Você está na página 1de 146

Witer Marcos de Oliveira

Este manual procura reunir de formas simples, importantes e indispensáveis informações sobre os
procedilllentos de substituição das correias dentadas de grande parte dos modelos em clrculaçao no pais.
lntroduçcio Sabemos que a eficiência dos sistemas de clistribuiçao motora depende essencialmente do perfeito sincro111ismo
de seus componentes e que possíveis falhas podem ocorrer durante a troca da correia, de modo a comprometer
Período de essa eficiênda e a gerar danos ao motor, prejuízos e perda de tempo!
troca Desejamos que esse manual seja mais uma ferramenta de trabalho do reparador automotivo e que se torne
literatura vital e presente no dia-a-dia da oficina que deseja manter-se Informada e atualizada .
Construçao
da correia Parfoda de,Troetll {c::ortosfa da lrntormação: D~yc o)
~
Os períodos de troca aqui indicados de forma alguma definem por si, a necessidade da troca de uma correia }
dentada, apenas sao, mais um subsidio para que se defina o período correto de troca conforme o manual do ~
fabricante. ~
A indicação mais precisa da necessidade da troca preventiva parte de uma análise que deve considerar:
t
• O aspecto visual da con·eia; i
• Uma criteriosa avaliação das condít<oes dos componentes que trabalham em contato com a correia;
• O histórico da manuter~çáo do veículo, data da última troca da correia;
,!
~

• Se as -condições de uso do veiculo são severas, o que antecipa a necessidade de troca;


• Se os tensionadores foram substitufdos ma última troca;
Í
~
~
!
Feito isso, será possível. se determinar ou não a troca, em caso de dúvida, substi tua a correia, pois na maioria ~!
dos casos os custos dos reparos quando ocorrem falhas, justificam uma troca preventiva. t
!
f
~
!
1. Cordonéis de fibra de vidro - Tem como função de resistência da correia.
2. Tecido de proteção - Tern como função de evitar o contanto direto das polias de transmissao com os !
dentes da correia, garantindo assim a durabilidade da correia. {
3. Núcleo em compostó de bonacha (Policloropreno e NHBR) - O núcleo de borracha a área da correia que i
entra em contato com os rolamentos e tensores, p~otege os cordonéis e também possui a caracteristica J
de manter o formato dos dentes (perfil). .:
~
I
j
~
~

~
:5
i
!
~
i

Impresso oM>nal ern I"A'PE\. RECICLAQO


Procedimentos de Troca de Correi;,s Sincronizadoras

Em seu local de trabalho as correias normalmente estão protegidas por uma tampa, sempre que removida,
deve ser recolocada, pois, a correia não deve ser contaminada com solventes, óleos lubrificantes, combustíveis
ou até mesmo água.
Em caso de sintomas de contaminação, a correia deve ser, sem dúvidas substituída, e sanada a causa da
contaminação e ou orientando o usuário do veículo sobre cuidados. nesse sentido, afim de se garantir uma longa Contaminação
vida útil ao componente. e limpeza
Nenhum tipo de solvente deve ser utilizado para limpeza. no caso, é recomendável que se ut ilize uma escova
macia de modo que se faça o trabalho sem nenhum tipo de "agressao" à correia. Cuidados
durante a
Cuidados durante a subititu:içio substituiçáo
.!-

! Durante a subst ituição de uma c"Orreia , o rolamento tensor fig. 02 Identificação


1 deve estar totalmente liberado, e a tensão da correia aliviada. do produto
j Sempre girar o motor no sentido normal de rotaçao {a nao
~ ser em casos excepcionais que sejam especificados o contrário),
ii esse procedimento evita que a correia salte dentes e saia de
sincronismo.
i Faça verificaçoes nos pontos de sincronismo a cada fase do
j procedimento de troca da correia.
,. Algumas correias possuem marcas de si ncronísmo
!
.:
identificadas na face externa, que se relacionarao com marcas
~ nas polias dos comandos ou virabrequim ou apenas usadas
! para sincronismo durante o encaixe da correia (fig. 02) , nesse
• caso, no texto vi.rao descritos detalhes sobre a aplícaçao dessas
~ correias.
I As correias também podem possuir setas na sua face externa
~ que indicarão o seu sentido de trabalho (fig. 03), caso o fabricante
~ do veiculo especifique que uma correia poderá ser reut ilizada
~ (existem casos fabricantes que nao recomendam a reut ltlzaçao)
j e a correia não possua setas indícativas, é necessário que se
~ marque o sentido de 10taçao da correia antes de retirá -la.

i..
~
fig. 03

e
.
~

1
~
~
~
.
!

Impresso ori01MI em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira

ATENÇAO! O perfil dos dentes de cada correia é desenvolvido de acordo com o projeto das polias
de cada motor conforme as montadoras. Nunca aplique uma correia com o perfil diferente da
polia. O perfil é muito importante para apllca~áo correta de uma correia, só assim consegue o
enca i x~ perfeito da correia com a polia.

Perfil de
construção

p . 9.525 1. Perfil S - É G primeiro perfH historicamente adotado para o comando de


t t E • 4.53 t t distribuição e dos órg.aos auxi1iares nos motores a gasolina.
Aplica-se etn alguns casos a motores Diesel de alta rotação, para acionar a ~
l_f distribuição e a bomba injetora, A composição desta correia é princi~lmente j
pollcloropreno, •com um tecido nylon para revestimento aos dentes, com uma ..:
estrutura de cordonéis de fibra de vidro. f
.
~
t
1
+ p "' 9.525 + 2. Perfil SX -As correias SX nasceram da experiência em melhorar a confiabil idade i
• I; • 4.53 • nas transmissoes existentes, mantendo a estm tura das correias do t1ipo S. Foi i
possível utilízar nas polias padronizadas o perfil parabólico com descarga, ~ ..
1t=\.-F
\.2-.1
solucionando problemas como ruldo típico de transmissões especiais.
Podem ser produzidas ta nto em composição pollcloropreno como em HNBR.
~
~
j
~
!
i
3. Perfil SHX - O perfil SHX foi projetado para aumentar a confiabilidade das
transmissoes dos motores Diesel, favorecendo na reduçao de ru rdos e no aumento l:
da resistênoia ao salto de dente, em virtude da altura maior dos dentes da correia. '
As corr-eias SHX possuem um revestimento de tecido duplo nos dentes. t.
t
4. Perfil SHD - Esta correia representa a evoluçào da correia SH da QUal mantém i•
o passo, a estn;tura de revestimento de tecido duplo dos derltes e a largura da {
base do dente. Foi projetada especialmente para ser utilizada nas novas gerações j
dos motores Diesel, especialmente os de lnjeçao direta. .
j
~
~
~
t P a 9.525 t 5. Perfil SP - Este perfil foi projetado para ajustar-se às necessidades de 11.mificaçao li
~ t E - S.SC t do mercado automobilístico. É importante destacar que as canelas SP, devido ao .:
perfil parabólico oom descarga no dente, podem func·ionar em polias com projeto ~

~C\J diferente. Para estas correias, o revestimento dos dentes também é duplo. Este perfil
pode ser produzido tanto em composição policloroprernica como em HNBR.
i
J
\~

t
~ t
p . 9.525
E •5.76 +
t ô . Perfil SP+ - As correias com perfil SP+ pertencem a segunda geração da
família SP. Foram estudadas para trabalhar tanto em polias projetadas por nós,
como em polias de projeto especial. As medidas superdimensionadas do dente

10
~C\J em relação ao perfil SP, permitem que sejam util izadas em motores com picos de
carga muito alto.
~
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras

t P = 9525 t 7 ·Perfil SHDS ·O perfil SHDS pertence à família dos perfis profundos. Este perfil
+ E= 5.75 + trabalha somente em polias projetadas expressamente para um perfil deste tipo e
sao utilizadas ern motores a Diesel e Turbo Diesel com altas rotaçoes, muito comiJm

~~~
xL_~
no segmento de verculos comerciais. A fabricaçao é típica das correias Dayco
reforçada com revestimento duplo, já que estas correias são utilizadas tallto para
bomba injetora como para o movimento da árvore de comando de válvulas.
Perfil de
construção
Passo ,entre dentes de· 8mrn

t Po3 t 8 e 9 . Perfil SHP e SHP + - As correias SHP e suas derivadas de


t Eo5.30 t perfil parabólico e descarga no dente SHPN são intercambiáveis com
as mesmas polias em que trabalham as SHP ~ SHP+ utilizáveis nas
potias HTD2, e foram projetadas especificamente para as novas linha
de motores a gasolina, de alta rotaçáo.
SHP SHP'+ Com o objetivo de redução de consumo, as caracterisUcas principais destes
motores são as seguintes: Tamanho reduzido e diminuição do peso.

tT p.a
e~ s.3o T
t 10. Perfil SHPN - O perfil SHPN otimizada para a soluçao de problemas
específicos, permite a utilização de transmissões muito compactas, já que podem
ter um número muito maior de de!"ltes acoplados, mantendo o mesmo arco de

~L\.J
acoplamento nas polias.
A grande altura do dente, superior às dos perfis S e SX, melhora a resistência
ao salto do dente, mantendo um funcionamento extremamente silencioso. Estas
correias, produzidas com revestimento de tecido duplo, produzidas em HNBR
atualmente.

11. Perfil P8S - Este perfil (P8S) representa a evoluçao do perfil SHP mais
tradicional. Sua otimizaçao foi estudada para permitir uma reduçao do rurdo em
retaçao a versão anterior, mas que mantém a característica de fabricação. O dente
levemente menor melhora notavelmente o movimento da engrenagem, que reduz
o nível de ruído em todos os regimes de rotaçao.
Em virtude de sua confiabilidade, este perfil também pode ser utilizado em motores
de altas solicitaçôes.

12- Perfil STPSM Este perfil {STP8M} garante uma excelente flexibilidade, típica
das correias com passo de 8mm e permite a compressa o da parte superior do dente
ao engrenar na polia. Estas duas características contribuem para a reduçao do
ruído e desgaste, possibilitando um engrenamento suave sem aumentar o espaço
entre o dente, correia e polia . Este perfil pode ser produzido tanto em composlçao
policloropreno como em HNBR.

..•f. Dupro dentado


j
p .. 9.525 13 - Perfil SHDD A linha de correias sincronizadoras dupla dentada
foi projetada pata ser util izada nos comandos para motores a gasolina
e diesel da nova geração. Caracteriza-se pe~a presença do tecido de
revestimento, resistente .ao desgaste, em ambos os lados dentados.
A composiçao utilizada para a fabricaçao das correias dupla dentada
é normalmente em HNBR.

11

Impresso onamal em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira

Identificação do Produto (Cortesia Dayco)

Correia Sincronizada (Dentada)

Identificação
do produto

HNBR
173 SHPN 180 H
137: Números dos DLtes I
SHPN: Perfil dos Dentes
T T
H = HNBR: (Material de alta temperatura}

180: Largura da Correia (em 1/lOmm)

Correia Sincronizada (Dupla Dentada)

097 SHDD 150 H


197: Números dos DLtes
T=I
SHPN: Perfil dos Dentes Dupla Dentada
T
150: Largura da Correia (em 1/ l Omm}
H HNBR: (Material de alta temperatu ra}

Tem a função de manter o sincronismo do motor, entre o Comando de Válvulas e a Á r vore de Manivela (Virabrequim),
mantendo um perfeito funcionamento do motor, garantindo uma óti ma queima do combustível, torque e potência.

HNBR (Cortesia Dayco)

Os novos motores uti lizados na produção automotiva traba lham com temperaturas cada vez ma is altas
devido às maiores taxas de compressão e processos de combustão. Este aq uecimento provoca um desgaste
ma is rápido dos componentes do motor. As
correais automotivas, por serem compostas
basicamente de borracha são uma das mais Temperatura de Trabalho ( oc)
afetadas com este processo.
Com o objetivo de prolongar a vida út il
deste produto, os fabricantes de correias
adicionaram à sua composição uma matéria o Policloropreno
prima mais resistente à temperatura. Trata- oHNBR
50
se do H NBR, ou borracha sintética nit rílica
hidrogenada, um elast ômero de última
geração mais resist ente ao calor a e ao Fblicloropreno HNBR
ozônio.
Este compost o pode ser ide nt ificado
através da letra H no f inal do código de
identificação. Vale lem brar que as correias com este composto são rea lmente mais caras em relação as
correias comuns. Por economia, ou desinformação, alguns consumidores ainda preferem utilizar as correias de
policloropreno, porém uma vez instaladas nos novos veículos (que utilizam correias originais com HNBR), as
tradicionais correias de policloropreno causam sérios danos ao motor, pois não suportam o calor produzido, se
rompendo e causando sérios danos ao veículo.

EXEM PLO:

Corsa Motor 1.0 I 1.4 I 1. 6 8V Correia 111SP1 70 Ano 94 e 95


Corsa Motor 1.0 1 1.4 1 1.6 8V Corre ia 111SP170H (HNBR) Ano todos

VW I Ford Motor AP 1.6 I 1.8 I 2.0 Correia 121SX180 Ano .. ./97


12 VW I Ford Motor AP 1.6 I 1.8 I 2 .0 Corre ia 121SX180H (HNBR) Ano todos

C •I cI ~ Av. C ·2SS.n0270.Certlo Ernpr91011a1Sel:ba,scia719


NoYaSUço., 742$).010. Goónb · Goiás
62 - 3942-3939 - vencb$@C~b.ccmbf
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA w.w.c~ncomb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras

Tensionamento

A tensão da correia é extrema mente im portante, os valores


e procedimentos de tensionamento são fixados pelo fabricante e
relacionados neste manual, quando segu idos, garantem uma maior
vida útil da correia e componentes que trabalham em conjunto
com ela na transmissão. Tensionamento
Alguns fa bricantes utilizam te nsores automát icos e outros
tensores manuais por isso e se faz necessá ri o o uso de ferramentas
especiais que são na verdade um braço de torque para carregar o
rolamento tensor numa tensão pré-determinada.
IM PORTANTE: Os va lores de t ensão determinados pelos
:t fabricantes norma lmente expressos em unidades arbit rárias e
~ deverã o ser medidos com o equipamento homologado pelos
~ mesmos (fig. 5) .
r No caso de impossibilidade do eq ui pamento homologado,
~ deve-se pelo menos adotar um método prático, que consiste em
1~
apl icar no ponto indicado para a medição da correia {"'\7 T"l uma
., torção ma nual na correia, q ue deverá deixar-se torcer em 90° (ex.
i figura 6). fig. 5
o (Tensiom etro Dayco)
"-! Influência da tensão nas correias dentadas (cortesia Dayco)
..j
~ O gráfico abaixo mostra a influência do tensionamento na
~ du rabi lidade da correia em um teste realizado em dinamômetro.
= No eixo horizontal inferior uma escala de tensão (Baixa Tensão
• I Tensão Correta I Tensão Excessiva).
~ No eixo vertical a linha central (Durabilidade da correia, Máxima
ie vida útil da correia) e mais dois eixos verticais t racejados (Tensão
Mínima I Tensão Máxima).
.ê' Explicação de cada problema ocorrido
~
t
~ Salto de dente - O salto de dente ocorre quando a correia é
~
~ aplicada com uma tensão muito baixa, ou seja, tensão menor
t. que a mínima (Eixo vertical t racejado) indicada no manual de
~ montagem do veículo.
l Desgaste do dente - Quando não é aplicada a tensão correta há
: um desgaste prematuro dos dentes.
fig. 06
~ Ruído - O ruído é ocasionado quando a correia t rabal ha com
~ excesso de tensão.

MAxiNA VIDA OTIL


Conclusão -A curva de durabi lidade da correia
DA CORREIA é função da tensão aplicada na mesma e que a
tensão incorreta pode di minuir em até a metade
do que o fabricante indica .

DESGASTE DO
DENTE

SALTO DE
DENTE

13

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Ma rcos de Oliveira

IDJa-!n6slieo de falh4ts. (COrtesia Dayoo)


t

Diagnóstico
de falhas

j
t
I.,
Devemos lembrar que as correias dentadas possuem os cordor~éis em fibra de vidro, portanto procedimentos i
incorretos podem prejudicar .a estrutura e a durabilidade da correia . i
Cuidados: i
• Usar sempre ferramentas apropriadas para a montagem , evitar cha~tes de fendas, objetos pontiagudos ~
iPara forçar a correia ao entrar nas polias. -!
• Dobrar, vincar, vi rar a correia do avesso1 ocasiona a (quebra ou rompimento) dos cordonéis. ~ ..
• Retirar a co11reia da embalagem sormente no momento da instalaçào da mesma. -!
!
~
~I X - Probfem,as s~ncroni z:ador~s =
s
t
Trinca nas costas da correia: É causado pela alta temperatura, o dorso da correia fica j
"polido" e apresenta trincas. ~
Solução: Verificar o tempo de troca e verificar os rolamentos. 1
l
Cortes nos dentes: Ocorre quando a correia .é aplicada com a tensáo incorreta ou com ~"'
o tra11amento do comando.
Solução: Verificar a tensao e o .estado das polias. j
i
Cortes na área dos dentes: É causado pela presença de elemento estranho entre a
correia e a pol.ia.
l
Solução: Verificar as pol ias e limpá-las com um pince1. i
Brilho no dorso: É causado pelo excesso de tensáo aplicado na correia.
Solução: Verificar a tensão aplicada na correia.

Ruptura dGs dentes: É provocado por polias gastas ou defeituosas.


Solução: Trocar as poljas
i.
~
Desgaste lateral: A correia sofre um desgaste lateral quando trabalha com o sistema de ~
'- ' "~~ transmissão desalinhado.
( '·_ '
~r,
,.
Solução: Verificar o alinhamer1to das polias e rolamentos.

Quebra por vinco: O rompimento é provocado pelo armaz.er1arnento incorreto da correia


ou ocorre durante a instalação.
Solução: O aplicador deve estar atento no momento de retirada do produto da embalagem
e também quando submeter a correia a uma circunferência menor que a polia de
transmissão. Os cordonéis que compõem a correia são de fibra de vidro com alta resistência
14 a tração mas pouca flexibilidade.

lmeresso original em PAPEL RECIOLADO


Procedimentos de Troca de Correias s;nctonizadoras

Desprendimento dos dentes; Acontece quando a correia trabalha com um dos


componentes travado (polias).
Solução: Verif~car a lu brific.açào do motor e sempre verifjcar as medidas após um serviço
de retífica.

Quebra irregular dos cordonéis: Ocorre quando a correia é aplicada com e-xcesso de
tensão, ou na presença de elemento estrar~ho nas polias de transmissão. Diagnóstico
Solução: Verificar a tensão e o estado das polias. de falhas
Desgaste no dorso; Ocorre quando o tensionador ou rolamento de apoio trava .
Solução: Verificar o estado geral dos rol,amentos e tensionadores,

Barulho: Ocorre quando a correia trabalha com a tensao incorreta.


Solução: Verificar a tensão correta e nunca aplicar qualquer tipo de prod uto, pois esses
produtos criam uma reação qulmica com o composto de borracha.

i
i Dia-gnóstico de talhas (complemento de Qutras bib'lio1:rafias)
5
~ X- Outre>s problemas Sincronizadoras
~
l
~ . . Falha por alta tensão: É causado por tensionamento excessivo
J
~ . "
'--~ .
._- ... ~
Solução: Montar nova correia e aplicar o tensionamento correto
;

Contaminação: A principal causa são vazamentos de óleo no motor


Solução: Eiliminar o vazamento e substituir a correia

Desgaste dos sulcos: Imperfeições na polia ou tensao excessilta


Solução: Substituir a polia (se necessário), trocar a correia e tensioná-la corretamente

Desgaste dos dentes: Desgaste da polia dentada ou fa lhas no tens.ionamento


Solução: Substituir a polia !se necessário), trocar a correia e tensloná-la corretamente

Correias com ctliado: Grande carga no arranque ou excessiva sobrecarga.


Solução: Ajustar o tensionamento da correia

Correias com chiado: Surgimento de pó na parte lateral da correia


Solução: Limpa r

Vibração excessiva: Correia frouxa


Solução: Ajustar o tensionamento da correia

Vibraçao excessiva: Desalinhamento das polias


Solução: Alinhar as poliar ou insta lá-las adequadamente

Vibração excessiva: Desalinhamento das polias


Solução: Alinllar as paliar ou insta lá-las adequadamente 15

lmpr~so origmal em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira
AUOI
Motor AKl/ APF I AEH ·1.6 BV # Correia 138STPBM230H

Perfodo de troca: a cada 60.000 Km


AudiA3 Ferramenta/ especifico necessário:
1.6 8V
Chave para porcas matra.

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos do amortecedor de vibraçoes da polia 25,0
Porca de fixaçáo do tensor da correia dentada 20,0
Parafusos do tensor da correra trapezoidal 25,0
Paraf. Hxaçao porta-agregados motor 40,0 + 909
Paraf. de fixaçáo porta-agregados/sup. motor 60.0 + 900
Paraf. fixaçao porta-agregados/carroçaria 25,0
Paràfusos fixaçao do suporte motof ao bloco 45,0

Tempos de reparo (em horas):


2,50

Precauções especiais:
* Desoonectar o cabo massa da bateria;
* Nao girar o virabrequim ou comando de válvu las com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de igniçao:
* Nao girar o motor através da polia do comando de válvulas:
• Utilizar disppsitivos de sustenta ão para o motor durante essa operac;ao.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o l'l cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca (rasgo) existente rto dente
da polia do comando de válvulas alinhada à marca na proteção posterior
da mesma (figs. 01 e 04) :
b) novirabrequirn: O a1inllamento da rnarca exf5tente oo amortecedor de vibraçoe!V
polia do virabrequim à marca na proteçao inferior da mesma (fig. 05);
NOTA~ 'Nessa condlçao a marca~ao de "zero grau" no volante do motor deve
estar al inhada à referência na carcaça do câmbio (fígs. 06 e 07).

Extração, reposição e tensíonamento da correia

a) durante a extraçao:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excêntrico
com auxflio da chave para porcas matra (figs. 02 e 03) no sentido
horário;
* Extrair a correia dentada;
16 * Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
----- nos rolamentos tensor (RT) e auxiliar (RA).

l mpres~ original em PAPEL RECiCLAOO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
A UO I
Motor AKl/ APf I AEH -1.6 BV # Correia138STPBM230H

b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabreqlilim (VB) Aud1 A3
em seguida bomba d'água {PB), rolete alilxiliar (RA), rolamento tensor 1.68V
(RT) e finalmente polia do comando de válvulas (CV).

c) durante o tensionamento:
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para porcas fig. 06

11 matra, girando-o no sentido anti-horário até o ponteiro indicador fícar


alinhado com o entalhe (figs. 02, 03 e 08};
• Apertar a porca de tra11amento do rolamento tensor com 20 Nm;
flete~l!ncta para ~ielonamento oo volante
do motm em wek:utns com h;ms.mi~O
mecânica
l
t * Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação:
• "
Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar
1i~
rigorosamente com o irndicador alinhado ao entalhe: se necessário,
reajustá-lo;
NOTA: A chapa de retençao deve se manter fixa em em seu alojamento
.! (fig. 08);
~
f * Conferir novamente as referências de sincronismo das polias.
.
e
f
~. Legendas:
~ CV = Comando de Válvulas
·~ RT = Rolamento Tensor fig. 07
l PB = Bomba D·água
...ef RA = Rolete Auxiliar
VB = Virabrequim
RE'teuincia l)dta posiclonarnento do \oolanle
oo motor em vciculos com tronsmrssao
i aútomátiCa
.r
;
,{
l
~

:
1
.i
t
..
!
...!
;
:t.
;
l;

"·~
3
if
!
.•
~ tig. 08
i-! L-----~ntciro
~

i..

'-------V~;~epa de Rct,nçioo

11

Impresso ong1nal em PAPEL RECICLADO


Wíter Marcos de Oliveira
AU DI
Motor EAml&l&V

Período de troca: a cada 60.000 Km


A3 Ferramenta/ especifico necessário:
1.6 16V
Pinos para travamento dos comandos.
N° vw Tl0016 (N° RAVEN R- 111001).

fig. 02 tig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos do amortecedor de 111braçoes da polia 25,0
Paraf. amortec. de vibraçoes/polla do virabrequim 90,0 + 90°
Parai. de travamento dos tensores das correias 20,0
Paraf. de travamento dos rolamentos auxíliores 50,0

Tempos de reparo (em horas):


2,90

Precauções .especiais:
* Desconectar o cabo massa da batena:
* Nao girar o vlrabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida:
* Remover as velas de 1goiçao para aliviar o mov1111ento do motor;
• Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
" Ajustar a tensao da correia somente com motor frio ou pouco quente;
* O fabricante recomenda que se aplique marcas •ndicando o sentido de rotaçao das
correias em casos de reutillzaçao das mesmas.

Posicionamento e verlficaçáo dos pontos de sincronismo

Colocar o motor c-om o 1° cilindro ern ponto morto superior e cllecar os


seguintes pontos:
a) nos comandos de vá lvulas: O sincronismo dos comandos de válvulas
é f.eito mediante a aplicação das ferramentas específicas (pinos) para
travamento das polias, para isso, alinhar os fltros existentes nas polias
dos comandos de escape e admissão aos furos existentes na tampa de
válvulas, e inserir os pín<>s (figs. 02 e 03); i
b) no vírabrequim: O PMS poderá ser determinad.o das seguintes formas:
A'lin'hamento da marca existente no amortecedor de vibrações/pol ia do
virabrequim à marca "O" na proteção inferior da da correia dentada (fig.
"04}:
- A'linhamento do chanfro existente .no dente da polia do vlrabrequim (face
interna) a marca do flange dianteiro do vírabrequ im (fig. 05);
- Alinhamento da marcação de "zero grau" Ao volante do motor alinhada
à rreferencia na carc-aça do câmbio.

18

Impr esso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correüts Sincronizadoras
AUOI

Motor fA 1111.616V

Extração, reposição e tensionamento das correias.

a) durante a extração: A3
* Aliviar o parafuso de fixação do mlamento tensor da correia maior, 1.6 16V
aliviando sua tensão e removê-la;
* Soltar totalmente o parafuso do tensor da correia menor removendo-o;
* Remover a correia menor;
~
* Testar as condiçoes de fo1ga, desgaste ou existência de "pontos duros"
~ nos rolamentos tensores (RT) e rolamentos auxiliares (RA).
l<el eJé ncias para posicionamento elo

i~
b) durante a reposição e tensionamento:
* Manter ap'licadas as ferramentas de travamento das polias (pinos);
olllarneflto tensor da ronéia meno1

1ç * Manter alínhadas as referências de sincronismo do virabrequ im;


* Aplicar a correia menor no sentido horário e apartir do topo da polia do
! comando de comando de admissão;
j * Aplicar o rolamento tensor da correia menor;
~ * Atuar com uma chaveallen 6mm no rolamento tensor da correia menor,
.i girando-o no sentido anti-horário até fazer coincidirem as suas referências

.i

~
(fig. 06);
"'.l; * Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 20 Nm;
~
1:
'11
NOTA: Pressionar com o dedo polegar firmemente no ponto "T" {correia

menor) ; As referências do rolamento tensor devem se movimentar
ll
separadamente;
* Aplicar a correia maior no sentido anti-horário e apartir da polia da f!elerênoasnara~oonatllWltoctoro11eiro
e bomba d'água; do o(llamento IMSOf
~
.i
; * Atuar com urna chave allen 6mm no rolamento tensor da corfeia maior,
~ girando-o no sentido horário até fazer coincidirem as suas referências
~
(fig. 07);
i * Torquear o parafuso de fixação do rolamento tensor cor:n 20Nm;
!
; * Remover as ferramentas de travamento das polias (pinos);
* Girar o motor por duas voltas 1110 sentido normal de rotação, parando ao
..J~
final, no mesmo ponto de partida;
* Conferir as referências de sincronismo do virabrequim (fig. 05) e dos
t. comandos de válvulas com o auxílio das ferramentas (fig. 03),;
i NOTA: Pressionar com o dedo polegar firmemente no ponto "I " (correia
maior) ; As rreferências do rolamento tensor devem se movimentar
i
:;!
separadamente;
* Girar novamente o motor por duas voltas no sentido normal de rotaçao,
~ parando ao final , no mesmo ponto de partida;
~
i
! Legendas:
i
i.. CA = Comando de Válvulas de Admissao
CE = Comando de Válvulas de Escape
} RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
PB = Bomba d'água
VB =
\i'Jrabrequim

19

lnwressoongonal em PAPEL REC1CLADO


Witer Marcos de Oliveira
AUD I
Motor AGU · 1.8 Turbo # Correia 150STP8M230H

Perfodo de ttoca: a cada 60.000 t<m


Audí A3 Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):
1.8 20V
Parafusos do amortecedor de víbraçoes da polia 25,0
TURBO Porea de fixaçao do tensor da correia dentada 20,0
P<~rafusos do tensor da correia trapezoidal 25,0
Paraf. fixaçao porta-.agregados motor 40,0 + 90°
Paraf. de fixação porta-agregados/sup. motor 60,0 + 90°
P<~raf. fixaçao porta-agregados/carroçaria 25,0 ..I
Paraf. tixaçao do suporte do motor ao bloco 45,0 .~

t
Tempos de reparo (em horas);
~
•~
2,20
IGolf
Audl 2,20 •
'!
i
Pr.ecauções especiais: ~
* Desconectar o cabo massa da baterta; ..i
• Nao girar o virabtequ1m ou comando de vá lvul as com a correia dentada -!
removida ;
~ Remover as velas de igniçao;
...;-~
i

• Nao girar o motor através da polia do c~mando de válvulas. ..~


~

* Utilizar disppj;itivos eLe sustentação para o motor durante essa operaçao. ~

.Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo


•~
-~
i
~
Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar os
..
seguintes pontos: fig. 01 f<
a) no comando de válvulas: sincronismo da marca existente no dente da polia
do comando de vá lvu las alinhada à marca existente na proteçao posterior {
da polia (fig. 02); .~
b) no virabrequim: O alinhamento <:la referência existemte na polia de acessórios ~
·!
do virabrequ im à marca <seta) existente na proteçao inferior da cortl'eia J
r.
(fig.03); !
NOTA: Nessa condiçao a marcaçao de "zero grau" no volante do motor deve .
~

~
estar alinl1ada a refer-ência na carcaça do câmbio (figS. 06 e 07).

Extração, r.eposição e tensionamen·to da correia


...~
~
;l

a) durante a extração: -..


• Atuar no pi no roscado do suporte do rolamento tensor apertando-o o ]
suficiente para promover o alinhamento dos furos e inserir o pino de ~
retençao do rotamento tensor, aliviando ass1m, a corre1a dentada (ffg. ~
06);
NOTA: Evitar aperto demasiado;
.i
~

* Extrair a correia dentada; ~


'* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
rn{) rolamento tensor (RT).
b) durante a reposiçao:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicaçao da correla dentada pela polia do virabrequim CVBl,
bomba d'água (PB), rolete auxiliar (RA), rolamento tensor (RTl e
finalmente polia do comando de válvulas CCV) .
c) durante o tensionamento:
____2_0_ * EXJtra,ir o pino de retençào do rolamento tensor;

lmpr&sso orloinal em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
AU O I
Motor AGU · 1.8 Turbo # Correia 150STP8M230H

* Desapertar o pino rosca do (fig. 06) 1


* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;
* Conferir novamente todas as referências de sincronismo; Audi A3
1.8 20V
TURBO
Legendas:
CV = Comarndo de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
fig. 04
PB = Bomba D· água
RA = Rolete Auxiliar RP.fermcia para posiciollammto do volante
VB = Virabrequim do motor em veículos com llansmrss.lo
me<:ânrr.a

fig. 05
Referência pGJa posicionamento do volante
do motor em veículos com transml~ão
autgmâlk.l

Ri no de rctmç.'lo do
rolamento tensor

21

lmpt~sso origiMI ~nl PAPEL RECIClAOO


Witer Marcos de Oliveira
A U DI
Motor AfB ·1.8 20V Turbo # Correia 152STP8M254H

.Perfodo de troca : a cada 60.000 Km

Audi A4 FeJramenta/ específico necessário:


1.8 20V
Chave para porcas mafl'a.
Turbo

AudiA8
1.8 20V
~
Tur.bo
~
~

l
;
~
fig. 02 fig. 03 i.
i~
Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo): .!

Parafusos do amortecedor de vibraçoes da polia


Parafuso de travamento do tensor da correia dentada
25,0
25,0
...t
i
~
Parafusos do tensor da correia trapezoldal 25,0 !
!!
!t
- - ~
Tempos de reparo (em horas): J
i
I
Passat 2,50 !
Audi A-4 2,20
I
Audr-A-6 2,70
ii
f
Precauções especiais: f
• Desconectar o cabo massa da 'bateria; l
i
'* Não girar o vlrabrequlm ou comando de válvulas com a correia dentada t
removida;
* Remover as velas de igniçao;
·• Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
j
~<
Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo ;
Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os ~
~

seguintes pontos: :
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca existente na polia do ~
oomando de válvulas alinhada à marca na proteção posterfor da mesma !
(figs. 01 e 0 4); ~
.I
b) no virabrequim : O alinhamento da marca ex,istente no amortecedor de l
vibrações/pol ia do virabrequim à marca na proteção inferior da da correia i
oi
~
dentada (fig. 05);
~
Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamemto tensor e girar o seu excêntrico
com auxilio da chave para porcas matra (fig. Oi e 02 );
* Extrair a correi a dentada;
* Testar as condiçoes de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento ter1sor (RT}.
22

Impresso onglnal em PAPEL RECICLAOO


Proc~dimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
AUO I
Motor AEB ·1.8 20V Turbo # Correia 152STP8M254H

b) durante a reposiçao:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo; Audi A4
• Iniciar a aplicaçao da correia dentada pela polia do virabrequim {VB) 1.8 20V
em segu ida árvore intermediária {AI), rolete auxilíar <RA), rolamento Turbo
tensor (RT) e fina lmente polia do comando de válvulas (CV).
Audi A8
c) durante o tensionamento: 1.8 20V
fig . 06
1 * Atuar no excêntriCo do rolamento tensor por meio da chave para porcas
Turbo
1 matra, gi ~ando-o no sentido horário até o pistão i salr completamente
i e o pistão 2 d:eve se levantar aproximadamente lmm {fig. 03 e 06);
{ * Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 25 Nm;
i * Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotaçao;
l * Controlar se a zona "A" coincide com o calilto superi or do pistão 2 do
i tensor, ou se a medida "D" está entre 25 e 29mm (figs 06 e 07 ):
~ NOTAS: Zona "A" = Ajuste em ordem;
i Zona "B" = Zona de desgaste;
..~
;.
~
Zona "C" = Controlar o desgaste do acionamento da correia
~
e do rolamento tensor ou ajustar a tensão da correia dentada;

!
~
* Verificar novamente se as referências de sincronismo da polia do
comando de válvulas e polia do virabrequim se encontram alinhadas.

..[
Legendas:
ª~
f
CV = Comando de Válvulas
i =
RT Rolamento Tensor
~ AI = Árvore Intermediária

t
~
=
RA Rolete Auxiliar
=
VB Virabrequim

~
!
J

i'
.
~
.:
~

~
~
7
..,
~

j
.1
~
!.
..,
l..

23

lmpreS$0 ongln;al em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
A U DI
Motor .ADR · 1.8 # Correia 152STP8M254H

Periodo de troca: a cada 60 .000 Km

Audi Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


A4 L8
Parafusos do amortecedor de vibraçoes da poli11 25.(]
Parafuso de travamento do tensor da correia dentada 25,0
Parafusos do tensor da correia auxiliar 25.0

Tempos de reparo (em horas):


~
IAudi
Passat
A-4
2,50
2,2{)
~
~

Precauções especiais: t.
~
* Desconéctar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada i
removida: i
* Remover as velas de igniçao para alivtar o movimento do motor; !
~
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas. .!i
.i
..i
~

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo ..


-!
!
Colocar o motor com o 1o cilindro em ponto morto superior e checar ~
os seguintes porntos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca existente na polia ..
I
do comando de válvulas alinhada à marca na proteçao posterior da
mesma (figs. 01 e 02);
l
~
b) no virabrequim : O alinhamento da marca existet~~te no amortecedor
de vibrações/polia do virabrequim à marca na proteção inferio r da l
~
da correia dentada (figs.O le 03);
-- i
i
Extração, reposição e tensionamento da correia
~
~
a) durante a extração:
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento tensor e glrá-lo
}
t
çom auxil io de uma chave alten 8mm no sentido anti-horário
lentamente, até que se promova o deslocamento da haste e o 1
11>
alinhamento dos furos indicados {fig. 04);
* Manter o conjuto nessa posiçào e introduzir no furo, um pino de
ã
1.5mm para o travamento:
~
~
" Extrair a correia dentada;
'5
* Testar as condições de folga, desgaste ow existência de "pontos 1
t•
duros" no rolamento tensor (RT). .:
.I

b) durante a reposlçao: ~!.


* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo:
* l r~iciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim
...
(VB) em seguida árvore inte11med iária {AI), rolete auxiliar (RA),
:
.!

rolamento tensor (RT) e finalmente polia do comando de válvulas


(CV);
NOTA: Certificar-se de que a correia esteja devidamente esticada
entre as polias.
c) dur.ante o tensionamento;
* Atuar no rolamento tensor por meio da chave allen 8 mm
novamente no sentido anti-horário a liviando~o e removendo entao,
o pino de travam ento (fig. 04);
24

Impresso ot!qinal em PAPEL REGICLAOO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
AU DI

Motor ADR -1.8 # Correia 152STPBM2548

* Com o pino removido, atuar agora no sentido horário, de modo que a fig. 04
haste do conjunto tensor fi que extendida, mantendo assim, a correia
tensionada; Audi
* Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 25 Nm; A4 1.8
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotaçao, ao final da
última volta, deixar o 1° cilindro em PMS;
* Verificar novamente se todas as referências de sincronismo se encontram
alinhadas.

Legendas:
Inserir prr10 de travam€11to t1& 1 5mm.
CV = Comando de Válvulas
RT = 'Rolamento Tensor
AI = Árvore !Intermediária
RA = Rolete Auxiliar
=
VB Virabrequim

25

nmpresso ooorMi o?m PAPEL REctGLADO


Witer Marcos de Oliveira
AU O I

Motor ACK • 2.8 30V # Correia 239SJP8M254H

Perfodo de troca: a cada 60.000 Km

AudiA4
2 .8 30V

Audi A6
2.8 30V

AudiA8
2.8 30V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para posicionamento dos comandos

fig. 04 fíg. 05

Torques de aperto (em Nm):


Paraf. do amortec. vibraçoes da polia do virabreq.
Paraf. das polias dGS comandos de válv.
25,0
55,0
voltado para parle lntPma
t
Detalhe do furo grande d.l placa da polia. :

Tempos de reparo (em horas):


Passat 3,30
Audi A-4 2,90
Audi A-6 até 97 2,50
Audi A-6 97 em diante 3,50
Audi A-8 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da ba teria;
• Nao girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de igniçao para aliviar o movimento motor;
• Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* O fabricante rec-Omenda que se aplique marcas indicando o sentido de rotaçao da
correia em casos de reutiliza ao da mesma .

Posicionamento e verificação dos .pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 3° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) nos comandos de válvulas: Posicionamento dos furos "grandes" das placas
de fixação das polias dos comandos apontados um para o outro e alinhados
na horizontal (fig. 06);
NOTA: Caso os furos grandes estejam posicionados do lado externo das polias,
26 girar o vira'breliJuim mais uma vez até que se alinhem corretamente.
-----
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
AU O I
Moto.r ACK- 2.8 30V

b) no virabrequim: O ali nhamento do ental he existente no amortecedor de


víbrações/polía do virabrequim à marca na proteçao inferior da da correia
dentada (fig. 07) , AudiA4
NOTA: Nessa condição, desmontar o bujão existente no bloco do motor situado 2.8 30V
do lado dos cilindros esquerdos e aparafusar a ferramenta específica (pino
roscado), bloqueando assim, giros involuntários do virabrequim (fig. 08). AudiA6
Obs: O furo de PMS do virabrequim deve ser visível ou palpável após a 2 .8 30V
remoçào do bujáo.
fig. 08 Audi A8
1
1 Extração, reposlçio e tensionamento da correia Pmo roscado para bloQue~o do \"irabreqlllm 2.8 30V
lnst.llado.
j a) durante a extraçao:
t * Girar o rolamento tensor com o auxilio de uma chave allen 8mm no
i sentido horário comprimindo o pistão do elemento tensor e alinhando
os furos da carcaça com os tuchos (tig. 09};
* Com os furos alinhados aplicar um pino com diâmetro de 2mm
bloqueando o elemento tensor (fig. 10);
NOTA : O elemento t ensor é amortec ido a óleo e só permite ser
comprimido lentamente;
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e ro1ete auxiliar (RA).
durante a reposiçao: fig. 09
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Remover os parafusos de fixação das polias dos comandos de válvulas
e as placas de fixação;
* Solt ar as polias dos comandos de vãlvulas utilizando um ,extrator (figs,
. 04 e 05);
t

* Recolocar novamente manulamente os parafusos e as placas de fixação
das polias;
1 NOTA: As polias dos comandos devem ficar móveis no cone de
~ assentamento das mesmas:
j * Aplicar a correia dentada:
' NOTA: Respeitar o sentido de trabalho da correia em casos de
~ reutilização;
flg. 10
~; c) durante o tenslonamento:
~ * Aplicar a f erramenta específica {travessa), para travamento dos
~ comandos de válvulas (figs. 02 e 03);
* Atuar no rolamento tensor utilizando uma chave allen 8mm girando-o
no sentido horário e éxtrair o pino de travamento do elemento tensor;
* Utilizando um t orqulmet ro, atuar no tensor novamente, agora no
sentido anti-horário aplicando uma pré-carga de 15,0 Nm sobre a
correia (fig. 11 );
* Torquear os parafusos de fixação das pofias dos comandos de válVulas
com 55,0 Nm;
" Remover a ferrament a específica de bloqueio do virabreqim (pino
roscado).

Legendas: ftg. 11
CV = Comando de Válvulas
RT ; Rolamento Tensor
RA = Rolamento Au~iliar
=
PB Bomba d'águél
27
VB = Vtrabrequim

Impresso onamal em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira
CITROEN
Motor TU5JP4/L4· 1.616V # correia 134SP254H

Perfodo de ttoca: a cada 60.000 t<m


Xsara Ferramenta/ especifico necessário:
1.6 16V
Ferramentas para travamento dos comandos

Berlíngo
1.6 16V

Ferramenta para travamento volante do motor

fig. 04 fig. 05

Ferramenta para travamento do tenror automático

fig. 06 flg. 07
1raço na cor -..
fig. 08 •branca·
Torques de aperto (em Nm):
Pàrafuso do rolamento tensor 20,0
Parafusos da polia de acessónos no virabrequ1m 25,0

Tempos de repar,o (em horas):


I
Xsara
Berllngo
2,50
2.50

Precauções especiais:
• Desconectar o cabo massa da bateria;
* Nao girar o v1rabrequ11n ou comandos de válvu las com a corre1a dentada
removida :
• Remover as velas de ignição;
* Nao girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Nunca montar novamente uma correia extrafda,
28

lmpr&sso orloinal em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troc4 de Correias Sincronizadoras
CITROEN
Motor TU5JP4/l4 · 1.616V # Correia 134SP25411

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

a) nos comandos de válvulas: sincronismo dos furos existentes nas polias dos Xsara
comandos de válvulas com os furos no cabeçote e inserção dos pinos de 1.6 16V
travamento (fJgs. 02 e 03):
b) no vlrabrequim: O alinhamento do furo existente no bloco ao furo no volante
do motor e inserçao do pino de travamento do mesmo (figs. 04 e 05). Berlingo
1.6 16V
1Extração, reposição e tensionamento da correia
I

i a) durante a extração:
~ * Manter posicionadas as ferramentas de travamento das polias dos
~ comandos de válvulas e volante do motor;
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento tensor automático, em
~ seguida, girá-lo com o auxílio da chave allen (ponto "C") até o ponteiro
~ atingir o ponto ''A" inserindo o pino de travamento (figs. 06 e 07);
l * Girar o rolamento tensor para direita até o ponto "A" se alinhar ao ponto
~
;;;
"B'' Htg. 07);
~ * Extrair a correia dentada;
j NOTA: Nunca girar o rolamento tensor urna volta completa;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de upontos duros"
~ nos rolamentos tensor (RT) e auxiliar (RA).
J b) durante a reposiçao: fig. 11
' * Aplicar a correia dentada respeitando a seguinte ordem : Polia do
~- comando de admissão (CA), polia do comando de escape (CE), rolamento
! auxiliar <RA}, polia do virabrequim (VB), fixando-a por melo do clip de
~ retençao fig. 11 ), poria da bomba d'água (PB) e finalmente rolamento
..
i tensor {RT);
NOTA: A correia possui 3 referências (traços na cor branca)
1
i
respectivamente que dizem respeito aos dentes 01, 52 e 72 (figs. 08,
09 e 10):
J c) durante o tensionamento:
~ * Remover o c:iip de retenção da correia e os pinos de travamento das
f polias dos comandos de válvulas e volante do motor;
* Remover a ferramenta de travamento do rolamento tensor com auxílio
da chave allen (figs. 06 e on
* Girar o motor 4 voltas no sentido horário, colocando-o em PMS ao final
da última volta;
* Instalar as ferramentas de travamento do volante do motor e comandos
de válvulas para aferiçao (figs. 05 e 03):
NOTA: É permitida uma ligeira rotação nos comandos para facilitar a
introdução das ferramentas.

Legendas:
CA = Comando de Admissao
CE = Comando de Escape
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba D' água
VB = Virabrequfm
29

Impresso Ofl9jna1 em PAPEL RECICLADO


Witer Ma rcos de Oliveira
CITROEN
MotoreslU5 1.6 /KU7 • 1.8 8V I XU10 2.0 # Correia 114SP+170H

Período de troca: a cada 90. 000 Km


Betllngo Ferramenta/ específico necessário:
1.8 8V
Ferramenta Para Travamen to do Comando.
BX
1.6

Xantia
1.6
1.8
2.0
fig. 02 ,f ig. 03

Xsara Ferramenta P.ara Travamento do Virabrequim.


1.8 8V

zx
1.6
1.8
2.0

fig. 04 f ig. 05

Ferramenta Para Travamento do Volante do Motor.

ij
fig. 06 fig. 07 l
Ferramenta Para Medi ao da Tensao da Correia. i
~
~

UeUII1e Cio "furo" paraapiiCac;ãOd.l renan1E'I'lla


~
~
de pooooooamcnlo do vnabJCQUJm ~

fig. 08 fig. 09

Torques de aperto (em Nm):


Parafu5o do rolamento tensor 21,0
Parafuso da poJia do virabrequim 130,0

Tempos de reparo (em horas):


I
X5ara
Berhngo
2.40
2,3 0
30

lmeresso original em PAPEL RECIOLADO


Procedimentos de Troca de Corr~ias s;ncronizadoras
CITROEN
Motores XU51.6/XU7-1.8 8V I XD10 2.0 # Correia 114SP+110H

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria: Berlingo
• Nao gi rar o virabrequim ou comand o de válvulas com a correia dentada
removida: 1.8 8V
* Remover as velas de ign1çao;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas; BX
* Não montar novamente uma correia extrafda. 1.6

~ Posicionamento e verificação dos pont;os de si ncronismo Xantia

1I a)
1.6
no comando de válvulas: sincronismo cio furo existente na polia do comando de válvulas com o furo no 1.8
1 cabeçote e inserçao do pino de travamento {fígs. 02 e 03); 2 .0
; b) no virabrequim: O alinhamento do furo existente no bloco ao furo na polia de acessórios do virabrequim e
1
Inserção do pino de travamento do mesmo (figs. 04 e 05). Xsara
i 1.8 SV
~ Extraçio, reposição e tensionamento da correia
j zx
1 a) durante a extraçao: 1.6
i.; * Manter instaladas as terramerntas de posicionamento das polias do com<mdo de válvulas e vir.abrequim; 1.8
J * Bloquear o volante do motor para facilitar a remoção do parafuso da polia do virabrequim, por meio da 2 .0
.
~
~
ferramenta específica (figs. 06 e 07);
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento tensor;
. • * Extrair a correia dentada;
I
~ * Testar as condiçóes de folga , desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor <RT>.
" b) durante a rêposiGâO:
f * Aplicar a correia dentada respei tando a seguinte ordem: Polia do comando de válvulas (CV), polia do
~ virabrequim (VBl , polia da bomba d ' água (PB), e fina lmente rolamento tensor (RT);
t * Instalar a ferramenta de posicionamento do virabrequim para verificação do ponto (fíg. 05).
c) durante o tensionamento:
l * Remover a ferramenta de posicionamento do virabrequim;
~ * Remover a ferramenta de travamento do volante do motor (fig. 07);
J * Atuar no rolamento tensor, girando-o mo sentido anti-horário até obter uma tensão de 30 ± 2 umíd.
- SEEM;
~
~ NOTA: Para isso, utilizar a ferramenta específica (figs. 08 e 09), apl i cando~a no ponto "T" (fig. 01) 1
: * Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 21 Nm;
~ * Remover as ferramentas de posicionamento da polia do comando de válvulas e de medição da tensão da
~ correia (flgs. 03 e 09);
~ * Girar o motor duas voltas no 'Sentido normal de rotaç.áo;
* Aferir novamente o ponto, por rmeio das ferramentas ~specíficas (figs. 03 e 05);
* Girar novamente por duas voltas o motor, no sentido normal de rotaçáo, deixando-o em PMS ao final da
2a volta;
* Aplicar novamente a ferramenta de mediçao da tensao da con·eja dentada no ponto "T", o valor obtido
deverá ser de: 44 ± 2 unid. SEEM ;
NOTA: Caso o valor encont~ado resteja tora do especificado, repetir todo o processo de tensionamento;
* Montar a ferramenta de travamento do volante do motor e torquear o parafuso de travamento da polia do
virabrequim com 130 Nm.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT =Rolamento Tensor
P8 = Bomba D'.água
=
VB Virabrequím 31
-----
Impresso orloinal em PAPEL RECIOLADO
Witer Marcos ·d e Oliveira
CITROEN
Motor XU10J4RS • 2.0 16V # Correia 136SP+25411

Ano: 1996 - 01. Durante a Remoção:

Xsara Código do Motor: RFS. CUIDADO: Este moto r pode sofrer a ,quebra da tPOIIa
2 .0 16V RFS do virabrequim , resllll ta ndo num possível alinhamento
120kW incorreto do furo do pi no de sincmnismo da pol ia. A
Períodos de troca:
~ ehaS$i 854 6
A. CITROEN RECOMENDA:
'
correia dentada deste moto r deve ser removida e instalada
MY 1996: St.tbstituiçaoa cada 72.000 milhas (1 15.200 com o motor a 90° AIPM S (pistões alinhados e 1° pistáo
zx Kml sob condiçoes normais ou a cada 48.000 milhas em ascençao). Se necessátio, ajuste a polia nova nessa .z
2.0 16V RFS (76.800 Km) sob condições adversas de uso. condiçáo. ~
120kW MY 1997: St.tbstituiçaoa cada 72.000 milhas (1 15.200 ~
* Remover o suporte do motor;
Km) sob condiçoes normais ou a cada 54.000 milhas * Remover a correia de acessórios; 1.:;
(86.400 Km) sob condições adversas de uso. * Desconectar os tubos de combustível; ~
MY 1998: Substituição a cada 80.000 milhas (128.000
Km) sob condiçoes normais ou a cada 48.000 milhas
* Destravar a o fecho das proteções da correia dentada j
(puxar para cima) - 1 i
(76.800 Km) sob condiçoes adversas de uso.
* Remover os parafusos da proteção superior da correia i
MY 1999: Substítuiçàoa cada 75.000 milhas (l20.000
dentada- 2 ; !
Km) sob condiçoes normais ou a cada 60.000 milhas ~'
(96.{)00 Kml sob condiçoes adversas de uso. * Remover a proteção superior da correia - 3 ; .i
MY 2000: Substituição a cada 50.000 milhas (80.000 , * Girar o virabrequim no sentido horário até dei xá-lo na ~
Kml Of:! 10 anos sob condiçoes normais ou a cada posição de sí ncronúsmo; ~
j7.5ôõ milhas (60.ô0ó Km) ou lõanos sob condíçoes · * Inserir o pino de si hCrónismo no fllr'ó dá polia do J
adversas de uso. virabrequim - 4 . Ferramenta N° 7014-if. N: ~
NOTA; As cond i~oes de uso e histórico de serviços do * Inserir os pinos de sirncronismo nas polias dos comandos ~
veiculo devem ser levados em conta. de válvulas - 5. Ferramenta NO9041-T.Z; Í
* Travar o virabrequim . Usar a ferramenta 1'4° 9044-T- 6; ;
Ferramenta/ especffico necessário:
* Remover: f
• Pinos de Sincronismo dos Comandos:
CITROÉN N" 9041-T.Z.
* Pino d~ Sincronismo do Virabrequim1
- O pino de sincrorni smo do virabrequ im , 4 ;
- O parafuso da poli a do virabrequim- 7; l
j
- A polia do virabre quim- 8 : t
CJTROEN N° 7014 -T.N. - A proteçao inferior da correia dentada- 9 ; .i
• Medidor de Tensão:
ClTROEN N° 4122 -T.
i:
Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor - 1O: S
* Ferramenta Para Travamento do Virabrequim: * Movimentar o tensor afastando-o da correia, e apertar .i
CITROEN N° 9044 -T. o seu parafuso de fixa ção ligeiramente; i
* Remover a correia dentada; ~
Tempos de reparo (em horas):
Instalação e Tensionamento:
i
:::2
~~...
2.40
2,20
NOTA Se os coma ndos de válvulas tiverem sido ~
+0,10 I removidos, conferir a posiçao dos furos de referência dos 3
Precauçóes especiais: eixos do comando de escape e admissão, para assegurar- ·~
.. Desconectar o cabo massa da bateria; se da correta localização - l2 e 13 ; J
* Nao glcar o virabrequim ou comando de válvulas com * Afrouxar os parafusos de cada p:)lla dos comandos - 11 ; !
a correia dentada removida: * Assegurar-se de que as polias girem livremente nos i.
* Remover as velas de lgniçào para aliviar o movimentos comandos; 'i
do motor; * Aplicar a correia dentada a partir da polia do comando !
* Não girar o motor através das polias dos comandos de escape CCE) e no sentido horário;
de válvulas: * Assegurar-se de que os parafusos de cada polia dos
• Girar o motor sempre no sent,tdo de rotaçao do comandos estejam se deslocarndo no furo oblongo- 14 ;
mesmo: Apl icar o medidor de tensáo no ponto "T". Ferramenta
* Neste motor, existe a possib ilidade de empenas de *
N° 4122-T- 15;
válvulas pelos pistoes caso ocorra falha/ruptura da
correia dentada, neste caso, executar o teste da * Afrouxar o par.afuso do rolamento tensor - 10:
compressao dos cilindros antes de se remover o * Girar o tensor no sen tido anti-horário até o medidor
cabeçote. de tensào indicar oseguinte - 16:
32 55 umdades SEEM <correias novas);
35 unidades SEEM (correias usadas);

Impresso oogmal em PAPEL BECICLADO


Procedimentos de Ttoca de Correias Sfncronizadoras
CITROEN

Motor XU10J4RS • 2.0 16V # correia 136SP+254H

Xsara
2.0 16V RFS
120kW
) t'hassi 8546

zx
i
ir
2.0 16V RFS
120kW

~
~
~
i
i
l...
é
;:

~
~
.
...

..~
•t
~

t
i"'
1
~
~
j
~
.i

~
~
f
m
~
~
1
~
;)

2
i
i
..
;

i
~

!
!

Legendas:
CA = Comando de Adm issão
CE =
Comando de Escape
RA = Rolamento Auxiliar
T = Rolamento Tensor
PB = Bomba D· água
VB = Virabrequim
33
MY - Ano Modelo -----

Impresso oroqtnal em PAPEL ·R ECIÇLADO


Witer Marcos de Oliveira
CITROEN
Motor XU10J4RS • 2.0 16V # Correia 136SP+254H

* Torquear o parafuso elo rolame111to tensor com .20,0Nm - 1O;


* Torquear os parafusos de cada polia dos comandos com lO,ONm- 11 ;
Xsara * Remover:
2.0 16V RFS - Os pinos de sincr-onismo- 5;
120kW - O medidor de tensao - 15;
-) cha~sl 8546
· A ferramenta de travamento do virabrequim - 6 ;

zx ** Temporariamente, instala1r a polía do virabrequim;


Girar o virabrequ im seis vol tas no sentido horário;
2.0 16V RFS * Inserir o pino de sincronismo na polia do virabreqlllim - 4 ;
120kW * Afrouxar os parafusos de cada polia dos comandos - 11 i
" Inserir os pinos de sincronismo nas polias dos comandos - 5;
* Afrouxar o parafuso do rol amento tensor- 10:
* Aplicar o medidor de tensão no ponto "T" . 15;
* Girar o tensor no sentido anti-horário até o medidor de tensao indicar o seguinte - 16:
- 55 unidades SEEM (c'Orreias novas);
- 45 unidades SEEM (correias usadas);
* Torquear o parafuso do rolamento tensor com 20,0Nm - 1O;
" Torquear os parafusos de cada polia dos cornandos - 11;
* Remover os pinos de sincronismo- 4 e 5i
* Girar o virabrequ im duas voltas no sMtido horário;
* Inserir o pino de sincmnismo da polia do virabrequim - 4 ;
* Afrouxar os parafusos de cada polia dos comandos- 11 ;
" Inserir os pinos de sincronisrno nas polias dos comandos- 5;
* Torquear os parafusos de cada polia .dos comandos com 1O,ONm- 11 i
* Remover os pinos de sincronismo - 4 e 5 ;
* Conferir a tensao da correia da seguinte forma:
* Girar o virabrequ im 900 no sentido horário;
NOTA: o furo de sincronismo da polia do viraorequim deverá se alinhar ao parafuso mais baixo da proteçao i

*
inferior da correia dentada - 17. Não permitir que o virabrequim gire no sent:ido anti-.horário;
Aplicar o medidor de tensao no ponto "T" - 15; ~
f
* O medidor de tensão deverá indicar o seguinte: l
- 45±2 unidades SEEM (correias novas): ie
- 29±2 unidades SEEM (correias usadas); ~-
* Instalar os componentes 111a ordem inversa de remoção; j
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 120,0Nm- 7.

34

Impresso ongtna1em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
CITROEN

Motor XU10J4RS • 2.0 l&V # Correia137SP+254H

Ano: 2000 · 02. * Remover o suporte do· motor;


* Remover a cortreia de acessórios;
Xsara Código do Motor: XUIOJ4RS (RFS). * Desconectar os tubos de combust,ivel;
2.0 16V RFS
* Destravar a o fecho d as proteções da cor.reia dentada
120kW (rpuxar para cima) - 1
Periodos de troca:
e~ssi 8546 -+
A CtTROEN RECOMENDA: • Remover os parafuso s da proteção superior da correia
Substituiçao a cada 50.000 milhas (80.000 Kml ou lO dentada - 2 ;
anos sob condiçoes normais ou a cada 40.000 milhas * Remover a proteção superi or da correia - 3 ;
(64.000 Km) ou 10 anos sob condíçoes adversas de
uso.
* Girar o virabrequirn no sentido horário até deixá-lo na
posição de sirncronismo~
1.
t
NOTA: As condiçoes de uso e histór~co de serviços do * Inserir o pino de si ncronismo no furo da pol ia do
veículo devem ser levados em conta. virabrequim - 4 . Ferra menta N° 7014-T.N; !
Ferramenta/ específico necessário:
* Inserir os pi nos de sincro nismo nas polias dos
comandos de vá lvul as - 5. Ferramenta N° 904 1-
~
• Pinos de Sincronismo dos Comandos: T.Z; i
CITROEN N° 9041-T.Z. / PEUGEOT N° 0153G * Travar o virabreqUim. Usar a ferramenta N° 9044-T - i~
• Pino de Sincronismo do Virabrequim: 6· ..
CITROEN N° 7014 -T.N. / PEUGEOT N° 0153AB ' -!
* Remover: i
• Medidor de Tensào:
- O pino de sincronism o do virabrequim - 4 ; .;
..
CITROEN N° 4122 ·T. / PG. SEEM C.TRONIC 105.5
* Ferramenta Para Travamento do VirabreqUtrn: - O parafuso <ila polia do virabr.equim - 7 ; ~ ..
CITROEN N° 9044 -T. I PEUGEOT 01340
- A polia do virabre:qui m- 8 ; ~
~

- A proteçao inferior da correia dentada - 9 ; ~


• Ferramenta de Tensionamento:
CITROEN N° 7017 -T.W. * Soltar o parafuso de fi xaçào do rolamento tensor - ·~

* Ferramenta Para Travamento dos Comandos: 10; i
~
CITROEN N° 4200 ·T.G. * Movimentar o tensor afastando-o da correia, e .apertar "
o seu parafuso de fixa çao ligeiramente; <
f
Tempos de repar.o (em horas): * Remover a correia de ntada;
~~~ara 2,90
+0.10 I lnstalaçlo e Tensioname nto: .
~
~
Precauções especiais: * Remover o parafuso - 11 ; )
* Desconectar o cabo massa da bateria; * Travar as polias dos co mandos de válvulas. Ferramenta f
* Nao girar o virabrequ11n ou comando de válvulas com
a correia dentada removida;
N° 4200 T.G - 15;
Afrouxar os parafusos das polias dos comandos- 12;
.
~

~
*
* Remover as velas de igniçao para aliviar o movimentos * Remover a ferramenta de travamento das polias dos ~
do motor; oomalildos;
• Nao girar o motor através das polías dos comandos ~
de válvulas;
• Assegurar-se de que as polias girem livremente nos <~
comaI"\dos; ...
• Girar o motor sempre no sentido de rotaçao do
mesmo: * Ap'licar a correia dentada a partir da polia do cornando ]
• Neste motor; existe a possibilidade de empenas de de escape (CE) ·e no sentido horáric; ~
válvulas pelos pístoes caso ocot(a falha/ruptura da * Aplicar o medidor de tensão no ponto "T" . Ferramenta ~
correta dentada. neste caso. executar o teste da N° 4122-T - 13; i
compressão dos cilindros antes de se remover o * Afrouxar o parafuso do rolamento tensor - 1 ~0 ; :i
cabeçote. * Girar o tensor no senti do anti-horário até o medidor de ~
tensão indicar 55 unidades SEEM - 14. Ferramenta
Durante a Remoçã.o: 7017 - T.W;
* Torquear o parafuso do rolamento tensor com 21 ,ONm
CUIDADO: Este motor pode sofrer a quebra - 10;
da polia do virabrequim, resultando num possível * Travar as polias dos comandos de válvulas. Ferramenta
alinhamento incorreto do furo do pino de sincronismo N° 4200 l G;
da pol ia. A correia dentada deste motor deve ser * Torquear os parafusos das polias dos comandos com
removida e instalada com o motor a 90° APMS 40,0Nm- 12;
36 (pistões alinhados e 1° pistão ern ascençao.). Se "' Remover:
necessário, ajuste a polia nova rnessa condiçao.

lmpr&sso orloinal em PAPEL RECICLADO


Legendas:
d de Admissao
CA = Coman odo de Escape
CE _ Coman .• r
I ento Auxlla
RA- - Roam 1
RT-_ Rolamento Te.nsor
- - Bomba D' agua
PBVB .: :;
Virabrequim

Impresso OtiOinal em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
CITROEN
Motor XU1DJ4BS • 2.0 16V # Correia 136SP+254H

- Os pinos de sincronismo - 5 ;
- O medidor de tensao - 13;
Xsara - A ferramenta de travament o do virabrequim- 6 ;
2.0 16V - A ferramenta de travament o das polias dos comandos - 1 5;
* Temporariamente, Insta lar a polia do virabrequ im ;
* Girar o virabrequim seis voltas no sentido horário;
* llilserir o pililo de sincronismo na polia do vlrabrequim - 4:
* l r~serir os pinos de sincron ismo nas pol ias dos cornandos - 5 ;
* Travar as polias dos comandos;
* Afmuxar os j:)arafusos das polias dos comandos - 12;
* Remover a ferramenta de travamento dos comandos;
* Inserir os pinos de sincron ismo nas pol ias dos comandos- 5 ;
* Afrouxar a porca do rolamento tensor - 1O;
* Aplicar o medidor de tensáo no ponto "T" - 13;
* Girar o tensor no sentido anti-horário até o medidor de tensao indicar 35 unidades SEEM - 14;
* Torquear o parafuso do rolamento tensor com 2l ,()Nm- 10;
* Travar as polias dos comandos;
* Torquear os parafusos de cada polia dos comandos com 75,0Nrn - 12;
* Remover a ferramenta de travamento dos comandos;
* Remover os pinos de sincrolilismo- 4 e 5 ;
* Girar o virabrequim duas voltas no sentido horário;
* lrnserir o pino de sincronismo da polia do vjrabrequim - 4 ;
* Inserir os pinos de sincronismo nas pol ias dos comandos - 5 ; ·;
NOTA: Caso os pinos de sincronismo não possam ser inseridos f acilmentê, r.epetir os procedi mentos de ~
instalação e tensionamernto; ..
*
*
Remover os pinos de sincrofllismo- 4 e 5 ;
Instalar os componer'ltes na ordem inversa de remoGao;
t.
* Torquear o parafuso da polia do vira'brequim com l30,0Nm- 7

.
3

38

Impresso ong•mol em PAPEL REGICLAOQ


Witer Marcos de OUveira
CITROEN
Motor EW10J4 • 2.0 16V # correia 153SP254H1

Período de troca ; a cada 90.000 Km

C·5
2.0 16V

X.sata Picasso
2.0 16V

Xsara
2.0 16V

fig. 02 fig. 03
Ferramenta Para Travamento do Vir.abrequim.

fíg. 02 fig. 03

Ferramenta Para Travamento da Polia do Virabrequim.

fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso do rolamento tensor: 21,0
Parafuso da polia do virabrequlm:
"'cubo eom anilha de aço "cor dourada": 40,0 +53 ± 4
* cubo com amlha de a o tratado "cor metálica": 40.0 + 40° ± 4° fig. 08

Tempos de reparo (em horas):


2,40
IC-5 picasso
Xsara 2.20
Xsara 3,00

Precauções especiais:
* Desconectar o çabo mass.a da bateria;
• Nao girar o virabreQuim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas dê ignição;
.. Nao girar o motor atraves da poiJa do comando de válvulas;
·• Gir<1r o motor sempre no sentido de rotaçao do mesmo;
.. Nunca montar novamente uma correia extraída. - \
fig. ()9 1 \ :~:Ot
40 Chave Alten 6 mm
Parafuso Travamento

lmpres<>O 9dgim>l E'm PAPEL REOICLAOO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
CITROEN

Motor EW10J4 • 2.0 16V # Correia 153SP254H1

P.osicionamento e verificação dos pontos de


sincronismo
a) nos comandos de válvulas: sincronismo dos furos C-5
existentes nas polias dos comandos de válvulas 2 .0 l6V
com os furos no cabeçote e inserção dos pinos de
travamento (fígs. 02 .e 03): Xsara Picasso
NOTA: As ferramentas devem entrar sem 2.0 16V
interferência, caso isso ocorr.a, (ecomecar a
f operação de sir~cmnismo. • Xsara
•t b) no virabrequim , o alinhamento do furo existente na 2.0 16V
:
~ borda do cubo da polia com o fu~o fixo r~ a flange do

.
i
~

:
bloco (tíg. 05).
ADVERTÊNCIA: O furo de encaixe da chave
sextavada deve se encontrar a cerca de 15°
Extração, reposição e tensionamento da correia
i abaixo da junta do cabeçote, caso contrário,
~ a)durante a extração: substituir o rolamentto tensor;
. * Manter posicionadas as terram~:mtas de * Remover a ferramelilta (pino) de posicionamento
~ travamento das polias dos comandos de válvulas do virabrequim;
l
~
e polia do vírabrequim; * Girar o motor por 1O voltas no seu sentido horário.
" Aliviar o parafuso de travamento do rolamento NOTA: Durante essa operação, a correia não
! tensor; em seguida, girá-lo no sentindo horário deve sofrer nenhuma pressao ou ação externa;
~ por meio de uma chave allen e extrair a oorreia * Instalar os pinos de travamento das polias dos
.~ (fig. 09); comandos de válvulas;
i * restar as condições de folga e desgaste no * Checarse ponteiro do rolamento tensorse encontra
~~ rolamento ter~sor (RTI. alinhado com o entalhe "B", caso não esteja, repetir
f b) durante a reposição: todo o procedimento de tensão (<figs. 09 e lO>;
~ * Aplicar a correia dentada a partir da polia do * Inserir o pino de posicionamento do virabrequim
j virabrequim (VB}, mantendo-a fi xa por meio do (fig. 05);
l clfp de retenção (fig. 08); NOTA: Caso haja impossibilidade de inserir o
: * Continuar a aplicaçao da con1!ia respeitando pino, reposicionar a placa (cubo} adotando o
,.!. a seguinte ordem: Rolamento auxiliar (RA), seguinte procedimento:
! polia do comando de admissao (CA), polia do * lmobilizar o virabrequím por meio da ferramenta
específica (figs. 06 e 07);
! comando de escape (CE), bomba d'água (PB),
~ e f1nalmente, rolamento tensor (RT) ; * Desapertar o parafuso de fixaçao da polia do
j NOTA: Fazer a aplicação da correra de maneira virabrequim, liberando-a;
que fique o mais alinhada possível a face exterior * AUnharo oriflcioda placa (cubo) ao orifício de inserção
das engrenagens e rolamentos. do pino de posicionamento do vlrabrequhn;
durante o tensionamento: * Montar o pino de posicionamento do virabrequim;
* Remover o clip de retenção da corfeia e os * Imobilizar o vlrabrequim com a ferramen ta
pinos de travamento das polias dos comandos especíNca (figs. 06 e 07);
de várvulas; * Aplica r o torque no pa rafuso da polria do
* Girar o rolamento tensor no sentido arnti-horário virabrequim respeitando o seguinte:
usando uma C·have allen, até o ponteiro atingir p/ cubo com ani lha de aço ''cor dourada" 40 Nm
a posiçao "Au (figs. 09 e 10) + 53° ± 4°.
NOTA: O ponteiro deve ultrapassar o entalhe "B" p/ cubo com anilha de aço tratado "cor metálica"
em pe1o menos 10°, caso contrário substituir o 40 Nm + 400 ± 4° .
rolamento tensor (fig. lO);
* Com a chave alle.n, girar o rolamento tensor no Legendas:
sentido horário (voltando) até o ponteiro atirngir CA = Comando de Admissao
seu ponto de afinaçao, ou seja , o entalhe "B", CE = Comando de Escape
(fig, 101. RA = Rolamento Auxiliar
NOTA: Caso o ponteiro ultrapasse o entalhe "B". RT = Rolamento Tensor
repetir o procedimento de tensionamento; PB = Bomba D · água
* Apertar o parafuso de fixaçao do rolamento VB = Virabrequ.im
41
tensor com 21 Nm. -----

Impresso original emPAPELBEClCLAOO


Motor EW10J4 • 2.0 16V #Correia 153SP254H1

Posicionamento e verificação dos pontos de


sincronismo
a) nos comandos de vá lvulas: sincronismo dos furos C-5
existentes nas polias dos comandos de vá lvulas 2.0 16V
com os furos no cabeçote e inserção dos pinos de
t ravamento (figs. 02 e 03); Xsara Picasso
NO TA : As ferra m en t as devem en t ra r sem 2.0 16V
int erferênc ia , caso isso ocorra, recomeçar a
~
~ operação de sincronismo. Xsara
j b) no virabrequ im : o alinhamento do furo existente na 2.0 16V
~ borda do cubo da polia com o furo fixo na flange do
f. bloco (fig. 05).
~
ADVERTÊNCIA: O furo de encaixe da chave
~ Extração, reposição e tensionamento da correia sextavada deve se encont rar a cerca de 15°
abaixo da j unta do cabeçote, caso cont rário,
~ substituir o rolamento tensor;
~ a) durante a extração:
.. * Manter pos icionadas as ferramen t as de * Remover a ferramenta (pino) de posicionamento
do virabrequim;
travamento das polias dos comandos de válvulas
e polia do virabrequim; * Girar o motor por 10 voltas no seu sentido horário.
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento NOTA: Durante essa operação, a correia não
tensor, em seguida, girá-lo no sentindo horário deve sofrer nenhuma pressão ou ação externa;
por meio de uma chave allen e extrair a correia * Instalar os pinos de travamento das polias dos
(fig. 09); comandos de válvulas;
* Testar as cond ições de folga e desgast e no * Checar se ponteiro do rolamento tensor se encontra
rolamento tensor (RT). alinhado com o entalhe "B", caso não esteja, repetir
~E b) durante a reposição: todo o procedimento de tensão (figs. 09 e 10);
~ * Aplica r a correia dentada a partir da polia do * Inserir o pino de posicionament o do virabrequim
virabrequim (VB), mantendo-a fixa por meio do (fig. 05);
clip de retenção (fig. 08); NOTA: Caso haja impossibilidade de inserir o
* Cont inuar a aplicação da correia respeitando pino, reposicionar a placa (cubo) adotando o
a segu inte ordem: Rolamento auxiliar (RA), seguinte procedimento:
polia do comando de admissão (CA) , polia do * Imobilizar o vi rabrequim por meio da ferramenta
comando de escape (CE), bomba d'água (PB), específica (figs. 06 e 07) ;
e fina lmente, rolamento tensor (RT); * Desapertar o parafuso de fixação da polia do
NOTA: Fazer a apl icação da correia de maneira vi rabrequim, liberando-a ;
~ que fique o mais alinhada possível a face exterior * Alinhar o orifício da placa (cubo) ao orifício de inserção
~ das engrenagens e rolamentos. do pino de posicionamento do virabrequim;
~ c) durante o tensionamento: * Montar o pino de posicionamento do virabrequim;
5 * Remover o clip de retenção da correia e os * Imobi lizar o virabrequim com a ferramenta
'C
pinos de travamento das polias dos comandos específica (figs. 06 e 07);
k de válvulas; * Apl icar o torque no parafuso da po lia do
.
~

v
* Girar o rolamento tensor no sentido ant i-horário vi rabrequim respeitando o seguinte:
p/ cubo com anilha de aço "cor dourada" 40 Nm
8. usando uma chave allen, até o ponteiro atingir
a posição 'W' (figs. 09 e 10). + 53° ± 4° .
NOTA: O ponteiro deve ult rapassar o entalhe "B" p/ cubo com anilha de aço tratado "cor metálica"
em pelo menos 10°, caso cont rário substituir o 40 Nm + 40° ± 4° .
rolamento tensor (fig. 10);
* Com a chave allen, girar o rolamento tensor no Legendas:
sentido horário (voltando) até o ponteiro at ingir CA = Comando de Admissão
seu ponto de afinação, ou seja, o entalhe "B", CE = Comando de Escape
(fig. 10). RA = Rolamento Auxiliar
NOTA: Caso o ponteiro ultrapasse o entalhe "8", RT = Rolamento Tensor
repetir o procedimento de tensionamento; PB =Bomba D ' água
* Aperta r o parafuso de fixação do rolamento VB = Virabrequim
41
tensor com 21 Nm. -----
Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ Av. C255,n0270, CenOOE~biSebtxl, sob719
Novo fU:;;o. 74280-010. GoKnio · Go«ls
62. 3942-3939 . 'Nndcls@eiCbef990hc:riO.C:CI"'l.b
ENG ENHARIA ww..dcbenQOnhao .com.b'
Witer Marcos de Oliveira
CITROEN

Motor 2.80 # Correia 153SHDS300H I Motor 2.8TD # Correia 154SHDS300H

Periodo de troca: a cada 60 .000 Km • I

Jumper Ferramenta/ específico necessário.:


2.8 o
Fe"amenta Para Travamento da Polia da Bomba Injetora.
2.8 TO

Torques de aperto (em Nm):


Parafusos da polia do vitabrequiim (volante amortecedor! 200,0
Porca de travamento do tensor da correia dentada 40,0
Porca de fixaqao do suporte do tensor 25.0
Parafusos da tampa dianteira do virabrequim 40,0

Tempos de reparo· (em horas):


Ducato 1,80
Master 1.80
Jumper 1,80
Boxer 1, 80

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para ahviar o movimento do motor;
* Não girar o virabrequlm ou comando de válvulas com a correia dentada removida:
* Evitar provocar dobras e ângulos vivos na correia dentada :
* Nao girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Checar a bomba in'etora a ' s a troca da correia.

Posi cionamento e veri ficação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto supérior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando d~ válvulas: Sincronismo da marca existente na fla nge i111terna
da polia do comando de válvulas alinhada à marca na tampa de válvulas
<tigs. 01 e 06);
b) na bomba Injetora: Alinhar o furo de referência da polia de comando da
42 bomba injetora com o furo da flange dianteira dos órgaos auxHiares, inserindo
o pino de reternçào da polia (figs 02 e 03);

Impresso ot!qinal em PAPEL REGICLAOO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
CITROEN
Motor 2.80 # Correia 153SHDS300H I Motor2.8TD # Correia 154SHDS300H

NOTA: Para veículos que possu írem injeção eletràníca de diesel,


desconsiderar todas as referências feitas sobre o sincronismo da polia de
acionamento da bomba injetora, que nesse caso, é dispensado. Jumper
c) no vírabrequlm: O alinhamento da marca existente no amortecedor de 2.8 o
vibraçoes/pol ia do virabrequim à marca na tampa dianteira do virabrequim 2.8 TO
(fig. 07,08 e 09), nessa condição inserir também um pino de 8mm de
diâmetro no furo existente na carcaça do câmbio travando assim, o volante
do motor (fig. l O);
Detalhe FIAT Oucalo
J Extração, reposição e tensionamento da correía
~
.l
~ a) durante a extração:
{ "' Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e a porca do suporte
do mesmo;
~ * Atuar no dispositivo de tensionamento da .correia, aplicando a ferramenta
~ de retenção do mesmo, aliviando assim, a correia, (figs. 0 4 e 05);
!
t
* Extrair a correia dentada ;
j * Testar as condiçoes de folga , desgaste ou existêncía de "pontos duros"
! no rolamento tensor (RT) e rolamento auxiliar (RA).
1 b) durante a reposição:
~: * Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
~ * Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim;
·i NOTA: Evitar que se provoquem dobras ou âgulos vivos na cor(eia durante
Detalhe Rcnault Maste1
ã a aplicação.
~ c) durante o tensionamento:
~ * Remover a ferramen ta de retençao do dispositivo de tensionamento da
~ correia de modo que a ponta do mesmo atue no conjunto esticadori
! * Remover a ferramenta de travamento da polia de acionamento da bom'ba
injetora e o pino de travamento do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no ·sentido horário, alinhando ao final da
llltima volta, as referências de sincronismo;
* Torquear com 25 Nm a porca de fixação do suporte do tensor e com
45 Nm a porca de travamento do mesmo;
* Atoar no ponto "T" (fig. 0 1), com uma força de 92,0 Nm a 98,0 Nm a
correia deve deixar-se ceder de 7 a 8mm;
* Torquear o paraf1.1so da polia do virabrequim com 200,0 Nm .
O..tallle Peogoot Bol<!lr

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
61 = Bomba Injetora
VB =Virabreq\lim

fig. 11
Ootalhe da aplrca~o do pino 8mm para
llavamento do volante do mClloo
43

nmpresso ooooM I o?m PAPEL REctGLADO


Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor Firel.O BV #Correia 124PBS220H I Motor Fire1.3 BV #Correia 129PBS220H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Palio Período de troca: a cada 60.000 Km


1.0 8V
1.3 8V Ferramenta/ específico necessário:
Ferramenta para posicionamento do PMS.
Siena
1.0 8V
1.3 8V

Strada
1.0 8V
1.3 8V

Uno
1.0 8V f ig. 02 fig. 03
~~~~~~~====~~~~~~~
Ferramenta para sincronismo do comando de válvulas.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Porca de travamento do rolamento tensor 25,0
Paraf. da polia do comando de válvulas 120,0
Parafusos da polia de acessórios 22,0

Tempos de reparo (em horas):


Todos (sem ar condicionado) 2,30
Todos (com ar condicionado) 2,50

Precauç6es especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gi rar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Nunca reaproveitar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e adotar o


seguintes procedimentos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS deverá ser
realizado com a utilização de um relógio comparador juntamente com suporte
específico a ser rosqueado no lugar da vela de ignição (figs. 02 e 03);
NOTA:
44 Nessa condição, no momento exato em que o pistão do cil. 1 atingir o PMS, o
ponteiro do relógio comparador inverterá o seu sentido de deslocamento;

Impresso original em PA PEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F I AT

Motor Fireto BV # Correia 124PBS220H 1Motor Fire1.3 BV # Correia 129PBS220H

O sensor de rotação deverá estar alinhado ao 17° dente na roda tônica,


a contar a part ir da fa lha no sentido anti-horário;
b) no comando de válvulas: O posiciona mento do comando é feito mediante Palio
a aplicação da ferramenta específica para o sincronismo do mesmo, para 1.0 8V
isto, remover a bobina e o tampão existente na parte posterior do cabeçote, 1.3 8V
e aplicar a ferramenta (figs. 04 e 05) ;
Siena
Extração, reposição e tensionamento da correia: 1.0 8V
f ig. 07
1.3 8V
a) durante a extração: Contrapeso
* Soltar a porca de travamento do rolamento tensor, aliviando a correia ; pos i cio n ado a
Strada
* Ext rair a correia dentada; 70mm da barra . 1.0 8V
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos du ros" 1.3 8V
Ferramenta de tensionamento encaixada nos
no rolamento tensor (RT). furos do rolamento tensor.

b) durante a reposição: Uno


* Manter aplicadas todas as ferramentas de sincronismo; 1.0 8V
* Aplicar a ferramenta para trava r a polia do comando de válvu las e soltar
o parafuso de fixação, liberando o movimento da mesma (fig. 06);
* Aplicar a correia dentada no sentido anti-horário a partir da polia do
virabrequ im;
c) durante o tensionamento:
* Preparar a ferramenta específica para tensionamento da correia dentada
(barra milimetrada) posicionando seu contrapeso na indicação de 70mm
(fig. 07);
* Aplicar a ferramenta (barra milimetrada) nos dois furos existentes no
rolamento tensor da correia dentada , posicionando a barra na horizontal
(fig.07);
* Aplicar a ferramenta para travar a polia do comando torquear o seu
parafuso de fixação com 120 Nm (fig. 06);
* Remover as ferramentas de sincron ismo do comando de válvulas e de
posicionamento do PMS;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário;
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm;
* Remover a ferramenta específica de tensionamento da correia (barra
milimetrada);
* Aplicar novamente as ferramentas de sincron ismo do comando de
válvulas e posicionamento do PMS e conferir o si ncronismo.

Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba d'água
VB =
Virabrequim

45

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor Firel.O 16V # Correia 119P8S220H I Motor Fire1.316V #Correia 124PBS220H

Inspeção: a cada 20.000 Km

Palio Período de troca: a cada 100.000 Km


1.0/1.3 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Siena
Ferramenta para posicionamento dos comandos.
1.0/1.3 16V

Strada
1.0/1.3 16V

Doblo
1.3 16V

fig. 02

Extrator das polias dos comandos.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Porca de t ravamento do rolamento tensor 25,0
Paraf. da polia do comando de válvulas 120,0
Parafusos da polia de acessórios 22,0

Tempos de reparo (em horas):


Todos (sem ar condicionado) 2 ,50 fig. 06
Todos (com ar condicionado) 2,70
Detalhe da posição correta das ferramentas
Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequ im ou comando de válvu las com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Nunca reaproveitar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

a) no virabrequim: Alinhamento do "topo" dos pistões dos 4 cilindros entre si na


horizontal, para isto, aplicar as ferramentas específicas para posicionamento
fig. 07
dos mesmos, removendo-se as velas de ignição e rosquea ndo-as nos
cilindros 1 e 2 (figs. 02 e 03);
NOTAS: Tampões
Nessa condição o pistão do cil. 1 estará descendo e o pistão do cil. 2
46 subindo;

C •I cI ~ Jw.C -25S. no:17Q.cem o ErJl)eokJIS9t:t>a. sda 719


NcJ.oa SUço. 742ffi-01 o. Goi6nb . Gd6s
62 • 3942-3939 -'VEII'ICbs(fpet::toengentoro.c om .bf
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA """· c - nc <rntx
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F I AT
Motor Firel.O l&V #Correia 119PBS220H I Motor Fire1.316V #Correia 124PBS220H

- Os rasgos nas hastes das ferramentas devem estar perfeitamente


faceados ao topo dos guias das mesmas (fig. 06);
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito mediante a aplicação Palio
das ferramentas especiais para travamento dos mesmos, para isto, remover 1.0/ 1.3 16V
os tampões existentes no cabeçote, e inserir as ferramentas específicas (figs.
07, 04 e 05); Siena
NOTA: As ferramentas se encaixam perfeitamente nos rasgos existentes 1.0/ 1.3 16V
nos comandos de válvu las, caso não seja possível encaixá-las, girar o
virabrequim por mais uma volta ; St rada
1.0/ 1.3 16V
Extração, reposição e tensionamento da correia:
Doblo
a) durante a extração: 1.3 16V
* Soltar a porca de travamento do rolamento tensor e movê-lo para
fora ;
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Manter aplicadas todas as ferramentas de sincron ismo;
* Aplicar a ferramenta para travar a polia do comando de válvulas e soltar
o parafuso de fixação,liberando o movimento da mesma (fig. 08);
* Aplicar a correia dentada no sentido anti-horário a partir da polia do
virabrequ im; Posição de tensionamento
c) durante o tensionamento: mínimo
* Atuar no rolamento tensor da correia dentada levando a referência móvel
até a tensão máxima,ou seja, acima da tensão correta de tra balho. (figs.
09 e 10);
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm;
* Travar novamente a pol ia do comando de válvulas e toquear o parafuso
de fixação da mesma com 120 Nm, utilizar a ferramenta específia (fig.
08);
* Remover as ferramentas de posicionamento dos pistões e as de
travamento dos comandos de válvulas (figs. 03 e 05);
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final
no mesmo ponto de partida;
* Soltar a porca de travamento do rolamento tensor e deslocar a referência
móvel retornando-a até a marcação correta de tensionamento (fig.
10); fig. 10
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm;
* Girar novamente o virabrequim por duas voltas no sentido horário,
Pos i ç ão co rreta de
parando ao final no mesmo ponto de partida; tensionamento
* Aplicar novamente as ferramentas de posicionamento dos pistões e de
travamento dos comandos de válvulas e "conferir" o sincronismo.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba d'água
VB = Virabrequim

47

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 1.616V #Correia 158SHPN254H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Palio Período de troca: a cada 60.000 Km


1.6 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Palio
Ferramenta para posicionamento do PMS.
Weekend
1.6 16V

Siena
1.6 16V

Strada
1.6 16V

Brava fig. 02 fig. 03


1.6 16V
Ferram. para sincronismo dos comandos de válvulas.
Doblo
1.6 16V
... --- ...

f ig. 04 fig. 05

Ferramenta para tensionamento da correia dentada.

fig. 06 fig. 07

Torques de aperto (em Nm):


Porca de travamento do rolamento tensor 25 ,0
Paraf. da polia do comando de válvulas 120,0
Porca da polia do virabrequim 190,0
Det a lh e Par a Posic i o n am e n t o d a
Ferramenta.
Tempos de reparo (em horas):
Todos (sem ar condicionado) 1,85
Todos (com ar condicionado) 2,10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
48 * Nunca reaproveitar uma correia removida.

cicl ~
k/.C-255, n0270. Certro Errpe:oioi.SotbQ. sdo 719
NoYoSúc;o. 742al-01 0.~k:J - Goiál: Impresso original em PAPEL RECICLADO
62 - 3942-3939 -'VEt'ICbS@'Ie~o.corn .tx
ENGENHARIA WNW.ciCloef09r'II"Otb.ccrn.bt
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F IAT
Motor 1.616V #Correia 158SHPN254H

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cil indro em ponto morto superior e adotar o Palio
segu intes procedimentos: 1.6 16V
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS deverá ser
realizado com a uti lização de um relógio comparador j untamente com suporte Palio
específico a ser rosqueado no lugar da vela de ignição (figs. 02 e 03); Weekend
NOTAS:
1.6 16V
~ Nessa condição, no momento exato em que o pistão do cil. 1 atingir o PMS, o
~ ponteiro do relógio comparador inverterá o seu sentido de deslocamento;
~ O PMS do 1° cilindro também pode ser confi rmado através do sincronismo Siena
Referência de PMS no Vo lante
~ da marca existente na polia de acessórios com a marca proteção inferior do Motor. 1.6 16V
"" da correia (fig. 10), bem como, através do alinhamento da marca existente
·~
~~~ no volante do mot or à referência na carcaça do câmbio (fig. 11 ); Strada
: b) no comando de válvulas: O posicionamento dos comandos é feito med iante 1.6 16V
-~ a aplicação das ferramentas específicas para o si ncron ismo dos mesmos,
!_ para isso, remover a bobina de ignição e as tampas existentes na parte
posterior do cabeçote, e aplicar as ferramentas (figs. 04, 05 e 08);
Brava
i NOTA: As ferramentas se diferem, possuem uma sede de referência que deve,
1.6 16V
i quando aplicada, corresponder ao bujão existente no cabeçote (fig. 09).
Doblà
" 1.6 16V
~ Extração, reposição e tensionamento da correia:
~
~ a) durante a extração:
t * Remover as proteções, periféri cos, pol ia de acessórios etc;
NOTA: Para solta r a porca de travamento da polia do virabrequim ,
bloquear o volant e do motor;
* Soltar a porca de travament o do rolamento tensor, aliviando a correia;
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos du ros"
~ no rolamento tensor (RT) e rolamento auxi liar (RA).
I b) durante a reposição:
~ * Manter aplicadas todas as ferramentas de sincronismo;
-~ * Aplicar a ferramenta pa ra travar as polias dos comandos de válvulas e
!>. soltar os parafusos de fixação, liberando o movimento das mesmas no
~ f uro oblongo (fig. 14);
!õ~ * Aplicar a correia dentada no sent ido anti-horário a partir da polia do
~ virabrequ im .
s; c) durante o tensionamento:
2 * Remover o pa rafuso existente "logo acima" do rolamento tensor, e em
~ seu lugar instala r a ferramenta específica para tensionamento da correia
dentada (figs. 06 e 07);
* At uar na ferramenta com uma chave fresada movimentando o rolamento
o rolamento tensor da correia dentada levando-o até a posição de máximo
tensionamento (fig.1 2);
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm;
* Aplicar a ferramenta pa ra travar as polias dos comandos e torquear os
seus paraf usos de f ixação com 120 Nm (fig. 14);
* Remover as ferramentas de sincronismo dos comandos de válvulas e
de posicionamento do PMS;
* Girar o motor por duas voltas no sent ido horário;
* Uti liza r novamente a ferramenta para tensionamento da correia e agir
sobre o rolamento tensor levando o seu íd ice a posição de tensionamento Legendas:
norma l de trabalho (fig. 13); CV = Comandos de Válvulas
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm; CA = Comando de Admissão
* Posiconar o sensor de rotação alinhado à sua referência na roda tônica CE = Comando de Escape
e a uma distância da mesma de 0,5 a 1,5m m ; RA = Rolamento Auxiliar
* Aplicar novamente as ferramentas de sincronismo dos comandos de RT = Rolamento Tensor
válvulas e posicionamento do PMS e conferir o sincronismo; PO = Bomba de Óleo 49
* Torquear a porca da polia do virabrequ im com 190 Nm . VB = Virabrequim

Impresso original em PAPEL RECICLADO C I•cI ~


ENGENHARIA
Av. C-255,rt>270. centloEmpfosa015ebOO, sob
No\() M:Wa.
62 ·
74260..010. Goiállo . GoC)s
3~2-3939 · ~@cC~bo::mb
""-W.clc""""""""·oom.o.
n9
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motorl.B BV #Correia 111SP110H

Inspeção: a cada 20.000 Km.

Palio Período de troca: a cada 60 .000 Km


1.8 8V
Ferramenta/ específico necessário:
Strada
Ferramenta para tensionamento da correia dentada.
1.8 8V
* Obs: N° GM S-9406184 (N° RAVEN R-211).
Stilo
1.8 8V

Doblô

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos de travamento da bomba d ' água 8,0
Parafuso da polia do vi rabrequim 95,0 Nm + 30° + 15°

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 0,9

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabreq uim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Marcar o sentido de rota ão da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili nd ro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilind ro em PMS será
confirmado através do al inhamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na aba da carcaça da bom ba de óleo (fig. 04);
b) no comando: O sincronismo do comando é feito alinha ndo-se a marca
existente na polia do mesmo com a marca existente na proteção posterior
da correia dentada (fig. 05);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Utilizar pino travar o conjunto tensor da correia de acessórios e removê-la;
* Remover a cobertura do volante do motor;
* Trava r o volante do motor utilizando a ferramenta específica (N° GM
S-9407182) (fig. 06);
* Soltar o pa rafuso da polia do virabrequ im e removê-la ;
NOTA: Aplica r novamente o parafuso da polia, apenas para evitar o
deslocamento da engrenagem durante a troca da correia;
50 * Forçar o rol amento tensor para cima, até que o furo do suporte do mesmo

C •I cI ~ k/. C -255.nt'270.GertroE!T'P"enio!Set:bo.sdo719
tblo&Jço. 7.428)..010, Goónb · GCí6s
62 · 3942..3939 - ~k::toangontD'ICl.CaTI .bt
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA w.wc.,._ocom"'
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F IAT

Motor 1.8 8V # Correia 111SP170H

se alinhe com o furo da base (fig. 08);


* Inserir um pino adequado, nos fu ros, aliviando assim , a tensão da correia
dentada (fig. 07); Palio
* Extrair correia dent ada; 1.8 8V
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos du ros"
no rolamento tensor (RT). Strada
b) durante a reposição: 1.8 8V
* Assegu rar-se do correto posicionamento da polia do virabrequim e polia f ig. 06 Stilo
do comando de válvulas (figs. 04 e 05) ;
Detalhe da ferramenta para travar 1,8 8V
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido o volante do motor.
anti-horá rio;
NOTA: Mant er a correia esticada do lado oposto ao da bomba Doblõ
d ' água. 1.8 8V
c) durante o tensionamento:
* Forçar o rolamento tensor para cima e remover o pino de retenção,
liberando o mesmo, tensionando automaticamente a correia dentada
(fig. 07);
* Remover a ferramenta de travamento do volante do motor;
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horá ri o, parando ao fina l,
no mesmo ponto de partida;
* Conferir se a correia está corretamente tensionada , ou seja , o ponteiro
do rolamento tensor deve estar no centro da referência "V" da base (fig.
08);
NOTA: Caso a correia não esteja tensionada corretamente, executar o
ajuste da mesma:
* Soltar os parafusos de fixação da bom ba d ' água ;
* Apl icar a ferramenta específica , e girar a bomba d ' água no sentido
horário até que o ponteiro do rolamento tensor atinja o va lor de tensão
máxima, ou seja, à direita da marcação "V" (figs. 03 e 08);
* Fixar temporariamente os parafusos da bomba d ' água;
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, pa rando ao fina l,
no mesmo ponto de partida ;
* Soltar novamente os parafusos de fixação da bomba d ' água e atuar
com a ferramenta específica, girando-a no sentido anti-horário, fazendo
retornar o ponteiro do rolamento tensor até a marcação de correto
tensionamento, ou seja, alinhado ao centro da referência "V" da base
(figs. 03 e 08);
* Torquear os parafusos de fixação da bomba d ' água com 8 Nm ;
* Torquear o pa rafuso da polia do virabrequim com 95 Nm + 30° + Furos

15°.
Posoção
de correto
l ensionamento.
Legendas: Posição de máximo tensionamento.
CV = Comando de admissão
RT =
Rolamento Ten sor
PB = Bomba D ' água
VB = Virabrequim

51

Impresso original em PAPEL RECICLAOO C •IcI~ Av. C-255. rP270. cermo Errlofesao Sebbo. IOb 719
No\0 !iJi:;o. 74280.01 Q. Gdlnla - Goós
62 . 3942-3939 - \191'1de:5@ctberlgErl"ab.ocm.b'
ENGENHARIA ~.e~c-a.com~>
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 1.816V #correia 162STPBM200H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Stilo Período de troca: a cada 6 0 .000 Km


1.8 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Ferramenta para posicionamento das polias dos comandos de válvulas.
* Obs: N° RAVEN 151/A.

::) o
O O'
fig. 02 fig. 03
) f""'-----=-
0------"'-1 c
Torques de aperto (em Nm):
Parafuso de travamento do rolamento tensor 20,0
Parafusos da polia do virabrequim 20,0

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 1,30

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o vira brequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Marcar o sentido de rotação da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e c hecar


os segu intes pontos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cil indro em PMS
será conf irmado através do alinhamento da marca existente na polia
do mesmo à marca na carcaça da bom ba de óleo (fig. 04);
NOTA:
Verificar também se a bomba d' água está na posição correta (fig. 07).
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito ali nhando-se
as marcas existentes nas polias (uma referencia a out ra) (figs. 01 e
05);

fig. 05

52

C •I cI~ Av. C·254 rP270. cemo EmpoQSOikJI Set:bo. sdo 719


NoKJ SlJQO. 742f0.010, Goi6rW:J · Goi6s
62 -3942·3939-v~~com.bf
Impresso o riginal em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-o.ccm"'
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F IAT

Motor 1.816V # Correia 162STPBM200H

Extração, reposição e tensionamento da correia:


Stilo
a) durante a extração: 1.8 16V
* Travar as polias dos comandos de válvulas util izando a ferramenta
específica (fig. 02 e 03 );
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e girá-lo com o auxílio
de uma chave allen 6mm no sentido horário até o seu ponteiro ficar
posicionado à esquerda da referência em "V" (figs. 06 e 08) aliviando
assim, a tensão da correia dentada;
* Extrair correia dentada;
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolamentos auxi liares (RA).
b) durante a reposição:
* Manter aplicada a ferramenta de travamento das polias dos comandos
(fig. 03);
* Assegurar-se do correto posicionamento da bomba d ' água e da polia
do virabrequim (figs. 06 e 04);
* Aplicar a correia dentada a pa rtir da pol ia do virabrequim e no sent ido
ant i-horário;
NOTA: Manter a correia esticada entre as polias.
c) durante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de travamento das polias;
* Atuar no rolamento tensor no sent ido anti-horário e tensionar a correia
na posição de máximo tensionamento (fig. 06 e 08);
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final ,
no mesmo ponto de partida;
* Assegurar-se de que as referências nas polias dos comandos e polia do
virabrequim estejam na posição correta (figs. 04 e 05) ;
* Novamente atuar no rolamento tensor no sentido horário, retornando o
seu ponteiro para a posição de correto tensionamento:
Posição "A" (fig. 08) para
correias novas; fig. 08
Posição " 8" (fig. 08) para
correias usadas;
NOTA: A correia dentada deve
permanecer esticada durante
Det a l h e d a referêcla p ara
este procedimento de ajuste; pos i c io n amen t o da bomba
* Torquear o ro lamento tensor d ' água .

com 20 Nm;
* Montar a polia do virabrequim
e torquear seus parafusos com
20Nm.

Legendas:
CA = Comando de admissão
=
CE Comando de escape
RA =Rolamento de Apoio
RT = Rolamento Tensor
PB =
Bomba d ' água 53
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI ~


ENGENHARIA
AV.C255, no270, C8ntDEfll)f9SCI'k:l5ebba.sab719
Ncr.u&.i;:o. 7<!28().()10.Gol<:nio· Golós
62 . 39.'2-3939. ~iebei'Q9nhO''o.a:m.b
_....ac""""""""a.can.tx
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 1.816V #correia 168SHPN240H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Brava HGT
Período de troca: a cada 60.000 Km
1.8 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Marea
Ferramenta para posicionamento do PMS.
1.8 16V
* Obs: n° FIAT 60353025 (n° RAVEN R-3 58).
Marea
Weekend
1.8 16V

Ferram. p/ posicionamento dos comandos de válvulas.


* Obs: n° FIAT 60353083-A para o comando de admissão e ferramenta
n° 60353083-S para o comando de escape (n° RAVEN R-373) .

fig. 0 1

fig. 04 fig. 05

Ferramenta para tensionamento da correia dentada.


* Obs: n° FIAT 66353066 (n° RAVEN R-37 4).

Deta l he d a r efer êc ia para


posicionamento do PMS indicando
''6 h''.

fig. 06 fig. 07

Torques de aperto (em Nm):


Porca de travamento do rolamento tensor 25,0
Paraf. da polia do comando de válvulas escape 120,0
Paraf. da polia do comando de válvulas admissão 7,0
Parafusos da polia de acessórios 32 ,0
Parafusos dos mancais dos comandos de válvulas 15,0
Referência de PMS no Volante
do Motor.
Tempos de reparo (em horas):
Todos sem ar condicionado 1,75
Todos com ar condicionado 1,95

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequ im ou comando de válvulas com a correia dentada removida ;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
54 * Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Nunca reaproveitar uma correia removida.

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orhe om.br
Impresso o riginal em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.comb>
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F IAT

Motor 1.816V # Correia 168SHPN240H

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° ci lindro em ponto morto superior e checar os seguintes pontos:
Brava HGT
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS deverá ser realizado com a utilização de um 1.8 16V
relógio comparador juntamente com suporte específico a ser rosqueado no lugar da vela de ignição (figs. 02 e 03);
NOTAS:
Marea
Nessa condição, no momento exato em que o pistão do cil. 1 atingi r o PMS , o ponteiro do relógio
1.8 16V
comparador inverterá o seu sent ido de deslocamento;
O PMS do 1° ci lindro também pode ser conf irmado através do sincronismo da marca existente na polia Marea
de acessórios com a marca proteção inferior da correia, at ravés do posicionamento da referência (furo) Weekend
na polia do virabreq uim em "6h" (fig. 08), bem como, at ravés do alinhamento da marca existent e no 1.8 16V
volante do motor à referência na carcaça do câmbio (fig. 09);
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito mediant e a aplicação das ferramentas especiais para
posicionamento dos mesmos, para isto:
* Remover a tampa de válvulas expondo os comandos de vá lvu las (fig. 05);
* Remover a capa do mancai do comando de válvulas de escape correspondente ao 3° cil indro e aplicar a
ferramenta com a marcação "S" (f igs. 04 e 05);
* Remover a capa do mancai do comando de válvulas de admissão correspondente ao 2° cilindro e aplicar
a ferramenta com a marcação "A" (figs. 04 e 05).

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rant e a ext ração:


* Soltar a porca de t ravamento do rolamento tensor e ext rair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamentos tensor (RT) e auxiliar
(RA).
b) durante a reposição:
* Manter aplicadas as ferramentas de sincron ismo;
* Aplicar a ferramenta para travar as polias dos comandos de válvulas e soltar os parafusos de fixação, liberando
o movimento das mesmas (fig. 10) ;
* Aplica r a correia dentada a parti r da polia do virabrequ im e no sent ido anti-horá rio;
NOTA: A correia possui setas que indicam o seu sentido de t rabalho.
c) du rant e o tensionamento:
* Atua r com a ferra menta específica para tensionamento apoiada no suporte do rolamento tensor da correia
dentada levando a referência móvel até a tensão máxima,ou sej a, acima da tensão correta de t rabalho.
(figs. 06 e 07);
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm;
* Travar novamente as polias dos comandos de válvulas e toquear os
paraf usos de f ixação das mesmas:
- Parafuso da polia do comando de escape com 120,0 Nm ;
- Parafusos da polia do comando de admissão com 7 ,O Nm;
* Remover as ferramentas de sincronismo dos comandos de válvulas;
* Gi rar o virabrequim por duas voltas no sent ido horário, parando ao final, fig. l l
no mesmo ponto de partida;
* Apl icar novamente a ferramenta para tensionamento da correia e soltar a Ponteiro do tensor posicionado na
tensão correta de trabalho.
porca de fixação do tensor, perm itindo o retorno do ponteiro lentamente
até a posição correta de tensionamento (fig. 11);
Legendas:
NOTA: Caso o ponteiro ultrapasse a marca da tensão correta de trabalho, CV = Comando de Válvulas
repetir todo o processo de tensionamento; CA = Comando de admissão
* Torquear a porca de fixação do tensor com 25 Nm; CE = Comando de escape
* Aplicar novamente as ferament as de sincronismo dos comandos de RT = Rolamento Tensor
válvu las e "conferir" o sincronismo; RA = Rolamento Auxiliar
* Montar a polia de acessórios e torquear seus parafusos com 32 Nm. PB = Bomba D' água 55
VB = Virabrequim

Impresso original em PAPEL RECICLADO


C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719
Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA ..w..aobongaOha>b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 2.0 BV # Correia 1425180

Períodos de Substituição:
A FIAT RECOM ENDA:
Tempra
Correia Dentada:
2.0 8V Verificação a cada 20.000 km e substit uição a cada 40.000 Km.

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 2,40

Precauções especiais:
* Ferramenta para tensionamento da correia dentada:
FIAT N° 1860745100/ 200.

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gira r o virabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Não reuti lizar uma correia removida.

Durante a Remoção:

* Remover o suporte do motor;


* Remover:
As correias auxiliares;
O suporte - 5;
A proteção da correia dentada - 1;
* Girar o motor no sentido horário até o PMS do 1° cilindro;
* Remover:
Os parafusos da polia do virabrequim/ roda tônica - 11;
A roda tônica e polia do virabrequim - 3 ;
* Checar se as marcas de sincronismo na parte posterior das polias dos comandos de válvulas se encontram
alinhadas à janela na proteção interna da correia dentada - 2 ;
* Remover a polia da bomba d'água - 4 ;
* Assegu rar-se de que as marcas de sincronismo do virabrequim estejam alinhadas - 12;
* Afrouxar a porca do rolamento tensor da correia dentada - 10;
* Remover a correia dentada;

Reposição e Tensionamento:

* Assegu rar-se de que as marcas de si ncronismo estejam alin hadas- 2 e 12 ;


* Instalar a correia dentada. Assegurar-se de que esteja esticada entre as engrenagens;
* Insta lar a ferramenta de tensionamento nos furos do tensor da correia dentada. Ferramenta FIAT N°
1860745100/200- 13 ;
* Posicionar o peso fixo na barra graduada na marca de 140 mm - 15;
* Girar o virabrequim duas voltas no sentido horário parando ao final no PMS do 1° cilindro. Assegurar-se de
que as marcas de sincronismo estejam alinhadas- 2 e 12;
NOTA: Se a barra graduada, movimentar-se e sair da posição horizontal, reposicioná-la e repetir o procedimento
de tensionamento:

* Instalar a polia do virabreq uim e roda tônica. Torquear seus parafu sos com 25,0 Nm;
NOTA: Com o motor em PMS o sensor de rotação terá o seu centro ali nhado ao início do 20° dente da roda
56 tônica (60-2 dentes)- 3 .
----- * Instalar os demais componentes na ordem inversa da desmontagem .

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 7 19


NcNo St1ço. 7428)-010, G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.comb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FIAT

Motor 2.0 8V #Correia 1425180

Tempra
2.0 8V

- ·"'
_,.-· -·- ., ~
/@
/ o ·,\ .
-~. eE)o
o
':
\ .I

\

.I
' .I

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE = Comando de escape
RT = Rolamento Tensor 57
VB = Virabrequim (25 Nm)

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719


Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA ..w..a:bonQOO""'b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 2.0 16V #Correia 173SHPN180H

Inspeção: a cada 20.000 Km.

Tempra Período de troca: a cada 40.000 Km


2.0 16V
Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):
Porca de travamento do rolamento tensor 45 ,0
Parafusos da Roda Fônica 20,0
Parafuso da Engrenagem do virabraquim 190,0

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 2,10

Precauções especiais: Furo Que ldendifica a


Fl:llia de Admissão.
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia
dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de vávulas;
* Não reutilizar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e


checar os seguintes pontos:
fig. 01
a) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito al inhando-
se as macas na face externa das polias às referências na tampa
de válvulas (fig. Oll;
b) no vi rabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro
em PMS deverá ser confirmado através do alinhamento da
marca na existente engrenagem do virabrequim à marca na
carcaça da bomba de óleo (fig. 01);

NOTAS:
* Motores com ignição dinâmica:
- Deverá ser feito também o posicionamento do rotor
alinhado à referência na carcaça do dist ribuidor (fig.
fig. 02
03);
- Nessa condição, o sensor de rotação terá o seu cent ro Detal hedo Sensor de Rotação
(Ignição Dinâmica)
alinhado ao dente da roda tônica (4 dentes a 90°, fig.
02).
* Motores com ignição estática:
- O sensor de rotação terá o seu centro alinhado ao início
do 20° dente da roda tônica (60-2 dent es, fig. 04).

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Soltar a porca de fixação do rolamento tensor, aliviando a
tensão da correia;
* Extra ir correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de fig. 03
"pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamento
auxiliar; Detalhedo do Rotor Alinhado à
58 Marca no Distribuidor (Ignição
Dinâmica)

C •I cI ~ J<.J. C·2SS.n021Q,CerftoEmpQSOIIQISett>a,.scio 719


Nc;JI,oo SUço. 742t:l)-010, Goiôrio -Goiás
62. 3942-3939. vEII'KhS@c~com.bf
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .-.c~a.can.t:>o
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F I AT

Motor 2.0 l&V #Correia 173SHPN1BOH

NOTA:
- Caso o veículo não possua rolamento auxil iar (modelos anteriores a
1997), efetuar a instalação do mesmo, esse proced imento aumentará Tempra
a vida útil da nova correia , pois, reduz a concentração de tensões. 2.0 16V
b) durante a reposição:
* Assegurar-se de que todas as referências se encontram alinhadas;
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido
~
anti-horário. fig. 04
~,; c) durante o tensionamento : Detal hedo Sensor de Rotação
"5 * Aplicar a ferramenta específica nos f uros existentes no rolamento tensor, Alinhado ao Início do 20° Dente
1
l
posicionando sua barra graduada na horizontal, com o contrapeso móvel (Ignição Eslática).

-õ na marca de 100 mm (fig. 05 );

~
~
* Girar o motor por duas voltas no sent ido horário, para ndo ao fi nal no
PMS do 1° cilindro;
-~
NOTA:
I
"~
- Durante esse proced imento a barra graduada deverá permanecer na
horizontal, caso saia dessa posição, repet ir o tensionamento;
i * Assegurar-se de que todas as referências se encontram alinhadas;
'"~ * Torquear o parafuso de fixação do tensor com 45 ,0 Nm;
~ * Montar os demais com ponentes na ordem inversa da remoção.
~
e

-~ Legendas:
~ CA = Comando de admissão
t CE = Comando de escape fig. 05
1 RA = Rolamento Auxiliar
Ê RT = Rolamento Tensor
2 VB = Virabrequim Contrapeso a 100 mm na Barra
Graduada
t
~

~
-~
~
!<
!
t~
~
~
;;
2
~
:;

..
~

~
..
~

u
8.
~
~

59

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
FIAT

Motor 2.0 8V #Correia 1425180 1Motor 2.0 16V # Correia 173SHPN1BOH

Períodos de Substituição:
A FIAT RECOMENDA:
Tipo
Correia dos Eixos de Balanceamento Dinâmico (Correia 097SHDD150Hl:
2 .0 8V Verificação e substituição se necessário a cada 30.000 Km ou 2 anos e substituir a cada 100.000 Km.
Correia Dentada:
Tipo Verificação e Substituição se necessário a cada 20.000 km ou 4 anos e substituir a cada 40.000 Km .
2.0 16V
Tempos de Reparo (em horas):
Tempra SW
ITipo/~W 2.40
2 .0 8V Coupe 3,15

Coupé Ferramentas Especiais:


2.0 16V * Ferramenta para tensionamento da correia dentada:
FIAT N° 1860745100/ 200;
* Ferramenta para tensionamento da correia dos eixos de balanceamento dinâmico:
FIAT N° 1860745100/ 400.

Precauções Especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria ;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas.

Durante a Remoção:

* Remover o suporte do motor;


* Remover:
- As correias auxiliares;
- O suporte - 5 ;
- A proteção da correia dentada - 1 ;
* Girar o motor no sentido horário até o PMS do 1° cil indro;
* Remover:
- Os parafusos da polia do virabrequim - ll ;
- A polia do virabrequim - 3 ;
* Assegurar-se de que as ma rcas de sincronismo dos eixos de balancea mento dinâmico estejam alinhadas- 6
e 7;
* Checar se as marcas de sincronismo na parte posterior das polias dos comandos de válvulas se encontram
alinhadas à janela na proteção interna da correia dentada- 2 ;
* Remover a polia da bomba d'água - 4 ;
* Afrouxar a f ixação do tensor da correia dos eixos de ba lanceamento dinâm ico -9 ;
NOTA:
Caso a correia dos e1xos de balanceamento for reuti lizada, marca r a posição da corre1a nas engrenagens
antes da remoção - 6, 7 e 8 ;
* Remover a correia dos eixos de balanceamento dinâm ico;
* Remover a engrenagem do virabrequim - 8 ;
NOTA: O parafuso da engrenagem do virabrequim tem rosca esquerda;
* Assegurar-se de que as marcas de si ncronismo do virabrequ im estejam alinhadas - 12;
* Afrouxar a porca do rolamento tensor da correia dentada - lO;
* Remover a correia dentada;

60

C •I cI ~ Av.C-2S.S.n0270.Certro~ookllsetbo.sda719
Noio&Sço. 74283-010. Goónb · Goiás
62 ·3942-.3939 -~~io.comJ:x
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA WNW.c~b.comtx
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FIAT

Motor 2.0 BV #Correia 142S180 I Motor 2.0 16V #Correia 173SHPN180H

Tipo
2.0 8V

Tipo
2.0 16V

Tempra SW
2.0 8V

Coupé
2.0 16V

61
(25 Nm)

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ ~. C255,no:270. CooboEfl"lPI9SCJ"bl5ebt:O.sob719


No\OSulço. 74280{II O.Goiô1io - ~l
62 • 39.t2-.3939 • wndas@lcicbei"QEEMM'o.c:cm.D
ENGENHARIA ....... dc"""""""""·can-"'
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 2.0 8V #Correia 142S180 I Motor 2.0 l&V # Correia 113SHPN180H

Reposição e Tensionamento:

Tipo * Assegurar-se de que as marcas de sincronismo estejam al inhadas - 2 e 12 ;


2 .0 8V * Instalar a correia dentada. Assegurar-se de que esteja esticada entre as engrenagens;
* Instalar a ferra menta de tensionamento nos fu ros do tensor da correia dentada. Ferramenta FIAT N°
Tipo 1860745100/200 - 13;
2.0 16V * Posicionar o peso fixo na barra graduada na marca de 140 mm - 15;
NOTA: Para motores 16V, posicionar o peso na marca de 100 mm da barra graduada;
Tempra SW * Girar o virabrequim duas voltas no sent ido horário parando ao final no PMS do 1° cilindro. Assegurar-se de
2 .08V que as marcas de si ncronismo estejam alinhadas- 2 e 12;
NOTA: Se a barra graduada , movimentar-se e sai r da posição horizontal, reposicioná-la e repetir o procedimento
Coupé de t ensionamento;
2.0 16V * Torquear a porca do rolamento tensor da correia dentada com 44,0 Nm - lO;
* Assegurar-se de que as marcas de sincronismo estejam alinhadas - 2 e 12;
* Instalar a engrenagem do virabrequim 8 . Torquear seu parafuso com 190,0 Nm;
* Assegurar-se de que com a referência na engrenagem do virabrequ im alinhada em PMS, as marcas de
sincronismo dos eixos de balanceamento dinâmico estejam alinhadas - 12 , 6 e 7 ;
* Instalar a correia dos eixos de balanceamento d inâmico;
* Aplicar a ferramenta de t ensionamento no tensor da correia dos eixos de balanceamento - 9 (com o peso
removido). Ferramenta FIAT N° 1860745100/ 400 - 14;
* Posicionar o peso na escala graduada na marca de 205 mm ;
* Girar o virabrequim duas voltas no sent ido horário parando ao final no PMS do 1° cilindro. Assegurar-se de
que as marcas de si ncronismo estejam alinhadas - 2 e 12;
NOTA: Se a barra graduada , movimentar-se e sair da posição horizontal, reposicioná-la e repetir o procedimento
de t ensionamento;
* Posicionar o distribu idor de ignição, alinhando a marca existente na carcaça do mesmo ao rotor;
* Torquear a porca de fixação do tensor da correia dos eixos de balanceamento dinâmico com 23,0 Nm - 9 ;
* Instalar os componentes na ordem inversa da desmontagem.

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE =Comando de escape
EB = Eixo de Balanceamento
RT = Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

62

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
F I AT

Motor 2.0 20V e 2.0 20V Turbo# Correia 167SHPN240H /2.4 20V #Correia 168SHPN240H

Inspeção: a cada 20.000 Km.

Marea Período de troca: a cada 6 0 .000 Km


2.0/2.4 20V
Ferramenta/ específico necessário:
Marea
Ferramentas para posicionamento dos comandos de válvulas.
Weekend
ATENÇÃO: Estas ferramentas tem diferentes aplicações:
2.0/2.4 20V * Motores 2.0 20V até chassis n° 7012218 e até motor n° 1231970 o n° das
ferramentas é: 1860892000;
Marea * Motores 2 .0 20V chassis a partir do n° 70 12219 e motor a partir do n°
2.0 20V 123 1971 o n° das ferramentas é: 60353060;
Turbo * Motores 2.4 20V usar ferramenta n° 186089200-A para o comando de
admissão e ferramenta n° 60353055·S para o comando de escape;
Marea * Motores 2.0 20V turbo usar ferramentas n° 60353055-A para o comando
Weekend de admissão e ferramenta n° 60353055-S para o comando de escape.
2.0 20V
Turbo

Stilo
2.4 20V
fig. 01

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm):


Porca de travamento do rolamento tensor 50,0
Paraf. da polia do comando de válvulas escape 118,0
Paraf. da pol ia do comando de válvulas admissão 7,0
Parafusos da polia de acessórios 25,0
Parafusos dos mancais dos comandos de válv. 15,0

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 10,00

Precauções especiais: Detalhe d a refe rêc la pa ra


* Desconectar o cabo massa da bateria; posicionamento do PMS.
* Não gira r o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Nunca reaproveitar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequ im: Alinhamento da marca existente na polia do virabrequim
com a marca na tampa dianteira da bomba de óleo (fig. 04);
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito mediante a aplicação
das ferramentas especiais para posicionamento dos mesmos, para isto:
64 * Remover a tampa de vá lvu las expondo os comandos de válvulas (fig.
03);

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 7 19


NcNo St1ço. 7428)-010, G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.combo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FIAT

Motor 2.0 20V e 2.0 20V Turbo# Correia 167SHPN240H /2.4 20V #Correia 168SHPN240H

* Remover a capa do mancai do coma ndo de escape alinhada com o 2°


cilindro do motor e aplicar a ferramenta com a marcação "S" (fig. 02);
Marea
* Remover a capa do mancai do comando de admissão alinhada com o
3° cilindro do motor e aplicar a ferramenta com marcação "A" (fig. 02); 2.0/ 2.4 20V
NOTA:
Marea
- Efetuar o aperto dos parafusos de fixação das ferramentas apenas
Weekend
com as mãos, devido a "a ltura" das mesmas, evitando assim, que se
danifique as roscas dos mancais no cabeçote. 2.0/ 2.4 20V

Extração, reposição e tensionamento da correia: Atu ar com a chave de


Marea
fendas neste rasgo para 2.0 20V
deslocar o tensor.
a) du rant e a extração: Turbo
* Soltar a porca de travamento do rolamento t ensor e extrair correia Pon t ei r o do t ensor
posicionado em máximo Marea
dentada; tensionamento.
Weekend
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de " pontos duros"
no rolamentos t ensor (RT) e auxiliar (RA). 2.0 20V
b) durant e a reposição: Turbo
* Manter aplicadas as ferramentas de sincron ismo;
* Aplicar a ferramenta para travar as polias dos comandos de vá lvulas e soltar Stilo
os parafusos de fixação,liberando o movimento das mesmas (fig. 05); 2.4 20V
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim respeitando
a segu inte ordem:
- Rolamento de apoio (RA);
- Polia do comando de escape (CE);
- Polia do coma ndo de admissão (CAl; Ponteiro do tensor posicionado na
- Rolamento tensor (RT); tensão correta de trabalho.
- Polia da bomba d'água (PB);
NOTA: A correia possu i setas que indicam o seu sent ido de t rabalho.
c) durante o tensionamento:
*Atuar com uma chave de fendas apoiada no rasgo do rolamento tensor da correia dentada levando a referência
móvel até a tensão máxima,ou seja, acima da tensão correta de t rabalho. (figs. 06);
* Torquea r a porca de fixação do tensor com 50 Nm;
* Travar novamente as polias dos comandos de válvulas e toq uea r os parafusos de f ixação das mesmas:
- Parafuso da polia do comando de escape com 118,0 Nm ;
- Parafusos da pol ia do comando de admissão com 7 ,O Nm;
* Remover as ferramentas de sincronismo dos comandos de válvulas;
* Gi rar o vira brequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final, no mesm o ponto de partida;
* Aplica r novamente a chave de fendas no rasgo do rolamento tensor e soltar a porca de fixação do mesmo,
permitindo o retorno do ponteiro lentamente até a posição correta de tensionamento (fig. 07);
NOTA: caso o ponteiro ultrapasse a marca da tensão correta de t rabalho, repet ir todo o processo de
tensionamento;
* Torquea r a porca de fixação do tensor com 50 Nm;
* Aplica r novamente as feramentas de sincron ismo dos comando de válvulas e "conferir" o sincronismo;
* Montar a pol ia de acessórios e torquear seus parafusos com 25 Nm .

Legendas:
CA = Comando de Válvulas de admissão
CE = Comando de Válvulas de escape
CV = Comando de Vá lvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento de apoio
PB = Bomba d'água
VB =
Virabrequim
65

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719


Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA - -.a:bonQOO""b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
F I AT

2.50 #Correia 152SHOS300 /2.80 #Correia 153SHOS300H/2.8ID #Correia 154SHOS300H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Ducato Ferramenta/ específico necessário:


2.5 D
Ferramenta Para Travamento da Polia da Bomba Injetora.
2.8 D
2.8 TD

fig. 02 fig. 03

Ferramenta Para retenção do Dispositivo de Tensionamento da Correia.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Parafusos da polia do virabrequ iim (volante amortecedor) 200,0
Porca de t ravamento do tensor da correia dentada 40,0
Porca de f ixação do suporte do tensor 25,0
Parafusos da tampa dianteira do virabrequim 40,0

Tempos de reparo (em horas):


Ou cato 1,80
Master 1,80
Jumper 1,80
Boxer 1,80

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Não gira r o virabrequim ou comando de vá lvu las com a correia dentada
removida;
* Evitar provocar dobras e ângulos vivos na correia dentada;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Checar a bomba injetora após a troca da correia.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da ma rca existente na flange interna
66 da pol ia do comando de válvulas alinhada à ma rca na tampa de válvulas
---- (figs. 0 1 e 06);

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 • Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canbo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
F IAT

2.50 # Correia 152SHOS300 /2.80 # Correia 153SHOS300H/2.8ID #Correia 154SHOS300H

b) na bomba injetora : Alinhar o furo de referência da polia de comando da


bomba injetora com o furo da flange dianteira dos órgãos auxiliares, inserindo
o pino de retenção da polia (figs 02 e 03); Ducato
NOTA: Para veícu los que possuí rem i njeção eletrôn ica de d iesel , 2.5 D
desconsiderar todas as referências feitas sobre o sincron ismo da polia de 2.8 D
acionamento da bomba injetora, que nesse caso, é dispensado.
2.8 TD
c) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor de
vibrações/polia do virabrequ im à marca na tampa dianteira do virabrequim
(fig. 07, 08 e 09), nessa condição inserir também um pino de 8mm de
Detalhe FIAT Ducato
diâmetro no furo existente na carcaça do câmbio travando assim , o volante
do motor (fig. 10);

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e a porca do suporte
do mesmo;
* Atuar no dispositivo de tensionamento da correia , aplicando a ferramenta
de ret enção do mesmo, al iviando assim, a correia, (figs. 04 e 05);
* Ext rair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolamento auxiliar (RA).
b) du rante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo ; Detalhe Renault Master

* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequ im;


NOTA: Evitar que se provoquem dobras ou âgulos vivos na correia durante
a aplicação.
c) du rante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de retenção do dispositivo de tensionamento da
correia de modo que a ponta do mesmo atue no conjunto est icador;
* Remover a ferramenta de travamento da pol ia de acionamento da bomba
injetora e o pino de travamento do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário, alinhando ao final da
última volta, as referências de sincronismo ;
* Torquear com 25 Nm a porca de fixação do suporte do tensor e com
45 Nm a porca de travamento do mesmo;
* Atuar no ponto "T" (fig. 01) , com uma força de 92 ,0 Nm a 98,0 Nm a
correia deve deixar-se ceder de 7 a 8mm ; Detalhe Peugeot Boxer

* Torquear o pa rafuso da polia do virabrequi m com 200 ,0 Nm.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
Bl = Bomba Injetora
VB = Virabrequim

fig. 11
Detalhe da apl ic ação do pino
8mm para travamento do volante 67
do motor. -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
FORO
Motor Zetec SE 1.416V de 95 a1997 # Correia n7SP+220H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Fiesta Período de troca: a cada 120.000 Km


1.4 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Courier
Ferramenta (régua) para posicionamento dos comandos de válvulas.
1.4 16V
* Obs: n° FORO 21 - 162 (n° RAVEN 8 -4 13).

fig. 02 fig. 03

Ferram. p/ posicionamento do virabrequim em PMS.


* Obs: n° FORO 21-2 10 (n° RAVEN 8-413).

fig. 0 6

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso de travamento do rolamento tensor 23,0
Parafusos das polias dos comandos de válvulas 60,0
Parafuso da polia/amortecedor de vibrações 40Nm + 90°
Porcas da tampa do cabeçote 6 ,0
Bujão do bloco do motor 25,0

Tempos de reparo (em horas):


fig. 0 7
Fiesta 2,50
I
Couner 2,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvu las com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Não reutilizar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° ci lindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
68

C •I c~ ~ Av. C-255,no:27Q.C&rtroErrc:;r91011oiSet:ba.sda719
tb'oSúço, 742~10. Gc6'lb. Goi6s Impresso original em PAPEL RECICLADO
62: • 3942-.3939 ·venct:JS@X:ICioenQenh;llb.com.b'
ENGENHARIA WHW.c-o.ccmb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO

Motor Zetec SE 1.416V de 95 a1997 #Correia 117SP+220H

a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cili ndro em PMS deverá ser real izado através da aplicação
da ferramenta (pino), após a remoção do bujão existente no bloco do motor do lado direito, (figs. 04 e05);
NOTAS: Fiesta
- Ao girar o virabrequim no sentido horário o PMS do 1° cilindro será detectado quando o mesmo "tocar" 1.4 16V
o pino instalado no bloco;
- Cuidado pa ra não inserir por engano o pino em um furo de balancea mento do contrapeso do Courier
virabrequim.
1.4 16V
nos comandos: O sincron ismo dos comandos é feito med iante a aplicação da ferramenta específica (régua)
para posicionamento dos mesmos, para isto:
* Remover a tampa de válvulas expondo os coma ndos de válvulas e aplicar a ferramenta (figs. 02 e 03);
NOTAS:
-Nessa condição os rasgos existentes nos comandos de vá lvu las se encontrarão alinhados na horizontal,
bem como, os cames de acionamento das válvulas de admissão e escape do 4° ci lindro deverão esta r
apontados um para o outro;
- Caso a ferramenta não se encaixe, bloquear as polias dos comandos de vá lvulas at ravés da ferramenta
específica e liberar o movimento das mesmas, corrigindo a posição dos comandos (fi gs. 06).

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Pressionar o êmbolo do conjunto tensor com o auxílio de uma ferramenta compressora até que os furos
existentes no conjunto se alinhem (fig. 07);
* Inserir um pino (broca) de 1 ,5mm e t rava r o conj unto, aliviando assim, a tensão da correia;
* Extrai r correia dentada;
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor (RT).
b) du rante a reposição:
* Manter aplicadas as ferramentas de sincronismo;
* Aplicar a ferramenta para t ravar as polias dos comandos de válvulas e soltar os parafusos de fixação, liberando
o movimento das mesmas (fig . 06);
NOTA: Não soltar os parafusos de fixação das polias dos comandos util izando a ferra menta de sincronismo
(régua) pa ra travá-los, isso poderá provocar a quebra dos comandos;
* Aplicar a correia dentada a part ir da polia do virabrequim e no sent ido anti-horá rio.
c) durante o tensionamento:
* Utilizando a ferramenta compressora , remover o pino de 1 ,5mm, liberando o tensor automático, tensionando
assim, a correia dentada (fig. 07);
* Trava r novamente as polias dos comandos de vá lvulas e torquear os pa rafusos de fixação das m esmas
com 60,0 Nm (fig. 06);
NOTA: Não torquear os parafusos de fixação das polias dos coma ndos utiliza ndo a ferramenta de
sincronismo (régua) para t ravá-los, isso poderá provocar a quebra dos comandos;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Instalar temporariamente o parafuso da polia do virabrequim, para que a mesma não se desloque;
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final , no mesmo ponto de part ida;
* Aplicar novamente a ferramenta de sincronismo dos comandos de vá lvu las e o pino roscado no bloco do
motor e "conferir" o sincronismo;
NOTA: Caso o sincronismo esteja incorreto, repetir todo o processo;
* Montar a polia/ amortecedor de vibrações e torquear seu parafuso com 40 Nm + 9 0°;
NOTA: Ut ilizar parafuso novo.

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE =
Comando de escape
RT =
Rolamen to Tensor 69
VB = Virabrequ im -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ A'I. C·255.no270.Cent10En'lPiesaiOISebtxl,!lOb71~


NQo,o !tiço. 74280-010. Goi&'llo - Gotls
62 - 3942-3939 . wndcs@)cí:::~b.ccm.tr
ENGENHARIA -'*'~".ecm"'
Witer Marcos de Oliveira
FORO
Motor Zetec SE 1.416V de 97 a 2002 # Correia 111SP+200H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Fiesta Período de troca: a cada 120.000 Km


1.4 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Courier
Ferramenta (régua) para posicionamento dos comandos de válvulas.
1.4 16V
* Obs: n° FORO 21 -1 62 (n° RAVEN B-41 3).

fig. 02 fig. 03

Ferram. p/ posicionamento do virabrequim em PMS.


* Obs: n° FORO 2 1-2 10 (n° RAVEN B-4 13).

fig. 0 1

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso de travamento do rolamento tensor 23,0
Parafusos das polias dos comandos de válvulas 60,0
Parafuso da polia/amortecedor de vibrações 40Nm + 90°
Porcas da tampa do cabeçote 6,0
Bujão do bloco do motor 25 ,0

fig. 06
Tempos de reparo (em horas):
IFiesta 2 ,20
Couner 2,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequ im ou comandos de válvu las com a correi a dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Não reutilizar uma correia removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequim : O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS deverá
ser realizado através da aplicação da ferra menta (pino), após a remoção Detalhe da utilização da chave
70 fixa pa ra posicionamento dos
do bujão exist ente no bloco do motor do lado direito, (figs. 04 e 0 5); comandos.

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA ..ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO

Motor Zetec SE 1.416V de 97 a 2002 # Correia n7SP+200H

NOTAS:
- Ao girar o virabrequim no sentido horário o PMS do 1° cilindro será
det ectado quando o mesmo "tocar" o pino instalado no bloco; Fi esta
- Cuidado para não inserir por engano o pino em um furo de balanceamento 1.4 16V
do contrapeso do virabrequ im.
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito mediante a aplicação Courier
da ferramenta específica (régua) para posicionamento dos mesmos, para 1.4 16V
isto:
* Remover a tampa de válvulas expondo os comandos de válvulas e aplicar
a ferramenta (figs. 02 e 03);
NOTAS:
- Nessa condição os rasgos existentes nos comandos de vá lvulas se encontrarão al inhados na horizontal,
bem como, os carnes de acionamento das válvulas de admissão e escape do 4° cili ndro deverão estar
apontados um para o outro;
- Caso a ferramenta não se encaixe, bloquear as polias dos comandos de válvulas através da ferramenta
específica e liberar o movimento das mesmas, corrigindo a posição dos comandos (figs. 06 e 0 7).

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rante a extração:
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e com o auxílio de uma chave allen 6mm, girá-lo no
sentido horário, al iviando a tensão da correia (fig. 08);
* Extrair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor (RT) .
b) du rante a reposição:
* Manter aplicadas as ferramentas de sincron ismo;
* Aplica r a ferramenta para t rava r as polias dos comandos de válvu las e soltar os parafusos de f ixação,
liberando o movimento das mesmas (fig. 06);
NOTA: Não soltar os parafusos de fixação das polias dos comandos utilizando a ferramenta de sincronismo
(régua) para t ravá-los, isso poderá provocar a quebra dos comandos ;
* Aplica r a correia dentada a partir da polia do virabrequ im e no sentido anti-horário.
c) du rante o tensionamento:
* Atuar no rolamento tensor com uma chave allen 6mm no sent ido anti-horá rio até que a seta de referência
do mesmo ati nja o centro da janela, tensionando assim, a correia dentada (fig. 08);
* Torquear o pa rafuso de fixação do tensor com 23 Nm;
* Travar novamente as polias dos comandos de válvu las e torq uear os parafusos de fixação das mesmas
com 60,0 Nm (fig. 06);
NOTA: Não torquear os parafusos de fixação das polias dos comandos ut ilizando a ferramenta de
sincronismo (régua) para travá-los, isso poderá provocar a quebra dos comandos;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Instalar temporariament e o parafuso da polia do vira brequ im, para que a mesma não se desloque;
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final, no mesmo ponto de partida ;
* Aplica r novamente a ferramenta de sincronismo dos comandos de válvulas e o pino roscado no bloco do
motor e "conferi r" o sincron ismo;
NOTA: Caso o sincron ismo esteja incorreto, repetir todo o processo;
* Montar o amortecedor de vibrações e torquear seu parafuso com 40 Nm + 90° ;
NOTA: Utilizar parafuso novo.

Legendas:
CA = Com ando de admissão
CE = Comando de escape
RT = Rolamento Tensor 71
VB = Virabreq uim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI ~ Av. C-255. no270.CentloErT'(Jflii$Crd~, d:l719


ENGENHARIA
Noi.O SUça. 74280-0Ja GoKnlo - GoOs
02 - 3942-.3939- ...andas@Ck:bei'QOflhao.ccm.tr
ww..cicloengonhao.com .a
Witer Marcos de Oliveira
FORO
Motoras AP -1.6/1.8/2.0 BV # Correias 121SX180 laté 19981 e121SX180H la panir da1999J

Período de troca: a cada 60.000 Km


na par te
posteri or
Escort Torques de aperto (em Nm): da polia
Pampa
Porca do rolamento tensor 20,0
Royale
Parafuso da polia do virabrequim 120,0
Versailes Parafusos da polia da bomba d'água 20,0
Verona Parafusos da polia de acessórios 20,0

Tempos de reparo (em horas):


Modelos VW/ Ford sem ar condicionado 1,60
, "T"
Modelos VW/Ford com ar condicionado 2,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
••
* Remover as velas de ignição;
* Marcar com uma seta o sentido de traba lho da correia para casos de
reinstalação.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar


os seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: sincronismo da marca (cavidade) existente
na parte posterior da polia do comando de válvulas al in hada a
extremidade do cabeçote (fig. 02);
b) na árvore intermed iária: O alinhamento da referência na polia da
árvore intermediária, à marca ("pique") existente na na polia de ]de
acessórios (fig.03); ' s i ncron i s mo
1
da polia de
NOTA: Nessa condição a marca na linha de centro do rotor do acessórios com
distribu idor deverá se encontrar alinhada à marca na carcaça do ' a polia da árvore
mesmo (fig. 04);
' intermediária

c) no virabrequim: O alinhamento da marca "OT" no volante do motor fíg. 01


à referência na carcaça do câmbio (fig. 05).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) du rante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e com o auxílo
de um alicate de bicos curvos girá-lo no sentido anti-horário;
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga , desgaste ou existência de " pontos
duros" no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequ im
(VB).
c) durante o tensionamento:
* Atuar novamente nos furos existentes no rolamento tensor com o
auxílio de um alicate de bicos curvos girando-o no sentido horário,
tensionando assim, a correia;
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20
Nm;
72 * Gi rar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO

Motores AP ·1.6/1.8/2.0 BV # Correias 121SX180 lalé 19981 e121SX180H la partir da1999J

* Verificar manualmente a tensão da correia efetuando uma torção no


ponto "T" . A correia deve ceder em 90° (figs. 01 e 06);
* Conferir novamente as referências de sincronismo das polias; Escort
Pampa
Royale
Legendas: Versailes
CV = Comando de Vá lvulas Verona
RT = Rolamento Tensor
fig. 0 4
AI = Árvore Intermediária
VB = Virabrequim
Referência para posicionamento
do rotor

fig. 0 5

fig. 06

73

Impresso original em PAPEL RECIC LADO


Witer Marcos de Oliveira
FORO
Zetec 1.8/2.0 16Vaté 04/98 #Correias 131SP+254H IEscort eMondeoJ e129SP+254H IFocusJ

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Escort
Período de troca: a cada 120.000 Km
1.8 /2.0 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Focus
Ferramenta para posicionamento dos comandos de válvulas.
1.8 /2.0 16V
* Obs: n° FORO 2 1- 162 (n° RAVEN B-41 3).
Mondeo
1.8/2.0 16V

fig. 02 fig. 03

Ferram. p/ travamento das polias dos comandos de válvulas.


* Obs: n° FORO 15-030-A (n° RAVEN B-4 19).
f ig .
01

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 2,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequ im ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
Detal he d a referêc i a para
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor; posicionamento do PMS .
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cil indro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cil indro em PMS deverá
ser confirmado através do sincronismo da referência existente na polia de
acessórios/amortecedor de vibrações com a marca existente no cárter (fi g.
06);
b) nos comandos: O si ncronismo dos comandos é feito mediante a aplicação
da ferramenta específica (régua) para posicionamento dos mesmos, pa ra
isto:
74

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.combo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO
Zelec 1.8/2.0 16V alá 04/98 # Correias 131SP+254H lEscon eMondeoJ e129SP+254H lFocusJ

* Remover a t ampa de válvulas expondo os comandos de vá lvu las e aplicar a ferramenta (figs. 02 e 03) ;
NOTAS:
- Nessa condição os rasgos existentes nos comandos de válvu las se encontrarão alinhados na horizontal,
Escort
bem como, os carnes de acionamento das válvulas de admissão e escape do 4° cili ndro deverão estar 1.8 /2 .0 16V
apontados um para o out ro;
- Caso a ferramenta não se encaixe, bloquear as polias dos comandos de vá lvulas através da ferramenta
Focus
específica e liberar o movimento das mesmas, corrigindo a posição dos comandos (figs. 04 e 05). 1.8 /2 .0 16V

Extração, reposição e tensionamento da correia: Mondeo


1.8/ 2.0 16V
a) durante a extração:
* Soltar o parafuso de t ravamento do rolamento tensor;
* Empu rrar o rola mento tensor cont ra a mola com o auxílio de uma chave allen , e apertar o seu parafuso
de fixação liberando a correia (fig. 07l;
* Extrair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgast e ou existência de "pontos duros" no rolamentos tensor (RT) e
auxilia res (RAJ .
b) durante a reposição:
* Manter aplicada a ferramenta de sincronismo;
* Aplicar a ferramenta para travar as polias dos comandos de válvulas e soltar os parafusos de fixação,liberando
o movimento das mesmas (fig. 05);
* Aplicar a correia dentada a parti r da polia do vi rabrequim e no sentido anti-horário.
c) durant e o tensionamento:
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor, pa ra que a mola empurre o mesmo contra a correia
dentada, tensionando-a;
* Torquear t emporariamente o parafuso de fixação do tensor;
* Travar novamente as polias dos coma ndos de válvulas e torquear os parafusos de fixação das mesmas
com 67,0 a 72,0 Nm (fig. 05);
NOTA: Não torquear os parafusos de fixação das polias dos comandos uti lizando a ferramenta de
sincronismo (régua) para t ravá-los, isso poderá provocar a quebra dos comandos;
* Remover a ferramenta de sincron ismo dos comandos de válvulas;
* Gi rar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final, no mesmo ponto de partida;
* Soltar novamente o parafuso de fixação do tensor, permitindo um ajuste na tensão da correia;
* Torquea r o parafuso de fixação do tensor e com 38,0 Nm;
* Aplicar novamente a ferramenta de sincronismo dos comandos de vá lvulas e "conferi r" o sincronismo;
NOTA: Caso o sincronismo esteja incorreto, repetir todo o processo;
* Montar o amortecedor de vibrações e torquear seu parafuso com 11 5 Nm.

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE = Comando de escape
RT =Rolamento Tensor
RA =Rolamento Auxil iar
VB =Virabrequim

75

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719


Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA ..w..a:bonQOO""b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
FORO
Zetec 1.8/2.0 16V 05/98 ~ # Correias 131SP+254H lEscorU e129SP+254H lfocus e MondeoJ

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Escort Período de troca: a cada 120.000 Km


1.8 /2.0 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Focus
Ferramenta (régua) para posicionamento dos comandos de válvulas.
1.8 /2.0 16V
* Obs: n° FORD 21 - 162 (n° RAVEN B-413).
Mondeo
1.8/2.0 16V

fig. 02 fig. 03

Ferram. p/ travamento das polias dos comandos de válvulas.


* Obs: n° FORD 15-030-A (n° RAVEN B-419).

fig. 04 fig. 05

Ferramenta (pino) p/ posicionamento do virabrequim em PMS.


* Obs: n° FORD 2 1- 163 (n° RAVEN B-413).

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm): Deta l h e d a referêci a p a ra


posicionamento do PMS .
Pa rafuso de travamento do rolamento tensor 25,0
Parafusos das polias dos comandos de válvulas 68,0
Parafuso da polia/amortecedor de vibrações 115,0
Parafusos da tampa do cabeçote 2,0+ 7 ,0
Bujão do bloco do motor 24,0

Tempos de reparo (em horas):


Escort 2,20
Mondeo 2,40
I
Focus 2 ,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
76 * Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
Referências do rolamento tensor.
* Não reutilizar uma correia removida.

Im presso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO
Zatac 1.8/2.0 16V 05/98 ---? # Correias 131SP+254H lEscortJ e129SP+254H lFocus e MondeoJ

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cil indro em ponto morto superior e checar os seguintes pontos: Escort
a) no virabrequ im: O posicionamento do pistão do 1° cili ndro em PMS deverá ser real izado at ravés da aplicação 1.8 / 2.0 16V
da ferramenta (pino) , após a remoção do bujão existente no bloco do motor do lado di reito, (figs. 06 e0 7) ;
NOTAS: Focus
- Ao gi rar o virabrequ im no sentido horário o PMS será detectado quando o mesmo "tocar" o pino in stalado 1.8 / 2.0 16V
no bloco;
- O sincron ismo também pode ser conferido a partir da referência existente na polia de acessórios/amortecedor Mondeo
de vibrações alinhada com a marca existente no cárt er (fig. 08); 1.8/2.0 16V
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito mediante a aplicação da ferramenta específica (régua)
para posicionamento dos mesmos, para isto:
* Remover a tam pa de vá lvulas expondo os comandos de válvulas e aplicar a ferramenta (figs. 02 e 03);
NOTAS:
-Nessa condição os rasgos existentes nos comandos de vá lvulas se encontrarão al in hados na horizontal,
bem como, os carnes de acionamento das vá lvulas de admissão e escape do 4° cilindro deverão estar
apontados um para o outro;
-Caso a ferramenta não se encaixe, bloq uear as polias dos comandos de válvulas através da ferramenta
específica e liberar o movimento das mesmas, corrigindo a posição dos coma ndos (figs. 04 e 0 5 ).

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a ext ração:


* Soltar o parafuso de fixação do rola mento tensor e com o auxílio de uma chave al len, girá-lo no sentido
horá ri o, aliviando a tensão da correia (fig. 09);
* Ext rair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgast e ou existência de "pontos duros" no rolamentos tensor (RT) e
auxiliares (RA).
b) du rante a reposição:
* Manter aplicadas as ferramentas de sincron ismo;
* Aplicar a ferramenta para travar as polias dos comandos de válvulas e soltar os parafusos de fi xação,liberando
o movimento das mesmas (fig. 05);
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido anti-horário.
c) du rante o tensionamento:
* Atuar no rolamento tensor com uma chave allen no sentido anti-horário até que as referências do mesmo
se alinhem, tensionando assim, a correia dent ada (fig. 09);
* Torquear o parafuso de fixação do tensor com 25 Nm;
* Trava r novamente as polias dos coma ndos de válvu las e torq uear os parafusos de fixação das mesmas
com 68,0 Nm (fig. 05);
NOTA: Não torquear os parafusos de fixação das polias dos coma ndos utilizando a ferramenta de
sincronismo (régua) para t ravá-los, isso poderá provocar a quebra dos coma ndos;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final, no mesmo ponto de partida;
* Aplica r novamente a ferramenta de sincronismo dos comandos de válvulas e o pino roscado no bloco do
motor e "conferi r" o sincron ismo;
NOTA: Caso o sincron ismo esteja incorreto, repetir todo o processo;
* Montar o amortecedor de vibrações e torquear seu parafuso com 115 Nm.

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE = Comando de escape
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar n
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI~


ENGENHARIA
Ali. C-255. n<'270, Cenho Er'I"'PJE!!S(Jbl Sebbo, :KJb 719
NcM:J ~a. 74280..010. GoiÔ"lii. GoiÓJ
b2 . 3942..3939 . 'o'80da!>@Ci:::berQenhab.c:om.tr
ww..ct:bengenllaa.com.o
Witer Marcos de Oliveira
FORO
Motor Maxion HS 2.5L #Correia 118SP+300H I Motor 2.8L Turbo# Correia 118SP+300HK

Inspeção: a cada 20.000 Km .

F-1000 Período de troca: a cada 80.000 Km


Ranger
Ferramenta/ específico necessário:
Ferramenta (pino) para travamento da polia da bomba injetora.

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para sincronismo do volante do motor.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos de fixação da polia da bomba injetora 25,0
Parafuso da polia do virabrequim 80,0 Nm + 90°
Parafuso de fixação do rolamento tensor 45,0

Tempos de reparo (em horas):


IGM/ Ford/ Land Rover 3,10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Marcar o sentido de rotação da correia dentada para casos de reutilização;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas ou polia da bomba
injetora.
fig. 07
Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:
Deta lhe do uso do torquímetro
durante o tensionamento.
Colocar o motor com o 1° cilind ro em ponto morto superior e checar os
segu intes pontos :
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS será
confirmado através do alinhamento da chaveta da polia à seta gravada na
carcaça (fig. 06) ;
NOTAS:
78 Nesta cond ição, remover o bujão na ca rcaça do volante do motor e
inseri r a ferrame nta de sincronismo do mesmo (figs.04 e 05);

CI•cI ~ Av.C-2~5,nOZ70.CertroErrpetadolset:bo.sdo719
ENGENHARIA
NoYoSúço, 742ffi-010, Goónb. Goiás
62 · 3942-.3939 ·...encb!l'@cdoengerYOriO.comb
w.w.c t - n c a mb<
Impresso original em PAPEL RECICLAOO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
FORO

Motor Maxion HS 2.5l #Correia 11BSP+300H I Motor 2.Bl Turbo# Correia 11BSP+300HK

O bujão poderá se encontra r em diferentes pontos na carcaça do volante do motor, dependendo do modelo
do veículo;
F-1000
- O 4° cilindro estará em "bala nço" ;
b) na bomba injetora: O sincronismo da polia da bomba injetora é feito alinhando-se o furo existente na polia Ranger
ao furo existente no flange da bomba e inserindo a ferramenta (pino) de sincronismo (figs. 02 e 03);
c) no comando de válvu las: O sincronismo do comando é feito ali nhando-se a marca existente na polia do
mesmo com a marca existente na carcaça da ca ixa de distribu ição (figs. 01 e 06) ;

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Remover a tampa da caixa de distribuição;
* Manter alinhadas as referências e aplicar as ferramentas de sincronismo da polia da bom ba injetora e
volante do motor (figs. 03 e 05);
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor, al iviando assim , a tensão da correia dentada;
* Extrair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamento
auxiliar (RA).
b) durante a reposição:
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido ant i-horário;
NOTAS:
-Assegurar-se do correto sincron ismo das marcas do comando de válvulas, que o pino da polia da bom ba
injetora esteja corretamente encaixado e que o pino de sincronismo do volante do motor esteja enca ixado
no entalhe do mesmo (figs 03 , 05 e 06) ;
- Manter a correia esticada entre as polias.
c) durante o tensionamento:
* Desapertar os pa rafusos de fixação da polia da bomba injetora , permitindo o deslocamento da mesma
nos furos oblongos;
* Desapertar ligeiramente o paraf uso de fixação do rola mento tensor;
* Encaixar na placa do rolamento tensor, uma extensão de encaixe 13mm;
NOTA:
- Executar o tensionamento uti lizando um torquímetro de até 60,0 Nm, aplicando-o na posição mais
vertical possível (fig. 07);
- Tensionar com 14- 16 Nm para correias novas;
- Tensionar com 11-13 Nm para correias usadas;
* Apertar tempora riamente os parafusos de fixação da polia da bomba injetora;
* Remover as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário;
* Introduzir novamente as ferramentas de sincron ismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
* Soltar novamente os parafusos de fixação da polia da bom ba injetora e retensionar a correia;
* Torquear com 25 ,0 Nm os parafusos de fixação da polia da bomba injetora;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Torquear o parafuso de f ixação do rolamento tensor com 45,0 Nm;
* Torquear o parafuso da polia do virabreq uim com 80 ,0 Nm + 90°.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
Bl = Bomba Injetora
VB = Virabrequim
79

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI~ Av. C-255, rP270, cenro Emp•esa bl Sebtxl. sob 719
No'oO ~a. 74260-010. Goi&'liO·Goós
62 . 3942-3939 . WOC::X.®::e~.oom n
ENGENHARIA w.w.c:c--o.cxxn..,.
Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS

Motores 1.0,1.4.1.6 BV #Correia 111SP170H I Motor 1.8 BV #Correias 146STPBM200H lAstra e KadenJe
111SP110H lMerivaJ

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Astra Período de troca: a cada 60.000 Km


1.8 8V
Ferramenta/ específico necessário:
Celta
Ferramenta para tensionamento da correia dentada.
1.0 8V
* Obs: N° GM S-9406 184 (N° RAVEN R-211).
Corsa
1.0 8V
1.4 8V
1.6 8V

Kadett MPFI
1.8 8V

Meriva f ig. 02 fig. 03


1.8 8V L......:...------------'--'--------------'
Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):
Parafusos de travamento da bomba d' água 8 ,0
Parafuso da polia do virabrequim 95,0 Nm + 30° + 15°

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 0 ,9

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gi rar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não gi rar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Marcar o sentido de rota ão da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili nd ro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) no virabrequim: O posiciona mento do pistão do 1° cilind ro em PMS será
confirmado através do al in hamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na aba da carcaça da bom ba de óleo (fig. 04);
b) no comando: O sincronismo do comando é feito alin hando-se a marca
existente na polia do mesmo com a marca existente na proteção posterior
da correia dentada (fig. 05);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Utilizar pino travar o conjunto tensor da correia de acessórios e removê-la;
* Remover a cobertura do volante do motor;
* Trava r o volante do motor ut ilizando a ferramenta específ ica (N° GM
S-9407182) (fi g. 06);
* Soltar o pa rafuso da polia do virabrequim e removê-la;
NOTA: Aplicar novamente o parafuso da polia, apenas para evitar o
80 deslocamento da engrenagem durante a t roca da correia;

Impresso original em PAPEL RECICLA DO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS

Motores 1.0, 1.4, 1.6 BV # Correia 111SP170H I Motor 1.8 BV # Correias 146STPBM200H lAstra 8 Kad8t0 8
n1SP170H lM8rivaJ

*Forçar o rolamento tensor para cima , até que o furo do suporte do mesmo
se alinhe com o furo da base (fig. 08);
* Inserir um pino adequado, nos furos, aliviando assim, a tensão da correia Astra
dentada (fig. 07); 1.8 8V
* Extrair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" Celta
no rolamento tensor (RT). 1.0 8V
b) durante a reposição: fig. 06
~
* Assegurar-se do correto posicionamento da polia do virabreq uim e polia Corsa
~ Detalhe da ferramenta para travar 1.0 8V
~ do comando de válvu las (figs. 04 e 05); o volante do motor.
1.4 8V
r * Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido
1.6 8V
.:=
-~ ant i-horário;
NOTA: Mant er a correia esticada do lado oposto ao da bomba
1-~ c)
d ' água. Kadett MPFI
1.8 8V
durante o tensionamento:
~ * Força r o rolamento tensor para cima e remover o pino de retenção,
Meriva
'i" liberando o mesmo, tensionando automatica mente a correia dentada
(fig. 07); 1.8 8V
i
" * Remover a ferramenta de travamento do volante do motor;
~ * Girar o vira brequim por duas voltas no sent ido horário, parando ao final,
~ no mesmo ponto de partida;
~ * Conferir se a correia está corretamente tensionada, ou seja, o ponteiro
. t
do rolamento tensor deve estar no centro da referência "V" da base (fig.
~
~ 08);
~ NOTA: Caso a correia não esteja tensionada corretamente, executar o
'E ajuste da mesma:
..g
~
* Soltar os parafusos de fixação da bomba d ' água;
"I * Aplicar a ferramenta específica, e girar a bomba d ' água no sentido
horário até que o ponteiro do rolamento tensor atinja o valor de tensão
~
~ máxima, ou seja, à direita da marcação "V" (figs. 03 e 08) ;
·~
* Fixar temporariamente os parafusos da bomba d ' água;
t,
~
* Girar o vira brequim por duas voltas no sentido horá rio, parando ao final,
no mesmo ponto de partida;
ts;
* Soltar novamente os parafusos de fixação da bomba d ' água e atuar
com a ferramenta específica, girando-a no sentido anti-horário, fazendo
2 retornar o ponteiro do rolamento tensor até a marcação de correto
~ tensionamento, ou seja, ali nhado ao centro da referência "V" da base
.
~
.:l

]
(figs. 03 e 08);
* Torquear os parafusos de fixação da bomba d ' água com 8 Nm ;
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 95 Nm + 30° +
...k•
u
15° .
~
. Furos

~ Legendas:
Po s i ção de c orreto
CV = Comando de admissão tensionamento.
RT =
Rolamento Tensor
PB = Bomba D ' água
VB = Virabrequim Posição de máximo tensionamento.

81

Impresso original em PAPEL RECICLADO C I•cI ~


ENGENHARIA
Av. C-255,rt>270. centloEmpfosa015ebOO, sob
No\() M:Wa.
62 ·
74260..010. Goiállo . GoC)s
3~2-3939 · ~@cC~bo::mb
""-W.clc.,.,._.,.oom.o.
n9
Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS
Motores 1.0 e1.616V # Correia 169STP8M200H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Corsa Período de troca: a cada 60.000 Km


1.0 16V
1.6 16V Ferramenta/ específico necessário:
Ferramenta para posicionamento das polias dos comandos de
Tigra
válvulas.
1.6 16V
* Obs: N° RAVEN 151.

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso de travamento do rolamento tensor 20,0 fig. 0 1
Paraf. da polia/amortecedor de vibrações 95Nm + 30° + 15°

Tempos de reparo (em horas):


Irodos 1,30

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das pol ias dos comandos de válvulas;
* Marcar o sentido de rota ão da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° ci lindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° ci lindro em PMS será
confirmado através do alinhamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na tampa de traseira de proteção da polia (fig. 04);
NOTA:
-Verificar também se a bomba d ' água está na posição correta (fig. 06).
- Nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito ali nhando-se as
marcas existentes nas polias dos mesmos, para garanti r o sincronismo
utilizar a ferramenta específica (figs. 02 e 0 3);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Ut il izar pino de 4mm para travar o conjunto tensor da correia de
acessórios e removê-la ;
* Após remover a pol ia de acessórios do vi rabrequi m , reinstala r
temporaria mente o pa rafuso da polia do mesmo, evitando o seu
82
deslocamento;

CI•cI ~ Av.C-265.n0270.Certro Emp~ISet:Da.


ENGENHARIA
NoYoSUço. 7428)...010. GoiOnb - Gdós
sdo719

62 - 3942-3939 -vend:Js@lci:::::loenQentno.com.bl
w.w.ct:IOe_..,a.ccmrx
Impresso original em PAPEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS
Motores 1.0 e1.616V # Correia 169STPBM200H

* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e girá-lo


no sentido horário até o seu ponteiro ficar posicionado à
esquerda da referência em "V" (figs. 05 e 07) aliviando Corsa
assim, a tensão da correia dentada; 1.0 16V
* Extrair correia dentada; 1.6 16V
* Testar as condições de folga , desgaste ou existência de
"pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamentos Tigra
auxiliares (RA). 1.6 16V
b) durante a reposição:
Det a l he d a referêc i a para
* Manter aplicada a ferramenta de travamento das polias pos i c ion a men t o d a bomba
dos comandos (fig. 02 ); d ' água.
* Assegu rar-se do correto posicionamento da bomba
d ' água e da polia do v irabrequ im (figs. 06 e 04) ;
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim
e no sentido anti-horário;
NOTA: Manter a correia esticada entre as polias.
c) durante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de travamento das pol ias;
* Atuar no rolamento tensor no sentido anti-horário e
tensiornar a correia na posição de máximo tensionamento
(fig. 05 e 07);
* Girar o virabrequ im por duas voltas no sent ido horário,
parando ao final, no mesmo ponto de partida;
* Novamente atuar no rolamento tensor no sentido horário,
retornando o seu ponteiro para a posição de correto
tensionamento:
- Posição "A" (fig. 07) para correias novas;
- Posição " B" (fig. 07) para correias usadas;
NOTA: A correia dentada deve perma necer esticada
durante este procedimento de ajuste;
* Torquear o rolamento tensor com 20 Nm;
* Montar a polia de acessórios do virabrequ im e torquear
seu parafuso com 95 Nm + 30° + 15°; Posição "A" tensão de
NOTA: Ut ilizar um parafuso novo. trabalho para correias
novas.

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE =
Comando de escape
RA =
Rolamento de Apoio Posição " B" tensão de
trabalho para correias
RT = Rolamento Tensor usadas.
VB = Virabrequim

fig. 0 7

83

Impresso original em PAPEL RECIC LADO


Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS
Motores 1.8 e 2.0 BV # Correias 111SP200 182/881, 125SP200 189/951 ou 146STPBM200H 196/_1

Inspeção: a cada 20.000 Km.

Monza
Período de troca: a cada 60.000 Km
1.8 8v
2.0 8V Torques de aperto (em Nm):
Parafusos de fixação do rolamento tensor 25 ,0 ± 5,0
Kadett
Parafusos da polia do virabrequ im 20,0
1.8 8v Parafusos de fixação da bomba d'água 8,0
2 .0 8V
Tempos de reparo (em horas):
lpanema ~ Todos sem ar condicionado 1,40
1.8 8v Todos com ar condicionado 1,70
2.0 8V
Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Marcar o sentido de rotação da correia de acessórios;
* Em casos de reutilização da correia dentada, marcar o seu sentido de rotação.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequ im: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS será
confirmado através do alinhamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na ca rcaça da bomba de óleo Cfig. 02);
b) no comando: O sincronismo do coma ndo é feito alinhando-se a marca
existente na polia do mesmo a marca existente na proteção posterior da
correia dentada {fig. 03) ;

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) durante a extração:
* Soltar os parafusos de fixação da bomba d ' água, liberando o movimento
da mesma aliviando assim, tensão da correia dentada ;
NOTA: Movimentar a bomba d 'água para facilita r a extração da
correia;
* Extrair correia dentada;
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) .
b) durante a reposição:
* Assegurar-se do correto posicionamento da bomba d ' água, da polia do
virabrequim e polia do comando de vá lvulas;
* Aplicar a correia dentada a part ir da polia do virabrequ im e no sentido
anti-horário;
NOTA: Manter a correia esticada no lado oposto ao da bomba d ' água .
c) durante o tensionamento:
* Apertar levemente os parafusos da bomba d 'água.
* Soltar os parafusos de fixação do rolamento tensor e atuar no mesmo at é
que haja o alinhamento dos furos "1" da placa móvel e "2" do suporte
84 (fig. 05);

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS
Motoras 1.8 a 2.0 BV #Correias 111SP200 l82/881, 125SP200 l89/951 ou 146STPBM200H l96/.J

* Travar temporariamente os parafusos de fixação do A 8


rolamento tensor;
Monza
* Girar o virabrequ im por duas voltas no sentido horário,
parando ao final, no mesmo ponto de partida; 1.8 8v
* Assegurar-se de que as referências na polia do comando 2.0 8V
e polia do virabrequ im estejam na posição correta (figs.
02 e 03); Kadett
* Novamente atuar no rolamento tensor, com o auxílio da 1.8 8v
40mm 2.0 8V
ferramenta indicada (Pino figura 04) e ajustá-lo na posição
de correto tensionamento:
- Inserir o pino com haste do lado ''N' para correias usadas lpanema
fig. 04 80mm 1.8 8v
(fig. 06);
-Inserir o pino com haste do lado "8" para correias novas Detalhe de const rução do pino para af erição do 2.0 8V
tensionamento da correia dentada.
(fig. 07) ;
NOTA: A correia dentada deve permanecer esticada durante
este procedimento de ajuste;
* Girar novamente o virabrequim por duas voltas no sentido
horá ri o, parando ao final, no mesmo ponto de pa rt ida ;
* Conferir a posição do rolamento tensor, que deve se
encontrar na posição de correto tensionamento;
* Torquear os parafusos de fixação do rolamento t ensor com
25,0 ± 5,0 Nm;
* Torquear os parafusos da bomba d'água com 8,0 Nm;
* Montar a polia do virabrequ im e torquear seus parafusos
com 20Nm.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba d' água
VB = Virabrequim

Detalhe ten sor na posição " A"


tensão de trabalho para correias
usadas.

Detalhe tensor posição " 8" tensão _8_5____


de trabalho para correias novas.

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS

Motor1.816V #Correia 168STP8M240H IAstraJ ou 162STP8M200H IMerivaJ

Inspeção: a cada 20.000 Km.

Astra Período de troca: a cada 60.000 Km


1.8 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Meriva
Ferramenta para posicionamento das polias dos comandos de válvulas.
1.8 16V
* Obs: N° RAVEN 15 1/A.

o
O'
fig. 02 fig. 03
c
Torques de aperto (em Nm):
Parafuso de t ravamento do rolamento tensor 20,0
Parafusos da polia do virabrequim 20,0

Tempos de reparo (em horas):


ITodos 1,30

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Marcar o sentido de rota ão da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar


os segu intes pontos:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS
será conf irmado através do al inhamento da marca existente na polia
do mesmo à marca na carcaça da bomba de óleo (fig. 04);
NOTA:
Verificar também se a bomba d ' água está na posição correta (fig. 07).
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito al inhando-se
as marcas existentes nas polias (u ma referenda a outra) (figs. 01 e
05);

fig. 05

86

C •I cI ~ Av. C·2S&nOZ70.certl'oEmpesodolsetbo,.ldo71V
Not.ro Sliço. 7428'J.010, ~ · Goió:s
tfl . 3942·3939 • veôd::)S@çldoeo()erhlrb.eom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA """·c - n c a n"'
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS
Motor 1.816V #Correia 168STP8M240H lAstraJ ou 162STP8M200H lMerivaJ

Extração, reposição e tensionamento da correia:


Astra
a) durante a extração: 1.8 16V
* Travar as polias dos comandos de válvulas utilizando a ferramenta
específica (fig. 02 e 03); Meriva
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e girá -lo com o auxílio 1.8 16V
J;
de uma chave allen 6mm no sentido horário até o seu ponteiro ficar
g posicionado à esquerda da referência em "V" (figs. 06 e 08) aliviando

i assim, a tensão da correia dentada;


* Ext rair correia dentada;
~. * Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
;
no rolamento tensor (RT) e rolamentos auxiliares (RA).
~
b) durant e a reposição:
-~
* Manter aplicada a ferramenta de t ravamento das pol ias dos comandos
..! (fig. 03);
* Assegurar-se do correto posicionamento da bomba d · água e da polia
t do virabrequim (f igs. 06 e 0 4 );
~
"'-li * Aplicar a correia dentada a part ir da pol ia do virabrequim e no sentido
§
anti-horário;
~ NOTA: Manter a correia esticada entre as polias.
c) durant e o tensionamento :
-~
* Remover a ferramenta de t ravamento das polias;
i * At uar no rolamento tensor no sent ido anti-horá rio e t ensionar a correia
! na posição de máximo tensionamento (fig. 06 e 08);
i * Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final,
f
no mesmo ponto de partida;
j
t * Assegurar-se de que as referências nas polias dos comandos e polia do
~
virabrequim estejam na posição correta (f igs. 04 e 05) ;
E
~ * Novamente atuar no rolamento tensor no sentido horário, retornando o
·2
~ seu pontei ro para a posição de correto tensionamento:
!".
Posição "A" (fig . 08 ) pa ra
~ fig. 08
(~ correias novas;
~~
Posi ção "B " (fig. 08) para
;; correias usadas;
~ NOTA: A correia dentada deve
Si
~ permanecer esticada durante
Det alhe d a r efe rêc ia pa r a
.
~
]
este procedimento de ajuste;
* Torquear o rolamento tensor
pos i c io n am ento da bomba
d ' água.

.k
com 20 Nm;
~

u
* Montar a pol ia do virabrequim
~ e torquear seus parafusos com
~ 20Nm .
j

Legendas:
CA = Comando de admissão
CE =
Comando de escape
RA = Rolamento de Apoio
RT =
Rolamento Tensor
PB = Bom ba d ' água 87
VB = Virabrequi m -----

Impresso original em PAPEL RECI CLADO


Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS
Motor 2.0 16V #Correias 168STPBM240H lAstra e Zatiral ou 169STPBM240H lVectral I
Motor 2.216V #Correia 171STPBM240H

Inspeção: a cada 20.000 Km .


Astra Período de troca: a cada 60.000 Km
2.0 16V
Ferramenta/ específico necessário:
Vectra
Ferramenta para posicionamento das polias dos comandos de
2.0 16V
2.2 16V
válvulas.
* Obs: N° RAVEN 151/A.
Zafira
2.0 16V

J o
o 0 ____...,0 c
) :J""----...::...
1

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm):


Parafuso de travamento do rolamento tensor 20,0
Parafusos da polia do virabrequim 20,0

Tempos de reparo (em horas):


!Todos 1,30

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o vi rabrequi m ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida ;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não gira r o motor através das polias dos comandos de válvulas;
* Marcar o sentido de rotação da correia de acessórios.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabreq uim: O posicionamento do pistão do 1° ci li ndro em PMS será
confirmado através do al inhamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na carcaça da bomba de óleo (fig. 04) ;
NOTA: Verificar também se a bomba d ' água está na posição correta (fig. 08).
b) nos comandos: O sincronismo dos comandos é feito alin hando-se as marcas
existentes nas polias dos mesmos aos entalhes existentes na proteção
posterior da correia dentada (figs. 05 e 06) ;
NOTA: Nesta condição o encaixe com a marcação "IN" (INTAKE) da polia
do comando de admissão estará apontado para o coletor de admissão e o
encaixe com a marcação "EX" (EXHAUST) da polia do comando de escape
estará apontada para o coletor de escape (figs. 05 e 06);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rante a extração:
* Travar as polias dos comandos de válvulas utilizando a ferramenta Det alhe do enca i xe da polia
88 específica (fig. 02 e 03) ; apon t ado pa ra o coi<Jto r de
admissão.

C •I cI ~ Av. C·25&,rP270.C&r1roEmp~rlal 5et:bo.sdo71 9


tbo Wço. 7428J.Ol0, GoiOnio · Goló:s
62 · 3942-3939 · ~k::::IOenl)ert'b.cornb
Impresso original em PAPEL RECI CLADO
ENGENHARIA .ww.c - o . c o m.tx
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS
Motor 2.0 l&V #Correias 16BSTPBM240H lAstra elafiral ou 169STPBM240H lVectraJ I
Motor 2.216V #Correia 171STPBM240H

* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e girá-lo com o auxílio


de uma chave allen 6mm no sentido horário até o seu ponteiro ficar
posicionado à esquerda da referência em "V" (figs. 07 e 09) aliviando Astra
2.0 16V
assim , a tensão da correia dent ada;
* Ext rair correia dentada;
Vectra
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolamentos auxiliares (RA). 2.0 16V
b) durante a reposição: 2.2 16V
* Manter aplicada a ferramenta de travamento das polias dos comandos
(fig. 03); Detalhe do enca ixe da po lia Zafíra
apontado para o co let or de 2.0 16V
* Assegurar-se do correto posicionamento da bomba d ' água e da polia escape.
do virabrequim (figs. 08 e 04);
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido
anti-horário;
NOTA: Manter a correia esticada entre as polias.
c) durante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de travamento das polias;
* Atuar no rolamento tensor no sent ido anti-horário e tensionar a correia
na posição de máximo tensionamento (f ig. 07 e 09);
* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final,
no mesmo ponto de part ida;
* Assegurar-se de que as referências nas polias dos comandos e polia do
virabrequim est ejam na posição correta (figs. 04 , 05 e 06);
* Novamente atuar no rola-mento tensor no sentido horário, retornando
o seu ponteiro para a posição de correto tensionamento:
-Posição "A" (fig. 09) para
correias novas;
-Posição "B" (fig. 09) pa-
ra correias usadas;
NOTA: A correia dentada
deve permanecer esticada
durante este procedimento
de ajuste;
* Torquear o rolamento ten-
sor com 20 Nm;
* Montar a polia do virabre-
quim e torquear seus pa-
rafusos com 20Nm .
Deta l he da referêcia para
pos ic io na m ento d a bomba
d " água.
Legendas:
CA = Comando de admissão
CE =
Comando de escape
RA =
Rolamento de Apoio Posição "A" tensão de
trabalho para correias
RT = Rolamento Tensor novas.
PB =Bomba d ' água
VB = Virabrequim

Posição "8" tensão de


trabalho para correias
usadas.

89
fig. 09

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS

Motor 2.0 #Correia 146STP8M200H /Motores 2.2 e 2.4 8V #Correia 149STP8M200H

Inspeção: a cada 20 .000 Km.

Astra Período de troca: a cada 60.000 Km


2 .0 8V
Torques de aperto (em Nm):
Omega I
Parafuso de t ravamento do rolamento tensor 20,0
Suprema
2 .0 8V
IParafusos da polia do virabrequ im 20,0

2 .2 8V Tempos de reparo (em horas):


Todos sem ar condicionado 1,40
S-lO I Blazer
2 .2 8V
ITodos com ar condicionado 1,70

2.4 8V Precauções especiais:


* Desconectar o cabo massa da bateria;
Vectra * Não girar o vi rabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
2 .0 8V removida;
2 .2 8V * Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não gira r o motor através da polia do comando de válvulas;
Zafira * Marcar o sentido de rotação da correia de acessórios;
2 .0 8V * Em casos de reutilização da correia dentada, marcar o seu sentido de rotação.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Coloca r o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pont os:
a) no virabrequim: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS será
confirmado através do al inhamento da marca existente na polia do mesmo
à marca na ca rcaça da bomba de óleo (fig. 02) ;
NOTA: - Verificar também se a bomba d ' água está na posição correta (figs.
01 e 04).
b) no comando: O sincron ismo do coma ndo é feito alinhando-se a marca
existente na pol ia do mesmo a marca existente na proteção posterior da
correia dentada (fig. 03);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rante a extração:
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e girá-lo com o auxílio
de uma chave al/en 6mm no sentido horário até o seu ponteiro ficar
posicionado à esquerda da referência em "V" (figs. 05 e 06) aliviando
assi m, a tensão da correia dentada ;
* Extra ir correia dentada;
* Testar as cond ições de folga , desgaste ou existência de "pontos d uros"
no rolamento tensor (RT).
b) du rante a reposição:
* Assegurar-se do correto posicionamento da bomba d ' água, da polia do
virabrequim e polia do comando de vá lvulas (figs. 02, 03 e 04);
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequ im e no sentido
anti-horário;
NOTA: Manter a correia esticada no lado oposto ao da bomba d ' água.
c) du rante o tensiona mento:
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor e atuar no mesmo
no sent ido anti-horário e tensionar a correia na posição de máximo
90
tensionamento (figs. 05 e 0 6);

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS

Motor 2.0 # Correia146STP8M2DOH /Motores 2.2 e 2.4 8V #Correia 149STP8M2DOH

* Travar temporariamente o parafuso de fixação do rolamento tensor;


* Girar o virabrequim por duas voltas no sentido horário, parando ao final,
no mesmo ponto de partida ; Astra
* Assegurar-se de que as referências na polia do comando e polia do 2.0 av
virabrequim estejam na posição correta (figs. 03 e 02 );
* Novamente atuar no rolamento tensor no sentido horário, retornando o Omega I
seu ponteiro para a posição de correto tensionamento: Suprema
- Posição "A" (fig. 06) para correias novas; 2.0 av
- Posição "B" (fig. 06) pa ra correias usadas; 2.2 av
Deta l h e da ref erêci a p ara
NOTA: A correia dentada deve permanecer esticada durante este pos ic ionam e nt o da bom ba
procedimento de ajuste; d'água.
S-10 I Blazer
* Girar novamente o virabrequim por duas voltas no sentido horário, 2.2 av
parando ao final , no mesmo ponto de partida;
2.4 av
* Conferir a posição do ponteiro do rolamento tensor, que deve se encontrar
na posição de correto tensionamento (fig. 06); Vectra
NOTA: Caso o ponteiro do rolamento tensor não esteja na posição de 2.0 av
correto tensionamento, repet ir todo o procedimento; 2.2 av
* Torquear o parafuso de fi xação do rolamento tensor com 20 Nm;
* Montar a polia do virabrequim e torquear seus parafusos com 20Nm. Zafira
2.0 av

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba d ' água
VB = Virabrequ im

Posição "A" tensão de


trabalho para correias
novas.

Posição " 8" tensão de


trabalho para correias
usadas.

91
fig. 06

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AII. C·2.s.5. 00270.CenUo [ mpesabl.$ebba, IOb719
Nma SUÇa. 74280-010. Gc:»ââla · Goiós
t.2 . 3942....3939 . \Oendcs@ci:::bof9enhab .c:an.b
ENGENHARIA www.dcbengenhoo.cxm.l>
Witer Marcos de Oliveira
GENERALMOTORS
Motor Maxion HS 2.5l #Correia 118SP+300H

Inspeção: a cada 20.000 Km.

S-10 Período de troca: a cada 80.000 Km


Blazer
Ferramenta/ específico necessário:
Ferramenta (pino) para travamento da polia da bomba injetora.

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para sincronismo do volante do motor.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos de fixação da polia da bomba injetora 25,0
Parafuso da polia do virabrequim 80,0 Nm + 90°
Parafuso de fixa ão do rolamento tensor 45,0

Tempos de reparo (em horas):


IGM/ Ford/ Land Rover 3, 10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dent ada
removida;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Marcar o sentido de rotação da correia dentada para casos de reutilização;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas ou polia da bomba
injetora.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° ci lindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequ im: O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS será fig. 07
confirmado através do alinhamento da chaveta da pol ia à seta gravada na
92 carcaça (fig. 06); Detalhe do uso do torquímetro
durante o tensionamento.

C •I cI ~ J<.J. C·2SS.n021Q,CerftoEmpQSOIIQISett>a,.scio 719


Nc;JI,oo SUço. 742t:l)-010, Goiôrio -Goiás
62. 3942-3939. vEII'KhS@c~com.bf
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .-.c~a.can.o.
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
GENERALMOTORS
Motor Maxion HS 2.5L # Correia 118SP+300H

NOTAS:
- Nesta condição, remover o bujão na carcaça do volante do motor e inserir a ferramenta de sincronismo do
mesmo (figs. 04 e 05) ; 5·10
- O bujão poderá se encontrar em diferentes pontos na carcaça do volante do motor, dependendo do modelo Blazer
do veículo;
-O 4° cilindro estará em "balanço";
b) na bomba injetora: O sincron ismo da polia da bomba injetora é feito al inhando-se o furo existente na polia
~ ao furo existente no flange da bomba e inserindo a ferramenta (pino) de sincronismo (figs. 02 e 03);
~ c) no comando de válvulas: O sincron ismo do comando é feito alinhando-se a marca existente na polia do
·5 mesmo com a marca existente na carcaça da caixa de distribuição (figs. 01 e 06)j
1
l
-õ Extração, reposição e tensionamento da correia:
~

~
a) durante a extração:
-~
* Remover a tampa da caixa de distribuição;
I
"
* Manter alinhadas as referências e aplicar as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e
volante do motor (f igs. 03 e 05);
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor, aliviando assim, a tensão da correia dentada ;
* Ext rair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamento
auxilia r (RA).
b) durante a reposição:
-~ * Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequim e no sentido anti-horá rio;
~ NOTAS:
t - Assegurar-se do correto sincronismo das marcas do comando de válvulas, que o pino da pol ia da bomba
1 injetora esteja corretamente encaixado e que o pino de si ncronismo do volante do motor esteja encaixado
Ê
no entalhe do mesmo (figs 03, 05 e 06);
2
t - Manter a correia estücada entre as polias.
~
c) durante o tensionamento :
~
-~
* Desapertar os parafusos de fixação da polia da bomba injetora, permitindo o deslocamento da mesma
~ nos furos oblongos;
!<
* Desapertar ligeiramente o parafuso de fixação do rolamento tensor;
! * Encaixar na placa do rolamento tensor, uma extensão de encaixe 13mm;
t~
~~ NOTA:
;; - Executar o tensionamento utilizando um torquímetro de até 60,0 Nm, aplicando-o na posição mais
2 vertical possível (fig. 07);
~
:; - Tensionar com 14- 1 6 Nm para correias novas;
- Tensionar com 11- 13 Nm para correias usadas;
.
~
* Apertar temporariamente os pa rafusos de fixação da polia da bomba injetora;
~ * Remover as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
..
~

u
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário;
8. * Introduzir novamente as ferramentas de si ncronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
~ * Soltar novamente os parafusos de fixação da pol ia da bomba injetora e retensionar a correia;
~ * Torquear com 25 ,0 Nm os parafusos de fixação da polia da bomba injetora;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Torquea r o pa rafuso de fixação do rolamento tensor com 45 ,0 Nm;
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 80,0 Nm + 90° .
Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
Bl = Bomba Injetora
93
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
LANDROVER
Motor Maxion HS 2.5l #Correia 11BSP+300H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Defender
Período de troca: a cada 80.000 Km

Ferramenta/ específico necessário:


Ferramenta (pino) para travamento da polia da bomba injetora.

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para sincronismo do volante do motor.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos de fixação da polia da bomba injetora 25,0
Parafuso da polia do virabrequim 80,0 Nm + 90°
Parafuso de fixação do rolamento tensor 45,0

Tempos de reparo (em horas):


IGM/Ford/ Land Rover 3, 10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Marcar o sentido de rotação da correia dentada para casos de reutilização;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas ou polia da bom ba
injetora.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequ im: O posicionamento do pistão do 1o cili ndro em PMS será
fig. 07
confirmado através do alinhamento da chaveta da polia à seta gravada na
94 carcaça (fig. 06); Detalhe do uso do torquímetro
dura nte o tensionamento.

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orhe om.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.combo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
LANDROVER
Motor Maxion HS 2.5l # Correia 118SP+300H

NOTAS:
- Nesta cond ição, remover o bu jão na carcaça do volante do motor e inserir a ferramenta de sincron ismo do
mesmo (figs.04 e 05); Defender
- O buj ão poderá se encontra r em diferentes pontos na carcaça do volante do motor, dependendo do modelo
do veículo;
-O 4° cilindro estará em " balanço";
b) na bomba injetora: O sincronismo da polia da bomba injetora é feito ali nha ndo-se o furo existente na polia
ao furo existente no flange da bomba e inserindo a ferramenta (pino) de si ncronismo (figs. 02 e 03);
c) no comando de válvu las: O sincron ismo do comando é feito alinhando-se a m arca existente na polia do
mesmo com a ma rca existente na carcaça da ca ixa de distribuição (figs. 01 e 06);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rante a extração:
* Remover a tampa da ca ixa de d istribuição;
* Manter alinhadas as referências e aplicar as ferramentas de sincron ismo da pol ia da bomba injetora e
volante do motor (f igs. 03 e 05);
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor, aliviando assi m, a tensão da correia dentada;
* Extrair correia dentada ;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamento
auxilia r (RA).
b) du rante a reposição:
* Aplicar a correia dentada a parti r da polia do vi rabrequim e no sent ido anti-horário;
NOTAS:
-Assegurar-se do correto sincronismo das marcas do coma ndo de válvulas, que o pi no da polia da bomba
injetora esteja corretamente encaixado e que o pino de sincronismo do volante do motor esteja enca ixado
no entalhe do mesmo (figs 03, 05 e 06);
- Manter a correia est icada entre as polias.
c) du rante o tensionamento:
* Desapertar os parafusos de fixação da polia da bomba injetora, permitindo o deslocamento da mesma
nos furos oblongos;
* Desapertar ligeiramente o pa rafuso de fixação do rolamento tensor;
* Enca ixar na placa do rolamento tensor, uma extensão de encaixe 13m m;
NOTA:
- Executar o tensionamento ut ilizando um torquímet ro de até 60,0 Nm, aplicando-o na posição ma is
vertical possível (fig. 07) ;
- Tensionar com 14-1 6 Nm para correias novas;
- Tensionar com 11-13 Nm para correias usadas;
* Apertar temporariamente os parafusos de fixação da polia da bomba i njetora;
* Remover as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
* Gi rar o motor por duas voltas no sentido horário;
* Int roduzir novamente as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
* Soltar novamente os parafusos de fixação da polia da bomba injetora e retensionar a correia;
* Torquear com 25,0 Nm os parafusos de fixação da polia da bomba injetora ;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Torquear o pa rafuso de fixação do rolamento tensor com 45,0 Nm;
* Torquea r o pa rafuso da polia do virabrequi m com 80,0 Nm + 90° .
Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxil iar
Bl = Bomba Injetora
95
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI ~ Av. C255, rP270.Centa:>~S8Xn.sab


No'o'Q $1;;0. 74280-01 o. Gok)-Wo. Goi6s
62 - 39J2-3939 · \'EIOdo$@Ct:be~o.corn.b
ENGENHARIA .....a:bengOnhaocan.~>
719
Witer Marcos de Oliveira
MERCEDESBENZ
Motor Maxion HS 2.5l #Correia 118SP+300H

Inspeção: a cada 20.000 Km .

Sprinter Período de troca: a cada 80.000 Km

Ferramenta/ específico necessário:


Ferramenta (pino) para travamento da polia da bomba injetora.

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para sincronismo do volante do motor.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos de fixação da polia da bomba injetora 25,0
Parafuso da polia do virabrequim 80,0 Nm + 90°
Parafuso de fixação do rolamento tensor 45,0

Tempos de reparo (em horas):


IGM/Ford/ Land Rover 3,10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Marcar o sentido de rotação da correia dentada para casos de reutilização;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas ou polia da bomba
injetora.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com o 1° cilind ro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no virabrequim : O posicionamento do pistão do 1° cilindro em PMS será fig. 0 7
confirmado através do alinhamento da chaveta da pol ia à seta gravada na
96 carcaça (fig. 06); Detalhe do uso do torquímetro
dura nte o tensionamento.

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
MERCEDESBENZ
Motor Maxion HS 2.5L # Correia 11BSP+3DOH

NOTAS:
- Nesta cond ição, remover o bu jão na carcaça do volante do motor e inserir a ferramenta de sincronismo do
mesmo (figs.04 e 05) ; Sprinter
- O bujão poderá se encontra r em diferentes pontos na carcaça do volante do motor, dependendo do modelo
do veículo;
- O 4° cilindro estará em "balanço" ;
b) na bomba injetora: O sincronismo da polia da bomba injetora é feito alinhando-se o furo existente na polia
ao furo existente no flange da bomba e inserindo a ferramenta (pino) de sincronismo (figs. 02 e 03) ;
c) no comando de válvu las: O sincron ismo do comando é feito alinhando-se a marca existente na polia do
mesmo com a ma rca exist ente na carcaça da ca ixa de distribuição (figs. 01 e 06);

Extração, reposição e tensionamento da correia:

a) du rante a ext ração:


* Remover a tampa da ca ixa de d istribuição;
* Manter alinhadas as referências e aplicar as ferramentas de sincronismo da pol ia da bomba inj etora e
volante do motor (f igs. 03 e 05);
* Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor, aliviando assim, a tensão da correia dentada;
* Ext rair correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de " pontos duros" no rolamento tensor (RT) e rolamento
auxi lia r (RA) .
b) durante a reposição:
* Aplicar a correia dentada a partir da polia do virabrequ im e no sent ido anti-horário;
NOTAS:
-Assegurar-se do correto sincronismo das marcas do coma ndo de vá lvulas, que o pi no da polia da bomba
injetora esteja corretamente encaixado e que o pino de sincronismo do volante do motor esteja enca ixado
no entalhe do mesmo (figs 03 , 05 e 06);
- Manter a correia est icada entre as polias.
c) du rante o tensionamento :
* Desapertar os parafusos de fixação da polia da bomba injetora, perm it indo o deslocamento da mesma
nos furos oblongos;
* Desapertar ligeiramente o pa rafuso de fixação do rolamento tensor;
* Encaixar na placa do rolamento tensor, uma extensão de encaixe 13mm;
NOTA:
- Executar o tensionamento ut ilizando um torquímet ro de até 60,0 Nm, aplicando-o na posição mais
vertical possível (fig. 07 );
- Tensionar com 14-16 Nm para correias novas;
- Tensionar com 11- 13 Nm para correias usadas;
* Apertar temporariamente os parafusos de fixação da polia da bomba injetora ;
* Remover as ferramentas de sincronismo da polia da bomba injetora e do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário ;
* Int roduzir novamente as ferramentas de sincronismo da polia da bomba inj etora e do volante do motor;
* Soltar novamente os parafusos de fixação da pol ia da bomba injetora e retensionar a correia;
* Torquear com 25 ,0 Nm os parafusos de fixação da polia da bomba injetora ;
* Remover as ferramentas de sincronismo;
* Torquea r o parafuso de fixação do rolamento tensor com 4 5 ,0 Nm;
* Torquear o pa rafuso da polia do virabrequim com 80 ,0 Nm + 90° .
Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxi liar
Bl = Bomba Injetora
97
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AvC-255.no270. CentfO En"'()fe'$a01Sebb:l.sob719


No\O SUça.74280·0iaGoitnlo-Goôs
6:2- 3942-3939- ...eodai@cl::bangenhao.ccm.tJ
ENGENHARIA """'·cic""""""'"'""ccrn.t>
Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT

Motores 040 1.0 e 04F 1.2 -16V #Correia 095SP+234H

Período de troca: a cada 80.000 Km

206 Ferramenta/ específico necessário:


1.0 16V
Ferramenta para travamento do volante com o motor em ponto morto superior
(PMS).

fig. 02 f ig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Porca do rolamento do tensor: 24
Parafuso da polia do virabrequim: 40 + 70° ± 5°

Tempos de reparo (em horas):


2,30

Precauções especiais:
* Desconect ar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de ignição;
* Não gira r o motor através do comando de válvulas;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cil indro em ponto morto superior e checar os


segui ntes pontos:
a) no comando de válvulas: alinhamento da referência (rasgo) na polia , com o ressalto
na tampa interna de proteção da mesma (fig . 02);
b) no virabrequim: alinhamento da referência (rasgo) na polia, com ressalto na carcaça
da bomba de óleo (fig. 04).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) d urante a ext ração:


* Travar o volante do motor com ferramenta específica (vide ferramenta!
específico);
* Soltar a porca de t ravamento rolamento tensor;
* Verificar se o rolamento tensor esta em repouso e se o espigão do mesmo
esta corretamente posic ionado em seu alojamento (fig. 03) ;
* Apertar o parafuso da polia do virabrequim, juntamente com sua arruela,
com um torque de 1,5 kgf* m , afim de manter a pol ia imobilizada.
b) d urante a reposição:
* Checar novamente as marcas de si ncronismo ;
* Al inhar as marcas que se encont ram na face interna da nova correia as
referências das polias do comando e do virabrequi m.
c) durante o tensionamento:
* Dest ravar o vo lante, removendo a ferramen ta (vide f erram enta!
98 específico);

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
PEUGEOT

Motores D4D 1.0 e D4f 1.2 -16V #Correia 095SP+234H

* Com a chave sextavada 6 mm levar a referência móvel do tensor ao seu


índice máximo (fig. 03);
* Apertar o tensor e girar o motor 6 voltas no sentido horário, posicionando-o
206
ao final em ponto morto superior;
1.0 16V
* Desapertar levemente a porca de travamento do tensor, segu rando-a
com chave sextavada 6mm e leva ndo o marcador progressivamente até
o centro da janela de referência (fig. 03) .

Legendas:
CV =Comando de Válvulas
RA =Rolamento de Apoio
RT =
Rolamento Tensor
VB =
Virabrequ i m

99

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AvC-255.no270. CentfO En"'()fe'$a01Sebb:l.sob719


No\O SUça.74280·0iaGoitnlo-Goôs
6:2- 3942-3939- ...eodai@cl::bangenhao.ccm.tJ
ENGENHARIA """·cic""""""'"'""ccrn.t>
Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT

Motor TU5JP4/L4 -1.616V #Correia 134SP254H

Período de troca: a cada 90.000 Km

206 Ferramenta/ específico necessário:


1.6 16V
Ferramentas Para Travamento dos Comandos.
307
1.6 16V

Partner
1.6 16V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta Para Travamento Volante do Motor.

fig. 0 4 fig. 0 5

Ferramenta Para Travamento do Tensor Automático.

fig. 06 fig. 07 Traço na


cor " branca"

Torques de aperto (em Nm):


Parafuso do rolamento tensor 20 ,0
Parafusos da polia de acessórios no virabrequim 25,0

Tempos de reparo (em horas):


1206 / 307 2,50
Partner 2,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de vá lvu las com a co rre ia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
100 * Não girar o motor através da polia do comando de válvulas; Traço na
* Nunca montar novamente uma correia extraída. cor "branca"

Impresso original em PAPEL REC ICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
PEUGEOT

Motor TU5JP4/L4 ·1.616V #Correia 134SP25411

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

a) nos comandos de válvulas: sincronismo dos furos existentes nas polias dos 206
comandos de válvulas com os furos no cabeçote e inserção dos pinos de 1.6 16V
travamento (figs. 02 e 03);
b) no virabrequim: O alinhamento do furo existente no bloco ao furo no volante 307
do motor e inserção do pino de travamento do mesmo (fi gs. 04 e 05). 1.6 16V

g Extração, reposição e tensionamento da correia Partner


,; 1.6 16V
1a) durante a extração:
.,~ * Manter posicionadas as f erramentas de t ravamento das polias dos
~ comandos de válvu las e volante do motor;
l * Alivia r o parafuso de trava mento do rolamento tensor automático, em
-~ seguida, girá-lo com o auxíl io da chave allen (ponto "C") até o ponteiro
~
"'
atingir o ponto "A" inserindo o pino de travamento (figs. 06 e 07);
* Girar o rolamento tensor pa ra direita até o ponto "A" se alinhar ao ponto
"8 " (fig. 07);
* Extrair a correia dentada ;
] NOTA: Nunca girar o rolamento tensor uma volta completa ;
~ * Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
o
~ nos rolamentos tensor (RT) e auxiliar (RA).
t fig. 11
·~ b) durante a reposição:
~ * Aplicar a correia dentada respeitando a seguinte ordem : Pol ia do
comando de admissão (CA), polia do comando de esca pe (CE), rolamento
auxi liar (RA) , polia do virabrequim (VB), fixando-a por meio do clip de
retenção fig. 11), polia da bomba d ' água (PB) e fi nalmente rolamento
tensor (RT);
NOTA: A correia poss ui 3 ref erências (t raços na cor bra nca)
respectivamente que dizem respeito aos dentes 01, 52 e 72 (figs. 08 ,
09 e 10);
durante o tensionamento:
* Remover o clip de retenção da correia e os pinos de travamento das
polias dos comandos de válvulas e volante do motor;
* Remover a ferramenta de travamento do rola mento tensor com auxílio
da chave allen (figs. 06 e 07);
* Girar o motor 4 voltas no sentido horário, colocando-o em PMS ao final
da última volta;
* Instalar as ferramentas de travamento do volante do motor e comandos
de vá lvulas para aferição (figs. 05 e 03);
NOTA: É perm itida uma ligeira rotação nos coma ndos para facilitar a
introdução das ferramentas.

Legendas:
CA = Comando de Admissão
CE = Comando de Escape
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba D' água
VB = Virabrequim

101

Impresso original em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT
Motores XU5 ·1.6/ XU7·1.8 8V 8 XU10 2.0 #Correia 114SP+110H

Período de troca: a cada 90.000 Km

205 Ferramenta/ específico necessário:


1.6
Ferramenta Para Travamento do Comando.
306
1.8

405
1.6 I 1.8 I
2.0

406
1.8 fig. 0 2 fig. 03

Ferramenta Para Travamento do Virabrequim.


605
2.0
2.0 turbo

u ~~
Partner
1.8 8V oeVB
fig. 0 1
..
t

fig. 0 4 fig. 05 i
~
Ferramenta Para Travamento do Volante do Motor. e
F

fig. 06 fig. 07

Ferramenta Para Medição da Tensão da Correia.

Detalhe do "furo" pa ra aplicação "


da ferramenta de posicionamento .~.
do virabrequim _
3
~
g_

fig. 08 fig. 09

Torques de aperto (em Nm):


Parafuso do rolamento tensor 21 ,0
Parafuso da polia do virabrequim 130,0

Tempos de reparo (em horas):


102 IPartner 2,30

Impresso origi nal em PAPEL REC ICLA DO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
PEUGEOT

Motores XU5 -1.6/ XU7 -1.8 BV e XU10 2.0 #Correia 114SP+170H

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
205
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição; 1.6
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Não montar novamente uma correia extraída. 306
1.8
Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo
405
a) no comando de válvulas: si ncronismo do furo existente na polia do comando de válvulas com o furo no 1.6 I 1.8 I
cabeçote e inserção do pino de t ravamento (figs. 02 e 03); 2.0
b) no virabrequ im: O ali nhamento do furo exist ente no bloco ao furo na polia de acessórios do virabrequim e
inserção do pino de travamento do mesmo (figs. 04 e 05). 406
1.8
Extração, reposição e tensionamento da correia
605
a) du rante a extração: 2.0
* Manter instaladas as ferramentas de posicionamento das polias do comando de válvulas e vi rabrequim; 2.0 turbo
* Bloquear o volant e do motor para faci lit ar a remoção do parafuso da polia do virabrequim , por meio da
ferramenta específica (figs. 06 e 07); Partner
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento tensor; 1.8 8V
* Ext rair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de " pontos duros" no rolamento tensor (RT).
b) du rante a reposição:
* Aplicar a correia dentada respeitando a seguinte ordem: Polia do coma ndo de válvulas (CV), polia do
virabrequim (VB), polia da bomba d ' água (PB), e finalment e rolamento tensor (RT);
* Instalar a ferrament a de posicionamento do virabrequim para verificação do ponto (fig. 05) .
c) du rant e o tensionamento:
* Remover a ferramenta de posicionamento do virabrequim;
* Remover a ferramenta de travamento do volante do motor (fig. 07);
* Atua r no rolamento tensor, girando-o no sentido ant i-horário até obter uma tensão de 30 ± 2 unid.
SEEM;
NOTA: Para isso, utilizar a ferramenta específica (figs. 08 e 09) , aplica ndo-a no ponto "T" (fig. 0 1 );
* Apertar o parafuso de t ravamento do rolamento tensor com 21 Nm;
* Remover as ferramentas de posicionamento da polia do comando de válvulas e de medição da tensão da
correia (figs. 03 e 09);
* Girar o motor duas volt as no sentido normal de rotação;
* Aferir novamente o ponto, por meio das ferramentas específ icas (figs. 03 e 05);
* Girar novamente por duas voltas o motor, no sentido normal de rotação, deixando-o em PMS ao final da
2 a volta;
* Aplicar novamente a ferramen ta de medição da tensão da correia dentada no ponto "T", o valor obt ido
deverá ser de: 44 ± 2 unid. SEEM ;
NOTA: Caso o valor encontrado esteja fora do especificado, repetir todo o processo de tensionamento;
* Montar a ferramenta de t ravamento do volante do motor e torquear o parafuso de travamento da polia do
virabrequim com 130 Nm.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
PB =Bomba D' água
VB = Virabrequim

103

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT

Motor XU10J4RS • 2.0 16V #Correia 136SP+254H

Ano: 2000- 02.

306 Código do Motor: XU10J4RS (RFS) .


2.0 16V

406 Períodos de troca:


2 .0 16V A CITROEN RECOM ENDA:
Substituição a cada 50.000 milhas (80.000 Km) ou 10 anos sob condições normais ou a cada 40.000 milhas (64.000
Km ) ou 10 anos sob condições adversas de uso.
NOTA: As condições de uso e histórico de serviços do veículo devem ser levados em conta.

Ferramenta/ específico necessário:


* Pinos de Sincronismo dos Comandos:
CITROEN N° 9041-T.Z. I PEUGEOT N° 0153G
* Pino de Sincronismo do Virabrequim:
CITROEN N° 7014 -T.N. I PEUGEOT N° 0153AB
* Medidor de Tensão:
CITROEN N° 4 122 -T. I PG. SEEM C.TRON IC 105.5
* Ferramenta Para Travamento do Virabrequ im:
CITROEN N° 9044 -T. I PEUGEOT 01340
* Ferramenta de Tensionamento:
CITROEN N° 7017 -T.W.
* Ferramenta Para Travamento dos Comandos:
CITROEN N° 4200 -T.G.

Tempos de reparo (em horas):


2 ,90
l ;g6 I 406
+0,10 I
Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimentos do motor;
* Não girar o motor at ravés das polias dos comandos de válvulas;
* Girar o motor sempre no sentido de rotação do mesmo;
* Neste motor, existe a possibilidade de empenas de válvulas pelos pistões caso ocorra falha/rupt ura da correia dentada,
neste caso, executar o teste da compressão dos cilindros ant es de se remover o cabeçote.

Durante a Remoção:

CUIDADO: Este motor pode sofrer a quebra da polia do virabrequim, resu ltando num possível alinhamento
incorreto do furo do pino de sincronismo da polia. A correia dentada deste mot or deve ser removida e instalada
com o motor a 90° APMS ( pistões alinhados e 1° cilindro em ascensão). Se necessário, ajuste a polia nova
nessa cond ição.
* Remover o suporte do motor;
* Remover a correia de acessóri os;
* Desconecta r os t ubos de combustível;
* Destravar a o fecho das proteções da correia dentada (puxar para cima) - 1;
* Remover os parafusos da proteção superior da correi a dentada - 2 ;
* Remover a proteção superior da correia - 3 ;
* Girar o virabrequ im no sentido horário até deixá-lo na posição de sincronismo;
* Inserir o pino de sincronismo no fu ro da polia do virabrequim- 4 . Ferramenta N° 7014-T.N ;
* Inserir os pinos de sincronismo nas polias dos comandos de vá lvu las- 5 . Ferramenta N° 904 1-T.Z;
* Travar o virabreq uim. Usar a ferra menta N° 9044-T - 6 ;
104 * Remover:
- O pino de sincronismo do virabrequim - 4 ;

Impresso original em PAPEL RECICLADO


.
ProcedJmen tos de Troca de Corre1as
. Sincronizadoras
PEUGEOT
Motor XU10J4RS - 2.o16V #Correia 136SP+134H

306
2 .0 16V

406
2 .0 16V

Legendas:
d de Admissão
CA = Coman o d de Escape
CE = Coman onto Auxiliar
R~==R~~~;~ento
B _Bomba
p Ç"B
~eá~~;
0
= Virabrequim

Impresso original em PAPEL RECICLADO C I•cI ~ Av."""'~"


ENGENHARIA
C-255,n;:426o..ota.~~bccmb
"""""'ª"~
70 Centlo EmpfosadsebOO,

62 . 3~2-3939 .
.
b .o om.D
..-.-wclc. , . , . _
GoC)s sob n9
Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT

Motor XU10J4RS- 2.0 16V #Correia 136SP+254H

- O parafuso da polia do virabrequim - 7 ;


- A polia do virabrequ im - 8;
306 - A proteção inferior da correia dentada - 9 ;
2.0 16V * Soltar o parafuso de fixação do rolamento tensor- 10;
* Movimentar o tensor afastando-o da correia , e apertar o seu parafuso de fixação ligeiramente;
406 * Remover a correia dentada;
2.0 16V
Instalação e Tensionamento:

* Remover o parafuso - 11;


* Travar as pol ias dos comandos de válvu las. Ferramenta N° 4200 T.G - 15;
* Afrouxar os parafusos das polias dos comandos - 12 ;
* Remover a ferramenta de travamento das polias dos comandos;
* Assegurar-se de que as polias girem livremente nos comandos;
* Aplicar a correia dentada a partir da pol ia do comando de escape (CEl e no sentido horário;
* Aplicar o medidor de tensão no ponto "T". Ferramenta N° 4122-T - 13 ;
* Afrouxar o parafuso do rolamento tensor - 10;
* Girar o tensor no sentido anti-horário até o medidor de tensão indicar 55 unidades SEEM- 14. Ferramenta
7017 - T.W;
* Torquear o parafuso do rolamento tensor com 21 ,ONm- 10;
* Travar as polias dos comandos de vá lvulas. Ferramenta N° 4200 T.G;
* Torquear os parafusos das polias dos comandos com 40,0Nm - 12;
* Remover:
-Os pinos de sincronismo- 5;
-O medidor de tensão- 13;
-A ferramenta de t ravamento do virabreq uim - 6 ;
- A ferramenta de t ravamento das polias dos comandos- 15;
* Temporariamente, instalar a polia do virabrequ im;
* Girar o virabrequim seis voltas no sentido horário;
* Inserir o pino de sincronismo na polia do vi rabrequim - 4 ;
* Inserir os pinos de sincronismo nas polias dos comandos - 5 ;
* Travar as polias dos comandos;
* Afrouxar os parafusos das polias dos comandos - 12 ;
* Remover a ferramenta de travamento dos comandos;
* Inserir os pinos de sincronismo nas polias dos comandos- 5 ;
* Afrouxar a porca do rolamento tensor - 10;
* Aplicar o medidor de tensão no ponto "T"- 13;
* Girar o tensor no sent ido anti-horário até o medidor de tensão indicar 35 unidades SEEM - 14;
* Torquear o parafuso do rolamento tensor com 21 ,0Nm - 10;
* Travar as pol ias dos comandos;
* Torquear os parafusos de cada pol ia dos coma ndos com 75,0Nm - 12;
* Remover a ferramenta de travamento dos comandos;
* Remover os pinos de sincronismo- 4 e 5 ;
* Girar o virabrequim duas voltas no sent ido horá rio;
* Inserir o pino de sincronismo da polia do virabrequim - 4 ;
* Inserir os pinos de sincronismo nas polias dos comandos - 5;
NOTA: Caso os pinos de sincron ismo não possam ser inseridos facilmente, repetir os procedimentos de
instalação e tensionamento;
* Remover os pinos de sincronismo - 4 e 5;
* Instalar os componentes na ordem inversa de remoção;
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 130 ,0Nm- 7 .

106

Impresso orialnal em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT
Motor EW10J4 · 2.0 16V #correia 153SP254H1

Período de troca: a cada 90.000 Km

307 Ferramenta/ específico necessário:


2.0 16V
Ferramenta Para Travamento dos Comandos.
406
2.0 16V

fig. 02

Ferramenta Para Travamento do Virabrequim.

fig. 04 fig. 05

Ferramenta Para Travamento da Polia do Virabrequim.

fig. 06 fig. 07

Torques de aperto (em Nm e ou ângulo): fig. 08

Parafuso do rolamento tensor: 2 1,0


Parafuso da polia do virabrequim
* cubo com anilha de aço "cor dourada": 40,0 + 53° ± 4°
* cubo com anilha de aço tratado "cor metálica" : 40,0 + 40° ± 4°

Tempos de reparo (em horas):


1307 3,90
406 2 ,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição; fig. 09
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Girar o motor sempre no sentido de rotação do mesmo; Marcador
108 * Nunca montar novamente uma correia extraída. Chave Allen 6 mm
Parafuso Travamento

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Im presso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.combo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
PEUGEOT
Motor EW10J4- 2.0 16V #Correia 153SP254H1

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

a) nos comandos de válvulas: sincronismo dos fu ros 307


existentes nas polias dos comandos de vá lvulas 2.0 16V
com os furos no cabeçote e inserção dos pinos de
t ravamento (figs. 02 e 03) ; 406
NOTAS: 2.0 16V
- Considerar os fu ros "A" para os modelos ~ e
"B" pa ra os modelos .3..Ql.
- As ferramentas devem entrar sem interferência, caso
~ isso ocorra, recomeçar a operação de sincronismo.
s b) no virabrequim: o ali nhamento do furo existente na
~ borda do cubo da polia com o furo fixo na flange do
] bloco (fig. 05). ADVERTÊNCIA: O furo de encaixe da chave
-! sextavada deve se encont rar a cerca de 15°
~ Extração, reposição e tensionamento da correia abaixo da junta do cabeçote, caso contrário,
"' su bstituir o rolamento tensor;
du rante a extração: * Remover a ferramenta (pino) de posicionamento
* Manter posicionadas as fe rr ame ntas de do virabrequim ;
travamento das polias dos comandos de válvulas * Girar o motor por 10 voltas no seu sentido horário.
e polia do virabrequim; NOTA: Durante essa operação, a correia não
* Aliviar o parafuso de travamento do rolamento tensor, deve sof rer nenhuma pressão ou ação externa;
em seguida, girá-lo no sentindo horário por meio de * Instalar os pinos de travamento das polias dos
uma chave allen e extrair a correia (fig. 09); comandos de válvulas;
* Testar as condições de folga e desgaste no * Checar se ponteiro do rolamento tensor se encontra
~] rolamento tensor (RT).
alinhado com o entalhe "8", caso não esteja, repetir
É' b) du rante a reposição:
todo o procedimento de tensão (figs. 09 e 10);
.e * Aplicar a correia dentada a partir da polia do * Inserir o pino de posicionamento do vi rabrequim
i virabrequim (VB), mantendo-a fixa por meio do (fig. 05);
clip de retenção (fig. 08); NOTA: Caso haja impossibilidade de inserir o
* Continuar a aplicação da correia respeitando pi no, reposicionar a plac a (cubo) adotando o
a segui nte ordem : Rolamento auxil iar (RA), segu inte procedimento:
polia do comando de admissão (CA), polia do * Imobilizar o vi rabrequim por meio da fe rramenta
comando de escape (CE), bomba d'água (P8), específica (figs. 06 e 07);
e fina lmente, rolamento tensor (RT); * Desapertar o parafuso de f ixação da polia do
NOTA: Fazer a apl icação da correia de maneira vi rabreq uim, li berando-a ;
que f ique o mais al inhada possível a face exterior * Alinhar o orifício da placa (cubo) ao orifício de inserção
das engrenagens e rolamentos. do pino de posicionamento do virabrequim;
5 c) durante o tensionamento: * Montar o pino de posicionamento do virabrequim ;
* Remover o clip de retenção da correia e os * Imobi lizar o vi rabreq uim com a ferramenta
pinos de trava mento das pol ias dos comandos específ ica (figs. 06 e 07);
de válvulas; * Apl icar o torque no p arafuso d a po l ia do
* Girar o rolamento tensor no sent ido anti-horá rio vi rabrequim respeitando o seguinte:
usando uma chave allen, até o ponteiro ati ngir p/ cubo com anilha de aço "cor dourada" 40 Nm
a posição 'W' (figs. 09 e 10). + 53° ± 4°.
NOTA: O ponteiro d eve ultrapassar o entalhe "B" p/ cubo com an ilha de aço tratado "cor metálica"
em pelo menos 10°, caso contrário substituir o 40 Nm + 40° ± 4°.
rolamento tensor (fig. 10);
* Com a chave allen, girar o rolamento tensor no sentido Legendas:
horário (voltando) até o ponteiro atingir seu ponto de CA = Comando de Admissão
afinação, ou seja, o entalhe "8 ", (fig. 10). CE = Comando de Escape
NOTA: Caso o ponteiro ultrapasse o entalhe "8 ", RA = Rolamento Auxiliar
repetir o proced imento de tensionamento; RT = Rolamento Tensor
* Aperta r o parafuso de f ixação do rolamento PB = Bomba D' água 109
tensor com 21 Nm. VB = Virabrequim -----

C • cI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719
Impresso original em PAPEL RECICLADO
I
ENGENHARIA
Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
..w..a:bonQOO""'b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
PEUGEOT

Motor 2.80 # Correia 153SHOS300H/ Motor 2.810 # Correia 154SHOS300H

Período de troca: a cada 60.000 Km • i '

Boxe r Ferramenta/ específico necessário:


2.8 D
Ferramenta Para Travamento da Polia da Bomba Injetora.
2.8 TD

fig. 02 fig. 03

Ferramenta Para retenção do Dispositivo de Tensionamento da Correia.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Parafusos da polia do virabrequiim (volante amortecedor) 200,0
Porca de travamento do tensor da correia dentada 40,0
Porca de fixação do suporte do tensor 25,0
Parafusos da tampa dianteira do virabrequim 40,0

Tempos de reparo (em horas):


Ducato 1,80
Master 1,80
Jumper 1,80
Boxer 1,80

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Evitar provocar dobras e ângulos vivos na correia dentada;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Checar a bomba injetora após a troca da correia.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° ci lindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) no comando de válvu las: Sincronismo da marca existente na flange interna
da polia do comando de válvulas alinhada à marca na tampa de válvulas
110 (figs. 01 e 06);
-----

C •I cI ~ Jw.C -25S. no:17Q.cem o ErJl)eokJIS9t:t>a. sda 719


NcJ.oa SUço. 742ffi-01 o. Goi6nb . Gd6s
62 • 3942-3939 -'VEII'ICbs(fpet::toengentoro.c om .bf
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA """·c"""""""'nc <rntx
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
PEUGEOT
Motor 2.80 # Correia 153SHDS300H/ Motor 2.8m #Correia 154SHDS300H

b) na bomba injetora: Alinhar o furo de referência da polia de comando da


bomba injetora com o furo da flange dianteira dos órgãos auxiliares, inserindo
o pino de retenção da polia (figs 02 e 03); Boxer
NOTA: Pa ra veículos que poss uírem in j eção eletrônica de diesel , 2.8 D
desconsiderar todas as referências feitas sobre o sincronismo da polia de 2.8 TO
acionamento da bomba injetora, que nesse caso, é dispensado.
c) no virabrequim : O alinhamento da marca existente no amortecedor de
vibrações/ polia do virabrequim à marca na tampa dianteira do virabrequim
(fig. 07,08 e 09), nessa condição inserir também um pino de Bmm de
Detalhe FIAT Ducato
diâmetro no furo existente na carcaça do câmbio travando assim, o volante
do motor (fig. l O);

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e a porca do suporte
do mesmo;
* Atuar no dispositivo de tensionamento da correia, aplicando a ferramenta
de retenção do mesmo, aliviando assim, a correia , (figs. 04 e 05);
* Extrair a correia dentada;
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos du ros"
no rolamento tensor (RT) e rolamento auxiliar (RA).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo; Detalhe Renault Master

* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim;


NOTA: Evitar que se provoquem dobras ou âgulos vivos na correia durante
a aplicação.
c) durante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de retenção do dispositivo de tensionamento da
correia de modo que a ponta do mesmo atue no conj unto esticador;
* Remover a ferramenta de travamento da polia de acionamento da bomba
injetora e o pino de t ravamento do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário, alinhando ao final da
últ ima volta, as referências de sincronismo;
* Torquear com 25 Nm a porca de fixação do su porte do tensor e com
45 Nm a porca de travamento do mesmo;
* Atuar no ponto "T" (fig. 01), com uma força de 92 ,0 Nm a 98 ,0 Nm a
correia deve deixar-se ceder de 7 a Bmm; Detalhe Peugeot Boxer

* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 200,0 Nm.

Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
Bl = Bomba Injetora
VB = Virabrequim

fig. 11
Detalhe da a pl icação d o pi no
Bmm para travamento d o volante 111
do motor. -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ Av C·255. n0270.Centto Emp~Q~CJ~Sebbo. IOb 719
No'.o SUÇa. 74280.010. Gcimla. Goós
62 · 3942...3939 - '\ol8tldcs@Ci:::~ia.ocrn.tr
ENGENHARIA -.e~cbenger"h>b .com.t>
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
Motores D7D/D7F ·1.0 e1.2 BV #Correia 087SP170H

Período de troca: a cada 80.0 0 0 Km

Clio 11 Ferramenta/ específico necessário:


1. O 8V
Ferramenta para travamento do motor em PMS.
Kangoo
1.0 8V

Twingo
1.0/ 1.2 8V

fig. 02 fig. 03

Ferramentas para controle da tensão da correia dentada.

fig. 04

fig. 06 fig. 07

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso do rolamento tensor: 50,0
Parafuso da polia do vi rabrequim: 20,0 + 90°

Tempos de reparo (em horas):

ICiio 11
Kangoo
2,00
2, 10
Twingo 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gi rar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dent ada
removida;
*Remover as velas de ignição;
*Não girar o mot or através da polia do comando de válvulas;
* Nunca montar novamente uma correia extraída.

112

Impresso original em PAPEL RECICLA DO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
Motores 070/0lf ·1.0 e1.2 BV #Correia 087SP170H

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor em ponto morto superior e checa r os segui ntes pontos: Clio 11
a) no comando de válvulas: al inhamento da referência na polia com a marca 1. O BV
existente em sua tampa posterior de proteção (fig. 08);
NOTA: A polia possu i cinco marcas, sendo que apenas a marca retangu lar Kangoo
representa o PMS, as demais servem apenas de referência para regulagem 1.0 8V
de vá lvu las (fig. 1 1);
b) no virabreq uim: o alinhamento da referência existente na polia com a Twingo
marca fixa na proteção da mesma, em seguida, a insta lação da ferramenta 1.0/ 1.2 8V
específica (pino), (figs. 02 e 03) inserindo-o em seu alojamento no volante
do motor.

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração
* Manter alinhadas as referências da polia do comando de vá lvulas e
polia do virabrequim, bem como, a ferramenta (pino) de posicionamento
instalada;
* Aliviar a porca de t ravamento do rolamento tensor e ext rair a correia;
* Testar as condições de folga e desgaste no rolamento tensor (RT) .
b) durante a reposição: fig. 11
* Checar novamente a posição do virabrequim e do comando de válvulas
(figs. 08 e 09);
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim e no p<~ r a

sent ido anti-horá rio ; regulagem de


válvulas
* Assegurar o alinhamento das marcas (t raços) existentes na nova correia
com as marcas das polias do virabrequim e comando de válvulas.
c) tensionamento:
* Assegu rar que a correia esteja esticada entre as polias;
* Aplicar o pino de travamento do motor em PMS (figs. 02 e 03);
* Torquear temporariamente o parafuso da pol ia do vi rabreq uim (apertar
o pa rafuso ligeiramente);
* Girar o rolamento tensor no sentido ant i-horário até obter uma tensão
de 20 un idades SEEM , para isto, utilizar as ferramentas especiais (figs.
04 e 05);
* Apertar a porca do rolamento tensor;
* Girar o motor por duas voltas sem recua r, (o pino de posicionamento do
PMS deve estar removido);
* Aplicar novamente o pino de travamento do motor em PMS e conferi r
as referências do comando de válvulas e virabrequim;
* Destravar o rolamento tensor e com o auxi lio da ferramenta específica
(fig. 04) girá-lo no sent ido anti-horário até obter uma posição horizontal
dos dois orifícios no rolamento tensor (fig.l 0);
* Torquear o rolamento tensor com 50 Nm;
* Girar o motor por duas voltas sem recuar;
* Ut iliza r a ferramenta específica entre a polia do virabrequim e a bomba
d'água , (ponto "T"), aplicar uma força de 10 Nm, a fim de eliminar
todas a possíveis folgas da correia antes da medição final da tensão
(figs. 06 e 07);
* Instalar a ferramenta de controle de tensão da correia no ponto "T" (fig. Legendas:
01). O va lor med ido deve ser de 20 ± 3 US; CV = Comando de Válvulas
* Repetir o processo de tensionamento caso o valor de tensão esteja fora PB = Polia Bomba D'água
do especificado; RT = Rolamento Tensor 113
* Torquear a polia do virabrequim com 20 Nm + 90°. VB = Virabrequim

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
Motores 040 1.0 e 04F 1.2 ·16V #Correia 095SP+234H

Período de troca: a cada 80.000 Km

Clio 11 Ferramenta/ específico necessário:


1.0 16V
Ferramenta para travamento do volante com o motor em ponto morto superior
(PMS).
Twingo
1.2 16V

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Porca do rolamento do tensor: 24
Parafuso da polia do virabrequim: 40 + 70° ±5°

Tempos de reparo (em horas):


I Ciio 11 2,30
Twmgo 2,70

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através do comando de válvulas;
* Não gira r o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto su perior e checar os


segui ntes pontos:
a) no comando de válvulas: alinhamento da referência (rasgo) na polia, com o ressalto
na tampa interna de proteção da mesma (fig. 02);
b) no virabrequim: alinhamento da referência (rasgo) na polia, com ressalto na carcaça
da bomba de óleo (fig. 04).
Ext ração, reposição e tensionamento da correia
a) durante a extração:
* Travar o volante do motor com ferramenta específica (vide ferramenta I
específico};
* Soltar a porca de travamento rolamento tensor;
* Verificar se o rolamento tensor esta em repouso e se o espigão do
mesmo esta corretamente posicionado em seu alojamento (fig. 03) ;
* Apertar o parafuso da polia do virabrequim, juntamente com sua arruela,
com um torque de 1,5 kgf*m , afim de manter a polia imobilizada.
b} durante a reposição:
* Checar novamente as ma rcas de sincronismo;
* Alinhar as marcas que se encontram na face interna da nova correia
as referências das polias do comando e do virabrequim .
c} durante o tensionamento:
* Destrava r o volante, removendo a ferramen ta (vide ferramenta!
114 específico};

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 7 19


NcNo St1ço. 7428)-010, G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.comb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT

Motores 040 1.0 e D4F 1.2 -16V # Correia 095SP+23411

* Com a chave sextavada 6 mm levar a referência móvel do tensor ao


seu índice máximo (fig. 03);
Clio 11
*Apertar o tensor e gi rar o motor 6 vo ltas no sentido horário ,
posicionando-o ao final em ponto morto superior; 1.0 16V
* Desapertar levemente a porca de travamento do tensor, segurando-a
Twingo
com chave sextavada 6mm e levando o marcador progressivam ente até
o centro da janela de referência (fig. 03). 1.2 16V

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RA = Rolamento de Apoio
RT = Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

115

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719


Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA - -.a:bonQOO""b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
K1M -1.6 BV # 096SP170H lKangoo e Megane K7M.704fl20J 095SP170H lMegane K7M.702fl03fl90J

Período de troca: a cada 60.000 Km

Megane Ferramenta/ específico necessário:


1.6 8V
Ferramenta (régua) para posicionamento dos comandos de válvulas.
Kangoo
* Obs: n° FORD 2 1- 162 (n° RAVEN B-4 13).
1.6 8V

fig. 02

fig. 03 fig. 04

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafuso do rolamento tensor: 50,0
Parafuso da polia do vira brequim: 20,0 + 68° ± 6°

Tempos de reparo (em horas):


I Mégane l ,80 Kangoo l ,80

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o vi rabrequ im ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Nunca montar novamente uma correia extraída;
* Inst alar a correia dentada com o motor frio.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em pont o morto superior e checar os


seguintes pontos :
a) no comando de válvulas: alinhamento da referência na polia com a marca
existente em sua ta mpa posterior de proteção (fig. 05);
NOTA: A polia possui cinco marcas, sendo que apenas a marca retangular
representa o PMS , as demais servem apenas de referência pa ra regulagem
de válvulas Cfig. 08) ;
b) no virabrequim: o alinhamento da referência existente na polia com a marca
fixa na proteção da mesma (fig. 06).

116

C •I cI ~ Av. C·25&,rP270.C&r1roEmp~rlal 5et:bo.sdo71 9


t bo Wço. 7428J.Ol0, GoiOnio · Goló:s
62 • 3942-3939 • ~k::::IOenl)ert'b.cornb
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c - o . c o m.tx
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
K7M -1.6 BV # 096SP170H lKangoo eMegane K7M.704fl20J 095SP170H lMegane K7M.702fl03fl90J

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração Mégane


* Manter alinhadas as referências da polia do comando de válvulas e 1.6 8V
polia do virabrequim;
* Aliviar a porca de travamento rolamento tensor e extrair a correia (fig. Kangoo
07); 1.6 8V
* Testar as condições de folga e desgaste no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim e no
sent ido ant i-horário;
* Alinhar as marcas (traços) existentes na face externa da correia às
referências dos comando e do virabrequim, bem como posicionar
corretamente a seta que indica o sentido de rotação da mesma (figs.
05 e 06);
* Assegurar-se de que a correia esteja esticada entre as polias.
c) tensionamento:
* Girar o rolamento tensor no sentido anti-horá rio até obter uma tensão
de 30 un idades SEEM, para isso, utiliza r as ferramentas especiais (vide
ferramenta I específico);
* Torquear a porca do rolamento tensor com 50 Nm; fig. os
* Girar o motor por três voltas no sentido horário sem recuar e conferir
ao final , o alinhamento das referências de sincronismo;
* Instalar ferramenta de controle de tensão da correia no ponto "T" (fig.
01). O valor med ido deve ser de 30 ± 3 US;
* Repetir o processo de tensionamento caso o valor de tensão esteja fora
do especificado;
* Torquear a pol ia do virabrequim com 20 Nm + 68° ± 6°.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
PB = Polia Bomba O' água
RT = Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

117

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ Av. C255, rP270.CenhO~SOOba, !IXJ719


No..a 9.Jiça. 74280-01 a. Goi(no . Gol6s
62 - 3942-.3939 - 'f$'ldQ$@eí:OOr'Q)I"'hh'o.ecm.b
ENGENHARIA ...,..ct:IOengOnhao.can.b
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
Motor K4M 1.6 -16V #correia 132SP270H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Clio 11
Ferramenta/ específico necessário:
1.6 16V
Ferramenta para travamento do virabrequim em PMS.
Scénic
1.6 16V

Megane
1.6 16V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para travamento dos comandos de válvulas.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Porca do rolamento tensor: 27,0
Parafuso do rolamento de apoio: 45,0
Parafuso da polia do virabrequ im: 20,0 + 135° ± 15°

Tempos de reparo (em horas):

I Cii~"
2,70
Scemc 3,90
Mégane 3,60

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com as ferramentas removidas;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através das polias dos comandos.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) nos comandos de válvu las: após a remoção dos retentores (tampões) (fig.
06), posiciona r os rasgos na pa rte posterior dos comandos, alin hados na
horizontal e abaixo da linha de centro (fig. 07), para instalação da ferramenta
específica (fig. 05) - Nessa cond ição a "meia-lua" maior f ica voltada pa ra
cima;
118 Rasgos de referência a baixo da
linha de centro

Im presso original em PAPEL REC ICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
Motor K4M 1.6 ·16V #Correia 132SP270H

b) no virabrequim: o posicionamento é feito mediante a instalação da


ferramenta específica (pino roscadol (fig. 03), após a remoção do bujão
existente no bloco do motor (fig. 08), nessa condição o rasgo de chaveta Clio 11
da poli a do virabrequim está voltado para cima (fig. 09). 1.6 16V

Extração, reposição e tensionamento da correia Scénic


1.6 16V
a) durante a extração: fig. 08
* Travar os comandos de válvulas com a ferramenta específica (vide Megane
ferramenta! específico) ; 1.6 16V
* Checar se o virabrequ im se encontra bem apoiado no pino de
posicionamento do ponto morto superior (PMS), (vide ferramenta !
específico);
* Soltar a porca de travamento do rolamento tensor;
* Testar as condições de folga e desgaste no rolamento tensor (RT)
e rolamento de apoio (RA). "O fabricante recomenda a troca dos
mesmos".
b) durante a reposição:
* Checa r novamente a posição do virabrequim e dos comandos de
válvulas;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela pol ia do virabrequim e no
sentido anti-horário.
c) tensionamento:
* Atuar com uma chave 6 mm, avançando a referência móvel do rolamento
tensor a uma d istância de 8 mm de sua referência fixa, mantendo assim
a correia pré-tensionada (fig. 1 0);
* Aplicar um torque temporário na porca do tensor;
* Instalar a pol ia da correia de acessórios a penas a título de evitar o
deslocamento da polia do virabrequim;
* Remover as ferramentas especiais, destravando assim , comandos de
válvulas e virabrequim;
* Girar 720° (duas voltas) o motor no sentido horário, antes do término
da segunda volta , instalar o pino de posicionamento do virabrequim
encostando este lentamente sem trancas na face do pino;
* Sol t ar levemente a porca do tensor segu rando-o com uma chave
sextavada 6 mm levando lentamente a referência móvel a alinhar-se
com a referência fixa (fig. 10) ;
* Torquear a porca do tensor com 27 Nm;
* Instalar a ferra menta para travamento dos comandos de válvulas;
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 20 Nm + 135° ±
15°;
Obs.: caso as referências do tensor fiquem desalinhadas ou ao insta la r as
ferramentas se detecte perda do sincronismo entre comandos e virabrequ im,
repita todo o processo.

Legendas:
CE = Comando de Escape
CA = Comando de Admisão
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

119

Impresso origina l em PAPEL RECICLAOO C •IcI~ Av. C-255. rf"270, Centa:> Empresa i:» Sebbo, SCJb 719
NcM'J $..~iÇa. 74260-<tlO. Golb'liO - Goi)$
62 · 3942-3939 - \$ldOs@CICb&rQer'tla'io.CO'T'l.b'
ENGENHARIA ..... .cc- .ocm.a
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT

Motor F3P 1.8 BV #Correia 125SP190H I Motor F3R 2.0 BV #Correia 127SP190H

Período de troca: a cada 60 .000 Km

R19 Ferramenta/ específico necessário:


1.8
Ferramenta para travamento do virabrequim em PMS.
Laguna
1.8
2.0 8V

Trafic
2.0 8V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para controle da tensão da correia dentada.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Parafuso do rolamento tensor: 50,0
Parafuso da polia do virabrequim: 90,0 ± 5

Tempos de reparo (em horas):

IR19
~aguna
1,80
3,00
Trafic 2,00

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) no comando de válvulas: alinhamento da referência na polia com a marca
existente em sua tampa de proteção (fig. 06);
b) no virabrequ im : o posicionamento é feito med iante a inst alação da
ferramenta específica (pino), (figs. 02 e 03) , após a remoção do bujão
existente no bloco do motor.

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração
120 * Checar se o pino de posicionamento do PMS se encontra bem encaixado
----- em seu alojamento no virabreq uim (vide ferramenta! específico);

Impresso original em PA PEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
Motor F3P 1.8 BV #Correia 125SP190H I Motor f3R 2.0 BV # Correia 127SP190H

*
Aliviar o parafuso de regulagem do rolament o tensor e extrair a
correia ;
* Testar as cond ições de folga e desgaste no ro lamento tensor (RT) R19
e rolamentos auxi liares (RA) . " O fabricante recomenda a troca dos 1.8
mesmos".
b) durante a reposição: Laguna
* Checar novament e a posição do virabrequi m e do comando de 1.8
válvu las; 2.0 8V
~

~ * Iniciar a aplicação da correia dent ada pela polia do virabrequ im,


Trafic
~ em seguida, rolamentos auxiliares, polia do comando de válvulas e
2.0 8V
r finalmente no rolamento tensor.
.
:=
·~ * Alinhar as marcas existentes na face externa da correia dentada com
as marcas de referêcia das polias do comando e virabrequi m (figs. 06
1 e 07).
-~ c) tensionamento:

~ * Atuar no pa rafuso de regulagem do rolameto tensor deixando a correia


'i" pré-esticada (fig. 08) ;
i * Atuar no ponto "T" da correia (fig. 01), pressionando-a com o dedo e
" aplicar a ferramenta de controle da tensão (figs. 04 e 05);
~ * Deixar a correia tensionada com os seguintes valores:
~ F3 P: 25 unidades SEEM.
~ F3R: 36 unidades SEEM.
. t
* Torquearo parafuso de fixação do tensor com 50 Nm;
~
~ * Remover as ferramentas especiais;
~ * Girar três voltas o motor no sentido horário, deixando o 1° cilindro em
'E
.
.g
z
~
*
PMS ao fina l da últ ima volta;
Certificar-se de que o virabrequim esteja na posição correta inserindo
1 novamente a ferramenta (pi no) de posicionamento do PMS (fig. 03);
* Remover o pino;
~
~ * Aplicar novamente a ferramenta de controle da tensão da correia ;
·~
* O valor da t ensão deve estar compreendido entre:
t,
~
F3 P: 23-27 unidades SEEM.
F3R: 33-39 unidades SEEM.
t
s;
* Se a tensão estiver fora do especificado, repetir todo o processo de
t ensionamento;
2 * Torquear o parafuso da pol ia do virabrequim com 90,0 ± 5 Nm.
~
.
~
.:l

] Legendas:
CV = Comando de Válvulas
...k•
u
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
~
. VB = Virabrequim

121

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •cI ~


I Av. C-255,rt>270. centloEmpfosa015ebOO, sob
No\() M:Wa.
62 ·
74260..010. Goiállo . GoC)s
3~2-3939 · ~@cC~bo::mb
n9

ENGENHARIA ~.clc"""""""'"·oom·"'
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
Motor F3R 75Dn512.0 -av #correia 127SP190H

Período de troca: a cada 60.000 Km


"A"
Mégane
Ferramenta/ específico necessário:
2.0 8V
Ferramenta para travamento do virabrequim em PMS.
Scénic
2.0 8V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para controle da tensão da correia dentada.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


40,0
120,0

Tempos de reparo (em horas):


IMég~ne 2,60
Scémc 3,10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
• Nao girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
• Nao irar o motor através da alia do comando de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cil indro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos :
a) no comando de válvulas: al inhamento da referência na polia com a marca
existente em sua tampa de proteção (fig. 06);
b) no vi rabrequ im: o posicionamento é fei t o med iante a instalação da
ferramenta específica (pino), (figs. 02 e 03), após a remoção do bujão
existente no bloco do m otor.

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração
122 • Checar se o pino de posicionamento do PM S se encontra bem encaixado
----- em seu alojamento no virabrequim (vide ferramenta! específico);

C •I c~ ~ Av. C-255,no:27Q.C&rtroErrc:;r91011oiSet:ba.sda719
tb'oSúço, 742~10. Gc6'lb. Goi6s Impresso original em PAPEL RECICLADO
62: • 3942-.3939 ·venct:JS@X:ICioenQenh;llb.com.b'
ENGENHARIA WHW.c-o.ccmbr
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
Motor F3R 750fl512.0- BV # Correia 127SP190H

* Aliviar o pa rafuso de regu lagem do rolamento tensor e extrair a correia;


* Testar as condições de folga e desgaste no rolamento tensor (RT)
e rolamentos auxiliares (RA). "O fabricante recomenda a troca dos Mégane
mesmos" . 2.0 8V
b) durante a reposição:
Scénic
* Checar novamente a posição do virabrequim e do comando de válvulas;
* Respeitar sentido de trabalho da correia dentada, que possui setas indicativas 2.0 8V
(fig. 09), quando montada corretamente, as setas se encontrarão no ponto "C",
entre o rolamento auxiliar e o rolamento tensor (fig. Oll;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela pol ia do vi rabrequim em seguida
rolamentos auxiliares, polia do comando de válvulas e finalmente rolamento
tensor.
* Alinhar as marcas existentes na face externa da correia dentada com as marcas
de referêcia das polias do comando e virabrequim (figs. 06 e 07), nesta condição
o ponto "A" se encontra a 61 dentes da correia do ponto "B" (fig. 0 1).
c) tensionamento:
* Atuar no parafuso de regulagem do rolameto tensor deixando a correia
pré-esticada (fig. 08);
* Atuar no ponto "C" da correia (fig. 01), pressionando-a com o dedo e
aplica r a ferramenta de controle da tensão (figs. 04 e 05);
* Deixar a correia tensionada com 29 unidades SEEM;
* Torquearo parafuso de fixação do tensor com 40 Nm;
* Remover as ferramentas especiais;
* Girar três voltas o motor no sentido horá rio, deixando o 1° cilindro em
PMS ao final da última volta;
* Certificar-se de que o virabrequim esteja na posição correta inseri ndo fig. 09
novamente a ferramenta (pino) de posicionamento do PMS (fig. 03 );
* Remover o pino;
* Aplicar novamente a ferramenta de controle da tensão da correia;
* O valor da tensão deve esta r compreendido entre 26 e 32 SEEM
unidades;
* Se a tensão estiver fora do especificado, repetir todo o processo de
tensionamento;

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

123

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ A'I. C·255.no270.Cent10En'lPiesaiOISebtxl,!lOb71~


NQo,o !tiço. 74280-010. Goi&'llo - Gotls
62 - 3942-3939 . wndcs@)cí:::~b.ccm.tr
ENGENHARIA -'*'~".ecm"'
Witer Marcos de Oliveira
RENAULT
Motor F4R 2.0 -16V #Correia 126SP270H

Período de troca: a cada 80.000 Km

Scénic Ferramenta/ específico necessário:


2.0 16V
Ferramenta para travamento do virabrequim em PMS.
Laguna
2.0 16V

fig. 02 fig. 03

Ferramenta para travamento dos comandos de válvulas.

fig. 01

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Porca do rolamento tensor: 28,0
Parafuso do rolamento de apoio: 45,0
Parafuso da polia do virabreq uim : 20,0 + 11 5° ± 15°

Tempos de reparo (em horas): fig. 08


Scénic 4,70
I. Laguna 2,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com as ferrament as removidas;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através das polias dos comandos.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) nos comandos de válvulas: após a remoção dos retentores (tampões) (fig.
06), posicionar os rasgos na parte posterior dos comandos, alin hados na
horizontal e abaixo da linha de centro (fig. 07), para instalação da ferramenta
específica (fig. 05);
b) no virabrequ im : o posicionamento é feito med iante a instalação da
ferramenta específica (pino), (figs. 02 e 03), após a remoção do bujão
existente no bloco do motor (fig. 08), nessa condição o rasgo de chaveta da
polia do virabrequim está voltado para cima e alinhado entre os ressa ltas
124 da flange do mesmo (fig. 09).

CI•cI ~ Av.C-265.n0270.Certro Emp~ISet:Da.


ENGENHARIA
NoYoSUço. 7428)...010. GoiOnb - Gdós
sdo719

62 - 3942-3939 -vend:Js@lci:::::loenQentno.com.bl
W#W.ct:IOe._...,a.ccmrx
Impresso original em PAPEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT
Motor F4R 2.0 ·l&V # Correia 126SP270H

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração: Scénic


* Travar os coma ndos de válvulas com a ferramenta específica (vide 2.0 16V
ferra menta I específ ico);
* Checar se o pino de posicionamento do PMS se encontra bem enca ixado Laguna
em seu alojamento no virabrequim (vide ferramenta! específico); 2 .0 16V
* Soltar a porca de travamento do rolamento tensor;
* Testar as condições de folga e desgaste no rolamento tensor (RT)
e rolamentos auxiliares (RA) . "O fabricante recomenda a troca dos
mesmos".
b) du rante a reposição:
* Checar novamente a posição do virabrequ im e dos comandos de válvulas;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim e no sentido
anti-horário;
* O variador de fase da distribuição não deve girar para direita nem para esquerda
(fig. 11).
c) tensionamento:
* Atuar com uma chave 6 mm avançando a referência móvel do rolamento
tensor (não girar no sentido ant i-horário) fazendo-a alinhar-se a referência
fixa (fig. 10);
* Aplicar um torque temporário na porca do tensor;
* Instalar a t ampa inferior da distribuição;
* Instalar a polia da correia de acessórios apenas a título de evitar o Chave sextavada 6 mm
deslocamento da polia do vi rabrequim;
* Efetuar marcas de referência entre as polias dos comandos e a proteção
posterior das mesmas (fig. 11), possibilitando fut uramente, a correta
instalação da ferramenta (pino) de posicionamento do PMS, não deixando
que a mesma venha a alojar-se em um orifício de balanceamento do
virabrequi m ao invés de seu orifício de sincronismo (figs. 12 e 13);
* Remover as ferramentas especiais, destravando assim, comandos de
válvulas e virabrequim;
* Girar seis voltas o mot or no sentido horário;
* Cert ifica r-se de que as referências do tensor estejam alinhadas, caso
contrá rio, soltar levemente a porca de travamento do rolamento tensor
segurando-o com uma chave sextavada 6 mm levando lentamente a
referência móvel a alinhar-se com a referência f ixa (f ig. 10);
* Torquear definitivamente a porca do tensor com 28 Nm;
* Instalar as ferramentas para travamento dos comandos de válvulas e
virabrequim (o fabricante recomenda que o vi rabrequim seja imobilizado
através da cremalhei ra com uma espátula);
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 20 Nm + 115° ± 15°.

Legenda s:
=
CE Comando de Escape
CA = Comando de Admi são
RA =Rolamento Auxili<lr
RT =Rolamento Tensor
VB = Virabrequim

fig. 13 f ig. 12 125


L Posição Incorreta L Posição ccrreta

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
RENAULT

Motor 2.50 #Correia 152SHDS300H I Motor 2.Bm #Correia 154SHDS300H

Período de troca: a cada 60 .000 Km • I •

Master Ferramenta/ específico necessário:


2.5 D
Ferramenta Para Travamento da Polia da Bomba Injetora.
2.8 TD

fig. 02 fig. 03

Ferramenta Para retenção do Dispositivo de Tensionamento da Correia.

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Parafusos da polia do vi rabrequiim (volante amortecedor) 200,0
Porca de t ravamento do tensor da correia dentada 40,0
Porca de fixação do suporte do tensor 25,0
Parafusos da tampa dianteira do virabrequim 40,0

Tempos de reparo (em horas):


Ducato 1,80
Master 1,80
Jumper 1,80
Boxe r 1,80

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de pré-aquecimento da câmara para aliviar o movimento do
motor;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada removida;
* Evitar provocar dobras e ângulos vivos na correia dentada;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Checar a bomba injetora após a troca da correia.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilind ro em ponto morto superior e checar os


segu intes pontos:
a) no comando de vá lvu las: Sinc ronismo da marca existente na flange interna
da polia do comando de vá lvu las alinhada à ma rca na tampa de válvulas
126 (figs. 01 e 06);
-----
Impresso original em PA PEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
RENAULT

Motor 2.50 # Correia 152SHDS300H I Motor 2.Bm #Correia 154SHDS300H

b) na bomba injetora: Alinhar o furo de referência da pol ia de comando da Master


bomba injetora com o furo da flange dianteira dos órgãos auxi liares, inserindo 2.5 D
o pino de retenção da polia (figs 02 e 03); 2.8 TO
NOTA: Para veículos que possuírem injeção eletrônica de diesel,
desconsiderar todas as referências feitas sobre o sincronismo da pol ia de
acionamento da bomba injetora, que nesse caso, é d ispensado.
c) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor de
vibrações/polia do virabrequ im à marca na tampa dianteira do virabrequim
(fig. 07,08 e 09), nessa condição inserir também um pino de 8mm de
Detalhe FIAT Ducato
diâmetro no furo existente na ca rcaça do câmbio travando assim , o volante
do motor (fig. l O) ;

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Alivia r a porca de travamento do rolamento tensor e a porca do suporte
do mesmo;
* Atuar no dispositivo de tensionamento da correia , aplicando a ferramenta
de retenção do mesmo, aliviando assim, a correia , (figs. 04 e 05);
* Ext rai r a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolamento auxi liar (RA).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo; Detalhe Renault Master

* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim;


NOTA: Evitar que se provoquem dobras ou âgulos vivos na correia durante
a apl icação.
c) durante o tensionamento:
* Remover a ferramenta de retenção do dispositivo de tensionamento da
correia de modo que a ponta do mesmo atue no conj unto esticador;
* Remover a ferramenta de travamento da polia de acionamento da bomba
injetora e o pino de travamento do volante do motor;
* Girar o motor por duas voltas no sentido horário, alinhando ao final da
últ ima volt a, as referências de sincronismo;
* Torquear com 25 Nm a porca de fixação do suporte do tensor e com
45 Nm a porca de travamento do mesmo;
* Atuar no ponto "T" (fig. 01) , com uma força de 92 ,0 Nm a 98,0 Nm a
correia deve deixar-se ceder de 7 a 8mm; Detalhe Peugeot Boxer
* Torquear o parafuso da polia do virabrequim com 200,0 Nm.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
Bl = Bomba Injetora
VB= Virabrequim

fig. 11
Detalhe da aplicação do pino 127
8mm para travamento do volante -----
do motor.

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
SEAT

Motores AKLI APF I AEH I AUR -1.6 BV # Correia 138STPBM230H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Cordoba Ferramenta/ específico necessário:


1.6 8V
Chave para porcas matra.
lbiza
1.6 8V

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
Porca de fixação do tensor da correia dentada 20,0
Parafusos do tensor da correia trapezoidal 25,0
Paraf. fixação porta-agregados motor 40,0 + 90°
Paraf. de fixação porta-agregados/sup. motor 60,0 + 90°
Paraf. fixação porta-agregados/carroçaria 25,0
Parafusos fixação do suporte motor ao bloco 45,0

Tempos de reparo (em horas):


ICordoba I lbiza 2,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gira r o virabrequ im ou comando de válvulas com a c orreia dentada ~
removida;
f ig. 01
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Utilizar dispositivos de sustenta ão para o motor durante essa opera ão.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilind ro em ponto morto superior e checar os


segui ntes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca ( rasgo) existente no dente
da polia do coma ndo de válvulas ali nhada à ma rca na proteção posterior
da mesma (f igs. 0 1 e 04);
b) no virabrequi m: O alinhamento da ma rca existente no amortecedor de
vibrações/ polia do virabrequim à marca na proteção inferior da mesma
(fig.05);
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do motor deve
esta r alinhada à referência na ca rcaça do câmbio (figs. 06 e 0 7).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excêntrico
com auxílio da chave para porcas matra (figs. 02 e03) no sentido horário;
* Extra ir a correia dentada;
128 * Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
----- nos rolamentos tensor (RT) e auxil iar (RA).

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso o riginal em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA ..ww.c-b.canbo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
SEAT

Motores AKL I APF I AEH I AUR -1.6 BV # Correia 138STPBM230H

b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim (VB) Cordoba
em seguida bomba d'água (PB), rolete auxiliar (RA), rolamento tensor 1.6 8V
(RT) e finalmente polia do comando de válvulas (CV).
c) durante o tensionamento: lbiza
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para 1.6 8V
porcas matra , girando-o no sentido anti-horário até o ponteiro fig. 06
indicador ficar alinhado com o entalhe (figs. 02 ,03 e 08);
Referência para posicionamento do
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20 Nm; volante do motor em veículos com
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação; transmissão mecânica
* Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar
rigorosamente com o ind icador alinhado ao entalhe; se necessário,
reajustá -lo;
NOTA: A chapa de retenção deve se manter fi xa em em seu
alojamento (fig. 08) ;
* Conferir novamente as referências de si ncronismo das polias.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT =Rolamento Tensor
PB = Bomba D' água
RA = Rolete Auxiliar fig. 07
VB = Virabrequim
Referência para posicionamento do
volante do motor em veículos com
transmissão automática

129

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
SEAT

Motores lf ·1.6 BV e Motores ABS e ADZ-1.8 BV # Correia 121SX180H I


Motores 2E. ADY. AGG · 2.0 BV #Correia 124SX180H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Cordoba 1.6
Ferramenta/ específico necessário:
motor lF
Chave para porcas matra.
Cordoba 1.8
motor ADZ

Cordoba 2 .0
motor 2E
motor ADY
motor AGG
fig. 02 fig. 03
lbiza 1.6
motor lF Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):
Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
lbiza 1.8 Porca de fixação do tensor da correia dentada 45,0
motor ABS Parafusos do tensor da correia trapezoidal 20,0
motor ADZ
Tempos de reparo (em horas):
lbiza 2.0 ICordoba I lbiza 1,90
motor 2E
motor ADY Precauções especiais:
motor AGG * Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar


os seguintes pontos:
a) no coma ndo de válvulas: Sincronismo das marcas (dois pequenos
rasgos) existentes na pol ia do comando de válvulas alinhadas à marca
na proteção posterior da mesma (seta) (figs. 01 e 04);
b) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor
de vibrações/ pol ia do virabrequim à marca na proteção inferior da
mesma (fig.05);
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do
motor deve estar al inhada à referência na carcaça do câmbio (fig.
07), bem como a linha de cent ro do rotor do distribu idor deve estar
alinhada a marca na ca rcaça do mesmo (fig. 06).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração :
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu
excêntrico com auxílio da chave para porcas matra (fig. 01), no
sentido anti-horário;
* Extrair a correia dentada;
* Testa r as condições de folga, desgaste ou existência de " pontos
duros" no rolamento tensor (RT).
130 b) durante a reposição:

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso o riginal em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.comb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
SEAT

Motor 1F ·1.6 8V e Motores ABS e ADZ ·1.8 8V # Correia 121SX180H I


Motores 2E, ADY. AGG • 2.0 8V #Correia 124SX180H

* Manter alinhadas todas as referências de sincron ismo;


* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do vi rabrequim (VB) em
seguida árvore intermediária (AI), rolamento tensor (RT) e fina lmente Cordoba 1.6
polia do comando de válvulas (CV) . motor lF
c) du rante o tensionamento:
* Atua r no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para porcas Cordoba 1.8
matra , girando-o no sentido horário, tensionando assi m a correia (fig. motor ADZ
03); fig. 06
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 45 Nm; Cordoba 2.0
* Gi rar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação; Linha de centro do rotor alinhada motor 2E
à referênc ia na ca rcaça do motor ADY
* Verificar manualmente a tensão da correia efetuando uma torção no distribuidor.
ponto "T". A correia deve ceder em 90° (figs. O1 e 03); motor AGG
* Verificar novamente todas as referências de sincronismo, inclusive no
"distri buidor". lbiza 1.6
motor lF

Legendas: lbiza 1.8


CV = Comando de Válvulas motor ABS
RT =
Rolamento Tensor motor ADZ
AI =Árvore Interm ediária
VB =
Virabreq uim lbiza 2.0
motor 2E
motor ADY
fig. 07 motor AGG
A= Referência para posicíonamento
do volante do motor em veículos
com transm issão mecânica

B = Referência para posicionamento


do volante do motor em veículos
com transmissão automática

131

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI ~ Av. C255, rP270.Centa:>~S8Xn.sab


o. Gok)-Wo. Goi6s
No'o'Q $1;;0. 74280-01
719

62 - 39J2-3939 · \'EIOdo$@Ct:be~o.corn.b
ENGENHARIA .....a:bengOnhaocan.~>
Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motor AT -1.0 BV #Correia 135STP8M190H

Período de troca: a cada 50.000 Km

GoiMI Torques de aperto (em Nm):


1.0 sv Porca do rolamento tensor 20,0
Paraf uso da polia do virab requim 120,0
Parati Ml
1.0 sv Tempos de reparo (em horas):
Gol 1,10
Saveiro Ml
Parati 1,10
1.0 sv
I
Save1ro 1,10

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo:

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e


checar os seguintes pontos:
a) nos comandos de vá lvu las: sincronismo da marca (cavidade)
existente na polia do comando de válvulas alinhada ao ressalto
na cobertura posterior da distribuição (figs. O1 e 04);
b) no virabrequim: O alinhamento do chanfro existente no dente
da polia (face interna) ao ressalto do flange dianteiro do
virabrequim (figs. 0 1 e 02).
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do
motor deve estar alinhada a referência na carcaça do câmbio (fig.
03) e a marca na linha de centro do rotor do distribuidor deve
estar alinhada a referência na carcaça do mesmo (fig. 05) .

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excêntrico
no sentido anti-horário por meio de uma chave allen 6mm;
* Ext rair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) .
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas as referências de sincronismo do virabrequim e
comando de válvulas (fi gs. 02 e 04) ;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela pol ia do virabrequi m (VB),
em seguida, rolamento tensor (RT), bomba d'água (PB) e finalmente
comando de válvulas (CV).
c) durante o tensionamento:
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio de uma chave allen
6mm, girando-o no sentido horá rio até o indicador "A" ficar alinhado
com o entalhe "B" (fig. 06) ;
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20 Nm ;
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;
* Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar fig. 03
132 rigorosamente com o indicador "A" alinhado ao ental he " B" (fig. 06),
Refe r ênc ia de z e ro gra u
se necessário, reaj ustá-lo; n o v o lan t e do m o t o r

CI•cI ~ Av.C-265.n0270.Certro Emp~ISet:Da.


ENGENHARIA
NoYoSUço. 7428)...010. GoiOnb - Gdós
sdo719

62 - 3942-3939 -vend:Js@lci:::::loenQentno.com.bl
W#W.ct:IOe_..,.a.ccmrx
Impresso original em PAPEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor AT -1.0 BV # Correia 135STPBM190H

* Conferir novamente as referências de sincronismo das polias;


* Montar a polia do virabrequim torq ueando-a com 120 Nm.
GoiMI
1.0 8V
Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas Parati Ml
RT = Rolamento Tensor 1.0 8V
PB = Bomba D' água
VB = Virabrequ im Saveiro Ml
1.0 8V

fig. 05

Referência para posicionamento


do rotor

"A" "B"

133

Impresso original em PAPE L RECIC LADO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motores AT ·1.0 16V e AT 1.0 16V turbo # Correia 149STP8M254H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Gol Ml Ferramenta/ específico necessário:


1.0 16V
Ferramenta para travamento dos comandos.
1.0 16V
turbo

Parati Ml
1.0 16V
1.0 16V
turbo sincronism o
dos comandos

Saveiro Ml
1.0 16V
fig. 02 fig. 03

Ferramenta para travamento da polia do virabrequim.

3 -- t - - Chanfro na parte
i nterna do de nte
da polia indicando
PMS
fig. 0 1

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Porca do rolamento tensor 20,0
Parafuso da polia do virabrequim 120,0

Tempos de reparo (em horas):


Gol 1,60
Parati 1,60
I
Save1ro 1,60

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gira r o virabrequim ou comandos de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através das polias dos comandos de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro sem ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) nos comandos de vá lvulas: sincronismo das marcas (cavidades) existentes
nas polias dos comandos de vá lvu las alinhadas na horizontal (fig. 01) e
fig. 0 7
instalação da ferramenta de travamento dos comandos (figs. 02 e 03);
b) no virabrequ im: O alinhamento do chanfro existente no dente da polia (face Referência de zero grau no
interna) ao ressalto do flange dianteiro do vi rabrequim (fig.06). volante do motor
134

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 719


NcNo St1ço. 7428)-010 , G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.combo
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motores AT -1.0 16V e AT 1.0 16V turbo# Correia 149STP8M25411

NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do motor


deve estar alinhada a referência na carcaça do câmbio (fig. 07) e a marca
na linha de centro do rotor do distribuidor deve estar alinhada a referência
Gol Ml
na carcaça do mesmo (fig. 08). 1.0 16V
1.0 16V
Extração, reposição e tensionamento da correia turbo

a) durante a extração: tig. 08 Parati Ml


* Manter instalada a ferram enta de travamento das polias dos comandos 1.0 16V
de válvulas; 1.0 16V
* Bloquear a polia do virabrequ im por meio da ferramenta de t ravamento turbo
da mesma e efetuar sua extração (figs. 04 e 05);
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excêntrico SaveiroMI
no sentido anti-horário por meio de uma chave allen 6mm; 1.0 16V
* Extrair a correia dentada;
* Testar as cond ições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
nos rolamentos tensor (RT) e auxiliar (RA).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas as referências de sincronismo do virabrequim (fig.
06);
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim (VB) .
c) durante o tensionamento :
* Remover a ferramenta de travamento das polias dos comandos de
válvu las;
* Atua r no excêntrico do rolamento tensor por meio de uma chave allen
6mm, girando-o no sentido horário até o indicador "A" ficar alinhado
com o entalhe "B" (fig. 09);
* Apertar a porca de t ravamento do rola mento tensor com 20 Nm; "A" "B"
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;
* Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar
rigorosamente com o indicador "A" alinhado ao entalhe " B" (fig. 09) ,
se necessário, reajustá-lo;
* Conferir novamente as referências de sincronismo das polias;
* Montar a ferramenta de travamento da pol ia do virabrequim torqueando-a
com 120 Nm .

Legendas:
CA = Comando de Admissão
CE = Comando de Escape
RA = Rolamento Auxiliar
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba D' água
VB = Virabrequim

135

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AJJ.C265.rf'270. CentJo~biSebto.sob719


Novo &Aça. 74280-QlO. GoiMio- Goós
62 - 3942-3939 - 'oEndc:;aç@cietlen;)enhao oom.b
ENGENHARIA ..w..a:bonQOO""'b.can.t>
Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motor EA 111-111.0 16V lPOWERJ e1.616V # Correias 130STP8M200H lvirabrequim I admissão) e 058STP8M110H
[admissão /escape)

Período de troca: a cada 60.000 Km

Gol Ferramenta/ específico necessário:


1.0 16V
(POWER) Pinos para travamento dos comandos.
N° vw T10016 (N° RAVEN R- 1 11001).
Beetle
1.6 16V

Golf
1.6 16V

Polo
1.6 16V
fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Paraf. amortec. de vibrações/polia do vi rabrequim 90,0+ 90°
Paraf. de travamento dos tensores das correias 20,0
Paraf. de travamento dos rolamentos auxiliares 50,0

Tempos de reparo (em horas):


Gol 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comandos de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Ajustar a tensão da correia somente com motor frio ou pouco quente;
* O fabricante recomenda que se aplique marcas ind icando o sentido de rotação das
correias em casos de reutilização das mesmas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


segui ntes pontos:
a) nos comandos de válvulas: O sincronismo dos comandos de válvu las é feito
mediante a aplicação das ferramentas específicas (pi nos) para travamento
das polias, para isso, ali nhar os furos existentes nas polias dos comandos
de escape e admissão aos furos existentes na tampa de vá lvu las, e inserir
os pinos (figs. 02 e 03);
bl no virabrequim: O PMS poderá ser determinado das seguintes formas:
Al inhamento da marca existente no amortecedor de vibrações/polia do
virabrequim à marca "O" na proteção inferior da da correia dentada
(fig.0 4 );
Alinhamento do chanfro existente no dente da polia do virabrequim (face
interna) a marca do flange dianteiro do virabrequim (fig.05);
Al inhamento da marcação de "zero grau" no volante do motor alinhada
à referência na carcaça do câmbio.

136

C •I cI~ IN. C·25& rP270. Certro EmpQDiiol set:bo, sdo 7 19


NcNo St1ço. 7428)-010, G<.lór«J - Goi6s
62 - 3942·3939 · ver'l(j:)S@cldoeni)Elrt'Orheom.br
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA www.c-o.comb<
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor EA 111·111.0 16V lPOWERJ e1.616V # Correias 130STP8M200H lvirabrequim I admissão) e


058STP8M110H ladmissão /escapeJ

Extração, reposição e tensionamento das correias.

a) durant e a ext ração: Gol


* Aliviar o parafuso de fixação do rolamento tensor da correia maior, 1.0 16V
(POWER)
al iviando sua tensão e removê-la;
* Soltar totalmente o parafuso do tensor da correia menor removendo-o;
* Remover a correia menor; Beetle
* Testa r as cond ições de folga , desgaste ou existência de "pontos duros" 1.6 16V
nos rolamentos tensores (RT) e rolamentos auxiliares (RA).
b) durant e a reposição e tensionamento:
Referências para posicionamento Golf
do rolamenlo tensor da correia
* Manter aplicadas as ferramentas de travamento das polias (pinos); menor.
1.6 16V
* Manter alinhadas as referências de sincronismo do virabrequim;
* Aplicar a correia menor no sent ido horário e apa rtir do topo da polia do Polo
comando de comando de admissão; 1.6 16V
* Aplicar o rolamento tensor da correia menor;
* Atuar com uma chave allen 6mm no rolamento t ensor da correia menor,
girando-o no sentido anti-horário até fazer coincidirem as suas referências
(fig. 06);
* Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 20 Nm;
NOTA:
- Pressionar com o dedo polegar firmemente no pont o "T" (correia
menor); As ref erências do rolamento tensor devem se movimentar
separadament e;
* Aplicar a correia maior no sent ido ant i-horário e apartir da polia da
Referências para posicionamento
bomba d'água; do ponteiro do rolamento tensor.
* Atuar com uma chave al len 6mm no rolamento tensor da correia maior,
girando-o no sentido horário até fazer coincidirem as suas referências
(fig. 07 );
* Torquear o parafuso de fixação do rolamento tensor com 20Nm;
* Remover as ferramentas de t ravamento das polias (pinos);
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação, pa rando ao
final, no mesmo ponto de part ida;
* Conferir as referências de si ncronismo do virabrequim (fig. 05) e dos
comandos de válvulas com o auxílio das ferramentas (fig. 03) ;
NOTA:
- Pressionar com o dedo polegar firmemente no pont o "T" (correia
ma ior); As referências do rolamento t ensor devem se movimentar
separadamente;
* Girar novamente o motor por duas voltas no sent ido normal de rotação,
parando ao final , no mesmo ponto de partida;

Legendas:
CA = Comando de Válvulas de Admissão
CE = Comando de Válvulas de Escape
RT =
Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxi liar
PB = Bomba d'água
VB Virabrequim=

137

Impresso original em PAPEL RECICLADO C•IcI ~ Av. C255, rP270.Centa:>~S8Xn.sab


No'o'Q $1;;0. 74280-01 o. Gok)-Wo. Goi6s
62 - 39J2-3939 · \'EIOdo$@Ct:be~o.corn.b
ENGENHARIA .....a:bengOnhaocan.~>
719
Witer Marcos de Oliveira
VO L KSWAGEN

Motores AP ·1.6/1.8/2.0 8V #Correias 121SX180 laté 19981 e121SX180H la parur de19991

Período de troca: a cada 60.000 Km

Apolo Torques de aperto (em Nm):


Gol
Porca do rolamento tensor 20,0
Logus
Parafuso da polia do virabrequim 120,0
Parati Parafusos da polia da bomba d'água 20,0
Pointer Parafusos da polia de acessórios 20,0
Polo
Quantum Tempos de reparo (em horas):
Santana Modelos VW/ Ford sem ar condicionado 1,60
Saveiro Modelos VW/ Ford com ar condicionado 2,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Remover as velas de ignição;
* Marcar com uma seta o sentido de trabalho da correia para casos de
reinstalação.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar


os seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: sincron ismo da marca (cavidade) /

existente na parte posterior da polia do comando de válvulas I '


I
alinhada a extremidade do cabeçote (fig. 02) ; I
b) na árvore intermediária: O alinhamento da referência na polia da I

árvore intermediária , à marca ("pique") existente na na polia de


acessórios (fig.03) ;
NOTA: Nessa condição a marca na linha de centro do rotor do
dist ribuidor deverá se encontrar al inhada à marca na carcaça do '' ____ ..... acessório s com
mesmo (fig. 04); a polia da árvore
intermediária
c) no virabrequ im: O alinhamento da marca "OT" no volante do
motor à referência na carcaça do câmbio (fig. 05) .

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de t ravamento do rolamento tensor e com o
auxílo de um alicate de bicos curvos girá-lo no sent ido ant i-
horário;
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos
duros" no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Manter al inhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim
(VB) .
c) durante o tensionamento:
* Atua r novamente nos furos existentes no rolamento tensor com
o auxílio de um alicate de bicos curvos girando-o no sentido
horário, tensionando assim , a correia ;
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20
Nm;
138
* Girar o motor por duas voltas no sent ido normal de rotação;

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motores AP ·1.6/1.8/2.0 8V # Correias 121SX180 latá 19981 e121SX180H la partir de1999J

* Verificar manualmente a tensão da correia efetuando uma torção no


ponto "T" . A correia deve ceder em 90° (figs. 01 e 06) ;
Apolo
* Conferi r novamente as referências de sincronismo das polias;
Gol
Logus
Parati
Legendas: Pointer
CV = Comando de Vá lvulas fig. 04
Polo
RT = Rolamento Tensor Quantum
AI = Árvore Intermediária Referência para posicionamento Santana
VB = Virabrequim do rotor Saveiro

fig. 05

fig. 06

139

Impresso original em PAPEL RECICLAOO C •IcI~ Av. C-255. rf"270, Centa:> Empresa i:» Sebbo, SCJb 719
NcM'J $..~iÇa. 74260-<tlO. Golb'liO - Goi)$
62 · 3942-3939 - \$ldOs@CICb&rQer'tla'io.CO'T'l.b'
ENGENHARIA ...... .cc- .ocm.a
Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motor AKL -1.6 BV # Correias 135STPBM190H lPoloJ e138STPBM190H lGoiD

Período de troca: a cada 60.000 Km

Gol f Ferramenta/ específico necessário:


1.6 8V
Chave para porcas matra.
Polo
1.6 8V

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
Porca de fixação do tensor da correia dentada 20,0
Parafusos do tensor da correia trapezoidal 25,0
Paraf. fixação porta-agregados motor 40 ,0 + 90°
Paraf. de f ixação porta-agregados/sup. motor 60,0 + 90°
Paraf. fixação porta-agregados/carroçaria 25,0
Parafusos fixação do suporte motor ao bloco 4 5 ,0

Tempos de reparo (em horas):


I Golf 2 ,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida ;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Utilizar disposit ivos de sustenta ão para o motor durante essa opera ão.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca (rasgo) existente no dente
da polia do cDmando de válvulas al inhada à marca na proteção posterior
da mesma (figs. 0 1 e 04) ;
b) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor de vibraçõe~
polia do virabrequ im à marca na proteção inferior da mesma (fig.05) ;
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do motor deve
estar ali nhada à referência na carcaça do câmbio (figs. 06 e 07).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de t ravamento do rolamento tensor e girar o seu excêntrico
com auxílio da chave para porcas matra (figs . 0 2 e03) no sentido
horário;
* Extrair a correia dentada;
140 * Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
nos rolamentos tensor (RT) e auxiliar (RA).

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor AKL -1.6 8V # Correias 135STP8M190H lPolol e138STP8M190H lGoiD

b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do v irabrequ im (VB) Golf
em seguida bomba d'água (PB), rolete auxiliar (RA), rolamento tensor 1.6 8V
(RT) e fina lmente polia do comando de válvulas (CV) .
c) durante o tensionamento: Polo
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para porcas 1.6 8V
matra, girando-o no sentido anti-horá rio até o pont eiro ind icador ficar fig. 06
alinhado com o entalhe (figs. 02,03 e 08);
Referência para posicionamento do
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20 Nm; volante do motor em veículos com
* Girar o motor por duas voltas no sentido norma l de rotação; transmissão mecânica

* Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar


rigorosamente com o indicador alinhado ao entalhe; se necessário,
reajustá-lo;
NOTA: A chapa de retenção deve se manter fixa em em seu alojamento
(fig. 08);
* Conferir novamente as referências de sincronismo das polias.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba D' água
RA = Rolete Auxiliar fig. 07
VB = Virabrequim
Referência para posicionamento do
volante do motor em veículos com
transmissão automática

141

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motores ACC. ADD -1.8 BV #Correias 121SX180 laté 19941 e121SX180H la partir de1995J I
Motores ABA. ADC. ADY- 2.0 BV #Correias 124SX180H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Golf GL 1.8 Ferramenta/ específico necessário:


motor ACC
Chave para porcas matra.
Golf Mi 1.8
motor ADD

Golf GTi 2.0


(85kW)
motor ABA
motor ADC
fig. 02 fig. 03
,.. "T"'

Passat 2.0
(85kW) Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):
motor ADY Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
Porca de fixação do tensor da correia dentada 45,0
Parafusos do tensor da correia trapezoidal 20,0

Tempos de reparo (em horas):


I Golf 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequi m ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo


.I
fig. 01
Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar
os segu intes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo das marcas (dois pequenos
rasgos) existentes na polia do comando de válvulas ali nhadas à marca
na proteção posterior da mesma (seta) (figs. 01 e 04);
b) no vi rabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor
de vibrações/ polia do virabrequim à marca na proteção inferior da
mesma (fig.05);
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do
motor deve estar alinhada à referência na ca rcaça do câmbio (fig.
07) , bem como a linha de centro do rotor do distribuidor deve est ar
alinhada a marca na carcaça do mesmo (fig. 06).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e gira r o seu
excêntrico com auxílio da chave para porcas matra (fig. 01), no
sentido anti-horário;
* Extra ir a correia dentada;
* Testa r as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos
duros" no rolamento tensor (RT).
142 b) durante a reposição:

CI•cI ~ Av.C-265.n0270.Certro Emp~ISet:Da.


ENGENHARIA
NoYoSUço. 7428)...010. GoiOnb - Gdós
sdo719

62 - 3942-3939 -vend:Js@lci:::::loenQentno.com.bl
W#W.ct:IOe_..,.a.ccmrx
Impresso original em PAPEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motoras ACC, ADD -1.8 BV #Correias 121SX1BO laté 19941 a121SX1BOH la partir da19951 I
Motoras ABA, ADC, ADY • 2.0 BV #Correias 124SX180H

* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;


* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim (VB) em
seguida árvore intermediária (AI), rolamento tensor (RT) e finalmente Golf GL 1.8
polia do comando de válvulas (CV) . motor ACC
c) durante o tensionamento:
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para porcas Golf Mi 1.8
matra, girando-o no sentido horário, tensionando assim a correia (fig. motor ADD
03); fig. 06
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 45 Nm; Golf GTi 2.0
I (85kW)
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação; Linha de centro do rotor alinhada

* Verifica r manualmente a tensão da correia efetuando uma torção no à re fe rência na c arcaça do motor ABA
distribuidor.
ponto "T". A correia deve ceder em 90° (figs. 01 e 03 ); motor ADC
* Verificar novamente todas as referências de sincronismo, inclusive no
"distribuidor" . Passat 2 .0
(85kW)
motor ADY
Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
AI = Árvore Intermediária
VB = Virabrequim

fig. 07
A= Referência para posicionamento
do vola nte do motor em veículos
com transmissão mecânica

8= Referência para posicionamento


do vala nte do motor em veículos
corn transmissão automática

143

Impre sso original em PAPE L RECIC LADO


Witer Marcos de Oliveira
VO L KSWAG EN

Motor AGU ·1.8 Turbo# Correia 150STP8M230H

Período de troca: a cada 60 .000 Km

Golf Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


1.8 20V
Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
TURBO Porca de fixação do tensor da correia dentada 20,0
Parafusos do tensor da correia trapezoidal 25,0
Paraf. fixação porta-agregados motor 40,0 + 90°
Paraf. de fixação porta-agregados/sup. motor 60,0 + 90°
Paraf. fixação porta-agregados/carroçaria 25,0
Paraf. fixação do suporte do motor ao bloco 45,0

Tempos de reparo (em horas):


I
Golf
Audi
2,20
2,20

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabreq uim ou comando de válvulas com a correia dent ada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas.
* Utilizar dispositivos de sustentação para o motor durante essa operação.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no coma ndo de válvulas: sincronismo da marca existente no dente da
polia do comando de vá lvulas alinhada à ma rca existente na proteção
posterior da polia (fig. 02);
b) no virabrequ im: O alinhamento da referência existente na polia de
acessórios do virabrequim à marca (seta) existente na proteção inferior
da correia (fig. 03);
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do motor
deve estar alinhada a referênc ia na carcaça do câm bio (f igS. 06 e
07).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Atuar no pino roscado do suporte do rolamento tensor apertando-o
o suficiente para promover o alinhamento dos furos e inserir o pino
de retenção do rolamento tensor, aliviando assi m, a correia dentada
(fig. 06);
NOTA: Evitar aperto demasiado;
* Extrai r a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Manter al inhadas todas as referências de sincronismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim
(VBl , bomba d'água (PB), rolete auxiliar (RA), rolamento tensor (RT)
e finalmente polia do comando de válvulas (CV).
144 c) durante o tensionamento:

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLK S WAGEN

Motor AGU ·1.8 Turbo# Correia 150STP8M230H

* Ext rair o pino de retenção do rolamento tensor;


* Desapertar o pino roscado (fig. 06);
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação; Golf
* Conferi r novamente todas as referências de sincronismo; 1.8 20V
TURBO

Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas fig. 04
RT = Rolamento Tensor
PB = Bomba O' água Referência para posicionamento do
volante do motor em veículos com
RA = Rolete Auxiliar
transmissão mecâ nica
VB = Virabrequim

fig. 05
Referência para posicionamento do
volante do motor em veículos com
transmissão automática

Pino de retenção do
rolamento tensor

145

Impresso original em PAPEL RECICLAOO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

AEB -1.8 20V Turbo# Correia 153STPBM250H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Passat Ferramenta/ específico necessário:


1.8 20V
Chave para porcas matra.
Turbo

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm e ou torque ângulo):


Parafusos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
Parafuso de travamento do tensor da correia dentada 25,0
Parafusos do tensor da correia trapezoidal 25,0

Tempos de reparo (em horas):


Passat 2,50
Audi A-4 2,20
I
Aud1 -A-6 2,70

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca existent e na polia do
comando de válvulas al inhada à marca na proteção posterior da mesma
(figs. 01 e 04);
b) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor de
vibrações/polia do virabrequim à marca na proteção inferior da da correia
dentada (fig.05);

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excênt rico
com auxílio da chave pa ra porcas mat ra (fig. 01 e 02);
* Extrair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos du ros"
no rolamento tensor (RT).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
146

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 • Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA ..ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

AEB -1.8 20V Turbo # Correia 153STPBM250H

* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim (VB)


em seguida árvore intermediária (AI), rolete auxiliar (RA), rolamento
tensor (RT) e f ina lmente polia do comando de válvulas (CV). Passat
c) durante o tensionamento: 1.8 20V
* Atuar no excêntrico do rolamento tensor por meio da chave para porcas Turbo
matra , girando-o no sentido horário até o pistão 1 sair completamente
e o pistão 2 deve se levantar aproximadamente l mm (fig. 03 e 06);
* Apertar o parafuso de travamento do rolamento tensor com 25 Nm; fig. 06
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;
* Controlar se a zona "A" coincide com o canto superior do pistão 2 do
tensor, ou se a medida "D" está entre 25 e 29mm (figs 06 e 07);
NOTAS:
Zona 'W' = Ajuste em ordem;
Zona "B" = Zona de desgaste;
Zona "C" = Controlar o desgaste do acionamento da correia e do
rolamento tensor ou ajustar a tensão da correia dentada;
* Verificar novamente se as referências de sincronismo da polia do
comando de válvulas e polia do virabrequim se encontram alinhadas.

Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
AI = Árvore Intermediária
RA = Rolete Auxiliar
VB = Virabrequim

147

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motor ADR -1.8 #Correia 152STP8M254H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Passat Torques de aperto (em Nm):


1.8 20V
Paraf usos do amortecedor de vibrações da polia 25,0
Paraf uso de travamento do tensor da correia dentada 25,0
Paraf usos do tensor da correia auxiliar 25,0

Tempos de reparo (em horas):


IPassat 2,50

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de válvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cilind ro em ponto morto superior e


checar os seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca existente na polia
do comando de válvulas alinhada à marca na proteção posterior
da mesma (figs. 01 e 02);
b) no virabrequim: O alinhamento da marca existente no amortecedor
de vibrações/ polia do virabrequim à marca na proteção inferior
da da correia dentada (figs.01e 03 );

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Aliviar o parafuso de t ravamento do rolamento tensor e girá-lo
com auxílio de uma chave allen 8mm no sentido anti-horário
lentamente, até que se promova o deslocamento da haste e
o alinhamento dos furos indicados (fig. 04) ;
* Manter o conjuto nessa posição e introd uzi r no furo, um pino
de 1.5mm para o travamento;
* Extrair a correia dentada ;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos
duros" no rolamento tensor CRT).
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincron ismo;
* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim
CVB) em seguida árvore intermed iária (AI), rolete auxil iar
CRA), rolamento tensor (RT) e finalmente polia do comando
de válvulas (CV);
NOTA: Cert ifica r-se de que a correia esteja devidamente
esticada entre as polias.
c) durante o tensionamento:
* Atuar no rolamento tensor por meio da chave allen 8mm
novamente no sent ido ant i-horário aliviando-o e removendo
então, o pino de t ravamento (fig. 04);
148

CI•cI ~ Av.C-265.n0270.Certro Emp~ISet:Da.


ENGENHARIA
NoYoSUço. 7428)...010. GoiOnb - Gdós
sdo719

62 - 3942-3939 -vend:Js@lci:::::loenQentno.com.bl
W#W.ct:IOe_...,.a.ccmrx
Impresso original em PAPEL RECICLADO
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor ADR -1.8 # Correia 152STP8M25411

* Com o pino removido , atuar agora no sentido horário, de modo que a


haste do conjunto tensor fique extend ida, mantendo assim , a correia
tensionada; Passat
* Apertar o parafuso de travamento do rola mento tensor com 25 Nm; 1.8 20V
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação, ao final da
última volta, deixar o 1° cil indro em PMS;
* Verificar novamente se todas as referências de sincronismo se encontram
alinhadas. fig. 04

Inserir pino de travamento de 1.5mm .


Legendas:
CV = Comando de Vá lvulas
RT = Rolamento Tensor
AI = Árvore Intermediária
RA = Rolete Auxilia r
VB = Virabrequim

149

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAGEN

Motor APK- 2.0 #Correia 138STP8M230H

Período de troca: a cada 60.000 Km

Bora
Ferramenta/ específico necessário:
2.0
Chave para porcas matra.
Gol f
2.0

New Beetle
2.0

fig. 02 fig. 03

Torques de aperto (em Nm):


Paraf. do amortecedor de vibrações da polia do virabrequim 40,0
Porca de travamento do tensor da correia dentada 20,0

Tempos de reparo (em horas):


IBeetle 1,90 Bora 1,90
Golf 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não girar o virabrequim ou comando de vá lvulas com a correia dentada
removida;
* Remover as velas de ignição para aliviar o movimento do motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* Ajustar a tensão da correia somente com motor frio ou pouco quente;
* O fabricante recomenda que se apl ique marcas indicando o sentido de rotação da
correia em casos de reutil ização da mesma .

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 1° cili ndro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) no comando de válvulas: Sincronismo da marca existente na polia do
comando de válvulas al inhada à marca na proteção posterior da mesma
(figs. 0 1 e 04);
b) no vi rabrequim : O alin hamento da marca existente no amortecedor de
vibrações/polia do virabrequim à marca na proteção inferior da da correia
dentada (fig.05);
NOTA: Nessa condição a marcação de "zero grau" no volante do motor deve
estar ali nhada à referência na ca rcaça do câmbio (figs. 06 e 07).

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a extração:
* Al iviar a porca de travamento do rolamento tensor e girar o seu excênt rico
com auxíl io da chave para porcas mat ra (fig. 0 1 e 02);
* Extra ir a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolete auxil iar (RA).
150 b) durante a reposição:
----- * Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 • Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor APK- 2.0 # Correia 138STP8M230H

* Iniciar a aplicação da correia dentada pela polia do virabrequim (PB),


aj ustando-a primeiro no rolamento tensor (RT), depois na polia do
comando de válvulas (CV). Bora
NOTA: Respeita r o sentido de trabalho da corre ia em casos de 2.0
reutilização;
* Assegurar-se de que a correia de encontra esticada entre as pol ias, Golf
porém, não tensionada. 2.0
c) durante o tensionamento: fig. 0 6
* Atuar no rolamento tensor por meio da chave para porcas matra , New Beetle
movimentando-o para direita e esquerda por 5 vezes, deixando-o ao
Referência para posicionamento do 2.0
volante do motor em veículos com
final no seu ponto de parada (fig.03); transmissão mecânica
* Com a chave para porcas matra , girar lentamente o tensor no sentido
anti-horário até o ponteiro indicador ficar alinhado com o ental he (fig.
08);
* Apertar a porca de travamento do rolamento tensor com 20 Nm;
* Girar o motor por duas voltas no sentido normal de rotação;
NOTA: Ao final dos últimos 45°, girar lentamente até que as marcas de
refência do sincronismo fiquem alinhadas (figs. 04 e 05);
* Conferir a posição do rolamento tensor, que deve estar rigorosamente
com o ponteiro ind icador alinhado ao entalhe; se necessário, repetir o
procedimento de tensionamento;
NOTA: A chapa de retenção deve se manter fixa em em seu alojamento
(fig. 08);
* Aplicar uma firme pressão com o dedo polegar no ponto "T" , provocando fig. 0 7
o movimento do ponteiro e do enta lhe do t enso r, que devem se Referência para posicionamento do
movimentar sepa radamente; volante do motor em veículos com
transmissão automática
* Girar novamente o motor por duas voltas no sentido normal de
rotação;
NOTA: Ao final dos últimos 45°, girar lentamente até que as marcas de
refência do sincronismo fiquem alinhadas (figs. 04 e 05);
* Conferir novamente a posição do rolamento tensor, que deve estar
rigorosamente com o ponteiro indicador al inhado ao entalhe.

Legend as:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolete Auxi liar
PB = Bomba d'água
VB = Virabrequim

151

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWA GE N

Motor ACK- 2.8 30V #Correia 253STP8M300H

Período de troca: a cada 6 0 .000 Km

Passat
2.8 30V

Ferramenta/ específico necessário:


Ferramenta para posicionamento dos comandos.

fig. 02 fig. 03

Extrator das polias dos comandos.

Detalhe do furo grande da placa da


polia, voltado para parte interna .

fig. 04 fig. 05

Torques de aperto (em Nm):


Paraf. do amortec. vibrações da polia do vi rabreq. 25,0
Paraf. das polias dos comandos de válv. 55,0

Tempos de reparo (em horas):


Passat 3,30
Audi A-4 2,90
Audi A-6 até 97 2,50
Audi A-6 97 em diante 3,50
Audi A-8 1,90

Precauções especiais:
* Desconectar o cabo massa da bateria;
* Não gira r o virabreq uim ou comando de válvu las com a correia dentada
removida;
* Remover as vela s de ignição para aliviar o movimento motor;
* Não girar o motor através da polia do comando de válvulas;
* O fabricante recomenda que se apl ique marcas indicando o sentido de rotação da
correia em casos de reutilização da mesma.

Posicionamento e verificação dos pontos de sincronismo

Colocar o motor com o 3° cilindro em ponto morto superior e checar os


seguintes pontos:
a) nos comandos de válvulas: Posicionamento dos furos "gra ndes" das placas fig. 08
de fixação das polias dos comandos apontados um pa ra o outro e alinhados
152 na horizontal (fig. 06);
Pino roscado para bloqueio do
virabrequírn Instalado.

C •I cI ~ Av. C·25&n0270.GemoEmp9SOI\oiSebl:xl,sdo 719


Noio Sliço. 742f0.010, Goónb -Goite
62 · 3942·3939 · Yeocb$@CidoEingeri'Orb-Cetnbr
Impresso original em PAPEL RECICLADO
ENGENHARIA .ww.c-b.canb
Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Motor ACK- 2.8 30V # 253STP8M300H

NOTA: Caso os furos grandes estejam posicionados do lado externo das polias,
girar o virabrequim mais uma vez até que se alinhem corretamente.
bl no virabrequ im: O alinhamento do entalhe existente no amortecedor de
Passat
vibrações/ polia do virabrequim à marca na proteção inferior da da correia
2.8 30V
dentada (fig.07);
NOTA: Nessa condição, desmontar o bujão existente no bloco do motor situado
do lado dos cilindros esquerdos e aparafusar a ferramenta específica (pino
roscado), bloqueando assim, giros involuntários do virabrequim (fig. 08). fig. 09
Obs: O furo de PMS do virabrequim deve ser visível ou palpável após a
remoção do bujão.

Extração, reposição e tensionamento da correia

a) durante a ext ração:


* Girar o rolamento tensor com o auxílio de uma chave allen 8mm no
sentido horário comprimindo o pistão do elemento tensor e alinhando
os furos da carcaça com os tuchos (fig. 09);
* Com os furos alinhados ap licar um pino com diâmetro de 2mm
bloqueando o elemento tensor (fig. 10);
NOTA: O element o tensor é amortecido a ó leo e só perm it e ser
comprimido lentamente; fig. 10
* Ext rair a correia dentada;
* Testar as condições de folga, desgaste ou existência de "pontos duros"
no rolamento tensor (RT) e rolete auxiliar (RAl .
b) durante a reposição:
* Manter alinhadas todas as referências de sincronismo;
* Remover os parafusos de fixação das polias dos comandos de válvu las
e as placas de fixação;
* Soltar as pol ias dos comandos de válvu las ut ilizando um ext rator (figs.
04 e 05);
* Recolocar novamente manulamente os parafusos e as placas de fixação
das polias;
NOTA: As po lias dos comandos devem ficar móveis no cone de
assentamento das mesmas;
* Aplica r a correia dentada;
NOTA: Respeita r o sent ido de trabalho da corre ia em casos de
fig. 11
reutilização;
c) durant e o tensionamento:
* Aplicar a ferramenta específ ica (travessa ), para travamento dos
comandos de válvulas (figs. 02 e 03);
* Atuar no rolamento tensor ut ilizando uma chave allen 8mm gi rando-o
no sentido horário e extrair o pino de travamento do elemento tensor;
* Utilizando um torquímetro, atuar no tensor novamente, agora no sentido
anti-horário aplicando uma pré-carga de 15,0 Nm sobre a correia (fig. 11);
* Torquear os parafusos de fixação das polias dos comandos de válvu las
com 5 5,0 Nm;
* Remover a ferramenta específica de bloqueio do virabreqi m (pino
roscado).
Legendas:
CV = Comando de Válvulas
RT = Rolamento Tensor
RA = Rolamento Auxiliar
PB = Bomba d'água 153
VB = Virabrequim -----

Impresso original em PAPEL RECICLADO C •IcI ~ AvC-255.no270. CentfO En"'()fe'$a01Sebb:l.sob719


No\O SUça.74280·0iaGoitnlo-Goôs
6:2- 3942-3939- ...eodai@cl::bangenhao.ccm.tJ
ENGENHARIA """·cic""""""'"'""ccrn.t>
Witer Marcos de Oliveira
VO LK SWAGE N

Exemplos de problemas relacionados à Correia dentada

MAREA 2.0 20V- MOTOR GIRA MAS NÃO PEGA

Outros detalhes:
• Lâmpada de anomalias da injeção eletrônica piscando;
Lâmpada do imobilizador acende e apaga norma lmente ;
Problema apareceu após a t roca da bomba de óleo

Diagnóst ico: ~
A lâmpada de anom alias piscando não é normal. Aparentemente não existe nenhuma estratégia específica ~
que faça esta lâm pada piscar, e apesar dos testes realizados, todos os contatos de aterramento foram ]
limpos; ~
Todos os outros testes de sensores e atuadores foram feitos e nenhum inconven iente fora encontrado; ~
Como havia sido usada a ferramenta para sincronizar o motor e reposicionar a correia dentada e sendo !
esta não origi nal, levamos a ferramenta até uma concessionária FIAT com a finalidade de compararmos -
as peças, e qual a surpresa : o conj unto de ferramentas é idêntico, porém a marcaçao da ferramenta do zo -~
~
e do 3° c ilindros estavam trocadas. Com a montagem invertida, o sensor de fase não ti nha sincronismo
com o sensor de rotação e a central fazia a lâmpada p iscar. i
i
Solução: "
Sincronizar corretamente os com andos com a árvore de manivelas . Quando isto ocorre, você perceberá ~
que estando o 1° cilindro em PMS, os carnes deste cilindro estarão apontando para fora do motor. =
~
t
-•
PALIO 1.0 - IAW lGl - ESTOURO NO COLETOR DE ADMISSÃO i
~
São m uitas as possíveis causas, não necessariamente na ordem apresentada: e
F
A) Sincronismo mecân ico Problema comum : montagem da correia dentada sem o uso da ferramenta ~
>i
específica. l
:

B) Mau assentamento de vá lvulas; "


~

~
C) Regulagem de válvulas; Válvula presa -abertura antecipada das válvulas de adm issão. r
D) Avanço de ignição - Troca dos fios do sensor de detonação Foi montado uma série de ch icotes com a ~
2
~
.
fi ação do sensor de detonação invert ido. ~
~
E) Avanço de ignição- Software da central de injeção. Algumas centra is de injeção com problemas de avanço ~
inicial de ignição apresentavam uma centelha de carga. Neste caso o problema se dá principa lmente 3
a frio quando o avanço de ignição é mais adiantado. A solução é trocar a central de injeção por outra "
com software atualizado. Para m inimizar o problema aumente a distância de abertura dos eletrodos das ~
velas. ~
g_

F) Avanço de ignição - Sincronismo do sensor de PMS. Se o motor adiantado pode provocar uma centelha ]
de carga, o atrasado pode provocar uma centelha de descarga no cilindro da centelha perdida coincidindo ~
com início do processo de admissão.

G) Carbonização da câ mara de combustão provocando um mau assentamento das válvulas de admissão ou


a formação de um ponto quente inicia um processo de combustão no início da adm issão, ainda durante
o período de cruzamento de valvulas.

154

Impresso original em PAPEL RECICLADO


Procedimentos de Troca de Correias Sincronizadoras
VOLKSWAGEN

Exemplos de problemas relacionados à Correia dentada

MONDEO 1.8 ZETEC - SISTEMA EEC-/V - ENGASGANDO EM RETOMADAS

Outros detalhes:
• Falhando tipo "fuga de centelha" . Falha contínua .
• E quando frio um ruído forte na tampa da correia dentada

Verificações prelim inares:


• Vela, cabos, bobina em perfeito estado.

Causa do problema:
• Correia dentada extremamente 'bamba' , porém não saltou dente.

Solução:
• Retensionamento da correia dentada.

CORSA 1.0 I 1.6 MPFI - MOTOR DETONANDO (GRILANDO)

Causa:
• Mau contato nos terminais de aterramento da U.C.E. e do motor de partida . Estes pontos de aterramento
estão na frente e à direita do cabeçote;
• Falta de sincronismo mecânico entre o virabrequim e o comando de válvulas

Solução:
• Promover a limpeza dos termina is de aterramento bem como a sua perfeita fixação;
• Sincronizar o ponto mecânico e retensionar a correia dentada.

GOL 1.0 16V - MARCHA LENTA IRREGULAR, OSCILANDO MU ITO

Out ros detalhes:


• Tempo de injeção mu ito alto, cerca de 7ms;
• Tensão da sonda lambda com variação normal;
• Correção da sonda fora da faixa normal (segundo Scanner Raven);
• Freio pesado (duro);

Causa:
• Correia dentada adiantada 1 dente

Solução:
• Reposicionamento e retensionamento da correia dentada

155

Impresso original em PAPEL RECICLADO


C •IcI~ Av. C-'255. n<:'270. Cenoo EfT'lPIOSQ'bl Sebt:c. IOb 719
No'oO &JÇa. 742SO.Ol O. Goilnla · ~s
b2 - 3942-3939- \G"'dos@ctberQErtlab.o::rn.b
ENGENHARIA www.ei:-o."""·"
Witer Marcos de Oliveira
VOLKSWAG E N

Evolução

VÁLVULAS ELETROMAGNÉTICAS - O MOTOR SEM A ÁRVORE DE COMANDO DE VÁLVULAS

Se é possível um motor sem a árvore do comando de vá lvulas, então é possível imaginar um motor similar
aos motores atuais e sem a correia sincronizadora das árvores principais do motor.

O objetivo é encontrar uma solução para o grande problema da distribução clássica que é a sua rigidez de
projeto. No momento de sua concepção, os projetist as, devem decidir sobre o ti po de motor:
• Um motor esportivo e potente, porém de consumo elevado;
• Um motor sem ca ract eríst icas destacáveis. Mediano;
Um motor vigoroso, de grande torque, porém sem velocidade.

At ualmente, os projetist as tem utilizado três t ipos de soluções para contornar, ou minimizar, tal situação:
Utilizando a admissão variável - alterando o tamanho ou a seção da tubu lação de adm issão em função
do regime;
• Utilizando o variador de fase - alterando o início e o fechamento das válvulas de admissão e/ ou escape
em função do regime;
• Utilizando um turbocompressor.

A solução definitiva, sobre a qual Renault e BMW t em derramado alguns mil hares de dólares, é a uti lização
das válvu las comandadas por eletro-ímãs e não por uma árvore de comando. O nome dado a este sistema é
Camless (sem carnes) .

Interesses do sistema :
A primeira vantagem do sistema é uma adaptação mais fáci l da variação do tempo de abertura das válvulas
em função do regime. Isto va i trazer aos projetist as maiores possibil idades de regulagem do mot or: um conj unto
favorável sobre uma grande gama de regimes e mel hor controle do consumo e da poluição. Esta tecnologia vai
fazer reaparecer uma velha idéia : o motor com cilindros debreáveis. Esta técnica permite aos outros cilindros
trabalharem em plena carga, então com um melhor rendimento. Isto torna-se realizável deixando as válvulas
de escape abertas. No passado a solução era de 'debrea r' alguns cil indros no virabrequim. Mas esta tecnologia
não teve segmento diante dos problemas de confiabilidade e de custo elevado de produção.

Além disso, o sistema Camless vai permitir reduzir o efeito nefasto do bombeamento de ar preenchendo e
suprimindo o corpo de borboleta . Em cargas parcia is a depressão durante a fase de admissão será reduzida.

Os li mites atuais do Camless:


• O sistema de comando ainda é pesado e não está ainda adaptado para altos regimes;
• O Camless é comandado por 42V, sistema elétrico previsto para os anos 2014/ 20 15, mas não antes.

156

Impresso original em PAPEL RECICLADO