Você está na página 1de 106

FUNGOS Características morfológicas,

evolutivas, celulares, importância


econômica e Classificação
• Os fungos contribuem de forma decisiva para
a preservação biológica do nosso planeta e
estão presentes de mil formas no nosso
cotidiano:
Ataque e decomposição de alimentos

Figura 1.1: Rhizopus stolonifer, tipo de


bolor comum em alimentos como pão.
Biotecnologia Industrial

Figura 1.2: Penicillium roqueforti, utilizado


para produzir o famoso queijo gorgonzola.
Antibióticos

Figura 1.3: Penicillium chrysogenum


Doenças

Figura 1.4: Candida albicans, causa a


candidíase nos seres humanos.
Danos em colheitas

Figura 1.5: Ferrugem asiática, causada pelo fungo


Phakpsora pachyrhizi em plantações de soja.
Alimentação direta

Figura 1.6: Shitake, cogumelo comestível.


Alucinógenos

Figura 1.8: Psilocybe mexicana


Propriedades Cicatrizantes

Figura 1.10: Calvatia cyathiformis


Principais características
• Eucariontes
• Heterótrofos
• Multicelulares (maioria)
• Aclorofilados
• Glicogênio – reserva de energia
• Reforço celulósico externo
• Depósitos de quitina
• Fixos ao substrato
• Primitivos – pseudópodes
• Nutrição externa
• Respiração aeróbica ou anaeróbica facultativa
(leveduras)
• Excreção – difusão direta pelas células
• Reprodução sexuada ou assexuada
• Produção de esporos
REINO FUNGI
• Cogumelos, bolores, leveduras
• Descritas 700.000 espécies
• 1,5 milhões de espécies
• Sofreu mudanças radicais nas últimas décadas
• RNA e DNA
Organização celular e estrutural dos
Fungos
• Eucariótica - membrana nuclear dupla
contendo cromossomos lineares
constituídos de cromatina.
• Vacúolos – glicose – glicogênio
• Membrana plasmática – parede celular rígida
• Parede celular – polissacarídeos completos,
glicoproteínas e quitina.
• Hifas – citoplasma e núcleo

• Micélio – emaranhado de células

• Elevada relação área/volume

• Dois micélios de sexos diferentes se


encontram suas hifas se organizam para
formar o corpo de frutificação.
Hifas septadas
Hifas asseptadas
FUNGOS
Nutrição dos Fungos
Nutrição dos Fungos
• Fungos Saprófitos

• Fungos Simbiontes

• Fungos Predadores

• Fungos Parasitas
Fungos Saprófitos
• Matéria orgânica morta
• Decompositores
• Reciclam carbono, nitrogênio, fósforo
FUNGOS SAPRÓFITOS

Penicillium spp. Hirneola auricula-judae Anthracophyllum archeri

Aleuria aurantia Anthurus archeri


Rhizophus spp.
Fungos Simbiontes
• Simbiose – líquens
• Fungos e organismos autotróficos
• Fungos protege a alga e fornece-lhe nutrientes
minerais para a fotossítnese
• Algas – compostos orgânicos
• Líquens – primeiros organismos multicelulares
a colonizar o meio
• terrestre
Figura 4.2.1:
Associação
entre fungos
e algas.
MICORRIZAS
• Fungos e raízes
• Fungo: fornece nutrientes minerais (zinco,
fósforo, cobre)
• Planta: Nutrientes orgânicos
• Proteção das Raízes
• Registro fóssil – importante papel na
colonização do meio terrestre pelas plantas.
Endomicorrizas
Ectomicorrizas
Fungos Predadores
• Alimentam-se de pequenos animais vivos
(nemátodos)
• Substâncias anestésicas
• Envolvimento com o micélio
• Digestão
• Armadilhas formadas por argolas de hifas
• Crescem quando estimuladas pela
• Passagem do animal
Figura 4.3.1:
Armadilha de
um fungo
predador ao
redor de
um nemátodo livre.
Figura 4.3.3: O nematóide reniforme (Rotylenchulus reniformis) é
um importante patógeno de importantes culturas brasileiras, tais como soja,
algodão, feijão, caupi, maracujazeiro, mamoeiro, tomate e alface, entre outras.
Dentre os fungos nematófagos com potencial de utilização
comercial como agentes do controle biológico de nematóides,
destacam-se espécies do gênero Monacrosporium.
Fungos parasitas
• Retiram alimento do corpo do hospedeiro
• Geralmente causam doenças
• Protozoários, plantas e animais
Figura 4.4.1: Micose:
doença causada por
fungos parasitas
Figura 4.4.1: Como age o fungo parasita de plantas
Claviceps purpurea Puccinia graminis
Cravagem do Centeio Ferrugem Negra do Trigo Tremella mesenterica

Plasmopara viticola
Míldio da Videira Peridermium harknessii Cordyceps militaris
FUNGOS
Classificação
Classificação dos Fungos

• A classificação dos fungos é feita


principalmente à base das estruturas
reprodutoras, que são as mais diferenciadas do
seu ciclo de vida, e no tipo de hifas.
Classificação dos Fungos
Reino Fungi
• Filo Zygomycota (fungos mais simples)

• Filo Ascomycota (bolores)

• Filo Basidiomycota (cogumelos)

• Filo Deuteromycota (Fungi Imperfect)


Filo Zygomycota
• 765 espécies conhecidas

• Fungos terrestres (maioria saprófita ou parasita)

• Parede celular com quitina e hifas cenocíticas

• Produção sexuada: origina zigósporos no interior de um


zigosporângio

• Principais: bolor negro no pão e nas frutas


Zigosporângio
Bolor na fruta bolor no pão
Filo Ascomycota
• Mais de 30.000 espécies

• Não filamentosos (único deste grupo)

• Parede celular com quitina e hifas septadas dicarióticas, ou


parcialmente septadas

• Produção assexuada: conídios ou exósporos em conidióforos

• Principais: leveduras
Filo Basidiomycota
• Mais de 16.000 espécies . Importantes fitoparasitas

• Atingem 2/3 da biomassa, não animal dos solos

• Parede celular com quitina. Fungos filamentosos, com hifas septadas


perfuradas e dicarióticas

• Produção sexuada de esporos: o basidiocarpo, é vulgarmente conhecido por


cogumelo

• Este resulta da fusão de dois micélios diferentes e irá produzir basídios, células em
forma de clava e separadas do restante micélio por septos. Deles,
formam-se basidiósporos, grupos de 4 e presos por pequenos
pedúnculos.
Basidiósporo (localizado sob a umbela do
cogumelo)
Filo Deuteromycota
• Mais de 17.000 espécies, a maioria dos quais parece ser de
ascomicetos.

• Inclui todos os fungos em que não seja conhecida, ou esta seja


ignorada para motivos taxonômicos

• Fase sexuada é conhecida, mas não é considerada na sua


classificação devido à sua elevada semelhança com outros
organismos deste filo (gênero Penicillium)

• Fungi Imperfect
Fungi Imperfect
FUNGOS
Características Morfológicas
Imagem de microscopia de varredura eletrônica (cores adicionadas) de
micélio fúngico com as hifas (verde), esporângio (laranja) e esporos
(azul), Penicillium sp. (aumento de 1560 x).
Aspergillus niger
Penicillium chrysogenum
Conidiobolus coronatus
Basidiobolus rararum
Fusarium solani
FUNGOS Fungos Venenosos e
importância econômica
Fungos Venenosos
• Amanita muscaria

• Originário do Hemisfério Norte. Bastante conhecido na Europa e na


América do Norte.

• No Brasil, foi constatado pela primeira vez na região metropolitana em


Curitiba - PR (pelo botânico A. Cervi, da Universidade Federal do Paraná,
em 1982).

• Posteriormente, o cogumelo foi também encontrado no Rio Grande do Sul


e, mais recentemente (1984) em São Paulo na região de Itararé, em
associação micorrízica com Pinus pseudostrobus.
Amanita muscaria

• Conhecido pelo cogumelo de chapéu vermelho com manchas


brancas

• Utilizado desde tempos imemoriais como sacramento religioso

• Também era encontrado entre os Berserkers, tropa de elite


viking

• utilizado por muitos artistas e, tradicionalmente, figurado nas


ilustrações de histórias e contos infantis de autores
famosos (principalmente de origem européia)
Amanita muscaria

• É tóxico

• Dependendo da quantidade ingerida é capaz de induzir


alterações no sistema nervoso, levando a alteração da
percepção da realidade, descoordenação motora, alucinações,
crises de euforia ou depressão intensa. Espasmos musculares,
movimentos compulsivos, transpiração, salivação,
lacrimejamento, tontura e vômitos são também sintomas
referidos na literatura.
Fungos Venenosos
• Amanita phalloides

• Originária da Europa, , mas pode também ser


encontrada nas Américas, Austrália e Ásia

• Habita florestas, normalmente junto de


carvalhos, nogueiras e/ou coníferas.
Amanita phalloides

• não apresentam atividade fotossintética, obtendo os


seus nutrientes através da decomposição de matéria
orgânica morta.

• No seu ciclo de vida forma-se um fruto que contém


numerosos esporos (elementos reprodutivos). Estes
fungos são basidiomicetos e por isso produzem
basidiósporos (esporos), que levam à formação do
fruto (basidiocarpo), vulgarmente designado
por cogumelo.
Amanita phalloides
• Representam cerca de 90% dos casos fatais de
envenenamentos por cogumelos.

• A toxicidade tem origem em três tipos de toxinas presentes


nesta espécie: falatoxinas, virotoxinas e amatoxinas, em
particular a alfa-amanitina

• O único tratamento possível na maioria dos casos é um


transplante de fígado.
Dentre os cogumelos, muitos são tóxicos e
alguns podem matar. Outros têm efeitos
medicinais inclusive contra o câncer, como
shiitake, shimeji e reishi.
Doenças Causadas por
Fungos nos homens
• Na pele causam inflamações chamadas genericamente de "impingem"
(Ptiríase vesicolor), e as micoses dos pés, virilha, e dobras em geral.

• Causam também inflamações nas unhas,


tanto na base (candidíase) como na ponta
(escurece e descasca). Na boca são os "sapinhos"
(grumos brancos principalmente em crianças).

• Nos órgãos internos podem crescer praticamente em qualquer lugar, desde


os intestinos até às meninges, com a ressalva de acontecer isto basicamente
com os imuno-deprimidos como na AIDS e no câncer.
Candida albicans

Frieira
• Ocasionalmente o fungo invade o sistema respiratório,
produzindo uma infecção broncopulmonar que simula a
tuberculose miliar. A infecção raramente é sistêmica, mas se
for pode afetar o revestimento do coração e as meninges.

• Tratamento: longos à base de antibióticos de largo espectro,


como tetraciclina e cloranfenicol, podem predispor ao
desenvolvimento da candidíase, provavelmente porque matam
micróbios normalmente antagonistas dos fungos.

• Sintomas: alergia, dores abdominais, gases, irregularidade


intestinal, garganta seca, insônia, queda de cabelo, estragos nas
unhas, enxaqueca, infecções urinárias, problemas menstruais,
depressão, irritabilidade, dificuldade de concentração,
sensibilidade exagerada a produtos químicos, função
imunológica diminuída, falta de energia, mal-estar, fadiga
crônica, perda da libido.
Histoplasmose

Histoplasma capsulatum
• A transmissão é pela inalação de esporos nas zonas
selvagens onde as formas sexuadas dos fungos
existem.

• Os esporos são absorvidos para os pulmões que


apresentam características óptimas de humidade e
temperatura para desabrocharem gerando formas de
levedura. As leveduras são fagocitadas pelos
macrófagos ou neutrófilos que são células muito
maiores, no interior dos quais sobrevivem e
multiplicam-se. A grande maioria (mais de 9/10) das
infecções são assintomáticas e não causam
problemas. Sintomas da infecção pulmonar são os
típicos de pneumonia, com febre, tosse com
expectoração e tremores.
• 99% das infecções não é progressiva
• em individuos imunodeprimidos (como os doentes com
SIDA/AIDS ou com idade avançada), as leveduras
disseminam-se dentro dos macrófagos, e pode haver
adenopatias e infecções do fígado e baço. Nestes casos,
pode surgir doença crónica com febre, suores e mal estar,
ou se a imunodepressão for maior, progressão rápida e
fatal.
• Em pacientes com doença pulmonar crônica obstrutiva
pode ocorrer pneumonia crônica semelhante à da
tuberculose.
• Tratamento: é realizado com medicamentos antifúngicos,
como: anfotericina B, cetoconazol, fluconazol
ou itraconazol.
Uso Industrial
• A produção de ácidos orgânicos

Diferentes ácidos orgânicos são produzidos


industrialmente por fungos. Dentre estes fungos,
destaca-se o Aspergillus niger, responsável pela
produção de vários compostos úteis, incluindo o ácido
cítrico.
Fotos microscopica do Aspergillus niger.
• A produção de etanol

O Brasil tem larga experiência na produção de álcool


combustível. O Programa Nacional do Álcool
desencadeado no final dos anos 70, decorrente da crise
do petróleo, gerou uma série de tecnologias próprias,
tornando o nosso país líder mundial nesse sentido. Não
poderia deixar de ocorrer, portanto, o desenvolvimento
de processos visando à produção de linhagens
melhoradas da levedura Saccharomyces cerevisiae,
responsável pela produção de etanol
Foto de Saccharomyces cerevisiae.
• A produção de vinho e cerveja

Um outro exemplo, também brasileiro, é o do


melhoramento via fusão de protoplastos com produção de
híbridos, empregando-se espécies diferentes de leveduras
utilizadas na fabricação do vinho. Por fusão de protoplastos, foi
obtido um híbrido entre as leveduras Saccharomyces cerevisiae e
Schizossaccharomyces pombe reunindo características favoráveis
dos dois gêneros de fungos em uma só célula.
Esta, multiplicidade e retrocruzada com a linhagem
original de Saccharomyces cerevisiae, resultou em linhagem
capaz de utilizar uvas ácidas, como as que ocorrem em certas
safras na região Sul do país, na produção de vinhos finos, sem
necessidade de utilização de fermentações mistas (duas espécies
de leveduras) ou, o que seria pior, adição de açúcar.
Fotos microscopicas de Schizossaccharomyces pombe.
• O controle biológico de insetos por fungos
Assim como os fungos podem eventualmente
causar doenças em plantas e mamíferos, também os
insetos podem ser atacados por certos fungos.
Assim, vários centros da Empresa Brasileira de
Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), a ESALQ/USP, a
UNICAMP, o Centro de Biotecnologia da UFRGS, a
Universidade Estadual de Londrina, a UCS a
UFPernambuco, além de empresas privadas, têm
trabalhado com fungos como o Metarhizium anisopliae,
Beauveria bassiana e Nomuraea rileyi .
Fotos de Metarhizium anisopliae(A),Beauveria bassiana(B e D) e Nomuraea rileyi (C).
Uso medicinal
Os fungos são fontes extremamente valiosas de
compostos químicos, como os antibióticos, mas também
possuem um grande potencial no controlo biológico de muitas
pragas e doenças consideradas graves.
O exemplo mais famoso é o antibiótico descoberto por
Alexander Fleming em 1928, a Penicilina a partir do fungo
Penicillium chrysogenum.
Foto de uma placa de petri inoculada com Penicillium
chrysogenum.

Foto microscopica do fungo Penicillium chrysogenum.


Coriosidades
Os fungos também são usados nas industrias
alimentícias, assim como já foi citado acima o uso de
levedura na fabricação de vinhos, cerveja.
Eles também são usados na produção de queijos
com o gongorsola, roquefort, pão e etc.
Fotos de fungo Penicillium roquefortii(1) e do queijo roquefor(2).
As trufas são fungos subterrâneos do género
Tuber que vivem associados às raízes de algumas
espécies de plantas lenhosas, com as quais
estabelecem uma simbiose da qual tanto beneficia o
fungo como a planta.
Após as recolhas as trufas, devem ser guardadas
em frio e comercializadas para transformação num
período curto. Comercialmente as trufas podem atingir
valores a rondar as duas a quatro dezenas de dolares
por quilograma.
Fotos de fungos do tipo Tuber nigrum, Tuber brumale e Tuber magnatum.
Referencias Bibliográficas
• Madigan MT, Martinko JM, Parker J.
Microbiologia de brock. 10 Ed. São Paulo.
Prentice Hall, 2004.
• Pelczar MJ, Chan ECS, Krieg NR.
Microbiologia conceitos e aplicações. 2
Ed.São Paulo. Makron Books, 1996.
• Moreira FMS, Siqueira JO.
Microbiologia e bioquímica do solo. 2
ED.Lavras. UFLA, 2006.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
• BONATTI, Mariane. Estudo do potencial nutricional de cogumelos do gênero
Pleurotus cultivados em resíduos agro-industriais. 2001. Dissertação (Mestrado
em Engenharia Química) &ndash Universidade Federal de Santa Catarina,
Florianópolis.
• BURNS, P. J., YEO, P., KESHAVARZ, T., ROLLER, S., EVANS, C. S.
Physiological Studies of exopolysaccharide production from basidiomycetes
Pleurotus s.p Florida, effect of C and N souce on polysaccharide production for
potencial as a hypocholesterolemic, antitumor and a fat mimetic. Enzime
Microbiology Technology, n. 34, 566-572.
• PUTZKE, Jair; PUTZKE, Marisa Terezinha Lopes. Os reinos dos fungos. Santa
Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 1998.
• RAVEN, P. H., et al. Biologia Vegetal. 6ª ed. Rio Janeiro: Editora Guanabara
KOOGAN, 2001.
• ROSADO, F. R. et al. Biomass and exopolysaccharide production in submerged
cultures Pleurotus ostreatoroseus sing and Pleurotus ostreatus florida (Jack: Fr)
kummer. Journal Basic Microbiol, v. 43, n. 3, p. 230-237, 2003.
Na internet
• http://www.enq.ufsc.br. Acessado em 13/04/2008.
• http://pt.wikipedia.org/wiki/Fungo. Acessado em
13/04/2008.
• http://www.cientic.com/tema_fungo_img3.html. Acessado
em 13/04/2008.
• http://br.geocities.com/pri_biologiaonline/classificacao_fung
os.html. Acessado em 13/04/2008.
• http://curlygirl.no.sapo.pt/fungi.htm. Acessado em
13/04/2008.
• http://www.naturlink.pt/. Acessado em 13/04/2008.