Você está na página 1de 97

Vinicius Martinez

Por que eu combato o Concílio


Vaticano ll?
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Dedico este texto primeiramente àqueles que


habitam em meu coração e mente, a saber, o meu
Bom Deus e a Santíssima Mãe de Deus a qual
chamamos Maria.

Ó Santíssima e Gloriosa Virgem de Graça Plena


que mudou a minha vida. Ó Maria amo-te e desejo
amar-te ainda mais, com toda minha Força Ó minha
Rainha!

Em segundo, dedico também a uma Mulher que


desejo o Sumo Bem dela — que se consiste nela
estar na Beatitude Eterna.

Ela é a Luz Irradiante que me trouxe alegria, ela


é o meu amor! Meu grande e verdadeiro amor — e
sempre há de sê-lo!

2
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Contatos

Meu Facebook pessoal:


https://www.facebook.com/vinicius.martinez.180
Meu Site:
http://www.occts.org/
Meu Canal no YouTube:
https://www.youtube.com/user/beninho22

18/03/2018

3
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ó tão bela Santíssima.


Ó tão puríssima Santíssima.
Ó tão doce Santíssima.
Ó tão simples Santíssima.
Ó tão amabilíssima Santíssima.
Ó tão piedosíssima Santíssima.
Conserva-me da Corrupção Ó Mãe da Conservação!
A ti me dou por inteiro Ó Minha Mãe Santíssima! Amo-te Ó Gloriosa
Mulher!

4
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Sumário
Apresentação
Da Confusão Popular.
Do Concílio e a Missa Nova.
Do caráter confuso e liberal do Concílio.
Dos Peritos.
O Pontificado de Bento XVI.
Do motivo de eu chamar o Papa Bento XVI de Doutor Sensato.
Dos Fundamentalistas do "Concílio Infalível Vaticano II".
A Liberdade Religiosa, o Ecumenismo e o Indiferentismo Religioso do
Vaticano II.
Ainda sobre a questão da liberdade religiosa.
Da colegialidade dos Bispos.
Documentos e mais documentos.
Do "Espírito do Concílio".
Dos Frutos do Concílio.
Dos fundamentalistas do Concílio ou adeptos da "Hermenêutica da
Ruptura".
Dos Moderados e seguidores da "Hermenêutica da Continuidade".
Do Papa Francisco e a gnose "tradicionalista".
Do Papa Iníquo.
Se sou herege por não seguir o Vaticano II.
Conclusão.
Apêndice A: Do espírito de enclausuramento dos "tradicionalistas".
Apêndice B: Se é correto chamar a Missa Tridentina de "Missa de
Sempre".
Apêndice C: A Obediência é sempre uma Virtude?
Apêndice D: Do Ato de ser Católico.
Apêndice E: Fora da Igreja Católica não há Salvação!
Apêndice F: Deus, a Igreja, a Família e a Pátria: dos objetivos e deveres.

5
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apresentação.

"Assim como todos os homens desejam naturalmente conhecer a


verdade, também é inerente aos homens o desejo natural de evitar os
erros e de refutá-los quando tiverem essa capacidade." Santo Tomás
de Aquino

"Não se opor ao erro é aprová-lo. Não defender a verdade é


negá-la.” Santo Tomás de Aquino

Quem me acompanha já sabe que faço duras críticas ao Concílio


Vaticano II. Faço pelo simples fato de que esse Concílio foi falível e
pastoral: foi o único Concílio que não teve caráter Dogmático da
História da Igreja. Portanto, não foi infalível — e sendo falível pode
conter erros — e realmente contém erros como será demonstrado,
logo o erro não pode ser aderido, mas evitado, corrigido e também
questionado.

Com efeito, alguns católicos ignorantes que confundem tudo e


por vezes nada sabem de Doutrina e Teologia —, mas tudo que fazem
é repetir chavões — acusam-me de sedevacantista ou utilizam do
esdrúxulo rótulo de rad-trad para me intimidar — o que não irá jamais
acontecer.

Na maioria das vezes são pessoas apaixonadas ao extremo e


aceitam absolutamente tudo que é dito pelo Clero —, abraçando tudo
e qualquer coisa como se fossem tudo de ordem Dogmática. Na
maioria das vezes tenho compaixão com essas pessoas por eu ver
que de fato são ignorantes —, e não significa que eu me sinta superior
a essas pessoas.

Tudo que faço é realmente porque tenho amor pela Verdade a


qual chamamos Deus, eu amo a Santíssima e a Santa Igreja. Minha
Autoridade enquanto leigo é quase nenhuma, quando se trata de
discutir questões tão sérias. No entanto, não utilizo de minha
autoridade enquanto leigo, mas de Defensor da Fé.

6
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Além disso, tudo o que eu disser faço porquê de fato considero


como importantes para a conservação da Fé do povo Católico
Apostólico Romano que foi desmantelada em decorrência do Concílio:
que demonstrei que não foi infalível e que contém problemas sérios.
Ora, eu realmente me importo com o Bem Supremo que todos temos
de buscar a qual chamamos Deus.

Além disso, eu tenho amigos que defendem o Concílio por via da


“Hermenêutica da continuidade” que será tratada no texto. Eles são os
meus amigos — e inclusive tenho pessoas queridas que fazem parte
do Clero que estão nessa posição.

Ora, eu não deixarei de ser amigo dessas pessoas só porque


elas defendem o Concílio; a amizade para mim não significa apenas
gostar das mesmas coisas como muitos por aí propagam um
fragmento muito incompleto do que seja a Amizade. Ser amigo é muito
mais que apenas ter os mesmos gostos e defender as mesmas
coisas.

No entanto, ademais, repito o que o Filósofo, a saber, Aristóteles


dizia em seu livro da Ética a Nicômaco: “Talvez seja melhor passar em
vista a noção do bem universal e iniciar uma discussão sobre o que
ele significa mesmo que tal exame seja árduo, pelo fato de que os
homens que introduziram as formas são amigos. E talvez pareça
melhor, e até mesmo necessário, para a preservação da verdade,
fazer desaparecer o lado pessoal, especialmente sendo filósofos, pois
ambos (o lado pessoal e a verdade) nos são caros e, por anuência
divina, é preferível a verdade”.

Além do mais, sei muito bem de minha posição enquanto leigo.


Não sou do Magistério — e tampouco pretendo ser. Não será o
Vinicius Martinez que irá resolver esse caos. No entanto, eu estarei
cumprindo o meu dever que é defender a Fé — e transmitir o que me
foi transmitido.

Pois, há quem diga que os leigos não podem ensinar — o que é


uma mentira. Os leigos ainda que façam parte do corpo discente, tem
o dever de repetir o que fora infalivelmente ensinado pelo Santo
Magistério.

7
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Além disso, quando estamos em uma época onde o corpo


docente que é o clero deixa de ensinar, é ainda mais necessário o
ofício do ensino exercido pelos leigos — que dentro de suas
possibilidades, devem ensinar aos demais: claro que não querendo
substituir a primazia da autoridade que foi dada aos eclesiásticos.

Com efeito, muitos agem de uma forma parecida com as ditas


"células" que estão presentes nas seitas protestantes. E, esse tipo de
conduta inclusive adotada por congregações e clérigos
"tradicionalistas" é uma péssima e ineficaz estratégia e por vezes
desprezível, pois mostra um egoísmo e uma falta de vontade de ir aos
perdidos, o que, com efeito, limita ao máximo que a Sã Doutrina da
Igreja seja propagada.

Ora, eu não vou me adequar a essa mentalidade de


enclausuramento absurda. Irei sim ensinar o que me foi ensinado pelo
Santo Magistério, ainda que eu seja apenas um Soldado na
hierarquia.

No entanto, respondendo aos idealistas que exigem um absurdo


desses, pergunto-lhes: onde estão os meus tenentes e capitães que
são os Padres? Onde estão os meus coronéis que são os Bispos e
meu General que é o Papa? Onde estão esses oficiais que são o
Clero que devem instruir os seus exércitos a qual eu faço parte —
para a vitória?

Onde estão os pescadores de almas, os homens dos grandes


sermões públicos, os missionários, os eclesiásticos doutores que
deveriam estar ensinando? Onde estão os Homens a qual Nosso
Senhor ordenou: "Ide e ensinai". Na ausência disso, então cabe a eu
compartilhar o que me foi ensinado, — dentro de minhas limitações e
claro que subordinado ao Santo Magistério Infalível.

Na maioria das vezes os oficiais estão em suas capelas e


paróquias apenas ensinando aos seus paroquianos, reduzindo ao
máximo que a Verdade seja transmitida. Com efeito, cumprirei o meu
dever de Cavaleiro de Cristo — e ensinarei o que os grandes Doutores
do Santo Magistério nos ensinaram: é o que estou a fazer por via
deste livro.

8
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Estamos em uma grande Guerra contra a Carne, o Mundo e os


Demônios e precisamos não apenas da Infantaria, mas da Cavalaria
Blindada, da Força Aérea, da Marinha e de todo arsenal que tivermos
para enfrentar essas forças.

Ora, na ausência de um oficial, cabe ao suboficial comandar seu


pelotão, na ausência do mesmo é o cabo quem deve proceder na
cadeia de comando, e se não tiver um superior acima da classe dos
soldados —, então haverá apenas homens que estão
hierarquicamente na mesma posição.

No entanto, ademais, é necessária que uma cadeia de comando:


uma hierarquia para que se tenha ordem, pois todos que estiverem
então igualizados, não poderão efetivar uma ação em vista de algo
que nesse caso é o sucesso do combate.

Com efeito, será então o soldado mais apto e capaz quem deve
liderar o seu esquadrão, e eu faço justamente isso porque é
necessário, pois não posso deixar meus homens sem instruções e
guiamento.

O mesmo se sucede em um acidente grave, na qual se há


ausência de um resgate apropriado por conta dos socorristas, com
efeito, quem estiver ali — e ter a aptidão para realizar os primeiros
socorros, deve então agir como que um Médico.

No entanto, ademais, também repito as palavras do Mestre


Angélico sempre quando vou tratar dos assuntos referentes à Fé e
Moral: "Espero nunca ter ensinado nenhuma verdade que não tenha
aprendido de Vós. Se, por ignorância, fiz o contrário, revogo tudo e
submeto todos meus escritos ao julgamento da Santa Igreja Romana".

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

9
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro l: Da Confusão Popular.

Um exemplo clássico acerca da obediência cega por parte de


muitos, é o fato de que quando, por exemplo, o Papa Francisco em
algum documento ou declaração diz sobre os perigos do
“Aquecimento Global” ou em outras palavras: “Mudanças Climáticas
de ordem Antropogênica” isso não significa que temos de aceitar o
que o Papa diz quanto a isso.

Em verdade, o nosso Sumo Pontífice está enganado em defender


que haja um “aquecimento global” que é uma farsa científica. Assim
procede ao fato de que o Papa Francisco tem péssimos
posicionamentos que tendem ao pacifismo. A saber, o fato de ele
criticar quem possuí armas, não importando que sejam pessoas que
possuem para defenderem a vida de suas famílias e, com efeito, os
seus discursos acabam por promover causas mais "progressistas".

Ora, o Papa deixou de ser Papa por causa disso? Não, mas
também é verdade que ele está errado nisso e, portanto, não deve ser
obedecido por ter nos recomendado a parar de dirigir os nossos carros
que poluem ou de obtermos armas para defendermos nossas
mulheres, crianças e velhos, assim como devemos resistir às
investidas do progressismo de nossos tempos.

O mesmo ocorreu, mas em uma gravidade maior, com a sua


Exortação Apostólica: Amoris Laetitia, a qual por via de uma
linguagem ambígua e confusa, o Papa deixou brechas para erros
graves, no que se diz a questão da admissão dos divorciados
“recasados” à Sagrada Comunhão.

Tamanha é a confusão que existe uma "tropa de elite" do Papa


que principalmente age na Internet, a qual estão sempre posicionados
para explicarem as declarações atrapalhadas — e por vezes
desastrosas.

Ora, o Papa tem de ter responsabilidade sobre suas ações e


declarações, ele é o Comandante da Igreja e também o Chefe de um
Estado que é o Vaticano. Ficar fazendo malabarismos para ocultar ou

10
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

justificar algo que o mesmo tenha feito de errado sob um pretexto de


"defender a Igreja" é compactuar com o erro que fere a própria Igreja.

No entanto, neste quesito citado acima o Papa não está dentro do


Carisma da Infabilidade. Se o Papa repete o que nos foi ensinado por
Deus e pela Santa Igreja, ou seja, tendo como conteúdo de Fé e
Moral, ou nos ensina como Pastor Supremo da Igreja contendo o
caráter de infabilidade.

Com efeito, anuncia de maneira Ex-Cathedra: atendendo as


quatro condições vaticanas estabelecidas pelo Santo Concílio
Vaticano I. Devemos sim obedecer ao Sumo Pontífice incorrendo em
Heresia ao se recusar obedecer ao Vigário de Cristo na Terra — e
rejeitar um Dogma de Fé por ele ensinado.

No entanto, como é bem claro para qualquer um que tenha a


decência de buscar a entender e distinguir as coisas. Desde o
Concílio Vaticano II o Magistério da Igreja deixou de lado a sua
característica própria de Mestra da verdade, a qual tem o dever de
ensinar a Sã Doutrina —, instruindo e condenando todos os erros,
heresias, vícios: como sempre foi de praxe do Santo Magistério.

Com efeito, todos os Papas desde o Concílio ao máximo


tentaram deixar de lado o poder das Chaves que lhes foram dadas —,
dando instruções não como Comandantes da Igreja, mas como
homens que apenas dialogam com o seu povo. O que é realmente
uma lástima, pois é próprio de um General conduzir o seu exército à
vitória — e nesse caso trata-se da vitória sobre a Carne, o Mundo e o
Diabo.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

11
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro ll: Do Concílio e a Missa Nova.

O Concílio Vaticano II trouxe novidades para à Igreja e isso é um


fato indubitavelmente inegável. Qualquer pessoa com o mínimo de
inteligência ao ler e ver com os próprios olhos o que o Concílio trouxe
— e comparar com o que foi nos ensinado antes, verá que há coisas
essencialmente diferentes.

A saber, o simples fato de que pela primeira vez na História, o


magistério adotou uma linguagem ambígua e sem objetividade —,
dando margem para mais de uma interpretação — e em alguns casos
múltiplas interpretações.

No lugar da clareza e da objetividade que se deve ter quando se


trata de ensinar as inteligências, foi então adotada uma linguagem
obscura e estranha nos moldes da linguística da péssima filosofia
moderna — e da péssima má vontade de ser claro e objetivo.

Além disso, há também a presença de teses completamente


errôneas que foram adotadas no Concílio, a saber, a Colegialidade
dos Bispos, o Ecumenismo e a Liberdade Religiosa que são um tripé
que se tornou presente na mentalidade do clero que adotou uma
mentalidade e postura liberal.

No entanto, mais grave que as posições de cunho liberal-


maçônico ou que documentos estranhos e recheados de problemas; é
quando se trata do maior produto do Concílio que é a Missa Nova que
foi projetada por ninguém mais que o Monsenhor Annibale Bugnini
que era um Maçom — e que admitiu que trabalhou ao máximo para
remover os elementos essenciais da Santa Missa.

Dizia ele: "Desejo de eliminar [do futuro Rito em elaboração]


cada pedra que pudesse se tornar ainda que só uma sombra de
possibilidade de obstáculo ou de desagrado aos irmãos separados".

Ora, a Santa Missa é a coisa mais importante da vida de um


Católico Apostólico Romano, é onde é realizado o Santíssimo
Sacramento da Eucaristia —, a nossa maior riqueza.

12
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Além disso, há o trágico fato da participação de seis ministros


protestantes no time de elaboração a qual foram convidados pelo
próprio Papa Paulo VI que foi o grande responsável pela maior crise
litúrgica e de Fé da História da Igreja.

Se os relatos de Jean Guitton que fora um Modernista, forem


realmente legítimos o que parece realmente ser, pois estão alinhados
com o que se sucedeu na prática. Com efeito, se forem verdadeiros,
mostra que Paulo VI cometeu um erro gravíssmo.

Diz o Papa Paulo VI segundo Jean Guitton que era seu amigo
próximo: "Considere a reforma litúrgica. Vou ainda mais longe que o
senhor. Não só mantivemos todo o passado, mas reencontramos a
fonte que é a tradição mais antiga, a mais primitiva, a mais próxima
das origens. Ora, esta tradição fora obscurecida no curso dos séculos,
e particularmente no Concílio de Trento".

Dentro do mesmo diálogo diz o Papa que a Missa Tridentina é


como que um símbolo que anula a Missa Nova: “Reconheço que a
diferença entre a liturgia de São Pio V, e a liturgia do Concílio
(chamada frequentemente, não sei por que, de liturgia de Paulo VI) é
muito pequena. Na aparência e diversidade [no ofertório das duas
Missas] repousa numa sutileza. Mas essa missa dita de São Pio V,
como se a vê em Ecône, se torna o símbolo da condenação do
Concílio. Ora, jamais aceitaremos, em nenhuma circunstância, que se
condene o Concílio por meio de um símbolo”.

A primeira afirmação do Papa é realmente grave, é como que ele


estivesse contestando o Santo Concílio de Trento que foi infalível — e
pior, dizendo que o mesmo obscureceu a Tradição.

Quanto ao fato de minha afirmação de que a Missa Nova é o


maior produto do Concílio, não sou eu quem diz e sim o Papa João
Paulo ll em sua Carta Apostólica Vicesimus Quintus Annus: “A
renovação litúrgica é o fruto mais visível de toda a obra conciliar. Para
muitos, a mensagem do Concílio Vaticano II foi percebida antes de
tudo por meio da reforma litúrgica".

13
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Além disso, há de se estranhar o fato de que o Papa Paulo VI


quisesse tanto deixar de lado a Santa Missa Tridentina de lado, —
modificando a estrutura do Missal ao máximo para que pudesse ser
mais ecumênica possível.

Diz Jean Guitton: “Em Paulo VI havia a intenção ecumênica de


eliminar, ou pelo menos de remover ou atenuar, o que na missa era
demasiado católico em seu sentido tradicional, com o fim de aproximar
a missa católica da missa calvinista”.

Além disso, também afirma o mesmo: "A intenção de Paulo VI em


relação à liturgia, ou à vulgarização da Missa, era para reformar a
liturgia católica para aproximá-la da liturgia protestante... à Ceia
protestante. (...) repito que Paulo VI fez tudo o que estava em seu
poder para aproximar a Missa católica --- apesar do Concílio de Trento
--- à Ceia protestante".
Ora, a Santa Missa não é ecumênica, ela é feita para Deus Pai! A
qual somente a religião verdadeira que é a Católica Apostólica
Romana presta devida honra por via de um Santo Sacrifício Incruento
que se perpetua na História que é a própria Santa Missa — onde
realiza o tão sublime Sacramento.

Pergunta-se do motivo do Papa Paulo VI ter tanto desdém da


Santa Missa de Sempre: a expressão mais fidedigna da Fé Católica
Apostólica Romana. Além disso, por que o Papa convidaria um
homem tão heterodoxo para elaborar o Missal — e ainda para
completar: convidou seis ministros hereges.

Quem pode negar a diferença substancial entre a Missa


Tridentina e Nova? Quem pode negar a diferença entre a forma de ser
Católico antes do Concílio e depois do Concílio? — com as novidades
trazidas pelo dito “Espírito do Concílio” que são expressas por
movimentos como a RCC que é uma expressão pirateada do
pentecostalismo.

Ademais. — Se compararmos a riqueza e a beleza litúrgica de


uma Missa Tridentina com a Missa Nova, a diferença é abismal. O que
é um detalhe de extrema importância, pois, como já nos ensina o
Mestre Angélico: "A beleza é o reflexo da verdade".
14
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ora, como pode o pobre e o vazio ser reflexo de Deus? De fato, é


a Missa Tridentina a expressão fidedigna de nossa riquíssima Fé
perpétua de dois mil anos.

Ademais. — Derrube a Santa Missa, tire o seu valor, seu


significado, seu objetivo, sua importância, sua beleza — e terás um
povo sem Fé!

Com efeito, da participação de pessoas tão heterodoxas na


elaboração do missal novo, vemos os toques perversos dos mesmos,
onde detectamos a gnose, o panteísmo e o protestantismo.

A saber, primeiramente o fato notório de que agora a Missa mais


parece uma celebração de congregados — como que uma ceia
qualquer —, um absurdo sem precedentes. A absurda noção gerada
de que o povo celebra a Missa junto ao padre que seria um mero
"presidente" da assembléia para que realizem o Santíssimo
Sacramento.

Além das esquisitas concepções do padre voltado para o povo ao


invés de todos estarem voltados para Deus, assim como palavras
como: “Deus do Universo” que remetem ao Panteísmo e o “Ele está
no meio de nós” que dá a entender que Cristo está no meio do povo e
não na Santíssima Eucaristia — e igualmente o “morreu por todos”
que são frutos da gnose.

Também vemos um empobrecimento absurdo na riqueza da


Missa, a saber, o fato de que agora a beleza das igrejas foi dominada
pela arquitetura modernista. O abandono do Latim que fora ensinado
que se rezasse utilizando dele nas Missas pelo Santo Concílio de
Trento que combateu a modificação Luterana das línguas vernáculas.

Assim como também o majestoso e sublime Canto Gregoriano,


que foi trocado pelos esdrúxulos cantos modernos — incluindo o uso
de instrumentos profanos que foram condenados pelo Doutor da
Ortodoxia, a saber, Papa São Pio X.

Além do mais, há quem chame os defensores da Missa de


Sempre de "fetichistas". Ora, não se trata de Fetiche, não é questão

15
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

de gosto estético. Trata-se de defender o que é o certo, é defender


esse Santo Rito, pois ele é substancialmente o que deve ser: O Santo
Sacríficio Incruento do Divino Redentor no Calvário que se perpétua
na História — que é oferecido pelo Sacerdote.

O Herege Lutero sabia que destruindo a Santa Missa — que ele


tinha verdadeiro desdém e pavor de celebrá-la, com efeito, ele então
derrubaria os "romanistas malditos". Ora, há quem saiba que Lutero
modificou a Missa, removendo aos poucos os elementos essenciais
da mesma, até torná-la uma ceia qualquer — ao realizar sua infeliz e
maligna rebelião.

No entanto, essas mesmas pessoas são incapazes de


enxergarem que a Missa Nova também passou por um processo
Revolucionário semelhante —, removendo o significado Real da Santa
Missa. O pior é que isso foi permitido pelo Sumo Pontífice (Paulo VI)
que deveria zelar pela integridade da Ortodoxia.

No entanto, ele escolheu aceitar a Revolução Litúrgica


Modernista, feita por pessoas tão heterodoxas — levando a um caos
litúrgico e de Fé nunca visto antes na História. Ora, nem mesmo o
Papa tem o direito de modificar o significado substancial da Santa
Missa.

Com efeito, é impossível que eu possa ficar em plena


tranquilidade ao ir à Missa Nova ao saber de sua origem. Não há
como a minha consciência que fora ensinada pelos ensinamentos do
Santo Magistério, pela Santa Tradição Apostólica e a Sagrada
Escritura, não venha a me dizer: "Acaso estou na Santa Missa? Ou
porventura vim parar numa ceia luterana/calvinista e não percebi?".

Além do mais, não posso deixar de dizer que há vezes que


dúvido da Fé pessoal de muitos sacerdotes que a meu ver já não
acreditam na Transbustanciação, pois o jeito como eles celebram — e
tratam a Santíssima Eucaristia, demonstra uma total indiferença com a
mesma.

Com efeito, essa irreverência atinge até mesmo os fieis que ali
estão presentes, que deveriam ter o Sacerdote como exemplo de

16
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

pessoa de Fé, mas tudo que veem é uma pessoa que já não sabe do
motivo de estar ali. Ora, se é doloroso para mim, imagine como deve
ser doloroso ao Senhor cuja dignidade e majestade é Infinita.

Além disso, dizia o Leão de Campos, a saber, Dom Antônio


Castro Mayer sobre a Missa Nova: "(...) O ‘Novus Ordo Missae”, pelas
omissões e mutações que introduz no Ordinário da Missa, e por
muitas de suas normas gerais que indicam o conceito e a natureza do
novo Missal, em pontos essenciais, não exprime, como deveria, a
Teologia do Santo Sacrifício da Eucaristia, estabelecida pelo
Sacrossanto Concílio de Trento, na sessão XXII (...) As mudanças que
preparam o “Novus Ordo” não contribuíram para aumentar a Fé e a
piedade dos fiéis. Pelo contrário, deixaram-nos apreensivos,
apreensão que o “Novus Ordo” aumentou; porquanto, abonou a idéia
de que nada há de imutável na Santa Igreja, nem mesmo o
Sacrossanto Sacrifício da Missa. Além disso, como saliento nas folhas
juntas, o “Novus Ordo” não só não afervora, senão que extenua a fé
nas verdades centrais da vida católica, como a presença Real de
Jesus na SS. Eucaristia, a realidade do Sacrifício propiciatório, o
sacerdócio hierárquico".

Além disso, dizia os Cardeais Ottaviani e Bacci na carta (Breve


Exame Crítico acerca da Missa Nova): "O novo rito representa, no seu
conjunto como nos seus pormenores, um afastamento impressionante
da teologia católica da Santa Missa".

Além do mais, diz o Monsenhor Brunero Gherardini no Livro


(Concílio Vaticano ll: um debate a ser feito): “O novo rito da Santa
Missa colocava na surdina a natureza sacrifical, tornava-a funcional ao
reunir-se o povo de Deus em assembleia e reduzia o celebrante à
função de presidente para uma experiência de comuns interesses
humanitários, e a assembleia eucarística ganhava o sentido de um
simples encontro convivial”.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

17
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro lll: Do caráter confuso e liberal do Concílio.

Um Magistério jamais é ambíguo e obscuro, ele deve expressar


de maneira clara e objetiva para iluminar as inteligências para que
possam se voltar para Deus mesmo. No entanto, o Vaticano II não
funcionou dessa forma, pois adotou para si uma linguagem não de
Autoridade. Ora, o Magistério sempre tem de colocar sua Autoridade,
a qual deve ter por objeto a Verdade.

Ora, uma Autoridade que não tem por objeto a Verdade é algo
deveras tirânico e que, com efeito, não pode ser obedecida, pois o
objeto da obediência é também a Verdade — que é Deus mesmo.

Vejamos o grau de “Autoridade” do Concílio com a afirmação do


Papa João XXIII que convocou o Concílio em seu discurso de
abertura: “A finalidade principal deste Concílio não é, portanto, a
discussão de um ou outro tema da doutrina fundamental da Igreja,
repetindo e proclamando o ensino dos Padres e dos Teólogos antigos
e modernos, que se supõe sempre bem presente e familiar ao nosso
espírito. Para isto, não havia necessidade de um Concílio. Mas da
renovada, serena e tranquila adesão a todo o ensino da Igreja, na sua
integridade e exatidão, como ainda brilha nas Atas Conciliares
desde Trento até ao Vaticano I, o espírito cristão, católico e apostólico
do mundo inteiro espera um progresso na penetração doutrinal e na
formação das consciências; é necessário que esta doutrina certa e
imutável, que deve ser fielmente respeitada, seja aprofundada e
exposta de forma a responder às exigências do nosso tempo. Uma
coisa é a substância do «depositum fidei», isto é, as verdades
contidas na nossa doutrina, e outra é a formulação com que são
enunciadas, conservando-lhes, contudo, o mesmo sentido e o
mesmo alcance. Será preciso atribuir muita importância a esta forma
e, se necessário, insistir com paciência, na sua elaboração; e dever-
se-á usar a maneira de apresentar as coisas que mais corresponda
ao magistério, cujo caráter é prevalentemente pastoral”.

Além disso, diz o próprio Papa Paulo VI no discurso de


encerramento: "Há quem se pergunte que autoridade, que qualificação
teológica o Concílio quis atribuir aos seus ensinamentos, pois bem se
sabe que ele evitou dar solenes definições dogmáticas envolventes da

18
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

infalibilidade do Magistério Eclesiástico. A resposta é conhecida, se


nos lembrarmos da declaração conciliar de 6 de Março de 1964,
confirmada a 16 de Novembro desse mesmo ano: dado o caráter
pastoral do Concílio, evitou este proclamar em forma extraordinária
dogmas dotados da nota de infalibilidade. Todavia, conferiu a seus
ensinamentos a autoridade do supremo Magistério ordinário".

O Concílio ao tratar de questões teológicas, ao invés de ter


utilizado do Aristotelismo-Tomismo defendido e consagrado como a
forma real de se enxergar as coisas pelo Santo Magistério — por
diversos Papas. Escolheu adotar a esdrúxula Filosofia Moderna,
puxando a Fenomenologia que é anti-metafísica e que, com efeito, vai
de contramão com a Doutrina do Mestre Angélico que é o Doutor
Comum da Igreja.

Ademais. — Há quem possa utilizar do argumento de que o


Concílio disse sobre a importância de Santo Tomás de Aquino, no
entanto, isso não significa nada, pois o proceder liberal é afirmar algo
Ortodoxo, mas agir de forma que contrarie a afirmação. Com efeito, a
incongruência é a essência do proceder liberal.

Ora, de que adiantou o Vaticano II ter falado da importância da


maior inteligência que já existiu depois de Nosso Senhor quando
habitou entre nós, se o próprio magistério que o recomenda, não
tomou para si a Doutrina do Mestre Angélico, a qual preferiu a
Filosofia Moderna?

Ora, a Filosofia Moderna é perfeita para o “Espírito do Concílio”


tendo em vista que ele existe para gerar confusão e não ordem.
Diferente da Doutrina do Mestre Angélico que existe para ordernar as
coisas.

Há quem diga também que o Catecismo da Igreja Católica da


capa amarela dê demasiada importância ao Mestre Angélico. É
verdade que há muitas citações lá, no entanto, a questão é os
documentos que dão forma ao Concílio que não tiveram a clareza e as
finas verdades ensinadas pelo Santo Magistério.

19
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ademais. — Não há como plantar uma mentira apenas contendo


a substância mentirosa, é necessário que haja verdades para que as
pessoas possam aderir ao erro. Ora, assim procederam as grandes
mentiras durante a História da humanidade: sempre tinham algum
grau de verdade ao meio para que as pessoas pudessem aderir.

Além disso, vejamos a postura liberal em efetivo, a saber, o fato


de que o Papa João Paulo II dizia: “Devemos defender a Verdade a
todo custo, mesmo que voltemos a ser somente doze”.

Ora, aqui o Papa afirma algo verdadeiro que é a necessidade de


defendermos a Verdade sempre. No entanto, parece que o Papa não
seguiu a sua afirmação quando convocou o escandaloso e profano
Encontro de Assis, a qual se reuniu e rezou publicamente pela “Paz”
com praticamente todas as principais falsas religiões do mundo.

O mesmo ocorreu quando o Doutor da Caridade, a saber, Dom


Marcel Lefebvre, defendia a Verdade custe o que custar, não
querendo se adaptar ao Mundo Moderno, defendendo a Santa
Tradição —, a Santa Missa de Sempre, e ganhou com isso o título de
herege e cismático, colocando-o no mesmo patamar do Maligno e
Herege Martinho Lutero. Pergunta-se onde estava o Amor pela
Verdade custe o que custar do Clero?

Além disso, a ambiguidade linguística a qual pode conter


verdades é necessária para que se instale um erro. Dizia o Papa
Paulo VI em sua Bula Auctorem Fidei: "Eles [os Papas nossos
predecessores, os Bispos, e certos Concílios Gerais] conheciam bem
a arte maliciosa própria dos inovadores, os quais, temendo ofender os
ouvidos dos católicos, se esforçam por encobrir sob fraudulentos jogos
de palavras os laços das suas astúcias, afim de que o erro, escondido
entre sentido e sentido (São Leão Magno, Carta 129 da edição Baller),
se insinue mais facilmente nos espíritos e aconteça que — alterada a
verdade da sentença por meio de um curtíssimo acréscimo ou variante
— o testemunho que devia dar a salvação, em consequência de uma
sutil modificação, conduza à morte. Se esta indesejável e falaz
maneira de dissertar é viciosa em qualquer manifestação oratória, de
nenhum modo deve ser praticado num Sínodo, cujo primeiro mérito

20
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

deve consistir no adotar no ensino uma expressão de tal modo clara e


límpida que não deixe espaço ao perigo de controvérsias".

Além disso, diz o Padre Álvaro Calderón da FSSPX em seu livro


(A Candeia Debaixo do Alqueire): “As dificuldades suscitadas por esse
Concílio são grandes e muitas; mas em sua multiplicidade podemos
assinalar três traços comuns: a confusão, a proscrição e a conexão.
Os problemas suscitados pelo Vaticano II são confusos por dois
motivos; primeiro, porque o grupo inovador que dominou o Concílio
teve a prudência de não ser explicito para evitar a confrontação aberta
com a mens tradicional da maioria; segundo, porque o pensamento
moderno que o anima é necessária e deliberadamente ambíguo, pois
não cultiva os instrumentos que dão rigor ao pensamento com a
intenção de permanecer no pacifico âmbito do pluralismo doutrinal.
São também os erros proscritos, pois, quando com heroico esforço se
consegue precisar o pensamento conciliar após a bruma de seus
textos, se vê que na maioria dos casos são erros já condenados
explicitamente pelo magistério antimoderno dos cem anos anteriores.
E são formulações, por fim, conexas; porque, apesar da confusão em
que estão envoltas, se pode verificar que são novidades adotadas nos
diversos documentos conciliares são estreitamente interligadas”.

Além disso, diz o Padre Álvaro Calderón: “Todo e qualquer


governo, e mais ainda o governo eclesiástico, deve explicitar os
fundamentos doutrinais de seu proceder, pois de outro modo os
súditos não podem estar certos da legitimidade de seus mandados e
seria imoral obedecer. Por isso sempre os Papas e os concílios, nos
assuntos importantes, antes de promulgar um cânon com sua
autoridade disciplinar, definem a doutrina correspondente com sua
autoridade magisterial, assistida pelo carisma da Infabilidade”.

Ora, como já dizia o Professor Orlando Fedeli: “Um magistério,


que ensina polissemicamente, não ensina. Confunde. Um professor de
Geometria que ensinasse de modo tão vago – de modo polissêmico –
que suas palavras pudessem ser interpretadas de modo variado pelos
alunos, nada teria ensinado, pois não se faria entender, e ninguém
nada aprenderia com ele, com plena e clara certeza. Um professor de
cirurgia que, numa Faculdade de Medicina, ensinasse
polissemicamente seria culpado de muitas mortes. Que

21
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

responsabilidade a de João XXIII e de Paulo VI fazendo um Concílio


de textos ambíguos e até polissêmicos! Magistério e polissemia são
termos contraditórios. Não existe magistério ambíguo. Não há
magistério polissêmico”.

Além disso, um exemplo clássico da postura liberal e contraditória


do magistério pós-conciliar é quando vemos a seguinte pauta
apresentada no Decreto Unitatis Redintegratio: “Resguardando a
unidade nas coisas necessárias, todos na Igreja, segundo o múnus
dado a cada um, conservem a devida liberdade, tanto nas várias
formas de vida espiritual e de disciplina, quanto na diversidade de ritos
litúrgicos”.

Ora, o magistério por sua vez não seguiu o que afirmou, quando
se tratou de taxar o Doutor da Caridade e sua FSSPX de herética e
cismática por não terem deixado de seguir a Liturgia Perpétua. Mas
quando se trata de padres, bispos e congregações religiosas que
faziam e fazem absurdos com a Sagrada Liturgia, o Vaticano se
mantém calado.

Além do mais, vemos outro exemplo clássico da postura liberal do


magistério pós-conciliar: é quando se trata da sacrílega comunhão na
mão. Primeiro eles defendem que o correto conforme a Tradição é que
o fiel receba na boca, no entanto, logo em seguida deixam a brecha
para que as Conferências Episcopais pudessem determinar se em
suas regiões convinha permitir que os fiéis pudessem receber o
Santíssimo nas mãos.

Ora, se o correto é comungar nas mãos conforme sempre foi de


praxe da Tradição e ensinado por praticamente todos os santos
doutores, por que então deixar essa brecha desnecessária ao erro?

Pois, faz parte do proceder liberal do magistério pós-conciliar.


Inclusive no período que saiu essa instrução —, boa parte dos Bispos
foram contra ela. No entanto, com o tempo, ao invés de darem
atenção ao que é certo, passaram a seguir o que era mais
conveniente, que é seguir o erro da segunda instrução.

22
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Com efeito, hoje boa parte dos católicos do mundo cometem esse
erro desprezível que é tocar no Santíssimo Sacramento, cometendo
profanação contra o Santíssimo Corpo e Sangue de Nosso Senhor
Jesus Cristo.

Tocando onde não pode, — na Hóstia Consagrada onde está


verdadeiramente presente o Nosso Senhor em Corpo, Alma, Sangue e
Divindade em cada partícula que ademais, é pisoteada pelas pessoas
quando escolhem comungar dessa maneira: como é doloroso e
terrível imaginar isso.

O que inclusive com o tempo fez desmantelar a Fé do povo na


Presença Real de Nosso Senhor na Eucaristia, promovendo a
descrença na Transubstanciação, onde vemos que padres não
acreditam mais no que fazem — e igualmente leigos que participam
por participar e que demonstram sua falta de zelo pelo sagrado.

Além do mais, o Cardeal Sarah que embora seja adepto


do Vaticano II que é da linha da “Hermenêutica da Continuidade” é
dos poucos Cardeais que possuem uma sensatez grande quanto à
Litúrgia e que crítica essa abominável prática. Igualmente temos o
Bispo Dom Athanasius Schneider.

Ademais. — Diz o Mestre Angélico: "A distribuição do Corpo de


Cristo cabe ao padre por três motivos. Primeiro, porque é ele que
consagra assumindo o lugar de Cristo. Ora, o próprio Cristo distribuiu
o seu Corpo durante a Ceia. Portanto, assim (como) a consagração do
Corpo de Cristo cabe ao padre, é também a ele que cabe a sua
distribuição. Segundo, porque o padre foi instituído intermediário entre
Deus e os homens. Por conseguinte, como tal, é ele que deve
encaminhar a Deus as oferendas dos fiéis e também levar aos fiéis as
dádivas santificadas por Deus. Terceiro, porque, por respeito por este
Sacramento, ele não é tocado por nada que não seja consagrado. Por
causa disto, o corporal e o cálice são consagrados e igualmente as
mãos do padre o são, para tocar este Sacramento. Assim, nenhuma
pessoa tem o direito de o tocar, a não ser em casos de necessidade
como, por exemplo, se o Sacramento cair no chão, ou casos
semelhantes".

23
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ademais. — Nos ensina o Santo Concílio de Trento: "Na


comunhão sacramental sempre foi costume na Igreja de Deus
receberem os leigos a comunhão das mãos do sacerdote... . Com
razão e justiça se deve conservar este costume como proveniente da
Tradição apostólica".

Ademais. — Nos ensina o Santo Catecismo do Doutor da


Ortodoxia: "No ato de receber a sagrada Comunhão, devemos estar
de joelhos, com a cabeça medianamente levantada, com os olhos
modestos e voltados para a sagrada Hóstia, com a boca
suficientemente aberta e com a língua um pouco estendida sobre o
lábio inferior. Senhoras e meninas devem estar com a cabeça
coberta".

Ademais. — Nos ensina o Santo Catecismo Romano de Trento:


"De mais a mais, com o intuito de salvaguardar, sob todos os
aspectos, a dignidade de tão augusto Sacramento, não se deu
unicamente aos sacerdotes o poder de administrá-lo: como também
se proibiu, por uma lei da Igreja, que, salvo grave necessidade
ninguém sem Ordens Sacras ousasse tomar nas mãos ou tocar vasos
sagrados, panos de linho, e outros objetos necessários à confecção
da Eucaristia".

Ademais. — Quando Nosso Senhor ressucitou, Santa Maria


Madalena o encontrou e Cristo não permitiu que ela tocasse nele:
"Não me retenhas". No entanto, vemos que a seguir o Senhor permitiu
que São Tomé o tocasse: "Introduz aqui o teu dedo, e vê as minhas
mãos. Põe a tua mão no meu lado. Não sejas incrédulo, mas homem
de fé". Ora, Santa Maria Madalena não pode tocar no Santíssimo
Corpo de Nosso Senhor, pois ela era uma leiga e São Tomé era um
Bispo e, portanto, Sacerdote e que, com efeito, pode tocar no Corpo
de Nosso Senhor.

Com efeito, é notório o quanto é errado a dita comunhão na mão


e que haja leigos que sem necessidade extraordinária, possam
distribuir o Santíssimo Sacramento.

Além disso, diz o Doutor da Caridade em seu livro (Do


Liberalismo à Apostasia) comenta sobre a mentalidade liberal: "Mais

24
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

do que urna confusão, o catolicismo liberal é uma doença do espírito.


Simplesmente o espírito não consegue descansar senão na verdade.
Basta que ele se atreva a afirmar algo para que se apresente a ele o
contrário, que ele se sente obrigado a considerar também. O Papa
Paulo VI é o protótipo deste espírito dividido, de um ser de dupla
personalidade. Inclusive podia-se fisicamente ler isto em sua face, em
constante vai e vem entre as contradições, e animado de um
movimento pendular que oscilava regularmente entre a novidade e a
tradição. Dirão alguns: Esquizofrenia intelectual? Creio que o P.
Clérissac viu a natureza desta doença em maior profundidade. É uma
"falta de integridade de espírito", de um espírito que não tem
"suficiente confiança na verdade" Esta falta de integridade de espírito
nas épocas de liberalismo, se explica no lado psicológico por dois
aspectos: os liberais são receptivos e receosos. Receptivos porque
assumem com muita facilidade os estados de espírito de seus
contemporâneos; receosos porque, por medo de contrariar estes
diversos estados de espírito, se encontram em constante inquietude
apologética; parecem sofrer eles mesmos as dúvidas que combatem,
não têm suficiente confiança na verdade, querem justificar em
demasia, demonstrar em demasia, adaptar demais ou em demasia".

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

25
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro lV: Dos Peritos.

Quem me conhece sabe que minhas principais inspirações


Intelectuais são o Mestre Angélico e o Filósofo. Também tenho como
auxiliares o Doutor da Graça, a saber, Santo Agostinho, a Doutora da
Alma, a saber, Santa Teresa D’Ávila e a Doutora do Amor, a saber,
Santa Teresinha, o Doutor da Moral, a saber, Santo Afonso Maria de
Ligório e a Doutora do Conselho, a saber, Santa Catarina de Sena. De
fato, esses são os meus grandes mentores, com efeito, toda a minha
maneira de pensar e agir é baseada no que aprendi e aprendo com
estes sábios.

No entanto, ademais, também devo salientar que nas análises


quanto à problemática do Concílio que se sucederá a seguir, utilizarei
do Papa Bento XVI a qual chamo de Doutor Sensato, que embora seja
adepto do Vaticano II de uma forma “tradicional” seguindo a dita
“Hermenêutica da Continuidade” a qual sou diametralmente contrário
e que a considero como "Hermenêutica do Malabarismo".

É selecionado por mim por se tratar de uma Autoridade Vaticana


que tenho respeito e sem dúvidas alguma o melhor Papa pós-conciliar
e que embora faça parte da linha Vaticano II — é uma figura que
merece consideração. É princípio da honestidade intelectual,
reconhecer os méritos de uma pessoa ainda que possamos discordar
dela.

Além disso, acaso vou jogar fora Aristóteles e Platão por terem
sido pagãos? A qual o primeiro tinha posições eugenistas e o segundo
chegou a defender algo absurdo como a “socialização sexual das
mulheres”. Ou descartar Santo Agostinho por ter errado em muitas
concepções teológicas que foram corrigidas depois pelo Mestre
Angélico?

Quem sabe também eu deva jogar o próprio Mestre Angélico fora


por ter errado na questão da Imaculada Conceição da Santíssima — e
que inclusive fora defendida por outro sábio que embora tenha
acertado em algo tão belo quanto a Imaculada Conceição —, cometeu
erros grotescos e graves no campo da Filosofia e Teologia que

26
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

possuem efeitos negativos até hoje, que foi o Doutor Sutil, a saber,
Duns Scotus que errou quanto às questões essenciais envolvendo o
ente (aquilo que é) e colocando a Vontade acima da primazia do
Intelecto sobre as demais potências da Alma.

Acaso vou negar a inteligência e os méritos desses homens — só


por terem cometido erros? Obviamente que não, nem mesmo o mais
santo dos sábios que foi o Mestre Angélico, ficou imune dos erros.

Ele errou na Imaculada Conceição que embora não fosse Dogma


proclamado em seu tempo —, ainda assim foi defendida e
demonstrada por outros. Assim como o mesmo errou em questões
ligadas às ciências da natureza que embora lhe faltasse instrumentais,
ainda assim ele errou.

Ter uma posição absurda dessas é nada mais que barbárie


intelectual pura e simples, tendo em vista que nenhum de nós é capaz
de sermos totalmente corretos. É claro que há um parâmetro
importante, a saber, o fato de que não devemos errar quanto aos
artigos de Fé, por isso é necessária à instrução de nossas
inteligências por via do Santo Magistério que nos alinha para Deus
mesmo.

É necessário que se extirpe a concepção idealista e romântica


das coisas e reconhecer que por mais que haja pessoas que errem
em matéria de Atitudes e Diplomacia, — não significa que elas são
hereges. É necessário que saibamos que um erro não é
necessariamente uma heresia, mas obviamente que toda heresia é
um erro.

De fato, há homens que amam a Igreja, mas que possuem


noções de agir quanto à problemática criada por esse Concílio de
maneiras diferentes e por vezes — distintas. Inclusive é vísivel que há
diferenças e até mesmo desentendimentos na procedência dos atos
dos ditos Clérigos "tradicionalistas" que compõem a FSSPX e a
Resistência e similares, assim como veremos o mesmo acontecendo
dentro das linhas dos adeptos da "Hermenêutica da continuidade".

27
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

O fato é que hoje a crise é tão grande, que até mesmo a linha
que combate justamente a causa desse problema que se sucede em
nossos tempos, também se encontra em grande desunião.

Por isso, era necessário que tivessemos um Papa que de sua


Cátedra Petrina, utilizasse de seu Poder de Soberano Pontífice,
apresentasse os erros a toda a Igreja, condenando-os e em seguida
ensinando o correto, pois é o Papa a grande Autoridade que garante a
Ortodoxia que hoje está tão instável em decorrência de tantas
opiniões divergentes.

No entanto, não temos um Papa assim. Logo, sucede-se que


enquanto não tivermos um Papa assim, haverá cada vez mais
divisões em decorrência do Concílio. Onde cada um ou grupo defende
seu próprio ponto de vista em como proceder diante da crise, porém a
procedência de ações tão diversas — e por vezes divergentes,
contribuem ainda mais para essa crise. Essas procedências por vezes
levam muitos à Heresia e ao Cisma.

Com efeito, utilizarei do Papa Bento XVI para demonstrar os erros


desse Concílio a qual ele mesmo tenta defender. Além também digo
que há outros sábios que estão em meu arsenal que me ajudaram a
entender a problemática do Vaticano II, a saber, o Doutor da Caridade,
o Professor Orlando Fedeli, o Leão de Campos, o Padre Álvaro
Calderón, o Monsenhor Gherardini e o Cardeal Ottaviani, etc.

No entanto, ainda que estes grandes sábios possam de fato


ajudar a compreender essa problemática toda, é verdade que há
quem possa se irritar com o fato de que a maioria deles está numa
linha "tradicionalista".

Ora para resolver esse problema recorro então ao Doutor


Sensato que está numa linha onde boa parte dos católicos podem se
identificar, pois se trata de um Papa querido e respeitado — e que
utilizarei do mesmo para demonstrar que o Vaticano II foi um desastre.

28
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

O Pontificado de Bento XVI.

Primeiramente quero deixar claro que não sou nenhum


“saudosista” do Papa Bento XVI, reconheço que nele há muitos
problemas, a saber, atitudes e pensamentos que são realmente
desagradáveis e contraditórios. Sei bem de sua mentalidade e
posicionamento conservador quanto ao Concílio e que também faz o
dito "malabarismo" do Concílio.

No entanto, tenho de deixar claro que não faço parte desses


"tradicionalistas" românticos, idealistas e bárbaros que vivem num
mundo do ideal — e que não querem pisar no chão e trabalhar com o
que é real e, portanto, possível.

Dentro de meus príncipios está o que o Mestre Angélico dizia:


"Toda a verdade dita por quem quer que seja vem do Espirito Santo".
Foi isso que o motivou a ter estudado os autores pagãos: utilizando da
sabedoria deles para nos ajudar na Fé. Com efeito, é da Filosofia
Pagã, principalmente o Aristotelismo que serviu de base para a
Teologia Sagrada de Santo Tomás de Aquino.

Não se deve desprezar alguém só porque o mesmo não seja um


“tradicionalista”. Ademais, também digo que não se trata de abraçar as
pessoas apenas porque elas dizem algumas verdades.

Pois há quem diga verdades — e ensinem coisas


substancialmente perversas, a saber, autores que infectam a
inteligência de muitos por via de um perigosíssimo ecletismo
propagado pelos adeptos da “Filosofia Perene” de nossos tempos.

Com efeito, por mais defeitos que Bento XVI tenha, não há como
negar que ele foi o melhor Papa do Concílio até então — e suas
atitudes nos ajudaram a propagar a Verdade. Com efeito, ainda que o
mesmo nos desagrade em muitos aspectos, tendo em vista que o
mesmo é um defensor do Concílio dentro do parâmetro da
“Hermenêutica da Continuidade” a qual eu e todos os ditos
"tradicionalistas" estamos diametralmente em desacordo.

29
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Se compararmos o jovem Joseph Ratzinger no início de sua


caminhada como teólogo, em relação ao ancião Papa Bento XVI.
Vemos de fato uma evolução enorme na intelectualidade e postura
dele —, ademais, de um homem que antes no período do Concílio,
pode ser de fato considerado um Revolucionário, tendo em vista seus
posicionamentos teológicos daquele periodo a qual estava alinhado
com "teólogos" extremamente heterodoxos e adeptos da "Nova
Teologia".

Do motivo de eu chamar o Papa Bento XVI de Doutor Sensato.

Primeiro, se consiste no simples fato de que ele admite que haja


erros, e que, com efeito, fez o que deveria ser feito: promoveu a
correção destes erros dentro de seus limites de posicionamento
conciliar.

Segundo, reconhecendo a destruição da Sagrada Liturgia,


promoveu a dita “Reforma da Reforma” cujo objeto era reparar a
devastação litúrgica que se sucedeu com o novo Missal de Paulo VI.

Com efeito, o Doutor Sensato, vendo que a Igreja estava dividida,


e de fato está até hoje, pois, em decorrência do Concílio: geraram-se
inúmeros grupos internos, a qual uns mais propendem à linha
tradicional e outros para a linha mais progressista e dentro de ambas
as linhas há diversas ramificações e subdivisões.

Ele vendo que as pessoas já estavam educadas e inseridas na


“nova forma de ser católico” — as quais já estão inseridas na Missa
Nova, seria ao ver dele, muito inviável que ele introduzisse o Rito
Tridentino como oficial.

O que de fato jamais aconteceria, pois, o Rito Ordinário é apoiado


pelo Bento XVI, a qual durante seu pontificado não demonstrou
interesse em celebrar (Extraodinário).

No entanto, para não gerar estranhamento por parte das pessoas


em geral quanto aos que seguem o Rito de Sempre. Com efeito, para
contornar tal situação foi fazer com que os elementos da Missa Nova

30
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

fossem ao máximo conduzidas para uma aproximação com o Rito


Tridentino.

Logo, aos poucos pelo poder do exemplo —, mostrava ao povo


que a Santa Missa não é uma mera reunião e ceia qualquer, aos
poucos foi demonstrando o real significado da Missa, ainda que
fazendo parte de uma estrutura litúrgica defeituosa.

Ele também voltou a defender da importância do zelo pelo


Sagrado, mostrando da importância da Beleza litúrgica, — defendendo
o uso do Latim, do Canto Gregoriano, das vestes litúrgicas e dos
gestos simbólicos a qual o sacerdote e os leigos devem prestar para
honrar ao Altíssimo.

Além disso, é também visível que o mesmo pediu para corrigir o


grotesco erro no Missal Novo que diz: “Foi por todos” quando na
verdade é “Foi por muitos”.

Com efeito, ele reconhecendo a situação dramática para aqueles


que ainda seguiam a Santa Missa de Sempre que o Concílio ofuscou
e marginalizou, decidiu então publicar o seu Motu Próprio, afirmando
que Missa de Sempre jamais foi ab-rogada: que aqueles que a
rezavam, não poderiam ser tratados como marginais na Igreja.

Foi sensato ao perceber que em decorrência do problema


causado pela proposta absurda da Colegialidade dos Bispos —, sabia
que nos países, os Padres que quisessem rezar a Missa de Sempre,
encontrariam grandes dificuldades por parte de um episcopado
infestado de homens que nutrem ódio ao Rito Tridentino.

Logo, ele então colocou que os Padres não precisavam de


autorização de seus Bispos para celebrar a Santa Missa de Sempre.
Ele também aprovou o Instituto Bom Pastor a qual reza a Missa de
Sempre, — que inclusive permite críticas ainda que ponderadas ao
Concílio.

Prossegue também o fato de que o Doutor Sensato,


reconhecendo que a luta do Doutor da Caridade era legítima e que a
FSSPX não era cismática coisa alguma, — mas formada por pessoas

31
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

que realmente amam a Igreja, reconheceu que as excomunhões dos


Bispos, Dom Marcel, Dom Castro Mayer e os quatro bispos sagrados
foram inválidas e, com efeito, removeu a FSSPX da marginalidade.

Ademais. — O que causou a dita excomunhão de Dom Marcel


Lefebvre foi o fato de ele ter sagrado os quatro Bispos. Ora, se o Papa
levantou as excomunhões dos quatro bispos, significa que ele
reconhece direta ou indiretamente, que foram válidas e lícitas: as
sagrações feitas por Dom Lefebvre.

Ademais. — Com efeito, significa que o ato do Bispo foi legítimo


e que sua excomunhão, portanto foi nula, ademais, nunca foi valída.
Logo Dom Marcel Lefebvre nunca de fato foi excomungado, o que
aconteceu foi uma confusão tremenda que só foi resolvida ainda que
de maneira indireta e ofuscada, durante o Papado de Bento XVI, a
qual muitos ainda desconhecem.

Como vemos, ainda que com certos problemas essenciais, o


Doutor Sensato fez ao máximo que a relação entre Roma e FSSPX
pudesse ser resolvida.

Além disso, há quem possa afirmar que o Papa tenha utilizado do


Motu Próprio e removido as excomunhões como uma jogada
diplomática para fazer com que os “tradicionalistas” abraçassem
o Vaticano II.

Ora, ainda que isso possa ser verdade: a questão é que o Motu
Próprio e a remoção das excomunhões permitiram que o movimento
em prol da Santa Tradição pudesse se espalhar com maior eficácia.

O Papa Bento XVI teve sensatez dentro de sua linha de


pensamento. Sempre temos de levar em consideração a psicologia da
pessoa que faz algo e dentro do que ele segue e defende, com efeito,
ele promoveu coisas boas.

Ainda que pessoas “tradicionalistas” possam ter certa ou grande


ressalva quanto a ele, é necessário reconhecer que ele de fato foi o
Papa pós-conciliar que mais teve méritos — e que infelizmente seu
pontificado foi interrompido.

32
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

No entanto, ainda que ele tenha agido apenas por uma postura
"meramente" diplomática, o fato é que suas atitudes geraram bons
frutos a qual germinam em nossos tempos, a saber, o fato de que
cada vez mais aumenta o Amor pela Santa Tradição, — o retorno da
Santa Missa de Sempre.

Há quem possa dizer que o Papa Bento XVI não teve méritos e
que quem realmente guardou a Tradição foi a FSSPX ou outros
grupos menores. Ora, temos que reconhecer que é verdade que o
Doutor da Caridade e o Leão de Campos e muitos outros mártires
incruentos da Fé, guardaram a Santa Tradição que lhes foram
transmitidas —, graças a Deus!

No entanto, ademais, quem fez que a potência pudesse se tornar


ato para a maioria, foi a mais Alta Autoridade da Igreja que é o Papa,
— a qual se não tivesse tomado ação, tudo que a FSSPX do Doutor
da Caridade guardou estaria restrito aos seus próprios círculos.

Muitos "tradicionalistas" desejam em seus íntimos egoístas,


restringir ao máximo que a Tradição se limite aos seus círculos — não
querem que as pessoas em geral estejam inseridas nela.
Tragicamente há quem ame o caos e crise de nossos tempos.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

33
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro V: Dos Fundamentalistas do "Concílio


Infalível Vaticano II".

Em resposta aos seguidores cegos e fundamentalistas do


“Espírito” do Concílio Vaticano II que o tratam como se o mesmo fosse
o mais importante — e tendo mais valor e peso que todos os outros.

O Doutor Sensato responde aos que repetem um absurdo desses


em uma audiência no Chile quando ainda era Cardeal: “A verdade é
que o próprio Concílio não definiu nenhum dogma e conscientemente
quis expressar-se em um nível muito mais modesto, meramente como
Concílio pastoral; entretanto, muitos o interpretam como se ele fosse o
super dogma que tira a importância de todos os demais Concílios".

Poder-se-ia dizer que: O Concílio não ensinou nada de errado,


tudo que está lá correto está, pois foi um Concílio Santo.

Mas contrariamente, afirma o Doutor Sensato em seu livro


(Teoria dos Princípios Teológicos): "Se se deseja emitir um
diagnóstico global sobre este texto da Gaudium et Spes poder-se-ia
dizer que significa (junto com os textos sobre a liberdade religiosa e
sobre as religiões mundiais) uma revisão do Syllabus de Pio IX, uma
espécie de Antisyllabus".

Além disso, afirma o Doutor Sensato: "Contentemo-nos aqui com


a comprovação de que o documento desempenha o papel de um Anti
Syllabus, e, em consequência, expressa a intenção de uma
reconciliação oficial da Igreja com a nova época estabelecida a partir
do ano de 1789".

Primeiramente, podemos ver que o Doutor Sensato quebra as


pernas dos ditos “seguidores do Concílio Infalível Vaticano II”. Ao ter
afirmado que o Concílio não foi dogmático.

Em segundo, ele afirma categoricamente que a Gaudium Et Spes


que é dos mais importantes documentos emitidos pelo Concílio vai de
contramão ao que fora ensinado no Syllabus do Papa Pio IX —, o que
mostra que o Concílio conteve erros.

34
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Em terceiro, podemos ver uma afirmação extremamente


relevante, a saber, o fato de que o Doutor Sensato afirma que o
magistério pós-conciliar tentou se conformar com a estrutura do
Mundo Moderno — que se deu principalmente pela maldita Revolução
Francesa: a revolução gnóstica, a revolução da Apostasia Geral das
nações, a qual bradou em seu peito o lema da Igualdade, Liberdade e
Fraternidade, que são como que “Anti-virtudes teologais”.

Ora, não é de se estranhar que os princípios da Revolução


Francesa estiveram presentes no Concílio na questão da
Colegialidade que mina o poder do Papa e o poder dos Bispos
individualmente em suas Dioceses.

O Ecumenismo que visa fazer uma Fraternidade global com todas


as falsas religiões a qual tem sua expressão no desejo do Homem
buscar a Divindade por sua própria capacidade, delimitando a gnose e
o panteísmo.

Assim como a Liberdade Religiosa que também vai de contramão


com o que foi ensinado pela Santa Igreja e que dá sustento à
Fraternidade.

Com efeito, temos o tripé formado no Concílio do Mundo:


Igualdade, Liberdade e Fraternidade! A Maçonaria grita de alegria! O
Golpe Mestre de Satanás.

Ademais. — Conforme diz o Doutor da Caridade, a saber, Dom


Marcel Lefebrve em seu livro (Carta aos Católicos Perplexos): "Se se
observa bem, é com sua divisa que a Revolução penetrou na Igreja de
Deus. A liberdade é a liberdade religiosa tal como foi dito mais acima,
a qual dá direito ao erro. A igualdade é a colegialidade, com a
destruição da autoridade pessoal, da autoridade de Deus, do Papa,
dos bispos, a lei do número. A fraternidade enfim é representada pelo
ecumenismo. Por estas três palavras, a ideologia revolucionária de
1789 tornou-se a Lei e os Profetas. Os modernistas chegaram ao que
queriam".

35
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ora, ainda que ambos os doutores (Sensato e da Caridade)


tenham posições diferentes, o fato é que ambos reconheceram que no
Concílio sucedeu-se uma Revolução.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

36
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro Vl: A Liberdade Religiosa, o Ecumenismo e


o Indiferentismo Religioso do Vaticano II.

Um dos frutos do Concílio foram os documentos: Dignitatis


Humanae, Unitatis redintegratio e Nostra Aetate, são os grandes
bastiões dessa questão envolvendo, a liberdade religiosa, o
ecumenismo e o indiferentismo que contaminou o magistério e a
mentalidade do povo católico.

Um exemplo é o que o Documento Diganitatis Humanae declara


ao dar respaldo a dita Liberdade Religiosa: "Faz-se injúria, portanto, à
pessoa humana e à mesma ordem estabelecida por Deus em favor
dos homens, ao negar ao homem a livre prática da religião na
sociedade, sempre que esteja a salvo a ordem pública".

A partir dessas duas afirmações absurdas e contrárias ao


Magistério, inaugura então um período onde as autoridades vaticanas
e principalmente a figura do Papa, estarão inseridos numa realidade
completamente nova, a saber, o de conceder direito ao erro e se
misturar com as trevas.

O exemplo máximo do falso ecumenismo do Concílio foi


promovido pelo Papa João Paulo ll em seu escandaloso e sacrílego
encontro de Assis pela Paz.

Com efeito, algum incauto pode dizer: "Mas o Papa fez o


encontro apenas como maneira diplomática e não estava negando a
religião Católica".

Mas contrariamente, afirma o Papa Pio XI em sua Encíclica


(Mortalium Animos): "Assim sendo, é manifestamente claro que a
Santa Sé, não pode, de modo algum, participar de suas assembléias e
que, aos católicos, de nenhum modo é lícito aprovar ou contribuir para
estas iniciativas: se o fizerem concederão autoridade a uma falsa
religião cristã, sobremaneira alheia à única Igreja de Cristo".

Além disso, o Papa João Paulo II escandalosamente beijou o


Corão, cometendo um erro grave para a consciência de todo um povo

37
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

que o segue, mostrando pelo seu exemplo; de que, temos de respeitar


as outras falsas religiões e não é o que o povo católico em geral diz
em nossos tempos?

Ademais. — O Islão é fruto de uma suposta revelação dada a


Maomé a qual diz que recebeu revelações do Arcanjo Gabriel. Ora, o
que o Apóstolo, a saber, São Paulo diz: "Mas, ainda que alguém - nós
ou um anjo baixado do céu - vos anunciasse um evangelho diferente
do que vos temos anunciado, que ele seja anátema”.

Ademais. — Conforme está escrito no Salmo: "Todos os deuses


dos gentios são demônios".

Ademais. — Diz o Apóstolo: "Procurai o que é agradável ao


Senhor e não tenhais cumplicidade nas obras infrutíferas das trevas;
pelo contrário, condenai-as abertamente".

Com efeito, quando lamentavelmente o Papa beijou aquele livro,


ele cuspiu em Cristo, e o pior, ele era o Vigário de Cristo: ele foi
indiferente e disse aos que estavam no caminho da perdição: “Vejam,
eu respeito vossa religião, continuem nela”. Com efeito, demonstrou
respeito por algo diabólico.

Além do mais, não se trata de avaliar o íntimo mental do Papa,


pois, não sou nenhum avaliador de consciências alheias. No entanto,
é possível avaliar as ações externas do mesmo.

Não nego as boas obras feitas pelo Sumo Pontífice João Paulo ll.
No entanto, a verdade obriga reconhecer que ele cometeu erros feios
em seu pontificado.

Procede: outro problema é o documento da Dignitatis Humanae


que afirma: "A única verdadeira Religião subsiste na Igreja Católica e
Apostólica".

Com efeito, desse termo esquisito do “subsiste” leva a crer que


embora a Santa Igreja Católica Apostólica Romana seja a verdadeira,
pode ainda que de alguma forma haver salvação em outras religiões

38
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

(O mesmo está presente na Lumem Gentium. A qual tamanho erro foi


a muito que a contragosto corrigido pela Dominus Iesus).

Logo, dessa confusão danada, poder-se-ia dizer a seguinte tese:


“Embora a Santa Igreja Católica Apostólica Romana seja a verdadeira,
pode ainda que de alguma forma haver salvação em outras religiões”.

Mas contrariamente, ensina o IV Santo Concílio de Latrão: “Há


apenas uma Igreja universal dos fiéis, fora da qual absolutamente
ninguém é salvo". Canon III: "Nós excomungamos e anatematizamos
toda heresia erguida contra a santa, ortodoxa e Católica fé sobre a
qual nós, acima, explanamos”.

Ademais. — Ensina o Santo Concílio de Florença "Firmemente


crê, professa e predica que ninguém que não esteja dentro da Igreja
Católica, não somente os pagãos, mas também, judeus, os hereges e
os cismáticos, não poderão participar da vida eterna e irão para o fogo
eterno que está preparado para o diabo e seus anjos, a não ser que
antes de sua morte se unirem a Ela”.

Ademais. — Diz o Papa Inocêncio III: "De coração cremos e com


a boca confessamos uma só Igreja, que não de hereges, só a Santa,
Romana, Católica e Apostólica, fora da qual cremos que ninguém se
salva".

Ademais. — Ensina o Catecismo do Doutor da Ortodoxia: “Fora


da Igreja Católica, Apostólica, Romana, ninguém pode salvar-se,
como ninguém pôde salvar-se do dilúvio fora da arca de Noé, que era
figura desta Igreja”.

Ainda sobre a questão da liberdade religiosa.

Diz o Documento da Dignitatis Humanae: "Faz-se injúria,


portanto, à pessoa humana e à mesma ordem estabelecida por Deus
em favor dos homens, ao negar ao homem a livre prática da religião
na sociedade, sempre que esteja a salvo a ordem pública”.

39
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Mas contrariamente, o Syllabus do Papa Pio IX condena a


seguinte tese: “É livre a qualquer um abraçar o professar aquela
religião que ele, guiado pela luz da razão, julgar verdadeira".

Ademais. — Diz o Papa Pio IX também: “Não temem fomentar a


opinião desastrosa para a Igreja Católica e a salvação das almas,
denominada por Nosso Predecessor, de feliz memória, de ‘loucura’
(Mirari Vos) de que a ‘liberdade de consciência e de cultos é direito
próprio e inalienável do indivíduo que há de proclamar-se nas leis e
estabelecer-se em todas as sociedades constituídas; (...) Portanto,
todas e cada uma das opiniões e perversas doutrinas explicitamente
especificadas neste documento, por Nossa autoridade apostólica,
reprovamos, proscrevemos e condenamos; queremos e mandamos
que os filhos da Igreja as tenham, todas, por reprovadas, proscritas e
totalmente condenadas".

Ademais. — Diz o Papa Leão XIII em sua Encíclica (Libertas


Praestantissimum): “Oferecer ao homem liberdade (de culto) de que
falamos, é dar-lhe o poder de desvirtuar ou abandonar impunemente o
mais santo dos deveres, afastando-se do bem imutável, a fim de se
voltar para o mal. Isto, já o dissemos, não é liberdade, é uma
escravidão da alma na objeção do pecado".

Além disso, quanto ao indiferentismo religioso, diz o Doutor da


Ortodoxia: "Toda religião, não excetuada sequer a dos idólatras, deve
ser tida por verdadeira(...). E os modernistas de fato não negam, ao
contrário, concedem, uma confusa, e outros manifestamente, que
todas as religiões são verdadeiras(...). Quando muito, no conflito entre
as diversas religiões, os modernistas poderão sustentar que a Católica
tem mais verdade, porque é mais viva e merece mais o título de
Cristã, porque mais completamente corresponde o título de Cristã,
porque mais completamente corresponde às origens do cristianismo".

Ora, o que vemos é que todos os esforços ecumênicos feitos


pelos Papas, incluindo o próprio Papa Bento XVI, foram fracassados,
os hereges das falsas religiões não vieram para a Santa Igreja, pois
não se dialoga com o erro, mas deve-se mostrar que eles estão
errados, mostrar a eles a Luz da Verdade.

40
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ademais. — Diz o Mestre Angélico: "Levar os Homens à Verdade


é o maior benefício que se pode prestar aos outros".

O Ecumenismo não leva a Verdade que é Jesus Cristo a qual


ninguém pode ser salvo; mas levam um respeito meramente humano,
impulsionado pela fraternidade de ordem maçônica, onde querem
fazer a todo custo uma unidade, não tendo Deus como centro. Não há
Paz sem Jesus Cristo.

Com efeito, não é Caridade se reunir com pessoas que


caminham para a perdição e não dizer a elas que estão no erro. Não
há Amor sem Verdade, não há unidade sem ela.

Além do mais, é deveras sabido que o clero pós-conciliar fez de


tudo para promover a secularização das sociedades. Indo de
contramão ao Lema do Doutor da Ortodoxia de Restaurar as coisas
em Cristo. Além de também de ir contra o que o Papa Pio XI
promoveu em sua encíclica Quas Primas a qual defende o Reinado
Social de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Documentos como Nostra Aetate, Unitatis redintegratio e


Dignitatis Humanae, são provas absolutas que houve um rompimento
entre o que foi ensinado antes e o que foi ensinado depois por eles.
Vemos que o Concílio vai de contramão ao que fora ensinado
anteriormente pelo Magistério. Não há como fazer malabarismo para
justificar algo que é tão explicitamente errôneo.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

41
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro VIl: Da colegialidade dos Bispos.

A Colegialidade dos Bispos é uma filha da Heresia Conciliarista


que teve efeitos duante o Século XIV e XV a qual por sua vez gerou
outra filha no século XVIII e que então fora condenado pelo Papa Pio
VI no documento: Super Solitate Petrae.

O conciliarismo é uma das varias espécies venenosas contidas


na substância do atual sedevacantismo —, a qual muitos dizem que
um Papa poderia ser julgado por um Concílio e deposto de sua
Cadeira de Romano Pontífice ou dizer que o mesmo perdeu seu poder
Pontíficio.

No entanto, ademais, procede que essa tese é herética, pois não


há nenhum poder na Terra que possa estar acima do Papa: nenhum
Concílio, nem todos os Bispos reunidos e com o apoio de todos os
Padres juntos teriam poder suficiente para ser mais do que o Papa,
ainda que este Papa estivesse em Heresia.

O mesmo só pode ser julgado depois de sua morte por outro


Papa, como se sucedeu na História da Igreja. E que, ademais, de
comum acordo aos grandes teólogos quanto à questão do Papa
Herético.

A iníqua proposta da colegialidade foi das grandes tragédias do


Concílio, a qual inclusive é grande responsável por criar toda essa
problemática a qual estamos inseridos em nosso país que é
envolvendo a CNBB — que possuí grande poder de ação no
episcopado brasileiro que mais ouve a CNBB que Roma.

O mesmo procede em praticamente todos os episcopados que


também estão subordinados a essas conferências, — a diferença está
na espécie do Modernismo adotado em cada país.

A Colegialidade é a tese absurda de que Cristo deu o poder


supremo na Igreja não só a Pedro, mas a todo o Colégio dos
Apóstolos. Com efeito, essa tese então modifica a estrutura

42
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

eclesiastica de Monarquia para Democracia e de Democracia para a


Anarquia — que por sua vez desordem total.

Vemos os efeitos dessa desordem ao ver que hoje quem manda


é os números — e não aquele que detém o poder de determinado
local, a saber, um Padre em sua paróquia subordinado ao Bispo e ao
Papa, ou um Bispo em sua Diocese subordinado ao Papa.

Hoje em decorrência da colegialidade, vemos leigos comandando


paróquias e dioceses e bispos dando mais ouvidos ao que o
episcopado nacional determina do que o que Roma decreta.

Como já fora tratado do caráter ambíguo desse Concílio, é


possível vermos uma contradição lógica elementar — e que por sua
vez promoveu erros grotescos.

Procede no documento Lumem Gentium a seguinte afirmação:


“Mas a ordem dos Bispos, que sucede ao Colégio Apostólico no
magistério e no regime pastoral e na qual em verdade o Corpo
Apostólico continuamente perdura, junto com o seu chefe o Romano
Pontífice, e nunca sem ele, é também detentora do poder supremo e
pleno sobre a Igreja inteira. Todavia este poder não pode ser exercido
senão com o consentimento do Romano Pontífice”.

Além de afirmar também que: “O supremo poder que este Colégio


tem sobre toda a Igreja é exercido de modo solene no Concílio
Ecumênico”.

Com efeito, poder-se-ia dizer a seguinte tese: "O colégio dos


Bispos também possuem o poder supremo".

Mas contrariamente, digo que não há como existir dois sujeitos


de atuação que ao mesmo tempo possam ter o exato e mesmo poder
supremo, tendo assim também dois modos de proceder no exercício
desse mesmo poder.

Além disso, o supremo poder pressupôe que algo único o exerça,


porque a supremacia de um ato só se dá mediante a um sujeito — e
não a um conjunto de sujeitos, pois procede que se mais de um sujeito

43
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

exercece um poder, trataria-se de um poder que já não é mais


supremo, pois só algo único pode exercer algo que é supremo.

Pois, a supremacia de algo significa que este algo está acima de


tudo, ora o todo é sempre maior que a parte, e se diversos sujeitos
pudessem exercer seus respectivos poderes, trataria-se de partes de
um poder que por sua vez já não seria então mais único e, portanto,
não mais supremo, pois não há possibilidade de que haja mais de um
ato supremo da mesma essência ocorrendo ao mesmo tempo — e
sendo exercido por mais de um sujeito.

Ora, este supremo poder refere-se ao poder concedido pelas


chaves do Reino dos céus que foram dadas ao Papa e somente ele
pode exercer esse poder, pois só foi entregue uma chave e não
centenas de chaves para que todos pudessem participar da essência
do poder supremo.

Ademais. — Diz o Nosso Senhor: "Tu és Pedro, e sobre esta


pedra edificarei a minha Igreja. E Eu te darei as chaves do Reino dos
céus. Tudo o que ligares na terra será ligado no céu. Tudo o que
desligares na terra, será desligado no céu".

Ora, Cristo deu o poder para apenas um sujeito exercer que é


São Pedro, ele deu apenas um modo de exercer esse poder que é
pelas chaves que Pedro recebeu de Cristo que simboliza poder
Supremo na Igreja.

Ademais. — Diz o Mestre Angélico: “A promulgação de um


Símbolo compete à autoridade a cuja autoridade pertence determinar
finalmente as coisas da fé, para que sejam por todos aceitas por ato
de fé indiscutível. Isto pertence à autoridade do Sumo Pontífice, a
quem se referem às principais e mais difíceis questões da Igreja. (...)
Por isso pertence a ela exclusivamente a nova promulgação de um
símbolo, como todas as coisas que pertencem a toda a Igreja, como
convocar um sínodo geral, etc”.

Ademais. — Diz o Doutor da Graça: "Somente Pedro mereceu


representar toda a Igreja. Por causa desta representação da Igreja,

44
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

que somente ele conduziu, mereceu escutar "Eu te darei as chaves do


reino dos Céus".

Ademais. — Também diz o Doutor da Graça: "Desta forma, se a


linha sucessória dos apóstolos deve ser levada em consideração, com
que maior certeza e benefício à Igreja devemos retornar até alcançar o
próprio Pedro, a quem, como uma figura que comporta toda a Igreja, o
Senhor disse "Sobre esta pedra edificarei e minha Igreja, e os portões
do inferno não prevalecerão contra ela".

Ademais. — Diz o Papa Pio VI em seu documento: (Super


Solitate Petrae): “Que sobre a solidez da pedra a Igreja tenha sido
fundada por Cristo, e que Pedro, por singular dom de Cristo, tenha
sido eleito de preferência a todos os outros para ser Príncipe do Coro
Apostólico com poder de fazer as suas vezes, e que em conseqüência
tomasse a missão e a autoridade suprema de apascentar todo o
rebanho de confirmar os irmãos e de desligar e ligar para todo o
mundo, é um Dogma Católico que, recebido da boca de Cristo,
ensinado e defendido com a contínua pregação dos Padres, foi
conservado santissimamente em todas as idades da Igreja universal,
e freqüentemente confirmado contra os erros dos inovadores com os
decretos dos Sumos Pontífices e dos Concílios”.

Além do mais, diz o Monsenhor Brunero Gherardini em seu livro


(Concílio Vaticano ll: um debate a ser feito): “Não obstante a beleza do
jardim eclesiológico chamado Lumen Gentium, entre as suas plantas
se esconde a serpente”.

A tese da Colegialidade gerou muito escândalo durante as


sessões do Concílio, — o que forçou o Papa Paulo VI a reagir com
uma nota prévia que por sua vez enganou muitos que achando que
aquilo seria suficiente para conter o erro que já estava plantado. Com
efeito, não pode conter a rebeldia que se instalaria após o Concílio.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

45
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro Vlll: Documentos e mais documentos.

Podemos ver outro erro grosseiro no documento Ad Gentes que


ensina algo errado: "Para poderem dar frutuosamente este
testemunho de Cristo, unam-se a esses homens com estima e
caridade, considerem-se a si mesmos como membros dos
agrupamentos humanos em que vivem, e participem na vida cultural e
social através dos vários intercâmbios e problemas da vida humana;
familiarizem-se com as suas tradições nacionais e religiosas; façam
assomar à luz, com alegria e respeito, as sementes do Verbo nelas
adormecidas".

Ora, o documento faz uma afirmação realmente absurda ao dizer


que existem sementes do verbo nas falsas religiões.

Mas contrariamente, o Doutor Sensato: "Com efeito, com a


religião pagã, os primeiros cristãos recusaram absolutamente qualquer
compromisso. Eles consideravam que ela era uma idolatria, com o
risco de serem acusados de impiedade e de ateísmo. Justino, em
particular, notadamente em sua primeira Apologia, conduziu uma
crítica implacável com relação à religião pagã e a seus mitos, que ele
considerava como «caminhos falsos» diabólicos no caminho da
verdade".

Ora, afirma o Doutor Sensato que Justino a qual é utilizado como


referência nesse documento, combatia e mostrava que todas as
religiões pagãs são caminhos para o Inferno, com efeito, não há
semente do verbo coisa alguma!

Ademais. — Diz também o Doutor Sensato: "Justino, e com ele


os outros apologistas, marcaram a tomada de posição nítida da fé
cristã pelo Deus dos filósofos contra os falsos deuses da religião pagã.
Era a escolha pela verdade do ser, contra o mito do costume".

Ora, a citação utilizada pelo documento Ad Gentes é de Justino a


qual se referia às sementes da verdade que a Filosofia Grega possuía
e não nas falsas religiões.

46
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Outro erro que podemos ver é no Documento Lumem Gentium: "a


Igreja, contendo pecadores no seu próprio seio, simultaneamente
santa e sempre necessitada de purificação, exercita continuamente a
penitência e a renovação".

Com efeito, nessa linguagem que dá margem ao erro, pode levar


a crer que a Igreja é “Santa e Pecadora”. Que ademais, é repetido por
muitos incautos por aí. Em resposta a isso, mais uma vez o Doutor
Sensato teve de agir e disse: “Em que sentido a Igreja é santa? A
Igreja é santa, porque Deus Santíssimo é o seu autor; Cristo entregou-
se por ela, para a santificar e fazer dela santificadora; e o Espírito
Santo vivifica-a com a caridade. Nela se encontra a plenitude dos
meios de salvação. A santidade é a vocação de cada um dos seus
membros e o fim de cada uma das suas atividades. A Igreja inclui no
seu interior a Virgem Maria e inumeráveis Santos, como modelos e
intercessores. A santidade da Igreja é a fonte da santificação dos seus
filhos, que, aqui, na terra, se reconhecem todos pecadores, sempre
necessitados de conversão e de purificação”.

Também no mesmo documento encontramos outro erro: “A


Igreja, em Cristo, é como que o sacramento, ou sinal, e o instrumento
da íntima união com Deus, e da unidade do gênero humano”.

Mas contrariamente, nos ensina o Santo Concílio de Trento: "Se


alguém disser que os sacramentos da Nova Lei não foram todos
instituídos por Jesus Cristo Nosso Senhor, ou que são mais ou menos
do que sete, a saber, Batismo, Confirmação, Eucaristia, Penitência,
Extrema Unção, Ordem e Matrimônio, ou também que algum destes
não é verdadeiro e propriamente sacramento, seja anátema".

Ora, o linguajar ambíguo e perigoso do Concílio coloca a Igreja


“Como que” o que não faz uma afirmação direta que lhe daria caráter
de heresia pura e simples, — no entanto como a forma do Concílio é
assim mesmo — cheia de palavras com múltiplas interpretações —,
eles deixam apenas a afirmação com cheiro de heresia.

Além disso, dizer que a Igreja é sacramento seria apresentar um


oitavo sacramento. Com efeito, uma heresia pura e simples, — e dizer

47
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

que a Igreja é apenas "como que" sacramento, significa que ela não é
sacramento.

E eu poderia aqui colocar inúmeras falhas e erros grosseiros que


estão presentes nos documentos do Concílio, mas por agora são
suficientes esses exemplos para demonstrar que o Concílio não teve
caráter de infabilidade coisa alguma.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

48
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro lX: Do "Espírito do Concílio".

Muitos até hoje dizem a seguinte afirmação: "o Concílio Vaticano


II foi como que uma primavera na Igreja".

Mas contrariamente, digo que a Primavera tem por


característica essencial o fato de que as flores voltam a florescer e
trazem a beleza consigo, após um longo inverno que as fez cair das
árvores.

Ora, se o Concílio Vaticano II foi a primavera da Igreja, significa


então que para os que afirmam uma coisa dessas, antes a Igreja era
um Inverno e que com efeito, as pessoas viviam numa frieza da Fé.
Uma afirmação absurda!

O que significa dizer que os dois milênios de Cristianismo, a qual


teve uma multidão de mártires, de santos homens e santas mulheres,
— tamanho amor e dedicação de tantas pessoas que davam suas
vidas em Amor a Deus, a Santíssima e Santa Igreja. Ora, tudo isso era
feito por pessoas frias que não viviam o verdadeiro "Espírito" do
Catolicismo?

O que significa dizer que o Catolicismo Real e concreto só surgiu


com o Concílio Vaticano II. Isso só poder ser uma piada e espero que
seja um delírio mesmo, — pois se for uma afirmação real e concreta e
decisiva, trata-se de uma heresia do mais alto grau.

No entanto, coloquemos os ditos seguidores da Primavera da


Igreja ou do "Espírito do Concílio" como apenas pessoas
invencivelmente ignorantes.

Além disso, diz o próprio Paulo VI aos que acreditam no conto da


“Primavera da Igreja”: “A Igreja se acha numa hora inquieta de
autocrítica, dir-se-ia melhor de autodemolição. É como um
revolvimento agudo e complexo que ninguém teria esperado depois do
Concílio. A Igreja quase como se golpeia a si mesma”.

49
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Continua o mesmo: “Também na Igreja reina esse estado de


incerteza. Acreditava-se que depois do Concílio teria advindo um dia
de sol para a história da Igreja. Em vez disso adveio um dia nublado,
de tempestade, de escuridão”.

Dos Frutos do Concílio.

Destruição do significado da Santa Missa e a profanação da


mesma, destruição da unidade litúrgica, divisão dos católicos e o
surgimento de diversos grupos internos, secularização do clero,
indiferentismo religioso, dessacralização, abandono massivo das
vocações religiosas e sacerdotais, desvalorização total da Doutrina,
adoção do sentimentalismo, apostasia e migração do povo para as
seitas, etc.

Tudo isso foram os frutos do "Espírito" que em verdade foi um


espirito diabólico que de Santo não teve nada, pois só fez causar
divisão e desfalecimento da Fé do povo.

Além disso, o Concílio Vaticano II produziu três linhas a qual


possui diversas ramificações e subdivisões, a saber, os seguidores do
"Espírito do Concílio" que são os Modernistas e fundamentalistas do
Concílio. A segunda que está os seguidores da "Letra do Concílio"
que estão mais dentro da linha da "hermenêutica da Continuidade". A
terceira que está os ditos "Tradicionalistas" que rejeitam as inovações
do Concílio.

Diz o Doutor Sensato em seu discurso à Cúria Romana em 2005:


“Os problemas da recepção [do Vaticano II] nasceram do fato que
duas hermenêuticas contrárias se acharam em confronto e discutiram
entre si. Uma causou confusão, a outra, silenciosamente, mas sempre
mais visivelmente, trouxe e traz frutos”.

Ora, o Doutor Sensato é adepto da Hermeneutica da


Continuidade, no entanto, diz que existem basicamente duas posições
antagônicas que interpretam o Concílio.

Ele também diz que essas duas posições brigam porque ocorre
um problema de interpretação por parte de ambas, embora, a segunda

50
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

que parece se referir aos mais tradicionais, tenha trazido mais frutos
que a primeira que é dos ditos fundamentalistas.

Com efeito, se o Concílio tivesse sido claro, então não haveria


necessidade de ser interpretado e sim apenas seguido, ora, o que leio
no Santo Concílio de Trento ou Vaticano I é claríssimo, pois foram
concílios infalíveis e objetivos.

Ora, se o Doutor Sensato, afirma que o Concílio foi interpretado


errado, significa que ele não foi claro e tal afirmação tem grande
relevância, a saber, o fato de que, o que não é ensinado claramente
pela Igreja não possui o caráter de infalibilidade.

Ademais. — Com efeito, o que não é claro, não possui


obrigatoriedade do assentimento por parte dos fiéis que é a parte
dissidente a qual deve assentir com fé divina e católica no que for
infalivelmente ensinado pelo Santo Magistério, no entanto, o Vaticano
II não teve esse caráter de Autoridade, com efeito, recusar algo que o
Vaticano II ensine de forma ambígua ou estranha à Fé e Moral, — não
deve ser obedecida de maneira alguma.

Ademais. — É o caso do Ecumenismo e da Liberdade Religiosa


do Vaticano II que é ensinada, mas que não temos de seguir, pois vai
contra os ensinamentos infalíveis nos dados por Deus e pelo Santo
Magistério.

Dos fundamentalistas do Concílio ou adeptos da


"Hermenêutica da Ruptura".

Diz o Doutor Sensato: “A hermenêutica da descontinuidade


arrisca-se a acabar numa ruptura entre a Igreja pré-conciliar e pós
conciliar”. Com efeito, são condenados os seguidores do Espírito do
Concílio que fizeram e fazem de tudo para trazer novidades para a
Santa Igreja, novidades que cheiram a Heresia, em verdade, é pura
Heresia.

Além disso, diz o Doutor Sensato: "A Igreja precisa se opor às


'marés' de modismos e das últimas novidades". Com efeito, o Papa
demonstra repúdio aos ditos seguidores do "Espírito do Concílio" que
51
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

inclusive é seguido por muitos católicos tolos que me acusam de ser


"cismático".

Ora, camaradas, o Papa Bento XVI colocou vocês num grupo que
visa uma ruptura e que, com efeito, são cismáticos, quem é o
cismático agora em?

Dos Moderados e seguidores da "Hermenêutica da


Continuidade".

Diz o Doutor Sensato: “São todos temas de grande alcance -


eram os grandes temas da segunda parte do Concílio – sobre os quais
não é possível deter-se mais amplamente neste contexto. É claro que
em todos estes setores, que no seu conjunto formam um único
problema, podia emergir alguma forma de descontinuidade e que, em
certo sentido, se tinha manifestado de fato una descontinuidade, na
qual, todavia, feitas as diversas distinções entre as históricas
situações concretas e as suas exigências, resultava não abandonada
a continuidade nos princípios – fato este que facilmente foge à
primeira percepção. É exatamente neste conjunto de continuidade e
de descontinuidade em níveis diversos que consiste em a natureza da
verdadeira reforma”.

Ora, com efeito, o mesmo afirma que só à primeira vista, existe


uma aparente descontinuidade, mas que, se analisados os textos a
fundo, se comprovaria a continuidade doutrinária com a Igreja.

Com efeito, o Doutor Sensato afirma que embora o Concílio tenha


adotado uma linguagem diferente, a qual inclusive eu já disse que é
fruto da Filosofia Moderna —, de alguma forma a essência da Doutrina
de Sempre ainda está lá, mudando apenas os acidentes, a saber, o
fato de que a forma como é ensinado é diferente, mas essa forma
mantém a essência real do que sempre fora.

No entanto, ademais, aqui entra a problemática deixada pelo


Doutor Sensato. Se o mesmo admite que o Concílio foi de fato
ambíguo e que para isso necessita da "Luz da Tradição" para que seja
efetivamente interpretado, isso comprova o quanto esse Concílio foi
problemático, pois temos de utilizar da própria Tradição para
52
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

interpretar um Concílio que deveria fazer parte da Tradição! O que


inclusive quebra essa dita “Hermenêutica”.

Ademais. — Se é necessário que tenha uma luz que ilumine o


Concílio, significa que o Concílio é por si mesmo obscuro e que carece
de luz. Ora, toda verdade que vem do Santo Magistério possui a luz
que vem dos Céus. Se o Concílio necessita que algo o ilumine,
significa que o mesmo não faz parte da Luz dos Céus.

Não há como fazer malabarismo, é evidente, é factual que o


Concílio Vaticano II foi algo ruim e se foi ruim, não deve ser aderido.

Além disso, dizia o Professor Orlando Fedeli: "Para harmonizar as


duas doutrinas – a doutrina católica de sempre com a doutrina
conciliar, os seguidores da “letra do Concílio” dizem que é preciso “ler
o Concílio à luz da Tradição”. E dizendo isso, confessam que o
Vaticano II é obscuro e ambíguo, pois só o que é obscuro precisa de
luz, e só o que é ambíguo permite várias leituras, pois que, “in claris
non fit interpretatio”. E no que não é claro e no que é ambíguo, não há
obrigação de se crer com fé divina e católica".

Ademais. — Diz o Doutor Sensato enquanto ainda era Cardeal


em seu livro (Introdução ao Cristianismo: preleções sobre o Símbolo
Apostólico): "Mas algo que necessita de interpretação para continuar
existindo, na verdade, já deixou de subsistir. Com toda razão, o
espírito humano volta-se para a verdade mesma, e não para aquilo
que, pelo método da interpretação e lançando mão de desvios, ainda
pode ser declarado compatível com a verdade".

Com efeito, o próprio Doutor Sensato cai num beco sem saída em
sua proposta da "Hermenêutica da Continuidade". Segue o comentário
do Professor Orlando Fedeli em cima desse texto do Doutor Sensato:

"Ora, em seu Discurso à Cúria Romana, no dia 22 de Dezembro


de 2.005, Bento XVI condenou a interpretação do Vaticano II conforme
a “hermenêutica da descontinuidade”, que se conhece comumente
como a do “Espírito do Concílio. Mais. Ele afirmou que seria preciso
fazer a leitura dos textos do Vaticano II com base apenas em sua
letra. E que ainda não fora feita a recepção ou interpretação correta do

53
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Concílio. Mas, se o Concílio Vaticano II “necessita de interpretação


para continuar existindo, na verdade já deixou de subsistir”. Logo, o
Concílio Vaticano II “já deixou de subsistir” Um “magistério”
interpretável, então, não pode ser tido como verdadeiro magistério,
pois, segundo o Cardeal Ratzinger, ele não subsiste".

Com efeito, de fato se demonstra que o Concílio Vaticano II foi


uma confusão nunca vista antes na História da Igreja. Foi onde de fato
a Fumaça de Satanás entrou na Igreja, a qual o próprio Papa Paulo VI
admitia. Ora, João XXIII e Paulo VI foram os grandes responsáveis por
deixar que essa fumaça maldita entrasse num lugar Santo.

Foi o Papa Paulo VI que durante o Concílio cedeu e apoiou as


propostas que viriam causar uma tragédia absurda no povo de Deus,
foi quem aprovou o Missal Novo que em si não é herético, ademais,
eu já tratei da questão da validade da Missa Nova em outro texto que
pode ser encontrado em meu perfil pessoal ou site.

Ela é sim válida, no entanto, não convém ao Católico Apostólico


Romano que podendo ir à Santa Missa de Sempre participe. Ela pode
conter muitos elementos que a torna ilícita, pois, embora ocorra a
Transubstanciação numa Missa Nova devidamente celebrada, a
saber, que contenha a matéria, a forma, a intenção e o sacerdote
validamente ordenado.

No entanto, é verdade que também nela ocorre muitas


profanações que ferem o Sacratíssimo Coração de Nosso Senhor
Jesus Cristo, a saber, partículas da Sagrada Hóstia derrubadas no
chão e sendo pisoteadas — em decorrência da sacrílega comunhão
na mão.

A comunhão sendo dada por leigos, o que é um absurdo, pois, só


quem pode tocar na Hóstia é o Sacerdote; um altar que é mais uma
mesa que um altar propriamente dito, as mulheres servindo no altar e
que agora participam da Missa sem o véu.

O tratamento da Missa como se fosse uma ceia qualquer ou


reunião — o que é terrível; as músicas e expressões profanadas, e a
substituição do Sagrado Latim — pelas línguas vernáculas.

54
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ou seja, uma salada de heresias e profanações. Com efeito, só


deve participar da Missa Nova, se e somente se, não tiver a
possibilidade de ir à Missa de Sempre.

Além disso, não se deve esquecer que coisas estranhas no


Concílio aconteceram, a saber, o fato de que os Papas convidaram
hereges para participarem do Concílio —, o próprio Papa João XXIII
em nome das relações, para que tivesse a presença dos cismáticos no
Concílio, fez um acordo para que o Comunismo não fosse então
discutido e condenado.

Além disso, os adeptos do Espírito do Concílio e os "homens de


boa vontade" diziam que tratariariam dos problemas do "homem
contemporâneo", no entanto, não foram condenados os erros
modernos, as heresias e desgraças daquele período que possuem
efeitos até hoje. Ora, como pode um Concílio deixar de lado coisas
com tamanha importância?

A saber, o fato de que não foi falado do Modernismo, do


Liberalismo, do Comunismo, do Feminismo, do Laicismo, do
Indiferentismo, da Secularização e do Protestantismo e todos os
delírios.

Ora, não foram condenadas essas aberrações pelo fato de que o


Concílio permitiu a entrada de todos esses erros e heresias pudessem
entrar na mentalidade do povo: a fumaça de satanás. O Concílio por
via do vírus da Gnose se enfraqueceu e o magistério que foi então
adoecido como que por uma AIDS.

Com efeito, da imunidade baixa, desenvolveu-se então um


Câncer que se alastrou pelo Clero por via de um Modernismo mais
nocivo que qualquer outro — o que por sua vez adoeceu milhões e
milhões de pobres filhos da Igreja. Como vemos, o Concílio se
conformou com o Mundo Moderno regido pela "Religião do Homem".

Além do mais, também é nesse grupo dos “Malabaristas” que há


muitos que me chamam de Cismático ou “Rad-Trad”. Geralmente são
sujeitos que fazem uma mistura bisonha com uma tradição moderna e
com a Tradição, a qual incluem elementos do catolicismo oriental —,

55
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

utilizam às vezes frases de santos e fazem arqueologismo da


Patrística e agora aprenderam a utilizar de frases de Santo Tomás de
Aquino para justificar o Concílio.

O que não sabem é que o Mestre Angélico se escandalizaria ao


ver o que esse Concílio fez. Geralmente o ambiente de atuação
desses sujeitos é em páginas de Facebook onde travam uma batalha
contra os protestantes fajutos e ateus e enfrentam os terríveis “rad-
trads”.

Além disso, não nos esqueçamos das aparições da Santíssima


em La Salette e Fátima, onde a primeira dizia que Roma perderia a Fé
a qual não significa que a Igreja deixaria de ser Igreja conforme alguns
sedevacantes dizem por aí, mas trata-se de uma afirmação que de
fato Roma passaria uma crise de Fé absurda e foi o que se sucedeu
depois do Concílio.

A segunda pedia que o terceiro segredo fosse revelado no ano de


1960, ou seja, antes do Concílio, no entanto, o segredo não foi
revelado conforme o desejo da Santíssima. Ora, por que será que o
Segredo não foi revelado? Pois, tudo que aponta é que realmente se
tratava de nos alertar da Revolução e Apostasia que iria acontecer
depois dos anos 60.

A humanidade foi castigada por si mesma por via da Primeira


Guerra Mundial que abre uma nova era de guerras, as quais nunca a
humanidade havia presenciado tamanho poder de destruição e
barbarie.

No entanto, não foi suficiente e os homens não aprenderam — e


continuaram a dar costas a Deus e então veio uma Guerra ainda pior
que fez estragos nunca vistos antes na História Humana que foi a
Segunda Guerra Mundial — em escalas sem precedentes.

No entanto, ademais, os homens também não aprenderam e


então veio a Terceira Guerra Mundial ainda muito pior —, e essa
Guerra diferente das antecessoras que foram Guerras meramente
temporais, a qual atingia o Corpo. A terceira foi muito pior, pois atingiu
a Alma —, e não apenas a Alma, mas como desmantelou a Fé de

56
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

centenas de milhões de pessoas, essa Guerra foi o Concílio Vaticano


ll.

Vemos claramente que o Concílio fez ao máximo para que a


Igreja se conformasse com o Mundo. Ademais, o próprio Papa Paulo
VI admitiu que a Igreja adotou o culto do Homem em seu discurso de
encerramento do Concílio; uma afirmação deveras lamentável e senão
escandalosa:

"Reconhecei [ao Concílio] ao menos este mérito, vós humanistas


do mundo moderno que renunciais à transcendência das coisas
supremas, e saibais reconhecer o nosso novo humanismo: nós
também, nós, mais do que ninguém mais, nós temos o Culto do
Homem".

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

57
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro X: Do Papa Francisco e a gnose


"tradicionalista".

É deveras sabido que o Pontificado de Francisco é um desastre a


qual eu mesmo afirmo publicamente. Em decorrência da fraqueza do
Clero e das confusões absurdas geradas pelo Concílio, gerou-se uma
linha de pensamento que aos moldes da Gnose que considera que o
Homem tem uma semente divina que pode ser ativada mediante a um
“conhecimento” e também aos moldes do sistema gnóstico de Calvino
com sua doutrina herética e deturpada dos predestinados.

Muitos acabam por cair na tentação da Revolta Gnóstica,


ignorando o Mistério da Iniquidade: sedentos pelo imanentismo das
coisas e ao idealismo romântico; acabam que criando para si mesmos
uma nova “religião” a seita Sedevacantista: uma “Igreja” totalmente
Pneumática, sem o Papa, aos moldes do “desigrejismo protestante”
que aumenta em decorrência das cinco solas de Lutero: tendo em
vista que para eles a Igreja acabou no Concílio Vaticano ll.

Com efeito, sucede-se que são pessimistas e exclusivistas: ao


acreditarem que são os “punhados” que restaram do “verdadeiro”
Catolicismo e que nada mais pode ser feito.

Prosseguindo, para os Sedevacantistas, não há mais Igreja,


Roma para eles foi destruída, nenhum Papa que tivemos desde o
Concílio foi Papa, o Clero também foi totalmente destruído, com efeito,
até mesmo os Sacramentos perderam sua validade e licitude.

Alguns até possuem desdém da figura do Doutor da Caridade, ou


então utilizam de um espantalho dele para justificarem suas posições
de sedevacantistas. De fato, também é deveras necessário saber que
não há apenas um tipo de “Sedevacantismo”, mas há vários tipos, a
saber, extremo, moderado e sutil.

Ora, ainda que o Papa Francisco deixe muito a desejar, ele é o


Papa e não temos nenhum direito de questionar se ele é ou não o
Papa. Primeiro porque não temos Autoridade para tal e segundo
porque não temos provas reais e concretas do que se passa na

58
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

consciência do mesmo. Somente Deus enxerga e nós podemos


apenas condenar os atos, mas jamais dizer se aquele que comete o
ato errado, é de fato um Herege.

Quem fica dizendo se Francisco é ou não um Papa, comete o


mesmo erro do Maligno e Herege Martinho Lutero. Ora, se eu admito
que o Papa Francisco é Papa, com efeito, já estou fora do rótulo de
“sedevacante”.

Dizer que a Igreja pode ficar sem uma cabeça visível é uma
heresia absurda, onde a própria lógica existencial demonstra que tal
proposição é errônea. O sedevacantismo e todas suas espécies é
nada mais que uma gnose "tradicionalista".

Poder-se-ia dizer que: "Bergoglio não é Papa, o papado está em


vacância".

Mas contrariamente, digo que a Igreja é como que um corpo,


esse corpo possuí diversos membros, ora todo corpo tem uma
cabeça, um corpo não se sustenta sem uma cabeça: a remoção da
cabeça do corpo torna o corpo morto, pois é na cabeça que reside a
alma que vivifica o corpo, nenhum corpo vive sem uma cabeça, pois
um corpo sem cabeça que pudesse se sustentar seria uma aberração,
com efeito, afirmar que a Igreja é uma aberração trata-se de uma
blasfêmia.

Além disso, o remover a cabeça significa que o corpo há de cair,


ora a Igreja jamais pode tombar ou morrer, tendo em vista que o
Nosso Senhor nos prometeu a sua indestrutibilidade. Afirmar tal coisa
é negar a promessa de Nosso Senhor —, incorrendo em grave
Heresia.

Ademais. — Ensina o Santo Concílio Vaticano I: “Se, portanto,


alguém negar ser de direito divino e por instituição do próprio Cristo
que S. Pedro tem perpétuos sucessores no primado da Igreja
universal; ou que o Romano Pontífice é o sucessor de S. Pedro no
mesmo primado – seja excomungado”.

59
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ora, o Concílio é claro e objetivo, Dogma não se discute: apenas


deve ser aceito e obedecido. Não há possibilidade da interrupção do
Papado — e quem diz isso é um Herege. Ainda que os Papas pós-
conciliares tenham cometido erros graves, — eles foram papas e
ponto final.

A figura do Papa é necessária, pois é na figura do Papa que


Cristo fundou suja Igreja ao ter afirmado: "Tu és Pedro, e sobre esta
pedra edificarei a minha Igreja. E Eu te darei as chaves do Reino dos
céus. Tudo o que ligares na terra será ligado no céu. Tudo o que
desligares na terra, será desligado no céu. E as portas do Inferno não
prevalecerão contra ti".

Ademais. — A Igreja está edificada sobre a Pedra que é Pedro e


seus sucessores, com efeito, a figura do Papa é necessária, pois a
estrutura humana da Igreja está firmada na Rocha que é Pedro. Ora, a
ausência da Rocha, faz com que a estrutura tombe, em decorrência
da ausência da base. No entanto, como já demonstrado, a Igreja não
pode tombar.

Ademais. — A Igreja necessita sempre que haja uma cabeça


visível, pois é a cabeça o sinal da liderança, e nesse caso trata-se da
chefia suprema visível, com efeito, o Papado deve ser ato e não
potência.

Ademais. — A tese sedevacante diz que a cadeira de Pedro está


em vacância, no entanto isso significa afirmar que o Papado está em
potência, ou seja, que pode vir a ser ocupada por uma cabeça futura,
porém, não há possibilidade de um corpo sobreviver na potência de
existir uma cabeça nele, mas que se tenha a cabeça em efetivo, ou
seja, ato.

Além do mais, há uma problemática ainda maior, pois se o


Papado está em potência, significa que ele pode vir a ser Ato no futuro
com algum Papa, o problema é que a tese sedevacante afirma que em
decorrência do Modernismo que infectou o Clero, significa que todo e
qualquer Papa eleito pelo Colégio dos Cardeais seria então invalido,
tendo em vista que são todos hereges, pois seguem uma forma de

60
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

ordenação completamente nula. Ora, isso significa afirmar que as


portas do Inferno venceram —, o que é uma heresia.

Além disso, afirma o Doutor Consistente, a saber, Papa Pio XII


em sua Encíclica *Mystici Corporis no artigo 39): ”Não se julgue,
porém, que o seu governo se limita a uma ação invisível, ou
extraordinária. Ao contrário, o divino Redentor governa o seu corpo
místico de modo visível e ordinário por meio do seu vigário na terra.
Vós bem sabeis, veneráveis irmãos, que Cristo nosso Senhor, depois
de ter, durante a sua carreira mortal, governado pessoalmente e de
modo visível o seu "pequeno rebanho" (Lc 12,32), quando estava para
deixar este mundo e voltar ao Pai, confiou ao príncipe dos apóstolos o
governo visível de toda a sociedade que fundara. E realmente,
sapientíssimo como era, não podia deixar sem cabeça visível o corpo
social da Igreja que instituíra. Nem se objete que com o primado de
jurisdição instituído na Igreja ficava o corpo místico com duas
cabeças. Porque Pedro, em força do primado, não é senão vigário de
Cristo, e por isso a cabeça principal deste corpo é uma só: Cristo; o
qual, sem deixar de governar a Igreja misteriosamente por si mesmo,
rege-a também de modo visível por meio daquele que faz as suas
vezes na terra; e assim a Igreja, depois da gloriosa ascensão de Cristo
ao céu não está educada só sobre ele, senão também sobre Pedro,
como fundamento visível. Que Cristo e o seu vigário formam uma só
cabeça ensinou-o solenemente nosso predecessor de imortal memória
Bonifácio VIII, na carta apostólica "Unam Sanctam" e seus sucessores
não cessaram nunca de o repetir”.

Além do mais, se a Igreja ficasse sem uma Autoridade Suprema,


significa que haveria uma espécie de Anarquia, pois a ordem
pressupõe sempre o poder de uma Autoridade Suprema que a reja, a
saber, o Papa que é a figura que deve manter e zelar a Ortodoxia.
Com efeito, sabemos que a Igreja diferente das sociedades humanas,
é perfeita e não pode perder seu caráter Monárquico.

O Sedevacantismo cresce em decorrência da dificuldade das


pessoas compreenderem que há o Mistério da Iniquidade a qual
nenhum de nós tem como escapar. Ele é uma nova espécie de
Protestantismo, o proceder Sedevacante é muito semelhante ao
Modus Operandi dos Revolucionários e Hereges Lutero e Calvino.

61
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ademais. — Dizia o Doutor da Graça: "Era realmente necessário


que houvesse heresias, a fim de que os firmes na fé se distinguissem
dos fracos".

Ademais. — Dizia o Doutor Paternal, a saber, São João


Crisóstomo: "Suportemos generosamente todas as adversidades que
sobrevierem. Se Deus as permite, é porque são úteis para nós".

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

62
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro XI: Do Papa Iníquo.

A média ponderada das opiniões teológicas de grandes doutores


e sábios é que um Papa pode sim cair em Heresia: o que se comprova
pela História. Segundo que a Jurisdição desse Papa Herege
continuaria — o que se sucedeu na História. Em terceiro ele não
poderia ser deposto por nenhum poder na terra.

Com efeito, não poderia acontecer desse papa herege em vida


ser julgado como Herege por ninguém: nenhum Concílio ou conjunto
de Bispos e Padres teriam esse poder. Somente outro Papa que
poderia julgá-lo como herege — o que se sucederia depois da morte
do papa herético.

Conforme já afirmado: um Papa ainda que caísse em Heresia,


continuaria tendo todos os poderes de Papa — inclusive o carisma da
infalibilidade, quando a exercesse nas condições previstas pela Igreja.

Além disso, ainda que caísse na Heresia, continuaria a ser Papa


legitimo e sua jurisdição continuaria, pois como já dito: ninguém na
terra pode depor um Papa. Pois, o Papado deve ser ato e não
Potência: não pode estar em vacância.

Além disso, a vacância do Papado só acontece se e somente se,


um Papa morre — o que seria algo natural, no entanto, em seguida é
realizada a eleição de um novo Papa: é o único momento em que o
Papado volta a ser Potência e essa Potência existe, pois enquanto a
Vacância procede, há a Cabeça Suprema que é Cristo que mantém a
Igreja.

No entanto, como Cristo desejou que a Igreja tivesse uma cabeça


vísivel — logo há de retornar ao Ato com a eleição de um novo Papa,
pois nenhum corpo fica sem cabeça.

Ademais. — Um usurpador que tomasse o trono de um Reino,


ainda que ilegitimamente: teria os poderes plenos de rei, conquanto
que fosse uma autoridade ilícita e iníqua e suas ações também
substancialmente seriam inválidas em tese, pois o poder que ele

63
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

detém não lhe foi concedido legalmente —, mas na prática ainda que
fossem inválidas seriam efetivadas, pois ele obteve para si a
jurisdição.

Além disso, o mesmo estando no poder e tivesse apoio de outros


que o sustentasse como rei, não haveria quem o tirasse de sua chefia
ilícita, pois estaria acima de todos os poderes que lhe são inferiores,
com efeito, ninguém teria poder de remové-lo ainda que ele fosse um
usurpador e fosse totalmente lícito que mediante aos poderes
inferiores fosse deposto de sua cadeira, o que se sucedeu em muitas
sociedades durante a História: um poder superior foi removido
mediante a pressão dos números dos poderes inferiores.

No entanto, ademais, uma situação parecida não pode ocorrer na


Igreja, pois a mesma é uma sociedade perfeita, diferentemente da
ordem temporal, com efeito, um Papa ainda que herege: não teria
como ser removido de sua cadeira.

Pois nenhum Concílio, nem todos os Bispos do mundo em


conjunto com os Padres — teriam jurisdição no proceder de remover
um Papa iníquo do poder, com efeito, neste caso entrariamos na
questão da resistência ao Papa iníquo. No entanto, muitos optariam
pela obediência à iniquidade sob o pretexto de uma obediência
"virtuosa".

Pergunta-se: Como é possível que um Papa herege ainda que


esteja em heresia: o que significaria que ele estaria fora do Corpo
Místico e ainda assim possa continuar a exercer jurisdição e também
ter potência para obter o Carisma da Infabilidade, assim como o
mesmo: ser infalivel quando ensinar a Igreja de modo ex-cathedra?
Ora, isso se explica mediante a Promessa de Cristo: é prova de que
as portas do inferno não podem prevalecer o jamais sobre a Igreja.
Além disso, uma forma de se entender esse problema de como
um Herege que fora do Corpo Místico ainda possuí jurisição e, com
efeito, pode fazer a vontade de Deus estando em Heresia pura e
simples.

64
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Consiste-se em vermos o proceder do mundo dos demônios:


todos eles ainda que odeiem a Deus com todas suas forças e estejam
completamente banidos do Corpo Místico.
Ainda assim se Deus mandar que eles façam algo, ainda que a
contragosto — o fazem, igualmente se Deus mandar que eles não
façam algo, logo eles não farão.
Pois o proceder da Ordem Divina não pode jamais ser recusado
—, nem mesmo por àqueles que estão privados de qualquer Graça,
com efeito, tampouco por um Herege seria diferente. Eis aí que entra
mais uma vez o Mistério da Iniquidade.
Além disso, é também permitido que um Herege tenha jurisdição,
pois para cumprir a ordem de Provação e Punição, a saber, o fato de
que uma liderança iníqua força aos homens a tomarem escolhas que
por sua vez podem contribuir na Ordem da Graça, promovendo a
santificação ou a destruição de si mesmos por não quererem lutar pelo
Sumo Bem.
Além do mais, eis também do motivo de que o Concílio Vaticano ll
jamais poderia ter sido proclamado como Infalível, pois nem mesmo
os maiores e poderosos hereges teriam a permissão de Deus de
utilizar de um pretexo de Assistência do Espírito Santo na própria
Igreja para proclamar "Dogmas" falsos, utilizados para mentir e
enganar.
Com efeito, procedeu que o Concílio foi meramente pastoral e
falível, como prova indubitável e vísivel de que podemos continuar a
crer na Promessa de Nosso Senhor de que o maligno jamais há de
vencer a Esposa de Cristo.
Ainda que a Fumaça de Satanás tenha entrado na Igreja pela
brecha do Concílio, ela jamais terá o poder de destruir Roma Eterna,
mas apenas fazer muito estrago com o Povo de Deus.
Pois se assim procedesse: caso os hereges tivessem feito o
Concílio anunciando ele como Infalível e terem ensinado todos esses
erros que vemos, significaria que as portas teriam prevalecido, no
entanto, como já sabemos, — elas jamais podem vencer a Igreja, o
Inferno jamais vencerá a Santa Igreja.

65
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Com efeito, é necessário que aconteça tribulações para que


sejamos provados e castigados para que então sejamos moldados
para alcançarmos graus de perfeição necessários para que sejamos
santos.

Nesse período díficil e sombrio que vivemos: são muitos os que


em decorrência da tribulação ganham graças enormes por tamanho
amor e fidelidade ao Senhor e a Santíssima e a Santa Igreja.

Mas, também são muitos que optam pela cega fidelidade aos
homens — sob um pretexto de uma obediência a qual não visam o
objeto principal dela que é Deus.

São as mesmas pessoas que aceitariam sem questionar se


acaso tivesse um Papa Herege e decretasse algo contrariando um
Dogma: aceitariam com tranquilidade.

A questão é que a possibilidade de um Herege afirmar uma


heresia explicita é sempre pequena. Os hereges são muito
inteligentes, sabem que a heresia mais eficaz é aquela a qual as
pessoas aderem sem saber que é uma substância má.

Ora, não foi o que aconteceu com as propostas "inovadoras"


citadas durante o texto? Pelo Vaticano ll que possuem cheiro e sabor
de Heresia? Ademais, que são de fato heresias, mas ainda assim há
quem faça malabarismos impressionantes para dizer que não é,
quando tudo que podemos analisar a partir do que nos foi ensinado
pelo Santo Magistério, mostra que essas "inovações" são
heterodoxas.

Os malabaristas do Concílio acreditam que quando Nosso Senhor


disse que a Igreja jamais seria vencida pelas Portas do Inferno, isso
também significa que o Alto Clero jamais poderia professar heresias.

Ora, o Alto Clero só pode ensinar algo verdadeiro se e somente


se manifestarem atendendo certas condições que foram perfeitamente
ensinadas pelo Santo Concílio Vaticano l: fora dessas condições
podem emitir erros — e foi o que se sucedeu com o Concílio Vaticano

66
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

ll. Pois, não tiveram a assistência do Espírito Santo que movimenta a


Inteligência para o acerto e jamais para o erro.

O Papa Paulo VI ao conduzir os rumos do Concílio demonstrou


sua total incapacidade de julgar o que era bom e ruim. Com efeito, de
sua desastrosa liderança, a fumaça de Satanás entrou no Templo de
Deus a qual o mesmo admitiu.

Além disso, para quem ainda dúvida das Heterodoxias desse


Concílio, vemos o que o herege Jean Guitton que era amigo do Papa
Paulo VI em seu livro Retrato do Padre Lagrange dizia: "Quando releio
os documentos concernentes ao Modernismo tal como ele foi definido
por São Pio X, e que eu os comparo aos documentos do Concílio
Vaticano II, eu não posso deixar de ficar desconcertado. Porque o que
foi condenado como uma heresia em 1906 é proclamado como sendo
e devendo ser doravante a doutrina e o método da Igreja. Dito de
outro modo, os modernistas de 1906 me aparecem como sendo
precursores. Meus mestres faziam parte deles. Meus pais me
ensinaram o modernismo. Como pôde São Pio X repelir aqueles que
me aparecem agora como precursores?".

Ademais. — O Doutor da Ortodoxia que fora um Papa Santo


que teve um Magistério santo, já dizia que os piores inimigos da Igreja
estavam dentro dela. É tamanha inocência acreditar que dentro da
Hierarquia da Igreja não possua servos do Grande Bode.

Ademais. — Dizia o Doutor da Graça: "Não penses que as


heresias são fruto de mentes obtusas. É necessária uma mente
brilhante para conceber e gerar uma heresia. Quanto maior o brilho da
mente, maiores as suas aberrações".

De fato, essa questão é complexíssima e por vezes realmente


díficil de entender. É um assunto que merece um estudo a parte, no
entanto, o foco desse opúsculo não é esse.
O que se sucede é que é um Papa pode sim cair em Heresia,
mas continua a sua jurisdição e ele não pode ser deposto e, com
efeito, deve-se resistir ao mesmo — e participar do Mistério da
Iniquidade.

67
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

68
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Livro Xll: Se sou herege por não seguir o


Vaticano II.

Ora, como já foi mais que explicitado, esse Concílio não teve
caráter Dogmático, não teve caráter de Autoridade que obrigue que os
fiéis o sigam. Além disso, como já foi demonstrado o próprio Concílio é
recheado de erros, ora o erro não deve ser seguido, pois o erro não
tem direito.

Se resisto ao Concílio não se trata de uma desobediência má por


minha parte, mas de um ato necessário para que eu conserve a Fé
que me foi transmitida infalivelmente pelo Santo Magistério. Eu seguir
coisas que são contrárias à Fé e Moral me faz desobediente a Deus e
a Santa Igreja.

Ora, como posso aceitar que a Santa Missa seja tão profanada?
Como posso aceitar que leigos toquem na Santíssima Eucaristia e até
mesmo distribuir o Corpo e Sangue de Nosso Senhor, se foi decretado
que os leigos sequer podem tocar nos vasos sagrados?

Como posso aceitar ensinamentos grotescos nos documentos do


Concílio que vão de contramão aos ensinamentos anteriores do
Magistério? Aceitar um falso ecumenismo maçônico que conduz as
pessoas para a Perdição e igualmente o indiferentismo religioso
ensinado pelo Concílio.

Como possar aceitar a igualização entre clérigos e leigos, quando


sei que há uma grande distância entre um Sacerdote e um mero leigo
como eu? Como posso aceitar que haja sacerdotes que tenham
vergonha de se identificarem como tal, deixando de lado o uso da
Batina? Como posso aceitar que existam acolitas/coroinhas mulheres
servindo no altar? Como posso aceitar tantas coisas erradas?

Como posso participar de algo que tanto fere o Sacratíssimo


Coração de Jesus Cristo? Estaria eu sendo um rebelde por não querer
participar dessas obras infrutíferas?

69
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Seria eu um rebelde por recusar-se a fazer o errado? Seria eu um


herege por desobedecer a um Padre ou um Bispo ou até mesmo um
Papa se o que eles me ensinam é contrário ao que Deus e a Santa
Igreja decretaram?

Além disso, há quem possa me chamar de arrogante por querer


corrigir um superior clerical. Ora, se eu mostrar a verdade ao próximo
significa ser arrogante, então a Doutora do Conselho foi das mais
arrogantes pessoas do mundo. Pelo fato de que a mesma além de dar
conselhos a todo e qualquer tipo de pessoa, também os alertava de
seus erros.

Com certeza eu não sou rebelde, mas fiel ao meu Senhor e a


minha Santíssima Mãe e a minha tão amada Roma Eterna dos Santos
e dos Mártires.

Com efeito, poder-se-ia dizer eu não posso desobedecer ou


resistir a um Clérigo que me ensine algo errado.

Mas contrariamente, diz o Mestre Angélico: "Não se deve


obedecer a um superior contrariando um preceito divino".

Ademais. — Diz o Mestre Angélico: “Havendo perigo próximo


para a fé, os prelados devem ser arguidos, até mesmo publicamente,
pelos súditos. Assim, São Paulo, que era súdito de São Pedro, arguiu-
o publicamente, em razão de um perigo iminente de escândalo em
matéria de Fé. E, como diz a Glosa de Santo Agostinho, "o próprio
São Pedro deu o exemplo aos que governam, a fim de que estes
afastando-se alguma vez do bom caminho, não recusassem como
indigna uma correção vinda mesmo de seus súditos".

Ademais. — Diz o Mestre Angélico: "Nenhum preceito tem força


de lei a não ser por sua ordem ao bem comum.” – “Toda lei se ordena
para a comum salvação dos homens e somente daí tem força e razão
de lei, e, na medida em que falta a isso, não tem força de obrigar” .
Ademais. — Diz o Apóstolo: "Procurai o que é agradável ao
Senhor e não tenhais cumplicidade nas obras infrutíferas das trevas;
pelo contrário, condenai-as abertamente".

70
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ademais. — Conforme está escrito no Livro dos Atos dos


Apóstolos: "Mais importa obedecer a Deus do que aos homens".

Ademais. — Diz o Doutor Eclesiástico, a saber, São Roberto


Belarmino: São Roberto Belarmino: "Assim como é lícito resistir ao
Pontífice que agride o corpo, assim também é lícito resistir ao que
agride as almas, ou que perturba a ordem civil, ou, sobretudo, àquele
que tentasse destruir a Igreja. Digo que é lícito resistir-lhe não fazendo
o que ordena e impedindo a execução de sua vontade; não é lícito,
contudo, julgá-lo, puni-lo ou depô-lo, pois estes atos são próprios a um
superior”.

Ademais. — Diz o Doutor Exímio, a saber, Francisco Suárez: “Se


o Papa baixar uma ordem contrária aos bons costumes, não se há de
obedecer-lhe; se tentar fazer algo manifestamente contrário à justiça e
ao bem comum, será lícito resistir-lhe".

Ademais. — Diz o Papa São Felix lll: “É aprovar o erro não lhe
resistir, é sufocar a verdade não a defender. Todo aquele que deixa de
se opor a uma prevaricação manifesta pode ser tido como um
cúmplice secreto”.

Ademais. — Diz o Doutor Melífluo, a saber, São Bernardo de


Claraval: “Aquele que faz o mal sob o pretexto de obediência, faz
antes um ato de rebeldia do que de obediência”.
Ademais. — Diz o Doutor da Dedicação, a saber, São Francisco
de Sales: “Muitos se enganaram redondamente, os quais julgaram que
ela (a obediência) consistia em fazer a torto e a direito tudo o que nos
pudesse ser mandado, ainda que fosse contra os mandamentos de
Deus e da Santa Igreja".

Além disso, diz o Papa Leão XIII na sua encíclica (Libertas


Praestantissimum): "Suponhamos, pois, uma prescrição de um poder
qualquer que estivesse em desacordo com os princípios da reta razão
e com os interesses do bem público (e, com mais razão ainda, com os
princípios da Fé): ela não teria nenhuma força de lei..." E, um pouco
adiante: "Quando faltar o direito de mandar, ou quando a ordem for

71
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

contrária à razão, à lei eterna, à autoridade de Deus, então é legítimo


desobedecer – queremos dizer: aos homens – para obedecer a Deus”.

Ademais. — Diz o Monsenhor Brunero Gherardini: “Isso confirma


que o Vaticano II não pode definir-se como “dogmático” em sentido
estrito e que as suas doutrinas, não reconduzíveis às precedentes
definições, não são infalíveis e nem irreformáveis, e, portanto, elas
não são nem mesmo vinculantes: quem as negasse nem por isso
seria formalmente herege. Quem, depois, as quisesse impor como
infalíveis e irreformáveis caminharia contra o próprio Concílio”.

Ademais. — Diz novamente o Monsenhor Gherardini: “Há uma


só conclusão na qual não se erra: desejou-se um Concílio pastoral. E
somente pastoral”.

Além do mais, não custa lembrar o que o Doutor da Ortodoxia


disse em sua Encíclica (Pascendi Dominici Gregis): “E o que exige
que sem demora falemos, é antes de tudo que os fautores do erro já
não devem ser procurados entre inimigos declarados; mas, o que é
muito para sentir e recear, se ocultam no próprio seio da Igreja,
tornando-se destarte tanto mais nocivos quanto menos percebidos”.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

72
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Conclusão.

O Concílio Vaticano II foi uma tragédia na Igreja nunca vista antes


na História, se Santo Tomás de Aquino estivesse em nossos tempos,
ele se escandalizaria profundamente — com as “inovações” do
Concílio, igualmente o Doutor da Graça e o Doutor da Moral e outros
santos doutores.

Quem nega que o Concílio tenha gerado uma catástrofe está


cego, quem vai negar a dessacralização das coisas? Quem vai negar
a catastrofe feita no que é mais sagrado para nós que a Santa Missa?

Quem negará que a Missa Nova foi feita de tal forma que a Fé
Católica Apostólica Romana fosse ao máximo suprimida? Quem vai
negar a mudança absurda da forma de ser católico?

Quem negará o caráter completamente estranho do fato de que o


Concílio foi elogiado por hereges? Quem vai negar a apostasia e a
indiferença do povo Católico depois dos anos 60?

Quem negará a divisão absurda entre os católicos que se


sucedeu por causa das inúmeras vertentes criadas em decorrência
dos erros do Concílio?

Quem negará a diferença substancial entre o Santo Concílio de


Trento e o que o Vaticano II nos introduz de “novo”? Além disso, a dita
"Hermenêutica da Continuidade" utilizada hoje como que se fosse a
solução e explicação dos problemas do Concílio é na verdade é uma
falácia pura e simples para se desviar dos erros que são vísiveis é
puro malabarismo. Quanta cegueira e covardia! Quanta má vontade
de estudar, ler, ver e refletir!

Já dizia o Nosso Senhor: “Assim, toda a árvore boa produz bons


frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa
dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. Toda a árvore que
não dá bom fruto corta-se e lança-se no fogo. Portanto, pelos seus
frutos os conhecereis”.

73
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Todos nós somos chamados para o combate, cada geração de


Católicos deve enfrentar seus problemas de suas determinadas
épocas. O nosso problema hoje além de todos os males que nos
assolam desde sempre, é também algo que atingiu a parte interna da
Igreja, a saber, o Modernismo que é a síntese de todos as heresias
como bem definia o Doutor da Ortodoxia em sua Pascendi Dominici
Gregis — que se propagou com grande eficácia em decorrência das
brechas do Concílio Vaticano II.

Além do mais, não seja tolo de querer abandonar a Barca de


Pedro, por mais que tenhamos um Papa que deixe muito a desejar,
ele é o Papa, fique na Igreja, permaneça e seja forte, participe do
Mistério da Iniquidade, esteja aos pés da Cruz — no calvário junto à
Santíssima Mãe de Deus e aos bem-aventurados João e Maria
Madalena que ficaram com Cristo até a sua ida ao Pai.

O Concílio Vaticano II foi permitido para que sejamos provados,


para que sejamos forjados e moldados, há quem irá escolher
permanecer firme na Barca de Pedro, outros que permitirão que as
águas externas entrem nela e outros que irão se arremessar no mar
da perdição.

Que adotemos em nossas vidas o lema adotado pelo Magno


Papa São Pio X: “Restaurar todas as coisas em Cristo”. Façamos tudo
por ele e para ele, por que é em Cristo Jesus que encontraremos a
Salvação, e ele que é nosso Senhor e Salvador, nos deixou a sua
amada Esposa para nos conduzir a ele mesmo.

Que Nosso Senhor Jesus Cristo nos conceda graça para


suportarmos tamanhas tribulações, pois a vida de um Católico
Apostólico Romano é uma batalha contínua, não há paz para um
verdadeiro Cavaleiro de Cristo.

Que Nossa Senhora, a rainha de todas as graças, nos abençoe


por suas benditas mãos, e que por mais que haja problemas na Igreja,
nos foi prometido que as Portas do Inferno jamais prevalecerão, com
efeito, não tenhais medo, pois a Igreja jamais será derrotada pelos
seus inimigos.

74
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Rezemos e jejuemos pela santificação do Clero, do Papa, dos


Cardeais, dos Bispos, dos Padres, dos Diáconos, dos Religiosos e
Leigos do mundo inteiro. Assim como também rezemos para que os
hereges e cismáticos voltem à Santa Igreja. Rezemos pelos
pecadores, para que se convertam, enquanto há tempo.

Que a Santíssima Mãe de Deus nos ampare e nos ajude nesses


tempos sombrios, e tenhamos o apoio dos bem aventurados
Apóstolos Pedro e Paulo e todos os santos que não cessam de
interceder por nós.

75
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice A: Do espírito de enclausuramento dos


"tradicionalistas".

Também costumo fazer críticas ao posicioinamento enclausurado


dos membros da FSSPX, Resistência, USML, FSSP, IBP, etc (leigos e
eclesiásticos). Essa conduta de se fechar é ineficiente, não adianta
ficar reclamando da praga do Modernismo, e não ter ação. Boa parte
dos ditos tradicionalistas ficam fechados em seu círculos — e não
propagam a Santa Tradição aos que não estão inseridos nela.

É necessário que sejamos Cavaleiros de Cristo e levemos a


Verdade ao próximo. A vida de um Católico Apostólico Romano é uma
batalha que só se encerra com o último suspiro. De nada adianta ser
tradicionalista e não exercer o ofício que nos é dado por Deus que é
levar a Verdade para todos.

Não se combate os erros e as heresias, apenas lendo livros e


discutindo ideias entre amigos da Tradição. É necessário ter coragem,
postura, discernimento e vontade de agir. Do contrário, procede que a
Fé há de ficar fechada a pequenos grupos — o que lamentavelmente
acontece.

Como Católico Apostólico Romano eu desejo que todos estejam


dentro e servindo corretamente ao Nosso Senhor —, a Nossa
Santíssima Mãe e a Santa Madre Igreja.

No entanto, ademais, muitos gostam de se sentirem superiores


em relação aos demais, por terem algum nível de dicção na Tradição
e que, com efeito, agem como verdadeiros Fariseus, alguns inclusive
gostam da Crise, pois podem se destacar — o que é uma lástima.

Além do mais, também é notável que há mais mulheres na


Tradição que possuem uma conduta ativa na defesa da Fé do que
homens. Ora, ainda que seja ofício de ambos os sexos de levar a
Verdade ao próximo, no entanto, ademais, é exigido que os homens
sejam mais ativos que as mulheres — e não é o que acontece.

76
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Na maioria das vezes se encontram sujeitos mornos e passivos


—, o que é uma aberração, pois é ofício do Homem dar sua própria
vida por amor aos demais, — pois somos chamados para a Guerra.

Alguns utilizam de um absurdo pretexto de que sejam imitadores


de São José e que, com efeito, imitam sua postura silenciosa. Ora,
que absurdo utilizar do Glorioso São José para justificar uma conduta
covarde e passiva.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

77
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice B: Se é correto chamar a Missa


Tridentina de "Missa de Sempre".
"Se o homem reconhecesse o mistério da Santa Missa, no qual
Deus dá o seu Corpo e Sangue em sacrifício para os homens,
morreria de amor." Santo Tomás de Aquino

Respondo: O termo "Missa de Sempre" tem sua origem e


apropriação na Bula Quo Primum Tempore, onde o Papa São Pio V
canonizou este Rito, a qual chamamos de Tridentino por fazer
referência ao Santo Concílio de Trento que surgiu como resposta ao
movimento maligno de rebelião Protestante.

Continuando, afirma o Sumo Pontífice em sua Bula, no sexto


artigo: "A fim de que todos, e em todos os lugares, adotem e
observem as tradições da Santa Igreja Romana, Mãe e Mestra de
todas as Igrejas, decretamos e ordenamos que a Missa, no futuro E
PARA SEMPRE, não seja cantada nem rezada de modo diferente do
que esta, conforme o Missal publicado por Nós, em todas as Igrejas".

Com efeito, é daqui que se tira o termo "de sempre", pois, São
Pio V oficializou esse Rito como o Rito Comum da Igreja Latina que
deveria ser seguida a partir daquele momento até o fim dos tempos.

Pois, assim quis Deus que o inspirou a decretar isso. Além disso,
o Papa São Pio V diz: "Se alguém, contudo, tiver a audácia de atentar
contra estas disposições, saiba que incorrerá na indignação de Deus
Todo-poderoso e de seus bem aventurados Apóstolos Pedro e Paulo".
Com efeito, vê-se que ninguém tem direito de ofuscar a Santa Missa
no Rito Tridentino.

Ademais. — É também chamada de "Missa de Sempre" por um


outro motivo, a saber, a Missa Tridentina conserva o real significado
da Missa, que é sacrifício, é a renovação do sacrifício no Calvário de
forma incruenta.

Já as missas deturpadas em decorrência das falhas litúrgicas


devido ao novo Missal do Papa Paulo VI (que sequer é seguido). Com
efeito, a Missa cada vez mais perdeu seu real sentido, dando uma

78
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

imagem de mera reunião de congregados — uma ceia qualquer. Com


efeito, diz-se "de sempre" também por isso.

Ademais. — Não se trata de negar que há outros ritos, pois,


existem ritos muito mais antigos. A questão é que se deve saber a
origem do termo. A Missa Tridentina tem um corpus que foi se
desenvolvendo desde os tempos do Papa São Gregório Magno e que
ao longo dos séculos foi melhorando até atingir sua perfeição.

Foi quando o Papa São Pio V, codificou definitivamente o Corpus


da Missa e que ficou chamado por Rito Tridentino, por ter sido feito em
tempos do Santo Concílio de Trento para mostrar qual era o Rito que
de fato a Igreja seguia e que agradava a Deus.

Com efeito, é corretíssimo afirmar o termo "Missa de Sempre",


pois, Deus é colocado como centro de tudo e tem por expressão
definitiva de que aquilo que está sendo celebrado é de fato o Sacrifício
incruento do Divino Redentor no Calvário que se perpetua na História.

Ou seja, o Rito Tridentino é perfeitíssimo, pois, contém todos os


elementos da Tradição Perpétua, com efeito, é um Rito perfeito e
querido por Deus, que reflete a Fé Católica Apostólica Romana.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

79
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice C: A Obediência é sempre uma


Virtude?
Para alguns tolos, ser obediente é uma virtude sempre. Ora, é em
nome da obediência que as coisas mais abomináveis durante a
História foram feitas, quantos homens mataram pessoas inocentes só
por estarem cumprindo ordens?

A verdadeira obediência deve ser orientada visando um objeto


bom e não para um mal, se assim procede, torna-se um erro grave.
Com efeito, não se deve obedecer alguém que queira que você faça
um mal.

Ademais. — Quando se visa a alcançar um fim bom, esse fim


deve ser alcançado de forma sempre boa: do início ao fim. Pois, uma
ação concreta realizada que tenha um fim embora bom, mas que para
ter sido efetivada, teve meios ruins, já não é uma ação boa, mas uma
ação má.

Ademais. — Com efeito, os fins não justificam os meios. Já dizia


o Mestre Angélico: "Não se pode justificar uma ação má, com boas
intenções".

Em nossos tempos, muitos proclamam uma obediência cega


quando isso na verdade é péssimo e leva ao mal. Tudo que fazemos
tem consequências, sejam elas boas ou ruins.

Ainda que um filho deva obedecer ao seu pai por ordem das
coisas, só há um caso em que um filho não deva obedecer a seu pai,
é quando seu pai o está ordenando que ele faça algum mal. Pois, o
Homem deve obedecer ao Sumo Bem que é Deus — primeiramente
que os Homens.

Inclusive essa situação ocorre nos tempos trágicos em que


vivemos, onde em nome da obediência, Satanás e suas legiões cada
vez mais alastram suas malignas intenções: um verdadeiro "golpe de
mestre de satanás" como já dizia o Doutor da Caridade.

Obedecer cegamente não é uma virtude, em verdade, é uma


atitude típica de covardes e, portanto, errada. A obediência se deve ter

80
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

mediante ao objeto que ela se orienta, se for bom ela é virtude, se é


ruim, ela é errada.

Não se deve jamais obedecer a um superior que nos manda fazer


algo mal. Pois, sua pena diante de Deus por ter feito algo mal mesmo
que sendo "obrigado", não será anulada, ela até pode ser reduzida
mediante ao contexto, mas jamais anulada.

Ademais. — Sempre há como escolher, a questão é que a


maioria das pessoas são covardes suficientes para não enfrentarem
as consequências de terem desobedecido a uma pessoa má.

Ademais. — Existe uma hierarquia, ela existe para que a ordem


seja estabelecida, há os superiores e os inferiores, cabe aos inferiores
se submeterem aos superiores, para que a ordem seja efetivada e
haja harmonia.

No entanto, muitos que recebem do alto o poder de estar acima


dos demais, acabam que pervertendo as coisas e também
desrespeitam uma ordem que está acima deles, que é a Ordem
Divina. Toda operação humana deve ser orientada para a Suma
Ordem que é Deus.

Todas as coisas devem se orientar para Deus, e é ofício daquele


que está acima, ajudar o que está abaixo a agir de maneira a atingir
um bem. Com efeito, ao falhar nesse quesito, o superior gera
anomalias.

Assim procede se o mesmo exige de um inferior, algo que vai


contra a Ordem Divina, este embora tenha uma ordem acima, não
deve ser seguido, e quem o segue, prestará contas diante de Deus,
por ter escolhido obedecer alguém que infringiu a Lei Divina.

O mesmo ocorre se os inferiores não seguem os superiores que


estiverem seguindo a Ordem Divina, ocorrem anomalias. As coisas
devem sempre estar em conformidade; os superiores aplicam o que é
da Lei Divina, e os inferiores seguem.

Ademais. — Todos os santos de todos os tempos, preferiam a


prisão, a tortura e a morte a terem que fazer algo que um superior

81
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

humano deles os mandasse fazer, mas que fosse contra o que Cristo
os mandou fazer.

Ainda que um Papa, um Rei, um General, um Presidente, te


mandasse fazer algo contrário ao que Deus quer — você estaria
errado.

Sua obediência em respeito à hierarquia humana visível, seria


apenas uma fachada para esconder sua covardia de não ter tido força
e honra para combater os erros, os pecados, as heresias, os vícios e
todos os males que nos assolam.

Além do mais, alguns podem até citar frases de santos, como


São Pio de Pietrelcina que afirmava: "Onde não há obediência, não há
virtude".

Ora, obviamente que a obediência é uma virtude, concordo


plenamente com o que os santos dizem, no entanto, quando os santos
dizem da obediência, estão se referindo justamente da obediência que
tem por objeto o Sumo Bem, a qual chamamos, Deus.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

82
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice D: Do Ato de ser Católico.

Poder-se-ia dizer a seguinte afirmação: "basta que rezemos para


que as coisas sejam reparadas".

Mas contrariamente, digo que não adianta apenas rezarmos, é


necessário que tenhamos ação. A oração é Potência, a ação é Ato.
Ora, o que está em potência não será transformado em ato — se o
que está em potência estiver em repouso.

Com efeito, é necessário que haja movimento, a saber, a


passagem da potência para o ato.

O lema: "Reze e Trabalhe" É a mesma coisa, com efeito, o


Católico deve buscar força na Graça de Deus mediante a oração. Mas
ele deve efetivar essa graça mediante a sua ação efetiva. Nosso Bom
Deus nos chama para a guerra e não para uma postura passiva.

Além disso, há quem reze muito por nós que são os religiosos
que ganham para nós —, a graça que vem dos Céus que enriquece a
Igreja Militante. Já nós Leigos além de orarmos, temos de agir!

Ademais. — Um corpo em movimento tende a ficar em


movimento. No entanto, este movimento pode ser anulado se uma
força agir. Pois o movimento contínuo ocorre mediante a ausência de
uma força.

Ora, o mesmo ocorre se uma pessoa está em erro, ela tende a


ficar em erro. No entanto este erro pode ser anulado se surgir algo
que o cancele, a saber, a ação de uma pessoa que demonstre que ela
está errada.

Com efeito, o estado de erro é anulado mediante a ação de uma


força externa que neste caso é a outra pessoa que alertou do erro.

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

83
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice E: Fora da Igreja Católica não há


Salvação!
"O maior bem que podemos fazer a um homem é levá-lo à
Verdade." Santo Tomás de Aquino
Se eu desprezo as outras religiões?
Claro que sim, ora, são todas falsas, pois, só há uma única e
verdadeira Religião: um só Deus, um só Senhor, uma só Fé, um só
Batismo; o resto é tudo gnose, é tudo Antropoteísmo barato que leva o
Homem a Perdição Eterna.
Se eu fosse um canalha ou covarde, eu diria que não desprezo
as outras religiões em nome de um falso respeito que no fundo de
meu coração jamais poderia ter pelo que é falso.
A mentira é própria do Demônio, e se eu dissesse que respeito
algo que leva as pessoas ao Inferno, estaria eu cometendo um grave
pecado contra a Caridade.
Pois eu me aderi por completo à Verdade que é o Verbo Eterno
de Deus, que se fez Homem e viveu entre nós, ele que é o Cristo, que
fundou uma só Igreja, pela qual devemos caminhar e por meio dela,
alcançarmos a Salvação por via de seus Sete Sacramentos que foram
instituídos por ele mesmo.
Quem não estiver na Barca de Pedro, há de se perder para
sempre e ponto final, não tem discussão. Assim como os que estavam
fora da Barca de Noé foram mortos pelo dilúvio, mas quem estava
dentro foi salvo.
Eu como Católico Apostólico Romano tenho verdadeira vontade
de que as pessoas ao meu redor sejam salvas, e com isso, utilizo de
meu débil Intelecto, mas suficiente para mostrar o que é a Verdade.
Com efeito, eu argumento e mostro as evidências e as provas
concretas, do porque a Igreja Católica Apostólica Romana é a única
Religião verdadeira.
Sim, eu tenho respeito à pessoa com quem converso, sou
sempre cordial mesmo com pessoas que não são de minha Religião,
no entanto, nunca em nome de um "bom mocismo"; irei me calar

84
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

diante do fato de que a outra está numa falsa religião e que, portanto,
corre risco de se perder eternamente, nunca irei me calar para
defender a Verdade.
Foram dezenas de milhões de Homens e Mulheres que deram
suas próprias vidas ao longo da História, para que hoje pudéssemos
professar todos os Domingos na Santa Missa, o Credo, portanto,
honre-o com toda sua força, pois é o Credo que expressa a Fé
Católica Apostólica Romana! A Fé de dois mil anos, a Fé de Ontem,
de hoje e de Sempre!
Lembre-se dos milhares de mártires que se recusaram a acender
uma vela para um falso deus, e com isso, ganharam a morte terrena,
mas, ganharam a Vida Eterna, por terem sido fiéis ao Verdadeiro e
único Deus, que foi revelado na pessoa de Cristo.
Aqueles que possuem Deus ao lado, não devem temer o que o
mundo, os hereges e todos os que estão fora da Igreja e até mesmo
lastimavelmente dentro dela podem fazer contra nós que escolhemos
o Amor.
Acaso sou um Intolerante?
Ora, claro que sim! Sou Intolerante com o que é errado, com que
é falso, com o que é contrário a Deus. Acaso estou sendo um radical?
Para este mundo eu sou. Para os católicos modernos é muito radical
ter uma postura como a minha, mas prefiro ser "radical" e estar ao
lado de Deus, que "moderado" e estar ao lado do Grande Bode.
Minha postura é exatamente a mesma a de todos os bons
católicos de 20 séculos, mas tornou-se uma posição vista como
errada, pelos católicos modernos. Que se mergulharam no
indiferentismo religioso, no laicismo, no bom mocismo, no conto da
igualdade e dignidade das "religiões".
São vítimas dos processos nefastos que ocorreram
principalmente pela grande Heresia Protestante que inaugurou um
relativismo nunca visto antes na História, que foi amplificado e
otimizado pela Revolução Francesa, por via da Maçonaria maldita, e
que aos poucos foram modificando a estrutura social e de pensamento
humano.

85
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Desgraçadamente, todas as sementes malditas foram


condensadas numa só desgraça a qual chamamos, Modernismo, que
em conjunto com as nefastas concepções trazidas das Revoluções ao
longo dos séculos, entraram com força na mentalidade pós Concílio
Vaticano II.
Que inaugura uma era de relativismo, uma era de "diálogo", uma
era onde pessoas acreditam que podem servir a dois senhores, uma
era que as pessoas acreditam que precisam unir-se as trevas para
mostrar a luz.
Lembra-te do que o Senhor Nosso Deus nos disse no Evangelho
segundo São Mateus: "o Reino dos Céus é arrebatado à força e são
os violentos que o conquistam". Ora, acaso achas que pode entrar nos
céus, sem ser um "Radical"?
Em verdade, apenas aqueles que verdadeiramente Honram ao
Senhor e, com efeito, não temem as reações do mundo e das pessoas
por simplesmente pregar a Verdade, hão de herdar o Reino dos Céus.
Então, pense, acaso está Honrando ao Senhor como deveria?
Acaso está o amando com toda sua força, acima de tudo e todos?
Temes mais perder essa vida que a outra Vida? Temes mais estar em
inimizade com os homens que com Deus?
Toma cuidado! Pois, se assim prosseguir em tua vida, no dia em
que estiver no Tribunal do Senhor, serás apartado do Senhor e
chamado de maldito, e então, haverá choro e ranger de dentes,
conforme a Revelação.
Com efeito, a santidade é algo que deve ser desejada por todos
nós, fomos feitos para Deus e nele é que encontraremos o nosso
repouso definitivo.
Não te enganes que ser santo se consiste em ser "bonzinho e
bobinho" que passa a mão na cabeça dos erros, que respeita tudo e
todos, que só faz filantropia, ser santo é fazer a Vontade de Deus, é
ser verdadeiro, é ser corajoso é ser sempre fiel a Deus!
Com efeito, aquele que optar pela santidade, há de desagradar o
mundo e os homens e principalmente os demônios que farão de tudo
para fazer ele desistir e com isso, há de sofrer.

86
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Então escolha, o caminho da Cruz que te leva a Deus, ou


caminho do prazer mundano que te leva à perdição. Eu escolhi a Cruz
e com isso, já sofro com seu peso tão grande em minha vida, mas por
mais que eu sofra em decorrência disso.
Meu Amor por Deus é maior e me faz querer jamais abandonar
essa via estreita. Lembre-te do que o Nosso Senhor nos disse: "Negue
a ti mesmo, tome tua cruz e me siga".
"Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da
terra, de todas as coisas visíveis e invisíveis. Creio em um só Senhor,
Jesus Cristo, Filho Unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos
os séculos: Deus de Deus, luz da luz, Deus verdadeiro de Deus
verdadeiro, gerado não criado, consubstancial ao Pai. Por Ele todas
as coisas foram feitas. E, por nós, homens, e para a nossa salvação,
desceu dos céus: e encarnou pelo Espírito Santo, no seio da Virgem
Maria, e se fez homem. Também por nós foi crucificado sob Pôncio
Pilatos; padeceu e foi sepultado. Ressuscitou ao terceiro dia,
conforme as escrituras; E subiu aos céus, onde está sentado à direita
do Pai. E de novo há de vir, em sua glória, para julgar os vivos e os
mortos; e o seu reino não terá fim. Creio no Espírito Santo, Senhor
que dá a vida, que procede do Pai e do Filho; e com o Pai e o Filho é
adorado e glorificado: Ele que falou pelos profetas. Creio na Igreja
una, santa, católica e apostólica. Professo um só batismo para
remissão dos pecados. Espero a ressurreição dos mortos; E a vida do
mundo que há de vir. Amém."
Essa é a minha Fé, a verdadeira Fé que me foi revelada, que
defenderei com a própria vida.
Deus quer que todos sejam salvos, mas nem todos hão de ser
salvos, pois, miseravelmente preferem ouvir suas próprias ilusões a
terem que ouvir a Verdade.
Com isso, faça o que ele disse, leve a Verdade ao máximo de
pessoas que puder, salvemos Almas, e repito o que o Mestre Angélico
dizia: "Levar a verdade aos homens é o maior benefício que se pode
fazer aos outros".
“Fora da Igreja é possível tudo, exceto a salvação. É possível ter
honras, é possível ter sacramentos, é possível cantar aleluias, é
possível responder amém, é possível possuir o Evangelho, é possível

87
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

ter fé no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo, é possível


pregar; mas em nenhum lugar senão na Igreja Católica, é possível
encontrar a salvação.” Santo Agostinho
"A Igreja Católica é tão perseguida porque assim foi também
perseguido o seu Divino Fundador, e porque reprova os vícios
combate as paixões e condena todas as injustiças e todos os erros."
Catecismo de São Pio X

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!
88
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Apêndice F: Deus, a Igreja, a Família e a Pátria:


dos objetivos e deveres.

Esse texto é uma resposta aos muitos apostolados de Família e


Matrimônio que agem em páginas e grupos que cometem erros
crassos que ferem a Fé e Moral nos ensinadas pela Santa Igreja
Católica Apostólica Romana, erros que rompem com a Ordem querida
por Deus.

Com efeito, não posso permitir que as pessoas adiram ao erro


por causa de uma boa intenção de defender a célula mãe de uma
sociedade que é a Família, mas que essa boa intenção por vezes vem
recheada de erros e heresias que passam despercebidos por muitos
que se encantam com o belo tema que tanto amo que é a Família.

"Assim como todos os homens desejam naturalmente conhecer a


verdade, também é inerente aos homens o desejo natural de evitar os
erros e de refutá-los quando tiverem essa capacidade." Santo Tomás
de Aquino

Deus que é Amor em sua infinita bondade e sabedoria criou todas


as coisas vísiveis e invísiveis do nada. Ele é Ato Puro, ou seja, nele há
a plenitude de todas as qualidades e nada lhe falta —, distribuiu então
a sua Glória como que por meio de um Prisma.

Com efeito, sua Luz Infinita foi refratada e então distribuida em


escalas, dando às coisas criadas, diferentes graus de perfeição, com
efeito, as coisas foram feitas desigualmente ordenadas e
hierarquizadas contendo nelas diferentes tipos de qualidades que
Deus possui em Ato.

Tudo que há é hierarquizado, pois a Hierarquia é necessária para


que se tenha Ordem; o inferior deve-se submeter ao superior.

Eis do motivo da Santíssima, a qual chamamos de Maria, ser a


mais perfeita de todas as criaturas, pois ela foi quem mais recebeu a
Luz Divina que concedeu à ela o máximo de qualidades que algo
criado poderia ter.

89
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Com efeito, ela é a criatura mais próxima de Deus, pois quanto


maior a qualidade de algo, mais próximo de Deus esse algo está, e
Maria Santíssima é quem mais obteve os graus de perfeição.

Logo se sucede que na escada das coisas, temos de seguir a


seguinte ordem: Deus, Igreja, Família e Pátria. Com efeito, pode-se
resumir em: Deus, Família e Pátria.

Ora, o que é mais superior? A Igreja ou a Família? Com certeza a


Igreja, pois a Igreja é a Mestra da verdade e Esposa de Nosso Senhor
Jesus Cristo. A Santa Igreja nos concede a Sã Doutrina e os
Sacramentos que são necessários para a salvação.

A Família por si só não pode ser salva se ela não colocar a Igreja
acima dela mesma. Pois a família não pode aplicar os Sacramentos
em si.

Ora, colocar a Família num nível maior que a Igreja — é uma


espécie de idolatria da esposa ou do marido — o que ocorre muito em
nossos tempos.

A Esposa de fato conduz o Homem para Deus, pois ela é a prova


vísivel de seu amor pelo Homem. No entanto, ela só é Auxiliadora do
Homem e não a salvadora dele. Só podemos ser salvos por causa de
Deus.

Como obtemos essa Salvação? Diz o Mestre Angélico, a saber,


Santo Tomás de Aquino: "Três coisas são necessárias para a
salvação do homem: saber o que deve crer, saber o que deve desejar,
saber o que deve fazer".

Ora, o saber no que crer é a Fé a qual nos é dada por Deus


mesmo, no entanto, só podemos saber "no que crer" mediante a
Revelação que nos é dada pela Santa Igreja por via da Sã Doutrina.
Em segundo, o "que esperar" que é a Esperança Sobrenatural que
também nos e dada por Deus.

Em terceiro, a "Caridade" que é a forma vísivel de nossa Fé que


também nos é dada por Deus, no entanto, para que cheguemos à
Caridade — além obviamente da Graça de Deus, é necessário que

90
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

saibamos como operar e esse saber se dá mediante ao conhecimento


que obtemos pela instrução da Coluna e Sustentáculo da verdade a
qual chamamos Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Além disso, a Santa Igreja é aquela que aplica os Sacramentos


que são os canais vísiveis da salvação — e que foram instituidos por
Deus mesmo para que então possamos ser salvos, a saber, Batismo,
Eucaristia, Confissão, Crisma, Ordem, Matrimônio e Extrema-Unção.

A qual, o Batismo, a Confissão e a Eucaristia são absolutamente


necessários para sermos salvos e a Família em si não pode aplicar
para si mesma esses sacramentos para obter a santificação e
salvação, ora é necessário então que a Família esteja na Igreja.

Com efeito, também é por via dos Sacramentos que podemos


aumentar a nossa Fé, Esperança e Caridade, e consequentemente
mais próximos de Deus — podemos estar.

Ademais. — A Inteligência que coordena todas as famílias em


conjunto voltadas para o Bem Comum é a Igreja que é o poder
Espiritual, a qual detém o poder de instruir as inteligências, educando-
as para que sejam dignas dos Céus e para que busquem o Bem
Comum.

Ademais. — Assim como o Homem deve ser a cabeça e o chefe


do lar —, igualmente é necessário que o conjunto das famílias que
vivem em um determinado espaço, — a qual podemos chamar de
sociedade ou pátria. Devem se submeter a uma cabeça para que
possam atingir a excelência.

Ademais. — É na cabeça que reside a Inteligência e isso é que


nos faz capazes de Contemplar a Deus mesmo que é a nossa
finalidade última.

Ademais. — Por isso a Esposa e os Filhos devem-se submeter


ao Homem, pois é a cabeça que guia o corpo para excelência. Eis da
necessidade do Homem ser Virtuoso, pois, se não for, não poderá
guiar a Família para Excelência a qual se divide em duas espécies, a
saber, a excelência Transcendental (Espiritual) que é a Salvação e a
excelência Imanente (Material) que é a Boa Vida.

91
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

A sociedade virtuosa é aquela a qual todas as famílias se voltam


para Deus. No entanto, em nossos tempos de apostasia, as famílias e
os governos já não querem mais se submeter a Deus e a Igreja. Com
efeito, a iniquidade reina.

Além disso, o Santo Matrimônio é antecipação do eterno


casamento com Deus, no entanto, esse casamento só é possível se o
Marido e a Mulher se submeterem a algo que os levem para Deus.
Ora, esse algo é o que chamamos de Igreja que por sua vez nos leva
direto para Deus mesmo.

Por isso, fora da Igreja Católica não há salvação, com efeito,


aplica-se também o fato de que na Família em si não há salvação,
mas tem potência para ser salva, mas para que ela possa vir a ser
salva é necessário que a potência se torne ato, ou seja, tornar a
potência efetiva.

Com efeito, ela deve seguir a Ordem das coisas que nos foi dada
por Deus —, a Igreja é uma sociedade perfeita e toda sociedade
perfeita é capaz de Deus.

Além do mais, não nos esqueçamos de que a Igreja é uma


instituição Humana-Divina —, o que significa que está conectada ao
Reino dos Céus — e a Igreja atualmente se divide em três espécies, a
saber, a militante que é onde estamos, a padecente que são aqueles
que estão no Purgatório e a Triunfante que é onde está os bem-
aventurados contemplando a Deus mesmo.

No entanto essas três espécies faz parte de uma só unidade a


qual caminha para uma realidade futura e objetiva que será a Igreja
Triunfante quando se estabelecerá definitivamente por completo no
Fim dos Tempos.

Logo, a Igreja Católica Apostólica Romana está acima da Família,


pois uma Família forte é aquela que se submete a Deus e a Igreja e,
com efeito, podem atingir sua finalidade que é voltar para o Pai
Eterno.

92
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Da Família e a Ordem.

A finalidade do Matrimônio que é Sacramento indissolúvel onde


realmente ocorre uma união efetiva entre o Homem e a Mulher que se
tornam uma só carne é a Família que por sua vez deve retornar a
Deus.

Com efeito, Deus deu ao Homem e a Mulher a capacidade de por


meio do Ato Sexual que é a expressão do Amor entre ambos — que
só é permitido dentro do Matrimônio.

Para que então tenha o cumprimento da dupla-finalidade


estabelecida, a saber, a Procriativa que é gerar novas vidas e a
Unitiva que é o exercício do Amor entre o casal que em outras
palavras também seria o aplacamento da concupiscência, pois o
Homem e a Mulher são seres sexuais.

A Mulher deve santificar o seu Marido e o mesmo também deve


santificar sua Esposa. O Homem é um Motor, mas para que o Motor
funcione é necessário que haja algo que o faça funcionar que neste
caso é a Energia a qual chamamos Mulher.

Ambos possuem deveres conforme já dizia o Apóstolo, a saber,


São Paulo: "O marido cumpra o seu dever para com a sua esposa e
da mesma forma também a esposa o cumpra para com o marido".

Ora, aqui o Apóstolo se refere a dois tipos de deveres: o primeiro


é o dever afetivo a qual se encaixa o Amor entre ambos —, a qual
entra a necessidade da amizade, da atenção, do carinho, das relações
sexuais, etc.

Em segundo, o Apóstolo se refere aos deveres de ordem de


Provisão, a saber, do fato de que o Homem deve sustentar e proteger
seu lar — e a Mulher vivificar e cuidar desse lar.

Ora, de nada adianta o Homem sustentar e proteger o lar, mas


não dar Amor à sua Mulher e Filhos. O mesmo ocorre com a Mulher
que cuida do lar —, mas não dá afeto ao Marido.

93
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Como sempre digo: "O Amor que se vivencia no Santo


Matrimônio, onde o Marido tem a certeza do Amor de sua Esposa por
ele e vice-versa, é a antecâmara da visão beatífica".

Nota Adicional: Não confunda a Igreja com as decisões


individuais dos clérigos que estão fora do âmbito dogmático. Não se
deve se submeter a um clérigo — ainda que esteja numa posição
superior em relação a nossa, se ele estiver infringindo uma Lei Divina
ou Lei da Igreja.

A submissão que a Família deve ter para com os Clérigos é


mediante ao exercício da repetição do Magistério Infalivelmente
Decretado e Anunciado dentro das questões de Fé e Moral e no caso
do Papa —, quando se anuncia obedecendo às quatros condições
Vaticanas.

Com efeito, obedecer no que estiver certo, a saber, o fato de que


se um Padre ou um Bispo ou até um Papa nos ensina algo correto,
temos de obedecer, pois estão nos ensinando algo que nos move para
Deus. No entanto, se ensinarem algo que não é —, não devemos, pois
estariamos nos afastando de Deus.

O mesmo ocorre no seio familiar: a Esposa não deve obedecer a


seu Marido se o mesmo lhe ordenar que faça algo que fere a Deus.
Assim procede com os filhos, assim procede com a Família diante de
um Governo iníquo.

No entanto, ainda que um pai ruim ordene algo de errado, ele


continuará sendo marido daquela mulher e pai daqueles filhos.

Com efeito, eis da necessidade da Mulher não escolher para si,


um Homem que no futuro possa lhe conduzir ao mal —, e assim
também serve ao Homem que na maioria das vezes tende a ouvir
mais a Mulher que a si mesmo.

Com efeito, toma decisões tolas mediante ao fato de rejeitar sua


própria autoridade e responsabilidade, — assim como foi Adão que
aceitou do Fruto Proibido das mãos de Eva — sem questioná-la.

94
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Além do mais, tomemos, por exemplo, a afirmação do Filósofo, a


saber, Aristóteles que dizia que a Virtude está no meio. Com efeito,
dar valor mais a Igreja não significa que você deve deixar de cumprir
suas obrigações enquanto Pai, Marido ou Esposa, Mãe.

Devem-se equilibrar as coisas, a tal ponto que uma não atrapalhe


a outra. Conforme já dizia o Filósofo: "É ofício do sábio ordenar as
coisas". Com efeito, o Homem sábio é aquele que ordena as coisas
para Deus, o sábio é aquele que leva a sua Esposa e Filhos para
Deus mesmo.

O Homem que ama sua Família é aquele que deseja e faz com
que ela alcance o Bem Supremo que é Deus, no entanto, também
deseja e faz com que ela alcance o Bem Imanente que é dar a ela e a
eles uma Boa Vida que é quando se têm o conforto e a segurança.

Pois há quem dê muito mais atenção à Igreja que a própria


Família e Deus não quer que você negligencie tua Família, — ele quer
que você saiba dar valor aos dois, e ver nos dois a suas finalidades e
especifidades.

Ou seja, seja servo da Igreja, mas também de sua Família. Tudo


que fazemos tem por dever o seguir o objetivo final que é voltar todas
as coisas para Deus.

"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ave, Maria, gratia plena, Dominus tecum; benedicta tu in mulieribus, et


benedictus fructus ventris tui, Jesus. Sancta María, Mater Dei, ora pro
nobis peccatoribus nunc et in hora mortis nostrae. Amen!

95
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

Ó Santíssima Mãe de Deus, és a plenitude da Graça, és a fonte de toda


Beleza, és a predileta de Deus que depositou em ti tantas glórias.
Ó Mãe gloriosa e bendita, tua Beleza me move para Deus, quão agradável
é tua existência, quão agradável é ser teu filho.
Ó Santíssima Rainha dos Céus, és a Mãe de meu Senhor, és Perpetuamente
Virgem, és Imaculada, és assunta de Corpo e Alma, és a Medianeira de
todas as Graças.
Ó Maria Santíssima, tua luz dissolve todas as trevas que me acercam, nada
é mais sublime que tua Beleza Celeste.
Ó Maria Santíssima, nem mesmo cem mil supernovas simultâneas são
capazes de gerar tanto brilho, quanto um segundo de tua presença.
Ó Santíssima, tudo que falo é incapaz de descrever a tua celeste glória.
Ó Maria Santíssima, queria eu poder mostrar a todos o quão és digna de ser
amada.
Ó Santíssima, clamo a ti que sempre eu esteja sob o vosso manto, peço-lhe
Mãe bondosa que és, para que me ensinais como ser efetivo no meu amor
por Deus.
Ó Santíssima Mãe de Deus que tens um docílimo Coração, peço que sejais a
minha salvação!

96
"Restaurar todas as coisas em Cristo." Papa São Pio X

"O Supremo Império Romano, quando conquistava povos,


era de costume que os imperadores ou generais forçassem que
os líderes desses povos conquistados: se curvassem diante do
império representado pelo imperador ou general. No entanto,
ademais, o mesmo supremo que fazia povos se curvarem diante
dele, curvou-se diante da Cruz de Cristo. Igualmente se
sucederá com todos os pecados e heresias que existem; serão
dizimados pelo triunfo eterno de Nosso Senhor Jesus Cristo e da
Gloriosa e Bendita Sempre Virgem Santíssima que esmagará
todas as heresias." Vinicius Martinez

97