Você está na página 1de 19

SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO

PROFA. DRA. CAMILA EMANUELLA P. NEVES


O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO

Socieda
de Pense, fale, compre,
Indivíd beba
uo Leia, vote, não se
esqueça
Use, seja, ouça, diga
Internalização Tenha, more, gaste e
viva
Pense, fale, compre,
Socialização beba
Contrato Leia, vote, não se
Social esqueça
Durkheim
Use, seja, ouça,
O PROCESSO DE SOCIALIZAÇÃO

Família
 1. Cite exemplos da socialização na primeira
relação social que a criança tem?
 2. A família educa os filhos do jeito que quer?
 3. O que acontece quando vão para a escola?
Escola

Construção da
FENÔMENOS

 Estruturação familiar
 Constituição do Estado
 Modos de produção/trabalho
 Influência da religião
 Consumo
 Desemprego
 Discriminação racial, classe e gênero
 Consciência ecológica
 Relações de poder
 Muitos tentam mudar seu
comportamento, mas as influências de
suas experiências sociais são tão
marcantes que isso pode tornar difícil
tal mudança. Certamente se o
indivíduo chegou a consciência da
necessidade de mudar sua vida, teve
ele contato com novos horizontes.
Como já dizia o velho Max Weber: o
indivíduo é livre para fazer escolhas,
desde que ele tenha consciência e
condições de realização destas.
Eu queria mudar, eu queria mudar, eu queria
mudar, eu
Queria mudar..
É divertido aprontar, fazer o que é proibido,
O meu mundo me ensinou a ser assim,
Pedra no telhado brincadeira de bandido,
Fazer a correria os cana vinha atrás de mim Espingarda de madeira, mocinho e bandido,
Aprendi a ser esperto aprendi a meter fita, Vida loca desde cedo atrás dos inimigos,
no meio mais folgado da rua tipo mais aloprado,
Da malandragem só tem fumaça
Cresci numa quebrada onde não pode dar Jeitinho de marrento carinha de folgado,
mole, onde Odiava escola, classe ou centro de ensino,
Amigo e confiança com certeza não há! Da meu xumbinho, da meu brinquedo de matar
Eu queria mudar, eu queria mudar, eu queria menino,
mudar, eu
Muitas vezes minha mãe me chamou de capeta
Queria mudar..
Eu sou o tipo de cara que não vive sem tentar,
Pulei o muro da escola pra correr atrás de
De tanto de escutar um nome, por ele eu atendo
pipa,
na Madruga
Jogar conversa fora, biloca em fica, É nós na fita, puro veneno.
Matar gato de pedrada, Rasgar o lixo do
vizinho. Eu queria mudar, eu queria mudar, eu queria
mudar, 
É muita ocorrência pra um só menininho
Mas vocês não repararam, não?!
Nos salões do sonho nunca há espelhos…
Por quê? Será porque somos tão nós mesmos que
dispensamos o vão testemunho dos reflexos?
Ou, então- e aqui começa um arrepio -Seremos acaso
tão outros?
Tão outros mesmos que não suportaríamos a visão
daquilo,
Daquela coisa que nos estivesse olhando fixamente do
outro lado,
Se espelhos houvesse! Ninguém pode saber…
Só o diria, mas nada diz, Mário Quintana, aponta para o
Por motivos que só ele conhece, fato de sermos “tão outros” que
evitamos olhar para nós mesmos
O misterioso Cenarista dos Sonhos!” [Mario Quintana; para não enxergar tal realidade.
Velório sem defunto, de 1990] Essa característica ocorre devido
ao processo de socialização nos
fazer compartilhar muitas coisas
em comum com as demais
pessoas
O SER HUMANO É FRUTO DA SOCIEDADE OU CONSTRÓI A
SOCIEDADE?

Chico Brito
Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores
Paulinho da Viola
Geraldo Vandré

Lá vem o Chico Brito,


Vem, vamos embora, que esperar não é
Descendo o morro nas mãos do Peçanha,
É mais um processo! saber
É mais uma façanha! Quem sabe faz a hora, não espera
Chico Brito fez do baralho seu melhor esporte, acontecer
É valente no morro,
Dizem que fuma uma erva do norte.
Quando menino teve na escola,
Era aplicado, tinha religião,
Quando jogava bola era escolhido para capitão,
Mas, a vida tem os seus revezes,
Diz sempre Chico defendendo teses, 4. Fazemos a hora ou ela já vem
Se o homem nasceu bom e bom não se marcada? Qual o tamanho da nossa
conservou, liberdade?
A culpa é da sociedade que o transformou.
O SER HUMANO É FRUTO DA SOCIEDADE OU CONSTRÓI A
SOCIEDADE?

Estudos e pesquisas
Sociólogos

Tensão: Sociedade com poder de coerção e determinação à ações


individuais ou individuo com poder criador e transformador da vida
coletiva
SOCIOLOGIA

 Grécia Antiga, Sofistas discutiam política, economia e sociedade – “Sociologia”


 Idade Média – vida social sob rédeas dos senhores feudais e da Igreja Católica
 Idade Moderna – (séc XV e XVIII) Absolutismo do rei, Renascimento (humanismo,
antropocentrismo), Grandes Navegações, Reforma Protestante influenciam o
pensamento social
Séc XVIII – Revolução Industrial 1760 (econômico) – transformações sociais:
divisão social do trabalho, êxodo rural, urbanização, consumo, modo de vida,
normas, desemprego, epidemias, miséria
Revolução Francesa 1789 (histórico-política) – clero e nobreza com privilégios,
população na miséria e burguesia articulando a tomada do poder. Declaração
Universal dos Direitos do Homem (direitos fundamentais: liberdade, igualdade e
fraternidade), maior participação social (influenciada pelo Iluminismo – razão x
religião)
SOCIOLOGIA

 August Comte (francês) começa a analisar a Revolução Industrial e a Revolução


Francesa, reconhecendo nelas objetos de estudo. (principalmente os problemas
sociais). Percebe que a sociedade precisa de uma análise metodológica e sistemática
(antever os fatos e prever crises)
Pensa numa disciplina: Física Social a partir do Positivismo (racionalismo e
cientificismo),
defendendo a secularização da sociedade (afaste das crenças religiosas, morais) e o
lema: Ordem
e Progresso. Acreditava que a Sociologia deveria ensinar a aceitar a ordem vigente.
 Surgiu no século XIX enquanto ciência que explicava a complexidade da sociedade.
 Compreender a forma como as relações sociais se configuravam.
 Sociologia da Educação como campo de pesquisa surgiu na década de 1950/60 pela necessidade do
Estado ter um maior conhecimento sobre a população escolar e sobre o sistema de ensino, que
permitisse seu planejamento e controle. Outro motivo foi o intenso debate sobre as desigualdades
educacionais e sociais e sobre a democratização das oportunidades escolares.
COMO OLHAR PARA O ALUNO? QUAL POSTURA ASSUMIR?
 5. Como conceber o/a aluno/a sem considerar a sociedade em que vive e que é
fruto de uma construção histórica (da qual faz parte)?
 6. A educação deve contribuir para conservar a situação vigente ou para
transformá-la?

Educar para a vida

7. Para qual
vida??
SOCIOLOGIA E DOCÊNCIA

 A importância da sociologia para a profissão docente  se dá  justamente  na possibilidade 


de  oferecer  recursos  para  que  os  educadores  possam  instrumentalizar-se  pra  desenvolver 
análises da sociedade  e, desse modo, ajudá-los a compreender o próprio lugar da educação na 
sociedade   e  também  compreender  as  relações  das  instituições  educacionais  com  as  demais 
instituições que constituem a sociedade (família,  igreja, trabalho).

 A educação não  deixa  de  ser  também  um  agente  da manutenção da ordem social
(essencial  para  a  sobrevivência  e  perpetuação  da  própria  sociedade).  Mais  do  que  os 
conteúdos básicos,  a escola perpetua as relações sociais e de trabalho presentes na sociedade, 
acabando por ensinar a viver em sociedade. 
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO

 É  uma  disciplina  que  dedica-se  a  estudar  os processos sociais de ensino e


aprendizagem,  os  processos  organizacionais e institucionais que  permeiam  o 
desenvolvimento da educação, bem como as  relações sociais existentes neste meio e nestes 
processos.

 Visa  estudar  a realidade socio educacional,  os ambientes onde há os processos


educativos,  mas,  além  disso,  busca  compreender   os processos de socialização que  se 
desenvolvem nesse meio, a partir de relações que não se dão apenas entre professores e alunos, 
visto  que  inúmeros  outros  sujeitos  estão  envolvidos  neste  processo:  a  saber,  a  existência  de 
diretores, coordenadores, supervisores, inspetores, pedagogos e mesmo os pais dos estudantes.
SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO

 Permite pensar e compreender que a educação  se dá num contexto social


e que essa sociedade, por sua vez, também se forma a partir da educação e
dos processos educativos. Este pensamento é reflexo da crença de que
os homens são produtos da sociedade e de maneira semelhante a
sociedade também é um produto dos homens.
  Permite a análise de outros pormenores do ambiente escolar, que podem
interferir nos resultados escolares (fracasso escolar, evasão,
comportamentos ditos adequados ou não, disciplina ou indisciplina, postura
docente)
 Permite perceber a interação do ambiente escolar com outros
segmentos da sociedade e que indivíduos não devem ser enquadrados em
notas ou conceitos fechados.
 Não há uma educação universal, boa em si. Ela é uma forma irresistível, imposta sobre os
outros para cumprir fins determinados de fora. Se não podemos nos libertar totalmente do
seu poder, o conhecimento dele pode atenuar seus efeitos. Se cada sociedade considerada
em determinado momento histórico do seu desenvolvimento, impõe um tipo de educação,
é necessário que conheçamos esta sociedade e seu momento histórico se queremos
desnudar o seu sistema de educação. Especialmente quando é preciso reverter o processo
em que se está mergulhado (RODRIGUES, 2001, p.78)
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 RODRIGUES, Neidson. Lições do príncipe e outras lições. 20ª. Ed. São Paulo: Cortez, 2001