Você está na página 1de 9

ARTIGO DE REVISÃO

54

Rodrigo Silva Perfeito1


Wallace Machado Treinamento de força muscular para
Magalhães de Souza2
Diego Gomes
de Sá Alves3
crianças e adolescentes: benefícios
ou malefícios?
Muscle strength training for children and adolescents: benefits or
harms?

> RESUMO
Introdução: Existe uma grande discussão na literatura quanto aos possíveis riscos ou benefícios do Treinamento de Força
Muscular (TF) aplicado em crianças e adolescentes. Tal atividade, com cargas intensas, sempre foi empregada ao longo do
tempo como um esporte, sendo seu público de maior incidência homens adultos jovens ou de meia idade. Atualmente, o
escopo atuante engloba também crianças e adolescentes. Acoplado ao novo público, surge também a preocupação com
lesões e déficit de crescimento por altas cargas de estresse osteomioarticular por meio do TF em crianças. Métodos: Trata-
-se de uma revisão de literatura do tipo analítica, em que são utilizados autores nacionais e internacionais para discorrer
sobre os benefícios ou malefícios do TF para o grupo em questão. Objetivo: Trazer subsídios científicos que contribuíram
para a tomada de decisão da adesão, ou não, do TF em crianças. Conclusão: Por fim, é possível concluir que o TF, se bem
orientado, não traz qualquer risco à saúde ou ao crescimento de crianças e adolescentes.

> PALAVRAS-CHAVE
Crianças adultas, adolescente, treinamento de resistência.

> ABSTRACT
Introduction: There is a great debate in the literature about the potential risks or benefits of TF introduction: There is a
great debate in the literature about the potential risks and benefits of TF used in children and adolescents. Such activity, with
heavy loads, has always been used over time in children and adolescents. Such activity, with heavy loads, has always been
used as a sport, with higher incidence among young adult or middle-aged men. Presently, the scope also includes children
and adolescents. Coupled with the new public target, there is also the concern about injuries and failure in the growth of
children caused by high stress osteomioarticular loads through the TF in them. Methods: This is a literature review of the
analytical type, which we use in national and international authors to discuss the benefits or harms of TF for the group in
question. Objective: Bring scientific subsidies for the decision to use, or not to use, TF in children. Conclusion: Finally, it is
possible to conclude that the TF, if well directed, does not bring any risk to the health or growth of children and adolescents.

> KEY WORDS


Adult children, adolescent, resistance training.

¹Mestrando em Ciências da Atividade Física pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Especialista em Educação Física
Escola (UERJ); graduado em Educação Física (UERJ) e em Fisioterapia - Faculdade de Reabilitação da Associação de Solidariedade a
Criança Excepcional (FRASCE), Fundador e Diretor do Instituto de Pilates, Fisioterapia e Educação: Fisart. Pesquisador do Laboratório do
Imaginário Social Sobre as Atividades Corporais e Lúdicas - LISACEL (UERJ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
2
Professor de Educação Física. Especializando em Ciências da Performance Humana pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro
(UFRJ). Rio de Janeiro, RJ, Brasil.
3
Aluno de Educação Física. Graduando em Educação Física. Licenciatura pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Rio de
Janeiro, RJ, Brasil.

Rodrigo Silva Perfeito (rodrigosper@yahoo.com.br) - Estrada Adhemar Bebiano 4595, cs 91, Engenho da Rainha - Rio de Janeiro,
RJ, Brasil. CEP: 20765-171.
Recebido em 17/02/2012 – Aprovado em 04/02/2013

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013 Adolescência & Saúde
Perfeito et al. TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS 55
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

> INTRODUÇÃO focreatina e uma atividade que, geralmente, se


apresenta monótona2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9.
Visivelmente ocorreram transformações na Sendo assim, o presente artigo tem como
essência do treinamento desportivo para crianças objetivo refletir sobre os efeitos da aplicação do
e adolescentes. No passado havia a preocupação TF em crianças e adolescentes, assim como seus
da inserção do sujeito no esporte como algo que possíveis benefícios ou malefícios agudos ou a
possibilitava novas experiências como, interação longo prazo.
social, prática esportiva pelo divertimento, entre Em seguida, apenas a cunho de curiosida-
outras . Atualmente, existem escolinhas e clubes de, estão retratados exercícios para crianças em
reivindicando de meninos e meninas ainda não academia específica para o grupo em questão.
desenvolvidos, crescidos e maturados, condicio-
namento físico e desempenhos comparados ao Figura 1. Esteira para criança
de atletas adultos de alto rendimento. A criança,
em alguns momentos, é considerada, em molde
menor, uma réplica do adulto.
Dentre as diversas valências trabalhadas
para o aprimoramento do desempenho nas mais
variadas modalidades desportivas, o Treinamen-
to de Força (TF) é considerado um dos principais
componentes para o sucesso do atleta. Por este
motivo, é estimado como um dos eventos pre-
cursores na vida desportiva de uma criança ou
adolescente que está sendo preparada para atin-
gir a vida esportiva de alto rendimento. Neste
âmbito do alto nível, existe a exigência de perfor-
mance cada vez mais precoce, fazendo-se neces-
sário o treinamento com altas intensidades para
alcançar resultados cada vez mais satisfatórios.
Para melhorar o desempenho de um atle- Figura 2. Aparelho voador
ta, a preocupação primária se apresenta no de-
senvolvimento da força. Utilizar vários métodos
para seu desenvolvimento conduz a um rendi-
mento maior, cerca de 8 a 12 vezes mais com-
parado a utilizar apenas capacidades disponíveis
para certo desporto. Dessa forma, o TF é um dos
mais importantes componentes do processo de
formação dos atletas1.
A grande discussão presente nos estudos
sobre o treinamento precoce em crianças e ado-
lescentes é o possível risco do crescimento ósseo
anormal, afetando as epífises de crescimento,
diversas lesões osteomioarticulares, principal-
mente as ligamentares, devido à constituição de
tecidos ainda em desenvolvimento e maturação,
e fatores que impedem o próprio treinamento Fonte: Estampa notícias. Disponível em: <http://www.jmijui.com.
como, por exemplo, a intensa utilização de fos- br/publicacao-5947-newsstampa.fire>. Acesso em: 09.01.2013.

Adolescência & Saúde Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013
56 TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS Perfeito et al.
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

> MÉTODOS da e promove o ganho de força muscular. Tem


ainda como consequência a prevenção de al-
As informações coletadas através de referen- gumas doenças crônico-degenerativas, como a
cial teórico nacional e internacional foram, em osteoporose, e transformações fisiológicas, ana-
primeiro momento, agrupadas, formando o esta- tômicas e biomecânicas nos tecidos osteomio-
do da arte e, em seguida, submetidas à pondera- articulares. Pode ser realizado através de cargas
ção com o desígnio de promover uma revisão de advindas do próprio corpo ou em aparelhos es-
literatura que possibilitasse identificar possíveis pecíficos, como os encontrados em academias
efeitos positivos e/ou negativos do TF diante de de musculação.
crianças e adolescentes em pleno processo de
De acordo com cada metodologia, existem
Desenvolvimento, Crescimento e Maturação des-
diferentes graduações nas adaptações biológicas
critos por Malina10 e Malina e Bouchard11.
de crianças e adolescentes sedentários. Treinos
Para tanto, foram coletados no período de
aplicados através de aparelhos específicos propi-
10 de setembro a 15 de dezembro de 2012 arti-
ciam ganhos de 13% a 30% da força11. Quando
gos nas bases de dados MedLine, Scielo e Pub-
o treinamento é harmonizado com a individu-
med por meio dos descritores: treinamento de
alidade biológica do praticante, tal rendimento
força para crianças, musculação para crianças e
pode chegar aos 40%4. Utilizando exercícios
atividade física e crescimento nas línguas portu-
pliométricos, os resultados podem alcançar 8% 8.
guesa e inglesa, além de livros sobre a temática.
É possível observar que em períodos considera-
O critério de exclusão e inclusão dos textos foi
dos curtos – entre oito e doze semanas – existe
estabelecido pela leitura dos resumos e verifica-
um aumento de 30% a 50% da força11.
ção da relevância para este trabalho.

Definição de TF e Força TF e as adaptações biológicas


em crianças e adolescentes
Força é a capacidade neuromuscular de
extrapolar uma resistência externa como, por Ainda é muito discutida a questão do TF
exemplo, de um halter, ou interna, como o peso para crianças e adolescentes. O posicionamento
do próprio corpo. A força máxima que um indi- da National Strength and Conditioning Associa-
víduo pode produzir depende das características tion, da American Orthopedic Society for Sports
biomecânicas de um movimento – força de ala- Medicine, e da Academy of Pediatrics afirma que
vanca, o grau de participação de grupos muscu- jovens podem se beneficiar com a participação
lares maiores – e a magnitude de contração dos em um programa apropriadamente prescrito e
músculos envolvidos, ou seja, a intensidade do supervisionado6.
impulso, o qual determina a quantidade de uni- Em relação aos ganhos de força, estudos
dades motoras envolvidas no processo1. Força apontam que, em crianças e adolescentes, esta
ocorre quando é superada ou é sustentada uma adaptação está mais associada ao “aprendiza-
resistência exterior, estando ligada à técnica e à do” e à ativação neuromuscular aprimorada
velocidade empregadas no ato3. do que aos aumentos substanciais no diâmetro
TF é um elemento que possibilita a pre- transverso dos músculos, haja vista a pequena
venção da osteoporose numa idade cronológica quantidade de testosterona – hormônio res-
avançada propiciando o aumento da densidade ponsável, dentre outras funções, pelo aumen-
mineral óssea7. É um treinamento que produz to de massa muscular – sintetizada durante a
adaptações capazes de promover o aumento infância2, 6, 12.
da força muscular através da utilização de car- Embora o TF não promova níveis significa-
gas externas e internas6. Desta forma, é tudo tivos de hipertrofia em crianças, podem ser ge-
aquilo que se apresenta de forma sistematiza- rados nos músculos, nervos e no tecido conjun-

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013 Adolescência & Saúde
Perfeito et al. TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS 57
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

tivo outras adaptações e benefícios, tais como: mento a partir das placas epifisárias localizadas
mudanças no padrão de recrutamento das fibras em suas extremidades. Normalmente, devido às
musculares e no tecido conjuntivo, aperfeiçoa- mudanças hormonais, as placas epifisárias soli-
mento da força, melhora no desempenho es- dificam-se após a puberdade. Posteriormente, a
portivo e prevenção de lesões2, 6, 13. solidificação, o desenvolvimento dos ossos lon-
Além de influenciar diretamente no tecido gos e, portanto, o crescimento em altura não é
muscular, o TF pode apresentar um efeito favo- mais possível. Na adolescência, a cartilagem da
rável na densidade mineral óssea em crianças e placa epifisária pode estar mais fraca que o osso
adolescentes de ambos os sexos, embora não se devido às suas heterogenias de desenvolvimen-
conheça um limiar mínimo de exercício que pro- to. O crescimento das cartilagens nas inserções
mova mudanças na saúde óssea6, 13. apofisárias dos principais tendões assegura uma
sólida conexão entre o tendão e o osso. Danos
TF e possíveis lesões às inserções apofisárias podem causar dor e
também aumentam o risco de separação entre
Apesar dos possíveis efeitos positivos do
o tendão e o osso, resultando numa fratura de
TF através das adaptações biológicas no corpo
avulsão. Os três locais de crescimento da cartila-
humano, o risco de lesões agudas e crônicas, gem são mais suscetíveis à lesão durante o esti-
diante de um programa mal formulado, deve rão de crescimento na adolescência, assim como
ser interpretado como existente. Para evitar le- ao aumento da tensão muscular em torno das
sões, o conjunto de exercícios para jovens não articulações. Um treinamento que não respeite
deve enfatizar cargas máximas ou submáximas, a maturação do jovem pode comprometer e da-
mas sim, sua técnica apropriada. Este cuidado é nificar a cartilagem de crescimento6, 15.
importante vide que diversas lesões ocasionadas Fraturas: as placas epifisárias em crianças
pelos exercícios de força estão relacionadas a e adolescentes são propensas a fraturas porque
uma técnica não adequada, ao uso de cargas ex- ainda não estão solidificadas e se apresentam
cessivas ou à falta de supervisão qualificada6, 13. mais fracas que o osso. Comumente, os casos
Diante da necessidade de melhor enten- de lesão óssea ocorrem durante exercícios com
dimento, serão apresentadas, resumidamente, levantamento da carga sobre a cabeça e com
algumas lesões agudas e crônicas: intensidades próximas à máxima6.
Os cuidados com a sobrecarga se fazem
Lesões agudas necessários ao relacionar o treinamento com o
Distensão muscular: é a lesão aguda mais crescimento ósseo, pois este ainda não se en-
comum em crianças e adolescentes submetidas contra em sua formação final. Jovens que pra-
a um TF incorreto. As distensões podem ser o ticam atividade física sem controle de carga
resultado de um aquecimento incorreto antes podem sofrer microtraumatismos na junção das
de uma sessão de treinamento ou, ainda, da unidades músculo-tendinosas ao osso. Duran-
tentativa de superar cargas elevadas para um te esse período, músculos, tendões e ligamen-
determinado número de repetições. Esta última tos são de duas a cinco vezes mais fortes que
variável deve ser considerada um indicador e suas inserções nos ossos, podendo resultar em
não um fator de obrigatoriedade6, 14. inflamação ou lesão. Deve-se evitar: a técnica
Danos à cartilagem do crescimento: a incorreta na realização dos exercícios, ou seja,
cartilagem de crescimento está localizada, geral- má execução motora e/ou excesso de sobrecar-
mente, em três locais: na placa epifisária, ou de ga para um determinado número de repetições;
crescimento; na epífise, ou superfície articular; a ansiedade de alcançar altas cargas em pouco
e na inserção da apófise, ou inserção tendínea. tempo, aumentando subitamente a intensidade,
Os ossos longos do corpo crescem em compri- respeitando, dessa forma, a individualidade bio-

Adolescência & Saúde Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013
58 TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS Perfeito et al.
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

lógica; a especialização precoce, resultando em manutenção da técnica correta do exercício, o


estresse mecânico sobre as estruturas músculo- que reduz a tensão na região lombar. Cargas le-
-tendinosas, ligamentosas e ósseas13. ves e moderadas, que permitam a realização de
Lesões lombares e lombalgia: a execução pelo menos 10 repetições, podem ser úteis na
incorreta ou o excesso de carga no treinamento redução da incidência álgica6.
podem levar crianças e adolescentes a adquiri-
rem o quadro de lombalgia e, em casos extre- TF e crescimento
mos, lesões discais. O uso da técnica correta e
Ainda existe muita discussão sobre os pos-
de cargas bem inferiores à máxima auxilia na
síveis efeitos da atividade física no crescimento.
prevenção destas desconformidades2, 6, 13.
O senso comum diz que algumas atividades,
como a natação, favorecem o crescimento, en-
Lesões crônicas
quanto outras, como a musculação e a ginástica
Cartilagem de crescimento: em muitos
olímpica, seriam prejudiciais para o crescimento
casos, quadros álgicos em adolescentes e crian-
longitudinal das crianças e adolescentes.
ças são causados por osteocondrite – inflama-
Auxiliando nesta reflexão, algumas inda-
ção da cartilagem do crescimento – ou osteo-
condrite dissecante – separação de uma parte gações mencionam que, enquanto o exercício
da superfície articular do osso. Pequenas fratu- físico moderado estimula o crescimento, o trei-
ras de avulsão da cartilagem de crescimento na namento extenuante representa um estresse
inserção do tendão patelar em direção ao osso capaz de atenuá-lo, sendo esse efeito resultante
podem estar relacionadas à doença de Osgood- mais da intensidade e duração do treino do que
-Schlatter. Embora preocupante, esse tipo de le- propriamente do tipo de exercício praticado. Se
são é bastante raro14, 6. por um lado existem dúvidas sobre a veracida-
Lesões na região posterior de tronco: os de dos efeitos desses exercícios sobre a estatura
adolescentes podem correr mais riscos do que final do indivíduo, por outro lado, é relevante a
os adultos quanto à espondilite – inflamação de afirmativa de que o exercício físico pode induzir
uma ou mais vértebras – e para o estresse rela- aumentos significativos do hormônio de cresci-
cionado à dor6. mento (GH) na circulação sanguínea de crianças
Além das injúrias citadas anteriormente, e adolescentes17. Por outro lado, o TF intenso pa-
a hiperlordose acompanhada por desvios na rece acarretar um decréscimo nos níveis de IGF-
pelve pode ser ocasionada ou exacerbada com 1, sugerindo a redução ou atraso do crescimen-
um treinamento incorreto. Durante o estirão de to, comprometendo, assim, a estatura final18.
crescimento, adolescentes tendem a desenvol- A intensidade e a duração do treinamento
ver a hiperlordose na coluna lombar. Vários fa- influenciam mais do que o tipo de desporto pra-
tores contribuem para esse problema, incluindo ticado. Contudo, poucos pesquisadores relata-
o crescimento acentuado da porção anterior dos ram e controlaram a intensidade do treinamen-
corpos vertebrais e os músculos isquiotibiais ten- to – sobrecarga, número de repetições, aspectos
cionados, que forçam o quadril a assumir a po- biomecânicos, nível de dificuldade das habilida-
sição antevertida. A lombalgia em adolescentes des, entre outros – dificultando sobremaneira a
normalmente está associada com a hiperlordose6, compreensão da relação causa e efeito do trei-
16
. O professor deve estar atento a esses detalhes namento sobre o crescimento17.
durante a elaboração do programa de exercícios. Embora muito se especule quanto ao fato
O quadro de dor lombar relacionado ao TF do crescimento ósseo ser potencializado pela
pode ser diminuído com a realização de ativida- prática de exercícios físicos, não foram encon-
des que fortaleçam as musculaturas abdominal trados na literatura científica específica estu-
e das costas. Tal adaptação biológica ajuda na dos bem desenvolvidos que sustentem esse

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013 Adolescência & Saúde
Perfeito et al. TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS 59
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

paradigma. O que se pode afirmar com ampla ro maior de repetições (13 a 15) por série pode
fundamentação é que as atividades esportivas produzir importantes ganhos na força e na resis-
adequadamente programadas e supervisiona- tência muscular localizada, comparado com um
das potencializam a densidade mineral óssea, número de repetições menores (6 a 8) por série6.
particularmente durante a adolescência, quan- Assim como os adultos, as crianças e ado-
do o pico de massa óssea está por ser alcançado. lescentes podem obter mudanças significativas
Estudos apresentam a combinação de dieta rica na força e na composição corporal por meio de
em cálcio associada ao exercício físico, durante programas de baixo volume e de séries únicas.
a adolescência, como recurso adequado para a Por isso, em seu início, o programa deve ser
maximização do pico de massa óssea e conse- composto por uma série de, aproximadamente,
quente redução do risco de osteoporose futura14. 13 a 15 repetições, com pelo menos um exer-
Deve-se salientar que, por vezes, a própria cício para os principais grupamentos do cor-
seleção esportiva recruta crianças e/ou adoles- po. Conforme o jovem se desenvolve, cresce e
centes com perfis de menor estatura como estra- matura, programas mais avançados podem ser
tégia para obtenção de melhores resultados em gradualmente introduzidos. Entretanto, a Natio-
função da facilidade mecânica dos movimentos14. nal Strength and Conditioning Association (NSCA)
recomenda que cargas muito intensas sejam
Recomendações para o TF controladas, utilizando, no máximo, 5 a 6 RMs6.
em crianças e adolescentes A Tabela a seguir apresenta uma progressão
Um treinamento bem organizado e supervi- de exercícios dos 5 aos 18 anos. O programa de
sionado para jovens pode ser realizado em até 20 TF deve ser realizado em condições favoráveis,
minutos por sessão de treino. Durante o período tanto para segurança quanto para o divertimento
inicial, para crianças de 8 a 10 anos, a frequência da criança e do adolescente. Vale ressaltar que
semanal de duas sessões pode trazer ganhos sig- são informações sugestivas e que, de maneira al-
nificativos de força e mudanças na composição guma, substituirão a avaliação e coleta de dados
corporal. Além disso, nesse período, um núme- mediante o professor de Educação Física.

Tabela. Orientações básicas para a progressão de exercícios de força para crianças e adolescentes

Idade (anos) Considerações

Prescrever exercícios básicos com pouco ou nenhum peso; desenvolver o conceito de uma
5-7 sessão de treinamento; ensinar as técnicas do exercício; progredir de exercícios calistênicos
com peso do corpo para aqueles com parceiros e cargas leves; manter o volume baixo.

Aumentar gradualmente o número de exercícios; iniciar o incremento gradual e progressivo


8 – 10 da sobrecarga; manter os movimentos simples; aumentar o volume lentamente; com cuidado,
monitorar a tolerância ao estresse do exercício.

Ensinar todas as técnicas básicas do exercício; continuar progressivamente aumentando


11 – 13 a sobrecarga; enfatizar a técnica; introduzir movimentos mais avançados com pouca ou
nenhuma carga.

Progredir para programas com exercícios de força mais avançados; incluir componentes
14 – 15
específicos do esporte; enfatizar as técnicas; aumentar o volume.

Entrar no nível inicial de programas para adultos depois que toda a experiência anterior tiver
16 ou mais
sido obtida.
Adaptado de: Fleck, S; Kraemer, W. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 3. ed. Porto Alegre: Artimed, 2006.

Adolescência & Saúde Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013
60 TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS Perfeito et al.
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

Recomendações do ACSM para aptidão física na sam dar assistência nas formas de integrar outros
infância e na adolescência aspectos da promoção da saúde – boa nutrição,
por exemplo – nas instruções sobre exercício e
Em informações do American College of Sports
aptidão física. Os componentes educacionais de
Medicine (ACSM), a aptidão física para crianças e
adolescentes deve ser desenvolvida como primei- avaliar, ensinar atividades de condicionamento
ro objetivo de incentivo à adoção de um estilo físico e reconhecimento através de premiação
de vida apropriado com prática de exercícios por devem ser complementares e precisam ser coor-
toda a vida, com intuito de desenvolver e manter denados para um programa compreensivo19.
o condicionamento físico suficiente para melho-
ria da capacidade funcional e da saúde19.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
>
Programas de Educação Física em escolas
são parte importante do processo geral de edu- O TF pode ser benéfico para crianças e ado-
cação e devem ser incentivados para desenvol- lescentes, desde que as devidas precauções se-
ver e manter hábitos de prática de exercício ao jam adotadas. A utilização de cargas elevadas e
longo da vida e prover instruções sobre como posturas incorretas na realização dos exercícios
adquirir e manter uma aptidão física adequada. devem ser evitadas, pois aumentam os riscos de
A quantidade de exercício necessária para uma lesões e desestimulam a prática da atividade fí-
capacidade funcional adequada para a saúde
sica. Intensidades leves a moderadas e a técnica
nas variadas idades ainda não foi precisamente
correta dos exercícios devem ser priorizadas, evi-
definida. Até que evidências definitivas estejam
tando, desta forma, o risco de evasão diante de
disponíveis, as atuais recomendações são que
seus diversos motivos, tais como, uma atividade
crianças e adolescentes realizem 20-30 minutos
monótona e que pode causar tendinopatias, sem
de atividade física vigorosa ao dia. Aulas de Edu-
ludicidade, cansativa ao extremo e repetitiva.
cação Física normalmente dedicam algum tem-
Alguns dos benefícios do TF em jovens são:
po para instruções sobre a prática das atividades,
aumento da força, melhora da coordenação
mas o tempo de aula é geralmente insuficiente
motora, aumento da densidade mineral óssea e
para desenvolver e manter condicionamento físi-
prevenção de lesões. Prejuízos no crescimento
co adequado. Por isso, programas escolares tam-
longitudinal são apenas observados quando a in-
bém devem focar mudanças na educação e no
comportamento para incentivar o engajamento tensidade do exercício é extremamente alta. O TF
em atividades apropriadas fora das aulas. O as- estimula a síntese do hormônio GH, favorecendo
pecto lúdico no exercício deve ser enfatizado19. o crescimento e desenvolvimento de crianças e
Programas educacionais projetados para adolescentes. Atua também como um compo-
aumentar o conhecimento e o reconhecimento nente importante na aquisição de maior rendi-
do papel e do valor do exercício na aptidão física mento em jovens atletas, nas mais diversas moda-
e na saúde são virtualmente inexistentes em es- lidades, contribuindo para melhores resultados.
colas, embora tais programas sejam comuns em Diante das diversas pesquisas, como as re-
universidades. Esforços profissionais são necessá- tratadas neste trabalho, ao que parece, mesmo
rios para desenvolver, testar e publicar materiais quando a atividade é exercida com altas cargas,
educativos adequados para o uso em escolas. porém sistematizada, não há riscos de lesões e
Programas de treinamento precisam ser desen- tão pouco afeta o crescimento de jovens, como
volvidos e iniciados para proporcionar professo- no exemplo do famoso “pequeno Hércules” Ri-
res com conhecimentos e habilidades para ajudar chard Sandrack, que cresceu normalmente mes-
os alunos a atingir qualidades cognitivas, afetivas mo com níveis altíssimos de treinamento que,
e comportamentais associadas a exercício, saúde na época, foi muito contestado por arriscar o
e condicionamento. Os docentes também preci- crescimento normal do jovem.

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013 Adolescência & Saúde
Perfeito et al. TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS 61
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

Figura 3: Richard por volta dos 10 anos Figura 4: Richard por volta dos 20 anos

Fonte: Vírgula/UOL. Disponível em: <http://virgula.uol.com.br/ver/album/inacreditavel/2012/11/09/22576-criancas-musculosas#2>.


Acesso em: 09.01.2013.

Assim, em linhas finais, o papel do pro- NOTA


>
fessor de Educação Física é orientar e elaborar
Este trabalho recebeu suporte do Instituto
programas de treinamento de forma segura
de Pilates, Fisioterapia e Educação: Fisart. Vale
que, ao mesmo tempo, promovam benefícios
ressaltar, porém, que o Instituto Fisart não finan-
sem ausentar os aspectos lúdicos que toda ati-
ciou bolsas ou ida a campo com documentação
vidade voltada para crianças deve ter, favore- formal, mas, sim, comprando livros, cedendo o
cendo que estes, quando adultos, adotem um local de estudo e proporcionando alimentação
estilo de vida saudável. adequada e transporte aos pesquisadores.

> REFERÊNCIAS
1. Bompa TO. Periodização: teoria e metodologia do treinamento. São Paulo: Phorte; 2002.
2. Bernhardt DT, Gomez J, Johnson MD, Martin TJ, Rowland TW, Small E, et al. Strength training by children
and adolescents. Pediatrics. 2001 Jun;107(6):1470-2.
3. Barros J. Particularidades do planejamento do treino da força com jovens. In: Seminário internacional
treino de jovens: comunicações 2002, 15-25. Lisboa: Instituto do Desporto de Portugal; 2003.
4. Carvalho C. Treino da força em crianças e jovens: questões, controvérsias e orientações metodológicas.
In: Gaya A, Marques A, Tani G, editores. Desporto para crianças e jovens: razões e finalidades. Porto
Alegre: UFRGS; 2004. p. 353-412.
5. Faigenbaum A. Strength training for the young athlete. Orthopaed Phys Ther Clin North Am.
1996;7(1):67-90.

Adolescência & Saúde Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013
62 TREINAMENTO DE FORÇA MUSCULAR PARA CRIANÇAS Perfeito et al.
E ADOLESCENTES: BENEFÍCIOS OU MALEFÍCIOS?

6. Fleck S, Kraemer W. Fundamentos do treinamento de força muscular. 3a ed. Porto Alegre:


Artimed; 2006.
7. Garganta R, Prista A, Roig J. Musculação: uma abordagem dirigida para as questões da saúde e bem estar.
Cacém: A. Manz Produções; 2003.
8. Kyröläinen H, Avela J, McBride JM, Koskinen S, Andersen JL, Sipilä S, et al. Effects of power training on
mechanical efficiency in jumping. Eur J Appl Physiol. 2004 Mar;91(2-3):155-9.
8. Malina R, Bouchard C. Atividade física do atleta jovem:do crescimento à maturação. São Paulo:
Roca; 2002.
9. Malina R. Motor development during infancy and early childhood: overview and suggested directions for
research. Int J Sport Health Sci. 2004;2:50-66.
10. Faigenbaum A. Youth resistance training. President's Council Phys Fitness Sports. 2003;4(3).
11. McArdle W, Katch F, Katch V. Fisiologia do exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 5a ed.
Rio de Janeiro: Guanabara; 2001.
12. Oliveira A, Lopes A, Risso S. Elaboração de programas de treinamento de força para crianças. Semina Cienc
Biol Saude. 2003;24:85-96.
13. Silva C, Goldberg T, Teixeira A, Marques I. O exercício físico potencializa ou compromete o crescimento
longitudinal de crianças e adolescentes? Mito ou verdade? Rev Bras Med Esporte. 2004;10(6):520-4.
14. Alves C, Lima R. Impacto da atividade física e esportes sobre o crescimento e puberdadede crianças e
adolescentes. Rev Paul Pediatr. [Internet]. 2008[citado 2012 Jan 31];26(4):383-91. Disponível em: http://
www.scielo.br/pdf/rpp/v26n4/a13v26n4.pdf.
15. Molina J, Silva SGL, Teles FM, Fraga MM, Paulo LTSP, Bugni V, et al. Dor musculoesquelética idiopática
difusa na infância e na adolescência. Rev Paul Pediatr [Internet]. 2011 [citado 2012Jan 20];29(2):294-9.
Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rpp/v29n2/a23v29n2.pdf.
16. Georgopoulos N, Markou K, Theodoropoulou A, Paraskevopoulou P, Varaki L, Kazantzi Z, et al. Growth and
pubertal development in elitefemale rhythmic gymnasts. J Clin Endocrinol Metab. 1999 Dec;84(12):4525-30.
17. Damsgaard R, Bencke J, Matthiesen G, Petersen JH, Müller J. Is prepubertal growth adversely affected by
sport? Med Sci Sports Exerc. 2000 Oct;32(10):1698-703.
18. American College Sports Medicine. aptidão física na infância e na adolescência: Posicionamento Oficial do
Colégio Americano de Medicina Esportiva. ACSM; 1988.

Adolesc. Saude, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 54-62, abr/jun 2013 Adolescência & Saúde