Você está na página 1de 13

CEUNSP

CENTRO UNIVERSITARIO NOSSA SENHO DO PATROCINIO

ARQUITETURA E URBANISMO

NELMA ALMA DA SILVA

PROJETO DE PESQUISA

SALTO

2020
2

Sumário
1 Resumo .....................................................................................................................................3
2 Introdução e Justificativa ..........................................................................................................4
3 Objetivos .................................................................................................................................10
4 Objetivos específicos ...............................................................................................................10
5 Cronograma .............................................................................................................................12
6 Referencias ..............................................................................................................................13
3

1 RESUMO

O seguinte trabalho de projeto de pesquisa tem por objetivo apresentar o que é vulnerabilidade
social, suas causas, consequências e soluções, fala sobre estudos já realizados, e discorre sobre
a importância do tratamento da saúde mental, em locais onde a vulnerabilidade social é a
realidade dos moradores, apresenta também a fundação SEADE, que disponibiliza dados sobre
os municípios do estado de São Paulo, sendo uma importante ferramenta, de uso público, para
ajudar a identificar onde deve ter projetos de intervenção e ajuda sociais para mudar a realidade
desses grupos, traz também a apresentação do projeto de um Centro Comunitário de apoio a
famílias em situação de vulnerabilidade social, o local escolhido são 2 terrenos frente a frente
localizados entre os bairros jardim Marilia e jardim Santa Cruz. O projeto atuará em 3
seguimentos, são eles: Cultural, Oficinas pedagógicas e Saúde, a ideia é unir elementos básicos
para a formação dessas pessoas, em um único espaço, colocando projetos sociais da prefeitura
já existentes, projetos sociais novos de entidades que estão dispostas a contribuir para o
desenvolvimento humano e unido a tudo isso, assistência na área da saúde, o principal exemplo
e fonte de inspiração para a ideia atual é o SESC Pompéia, local, esse que deu um novo uso
para uma fábrica antiga, unindo cultura e laser entre outros serviços.
4

2 INTRODUÇÃO E JUSTIFICATIVA

Vulnerabilidade, não é o mesmo que pobreza, mas está inclusa em seu contexto, ser
pobre é quando não se tem as necessidades básicas para a sobrevivência atendida,
(KAZTMAN,1999). Essas necessidades básicas são: moradia, saneamento básico, acesso à
educação e a saúde, com todos essas necessidades não sendo atendidas, aumenta a
possibilidade de estar exposto a violência, causada pelo meio em que vive.
Carolina Moser, é na América Latina a responsável pelo desenvolvimento sistemático do
estudo de Vulnerabilidade Social, Moser fala sobre todo o entorno das pessoas que estão em
condições de vulnerabilidade, não se limitando somente a renda e posses dessas pessoas, mas
também a capacidade de resolver situações de crise.
De acordo com a UNESCO, o estudo sobre vulnerabilidade social é uma importante
ferramenta para entender a situação dos jovens, especialmente aqueles das camadas populares,
e sua relação com a violência, já que as estatísticas apresentam uma realidade muito menos
promissora, para esses jovens.
A violência que um cidadão sofre seja ela física ou moral, deixam sequelas psicológicas
e emocionais nas pessoas, independente de classe social, porém os mais atingidos são as
pessoas que se encontram em locais cuja situação de vulnerabilidade social é maior.
A fundação SEADE, desenvolveu o IVPS “Índice de Vulnerabilidade Social”, para com o
auxílio do IPRS “Índice de Responsabilidade Social”, ter a oferecer uma ferramenta de melhor
gestão pública, dessa forma conseguindo uma análise melhor da concentração de pobreza, e
assim mapear as áreas que mais precisam de ajuda, a base desse índice são estudos sobre a
pobreza, e seus legados, usando como apoio autores, como Rubens Kaztman, Carolina Moser,
Robert Castel, entre outros, em seu mapeamento de dados, o SEADE, usa fatores determinantes
da situação de vulnerabilidade social (escolaridade, saúde, arranjo familiar, possibilidades de
inserção no mercado de trabalho, acesso a bens e serviços públicos).

O IPVS é uma tipologia que classifica os municípios do Estado de São Paulo


em grupos de vulnerabilidade social a partir de uma combinação entre as
dimensões demográfica e socioeconômica. Considerando um conjunto de
variáveis, esse indicador permite melhor identificar os fatores específicos que
produzem a deterioração das condições de vida numa comunidade, auxiliando
na definição de prioridades para o atendimento da população mais vulnerável.
(MALDONADO, 2013, p. carta de apresentação, arquivo extraído de
documento digital em
http://ipvs.seade.gov.br/view/pdf/ipvs/metodologia.pdf, em 11/03/2020
as 13:37)

Além de assistência social direcionada a retirar essas pessoas da condição de


vulnerabilidade social, é preciso tratar as sequelas emocionais que a vida lhes trouxe. Esse
tratamento é possível através de atendimento e acompanhamento psicológico adequado a
5

realidade dessas pessoas; existem diversos estudos que mostram a forte tendência de pessoas
que vivem em condições precárias, e estão expostas a conflitos familiares (em geral violência de
todos os tipos), a desenvolverem problemas psicológicos, além da propensão a se envolverem
em situações ilícitas, principalmente o uso de drogas, hoje é comum ver psicólogos trabalhando
em centros de ajuda a comunidade, na chamada psicologia social, essa por sua vez olha todo o
contexto de vida da pessoa, trabalhando principalmente na prevenção de traumas psicológicos.
Sabe-se que o sofrimento e traumas psíquicos atingem todas as classes sociais, porém quando
se está exposto a condições de vulnerabilidade social, os efeitos desses traumas têm um impacto
diferenciado, devido muitas vezes a falta de oportunidade de tratamento, agravando ainda mais
o problema, transferindo as consequências do trauma para toda a família, e assim crianças e
jovens crescem em um meio sem estrutura familiar, e consequentemente novas famílias se
formam sem planejamento e acometidas da mesma falta de estrutura, o que se torna um ciclo
vicioso.
Segundo pesquisa realizada por (CASTRO e ABRAMOVAY, 2002), em seu artigo, os
jovens do Brasil, principalmente os da periferia praticamente não tem acesso a equipamentos
culturais, um grande percentual das cidades brasileiras não tem museu, cinema, teatro, casa de
espetáculo, ou até mesmo bibliotecas públicas, e quando os tem, a distribuição desses
equipamentos culturais, não ocorrem de forma a facilitar o acesso de jovens de comunidades
carentes, em sua maioria esses jovens, buscam laser em suas próprias comunidades, porém
com acesso limitado a cultura, o que fica a disposição desses jovens, é reunirem-se para escutar
música, jogar bola em campos improvisados, e beber, isso em sua maioria das vezes em suas
comunidades, devido à grande descriminação sofrida, por sua classe social e raça, estão
segregados da sociedade, sem o benefício de usufruir dos poucos equipamentos culturais que a
cidade oferece.
A falta de acesso a esses canais culturais, deixam essas pessoas mais suscetíveis a
prática de ações ilícitas, abrindo uma porta imensa para o tráfico, e outros delitos, dando
continuidade ao ciclo vicioso já mencionado, onde famílias desestruturadas, dão origem a novas
família desestruturadas, e a situação de vulnerabilidade social se mantem presente nessas
áreas.
Os índices de abandono da escola, nessas áreas são altos e a falta de qualificação
profissional apenas uma consequência, pessoas marginalizadas, pelo local onde moram, pela
falta de oportunidade, e por uma sociedade marcada por pré conceitos, que julgam e não
permitem a inserção de determinados grupos na sociedade, vivendo de forma excluída.
O acesso à cultura e educação tem o poder de mudar essa realidade, para isso faltam
locais e programas sociais destinados a fazer esse trabalho, existem sim entidades filantrópicas
com trabalhos voluntários de inclusão desses grupos, existem ainda ações governamentais de
ajuda a pessoas que se encontram nessa situação, porem a demanda é maior do que a
capacidade de ajuda desses centros.
Na cidade de Salto existem algumas entidades assistencialistas, nas imediações do
jardim Marilia e Jardim Santa Cruz, temos a Associação casa da criança de Salto, atende
6

crianças de 6 a 15 anos, em horário contra turno da escola e a Caritas Interparoquial de Salto,


atende crianças de 6 a 17 anos, essa última atende hoje 105 crianças, e tem uma fila de espera
de cerca de 300 crianças e jovens, atendendo também em contra turnos da escola de segunda
a sexta feira, ambas tem ajuda dos órgãos governamentais, pois atendem a Resolução-CNAS
109/2009,. Que classifica a tipificação da entidade, porém seus rendimentos são provenientes
principalmente de doações da inciativa privada e pessoas físicas, e promovendo ações sociais
para arrecadação de doações, na esfera governamental a cidade conta com o CRAS - Centro
de Referência de Assistência Social, local que oferece serviços de assistência social a famílias
em situação de vulnerabilidade social, a unidade que atende a região citada cima fica localizado
no jardim Santa Cruz.
De acordo com o SEADE, a vulnerabilidade é dividida em grupos que vai do 1 ao 7,
(baixíssima vulnerabilidade até vulnerabilidade alta – setores rurais), ainda no site do SEADE, é
possível consultar o índice de IVPS, por município e em cada município por regiões da cidade, é
possível também analise através de gráfico comparativo de cada município com o estado de São
Paulo
Mapa 1 – IVPS municipio de Salto

Retirada do site: http://ipvs.seade.gov.br/view/index.php

Legenda:
Grupo 1: Baixíssima vulnerabilidade
Grupo 2: Vulnerabilidade muito baixa
Grupo 3: Vulnerabilidade baixa
Grupo 4: Vulnerabilidade média - setores urbanos
7

Grupo 5: Vulnerabilidade alta - setores urbanos


Grupo 6: Vulnerabilidade muito alta - setores subnormais
Grupo 7: Vulnerabilidade alta - setores rurais

Salto tem desde o grupo 1 (vulnerabilidade baixíssima) até p grupo 5 (alta


vulnerabilidade), o grupo 5, está dividida em 3 áreas: Jardim Santa Cruz, Jardim Marilia e Jardim
União, todos os grupos são classificados de acordo com diversos fatores, no caso do grupo 5 é
onde se encontra a pior condição da cidade de Salto, locais que se assemelham a todos os
estudos e pesquisas citados a cima, o grupo 5 da cidade de Salto tinha em 2010 (última
atualização da fundação SAEDE), 5.123 pessoas, em 25% dos domicílios dessa população a
renda per capita não ultrapassa meio salário mínimo, e 5,8% desse grupo vive com renda per
capita de até um quarto do salário mínimo, e cerca de 11 % são crianças com menos de 6 anos,
15,7% das famílias são chefiadas por mulheres com menos de 30 anos, o índice de
vulnerabilidade por grupo comparada ao estado é possível ver em gráfico, que Salto tem 4,9%
no grupo 5 enquanto todo o estado tem 11,1% no grupo 5.

Gráfico 1 – Distribuição da população, segundo IVPS – estado de São Paulo e Município de


Salto em 2010

Retirada do site: http://ipvs.seade.gov.br/view/index.php


8

Tabela 1 – Comparativo de setores censitários

Variáveis para cálculo do IVPS Grupo Grupo Grupo Grupo Grupo


5 4 3 2 1
Domicílios particulares permanentes 334 227 261 132 97

Moradores em domicílios particulares


1186 842 813 371 313
permanentes
Média de moradores em domicílios
3,55 3,71 3,11 2,81 3,23
particulares permanentes
Proporção de crianças de 0 a 5 anos na
11,89 9,5 9,59 5,93 3,83
população
Renda domiciliar per capita nos domicílios
384,83 455,2 801,33 1659,5 3.033,16
particulares permanentes do setor censitário
Proporção de domicílios particulares com
rendimento nominal mensal de até 1/2 Salário 30,54 20,26 11,49 3,79 0
mínimo
Proporção de domicílios particulares com
rendimento nominal mensal de até 1/4 Salário 8,68 4,41 33,07 0,76 0
mínimo

Idade média das pessoas responsáveis 43,5 42,59 39,87 49,08 53,166

Proporção de pessoas responsáveis


82,34 95,15 96,55 95,45 100
alfabetizadas
Proporção de pessoas responsáveis com
19,46 13,22 25,29 5,3 0
menos de 30 anos
Proporção de mulheres responsáveis pelo
16,5 10,98 25,38 4,35 0
domicílio com menos de 30 anos
Rendimento médio das mulheres
531,96 625,2 500,42 1468,46 3.938,46
responsáveis pelo domicílio

Retirada do site: http://ipvs.seade.gov.br/view/index.php

Através dos levantamentos feitos pelo SEADE, fica claro a carência e necessidade de
ajuda que determinados setores do município precisam, apesar de já haver entidades que atuem
na área, a demanda é maior que a ajuda oferecida, fica apenas uma dúvida, o que os cidadãos
podem fazer para ajudar, o que o poder público pode e deve fazer para ajudar?.
O acesso à cultura, educação e saúde é direito de todos, mas nem todos tem esse
acesso, algo precisa acontecer, para mudar a realidade desse grupo, trazer uma nova
expectativa de vida, tirá-los dessa classificação de alta vulnerabilidade.
Outro fato da vida, em grupos de alta vulnerabilidade é a falta de emprego, muitos são
os motivos, entre eles, os principais são: fata de escolaridade (ensino médio incompleto, falta de
cursos profissionalizantes), falta de conhecimento em informática, falta de experiencia,
discriminação pelo local onde moram, preconceito racial e falta de oportunidade para pessoas
com histórico de antecedentes criminais.
Visitando os locais mais afetados pela vulnerabilidade, é perceptível a enorme
quantidade de pessoas desempregadas e o grande potencial que o próprio local oferece, com
9

diversos vazios urbanos, locais que poderiam abrigar projetos educacionais e sociais. O
município é uma estância turística, oferecendo diversos pontos turísticos, o município ainda
conta com o curso de Turismo oferecido pelo Centro Universitário Nossa Senhora do Patrocínio
– CEUNSP, o que pode gerar uma parceria com entidades assistencialistas em formação básica
de guias turísticos na cidade de Salto, a exemplo da Irlanda e Barcelona onde estudantes de
Turismo em parceria com agencias de turismos, criaram projeto social para colocar moradores
de rua como guias turísticos.
O acesso à cultura, assim como a educação e saúde é parte fundamental para o
desenvolvimento do ser humano, na esfera social, uma forma de mudar a realidade dessas
pessoas, é introduzir centros comunitários em espaços estrategicamente localizados, para
atendimento a toda a região.
No desenvolvimento do projeto, a pesquisa realizada, para a ideia inicial de um centro
cultural, esclareceu a urgência da necessidade de ajuda em todos os sentidos, que esse grupo
de pessoas precisa, isso fez com que o projeto se tornasse algo muito além do centro cultural, a
vontade de fazer algo que realmente faça a diferença na vida dessas pessoas, sejam crianças,
jovens ou adultos, que possa trazer uma perspectiva de vida melhor, e poder sair das estáticas
e índices de criminalidade, não ser mais considerado um produto de meio em que vive, devido à
falta de oportunidade

Foto 1 – moradias feitas de chapa compensada de madeira no jardim Marilia – Salto/SP

Arquivo pessoal - foto tirara em 07/03/2020


10

3 OBJETIVO

Centro comunitário de apoio e famílias em situação de vulnerabilidade social, local esse


que atuará na formação de vínculos com a família e comunidade, através de assistência
psicossocial, oficinas pedagógica, e centro cultural e de laser, buscando fortalecimento das
relações sociais dos indivíduos que se encontram em situação de extrema pobreza, mostrando
uma nova perspectiva de vida, com possibilidades reais de aperfeiçoamento profissional, acesso
à cultura e laser, tratamento psicológico e principalmente atuar na prevenção de traumas
psíquicos, retirando as pessoas desse ciclo de vulnerabilidade alta, as referências para esse
centro, são o SESC, o CRAS, e as instituições assistencialistas do próprio município.
Depois de análise da região, chegou se a um ponto ideal para a implantação do projeto,
são 2 terrenos frente a frente localizados entre os bairros jardim Santa Cruz e Jardim Marilia,
esses bairros são apontados pela fundação SAEDE como grupo 5 (vulnerabilidade alta), em um
dos terrenos funcionou a antiga fábrica HISITEKA, desativada a 9 anos que conta ainda com
dois grandes galpões, o local está sem uso desde o fechamento da fábrica, em 2011, o outro
terreno é proporcionalmente grande, porém sem edificações, o local é de fácil acesso, pois fica
localizado na Avenida Marechal Rondon, cerca de 3Km de distância do jardim Marilia, em seu
ponto mais distante e 4Km do jardim Santa Cruz, em seu ponto mais distante, em frente de cada
terreno hoje existe pontos de ônibus, o que facilita o acesso ao local.

4 OBJETIVOS ESPECIFICOS

Oficinas pedagógicas, para crianças e jovens, tem o objetivo de fortalecer o vínculo da criança e
do jovem com e escola, despertando o interesse pela educação, através não só de aulas
convencionais, mas também dinâmicas que tornem atrativo a ideia de estudar, trabalhando com
o lado lúdico da criança.
• Reforço escolar,
• Aulas de informática e
• Aulas de idiomas
Oficinas pedagógicas para jovens e adultos: cursos profissionalizantes, voltados para diversas
áreas de atuação, o foco principal, e mostrar a esses adultos e jovens uma gama de
possibilidades de trabalho que podem ser desenvolvidos por eles, que a oferta do mercado de
trabalho existe, precisa apenas de especialização em algumas determinadas áreas, o município
que tem a nomenclatura de estância turística, isso é um ponto a ser trabalhado em conjunto com
instituições privadas e públicas, com o intuito de explorar essa possibilidade de turismo pela
cidade, aumentando a demanda de turistas que visitam o município, e gerando mais empregos.
• Corte e costura,
• Estética feminina e masculina,
• Agricultura urbana (horta comunitária),
• Recicláveis,
11

• Artesanato a partir dos resíduos recicláveis e


• Guias turísticos.
Cultura e lazer: oferecer um local adequado, para a interação social dessas pessoas, com arte,
cultura e lazer, essas fazem parte da formação do indivíduo, contribuem para a sua formação
ética e moral.
• Oficinas de teatro
• Aulas de instrumentos musicais
• Aulas de zumba
• Aulas de balé
• Aulas de artes marciais
• Brinquedoteca
• Biblioteca (oficinas de leitura)
• Espaço de convivência
Atendimento na área da Saúde: Prioridade no centro comunitário é o atendimento a pessoas que
apresentam traumas psíquicos, e prevenção de doenças psicológicas geradas pelo meio em que
estão inseridas, recuperação de pessoas que buscam ajuda para lidar com os vícios, e suas
consequências.
• Acompanhamento e tratamento psicológico
• Grupo de apoio a dependências químicas
• Tratamento fonoaudiólogo
O centro comunitário ainda terá local destinado a ações e eventos sociais, em geral seus
objetivos específicos estão todos ligados a melhoria da qualidade de vida dos moradores dessas
áreas.
12

5 CRONOGRAMA

Prazo Fevereiro Março Abril


Etapas
status 8 9 10 29 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 16 20 21 28 29 6 13
Desenvolvimento de Planejado
redação (5W 2H) Real
Entrega de redação Planejado
5W 2 H, Real
Leitura sobre Planejado
conceitos de
Vulnerabilidade social Real
Leitura sobre Planejado
conceitos de centro
cultural Real
Assessoria (tirar Planejado
dúvidas) Real
Pesquisa referente a Planejado
entidades de
assistência social Real
Leitura sobre Planejado
conceitos de
atendimento
psicológico Real
Pesquisa sobre Planejado
índices Real
Assessoria (tirar Planejado
dúvidas) Real
Desenvolvimento de Planejado
Projeto de pesquisa Real
Planejado
Visita técnica Caritas
Real
Entrega de projeto de Planejado
pesquisa Real
Planejado
Visita técnica CRAS
Real
Visita técnica Pastoral Planejado
da família Real
Desenvolvimento Ref. Planejado
Projetuais Real
Entrega referencias Planejado
projetuais Real
Entrega de relatório Planejado
de visitas técnicas Real
13

6 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

ABRAMOVAY, M. et al, Juventude, Violência e Vulnerabilidade Social na América Latina: Desafios


para Políticas Públicas. Ed. UNESCO Brasil, Brasília, Brasil, 2002

CASTRO, Mary Garcia. ABRAMOVAY, Mirian. Jovens em situação de pobreza, vulnerabilidade


sociais e violência. Revista SciElo caderno de pesquisas, jul.2002

FUNDAÇÃO SAEDE, São Paulo, 2010. Disponível em: http://ipvs.seade.gov.br/view/index.php.


Acesso em 13/02/2020.

GRANA, L. Vulnerabilidade social: o psicodiagnóstico como método de mapeamento de doenças


mentais, 2010. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-
98932010000300015. Acesso em 13/03/2020.

KAZTMAN, R. et al, Una década de desarrollo social en América Latina, 1990-1999 CEPAL –
Comisión Económica para América Latina y el Caribe. Montevideo, 1999.

MALDONADO, M. et al, Metodologia IVPS Versão 2010, SEADE – Fundação Sistema Estadual de
Análise de Dados, São Paulo, Brasil, 2013 disponível em:
http://ipvs.seade.gov.br/view/pdf/ipvs/metodologia.pdf. Acesso em 13/03/2020

PIETRO, G. Estudante transforma moradores de rua em guias turísticos na Irlanda, 2019.


Disponível em: https://razoesparaacreditar.com/moradores-de-rua-guia-irlanda/ acesso em
14/03/2020.

SPITZCOVSKY, D. Agência emprega moradores em situação de rua para atuar como guias de
turismo, 2015. Disponível em: https://thegreenestpost.com/agencia-emprega-moradores-em-
situacao-de-rua-para-atuar-como-guias-de-turismo/.Acesso em 14/03/2020

Estudante transforma
moradores de ru