in some parts of it ranchers are strictly liable for cattle trespassing, while in
outros não são. Ellickson conseguiu mostrar que, independentemente das regras legais
prevaleceu, a maneira como os vizinhos resolveram o conflito permaneceu inalterada,
ou seja, as instituições administradas pelo Estado não tiveram nenhum efeito sobre o tipo de conflito.
resolução escolhida. Este estudo nos diz que, sob certas circunstâncias (repetir

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 8/19
4/25/2018 Como (não) medições
interações), as instituiçõescomo
sociedades desenvolvidas internas ainda superam as estatais, mesmo em
a Califórnia.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 12

12 STEFAN VOIGT

Berkowitz et al. (2002) tratam de transplantes legais, isto é, com tentativas de


transplante de um país para outro. Eles argumentam que a maneira como o
lei foi inicialmente transplantada e recebida é um importante determinante de sua
execução factual subsequente. De acordo com suas descobertas, os países que
adaptou ordens legais transplantadas às condições locais e (ou) teve uma população
que já estava familiarizado com os princípios legais básicos da lei transplantada
têm legalidade mais eficaz do que países que receberam lei estrangeira sem qualquer
pré-disposições semelhantes. 13
Uma avaliação correta dos efeitos que as instituições têm nos resultados observados
Assim, seria necessário levar em conta todas as instituições potencialmente relevantes.
De acordo com os exemplos que acabamos de oferecer, estes não estão confinados a
instituições, mas muitas vezes devem incluir instituições internas.
Note que, quando se leva em consideração um número substancial de
instituições relevantes, deve-se tomar cuidado para não despejá-las todas juntas
tipo de abordagem de "saco misto". É importante tentar medir cada um dos envolvidos
instituição por si só, de modo a permitir uma atribuição mais precisa dos efeitos. este
cuidadosa atenção aos detalhes permitirá distinguir as instituições que realmente
conduzir os efeitos daqueles que são apenas marginalmente relevantes. 14 Para dar uma
exemplo: algumas organizações oferecem indicadores para 'o estado de direito'. Apesar
acadêmicos ainda brigam a melhor forma de definir o conceito, um consenso em um
coisa deve existir, ou seja, que o Estado de direito consiste em muitos diferentes
dimensões tais como (1) a separação de poderes, (2) revisão judicial, (3)
independência, (4) responsabilização judicial, (5) independência do Ministério Público, (6)
julgamento justo e (7) direitos humanos básicos. Esta lista é reconhecidamente subjetiva e outra
acadêmicos virão com outras listas. Mas o que está claro é que o estado de direito
compreende muitas dimensões. Para a lista que acabamos de oferecer, mostrei em outro lugar que
a maioria das correlações parciais é incrivelmente baixa, implicando que informações valiosas
perde-se agregando-os em um indicador unidimensional (Voigt 2012).

13 Um exemplo muito antigo para uma tentativa fracassada de transplantar a lei pública foi dado pelo antigo Senhor
Chanceler de Henrique VI, Sir John Fortescue, que fugiu para a França e depois descreveu as diferenças entre
Inglaterra e o Continente em 'A Learned Commentation ofthe Politique Laws of England' (publicado pela primeira vez em inglês)
no século XV). A superioridade do sistema inglês em relação à riqueza, felicidade e todo o
sistema de regras era tão evidente que era difícil entender por que o mundo inteiro não tentava simplesmente
imitar o sistema legal britânico. Sua resposta: A instituição do julgamento pelo júri - que ele avalia positivamente
- dependia de uma estrutura econômica e social específica que estava presente apenas na Inglaterra (Macfarlane,
1978, 179ss).
A Constituição japonesa de MacArthur é frequentemente citada como um exemplo para um transplante bem-sucedido do direito público.
No entanto, Inoue (1991) mostra que a versão em japonês da constituição é mais compatível com
Instituições internas japonesas do que a versão em inglês e como os mal-entendidos entre
Os participantes americanos e japoneses na tradução do rascunho americano facilitaram a aceitação de
a nova Constituição japonesa.
14 Alguns conceitos, como a independência judicial, podem não ser diretamente observáveis. Em tais casos,
A medição de várias instituições isoladas pode ser complementada pela identificação de uma informação latente e, por
variável não observável composta pelas várias instituições observáveis.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 13

Como (não) medir instituições 13

Hipótese 4: O cumprimento efetivo das instituições políticas é freqüentemente


extremamente precário. Pense em uma hierarquia de instituições. Não conformidade
com instituições econômicas podem ser sancionadas através de instituições políticas. Não-
cumprimento por membros da administração com direito administrativo pode ser
challenged via administrative courts. But who enforces formal constitutional
constraints against the government? Checks and balances are an attempt to
reduce the expected utility of non-compliance. If legislators pass a new law that
contravenes the constitution, constitutional review via a constitutional court
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 9/19
4/25/2018 Como (não) medições
can lead to annulment of the law. But what if the government simply ignores
the court's decision? Recognition of the assumption that factual enforcement of
political institutions is extremely precarious directly leads to the next assumption.
Assumption 5: The factual enforcement of all institutions – and political
institutions in particular – is a function of informal or internal institutions.
In many, many cases, sanctions for non-compliance by informal means is at least
as and sometimes far more effective than sanctioning by formal institutions.
For example, if a merchant reneges on a contract, others are going to be
less than eager to enter into contracts with him. He is thus punished by his
potential partners. 15 Sanctioning by actors other than the representatives of the
state promises to be potentially most relevant with regard to political institutions:
precisely because state enforcement is highly precarious (see Assumption 4),
political institutions will often only be factually enforced if there is a credible
threat of being sanctioned for non-compliance by other than state representatives.
Suppose a government considers not complying with an annulment decision
of a supreme court. If there is no outcry in the press, no opposition by organized
interest groups, no protest by the people at large, then the government might very
well expect to be better off by breaking some formal constitutional constraint. If,
however, the press, interest groups, and the public do react to this government
non-compliance, the expected utility of complying with the rule might be higher
than that of breaking it. In other words, the factual constraining effect of some
formal institution might depend on the presence of (complementary) internal
instituições. To understand why a constitutional constraint is factually complied
with in some countries but not in others, it is necessary to take informal
institutions explicitly into account. If one is interested in understanding why
constitutional constraints bind politicians in some cases but not in others, it is not
sufficient to look at a particular rule in isolation – the institutional environment
needs to be taken into account explicitly. 16

15 This type of sanctioning has been studied extensively with regard to exchange between merchants.
Greif (2006) recounts the story of the Maghribi traders and Bernstein (eg, 1992) shows that this kind
of coordination is still very present in today's world. Her paper refers to Jewish diamond traders in New
Iorque.
16 De jure institutions can thus create focal points `a la Schelling (1960). Their creation, even if not taken
very seriously by their creators, can at times have far-reaching effects: It is argued (eg, Thomas 1999)
that the Conference for Security and Cooperation in Europe created such focal points for the populations

Downloaded from https://www.cambridge.org/core . IP address: 191.207.64.33, on 26 Apr 2018 at 00:09:08, subject to the Cambridge Core terms of
a https://www.cambridge.org/core/terms
use, available . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 14

14 STEFAN VOIGT

Assumption 6: Internal institutions are resistant to intentional modification.


Internal institutions are enforced without reliance on the state. Exclusion from
a relevant group is a sanction that has worked for millennia. There are many such
institutions embodied in the traditions, mores, and norms of societies. Doméstico
revolutionaries and foreign colonizers alike have often been surprised by the
strength of these institutions. Since they do not rely on the power of the state for
their enforcement, the state often has little influence on their substantive content.
Again, examples abound: The Hindu tradition of burning widows on the
funeral pyre of their dead husbands was officially abolished in British India in
1829. Yet, instances of 'suttee' – as this tradition is also called – occur until
today. Also, in India, although the dowry is officially prohibited, advertisements
in the classified sections of many newspapers take little effort in paraphrasing
that a substantial dowry is expected. Many states the world over tried to ban the
consumption of alcohol by outlawing its manufacture, transportation, or sale.
The prohibition of trading some goods and services has often had very similar
effects; just think of prostitution or drug trade. Massell (1968) is a very detailed
and illuminating description of how the Soviets tried to make the populations in
their Central Asian Republics give up the Sharia – and how their efforts were an
almost complete disaster.
Implication 4: Suppose the factual implementation of external institutions
crucially depends on a number of internal institutions (Assumption 5). Mais distante
suppose that internal institutions are resistant to intentional modification
(Assumption 6). If the factual enforcement of external institutions does indeed
depend on internal institutions, then external institutions should not be entirely
at odds with internal institutions. The capacity to create external institutions
that have a high chance of being factually implemented could thus be seriously
constrained by the relevant internal institutions. The identification of an external
institution that causes desired results is a necessary but hardly sufficient condition

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 10/19
4/25/2018 Como (não) medições
para o estabelecimento de tal instituição. Somente se instituições internas existentes
são de tal forma que se pode esperar que eles apoiem a aplicação do
Instituições estabelecerá a instituição externa como um sucesso. 17
Nesta seção, apresentei uma série de suposições sobre se e para
que grau restrições formais - como as regras constitucionais que estabelecem
e saldos - serão efetivamente reforçados. Os resultados podem parecer desanimadores

da Europa Central e Oriental. Os demonstradores se referiram aos documentos mais tarde. Um argumento similar
pode ser encontrada em Sen (2009), que argumenta que, no início, as declarações de direitos humanos podem não ser nada
mais do que declarações éticas que contêm, no entanto, o convite para aprovar legislação em conformidade
eles. Dado que esta legislação é aplicada, as proclamações puramente éticas podem levar a mudanças
instituições executadas de fato. Agradeço a Reiner Eichenberger por apontar Sen (2009) para mim.
17 Há, naturalmente, uma série de considerações adicionais na decisão de introduzir um novo
instituição externa, incluindo que os benefícios superam os custos. Nesse contexto, Williamson
(1996, 195) é relevante a delineação da eficiência: “Um resultado para o qual nenhuma alternativa viável superior
pode ser descrito e implementado com ganhos líquidos presumidos como eficientes ”.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
a https://www.cambridge.org/core/terms
Cambridge Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 15

Como (não) medir instituições 15

No que diz respeito à tarefa de medir as instituições - tal coisa é possível?


Na próxima seção, eu ilumino essa perspectiva sombria mostrando que existem
de fato, formas pragmáticas de medir instituições.

5. Uma abordagem pragmática para avaliar instituições


Antes de propor uma abordagem pragmática para medir instituições, vamos
rever algumas pré-condições básicas para a tarefa. Primeiro, as instituições precisam
ser "perceptível" ou "reconhecível". Geralmente, em relação às instituições formalmente
aprovada como legislação, isso não deve ser um problema; no entanto, em alguns países,
A legislação é publicada apenas após um longo período de atraso. Em países sem
constituição escrita, às vezes é difícil determinar o que é constitucional
restrições são precisamente. Além disso, o conteúdo preciso de muitas informações informais ou internas
instituições nunca é publicado, tornando muito difícil para pessoas de fora medir
eles. Ostrom (1996, 208) observa: 'Essas regras podem ser quase invisíveis
forasteiros, especialmente quando são bem aceitos pelos participantes que não
até vê-los como dignos de nota ”.
A Figura 1 ilustra como esclarecer a relação entre instituições e
comportamento factual. Tem as seguintes implicações:
(1) Um ator sujeito a uma instituição precisa conhecer o conteúdo do
regra e entender suas implicações, ou seja, o ator precisa ser capaz de julgar
se um comportamento sob consideração está em conformidade (ou não) com a regra.
(2) Um ator precisa ser capaz de antecipar mais ou menos corretamente
sanções em caso de incumprimento da regra.
(3) O potencial “sancionador” deve ser capaz de determinar se um indivíduo
cumpriu a regra ou não.
(4) Finalmente, um observador externo (como um acadêmico) deve ser capaz de julgar
do acima.

Figura 1. A interação entre instituições e comportamento.

Regra comumente conhecida Sanção

Contra regra
Comportamento individual
Em conformidade com a regra

Nenhuma sanção

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 11/19
4/25/2018 Como (não) medições

Página 16

16 STEFAN VOIGT

Além disso, a suposição de que o comportamento individual está de acordo com uma regra
nunca será sancionado pode ser muito otimista. Juízes que condenam erradamente
Alguém que cumpriu uma regra é apenas uma possibilidade. Em muitos casos,
atores que querem confiar em instituições são sancionados por representantes do regime
simplesmente por ter ousado usar uma instituição. Ousar tomar os direitos humanos básicos
A sério, como montar livremente, é um caso em questão.
Nós agora propomos uma abordagem pragmática para medir instituições. A Central
A mensagem é que é essencial medir as instituições efetivamente implementadas e
sua medição é muito menos confusa do que se poderia esperar considerando
a discussão anterior. Nós assumimos que todos os atores têm preferências não observáveis;
no entanto, seu comportamento é observável. Além disso, um observador externo pode
avaliar se seu comportamento está em conformidade com uma regra válida ou não.
Vamos agora fazer uma série de propostas pragmáticas sobre como medir
instituições. Eles estão alinhados com as suposições e implicações desenvolvidas
na última seção, mas apresentado em uma ordem diferente.
(1) Estimar diferenças entre comportamentos esperados de acordo com
instituição e comportamento factualmente observado, primeiro precisamos selecionar a instituição
em cujos efeitos estamos interessados. Antes de começar a medir instituições, um
Uma concepção clara e concisa da instituição é essencial. Isso soa
evidente, mas, aparentemente, não é. De que outra forma podemos explicar que medidas para
'democracia' ou 'o estado de direito' são interpretados como medidas de instituições?
Nem a "democracia" nem o "estado de direito" são instituições únicas, mas são
de dezenas, até centenas de instituições. 18 Se alguém estiver interessado em verificar
efeitos de instituições específicas, é necessário medi-los como um primeiro passo. Se um
acredita que os efeitos são provocados por todo um sistema de instituições,
pode agregar todas as instituições individuais em um indicador mais abrangente mais tarde
em, 19 mas para descobrir o que realmente impulsiona os resultados, medidas de instituições únicas
É essencial.
A partir de um delineamento teórico claro e conciso, muitas vezes pode ser
interpretado como envolvendo um julgamento de valor. Tem sido freqüentemente argumentado, por
Por exemplo, os "direitos humanos" são um conceito firmemente enraizado na civilização ocidental.
18 Cheibub et al. (2010) desenvolvem fortes argumentos em favor de uma variável dicotômica para medir
regimes políticos, distinguindo entre democracias e ditaduras. Agora os regimes políticos são
definitivamente não é idêntico às instituições, mas muitos dos seus argumentos também se aplicam à nossa mensuração
questão. Eles defendem uma definição minimalista limitada a aspectos processuais ('há contestação
eleições para o cargo? ') e se abster de uma infinidade de aspectos adicionais. Isso pode ser interpretado como
a tentativa de minimizar o número de instituições a serem medidas que precisam ser baseadas em uma clara
formulação teórica sobre o que constitui o núcleo dos regimes políticos. Inclusão de aspectos adicionais
(mais instituições) só levaria a problemas adicionais, como a introdução de avaliações subjetivas e
a necessidade de uma regra de agregação teoricamente fundamentada. Ambas as suas preocupações são recolhidas mais tarde neste
seção.
19 Para sintetizar medidas de instituições únicas em indicadores mais abrangentes, agregação ou
são necessárias regras de ponderação. Muitas vezes, argumentos teóricos específicos sobre como pesar instituições específicas são
em falta. No entanto, este é um problema de acompanhamento e não precisa nos preocupar aqui. Mas veja Nardo et al. (2005)
para um manual útil.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 17

Como (não) medir instituições 17

Se estamos, de fato, interessados em estimar os efeitos de vários direitos humanos,


precisamos deliná-los como um primeiro passo. A única maneira de saber se humano
direitos têm os efeitos hipotetizados é deliná-los o mais claramente possível.
O resultado em si é inteiramente uma ciência positiva. 20
(2) Depois de ter delineado uma instituição o mais precisamente possível, a próxima
etapa consiste em prever o comportamento que seria observável eram atores
para cumprir com a instituição. Se, por exemplo, juízes são nomeados por 12
anos, esperamos que a posse seja de 12 anos, com exceções apenas para juízes
que voluntariamente deixam seus cargos cedo ou morrem no cargo. Soletrando de jure
explicitamente em primeiro lugar é necessário porque caso contrário assumimos implicitamente
que todos os países têm regras idênticas. Mas alguns países podem nem tentar
para garantir os direitos de propriedade privada em certas áreas, tais como imóveis, no primeiro
Lugar, colocar. Se isto estiver claramente estabelecido na lei e também for implementado como tal, tal
país deve ter uma pontuação alta quanto à previsibilidade, como discutido acima
Seção 3

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 12/19
4/25/2018 Como (não) medições
(3) Em seguida, o comportamento observado de fato precisa ser medido. No que diz respeito aos
instituições econômicas, isso muitas vezes parece quase impossível, já que o comportamento
de milhares ou mesmo milhões de atores precisariam ser levados em conta.
Instituições políticas representam um problema menor. Normalmente, há apenas uma cabeça de
governo e apenas tantos ministros e, portanto, o número de potencialmente
atores relevantes é relativamente limitado. Em alguns casos, a complexidade empírica pode
ser reduzida escolhendo uma amostra apropriada. Um exemplo é nossa própria tentativa
para medir a posse judicial de facto (Feld e Voigt 2003). Muitos países têm
milhares de juízes, e seria ótimo calcular a posse média factual
com base em todos eles. Este valor precisaria ser corrigido considerando
aposentadorias precoces voluntárias, mortes no cargo e assim por diante. Se alguém está interessado em
uma grande amostra de vários países, tal tarefa poderia exigir o rastreamento das carreiras
de centenas de milhares de juízes. Para tornar a tarefa menos tediosa, nós nos concentramos
somente em juízes sentados na mais alta corte de um país. 21 Esta simplificação
pode ser justificado porque o Judiciário está estruturado hierarquicamente e se houver
problemas com posse factual no topo da hierarquia, pode ter uma influência
em todo o desenvolvimento jurídico de um país.
Se as instituições políticas são factualmente implementadas não podem ser respondidas
com base em um único ponto no tempo, mas deve ser analisado por mais algum tempo
período. Suponha que a constituição garanta aos juízes que suas rendas não podem

20 Existem muitos direitos humanos básicos (Law e Versteeg (2011) identificam até 60 diferentes
constitutionally guaranteed rights) but the number of countries in which their effects can be observed is
severely limited. Also, a high degree of multicollinearity in the factual implementation of some of these
rights is likely. Factor analysis can help to identify a limited number of principal components to mitigate
these problems. This is what Blume and Voigt (2007) do to ascertain the economic effects of human
direitos.
21 Note that this presupposes that it is possible to determine the 'highest court' without ambiguity,
which might be difficult in a number of countries.

Downloaded from https://www.cambridge.org/core . IP address: 191.207.64.33, on 26 Apr 2018 at 00:09:08, subject to the Cambridge Core terms of
ause,
https://www.cambridge.org/core/terms
available . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 18

18 STEFAN VOIGT

be reduced. Whether this institution is factually implemented will depend on


whether it is complied with for several years or even decades. Likewise with
tenure: whether factual tenure corresponds with de jure tenure can be decided
only after many years. To measure the factual implementation of institutions
over very long periods also seems justifiable because predictability is not
an overnight phenomenon. Rather, predictability is conjectured to be a function
of the number of periods over which a de jure institution has been factually
enforced.
Deciding on the 'optimal' period for measuring factual implementation of
institutions involves various considerations:
(1) For measurement of some institutions, there is a natural minimum period. Para
exemplo, se queremos averiguar se a posse factual dos juízes da suprema corte
acordo com o seu mandato formalmente assegurado, precisamos de tomar pelo menos
período em consideração (digamos 9 ou 12 anos).
(2) O período de tempo escolhido também pode ter um impacto no número de
observações. Embora possa ser interessante observar a implementação
registro de alguma instituição nos últimos 100 anos, se observações precisas
não pode ser feito durante todo o período, pode ser mais produtivo olhar para
um período mais curto com melhores dados.
(3) Se queremos usar instituições como variáveis independentes, devemos nos certificar
que eles estiveram no local tempo suficiente para fazer um efeito sobre o nosso dependente
variável plausível. Algumas instituições podem precisar estar no lugar para um número
de anos antes que possamos esperar que eles tenham algum efeito. 22
(4) Se alguém está interessado em averiguar o efeito da instituição ' x ' na variável
' y ', é crucial que a medição de x não seja contaminada por y . Mais uma vez, isso soa
auto-evidente, mas muitas medidas institucionais desconsideram essa regra básica. Muitos
as medidas atualmente disponíveis são construídas com base nas respostas da pesquisa.
Os entrevistados podem ser empresários locais, investidores estrangeiros ou outros. Supor
a conjectura a ser testada é que 'direitos de propriedade seguros' são conducentes ao crescimento
e renda. Ao responder uma pergunta sobre a segurança dos direitos de propriedade
país a, é muito provável que as respostas sejam influenciadas por taxas de crescimento
aquele país ou o nível de renda do país. Se esse é o caso, o pesquisador é muito
provável encontrar um impacto 'significativo' de x em y simplesmente porque a 'medida'
de x já é feito levando y em conta.
Como evitar essa armadilha? Ao confiar em dados objetivos - em vez de subjetivos
avaliações - tanto quanto possível. 23 Avaliações subjetivas são maculadas pelo
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 13/19
4/25/2018 Como (não) medições

22 Todas as instituições são endógenas. Portanto, é crucial não negligenciar problemas devido à endogeneidade. Mas
mais uma vez, este não é o lugar para discutir os prós e contras de várias técnicas, como variáveis instrumentais,
correspondência etc. Aqui, a única questão é como medir as instituições.
23 Muitas vezes, presume-se que não há como construir medidas objetivas de corrupção. Contudo,
tem havido uma série de tentativas: por exemplo, Golden e Picci (2005) propõem a comparação do
qualidade da infra-estrutura física com o dinheiro que foi para ele. Controlando as diferenças no
ambiente natural, preços mais altos para qualidade idêntica implicam níveis mais altos de corrupção. Olken (2009) é

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 19

Como (não) medir as instituições 19

teorias, ideologias, preconceitos e assim por diante do entrevistado. Se alguém está interessado
na "segurança dos direitos de propriedade", parece mais produtivo descrever uma
situação específica em que a segurança do entrevistado está em jogo e, em seguida,
em quantos dias levaria e quanto dinheiro estaria envolvido
para obter os direitos de alguém. Este é o procedimento utilizado por Djankov et al. (2003) em
seu projeto Lex Mundi. 24 A desvantagem é, naturalmente, que inferências gerais
sobre a 'segurança dos direitos de propriedade' não são possíveis, pois é provável que
a segurança dos direitos de propriedade não é idêntica a todos os tipos de propriedade. Para alguém
da Europa Ocidental, a tentativa de promover a segurança dos direitos de propriedade
estimar os custos de descontar em um cheque devolvido parece bizarro, como cheques
não estão mais em uso comum.
O Djankov et al. projeto não se baseia em dados objetivos “reais”, mas
apenas dados hipotéticos. Não é informação sobre casos reais em que o conjunto de dados
baseia-se, mas as crenças dos advogados sobre o tempo que levaria eram um caso para
surgem em seu país. Analisando uma situação padronizada (como, por exemplo, a dificuldade
de descontar em um cheque devolvido) tem a vantagem de fazer comparações
entre os países possíveis. No entanto, isso tem um custo importante, a saber, que
a hipotética pode não ser representativa da situação real em indivíduos
países. 25
Coletando dados 'verdadeiramente' objetivos - e não apenas hipoteticamente objetivos -
continua a ser um desiderato, mas não é tarefa fácil. Em muitos países, o número de
vezes que, digamos, qualquer juiz ou promotor tenha sido aposentado contra sua vontade é
information not readily available. The availability of accurate information could
be influenced by the degree to which freedom of the press is factually existent. isto
might, hence, be sensible to control for it in estimated models.
(5) 'Objectivity' in measurement implies that anybody repeating the identical
measurement exercise should end up with exactly the same results. Isto é,
however, only possible if the criteria, the coding rules, the various components
of a measure, and so forth are all disclosed; in other words, if the construction
of the measure is transparent. Unfortunately, some of the most frequently used
current measures are not completely transparent. 'Freedom in the World' by the
New York-based NGO Freedom House (2008) is a composite indicator depicting
both political rights and civil liberties. The broad range of issues for which these

uma tentativa engenhosa de confrontar as percepções de corrupção com a realidade da corrupção em relação aos custos da estrada
construção em aldeias indonésias. Razafindrakoto e Roubaud (2010), bem como Donchev e Ujhelyi
(2008) mostram que as experiências reais de corrupção, conforme relatadas em pesquisas domiciliares, são fracas
percepções de corrupção por 'especialistas'.
Indicadores subjetivos têm seus méritos. Afinal, as decisões de investimento são tomadas por indivíduos
avaliações subjetivas são cruciais. Além disso, os indicadores subjetivos podem implicitamente controlar um número
de fatores potencialmente relevantes que podem ser difíceis de controlar para o uso de controles objetivos.
24 Djankov et al. (2003) descrevem duas situações paradigmáticas (descontar de um cheque devolvido e
livrar-se de um inquilino não-pagador) e depois perguntar aos advogados locais quanto tempo levaria para ter esses casos
resolvido.
25 Obrigado a um árbitro anônimo por insistir nisso.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 20

20 STEFAN VOIGT

indicadores têm sido usados é um pouco perturbador: alguns usam-nos como um proxy para
democracia, outros para a segurança dos direitos de propriedade, outros ainda para o

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 14/19
4/25/2018 Como (não) medições
lei, mas certamente não são os criadores que devem ser responsabilizados pelo (mal) uso
do seu produto. Embora Freedom House recentemente começou a fazer as pontuações
de três (quatro) subcategorias disponíveis para os direitos políticos (liberdades civis)
indicador, isso ainda está muito longe de publicar códigos únicos. Por exemplo, o
A terceira subcategoria de liberdades civis é a 'regra de direito', que é ela mesma baseada em muitos
diferentes aspectos cujas codificações ainda não foram publicadas. 26
(6) Para medir a 'distância' entre o comportamento esperado de acordo com o
carta da lei e comportamento factualmente observado, é necessária alguma vareta de medição.
A haste de medição apropriada depende da questão em jogo: se é essencial
que nem um único desvio da regra formal ocorreu (por exemplo, uma eleição
totalmente cancelado), então uma variável fictícia simples poderia ser suficiente. Muitas vezes,
entretanto, o desvio de uma instituição de direito é uma questão de grau. Em tais casos,
o número de vezes que uma instituição não foi aplicada ao longo de uma década ou
meio século pode ser medido. As várias opções de codificação também serão afetadas
pela variância do número de desvios. Este é também o caso em relação
para a questão de saber se a haste de medição deve ter um linear ou logarítmica
Formato.
A distância entre o comportamento esperado e factualmente observado será
apurado com base em muitas observações, ou seja, com base em alguma média.
Dado que a função primária das instituições é aumentar a previsibilidade,
não estão interessados apenas na média do comportamento observado
também na variação observada: se é baixa, a previsibilidade pode, no entanto, ser
Alto. Se a variação for, no entanto, alta, então formar expectativas que tenham
A probabilidade de materializar é correspondentemente difícil. Medidas de facto de
as instituições devem, portanto, também relatar o grau correspondente de variação. 27
(7) Às vezes, estamos interessados nos efeitos de uma noção que é mais ampla
do que apenas uma única instituição, como a independência judicial ou
formalismo. Nestes casos, a noção em que se está interessado não é, muitas vezes, diretamente
observável. Para fazer tais variáveis latentes observáveis, pode-se recorrer ao fator
análise, em que um número de variáveis são sintetizadas em um número (menor)
de fatores ou componentes principais. Sintetizando diferentes variáveis que são
inter-relacionados entre si por diferentes níveis de correlação em um indicador
segue um algoritmo baseado em teoria. Dependência de meios aritméticos simples entre

26 A página da Freedom House lista quatro sub-subcategorias com 24 aspectos diferentes. Embora muitos
as organizações produtoras de indicadores responderam de alguma forma à demanda por mais transparência,
muitos indicadores permanecem opacos. Isso também vale para a Governança Mundial amplamente utilizada
Indicadores publicados por Kaufmann et al. (2009). Em sua crítica aos indicadores de governança, Omã e
Arndt (2010) ressalta que sua maior armadilha é a falta de transparência em sua produção.
27 Shleifer e Vishny (1993) argumentam que não é necessariamente a corrupção como tal que é ruim, mas o
incerteza na sua implementação: é suficiente para subornar um funcionário do governo - ou será imprevisível
número de funcionários apresenta demandas adicionais por suborno?

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 21

Como (não) medir instituições 21

as variáveis que compõem o indicador não são necessárias. Desenho no fator


análise implica uma importante conjectura teórica, a saber, que as correlações
entre as variáveis diretamente mensuráveis podem ser causalmente atribuídas a
conceitos. A análise fatorial condensa, assim, as informações contidas no
variáveis originais em fatores latentes, analisando a variação comum do
variáveis. Os valores dos fatores nos países isolados (os valores dos fatores) são
apresentados como desvios da média, que é normalizada para 0. Análise fatorial
nos permite manter nossos conceitos teóricos claramente separados. Dentro dos fatores,
Não é uma variável única que impulsiona os resultados, mas uma mistura de variáveis. Entre
os grupos, a análise fatorial tem a vantagem de correlação zero entre o
fatores. A relação entre as variáveis originais e os fatores (ambos em
termos de força, bem como direção) é representado pelas chamadas cargas fatoriais,
o que pode, por sua vez, ser interpretado como correlações.
Rosenthal e Voeten (2007) usam a análise fatorial para identificar os principais
componentes do formalismo processual. Em nosso próprio trabalho, usamos análise fatorial para
elucidar as várias dimensões que se escondem por trás de diferentes indicadores de federalismo
e descentralização fiscal (Blume e Voigt 2011).
Muitas das declarações sobre como medir instituições foram feitas com
instituições externas em mente. Então, que tal medir instituições internas?
Prima facie , este parece ser o desafio mais difícil. 28 Mas isso não é necessariamente
verdade: dado que as instituições não são apenas internas, mas também informais, ou seja, em nenhum lugar
codificada, a divergência de facto de jure entra em colapso e um problema

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 15/19
4/25/2018 Como (não) medições
medida
a favor dadas instituições
separação externas inteiros
de conjuntos / formaisdedesaparece.
instituiçõesUm forte argumento
externas em instituições únicas
foi feita com vista a implicações políticas: se os governos querem mudar
instituições para fomentar o crescimento econômico, eles precisam saber exatamente o que
instituições a modificar. Mas se as instituições internas são muito menos receptivas a
mudança deliberada, então esta razão em favor da separação não é mais válida. 29
Nos últimos dois anos, muitos conjuntos de dados destinados a medir instituições
tornaram-se disponíveis. Seu número é tão grande que algumas visões gerais
os conjuntos de dados disponíveis foram publicados (por exemplo, pelo Interamerican
Banco de Desenvolvimento (sem ano) ou PNUD (2009)). Existe até um
organização cuja tarefa principal é coletar, reorganizar e disseminar
conjuntos de dados (o Instituto de Qualidade da Governança da Universidade de Gotemburgo
Na Suécia). Assim, é impossível avaliar a qualidade de muitas dessas medidas
aqui, muito menos todos eles. Para os indicadores mais conhecidos, este é, além disso,
supérfluo como muitas críticas muito afiadas já existem. Tome o mundial
Indicadores de governança iniciados pelo Banco Mundial (por exemplo, Kaufmann et al. , 2003)

28 Como um dos árbitros desta revista sugeriu.


29 Uma razão para visar a separação das instituições internas é exatamente a de que não podemos ter certeza
se nossas suposições a respeito de sua longevidade estão corretas. Para saber, primeiro temos que medi-los
(separadamente).

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
a https://www.cambridge.org/core/terms
Cambridge Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 22

22 STEFAN VOIGT

como um exemplo para medidas altamente agregadas que foram criticadas extensivamente
e especificamente. 30 Eles pretendem medir conceitos tão amplos como 'voz e
prestação de contas "," eficácia do governo "ou" estado de direito ". A principal crítica é
que os indicadores não são baseados em um conceito completamente sistematizado, mas
A definição (implícita) dos vários conceitos baseia-se nos inquéritos disponíveis.
Estas mudanças ao longo do tempo, o que torna a comparação ao longo de vários anos impossível
Em um artigo complementar (Voigt 2012), eu tento ser mais construtivo e aplicar
o raciocínio apresentado aqui para propor uma medida para o estado de direito. 1
razão para escolher o Estado de direito como um exemplo foi que é parte do próprio
proeminentes indicadores mundiais de governança.

6. Conclusões e perspectivas
Neste artigo, argumentamos que as medidas das instituições devem ser precisas, objetivas,
e leve em consideração elementos de jure e de fato . Nós supomos que
a execução factual de instituições formais é susceptível de ser fortemente influenciada
por uma série de instituições informais. Ao tentar estimar o (econômico)
efeitos das instituições, essa possibilidade deve ser refletida pela incorporação de
número de covariáveis que se aproximam dessas instituições informais; caso contrário, o
perigo de viés variável omitido se torna grande. Também ressaltamos que medir
instituições combinadas com achados econométricos mostrando sua significância
explicar a variação em variáveis dependentes não é absolutamente nenhuma base para assumir
que é possível modificar instituições à vontade. Se a sua aplicação factual é,
como hipotetizado, de fato dependente de instituições informais, então estas poderiam ser
restrições rígidas que impedem a aplicação factual de 'melhor' ou 'mais moderno'
instituições.
Mas só vamos saber se isso é empiricamente correto depois de ter
modelos apropriados estimados. Para fazer isso, os dados são necessários. Como discutido, muitos
das medidas institucionais atualmente disponíveis não são suficientes para refutar a
hipótese de que as instituições (não) importam. Principais exercícios de coleta de dados
adiante. Aqui está uma lista de algumas áreas para as quais melhores dados poderiam aumentar nossa
conhecimento.
(1) Um dos primeiros campos em que medidas objetivas foram introduzidas foi o
independência do banco, a questão é, claro, se graus superiores
de independência estavam causando menores níveis de inflação. A maioria dos indicadores
eram, no entanto, de jure . Que eu saiba, a única proxy para o factual
independência dos governadores dos bancos centrais que é frequentemente utilizada é a sua
taxa. Este é, obviamente, um aspecto importante da independência de facto , mas
são outros: Quantas vezes tem as bases legais em que o banco opera
mudou ao longo de um determinado período? Ter os requisitos de qualificação para
os governadores dos bancos centrais (dado que há algum) sempre foram seguidos? Como

30 Entre os críticos estão Arndt e Oman (2006), Knack (2006), Langbein e Knack (2010), Thomas
(2010) e Kurtz e Schrank (2007a, 2007b). Kaufmann et al. (2007) é uma resposta aos críticos.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 16/19
4/25/2018 Como (não) medições

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
a https://www.cambridge.org/core/terms
Cambridge Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 23

Como (não) medir instituições 23

tem o salário dos governadores desenvolvido ou o orçamento de todo o banco?


E assim por diante.
(2) O banco central pode ser visto como uma agência reguladora (independente)
encarregada de fornecer uma oferta monetária estável. O mais frequentemente
A razão citada para o estabelecimento de bancos centrais independentes é mitigar
dificuldade dos políticos que procuram ser reeleitos para se comprometerem de forma
política monetária. A dificuldade de se comprometer com credibilidade com certas políticas também
surge noutras áreas políticas, como a concorrência ou o ambiente. Assim sendo,
o raciocínio subjacente à independência do banco central também pode ser aplicado
agências reguladoras, implicando que a independência dessas outras agências,
bem como a sua responsabilidade, pode ser medida usando quase o mesmo
critérios utilizados para medir a independência dos bancos centrais.
(3) Muitas ações do judiciário podem ser interpretadas como soluções confiáveis
problemas de compromisso envolvendo atores que querem fazer promessas, sejam eles
atores privados ou representantes do governo. Isso significa que freqüentemente
problemas de inconsistência de tempo envolvidos e a independência dos tribunais
pode ser analisado utilizando critérios muito semelhantes aos utilizados para a análise de
independência do banco central. Meus próprios indicadores para de jure e de facto judicial
independência são exemplos. No entanto, seria extremamente útil ter
uma organização como o Banco Mundial pegar esses indicadores e estender
para outros países, verifique as respostas e assim por diante.
(4) Dependendo dos recursos disponíveis para a coleta de dados, pode-se querer
considerar se é possível medir algumas das instituições centrais
inventar o Estado de direito. Estes poderiam incluir sua generalidade, sua abstração,
e sua certeza, juntamente com disposições mais concretas, como a proibição
de legislação retroactiva, a proibição de expropriação sem
indemnização, o habeas corpus , a protecção da confiança, o princípio da
proporcionalidade e assim por diante.
Rodrik et al. (2004) argumentam não só que as instituições são claramente mais relevantes
explicando o desenvolvimento do que a geografia e o comércio, mas também que as instituições
deve ser conceituado como "o resultado cumulativo de ações políticas passadas"
(ibid., 156). Eles propõem pensar a política como uma variável de fluxo e instituições como
uma variável de estoque e, assim, transformar uma maneira estabelecida para pensar sobre o relacionamento
entre instituições e políticas em sua cabeça. Essa visão não tem apenas
importantes implicações para estimar adequadamente os efeitos das instituições
é inadequado regredir os resultados em instituições e políticas simultaneamente
medidas de qualidade institucional já contêm informações relevantes sobre
os efeitos das políticas). Tal visão também aponta para a necessidade de pesquisa
nos determinantes da mudança institucional. Escusado será dizer: para verificar a sua
determinantes empiricamente, as instituições precisam ser medidas primeiro.

Referências

Acemoglu, D. e S. Johnson (2005), 'Unbundling Institutions', Journal of Political Economy ,


113 (5): 949-995.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 24

24 STEFAN VOIGT

Acemoglu, D., S. Johnson e J. Robinson (2005), 'Instituições como causa fundamental


Crescimento a Longo Prazo ', em P. Aghion e S. Durlauf (eds.), Handbook of Economic
Crescimento vol. 1A, Holanda do Norte: Elsevier, capulo 6, pp. 385-472.
Arndt, Chr. e Ch. Omã (2006), Usos e Abusos de Indicadores de Governança , Paris: OCDE.
Aron, J. (2000), 'Crescimento e Instituições: Uma Revisão da Evidência', Pesquisa do Banco Mundial
Observador , 15 (1): 99–135.
Bardhan, P. (2005), 'Instituições Importam, Mas Quais?', Economia da Transição , 13 (3):
499-532.
Barro, RJ (2000), 'Estado de Direito, Democracia e Desempenho Econômico', em 2000.
Liberdade Econômica , Washington, DC: Heritage Foundation, pp. 31-49.
Berkowitz, D., K. Pistor e J.-F. Richard (2002), 'Desenvolvimento Econômico, Legalidade e
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 17/19
4/25/2018 Como (não) medições
Transplant Effect ', European Economic Review , 47 (1): 165–195.
Bernstein, L. (1992), “Opting Out of the Legal System: Relações contratuais extralegais em
a indústria de diamantes ', Journal of Legal Studies , 21 (1): 115-157.
Blume, Lorenz e Stefan Voigt (2007), "Os efeitos econômicos dos direitos humanos", Kyklos ,
60 (4): 509-538.
Blume, Lorenz e Stefan Voigt (2011), 'Federalismo e descentralização - um levantamento crítico
de indicadores frequentemente utilizados », Economia Política Constitucional , 22 (3): 238-264.
Cheibub, J., J. Gandhi e J. Vreeland (2010), "Democracia e ditadura revisitadas",
Escolha Pública , 143 : 67–101.
Dixit, A. (2007), 'Avaliando Receitas para o Sucesso do Desenvolvimento', Pesquisa do Banco Mundial
Observador , 22 (2): 131-157.
Djankov, S., R. La Porta, F. Lopez-de-Silanes, e A. Shleifer (2003), 'Tribunais: O Lex Mundi
Projeto ', trimestral Journal of Economics , 118 (2): 453-517.
Donchev, D. e G. Ujhelyi (2008), O Que os Índices de Corrupção Medem ?, Disponível em:
http://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1124066.
Ellickson, R. (1986), 'De Coase e gado: resolução de disputas entre vizinhos em Shasta
County ', Stanford Law Review , 38 (3): 623–687.
Ellickon, R. (1991), Order Without Law , Cambridge, MA: Harvard University Press.
Ellickson, R. (1994), 'O Objetivo da Ordem Sem Lei', Jornal de Institucional e Teórico
Economia , 150 (1): 97–100.
Feld, L. e S. Voigt (2003), 'Crescimento Econômico e Independência Judicial: Cross Country
Evidências usando um novo conjunto de indicadores, European Journal of Political Economy , 19 (3):
497-527.
Casa da Liberdade (2008), Liberdade no Mundo 2008. Disponível em: http: // www.
freedomhouse.org/report/freedom-world/freedom-world-2008.
Glaeser, E., R. La Porta, F. Lopez-de-Silanes, e A. Shleifer (2004), 'As Instituições Causam
Growth? ', Journal of Economic Growth , 9 (3): 271-303.
Golden, M. e L. Picci (2005), Proposta para uma Nova Medida de Corrupção, Ilustrada com
Dados italianos ', Economics & Politics , 17 (3): 37-75.
Greif, A. (2006), Instituições e o Caminho para a Economia Moderna - Lições da Idade Média
Trade , Cambridge, MA: Cambridge University Press.
Inoue, K. (1991), a constituição japonesa de MacArthur - um estudo lingüístico e cultural de sua
Fazendo , Chicago: A Universidade de Chicago Press.
Banco Interamericano de Desenvolvimento (sem ano). DataGov- Banco de Dados de Indicadores de Governança,
Disponível em: http://www.iadb.org/datagob/
Kaufmann, D., A. Kraay e M. Mastruzzi (2003), Governance Matters III - Governança
Indicadores para 1996-2002. Documento de Trabalho de Pesquisa de Políticas do Banco Mundial No. 3106.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 25

Como (não) medir instituições 25

Kaufmann, D., A. Kraay e M. Mastruzzi (2007), os indicadores mundiais de governança


Projeto: Respondendo os Críticos, Banco Mundial, fevereiro.
Kaufmann, D., A. Kraay e M. Mastruzzi (2009), Governance Matters VIII: Governance
Indicadores para 1996–2008. Documento de trabalho do Departamento de Pesquisa de Políticas do Banco Mundial
No. 4978
Keefer, P. (2004), 'O que a economia política nos diz sobre o desenvolvimento econômico -
E vice-versa? ', Revisão Anual da Ciência Política , 7 : 247-272.
Knack, St. (2006), Medir a Corrupção na Europa Oriental e na Ásia Central: uma crítica
os Indicadores Transnacionais, Documento de Trabalho de Pesquisa de Políticas do Banco Mundial 3968.
Kurtz, M. e A. Schrank (2007a), 'Crescimento e governança: modelos, medidas e
Mecanismos, Journal of Politics , 69 (2): 538-554.
Kurtz, M. e A. Schrank (2007b), conceituando e medindo instituições: uma visão de
Ciência Política, mimeo preparado para o 2º workshop sobre Medição de Direito e Instituições
realizada em Paris, em 14 e 15 de dezembro de 2007.
Langbein, L. e S. Knack (2010), 'Os indicadores mundiais de governança: seis, um ou
Nenhum? ', Journal of Development Studies , 46 (2): 350-370.
Lei, D. e M. Versteeg (2011), A Evolução e a Ideologia do Constitucionalismo Global.
California Law Review , 99 (5): 1163-1257.
Lipset, SM (1959), “Alguns Requisitos Sociais da Democracia: Desenvolvimento Econômico e
Legitimidade política, ' American Political Science Review , 53 (1): 69–105.
Macfarlane, A. (1978), As Origens do Individualismo Inglês , Oxford: Blackwell.
Massell, G. (1968), “O Direito como Instrumento de Mudança Revolucionária em um Meio Tradicional:
O Caso da Ásia Central Soviética ', Law and Society Review , 2 : 179–214.
McArthur, J. e J. Sachs (2001), Instituições e Geografia - Comentário sobre Acemoglu,
Johnson e Robinson, NBER Working Paper 8114.
Nardo, M., M. Saisana, A. Saltelli e S. Tarantola (2005), Manual de Construção
Indicadores compostos: metodologia e guia do usuário . Paris: OCDE.
North, D. (1990), Instituições, Mudança Institucional e Desempenho Econômico , Cambridge,
MA: Cambridge University Press.
Olken, B. (2009), 'Percepções de Corrupção vs. Realidade de Corrupção', Journal of Public
Economia , 93 (7–8): 950–964.
Oman, C. e C. Arndt (2010), Measuring Governance, Policy Brief No. 39, OCDE
Centro de Desenvolvimento, Paris.
Ostrom, E. (1986), 'Uma Agenda para o Estudo das Instituições,' Escolha Pública , 48 : 3–25.
https://translate.googleusercontent.com/translate_f 18/19
4/25/2018 Como (não) medições
Ostrom, E. (1996), 'Incentivos, Regras do Jogo e Desenvolvimento', em M. Bruno (ed.),
Conferência Anual do Banco Mundial sobre Economia do Desenvolvimento , Washington, DC: World
Banco, pp. 207-234.
Persson, T. e G. Tabellini (2003), Os Efeitos Econômicos das Constituições , Cambridge, MA:
O MIT Press.
Razafindrakoto, M. e F. Roubaud (2010), 'São bases de dados internacionais sobre corrupção
Confiável? Uma Comparação de Pesquisas de Opinião de Especialistas e Pesquisas Domiciliares em Sub-
África do Saara, ' World Development , 38 (8): 1057-1069.
Rodrik, D., A. Subramanian e F. Trebbi (2004), 'Regra das Instituições: O Primado de
Instituições sobre Geografia e Integração no Desenvolvimento Econômico ”, Journal of
Crescimento Econômico , 9 (2): 131–165.
Rosenthal, H. e E. Voeten (2007), 'Measuring Legal Systems', Journal of Comparative
Economics , 35 : 711–728.
Schelling, Th. (1960), The Strategy of Conflict , Cambridge, MA: Harvard University Press.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

Página 26

26 STEFAN VOIGT

Schotter, A. (1981), The Economic Teoria das Instituições Sociais , Cambridge, MA: Cambridge
Jornal universitário.
Sen, A. (2009), A idéia de justiça , Londres: Penguin Books.
Shirley, M. (2005), Instituições e Desenvolvimento. em C. Ménard e M. Shirley (eds.),
Manual da Nova Economia Institucional , Heidelberg: Springer, pp. 611-638.
Shleifer, A. e R. Vishny (1993), 'Corrupção', Quarterly Journal of Economics , 108 (3):
599–617.
Soto, H. de (1990), O Outro Caminho - A Revolução Invisível no Terceiro Mundo , Novo
York: Harper & Row.
Sugden, R. (1986), A Economia dos Direitos, Cooperação e Bem-Estar , Nova York: Blackwell.
Sunde, U. (2006); 'Wirtschaftliche Entwicklung und Demokratie - É Demokratie ein
Wohlstandsmotor oder ein Wohlstandsprodukt? ', Perspektiven der Wirtschaftspolitik ,
7 (4): 471-499.
Thomas, DC (1999), 'Os Acordos de Helsinque e Mudança Política na Europa Oriental', em
T. Risse, S. Ropp e K. Sikkink (eds.), O Poder dos Direitos Humanos: Internacional
Normas e Mudança Doméstica , Cambridge, MA: Cambridge University Press.
Thomas, M. (2010), 'O que os Indicadores Mundiais de Governação Meça?', Europeu
Journal of Development Research , 22 : 31-54.
PNUD (2009). Indicadores de governança - Guia do usuário, Centro de Governança de Oslo. 2ª edição.
Voigt, S. (2012), 'Como medir o estado de direito', Kyklos , 65 (2): 262-284.
Williamson, O. (1996), “A Política e Economia da Redistribuição e Eficiência”, em The
Mecanismos de Governança , Oxford: Oxford University Press.
Woodruff, C. (2006). 'Measuring Institutions', em S. Rose-Ackerman (ed.), International
Manual de Economia da Corrupção , Cheltenham, Reino Unido: Edward Elgar, pp.
124.

Transferido de https://www.cambridge.org/core . Endereço IP: 191.207.64.33, em 26 de abril de 2018 às 00:09:08, sujeito aos termos de uso do
aCambridge
https://www.cambridge.org/core/terms
Core, disponíveis . https://doi.org/10.1017/S1744137412000148

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 19/19