Você está na página 1de 2

O poder do voto e a Constituição de 1946

A Constituição de 1946 foi promulgada por uma Assembleia Nacional


Constituinte. Ela sofreu influência tanto de ideias liberais da Constituição de 1981, quanto
de ideais sociais na Constituição de 1934.
Palavras-chave: Constituição de 1946, História, Redemocratização, Judiciário,
voto.
Sumário: RESUMO, 1. INTRODUÇÃO, 2. CONSTITUIÇÃO DE 1946, 3.
CONCLUSÃO, 4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRFÁICAS
Resumo:
A Constituição de 1946 foi promulgada por uma Assembleia Nacional
Constituinte. Ela sofreu influência tanto de ideias liberais da Constituição de 1981,
quanto de ideais sociais na Constituição de 1934.
Até sua promulgação, fatos políticos importantes ocorreram no país. o fim do
regime autoritário de Getúlio Vargas, no poder desde 1930 foi um deles. Por ser clara a
forma política e contraditóriado governo de Vargas que ao mesmo tempo em que lutava
contra regimes autoritários no campo internacional, internamente mantinha ele próprio
um regime autoritário. Por este motivo e diversas críticas Vargas convocou eleições para
Presidente da República no ano de 1945, dessa época o “queremismo “, movimento de
apoio à candidatura de Vargas, cujo slogan era “Queremos Getúlio”.
O mesmo acaba deposto pelas Forças Armadas, tendo à frente os Generais
Eurico Gaspar Dutra e Pedro Aurélio de Goês Monteiro. O Presidente do STF à época,
Ministro José Linhares, foi encarregado de chefiar o executivo até as eleições do novo
Presidente em 1946.
Linhares tomou importantes medidas, como a extinção do Tribunal de Segurança
Nacional e do Conselho de Economia Nacional, instituídos durante o Estado Novo,
revogando o estado de emergência que vigorava no país, O Presidente da República eleito
em 1946 foi o General Gaspar Dutra, o mesmo que contribuiu para a queda de Vargas.
1. Introdução
A Constituição de 1946 restaurou a forma republicana de governo e a forma
federativa de estado, depois de restaurada a democracia no Brasil, nota-se que a
constituição de 18 de Setembro de 1946 retomou o desenvolvimento do controle judicial
de constitucionalidade caracterizando a volta da exigência da maioria absoluta dos votos
nas decisões declaratórias de inconstitucionalidade, bem como a atribuição ao Senado
Federal para suspender a execução de lei declarada inconstitucional pelo Supremo
Tribunal Federal.
O país continuou leigo, sem uma religião oficial, como em todas as constituições
desde 1891. Houve a Organização dos poderes, o voto direto para Presidente da República
Na vigência da Constituição de 1946, o país experimentou um período de regime
parlamentarista, por ocasião da renúncia do Presidente Jânio Quadros, em 1961.
No legislativo, houve a volta ao bicameralismo federal, com o Congresso
Nacional novamente dividido em Câmara dos Deputados e Senado Federal.
2. A mudança pelo voto
A constituição de 1946, tem em seu primórdio o valor do voto direto, assim,
como as mudanças de regimes de governo que por muitas vezes chegava a ser controverso
em seus ideais. Passando por mudanças na política e, trazendo a reintrodução das eleições
diretas e secretas, onde o Presidente eleito exercia o cargo por cinco anos e o cargo de
vice-presidente fora restabelecido após ser suspenso em 1934. O poder Legislativo era
exercido pela câmara dos Deputados e Senado.
As novas regulamentações trouxeram vários benefícios para o povo brasileiro,
como:
A igualdade perante a lei, ausência de censura, garantia de sigilo de
correspondências, liberdade religiosa, liberdade de associação, extinção da pena de
morte, separação dos três poderes.
O poder Judiciário era exercido pelo Supremo Tribunal Federal, Tribunal
Federal de Recursos, Juízes e Tribunais Eleitorais, Juízes e Tribunais Militares, Juízes e
Tribunais do Trabalho. Através da Constituição, o governo passou a reconhecer: O direito
a greve, a aposentadoria facultativa do funcionário com 35 anos, a garantia da liberdade
de expressão e opinião. Com relação as eleições, foram impostas regras onde os
analfabetos, os que não sabiam se comunicar na língua nacional e, os que estavam
privados de alguma forma dos direitos políticos não podiam votar. O poder judiciário é
fortalecido tanto da utilização do Mandado de Segurança como pela alteração no controle
de constitucionalidade das leis. Consagra em seu texto amplo acesso ao Poder Judiciário
(art.141).
3. Conclusão
A Constituição de 1946 demonstrou em sua história o poder do voto e, a
legalidade dos poderes do Judiciário. Trouxe durante sua vigência o fortalecimento do
poder da constituição assim como a queda e ascensão de presidentes. Garantiu direito aos
trabalhadores, eleitores, garantindo também a proteção da propriedade privada. Buscou
uma proteção maior dos direitos individuais. Consagrou os princípios do Estado Liberal
característicos da Primeira República e os principais do Estado Social consagrados na
Constituição de 1930.
4. Referências Bibliográficas
Constituições brasileiras: 1946. Brasília: Senado Federal e História das
Constituições
Planalto.gov.br / históriabrasileira.com
https://jus.com.br/artigos/57932/o-poder-do-voto-e-a-constituicao-de-1946