Você está na página 1de 21

SETOR DO COMÉRCIO E SERVIÇOS -

CONCEITOS E PRINCÍPIOS GERAIS

UFCD 9203 25 Horas

Célia Martins 1
OBJETIVOS

• Identificar as principais linhas de enquadramento


socioeconómico do setor do comércio e serviços.
• Reconhecer as principais linhas de tendência de
evolução do comércio e serviços em Portugal.
• Distinguir as diferentes tipologias e modelos
organizacionais das empresas do setor do
comércio e serviços.
Célia Martins 2
CONTEÚDOS

• Setor do comércio
• Evolução histórica do comércio e serviços
• As atividades de comércio e serviço
• Definição e âmbito
• Caracterização e classificação

Célia Martins 3
CONTEÚDOS

• Caracterização do sector do comércio e


serviços
• Atualidade
• Tendências de evolução
• Entidades nacionais e internacionais reguladoras
do comércio e serviços
• Legislação fundamental relativa à atividade de
Célia Martins
comércio e serviços 4
CONTEÚDOS

• Modelos organizacionais
• Modelos organizacionais das empresas do setor
do comércio e serviços
• Estruturas
• Estratégias
• Mercados

Célia Martins 5
Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Entende-se por comércio a troca de mercadorias


por dinheiro ou de uma mercadoria por outra.
A atividade comercial é inerente à natureza e às
necessidades humanas, pois todos temos
necessidades, e se não existisse moeda, trocaríamos
bens que temos em excesso por outros que não
possuímos.

Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

A atividade comercial é das mais importantes por


permitir colocar à disposição dos consumidores, em
mercados física ou economicamente delimitados
grande variedade de bens e serviços, necessários à
satisfação das necessidades humanas.

Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Neste sentido, diz-se, também, que o comerciante é


a pessoas física ou jurídica que aproxima
vendedores e compradores, levando-os a completar
uma operação comercial, ou seja, a troca de
mercadorias por dinheiro ou por outras
mercadorias.
Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Atividade comercial é uma atividade económica,


classificada como do setor terciário, que tem por
objetivo a compra e venda de mercadorias.

Por exemplo, uma loja de calçados, compra (grandes


quantidades), para revendê-los ao consumidor final,
que os adquire conforme suas necessidades.
Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

Poderiam ainda ser citados como exemplos, a loja


de material de construção, a loja de roupas, o
supermercado, a loja de eletrodomésticos, entre
outros.

Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

A atividade comercial (setor terciário) é diferente da


atividade industrial (setor secundário), pois, como vimos,
ela apenas comercializa - vende para o consumidor final -
os produtos fabricados pela indústria.

Pode-se classificar as atividades económicas em três


categorias:
Célia Martins
CONCEITOS FUNDAMENTAIS

setor primário (extração de minerais, pecuária,


agricultura); secundário (indústria de transformação -
montadoras de automóveis, fabricas de refrigeradores,
fábricas de sapatos, entre outras); e terciário (comércio
e serviços como bancos, seguradoras, medicina, entre
outras).
Célia Martins
EVOLUÇÃO HISTÓRICA

https://www.youtube.com/watch?v=8aBLFiCRJs0
Célia Martins
Precisar o período em que as atividades comerciais
foram inventadas é um tipo de tarefa praticamente
impossível de ser cumprida. Contudo, podemos
realizar uma breve projeção sobre como as
primeiras trocas comerciais apareceram no
quotidiano de certas civilizações.
Célia Martins
Não é possível identificar a existência de comércio
formalmente instituído nos tempos primitivos pelo
fato de, nessa época, os produtos se destinarem
apenas à subsistência; isto é, não ocorria a troca de
excedentes.

Célia Martins
Os grupos, nómadas e geralmente de uma mesma família,
isolados uns dos outros eram auto-suficientes; ao iniciarem
um processo de aproximação, iniciou também a primeira
forma de comércio – a troca. Com as trocas, as riquezas
foram sendo melhor aproveitadas e cada grupo podia se
dedicar a produzir aquilo para o que fosse mais apto.
Célia Martins
Com o passar do tempo, vemos que essas trocas
comerciais se tornaram cada vez mais complexas e
envolviam uma gama cada vez maior de produtores.
Em algumas situações, o produto de troca oferecido
por um trabalhador não era aquele que atendia às
necessidades de outro.
Célia Martins
Além disso, a comercialização de determinadas
mercadorias de grande porte e de difícil transporte
poderia tornar as trocas diretas muito complicadas
para as partes envolvidas.

Célia Martins
Foi daí então que as primeiras moedas apareceram
como um meio de dinamizar as atividades
comerciais entre os povos. Além de serem aceites
como meio de troca, as moedas deveriam ser de
fácil transporte, possuir valores fracionados, ter
grande durabilidade e não deveriam ser feitas de um
material mais importante para outro tipo de
atividade.

Célia Martins
Naturalmente, todas essas qualidades para uma
moeda foram definidas por um longo processo, até
que as ligas de metal fossem empregadas como
forma de pagamento.

Célia Martins