P. 1
ciclo de ureia

ciclo de ureia

5.0

|Views: 1.542|Likes:
Publicado porMariah Figueiredo

More info:

Published by: Mariah Figueiredo on Jun 09, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/12/2012

pdf

text

original

Gliconeogênese Metabolismo dos aminoácidos Ciclo da Uréia

Alexandre Havt

Gliconeogênese

Gliconeogênese
Definição
Via anabólica que ocorre no fígado e, excepcionalmente no córtex renal, que é responsável pela síntese de glicose a partir de fontes que não são carboidratos: aminoácidos, lactato e glicerol.
Cérebro

Fontes de Energia para as Células
Compostos Tecido Glicose + + + + + + + + + + + + + + + Ácidos Graxos Corpos Cetônicos +

Hemácias e leucócitos Medula renal Retina Mucosa intestinal Fígado Tecido adiposo Músculo esquelético e cardíaco Córtex renal

Fontes de Glicose
Alimentação Glicogenólise Gliconeogênese
Aminoácidos
Exceto leucina e lisina Degradação endógena

Órgãos e gliconeogênese

Lactato
Músculos Células que não possuem mitocôndrias

Glicerol
Hidrólise de triacilgliceróis

1

Gliconeogênese versus Glicólise A gliconeogênese utiliza quase todas as enzimas da via oposta (glicólise) para a síntese de glicose com exceção paras as reações irreversíveis: Piruvato fosfoenolpiruvato frutose 6-fosfato glicose Alanina e Lactato à Piruvato Alanina aminotransferase Alanina Glutamato Piruvato α-Cetoglutarato Frutose 1.6-bifosfato Glicose 6-fosfato Lactato desidrogenase Lactato + 2 NAD+ Piruvato + 2 NADH+ + 2 H+ Reação irreversível 1 Lactato Alanina Malato Aspartato CO2 + H2O + ATP Piruvato carboxilase Aspartato Oxaloacetato Malato ADP +Pi + 2H+ Piruvato Piruvato Mitocôndria Reação irreversível 2 Frutose 1.6-bifosfato à Frutose 6-fosfato Oxaloacetato Fosfoenolpiruvato carboxiquinase Frutose 1.6 bifosfatase Frutose 6-fosfato + Pi GTP GDP + CO2 Fosfoenolpiruvato Reação irreversível 3 enolase Lactato Glicose 6-fosfato à Glicose fosfogliceratoquinase Gliceraldeído 3-fosfato desidrogenase fosfogliceratomutase Glicose 6-fosfato + H2O Glicose 6-fosfatase aldolase Glicose + Pi fosfoglicoseisomerase 2 .6-bifosfato + H2O Frutose 1.

6-bifosfato à frutose 6-fosfato Glicose 6-fosfato à glicose 3 .Balanço energético da Gliconeogênese Gliconeogênese A degradação protéica ocorre habitualmente 2 Piruvato + 6 ATP + 6 H2O + 2 NADH Glicose + 6 ADP + 6 Pi + 2 NAD+ + 2H+ Glicerol Gasto de 2 ATP’s Manutenção da glicemia durante jejum noturno Reserva de carboidratos é pequena Mamíferos Ácidos graxos Glicose Acetil-CoA não se converte em piruvato Ácidos graxos de número ímpar de carbonos degradados Propionil CoA + Acetil CoA Sucinil-CoA Glicose Piruvato à fosfoenolpiruvato Controle da gliconeogênese Glicólise X Gliconeogênese Controle exercido nas vias irreversíveis Piruvato fosfoenolpiruvato frutose 6-fosfato glicose Frutose 1.6-bifosfato Glicose 6-fosfato Frutose 1.

intestino e rim Conversão de alguns carbonos e nitrogênio em alanina Alanina e outros aminoácidos são absorvidos pelo Fígado Carbonos Nitrogênio glicose e corpos cetônicos uréia excretada pelos rins gerar energia Destino dos aminoácidos da dieta 4 .Renovação protéica Fonte de aminoácidos celular Metabolismo de Aminoácidos e Ciclo da Uréia Aminoácidos da dieta Degradação protéica celular Meia vida protéica Tempo onde 50% das proteínas sintetizadas serão degradadas Grande variação de meias vidas Proteínas de alta taxa de renovação Hemoglobina Proteínas musculares Enzimas digestivas Proteínas das células do trato gastrointestinal Metabolismo dos aminoácidos Metabolismo complexo Átomos de carbono Nitrogênio CARBOXILA Destino dos aminoácidos da dieta Intestino Fígado COOH H2N AMINO Veia Porta-hepática Dieta normal 60 a 100 g de proteína Cα R CADEIA LATERAL H Síntese protéica hepática e outros tecidos Excesso protéico Síntese de glicose para ser armazenado Síntese de triacilgliceróis Destino dos aminoácidos da dieta Proteína muscular é clivada no jejum alimentar Parte é Parcialmente oxidados para gerar energia Parte é convertida em alanina e glutamina e liberadas Liberação na circulação Glutamina oxidada Linfócitos.

3 NH4+ NH3 + H+ pH fisiológico Equilíbrio para formação de NH4+ NH3 atravessa as membranas Liberado na urina para diminuir a acidez formando NH4+ Papel do Glutamato Papel da Alanina 5 .Destino dos aminoácidos da dieta Destino do nitrogênio dos aminoácidos Transaminação Principal processo de remoção do nitrogênio dos aminoácidos α-cetoglutarato glutamato Exceto lisina e treonina Enzimas Transaminases ou aminotransferases Agem na degradação e síntese Remoção do Nitrogênio como Amônia Fontes de NH4+ para o Ciclo da Uréia Células do corpo e bactéria do intestino Nitrogênio dos aminoácidos Amônia (NH3) Íon amônio (NH4+) pK = 9.

com intuito de ser excretado pelos rins. produto tóxico formado na degradação dos aminoácidos. Fontes de NH4+ para formar a uréia Degradação de aminoácidos Aspartato Ciclo da Uréia Controle do Ciclo da Uréia Quanto maior produção de NH4+ (substrato) maior velocidade do ciclo Estímulo das enzimas do ciclo Dieta rica em proteína Síntese de glicose para armazenamento Jejum prolongado Degradação protéica para suprir gliconeogênese Menor degradação se o cérebro começa a usar corpos cetônicos Ciclo da Uréia Síntese dos aminoácidos Dentre os 20 aminoácidos comuns 11 não essenciais sintetizados Glicina Serina Cisteína Alanina Asparagina Aspartato Tirosina Glutamina Glutamato Prolina Arginina 9 são essenciais Triptofano Treonina Fenilalanina Metionina Valina Isoleucina Histidina Leucina Lisina Síntese dos aminoácidos Aminoácidos não essenciais Fontes para outros compostos com nitrogênio Glicina Glutamato porfirina e purina síntese de neurotransmissores purina Aspartato síntese de purinas e pirimidinas 9 são sintetizados por glicose + fonte de nitrogênio 2 requerem aminoácidos essenciais Cisteína Tirosina requer metionina requer fenilalanina 6 .Papel da Glutamina Ciclo da Uréia Principal função Converter amônio. em uréia.

corpos cetônicos e CO2 Oxidação no ciclo do ácido cítrico Conversão em glicose Formação de corpos cetônicos Alimentado Intermediários do metabolismo em triacilgliceróis e glicogênio Destino dos carbonos dos aminoácidos Os carbonos da degradação geram CO2 Compostos que produzem glicose no fígado Piruvato α-cetoglutarato Succinil-CoA Fumarato Oxaloacetato Glicogênicos Glicogênicos e Cetogênicos Glicogênicos Alanina Glutamato Arginina Glutamina Aspartato Histidina Asparagina Metionina Cisteína Prolina Glicina Serina Valina Glicogênicos e Cetogênicos Fenilalanina Isoleucina Tirosina Treonina Triptofano Cetogênicos Leucina Lisina Corpos cetônicos Acetoacetato Acetil CoA Cetogênicos 7 . vias de degradação são diferentes das vias de biossíntese Permite controles independentes Destino dos carbonos dos aminoácidos Fígado é o único órgão que apresenta todas as ferramentas para a síntese e degradação dos aminoácidos Via de geração de energia por Oxidação direta NADH+ Dependência do estado fisiológico Jejum Carbonos geram glicose.Síntese dos aminoácidos Os carbonos de 10 aminoácidos derivados da glicose Intermediários da glicólise Glicina Serina Alanina Cisteína Síntese dos aminoácidos Intermediários do ciclo do ácido cítrico α-cetoglutarato Glutamato Prolina Glutamina Arginina Aspartato Asparagina Oxaloacetato Degradação dos aminoácidos Em geral.

Degradação dos aminoácidos Degradação dos aminoácidos 8 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->