Você está na página 1de 32

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ

FACULDADE DE MEDICINA DO CARIRI

MÓDULO RELAÇÃO PARASITO-HOSPEDEIRO

Microbiologia Médica
Assunto-
ESTAFILOCOCOS

Prof.: Marcos Antonio Pereira de Lima


Estafilococos - Características

 Do Grego - Staphylé

 Microbiota normal

 Anaeróbios facultativos

 Não formam esporos

 Imóveis

 Produzem catalase
Estafilococos - Características

 Colônias produzem pigmentos


 Amarela ou cinza
Espécies de Interesse Clínico

Coagulase-positivo
 Staphylococcus aureus

Coagulase-negativo
 Staphylococcus epidermidis (75%)
 Staphylococcus saprophyticus
 Staphylococcus lugdunensis
 Staphylococcus haemolyticus
 Staphylococcus schleiferi
Fatores de virulência

 Ácidos teicóicos

 Proteína A (S. aureus)

 Cápsula

 Catalase
 H2O2 → H2O + ½ O2

 Coagulase (S. aureus)


 Fibrinogênio → fibrina
Fatores de virulência

 Toxinas citolíticas (hemolisinas)


 Alfa, Beta, Delta, Gama, leucocidina;
 Toxina esfoliativa
 Toxina-1 do síndrome do choque tóxico (TSST-1)
 Superantígeno

Célula T Ativação de
células T
Fragmento de SUPERANTÍGENO
antígeno

APC
Fatores de virulência

 Enterotoxina (A-F)
 Atuação no SNC (vômito, peristaltismos)
 Superantígeno (Enterotoxina - B)
 Lipases

 Hialuronidase

 Fibrolisina (estafiloquinase)
 Cliva polímeros de fibrina
Resistência a Antimicrobianos

 Beta-lactamase
 Plasmídeos

 Teste de sensibilidade a oxacilina


 Resistência – indica a produção de “PBP”
modificada
 Resistência a todos os Beta-lactâmicos

 Resistência a Vancomicina
 Mecanismo - síntese aumentada da parede
bacteriana
Staphylococcus aureus
Manifestações Clínicas

Infecções Cutâneas / Mucosas


 Conjuntivite

 Impetigo
 Camada cutânea superficial
 Lesões contagiosa
Manifestações Clínicas

Infecções Cutâneas / Mucosas


 Foliculites
 Terçol
 Furúnculo
 Carbúnculo

Carbúnculo Furúnculo
Manifestações Clínicas

Infecções Cutâneas / Mucosas

 Feridas

 Cirúrgicas

 Traumas

 Infecção concomitante
Superinfecção
Manifestações Clínicas

Bacteremia
 Endocardite
 Embolização séptica

 Pneumonia
 Empiema – 10%
Manifestações Clínicas

Bacteremia
 Osteomielite

 Meningite
 Traumatismo craniano Comprometimento tibial

 Artrite séptica
Manifestações Clínicas

Síndromes
 Intoxicação alimentar
 Enterotoxinas

 Síndrome da pele escaldada


 Toxina esfoliativa
 Vesículas não-contagiosas
Manifestações Clínicas

Síndromes
 Síndrome do choque tóxico
 TSST-1 (superantígeno)

 Foco – feridas cutâneas ou


vagina
Staphylococcus epidermidis
Manifestações Clínicas

 Endocardite

 Válvulas nativas – lesão pré-instalada

 Válvulas artificiais (próteses)

 Infecções de cateteres

 Infecções de prótese articulares


Staphylococcus saprophyticus
Manifestações Clínicas

 Infecções das vias urinárias

 Mulheres jovens

 Raramente associado a outro sítio


CONSIDERAÇÕES GERAIS
Diagnóstico Laboratorial

 Amostra
 Secreções purulentas, lavado
brônquico, pus, sangue, LCR;

 Microscopia

 Coloração – Método de Gram


Diagnóstico Laboratorial

 Cultura
Diagnóstico Laboratorial

 Testes de identificação
 Catalase

 Coagulase

Negativo Positivo

 Resistência a novobiocina
Tratamento

 Antibiograma

 90% das cepas são resistentes a penicilina

 Uso racional de antimicrobianos

 Diretrizes da CLSI (Clinical and Laboratory


Standards Institute)

 Grupos A, B, C, U
Tratamento
CLSI
Grupo Antimicrobianos
A Penicilina, Amoxicilina, Ampicilina, Piperacilina, Tircacilina
Oxacilina, Cefalosporinas, Carbapenemas, Beta-lactâmico com inibidor de
beta-lactamase
B Eritromicina, Azitromicina, Claritromicina
Clindamicina
Linezolida
Sulfametoxazol / Trimetoprim
Vancomicina, Teicoplanina
C Ciprofloxacina, ofloxacina, levofloxacina
Gentamicina
Tetraciclina, minociclina, doxiciclina
Rifampicina
U Norfloxacina, lomefloxacina
Nitrofurantoína

CLSI - EUA / ANVISA - Brasil


Prevenção e Controle

Comunidade
 Tratamento de portador de S. aureus (narinas)
 Manipuladores de alimentos

Hospitalar
 Risco – UTI’s, berçários, centro cirúrgico, alas de
quimioterapia
 Lavagem das mãos, limpeza, uso de máscaras
 Técnicas assépticas
Bibliografia Consultada
KONEMAN, E. W.; ALLEN, S. D.; JANDA, W. M.; SCHRECKENBERGER,
P. C; WINN, W. C. Diagnóstico Microbiológico, 5a ed., Medsi, 2001.
JAWETZ, E.; MELNICK, J.; ADELBERG, E. Microbiologia Médica. 22a
ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill Interamericana do Brasil Ltda, 2001.
MURRAY, P, R.; ROSENTHAL, K, S.; KOBAYASHI, G, S.; PFALLER, M,
A. Microbiologia Médica. 3a ed., Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2000
MURRAY, P. R.; BARON, E. J.; PFALLER, M. A.; TENOVER, F. C.;
YOLKEN, R. H. Manual of Clinical Microbiology. 6.ed, Washington
DC: ASM Press, 1995.
MAZA, L. M.; PEZZLO, M. T.; BARON, E. J. Color Atlas of Diagnostic
Microbiology. Mosby, 1997.
VERONESE, R.; FOCACCIA, R. Tratado de Infectologia. 2a. ed. São
Paulo: Atheneu, 2002
COTRAN, R. S.; KUMAR, V.; COLLINS, S. L. (Eds.) Robbins-Patologia
Estrutural e Funcional. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,
2000.
OBRIGADO!