Você está na página 1de 50

2015

1º SIMULADO ENEM
1º TRIMESTRE

2ª série - Ensino Médio

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS


MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

Dia: 25/04 - Sábado

EDUCANDO PARA SEMPRE


ORIENTAÇÕES PARA APLICAÇÃO DO SIMULADO ENEM – 1º TRI

1. A prova terá duração de 5h.

2. Só será permitida a saída de alunos a partir de 2 horas de prova.

3. O aluno não poderá sair para beber água ou ir ao banheiro antes de 3 horas de prova.

4. O aluno não poderá levar a prova para casa. Favor colocar o nome na capa da prova.

5. O preenchimento do gabarito deve ser feito com caneta AZUL ou PRETA. NÃO É
PERMITIDO O USO DE CANETAS COM PONTAS POROSAS.

6. O preenchimento incorreto do gabarito implicará na anulação da questão ou de


todo o gabarito.

7. Durante a prova, o aluno não poderá manter nada em cima da carteira ou no colo, a não ser
lápis, caneta e borracha. Bolsas, mochilas e outros pertences deverão ficar no tablado, junto
ao quadro. Não será permitido empréstimo de material entre alunos.

8. O aluno que portar celular deverá mantê-lo na bolsa e desligado, sob pena de ter a prova
recolhida, caso o mesmo venha a ser usado ou tocar. Caso não tenha bolsa, colocá-lo na
base do quadro durante a prova.

9. O fiscal deve conferir o preenchimento do gabarito antes de liberar a saída dos alunos.

10. O gabarito da prova estará disponível no site a partir das 17 horas da segunda-feira,
dia 27/04.

11. O prazo máximo para conferir qualquer dúvida sobre o gabarito da prova encerra dia 04/05,
segunda-feira. Isso deve ser feito diretamente com o professor ou com a
Pedagoga da Unidade.
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

LINGUAGENS, CÓDIGOS E SUAS TECNOLOGIAS

1. A tirinha retrata uma situação em que um gato e um rato interagem por meio da linguagem. Observando a
expressão e o diálogo entre os interlocutores, percebe-se que o efeito de humor da tirinha ocorre

a) na intenção do gato ao dizer ―Não adianta fugir! Você está encurralado!‖, que era comer o rato.
b) através do comportamento do rato, havendo a intenção de enfrentar diretamente o gato.
c) pelo fato de o gato desejar apenas vender um bilhete de rifa ao rato, o que não foi compreendido.
d) na confusão gerada propositalmente pelo autor ao deixar obscura a intenção do gato.
e) na expressão insegura do gato ao tentar vender o bilhete de rifa ao rato assustado.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: O humor da tira decorre do fato de o gato querer vender o bilhete de rifa a qualquer custo ao rato.
Por isso, ao afirmar que o rato não lhe escaparia e estaria encurralado, foi mal interpretado.

Texto I
Ali andavam, entre eles, três ou quatro moças, bem moças e bem gentis, com cabelos muito pretos, caídos pelas
espáduas abaixo; e suas vergonhas tão altas e tão cerradinhas e tão limpas das cabeleiras que, de as olharmos
muito bem, não tínhamos nenhuma vergonha.
Pero Vaz de Caminha. Carta. In: Carlos Vogt e J. A. G. Lemos. Cronistas e viajantes. São Paulo: Abril Educação, 1982.

Texto II
AS MENINAS DA GARE
Eram três ou quatro moças bem moças e bem gentis
Com cabelos mui pretos pelas espáduas
E suas vergonhas tão altas e tão saradinhas
Que de nós as muito bem olharmos
Não tínhamos nenhuma vergonha
Oswald de Andrade. Pau Brasil. 2. ed. São Paulo: Globo, 2003. p. 108.

cerrado: fechado. limpo: puro, que não está misturado.


espádua: ombro. mui: forma arcaica de muito.
gare: termo de origem francesa, empregado na década de sarado: forma arcaica de cerrado.
1920 para designar estação de trem.
gentil: elegante, delicado, encantador, atencioso.

2. Podemos afirmar que o texto II em relação ao texto I estabelece intertexto


a) por paráfrase.
b) por metalinguagem.
c) por paródia.
d) por injunção.
e) por complementação.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: Percebemos que a paródia mantém aspectos formais semelhantes entre dois textos, porém
altera-lhes o conteúdo e produz efeitos, como o humor, a ironia, a sátira, a crítica, a reflexão etc. No caso do texto
2, de Oswald de Andrade, ao acrescentar elementos que não existiam no texto original, caracterizou-
se como paródia.

1
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

3. Considerando as linhas 7 e 8, ―Está provado, quem espera nunca alcança‖, pode-se afirmar que
a) o autor comete um equívoco no emprego do provérbio ―quem espera sempre alcança‖.
b) o autor reescreve o provérbio para valorizar o texto poético.
c) o autor diz que, na verdade, o provérbio ―quem espera sempre alcança‖ não se fundamenta cientificamente.
d) o emprego não tem relação alguma com o provérbio ―quem espera sempre alcança‖.
e) o autor refuta a ideia de passividade e conformismo expresso no provérbio ―quem espera sempre alcança‖.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: Ao contradizer conselhos conhecidos da cultura popular, como ―quem espera alcança‖, o eu-lírico
questiona a passividade humana diante de situações em que deveria lutar pela realização de seus sonhos.

Leia os seguintes trechos de artigos jornalísticos:

4. Pode-se afirmar, com absoluta segurança, que os dois autores


a) apresentam posições inteiramente antagônicas em relação às causas da elevação das taxas de criminalidade
em uma dada região.
b) concordam pelo menos em um aspecto: o aumento da criminalidade. No Brasil, é consequência da postura
de alguns humanistas que defendem os direitos humanos.
c) apresentam posições ideológicas inteiramente antagônicas, o que pode ser verificado por meio da
observação de suas posturas frente à questão da pobreza.
d) discordam inteiramente em relação à maneira como se deve reprimir a criminalidade em uma dada região.
e) concordam pelo menos em um aspecto: há relação entre os problemas sociais existentes em um país e o
problema da criminalidade.

2
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: E
COMENTÁRIO: O autor do primeiro artigo estabelece uma relação entre um problema social — o que obriga
crianças a serem submetidas ao trabalho precoce — e a criminalidade, destacando que isso ocorre porque muitas
dessas crianças são vulneráveis ao aliciamento por parte das máfias de prostituição e de drogas. O segundo
autor, por sua vez, afirma explicitamente a existência dessa relação na primeira frase do fragmento: ―A
criminalidade, obviamente, é uma questão complexíssima, em que interagem fatores econômicos, ambientais,
culturais, sociais, genéticos, psicológicos etc.‖

5. Na canção dos Paralamas do Sucesso, tem-se a manifestação da função poética da linguagem, que é
percebida na elaboração artística e criativa da mensagem por meio de combinações sonoras e rítmicas. Pela
análise do texto, entretanto, percebe-se, também, a presença marcante da função emotiva ou expressiva por
meio da qual o emissor
a) imprime à canção as marcas de sua atitude pessoal, seus sentimentos.
b) transmite informações objetivas sobre o tema de que trata a canção.
c) busca persuadir o receptor da canção a adotar um certo comportamento.
d) procura explicar a própria linguagem que utiliza para construir a canção.
e) objetiva verificar ou fortalecer a eficiência da mensagem veiculada.
GABARITO: A
COMENTÁRIO: Nota-se o uso da 1ª pessoa de forma predominante na canção, o que caracteriza a presença da
função EMOTIVA, que é a principal representante da expressividade típica do eu-lírico, os textos de
caráter subjetivo.

6. A canção Chega de Saudade, do violonista baiano João Gilberto, é considerada um marco importante da
Música Popular Brasileira, pois ela inaugura o movimento bossa-novista brasileiro.

3
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Podemos reconhecer na produção dos artistas desse período um(a)


a) influência da cultura americana do pós-guerra combinada ao expressionismo erudito.
b) majoritária influência do jazz e a ausência de elementos do samba sincopado.
c) inconformismo com a produção cultural de origem africana comum à época.
d) apropriação do cantar da época mesclada a uma prática do canto-falado.
e) tom coloquial da narrativa musical associada a acordes dissonantes.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: Reconhecer diferentes funções da arte e do trabalho da produção dos artistas em seus meios
culturais é o principal objetivo da questão. De acordo com o escritor Ruy Castro (em seu livro Chega de saudade,
de 1990), esse LP não foi um sucesso imediato ao ser lançado, mas o disco pode ser considerado um dos marcos
da bossa nova, não só por ter trazido algumas das mais clássicas composições do gênero – entre as quais,
Luciana, Estrada Branca, Outra Vez e Chega de Saudade –, como também pela célebre batida do violão de João
Gilberto, com seus acordes dissonantes e inspirados no jazz norte-americano – influência esta que daria
argumentos aos críticos da bossa nova. Outras das características do movimento eram suas letras que,
contrastando com os sucessos de até então, abordavam temáticas leves e descompromissadas – exemplo disto,
Meditação, de Tom Jobim e Newton Mendonça. A forma de cantar também se diferenciava da que se tinha na
época. Segundo o maestro Júlio Medaglia, "desenvolver-se-ia a prática do canto-falado ou do cantar baixinho, do
texto bem pronunciado, do tom coloquial da narrativa musical, do acompanhamento e canto, integrando-se
mutuamente em lugar da valorização da 'grande voz'".

Estudando os primeiros anos do regime republicano brasileiro, durante os quais se destacou o problema da
Guerra de Canudos no sertão baiano, você encontra o seguinte texto: ―...Como construir uma democracia, se a
nação é escravocrata e imperial? Ao nível das ideias, vamos por isso encontrar uma curiosa identificação, não
autorizada pelo tempo nem pelos feitos, entre o advento da República brasileira e a Revolução Francesa. Tudo se
passa como se o Império brasileiro fosse igual ao Ancien Régime francês, sendo a proclamação da República...
igual à Revolução Francesa.
(...)
Nesse pano de fundo, não nos deve espantar que... o levante de Canudos tenha sido apresentado como
uma frente de restauração monarquista.
(...)
Assim, não nos deve surpreender quando... [no cerco de Canudos] uma ‗data nacional‘ é saudada por uma
salva oficial de 21 tiros... o dia vem a ser o da tomada da Bastilha, o 14 de julho. O Exército brasileiro, que se
postulava como o baluarte das classes oprimidas pelo Ancien Régime, inocentemente salvava a data-marco da
Revolução Francesa, enquanto massacrava a plebe entrincheirada em Canudos.
O equívoco não poderia ser mais trágico. Afinal, o povo estava do lado de lá, e não do lado de cá; do lado
de cá, estava o aparelho de Estado.‖
(NOGUEIRA GALVÃO, Walnice. ―Introdução‖. Em CUNHA, Euclides da. Os Sertões. 35. ed. Rio de Janeiro, Francisco Alves, 1991.)

7. Da leitura do texto, pode-se concluir que


a) a autora concorda com a ideia de que a Revolução Francesa e a proclamação da República brasileira fazem
parte do mesmo contexto histórico.
b) os militares, em Canudos, julgavam defender uma causa, quando, na realidade, defendiam outra.
c) o movimento de Canudos foi uma tentativa dos monarquistas para retornarem ao poder.
d) os militares brasileiros tinham uma posição antipopular, por isso massacraram o povo cercado em Canudos.
e) a Guerra de Canudos ocorreu devido a um trágico engano dos grupos sociais que controlavam o
Estado brasileiro.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: Segundo a autora, os republicanos, inclusive o Exército, identificavam a proclamação da
República com a Revolução Francesa, e o Império brasileiro com o Ancien Régime francês. No entanto, durante a
Guerra de Canudos, o Exército Brasileiro, que se julgava o grande defensor das classes oprimidas pelo Ancien
Régime — ou seja, do povo oprimido pelo Império —, massacrava esse mesmo povo, entrincheirado no arraial. Os
militares, portanto, acreditavam defender a plebe, mas na realidade defendiam os grupos sociais que controlavam
o aparelho de Estado.

4
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Diego Souza ironiza torcida do Palmeiras

O Palmeiras venceu o Atlético-GO pelo placar de 1 a 0, com um gol no final da partida. O cenário era para
ser de alegria, já que a equipe do Verdão venceu e deu um importante passo para conquistar a vaga para as
semifinais, mas não foi bem isso que aconteceu.
O meia Diego Souza foi substituído no segundo tempo debaixo de vaias dos torcedores palmeirenses e
chegou a fazer gestos obscenos respondendo à torcida. Ao final do jogo, o meia chegou a dizer que estava feliz
por jogar no Verdão.
— Eu não estou pensando em sair do Palmeiras. Estou muito feliz aqui — disse.
Perguntado sobre as vaias da torcida enquanto era substituído, Diego Souza ironizou a torcida do
Palmeiras.
—Vaias? Que vaias? — ironiza o camisa 7 do Verdão, antes de descer para os vestiários.
Disponível em: http://oglobo.globo.com. Acesso em: 29 abr. 2010.

8. A progressão textual realiza-se por meio de relações semânticas que se estabelecem entre as partes do texto.
Tais relações podem ser claramente apresentadas pelo emprego de elementos coesivos ou não ser
explicitadas, no caso da justaposição. Considerando-se o texto lido,
a) no primeiro parágrafo, o conectivo já que marca uma relação de consequência entre os segmentos do texto.
b) no primeiro parágrafo, o conectivo mas explicita uma relação de adição entre os segmentos do texto.
c) entre o primeiro e o segundo parágrafos, está implícita uma relação de causalidade.
d) no quarto parágrafo, o conectivo enquanto estabelece uma relação de explicação entre os
segmentos do texto.
e) entre o quarto e o quinto parágrafos, está implícita uma relação de oposição.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: A relação de causalidade entre o primeiro e o segundo parágrafo pode ser denotada a partir de
um teste simples. Basta unir os dois parágrafos através de um conectivo como ―pois‖, que se nota a
relação explicitada.

9. Com base na leitura da charge acima, podemos depreender que


a) o aspecto hiperbólico das falas e ações das personagens é responsável pela polissemia do texto.
b) além do aspecto verbal, o icônico também é responsável pelo estabelecimento da atmosfera de humor.
c) a ausência de elementos demarcadores do tempo no texto o transformam num registro atemporal.
d) o espaço contribui para o estabelecimento de uma atmosfera sisuda e desprovida de diálogo com o riso.
e) a mensagem principal está centrada na conscientização higiênica das pessoas e na educação sanitária.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: A questão avalia a capacidade do aluno de efetuar a leitura tanto de textos verbais quanto não
verbais. No caso da charge, o aluno deve compreender que a junção da linguagem verbal com a não verbal é
responsável pela sedimentação do humor.

5
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

10. Quanto aos aspectos semânticos, a leitura de ambos os poemas leva à


a) reflexão.
b) idealização.
c) comicidade.
d) objetividade.
e) organização.
GABARITO: A
COMENTÁRIO: Ambos os textos evocam a presença da discussão sobre a condição miserável de vida de muitos
seres humanos que têm que buscar seu sustento nos lixões espalhados pelo país, conduzindo o leitor a uma série
de reflexões sobre tal condição.

11. Assinale o fragmento que representa uma retomada modernista da Carta de Pero Vaz de Caminha.
a) ―O Novo Mundo nos músculos / Sente a seiva do porvir.‖
Castro Alves
b) ―Minha terra tem palmeiras / Onde canta o sabiá.‖
Gonçalves Dias
c) ―A terra é mui graciosa / Tão fértil eu nunca vi.‖
Murilo Mendes
d) ―Irás a divertir-te na floresta, / sustentada, Marília, no meu braço.‖
Tomás Antônio Gonzaga
e) ―Todos cantam sua terra / Também vou cantar a minha.‖
Casimiro de Abreu
GABARITO: C
COMENTÁRIO: Observando os itens: a) Castro Alves é poeta da 3ª fase do Romantismo. b) Gonçalves Dias é
poeta da 1ª fase do Romantismo. c) Murilo Mendes é poeta da 2ª fase do Modernismo. d) Tomás Antonio
Gonzaga é poeta do Arcadismo. e) Casimiro de Abreu é poeta da 2ª fase do Romantismo.

12. Sobre o poema acima, houve a utilização de uma linguagem que


a) aproximou a variedade escrita da variedade falada, promovendo um entrelaçamento de vertentes distintas
da linguagem.
b) promoveu uma nítida distinção entre linguagem oral e escrita, procurando expor a superioridade de uma
vertente quanto à outra.
c) deu preferência à variedade informal da linguagem, como forma exclusiva da transmissão de ideias formais.
d) tenta provar a inferioridade cultural da linguagem oral na composição de textos poéticos.
e) exibe na prática o quão prejudicado fica o entendimento de um texto ao optar pela linguagem rebuscada.
GABARITO: A
COMENTÁRIO: O poema acima pertence ao Modernismo brasileiro, movimentação literária que pregou a
ideologia de que a arte literária deveria se aproximar do povo e descer dos salões inacessíveis da burguesia. Uma
das movimentações estéticas iniciais foi a aproximação entre a oralidade e a norma, em que expressões tidas
como vulgares foram incorporadas aos textos modernistas.

6
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

13. ―Asa branca‖, composição de Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, é umas das canções mais conhecidas da
história da música brasileira. Transcrevemos dela a quarta estrofe, procurando ―imitar‖ a pronúncia das
palavras na gravação do próprio Luiz Gonzaga:

Hoje longe muitas légua,


Numa triste solidão,
Espero a chuva caí de novo,
Pra mim vortá pro meu sertão.

Em algumas gravações mais recentes, porém, os intérpretes de ―Asa branca‖ preferiram alterar a variante
linguística empregada por Luiz Gonzaga, cantando:

Hoje longe muitas léguas,


Numa triste solidão,
Espero a chuva cair de novo,
Para eu voltar para o meu sertão.

Comparando os dois textos e considerando que o narrador de ―Asa branca‖ é um típico retirante nordestino,
assinale a alternativa correta.
a) A gravação de Luiz Gonzaga se vale de registros linguísticos incompatíveis com a situação de comunicação
apresentada na canção.
b) A versão mais ―formal‖ da letra da canção é mais persuasiva, já que respeita o padrão culto da língua e, por
isso, atinge mais falantes.
c) Ambas as versões de ―Asa branca‖ produzem os mesmos efeitos, já que essas sutilezas gramaticais não
interferem na produção do sentido.
d) A gravação de Luiz Gonzaga emprega uma variante linguística mais coerente com o tema da canção.
e) A segunda versão da letra se vale de uma variante linguística típica de alguém que está diante do problema
da seca no Nordeste.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: A gravação original de Asa branca, ao empregar uma variante linguística tipicamente popular,
produz um efeito de aproximação com o universo social dos retirantes nordestinos, que se deparam
constantemente com o problema da seca. Assim, a versão ―original‖ da letra é mais coerente com o
tema da canção.

O CONTEXTO DA CENA

O quadro O juramento dos Horácios retrata um tema histórico da Roma Antiga. As cidades de Roma e Alba
estavam em guerra e um acordo definiu que a disputa seria resolvida por um combate mortal entre três homens de
cada lado. Os romanos enviaram os trigêmeos Horácios, e os albanos enviaram os trigêmeos Curiácios. O
vencedor e único sobrevivente foi um dos Horácios, que, ao chegar a Roma, descobriu que sua irmã Camila (a
mulher do meio) estava noiva de um dos Curiácios. Enraivecido, matou-a. Foi condenado à morte, mas conseguiu
revogação da pena.
A cena retrata o momento em que os três irmãos Horácios juram ao pai lealdade à República.

O juramento dos Horácios (1784), de Jacques-Louis David.

7
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

14. O resgate à cultura greco-romana caracterizou o neoclassicismo nas artes plásticas. Neste movimento
estético, é possível notar
a) a busca da mitologia como forma de idílio bucólico conforme apresenta a pintura de Jacques-Louis David.
b) o jogo Luz x Sombra identificador do conflito existencial pelo qual passava a burguesia.
c) a representação de temas da cultura antiga em busca de racionalidade, equilíbrio e valorização das formas
humanas na arte.
d) a identificação de pintores como Jacques-Louis David na busca da hipertrofia da forma, do exagero que
também era comum na arte sacra.
e) a presença de temas heroicos como uma forma de fuga, de evasão da realidade cotidiana.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: O Arcadismo corresponde a uma atitude estética neoclássica à medida que adota temas ligados
aos padrões grego-latinos: uma arte apolínea, um entendimento da beleza a partir do equilíbrio e da racionalidade.

15. A função de linguagem predominante no quadrinho aparece em

a) ―Sentia um medo horrível e ao mesmo tempo desejava que um grito me anunciasse qualquer acontecimento
extraordinário. Aquele silêncio, aqueles rumores comuns, espantavam-me.‖
(Graciliano Ramos)
b) ―a luta branca sobre o papel que o poeta evita, luta branca onde corre o sangue de suas veias de água salgada.‖
(João Cabral de Melo Neto)
c) ―Olá, como vai?/ Eu vou indo e você, tudo bem?/ Tudo bem, eu vou indo pegar um lugar no futuro e você?‖
(Paulinho da Viola)
d) ―Se um dia você for embora/ Ria se teu coração pedir/ Chore se teu coração mandar.‖
(Danilo Caymmi & Ana Terra)
e) ―Alô, alô continuas a não responder/E o telefone cada vez chamando mais‖
(André Filho, com O Grupo do Canhoto)
GABARITO: B
COMENTÁRIO: Trata-se da função metalinguística, que consiste em usar determinada linguagem para abordar a
própria linguagem, ou seja, a propriedade que tem a língua de voltar-se para si mesma. Na opção [B], o poeta
João Cabral de Melo Neto expressa uma das dificuldades inerentes ao fazer poético: expressar fielmente
pensamentos ou sentimentos através das palavras.

Leia o texto a seguir, extraído da edição de 10/4/2006 do jornal O Estado de S. Paulo, página A14.

ONU PROJETA CENÁRIO SOMBRIO PARA


REGIÃO DO MEDITERRÂNEO

―A costa do Mar Mediterrâneo (...) corre o risco de um colapso ambiental. Um levantamento da ONU
apontou que, se o ritmo de degradação da região não for revertido, em 20 anos os balneários estarão saturados e
o impacto social em alguns países da região poderá ser profundo. (...) Segundo as previsões da ONU, em 2025,
312 milhões de turistas passarão pelas praias do Mediterrâneo por ano. Hoje, são 175 milhões.(...) A população
das cidades costeiras também tende a uma explosão. (...) Com uma urbanização excessiva, a previsão é de que o
consumo de água seja incrementado em 25%.(...) A costa do Mediterrâneo poderá se transformar em um local
com sérios problemas de acesso à água limpa, em que a desertificação irá gerar o empobrecimento do setor rural
e a perda de biodiversidade será irreversível. (...) Para completar o cenário catastrófico, a poluição das águas do
mar mais navegado do mundo tende a chegar a uma situação crítica. Cresce a cada ano o número de
embarcações que transitam pelas águas do Mediterrâneo, derramando produtos químicos e combustível em uma
região que hoje é responsável por 7% da biodiversidade marinha mundial.‖

8
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

16. De acordo com o texto e utilizando os seus conhecimentos sobre o tema, é possível afirmar que
a) o agravamento do efeito estufa é, sem dúvida, um dos responsáveis pela atual situação da costa do Mar
Mediterrâneo, ao promover a elevação do nível dos mares.
b) apesar do tom alarmista do artigo, a situação não é tão grave, uma vez que a região é responsável apenas
por uma parcela da biodiversidade marinha, menos importante do que a biodiversidade terrestre.
c) a desertificação citada no artigo refere-se a um processo devido, naquela região, à ação dos ventos quentes
e secos provenientes do Saara.
d) o derramamento de produtos químicos é, em última análise, o principal responsável pelos ―problemas de
acesso à água limpa‖ mencionados no texto.
e) o excessivo número de pessoas que buscam a região com propósitos turísticos a cada ano está provocando
degradação ambiental na costa do Mar Mediterrâneo.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: De acordo com o texto, a ocupação turística excessiva (―os balneários estarão saturados‖) da
costa do Mediterrâneo está levando essa região a uma situação de colapso ambiental.

17. Marque a opção que identifica autor e período literário a que pertence o seguinte excerto:
―Essa foi a origem do pecado original, e esta é a causa original das doenças do Brasil – tomar o alheio,
cobiças, interesses, ganhos e conveniências particulares, por onde a justiça se não guarda e o Estado se perde.
Perde-se o Brasil, Senhor (digamo-lo em uma palavra), porque alguns ministros (...) não vêm cá buscar o nosso
bem, vêm cá buscar os nossos bens. Assim como dissemos que se perdeu o mundo, porque Adão fez só a
metade do que Deus lhe mandou, em sentido averso – guardar sim, trabalhar não, assim podemos dizer que se
perde também o Brasil, porque alguns de seus ministros não fazem mais que a metade do que [...] lhes manda.‖
a) Lima Barreto, Pré-Modernismo.
b) Padre Bernardes, Neoclassicismo.
c) Rui Barbosa, Modernismo.
d) Padre Vieira, Barroco.
e) Frei José de Santa Rita Durão, Arcadismo.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: Padre Antonio Vieira representa o conceptismo da arte barroca que tem como características
principais: busca de conceitos e explicações para os conflitos existenciais, jogo de ideias, uso de técnicas de
oratória a serviço da persuasão.

Texto I
Florindo, também supersticioso, não teve ânimo de resistir; mas quando chegaram aos cajueiros ele agarrou-a,
tirou-a de novo a si e, em voz cálida, que tremia, concordando com o seu escrúpulo, pediu-lhe:
Depois da reza ocê vem?
— Não, Florindo. A gente tem de se casá... Pois não é mió?
Coelho Neto, “Escrúpulo”, in Banzo

Texto II
VÍCIO NA FALA
Para dizerem milho dizem mio
Para melhor dizem mió
Para pior pió
Para telha dizem teia
Para telhado dizem teiado
E vão fazendo telhados
Poesias Reunidas, Oswald de Andrade

18. Ainda a respeito dos textos I e II, podemos concluir que


a) no texto II, a agressão à norma culta feita pelo enunciador não é proposital, mas não se pode dizer o mesmo
das personagens implícitas.
b) no texto I, o narrador culto desvaloriza as personagens, não só por mimetizar suas falas incultas, em
contraste com o seu domínio linguístico sofisticado, mas, também, por preconceito social .
c) no texto II, o enunciador valoriza as personagens ao considerar que elas são capazes de construir telhados
corretamente, a despeito da incorreção gramatical de seu modo de falar (―teiado‖).
d) cotejando os dois textos, nota-se que os modos de proceder da literatura culta em relação às formas
populares são diversas. No caso, a diversidade é devida, em boa parte, às características inerentes a dois
momentos histórico-literários: o Pré-Modernismo que, geralmente, enfatizou a inferioridade cultural das
camadas populares, e o Parnasianismo que, ao contrário, valorizou as manifestações da cultura popular.
e) não podemos associar os textos em nenhum ponto linguístico.

9
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: C
COMENTÁRIO: O Texto I, do pré-modernista Coelho Neto, vê as manifestações da cultura popular com
superioridade. A distância é marcada no confronto da linguagem do narrador com a das personagens. Estas são
apresentadas como inferiores, porque são marcadas pela ignorância, explicitada no uso da variante linguística
popular e na superstição que lhes é atribuída. A superioridade cultural do narrador é implícita ao seu domínio da
norma linguística culta e à, também implícita, descrença em superstições. O Texto II, do modernista Oswald de
Andrade, busca aproximar a alta cultura da cultura popular ao transgredir, propositalmente, a norma culta da
língua (ausência de pontuação). Além disso, o enunciador assinala que o desconhecimento da norma não impede
a eficácia na vida — as personagens falam ―teiado‖ e constroem ―telhados‖. A visão de mundo dos enunciadores é
diversa no que diz respeito às relações entre alta cultura e cultura popular. O modernista se opõe ao pré-
modernista. Este estabelece uma nítida linha de separação entre os dois universos culturais; aquele adota uma
atitude de inclusão, que pressupõe compreensão e respeito pela diferença.

19. As histórias em quadrinhos, por vezes, utilizam animais como personagens e a eles atribuem comportamento
humano. O gato Garfield é exemplo desse fato.
Van Gogh, pintor holandês nascido em 1853, é um dos principais nomes da pintura mundial. É dele o
quadro a seguir.

O 3º quadrinho sugere que Garfield


a) desconhece tudo sobre arte, por isso faz a sugestão.
b) que todo pintor deve fazer algo diferente.
c) defende que para ser pintor a pessoa tem de sofrer.
d) conhece a história de um pintor famoso e faz uso da ironia.
e) acredita que seu dono tenha tendência artística e, por isso, faz a sugestão.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: Garfield ironiza a capacidade artística de seu dono, subitamente inspirado para pintar um quadro,
ao aconselhá-lo a cometer o ato tresloucado de Van Gogh (cortar a orelha) em vez de exercitar habilidades e
competências que seguramente não possui.

20. O texto a seguir reproduz um e-mail e parte da respectiva resposta, publicados na coluna de aconselhamento
psicológico ―Fale com ela‖, da psicanalista Betty Milan. De acordo com as regras adotadas pela coluna, a
mensagem eletrônica não traz identificação do remetente.
―A primeira moça que eu conheci tinha 18 anos. Eu era um ano mais velho, e nós namorávamos muito bem.
Eu era respeitoso, pois tenho probidade e sisudez, mas descobri que ela saía com outros rapazes. Todas as
outras que eu namorei tinham defeitos que eu não tenho, fumavam, bebiam e se drogavam. Hoje, a maioria
das mulheres quer ficar se alcoolizando, se drogando e até se prostituindo. Quando eu, que sou circunspecto,
bizarro, sisudo, vou encontrar uma mulher correta, sem tantos defeitos e com alto grau intelectual?‖
O seu e-mail me obrigou a consultar mais de uma vez o dicionário. Primeiro, para saber por que você se gaba
de ser sisudo, adjetivo que, na língua falada, tem uma conotação por vezes negativa. Consta, no ―pai dos
burros‖, que sisudo é quem tem siso, ou seja, bom senso, juízo. (...)
Depois da primeira consulta, eu voltei ao dicionário para saber o que significa bizarro. No primeiro sentido,
significa gentil, nobre, generoso, porém no quinto significa esquisito, e eu me disse que você talvez veja tantos
defeitos nas mulheres e tão poucas qualidades por ser esquisito.
(Revista da Folha, 12/03/2006)

10
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

A respeito do e-mail e do fragmento da resposta, podemos concluir que


a) no e-mail não predomina a função emotiva, já que o remetente usa a linguagem com o objetivo principal de
criar uma imagem positiva de si.
b) a colunista dá mostras de ser uma pessoa inculta, que não conhece o sentido correto das palavras,
interpretando-as de acordo com seu uso incorreto, típico da língua falada.
c) no fragmento da resposta predomina a função referencial. A colunista comenta as palavras selecionadas pelo
remetente para desmascará-lo: ele é uma pessoa que exibe seu conhecimento de maneira esnobe, sem
ajustar seu discurso à situação.
d) o remetente do e-mail intencionalmente emprega um registro excessivamente formal da linguagem para, por
meio desse recurso, dar credibilidade à imagem que pretende criar de si.
e) em sua resposta, a colunista compara o sentido de certas palavras na linguagem falada e na linguagem
formal, mostrando que as palavras podem gerar interpretações distintas conforme o contexto em
que são empregadas.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: Ao contrário do que afirma a alternativa B, a colunista, em sua resposta, desmascara o
remetente, revelando que, ao desconsiderar a linguagem falada e cotidiana, ele apenas assume uma postura
esquisita, esnobe e elitista, embora se considere nobre e generoso. Em nenhum momento, portanto, a resposta dá
margem a que se considere a linguagem falada inferior à formal; ao contrário, os sentidos assumidos pelas
palavras nos dois registros são considerados e confrontados, sem que se manifeste qualquer juízo de valor a
esse respeito.

―Pensem nas crianças Da rosa da rosa


Mudas telepáticas Da rosa de Hiroxima
Pensem nas meninas A rosa hereditária
Cegas inexatas A rosa radioativa
Pensem nas mulheres Estúpida e inválida
Rotas alteradas A rosa com cirrose
Pensem nas feridas A antirrosa atômica
Como rosas cálidas Sem cor sem perfume
Mas oh não se esqueçam Sem rosa sem nada.‖
Vinicius de Moraes, A rosa de Hiroxima

21. A partir da leitura do poema, pode-se inferir que, nele,


a) a poesia parte de um dado concreto, imitando fielmente as circunstâncias do mundo real.
b) a poesia cria seu próprio universo, desligando-se por completo da realidade circundante.
c) a poesia funda uma nova realidade, permitindo a fuga da violência do mundo contemporâneo.
d) a poesia tem o poder de resgatar a beleza das coisas mais tristes e trágicas da realidade.
e) a poesia instaura uma realidade transfigurada pelo lirismo, perceptível em visões inusitadas e surpreendentes.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: As relações entre a poesia e a realidade são sempre complexas, e qualquer teorização sobre o
assunto corre o risco da contraprova. Mas, das alternativas apresentadas, aquela que poderia servir de base para
uma teoria da poesia que se inferisse do poema é a E. De fato, a visão lírica e subjetiva do poeta transfigura a
realidade relacionada à bomba atômica com associações surpreendentes, sem diminuir-lhe o horror e o absurdo.

22. Leia o texto a seguir.


Água também é mar
E aqui na praia também é margem.
Já que não é urgente, aguente e sente, aguarde o temporal
Chuva também é água do mar lavada no céu imagem
ANTUNES, A.; MONTE, M.; BROWN, C. Água também é mar. Memórias, crônicas e declarações de amor. EMI, 2000.

Predomina, no texto, a função da linguagem


a) metalinguística, porque o autor expressa seu sentimento em relação à necessidade de adaptação.
b) fática, porque o texto testa o funcionamento do canal de comunicação.
c) apelativa, porque o texto chama a atenção para os recursos da metalinguagem.
d) poética, porque o texto enaltece os aspectos estéticos da criação artística.
e) referencial, porque o texto trata de noções e informações conceituais.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: Analisar a função da linguagem predominante nos textos em situações específicas de
interlocução. No caso acima, temos a preocupação com os aspectos estéticos da linguagem na
composição poética.

11
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

23. Sobre o texto seguinte, infere-se que

a) a atitude da personagem feminina, no segundo quadrinho, contesta o julgamento do personagem masculino.


b) se destaca o valor pejorativo com que o personagem masculino utiliza o vocábulo cobra para referir-se à
personagem feminina.
c) o comportamento da personagem feminina, no segundo quadrinho, confirma o juízo que faz dela o
personagem masculino, no primeiro quadrinho.
d) há coerência entre a postura e o que diz o personagem masculino no primeiro quadrinho, pois ele não está
fazendo uma cobrança à personagem feminina.
e) o jogo de palavras - cobrar/pagar - serve para demonstrar a coerência de comportamento da
personagem feminina.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: Ao dizer ―você me paga‖, a personagem feminina estabelece exatamente o perfil pré-traçado pelo
rapaz ao dizer que era cobrado por ela.

24. O sociólogo espanhol Manuel Castells sustenta que ―a comunicação de valores e a mobilização em torno do
sentido são fundamentais. Os movimentos culturais (entendidos como movimentos que têm como objetivo
defender ou propor modos próprios de vida e sentido) constroem-se em torno de sistemas de comunicação —
essencialmente a internet e os meios de comunicação — porque esta é a principal via que esses movimentos
encontram para chegar àquelas pessoas que podem eventualmente partilhar os seus valores, e a partir daqui
atuar na consciência da sociedade no seu conjunto‖.
Disponível em: www.compolitica.org. Acesso em: 2 mar. 2012 (adaptado).

Em 2011, após uma forte mobilização popular via redes sociais, houve a queda do governo de Hosni Mubarak, no
Egito. Esse evento ratifica o argumento de que
a) a internet atribui verdadeiros valores culturais aos seus usuários.
b) a consciência das sociedades foi estabelecida com o advento da internet.
c) a revolução tecnológica tem como principal objetivo a deposição de governantes antidemocráticos.
d) os recursos tecnológicos estão a serviço dos opressores e do fortalecimento de suas práticas políticas.
e) os sistemas de comunicação são mecanismos importantes de adesão e compartilhamento de valores sociais.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: A internet e os sistemas de comunicação em geral são muito importantes para o
compartilhamento e adesão de valores sociais. Tal fato é constatado pelo texto apresentado, afirmando que os
movimentos culturais são construídos em torno dos sistemas de comunicação, uma vez que é através deles que
se pode chegar a pessoas que compartilham dos seus valores e têm vontade de atuar na
consciência da sociedade.

A DIVA

Vamos ao teatro, Maria José?


Quem me dera,
desmanchei em rosca quinze kilos de farinha,
tou podre. Outro dia a gente vamos.
Falou meio triste, culpada,
e um pouco alegre por recusar com orgulho.
TEATRO! Disse no espelho.
TEATRO! Mais alto, desgrenhada.
TEATRO! E os cacos voaram
sem nenhum aplauso.
Perfeita.
PRADO, A. Oráculos de maio. São Paulo: Siciliano, 1999.

12
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

25. Os diferentes gêneros textuais desempenham funções sociais diversas, reconhecidas pelo leitor com base
em suas características específicas, bem como na situação comunicativa em que ele é produzido. Assim,
o texto A diva
a) narra um fato real vivido por Maria José.
b) surpreende o leitor pelo seu efeito poético.
c) relata uma experiência teatral profissional.
d) descreve uma ação típica de uma mulher sonhadora.
e) defende um ponto de vista relativo ao exercício teatral.
GABARBITO: B
COMENTÁRIO: O texto ―A diva‖ é um poema narrativo, de modo que o leitor se deixa levar pela cena descrita,
imaginando-a em uma experiência teatral, pelo diálogo nela existente. No entanto, como aponta a alternativa B, ao
chegar ao final do poema, a função poética surpreende o leitor, ao transformar a simples Maria José em uma diva,
por sua atuação dramática de ordem espontânea (ao que parece).

26. Na verdade, o que se chama genericamente de índios é um grupo de mais de trezentos povos que, juntos,
falam mais de 180 línguas diferentes. Cada um desses povos possui diferentes histórias, lendas, tradições,
conceitos e olhares sobre a vida, sobre a liberdade, sobre o tempo e sobre a natureza. Em comum, tais
comunidades apresentam a profunda comunhão com o ambiente em que vivem, o respeito em relação aos
indivíduos mais velhos, a preocupação com as futuras gerações, e o senso de que a felicidade individual
depende do êxito do grupo. Para eles, o sucesso é resultado de uma construção coletiva. Estas ideias,
partilhadas pelos povos indígenas, são indispensáveis para construir qualquer noção moderna de civilização.
Os verdadeiros representantes do atraso no nosso país não são os índios, mas aqueles que se pautam por
visões preconceituosas e ultrapassadas de ―progresso‖.
AZZI, R. As razões de ser guarani-kaiowá. Disponível em: www.outraspalavras.net. Acesso em: 7 dez. 2012.

Considerando-se as informações abordadas no texto, ao iniciá-lo com a expressão ―Na verdade‖, o autor tem
como objetivo principal
a) expor as características comuns entre os povos indígenas no Brasil e suas ideias modernas e civilizadas.
b) trazer uma abordagem inédita sobre os povos indígenas no Brasil e, assim, ser reconhecido como
especialista no assunto.
c) mostrar os povos indígenas vivendo em comunhão com a natureza, e, por isso, sugerir que se deve respeitar
o meio ambiente e esses povos.
d) usar a conhecida oposição entre moderno e antigo como uma forma de respeitar a maneira ultrapassada
como vivem os povos indígenas em diferentes regiões do Brasil.
e) apresentar informações pouco divulgadas a respeito dos indígenas no Brasil, para defender o caráter desses
povos como civilizações, em contraposição a visões preconcebidas.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: O objetivo principal do autor, enfatizado pela expressão ―Na verdade‖ no início do texto, é
defender o caráter civilizado dos povos indígenas, através da apresentação de informações pouco divulgadas a
respeito do que se conhece desse povo, ao contrário do que se pensa sobre eles.

27. Verbo ser


QUE VAI SER quando crescer?
Vivem perguntando em redor.
Que é ser? É ter um corpo, um jeito, um nome?
Tenho os três. E sou?
Tenho de mudar quando crescer? Usar outro nome, corpo e jeito?
Ou a gente só principia a ser quando cresce?
É terrível, ser? Dói? É bom? É triste?
Ser: pronunciado tão depressa, e cabe tantas coisas? Repito: ser, ser, ser. Er. R.
Que vou ser quando crescer? Sou obrigado a? Posso escolher?
Não dá para entender. Não vou ser. Não quero ser.
Vou crescer assim mesmo.
Sem ser. Esquecer.
ANDRADE, C. D. Poesia e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1992.

A inquietação existencial do autor com a autoimagem corporal e a sua corporeidade se desdobra em


questões existenciais que têm origem
a) no conflito do padrão corporal imposto contra as convicções de ser autêntico e singular.
b) na aceitação das imposições da sociedade seguindo a influência de outros.
c) na confiança no futuro, ofuscada pelas tradições e culturas familiares.
d) no anseio de divulgar hábitos enraizados, negligenciados por seus antepassados.
e) na certeza da exclusão, revelada pela indiferença de seus pares.

13
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: A
COMENTÁRIO: Tendo em vista o fato do autor buscar ser ele mesmo, ir contra a sociedade e suas imposições,
surge uma inquietação existencial, que será comprovada na opção A, pois a indiferença de seus pares é a certeza
da exclusão.

Observe o texto abaixo e responda:

28. O documento foi retirado de uma exposição on-line de manuscritos do estado de São Paulo do início do
século XX. Quanto à relevância social para o leitor da atualidade, o texto
a) funciona como veículo de transmissão de valores patrióticos próprios do período em que foi escrito.
b) cumpre uma função instrucional de ensinar regras de comportamento em eventos cívicos.
c) deixa subentendida a ideia de que o brasileiro preserva as riquezas naturais do país.
d) argumenta em favor da construção de uma nação com igualdade de direitos.
e) apresenta uma metodologia de ensino restrita a uma determinada época.
GABARITO: A
COMENTÁRIO: Por fazer parte de uma exposição de materiais do início do século XX, o manuscrito de um aluno
do 3º ano feito em 1911 cujo conteúdo descreve a bandeira brasileira, relacionando seus elementos ao que estes
representam, apresenta os valores patrióticos em vigor na época, como aponta a opção A.

29. (Espm 2014)


Camões, grande Camões, quão semelhante
1
Acho teu fado ao meu quando os cotejo!
Igual causa nos fez perdendo o Tejo
2
Arrostar co sacrílego gigante (...)
Ludíbrio, como tu, da sorte dura,
Meu fim demando ao Céu, pela certeza
De que só terei paz na sepultura (...)
(Bocage)
1
fado = destino
2
arrostar = encarar, afrontar

Assinale a afirmação correta sobre o poema. O eu lírico


a) expressa inveja de Camões por não ter tido igual sepultura.
b) compara-se a Camões, fazendo um desabafo enfático da amargura pela infelicidade ao longo de
uma existência.
c) segue o princípio clássico do relatar experiências humanas negativas aplicáveis a todos.
d) alterna versos alexandrinos (ou dodecassílabos) com versos decassílabos.
e) dirige-se ao "Céu" e ao "Tejo" com a intenção de aliar-se aos elementos da natureza.

14
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: B
COMENTÁRIO: ―Cotejar‖ é sinônimo de ―comparar‖; o eu lírico compara o próprio destino com o de Camões,
julgando-os semelhantes quanto à desgraça: ―perderam o Tejo (foram exilados), a paz não é encontrada
quando vivos‖.

Olá! Negro

Os netos de teus mulatos e de teus cafuzos


e a quarta e a quinta gerações de teu sangue sofredor
tentarão apagar a tua cor!
E as gerações dessas gerações quando apagarem
a tua tatuagem execranda,
não apagarão de suas almas, a tua alma, negro!
Pai-João, Mãe-negra, Fulô, Zumbi,
negro-fujão, negro cativo, negro rebelde
negro cabinda, negro congo, negro ioruba,
negro que foste para o algodão de USA
para os canaviais do Brasil,
para o tronco, para o colar de ferro, para a canga
de todos os senhores do mundo;
eu melhor compreendo agora os teus blues
nesta hora triste da raça branca, negro!
Olá, Negro! Olá, Negro!
A raça que te enforca, enforca-se de tédio, negro!
LIMA, J. Obras completas. Rio de Janeiro: Aguilar, 1958 (fragmento).

30. O conflito de gerações e de grupos étnicos reproduz, na visão do eu lírico, um contexto social assinalado por
a) modernização dos modos de produção e consequente enriquecimento dos brancos.
b) preservação da memória ancestral e resistência negra à apatia cultural dos brancos.
c) superação dos costumes antigos por meio da incorporação de valores dos colonizados.
d) nivelamento social de descendentes de escravos e de senhores pela condição de pobreza.
e) antagonismo entre grupos de trabalhadores e lacunas de hereditariedade.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: O contexto social gerado pelo conflito de gerações e grupos étnicos é a luta pela preservação da
cultura ancestral dos negros e sua resistência, por mais que se tente renegá-la. Como aponta a alternativa correta,
a musicalidade dessa cultura ainda persiste e contrapõe-se ao tédio, à ―apatia cultura dos brancos‖,
seus opressores.

Até quando?
Não adianta olhar pro céu
Com muita fé e pouca luta
Levanta aí que você tem muito protesto pra fazer
E muita greve, você pode, você deve, pode crer
Não adianta olhar pro chão
Virar a cara pra não ver
Se liga aí que te botaram numa cruz e só porque Jesus
Sofreu não quer dizer que você tenha que sofrer!
GABRIEL, O PENSADOR. Seja você mesmo (mas não seja sempre o mesmo). Rio de Janeiro: Sony Music, 2001 (fragmento).

31. As escolhas linguísticas feitas pelo autor conferem ao texto


a) caráter atual, pelo uso de linguagem própria da internet.
b) cunho apelativo, pela predominância de imagens metafóricas.
c) tom de diálogo, pela recorrência de gírias.
d) espontaneidade, pelo uso da linguagem coloquial.
e) originalidade, pela concisão da linguagem.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: Para responder a esta questão, é possível ficar em dúvida entre três alternativas. A opção B está
incorreta porque, apesar de existirem imagens metafóricas na letra, não são elas as responsáveis pelo cunho
apelativo (e sim o uso da interlocução). Já a letra C está incorreta porque, apesar de termos um tom de diálogo
(também causado pela interlocução), não há tantas gírias. Logo, a alternativa correta é a D, já que se trata de um
rap, escrito em linguagem informal.

15
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Manta que costura causos e histórias no seio de uma família serve de


metáfora da memória em obra escrita por autora portuguesa
O que poderia valer mais do que a manta para aquela família? Quadros de pintores famosos? Joias de
rainha? Palácios? Uma manta feita de centenas de retalhos de roupas velhas aquecia os pés das crianças e a
memória da avó, que a cada quadrado apontado por seus netos resgatava de suas lembranças uma história.
Histórias fantasiosas como a do vestido com um bolso que abrigava um gnomo comedor de biscoitos;
histórias de traquinagem como a do calção transformado em farrapos no dia em que o menino, que gostava de
andar de bicicleta de olhos fechados, quebrou o braço; histórias de saudades, como o avental que carregou uma
carta por mais de um mês... Muitas histórias formavam aquela manta. Os protagonistas eram pessoas da família,
um tio, uma tia, o avô, a bisavó, ela mesma, os antigos donos das roupas. Um dia, a avó morreu, e as tias
passaram a disputar a manta, todas a queriam, mais do que aos quadros, joias e palácios deixados por ela.
Felizmente, as tias conseguiram chegar a um acordo, e a manta passou a ficar cada mês na casa de uma
delas. E os retalhos, à medida que iam se acabando, eram substituídos por outros retalhos, e novas e antigas
histórias foram sendo incorporadas à manta mais valiosa do mundo.
LASEVICIUS, A. Língua Portuguesa, São Paulo, n. 76, 2012 (adaptado).

32. A autora descreve a importância da manta para aquela família, ao verbalizar que ―novas e antigas histórias
foram sendo incorporadas à manta mais valiosa do mundo‖. Essa valorização evidencia-se pela
a) oposição entre os objetos de valor, como joias, palácios e quadros, e a velha manta.
b) descrição detalhada dos aspectos físicos da manta, como cor e tamanho dos retalhos.
c) valorização da manta como objeto de herança familiar disputado por todos.
d) comparação entre a manta que protege do frio e a manta que aquecia os pés das crianças.
e) correlação entre os retalhos da manta e as muitas histórias de tradição oral que os formavam.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: O que torna essa manta a mais valiosa do mundo é justamente a correlação entre cada retalho
seu e as muitas histórias de tradição oral que a avó contava sobre toda a família. Como aponta a opção correta, a
manta guardava a história de vida daquela família que, à medida que crescia, renovava os retalhos e,
consequentemente, as histórias. Tal valorização tornava-a mais preciosa que objetos de valor e também um
objeto de herança familiar, mas estes fatos são consequências, e não motivos de seu tamanho valor.

33. O cartaz aborda a questão do aquecimento global. A relação entre os recursos verbais e não verbais nessa
propaganda revela que
a) o discurso ambientalista propõe formas radicais de resolver os problemas climáticos.
b) a preservação da vida na Terra depende de ações de dessalinização da água marinha.
c) a acomodação da topografia terrestre desencadeia o natural degelo das calotas polares.
d) o descongelamento das calotas polares diminui a quantidade de água doce potável do mundo.
e) a agressão ao planeta é dependente da posição assumida pelo homem frente aos problemas ambientais.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: A publicidade utilizada coloca-nos como vítimas do aquecimento global, à medida que conjuga o
verbo derreter. Ao mesmo tempo, porém, com a pergunta finalizadora, coloca-se o ser humano (leitor do cartaz)
em uma posição de responsabilidade pelas agressões ao meio ambiente, sendo possível responder ―sim‖ ou
―não‖, o que demonstra que o desenvolvimento dos problemas ambientais é dependente da posição assumida
pelos seres humanos.

16
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Futebol: “A rebeldia é que muda o mundo”


Conheça a história de Afonsinho, o primeiro jogador do futebol brasileiro a derrotar a
cartolagem e a conquistar o Passe Livre, há exatos 40 anos
Pelé estava se aposentando pra valer pela primeira vez, então com a camisa do Santos (porque depois
voltaria a atuar pelo New York Cosmos, dos Estados Unidos), em 1972, quando foi questionado se, finalmente,
sentia-se um homem livre. O Rei respondeu sem titubear:
— Homem livre no futebol só conheço um: o Afonsinho. Este sim pode dizer, usando as suas palavras, que
deu o grito de independência ou morte. Ninguém mais. O resto é conversa.
Apesar de suas declarações serem motivo de chacota por parte da mídia futebolística e até dos torcedores
brasileiros, o Atleta do Século acertou. E provavelmente acertaria novamente hoje.
Pela admiração por um de seus colegas de clube daquele ano. Pelo reconhecimento do caráter e
personalidade de um dos jogadores mais contestadores do futebol nacional. E principalmente em razão da história
de luta — e vitória — de Afonsinho sobre os cartolas.
ANDREUCCI, R. Disponível em: http://carosamigos.terra.com.br. Acesso em: 19 ago. 2011.

34. O autor utiliza marcas linguísticas que dão ao texto um caráter informal. Uma dessas marcas
é identificada em:
a) ―[...] o Atleta do Século acertou.‖
b) ―O Rei respondeu sem titubear [...]‖.
c) ―E provavelmente acertaria novamente hoje.‖
d) ―Pelé estava se aposentando pra valer pela primeira vez [...]‖.
e) ―Pela admiração por um de seus colegas de clube daquele ano.‖
GABARITO: D
COMENTÁRIO: O caráter informal do texto pode ser evidenciado no trecho apontado pela opção D, uma vez que
―pra valer‖ é uma expressão de cunho coloquial (informal) e o registro ―pra‖ corresponde à preposição ―para‖,
na norma culta.

O fim do marketing
A empresa vende ao consumidor — com a web não é mais assim.
Com a internet se tornando onipresente, os Quatro Ps do marketing — produto, praça, preço e promoção —
não funcionam mais. O paradigma era simples e unidirecional: as empresas vendem aos consumidores. Nós
criamos produtos; fixamos preços; definimos os locais onde vendê-los; e fazemos anúncios. Nós controlamos a
mensagem. A internet transforma todas essas atividades.
(...)
Os produtos agora são customizados em massa, envolvem serviços e são marcados pelo conhecimento e
os gostos dos consumidores. Por meio de comunidades online, os consumidores hoje participam do
desenvolvimento do produto. Produtos estão se tornando experiências. Estão mortas as velhas concepções
industriais na definição e marketing de produtos.
(...)
Publicidade, promoção, relações públicas etc. exploram ―mensagens‖ unidirecionais, de um-para-muitos e
de tamanho único, dirigidas a consumidores sem rosto e sem poder. As comunidades online perturbam
drasticamente esse modelo. Os consumidores com frequência têm acesso a informações sobre os produtos, e o
poder passa para o lado deles. São eles que controlam as regras do mercado, não você. Eles escolhem o meio e
a mensagem. Em vez de receber mensagens enviadas por profissionais de relações públicas, eles criam a
―opinião pública‖ online.
Os marqueteiros estão perdendo o controle, e isso é muito bom.
(Don Tapscott. O fim do marketing. INFO, São Paulo, Editora Abril, janeiro 2011, p. 22.)

35. Leia a frase a seguir: ―Nós criamos produtos; fixamos preços; definimos os locais onde vendê-los; e
fazemos anúncios. Nós controlamos a mensagem.‖
Nas orações que compõem os dois períodos transcritos, os termos destacados exercem a função de
a) sujeito.
b) objeto direto.
c) objeto indireto.
d) predicativo do sujeito.
e) predicativo do objeto.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: Nas frases do enunciado, os termos verbais ―criamos‖, ―fixamos‖, ―definimos‖, ―fazemos‖ e
―controlamos‖ são transitivos e têm como objeto direto os termos: produtos, preços, os locais, anúncios, a
mensagem, respectivamente.

17
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

36. Pelas características da linguagem visual e pelas escolhas vocabulares, pode-se entender que o texto
possibilita a reflexão sobre uma problemática contemporânea ao
a) criticar o transporte rodoviário brasileiro, em razão da grande quantidade de caminhões nas estradas.
b) ironizar a dificuldade de locomoção no trânsito urbano, devida ao grande fluxo de veículos.
c) expor a questão do movimento como um problema existente desde tempos antigos, conforme frase citada.
d) restringir os problemas de tráfego a veículos particulares, defendendo, como solução, o transporte público.
e) propor a ampliação de vias nas estradas, detalhando o espaço exíguo ocupado pelos veículos nas ruas.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: O fato de haver veículos grandes e de passeio, identifica-se uma ironia, criticando a não
adequação das cidades e estradas para atender a população e seus veículos.

O TRAPICHE

SOB A LUA, NUM VELHO TRAPICHE ABANDONADO, as crianças dormem.


Antigamente aqui era o mar. Nas grandes e negras pedras dos alicerces do trapiche as ondas ora se
rebentavam fragorosas, ora vinham se bater mansamente. A água passava por baixo da ponte sob a qual muitas
crianças repousam agora, iluminadas por uma réstia amarela de lua. Desta ponte saíram inúmeros veleiros
carregados, alguns eram enormes e pintados de estranhas cores, para a aventura das travessias marítimas. Aqui
vinham encher os porões e atracavam nesta ponte de tábuas, hoje comidas. Antigamente diante do trapiche se
estendia o mistério do mar oceano, as noites diante dele eram de um verde escuro, quase negras, daquela cor
misteriosa que é a cor do mar à noite.
Hoje a noite é alva em frente ao trapiche. É que na sua frente se estende agora o areal do cais do porto. Por
baixo da ponte não há mais rumor de ondas. A areia invadiu tudo, fez o mar recuar de muitos metros. Aos poucos,
lentamente, a areia foi conquistando a frente do trapiche. Não mais atracaram na sua ponte os veleiros que iam
partir carregados. Não mais trabalharam ali os negros musculosos que vieram da escravatura. Não mais cantou na
velha ponte uma canção um marinheiro nostálgico. A areia se estendeu muito alva em frente ao trapiche. E nunca
mais encheram de fardos, de sacos, de caixões, o imenso casarão. Ficou abandonado em meio ao areal, mancha
negra na brancura do cais.
AMADO, Jorge. Capitães da Areia. São Paulo: Companhia das Letras, 2009. p. 25.

37. Para fazer uma leitura proficiente do fragmento, é necessário que o leitor, entre outros procedimentos,
recupere as relações sintático-semânticas ali estabelecidas.

Assim, os sujeitos dos quatro últimos períodos do fragmento, considerando-se a ordem de ocorrência, são:
a) ―um marinheiro nostálgico‖, ―a areia‖, ―os negros musculosos‖ e ―o imenso casarão‖.
b) ―uma canção‖, ―a areia‖, ―os negros musculosos‖ e ―um marinheiro nostálgico‖.
c) ―um marinheiro nostálgico‖, ―a areia‖, ―o imenso casarão‖, ―o imenso casarão‖.
d) ―uma canção‖, ―a areia‖, ―o imenso casarão‖ e ―um marinheiro nostálgico‖.
e) ―uma canção‖, nostálgico, ―na velha ponte‖ e ―brancura do cais‖.

18
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: A
COMENTÁRIO: Quatro últimos períodos do texto:
1. ―Não mais cantou na velha ponte uma canção um marinheiro nostálgico.‖ (Sujeito determinado simples: ―um
marinheiro nostálgico‖.)
2. ―A areia se estendeu muito alva em frente ao trapiche.‖ (Sujeito determinado simples: ―a areia‖.)
3. ―E nunca mais encheram de fardos, de sacos, de caixões, o imenso casarão.‖ (O sujeito está oculto, trata-se do
sujeito do período: ―Não mais trabalharam ali os negros musculosos que vieram da escravatura‖.)
4. ―Ficou abandonado em meio ao areal, mancha negra na brancura do cais.‖ (O sujeito está oculto e se encontra
no período anterior: ―E nunca mais encheram de fardos, de sacos, de caixões, o imenso casarão‖.)

38. Ao optar por ler a reportagem completa sobre o assunto anunciado, tem-se acesso a duas palavras que Bill
Gates não quer que o leitor conheça e que se referem
a) aos responsáveis pela divulgação desta informação na internet.
b) às marcas mais importantes de microcomputadores do mercado.
c) aos nomes dos americanos que inventaram a suposta tecnologia.
d) aos sites da internet pelos quais o produto já pode ser conhecido.
e) às empresas que levam vantagem para serem suas concorrentes.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: Lendo a reportagem acima, o leitor encontra as duas palavras que se referem às duas empresas
até então pouco conhecidas, mas que já têm grande vantagem. ―Yet, two little-known companies have a huge
head start.‖ Sabemos que as duas palavras se referem aos nomes das empresas pelo pronome ―their‖ na frase
seguinte: ―Get their names in a free report from The Motley Fool.‖

19
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

39. Em relação às pesquisas, a utilização da expressão university graduates evidencia a intenção


de informar que
a) as doenças do coração atacam dez mil pacientes.
b) as doenças do coração ocorrem na faixa dos dezesseis anos.
c) as pesquisas sobre doenças são divulgadas no meio acadêmico.
d) jovens americanos são alertados dos riscos de doenças do coração.
e) maior nível de estudo reduz riscos de ataques do coração.
GABARITO: E
COMENTÁRIO: A expressão university graduates, em oposição a people who leave school at the age of 16,
indica que o nível de estudo está ligado à probabilidade de riscos de ataque do coração, já que a pesquisa
realizada mostra que essa probabilidade é cinco vezes maior em quem só estudou até os 16 anos de idade em
relação a quem se formou no ensino superior.

40. Cartuns são produzidos com o intuito de satirizar comportamentos humanos e assim oportunizam a reflexão
sobre nossos próprios comportamentos e atitudes. Nesse cartum, a linguagem utilizada pelos personagens
em uma conversa em inglês evidencia a
a) predominância do uso da linguagem informal sobre a língua padrão.
b) dificuldade de reconhecer a existência de diferentes usos da linguagem.
c) aceitação dos regionalismos utilizados por pessoas de diferentes lugares.
d) necessidade de estudo da língua inglesa por parte dos personagens.
e) facilidade de compreensão entre falantes com sotaques distintos.
GABARITO: B
COMENTÁRIO: O primeiro personagem julga seu falar como a melhor forma, afirmando que só está ali quem fala
inglês muito bem. Já o segundo concorda ironizando e faz a sugestão de que o primeiro siga a gramática
normativa, não devendo se utilizar de duplas negativas e devendo se lembrar de usar advérbios. Isso mostra que,
embora tenha havido a inteligibilidade mútua, não há a aceitação de um pelo outro ou de seus diferentes usos da
linguagem, dando o caráter crítico-reflexivo típico do cartum.

20
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

41. Os melhores críticos da cultura brasileira trataram-na sempre no plural, isto é, enfatizando a coexistência no
Brasil de diversas culturas. Arthur Ramos distingue as culturas não europeias (indígenas, negras) das
europeias (portuguesa, italiana, alemã etc.), e Darcy Ribeiro fala de diversos Brasis: crioulo, caboclo,
sertanejo, caipira e de Brasis sulinos, a cada um deles correspondendo uma cultura específica.
MORAIS, F. O Brasil na visão do artista: o país e sua cultura. São Paulo: Sudameris, 2003.

Considerando a hipótese de Darcy Ribeiro, de que há vários Brasis, a opção em que a obra mostrada representa
a arte brasileira de origem negro-africana é:
a) d)

b)
e)

c)

GABARITO: A
COMENTÁRIO: Podem-se identificar características da arte brasileira de origem negro-africana na obra do baiano
Rubem Valentim (1922-1991). A representação de figuras que lembram os signos litúrgicos da umbanda e do
candomblé marcam a obra desse artista, que se vale de uma geometria rigorosa para apresentar elementos da
cultura afro-brasileira.

21
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

a
cultura regional, pois retrata seus valores, crenças, trabalho. Conhecê-la , de alguma forma,
enriquecer a própria cultura.
BREGOLATO, R. A. Cultura Corporal da Dança Paulo: Ícone, 2007.

42. As manifestações folclóricas perpetuam uma tradiçã


perpetua. Sob essa abordagem, deixa-se de identificar como dança folclórica brasileira
a) - - a teatral onde personagens contam uma história envolvendo crítica social,
morte e ressurreição.
b) a Quadrilha das festas juninas, que associam festejos religiosos a celebrações de origens pagãs envolvendo
as colheitas e a fogueira.
c) ão de um reinado africano onde se homenageia santos através de música,
cantos e dança.
d)
de espetáculo.
e) o Carnaval, em que o samba derivado do batuque africano é utilizado com o objetivo de contar ou recriar uma
história nos desfiles.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: A dança é considerada uma manifestação folclórica quando retrata a cultura de uma determinada
região. Dentre as opções, o Balé não é uma dança folclórica brasileira, pois é uma dança que pode contar
qualquer história em forma de espetáculo.

43. O grafite contemporâneo, considerado em alguns momentos como uma arte marginal, tem sido comparado às
pinturas murais de várias épocas e às escritas pré-históricas. Observando as imagens apresentadas, é
possível reconhecer elementos comuns entre os tipos de pinturas murais, tais como
a) a preferência por tintas naturais, em razão de seu efeito estético.
b) a inovação na técnica de pintura, rompendo com modelos estabelecidos.
c) o registro do pensamento e das crenças das sociedades em várias épocas.
d) a repetição dos temas e a restrição de uso pelas classes dominantes.
e) o uso exclusivista da arte para atender aos interesses da elite.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: Os únicos elementos em comum entre a pintura rupestre e o grafite contemporâneo consistem na
imagem de seres humanos e de outros elementos gráficos que representam os pensamentos e as crenças
de cada época.

22
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

44. Saúde, no modelo atual de qualidade de vida, é o resultado das condições de alimentação, habitação,
educação, renda, trabalho, transporte, lazer, serviços médicos e acesso à atividade física regular. Quanto ao
acesso à atividade física, um dos elementos essenciais é a aptidão física, entendida como a capacidade de a
pessoa utilizar seu corpo — incluindo músculos, esqueleto, coração, enfim, todas as partes —, de forma
eficiente em suas atividades cotidianas; logo, quando se avalia a saúde de uma pessoa, a aptidão física deve
ser levada em conta.

A partir desse contexto, considera-se que uma pessoa tem boa aptidão física quando
a) apresenta uma postura regular.
b) pode se exercitar por períodos curtos de tempo.
c) pode desenvolver as atividades físicas do dia a dia, independentemente de sua idade.
d) pode executar suas atividades do dia a dia com vigor, atenção e uma fadiga de moderada a intensa.
e) pode exercer atividades físicas no final do dia, mas suas reservas de energia são insuficientes para
atividades intelectuais.
GABARITO: C
COMENTÁRIO: A opção C ratifica o que afirma o texto quando diz que ―um dos elementos essenciais (da
atividade física) é a aptidão física, entendida como a capacidade de a pessoa utilizar seu corpo de forma eficiente
em suas atividades cotidianas.‖ A aptidão física, portanto, é um importante fator para se considerar a saúde de
uma pessoa, independentemente de sua idade.

45. O jogo é uma atividade ou ocupação voluntária, exercida dentro de certos e determinados limites de tempo e
de espaço, segundo regras livremente consentidas, mas absolutamente obrigatórias, dotado de um fim em si
mesmo, acompanhado de um sentimento de tensão e de alegria e de uma consciência de ser diferente da
―vida quotidiana‖.
HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2004.

Segundo o texto, o jogo comporta a possibilidade de fruição. Do ponto de vista das práticas corporais, essa fruição
se estabelece por meio do(a)
a) fixação de táticas, que define a padronização para maior alcance popular.
b) competitividade, que impulsiona o interesse pelo sucesso.
c) refinamento técnico, que gera resultados satisfatórios.
d) caráter lúdico, que permite experiências inusitadas.
e) uso tecnológico, que amplia as opções de lazer.
GABARITO: D
COMENTÁRIO: De acordo com o texto, é o caráter lúdico presente nas atividades esportivas o responsável por
promover a fruição das práticas corporais, ou seja, o ato de desfrutar com alegria e prazer do momento do jogo,
como aponta a opção correta.

23
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS

46. Duas pessoas A e B estão situadas na mesma margem de um rio, distantes 60 3 m uma da outra. Uma ter-
ceira pessoa C, na outra margem do rio, está situada de tal modo que AB seja perpendicular a AC e a medida
do ângulo ACB seja 60°. A largura do rio é
a) 30 3 m
b) 180 m
c) 60 3 m
d) 20 3 m
e) 60 m
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: Com relação ao ângulo de 60º, a largura do rio, indicada pelo segmento AC, re-
presenta o cateto adjacente e a figura apresenta a medida do cateto oposto, logo, será usada a tangente do
ângulo dado:
CO 60 3 60 3
tg 60º 3 AC AC 60 m
CA AC 3

47. Numa certa cidade, o metrô tem todas as suas 12 estações em linha reta. A distância entre duas estações
vizinhas é sempre a mesma. Sabe-se que a distância entre a terceira e a sexta estações é igual a 3 300 me-
tros. Qual é o comprimento dessa linha?
a) 8,4 km c) 9,9 km e) 13,2 km
b) 9,0 km d) 12,1 km
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
É dada a distância entre a terceira e a sexta estação. Assim temos:

E3 E4 E5 E6

3300 3 = 1100 m, o que representa a distância entre duas estações consecutivas.

Como são 12 estações, temos 11 intervalos de 1100 m, assim:

11 x 1100 = 12100 m 12,1 km

48. Duas empresas de telefone fixo, Água Vovi e Rocha Mit, disputam o mercado de telefonia fixa. A Água Vovi
cobra uma taxa fixa de R$ 80,00 mais R$ 0,50 por ligação, enquanto a Rocha Mit cobra uma taxa fixa de R$
65,00 mais R$ 0,75 por ligação. O número mínimo de ligações para que o contrato da Água Vovi fique mais
barato que o contrato da Rocha Mit é
a) 58 c) 65 e) 74
b) 61 d) 71
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão trata de função do 1º grau na forma f(x) = ax + b, assim temos:
Empresa Água Vovi A(x) = 0,5x +80
Empresa Rocha Mit R(x) = 0,75x + 65
Onde ―x‖ é o número de ligações

Água Vivi < Rocha Mit

0,5x +80 < 0,75x + 65


0,5x – 0,75x < 65 – 80
– 0,25x < – 15
0,25x > 15
x > 60

o número mínimo de ligações é 61.

1
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

49. Para determinar a distância de um barco até a praia, um navegante utilizou o seguinte procedimento: a partir
de um ponto A, mediu o ângulo visual fazendo mira em um ponto fixo P da praia. Mantendo o barco no
mesmo sentido, ele seguiu até um ponto B de modo que fosse possível ver o mesmo ponto P da praia, no en-
tanto, sob um ângulo visual 2 . A figura ilustra essa situação:

Suponha que o navegante tenha medido o ângulo = 30º e, ao chegar ao ponto B, verificou que o barco havia
percorrido a distância AB = 2000 m. Com base nesses dados e mantendo a mesma trajetória, a menor distân-
cia do barco até o ponto fixo P será
a) 1000 m 3 e) 2000 3 m
b) 1000 3 m c) 2000 m
3
d) 2000 m
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve relações trigonométricas no triângulo retângulo.

Posicionando os ângulos na figura, percebe-se que o triângulo ABP é isósceles, logo, a AB = BP.

Considerando o triângulo BCP, temos:

CO 3 PC
sen 60º
H 2 2000
2000 3
PC
2
logo, PC 1000 3

50. Um marceneiro possui uma placa de madeira quadrada com 220 cm de lado e precisa cortar, dos quatro can-
tos, triângulos retângulos iguais para transformar a placa em um octógono regular.

O tamanho dos catetos dos triângulos que serão retirados é de, aproximadamente,
a) 62 cm c) 69 cm e) 77 cm
b) 65 cm d) 73 cm

GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Os triângulos destacados são retângulos e isósceles.
Considerando ―x‖ a medida dos lados desses triângulos, temos:

2
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Aplicando Pitágoras encontramos a hipo-


tenusa do triângulo igual a x 2

Lado do quadrado = 220 cm, logo:

x + x + x 2 = 220
fazendo 2 1,4 , temos:
3,4x = 220
220
x
3,4
x = 64,70

x 65 cm

51. Uma pesquisa no Estado do Ceará constatou que entre 3000 pessoas que contraíram dengue, 1000 pessoas
tiveram dengue do tipo 1, 1100 pessoas tiveram dengue do tipo 2 e 1400 tiveram dengue do tipo 3. Dessas
pessoas entrevistadas, 350 tiveram dengue do tipo 1 e do tipo 2, 300 tiveram dengue do tipo 2 e do tipo 3, 500
tiveram dengue do tipo 1 e do tipo 3 e 100 tiveram os três tipos. Nessa pesquisa, a porcentagem do total de
pessoas que tiveram dengue é, aproximadamente,
a) 81,7% c) 85% e) 87,7%
b) 84,3% d) 86%
GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: A questão envolve Resolução de Problemas via Operações entre Conjuntos.
Através das operações, temos:

3000 pessoas contraíram dengue no Ceará.

No diagrama, a somatória é: 2450

2450
Logo: 0,8166... 81,7%
3000

52. Ana trabalha como vendedora e recebe um salário líquido de R$ 500,00 e mais 2% de comissão sobre as
vendas efetuadas no mês. Essa comissão é paga integralmente, sem nenhum desconto. Ao final de um certo
mês, em que o total de suas vendas foi de R$ 20.000, recebeu como pagamento a quantia de R$ 860,00. Ao
conferir esses dados, concluiu que
a) os cálculos estavam corretos.
b) deveria ter recebido R$ 40,00 a mais.
c) deveria ter recebido R$ 60,00 a mais.
d) deveria ter recebido R$ 80,00 a mais.
e) deveria ter recebido R$ 100,00 a mais.

3
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve função do 1º grau e porcentagem.

Salário = 0,02x + 500 onde x é a venda do mês

Com uma venda de R$ 20.000,00, o salário a receber é:


S = 0,02 . 20000 + 500
S = 400 + 500
S = 900

deveria ter recebido R$ 40,00 a mais.

53. O pêndulo de um relógio cuco faz uma oscilação em cada segundo e a cada oscilação do pêndulo o ―peso‖
desce 0,001 mm. Em 24 horas, o ―peso‖ desce, aproximadamente,
a) 0,0036 m. c) 0,0288 m. e) 0,1728 m.
b) 0,0144 m. d) 0,0864 m.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve proporção e sistema métrico decimal.

1 oscilação / s

24h = 24 . 60 . 60 = 86400 s

Descida

0,001 . 86400 = 86,4 mm 0,0864 m

54. O gráfico abaixo, obtido a partir de dados do Ministério do Meio Ambiente, mostra o crescimento do número de
espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção.

Se mantida, pelos próximos anos, a tendência de crescimento mostrada no gráfico, o número de espécies amea-
çadas de extinção em 2011 será igual a
a) 465 c) 498 e) 699
b) 493 d) 538
GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve função do 1º grau.
De 1983 a 2007, temos 6 intervalos de 4 anos, portanto:
222
461 – 239 = 222 37
6

Ou seja, a cada 4 anos, o número de espécies ameaçadas cresce em 37 unidades, logo, em 2007, teremos:

461 + 37 = 498

4
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

55. O diagrama abaixo mostra a distribuição dos alunos de uma escola de Ensino Médio nos cursos optativos que
são oferecidos no período da tarde:

Note que o diagrama mostra, por exemplo, que apenas 1 aluno frequenta os três cursos ao mesmo tempo e que
31 alunos não frequentam nenhum dos cursos optativos.

A quantidade de alunos que frequentam os cursos de teatro ou dança e não frequentam o curso de fotografia é
a) 16 c) 31 e) 25
b) 14 d) 24
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Operação Conjuntos.
Os alunos que frequentam Teatro ou Dança e não fazem Fotografia corresponde a quem está no quadrilátero e no
hexágono e não está na circunferência, logo: 10 + 8 + 6 = 24.

56. Dezoito quadrados iguais são construídos e sombreados como mostra a figura. Qual fração da área to-
tal é sombreada?

7 1 5
a) c) e)
18 3 9
4 5
b) d)
9 9
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Razão.
Conforme o enunciado, a figura apresenta 18 quadrados.
Cada 2 triângulos sombreados correspondem a um quadrado, logo, temos:
10 triângulos + 3 quadrados sombreados, o que corresponde a 8 quadrados.

8 4
Fração Desejada =
18 9

57. Uma chapa metálica de formato triangular (triângulo retângulo) tem, inicialmente, as medidas indicadas e de-
verá sofrer um corte reto (paralelo ao lado que corresponde à hipotenusa do triângulo) representado pela linha
tracejada, de modo que sua área seja reduzida à metade. Quais serão as novas medidas x e y?

5
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

a) x = 30 cm, y = 20 cm d) x = 20 2 cm, y = 30 2 cm
b) x = 40 cm, y = 30 cm
e) x = 90 2 cm, y = 60 2 cm
c) x = 30 2 cm, y = 20 2 cm
GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Área do Δ original Área do Δ reduzido
40 60 1200
1200 cm² 600 cm²
12 2

Aplicando o Teorema de Tales, sobre semelhança de triângulos, vem:


x 60 3 3y
2x = 3y x
y 40 2 2

Área do Δ reduzido:
x y
600 x . y = 1200
2

3y
Fazendo x , temos:
2
x . y = 1200
3y 2
y 1200 3y = 2400
2
2
y = 800
y = 800
y = 20 2

3y 3 20 2
Como x , temos: x
2 2
x 30 2

58. O professor Lucas tem sua carga horária semanal preenchida com aulas de Geometria, Trigonometria e Álge-
1 1
bra. A divisão é feita da seguinte forma: das aulas são destinadas à Geometria; à Álgebra e as 8 restan-
3 2
tes, à Trigonometria. Quantas aulas de Álgebra o professor Lucas leciona por semana?
a) 16. c) 8. e) 40.
b) 24. d) 48.
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: A questão envolve Problemas que relacionam Operação com Números
Fracionários.

Total de aulas: x

Álgebra Geometria Trigonometria


1 1
x x 8 aulas
2 3

1 1 x x
x x 8 x 8 x
2 3 2 3
3x 2x 48 6x
6 6
6x – 5x = 48

x = 48

Logo, Álgebra = 24 aulas

6
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

59. Quatro caracóis caminham sobre um percurso coberto por azulejos retangulares idênticos. A forma e o com-
primento do percurso de cada caracol está ilustrado a seguir:

As distâncias percorridas por Lalá, Lelé e Lili são, respectivamente, 50 dm, 74 dm e 76 dm. Quantos decímetros
caminhou o caracol Lulu?
a) 60. c) 70. e) 82.
b) 62. d) 78.
GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Sejam a, b e D os lados e a diagonal do azulejo.

Lalá percorreu 5 diagonais de um ladrilho

50 dm = 5D , logo D = 10 dm

Lelé percorreu 5 diagonais e 4 lados 5D + 4b

74 = 50 + 4b ,resulta b = 6 dm

Lili percorreu 11 lados do ladrilho

5a + 6b , então :

76 = 5a + 6 . 6, resulta a = 8 dm

Lulu percorreu 3 diagonais e 6 lados


3D + (2a + 4b)

3 x 10 + 2 x 8 + 4 x 6 = 60 dm

60. Num estabelecimento comercial, uma torneira de vazão constante despeja 20 litros de água por minuto em
uma caixa d’água, inicialmente com 100 litros de água, sendo a capacidade da caixa d´água de 600 litros. O
gráfico cartesiano que representa o volume V de água da caixa d´água, t minutos após a torneira ser aberta,
até que o reservatório fique cheio, é
a) c) e)

b) d)

7
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Função do 1º Grau.

V(t) = 100 + 20t

Como o Volume Total é de 600 l, temos:


100 + 20t = 600
20t = 600 – 100
20t = 500
t = 25 min

61. Maria comprou várias galinhas campeãs em pôr ovos. Ao testar a eficiência das galinhas, ela observou que,
de minuto em minuto, o número de ovos na cesta duplicava. Exatamente às 12 horas, a cesta estava cheia. A
que horas a cesta estava pela metade?
a) 6 horas c) 9 horas e 30 minutos e) 11 horas e 59 minutos
b) 8 horas e 20 minutos d) 10 horas e 40 minutos
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve apenas raciocínio básico.
Se a quantidade de ovos duplica a cada minuto e às 12h a cesta estava cheia, podemos afirmar que no minuto
anterior a cesta estava pela metade, portanto, às 11h59min.

62. Numa embalagem cúbica de 50 cm de aresta, foi encaixada uma placa plana de papelão, para separar seu
interior em duas partes iguais, como mostra a figura a seguir.

Para tanto, gastou-se, em papelão, aproximadamente,


2 2 2
a) 0,35 m . c) 0,25 m . e) 0,20 m .
2 2
b) 0,30 m . d) 0,24 m .
GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Geometria Plana.

d corresponde à diagonal do quadrado,


logo d = 50 2
2
APAPELÃO = 50 . 50 2 = 2500 . 1,4 = 3500 cm
2
= 0,35 m

8
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

63. Como medida de prevenção à dengue, deve ser instalada em uma residência uma caixa d’água fechada, com
capacidade de 1 920 litros, conforme a figura.

A altura (h) dessa caixa d’água é igual a


a) 6 dm. c) 70 cm. e) 8 m.
b) 7 dm. d) 8 dm.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Geometria Espacial.

V = Comprimento x Largura x Altura

V = 120 . 200 . h
3 3
1920 litros = 1920 dm = 1920000 cm

1920000 = 120 . 200 . h


1920000
h
24000
h = 80 cm h = 8 dm

64. Uma praça tem a forma de um polígono regular. Pedro percorreu todos os lados dessa praça, partindo de um
dos vértices e girando 45° para a esquerda, ao chegar a cada um dos demais vértices, até retornar ao ponto
de partida. Essa praça tem a forma de um
a) pentágono. c) heptágono. e) eneágono.
b) hexágono. d) octógono.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Geometria Plana.
45° corresponde ao valor de cada ângulo externo do polígono. Como a somatória dos ângulos externos de qual-
quer polígono vale 360°, temos:

360
n n = 8 (OCTÓGONO)
45

65. Sobre uma mesa retangular de uma sala, foram colocados quatro sólidos, mostrados no desenho. Uma câme-
ra no teto da sala, bem acima da mesa, fotografou o conjunto.

9
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

Qual dos esboços a seguir representa melhor essa fotografia?


a) c) e)

b) d)

GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: A questão envolve Visão Geométrica.
Olhando de cima, o cubo maior está em diagonal com o cubo menor. O esboço que representa melhor essa foto-
grafia é o apresentado na alternativa E.

66. Para dificultar o trabalho dos falsificadores, foi lançada uma nova família de cédulas do real. Com tamanho
variável – quanto maior o valor, maior a nota – o dinheiro novo tem vários elementos de segurança. A estreia
foi entre abril e maio de 2012, quando começaram a circular as notas de R$ 50,00 e R$ 100,00.

As cédulas antigas tinham 14 cm de comprimento e 6,5 cm de largura. A maior cédula será a de R$ 100,00, com
1,6 cm a mais no comprimento e 0,5 cm maior na largura.
Disponível em http://br.noticias.yahoo.com.

Qual a diferença entre as dimensões da nova nota de R$ 100,00?


a) 5,6 cm c) 7,5 cm e) 15,6 cm
b) 6,5 cm d) 8,6 cm
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Operação com Números Decimais.
Comprimento: 14 + 1,6 = 15,6 cm
Largura: 6,5 + 0,5 = 7 cm
Diferença entre as dimensões: 15,6 – 7 = 8,6 cm.

10
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

67. Suponhamos que as velas de duas jangadas sejam triângulos equiláteros e que, num dado instante, as duas
sejam vistas por um observador posicionado em terra, conforme mostra a figura.

Qual é o valor do ângulo x?


a) 30º c) 50º e) 70º
b) 40º d) 60º
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A questão envolve Ângulos.

x + 80° + 60° = 180°

logo, x = 40°

68. Um objeto desloca-se 10 metros no sentido oeste-leste sobre um plano a partir de uma posição inicial. Em
seguida, percorre mais 20 metros no sentido sul-norte, 30 metros no sentido leste-oeste, 40 metros no sentido
norte-sul, 50 metros no sentido oeste-leste e 60 metros no sentido sul-norte. A distância entre a posição inicial
e a posição final é
a) 70 m. c) 50 m. e) 30 m.
b) 60 m. d) 40 m.
GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
X é positivo para cima e negativo para baixo.
Y é positivo para a direita e negativo para a esquerda.

X = 20 - 40 + 60
X = 80 - 40
X = 40m
Y = 10 - 30 + 50
Y = 30m

portanto, o objeto inicialmente na origem ponto (0,0) está no ponto (40,30). Marque este ponto e veja que é possí-
vel formar um triângulo retângulo entre os pontos (0,0);(40,0);(40,30)

faça o teorema de Pitágoras:


c² = b² +a²
c = hipotenusa
c² = 30² + 40²
c² = 900 + 1600
c² = 2500
c = 50m

11
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

69. Para uma demonstração prática, um professor utiliza um tanque com a forma de um paralelepípedo retângulo
cujas dimensões internas correspondem a 30 cm de largura, 60 cm de comprimento e 50 cm de altura. Esse
tanque possui uma torneira que pode enchê-lo, estando ele completamente vazio, em 10 minutos, e um ralo
que pode esvaziá-lo, estando ele completamente cheio, em 18 minutos. O professor abre a torneira, deixando
o ralo aberto, e solicita que um aluno registre o tempo decorrido até que o tanque fique totalmente cheio.

O tempo que deve ser registrado pelo aluno é


a) 21 minutos e 15 segundos.
b) 21 minutos e 30 segundos.
c) 22 minutos e 15 segundos.
d) 22 minutos e 30 segundos.
e) 23 minutos e 15 segundos.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: O volume do tanque é: 30 9 60 9 50 = 90 000 cm3 = 90 σ. Em cada minuto, entram no
tanque: 90 10 9 σ = σ. Em cada minuto, saem do tanque: 90 18 5 σ = σ. Em cada minuto, restam no tanque: 9 σ − 5 σ =
4 σ. Portanto, 90 : 4 = 22,5 min.= 22min e 30s

70. Um grupo de 50 pessoas fez um orçamento inicial para organizar uma festa, que seria dividido entre elas em
cotas iguais. Verificou-se ao final que, para arcar com todas as despesas, faltavam R$ 510,00, e que 5 novas
pessoas haviam ingressado no grupo. No acerto foi decidido que a despesa total seria dividida em partes
iguais pelas 55 pessoas. Quem não havia ainda contribuído pagaria a sua parte, e cada uma das 50 pessoas
do grupo inicial deveria contribuir com mais R$ 7,00. De acordo com essas informações, qual foi o valor da
cota calculada no acerto final para cada uma das 55 pessoas?
a) R$ 14,00. c) R$ 22,00. e) R$ 57,00.
b) R$ 17,00. d) R$ 32,00.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: A despesa pode ser escrita de duas formas de acordo com o valor x que será pago por
cada uma das 55 pessoas no acerto final. Nesse acerto, a despesa (D) pode ser escrita por D = 55x. No acerto inicial,
cada uma das 50 pessoas estava pagando (x - 7) reais e estava faltando 510 reais para completar o valor da despesa,
assim D = 50 (x - 7) + 510. Igualando-se às duas equações e realizando a distributiva, tem-se que: 50x – 350 + 510 =
55x. Logo 5x = 160, x = 32 reais. Sendo x o valor, em reais, da cota de cada uma das 55 pessoas, temos: 5x + 7 ⋅ 50 =
510 5x + 350 = 510 5x = 160 x = 32

71. Um posto de combustível vende 10.000 litros de álcool por dia a R$ 1,50 cada litro. Seu proprietário percebeu
que, para cada centavo de desconto que concedia por litro, eram vendidos 100 litros a mais por dia. Por
exemplo, no dia em que o preço do álcool foi R$ 1,48, foram vendidos 10.200 litros. Considerando x o valor,
em centavos, do desconto dado no preço de cada litro, e V o valor, em R$, arrecadado por dia com a venda
do álcool, então a expressão que relaciona V e x é
a) V = 10.000 + 50x –x2 . c) V = 15.000 – 50x –x2 . e) V = 15.000 – 50x + x2 .
2 2
b) V = 10.000 + 50x + x . d) V = 15.000 + 50x – x .
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: Do enunciado, temos:
V = ⋅ (10000 + 100x) V = (150 – x) ⋅ (100 + x) V = 15000 + 50x – x2

72. A vida na rua como ela é

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) realizou, em parceria com a ONU, uma pesqui-
sa nacional sobre a população que vive na rua, tendo sido ouvidas 31.922 pessoas em 71 cidades brasileiras.
Nesse levantamento, constatou-se que a maioria dessa população sabe ler e escrever (74%), que apenas 15,1%
vivem de esmolas e que, entre os moradores de rua que ingressaram no ensino superior, 0,7% se diplomou. Ou-
tros dados da pesquisa são apresentados nos quadros abaixo.

12
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

As informações apresentadas no texto são suficientes para se concluir que


a) as pessoas que vivem na rua e sobrevivem de esmolas são aquelas que nunca estudaram.
b) as pessoas que vivem na rua e cursaram o ensino fundamental, completo ou incompleto, são aquelas que sa-
bem ler e escrever.
c) existem pessoas que declararam mais de um motivo para estarem vivendo na rua.
d) mais da metade das pessoas que vivem na rua e que ingressaram no ensino superior se diplomou.
e) as pessoas declaram o desemprego como motivo para viver nas ruas.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: Sabendo que a porcentagem de pessoas que vivem na rua por causa do
alcoolismo/drogas é igual a 36%, e que a porcentagem de pessoas que vivem na rua por causa de decepção amo-
rosa é igual a 16%. Somando as duas, temos 52%, como foi estipulado pelo enunciado que apenas 40% desses
52% vivem nas ruas por causa alcoolismo/drogas ou por decepção amorosa, a interseção desses dois casos será
a diferença dessas duas porcentagens: 52 – 40 = 12%.

73. Uma ONG Antidrogas realizou uma pesquisa sobre o uso de drogas em uma cidade com 200 mil habitantes
adultos. Os resultados mostraram que 11% dos entrevistados que vivem na cidade pesquisada são dependen-
tes de álcool, 9% são dependentes de tabaco, 5% são dependentes de cocaína, 4% são dependentes de ál-
cool e tabaco, 3% são dependentes de tabaco e cocaína, 2% são dependentes de álcool e cocaína e 1% de-
pendente das três drogas mencionadas na pesquisa. O número de habitantes que não usa nenhum tipo de
droga mencionada na pesquisa é
a) 146 000. c) 158 000. e) 166 000.
b) 150 000. d) 160 000.
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Considere a figura.

74. Em uma pesquisa realizada com 1 200 pessoas sobre a preferência de leitura dos jornais A, B, C e D, obteve-
se o gráfico:

Calcule quantas pessoas se não preferem o jornal D, então preferem o jornal C. Sabemos, ainda, que 25% prefe-
rem o jornal A, e que o setor circular relativo a B mede 30º.
a) 800. c) 1100. e) 890.
b) 1000. d) 900.

13
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
1200 ----- 100%
A ------- 25%

A = 300

Se A = 300 e por ser o triplo de B, então:


B = 100

Sendo A + B = 400.

Os 800 que sobraram preferem apenas C, pois não preferem D.

75. Arrumando sua estante, Jorge viu que 2/5 da metade dos seus livros são de Matemática, e que os 32 livros
restantes são de outras disciplinas. Quantos livros Jorge possui nessa estante?
a) 40. c) 52. e) 68.
b) 48. d) 60.
GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:

76. Um show de rock foi realizado em um terreno retangular de lados 120 m e 60 m. Sabendo-se que havia, em
média, um banheiro por cada 100 metros quadrados, havia, no show,
a) 20 banheiros. c) 60 banheiros. e) 120 banheiros.
b) 36 banheiros. d) 72 banheiros.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Área do terreno = 120 * 60
Área do terreno = 7200 m²

Havia um banheiro a cada 100 m². Para saber quantos havia, divida 7200 m² por 100 m²

Banheiros = 7200 / 100


Banheiros = 72

Ou seja, resposta "d", 72 banheiros.

14
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

77. Um terreno com formato triangular possui lados com medidas 200 m, 300 m e 400 m. Quanto aos ângulos
formados pelos lados desse terreno,
a) um deles é reto. c) todos são iguais. e) os três são agudos.
b) um deles é obtuso. d) dois são obtusos.
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Seja a =400 (maior lado), b=200 e c= 300 (lados menores)
a² = 160.000, b² = 40.000 e c² = 90.000
Para que um triângulo seja retângulo: a² = b² + c²
Para que um triângulo seja acutângulo: a² < b² + c²
Para que um triângulo seja obtusângulo: a² > b² + c²
Logo temos que 160.000 > 40.000 + 90.0000  160.000 > 130.000, então satisfaz a condição a² > b² + c² , logo o
triângulo é obtusângulo, isto é, possui um ângulo obtuso.

78. Em parques infantis, é comum encontrar um brinquedo chamado escorregador, constituído de uma superfície
plana inclinada e lisa (rampa), por onde as crianças deslizam, e de uma escada que dá acesso à rampa. No
parque de certa praça, há um escorregador, apoiado em um piso plano e horizontal, cuja escada tem 2 m de
comprimento e forma um ângulo de 45° com o piso; e a rampa forma um ângulo de 30° com o piso, conforme
ilustrado na figura a seguir.

De acordo com essas informações, é correto afirmar que o comprimento (L) da rampa é de
a) 2 m.
c) 3 2 m. e) 5 2 m.
b) 2 2 m.
d) 4 2 m.
GABARITO: B
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
1/2/2=2√2/2/x

Fazendo uma regra de três simples fica assim:


x/2 = 2√2/2

Fazendo outra regra de três fica:


2x = 4√2
x = 4√2/2
x = 2√2

79. Para o reflorestamento de uma área, deve-se cercar totalmente, com tela, os lados de um terreno, exceto o
lado margeado pelo rio, conforme a figura. Cada rolo de tela que será comprado para confecção da cerca con-
tém 48 metros de comprimento.

A quantidade mínima de rolos que deve ser comprada para cercar esse terreno é
a) 6. c) 8. e) 12.
b) 7. d) 11.

15
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: Como o lado margeado pelo rio não será cercado, serão necessários
81 + 190 + 81 = 352 metros de tela para cercar. O rolo possui 48 metros de comprimento, logo, serão necessários
352: 48 = 7,33 rolos. Como só é possível comprar rolos inteiros de tela, deverão ser comprados 8 rolos para que possa
ser cercado todo o terreno.

80. A parte interior de uma taça foi gerada pela rotação de uma parábola em torno de um eixo z, conforme
mostra a figura.

3 2
A função real que expressa a parábola, no plano cartesiano da figura, é dada pela lei f(x) x 6x c , onde C
2
é a medida da altura do líquido contido na taça, em centímetros. Sabe-se que o ponto V, na figura, representa o
vértice da parábola, localizado sobre o eixo x. Nessas condições, a altura do líquido contido na taça, em
centímetros, é
a) 1. c) 4. e) 6.
b) 2. d) 5.
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A função do segundo grau f(x)=32x2−6x+C apresenta duas raízes reais iguais, visto que seu gráfico corta o eixo x
em um único ponto. A condição para que isso aconteça é que o discriminante (∆ = b2 – 4ac) dessa função do se-
gundo grau seja igual à zero. Logo, ∆ = b2 – 4ac = (-6)2-4.32.C = 36 – 6C = 0; C=6.

81. A cerâmica constitui-se em um artefato bastante presente na história da humanidade. Uma de suas várias
propriedades é a retração (contração), que consiste na evaporação da água existente em um conjunto ou blo-
co cerâmico quando submetido a uma determinada temperatura elevada. Essa elevação de temperatura, que
ocorre durante o processo de cozimento, causa uma redução de até 20% nas dimensões lineares
de uma peça.
Disponível em: www.arq.ufsc.br. Acesso em: 3 mar. 2012.

Suponha que uma peça, quando moldada em argila, possuía uma base retangular cujos lados mediam 30 cm e 15
cm. Após o cozimento, esses lados foram reduzidos em 20%. Em relação à área original, a área da base dessa
peça, após o cozimento, ficou reduzida em
a) 4%. c) 36%. e) 96%.
b) 20%. d) 64%.
GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Sendo os lados da cerâmica retangular iguais a 30 cm e 15 cm antes do cozimento, sua área é de 30 x 15 = 450
cm2. Com a redução de 20% em cada um dos seus lados, o lado que media 30 cm passa a medir 30 – 0,2 x 30 =
30 – 6 = 24 cm e o lado que media 15, 15 – 0,2 x 15 = 15 – 3 = 12 cm. Assim, a nova área é de 24 x 12 = 288
cm2. Uma redução de 450 – 288 = 162 cm2, o que representa 162450=0,36=36.

82. O ciclo de atividade magnética do Sol tem um período de 11 anos. O início do primeiro ciclo registrado se deu
no começo de 1755 e se estendeu até o final de 1765. Desde então, todos os ciclos de atividade magnética
do Sol têm sido registrados.
Disponível em: http://g1.globo.com. Acesso em: 27 fev. 2013.

No ano de 2101, o Sol estará no ciclo de atividade magnética de número


a) 32. c) 33. e) 31.
b) 34. d) 35.
16
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

GABARITO: A
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Do ano de 1755 para o ano 2101 se passaram 2101 – 1755 = 346 anos. Dividindo esse tempo por 11, que é o
tempo em anos de cada ciclo, encontra-se o número de ciclos completos realizados, e o resto desta divisão, a
quantidade de anos que já se passou do término do último ciclo completo. Assim, 346 : 11 = 31 e sobram 5 anos.
Logo já estará no ciclo 32, ainda não completado.

83. A figura apresenta dois mapas, em que o estado do Rio de Janeiro é visto em diferentes escalas.

Há interesse em estimar o número de vezes que foi ampliada a área correspondente a esse estado no mapa do
Brasil. Esse número é
a) menor que 10. c) maior que 20 e menor que 30. e) maior que 40.
b) maior que 10 e menor que 20. d) maior que 30 e menor que 40.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
A escala mostra a relação entre duas medidas lineares, a do desenho e a da realidade. No mapa do Brasil, cada uni-
dade no desenho equivale a 25.000.000 na realidade, enquanto que no mapa do Rio de Janeiro a mesma unidade
equivale a 4.000.000, ou seja, o aumento linear foi de 25.000.0004.000.000=254. O aumento da área é igual ao qua-
drado do aumento linear (254)2=62516=39,0625. O valor encontrado está entre 30 e 40.

84. As projeções para a produção de arroz no período de 2012 - 2021, em uma determinada região produtora,
apontam para uma perspectiva de crescimento constante da produção anual. O quadro apresenta a
quantidade de arroz, em toneladas, que será produzida nos primeiros anos desse período, de acordo com
essa projeção.

A quantidade total de arroz, em toneladas, que deverá ser produzida no período de 2012 a 2021 será de
a) 497,25. c) 502,87. e) 563,25.
b) 500,85. d) 558,75.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:

A sequência apresentada é uma progressão aritmética (PA). Pede-se a soma dos dez primeiros termos (n) desta PA,
de forma que o primeiro termo (a1) é 50,25 e a razão (r) é a diferença entre o segundo e o primeiro termo
51,5 – 50,25 = 1,25. O último termo dessa PA, o décimo (a10), é calculado através da equação a10 = a1 + (n-1)r =
50,25 + 9(1,25) = 61,5. A soma desses dez termos (S10) é igual a (a1+a10)102=(50,25+61,5)102=111,75⋅5 = 558,75.

17
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

85. O índice de eficiência utilizado por um produtor de leite para qualificar suas vacas é dado pelo produto do
tempo de lactação (em dias) pela produção média diária de leite (em kg), dividido pelo intervalo entre partos
(em meses). Para esse produtor, a vaca é qualificada como eficiente quando esse índice é, no mínimo, 281
quilogramas por mês, mantendo sempre as mesmas condições de manejo (alimentação, vacinação e outros).
Na comparação de duas ou mais vacas, a mais eficiente é a que tem maior índice.

A tabela apresenta os dados coletados de cinco vacas:

Após a análise dos dados, o produtor avaliou que a vaca mais eficiente é a
a) Malhada. c) Maravilha. e) Mimosa.
b) Mamona. d) Mateira.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:

18
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

86. Uma pesquisa da ONU estima que, já em 2008, pela primeira vez na história das civilizações, a maioria das
pessoas viverá na zona urbana. O gráfico a seguir mostra o crescimento da população urbana desde 1950,
quando essa população era de 700 milhões de pessoas, e apresenta uma previsão para 2030, baseada em
crescimento linear no período de 2008 a 2030.

De acordo com o gráfico, a população urbana mundial em 2020 corresponderá, aproximadamente, a quantos bi-
lhões de pessoas?
a) 4,00. c) 4,15. e) 4,50.
b) 4,10. d) 4,25.
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO: Perceba que o gráfico cresce de forma linear de 2010 a 2030, ou seja, nesses 20 anos
tivemos um aumento de 1,5 bilhões de pessoas. Em 10 anos, teremos exatamente a metade desse crescimento, 0,75
bilhões de pessoas. Como sabemos que a população era de 3,5 bilhões em 2010, só acrescentar os 0,75+3,5=4,25
bilhões de pessoas.

87. Fractal (do latim fractus, fração, quebrado) — objeto que pode ser dividido em partes que possuem semelhan-
ça com o objeto inicial. A geometria fractal, criada no século XX, estuda as propriedades e o comportamento
dos fractais — objetos geométricos formados por repetições de padrões similares.

O triângulo de Sierpinski, uma das formas elementares da geometria fractal, pode ser obtido por meio dos seguin-
tes passos:
1) comece com um triângulo equilátero (figura 1);
2) construa um triângulo em que cada lado tenha a metade do tamanho do lado do triângulo anterior e faça
três cópias;
3) posicione essas cópias de maneira que cada triângulo tenha um vértice comum com um dos vértices de cada
um dos outros dois triângulos, conforme ilustra a figura 2;
4) repita sucessivamente os passos 2 e 3 para cada cópia dos triângulos obtidos no passo 3 (figura 3).

De acordo com o procedimento descrito, a figura 4 da sequência apresentada acima é

19
2015 - 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

a) c) e)

b) d)

GABARITO: C
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Encolhendo os triângulos pretos sempre pela metade, teremos como figura 4 o triângulo da opção C. Seguindo
sempre a regra de encolher os triângulos pretos, chegaremos à seguinte sequência, acompanhe:

88. Em um triângulo, a medida da base, a medida da altura e a medida da área formam, nessa ordem, uma P.G
de razão 8. Então a medida da base vale
a) 1 c) 4 e) 16
b) 2 d) 8
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Seja A a base, B a altura e C a área, então A.B = 2C.
Como estão, nessa ordem, em PG de razão 8, teremos: B = 8ª e C = 64A. Como a área é igual à base vezes a
altura divido por dois, então a base vezes a altura é igual ao dobro da área; teremos A.B = 2C que, fazendo as
devidas substituições, reduziremos à equação A.8A = 128ª
8A = 128
A = 16

20
2015 – 1º SIMULADO ENEM – 2ª SÉRIE

89. Na literatura de cordel, os textos são impressos, em geral, com 8, 16, 24 ou 32 páginas de formato 10,5 cm x
15,5 cm. As razões históricas que explicam tal fato estão relacionadas à forma artesanal como são montadas
as publicações e ao melhor aproveitamento possível do papel disponível. Considere, abaixo, a confecção de
um texto de cordel com 8 páginas (4 folhas):

Utilizando o processo descrito acima, pode-se produzir um exemplar de cordel com 32 páginas de
10,5 cm x 15,5 cm, com o menor gasto possível de material, utilizando uma única folha de
a) 84 cm x 62 cm c) 42 cm x 31 cm e) 21 cm x 31 cm
b) 84 cm x 124 cm d) 42 cm x 62 cm
GABARITO: D
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Essa forma de divisão sempre gera um número de páginas representado por potências
de 2. Como queremos 32 páginas, implica em 16 folhas. De acordo com as orientações
de dobras, a divisão da folha será em 4 x 4 retângulos, com a altura maior que a largura.
Logo, as dimensões serão: (10,5 x 4) por (15,5 x 4) por = 42cm x 62cm.
OBS: Repare que as divisões da folha possuem mesma área, mas a de menor
perímetro foi 4 x 4.

90. O diagrama abaixo mostra uma pilha de caixas cúbicas iguais, encostadas no canto de um depósito.

Se a aresta de cada caixa é de 30 cm, então o volume total dessa pilha, em metros cúbicos, é de
a) 0,513 c) 0,810 e) 0,864
b) 0,729 d) 0,837
GABARITO: E
COMENTÁRIO/RESOLUÇÃO:
Temos 32 caixas
Logo, cada caixa tem volume: 0,3³ = 0,027
32x0,027= 0,864

21
JARDIM DA PENHA
(27) 3025 9150

JARDIM CAMBURI
(27) 3317 4832

PRAIA DO CANTO
(27) 3062 4967

VILA VELHA
(27) 3325 1001

www.upvix.com.br