Você está na página 1de 67

EDUARDO PAES

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

REGINA HELENA DINIZ BOMENY


SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

JUREMA HOLPERIN
SUBSECRETARIA DE ENSINO

MARIA DE NAZARETH MACHADO DE BARROS VASCONCELLOS


COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO

MARIA DE FÁTIMA CUNHA


COORDENADORIA TÉCNICA

ELOISA SABOIA
CONSULTORIA

MARCIA DOS SANTOS GOUVÊA


REDAÇÃO FINAL

ADRIANA MENDONÇA DE OLIVEIRA


DIONE SOUZA LINS
FERNANDA DE JESUS COUTINHO
JACQUELINE MAC-DOWELL LOPES ALVES
MARIA LUISA OLIVEIRA DE SÁ
MARIANE TRAVASSOS DOS SANTOS
MARYNETE DE OLIVEIRA BATISTA RODRIGUES
COLABORAÇÃO

2
2ª VERSÃO (REVISÃO)

JACQUELINE MAC-DOWELL LOPES ALVES


MARCIA DOS SANTOS GOUVÊA
SABRINA DE OLIVEIRA BOUÇAS
COORDENAÇÃO

COLABORAÇÃO:

CAMILA LOURO MACHADO ALESSANDRA BARBOSA ANDRADE


FRANCISCO CARLOS DE PAULA MARIA BEATRIZ LOPES MARTINS
(E/SUBE/1ª CRE) SIMONE SILVA SANTIAGO
SUZANNE GODOLPHIM E SILVA TOCCI
CELIA DAMIANA TEIXEIRA DA CRUZ (E/SUBE/7ª CRE)
KATIA FERNANDA DESIDÉRIO BRANDÃO
(E/SUBE/2ª CRE) DAYSE NICOMEDES FONSECA
LIVIA OLIVEIRA SANTOS
LILIA SANT’ANA DIAS MARCELO SOUZA
(E/SUBE/3ª CRE) MONALISA SILVA PEREIRA
VANESSA DOS SANTOS SOARES
LILIANE DO AMARAL GAGLIONE (E/SUBE/8ª CRE)
(E/SUBE/4ª CRE)
LUCILIA DE JESUS LOPES
JANILDA PEREIRA DO NASCIMENTO VANIA MARIA LOPES ABREU
(E/SUBE/5ª CRE) (E/SUBE/9ª CRE)

MARIA CANDIDA RIBEIRO DO COUTO CLAUDIA MARIA MACEDO


MARINES RAMOS DE FARIAS MARIA JOSÉ DOS SANTOS
(E/SUBE/6ª CRE) (E/SUBE/10ª CRE)

LENORA DE ABREU CORREA


(E/SUBE/11ª CRE)

3
Prezado Professor, Prezada Professora,

Seguindo os pressupostos apresentados nos fascículos de atualização da Multieducação, o ensino das Artes Plásticas se apresenta na
perspectiva das Artes Visuais, trazendo à cena o estudo reflexivo, crítico e analítico sobre Visualidade e tendo, como conceitos básicos da
disciplina, a Estética da Imagem, o Texto Imagético e os Elementos de Visualidade, sabendo-se que

“vivemos numa sociedade de consumo, onde a atuação da mídia como intermediária nos processos de produção e apreciação de imagens é
determinante. Faz-se urgente a necessidade de questionarmos com nossos alunos como a visualidade é tratada, utilizada e divulgada nas redes
midiáticas, além dos princípios éticos e estéticos e da qualidade que envolvem esses processos.” (Multieducação, Artes Plásticas, p.21)

O material pedagógico intitulado Orientações Curriculares pretende ampliar a discussão e oferecer algumas orientações para o processo
ensino-aprendizagem da disciplina. Esperamos que, pela riqueza do tema, as possibilidades não se esgotem; ao contrário, venham fomentar
novos caminhos, ideias e projetos criativos, significativos e contextualizados à realidade dos alunos e ao cotidiano escolar, motivadores de
uma prática prazerosa, que desperte a imaginação, a cognição, o diálogo e o fazer poético.

Ao trazermos para o contexto da escola o estudo sobre a imagem, suas implicações, complexidades e desdobramentos trazem também uma
discussão sobre as produções artísticas, numa relação dialógica entre as diferentes culturas, nos diferentes espaços e tempos históricos. Esta
possibilidade enriquece e nutre o conteúdo proposto para o currículo de Artes Visuais, valorizando as manifestações artísticas realizadas ao longo da
história.

Assim, pensar a prática educativa na perspectiva da leitura de imagens, considerando-as enquanto objetos culturais, implica em promover o diálogo
entre as diferentes produções imagéticas, refletindo sobre o seu caráter plural e multicultural, sobre os contextos histórico, social, político e
econômico de uma sociedade. Possibilita a análise artística e estética dessas composições, o estudo sobre as diferentes categorias de arte, os
diferentes suportes e materiais, as técnicas e elementos formais utilizados, os conceitos abordados, as diferentes e possíveis leituras das obras, a
biografia dos autores, em suas contribuições histórico-sociais e às Linguagens Artísticas. Possibilita a reflexão sobre a intencionalidade das
produções artísticas selecionadas para o estudo. Possibilita o planejamento do curso por projetos de trabalho, contemplando a participação dos
alunos em todo o processo, desde a escolha do tema e do levantamento de hipóteses, até a dinâmica de seu desenvolvimento e procedimentos
avaliativos.

4
Pensar no fazer artístico em sala de aula pressupõe projetos que retomem o prazer de se “fazer arte”, de se “aprender arte” e de se “ensinar arte” para
crianças e adolescentes. Pressupõe a promoção da imaginação e da ludicidade, da leitura e crítica reflexivas e do fazer poético para o ensino e a
aprendizagem das Artes Visuais enquanto linguagem, com conceitos e conteúdos específicos, estimuladora da sensibilidade e da cognição humanas.

Pressupõe que o aluno seja um fruidor e não somente um espectador das produções imagéticas. Enfim, que interaja, participe, dialogue, estabeleça
relações, construindo conhecimento a partir do que lhe é apresentado.

As Orientações Curriculares se apresentam como um desdobramento do trabalho já realizado com os professores da Rede, ao longo dos anos, na
perspectiva da formação continuada, através da realização de encontros, cursos, produção de material de apoio pedagógico, palestras, seminários e
Mostras de Artes Visuais. Visa a sistematizar o que você, Professor, com certeza, já realiza em sala de aula.

Mais que uma diretriz, o material pretende enriquecer sua proposta de ensino, na medida em que a escolha dos conteúdos e objetivos prioriza as
habilidades mais adequadas aos diferentes períodos do desenvolvimento humano, ampliadas ao longo dos anos de escolaridade, garantindo, dessa
forma, a aprendizagem dos alunos, ainda que esses conteúdos não tenham sido trabalhados anteriormente, devido à estruturação da grade curricular
da Rede Municipal de Ensino.

O material foi construído, de forma coletiva, com a participação de professores das Coordenadorias Regionais de Educação, que estiveram presentes
nos diferentes momentos de atualização da Multieducação e de formação de professores de Artes Plásticas.

O presente documento reveste-se de um significado especial ao contribuir para a prática pedagógica do professor regente do 1º ao 5º ano, à medida
que, não somente subsidia, mas também reconhece e valoriza essas práticas, neste período escolar. Dessa forma, amplia o trabalho já realizado ao
sistematizar conceitos e conteúdos específicos da Linguagem das Artes Visuais.

Com certeza fica, para nós, a satisfação de contribuir para a implementação de um currículo, cuja metodologia contemple as inúmeras propostas
de trabalho de qualidade inquestionável, já existentes nas escolas da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro.

Marcia dos Santos Gouvêa


E/SUBE/7ª CRE/GED

5
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS *

Prezado Professor, Prezada Professora,

Ao analisarmos historicamente os currículos escolares brasileiros, podemos observar que o Ensino da Arte1 configura-se como uma área de recente
atuação, apresentando, nas últimas décadas, uma trajetória repleta de vicissitudes e transformações que terminaram por congregar as múltiplas práticas
pedagógicas encontradas, hoje, na dinâmica curricular de nossas escolas.

A promulgação da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional2, que tornou obrigatório o ensino da arte em todo o território nacional, nos ensinos
fundamental e médio, referendou a luta política e conceitual já existente no cotidiano da escola, para que a área das artes e das simbolizações fosse
reconhecida, enquanto campo de saber, conhecimento, linguagem, trabalho e produção.

Contudo, para além da vontade política legislativa, fez-se, ao longo dos últimos anos e ainda faz-se necessário, um conjunto de ações que efetivamente
consolidem essa proposta. Em Artes Visuais, amplia-se o grupo de educadores que passa a incorporar em suas ações educativas novas concepções,
consonantes com as novas visualidades que se apresentam em nossa sociedade: preocupam-se em garantir às crianças e jovens uma formação estética,
artística e cultural de qualidade, em transformar o cotidiano escolar enquanto espaço de mediação estética e ética, cultural e social. Surgem novas
pesquisas e amplia-se a bibliografia na área, divulgam-se experiências de ponta e bem-sucedidas, revitalizam-se entidades político-representativas e
projetos que valorizam a arte na escola, em suas múltiplas abordagens.

A elaboração do presente documento se constitui também como desdobramento dessas iniciativas. De forma colegiada, aceitamos o desafio de
elaborar uma proposta pedagógica aberta, para que o professor trilhasse seu próprio caminho, elaborando, com seus pares e alunos, projetos de
trabalho contextualizados e significativos, estabelecendo conexões entre objetivos, conteúdos e habilidades, de acordo com as características do
desenvolvimento humano e as necessidades socioculturais de cada grupo-turma, em interface com o projeto político-pedagógico de cada escola.

Tomamos por base os princípios da Multieducação3, pesquisas e estudos de referência, já abordados nos textos e materiais pedagógicos utilizados nas
palestras, cursos, encontros de atualização e formação continuada para os Professores de Artes Plásticas.

(*) Na Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro, as Artes Plásticas se configuram pelo ensino de Artes Visuais.
1 O Ensino da Arte, segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais (proposta do Ministério da Educação, tendo por fundamento a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB 9394/96), considera como

linguagens artísticas as Artes Visuais, a Dança, a Música e o Teatro.


2 A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394 / 96 considerou Art como componente curricular obrigatório, nos diversos níveis da educação básica, de forma a promover o desenvolvimento cultural

dos alunos.

6
Na elaboração da presente proposta de trabalho, algumas variáveis nortearam nossas ações. Diante de infinitas possibilidades de estruturação das ideias
pedagógicas, tivemos que realizar opções. Priorizamos alguns conceitos, abordagens, estruturas, formato de apresentação. Optamos por não
caracterizá-la como um programa de ensino fechado, mas uma proposta aberta e flexível.

Investimos no retomar de conceitos básicos da disciplina: os ELEMENTOS DE VISUALIDADE ou CÓDIGOS VISUAIS, que terão sua análise sempre nutrida
pelas imagens que permeiam nossa CULTURA VISUAL, da HISTÓRIA DAS IMAGENS às NOVAS VISUALIDADES4, numa proposta intertextual e intercultural,
que reflete criticamente sobre as questões hegemônicas, favorecendo o diálogo entre o passado, o presente e o porvir, o popular, o erudito e o
tecnológico, o local e o global, atendendo aos hibridismos da contemporaneidade.

A ESTÉTICA DA IMAGEM será bastante explorada, considerando-se a imagem enquanto objeto cultural, texto plural, repleto de significados históricos,
sociais, políticos e econômicos de determinada cultura, a serem desvelados pela ativação dos sentidos e cognições, no processo de leitura que chamamos
de APRECIAÇÃO ESTÉTICA, sempre valorizando os aspectos semânticos, sintáticos e expressivos de cada imagem apreciada. E não poderíamos deixar de
ressaltar a elaboração sensível e cognitiva do TEXTO IMAGÉTICO pelo aluno, articulando, na prática e de forma expressiva, os elementos formais
estudados. Ao criar novas imagens, que apresentam outras relações compositivas, o aluno termina por conferir aos elementos formais novos significados,
numa poética significativa e própria.

Na elaboração dessa proposta, centrada na exploração de três eixos5, referendamos o trabalho metodológico já aplicado na Rede Municipal de Ensino do
Rio de Janeiro. Do 1º ao 5º ano de escolaridade, trabalhamos com professores generalistas, que não necessariamente receberam, em sua formação
acadêmica de origem, orientação para o trabalho nesta linguagem específica. Tais professores, no entanto, encontram-se com a responsabilidade de
realizar atividades artísticas, na efetivação de um currículo comprometido com o desenvolvimento dos sistemas simbólicos, a criação, o lúdico e o
prazeroso.

3O núcleo curricular básico Multieducação chegou às escolas da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro em 1996. Embora seja norteador da prática educacional, permite e incentiva, a partir de sua concepção e
orientação, que cada Unidade Escolar desenvolva o seu trabalho pedagógico com base na identificação das características peculiares de sua comunidade. Os novos fascículos propõem novos diálogos, reveem
conceitos, acrescentam temáticas e ampliam propostas anteriormente discutidas.

4 Consideramos enquanto novas visualidades as produções imagéticas da criação da fotografia até a contemporaneidade (fotografia, quadrinhos, ilustração, animação, vídeo, cinema, objeto, instalação, vídeo–
instalação, publicidade, moda e outras).Todas essas produções fazem parte da História das Imagens e só estão colocadas, em separado, na proposta curricular do 6º ao 9º Ano de escolaridade, por uma questão
de ênfase didática, para que o professor tenha maior visibilidade, no sentido de articular os três eixos da coluna conteúdo(Códigos de Visualidade, História das Imagens e Novas Visualidades) de forma
dinâmica, estabelecendo constantes relações ao longo do ano letivo.

5Os três eixos para o desenvolvimento do trabalho pedagógico em Artes Visuais têm, como pressuposto teórico, as pesquisas de Ana Mae Barbosa, que defende a Proposta Triangular – História da
Arte/Contextualização, Leitura da Imagem /Apreciação Estética e Fazer Artístico/Texto Imagético.

7
Tais fatos nos levaram a um tipo de formatação nesta Orientação Curricular onde os objetivos, conteúdos, habilidades e sugestões de atividades
estão disponíveis para serem trabalhados durante todo o ano letivo, de acordo com a elaboração de projetos de trabalho que este professor poderá
realizar com seus pares, em sua unidade escolar, na comunidade e m q u e esteja inserido.

Os conteúdos, no entanto, ganham complexidade, respeitando-se as características do desenvolvimento humano e o desenvolvimento das
habilidades já exploradas. Nos 3º, 4º e 5º anos de escolaridade, introduzimos, respectivamente, conteúdos artísticos nutridos pelas imagens da Arte
Popular, da Arte Indígena e da Arte Africana.

O fato de serem oferecidas, na Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro, três linguagens artísticas é, sem dúvida, uma grande conquista,
contudo, pela abertura que a legislação oferece6, não necessariamente há a garantia de continuidade da mesma linguagem, ao longo dos diferentes anos
de escolaridade. Essa variável nos levou a dar continuidade à formatação já utilizada do 1º ao 5º ano, ao elaborarmos a Orientação Curricular do 6º ao 9º
ano de escolaridade. Os objetivos, as habilidades e as sugestões de atividades oferecidas estão dispostos por ano de escolaridade e obedecem a uma
lógica de abordagem, mas não são lineares. É o professor de Artes Visuais quem melhor poderá, de forma autônoma, pesquisadora, criativa e
compromissada analisar as sugestões aqui oferecidas e realizar escolhas, organizando um projeto de trabalho que atenda aos objetivos e habilidades da
disciplina, elencados para determinado ano de escolaridade, sendo coerente com as características e necessidades de seus alunos, com a continuidade
dos conhecimentos já adquiridos nesta linguagem artística e as possibilidades interdisciplinares e interculturais de cada realidade escolar.

Em relação aos conteúdos abordados, ousamos distribuí-los em três eixos paralelos, que deverão ser trabalhados junto aos alunos, em conexões
constantes. Denominamos didaticamente estes três eixos de ABORDAGENS ESTÉTICAS, com o intuito de pontuar para o professor que a HISTÓRIA DAS
IMAGENS, de diferentes tempos e espaços e as NOVAS VISUALIDADES de nossos tempos e espaços7 devem estar em constante diálogo, contextualizando
o aluno à cultura visual de nossos dias, ampliando seu repertório imagético e nutrindo a análise, o estudo e a exploração dos elementos formais
necessários à elaboração sensível, crítica e reflexiva de seus textos imagéticos.

6Os Parâmetros Curriculares Nacionais consideram como Arte quatro das diferentes linguagens artísticas: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro. A obrigatoriedade do ensino da arte, contudo, deixa em aberto
qual a linguagem artística que será otimizada junto aos alunos, estando tal organização de acordo com a oferta de professores existentes em cada escola e suas respectivas e diferenciadas formações
acadêmicas.

7No mundo contemporâneo, o uso das novas tecnologias subvertem as noções normatizadas e lineares de espaço e tempo, a globalização, através da TV, invade o espaço de nossa casa com imagens de todo o
mundo, fala-se hoje à noite on-line com alguém no Japão, que já se encontra no amanhã.

8
A ARTE BRASILEIRA constitui-se como o grande bastidor8 desta Orientação Curricular; é ela quem sustenta as diferentes categorias desta Orientação:
os objetivos, as habilidades, os conteúdos ou as abordagens estéticas e as sugestões de atividades do 1º ao 9º ano de escolaridade, da pré-história à
contemporaneidade, da arte popular à arte contemporânea, perpassando dos fazeres especiais à estética do cotidiano e às novas tecnologias da
imagem. A interface com outras culturas, estilos, artistas e/ou movimentos artísticos de outros países, importantes para a história da Arte Brasileira,
estarão garantidos através do que chamamos de Conexões Estéticas. Tais conexões devem ser ampliadas e enriquecidas pelas sugestões dos
professores e alunos, na otimização dos projetos de trabalho.

Caberá ao professor, entretanto, a tessitura deste currículo, puxando cotidianamente os fios de cada categoria desta Orientação Curricular,
estabelecendo relações, tramas, conexões, vieses, arremates, transpasses, desarranjos e reconstruções. À primeira vista, a imagem de um
currículo de Artes Visuais. Um olhar mais acurado, no entanto, será capaz de revelar em seu verso todo o processo de tessitura realizado, processo
que compõe o fluxo da historicidade, as marcas políticas e a instância de criação no gesto pedagógico.

Eloisa Sabóia
Consultora

8 Bastidores
são caixilhos de madeira que, desde antes da Idade Média, eram utilizados nas atividades de bordado. Os bastidores focavam, enquadravam o local de atuação das finas e delicadas agulhas, que
habilmente entremeavam fios de diferentes texturas e cores. Tais fios incorporavam-se à tessitura nos arremates, nós, cortes, desvios, relevos e transpasses, materializando belíssimas e encantadoras
imagens.

9
PREFÁCIO 2ª VERSÃO

REVISÃO

ORIENTAÇÕES CURRICULARES DE ARTES VISUAIS – 2015

O presente documento é dedicado a você, Professor de Artes Visuais desta mega rede de ensino. Você, Professor, estudioso que aceita desafios
constantes em sua práxis escolar, que busca meios e recursos a cada aula planejada. Você, Professor, que antes de tudo, acredita ser possível realizar
um projeto de trabalho com responsabilidade e compromisso com a qualidade do que se ensina nas aulas de Artes Visuais.

Realizaremos um breve histórico de todo o processo de Revisão das Orientações Curriculares de Artes Visuais que se inicia a partir de um novo contexto
de solicitação dos Professores que, ao manusear a primeira versão, vislumbraram que ela poderia ter um alcance maior nos seus desdobramentos em
sala de aula. Houve necessidade, também, porque, desde 2011, o Ensino de Artes Visuais vem atendendo ao 1º segmento.

Entendendo, por essas razões, que havia urgência em se adequar o documento norteador do ensino de Artes Visuais às necessidades pedagógicas que
surgiam, foi proposto o caminho a ser trilhado para esse trabalho – revisitar as Orientações Curriculares de Artes Visuais com e para os Professores, da
mesma forma como ocorreu quando da elaboração da primeira versão. Em 2014, os Professores foram previamente inscritos em suas Coordenadorias
Regionais de Educação, via circular enviada para as Gerências de Educação. Contamos, ainda, com a orientação pedagógica dos profissionais
responsáveis pela coordenação do primeiro documento, 1ª versão, 2010.

Sinalizamos, também, a parceria do Museu de Arte do Rio, que disponibilizou suas salas para a realização dos encontros, além de propiciar as visitas às
exposições, culminando com a palestra sobre Curadoria, ministrada pelo Prof. Dr. Felipe Scovino, da UFRJ.

Em seguida, iniciou-se o processo de Formação dos Professores e a criação de grupos de trabalho, divididos por ano de escolaridade, na tentativa de
otimizar o tempo e de potencializar a experiência de todos.

Ao longo do processo houve muitas sugestões e as adequações se deram na perspectiva da proposta curricular vigente para o Ensino de Artes Visuais.
Surgiram algumas ideias de como ampliar os saberes apreendidos em sala de aula, em virtude das visitas aos diferentes espaços culturais e das visitas, às
escolas, de produtores artísticos, com o objetivo também de valorizar os artistas locais. Outra sugestão se deu no campo dos GTs: a elaboração de um
Caderno de Atividades para os Professores, contendo pranchas sobre alguns artistas que estão, inclusive, contemplados neste caderno.

10
Foram propostos TEMAS para essa revisão, como tratamento das imagens digitais, a relação da arte com a tecnologia, a neurociência e a EcoArt,
desafiando o grupo para novos olhares. Entendemos que, na verdade, não são olhares novos, já que fazem parte da prática do Professor, sempre em
permanente processo de renovação, em busca de motivações para a aprendizagem de todos os seus alunos. Acreditamos que as sinalizações, em busca
de novos subsídios, via diagnóstico, realizado no início do ano letivo, sejam adequadas, como sempre, ao perfil dos alunos e às suas reais necessidades.

É possível também promover a cultura da pesquisa em artes, partindo-se de contextos da atualidade, ressaltando a vivência com as novas tecnologias,
levando o aluno a pensar arte de forma crítica, como apreciador e produtor, sempre sensível à realização de seus projetos artísticos. Por todo o exposto,
a estrutura das Orientações Curriculares de Artes Visuais não está presa a bimestre, para que cada Professor possa aplicar conteúdos pertinentes e
significativos, relacionando-os aos diversos objetivos e habilidades que atendam às demandas de seus alunos.

A abordagem da ARTE AFRICANA, bem como da ARTE INDÍGENA, em todos os anos de escolaridade, é um aspecto de mudança positiva, trazendo em si
muitas possibilidades interessantes no que se refere a fazer com que o ENSINO DE ARTES contribua, efetivamente, para a formação de cidadãos éticos e
conscientes da cultura que não só lhe constituiu e lhe constitui, assim como lhes pertenceu e lhes pertence.

Acrescentar a coluna dos EIXOS TEMÁTICOS é uma forma de sinalizar ao professor que alguns temas precisam transitar por todos os períodos escolares e
devem perpassar por todo o Currículo de Artes Visuais, podendo ser trabalhados individualmente ou em grupo, conforme o planejamento de cada
Professor e de cada turma.

Podemos também ter, como parâmetro, a EDUCOPÉDIA, plataforma digital da Secretaria Municipal de Educação, elaborada por professores da Rede.
Nela, encontraremos aulas que têm, como referencial, as Orientações Curriculares de Artes Visuais.

A você, Professor de Artes Visuais, sugerimos que disponibilize, para os seus alunos, o que há de melhor, ao seu alcance, despertando neles o prazer de
estudar e fazer arte na escola. Caminhos estão oferecidos e a fundamentação teórico-metodológica disponibilizada pela bibliografia de referência
destacada no documento. Desejamos uma relação positiva e coerente com a demanda que se impõe pela contemporaneidade, atrelada sempre ao
ensino de qualidade.

11
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 1º ANO

EIXOS BIMESTRES
OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Observar imagens artísticas. X X X X Disponibilizar produções imagéticas


(reproduções ou não) de diferentes
Falar sobre as imagens, autores e estilos.
IDENTIDADE Desenvolver a História das imagens: X X X X
percepção sensível e a produções artísticas estabelecendo relações com
suas experiências. Trazer, para a sala de aula, produções da
imaginação criadora. diversificadas, em diferentes
cultura visual, nas diferentes categorias
espaços e tempos, dos
das artes visuais, como pintura, escultura,
MEMÓRIA primeiros tempos à Interagir com as diferentes desenho, gravura, imagens digitais e
contemporaneidade, produções artísticas, utilizando- X X X X gráficas (ilustrações de livros, publicidade
perpassando por diferentes se de suas percepções (órgãos
de revistas e jornais, capa de CD,
culturas, como a Arte Africana dos sentidos). cartazes), fotografias, objetos e
ÉTICA e a Arte Indígena (Lei 11
instalações, animações, vídeos, cinema,
645/2008 Art.26 e 27), Arte
Brincar e jogar com imagens X X X X entre outras.
Oriental e a Cultura Popular.
artísticas diversificadas.
Apresentar as imagens, enquanto texto,
AUTONOMIA
Ampliar o repertório imagético. de maneira a provocar a curiosidade e a
X X X X
narrativa dos alunos sobre a realização:
Construir conhecimentos X X X X tipo de imagem, tema, cenário, figurino e
artísticos. personagens, relações com as suas
vivências.
Dramatizar e improvisar, a partir
Disponibilizar histórias, brincadeiras,
de imagens, utilizando-se de seu
X X X X desenhos, jogos de regras e jogos de faz
imaginário e dos recursos
de conta (imaginação e inventividade).
expressivos na exploração do
universo imagético.

12
EIXOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Realizar registro gráfico de
suas vivências no cotidiano Oferecer jogos de diferentes tipos, que
das atividades: desenho de X X X X utilizem imagens artísticas, de
observação, de imaginação, diferentes autores, de modo a
IDENTIDADE de memória. enriquecer o repertório visual dos
alunos, no estudo da História das
Imagens (quebra-cabeças de obras de
Desenvolver o História das imagens:
arte, dominós gigantes de imagens que
MEMÓRIA pensamento simbólico. produções artísticas Participar da Roda Crítica,
estejam sendo trabalhadas, jogos da
diversificadas, em diferentes falando sobre seus desenhos,
memória com produções de
espaços e tempos, dos contando suas “histórias”, X X X X
determinado tema ou de determinado
primeiros tempos à expressando suas
artista, jogo de trilha com informações
ECOART contemporaneidade, dificuldades/facilidades/
sobre o estudo que está sendo
perpassando por diferentes
do que mais gostou na realizado).
culturas, como a Arte Africana
realização das atividades. Criar, com os alunos, pequenas
e a Arte Indígena (Lei 11
ÉTICA improvisações, a partir das imagens
645/2008 Art.26 e 27), Arte
estudadas.
Oriental e a Cultura Popular.
Criar situações que antecedam a
Criar histórias individuais ou X X X X imagem apresentada e congelem na
AUTONOMIA em grupo e ilustrá-las. cena em estudo.
Dar continuidade às histórias que as
Ilustrar histórias. X X X X imagens podem nos contar.
Incorporar personagens apresentados
em determinada imagem e criar
pequenas dramatizações em que estes
se relacionem.
Criar pequenos esquetes sobre
determinado tema, em consonância
com as imagens apresentadas.

13
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Explorar a riqueza ilustrativa dos livros de


Ler histórias sem texto escrito. X X X X literatura infantil. Ler muitas histórias,
ressaltando o trabalho de ilustração,
IDENTIDADE observando diferentes modos de
produzi-las (pintura, recorte e colagem,
Realizar leitura sensível Experimentar diferentes desenho, fotos, montagens...) e
das diferentes Elementos visuais da materiais plásticos, X X X X diferentes estilos (ilustradores que fazem
MEMÓRIA manifestações artístico- linguagem plástica: ponto e bidimensionais e mais uso da cor, do traçado, da mistura
linha, espaço e forma, tridimensionais. de técnicas, algumas são mais figurativas,
culturais.
textura e suporte, tempo e mais abstratas, o traçado diferenciado
movimento, cor e volume dos personagens...).
ECOART
Perceber a riqueza expressiva
X X X X Comparar diferentes tipos de ilustração.
dos diferentes materiais.
ÉTICA Comparar ilustrações do mesmo autor,
estabelecendo semelhanças e diferenças.
Ler livros que apresentem ilustrações
apenas e estimular os alunos a lerem
AUTONOMIA Identificar diferentes para o grupo.
possibilidades de organização X X X X
espacial e de exploração dos Oferecer materiais plásticos
elementos formais nas imagens industrializados ou artesanais
artísticas. (produzidos pelos alunos) como: giz de
cera, massa colorida, guache, anilina,
cola colorida, cola branca, além de
materiais diversos como tecido, papéis
variados, algodão, revistas e fios de lã,
barbante e outros, em diferentes
momentos, para a experimentação
lúdica.
Possibilitar atividades que despertem a
expressão criadora dos alunos.

14
EIXOS
TEMÁTICOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
1º 2º 3º 4º

Traçar, espontaneamente, Oferecer imagens artísticas


diferentes tipos de linhas, X X X X contemporâneas ou da história das
Apreciar e ler Elementos visuais da utilizando-se do corpo e do imagens, em que apareçam
IDENTIDADE interpretativa- linguagem plástica: ponto contorno de formas diversas. determinados elementos visuais
mente as produções e linha, espaço e forma, trabalhados e/ou destacados, para
artísticas. textura e suporte, tempo e serem analisados pelos alunos,
movimento, cor e volume enquanto elementos compositivos.
MEMÓRIA Identificar e explorar linhas e
formas em seu corpo, nos Sugerir composições plásticas que
corpos dos amigos, nos objetos X X X X explorem o elemento ponto, a partir da
do cotidiano e na natureza – colagem com sementes, tampinhas,
ECOART animais e plantas. paetês... da pintura com batedores...

Sugerir composições que explorem o


Criar de maneira autônoma, elemento linha (reta, quebrada, sinuosa,
ÉTICA
diferentes tipos de linhas e curva), a partir da colagem com
X X X X
formas em suas produções barbantes, lãs, linhas coloridas,
artísticas. sianinhas, tiras coloridas de papel,
AUTONOMIA pintura com diferentes tipos de pincéis:
finos e largos.
Realizar brincadeiras, jogos e atividades
Descobrir e combinar as plásticas para que as crianças vivenciem
possibilidades plásticas das X X X X e percebam características e
diferentes formas, texturas e possibilidades de seu próprio corpo e do
suportes. corpo do colega, aprofundando o
conhecimento de sua imagem corporal,
identificando linhas de contorno,
comparando formas, estabelecendo
relações de tamanho, quantidade,
posição no espaço, dentre outras
possibilidades.

15
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Observar, com os alunos, linhas, formas e


Identificar propriedades de texturas na natureza (diferentes tipos de
Elementos visuais da diferentes superfícies. folhas, troncos, galhos, estruturas
IDENTIDADE Desenvolver a percepção diferenciadas das árvores, estrutura
linguagem plástica: ponto
dos elementos plásticos diferenciada dos animais, contornos e
e linha, espaço e forma, Brincar com misturas de tintas,
e visuais. formas de seus corpos, textura de sua
textura e suporte, tempo e descobrindo, ludicamente,
movimento, cor e volume novas cores e suas pele, pelos, carapaça...) e nos objetos do
MEMÓRIA cotidiano (móveis, brinquedos, objetos
propriedades.
utilitários...).

Interagir com diferentes tipos e Apresentar aos alunos superfícies com


ECOART determinadas propriedades a serem
Realizar o fazer artístico densidades de tintas.
descobertas pela percepção tátil.
pela experimentação
lúdica e pela expressão Relacionar as cores aos Pesquisar sobre texturas, realizando
ÉTICA criadora. sentimentos e emoções, brincadeiras que desenvolvam a
possivelmente percebidos no percepção tátil.
contato com elas.
Oferecer materiais plásticos de diferentes
AUTONOMIA texturas para a criação plástica (tecidos,
lixas, madeiras, metais, algodão, papéis,
cortiças etc.).
Oferecer diferentes tipos de tintas,
explorando a densidade de cada uma
(pigmentos e solventes: tintas opacas e
tintas translúcidas).

16
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Identificar propriedades de X X X X Oferecer pintura a dedo, com direito ao


Elementos visuais da diferentes superfícies. uso das mãos, antebraços e cotovelos,
IDENTIDADE Desenvolver a percepção explorando ao máximo o contato
linguagem plástica:
dos elementos plásticos corporal com as massas de cor, a
ponto e linha, espaço e Brincar com misturas de
e visuais. exploração espacial corpo-suporte, a
forma, textura e suporte, tintas, descobrindo,
tempo e movimento, cor X X X X mistura de cores, a descoberta de
MEMÓRIA ludicamente, novas cores e novas cores, a criação de imagens.
e volume suas propriedades.
Explorar, com os alunos, o aspecto
emocional, simbólico e cultural das
Interagir com diferentes tipos
ECOART X X X X cores, garantindo-se a individualidade
Realizar o fazer artístico e densidades de tintas.
deles.
pela experimentação
lúdica e pela expressão Relacionar as cores aos Sugerir a criação de personagens
criadora. sentimentos e emoções, associados às sensações, percepções e
ÉTICA possivelmente percebidos no X X X X interpretações vivenciadas pelos
contato com elas. alunos.

AUTONOMIA

17
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 2º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Observar imagens artísticas. X X X X Disponibilizar produções imagéticas
(reproduções ou não) de diferentes
Desenvolver a percepção autores e estilos.
sensível e a imaginação
IDENTIDADE História das Imagens: Falar sobre as imagens
criadora. Trazer para a sala de aula produções da
produções artísticas estabelecendo relações com X X X X cultura visual nas diferentes categorias
diversificadas, de suas experiências. das artes visuais como pintura,
diferentes espaços e
escultura, desenho, gravura, imagens
MEMÓRIA tempos, dos primeiros
digitais e gráficas (ilustrações de livros,
tempos à
Conhecer e interagir com as publicidade de revistas e jornais, capa de
contemporaneidade,
diferentes produções CD, cartazes), fotografias, objetos e
perpassando diferentes X X X X
artísticas, utilizando-se de suas instalações, animações, vídeos, cinema,
culturas, como a Arte
percepções (órgãos dos entre outras.
ECOART Africana e Arte Indígena
(Lei 11.645/2008 Art.26 e sentidos).
Apresentar as imagens, enquanto texto,
27), Arte Oriental e a de maneira a provocar a curiosidade e a
Cultura Popular. narrativa dos alunos sobre a realização:
ÉTICA tipo de imagem, tema, cenário, figurino
Brincar e jogar com imagens X X X X e personagens, relações com as suas
artísticas diversificadas. vivências.

Ampliar o repertório Disponibilizar histórias, brincadeiras,


AUTONOMIA X X X X
imagético. desenho, jogos de regras e jogos de faz
de conta (imaginação e inventividade).

18
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Construir conhecimentos X X X X Oferecer jogos de diferentes tipos que utilizem


artísticos. imagens artísticas de diferentes autores, de modo
IDENTIDADE a enriquecer o repertório visual dos alunos, no
Desenvolver o Dramatizar e improvisar, a estudo da História das Imagens (quebra-cabeças
pensamento simbólico. Elementos visuais da partir de imagens, de obras de arte, dominós gigantes de imagens
linguagem plástica: ponto e utilizando-se de seu que estejam sendo trabalhadas, jogos da memória
MEMÓRIA linha, espaço e forma, imaginário e de recursos X X X X com produções de determinado tema ou artista,
textura e suporte, tempo e expressivos, explorando o jogo de trilha, com informações sobre o estudo
movimento, cor e volume. universo imagético. que está sendo realizado).
Criar, com os alunos, pequenas improvisações, a
ECOART Realizar leitura sensível às Realizar registro gráfico de
partir de imagens estudadas. Criar situações que
diferentes manifestações suas vivências no cotidiano
antecedam a imagem apresentada e congelem na
artístico-culturais. das atividades: desenho de X X X X
cena em estudo.
observação, de imaginação,
Dar continuidade às histórias que as imagens
de memória.
ÉTICA podem nos contar. Incorporar personagens
Falar sobre seus desenhos, apresentados em determinada imagem e criar
contar suas histórias. pequenas dramatizações em que estes se
Expressar suas relacionem. Criar pequenos esquetes sobre
AUTONOMIA dificuldades/facilidades/de determinado tema, em consonância com as
que mais gostou na X X X X imagens apresentadas.
realização das atividades
(intervenção do
Explorar a riqueza ilustrativa dos livros de
Professor/Roda crítica).
literatura infantil. Ler muitas histórias, ressaltando
o trabalho de ilustração, observando diferentes
modos de produzi-las (pintura, recorte e colagem,
desenho, fotos, montagens...) e diferentes estilos
(ilustradores que fazem mais uso da cor, do
traçado, da mistura de técnicas, algumas são mais
figurativas, mais abstratas, o traçado diferenciado
dos personagens...).

19
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Comparar diferentes tipos de ilustração.


Criar histórias individuais X X X X
Apreciar e ler, ou em grupo e ilustrá-las. Comparar ilustrações do mesmo autor,
IDENTIDADE interpretativamente, as estabelecendo semelhanças e diferenças. Ler
produções artísticas. Elementos visuais da X X X X livros com ilustrações somente e estimular os
Ilustrar histórias.
linguagem plástica: ponto e alunos a fazerem o mesmo para o grupo.
linha, espaço e forma,
MEMÓRIA textura e suporte, tempo e Ler histórias sem texto X X X X
movimento, cor e volume. escrito. Oferecer materiais plásticos industrializados ou
artesanais (produzidos pelos alunos) como: giz
de cera, massa colorida, guache, anilina, cola
ECOART Desenvolver a percepção colorida, cola branca; e materiais diversos como:
Experimentar diferentes X X X X
dos elementos plásticos e tecido, papéis variados, algodão, revistas e fios
materiais plásticos.
visuais. de lã, barbante e outros, em diferentes
momentos para a experimentação lúdica.
ÉTICA

Perceber a riqueza
expressiva dos diferentes X X X X Possibilitar atividades que despertem a
AUTONOMIA materiais. expressão criadora dos alunos.

Oferecer imagens artísticas, contemporâneas ou


da história das imagens, em que apareçam
determinados elementos visuais trabalhados
e/ou destacados, para serem analisados pelos
alunos, enquanto elementos compositivos.

20
BIMESTRES
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES 1º 2º 3º 4º SUGESTÕES
TEMÁTICOS

Sugerir composições plásticas que explorem o


elemento ponto, a partir da colagem, utilizando
IDENTIDADE Identificar diferentes sementes, tampinhas, paetês... da pintura com
Elementos visuais da possibilidades de batedores...
linguagem plástica: ponto organização espacial e de
e linha, espaço e forma, exploração dos elementos X X X X
MEMÓRIA textura e suporte, tempo e formais nas imagens
movimento, cor e volume. Sugerir composições que explorem o elemento
artísticas.
Realizar o fazer artístico linha (reta, quebrada, sinuosa, curva), a partir da
pela experimentação colagem, utilizando barbantes, lãs, linhas
Criar, de maneira
lúdica e pela expressão coloridas, sianinhas, tiras coloridas de papel.
autônoma, diferentes tipos
ECOART criadora. X X X X Pintura com diferentes tipos de pincéis: finos e
de linhas e formas em suas
largos.
produções artísticas.

Pesquisar e analisar, com os alunos, linhas e


ÉTICA Comparar linhas e formas formas encontradas na natureza: corpos
encontradas na natureza – humanos, plantas, animais, objetos utilitários e
corpos humanos, plantas, X X X X funcionais, imagens artísticas.
animais, objetos utilitários
AUTONOMIA e funcionais, imagens
artísticas. Apresentar aos alunos imagens geometrizadas e
abstratas, presentes na cultura visual de nosso
cotidiano.

Apresentar composições geometrizadas e


abstratas de diferentes artistas da História das
Imagens.

21
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Oferecer materiais (papelão, cartolina, tecidos


Identificar diferentes tipos encorpados, plásticos, emborrachados, recursos
de formas geométricas X X X X naturais), instrumentos e procedimentos em Arte
IDENTIDADE abstratas. que possibilitem a construção de formas
Elementos visuais da bidimensionais (desenho, pintura, gravura,
linguagem plástica: ponto recorte e colagem).
e linha, espaço e forma,
MEMÓRIA Realizar, de forma
textura e suporte, tempo e
espontânea, composições X X X X
movimento, cor e volume. Oferecer materiais (argila, massa plástica, sucata,
Realizar o fazer artístico plásticas, a partir de
recursos naturais e outros), instrumentos e
pela experimentação formas geométricas e
procedimentos em Arte que possibilitem a
lúdica e pela expressão abstratas.
construção de formas tridimensionais
ECOART criadora.
(modelagem, escultura, colagem, montagem,
construção...).
Interagir e explorar formas
X X X X
bi e tridimensionais.
ÉTICA Realizar jogos e brincadeiras que desenvolvam a
Criar, espontaneamente,
estruturas bidimensionais, percepção tátil.
X X X X
a partir de diferentes
AUTONOMIA materiais e procedimentos
artísticos. Oferecer materiais plásticos de diferentes
texturas para a criação plástica (tecidos, lixas,
madeiras, metais, algodão, papéis, cortiças...).

Sugerir a troca das texturas de alguns elementos


utilizados em suas produções plásticas (jacaré
com carapaça macia, nuvens ásperas, paredes e
chãos ondulados...), através da colagem dos
materiais já disponibilizados anteriormente.

22
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Criar, espontaneamente, Explorar, com os alunos, as texturas gráficas


estruturas tridimensionais, a encontradas nas imagens das revistas.
partir de diferentes materiais e X X X X
IDENTIDADE procedimentos artísticos. Sugerir produções plásticas em que os alunos,
Elementos visuais da através do recorte e colagem, utilizem as
linguagem plástica: texturas gráficas encontradas nas imagens das
ponto e linha, Compor, espacialmente, revistas para a criação de mundos imaginários
MEMÓRIA espaço e forma, utilizando formas bi e X X X X (edifícios com textura de comida, animais com
textura e suporte, tridimensionais. textura de carros, frutas com textura de roupas
Realizar o fazer artístico tempo e movimento, ou pelos de animais, seres humanos com textura
pela experimentação cor e volume. de vegetais...)
ECOART lúdica e pela expressão Identificar diferentes tipos de
criadora. texturas, segundo suas X X X X Sugerir a criação de estruturas e móbiles que
propriedades.
articulem diferentes tipos de materiais e
Pesquisar as texturas de conceitos trabalhados, intuindo e construindo
diferentes materiais, utilizando- X noções de equilíbrio físico e harmonia estética.
ÉTICA X X X
os em suas produções.

Criar texturas a partir de Oferecer diferentes tipos de tintas, explorando a


X X X X densidade de cada uma (tintas opacas, guache),
AUTONOMIA diferentes materiais.
com pigmentos mais encorpados e que não
permitam a passagem da luz, além de tintas
Criar plasticamente mundos translúcidas (anilina), com pigmentos mais
X X X X
imaginários, utilizando-se da diluídos, permitindo apresentar as cores
troca de texturas gráficas. primárias de forma criativa e prazerosa, através
de histórias, jogos de cores e experimentação
plástica.

23
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Construir, coletivamente,
estruturas tridimensionais. X X X X Propor a pesquisa e a descoberta de novas
cores, a partir da mistura das cores primárias
IDENTIDADE Desenvolver noções de entre si.
Elementos visuais da equilíbrio físico e harmonia X X X X
linguagem plástica: estética.
ponto e linha, espaço e
MEMÓRIA forma, textura e Experimentar o conceito de Apresentar as cores secundárias de forma
suporte, tempo e densidade dos diferentes X X X X criativa e prazerosa, por meio de histórias, jogos
Realizar o fazer artístico movimento, cor e pigmentos apresentados. de cores e da experimentação plástica.
pela experimentação volume.
ECOART lúdica e pela expressão Identificar as cores e suas
criadora. possibilidades cromáticas. X X X X A partir do resultado da pesquisa realizada, criar
composições plásticas, utilizando diferentes
Descobrir as cores técnicas e materiais (pintura a dedo...).
ÉTICA secundárias, ludicamente,
através da mistura das cores X X X X
primárias pela pintura a dedo. Em pequenos grupos, criar painéis coloridos,
utilizando-se da colagem de materiais diversos
AUTONOMIA Explorar as possibilidades (fotos de revista, desenhos, papéis coloridos,
artísticas do elemento cor na X X X X tecidos, fios de lã, barbante...).
composição plástica.

24
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 3º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Disponibilizar imagens artísticas (reproduções ou
Produzir, coletivamente, de não) de diferentes tempos e espaços, estilos e
História das imagens: forma criativa, utilizando autores.
Desenvolver a produções artísticas diferentes técnicas e X X X X
IDENTIDADE percepção diversificadas, de diferentes materiais Trazer para a sala de aula produções da Cultura
sensível e a espaços, e tempos, dos Visual, nas diferentes categorias das Artes Visuais
imaginação primeiros tempos à como desenho, pintura, escultura, gravura,
criadora. contemporaneidade, Observar imagens artísticas. X imagens digitais e gráficas (ilustrações de livros,
MEMÓRIA perpassando pelas X X X publicidade de revistas e jornais, capas de CD,
diferentes culturas, como a Ter contato com as diferentes cartazes), fotografias, objetos, instalações,
Arte Africana e a Arte produções artísticas, animação, vídeo, cinema, dentre outras.
Indígena utilizando-se de suas
ECOART X X X X Apresentar as imagens, enquanto texto, de
(Lei 11 645/2008 Art. 26 e percepções (órgãos dos
Desenvolver o 27), Arte Oriental e Cultura maneira a provocar a curiosidade e a narrativa dos
sentidos).
pensamento Popular. alunos sobre sua realização: tipo de imagem, tema,
simbólico. cenário, figurino e personagens, relações com suas
ÉTICA Falar sobre as imagens,
vivências.
estabelecendo relações com X X X X
suas experiências. Disponibilizar histórias, brincadeiras, desenho,
Brincar e jogar com imagens jogos de regras e jogos de faz-de- conta
AUTONOMIA X X X X
artísticas diversificadas. (imaginação e inventiva).
Oferecer jogos de diferentes tipos, que utilizem
Ampliar o repertório X X X X imagens artísticas, de diferentes autores, de
imagético. modo a enriquecer o repertório visual dos alunos,
no estudo da História das Imagens (quebra-cabeças
Construir conhecimentos X X X X de obras de arte, dominós gigantes de imagens que
artísticos. estejam sendo trabalhadas, jogos da memória com
produções de determinado tema ou artista, jogo de
trilha, com informações sobre o estudo que está
sendo realizado).

25
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Criar, com os alunos, pequenas improvisações, a
Dramatizar e improvisar, a partir partir das imagens estudadas.
de imagens, utilizando-se de seu
História das imaginário e de recursos X X X X Criar situações que antecedam a imagem
IDENTIDADE Realizar leitura sensível às imagens: expressivos na exploração do apresentada, congelando a cena em estudo.
diferentes manifestações produções universo imagético.
Dar continuidade às histórias que as imagens
artístico-culturais. artísticas podem nos contar.
diversificadas, de Realizar registro gráfico de suas
MEMÓRIA diferentes vivências no cotidiano das Incorporar personagens apresentados em
atividades – desenho de X X X X
espaços, e determinada imagem.
tempos, dos observação, de imaginação, de
primeiros tempos memória. Criar pequenas dramatizações em que os
à personagens se relacionem.
ECOART Apreciar e ler, Falar sobre seus desenhos,
contemporaneida
interpretativamente, as contar suas histórias, Criar pequenos esquetes sobre determinado
de, perpassando
produções artísticas. expressando suas tema, presente nas imagens em estudo.
pelas diferentes
culturas, como a dificuldades/facilidades/do que
X X X X
Arte Africana e a mais gostou na realização das
ÉTICA Explorar a riqueza ilustrativa dos livros de
Arte Indígena atividades. (Intervenção do literatura infantil.
(Lei 11 645/2008 Professor/Roda Crítica). Ler muitas histórias, ressaltando o trabalho de
Art. 26 e 27), Arte ilustração, observando diferentes modos de
AUTONOMIA Oriental e Cultura produzi-las (pintura, recorte e colagem, desenho,
Popular. fotos, montagens...) e diferentes estilos
(ilustradores que fazem mais uso da cor, do
traçado, da mistura de técnicas, algumas mais
figurativas, mais abstratas, o traçado diferenciado
dos personagens...).
Comparar diferentes tipos de ilustração.
Comparar ilustrações do mesmo autor,
estabelecendo semelhanças e diferenças.
Ler livros contendo apenas ilustrações,
estimulando os alunos a fazerem o mesmo com os
colegas.

26
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Criar histórias individuais ou X X X X


em grupo e ilustrá-las. Propor atividades em que as crianças
Elementos visuais da possam conversar entre si, a partir de
IDENTIDADE Desenvolver a percepção linguagem plástica: Ilustrar histórias. X X X X informações sobre a obra e a vida dos
dos elementos plásticos ponto e linha, espaço e autores.
e visuais. forma, textura e
Ler histórias sem texto X X X X Oferecer, aos alunos, materiais plásticos,
suporte, tempo e
MEMÓRIA escrito. industrializados e artesanais como giz de
movimento, cor e
volume. cera, massa colorida, guache, anilina, cola
Experimentar diferentes X X X X colorida, cola branca; materiais diversos
materiais plásticos. como: tecido, papeis variados, algodão,
revistas e fios de lã, barbante e outros, em
ECOART diferentes momentos para a
experimentação lúdica.

Perceber a riqueza expressiva


dos diferentes materiais. X X X X
ÉTICA Possibilitar atividades que despertem a
expressão criadora dos alunos.
Identificar diferentes
possibilidades de organização
AUTONOMIA espacial e de exploração dos X X X X
elementos formais nas
imagens artísticas.

27
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Oferecer imagens artísticas, contemporâneas
ou da história das imagens, em que apareçam
História das imagens: Arte Realizar composições plásticas, determinados elementos visuais trabalhados
Realizar o fazer Popular Brasileira, explorando diferentes e/ou destacados, para serem analisados com
IDENTIDADE artístico pela produções artísticas possibilidades de conjugação X X X X os alunos.
experimentação brasileiras de diferentes entre os elementos da
lúdica e pela gerações e regiões linguagem visual. Explorar a mistura de cores entre as cores
expressão criadora. primárias, secundárias e, também, entre as
MEMÓRIA cores ainda não trabalhadas.
Arte Popular
Oferecer as cores branca e preta, orientando
Mitos e lendas da Cultura Realizar misturas entre as cores os alunos a acrescentar ora a cor branca, ora a
ECOART já conhecidas, explorando e cor preta às cores primárias e secundárias,
Popular Brasileira X X X X
descobrindo novas cores e propondo um estudo de tonalidades e matizes.
tonalidades.
Arte e Artesanato Criar composições artísticas, por meio do
recorte e colagem de imagens de revista, da
ÉTICA pintura com diferentes pigmentos e ou da
Artista e Artesão Perceber as possibilidades de dobradura, priorizando a escala de tons e
tons claros e escuros no matizes.
acréscimo das cores branca e X X X X
AUTONOMIA preta à cor selecionada para
estudo. Criar, com os alunos divididos em pequenos
grupos, diferentes universos imaginários
(fundo do mar, espaço sideral, fundo da Terra,
floresta enigmática, dentre outros), que serão
preparados em painéis, através do trabalho de
pesquisa, experimentação e descoberta com
as diferentes tonalidades de cada cor
selecionada para o trabalho.

28
EIXOS objetivos CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Produção artístico- Contar histórias sobre mitos populares.
cultural e popular.
Explorar o universo da arte Explorar contos, quadras, rimas e adivinhas.
Realizar o fazer artístico popular brasileira, em suas
IDENTIDADE pela experimentação múltiplas manifestações: música, X X X X Deixar livros e imagens sobre o tema à
lúdica e pela expressão Pintura naif dança, literatura, teatro e artes disposição dos alunos na sala de aula.
criadora visuais.
Oferecer aos alunos imagens da mitologia
MEMÓRIA Conhecer histórias, lendas e popular brasileira (Mula sem cabeça, Saci-
Escultura Pererê, Boitatá, Lobisomem, Boto-cor-de-
causos regionais, que ressaltam a X X X X
existência e a atuação de rosa, Tutu-Marambá, Boiúna etc), sugerindo
personagens mitológicos e que eles escrevam e dramatizem pequenas
Gravura folclóricos. histórias, construam fantoches do
ECOART personagem com o qual mais se
identificaram, criem personagens de seus
Ilustrar histórias de nosso folclore. X X X X medos, escrevam e desenhem histórias
Rendas e bordados sobre eles.

ÉTICA Criar, plasticamente, diferentes Promover a visita à feira de artesanato da


personagens, segundo X X X X comunidade em que a escola está inserida
Costura informações do imaginário ou da comunidade em que vive.
popular brasileiro.
AUTONOMIA Pesquisar, com os alunos, sobre o
significado de Arte e Artesanato, Artista e
Tapeçaria e tecelagem
Artesão.

Convidar artesãos da região para falar de


suas produções e poética de trabalho.

29
EIXOS BIMESTRES
OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES SUGESTÕES
TEMÁTICOS
1º 2º 3º 4º

Debater sobre diferentes X X X X


Alegorias maneiras de se produzir arte. Convidar familiares dos alunos que
Realizar o fazer artístico e pratiquem algum tipo de fazer especial para
IDENTIDADE pela experimentação adereços Perceber e identificar a riqueza ensinarem à turma.
lúdica e pela expressão e a diversidade das X X X X
criadora manifestações artísticas Pesquisar e comparar com os alunos
brasileiras. diferentes produções artísticas,
MEMÓRIA estabelecendo relações e promovendo o
Respeitar as diferenças e diálogo entre elas, respeitando as diferenças.
perceber o diálogo entre as X X X X
inúmeras expressões plásticas e Promover visita ao Museu de Arte Naïf.
ECOART visuais.
Trazer para a sala produções naïfs9 de
diferentes autores, explorando suas
Desenvolver, pela sensibilidade características.
ÉTICA e pelo conhecimento, o valor X X X X
estético das produções Realizar, com os alunos, atividades de
artísticas. modelagem e escultura , utilizando massa
plástica, argila, gesso e materiais alternativos,
AUTONOMIA retratando as temáticas geralmente
abordadas (brinquedos e brincadeiras, os
tipos humanos, os ritos de passagem, as
festas, as danças, as profissões...).

9Produção considerada como intuitiva, pois os artistas não possuem formação acadêmica em Arte. Produções fogem aos padrões acadêmicos de representação. Representam
o cotidiano do povo, cenas do dia a dia, profissões, ritos de passagem, trabalho, festas etc.

30
EIXOS
OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS
1º 2º 3º 4º

Alegorias Produzir ilustrações, tendo Realizar, com os alunos, estudo comparativo


Realizar o fazer artístico e como referencial a literatura X X X X entre imagens de esculturas clássicas e
IDENTIDADE pela experimentação adereços de cordel. imagens de esculturas populares,
lúdica e pela expressão destacando semelhanças e diferenças.
criadora

MEMÓRIA
Promover visita ao Museu do Folclore.

ECOART Promover visita à Casa do Pontal.

Promover a criação de um livro individual ou


da turma, ilustrado por meio da técnica da
ÉTICA gravura (entalhe em sabão, gesso ou massa
colorida), apresentando histórias de
assombração, cotidianas, de valentia ou da
mitologia nordestina tendo, como
AUTONOMIA referencial, a literatura de cordel.

31
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 4º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

História das imagens: Observar imagens artísticas. X X X X Disponibilizar imagens artísticas (reproduções
Desenvolver a produções artísticas ou não) de diferentes tempos e espaços,
percepção sensível e a diversificadas, de estilos e autores.
IDENTIDADE Ter contato com as diferentes
imaginação criadora. diferentes espaços e
produções artísticas, X X X X
tempos, dos primeiros
utilizando-se de suas Trazer para a sala de aula produções da
tempos à
percepções (órgãos dos Cultura Visual, nas diferentes categorias das
contemporaneidade,
MEMÓRIA sentidos). Artes Visuais como desenho, pintura,
perpassando pelas
diferentes culturas, escultura, gravura, imagens digitais e gráficas
como a Arte Africana e Falar sobre as imagens, (ilustrações de livros, publicidade de revistas e
X X X X jornais, capas de CD, cartazes), fotografias,
a Arte Indígena estabelecendo relações com as
(Lei 11 645/2008 Art.26 suas experiências. objetos, instalações, animação,vídeo, cinema,
ECOART
e 27), Arte Oriental e a dentre outras.
Cultura Popular.
Brincar e jogar com imagens
X X X X
História das imagens: artísticas diversificadas.
Apresentar as imagens, enquanto texto, de
ÉTICA ARTE INDÍGENA maneira a provocar a curiosidade e a narrativa
BRASILEIRA: Ampliar seu repertório X X X X dos alunos sobre sua realização: tipo de
diferentes culturas. imagético. imagem, tema, cenário, figurino e
personagens, relações com suas vivências.
AUTONOMIA

Disponibilizar histórias, brincadeiras, desenho,


jogos de regras e jogos de faz de conta
(imaginação e inventividade).

32
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Oferecer jogos de diferentes tipos que utilizem


História dos grupos Construir conhecimentos imagens artísticas, de diferentes autores, de
Desenvolver o indígenas brasileiros. artísticos. modo a enriquecer o repertório visual dos alunos,
IDENTIDADE pensamento simbólico. Dramatizar e improvisar, a X X X X no estudo da História das imagens (quebra-
partir de imagens, utilizando-se cabeças de obras de arte, dominós gigantes de
Produções culturais e de seu imaginário e de recursos imagens que estejam sendo trabalhadas, jogos
artísticas indígenas. expressivos na exploração do da memória com produções de determinado
MEMÓRIA universo imagético. tema ou artista, jogo de trilha, com informações
sobre o estudo que está sendo realizado).

Realizar registro gráfico de suas Criar ,com os alunos, pequenas improvisações, a


ECOART vivências no cotidiano das partir das imagens estudadas.
atividades: desenho de Criar situações que antecedam a imagem
observação, de imaginação, de apresentada, congelando a cena em estudo.
memória. X X X X Dar continuidade às histórias que as imagens
Falar sobre seus desenhos, podem nos contar.
ÉTICA contar suas histórias. Incorporar personagens apresentados em
Expressar suas determinada imagem.
dificuldades/facilidades/do que Criar pequenas dramatizações em que os
mais gostou na realização das personagens se relacionem.
AUTONOMIA atividades. (Intervenção do Criar pequenos esquetes sobre determinado
Professor/Roda Crítica). tema, de acordo com as imagens apresentadas.

Explorar a riqueza ilustrativa dos livros de


literatura infantil.
Ler muitas histórias, ressaltando o trabalho de
ilustração, observando diferentes modos de
produzi-las (pintura, recorte e colagem, desenho,
fotos, montagens...) e diferentes estilos
(ilustradores que fazem mais uso da cor, do
traçado, da mistura de técnicas, algumas são mais
figurativas, mais abstratas, o traçado diferenciado
dos personagens...).

33
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Comparar diferentes tipos de ilustração.


Criar histórias individuais ou X X X X
Mitos e lendas
em grupo e ilustrá-las. Comparar ilustrações do mesmo autor,
IDENTIDADE Realizar leitura sensível estabelecendo semelhanças e diferenças. Ler
às diferentes livros somente com ilustrações e estimular os
manifestações artístico- Ilustrar histórias. X X X X
Brinquedos e alunos a fazerem o mesmo com os colegas.
culturais.
MEMÓRIA brincadeiras
Ler histórias sem texto escrito. X X X X
Propor atividades em que as crianças possam
conversar entre si, a partir de informações
Interagir, utilizando as sobre a obra e a vida dos autores.
ECOART imagens pesquisadas, sons, X X X X
danças, ritos, lendas e
personagens da cultura
indígena brasileira. Oferecer vídeos diversos (documentários e/ou
narrativos) que congreguem informações e
ÉTICA imagens sobre a arte indígena brasileira.
Perceber as diferentes
X X X X
manifestações culturais ao
longo da história.
AUTONOMIA Disponibilizar livros informativos ou de
histórias, jornais e revistas especializadas com
reportagens e/ ou revistas em quadrinhos que
tratem da temática indígena e suas múltiplas
abordagens no mundo contemporâneo.

34
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Elementos visuais da Dramatizar, em pequenos Criar um mural com os alunos, composto por
Ler e apreciar a estética linguagem plástica: grupos, o cotidiano dos grupos imagens de revistas, sobre reservas indígenas
IDENTIDADE (fruição) das diferentes ponto e linha, espaço e indígenas, em suas atividades X X X X que mostrem o índio brasileiro em seu
produções em Artes forma, textura e ligadas à natureza, dança e cotidiano, reportagens de jornais sobre a
Visuais, reconhecendo e suporte, tempo e ritos. situação atual das reservas e dos direitos
valorizando o seu movimento, cor e indígenas, mapa comparativo sobre o número
MEMÓRIA caráter temporal e volume. Relacionar padrões gráficos de culturas indígenas existentes por ocasião da
atemporal, assim como aos padrões musicais chegada dos portugueses ao Brasil e a situação
a sua perspectiva plural, Simplificação e percebidos no ritmo das X X X X
atual, utilizando desenhos, recorte, colagem,
multicultural e geometrização formal: músicas indígenas. pinturas e gravuras dos alunos sobre a temática
contemporânea. desenho, pintura, em estudo.
ECOART
cerâmica, modelagem, Expressar-se, plasticamente,
cestaria, pintura sobre músicas indígenas. X X X X
corporal. Disponibilizar, para os alunos, músicas
indígenas, atentando para o ritmo, a percussão
Ilustrar lendas indígenas e os sons de diferentes instrumentos musicais.
ÉTICA
brasileiras, criando X X X X
personagens, segundo
características do imaginário
Propor atividades de audição de músicas
AUTONOMIA popular.
indígenas como estratégia para elaboração de
padrões gráficos, a partir da percepção musical.

35
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Pesquisar sobre brinquedos e X X X X Elaboração de instrumentos musicais,


Conhecer e valorizar as Padrões e padronagens brincadeiras indígenas. utilizando materiais alternativos: sucata, tubos,
diferentes manifestações étnicas. elementos da natureza...
IDENTIDADE culturais nas Artes Brincar com brinquedos e X X X X
Visuais. brincadeiras de origem Propor aos alunos o desafio de tentar
indígena. interpretar a música indígena, segundo sua
sensibilidade (alegria, lamento, guerra,
MEMÓRIA saudação à natureza...), respeitando as
Refletir sobre as brincadeiras
Cor: pigmentos artificiais individualidades de cada um. Expressar-se,
indígenas, relacionando-as às X X X X
Conhecer os elementos e naturais – tintas plasticamente, sobre a música ouvida, por meio
de nossa cultura.
plásticos e visuais. naturais da pintura ou do desenho.
Criar brinquedos indígenas com
ECOART Ler histórias da mitologia indígena, rica em
materiais alternativos. X X X X
lendas e mitos, ressaltando as suas ilustrações.

Pesquisar sobre a arte indígena Criar personagens que se referem às lendas


e interagir com ela, por meio X indígenas, por meio de fantoches, bonecos de
ÉTICA X X X
da manipulação de objetos e vara, massa colorida, sucata e máscaras (de
imagens reais. saco de papel, jornal, bexiga, papelão
papelagem, papier machê, gase engessada).

AUTONOMIA Pesquisar sobre brinquedos e brincadeiras


populares de origem indígena.

Promover uma reflexão sobre o processo de


criação de brinquedos e brincadeiras realizados
pelos indígenas.

36
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Identificar o desenho como X X X X Brincar com os alunos, utilizando-se de


forma de comunicação brinquedos e brincadeiras populares, de
gráfica. origem indígena, previamente pesquisados.
IDENTIDADE Estruturas e texturas
Desenvolver a expressão diferenciadas: Propor a construção de brinquedos indígenas
estética de forma tecelagem, arte Expressar-se somente por utilizando-se de sucata e/ou de materiais
sensível, cognitiva e plumária e adereços. meio de símbolos gráficos alternativos (penas, galhos, folhas,
MEMÓRIA contextua- para narrar, registrar X X X X sementes...).
lizada. graficamente e transmitir
mensagens. Disponibilizar aos alunos produções artísticas
indígenas: objetos, imagens reais,
ECOART estabelecendo relações entre o grafismo, a
Expressar-se somente por
meio de símbolos gráficos escolha de cores e o universo simbólico que
X X X X elas representam.
para narrar, registrar fatos e
transmitir mensagens.
Oferecer várias imagens de produções
ÉTICA artísticas indígenas (desenhos, cerâmica
Expressar-se por meio de
gestos e sons para expressar zoomorfa e antropomorfa, pintura corporal...),
elementos da natureza, X X X X chamando a atenção dos alunos para a
sentimentos e mensagens. simplificação da forma, a geometrização nas
AUTONOMIA
imagens e seu valor simbólico.
Simplificar e/ou geometrizar
imagens já existentes na X X X X Realizar, de maneira lúdica, a geometrização e
natureza. simplificação das imagens, estimulando os
alunos a exercitarem sua criatividade no
processo de abstração da forma.

37
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Criar imagens simplificadas X X X X Propor desenhos que expressem a


e geometrizadas. geometrização de imagens como placas,
símbolos e outros.
IDENTIDADE Realizar a expressão Estruturas e texturas Observar o grafismo
artística de maneira diferenciadas: realizado no desenho e na Criar imagens geometrizadas, por meio de
lúdica e criativa. tecelagem, arte pintura indígena, na X X X X cerâmica, massa colorida, desenho, pintura,
plumária e adereços. cerâmica, cestaria, armas, colagem, dobradura e dos recursos da
MEMÓRIA utensílios domésticos, informática.
vestuário...
Criar imagens simplificadas que simbolizem
Pesquisar sobre animais da floresta brasileira em diferentes
ECOART padronagens indígenas. X X X X suportes (programas de computação,
dobradura, recorte e colagem com cartolina e
outros papéis...).
Identificar o caráter
ÉTICA simbólico da pintura X X X X Apresentar aos alunos imagens que
corporal indígena. destaquem o grafismo realizado na cerâmica,
na cestaria, nas armas, nos instrumentos
Criar padrões gráficos, musicais...
AUTONOMIA X X X X
atribuindo-lhes significados.
Pesquisar padronagens indígenas nos mais
Compor padrões gráficos a diferentes objetos e sua referência no
partir de imagens X X X X imaginário do grupo que realiza a pesquisa.
simplificadas e/ou
geometrizadas. Apresentar a pintura corporal como forma de
expressão simbólica nas diferentes tribos
Criar padronagens diversas. X X X X indígenas.

38
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Promover a pintura corporal entre os alunos


Pesquisar sobre pigmentos X X X X como forma de expressão artística e reprodução
naturais. de ritual indígena.
IDENTIDADE Realizar a expressão Estruturas e texturas
artística de maneira diferenciadas: Experimentar misturas com X X X X
lúdica e criativa. tecelagem, arte plumária pigmentos naturais. Propor a criação de imagens simbólicas a serem
e adereços. realizadas pelos alunos, divididos em grupos.
MEMÓRIA Produzir, artesanalmente, X X X X
tintas, a partir de pigmentos Elaborar um painel com as imagens criadas pelos
naturais. alunos, de maneira a organizar a produção de
forma sequencial, reproduzindo padronagens.
ECOART
Disponibilizar elementos da natureza para a
Produzir, artisticamente, com X X X X confecção de pigmentos naturais (urucum,
pigmentos naturais. açafrão, sementes, beterraba, vegetais, argila,
ÉTICA carvão, café, jabuticaba).

Conhecer o processo artesanal Propor a composição plástica, utilizando


X X X X pigmentos naturais produzidos, artesanalmente,
da tecelagem, arte plumária e
AUTONOMIA pelos alunos.
confecção de adereços.
Propor a técnica da tecelagem, utilizando
tramas diversas, com tiras enroladas de jornais,
Pesquisar diferentes texturas palha, tiras de tecidos, tiras de plástico e
em diferentes materiais. X X X X emborrachado.

39
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Criar texturas, a partir de X X X X


diferentes materiais. Confeccionar adereços de cabeça,
braços, mãos, pernas, corpo... com materiais
IDENTIDADE Realizar a expressão Estruturas e texturas Descobrir e combinar alternativos.
artística de maneira diferenciadas: diferentes soluções X X X X
lúdica e criativa. tecelagem, arte plásticas em suportes Apresentar o acervo em vídeos, livros,
plumária e adereços. diversos. documentários e fotos do artista Frans
MEMÓRIA Krajcberg, seu engajamento nas questões
ambientais, na preservação das florestas, na
valorização da cultura indígena e na
Desenvolver as noções de
apropriação de elementos da natureza
equilíbrio físico e
(resultado das queimadas), como matéria
ECOART harmonia estética na X X X X prima da sua produção artística.
montagem de estruturas
com diferentes materiais.

Refletir sobre questões Promover a produção artística dos alunos, de


ÉTICA ambientais e seu reflexo X X X X maneira coletiva, por meio da coleta de
na cultura indígena. materiais naturais encontrados no entorno
da escola e que façam referência à obra de
Frans Krajcberg.
AUTONOMIA

40
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 5º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

História das imagens: Observar imagens artísticas. X X X X


Disponibilizar imagens artísticas
IDENTIDADE Desenvolver a produções artísticas Ter contato com as (reproduções ou não) de diferentes tempos
percepção sensível e diversificadas, de diferentes produções e espaços, estilos e autores.
a imaginação diferentes espaços e artísticas, utilizando-se de X X X X
criadora. tempos: dos primeiros suas percepções (órgãos dos Trazer para a sala de aula produções da
MEMÓRIA tempos à sentidos). Cultura Visual, nas diferentes categorias
contemporaneidade, das Artes Visuais como desenho, pintura,
perpassando pelas Falar sobre as imagens, escultura, gravura, imagens digitais e
Desenvolver o diferentes culturas, estabelecendo relações com X X X X gráficas (ilustrações de livros, publicidade
ECOART pensamento as suas experiências. de revistas e jornais, capas de CD,
como a Arte Africana e
simbólico. Arte Indígena cartazes), fotografias, objetos , instalações,
Brincar e jogar com imagens X X X X
(Lei 11 645/2008 Art. animação, vídeo, cinema, dentre outras.
artísticas diversificadas.
26 e 27), Arte Oriental
e Cultura Popular. Apresentar as imagens, enquanto texto, de
ÉTICA Ampliar seu repertório X X X X maneira a provocar a curiosidade e a
imagético.
narrativa dos alunos sobre sua realização:
Construir conhecimentos tipo de imagem, tema, cenário, figurino e
X X X X
artísticos. personagens, relações com suas vivências.
AUTONOMIA
Disponibilizar histórias, brincadeiras,
desenho, jogos de regras e jogos de faz de
RITOS DE
conta (imaginação e inventividade).
PASSAGEM

41
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Dramatizar e improvisar, a
partir de imagens, Oferecer jogos de diferentes tipos, que utilizem
História das imagens utilizando-se de seu X X X X imagens artísticas, de diferentes autores, de
Realizar leitura sensível imaginário e de recursos modo a enriquecer o repertório visual dos
IDENTIDADE às diferentes Arte Africana expressivos para a alunos, no estudo da História das Imagens
manifestações artístico- exploração do universo (quebra-cabeças de obras de arte, dominós
culturais. imagético. gigantes de imagens que estejam sendo
Realizar registro gráfico de trabalhadas, jogos da memória com produções
MEMÓRIA suas vivências no cotidiano de determinado tema ou de determinado artista,
Elementos visuais ou das atividades: desenho de X X X X jogo de trilha, com informações sobre o estudo
fundamentais da observação, de imaginação, que está sendo realizado).
linguagem plástica: de memória. Criar, com os alunos, pequenas improvisações, a
ECOART ponto e linha, espaço e Falar sobre seus desenhos, partir das imagens estudadas.
forma, textura e suporte, contar suas histórias. X X X X Criar situações que antecedam a imagem
tempo e movimento, cor Expressar suas apresentada e congelem na cena em estudo ou,
e volume. dificuldades/facilida então, dar continuidade às histórias que as
des/do que mais gostou, na X X X X imagens podem nos contar.
ÉTICA realização das atividades Incorporar personagens apresentados em
(intervenção do determinada imagem.
Professor/Roda crítica). Criar pequenas dramatizações em que os
personagens se relacionem.
AUTONOMIA Criar histórias individuais e/ Criar pequenos esquetes sobre determinado
ou em grupo e ilustrá-las. tema apresentado nas imagens em estudo.
Ilustrar histórias. X X X X
Ler histórias sem texto Explorar a riqueza ilustrativa dos livros de
RITOS DE escrito. literatura infanto-juvenil.
PASSAGEM Ler muitas histórias, ressaltando o trabalho de
ilustração, observando diferentes modos de
produzi-la (pintura, recorte e colagem, desenho,
fotos, montagens...) e diferentes estilos
(ilustradores que fazem mais uso da cor, do
traçado, da mistura de técnicas (algumas são
mais figurativas, mais abstratas), o traçado
diferenciado dos personagens...

42
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Realizar leitura Interagir com imagens e
sensível e informações diversas sobre as X X X X Comparar diferentes tipos de ilustração.
apreciação Padrões e culturas africanas. Comparar ilustrações do mesmo autor,
estética (fruição) padronagens estabelecendo semelhanças e diferenças.
IDENTIDADE das diferentes étnicas. Perceber as diferentes Ler livros somente com ilustrações e
produções em manifestações culturais ao longo X X X X estimular os alunos a fazerem o mesmo
Artes Visuais, da história. com os colegas.
reconhecendo e
MEMÓRIA valorizando o seu Pesquisar a arte africana, nas suas X X X X Propor atividades em que as crianças
Naturalismo
caráter temporal e mais diversas manifestações. possam conversar entre si, a partir de
atemporal, assim informações sobre a obra e a vida dos
Perceber diferenças e autores.
como sua
ECOART semelhanças entre diferentes
perspectiva plural, X X X X
manifestações artísticas e culturais Oferecer vídeos diversos (documentários
multicultural e
ao longo da história. e/ou narrativos) que congreguem
contemporânea.
Simplificação informações e imagens sobre a
Identificar a presença de padrões e
Conhecer e formal diversidade de culturas africanas e suas
ÉTICA padronagens nas produções X X X X
valorizar as múltiplas características.
artísticas africanas e/ ou de afro-
diferentes descendentes.
manifestações Disponibilizar livros informativos, de
AUTONOMIA culturais nas Artes Criar padrões gráficos a partir do histórias, de Arte; jornais e revistas com
Visuais. estudo realizado, explorando X X X X reportagens e/ou imagens, além de
Deformação
simetria e repetição. revistas em quadrinhos que abordem a
expressiva
temática das africanidades, em suas mais
RITOS DE diversas abordagens.
PASSAGEM

43
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Identificar a tendência à
simplificação formal, à deformação Analisar, com os alunos, um mapa do
expressiva e ao naturalismo, na X X X X continente africano, entendendo a
IDENTIDADE ARTE AFRICANA maioria das produções artísticas África como continente composto de
(Lei 10 639/2003) africanas e/ou de afro- vários países que apresentam grupos
Perceber o caráter
descendentes. humanos etnicamente diferentes, com
temporal e e ARTE línguas, costumes, tradições, crenças e
MEMÓRIA atemporal nas CONTEMPORÂNEA X X X X
Criar imagens simplificadas. maneiras de ser próprias.
Artes Visuais. BRASILEIRA
Identificar o processo de Criar um mural, com os alunos,
deformação expressiva em imagens X X X X composto por imagens de revistas,
ECOART apresentadas. reportagens e fotografias que enfatizem
Análise
as diversidades das culturas africanas.
comparativa:
Deformar imagens já existentes na Comparar Brasil e África, em relação à
influência e X X X X
natureza, utilizando-se do desenho riqueza das diferenças culturais.
ÉTICA apropriação.
ou dos programas de computação.
Oferecer aos alunos imagens da Arte
Criar imagens com deformações Africana: diferentes pinturas, esculturas
expressivas: máscaras que X X X X
(em madeira, marfim, ossos, pedras,
AUTONOMIA expressem emoções e sentimentos. metais diversos...), estamparias,
tecelagens, comparando semelhanças e
Ilustrar histórias africanas e afro- X X X X
diferenças existentes entre as imagens.
brasileiras.
RITOS DE
Apresentar, aos alunos, padrões e
PASSAGEM
padronagens, explorando os princípios
de simetria e repetição.

44
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES SUGESTÕES
TEMÁTICOS BIMESTRES
1º 2º 3º 4º

Sugerir a criação de painéis grandes, com a


Conhecer os elementos
Expressar-se, plasticamente, pintura de padronagens, em pequenos grupos.
plásticos e visuais e seus X X X X
sobre músicas africanas,
IDENTIDADE referentes às novas Forma: Disponibilizar materiais para a criação de
criando coreografias e/ou
tecnologias, por meio da estruturas e imagens simplificadas, bi ou tridimensionais.
pintando grandes painéis.
leitura, da análise, da texturas diferenciadas
criação e/ou recriação Comparar imagens da Arte X X X X Disponibilizar materiais para a criação de
MEMÓRIA de imagens. Contemporânea e da Arte imagens expressivamente deformadas
Africana. (máscaras), bi ou tridimensionais.

Perceber diferenças e Disponibilizar, para os alunos, imagens atuais e


Desenvolver a expressão semelhanças entre diferentes X X X X cotidianas (jornais, revistas, fotografias,
ECOART estética de forma manifestações artísticas ao propagandas...) que expressem a simplificação
sensível, cognitiva e longo da história. formal e / ou a deformação expressiva.
contextualizada.
Perceber o quanto a mesma Ler muitas histórias de literatura infanto-
ÉTICA temática pode ser juvenil que tratem das culturas africanas, nos
representada em diferentes X X X X mais variados aspectos.
momentos, tornando-se antiga
e recente ao mesmo tempo. Disponibilizar, para os alunos, a história de
AUTONOMIA vida de muitos heróis negros brasileiros (“A
Respeitar as diferenças e Cor da Cultura”).
possibilitar o diálogo entre as
inúmeras expressões plásticas X X X X Apresentar o trabalho de ilustradores que
RITOS DE e visuais, a partir da criação de apresentam histórias e vídeos numa estética
PASSAGEM novas imagens. africana (Graça Lima, Valéria Saraiva, Sonia
Rosa, animações da MultiRio...).

45
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Realizar releituras das imagens Disponibilizar muitas músicas africanas


analisadas, unindo passado e X X X X e/ou de origem afro-descendente,
IDENTIDADE Realizar a expressão explorando o ritmo contagiante, a
presente, em suas referências
artística de maneira percussão, os inúmeros instrumentos
estéticas.
lúdica e criativa. musicais.
Realizar intervenções artísticas
MEMÓRIA em imagens de Arte Africana X X X X Apresentar aos alunos um artista plástico
Cores e e/ou de Arte Contemporânea popular que retrate a temática africana
sensações estudadas, recriando-as em seu como, por exemplo, Heitor dos Prazeres.
Apropriar-se da
próprio texto imagético.
linguagem visual para o Apresentar aos alunos um artista plástico
ECOART fazer artístico Perceber a influência emocional X X X X contemporâneo que retrate/tenha
contextuali- das cores. retratado a temática africana como, por
zado e criativo, em exemplo, Rubem Valentim, Abdias
interface com as novas Identificar sensações visuais X X X X Nascimento...
ÉTICA visualidades. provocadas pelas diferentes
cores. Realizar atividades de pesquisa e
experimentação com programas
Perceber transparência e computacionais como o Print Art e outros
AUTONOMIA opacidade nos diferentes tipos X X X X do conhecimento dos alunos, que se
e papéis. destinam à manipulação e à edição de
imagens.
RITOS DE PASSAGEM
Apresentar aos alunos imagens das
produções artísticas contemporâneas que
apresentam referências à arte africana.

46
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

IDENTIDADE Propor aos alunos que façam intervenções


Ampliar os Realizar releituras das imagens artísticas nas imagens de Arte Africana ou
conhecimentos da área analisadas, unindo passado e X X X X de Arte Contemporânea estudadas,
de Artes Visuais, através presente, em suas referências recriando-as em seu próprio texto
MEMÓRIA da elaboração do texto estéticas. imagético (atualização da Multieducação).
imagético.
Realizar intervenções artísticas
em imagens de Arte Africana X X X X Explorar, com os alunos, sensações visuais
ECOART Cores e e/ou de Arte Contemporânea provocadas pelas cores frias e /ou cores
sensações estudadas, recriando-as em seu quentes.
próprio texto imagético.

ÉTICA Perceber a influência emocional X X X X


das cores. Explorar, com os alunos, através de recorte
e colagem, características da transparência
Identificar sensações visuais X X X X e opacidade nos diferentes tipos e papéis.
AUTONOMIA provocadas pelas diferentes
cores.

Perceber transparência e
RITOS DE opacidade nos diferentes tipos e X X X X
PASSAGEM papéis.

47
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 6º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS VISUALI- Disponibilizar, ao longo do ano


VISUALIDA- IMAGENS DADES Ler imagens letivo, instrumentos diversos
DES observando-se a X X X X para a descoberta de que, por
IDENTIDADE Realizar leitura
Manifestações intencionalidade meio da arte e de seus símbolos,
crítica das imagens
artísticas brasileiras dessas produções. podemos compreender e
veiculadas pela
conhecer melhor nosso país.
PATRIMÔNIO mídia e pela Semiótica O processo de Desenho
CULTURAL E indústria cultural. emancipação e Pesquisar, com os alunos, a
MEMÓRIA constituição da Desenvolver o olhar X X X X temática da pintura rupestre e a
identidade pela estético. arte que antecede o processo
Ponto apropriação, de colonização no Brasil (Parque
transformação e Nacional da Serra da Capivara,
ECOART
reelaboração da Refletir sobre o valor Barão de Cocais, Mar do
Linha Arvoredo...).
bagagem estética simbólico das X X X X
trazida pelos diferentes produções
colonizadores, artísticas. Disponibilizar o material
ÉTICA
indígenas, africanos pesquisado de maneira a
e imigrantes. promover uma reflexão sobre o
valor simbólico desses signos.
AUTONOMIA
Apresentar produções
imagéticas como o grafite,
promovendo a conexão
RITOS DE temporal entre as diferentes
PASSAGEM manifestações artísticas (Keith
Haring, Osgemeos, Basquiat,
grafiteiros locais).

48
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

CÓDIGOS DE NOVAS
VISUALIDADES VISUALIDADES Promover atividades de pesquisa e
HISTÓRIA DAS Desenvolver o produção de pigmentos naturais.
IDENTIDADE IMAGENS pensamento X X X X
Geometrização e crítico para a Utilizar técnicas do desenho de
Simplifica- leitura de animação na produção de
PATRIMÔNIO Realizar leitura
ção da forma Pintura imagens. composições (bloquinho,
CULTURAL E e apreciação A arte antes talmatrópio, stopmotion...).
MEMÓRIA estética. dos
colonizadores: Realizar propostas criativas,
Desenvolver a utilizando a monotipia, o
Cor Pigmento Arte Rupestre fruição pela decalque, entalhe em diversos
ECOART Arte Marajoara Grafite interpretação X X X X materiais como isopor, sabão,
e Tapajó – Arte estética dos papelão, papel corrugado, cortiça
Indígena. diferentes fazeres etc., além de cerâmica, cestaria,
artísticos. tecelagem.
ÉTICA Textura gráfica
Utilizar técnicas do desenho de
animação de composições
Observar e
(bloquinho, talmatrópio,
AUTONOMIA analisar as
stopmotion).
produções
imagéticas X X X X Utilizar programas de animação
através da (Pivot, Movie Maker...) como
história. forma de estimular a
RITOS DE
aplicabilidade dos meios
PASSAGEM
tecnológicos à prática educativa.

49
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

HISTÓRIA DAS NOVAS Apresentar imagens (DVD, fotos,


Valorizar o CÓDIGOS DE IMAGENS VISUALIDADES livros, pranchas...) sobre a produção
IDENTIDADE caráter temporal VISUALIDADES artística em arquitetura e sobre a
e atemporal das Relacionar as urbanização da cidade no período
diferentes diferentes X X X X colonial (Nossa Senhora da Sé, Praça
PATRIMÔNIO produções em produções XV, Conventos, Largo da Carioca,
CULTURAL E Forma Gravura imagéticas no tempo
Artes Visuais. A colonização: Mosteiro de São Bento, Paço
MEMÓRIA e no espaço. Imperial, Aqueduto, Paraty, Santa
as primeiras Cruz...), promovendo uma reflexão
igrejas: sobre a intencionalidade e a estética
Ampliar o Espaço arquitetura dessas produções.
ECOART conhecimento colonial
dos elementos de e urbanização Animação Promover visita ao Museu Nacional
visualidade: de Belas Artes, ressaltando as
plásticos e os Relacionar as
produções artísticas no Brasil (Frans
ÉTICA Movimento diferentes
referentes às Post, Eckout, Debret, Taunay,
tecnologias. Paisagens produções
X X X X Aleijadinho, Mestre Athayde...).
imagéticas,
produzidas ao longo Realizar, com os alunos, atividades
AUTONOMIA da história, ao seu
Neoclassicismo Fotografia criativas (recorte e colagem, pintura,
fazer artístico. desenho...), estabelecendo uma
conexão entre os diversos
movimentos artísticos em Artes
RITOS DE Missão artística Visuais dentro e fora do Brasil.
PASSAGEM francesa

50
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS Realizar atividades com a


IDENTIDADE VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES Desenvolver a linguagem fotográfica (máquina
capacidade criativa a X X X X digital, celular, máquinas
partir das diferentes artesanais...), a partir da obra
PATRIMÔNIO visualidades. de Debret, como forma de
CULTURAL E registro contemporâneo.
MEMÓRIA Linguagem Conexão
Apropriar-se da
fotográfica temporal e Promover o hábito da leitura
linguagem visual
estética: Grécia, Adquirir o hábito da dos Cadernos de Programação
para o fazer
Roma, leitura da X X X X Cultural da Cidade, em jornais e
artístico
RITOS DE Renascimento, programação revistas, através da confecção
contextualizado.
PASSAGEM Arte cultural da cidade. de um mural informativo na
Contemporânea escola.

Pesquisar como e onde as obras


ÉTICA Identificar os códigos
são expostas; eventos que
de visualidade na X X X X
envolvem a arte
linguagem visual.
contemporânea (as Bienais: São
Paulo, Veneza, Mercosul,
AUTONOMIA
Documenta- Alemanha)

Realizar Mostras em Artes


Visuais da produção dos alunos.
RITOS DE
PASSAGEM

51
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 7º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Analisar as diversas X X X X
CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS produções Disponibilizar, ao longo do ano
IDENTIDADE VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES imagéticas. letivo, instrumentos diversos
para a descoberta de que,
por meio da arte e de seus
PATRIMÔNIO Realizar leitura Manifestações símbolos, podemos
CULTURAL E imagética de Ponto artísticas brasileiras Desenho Estimular o
compreender e conhecer
MEMÓRIA forma pensamento crítico e X X X X melhor nosso país.
contextualizada, O processo de reflexivo.
reflexiva e crítica. emancipação e Estimular o hábito da observação
constituição da de ambientes internos e
ECOART identidade pela Conhecer as externos.
apropriação, diferentes manifesta- Criar registros individuais e
transformação e ções artísticas da coletivos.
X X X X
reelaboração da atualidade: plásticas,
ÉTICA Luz e sombra Pintura
bagagem estética tecnológicas e Realizar, com os alunos, atividades
trazida pelos híbridas. criativas (recorte, colagem,
colonizadores, pintura, desenho...),
Perspectiva
AUTONOMIA indígenas, africanos estabelecendo conexão
e imigrantes entre os diversos
movimentos artísticos em
Artes Visuais dentro e fora
RITOS DE Barroco do Brasil.
PASSAGEM
Relacionar a produção artística do
período Barroco Nacional ao
Barroco Europeu
(azulejos, Arte Sacra), em paralelo
com a arte contemporânea
(Adriana Varejão).

52
EIXOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS OBJETIVOS
1º 2º 3º 4º

Promover visita às Galerias de


CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS Arte e Centros Culturais que
VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES Conhecer os diversos apresentam exposições
IDENTIDADE Refletir sobre o materiais e suas X X X X
temporárias.
caráter efêmero possibilidades artísticas.
da estética visual Disponibilizar imagens (DVD,
PATRIMÔNIO contempo- livros, pranchas com reprodu-
CULTURAL E rânea. Forma Romantismo
ções...) referentes aos
MEMÓRIA Nacionalismo
Dobras, recortes e Perceber as infinitas movimentos artísticos
respostas diante de X X X X
apresentados.
vazados diferentes suportes.
Apropriar-se da
linguagem visual Cenas do cotidiano
ECOART como possibilida- Promover uma reflexão sobre as
brasileiro
de de texto diferentes produções imagéticas
imagético. e suas conexões com a Arte
Espaço e Identificar os códigos X X X X Contemporânea (Victor
ÉTICA Paisagens de visualidade. Meirelles, Pedro Américo,
Realizar leitura e Movimento Almeida Jr., Georg Grimm,
apreciação Antonio Parreiras, Eliseu
estética. Visconti, Renoir, Manet, Monet,
O Impressionismo
AUTONOMIA Van Gogh, Gauguin...).

Equilíbrio
RITOS DE
PASSAGEM

53
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Valorizar o CÓDIGOS DE Promover visita ao Museu


caráter temporal VISUALIDADES HISTÓRIA DAS NOVAS Ler e escrever textos Antonio Parreiras e ao Museu
IDENTIDADE e atemporal das IMAGENS VISUALIDADES imagéticos, X X X X Nacional de Belas Artes.
diferentes ressaltando sua
produções em intencionalidade.
PATRIMÔNIO Artes Visuais. Visita ao Parque Burle Marx,
CULTURAL E Jardim Botânico, Parque Lage,
MEMÓRIA Ampliar o Paquetá, Quinta da Boa Vista...
Volume Produzir
conhecimento A natureza morta artisticamente,
dos elementos de
Colagem expressando ideias, X X X X
visualidade: os Realizar atividades ao ar livre,
ECOART conceitos e
plásticos e os estimulando os alunos à
sentimentos.
referentes às Os retratos observação (cor e luz, luz e
tecnologias. sombra, espaço e volume,
ÉTICA equilíbrio e textura) e registro do
Apropriar-se da entorno, de forma criativa
Cor e luz Conexão Desenvolver a (desenho, pintura, colagem,
linguagem visual
temporal e pesquisa e as recorte...).
para o fazer
AUTONOMIA estética: possibilidades
artístico
Impressionismo, expressivas dos X X X X
contextualizado.
Expressionismo. materiais e suportes
Promover o hábito da leitura dos
trabalhados.
Cadernos de Programação
RITOS DE Cultural da Cidade, em jornais e
PASSAGEM revistas, através da elaboração de
um mural informativo na escola.

54
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

IDENTIDADE Apropriar-se dos CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS Ler e escrever textos Pesquisar como e onde as obras
códigos de VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES imagéticos, são expostas; eventos que
visualidade e dos ressaltando sua X X X X envolvem a arte contemporânea
PATRIMÔNIO conceitos da intencionalidade. (as Bienais – São Paulo, Veneza,
CULTURAL E Linguagem Mercosul; Documenta-
MEMÓRIA Visual. Alemanha).

Produzir Trazer para a turma a Linguagem


artisticamente, da Fotografia, apresentando seus
ECOART Realizar o fazer Textura gráfica expressando ideias, X X X X elementos e os profissionais da
artístico pela conceitos e área, despertando o olhar
experimentação Fotografia sentimentos. estético em relação a essa
e pesquisa de linguagem.
ÉTICA materiais e
suportes Estimular os alunos a produzirem,
diferenciados. artisticamente, através da
Desenvolver a linguagem fotográfica, de
AUTONOMIA pesquisa e as maneira a utilizar novas
possibilidades X X X X tecnologias (retratos, paisagens,
expressivas dos natureza morta, cotidiano...).
materiais e suportes
RITOS DE
trabalhados
PASSAGEM

55
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 8º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS


IDENTIDADE VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES Possibilitar a Disponibilizar, ao longo do ano
Realizar leitura fruição e produção X X X X letivo, instrumentos diversos
imagética de forma de textos para a descoberta de que, por
PATRIMÔNIO contextualizada, imagéticos. meio da arte e de seus
CULTURAL E reflexiva e crítica. Manifestações símbolos, podemos
MEMÓRIA artísticas compreender e conhecer
Geometrização e brasileiras Ler imagens melhor nosso país e o mundo.
Simplificação produzidas em
ECOART Formal O processo de Desenho diferentes tempos, X X X X Discutir o conceito de
Desenvolver a emancipação e espaços e Patrimônio Histórico, Artístico
consciência de constituição da contextos. e Cultural (material e
preservação da identidade pela imaterial), valorizando e
ÉTICA apropriação, Reconhecer nas
Memória Cultural de preservando a herança
um povo. transformação e diferenças as cultural – fortalecer a
reelaboração da possibilidades de cidadania e a identidade
Forma X X X X
bagagem estética interculturalidade nacional.
AUTONOMIA
trazida pelos Pintura nas produções em
colonizadores, Artes Visuais. Estimular o hábito da
indígenas, observação de ambientes
africanos e Perceber o internos e externos à escola;
RITOS DE
imigrantes. processo de criar registros individuais e
PASSAGEM
criação na coletivos, refletir sobre a sua
X X X X
construção e ocupação, percebendo a
desconstrução da relevância desses espaços na
imagem. vida da comunidade.

56
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

IDENTIDADE Valorizar e respeitar CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS VISUALIDADES Análise plástica e Promover atividade de
o Patrimônio VISUALIDADES IMAGENS visual das obras observação, junto aos alunos, do
Mundial Artístico, apresentadas, espaço da escola ou do seu
Histórico e Ambiental reconhecendo as entorno, sinalizando possíveis
PATRIMÔNIO Material e Imaterial. Linha possibilidades de mudanças ocorridas ao longo do
CULTURAL E utilização das X X X X tempo e registrando-as através
MEMÓRIA Apropriar-se dos Dobras e diversas técnicas, do desenho e/ou da fotografia.
conceitos e Conexão Temporal Recortes materiais e suportes
conteúdos da (origami) nos diferentes Levar os alunos a interferirem
linguagem visual, em Plano A revolução na arte movimentos em sua própria produção,
ECOART seus aspectos com “Les artísticos. desconstruindo a imagem
semânticos, Demoisselles registrada, de maneira a
sintáticos e expressi- d’Àvignon” – Respeitar a história perceber o processo de criação
vos na perspectiva Modernismo Escultura e o acervo X X X X da obra Les Demoiselles
ÉTICA da alfabetização Volume patrimonial de uma d’AvIgnon.
visual. civilização.
A Disponibilizar imagens (DVD,
modernidade: livros, pranchas com
AUTONOMIA O Colagens reproduções...) referentes aos
Cor expressionismo. movimentos artísticos a serem
estudados.

RITOS DE Promover a leitura das imagens


PASSAGEM apresentadas, sinalizando seus
Textura aspectos formais, técnicos,
A Semana de Arte Objeto estilísticos e suas relações com o
Moderna momento histórico.

57
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
HISTÓRIA DAS Apresentar imagens que
IDENTIDADE CÓDIGOS DE IMAGENS NOVAS Reconhecer o valor enfatizem os códigos de
VISUALIDADES VISUALIDADES da memória de uma visualidade, como linha, forma,
Perceber e refletir sociedade, como X X X X espaço, movimento, cor,
PATRIMÔNIO sobre o caráter expressão cultural textura, característicos dos
CULTURAL E efêmero, plural e Manifesto Pau- que deve ser movimentos artísticos
MEMÓRIA multicultural da Brasil preservada. abordados.
estética visual Antropofágico
contemporânea. Espaço - Estimular a produção artística
ECOART Pós-Semana de do aluno a partir da leitura
Arte Moderna Reconhecer os realizada anteriormente, através
Movimento valores patrimoniais, de técnicas
Realizar o fazer Instalações históricos e culturais X X X X diferenciadas (desenho, pintura,
ÉTICA artístico de forma Núcleo Bernardelli como constituintes recorte e colagem,
intencional, Proporção da sua identidade e dobradura…), que remetam a
contextualizada, e cidadania. uma melhor abordagem da
crítica e criativa. Equilíbrio Grupo Santa poética escolhida por cada
AUTONOMIA Helena artista (Matisse, Pablo Picasso,
Munch, Salvador Dali, Lasar
Grupo Frente Segall, Anita Malfatti, Di
Realizar o exercício Cavalcanti, Vicente do Rego
RITOS DE PASSAGEM da poiésis no fazer X X X X Monteiro, Goeldi, Victor
artístico. Brecheret, Tarsila do Amaral,
Oswald de Andrade, Candido
Portinari, Ismael Nery, Guignard,
Cícero Dias, Bruno Giorgi,
Pancetti, Milton Dacosta,
Alfredo Volpi, Iberê Camargo,
Clovis Graciano).

58
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS Promover visita aos espaços


VISUALIDADES IMAGENS NOVAS culturais que a cidade e/ou o bairro
IDENTIDADE VISUALIDADES oferecem (Museu de Arte
Conexão Temporal Moderna, Museu de Arte
e Estética: Contemporânea, Centro Cultural
PATRIMÔNIO Alemanha Espanha Hélio Oiticica, centros culturais,
CULTURAL E Realizar produções Expressionismo galerias, lonas culturais…).
MEMÓRIA artísticas na
perspectiva do o Fauvismo,
texto imagético. Produzir
Construtivismo Infogravura
artisticamente X X X X Promover o hábito da leitura dos
Neoplasticismo
ECOART experimentando a Cadernos de Programação Cultural
Dadaísmo,
escrita imagética. da cidade, em jornais e revistas,
Surrealismo
através da elaboração de um mural
informativo na escola.
ÉTICA
Produções
artísticas de
culturas não Produzir um mapa cultural do
AUTONOMIA entorno da escola e da cidade
hegemônicas - Arte Intervenções (Intervenções Urbanas, Vídeo Arte,
Popular. urbanas Performances, Instalações…).

RITOS DE
PASSAGEM

59
ORIENTAÇÕES CURRICULARES PARA O ENSINO DE ARTES VISUAIS – 9º ANO

EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES


TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Disponibilizar, ao longo do ano
Realizar leitura CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS letivo, instrumentos diversos para a
imagética de forma VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES Possibilitar a descoberta de que, por meio da arte
IDENTIDADE contextualizada, fruição e produção X X X X e de seus símbolos, podemos
reflexiva e crítica. de textos compreender e conhecer melhor
Manifestações imagéticos. nosso país e o mundo.
PATRIMÔNIO artísticas
CULTURAL E Desenvolver a brasileiras. Ler imagens -Discutir o conceito de Patrimônio
MEMÓRIA consciência de Ponto Desenho produzidas em Histórico, Artístico e Cultural
Preservação da O processo de diferentes tempos, X X X X (material e imaterial), valorizando e
Memória Cultural emancipação e espaços e preservando a herança cultural –
ECOART de um povo. constituição da contextos. fortalecer a cidadania e a identidade
e
identidade pela nacional, regional e local.
Linha apropriação, Reconhecer nas
transformação e diferenças as -Estimular o hábito da observação de
ÉTICA Valorizar o possibilidades de
reelaboração da Pintura ambientes internos e externos,
respeito ao
bagagem estética interculturalidade X X X X
produzindo criativamente imagens
Patrimônio nas produções em que simbolizem os espaços
trazida pelos
Histórico e Cor Artes Visuais. observados (desenho, pintura,
AUTONOMIA colonizadores,
Ambiental. colagem, estruturas
indígenas,
Perceber o tridimensionais...). Disponibilizar
africanos e
processo de imagens (DVD, livros, pranchas com
imigrantes.
Gravura criação na reproduções...) referentes aos
RITOS DE Forma X X X X
construção e movimentos artísticos a serem
PASSAGEM
desconstrução da estudados.
imagem.

60
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º

Promover a leitura das imagens


Apropriar-se dos CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS Reconhecer as apresentadas, sinalizando seus
conceitos e VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES possibilidades de aspectos formais, técnicos,
IDENTIDADE conteúdos da utilização das estilísticos e suas relações com o
linguagem visual, diversas técnicas, X X X X momento histórico.
em seus aspectos materiais e suportes
PATRIMÔNIO semânticos, O Colagem nos diferentes Apresentar imagens que enfatizem
CULTURAL E sintáticos e Abstracionismo. movimentos os códigos de visualidade, como
MEMÓRIA expressivos na ponto, linha, cor, forma, espaço,
artísticos.
perspectiva da movimento, característicos dos
alfabetização visual. Respeitar a história movimentos artísticos abordados.
ECOART e o acervo
Op Art e Pop Art Comunicação Visual
Espaço X X X X Realizar junto aos alunos, atividades
patrimonial de uma
civilização. criativas (comunicação visual, design,
cinema, HQ, ilustração, escultura,
ÉTICA Perceber e refletir A contempo-
Reconhecer o valor instalação, colagem, objeto,
sobre o caráter raneidade:
da Memória de uma infografia, gravura…), estabelecendo
efêmero, plural e sociedade como uma conexão entre os movimentos
multicultural da X X X X artísticos em Artes Visuais dentro e
Design expressão cultural
AUTONOMIA estética visual fora do Brasil (Manabu Mabe, Tomie
Arte Muralista que deve ser
contemporânea. preservada. Othake, Miró, Marc Chagall
Kandinsky, Mondrian, Paul Klee,
Ismael Pedrosa, Romero Britto, João
Estética visual Câmara, Tunga, Beatriz Milhazes,,
RITOS DE contemporânea Artes Gráficas Adriana Varejão, Gringo Cardia...).
PASSAGEM Movimento

61
EIXOS OBJETIVOS CONTEÚDOS HABILIDADES BIMESTRES SUGESTÕES
TEMÁTICOS 1º 2º 3º 4º
Reconhecer os valores Promover visita aos espaços de
patrimoniais, arte e cultura que a cidade e/ou o
CÓDIGOS DE HISTÓRIA DAS NOVAS históricos e culturais bairro oferecem (Museu de Arte
IDENTIDADE VISUALIDADES IMAGENS VISUALIDADES como constituintes da X X X X Moderna, Museu de Arte
sua identidade e Contemporânea, Centro Cultural
Realizar o fazer Hélio Oiticica, Oi Futuro, centros
cidadania.
PATRIMÔNIO artístico de forma Produções culturais, galerias, lonas
CULTURAL E intencional, História em Participar de debates,
artísticas de culturais…).
MEMÓRIA contextualizada quadrinhos expondo suas ideias,
culturas não Promover reflexão e debate sobre
crítica e criativa. enquanto fruidor X X X X
hegemônicas: conceitos estéticos – Quando é
Arte Popular. de arte e cultura.
arte? E o porquê da arte?
ECOART Ilustração Artista/Artesão? Arte Erudita/Arte
Realizar produções Realizar o exercício da Popular?
artísticas na poiésis no fazer X X X X Hibridismo?
perspectiva do texto artístico.
ÉTICA imagético.
Conexão estética Promover o hábito da leitura dos
Interagir com as Cadernos de Programação Cultural
Op e Pop Art, Cinema produções artísticas da Cidade, em jornais e revistas,
X X X X
AUTONOMIA Abstracionismo contemporâneas. através da elaboração de um mural
Figurativismo e informativo na escola.
Produzir,
Arte Conceitual Produzir um mapa cultural do
artisticamente,
X X X X entorno da escola e da cidade
experimentando a
RITOS DE (Intervenções Urbanas, Vídeo Arte,
escrita imagética.
PASSAGEM Performances, Instalações…).

62
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AMARAL, Aracy. Artes Plásticas na Semana de 22. São Paulo: Perspectiva, 1979. Coleção Debates.
ARCHER, Michael. Arte Contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
ARGAN, Giulio Carlo & FAGIOLO, Maurizio. Arte Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1992.
ARNHEIM, Rudolf. Arte e Percepção Visual. São Paulo: Pioneira, 1974.
ASSMANN, Hugo. Reencantar a Educação: rumo à sociedade aprendente. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

BARBOSA, Ana Mãe. Arte-Educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 1978.


____________________. A imagem no ensino da Arte. São Paulo: Perspectivas S.A., 1996.
____________________. Tópicos Utópicos. Belo Horizonte: C/ Arte, 1998.
____________________. Arte-Educação: leitura no subsolo. São Paulo: Cortez, 1999.
____________________. A compreensão e o prazer da Arte – Além da tecnologia: SESC – São Paulo, 1999.
BARBOSA, Ana Mae & COUTINHO, Rejane Galvão (Orgs). Arte/Educação como mediação cultural e social. São Paulo: UNESP, 2006.
BARBOSA, Ana Mae & AMARA, Lílian (Orgs). Interterritorialidade: Mídias, contextos e educação. São Paulo: SENAC, 2006.
BARBOSA, Ana Mae. Arte/Educação contemporânea: consonâncias internacionais São Paulo: Cortez, 2007.
BARBOSA, Ana Mae; COUTINHO, Rejane & SALES, Heloísa Margarido. Artes Visuais: da exposição à sala de aula. São Paulo: EDUSP, 2007.
BASBAUM, Ricardo. Arte Contemporânea brasileira: texturas, dicções, ficções, estratégias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
BAZIN, Germain. História da arte. Da pré-história aos nossos dias. São Paulo: Martins Fontes, 1976.
BERGER, John. Modos de ver. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.
BRASIL – Ministério da Educação – Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais – ARTE, Brasília, 1997.

63
BRANDÃO, Ana Paula. (Org). A COR DA CULTURA. Saberes e Fazeres, v.1: modos de ver. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.
_______________________________. A COR DA CULTURA. Saberes e Fazeres, v.2: modos de sentir. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.
_______________________________. A COR DA CULTURA. Saberes e Fazeres, v.3: modos de interagir. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2006.
BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1985.
BUORO, Anamélia Bueno. O Olhar em construção: uma experiência de ensino e aprendizagem da arte na escola. São Paulo: Cortez, 2000.
. Olhos que pintam: a leitura da imagem e o ensino da arte. São Paulo: Cortez, 2003.
CANCILINI, Nestor Garcia. Consumidores e Cidadãos: conflitos multinacionais da globalização. Rio de Janeiro; Editora UFRJ, 1995.
_____________________________.Culturas Híbridas. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.
CANEN, Ana. Competência Pedagógica e Pluralidade Cultural: Eixo na Formação de Professores? In: Cad - Pesq. nº 102, p. 89-107, Nov 1997.
CANONGIA, Lígia. O legado dos Anos 60 e 70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.
CAUQUELIN, Anne. Arte contemporânea: uma introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano-artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1994.
CERTEAU, Michel de. A cultura no plural. São Paulo: Papirus, 1986.
CHIPP, H. B. Teorias da Arte Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
COSTELLA, Antonio F. Para apreciar a Arte. São Paulo: Mantiqueira, 1997.
CUMMING, Robert. Para entender a Arte. São Paulo: Ática, 1996.
DE FUSCO, Renato. História da arte contemporânea. Lisboa: Presença, 1983.
DONDIS, Donis. A Sintaxe da Linguagem Visual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
FALABELA, Maria Luíza. História da arte e estética: da mimesis à abstração. Rio de Janeiro: Elo, 1987.
FERREIRA, Aurora. A Imagem da Arte e os Temas Transversais. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2008.
ORQUIN, Jean-Claude. Escola e Cultura. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993.
FRANCASTEL, Pierre. A realidade figurativa. São Paulo: Perspectiva, 1982.
GADOTTI, Moacir. O que é ler? Leitura: teoria e prática. Campinas: 1982.
GIROUX, Henry. Os Professores Como Intelectuais: Rumo a Uma Pedagogia Crítica da Aprendizagem. Tradução: Daniel Bueno: Artes Médicas, 1997.

64
GIROUX, Henry. Os Professores Como Intelectuais: Rumo a Uma Pedagogia Crítica da Aprendizagem. Tradução: Daniel Bueno: Artes Médicas, 1997.
GOMBRICH, E. H. A História da arte. Tradução: Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Ltc, 1993.
__________________.Arte e Ilusão – um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes, 1986.
GULLAR, Ferreira. Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte neoconcreta. São Paulo: Nobel, 1985.
____________________. Argumentação contra a morte da arte. Rio de Janeiro: Revan, 1993.
HALL, Stuart. A Identidade Cultural na Pós-Modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Lauro. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.
HAUSER, Arnold. História social da literatura e da arte. São Paulo: Mestre Jou, 1972.
HERNÁNDEZ, Fernando.Cultura Visual, Mudança Educativa e Projeto de Trabalho. Porto Alegre: Arte Médicas Sul, 2000.
_____________________.Catadores da Cultura Visual. Porto Alegre: Mediação, 2006.
JANSON, H.W. ; JANSON, Anthony F. Iniciação à História da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1996.
LEE, Wesley Duke . Arte brasileira contemporânea. São Paulo: Instituto Brasileiro de Arte e Cultura: Banco do Brasil, 1992.
MARTINS, Mirian Celeste et alii. Didática do Ensino de Arte. A língua do Mundo. São Paulo: FTD, 1998.
______________________________org. Mediação: provocações estéticas. Universidade Estadual Paulista: São Paulo, 2005.
McLAREN, Peter. Multiculturalismo Crítico. São Paulo: Cortez - (Coleção Perspectiva), 1999.
MARTINS, Mirian Celeste e PICOSQUE, Gisa. Mediação cultural para professores andarilhos na cultura. Rio de Janeiro: RBB Ltda, 2008.
MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Freitas Bastos: Rio de janeiro, 1971.
MOREIRA, Antonio Flavio Barbosa. Currículo: Políticas e Práticas . São Paulo: Papirus - (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico), 1999.
MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
_________________. Os Sete Saberes necessários à Educação do Futuro. São Paulo: Cortez: Brasília, DF: UNESCO, 2000.
MUNARI, Bruno. Design e Comunicação Visual. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
OSTROWER, Fayga. Universo da Arte. Rio de Janeiro: Campus, 1991.
____________________.A sensibilidade do intelecto. Rio de Janeiro: Campus, 1998.
PAREYSON, Luigi. Os problemas da estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997.
PANOFSKY, Erwin. O significado nas Artes Visuais. Editora Perspectiva, 1982.

65
PEREIRA, Maria de Lourdes Mäder. Arte como processo na educação. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1982. PEREIRA, Sonia Gomes. A arte brasileira no século XIX.
Belo Horizonte: C/Arte, 2008.
PILLAR, Analice Dutra (Org). A Educação do Olhar no Ensino das Artes. Porto Alegre: Mediação, 1999.
PEVSNER, Nikolaus. Origens da Arquitetura e do Design. São Paulo: Martins Fontes, 1982.
RICHTER, Ivone. Interculturalidade e estética do cotidiano no ensino das artes visuais. São Paulo: Mercado de Letras, 2001.
SANTAELLA, Lúcia. A leitura fora do livro. Disponível na Internet via www.url:http:/www.pucso.br/~cos-puc/epe/mostra/dantaell.htm.
______________________. Arquivo capturado em 2003.
SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Multieducação: O ensino de Artes Plásticas, Rio de Janeiro, 2008. (Série Temas em Debate)
SILVA, Tomaz Tadeu da. (Org) Alienígenas na Sala de Aula – uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis: Vozes, 1995.
_________________________.Identidade e Diferença. Petrópolis: Vozes, 2000.
_________________________.O Currículo como Fetiche. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.
STANGOS, Nikos (org). Conceitos da Arte Moderna. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.
TRINDADE, Azoilda L. da. Multiculturalismo mil e uma faces da Escola. Rio de Janeiro: DP&A - (Coleção O Sentido da Escola), 1999.
WOOD, Paul. Modernismo em disputa, a arte desde os anos quarenta. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 1999.
ZANINI, Walter. História Geral da Arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walter Moreira Salles, 1983. 2v.
ZÍLIO, Carlos. A querela do Brasil. Rio de Janeiro: FUNARTE, 1982.

Períodicos:
Revista Educação – Neuroeducação 1 – A Ciência do Aprendizado. São Paulo: Segmento, 2012.
Site:
http://artenaescola.org.br/ecoart/material/

66