Você está na página 1de 22

WELITON CASSIANO SILVA CORRÊA

KARLENY GOMES DA SILVA BATISTA CAMPOS

“MARKETING ESPORTIVO COMO


ESTRATÉGIA DE INCREMENTO NA
CONSTRUÇÃO E CONSOLIDAÇÃO
DA MARCA”

Artigo apresentado a Pós-Graduação, Lato-Sensu do


Centro Universitário de Caratinga – UNEC, como
requisito parcial à obtenção do título de Pós-
Graduação em Marketing com Responsabilidade
Social do Centro Universitário de Caratinga.
Orientador: Professor M. Sc. Eugênio Maria Gomes.
Co-Orientadora: Professora Especialista Gicelene
Araújo Azevedo Corrêa.

CARATINGA / 2008
Marketing esportivo como estratégia de incremento na
construção e consolidação da marca.

CORRÊA, Weliton Cassiano Silva.


CAMPOS, Karleny Gomes da Silva Batista.
Centro Universitário de Caratinga - UNEC
Caratinga – Minas Gerais - Brasil

RESUMO

O artigo vem contribuir para que gestores, profissionais de Marketing,


bem como profissionais de áreas afins, tenham um maior conhecimento ao
conceito, ferramentas, importância, evolução e a maneira correta de aplicar o
Marketing Esportivo, como desenvolvimento estratégico em busca de soluções
criativas e inovadoras para as gestões que buscam a construção e a consolidação
de uma marca forte, através de ações vinculadas a atividades esportivas,
apresentando assim, uma excelente alternativa nesta área de conhecimento ainda
pouco explorado, onde os profissionais envolvidos poderão verificar a grande
colaboração que o esporte proporciona as empresas que almejam comunicar-se
de forma eficaz com seu público, trabalhando diretamente com a emoção das
pessoas.

1
Esportivo marketing as strategy of increment in the construction or consolidation of
the mark.

ABSTRACT

The article comes to contribute so that managers, professionals of


Marketing, as well as professionals of similar areas, have a bigger knowledge to
the concept, tools, importance, evolution and the correct way to apply the Esportivo
Marketing, as strategical development in creative and innovative brainstorming for
the managements that search the construction and the consolidation of a strong
mark, through entailed actions the esportivas activities, thus presenting, an
excellent alternative in this area of knowledge still little explored, where the
involved professionals, will be able to verify the great contribution that the sport
directly provides the companies that long for to communicate if of efficient form
with its public, working with the emotion of people.

2
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO .................................................................................. 04

MARKETING ..................................................................................... 05

ESPORTE ......................................................................................... 08

MARCA ............................................................................................. 09

MARKETING PATROCÍNIO .............................................................. 10

INTRODUÇÃO AO MARKETING ESPORTIVO ................................ 11

NATUREZA E CARACTERÍSITCA DO MARKETING ESPORTIVO . 12

VANTAGENS DO ESPORTE COMO MÍDIA ALTERNATIVA ........... 13

METODOLOGIA ................................................................................ 15

CONCLUSÃO .................................................................................... 16

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................. 18

3
INTRODUÇÃO

Na sempre crescente concorrência entre as empresa, uma vantagem


competitiva é sempre bem vinda, e isto tem obrigado as empresas de diversos
segmentos a estabelecerem novas ferramentas para atrair e chamar a atenção de
seus consumidores. O Marketing Esportivo vem destacando-se como uma
oportunidade de conquistas e manutenção de clientes, objetivando o incremento
das vendas.
Além de investir em mídia de massa, as empresas estão observando
que o esporte proporciona grandes alegrias para o povo despertando grandes
emoções e por isto elas apostam no esporte como um caminho para consolidar
suas marcas. (PITTS, 2002).
De acordo com Araújo (2002), o setor esportivo no país vem sofrendo
uma crescente participação na mídia, nos negócios, na economia e
principalmente, no lazer das pessoas, transformando o Brasil no quinto maior
mercado esportivo do mundo.
Para Neto (2003), o esporte ao redor do mundo e em diferentes épocas
já provou ser muito diferente de qualquer outra atividade de entretenimento.
Atualmente já é visto e principalmente utilizado como alternativa por diferentes
empresas que desejam alcançar seu consumidor nos momentos que estes estão
praticando, vendo ou se informando sobre seu esporte favorito.
O surgimento de clubes, atletas e o crescimento de programas
esportivos bem como as coberturas de eventos relacionadas ao esporte estão
cada vez mais presentes na mídia. Tornou-se uma realidade para empresas,
perceberam que seus clientes estão mais dispostos a consumir seus produtos ou
simplesmente criar uma simpatia pela marca, quando estão vendo ou praticando o
esporte (CARDIA, 2003).
De acordo com Contursi (2000), todas as empresas que atualmente não
desenvolvem estratégias de Marketing através do esporte, não o fazem por falta
de conhecimento ou medo de atrelar sua marca a um clube mal administrado ou
envolvido em polêmicas.Entretanto, o interesse dos consumidores pelo esporte e
como uma empresa é mais bem vista por seus patrocínios faz com ele, seja uma

4
das melhores formas para as empresas rejuvenescerem e reposicionarem suas
marcas, comercializarem seus produtos e serviços e fidelizarem o consumidor.

MARKETING

Para compreender melhor o tema “Marketing Esportivo” deve-se


entender alguns conceitos básicos sobre marketing. A tradução da palavra para o
português é mercadologia. A maioria das pessoas confunde o marketing com
propaganda. Mas, a definição é mais completa e complexa. (LIMA, 2006).
Apesar de encontrarmos suas raízes ao longo da história da
humanidade, na própria gênese do comércio, o marketing é um campo de estudo
novo se comparado com os demais campos do saber. O estudo do mercado
surgiu da necessidade dos industriais de administrar a nova realidade oriunda da
Revolução Industrial que causou uma transformação de um mercado de
vendedores para um mercado de compradores. (COBRA, 1986).
A origem do marketing vem da economia, contudo se constatou que a
base do conhecimento para o uso da palavra precisa ser bem maior, abrangendo
a sociologia, estatística e psicologia. (GRACIOSO, 2005).
O objetivo do marketing é “o gerenciamento da demanda” (KOTLER, et
al 2006). Ainda de acordo com o autor, o marketing identifica as necessidades e
desejos dos clientes, especifica mercados-alvos e decide sobre os produtos e
serviços da empresa.
Marketing é um processo social e gerencial por meio do qual pessoas e
grupos de pessoas obtêm aquilo de que necessitam e o que desejam com a
criação, oferta e livre negociação de produtos e serviços de valor com outros
(KOTLER et al, 2006).
Segundo Waugh, 2005, marketing é “o processo de planejar e executar
a concepção, estabelecimento de preços, promoção e distribuição de idéias,
produtos e serviços a fim de criar trocas, que satisfaçam metas individuais e
organizacionais".
Para definir o sistema do marketing de forma clara e objetiva surgiram
os 4 P’s, ou marketing mix. O primeiro, produto, é todas as qualidades e

5
variedades de um bem de consumo como nome, embalagem, etc. O segundo,
praça, é onde serão inseridas as ações, são os canais de distribuição. O terceiro é
o preço, condições de prazo. E o último é a promoção, as estratégias utilizadas
para estimular a comercialização. (LIMA, 2006).
A definição do composto de marketing é o conjunto de ferramentas que
a empresa utiliza para atingir seus objetivos de marketing no mercado alvo
(KOTLER, 2003).
Além dos 4 P’s, ainda existem os 4 A’s: análise, adaptação, ativação e
avaliação. A análise é buscar e processar informações importantes para identificar
oportunidades, ameaças e tendências do mercado. A adaptação tem como
objetivo ajustar a oferta da empresa e o mercado. A ativação é o conjunto de
ações destinadas a fazer com que o produto atinja os mercados predefinidos pela
empresa. E por último a avaliação, que são os controles para analisar os
resultados e ajustar informações e dados. (KOTLER, 2000).
Depois de compreender todo o sistema de marketing, o próximo passo
para a elaboração de uma campanha é a segmentação do mercado. A definição
de segmentação é o processo de divisão de um mercado em subconjuntos
distintos, de acordo com as necessidades ou características (KOTLER, 2003).
Segundo Kotler (1999) “segmentação de mercado é o ato de dividir um
mercado em grupos distintos de compradores com diferentes necessidades e
respostas".
O motivo de segmentar o mercado é simples, os consumidores são
diferentes, cada um tem uma preferência e um gosto. Um mesmo produto não
pode satisfazer todas as pessoas com necessidades diferentes. Quando se
conhece o público alvo é fácil direcionar o esforço e as estratégias a serem
desenvolvidas (MCKENNA, 1992).
As vantagens da segmentação do mercado são as possibilidades de
visar mercados adequados às estratégias e ao produto da empresa. Além disso, a
segmentação auxilia a identificação de lacunas no mercado. (WAUGH, 2005).
Mas para segmentar o mercado deve-se levar em conta as informações
sobre os públicos compradores do produto, as características de semelhança e as

6
disponibilidades de recursos para atingir os públicos. A segmentação é dividida
em quatro partes: geográfica (região, clima); demográfica (idade, sexo, religião,
renda); psicográfica (classe social, personalidade, estilo de vida) e
comportamental (benefícios, atitudes, grau de lealdade) (KOTLER, 1993).
Depois de definido o mercado-alvo deve-se desenvolver o ciclo de vida
do produto. Os produtos têm um começo e um fim e as vendas possuem estágios.
O estudo do ciclo de vida de um produto serve para indicar o desempenho de
vendas do bem de consumo ao longo do tempo. O ciclo de vida de um produto
passa por quatro estágios: introdução, crescimento, maturidade e declínio, A
introdução é quando o produto é lançado. É o período de crescimento devagar das
vendas, pois neste momento é que ele começa a ser introduzido no mercado.
Neste período, o lucro é quase inexistente porque os investimentos no lançamento
do produto são grandes. (KOTLER et al, 1993).
No crescimento a produção para suprir o mercado, que está
aumentando, passa a utilizar padrões de referência. Nessa fase a concorrência
passa a ser mais intensa. Esta fase o mercado aceita o produto e existe uma
melhoria grande no lucro. (KOTLER et al, 1993).
Na maturidade é que acontecem as reduções das vendas. Isso se deve
pela grande aceitação do mercado, o que causa estabilidade dos lucros e muitas
vezes até o declínio causado pelos investimentos em campanhas publicitárias.
Como os lucros reduzem, a empresa deve buscar diminuir os custos de produção
para manter a estabilidade. (MAGALHÃES, 2006).
No estágio de declínio os lucros desaparecem e as vendas despencam.
O produto, normalmente, é fragmentado dando origem a novos produtos.
(RICHERS, 2002).
O ciclo de vida do produto é uma importante estratégia para se analisar
o produto e definir novas ações. Esse trabalho torna a situação do produto clara,
fazendo com que a empresa consiga analisar melhor as estratégias. (KOTLER,
2000).

7
ESPORTE

Para Vargas (2006), o esporte contemporâneo é considerado um dos


maiores fenômenos sociais do século XX e tem agregado em torno de si um
número cada vez maior de áreas de pesquisa.
O esporte conhecido como é hoje, toma forma nas escolas da Inglaterra
do século XVIII, berço do capitalismo. (HOBSBAWM. 1988).
Cercados pela ideologia capitalista, a qual prega a ordem, o
racionalismo, a competição e a iniciativa individual, os alunos das escolas inglesas
desenvolvem um novo formato para os jogos populares de então, dando origem
ao Esporte. Surgem os campeonatos entre as escolas, os clubes e depois as
confederações, instrumentos que paulatinamente vão legitimando a pratica
esportiva. (BOURDIEU, 1983).
Após a consolidação do capitalismo e sua dispersão por todo o mundo,
a instituição esportiva, antes restrita ao mundo europeu, vai ganhando espaço nos
outros continentes. Seguindo a mesma lógica da voracidade capitalista, o Esporte
imiscui-se às culturas e toma o espaço de práticas populares, veiculando a
ideologia capitalista mundialmente. (NORBERT, 1992).
Entre os outros fatores, pelo seu potencial catártico, que possibilita ao
espectador um bem estar através do processo de transferência de seus próprios
problemas ao ambiente de jogo, o Esporte passa a ser um grande aglutinador de
massas. Aproveitando a potencialidade do fenômeno, empresários apropriam-se
das diferentes esferas relacionadas ao Esporte: vestimentas, clubes, acessórios,
redes de televisão, dentre outros. (BROHM, 2007).
E por sua vez, o Estado também passa a usar do Esporte em busca de
popularidade e projeção internacional.Unido à mídia corporativa, interessada em
mais espaço e lucro para seus patrocinadores, o Esporte sofre intensas
transformações, sobretudo na forma como é transmitido. Acentua-se o caráter
espetacular das competições, o que se torna visível através da presença de telões
nos estádios, existência de canais de televisão especializados no assunto,
aumento da prática de “esportes da moda” e extrema valorização e influência
social dos atletas mais bem sucedidos. Conceituando essa nova fase do esporte,

8
surge a expressão “Esporte Espetáculo”, modelo atual do fenômeno aqui tratado.
(TUBINO, et al 2006)

MARCA

A marca é, com certeza, o maior patrimônio de uma empresa, porque


lhe confere singularidade no mercado e contribui para diferenciá-la,
competitivamente, de outras empresas (MARTINS, 2000).
O termo é freqüentemente usado hoje em dia como referência a uma
determinada empresa: um nome, marca verbal, imagens ou conceitos que
distinguem o produto, serviço ou a própria empresa (KAPFERER, 2004).
Quando se fala em marca, é comum estar-se a referir, na maioria das
vezes, a uma representação gráfica no âmbito e competência do designer gráfico,
onde a marca pode ser representada graficamente por uma composição de um
símbolo e/ ou logotipo, tanto individualmente quanto combinados. (CHETOCHINE,
2006).
Marca segundo Aaker (2007) é a representação simbólica de uma
entidade, qualquer que ela seja, algo que permite identificá-la de um modo
imediato.
No entanto, o conceito de marca é bem mais abrangente que a sua
representação gráfica. Segundo NETO (2006), marca é um nome, termo, signo,
símbolo ou design, distinto ou combinado com a função de identificar a promessa
de benefícios, associada a bens ou serviços, que aumenta o valor de um produto
além de seu propósito funcional, tendo uma vantagem diferencial sustentável.
O significado de uma marca resulta dos esforços de pesquisa, inovação,
comunicação e outros que, ao longo do tempo, vão sendo agregados ao processo
de sua construção. Isso significa que sua criação e manutenção não podem ficar
restritas a designers, artistas gráficos e agências de publicidade. (KAPFERER,
2004).
A marca é diferente do produto, ela estabelece um relacionamento e
uma troca de intangíveis entre pessoas e produtos. Já o produto é o que a

9
empresa fabrica, o que o consumidor compra é a marca. Os produtos não podem
falar por si: a marca é que dá o significado e fala por eles. O produto tem um ciclo
de vida, a marca não. (MARTINS, 2000).
Busca-se associar às marcas uma personalidade ou uma imagem
mental. Assim, pretende marcar a imagem na mente do consumidor, isto é,
associar a imagem à qualidade do produto. (CHETOCHINE, 2006).

MARKETING PATROCÍNIO

Patrocínio é definido como uma ação promocional que, ao dar suporte


as demais ações do composto promocional, contribui para o alcance dos objetivos
estratégicos de marketing da empresa, em especial no que se refere à imagem
corporativa, promoção da marca, posicionamento do produto, promoção de venda
e comunicação com clientes, fornecedores, distribuidores e demais parceiros
(CONTURSI, 2003).
Patrocínio pode ser considerado, igualmente como um acordo
profissional entre patrocinador e patrocinado para que ambos alcancem os
objetivos claramente definidos, visando assim o sucesso da equipe, como também
o retorno no investimento da empresa, que implicará em uma definição,
acompanhamento, controle e mensuração dos resultados contra os objetivos
traçados previamente (NETO, 2003).
Segundo Cárdia (2003) muitas empresas já trabalham o Patrocínio
comum à maneira de apoio social à comunidade, incentivando a pratica de
esportes e levando a população carente do país a oportunidade de acesso e
aprendizado a esportes, fazendo com que crianças e adolescentes deixem de se
ocupar com atividades indevidas nas ruas e passem a pratica desportiva, bem
como ao aprendizado de cidadania, já incluído em muitos desses projetos.
Por outro lado, Contursi (2003), as instituições educacionais brasileiras
aproveitam-se dessa ferramenta de marketing (patrocínio esportivo) para estar
mais presentes na mídia e mais próxima de seus clientes. Tal investimento é

10
justificado, muitas vezes, pela proximidade das instituições com seu público-alvo,
na sua maioria jovens que, cada vez mais, aderem ao esporte.

INTRODUÇÃO AO MARKETING ESPORTIVO

Marketing Esportivo é o conjunto de ações voltadas á pratica e a


divulgação de modalidades esportivas, clubes e associações, seja pela promoção
de eventos e torneios ou através do patrocínio de equipes e clubes esportivos
(STOTLAR et al, 2005).
Em sua forma original o Marketing Esportivo não passava de
contratação de um atleta para divulgação de um produto. Hoje a preferência das
empresas americanas vem recaindo sobre os eventos de um modo geral, uma
estratégia que oferece estabilidade em longo prazo e ajuda a construir uma
imagem forte. O esporte vem sendo usado para lançar novos produtos, para
aumentar a empatia do consumidor em relação a uma empresa, até mesmo para
minar a liderança regional de uma marca. No princípio os objetivos eram apenas
institucionais. À medida que os resultados da estratégia foram aparecendo através
do fortalecimento da imagem da empresa, novos caminhos vêm sendo
descobertos. Patrocínio de transmissão de grandes eventos esportivos pela
televisão, onde as negociações são feitas sem qualquer preconceito, onde uma
dobradinha eficiente é feita de modo a que os anunciantes investem em
merchandising que assegura a exposição de seu logotipo durante a transmissão
do evento. Automobilismo, futebol, golfe, tênis, vôlei de praia e bola ao cesto têm
sido muito utilizados. (NETO, 2000).
No Brasil, O Marketing Esportivo teve origem entre os anos 70 e 80,
quando o esporte brasileiro começou s despertar interesse da juventude, fazendo
com que a mídia intensificasse sua divulgação, aproveitando-se de novos talentos.
(REIN et al, 2008)
Como objetivos, o marketing Esportivo, visa aumentar o reconhecimento
publico, reforçar a imagem corporativa, estabelecer identificação com segmentos

11
específicos do mercado, combater ou antecipar-se a ações da concorrência,
envolver a empresa com a comunidade, conferir credibilidade ao produto com a
associação à qualidade e emoção do evento (POZZI, 1998).
O marketing esportivo, para muitos autores, serve para consolidar ou
massificar uma marca forte e mensurar o retorno do investimento é difícil.
Entretanto, sabe-se que as empresas realizam cálculo de forma global, sem a
preocupação de identificar isoladamente os fatores impulsionadores. Darren
Marshal, vice-presidente da Sponsorship Research International, citado por Neto,
(2006) afirma "que o retorno de uma marca ou produto envolvido num evento é 4
vezes maior do que o de uma boa campanha publicitária".

NATUREZA E CARACTERISTICA DO MARKETING ESPORTIVO

Para muitos autores, a motivação que levou grandes empresas a


investirem no esporte está proporcionalmente ligada ao espaço que a mídia em
geral reservou para a divulgação dos eventos em virtude do sucesso obtido em
grandes competições nacionais e internacionais e o retorno institucional e de
vendas que eles traziam.
De acordo com Pitts (2002), uma das grandes características do
marketing esportivo, é o envolvimento de eventos, times, contratos de
endorsement (testemunhal de atletas), ligas e compra de espaços de mídia em
eventos esportivos. O marketing esportivo desempenha muito bem sua função
como um "lembrete" de qualidade, sem, contudo, impor sua venda, uma vez que
ao fazer-se lembrar, ele está lhe dando uma opção de nome no mercado cabendo,
portanto, a empresa (marca) investir também na propaganda com uma ação
significativa, explicando quais são os seus produtos e para que se destinam.

VANTAGENS DO ESPORTE COMO MIDIA ALTERNATIVA

A Mídia é caracterizada como um meio pelo qual se transmite uma


mensagem. Entende como mídia, "o canal que a propaganda utiliza para
encaminhar a mensagem publicitária ao mercado-alvo". (CÁRDIA. 2003).

12
Segundo Nicoloni (2005), mídia entre outras coisas, é a análise e a
interpretação dos veículos de comunicação e um instrumento de expressão
publicitária. Alguns autores apontam o marketing esportivo como uma forma de
mídia alternativa uma vez que ele é capaz de promover uma marca junto ao seu
público-alvo e assim sendo recebe em troca de publicidade, imagem e venda.
Contursi (2000), afirma que essa captação de mensagem, normalmente
é feita em momentos de descontração e relaxamento, como numa transmissão de
um evento esportivo, quando a maior parte das mensagens, chega ao
telespectador mais receptivo, ao mesmo tempo em que evita os intervalos
comerciais e a provável troca de canal. Para eles é mais fácil o telespectador
aceitar a propaganda fora dos intervalos comerciais.
Esse fato é bastante relevante se considerarmos, por exemplo, a
exposição de uma marca que patrocina um time de futebol durante os 90 minutos
em que dura essa transmissão. No tocante as cifras investidas no esporte, por
tudo o que temos pesquisado, as estratégias utilizadas pelas agências de
propagandas/empresas, segundo dados apresentados na 1ª Conferência
Internacional de Marketing Esportivo realizada em São Paulo, chegam a US$10
bilhões em todo o mundo (Caderno de esportes. Folha de São Paulo, 1999 4b).
Nesta conferência foi apresentado também o número investido no Brasil durante
grandes eventos como a Copa do Mundo ou jogos Olímpicos que chegaram a
US$250 milhões. (CONTURSI, 2003).
O esporte, como tem sido bastante divulgado, é uma boa forma de
investimento, tanto para as empresas como para os veículos publicitários. O
patrocínio de uma empresa num evento esportivo atinge, tanto o público que está
assistindo o evento no local, quanto o público que está acompanhando a cobertura
do evento pelos meios de comunicação, gerando uma verdadeira disputa por
espaço dentro dos eventos. (VARGAS, 2006).
É válido salientar que a diversidade de esportes contribui muito para que
o patrocinador possa optar para aquele que mais se afine com o seu negócio e
público-alvo. (CÁRDIA, 2003).

13
Vargas (2006), nos relata que o Banco Nacional para explorar a imagem
de Ayrton Senna em peças de merchandising e comerciais investiria US$ 1,2
milhões no ano da morte do piloto, o que significaria o dobro desembolsado
quando de seu início de carreira. Blecher salienta também, que a peça
promocional mais popularizada e disputada, era o boné (distribuídos 1,5 milhões
de unidades) com a sua assinatura e que numa pesquisa realizada em 1991, o
banco teve computado os minutos de TV e as fotos de mídia impressa em que
Senna aparecia com a logomarca ficou demonstrado que o banco teria que
investir 10 vezes mais o valor contratado para obter o mesmo retorno em espaço
publicitário. (NETO, 2006).

14
METODOLOGIA

O presente estudo utilizou-se da metodologia de revisão bibliográfica,


dividida em duas etapas. A primeira referiu-se a revisão de literatura específica
sobre marca, esporte e marketing em geral, na segunda buscou-se referência
especifica sobre o Marketing Esportivo.
Esta etapa da pesquisa foi a que apresentou maiores surpresas, por
dois motivos, a literatura sobre esse assunto é ampla, onde vários autores estão
abordando o tema, onde o mesmo é tratado como estratégia concreta de atração
e fidelização do público, construindo e consolidando a marca de determinado
serviço ou produto.
O critério para escolha destes autores foi o de reconhecimento de seus
trabalhos como contribuição para a área.

15
CONCLUSÃO

Sabe-se que toda marca hoje conhecida possui uma tradição no


mercado consumidor, portanto, possui também uma imagem, características que
levam um determinado segmento social a consumir a marca. Por outro lado, sabe-
se também que o mercado não é algo estagnado, fixo. Ele está sujeito a diversas
mudanças, a novas tendências e também ao surgimento de novos produtos e
marcas concorrentes. Partindo daí, as empresas necessitam de uma reciclagem
constante na imagem do seu produto/serviço, buscando assim, novos
consumidores e manter fiéis os consumidores já conquistados. Para isso, usa as
campanhas publicitárias e as pesquisas de mercado. O esporte vem sendo uma
excelente oportunidade de divulgação, reciclagem e promoção, uma vez que ele
funciona de modo simples através do patrocínio a times ou atletas, do
licenciamento de produtos, e muitas outras possibilidades
Através do conteúdo teórico conquistado através da revisão de literatura
que fundamentou este estudo, objetivou-se mostrar aos gestores, profissionais de
Marketing, bem como profissionais de áreas afins, um novo meio para obtenção
de informações sobre o Marketing Esportivo, como também aqueles que objetivam
investir nesta estratégia de marketing, que com certeza evoluirá ainda mais nos
próximos anos, principalmente pela importância que o lazer desempenha na
sociedade da informação.
Ao que tudo indica, o Marketing Esportivo veio não só pra ficar, mas
para se transformar cada vez mais numa ferramenta estratégica de marketing
poderosa, desde que todos os benefícios que dele advêm sejam conhecidos,
utilizados e mensurados, e que a divulgação da marca, através do esporte não
venha sozinha, pois o patrocínio esportivo mantém a marca, mas por si só não a
explica. Sendo necessário também, que cada empresa encontre a modalidade
esportiva que mais se enquadre com seu tipo de negocio/produto para atingir mais
eficazmente o seu publico alvo.
Contudo, concluímos este trabalho com a certeza de que através do
esporte, as empresas, sejam, elas, de pequeno ou grande porte, desde que

16
elaborem com eficácia um projeto de patrocínio que atenda suas necessidades,
conseguem de maneira natural, comunicar-se com o seu publico, pois, o esporte
em geral, além de trabalhar diretamente com a emoção das pessoas, com seus
ideais e paixões, passando estes sentimentos para a empresa, na visão dos
clientes, faz com que elas também se tornem altamente bem vistas e com
simpatia pela maioria do público jovem e pelos consumidores em geral, uma vez
que a empresa está desenvolvendo um bem social, dando oportunidade à cultura,
lazer, oferecendo algo além do seu produto ou serviço e dando para o público a
certeza de uma maior cumplicidade e proximidade.
Portanto, o que apresentamos neste trabalho, pode despertar o
interesse e a motivação em termos de mudança de postura, tanto no mundo
empresarial, quanto no esportivo.

17
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AAKER, David. Construindo Marcas Fortes. Rio de Janeiro, Bookman, 2007.

ALMEIDA, Cândido José Mendes de. SOUZA, Madalena Mendes de Almeida.


LEITÃO, Sergio Sá. Marketing ao Vivo. São Paulo, Imago, 2000.

BERNARD J. Mullin. Stephen Hardy. Willian A. Sutton. Marketing Esportivo. São


Paulo, Bookman,2000.

BOURDIEU, Pierre. Como é possível ser esportivo? In: Bourdieu, P. Questões


de Sociologia. Rio de Janeiro. Marco Zero, 1983, pp. 136-153.

BROHM, Jean-Marie. Perelman, Marc, Vassort, Patrick. A ideologia do esporte


espetáculo e suas vítimas, in: http://diplo.uol.com.br/2004-06,a931 - acessado
em 18 de fevereiro de 2007.

CARDIA, Wesley Marketing Esportivo. Rio de Janeiro, Bookman, 2003.

CHETOCHINE, GEORGES. BUZZ MARKETING: SUA MARCA NA BOCA DO


CLIENTE. Rio de Janeiro, Pearson / Prentice Hall (Grupo Pearson), 2006.

COBRA, Marcos. MARKETING BÁSICO. São Paulo: Atlas, 1986.

CONTURSI, Ernani Benvilaqua. Marketing Esportivo. São Paulo, Sprint, 2000.

CONTURSI, Ernani Benvilaqua. Patrocínio. São Paulo, Sprint, 2003.

HOBSBAWM, Eric. A era dos impérios: 1875-1914, ed. Paz e Terra - Rio de
Janeiro, 1988.

18
KAPFERER, JEAN-NOËL. MARCAS À PROVA DE PRÁTICA: APRENDENDO
COM OS ERROS (2ª EDIÇÃO). Rio de Janeiro, Bookman, 2004.

KOTLER, Philip, ARMSTRONG, Gary. Princípios de Marketing. Rio de Janeiro:


Prentice-Hall do Brasil Ltda, 1993.

KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

KOTLER, Philip. KELLER, Kevin. Administração de Marketing - 12a Edição. São


Paulo: Prentice Hall, 2006.

KOTLER, Philip. Marketing de A a Z. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

KOTLER, Philip. Marketing para o século XXI. São Paulo: Futura, 1999.

LIMA, Agnaldo. Gestão de Marketing Direto: Da Conquista ao Relacionamento


com o Cliente. São Paulo: Atlas, 2006.

MAGALHÃES, Marcos Felipe. Explicando Marketing Simplesmente. Rio de


Janeiro.Qualitymark, 2006.

MARTINS, José Roberto, Branding, São Paulo, Negócio Editora, 2.000.

MCKENNA, Regis. Marketing de Relacionamento. Rio de Janeiro: Campus,


1992.

NETO, Francisco Melo, Carvalho, Sergio Francisco Paulo de. Gestão de Marcas
nos Esportes – Teoria e Pratica. Rio de Janeiro, Record, 2006.

NETO, Francisco Paulo de Melo. Marketing Esportivo. Rio de Janeiro, Record,


2000.

19
NETO, Francisco Paulo de Melo. Marketing de Patrocínio. Rio de Janeiro,Sprint,
2003. GRACIOSO, Francisco. Marketing. São Paulo: Atlas, 2005.

NICOLONI, Henrique Evento Esportivo como Objeto de Marketing. São Paulo,


Phorte Editora, 2005.

NORBERT, Elias. A gênese do desporto: um problema sociológico. Elias,


NORBERT & Dunning, Eric. A busca da excitação. Lisboa: Difel, 1992, pp. 187-
221.

PITTS, Brenda. Fundamentos do Marketing Esportivo. São Paulo, Phorte


Editora, 2002.

POZZI, Luis Fernando. Grande Jogada: Teoria e Pratica do Marketing


Esportivo. Rio de Janeiro, Globo, 1998.

REIN, Irvig. KOTLER, Phill. SHIELDS, Ben. Marketing Esportivo: A Reinvenção


do Esporte na Busca de Torcedores. São Paulo, Bookman, 2008.

RICHERS, Raimar. O que é marketing. São Paulo: Brasiliense, 1986. – STONE,


Bob. Marketing Direto. São Paulo: Nobel, 2002.

STOTLAR, David K. e DUALIBI, Carla. Como Desenvolver Planos de Marketing


Esportivo de Sucesso. São Paulo, Matrix, 2005.

TUBINO, Manoel José Gomes, Maynard, Kenia. Esporte e Cultura de Paz. Rio
de Janeiro, Ibrasa, 2006.

VARGAS, Ângelo. Esporte e realidade. Conflitos Contemporâneos. Rio de


Janeiro, Shape, 2006.

20
WAUGH, Troy. 101 Estratégias de Marketing para Empresas de Serviços
Profissionais. Rio de Janeiro, Atlas, 2005.

21