PLANEJAMENTO DE ENSINO Estaremos nesta unidade trabalhando o planejamento na escola. Leia o texto que se apresenta abaixo.

Entregue os plano de unidade solicitados até 23/06. O importante no estudo do texto desta unidade é que vocês tenham percebido a correlação existente entre os tipos de planejamento de ensino. Mais importante ainda é que tenham conseguido elaborar um Plano de Curso, um Plano de Unidade e um Plano de Aula, obedecendo à correlação estudada. Esta é a tarefa que avaliará a aprendizagem do conteúdo trabalhado durante o texto. Com sua equipe construa um plano de unidade conforme modelo apresentado no texto abaixo, e junto com os planos de aula, faça a entrega em um arquivo compactado no local indicado abaixo. plano de unidade 1 NÍVEIS DE PLANEJAMENTO EDUCACIONAL E DE ENSINO Trabalharemos nesta unidade com as modalidades de planejamento de ensino mais aplicadas nas salas de aula, nas suas versões de planos de ensino . Não poderíamos, porém, estudar tais tipos de planejamento escolar, sem antes nos referirmos a modalidades de planejamentos educacionais mais amplos, tais como: o Plano Nacional de Educação, as Diretrizes Curriculares ou as Propostas Pedagógicas das secretarias estaduais e municipais de educação e os projetos político-pedagógicos das escolas. Veja por exemplo os PCNEM e os PCN+. É nestes planejamentos mais amplos que o planejamento didático ou de ensino tem origem, recebendo sua orientação filosófica, legal e política. Dois autores tratam muito bem desta hierarquia de planejamentos educacionais: Maximiliano Menegolla e Ilza Martins Sant’Ana de quem transcrevemos o texto abaixo. _______________ MENEGOLLA, Maximiliano; SANT’ANA, Ilza Martins. Níveis de Planejamento Educacional e de Ensino. In: Por que planejar? Como planejar? Currículo – área – aula. Petrópolis: Vozes, 1991.p.48-49. _______________ “NÍVEIS DE PLANEJAMENTO EDUCACIONAL E DE ENSINO” segundo Maximiliano Menegolla e Ilza Sant’Anna O processo de planejamento educacional é feito e se desenvolve em vários e determinados níveis. Temos o planejamento em nível nacional, estadual ou de um sistema determinado, através do qual se definem e estabelecem as grandes finalidades, metas e objetivos da educação, onde deve estar implícita a própria filosofia da educação que a Nação pretende professar. No plano nacional de educação se reflete toda a política educacional de um povo, inserido num contexto histórico, que é desenvolvida a longo, médio ou curto prazo. Num segundo nível, menos abrangente, temos os planos das escolas, com seus respectivos cursos, dos quais decorrem os planos curriculares, que definem e expressam a sua filosofia de ação, seus objetivos e toda a dinâmica escolar, os quais fundamentam-se, naturalmente, na filosofia da educação, expressa nos planos nacional e estadual. A partir dos planos curriculares é planejada, de maneira sistemática e global, toda a ação escolar. Os planos das escolas vão operacionalizar, através dos seus planos setoriais e de ensino, o plano nacional de

referindo-se mais a processo. plano e projeto. os recursos humanos e materiais. Marcos Tarciso. Tais componentes são a filosofia educacional da escola. pode-se dizer que o conceito de projeto tem um significado mais dinâmico. os procedimentos e o processo de avaliação. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES Quando se trabalha com o conceito de planejamento. Parafraseando Celso Vasconcelos (2000:96). nos planos de ensino. que muitas vezes são usados indiscriminadamente. da Universidade Federal de Alagoas. que devem guardar entre si. Um Plano e Seus Componentes. que devem expressar o que e como se pretende trabalhar sem. os objetivos. Estes planos de ensino compreendem os planos de disciplinas. In: Didática: a aula como centro. exigindo. por isso é de suma importância que os professores. Trabalharemos tendo por base um texto original de Marcos Masetto “UM PLANO E SEUS COMPONENTES” submetido a adaptações. unidades. professores. convém que primeiramente se estabeleça uma correlação/diferenciação entre os termos planejamento. a filosofia de educação. _______________ 12 MASETTO.1997 (Coleção aprender e ensinar). uma certa correlação e serem expressos com uma maior exatidão de termos. Já os projetos têm seu suporte teórico na pedagogia da Escola Nova e no Construtivismo. os conteúdos. sem tanta exigência na correlação de suas partes componentes. Num terceiro nível. para poderem imprimir. Masetto (1997:86) escreve textualmente: . 4ed. Os planos de ensino são os meios para dinamizar a educação e o ensino. Eles definem e operacionalizam toda a ação escolar.” Este tipo de planejamento escolar recebe a denominação de plano ou de projeto na medida em que assumem características próprias. que são os planos de disciplinas. Atualmente. enquanto que a denominação de plano nos remete à idéia de produto. de unidades e experiências propostas pela escola. tendo em vista a abordagem dinâmica e construtivista que tem assumido o processo ensino/aprendizagem. Estes planos de ensino se situam num nível bem mais específico e concreto em relação aos outros. Os planos são instrumentos que geralmente têm seu suporte teórico na pedagogia tecnicista. como decorrência dos planos curriculares. Decorre daí o fato da elaboração do projeto ir sendo modificada ao longo de sua execução. as disciplinas e os conteúdos. de aulas e de outras atividades ou experiências de ensino. através do processo de ensino. tanta precisão nos termos empregados. por isso mesmo. entretanto. uma maior técnica na redação de seus componentes.educação. Nos planos de ensino são trabalhados os componentes fundamentais do plano curricular. analisem o plano global de educação. surgem. e o projeto político-pedagógico da escola será trabalhado em outra disciplina a frente no curso. Por sua vez os planos de ensino especificam os objetivos. numa realidade escolar bem concreta. alunos ou pela comunidade. configurada no plano curricular da escola. os planos de ensino. se trabalha preferencialmente com a denominação de pedagogia de projeto. apresentando-se com uma redação mais solta. adaptada pela própria escola. ao elaborarem seus planejamentos de ensino. São Paulo: FTD. recortes e contribuições da professora Cibele de Mello Costa. Nesta disciplina iremos focalizar especificamente o planejamento didático ou de ensino. Nos concentraremos aqui somente aos planos de ensinos. relativas ao seu dinamismo e à abordagem pedagógica a que se filiam.

A seguir. experimentem elaborar e redigir (em grupo) a identificação de um plano. como o próprio nome indica. quem é o professor responsável. Assim procedendo. para uma disciplina. Uma vez escrito. se for o caso. passando pelos planos de série. discrimina a que disciplina ou atividade se refere. os diferentes componentes e etapas de um plano de ensino. após a apresentação das características gerais de cada parte do plano. conteúdos. coordenação e direção da escola. o aluno vai elaborando o seu próprio plano de ensino. para que série e turmas e escola se destina. O plano. Gradativamente. Estes componentes aparecem em todos os planos. Começando.Se para nós o planejamento na escola é um processo voltado para a organização de ações que permitam a consecução de objetivos educacionais. a elaborar um plano de ensino. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. Para tanto. avaliação. de uma maneira prática. serão apresentados detalhadamente. este plano poderá receber um feedback ou avaliação do professor e dos colegas. curso e disciplinas. para que possa nortear a prática pedagógica. o plano é um documento escrito. etc. desde o mais abrangente.(Grifo nosso) Um plano de ensino é um documento que precisa ser muito bem pensado e claramente redigido. o plano de uma aula. Todos estes tipos variam conforme a amplitude maior (ou menor) da ação pedagógica. estratégias (metodologia. objetivos. sendo 1h/dia . (registro escrito do planejamento) representa um elemento de comunicação entre professores (particularmente os da mesma série ou disciplina). Como documento escrito. que é o plano pedagógico da escola. de tal forma que faça imediatamente os ajustes ou correções. que registra de forma organizada um conjunto de decisões para um determinado tipo de planejamento. cronograma e bibliografia. então.1 IDENTIFICAÇÃO Esta parte inicial de qualquer plano de ensino. até o mais simples. Escola: Escola de Ensino Fundamental Professora Laura Dantas Centro Educacional e de Pesquisa Aplicada Série : 6ª Grau: Ensino Fundamental Ano: 2003 Turno : Matutino Disciplina: Ciências Professor responsável : Helena Gomes Moura Nº de alunos: 40 p/turma Nº de turmas: 03 Carga horária anual : 80 h/aula p/turma Carga horária semanal : 2h/aula. Marcos Masetto apresenta um roteiro que facilitará esta tarefa: Cada aluno escolhe livremente uma disciplina que gostaria de lecionar. ao chegarmos à última parte (bibliografia) teremos o plano de uma disciplina elaborado e redigido. carga horária. vocês poderão basear-se no exemplo a seguir. alunos. ou procedimentos). um plano de ensino apresenta os seguintes componentes: identificação. quais as condições básicas em que será realizado. Com o objetivo de ensinar.

Entretanto. disciplina ou mesmo de uma aula. recursos e competências da escola. pois. em geral. com o conteúdo da 5ªsérie do ensino fundamental. Exemplo: identificar os componentes de um Plano de Ensino. b) Viabilidade: ter a possibilidade de ser atingidos dentro dos limites de tempo.2 OBJETIVOS São resultados previamente desejados pelo professor. no desenvolvimento de um curso. Exemplo: elaborar um plano de curso para a disciplina Ciências. as ações do professor e dos alunos. unidade. não conseguem orientar a elaboração dos outros componentes do plano e. habilidades ou atitudes que serão desenvolvidas. ou que venha a ter acesso ao plano de ensino: . Este objetivo provavelmente só será atingido pelos alunos de Didática. com propósitos muito abrangentes. perduram pela vida afora. devem apresentar algumas características: a) Realismo: representar as reais necessidades dos alunos e as expectativas do professor. mais concretas. explicitam desempenhos observáveis. série. dos professores e dos alunos. ou de áreas da aprendizagem. é importante atentar para a existência de dois tipos de objetivos: a) Objetivos Gerais Referem-se a expectativas mais amplas e mais complexas. de uma disciplina. unidade ou aula. por meio das disciplinas cursadas em um determinado período letivo e que se espera. ou aula. expressos em conhecimentos que serão adquiridos. objetivos descritos de forma ampla e genérica. Para que os objetivos de um plano sejam redigidos de forma eficiente.” b) Objetivos Específicos Referem-se a expectativas mais simples.2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. (MASETTO 1997:88) A formulação dos objetivos de um plano dará ao professor uma orientação para selecionar o conteúdo. muito menos. facilitando a compreensão e a execução do que se propõe. proposto para uma série. que poderão ser alcançadas. quem tiver acesso ao plano ficará sabendo o que se espera do curso. Na redação de objetivos de ensino recomendam-se alguns cuidados para que os mesmos se tornem de fácil compreensão por parte de quem irá executá-los. Através dos objetivos. c) Clareza: isto é. Por esse motivo. há que se ter cuidado com a redação. definir claramente os comportamentos. que serão alcançadas em menor tempo. acompanhá-los. disciplina ou assunto. Trata-se daqueles objetivos que serão atingidos no final de uma aula ou de uma unidade de trabalho e. ao final de uma série. escolher as estratégias de ensino e elaborar o processo de avaliação. atividades e atitudes que se esperam do aprendiz durante e no final do estudo dos assuntos abordados. Este objetivo será facilmente atingido a partir do primeiro contato do aluno com o conhecimento do que seja plano de ensino. Indicam aquilo que um aluno deverá ser capaz de fazer como conseqüência de seu desempenho em atividades de uma determinada escola. no final do estudo do conteúdo “Planejamento de ensino.

93) “Muitas vezes também ocorre a definição dos objetivos a partir dos conteúdos apresentados”. b) Os verbos usados nos objetivos. por indicarem ações ou atitudes menos observáveis. Os conteúdos de um plano de ensino são geralmente organizados em unidades. ou disciplina que vocês vão ministrar. valorizar. (dependendo da abrangência da análise). explicitar. compreender. devem se referir a ações observáveis. Exemplos de verbos que expressam ações claramente observáveis : identificar (num determinado contexto). técnicas de . o que facilita tanto o detalhamento do assunto a ser estudado quanto a escolha das estratégias (metodologias. dessa forma. selecionar. · adequados à sua faixa etária. Exemplo de redação de estratégia : localização do município em que mora. ações ou comportamentos pouco abrangentes que facilitem a clareza do que se quer atingir. · capazes de despertar interesse. têm sua redação expressa por substantivos. a fragmentação e compartimentalização do saber. · promissores de diferentes ângulos de análise e diferentes interpretações. tendo portanto uma maior abrangência. 1. Na seleção dos conteúdos. disciplinas ou ciências evitando. Exemplo de redação de objetivo : localizar municípios de Alagoas no mapa do Estado. · relacionados diretamente com a vida e a realidade do aluno.Continuando a elaboração do plano simulado. por sua vez. Um plano de curso ou de disciplina não pode reduzir-se a uma lista de itens ou temas. curiosidade e lançá-lo a novos desafios. 2. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. Conforme Masetto(p. É importante que se observe este detalhe para que os objetivos não sejam confundidos com as estratégias ou metodologia que. Assim os assuntos devem ser: · atualizados. definir. reconhecer. traduzidos em linguagem escolar para facilitar sua apropriação pelos estudantes. no mapa apresentado pela professora.3 CONTEÚDO É o conjunto de assuntos que serão estudados durante o curso em cada disciplina. pode-se utilizar alguns critérios. relacionar. devem ser evitados ou usados na redação de objetivos mais gerais. 3. redijam agora os objetivos gerais e específicos para o curso. sendo assim meios para que os alunos atinjam os objetivos de ensino. Estes assuntos são selecionados e organizados a partir da definição dos objetivos. analisar. particularmente nos objetivos específicos. Assuntos que fazem parte do acervo cultural da humanidade. Verbos como: conhecer. para que possam ser avaliados quanto à clareza e aos demais itens indicados anteriormente. caracterizar.A partir dessa discussão vocês poderão refazer os objetivos do plano.Discutam com os colegas os objetivos redigidos. · com condições de integrar conhecimentos de várias áreas.a) Os objetivos são expressos através de frases que trazem os verbos no tempo infinitivo.

do saber elaborado historicamente e do uso da tecnologia. Discutam o resultado dessa comparação com seus colegas de grupo. . ou na melhor das hipóteses. projetores e retropojetores. a seguir. a escola precisa utilizar-se de toda uma tecnologia atual: rede de computadores. e atividades extra-classe. como utilização de bibliotecas. porém. auditivos). O professor deverá usá-las procurando fazer uma correlação com os objetivos pretendidos e com as diferentes situações de sala de aula: · Aula expositiva ou exposição didática. · Realização de experiências dentro ou fora de laboratórios. as diferentes expressões artísticas e os conhecimentos científicos. slides. · Estudo de textos : com roteiro de questões. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. TV. podem agora ser compartilhados mais democraticamente. câmeras. · Técnicas de auto conhecimento. equipamentos de som.4 ESTRATÉGIAS Consistem nas atividades que serão realizadas pelo professor e pelos alunos e nos meios empregados para a realização do ensino-aprendizagem. o material didático utilizado. Entre os meios incluem-se: as técnicas de ensino (individuais – inclusive a velha aula expositiva – e as dinâmicas de grupo). filmes. físicos. conhecendo sua turma. sugerem os temas e assuntos de cada série e área de estudo. a organização da sala de aula (disposição dos móveis e carteiras. que o professor. De acordo com os dados da identificação de seu plano simulado e com os objetivos especificados anteriormente. de sensibilização. de preferência dialogada e com a utilização de recursos audiovisuais. humanos. vídeos. os recursos (audiovisuais. antes restritos a uma minoria privilegiada. Tal fato não invalida. pautado nos objetivos que pretende ver atingidos pelos alunos. exploração do espaço da sala.96) textualmente pode-se admitir que no mundo da globalização “os bens culturais.ensino. ou com interpretação livre. Facilita também a forma de avaliação a ser empregada. a partir dos objetivos específicos formulados.” Por este motivo. Sabemos também que os próprios livros didáticos já trazem um rol de conteúdos organizados por série. desde o quadro de giz até os multimeios mais complexos e avançados (visuais. não possa selecionar e organizar os assuntos mais apropriados para a sua realidade. Organizem sistematicamente esses assuntos. já definem. um quadro esquemático de estratégias. conhecendo o conteúdo proposto para a série ou séries em que leciona. escolham agora os assuntos ou temas que podem ser trabalhados por vocês e seus prováveis alunos durante o ano letivo. através de suas propostas e parâmetros curriculares. com base nas contribuições de Marcos Masetto. procedimentos do professor e dos alunos) que serão desenvolvidas. entre outros. deslocamento físico de professores e alunos). · Fichas didáticas. · Módulos de ensino. Sabemos que as Secretarias de Educação e o próprio Ministério da Educação. · Instrução programada. Comparem sua lista de itens com os assuntos indicados em livros didáticos para a série ou disciplina que vocês planejaram. Citando Masetto (p. da informática). Apresentamos. para que os alunos fiquem a par dos acontecimentos do dia-a-dia. revistas especializadas. videogames.

a avaliação acompanha todo o processo de aprendizagem e não só um momento privilegiado (o da prova ou teste) pois é um instrumento de feedback contínuo para o educando e para todos os participantes. painel integrado. como tal.. A avaliação da aprendizagem se constitui num processo. · Debates.· Problematização e análise crítica da realidade. · Excursões. pressão ou terror. (grupos de observação). No exercício das atividades didáticas. em código. · Estágios. a respeito do que foi alcançado. · Dinâmicas de grupo: painel simples. procurando estabelecer uma correlação com os objetivos e conteúdos traçados em seu plano. se representarem . após a realização de uma tarefa ou o desenrolar de um período letivo.( 1997:98).] O processo de avaliação se coloca como um elemento integrador e motivador e não como uma situação freqüentemente carregada de ameaça. formação de um juízo sobre alguém ou alguma coisa. o alcance ou não dos objetivos propostos. Segundo Masetto: “A prova é uma técnica avaliativa e. fala da consecução ou não dos objetivos da aprendizagem. de confundir a avaliação da aprendizagem com a aplicação e correção de provas ou testes. Historicamente. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. Masetto escreve: Na verdade.” . Nesse sentido. Não deve representar apenas um julgamento unilateral e momentaneamente estanque. não pode ser identificada com todo o processo de avaliação. [. seminários. G. devem ser avaliados: a aprendizagem dos alunos. de opinião. o desenvolvimento do que foi planejado. a avaliação escolar foi usada como medida de aprovação ou reprovação dos alunos. Agora procurem listar uma série de estratégias que serão usadas em cada unidade do plano de curso ou de disciplina que vocês vêm elaborando.. o desempenho do professor. · Assembléias. porém. · Elaboração de relatórios. Os resultados das avaliações escolares devem apresentar o aspecto qualitativo. · Estudo de caso e estudo do meio.(grupos de verbalização) / G. numa ação contínua que deve perpassar todo o período dedicado ao ensino/aprendizagem. a aprendizagem de fato realizada. Sabe-se que o sistema educacional exige o registro dos resultados da avaliação escolar em forma de notas ou conceitos. para que resulte numa tomada de posição no sentido de refazer ou continuar o desenvolvimento das ações e do conteúdo selecionados. Estes símbolos. e até entre os professores.V. Há uma tendência geral entre os alunos. feito pelo professor a respeito da aprendizagem do aluno. Philips 66. de campo. · Entrevistas. Deve representar uma análise por parte do professor e dos alunos. · Pesquisas: bibliográficas. só terão de fato valor.O.5 AVALIAÇÃO O conceito de avaliação está muito ligado ao de julgamento.

· observação da participação dos alunos nas atividades realizadas. · testes objetivos: simples ou de múltipla escolha.6 CRONOGRAMA O cronograma das atividades previstas em qualquer tipo de planejamento de ensino consiste na distribuição dessas atividades por um período letivo. A seguir será apresentada uma série de técnicas avaliativas que poderão ser aplicadas em diferentes situações de verificação da aprendizagem: · prova discursiva ou dissertativa. · sugerir o uso de outros conteúdos e estratégias de ensino. · soluções de casos apresentados. · permitir um diálogo entre professor e alunos. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. · entrevistas. · provas com consulta. · efetuar o registro de informações obtidas. · trabalhos de pesquisa. ou que induzem a uma só resposta. · relatórios. com questões de lacunas. De posse destas informações.As técnicas avaliativas se constituem em instrumentos que permitem ao professor e aos alunos verificar se o desempenho de ambos conseguiu. até um ano ou o tempo que for preciso para o desenvolvimento das atividades docentes e discentes. · questionários com perguntas abertas. · dissertação. · chamada oral. que poderá ser de um mês ou bimestre. Estas técnicas devem apresentar características como : · fornecer informações necessárias ao acompanhamento do processo de ensino/aprendizagem.101) diz que o cronograma: “Dá a indicação realista do que fazer com a carga horária semanal. · suscitar reflexão e análise sobre os progressos ou insucessos apresentados na aprendizagem. · provas práticas. · observação com roteiro e registro. com · questões verdadeiras ou falsas. de fato. continuem a redação de seu plano de curso ou de disciplina indicando as técnicas avaliativas que serão utilizadas em cada unidade. Masetto (p. a aprendizagem desejada. semestral ou .

jornais. estabeleçam um cronograma de atividades. Masetto (p.101). já está previsto no plano de curso. · Quanto ao cronograma para as atividades desta unidade. inclusive de um plano de ensino. Dividese em: Bibliografia Básica e Bibliografia Complementar. detalhando assim as obras que serão consultadas para cada temática do plano. A primeira se constitui nas obras e textos que serão estudados e utilizados diretamente no desenvolvimento das atividades planejadas. artigos. letras de canções. Bibliografia Complementar é o conjunto de obras e textos sugeridos que “ampliará os horizontes do conhecimento permitindo um certo aprofundamento naquele tema ou tópico específico”. Permite ao professor e ao aluno controlar o desenvolvimento do curso evitando atrasos e flexibilizando os objetivos. De posse dos textos (livros. · O primeiro passo poderá ser utilizar cada objetivo específico. 3 PLANO DE UNIDADE E DE AULA Após terem elaborado o plano de curso vamos agora partir para a elaboração de um plano de unidade retirado desse plano de curso. colocando-o como objetivo geral da unidade. · Separem também. inclusive de autoria do professor ou dos alunos.anual de que se dispõe. definindo tempo para cada uma delas e para todo o curso.” Continuando seu trabalho de elaboração de um plano de curso simulado. · Agora escolham no rol das estratégias previstas no plano de curso aquelas que serão usadas na unidade do plano de curso e com a qual vocês estão trabalhando. 2 UM PLANO E SEUS COMPONENTES 2. Podem usá-lo como orientação para a elaboração de futuros planos de curso ou disciplina na sua área de atuação nas escolas. A Bibliografia é a relação de obras estudadas para fundamentar o trabalho. · Escolham também os instrumentos ou técnicas de avaliação que melhor se adequarem ao conteúdo focalizado na unidade e aos objetivos traçados para este conteúdo. os materiais bibliográficos (livros – revistas – periódicos etc) que serão utilizados como consulta para trabalhar o conteúdo desta unidade. · A seguir. qualquer produção científica ou literária. As indicações bibliográficas podem ser indicadas para cada unidade do plano de curso. poemas. A bibliografia de qualquer trabalho científico. separem os itens do conteúdo que se encaixam nesse objetivo e para cada um desses itens formulem um objetivo. Depois de registrar todos os componentes de seu plano de curso. É só retirá-lo e anexar ao plano de unidade que estão elaborando. Pode se constituir de livros. revistas. As referências bibliográficas se constituem na relação das obras cujos trechos foram textualmente citados na redação de um trabalho científico ou literário. Estes objetivos serão específicos de cada item do conteúdo. da bibliografia prevista para o curso. jornais etc) que fundamentarão seu plano de curso. precisa ser atualizada e está redigida segundo as normas da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas. vocês têm em mãos um documento que muito os ajudará a desenvolver seu trabalho didático. organizem a bibliografia correspondente. Existe uma certa diferença entre Referências Bibliográficas e Bibliografia. . revistas.7 BIBLIOGRAFIA BIBLIOGRAFIA É a relação de todo o material impresso consultado para a elaboração e provável execução do plano.

no plano de unidade.Depois destes procedimentos vocês terão elaborado o Plano de Unidade. quando da elaboração do Plano de Unidade: · O primeiro passo é escolher um ou mais objetivos específicos do Plano de Unidade. · Escolham também as estratégias através das quais o tema e sub-temas serão trabalhados. retirado de um Plano de Unidade são semelhantes aos anteriores. Escolha um tema e uma ano do ensino médio para realizar sua atividade. Mais importante ainda é que tenham conseguido elaborar um Plano de Curso. · Indiquem o material bibliográfico que servirá de suporte para o conteúdo a ser trabalhado na aula. Daí poderão partir para a elaboração do Plano de Aula. detalhem as estratégias. Vamos lá! Os procedimentos para a elaboração de um Plano de Aula. Se necessário. retirem do Plano de Unidade o ou os itens do conteúdo que pretendem desenvolver durante a aula. Não há necessidade de dividi-los e denominá-los de geral e específicos. O conteúdo da aula será chamado de tema e dividido em sub-temas . Não foi fácil ? Parabéns ! O importante no estudo deste texto é que vocês tenham percebido a correlação existente entre os tipos de planejamento de ensino. Estará pronto o plano de aula. obedecendo à correlação estudada. retirado do Plano de Curso. os instrumentos e técnicas de avaliação que lhes permitirão acompanhar o processo de aprendizagem durante a aula. · A seguir. · Escolham também. . um Plano de Unidade e um Plano de Aula. Estes serão os objetivos da aula. e poste no moodle. simplesmente de objetivos. para maior clareza. Esta é a tarefa que avaliará a aprendizagem do conteúdo trabalhado durante o texto.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful