Você está na página 1de 29

ELEMENTOS DE MÁQUINAS

Professor: Adriano A. Trajano


Curso: Engenharia Mecânica
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
ELEMENTOS DE MÁQUINAS
TENSÕES EM MOLAS HELICOIDAIS

MOLA HELICOIDAL
Considerando que a mola está em condição de equilíbrio estático, sob a ação de
uma força axial F, que provoca uma tensão de cisalhamento direta e um
momento de torção T, temos:

Momento de torção T

Considerando ser D o diâmetro (mm) médio da espiral da mola.


TENSÕES EM MOLAS HELICOIDAIS

MOLA HELICOIDAL DE COMPRESSÃO


Tensão de cisalhamento máxima no fio pode ser obtida:

R: raio do fio em mm
J : momento polar em mm4
A: área em mm2.
Sabemos que para um fio circular podemos alterar a equação acima:
TENSÕES EM MOLAS HELICOIDAIS

MOLA HELICOIDAL DE COMPRESSÃO


Tensão de cisalhamento máxima no fio pode ser obtida:
*Caso de um fio circular

Tensão de cisalhamento máxima no fio


TENSÕES EM MOLAS HELICOIDAIS

MOLA HELICOIDAL - Índice de mola C

Nos processos de produção de uma mola, devemos ter em conta que a curvatura
da espiral é um fator importante, assim definimos um índice de mola C, e temos,
então
MOLA HELICOIDAL - Índice de mola C

• Foi elaborado de forma experimental;

• Um índice muito pequeno, os equipamentos não conseguem manufaturar a


mola sem provocar deformações indesejadas ;

• Quando o índice é muito grande, a possibilidade de o fio não permanecer na


área destinada ao processo de fabricação é elevada, e, assim, pode provocar
defeitos

• O fio tende a ter muita variação dimensional, podendo sair do processo com
formatos diferentes do necessário.
Recomendação prática: trabalhar em uma faixa de C entre 4 e 12!

(TENSÃO DE CISALHAMENTO MÁXIMA)

Em que o FATOR DE CORREÇÃO DE CISALHAMENTO é dado por:

Índice de mola C
O EFEITO DA CURVATURA E DEFLEXÃO DE MOLAS HELICOIDAIS

As equações que estudamos até o momento foram baseadas em um fio reto.

Quando damos forma à mola, ou seja, a enrolamos para formar a hélice e o


diâmetro médio da espiral, temos um efeito de curvatura que precisamos levar em
consideração.

Carregamento estático: normalmente desprezamos este efeito.

Carregamento dinâmico: avaliar melhor este efeito da curvatura, pois ele afeta na
vida útil da mola, por fadiga.

FATOR BERGSTRÄSSER:
Usado quando a mola for projetada para aplicações que envolvam fadiga:

Índice de mola C
Combinando as correções FATOR BERGSTRÄSSER (KB) e FATOR DE
CORREÇÃO DE CISALHAMENTO (KS) , usando a equação e a equação.
Assim, temos um novo fator que vamos chamar de Kc :

EQUAÇÃO DA TENSÃO DE CISALHAMENTO MÁXIMA EM FUNÇÃO DE Kc :


ENTREGAR PRÓXIMA AULA
DEFLEXÃO DA MOLA HELICOIDAL

Com isso, podemos apresentar a equação a seguir, que representa a deflexão de


uma mola de compressão com fio redondo

y (mm): deflexão da mola;


N: número de espiras ativas;
G (MPa): módulo de elasticidade por torção.

Podemos também expressar a constante k da


mola, apresentada na figura, sendo:
ESTABILIDADE
A estabilidade de uma mola de compressão está relacionada com a possibilidade de
ocorrer uma deflexão quando for aplicada uma carga no sentido axial da mola.

Esta deflexão, também chamada de flambagem, é semelhante ao que ocorre a um eixo


quando colocado em uma posição de coluna e aplicamos uma carga excessiva.

Assim, devemos nos preocupar em prevenir isto e, para tal, desenvolvemos a equação
para o que chamamos de deflexão crítica ycr.

Em que ycr é a deflexão crítica, a máxima deflexão admitida para a mola sujeita
a um carregamento axial especificado;

Lo: comprimento inicial da mola;


ESTABILIDADE

λeff: razão efetiva de esbeltez dada


pela equação ao lado;

C1´ e C2´: constantes elásticas dadas


pelas Equações ao lado.
α é a constante de condição de extremidade e E é o módulo de
elasticidade. Na Tabela abaixo, encontramos os valores de α para cada
condição de extremidade.
Agora, para termos uma estabilidade absoluta, precisamos estabelecer um critério,
conforme a equação a seguir:

Podemos simplificar a equação acima quando o material do fio da mola helicoidal de


compressão for de aço, sendo:
EXERCÍCIO
OBJETIVO: análise de uma mola helicoidal de compressão, com foco no cálculo
das tensões, nos efeitos da curvatura e na estabilidade.

Consideraremos a análise de tensões para carga estática e dinâmica, fio redondo,


com material de aço, e extremidades em esquadro e retificada. Também considere
uma força de 300N ; Lo = 78mm; d = 2mm; D = 10mm; G = 80GPa; E = 210 GPa.

ANÁLISE (CARGA ESTÁTICA)

Cálculo da tensão máxima:

Cálculo do índice C da mola:


CÁLCULO DO FATOR DE CORREÇÃO DE CISALHAMENTO KS (CARGA ESTÁTICA):

Correção da Tensão máxima :

A nova tensão máxima deve ser corrigida com a equação:


CÁLCULO DO FATOR DE CORREÇÃO DE CISALHAMENTO KS (CARGA DINÂMICA):
Com este resultado, podemos observar que o nível de tensão máxima exigida aumentou e
devemos usá-lo para casos de carga estática. Para o caso de carga dinâmica (fadiga), os
efeitos de curvatura são importantes, usamos, então, o fator Kc, através da equação:
ESTABILIDADE
Precisamos agora verificar a estabilidade (Lo = 78mm ). Da Tabela 1.2, α é 0,5
(mola suportada entre superfícies planas paralelas):

*constante de condição de extremidade


Conclusão: a mola vai flambar. Logo, precisamos aumentar o diâmetro médio
das espiras para a mola não flambar. Podemos levantar uma primeira
aproximação, sendo:

Tenha em mente que isto é uma aproximação e devemos avaliar novamente


todos os cálculos feitos para tensão, curvatura e estabilidade, com este novo
diâmetro.
REAVALIANDO AS CARACTERÍSTICAS DA MOLA PARA ATENDER AO NOVO DIÂMETRO
PROPOSTO

Em uma fábrica que utiliza vários equipamentos de produção, temos um


equipamento que tem quebra constante de uma mola de compressão. Avaliar se a
mola atual atende à aplicação. Como dados iniciais, temos: Considerar a tensão
para carga estática sendo de 3000 MPa, como o mínimo necessário, fio redondo,
com material de aço e extremidades em esquadro e retificada. Também considere
uma força de 300 N e Lo = 78 mm; Ls = 43,4 mm; d = 2,5 mm; D = 14 mm; G = 80
GPa; E = 210 GPa.

Em primeiro lugar vamos definir o índice C da mola:

Agora, vamos calcular Ks:


Em uma fábrica que utiliza vários equipamentos de produção, temos um
equipamento que tem quebra constante de uma mola de compressão. Você como
profissional da área de manutenção foi acionado para avaliar se a mola atual
atende à aplicação. Como dados iniciais, temos: Considerar a tensão para carga
estática sendo de 3000 MPa, como o mínimo necessário, fio redondo, com material
de aço e extremidades em esquadro e retificada. Também considere uma força de
300 N; Lo = 78 mm; d = 2,5 mm; D = 14 mm; 80 GPa; E = 210 GPa.

Podemos então calcular a tensão máxima para carga estática, usando a equação:

Assim, como temos a necessidade de uma carga de trabalho de 3000 MPa e a mola
existente tem uma carga máxima de trabalho de 746,47 MPa então, esta mola não
atende à aplicação e deverá ser redimensionada para a condição de uso.