Você está na página 1de 2

Escola de Arquitetura/UFMG

Rua Paraíba, 697- Funcionários - 30.130-140 - Belo Horizonte/MG


Fone: (31) 3409-8830 - Fax: (31) 3409-8818

COLEGIADO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE DESIGN

DISCIPLINA ACR 042 – Estética


Departamento(s) responsável(eis):
Análise Crítica e Histórica da Arquitetura e do Urbanismo
Eixo estruturante: Área de Humanas
Classificação: [ X ] Obrigatória [ ] Optativa
Carga horária: 45 horas Créditos: 3
Pré-Requisitos: [ X ] Não [ ] Sim
Período (caso seja obrigatória): 1o período

Ementa:

Introdução às noções gerais sobre a filosofia estética desde a antiguidade clássica.


Destaca as principais contribuições teóricas e suas articulações com a criação artística,
a arquitetura, o design e a cidade. Conceitos contemporâneos da filosofia estética,
enfatizando as suas repercussões e condicionamentos teóricos na experiência artística
e suas inovadoras linguagens.

Bibliografia básica:

ADORNO, T.W. Teoria Estética. Lisboa: edições 70. 1982.


OSBORNE, Harold, Estética e Teoria da Arte. Editora Cultrix, 1983. 283p.
FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. Editora Cosac Naify, 2007, 224p.
BAYER, R. História da Estética. São Paulo: Cultrix, 1979.
BENJAMIN,W. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. São Paulo: Brasiliense, 19885.
HEGEL,G.F.W. Estética: a idéia e o ideal. São Paulo: Abril Cultural, 1974(Os pensadores XXX, 83-209.)
HEIDEGGER,M. A origem da obra de arte. Lisboa: edições 70, 1989.

Bibliografia complementar:

ARNHEIM, R. Arte e Percepção Visual. São Paulo: Pioneira, 1984.


BENSE, M. Pequena Estética. São Paulo: Perspectiva, 1975.
BRONOWSKI, J. Arte e Conhecimento. Lisboa: edições 70, 1983.
CALABRESE, O. A Linguagem da Arte. Rio de Janeiro: Globo,1986.
CHIPP, H.B. Teorias da Arte Moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

4
Versão para consulta.
Objetivo:

- Discutir algumas das principais contribuições da filosofia estética e do pensamento ocidental acerca do belo e
das artes desde a antiguidade até os dias atuais;
- Identificar e estudar pensadores, textos e produções mais importantes, relacionando-os na história;
- Ler com os alunos criticamente esses textos e produções, orientando-os à crítica e à produção de
conhecimento a partir deles;
- Estudar importantes trechos de tratados artísticos na história;
- Preparar o aluno para a discussão estética relacionada às artes e ao design, na história e na
contemporaneidade;

Conteúdo:

Unidade 1 – Grécia antiga: as origens do pensamento acerca do Belo


A Grécia e a descoberta do Belo
A concepção mágica e mítica da beleza arcaica e a concepção matemática e racional da beleza clássica
O surgimento da filosofia e do pensamento racional a respeito do belo
A natureza como modelo de imitação
Socrátes, Platão e Aristóteles – a sistematização da Retórica e da Poética e sua importância para as artes até
o século XVIII

Unidade 2 - Renascimento
O humanismo italiano e a reinvenção da antiguidade greco-romana
A concepção matemática e proporcional da beleza
A descoberta da perspectiva e seu papel nas artes
O amor e a concepção da beleza no Renascimento: Leonardo da Vinci e Michelangelo

Unidade 3 – A retórica barroca


A concepção da beleza como “formosura adequada” no período chamado Barroco.
Retórica e persuasão, decoro, engenho e eficácia, a rica preceptiva das artes nos séculos XVII e XVIII
A adaptação das normativas do belo eficaz na colônia brasileira e em Minas Gerais

Unidade 4 – Romantismo e idealismo alemão


O nascimento propriamente dito da Estética como ciência do Belo (Baumgarten)
Kant e a crítica da faculdade de julgar
A assimilação de categorias como o sublime e o pitoresco nas artes

Unidade 5 – Modernidade – Temas para trabalhos e seminários dos alunos


John Ruskin e Willian Morris
Friedrich Nietzsche, Apolo e Dioniso. A música e o nascimento da tragédia
A escola de Warburg e a história da arte
Adorno e Walter Benjamin, a escola de Frankfurt
As novas ciências da relação do homem com as artes. A fenomenologia de Husserl e Merleau-Ponty e o
existencialismo de Heidegger
O pensamento situacionista
Derrida, Deleuze e Guatarri
A erotização da experiência artística contemporânea
O humanismo renovado na experiência do corpo

5
Versão para consulta.