Você está na página 1de 29

TPM

TPM
Manutenção Produtiva Total

Parte 1
Introdução

1
Autor:Formação
JoséTPMPedro
– Parte 1A. Rodrigues da Silva Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Programa
1- Introdução

2- Os pilares do TPM

3- Técnicas e ferramentas do TPM

4- Implementação do TPM

5- Conclusões

Anexos

2
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1- INTRODUÇÃO
1.1- Origens

1.2- Evolução da Manutenção

1.3- Tipos de Manutenção

1.4- Conceitos associados ao TPM

1.5- Definições de TPM

1.6- Organização das actividades TPM - Pilares

3
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.1- Origens

Taiichi Ohno Seichi Nakajima


“Toyota Production System” “Toyota Production System”

1950 1950

Shigeo Shingo
“Toyota Production System”
4
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Origens

• EUA – anos 40-50 - Aparece o conceito da Manutenção Produtiva


(PM) caracterizada pelo desenvolvimento da manutenção
preventiva planeada com o intuito de aumentar a fiabilidade e a
duração dos equipamentos
• Japão – anos 60 - O TPM surge na empresa Nippondenso
(fornecedora de componentes para a Toyota)
• Japão – anos 60-70 – Adopção do TPM por grande número de
empresas Japonesas, com destaque para a Toyota
• EUA, Europa – anos 80-90 – Alargamento do TPM aos países
Ocidentais, especialmente na indústria automóvel

5
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.2- Evolução da manutenção


Organização da Produção (Pessoas e Qualidade)
1960s
1950s 1962

Controlo Círculos
Control Organização Total Produtiva
Qualidade
Qualidade Qualidade 1970s e 80s
Total
Produção
-CQ -Resolução de -CEP
-CEQ problemas em grupo -Foco no Cliente
JIT
-Envolvimento dos -Empowerment 1970s 1977
empregados dos colaboradores -Redução do TEC
-Zero defeitos Manutenção -Zero excesso de
(1965) Manutenção inventário
Produtiva
da Qualidade
Total
1980s
Organização da Manutenção (Máquinas)
-JIPM -Gestão MQP
-”Eficácia do Máquinas Produção
Pré 1950s 1951 1960 Flexível
equipamento” Qualidade
>Zero paragens Pessoas
Manutenção Manutenção Manutenção -Mudança
>Zero acidentes -Qualidade pelas
Emergência Preventiva Produtiva rápida de
>Zero defeitos máquinas
produção
-Custo do ciclo
-Manutenção -Prevenção da
de vida
preventiva “estilo manutenção
-Ciências
americano” -Fiabilidade
comportamentais
-Manutabilidade -Manutabilidade
-JIPE
Era da produção em massa Era da produção flexível

Era da produção Lean


6
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.3- Tipos de manutenção


MANUTENÇÃO

Planeada Não Planeada

Preventiva

Sistemática Não Sistemática Correctiva


ou Baseada na Correctiva ou
Periódica Condição Curativa

Prevenção da Manutenção

Manutenção Centrada na Fiabilidade


7
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.4- Conceitos associados ao TPM

• Os Princípios Chave do TPM


• As “6 Grandes Perdas” dos equipamentos
• OEE – Eficácia Global do Equipamento
• O Conceito de Zero
• Causas crónicas e causas esporádicas
• Deterioração natural e forçada

8
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


OS CINCO PRINCÍPIOS CHAVE DO TPM
• Maximizar a eficácia global do equipamento
• Estabelecer um completo sistema de Manutenção Preventiva
dos equipamentos durante todo o seu ciclo de vida
• Implementado conjuntamente pela Direcção, Produção,
Manutenção e Engenharia (O TPM é transversal à estrutura
funcional da empresa)
• Participação de todos os empregados, desde a Gestão ao Chão
de Fábrica
• Implementação baseada em actividades de pequenos grupos

9
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


AS “SEIS GRANDES PERDAS” DOS EQUIPAMENTOS
1. Falha/avaria do equipamento
2. Perdas de tempo para mudança e ajustes (setup)
3. Espera ou pequenas paragens devidas a outras etapas do
processo, a montante ou a jusante
4. Redução de velocidade/cadência relativamente ao originalmente
planeado
5. Defeitos do processo (qualidade do produto)
6. Redução de eficiência no arranque e mudança de produto
(produto não conforme ou desperdícios de materiais)

10
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


Consequências das “SEIS GRANDES PERDAS”

3- Espera/pequenas
1- Falha/avaria 5- Defeitos/retrabalho
paragens
2- Mudança/ajuste 6- Perdas de arranque
4- Redução velocidade

PERDAS DE
PARAGENS DEFEITOS
VELOCIDADE/CADÊNCIA

Redução do tempo Produtos defeituosos


Redução da eficiência
disponível para ou rejeitados
do equipamento
produzir Retrabalho e sucata

DISPONIBILIDADE EFICIÊNCIA QUALIDADE

11
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


OEE – EFICÁCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO

Factores OEE Definição


Mede a parte do tempo em que o
D - Disponibilidade equipamento se encontra disponível
para produzir
Mede a capacidade do equipamento
E - Eficiência em produzir à velocidade/cadência
programada
Mede o grau da qualidade obtida
Q - Qualidade
pelo equipamento/processo

A
A Eficácia
Eficácia Global
Global do
do Equipamento
Equipamento éé maximizada
maximizada pelos
pelos esforços
esforços em
em reduzir
reduzir
ou
ou eliminar
eliminar as
as “Seis
“Seis Grandes
Grandes Perdas”
Perdas” relacionados
relacionados com
com oo equipamento.
equipamento.
12
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


.....OEE – EFICÁCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO

TT - Tempo Total
TNP
TTO - Tempo Total de Operação Tempo Não Planeado

PP
TPP - Tempo Planeado de Produção Paragens Planeadas
Falta de trabalho

Manutenção planeada
PNP
TBP - Tempo Bruto de Produção Paragens Não Planeadas
Manutenção autónoma
Refeição e pausas planeadas
Formação e reuniões
PE Ensaios de produção
TRP - Tempo Real de Produção Perdas de Eficiência
Avarias
Mudanças e afinação
PQ
TUP - Tempo Util de Produção Perdas de Qualidade Redução de cadência
Pequenas paragens
Outras paragens não planeadas > 10 min.

Produto não conforme


Desperdício
Retrabalho

D = TBP / TPP
OEE = D x E x Q (%) E = TRP / TBP
Q = TUP / TRP
13
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


Tempo
TempoTotal
TotalOperação
Operação(TTO)
(TTO)

Tempo Factor
TempoPlaneado
PlaneadoProdução
Produção Paragens
Paragens
Factor
Planeamento
Planeamento
(TPP) planeadas
(TPP) planeadas (Pf)
(Pf)

Tempo Paragens Falhas


Falhas ee avarias
avarias Factor
TempoBruto
Bruto Paragens
não
Factor
Disponibilidade
Produção não Disponibilidade
Produção(TBP)
(TBP) planeadas
planeadas Mudança
Mudança ee ajustes
ajustes
(D)
(D)
Espera
Espera ee pequenas
pequenas
Tempo Factor
Factor
TempoReal
Real Perdas
Perdas paragens
paragens Eficiência
Produção (TRP) Eficiência Eficiência
Produção (TRP) Eficiência
Redução
(E)
(E)
Redução velocidade
velocidade

Tempo
TempoUtil
Util Perdas
Defeitos
Defeitos ee retrabalho
retrabalho Factor
Factor
Produção
Produção
Perdas
Qualidade
Qualidade
Qualidade
(TUP) Qualidade
Perdas
(Q)
(Q)
(TUP) Perdas de
de arranque
arranque

Eficácia
Eficácia Global
Global do
do Equipamento
Equipamento :: OEE
OEE == D
D ** E
E ** Q
Q
Produtividade
Produtividade Total
Total do
do Equipamento
Equipamento == OEE
OEE ** PfPf 14
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


OS OBJECTIVOS DO TPM – “OS QUATRO ZEROS”
Conceito
de
ZERO

Zero
Zero Avarias
Avarias

Zero
Zero Defeitos
Defeitos

Zero
Zero Acidentes
Acidentes

Zero
Zero Desperdício
Desperdício
Melhoria Envolvimento
Contínua Colaboradores

15
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


CAUSAS CRÓNICAS E CAUSAS ESPORÁDICAS

Causas Crónicas Causas Esporádicas


•Originam pequenas paragens •Paragens importantes
•Não são devidamente corrigidas •Reparação completa
•Tendem a tornar-se um hábito •Consequências importantes
•Os efeitos são pequenos •Ficam no registo histórico
•Não são relatadas •Claramente identificadas
•Não são identificadas •Pouco frequentes
•Escondidas •Ocasionais
•Muitas •Provocam avarias com paragem
•Permanentes
•Provocam deterioração

16
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


CAUSAS CRÓNICAS E CAUSAS ESPORÁDICAS

Causas Crónicas Causas Esporádicas

Perdas Crónicas Perdas Esporádicas

•Disparo de um contactor •Motor eléctrico queimado


•Válvula não abre totalmente •Veio transmissão partido
•Deficiente contacto de fim-curso •Curto-circuito num quadro
•Pressão de ar baixa •Chumaceira partida

17
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


PERDAS CRÓNICAS E PERDAS ESPORÁDICAS

Eficiência
TPM
Eficiência óptima
95%

Perdas crónicas Acções


inovadoras
60%
Medidas
correctivas
convencionais
Perdas esporádicas

Tempo

18
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


DETERIORAÇÃO NATURAL E FORÇADA
Inicio
Inspecção

Inspecção
Equipamento
Sem Falhas
Inspecção
Implementação
do TPM PREDIÇÃO

Deterioração
Forçada Deterioração Não evitada pela
Natural Manutenção
•Alta temperatura Preventiva
•Falta de óleo
•Desalinhamento
•Etc.
Nível de
Falha
Falha Tempo
Falha

19
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Conceitos associados ao TPM


EXERCÍCIO OEE
• Regime de laboração: 2 turnos x 5 dias/semana
• Tempo de turno: 8 horas
• Tempo para refeição/turno: 30 minutos
• Paragem para manutenção planeada semanal: 30 minutos
• Tempo de manutenção autónoma/turno: 5 minutos
• Avarias na semana: 3 horas e 45 minutos
• Tempo de mudança e afinação: 1 hora e 15 minutos
• Tempo de paragens diversas: 1,3 horas
• Formação sobre Qualidade: 1 hora / equipa de turno
• Cadência planeada: 40 peças / hora
• Produção da semana: 2230 peças
• Peças rejeitadas para sucata: 22
• Peças recuperadas: 40

20
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

TPM – Manutenção Produtiva Total


..... OEE – EFICÁCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO
Calcular:
• Disponibilidade (D), Eficiência (E) e o factor de
Qualidade (D)
• OEE
• Perdas de Eficiência (PE) e Perdas de Qualidade (PQ)

Resultados:
• D = 91,2% E = 85,3% Q = 97,2%
• OEE = 75,6%
• PE = 9,62 horas PQ = 1,55 horas
21
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

TPM – Manutenção Produtiva Total


..... OEE – EFICÁCIA GLOBAL DO EQUIPAMENTO
Resolução:
DADOS RESULTADOS

Turnos/dia 2 TT = 2x5x8 = 80 horas


Dias de laboração 5 TNT = 0 horas
Tempo turno 8 horas TTO = 80-0 = 80 horas
Tempo refeição 0,5 horas PP = 0,5x2x2+0,5+(5/60)x2x5+2x1 = 8,33 horas
Tempo manutenção planeada 0,5 horas TPP = 80-8,33 = 71,67 horas
Manutenção autónoma/turno 5 minutos PNP = 3,75+1,3+1,25 = 6,3 horas
Tempo avarias 3,75 horas TBP = 71,67-6,3 = 65,37 horas
Paragens diversas 1,3 horas TRP = 2230/40 = 55,75 horas
Formação qualidade 1 hora PE = 65,37-55,75 = 9,62 horas
Cadência 40 peças/hora PQ = (22+40)/40 = 1,55 horas
Mudança 1,25 horas TUP = 55,75-1,55 = 54,2 horas
Produção da semana 2230 peças
Peças rejeitadas 22 peças D = 65,37/71,67 = 91,2 %
Peças recuperadas 40 peças E = 55,75/65,37 = 85,3 %
Q = 54,2/55,75 = 97,2 %
OEE = 91,2x85,3x97,2 = 75,6 %

22
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.5- Definições de TPM


Total
• Participação de todos os Colaboradores da Empresa
• Não apenas os Operadores
• Também a Gestão de Topo
• Cada um com a sua função

Produtiva
• Objectivo - maximizar a capacidade produtiva
• Obter a máxima qualidade do produto
• Produção e manutenção buscam a mesma finalidade

Manutenção
• Com uma manutenção de excelência pode-se obter elevada eficiência
• Permite a longevidade dos equipamentos
• Uma adequada manutenção reduz os custos totais do sistema produtivo
23
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Definições de TPM
Eficiência Total
• O TPM busca a eficiência económica (lucro)

Manutenção Total
• Sistema que inclui a prevenção da manutenção, a melhoria da
manutabilidade, para além da manutenção preventiva

Participação Total
• Inclui todos os Colaboradores e visa a manutenção autónoma pelos
Operadores através de actividades de pequenos grupos

24
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Definições deTPM

• O TPM não é uma metodologia fechada,


normalizada ou pré-establecida
• Pelo contrário, é um processo de melhoria
contínua que recorre ao bom senso e à
criatividade do ser humano

25
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Definições deTPM
Conjunto
Conjunto de
de estratégias
estratégias destinadas
destinadas aa criar
criar no
no pessoal
pessoal
da
da produção
produção oo sentimento
sentimento de de posse
posse dos
dos seus
seus
equipamentos
equipamentos ee àà realização
realização da
da manutenção
manutenção autónoma
autónoma

O TPM:
• Combina a manutenção preventiva com conceitos da gestão da
qualidade, envolvendo todos os empregados
• Cria uma cultura onde os Operadores desenvolvem o sentimento
de posse dos seus equipamentos, em parceria com as funções
de Manutenção e Engenharia
• Assegura que os sistemas produtivos operam sempre adequada
e eficazmente

26
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

1.6- Organização das actividades TPM


- Pilares
As actividades TPM são agrupadas em função
do seu tipo nos chamados:

PILARES DO TPM
O número de pilares depende dos autores mas
é frequente o conceito original Toyota dos:

“OITO PILARES”

27
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Organização das actividades TPM - Pilares

Os Pilares do TPM

5S

28
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva
TPM

Contactos do Autor

José Pedro Amorim Rodrigues da Silva


Lisboa - Portugal
jparsilva@sapo.pt

Tel. +351 218 124 609


Tm. +351 919 729 496

http://www.freewebs.com/leanemportugal/
http://leanemportugal.blogspot.com/

29
Formação TPM – Parte 1 Autor: J. P. Rodrigues da Silva