Você está na página 1de 4

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

CAMPUS DE SOBRAL
CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA
LABORATÓRIO DE ELETRÔNICA ANALÓGICA
PROFESSOR: PAULO ROBSON
EXPERIMENTO VI – APLICAÇÕES LINEARES COM AMPLIFICADORES OPERACIONAIS

NOME:_____________________________________________________ DATA: ____________

1. INTRODUÇÃO:

O comportamento dos terminais dos amplicadores operacionais é caracterizado por


restrições de tensão e corrente dados pelas limitações dos componentes eletrônicos dos quais
é formado. Essas limitações produzem uma função de transferência muito peculiar ao AmpOp.
Podemos dividir sua função de transferência em três regiões: a região linear, a saturacão positiva
e a saturação negativa.

Um modelo equivalente de um AMP-OP ideal, descrito por um circuito esquemático, é


ilustrado na Figura 1. Verificam-se alguns elementos essenciais ao modelo ideal: impedância de
entrada (Ri), impedância de saída (Ro) e o ganho de tensão (Av).

V-
Av Ro
Ri + + Vo
2e6 - - 75
V+ E 0

GAIN = 200

FIGURA 1: Modelo ideal LM 741.

Os amplificadores podem ser usados como operadores matemáticos entre duas entradas.
Para isso devemos admitir seu funcionamento na região linear. Entre os tipos básicos de
circuitos com amplicadores operacionais incluem-se: o amplificador inversor, o somador, o
amplicador não-inversor, o seguidor de tensão, o amplicador diferencial, o integrador, o
diferenciador, dentre outros. Nesta prática, serão estudados os circuitos inversor e somador,
além da a característica de transferência DC do amplificador. Quando opera como um circuito
amplicador inversor (Figura 2), vemos que a tensão de saída é dada pela equação abaixo:
𝑅
𝑣𝑜𝑢𝑡 = − 𝑅𝑓 𝑣𝑖𝑛 , (1)
1

onde a razão entre o resistor de realimentação e o resistor de entrada é o fator de multiplicação,


ou ganho, do amplicador.
FIGURA 2: Circuito amplificador inversor.

Quando opera como um circuito amplicador somador (Figura 3), vemos que a tensão de
saída é dada pela seguinte equação:
𝑅 𝑅
𝑣𝑜𝑢𝑡 = − (𝑅𝑓 𝑣1 + 𝑅𝑓 𝑣2 ), (2)
1 2

onde o ganho de cada entrada é dado pela razão entre os resistores de realimentação e de
entrada. Um maior detalhamento sobre o assunto pode ser visto no livro texto.

FIGURA 3: Circuito amplificador somador.

2. OBJETIVOS

 Obter uma visão geral do amplicador operacional e fazer uma análise experimental de seu
funcionamento básico;
 Utilização do amplicador operacional, na sua região de funcionamento linear, em algumas
congurações típicas.

3. PARTE PRÁTICA

MATERIAL NECESSÁRIO: Fonte de tensão contínua, multímetro, potenciômetros, capacitor,


LEDs e AmpOp.
Parte A – Amplificador Aditivo-Subtrativo

1. Monte o circuito amplificador aditivo-subtrativo da Figura 4. Considerando o AmpOp


ideal demonstre a expressão da tensão de saída vo em função das tensões de entrada
va, vb, vc e vd.

FIGURA 4: Circuito amplificador aditivo-subtrativo.

2. Simule o circuito com va = 1 V, vb = 2 V, vc = 3 V e vd = 4 V. Qual o valor da tensão de saída


observada?
3. Se va, vb e vd forem mantidas constante com valores iguais aos utilizados no item 2, quais
valores de vc não saturarão o AmpOp? Demonstre sua resposta com resultados de
simulação.

Parte B – Amplificador de Diferenças

1. Monte um circuito amplificador de diferenças conforme a Figura 5. Considerando o


AmpOp ideal demonstre a expressão da tensão de saída vo em função das tensões de
entrada va e vb.

FIGURA 5: Circuito amplificador de diferenças.


2. Calcule também o ganho de modo comum (𝐴𝑐𝑚 ), o ganho diferencial (𝐴𝑑 ) e a Razão de
|𝐴𝑑|
Rejeição de Modo Comum (𝐶𝑀𝑅𝑅 = 20 ⋅ 𝑙𝑜𝑔 |𝐴𝑚𝑐|).
3. Simule o circuito e encontre 𝑣𝑜 para cada caso de tensões de entrada:
𝑣 = 1 + 2 ⋅ 𝑠𝑒𝑛(2𝜋 ⋅ 60 ⋅ 𝑡)
a) { 𝑎
𝑣𝑏 = 1
𝑣 =1
b) { 𝑎
𝑣𝑏 = 1
𝑣𝑎 = 1 + 2 ⋅ 𝑠𝑒𝑛(2𝜋 ⋅ 60 ⋅ 𝑡)
c) {
𝑣𝑏 = 1 + 4 ⋅ 𝑠𝑒𝑛(2𝜋 ⋅ 60 ⋅ 𝑡)
𝑣 = 2 ⋅ 𝑠𝑒𝑛(2𝜋 ⋅ 60 ⋅ 𝑡)
d) { 𝑎
𝑣𝑏 = 4 ⋅ 𝑠𝑒𝑛(2𝜋 ⋅ 60 ⋅ 𝑡)

4. No circuito da Figura 5, substitua o resistor de 24 kΩ por um de 25 kΩ e repita os itens


1, 2 e 3. Observe as diferenças, vantagens e desvantagens desta configuração.

4. QUESTÕES PARA O RELATÓRIO

A) Cite uma aplicação prática do circuito da Figura 4. Para que serve o circuito
apresentado?
B) Comente sobre a principal função do circuito da Figura 5. O que seria um amplificador
de diferenças ideal em termos dos valores dos resistores e em termos da CMRR?
C) Sobre o 3 da parte B, o que se pode observar na comparação entre os resultados das
tensões de saída? Existe um comportamento peculiar? Comente e compare inclusive
com o funcionamento do circuito após a troca de resistores (item 4 da parte B). Qual a
melhor topologia em termos de valores dos resistores? Porque?