Você está na página 1de 2

Behaviorismo

O behaviorismo tem seu início marcado com o lançamento de John Watson em 1913 do Manifesto
Behaviorista. Watson (1878-1958), com esse manifesto imprime um novo rumo à historia da Psicologia,
influencia vários setores do comportamento humano, nas teorias de aprendizagem , na personalidade e nas
psicoterapias.

Mediante ao pensamento behaviorista entende-se que pela observação e experimentação sistemática e


cuidadosa, e possível desenvolver um conjunto de princípios que podem explicar o comportamento humano.
O objeto da Psicologia que até então tinha sido a alma, ou a consciência, a mente, e a partir do behaviorismo
passa a ser uma ciência comportamento humano, não pode mais ser considerada como ciência pura da
consciência. É dada uma importância maior aos fatores ambientais e a hereditariedade é relegada à segundo
plano. O homem passa a ser visto como produto do ambiente.

Watson dizia que se a psicologia quisesse se fortalecer no mundo da ciência seria necessário que ela
repensasse o seu objeto de estudo.Então propôs que a psicologia deveria estudar o comportamento e que
seu objeto de estudo fosse determinado pelos atos observáveis de conduta que pudessem ser descritos em
termos de estimulo e resposta.O behaviorismo tentou reduzir a psicologia a uma ciência natural, deixando
de lado a consciência e volta-se exclusivamente ara o comportamento objetivo.

O primeiro momento do Behaviorismo vai de 1913 a 1930,esse Behaviorismo fica conhecido como clássico,
polêmico e programático, tem seu alvo principal o movimento contra o Estruturalismo que utilizava o método
introspectivo.

As idéias de Watson ganham força e são influenciadas pelas contribuições de Ivan Pavlov. Fisiologista
(1906-1927), que demonstrou através da representação simultânea de um estímulo não condicionado (carne),
e de um estímulo condicionado (som do diapasão) o estímulo condicionado conseqüentemente produziria a
resposta (salivação) que anteriormente só podia ser produzida pelo estímulo não condicionado. Esse
processo tornou-se por parte dos psicólogos americanos, um meio de controlar o comportamento e evitar o
perigo do subjetivismo.Então pensou que o reflexo da salivação tinha ficado de algum modo ligado ou
condicionado a estímulos que anteriormente estiveram associados ao alimento, neste processo há
aprendizagem ou condicionamento.

Um condicionamento só poderá ocorrer se o estimulo neutro for acompanhado elo alimento um certo numero
de vezes, logo, o reforço (ser alimentado) e determinado e necessário para que a aprendizagem ocorra.

1. ►“Behavoir” = comportamento ou comportamentalismo ou Teoria Comportamental ou


Análise Experimental do Comportamento ou ainda, Análise do Comportamento (Watson).

2. ►A princípio defendia como uma perspectiva funcionalista para a Psicologia em que o


comportamento era estudado como certas variáveis do meio. Hoje se entende como
comportamento, uma interação entre aquilo que o sujeito faz e o ambiente onde o seu ‘fazer’
acontece: interações entre o indivíduo e o ambiente, entre as ações daquele (suas respostas), e o
ambiente (as estimulações).

3. ►”Respostas e estímulos”: razões metodológicas e históricas; a primeira: analistas


experimentais de comportamento adotaram modo preferencial analítico e experimental daquele
estudo. A segunda: termos escolhidos devido ao seu uso generalizado; o homem é estudado como
produto e produtor dessas interações.

4. ►Behaviorismo radical (Skinner): designa uma filosofia da Ciência do Comportamento


por meio da análise do comportamento ( comportamento operante).

5. Behaviorismo metodológico(Watson) : designa um método de ciência, apenas os


comportamentos observáveis são passíveis de serem analisados

6. ►Comportamento respondente ou reflexo: chamados de ‘não voluntário’, respostas são


eliciadas (produzidas), por estímulos antecedentes do ambiente. São ações reflexas ou
1
respondentes de comportamento involuntário (ambiente-sujeito), independente da ‘aprendizagem’.
Incluem-se aí as respostas biológicas do organismo ao ambiente.

7. Comportamento operante: amplo leque de atividades humanas em que as relações


ambiente-sujeito são voluntárias, dependentes da ‘aprendizagem’ e seus estudos e experimentos
definem-se como Leis Comportamentais.

8. ►O homem age ou opera sobre o mundo em função das conseqüências criadas por sua
ação.

9. ►Reforço é chamado por toda conseqüência que, seguindo uma resposta, altera a
probabilidade futura de ocorrência dessa resposta. Reforço Positivo: é todo evento que aumenta
a probabilidade futura da resposta que o produz; o RP cabe a estímulos desejáveis (saciar a sede).
Reforço Negativo: é todo evento que aumenta a probabilidade de futura resposta que o remove
ou atenua; o RN cabe a estímulos indesejáveis (livrar-se do choque).

10. ►Esquiva (RN): estímulos aversivos condicionados separados por intervalo de tempo
apreciável; o indivíduo se prevê e diminui efeitos indesejáveis, ex.: som do dentista. Fuga (RN):
termina com o estímulo já em andamento, ex.: barulhos repentinos que incomodam; tendência de
se fugir deles.

11. ►Extinção: a resposta deixa subitamente de ser reforçada, ex.: ‘paquera’ não
correspondida.

12. ►Punição: quando há apresentação de um estímulo aversivo ou remoção de um


reforçador positivo presente, ex.: castigos físicos na escola ou comportamento. no trânsito (leva à
supressão temporária da resposta sem, contudo, alterar a motivação).

13. ►Controle de estímulos: polêmico, porém, necessário, ex.: semáforo, aceleração-


frenação.

14. ►Discriminação: normas e regras sociais que resultam em determinada resposta de


comportamento, ex.: conduta em festas.

15. ►Generalização: respondemos de forma semelhante a um conjunto de estímulos


percebidos como semelhantes, ex.: aprendizagem escolar em diversas linhas de conhecimento.

16. Aplicação do Behaviorismo: escolas, treinamentos em empresas, clínicas psicológicas,


trab. educativo em crianças excepcionais, publicidade etc.

17. ►Análise Experimental do Comportamento auxilia, descreve e modifica o


comportamento do homem.

18. ►Contracontrole: escapar do controlador, pondo-se fora de seu alcance; opor-se ao


controle com contracontrole, ex.: desertar de um governo, apostasiando de uma religião,
demitindo-se de um emprego, greve, protesto estudantil, revolução, reforma etc.