Você está na página 1de 4

IST

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) ou “Doenças


Venéreas” são causadas por bactérias, fungos ou vírus, que se
apanham por contacto sexual desprotegido, ou seja, quando não se
usa preservativo.
A probabilidade de ter uma IST aumenta com o número contactos
sexuais desprotegidos.
Algumas destas infecções podem ser muito graves e ameaçar a vida,
outras são menos graves, mas todas podem ser uma ameaça para a
saúde e para o bem-estar.
É importante saber como as IST se manifestam no nosso corpo para
as podermos detectar e actuar o mais rapidamente possível. É
também importante saber que muitas destas IST podem não dar
sinais durante muito tempo (por exemplo, a infecção pelo vírus da
SIDA). Pode ainda acontecer que as infecções dêem sinais dos quais
não se aperceba, embora a doença já esteja desenvolvida (por
exemplo, infecções do colo do útero).

As IST não são todas iguais, existem sinais e sintomas distintos que
nos fazem suspeitar que temos algum problema. Por vezes, esses
sinais e sintomas demoram algum tempo a aparecer, embora a
pessoa já esteja infectada.
Existem alguns sinais a que se deve estar atento. É disso que vos
vamos falar, para que possam estar informados e recorrerem ao
médico, pois pode ser uma IST, e só o médico sabe ver do que se
trata e iniciar o tratamento adequado. Esteja atento pois quanto mais
cedo melhor.
Muitas vezes o tratamento adequado e prescrito por um médico é
mais simples do que o mal-estar que estas infecções provocam.

Infecções bacterianas
Gonorreia (esquentamento): infecção muito frequente, mas tratável
através de medicamentos. O contacto sexual é o responsável por esta
doença, cujos sintomas são comichão, ardor e corrimento abundante.
Todavia, pode não haver qualquer tipo de manifestações.

Sífilis (cancro duro): transmitida através do contacto sexual, esta


doença tem repercussões gerais no organismo que dependem do tipo
de sífilis: primária, secundária, latente, terciária e congénita. É
tratada com medicamentos à base de penicilina.·
Infecção por clamídia: tal como a gonorreia, também é uma infecção
muito frequente e curável através de fármacos. Os sintomas podem
ser comichão, ardor e corrimento abundante, mas também podem
não existir e, nas mulheres, se a infecção não for detectada e tratada
a tempo pode afectar os ovários e as trompas de Falópio, podendo
causar infertilidade

Úlcera mole venérea (cancro mole): é uma doença venérea que se


manifesta uma semana após a transmissão da infecção, através de
lesões dolorosas nos órgãos genitais, que podem ser curadas com
medicamentos orais ou locais.

Infecções virais

Infecção por VIH: o vírus da imunodeficiência humana (VIH) provoca a


SIDA (síndrome da imunodeficiência adquirida) e pode ser transmitido
através do contacto sexual, do sangue, de transfusões sanguíneas, da
partilha de seringas e durante a gravidez. Numa fase inicial, os
sintomas podem não existir ou apresentar-se febre, exantema,
diarreia ou cansaço excessivo, sendo uma infecção incurável, para a
qual não há vacina, mas existem tratamentos que reduzem ou
mantêm a carga viral.

Infecção por VPH (vírus do papiloma humano): é uma infecção


transmitida através do contacto sexual e que pode durar anos sem
haver qualquer tipo de manifestação. Num estado mais avançado,
pode originar condilomas, uma DST que surge sob a forma de
verrugas na vagina, vulva ou ânus, nas mulheres, e no pénis, na
glande e no ânus, nos homens. Os condilomas apenas podem ser
tratados pelo médico especialista, através de vários métodos como
laser, electrocoagulação ou criocirurgia.

Hepatite B: trata-se de uma infecção incurável que ataca o fígado e


que pode ser transmitida através das relações sexuais, da partilha de
seringas, do sangue e durante a gravidez. Existe vacina e os sintomas
podem não existir ou apresentar-se icterícia, diarreia, febre ou falta
de apetite.

Herpes genital: é uma virose incurável que se manifesta na área


genital através de manchas avermelhadas sobre as quais surgem
pequenas úlceras que rebentam. Geralmente, mediante um
tratamento, as feridas cicatrizam sem deixar marcas, voltando a
aparecer regularmente.

Sexualidade e Morbilidade
«A morbilidade relativamente às IST é maior que a mortalidade»,
comenta Fernando Ventura, defendendo que «o uso do preservativo é
a principal forma de prevenção para todas estas infecções».

Factores de risco da transmissão de IST


As principais vias de transmissão de IST são:
• as relações sexuais vaginais, não protegidas, entre mulher e
homem. Ou seja, quando o pénis, sem preservativo é
introduzido na vagina
• as relações sexuais anais, não protegidas, entre mulher e
homem ou entre homem e homem. Ou seja, quando o pénis é
introduzido no ânus sem a protecção de um preservativo
• e, para algumas doenças, as relações sexuais orais. Ou seja,
quando a vagina, o clitóris ou o pénis estão em contacto com a
boca do parceiro.
Fim