Você está na página 1de 100

Apostila de 10º a 2º Gub

Sumário
10º GUB - FAIXA BRANCA .................................................................................................. 2
9º GUB - FAIXA BRANCA PONTA AMARELA ............................................................ 14
8º GUB - FAIXA AMARELA................................................................................................ 22
7º GUB - FAIXA AMARELA PONTA VERDE ............................................................... 30
6º GUB - FAIXA VERDE ...................................................................................................... 40
5º GUB - FAIXA VERDE PONTA AZUL ......................................................................... 50
4º GUB - FAIXA AZUL ......................................................................................................... 62
3º GUB - FAIXA AZUL PONTA VERMELHA ............................................................... 75
2º GUB - FAIXA VERMELHA............................................................................................. 89

1
10º GUB - FAIXA BRANCA

MATÉRIA TEÓRICA
Pre-Forma: SADJU TIRIGUI (Ataque em cruz) 14 movimentos
SADJU MAKI (Defesa em cruz) 16 movimentos

O que é Taekwon-Do?
Etimologicamente Taekwon-Do significa Arte de lutar com pés e mãos. Traduzindo literalmente do
coreano, Taekwon-Do significa “Caminho dos pés e das mãos”. Também pode ser definida como “a
arte marcial coreana de auto defesa” (Gal. Choi Hong Hi).
Foi desenvolvido pelo General Choi Hong Hi, entre os anos de 1945 e 1955. Até que em 11 de Abril
de 1955, a Coréia aceitou o Taekwon-Do como sua nova Arte Marcial. Surgiu como uma inteligente
mistura entre o karate japonês e o Tae kyon, antiga arte marcial coreana.

Dizem que o Taekwon-Do é uma arte, uma ciência e um esporte e que seu estudo constitui uma
forma de vida. Uma ciência porque todos seus movimentos se baseiam na ciência moderna,
especialmente nas leis físicas newtonianas, que ensinam como gerar o máximo de energia em cada
ação.

Todas suas técnicas estão desenhadas para produzir o máximo de poder, de acordo com as fórmulas
científicas e o princípio da Energia Cinética.
Como esporte está compreendido em 4 partes:
- Luta Livre
- Técnicas de Poder
- Técnicas especiais
- Formas

Taekwon-Do é uma arte, um caminho, uma forma de vida. Todas estas definições se enquadram, e
englobam uma série de conceitos e princípios nos quais se pretende um mundo mais Íntegro e
Moral. Decididamente, o aspecto moral está unido ao Taekwon-Do desde sua criação.
O estudo da arte do Taekwon-Do se divide claramente em duas etapas:
- A perfeição técnica
- A disciplina espiritual

2
VOCABULÁRIO
10º gub
Protocolos:
CHARYOT: posição de sentido (os calcanhares ficam juntos, formando um “V”, os braços
estendidos ao lado do tronco reto, olhar para frente com atenção)
KIUNNE (KINHÊ): cumprimentar, abaixando a cabeça e o tronco para frente
JUMBI: (tchumbí) posição de prontidão para iniciar alguma atividade.
SAHYUM NIM: Mestre (7º e 8º Dan)
BUSSABUM: Assistente de Instrutor (1º a 3º Dan)
Bases: (sogui)
GONNUN SO: Base andando
NARANI SO: Base paralela
ANNUN SO: base sentada
NIUNJA SO: base L
Técnicas:
TIRIGUI: ataque com punho (soco)
MAKI: defesa
Chutes:
APCHA OLIGUI: levantamento frontal
GOLCHO CHAGUI: giro da perna de dentro para fora
BANDAL CHAGUI: giro da perna de fora para dentro
AP CHAGUI (OU APCHA BUSIGUI): chute frontal
DOLLYO CHAGUI (TOLLYO): chute semi circular

3
MATÉRIA PRÁTICA

MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

Bases 10º Gub

 Base de Sentido
CHARYOT SOGUI

o Calcanhares unidos com pés formando um ângulo de 45 graus.


o Joelhos estendidos.
o Braços afastados lateralmente ao longo do corpo com os cotovelos ligeiramente
flexionados e mãos levemente fechadas. Olhar dirigido para a linha horizontal.

 Base paralela
NARANI JUNBI SOGUI
Parallel Ready Stance

o Pés paralelos apontados para frente e afastados pela distância de um ombro entre seus
bordos externos.
o Joelhos estendidos.
o Distância entre os punhos em torno de 5 cm e afastados em torno de 7 cm do abdômen
o Cotovelos levemente flexionados.

4
Obs: Base paralela / NARANI SOGUI / Parallel Stance
Igual a Base da posição paralela, porém com os braços posicionados lateralmente ao
corpo.

 Base Andando
GONNUN SOGUI
Walking Stance

Esta é uma postura muito forte, frontal ou posterior, tanto para ataque como defesa.

 Pés afastados pela distância de um ombro de largura do centro do pé ao outro e um


ombro e meio de comprimento do dedão do pé da frente até a linha que passa pelo
dedão do pé de trás.
 Pé da frente apontando para frente e pé de trás apontando 25 graus para o exterior.
 Joelho da frente flexionado até que a patela coincida em linha vertical com o calcanhar.
 Joelho de trás que deve estar estendido.
 Músculos dos pés tencionados, como se fosse puxá-los um para o outro.
 Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%).

Erros mais comuns:

 Distância muito grande entre os pés: movimentos se tornam lentos e fracos.


 Distância menor entre os pés que um ombro de largura: torna a postura frágil perante
um ataque.

5
 Base Sentada
ANNUN SOGUI
Sitting Stance

Esta é uma base muito estável para movimentos laterais. Também é utilizada para exercícios
de socos e fortalecimento dos músculos das pernas. Uma das vantagens desta base é a de
poder passar para Base Andando, sem ter que realocar os pés.

 Pés apontados para frente e afastados lateralmente pela distância de um ombro e meio
entre os dedões dos pés.
 Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%)
 Joelhos flexionados até que fiquem sobre as bolas dos pés.

 Soco frontal médio na base andando


GONNUN SO KAUNDE TIRIGUI
Walking Stance middle front punch

o Os ataques iniciam-se do lado direito.

6
 Soco frontal na base paralela
NARANI TIRIGUI
Parallel Stance Punch

 Soco frontal na base sentada


ANNUN SO TIRIGUI
Sitting Stance Punch

 Defesa baixa com antebraço na base andando


GONNUN SO PALMOK NAJUNDE MAKI
Walking Stance forearm low block

As defesas iniciam-se do lado esquerdo.

7
 Defesa baixa com faca de mão na base andando
GONNUN SO SONKAL NAJUNDE MAKI
Walking Stance knife hand low block

 Defesa média com parte interna do antebraço na base andando


GONNUN SO ANPALMOK KAUNDE MAKI
Walking Stance inner forearm middle block

8
DEFESA PESSOAL
Bloco 10
DEFESA PESSOAL - Preparação básica para todos os blocos
1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP
Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gonnunso tirigui D
DF - gonnunso anpalmok kaunde maki E
CA - gonnunso bandae tirigui D

AT - kaunde apcha busigui D


DF - gonnunso palmok najunde maki E
CA - gonnunso bandae tirigui D

9
AT - gonnunso tirigui D
DF - gonnunso anpalmok kaunde maki E
CA - moorup dollyo chagui D

AT - kaunde apcha busigui D


DF - gonnunso palmok najunde maki E
CA - gonnunso bandae tirigui D

EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO - 2 A 2 -
LUTA COMBINADA

Ampliação do Programa de Exame

Ao término de cada exercício, trocar a base e fazer o movimento do outro lado.

10° gub
1º Exercício:
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki (D)
IIbo omgyo didimyo nagagui + dollyo chagui D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki (D)
Recuando cruzando a perna direita por trás E
Niunja so Palmok Kaunde Maki D + Sonbadak Najunde Maki (com a mão) E

2º Exercício:
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki (E)
Ilbo omgyo didimyo nagagui + dollyo chagui D

10
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki, recuar cruzando 2x, na 3º troca a base, defendendo
em sonbadak najunde maki, com a mão E

CHUTES

 APCHA OLLIGUI
LEVANTAMENTO
FRONTAL
Front rising kick

Este chute é usado para levantar um soco do oponente por baixo do antebraço ou um chute
do oponente chutando a parte interna da tíbia. Com esta técnica, a junta do joelho da perna
que chuta não deve dobrar muito. Na posição andando é usado para desenvolvimento
muscular.


GOLCHO CHAGUI
CHUTE CIRCULAR DE DENTRO PARA FORA
Crescent kick

Os alvos são a junta do cotovelo e o tendão de aquiles. A arma de defesa é o lado do peito do
pé que deve encontrar o alvo numa curva para fora mas não como um chute torcido.

 BANDAL CHAGUI
CHUTE EM FORMA DE GANCHO DE FORA PARA DENTRO
Hooking kick
Este chute é usado para bloquear a um ataque de pé ou mão para região média ou baixa. A
sola do pé será a arma que deve entrar em contato com o alvo em forma de arco. A vantagem
desta técnica é que o bloqueio do pé pode ser usado rapidamente como contra ataque.

 AP CHA BUSIGUI
CHUTE FRONTAL
Front snap kick

11
Esta técnica é desenvolvida para atacar um oponente na frente. O plexo solar, o abdômen, o
escroto, axilas e as costelas flutuantes são os principais alvos. É executado com a bola do pé
(peito do pé e dedos quando calçado) e é subdividido em chute baixo e médio, tão longe
quanto os pés possam alcançar.
Os princípios básicos desta técnica são:
a) - A perna de apoio deve estar relaxada no momento do impacto;
b) - o joelho da perna que chuta deve ser trazido rapidamente à frente do tronco, antes de
chutar. Estes dois movimentos devem ser coordenados em um único movimento uniforme e
ação rápida;
c) - a arma de ataque deve encontrar o alvo em linha reta;
d)- o pé que chutou deve ser recolhido imediatamente após o chute e ser trazido para o para
o chão através do centro de equilíbrio;
e) - cuidadosamente tente aferir o peso e a distância correta do alvo e calcule a utilidade de
usar esta técnica;
f) - os dedos dos pés de apoio devem estar virados para frente no momento do impacto;
g) - o pé de apoio não deve girar durante o chute.

DOLLYO CHAGUI
CHUTE SEMI CIRCULAR
Turning Kick

O chute circular é ideal para atacar um oponente posicionado lateralmente a frente e é


usualmente executado com a bola e peito do pé podendo também ser usado os dedos quando
se estiver usando calçados.
O círculo deve ser executado de forma que o corpo esteja em uma posição apropriada, e se a
posição estiver desalinhada para o chute o ataque poderá rapidamente se mover para outra
mais favorável.
Este chute é executado normalmente com o pé de trás, podendo ocasionalmente usar-se o pé
da frente.
Esta técnica classifica-se entre chutes baixos, médios e altos.
Os princípios básicos deste chute são:
a) O quadril deve ser deslocado para frente para tornar possível que o pé encontre o alvo em
arco.
b) A bola do pé deve estar na vertical com o alvo no momento do impacto.
c) O pé deve encontrar o ápice do chute rapidamente antes do impacto e os dedos deverão
posicionar-se levemente para baixo no momento do impacto.

12
d) Os dedos do pé de apoio devem estar 45º para fora no momento do impacto.
e) A perna que chuta não deve dobrar mais que o absolutamente necessário no momento do
impacto.
f) Não se esforce para chutar com o alvo posicionado na direção frontal.
g) Os braços devem ser mantidos dentro do espaço de visão enquanto o chute se processa.

10º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DAS PRÉ-FORMAS

SADJU TIRIGUI
1- Gonnun So Kaunde Tirigui
2- Gonnun So Palmok Najunde Maki

SADJU MAKI
1- Gonnun So Sonkal Najunde Maki
2- Gonnun So Anpalmok Kaunde Maki

13
9º GUB - FAIXA BRANCA PONTA AMARELA

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: CHON-JI – 19 movimentos

Significa literalmente “O Céu e a Terra”. No Oriente, interpreta-se como a criação do mundo ou o


começo da história humana. Consequentemente é a primeira forma que o principiante aprende.
Esta forma consiste em duas partes similares, uma representa o céu e a outra, a terra.

Deveres do Estudante - Juramento


EU PROMETO:
1- Observar as regras do Taekwon-Do.
2- Respeitar o Instrutor e meus superiores.
3- Nunca fazer mau uso do Taekwon-Do.
4- Ser campeão da Liberdade e da Justiça.
5- Construir um mundo mais pacífico.

Princípios do Taekwon-Do

1. Cortesia. Promover o espírito de união, sendo cortês entre seus companheiros.


2. Integridade. Agir com retidão e justiça. Refere-se ao senso de justiça e responsabilidade
que cada pessoa deve ter para si e para com os outros, o que exige a preocupação de
conhecer suas próprias limitações.
3. Perseverança. Para poder enfrentar as dificuldades e avançar até nossos objetivos. Este
princípio define a força de vontade e espírito de sacrifício que se encontra em todas as
artes marciais.
4. Autocontrole. Deve-se chegar ao máximo de potencialidade, mantendo o controle sobre
a agressividade.
5. Espírito Indomável. Devem orientar-se dentro dos princípios do Taekwon-Do e procurar
que estes princípios governem sua vida. Não deixar que nada os impeça em ter um espírito
indomável para lutar, se necessário, e estar sempre do lado da justiça e da liberdade.

VOCABULÁRIO
9º gub
Protocolos:
SABUM NIM: Instrutor (4º a 6º Dan)
SASEONG NIM: Grão Mestre (9º Dan)

14
BAL BAKO: trocar perna
TIRO TORÁ: meia volta
NÊ: presente

Técnicas:
PALMOK: antebraço
ANPALMOK: parte interna antebraço
SONKAL: faca de mão
NAJUNDE: região baixa (abaixo da cintura)
KAUNDE: região media (do umbigo ao ombro)
NOPUNDE: região alta (a partir do pescoço)

Chutes:
YOP CHAGUI: chute lateral
DWIT CHAGUI: chute para trás
YOBAP CHA BUSIGUI: YOP AP / YOBAP CHAGUI: chute frente base L

15
MATÉRIA PRÁTICA

MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

Base “L”
NIUNJA SOGUI
“L” Stance

Esta base é muito usada em defesa, embora também sirva em ataque. O pé da frente está
sempre disponível para atacar com uma leve troca do peso do corpo.

 Pés afastados pela distância de um ombro e meio do bordo exterior do pé de trás aos dedos
do pé da frente, formando quase um ângulo reto (90º)
 Joelho de trás flexionado até que coincida em linha vertical com os dedos do pé. Joelho da
frente flexionado proporcionalmente.
 A lateral deve estar alinhada com o interior do joelho de trás.
 Peso do corpo distribuído em 70% na perna de trás e 30% na perna da frente.

 Defesa média com antebraço interno na base L


NIUNJA SO ANPALMOK KAUNDE MAKI
L Stance inner forearm middle block

16
DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gonnunso tirigui D
DF - gonnunso sonkal kaunde maki E
CA - neryo chagui D

AT - gonnunso tirigui D
DF - annun so sonbadak kaund miro maki E
CA - annun so kaunde tirigui D

AT - gonnunso tirigui D
DF - golcho chagui E
CA - kaunde yop chagui D

17
AT - gonnunso tirigui D
DF - aptcha olligui E
CA - timyo apcha busigui D

EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO - 2 A 2 -
LUTA COMBINADA

Ampliação do Programa de Exame

Atacante: Ap chagui (D)


Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki D
Atacante: dollyo chagui E
Defensor: Niunja so palmok kaunde anuro maki D
Atacante: Dwitcha tirigui D
Defensor: Niunja so Sang sonbadak noolo maki E

CHUTES

 YOBAP CHA BUSIGUI


CHUTE FRONTAL NA BASE L
Side front snap kick

Esta técnica é utilizada para atacar um oponente localizado lateralmente a frente e


normalmente usa-se as bases de pé atrás, posição "L" e Vertical. Os princípios e métodos deste

18
chute são o mesmo do chute frontal com a exceção de que o corpo deverá estar meia face com
o oponente no momento do impacto.

A bola do pé é a arma primária enquanto os dedos e o peito do pé são secundárias.

 YOP CHA TIRIGUI (YOP CHAGUI)


CHUTE DE FACA DE PÉ
Side piercing Kick

Sem nenhuma dúvida esta é uma das técnicas mais efetivas para atacar o adversário no tronco.
A faca do pé é empregada como arma de ataque contra a têmpora, axila, costelas flutuantes,
estômago e artéria do pescoço. O filtro e ponta de queixo são alvos secundários.
Esta técnica é dividida em chutes baixos, médios e altos.

Devem ser observados os seguintes princípios básicos:


1 - A arma de ataque deve ir de encontro ao alvo numa linha reta com um movimento de retomo
imediato.
2- Independente da base, a faca do pé deve ser trazida a parte interna da junta do joelho da
perna de apoio antes do golpe ser executado.
3- Mantenha os dedos do pé que chuta levemente para baixo e os dedos do pé de apoio cerca
de 75 graus para fora no momento do impacto.
4- Para se obter um peso máximo apóie o corpo para frente do chute o mais longe possível
enquanto ainda mantém o equilíbrio.
5- Não tente chutar na diagonal, visto que existirá perda de potência.
6- A menos que aconselhado ao contrário pelo instrutor, execute um soco alto com a mão
direita e perna direita e vice versa.
7- O pé de apoio gira, permitindo a rotação do quadril para a execução do chute.

 DWITCHA TIRIGUI- (DWICHAGUI)


CHUTE COM FACA DE PÉ PARA TRÁS
Back piercing kick

19
Esse chute é usado efetivamente para se atacar um oponente se aproximando por trás. A
vantagem desta técnica é a habilidade de se alcançar uma longa distância sem precisar mudar
a direção do corpo.
Mantenha os pés da perna estacionária apontando para frente, com o tornozelo do pé que está
chutando dobrado a 45º no momento do impacto.

 DWITCHA BUSIGUI
CHUTE PARA TRÁS
Back snap kick

Esta técnica é usada para atacar um oponente se aproximando por trás sem mudança de
direção da base. Esta técnica é especialmente usada para atacar um oponente que está
agarrando por trás.
O calcanhar é arma de ataque enquanto o escroto é o alvo. Tenha certeza de inclinar o corpo
levemente para frente enquanto chuta.
O calcanhar encontra o alvo em linha reta e a máxima curvatura de joelho deve ser usada na
perna de apoio.

20
9º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

CHON-JI
Narani Jumbi Sogui

1) Gunnun So Palmok Najunde Maki


2) Gunnun So Kaunde Tirigui
3) Gunnun So Palmok Najunde Maki
4) Gunnun So Kaunde Tirigui
5) Gunnun So Palmok Najunde Maki
6) Gunnun So Kaunde Tirigui
7) Gunnun So Palmok Najunde Maki
8) Gunnun So Kaunde Tirigui
9) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki
10) Gunnun So Kaunde Tirigui
11) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki
12) Gunnun So Kaunde Tirigui
13) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki
14) Gunnun So Kaunde Tirigui
15) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki
16) Gunnun So Kaunde Tirigui
17) Gunnun So Kaunde Tirigui
18) Gunnun So Kaunde Tirigui
19) Gunnun So Kaunde Tirigui

21
8º GUB - FAIXA AMARELA

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: DAN-GUN
21 movimentos
Em honra ao santo do mesmo nome. Dan-Gun é o lendário fundador da Coréia no ano de 2333 A.C.

História do Taekwon-Do

Etimologicamente, Taekwon-Do significa, Tae: ação dos pés; Kwon: ação das mãos; e Do: caminho
ou uma forma de vida.

O Taekwon-Do, originalmente conhecido como Taek Kyon, nasceu há mais de 1.300 anos na Coréia
e foi impulsionado principalmente nos reinos de Silla e Koryo. Com o tempo foi se modificando tanto
o nome como suas técnicas.

Em 09 de Novembro de 1918 nasce Choi Hong Hi (criador do Taekwon-Do) em Miong Chong, atual
Coréia do Norte. Aos 12 anos é expulso da escola por pertencer a um grupo agitador contra o Japão
que nessa época oprimia seu país. Aos 15 anos começa a praticar Taek Kyon, estimulado por se
mestre de caligrafia Han Il Dong, que era um mestre nessa arte. Choi, que em sua juventude foi
fraco e doente, se fortalece com esta prática tanto fisicamente como em seu caráter, dando-lhe um
novo rumo a sua vida.

Em 1937 é enviado a Kyoto no Japão, para estudar, e ali começa a praticar Karatê, graduando-se II
Dan. Ao estourar a II Guerra Mundial, teve que se alistar no exército japonês, onde em pouco tempo
é mandado para a prisão por pertencer ao movimento de independência Kwan Ju. Preso, começou
a praticar uma arte marcial em que se combinavam técnicas de Karatê e Taek Kyon. Logo, toda a
prisão, incluindo os guardas, começou a imitar Choi.

18 de agosto de 1945 era o dia de sua sentença de morte. Seria enforcado. Quinze dias antes antes,
terminou a guerra e com ela, a opressão japonesa sobre a Coréia, salvando assim, sua vida. Ainda
não havia chegado sua hora.

Em 1946, depois da guerra, as novas Forças Armadas da República da Coréia foram organizadas e
Choi recrutado pelo novo Exército coreano. Estabelecia assim, um lugar onde praticar essa
combinação de Karatê e Taek Kyon e denominada Chan Hun por ele mesmo.

Em 1954, o Gal. Choi havia terminado a criação de uma nova arte marcial para Coréia.
Em 1955 reconhece-se na Coréia o “Taekwon-Do” como disciplina marcial.

Em 1959, Choi é nomeado Presidente da Associação Coreana de Taekwon-Do.

22
Em 22 de março de 1966 nasce a ITF (International Taekwon-Do Federation), que uniu todas as
organizações que Choi havia fundado quando era embaixador.

Em 1970, o Taekwon-Do ITF é introduzido no Brasil pelo Mestre Sang Min Cho.
Em 1972, Gal. Choi, por questões políticas, emigrou de seu país e fixou residência no Canadá, e com
ele, também se foi a ITF. Em 30 de novembro desse ano, a Associação de Taekwon-Do da Coréia
inaugura o centro de treinamento “Kuk Ki Won”.

Em 28 de maio de 1973, o governo da Coréia do Sul funda a World Taekwon-Do Federation (WTF),
uma variante esportiva do Taekwon-Do Original, como resposta à decisão do Gal. Choi em não
retornar à Coréia do Sul.

Em 1974, celebra-se o 1º Campeonato Mundial de Taekwon-Do ITF, em Montreal (Canadá).

Em 1984, a ITF leva sua sede para a Áustria.

Em 1990, o Gal. Choi vem ao Brasil pela primeira vez. Em 1994, nova visita do Gal. ao Brasil.

Em 15 de junho de 2002, morre o fundador do Taekwon-Do, General Choi Hong Hi em Pyongyang,


na Coréia do Norte.

Em setembro de 2003, Mestre Choi Jung Hwa, o filho do Gal. e Presidente da ITF vem ao Brasil.

Em 2004, Mestre Choi Jung Hwa consegue realizar o sonho de seu pai e reintroduz o Taekwon-Do
ITF na Coréia do Sul. A Coréia do Sul, berço do Taekwon-Do, sedia pela primeira vez na história
moderna um Campeonato Mundial de Taekwon- Do ITF na cidade de Daejon.

VOCABULÁRIO
8º gub
Técnicas:
DAEBI: de guarda (a mão de apoio fica abaixo do esterno, e não na cintura)
SANG: duplo
CHUKYO: para cima
BAKURO: para fora
Chutes:
BANDAE DOLLYO CHAGUI: giratória
NERYO CHAGUI: chute vertical de cima para baixo
MOORUP CHAGUI: joelhada
23
MATÉRIA PRÁTICA

MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Defesa de guarda com faca de mão na base L


NIUNJA SO SONKAL DAEBI MAKI
L Stance knife hand guarding block

 Soco alto na base andando


GONNUN SO NOPUNDE TIRIGUI
Walking stance high punch

 Defesa dupla alta e média com antebraço na base L


NIUNJA SO SANG PALMOK MAKI
L Stance twin forearm block

24
 Defesa alta para cima com antebraço na base andando
GUNNUN SO PALMOK CHUKYO MAKI
Walking stance forearm rising block

 Ataque médio para fora com faca de mão na base L


NIUNJA SO SONKAL KAUNDE BAKURO TERIGUI
L Stance middle outward strike

DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - kaunde yop chagui D


DF - niunja so palmok kaunde maki D
CA - kaunde yop chagui D

25
AT - annun so sonkal kaunde yop terigui E
DF - niunja so sang sonkal maki E
CA - gojun so tirigui E

AT - gojun so tirigui D
DF - niunja so sonkal kaunde maki E
CA - kaunde yop chagui E

AT - gonnunso bandae tirigui D


DF - gonnunso sonkal kaunde bandae maki E
CA - apcha busigui D

26
EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D (pé da frente)
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D (recua sem trocar a base)
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D (pé de trás)
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D (recua trocando a base)
Executar o lado esquerdo

CHUTES

1. BANDAE DOLLYO CHAGUI


CHUTE CIRCULAR REVERSO
Reverse turning Kick

Esta é uma forma reversa de um chute circular usado contra um oponente lateralmente
atrás. É freqüentemente executado com o calcanhar, mas ocasionalmente a bola do pé é
usada.
Esta técnica pode ser executada com o pé da frente ou de trás tão longe quanto um chute
estacionário é solicitado. Por causa da efetividade deste golpe depender de uma máxima
velocidade enquanto gira, cuidados especiais devem ser tomados com o equilíbrio e a
postura.
É subdividido em chutes baixos, médios e altos.
Principal arma de ataque é o calcanhar e usado para atacar o filtro, têmporas, plexo solar,
tronco e abdômen.
Mantenha sempre a perna que chutar esticada.
Os dedos de perna de apoio devem estar a 65º no momento do impacto.

27
A bola do pé é a arma secundária e o crânio e a clavícula os alvos. A perna que estiver
chutando deve estar levemente dobrada no momento do impacto.

1. NERYO CHAGUI
CHUTE DE CIMA PARA
BAIXO
Downward kick

Esta técnica é utilizada para atacar um oponente passando por sobre um obstáculo que
poderá ser uma outra pessoa.
O calcanhar atinge o alvo numa linha descendente do ápice do chute. O ponto de foco não
deverá ser abaixo da linha do plexo solar do atacante, visto que haverá perda de potência.
O crânio é o alvo principal e a clavícula o secundário.

1. MOORUP OLLYO CHAGUI


JOELHADA PARA CIMA
Upward kick

Esta técnica é usada no ataque no plexo solar a curta distância. Assegure-se de puxar para
baixo a cabeça ou ombro do oponente com as duas mãos enquanto chuta. O joelho é a arma
de ataque.

28
8º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

DANGUN
Narani Jumbi Sogui

1) Niunja So Sonkal Daebi Maki


2) Gonnun So Nopunde Tirigui
3) Niunja So Sonkal Daebi Maki
4) Gonnun So NopundeTirigui
5) Gonnun So Palmok Najunde Maki
6) Gonnun So Nopunde Tirigui
7) Gonnun So Nopunde Tirigui
8) Gonnun So Nopunde Tirigui
9) Niunja So Sang Palmok Maki
10) Gonnun So Nopunde Tirigui
11) Niunja So Sang Palmok Maki
12) Gonnun So Nopunde Tirigui
13) Gonnun So Palmok Najunde Maki
14) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
15) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
16) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
17) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
18) Niunja So Sonkal Kaunde Bakuro Terigui
19) Gonnun So Nopunde Tirigui
20) Niunja So Sonkal Kaunde Bakuro Terigui
21) Gonnun So Nopunde Tirigui

29
7º GUB - FAIXA AMARELA PONTA VERDE

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: DO-SAN
24 movimentos
É o pseudônimo do patriota AHN-CHANG-HO (1876-1938), os 24 movimentos representam sua vida,
a qual se dedicou a promover a educação e independência da Coréia.

Objetivos do Salto

As vantagens que se podem obter dos chutes saltando são:


1. Evitar ou superar um obstáculo;
2. Surpreender o adversário;
3. Cobrir uma distância em menor tempo;
4. Executar mais de um movimento ao mesmo tempo;
5. Chutar uma área alta mais facilmente (além de desenvolver coordenação, melhorando o
condicionamento muscular);
6. É um excelente exercício para regular o tempo e a distância.

Quebramento

Quando se atinge um alto grau de perfeição em uma técnica, considera-se que o ajuste final da
mesma se faz através do quebramento. Tais técnicas servem como instrumento de medição do
desenvolvimento da técnica, colocando em prova a força e a velocidade máxima que se pode atingir.

Podemos separar o quebramento em três grupos:


 Técnicas de velocidade: dependem exclusivamente da velocidade empregada.

 Técnicas de potência: além da velocidade, aproveita-se a massa.

 Técnicas de habilidade: além de utilizar massa e velocidade, o aluno deve empregar


coordenação e a inércia ao seu favor.

Os principais objetivos das técnicas de quebramento são:


1. Desenvolver a autoconfiança do praticante;
2. Desenvolver a habilidade de mensurar a força, a velocidade e a distância ideais para cada
situação.

30
As Formas (Tuls)

As formas foram criadas pelo Gal. Choi Hong Hi para o aperfeiçoamento e desenvolvimento técnico
do Taekwon-Do. Elas constituem uma série de movimentos fundamentais, as quais representam
técnicas de ataque ou defesa em uma sequência lógica. Cada movimento das Formas têm uma
explicação lógica de “Como” e “Porquê” de seu desenvolvimento e aplicação. O praticante combate
sistematicamente com vários oponentes imaginários, realizando as técnicas que compõem cada
uma das formas.

Os benefícios principais são:

1. Melhoria na flexibilidade
2. Auxílio no fortalecimento muscular e no controle respiratório.
3. O domínio do corpo através da realização de movimentos seqüenciais.

Existem 24 formas que terminam em 970 movimentos. O nome, a quantidade de movimentos e o


diagrama de cada forma simbolizam mitos, heróis e o espírito da história coreana.

Pontos fundamentais na prática das formas:


1. Deve-se terminar o TUL no mesmo ponto em que se começou. Isto indica precisão na execução
do TUL
2. Postura e posicionamento corretos devem ser mantidos durante toda a execução do TUL.
3. A musculatura do corpo deve ser contraída ou relaxada de acordo com o momento crítico do
movimento.
4. O exercício deve ser executado com movimentos rítmicos e sem rigidez.
5. Os movimentos devem ser acelerados ou desacelerados de acordo com as instruções.
6. Cada TUL deve ser bem assimilado antes de passar para o aprendizado do TUL seguinte.
7. Os alunos devem conhecer o propósito de cada movimento.
8. Os alunos devem realizar os movimentos com realismo.
9. As técnicas de ataque e defesa devem ser igualmente executadas por ambos os lados do
corpo.

O General Choi Hong Hi dizia: “A vida de um ser humano de provavelmente 100 anos pode ser
considerada como um dia se comparada com a eternidade. É evidente que nada pode viver além
de uma quantidade limitada de tempo. Contudo, muitas pessoas se escravizam ao materialismo
como que se pudessem viver mil anos. Enquanto isso, nós nos esforçamos para deixar um legado
espiritual para as gerações futuras, conseguindo assim, a imortalidade. Portanto, o que pudermos
fazer para a prosperidade e o crescimento do homem no futuro é o fato mais importante de nossa
vida. Aqui deixo o Taekwon-Do para a humanidade como um retrato do homem do século XX. As
24 formas representam as 24 horas, um dia ou toda minha vida”.

31
VOCABULÁRIO
7º gub
Bases:
DWITBAL SO: base recuada

Técnicas:
BAKAT PALMOK: parte externa antebraço
BANDAE: reverso
SUN: vertical
SONKUT: ponta de dedo
TULKI: espetar
DUNG JUMOK: costa de mão
HECHYO: duplo (casado)

Chutes:
TIMYO: saltando (todos chutes saltando acrescenta-se a palavra “Timyo”)
Exemplos:
timyo ap chagui
timyo yop chagui

32
MATÉRIA PRÁTICA
MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Defesa lateral alta para fora com antebraço na base andando


GONNUN SO BAKAT PALMOK NOPUNDE YOP MAKI
Walking stance outer forearm high side block

 Soco médio reverso na base andando


GONNUN SO BANDAE TIRIGUI
Walking stance reverse punch

 Ataque médio com ponta de dedo vertical na base andando


GONNUN SO SUN SONKUT TULKI
Walking stance straight fingertip thrust

33
 Ataque lateral alto de costa de mão na base andando
GONNUN SO DUNG JOOMUK NOPUNDE YOP TERIGUI
Walking stance back fist high side strike

 Defesa dupla alta para fora com antebraço na base andando


GONNUN SO BAKAT PALMOK NOPUNDE HECHYO MAKI
Walking stance outer forearm high wedging block

34
 Chute frontal médio
KAUNDE APCHA BUSIGUI
Middle front snap kick

 Ataque lateral com faca de mão na base sentada


ANNUN SO SONKAL YOP TERIGUI
Sitting stance knife hand side strike

DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - mori japki D
DF - gonnunso sonkal nopunde hechyo maki D
CA - moorup ollyo chagui E

35
AT - kaunde yop chagui E
DF - niunja so palmok kaunde anuro maki D
CA - gonnunso ap palkup terigui E

AT - najunde apcha busigui D


DF - niunja so sonkal najunde maki E
CA - gonnun so bandae sun sonkut tulki D

AT - annun so sonkal kaunde yop terigui E


DF - dwitbal so sonkal daebi maki E
CA – kaunde yobap cha busigui E

36
EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D

CHUTES

1. TIMYO AP CHAGUI
CHUTE FRONTAL
SALTANDO
Flying front kick

Esta técnica é normalmente utilizada em dois movimentos: O primeiro chute, não somente
adiciona peso, mas também é usado para colocar de lado um bloqueio ou ataque de mão
enquanto o outro chute ataca a face. Os chutes saltando podem ser executados de quase todas as
bases, sendo que a base de pé atrás e a base "L" são as mais adequadas. A bola do pé é a arma de
ataque.
1. TIMYO DOLLYO CHAGUI
CHUTE SEMI CIRCULAR
SALTANDO
Flying turning kick

37
O método de chutar é o mesmo que o chute semi-círcular exceto que o braço é estendido na
direção contrária no momento do impacto. A bola do pé é a arma primária, sendo que os dedos e
o peito do pé podem ser usados em casos raros.

2. TIMYO YOP TIRIGUI


CHUTE FACA DE PÉ
SALTANDO
Flying side piercing Kick

Os principios desta técnica são exatamente as mesmas do chute cortando a lateral, exceto pelo
movimento saltando. Devem ser obedecidos seguintes critérios:
1 - No instante de atacar deve-se se esticar a perna de ataque para fora e a perna de suporte deve
ser recolhida rapidamente enquanto dobra-se o calcanhar para trás.
2- Traga o joelho da perna de ataque ao tórax imediatamente após o contato para preparar um
pouso correto e equilibrado.

3. TIMYO BANDAE DOLLYO CHAGUI


CHUTE CIRCULAR REVERSO SALTANDO
Flying reverse turning kick

O método de chutar é também o mesmo que nos chutes semi circular reverso, exceto pelo
movimento saltando. O calcanhar é a arma primária, embora a bola do pé possa ser
ocasionalmente utilizada. A perna deve estar ligeiramente flexionada no momento do impacto.
Esta técnica dever ser executada somente na base de pé atrás.

4. TIMYO DWIT CHAGUI


CHUTE PARA TRÁS
SALTANDO
Flying back kick

O princípio desta técnica é o mesmo do chute para trás empurrando, exceto pela
movimentação.

38
5. TIMYO NOPI CHAGUI
CHUTE PARA CIMA
SALTANDO
Flying high kick

É usado para atacar um adversário extremamente alto ou um alvo num local muito alto. A
bola do pé é a arma principal, embora os dedos possam ser utilizados quando estiver usando
calçados. Não deixe a perna esticada enquanto chuta com a outra perna.

7º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

DO-SAN
Narani jumbi Sogui

1) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki


2) Gonnun So Bandae Tirigui
3) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki
4) Gonnun So Bandae Tirigui
5) Niunja So Sonkal Daebi Maki
6) Gonnun So Sun Sonkut Tulki
7) Jaep Syul Tae, Gunnun So Dung Joomuk Nopunde Yop Terigui
8) Gonnun So Dung Joomuk Nopunde Yop Terigui
9) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki
10) Gonnun So Bandae Tirigui
11) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki
12) Gonnun So Bandae Tirigui
13) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Hechyo Maki
14) Kaunde ApCha Busigui
15) Gonnun So Kaunde Tirigui
16) Gonnun So Kaunde Bandae Tirigui
17) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Hechyo Maki
18) Kaunde ApCha Busigui
19) Gonnun So Kaunde Tirigui
20) Gonnun So Kaunde Bandae Tirigui
21) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
22) Gonnun So Palmok Chukyo Maki
23) Annun So Sonkal Yop Terigui
24) Annun So Sonkal Yop Terigui

39
6º GUB - FAIXA VERDE

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: WON-HYO
28 movimentos
Notável monge que introduziu o Budismo na Dinastia Silla no ano de 686 d.C. Este monge, apesar
de não ter estudado na Coréia, era muito respeitado naquele país. Ensinava através da música, com
instrumentos fabricados por ele mesmo.

Objetivos de cada prática do Taekwon-Do e Ciclo de Composição

O Taekwon-Do é composto por cinco partes que formam um ciclo. O Ciclo de Composição, que
integra o método de aprendizagem no Taekwon-Do, é composto por:

Movimentos Fundamentais: treinamos passo a passo as técnicas, bases e posições separadamente.


São de essencial importância para o aprendizado dos Tuls e dos exercícios dois a dois, onde teremos
que aplicar estas mesmas técnicas, combinando-as seqüencialmente.

Formas: simulam situações hipotéticas de luta, adquirindo-se com sua própria prática, ataques e
defesas condicionadas de tal forma que no treino de luta atuarão de maneira “automatizada” nas
mais diversas situações.

Exercícios frente a frente: servem para aperfeiçoar a técnica, compreendendo a importância da


distância e o tempo em uma situação dinâmica.

Treinamento com acessórios: treina continuidade, foco, resistência e força.

Defesa Pessoal e Luta Livre: são a conclusão do desenvolvimento técnico das diferentes partes que
compõem o ciclo do Taekwon-Do.

Quando um alto grau de perfeição de uma técnica de luta for atingido, o aluno deverá retornar aos
movimentos fundamentais para desenvolver outras técnicas, recomeçando o ciclo.

Posições Básicas

A força e a correta execução dos ataques e defesas dependem em grande parte de uma correta
postura. Isso é o ponto de partida de todos os movimentos do Taekwon-Do. São fatores de controle:
estabilidade, agilidade, equilíbrio e flexibilidade.

Os princípios básicos de uma correta postura são:

40
 Manter as costas retas, salvo algumas exceções.
 Relaxar os ombros.
 Tensionar o abdômen.
 Manter um correto posicionamento. A postura pode ser frontal, meio perfil ou lateral ao
oponente.
 Manter o equilíbrio.
 Usar apropriadamente a flexão dos joelhos.

Base Andando (GUNNUN SOGI) (Walking Stance)

Esta é uma postura muito forte, frontal ou posterior, tanto para ataque como defesa.

 Pés afastados pela distância de um ombro de largura do centro do pé ao outro e um ombro e


meio de comprimento do dedão do pé da frente até a linha que passa pelo dedão do pé de
trás.
 Pé da frente apontando para frente e pé de trás apontando 25 graus para o exterior.
 Joelho da frente flexionado até que a patela coincida em linha vertical com o calcanhar.
 Joelho de trás deve estar estendido.
 Músculos dos pés tencionados, como se fosse puxá-los um para o outro.
 Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%).

Erros mais comuns:

 Distância muito grande entre os pés: movimentos se tornam lentos e fracos.


 Distância menor entre os pés que um ombro de largura: torna a postura frágil perante um
ataque.

Base Sentada (ANNUN SOGI) (Sitting Stance)

Esta é uma base muito estável para movimentos laterais. Também é utilizada para exercícios de
socos e fortalecimento dos músculos das pernas. Uma das vantagens desta base é a de poder passar
para Base Andando, sem ter que realocar os pés.

 Pés apontados para frente e afastados lateralmente pela distância de um ombro e meio entre
os dedões dos pés.
 Peso do corpo distribuído igualmente entre as pernas (50%-50%)
 Joelhos flexionados até que fiquem sobre as bolas dos pés.

41
Base 'L' (NIUNJA SOGI) (L-Stance)

Esta base é muito usada em defesa, embora também sirva em ataque. O pé da frente está sempre
disponível para atacar com uma leve troca do peso do corpo.

 Pés afastados pela distância de um ombro e meio do bordo exterior do pé de trás aos dedos
do pé da frente, formando quase um ângulo reto (90º)
 Joelho de trás flexionado até que coincida em linha vertical com os dedos do pé. Joelho da
frente flexionado proporcionalmente.
 A lateral deve estar alinhada com o interior do joelho de trás.
 Peso do corpo distribuído em 70% na perna de trás e 30% na perna da frente.

Base Baixa (NACHUO SOGI) (Low Stance)

A vantagem desta posição é a facilidade com que se pode estender a ferramenta de ataque.
Desenvolve os músculos das pernas e é efetiva para ajustar a distância até o objetivo. É parecida
com a Base Andando, com a diferença que se adiciona uma largura de pé em sua longitude.

Base Vertical (SOO JIK SOGI) (Vertical Stance)

 Pés afastados pela distância de um ombro de largura entre os dedões dos pés
 O peso é distribuído aproximadamente em 60% na perna de trás e 40% na perna da frente.
 As pernas devem estar estendidas.

Base Recuada (DWITBAL SOGI) (Rear Foot Stance)

Esta base é utilizada para defesa e ocasionalmente para ataque. A vantagem desta base é a
facilidade de chutar com a perna da frente ou de se aproximar do oponente sem a necessidade de
levar o peso do corpo para a perna de trás.

 Pés afastados pela distância de um ombro de largura entre os dedos mínimos do pé.
 A perna detrás se mantém flexionada até que joelho se posicione sobre os dedos do pé,
mantendo o calcanhar do pé de trás levemente para fora do calcanhar do pé da frente.
 Flexionar a perna da frente, levantando levemente o calcanhar do piso e apoiando o metatarso
(bola do pé) e os dedos.
 O pé detrás 15º para dentro.
 O pé da frente 25º para dentro.
 O peso do corpo é de aproximadamente 90% sobre o pé detrás e 10% sobre o da frente.
 Posicionamento do corpo é de meio perfil tanto no ataque quanto na defesa.

42
Base Fixa (GOJUNG SOGI) (Fixed Stance)

É uma posição eficiente para ataque e defesa lateral.


 Pés afastados pela distância de um ombro e meio, desde o dedão do pé da frente até a lateral
interna do pé detrás. Com isso, a base aumenta em um pé de largura.
 É recomendável que os dois pés apontem um ângulo de 15º para dentro e estabeleça 2,5 cm
entre o calcanhar frontal e o calcanhar detrás com o objetivo de ganhar estabilidade.
 O pé da frente determina um ângulo de 90º em relação ao pé detrás.
 Os joelhos são flexionados para fora.
 O peso do corpo é distribuído entre as duas pernas (50% e 50%)
 O posicionamento do corpo é de meio perfil tanto para ataque quanto para defesa.

VOCABULÁRIO
6º gub
Bases:
MOA SO: base fechada
GOJUN SO: base fixa
GOBURYO SO: base flexionada

Técnicas:
DOLLYMIO: circular
ANURO: para dentro

43
MATÉRIA PRÁTICA

MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Base Fechada
MOA SOGUI
Close Stance

 Base Fixa
GOJUNG SOGUI
Fixed Stance

É uma posição eficiente para ataque e defesa lateral.


 Pés afastados pela distância de um ombro e meio, desde o dedão do pé da frente até a
lateral interna do pé detrás. Com isso, a base aumenta em um pé de largura.
 É recomendável que os dois pés apontem um ângulo de 15º para dentro e estabeleça 2,5 cm
entre o calcanhar frontal e o calcanhar detrás com o objetivo de ganhar estabilidade.
 O pé da frente determina um ângulo de 90º em relação ao pé detrás.
 Os joelhos são flexionados para fora.
 O peso do corpo é distribuído entre as duas pernas (50% e 50%)
 O posicionamento do corpo é de meio perfil tanto para ataque quanto para defesa.

44
 Base Flexionada
GOBURYO SOGUI
Bending Stance

 Preparar na Base Fechada A


MOA JUNBI SOGUI A
Close Ready Stance A

 Ataque alto para dentro com faca de mão na base L


NIUNJA SO SONKAL NOPUNDE ANURO TERIGUI
L Stance Knife-hand High Inward Strike

 Soco médio na base fixa


GOJUNG SO KAUNDE TIRIGUI
Fixed Stance Middle Punch

45
 Preparar na Base Flexionada A
GOBURYO JUNBI SOGUI A
Bending Ready Stance A

 Chute lateral médio com faca de pé


KAUNDE YOPCHA TIRIGUI
Middle Side Piercing Kick

 Defesa circular com parte interna do antebraço na base andando


GONNUN SO ANPALMOK DOLLIMYO MAKI
Walking Stance Inner Forearm circular block

 Chute frontal baixo


NAJUNDE APCHA BUSIGUI
Low front Snap Kick

 Defesa média de guarda com antebraço na base L


NIUNJA SO PALMOK DAEBI MAKI
L Stance Forearm Middle Guarding Block

46
DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gonnunso nopunde tirigui D


DF - goburyo junbi sogui E
CA - nopunde yopcha tirigui E

AT - najunde apcha busigui E


DF - gonnunso palmok najunde bandae maki D
CA - gojung so kaunde tirigui E

AT - najunde apcha busigui E


DF - gonnunso palmok najunde bandae maki D
CA - gonnunso moorup ollyo chagui D

47
AT - najunde apcha busigui E
DF - dwitbal so sonbadak noolo maki E
CA - niunja so sonkal nopunde anuro terigui D

EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D

Executar o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)

48
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

Atacante: Niunja so yopcha tirigui D


Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki D

Trocar a base e fazer o lado esquerdo

6º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

WON-HYO
Moa Jumbi sogui A

1) Niunja So Sang Palmok Maki


2) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Terigui
3) Gojung So Kaunde Tirigui
4) Niunja So Sang Palmok Maki
5) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Terigui
6) Gojung So Kaunde Tirigui
7) Goburyo jumbi Sogui A
8) Kaunde YopCha Tirigui
9) Niunja So Sonkal Daebi Maki
10) Niunja So Sonkal Daebi Maki
11) Niunja So Sonkal Daebi Maki
12) Gonnun So Sun Sonkut Tulki
13) Niunja So Sang Palmok Maki
14) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Terigui
15) Gojung So Kaunde Tirigui
16) Niunja So Sang Palmok Maki
17) Niunja So Sonkal Nopunde Anuro Terigui
18) Gojung So Kaunde Tirigui
19) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
20) Najunde ApCha Busigui
21) Gonnun So Bandae Tirigui
22) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
23) Najunde ApCha Busigui
24) Gonnun So Bandae Tirigui
25) Goburyo jumbi Sogui A
26) Kaunde YopChaTirigui
27) Niunja So Palmok Daebi Maki
28) Niunja So Palmok Daebi Maki

49
5º GUB - FAIXA VERDE PONTA AZUL

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: YUL-GOK (38 movimentos)

Pseudônimo do grande filósofo e sábio Yi I (1536-1584), apelidado de “Confúcio da Coréia”. O


número de movimentos deste TUL refere-se ao seu local de nascimento- 38º de latitude. O
diagrama representa sábio.

Diferença entre Taekwon-Do e outras Artes Marciais

A seguir faremos um resumo das diferentes Artes Marciais para poder ver as características e
diferenças em relação ao Taekwon-Do.

KARATE-DO

Sistema de auto defesa de origem oriental, baseado no Zen Budismo.


Significa "Kara" = Vazio, "te" = Mão e "Do" = Caminho; significa lutar sem armas, utilizando os
pés e principalmente as mãos que são intensamente condicionadas. Suas origens são muito
remotas, partindo da Índia, China, Okinawa e finalmente Japão. Atualmente possui mais de 300
estilos.

JUDO

No ano de 1870, um jovem estudante da Universidade Imperial de Tokio, não muito forte de
corpo, mas com uma grande personalidade, Jigoro Kano, contemplava durante uma nevasca,
como as “ramas” mais fortes se rompiam com o peso da neve, enquanto as mais fracas cediam,
deixando cair o peso da neve e voltando a sua posição original. Partindo das antigas artes
marciais japonesas (Bushido), e de acordo com este simples princípio da naturaza, Kano
construiu as bases fundamentais do Judo. No ano de 1964 o Judo vira esporte olímpico.
Tecnicamente, utiliza a força do oponente, recorrendo a quedas, alavancas e rasteiras que
constituem a base do Judo. O Kodokan de Tokio é considerado a meca do Judo, seu programa
oficial de ensino (Gokyo), é seguido por todos os países do mundo.

KENDO

É a “Via do Sabre”. É o conjunto de técnicas surgidas do uso do sabre samurai (katana), que era
utilizado por nobres guerreiros. Tinham um código de conduta conhecido como Bushido. Foram
suprimidos como casta em 1878.

50
KUNG-FU

Sistema de luta oriental originário da China. Baseia-se nos movimentos dos animais. Dentro das
artes marciais chinesas, é a que mais se difundiu fora de suas fronteiras. Em sua forma original,
possui técnicas muito efetivas.

KENPO-KARATE

Interpretação moderna de um sistema de luta originário da China. Em sua versão moderna, foi
sistematizado por Ed Parker que se tornou famoso por ter sido instrutor de Elvis Presley.

HAPKIDO

Sistema de defesa pessoal originário da Coréia, combina técnicas de chutes com alavancas e
arremessos. Significa "União da energia", desenvolvido por Choi Yon Sul é uma arte marcial que
deriva do Hwa-Rang Do e tem semelhanças com o Aikido. O Mestre do fundador deste sistema
de combate foi o mesmo mestre do Morihei Ueshiba, (Clã da família Takeda) criador do Aikido,
o que explica as semelhanças.

AIKIDO

Significa: 'Ai ' = União, 'Ki' = Energia e 'Do' = Caminho. É um caminho de vida que une as energias
físicas, mentais e espirituais do homem. Fundado por Morihei Ueshiba a partir de antigas
técnicas utilizadas pelos samurais; estas se baseiam na utilização da energia do oponente por
meio de movimentos circulares.

FULL-CONTACT

Versão americana das artes marciais, que utiliza o boxe (mãos), combinando-as com técnicas
de pé. Tem um alto Grau de profissionalismo e favorece o uso das mãos, apesar de se exigir um
mínimo de chutes por round.

W.T.F.

Variante esportiva do Taekwon-Do original, recentemente incluída nas Olimpíadas. Os dois


competidores utilizam protetores de tórax e capacetes. O nocaute é permitido, mas não é
permitido soco no rosto. A sede da W.T.F. é a Kukkiwon, localizada na Coréia do Sul, onde se
realizam os treinamentos intensivos para competidores de todas as partes do mundo.

SUMO

Forma ancestral de luta puramente japonesa. Trata-se de dois lutadores cujos pesos, quase
sempre, superam facilmente os 200 kilos, e tem como objetivo empurrar o oponente fora de
um círculo de cinco metros, ou derrubar o oponente de costas. Os combates duram menos de

51
um minuto e são de grande intensidade. É o esporte nacional do Japão. Seus praticantes são
preparados e alimentados especialmente desde crianças.

MUAY THAY

Boxe tailandês, que inclui como armas de ataque, pés, joelhos, cotovelos, mãos, etc. Até o fim
da Segunda Guerra Mundial, os combates duravam até a morte de um dos participantes. É o
esporte nacional tailandês.

SAVATE

Variante francesa do Full Contact, com grande domínio das pernas. Suas técnicas de braços são
similares ao boxe inglês.

NINJITSU

Arte dos espiões medievais japoneses. Em sua versão moderna é liderado por Soke Maasaki
Hatsumi.

TAI CHI CHUAN

Ginástica tradicional chinesa, consiste numa série de movimentos executados em baixa


velocidade. Suas funções são principalmente terapêuticas e é especialmente indicado para
fortalecer a saúde, por isso é muito praticado por pessoas de mais idade. Tendência ao
equilíbrio psicofísico mediante um sistema não combativo.

KYUDO

Manejo e cerimonial do tiro com arco. Seu treinamento consiste em um verdadeiro ritual, com
forte influência no aspecto psicológico do praticante, que, alcançado um certo nível de
maestria, consegue fundir-se com o arco e a flecha, dissolvendo a dualidade que originam todas
as tensões da vida moderna.

TAEKWON-DO ORIGINAL - I.T.F.

Significa arte de lutar com os pés e as mãos. Arte marcial moderna desenvolvida pelo General
Choi Hong Hi na Coréia durante os anos de 1945 a 1955. Suas técnicas físicas baseiam-se na
ciência moderna, especialmente nas leis newtonianas que ensinam como gerar o máximo de
energia. Todos seus movimentos estão desenhados para produzir o máximo de poder de acordo
com fórmulas científicas e princípios da energia cinética. Seu estudo se divide claramente em
duas partes: a perfeição técnica e a disciplina espiritual.

52
Há tantas artes marciais e tão diferentes entre si que é praticamente impossível traçar linhas
de comparação. No entanto podemos dividí-las em quatro grandes grupos:

 1º grupo: Artes marciais que utilizam armas. O Kobudo, o Kendo e o Kyudo pertencem a este
grupo.

 2º grupo: Artes em que as lutas ocorrem em muito pouca distância, baseando-se em projeções,
quedas, torções, técnicas de estrangulamento, etc. Temos como exemplos o Judo, o Jiu-Jitsu,
o Aikido, o Sumo e o Hapkido.

 3º grupo: há outras Artes que baseiam suas técnicas em movimentos circulares, gerando estes
diferentes tipos de alavancas. O Aikido, o Tai Chi Chuan e o Hapkido também integram este
grupo.

 4º grupo: Artes baseadas principalmente em golpes com mãos e pés. O Karate, o Taekwon-Do
e o Kung-Fu integram este grupo por sua semelhança em seu estilo de combate, apesar de
diferenciarem-se radicalmente em seus métodos e objetivos.

Possivelmente poderíamos dizer que o Taekwon-Do toma a frente de outras Artes Marciais no
uso das técnicas de pé. Isto talvez se deva à geografia da península coreana e as características
étnicas de seu povo. Mas a diferença principal, certamente, é que o Taekwon-Do data do ano
de 1955 e sua introdução pelo mundo iniciou em 1967. Seu formato o converte numa Arte
Marcial científica. A forma de se movimentar o corpo para obter força é completamente
diferente das outras Artes Marciais. A eficiência que implica sua Teoria do Poder não tem
paralelo nas Artes Marciais da atualidade. Além da técnica, também diferem seus sistemas e
métodos de ensino, assim como seu fundamento espiritual.

Diferença entre Artes Marciais e Esporte

Podemos definir esporte como passatempo, diversão, recreação e exercício físico praticado
geralmente para vencer um adversário ou superar uma marca.
Este, por sua vez, está sujeito a determinadas regras, dependendo do esporte praticado, e
também é um meio para tentar superar limites e principalmente para o fortalecimento da
saúde. A competição, por outro lado, fortalece o caráter e o espírito esportivo, além de
promover a confraternização entre os participantes. Existem Artes Marciais que são
consideradas oficialmente como esporte, e têm que sê-lo, pois ou são Olímpicas ou são
profissionais. Com o passar do tempo, elas deixarão de se chamar Artes Marciais e se definirão,
certamente, como esporte, porque a experiência demonstra que o conceito da Arte se perde
com a esportividade.
As Artes Marciais em geral englobam uma série de conceitos e princípios onde se busca um
mundo mais integrado e moral. Elas constituem uma verdadeira forma de vida, através do qual

53
se pode descobrir valores que fazem o homem crescer como ser humano. O estudo das Artes
Marciais é, no seu sentido mais amplo, “Filosofia de Vida”.
Uma das diferenças entre Artes Marciais e Esporte é que para se praticar um esporte, precisa-
se de um treinador para se alcançar condicionamento físico adequado, aprender a técnica,
alcançar metas, etc. Por outro lado, para se seguir o caminho de uma Arte Marcial, precisamos
de um Mestre, que não só nos prepare física e tecnicamente, como também nos ensine filosofia,
cultura moral e nos prepare para viver melhor. Mas principalmente, nos leve ao encontro com
nosso verdadeiro mestre, nosso Eu Interior.
As Artes Marciais como esporte possuem os mesmos benefícios e estão expostas também a
mesma problemática que envolve o esporte em geral. O esporte está inserido nas Artes
Marciais, formando uma pequena parte de seu sistema de aprendizagem. E não é a mais
importante, pois a verdadeira luta nas Artes Marciais é consigo mesmo e não com o adversário
externo, já que os adversários mais fortes que se tem que enfrentar são exatamente os que
estão dentro de nós. As marcas a superar são os objetivos da vida, e a quantidade de madeiras
que se tem que quebrar, essa resistência tão difícil de conseguir, é que nos permite a cada dia,
ao superá-la, sermos pessoas um pouco melhores a cada dia.
Estes conceitos, em particular de que a luta principal é consigo mesmo e não com um oponente,
e que as marcas a superar são nossos próprios objetivos, são a diferença principal entre uma
Arte Marcial e um Esporte.

VOCABULÁRIO
5º gub
Bases:
KYOCHA SO: base cruzada
Técnicas:
SONBADAK: palma de mão
GOLCHO: gancho
PALKUP: cotovelo
DOO PALMOK: dois antebraços
Chutes:
BITURO CHAGUI: chute torcido

54
MATÉRIA PRÁTICA

MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Soco médio na base sentada


ANNUN SO KAUNDE TIRIGUI
Sitting Stance Middle Punch

 Defesa média de gancho na base andando


GONNUN SO SONBADAK KAUNDE GOLCHO
MAKI
Walking Stance Palm Middle Hooking Block

 Defesa média de gancho reversa na base andando


GONNUN SO SONBADAK KAUNDE BANDAE GOLCHO
MAKI
Walking Stance Reverse Hooking Block

55
 Ataque frontal com cotovelo na base andando
GONNUN SO AP PALKUP TERIGUI
Walking Stance Front Elbow Strike

 Defesa dupla c/ faca de mão na base L


NIUNJA SO SANG SONKAL MAKI
L Stance Twin Knife-hand Block

56
 Ataque lateral alto com costa de mão na base cruzada
KYOCHA SO DUNG JOOMUK NOPUNDE YOP TERIGUI
X Stance Back Fist High Side Strike

 Defesa dupla alta com parte interna do antebraço na base andando


GONNUN SO DOO PALMOK NOPUNDE MAKI
Walking Stance Double Forearm High Block

DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gonnunso dung jumok nopunde yop terigui E


DF - gonnunso doo palmok nopunde yop maki E
CA - gojungso kaunde tirigui E

57
AT - kaunde apcha busigui E
DF - dwitbal so sonbadak ollyo miro maki D
CA - gonnunso dwijibo bandae tirigui E

AT - gonnunso bandae tirigui D


DF - niunja so sonbadak golcho maki E
CA - najunde bituro chagui D

AT - gonnunso bandae tirigui D


DF - gonnunso anpalmok kaunde maki D
CA - najunde apcha busigui E

58
EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D

Executar o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

Atacante: Niunja so yopcha tirigui D


Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki D

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

59
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo dollyo chagui E
Defensor: Niunja so timyo palmok anuro kaunde maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo

CHUTES

 BITURO CHAGUI
CHUTE TORCIDO (diagonal para
fora)
Twisting Kick

Se a arma de ataque aproxima-se do alvo descrevendo uma curva de dentro para fora, o chute
poderá ser designado como um chute torcido os quais são divididos em baixos, médios e altos.
O pé deve estar vertical em relação ao alvo no momento do impacto, exceto no caso de
direcionar o chute para a região alta.

Chute torcido na região baixa - Low twisting kick - É usado para atacar o oponente à frente.
A parte interna da coxa é o melhor alvo para este chute e a bola do pé é a arma principal, mas
ocasionalmente o joelho e os dedos também podem ser utilizados.

Chute torcido na região média - Middle twisting kick - É usado para atacar o oponente
lateralmente a frente. O plexo solar e o escroto são os alvos principais e a bola e o peito do pé
são as armas normalmente usadas e ocasionalmente o joelho e os dedos.

5º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

YUL-GOK
Narani Jumbi Sogui

1) Annun Sogui
2) Annun So Kaunde Tirigui
3) Annun So Kaunde Tirigui
4) Annun Sogui

60
5) Annun So Kaunde Tirigui
6) Annun So Kaunde Tirigui
7) Gonnun So Anpalmok Kaunde Yop Maki
8) Najunde ApCha Busigui
9) Gonnun So Tirigui
10) Gonnun So Kaunde Bandae Tirigui
11) Gonnun So Anpalmok Kaunde yop Maki
12) Najunde Ap Cha Busigui
13) Gonnun So Tirigui
14) Gonnun So Kaunde Bandae Tirigui
15) Gonnun So Sonbadak Kaunde Golcho Maki
16) Gonnun So Sonbadak Bandae Golcho Maki
17) Gonnun So Tirigui
18) Gunnun So Sonbadak Kaunde Golcho Maki
19) Gonnun So Sonbadak Bandae Golcho Maki
20) Gonnun So Tirigui
21) Gonnun So Tirigui
22) Goburyo Chumbi Sogui A
23) Kaunde YopCha Tirigui
24) Gonnun So Ap Palkup Terigui
25) Goburyo Jumbi Sogui A
26) Kaunde YopCha Tirigui
27) Gonnun So Ap Palkup Terigui
28) Niunja So Sang Sonkal Maki
29) Gonnun So Sun Sonkut Tulki
30) Niunja So Sang Sonkal Maki
31) Gonnun So Sun Sonkut Kaunde Tulki
32) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki
33) Gonnun So Bandae Tirigui
34) Gonnun So Bakkat Palmok Nopunde Yop Maki
35) Gonnun So Bandae Tirigui
36) Kyocha So Dung Joomuk Nopunde Yop Terigui
37) Gonnun So Doo Palmok Nopunde Maki
38) Gonnun So Doo Palmok Nopunde Maki

61
4º GUB - FAIXA AZUL

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: JOONG-GUN – 32 movimentos

É o nome dado ao patriota AHN JOONG-GUN que assassinou HIROBUMI-ITO, o primeiro japonês
Governador Geral da Coréia, conhecido como o homem que exerceu papel fundamental na
fusão Coréia-Japão. O número de movimentos do TUL representa a idade do Sr. AHN quando
ele foi executado na prisão de LUI-SHUNG em 1910.

Origem e Evolução das Artes Marciais

As pinturas nas tumbas ao largo do rio Nilo e as inscrições hieroglíficas impressas nas pirâmides
nos mostram que os egípcios contavam com uma forma de combate livre em torno do ano de
3.000 a.C.
Além disso, existem indícios de combate de mãos livres praticadas pelos guerreiros da
Mesopotâmia (região asiática compreendida entre os rios Eufrates e Tigre que desde o quarto
milênio a.C. desempenhou papel fundamental na história do mundo antigo).
A natureza humana e seus grandes desejos de progresso e desenvolvimento fizeram com que
estes métodos rudimentares de lutas evoluíssem incessantemente até sistematizarem- se em
artes marciais.
Por outro lado, os gregos incluíam a luta e outras formas de combate como eventos regulares
nas Olimpíadas 700 anos a.C. Os trabalhos do poeta grego Homero (900-800 a.C.) mencionam
o Skimachia (combate sem oponentes), o que seria uma espécie de boxe de sombra em nossos
dias. Este era um sistema de combate no qual todo o corpo era usado como uma lança.

Este método foi transformado mais tarde pelos gladiadores romanos. Seus jogos ferozes eram
realizados para diversão do público durante a era de ouro do Império Romano. Esses jogos
foram introduzidos na Normandia e na Inglaterra depois da queda de Roma, constituindo-se no
antecedente mais claro do boxe moderno.
Em épocas remotas foram praticados na China alguns tipos de combate a mão livre. A arte de
Palgwae (uma forma de combate) floresceu durante a era de Ju Gong aproximadamente 200
anos a.C. e foi se aperfeiçoando durante a dinastia Song uns 1.000 anos mais tarde.
Através do tempo, numerosos estilos de luta corpo a corpo têm se desenvolvido, cada qual
refletindo as necessidades de uma época e as variantes históricas e culturais dos países onde
se originaram.
Na China, o combate de mão livre se chamou Kung Fu ou Daeji Chon; na Índia, Selambam; na
França: Savate; no Japão: Judo, Karate, e Aikido; na Russia: Sambo; na Malásia: Basilat; na
Tailânida: boxe tailândes e na Coréia Taek-Kyon, Soo Bak-Gi e Taekwon-Do.

62
Estas formas de defesa pessoal são, sem sombras de dúvida, tão antigas quanto os próprios
países. Isto implica que seria impossível traçar um começo único na luta dos pés e das mãos. Há
muitas lendas com respeito à origem desta classe de disciplinas. Alguns estudiosos crêem que
inicialmente teve lugar na China durante o século VI com um renomado monge budista
chamado Bodhidharma (Tamo na China, Daruma no Japão), que era o terceiro filho do rei
Brahman e é conhecido como o vigésimo oitavo patriarca do budismo Zen. A essência da
doutrina Zen está baseada em estar além do materialismo, do poder, da vaidade.

Segundo a lenda, Daruma (448 a 529 d.C.) viajou de um mosteiro no sul da Índia até a China
através do Himalaia para ensinar os princípios do budismo para o rei da dinastia Liang. Dizem
que chegou a um mosteiro chamado Templo Shao Ling localizado na montanha Shao Shik em
520 d.C. Ali começou a tarefa de ensinar budismo aos monges chineses, que costumavam
reclamar de estarem fisicamente exaustos devido a severa disciplina imposta por Daruma.
Como solução deste problema, Daruma os apresentou um método de condicionamento físico
desenvolvido nos livros I-Jin Kyong (desenvolvimento muscular) e Si Shin Kyong (claridade
mental). Estes exercícios tentavam liberá-los de todo controle consciente e desse modo
permitir que eles se tornassem os mais formidáveis lutadores da China. Acredita-se que desta
combinação surgiu o famoso método de punho de Shaolin.

Há um pequeno fato histórico que dá crédito a esta versão: “Existem evidências da chegada de
Daruma a China no século VI. Inicialmente tentou ensinar Budismo ao rei Moo Je em Kwang
Joo, sendo rejeitado, então o missionário foi para um pequeno país no norte da China chamado
Ui, onde o convidaram a ensinar o rei King Myong Je. Por razões desconhecidas, Daruma
recusou a oferta e se retirou ao templo Shaolin onde se dedicou a meditação até sua morte,
nove anos mais tarde.

Durante o período transcorrido entre o século I e o VII d.C, a península coreana se dividiu em
três reinos: Silla, Koguryo e Baek Jê. Silla, o menor desses reinos era constantemente invadido
e arrasado por seus poderosos vizinhos do norte e do oeste. Durante o reino de Chin Heung,
vigésimo quarto rei de Silla, a jovem aristocracia e a classe guerreira formaram um corpo de
oficiais de elite chamado Hwa Rang. Este corpo de guerreiros de elite tinha severa disciplina
física e mental, além de serem treinados em diversas formas de luta e manejo de armas.

Com o sentido de dar um guia moral a este grupo, os Hwa-Rang tinham o seguinte código de
honra, estabelecido por Won Kong, o maior monge budista da época:
 Ser leal ao rei.
 Ser obediente aos pais.
 Honrar os amigos.
 Nunca se retirar de uma batalha.
 Matar com justiça.

Os Hwa Rang chegaram a ser conhecidos na península por sua coragem e a particular forma que
tinham de se apresentar à batalha. A maioria destes jovens guerreiros morreu nos campos de

63
batalha em plena juventude sem importar-lhes nenhuma outra coisa além de defender sua
terra.

Há muitas evidências históricas que documentam a existência de uma forma de combate de


mão e pé durante este período em Silla e Koguryo, através de posturas pintadas em paredes
parecidas com as técnicas do Taek-Kyon coreano ou o Jujitsu japonês. Tudo indica que os
guerreiros Hwa Rang acrescentaram uma nova dimensão a seus primitivos métodos de luta,
através do mecanismo de inspirar respeito por seus princípios, elevando o combate corpo a
corpo ao nível de arte.

Durante o período dos Hwa Rang, o método primitivo original de luta de mão chamado Soo
Bak-Gi foi praticado pelas pessoas comuns da dinastia Koguryo. As competições formavam
parte dos festejos durante os festivais que freqüentemente celebravam.

O Dr. Danjae estabelece a partir de seus estudos que a arte do Soo Bak-Gi foi eventualmente
introduzida na China como Kwon Bup e como uma forma de Jujitsu no Japão.

Enquanto se investigam documentos históricos relativos às artes marciais na Coréia, é


interessante ressaltar que o terceiro rei da Dinastia Yi (1401 /1408) recorria com freqüência a
especialistas em Tae-Kyon, lançamento de pedras, arco e Soo Bak-Gi como recurso motivador
na organização das forças armadas. Mais documentos históricos parecem indicar que algumas
destas formas de luta foram posteriormente exportadas para o Japão e formaram a base do
Jujitsu e o Karatê japonês.

Os Hwa Rang podem ter sido facilmente contemporâneos dos famosos Samurais do Japão.

Em seu livro “Isto é Karatê”, Matsutatsu Oyama (Yong Eu-Choi - 1923/1994) criador do estilo
Kiokushin Kai Kan, uma verdadeira autoridade do Karatê no Japão, menciona que a etimologia
de “Kara” pode ter sido derivada do país Kaya, no extremo sul da península da Coréia.

VOCABULÁRIO
4º gub
Bases:
NACHUO SO: base baixa
Técnicas:
SONKAL DUNG: faca de mão reversa
OLLYO: para cima
WI PALKUP: cotovelo para cima

64
SEWO: horizontal
DWI JIBO: soco invertido
KYOCHA JUMOK: soco cruzado
NOOLO: pressionado
KIOKJA TIRIGUI: soco angular
DIGUJTA MAKI: defesa em “U”

65
MATÉRIA PRÁTICA
MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Base Recuada
DWITBAL
SOGUI
Rear Foot
Stance

Esta base é utilizada para defesa e ocasionalmente para ataque. A vantagem desta base é a
facilidade de chutar com a perna da frente ou de se aproximar do oponente sem a
necessidade de levar o peso do corpo para a perna de trás.

 Pés afastados pela distância de um ombro de largura entre os dedos mínimos do pé.
 A perna detrás se mantém flexionada até que joelho se posicione sobre os dedos do pé,
mantendo o calcanhar do pé de trás levemente para fora do calcanhar do pé da frente.
 Flexionar a perna da frente, levantando levemente o calcanhar do piso e apoiando o
metatarso (bola do pé) e os dedos.
 O pé detrás 15º para dentro.
 O pé da frente 25º para dentro.
 O peso do corpo é de aproximadamente 90% sobre o pé detrás e 10% sobre o da frente.
 Posicionamento do corpo é de meio perfil tanto no ataque quanto na defesa.

 Base Baixa
NACHUO
SOGUI
Low Stance

66
A vantagem desta posição é a facilidade com que se pode estender a ferramenta de ataque.
Desenvolve os músculos das pernas e é efetiva para ajustar a distância até o objetivo. É
parecida com a Base Andando, com a diferença que se adiciona uma largura de pé em sua
longitude.

 Preparar na Base Fechada B


MOA JUNBI SOGUI B
Close Ready Stance B

 Defesa média para fora com faca mão reversa na base L


NIUNJA SO SONKAL DUNG BAKURO MAKI
L Stance Reverse Knife-hand Outward Block

 Chute frontal c/ base lateral na base L


YOBAP CHA BUSIGUI
Side Front Snap Kick

67
 Defesa para cima com palma mão na base recuada
DWITBAL SO SONBADAK OLLYO MAKI
Rear Front Stance Palm Upward Block

 Ataque com cotovelo para cima na base andando


GONNUN SO WIPALGUP TERIGUI
Walking Stance Upper Elbow Strike

 Soco duplo vertical alto na base andando


GONNUN SO SANG JOOMUK SEWO
TIRIGUI
Walking Stance Twin Fist High Vertical
Punch

 Soco duplo invertido na base andando


GONNUN SO SANG JOOMUK DWIJIBO
TIRIGUI
Walking Stance Twin Fist Upset Punch

68
 Defesa cruzada para cima na base
andando
GONNUN SO KYOCHA JOOMUK
CHUKYO MAKI
Walking Stance X-Fist Rising Block

 Ataque lateral alto de costa de mão na base L


NIUNJA SO DUNG JOOMUK NOPUNDE YOP
TERIGUI
L-Stance Back Fist High Side Strike

 Soco reverso na base L


NIUNJA SO BANDAE
TIRIGUI
L-Stance Reverse Punch

 Defesa pressionada com palma mão na base baixa


NACHUO SO SONBADAK NOOLLO MAKI
Low Stance Palm Pressing Block

69
 Soco angular na base fechada
MOA SO KIOKJA TIRIGUI
Close Stance Angle Punch

 Defesa em U na base fixa


GOJUNG SO DIGUTJA
MAKI
Fixed Stance U Shape Block

DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - niunja so sonkal bakuro yop terigui D


DF - dwitbal so sonkal daebi maki D
CA - naeryo chagui D

70
AT - gonnunso bandae tirigui E
DF - dwitbal so sonbadak golcho maki D
CA - nachuo so opun sonkut nopunde tulki E

AT - gonnunso tirigui D
DF - dwitbal so sonkal kaunde maki E
CA - niunja so dwijibo tirigui D

AT - gonnunso bandae nopunde tirigui D


DF - apcha olligui E
CA - kyocha so dung jumok nopunde yop terigui E

71
EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D

Executar o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

Atacante: Niunja so yopcha tirigui D


Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki D

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

72
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo dollyo chagui E
Defensor: Niunja so timyo palmok anuro kaunde maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Dwitchagui + niunja so dung joomuk nopunde yop terigui E
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki E
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui E
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo

73
4º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

JOONG-GUN
Moa jumbi Sogui B

1) Niunja So Sonkal Dung Bakuro Maki


2) Najunde Yobap Cha Busigui
3) DwitBal So Sonbadak Ollyo Maki
4) Niunja So Sonkal Dung Bakuro Maki
5) Najunde Yobap Cha Busigui
6) Dwitbal So Sonbadak Ollyo Maki
7) Niunja So Sonkal Daebi Maki
8) Gonnun So Wi Palkup Terigui
9) Niunja So Sonkal Daebi Maki
10) Gonnun So Wi Palkup Terigui
11) Gonnun So Sang Joomuk Sewo Tirigui
12) Gonnun So sang Joomuk Dwijibo Tirigui
13) Gonnun So Kyocha Joomuk Chukyo Maki
14) Niunja So Dung Joomuk Nopunde Yop Terigui
15) Jaep Syul Tae
16) Gonnun So Nopunde Bandae Tirigui
17) Niunja So Dung Joomuk Nopunde Yop Terigui
18) Jaep Syul Tae
19) Gonnun So Nopunde Bandae Tirigui
20) Gonnun So Doo Palmok Nopunde Maki
21) Niunja So Bandae Tirigui
22) Kaunde YopCha Tirigui
23) Gonnun So Doo Palmok Nopunde Maki
24) Niunja So Bandae Tirigui
25) Kaunde YopCha Tirigui
26) Niunja So Palmok Daebi Maki
27) Nachuo So Sonbadak Noollo Maki
28) Niunja So Palmok Daebi Maki
29) Nachuo So Sonbadak Noollo Maki
30) Moa So Kiokja Tirigui
31) Gojung So Digutja Maki
32) Gojung So Digutja Maki

74
3º GUB - FAIXA AZUL PONTA VERMELHA

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: TOI-GYE - 37 movimentos.

É o pseudônimo do notável sábio YI HWANG (1501-1570), que foi uma autoridade em Neo-
Confucionismo. O número de movimentos deste TUL refere-se ao seu local de nascimento (37º de
latitude). O diagrama representa sábio.

Relação Aluno Instrutor

Dentro do Taekwon-Do existe um alto grau de respeito com relação ao Mestre. O instrutor possui
um grau de objetividade que dificilmente se dá na relação pai-filho. Esta objetividade combina-se
com um alto grau de entendimento e amor para promover o desenvolvimento dos alunos física e
mentalmente saudáveis, respeitosos e úteis à sociedade.
A camaradagem extrema com os alunos não é indicada para evitar problemas de disciplina. A
obediência do aluno deve ter uma posição intermediária entre o afeto e a severidade, a fim de se
atingir os objetivos do Taekwon-Do.
Os bons alunos só saem de um bom instrutor. Um instrutor ruim pode causar maior estrago do que
se simplesmente não ensinasse.
O espírito e a técnica devem ser ensinados simultaneamente, para tanto, o instrutor deve combinar
conhecimentos e disciplina com um espírito endurecido, para formar alunos de nobre caráter e
excelente habilidade.

Velocidade e Reflexos

Um aspecto para destacar é que o tempo de execução das técnicas de ataque é mais curto que o
tempo normal do reflexo, é dizer que é impossível defender essas técnicas se não se pode detectá-
las antes de ser iniciadas, ou saber claramente qual será executada.

O tempo normal de reflexo é o tempo transcorrido da ação reflexa. A ação reflexa consiste no
comportamento através dos quais as reações sempre ocorrem como resposta imediata e direta a
estímulos externos particulares. Aqui estamos tratando com reflexos condicionados, visto que se
treina tanto o ataque como a defesa. Exemplo: o estímulo é o ataque, chute ou soco. O reflexo é o
tempo de execução da defesa ou a saída do raio de ataque.

O reflexo normal, ou seja, o tempo de resposta, tem sido experimentalmente medido, sendo este
em torno de 2/10 de segundo.

75
O tempo que demora um chute frontal para completar sua execução é de 0,1 segundo e um soco é
executado em 0,03 segundos.
Como foi explicado anteriormente, o tempo que se tarda em executar uma técnica de ataque é
menor que o tempo que os reflexos empregam em responder. Por esta razão, deve-se tratar de
detectar o início dessas técnicas antes de ser executadas, olhando nos olhos do oponente e não
para suas pernas e braços.

Para compreender melhor o significado da velocidade na execução das técnicas do Taekwon-Do,


apresentamos a fórmula que nos permite calcular a força:

P = 1/2 M. V2
P = força
1/2 = constante
M = massa
V = velocidade

Esta equação revela claramente porque a velocidade é o fator mais importante no desenvolvimento
da força.

Por exemplo: “Se a massa é aumentada num fator de 3 (com velocidade constante), a força
aumentará somente 3 vezes. Mas se a velocidade for aumentada 3 vezes (com massa constante),
então a força aumentará 9 vezes”.

REGULAMENTO DE TORNEIOS
REGRAS GERAIS

TÉCNICOS
a) Haverá apenas um técnico para cada indivíduo ou time próximo ao ringue de competição;

b) Para competição em formas, técnicas especiais e técnicas de potência, o técnico pode


acompanhar o competidor até a área do ringue, mas não pode entrar nela.

c) Os técnicos devem conhecer plenamente as regras de competição e não podem alegar que
não tinham ciência da mesma.

d) No caso de um atleta se machucar durante a competição, o técnico não poderá interferir


na decisão do médico.

e) O técnico é o responsável pela presença do atleta durante o registro para a competição,


pesagem, competição, premiação, cerimônias de abertura e encerramento.

f) O técnico deve zelar pelo bem estar e pela conduta disciplinar de seus atletas.

76
UNIFORME
ARBITROS LATERAIS E CENTRAIS:

Calça social azul marinho, camisa branca, gravata azul, tênis ou sapatilha branca.
A Organização do Evento poderá propor outra roupa, de acordo com o tipo de Torneio.

COMPETIDORES:

DAN/ GUPS: Dobok oficial da ITF

TÉCNICOS:

Somente Roupa Esportiva (Não poderão atuar de shorts, bermuda, descalços ou trajando DOBOK).

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO
1. Equipamento Obrigatório:
o Equipamento de proteção (mão e pé) de cor azul ou vermelha – não serão permitidas
outras cores de equipamento
o Protetor inguinal masculino (por dentro do dobok)
o Protetor Bucal

2. Equipamento Opcional:
o Protetor de canela (tibial)
o Protetor de antebraço
o Protetor de seio feminino
o Protetor de cabeça (para crianças ou prescrição médica)

Observação:
Não é permitido o uso de nenhum adorno a não ser para prender os cabelos, e este deve ser apenas
de material elástico.

TERMINOLOGIA OFICIAL

 CHA RYOT = ATENÇÃO


 KYONG YE = CUMPRIMENTAR
 JUNBI = PREPARAR
 SIJAK = COMEÇAR
 HAECHYO = SEPARAR
 GAESOK = CONTINUAR
 GOMAN = FIM
 JU UI = ADVERTÊNCIA

77
 GAM JUM = FALTA
 SIL KYUK = DESCLASSIFICAÇÃO
 HONG = VERMELHO
 CHONG = AZUL
 DONG CHON =EMPATE
 IL BUNYON = PRIMEIRO ROUND
 I BUNYON = SEGUNDO ROUND
 JUNG JI = TERMINAR
 SUNG = VENCEDOR

FORMA (TUL)

Sistema Simples de eliminação. Dois competidores competem simultaneamente e executam uma


Forma Opcional.
Caso os dois competidores parem, o resultado é empate.

Em caso de empate: a Mesa designa uma Forma, que deve ser:


 a mesma para ambos os competidores;
 uma Forma anterior a Forma de menor graduação apresentada.

Caso não exista Forma anterior, ambos devem repetir a Forma de menor graduação possível,
mesmo que precise executá-la novamente.

Itens avaliados:
 Conteúdo Técnico
 Força
 Ritmo

Caso um competidor pare a Forma por um tempo maior que o correspondente a 2 movimentos,
levando-se em consideração seu próprio ritmo, automaticamente zera sua pontuação.

LUTA

REGIÕES VÁLIDAS

 Região Alta: Área da cabeça e pescoço pela frente e lados, porém não por trás.

 Região Média: região do tronco, do pescoço ao umbigo e lateralmente da região definida por
uma linha vertical que passa pelas axilas até o quadril (apenas área frontal).

PONTOS VÁLIDOS

Um ponto (1 ponto) será dado para:


o Ataque com a mão nas regiões média ou alta.

78
o Ataque com o pé na região média.
o Ataque com a mão saltando na região média.

Dois pontos (2 pontos) serão dados para:


o Ataque com os pés na região alta
o Ataque saltando com os pés na região média
o Ataque com a mão saltando na região alta

Três pontos (3 pontos) serão dados para:


o Ataque com os pés saltando na região alta.

VALIDAÇÃO DO PONTO

O Ponto será validado se a técnica executada cumprir as seguintes exigências:

1. Executada de forma correta e na distância apropriada.


2. Dinâmica, com poder, velocidade e precisão.
3. A execução deve ser controlada e no alvo correto.

DESCLASSIFICAÇÃO

1. Má conduta com o juiz e ignorar suas instruções


2. Contato pleno (full contact)
3. Três faltas na mesma luta
4. Competidor sob efeito de álcool ou drogas.

FALTAS

1. Perda de temperamento
2. Má conduta de qualquer tipo com o adversário
3. Morder / arranhar
4. Atacar com joelhos, cotovelos ou cabeça
5. Atacar um oponente no chão
6. Excesso de contato

ADVERTÊNCIAS

Cada conjunto de 3 advertências em uma luta deduz um ponto o placar do competidor nesta luta.
São advertências:
 Atacar região ou alvo ilegal
 Sair da área de combate (considera-se fora apenas quando os dois pés estão fora do ringue)
 Agarrar, segurar ou empurrar o adversário.

79
 Cair intencionalmente ou não (significa qualquer outra parte do corpo que não sejam os pés
tocando o solo)
 Derrubar o adversário (varrida, raspagem ou qualquer golpe de projeção)
 Fugir da luta
 Comemorar pontos durante a luta
 Simular estar machucado após receber um golpe

LESÕES
 Quando um competidor não pode prosseguir lutando devido a alguma lesão, o médico deverá
ser chamado imediatamente pelo juiz. O médico deverá diagnosticar, tratar da lesão e decidir
se o competidor poderá continuar competindo ou não. É dado ao médico 1 minuto para tal, e
a decisão se o atleta segue competindo ou não é exclusivamente do médico.
 Quando o atleta não pode prosseguir a competição por decisão do médico, a responsabilidade
do ato que levou a lesão determina o vencedor. O competidor será o vencedor se o adversário
foi o responsável pela ação, caso o contrário o competidor proibido de seguir será o perdedor.
 Se um competidor é proibido pelo médico de prosseguir lutando, este não poderá competir
mais nesse evento ou nesse dia ou durante toda a competição.
 O competidor que se recusar a obedecer à decisão médica estará desclassificado da
competição.
 No caso dos dois se lesionarem ao mesmo tempo, o vencedor será determinado pelo placar
no momento. Se houver empate, o conselho de árbitros do ringue determinará o vencedor.

VOCABULÁRIO
3º gub
Técnicas:
YOP DWI: lateral e para trás
SAN MAKI: defesa em “W” (montanha)
MIRO: empurrar
MORI: cabeça
JAPKI: agarrar
OPUN: horizontal

80
MATÉRIA PRÁTICA
MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES

 Ataque baixo invertido com ponta de dedos na base andando


GONNUN SO DWIJIBUN SONKUT NAJUNDE TULKI
Walking Stance Upset Fingertip Low Thrust

 Ataque costa mão para trás na base fechada


MOA SO DUNG JOOMUK YOPDWI TERIGUI
Close Stance Back Fist Sice Back Strike

 Defesa cruzada para baixo pressionando na base andando


GONNUN SO KYOCHA JOOMUK NOOLLO MAKI
Walking Stance X-Fist Pressing Block

81
 Ataque duplo de cotovelo na base fechada
MOA SO SANG PALKUP YOP TULKI
Close Stance Twin Elbow Thrust

 Defesa em W (montanha) com parte externa


antebraço na base sentada
ANNUN SO BAKAT PALMOK SAN MAKI
Sitting Stance Outer Forearm W-Shape Block

 Defesa baixa empurrando para fora com parte interna antebraço


na base L
NIUNJA SO DOOPALMOK NAJUNDE MIRO MAKI
L-Stance Doublé Forearm Low Pushing Block

 Agarramento de cabeça
MORI JAPKI

 Joelhada para cima


MOORUP OLLYO
CHAGUI
Knee Upward Kick

82
 Ataque alto com ponta de dedos na base andando
GONNUN SO OPUN SONKUT NOPUNDE TULKI
Walking Stance Flat Fingertip High Thrust

 Ataque costa mão para trás na base L


NIUNJA SO DUNG JOOMUK YOPDWI
TERIGUI
L-Stance Back Fist Side Back Strike

 Defesa de punho cruzado pressionando na base cruzada


KYOCHA SO KYOCHA JOOMUK NOOLLO MAKI
X-Stance X-Fist Pressing Block

83
 Defesa de guarda baixa com faca mão na base L
NIUNJA SO SONKAL NAJUNDE DAEBI MAKI
L-Stance Knife-hand Low Guarding Block

DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gonnunso kaunde tirigui D


DF - dwitbalso palmok kaunde anuro maki D
CA - gonnunso dwitjibo terigui E

84
AT - niunja so ap jumok baro tirigui D
DF - niunja so sonbadak miro maki E
CA - gonnunso dwijibo tirigui D

AT - nopunde dollyo chagui D


DF - dwitbalso sonkal nopunde daebi maki E
CA - kyochaso sonkal nopunde bakuro yop terigui

AT - annun so sonkal bakuro yop terigui E


DF - dwitbal so sonkal kaunde daebi maki E
CA - kaunde dollyo chagui E

85
EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D

Executar o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

Atacante: Niunja so yopcha tirigui D


Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki D

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
86
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo dollyo chagui E
Defensor: Niunja so timyo palmok anuro kaunde maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Dwitchagui + niunja so dung joomuk nopunde yop terigui E
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki E
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui E
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Dwitchagui + niunja so dung joomuk nopunde yop terigui E
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki E
Atacante: Niunja so timyo dwitcha tirigui E
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo

87
3º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

TOI-GYE
Moa jumbi Sogui B

1) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki


2) Gonnun So Dwijibun Sonkut Najunde Tulki
3) Moa so Dung Joomuk YopDwi Terigui
4) Niunja So Anpalmok Kaunde Maki
5) Gonnun So Dwijibun Sonkut Najunde Tulki
6) Moa So Dung Joomuk YopDwi Terigui
7) Gonnun So Kyocha Joomuk Noollo Maki
8) Gonnun So Sang Joomuk Sewo Tirigui
9) Kaunde ApCha Busigui
10) Gonnun So Tirigui
11) Gonnun So Bandae Tirigui
12) Moa So Sang Palkup Yop Tulki
13) Annun So Bakkat Palmok San Maki
14) Annun So Bakkat Palmok San Maki
15) Annun So Bakkat Palmok San Maki
16) Annun So Bakkat Palmok San Maki
17) Annun So Bakkat Palmok San Maki
18) Annun So Bakkat Palmok San Maki
19) Niunja So Doo Palmok Najunde Miro Maki
20) Gonnun so Mori Japki
21) Moorup Ollyo Chagui
22) Niunja So Sonkal Daebi Maki
23) Najunde Yobap Cha Busigui
24) Gonnun So Opun Sonkut Nopunde Tulki
25) Niunja So Sonkal Daebi Maki
26) Najunde Yobap Cha Busigui
27) Gonnun So Opun Sonkut Nopunde Tulki
28) Niunja So Dung Joomuk YopDwi Terigui
29) Kyocha So Kyocha Joomuk Noollo Maki
30) Gonnun So Doo Palmok Nopunde Maki
31) Niunja So Sonkal Najunde Daebi Maki
32) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
33) Niunja So Sonkal Najunde Daebi Maki
34) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
35) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
36) Gonnun So Anpalmok Dollimyo Maki
37) Annun So Tirigui

88
2º GUB - FAIXA VERMELHA

MATÉRIA TEÓRICA
Forma: HWA-RANG – 29 Movimentos
É o nome dado ao grupo de jovens guerreiros, denominado HWA-RANG, que se originou na Dinastia
Silla no século VII. O número de movimentos deste TUL refere-se a 29ª Divisão de Infantaria onde o
Gal.Choi foi seu comandante em 1953 e o Taekwon-Do floresceu.

FILOSOFIA DO TAEKWON-DO

Amor à sabedoria é o significado mais antigo, já que todo aquele que se dedicava a adquirir
conhecimentos teóricos, técnicos ou científicos era considerado um filósofo. Com o passar do
tempo, cada ramo do saber foi se formando como ciência independente, definindo-se a filosofia
como o estudo do conjunto de conceitos sobre os princípios e as causas do ser, das coisas, do
universo e do homem.

O conjunto de idéias que deram origem à filosofia do Taekwon-Do coloca o homem como um ser
perfeitamente capaz de trocar sua própria realidade e transformar o mundo. Lamentavelmente na
nossa sociedade tem havido um ressurgimento da violência e a perda da moral em todos os seus
níveis, especialmente entre os jovens. Há, com certeza, muitas razões para isso. Alguns psicólogos
pensam que este problema pode estar relacionado com a frustração. Outros analistas mostram que
estas pessoas formam um segmento desiludido da sociedade, buscando seus próprios valores num
mundo que eles consideram materialista e decadente.

Infelizmente, erram na forma de se expressarem, ao invés de canalizar construtivamente sua


extraordinária energia e potencial, destroem em lugar de construir, ou simplesmente escapam da
realidade, isolando-se com drogas em seu próprio mundo de fantasia. Atualmente, a tendência do
mais forte pressionar o mais fraco parece estar em todos os lados.

O presente mundo reflete uma era corrupta, onde a violência tem aumentado de maneira
alarmante. Isto não é simplesmente ocasionado pelos problemas para sobreviver, mas sim também
por uma civilização excessivamente materialista. Óbvio seria dizer que uma mudança da
mentalidade do homem seria a solução.

O estudo da arte do Taekwon-Do implica num novo modo de pensar. As pessoas formam um
elevado sentido moral. E o aspecto moral está decididamente unido ao Taekwon-Do desde sua
criação. Seus praticantes buscam um caminho para moldar sua extraordinária energia, todo seu
potencial e buscam fazê-lo em um sentido diferente do que parece estar se encaminhando grande
parte da humanidade. Aqui há energia canalizada em forma positiva, já que o treinamento melhora
as reações conscientes e subconscientes do aluno.

89
Os Tuls proporcionam flexibilidade, beleza, equilíbrio e coordenação. Os movimentos fundamentais
ensinam a metodologia para adquirir precisão, potência, habilidade, para aprender a se defender.
A luta nos ensina a ser humildes porque sempre descobrimos pessoas que são tecnicamente
superiores ou inferiores a nós. Também adquirimos coragem, estado de alerta e autocontrole. A
constante repetição dos movimentos nos ensina a ser pacientes. A tremenda força gerada por nosso
corpo nos dá autoconfiança.

O Taekwon-Do também é reconhecido como uma arte que ajuda a resolver os problemas
emocionais, melhora consideravelmente o sentimento de força interior e auto-estima.

Um instrutor preparado abordará uma visão filosófica da arte e levará seus alunos pelo caminho a
se encontrarem consigo mesmos, transmitindo valores que faz com que o homem se torne maior,
capaz de mudar sua própria realidade e transformar o mundo em que vive.

CULTURA MORAL

O desenvolvimento intelectual e artístico do homem depende do conjunto de normas e elementos


lógicos que estão à sua volta. Isso inclui o conhecimento das artes, direitos, costumes e hábitos
adquiridos. A moral faz parte dos costumes e normas de conduta que condicionam a maneira de
proceder do homem, visto pertencerem ao âmbito da consciência pessoal do indivíduo. Por tais
motivos, são estimuladas no Taekwon-Do, fortalecendo seu sentido e colocando uma ênfase
especial em seu entendimento.

Decididamente, o aspecto moral faz parte do Taekwon-Do. O general CHOI HONG HI não somente
criou uma Arte que promove a saúde física e mental, mas também o aprimoramento do
comportamento moral dos praticantes, de forma a alcançar uma maturidade técnica e mental, com
a finalidade de ajudar a construir uma sociedade mais ética e pacífica.

O Gal. CHOI HONG HI enumera 5 qualidades que são recomendadas desde os tempos antigos pelos
orientais, como virtudes que desencadeiam um comportamento ético e moral:

1- Atitude humanitária: É a virtude de compadecer-se do próximo menos favorecido;


2- Retidão: É a virtude de envergonhar-se de atitudes injustas e de não se submeter a elas;
3- Correção: O desenvolvimento adequado da personalidade que provém de ser sincero
consigo mesmo e com os demais;
4- Sabedoria: É a virtude de reconhecer o certo do errado nos outros e em si mesmo;
5- Atitude confiável: É a virtude de sempre se manter a palavra.

A cultura moral é importantíssima no estudo do Taekwon-Do e isso se deve para que haja
crescimento e desenvolvimento do homem e sua dignidade.

90
VOCABULÁRIO
2º gub
Bases:
SOOJIK SO: base vertical

Técnicas:
BUJAPGO: agarramento
BARO: anverso

91
MATÉRIA PRÁTICA
MOVIMENTOS FUNDAMENTAIS / BASES
 Base Vertical
SOO JIK SOGUI
Vertical Stance

 Preparar na Base Fechada C


MOA JUNBI SOGUI C
Close Ready Stance C

 Defesa com palma mão empurrando na base sentada


ANNUN SO SONBADAK MIRO MAKI
Sitting Stance Palm Pushing Block

92
 Soco para cima na base L
NIUNJA SO OLLYO TIRIGUI
L-Stance Upward Punch

 Ataque para baixo com faca mão na base vertical


SOO JIK SO SONKAL NAERYO TERIGUI
Vertical Stance Knife-hand Downward Strike

 Puxada de braço
BUJAPGO
Grasping

93
 Chute semicircular alto
NOPUNDE DOLLYO
CHAGUI
High Turning Kick

 Soco médio na base L


NIUNJA SO BARO
TIRIGUI
L-Stance Obverse Punch

 Ataque lateral com cotovelo na base L


NIUNJA SO YOP PALKUP TULKI
L-Stance Side Elbow Thrust

 Defesa frontal e lateral com antebraço interno na base fechada


MOA SO AN PALMOK YOBAP MAKI
Close Stance Inner Forearm Side Front Block

94
DEFESA PESSOAL

1º passo: preparar recuando em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP


Após o contra-ataque: Recuar em PALMOK DAEBI MAKI com KIHAP

AT - gojung so bandae kaunde tirigui D


DF - dwitbal so sonkal kaunde anuro maki D
CA - nopunde dollyo chagui D

AT - niunja so sonkal bakuro yop terigui D


DF - fihagui - (esquiva)
CA - najunde bandae dollyo chagui D

AT - kaunde dollyo chagui E


DF - fihagui - dwitbal so sonkal nopunde daebi maki E
CA - nopunde bandae dollyo chagui D

95
AT - nopunde bandae dollyo chagui E
DF - dwitbal so palmok nopunde daebi maki E
CA - nopunde bandae dollyo chagui D

EXERCÍCIOS DE COORDENAÇÃO: 2 A 2 -
LUTA COMBINADA (BANJAYO)
Início: - Base trocada

1º - Lado direito
Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (mão frente -D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui - D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki – D

Executar o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki - E
Atacante: Ap chagui + ap joomuk (D)
Defensor: Niunja so kyocha jumok noolo maki +
Niunja so palmok anuro kaunde maki D


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D

96
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki D

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Niunja so timyo dollyo chagui E
Defensor: Niunja so timyo palmok anuro kaunde maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki D
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Dwitchagui + niunja so dung joomuk nopunde yop terigui E
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki +
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki E
Atacante: Niunja so timyo yopcha tirigui E
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki E

Trocar a base e fazer o lado esquerdo


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki
Atacante: Niunja so dung jumok nopunde yop terigui (D)
Defensor: Niunja so bakat palmok nopunde yop maki D
Atacante: Niunja so yopcha tirigui D
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki D
Atacante: Dwitchagui + niunja so dung joomuk nopunde yop terigui E
Defensor: Niunja so sang sonbadak noolo maki +

97
Niunja so bakat palmok nopunde yop maki E
Atacante: Niunja so timyo dwitcha tirigui E
Defensor: Niunja so timyo sang sonbadak noolo maki E
Trocar a base e fazer o lado esquerdo

7º (base espelho) - só troca o atacante


Atacante: Niunja so Palmok Daebi Maki E
Defensor: Niunja so Palmok Daebi Maki E
Atacante: Nopunde dollyo chagui D
Defensor: Niunja so Palmok Anuro Nopunde Maki D
Atacante: Bandae dollyo chagui E
Defensor: Narani so San So Palmok Monchau Maki D
Atacante: Timyo bandae dollyo chagui D
Defensor: Dwiro Ilbo Dolgi (Esquivar para trás trocando a perna)
Trocar a base e fazer o lado esquerdo

98
2º GUB – NOME DOS MOVIMENTOS DO TUL

HWA-RANG
Moa jumbi Sogui C

1) Annun So Sonbadak Miro Maki


2) Annun So Tirigui
3) Annun So Tirigui
4) Niunja So Sang Palmok Maki
5) Niunja So Ollyo Tirigui
6) Gojung So Kaunde Tirigui
7) Soojik So Sonkal Naeryo Terigui
8) Gonnun So Tirigui
9) Gonnun So Palmok Najunde Maki
10) Gonnun So Tirigui
11) Bujapgo
12) Kaunde YopCha Tirigui, Niunja So Sonkal Kaunde Bakuro Terigui
13) Gonnun So Tirigui
14) Gonnun So Tirigui
15) Niunja So Sonkal Kaunde Daebi Maki
16) Gonnun So Sun Sonkut Tulki
17) Niunja So Sonkal Daebi Maki
18) Nopunde Dollyo Chagui
19) Nopunde Dollyo Chagui, Niunja So Sonkal Daebi Maki
20) Gonnun So Palmok Najunde Maki
21) Niunja So Baro Tirigui
22) Niunja So Baro Tirigui
23) Niunja So Baro Tiriguii
24) Gonnun So Kyocha Joomuk Noollo Maki
25) Niunja So Yop Palkup Tulki
26) Moa So Anpalmok Yobap Maki
27) Moa So Anpalmok Yobap Maki
28) Niunja So Sonkal Daebi Maki
29) Niunja So Sonkal Daebi Maki
30) Gonnun So Bandae Tirigui

99