Você está na página 1de 37

POTENCIAIS DE MEMBRANA E

POTENCIAIS DE AÇÃO
Objetivos
- Descrever o comportamento dos canais
voltagem-dependente de Na + e K + nas
membranas excitáveis;
- Compreender como é gerado um potencial de
ação;
- Compreender o funcionamento da mielina
como isolador e caracterizar a condução
saltatória.
Potencial elétrico de membranas existe em todas as
células;
Potencial de membranas – gradientes de energia elétrica
potencial.
As células neurais e musculares são excitáveis –
capazes de autogeração de impulsos eletroquímicos na
membrana que serão usados na transmissão de sinais.
MENSURAÇÃO DO POTENCIAL DE MEMBRANA
POTENCIAL DE MEMBRANA
RESULTANTES DA DIFUSÃO
POTENCIAL DE NERNST

É O VALOR DE POTENCIAL QUE IMPEDE A


DIFUSÃO EFETIVA DE ÍONS EM QUALQUER
DIREÇÃO DA MEMBRANA.
Potencial de equilíbrio – não ocorre qualquer
movimento efetivo de cargas.
Pode ser aplicado a qualquer íon que esteja em
equilíbrio através de uma membrana.

EK = C log10 ([K+]direita/[K+]esquerda)
POTENCIAL DE NERNST

O POTENCIAL DE NERNST É CALCULADO


DENTRO DA MEMBRANA – SINAL + SE O ÍON
FOR NEGATIVO E – SE O ÍON FOR POSITIVO.
K+ - 94 mV
Na+ + 61 mV
POTENCIAL DEPENDE:

1- da polaridade da carga elétrica de cada íon;


2- da permeabilidade da membrana;
3- da concentrações dos íons dentro e fora da
membrana.
PRINCÍPIO DA NEUTRALIDADE
ELÉTRICA

Para cada íon


positivo existe um
íon negativo
próximo que o
neutraliza
Potencial de membrana nas fibras nervosas grossas é
de - 90 mV.
Bomba Na+-K+ - bomba eletrogênica – maior nº de
carga + são bombeadas para fora do que - para
dentro (3 Na+ p/ 2 K+);
A bomba produz gradiente de concentração:
Na+ (ext.) 142 mEq/l K+ (ext.) 4 mEq/l
Na+ (int.) 14 mEq/l K+ (int.) 140 mEq/l
BOMBA DE SÓDIO-POTÁSSIO
Vazamento de Na+ e K+ é realizado pelas proteínas de
canal na membrana, onde a mesma é mais
permeável ao K+ que ao Na+ (100 vezes mais).
ESTABELECIMENTO
DO POTENCIAL DE
REPOUSO
POTENCIAL DE AÇÃO

Mecanismos usados para sinalização por longas


distâncias, tanto no sistema nervoso quanto no
músculo.
São fenômenos tudo-ou-nada;
Não sofrem variação com a distância.
ETAPAS DO POTENCIAL DE AÇÃO

Estado de repouso – célula polarizada;


Etapa da despolarização – membrana permeável aos íons
sódio – interior tende a positividade. Nas fibras grossas o
PM ultrapassa o valor zero. Nas fibras delgadas chega
próximo a zero;
Etapa da repolarização – em milésimos de segundo os
canais de sódio se fecham, abrem os canais de potássio.
Repolarização da membrana.
POTENCIAL DE
AÇÃO TÍPICO
O agente responsável pela produção da despolarização e
da repolarização é o canal de Na+ voltagem dependente
(canal rápido).

O canal de K+ voltagem dependente tb participa no


aumento da velocidade da repolarização da membrana
(canais lentos) – atua junto com a bomba de Na+ – K+ e
com os canais de vazamento Na+ – K+.
ATIVAÇÃO E
INATIVAÇÃO DOS
CANAIS VOLTAGEM-
DEPENDENTES DE
SÓDIO E DE
POTÁSSIO
PAPEL DE OUTROS ÍONS DURANTE O
POTENCIAL DE AÇÃO

Dentro do axônio existem íons com carga negativa –


ânions da molécula de proteína, compostos orgânicos
fosforados, compostos sulfatados – são responsáveis
pela carga negativa no interior da fibra quando existe
déficit de íons K+ e outros íons positivos.
PAPEL DE OUTROS ÍONS DURANTE O
POTENCIAL DE AÇÃO

Íons cálcio – todas as células apresentam bomba de


cálcio semelhante a bomba Na+ – K+, o cálcio atua
junto ou no lugar de Na+ para gerar o PA.
A bomba bombeia Ca++ de dentro p/ fora da célula ou
p/ dentro do retículo endoplasmático.
Os canais de Ca++ voltagem dependente são
permeáveis aos íons Na+ e ao íon Ca++. Tb são
chamados de canais Ca++-Na+ – tem ativação lenta.
Quando existe déficit de Ca++, os canais de Na+ se
abrem com variação muito pequena do P. de
membrana – a fibra nervosa fica muito excitável –
descarga repetitivamente ao invés de ficar no estado
de repouso. Queda de 50% abaixo do normal p/ gerar
cargas espontâneas.
Tetania muscular – pode ser letal devido a contração
tetânica dos músculos respiratórios.
O que dá início ao PA é o ciclo vicioso de feedback
positivo que abre os canais de Na+, acaba o PA com
fechamento dos canais Na+ e abertura dos canais de
K+.
PROPAGAÇÃO DO
PA NAS DUAS
DIREÇÕES AO
LONGO DA FIBRA
CONDUTORA
Em alguns casos a membrana excitável não
repolariza imediatamente após sua despolarização o
potencial permanece em um platô antes de começar
a repolarização.
Causa:
- Processo de despolarização
1- canais rápidos (Na+ voltagem-dependente);
2- canais lentos (Ca+ voltagem-dependente);
-Processo de repolarização
1- canais lentos (K+ voltagem-dependente), abertura
após o fechamento dos canais lentos.
PA DE UMA
FIBRA DE
PURKING DO
CORAÇÃO
MOSTRANDO
UM PLATÔ
Ritmicidade – descargas repetitivas auto-induzidas –
coração, na maioria dos músculos lisos e em muitos
neurônios do SNC. A membrana deve ser
suficientemente permeável ao Na+ ou aos íons Na + e
Ca++ pelos canais lentos de Ca++.
A membrana apresenta PA de -60 a -70 mV, que não é
suficiente para manter os canais de Na+ e Ca++
fechados.
1- os íons Na+ e Ca++ fluem para o interior;
2- isso aumenta a permeabilidade da membrana;
3- quantidade ainda maior de íons flui para o interior;
4- aumenta mais a permeabilidade até que seja gerado
um PA. Ao término do PA a membrana repolariza.
A membrana não repolariza imediatamente porque se
torna excessivamente permeável ao K+ –
hiperpolarização (PM se torna intensamente mais
negativo). Esse estado desaparece gradualmente.
POTENCIAL DE AÇÃO RÍTMICOS
ASPECTOS ESPECIAIS DA TRANSMISSÃO
DO SINAL NOS TRONCOS NERVOSOS

ATUAÇÃO DAS
CÉLULAS DE SCHWANN
PARA PRODUZIR
ISOLAMENTO
ELÉTRICO DAS FIBRAS
NERVOSAS
ASPECTOS ESPECIAIS DA TRANSMISSÃO
DO SINAL NOS TRONCOS NERVOSOS
Condução Saltatória - importância
1- faz com que o processo de despolarização salte por
sobre longos trechos ao longo da fibra nerrvosa –
aumenta a velocidade de transmissão neural em até 50
X;
2- conserva energia p/ o axônio, visto que apenas os
nodos despolarizam, perde cerca de 100 x menos
energia.
CONDUÇÃO SALTATÓRIA AO LONGO
DO AXÔNIO MIELINIZADO
Não pode ocorrer novo PA em fibra excitável enquanto
a membrana ainda estiver despolarizada pelo PA
precedente.

LIMIAR – valor mínimo do potencial de membrana


em que vai ocorre um potencial de ação 50% das
vezes.

PA subliminares – valores de potencial de membrana


inferiores ao valor necessário para a produção de um
PA.
Período refratário absoluto – período durante o
qual nenhum PA pode ser produzido, mesmo com
estímulo intenso.
É o intervalo de tempo entre o desencadeamento de
um PA até o momento em que a maioria das
comportas de Na+ deixaram de ficar inativadas pela
repolarização da membrana.
Período refratário relativo – nesse período
estímulos mais intenso que o normal podem excitar a
fibra.
POTENCIAIS
SUBLIMINARES
AGUDO QUANDO
OS ESTÍMULOS
SÃO MENOS
INTENSO QUE O
VALOR LIMIAR
NECESSÁRIO
PARA PRODUÇÃO
DE PA
ESTABILIZADORES E ANESTÉSICOS LOCAIS

Estabilizadores – diminui a excitabilidade neural.


Ex.: alta concentração de íons cálcio no líquido
extracelular diminui a permeabilidade da
membrana pelos íons sódio.

Anestésicos locais – agem sobre as comportas de


ativação dos canais de sódio, fazendo com que a
abertura fique dificultada - reduz a excitabilidade
da membrana – até não passar nenhum PA.