Você está na página 1de 4

Amplificador Operacional – Conceitos básicos.

O material desta videoaula está resumido neste texto e é necessário, como de outras
videoaulas, a leitura do material do livro texto conforme orientação do Guia de Estudo.

O amplificador operacional é um circuito, Figura 1, que permite amplificar tensão e realizar


operações matemáticas como somar, subtrair e integrar, por exemplo. O amplificador tem duas
entradas de sinal (inversora (–) e não inversora (+)) e um saída amplificada de sinal. Todo o circuito
é alimentado por duas fontes simétricas de tensão: +VCC e -VCC.

Figura 1 – Circuito de amplificador operacional


Todo o circuito está dentro de um único componente, Figura 2.a, com 8 terminais e todo o
circuito interno pode ser representado pelo símbolo de amplificador, Figura 2.b. Há ainda alguns
terminais com funções específicas de ajuste do amplificador.

a) b)
Figura 2 – a) foto amplificador operacional; 2) símbolo do amplificador operacional.

1
A base do circuito interno do amplificador operacional é o amplificador diferencial, Figura 3,
que também pode ser observado na Figura 1. Note que é possível ter amplificador operacional com
duas saídas, mas, em nossos estudos ficaremos restritos a uma única saída. Além disso, a análise é
feita para fonte de sinal (Vi1 e Vi2 ) e por isso no símbolo do amplificador as fontes +VCC e –VCC
podem não aparecer, mas estas fontes estão presentes no circuito, Figura 1 e Figura 2.b.

Figura 3 – Amplificador diferencial.


Entrada não inversora (Vi1):
Quando se analisa apenas a fonte Vi1 (Vi2=0) a tensão de saída (Vo2) terá a mesma fase da
tensão Vi1. O caminho do sinal é: entrada na base do transistor Q1 e saída em emissor do transistor Q1
(configuração coletor comum, que tem essa característica de manter a fase). Em relação ao transistor
Q2, a entrada é em emissor e a saída em coletor (configuração base comum, que tem a característica
de manter a fase). Logo, o sinal na saída (Vo2) tem a mesma fase do sinal da entrada (Vi1), Figura 4.

Figura 4 – Operação com entrada simples (Não inversor).

Entrada inversora (Vi2):


Quando se analisa apenas a fonte Vi2 (Vi1=0) a tensão de saída (Vo2) terá defasagem de 180º
graus em relação à tensão Vi2. O caminho do sinal é: entrada na base do transistor Q2 e saída em

2
coletor do transistor Q2 (configuração emissor comum, que tem essa característica de defasar em 180º
graus). Logo, o sinal na saída (Vo2) está defasada de 180º do sinal da entrada (Vi2), Figura 5.

Figura 5 – Operação com entrada simples (Inversor).

Operação modo diferencial.

É possível colocar uma fonte de sinal entre as duas entradas ou duas fontes diferentes, uma
em cada entrada, Figura 6. Nesta condição, o amplificador amplificará a tensão diferença:

𝑉𝑑 = 𝑉𝑖1 − 𝑉𝑖2 = 𝑉(+) − 𝑉(−)

Figura 6 – Amplificador operacional – modo diferencial.

A partir do modelo ac do transistor e conhecendo os valores dos componentes é possível


calcular o ganho de tensão diferencial do amplificador operacional definido:

𝑉0
𝐴𝑑 =
𝑉𝑑

Uma característica de construção e desejável é um ganho de tensão 𝐴𝑑 de valor alto, podendo


ser na ordem de 100.000 e que em nossas análises poderá ser considerado ∞ no modelo ideal.

Resumo: é desejável amplificar a tensão diferença entre os terminas de entrada 𝑉(+) 𝑒 𝑉(−).

Operação modo comum.

É possível colocar uma única fonte de tensão de sinal nas duas entradas 𝑉(+) 𝑒 𝑉(−), Figura 7.
Nesta condição, é esperado que a tensão de saída seja nula porque, em uma condição ideal, cada
entrada (𝑉(+) 𝑒 𝑉(−) ) será amplificada de forma igual, entretanto, com polaridades opostas.
3
Figura 7 – Amplificador operacional – modo comum.

É possível definir uma tensão em modo comum:

1
𝑉𝐶 ≡ (𝑉(+) + 𝑉(−) )
2

A partir do modelo ac do transistor e conhecendo os valores dos componentes é possível


calcular o ganho em modo comum do amplificador operacional definido:

𝑉0
𝐴𝐶 =
𝑉𝐶

Uma característica desejável é um ganho de tensão 𝐴𝐶 nulo, entretanto, este ganho não é nulo.

Resumo: Não é desejável amplificar tensões iguais nas entradas 𝑉(+) 𝑒 𝑉(−)

Razão de Rejeição de Modo Comum (RRMC)

A partir dos valores de Ad e AC a Razão de Rejeição de Modo Comum (RRMC) é definida:

𝐴𝑑
𝑅𝑅𝑀𝐶 =
𝐴𝐶

A RRMC também pode ser definida em logaritmos:

𝐴𝑑
𝑅𝑅𝑀𝐶(𝑙𝑜𝑔) = 20𝑙𝑜𝑔10
𝐴𝐶