Você está na página 1de 32

publicidade

de Moçambique
www.canal.co.mz Maputo, quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019
60 Meticais Director: Fernando Veloso | Ano 13 - N.º 892 | Nº 542 Semanário

As dívidas ocultas e as prendas na família real

Os presentes “do
tio Rosário”
Págs. 2 ,4 e 8

Agostinho Vuma em final de mandato


Págs. 10 e 20

As facturas atrasadas do Estado


publicidade

Um conceito internacional de restaurante e


lounge no coração de Maputo
Av. Julius Nyerere, N.794 Maputo | www.elpatron.co.mz | 83 109 9999 | reservas@elpatron.co.mz
2 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Destaques

Os presentes do “tio Rosário”


para os filhos de Nyusi

de Moçambique

de Moçambique
Tânia Matsinhe
Florindo Nyusi usa o endereço
electronónico “ffnj786@gmail.
com”. António Carlos do Rosário
usava, para além do endereço de
“Manuel Jorge”, do Yahoo, o en-
dereço “acdorosario@gmail.com”.

A propriedade em Cape town


No dia 29 de Setembro de 2014,
a “Herold Gie Attorneys” um es-
critório de advogados escreveu
uma nota de interpelação a Ja-
cinto Nyusi por causa da falta de
pagamento do valor da compra de
uma casa em Cape Town, em que
a empresa reclama que não rece-
beu nem a garantia bancária nem a
transferência electrónica da quan-
tia de certa de 3.510.000 rands.
Nesta nota de interpelação exigindo pagamento a Jacinto Nyusi. Comprovativo do adiantamento efectuado por Jacinto Nyusi Na nota, a empresa de advogados
phandane, uma cantora mo- – que, segundo tudo indica, repre-
Fernando Veloso, em Lisboa Carlos do Rosário, o presi- senta o vendedor da casa – pede
çambicana que funcionou
dente do Conselho de Ad- que, em cinco dias úteis, Jacinto
como intermediária entre

N
o dia 13 de Novembro, ministração das três empre- Nyusi faça o devido pagamento,
António Carlos do Rosário
uma quarta-feira, quan- sas, agora detido na cadeia
e os filhos do Presidente da
do Jean Boustani res- do Língamo, em Maputo.
Os “e-mails” indicam que República. Tânia Matsinhe
pondia às perguntas dos também conhecida como
procuradores Mark Bini e Hiral “Manuel Jorge”, ou seja,
António Carlos do Rosário, “Tima” já integrou as dele-
Mehta, identificou, num conjun-
o presidente do Conselho gações presidenciais e com
to de 125 “e-mails”, dos milhares
de Administração das três passagem pelo Ministério
existentes, o nome “Manuel Jor-
empresas, mandou com- dos Transportes e Comuni-
ge” como sendo uma alcunha de
prar presentes caros para os cações. Num certo momen-
António Carlos do Rosário, que,
filhos de Filipe Nyusi, ac- to, Florindo Nyusi, filho de
à data dos factos, era o presidente
tual Presidente da Repúbli- Filipe Nyusi, contactou di- António Carlos do Rosário
dos Conselhos de Administração
das três empresas, nomeadamente, ca, nomeadamente Jacinto de Moçambique rectamente António do Ro-
Nyusi e Florindo Nyusi. Os sário enviando a descrição
a EMATUM, a MAM e a “Proin- com a indicação de que, caso não
presentes foram comprados da viatura que queria que o
ducus”. Quando usava a alcunha o faça, eles cancelam o acordo
com o dinheiro dos subornos chefe da Divisão Económica
“Manuel Jorge”, António Carlos e retêm o sinal ou depósito feito,
recebidos pela “Privinvest”, dos Serviços Secretos com- na ordem de 26.000 rands. A casa
do Rosário também usava o “e-
-mail” “majo2025@yahoo.com”. a pedido dos filhos do Pre- prasse para ele. Num dos “e- é referida nos “e-mails” com o
Uma análise detalhada aos mi- sidente da República. Os -mails”, o nome de António respectivo endereço: 24 HillCrest
lhares de “e-mails” disponibiliza- presentes incluem uma casa Carlos do Rosário aparece Road, em Cape Town. No “e-mail”
dos pelos procuradores Mark Bini, em Cape Town, na África gravado como “tio Rosário”. está em cópia Tânia Matsinhe Ma-
Hiral Mehta, Margaret Moeser, Li- do Sul, e três automóveis Nas comunicações por phandane. Tânia Matsinhe já viveu
llian DiNardo, Katherine Nielsen de luxo, nomeadamente, um correio electrónico, Jacin- em Cape Town onde esteve a es-
e a agente especial do FBI Angela “Ranger Rover Evoque” e to Nyusi usa o “e-mail” tudar administração e economia.
Tassone revelam uma ligação pe- dois “Mercedes Benz SL”. “jacinto@thegafe.com”. No dia 30 de Setembro de 2014,
rigosa e comprometedora entre os No meio da tramitação A cantora Tânia Matsinhe
filhos de Filipe Nyusi, actual Pre- desse processo, aparece o Mapandane usa o “e-mail”
nome de Tânia Matsinhe Ma- Matsinhe perguntava se podia contar com Rosário “maphandane@gmail.com”. (Continua na página 4)
sidente da República, e António
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 Publicidade 3

Empresa Nacional
ao Serviço da Nação

Empresa Nacional
ao Serviço da Nação
4 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Destaques
(Continuação da página 02)

Ficha Técnica
DIRECTOR EDITORIAL
Fernando Veloso | canalmoz.fveloso@gmail.com
Cel: (+258) 82 8405012

EDITOR EXECUTIVO
Matias Guente | mtsgnt@gmail.com | Cel: 823053185

CONSELHO EDITORIAL: Director, Editor, Sub-Editores, Chefe da


Redacção, Sub-Chefe da Redacção e Editores sectoriais.

REDACÇÃO de Moçambique
Matias Guente | mtsgnt@gmail.com
André Mulungo | andremulungo4@gmail.com
Cláudio Saúte | sauteclaudio@gmail.com
Eugénio da Câmara | eugeniodacamara@yahoo.com.br

COLABORADORES
Alfredo Manhiça | freimanhica@gmail.com
Amade Camal | amadecamal@sirmotors.com
Hamilton de Carvalho | sarto.de.carvalho@gmail.com
João Mosca | joao.mosca1953@gmail.com
Afonso dos Santos

DELEGAÇÃO DA BEIRA PROVÍNCIA DE SOFALA


Nesta factura a família presidencial requisitava dois Mercedes ao “tio Rosário”
Adelino Timóteo (Delegado) | adelinotimoteo@gmail.com
Cel: +258 82 8642810 às 15h28, Colleen Sullivan da propriedade. O “e-mail” de Col- pia o próprio Jacinto Nyusi.
Herold Gie Attorneys enviou um leen Sullivan é em resposta a um A ligação entre Tânia Maphan-
José Jeco | Cel: 82 2452320 | josejeco@gmail.com “e-mail” a Tânia Matsinhe Ma- “e-mail” do mesmo dia 30 de dane e António do Rosário em
phandane com dados bancários da Setembro, às 15h17, enviado relação ao pagamento da casa de
“Herold Gie Attorneys”. Eis os da- por Tânia Matsinhe Maphan- Jacinto Nyusi está em vários “e-
dos: o número da conta é 1009014 dane a pedir os dados bancá- -mails”. Mas o mais elucidativo
FOTOGRAFIA
145; conta domiciliada no “Ned rios para efeitos do pagamento é o de 29 de Setembro do mesmo
Lucas Meneses
Bank” da África do Sul, sucursal da casa de Jacinto Nyusi. No ano, em que Tânia Maphandane
de Cape Town, onde se localiza a mesmo “e-mail” está em có- reencaminha para António do
REVISÃO
A.S. (Continua na página 8)

PAGINAÇÃO E MAQUETIZAÇÃO
Jorge Neves | Cel: 84 6282451 | nwaneve@gmail.com

CANALHA: AJM

PUBLICIDADE
Cremilde Acácio Cumbane |847805978 | cremildeacacio@gmail.com
Orlando Mulambo | 82 59 49 345 | 84 26 67 545
orlandomulambo@gmail.com | canalipdfs@gmail.com
de Moçambique
ASSINATURAS
Simião Chambule | 84 21 96 773 | chambulesimiao@gmail.com de Moçambique
DISTRIBUIÇÃO E EXPANSÃO (REVENDEDORES / AGENTES)
Orlando Mulambo | 82 59 49 345 | 84 26 67 545
orlandomulambo@gmail.com | canalipdfs@gmail.com
Luís Inguane | 84 81 59 337 | 82 38 74 060

CONTABILIDADE
Aníbal Chitchango | Cel: 82 5539900 ou 84 3007842 | chitchango@
yahoo.com.br

PROPRIEDADE
CANAL i, Lda * Bairro Central, Av. Maguiguana, n.º 1049 | Casa n.º
65000 R/C | canalipdfs@gmail.com * Maputo * Moçambique
Cell: 82 36 72 025 | 84 31 35 998

REGISTO: 001/GABINFO-DEC/2006
IMPRESSÃO: Lowveld Media - Mpumalanga
Florindo comunicando com “tio Rosário” e os detalhes bancários da fornecedora do “EVOQUE”
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 5

Destaques
João Mosca em entrevista ao “Canal de Moçambique”

Financiamento à agricultura e o sufoco


do Orçamento com salários em Maputo
N
a Constituição da indústria, o comércio, República está a con- experiência não pode ser general- cento, muito longe daquilo que
República, a agricul- o sector financeiro, cluir um mandato izada. Mas o facto é que, quando diz a Declaração de Maputo. O
tura é a base do de- etc.. E, portanto, em que sem- há recursos, são aplicados muitas Presidente da República disse,
senvolvimento, mas é os investidores, pre disse que a vezes com objectivos políticos e em campanha eleitoral, em Queli-
só na Constituição da Repúbli- normalmente agricultura é não com critérios económicos, no mane, que vai afectar dez por cen-
ca. De entre várias queixas dos vão procurar prioridade. sentido, mais uma vez, de aumen- to do Orçamento à agricultura.
agricultores, há duas que mais os sectores de Este discurso tar a produtividade. Vamos ver se aquilo é discurso
se destacam: a falta de subsí- maior rentabil- esteve tam- de campanha eleitoral ou se se
dios e o acesso ao crédito. João idade, de menor bém presente Canal – Na Declaração de materializa. Mas é preciso ver
Mosca, professor catedrático e risco e onde o na campanha Maputo, de 2008, Moçambique que esses dez por cento que vão
director executivo e investiga- capital retorna eleitoral deste comprometeu-se a atribuir 10% para a agricultura vão para que
dor do Observatório do Meio mais rapidam- ano. Este dis- do seu Orçamento do Estado sector, dentro da agricultura.
Rural, tem algumas propostas ente. Significa curso não está para a agricultura. Qual é o Quase setenta por cento do Or-
para a agricultura. Em ent- que a agricultura a ser acompan- ponto da situação de Moçam- çamento para a agricultura fica
revista ao “Canal de Moçam- não tem vanta- hado por acções bique, do ponto de vista do nos órgãos centrais de Maputo,
bique”, João Mosca defende gens competiti- concretas, pro- cumprimento da Declaração? e uma alta percentagem é para
que é preciso que, dentro do vas, comparando fessor. salários. É preciso, dentro do
Orçamento do Ministério da com outros sec- João Mosca – O que temos Orçamento, que, internamente
Agricultura, haja uma reestru- tores. João visto dos Ministérios da Agri- dentro do Ministério da Agricul-
turação, para que rubricas de cultura e da Terra, Ambiente e tura, haja uma reestruturação do
incentivo à produção, investi- Desenvolvimento Rural, que Orçamento, para que rubricas de
gação e extensão rural sejam estão directamente ligados ao incentivo à produção, investiga-
reforçadas, porque é daí donde sector agrário, é que têm rece- ção e extensão rural sejam refor-
vêm a produção e a produtivi- bido quatro, cinco por cento, e, çadas, porque é daí onde vem a
dade, e não canalizar setenta no último ano, subiu até seis por produção e produtividade.
por cento do Orçamento para
os órgãos centrais em Maputo,
para despesas com salários, “Há uma arquitectura que é um ‘marketing’
como acontece actualmente. Canal – O que o professor Mosca – O Orçamento do Estado económico internacional, que faz com que
pensa que deve ser feito para destinado para a agricultura é
Canal de Moçambique – O que haja mais investimento na muito pequeno. Se não há subsí-
Moçambique apareça como um país em recuperação,
ministro da Indústria e Comér- agricultura? dios, pelo menos pode haver uma para incentivar que os investimentos aconteçam.”
cio, Ragendra de Sousa, disse, reestruturação da alocação dos Canal – Professor, gostava um país em recuperação, para in-
no dia 28 de Novembro, para João Mosca – As políticas recursos públicos favorecendo de aproveitar a oportunidade centivar que os investimentos
espanto de todos, que não é públicas devem ser feitas no mais a agricultura. Compete ao e falar das dívidas. O Governo aconteçam. São os investimentos
viável subsidiar o sector da ag- sentido de encontrar mecanis- Estado encontrar mecanismos de ignorou o Conselho Constitu- do gás. As empresas do gás estão
ricultura. Pergunto-lhe como mos para que o sector privado garantir que os subsídios e incen- cional e está a pagar a dívida da permanentemente a adiar certo
olha para essas declarações, encontre incentivos, estímulos, tivos alcancem os objectivos que EMATUM. Gostava de ter o seu tipo de investimentos previstos.
tendo conta que a Constituição para investir na agricultura. Sem se pretendem. O Governo deve, comentário sobre essa decisão Depois aparece o conflito de Cabo
da República determina que medidas públicas de incentivo na próxima legislatura, em parce- do Governo e também sobre Delgado, que as pessoas procu-
agricultura é a base do desen- que alterem a desvantagem com- ria e em diálogo com os diferentes o que   é que isto significa em ram minimizar internacionalmen-
volvimento? petitiva da agricultura em termos actores económicos, sobretudo termos de reatamento das re- te, mas que é uma realidade que
de investimento e de fluxo de com o sector privado, que é o pri- lações com o FMI e da situação vai levantar muitos problemas em
João Mosca – As declara- capitais, não vai haver grandes meiro interessado nisso trabalhar económica de Moçambique nos todo este processo, porque é um
ções do ministro da Indústria e investimentos na agricultura. nisso. próximos tempos. país em guerra na zona de explo-
Comércio devem ser vistas sob ração de gás (é verdade que gran-
vários pontos de vista. Primeiro, Canal – Os agricultores Canal – Nos últimos tempos, João Mosca – Primeiro, deve- de parte do gás é “offshore”), mas
ele diz que os subsídios para a falam de falta de crédito na temos assistido a projectos, mos enfatizar que estas dívidas toda a logística está em terra.
agricultura têm sido ineficazes. banca. Quando há, as taxas são mas que se concentram em al- não devem ser pagas. O Governo Também pode haver interesse
É verdade. Segundo, ele diz que altas. Parece que os bancos não gumas zonas do país. Há quem não está a respeitar a Constitui- para que este conflito exista para
não sabe onde buscar recursos acreditam na agricultura. diga que esses projectos foram ção. Isso é gravíssimo. Se o Go- aumentar o risco de investimento,
públicos para financiar alguns criados para satisfazer agen- verno está a fazer isso, é porque e as empresas petrolíferas, nas
aspectos do sector agrícola. Ele João Mosca – Nós vemos que das políticas, o que levanta a existe uma arquitectura interna- suas negociações com o Governo,
diz ainda que o sector privado as percentagens de crédito desti- questão de que não é porque cional  que mete o FMI, o Banco exigirem melhorias das condições
tem tido alguns benefícios, mas nado à agricultura não ultrapas- falta dinheiro que não se investe Mundial, alguns países que têm de exploração. Tudo isso é uma
que isso não se tem traduzido sam, neste momento, quatro ou na agricultura. O ponto é a falta interesses económicos em Mo- arquitectura internacional muito
em termos de mais investimen- cinco por cento. E tem tendência de vontade política. çambique, alguma cooperação, o complexa, que pode meter até ac-
tos privados na agricultura e a decrescer. As taxas de juros são sistema bancário internacional e o tos de conspiração internacional.
mudanças tecnológicas para muito altas. E o banco não está João Mosca – Há certos secto- próprio Governo, que tem a ne- Os russos não vieram por acaso, o
aumentar a produtividade. O disponível para dar crédito à ag- res da agricultura, como, por ex- cessidade de demonstrar, através Sr. Pierce não veio dizer que aca-
que ele diz não me parece que ricultura exactamente devido à emplo, a Alta Zambézia, em que destes pagamentos, que Moçam- ba com o conflito em um mês, de
esteja errado. Mas isso não pode sua rentabilidade e os riscos. É os produtores que têm equipa- bique começa a ter condições para qualquer maneira. O conflito não
levar à conclusão de que não preciso haver linhas de crédito mento têm uma parte financiada o pagamento das dívidas. Esta ar- aparece ali de qualquer maneira.
se pode subsidiar a agricultura. específicas, é preciso haver capi- pelo Estado. Porquê temos na Alta quitectura é um “marketing” eco- Há razões externas, e há condi-
Por várias razões. A primeira, tal e incentivos. Zambézia e não temos nas outras nómico internacional que faz com ções internas para que o conflito
porque a agricultura é um sec- zonas do país? Porque os recursos que Moçambique apareça como exista. de Moçambique
tor menos competitivo do que a Canal – O Presidente da são limitados? É verdade que a
6 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Editorial

Cabo Delgado e a informação oficial!

H á um País à parte na província de Cabo Delgado, onde


a constituição está materialmente suspensa, onde não há
Estado nem Governo. As pessoas sobrevivem à sorte da arbitra-
mente criminoso. É estranho que esses deputados representem
os habitantes de Cabo Delgado e se estejam nas tintas agora que
essas mesmas almas a quem dizem representar estejam a ser es-
riedade enquanto o azar não lhes bate a porta e lhes não serve quartejados e eles no conforto da almofada do sil6encio sepulcral.
um prato brutalmente frio e cheio de crueldade que decepa os Estes ataques duram mais de dois anos. É tempo suficien-
membros aos sortudos e arranca as cabeças aos mais azarados. te para no mínimo haver uma informação de Estado e credí-
Esses moçambicanos que são mortos ao todo santo dia, feito vel sobre o que se está a passar em Cabo Delgado. As trapa-
animais desconhecem a causa que lhes faz morrer, tal como lhadas pelas quais o próprios Chefe de Estado se está a meter
desconhecem de onde virá a mão que lhe livra desse inferno não ajudam a sua própria imagem nisso. Começaram com a
proporcionado por homens iguais. O único pecado que se lhes responsabilização de um cidadão sul-africano que morreu sob
pode imputar é o facto de os seus pais os terem nascido numa custódia das judicial sem nunca ter sido julgado. Depois seguiu-
terra com recursos petrolíferos agora objecto de disputa entre as -se uma conversa de uns tais empresários radicados na Beira,
máfias internacionais com a conivência de uns senhores que sen- numa declaração inflamada para não dizer pouco responsável
tados em gabinetes com temperatura condicionada em Maputo, do próprio Chefe de Estado. Tudo dito e feito no maior levia-
subscrevem esses planos de dizimar os seus próprios irmãos. nismo e enquanto isso Cabo delgado continua a ferro e fogo.
Vai daí que na capital Maputo onde se tomam as decisões isso De todas as formas, o Chefe de Estado tem vir a público,
nem é conversa. Os órgãos de comunicação social do sector não em números de conversa fiada, mas em aparição séria
público que sobrevivem dos impostos dos moçambicanos in- para dizer aos moçambicanos na sua qualidade de comandan-
cluindo os de Cabo Delgado nem se quer se dão ao trabalho te em Chefe sobre o que se está a passar em Cabo Delgado.
de informar uma única linha sobre o que se passa em Cabo Deve explicar aos moçambicanos a ratio que existe por de-
Delgado. Há um pacto criminoso de silêncio desde as autori- trás da contratação da milícia estrangeira, e sobre os seus ho-
dades com a cumplicidade dos órgãos de comunicação social. norários e sob que termos e condições esse negócio foi feito.
Nisto tudo há um País a parte em que cabeças de homens mu- Perante tudo isto, se há uma incerteza que estes nossos compa-
lheres e crianças são decepadas numa cruzada insana de terro- triotas estão a viver, não é a incerteza da morte, é a incerteza so-
rismo. É preciso ser muito ingénuo para pensar que o grupo bre qual o tipo de acto bárbaro que lhes tirará a vida. A par des-
terrorista que está a praticar esses actos surgiu de uma casua- sa incerteza, há uma certeza: que todo este destino cruel é uma
lidade e pratica tais actos como mero exercício de acefálico guerra com a qual os moçambicanos nada têm a ver, porque esta
de divertimento. Não. O povo tem inteligência suficiente para acção sanguinária é o produto de um programa que ultrapassa as
perceber que está a ser vítima de um cruzamento de agendas aspirações de um povo que já nasceu na miséria e está a morrer
contrapostas no âmbito da exploração dos recursos petrolíferos. sem direito a um sepulcro, mesmo que seja uma simples cova.
Para já este martirizado povo que foi escolhido para ser a cola- A dignidade negada a um povo ostracizado é agora agra-
teral desta disputa das máfias internacionais que tem sócios na- vada com o impedimento de realizar um simples funeral,
cionais, nunca precisou do petróleo que ali abunda para sobrevi- pois ao homem e à mulher é negado o direito de chorar e
ver. Eles e os seus antepassados viveram da agricultura, da pesca enterrar o seu filho, pai, mãe ou irmão, porque tem de fu-
e da pastorícia. Apesarem de terem uma legítima autoridade para gir no momento a seguir, para salvar a sua própria vida.
exigir mais e melhor, nunca precisaram de muito para viver. Quem acode aos nossos compatriotas de Cabo Delgado, en-
Hoje estão votados a uma indignidade tal de terem de fugir de quanto isso ainda é possível? Até quando vai continuar a es-
noite a noite, na incerteza da própria vida, não sabendo quando correr sangue em Cabo Delgado? Até quando os nossos com-
é que lhes chega a vez de serem esquartejados. E no meio à falta patriotas que vivem em Cabo Delgado continuarão a ser
de qualquer tipo de informação acordam cercados de milícias apenas números estatísticos para descrever tragédias? O
estrangeiras que ninguém sabe de onde vêm e que interesses de- que é que esses nossos compatriotas têm de tão mau para
fendem. Tal como não se sabe com que termos de referências es- que o Governo se furte ao dever de proteger as suas vidas?
sas milícias combatem fazendo a devida destrinça entre os cida- Quem é que explica este alheamento do Governo perante cida-
dãos bons de Cabo Delgado e os cidadãos maus ligados ao terror. dãos que estão a ser dizimados como animais? Deixar que o as-
Nesta salada toda, a acção por omissão do Estado é deveras sunto de Cabo Delgado seja resolvido pela Polícia e pelo Exército
preocupantes numa República que tem uma constituição e insti- localizado nessa parcela do território de Moçambique é encarar
tuições. O silêncio da Assembleia da República perante tão grave Cabo Delgado como se fosse território alheio. Mas mais grave
matéria também não deixa de ser preocupante. O silêncio dos de- do que isso é esperar que essa situação se resolva por si mesma.
putados eleitos pelo círculo eleitoral de Cabo Delgado é simples- de Moçambique
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 Publicidade 7
8 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Opinião

Os três Moçambiques da
nossa desgraça colectiva
Por Adelino Timóteo

Q
uando Moçambique alguém me perguntara como con- eleições com o uso da força. Há biques. Há um Moçambique de quase mil nacionais. Teatralizam os
era um país exemplo seguia eu viver neste pais, se não muitas armas na posse de gente Nyusi, que viola os direitos mais russos como os somalis o fizeram
da reconciliação e paz, pretendia uma bolsa de criação marginalizada, excluída, disposta elementares da Carta das Nações aos capacetes azuis. Moçambique,
lembro-me que olhá- por um ano, para evadir-me deste a espalhar o sangue, para mostrar Unidas sobre os direitos civis e com os seus vários países instala-
vamos com piedade para os nos- inferno. Disse-lhe que melhor vi- que também tem força. Isso decor- políticos, há o Moçambique de dos nas suas fronteiras, tornou-se
sos coitados irmãos angolanos ver no meu inferno que no inferno re da ruptura do contracto social. Nhongo que ataca viaturas civis um dos locais mais perigosos de
e somalis, para os nossos pobres dos outros. Cada vez mais estou Há gente disposta a mostrar que e há o Moçambique dos insurgen- se viver, porque há os que também
irmãos ruandeses e burundeses. preparado para aceitar o negativis- também tem força como aqueles tes de Cabo Delgado. Cada um à aproveitam do caos para seques-
Para enfocar-vos, recordo-me das mo da nossa herança avara em se que mandam desde o poleiro da sua maneira, semeia terror, semeia trarem gente endinheirada. Auguro
imagens mais horripilantes que respeitar. Não me conformo, mas nação. O Estado encontra-se nas o luto. O Moçambique de Nyusi, que o Moçambique de Nyusi se re-
nos chegavam daqueles países, com a malícia reinante, estou im- mãos de um grupo que o capturou do Nhongo e dos insurgentes são concilie com o do Nhongo, como
lembro-me de Gronzi, na Jugoslá- potente. As campanhas eleitorais, e “gangs” marginalizadas estão a todos iguais. Porque em 2014 com o dos insurgentes. Porque ne-
via, ou de um capacete azul a ser os comícios eleitorais atestam que semear o caos em lugares onde o Nyusi chegou ao poder por frau- nhum dos três Moçambiques pode
arrastado por uma viatura em an- desconstruímos a ilusão com que Estado não se faz sentir pelo seu de, em 2019 repetiu a proeza. Os viver a margem do outro, porque
damento e o impacto dessa morte nos críamos melhores que os an- poder coercivo. Ou seja, o poder três Moçambiques a que me refiro sendo Moçambique sofremos jun-
nesta Somália, que eu tomara por golanos, que os guineenses, aos coercivo do Estado começa onde têm uma base na ilicitude. O que tos. Tem toda a razão que evocam,
inferno do mundo. Moçambique, quais tocam nos olhar como coi- a elite predadora o defrauda, o sa- se quer saber doravante qual dos mas que podem tomar-se no meio-
recém-pacificado, era um idílio, tados e pobres. Quem me lê cer- queia, onde semeia o sangue e o três Moçambiques ilegais se im- -termo para sairmos da triste posi-
enquanto os tsutsis e hutus se ma- tamente ter-se-á apercebido que luto, em processos eleitorais, e o porá sobre o outro. Os três Mo- ção de país mais pobre do mundo.
tavam. Eu sentia muito orgulho eu traçara as conjecturas do que grupo dos marginalizados por esse çambiques têm o mesmo poder de Pobres podemos ser, não importa,
por os moçambicanos terem pa- seriam as eleições e o momen- mesmo Estado pauta pela mesma matar com frieza. O Moçambique mas com a concórdia reinando en-
cificado o seu país e por os dois to pós-eleitoral. Já antes dela, eu incongruente conduta. Moçam- de Nyusi mata com os seus esqua- tre todos. Para terminar: não deixei
beligerantes, Dhlakama e Chissa- falava de detenções, da melhoria bique entra no “ranking” de país drões da morte, nas cidades onde o Moçambique de Ossufo Momade
no, se tratarem por irmãos. Eu cria do gráfico da actuação policial, com poderes paralelos, com Esta- vivemos, por isso sempre com a de parte. Li algures que o Moçam-
que os moçambicanos eram mais dessa mesma polícia que ao longo dos paralelos, que dividem a sua morte à nossa espreita. O Moçam- bique de Momade anda de férias
compreensíveis e mais tolerantes de cinco anos não prende ladrões, actuação entre os que saqueiam bique de Nyusi não gosta de inte- pelas europas, ginga-se com bole-
a aceitarem viverem na diferen- não actua contra os infractores, dos tesouros, torpedeiam a justiça lectuais como eu que pensa e fala tins de votos que o Moçambique de
ça. A respeitarem-se mutuamente, mas que ao tempo das eleições e os que garimpam o pais espa- abertamente, que Nyusi roubou Nyusi encomendou aos Sidats, para
a partilharem o poder. Eu estava são mais eficientes que qualquer lhando o luto, a diário, no centro dinheiro ao Estado, ao povo pobre, continuar a prosperar o seu reinado.
iludido. Os moçambicanos são tão polícia do mundo, para matar o e Norte do país. Ou seja, estamos e devia devolvê-lo, ao menos isso, Momade ameaça agir em função
iguais aos somalis, aos ruandeses, patrício opositor, para prender o entregues aos bandos que reta- porque foi apanhado, e qualquer dos resultados a serem divulgados.
aos congoleses. Aquela minha patrício opositor, para participar lharam a pátria. Por um lado, uns discurso seu sobre a corrupção será Apelo a Momade que não o faça por
percepção sobre o nosso urbanis- nas manobras de enchimento de bandos oficiais, por outro lado uns alvo de chacota e comiseração. O meio da força letal, pois no meio
mo era uma fantasia infantil. Os urnas. Já aqui fiz uma conjectu- bandos informais. Alguns dirão Moçambique de Nhongo devia ter de tantas armas e búfalos feridos
moçambicanos não têm nada de ra: caminhamos inexoravelmente que sou pessimista, mas se alguma vergonha das horrorosas mortes e quem sofre somos nós, o povo. Por
pacífico sobre o qual eu me con- para a fragmentação da nação, por vez o fui, sempre tive esperança ataques a inocentes e indefesos em favor, nem mais um único morto!
vencera. Numa palestra que eu culpa do egoísmo, por culpa da em Moçambique, mas convenha- Sofala e Manica. O Moçambique de Moçambique
dera recentemente na Alemanha, prepotência de uns que ganharam mos: agora temos vários Moçam- dos insurgentes a norte já matou

(Continuação da página 4)

Rosário as conversas com credor glesa. Tânia responde “OK”. de Craig White, o gerente da “Ja- que” continua a vasculhar do- de “e-mails” disponibilizados
de Jacinto Nyusi, Colleen Sulli- guar Land Rover” da África do Sul. cumentos relevantes na pilha pela Justiça norte-americana.
van, com o assunto “Transfer of Florindo Nyusi e as suas máqui- No mesmo dia 19 de Março de
24 Hillcrest Road, Constatia”, nas 2015, às 19h 35, Florindo Nyusi
ou seja o pagamento da proprie- No dia 19 de Março de 2015, envia uma outra mensagem a Antó-
dade comprada em nome de Ja- às 16h53, usando o “e-mail” nio do Rosário com uma outra fac-
cinto Nyusi. O assunto coincide “ffnj786@gmail.com”, Florindo tura pró-forma. No e-mail, o PCA
com o endereço da propriedade. Nyusi mandou uma mensagem da EMATUM é “tio Rosário”. Flo-
No “e-mail”, Tânia Maphandane a António Carlos do Rosário, no rindo encaminha uma factura que
pergunta a António do Rosário endereço “acdorosario@gmail. recebeu de “imraancam@hotmail.
se pode contar com ele na reso- com”, com a descrição de uma com”, um conhecido intermediá-
lução do assunto do pagamen- viatura da marca “Ranger Rover” rio de pagamento a pronto e cash,
to da propriedade. António do que custa 933.285 rands. No corpo baseado na África do Sul. No “e-
Rosário responde a marcar um do “e-mail”, lê-se “Olá. Confor- -mail” está em anexo uma factura
encontro para o mesmo dia, às me discutido, por favor, encontre em nome da “Ultra Trading 014
14h00, dando o endereço “Ave- o preço do Evoque. O carro é um PTY LTD”, referente a duas via-
nida Amílcar Cabral 1512” em Evoque Dynamic SI 4 (gasolina) turas de marca “Mercedes Benz”.
Maputo. Esse endereço é exac- 9 velocidades. O interior é Ebony A primeira é um “Mercedes Benz
tamente a sede da EMATUM em Pimento tal como mostram as fo- SL 65 Palladium” de cor prateada
Maputo, ali próximo ao Centro tos do whatsapp. Muito obrigado. e custa 2.890.990 rands. A segunda
de Mobilização para o Serviço Cumprimentos”. A mensagem está é um “Mercedes Benz S65” de cor
Militar Obrigatório. No corpo em língua inglesa e anexa mais de branca e custou 3.322.126 rands. Há
do “e-mail”, lê-se: “Podemos seis fotografias da referida viatura um custo de transporte de 20.000
encontrar-nos hoje às 14:00 na de alta cilindrada. Mas, na verdade, rands, o que, somado, dá uma
Avenida Amílcar Cabral 1512”. Florindo Nyusi está a reencami- factura total de 6.138.116 rands.
A mensagem está em língua in- nhar uma mensagem que recebeu O “Canal de Moçambi- Jacinto (à direira) e Florindo Nyusi respetivamente
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 9

Opinião

Retrocedemos bastante
Por Edwin Hounnou

A
s eleições de 15 de palacetes para as suas aman- gar o relatório da Kroll para o manter no poder o mesmo par- dos. Não pactuamos com al-
Outubro de 2019 tes, pelas capitais europeias, fundo do mar. Pode ser hoje tido que nos desgoverna desde drabices nem com fantocha-
vieram demonstrar obtiveram viaturas moder- ou amanhã ou quando quiser. que chegámos à independên- das. Não aceitemos retroceder.
aos mais cépticos nas e de grande cilindrada. O povo já sabe o que a qua- cia. Gasta-se muito dinheiro e o A Bolívia levantou-se contra
que o nosso país retrocedeu Passam fins-de-semana no drilha fez e quanto dinheiro Governo lança peditórios para, a fraude por ter havido, apenas,
em quase todos os aspectos estrangeiro a desfrutarem dos cada um amealhou e sabe-se no fim, termos um festival de dois mil votos falsos enquanto
da vida política, económica dinheiros roubados, viajando as razões que levam as auto- enchimentos de urnas. Para nós ficamos quietos embora
e cultura. Para os dirigentes, em classe executiva, enquan- ridades a insistirem em pagar que servem as eleições, se o tivessem ocorrido milhões de
de modo geral, a moral e éti- to os seus meninos gingam as dívidas que os outros con- método que se adopta não tem votos falsos. O Malawi, país
ca são valores do passado. A com carros de luxo, nas nossas traíram: vários dos actuais nada a ver com eleições? Que nosso vizinho, não deixa o pre-
fronteira entre o bem e o mal ruas, perante os nossos olhos governantes estão implicados engane a comunidade interna- sidente eleito por fraude tomar
é ténue, quase inexistente. impotentes, e, mais grave ain- nas dívidas ocultas, incluindo cional que tanto gosta de fin- posse e nós cá vamos comer
Quase todos eles se guiam, da, protegidos pela Polícia o “New Man” no código das gir que, entre os moçambica- e dançar para festejar a toma-
nas suas acções governativas que recebe o salário a partir transacções financeiras reve- nos, está tudo bem e corre para da de posse de um presidente,
ou administrativas, pelo prin- dos impostos cidadãos espo- ladas no julgamento a que o saudar e aplaudir falcatruas. evidentemente, fraudulento.
cípio do vale tudo – encher os liados pelas dívidas ocultas. “filho do Papá” está sujeito A vontade e a intenção da Terminamos, como uma tal
bolsos com dinheiro roubado, Por serem bastante vulnerá- nos Estados Unidos. O valen- Frelimo é de retornar ao mo- família de artistas das dívidas
rodear-se de bens surripiados veis à corrupção, tomamos tão que expulsou do seu gabi- nopartidarismo quase selva- inconstitucionais, dizendo:
ao povo. Chegar ao poder, conhecimento de que estavam nete de trabalho a equipa da gem que levou muitos países “Papá, os investimentos para
exercê-lo e mantê-lo socorren- a ser agraciados, pelos seus Kroll encaixou 60 milhões de ao descalabro económico e todos os projectos estão garan-
do-se de todos os meios, in- comparsas estrangeiros, por dólares só para si. Aqui reside social. Estamos, sem qualquer tidos”, “Fine my, son”. Coisas
cluindo os ilegais como o en- caixas e caixas de vinho raro, a razão fundamental de tanta margem para dúvidas, a cami- de vergonha! Jean Boustani
chimento de urnas com votos para satisfazer a alma dos ban- arrogância que quis transmi- nho do monopartidarismo. A escapou, porém, o mesmo já
falsos. Já não se envergonham didos. Chamavam-se de pai e tir como se tratasse de grande Frelimo quer, a qualquer preço, não se pode dizer dos nossos
de nada, no dia de votação os filho entre si (Armando Gue- guardião dos segredos de Esta- extinguir o multipartidarismo. gatunos que roubaram e es-
boletins de voto assinalados buza e Jean Boustani) devido do. Estava, afinal, a esconder o Quer ser ela, somente, o actor tão a obrigar o povo a pagar.
andavam a granel nas assem- à cumplicidade existente na produto do roubo. É um grupo político, no nosso país. Ao agir Por isso, é nossa esperança e
bleias de voto. Alguns dos im- arte de bem roubar ao povo. muito perigoso que vendeu a de tal modo, a Frelimo está a desejo que os nossos ladrões
plicados orgulham-se de terem Sabemos que um dos filhos pátria por interesses egoístas. lançar à terra a semente da sejam julgados nos Estados
introduzidos mais 70 boletins, do papá, que nem é funcioná- Somos um país atípico, em discórdia que pode gerar, em Unidos onde o partido no po-
o que reforçou a vitória da rio do Estado, recebeu cerca todo o mundo, em que até os breve, conflitos que vão desa- der não manda em tribunais.
Frelimo e do seu candidato. de 60 milhões de dólares de serviços secretos defraudam o guar em guerras, como acon- O povo está entregue à bi-
Vamo-nos apercebendo de comissões da roubalheira e Estado. A prática comum, em teceu num passado recente. charada que, a olhos vistos,
que o nosso Estado foi assal- para salvar a pele dessa qua- outros países, tem sido a de- Nós repudiarmos os resulta- nos estão devorando. Moçam-
tado por um bando de crimino- drilha de bandidos, a Procu- fesa dos interesses do Estado dos eleitorais, não precisamos bique arrisca-se a um novo
sos. As notícias que nos che- radoria-Geral da República pelos serviços secretos. No de esperar que sejam procla- conflito, caso os resultados
gam dos Estados Unidos são (PGR) de Moçambique codi- nosso caso, as coisas acon- mados pelo Conselho Consti- das eleições sejam validados,
constrangedores e arrepiantes. ficou os nomes desses gatunos teceram de modo inverso – o tucional por sabermos que este avisa Ossufo Momade, líder
Como nos roubaram assim e catraias para que o povo não golpe contra a economia na- órgão não vai fazer nada dife- da Renamo, e nós reiteramos
tanto?! Fazendo-se passar em os pudesse identificar. O pou- cional, burla e calote foi con- rente do Secretariado Técnico o alerta que a Frelimo está a
nosso nome, os bandidos rou- co que, hoje, sabemos do que cebido e operacionalizado por de Administração Eleitoral e empurrar o país para novos
baram e, hoje, argumentan- os caloteiros fizeram contra o agentes dos serviços secretos. da Comissão Nacional de Elei- conflitos e guerras fratricidas.
do que querem estar bem no povo se deve à Polícia norte- Retrocedemos em todos os ções. O Conselho Constitu- A acontecer isso, os mesmos
mercado financeiro, obrigam -americana, FBI, e não às nos- aspectos da vida política e cional vai, isso sim, carimbar indivíduos vão escalar fábri-
o povo a pagar os fundos de sas autoridades, que tudo fa- económica. Podemos dispen- a vitória sufocante, asfixian- cas de armamentos e com tal
que, ilegalmente, beneficia- zem para que o povo não saiba sar as eleições porque não têm te e retumbante da Frelimo e negócio, voltarão a empantur-
ram, construíram condomínios de nada. Agora que o povo já nada de eleições, pois se trata do seu candidato, sem ter em rar as suas contas bancárias.
e casas de praia. Compraram sabe tudo, a PGR pode até jo- de uma grande batota que visa conta os enchimentos ocorri- de Moçambique

publicidade
10 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional
Entrevista com o presidente da CTA

As facturas do Estado em atraso e a carroça


à frente dos bois nas empresas petrolíferas

A
s facturas de bens e 28 empresas elegíveis, das quais 15 CER). O nosso objectivo principal
serviços prestados têm os projectos já aprovados. Es- era assegurar a nossa participação
ao Estado e que não tamos a falar de Sofala e Cabo Del- efectiva. Dando essa resposta a
foram pagas estão a gado. Estamos a trabalhar para que essa iniciava iria beneficiar duzen-
levar várias empresas ao deses- haja outras linhas de financiamento. tas empresas, numa primeira fase,
pero. O sector privado sentou-se e num financiamento avaliado em
Canal – A que título as empre-
com o Governo para desafogar 500.000 dólares americanos. Outro
sas acedem a esse financiamento
os empresários. Os pagamentos desafio é a entrada na Bolsa. Mas
de recuperação, com juros, ou
estão agora num processo de sa- estamos a lidar com isso. Outro
não? E que tipo de requisitos pre-
neamento. Mas há um problema. empecilho que também ocorre nas
cisam de preencher para ter aces-
Parte dos serviços prestados não multinacionais é o de não aceitar
so à assistência da CTA?
tem contratos visados pelo Tri- garantia bancária de um banco in-
bunal de Contas. Alguns mais Agostinho Vuma – Sentámo-nos terno, mas pode ser garantido com
graves. Só têm facturas em dívi- com o nosso parceiro para encontrar essa alternativa de usar financia-
da, mas não conseguem nem com taxas de juros a um dígito, dife- mento usando a certificação em-
contrato provar qual é o bem e o rente daquilo que se faz na banca. presarial. Temos uma Lei de con-
serviço prestado, nem podem in- Quase não se exige colateral, o que teúdo local que está depositada no
dicar esse bem. A prioridade vai se pretende é a prova material de Ministério das Finanças, que, como
para os que estão documentados. que, efectivamente, este foi um in- sector privado, ainda não estamos
Agostinho Vuma, presidente do vestidor. Nós vimos os balancetes, satisfeitos. É que, a forma como eu
CTA, falou-nos da advocacia que vimos a relação que tem com as vejo, estamos a montar mal a car-
a CTA está a fazer para o paga- Finanças através do pagamento de roça. O ideal, para mim, era termos
mento das facturas em atraso, o impostos. Pensámos que, com essa as decisões finais de investimento
reembolso do IVA, outra dor de linha, podíamos marcar a diferença depois de concluirmos a normação.
cabeça, e o debate sobre a cadeia tornando o processo o mais simples Estamos longe de ter uma Lei de
de valor da indústria petrolífera. possível, mas, obviamente, não conteúdo local, mas nós estamos
Acompanhe a entrevista. oferecendo dinheiro. Temos taxas a trabalhar como o sector privado
de juros entre 5 a 9, em função do para estar perto das multinacionais.
controu para validar essas factu- bolso do IVA?
negócio em si. Também o Governo
ras sem contrato visado pelo Tri- Canal – A Lei do Petróleo diz,
Canal – Um dos grandes as- Agostinho Vuma – Pela nossa aprovou facilidades fiscais e adua-
bunal Administrativo? por exemplo, que, até um certo
suntos que tem sido levantado forma de ver, há concorrência entre neiras de importação de matérias-
pelo empresariado nacional são o pagamento de facturas atrasadas primas para a reconstrução dessas valor do concurso, deve haver
as facturas atrasadas do Estado. e o reembolso do IVA. O reem- empresas que foram afectadas. Foi concurso público e deve ser dada
Agostinho Vuma – Estamos a primazia aos nacionais, mesmo
Que advocacia tem sido feita para bolso do IVA está a ser conduzido aprovado um decreto pelo Conselho
terminar em conjunto, nós, CTA, o que o preço seja mais alto até um
o pagamento dessa dívida? em particular para o sector da con- de Ministros para facilitar as impor-
Ministério de Economia e Finan- certo nível, e acho que são 10%.
strução. Mas há também a questão tações dessas empresas todas.
Agostinho Vuma – A nossa ad- ças, através da Área da Dívida e A questão é: como é que acham
de fraco entendimento de parte a
vocacia tem sido orientada primeiro da Inspecção-Geral das Finanças, Canal – Uma das questões que que vão controlar isso sem muita
parte, porque há um dispositivo le-
para o pagamento. Segundo, asse- e o Tribunal Administrativo, para levou muito tempo a ser debatida, burocracia para reclamar?
gal que permite conduzir o processo
gurar que também não se acumulem vermos sobre como podemos gerir e não sei se está esgotada, é sobre
para ficar mais limpo ainda. Mas, Agostinho Vuma – Eficazmente
de novo outras dívidas. Refiro-me este processo. Há aceitação de paga- como é as empresas nacionais
este problema, ainda não consegui- é zero. Digo “eficazmente” porque
ao lançamento de concursos com o mento, mas é preciso ter os proces- podem participar na indústria
mos resolver eficazmente. Ao todo, nós podemos saber que está lá o
orçamento disponível. Tem-nos pre- sos limpos. Estamos a terminar os petrolífera. Em que pé ficou esse
estamos a falar de 8 mil milhões de problema, mas o controlo efectivo,
ocupado o facto de a dívida ser de termos, uma vez que não há “visto”. assunto?
meticais, dos quais 50 % ou mais em si, não existe. Por outro lado,
cerca de 30 mil milhões de meticais Temos que fazer todo o processo de
é quinhão dos megaprojectos. Al- Agostinho Vuma – Em Agosto,
e, desse montante, cerca de 34 % ser fiscalização prévia para que o Tribu- devemos implementar a Alta Auto-
gumas empresas reclamam o me- fomos chamados a Pemba, para dis-
uma dívida não validada. nal Administrativo mande pagar. E ridade da Indústria Extractiva, que
canismo de titularização, porque se cutirmos o envolvimento do sector
a qualquer momento irão iniciar os seria um órgão supervisor onde nós
Canal – Em que circunstâncias tornava desvantajoso para as empre- privado nesses projectos, evento
pagamentos. Neste grupo, estamos iriamos colocar essas questões. Se
essas dívidas são, ou não, valida- sas. dirigido pelo chefe do Estado.
a falar de 2.600 empresas, e o valor estamos atrasados com a Lei de con-
das? Fez renascer a esperança em nós,
em causa é de 5,3 mil milhões de Canal – O ano foi marcado pelo teúdo local, então eu digo que va-
porque um dos grandes problemas
Agostinho Vuma – Comecemos meticais. “Idai”, em Sofala, e pelo “Ken- mos potencializar a Lei das minas e
que vimos é a falta de informação.
pela dívida validada. Temos dois neth”, no centro e Norte do país. dos petróleos e vamos implementar
Canal – E o terceiro grupo? Então começámos a ter esperança
grupos. A validada, em que o Estado Pergunto-lhe que mecanismo de a Alta Autoridade da Indústria Ex-
de que essas multinacionais serão
fez o processo de licitação de forma Agostinho Vuma – O terceiro é assistência foi disponibilizado tractiva, que é para serem mensu-
pressionadas a prestar informação
correcta, o sector privado concor- o grupo que reclama ter atrasados para ajudar os empresários que ráveis todos esses problemas, e nós
junto ao sector privado. Por outro
reu e também obedeceu às normas, para com o Estado, mas não há pro- perderam quase tudo? atacarmos. Está claro que tem esta-
lado, mesmo que não haja legis-
houve fiscalização prévia do Tri- vas ou evidências materiais. Não do a ser ignorada ciclicamente essa
Agostinho Vuma – A CTA fez lação sobre o conteúdo local, isso
bunal Administrativo, e os bens e existe prova do bem ou serviço for- iniciativa de preferência doméstica,
um levantamento de como estas ia aumentar a consciência dessas
serviços foram fornecidos. Nesse necido. Da parte do Estado, também se bem que, pela percentagem que
intempéries tinham afectado as em- grandes empresas em trabalhar com
grupo, foram pagos, até hoje, cer- não há contrato. E, aí, o Governo é temos de preferência doméstica,
presas e concluiu que os prejuízos os moçambicanos. Mas o problema
ca de 8,1 mil milhões de meticais. categórico. Diz que não vai pagar. não é qualitativa e não é suficiente.
estimavam-se em 500 milhões de central das empresas moçambicanas
Mas é um terço do total da dívida, Mas estamos a trabalhar com esse Porque uma empresa estrangeira,
dólares. Este estudo está disponível era o treinamento do pessoal e a cer-
se considerarmos o valor inicial dos grupo. Estamos a falar de quase 6 mesmo sem preferência doméstica,
na nossa página. Com isto, pro- tificação internacional. Foi daí que,
cerca de 30 mil milhões de meticais. mil milhões de meticais. Estamos a se analisarmos, está de longe em
curámos vários parceiros e, com a uma semana depois, fizemos uma
A seguir, temos o segundo grupo, incentivar as empresas para reuni- peso e com experiência e padrão
Fundação FAN e a GAPI, lançámos reflexão de grande nível, fizemos
que tem o serviço ou bem fornecido, rem todos os elementos que possam internacional. Veja só: esses países
uma linha onde disponibilizámos 74 uma parceria com o Fundação FAN,
mas sem visto do Tribunal Admin- constituir evidências desse forneci- têm bancos de exportação e chegam
milhões de meticais para a recupe- que nos patrocinou um estudo, ter-
istrativo. mento.
ração de empresários, pós-ciclones minou com o Programa Nacional de
“Idai” e “Kenneth”. Identificámos (Continua na página 20)
Canal – Que mecanismo se en- Canal – E a questão do reem- Certificação Empresarial (PRONA-
Canal de Moçambique Banker_Canal.pdf
AF_PressAd_BIM_The 1 27/11/19
| quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 15:19 Publicidade 11
12 Publicidade Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Documento de Posicionamento da Sociedade Civil


XXIª Sessão do Observatório de Desenvolvimento da Província de Maputo
Apresentado no dia 29 de Novembro de 2019

Sua Excelência Governador da Província de Maputo; iv) construção e reabilitação de pontecas; v) reabilitação das vias de acesso; vi) instalação
de energia eléctrica no Povoado de Mafavuca II, no distrito de Namaacha; vii) melhoraria no
Sua Excelência, Presidente da Assembleia da Província de Maputo;
atendimento aos utentes; viii) combate ao desvio de medicamentos para a sua venda nas
Meritíssima Juíza Presidente do tribunal Judicial Provincial; farmácias privadas e no mercado informal; ix) criação de mecanismo de assistência social para
idosos e crianças em situação de vulnerabilidade; x) falta de casa espera de mulher grávida e
maternidades nas localidades, xi) insuficiência de medicamentos nas farmácias públicas; xii)
Meritíssimo Juiz Presidente do Tribunal Administrativo Provincial;
construção de uma ponte aérea em Ressano Garcia para facilitar a travessia dos pedestres;
Digníssima Procuradora Chefe Provincial; xiii) realização de campanhas de combate à droga nas escolas secundárias, paragens e outros
locais de grande aglomeração de pessoas, distribuição do material educativo acompanhado de
Senhores Membros e Convidados do Governo Provincial;
uma marcha e envolvimento dos ex-toxicodependentes nas campanhas de combate à droga;
Senhores Administradores Distritais; xiv) aquisição de carteiras para as escolas primárias e secundárias nos distritos; xv) construção
de salas de aulas; xvi) continuidade dos estudos após conclusão da 7ª classe; xvii) longas
Senhores Presidentes dos Conselhos Municipais;
distâncias percorridas pelos alunos para chegarem às escolas; xvii) construção de esquadras e
Respeitados Representantes das Autoridades Comunitárias; posto policial nos distritos, etc.
Distintos membros das Organizações da Sociedade Civil; Das 18 preocupações prioritárias apenas 8 foram realizadas durante o quinquénio,
Estimados Convidados; designadamente: construção e reabilitação de fontes de abastecimento de água; aquisição de
carteiras escolares; construção de salas de aulas; ligações de água efectuadas nos distritos;
Minhas Senhoras e meus Senhores, expansão de energia eléctrica; abertura de novas rotas, apesar de não ser em todos os distritos;
Em nome das Organizações da Sociedade Civil da Província de Maputo, representadas pelas reabilitação de algumas vias de acesso; construção de casa espera de mulher grávida e
Plataformas dos 8 Distritos e pela Sociedade Aberta, manifestamos a nossa gratidão ao Governo maternidade.
da Província de Maputo pela realização de Sessões do Observatório de Desenvolvimento A primeira preocupação que apresentamos é se houve a integração das questões não resolvidas
durante todo o ciclo de governação, apesar das adversidades que caracterizaram o quinquénio no próximo ciclo de governação (2020-2024), tendo em conta o peso que tais assuntos
que finda. As Sessões do Observatório de Desenvolvimento consolidaram-se como espaço representam para as comunidades. A questão de fundo que se apresenta aqui é como o processo
nobre de diálogo entre o Governo e a Sociedade Civil relativamente ao processo de governação de planificação assenta sobre as principais prioridades das comunidades.
da nossa província. Bem-haja o Observatório de Desenvolvimento.
II. Avaliação do Balanço do Plano Económico e Social e Orçamento de Janeiro a
Tendo em conta que as eleições constituem um dos marcos das sociedades democráticas, Setembro de 2019
gostaríamos também de congratular ao Governo pela realização de 6 eleições gerais, terceiras
Da análise feita ao balanço do PES, a Sociedade Civil identificou actividades planificadas que
provinciais, contando pela primeira vez com a eleição de governadores provinciais.
foram executadas na sua totalidade, das quais destacamos:
Antes de mencionarmos as nossas contribuições para a presente Sessão, também congratulamos
ao Governo pelo esforço feito na melhoria da apresentação da informação no Balanço do Plano ll Eleição de Jovens nas áreas de empreendedorismo, inovação científica, criação
Económico e Social e Orçamento da Província referente ao período de Janeiro a Setembro artística e revelação no âmbito do prémio Jovem Criativo (pág.43);
de 2019 e na proposta do PES para 2020 no que diz respeito às actividades planificadas, ll Realização de fóruns multi - geracionais de diálogo que estimulam a participação e
indicadores, as metas, a localização, o orçamento, ponto de situação e os beneficiários da acção. integração dos jovens (Idem);
O nosso documento concentra-se nos seguintes pontos: i) balanco sintéctico do Plano Quinquenal ll Apoio técnico, metodológico e financeiro à Associação dos Estudantes Finalistas
do Governo (2015-2019); ii) avaliação do Balanço do Plano Económico e Social e Orçamento de universitários, no quadro da realização da XIIª Edição do PFDD (pág. Idem);
Janeiro a Setembro de 2019; iii) avaliação do alinhamento da Proposta do PESOE para 2020 e
prioridades das comunidades locais. ll Atribuição de bolsas de estudo aos combatentes e seus filhos ao Ensino Superior
(pág. 49);
I. Balanço sintéctico da implementação do Plano Quinquenal do Governo (2015-2019)
ll Aquisição de medicamentos e artigos médicos a todas Unidades Sanitárias (pág. 51);
Estamos cientes que o Plano Quinquenal do Governo (2015 – 2019) foi implementado num
contexto em que o país foi caracterizado por diversas adversidades, tais como: i) fenómenos ll Construção de 1 Sistemas de Abastecimento de Água (pág. 53).
naturais que incluíram os ciclones Idai e Kenneth, seca na região Sul e cheias no Centro e Norte, Contudo, apesar das acções mencionadas, a Sociedade Civil constatou três (3) cenários no
com consequências que incluem a destruição de inúmeras infra – estruturas, perda de vidas desempenho do Governo, nomeadamente, actividades realizadas parcialmente, acções
humanas, de culturas agrícolas, de animais domésticos e fauna bravia; ii) recursos financeiros planificadas e não realizadas e acções planificadas, mas sem a meta, localização e os
escassos devido à falta de apoio pelos doadores; iii) instabilidade causada pela tensão político- beneficiários da acção.
militar entre a RENAMO e o Governo e; iv) acordo de paz entre o Presidente da República
e o líder da RENAMO, que teve como consequência a revisão pontual da Constituição da Acções realizadas parcialmente
República, abrindo espaço para a alteração da Lei das autarquias locais e a revisão do pacote Das acções que foram realizadas parcialmente constam, dentre outras, as seguintes:
de descentralização aos níveis provincial e distrital em 2019 e 2024, respectivamente.
ll Das 28 fontes de abastecimento de água planificadas, apenas 14 fontes foram
Este cenário teve um impacto negativo na estrutura orçamental e financeira do país, traduzindo- construídas (pág. 53);
se no agravamento do custo de vida, na redução do poder de compra de produtos de primeira
necessidade por parte dos cidadãos da Província de Maputo, bem como menor disponibilidade de ll Produção de 75.730 Lages das 95.000 planificadas para a construção de Latrinas
recursos financeiros para implementar políticas de desenvolvimento, em particular as orientadas Melhoradas (Idem);
para os sectores sociais, tais como a saúde, educação, água e saneamento, protecção social. ll Promoção de 24 torneios desportivos no âmbito de massificação desportiva das 35
Durante o quinquénio, as organizações da Sociedade Civil apresentaram preocupações planificadas para os distritos de Namaacha, Magude, Moamba, Boane, Marracuene,
prioritárias das comunidades dos oito distritos da província (Namaacha, Marracuene, Magude, Matutuine, Manhiça e Matola (pág. 45);
Moamba, Matutuine, Boane, Matola e Manhiça) colhidas com base na implementação dos ll Da aquisição e distribuição de 15.280 carteiras escolares, apenas 13.500 foram
instrumentos de engajamento do cidadão, tais como a Agenda Comunitária, Caixas Paralelas adquiridas e distribuídas (pág. 50);
de Reclamações e Sugestões e o Cartão de Pontuação Comunitária. As principais necessidades
incluem o seguinte: i) expansão da rede eléctrica nos Bairros; ii) abertura de novas rotas para o ll Expansão de 6 das 8 novas rotas para o transporte semi - colectivo de passageiros
transporte semi – colectivo; iii) construção e reabilitação de fontes de abastecimento de água; (pág. 52);
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 Publicidade 13

ll Realização de 39 campanhas de divulgação dos direitos da mulher, criança, pessoa Distrito de Moamba: i) Conclusão do Centro de Saúde de Curumana; ii) Expansão de Unidades
idosa, pessoa com deficiência para prevenir práticas sociais nocivas, das 51 Sanitárias para as Localidades de Vundiça e Macaene; iii) Asfaltagem da estrada Moamba-
planificadas (pág. 58). Sabié e estrada Moamba-Magude; iv) Reposição da linha férrea Moamba-Magude; v) Expansão
da rede eléctrica para a localidade de Mahulane; vi) Conclusão da construção da barragem
Moamba-Major.
Acções chave planificadas e não realizadas
Distrito de Magude: i) Construção de uma ponte sobre o rio Nkomati; ii) Abertura da fronteira
Da análise feita foram identificadas as seguintes acções planificadas, mas que ainda não de Mapulanguene; iii) Pavimentação das estradas que ligam a Vila de Magude aos Postos
foram realizadas: Administrativos; iv) Aumento de salas de aulas e construção de uma escola pré-universitária;
v) Reabilitação da linha férrea Moamba-Magude; vi) Abertura de mais fontes de abastecimento
ll Promoção da construção de casas – habitação social para funcionários públicos
de água.
(pág. 52);
Distrito de Boane: i) Ordenamento territorial de forma a evitar que as comunidades construam
ll Aquisição de produtos químicos (pág. 53);
em zonas propensas a intempéries; ii) Melhoria da qualidade de energia e conclusão da
ll Expansão do número de Unidades Sanitárias que oferecem atendimento expansão da rede eléctrica nacional; iii) Manutenção e construção de vias de acesso terciárias
especializado e prioritário a mulheres e crianças Vítimas de Violência Doméstica e de novos Bairros; iv) Construção de valas de drenagem para as águas fluviais; v) Construção
(VBG) e Sexual de 25 em 2017 para 33 em 2019 (pág. 51); de um mercado grossista; vi) Edificação de sanitários públicos nas terminais de transportes
públicos e nos mercados; vii) Construção de balneários e sanitários nos campos de futebol.
ll Promoção da inclusão sócio - económica das populações mais vulneráveis com
capacidade física para trabalharem, através de trabalhos públicos com uso de Distrito de Marracuene: i) Pavimentação da estrada EN1 até Malí e Dom Alexandre (Gwava
mão-de-obra intensiva e do apoio ao desenvolvimento de iniciativas geradoras de até circular); ii) Maior controlo da exploração pesqueira por estrangeiros; iii) Construção de
rendimento (pág. 60); mais salas de aulas na Escola Secundária Gwaza Muthini e nas escolas Inguelane, Eduardo
Mondlane, Bolaze, Centro Educacional; iv) Electrificação dos Bairros/Localidades.
ll Transferência de tecnologia e incubação de jovens em agro-negócio e instalar
campos de demonstração modelo PITTA- modificado (pág. 51). Distrito da Matola: i) Aquisição de mais transportes públicos que ligam Cidade da Matola e
outros Bairros; ii) Construção de uma escola secundária em Muhaze; iii) Edificação de mais
salas de aulas na Escola Primária da Matola; iv) Construção de uma estrada que liga EN1 e
Aqui a questão que se coloca tem a ver com o tratamento dado às acções não feitas, tendo em Boquisso.
conta que a partir de Janeiro será implementado um novo instrumento de governação (Plano
Distrito de Matutuine: i) Construção de mais fontes de abastecimento de águas na Vila Sede e
Quinquenal do Governo 2020-2024), que será operacionalizado pelos Governos provinciais
nas localidades; ii) Criação de mecanismos de desincentivo as práticas de corrupção; iii) Criação
descentralizados à luz da legislação aprovada este ano para o efeito. Seria salutar obter do
de mecanismos de melhoria da segurança pública.
Governo informação em relação ao tratamento dado a estas actividades.
Distrito da Manhiça: i) Construção de uma universidade; ii) Edificação de mais instituições de
Acções planificadas, mas sem a meta, localização e os beneficiários da acção
ensino técnico profissional; iii) Apetrechamento da Escola Primária Completa da Manhiça; iv)
As acções que cabem nesta categoria são: Criação de laboratórios nas escolas secundárias.
Distrito de Namaacha: i) Expansão da rede eléctrica nacional a comunidade de Mafavuca
2; ii) Reabilitação da estrada Matsequenha-Boane-Moamba; iii) Reabilitação das vias Boane-
Acções planificadas, mas sem os beneficiários da acção
Namaacha e Changalane-Mazemunhane (Ndivinduane).
ll Recolha e registo de depoimentos históricos (pág. 41).
ll Realização de acampamentos da Juventude, no âmbito da ocupação dos tempos
livres dos adolescentes e jovens (pág. 43). Assegurar que o ciclo de planificação e orçamentação integra estas questões prioritárias garantirá
maior legitimidade do próximo Governo e melhorará o sentido de participação das comunidades
ll Recenseamento Militar (pág. 47). no próprio processo governativo. Seria também relevante neste processo o aprofundamento do
ll Incorporação para as Forças Armada e Serviços Cívico (Idem). sentido de prestação de contas, explicando-se exaustivamente as razões do alcance ou não das
realizações previstas e as perspectivas para a solução dos assuntos.
ll Realização de provas de classificação (Idem).
Os novos Governos descentralizados precisarão também assegurar que implementam as suas
acções integrando de forma efectiva o género nos seus instrumentos de governação. Para o
Acções planificadas, mas sem a meta a alcançar efeito, seria recomendável que desde o PESOE de 2020 executem as seguintes medidas:
ll Implementação do Programa de revitalização do desporto na Província de Maputo ll Melhorar as metodologias de análise do género no início da fase de programação
Khavela Maputo (pág. 46). orçamental, permitindo maior visibilidade das actividades específicas, bem como a
definição sobre o percentual a ser alocado para esta agenda provincial e distrital;
ll Garantir a Implantação de um Ginásios ao ar livre (pág. 75).
ll Ao nível da programação e orçamentação, é importante que definam metas e
objectivos claros, incluindo a especificação sobre as implicações financeiras no
Acções planificadas sem a localização contexto do género. Esta medida pode melhor visibilidade e alocação orçamental nos
programas prioritários de acesso aos serviços de saúde, acesso a educação básica,
ll Recolha e registo de depoimentos históricos (pág. 41). expansão do acesso á água e saneamento básico, produção agrícola, emprego e
ll Construção de Fontes de Abastecimento de Água (pág. 53). formação profissional;
ll Reabilitação de fontes de abastecimento de água (Idem). ll Aumentar as alocações orçamentais do investimento para o desenvolvimento de
competências em igualdade de género, especialmente a nível provincial e distrital.
ll Comparticipação no financiamento da autoconstrução de casas melhoradas para os
Combatentes (pág. 60). O nosso documento encerra com uma grande preocupação, tendo em conta que algumas
acções planificadas em sectores cruciais para o desenvolvimento do país e da Província de
ll Manutenção Periódica Ligeira de Estradas não asfaltadas (pág. 72).
Maputo, em particular, possuem metas muito baixas. No sector da educação, por exemplo,
notamos o número de professores (20) de ensino técnico profissional a serem capacitados
em teorias de aprendizagem e formação baseada em competências (pag.35); o número de
III. Avaliação do alinhamento da Proposta do PESOE para 2020 e prioridades das
carteiras escolares a serem adquiridas (730) (pag.37); a construção e reabilitação de sistemas
comunidades locais
de irrigação (1) - (Regadios, Vales, Represas e Diques), (pag.54); o número de salas de aulas
O PESOE para 2020 representa a operacionalização do Plano Quinquenal do Governo (2020- a serem construídas (5); e o número de salas a serem reabilitadas para o ensino secundário (3)
2024), recentemente eleito. Em teoria ele resulta da conversão do manifesto eleitoral do (Pag.54).
partido vencedor em programa de governação. Usando esta base, aproveitamo-nos deste
A questão essencial que se coloca é, qual o impacto que tais acções terão relativamente ao
espaço para apresentarmos os assuntos-chave que as comunidades da província de Maputo Financiamento:
contexto de premente necessidade em que a província se encontra.
querem ver resolvidas no próximo quinquénio:

Financiamento:
Financiamento: Apoio:
Apoio:
Financiamento:
Financiamento: Apoio: Apoio:

 
14 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional
“O estado da nação é encorajador”

Moçambique é o nono país mais pobre do mundo


Somos os mais pobres em todas as comunidades em que nos encontramos inseridos (SADC,
PALOP, CPLP). Estamos a ombrear com o Burkina Faso (182), o Burundi (185) e o Níger (189).

A ndré Mulungo
andremulungo4@gmail.com
ler-se no Sumário do Relatório,
um documento de quarenta e
desigualdades no desenvolvi-
mento humano são uma barreira
três páginas em formato digital. para cumprir a Agenda 2030 para

H
á um estado da nação O Relatório coloca Moçambi- o Desenvolvimento Sustentável.
à parte, cuja avaliação que na posição 189. Moçambique “Não são só sobre disparida-
não é encorajadora, é registado como o mais pobre em des no rendimento e na riqueza.
contrariamente às ava- todas as comunidades em que se Não podem ser contabilizadas
liações pomposas do poder políti- encontra inserido, nomeadamen- apenas através de medidas su-
co. O certo é que continuamos na te, a SADC, a CPLP e os PALOP. márias de desigualdade que se
cauda do desenvolvimento huma- A nação mais bem co- centram numa única dimensão.
no. O mais recente Relatório do locada do mundo é a No- E irão condicionar as perspec-
Desenvolvimento Humano colo- ruega, seguida da Suíça. O tivas das pessoas que pode-
ca Moçambique na posição 180 grupo das dez nações mais de- rão viver até ao Século XXII”,
do Índice de Desenvolvimento senvolvidas do mundo fecha pode ler-se no Relatório.
Humano, num total de 189 países com o Reino dos Países Baixos. O Relatório sugere a impor-
avaliados. Em ternos concretos, Em África, as Seychelles estão tância de redefinir os objectivos
isso significa que somos o nono Avaliação das Nações Unidas contraria “estado encorajador” do PR na posição 62, sendo a nação afri- das políticas actuais, dando ên-
país mais pobre do mundo. Es- cana mais bem cotada. Moçambi- fase, por exemplo, à educação
tamos a ombrear com o Burkina volvimento humano no Século para um futuro melhor. “Sem es- que está a ombrear com o Burkina de alta qualidade em todas as
Faso (182), o Burundi (185), o Ní- XXI”, foi divulgado, ontem, o perança, sentido de vida ou dig- Faso (182), o Burundi (185), o Ní- idades – incluindo no nível pré-
ger (189) e o Sudão do Sul (186). mais recente Relatório do Desen- nidade, elas observam, à margem ger (189) e o Sudão do Sul (186). -primário – e concentra-se nas
Com o título “Além do rendi- volvimento Humano, que indica da sociedade, enquanto vêem O Relatório diz que há aumen- taxas de inscrição no Ensino Pri-
mento, além das médias, além que, em todos os países, muitas outros avançar para uma pros- to de desigualdades socio-eco- mário e no Ensino Secundário.
de hoje: desigualdades no desen- pessoas têm poucas perspectivas peridade sempre maior”, pode nómicas e acrescenta que essas de Moçambique

Os activistas sociais e a sensação do estado de medo

A
ctivistas sociais que foram conduzidas as últimas elei- A mesma ideia é defendida pela
trabalham pela defesa ções, os defensores dos Direitos directora do “Fórum Mulher”,
e promoção dos Direi- Humanos alertam para a subida de Nazira de Deus, que considera
tos Humanos têm sido casos de ameaças e assassinatos. que o Estado é o principal inimi-
alvo de ameaças de vários tipos, “O Governo moçambicano go dos Direitos Humanos através
incluindo de morte, e persegui- resulta de eleições fraudulen- da Polícia e da Assembbleias da
ções, o que coloca os mesmos ta”, afirmou Adriano Nuvunga. República, de onde traz o caso
numa situação de vulnerabilidade. Por causa desse facto, Fátima da ameaça de violação de Fáti-
Para mudar o actual cenário, Mimbiri, activista social, prevê ma Mimbiri pela deputada da
organizações não-governamen- um próximo quinquénio muito Assembleia da República pela
tais juntaram-se, na segunda- difícil para os moçambicanos, bancada da Frelimo, Alice Tomás.
-feira, 9 de Dezembro, numa fundamentando que o próprio Se não há dúvidas sobre a ne-
mesa-redonda com o objetivo Governo sabe que não resulta da cessidade de estabelecimento de
promover o reconhecimento dos vontade popular e também por- uma “plataforma inclusiva” de
defensores dos Direitos Huma- que tem nas costas o escânda- defensores dos Direitos Humanos
nos como um grupo vulnerável. lo das dívidas ocultas, o que vai no país, que provisoriamente deve
No encontro, as organizações balham para defender as pessoas mecanismo de protecção dos de- exigir do mesmo Governo me- denominar-se Rede Moçambicana
não-governamentais foram unâ- mais vulneráveis na sociedade”. fensores dos Direitos Humanos. didas visando combater os de- de Defensores de Direitos Huma-
nimes em afirmar que é dever Quase todos os defensores já Um caso mais recente que leva fensores dos Direitos Humanos. nos, os participantes afirmam que
do Estado assegurar a protec- foram alvo de ameaças de todos à necessidade urgente de protec- Os assassinos de Anastácio é preciso pensar-se sobre que tipo
ção dos defensores dos Direitos os tipos. No encontro de segunda- ção dos defensores dos Direitos Matavele são membros da Polí- de organizações não-governa-
Humanos, e não persegui-los -feira, o presidente da Comissão Humanos é o assassinato de Anas- cia da República de Moçambi- mentais defensoras dos Direitos
por causa das suas actividades. Nacional dos Direitos Humanos, tácio Matavele, que era director que, o que provou que os esqua- Humanos que se pretende criar
“É dever do Estado providen- Luís Bitone, disse que é urgente do Fórum das organizações não- drões da morte existem e estão em Moçambique, e que os defen-
ciar a segurança aos defensores a instituição de um mecanismo -governamentais de Gaza. Foi dentro do próprio Estado. É isto sores não se deixem intimidar.
dos Direitos Humanos”, disse, na de protecção dos defensores dos um assassinato nas vésperas da que assusta os defensores dos As reflexões saíram da mesa-
segunda-feira, 9 de Dezembro, o Direitos Humanos em Moçam- votação de 15 de Outubro, que Direitos Humanos, que consi- -redonda por ocasião do Dia Inter-
director executivo do Centro para bique e deu a conhecer que, em é vista como a mais fraudulenta deram que, em vez de o Estado nacional dos Defensores dos Di-
Democracia e Desenvolvimento, 2018, a CNDH recebeu quinze desde que em Moçambique foi defender este grupo, persegue-o. reitos Humanos, que se celebrou
Adriano Nuvunga. E acrescen- casos de defensores dos Direitos instalada a democracia multipar- “O Estado, que devia ser o defen- no dia 9 de Dezembro. O encontro
tou: “As ameaças aos activistas Humanos que procuravam a pro- tidária. Porque ainda não se tem sor dos Direitos Humanos, é o seu foi organizado pelo CDD e pela
dos Direitos Humanos não são tecção da instituição contra vários um mecanismo de proteção dos principal violador, através do uso SAHRD (Southern African Hu-
ameaças a pessoas confusas, mas, tipos de ameaças. Nada foi feito. defensores dos Direitos Humanos da Polícia para silenciar as liberda- man Rights Defenders Network).
sim, ameaças a pessoas que tra- Luís Bitone disse que falta um e tendo em conta a forma como des civis”, disse Fátima Mimbiri. de Moçambique
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 Publicidade 15
16 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional
Antes da validação dos resultados eleitorais

Conselho Constitucional marca 15 de Janeiro


para tomada de posse do Presidente da República
O Governo do partido Frelimo já havia começado a convidar entidades estrangeiras para a tomada
de posse no dia 15 de Janeiro, antes de o Conselho Constitucional anunciar a data, o que quer dizer
que quem marcou a data foi o Governo.

O
Conselho Constitucio- na História, a data da tomada de mais fraco da história constitu-
nal decidiu, em acórdão, posse é anunciada antes da vali- cional do país, o que se evidencia
na terça-feira da semana dação dos resultados das eleições na trapalhada de marcar a data da
passada, e mandou pu- gerais, que, desta vez, realizaram- tomada de posse sem haver ain-
blicar na quinta-feira, que a tomada -se no dia 15 de Outubro de 2019, da data para a validação, ou não,
de posse do próximo Presidente da e que foram marcadas por uma dos resultados, o que pressupõe
República será no dia 15 de Janeiro fraude eleitoral massiva, concre- que os resultados serão validados.
de 2020, daqui a cerca trinta dias. tizada no enchimento de urnas a Mas a decisão do Conselho
“Tendo em conta o disposto no favor do partido Frelimo e do seu Constitucional de marcar da data
n.º 1 do artigo 149 da Constituição candidato, Filipe Nyusi, que fo- de 15 de Janeiro é consentânea
da República e ao abrigo da com- ram declarados vencedores pelos com os convites que o Governo
petência que lhe é deferida pelo ar- vogais do partido Frelimo afectos da Frelimo já endereçou a várias
tigo 275 da Lei n.º 8/2013, de 27 de à Comissão Nacional de Eleições. entidades estrangeiras a indicar a
Fevereiro, alterada e republicada Para já, sabe-se apenas que o data de 15 de Janeiro como o dia
pela Lei n.º 2/2019, de 31 de Maio, Conselho Constitucional rejei- da tomada de posse, o que quer
designa o dia 15 de Janeiro de 2020 tou todos os recursos dos partidos dizer que foi o Governo que mar-
para a investidura do Presidente da da oposição com as razões mais cou a data para o Conselho Cons-
República de Moçambique”, lê-se banais de que houve memória titucional, que, neste momento,
no acórdão do Conselho Constitu- na História do próprio Conselho funciona como um departamento
cional distribuído na quinta-feira. Constitucional. É, qualitativa- do partido Frelimo. (Redacção)
Acontece que, pela primeira vez mente, o Conselho Constitucional de Moçambique

Chuva intensa levanta fantasmas do “Idai”


e deixa a Beira novamente submersa
Jjosejeco@gmail.com
osé Jeco, na Beira transportando os seus bens, par-
ticularmente alimentos e co-
chuva que caiu foi de 211,2 milí-
metros, isto quero dizer quase a
bertores, à procura de um lugar chuva prevista para os próximos

D
esde a noite da passada seguro para se acomodarem. quinze dias deste mês. Foi muita
quarta-feira, a cidade O delegado do INAM em Sofa- chuva, e vamos continuar a mo-
da Beira está a ser afec- la, Jamal Alfate, disse que as chu- nitorar até que as baixas pres-
tada por chuvas torren- vas que caíram na noite de quarta- sões passem nesta região”, disse.
ciais, que estão a deixar a cidade -feira e princípio de quinta-feira da Até agora, calcula-se que cer-
alagada. As chuvas são em conse- semana passada atingiram o pico ca de 5.000 pessoas estejam a
quência de uma tempestade tro- previsto para o mês de Dezembro, precisar de ajuda por se encon-
pical que está a atravessar a pro- que era de 235,8 milímetros. “Só trarem numa situação grave.
víncia e que atingiu os distritos nesta madrugada, a quantidade de de Moçambique
de Marromeu, Cheringoma, Caia,
Muanza, Dondo, Búzi, Nhama-
tanda, Marínguè e Gorongosa. Ainda sem uma avaliação com- Ainda não refeitas do fantasma
Por onde passou, desalo- pleta dos danos, Augusto Manho- do “Idai”, que arruinou a estrutu-
jou pessoas e destruiu infra- ca afirmou que as águas abriram ra da cidade, várias famílias estão
-estruturas públicas e privadas. novas crateras nas ruas, agravando abandonar as suas casas, particu-
Augusto Manhoca, director a situação já complicada deixada larmente no Bairro Ndunda-2 (um
de Saneamento e assessor para pela passagem do ciclone “Idai”. bairro de expansão) e nos bairros
a área de Construção no Con- Augusto Manhoca disse que Manga Mascarenhas, Munhava,
selho Autárquico da Beira, dis- estão em curso esforços do Con- Macurungo, Vaz e Praia Nova,
se, na cidade da Beira, que as selho Autárquico com vista a re- que ficaram totalmente inundados.
chuvas que caíram na madru- por a circulação das vias por meio Até ao princípio da tarde
gada de quinta-feira, deixaram de intervenções de emergência, de quinta-feira, era notória a
as estradas da zona urbana e da colocando saibro e pedregulhos movimentação dos mora-
zona suburbana intransitáveis. nas zonas consideradas críticas. dores do Bairro Ndunda-2,
Canalha
Suplemento humorístico de Moçambique
Somos mesmo pobres

Mas também com


Petersburgo a falar
inglês daquela
forma... só podia.

Dizem que somos


o nono país mais
pobre do mundo

AJM/2019
18 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional
Nos últimos dez anos

Acidentes de viação mataram Uma em cada cinco


mulheres é vítima de
1.600 pessoas por ano violência doméstica no país
A ministra da Saúde, Nazira a saúde sexual e reprodutiva.
Abdula, disse, na sexta-feira da “Mesmo tendo informações
semana passada, em Maputo, que sobre métodos de prevenção de
os dados referentes à violência do- várias doenças, as mulheres são
méstica no país mostram um qua- impedidas pelos seus maridos
dro alarmante, pois, nos últimos de procurar especialistas em
nove meses, foram registados cer- saúde e, como consequência,
ca de 52,169 casos de violência chegam aos Centros de Saú-
doméstica em todo o território na- de com doenças já sem cura.”
cional, um aumento de 12% com- A representante da Organiza-
parativamente com o ano anterior. ção Mundial da Saúde, Djamila
Nazira Abdula afirmou que uma Cabral, disse que, no mundo, cer-
em cada cinco mulheres sofre um ca de 1,4 milhão sofre violência e
determinado tipo de violência. apontou como um dos principais
Nazira Abdula falava duran- factores a desigualdade social.
te a primeira reunião nacional “Uma em cada três mulheres
de resposta à violência basea- no mundo é vítima de agressão
da no género e disse também física ou sexual. Como conse-
que muitas mulheres são im- quência, um quarto das crian-
pedidas de gozar em pleno do ças deste número sofre junta-
seu direito à saúde, sobretudo mente com a mãe.” (Redacção)

Da cidade de Maputo e da
província de Maputo
Vinte e oito funcionários
C láudio Saúte
sauteclaudio@gmail.com
vidas, entre os 15 e os 40 anos de
idade, facto que provoca enormes
que ocorrem mais acidentes de
viação são a EN4, a EN6, EN7 e do INATTER envolvidos
prejuízos económicos ao país. Os a EN1. “Nestas estradas, contro-

A na falsificação de Cartas
directora-geral do atropelos destacam-se como sendo lamos o álcool e a velocidade.”
Instituto Nacional o tipo de acidente que mais óbitos
de Transportes Ter-
restres, Paula Sa-
provocaram, com cerca de 49% de
total de óbitos de 2018”, afirmou.
“Cervejas de Moçambique”
O director executivo da empre- de Condução
lomão, disse que 16.000 mor- Paula Salomão disse que o im- sa “Cervejas de Moçambique”,
reram, e 49.365 contraíram pacto dos acidentes de viação não Hugo Gomes, disse que a expec-
ferimentos, dos quais 22.365 pode ser visto como mera estatís- tativa da fábrica é que a campa-
graves e 27.000 ligeiros, como tica, pois, por detrás dos núme- nha que foi lançada seja recebida,
consequência de 31.000 aci- ros, existe um drama vivido pelas atendida e mude a consciência.
dentes de viação ocorridos vítimas e pelos seus dependentes. “Rubricámos um memorando
no país nos últimos dez anos. “Os acidentes de viação matam de entendimento com o INAT-
professores, médicos, engenheiros, TER, o Comando-Geral da Polí-
Paula Salomão falava, na pas- chefes de famílias, interrompem so- cia e Associação Moçambicana
sada quinta-feira, momentos de- nhos de crianças, causando dramas para as Vitimas de Acidentes de
pois da assinatura do memorando e traumas de diversa ordem”, disse. Viação. Com esta campanha,
para implementação da campanha pretendemos persuadir os con-
de consumo responsável entre o Polícia de Trânsito sumidores dos nossos produtos
INATTER, o Comando-Geral da Micaela Madeira, chefe do para o fazerem de uma forma

A
Polícia e a empresa “Cervejas de Departamento Central da Poli- responsável e moderada, per- directora-geral do Paula Salomão diz que se está
Moçambique”, e disse que, em cia de Transito no Comando- suadir os nossos retalhistas para Instituto Nacional de perante uma situação de emis-
média, cada acidente causa cer- -Geral da Polícia, disse que a nunca venderem álcool a me- Transportes Terres- são de Cartas de Condução de
ca de dezoito vítimas, das quais assinatura deste memorando é nores de 18 anos e persuadir tres, Paula Salomão, uma forma fraudulenta, median-
quatro são óbitos, seis são feridos um benefício porque vai impul- os que consomem para nunca denunciou que vinte e oito fun- te o pagamento de algum valor.
graves e oito são feridos ligeiros. sionar as actividades que a Po- o fazerem ao volante”, disse. cionários da instituição que di- “Nós trabalhámos no âmbito
Segundo a directora-geral do lícia tem feito no seu dia-a-dia. Acrescentou que a cam- rige estão envolvidos em esque- deste assunto e identificámos vin-
INATTER, esta assinatura enqua- “O consumo de bebidas é a res- panha terá a duração de três mas de falsificação de Cartas de te e oito funcionários envolvidos,
dra-se nos esforços de Governo ponsabilidade dos automobilistas anos, e a primeira fase acon- Condução na cidade de Maputo e, neste momento, correm pro-
no sentido do envolvimento do e da sociedade em geral. O ven- tecerá em 2019 e 2020. e na província de Maputo. Deste cessos disciplinares contra esses
sector privado em iniciativas de dedor também é chamado a saber “Queremos que o nosso produ- número, quatro já têm proces- funcionários.” Acrescentou que
prevenção de acidentes de viação quando, onde e como vender as to seja unicamente associado a sos disciplinares instaurados. o aparelho de Estado tem várias
e na disposição da empresa “Cer- bebidas alcoólicas, porque temos momentos bons, de socialização “Neste momento, foram instau- formas de punir os funcionários,
vejas de Moçambique” para cola- aquelas questões em que os vende- e confraternização na nossa so- rados quatro processos disciplina- desde a chamada de atenção até
borar com o INATTER para travar dores estão na berma da estrada, e ciedade e no mundo, e, por isso, res, mas, no total, estão envolvidos à expulsão. “Se, até lá, der isso,
o derrame de sangue nas estradas. o condutor vem ébrio, e qualquer só será possível se todos fizermos vinte e oito funcionários. Outros serão expulsos. Estes funcioná-
“Apelamos a todas as forças despiste provoca mortes”, disse. a nossa parte, consumindo de processos disciplinares estão em rios estão afectos na cidade [de
vivas que sigam o exemplo da Micaela Madeira disse que esta forma equilibrada, na idade adul- curso de forma responsável, e Maputo] e província de Maputo.
CDM e se juntem a nós nesta luta. sensibilização deve ser para todos ta, nos locais apropriados e nun- serão tomadas medidas de acor- Estamos a trabalhar noutras pro-
A maioria das vítimas encontra-se os sectores da sociedade e acres- ca conduzir sob efeito de álcool”. do com o nível de gravidade e de víncias”, disse. (Cláudio Saúte)
na fase mais produtiva das suas centou que as vias rodoviárias em de Moçambique envolvimento de cada um”, disse. de Moçambique
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 19

Divulgação

INDICO SEGUROS é a melhor Seguradora


do País segundo a pesquisa da KPMG

N
o passado dia 04 de De- Da análise daqueles indicadores Seguradoras, é o culminar de um clientes e parceiros, procurando to dos altos padrões de serviço,
zembro, a INDICO SE- de actividade, é notória a rentabi- processo de transformação que sempre ser o melhor provedor de qualidade, integridade, equidade,
GUROS foi classificada lidade, estabilidade e crescimento tem sido empreendido nos últi- soluções de seguros num Merca- transparência, responsabilida-
como a 20ª Melhor Em- sólido e sustentável da INDICO mos anos e que teve o seu início do cada vez mais competitivo. de e Governação Corporativa.
presa entre as 100 Maiores Em- SEGUROS ao registar uma taxa no ano de 2016, consubstancia- Esta abordagem focada no Enfim, comprometemo-nos
presas de Moçambique no âmbito de crescimento do volume de ne- do por um Modelo de Negócios cliente permitiu igualmente a cer- a continuar a proteger as famí-
da XX edição da pesquisa “As 100 gócios de 46.42%; crescimento focado na rentabilidade e assen- tificação da INDICO SEGUROS lias e a conservar os activos das
Maiores Empresas de Moçambi- do número de clientes em 155%; te na qualidade dos produtos e na Norma ISO9001:2015, pela empresas através do pagamento
que” levada a cabo pela KPMG. rentabilidade dos capitais pró- serviços oferecidos aos clientes APCER, empresa internacional justo e célere das suas perdas.
A pesquisa das 100 Melhores prios de 26.34%; rentabilidade e parceiros, melhoria contínua de certificação acreditada pela Por isso, a INDICO SEGUROS
Empresas de Moçambique tem do volume de negócios de 5.03%; dos processos internos, inova- rede Intermational Certification está presente em todas as capitais
como objectivo principal reco- liquidez geral de 1.42; autono- ção e identificação, desenvol- Network (IQNet), tornando-se provinciais, para melhor servir
nhecer e premiar o desempenho mia financeira de 29.68%; nível vimento e retenção de talentos. a primeira empresa de seguros os seus clientes e parceiros com
económico-financeiro anual das de solvência acima de 100%; A busca continua da qualida- em Moçambique certificada no base numa abordagem presen-
empresas através da análise de crescimento dos resultados an- de e da excelência faz-nos acre- Sistema de Gestão de Qualidade. te e comunicação consistente.
indicadores de actividade como tes dos Impostos em 188%; ditar que o perfeito ainda pode Sentimo-nos honrados e orgu- Aos nossos clientes, reno-
o Crescimento do Volume de Ne- O posicionamento da INDI- ser aperfeiçoado e que os nossos lhos por sermos uma Empresa mo- vamos o nosso compromisso
gócios, Autonomia Financeira, CO SEGUROS na 20ª posição padrões de serviço ainda podem çambicana de capitais privados e de ouvir, compreender, servir
Rentabilidade dos Capitais Pró- do Ranking das 100 Melhores ser elevados a níveis tais que gerida totalmente por moçambi- e dar o melhor de nós, fazen-
prios, Liquidez Geral e Rentabi- Empresas de Moçambique e a superem as expectativas e expe- canos a ser reconhecida como a do sempre o que é correcto
lidade do Volume de Negócios. melhor classificada de todas as riências de consumo dos nossos melhor Seguradora do país, fru- ainda que tal nos prejudique.
20 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional
PGR em desespero de causa

Beatriz Buchili pede intervenção do


Conselho Constitucional sul-africano
para trazer Chang para Maputo
O Fórum de Monitoria do Orçamento apela ao Conselho Constitucional da África do Sul para rejeitar
o pedido da Procuradoria-Geral da República, por considerar que o mesmo é irracional e que empur-
ra a África do Sul para faltar às suas obrigações internacionais de combate ao crime transnacional.

M atias Guente
mtsgnt@gmail.com
ao Tribunal Constitucional, naqui-
lo que seria a derradeira luta da
curadoria-Geral da República, o
Fórum de Monitoria do Orçamen-
Justiça moçambicana para salvar to indica que o propósito de uma
caso para dizer que o Manuel Chang trazendo-o para extradição, na justiça criminal, é

É
prometido é devido e, no Moçambique e livrando-o da Justi- assegurar que as pessoas acusadas
caso, cumprido. Depois ça norte-americana, para onde, em de terem cometido crimes sejam
de o Tribunal Supremo princípio, Ronald Lamola quer que trazidas a julgamento, sejam con-
sul-africano, Divisão de Manuel Chang seja extraditado. denadas e punidas. E o Fórum de
Gauteng, ter decidido, no dia 1 de No dia 20 de Novembro, a Pro- Monitoria do Orçamento considera
Novembro, rejeitar o recurso de curadoria-Geral da República, que Moçambique pretende extra-
revisão apresentado pela Procu- através dos seus advogados, sub- ditar Manuel Chang para um país
radoria-Geral da República e por meteu um recurso ao Conselho onde ele goza de imunidade sobre
Manuel Chang e dar provimen- Constitucional da África do Sul a qualquer processo criminal, o que
to ao recurso do ministro Ronald requerer a revisão da decisão do seria irracional. O Fórum de Mo-
Lamola, que revogava a decisão Supremo Tribunal e a pedir que nitoria do Orçamento afirma que o
do seu antecessor, Michael Masu- Manuel Chang seja extraditado processo da quebra da imunidade
tha, que havia decidido extraditar para Maputo. A Procuradoria-Ge- de Manuel Chang é muito posterior
Manuel Chang para Maputo, a ral da República recorreu da deci- à sua detenção, o que evidencia
Procuradoria-Geral da República são fundada em três argumentos: que não havia interesse em proces-
prometeu, através dos seus ad- a) o protocolo de extradição sar Manuel Chang, tanto mais que
vogados, a “Mabunda Incorpora- a sua imunidade continuou intacta
da SADC só proíbe a extradi-
ted”, que ia recorrer da decisão. Estes são os argumentos da para os Estados Unidos da Améri- para todos os efeitos. O Fórum de
ção dos que tiverem imunida-
Através de um ofício datado de Procuradoria-Geral da Repúbli- ca por, na sua opinião, não haver Monitoria do Orçamento afirma
de absoluta e não condicional;
5 de Novembro, a “Mabunda In- ca vertidos na petição submetida condições morais e independência também que a África do Sul tem
b) não pode ser negada a ex-
corporated” informou oficialmen- pela “Mabunda Incorporated”. O no judiciário moçambicano. Num obrigações internacionais no âm-
tradição daqueles cuja imuni-
te ao Tribunal, incluindo à “BDK Conselho Constitucional sul-afri- dos documentos escritos pelo Fó- bito do combate ao crime transna-
dade só pode ser levantada nos
Attorneys”, os advogados de Ma- cano, por sua vez, notificou todos rum de Monitoria do Orçamento, cional. O Fórum de Monitoria do
país requerente da extradição;
nuel Chang, que a Procuradoria- Orçamento termina pedindo que a
c) desde que a Assembleia da Re- os contra-interessados, sendo um este recorda que o partido Fre-
-Geral da República moçambicana petição da Procuradoria-Geral da
pública de Moçambique consentiu deles o Fórum de Monitoria do limo, que recebeu dez milhões
estava a preparar um recurso. No República seja rejeitada, por con-
a prisão de Manuel Chang, signi- Orçamento, uma organização não- de dólares das dívidas ocultas,
documento, fazem referência a siderar que o pedido é irracional.
fica que ele já não tinha imunidade -governamental que tem-se batido controla a Justiça moçambicana. de Moçambique
que estão a preparar uma petição ao tempo do pedido de extradição. para que Chang seja extraditado Na sua resposta à petição da Pro-

(Continuação da página 10)

a financiar as suas empresas a taxas ataques isolados. Há um estrato que ria destacar a nova forma que troux- iteiros e a Federação Moçambicana ção às empresas que foram assistidas
abaixo de 1%. Agora, imagine uma maximiza, dando a entender que aq- emos para CTA, que foi olhar para o de Transportadores. A nossa casa já na sequência do “Idai”, pelo finan-
empresa moçambicana que adquire uilo está pior. De uma ou de outra empresário e dar-lhe oportunidade, teve dinheiro do Estado, e não conse- ciamento às empresas. Transformá-
recursos a nível local a 30% ou forma, é mau para qualquer em- mais do que falar no associativismo, guimos fazer isso. A nível empresar- mos a CASP num verdadeiro “mar-
mais. Que hipóteses tem de sucesso? presário. O barómetro número um é a promoção da coesão interna, a ial, foram apoiadas quarenta e uma ket place” onde as nossas empresas
a estabilidade do solo onde vai en- crença da CTA quase descredibili- empresas através de financiamentos podem fazer negócios, para além do
Canal – Senhor presidente, há diálogo com o Governo em busca de
terrar o seu dinheiro, mas, entretan- zada, colocámos a CTA no mapa ou que totalizaram 240 milhões de met-
um ano e meio ou dois anos, a melhoria do ambiente de negócios.
to, não há uma informação realista. no seu verdadeiro lugar, no sentido icais. Criáamos o PRONACER para
província de Cabo Delgado está a Em termos de reformas, foram fei-
Talvez haja uma vontade de tratar o de entidade de utilidade pública. capacitar empresas e assegurar a sua
ser fustigada por ataques que, até tas, mas não estamos satisfeitos com
assunto com muito secretismo. Tudo Criámos um Fundo de Apoio As- participação nos grandes proejctos.
agora, não sabemos quem são os o desempenho do “Doing Business”.
o que eu posso dizer é que a situação sociativo, com o apoio da USAID, Eu diria que, para o nível de realiza-
perpetradores desses ataques. De Por isso, já temos uma estratégia
de Cabo Delgado é de total incerteza através do qual disponibilizámos ções que tivemos, fizemos omeletes
que informações dispõe, da vossa desenhada para o efeito e, em 2020,
para quem pensa em colocar lá o in- cerca de 20 milhões de meticais só sem ovos, por causa da diferença do
CPE em Cabo Delgado? irão ver uma CTA muito proactiva
vestimento. para o movimento associativo: a que era necessário e o que foi feito.
nesse campo, monitorando a imple-
Agostinho Vuma – O empresari- ASTROGAZA (Gaza), AICAJU A fasquia era maior, precisávamos
Canal – Daqui a seis meses ter- mentação de reformas em benefício,
ado afectado não seria só de Cabo (Nampula), Câmara de Comércio de 500 milhões por ano, e, mesmo em primeiro lugar, das empresas, e
mina o mandato na CTA. O que
Delgado, somos todos nós que pos- Moçambique-USA (Maputo), Asso- assim, não conseguimos realizar. Es- do ambiente de negócios, em geral.
deixa como mais-valia?
samos querer investir. Conheço al- ciação Comercial da Beira (Sofala), tivemos à volta dos 260 milhões por Portanto, contribuir para o “law en-
gumas empresas de hotelaria e turis- Agostinho Vuma – Estamos a a Associação de Empreiteiros de ano, para promover as actividades, e forcement” como forma de garantir
mo que queriam estabelecer-se lá no seis meses do fim do nosso man- Construção Civil e Obras Públicas tirámos uma grande verba, que eram bom ambiente para as empresas.
terreno, mas essa informação pouco dato. Tivemos várias realizações, de Sofala, a Associação de Empre- cerca de 35 milhões de meticais. A
de Moçambique
fluida fê-los desistir. Há um estrato que seria impossível mencionar no sas Moçambicana de Consultoria, a nossa relação com as multinacionais
que minimiza, parecendo serem escasso tempo que temos, mas que- Federação Moçambicana de Empre- aumentou. Por outro lado, fiz men-
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 21

Nacional Publicidade

Ossufo Momade volta a


exigir enquadramento
de elementos da
Renamo no SISE

E alerta para o fim da democracia


em Moçambique.

O
presidente da Renamo, tinha sido feito, uma vez que é no
Ossufo Momade, está, SISE onde tudo é arquitectado.
desde segunda, 3 de Depois da forma com foram
Dezembro, de visita à realizadas as eleições de 15 de
Holanda. A partir de Haia, onde Outubro, vários analistas, orga-
teve um encontro com o director nizações não-governamentais
do Instituto Holandês Para a De- e partidos políticos passaram a
mocracia Multipartidária, Ossu- considerar que a democracia em
fo Momade disse que quer uma Moçambique estava a ser assas-
desmobilização condigna para os sinada pelo sistema. No encon-
militares da Renamo que ainda tro de Haia, Ossufo Momade
estão nas matas. Fez uma exi- mostrou-se preocupado com o
gência que há muito não fazia, esfaqueamento da democracia.
mas que nem sequer fez parte do “O fim da democracia não é um
Acordo de Paz e Reconciliação problema só da Renamo. O fim
Nacional: a integração de elemen- da democracia em Moçambique
tos da Renamo no Serviço de In- vai ser um recuo para toda a so-
formação e Segurança do Estado. ciedade. Por isso temos este com-
“A desmobilização dos milita- promisso de continuar a trabalhar
res é uma prioridade para a Rena- para que a democracia não pare.
mo. Mas os nossos militares ainda Não podemos deixar que um par-
estão nas nossas bases porque a tido político faça tudo o que quiser
desmobilização é um processo e no país”, disse Ossufo Momade.
deve decorrer de forma condig- Na Holanda, Ossufo Momade
na. O nosso desmobilizado deve disse que foi buscar parcerias e
voltar para a casa com dignida- alertar o mundo que a democracia
de”, disse Ossufo Momade, num encontra-se ameaçada e com o risco
encontro que teve, na terça-feira, de regredir, “o que seria mau para
com o director do Instituto Holan- o bem-estar dos moçambicanos”.
dês para a Democracia Multipar- Na ocasião, Ossufo Moma-
tidária, em Haia, na Holanda. E de distanciou-se dos ataques
explicou que a desmobilização é que vêm acontecendo em al-
um processo que requer muita pa- guns pontos das províncias da
ciência e atenção. “Insistimos que zona centro de Moçambique.
os nossos homens devem estar “Os ataques que estão a ocorrer
no país, mais concretamente na re-
enquadrados em todos os ramos
gião centro, não têm a ver com a
das Forças de Defesa e Seguran-
Renamo”, disse e acrescentou que
ça, incluindo o SISE, pois é lá
eles dizem que não concordam com
onde são feitas manobras que de-
Ossufo Momade e atacam a popu-
sestabilizam o país, como são os
lação, viaturas e até instituições.
casos de perseguições a membros
“O que têm a ver estes alvos com
dos partidos políticos, da socie-
o facto de estarem contra Ossufo
dade civil, manobras eleitorais.”
Momade?”, perguntou. E afirmou:
Já há muito tempo que a Rena-
“Estas pessoas estão a agir por con-
mo tinha deixado de exigir, pelo
ta própria. A Renamo continua fo-
menos publicamente, a inclusão
cada na implementação dos acor-
dos seus homens no SISE. Este
dos assinados no âmbito do DDR”.
assunto nem sequer foi tratado
Segundo um comunicado da
no Acordo de Paz e Reconcilia-
Renamo, Ossufo Momade faz-
ção Nacional assinado em 6 de -se acompanhar de alguns di-
Agosto de 2019, por Filipe Nyu- rigentes do partido Renamo,
si e Ossufo Momade. A falta, no incluindo membros da Co-
Acordo, da inclusão de homens missão Política, deputados e
da Renamo levantou críticas chefes de Departamentos Na-
dentro e fora da Renamo, com o cionais. (André Mulungo)
fundamento de que, sobre a pre-
sença da Renamo no SISE nada de Moçambique
22 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Nacional

Polícia continua sem pistas dos


sequestradores do filho de Juneid Lalgy
C láudio Saúte
sauteclaudio@gmail.com
e foi lavrado um processo que, nes-
te momento, está a ser instruído por
uma brigada do SERNIC, claro com

C
ompletaram-se na quarta- o acompanhamento do magistrado do
-feira da semana passa- Ministério Público. A vítima ainda
da catorze dias desde que não foi localizada. Não temos ainda
Shelton Lalgy, filho do em- qualquer contacto dos indivíduos que
presário Juneid Lalgy, foi sequestra- protagonizaram este rapto. Estamos a
do por desconhecidos na cidade da trabalhar com os indícios. Todos os
Matola, na província de Maputo, e elementos foram recolhidos no local
as autoridades continuam sem pis- onde os factos ocorreram e outro tipo
tas para localizar os sequestradores. de informações que possam ajudar
Shelton Lalgy, de 30 anos de idade, para a localização da vítima”, disse.
foi abordado quando se dirigia à sua Jorge Chivindze acrescen-
residência depois de uma sessão de tou que, até este momento, não
ginástica. Os malfeitores bloquearam há nenhum suspeito e que se está
a sua viatura e obrigaram-no a seguir a trabalhar para encontrar ele-
com o grupo para destino incerto. mentos que possam conduzir as
Jorge Chivindze, porta-voz da autoridades até aos suspeitos.
Procuradoria na província de Ma- “Há um bom tempo que não
puto, disse que a instituição está a se registava uma situação igual.
acompanhar atentamente o caso, Voltamos a ter esta situação e
que já está sob alçada do Serviço não vamos parar de trabalhar. Va-
Nacional de Investigação Criminal. mos esclarecer, temos esperan-
“A Procuradoria está a fazer o devi- ça que isso vai acontecer”, disse.
do acompanhamento. O rapto deu-se, de Moçambique

publicidade
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 23

Publicidade

Outras coisas e
sabores
Por: Da Glória Cumba

Depois de alguns números muito estrangeirizados decidimos voltar


aos nossos sabores. E quando se trata de nosso é tudo farto e de
resto condiz com a moratória da fartura que nos últimos dias deci-
dimos abraçar abrindo mão das dietas. E para marcar esse regresso
ao “nosso” nada mais exuberante que abrir a campanha com o caril
de amendoim. é um prato típico da culinária de Moçambique, em
particular da região sul do país. É daqueles pratos que até quem é
cheio de frescura na hora de comer, come e repete, pelo menos é as-
sim aqui nas nossas bandas.

E temos o dever de meter honestidade nisto. Peca por um par de


razões: é uma receita demorada, e é um difícil de acertar na primei-
ra tentativa. E tem a chatice de encontrar o amendoim pilado sem
passar pelo pilão. Sim, para ser caril de amendoim, tem que ser de
amendoim pilado e não moído depois de um século de banho Maria.

Então pegue no pilão e transpire um pouco. A maioria dos mercados


populares e alguns super-mercados com instinto de oportunidade já
vendem amendoim pilado aqui em Moçambique. Sejamos honestos
mais uma vez: que moçambicano é esse que não sabe pilar? Ociden-
talismos à parte, em qualquer parte deste País saber pilar é como ter
um nome próprio. A receita de hoje será preparada com rabo de vaca
ou cow’s tail em inglês , mas pode também se preparar com camarão
seco (mais popular), carne de vaca, peixe, vegetais e outros.

Ingredientes

200 g de amendoim pilado

1kg de rabo de vaca

4 -dentes de alho

2 -cebolas

2 -tomates

Sal qb

1L de leite de Coco

Considerando que as quantidades não têm regra, faça o que achar


melhor para si e para quem vai comer.

Modo de preparar

Deite um litro de água fria numa tigela ou num outro recipiente com
a mesma função e junte o amendoim pilado ;Coe e fique apenas com
o leite de amendoim e misture com o leite de coco. Ponha a nossa
mistura ao fogo por uns 30 minutos ou até começar a ferver. Nesse
momento junte os outros ingredientes bem cortadinhos; faca um
refogado com o rabo e o alho separadamente e depois reserve sem
deixar cozer a carne. Vá mexendo o amendoim e acrescente o rabo e
nunca para de mexer. Quando parar de levantar fervura, deixe cozer
até ficar espesso e retire do fogo certificando que a carne está cozida
e bem incorporada.

Sirva com arroz ou xima


24 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Desporto
Eleições na FMF ao rubro

E o vencedor é...! Quem controlar


as Associações Provinciais!
C láudio Saúte
sauteclaudio@gmail.com
Federação Moçambicana de
Futebol era representada, nes-
construção do Estádio Nacional
do Zimpeto, não vimos interesse
sa altura, por Feizal Sidat. Este em manter o espaço, tanto mais

A
Federação Moçambi- vendeu o espaço a Nahid Os- havia focos de conflitos de terra.
cana de Futebol vai a man, um empresário na área de Vendemos e aumentámos com os
votos no próximo dia imobiliário sedeado na Matola. fundos da Federação Internacio-
14 de Dezembro para Os dois celebraram um con- nal do Futebol Amador e com-
escolher o seu próximo presi- trato de compra e venda de um prámos a ‘casa do futebol’ na
dente. Concorrem às eleições: totalidade. Estou tranquilo quan-
Alberto Simango, que é candida- to a isso.”, disse Feizal Sidat.
to à sua própria sucessão; Feizal
Sidat, que já lá esteve durante Simango e a dívida de dez
dez anos; Tico-Tico. E quando milhões de meticais
faltam três dias para a realização Sobre o candidato Alberto Si-
das eleições, afiam-se as facas mango também foi divulgada
para um processo que tem sido documentação comprometedora.
marcado sempre por um único A Federação Moçambique de
denominador: a captura das As- Futebol negociou com o Banco
sociações Provinciais, mais con- Nacional de Investimentos uma
cretamente dos seus presidentes, dívida de cerca de 10 milhões
que, como se sabe, têm o man- de meticais, para evitar a penho-
dato dos associados para votar ra das instalações da Federação.
no candidato que a Associação Alberto Simango Jr. Um documento do Tribunal
decidir. Mas os punhais não são Judicial da cidade de Maputo, 1.ª
só para isso. Por fora, trava-se terreno no distrito de Magude, Secção Comercial, na posse do
uma “guerra dos podres”, para com o Direito de Uso e Apro- “Canal de Moçambique”, data-
tentar influenciar a tendência veitamento de Terra Número do de 23 de Setembro de 2019,
do voto daqueles que ainda não 423, referente à parcela 1156, indica que o exequente “Banco
estão financeiramente compro- com uma área de 80 hectares. Nacional de Investimento, SA”
metidos nem com uma nem com Segundo o documento, a e o executado, Federação Mo-
outra candidatura. Nessa guer- modalidade de pagamento foi çambicana de Futebol, acordam
ra, Tico-Tico é um “outsider”. a seguinte: a primeira pres- em transigir quanto ao objecto
Os grupos-de-choque de Feizal da presente acção da qual resul-
tação foi de 360.000 dóla-
Sidat e Alberto Simango Jr. fa- ta a extinção de todo o processo.
res, e o valor remanescente
zem o par de tango na propagan- Mais adiante, pode ler-se no
(162.500 dólares) foi pago no
da de podres de um e de outro, mesmo documento: “Em virtude
prazo máximo de doze dias.
porque são as duas candidatu- do presente acordo de transac-
ras mais fortes e que dominam “O primeiro outorgante pro-
mete vender, e o segundo outor- ção, o executado compromete-
a máfia que controla o futebol. -se em pagar integralmente a
Um relatório preparado pela gante promete comprar o imóvel,
identificado na cláusula segunda, quantia exequenda no montante
KPMG para a Federação Mo- de 10.874.727.11 meticais a ser
çambicana de Futebol, com a pelo global de 512.500 dólares
liquidada em 36 prestações men-
data de 31 de Dezembro de 2014, nos seguintes moldes. a) 350 mil
As conclusões da auditoria ao último ano de Feizal Sidat na FMF sais a iniciar após a data de ho-
que foi o último ano do mandato dólares, acto de assinatura do
milhões de meticais na rubrica não foi fornecida aos auditores mologação do presente acordo”.
de Feizal Sidat, e que foi divul- presente contrato e entrega do
documentação de fundamenta- No parágrafo seguinte, o do-
gado na semana passada é ater- de “pessoal”, que inclui trans- imóvel. b) o remanescente, no
ção na rubrica “activos tangíveis cumento diz que o exequente
rador. Nesse anom os auditores montante de 162.500 no prazo
reconhece que, “em virtude da
da KPMG não tiveram base para de investimento”, com saldos máximo de 12 meses, a contar presente transacção, com demais
emitir uma opinião de audito- de 27,2 milhões de meticais. A da data assinatura do presen- pedidos formulados nos presen-
ria, dado o nível de desmandos. KMPG conclui não expressando te contrato”, lê-se no contrato. tes autos se encontram totalmen-
Segundo o relatório, em nossa uma opinião sobre as demons-
te ultrapassados, e declara que
posse, há 63,5 milhões malpa- trações financeiras. Este é, em Sidat diz que fez tudo com com o pagamento das quantias
rados, só em 2014. Segundo o resumo, apenas o último ano em anuência da Assembleia-Geral referidas no número anterior,
relatório, há um valor de 21,8 que Feizal Sidat esteve pela Fe- Em contacto com o “Canal nada mais tem a ver do execu-
milhões de meticais gastos na deração. E quer voltar para lá. de Moçambique”, Feizal Si- tado, a qualquer título, relacio-
rubrica de “bens e serviços” Na semana passada, foram dat disse que a sua Direcção nado ou emergente com a causa
sem nenhum tipo de fundamento também divulgados documentos fez tudo com anuência das As- de pedir dos presentes autos”.
contabilístico. Foram pagos 4,2 Feizal Sidat que provam que Feizal Sidat, sociações Provinciais em As- O documento é assinado por
milhões de meticais em salários durante o seu mandato, vendeu sembleia-Geral e, usando uma Tomás Mazembe, advogado de
a uns supostos trabalhadores, ferências para as Associações um terreno pertença da Federa- parte do dinheiro, aumentou-se Alberto Simango Jr., presiden-
mas que não têm contratos com Provinciais, mas, desse valor, há ção, em Dezembro de 2010, no para comprar a casa onde fun- te da Federação Moçambica-
a FMF. Foi gasto 1,8 milhão de distrito de Magude, na província ciona actualmente a Federa-
3,2 milhões não justificados. Nas na de Futebol, e Filipe Johane,
meticais em supostas ajudas de de Maputo, por 512.000 dólares. ção Moçambicana de Futebol.
reconciliações bancárias, há uma secretário-geral da Federação.
custo, que também não têm se- Segundo o contrato de com- “O nosso projecto era construir Alberto Simango Jr. distancia-
quer uma factura. Feizal Sidat diferença injustificada de 5,3
pra e venda, a que o “Canal de um estádio nacional, mas, quan- se
diz que, em 2014, gastou 8,4 milhões de meticais. Também Moçambique” teve acesso, a do o Governo avançou com a Em contacto, na segunda-
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 25

Desporto Publicidade

-feira, com o presidente da forma de organização dos cam-


Federação Moçambicana de peonatos provinciais e de zona
Futebol, Alberto Simango Jr., “A Comissão Nacional de
este distancia-se do documento. Arbitragem vai ter fundos para
“Neste momento, estou em gerir assuntos da arbitragem e
Tete, mas devo responder que reduzir a questão da dependên-
não conheço esse documento”, cia, mas tem de se reformular o
disse Alberto Simango Jr., em regulamento. No futebol, não há
contacto telefónico. Na semana inimigos, há adversários”, disse.
passada, durante a apresentação Feizal Sidat diz que a Federa-
da sua candidatura na Beira, ção que propõe vai concentrar-se
Alberto Simango foi interpela- também na sua missão primor-
dial, que é o desenvolvimento do
futebol em Moçambique. O com-
promisso é o de desenvolver e
nutrir o factor técnico da Federa-
ção estabelecendo novos padrões
para colher novos dividendos.
Feizal Sidat disse que, como
parte dos esforços para desen-
volver o futebol em Moçambi-
que, o seu manifesto pretende
Tico-Tico lançar vários torneiros de de-
senvolvimento para oferecer aos
do publicamente numa estân- jovens talentos de futebol uma
cia hoteleira, onde foi cobrada oportunidade para disputar jo-
uma dívida de alojamento dos gos nacionais e internacionais.
“Mambas” naquela cidade. A in-
terpelação foi interpretada como “Somos todos futebol”
uma estratégia da candidatura Alberto Simango Jr. tem como
oponente para o descredibilizar. lema “Somos todos futebol”. Diz
que a sua recandidatura à Fede-
Três galos para um poleiro ração Moçambicana de Futebol
Manuel Bucuane, mais co- é um processo de continuidade
nhecido como “Tico-Tico”, ex- e sustentada pelo conhecimento
-capitão dos “Mambas”, depois e experiência que tem sobre o
de, nas eleições anteriores, ter futebol nacional e internacional.
apoiado a lista de Manuel Chang “Eu sou um homem do fute-
(ex-ministro das Finanças e bol. Desde muito cedo, estou
hoje detido na África do Sul ligado ao futebol e confrontado
por estar implicado nas dívidas com as responsabilidades em
ocultas), assume-se hoje como todas as organizações em que
candidato a presidente. A sua estive ligado. Sempre onde exis-
candidatura, é apoiada por anti- tiam dificuldades, transformei
gos colegas seus (Mano Mano, em oportunidades, provando
Paulito, Ângelo, Eurico Tomás). às pessoas que comigo traba-
Durante a apresentação da sua lham e àquelas às quais servía-
candidatura, Tico-Tico disse que mos que não havia dificuldade
pretende devolver o futebol a maior capaz de travar a vontade
quem o faz. “Candidato-me para de um homem crente na justi-
mudar os ‘status’ dos clubes e ça, no trabalho e que honra os
do nosso futebol. Também que- seus ideias e compromissos”.
ro melhorar o quadro competi- Alberto Simango Jr. diz que
tivo nacional, valorizar a marca os seus ideais são muito mais do
‘Mambas’ e ‘Mambinhas’”, disse. que uma Federação de Futebol.
Tico-Tico diz que não faz sen- “Somos uma instituição credí-
tido que um país extenso como vel e socialmente responsável.
Moçambique não tenha infra- Queremos estar cada vez mais
-estruturas desportivas nas zo- perto das pessoas, na vida dos
nas norte e centro, onde existe moçambicanos. Dos que podem
o maior número de habitantes. jogar e dos que não podem, dos
que podem vir ao estádio e dos
“Por um futebol moderno e que ainda não conseguiram. Dos
inclusivo” pais que querem ter raparigas e
O manifesto de Feizal Si- rapazes a jogar futebol. Quere-
dat tem como lema “Por um mos, neste nosso compromisso,
futebol moderno e inclusivo” abrir uma nova forma de pensar
e está assente em quatro pila- futebol, de pensar o desporto.”
res nomeadamente, reformas, Para os próximos quatro anos,
profissionalização, desenvol- Alberto Simango Jr. tem quatro
vimento do futebol e inclusão. pilares: transparência e credibili-
Feizal Sidat já trabalhou em dade, crescimento e competitivi-
quase todas as províncias, onde dade, conhecimento e formação,
prometeu profissionalizar o fute- internacionalização e liderança.
bol, desenvolver as Associações
Distritais de futebol e rever a de Moçambique
26 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Cultura

Do “eu poético” de Ivone Soares


nasceu “Salpicos de águas e sóis”
nais, signos textuais, emocionais poema indica a existência de um do que Ivone Soares, sendo tam-
e existenciais com o incógnito ar- poeta, o que escreve, e o outro, bém uma militante de causas so-
mamento de palavras, de lexemas que é o sujeito poético, que fala ciais e políticas, não deixa de fazer
vibrando a necessária polissemia.” por dentro do poema”, disse Ca- transparecer essa realidade nos
“Outros teóricos apontam ainda lane da Silva. “E nos é permitido seus temas. Muitos dos seus poe-
como o factor textual decisivo e entender o título da obra ‘Salpicos mas afloraram o seu lado espiritual
diferenciador da poesia a estra- de águas e sóis’. Na filosofia es- e também o seu pulsar religioso.
nheza da linguagem assinalada piritual e poesia védica, disse que Na cerimónia do lançamento,
por um discurso complicado de no princípio era o verbo, e tem um estiveram presentes os escrito-
argumentação por um texto com som inicial, onde a luz solar cinti- res Ungulani Ba Ka Khosa, Ar-
complexidade filosófica e também la sobre as águas, criando vida.” mando Artur e Juvenal Bucuane.
por uma certa agramaticalidade. O Calane da Silva concluiu dizen- de Moçambique

publicidade


Salpicos de águas e sóis” ferências”, disse e acrescentou
é o título do primeiro livro que a maior parte das mulheres
de Ivone Soares, deputada prefere abster-se da vida política
da Renamo, que decidiu “Infelizmente, não fizemos tão
envergar as vestes de poetisa. O bom aproveitamento das referên-
livro, editado pela “Minerva”, foi cias, na sociedade, de mulheres
lançado na semana passada, em trabalhadoras vendedoras e ou-
Maputo, e é uma compilação de tras que se dedicam ao país e não
poemas e narrativas sobre o per- pela via da política, mas como as
curso de vida da autora. Com oi- irmãs que estão a fazer a sua parte
tenta páginas, tem estrofes e ver- doando-se as causas da igreja”.
sos longos e curtos, que retratam Calane da Silva, que fez a apre-
diversos momentos da sua vida. sentação do livro, afirmou que o
Segundo Ivone Soares, a ins- discurso poético tem de obede-
piração veio da alma, pois as cer à rigidez das palavras líricas
narrativas encontradas no livro e a uma gramaticalidade abo-
descrevem a sua pessoa fora da natória de linguagem poética e
Assembleia da República e num que foi possível encontrar tudo
circuito mais fechado e numa di- isto no livro de Ivone Soares.
mensão mais humana. “Não pro- “Todas as regras líricas me vie-
curei, nestes poemas, cumprir o ram à mente após ter lido a obra
género de rima emparelhada, in- ‘Salpicos de águas e sóis – Meu eu
terpolada, apenas fui deixando o poético”, da autoria de Ivone Soa-
meu coração falar. Por isso, muitos res, porque esta autora de primei-
dos versos são livres, porque digo ra viagem fez roturas completas,
o que penso, sinto, intensamente.” plenas e decisivas em relação ao
Ivone Soares disse também questionamento e à linguagem.”
que este livro é uma parte do Em relação aos conteúdos, Ca-
seu contributo para a literatura lane da Silva disse que encontrou
moçambicana e que pretende, no livro uma arquitectura textual
com o livro, inspirar cada vez e poética que merece uma aten-
mais as mulheres na nossa so- ção particular no que diz respei-
ciedade, pois, na sua óptica, as to “à poesia e a respeito de tudo
mulheres andam sem referência. o que os teóricos disseram e di-
“A obra contribui para a nos- zem serem aspectos característi-
sa cultura. É também um in- cos inerentes ao discurso lírico”.
vestimento para as nossas me- Calane da Silva disse também
ninas, em quem se espelhar, que Ivone Soares, no seu primeiro
inspirar, e não andar perdidas livro, não foge a todos esses can-
como muitas vezes vemos as tos já mencionados. “Encontrei
nossas meninas, sem muitas re- nos versos, estrofes, os tais si-
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 27

Cultura
4 Canal de Moçambique | quarta-feira, 23 de Outubro de 2019

Canal de Agenda
Empresas e eMarcas
cultural social
Programação para o período de 11 a 13 de Dezembro (sexta-feira) Cafe” ll Concerto de Natal com “Soul ll Sessão sobre “Make up”, com Eu-
17 de Dezembro ll Exibição do filme “Incêndios”, ll “Comédias às quartas”, com Txo- Melody”, às 17h00, no “16 Neto”. nice Andrade, às 15h00, no Hotel
LITERATURA E LIVROS às 21h00 na Galeria “Vivos pela pito, às 19h00, no “Uptown Cafe”. ll “Sabor de Verão 2019”, às 18h00, Girassol.
11 de Dezembro (quarta-feira) Arte”. ll “The other room”, às 19h00, no na praia da Costa do Sol. 14 de Dezembro (sábado)
ll Lançamento do livro “O terrorista ll Exibição do documentário “16 Neto” . ll “Noite da Mulherada”, às 21h00, ll Conferência de negócios “Ted
elegante”, às 18h00, na Fundação “Women”, às 18h30, no Centro 12 de Dezembro (quinta-feira) no Bar e “Lounge” “Ibiza”. Women 2019”, às 14h00, no
Profissionais de tecnologias de informação e
Fernando Leite Couto.
12 de Dezembro (quinta-feira)
de Formação “Olhar Artístico”.
DANÇA
ll Música com “D Flash”, às 18h00,
na Fundação Fernando Leite Cou-
ll “Noite das Bruxas”, às 21h00, na
Fortaleza de Maputo.
Centro Cultural Universitário da
UEM.

comunicação debatem manutenção de infra-estruturas


ll Entrega do Prémio de Poesia, às
17h00, na Fundação Fernando
13 de Dezembro (sexta-feira)
ll Apresentação da dança
to.
ll “Karaoke Nigth”, às 20h00, no
ll “Noite de Sensação, às 20h00, na
“Casa Guião”, na Mafalala.
ll Palestra sobre como se tornar cria-
dor de “Android”, ás 8h00, na Uni-
versidade São Tomás.
Leite Couto. “N’tavasse”, da Companhia “Kardápio Kaseiro”
Moçambicana de Profissio- l l “Noite
‘stress’ emde termos
Vibes”, às
de20h00, no
investi-
Artística das FADM, às 18h00, no “Bar do Alto-Maé”. lél oPalestra
seu sobres
dia-a-dia”,
técnicas afirmou.
de como
16 de Dezembro (segunda-feira) nais “Quintas
l l e Empresasno Frikas”,
deàsTecnolo-
17h00, no mento, habilidades necessárias Na
Auditório Municipal da Matola. lidar com o fracasso, àsHofmeis-
ocasião, Célia 10h00, no
ll Sessão de leitura e autógrafos Restaurante “Fricka”. 15 de Dezembro (domingo)
ll Sessão de dança com o grupo
gias de Informação, os ora- para a gestão e manutenção, ter, Hotel
directora
Rovuma . executiva da
ll Bhaka Yafole e Amigos , às 17h00,
com Álvaro Carmo Vaz , às
“Machaka”, às 18h00, no Museu dores consideraram que, ao técnicos Noite
ll de “karaoke” com
e segurança”, disse “Tsolnet Moçambique”,
17 de Dezembro apelou
(terça-feira)
10h00, na Livraria “Mabuko”. no Centro Cultural Moçambicano- Chiugate Muhai, às 18h00, no Bar
da Mafalala. chamarAlemão.para si a responsabi- Eugénio Novele,
e “Lounge” “Ibiza”. director técni- às pequenas e médias
ll Sessão de diálogo sobre a gover- empre-
TEATRO
ESPECTÁCULOS E lidade de gerir e manter infra-
13 de Dezembro (sexta-feira)
co
ll
da “Internet Solutions Mo-
Noite da “Última Ceia”, às
sas nação
e “startups”
da indústrianacionais
extractiva,que
às
14 de Dezembro (sábado) 8h00,nano Hotel
CONCERTOS -estruturas de tecnologias de çambique”, e acrescentou
17h30 no Café-Bar “Gil Vicente”. que actuam área “Radisson Blu”.
das tecnologias
ll Apresentação da peça teatral ll Sessão de “Toca discos”, às
12 de Dezembro (quinta-feira) informação
18h00, nae comunicação,
Fundação Fernando as a
ll vantagem da terceirização
Festival “A grande esperança”, de informação e comunicação
FEIRAS E NEGÓCIOS
“Vai ficar em cima do muro?”, às
18h30, no Centro Cultural Brasil- ll II Sessão de Guitarra, às 15h00, pequenas e médias empresas
Leite Couto. destes serviços
às 10h00, é que“Quisse
na Escola as peque-
Ma- para14firmarem
de Dezembro parcerias
(sábado) com
Moçambique. no Centro Cultural Franco- podem perdercom
ll “Karaoke” a Filipão
concentração
Marques, nas vota”.
e médias empresas passam lempresas
l Feira de experientes e de cré-
pimentas e compotas, às
Moçambicano. da atenção
às 18h00, nono“Uptown
seu negócio
Cafe”. e, a dedicar-se
PALESTRAS, exclusivamente
SEMINÁRIOS, ao ditos reconhecidos
9h30, na “Casa de para presta-
Sabores”, em
ll Apresentação da peça teatral
“Hora do voto”, às 18h30, no 13 de Dezembro (sexta-feira) consequentemente,
ll “Art Bazar”, às 12h00, não noobter
“16 seu negócio.CONFERÊNCIAS
“Elas passam a ter remMaputo.
serviços às multinacionais.
Cine-Teatro “Gilberto Mendes”. ll Lançamento do segundo disco dos retornos
Neto”.do seu investimento. mais11 detempo para(quarta-feira)
Dezembro se preocupa- Em15 deparalelo,
Dezembrodevem(domingo)inves-

A
17 de Dezembro (terça-feira) “GranMah”, às 20h30, no Centro ll“As pequenas
“Open e 18h00,
Paiva”, às médias noem-
“Li- rem
l com o mercado
l Conferência e a econ-
sobre petróleo gás, ltir
l naFeiraformação para, a, àsmédio
e venda de viaturas 8h00,
“Incubadora de Ne-
ll Apresentação da peça teatral
dadeCultural
de as Franco-Moçambicano.
pequenas e médias presasma’s Bar”. deixar os profis-
devem às 9h00, nas
corrência, “Torres
e com o Rani”.
que acon- no “Brother
ou longo prazo,Cars”,
serem na autóno-
Avenida
gócios”
“O artista do “Stan-às
na sociedade”, empresas e as “startups”
14 de Dezembro (sábado) ter- sionais
ll Sessão tratarem disso. As
“Gin & Tónica”, em-
às 12h00, tece12 na sua área(quinta-feira)
de Dezembro de negócio.” mas.Angola.
“As parcerias devem tra-
18h30, dard Bank”
no Centro acolheu
cultural Brasil- ceirizarem
ll Concertoadegestão e manu-
encerramento do ano presasno Hotel Cardoso.
de tecnologia investem ll “Já temos,
Palestra no“Start
sobre país,upempresas
grind”, às zer OUTRAS ACTIVIDADES
conhecimento, experiência
recentemente um
Moçambique. tenção2019,
dosàs serviços
18h00, no Centro Cul-
inerentes 14 de Dezembro
elevadas somas de (sábado)
dinheiro que 18h00,
fazemna isso,
“Incubadora” do “San-
com ‘clouds’ 14 de Dezembro
e, acima de tudo,(sábado)
segurança.
debate sobreCINEMA
a manutenção de tural Brasil-Moçambique.
à tecnologia para poderem dard Bank ”.locais. Conferem
na
ll criação de ‘data
Jasse e banda centers’ às
“Malonguissa”, e e sistemas lAcredito
l Festa de queNatal, temos
às 14h00,bastante
no Cen-
infra-estruturas de(quinta-feira)
tecnologias ENTRETENIMENTO
concentrar-se no seu negócio. tro Cultural
12 de Dezembro 19h00, no “Kardápio
infra-estruturas Kaseiro”.ne-
esenciais l l Palestra
maior sobre comoem
flexibilidade descolar
termosas potencial no Brasil-Moçambique.
país, mas precisa-
de informação e comunicação,
ll Lançamento do DVD “online” 11 de Dezembro
Durante (quarta-feira)
o debate, organiza- ll Espectáculo
cessárias alusivo
para que as aos 30 anos
pequenas ideias do papel, às
de conectividade e permitem 9h00, no “Or- mosPasseio
de pela
estarReserva
expostosEspecial
às de Ma-
tecno-
durante o qual
do filme profissionais
“Resgate” , às 18h00, na do
ll pela “Tic
Tributo a TomTech Talk”,
Jobim em
e Vinícius de Grace Évora, às 21h00, no “Big ange Corners”. puto. Partida às 5h00,na na formação.”
Escola Náu-
e médias empresas trabalhem, que as pequenas e médias em- logias e investir
Galeria
da área do porto de aMaputo.
apontaram necessi- Moraes,com
parceria às 18h30, no “Uptown
a Associação Brother”. 13 de Dezembro (sexta-feira) tica. de Moçambique
ou seja, elas absorvem o maior presas se foquem naquilo que de Moçambique
publicidade
publicidade

CONDOMÍNIO
Localizado na Rua Dona Maria II n º 138 – Bairro
SOMMERSCHILD – MAPUTO, MOÇAMBIQUE.

Constituído por 4 pisos:


Piso1
Cave com 112 m2, divisão única ampla com casa de banho
privativa e bancada de cozinha. Iluminação natural com
janelas para a parte traseira da casa.
Piso 2
R/Chão com 242 m2, constituído por sala de estar ampla,
escritório, 3 quartos dos quais dois com casa de banho
privativa e uma cozinha.
Piso 3
Primeiro andar com 258 m2, constituído por sala de estar
ampla, escritório, 3 quartos dos quais dois com casa de
banho privativa e uma cozinha.
Piso 4
Segundo andar com 200 m2, constituído por sala de estar
ampla, 3 quartos, dos quais dois com casa de banho privativa
e uma cozinha. Possui varanda para a frente e acesso com
escadas a terraço de 188 m2 com vista de mar no qual
também existe um sótão.
Nas traseiras do edifício existe um jardim com acesso a
uma casa de banho e uma área de serviço constituída por 3
quartos com uma casa de banho de serviço comum.
Espaço de estacionamento para 6 carros.
Condomínio vedado nas traseiras e à frente, com portão de Contactos:
acesso e guarita na entrada. 00 351 966647582 | 00 351 966264002 e
00258 848397947 | 00258 848649497 - José Nóvoa e Carla Granja
granjanovoa@gmail.com
Publicidade
de Moçambique
www.canal.co.mz quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Sede: Bairro Central, Av. Maguiguana, n.º 1049 | Casa n.º 65000 R/C | canal.i.canalmoz@gmail.com

Em Mocímboa da Praia

Terroristas atacaram Marere e fala-se


de morte de 11 elementos das FDS
A ndré Mulungo
andremulungo4@gmail.com
aviso aos cidadãos do Canadá nos
distritos atrás mencionados. Mas
o aviso estende-se a toda a pro-

A
cruzada de terror conti- víncia no sentido de os cidadãos
nua em Cabo Delgado, daquele país evitarem “todas as
e mesmo a presença viagens não essenciais devido à
dos mercenários rus- situação de segurança instável”.
sos não está a intimidar o grupo No dia 28 de Novembro, a Em-
de assassinos que está a semear baixada dos EUA em Moçambique
morte. Na madrugada de sexta- tinha também alistado os distritos
-feira, 6 de Dezembro, os terro- a evitar pelos norte-americanos.
ristas atacaram o povoado de Ma- “Devido a ameaças de ataque,
rere, que dista vinte quilómetros sequestro e outras formas de
da vila de Mocímboa da Praia. violência, a Embaixada reitera o
Segundo relatos de elemen- apelo para precaução redobrada
tos da população no local, os aos cidadãos dos EUA que con-
terroristas eram em número não sideram viajar para província de
muito comum quando compa- Cabo Delgado, especificamente
rado com os ataques anterio- para os distritos de Mocímboa
res. E desta vez incluía rapa- da Praia, Nangade, Palma, Ma-
zes de 14 a 17 anos de idade. comia, Ibo, Ancuabe e Quis-
Ocuparam a aldeia no dia 6 sanga”, alertaram os EUA, em
de Dezembro, às 2h00 da ma- documento de 28 de Novembro.
drugada, e só abandonaram na Cabo Delgado está em guerra
madrugada do passado domingo. desde 5 de Outubro de 2017. Até
A posição das tropas governa- Os cidadãos dizem que, durante contratados pelo Governo não elaborou uma lista com os no- hoje, não se conhece a causa dos
mentais que lá estava foi severa- o período em que os malfeitores estão a ser insuficientes para de- mes de distritos de Cabo Delga- ataques. Cerca de três centenas de
mente fustigada. Fala-se em onze estiveram na aldeia, comunica- ter a onda de morte que tem vindo do a evitar pelos seus cidadãos, pessoas, incluindo civis e milita-
elementos das Forças de Defesa e ram que vão atacar nos próximos a ser praticada pelos terroristas. devido a ataques de terroristas. res, morreram desde 2017. Os ata-
Segurança que foram mortos. Há dias, a partir de Darumba, em Trata-se dos distritos de An- ques provocaram deslocados e um
três feridos graves hospitalizados Macomia, e Quissanga, até Pal- Canadá coloca Cabo Delgado cuabe, Ibo, Macomia, Meluco, rasto de destruição. O Governo
em Mocímboa. Alguns elementos ma. Os cidadãos continuam a vi- como zona de risco e avisa os Mocímboa da Praia, Muidumbe, contratou mercenários russos, que
das Forças de Defesa e Segurança ver dias dramáticos na incerteza seus cidadãos para não irem lá Nangade, Palma e Quissanga. não estão a ter sucesso no combate
apareceram no quartel de Mocím- das suas próprias vidas, porque Depois de os Estados Unidos São distritos que, desde 2017, dos terroristas, que a cada dia que
boa, mas muitos ainda estão de- não sabem quando o azar lhes vai da América terem colocado uma têm sido palco de confrontos en- passa, intensificam os ataques, se-
saparecidos pois fugiram quando bater à porta. As tropas governa- “bandeira vermelha” à provín- tre terroristas e forças governa- meando desespero na população.
os terroristas assaltaram a vila. mentais e os mercenários russos cia de Cabo Delgado, o Canadá mentais. A lista é uma espécie de de Moçambique

publicidade
de Empresas e Marcas
Director: Fernando Veloso | Ano 13 - N.º 892 | Nº 542 Semanário Maputo, quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Clientes do “Millennium IZI” e


do “e-Mola” já podem efectuar
transferências entre si
O
s subscritores do “Mi- sificar o acesso dos moçambi-
llennium IZI” e do “e- canos aos serviços bancários,
-Mola” já podem efec- facilitando o seu dia-a-dia.
tuar transacções entre si. Para O “e-Mola” é um serviço móvel
o efeito, o “Millennium bim” e de gestão financeira que permite ao
a “M-Mola” (carteira móvel da cliente depositar, levantar e transfe-
“Movitel”) assinaram um memo- rir dinheiro, comprar CREDELEC,
rando de entendimento que vai comprar crédito e pagar salários de
permitir aos clientes do “Millen- forma rápida, segura e convenien-
nium bim” e da “Movitel” efec- te. Os utilizadores beneficiam de
tuarem transferências de dinheiro registo gratuito, com a vantagem
entre os utilizadores dos serviços de poderem efectuar transacções a
“Millennium IZI” e “e-Mola”. qualquer hora e em qualquer lugar.
O acordo para a integração dos Criado em 2013, o “Millen-
dois sistemas foi assinado no nium IZI”, modalidade de “mo-
dia 4 de Dezembro, numa ce- bile banking” do “Millennium
rimónia promovida pelo “Mil- bim” já tem cerca de dez milhões
lennium bim” e pela “Movitel”. de transacções por mês, reforçan-
O objectivo deste memoran- do, assim, a maior rede de servi-
do coniste em dar a todos os ços bancários em Moçambique.
clientes do “e-Mola” e do “Mi- Esta modalidade permite aos uti-
llennium IZI” a possibilidade lizadores o acesso à maioria dos
de efectuarem operações de serviços do “Millennium bim”
transferência e recebimento de em qualquer tipo de dispositivo
dinheiro de forma fácil, rápida móvel. Trata-se de uma plata-
e segura através do telemóvel. José Reino da Costa, presi- dos serviços financeiros do ban- garantir a disponibilidade e acesso forma flexível, de fácil acesso e,
Este é o primeiro passo do pro- sobretudo, segura para realizar
dente da Comissão Executiva co, promovendo assim a inclu- aos produtos e serviços financeiros
cesso de integração entre as duas transacções em Moçambique e
do “Millennium bim”, afirmou: são financeira em Moçambique”. de qualidade, adequados às neces-
plataformas, permitindo aos clien- também no estrangeiro. Os clien-
“Trata-se de uma aliança perfeita Vítor Luís Timóteo, presidente sidades da maioria da população
tes o acesso aos serviços finan- tes podem, por esta via, realizar
ceiros prestado pelo “Millennium entre dois serviços de valor acres- do Conselho de Administração da moçambicana, a fim de contribuir múltiplas operações, tais como
bim” e pela “Movitel”. A parceria centado e que foi feita a pensar “Movitel”, afirmou: “Este é o cul- para o bem-estar e progresso eco- pagamentos de serviços, transfe-
entre as duas empresas insere-se nos clientes das duas plataformas. minar dos esforços da ‘Movitel’ no nómico e social das comunidades”. rências bancárias, activação e blo-
no âmbito da interoperabilidade É mais um contributo para tra- contributo para promoção da inclu- Os dois serviços, “e-Mola” e queio de cartões, e levantamento
entre bancos comerciais e ins- zer vantagens reais ao dia-a-dia são financeira, respondendo assim “Millennium IZI”, foram cria- de dinheiro, sem necessidade de
tituições de moeda electrónica. das pessoas e para a expansão às recomendações do Governo de dos com o objectivo de mas- utilizar um cartão. (Redacção)

publicidade
30 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Canal de Empresas e Marcas

“Cornelder” divulga plano de


prevenção e resposta ao “Idai”
sua instituição já dispunha de o administrador-delegado da
um plano de contingência, que “Cornelder de Moçambique”.
tinha como ponto de partida o Jan de Vries enalteceu tam-
encerramento do porto da Beira, bém o papel preponderante
com uma antecedência de dois desempenhado por todas as
dias, para a preparação das ins- instituições do Estado, que par-
talações e reforço de todos os ticiparam, de forma activa, na
equipamentos, com vista a redu- reposição das infra-estruturas
zir o impacto do ciclone “Idai”. danificadas, como as estradas
“Para nós, a parte-chave é a e linhas de telecomunicações.
preparação. O ciclone ‘Idai’ foi “Reconhecemos o esforço do
um desafio maior. O porto está Governo, que conseguiu fazer
exposto ao vento e, por ser essen- a reposição da energia eléctrica
cial à economia regional, salva- e das estradas. Foi um trabalho
guardar o terminal era importan- excelente fazer a reposição e pôr
tíssimo. A maior preocupação era todo o corredor a fluir, evitando,
a protecção dos nossos guindas- deste modo, a fuga de clientes
tes de sessenta metros de altura do porto da Beira. Para as próxi-
e com um peso de mil toneladas mas ocorrências de intempéries
cada. Fizemos um esforço enor- ou ciclones, o porto estará, com
me, soldando as estruturas, e, no certeza, mais preparado. Contu-
parque dos contentores, diminuí- do continuamos a fazer estudos
mos o formato de pirâmide para com vista à resiliência dos equi-
o vento passar, porque sabíamos pamentos e dos armazéns, em
que havia a possibilidade de o particular”, afirmou Jan de Vries.

A
“Cornelder de Moçam- ximação do ciclone “Idai” e visando a antecipação, prevenção
mar entrar e, por isso, tomámos Durante o evento, foi apre-
bique”, concessioná- como reduziu os seus impactos. e redução de danos de fenómenos.
todas as precauções, tendo, in- sentada pelo professor Barend
ria dos terminais de A apresentação decorreu du- Através deste debate, sob o
clusive, removido as redes de Erasmus, cientista na área de
contentores e de carga rante o debate promovido pelo lema “Alterações climáticas: an-
comunicação. No dia seguinte, alterações climáticas, uma visão
geral do porto da Beira, no cen- “Absa Bank Moçambique”, em tecipação, prevenção e mitiga-
com o apoio dos trabalhadores, académica sobre as mudanças
tro do país, apresentou, no dia parceria com a revista “Exame”, ção”, o administrador-delegado
conseguimos mitigar o impacto climáticas a longo prazo e a sua
6 de Dezembro, em Maputo, o sobre as alterações climáticas no da “Cornelder de Moçambi-
e pusemos o porto a funcionar implicação no “habitat”. (FDS)
seu plano de acção face à apro- mundo, e no país, em particular, que”, Jan de Vries, disse que a
em tempo recorde”, explicou de Moçambique

MTC aborda infra-estruturas de telecomunicações


no âmbito das alterações climáticas
O
sector das telecomu- desenvolvimento de infra-estru-
nicações está prepa- turas e serviços de tecnologias e
rado para fazer face comunicação, formulação de po-
à eventual ocorrência líticas e estratégias eficazes des-
de desastres naturais no país, tinadas a melhorar o acesso aos
declarou, na quinta-feira, 5 de serviços de telecomunicações e
Dezembro, a vice-ministra dos na representação dos interesses
Transportes e Comunicações. dos seus membros em fóruns
Manuela Rebelo falava du- globais de tomada de decisões
rante a abertura dum encontro e promoção de iniciativas desti-
alusivo ao Dia Africano das Te- nadas a integrar mercados regio-
lecomunicações, 7 de Dezem- nais e atrair investimentos para o
bro, e afirmou que a implantação seu impacto, usando as comu- desenvolvimento do continente.
de infra-estruturas resistentes nicações de emergência, com Criada a 7 de Dezembro de
e sistemas de redundância nas destaque para os casos de estu- 1999, a União Africana de Te-
zonas de risco de ocorrência de do de Moçambique, Malawi e lecomunicações tem quarenta e
calamidades naturais decorre da Zimbabwe, que, no início des- quatro Estados-membros e de-
necessidade de garantir que não ne “Idai”, no início deste ano. de desastres naturais”, o en- te ano, foram atingidos pelos zasseis membros associados e
haja interrupção do serviço de Realizado sob o lema “Usan- contro tinha como objectivo a ciclones “Idai” e “Kenneth”. é a principal Organização que
telecomunicações, em caso de do tecnologia para salvar vidas troca de informação e de expe- Manuela Rebelo destacou o promove o desenvolvimento e
ocorrência de desastres naturais, – Comunicações de emergência riências de combate às calami- papel da União Africana das Te- acesso ao serviço de telecomu-
tal como ocorreu com o ciclo- para redução e gestão de riscos dades naturais e de redução do lecomunicações na promoção do nicações no continente. (FDS)
Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019 31

Canal de Empresas e Marcas

Projecto “Cidadania” do “Standard


Bank” facilita emissão de documentos
O
projecto “Cidadania”, Religiosos de Sofala, representa
promovido pelo “Stan- um contributo para os esforços que
dard Bank” e que visa têm sido envidados com vista ao
a atribuição gratuita de restabelecimento da vida normal
documentos essenciais aos cida- das populações. “É um gesto de
dãos, permitiu a emissão de um louvar, e esperamos que haja mais
total de 816 Bilhetes de Identida- iniciativas do género. Depois deste
de, 400 Assentos e 400 Certidões processo, pretendemos colocar bri-
de Nascimento, no posto admi- gadas móveis semanais ou quinze-
nistrativo de Nhangau, na cida- nais para abranger maior número de
de da Beira, província de Sofala. pessoas”, disse Yazalde de Sousa.
A iniciativa, levada a cabo re- Por seu turno, o secretário do
centemente naquela zona, que bairro Nhangau-Sede mostrou-se
dista cerca de quarenta quilóme- satisfeito por o “Standard Bank”
tros do centro da cidade da Bei- ter levado a iniciativa àquela zona.
ra, tinha como objectivo levar os Mutonguiua Manuel apontou duas
serviços de identificação civil e das causas que levam a que as pes-
de registo aos cidadãos para que soas cheguem a atingir cerca de 50
tivessem a oportunidade de tratar anos de idade sem terem documen-
dos documentos, a fim de, por via a inúmeras oportunidades, tais ços que o país oferece”, disse o meração que temos testemunhado tos. “Primeiro, as pessoas vivem
disso, estarem aptos para o ple- como o emprego, a educação e director de Marketing e Comu- em todos os locais por onde passá- em zonas recônditas, e o Bilhete de
no gozo dos seus direitos e para o acesso aos serviços bancários. nicação do “Standard Bank”. mos incentivam-nos a continuar.” Identidade, por exemplo, não cons-
o cumprimento dos seus deveres. “A partir de agora, as pessoas Na ocasião, Alfredo Mucave- A campanha beneficiou também titui prioridade para elas, pois não
O “Standard Bank” considera vão poder legalizar os terre- la reafirmou a continuidade do cidadãos que perderam os seus do- têm emprego formal. Segundo, aqui
que a adesão massiva à iniciativa nos onde estão implantadas as projecto, tendo em conta o seu cumentos aquando da passagem do [em Nhangau] não temos postos de
por parte dos residentes daquele suas casas, matricular os seus impacto na vida dos cidadãos. ciclone “Idai”, que assolou a zona Registo Civil e de Identificação Ci-
posto administrativo revela como filhos, participar no processo “Enquanto existirem pessoas que centro do país nos dias 14 e 15 de vil, por isso não temos documen-
são importantes os documen- da inclusão financeira através necessitam de documentos, nós Março passado, o que, segundo tos”, disse Mutonguiua Manuel e
tos na vida dos cidadãos, uma da abertura de contas bancárias vamos continuar a promover esta disse o director provincial da Jus- acrescentou que esta iniciativa vai
vez que deles depende o acesso e beneficiarem de outros servi- iniciativa. As enchentes e a aglo- tiça, Assuntos Constitucionais e ajudar a diminuir este problema.

Caravana da Universidade Politécnica leva


atendimento jurídico à população rural
N
o âmbito das celebra- tituto de Patrocínio e Assistência facto de terem escolhido o distrito Para nós, foi uma boa iniciativa, técnica em realizar a Caravana
ções do Dia Mundial Jurídica, o Ministério da Saúde, os de Matutuíne como destino para na medida em que veio ajudar Jurídica naquele ponto do país
da Luta Contra o VIH- Serviços de Migração, Registo e promover a Caravana Jurídica. naquilo que são os anseios das e por apoiar as pessoas pobres,
-SIDA, a Universidade Notariado, a Autoridade Tributária “Por outro lado, a celebração populações, no que diz respeito particularmente no registo de
Politécnica, promoveu, no dia 1 e a comunidade, nos arredores da do Dia Mundial da Luta Contra à assistência jurídica e psicológi- crianças. “Vim registar o meu
de Dezembro, através da sua Uni- cidade de Maputo e na província o VIH-SIDA teve a felicidade de ca. É uma mais-valia”, afirmou o bebé. Estou feliz porque conse-
dade de Extensão Universitária, a de Maputo, para apoiar os cidadãos coincidir com a realização desta administrador Artur Muandula. gui. O custo é simbólico. Obriga-
7.ª Caravana Jurídica, sob o lema pobres na tramitação de documen- Caravana Jurídica, numa parceria Angélica Nhaca, uma das be- da, Universidade Politécnica pelo
“Comunidades fazem a diferen- tos e no aconselhamento jurídico. com a Universidade Politécnica, neficiárias do projecto, louvou a apoio”, afirmou Angélica Nhaca.
ça na resposta nacional ao VIH- “Muitas vezes, as pessoas que- o IPAJ e a Autoridade Tributária. iniciativa da Universidade Poli- Alberto Magaia, residente em
-SIDA”, desta vez na localidade rem tratar do seu Bilhete de Iden- Salamanga, disse que está feliz
de Salamanga, no distrito de Ma- tidade ou do passaporte, e há um por ter conseguido renovar o seu
tutuíne, na província de Maputo. custo associado a isto, por isso passaporte sem dificuldades e ape-
Durante a caravana, catorze estamos a trabalhar com as autori- lou para a colocação de serviços
pessoas beneficiaram de assis- dades para saber o que ganhamos de Identificação Civil, de emis-
tência jurídica, e duas beneficia- mais, se são 100,00 ou 200,00 me- são de Bilhetes de Identidade e
ram de atendimento psicológico. ticais que pagam, ou ter duzentos passaportes, permanentes naquele
E foram atribuídos 101 NUIT’s ou trezentos cidadãos que aprovei- local, que dista cerca de setenta
(Número Único de Identificação tam esta oportunidade para obter os quilómetros da cidade de Maputo.
Tributária), foram emitidos 67 Bi- seus documentos. O mais impor- “Vim renovar o meu passapor-
lhetes de Identidade, 26 passapor- tante é as pessoas poderem registar te. Foi fácil e rápido. Agradeço
tes e 23 Registos de Nascimento. os seus filhos”, explicou o reitor. à Universidade Politécnica por
Segundo Narciso Matos, reitor Por sua vez, Artur Muandula, ter trazido para o nosso distrito
da Universidade Politécnica, o pro- administrador do distrito de Matu- a Caravana Jurídica, que está a
pósito da Caravana Jurídica é pro- tuíne, agradeceu à população da lo- ajudar muitas pessoas necessita-
duzir uma ligação mais próxima e calidade de Salamanga e à equipa das na emissão de vários docu-
directa entre os estudantes, o Ins- da Universidade Politécnica pelo mentos”, disse Alberto Magaia.
32 Canal de Moçambique | quarta-feira, 11 de Dezembro de 2019

Canal de Empresas e Marcas

“Standard Bank”
14.ª Corrida “Millennium apresenta o serviço
bim” foi a mais “Agente África-China”
participada de sempre
Cerca de 2.500 participantes encheram de cor e energia as ruas de
Maputo em mais uma edição da 14.ª Corrida “Millennium bim”, que
juntou atletas de vários países e de diferentes continentes

Os prémios, no valor total de


650.000,00 meticais, foram dis-
tribuídos pelos três primeiros
classificados em cada categoria.
Todos os anos, a Corrida “Millen-
nium bim” junta várias centenas
de atletas e adeptos que, por algu-
mas horas, transformam Maputo
na capital do desporto, afirmando-
-se como uma referência no ca-
lendário desportivo nacional.
Num percurso de 13 quilómetros,
a prova voltou a integrar, este ano,
a “Caminhada Ímpar” e a “Corrida

O
de Triciclo”, uma modalidade de “Standard Bank” apresen- disse que as relações comerciais entre
competição especialmente dedi- tou, no dia 4 de Dezem- Moçambique e a China são muito boas
cada a pessoas com deficiência. À bro, em Maputo, o serviço e proveitosas para ambos os países.
semelhança de 2018, realizou-se “Agente África-China” “Com esta plataforma, o ‘Stan-

A
também uma Feira de Saúde, na (ACAP), um agente comercial cre- dard Bank’ está a apoiar as empresas
14ª edição da Corrida e que tem a participação de atletas denciado que vai auxiliar o empre- chinesas e moçambicanas a realiza-
qual os trabalhadores do “Millen-
“Millennium bim”, que estrangeiros. Este ano, inscreve- sariado nacional no estabelecimento rem os seus negócios, abrindo, desde
nium bim” e o público em geral
decorreu em finais de ram-se, nesta prova, participantes de contactos, avaliação e comunica- modo, um mundo de possibilidades
tiveram acesso gratuito a vários ti-
Novembro, estabeleceu de cerca de trinta nacionalidades. ção com fornecedores e vendedores para os investidores que importam
pos de exames e aconselhamento.
um novo recorde, sendo a prova Esta corrida é uma organização chineses, e gerir o processo de im- bens e serviços da China”, afirmou
O evento teve o apoio da empresa
mais participada de sempre. Par- do “Millennium bim”, em parce- portação de bens e serviços de quali- Liu Xiaoguang e acrescentou que a
seguradora “Ímpar”, a da “Kewa –
ticiparam cerca de 2.500 pessoas, ria com Thomas Bonnet e a Asso- dade de maneira eficiente e segura. nova plataforma constitui uma opor-
Serviços de Catering”, da “Águas
a correr, a caminhar e de triciclo. ciação de Atletismo da Cidade de Para o funcionamento deste serviço tunidade de as empresas transaccio-
da Namaacha”, da “Sumol Com-
Trata-se de uma competição que Maputo, e visa promover, através inovador, o “Standard Bank” tem a narem, no âmbito das importações,
pal”, do ginásio “In Motion”, da
já faz parte do calendário despor- da prática desportiva, a inclu- parceria do Banco Industrial e Comer- com maior segurança e qualidade,
“IR Fitness Shop” e do Conselho
tivo do atletismo a nível nacional são e estilos de vida saudáveis. cial da China, que vai apoiar as tran- na aquisição de bens na China, país
Autárquico de Maputo. (Redacção)
sacções, através uma carta de crédito cuja relação comercial com Mo-
emitida pelo “Standard Bank”, dando çambique atingiu dois biliões de
aos importadores tempo suficiente dólares norte-americanos, este ano.
para receber e vender as mercado- Liu Xiaoguang disse também
rias antes de efectuar o pagamento. que o ACAP reveste-se de capital
Jornadas Científicas da Autoridade Assim, os fornecedores chine-
ses podem permanecer confiantes
importância nas trocas comerciais
entre os dois países, uma vez que

Tributária centradas em benefícios fiscais no pagamento. “Com este serviço,


pretendemos eliminar todas as bar-
a China exporta vários produtos de
que Moçambique precisa, nomea-
reiras que os nossos clientes e em- damente equipamentos e, particu-

S
ob o lema “Implicações dos ção de políticas fiscais permite o de pesquisa no seio da Administra- presários enfrentam hoje”, disse Ta- larmente, produtos para a indústria.
nuja Viriato, gestora de clientes do Por sua vez, Isaías Mondlane,
benefícios fiscais na mobili- auento da colecta de receita e deve ção Tributária e garantir a produ-
“Africa-China Banking” do “Stan- presidente do pelouro do Agro-
zação das receitas do Esta- garantir a simplificação dos proce- ção de pensamento sistematizado,
dard Bank”, à margem da cerimónia -Negócio, na Câmara de Comércio
do”, a Autoridade Tributária dimentos e protecção dos contri- que sirva para posterior publicação
de lançamento da nova plataforma. de Moçambique, considerou que o
de Moçambique realizou recente- buintes no pagamento de imposto. e meio de consulta dos formandos
Tanuja Viriato disse que se trata ACAP traz vantagens adicionais para
mente, em Maputo, as Segundas Jor- Por sua vez, e em representação da e dos funcionários da instituição.
de criar um amplo ecossistema de os membros da agremiação, uma vez
nadas Científicas, cujo objectivo era presidente da Autoridade Tributária Horácio Simão lançou o repto
serviços, soluções e apoio, para que que abre uma janela para um mer-
colher contribuições para a elabora- de Moçambique, Amélia Nakha- para uma maior divulgação e ade- cado seguro, em termos de impor-
Moçambique e a China possam tirar
ção de um quadro geral de benefí- re, o director-geral do Gabinete de são dos investigadores a este tipo o máximo proveito das vastas opor- tações e em termos de exportações.
cios fiscais que sejam sustentáveis e Planeamento, Estudos e Coopera- de eventos, visto que, no seu enten- tunidades de comércio, desenvolvi- “Temos muitos membros que já
de implementação e controlo fáceis, ção Internacional, Horácio Simão, der, as boas práticas internacionais mento e crescimento que cada um fazem negócios com a China, mas
A sessão teve como orador prin- afirmou que, ao realizar as Jornadas recomendam o envolvimento da destes países pode obter do outro. esta janela vai permitir que façam
cipal o ministro da Indústria e Científicas, a Autoridade Tributária “sociedade civil”, das academias “Pretendemos imprimir maior qua- o negócio com maior segurança,
Comércio, Ragendra de Sousa, e proporciona momentos de debate de e de outras partes interessadas na lidade, segurança e eficiência na im- porque terão um agente que vai es-
surge como estratégia da institui- forma científica sobre matéria tribu- definição de políticas tributárias. portação de bens e serviços da China”, tabelecer o contacto directo com os
ção para dar resposta às fraquezas tária e administrativa, e é também Dos cinco trabalhos que foram disse Tanuja Viriato e acrescentou: produtores e fornecedores de equipa-
diagnosticadas na gestão e imple- interesse da instituição permitir a entregues, os membros de júri des- “Na próxima etapa, vamos efectuar mento agrícola e acessórios”, disse
mentação das referidas políticas, criação de sinergias entre os funcio- tacaram dois, nomeadamente, “Be- esta transacção no sentido inverso, Isaías Mondlane e acrescentou que
particularmente no que diz res- nários e a sociedade, incluindo pro- nefícios fiscais e desenvolvimento: isto é, vamos abrir esta solução para a plataforma cria a possibilidade de
peito à aplicação da legislação fis- fessores universitários, Associações caso de Moçambique”, apresentado os exportadores moçambicanos”. os investidores nacionais colocarem
cal, facto que se reflecte negativa- profissionais e agentes económicos. por João de Barros, e “Implica- A propósito desta iniciativa do “Stan- os seus produtos, na China de forma
mente na arrecadação de receitas. Horácio Simão acrescentou que, ções dos benefícios fiscais na mo- dard Bank”, o conselheiro económico mais segura, pois o “Standard Bank”
Falando na ocasião, Ragendra com esta prática, a Autoridade Tri- bilização das receitas do Estado”, e comercial da Embaixada da Repúbli- tem em perspectiva criar também
de Sousa disse que a implementa- butária pretende estimular o espírito de Marcos Miguel. (Redacção) ca Popular da China, Liu Xiaoguang, uma modalidade para as exportações.