Você está na página 1de 44

Linguagens, Códigos e suas

Tecnologias - Arte
Ensino Fundamental, 7° Ano
Dança - Aspectos multiculturais
da dança local
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

MULTICULTURAIS MULTICULTURAIS
MULTICULTURAIS
MULTICULTURAIS MULTICULTURAIS

A DANÇA...

A DANÇA É...

A DANÇA É MULTI...

A DANÇA É CULTURAL...

A DANÇA É MULTICULTURAL?
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

MULTICULTURAIS MULTICULTURAIS
MULTICULTURAIS

A dança é uma das três mais antigas artes cênicas existentes na Antiguidade,
tal como o teatro e a música. É uma atividade executada por todos os povos
do mundo, em cerimônias, para divertimento e como manifestação artística.

MULTICULTURAIS MULTICULTURAIS
Imagem: Ranveig / public domain
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

O MULTICULTURALISMO originou-se com a revolução provocada pela informática.


É nessa relação que, em um mesmo território, os povos, nações e culturas
estabelecem os diferentes contatos culturais.
A educação multicultural pode se constituir em instrumentos para a superação
das diferenças. É pela identidade que se define cultura, e pelas diversas identidades, o
multiculturalismo. As pessoas precisam repensar essas relações entre identidade e
diferença, pois não há enunciação sem posicionamento, não há cultura sem vida
social e não há grupo humano sem cultura, por mais rudimentar que este seja.
http://www.fit.br/home/link/texto/Multiculturalismo1.pdf

Commons Attribution-ShareAlike
Imagem: PedroPVZ / Creative

2.5 Generic license.


Imagem: Valter Campanato/ Creative Commons
Attribution 3.0 Brazil license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

A diversidade cultural que, segundo


Joe DeSensi (1994) ,refere-se às
diferenças associadas a gênero,
raça, etnia, nacionalidade, classe
social, religião, idade e habilidade
motora, incluindo em seu sentido
lato diferenças na personalidade,
orientação sexual, aparência física,
estado civil e status familiar.
Ele ainda enfatiza a necessidade de
reconhecimento do pluralismo cultural,
entendido como a existência em uma
nação/estado de uma variedade de
diferentes e legítimos grupos culturais
que variam em língua, religião, origem
Imagem: Thiste / GNU Free Documentation License
racial e/ou étnica ou outras significantes
dimensões culturais (Lynch, 1986).
http://cev.org.br/biblioteca/o-genero-e-experiencia-ludica-criancas-colegio-pedro-ii/
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

A CULTURA BRASILEIRA
É uma síntese da influência dos
vários povos e etnias que formaram
o povo brasileiro.
Não existe uma cultura brasileira
perfeitamente homogênea, e sim um
mosaico de diferentes vertentes culturais
que formam, juntas, a cultura do Brasil .
Embora seja um país de colonização
portuguesa, outros grupos étnicos
deixaram influências profundas na Imagem: Paola peralta / Creative Commons
Attribution-Share Alike 3.0 Unported license.
cultura nacional, destacando-se
os povos indígenas, os africanos, os
italianos e os alemães.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_do_Brasil
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


OS INDÍGENAS
A colonização do território brasileiro pelos europeus representou em grande
parte a destruição física dos indígenas através de guerras e escravidão, tendo
sobrevivido apenas uma pequena parte das nações indígenas originais.
A cultura dos índios foi também parcialmente eliminada pela ação da catequese
e intensa miscigenação com outras etnias. Atualmente, apenas algumas
poucas nações indígenas ainda existem e conseguem manter parte da sua
cultura original.
O O
S S
I

Imagem: Tetraktys / Creative Commons


N I
D N
Í D

Attribution 3.0 Brazil license.


G Í
E G
N E
A N
S A
S
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


OS INDÍGENAS
A cultura e o conhecimento dos

Commons Attribution 3.0 Brazil


Imagem: Tetraktys / Creative
indígenas sobre a terra foram
determinantes durante a colonização,
influenciando a língua, a culinária,
o folclore e o uso de objetos caseiros
diversos como a rede de descanso.

license.
A influência indígena é também forte
no folclore do interior brasileiro, povoado
de seres fantásticos como o curupira, o
saci-pererê, o boitatá e a iara, entre outros.
Na culinária brasileira, a mandioca, a erva-
mate, o açaí, a jabuticaba, pescados e
outros frutos da terra, além de pratos
como o pirão entraram na alimentação
Imagem: Tetraktys / Creative Commons Attribution
3.0 Brazil license. brasileira por influência indígena.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_do_Brasil
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

OS AFRICANOS Escravas de várias etnias

A cultura africana chegou ao Brasil

Imagem: Jean-Baptiste Debret


com os povos escravizados trazidos

(1768–1848) / public domain


da África durante o longo período em
que durou o tráfico negreiro
transatlântico. A diversidade cultural da
África refletiu-se na diversidade dos
escravos, pertencentes a diversas
etnias que falavam idiomas diferentes e
trouxeram tradições distintas. Os

Imagem: Yves Picq / GNU Free


africanos trazidos ao Brasil incluíram
bantos, nagôs e jejes, cujas crenças

Documentation License
religiosas deram origem às religiões
afro-brasileiras, e os hauçás e malês,
de religião islâmica e alfabetizados em
árabe.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_do_Brasil
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

OS AFRICANOS contribuíram para a cultura brasileira em uma enormidade


de aspectos: dança, música, religião, culinária e idioma. Essa influência se
faz notar em grande parte do país; em certos estados como Bahia, Maranhão,
Pernambuco, Alagoas, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Rio Grande
do Sul .
Na música, a cultura africana contribuiu com os ritmos que são a base de boa
parte da música popular brasileira. Gêneros musicais coloniais de influência
africana, como o lundu, terminaram dando
origem à base rítmica do maxixe, samba,
choro, bossa-nova e outros gêneros musicais
atuais. Também há alguns instrumentos
musicais brasileiros, como o berimbau,
o afoxé e o agogô, que são de origem
africana. O berimbau é o instrumento
utilizado para criar o ritmo que acompanha
os passos da capoeira, mistura de dança e
arte marcial criada pelos escravos no Brasil
colonial. .http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_do_Brasil Imagem: Habj / GNU Free Documentation License
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

1- LEITURA E COMPREENSÃO DA COMPOSIÇÃO MUSICAL


2- PRODUÇÃO E REPRESENTAÇÃO GESTUAL DO TEXTO

CANTO DAS TRÊS RAÇAS (1974)


Composição: Paulo Cesar Pinheiro e Mauro Duarte
Interpretação: Clara Nunes
Do quilombo dos palmares
Ninguém ouviu
Onde se refugiou
Um soluçar de dor
Fora a luta dos inconfidentes
No canto do Brasil
Pela quebra das correntes
Um lamento triste sempre ecoou
Nada adiantou
Desde que o índio guerreiro
E de guerra em paz, de paz em guerra
Foi pro cativeiro
Todo povo dessa terra
E de lá cantou
quando pode cantar, canta de dor
Negro entoou
ôôôôôô
Um canto de revolta pelos ares
ôôôôôô ôô
http://www.paixaoeromance.com/70decada/canto3racas/h_canto_3_ra%C3%A7as.htm
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

CANTO DAS TRÊS RAÇAS


(1974)
E ecoa noite e dia Um lamento triste sempre ecoou
É ensurdecedor Desde que o índio guerreiro
Aí, mas que agonia Foi pro cativeiro
O canto do trabalhador E de lá cantou
Esse canto que devia Negro entoou
Ser um canto de alegria Um canto de revolta pelos ares
Soa apenas como um Do quilombo dos palmares
soluçar de dor Onde se refugiou
ôôôôôô Fora a luta dos inconfidentes
ôôôôôô ôô Pela quebra das correntes
ôôôôôô Nada adiantou
ôôôôôô ôô E de guerra em paz,
Ninguém ouviu de paz em guerra
Um soluçar de dor Todo povo dessa terra
No canto do Brasil quando pode cantar, canta de dor

http://www.paixaoeromance.com/70decada/canto3racas/h_canto_3_ra%C3%A7as.htm
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


CANTO DAS TRÊS RAÇAS (1974)
ôôôôôô
ôôôôôô ôô

Commons Attribution-Share Alike 2.0


Imagem: Ferdinand Reus / Creative
ôôôôôô
ôôôôôô ôô
E ecoa noite e dia
É ensurdecedor

Generic license.
Ai, mas que agonia
O canto do trabalhador
Esse canto que devia
Ser um canto de alegria Imagem: Yves Picq / Imagem: Chris Willis /
GNU Free Creative Commons
Soa apenas como um soluçar de dor Documentation Attribution 2.0 Generic
License license
ôôôôôô
ôôôôôô ôô
ôôôôôô A fusão das três raças para a
ôôôôôô ôô composição do povo brasileiro é
ôôôôôô vista por Freyre como um fator
ôôôôôô ôôôôôôôô positivo.
ôôôôôô ôô
http://www.paixaoeromance.com/70decada/canto3racas/h_canto_3_ra%C3%A7as.htm
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

SUGESTÕES DE ATIVIDADES
1- FORMAR GRUPOS
2- CANTAR A MÚSICA: BRASIS
3- CRIAR UMA COREOGRAFIA
4- PRODUZIR O FIGURINO/ADEREÇOS
5- APRESENTAÇÃO DA DANÇA:BRASIS
6- AVALIAR AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS
DAS COREOGRAFIAS.
BRASIS
Composição:Seu Jorge/Gabriel
Moura/Jovi Joviniano
Canta:Seu Jorge
A música que retrata o povo brasileiro
Acesse a letra e clip
http://letras.terra.com.br/seu-jorge/456889/
Imagem: Eric Draper /public domain
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

.....SUGESTÕES DE ATIVIDADES

1- FORMAÇÃO DE GRUPOS
2- SUGERIR PESQUISAS DE NOVAS
MÚSICAS QUE ABORDEM O TEMA
DAS TRÊS RAÇAS
3- CRIAR UMA COREOGRAFIA
4- PRODUZIR O FIGURINO/ADEREÇOS
5- PRODUZIR UM FESTIVAL DE DANÇA
6- AVALIAR AS COREOGRAFIAS Imagem: Joe Mabel / GNU Free
Documentation License
7- AUTOAVALIAÇÃO
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

VOCÊ JÁ VIU UMA CENA IGUAL A ESTA ALGUMA VEZ ?

Imagem disponível no site:


http://oktoberfestbnu.blogspot.com.br/2009/07/danca-
multicultural.html
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

QUAIS SÃO AS DIFERENÇAS CULTURAIS DELES?

O 4º Salão do Turismo, em São Paulo,

Imagem: José Cruz / Creative Commons Attribution 3.0


parou para registrar uma cena, no mínimo,
improvável. Rainha e princesas da
Oktoberfest, que lá estão para divulgar a
maior festa alemã das Américas,
conquistaram um grupo de índios Pataxós e
dançaram ao som da banda típica alemã que
acompanha a realeza.
Um rápido baile que bem sintetiza o caráter
do evento promovido pelo Ministério do

Brazil license.
Turismo no Anhembi. Será que teremos
índios na Oktober?
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


Algumas danças populares são tão conhecidas que se transformaram em
símbolos nacionais. É o caso do Samba, no Brasil, da Tarantella, na Itália e
do Vira, em Portugal. http://zunal.com/introduction.php?w=58776
A DANÇA EM PERNAMBUCO

Imagem: E2m / public domain


VAMOS CONHECER ALGUMAS DANÇAS QUE FAZEM PARTE DE NOSSA
IDENTIDADE CULTURAL
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


PERNAMBUCO
O FREVO É CONSIDERADO PATRIMÔNIO IMATERIAL DO BRASIL.

F
R
E
V
O

Imagem: Prefeitura de Olinda / Creative Commons


Attribution 2.0 Generic license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


PERNAMBUCO
F
R
E
V
O
Imagem: Quintinense / public domain

O ritmo nasceu na cidade do Recife, por volta do fim do século XIX,


caracterizado pelo ritmo extremamente acelerado.
A dança veloz rapidamente se espalhou e encantou as pessoas que
conheciam aquela nova forma de dançar, em velocidade mais rápida.
Dia do Frevo - 9 de fevereiro

http://dicasgratisnanet.blogspot.com.br/2011/02/origem-e-historia-do-frevo.html
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


PERNAMBUCO
Era comum ocorrerem conflitos
entre os blocos de frevo, em
que capoeiristas saíam à frente
F
dos seus blocos para intimidar R
os blocos rivais protegendo
assim o estandarte da escola. E
http://dicasgratisnanet.blogspot.com.br/2011/0
2/origem-e-historia-do-frevo.html V
O

Imagem: Andre bispo / Creative Commons


Attribution 2.0 Generic license.

Imagem: Aroma De Limón / Creative Commons Attribution-


Share Alike 2.0 Generic license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


PERNAMBUCO
Sombrinhas coloridas utilizadas na dança seriam uma estilização das que
eram utilizadas inicialmente como armas de defesa dos passistas que
remetiam a uma luta. O significado da palavra frevo vem de ferver, no sentido
de agitar, comemorar, festejar, uma comemoração que remonta o aperto nas
reuniões de grande massa popular no seu vai-e-vem e em direções contrárias.

F
R

Commons Attribution 2.0 Generic license.


Imagem: Prefeitura de Olinda / Creative
E
V
O
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


PERNAMBUCO É FREVO!!
O passo do frevo teve origem nos movimentos da capoeira. A estilização dos
passos foi resultado da perseguição pela polícia aos “capoeiras”, como eram
conhecidos, que dançavam em rodas musicais com sombrinhas na
mão para estilizar as armas utilizadas pelos seus perseguidores.
Em 1930, surge a divisão do frevo em três tipos: Frevo de Rua, Frevo Canção,
e Frevo de Bloco. Por ter ritmo e gingado contagiantes, o frevo é hoje uma
dança da multidão, na qual se confundem e misturam todas as classes
sociais. É ouvido nas ruas ou nos salões, por ricos e pobres transmitindo
energia positiva por todos os ângulos e nas facetas de cada passista.

Commons Attribution 3.0 Brazil license.


O ritmo frevo pode ser dançado
de duas formas:

Imagem: Antônio Cruz / Creative


A primeira, quando o povo dança.
A segunda, quando os passistas
realizam os passos mais difíceis,
com movimentos acrobáticos.
http://www.galodamadrugada.org.br/oGalo.php?cod=10
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

O FREVO POSSUI 120 PASSOS CATALOGADOS


VEJA ALGUNS DOS PASSOS BÁSICOS DO FREVO
Os passos básicos elementares são: dobradiça, tesoura, locomotiva, ferrolho,
parafuso, pontilhado, ponta de pé e calcanhar, saci-pererê, abanando, caindo-nas-
molas, o bêbado, e pernada.
DOBRADIÇA – flexionam-se as pernas, com os joelhos para frente e o apoio do
corpo na ponta dos pés. Corpo curvado para frente realizando as mudanças dos
movimentos: o corpo apoiado nos calcanhares, que devem estar bem próximos um
do outro, pernas distendidas, o corpo jogado para frente e para trás, com a
sombrinha na mão direita, subindo e descendo para ajudar no equilíbrio. Não há
deslocamentos laterais. Os pés pisam no mesmo local com os calcanhares e pontas.
PARAFUSO – Total flexão das pernas. O corpo fica, inicialmente, apoiado em um só
pé virado, ou seja, a parte de cima do pé fica no chão, enquanto o outro pé vira-se,
permitindo o apoio de lado (o passista arria o corpo devagar
http://carnaval.olinda.pe.gov.br/historia/homenagem-ao-frevo/dobradica-tesoura-os-passos-basicos-do-frevo

ASSISTA OS VÍDEOS :ESCOLA DO FREVO – PERNAMBUCO www.pernambuco.tv


http://www.youtube.com/watch?v=bCDF2XxxXnA&feature=related
http://dicasgratisnanet.blogspot.com.br/2011/02/origem-e-historia-do-frevo.html
Aula de Frevo - Olinda - 100 Anos de Frevo sem Perder o Passo
http://www.youtube.com/watch?v=xQfI-KLZtzI

http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=442&Itemid=1
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


OS PASSOS BÁSICOS DO FREVO
TESOURA – Passo cruzado com pequenos deslocamentos à direita e à esquerda.
Pequeno pulo, pernas semiflexionadas, sombrinha na mão direita, braços flexiona-
dos para os lados. O dançarino cruza a perna direita por trás da esquerda em meia
ponta, perna direita à frente, ambas semiflexionadas. Um pulo desfaz o flexiona-
mento das pernas e, em seguida, a perna direita vai apoiada pelo calcanhar; en-
quanto à esquerda, semiflexionada, apoia-se em meia ponta do pé, deslocando o
corpo para a esquerda. Refaz-se todo o movimento, indo a perna esquerda por trás
da direita para desfazer o cruzamento. Nesse movimento, o deslocamento para a
direita é feito com o corpo um pouco inclinado
LOCOMOTIVA – Inicia-se com o corpo agachado e os braços abertos para frente,
em quase circunferência e a sombrinha na mão direita. Dão-se pequenos pulos
para encolher e estirar cada uma das pernas, alternadamente.

FERROLHO – Como a sapatear no gelo, as pernas movimentando-se primeiro em


diagonal (um passo) seguido de flexão das duas pernas em meia ponta, com o
joelho direito virado para a esquerda e vice-versa. Repetem-se os movimentos,
vira-se o corpo em sentido contrário ao pé de apoio, acentuando o tempo e a
marcha da música. Alternam-se os pés, movimentando-se para frente e para trás,
em meia ponta e calcanhar; o passista descreve uma circunferência.
http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/index.php?option=com_content&view=article&id=442&Itemid=1
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

BUMBA-MEU-BOI
Dança dramática presente em várias festividades, como o Natal e as festas juninas, o
bumba-meu-boi tem características diferentes e recebe inclusive denominações
distintas de acordo com a localidade em que é apresentado: no Piauí e no Maranhão,
chama-se bumba-meu-boi; na Amazônia, boi-bumbá; em Santa Catarina, boi-de-
mamão; no Recife, é o boi-calemba e no Estado do Rio de Janeiro, folguedo-do-boi.
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/festas-juninas/f
esta-junina-2.php#ixzz1wHwTGufv

Bumba-meu-boi,
boi bumbá ou pavulagem
é uma dança do folclore
popular brasileiro, com
personagens humanos e
animais fantásticos, que
gira em torno da morte e
ressurreição de um boi.
Hoje muito popular e
conhecida.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bumba_meu_boi Imagem: Henrique Vicente from Recife, PE Brazil / Creative Commons Attribution 2.0
Generic license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

BUMBA-MEU-BOI
O enredo da dança é o seguinte:
uma mulher chamada Mãe Catirina,
que está grávida, sente vontade de
comer língua de boi.
O marido, Pai Francisco, resolve
atender ao desejo da mulher e mata
o primeiro boi que encontra.
Logo depois, o dono do boi, que
era o patrão de Pai Francisco,
aparece e fica muito zangado ao
ver o animal morto.
Para consertar a situação, surge
um curandeiro, que consegue
ressuscitar o boi. Nesse momento,
todos se alegram e começam a Imagem: SLRTDM / Creative Commons Attribution-
Share Alike 3.0 Unported license.
brincar.
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/festas-juninas/
festa-junina-2.php#ixzz1wHwTGufv MULTICULTURAIS
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

BUMBA-MEU-BOI
Os participantes do
bumba-meu-boi dançam
e tocam instrumentos
enquanto as pessoas que
assistem se divertem
quando o boi ameaça
correr atrás de alguém.
O boi do espetáculo é feito de Imagem: CDI Europe / Creative Commons Attribution-Share Alike
2.0 Generic license.
papelão ou madeira e recoberto Vamos cantar? Meu boi morreu
por um pano colorido. que será de mim?
Dentro da carcaça, alguém faz os manda buscar outro,
movimentos do boi. ô maninha,
Fonte: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/festas-juninas/festa-junina-
2.php#ixzz1wHwTGufv lá no Piauí.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

MARACATU NAÇÃO

Maracatu é uma manifestação


cultural da música folclórica
pernambucana afro-brasileira.
É formada por uma percussão
que acompanha um cortejo
real. Como a maioria das
manifestações populares do
Brasil, é uma mistura das
culturas indígena, africana e
europeia. Surgiu em meados
do século XVIII.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracatu_Na%C3%A7%C3%A3o
Imagem: Pcoke / GNU Free Documentation License
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


MARACATU NAÇÃO

Maracatu é um ritmo musical,


conhecido como Baque virado,
utilizado pelo Maracatu Nação.
É caracterizado principalmente
pela percussão forte, em ritmo
frenético, que teve origem nas
congadas, cerimônias de
coroação dos reis e rainhas da
Nação negra.
A percussão é baseada em
tambores grandes, chamados
alfaias (pulso do Maracatu),
acompanhados de caixas,
taróis, ganzás e um gonguê. Imagem: Tetraktys / Creative Commons Attribution 3.0 Brazil license.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracatu_(ritmo)
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


MARACATU NAÇÃO
Os cortejos de Maracatu são uma tentativa de refletir as antigas cortes africanas
que, ao serem conquistados e vendidos como escravos, trouxeram suas raízes e
mantiveram seus títulos de nobreza para o Brasil.
As personagens que compõem o cortejo são:
Porta-estandarte: que leva o estandarte; este contém, basicamente, o nome da
agremiação, uma figura que o represente e o ano que foi criada.
Dama do paço: mulher que leva em uma das mãos a CALUNGA (boneca de madeira,
ricamente vestida e que simboliza uma entidade ou rainha já morta).
Rei e rainha: as figuras mais importantes do cortejo; é por sua coroação que tudo é
feito. Essa ala representa a nobreza da Nação.
De cada lado seguem as escravas ou catirinas, normalmente jovens, que usam
vestimentas de chitão.
Vassalo: um escravo que leva o PALIO (guarda-sol que protege os reis).
Figuras da corte: príncipes, ministros e embaixadores.
Damas da corte: senhoras ricas que não possuem títulos nobiliárquicos.
Yabás: conhecidas como baianas, que são escravas.
Batuqueiros: que animam o cortejo, tocando vários instrumentos, como caixas de
guerra, alfaias (tambores), gonguê, xequerês, maracás, etc.
Licença:Wikimedia Commons
http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracatu_Na%C3%A7%C3%A3o

MULTICULTURAIS
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

MARACATU RURAL
Maracatu Rural é uma manifestação cultural
da música folclórica pernambucana no qual
figuram os conhecidos caboclos de lança.
É conhecido por Maracatu de Baque Solto
Maracatu Rural significa para seus integrantes
algo mais que uma brincadeira: é uma herança
secular, motivo de muito orgulho
e admiração: a cultura.
É formado por pessoas simples,
principalmente por trabalhadores rurais
que, com as mesmas mãos que cortam
cana,lavram a terra, carregam peso,
também bordam golas de caboclo,
cortam fantasias, enfeitam guiadas,
Imagem:Paulo Camelo / Creative Commons Attribution-
relhos e chapéus; dedicando-se ao Share Alike 3.0 Unported license.
bem mais valioso que possuem.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracatu_Rural
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

MARACATU RURAL
Os principais personagens são:
Cablocos de Lança, Passistas de frevo CABOCLO DE LANÇA
Mateus e Catirina, Reis e Rainhas,etc.

Imagem: Antonio Cruz/Agência Brasil / Creative Commons


Atividades

1-FAÇA A APRECIAÇÃO DOS VÍDEOS DE


CORTEJOS DE MARACATUS.
2- CRIE OS GRUPOS DE REPRESENTAÇÃO
MARACATU NAÇÂO E MARACATU RURAL E

Attribution 3.0 Brazil license.


APRESENTE PARA A SUA COMUNIDADE, MÍDIA.
VÍDEO:MARACATU NAÇÂO.
VÍDEO:MARACATU CABLOCO DE LANÇA
www.youtube.com/watch?v=Oaf8xkOfZlk
http://pt.wikipedia.org/wiki/Maracatu_Rural

ÍCONES DO CARNAVAL DE
PERNAMBUCO
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


CABOCLINHOS
Caboclinhos é uma dança folclórica executada durante o Carnaval, no
Nordeste do Brasil, por grupos fantasiados de índios que, com vistosos
cocares, adornos.de pena na cinta e nos tornozelos, colares, representam
cenas de caça e combate. http://pt.wikipedia.org/wiki/Caboclinhos
As tribos de Caboclinho se apresentam com rei (cacique), rainha (cacica),
capitão, tenente, guia, contra-guia, perós ou indiozinhos, porta-estandartes,
caboclinhos, caboclinhas, pajé, caboclinhos caçadores, princesas e
curandeiro. A orquestra é formada pelos instrumentos: gaita ou flautim
(de taquara ou inúbia), caracaxás ou mineiros, tarol e surdo.

Características do Caboclinhos
A dança guerreira, cunho
religioso propiciatório de boa
colheita ou caçada, a recitação
de versos heróico-nativistas,etc.
:

http://www.viagemdeferias.com/recife/cultura/caboclinho.php Imagem: Sergio Luiz / Creative Commons


Atribuição 2.0 Genérica.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL


CABOCLINHOS

Sempre vestidos de tangas e cocar de penas de aves (ema, avestruz e pavão),


os caboclinhos usam ainda uma variedade de adereços, tais como: pulseiras,
braçadeiras em pena (caboclos), colares de contas e sementes (no pescoço),
pequenas cabaças (na cintura), flechas grandes (para moças) preacas, que
consistem em arcos com flechas retesadas, presas, que puxadas, produzem um
estalido seco, marcando o ritmo.http://www.viagemdeferias.com/recife/cultura/caboclinho.php
A dança é forte e rápida, exigindo
destreza e desenvoltura dos
participantes. Há passos em que
se dança agachado, baixando-se
e levantando-se rapidamente e ao
mesmo tempo rodopiando,
apoiando-se nas pontas dos pés
e calcanhares, exigindo muita
resistência física.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Caboclinhos
Imagem: Paulo Gileno Cysneiros / GNU Free
Documentation License
Aprecie os vídeos:Dança dos Caboclinho Carnaval 2010
http://www.youtube.com/watch?v=L9p7zR9nmKs&feature=player_detailpage
G. de Dança CAETÉS(cg) em: CABOCLINHOS 5.http://www.youtube.com/watch?v=f_PAJ4K4uf4
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

COCO
Coco significa cabeça, de onde vêm as músicas, de letras simples. Com influência africana e
indígena, é uma dança de roda acompanhada de cantoria e executada em pares, fileiras ou
círculos durante festas populares do litoral e do sertão nordestino. Nomenclaturas diferentes,
como coco-de-roda, coco-de-embolada, coco-de-praia,
coco-do-sertão, coco-de-umbigada, e ainda outros o nominam com o instrumento mais
característico da região em que é desenvolvido, como coco-de-ganzá e coco de zambê. Cada
grupo recria a dança e a transforma ao gosto da população local.

O som característico do coco vem de quatro instrumentos (ganzá, surdo, pandeiro e triângulo),
mas o que marca mesmo a cadência desse ritmo é o repicar acelerado dos tamancos. A sandália
de madeira é quase como um quinto instrumento, a sonoridade é completada com as palmas.
Acesse o vídeo:Samba Coco Raízes de Arcoverde – Rumos http://pt.wikipedia.org/wiki/Coco_(dan%C3%A7a)
Músicahttp://www.youtube.com/watch?v=iNl4wB94WhM&feature=related

Artistas notáveis
Amaro Branco
Aurinha e
Grupo Rala Coco
Selma do Coco
Raízes de
Arcoverde
Imagem: Ministério da Cultura / Creative
Commons Attribution 2.0 Generic license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

CIRANDA
A ciranda é uma dança típica das praias, mais precisamente daquelas situadas ao
norte de Pernambuco. Os locais populares como as beiras de praia, os terreiros de
bodega, pontas de rua, etc. Seus participantes eram basicamente trabalhadores
rurais, pescadores, operários de construção, biscateiros. É uma manifestação
comunitária, não tendo nenhum preconceito quanto ao sexo, cor, idade, condição
social ou econômica dos participantes. Etimologicamente, a palavra "ciranda" foi
alvo de muitas interpretações. Segundo o padre Jaime Diniz, ela é proveniente do
vocábulo espanhol Zaranda, que é um instrumento de peneirar farinha daquele país
e que teria evoluído da palavra árabe Çarand, como afirma Caldas Aulete.
http://www.viagemdeferias.com/recife/cultura/ciranda.php

Imagem: beltsy.info / public domain


I
R
A
N
D
A

Aprecie o vídeo:cirandas AULA Educopedia.wmv


http://www.youtube.com/watch?v=NPmE2wr94z4&feature=fvwrel
http://www.viagemdeferias.com/recife/cultura/ciranda.php
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

CIRANDA
A CIRANDA caracteriza-se pela formação de uma grande roda, onde os integrantes
dançam ao som de ritmo lento e repetido.
A DANÇA - Os passos da dança variam com a própria dinâmica da manifestação, não
sendo definitivos. Destacam-se os três mais conhecidos dos cirandeiros: a onda, o
sacudidinho e o machucadinho.
Na marcação do zabumba, os cirandeiros pisam forte com o pé esquerdo à frente.
Num andamento para a direita na roda de ciranda, os dançarinos dão dois passos para
trás e dois passos para a frente, sempre marcando o compasso com o pé esquerdo à
frente. Os passos podem ser simples ou coreografados.
O dançarino pode aumentar o número de passos e fazer coreografias com as mãos e o
corpo, sempre mantendo a marcação com o pé esquerdo à frente. http://pt.wikipedia.org/wiki/Ciranda
O ritmo, quaternário composto, lento, com o
compasso bem marcado por um toque forte
do zabumba, ganzá, maracá e o caixa,
formam o instrumental básico.
Geralmente começa com uma pequena roda
de poucas pessoas, que vai aumentando
à medida que outros chegam para dançar.
Acesse o vídeo:
Ciranda - Balé Folclórico do Porto – PE
saojoaodegoiana.blogspot.com Imagem: Blog do Santinha / Creative Commons
Attribution 2.0 Generic license.
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

FORRÓ
Duas histórias cercam a origem do nome Forró. A mais difundida é de que os Ingleses,
que trabalhavam na construção de uma estrada de ferro no nordeste, promoviam bailes
"For All", com a trilha sonora e dança local - entenda-se baião assim o nome foi
pegando. A outra versão, " é do pesquisador Câmara Cascudo, mais nacionalista e
apegada às raízes, diz que a palavra tem sua origem na língua africana, com o
vocábulo Forrobodó, que em determinado dialeto significa exatamente festa, bagunça.
O FORRÓ é dançado em duplas, casais, que executam diversas evoluções, diferentes
para o Forró nordestino e o Forró universitário. A diferença principal entre esses dois
forrós é que o Nordestino tem mais malícia, sensualidade, e exige mais cumplicidade
dos parceiros. O Forró universitário tem mais evoluções, mais "passos".
O modo de dança no Forró Universitário é o dois-dois, e os passos principais são:
"Dobradiça“ (abertura lateral como uma porta);
"Caminhada" (que ao invés de ir para os lados, caminha pra a frente ou para trás);
"Comemoração" (estilo de balançada com a perna do cavalheiro no meio da perna
da dama); Giro simples; Giro do cavalheiro;
"Oito" (quando o cavalheiro e a dama ficam de costas e passam um pelo outro),
No Forró Nordestino, o modo de dança é o um-um (para frente e para trás)
são: a levantada de perna, e a "testada" (o cavalheiro e a dama encostam as testas).
APRECIE O VÍDEO:Forró Horizontal - Escola Arte da Dança
http://www.youtube.com/watch?v=w6bdU8DQ8Ww
Texto extraído do site www.projetoequilibrio.com
http://blogculturadonorte.blogspot.com.br/2007/04/conhea-mais-sobre-o-forr-dana-tpica.html
ARTE – DANÇA - 7º ANO
ASPECTOS MULTICULTURAIS DA DANÇA LOCAL

XAXADO
A Dança do Xaxado teria surgido a partir do Baião originária do Sertão Nordestino como nos
estados da Bahia, Alagoas e Pernambuco .
Sua origem ligada diretamente ao Cangaço principalmente ao Bando de Virgulino Ferreira da Silva,
conhecido por Lampião, em que as circunstâncias de estarem sempre em batalhas além de alguns
homens não estarem acompanhados de suas mulheres dançavam com o rifle, que fazia o papel de
mulher, com o rifle batendo-o no o chão, arrastando as alpercatas de couro no chã é por alusão ao
barulho provocado pelas alpercatas(para xaxá) que deu o nome a Dança, inicialmente apenas
masculina e, posteriormente, passou a ser dançado também por mulheres. Hoje a Dança não é mais
unicamente masculina, a figura dos pares já é bastante evidenciada, a indumentária dos grupos que
praticam esta dança traz novamente a afirmação da sua origem, pois se vestem como Cangaceiros e
Cangaceiras, em muitos casos apenas os homens possuem o rifle.
A Dança é realizada basicamente em duas fileiras, uma de homem
e outra de mulher, ocorrendo algumas evoluções, que dançam separados, alpercatas ao chão.
O Xaxado é dançado em círculo e em fila indiana e sem volteio.
O pé direito avança em 3 ou 4 movimentos para os lados e puxa ou não o pé esquerdo
para a frente, como se fosse um sapateado.
A marcação do tempo forte era acentuada por uma pancada do rifle contra o solo..

APRECIE O VÍDEO:Xaxado Pisada do Sertão


http://artecenica.no.comunidades.net/index.php?pagina=1075705521
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=miOlLzPPcoc
Tabela de Imagens
n° do direito da imagem como está ao lado da link do site onde se conseguiu a informação Data do
slide, foto Acesso

3 Ranveig / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:MoghulW 21/09/2012


omen2.jpg
4A Valter Campanato / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:%C3%8Dn 21/09/2012
Attribution 3.0 Brazil license. dios_da_etnia_Terena2.jpg
4B PedroPVZ / Creative Commons Attribution- http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Rancho_p 21/09/2012
Share Alike 2.5 Generic license. oveiro.JPG
5 Thiste / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mapa_do 21/09/2012
_Brasil_com_a_Bandeira_Nacional.png
6 Paola peralta / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Social_Me 21/09/2012
Attribution-Share Alike 3.0 Unported dia_Marketing.jpg
license.
7 Tetraktys / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Indians_of 21/09/2012
3.0 Brazil license. _northeastern_of_Brazil_%284%29.jpg
8A Tetraktys / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Indians_of 21/09/2012
3.0 Brazil license. _northeastern_of_Brazil_%282%29.jpg
8B Tetraktys / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Indians_of 21/09/2012
3.0 Brazil license. _northeastern_of_Brazil_%283%29.jpg
9A Jean-Baptiste Debret (1768–1848) / public http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Debret_- 21/09/2012
domain _Negros_Cangueiros.jpg
Tabela de Imagens
n° do direito da imagem como está ao lado da link do site onde se conseguiu a informação Data do
slide, foto Acesso

9B Yves Picq / GNU Free Documentation http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Namibie_ 21/09/2012


License Himba_0703a.jpg
10 Habj / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Capoeira- 21/09/2012
three-berimbau-one-pandeiro.jpg
13A Ferdinand Reus / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Mali_Peul 21/09/2012
Attribution-Share Alike 2.0 Generic license. _woman.jpg
13B Yves Picq / GNU Free Documentation http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Gaviao_13 21/09/2012
License 33a.JPG
13C Chris Willis / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Gorgeous 21/09/2012
2.0 Generic license. _Model_with_Beautiful_Eyes.jpg
14 Eric Draper / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:West_Afri 21/09/2012
can_Dance_at_the_White_House,_2007Apr25.jpg
15 Joe Mabel / GNU Free Documentation http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Festal_Ha 21/09/2012
License waiian_dancers_01.jpg
17 José Cruz / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:%C3%8Dn 21/09/2012
3.0 Brazil license. dio_patax%C3%B3.jpg
18 E2m / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bandeira_ 21/09/2012
de_Pernambuco.svg
19 Prefeitura de Olinda / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Passistas_ 21/09/2012
Attribution 2.0 Generic license. de_Frevo.jpg
Tabela de Imagens
n° do direito da imagem como está ao lado da link do site onde se conseguiu a informação Data do
slide, foto Acesso

20 Quintinense / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:0013_- 21/09/2012


_Ariany,_Monique_e_Ra%C3%ADssa_de_Oliveira.J
PG
21A Aroma De Limón / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Capoeira_ 21/09/2012
Attribution-Share Alike 2.0 Generic license. Dance.jpg
21B Andre bispo / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Frevo.jpg 21/09/2012
Attribution 2.0 Generic license.
22 Prefeitura de Olinda / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bonecos_ 21/09/2012
Attribution 2.0 Generic license. de_Olinda_-_Pernambuco,_Brasil.jpg
23 Antônio Cruz / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bloco_de_ 21/09/2012
Attribution 3.0 Brazil license. rua.jpg
26 Henrique Vicente from Recife, PE Brazil / http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bumba- 21/09/2012
Creative Commons Attribution 2.0 Generic meu-boi.jpg
license.
27 SLRTDM / Creative Commons Attribution- http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Boi_Mimo 21/09/2012
Share Alike 3.0 Unported license. so.PNG
28 CDI Europe / Creative Commons Attribution- http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bumba_m 21/09/2012
Share Alike 2.0 Generic license. eu_boi_-_Maranh%C3%A3o,_Brasil.jpg
29 Pcoke / GNU Free Documentation License http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maracatu. 21/09/2012
jpg
Tabela de Imagens
n° do direito da imagem como está ao lado da link do site onde se conseguiu a informação Data do
slide, foto Acesso

30 Tetraktys / Creative Commons Attribution http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Bloco_de_ 21/09/2012


3.0 Brazil license. maracatu_-_olinda.jpg
32 Paulo Camelo / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Caboclos_ 21/09/2012
Attribution-Share Alike 3.0 Unported de_lan%C3%A7a.jpg
license.
33 Antonio Cruz/Agência Brasil / Creative http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Maracatu 21/09/2012
Commons Attribution 3.0 Brazil license. 200802AntonioCruzAgenciaBrasil.jpg
34 Sergio Luiz / Creative Commons Atribuição http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Carnival_i 21/09/2012
2.0 Genérica. n_Rio_de_Janeiro.jpg?uselang=pt-br
35 Paulo Gileno Cysneiros / GNU Free http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Caboclinh 21/09/2012
Documentation License os_curumins_crian%C3%A7as_fev07.jpg
36 Ministério da Cultura / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Flickr_- 21/09/2012
Attribution 2.0 Generic license. _Minist%C3%A9rio_da_Cultura_-
_Samba_de_roda_com_baianas_e_Ol%C3%ADvia_
Santana.jpg
37 beltsy.info / public domain http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Dances.jp 21/09/2012
g
38 Blog do Santinha / Creative Commons http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Zabumba_ 21/09/2012
Attribution 2.0 Generic license. Coral.jpg