Você está na página 1de 180

Coleção Fábulas Bíblicas Volume 8

A FRAUDE DO

JUÍZO FINAL

Mitologia e Superstição Judaico-cristã

Veja como seria o juízo final:

Deus olha para suas criações e diz: "Este aqui eu criei bem, fiz um bom trabalho, então vai para o céu, este aqui eu criei mal, não consegui acertar, então já para o inferno". JL

vai para o céu, este aqui eu criei mal, não consegui acertar, então já para o

JL

Sumário

Introdução >>>

4

1 - Um em cada sete crê num fim do mundo próximo >>>

7

2 - Como funciona uma profecia? >>>

12

3 - A Grande farsa do Apocalipse

23

- Apocalipses Judeus - Livro I De Enoque: Os Apocalipses Mais Antigos

1

23

2 - Ciclo Posterior De Enoque

23

3 - Ciclo Posterior De Esdras

24

4 - Apocalipses Dos Manuscritos Do Mar Morto

24

5 - Apocalipses Cristãos - Paulo De Tarso E Sua Escola

25

6 - Apocalipses Gnósticos Cristãos

25

4 - Datas para o juízo final. Quando cansarão?

26

5 - A fraude do juízo final

144

1 - De onde vem essa ideia maluca?

146

2 - A logística do juízo final

149

3 - O juízo católico

151

4 - Quando será o juízo final?

153

5 - Os sinais do juízo final

154

6 - A farsa do juízo final

155

7 Outras

possibilidades

158

6 - O verdadeiro Relógio do Juízo Final

159

1 - As alterações do relógio e os eventos responsáveis

161

2 - O relógio do Juízo Final avança um

166

7 - Mais bobagens do Cristianismo >>>

169

Mais conteúdo recomendado

170

Livros recomendados

171

Referências e Fontes:

180

3

Introdução >>>

O tempo todo aparece algum fanático afirmando que o mundo vai acabar e com a data exata em que acontecerá esse fim. Com a chegada do cristianismo essa tendência começou a aumentar significativamente. Essa gente (geralmente os crentes cristãos mais fanáticos e ignorantes) parece estar farta deste mundo e não satisfeitas em acabar eles mesmos com suas próprias e miseráveis vidas, desejam também o fim da vida do resto das pessoas e o sofrimento de todos que eles considerem inimigos.

Esses personagens que, como toda pessoa, contribuíram e contribuem para fazer deste mundo o que ele é e como é, parecem nunca estar satisfeitos com a parte que lhes toca no mundo e pedem e rezam para apareça um “salvador”, que obviamente (apesar de ser onipresente) nunca vem e parece ser completamente alheio (apesar de ser onisciente) a tudo o que acontece neste mundo, que segundo esses fanáticos dementes foi criado por ele tal como é (segundo seus desígnios divinos (!?!).

Entre esses magufos sempre aparece um “sábio” afirmando ser um líder “eleito e enviado” por seu deus (seja qual for a sua religião) e que possui certa informação privilegiada que seu deus lhe concedeu e que pretende colocar à disposição pública. (Mesmo que na maioria das vezes sejam cálculos e resultados sujeitos à sua maravilhosa inteligência na hora de interpretar contos, eventos ou objetos). No caso de alguém pensar que isso só aconteceu raramente, aqui está uma lista da maioria das datas "apocalípticas" conhecidas, e, claro, todas fracassadas, POIS AINDA ESTAMOS AQUI.

4

5

5

Algo realmente maravilhoso das profecias não cumpridas é o fato de que o falso profeta não pode alegar nada em sua defesa. É UM FALSO PROFETA, MENTIROSO DESCARADO E PONTO FINAL. O crente nessas bobagens só pode inventar desculpas idiotas e

engolir o fato de que é um seguidor iludido de falsários, picaretas

e mentirosos. Não há nada a fazer sobre isso, além de fingir e

iludir-se para alegria dos céticos e descrentes que podem divertir- se a não poder mais, pois nada indica que as fantasias dos cérebros dementes dos crentes religiosos em geral possam saltar para fora de suas cabeças vazias.

O outro lado das profecias de fim de mundo é o comercial, são

literalmente fábricas de dinheiro e já formaram e continuam formando milhares de novos milionários com venda de livros e outras bugigangas relacionadas, como na última previsão do fim do mundo de Harold Camping, onde até mesmo os ateus aproveitaram a babaquice dos crentes para incrementar seus ingressos financeiros, cuidando de animais de estimação dos bobos que seriam arrebatados e outros serviços como aberturas no telhado para o arrebatado não ficar preso no teto na hora “H”.

ACORDA PALERMA! A IGREJA TE ENGANA!

6

JL

1 - Um em cada sete crê num fim do mundo próximo >>>

Uma em cada sete pessoas do planeta acredita que o fim do mundo está próximo e a causa do apocalipse poderia ser a ira de Deus, um desastre natural ou um evento político, segundo os mais temerosos.

natural ou um evento político, segundo os mais temerosos. Os quatro cavaleiros do apocalipse, segundo o

Os quatro cavaleiros do apocalipse, segundo o artista russo Viktor Vasnetsov. Fonte: Wikimedia Commons.

Nas tradições religiosas existe o conceito de escatologia, que faz referência às pseudoteorias apocalípticas religiosas como o milenarismo ou os movimentos apocalípticos e às realidades últimas como morte, juízo final, inferno e glória ou céu e na mitologia popular está presente a hipótese do Fim dos tempos, mas essas “teorias” apocalípticas afetam o ser humano moderno? Uma pesquisa global, realizada online pela consultoria Ipsos com mais 16.000 pessoas de 21 países, revelou que sim:

aproximadamente 14% dos cidadãos do planeta creem

7

atualmente que o fim do mundo está próximo e que irá presenciá- lo. A ciência, por sua parte, afirma que esses medos não têm base nenhuma.

Por outro lado, na mitologia popular, está presente a hipótese do Fim dos tempos, que indica que o fim do mundo será um evento de efeitos destrutivos para a espécie humana. Mas hoje, o que o homem pensa que estes conceitos? A nossa mente racional foi capaz de livrar desses preconceitos e medos, sem qualquer base científica? Em 2006, uma pesquisa realizada pelo SciFi.com revelou que não, ao menos nos Estados Unidos. Seus resultados demostraram que a maioria dos americanos acreditava que algum tipo de catástrofe poria fim à raça humana, e que muitos consideravam que esse evento seria provocado pela ação do homem. Em nível planetário, uma pesquisa recentemente realizada pela consultoria Ipsos Global, revelou que um de cada sete pessoas do mundo crê que o fim definitivo está próximo.

O medo em porcentagens

A pesquisa de Ipsos, encomendada por Reuters News, mostrou que a porcentagem de pessoas de todo o planeta que acredita que o mundo vai acabar em algum momento durante sua vida é de 14%, segundo um comunicado da consultoria. Dentro destes 14%, 4% creem firmemente nesta ideia. Dos demais pesquisados, 86% afirmou estar completamente em desacordo com a proximidade do fim do mundo e 19% se mostrou em dúvida. Por países, 22% dos turcos, 22% dos estadunidenses, 21% dos sul- africanos e 19% dos argentinos, mexicanos e indonésios afirmou crer que o fim do mundo irá acontecer em algum momento de sua vida. Os menos temerosos a este respeito foram os franceses (6%), seguidos dos belgas (7%), dos britânicos (8%) e dos suecos

(11%).

8

Por outro lado, a pesquisa revelou que um de cada 10 pessoas da Terra (10%) crê em algumas interpretações das profecias do calendário Maya, que indicariam que o fim do mundo se produziria em 2012. Sem dúvida, a imensa maioria da humanidade (90%) não crê nestas interpretações. A maior porcentagem de pessoas que considera que as interpretações apocalípticas do calendário maia tenham veracidade se encontra curiosamente na China (20%). Na Turquia, Rússia, México, Coreia do Sul e Japão, a porcentagem neste sentido foi de 13%. Na Espanha, esta porcentagem foi de 10%. Os alemães são os menos temerosos das profecias maias (4%), seguidos dos britânicos, sul-africanos e italianos (7%). Por último, em nível geral, 8% dos pesquisados admitiu ter “sentido ansiedade ou medo porque o mundo acabaria em 2012”, mas a maioria (92%) reconheceu não ter sentido medo por essa razão. Os que possuem maior nível de ansiedade pela proximidade do fim do mundo são os russos (14%), seguidos dos polacos (13%), dos chineses (12%), dos turcos e dos japoneses (ambos com 11%). Os menos temerosos da catástrofe global são os britânicos (4%), seguidos dos alemães, dos australianos e dos canadenses (5%).

As diversas causas do apocalipse

A presente pesquisa Ipsos Global foi realizada através do sistema Ipsos Online Panel, que reúne indivíduos dispostos a tomar parte em investigações online. Os países Argentina, Austrália, Bélgica, Canadá, China, França, Alemanha, Grã-Bretanha, Hungria, Indonésia, Itália, Japão, México, Polônia, Rússia, África do Sul, Coreia do Sul, Espanha, Suécia, Turquia e Estados Unidos. No total, foram pesquisados 16.262 adultos de 21 países, de idades compreendidas entre 16 e 64 anos. As entrevistas ocorreram de 6 a 20 de Março de 2012. Keren Gottfired, gerente de

9

investigação de Ipsos Global Public Affairs, relata que as pessoas que temem a iminência do fim do mundo têm diferentes opiniões sobre suas possíveis causas. Alguns creem que Deus será o causador da catástrofe; enquanto outros esperam que se produza um desastre natural ou um evento político.

que se produza um desastre natural ou um evento político. O que diz a ciência Mas

O que diz a ciência

Mas “qualquer que seja a causa, um de cada sete indivíduos do planeta pensa que o fim do mundo está próximo”, afirma a investigadora em um comunicado da Reuters. “Talvez seja pela atenção dos meios de comunicação às interpretações das profecias Maias, que estabelecem” que o mundo “se acabaria” em 2012 do nosso calendário”, teoriza Gottfired. No entanto, muitos especialistas em cultura maia contradizem essas interpretações. Gottfried acrescenta que as pessoas com niveis de ensino ou níveis mais baixos de renda, bem como os indivíduos com menos de 35 anos, foram os mais propensos a acreditar que seria testemunha do apocalipse em algum momento de sua vida ou em 2012 e também os mais propensos a sentir-se ansioso por este motivo. "Talvez as pessoas mais velhas tenham vivido o suficiente para não se preocupar com o que acontece no futuro", conclui a pesquisadora.

10

Quanto às interpretações sombrias das profecias do calendário Maia, referidas por Gottfried, peritos do Instituto Nacional de Antropologia e História do México informaram no final de 2011, que não são verdadeiras. Segundo eles, “a concepção atual sobre o fim do mundo nasce da cultura judaico-cristã, de modo que quando se começou a decifrar a escrituta maya e se viu que, entre outros aspectos, fazia referências a finais de ciclos, se fez uma interpretação fácil desde a perspectiva do pensamento ocidental, ligando isto a uma visão apocalíptica sobre o fim do mundo”.

Além disso, alguns cientistas têm vindo a público recentemente, para argumentar que não há base científica para apoiar a ideia de um apocalipse iminente. É o caso do investigador da NASA, David Morrison, que criou o website Ask an Astrobiologist (Pergunte a um astrobiólogo) para convencer as pessoas de que seus medos não têm fundamento, ou o caso de E.C. Krupp, diretor do Observatório Griffith de Los Angeles, que declarou na revista Sky & Telescope que o mundo não acabará em 21 de Dezembro de 2012. Em geral, os cientistas insistem em que este tipo de premonições apocalípticas não tem rigor e que tudo que eles fazem é alimentar um fenômeno conhecido como "Cosmophobia" ou medo do cosmos, que ataca as mentes vulneráveis.

11

2 - Como funciona uma profecia? >>>

Baseia-se nas probabilidades e na generalização.

Como fazer com que as pessoas acreditem numa mentira? As religiões têm aplicado esta fórmula desde séculos, como faz agora o comércio online ou telefônico na hora de oferecer seus serviços.

Nas religiões existe a figura do profeta, que nada mais é do que um mentiroso profissional. Este personagem realiza prognósticos (“profecia” é o termo usado por eles para dar uma conotação mais importante e passar a impressão (falsa) de que não pode haver erro em dito prognóstico) sobre eventos futuros que podem ocorrer tanto no futuro próximo como no distante.

A figura do profeta praticamente não existe mais na instituição eclesiástica (exceto nos mórmons, mas eles desistiram de fazer profecias), mas uma figura que se mantém bem ativa é a do “vidente”, “tarólogo” ou “médium”. Pessoas que usando o mentalismo enganam aos mais crédulos ou desesperados, fazendo-os ver que possuem poderes que o resto das pessoas não tem. Estas pessoas, como antigamente, baseiam toda sua parafernália em bases religiosas. O vidente ou “paranormal” é a mesma figura que o “profeta”, só que cada um apela a um deus diferente alegando que é esse deus quem lhe outorga dito “poder”.

A teoria de como realizar prognósticos é muito simples e está baseada nas probabilidades.

Aplicação matemática:

12

1

- Pronóstico

Envias um e-mail para 100.000 pessoas com um prognóstico.

Para 50.000 pessoas lhe envias um prognóstico negativo e às outras 50.000 um positivo.

Nota: Atualmente usamos contas de e-mail, mas pode-se usar também cartas por correio, panfletos deixados em cada casa, sms, etc.

2 - Pronóstico

Quando se produza o resultado, seja negativo ou positivo, voltes a enviar outro e-mail.

Este e-mail envia aos 50.000 com os quais acertaste dito prognostico anterior.

Para 25.000 destes lhes envias um prognóstico negativo e aos outros 25.000 um prognóstico positivo.

3 - Pronóstico

Aos 25.000 com que acertaste voltes a mandar-lhes outro prognóstico.

Para 12.500 envias um prognóstico negativo e aos outros 12.500 um prognóstico positivo.

Nota: Esta operação se pode fazer várias vezes até reduzir o número de pessoas para quem envias o e-mail. Quanto mais operações, menor o número de pessoas, mas pessoas com mais confiança em teus prognósticos.

4 - Oferecimento

Uma vez terminado o prognóstico, essas 12.500 pessoas terão visto como acertastes 3 prognósticos seguidos.

Envias outro e-mail a essas 12.500 oferecendo teus serviços como vidente.

Nota: Uma boa probabilidade é que dessas 12.500, umas 1000 conheçam ou mantenham contato com as pessoas com as quais erraste e a as quais descartastes anteriormente. Isso fará que o número de pessoas que confiem em teus prognósticos caia a umas 11.500 pessoas.

5 - Resultado

Terás entre 11.500 e 12.500 pessoas que terão visto como realizaste 3 prognósticos corretos consecutivos (neste caso) como seguidores.

Estes seguidores farão publicidade indireta para ti como pessoa capacitada a fazer prognósticos e vidências.

6 - Aplicandolo à religião:

A diferença do prognóstico aplicado a clientes é que na religião há vários fatores que fazem com que essa probabilidade se multiplique ou as pessoas restantes confiem ainda mais em teus prognósticos.

O vidente (denominado como profeta) usa como base de seus prognósticos a religião à qual decidiu pertencer ou a que está mais popular socioculturalmente onde vive.

O desespero das pessoas diante das catástrofes e das desgraças é uma boa ajuda para o profeta/vidente.

14

Todos os profetas ou videntes surgem casualmente quando surgem as catástrofes. A maneira mais fácil de ganhar

adeptos é fazer-lhes ver que existe um problema, que terá consequências desagradáveis, mas que possui solução ou resposta.

Catástrofes ou eventos negativos sempre ocorrerão ao homem em qualquer época ou lugar. Jogar com a evidência

e

as probabilidades são o mais eficiente. Um profeta pode

constante movimento. Mesmo que alguém com o mínimo de inteligência saiba disso, sempre existirão ignorantes que aceitem que esta pessoa conhecia o futuro. Ao produzir-se ditos terremotos o crente poderá alegar que tal profeta tinha razão ao dizer que se produziriam muitos terremotos.

O

profeta afirma sempre ser o único meio ou o mais efetivo

para conhecer esse futuro.

7 - O medo é uma boa ferramenta.

O medo humano, unido ao anterior desespero diante das

desgraças ocorridas, é uma ferramenta normalmente usada pelos profetas. Basta dizer que um fim de mundo se aproxima e apresentar uma série de “evidências” ocorridas durante a época atual para fazer a massa crédula e medrosa crer que tudo está se produzindo tal como se disse.

As datas chave são muito comuns para os profetas religiosos.

Números tão sonoros como 3, 4, 7, 10, 12 ou 40 são empregados tanto e para tantos e distintos usos, que só basta narrar uma história com um desses números e essa história adquire

importância e credibilidade.

15

Também as mudanças de época, milênio ou eras, são ferramentas eficazes para os religiosos. Assim como o pânico surgido durante a proximidade de 1999, em 999 ocorreram histeria e pânico coletivos por toda a Europa. Este pânico produziu uma campanha de marketing que causou um aumento de cristianizações justo na véspera de ano novo.

8 - Dar pronósticos generalizados é a solução mais usada.

Na hora de dar prognósticos, a maioria é muito generalizada e ambígua. Assim o vidente se assegura de várias questões:

Os prognósticos podem ser aplicados a qualquer época.

Se não se cumprem com o tempo em sentido literal (o qual seria seu propósito original), os crentes podem alegar que essas profecias podem aplicar-se no sentido simbólico.

Como cada crente tem um conceito diferente de sua religião, dependendo de seu critério e seu intelecto, uns creem nesses prognósticos como simbólicos e outros como literais e futuros. Daí que as “testemunhas de Jeová” tenham predito o fim deste mundo em tantas ocasiões.

Se as profecias não se cumprem literalmente, sempre nos restará o simbolismo.

No caso bíblico, ao não cumprir-se 98% de sua profecias, os crentes optaram por alegar que a bíblia tem um simbolismo oculto, ou como segundo argumento em defesa destas profecias falsas afirmam que, ao não estar explícita a data de quando se cumprirão (algo muito conveniente para os religiosos e típico nas “profecias” religiosas), esses prognósticos ainda podem acontecer no futuro.

16

Também aproveitam qualquer evento atual, tanto faz a época, para afirmar que um desses prognósticos se cumpriu (mesmo que não tenha nada a ver com o significado pretendido por seu profeta originariamente). Eventos que têm se repetido constantemente, mesmo antes do surgimento desta seita cristã: terremotos, catástrofes climáticas e ambientais, guerras, pobreza e fome (esta última tem sido constante durante todas as épocas humanas, mesmo que não afete a todos, mas a maioria das pessoas. Daí também que os crentes sempre sejam os mais pobres e desesperados).

A bíblia contém um grande número de profecias. A maioria delas são genéricas, ambíguas e possuem um caráter catastrófico, mas sempre deixando uma janela aberta: A esperança na salvação, isso se, mediante subscrição à sua religião e à adoração de seu deus em particular (mesmo que o religioso não possa demostrar ao crédulo que esse deus exista, ao partir diretamente de uma afirmação, omite qualquer réplica deste sobre dito assunto).

Outra coisa que ajudou a dar credibilidade aos profetas bíblicos é que estes realizavam profecias depois dos fatos terem acontecido.

9 - Um exemplo no Novo Testamento é Mateus 24:1-2

1 - E, quando Jesus ia saindo do templo, aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo. 2 - Jesus, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada.

Esta seria uma profecia válida, se o autor de Mateus tivesse escrito seu evangelho durante a época na qual o suposto Jesus existiu. Mas acontece que o “evangelho de Mateus” foi escrito

17

entre 75 e 80 DC, quando o templo já tinha sido destruído entre 5 e 10 anos antes.

Obs.: É quase impossível encontrar dois estudiosos que concordem a respeito de qualquer data de escritura de qualquer dos evangelhos. Todo mundo chuta a sua data.

Veja abaixo um exemplo sobre o evangelho de Mateus:

1 - Quando foi escrito o livro de Mateus e quem o escreveu? NINGUÉM SABE.

 

Data chutada, segundo vários estudiosos >>>>>>

DE

A

Peter Ainsile, D.D. A.D. 48 to 69

48

69

Anchor Yale Bible Dictionary Post 70 AD

70

70

An Introduction to the New Testament, D.A. Carson Ph.D. & Douglas J. Moo, Ph.D. shortly prior 70 A.D.

69

69

Apologetics Study Bible, Ted Cabal, Ph.D. Editor

60

69

Baker Encyclopedia of the Bible, Walter A. Elwell, Ph.D.

60

69

Believer's Bible Commentary, William McDonald, Ph.D. Arthur Forstead, Aramaic Edition 45 A.D

45

45

Believer's Study Bible, W.A.Criswell, Ph.D., Editor, prior 70 A.D.

69

69

The Bible Knowledge Commentary, John Walvoord, Ph.D. Roy Zuck, Ph.D. A.D. 50

50

50

Biblical Illustrator, N.T. Archbishop Thomson A.D. 58 to 60

58

60

Craig L. Blomberg, PhD. AD 58 to 65

58

65

Blue Letter Bible, AD 55 to 60

55

60

Raymond Brown, Ph.D. AD 80 to 90, give or take a decade

80

90

F.F. Bruce, Ph.D. shortly after 70 AD

71

71

New Bible Commentary: 21 Century Edition, 80 CE

80

80

Ian D/ Campbell, Ph.D. Prior 70 AD Opening up Matthew

69

69

D.A. Carson, PH.D., before A.D. 70, but not long before

66

69

Larry Chouinard, Ph.D. Likely after AD 70

71

71

W.D. Davies, D.D.

AD 80 to 100

80

100

M. G. Easton M. A., D. D. Probably between AD 60 or 65

60

65

18

James M. Efird, Ph.D. AD 70 to 80, Davies Professor of New Testament and Biblical Greek at Duke University

70

80

English Standard Version Bible, Wayne Gruden Ph.D. AD 50s or 60s

50

60

David A. Fiensy, Ph.D. AD 50 to 55, yet 40 to 60 is possible.

40

60

Joseph A. Fitzmyer, Ph.D. AD 75 to 80. Professor of New Testament at The Catholic University of America, Past President of the Society of Biblical Literature Chair of the Synoptic Studies Division of SBL. Author of the 2 Volume Commentary on Luke in the Anchor Bible Series. A well- known and leading Critical Scholar in New Testament Origins

75

80

R.T. France, PhD. NICNT Sixties

 

60

69

Norman L. Geisler, Ph.D. AD 50 to 55 Author of over 60 books and hundreds of articles. Founder of Southern Evangelical Seminary. In 2009 he co-founded Veritas Evangelical Seminary.

50

55

Robert H. Gundry, Ph.D. A.D. 65 to 70

 

65

70

Donald Guthrie, Ph.D. New Testament Introduction prior to AD 63, yet 50 to 64 is reasonable. President, formerly Vice-Principal and Lecturer in New Testament, The London Bible College

50

64

Gary R. Habermas, Ph.D. A.D. 60

 

60

60

Donald A. Hagner, Ph.D. pre AD 70

 

69

69

William Hendriksen, Ph.D. AD 63-66

 

63

66

A.E. Hill, Ph.D. AD 70 to 85 Professor of Old Testament at Wheaton College, author Guide to Bible Data

70

85

Holman Bible Handbook, David S. Dockery, Ph.D. Editor

58

59

Holman Bible Dictionary, Chad Owen Brand, Ph.D., Charles W. Draper, Ph.D., Archie W. England, Ph.D.

60

95

Nelsen'sStudy Bible H. Wayne House, Th.D. J.D. Editor, A.D. 50 to 60

50

60

R.

Jamieson, A.R. Fausset, and D. Brown, eds. AD 37 to 60,

   

Commentary Critical and Explanatory of the Whole Bible (JFB)

37

60

Howard Clark Kee, Ph.D. AD 75 to 85 Drew University

Professor of New Testament at

75

85

Craig S. Keener, Ph.D. AD 70's, although this date is not certain.

70

80

Werner Georg Kummel, Ph.D. AD 80 to 100 Testament at Marburg, Germany

Late Professor of New

80

100

John MacArthur, PhD, A.D. 50 prior to 70

 

50

69

G.

Maier, Ph.D. pre AD 70

69

69

K.E. Malberg, AD 49 to 51 Bible Overview Chart

 

49

51

19

Bruce Metzger, Ph.D AD 75 to 85 Professor of New Testament at

   

Princeton University, Chair of the Editorial Board for the UBS and Nestle-

Aland Greek New Testament.

Senior Editor for the New Testament of

75

85

the NRSV Translation Team. (Considered THE Dean of Textual-Critical

studies today [since Aland's death])

 

J.P.Moreland, Ph.D. A.D. mid 40's to mid 50's

45

55

Leon Morris, Ph.D. Pillar Commentary, perhaps the late 50s or early 60s.

58

62

Nelson's Complete Book of Bible Charts and Maps A.D. 58 to 68

58

68

Thomas Nelson's KJV Study Bible, Wayne A. Brindle, Th.D. Editor

60

60

Nelson's NKJV Study Bible, Earl D. Radmacher, Th.D. General Editor

50

60

John, J. Owen, DD, LL.D. 30 years after the death and resurrection

63

63

S.L. Peterson, AD 75 Timeline Charts of the Western Church

75

75

John Nolland, Ph.D. Matthew is to be dated before the beginnings of the buildup to the Jewish war. Buildup started AD 66

65

65

The Pulpit Commentary, A.D. 60 to 75

60

75

B.

Reicke, Ph.D. pre A.D. 70

69

69

Reformation Study Bible, R.C. Sproul, Ph.D. General Editor, A.D. 64 to

64

70

70

J.A.T. Robinson, Ph.D. AD 40 to 60

 

40

60

T.

Robinson, AD 85 The Bible Timeline

85

85

Edward P. Sanders, Ph.D. AD 70 to 80 Professor of New Testament and Christian Origins, Duke University (Neither Mark, Matthew, or Luke show ANY sign of knowing of ANY of the events following 90 AD, hence they were written before 90.)

70

80

William Smith, Ph.D. Smith's Bible Dictionary. A.D. 60 to 66

60

66

H.D.M. Spenes, D.D. A.D. 60 to 75

 

60

75

Carsten Peter Thiede, Ph.D. Prior to the mid 60s Director of the Institute for Basic Epistemological Research in Paderborn, Germany

60

63

Edward J. Tinsley, Ph.D. AD 70 to 80 Retired Professor of Greek and New Testament, Cambridge University

63

63

David L. Turner, Ph.D. prior to A.D. 70

69

69

Joseph B. Tyson, Ph.D. AD 80 Professor of New Testament and Christian Origins, Southern Methodist University (Dr. Tyson is one of THE leading scholars in Luke-Acts, and is Chair of the Luke-Acts Division of the Society of Biblical Literature)

80

80

20

Merrill F. Unger, Ph.D., Th.D., Aramaic A.D.40 to 45, Greek A.D. 50

40

45

Robert Utley, D.Min. Possibly A.D. 60 or at least before A.D. 70, Retired Professor of Hermeneutics

60

69

J. Wenham, Ph.D. AD 40

40

40

Edwin Yamauchi, Ph.D. shortly after A.D. 70

71

71

David Young, Ph.D. 70's

70

79

Franklin W. Young, Ph.D. AD 70 to 80 Professor of New Testament at The Episcopal Theological Seminary

70

80

Rev. A. Lukyn Williams, M.A. A.D. 60 to 75

60

75

The Woman's Study Bible, Dorothy Kelley Patterson, Ph.D. General Editor

66

69

Willmington's Bible Handbook, Harold L. Willmington, Ph.D.

65

65

E apesar disso, podemos ver que esta profecia não se cumpriu literalmente, já que ainda hoje podemos ver um dos muros do templo ou mais de cem toneladas de restos arqueológicos tanto do primeiro templo como do segundo.

Sem falar o quanto é contraditório que um templo denominado biblicamente como “a casa de deus”, construído por inspiração ou ordem divina a um de seus eleitos (Salomão das 700 mulheres), pudesse ser totalmente destruído e inclusive que isto tenha sido pregado pelo próprio “filho de deus/deus mesmo” e este não tenha impedido. Um ser onisciente e eterno não teria ordenado edificar tal templo se soubesse que seu destino final seria destruição. Assim como um ser onipotente tampouco teria permitido.

Existe também o exemplo de Isaías no Antigo testamento (Tanak).

Todos os especialistas concordam que este livro foi escrito por várias pessoas durante vários séculos. Os especialistas consideram evidente que a obra foi se formando ao longo de

21

vários séculos, com partes provenientes de tempos e lugares muito diferentes.

Existem diversas hipóteses e muitos críticos, inclusive católicos e protestantes creem que o livro “não foi escrito por um só homem, mas por três. Na falta de nomes melhores, se conhece o primeiro autor como “Proto-Isaías”, o segundo como “Deutero-Isaías” e o terceiro “Trito-Isaías”. Por isso é frequente se referir na bibliografia a “segundo Isaías” ou a “terceiro autor de Isaías”, por exemplo.

Para saber mais sobre este tema específico (das profecias bíblicas escritas depois dos fatos), consultar o capitulo Los profetas:

moralistas fundamentalistas y muy influyentes… aunque sus profecías fueran escritas por otros y una vez ocurridos los hechos «anunciados por Dios»”. Em “Mentiras fundamentales de la iglesia católica” de Pepe Rodríguez.

10 - CONCLUSÃO

Por causa de sua expansão e aceitação sociocultural sem questionamento dos fatos e ao marketing eclesiástico, todas essas profecias foram aceitas como tais, apesar de não terem nenhum cumprimento ou terem sido refutadas ao se estudar objetivamente os escritos.

22

3 - A Grande farsa do Apocalipse

Entre 1500 AEC e 1200 AEC, Zoroastro, na Pérsia, propôs um novo paradigma: o final dos tempos traria um novo mundo, de paz e felicidade. Os judeus plagiaram e adotaram essa visão que inspirou seus diversos "apocalipses", sobretudo os grupos essênios. Começava então a fabricação em massa de apocalipses.

Só para começar, será que a Igreja Católica escolheu o apocalipse verdadeiro para montar a sua Bíblia Sagrada? Você sabe qual destes 45 1 apocalipses é o verdadeiro?

1 - Apocalipses Judeus - Livro I De Enoque: Os Apocalipses Mais Antigos

1 - O Livro dos Vigilantes

2 - Primeiro Livro das viagens celestes de Enoque

3 - Livro do curso dos luminares celestes

4 - Apocalipse das dez semanas do mundo

2 - Ciclo Posterior De Enoque

5 - Livro dos segredos de Enoque

6 - Apocalipse hebraico de Enoque

7 - Apocalipse de Abraão

8 - Apocalipse de Elias

9 - Ascensão de Isaías 10 - Martírio de Isaías

1Texto completo de todos os Apocalipses no livro Los apocalipsis(Jerusalem) (Spanish Edition) Kindle Edition, by Antonio Piñero (Author, Translator).

23

11

- Testamento do rei Ezequias

12 - Visão e ascensão de Isaías

13 - Apocalipse de Sofonias

14 - Livro de Daniel

15 - Apocalipse de Sedrac

16 - Apocalipse de Ezequiel ou Apócrifo de Ezequiel

17 - Primeiro Apocalipse de Baruc (siríaco)

18 - Segundo Apocalipse de Baruc (grego)

19 - Quarto Livro de Esdras

3 - Ciclo Posterior De Esdras

20 - Apocalipse grego de Esdras

21 - Visão do bem-aventurado Esdras

22 - Livro V de Esdras

23 - Livro do profeta Esdras / Livro VI de Esdras

24 - Livro dos Jubileus

4 - Apocalipses Dos Manuscritos Do Mar Morto

25 - Hino (Hodayot) III 26-36

26 - Lei da guerra ou Guerra dos Filhos da Luz contra os Filhos

das trevas (1QM/1Q33)

27 - Testamento de Jó

28 - Testamento de Moisés

29 - Testamento dos Doze Patriarcas

24

30

- Oráculos Sibilinos judaicos e cristãos

31 - Um “apocalipse messiânico” pagão: Égloga IV de Virgílio

5 - Apocalipses Cristãos - Paulo De Tarso E Sua Escola

32 - Primeira Carta aos Tessalonicenses + 1 Coríntios 15,50-58

33 - Segunda Carta aos Tessalonicenses

34 - Evangelho de Marcos 13

35 - Apocalipse de João

36 - Didaché ou Doutrina dos Doze Apóstolos

37 - O Pastor, de Hermas

38 - Apocalipse de Pedro, etíope e grego

39 - Apocalipse de Paulo

40 - Apocalipse de Tomás

6 - Apocalipses Gnósticos Cristãos

41 - Apocalipse de Adão

42 - Apocalipse de Pedro gnóstico

43 - Apocalipse de Paulo

44 - Primeiro Apocalipse de Santiago

45 - Segundo Apocalipse de Santiago

25

de Pedro gnóstico 43 - Apocalipse de Paulo 44 - Primeiro Apocalipse de Santiago 45 -

4 - Datas para o juízo final. Quando cansarão?

Español: >>> English: >>>

É necessário esclarecer que a absoluta falta de coerência e lógica

do “livro sagrado” cristão contribui para gerar enorme confusão e

divisão em infindáveis denominações cristãs devido às interpretações sobre o juízo final, o arrebatamento, o fim do mundo e o milênio. Para algumas correntes milenaristas a sequência de eventos seria mais ou menos assim: O (1) nascimento do anticristo, (2) arrebatamento dos crentes secretamente ou com “alarido” (1 Tss 4:16-17), (3) a tribulação, domínio absoluto do anticristo no mundo, (4) a Segunda vinda de Cristo, Segundo Advento ou Parusia, o retorno de Jesus alguns anos depois com o exército de crentes arrebatados para combater

o anticristo (Armagedom), (5) instituir na terra o milênio (1000

anos governados por Cristo) e presidir o juízo final, (6) a segunda

ressurreição dos mortos (7) no dia do juízo final, (8) o fim do mundo (10) ou não. Mas é fundamental entender que há denominações cristãs para todas as combinações matemáticas possíveis entre estes eventos, tudo graças à confusão e

incoerência da “santa bíblia”, que permite tantas interpretações

quanto jogadas em uma partida de Xadrez

Ou mais!

É aqui onde o cristianismo mostra todo o seu poder de fazer rir

aos incrédulos desde o dia em que saiu da cabeça dos loucos que

o inventaram!

2800 AEC - Um tablete de argila de origem assíria traz inscrita uma lenda que diz que nessa época se observavam sinais de que a Terra se destruiria em pouco tempo. “Nossa Terra está degenerada nesses

nessa época se observavam sinais de que a Terra se destruiria em pouco tempo. “Nossa Ter

26

últimos dias. Há sinais de que o mundo está rapidamente chegando ao fim. Suborno e corrupção são comuns”. Este é um dos primeiros exemplos da percepção da decadência moral da sociedade interpretado como um sinal do fim iminente.

 
 

Fontes:

Isaac Asimov (1979). Libro de los hechos. ISBN 9780517065037

634 AEC - Pensamento apocalíptico dominou muitas culturas antigas, incluindo os romanos. No início da história de Roma, muitos romanos temiam que a cidade fosse destruída no ano 120 de sua fundação. Havia um mito de que 12 águias havia revelado a Rômulo um número místico que representa a vida

 

de

Roma; e alguns antigos romanos sustentaram a

hipótese de que cada águia representava 10 anos.

hipótese de que cada águia representava 10 anos.

O

calendário romano era contado a partir da

fundação de Roma, 1 AUC (ab urbe condita), sendo

753 AC. Assim, 120 AUC é 634 AC.

 

Fontes:

Damian Thompson, The End of Time. University Press of New England, Hanover NH, 1996. La página 19.

 

389 AEC - Alguns romanos pensaram que o número místico revelado a Rômulo, representava o número

389 AEC - Alguns romanos pensaram que o número místico revelado a Rômulo, representava o número

de

dias em um ano, pelo que esperavam que Roma

27

se destruísse

ao

redor de

365 AUC

(Ad Urbe

 

Condita).

 
 

Fontes:

Damian Thompson, The End of Time. University Press of New England, Hanover NH, 1996. p.19.

Século I Jesus (

falso profeta

) disse: “Em verdade

 

vos digo que alguns há, dos que aqui estão, que não provarão a morte até que vejam vir o Filho do homem no seu reino.” (Mateus 16:28) Isto implica que a Segunda Vinda seria no tempo de vida de seus contemporâneos, e de fato, os apóstolos de Jesus esperavam a volta antes do falecimento de sua geração. Nada aconteceu até hoje.

e de fato, os apóstolos de Jesus esperavam a volta antes do falecimento de sua geração.
 

Fonte: PBS Frontline especial! Apocalypse

 

55-160 - Paulo de Tarso (

falso profeta

) afirma que

 

a

segunda vinda (a apocalíptica) acontecerá já,

durante a vida de quem recebeu suas epístolas (cartas), Mas nada aconteceu até hoje.

durante a vida de quem recebeu suas epístolas (cartas), Mas nada aconteceu até hoje.

2

 
 

66-70 - Segundo os essênios, a segunda vinda de seu messias, o “Mestre de Justiça”, teria lugar durante estes mesmo anos. Acredita-se que esta

a segunda vinda de seu messias, o “Mestre de Justiça”, teria lugar durante estes mesmo anos.

seita de ascetas judeus viu a revolta judaica contra

os

romanos em 66 a 70 como a batalha do final dos

tempos.

 
 

Fontes:

 

28

“Apocalipsis”. Public Broadcasting Service. Consultado em 23 de setembro 2011.

 

73-95 Os autores dos evangelhos (

falsos profetas

 

anônimos

)

pregam

o

fim

do

mundo,

usando

profecias generalizadas, (Mateus 24:3-14) para essa mesma época. (Mateus 24:34).

O sumo sacerdote deveria ver a segunda vinda (Mateus 26:62-64) e seus ouvintes não morreriam sem antes ter visto a segunda vinda:

 

Lucas 9:27, Lucas 21:32 (neste versículo o autor de Lucas deixa bem claro).

De fato, o autor de Hebreus afirma que já estava vivendo nesses dias:

Hebreos 1:1-2, 9:26 (Jesus se sacrificou na “consumação dos séculos”), 10:37

Coisa que o autor de Romanos também faz:

 Coisa que o autor de Romanos também faz:
 

Seguido pelo autor de 1 João:

 

1 João 2:18, 28 (advertindo que isto aconteceria logo), 4:3 e esperando viver para o regresso de Jesus (3:2).

O autor de Pedro também afirma que Jesus viria logo:

 
 

O autor de Tiago também escreve a seus leitores que virá logo:

Tiago 5:8

 

O autor de Apocalipse (João?) também crê que isto acontecerá logo:

Apocalipse 1:1, 3, Incluindo aqueles que lhe executaram (1:7).

Tudo isto aconteceria rápido (Apocalipse 3:11, 22:7,12 y 20) porque é necessário que aconteça

logo (Apocalipse 22:6).

NÃO ACONTECEU!

 

29

 

Nota:

Diante das acusações que se fazem sobre

   

essas predições fracassadas (2 Pedro 3:4), o autor opta por dar uma desculpa fácil, mas não menos ridícula (muito conhecida e tergiversada por todos quando precisam dar uma resposta ao fracasso e às contradições das profecias fajutas):

este autor decide responder a seus leitores alegando que um dia para o Senhor é como mil anos. Copiado de Salmos 90:4.

90 O suposto Papa Clemente I prediz que o fim do mundo pode acontecer a qualquer momento.

 
Nota:
Nota:

A lista de Papas que abarca desde o primeiro

século até o século II foi tomada de uma lista de bispos do século II. Ireneu de Lyon (130-202), discípulo de Policarpo de Esmirna (70-155) escreve em “Contra Heresias” (Adversus haereses, ano 180) que Clemente de Roma, um religioso cristão de finais do século I, é o IV Papa depois de Pedro.

haereses, ano 180) que Clemente de Roma, um religioso cristão de finais do século I, é

Não existe documento mais antigo que este (finais do século II), que possa provar dita linha sucessória.

Século II - Um grupo cristão (monatistas) prega o iminente regresso de Cristo e o Apocalipse. Muitos abandonam suas casas (cena que se repete até os dias de hoje, quando aparece algum louco pregando a mesma coisa) para dirigir-se ao lugar onde supostamente se produziria a chegada de Cristo, em uma área do centro da atual Turquia. Além disso, acreditavam que a Nova Jerusalém estaria nesse lugar, Pepuza. (Frigia, fundada no ano 156).

Turquia. Além disso, acreditavam que a Nova Jerusalém estaria nesse lugar, Pepuza . (Frigia, fundada no

247 - O governo romano aumentou dramaticamente sua perseguição aos cristãos neste ano, a tal ponto

30

que muitos cristãos acreditavam que o fim havia chegado.

 
 

Fontes:

 
 

0976035718.

365 - O bispo e escritor francês (além de Santo, Pai

 

e

Doutor da Igreja) Hilario de Poitiers prognostica o

fim do mundo. Este também alegava que último imperador (Constâncio II terceiro filho de Constantino I), que o banira à Frígia, era o anticristo

imperador ( Constâncio II – terceiro filho de Constantino I ) , que o banira à

e

nesse mesmo ano o fim do mundo aconteceria.

Fontes:

 

Boyett, Jason (2005). Pocket Guide to the

   

0976035718.

380 - A seita cristã dos Donatistas, do norte da África, prediz que o fim do mundo ocorreria nesse ano.

380 - A seita cristã dos Donatistas , do norte da África, prediz que o fim

400 - Martin

de Tours, um bispo (e santo)

 

contemporâneo ao anterior, começa em 375 a pregar também o fim do mundo, tendo como limite

esta data.

 
esta data.  

“Não há dúvidas de que o Anticristo já nasceu. Firmemente estabelecido já em seus primeiros anos, depois de alcançar a maturidade conseguirá o poder supremo”.

 

Fontes:

 

31

 

Lázaro, William P; Sullivan, Mark (2008). Religión Comparativa para Dummies. John Wiley & Sons. p. 237. ISBN 978-

 

0470230657.

 

Richard Abanes, Tiempo Final Visiones. Four Walls Ocho Windows, Nueva York, 1998. Página 119.

500 - O teólogo romano Sexto Júlio Africano (160- 240) afirmou que o final ocorreria 6.000 anos depois da criação. Supõe-se que se passaram 5.531 anos entre a criação e a ressurreição, portanto se esperava que a segunda vinda ocorresse o mais tardar no ano 500.

 

Hipólito de Roma (morto em 236), Também tinha a crença de que Cristo voltaria 6.000 anos depois da “criação”, pregava para antes do ano 500.

O

teólogo Ireneu de Lyon, influenciado pelos escritos

O teólogo Ireneu de Lyon , influenciado pelos escritos

de Hippolytus (Hipólito), também confirmou a

segunda vinda para antes do ano 500.

 
Nota:
Nota:

Em

525,

o

(Enano)

estabelece a data do nascimento de cristo baseando-se em cálculos bíblicos próprios. Dionísio concluiu que a data de nascimento do messias neotestamentario foi em 753 A.U.C. (525 anos antes).

 

Esta data baseada em suposições errôneas passaria

ser a oficial e a hoje conhecida pelo cristianismo moderno.

a

 

Fontes:

 

32

 

Boyett, Jason (2005). Guía de Bolsillo para el Apocalipsis: El Manual de Campo del Oficial para el fin del mundo . p. 31. ISBN 978-

 
 

590

- A peste que assola Roma faz o Papa pensar

590 - A peste que assola Roma faz o Papa pensar

(Gregorio Magno) no fim dos tempos. Este afirma em uma carta a um monarca (Ethelberto de Kent), que “o fim dos tempos está próximo”.

6 de Abril de 793 - O monge espanhol Beato de Liébana profetizou a segunda chegada de Cristo e o fim do mundo nesta data. O povo, crendo que o mundo chegaria a seu fim, jejuou durante a noite. Na manhã seguinte, Hordonio, um dos ajudantes, disse:

 

Comamos e bebamos, já que se morrermos, ao menos estaremos alimentados.”

“ Comamos e bebamos, já que se morrermos, ao menos estaremos alimentados .”
 

Fontes:

Boyett, Jason (2005). Guía de Bolsillo para el Apocalipsis: El Manual de Campo del Oficial para el fin del mundo . p. 31.

 

799-806 - Gregório de Tours calcula o fim do mundo entre estas duas datas.

799-806 - Gregório de Tours calcula o fim do mundo entre estas duas datas.

800

- Sexto Júlio Africano revisou a data do dia do

800 - Sexto Júlio Africano revisou a data do dia do

juízo final do ano 500, para o ano 800. (Abanes

p.168).

 

33

847

- A profetiza cristã alemã, Thiota, declarou que

847 - A profetiza cristã alemã, Thiota , declarou que

o

mundo acabaria nesse ano. (Abanes p.337).

969

- Um eclipse foi interpretado como um prelúdio

969 - Um eclipse foi interpretado como um prelúdio

para o fim do mundo, pelo exército do imperador alemão Otón III.

970

- Os cristãos espalham uma nova profecia, mas

970 - Os cristãos espalham uma nova profecia, mas

ao não acontecer nenhuma catástrofe, prorrogaram

data da catástrofe para 1033, mil anos depois da suposta morte do suposto Cristo.

a

992-995 - A Sexta-feira Santa coincidiu com a Festa

 

da

Anunciação, o que tinha originado durante muito

da Anunciação, o que tinha originado durante muito

tempo a crença de que nesses anos ocorreria o evento que daria luz ao Anticristo, e, portanto, o fim dos tempos em menos de três anos. (Weber p.50-

51).

 

992

- Bernardo da Turíngia fixou o fim do mundo

992 - Bernardo da Turíngia fixou o fim do mundo

precisamente no ano 992. Muitos na Europa acreditavam na profecia, de modo que fugiram para as montanhas próximas acreditando encontrar a salvação, mas nada aconteceu.

999

- Este ano é notório por ser um dos que mais

 

grupos histéricos esperavam o retorno de Cristo. Durante os últimos meses de 999, os amorosos cristãos fizeram várias guerras contra os pagãos do

norte da Europa para "convertê-los" antes do

norte da Europa para "convertê-los" antes do

"vegunda vinda". As pessoas começaram a vender suas propriedades e s dá-las aos pobres e à Igreja, milhares de peregrinos começaram a chegar a Jerusalém, as plantações foram negligenciadas, etc.

O

1000 chegou e nada aconteceu. A igreja, claro,

 

não devolveu as propriedades, afinal ela enriqueceu

dessa forma.

34

1000

Em 1º de Janeiro deste mesmo ano, vários

 

cristãos na Europa haviam predito o fim do mundo

nesta data, incluindo o Papa Silvestre II.

 

Em Maio, o corpo de Carlos Magno foi desenterrado no dia de Pentecostes. Existia uma lenda que afirmava que um imperador se levantaria de seu sono para lutar contra o anticristo. Os cristãos daquela época pensaram que esse guerreiro seria o próprio Carlos Magno.

para lutar contra o anticristo. Os cristãos daquela época pensaram que esse guerreiro seria o próprio

Fontes:

 

Boyett, Jason (2005). Guía de Bolsillo para el Apocalipsis: El Manual de Campo del Oficial para el fin del mundo . p. 32

 

Error final de las predicciones de la palabra 30-1920 CE” . www.religioustolerance.org.

1005-1006 - Uma fome terrível por toda a Europa foi vista por muitos cristãos, como um sinal da proximidade do fim do mundo.

- Uma fome terrível por toda a Europa foi vista por muitos cristãos, como um sinal

Fontes:

1033

- Os cristãos influenciados por uma profecia

 

anterior esperavam o fim do mundo acreditando que este aconteceria 1000 anos depois da morte de

Jesus.

Jesus.
Nota:
Nota:

Estes

desconheciam

que

o

suposto

nascimento deste personagem foi estabelecido no ano 525 pelo monge Dionísio, o Exíguo, (veja nota no ano 500)

Fontes:

 

35

 

Boyett, Jason (2005). Guía de Bolsillo para el Apocalipsis: El Manual de Campo del Oficial para el fin del mundo . p. 31.

 

1184 - Vários profetas cristãos previram a vinda do Anticristo em 1184. (Abanes p.338).

1184 - Vários profetas cristãos previram a vinda do Anticristo em 1184. (Abanes p.338).

23

de Setembro de 1186 - A “Carta de Toledo“,

 

escrita pelo cisterciense inglês João de Toledo, depois de calcular que um alinhamento planetário que ocorreria em Libra em 23 de setembro de 1186 (calendário juliano), (Giovanni da Toledo, John de

Tollet ou Johannes, abade e cardeal, além de participante na eleição papal de 1268 como papa nº

71

- estudou medicina em Toledo. Astrólogo, mago

71 - estudou medicina em Toledo. Astrólogo, mago

e médico, tornou-se médico-chefe do Papa Inocêncio IV (1243-1254)) advertia o povo para esconder-se nas cavernas e nas montanhas. O mundo seria destruído e somente uns poucos se

salvariam.

 

16 de Setembro, o poeta persa Anwari, determinou esta data como o dia final, depois de alguns estudos astrológicos que prediziam para essa data o agrupamento de cinco planetas na constelação de Libra. Como sempre, não aconteceu nada.

1200-1260 O italiano Joaquin de Fiore determinou que o Milênio começaria entre 1200 e 1260. (Kyle

1200-1260 – O italiano Joaquin de Fiore determinou que o Milênio começaria entre 1200 e 1260.

p.48).

36

1284 - O Papa Inocêncio III predisse que o mundo chegaria a seu fim 666 anos a partir do surgimento do Islã. (610 632).

 

Fontes:

 Fontes:

Lázaro, William P; Sullivan, Mark (2008). Religión Comparativa para Dummies. John Wiley & Sons. p. 237. ISBN 978-

0470230657.

 

1260-1290 - Os seguidores de Joaquin de Fiore (Joachites) mudaram a data do fim do mundo para 1290, após o fracasso de sua profecia de

 

1200/1260.

após o fracasso de sua profecia de   1200/1260.  Fonte:  Tom McIver, El Fin
após o fracasso de sua profecia de   1200/1260.  Fonte:  Tom McIver, El Fin

Fonte:

Tom McIver, El Fin del Mundo: una bibliografía comentada. McFarlane & Co, Jefferson Carolina del Norte, 1999. # 58.

37

1306

- Em 1147, Gerardo de Poehlde, crendo que o

 

Milênio de Cristo começou quando o imperador Constantino chegou ao poder, pensou que Satanás

Milênio de Cristo começou quando o imperador Constantino chegou ao poder, pensou que Satanás

estaria solto por um período de mil anos e destruiria

Igreja. Já que Constantino chegou ao poder em 306, o final do Milênio seria em 1306.

a

1335 - Outra data do fim do mundo Joaquinista. Neste caso, a segunda revisão de Joaquin de Fiore (1260-fail 1290-fail e 1335-fail).

data do fim do mundo Joaquinista. Neste caso, a segunda revisão de Joaquin de Fiore (1260-fail
 

Fonte:

Tom McIver, El Fin del Mundo: una bibliografía comentada. McFarlane & Co, Jefferson Carolina del Norte, 1999. # 58.

1346

- Novamente outra peste, neste caso a peste

 

bubônica (peste negra), é considerada o inicio do

fim dos tempos.

 
fim dos tempos.  
 

Fonte:

Boyett, Jason (2005). Guía de Bolsillo para el Apocalipsis: El Manual de Campo del Oficial para el fin del mundo . p.33.

1367

- O Checo arcediano (ou archidiácono) Militz

 

de Kromeriz afirmava que o “Anticristo” estava vivo

e

se manifestaria em 1366, dando inicio ao novo

milênio entre 1363 e 1367, marcando essas datas

milênio entre 1363 e 1367, marcando essas datas

como o fim.

 
 

Fonte:

Weber,

Eugen

Apocalipsis.

Harvard

 

University

Press,

Cambridge

MA,

1999.

 

página 55.

38

1370

- O milênio começaria no ano de 1368 ou de

 

1370, segundo a previsão de Jean de Roquetaillade, um asceta francês. O Anticristo, segundo ele (como

disse Militz) viria em 1366.

 
disse Militz) viria em 1366.  

Fonte:

Eugen

Weber,

Apocalipsis.

Harvard

University

Press,

Cambridge

MA,

1999.

 

página 55.

1378

- Arnaldo de Vilanova, Joaquinista, escreveu

 

em sua obra “De Tempore Adventu Antichristi” que

o Anticristo viria em 1378.

 
o Anticristo viria em 1378.  

Fonte:

 

Tom McIver, El Fin del Mundo: una bibliografía comentada. McFarlane & Co., Jefferson Carolina del Norte, 1999. # 62.

14 de Fevereiro 1420 - O profeta Martinek Hausha (Martin Huska), do movimento radical dos taboritas, advertiu que o mundo se acabaria em Fevereiro de 1420, 14 de Fevereiro no máximo. Os taboritas eram um ramo cristão do movimento dos husitas da Bohemia (Checoslováquia). Estes predizem que cada cidade será aniquilada por fogo. Somente cinco fortalezas nas montanhas se salvariam.

Estes predizem que cada cidade será aniquilada por fogo. Somente cinco fortalezas nas montanhas se salvariam.

1496

- Este é o começo do milênio, segundo alguns

1496 - Este é o começo do milênio, segundo alguns

místicos do século XV.

 

1504

- O artista italiano Sandro Botticelli escreveu

 

uma lenda em grego, em sua pintura a Natividade mística, na qual falava do final dos tempos. Ao que parece, pensou que estava vivendo durante a tribulação e que o Milênio começaria em três anos e meio depois de 1500, o que é compreensível, já que

durante a tribulação e que o Milênio começaria em três anos e meio depois de 1500,

39

se sabe ele foi um seguidor de Girolamo Savonarola (pregador dominicano).

 
 

Fonte:

Weber,

Eugen

Apocalipsis.

Harvard

University

Press,

Cambridge

MA,

1999.

Página 60.

01

de fevereiro 1524 (c. Juliano) - Uma série de

 

astrólogos espalhando predições do fim do mundo faz com que mais de vinte mil habitantes da cidade de Londres abandonem suas casas para buscar refugio nas montanhas. Segundo eles o mundo se acabaria por uma inundação começando por Londres. Isto estava baseado nos cálculos que

realizaram em Junho do ano anterior.

 
realizaram em Junho do ano anterior.  

20

de Fevereiro - c. Juliano - Um alinhamento

planetário em Peixes foi visto como um sinal do Milênio para o astrólogo Johannes Stoeffler. O mundo ia ser destruído por uma inundação nesta

data. Peixes é um signo de água.

   
 

Fontes:

James Randi, La Máscara de Nostradamus. Prometheus Books, Amherst NY, 1993. Páginas 236-237.

1525 - Thomas Muntzer, um pregador anabatista e líder alemão de campesinos, anunciou que o regresso de Cristo aconteceria no futuro próximo, já que, segundo ele, estavam vivendo no “fim de todas as idades”. A esperar até trouxe um confronto com as tropas do governo. Muntzer disse afastaria as bolas dos conhões das tropas do governo com as mangas de sua camisa, como Deus havia lhe prometido. Como era de se esperar, Müntzer e seus

das tropas do governo com as mangas de sua camisa, como Deus havia lhe prometido. Como

40

seguidores foram demolidos pelas armas das autoridades. O fim realmente chegou para eles.

 

Fonte:

 

Stephen Jay Gould, el cuestionamiento del Milenio. Armonía Books, Nueva York, 1997. página 48.

1528 - Stoeffler recalculou o dia do juízo final para o ano de 1528, depois que sua predição de 1524 falhara.

 

27 de Maio - O Reformador Hans Hut predisse que o fim seria no dia de Pentecostes (27 de maio, calendário Juliano).

Nota:
Nota:

Até 1582, quando o Papa Gregório

XIII

Nota: Até 1582, quando o Papa Gregório XIII

introduz o Calendário Gregoriano, o que se usava (o único que havia) era o Juliano.

Fontes:

 

James Randi, La Máscara de Nostradamus. Prometheus Books, Amherst NY, 1993. Página 238.

 

Eugen Weber, Apocalipsis. Harvard University Press, Cambridge MA, 1999. Página 67.

1532 - Friedrich Nausea (Grau), bispo de Viena, estava seguro de que o mundo se acabaria em 1532, depois de escutar informes de estranhos eventos, incluindo cruzes ensanguentadas que apareceram no céu junto a um cometa.

depois de escutar informes de estranhos eventos, incluindo cruzes ensanguentadas que apareceram no céu junto a

De acordo com os cálculos do pastor luterano e matemático Michael Stifelius, o livro do Apocalipse

41

indicava 18 de outubro de 1532, às 8 horas, a data exata do fim do mundo. Existem duas interpretações do fim do mundo fornecidas por Stifelius para o ano de 1532. A primeira foi baseada em uma complexa interpretação numerológica dos livros de Daniel e

 

Apocalipse, mas não deu detalhes. A segunda foi resultado de um cálculo feito sobre a inscrição INRI da cruz, transformando-a em algarismos romanos:

IESVS NAZARENVS REX IVDAEORVM = I + V + V +

X + I + V + D + V + M = 1 5 5 10 1 5 5 500 1000

= 1532. Bingo!

E

Fail! Mas ele não desistiu

1533

- O profeta anabatista Melchior Hoffmann fez

 

duas previsões para o fim do mundo, na primeira o mundo seria devastado por um grande incêndio escapando apenas a cidade de Estrasburgo e só 144.000 pessoas se salvariam. Na segunda, Cristo

por um grande incêndio escapando apenas a cidade de Estrasburgo e só 144.000 pessoas se salvariam.

voltaria e começaria uma nova era e a Nova Jerusalém seriam em Estrasburgo.

Michael Stifelius após o fracasso da primeira previsão (e sua prisão) remarcou para 3 de Outubro de 1533 às 10 horas da manhã, mas ninguém deu

crédito

E não deu de novo!

 

1534

- Jan Matthys (convertido ao anabatismo por

 

Melchior Hoffmann) ocupa a cidade de Munster. A cidade seria a única que sobreviveria à destruição apocalíptica que, segundo ele, teria lugar no dia de Páscoa (5 de abril, calendário Juliano). Os

à destruição apocalíptica que, segundo ele, teria lugar no dia de Páscoa (5 de abril, calendário

habitantes de Munster, perseguidos por Matthys e seus homens, se reagruparam e sitiaram a cidade. Passado o ano o saldo foi de muitas pessoas mortas, nenhum fim do mundo e nada de retorno de Cristo.

1537

- O Astrólogo francês Pierre Turrel predisse

1537 - O Astrólogo francês Pierre Turrel predisse

quatro possíveis datas para o fim do mundo, utilizando quatro métodos de cálculo diferentes. As datas foram 1537, 1544, 1801 e 1814. Quando as

42

duas primeiras falharam, ele fez as duas seguintes, se garantindo, com um tempo bem longo, de que não estaria vivo para ver mais dois fracassos.

 

1544

Segundo cálculo Pierre Turrel, dia do Juízo

1544 – Segundo cálculo Pierre Turrel, dia do Juízo

Final (# 2). (Randi p. 239).

1550-1560 - Os homens da Quinta Monarquia sustentavam que Cristo voltaria e instalaria uma Teocracia. Armaram-se e tentaram ocupar a Inglaterra pelas armas. O movimento falhou e a monarquia foi reestabelecida em 1660.

2

falhou e a monarquia foi reestabelecida em 1660. 2 1555 – Ao redor de 1400, o

1555

Ao redor de 1400, o teólogo francês Pierre

 

d’Ailly escreveu que haviam passado 6845 anos de história da humanidade, por conseguinte o fim do mundo seria no ano 7000. Suas obras influenciaram no pensamento apocalíptico de Christopher Columbus.

o fim do mundo seria no ano 7000. Suas obras influenciaram no pensamento apocalíptico de Christopher

1556 Circulava o rumor de que o mundo se acabaria no dia de Madalena, segundo registrado pelo suíço estudante de medicina Felix Platter.

de que o mundo se acabaria no dia de Madalena, segundo registrado pelo suíço estudante de

28 de abril 1583 - A Segunda Vinda de Cristo seria ao Meio-dia, segundo o astrólogo Richard Harvey. Esta foi a data de una conjunção de Júpiter e Saturno. Numerosos astrólogos em Londres predisseram que o mundo se acabaria em 28 de abril desse ano. (P.27 Skinner, Weber p.93).

Numerosos astrólogos em Londres predisseram que o mundo se acabaria em 28 de abril desse ano.

1584

- Cipriano Leowitz, um astrólogo, predisse que

1584 - Cipriano Leowitz , um astrólogo, predisse que

o fim ocorreria este ano.

43

1588

Ano do

fim do mundo

segundo o sábio

 
sábio   Johann Müller (alias Regiomontano ) . 1600 - Martinho Lutero acreditava que o fim
sábio   Johann Müller (alias Regiomontano ) . 1600 - Martinho Lutero acreditava que o fim

1600

- Martinho Lutero acreditava que o fim se

1600 - Martinho Lutero acreditava que o fim se

produziria o mais tardar em 1600.

 

1603

- O Monge dominicano Tomasso Campanella

1603 - O Monge dominicano Tomasso Campanella

escreveu que o Sol poderia chocar-se com a Terra

no ano de 1603. (Weber p.83).

 

1614

- Cipriano Leowitz corrigiu a data para este

1614 - Cipriano Leowitz corrigiu a data para este

ano. Não deu certo de novo!

 

1623

- Eustáquio Poyssel utilizou a numerologia

1623 - Eustáquio Poyssel utilizou a numerologia

para definir 1623 como o ano do fim do mundo. (McIver # 125).

01 de fevereiro de 1624 - Os mesmos astrólogos que predisseram o dilúvio de 1º de Fevereiro de 1524, voltam a recalcular a data para 1º de Fevereiro 1624, assim que a primeira profecia falhou. (Randi

de Fevereiro de 1524, voltam a recalcular a data para 1º de Fevereiro 1624, assim que

p.236-237).

 

1648 - Usando a kabbalah, Sabbatai Zevi, um rabino de Esmirna, calculou que o messias viria neste ano, acompanhado de milagres. O messias, obviamente, seria ele próprio! (P.239 Randi, Festinger).

o messias viria neste ano, acompanhado de milagres. O messias, obviamente, seria ele próprio! (P.239 Randi,

44

1654

- O médico Helisaeus Roeslin da Alsácia baseou

1654 - O médico Helisaeus Roeslin da Alsácia baseou

sua previsão em uma nova, feita em 1572, previu o fim do mundo para 1654 com uma labareda de fogo.

(Randi p.240).

1656

Acreditava-se que esta seria uma possível

1656 – Acreditava-se que esta seria uma possível

data para o fim do mundo, pois é o número de anos

entre a criação e o dilúvio.

1657

- A batalha apocalíptica final e a destruição do

 

anticristo aconteceriam entre 1655 e 1657, segundo os homens da Quinta Monarquia, um grupo radical dos milenaristas Ingleses, que tentou tomar o controle do Parlamento para impor sua agenda extremista teocrática no país. Após uma série de golpes fracassados e assassinatos, desapareceram

impor sua agenda extremista teocrática no país. Após uma série de golpes fracassados e assassinatos, desapareceram

em 1661. (Kyle p.67).

1658

- Em seu livro das profecias, Cristóbal Colón

1658 - Em seu livro das profecias, Cristóbal Colón

afirmou que o mundo foi criado em 5343 AEC, e que duraria 7000 anos. Supondo que não há ano zero, significa que o fim chegaria em 1658. Colón foi influenciado por Pierre d’Ailly.

1660

- Joseph Mede, cujos escritos influenciaram

1660 - Joseph Mede , cujos escritos influenciaram

James Ussher e Isaac Newton, afirmava que o Anticristo apareceu em 456 e que o fim do mundo seria em 1660. (McIver # 147).

1666

- Dado que esta data é 1000 (Milênio) + 666

 

(número da Besta) e seguido de um período de guerras e conflitos na Inglaterra, os londrinenses temiam que 1666 fosse o fim do mundo. O Grande Incêndio de Londres em 1666 não ajudou a aliviar

os londrinenses temiam que 1666 fosse o fim do mundo. O Grande Incêndio de Londres em

esses temores. (Schwartz, p.87, Kyle p.67-68)

Sabbatai Zevi calculou a vinda do Messias para 1666. Apesar de suas profecias não cumpridas, havia acumulado um grande número de seguidores.

45

Mais tarde foi preso por provocar distúrbios e lhe deram a opção de converter-se ao Islã ou a execução. Homem pragmático que foi, sabiamente escolheu a conversão. (Festinger).

 

1673

- O diácono William Aspinwall, um líder do

1673 - O diácono William Aspinwall , um líder do

movimento da Quinta Monarquia, disse que o Milênio começaria neste ano. (P.209 Abanes, McIver #

174).

1688

- Cálculo do juízo final de John Napier (# 1),

1688 - Cálculo do juízo final de John Napier (# 1),

baseado no livro do Apocalipse. Napier foi o matemático que descobriu os logaritmos. (Weber

p.92).

 

1689 - Benjamin Keach, pregador batista de Londres, (e criador do catecismo Keach) prediz um

1689 - Benjamin Keach , pregador batista de Londres, (e criador do catecismo Keach) prediz um

fim

de mundo para esta data.

 

O

profeta

protestante

também

predisse que o dia do juízo seria em 1689.

 

1694

- Reitor anglicano John Mason calcula esta

1694 - Reitor anglicano John Mason calcula esta

data como o começo do Milênio. (Kyle p.72).

 

Este ano seria o começo do milênio, segundo predisse o teólogo calvinista alemão Johann Alsted.

1694

- A partir de estudos de teologia e astrologia,

 

o

profeta alemão Johann Jacob Zimmerman

determinou que o mundo acabaria no outono de 1694. Zimmerman reuniu um grupo de peregrinos e

determinou que o mundo acabaria no outono de 1694. Zimmerman reuniu um grupo de peregrinos e

fez

planos de ir à América para receber Jesus na

Terra. No entanto, ele morreu em fevereiro do mesmo ano, no dia da partida. Johannes Kelpius assumiu a liderança do culto, que era conhecida como a mulher do deserto, e completou sua viagem ao Novo Mundo. O outono veio e se foi e os devotos estavam profundamente desapontados por terem

46

viajado por todo o Atlântico para ficarem esperando

 

o

que nunca veio.

1697

- Este seria o começo do milênio, de acordo

 

com o reitor anglicano Thomas Beverly.

com o reitor anglicano Thomas Beverly.

O

famoso caçador de bruxas Cotton Mather, ministro

protestante puritano, quando não estava caçando bruxas, ele estava ocupado predizendo o fim do mundo para 1697. Depois que sua previsão falhou, revisou a data mais duas vezes.

1700

O ano do fim do mundo, segundo alguns

 

protestantes puritanos.

 

Cálculo do juízo final de John Napier (# 2), baseado no livro de Daniel.

   Cálculo do juízo final de John Napier (# 2), baseado no livro de Daniel.

Data da segunda vinda de Jesus, segundo Henry Archer, um homem da Quinta Monarquia. Archer fez esta predição em seu livro de 1642: “O Reino pessoal de Cristo na Terra”.

1705

- O fim, segundo alguns profetas Camisards.

 

Camisards eram protestantes calvinistas franceses (huguenote) da região de Cevenas, no centro-sul da França, que levantaram uma insurreição contra as perseguições que se seguiram após o Édito de Fontainebleau em 1685. A revolta dos Camisards eclodiu em 1702, com o pior dos combates em 1704, houve batalhas dispersas até 1710 e um tratado de paz em 1715. (McIver # 158).

em 1702, com o pior dos combates em 1704, houve batalhas dispersas até 1710 e um

1706

- O fim, segundo alguns profetas Camisards.

1706 - O fim, segundo alguns profetas Camisards .

47

1708

- O fim, segundo alguns profetas Camisards.

1708 - O fim, segundo alguns profetas Camisards .

1716

- Fim do mundo, segundo Cotton Mather.

1716 - Fim do mundo, segundo Cotton Mather .

Predição # 2.

5

de Abril de 1719 - O regresso de um cometa que

 

ia acabar com a Terra, disse Jacques Bernoulli, o

ia acabar com a Terra, disse Jacques Bernoulli , o

primeiro matemático a desenvolver o cálculo infinitesimal para além do que fora feito por Newton

e

Leibniz, aplicando-o a novos problemas

Mas a

matemática não ajudou muito na profecia.

 

1734

O fim do mundo estava por vir entre 1700 e

1734 – O fim do mundo estava por vir entre 1700 e

1734, predisse o cardeal Nicolás de Cusa (Século XV). (P.82 Weber, McIver # 73).

1736

- Fim do mundo, segundo Cotton Mather.

 

Predição #3. (Ele continua tentando).

William Whitson (professor de Newton), matemático

William Whitson (professor de Newton), matemático

e

teólogo, previu inundações para Londres, o que

levou muitos londrinos a se reunirem em barcos no Tâmisa em 13 de Outubro. Misturar matemática com

teologia dá nisso: mico certo.

 

1757 - Em uma visão, anjos supostamente informados (mal informados) anunciaram ao místico Emanuel Swedenborg que o mundo se acabaria em 1757. Alguns o levaram a sério.

(mal informados) anunciaram ao místico Emanuel Swedenborg que o mundo se acabaria em 1757. Alguns o

de Abril 1761 - O religioso extremista William Bell afirmou que o mundo seria destruído por um terremoto neste ano. Como havia ocorrido um terremoto em 8 de Fevereiro e outro em 8 de Março, raciocinou que o mundo devia terminar em 28 dias

5

havia ocorrido um terremoto em 8 de Fevereiro e outro em 8 de Março, raciocinou que

48

(5 de Abril). Mais uma vez os londrinos se reuniram em botes no Tâmisa e nas colinas. Quando sua predição não se realizou, foi imediatamente jogado no famoso manicômio de Londres, onde todos os profetas deveriam estar: no hospício. (Randi p.241).

 

28 de Fevereiro de 1763 - Devoto metodista George Bell previu o fim do mundo nesta data. (Weber

28 de Fevereiro de 1763 - Devoto metodista George Bell previu o fim do mundo nesta

p.102).

 

19 de maio 1780 Nesse dia na Inglaterra, misteriosamente escureceu o céu por várias horas durante a tarde, fazendo as pessoas acreditar que a profecia bíblica se tornou realidade e que o dia do juízo havia chegado. Na realidade, a escuridão foi causada pela fumaça de incêndios florestais em grande escala no oeste. (Abanes p.217).

Na realidade, a escuridão foi causada pela fumaça de incêndios florestais em grande escala no oeste.

1789

Ano da vinda do Anticristo, de acordo com o

1789 – Ano da vinda do Anticristo, de acordo com o

cardeal Pierre d’Ailly (Século XIV).

 

1790

Ano da Segunda Vinda de Jesus, segundo o

1790 – Ano da Segunda Vinda de Jesus, segundo o

orador irlandês Francis Dobbs. (Schwartz p.181).

1792

-

O

fim

do

mundo segundo os

1792 - O fim do mundo segundo os Shakers .

(Abanes p.338).

 

1794

-

O

fim

do

mundo segundo os

 

(Abanes p.338).

 
(Abanes p.338).  

Charles Wesley, irmão do fundador da Igreja Metodista, John Wesley, pregou que o fim do mundo seria em 1794. (Fonte: Consultores de Ontário sobre a Tolerância Religiosa).

49

1795

- O Milenio iria começar entre 1793 e 1795,

 

disse marinheiro inglês aposentado Richard Brothers, que se alegava “O Sobrinho do Deus Todo- Poderoso”. Ele estava convencido de que ia levar as dez tribos perdidas de Israel (os britânicos

israelenses) de volta para a terra de Canaã e uma vez disse que Deus lhe disse que iria tornar-se rei

da

Inglaterra. Proclamou ser o príncipe dos hebreus,

descendente literal da Casa bíblica de Davi e sobrinho do Todo-Poderoso e que reinaria sobre Israel até a volta de Jesus Cristo. Declarou que ele iria conseguir tudo isso usando uma vara que tinha formado a partir de uma roseira selvagem e que faria com que ele fizesse milagres como Moisés tinha feito. Finalmente, ele foi levado para um manicômio.

selvagem e que faria com que ele fizesse milagres como Moisés tinha feito. Finalmente, ele foi

(Kyle p.73, McIver # 301). Um doido dos melhores!

19 de novembro de 1795 - Nathaniel Brassey Halhead, orientalista e filólogo genial, seguidor temporário do doido Richard Brothers (perdeu sua vaga Câmara dos Comuns do Parlamento de Lymington, Hants por defendê-lo), proclamou que o mundo se acabaria em 19 de novembro. (McIver #

310).

1801

- Cálculo do fim do mundo de Pierre Turrel

1801 - Cálculo do fim do mundo de Pierre Turrel

(tentativa # 3) (Ver 1537). (Randi p. 239).

1805 - O mundo acabaria destruído por um terremoto em 1805, seguido de uma era de paz

 

eterna, na qual todos conheceriam a Deus, segundo

eterna, na qual todos conheceriam a Deus, segundo

o

anunciado pelo pregador galês protestante e

defensor do presbiterianismo no tempo da Guerra Civil Inglês, Christopher Love. Finalmente perdeu a cabeça, literalmente (foi executado por traição). (Schwartz p.101).

50

25

de Dezembro de 1814 - Cálculo do fim do mundo

 

de Pierre Turrel (tentativa # 4) (Ver 1537).

Jesus nasceria de novo no dia de Natal, de acordo com a profeta virgem, Joanna Southcott de 64 anos de idade, que disse estar grávida do menino Jesus. Testemunhas disseram que parecia estar grávida. Morreu provavelmente no dia de Natal, uma autópsia posterior demonstrou que não estava grávida. A data oficial da morte é dada como 27 de Dezembro de 1814, no entanto, é provável que ela tenha morrido no dia anterior, como seus seguidores mantiveram seu corpo por algum tempo, na crença de que ela seria ressuscitada dos mortos. Eles concordaram com seu enterro depois que começou a se decompor. (Skinner p.109).

seria ressuscitada dos mortos. Eles concordaram com seu enterro só depois que começou a se decompor.

14

de outubro de 1820 - Southcott seguidor de John

14 de outubro de 1820 - Southcott seguidor de John

Turner, afirmou que o mundo chegaria ao fim em 14 de Outubro deste ano. (Randi p.241-242).

 

1832

O começo do Milênio, segundo Juan Dilks.

  1832 – O começo do Milênio, segundo Juan Dilks.

(Weber p.176).

1836 O fundador da Igreja Metodista, John Wesley, previa o começo do Milênio neste ano. Seu irmão já tinha previsto para 1794. Profecias furadas parecia ser o negócio da família. (McIver # 269).

neste ano. Seu irmão já tinha previsto para 1794. Profecias furadas parecia ser o negócio da
 

1843

- A predição do adventista Harriet Livermore

 

(Parusia # 1). (McIver # 699).

(Parusia # 1). (McIver # 699).

28 de abril de 1843 - Mesmo que esta data não tenha sido aprovada oficialmente pela liderança milerista, era uma crença popular entre os

51

seguidores de William Miller de que a Segunda Vinda seria neste dia (28 de abril). (Festinger p.16).

 

31 Dezembro de 1843 - Muitos Mileristas esperavam que Jesus voltasse no final de 1843 (31 de dezembro). (Festinger p.16).

1844

- William Miller, líder do chamado movimento

 

Milerista, predisse através de cálculo cuidadoso de

que Cristo voltaria entre 21 de Março de 1843 e 21 de Março de 1844. Reuniu milhares de devotos. Após o fracasso da profecia, o culto experimentou uma crise de fé e na confusão começou a reinterpretação da profecia e o proselitismo agressivo. (P.49 Gould, Festinger p.16-17).

22 de outubro de 1844 - Miller de novo! O Reverendo Samuel S. Snow, um milerista influente, predisse a Segunda Vinda neste dia (22 de Outubro). A data foi aceita de imediato pelo próprio Miller. Nesse dia, os Mileristas se reuniram em uma colina à espera da vinda de Jesus. Despois que a vinda não aconteceu, o acontecimento ficou conhecido como O grande Desapontamento. (P.49 Gould, Festinger p.17).

não aconteceu, o acontecimento ficou conhecido como “ O grande Desapontamento ” . (P.49 Gould, Festinger

1845

- Segunda Vinda de acordo com os adventistas

1845 - Segunda Vinda de acordo com os adventistas

dissidentes do grupo de Miller e precursores dos Adventistas do Sétimo Dia. (Kyle p.91).

1846

- Outra segunda vinda de Cristo, de acordo

1846 - Outra segunda vinda de Cristo, de acordo

com os Adventistas do Sétimo dia. (Kyle p.91).

52

1847 - Outra predição do adventista Harriet Livermore (Parusia # 2). (McIver # 699).

1847 - Outra predição do adventista Harriet Livermore (Parusia # 2). (McIver # 699).

7 de Agosto de 1847 - O Padre George Rapp, um asceta alemão que fundou una seita conhecida como Harmonists (ou Rappites), estabeleceu uma comuna utópica em Harmony, Pennsylvania, estava convencido de que Jesus regressaria antes de sua morte. Mesmo em seu leito de morte se negou a renunciar à esperança do retorno de Cristo, dizendo:

 

“If I did not know that the dear Lord meant I should present you all to him, I should think my last moment’s come.”

“If I did not know that the dear Lord meant I should present you all to

Resultou que seu último momento, sim, havia vindo, mas sem dúvida, Jesus não se apresentou. Rapp morreu em 7 de Agosto de 1847. (Cohen, p.23, p.283 Thompson, Enciclopédia Britânica).

1849

- Outra Segunda Vinda de acordo com os

1849 - Outra Segunda Vinda de acordo com os

adventistas. (Kyle p.91).

1851