Você está na página 1de 3

Behaviorismo – Após a Fundação

Operacionismo  Doutrina que afirma ser possível definir o conceito físico com precisão
em relação ao conjunto de operações ou procedimentos que o determinam
Pseudoproblemas  proposições que não podem ser submetidas a um teste experimental.
Conceito de experiência consciente individual ou privada  pseudoproblema.
Edward Chace Tolman (1886-1959)
Precursor da psicologia cognitiva.
Behaviorismo Intencional  o estudo objetivo do comportamento com a ponderação da
intenção ou a orientação do propósito no comportamento.
Rejeitava a introspecção.
Não se interessava pelas experiências internas presumidas, não acessíveis à observação
objetiva.
Para Tolman, toda ação visava um objetivo. O comportamento está impregnado de
intenção e visa a atingir um objetivo ou a aprender a forma de alcançar a meta.
Relacionou 5 possíveis causas do comportamento:
1. Ambiente
2. Impulsos fisiológicos
3. Hereditariedade
4. Treino prévio
5. Idade
Presumia a existência de um conjunto de fatores não observáveis (variáveis
intervenientes)  que são as verdadeiras determinantes do comportamento.
São processos internos que estabelecem a ligação entre a situação de estímulo e a resposta
observada. A proposição deve ser lida (E-O-R).
A variável interveniente só tem validade para a psicologia quando pode ser relacionada
diretamente com as variáveis experimentais e com a variável do comportamento.
A fome é um exemplo de variável interveniente.
Tolman acreditava que a aprendizagem ocorre apartir da repetição do desempenho de
uma tarefa que reforça a relação aprendida.
Clark Leonard Hull (1884-1952)
Considerava o comportamento humano automático e possível de ser reduzido e explicado
na linguagem física.
Os behavioristas deveria considerar seus sujeitos como máquinas.
Hull era objetivo e quantitativo nos seus estudos (uma psicologia matematicamente
definifa).
Seguia 4 métodos: observação simples, observação sistemática controlada, teste
experimental e o método hipotético dedutivo (que utiliza a dedução baseada em um
conjunto de formulações determinadas a priori.
Impulsos  a base da motivação era um estado da necessidade corporal provocada por
um desvio nas condições biológicas ideais. A redução ou a satisfação de um impulso era
a única base para o reforço.
Impulso primário  necessidades biológicas inatas e vitais (alimento, água, ar,
temperatura, defecação, micção, sono, atividade, relação sexual e alívio da dor.
Impulsos secundários  adquiridos, relacionados com os estímulos situacionais ou
ambientais associados à redução dos impulsos primários  leva à aprendizagem.

B.F.Skinner (1904-1990)
Behaviorismo Radical  considerava que o organismo possui dois tipos de
comportamento: reflexos e operantes. Não utilizava eventos mentalistas ou psíquicos para
a compreensão e explicação do comportamento (distancia de uma perspectiva científica).
Buscava investigar as relações funcionais entre as condições de estímulo e as respostas
subsequentes do organismo.
O condicionamento operante  aprendizagem de comportamento pelas consequências
que sucedem o comportamento.
Reforço  estímulo que aumenta a chance de um determinado comportamento ocorrer
novamente no futuro.
A força de um operante aumenta quando ele é seguido pela apresentação de um estímulo
reforçador.
Emoções e pensamentos
Esquemas de reforçamento.
Modificação de comportamento
Críticas ao behaviorismo de Skinner
Albert Bandura (1925- 1998)
Teoria Social Cognitiva  não usava a introspecção nem enfatizava a importância da
recompensa ou do reforço na aquisição ou modificação do comportamento.
Enfatizava a influência dos esquemas de reforço externo dos processos de pensamento,
tais como crenças, expectativas e instrução.
Respostas comportamentais não são disparadas apenas por um estímulo externo, são auto
ativadas pela própria pessoa que se comporta. Demonstrou na prática a capacidade de as
pessoas aprenderem quase todos os comportamentos sem receberem diretamente
qualquer reforço.
Aprendizagem ocorre através de reforço vicário  aprendizado pode ocorrer por
observação dos comportametos de outras pessoas e das consequências deles decorrentes
e não apenas experimentando o reforço diretamente.
Realizou muitas pesquisas sobre a auto-eficácia, descrita como o senso de auto-estrima
ou valor próprio, o sentimento de adequação, eficácia e competência para enfrentar os
problemas.
Acreditam ser capazes de lidar com os diversos acontecimentos da vida.